CÂNCER DE MAMA E APOIO EMOCIONAL ¹. Dulce Anita Schwaab Fioreze ² Silvia Dutra Pinheiro ³

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CÂNCER DE MAMA E APOIO EMOCIONAL ¹. Dulce Anita Schwaab Fioreze ² Silvia Dutra Pinheiro ³"

Transcrição

1 1 CÂNCER DE MAMA E APOIO EMOCIONAL ¹ Dulce Anita Schwaab Fioreze ² Silvia Dutra Pinheiro ³ RESUMO O câncer de mama é considerado um grave problema de saúde pública, e temido pela população feminina devido aos efeitos psicológicos que afetam a percepção da sexualidade e da imagem pessoal. Conforme alguns autores que fundamentam esta pesquisa, o diagnóstico e todo o processo da doença são vividos pela paciente e sua família com intensa angústia, visto que o conceito de câncer de mama ainda está associado a sofrimento e morte. Desta forma, buscou-se com este estudo compreender como as pacientes com câncer de mama, residentes na Região das Hortênsias, percebem o apoio emocional no âmbito familiar, social e institucional. A pesquisa é de caráter qualitativo, e foram entrevistadas, aleatoriamente, 8 mulheres diagnosticadas com câncer de mama. Como instrumento, foi utilizada a entrevista semi-estruturada, norteada por um roteiro contendo 20 questões. O tratamento e a análise dos dados desta pesquisa foram realizados conforme o método qualitativo de Análise de Conteúdo de Bardin. Os resultados mostram que o apoio emocional é fundamental à paciente com câncer de mama, tanto oferecido pela família e pela sociedade, como pelos profissionais e instituições de saúde, contribuindo para o bem-estar físico e psicológico das pacientes que, desta forma, sentir-se-ão fortalecidas no enfrentamento da doença. Palavras-chave: Câncer de mama. Apoio emocional. INTRODUÇÃO O câncer de mama está entre as doenças que mais provocam medo e angústia nas mulheres, devido à alta incidência e as repercussões psicossociais (INCA, 2008). Confronta o sujeito com a questão do imponderável, da finitude e da morte, trazendo a perda do corpo saudável, da sensação de invulnerabilidade e da perda de domínio sobre a própria vida (ROSSI & SANTOS, 2003). Hoffmann, Muller & Frasson (2006) relatam que as mulheres sentem tristeza, medo e raiva no período do diagnóstico de câncer de mama. As autoras explicam que esses sentimentos relacionam-se à doença, ao tratamento, ao futuro de si e da família, e às dificulda- ¹ Artigo de pesquisa apresentado ao Curso de Psicologia das Faculdades Integradas de Taquara (FACCAT), como requisito parcial para aprovação na disciplina Trabalho de Conclusão II. ² Acadêmica do Curso de Psicologia da FACCAT. Endereço Postal: Rua Dartagnan de Oliveira, nº. 300, Bairro Avenida Central, Gramado-RS. ³ Psicóloga, Mestre em Psicologia Clínica (PUCRS), Docente do Curso de Psicologia da FACCAT e Orientadora do Trabalho de Conclusão. Endereço Postal: Avenida Oscar Martins Rangel, 4500/RS 115, Taquara/RS.

2 2 des advindas do serviço de saúde, modificando a rotina das pacientes e da família. Afirmam, ainda, que o apoio social tem sido referido como importante fator de proteção e recuperação na saúde das pacientes. Neste sentido, buscou-se investigar como as pacientes com câncer de mama, residentes na Região das Hortênsias, percebem o apoio emocional no âmbito familiar, social e institucional. O diagnóstico e o tratamento para o câncer de mama geram situações de crise nas mulheres, e o apoio emocional entra neste processo com a função de estimular a expressão dos sentimentos e emoções, aumentando a auto-estima e a autoconfiança da paciente. Acredita-se que, com o apoio emocional de familiares, de amigos e da sociedade, a mulher com câncer de mama poderá se fortalecer para o enfrentamento da doença com mais qualidade de vida e uma melhora nos seus relacionamentos. E a literatura evidencia exatamente isso, já que o diagnóstico afeta a condição emocional da mulher (ROSSI & SANTOS, 2003). Trata-se de um assunto relevante para pesquisas na medida em que se sabe que o câncer de mama é o segundo tipo de câncer mais freqüente no mundo e o mais comum entre as mulheres. A cada ano, cerca de 20% dos casos novos de câncer em mulheres são de mama, conforme dados do Instituto Nacional do Câncer (INCA, 2008). Segundo a estimativa para o ano de 2008, o número de casos novos de câncer de mama para o Brasil é de casos, com um risco estimado de 51 casos a cada 100 mil mulheres, sendo o Rio Grande do Sul o segundo Estado com a maior incidência (INCA, 2008). A partir da coleta e análise dos dados, busquei conhecer como as pacientes percebem o apoio emocional: se a forma como é oferecido o suporte emocional supre a necessidade de apoio à mulher, se consegue um bem-estar psicológico, e se ela se sente fortalecida para enfrentar a doença. Entende-se que a partir do momento em que a mulher descobre um nódulo na mama, inicia-se um processo interno de dúvidas e incertezas, seguido pela angústia das salas de espera, os desafios concretos e os mitos em relação à doença, além do impacto do dia-a-dia, às mudanças físicas e psicológicas enfrentadas. Diante desta realidade, considerando a importância da paciente sentir-se amparada e fortalecida emocionalmente para enfrentar tais dificuldades, propus o seguinte problema de pesquisa: Como é percebido o apoio emocional pelas pacientes com câncer de mama, residentes na Região das Hortênsias, no âmbito familiar, social e institucional?

3 3 1 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA 1.1 O câncer de mama A incidência do câncer de mama é elevada tanto nos países desenvolvidos quanto naqueles em desenvolvimento e, mesmo com todo o avanço terapêutico dos últimos anos, é o tipo de câncer com maior letalidade entre as mulheres. Cerca de 20% dos casos novos de câncer diagnosticados são de mama. O câncer de mama é relativamente raro antes dos 35 anos de idade, mas acima desta faixa etária sua incidência cresce rápida e progressivamente, conforme dados do INCA (2008). O câncer é caracterizado por alterações que determinam um crescimento celular desordenado, comprometendo tecidos e órgãos. Em tecidos conjuntivos, como o tecido de sustentação da mama, é chamado de sarcoma. As células cancerizadas multiplicam-se de maneira descontrolada, acumulam-se formando tumor e invadem tecidos próximos; adquirem capacidade de se desprender do tumor e migrar, chegando a órgãos distantes, constituindo as metástases; perdem sua função especializada e, à medida que substituem as células normais, comprometem a função do órgão afetado. A formação do câncer é, em geral, lenta, podendo levar vários anos para que uma célula prolifere e dê origem a um tumor palpável. Esse processo é composto por vários estágios, quais sejam: estágio de iniciação, onde os genes sofrem ação de fatores cancerígenos; estágio de promoção, onde os agentes oncopromotores atuam na célula já alterada; e estágio de progressão, caracterizado pela multiplicação descontrolada e irreversível da célula (MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2002). O câncer de mama não é doloroso em sua etapa inicial. À medida que o câncer evolui, os sintomas podem incluir nódulos ou rigidez na região mamária ou das axilas; alteração no tamanho ou forma das mamas; secreção ou sensibilidade dos mamilos; mamilo invertido; reentrâncias ou afundamento na pele da mama, aspecto similar à casca da laranja; alterações na pele da mama, na auréola ou no mamilo, zona mais quente, com vermelhidão e escamação da pele (SOCIEDADE BRASILEIRA DE MASTOLOGIA, 2008). Os principais fatores de risco do câncer de mama estão relacionados à vida reprodutiva da mulher (menarca precoce, nuliparidade, idade da primeira gestação após os 30 anos, anticoncepcionais orais, menopausa tardia e terapia de reposição hormonal). A idade também constitui importante fator de risco, havendo um aumento rápido da incidência até os 50 anos e posteriormente de forma mais lenta (INCA, 2008). Algumas medidas gerais, citadas por Gomes (2008), são importantes e podem contribuir para o não aparecimento do câncer de mama, como a redução da obesidade, os

4 4 exercícios físicos, a não ingestão de alimentos gordurosos, não fumar e evitar bebidas alcoólicas. A prevenção primária é dificultada devido à variação dos fatores de risco e às características genéticas envolvidas na sua etiologia. Como estratégia de rastreamento no Brasil, o Ministério da Saúde recomenda o exame mamográfico pelo menos a cada dois anos para mulheres de 50 a 69 anos, e o exame clínico anual das mamas, para mulheres de 40 a 49 anos. Independente da faixa etária, a orientação é de que o exame clínico da mama seja realizado em todas as mulheres que procuram o serviço da saúde. Para a mulher com história familiar de câncer de mama em parentes de primeiro grau, recomenda-se o exame clínico da mama e a mamografia, anualmente, a partir dos 35 anos de idade (INCA, 2008). O auto-exame das mamas não é estimulado pelo Instituto Nacional do Câncer como estratégia isolada de detecção precoce do câncer de mama. É recomendado que o exame das mamas, pela própria mulher, faça parte das ações de educação para a saúde, que contemplem o conhecimento do próprio corpo. As evidências científicas sugerem que o auto-exame das mamas não é eficiente para o rastreamento e não contribui para a redução da mortalidade por câncer de mama. Além disso, o auto-exame das mamas traz consigo conseqüências negativas, como aumento do número de biópsias de lesões benignas, falsa sensação de segurança nos exames falsamente negativos e impactos psicológicos negativos nos exames falsamente positivos. Portanto, o exame das mamas realizado pela própria mulher não substitui o exame físico realizado por profissional de saúde qualificado para essa atividade (INCA, 2008). A realização do diagnóstico do câncer depende do estágio da doença, que revela o grau de comprometimento da área atingida, bem como o prognóstico e tratamento a ser indicado. O tratamento do câncer de mama é um processo de múltiplas etapas, cujas modalidades terapêuticas são: cirurgia, radioterapia, tratamento sistêmico (quimioterapia e hormonioterapia) e reabilitação. Geralmente o tratamento requer a combinação de um método terapêutico, o que aumenta a possibilidade de cura, diminui as perdas anatômicas, preserva a estética e a função dos órgãos comprometidos, segundo informações expostas pelo Ministério da Saúde (2002). O objetivo do tratamento cirúrgico é promover o controle local, a mutilação mínima e a obtenção de informações a respeito da biologia do tumor e de seu prognóstico. As opções são a cirurgia conservadora (quadrantectomia com dissecção axilar) para tumores de até 3 cm de diâmetro ou que preserve a proporção tumor/mama; e a cirurgia radical (mastectomia) para tumores maiores de 3 cm. Existem 2 tipos de mastectomia radical: a chamada clássica, onde são retirados os dois músculos peitorais, e a radical modificada, em que apenas o músculo

