Topografia TRABALHOS DE CAMPO NIVELAMENTO GEOMETRICO LEVANTAMENTO TAQUEOMETRICO LEVANTAMENTO E CALCULO DE UMA POLIGONAL

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Topografia TRABALHOS DE CAMPO NIVELAMENTO GEOMETRICO LEVANTAMENTO TAQUEOMETRICO LEVANTAMENTO E CALCULO DE UMA POLIGONAL"

Transcrição

1 Licenciatura em Engenharia Civil 1º Ano 2º Semestre Topografia Ano Lectivo 2004/2005 TRABALHOS DE CAMPO NIVELAMENTO GEOMETRICO LEVANTAMENTO TAQUEOMETRICO LEVANTAMENTO E CALCULO DE UMA POLIGONAL Trabalho elaborado por: André Vieira Eduardo Midões João Fontes Turma 2 Porto, Junho de 2005

2 1 1. Introdução Geral O presente trabalho, que consiste na execução de um nivelamento geométrico, um levantamento taqueométrico e o levantamento de uma poligonal, insere-se na avaliação da disciplina de Topografia. Os trabalhos foram executados na zona norte do campus da FEUP. 2 Objectivo Este trabalho tem como objectivo promover a familiarização dos alunos com as temáticas leccionadas ao longo do semestre, através do manuseamento dos aparelhos usados em topografia. 3 Esquema Licenciatura em Engenharia Civil - Topografia 2

3 4 Nivelamento 4.1 Breve Exposição O principal objectivo do nivelamento é a determinação de diferenças de nível entre pontos do terreno, sendo, a diferença de nível entre dois pontos definida como a distância, medida na vertical, entre superfícies de nível que contêm esses pontos. Podemos considerar três métodos gerais de nivelamento: o Nivelamento Barométrico, o Nivelamento Trigonométrico ou Indirecto e por último o Nivelamento Geométrico ou Directo. O Nivelamento Barométrico baseia-se no facto de a pressão atmosférica variar com a altitude. No entanto, esta variação é dependente da temperatura e da latitude. Com este método podemos obter uma precisão do nivelamento na ordem dos metros, o que o torna inadequado no contexto da engenharia civil. O Nivelamento Trigonométrico ou Indirecto permite obter diferenças de nível através da medição do ângulo zenital ou do ângulo complementar a este, e da distância entre os pontos para os quais se pretende obter o nivelamento. A precisão associada a este método é da ordem dos centímetros. Apesar de apresentar uma maior precisão este método não satisfaz ainda as necessidades de trabalhos de engenharia civil. No Nivelamento Geométrico ou Directo as diferenças de nível resultam de leituras feitas para miras colocadas no terreno verticalmente e correspondentes a visadas horizontais realizadas com um aparelho chamada nível. É o método mais preciso pois os desníveis podem ser obtidos com a precisão da ordem do milímetro. O nível é um aparelho que permite definir, em determinadas condições, linhas de vista horizontais. Os níveis ópticos são constituídos por uma base com parafusos nivelantes, uma luneta com retículo e uma nivela tórica e/ou esférica. Dentro deste tipo de nível existem os níveis bloco que são um nível de luneta fixa (não basculante), com nivela tórica solidária à luneta, e os níveis automáticos que possuem dispositivos óptico mecânicos que tornam as linhas de visada automaticamente horizontais, após nivelar, de forma expedita com o auxílio de nivela esférica, a base do nível; são os mais utilizados em trabalhos de nivelamento. Quando se utilizam níveis ópticos com miras dotadas de escalas de ínvar e com dispositivos de leitura especiais (micrómetros) é possível realizar leituras com a resolução de 0,01 mm. Este tipo de equipamento utiliza-se sobretudo na observação de obras. Outro tipo de nível é o nível laser que consiste num emissor de raios laser que varre um plano horizontal. A mira dispõe de um alvo capaz de detectar o raio emitido, registando-se a altura ao solo deste alvo. Os erros mais frequentes são a linha de visada não horizontal e a mira inclinada, mas podem ser eliminados recorrendo ao método das visadas a igual distância e método das visadas recíprocas. Os nivelamentos podem ser classificados em cinco tipos: nivelamento simples, quando é utilizada apenas uma estação, nivelamento composto, quando se utilizam várias estações, nivelamento fechado, quando começa e acaba em pontos de cota conhecida, nivelamento aberto, quando existe um só ponto de cota conhecida, e contranivelamento, que consiste na repetição de um nivelamento por ordem inversa. Licenciatura em Engenharia Civil - Topografia 3

4 No nivelamento fechado, uma vez que se conhecem as cotas dos pontos A e B, define-se o erro de fecho como a diferença, devida aos erros de observação, entre o valor do desnível exacto, obtido a partir das cotas conhecidas, e o valor do desnível calculado, obtido a partir dos desníveis medidos (referentes à linha de nivelamento). Quando o erro de fecho é inferior à tolerância, calcula-se a compensação dos desníveis de forma que o erro de fecho seja nulo. Se o erro de fecho exceder a tolerância, as medições são rejeitadas, sendo o trabalho de campo repetido. Na compensação o erro de fecho deverá ser distribuído igualmente pelas diferenças de nível que dizem respeito aos pontos que transmitem o nivelamento, isto é, aquelas em cujo cálculo intervém niveladas atrás. 4.2 Procedimento Reconhecimento do terreno e identificação dos pontos notáveis em altimetria. Escolha da localização das estações Colocação do nível em estação Visar e registar a leitura efectuada Cálculo e compensação da caderneta de nivelamento 4.3 Registos No decurso do trabalho de campo de nivelamento registaram-se as seguintes leituras (m) na mira: 1 1, ,700 E 1 3 1, ,269 E 2 4 1, , ,321 E 3 6 1, , ,483 E 4 8 3, , ,801 E , , , ,942 E , , , ,937 E , , , , ,310 Licenciatura em Engenharia Civil - Topografia 4

5 Arbitrando que o ponto 1 esta a uma cota de 100,000 m foram calculadas as cotas compensadas dos vários pontos dando origem a seguinte caderneta de nivelamento: Ponto Visadas (m) Desníveis ( H) (m) Visado Atrás Interm. Adiante + - Ε (mm) (compensação) Cotas(H) (m) 1 1, ,000 0, , ,184 0, , ,199 0, ,824 1, ,615 0, , ,812 0, ,940 1, ,119 0, , ,451 1, ,072 0, ,576 1, , ,075 0, ,479 0, ,847 0, , ,676 0, , ,748 0, ,059 1, ,318 0, , ,046 0, , ,756 0, ,808 1, ,503 0, , ,107 1, , ,996 1, , ,462 0, , ,000 Licenciatura em Engenharia Civil - Topografia 5

6 4.4 Fórmulas Utilizadas / Cálculos Efectuados / Esquema de Nivelamento H = V atrás V adiante ( 0,002) h 0. m ε h = ( Hb Ha) H εh = 0 ε = 002 Nota: No decorrer do trabalho de campo o erro foi mal calculado, estando representado na folha de registo com o sinal trocado. Onde se lê -0,002 deve ler-se 0,002. A compensação do erro será distribuída pelas estações E 1 e E 2 sendo de 1mm em cada. H = H + ε ( compensação) Licenciatura em Engenharia Civil - Topografia 6

