APRENDIZADO, BEHAVIORISMO E PROPAGANDA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "APRENDIZADO, BEHAVIORISMO E PROPAGANDA"

Transcrição

1 APRENDIZADO, BEHAVIORISMO E PROPAGANDA DUARTE, Leopoldo e VASCONCELLOS, Nathália 1 Resumo: O presente artigo tem como objetivo indicar alguns dos possíveis usos em estratégias de propaganda, dos conceitos desenvolvidos por analistas do comportamento humano e seu condicionamento. Após uma breve introdução aos conceitos desenvolvidos pela corrente da psicologia comparativa do behaviorismo mencionaremos alguns dos usos dessas teorias aplicadas ao condicionamento dos hábitos do consumidor. Palavras-chave: behaviorismo; publicidade; comportamento do consumidor. O behaviorismo é um ramo da psicologia baseado no conceito de persuasão como definido por Aristóteles na Grécia Antiga. A teoria behaviorista defende que é possível condicionar o comportamento de seres humanos e animais a partir de estratégias de condicionamento de estímulos exteriores, como sinais sonoros ou até pequenos choques. John Broadus Watson é considerado o fundador da teoria behaviorista e defendia que a conduta (ou comportamento) dos indivíduos é tão passível de observação, controle e previsão como o objeto de outras ciências, naturais e exatas. Porém, um teórico behaviorista mais conhecido e utilizado por pensadores da psicologia do consumo chamado Ivan Pavlov, que através de experimentos com animais, mostrou a possibilidade de condicionamento do comportamento destes. Adestrando-os a sentir fome através de determinado estímulo provocado. A teoria behaviorista nos diz que o reflexo (ou instinto) é uma conduta inata, uma resposta do indivíduo não pré-condicionada enquanto o comportamento (behavior, em inglês) se dá quando o indivíduo está condicionado por algum estímulo exterior (RIES, 2006, p ). 1 Alunos regularmente matriculados no terceiro período do curso de Publicidade e Propaganda da Universidade Federal Fluminense sob a orientação da Profª. Drª. Arlete Eni Granero. 1

2 A publicidade tem como objetivo primário captar uma necessidade do cliente e direcioná-la a um produto específico, torná-la desejo (KOTLER; ARMSTRONG, 2007). Ou seja, a atividade publicitária tem como tarefa estimular consumidores em potencial a agir de um modo específico: efetuar a compra de dado bem ou serviço apresentado. Procuraremos então entender como a publicidade utiliza conceitos behavioristas para apresentar uma necessidade (existente ou não), condicionar a saciedade dessa necessidade com o bem ou serviço oferecido e gerar uma resposta a esses estímulos fazendo com que a compra seja efetuada. O objetivo deste trabalho é investigar as relações da técnica publicitária com as técnicas de condicionamento comportamental (behavior) proposto pela teoria behaviorista da psicologia. Pretendemos observar como algumas peças publicitárias utilizam princípios da persuasão aristotélica e de conceitos da teoria behaviorista para influenciar o comportamento de consumidores e afetar os estímulos necessários para que a compra seja efetuada. A metodologia utilizada nesse trabalho será a de revisão bibliográfica. Após apontar alguns itens das teorias behavioristas e de aprendizado associativo pertinentes aos objetivos do trabalho exemplificaremos o seu uso em técnicas de promoção a partir de alguns exemplos coletados através da experiência empírica. 1 O objeto de estudo behaviorista O cientista Baum (1999, p ) conta a história do behaviorismo como parte da discussão sobre o status de cientificidade da psicologia, que como muitas outras - como a astronomia, física, química, biologia - tiveram origem na filosofia. Confiantes de que para ser objetiva a psicologia deveria evitar qualquer introspecção e apenas fazer constatações e observações relativas aos comportamentos das outras pessoas (WEITHEIMER, 1989, p ). Alguns cientistas como os russos Ivan Pavlov e Vladmir Bechterev assumiram uma posição contra o estudo do consciente (e inconsciente) e se dedicaram à descrição e análise do comportamento de animais e humanos por fatos 2

3 observáveis como as suas reações ser um método de estudo mais próximo dos de outras ciências e menos subjetivo. Baum (1999) aponta dois movimentos da psicologia que marcam essa busca por métodos de pesquisa mais respeitado pelas outras ciências: a psicologia objetiva que enfatizava a observação e a experimentação, alguns seguiram os estudos sobre aprendizagem, associação e condicionamento desenvolvido por Pavlov; e a psicologia comparativa que defendia uma origem comum entre os seres vivos que poderia ajudar a entender o comportamento humano. John Watson, fundador do behaviorismo, concordava com as idéias da psicologia comparativa e acreditava que se era possível empregar observações objetivas para compreender os processos psicológicos de animais o mesmo poderia ser feito com seres humanos (WETHEIMER, Ibidem, p.151), mas discordava da ênfase dada ao consciente animal e de analogias entre animais e seres humanos. Watson acreditava que a incapacidade da psicologia se tornar uma ciência de verdade era porque o estudo da consciência era pouco confiável e muito dependente de especulações sobre indivíduos. O objeto da psicologia deveria ser o comportamento objetivamente observável por ser mais defensável sobre a ótica cientificista (BAUM, 1999, p ). 2 O behaviorismo de Watson No sistema proposto por Charles Watson o objetivo da psicologia era descrito como a atividade e a conduta humana e animal e a meta da psicologia devia ser prever o comportamento, formular leis a seu respeito e controlá-lo. O psicólogo Michael Wertheimer credita o sucesso do behaviorismo watsoniano, pelo menos em parte, à ideologia política americana de que todos os homens foram criados iguais e qualquer um poderia conseguir êxito. Para o behaviorismo watsoniano o principal método da psicologia deveria ser o estudo do reflexo condicionado e o condicionamento do comportamento era a chave para a compreensão do comportamento e seu 3

4 potencial era considerado ilimitado (WERTHEIMER, p ). Baum (1999, s/p.) aponta para o fato de que: Na idéia de que é possível uma ciência do comportamento está implícito que o comportamento, como qualquer objeto de estudo científico, é ordenado, pode ser explicado, pode ser previsto desde que se tenham os dados necessários, e pode ser controlado desde que se tenham os meios necessários. Chama-se isso determinismo, a noção de que o comportamento é determinado unicamente pela hereditariedade e pelo ambiente. Essa linha de pensamento que diz que as ações do homem são determinadas de acordo com fatores hereditários e com o ambiente (sóciocultural) em que o indivíduo está inserido seria uma visão que excluiria a idéia de livre-arbítrio defendido pela maioria das sociedades judaico-cristãs. Baum (1999) argumenta que pela impossibilidade dos cientistas preverem de maneira infalível o comportamento humano, assim como a inexistência de tal livrearbítrio essa questão acerca do comportamento humano é descrita como um mistério. A seguir apresentaremos uma das teorias sobre o condicionamento comportamental desenvolvida pelo behaviorista mais conhecido depois de Watson, o também norte-americano Burrhus Frederic Skinner, responsável pelo o que é conhecido como behaviorismo radical que definia o comportamento de maneira estritamente operacional condicionada através do reforço (WERTHEIMER, 1989, p.159). 3 Uma teoria de aprendizado pós-watsoniana Dentro da psicologia e da pedagogia, há duas vertentes que dividem o aprendizado em: associativo e cognitivo. Este artigo abordará somente os estudos do aprendizado associativo. 4