5 5 peitoral menor é retirado. A mastectomia implica em comprometimento da silhueta do tórax e da auto-imagem da mulher, por isso, nessas condições, sempre que possível, deve ser feita a reconstrução plástica da mama (MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2002). A radioterapia é amplamente utilizada no câncer de mama, se beneficiando da capacidade de penetração da radiação criada pelo bombardeamento de elétrons acelerados, ou raios gama emitido por radium ou outro material radiativo, em um alvo, reduzindo e, por vezes, eliminando o tumor, informa o Ministério da Saúde (2002). A quimioterapia adjuvante ou preventiva trata de evitar o aparecimento de metástases depois do tratamento inicial. As substâncias citotóxicas utilizadas são eficazes para destruir células cancerosas, interferindo por diferentes mecanismos na síntese do ácido nucléico. A hormonioterapia é feita por uma droga com propriedade anti-estrogênica, considerando que a maioria dos casos de câncer de mama são tumores estimulados no seu crescimento por hormônios, principalmente os estrogênios (MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2002). 1.2 Repercussões psicológicas e sociais provocadas pelo câncer de mama Quando a mulher recebe o diagnóstico de câncer de mama, a primeira reação é de desespero: estou com câncer, vou morrer. Neste momento há uma real finitude da vida humana, através da antecipação da presença da morte. Este impacto inicial é o marco dos problemas psicológicos causados pelo tratamento do câncer de mama (MALUF, MORI & BARROS, 2005). Ao longo do processo do tratamento, a mulher com câncer de mama pode passar por vários lutos: pela existência da possibilidade de ter câncer; luto quando do diagnóstico; luto pelo tratamento cirúrgico; o luto gerado pela perda da imagem corporal e correlatos; o luto causado pelas possíveis limitações que terá em conseqüência da cirurgia, e ainda outro luto causado pelos tratamentos quimioterápicos, argumenta Maluf, Mori & Barros (2005). O câncer de mama e o seu tratamento representam um trauma psicológico para a maioria das mulheres, já que a mama é um símbolo corpóreo da feminilidade. Galante-Nassif (2006) refere que a mastectomia leva as pacientes ao receio da morte, mutilação, perda de uma parte importante do corpo e perda de uma função fisiológica e de sua identidade feminina. Gera alterações na auto-imagem da mulher, causando sentimentos de inferioridade e medo de rejeição e com repercussões na vida sexual da paciente.

6 6 Rossi e Santos (2003) investigaram mulheres com câncer de mama, e os resultados revelaram que as repercussões psicológicas do câncer de mama e de seu tratamento variam conforme o momento vivenciado, dentro do contínuo que se estende desde o diagnóstico até o tratamento. Foram identificados quatro momentos distintos no processo do adoecer: o prédiagnóstico, etapa do diagnóstico, etapa do tratamento e momento pós-tratamento. No estudo, os autores constataram que, no momento pré-diagnóstico, evidenciava-se o descuido das pacientes com relação ao próprio corpo, a postergação da consulta médica e a negação da realidade que só seria desvelada com o diagnóstico posteriormente. Na etapa do diagnóstico, as pacientes formulam suas queixas quanto à postura negligente dos profissionais médicos e enfatizam os sentimentos vivenciados com relação à doença e ao tratamento: choque inicial, vislumbre da morte, temores relacionados ao possível desamparo dos filhos, dentre outros. Na etapa do tratamento, as queixas das pacientes compreendem os efeitos físicos e os danos causados ao organismo pelo tratamento cirúrgico, rádio e quimioterápico, bem como os sentimentos com relação a alterações da imagem corporal. Finalmente, no momento pós-tratamento, aparece a repercussão no plano afetivo-sexual e também as dificuldades de adaptação à nova situação de vida, com limitações físicas e restrições, embora também sejam reconhecidas as mudanças positivas trazidas pela experiência de terem passado pelo câncer de mama e seu tratamento (ROSSI & SANTOS, 2003). Porém, os mesmos autores observaram nessas mulheres uma expectativa otimista com relação ao futuro, apesar dos efeitos devastadores produzidos pelo adoecimento e pelo tratamento. Percebe-se que estão esperançosas em relação à vida, e que reagem à adversidade mais com sentimentos de luta e enfrentamento do que com uma "entrega resignada" à situação-limite imposta pela doença. Essa postura parece-nos essencial na construção de estratégias de enfrentamento mais eficazes diante da situação de adoecimento e tratamento. Com o crescente aumento dos casos de câncer de mama, faz-se necessária a formação de diversos grupos de ajuda, com a finalidade de fornecer suporte psicológico e emocional à mulher acometida de câncer de mama, com o propósito de reintegração à sociedade, melhoria da qualidade de vida e resgate de sua auto-estima, estendido à família (MIRANDA, 2000). 1.3 Câncer de mama e apoio emocional Considerando o estresse psicológico que as pacientes com câncer de mama sofrem em virtude da doença, Straub (2005) aponta a necessidade de intervenções que enfatizem o suporte social e emocional. Possibilitar o acesso às informações, permitindo a percepção de certo grau de controle sobre o tratamento e a capacidade de expressar emoções, sentindo-se

7 7 amparadas por outras pessoas, poderão ser fatores que possibilitarão melhor adesão ao tratamento. Para o autor, neste sentido, psicólogos da saúde fizeram considerável progresso ao compreenderem as reações psicológicas das pacientes ao tratamento para o câncer e aos modelos de intervenções eficazes no auxílio à adaptação. Para uma interação eficaz é fundamental proporcionar às pacientes de câncer de mama apoio emocional e oportunidade para discutirem seus medos em relação à doença e ao tratamento. Desta forma, possibilitando o processamento e a expressão de forma ativa das emoções envolvidas no enfrentamento da doença que ameaça a sua saúde (STRAUB, 2005). O apoio social, referido por Pietrukowicz (2001), pode ser entendido como um processo de interação entre pessoas ou grupos de pessoas, que através do contato sistemático estabelecem vínculos de amizade e de informação, recebendo apoio material, emocional e afetivo, contribuindo para o bem-estar recíproco e construindo fatores positivos na prevenção e na manutenção da saúde. O autor ainda sugere que o apoio social exerce efeitos diretos e indiretos sobre o sistema imunológico do corpo, no sentido de proporcionar um aumento na capacidade das pessoas de contornarem situações como a de estresse e outros sintomas. O apoio emocional está relacionado aos sentimentos, às emoções e à estima. Ao participarem de um grupo, as pessoas passam a expressar os seus sentimentos e a se relacionar com os outros. Através dos sentimentos de estima, de pertencimento e de confiança, as pessoas acabam expressando seus medos, angústias, dores, ansiedades e tristezas, surgindo desta forma uma sensação de aceitação e controle ao encararem as situações mais difíceis e irem além delas (PIETRUKOWICZ, 2001). As iniciativas comunitárias com os grupos de apoio que desenvolvem atividades criativas com pacientes com câncer de mama proporcionam importante suporte emocional às mesmas. Nestes grupos existentes em muitas comunidades e organizações filantrópicas, as pacientes sentem-se acolhidas e valorizadas, favorecendo o fortalecimento do potencial humano que cada uma dispõe. Estes fatores sociais favoráveis às participantes fornecem um ambiente estimulante na superação das adversidades que a doença acarreta (SOUZA, 2005). O acompanhamento psicológico pode ser considerado como ação terapêutica às pacientes com câncer de mama quando procura promover modificações na ordem da subjetividade das pacientes, dando-lhes apoio, atenção e mostrando que a doença pode ser superada quando encarada com otimismo. Auxilia as doentes a fortalecerem suas convicções de que podem vencer a doença, pois os tratamentos estão cada vez mais eficazes e o organismo humano é forte e resistente (PERES & MARTINS, 2000).

8 8 O apoio social às pessoas oferece afeto tanto para quem recebe quanto para quem dá, através de expressões de união, respeito, admiração, afirmação e ajuda. No grupo que partilha e expressa seus interesses e afinidades, emergem os sentimentos de proximidade emocional e de pertencimento, reforçando os valores individuais, de competência e capacidade. Reafirmam a confiança e a aliança entre os participantes, com sentimento de segurança em relação à prestação de cuidados, orientação, conselhos e informação, através da responsabilidade referente ao bem-estar de todos (PIETRUKOWICZ, 2001). As pessoas significativas na vida das pacientes são importantes fontes de suporte social e emocional. Se a doente percebe que sua relação familiar e social é sólida e apoiadora, poderá obter grandes benefícios no seu bem-estar físico e emocional. Straub (2005) sugere que pessoas com câncer quando se sentem integradas socialmente, recebendo suporte social e emocional de uma rede de amigos solidários, têm menos tendência a morrerem de qualquer forma de câncer em comparação a pessoas que vivem isoladas. O trabalho com pacientes de câncer deveria ser multidisciplinar, sugere Peres & Martins (2000), dirigido a prestar esclarecimentos de interesse da família e do doente, possibilitando a expressão das queixas e observando os sentimentos que ela vem nutrindo para com o doente. Quando a doença se instala no indivíduo, na maioria das vezes, causa um desajustamento no grupo familiar, fazendo-se necessário o apoio psicológico também aos membros da família. O objetivo é fornecer aos familiares condições de expressarem seus sentimentos em relação à doença, pois acredita-se que, ao encontrar pessoas dispostas a compartilhar de seu sofrimento, surgirá o sentimento de alívio, que poderá diminuir sensivelmente as angústias decorrentes da doença. 2 MÉTODO O presente estudo é de caráter qualitativo e busca entender um fenômeno específico em profundidade. Conforme Martins e Bicudo (1989), a pesquisa qualitativa objetiva resultados mensuráveis e tem o ambiente natural como fonte direta de dados e, normalmente, o pesquisador como instrumento fundamental. A pesquisa qualitativa é uma tentativa de atingir um sentido do significado que as pessoas dão às suas próprias situações, através de uma compreensão interpretativa de sua linguagem, arte, gestos e política. Este método, portanto, possibilita atender ao objetivo de compreender como as pacientes com câncer de mama, residentes na Região das Hortênsias, percebem o apoio emocional no âmbito familiar, social e institucional.

