UNIVERSIDADE DA AMAZÔNIA. Katiane da Costa Cunha ACESSO A UM SERVIÇO DE ONCOLOGIA: ESTUDO DE MULHERES COM CÂNCER DE MAMA. BELÉM. PARÁ.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE DA AMAZÔNIA. Katiane da Costa Cunha ACESSO A UM SERVIÇO DE ONCOLOGIA: ESTUDO DE MULHERES COM CÂNCER DE MAMA. BELÉM. PARÁ."

Transcrição

1 1 UNIVERSIDADE DA AMAZÔNIA Katiane da Costa Cunha ACESSO A UM SERVIÇO DE ONCOLOGIA: ESTUDO DE MULHERES COM CÂNCER DE MAMA. BELÉM. PARÁ.BRASIL BELÉM 2013

2 2 Katiane da Costa Cunha ACESSO A UM SERVIÇO DE ONCOLOGIA: ESTUDO DE MULHERES COM CÂNCER DE MAMA. BELÉM. PARÁ.BRASIL Dissertação de Mestrado apresentada ao Programa de Mestrado em Desenvolvimento e Meio Ambiente Urbano da Universidade da Amazônia como requisito para obtenção do título de Mestre. Orientadora: Prof. Dr a. Maisa Sales Gama Tobias BELÉM 2013

3 3 Sílvia Helena Vale de Lima CRB-2/ Cunha, Katiane da Costa. C972a Acesso a um serviço de oncologia: estudo de mulheres com câncer de mama. Belém, Pará, Brasil / Katiane da Costa Cunha. Belém, f. il. Dissertação (Mestrado) -- Universidade da Amazônia, Programa de Mestrado em Desenvolvimento e Meio Ambiente Urbano, Orientador: Profª. Drª. Maisa Sales Gama Tobias. 1. Saúde pública- Pará. 2. Câncer de mama. 3. Estadiamento do câncer. I. Tobias, Maísa Sales Gama. II.Título.

4 4 Katiane da Costa Cunha ACESSO A UM SERVIÇO DE ONCOLOGIA: ESTUDO DE MULHERES COM CÂNCER DE MAMA. BELÉM. PARÁ.BRASIL Dissertação de Mestrado apresentada ao Programa de Mestrado em Desenvolvimento e Meio Ambiente Urbano da Universidade da Amazônia como requisito para obtenção do título de Mestre. Banca Examinadora Prof a. Dr a. Maisa Sales Gama Tobias (Orientadora) Prof. Dr a. Maria Rita de Cassia Costa Monteiro (Examinador) Prof. Dr. Marco Aurélio Arbage Lobo (Examinador) Apresentado em: / / Nota: BELÉM 2013

5 5 Dedico esta vitória à minha família, ao meu professor que esteve presente como orientador no início deste trabalho Dr. Samuel Sá e a todos aqueles que não medem esforços para trabalhar pelo bem estar daqueles que mais precisam. Que o Divino Espírito Santo ilumine a todos.

6 6 AGRADECIMENTOS À Deus, que me iluminou nesta caminhada, ajudando a vencer os obstáculos À minha família, meus pais, José e Kátia, minha irmã Joseane pela força e compreensão. E, em especial ao meu esposo Rafael, que de forma incansável esteve comigo dando-me apoio nos momentos mais complicados. Ao professor Samuel Sá e professora Maria Rita Monteiro pela paciência, transmissão de conhecimento e incentivo constantes. A todos os professores do Programa de Mestrado em Desenvolvimento e Meio Ambiente Urbano que, sem dúvida, foram vitais no desenvolvimento deste trabalho acadêmico. Às minhas amigas, que conheci no mestrado, Julia Larrat e Nathalia Fernandes por todas as alegrias e angústias vividas e compartilhadas. A todos os meus amigos que, com um pequeno gesto ou palavra me ajudaram de alguma forma na elaboração deste trabalho.

7 7 RESUMO O câncer de mama é apontado como um importante e grave problema de saúde pública, sendo o mais incidente na população feminina. Segundo o Instituto Nacional do Câncer (Inca), no Brasil, a expectativa para 2012 era de casos novos de câncer de mama, com risco estimado de 52 casos a cada 100 mil mulheres. Visando obter informações sobre alguns dos aspectos que cercam a doença na população do Pará, realizou-se esta investigação que teve por objetivos investigar a frequência dos casos de câncer de mama em mulheres atendidas no Hospital Ofir Loyola, Belém-Pará, no período de 2001 a 2009 e possível relação entre a fase de estadiamento da doença e o local de residência. A obtenção dos dados pela autora fez-se através do programa tabnet do Integrador Registro Hospitalar de Câncer, o qual é de acesso livre, público e alimentado pelo Inca. Foram colhidas informações referentes à alguns aspectos demográficos e situações de como se fez o diagnóstico e atendimento dos casos de câncer de mama (tumor primário) e seus respectivos estadiamentos, nas mulheres atendidas na Instituição de estudo no período da pesquisa, em todas as faixas etárias e residentes em qualquer município do Estado do Pará. Os dados foram analisados em seus valores absolutos e percentuais e organizados em mapas e tabelas. O total de casos notificados no período foi de mulheres, que constituíram a população deste estudo. Predominaram mulheres nascidas no Pará, com 93,4% (2134/ 2312) dos casos; pertenciam à faixa etária de 45 a 59 anos 52,0% (1250/ 2312) e 33,0% (765/ 2312) tinham grau de instrução incompleto. Da população do estudo, 66,9% (1546/2312) residiam na área geográfica de abrangência do 1 centro regional de saúde (CRS) do Pará e 1,0% (25/2312) na área do 7 CRS. Os dois centros mais distantes de Belém são o 9 o CRS e o 12 o CRS, distantes, respectivamente, 1.068,5 km e 979,5 km. A prevalência da doença ficou entre 5,94 e 14,58 casos/ mulheres habitantes na área do 1 o. CRS e de 0,40/ mulheres habitantes na área do 12 o. CRS. Todos os casos foram diagnosticados no ano do primeiro atendimento e em 74,6% (1724/2312) este primeiro atendimento ocorreu na clínica de mastologia do Hospital Ofir Loyola. Todas os casos receberam tratamento antineoplásico, clínico e/ou cirúrgico. Nos estágios 0 e 1 da doença encontraram-se, respectivamente, 1,1% (18/1573) e 12,8% (202/1573) dos casos. Nos estágios 3 e 4 encontraram-se, respectivamente, 32,5% (512/1573) e 7,7% (121/1573) dos casos. Analisando-se o número de casos notificados em cada uma das áreas referentes aos centros regionais de saúde do estado, o maior número no estágio 0 ocorreu, proporcionalmente, no 8 CRS, com 9,1% (1/11) casos; no estágio 1 foi encontrado o maior número de casos no 1 CRS, com 15,4%(163/1057); o estágio 2 foi mais frequente no 12 CRS, com 50,0% (6/12); o 7 CRS foi o líder em estágio 3, com 58,8% (10/17), e o estágio 4 foi mais frequente no 10 CRS, com 21,7% (5/23). Estes resultados evidenciam que a maioria da população de estudo está na faixa acima de 45 anos de idade e reside em áreas próximas de Belém, e os centros regionais mais distantes, como o 12 e o 10, ficaram entre os três com mais diagnósticos nos estágios 2 e 4, respectivamente. Houve concentração maior dos casos na área geográfica de abrangência do 1 centro regional de saúde, com a maioria dos casos diagnosticados nos estágios 2 e 3 necessitando, portanto, de tratamentos mais agressivos. Isto demonstra que essas mulheres não tiveram o diagnóstico precoce da doença, sejam as residentes em locais mais distantes, sejam aquelas residentes no centro regional onde se localiza o hospital do estudo. PALAVRAS CHAVE: acesso aos serviços de saúde. Estadiamento do câncer. Câncer de mama.

8 8 ABSTRACT Breast cancer is identified as an important and serious public health problem, with the highest incidence in the female population. According to data from the National Cancer Institute, in Brazil, the expectation for 2012 was 52,680 new cases of breast cancer, with an estimated risk of 52 cases per women. Data collection by the author has been through the program tabnet Integrator Cancer Hospital Registry access and free public fed annually by the National Cancer Institute. The data were organized in tables and maps, analyzed with both absolute and percentage values. The total number of patients reported in the period was 2312 women, who constituted the study population. Most participants were female born in Pará, with 93.4% (2134/2312) of cases; belonged to the age group of 45 to 59 years, with 52.0% (1250/2312) and 33.0% (765/2312) had Education incomplete. Of the study population, 66.9% (1546/2312) of women living in the catchment area of 1 st regional health center and 1.0% (25/2312) at 7 th regional health center. The two most distant centers from Belém are the 9th and 12th regional health centers, distant, respectively, km and km. Frequency of cases were found 5.94 and and 0.40 cases/10000 women inhabitants / 10,000 women inhabitants. All cases were diagnosed in the first year of treatment and 74.6% (1724/2312) this first visit occurred in clinical mastology Ophir Loyola Hospital. All women received antineoplastic treatment, clinical and / or surgical treatment. In stages 0 and 1 were found respectively 1.1% (18/1573) and 12.8% (202/1573) of cases. In stages 3 and 4 were found, respectively, 32.5% (512/1573) and 7.7% (121/1573) of cases. The largest number of cases in stage 0 was at 8 th regional health center, with 9.1% (1/11) of cases, in stage 1 was found the largest number of cases in 1 st regional health center with 15 4% (163/1057), stage 2 was more frequent at 12 th regional health center, with 50.0% (6/12), the 7 th regional health center was the leader in stage 3, with 58 8% (10/17), and stage 4 was more frequent in the 10 th regional health center, with 21.7% (5/23). The largest number of cases treated in Ophir Loyola Hospital are women aged over 45 years and residents in areas near Bethlehem, but the more distant regional centers such as 12 th and 10 th were among the three most frequent diagnoses in stages 2 and 4, respectively. There was a greater concentration of cases in the catchment area of 1 st regional health center, with the majority of all cases diagnosed in stages 2 and 3, thus requiring more aggressive treatment. This demonstrates that the study population had no early diagnosis of the disease, are those women living in regional health centers more distant, are those residing in the regional center where the hospital is located in the study. KEYWORDS: access to health services. Cancer staging. Breast cancer.