5 Na vertente associativa, Burrhus Frederic Skinner, baseado nas descobertas de Pavlov, expandiu os estudos do behaviorismo watsoniano - que se baseiam no comportamento observável - para a idéia de aprendizado (como mudança no comportamento manifesto). Segundo ele, a resposta a um determinado estímulo é condicionada ou adquirida. Desde então, a escola associativa entendeu que a associação entre um estímulo e uma resposta ocorre quando há conexão entre os dois e que a repetição dessa associação é fundamental para o processo de aprendizagem (GADE, 1998). O surgimento de novas associações está relacionado com as necessidades dos indivíduos, ou seja, está relacionado a "estímulos internos ou externos que direcionam o indivíduo para a ação." Estas necessidades podem ser primárias ou instintivas, como a fome, e secundárias ou aprendidas, como comer cereais. Portanto, se ambas as necessidades aparecerem de forma conectada e repetidamente em todo desjejum, por exemplo, haverá um aprendizado associativo ou um condicionamento ligado a fome e/ou produto no desjejum (Idem, Ibidem). 4 O aprendizado associativo usado na propaganda Segundo Gade (1998), existe grande controvérsia sobre até que ponto a propaganda e outros tipos de promoção conseguem persuadir o consumidor a usar produtos de que não tem necessidade ou que não deseja. Há teóricos do comportamento que dizem que não é possível ensinar indivíduos a gostar e a consumir produtos que elas não desejam. Por outro lado, os estudiosos da aprendizagem mostram, através de pesquisas com animais, que é possível ensinar o indivíduo a gostar de um produto que não gostava e não necessitava. O estudo do aprendizado e a análise das necessidades dos consumidores tornam-se úteis, do ponto de vista da propaganda, já que este permite verificar como se estabelece a preferência pelas marcas na cabeça do consumidor. Ainda segundo a autora um indivíduo muito sedento, num verão tropical, poderá aprender com facilidade o nome do refrigerante com o qual saciou a sua sede. Baseados nesses estudos, os publicitários conseguem direcionar de forma otimizada a 5

6 comunicação de forma que a sua marca esteja presente na cabeça do consumidor, quando este tiver alguma necessidade primária. Alguns exemplos de utilização dessa teoria como ferramenta publicitária é a produção de outdoors, cartazes de rua e anúncios em veículos de massa. Dessa forma, os profissionais de propaganda e marketing acreditam que o consumidor, ao entrar numa loja terá visto recentemente um anúncio de um determinando produto, o que o deixaria estimulado a optar por ele, mesmo que o consumidor não tenha a necessidade ou não deseje esse produto (GADE, 1998). Há estudos que comprovam que para o sucesso da aprendizagem do consumidor em relação a marca desejada é indispensável a constante (re)apresentação da marca através de propagandas. De acordo com esses estudos, as propagandas devem ser contínuas para que não sejam esquecidas ou substituídas a logo prazo (KASSARJIAN; BENNET, 1980). 5 As teorias comportamentais a serviço da propaganda John Watson após alguns anos no academicismo mudou de carreira e começou a trabalhar em uma grande firma de publicidade de Nova York. A ele é atribuída a respeitabilidade do uso do cigarro pelas mulheres. Wertheimer (1989) menciona um anúncio da marca Lucky Strike que foi executada, com sucesso, por vários anos onde a frase de efeito era Pegue um Lucky em vez de um doce. Com toda a imagem de glamour associada ao uso feminino de cigarro demonstrada por estrelas do cinema hollywoodiano esta campanha pode ter sido bem-sucedida por, devido também a repetição, pelo posicionamento do cigarro como um substituto de engordativos doces. Giglio (2005, p. 85) diz que os estímulos anteriores a compra pretendem levar a pessoa a comprar (nem que seja uma vez só) enquanto que os estímulos posteriores condicionam o comportamento, ou seja, pretendem fazer com que as pessoas continuem a comprar após a primeira vez ou aumentem a freqüência da compra. O autor destaca que essa segunda compra só poderá ser 6

7 motivada caso seja sucedido de uma recompensa importante para o sujeito ; e aponta que todas as promessas de prêmios, presentes e brindes seguem essa mesma estrutura do estímulo primário ( eliciador ) e do estímulo secundário ( reforçador ). As propagandas funcionariam então, principalmente, como um primeiro estímulo convidativo a compra já que atualmente o primeiro contato de um indivíduo com um produto passa pelas campanhas publicitárias que posicionam a marca e identificam seus potenciais compradores, enquanto que as estratégias de venda do marketing, como brindes, seriam responsáveis pelo condicionamento. Sendo que uma mudança no posicionamento da marca pode fazer com que esta perca fiéis consumidores e/ou selecione outros novos que se identificam mais com esse novo posicionamento. Considerações Finais Apesar de experiências bem-sucedidas do condicionamento do comportamento do consumidor Giglio aponta que o estímulo reforçador muda não só em questão de tempo, como de categoria e importância (GIGLIO, 2005, p. 46) o que significa que ao longo do tempo, repetidas vezes, tal iniciativa de estímulo poderia ficar mais cara para o produtor e menos eficiente. Assim como a utilização de um mesmo posicionamento, sem nenhum outro valor agregado, pode fazer com que os consumidores que não são realmente fiéis a marca e se identificam com ela percam o interesse ou acabem descobrindo uma identificação maior com outro posicionamento de outra marca. Baum (1999) diz que é necessário que o comportamento do indivíduo esteja aberto à influência e persuasão, no caso do discurso publicitário, para sofrer condicionamento e gerar hábitos de consumo. No entanto em momentos de crise e mudança como casamentos, nascimentos, separação as pessoas são obrigadas a rever todos os seus hábitos como as suas rotinas de trabalho/estudo; seus costumes; suas referências sociais; o tempo e práticas de lazer; e entre outros os hábitos de consumo, o que faria com que as pessoas estivessem em 7

8 constante trânsito de segmentos de mercado o que impossibilitaria a determinação dos hábitos de consumo de uma pessoa para o resto de sua vida. Embora os métodos e ideais behavioristas impliquem numa negação do livre-arbítrio acreditamos que esse determinismo implícito não é totalitário e que ao transcorrer da vida de cada indivíduo novas necessidades, de consumo ou não, são modificadas e cabe ao consumidor identificar e priorizar tais necessidades, sendo impossível que haja algum tipo de manipulação determinante por parte das atividades de promoção/divulgação de produtos que submetam pessoas a adquirilos de forma condicionada e impensada. Referências BAUM, W. M. Compreender o behaviorismo: ciência, comportamento e cultura. Porto Alegre: Artmed, GADE, Christiane. Psicologia do consumidor e da propaganda. São Paulo: EPU, KOTLER, Phillip; ARMSTRONG, Gary. Princípios de Marketing. São Paulo: Pearson Prentice Hall, KASSARJIAN, Harold e BENNET, Peter. O Comportamento do consumidor. São Paulo: Atlas, GIGLIO, Ernesto Michelangelo. O comportamento do consumidor. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2005 RIES, Bruno Edgard.. Condicionamento respondente: Pavlov. In: Jorge La Rosa. (Org.). Psicologia e Educação: Significado do aprender. Porto Alegre: EdiPucRS, WERTHEIMER, Michael. Pequena história da psicologia. São Paulo: Nacional,