9 9 2.1 Participantes Os participantes da pesquisa foram oito mulheres com idade entre 45 e 68 anos, diagnosticadas com câncer de mama, residentes na Região das Hortênsias, na Serra do Estado do Rio Grande do Sul. A localização das participantes se deu através de um levantamento feito na região, o qual permitiu identificar mulheres com este diagnóstico. À medida que estas pessoas eram localizadas, foram também de imediato contatadas. Assim, não houve qualquer critério para a seleção das participantes, precisando apenas ser portadoras de tal diagnóstico. Tabela 1 Caracterização das participantes Participantes P1 P2 P3 P4 P5 P6 P7 P8 Idade Escolaridade Fundam. Fundam. Incompl Estado civil Solteira Casada Separada Médio Fundam. Superior Superior Fundam. Fundam. União estável Casada Casada Casada Separada Nº. de filhos Ocupação Aposent Adm lar Educ inf Aposent Profes. Aposent Manicure Vended. Quem deu diagnóstico Médico oncolog. Médico oncolog Médico ginecol. Médico mastol. Médico ginecol. Médico mastol. Médico ginecol. Médico mastol. Tempo do diagnóstico 3 anos 2 anos 7 anos 11 anos 5 anos 2 anos 1 ano 7 anos cirurgia cirurgia cirurgia cirurgia cirurgia cirurgia cirurgia cirurgia quimio quimio quimio quimio quimio quimio quimio quimio Tipo de tratamento rádio reabilit. rádio reabilit. rádio hormônio rádio rádio hormônio benzod hormônio hormônio hormônio reabilit. reabilit. reabilit benzod. Fase atual (controle) anual semest. anual anual anual anual anual anual 2.2 Instrumentos Na presente pesquisa foi utilizada como instrumento a entrevista semi-estruturada, com perguntas abertas, norteada pelo roteiro de entrevista, com 20 questões sobre câncer de mama e apoio emocional, além de dados sócio-demográficos. Aplicou-se uma primeira entrevista como piloto do instrumento, a qual também foi utilizada para análise no estudo, visto que não se faziam necessárias quaisquer alterações no instrumento, sendo o mesmo para todas as participantes. A entrevista é uma técnica em que o entrevistador se apresenta frente ao investigado e lhe formula perguntas, com o objetivo de obtenção dos dados que interessam à investigação.

10 10 É, portanto, uma forma de interação social; é uma forma de diálogo assimétrico, em que uma das partes busca coletar os dados e, a outra, se apresenta como fonte de informação. A entrevista semi-estruturada enfoca um tema específico e permite que o entrevistado fale livremente sobre o assunto, usando linguagem própria e emitindo opiniões (GIL, 1999). 2.3 Procedimento para coleta dos dados Inicialmente, o projeto foi avaliado e aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa da FACCAT, sob o protocolo n 303 de 26/06/08. Posteriormente, foi feito um levantamento em clínicas médicas, centros de saúde e reabilitação e junto aos profissionais da saúde, na Região das Hortênsias, a fim de localizar pacientes diagnosticadas com câncer de mama. De forma aleatória, as pacientes foram convidadas a participar da pesquisa através de um contato telefônico, agendando data e horário. O instrumento foi aplicado individualmente, na residência das participantes. Na realização da entrevista, primeiramente foi feito um rapport com as participantes, explicitando-se as condições da pesquisa, os objetivos e o processo de coleta de dados, abrindo-se um espaço para perguntas e dúvidas, estabelecendo-se uma relação cordial. Foi solicitada a permissão para a gravação da entrevista, com a autorização de cada participante mediante a assinatura do Termo de Consentimento Livre e Esclarecido, o qual foi assinado também pela pesquisadora, comprometendo-se com todos os quesitos nele constados. Após o aceite, deu-se início à coleta de dados para a entrevista, e posteriormente a transcrição. Não houve dificuldades ou intercorrências durante as entrevistas, a não ser rotinas da casa, tais como um telefone tocando, alguma pessoa da casa transitando, um miado de gato ou latido de cachorro, nada significativo ou que impedisse a continuação da entrevista. As entrevistas foram todas gravadas e transcritas para posterior análise dos dados. A guarda do material original utilizado está sob responsabilidade da pesquisadora, sem nenhum acesso a qualquer outra pessoa. 2.4 Procedimento para a análise dos dados O tratamento e a análise dos dados desta pesquisa foram realizados conforme o método qualitativo de Análise de Conteúdo de Bardin (1977). Os resultados qualitativos estudados mediante esta forma de análise de conteúdo envolveram três momentos: préanálise, exploração do material e tratamento dos dados.

11 11 A fase de pré-análise teve por objetivo tornar operacional e sistematizar as idéias iniciais, tomando contato com os dados e organizando-os, fazendo a escolha dos documentos a serem analisados e elaborando indicadores que fundamentem a interpretação final. A segunda fase - exploração do material - consistiu na realização das decisões tomadas durante a pré-análise. Foi o momento da codificação, em que os dados brutos foram transformados de forma organizada e agregados em unidades de registro, as quais permitiram uma descrição exata das características pertinentes ao conteúdo, obedecendo ao significado das mensagens, e posteriormente agrupadas em categorias. As categorias foram construídas a posteriori e classificadas as unidades de registro de acordo com a semelhança de temas. E, por fim, o tratamento dos resultados: a inferência e a interpretação foram responsáveis por tornar os dados significativos e válidos, através da manipulação dos dados brutos. Através do exposto, verificou-se a constituição de 5 categorias, as quais são apresentadas a seguir com as respectivas subcategorias e unidades de registro. Embora as perguntas do roteiro de entrevista questionassem em separado sobre a instituição onde foram atendidas e também sobre os profissionais que as atenderam, a partir do tratamento dos dados coletados observou-se que as respostas dadas referiam-se a ambos de uma forma geral, não havendo por parte das respondentes esta distinção. Entendeu-se, então, que para as participantes a instituição está representada pelo profissional, e vice-versa. Isto posto, optouse pela unificação destes aspectos para fins de análise, conforme explicitado na descrição das categorias: 1a. CATEGORIA: SIGNIFICADO DE APOIO EMOCIONAL Sentir-se amparada por outras pessoas: 7 U.R. Oportunidade para falar de suas emoções: 1 U. R. Fortalecimento da auto-estima: 1 U. R. Força espiritual: 1 U. R. É tudo: 1 U. R. 2ª CATEGORIA: MOMENTO, NECESSIDADE E ORIGEM DO APOIO EMOCIONAL Fundamental em todos os momentos: 6 U R Nenhuma necessidade atual: 6 U R Necessário já no pré-operatório: 2 U R Sente necessidade atual: 2 U R Da família: 8 U. R. Desde o diagnóstico: 4 U.R.

12 12 Durante o tratamento: 4 U.R. Da comunidade: 8 U.R. Desde o diagnóstico: 4 U.R. Durante o tratamento: 4 U.R. De instituição/profissionais: Médicos: 7 U.R. Psicóloga = 6 U.R. Enfermeiras: 4 U.R. Atendentes: 2 U.R. Assistente Social: 1 U.R. Desde o diagnóstico: 5 U.R. Durante o tratamento: 3 U.R. 3ª CATEGORIA: FORMA DE MANIFESTAÇÃO DO APOIO EMOCIONAL Na família: Expressão de união: 7 U.R. Expressão de ajuda: 6 U.R. Prestação de cuidado: 4 U.R. Expressão de consideração: 2 U.R. Na sociedade: Expressão de consideração: 6 U.R Expressão de ajuda: 6 U.R. Força espiritual: 5 U.R. Prestação de cuidado: 2 U.R. Fortalecimento da auto-estima: 1 U.R. Na instituição/profissionais: Prestação de cuidados: 6 U.R. Expressão de ajuda: 6 U.R. Fortalecimento da auto-estima: 2 U.R. Expressão de união: 1 U.R. Expressão de admiração: 1 U.R. 4ª CATEGORIA: BENEFÍCIOS DO APOIO EMOCIONAL Facilita a recuperação: 5 U.R. Fortalece a auto-estima: 4 U.R. Fortalece os vínculos: 2 U.R. 5ª CATEGORIA: SENTIMENTOS FRENTE AO APOIO EMOCIONAL Fortalecida para enfrentar a doença: 7 U.R. Não se sente apoiada emocionalmente: 1 U.R. Na família: De proteção: 5 U.R.

13 13 De segurança: 3 U.R. Na sociedade: De amparo: 6 U.R. De valorização: 2 U.R. Na instituição/profissionais: De ser cuidada: 4 U.R. De segurança: 3 U.R. De valorização: 2 U.R. A partir dessa fase, propuseram-se inferências e interpretações a propósito dos objetivos previstos, ou com respeito a outras descobertas inesperadas. As informações obtidas foram confrontadas com informações já existentes, onde se chegou às conclusões finais. 3 APRESENTAÇÃO E DISCUSSÃO DOS RESULTADOS Após a realização da análise de conteúdo das entrevistas, constatou-se a existência de cinco categorias, todas com base nos relatos das participantes, visando responder ao problema de pesquisa proposto para este estudo: Como é percebido o apoio emocional pelas pacientes com câncer de mama, residentes na Região das Hortênsias, no âmbito familiar, social e institucional? Com a finalidade de explorar o apoio emocional nas relações familiares, sociais e institucionais da paciente diagnosticada com câncer de mama, tomou-se como ponto de partida investigar o significado de apoio emocional na percepção da participante da pesquisa. A partir da compreensão deste significado, possibilitou que se buscasse conhecer a origem deste apoio, a forma como ele se manifesta, os sentimentos diante dele, assim como os benefícios para a mulher doente. Desta forma, foi possível identificar as seguintes categorias: Significado de apoio emocional; Momento, necessidade e origem do apoio emocional; Forma de manifestação do apoio emocional; Benefícios do apoio emocional, e Sentimentos frente ao apoio emocional. Conforme Frasson & Zerwes ( 2004), o apoio emocional visa estimular a expressão dos sentimentos e emoções, aumentando a auto-estima e autoconfiança da paciente. Desta forma é possível que diminua o sentimento de alienação, reduza a ansiedade sobre o tratamento, não tenha preocupações inadequadas e, conseqüentemente, maiores informações sobre a doença, diminuindo o sentimento de isolamento e rejeição. A categoria significado de apoio emocional dispõe das seguintes subcategorias: sentir-se amparada por outras pessoas (7 UR); oportunidade para falar de suas emoções (1

O que é câncer de mama?