9 9 LISTA DE TABELAS TABELA 01 - DISTRIBUIÇÃO DE MULHERES COM CÂNCER DE MAMA POR ANO DO DIAGNÓSTICO DE ACORDO COM A FAIXA ETÁRIA. HOSPITAL OFIR LOYOLA. ESTADO DO PARÁ A 2009 TABELA 02 - DISTRIBUIÇÃO DAS MULHERES COM CÂNCER DE MAMA POR ANO DE DIAGNÓSTICO E DE ACORDO COM O GRAU DE INSTRUÇÃO. HOSPITAL OFIR LOYOLA. ESTADO DO PARÁ A 2009 TABELA 03 - DISTRIBUIÇÃO DAS MULHERES COM NEOPLASIA DE MAMA POR ANO DO DIAGNÓSTICO DE ACORDO COM A CLÍNICA DO PRIMEIRO ATENDIMENTO. HOSPITAL OFIR LOYOLA. ESTADO DO PARÁ A 2009 TABELA 04 - DISTRIBUIÇÃO DE MULHERES COM CÂNCER DE MAMA POR ANO DE DIAGNÓSTICO DE ACORDO COM O TIPO DO PRIMEIRO TRATAMENTO ANTI-NEOPLÁSICO. HOSPITAL OFIR LOYOLA. ESTADO DO PARÁ A 2009 TABELA 05 - DISTRIBUIÇÃO DAS MULHERES E RESPECTIVOS ESTÁGIOS DA DOENÇA POR ANO DE DIAGNÓSTICO. HOSPITAL OFIR LOYOLA. ESTADO DO PARÁ A 2009

10 10 LISTA DE ILUSTRAÇÃO FIGURA 01 - DISTRIBUIÇÃO DA EXTENSÃO TERRITORIAL DOS 13 CENTROS REGIONAIS DE SAÚDE E HOSPITAIS DE REFERÊNCIA EM ONCOLOGIA. ESTADO DO PARÁ. BRASIL FIGURA 02 - DISTRIBUIÇÃO DOS CENTROS REGIONAIS DE SAÚDE E SUAS RESPECTIVAS DISTÂNCIAS DO 1º CENTRO REGIONAL DE SAÚDE COM SEDE EM BELÉM. ESTADO DO PARÁ. BRASIL FIGURA 03 - MAPEAMENTO NACIONAL DA DISTRIBUIÇÃO DAS MULHERES ATENDIDAS NO HOSPITAL OFIR LOYOLA DE ACORDO COM A UNIDADE FEDERADA DE NASCIMENTO. BRASIL A 2009 FIGURA 04- MAPEAMENTO DA DISTRIBUIÇÃO DA POPULAÇÃO FEMININA DE CADA CENTRO REGIONAL DE SAÚDE E DAS MULHERES COM CÂNCER DE MAMA ATENDIDAS NO HOSPITAL OFIR LOYOLA DE ACORDO COM A ÁREA DE ABRANGÊNCIA DO CENTRO REGIONAL DE SAÚDE DE RESIDÊNCIA. ESTADO DO PARÁ A 2009 FIGURA 05 - MAPEAMENTO DA DISTRIBUIÇÃO DA FREQUÊNCIA DOS CASOS DE CÂNCER DE MAMA DAS MULHERES ATENDIDAS NO HOSPITAL OFIR LOYOLA, DE ACORDO COM AS ÁREAS DE ABRANGÊNCIA DOS CENTROS REGIONAIS DE SAÚDE. ESTADO DO PARÁ A 2009 FIGURA 06 - MAPEAMENTO DA DISTRIBUIÇÃO DAS MULHERES COM CÂNCER DE MAMA POR ESTADIAMENTO DA DOENÇA DE ACORDO COM O CENTRO REGIONAL DE SAÚDE DE RESIDÊNCIA. HOSPITAL OFIR LOYOLA. ESTADO DO PARÁ A 2009

11 11 LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS CONASS- Conselho Nacional de Secretários de Saúde SUS- Sistema Único de Saúde OMS- Organização Mundial de Saúde IBGE- Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística PELT-PA- Programa Estadual de Logística e Transportes do Estado do Pará SETRAN-PA- Secretaria de Estado de Transportes do Pará UNACON- Unidade de Alta Complexidade em oncologia INCA- Instituto Nacional de Câncer CACON- Centro de Alta Complexidade em oncologia HOL- Hospital Ofir Loyola RHC- Registro Hospitalar de Câncer HRBA- Hospital Regional do Baixo Amazonas HUJBB- Hospital Universitário João de Barros Barreto RCBP- Registros de Câncer de Base Populacional Tabnet- Tabulador da internet CIR- Cirurgia RXT- Radioterapia QT- Quimioterapia HT- Hormonioterapia TMO- Tranbsplante de Medula Óssea TNM- Nomenclatura de tumores malignos NOAS- Norma Operacional de Assistência à Saúde SIA- Sistema de Informação Ambulatorial SISMAMA- Sistema de Informação do Câncer de Mama SALTE- Saúde, alimentação, transporte e energia

12 12 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO OBJETIVOS OBJETIVO GERAL OBJETIVOS ESPECÍFICOS REFERENCIAL TEÓRICO SAÚDE COLETIVA E POLÍTICA DE SAÚDE NO BRASIL ACESSO A SERVIÇOS DE SAÚDE EM ONCOLOGIA ACESSO A SERVIÇOS DE SAÚDE NO ESTADO DO PARÁ SOBRE O REGISTRO HOSPITALAR DE CÂNCER NO BRASIL MATERIAIS E MÉTODOS TIPO DE ESTUDO, LOCAL E PERÍODO DE PESQUISA POPULAÇÃO DE REFERÊNCIA E POPULAÇÃO DE ESTUDO CRITÉRIOS DE INCLUSÃO INSTRUMENTO UTILIZADO E VARIÁVEIS ANALISADAS Instrumento utilizado Variáveis analisadas Variáveis geográficas Variáveis relacionadas ao indivíduo Variáveis referentes à doença (câncer de mama) COLETA E ANÁLISE DOS DADOS BENEFÍCIOS RESULTADOS DISCUSSÃO CONCLUSÕES REFERÊNCIAS ANEXO... 79

13 13 1 INTRODUÇÃO A geografia médica resulta da interligação dos conhecimentos geográficos e médicos e busca mostrar a importância que o meio geográfico pode exercer no aparecimento e distribuição de uma determinada doença (LEMOS; LIMA, 2002). A história da aplicação de conceitos geográficos na elucidação da origem e distribuição de doenças remonta desde 1854, quando, em Londres, John Snow, médico higienista inglês, utilizou o tempo e o espaço na elaboração de mapas como um recurso para entender como um surto de cólera, doença que naquele momento acometia a cidade, distribuía-se espacialmente (SNOW, 1999 apud LEMOS; LIMA, 2002). Com a crescente industrialização e a urbanização desorganizada, as relações entre o homem e o meio ambiente tornaram-se desfavoráveis, atingindo-o pela ação direta de agentes físicos, químicos e biológicos. Neste meio ambiente em que o homem convive com um grande número de substâncias carcinogênicas, estas podem ser absorvidas via oral ou cutânea, inaladas, e mesmo introduzidas no organismo via endovenosa, por meio de medicamentos ou acidentalmente. Sob estas condições, considerando a frequência extrema dessas ocorrências às quais o homem é submetido, o câncer é apontado como um importante e grave problema de saúde pública (ROUQUAYROL, 1994). Dentre os inúmeros tipos de câncer, cita-se o de mama como o mais prevalente na população feminina, correspondendo, aproximadamente, a 22,0% dos novos casos por ano no mundo. Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), a sobrevida média na população mundial, após cinco anos do diagnóstico da doença, é de 61,0%. No Brasil, a expectativa para 2012 era de casos novos de câncer da mama, com um risco estimado de 52 casos a cada 100 mil mulheres. No Pará, esperava-se 740 casos novos com risco estimado de 19,2 a cada 100 mil mulheres (INCA, 2012). Considerando-se a frequência e gravidade desse evento, faz-se necessária a existência de uma rede de assistência à saúde adequadamente equipada, para dar atenção a esta crescente demanda populacional. Uma das queixas mais comuns que se observa entre a população usuária dos serviços públicos de saúde é a constante dificuldade encontrada no

14 14 acesso a esses serviços, seja na atenção primária, seja na secundária ou na terciária de saúde. No Pará, a questão ganha dimensões preocupantes, principalmente, pela sua grande extensão territorial, associada às crônicas e conhecidas dificuldades de locomoção dos indivíduos, face à carência, custos excessivos e baixa qualidade dos meios de transportes mais acessíveis, assim como, pela falta de serviços bem estruturados de saúde, especialmente nas regiões mais distantes do interior do estado. Considerando especificamente a questão do câncer de mama, que cronicamente afeta as mulheres, e que sempre necessita de políticas e encaminhamentos baseados em conhecimentos atualizados e reais, optou-se em realizar este trabalho o qual se propõe a pesquisar a frequência de casos de câncer de mama entre as mulheres atendidas em um hospital de referência em oncologia, o Hospital Ofir Loyola, situado na capital do estado do Pará. Além disso, pretende-se investigar algumas das características demográficas das pacientes, tais como idade, local de nascimento e de residência, delimitação geográfica dos centros de saúde regionais, e outras variáveis relacionadas a essa população, inclusive, a possível relação entre a área de residência dos casos e o estágio do diagnóstico da doença, buscando evidenciar se a distância da residência para o local de tratamento especializado, o Hospital Ofir Loyola, tem alguma interferência na fase do estadiamento da doença.