A IMPORTÂNCIA DA PROMOÇÃO DE VENDAS PARA A FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES. BORGES, Pedro Gabriel Teixeira Santos e CARNEIRO, Carla Maria Bessa 1

A IMPORTÂNCIA DA PROMOÇÃO DE VENDAS PARA A FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES. BORGES, Pedro Gabriel Teixeira Santos e CARNEIRO, Carla Maria Bessa 1 A IMPORTÂNCIA DA PROMOÇÃO DE VENDAS PARA A FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES BORGES, Pedro Gabriel Teixeira Santos e CARNEIRO, Carla Maria Bessa 1 RESUMO: Esse estudo tem como objetivo mostrar a importância da promoção

Leia mais

Aprendizagem. Liliam Maria da Silva

Aprendizagem. Liliam Maria da Silva Liliam Maria da Silva O Consumidor como um ser aprendiz A aprendizagem é um processo de adaptação permanente do indivíduo ao seu meio ambiente, onde acontece uma modificação relativamente durável do comportamento

Leia mais

COMO A PROPAGANDA FUNCIONA?

COMO A PROPAGANDA FUNCIONA? COMO A PROPAGANDA FUNCIONA? Definição: a manipulação planejada da comunicação visando, pela persuasão, promover comportamentos em benefício do anunciante que a utiliza. Funções: cabe a propaganda informar

Leia mais

O NASCIMENTO DAS CIÊNCIAS HUMANAS

O NASCIMENTO DAS CIÊNCIAS HUMANAS O NASCIMENTO DAS CIÊNCIAS HUMANAS Aranha, M. L. de A. &, M. H. P. (1986). Filosofando: introdução à filosofia. São Paulo: Moderna (185-194). 1. Introdução Ciências humanas: Surgimento no final do séc.

Leia mais

COORDENAÇÃO DO CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL

COORDENAÇÃO DO CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL Disciplina: CRIAÇÃO PUBLICITÁRIA I Código: HT/OC 261 Curso: Comunicação Social Publicidade e Propaganda Pré-requisito: não tem Natureza: Semestral Carga horária: Aulas teóricas: 30 horas-aula Aulas práticas:

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Federal do Ceará Pró-Reitoria de Graduação PROGRAMA DE DISCIPLINA. 1. Curso: Comunicação Social 2.

Ministério da Educação Universidade Federal do Ceará Pró-Reitoria de Graduação PROGRAMA DE DISCIPLINA. 1. Curso: Comunicação Social 2. Ministério da Educação Universidade Federal do Ceará Pró-Reitoria de Graduação PROGRAMA DE DISCIPLINA 1. Curso: Comunicação Social 2. Código: 12 3.Modalidade(s): Bacharelado X Licenciatura Profissional

Leia mais

Psicologia no Gerenciamento de Pessoas

Psicologia no Gerenciamento de Pessoas Psicologia no Gerenciamento de Pessoas Capítulo 3 Behaviorismo, o controle comportamental nas organizações Profª. Márcia Ms. Regina Márcia Banov Regina 3 1. A escola Behaviorista Escola norte-americana.

Leia mais

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes Unidade IV Marketing Profª. Daniela Menezes Comunicação (Promoção) Mais do que ter uma ideia e desenvolver um produto com qualidade superior é preciso comunicar a seus clientes que o produto e/ ou serviço

Leia mais

Interatividade UniNorte 1

Interatividade UniNorte 1 Interatividade UniNorte 1 Anne Caroline BARROS 2 Francisco BARBOZA 3 Heverton PAULA 4 Igor SANTOS 5 Eudóxia Pereira da SILVA 6 Márcio Alexandre dos Santos SILVA 7 Centro Universitário do Norte (UniNorte),

Leia mais

Projeto Integrado de Comunicação Do Bem Sucos Integrais: Peça de Mídia Impressa Recado do Bem 1

Projeto Integrado de Comunicação Do Bem Sucos Integrais: Peça de Mídia Impressa Recado do Bem 1 Projeto Integrado de Comunicação Do Bem Sucos Integrais: Peça de Mídia Impressa Recado do Bem 1 Amanda DIAS 2 Ana Carolina SACCOMANN 3 Beatriz REBELO 4 Bruna CLARA 5 Isabela SANTOS 6 Nathalia COBRA 7 Antonio

Leia mais

8.02.00.00-1 LETRAS PRESENÇA DE MODELOS TEÓRICOS EM UM CURSO DE FORMAÇÃO CONTÍNUA Giovanna Roggi

8.02.00.00-1 LETRAS PRESENÇA DE MODELOS TEÓRICOS EM UM CURSO DE FORMAÇÃO CONTÍNUA Giovanna Roggi 8.00.00.00-2 LINGUÍSTICA, LETRAS E ARTES 8.02.00.00-1 LETRAS PRESENÇA DE MODELOS TEÓRICOS EM UM CURSO DE FORMAÇÃO CONTÍNUA Giovanna Roggi Curso de Letras Faculdade de Filosofia, Comunicação, Letras e Arte

Leia mais

Disciplina de Psicologia B 12 o Ano Turma A

Disciplina de Psicologia B 12 o Ano Turma A Disciplina de Psicologia B 12 o Ano Turma A Resolução da Ficha Formativa de Trabalho de Grupo nº1 1 Desde a antiguidade que a psicologia era entendida, morfologicamente, como no estudo da alma e da mente,

Leia mais

O USO DA METÁFORA NOS SLOGANS

O USO DA METÁFORA NOS SLOGANS O USO DA METÁFORA NOS SLOGANS CARNEIRO, Carla Maria Bessa e STANCATO, Francine Teles 1 RESUMO: Este estudo tem como objetivo mostrar a eficácia da metáfora nos slogans para a construção de um anúncio.

Leia mais

PROJETO DE COMUNICAÇÃO INTEGRADA PARA SMTUR 1

PROJETO DE COMUNICAÇÃO INTEGRADA PARA SMTUR 1 PROJETO DE COMUNICAÇÃO INTEGRADA PARA SMTUR 1 Ingrid Kecorius dos Santos ESCOBAR 2 Maria José da Costa OLIVEIRA 3 Faculdades Integradas Metropolitanas de Campinas, Campinas, SP RESUMO O projeto de comunicação

Leia mais

Plano de Ensino. Identificação. Câmpus de Bauru. Curso 1903N - Comunicação Social: Relações Públicas. Ênfase

Plano de Ensino. Identificação. Câmpus de Bauru. Curso 1903N - Comunicação Social: Relações Públicas. Ênfase Curso 1903N - Comunicação Social: Relações Públicas Ênfase Identificação Disciplina 0003245A - Publicidade e Propaganda Docente(s) Vinicius Martins Carrasco de Oliveria Unidade Faculdade de Arquitetura,

Leia mais

Resolução da Ficha de trabalho de grupo 12

Resolução da Ficha de trabalho de grupo 12 Resolução da Ficha de trabalho de grupo 12 1. A aprendizagem é um processo cognitivo que, numa perspetiva psicológica, consiste em modificar, de forma estável, o comportamento, ou o conhecimento, através

Leia mais

Estratégias de Comunicação

Estratégias de Comunicação Prof. Edmundo W. Lobassi A propaganda é parte do marketing e uma das ferramentas da comunicação. Uma boa estratégia de marketing não garante que a campanha de propaganda será boa, mas é condição essencial

Leia mais

Considerando que a pesquisa mercadológica é uma ferramenta de orientação para as decisões das empresas, assinale a opção correta.