O que é câncer de mama? Câncer de Mama O que é câncer de mama? O câncer de mama é a doença em que as células normais da mama começam a se modificar, multiplicando-se sem controle e deixando de morrer, formando uma massa de células

Leia mais

Descobrindo o valor da

Descobrindo o valor da Descobrindo o valor da Ocâncer de mama, segundo em maior ocorrência no mundo, é um tumor maligno que se desenvolve devido a alterações genéticas nas células mamárias, que sofrem um crescimento anormal.

Leia mais

Apesar de ser um tumor maligno, é uma doença curável se descoberta a tempo, o que nem sempre é possível, pois o medo do diagnóstico é muito grande,

Apesar de ser um tumor maligno, é uma doença curável se descoberta a tempo, o que nem sempre é possível, pois o medo do diagnóstico é muito grande, Cancêr de Mama: É a causa mais frequente de morte por câncer na mulher, embora existam meios de detecção precoce que apresentam boa eficiência (exame clínico e auto-exame, mamografia e ultrassonografia).

Leia mais

CÂNCER DE MAMA:PERSPECTIVAS SOBRE AS RELAÇÕES FAMILIARES

CÂNCER DE MAMA:PERSPECTIVAS SOBRE AS RELAÇÕES FAMILIARES V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 CÂNCER DE MAMA:PERSPECTIVAS SOBRE AS RELAÇÕES FAMILIARES Simone Lemos 1 ; Suzei Helena Tardivo Barbosa 2 ; Giseli

Leia mais

CÂNCER DE MAMA: é preciso falar disso. Ministério da Saúde Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva

CÂNCER DE MAMA: é preciso falar disso. Ministério da Saúde Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva CÂNCER DE MAMA: é preciso falar disso Ministério da Saúde Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva 2014 Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva/ Ministério da Saúde. Esta

Leia mais

CÂNCER DE MAMA: é preciso falar disso. Ministério da Saúde Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva

CÂNCER DE MAMA: é preciso falar disso. Ministério da Saúde Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva CÂNCER DE MAMA: é preciso falar disso Ministério da Saúde Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva 2014 Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva/ Ministério da Saúde. Esta

Leia mais

CÂNCER DE MAMA: é preciso falar disso. Ministério da Saúde Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva

CÂNCER DE MAMA: é preciso falar disso. Ministério da Saúde Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva CÂNCER DE MAMA: é preciso falar disso Ministério da Saúde Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva Cartilha_Outubro Rosa_Mitos_26-09-2014.indd 1 08/10/2014 14:24:37 2014 Instituto Nacional

Leia mais

UNILAB no Outubro Rosa Essa luta também é nossa. CUIDAR DA SAÚDE É UM GESTO DE AMOR À VIDA. cosbem COORDENAÇÃO DE SAÚDE E BEM-ESTAR www.unilab.edu.

UNILAB no Outubro Rosa Essa luta também é nossa. CUIDAR DA SAÚDE É UM GESTO DE AMOR À VIDA. cosbem COORDENAÇÃO DE SAÚDE E BEM-ESTAR www.unilab.edu. UNILAB no Outubro Rosa Essa luta também é nossa. CUIDAR DA SAÚDE É UM GESTO DE AMOR À VIDA. cosbem COORDENAÇÃO DE SAÚDE E BEM-ESTAR www.unilab.edu.br CUIDAR DA SUA SAÚDE É UM GESTO DE AMOR À VIDA. As mamas

Leia mais

Sexualidade e Câncer de Mama

Sexualidade e Câncer de Mama Sexualidade e Câncer de Mama LÚCIO FLAVO DALRI GINECOLOGIA MASTOLOGIA CIRURGIA PÉLVICA MÉDICO EM RIO DO SUL - SC PRESIDENTE DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE MASTOLOGIA REGIONAL DE SC CHEFE DO SERVIÇO DE MASTOLOGIA

Leia mais

GRUPO TERAPÊUTICO NA REABILITAÇÃO SOCIAL DE MULHERES MASTECTOMIZADAS

GRUPO TERAPÊUTICO NA REABILITAÇÃO SOCIAL DE MULHERES MASTECTOMIZADAS GRUPO TERAPÊUTICO NA REABILITAÇÃO SOCIAL DE MULHERES MASTECTOMIZADAS Gilmara Saraiva Bezerra 1 Irma Caroline Lima Verde da Silva 2 Nydia Cavalcante de Carvalho Pinheiro 3 Maria Zélia de Araújo Madeira

Leia mais

OUTUBRO ROSA UMA CAMPANHA DE CONSCIENTIZAÇÃO DA SOFIS TECNOLOGIA

OUTUBRO ROSA UMA CAMPANHA DE CONSCIENTIZAÇÃO DA SOFIS TECNOLOGIA C A R T I L H A OUTUBRO ROSA UMA CAMPANHA DE CONSCIENTIZAÇÃO DA SOFIS TECNOLOGIA OOUTUBRO ROSA é um movimento mundial pela prevenção e diagnóstico precoce do câncer de mama. Com suas ações especialmente

Leia mais

Arimide. Informações para pacientes com câncer de mama. Anastrozol

Arimide. Informações para pacientes com câncer de mama. Anastrozol Informações para pacientes com câncer de mama. AstraZeneca do Brasil Ltda. Rod. Raposo Tavares, km 26,9 CEP 06707-000 Cotia SP ACCESS net/sac 0800 14 55 78 www.astrazeneca.com.br AXL.02.M.314(1612991)

Leia mais

OUTUBRO. um mes PARA RELEMBRAR A IMPORTANCIA DA. prevencao. COMPARTILHE ESSA IDEIA.

OUTUBRO. um mes PARA RELEMBRAR A IMPORTANCIA DA. prevencao. COMPARTILHE ESSA IDEIA. OUTUBRO ROSA ^ um mes PARA RELEMBRAR A IMPORTANCIA DA ~ prevencao. COMPARTILHE ESSA IDEIA. ~ ^ O movimento popular internacionalmente conhecido como Outubro Rosa é comemorado em todo o mundo. O nome remete

Leia mais

Aspectos Psicológicos do Câncer na MULHER. O que é preciso saber para acolher? Maria Estelita Gil Psicóloga Clínica 2012

Aspectos Psicológicos do Câncer na MULHER. O que é preciso saber para acolher? Maria Estelita Gil Psicóloga Clínica 2012 Aspectos Psicológicos do Câncer na MULHER. O que é preciso saber para acolher? Maria Estelita Gil Psicóloga Clínica 2012 1 Repercussões emocionais frente ao Diagnóstico de Câncer A comunicação de um diagnóstico

Leia mais

Isso marca o início de uma nova e importante era para os pacientes, cuidadores e seus familiares.

Isso marca o início de uma nova e importante era para os pacientes, cuidadores e seus familiares. 1 Manual do Paciente Você não está sozinho Qualquer pessoa pode vir a desenvolver algum tipo de câncer ao longo da vida. No ano passado de 2008, mais de 1,3 milhões de novos cânceres foram diagnosticados

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER II JORNADA DE TÉCNICOS DE ENFERMAGEM DO INCA

INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER II JORNADA DE TÉCNICOS DE ENFERMAGEM DO INCA INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER II JORNADA DE TÉCNICOS DE ENFERMAGEM DO INCA FORMAÇÃO E EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE NA ATENÇÃO AO CÂNCER: DESAFIOS PARA OS TÉCNICOS DE ENFERMAGEM ESPECIALIZAÇÃO DO TÉCNICO

Leia mais

Promoção da qualidade de vida através de psicoterapia breve de grupo

Promoção da qualidade de vida através de psicoterapia breve de grupo Promoção da qualidade de vida através de psicoterapia breve de grupo PSICOTERAPIA Categoria: GRUPO Categoria: Custos administrativos e operacionais Área: Medicina Preventiva - Programa Viver Bem Responsáveis:

Leia mais

O QUE É SER MÃE ADOLESCENTE PELA PRIMEIRA VEZ? INTRODUÇÃO

O QUE É SER MÃE ADOLESCENTE PELA PRIMEIRA VEZ? INTRODUÇÃO O QUE É SER MÃE ADOLESCENTE PELA PRIMEIRA VEZ? INTRODUÇÃO Esta investigação tem como enfoque o atendimento às gestantes adolescentes primigestas nas equipes de ESF. Visa conhecer o universo destas gestantes

Leia mais

TERAPIA DA ALEGRIA: TRABALHO VOLUNTÁRIO NO HOSPITAL MUNICIPAL DE MARINGÁ-PR

TERAPIA DA ALEGRIA: TRABALHO VOLUNTÁRIO NO HOSPITAL MUNICIPAL DE MARINGÁ-PR 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 TERAPIA DA ALEGRIA: TRABALHO VOLUNTÁRIO NO HOSPITAL MUNICIPAL DE MARINGÁ-PR Jaqueline de Carvalho Gasparotto 1 ; Jeferson Dias Costa 1, João Ricardo Vissoci

Leia mais

Cancro da Mama. Estrutura normal das mamas. O que é o Cancro da Mama

Cancro da Mama. Estrutura normal das mamas. O que é o Cancro da Mama Cancro da Mama O Cancro da Mama é um tumor maligno que se desenvolve nas células do tecido mamário. Um tumor maligno consiste num grupo de células alteradas (neoplásicas) que pode invadir os tecidos vizinhos

Leia mais

TÍTULO: A VIVÊNCIA DO PSICÓLOGO HOSPITALAR DIANTE DA HOSPITALIZAÇÃO DA CRIANÇA COM CÂNCER

TÍTULO: A VIVÊNCIA DO PSICÓLOGO HOSPITALAR DIANTE DA HOSPITALIZAÇÃO DA CRIANÇA COM CÂNCER TÍTULO: A VIVÊNCIA DO PSICÓLOGO HOSPITALAR DIANTE DA HOSPITALIZAÇÃO DA CRIANÇA COM CÂNCER CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PSICOLOGIA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE DE RIBEIRÃO