7 5 Taqueometria 5.1 Breve Exposição O levantamento topográfico consiste num conjunto de operações (trabalhos de campo e de gabinete) que visam a representação dos pormenores planimétricos e altimétricos definidores do terreno. No presente trabalho foi feito um levantamento pelo método clássico em que a informação topográfica é recolhida no terreno utilizando taqueómetros, sendo armazenado em cadernetas (em papel ou electrónicas). É utilizado no levantamento de zonas pouco extensas (nos levantamentos de grandes extensões recorre-se ao método fotogramétrico). O ângulo azimutal (horizontal) de duas direcções que passam por um ponto é o rectilíneo do diedro formado pelos planos verticais que contêm essas direcções, ou seja, é o ângulo das projecções dessas direcções sobre um plano horizontal. O ângulo de inclinação de uma direcção é o ângulo que essa direcção faz com o plano horizontal, e o ângulo zenital (vertical) de uma direcção é o ângulo que essa direcção faz com a vertical do lugar. O Teodolito é um instrumento utilizado em topografia para a medição de ângulos azimutais e zenitais. O Taqueómetro é um Teodolito de luneta estadiada (permitindo a avaliação de distâncias). A estádia é um sistema óptico que permite obter linhas de visada concorrentes num ponto de posição conhecida, denominado centro de analatismo. A estádia é constituída por dois ou mais fios horizontais (fios estadimétricos) gravados no retículo da luneta. O taqueómetro é constituído por uma base, por uma alidade e por limbos. A base está ligada ao terreno através de um suporte (tripé) e pode ser nivelada por meio de três parafusos nivelantes. Dispões ainda de um prumo óptico que permite centrar o aparelho sobre um ponto materializado no terreno. A alidade pode girar em torno do eixo vertical e contém a luneta que possui movimento de rotação no plano vertical; a luneta é constituída por sistemas ópticos (objectiva e ocular) e pelo retículo, lâmina onde são gravados os fios estadimétricos. Os limbos são círculos graduados (horizontal e vertical) com os quais se quantificam os movimentos de rotação imprimidos à alidade e à luneta. A leitura do limbo vertical dá o ângulo zenital da direcção definida pelo centro do taqueómetro e o ponto visado. A leitura do limbo horizontal fornece a direcção azimutal do ponto visado relativamente à origem do limbo (a medição de um ângulo azimutal implica visar dois pontos, ou seja, o ângulo azimutal resulta da diferença entre as duas leituras azimutais). Os taqueómetros digitais dispõem de sistemas óptico-electrónicos de leitura dos limbos horizontal e vertical, aparecendo os valores dos respectivos ângulos num visor. A estação total é um taqueómetro digital dotado de um distanciómetro electromagnético, com partilha de sistemas ópticos, circuitos electrónicos, sistemas de registo e baterias. Dispõem de cadernetas electrónicas, onde são registadas as leituras dos ângulos azimutais e zenitais, distâncias, desníveis e outra informação auxiliar, tal como um código alfanumérico para a identificação dos pontos visados, podendo toda a informação ser transferida para um computador. Estas cadernetas substituem as tradicionais cadernetas de campo, permitindo a automatização das operações de registo, a eliminação dos erros de transição e a redução do tempo de operação. É de salientar que a estação total foi o aparelho utilizado para a execução desta parte do trabalho, contudo, as cadernetas utilizadas foram as cadernetas clássicas. Licenciatura em Engenharia Civil - Topografia 7

8 5.2 Procedimento Reconhecimento do terreno Escolha do ponto estação Colocação do aparelho em estação Medição da altura do aparelho e do alvo Visar o alvo e registo dos dados recolhidos Cálculo da caderneta taqueométrica 5.3 Registos Os dados obtidos no terreno, bem como os resultantes da aplicação de algumas relações trigonométricas encontram-se registados na seguinte caderneta taqueométrica: Estação (Alt. inst.) (m) Ponto Ângulos (grados) Visado Azimutal Zenital Distância (m) (D) Altura (m) (h) Desnível (m) ( H) Cota (m) (H) ,33 36,438 1, , ,39 97,72 31,565 0, , ,34 98,55 30,423 0, , ,25 99,00 25,176-0,017 99, ,79 102,70 11,806-0,911 99, ,25 107,84 10,050-1,644 98, ,23 106,07 19,195-2,236 97, ,58 103,99 19,858-2,275 97, ,07 104,69 17,219-1,679 98, ,01 104,83 17,247-1,719 98, ,03 103,70 30,799-2,200 97, ,80 102,67 36,339-1,935 98, ,40 103,69 28,369-2,056 97, ,41 103,56 31,726-2,186 97,814 1, ,09 103,00 22,669-1,429 98, ,34 101,35 19,184 2,0-0,818 99, ,67 98,35 25,495 0, , ,28 98,08 11,079-0,076 99, ,353 99,04 13,254-0,211 99, , ,74 6,984-0,929 99, ,02 104,84 18,579-1,823 98, ,20 106,38 9,686-1,374 98, ,57 92,94 6,277 0, , ,61 98,24 20,851 0, , ,73 101,82 10,828-0,720 99, ,53 105,39 13,184-1,523 98, ,74 95,49 10,081 0, , ,46 96,06 5,723-0,056 99, ,49 98,23 7,185-0,211 99, ,01 111,84 5,245-1,380 98,620 Nota: Neste trabalho é utilizada uma estação total, pelo que o único cálculo efectuado é o do valor da cota, sendo todos os restantes fornecidos pelo aparelho. Para o cálculo das cotas admitiu-se que a estação estaria num ponto à cota m. Em anexo encontra-se a implementação dos pontos usando MicroStation à escala 1/500, bem como os cálculos efectuados para a medição da área usando o método dos trapézios. Licenciatura em Engenharia Civil - Topografia 8

9 6 Poligonais 6.1 Breve Exposição Uma poligonal é um conjunto de alinhamentos sucessivos de que se medem ângulos (ou azimutes) em cada vértice e os comprimentos dos lados. Existem quatro tipos de poligonal: poligonal aberta, poligonal fechada, poligonal levantada em modo declinado e poligonal levantada em modo goniómetrico. O levantamento e cálculo de poligonais permitem o transporte sequencial de coordenadas de um grande número de pontos, possibilitando densificar a rede de pontos definidos por coordenadas rectangulares. No levantamento de uma poligonal são recolhidos os ângulos entre as direcções de dois lados sucessivos, medidos no sentido retrógrado, bem como o comprimento dos lados da poligonal. Para a medição dos ângulos e dos comprimentos dos lados estaciona-se o aparelho, que neste caso, foi um taqueómetro, em cada um dos vértices da poligonal e visam-se alvos colocados nos vértices contíguos. Nas observações é necessário ter especial cuidado na centragem do aparelho e na pontaria aos alvos colocados nos vértices contíguos, a fim de minimizar ou mesmo eliminar alguns dos erros de observação. Os erros de centragem ou de pontaria são tanto maiores quanto mais curtos são os lados da poligonal. 6.2 Pocedimento Escolha dos pontos da poligonal Estacionar o taqueómetro, em estação em cada um dos pontos Visar o vértice anterior e depois visar o vértice posterior Registar as leituras efectuadas Calcular a caderneta taqueométrica Cálculo e compensação da poligonal 6.3 Registos Os resultados obtidos no trabalho de campo, bem como os resultantes de cálculos posteriores encontram-se registados na seguinte Caderneta Taqueométrica. Licenciatura em Engenharia Civil - Topografia 9

10 Estação (Alt.apar.) (m) A Ponto Ângulos (grados) Leitura dos Fios (m) Visado Azimutal Zenital 1º 2º 3º Número Gerador (G) Distância (D) (m) Altura (h) (m) Desnível ( H) (m) Cota (H) (m) C 0,00 98,426 2,31 2,68 3, ,955 1,829 0, ,372 (1,585) B 379,839 99,451 0,75 1,55 2, ,988 1,362 1,397 B (1,581) C (1,578) A 0,00 100,642 0,48 1,30 2, ,984-1,593-1, ,70 C 383,549 99,463 2,50 2,95 3, ,994 0,759-0,610 B 0,00 98,296 2,80 3,25 3, ,935 2,435 0, ,073 A 236, ,062 1,90 2,28 2, ,000-0,073-0, , Fórmulas Utilizadas / Cálculos Efectuados / Esquema de Taqueometria ( L3 1) G = 100 L D = G Sin 2 ( z) h = G Sin ( z) Cos( z) H = a + h L2 a altura. da. Estação Esquema da poligonal em estudo: Licenciatura em Engenharia Civil - Topografia 10