Considerando que a pesquisa mercadológica é uma ferramenta de orientação para as decisões das empresas, assinale a opção correta. ESPE/Un SERE plicação: 2014 Nas questões a seguir, marque, para cada uma, a única opção correta, de acordo com o respectivo comando. Para as devidas marcações, use a Folha de Respostas, único documento

Leia mais

TÍTULO: NEUROMARKETING: UMA NOVA FORMA DE FAZER PROPAGANDA. CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS

TÍTULO: NEUROMARKETING: UMA NOVA FORMA DE FAZER PROPAGANDA. CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS TÍTULO: NEUROMARKETING: UMA NOVA FORMA DE FAZER PROPAGANDA. CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE DE RIBEIRÃO PRETO AUTOR(ES): FELIPE

Leia mais

O perfil do consumidor de pizza na cidade de Juazeiro-BA 1

O perfil do consumidor de pizza na cidade de Juazeiro-BA 1 O perfil do consumidor de pizza na cidade de Juazeiro-BA 1 Gabriela Cristina Sá Campelo dos ANJOS 2 Adna Alana Coelho ANDRADE 3 Adolfo Ivo Santos de ANDRADE 4 Leticia Marinho PIRES 5 Kelma Nunes PEREIRA

Leia mais

A METODOLOGIA DA PESQUISA DE MERCADOAPLICADA À PRODUÇÃO E COMERCIALIZAÇÃO DE PRODUTOS ALIMENTÍCIOS

A METODOLOGIA DA PESQUISA DE MERCADOAPLICADA À PRODUÇÃO E COMERCIALIZAÇÃO DE PRODUTOS ALIMENTÍCIOS 1 A METODOLOGIA DA PESQUISA DE MERCADOAPLICADA À PRODUÇÃO E COMERCIALIZAÇÃO DE PRODUTOS ALIMENTÍCIOS Maria Lúcia Ribeiro Da COSTA 1 João Cezario Giglio MARQUES 2 RESUMO: O estudo e a pesquisa de mercado

Leia mais

Anúncio sobre o uso consciente do elevador 1

Anúncio sobre o uso consciente do elevador 1 Anúncio sobre o uso consciente do elevador 1 Ana Clara TELMO 2 Carolina FORLÉO 3 Raíza JASPER 4 Fábio HANSEN 5 Escola Superior de Propaganda e Marketing, Porto Alegre, RS RESUMO Hoje, fala-se da importância

Leia mais

Estratégias em Propaganda e Comunicação

Estratégias em Propaganda e Comunicação Ferramentas Gráficas I Estratégias em Propaganda e Comunicação Tenho meu Briefing. E agora? Planejamento de Campanha Publicitária O QUE VOCÊ DEVE SABER NO INÍCIO O profissional responsável pelo planejamento

Leia mais

EMENTÁRIO DO CURO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA

EMENTÁRIO DO CURO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA EMENTÁRIO DO CURO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA LET 02630 LÍNGUA PORTUGUESA Noções gerais da língua portuguesa. Leitura e produção de diferentes tipos de textos, em especial os relativos à comunicação de

Leia mais

Como se aprende? Estratégias, estilos e cognição

Como se aprende? Estratégias, estilos e cognição Ciências & Cognição 2010; Vol 15 (2): 239-241 Ciências & Cognição Submetido em 14/06/2010 Aceito em 14/07/2010 ISSN 1806-5821 Publicado on line em 15 de agosto de 2010

Leia mais

1. explicar os princípios do condicionamento clássico, do condicionamento operante e a teoria da aprendizagem social;

1. explicar os princípios do condicionamento clássico, do condicionamento operante e a teoria da aprendizagem social; Após o estudo desta teoria, você deve estar apto a: 1. explicar os princípios do condicionamento clássico, do condicionamento operante e a teoria da aprendizagem social; 2. Fazer comparações entre o condicionamento

Leia mais

Fiorella Del Bianco. Tema: Estágios de introdução e crescimento do ciclo de vida do produto.

Fiorella Del Bianco. Tema: Estágios de introdução e crescimento do ciclo de vida do produto. Fiorella Del Bianco Tema: Estágios de introdução e crescimento do ciclo de vida do produto. Objetivo: Nesta aula, o aluno conhecerá os estágios iniciais do ciclo de vida do produto (CVP), que são de introdução

Leia mais

TERAPIA POR CONTINGÊNCIAS DE REFORÇAMENTO (TCR) 1. HÉLIO JOSÉ GUILHARDI 2 Instituto de Terapia por Contingências de Reforçamento Campinas - SP

TERAPIA POR CONTINGÊNCIAS DE REFORÇAMENTO (TCR) 1. HÉLIO JOSÉ GUILHARDI 2 Instituto de Terapia por Contingências de Reforçamento Campinas - SP 1 TERAPIA POR CONTINGÊNCIAS DE REFORÇAMENTO (TCR) 1 HÉLIO JOSÉ GUILHARDI 2 Instituto de Terapia por Contingências de Reforçamento Campinas - SP A Terapia por Contingências de Reforçamento (TCR), sistematizada

Leia mais

5 Considerações Finais

5 Considerações Finais 5 Considerações Finais Neste capítulo serão apresentadas as considerações finais do estudo. Quando necessário, serão feitas referências ao que já foi apresentado e discutido nos capítulos anteriores, dispondo,

Leia mais

O papel educativo do gestor de comunicação no ambiente das organizações

O papel educativo do gestor de comunicação no ambiente das organizações O papel educativo do gestor de comunicação no ambiente das organizações Mariane Frascareli Lelis Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho UNESP, Bauru/SP e-mail: mariane_lelis@yahoo.com.br;

Leia mais

Elementos essenciais para criar a Jornada do Cliente. para qualquer nível de profissional de marketing

Elementos essenciais para criar a Jornada do Cliente. para qualquer nível de profissional de marketing 3 Elementos essenciais para criar a Jornada do Cliente para qualquer nível de profissional de marketing Elementos essenciais para criar a Jornada do Cliente para qualquer nível de profissional de marketing

Leia mais

COMPARAÇÃO ENTRE AS TEORIAS DE FREUD E MASLOW SOBRE OS ESTÍMULOS PARA O CONSUMO

COMPARAÇÃO ENTRE AS TEORIAS DE FREUD E MASLOW SOBRE OS ESTÍMULOS PARA O CONSUMO 1 COMPARAÇÃO ENTRE AS TEORIAS DE FREUD E MASLOW SOBRE OS ESTÍMULOS PARA O CONSUMO MARQUES, Juliana 1 Resumo: o objetivo deste artigo é comparar duas teorias largamente difundidas que procuram explicar