15 15 2 OBJETIVOS 2.1 OBJETIVO GERAL Investigar a frequência dos casos de câncer de mama em mulheres atendidas no Hospital Ofir Loyola, Belém- Pará, no período de 2001 a 2009, e possível relação entre a fase de estadiamento da doença e o local de residência. 2.2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS Na população de estudo, este trabalho teve os seguintes objetivos específicos: Descrever a frequência dos estágios dos casos de câncer de mama diagnosticados nos diversos centros regionais de saúde do estado do Pará; Pesquisar o local de nascimento e de residência dos casos; Descrever a faixa etária e grau de instrução dos casos; Descrever o ano da primeira consulta relacionada à doença bem como o primeiro tratamento antineoplásico realizado no Hospital Ofir Loyola, em Belém- Pará; Identificar qual a clínica do Hospital Ofir Loyola, em Belém-Pará, onde ocorreu o primeiro atendimento; Descrever o primeiro tipo de tratamento antineoplásico realizado no Hospital Ofir Loyola, Belém- Pará.

16 16 3 REFERENCIAL TEÓRICO 3.1 SAÚDE COLETIVA E POLÍTICA DE SAÚDE NO BRASIL A saúde coletiva tem a tarefa de investigar, compreender e interpretar os determinantes da produção social das doenças e da organização social dos serviços de saúde, tanto no plano diacrônico como sincrônico da história (NUNES, 1994). Para Traverso-Yépez (2007), já na época medieval, os filósofos utilizavam as expressões promoção de saúde e prevenção de doenças quando refletiam sobre a relação entre a saúde e as práticas sociais. Por isso, a dinâmica da promoção da saúde deve se basear em educação em saúde, garantida através do acesso à informação. Além disso, o pensar social em saúde não é recente, pois está presente na história da saúde no mundo. [...] as preocupações com um pensamento social em saúde não são tão recentes na história da saúde no mundo ocidental. Se sua formalização, considerando o momento em que se criam cursos e instituições para a própria reprodução do conhecimento, data do final do século XIX e início do século XX, com a criação do curso de Medicina Social, em 1881, em Munich, seguido pelo de Harvard, em 1913, pela Escola de Saúde Pública de Johns Hopkins em 1916, e do Departamento de Higiene, junto à Faculdade de Medicina e Cirurgia, em São Paulo, em 1918, sua arqueologia pode ser buscada em práticas discursivas que se estendem desde o século XVII. Michel Foucault (1979) foi muito feliz quando periodizou a história européia da Medicina Social em medicina do Estado, medicina urbana e medicina da força de trabalho. (NUNES, 1998 p.108). A denominação política de saúde compreende questões sobre o poder em saúde (natureza, estrutura, relações, distribuição e lutas) para formulação e condução de políticas de saúde. A política de saúde passou a ter visibilidade como disciplina acadêmica e âmbito de intervenção social na segunda metade do século XX, tendo a criação da Organização Mundial de Saúde (OMS), em 1946, como uma de suas referências (PAIM In: ROUQUAYROL, 2003). Mais especificamente na América Latina, a saúde coletiva tem como referência inicial a segunda metade dos anos 1950, embora não haja homogeneidade na trajetória da saúde coletiva para todos os países latino-americanos (NUNES, 1994). É nesse momento que se debate e se tenta implantar a idéia de um campo de saber e práticas denominado de medicina preventiva e social (BRAVO, 2001).

17 17 A política de saúde no Brasil foi marcada por, pelo menos, cinco conjunturas: (a) República Velha ( ); (b) Era Vargas ( ); (c) Autoritarismo ( ); (d) Nova República ( ); (e) Pós-Constituinte ( ) (PAIM In ROUQUAYROL, 2003). A República Velha ( ) foi marcada por ações de saneamento e combate às endemias como a varíola, a peste e outras, pois tais doenças ameaçavam o modelo econômico agrário-exportador (café, açúcar, etc.) movido pelo capital comercial da época. Tratava-se do Estado liberal-oligárquico, representado pelos interesses agrários da política do café-com-leite e do Nordeste, onde predominava o pensamento da intervenção apenas no aspecto coletivo. Porém, com o surgimento das indústrias e as péssimas condições de trabalho dos operários, o Estado precisou reagir às condições de saúde da população por meio de políticas de saúde. A insatisfação frente às más condições de trabalho impulsionou o aparecimento dos primeiros movimentos sociais urbanos (PAIM In ROUQUAYROL, 2003; PAULUS JÚNIOR, 2006; GERSCHMAN; SANTOS, 2006). A Era Vargas foi marcada pelo predomínio de doenças da pobreza (doenças infecciosas e parasitárias, deficiências nutricionais, etc.) e pelo aparecimento da chamada morbidade moderna (doenças do coração, neoplasias, acidentes e violências). A saúde passou, então, a ser institucionalizada pelo Ministério da Educação e Saúde, com intervenções de caráter individual, ficando a medicina previdenciária e a saúde sob a responsabilidade do Ministério do Trabalho. Posteriormente, em 1948, o governo federal inaugura o Plano SALTE (Saúde, Alimentação, Transporte e Energia) e, em 1953, foi criada a estrutura do Ministério da Saúde (MS) que, juntamente com as secretarias de saúde estaduais e municipais, executou campanhas sanitárias e realizou a manutenção de centros, postos de saúde e outros que atendiam à parcela da população que não podia pagar pelo serviço privado (PAIM InROUQUAYROL, 2003; PAULUS JUNIOR, 2006; GERSCHMAN; SANTOS, 2006). No período entre os anos de 1964 e 1984, chamado de Autoritarismo, momento em que se instalou a ditadura militar no país, as condições da sociedade brasileira eram bastante críticas, marcadas pelo aumento da taxa de mortalidade devido a prevalências de doenças como a tuberculose, malária, além da elevada morbidade moderna, a exemplo das doenças circulatórias, na década de O modelo econômico daquela época incentivou a migração do campo para a cidade forçando uma urbanização acelerada e sem as mínimas

18 18 condições de infraestrutura necessárias ao desenvolvimento. A mudança somente ocorreu com a Reforma Sanitária Brasileira, após a derrocada do regime autoritário, possibilitando, no Simpósio de Política Nacional de Saúde, em 1979, a apresentação do Sistema Único de Saúde (SUS) para o país (PAIM In ROUQUAYROL, 2003; PAULUS JÚNIOR, 2006; GERSCHMAN; SANTOS, 2006). A partir de então tem início o momento da Nova República, quando se observou a redução da mortalidade infantil e das doenças imunopreveníveis. Durante a Nova República, houve, ainda, a manutenção das doenças do aparelho circulatório e neoplasias como principais causas de mortalidade e um aumento das mortes violentas. Naquele momento foram apresentadas as diretrizes e princípios da Reforma Sanitária, a saber: conceito ampliado da saúde; reconhecimento da saúde como direitos de todos e dever do estado; criação do SUS; participação popular (controle social); constituição e ampliação do orçamento social (PAIM In ROUQUAYROL, 2003; BRAVO, 2001; GERSCHMAN; SANTOS, 2006; OLIVEIRA et al. 2008). Até então, havia, no Brasil, um sistema de saúde fragmentado, que atendia, obrigatoriamente, apenas alguns grupos da população, deixando à margem os indivíduos desempregados e aqueles que pertenciam a classes econômicas menos favorecidas, os quais eram assistidos como indigentes nas casas de saúde, como as Santas Casas de Misericórdia. A Constituição Federal do Brasil de 1988, ao estabelecer que a saúde é direito de todos e dever do Estado, propõe a criação de um Sistema Único de Saúde e, em 1990, é promulgada a Lei Nº 8.080, com o objetivo de regular, em todo o território nacional, as ações e serviços de saúde. Reconhecendo que a saúde é um direito fundamental do ser humano, o SUS é estruturado como uma rede regionalizada, hierarquizada e inclui, entre seus principais objetivos, o de atender toda a população brasileira de forma integral (LEI Nº 8.080/1990). Mais à frente na história, a década de 1990 foi marcada pelo início da epidemia de cólera e o agravamento da mortalidade por causas externas, destacando-se o predomínio dos homicídios sobre as mortes do tráfego. Vivia-se um momento difícil caracterizado pelo descrédito quanto ao funcionamento do SUS. Foi neste contexto que o Congresso Nacional aprovou a Lei Orgânica da Saúde (Lei Nº 8.080/90). Mais tarde, esta Lei foi complementada pela Lei Nº 8.142/90, a qual assegura a participação da comunidade no SUS, além de descentralizar os recursos financeiros da área da saúde. Posteriormente, a

19 19 IX Conferência Nacional de Saúde defendeu a municipalização da saúde e descentralização de ações e serviços de saúde. E, finalmente, [...] no plano internacional, o Brasil passou a ocupar posição de destaque, sobretudo durante a 54 a Assembleia Mundial de Saúde, em 2001, situando a política de saúde brasileira à frente das adotadas pela OMS e servindo de modelo para tomar atitudes mais ousadas (PAIM In ROUQUAYROL, 2003). Ainda que, historicamente, a política de saúde tenha evoluído consideravelmente década após década, para Jesus (2010), o grande desafio do SUS é garantir acesso com disponibilidade de serviços e recursos, acessibilidade, adequação funcional, capacidade financeira e aceitabilidade por parte de trabalhadores e usuários. Além disso, as desigualdades sociais e regionais presentes na população brasileira, aliadas à pobreza de entendimento em praticar a técnica da informação para alcançar o correto atendimento e consequente diagnóstico, têm impacto relevante na sobrevida e qualidade da população, prejudicando a organização do acesso a serviços de forma eficaz e eficiente, no sentido de amenizar os agravos gerados pelas desigualdades sociais entre os diversos grupos populacionais no Brasil, já que o acesso à saúde envolve vários aspectos que abrangem a assistência, como: condição sócio-econômica-cultural, localização geográfica dos equipamentos de saúde, transporte e educação (DONABEDIAN, 1997; ASSIS, SCATENA, 2003; 8 a CONFERÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE, 1986; RODRIGUES; GIVIZIES, 2010; SENA, 2007). Assim, o alcance dos princípios de saúde sempre dependerá de políticas saudáveis das esferas federal, estaduais e municipais, fortalecidas pela efetiva participação da sociedade. A aliança do governo com a população garantirá o bem estar de todos, visto que ao falar-se em políticas públicas de saúde a partir do SUS, o termo atendimento integral/integralidade está sempre presente e é central para toda e qualquer discussão (BRASIL, 1988; PAIM, 1998; MEDEIROS, 2009). Para isso, a inclusão social é essencial na afirmação da cidadania, uma vez que a inclusão é premissa para a equidade (SENA, 2007).