11 Licenciatura em Engenharia Civil - Topografia 11

12 Folha de cálculo de poligonais: C Abcissas Relativas C Ordenadas Relativas C Vértices Comp. Lados (Média) Ângulos o m p Orientações + - o m p Abcissas Absolutas + - o m p Ordenadas Absolutas... A 379,839 0, , ,30 157, , ,529 17,238 61,489-2,979 B 383,549 0, , ,83 128, , ,704 15,126 18, C 236, , ,13 75, ,610 56, , A , Cálculos Erro de fecho angular: ε α = ( AB) ( AB) ± Kπ α i ε = 0,002 α Tolerância: tol = 0,002 3 = 0,003 o erro cometido é aceitável pois é inferior à tolerância estabelecida. Ângulos compensados: α1 = 379, ,001 = 379,840 grados β1 = 383, ,001 = 383,550 grados θ = 236, = 236,610 grados 1 Orientações: ( AB) = 125,450 grados < π ( BA) = ( AB) + π = 325,450 grados ( BC) = ( BA) + β1 = 309,000 grados ( CB) = ( BC) π = 109,000 grados ( CA) = ( CB) + θ1 = 345,61grados ( AC) = ( CA) π = ( AB) + (400 α ) = 145,61grados Coordenadas Relativas: M i = l i sen β i P i = l i cos β i 1 Erro de fecho linear: ε = M M M LM A A = 39,108 Licenciatura em Engenharia Civil - Topografia 12

13 ε LP = P P P = 6,262 Compensação: ε LM M cim = M c ip A A ε LP Pi = P Erro de fecho linear: ε ε L L = = ε L 2 ( ε ) + ( ε ) LM i 2 ( 39,108) + ( 6,262) = 33,69 m LP 2 2 tol = 0,01 157, ,991 75, ,10 = 0,10 m Cálculo de Cotas: Erro de fecho: ε h = 0, 185m Compensação: 0,185/3= m Licenciatura em Engenharia Civil - Topografia 13

14 7 Conclusão Geral A realização deste trabalho permitiu aos alunos ter um contacto mais próximo com os aparelhos estudados e proporcionou uma situação prática de aplicação de conhecimentos adquiridos ao longo do semestre tanto em aulas teóricas como em práticas. Este tipo de trabalho não só permite a referida aplicação de conhecimentos em termos de utilização de aparelhos como também nos leva a tomar consciência daquilo que é uma parte fundamental da Engenharia Civil: o trabalho topográfico que antecede qualquer construção e acompanha qualquer projecto. Relativamente aos erros obtidos, podemos considerar que são aceitáveis nos trabalhos de nivelamento e taqueometria, no entanto no trabalho de poligonais esse erro é muito superior à tolerância admitida, pelo que poderá advir de erros cometidos durante a recolha dos dados. Este trabalho era o que exigia um maior rigor, tanto ao nível da colocação da estação no ponto exacto, como na manutenção da vertical da mira, que se revelou bastante complicado uma vez que as distancias entre pontos eram bastante significativas e limitavam as leituras. Seria aconselhável fazer as leituras o mais próximo possível do solo, para garantir que a vertical da mira passava efectivamente no ponto pretendido, no entanto isto não foi possível uma vez que o calor que se fazia sentir tornava a vista junto ao solo turva sendo impossível obter leituras. Apesar das dificuldades sentidas, e tendo em conta que erros cometidos tornaram os valores obtidos pouco fiáveis, os objectivos foram alcançados uma vez que mais do que obter os valores correctos pretendia-se uma familiarização com os procedimentos inerentes a um trabalho topográfico. Licenciatura em Engenharia Civil - Topografia 14

15 Anexos Licenciatura em Engenharia Civil - Topografia 15

TOPOGRAFIA. Nivelamento

TOPOGRAFIA. Nivelamento TOPOGRAFIA Nivelamento Altimetria: parte da topografia que tem por objectivo, por meio de métodos e instrumentos adequados, atribuir uma cota altimétrica a cada ponto, de forma a poder determinar a diferença

Leia mais

Departamento de Engenharia Civil Métodos de Levantamento Clássico

Departamento de Engenharia Civil Métodos de Levantamento Clássico Departamento de Engenharia Civil Métodos de Levantamento Clássico Rosa Marques Santos Coelho Paulo Flores Ribeiro 006 / 007 1. INTRODUÇÃO O levantamento clássico utiliza aparelhos como a prancheta e respectiva

Leia mais

TOPOGRAFIA. Ângulos e Distâncias

TOPOGRAFIA. Ângulos e Distâncias TOPOGRAFIA Ângulos e Distâncias MEDIÇÃO DE ÂNGULOS Em topografia consideram-se apenas dois tipos de ângulos, contidos em dois planos: Projecção vertical Horizontal (planimetria) - ângulos horizontais ou

Leia mais

Topografia Levantamentos Topográficos. Sistema de Referência. Coordenadas Geodésicas (j, l, h) Projecção Cartográfica

Topografia Levantamentos Topográficos. Sistema de Referência. Coordenadas Geodésicas (j, l, h) Projecção Cartográfica LEVANTAMENTOS TOPOGRÁFICOS OBJECTIVO O objectivo desta disciplina é a aprendizagem de métodos e técnicas de aquisição de dados que possibilitem a determinação das coordenadas cartográficas de um conjunto

Leia mais

NIVELAMENTO NIVELAMENTO. trigonométrico

NIVELAMENTO NIVELAMENTO. trigonométrico NIVELMENTO Nivelamento operação que permite determinar a distância vertical (desnível) entre pontos, ou mais precisamente, entre as respectivas superfícies de nível. O desnível é uma medida que depende

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA

ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA Departamento Engenharia Civil Secção Planeamento e Urbanismo Teóricas Curso Engenharia Civil ECTS 4,0 Teóricopráticas Distribuição das horas de contacto Trabalho Práticas e de Seminário Estágio Laboratoriais

Leia mais

Aula 8 : Desenho Topográfico

Aula 8 : Desenho Topográfico Aula 8 : Desenho Topográfico Topografia, do grego topos (lugar) e graphein (descrever), é a ciência aplicada que representa, no papel, a configuração (contorno,dimensão e posição relativa) de um porção

Leia mais

Departamento de Engenharia Civil Implantação de Pontos

Departamento de Engenharia Civil Implantação de Pontos Departamento de Engenharia Civil Implantação de Pontos Rosa Marques Santos Coelho Paulo Flores Ribeiro 2006 / 2007 1. Implantação A implantação de pontos ou quaisquer outros detalhes consiste na materialização

Leia mais

FSP FACULDADE SUDOESTE PAULISTA. Curso: Engenharia Civil. Prof.ª Amansleone da S. Temóteo APONTAMENTO DE AULA

FSP FACULDADE SUDOESTE PAULISTA. Curso: Engenharia Civil. Prof.ª Amansleone da S. Temóteo APONTAMENTO DE AULA FSP FACULDADE SUDOESTE PAULISTA Curso: Engenharia Civil Prof.ª Amansleone da S. Temóteo APONTAMENTO DE AULA 1. INSTRUMENTOS DE TOPOGRAFIA Instrumentos de topografia se referem aos equipamentos necessários

Leia mais

Levantamento. Levantamento altimétrico:

Levantamento. Levantamento altimétrico: Levantamento planimétrico trico: projeção plana que não traz informações acerca do relevo do terreno levantado; somente acerca de informações relativas à medições feitas na horizontal. Levantamento altimétrico:

Leia mais

AULA III MEDIDA DE DISTÂNCIA

AULA III MEDIDA DE DISTÂNCIA AULA III MEDIDA DE DISTÂNCIA 1. Introdução. 2. Medida Direta de Distâncias. 2.1. Equipamentos utilizados na Medida Direta de Distâncias. 2.2. Cuidados na Medida Direta de Distâncias. 2.3. Método na Medida