Leia mais

e-mail: professor@luisguilherme.adm.br / www.luisguilherme.adm.br FONE: (62) 9607-2031

e-mail: professor@luisguilherme.adm.br / www.luisguilherme.adm.br FONE: (62) 9607-2031 INSTITUTO UNIFICADO DE ENSINO SUPERIOR OBJETIVO - IUESO PLANO DE ENSINO CURSO: Administração PROF. Luis Guilherme Magalhães SÉRIE: 7º e 8º Período TURNO: Matutino DISCIPLINA: Gestão Mercadológica CARGA

Leia mais

A TEORIA BEHAVIORISTA DE SKINNER: ANALISE ACERCA DE SUAS IMPLICAÇÕES NA EDUCAÇÃO DO CEARÁ

A TEORIA BEHAVIORISTA DE SKINNER: ANALISE ACERCA DE SUAS IMPLICAÇÕES NA EDUCAÇÃO DO CEARÁ A TEORIA BEHAVIORISTA DE SKINNER: ANALISE ACERCA DE SUAS IMPLICAÇÕES NA EDUCAÇÃO DO CEARÁ Introdução: Antonio Wescla Vasconcelos Braga wescla-vasconcelos@hotmail.com Mariana Lira Ibiapina mariliraibiapina@hotmail.com

Leia mais

TEORIAS DE AQUISIÇÃO DA LINGUAGEM

TEORIAS DE AQUISIÇÃO DA LINGUAGEM TEORIAS DE AQUISIÇÃO DA LINGUAGEM Ronice Müller de Quadros Ingrid Finger julho 2007 Aos nossos companheiros e filhos Delamar e Raquel Eduardo e Lucas 2 Sumário Prefácio Capítulo 1 A aquisição da linguagem

Leia mais

INTRODUÇÃO À PSICOLOGIA. Prof. Saulo Almeida

INTRODUÇÃO À PSICOLOGIA. Prof. Saulo Almeida INTRODUÇÃO À PSICOLOGIA Prof. Saulo Almeida Psicologia = Psykhé (Alma) + Lógos (Estudo) - Ciência Psicologia - Disciplina Acadêmica - Profissão Psicologia - Ciência que estuda os processos mentais (sentimentos,

Leia mais

Metodologia de Comunicação Integrada de Marketing o caso Orium

Metodologia de Comunicação Integrada de Marketing o caso Orium Metodologia de Comunicação Integrada de Marketing o caso Orium Luciano Mattana (UNIFRA) lucianomattana@unifra.br Greice de Bem Noro (UNIFRA) greice@unifra.br Milena Marinho Mottini (UNIFRA) milleninhamm@hotmail.com

Leia mais

UFPB PRG X ENCONTRO DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA

UFPB PRG X ENCONTRO DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA 4CCHLADPMT03 A TÉCNICA DE CONDICIONAMENTO OPERANTE DENTRO DO LABORATÓRIO Katiuscia de Azevedo Barbosa (1) ; Ellen Dias Nicácio da Cruz (1) ; Jandilson Avelino da Silva (2) ; Thyala Maria Alexandre Lourenço

Leia mais

Marketing. Aula 06. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho

Marketing. Aula 06. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Marketing Aula 06 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades, conteúdos multimídia e

Leia mais

Psicologia da Educação

Psicologia da Educação Psicologia da Educação Faculdade de Humanidades e Direito Curso de Filosofia EAD VI semestre Módulo Formação Docente Prof. Dr. Paulo Bessa da Silva Objetivo O objetivo desta teleaula é apresentar os fundamentos

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO/ 2013

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO/ 2013 Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: COMUNICAÇÃO SOCIAL BACHARELADO MATRIZ CURRICULAR PUBLICIDADE E PROPAGANDA SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL

Leia mais

RECURSOS HUMANOS PRODUÇÃO

RECURSOS HUMANOS PRODUÇÃO RECURSOS HUMANOS FINANCEIRO VENDAS PRODUÇÃO DEPARTAMENTO MERCADOLÓGICO Introduzir no mercado os produtos ou serviços finais de uma organização, para que sejam adquiridos por outras organizações ou por

Leia mais

Idealismo - corrente sociológica de Max Weber, se distingui do Positivismo em razão de alguns aspectos:

Idealismo - corrente sociológica de Max Weber, se distingui do Positivismo em razão de alguns aspectos: A CONTRIBUIÇÃO DE MAX WEBER (1864 1920) Max Weber foi o grande sistematizador da sociologia na Alemanha por volta do século XIX, um pouco mais tarde do que a França, que foi impulsionada pelo positivismo.

Leia mais

Planejamento de Campanha Publicitária

Planejamento de Campanha Publicitária Planejamento de Campanha Publicitária Prof. André Wander UCAM O briefing chegou. E agora? O profissional responsável pelo planejamento de campanha em uma agência de propaganda recebe o briefing, analisa

Leia mais

COMPORTAMENTO - CONSUMIDOR - PRODUTO: UMA RELAÇÃO INSEPARÁVEL

COMPORTAMENTO - CONSUMIDOR - PRODUTO: UMA RELAÇÃO INSEPARÁVEL COMPORTAMENTO - CONSUMIDOR - PRODUTO: UMA RELAÇÃO INSEPARÁVEL Lideli Crepaldi Instituições: Universidade Metodista de São Paulo - UMESP; Centro Universitário Municipal de São Caetano do Sul - IMES; Centro

Leia mais

determinam o comportamento e as consequências do comportamento no contexto de interação, ou seja, na relação funcional dos comportamentos.

determinam o comportamento e as consequências do comportamento no contexto de interação, ou seja, na relação funcional dos comportamentos. Psicoterapia comportamental infantil Eliane Belloni 1 A psicoterapia comportamental infantil é uma modalidade de atendimento clínico que visa propiciar mudanças no comportamento da criança a partir de

Leia mais

AGRUPAMENTO de ESCOLAS Nº1 de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2013/2014 PLANIFICAÇÃO ANUAL. Documento(s) Orientador(es): Programa da Disciplina

AGRUPAMENTO de ESCOLAS Nº1 de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2013/2014 PLANIFICAÇÃO ANUAL. Documento(s) Orientador(es): Programa da Disciplina AGRUPAMENTO de ESCOLAS Nº1 de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2013/2014 PLANIFICAÇÃO ANUAL Documento(s) Orientador(es): Programa da Disciplina ENSINO SECUNDÁRIO PSICOLOGIA B 12º ANO TEMAS/DOMÍNIOS CONTEÚDOS

Leia mais

SEGMENTAÇÃO E TERCEIRA IDADE, UMA OPORTUNIDADE DE MERCADO

SEGMENTAÇÃO E TERCEIRA IDADE, UMA OPORTUNIDADE DE MERCADO 1 SEGMENTAÇÃO E TERCEIRA IDADE, UMA OPORTUNIDADE DE MERCADO Orientação: Drª. Arlete Eni GRANERO Mariana AYRES e Mohara VALLE 1 Resumo: Este artigo se propõe a discutir a relação entre a importância e as

Leia mais

DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Registros Acadêmicos da Graduação. Ementas por Curso 09/05/2011 14:54

DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Registros Acadêmicos da Graduação. Ementas por Curso 09/05/2011 14:54 Curso: DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Centro de Ciências Humanas e da Comunicação Comunicação Social (Noturno) Ano/Semestre: 011/1 09/05/011 1:5 COM.0000.0.000- COM.0001.0.001-0 COM.0019.01.001-7 FIL.0051.00.00-3