20 ACESSO A SERVIÇOS DE SAÚDE EM ONCOLOGIA A saúde é um direito do cidadão brasileiro, garantido pela Constituição Federal de 1988, em seus artigos 196 a 200 que tratam do direito à saúde. De acordo com o disposto no Artigo 196 da CF: A saúde é direito de todos e dever do Estado, garantido mediante políticas públicas sociais e econômicas que visem à redução do risco de doença e de outros agravos e ao acesso universal e igualitário às ações e serviços para sua promoção, proteção e recuperação (BRASIL, 1988, p.117). A ênfase ao acesso é tema antigo, quase sempre recorrente nas reuniões que discutem questões relacionadas à saúde, não faltando na pauta da 8 a Conferência Nacional de Saúde, ocorrida em 1986, portanto, antes da promulgação da última Constituição Federal. A referida Conferência elaborou um conceito ampliado de saúde, também destacando o acesso a serviços de saúde, conforme se observa: Em seu sentido mais abrangente, a saúde é a resultante das condições de alimentação, habitação, educação, renda, meio ambiente, trabalho, transporte, emprego, lazer, liberdade, acesso e posse da terra e acesso a serviços de saúde. É, assim, antes de tudo, o resultado das formas de organização social da produção, as quais podem gerar grandes desigualdades nos níveis da vida. (8 a CONFERÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE, 1986, p.04) Para o alcance deste acesso universal, deve-se garantir a distribuição igualitária de todos os itens necessários para o estabelecimento do equilíbrio do processo saúde e doença, o que acontece quando se tem um bom direcionamento das políticas visando à melhoria da qualidade de vida dos indivíduos. Um dos conhecimentos necessários para a boa formulação das políticas públicas de saúde é aquele que advém das investigações epidemiológicas, inclusive, a partir de sistemas de vigilância sobre o desempenho dos serviços de saúde, visando observar, medir e/ou quantificar os meios de acesso a determinado serviço (BASTOS, 2011; DIAS-DA-COSTA, 2008;MENDOZA-SASSI et al., 2003; PAIVA, 2011). Lima et al. (2007) concluíram, em pesquisa sobre o acesso e acolhimento em unidades de saúde na visão dos usuários, que os principais problemas relatados foram aqueles relacionados ao acesso, uma vez que são várias as dificuldades na obtenção de

21 21 acesso ao atendimento, como o longo tempo de espera pelo atendimento e a chegada ao serviço muito antes do horário de funcionamento. O acesso à saúde deve ser analisado sob inúmeras abordagens, especialmente porque o sistema de saúde, no cotidiano, apresenta dificuldades no que se refere à satisfação das necessidades de assistência à saúde da totalidade da sociedade. Uma das possibilidades de avaliação do acesso real aos serviços de saúde se dá por meio da análise da distância percorrida até o serviço, do tempo de viagem e de seu custo, sendo fundamental a adequação destes três fatores a cada região, devendo-se considerar as melhores medidas para uma melhor análise geográfica para facilitar o acesso à saúde como: o planejamento adequado em termos de localização e dimensão de novos recursos, considerando variáveis geográficas, demográficas e sociais; e a obtenção da melhoria dos indicadores locais de saúde, respeitando as características da cobertura e da qualidade da assistência (UNGLERT, 1987). De acordo com o INCA (2012), a cada ano, cerca de 22% dos novos casos de câncer em mulheres são de mama. E, embora o câncer de mama seja considerado de bom prognóstico quando detectado precocemente, trata-se da maior causa de morte entre as mulheres brasileiras, principalmente na faixa etária entre 40 e 69 anos, com mais de 11 mil mortes/ano. O câncer de mama deve ser abordado por uma equipe multidisciplinar visando o tratamento integral da paciente, já que o tratamento da doença consiste na combinação de diferentes modalidades terapêuticas que, geralmente, resultam em grandes alterações da aparência da mulher. As modalidades terapêuticas disponíveis, atualmente, são a cirúrgica e a radioterápica para o tratamento loco-regional, e a hormonioterapia e a quimioterapia para o tratamento sistêmico (SANTOS e VIEIRA, 2011; INCA, 2012). Em 2005 foi aprovada e estabelecida a Política Nacional de Atenção Oncológica a partir da articulação entre o Ministério da Saúde e as Secretarias Estaduais e Municipais. Esta política foi implantada com o objetivo de realizar a prevenção, o diagnóstico, o tratamento, a reabilitação e os cuidados paliativos em oncologia (CONASS, 2005). Para adequada implantação desta política criaram-se as Unidades de Alta Complexidade (UNACON), instaladas em hospitais terciários que tratam de, pelo menos,

Tratamento do câncer no SUS

Tratamento do câncer no SUS 94 Tratamento do câncer no SUS A abordagem integrada das modalidades terapêuticas aumenta a possibilidade de cura e a de preservação dos órgãos. O passo fundamental para o tratamento adequado do câncer

Leia mais

DISCIPLINA DE ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE I MSP 0670/2011. SISTEMAS DE SAÚDE

DISCIPLINA DE ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE I MSP 0670/2011. SISTEMAS DE SAÚDE DISCIPLINA DE ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE I MSP 0670/2011. SISTEMAS DE SAÚDE Paulo Eduardo Elias* Alguns países constroem estruturas de saúde com a finalidade de garantir meios adequados para que as necessidades

Leia mais

ERRATA. Na página 11, continuação do Quadro Esquemático das Normas Operacionais do Sus

ERRATA. Na página 11, continuação do Quadro Esquemático das Normas Operacionais do Sus ERRATA Secretaria de Saúde do DF AUXILIAR EM saúde - Patologia Clínica Sistema Único de Sáude - SUS Autora: Dayse Amarílio D. Diniz Na página 11, continuação do Quadro Esquemático das Normas Operacionais

Leia mais

PORTARIA Nº 2.304, DE 4 DE OUTUBRO DE 2012. Institui o Programa de Mamografia Móvel no âmbito do Sistema Único de Saúde

PORTARIA Nº 2.304, DE 4 DE OUTUBRO DE 2012. Institui o Programa de Mamografia Móvel no âmbito do Sistema Único de Saúde PORTARIA Nº 2.304, DE 4 DE OUTUBRO DE 2012 (SUS). Institui o Programa de Mamografia Móvel no âmbito do Sistema Único de Saúde O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso das atribuições que lhe conferem os incisos

Leia mais

13º - AUDHOSP AUDITORIA NO SUS VANDERLEI SOARES MOYA 2014

13º - AUDHOSP AUDITORIA NO SUS VANDERLEI SOARES MOYA 2014 13º - AUDHOSP AUDITORIA NO SUS VANDERLEI SOARES MOYA 2014 AUDITORIA NA SAÚDE Na saúde, historicamente, as práticas, as estruturas e os instrumentos de controle, avaliação e auditoria das ações estiveram,

Leia mais

NOTA TÉCNICA 40 2013 REDE DE ATENÇÃO À SAÙDE DAS PESSOAS COM DOENÇAS CRONICAS. Política Nacional para a Prevenção e Controle do Câncer

NOTA TÉCNICA 40 2013 REDE DE ATENÇÃO À SAÙDE DAS PESSOAS COM DOENÇAS CRONICAS. Política Nacional para a Prevenção e Controle do Câncer NOTA TÉCNICA 40 2013 REDE DE ATENÇÃO À SAÙDE DAS PESSOAS COM DOENÇAS CRONICAS Política Nacional para a Prevenção e Controle do Câncer Cria o Serviço de Referência para Diagnostico e Tratamento de Lesões

Leia mais

Melhorar sua vida, nosso compromisso Redução da Espera: tratar câncer em 60 dias é obrigatório

Melhorar sua vida, nosso compromisso Redução da Espera: tratar câncer em 60 dias é obrigatório Melhorar sua vida, nosso compromisso Redução da Espera: tratar câncer em 60 dias é obrigatório Maio de 2013 Magnitude do Câncer no Brasil 518 mil novos casos em 2013 Câncer de pele não melanoma deve responder

Leia mais

Assistência. Assistência no INCA

Assistência. Assistência no INCA Assistência A qualidade do tratamento oferecido aos pacientes pelo Sistema Único de Saúde é de alta prioridade entre as ações desenvolvidas para o controle do câncer no Brasil. Por tratar-se de uma doença

Leia mais

INTRODUÇÃO (WHO, 2007)

INTRODUÇÃO (WHO, 2007) INTRODUÇÃO No Brasil e no mundo estamos vivenciando transições demográfica e epidemiológica, com o crescente aumento da população idosa, resultando na elevação de morbidade e mortalidade por doenças crônicas.

