ENCONTRO TÉCNICO PNRS. Gestão de Resíduos

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ENCONTRO TÉCNICO PNRS. Gestão de Resíduos"

Transcrição

1 ENCONTRO TÉCNICO PNRS Gestão de Resíduos

2 PNRS POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS BASE LEGAL 1/2 Lei /05 - Consórcios Públicos Decreto 6.017/07; Lei /07 - Política Federal de Saneamento Básico Decreto 7.217/10; e, Lei /10 - Política Nacional de Resíduos Sólidos Decreto 7.404/10.

3 PNRS POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS BASE LEGAL 2/2 Comitê Orientador da Logística Reversa Empossado no dia 17/2/2011, o comitê estabelece e orienta a estratégia de implementação de SLR com ênfase nos estudos de viabilidade técnica e econômica, na revisão dos acordos setoriais etc. Comitê Interministerial da PNRS Empossado no dia 17/3/2011, o comitê é composto por 10 ministérios, da casa civil e da secretaria de relações institucionais da Presidência da República. - Elaboração do Plano Nacional de Resíduos.

4 PNRS POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Classificação dos Resíduos (Art. 13) Quanto ao Grau de Periculosidade Resíduos Perigosos Classe I Resíduos Não Perigosos Classe II Referência ABNT NBR 10004

5 PNRS POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Classificação dos Resíduos (Art.13) Quanto à Destinação RNC - RESÍDUOS NÃO RECICLÁVEIS Opções de tratamento Opções de disposição RC - RESÍDUO RECICLÁVEIS Conteúdo energético Conteúdo mássico

6 PNRS POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Classificação dos Resíduos (Art. 13) Quanto à Origem 1/2 RSU - Resíduos Sólidos Urbanos RD - Resíduos Domiciliares RLV - Resíduos de Limpeza Urbana RECPS - Resíduos de Serviços de Estabelecimentos Comerciais e Prestadores de Serviços RSPSB - Resíduos de Serviços Públicos de Saneamento Básico

7 PNRS POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Classificação de Resíduos (Art.13) Quanto à Origem 2/2 RSS - Resíduos de Serviços de Saúde RI Resíduos Industriais RCC Resíduos da Construção Civil RA Resíduos Agrossilvopastoris RST - Resíduos de Serviço de Transporte RM Resíduos de Mineração

8 PNRS POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Sujeitos à Lei ( Art. 1 º) As pessoas físicas ou jurídicas, de direito público ou privado, responsáveis direta ou indiretamente, pela geração de resíduos sólidos e as que desenvolvam ações relacionadas à gestão integrada ou ao gerenciamento de resíduos sólidos.

9 PNRS POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Um antigo conceito (Art. 3º) Resíduos: material, substância, objeto ou bem descartado resultante de atividades humanas em sociedade, a cuja destinação final se procede, se propõe proceder ou se está obrigado a proceder, nos estados sólido ou semi-sólido, bem como gases contidos em recipientes e líquidos cujas particularidades tornem inviável o seu lançamento na rede pública de esgotos ou em corpos d água, ou exijam para isto soluções técnica ou economicamente inviáveis em face da melhor tecnologia disponível.

10 PNRS POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Uma nova Conceituação (Art. 3º) Rejeitos: resíduos sólidos que, depois de esgotadas todas as possibilidades de tratamento e recuperação por processos tecnológicos disponíveis e economicamente viáveis, não apresentem outra possibilidade que não a disposição final ambientalmente adequada.

11 PNRS POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS (Art. 7º e Art. 9º) RESÍDUOS REUTILIZAÇÃO RECICLAGEM TRATAMENTO REJEITOS DISPOSIÇÃO (ATERROS SANITÁRIOS E INDUSTRIAIS) Art. 54: prazo de 4 anos a partir de 2010 (ano de publicação da lei).

12 PNRS POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS (Art. 3º) Destinação final ambientalmente adequada: destinação de resíduos que inclui a reutilização, a reciclagem, a compostagem, a recuperação e o aproveitamento energético ou outras destinações admitidas pelos órgãos competentes do Sisnama, do SNVS e do Suasa, entre elas a disposição final, observando normas operacionais específicas de modo a evitar danos ou riscos à saúde pública e à segurança, e a minimizar os impactos ambientais adversos. Disposição final ambientalmente adequada: distribuição ordenada de rejeitos em aterros, observando normas operacionais específicas de modo a evitar danos ou riscos à saúde pública e à segurança, e a minimizar os impactos ambientais adversos.

13 PNRS POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS As suas engrenagens... HG - Hierarquia na Gestão HG LR - Logística Reversa RC - Resp. Compartilhada PG Planos de Gerenciamento IE - Incentivos Econômicos LR IE PG RC

14 PNRS POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Hierarquia na Gestão 1/6 (Art. 9º) NÃO GERAÇÃO REDUÇÃO REUTILIZAÇÃO RECICLAGEM TRATAMENTO DISPOSIÇÃO

15 PNRS POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Hierarquia na Gestão 2/6 (Art. 9º) Redução Ações diretamente associadas aos processos.

16 PNRS POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Hierarquia na Gestão 3/6 (Art. 9º) Reutilização Processo de aproveitamento dos resíduos sólidos sem sua transformação biológica, física ou físico-química, observadas as condições e os padrões estabelecidos pelos órgãos competentes do SISNAMA e, se couber, do SNVS e do SUASA.

17 PNRS POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Hierarquia de Gestão 4/6 (Art. 9º) Reciclagem Processo de transformação dos resíduos sólidos que envolve a alteração de suas propriedades físicas, físicoquímicas, ou biológicas, com vista à transformação em insumos ou novos produtos, observadas as condições e os padrões estabelecidos pelos órgãos competentes do SISNAMA e, se couber, do SNVS e do SUASA.

18 PNRS POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Hierarquia de Gestão 5/6 (Art. 9º) Tratamento

19 PNRS POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Hierarquia de Gestão 6/6 (Art.9º) Disposição

20 PNRS POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Classificação dos Resíduos Quanto à Logística RFGF Resíduos de Fonte de Geração Fixa RFGD Resíduos de Fonte de Geração Difusa Logística Reversa

21 PNRS POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Logística Reversa 1/5 (Art. 33) Logística Reversa: instrumento de desenvolvimento econômico e social, caracterizado por um conjunto de ações, procedimentos e meios destinados a viabilizar a coleta e a restituição dos resíduos sólidos ao setor empresarial, para reaproveitamento, em seu ciclo ou em outros ciclos produtivos, ou outra destinação final ambientalmente adequada.

22 PNRS POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Logística Reversa 2/5 (Art. 33) São obrigados a estruturar e implementar sistemas de logística reversa, mediante retorno dos produtos após o uso pelo consumidor, de forma independente do serviço público de limpeza urbana e de manejo de resíduos sólidos, os fabricantes, importadores, distribuidores e comerciantes de : - agrotóxicos, seus resíduos e embalagens, bem como outros produtos cuja embalagem após o uso, constitua resíduo perigoso; - pilhas e baterias; - pneus; - óleos lubrificantes, seus resíduos e embalagens; - lâmpadas fluorescentes, de vapor de sódio e mercúrio de luz mista; - produtos eletrônicos e seus componentes.

23 PNRS POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Logística Reversa 3/5 (Art. 33) - Conforme disciplinado por regulamento, acordos setoriais e termos de compromisso firmados entre o poder público e o setor empresarial, os sistemas de logística reversa serão estendidos a produtos comercializados em embalagens plásticas, metálicas ou de vidro, e aos demais produtos e embalagens, considerando, prioritariamente, o grau e a extensão do impacto à saúde pública e ao meio ambiente dos resíduos gerados. - A definição dos produtos e embalagens considerará a viabilidade técnica e econômica da logística reversa.