Leia mais

introdução a publicidade & propaganda Aula 3- Funções e Conceitos de publicidade e propaganda

introdução a publicidade & propaganda Aula 3- Funções e Conceitos de publicidade e propaganda introdução a publicidade & propaganda Aula 3- Funções e Conceitos de publicidade e propaganda professor Rafael Ho mann Setores envolvidos Anunciante também conhecido como cliente, é a empresa, pessoa ou

Leia mais

INTRODUÇÃO À PSICOLOGIA

INTRODUÇÃO À PSICOLOGIA INTRODUÇÃO À PSICOLOGIA Prof. Arlindo F. Gonçalves Jr. arlindo@puc-campinas.edu.br Psicologia Aplicada à Comunicação Social 1 ACEPÇÕES DO TERMO PSICOLOGIA PSICOLOGIA PRÉ-REFLEXIVA MITOLOGIA SENSO COMUM

Leia mais

MESA REDONDA: EVENTOS PRIVADOS E ANÁLISE DO COMPORTAMENTO: ACERTOS E EQUÍVOCOS 1

MESA REDONDA: EVENTOS PRIVADOS E ANÁLISE DO COMPORTAMENTO: ACERTOS E EQUÍVOCOS 1 MESA REDONDA: EVENTOS PRIVADOS E ANÁLISE DO COMPORTAMENTO: ACERTOS E EQUÍVOCOS 1 O COMPORTAMENTO ENCOBERTO NA PRÁTICA CLÍNICA: UM FIM OU UM MEIO? Roberto Alves Banaco 2 Antes de iniciar a discussão proposta

Leia mais

Psicologia Aplicada à Educação

Psicologia Aplicada à Educação DISCIPLINA SEMIPRESENCIAL Psicologia Aplicada à Educação Elaborado por Weber Alves Junior Maria Estela Módulo IV - Psicologia Aplicada à Educação - 2 Professor: Disciplina: Carga Horária: Maria Estela

Leia mais

APROPRIAÇÃO DAS TEORIAS DE VYGOTSKY POR PROFESSORES DA REDE PÚBLICA DE ENSINO DE CURITIBA

APROPRIAÇÃO DAS TEORIAS DE VYGOTSKY POR PROFESSORES DA REDE PÚBLICA DE ENSINO DE CURITIBA APROPRIAÇÃO DAS TEORIAS DE VYGOTSKY POR PROFESSORES DA REDE PÚBLICA DE ENSINO DE CURITIBA Roberta Ferreira Cavalcanti Solange Regina Silva Almeida Rosangela Alves de Godoy Nilson Fernandes Dinis (Universidade

Leia mais

Campanha Publicitária para Instituto InhotimF. Mateus Felipe Pinto COELHOF. Francis Alan França SILVAF

Campanha Publicitária para Instituto InhotimF. Mateus Felipe Pinto COELHOF. Francis Alan França SILVAF Campanha Publicitária para Instituto InhotimF Mateus Felipe Pinto COELHOF 3 Francis Alan França SILVAF 4 Daniel CAMPOSF Centro Universitário de Belo Horizonte, Belo Horizonte, MG 2 1 RESUMO Campanha publicitária

Leia mais

Reflexão Pessoal. A Aprendizagem

Reflexão Pessoal. A Aprendizagem Reflexão Pessoal A Aprendizagem No decorrer da nossa vida aprendemos a falar, a utilizar os talheres, a atar os cordões dos sapatos, a ler, a utilizar eletrodomésticos, a cumprimentar pessoas, entre muitas

Leia mais

Fiorella Del Bianco. Roteiro para o desenvolvimento de novas ofertas. Posicionamento de produto e de marca

Fiorella Del Bianco. Roteiro para o desenvolvimento de novas ofertas. Posicionamento de produto e de marca Fiorella Del Bianco Roteiro para o desenvolvimento de novas ofertas Tema: Passos e estratégias mercadológicas para o desenvolvimento de novas ofertas (DNO). Objetivo: Esta aula visa apresentar os últimos

Leia mais

O COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR NO PROCESSO DE DECISÃO DE COMPRA RESUMO

O COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR NO PROCESSO DE DECISÃO DE COMPRA RESUMO O COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR NO PROCESSO DE DECISÃO DE COMPRA Letícia Fernanda Giareta le.giareta@hotmail.com RESUMO Este artigo fundamenta-se numa pesquisa qualitativa que teve por objetivo identificar

Leia mais

O AUXÍLIO DA FONÉTICA NO ENSINO DA LÍNGUA INGLESA

O AUXÍLIO DA FONÉTICA NO ENSINO DA LÍNGUA INGLESA O AUÍLIO DA FONÉTICA NO ENSINO DA LÍNGUA INGLESA Ana Beatriz Miranda Jorge UFCG/ beatrizjmiranda@gmail.com Bruna Melo do Nascimento UEPB/ bruna.melo.nascimento@gmail.com Isabelle Coutinho Ramos Benício

Leia mais

CULTURA ORGANIZACIONAL. Prof. Gilberto Shinyashiki FEA-RP USP

CULTURA ORGANIZACIONAL. Prof. Gilberto Shinyashiki FEA-RP USP CULTURA ORGANIZACIONAL Prof. Gilberto Shinyashiki FEA-RP USP Cultura é uma característica única de qualquer organização Apesar de difícil definição, compreende-la pode ajudar a: Predizer como a organização

Leia mais

3.5.2 O PONTO DE VISTA CONVENCIONAL-SIMBÓLICO. 3.5.2.1 Palavras

3.5.2 O PONTO DE VISTA CONVENCIONAL-SIMBÓLICO. 3.5.2.1 Palavras 53 Diante disso, não há como negar o caráter personalista da marca. Ao invés do logotipo representar a síntese da imagem da empresa (PEREZ, 2004, p. 58), ele faz menção ao gestor, a figura política. Na

Leia mais

CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA

CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA 1 CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INTRODUÇÃO A PUBLICIDADE E PROPAGANDA... 4 02 HISTÓRIA DA ARTE... 4 03 COMUNICAÇÃO

Leia mais

A importância de personalizar a sua loja virtual

A importância de personalizar a sua loja virtual A importância de personalizar a sua loja virtual Ter uma loja virtual de sucesso é o sonho de muitos empresários que avançam por esse nicho econômico. Porém, como as lojas virtuais são mais baratas e mais

Leia mais

Gestão de Negócios. Unidade III FUNDAMENTOS DE MARKETING

Gestão de Negócios. Unidade III FUNDAMENTOS DE MARKETING Gestão de Negócios Unidade III FUNDAMENTOS DE MARKETING 3.1- CONCEITOS DE MARKETING Para a American Marketing Association: Marketing é uma função organizacional e um Marketing é uma função organizacional

Leia mais

Marketing cria ou satisfaz necessidades e desejos??? Argumente

Marketing cria ou satisfaz necessidades e desejos??? Argumente AULA 2 Marketing Marketing cria ou satisfaz necessidades e desejos??? Argumente Para Peter Drucker, um dos principais pensadores da administração: O objetivo do marketing é tornar a venda supérflua. É

Leia mais

1. DO PROCESSO SELETIVO

1. DO PROCESSO SELETIVO Os procedimentos adotados pela AGIR para o recrutamento e seleção de pessoal se pauta pelas melhores práticas, comprovadas pelas escolas de gestão de pessoas, com o intuito de adicionar ao seu quadro,

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA PROPAGANDA NO COMPORTAMENTO DO COMSUMIDOR: um estudo sobre a compulsão feminina de compra.