Leia mais

Realização: CEREMAPS, EESP e Fundação CEFETBAHIA 1

Realização: CEREMAPS, EESP e Fundação CEFETBAHIA 1 CONHECIMENTOS GERAIS SOBRE SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE (QUESTÕES 01 a 30) Questão 01 (Peso 1) A saúde, através do Sistema Único de Saúde, é desenvolvida através de uma política social e econômica que visa,

Leia mais

NOTA TÉCNICA 03 2013

NOTA TÉCNICA 03 2013 NOTA TÉCNICA 03 2013 Dispõe sobre a aplicação da Lei nº 12.732, de 22 de novembro de 2012, que versa a respeito do primeiro tratamento do paciente com neoplasia maligna comprovada, no âmbito do Sistema

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DO CÂNCER FEMININO. Rio de Janeiro RJ 30 de junho de 2011

POLÍTICA NACIONAL DO CÂNCER FEMININO. Rio de Janeiro RJ 30 de junho de 2011 MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE - SAS DEPARTAMENTO DE ASSISTÊNCIA ESPECIALIZADA DAE Coordenação-Geral de Média e Alta Complexidade POLÍTICA NACIONAL DO CÂNCER FEMININO Maria Inez Pordeus

Leia mais

PORTARIA 1.600, DE 7 DE JULHO DE

PORTARIA 1.600, DE 7 DE JULHO DE PORTARIA No- 1.600, DE 7 DE JULHO DE 2011 Reformula a Política Nacional de Atenção às Urgências e institui a Rede de Atenção às Urgências no Sistema Único de Saúde (SUS). O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE,

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL EM GENÉTICA CLÍNICA

POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL EM GENÉTICA CLÍNICA NOTA TÉCNICA 05 2007 POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL EM GENÉTICA CLÍNICA Versão preliminar Brasília, 20 de março de 2007. POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL EM GENÉTICA CLÍNICA 1. Antecedentes

Leia mais

MORBIDADE E MORTALIDADE POR NEOPLASIAS NO ESTADO DE PERNAMBUCO

MORBIDADE E MORTALIDADE POR NEOPLASIAS NO ESTADO DE PERNAMBUCO MORBIDADE E MORTALIDADE POR NEOPLASIAS NO ESTADO DE PERNAMBUCO Edmilson Cursino dos Santos Junior (1); Renato Filipe de Andrade (2); Bianca Alves Vieira Bianco (3). 1Fisioterapeuta. Residente em Saúde

Leia mais

Registro Hospitalar de Câncer de São Paulo:

Registro Hospitalar de Câncer de São Paulo: Registro Hospitalar de Câncer de São Paulo: Análise dos dados e indicadores de qualidade 1. Análise dos dados (jan ( janeiro eiro/2000 a setembro/201 /2015) Apresenta-se aqui uma visão global sobre a base

Leia mais

Panorama da Radioterapia no Brasil

Panorama da Radioterapia no Brasil Sociedade Brasileira de Radioterapia SBRT Filiada à Associação Médica Brasileira - AMB Panorama da Radioterapia no Brasil Robson Ferrigno Presidente da Sociedade Brasileira de Radioterapia A radioterapia

Leia mais

Política de Saúde da Pessoa Idosa

Política de Saúde da Pessoa Idosa Política de Saúde da Pessoa Idosa Conselho Estadual de Saúde LUCYANA MOREIRA Março/2015 O TEMPO É IRREVERSÍVEL Pernambuco em dados: PERNAMBUCO: 8.796.448 hab. 937.943 pessoas idosas 10,7% (IBGE- Censo

Leia mais

SUS: princípios doutrinários e Lei Orgânica da Saúde

SUS: princípios doutrinários e Lei Orgânica da Saúde Universidade de Cuiabá - UNIC Núcleo de Disciplinas Integradas Disciplina: Formação Integral em Saúde SUS: princípios doutrinários e Lei Orgânica da Saúde Profª Andressa Menegaz SUS - Conceito Ações e

Leia mais

DECRETO 7.508 E O PLANEJAMENTO REGIONAL INTEGRADO DANTE GARCIA 2015

DECRETO 7.508 E O PLANEJAMENTO REGIONAL INTEGRADO DANTE GARCIA 2015 DECRETO 7.508 E O PLANEJAMENTO REGIONAL INTEGRADO DANTE GARCIA 2015 Região de Saúde [...] espaço geográfico contínuo constituído por agrupamentos de Municípios limítrofes, delimitado a partir de identidades

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA DE SELEÇÃO Nº 15/2012 - CCS

CHAMADA PÚBLICA DE SELEÇÃO Nº 15/2012 - CCS 1 CHAMADA PÚBLICA DE SELEÇÃO Nº 15/2012 - CCS Seleção de Monitores Bolsistas para o Pró-Saúde e PET-Saúde/RAS da Universidade Estadual do Ceará / 2012-2014 Prova Escrita - 19 de setembro de 2012 Candidato:

Leia mais

NOTA CIENTÍFICA: A EVOLUÇÃO DA SAÚDE PÚBLICA NO BRASIL E A AMPLITUDE E COMPLEXIDADE DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE

NOTA CIENTÍFICA: A EVOLUÇÃO DA SAÚDE PÚBLICA NO BRASIL E A AMPLITUDE E COMPLEXIDADE DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE NOTA CIENTÍFICA: A EVOLUÇÃO DA SAÚDE PÚBLICA NO BRASIL E A AMPLITUDE E COMPLEXIDADE DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE Ana Iva Corrêa Brum Barros 1 Rayana de Carvalho Freitas 2 Prof. Esp. Gilmar dos Santos Soares

Leia mais

GUIA DE ARGUMENTOS DE VENDAS

GUIA DE ARGUMENTOS DE VENDAS GUIA DE ARGUMENTOS DE VENDAS O Plano Diretor é uma lei municipal que estabelece diretrizes para a ocupação da cidade. Ele deve identificar e analisar as características físicas, as atividades predominantes

Leia mais

DECRETO Nº 7.508, DE 28 DE JUNHO DE 2011.

DECRETO Nº 7.508, DE 28 DE JUNHO DE 2011. DECRETO Nº 7.508, DE 28 DE JUNHO DE 2011. Regulamenta a Lei n o 8.080, de 19 de setembro de 1990, para dispor sobre a organização do Sistema Único de Saúde - SUS, o planejamento da saúde, a assistência

Leia mais

FONSEAS I Encontro Nacional da Gestão Estadual do SUAS

FONSEAS I Encontro Nacional da Gestão Estadual do SUAS FONSEAS I Encontro Nacional da Gestão Estadual do SUAS BRASIL 8,5 milhões de Km²; 192 milhões de habitantes; 26 Estados e 01 Distrito Federal; 5.564 municípios (70,3 % com menos de 20.000 habitantes);

Leia mais

Dra Adriana de Freitas Torres

Dra Adriana de Freitas Torres Dra Adriana de Freitas Torres 2020 15 milhões de novos casos 12 milhões de mortes 2002 10 milhões de casos novos 6 milhões de mortes Mundo cerca 1 milhão de novos casos de CM Fonte: União Internacional

Leia mais

Uma Nova Agenda para a Reforma do

Uma Nova Agenda para a Reforma do Uma Nova Agenda para a Reforma do Setor Saúde: Fortalecimento das Funções Essenciais da Saúde Pública e dos Sistemas de Saúde FORO REGIONAL ANTIGUA/GUATEMALA 19-22 DE JULHO DE 2004 PERSPECTIVAS NACIONAIS

Leia mais

DIAGNÓSTICO SOBRE A SAÚDE DA MULHER EM UMA UNIDADE DE SAÚDE DA FAMÍLIA E INTERVENÇÕES SOBRE O EXAME CITOPATOLÓGICO DO COLO UTERINO

DIAGNÓSTICO SOBRE A SAÚDE DA MULHER EM UMA UNIDADE DE SAÚDE DA FAMÍLIA E INTERVENÇÕES SOBRE O EXAME CITOPATOLÓGICO DO COLO UTERINO 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA DIAGNÓSTICO SOBRE A SAÚDE

Leia mais

Política Nacional de Atenção Oncológica Claudio Pompeiano Noronha

Política Nacional de Atenção Oncológica Claudio Pompeiano Noronha Política Nacional de Atenção Oncológica Claudio Pompeiano Noronha Coordenação Geral de Ações Estratégicas - CGAE Instituto Nacional de Câncer - INCA Cenário do Câncer no Mundo: perspectiva de crescimento

Leia mais

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html Página 1 de 5 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 1.559, DE 1º DE AGOSTO DE 2008 Institui a Política Nacional

Leia mais

CONSTITUIÇÃO FEDERAL CONSTITUIÇÃO FEDERAL

CONSTITUIÇÃO FEDERAL CONSTITUIÇÃO FEDERAL 1 Art. 196: A saúde é direito de todos e dever do Estado, garantido mediante políticas sociais e econômicas que visem à redução do risco de doença e de outros agravos e ao acesso universal e igualitário

Leia mais

F. Tratamento fora do domicílio

F. Tratamento fora do domicílio F. Tratamento fora do domicílio artigos 197 e 198 da Constituição Federal de 1988; Lei Orgânica da Saúde nº 8.080, de 19 de setembro de 1990, disciplinada pela Portaria Federal nº 055, de 24 de fevereiro

Leia mais

2º CONGRESSO PERNAMBUCANO DE MUNICÍPIOS O PACTO DE GESTÃO DO SUS E OS MUNICÍPIOS

2º CONGRESSO PERNAMBUCANO DE MUNICÍPIOS O PACTO DE GESTÃO DO SUS E OS MUNICÍPIOS 2º CONGRESSO PERNAMBUCANO DE MUNICÍPIOS O PACTO DE GESTÃO DO SUS E OS MUNICÍPIOS José Iran Costa Júnior Secretário Estadual de Saúde 24/03/2015 Faixa Etária (anos) CARACTERIZAÇÃO SÓCIODEMOGRÁFICA DE PERNAMBUCO

Leia mais

Cartilha REGISTROS DE CÂNCER E O RHC DO HAJ

Cartilha REGISTROS DE CÂNCER E O RHC DO HAJ Cartilha REGISTROS DE CÂNCER E O RHC DO HAJ O que é um registro de câncer? -Centro de coleta, armazenamento, processamento e análise - de forma sistemática e contínua - de informações (dados) sobre pacientes

Leia mais

Sistema Único de Saúde. 15 anos de implantação: Desafios e propostas para sua consolidação.