24 PNRS POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Logística Reversa 4/5 (Art. 33) Cabe aos fabricantes, importadores, distribuidores e comerciantes, dentre outras formas de implementação da LR: - Implantar procedimentos de compra de produtos ou embalagens usados; - Disponibilizar postos de entrega de resíduos reutilizáveis e recicláveis; - Atuar em parceria com cooperativas ou outras formas de associação de catadores, nos casos de embalagens plásticas, metálicas ou de vidro.

25 PNRS POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Logística Reversa 5/5 (Art. 33) CONSUMIDORES Efetuar a devolução após o uso. Efetuar a devolução dos produtos e embalagens reunidos ou devolvidos. COMERCIANTES / DISTRIBUIDORES FABRICANTES / IMPORTADORES Dar destinação adequada.

26 Decreto 7404/10 TÍTULO III DAS RESPONSABILIDADES DOS GERADORES DE RESÍDUOS SÓLIDOS E DO PODER PÚBLICO CAPÍTULO III DA LOGÍTICA REVERSA Instrumentos de implementação: - Acordos Setoriais ; - Regulamentos; e, -Termos de Compromisso.

27 Decreto 7404/10 - Acordo Setoriais Ato de natureza contratual firmado entre o poder público e fabricantes, importadores, distribuidores ou comerciantes. Podem ter abrangência nacional, regional, estadual ou municipal. Pode ser iniciado pelos fabricantes distribuidores ou comerciantes, desde que fornecido de proposta formal ao MMA. Pode ser iniciado pelo Poder Público com base em editais.

28 Decreto 7404/10 - Acordo Setoriais Poderão participar da elaboração dos acordos setoriais representantes do Poder Público, dos fabricantes, importadores, comerciantes e distribuidores dos produtos e embalagens referidos no art. 33 da lei nº de 2010 das cooperativas ou outras formas de associações de catadores de materiais recicláveis ou reutilizáveis, das indústrias e entidades dedicadas à reutilização, ao tratamento e à reciclagem de resíduos sólidos, bem como das entidades de representação dos consumidores, entre outros.

29 Decreto 7404/10 - Regulamento Sem prejuízo do disposto na Subseção I, a logística reversa poderá ser implantada diretamente por regulamento, veiculado por decreto editado pelo Poder Executivo. Na hipótese prevista no caput, antes da edição do regulamento, o Comitê Orientador deverá avaliar a viabilidade técnica e econômica da logística reversa. Os sistemas de logística reversa estabelecidos diretamente por decreto deverão ser precedidos de consulta pública, cujo procedimento será estabelecido pelo Comitê Orientador.

30 Decreto 7404/10 - Termos de Compromisso - O Poder Público poderá celebrar termos de compromisso com os fabricantes, importadores, distribuidores ou comerciantes referidos no art. 18, visando ao estabelecimento de sistema de logística reversa: - Nas hipóteses em que não houver, em uma mesma área de abrangência, acordo setorial ou regulamento específico, consoante estabelecido neste Decreto; ou - Para a fixação de compromissos e metas mais exigentes que o previsto em acordo setorial ou regulamento.

31 PNRS POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Responsabilidade Compartilhada Responsabilidade Compartilhada pelo ciclo de vida dos produtos: conjunto de atribuições individualizadas e encadeadas dos fabricantes, importadores, distribuidores e comerciantes, dos consumidores e dos titulares dos serviços públicos de limpeza urbana e de manejo dos resíduos sólidos para minimizar o volume de resíduos sólidos e rejeitos gerados, bem como para reduzir os impactos causados à saúde humana e à qualidade ambiental decorrentes do ciclo de vida dos produtos, nos termos desta Lei.

32 PNRS POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Responsabilidade Compartilhada (Arts. 30,31,32,35 e 36) Sem prejuízo das obrigações estabelecidas no plano de gerenciamento, os fabricantes, importadores, distribuidores e comerciantes têm responsabilidades. As quatro principais são apresentadas nos próximos slides:

33 PNRS POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Responsabilidade Compartilhada 1/4 Investimento no desenvolvimento, na fabricação e na colocação no mercado de produtos:

34 PNRS POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Responsabilidade Compartilhada 2/4 Divulgação de informações relativas às formas de evitar, reciclar e eliminar os resíduos sólidos associados a seus respectivos produtos.

35 PNRS POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Responsabilidade Compartilhada 3/4 Recolhimento dos produtos e dos resíduos remanescentes após o uso, assim como sua subseqüente destinação final ambientalmente adequada, no caso dos produtos objeto de sistema de logística reversa;

36 PNRS POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Responsabilidade Compartilhada 4/4 Compromisso de, quando firmados acordos ou termos de compromisso com o Município, participar das ações previstas no plano municipal de gestão integrada de resíduos sólidos, no caso de produtos ainda não inclusos no sistema de logística reversa.

37 Decreto 7404/10 TÍTULO III DAS RESPONSABILIDADES DOS GERADORES DE RESÍDUOS SÓLIDOS E DO PODER PÚBLICO -Todos os atores são responsáveis pelo ciclo de vida dos produtos; e, -A responsabilidade compartilhada será implementada de forma individualizada e encadeada.

38 PNRS POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Incentivos Econômicos 1/4 (Art. 42) Implantação de infra-estrutura física e aquisição de equipamentos para cooperativas ou outras formas de associação de catadores de materiais reutilizáveis e recicláveis formadas por pessoas físicas de baixa renda; Desenvolvimento de projetos de gestão dos resíduos sólidos de caráter intermunicipal ou, nos termos do inciso I do caput do art. 11, regional;

39 PNRS POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Incentivos Econômicos 2/4 Estruturação de sistemas de coleta seletiva e de logística reversa; e, Descontaminação incluindo as áreas órfãs. de áreas contaminadas,

40 PNRS POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Incentivos Econômicos 3/4 No fomento ou na concessão de incentivos creditícios destinados a atender diretrizes desta Lei, as instituições oficiais de crédito podem estabelecer critérios diferenciados de acesso dos beneficiários aos créditos do Sistema Financeiro Nacional para investimentos produtivos.

41 PNRS POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Incentivos Econômicos 4/4 A União, aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios, poderão instituir normas com o objetivo de conceder incentivos fiscais, financeiros ou creditícios, respeitadas as limitações da Lei Complementar nº 101, de 4 de maio de 2000 Lei de Responsabilidade Fiscal.

42 DECRETO 7404/10 TÍTULO X Das condições de acesso à Recursos. -Elaboração dos PRS plano de resíduos sólidos-, é uma condição básica ; -Soluções consorciadas ; e, -Atualização do SINIR. TÍTULO XI- Dos Instrumentos Econômicos -Medidas indutoras listadas na regulamentação.

43 PNRS POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Plano de Gerenciamento 1/5 Geradores de resíduos dos serviços públicos de saneamento básico; industriais; de serviços de saúde e de mineração.? Geradores de resíduos perigosos. Geradores comerciais e de prestação de serviços que gerem resíduos que pela natureza, composição ou volume não sejam equiparados aos resíduos domiciliares pelo P. Publico Municipal.