Leia mais

CANCER DE MAMA FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO

CANCER DE MAMA FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO CANCER DE MAMA FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO OS TIPOS DE CANCER DE MAMA O câncer de mama ocorre quando as células deste órgão passam a se dividir e se reproduzir muito rápido e de forma

Leia mais

Fator emocional. Fertilidade Natural: Fator emocional CAPÍTULO 8

Fator emocional. Fertilidade Natural: Fator emocional CAPÍTULO 8 CAPÍTULO 8 Fator emocional O projeto comum de ter filhos, construir a própria família, constitui um momento existencial muito importante, tanto para o homem como para a mulher. A maternidade e a paternidade

Leia mais

Câncer de Mama COMO SÃO AS MAMAS:

Câncer de Mama COMO SÃO AS MAMAS: Câncer de Mama COMO SÃO AS MAMAS: As mamas (ou seios) são glândulas e sua função principal é a produção de leite. Elas são compostas de lobos que se dividem em porções menores, os lóbulos, e ductos, que

Leia mais

OUTUBRO ROSA REFORÇA A IMPORTÂNCIA DO DIAGNÓSTICO PRECOCE NA CURA DO CÂNCER DE MAMA

OUTUBRO ROSA REFORÇA A IMPORTÂNCIA DO DIAGNÓSTICO PRECOCE NA CURA DO CÂNCER DE MAMA OUTUBRO ROSA REFORÇA A IMPORTÂNCIA DO DIAGNÓSTICO PRECOCE NA CURA DO CÂNCER DE MAMA Enviado por LINK COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL 01-Out-2015 PQN - O Portal da Comunicação LINK COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL - 01/10/2015

Leia mais

Cuidados Paliativos em Câncer

Cuidados Paliativos em Câncer Cuidados Paliativos em Câncer Temos assistido nas últimas décadas a um envelhecimento progressivo da população, assim como o aumento da prevalência do câncer. O avanço tecnológico alcançado, associado

Leia mais

RELACIONAMENTO TERAPÊUTICO ENTRE ENFERMEIRO E PACIENTE TRANSPLANTADO CARDÍACO: FORÇA VITAL PARA A HUMANIZAÇÃO

RELACIONAMENTO TERAPÊUTICO ENTRE ENFERMEIRO E PACIENTE TRANSPLANTADO CARDÍACO: FORÇA VITAL PARA A HUMANIZAÇÃO RELACIONAMENTO TERAPÊUTICO ENTRE ENFERMEIRO E PACIENTE TRANSPLANTADO CARDÍACO: FORÇA VITAL PARA A HUMANIZAÇÃO O transplante cardíaco é uma forma de tratamento para os pacientes com insuficiência cardíaca

Leia mais

PROVA OBJETIVA. 17 O psicólogo que atua em uma instituição pode fazer. 18 O autocontrole e a disciplina são os elementos que determinam

PROVA OBJETIVA. 17 O psicólogo que atua em uma instituição pode fazer. 18 O autocontrole e a disciplina são os elementos que determinam SESFUBMULT_P_06N8977 De acordo com o comando a que cada um dos itens a seguir se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o

Leia mais

VIVÊNCIAS DE FAMILIARES DE CRIANÇAS COM NEOPLASIAS E AS IMPLICAÇÕES PARA A ASSISTÊNCIA PSICOLÓGICA

VIVÊNCIAS DE FAMILIARES DE CRIANÇAS COM NEOPLASIAS E AS IMPLICAÇÕES PARA A ASSISTÊNCIA PSICOLÓGICA VIVÊNCIAS DE FAMILIARES DE CRIANÇAS COM NEOPLASIAS E AS IMPLICAÇÕES PARA A ASSISTÊNCIA PSICOLÓGICA INTRODUÇÃO Liana Dantas da Costa e Silva Barbosa - CRAS Elayna Dantas da Costa e Silva UNESC Maria Enoia

Leia mais

Redações vencedoras I Concurso de Redação

Redações vencedoras I Concurso de Redação Redações vencedoras I Concurso de Redação 1 Lugar Aluno: Julia Stefani Moraes Professora: Regina M. Macedo de Melo Castro Informação: A melhor maneira de combater o câncer Penso que falar sobre este assunto

Leia mais

A ESPIRITUALIDADE DA FAMÍLIA AO TER UM FAMILIAR INTERNADO POR DOENÇA CRÔNICA: RELATO DE VIVÊNCIA 1

A ESPIRITUALIDADE DA FAMÍLIA AO TER UM FAMILIAR INTERNADO POR DOENÇA CRÔNICA: RELATO DE VIVÊNCIA 1 A ESPIRITUALIDADE DA FAMÍLIA AO TER UM FAMILIAR INTERNADO POR DOENÇA CRÔNICA: RELATO DE VIVÊNCIA 1 ROSSATO, Karine 2 ; GIRARDON-PERLINI, Nara Marilene Oliveira 3, MISTURA, Claudelí 4, CHEROBINI, Márcia

Leia mais

A INTERVENÇÃO RIME COMO RECURSO PARA O BEM-ESTAR DE PACIENTES COM OSTOMIA EM PÓS- OPERATÓRIO MEDIATO

A INTERVENÇÃO RIME COMO RECURSO PARA O BEM-ESTAR DE PACIENTES COM OSTOMIA EM PÓS- OPERATÓRIO MEDIATO A INTERVENÇÃO RIME COMO RECURSO PARA O BEM-ESTAR DE PACIENTES COM OSTOMIA EM PÓS- OPERATÓRIO MEDIATO Roberta Oliveira Barbosa Ribeiro- Instituto do Câncer do Estado de São Paulo - São Paulo. Ana Catarina

Leia mais

PREVINA O CÂNCER DO COLO DO ÚTERO

PREVINA O CÂNCER DO COLO DO ÚTERO SENADO FEDERAL PREVINA O CÂNCER DO COLO DO ÚTERO SENADOR CLÉSIO ANDRADE 2 Previna o câncer do colo do útero apresentação O câncer do colo do útero continua matando muitas mulheres. Especialmente no Brasil,

Leia mais

TÍTULO: "SE TOCA MULHER" CONHECIMENTO DAS UNIVERSITÁRIAS SOBRE O CÂNCER DE MAMA

TÍTULO: SE TOCA MULHER CONHECIMENTO DAS UNIVERSITÁRIAS SOBRE O CÂNCER DE MAMA TÍTULO: "SE TOCA MULHER" CONHECIMENTO DAS UNIVERSITÁRIAS SOBRE O CÂNCER DE MAMA CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: ENFERMAGEM INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICO

Leia mais

Entenda o que é o câncer de mama e os métodos de prevenção. Fonte: Instituto Nacional de Câncer (Inca)

Entenda o que é o câncer de mama e os métodos de prevenção. Fonte: Instituto Nacional de Câncer (Inca) Entenda o que é o câncer de mama e os métodos de prevenção Fonte: Instituto Nacional de Câncer (Inca) O que é? É o tipo de câncer mais comum entre as mulheres no mundo e no Brasil, depois do de pele não

Leia mais

EPIDEMIOLÓGICO BOLETIM ELETRÔNICO. Câncer de Mama

EPIDEMIOLÓGICO BOLETIM ELETRÔNICO. Câncer de Mama BOLETIM ELETRÔNICO EPIDEMIOLÓGICO G E R E N C I A E X E C U T I V A D E V I G I L Â N C I A E M S A Ú D E ANO 1, Nº 1 EXPEDIENTE: Novembro de 27 GOVERNADOR DO ESTADO Cássio Cunha Lima SECRETÁRIO DE ESTADO

Leia mais

Fazendo a diferença nos Serviços de Saúde: Visão do Técnico Especialista

Fazendo a diferença nos Serviços de Saúde: Visão do Técnico Especialista Fazendo a diferença nos Serviços de Saúde: Visão do Técnico Especialista Tec. de Enfermagem Claudia Sterque claudiasterque@yahoo.com.br 11 de novembro de 2010 VISÃO DO TÉCNICO ESPECIALISTA Quando comecei

Leia mais

Vida nova Jovens contam como superaram doenças graves. Depois de um câncer de mama aos 23 anos, Dolores Cardoso teve um filho, escreveu um livro e

Vida nova Jovens contam como superaram doenças graves. Depois de um câncer de mama aos 23 anos, Dolores Cardoso teve um filho, escreveu um livro e Sexta Vida nova Jovens contam como superaram doenças graves. Depois de um câncer de mama aos 23 anos, Dolores Cardoso teve um filho, escreveu um livro e mudou o rumo da vida profissional FOLHA DA SEXTA

Leia mais

CUIDADOS PALIATIVOS NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA EM PACIENTES TERMINAIS: UMA REVISÃO INTEGRATIVA

CUIDADOS PALIATIVOS NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA EM PACIENTES TERMINAIS: UMA REVISÃO INTEGRATIVA CUIDADOS PALIATIVOS NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA EM PACIENTES TERMINAIS: UMA REVISÃO INTEGRATIVA Jéssyka Cibelly Minervina da Costa Silva (NEPB/UFPB) jessykacibelly@gmail.com Maria Andréa Fernandes

Leia mais

Área temática: Enfermagem CÂNCER NA ADOLESCÊNCIA: SENTIMENTOS DOS PORTADORES E PAPEIS DE FAMILIARES E ENFERMEIROS

Área temática: Enfermagem CÂNCER NA ADOLESCÊNCIA: SENTIMENTOS DOS PORTADORES E PAPEIS DE FAMILIARES E ENFERMEIROS Área temática: Enfermagem CÂNCER NA ADOLESCÊNCIA: SENTIMENTOS DOS PORTADORES E PAPEIS DE FAMILIARES E ENFERMEIROS Graziela Silva do Nascimento Discente do curso de Enfermagem da UFPB. E-mail: graziela_nascimento_@hotmail.com

Leia mais

Núcleo Mama Porto Alegre (NMPOA) Estudo longitudinal de rastreamento e atenção organizada no diagnóstico e tratamento do câncer de mama

Núcleo Mama Porto Alegre (NMPOA) Estudo longitudinal de rastreamento e atenção organizada no diagnóstico e tratamento do câncer de mama Núcleo Mama Porto Alegre (NMPOA) Estudo longitudinal de rastreamento e atenção organizada no diagnóstico e tratamento do câncer de mama 2004 Projeto Núcleo Mama Porto Alegre Estudo com parceria entre Hospital