Sistema Único de Saúde. 15 anos de implantação: Desafios e propostas para sua consolidação. Sistema Único de Saúde 15 anos de implantação: Desafios e propostas para sua consolidação. 2003 Sistema Único de Saúde! Saúde como direito de cidadania e dever do Estado, resultante de políticas públicas

Leia mais

INTRODUÇÃO A EPIDEMIOLOGIA

INTRODUÇÃO A EPIDEMIOLOGIA Universidade de Cuiabá - UNIC Núcleo de Disciplinas Integradas Disciplina: Saúde Coletiva INTRODUÇÃO A EPIDEMIOLOGIA Profª Ma. Andressa Menegaz e Profª Ma. Ana Cássia Lira de Amorim O que é EPIDEMIOLOGIA?

Leia mais

PROGRAMA DE RASTREAMENTO DO CÂNCER DE MAMA EM MULHERES DA REGIÃO DO CARIRI OCIDENTAL, ESTADO DA PARAÍBA

PROGRAMA DE RASTREAMENTO DO CÂNCER DE MAMA EM MULHERES DA REGIÃO DO CARIRI OCIDENTAL, ESTADO DA PARAÍBA PROGRAMA DE RASTREAMENTO DO CÂNCER DE MAMA EM MULHERES DA REGIÃO DO CARIRI OCIDENTAL, ESTADO DA PARAÍBA Eulina Helena Ramalho de Souza 1 Telma Ribeiro Garcia 2 INTRODUÇÃO O câncer de mama é uma neoplasia

Leia mais

Brasília DF 11 de maio de 2011

Brasília DF 11 de maio de 2011 MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE - SAS DEPARTAMENTO DE ASSISTÊNCIA ESPECIALIZADA DAE Coordenação-Geral de Média e Alta Complexidade O CÂNCER E A ONCOLOGIA NO SUS Maria Inez Pordeus Gadelha

Leia mais

DECRETO Nº 7.508, DE 28 DE JUNHO DE 2011

DECRETO Nº 7.508, DE 28 DE JUNHO DE 2011 DECRETO Nº 7.508, DE 28 DE JUNHO DE 2011 Regulamenta a Lei n o 8.080, de 19 de setembro de 1990, para dispor sobre a organização do Sistema Único de Saúde - SUS, o planejamento da saúde, a assistência

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 TÍTULO VIII DA ORDEM SOCIAL CAPÍTULO II DA SEGURIDADE SOCIAL Seção II Da Saúde Art. 196. A saúde é direito de todos e dever do Estado, garantido mediante

Leia mais

CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE DEFESA DA SAÚDE CESAU

CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE DEFESA DA SAÚDE CESAU ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º 09 /2014 - CESAU Objeto: Parecer. Promotoria de Justiça GESAU / Índice de seguimento / levantamento de doenças intra-epiteliais previsto para 2013 no município de Salvador e ações

Leia mais

Women and Cancer: Saving Lives and Avoiding Suffering. Ministério da Saúde Brasília, Brazil May/2012

Women and Cancer: Saving Lives and Avoiding Suffering. Ministério da Saúde Brasília, Brazil May/2012 Women and Cancer: Saving Lives and Avoiding Suffering Ministério da Saúde Brasília, Brazil May/2012 Fortalecimento da Rede de Prevenção, Diagnóstico e Tratamento do Câncer Conjunto de ações estratégicas

Leia mais

PORTARIA No- 189, DE 31 DE JANEIRO DE 2014

PORTARIA No- 189, DE 31 DE JANEIRO DE 2014 PORTARIA No- 189, DE 31 DE JANEIRO DE 2014 Institui o Serviço de Referência para Diagnóstico e Tratamento de Lesões Precursoras do Câncer do Colo de Útero (SRC), o Serviço de Referência para Diagnóstico

Leia mais

Seminário de Residência Médica de Cancerologia Clínica Seminar of Residence in Clinical Oncology

Seminário de Residência Médica de Cancerologia Clínica Seminar of Residence in Clinical Oncology RESIDÊNCIA MÉDICA Seminário de Residência Médica de Cancerologia Clínica Seminar of Residence in Clinical Oncology José Luiz Miranda Guimarães* Neste número estamos divulgando o resultado parcial do Seminário

Leia mais

Carta de Joinville 1) Sobre o Financiamento

Carta de Joinville 1) Sobre o Financiamento Carta de Joinville Os Secretários e Secretárias Municipais de Saúde, reunidos no XXIII Congresso Nacional das Secretarias Municipais de Saúde e IV Congresso Brasileiro de Saúde, Cultura de Paz e Não-Violência,

Leia mais

DIABETES MELLITUS NO BRASIL

DIABETES MELLITUS NO BRASIL DIABETES MELLITUS NO BRASIL 17º Congresso Brasileiro Multidisciplinar em Diabetes PATRÍCIA SAMPAIO CHUEIRI Coordenadora d Geral de Áreas Técnicas DAB/MS Julho, 2012 DIABETES MELITTUS Diabetes é considerado

Leia mais

É permitida a reprodução total ou parcial desta obra, desde que citada a fonte.

É permitida a reprodução total ou parcial desta obra, desde que citada a fonte. 2003. Ministério da Saúde. É permitida a reprodução total ou parcial desta obra, desde que citada a fonte. Série B. Textos Básicos de Saúde MS Série Políticas de Saúde Tiragem: 10.000 exemplares Elaboração,

Leia mais

CAPÍTULO I DA NATUREZA E COMPETÊNCIA

CAPÍTULO I DA NATUREZA E COMPETÊNCIA CAPÍTULO I DA NATUREZA E COMPETÊNCIA Art.1º - A SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE - SUSAM integra a Administração Direta do Poder Executivo, na forma da Lei nº 2783, de 31 de janeiro de 2003, como órgão responsável,

Leia mais

CANCER INCIDENCE IN THE MINAS GERAIS STATE WITH EMPHASIS IN THE REGION OF POÇOS DE CALDAS PLATEAU

CANCER INCIDENCE IN THE MINAS GERAIS STATE WITH EMPHASIS IN THE REGION OF POÇOS DE CALDAS PLATEAU Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais CANCER INCIDENCE IN THE MINAS GERAIS STATE WITH EMPHASIS IN THE REGION OF POÇOS DE CALDAS PLATEAU Berenice Navarro Antoniazzi Epidemiologista Coordenadora

Leia mais

Políticas públicas e a assistência a saúde

Políticas públicas e a assistência a saúde Universidade de Cuiabá UNIC Núcleo de Disciplinas Integradas Disciplina: Formação Integral em Saúde História da Saúde no Brasil: Políticas públicas e a assistência a saúde Profª Ma. Kaline A. S. Fávero,

Leia mais

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 874, DE 16 DE MAIO DE 2013

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 874, DE 16 DE MAIO DE 2013 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 874, DE 16 DE MAIO DE 2013 Institui a Política Nacional para a Prevenção

Leia mais

MEDICAMENTOS DE ALTO CUSTO: QUEM PAGA A CONTA?

MEDICAMENTOS DE ALTO CUSTO: QUEM PAGA A CONTA? MEDICAMENTOS DE ALTO CUSTO: QUEM PAGA A CONTA? De acordo com a Constituição Federal do Brasil, no capítulo dos direitos sociais, todo cidadão tem o direito à saúde, educação, trabalho, moradia, lazer,

Leia mais

RELATO DA IMPLANTAÇÃO DO REGISTRO HOSPITALAR DE CÂNCER NO SERVIÇO DE EPIDEMIOLOGIA DO HOSPITAL DE CLÍNICAS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ.

RELATO DA IMPLANTAÇÃO DO REGISTRO HOSPITALAR DE CÂNCER NO SERVIÇO DE EPIDEMIOLOGIA DO HOSPITAL DE CLÍNICAS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ. RELATO DA IMPLANTAÇÃO DO REGISTRO HOSPITALAR DE CÂNCER NO SERVIÇO DE EPIDEMIOLOGIA DO HOSPITAL DE CLÍNICAS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ. COORDENADOR Prof a. Dr a. Denise Siqueira de Carvalho AUTOR

Leia mais

Tendência da mortalidade da população paulista por neoplasias malignas

Tendência da mortalidade da população paulista por neoplasias malignas Resenha de Estatísticas Vitais do Ano 8 nº 3 Novembro 2007 Tendência da mortalidade da população paulista por neoplasias malignas O século XX se caracterizou, sob o ponto de vista da saúde, pela transição

Leia mais

Planejamento intersetorial e Gestão Participativa. Recife, 04/09/2013

Planejamento intersetorial e Gestão Participativa. Recife, 04/09/2013 Planejamento intersetorial e Gestão Participativa Recife, 04/09/2013 Art. 6º São direitos sociais a educação, a saúde, a alimentação, o trabalho, a moradia, o lazer, a segurança, a previdência social,

Leia mais

A SAÚDE NO GOVERNO LULA PROGRAMA DE GOVERNO

A SAÚDE NO GOVERNO LULA PROGRAMA DE GOVERNO A SAÚDE NO GOVERNO LULA PROGRAMA DE GOVERNO ÍNDICE Diagnóstico Princípios Básicos: 1- Redefinição da atuação pública na saúde 2-Saúde como direito de todos 3-Estabilidade e continuidade das políticas de

Leia mais

PROGRAMAÇÃO ANUAL DE SAÚDE - PAS (ANO)

PROGRAMAÇÃO ANUAL DE SAÚDE - PAS (ANO) PROGRAMAÇÃO ANUAL DE SAÚDE - PAS (ANO) Mês e Ano de elaboração MODELO PARA ELABORAÇÃO DA PAS 2014: Gerência de Programação em Saúde- DEPLAN/SUSAM 1 SUMÁRIO IDENTIFICAÇÃO DO MUNICÍPIO...3 ELABORAÇÃO...4