Leia mais

FACULDADE SUDOESTE PAULISTA CURSO - ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA- TOPOGRAFIA

FACULDADE SUDOESTE PAULISTA CURSO - ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA- TOPOGRAFIA FACULDADE SUDOESTE PAULISTA CURSO - ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA- TOPOGRAFIA EXERCÍCIO DE REVISÃO 1. Com base nos seus conhecimentos, complete a lacuna com a alternativa abaixo que preencha corretamente

Leia mais

NIVELAMENTO GEOMÉTRICO

NIVELAMENTO GEOMÉTRICO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE GEODÉSIA TOPOGRAFIA I NIVELAMENTO GEOMÉTRICO PROFESSOR JORGE LUIZ BARBOSA DA SILVA JUNHO/2003 MONITORES: VIVIAN, RODRIGO

Leia mais

E-QP-ECD-097 REV. B 15/Abr/2008

E-QP-ECD-097 REV. B 15/Abr/2008 ENGENHARIA CONTROLE DIMENSIONAL TOPOGRAFIA VERIFICAÇÃO DE ESTAÇÃO TOTAL / TEODOLITO Os comentários e sugestões referentes a este documento devem ser encaminhados ao SEQUI, indicando o item a ser revisado,

Leia mais

TOPOGRAFIA O LEVANTAMENTO TOPOGRÁFICO

TOPOGRAFIA O LEVANTAMENTO TOPOGRÁFICO 200784 Topografia I TOPOGRAFIA O LEVANTAMENTO TOPOGRÁFICO Prof. Carlos Eduardo Troccoli Pastana pastana@projeta.com.br (14) 3422-4244 AULA 2 1. AS GRANDEZAS MEDIDAS Lineares 200784 Topografia I 2 1. AS

Leia mais

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE BIOSSISTEMAS - ESALQ / USP LEB 340 - Topografia e Geoprocessamento I Prof. Rubens Angulo Filho 1º Semestre de 2015

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE BIOSSISTEMAS - ESALQ / USP LEB 340 - Topografia e Geoprocessamento I Prof. Rubens Angulo Filho 1º Semestre de 2015 Trabalho prático nº 01: Levantamento à Trena 1) Material: a) trena de 20,0m; b) 3 balizas; c) 4 fichas; d) GPS de navegação 2) Método: A medição dos alinhamentos, no campo, será executada por 3 balizeiros

Leia mais

EXERCÍCIOS DE TOPOGRAFIA

EXERCÍCIOS DE TOPOGRAFIA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Escola Superior de Agricultura "Luiz de Queiroz" DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA RURAL Área de Topografia e Geoprocessamento 1 EXERCÍCIOS DE TOPOGRAFIA Professores: Rubens Angulo Filho

Leia mais

Engenharia Civil. Alexandre Souza Eng. Agrimensor MSc. alexandre0363@gmail.com

Engenharia Civil. Alexandre Souza Eng. Agrimensor MSc. alexandre0363@gmail.com Engenharia Civil Alexandre Souza Eng. Agrimensor MSc. alexandre0363@gmail.com Levantamento topográfico -Planimetria Em um levantamento topográfico, normalmente são determinados pontos de apoio ao levantamento

Leia mais

Módulo constituido por uma aula teórico- -prática, a apresentar, com vista à realização. de Provas de Aptidão Pedagógica e. Capacidade Científica.

Módulo constituido por uma aula teórico- -prática, a apresentar, com vista à realização. de Provas de Aptidão Pedagógica e. Capacidade Científica. Módulo constituido por uma aula teórico- -prática, a apresentar, com vista à realização de Provas de Aptidão Pedagógica e Capacidade Científica. 2 Prefácio Os avanços tecnológicos ao nível da aquisição

Leia mais

DISCIPLINA TOPOGRAFIA B NIVELAMENTO TRIGONOMÉTRICO

DISCIPLINA TOPOGRAFIA B NIVELAMENTO TRIGONOMÉTRICO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS DA TERRA DEPARTAMENTO DE GEOMÁTICA DISCIPLINA TOPOGRAFIA B NIVELAMENTO TRIGONOMÉTRICO DR. CARLOS AURÉLIO NADAL PROFESSOR TITULAR Equipe do USGS - 1902 Equipe

Leia mais

Capítulo IV TAQUEOMETRIA

Capítulo IV TAQUEOMETRIA 62 Capítulo IV TAQUEOMETRIA 1. Princípios Gerais A taqueometria, do grego takhys (rápido), metren (medição), compreende uma série de operações que constituem um processo rápido e econômico para a obtenção

Leia mais

UNIDADE II Processos de medição de ângulos e distâncias.

UNIDADE II Processos de medição de ângulos e distâncias. FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SERRA DOS ÓRGÃOS - FESO CENTRO UNIVERSITÁRIO SERRA DOS ÓRGÃOS UNIFESO CENTRO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA CCT CURSO DE ENGENHARIA AMBIENTAL Profª Drª Verônica Rocha Bonfim Engª Florestal

Leia mais

Introdução à Topografia

Introdução à Topografia Topografia Introdução à Topografia Etimologicamente a palavra TOPOS, em grego, significa lugar e GRAPHEN descrição, assim, de uma forma bastante simples, Topografia significa descrição do lugar. O termo

Leia mais

Topografia. Conceitos Básicos. Prof.: Alexandre Villaça Diniz - 2004-

Topografia. Conceitos Básicos. Prof.: Alexandre Villaça Diniz - 2004- Topografia Conceitos Básicos Prof.: Alexandre Villaça Diniz - 2004- 1 ÍNDICE ÍNDICE...1 CAPÍTULO 1 - Conceitos Básicos...2 1. Definição...2 1.1 - A Planta Topográfica...2 1.2 - A Locação da Obra...4 2.

Leia mais

LEVANTAMENTO TOPOGRÁFICO (PLANIMETRIA)

LEVANTAMENTO TOPOGRÁFICO (PLANIMETRIA) Topografia LEVANTAMENTO TOPOGRÁFICO (PLANIMETRIA) Prof. Paulo Carvalho, M.Sc Macedo, M.Sc Prof. Emilia Rabanni, Dra. Poli, Brasil.. 2014 2/27 Levantamento Topográfico Planimétrico Medição Métodos de Levantamento

Leia mais

Projecções Cartográficas

Projecções Cartográficas Projecções azimutais Projecções Cartográficas Projecção azimutal polar ou normal (ponto de tangência é o polo) Projecção azimutal equatorial ou transversa (ponto de tangência é o equador): Projecção azimutal

Leia mais

Levantamento topográfico

Levantamento topográfico MA092 - Geometria plana e analítica - Segundo projeto Levantamento topográfico Francisco A. M. Gomes Outubro de 2014 1 Descrição do projeto Nessa atividade, vamos usar a lei dos senos e a lei dos cossenos

Leia mais

Departamento de Engenharia Civil Apoios Geodésico e Topográfico

Departamento de Engenharia Civil Apoios Geodésico e Topográfico Departamento de Engenharia Civil Apoios Geodésico e Topográfico Rosa Marques Santos Coelho Paulo Flores Ribeiro 2006 / 2007 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. TRIANGULAÇÃO E TRILATERAÇÃO... 3 2.1. Estabelecimento

Leia mais

Por que os cartógrafos e os geógrafos têm necessidade de conhecer topografia? Os levantamentos de base não existem em todos os lugares;

Por que os cartógrafos e os geógrafos têm necessidade de conhecer topografia? Os levantamentos de base não existem em todos os lugares; 1 - ELEMENTOS DE TOPOGRAFIA Definição: É o conjunto de técnicas aplicadas ao terreno, cujo objeto é o estabelecimento das cartas e das plantas. Conforme a etimologia da palavra, topografia é a arte de