Leia mais

II Congresso Multidisciplinar em Oncologia

II Congresso Multidisciplinar em Oncologia II Congresso Multidisciplinar em Oncologia SOBREVIVENTES DO CÂNCER: DE QUAL DEMANDA EMOCIONAL ESTAMOS FALANDO? Vicente A. de Carvalho II Congresso Multidisciplinar em Oncologia A revolução na Medicina

Leia mais

Câncer de Próstata. Fernando Magioni Enfermeiro do Trabalho

Câncer de Próstata. Fernando Magioni Enfermeiro do Trabalho Câncer de Próstata Fernando Magioni Enfermeiro do Trabalho O que é próstata? A próstata é uma glândula que só o homem possui e que se localiza na parte baixa do abdômen. Ela é um órgão muito pequeno, tem

Leia mais

NÚCLEO DE ASSISTÊNCIA VOLUNTÁRIA ESPIRITUAL MS / INCA / HCI. José Adalberto F. Oliveira (ilhaterceira@hotmail.com) Secretaria do NAVE 32071718

NÚCLEO DE ASSISTÊNCIA VOLUNTÁRIA ESPIRITUAL MS / INCA / HCI. José Adalberto F. Oliveira (ilhaterceira@hotmail.com) Secretaria do NAVE 32071718 NÚCLEO DE ASSISTÊNCIA VOLUNTÁRIA ESPIRITUAL MS / INCA / HCI José Adalberto F. Oliveira (ilhaterceira@hotmail.com) Secretaria do NAVE 32071718 COMO TUDO COMEÇOU: Demanda da Coordenadora do Voluntariado

Leia mais

O modelo biomédico da medicina pode ser entendido partir do nível das respostas que dá às seguintes questões:

O modelo biomédico da medicina pode ser entendido partir do nível das respostas que dá às seguintes questões: Ogden, J.(1999). Psicologia da Saúde. Lisboa: Climepsi Editores, Capitulo 1. Capítulo 1. Uma Introdução a Psicologia da Saúde Antecedentes da Psicologia da Saúde O século XIX Foi no decorrer do século

Leia mais

TIPOS DE TRATAMENTOS ONCOLÓGICOS CIRURGIA QUIMIOTERAPIA SISTÊMICA

TIPOS DE TRATAMENTOS ONCOLÓGICOS CIRURGIA QUIMIOTERAPIA SISTÊMICA TIPOS DE TRATAMENTOS ONCOLÓGICOS Prof a Dra. Nise H. Yamaguchi Prof a Dra Enf a Lucia Marta Giunta da Silva Profª. Dra. Enf a Maria Tereza C. Laganá A abordagem moderna do tratamento oncológico busca mobilizar

Leia mais

A POLÍTICA NACIONAL DE HUMANIZAÇÃO E AS IMPLICAÇÕES DE UM

A POLÍTICA NACIONAL DE HUMANIZAÇÃO E AS IMPLICAÇÕES DE UM A POLÍTICA NACIONAL DE HUMANIZAÇÃO E AS IMPLICAÇÕES DE UM NASCIMENTO PREMATURO Francisca Daniela de Morais Roberto moraisfrancisca@bol.com.br Regina Célia Pinheiro da Silva Orientadora UNITAU regcps@yahoo.com.br

Leia mais

Bioestatística. Organização Pesquisa Médica. Variabilidade. Porque existe variabilidades nos fenômenos naturais? Fontes de variação:

Bioestatística. Organização Pesquisa Médica. Variabilidade. Porque existe variabilidades nos fenômenos naturais? Fontes de variação: Bioestatística Lupércio F. Bessegato & Marcel T. Vieira UFJF Departamento de Estatística 2010 Organização Pesquisa Médica Variabilidade Porque existe variabilidades nos fenômenos naturais? Fontes de variação:

Leia mais

SENTIMENTO DA MULHER DURANTE O TRATAMENTO DO CÂNCER DE MAMA

SENTIMENTO DA MULHER DURANTE O TRATAMENTO DO CÂNCER DE MAMA SENTIMENTO DA MULHER DURANTE O TRATAMENTO DO CÂNCER DE MAMA Aline Silvestre Cunha de Sene 1, Amanda Maria Ferreira 2, Anna Karoline Simões 3 Orientadores: Alessandra Garcia Emerick Moreira, Vanda Maria

Leia mais

TELMA SIQUEIRA OLIVEIRA DE ARAÚJO. CÂNCER DE MAMA: Estado Psicológico e Sexualidade de Mulheres Mastectomizadas

TELMA SIQUEIRA OLIVEIRA DE ARAÚJO. CÂNCER DE MAMA: Estado Psicológico e Sexualidade de Mulheres Mastectomizadas ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO UNEMAT CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE CÁCERES JANE VANINI FACULDADE DE CIÊNCIA E SAÚDE CURSO DE ENFERMAGEM

Leia mais

BIOÉTICA E CUIDADOS PALIATIVOS: UM DESAFIO PARA A ENFERMAGEM.

BIOÉTICA E CUIDADOS PALIATIVOS: UM DESAFIO PARA A ENFERMAGEM. BIOÉTICA E CUIDADOS PALIATIVOS: UM DESAFIO PARA A ENFERMAGEM. RESUMO Karyn Albrecht SIQUEIRA, 1. Aline MASSAROLI, 2. Ana Paula LICHESKI, 2. Maria Denise Mesadri GIORGI, 3. Introdução: Com os diversos avanços

Leia mais

A PERCEPÇÃO DOS IDOSOS SOBRE OS BENEFÍCIOS QUE A ATIVIDADE FÍSICA (HIDROGINÁSTICA) TRAZ PARA SUAS VIDAS

A PERCEPÇÃO DOS IDOSOS SOBRE OS BENEFÍCIOS QUE A ATIVIDADE FÍSICA (HIDROGINÁSTICA) TRAZ PARA SUAS VIDAS A PERCEPÇÃO DOS IDOSOS SOBRE OS BENEFÍCIOS QUE A ATIVIDADE FÍSICA (HIDROGINÁSTICA) TRAZ PARA SUAS VIDAS FABIANA ALVES DE LUCENA (Especialista em Fisiologia do Exercício e Grupos Especiais, Faculdade Leão

Leia mais

ACONSELHAMENTO PARA DST/AIDS NO SUS

ACONSELHAMENTO PARA DST/AIDS NO SUS ACONSELHAMENTO PARA DST/AIDS NO SUS A prática do aconselhamento desempenha um papel importante no diagnóstico da infecção pelo HIV/ outras DST e na qualidade da atenção à saúde. Contribui para a promoção

Leia mais

CÂNCER DE MAMA PREVENÇÃO TRATAMENTO - CURA Novas estratégias. Rossano Araújo

CÂNCER DE MAMA PREVENÇÃO TRATAMENTO - CURA Novas estratégias. Rossano Araújo CÂNCER DE MAMA PREVENÇÃO TRATAMENTO - CURA Novas estratégias Rossano Araújo Papiro do Edwin Smith (Egito, 3.000-2.500 A.C.) Papiro Edwin Smith (Egito, 3000 2500 A.C.) Tumores Protuberantes da Mama Se você

Leia mais

Seminário de Residência Médica de Cancerologia Clínica Seminar of Residence in Clinical Oncology

Seminário de Residência Médica de Cancerologia Clínica Seminar of Residence in Clinical Oncology RESIDÊNCIA MÉDICA Seminário de Residência Médica de Cancerologia Clínica Seminar of Residence in Clinical Oncology José Luiz Miranda Guimarães* Neste número estamos divulgando o resultado parcial do Seminário

Leia mais

COMO AJUDAR QUEM PERDEU PESSOAS QUERIDAS

COMO AJUDAR QUEM PERDEU PESSOAS QUERIDAS COMO AJUDAR QUEM PERDEU PESSOAS QUERIDAS OPÇÕES DE LOGO 1. Psicotraumatologia Clínica 2. PSICOTRAUMATOLOGIA CLÍNICA psicotraumatologia clínica Todos já perdemos ou perderemos pessoas queridas e, geralmente,

Leia mais

EM VIRTUDE DAS FÉRIAS COLETIVAS DA ABRAPAC EM DEZEMBRO, O ALERTA 07 SÓ SERÁ DISPONIBILIZADO EM JANEIRO DE 2013

EM VIRTUDE DAS FÉRIAS COLETIVAS DA ABRAPAC EM DEZEMBRO, O ALERTA 07 SÓ SERÁ DISPONIBILIZADO EM JANEIRO DE 2013 Mama Alerta ALERTA 06 OUTUBRO-NOVEMBRO DE 2012 EM VIRTUDE DAS FÉRIAS COLETIVAS DA ABRAPAC EM DEZEMBRO, O ALERTA 07 SÓ SERÁ DISPONIBILIZADO EM JANEIRO DE 2013 O Projeto Mama Alerta, a super-ouvidoria da

Leia mais

CÂNCER DE MAMA. O controle das mamas de seis em seis meses, com exames clínicos, é também muito importante.

CÂNCER DE MAMA. O controle das mamas de seis em seis meses, com exames clínicos, é também muito importante. CÂNCER DE MAMA Dr. José Bél Mastologista/Ginecologista - CRM 1558 Associação Médico Espírita de Santa Catarina AME/SC QUANDO PEDIR EXAMES DE PREVENÇÃO Anualmente, a mulher, após ter atingindo os 35 ou

Leia mais

O que é o câncer de mama?