44 PNRS POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Plano de Gerenciamento 2/5 Empresas de construção civil nos termos do regulamento ou de normas do Sisnama.? Os responsáveis pelos terminais de transportes (portos, aeroportos, terminais alfandegários, rodoviários, ferroviários e passagens de fronteira). Os responsáveis por atividades agrossilvopastoris.

45 PNRS POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Plano de Gerenciamento 3/5 CONTEÚDO MÍNIMO Descrição do empreendimento ou atividade; Diagnóstico dos resíduos sólidos contendo origem, volume, caracterização e incluindo os passivos ambientais relacionados; Explicitação dos responsáveis por cada etapa do gerenciamento de resíduos sólidos; Definição dos procedimentos operacionais relativos às etapas do gerenciamento de resíduos sob responsabilidade do gerador;

46 PNRS POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Plano de Gerenciamento 4/5 CONTEÚDO MÍNIMO Ações preventivas e corretivas a serem executadas em situações de gerenciamento incorreto ou acidentes; Metas e procedimentos relacionados à minimização da geração de resíduos e à reutilização e reciclagem; Medidas saneadoras dos passivos ambientais; e Periodicidade de revisão, observando o prazo de vigência da licença de operação a cargo dos órgãos do Sisnama.

47 PNRS POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Plano de Gerenciamento 5/5 Para elaboração, implementação, operacionalização e monitoramento de todas as etapas do plano de gerenciamento de resíduos sólidos, nelas incluído o controle da disposição final ambientalmente adequada dos rejeitos, será designado responsável técnico devidamente habilitado. Arts. 16 e 18 Planos estaduais e municipais- prazo de 2 anos a partir de 2010.

48 DECRETO 7404/10 TÍTULO VI- DOS PLANOS DE RESÍDUOS SOLÍDOS -Nacional; -Estaduais; -Microrregionais e de regiões metropolitanas; -Intermunicipais; -Municipais; e, -Individuais.

49 PNRS POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Penalizações 1/4 ATENÇÃO! A responsabilidade é sempre do gerador

50 PNRS POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Penalizações 2/4 RESPONSABILIDADE OBJETIVA Apoiada no princípio da supremacia do interesse coletivo. BASTA HAVER A RELAÇÃO CAUSA/EFEITO

51 PNRS POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Penalizações 3/4 ATENÇÃO! O dano ambiental pode ser caracterizado como um crime.

52 PNRS POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Penalizações 4/4 RESPONSABILIDADE SUBJETIVA Avaliação (subjetiva!) da CULPA

53 Gestão e Gerenciamento de Resíduos Gestão Ambiental Gerenciamento de Resíduos Foco nos resultados ambientais!

54 Gestão e Gerenciamento de Resíduos Gestão Ambiental Estratégia ISO Ferramenta

55 Gestão e Gerenciamento de Resíduos CICLO DE VIDA/ logística reversa PRODUTOS USO MERCADOS P R O C E S S O S EFLUENTES LÍQUIDOS EMISSÕES GASOSAS RESÍDUOS TRATAMENTO RESÍDUOS PÓS USO RESÍDUOS TECNOLOGIA PRODUTIVA DESTINAÇÃO

56 Gestão e Gerenciamento de Resíduos Resultados ambientais Redução na geração Correta destinação Desenvolvimento Sustentável ( na prática!) Reaproveitamento e reciclagem

57 Gestão e Gerenciamento de Resíduos No gerenciamento de resíduos tem-se a lógica dos Riscos (vulnerabilidades) x oportunidades. VULNERABILIDADES Risco de contaminação dos solos, das águas e das pessoas (especialmente com os resíduos perigosos). OPORTUNIDADES Aproveitamento do conteúdo mássico e/ou energético dos materiais.

58 Gestão e Gerenciamento de Resíduos Uma boa estratégia é iniciar a gestão ambiental pelo gerenciamento de resíduos. Usualmente os ganhos econômicos são possíveis Os ganhos ambientais são sempre presentes.

59 Gestão e Gerenciamento de Resíduos Resíduos Especiais Vulnerabilidade Programas de Coleta Seletiva Resíduos Comuns Oportunidades Vários requisitos Legais

60 Etapas do Gerenciamento de Resíduos As etapas do gerenciamento de resíduos 1. Segregar e Identificar 2. Quantificar 3. Amostrar e Classificar 4. Acondicionar e Manusear 5. Valorizar 6. Destinar ( Buscar Alternativas) 7. Transportar

61 Etapas do Gerenciamento de Resíduos 1 Segregar e Identificar Criar um cadastro e mantê-lo atualizado Qualitativo (Vale para os RC e para os RE) Conhecer as fontes geradoras Conhecer as correntes

62 Etapas do Gerenciamento de Resíduos 1 Segregar e Identificar Os resíduos da Gerdau devem estar: Segregados por tipo; Em local adequado de acordo com sua classificação; Identificados corretamente; Em área limpa e organizada.

63 Etapas do Gerenciamento de Resíduos 1 Segregar e Identificar Exemplo de local de segregação na área: Resíduos diversos e coleta seletiva

64 Etapas do Gerenciamento de Resíduos 1 Segregar e Identificar Exemplo de segregação de resíduo perigoso e industrial

65 Etapas do Gerenciamento de Resíduos 2 Quantificar Inventário de resíduos (Vale para os RC e para os RE) Quantitativo Geração de resíduos valores teóricos valores práticos

66 Etapas do Gerenciamento de Resíduos Você sabia... 2 Quantificar Que os resíduos industriais têm os seus valores de geração registrados no SAP de acordo com a produção? - Que para estes valores estarem corretos é necessário elaborar uma lista técnica relacionando a quantidade de resíduo gerado por produto? - Que esta lista deve ser revisada a cada alteração de processo ou pelo menos anualmente pela área de produção com apoio de SSMA? - Que todo mês deve ser realizada uma conferência entre a geração real e a teórica do SAP?

67 Etapas do Gerenciamento de Resíduos 2 Quantificar Exemplo: Ano 2012 Geração de pó de aciaria (valor real pesado) : toneladas Produção de tarugos: toneladas Fator da lista técnica: 0,017 toneladas de pó de aciaria / tonelada de tarugo

68 Etapas do Gerenciamento de Resíduos 3 Amostrar e classificar Conforme NBR É a base para os dois itens anteriores: QUALIFICAR e QUANTIFICAR (Vale principalmente para os RE)

69 Etapas do Gerenciamento de Resíduos As amostragens devem ser realizadas considerando a norma NBR Atenção: As amostragens devem ser representativas! Muito do previsto na NBR visa a se garantirem amostragens representativas.

70 Amostrar e Classificar Laboratórios Especializados

71 Etapas do Gerenciamento de Resíduos 3 Amostrar e Classificar Classificação de Resíduos - NBR

72 Resíduos Classe I - Perigosos Os Resíduos Perigosos são aqueles que apresentam periculosidade, ou seja, podem acarretar em função de suas propriedades físicas, químicas e infecto-contagiosas, riscos à saúde pública, provocando mortalidade, incidência de doenças ou acentuando seus índices, riscos ao meio ambiente, quando os resíduos forem gerenciados de forma inadequada. Características de Periculosidade: Inflamáveis; Reativos; Corrosivos; Tóxicos; Patogênicos.

73 Resíduos Classe I - Perigosos Para classificar um resíduo como perigoso Classe 1, ele deve pertencer aos anexos A e B da NBR Exemplos de resíduos classe I Perigosos Lodos contendo metais pesados; Óleos usados; Solventes; Resíduos de Tinta, e Material contendo ou contaminado com ascarel.