Leia mais

LEVANTAMENTOS TOPOGRÁFICOS II GA108

LEVANTAMENTOS TOPOGRÁFICOS II GA108 LEVANTAMENTOS TOPOGRÁFICOS II GA108 Universidade Federal do Paraná Setor de Ciências da Terra Departamento de Geomática Profa. Dra. Regiane Dalazoana LEVANTAMENTOS TOPOGRÁFICOS II GA108 a) Cálculo de Volumes

Leia mais

Topografia Aplicada a Terraplenagem

Topografia Aplicada a Terraplenagem Topografia Aplicada a Terraplenagem ALTIMETRIA Nivelamento Geométrico Método das Visadas Extremas PLANIMETRIA Malha Regular PLANIMETRIA IMPLANTAÇÃO DA MALHA REGULAR Equipamentos: 1 Teodolito (Utilizado

Leia mais

EXERCÍCIOS DE APOIO ÀS AULAS PRÁTICAS DE TOPOGRAFIA ENGENHARIA CIVIL

EXERCÍCIOS DE APOIO ÀS AULAS PRÁTICAS DE TOPOGRAFIA ENGENHARIA CIVIL EXERCÍCIOS DE APOIO ÀS AULAS PRÁTICAS DE TOPOGRAFIA ENGENHARIA CIVIL INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL E ARQUITECTURA DOCENTES (2009/2010) 2009/2010 Ana Paula Falcão Flôr Ricardo

Leia mais

No âmbito do projecto para elaboração

No âmbito do projecto para elaboração >>Boletim do IGeoE N.º 72 Novembro 2010 Levantamento de dados de aeródromos, heliportos e rádio Introdução No âmbito do projecto para elaboração do Manual VFR (Visual Flight Rules), responsabilidade do

Leia mais

(a) nivelamento geométrico; e (b) nivelamento trigonométrico.

(a) nivelamento geométrico; e (b) nivelamento trigonométrico. 45 Capítulo III ALTIMETRIA 1. Introdução A altimetria ou nivelamento tem por finalidade determinar a distância vertical ou diferença de nível entre diversos pontos. A diferença de altura entre dois pontos

Leia mais

Nivelamento geométrico

Nivelamento geométrico UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS DA TERRA DEPARTAMENTO DE GEOMÁTICA Nivelamento geométrico DR. CARLOS AURÉLIO NADAL PROFESSOR TITULAR Tipos de Nivelamento: 1. GEOMÉTRICO: mais preciso dos

Leia mais

TOPOGRAFIA - Planimetria. Alex Mota dos Santos

TOPOGRAFIA - Planimetria. Alex Mota dos Santos TOPOGRAFIA - Planimetria Alex Mota dos Santos Unidades de Medida Linear polegada = 2,75 cm = 0,0275 m polegada inglesa = 2,54 cm = 0,0254 m pé = 30,48cm = 0,3048 m jarda = 91,44cm = 0,9144m milha brasileira

Leia mais

A Topografia no Sistema CR - Campeiro 7.0

A Topografia no Sistema CR - Campeiro 7.0 A Topografia no Sistema CR - Campeiro 7.0 Introdução a Topografia Enio Giotto Professor Titular da UFSM Elódio Sebem Professor Associado da UFSM SUMÁRIO 1 A TOPOGRAFIA E SEU CAMPO DE ATUAÇÃO 2 DIVISÃO

Leia mais

Topografia Geomática Aplicada à Engenharia Civil AULA 03

Topografia Geomática Aplicada à Engenharia Civil AULA 03 Topografia Geomática Aplicada à Engenharia Civil AULA 03 Medidas Lineares Diretas e Indiretas: Leitura e Formulação Laboratório de Cartografia Digital - CTUFES Definição de levantamento topográfico NBR13.133/1994

Leia mais

Centro Federal de Educação Tecnológica Departamento Acadêmico da Construção Civil Curso Técnico de Geomensura Disciplina: Topografia II TOPOGRAFIA II

Centro Federal de Educação Tecnológica Departamento Acadêmico da Construção Civil Curso Técnico de Geomensura Disciplina: Topografia II TOPOGRAFIA II Centro Federal de Educação Tecnológica Departamento Acadêmico da Construção Civil Curso Técnico de Geomensura Disciplina: Topografia II TOPOGRAFIA II ALTIMETRIA SUMÁRIO 1. ALTIMETRIA... 2 1.1 Aplicação...

Leia mais

08-LEVANTAMENTO TOPOGRÁFICO PLANIMETRIA pg 98

08-LEVANTAMENTO TOPOGRÁFICO PLANIMETRIA pg 98 TOPOGRAFIA 08-LEVANTAMENTO TOPOGRÁFICO PLANIMETRIA pg 98 levantamento pontos planimétricos, altimétricos ou planialtimétricos pontos de apoio (partir destes ) Projeção ΔX = D. sen Az ΔY = D. cos Az TÉCNICAS

Leia mais

AULA 01. Prova 01 14/10 (40%) Prova 02 02/12 (40%) Projeto planimétrico (10%) Projeto altimétrico (10%) 09/12 Prova de recuperação (100%)

AULA 01. Prova 01 14/10 (40%) Prova 02 02/12 (40%) Projeto planimétrico (10%) Projeto altimétrico (10%) 09/12 Prova de recuperação (100%) AULA 01 1. Apresentação da disciplina 1.1. Ementa Equipamentos topográficos; Medição linear e angular; orientação dos alinhamentos; Processos de levantamento planimétrico e altimétrico; Estadimetria; Desenho

Leia mais

O GPS IKE 1000 oferece velocidade, segurança e verificação. Com este equipamento a carga de trabalho e tempo dispendidos são minimizados devido a:

O GPS IKE 1000 oferece velocidade, segurança e verificação. Com este equipamento a carga de trabalho e tempo dispendidos são minimizados devido a: Os equipamentos IKE 1000 são equipamentos GPS de elevada precisão, robustos, adequados para recolher diferentes tipos de informação no campo, tais como dados geoespaciais com informação alfanumérica associada,

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO DE UM SISTEMA DE LABORATÓRIO DE CONTROLE DE ATITUDE COM RESTRIÇÕES DE CHAVEAMENTO

INSTRUMENTAÇÃO DE UM SISTEMA DE LABORATÓRIO DE CONTROLE DE ATITUDE COM RESTRIÇÕES DE CHAVEAMENTO Anais do 14 O Encontro de Iniciação Científica e Pós-Graduação do ITA XIV ENCITA / 2008 Instituto Tecnológico de Aeronáutica São José dos Campos SP Brasil Outubro 20 a 23 2008. INSTRUMENTAÇÃO DE UM SISTEMA

Leia mais

Universidade de Pernambuco (UPE) Escola Politécnica de Pernambuco (POLI) Curso de Engenharia Civil PROGRAMA

Universidade de Pernambuco (UPE) Escola Politécnica de Pernambuco (POLI) Curso de Engenharia Civil PROGRAMA PROGRAMA Disciplina: Topografia 1 C. H. Semestral: 60 horas-aula (72 encontros) Créditos: Teóricos 30 Práticos 30 TOTAL 60 Código: TOP01 OBRIGATÓRIA ELETIVA Pré-Requisito: Expressão Grafica 1 - EXP01 Co-Requisito:

Leia mais

MÓDULO I UNIDADE CURRICULAR TOPOGRAFIA I

MÓDULO I UNIDADE CURRICULAR TOPOGRAFIA I CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SANTA CATARINA UNIDADE DE FLORIANÓPOLIS DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE CONSTRUÇÃO CIVIL CURSO TÉCNICO DE GEOMENSURA MÓDULO I UNIDADE CURRICULAR TOPOGRAFIA I 5.7.3 Ótica

Leia mais

defi departamento de física www.defi.isep.ipp.pt

defi departamento de física www.defi.isep.ipp.pt defi departamento de física Laboratórios de Física www.defi.isep.ipp.pt Condensador de Placas Paralelas Instituto Superior de Engenharia do Porto- Departamento de Física Rua Dr. António Bernardino de Almeida,