O que é o câncer de mama? O que é o câncer de mama? As células do corpo normalmente se dividem de forma controlada. Novas células são formadas para substituir células velhas ou que sofreram danos. No entanto, às vezes, quando células

Leia mais

DIAGNÓSTICO SOBRE A SAÚDE DA MULHER EM UMA UNIDADE DE SAÚDE DA FAMÍLIA E INTERVENÇÕES SOBRE O EXAME CITOPATOLÓGICO DO COLO UTERINO

DIAGNÓSTICO SOBRE A SAÚDE DA MULHER EM UMA UNIDADE DE SAÚDE DA FAMÍLIA E INTERVENÇÕES SOBRE O EXAME CITOPATOLÓGICO DO COLO UTERINO 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA DIAGNÓSTICO SOBRE A SAÚDE

Leia mais

O CUIDADO DA CRIANÇA COM CANCER FORA DE POSSIBILIDADES TERAPÊUTICAS: UM DESAFIO À ENFERMAGEM1

O CUIDADO DA CRIANÇA COM CANCER FORA DE POSSIBILIDADES TERAPÊUTICAS: UM DESAFIO À ENFERMAGEM1 O CUIDADO DA CRIANÇA COM CANCER FORA DE POSSIBILIDADES TERAPÊUTICAS: UM DESAFIO À ENFERMAGEM1 REIS, Thamiza Laureany da Rosa dos 2 ; BIN, Aline 3 1 Trabalho de Pesquisa 2 Curso de Graduação em Enfermagem

Leia mais

Meus amigos... A saúde tem pressa! da sua amiga, Flávia Morais

Meus amigos... A saúde tem pressa! da sua amiga, Flávia Morais 4ª Edição Meus amigos... Quando surgiu a ideia de criar o programa Saúde em Movimento, em parceria com o Lions Club e a LBV, acreditávamos que conseguiríamos reduzir em parte a distância que separa as

Leia mais

MEMÓRIA DA REUNIÃO 1. PAUTA

MEMÓRIA DA REUNIÃO 1. PAUTA Assunto: Reunião/Palestra saúde para orientar e esclarecer as dúvidas da população sobre as ações preventivas na área da saúde pública em virtude da construção da UHE Belo Monte. Redator: Juliana Lima

Leia mais

DIAGNÓSTICO MÉDICO DADOS EPIDEMIOLÓGICOS FATORES DE RISCO FATORES DE RISCO 01/05/2015

DIAGNÓSTICO MÉDICO DADOS EPIDEMIOLÓGICOS FATORES DE RISCO FATORES DE RISCO 01/05/2015 01/05/2015 CÂNCER UTERINO É o câncer que se forma no colo do útero. Nessa parte, há células que podem CÂNCER CERVICAL se modificar produzindo um câncer. Em geral, é um câncer de crescimento lento, e pode

Leia mais

PERFIL DE IDOSAS PORTADORAS DE CÂNCER DE MAMA E O CONSUMO DE PLANTAS MEDICINAIS COMO TERAPIA COMPLEMENTAR

PERFIL DE IDOSAS PORTADORAS DE CÂNCER DE MAMA E O CONSUMO DE PLANTAS MEDICINAIS COMO TERAPIA COMPLEMENTAR PERFIL DE IDOSAS PORTADORAS DE CÂNCER DE MAMA E O CONSUMO DE PLANTAS MEDICINAIS COMO TERAPIA COMPLEMENTAR Karyanna Alves de Alencar Rocha (1); Maria Janielly de Oliveira Costa (2); Ariadne Messalina Batista

Leia mais

HUMANIZAÇÃO NO ATENDIMENTO À MULHER COM CÂNCER. Enfª Rosenice Perkins D S Clemente Enfermagem oncológica

HUMANIZAÇÃO NO ATENDIMENTO À MULHER COM CÂNCER. Enfª Rosenice Perkins D S Clemente Enfermagem oncológica HUMANIZAÇÃO NO ATENDIMENTO À MULHER COM CÂNCER Enfª Rosenice Perkins D S Clemente Enfermagem oncológica 12 de julho de 2013 Cena 1 Joana - casada, dois filhos pequenos, do lar, evangélica, desinteressada

Leia mais

CONHECIMENTO DE IDOSOS SOBRE O CÂNCER DE PRÓSTATA

CONHECIMENTO DE IDOSOS SOBRE O CÂNCER DE PRÓSTATA CONHECIMENTO DE IDOSOS SOBRE O CÂNCER DE PRÓSTATA 1. Renata Emanuela de Queiroz Rêgo. Faculdade Santa Maria/FSM. Email: renata-emanuela@hotmail.com 2. Ankilma do Nascimento Andrade. Faculdade Santa Maria/FSM.

Leia mais

AJUSTE DO MODELO DE COX A DADOS DE CÂNCER DE MAMA

AJUSTE DO MODELO DE COX A DADOS DE CÂNCER DE MAMA AJUSTE DO MODELO DE COX A DADOS DE CÂNCER DE MAMA Luciene Resende Gonçalves 1, Verônica kataoka 2, Mário Javier Ferrua Vivanco 3, Thelma Sáfadi 4 INTRODUÇÃO O câncer de mama é o tipo de câncer que se manifesta

Leia mais

III EGEPUB/COPPE/UFRJ

III EGEPUB/COPPE/UFRJ Luiz Otávio Zahar III EGEPUB/COPPE/UFRJ 27/11/2014 O que é a próstata? A próstata é uma glândula pequena que fica abaixo da bexiga e envolve o tubo (chamado uretra) pelo qual passam a urina e o sêmen.

Leia mais

Avaliação. Formulação de Caso BETANIA MARQUES DUTRA. MSc. Psicologia. Esp. Neusopsicologia. Esp.Psicopedagogia. Terapeuta Cognitivo-Comportamental

Avaliação. Formulação de Caso BETANIA MARQUES DUTRA. MSc. Psicologia. Esp. Neusopsicologia. Esp.Psicopedagogia. Terapeuta Cognitivo-Comportamental Avaliação & Formulação de Caso BETANIA MARQUES DUTRA MSc. Psicologia Esp. Neusopsicologia Esp.Psicopedagogia Terapeuta Cognitivo-Comportamental Coordenadora do Curso de TCC Aplicada a crianças e adolescentes

Leia mais

BOAS PRÁTICAS. para humanizar o atendimento e gerar fidelização em Clínicas e Hospitais. Boas práticas para humanizar o atendimento

BOAS PRÁTICAS. para humanizar o atendimento e gerar fidelização em Clínicas e Hospitais. Boas práticas para humanizar o atendimento BOAS PRÁTICAS para humanizar o atendimento e gerar fidelização em Clínicas e Hospitais ÍNDICE Introdução 3 Explique e difunda a importância do termo 4 A humanização e o ambiente físico 6 Aperfeiçoamento

Leia mais

AUDIENCIA PÚBLICA SENADO FEDERAL COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS. Dr. Aguinaldo Nardi Presidente da SBU

AUDIENCIA PÚBLICA SENADO FEDERAL COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS. Dr. Aguinaldo Nardi Presidente da SBU AUDIENCIA PÚBLICA SENADO FEDERAL COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS Dr. Aguinaldo Nardi Presidente da SBU Senado Federal, 16 de maio de 2013 PNAISH - Primórdios. 1988 Criação do SUS Constituição Federal - Art.

Leia mais

FÓRUM Câncer de Mama. Políticas Públicas: Tratamento e Apoio Dra. Nadiane Lemos SSM-DAS/SES-RS

FÓRUM Câncer de Mama. Políticas Públicas: Tratamento e Apoio Dra. Nadiane Lemos SSM-DAS/SES-RS FÓRUM Câncer de Mama Políticas Públicas: Tratamento e Apoio Dra. Nadiane Lemos SSM-DAS/SES-RS Análise Situacional Marcadores das ações em saúde envolvendo a saúde da mulher na atual gestão: Pré-natal -

Leia mais

AS TRANSIÇÕES FEMININAS DA PUBERDADE E DA MENOPAUSA: ASPECTOS CLÍNICOS E DE PESQUISA Coordenadora: Carmen Lúcia Souza (USP) clucia@uol.com.

AS TRANSIÇÕES FEMININAS DA PUBERDADE E DA MENOPAUSA: ASPECTOS CLÍNICOS E DE PESQUISA Coordenadora: Carmen Lúcia Souza (USP) clucia@uol.com. MESA 4 AS TRANSIÇÕES FEMININAS DA PUBERDADE E DA MENOPAUSA: ASPECTOS CLÍNICOS E DE PESQUISA Coordenadora: Carmen Lúcia Souza (USP) clucia@uol.com.br Relatores: Carmen Lúcia Souza Izilda Malta Torres Ruth

Leia mais

- VÍDEO DEBATE - aconselhamento. DST/HIV/aids

- VÍDEO DEBATE - aconselhamento. DST/HIV/aids GUIA - VÍDEO DEBATE - aconselhamento DST/HIV/aids Ministério da Saúde Secretaria de Políticas de Saúde Coordenação Nacional de DST e Aids Paulo R. Teixeira Coordenador Rosemeire Munhoz Assessora Técnica

Leia mais

CONHECENDO A PSICOTERAPIA

CONHECENDO A PSICOTERAPIA CONHECENDO A PSICOTERAPIA Psicólogo Emilson Lúcio da Silva CRP 12/11028 2015 INTRODUÇÃO Em algum momento da vida você já se sentiu incapaz de lidar com seus problemas? Se a resposta é sim, então você não

Leia mais

10º FÓRUM DE EXTENSÃO E CULTURA DA UEM A PERCEPÇÃO DOS PROFISSIONAIS DE ENFERMAGEM A RESPEITO DA PRESENÇA DO IRMÃO DO BEBÊ DE RISCO NA UTI NEONATAL

10º FÓRUM DE EXTENSÃO E CULTURA DA UEM A PERCEPÇÃO DOS PROFISSIONAIS DE ENFERMAGEM A RESPEITO DA PRESENÇA DO IRMÃO DO BEBÊ DE RISCO NA UTI NEONATAL 10º FÓRUM DE EXTENSÃO E CULTURA DA UEM A PERCEPÇÃO DOS PROFISSIONAIS DE ENFERMAGEM A RESPEITO DA PRESENÇA DO IRMÃO DO BEBÊ DE RISCO NA UTI NEONATAL Larissa Camila Dianin 3 Paolla Furlan Roveri 2 Darci

Leia mais

ANÁLISE DE PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DE MULHERES QUE FAZEM EXAME PAPANICOLAU EM UNIDADE DE SAÚDE EM CAJAZEIRAS-PB E RALAÇÕES COM HPV.