Leia mais

A regulação médico-hospitalar nos sistemas de saúde público e privado

A regulação médico-hospitalar nos sistemas de saúde público e privado HUMANIZAÇÃO E ACESSO DE QUALIDADE A regulação médico-hospitalar nos sistemas de saúde público e privado Alexandre Mont Alverne 25/11/2015 Regulação Significado: Michaelis: Regular+ção: ato ou efeito de

Leia mais

Atlas de Mortalidade por Câncer em Alagoas 1996 a 2013

Atlas de Mortalidade por Câncer em Alagoas 1996 a 2013 Governo de Alagoas Secretaria de Estado da Saúde Superintendência de Vigilância em Saúde Diretoria de Análise da Situação de Saúde Atlas de Mortalidade por Câncer em Alagoas 1996 a 2013 Maceió AL 2014

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES NO SUS

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES NO SUS SISTEMAS DE INFORMAÇÕES NO SUS Sobre o SUS A Constituição Federal do Brasil define, em seu artigo 196 que a saúde é um direito de todos e dever do Estado, garantido mediante políticas sociais e econômicas,

Leia mais

Princípios e proposições gerais para a Saúde no Governo Wagner:

Princípios e proposições gerais para a Saúde no Governo Wagner: Princípios e proposições gerais para a Saúde no Governo Wagner: 1) defesa do Sistema Único de Saúde (SUS) universal, humanizado e de qualidade; 2) compromisso do governo com a geração de emprego, distribuição

Leia mais

PLANO OPERATIVO PARA IMPLEMENTAÇÃO DE AÇÕES EM SAÚDE DA POPULAÇÃO EM SITUAÇÃO DE RUA 2012-2015

PLANO OPERATIVO PARA IMPLEMENTAÇÃO DE AÇÕES EM SAÚDE DA POPULAÇÃO EM SITUAÇÃO DE RUA 2012-2015 MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA PLANO OPERATIVO PARA IMPLEMENTAÇÃO DE AÇÕES EM SAÚDE DA POPULAÇÃO EM SITUAÇÃO DE RUA 2012-2015 Brasília - DF 2012 1 O presente Plano

Leia mais

Princípios Gerais. Política Nacional de Saúde Integral da População Negra 15/10/2012

Princípios Gerais. Política Nacional de Saúde Integral da População Negra 15/10/2012 Princípios Gerais Política Nacional de Saúde Integral da População Negra PORTARIA Nº 992, DE 13 DE MAIO DE 2009 Profª Carla Pintas A Constituição de 1988 assumiu o caráter de Constituição Cidadã, em virtude

Leia mais

XXVII Congresso de Secretários Municipais de Saúde do Estado de São Paulo REDE DE ATENÇÃO ÀS URGÊNCIAS E EMERGÊNCIAS RUE

XXVII Congresso de Secretários Municipais de Saúde do Estado de São Paulo REDE DE ATENÇÃO ÀS URGÊNCIAS E EMERGÊNCIAS RUE XXVII Congresso de Secretários Municipais de Saúde do Estado de São Paulo REDE DE ATENÇÃO ÀS URGÊNCIAS E EMERGÊNCIAS RUE Marcos Calvo Secretário de Saúde de Santos A organização da Rede de Atenção às Urgências

Leia mais

Constituição da República Federativa do Brasil de 1988

Constituição da República Federativa do Brasil de 1988 Porto Alegre/RS, agosto de 2011 Constituição da República Federativa do Brasil de 1988 Art. 196. A saúde é direito de todos e dever do Estado, garantido mediante políticas sociais e econômicas que visem

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DA REDE DE SERVIÇOS DE ATENÇÃO SECUNDÁRIA DO MUNICÍPIO DE CUIABÁ

ORGANIZAÇÃO DA REDE DE SERVIÇOS DE ATENÇÃO SECUNDÁRIA DO MUNICÍPIO DE CUIABÁ ORGANIZAÇÃO DA REDE DE SERVIÇOS DE ATENÇÃO SECUNDÁRIA DO MUNICÍPIO DE CUIABÁ APRESENTAÇÃO: LÚCIA STELA P. LOPES DE SOUZA CO-AUTORAS: ELISANGELA FARIAS ELIZABETE SILVANA WEIDILENE MORAES GRADUANDAS DO CURSO

Leia mais

EMENTA: Câncer urológico - Critérios de alta para pacientes com câncer CONSULTA

EMENTA: Câncer urológico - Critérios de alta para pacientes com câncer CONSULTA PARECER Nº 2422/2013 CRM-PR PROCESSO CONSULTA N.º 11/2013 PROTOCOLO N. º 10115/2013 ASSUNTO: CRITÉRIOS DE ALTA DE SERVIÇOS DE CANCEROLOGIA PARECERISTA: CONS. JOSÉ CLEMENTE LINHARES EMENTA: Câncer urológico

Leia mais

3º Fórum de Assistência Social do Ministério da Defesa Painel sobre Humanização

3º Fórum de Assistência Social do Ministério da Defesa Painel sobre Humanização 3º Fórum de Assistência Social do Ministério da Defesa Painel sobre Humanização Clínica Ampliada do HC II A experiência do Serviço Social Fernanda dos Reis Melo SSocial HCII/INCA femelo@ig.com.br Rio de

Leia mais

ENFERMAGEM EM ONCOLOGIA. Renata Loretti Ribeiro Enfermeira COREn/SP- 42883

ENFERMAGEM EM ONCOLOGIA. Renata Loretti Ribeiro Enfermeira COREn/SP- 42883 ENFERMAGEM EM ONCOLOGIA Renata Loretti Ribeiro Enfermeira COREn/SP- 42883 Renata Loretti Ribeiro 2 Introdução O câncer representa uma causa importante de morbidez e mortalidade, gerador de efeitos que

Leia mais

Ministério da Saúde NORMA OPERACIONAL DE SAÚDE DO TRABALHADOR NO SUS NOST-SUS

Ministério da Saúde NORMA OPERACIONAL DE SAÚDE DO TRABALHADOR NO SUS NOST-SUS Ministério da Saúde NORMA OPERACIONAL DE SAÚDE DO TRABALHADOR NO SUS NOST-SUS APRESENTAÇÃO O presente documento é resultado de um processo de discussão e negociação que teve a participação de técnicos

Leia mais

Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I. Atenção Básica e a Saúde da Família 1

Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I. Atenção Básica e a Saúde da Família 1 Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I Atenção Básica e a Saúde da Família 1 O acúmulo técnico e político dos níveis federal, estadual e municipal dos dirigentes do SUS (gestores do SUS) na implantação

Leia mais

ANÁLISE DO SISTEMA DE REGULAÇÃO DO MUNICÍPIO DE HIDROLÂNDIA/GO. Palavras-chave: Sistema de Regulação. Descentralização, Regionalização e Referência.

ANÁLISE DO SISTEMA DE REGULAÇÃO DO MUNICÍPIO DE HIDROLÂNDIA/GO. Palavras-chave: Sistema de Regulação. Descentralização, Regionalização e Referência. ANÁLISE DO SISTEMA DE REGULAÇÃO DO MUNICÍPIO DE HIDROLÂNDIA/GO Nara FUKUYA 1 ; Ana Elisa Bauer Camargo SILVA 2 1,2 Universidade Federal de Goiás, Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós Graduação, Núcleo de Estudo

Leia mais

Sistema Único de Saúde (SUS)

Sistema Único de Saúde (SUS) LEIS ORGÂNICAS DA SAÚDE Lei nº 8.080 de 19 de setembro de 1990 Lei nº 8.142 de 28 de dezembro de 1990 Criadas para dar cumprimento ao mandamento constitucional Sistema Único de Saúde (SUS) 1 Lei n o 8.080

Leia mais

Universidade Estadual de Goiás Centro Regional de Referência

Universidade Estadual de Goiás Centro Regional de Referência Universidade Estadual de Goiás Centro Regional de Referência CURSO DE ATUALIZAÇÃO SOBRE INTERVENÇÃO BREVE E ACONSELHAMENTO MOTIVACIONAL PARA USUÁRIOS DE ÁLCOOL, CRACK E OUTRAS DROGAS Rede de Atenção e

Leia mais

GUIA PROPOSTO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE SAÚDE

GUIA PROPOSTO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE SAÚDE GUIA PROPOSTO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE SAÚDE (Fonte: Livro 2 dos Cadernos de Planejamento do PLANEJASUS) O planejamento é uma função estratégica de gestão assegurada pela Constituição Federal

Leia mais

A Evolução da Morbidade e Mortalidade por Câncer de Mama entre a População Feminina de Minas Gerais 1995 a 2001 *

A Evolução da Morbidade e Mortalidade por Câncer de Mama entre a População Feminina de Minas Gerais 1995 a 2001 * A Evolução da Morbidade e Mortalidade por Câncer de Mama entre a População Feminina de Minas Gerais 1995 a 2001 * Andréa Branco Simão UFMG/Cedeplar Luiza de Marilac de Souza UFMG/Cedeplar Palavras Chave:

Leia mais

Suplementar após s 10 anos de regulamentação

Suplementar após s 10 anos de regulamentação Atenção à Saúde Mental na Saúde Suplementar após s 10 anos de regulamentação Kátia Audi Congresso Brasileiro de Epidemiologia Porto Alegre, 2008 Mercado de planos e seguros de saúde: cenários pré e pós-regulamentap

Leia mais

Selo Hospital Amigo do Idoso. Centro de Referência do Idoso

Selo Hospital Amigo do Idoso. Centro de Referência do Idoso SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DE SÃO PAULO COORDENADORIA DE REGIÕES DE SAÚDE CRS Política de Saúde para o Idoso no Estado de São Paulo Selo Hospital Amigo do Idoso Centro de Referência do Idoso Resolução

Leia mais

Portaria nº 339 de 08 de Maio de 2002.