Leia mais

CAPÍTULO 1 INSTRUMENTOS TOPOGRÁFICOS

CAPÍTULO 1 INSTRUMENTOS TOPOGRÁFICOS 1 CAPÍTULO 1 INSTRUMENTOS TOPOGRÁFICOS 1.1. INTRODUÇÃO Este capítulo pretende fazer uma breve descrição dos equipamentos topográficos utilizados para a execução das tarefas diárias realizadas ao longo

Leia mais

Departamento de Engenharia Civil Nivelamento

Departamento de Engenharia Civil Nivelamento Departamento de Engenharia Civil Nivelamento Rosa Marques Santos Coelho Paulo Flores Ribeiro 2006 / 2007 4. NIVELAMENTO O conjunto de operações topográficas que permitem definir a posição altimétrica dos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA UFPB CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS - CCA Departamento de Solos e Engenharia Rural - DSER. Aula 02

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA UFPB CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS - CCA Departamento de Solos e Engenharia Rural - DSER. Aula 02 UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA UFPB CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS - CCA Departamento de Solos e Engenharia Rural - DSER Aula 02 Prof. Dr. Guttemberg da Silva Silvino Introdução Topografia Definição de Topografia

Leia mais

Elementos de Engenharia Civil 2007/2008. Enunciados dos problemas *

Elementos de Engenharia Civil 2007/2008. Enunciados dos problemas * DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL E ARQUITECTURA SECÇÁO DE HIDRÁULICA E RECURSOS HÍDRICOS E AMBIENTAIS Elementos de Engenharia Civil 2007/2008 2 SEMESTRE Enunciados dos problemas * (módulo de Hidráulica)

Leia mais

Topografia Aplicada à Engenharia Civil AULA 01

Topografia Aplicada à Engenharia Civil AULA 01 Topografia Geomática Aplicada à Engenharia Civil AULA 01 Apresentação da Disciplina e Conceitos Iniciais Profº Rodolfo Moreira de Castro JúniorJ Graduação: Engº Cartógrafo Mestrado: Informática Geoprocessamento

Leia mais

Figura 17.1 Exemplo de locação.

Figura 17.1 Exemplo de locação. 196 17 Locação 17.1 - INTRODUÇÃO Uma das atividades vinculadas à Topografia é a locação de pontos no terreno. Para a construção de uma obra, por exemplo, inicialmente é necessário realizar-se o levantamento

Leia mais

PLANIMETRIA. Laboratório de Topografia e Cartografia - CTUFES

PLANIMETRIA. Laboratório de Topografia e Cartografia - CTUFES PLANIMETRIA Medidas Lineares DV DH Distância Horizontal (DH): é a distância medida entre dois pontos, no plano horizontal. Este plano pode, conforme indicado na figura, passar tanto pelo ponto A, quanto

Leia mais

LEVANTAMENTO FOTOGRAMÉTRICO DE MONUMENTOS E DE EDIFÍCIOS ANTIGOS

LEVANTAMENTO FOTOGRAMÉTRICO DE MONUMENTOS E DE EDIFÍCIOS ANTIGOS Pág.: 1 / 5 1. INTRODUÇÃO A fotogrametria é um método de levantamento baseado na observação do mesmo objecto de dois ou três ângulos diferentes, possibilitando a reconstituição de uma imagem espacial a

Leia mais

Introdução a Topografia

Introdução a Topografia Resumo dos conhecimentos necessários para o entendimento e uso das técnicas de levantamento e descrição do terreno para a aplicação na implantação da faixa de dutos. 1 Definição de Topografia A palavra

Leia mais

Prova Prática de Geometria Descritiva A

Prova Prática de Geometria Descritiva A EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Prática de Geometria Descritiva A 11.º/ 12.º anos de Escolaridade Prova 708/2.ª Fase 5 Páginas Duração da Prova: 150 minutos.

Leia mais

Exercícios de Altimetria

Exercícios de Altimetria UNICAP Universidade Católica de Pernambuco Exercícios de Altimetria Nivelamento Geométrico e Trigonométrico Autores: Prof. Fernando José de Lima Botelho Prof. Eduardo Oliveira Barros Prof. Glauber Carvalho

Leia mais

MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA

MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA LOCALIZAÇÃO DA OBRA Neste projecto é proposta a ligação entre o bloco de aulas da Faculdade de Engenharia do Porto (FEUP), e o novo edifício da Associação de Estudantes

Leia mais

Lista de Exercícios de Topografia Planimetria

Lista de Exercícios de Topografia Planimetria Lista de Exercícios de Topografia Planimetria 1. Cite 3 métodos de levantamento topográfico e uma situação prática onde cada um poderia ser empregado. 2. Verifique se existe erro de fechamento angular

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES PARA IMPLANTAÇÃO E APOIO TOPOGRÁFICO

ESPECIFICAÇÕES PARA IMPLANTAÇÃO E APOIO TOPOGRÁFICO ESPECIFICAÇÕES PARA IMPLANTAÇÃO E APOIO TOPOGRÁFICO Versão 1.0 30 de Abril de 2003 Índice 1 INTRODUÇÃO... 1 2 SISTEMA DE COORDENADAS... 1 2.1 DESCRIÇÃO... 1 3 TRANSPORTE DE COORDENADAS PARA SISTEMAS DE

Leia mais

APONTAMENTOS DAS AULAS DE Topografia e Geoprocessamento I LER 340

APONTAMENTOS DAS AULAS DE Topografia e Geoprocessamento I LER 340 UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Escola Superior de Agricultura "Luiz de Queiroz" DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA RURAL Área de Topografia e Geoprocessamento APONTAMENTOS DAS AULAS DE Topografia e Geoprocessamento

Leia mais

L 276/4 PT Jornal Oficial da União Europeia. DECISÃO N. o 190. de 18 de Junho de 2003

L 276/4 PT Jornal Oficial da União Europeia. DECISÃO N. o 190. de 18 de Junho de 2003 L 276/4 PT Jornal Oficial da União Europeia DECISÃO N. o 190 de 18 de Junho de 2003 relativa às características técnicas do cartão europeu de seguro de doença (Texto relevante para efeitos do EEE e do

Leia mais

SUMÁRIO 2.0 - LEVANTAMENTO TOPOGRÁFICO PLANIALTIMÉTRICO E CADASTRAL URBANO

SUMÁRIO 2.0 - LEVANTAMENTO TOPOGRÁFICO PLANIALTIMÉTRICO E CADASTRAL URBANO ESPECIFICAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE TOPOGRAFIA SUMÁRIO 1.0 - INTRODUÇÃO 1.1 - ESPECIFICAÇÕES CORRELATAS 2.0 - LEVANTAMENTO TOPOGRÁFICO PLANIALTIMÉTRICO E CADASTRAL URBANO 2.1 - POLIGONAIS DE 1

Leia mais

Actividade 2 Intensidade da luz

Actividade 2 Intensidade da luz Actividade 2 Intensidade da luz Conceitos matemáticos Materiais Representação gráfica dos dados Comparação de previsões de dados Relações: o quadrado do inverso Origens de erro e respectivos efeitos Conceitos

Leia mais

SANEAMENTO AMBIENTAL I CAPTAÇÕES DE ÁGUA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL E ARQUITECTURA EDUARDO RIBEIRO DE SOUSA

SANEAMENTO AMBIENTAL I CAPTAÇÕES DE ÁGUA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL E ARQUITECTURA EDUARDO RIBEIRO DE SOUSA SANEAMENTO AMBIENTAL I CAPTAÇÕES DE ÁGUA EDUARDO RIBEIRO DE SOUSA LISBOA, SETEMBRO DE 2001 ÍNDICE DO TEXTO 1. INTRODUÇÃO... 1 2. CAPTAÇÕES DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS... 1 3. CAPTAÇÕES DE ÁGUAS SUPERFICIAIS...