74 Resíduos Classe II Não Perigosos De acordo com a NBR , os resíduos não perigosos Classe II - dividem-se em: Resíduo Classe IIA - Não Inertes - Aqueles que não se enquadram nas classificações de resíduos perigosos ou de resíduos inertes. Os resíduos não inertes podem ter propriedades, tais como: biodegradabilidade, combustibilidade ou solubilidade em água. Classe IIB - Inertes - Quaisquer resíduos que, amostrados de uma forma representativa, segundo a NBR , e submetidos a contato estático ou dinâmico com água destilada ou deionizada, à temperatura ambiente, conforme a NBR não tiverem nenhum de seus constituintes solubilizados a concentrações superiores aos padrões de potabilidade de água, excetuando-se aspecto, cor, turbidez, dureza e sabor (anexo G).

75 Resíduos Classe II Não Perigosos A listagem H apresenta alguns tipos de resíduos não perigosos: Exemplos de resíduos classe IIA - Não inertes Lodos de ETEs e ETAs Escória de Fundição Cinzas de Caldeira Resíduos de Jateamento Catalisadores Exemplos de resíduos classe IIB - Inertes Sucatas Metálicas Plásticos Papel Vidros Alimentos

76 Metodologia para Classificação - NBR Passo 1 levantamento preliminar 1 - DADOS GERAIS 2 - MATÉRIAS PRIMAS E PRODUTOS 3 - FLUXOGRAMA DO PROCESSO 4 - RESÍDUOS GERADOS

77 Passo 2 Fluxograma para Classificação Resíduo O resíduo tem origem conhecida? Sim Consta nos anexos A ou B? Não Embalagens contaminadas anexos D e E Não Sim Produtos fora de especificação / derramamento anexos D e E Tem características de periculosidade? Sim Resíduo Perigoso Classe I Sim Não Não Resíduo não Perigoso Classe II

78 Características de Periculosidade Codificação em função da periculosidade 1 - INFLAMABILIDADE D CORROSIVIDADE D REATIVIDADE D PATOGENICIDADE D TOXICIDADE D005 a D052 (ANEXO F) 6 - E os CÓDIGOS P e U (ANEXOS D, E)

79 Classificação de Resíduos Resumo Verificação das listagens da ABNT Verificar se pertence aos anexos A e B sim não Resíduo Perigoso Verificar se pertence aos anexos D e E sim não Avaliar Periculosidade

80 Classificação de Resíduos Resumo Verificação das listagens da ABNT Avaliar periculosidade Comprovar pelo menos uma das seguintes Características: inflamabilidade, toxicidade, Reatividade, corrosividade ou patogenicidade.

81 Classificação de Resíduos Resumo Verificação das listagens da ABNT Não comprovada Periculosidade Resíduo não perigoso

82 Classificação de Resíduos Resumo Verificação das listagens da ABNT Resíduo não perigoso Realizar teste de solubilidade verificar anexo G

83 Classificação de Resíduos Resumo Verificação das listagens da ABNT sim Resíduo não inerte Classe 2A Acima dos padrões Fixados no anexo G? não Resíduo inerte Classe 2B

84 Anexos da NBR Anexo A Resíduos perigosos de fontes não específicas Código de Identificação Resíduo Perigoso Constituinte Perigoso Característica de Periculosidade Exemplo anexo A F017 Resíduos e lodos de tintas da pintura industrial Cd, Cr, Pb, CN, tolueno, tetracloroetileno Tóxico F130 Óleo lubrificante usado ou contaminado Não aplicável Tóxico

85 Anexos da NBR Anexo B Resíduos perigosos de fontes específicas Fonte Código Resíduo Perigoso Exemplo anexo B Constituinte Perigoso Característica de Periculosidade Ferro e Aço K062 Banho de decapagem Cromo hexavalente,chumbo Corrosivo, Tóxico Rerrefino de óleo K207 K208 Borra Ácida Borra Neutra Não aplicável Não aplicável Tóxico

86 Anexos da NBR Anexo C Substâncias que conferem pericilosidade Substâncias (93) Código de Identificação CAS (Chemical Abstrat Substance) Nome Comum Outra denominação Letras P e U - Exemplo anexo C Ácido fluorídrico Acroleína Brometo de metila Cloreto de Benzila Fluoreto de hidrogênio U propenal P Bromometano U clorometilbenzeno P

87 Anexos da NBR Anexo D Substâncias Agudamente tóxicas Substâncias (123) Exemplo anexo D Código de Identificação CAS (Chemical Abstrat Substance) Ácido arsênico Cianeto de zinco Flúor Clorometilbenzeno P P P P

88 Anexos da NBR Anexo E Substâncias tóxicas Substâncias (281) Exemplo anexo E Código de Identificação CAS (Chemical Abstrat Substance) Acetaldeído Acetona Cloreto de metila Fenol U U U U

89 Anexos da NBR Anexo F Limite máximo do teste de lixiviação Parâmetro (46) Código de Identificação Limite máximo no lixiviado (mg/l) CAS (Chemical Abstrat Substance) Exemplo anexo F Arsênio D005 1, Cromo total D009 5, Benzeno D030 0, Cloreto de vinila D032 0,

90 Anexos da NBR Anexo G Limite máximo do teste de Solubilização Parâmetros (38) Limite Máximo no extrato (mg/l) Exemplo anexo G Alumínio 0,2 Cobre 2,0 Fenóis totais 0,01 Mercúrio 0,001 Referência: Portaria 1.469, de , do Ministério da Saúde

91 Anexos da NBR Anexo H Resíduos não perigosos Código de Identificação Descrição do resíduo Exemplo anexo G A001 A004 A006 A016 Resíduos de restaurante Sucata e metais Ferrosos Resíduos de papel e papelão Areia de fundição NOTA: Excluídos aqueles contaminados por substâncias dos anexos C, D ou E e que apresentam características de periculosidade.

92 Classificação de Resíduos Laudo de Classificação Poderá ser baseado, exclusivamente, na identificação do processo produtivo, quando do enquadramento do resíduo nos anexos A ou B; Deverá constar a indicação da origem do resíduo, descrição do processo de segregação e do critério adotado na escolha dos parâmetros analisados, e Os laudos deverão ser elaborados por responsáveis técnicos habilitados.

93 Etapas do Gerenciamento de Resíduos 3 Amostrar e Classificar Definição dos REJEITOS (Nova Abordagem)

94 Etapas do Gerenciamento de Resíduos 4 Acondicionar e Manusear

95 Etapas do Gerenciamento de Resíduos 4 Acondicionar e Manusear Exemplo de local de armazenamento de resíduos industrial e transporte interno

96 Etapas do Gerenciamento de Resíduos 5 - Valorizar (Vale principalmente para os RC)

97 Etapas do Gerenciamento de Resíduos 5 - Valorizar Alguma operações utilizadas: Prensagem; Peneiramento; Britagem; Moagem; Secagem

98 Etapas do Gerenciamento de Resíduos 6 - Destinar

99 Etapas do Gerenciamento de Resíduos Validar o Processo Junto aos Órgãos Ambientais 6 - Destinar Responsabilidade solidária (Vale principalmente para os RE)

100 Etapas do Gerenciamento de Resíduos 6 - Destinar Avaliar o Eventual Fornecedor do Serviço Ambiental Palavra-chave: AUDITORIA (Vale para os RC e para os RE)

101 Etapas do Gerenciamento de Resíduos Auditorias Uma visão geral Uma classificação possível. 6 - Destinar ACL Auditorias de Conformidade Legal ADS Auditorias de Desempenho ADC Auditorias de Descomissionamento ADR Auditorias de Responsabilidade ( due diligence ) ACP Auditorias de Cadeia Produtiva ASG Auditorias de Sistema de Gestão ADP Auditorias de Diagnóstico Preliminar

102 Etapas do Gerenciamento de Resíduos 7 - Transportar Atendimento a Legislação Específica (Norma NBR )

103 Etapas do Gerenciamento de Resíduos Empresas - licenciadas e não licenciadas Gerador Transportador Receptor Relatórios analíticos, acompanhamento da evolução da empresa Relatórios de acompanhamento anual Órgão Ambiental Banco de dados Integrados

104 PNRS POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Avanços Importantes 1/3 Estímulo às práticas de reutilização e reciclagem.