A INFLUÊNCIA DA PROPAGANDA NO COMPORTAMENTO DO COMSUMIDOR: um estudo sobre a compulsão feminina de compra. 1 A INFLUÊNCIA DA PROPAGANDA NO COMPORTAMENTO DO COMSUMIDOR: um estudo sobre a compulsão feminina de compra. Débora Guidoni Freitas Luciana Coelho de Souza Thaís Fernanda de Moraes Baptista Xhauana Tacyla

Leia mais

Americanas.com x Lojas Americanas 1

Americanas.com x Lojas Americanas 1 Americanas.com x Lojas Americanas 1 Rayra Costa da SILVA 2 Gabriela Lima RIBEIRO 3 Hugo Osvaldo ACOSTA REINALDO 4 Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, CE RESUMO Mesmo que no site Americanas.com haja

Leia mais

Não adianta falar inglês sem fazer sentido. 1

Não adianta falar inglês sem fazer sentido. 1 Não adianta falar inglês sem fazer sentido. 1 BOGUSZEWSKI, Luiza. 2 SCHETTERT, Gabriela Antunes. 3 MENEZES, Sérgio. 4 Universidade Positivo, Curitiba, PR. 2013 RESUMO Com a disseminação da cultura norte-americana

Leia mais

ENSINO DE HISTÓRIA: UM OLHAR CRÍTICO COM AS LENTES DA TEORIA DO PROCESSAMENTO DA INFORMAÇÃO

ENSINO DE HISTÓRIA: UM OLHAR CRÍTICO COM AS LENTES DA TEORIA DO PROCESSAMENTO DA INFORMAÇÃO ENSINO DE HISTÓRIA: UM OLHAR CRÍTICO COM AS LENTES DA TEORIA DO PROCESSAMENTO DA INFORMAÇÃO AIRTON DE MORAES Esta reflexão tem como base a monografia de especialização apresentada ao Curso de Metodologia

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DO RELACIONAMENTO COM O CLIENTE

ADMINISTRAÇÃO DO RELACIONAMENTO COM O CLIENTE ADMINISTRAÇÃO DO RELACIONAMENTO COM O CLIENTE Módulo 2 CLIENTES: DEFINIÇÕES E ENTENDIMENTOS Objetivo: Ao final desse módulo, você estará capacitado a termos, como: cliente, comprador, cliente final, consumidor,

Leia mais

QUADRO CURSO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA QUADRO ANTERIOR A 2001 ATÉ O CURRICULO VIGENTE NO PRÓPRIO CURSO - 3 primeiros períodos

QUADRO CURSO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA QUADRO ANTERIOR A 2001 ATÉ O CURRICULO VIGENTE NO PRÓPRIO CURSO - 3 primeiros períodos QUADRO CURSO D PUBLICIDAD PROPAGANDA QUADRO ANTRIOR A 2001 ATÉ O CURRICULO VIGNT NO PRÓPRIO CURSO - 3 primeiros períodos DISCIPLINA A DISCIPLINA B CÓDIGO DISCIPLINA - 2008 C/H CUR -SO DISCIPLINA C/H CÓDIGO

Leia mais

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro.

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. PLANO DE MARKETING Andréa Monticelli Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. 1. CONCEITO Marketing é

Leia mais

Comunicação Integrada de marketing.

Comunicação Integrada de marketing. Comunicação Integrada de marketing. - COMPOSTO DE COMUNICAÇÃO - 4 A s - 4 C s Comunicação: é a transmissão de uma mensagem de um emissor para um receptor, de modo que ambos a entendam da mesma maneira.

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE PLANO DE ENSINO PLANO DE ENSINO CÓDIGO 042 CÓD. CURSO CÓD. DISC. 090.3630.1 CRÉDITOS UNIDADE CENTRO DE COMUNICAÇÃO E LETRAS CURSO PROPAGANDA, PUBLICIDADE E CRIAÇÃO DISCIPLINA Redação e Expressão Oral VI ETAPA 6ª Período

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ PLANO DE ENSINO Disciplina Curso Turno/Horário Noite Marketing Administração Professor Turma: 5ADN Cálidon Costa da Conceição Carga Horária Semanal Carga Horária Semestral Número de Créditos Teórica Total

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Centro de Comunicação e Letras Curso de Propaganda, Publicidade e Criação PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Centro de Comunicação e Letras Curso de Propaganda, Publicidade e Criação PLANO DE ENSINO PLANO DE ENSINO CÓDIGO 042 CÓD. CURSO CÓD. DISC. CRÉDITOS UNIDADE CENTRO DE COMUNICAÇÃO E LETRAS CURSO PROPAGANDA, PUBLICIDADE E CRIAÇÃO DISCIPLINA Redação e Expressão Oral VI ETAPA 6 Período CH 2 ANO

Leia mais

O Valor Ideológico na Propaganda de Cerveja 1

O Valor Ideológico na Propaganda de Cerveja 1 O Valor Ideológico na Propaganda de Cerveja 1 Nathália Sene GARIERI/ Licenciada em História Aline Rafaela Portílio LEMES Aline Aparecida SILVA Samuel Douglas Farias COSTA RESUMO A propaganda ocupa um largo

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE PLANO DE ENSINO CÓDIGO 042 CÓD. CURSO 42951 CÓD. DISC. 090.3630.1 UNIDADE CENTRO DE COMUNICAÇÃO E LETRAS CURSO PROPAGANDA, PUBLICIDADE E CRIAÇÃO DISCIPLINA REDAÇÃO E EXPRESSÃO ORAL VI ETAPA 6ª CH 02 ANO 2011 OBJETIVO

Leia mais

Análise semiótica de campanha publicitária O Boticário

Análise semiótica de campanha publicitária O Boticário Análise semiótica de campanha publicitária O Boticário Jacqueline Calisto Costa Raquel de Paula Pinto Soares RESUMO A abordagem semiótica entende o texto como uma unidade de sentido, independente da linguagem.

Leia mais

Resenha. Jackson de SOUZA 1

Resenha. Jackson de SOUZA 1 Resenha As armas da persuasão: como influenciar e não se deixar influenciar (CIALDINI, Robert B. [tradução de Ivo Korytowski]; Rio de Janeiro: Sextante, 2012) Jackson de SOUZA 1 Embora todos queiram tomar

Leia mais

O que motiva e determina a compra e o consumo de chocolate 1

O que motiva e determina a compra e o consumo de chocolate 1 O que motiva e determina a compra e o consumo de chocolate 1 Resumo Autoras: Claudia Braga 2 Roberta Daolio Manoella de Aguiar Oliveira PUCC - Pontifícia Universidade Católica de Campinas Orientadora:

Leia mais

A Computação e as Classificações da Ciência

A Computação e as Classificações da Ciência A Computação e as Classificações da Ciência Ricardo de Almeida Falbo Metodologia de Pesquisa Departamento de Informática Universidade Federal do Espírito Santo Agenda Classificações da Ciência A Computação

Leia mais

Andragogia, uma estratégia em T&D.