Leia mais

MATEMÁTICA GEOMETRIA ANALÍTICA I PROF. Diomedes. E2) Sabendo que a distância entre os pontos A e B é igual a 6, calcule a abscissa m do ponto B.

MATEMÁTICA GEOMETRIA ANALÍTICA I PROF. Diomedes. E2) Sabendo que a distância entre os pontos A e B é igual a 6, calcule a abscissa m do ponto B. I- CONCEITOS INICIAIS - Distância entre dois pontos na reta E) Sabendo que a distância entre os pontos A e B é igual a 6, calcule a abscissa m do ponto B. d(a,b) = b a E: Dados os pontos A e B de coordenadas

Leia mais

Medição tridimensional

Medição tridimensional A U A UL LA Medição tridimensional Um problema O controle de qualidade dimensional é tão antigo quanto a própria indústria, mas somente nas últimas décadas vem ocupando a importante posição que lhe cabe.

Leia mais

Prova Final de Matemática. 3.º Ciclo do Ensino Básico. Prova 92/1.ª Chamada. Duração da Prova: 90 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Prova Final de Matemática. 3.º Ciclo do Ensino Básico. Prova 92/1.ª Chamada. Duração da Prova: 90 minutos. Tolerância: 30 minutos. PROVA FINAL DO 3.º CICLO DO ENSINO BÁSICO Matemática/Prova 92/1.ª Chamada/2012 Decreto-Lei n.º 6/2001, de 18 de janeiro A PREENCHER PELO ESTUDANTE Nome completo Documento de identificação CC n.º ou BI

Leia mais

Questão 2 Uma esfera de cobre de raio R0 é abandonada em repouso sobre um plano inclinado de forma a rolar ladeira abaixo. No entanto, a esfera

Questão 2 Uma esfera de cobre de raio R0 é abandonada em repouso sobre um plano inclinado de forma a rolar ladeira abaixo. No entanto, a esfera Questão 1 Na figura abaixo, vê-se um trecho de uma linha de produção de esferas. Para testar a resistência das esferas a impacto, são impulsionadas a partir de uma esteira rolante, com velocidade horizontal

Leia mais

VESTIBULAR 2004 - MATEMÁTICA

VESTIBULAR 2004 - MATEMÁTICA 01. Dividir um número real não-nulo por 0,065 é equivalente a multiplicá-lo por: VESTIBULAR 004 - MATEMÁTICA a) 4 c) 16 e) 1 b) 8 d) 0. Se k é um número inteiro positivo, então o conjunto A formado pelos

Leia mais

Regulamento dos cursos de segundo ciclo integrado na FCTUC

Regulamento dos cursos de segundo ciclo integrado na FCTUC Regulamento dos cursos de segundo ciclo integrado na FCTUC Autorizado na reunião da Comissão Coordenadora do Conselho Científico de 2006-10-09, na reunião do Conselho Directivo de 2006-10-13 e na reunião

Leia mais

Norma Técnica Interna SABESP NTS 114

Norma Técnica Interna SABESP NTS 114 Norma Técnica Interna SABESP NTS 114 LOCAÇÃO E LEVANTAMENTO PLANIALTIMÉTRICO DE SEÇÕES TOPOGRÁFICAS Especificação Agosto - 2000 NTS 114: 2000 Norma Técnica Interna SABESP S U M Á R I O 1. OBJETIVO...1

Leia mais

liberada por se tratar de um documento não aprovado pela PUC Goiás.

liberada por se tratar de um documento não aprovado pela PUC Goiás. ONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓICA DE GOIÁS ró-reitoria de Graduação - ROGRAD lano de Ensino 2015/1 Atenção! Este lano de Ensino é um Rascunho. Sua impressão não está liberada por se tratar de um documento

Leia mais

Disciplina: Topografia I

Disciplina: Topografia I Curso de Graduação em Engenharia Civil Prof. Guilherme Dantas Fevereiro/2014 Disciplina: Topografia I Indrodução atopografia definição Definição: a palavra "Topografia" deriva das palavras gregas "topos"

Leia mais

DESENHO TÉCNICO. Aula 06. Cotagem em Desenho Técnico

DESENHO TÉCNICO. Aula 06. Cotagem em Desenho Técnico FACULDADE DE TECNOLOGIA SHUNJI NISHIMURA POMPÉIA - SP DESENHO TÉCNICO Aula 06 Cotagem em Desenho Técnico Prof. Me. Dario de Almeida Jané COTAGEM EM DESENHO TÉCNICO Cotas são elementos de Desenho Técnico

Leia mais

Introdução ao Estudo da Corrente Eléctrica

Introdução ao Estudo da Corrente Eléctrica Introdução ao Estudo da Corrente Eléctrica Num metal os electrões de condução estão dissociados dos seus átomos de origem passando a ser partilhados por todos os iões positivos do sólido, e constituem

Leia mais

Leica TPS800 Series Poderosa, eficiente, Confiável e intuitiva. PinPoint Technology

Leica TPS800 Series Poderosa, eficiente, Confiável e intuitiva. PinPoint Technology Leica TPS800 Series Poderosa, eficiente, Confiável e intuitiva PinPoint Technology poderosa Leica TPS800 Performance Series... com uma série de extras Três classes de precisão As Estações Totais TPS800

Leia mais

SENAI SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL/SE

SENAI SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL/SE SENAI SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL/SE CURSO: HABILITAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MEDIO DA CONSTRUÇÃO CIVIL, COM ÊNFASE EM CANTEIRO DE OBRAS 2ª parte: Altimetria e Planialtimetria (APLICÁVEL

Leia mais

Agrupamento de Escolas General Humberto Delgado Sede na Escola Secundária/3 José Cardoso Pires Santo António dos Cavaleiros

Agrupamento de Escolas General Humberto Delgado Sede na Escola Secundária/3 José Cardoso Pires Santo António dos Cavaleiros Agrupamento de Escolas General Humberto Delgado Sede na Escola Secundária/3 José Cardoso Pires Santo António dos Cavaleiros 2º ciclo PCA - 6º ano Planificação Anual 2013-2014 MATEMÁTICA METAS CURRICULARES

Leia mais

= F cp. mv 2. G M m G M. b) A velocidade escalar V também é dada por: V = = 4π 2 R 2 = R T 2 =. R 3. Sendo T 2 = K R 3, vem: K = G M V = R.

= F cp. mv 2. G M m G M. b) A velocidade escalar V também é dada por: V = = 4π 2 R 2 = R T 2 =. R 3. Sendo T 2 = K R 3, vem: K = G M V = R. FÍSICA Um satélite com massa m gira em torno da Terra com velocidade constante, em uma órbita circular de raio R, em relação ao centro da Terra. Represente a massa da Terra por M e a constante gravitacional

Leia mais

Cálculo Numérico Faculdade de Engenharia, Arquiteturas e Urbanismo FEAU

Cálculo Numérico Faculdade de Engenharia, Arquiteturas e Urbanismo FEAU Cálculo Numérico Faculdade de Engenharia, Arquiteturas e Urbanismo FEAU Prof. Dr. Sergio Pilling (IPD/ Física e Astronomia) III Resolução de sistemas lineares por métodos numéricos. Objetivos: Veremos

Leia mais

7 AULA. Curvas Polares LIVRO. META Estudar as curvas planas em coordenadas polares (Curvas Polares).

7 AULA. Curvas Polares LIVRO. META Estudar as curvas planas em coordenadas polares (Curvas Polares). 1 LIVRO Curvas Polares 7 AULA META Estudar as curvas planas em coordenadas polares (Curvas Polares). OBJETIVOS Estudar movimentos de partículas no plano. Cálculos com curvas planas em coordenadas polares.