105 PNRS POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Avanços Importantes 2/3 Promoção de programas de educação ambiental.

106 PNRS POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Avanços Importantes 3/3 Criação de Instrumentos econômicos de incentivo às boas práticas.

107 Decreto 7404/10 -Alguns aspectos importantes TÍTULO IV - DAS DIRETRIZES APLICÁVEIS À GESTÃO E GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS Reciclagem energética de RSU a ser disciplinada em instrumento específico. TÍTULO VII - DOS RESÍDUOS PERIGOSOS Do caderno nacional de operadores de resíduos perigosos.

108 DECRETO 7404/10- Outros Títulos: I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES II- DO COMITÊ INTERMINISTERIAL DO PNRS V- DA PARTICIPAÇÃO DOS CATADORES DE MATERIAIS RECICLÁVEIS E REUTILIZÁVEIS VIII- DO SISTEMA NACIONAL DE INFORMAÇÕES SOBRE A GESTÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS- SINIR IX DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA GESTÃO DE RESÍDOUS SÓLIDOS XII- DAS DIPOSIÇÕES FINAIS

109 PNRS POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Desafios Destinação Final Soluções Locais Soluções Consorciadas Práticas Adequadas Práticas Inadequadas Financiamento INSPIRAÇÃO PREVENÇÃO

110 MUITO OBRIGADO PELA ATENÇÃO! Fernando Altino (21) I (21)

1º SEMINÁRIO DA AGENDA AMBIENTAL NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA DO JARDIM BOTÂNICO DO RIO DE JANEIRO

1º SEMINÁRIO DA AGENDA AMBIENTAL NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA DO JARDIM BOTÂNICO DO RIO DE JANEIRO 1º SEMINÁRIO DA AGENDA AMBIENTAL NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA DO JARDIM BOTÂNICO DO RIO DE JANEIRO Gestão de resíduos sólidos impactos ambientais negativos BASE LEGAL 1/2 Lei 11.107/05 - Consórcios Públicos

Leia mais

Perguntas frequentes Resíduos Sólidos. 1) Quais são os tipos de resíduos frequentemente gerados em plantas industriais?

Perguntas frequentes Resíduos Sólidos. 1) Quais são os tipos de resíduos frequentemente gerados em plantas industriais? Perguntas frequentes Resíduos Sólidos 1) Quais são os tipos de resíduos frequentemente gerados em plantas industriais? Resíduos industriais: gerados nos processos produtivos e instalações industriais.

Leia mais

política nacional de resíduos sólidos conceitos e informações gerais

política nacional de resíduos sólidos conceitos e informações gerais política nacional de resíduos sólidos conceitos e informações gerais 1 Índice PALAVRA DO PRESIDENTE 03. Palavra do Presidente 04. Introdução 06. Resíduos Sólidos 07. Classificação dos Resíduos Sólidos

Leia mais

4º CONGRESSO SIMEPETRO

4º CONGRESSO SIMEPETRO 4º CONGRESSO SIMEPETRO POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS E LOGÍSTICA REVERSA Walter Françolin SINDIRREFINO - Agosto 2011 LEI nº 12.305 de 02 de Agosto de 2.010. institui a Política Nacional de Resíduos

Leia mais

Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos. - Instrumento da PNRS -

Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos. - Instrumento da PNRS - Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos - Instrumento da PNRS - VISÃO para os Planos : 1 - conjunto de ações voltadas para a busca de soluções 2 - considerar as dimensões política, econômica, ambiental,

Leia mais

LEI FEDERAL 12305/2010 POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS

LEI FEDERAL 12305/2010 POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS LEI FEDERAL 12305/2010 POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS ARTIGO 13 -ORIGEM RSU(domiciliares e de limpeza pública) Comerciais e Prestadores de Serviços Serviços Públicos de Saneamento Básico Industriais

Leia mais

Diário Oficial da União Seção 01 DOU 03 de agosto de 2010 Página [3-7]

Diário Oficial da União Seção 01 DOU 03 de agosto de 2010 Página [3-7] Diário Oficial da União Seção 01 DOU 03 de agosto de 2010 Página [3-7] LEI N 12.305, DE 2 DE AGOSTO DE 2010 Institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos; altera a Lei no 9.605, de 12 de fevereiro de

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS S PNRS RESÍDUOS SÓLIDOS RESÍDUOS SÓLIDOS: S UM PROBLEMA DE CARÁTER SOCIAL, AMBIENTAL E ECONÔMICO MODELO TECNOLÓGICO COM AÇÕES A PARA

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE RESÍDUOS SÓLIDOS: UM PROBLEMA DE CARÁTER SOCIAL, AMBIENTAL E ECONÔMICO MODELO TECNOLÓGICO COM AÇÕES PARA A REDUÇÃO DA DISPOSIÇÃO FINAL DE RESÍDUOS Construção de Galpões de Triagem

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS LEI 12.305/2010

POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS LEI 12.305/2010 POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS LEI 12.305/2010 I RESUMO EXECUTIVO O que muda com a Lei 12.305/2010? Lixões a céu aberto e aterros controlados ficam proibidos. A Lei, determina que todas as administrações

Leia mais

Painel I A LEI DE RESÍDUOS SÓLIDOS E SEUS IMPACTOS

Painel I A LEI DE RESÍDUOS SÓLIDOS E SEUS IMPACTOS Painel I A LEI DE RESÍDUOS SÓLIDOS E SEUS IMPACTOS Tema: A importância da Lei e os prazos José Valverde Machado Filho 28.04.2014 Apresentação Eventos e Mídias; Indicadores: geração, coleta e destinação;

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE LEI Nº 12.305/2010 - DECRETO NO. 7.404/2010

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE LEI Nº 12.305/2010 - DECRETO NO. 7.404/2010 MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS LEI Nº 12.305/2010 - DECRETO NO. 7.404/2010 BASE LEGAL Lei nº 12.305/2010 - Decreto No. 7.404/2010 Lei nº 11.445/2007 - Política Federal

Leia mais

MMA. D i r e t o r a d e A m b i e n t e U r b a n o S e c r e t a r i a d e Re c u r s o s H í d r i c o s e M e i o U r b a n o

MMA. D i r e t o r a d e A m b i e n t e U r b a n o S e c r e t a r i a d e Re c u r s o s H í d r i c o s e M e i o U r b a n o M INISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA Zilda Maria Fa ria Veloso D i r e t o r a d e A m b i e n t e U r b a n o S e c r e t a r i a d e Re c u r s o s H í d r i c o s e M e i o U r b a n o POLÍTICA NACIONAL

Leia mais

Departamento de Meio Ambiente DMA/FIESP. Política Nacional de Resíduos Sólidos

Departamento de Meio Ambiente DMA/FIESP. Política Nacional de Resíduos Sólidos Política Nacional de Resíduos Sólidos Setembro de 2010 Esquema de funcionamento DISPOSIÇÕES GERAIS DO OBJETO E CAMPO DE APLICAÇÃO DEFINIÇÕES DA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS DISPOSIÇÕES GERAIS