Andragogia, uma estratégia em T&D. Andragogia, uma estratégia em T&D. Por PAULA FRANCO Ensinar exige o reconhecimento de ser condicionado Gosto de gente porque, inacabado, sei que sou um ser condicionado, mas, consciente do inacabamento,

Leia mais

Desenvolvimento e Aprendizagem. Desenvolvimento e aprendizagem são processos idênticos. Resultam da ação do meio sobre o indivíduo.

Desenvolvimento e Aprendizagem. Desenvolvimento e aprendizagem são processos idênticos. Resultam da ação do meio sobre o indivíduo. Desenvolvimento e Aprendizagem Diferentes teorias psicológicas definem os processos de desenvolvimento e aprendizagem, bem como a relação entre esses processos, de forma diferente: Empirismo: Racionalismo:

Leia mais

Professor Severino Domingos Júnior Disciplina: Gestão de Compras e Estoques no Varejo

Professor Severino Domingos Júnior Disciplina: Gestão de Compras e Estoques no Varejo Professor Severino Domingos Júnior Disciplina: Gestão de Compras e Estoques no Varejo 1) Definições de Previsão de Demanda 2) Mercados 3) Modelo de Previsão 4) Gestão da Demanda 5) Previsão como Processo

Leia mais

RESPOSTAS E EVENTOS SUBSEQÜENTES: CONTINGÊNCIA E CONTIGUIDADE 1 PUC-SP

RESPOSTAS E EVENTOS SUBSEQÜENTES: CONTINGÊNCIA E CONTIGUIDADE 1 PUC-SP RESPOSTAS E EVENTOS SUBSEQÜENTES: CONTINGÊNCIA E CONTIGUIDADE 1 MARIA AMALIA ANDERY E TEREZA MARIA SÉRIO 2 PUC-SP Desde a aula passada estamos discutindo relações entre respostas e alterações ambientais

Leia mais

Estudante de Graduação 5º Período do Curso de Publicidade e Propaganda da FMF, E-mail: andrewscortezão@hotmail.com 5

Estudante de Graduação 5º Período do Curso de Publicidade e Propaganda da FMF, E-mail: andrewscortezão@hotmail.com 5 RESUMO As estratégias nas ações de comunicação Integrada com foco no planejamento Publicitário e Marketing¹ Laricia OLIVEIRA² Heloísa ANDRADE³ Andrews CORTEZÃO 4 Caio MELO 5 Felipe GUSTAVO 6 Ladislau LIMA

Leia mais

Marketing no Setor Alimentício

Marketing no Setor Alimentício Marketing no Setor Alimentício Flávia Mori Sarti Docente do Curso de Graduação em Gestão de Políticas Públicas Vice-Coordenadora da Pós-Graduação em Modelagem de Sistemas Complexos Escola de Artes, Ciências

Leia mais

O MARKETING DIRETO COMO CONQUISTA DE CLIENTES

O MARKETING DIRETO COMO CONQUISTA DE CLIENTES O MARKETING DIRETO COMO CONQUISTA DE CLIENTES Rosanne Farineli Peixoto Gomes, Ivonete A. Canuto Dias, Valdete Neri Andrade, Luiz Sérgio Almeida dos Santos e Wagner Conceição INTRODUÇÃO O mercado atual

Leia mais

Fundamentos de design

Fundamentos de design Fundamentos de design Uma das empresas de comunicação e marketing mais destacadas de Ottawa, Canadá, o gordongroup oferece um design premiado para uma oferta completa de produtos de comunicação de identidades

Leia mais

O comportamento do comprador de automóveis novos II

O comportamento do comprador de automóveis novos II O comportamento do comprador de automóveis novos II Fauze Najib Mattar I - INTRODUÇÃO Quais variáveis são levadas em conta na escolha da loja na hora de adquirir ou trocar automóveis novos? Quantas lojas

Leia mais

COMUNICAÇÃO DE MARKETING

COMUNICAÇÃO DE MARKETING COMUNICAÇÃO DE MARKETING COMUNICAÇÃO INTEGRADA DE MARKETING Meio através do qual a empresa informa, persuadi e lembra os consumidores sobre o seu produto, serviço e marcas que comercializa. Funções: Informação

Leia mais

Trabalho submetido ao XVIII Prêmio Expocom 2011, na Categoria Cartaz Avulso, modalidade cartaz avulso.

Trabalho submetido ao XVIII Prêmio Expocom 2011, na Categoria Cartaz Avulso, modalidade cartaz avulso. RESUMO Email Marketing: Pós-Graduação em Arquitetura Contemporânea 1 Silvia Fernanda Santos de SENA 2 Thiago Jerohan Albuquerque da Cruz 3 Fernando Israel FONTANELLA 4 Universidade Católica de Pernambuco,

Leia mais

2. Abordagens empíricas da Comunicação

2. Abordagens empíricas da Comunicação 2. Abordagens empíricas da Comunicação A Abordagem Empírico-Experimental (ou da Persuasão) é o nome dado a um conjunto de estudos de base psicológica (ainda sob forte influência behaviorista, mas já se

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS Cultura Brasileira 1º PERÍODO O fenômeno cultural. Cultura(s) no Brasil. Cultura regional e

Leia mais

APRENDENDO A ENSINAR: A SALA DE AULA COMO UM ESPAÇO DE REFLEXÃO

APRENDENDO A ENSINAR: A SALA DE AULA COMO UM ESPAÇO DE REFLEXÃO APRENDENDO A ENSINAR: A SALA DE AULA COMO UM ESPAÇO DE REFLEXÃO PAIXÃO LINHARES 1, MARÍLIA e MACEDO REIS 2, ERNESTO 1 Laboratório de Ciências Físicas, UENF 2 Coordenação de Física, CEFET-Campos Palavras

Leia mais

Jingle Sabores do Brasil para a marca Chocolates Brasil Cacau 1

Jingle Sabores do Brasil para a marca Chocolates Brasil Cacau 1 Jingle Sabores do Brasil para a marca Chocolates Brasil Cacau 1 Simone MARIANO 2 Sheilla REIS 3 Mariana BRASIL 4 Mariane FREITAS 5 Amanda CARVALHO 6 Jéssica SANTOS 7 Suelen VALENTE 8 Universidade Católica

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE AS INTERFACES DO MARKETING E ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE AS INTERFACES DO MARKETING E ENGENHARIA DE PRODUÇÃO ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE AS INTERFACES DO MARKETING E ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Carolina K. Souza Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC Departamento de Engenharia de Produção, Campus universitário

Leia mais

MARKETING AMBIENTAL: UMA FERRAMENTA EMPRESARIAL ESTRATÉGICA

MARKETING AMBIENTAL: UMA FERRAMENTA EMPRESARIAL ESTRATÉGICA 1 MARKETING AMBIENTAL: UMA FERRAMENTA EMPRESARIAL ESTRATÉGICA Felipe Rogério Pereira (UniSALESIANO Araçatuba/SP) HerculesFarnesi Cunha ( Docente das Faculdades Integradas de Três Lagoas- AEMS e UniSALESIANO

Leia mais