Leia mais

TOPOGRAFIA INTRODUÇÃO

TOPOGRAFIA INTRODUÇÃO TOPOGRAFIA INTRODUÇÃO Prof. Dr. Daniel Caetano 2013-1 Objetivos Conhecer o professor e o curso Importância do ENADE Iniciação Científica Importância da Topografia Conhecer mais sobre a Terra O que é topografia

Leia mais

Antenas e Propagação. Artur Andrade Moura. amoura@fe.up.pt

Antenas e Propagação. Artur Andrade Moura. amoura@fe.up.pt 1 Antenas e Propagação Artur Andrade Moura amoura@fe.up.pt 2 Parâmetros fundamentais das antenas Permitem caracterizar o desempenho, sobre vários aspectos, das antenas Apresentam-se definições e utilização

Leia mais

Capítulo 5: Aplicações da Derivada

Capítulo 5: Aplicações da Derivada Instituto de Ciências Exatas - Departamento de Matemática Cálculo I Profª Maria Julieta Ventura Carvalho de Araujo Capítulo 5: Aplicações da Derivada 5- Acréscimos e Diferenciais - Acréscimos Seja y f

Leia mais

[APOSTILA DE TOPOGRAFIA]

[APOSTILA DE TOPOGRAFIA] 2009 [APOSTILA DE TOPOGRAFIA] - SENAI-DR/ES CEP HRD APOSTILA DE TOPOGRAFIA Apostila montada e revisada pela Doc. Regiane F. Giacomin em março de 2009. Tal material foi baseado, e recortado em alguns momentos

Leia mais

I. Cálculo Diferencial em R n

I. Cálculo Diferencial em R n Análise Matemática II Mestrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores Ano Lectivo 2010/2011 2 o Semestre Exercícios propostos para as aulas práticas I. Cálculo Diferencial em R n Departamento

Leia mais

APOSTILA TOPOGRAFIA PRÁTICA

APOSTILA TOPOGRAFIA PRÁTICA APOSTILA TOPOGRAFIA PRÁTICA 1. INTRODUÇÃO A TOPOGRAFIA O verdadeiro nascimento da topografia veio da necessidade de o homem ter conhecimento do meio em que vive. Este desenvolvimento ocorreu desde os primeiros

Leia mais

CALENDÁRIO PARA 1/2014.-200.784 TOPOGRAFIA I

CALENDÁRIO PARA 1/2014.-200.784 TOPOGRAFIA I CALENDÁRIO PARA 1/2014.-200.784 TOPOGRAFIA I Prezados alunos, observar que a turma foi dividida em A e B. O calendário escolar disponibiliza 34 aulas teóricas (segundas-feiras) e 36 aulas práticas (sábados).

Leia mais

Palavras-Chave: Sistema de Posicionamento Global. Sistemas de Localização Espacial. Equação de Superfícies Esféricas.

Palavras-Chave: Sistema de Posicionamento Global. Sistemas de Localização Espacial. Equação de Superfícies Esféricas. METODOS MATEMÁTICOS PARA DEFINIÇÃO DE POSICIONAMENTO Alberto Moi 1 Rodrigo Couto Moreira¹ Resumo Marina Geremia¹ O GPS é uma tecnologia cada vez mais presente em nossas vidas, sendo que são inúmeras as

Leia mais

MEDIÇÃO EM QUÍMICA ERROS E ALGARISMOS SIGNIFICATIVOS

MEDIÇÃO EM QUÍMICA ERROS E ALGARISMOS SIGNIFICATIVOS MEDIÇÃO EM QUÍMICA ERROS E ALGARISMOS SIGNIFICATIVOS 2 O que são e Por que se usam algarismos significativos? O valor 1,00 não é igual a 1? Do ponto de vista matemático, sim. Mas sempre que se façam medições

Leia mais

LASERTECK LTA450 MANUAL DE USO

LASERTECK LTA450 MANUAL DE USO LASERTECK LTA450 MANUAL DE USO 2014 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 INFORMAÇÕES TÉCNICAS... 3 3 CALIBRAGEM DOS MÓDULOS LASER (AFERIÇÃO E TEMPORIZAÇÃO)... 3 3.1 AFERIÇÃO DO LASER PONTO LONGITUDINAL...3 3.2

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CENTRO DE GEOCIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE GEOLOGIA DISCIPLINA: GEOLOGIA ESTRUTURAL GEOLOGIA ESTRUTURAL - PRÁTICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CENTRO DE GEOCIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE GEOLOGIA DISCIPLINA: GEOLOGIA ESTRUTURAL GEOLOGIA ESTRUTURAL - PRÁTICA 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CENTRO DE GEOCIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE GEOLOGIA DISCIPLINA: GEOLOGIA ESTRUTURAL Cap. 01 - Mapas e Seções Geológicas GEOLOGIA ESTRUTURAL - PRÁTICA Antes que se comece a estudar

Leia mais

Estes sensores são constituídos por um reservatório, onde num dos lados está localizada uma fonte de raios gama (emissor) e do lado oposto um

Estes sensores são constituídos por um reservatório, onde num dos lados está localizada uma fonte de raios gama (emissor) e do lado oposto um Existem vários instrumentos de medição de nível que se baseiam na tendência que um determinado material tem de reflectir ou absorver radiação. Para medições de nível contínuas, os tipos mais comuns de

Leia mais

RODOLFO MOREIRA DE CASTRO JUNIOR TOPOGRAFIA CURSO DE ENGENHARIA CIVIL

RODOLFO MOREIRA DE CASTRO JUNIOR TOPOGRAFIA CURSO DE ENGENHARIA CIVIL RODOLFO MOREIRA DE CASTRO JUNIOR TOPOGRAFIA CURSO DE ENGENHARIA CIVIL UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Centro Tecnológico Laboratório de Topografia e Cartografia LTC - CTUFES Recolhido, Montado e

Leia mais

T p o o p g o r g af a i f a Curso de Iniciação à Espeleologia Wind Rui Andrade 2013

T p o o p g o r g af a i f a Curso de Iniciação à Espeleologia Wind Rui Andrade 2013 Topografia Topografia Ciência que se encarrega da representação gráfica da superfície do relevo. Do grego: Topos (lugar) + Graphein (descrição) A topografia de exploração espeleológica pretende representar

Leia mais

AGRUPAMENTO DE CLARA DE RESENDE COD. 346 779 COD. 152 870

AGRUPAMENTO DE CLARA DE RESENDE COD. 346 779 COD. 152 870 CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO ( Aprovados em Conselho Pedagógico de 21 de Outubro de 2014) No caso específico da disciplina de FÍsica, do 12ºano de escolaridade, a avaliação incidirá ainda ao nível

Leia mais

DATAGEOSIS EDUCACIONAL 2005

DATAGEOSIS EDUCACIONAL 2005 DATAGEOSIS EDUCACIONAL 2005 GUIA DE USO Aula 2 1. Abra o aplicativo clicando no atalho na área de trabalho. 2. Clique no botão Novo projeto ou clique o comando - (ctrl + N). 3. NA janela DADOS DO PROJETO,

Leia mais

CAP. 3 - EXTENSÔMETROS - "STRAIN GAGES" Exemplo: extensômetro Huggenberger

CAP. 3 - EXTENSÔMETROS - STRAIN GAGES Exemplo: extensômetro Huggenberger CAP. 3 - EXTENSÔMETOS - "STAIN GAGES" 3. - Extensômetros Mecânicos Exemplo: extensômetro Huggenberger Baseia-se na multiplicação do deslocamento através de mecanismos de alavancas. Da figura: l' = (w /

Leia mais

Topografia Aula 2 Unidades Usuais e Revisão de Trigonometria

Topografia Aula 2 Unidades Usuais e Revisão de Trigonometria Topografia Aula 2 Unidades Usuais e Revisão de Trigonometria Agronomia / Arquitetura e Urbanismo / Engenharia Civil Prof. Luiz Miguel de Barros luizmiguel.barros@yahoo.com.br Revisão Aula 1 O que é topografia?

Leia mais