ANÁLISE DE PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DE MULHERES QUE FAZEM EXAME PAPANICOLAU EM UNIDADE DE SAÚDE EM CAJAZEIRAS-PB E RALAÇÕES COM HPV. ANÁLISE DE PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DE MULHERES QUE FAZEM EXAME PAPANICOLAU EM UNIDADE DE SAÚDE EM CAJAZEIRAS-PB E Saúde e Educação Janiele Maria Vasconcelos Mota RALAÇÕES COM HPV Áreas Temáticas Autora Instituição

Leia mais

Serviço de Psicologia do Instituto de Neurologia e Cardiologia de Curitiba:

Serviço de Psicologia do Instituto de Neurologia e Cardiologia de Curitiba: Serviço de Psicologia do Instituto de Neurologia e Cardiologia de Curitiba: Tem por objetivo prestar atendimento aos pacientes internados ou de forma ambulatorial no Hospital, bem como aos seus familiares,

Leia mais

FÓRUM DE HUMANIZAÇÃO HOSPITALAR E VOLUNTARIADO

FÓRUM DE HUMANIZAÇÃO HOSPITALAR E VOLUNTARIADO FÓRUM DE HUMANIZAÇÃO HOSPITALAR E VOLUNTARIADO A IMPORTÂNCIA DO VOLUNTARIADO NO PROCESSO DO HUMANIZAR FERNANDO BASTOS fernandobastosmoura@yahoo.com.br HUMANIZAÇÃO HOSPITALAR E PROFISSIONAIS DE SAÚDE DIAGNÓSTICO

Leia mais

Atuação da Acupuntura na dor articular decorrente do uso do inibidor de aromatase como parte do tratamento do câncer de mama

Atuação da Acupuntura na dor articular decorrente do uso do inibidor de aromatase como parte do tratamento do câncer de mama Atuação da Acupuntura na dor articular decorrente do uso do inibidor de aromatase como parte do tratamento do câncer de mama O câncer de mama - 2º tipo de câncer mais freqüente no mundo e o mais comum

Leia mais

Relato de Experiência. Projeto Reabilta-ação Fisioterapia Oncológica. PICIN, Celis i e COPETTI, Solange M. B. ii Faculdade de Pato Branco FADEP

Relato de Experiência. Projeto Reabilta-ação Fisioterapia Oncológica. PICIN, Celis i e COPETTI, Solange M. B. ii Faculdade de Pato Branco FADEP Relato de Experiência Projeto Reabilta-ação Fisioterapia Oncológica PICIN, Celis i e COPETTI, Solange M. B. ii Faculdade de Pato Branco FADEP RESUMO A intenção em produzir um material informativo a respeito

Leia mais

LABOR E DOR: O SOFRIMENTO PSÍQUICO PARA O TRABALHADOR. O presente argumento tem como objetivo apresentar um recorte de uma

LABOR E DOR: O SOFRIMENTO PSÍQUICO PARA O TRABALHADOR. O presente argumento tem como objetivo apresentar um recorte de uma LABOR E DOR: O SOFRIMENTO PSÍQUICO PARA O TRABALHADOR Fabiane da Fontoura Messias de Melo 1 Melissa Andréa Vieira de Medeiros 2 Introdução O presente argumento tem como objetivo apresentar um recorte de

Leia mais

O Trabalho do Assistente Social no Contexto Hospitalar em Porto Alegre: Uma Análise na Perspectiva do Trabalho em Equipe

O Trabalho do Assistente Social no Contexto Hospitalar em Porto Alegre: Uma Análise na Perspectiva do Trabalho em Equipe 1378 O Trabalho do Assistente Social no Contexto Hospitalar em Porto Alegre: Uma Análise na Perspectiva do Trabalho em Equipe V Mostra de Pesquisa da Pós- Graduação Cristiane Ferraz Quevedo de Mello 1,

Leia mais

Saúde psicológica na empresa

Saúde psicológica na empresa Saúde psicológica na empresa introdução Nos últimos tempos muito tem-se falado sobre qualidade de vida no trabalho, e até sobre felicidade no trabalho. Parece que esta discussão reflete a preocupação contemporânea

Leia mais

Perfil dos Beneficiários de Planos e SUS e o Acesso a Serviços de Saúde PNAD 2003 e 2008

Perfil dos Beneficiários de Planos e SUS e o Acesso a Serviços de Saúde PNAD 2003 e 2008 Perfil dos Beneficiários de Planos e SUS e o Acesso a Serviços de Saúde PNAD 2003 e 2008 Marcos Novais Carina Burri Martins José Cechin Superintendente Executivo APRESENTAÇÃO O objetivo deste trabalho

Leia mais

Seja mais um multiplicador dessa causa e junte-se a nós.

Seja mais um multiplicador dessa causa e junte-se a nós. Olá! Você está recebendo um miniguia prático sobre câncer de mama, material elaborado pelo Instituto Avon, organização que apoia, no Brasil, a causa Avon Contra o Câncer de Mama, iniciativa global da Avon

Leia mais

Promoção de Experiências Positivas Crianças e Jovens PEP-CJ Apresentação geral dos módulos

Promoção de Experiências Positivas Crianças e Jovens PEP-CJ Apresentação geral dos módulos Positivas Crianças e Jovens PEP-CJ Apresentação geral dos módulos Universidade do Minho Escola de Psicologia rgomes@psi.uminho.pt www.psi.uminho.pt/ www.ardh-gi.com Esta apresentação não substitui a leitura

Leia mais

OS PRINCIPAIS FATORES DE RISCO REFERENTES AO CÂNCER DE MAMA ENTRE AS PACIENTES SUBMETIDAS À CIRURGIA, NO PERÍODO DE 01 DE

OS PRINCIPAIS FATORES DE RISCO REFERENTES AO CÂNCER DE MAMA ENTRE AS PACIENTES SUBMETIDAS À CIRURGIA, NO PERÍODO DE 01 DE OS PRINCIPAIS FATORES DE RISCO REFERENTES AO CÂNCER DE MAMA ENTRE AS PACIENTES SUBMETIDAS À CIRURGIA, NO PERÍODO DE 01 DE AGOSTO DE 2002 A 01 DE AGOSTO DE 2003, NO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO DE

Leia mais

12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1

12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA PERFIL DAS

Leia mais

CÂNCER DE MAMA FEMININO E PSICOLOGIA

CÂNCER DE MAMA FEMININO E PSICOLOGIA Rev. SBPH v. 12 n. 1 Rio de Janeiro jun. 2009 CÂNCER DE MAMA FEMININO E PSICOLOGIA Bianca Figueiredo Ramos* Maria Alice Lustosa** RESUMO Entende-se neoplasia maligna da mama como câncer de mama, que é

Leia mais

Reabilitação Pós câncer de mama Assistência às mulheres mastectomizadas

Reabilitação Pós câncer de mama Assistência às mulheres mastectomizadas Reabilitação Pós câncer de mama Assistência às mulheres mastectomizadas Profª Drª Fabiana Flores Sperandio O que é câncer de mama? É uma doença que surge quando células da mama sofrem uma mutação e se

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE ENFRENTAMENTO DE PORTADORES DE HANSENÍASE DIANTE DA DOENÇA

ESTRATÉGIAS DE ENFRENTAMENTO DE PORTADORES DE HANSENÍASE DIANTE DA DOENÇA 1 ESTRATÉGIAS DE ENFRENTAMENTO DE PORTADORES DE HANSENÍASE DIANTE DA DOENÇA Rozane Pereira de Sousa. Estudante da Especialização em Direitos Humanos da Universidade Federal Campina Grande - UFCG, Cajazeiras

Leia mais

REPRESENTAÇÕES DE ESTUDANTES E FAMÍLIAS SOBRE UMA ESCOLA POR CICLOS

REPRESENTAÇÕES DE ESTUDANTES E FAMÍLIAS SOBRE UMA ESCOLA POR CICLOS REPRESENTAÇÕES DE ESTUDANTES E FAMÍLIAS SOBRE UMA ESCOLA POR CICLOS FORTES, Gilse Helena Magalhães PUCRS GT: Educação Fundamental /n.13 Agência Financiadora: não contou com financiamento A escola por ciclos,

Leia mais

O Cancro da Mama em Portugal. 1 em cada 11 mulheres em Portugal vai ter cancro da mama

O Cancro da Mama em Portugal. 1 em cada 11 mulheres em Portugal vai ter cancro da mama www.laco.pt O Cancro da Mama em Portugal 1 em cada 11 mulheres em Portugal vai ter cancro da mama Cancro em Portugal 2002 O Cancro da Mama em Portugal Surgem 5000 novos casos por ano Mas. Com a deteção

Leia mais

Como saber que meu filho é dependente químico e o que fazer. A importância de todos os familiares no processo de recuperação.

Como saber que meu filho é dependente químico e o que fazer. A importância de todos os familiares no processo de recuperação. Como saber que meu filho é dependente químico e o que fazer A importância de todos os familiares no processo de recuperação. Introdução Criar um filho é uma tarefa extremamente complexa. Além de amor,

Leia mais

PSICOLOGIA E ONCOLOGIA: UMA PARCERIA ESSENCIAL?

PSICOLOGIA E ONCOLOGIA: UMA PARCERIA ESSENCIAL? PSICOLOGIA E ONCOLOGIA: UMA PARCERIA ESSENCIAL? Aline Fernanda Sartori Kanegusuku¹; Marina Tiemi Kobiyama Sonohara 1 ; Angélica Aparecida Valenza¹; Nemerson José Jesus¹; Sandra Diamante² RESUMO Para compreender

Leia mais

CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO. Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto. Introdução

CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO. Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto. Introdução CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto Introdução É realizada a avaliação de um grupo de pacientes com relação a sua doença. E através dele

Leia mais

A CONTRIBUIÇÃO DO BRINCAR NA HOSPITALIZAÇÃO DE CRIANÇAS HOSPITALIZADAS COM CÂNCER 1

A CONTRIBUIÇÃO DO BRINCAR NA HOSPITALIZAÇÃO DE CRIANÇAS HOSPITALIZADAS COM CÂNCER 1 A CONTRIBUIÇÃO DO BRINCAR NA HOSPITALIZAÇÃO DE CRIANÇAS HOSPITALIZADAS COM CÂNCER 1 REIS, Thamiza L. Da Rosa dos 2 ; BIN, Aline 3 ; ANTUNES, Bibiana Sales 4 ; FERREIRA, Emanuelli Manico 5 1 Trabalho de

Leia mais

Câncer: mais 500 mil casos

Câncer: mais 500 mil casos Página 1 de 5 Quarta, 18 de Maio de 2011 ENTREVISTA Câncer: mais 500 mil casos O oncologista afirma que o Brasil não tem estrutura física e médica para tratar outro meio milhão de pessoas com câncer em

Leia mais