Leia mais

A VISÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO NA IMPLANTAÇÃO DA LEI 12305/10

A VISÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO NA IMPLANTAÇÃO DA LEI 12305/10 A VISÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO NA IMPLANTAÇÃO DA LEI 12305/10 ALEXANDRA FACCIOLLI MARTINS Promotora de Justiça do Grupo de Atuação Especial de Defesa do Meio Ambiente - GAEMA PCJ-Piracicaba MP/SP DESAFIOS

Leia mais

Ministério do Meio Ambiente. Política Nacional de Resíduos Sólidos

Ministério do Meio Ambiente. Política Nacional de Resíduos Sólidos Ministério do Meio Ambiente Política Nacional de Resíduos Sólidos POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS REÚNE: Princípios, Objetivos, Instrumentos, Diretrizes, Metas e Ações A serem adotados pela União

Leia mais

RESÍDUO SÓLIDO: UM PROBLEMA SOCIAL, AMBIENTAL E ECONÔMICO.

RESÍDUO SÓLIDO: UM PROBLEMA SOCIAL, AMBIENTAL E ECONÔMICO. RESÍDUO SÓLIDO: UM PROBLEMA SOCIAL, AMBIENTAL E ECONÔMICO. POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS LEI Nº 12.305/2010 DECRETO Nº 7.404/2010 O QUE MUDA COM A LEI 12.305/2010? Lixões a céu aberto e aterros

Leia mais

Seminário: Responsabilidade Compartilhada no Gerenciamento dos Resíduos Sólidos

Seminário: Responsabilidade Compartilhada no Gerenciamento dos Resíduos Sólidos Seminário: Responsabilidade Compartilhada no Gerenciamento dos Resíduos Sólidos REALIZAÇÃO: Plano Municipal de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos Colesta seletiva Consumidor Triagem Indústria Comercialização

Leia mais

PROJETO DE LEI N., DE 2015 (Do Sr. DOMINGOS NETO)

PROJETO DE LEI N., DE 2015 (Do Sr. DOMINGOS NETO) PROJETO DE LEI N., DE 2015 (Do Sr. DOMINGOS NETO) Estabelece diretrizes, critérios e procedimentos para gestão e aproveitamento dos resíduos da construção civil e dá outras providências. O CONGRESSO NACIONAL

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Os acordos setoriais e a Implantação de Logística reversa Lei Nº 12.305/2010 - Decreto Nº 7.404/2010 HIERARQUIA DAS AÇÕES NO MANEJO DE

Leia mais

Município de Capanema - PR

Município de Capanema - PR LEI Nº. 1.557, DE 20 DE MAIO DE 2015. Dispõe sobre a política municipal de resíduos sólidos do Município de Capanema e dá outras providências. A Câmara Municipal de Capanema, Estado do Paraná, aprovou

Leia mais

Política Nacional de Resíduos Sólidos e Logística Reversa

Política Nacional de Resíduos Sólidos e Logística Reversa Política Nacional de Resíduos Sólidos e Logística Reversa Cristina R. Wolter Sabino de Freitas Departamento Ambiental O mundo será obrigado a se desenvolver de forma sustentável, ou seja, que preserve

Leia mais

A RESPONSABILIDADE PÓS CONSUMO E O PAPEL DO PODER PÚBLICO E DA SOCIEDADE CIVIL SJCAMPOS 24/10/2015

A RESPONSABILIDADE PÓS CONSUMO E O PAPEL DO PODER PÚBLICO E DA SOCIEDADE CIVIL SJCAMPOS 24/10/2015 A RESPONSABILIDADE PÓS CONSUMO E O PAPEL DO PODER PÚBLICO E DA SOCIEDADE CIVIL SJCAMPOS 24/10/2015 * Dados da Abrelpe 2009 e 2010 e IBGE (Contagem da população 2009 e Censo 2010) PROBLEMAS A SEREM ENFRENTADOS

Leia mais

Política Nacional de Resíduos Sólidos

Política Nacional de Resíduos Sólidos Política Nacional de Resíduos Sólidos Princípios, objetivos e instrumentos, Diretrizes relativas à gestão integrada e ao gerenciamento de resíduos sólidos, incluídos os perigosos Responsabilidades dos

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS PNRS RESÍDUOS SÓLIDOS RESÍDUOS SÓLIDOS: UM PROBLEMA DE CARÁTER SOCIAL, AMBIENTAL E ECONÔMICO AÇÃO ADOTADA: TRANSFERÊNCIA DE RECURSOS

Leia mais

1. OBJETIVO 2. APLICAÇÃO 3. REFERÊNCIAS 4. DEFINIÇÕES E ABREVIAÇÕES GESTÃO DE RESÍDUOS

1. OBJETIVO 2. APLICAÇÃO 3. REFERÊNCIAS 4. DEFINIÇÕES E ABREVIAÇÕES GESTÃO DE RESÍDUOS Versão: 03 Página 1 de 6 1. OBJETIVO Estabelecer as diretrizes para a segregação, coleta e transporte interno, armazenamento temporário, transporte e destinação dos resíduos sólidos gerados, de acordo

Leia mais

LOGÍSTICA REVERSA E A POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS (PNRS)

LOGÍSTICA REVERSA E A POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS (PNRS) LOGÍSTICA REVERSA E A POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS (PNRS) A Logística Reversa tem sido motivo de muitas manifestações seja na mídia em geral, seja nas empresas, academias e do publico em geral

Leia mais

PLANOS MUNICIPAIS DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PMGIRS

PLANOS MUNICIPAIS DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PMGIRS NOTA TÉCNICA PLANOS MUNICIPAIS DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PMGIRS Esta Nota Técnica tem o objetivo de reforçar junto aos Municípios do Estado de Pernambuco sobre os Planos Municipais de Gestão

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA Política Nacional de Resíduos Sólidos Instituída pela Lei 12.305/2010 e regulamentada pelo Decreto 7.404/2010, após 21 anos de tramitação no Congresso nacional Tem interação

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS e SUA

POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS e SUA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS e SUA REGULAMENTAÇÃO Simone Paschoal Nogueira Coordenadora de Legislação da ABLP WORKSHOP PNRS ABLP 1º de março de 2011 - Instituto de Engenharia Legislação Leie Federal

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE LEI Nº N 12.305/2010 DECRETO Nº N 7.404/2010

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE LEI Nº N 12.305/2010 DECRETO Nº N 7.404/2010 MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOSS LEI Nº N 12.305/2010 DECRETO Nº N 7.404/2010 TRAMITAÇÃO DA PNRS 1989 Projeto de Lei Nº N 354/89 do Senado 1991 Projeto de Lei Nº N 203/91

Leia mais

Legislação. Câmara dos Deputados. Política Nacional de. Resíduos Sólidos

Legislação. Câmara dos Deputados. Política Nacional de. Resíduos Sólidos Legislação Câmara dos Deputados Política Nacional de Resíduos Sólidos Brasília 2010 Legislação Política Nacional de Resíduos Sólidos Apresentação São crescentes o interesse da sociedade brasileira pela

Leia mais

Ref.: Lei Estadual-RJ nº 6.805, de 18 de junho de 2014 DOERJ 23.06.2014.