Portaria nº 339 de 08 de Maio de 2002. Portaria nº 339 de 08 de Maio de 2002. O Secretário de Assistência à Saúde, no uso de suas atribuições legais, Considerando a Portaria GM/MS nº 866, de 09 de maio de 2002, que cria os mecanismos para organização

Leia mais

EVENTO: 10ª EDIÇÃO DO CÂNCER DE MAMA GRAMADO RS. 2015. Deputada Federal Carmen Zanotto Enfermeira

EVENTO: 10ª EDIÇÃO DO CÂNCER DE MAMA GRAMADO RS. 2015. Deputada Federal Carmen Zanotto Enfermeira EVENTO: 10ª EDIÇÃO DO CÂNCER DE MAMA GRAMADO RS. 2015 Deputada Federal Carmen Zanotto Enfermeira Constituição Federal 1988 Art.:196 A saúde é direito de todos e dever do Estado, garantido mediante políticas

Leia mais

Rafaela Noronha Brasil

Rafaela Noronha Brasil Saúde Pública e Epidemiologia 2013.1 Rafaela Noronha Brasil Fonoaudióloga ESP/CE Mestre em Saúde, Ambiente e Trabalho Profa Adjunto FATECI/CE Economia agrícola: exportação café (e açúcar) Imigração de

Leia mais

MONITORAMENTO DAS AÇÕES DE CONTROLE DOS CÂNCERES DO COLO DO ÚTERO E DE MAMA

MONITORAMENTO DAS AÇÕES DE CONTROLE DOS CÂNCERES DO COLO DO ÚTERO E DE MAMA Abril a Junho/ 2010/ n 2 MONITORAMENTO DAS AÇÕES DE CONTROLE DOS CÂNCERES DO COLO DO ÚTERO E DE MAMA Apresentação Neste segundo boletim de 2010, são apresentados os dados parciais para acompanhamento dos

Leia mais

O COAP na perspectiva da gestão da Vigilância em Saúde. Sonia Brito Secretaria de Vigilância em Saúde

O COAP na perspectiva da gestão da Vigilância em Saúde. Sonia Brito Secretaria de Vigilância em Saúde O COAP na perspectiva da gestão da Vigilância em Saúde Sonia Brito Secretaria de Vigilância em Saúde Decreto 7.508/11 Regulamenta a Lei nº 8.080, de 19 de setembro de 1990, para dispor sobre a organização

Leia mais

BOLETIM ELETRÔNICO DO GRUPO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO E INFORMAÇÕES DE SAÚDE

BOLETIM ELETRÔNICO DO GRUPO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO E INFORMAÇÕES DE SAÚDE GAI informa junho/2009 ano 1 nº2 BOLETIM ELETRÔNICO DO GRUPO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO E INFORMAÇÕES DE SAÚDE Editorial Neste segundo número do Boletim Gais Informa apresenta-se um resumo das principais discussões

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM

POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS SENADO FEDERAL BRASÍLIA, 16 DE MAIO DE 2013 Criação de um novo departamento dentro da SAS: DAET- Departamento de Atenção

Leia mais

São reconhecidos aos índios sua organização social, costumes, línguas, crenças e tradições,

São reconhecidos aos índios sua organização social, costumes, línguas, crenças e tradições, A Constituição Federal de 1988 reconhece aos povos indígenas suas especificidades étnicas e culturais bem como estabelece seus direitos sociais. Dentre as inúmeras proteções conferidas aos povos indígenas

Leia mais

ENCONTRO ESTADUAL DE FARMACÊUTICOS PREPARATÓRIO PARA A 15ª CONFERÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE RELATÓRIO FINAL OFICINA AMAZONAS

ENCONTRO ESTADUAL DE FARMACÊUTICOS PREPARATÓRIO PARA A 15ª CONFERÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE RELATÓRIO FINAL OFICINA AMAZONAS ENCONTRO ESTADUAL DE FARMACÊUTICOS PREPARATÓRIO PARA A 15ª CONFERÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE RELATÓRIO FINAL OFICINA AMAZONAS Informações gerais Estado Amazonas Organizadores (sindicato e Sindicato dos Farmacêuticos

Leia mais

SAÚDE MENTAL E ATENÇÃO BÁSICA O VÍNCULO E O DIÁLOGO NECESSÁRIOS ÍNDICE

SAÚDE MENTAL E ATENÇÃO BÁSICA O VÍNCULO E O DIÁLOGO NECESSÁRIOS ÍNDICE MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRATÉGICAS / DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO GERAL DE SAÚDE MENTAL COORDENAÇÃO DE GESTÃO DA ATENÇÃO BÁSICA

Leia mais

Organização do Sistema Único de Saúde Organization of the Health System in Brazil

Organização do Sistema Único de Saúde Organization of the Health System in Brazil Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa inistério da Saúde Organização do Sistema Único de Saúde Organization of the Health System in Brazil Brasília, março de 2014 Saúde Direito de todos e dever

Leia mais

A Educação Física no campo da saúde

A Educação Física no campo da saúde A Educação Física no campo da saúde V Encontro de Coordenadores de Cursos De Educação Física do Estado do Paraná A atuação do profissional de Educação Física no Sistema Único de Saúde - SUS Prof.Ms. Alexandre

Leia mais

III Princípios Gerais da Formação Médica

III Princípios Gerais da Formação Médica I Motivação Aprovação da Lei 12.871 de 22/10/2013; Necessidade de ter diretrizes curriculares em sintonia com o programa Mais Médicos; A oportunidade de atualizar e aprimorar as diretrizes de 2001; Acompanhar

Leia mais

Atribuições federativas nos sistemas públicos de garantia de direitos

Atribuições federativas nos sistemas públicos de garantia de direitos Atribuições federativas nos sistemas públicos de garantia de direitos Atribuições federativas nos sistemas públicos de garantia de direitos Características da Federação Brasileira Federação Desigual Federação

Leia mais

PROGRAMA DE RESIDÊNCIA INTEGRADA MULTIPROFISSIONAL EM ATENÇÃO HOSPITALAR - PRIMAH

PROGRAMA DE RESIDÊNCIA INTEGRADA MULTIPROFISSIONAL EM ATENÇÃO HOSPITALAR - PRIMAH PROGRAMA DE RESIDÊNCIA INTEGRADA MULTIPROFISSIONAL EM ATENÇÃO HOSPITALAR - PRIMAH DIRETRIZES PEDAGÓGICAS DO PROGRAMA ESTÃO BASEADAS NAS AÇÕES QUE COMPORTAM ATIVIDADES Multiprofissionalidade e interdisciplinaridade:

Leia mais

GRATUITO CURSO COMPLETO DO SUS 17 AULAS 500 QUESTÕES COMENTADAS. Professor Rômulo Passos Aula 10

GRATUITO CURSO COMPLETO DO SUS 17 AULAS 500 QUESTÕES COMENTADAS. Professor Rômulo Passos Aula 10 1 www.romulopassos.com.br / www.questoesnasaude.com.br GRATUITO CURSO COMPLETO DO SUS 17 AULAS 500 QUESTÕES COMENTADAS Professor Rômulo Passos Aula 10 Legislação do SUS Completo e Gratuito Página 1 2 www.romulopassos.com.br

Leia mais

Módulo: Indicadores de Saúde. Palestrante: Irineu Francisco Barreto Jr.

Módulo: Indicadores de Saúde. Palestrante: Irineu Francisco Barreto Jr. Módulo: Indicadores de Saúde Palestrante: Irineu Francisco Barreto Jr. Sumário 1. Considerações metodológicas sobre Indicadores de Saúde 2. Organização do Sistema de Saúde no Brasil 3. Principais grupos

Leia mais

Protocolos de acesso do Serviço Social 1- Caracterização do Serviço

Protocolos de acesso do Serviço Social 1- Caracterização do Serviço Protocolos de acesso do Serviço Social 1- Caracterização do Serviço A finalidade do trabalho do Assistente Social junto ao usuário do Hospital Universitário da UFJF, implica em favorecer o acesso deste

Leia mais

20 e 21 de outubro de 2005 Gulnar Azevedo S. Mendonça. Coordenação de Prevenção e Vigilância

20 e 21 de outubro de 2005 Gulnar Azevedo S. Mendonça. Coordenação de Prevenção e Vigilância Seminário de 20 e 21 de outubro de 2005 Gulnar Azevedo S. Mendonça Coordenação de Prevenção e Vigilância Magnitude do problema Câncer é a segunda causa de morte no Brasil. Mortalidade por câncer vem aumentando,

Leia mais

OF/AMUCC-043/2013 - ADV Florianópolis, 02 de maio de 2013.

OF/AMUCC-043/2013 - ADV Florianópolis, 02 de maio de 2013. OF/AMUCC-043/2013 - ADV Florianópolis, 02 de maio de 2013. Exmo Sr. Dr. Maurício Pessutto MD Procurador da República Procuradoria da República em Santa Catarina Rua Pascoal Apóstolo Pitsica, nº 4876, torre

Leia mais

O Pacto de Gestão do SUS e os Municípios

O Pacto de Gestão do SUS e os Municípios Colegiado de Secretários Municipais de Saúde do Estado de PE COSEMS-PE O Pacto de Gestão do SUS e os Municípios 2º Congresso Pernambucano de Municípios - AMUPE Gessyanne Vale Paulino Saúde Direito de todos

Leia mais

O papel dos conselhos na afirmação do Pacto pela Saúde

O papel dos conselhos na afirmação do Pacto pela Saúde Informativo interativo eletrônico do CNS aos conselhos de Saúde Brasília, junho de 2006 Editorial O papel dos conselhos na afirmação do Pacto pela Saúde A aprovação unânime do Pacto pela Saúde na reunião

Leia mais