Ref.: Lei Estadual-RJ nº 6.805, de 18 de junho de 2014 DOERJ 23.06.2014. Rio de Janeiro, 24 de junho de 2014. Of. Circ. Nº 212/14 Ref.: Lei Estadual-RJ nº 6.805, de 18 de junho de 2014 DOERJ 23.06.2014. Senhor Presidente, Fazendo referência à Lei Estadual-RJ nº 6.805, de 18

Leia mais

O F I C I N A ESCLARECIMENTO - DMA - FIESP. LOGÍSTICA REVERSA Disposições Transitórias e Finais.

O F I C I N A ESCLARECIMENTO - DMA - FIESP. LOGÍSTICA REVERSA Disposições Transitórias e Finais. O F I C I N A D E ESCLARECIMENTO - DMA - FIESP LOGÍSTICA REVERSA Disposições Transitórias e Finais. Walter Françolin DMA FIESP Agosto 2010 ou outra destinação final ambientalmente adequada; Art. 3º - XII

Leia mais

A IMPLEMENTAÇÃO DAS POLÍTICAS NACIONAL E ESTADUAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS. Nelson R. Bugalho

A IMPLEMENTAÇÃO DAS POLÍTICAS NACIONAL E ESTADUAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS. Nelson R. Bugalho A IMPLEMENTAÇÃO DAS POLÍTICAS NACIONAL E ESTADUAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Nelson R. Bugalho Vice-Presidente da CETESB Promotor de Justiça do Meio Ambiente e Urbanismo Mestre em Direito Penal Supraindividual

Leia mais

RESÍDUOS SÓLIDOS : as responsabilidades de cada Setor

RESÍDUOS SÓLIDOS : as responsabilidades de cada Setor RESÍDUOS SÓLIDOS : as responsabilidades de cada Setor Resíduos Domiciliares Resíduos da Construção Civil Resíduos de escritórios Pneus queimados Resíduos de madeira Resíduos de fibra de vidro Resíduos

Leia mais

Transbordo: procedimento de repasse de transporte de resíduos;

Transbordo: procedimento de repasse de transporte de resíduos; TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO CENED ALUNA: CAROLINA SEGASPINI BOTEJO KRIESER CURSO: GESTÃO DE RESÍDUOS URBANOS PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS PARA SISTEMA AEROPORTUÁRIO DATA:20.08.2010 OBJETIVO

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS LEI Nº 12.305/2010 - DECRETO NO. 7.404/2010 BASE LEGAL Lei nº 12.305/2010 - Decreto No. 7.404/2010 Lei nº 11.445/2007 - Política Federal

Leia mais

Política Nacional de Resíduo Sólido Lei 12305 Responsabilidade Compartilhada (logística reversa) Fornecedor x Gráfica x Cliente

Política Nacional de Resíduo Sólido Lei 12305 Responsabilidade Compartilhada (logística reversa) Fornecedor x Gráfica x Cliente Política Nacional de Resíduo Sólido Lei 12305 Responsabilidade Compartilhada (logística reversa) Fornecedor x Gráfica x Cliente A logística reversa é o processo de planejamento, implementação e controle

Leia mais

EDITAL N O 01/2012 1. DISPOSIÇÕES PRELIMINARES. A proposta de Acordo Setorial a ser apresentada deverá obedecer aos seguintes.

EDITAL N O 01/2012 1. DISPOSIÇÕES PRELIMINARES. A proposta de Acordo Setorial a ser apresentada deverá obedecer aos seguintes. CHAMAMENTO PARA A ELABORAÇÃO DE ACORDO SETORIAL PARA A IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE LOGÍSTICA REVERSA DE LÂMPADAS FLUORESCENTES, DE VAPOR DE SÓDIO E MERCÚRIO E DE LUZ MISTA. EDITAL N O 01/2012 O MINISTÉRIO

Leia mais

O PAPEL DO MUNICÍPIO NA GESTÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS

O PAPEL DO MUNICÍPIO NA GESTÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS REALIZAÇÃO: O PAPEL DO MUNICÍPIO NA GESTÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS O Município é estratégico na gestão dos resíduos sólidos. As atividades geradoras e de gestão de resíduos se desenvolvem no âmbito local.

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Logística Reversa e os Acordos Setoriais

POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Logística Reversa e os Acordos Setoriais POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Logística Reversa e os Acordos Setoriais PALESTRANTE: ZILDA VELOSO PALESTRA: PAINEL: DATA : A Logística Reversa e os Acordos Setoriais 19 de maio de 2015, às 16h15

Leia mais

PMGIRS e suas interfaces com o Saneamento Básico e o Setor Privado.

PMGIRS e suas interfaces com o Saneamento Básico e o Setor Privado. PMGIRS e suas interfaces com o Saneamento Básico e o Setor Privado. Ribeirão Preto, 08 de junho de 2011 Semana do Meio Ambiente AEAARP Associação de Engenharia, Arquitetura e Agronomia de Ribeirão Preto

Leia mais

VIABILIDADE AMBIENTAL E ECONÔMICA DA RECUPERAÇÃO ENERGÉTICA DE RESÍDUOS POR MEIO DE COMBUSTÍVEL DERIVADO DE RESÍDUO - CDR

VIABILIDADE AMBIENTAL E ECONÔMICA DA RECUPERAÇÃO ENERGÉTICA DE RESÍDUOS POR MEIO DE COMBUSTÍVEL DERIVADO DE RESÍDUO - CDR VIABILIDADE AMBIENTAL E ECONÔMICA DA RECUPERAÇÃO ENERGÉTICA DE RESÍDUOS POR MEIO DE COMBUSTÍVEL DERIVADO DE RESÍDUO - CDR CONFERÊNCIA WASTE TO ENERGY 2014 MARILIA TISSOT DIRETORA EXECUTIVA VIABILIDADE

Leia mais

A Logística Reversa diante da PNRS e do PGRSS

A Logística Reversa diante da PNRS e do PGRSS A Logística Reversa diante da PNRS e do PGRSS Situação Atual O descarte de medicamentos em desuso, vencidos ou sobras é realizado muitas vezes pela população no lixo comum ou diretamente na rede de esgoto.

Leia mais

Política Nacional de Resíduos Sólidos

Política Nacional de Resíduos Sólidos Política Nacional de Resíduos Sólidos Considerações Gerais e Logística Reversa Maria Luiza Schloegl Analista de Infraestrutura Bogotá, fevereiro de 2015 FeverFevereiro de 2015 POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS

Leia mais

PROCEDIMENTO Página 1 / 38. Elaboração de Projetos de Gerenciamento de Resíduos Sólidos - PGRS. Histórico

PROCEDIMENTO Página 1 / 38. Elaboração de Projetos de Gerenciamento de Resíduos Sólidos - PGRS. Histórico PROCEDIMENTO Página 1 / 38 Histórico Data Revisão Modificação 05/10/05 0 Emissão inicial 03/08/06 1 Inclusão do item 5.10 31/01/08 2 Revisão geral. 08/09/2010 3 22/03/2011 4 02/05/11 5 Alteração da Identificação

Leia mais

RESÍDUOS SÓLIDOS : as responsabilidades de cada Setor

RESÍDUOS SÓLIDOS : as responsabilidades de cada Setor RESÍDUOS SÓLIDOS : as responsabilidades de cada Setor Gestão de Resíduos Sólidos ( São Paulo ) Lei 997/76 e regulamento: Dec. 8468/76 Foco: Comando e Controle Resíduos Disposição Final Disposição inadequada

Leia mais

O lançamento de Resíduos Industriais no trecho entre Resende e Volta Redonda

O lançamento de Resíduos Industriais no trecho entre Resende e Volta Redonda O lançamento de Resíduos Industriais no trecho entre Resende e Volta Redonda Janaina da Costa Pereira Torres janainacpto@gmail.com Lucas de Medeiros Figueira lucasfigueira.c4@gmail.com Danielle Alves de

Leia mais

A Política Nacional de Resíduos Sólidos e Sua Regulamentação

A Política Nacional de Resíduos Sólidos e Sua Regulamentação Palestra APHILAV A Política Nacional de Resíduos Sólidos e Sua Regulamentação Tiago José Pereira Neto Eng. Ambiental e de Seg. do Trabalho 20 de junho de 2012 Jornal do Comércio 05/01/2012 Jornal do Comércio

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL MUNICÍPIO DE CANOAS

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL MUNICÍPIO DE CANOAS TERMO DE REFERÊNCIA PLANO DE GERENCIAMENTO INTEGRADO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PGIRS 1 JUSTIFICATIVA O presente Termo de Referência tem por fim orientar a elaboração do PGIRS. 2 OBJETIVO O objetivo do PGIRS

Leia mais

Gestão de Resíduos Sólidos no Brasil: Situação e Perspectivas. Odair Luiz Segantini ABRELPE

Gestão de Resíduos Sólidos no Brasil: Situação e Perspectivas. Odair Luiz Segantini ABRELPE Gestão de Resíduos Sólidos no Brasil: Situação e Perspectivas Odair Luiz Segantini ABRELPE Introdução A ABRELPE ABRELPE Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais, fundada

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA Política Nacional de Resíduos Sólidos Instituída pela Lei 12.305/2010 e regulamentada pelo Decreto 7.404/2010, após 21 anos de tramitação no Congresso nacional Tem interação

Leia mais

AUTORIDADE MUNICIPAL DE LIMPEZA URBANA AMLURB RESÍDUOS SÓLIDOS

AUTORIDADE MUNICIPAL DE LIMPEZA URBANA AMLURB RESÍDUOS SÓLIDOS AUTORIDADE MUNICIPAL DE LIMPEZA URBANA AMLURB PLANO DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS LEI FEDERAL 12.305/10 PNRS Institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos; altera a Lei no 9.605, de 12 de

Leia mais

A LEGISLAÇÃO AMBIENTAL INCENTIVA MUDANÇAS E CRIA OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS.

A LEGISLAÇÃO AMBIENTAL INCENTIVA MUDANÇAS E CRIA OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS. A LEGISLAÇÃO AMBIENTAL INCENTIVA MUDANÇAS E CRIA OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS. Clique para editar o estilo do subtítulo mestre Eng.ª Andressa Brandalise Unidade de Assessoria e Inovação Ambiental A legislação

Leia mais

MINUTA DE RESOLUÇÃO ABILUMI

MINUTA DE RESOLUÇÃO ABILUMI MINUTA DE RESOLUÇÃO ABILUMI O CONSELHO NACIONAL DE MEIO AMBIENTE - CONAMA, no uso de suas atribuições e competências que lhe foram concedidas pela Lei nº 6.938, de 31 de agosto de 1981, regulamentadas

Leia mais

GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS NO BRASIL

GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS NO BRASIL GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS NO BRASIL O QUE MUDA COM A APROVAÇÃO DA P.N.R.S.? Engo. Eleusis Di Creddo Gerente de Meio Ambiente e Destinação Final SOLVI PARTICIPAÇÕES S.A. ecreddo@solvi.com Realização:

Leia mais

ULTRAVIOLETA DESINFECÇÃO DE ÁGUA E EFLUENTES COM RAIOS. Sistema de decantação. Fenasan 2013. tratamento de água e efluentes

ULTRAVIOLETA DESINFECÇÃO DE ÁGUA E EFLUENTES COM RAIOS. Sistema de decantação. Fenasan 2013. tratamento de água e efluentes revista especializada em tratamento de DESINFECÇÃO DE ÁGUA E EFLUENTES COM RAIOS ULTRAVIOLETA Sistema de decantação Ação dos decantadores em tratamento de água Fenasan 2013 9 772236 261064 junho/julho-2013

Leia mais

POLITICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS : Responsabilidade de cada Setor

POLITICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS : Responsabilidade de cada Setor POLITICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS : Responsabilidade de cada Setor Gestão de Resíduos Sólidos ( São Paulo ) Lei 997/76 e regulamento: Dec. 8468/76 Foco: Comando e Controle Resíduos Disposição Final

Leia mais

Elaboração Item 2 inclusão do PG-C-01 Programa Integrado de SSTMA Item 2 Codificação dos documentos de referência

Elaboração Item 2 inclusão do PG-C-01 Programa Integrado de SSTMA Item 2 Codificação dos documentos de referência Página 1 de 9 DESCRIÇÃO DAS REVISÕES REV DATA ALTERAÇÃO OBSERVAÇÃO 00 01 20/05/2009 30/09/2009 16/12/09 Elaboração Item 2 inclusão do PG-C-01 Programa Integrado de SSTMA Item 2 Codificação dos documentos

Leia mais

O ENGAJAMENTO DA INDÚSTRIA DE TINTAS NA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS

O ENGAJAMENTO DA INDÚSTRIA DE TINTAS NA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS O ENGAJAMENTO DA INDÚSTRIA DE TINTAS NA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Há muitos anos, a indústria de tintas, sob a liderança da ABRAFATI (Associação Brasileira dos Fabricantes de Tintas), pesquisa

Leia mais

LEGISLAÇÃO - LEGISLAÇÃO BRASILEIRA

LEGISLAÇÃO - LEGISLAÇÃO BRASILEIRA LEGISLAÇÃO - LEGISLAÇÃO BRASILEIRA VEJA A NOVA LEGISLAÇÃO ESPECÍFICA PARA PCBS RETIRADA DA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS: LEGISLAÇÃO ESPECÍFICA: - Portaria Interministerial (MIC/MI/MME) 0019 de

Leia mais

Título: PGRS Bares e Restaurantes Palestrante: Julia Moreno Lara

Título: PGRS Bares e Restaurantes Palestrante: Julia Moreno Lara Título: PGRS Bares e Restaurantes Palestrante: Julia Moreno Lara Lei 12.305/2010 Estão sujeitos à elaboração de plano de gerenciamento de resíduos sólidos: I - os geradores de resíduos sólidos previstos

Leia mais

Carlos R V Silva Filho ABRELPE. agosto/2010

Carlos R V Silva Filho ABRELPE. agosto/2010 Política Nacional de Resíduos Sólidos: As mudanças que influenciarão o dia a dia das empresas Carlos R V Silva Filho ABRELPE agosto/2010 2 Resíduos Sólidos Urbanos: Situação 3 Quantidade de RSU gerados

Leia mais

Responsabilidade Socioambiental

Responsabilidade Socioambiental Fernando Tabet Responsabilidade Socioambiental Resíduos Sólidos Classificação (NBR 10.004:2004) Classe I - Perigosos Resíduos Classe II Não Perigosos Classe II-A - Não Inertes Classe II-B - Inertes Gerenciamento

Leia mais

Panorama sobre resíduos sólidos

Panorama sobre resíduos sólidos Panorama sobre resíduos sólidos Brasil Dinamarca: Cooperação em Meio Ambiente Setembro de 2009 Principais conceitos (proposta do setor industrial) Resíduos sólidos: qualquer material, substância, objeto

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE RESIDUOS SÓLIDOS E A LOGÍSTICA REVERSA

POLÍTICA NACIONAL DE RESIDUOS SÓLIDOS E A LOGÍSTICA REVERSA POLÍTICA NACIONAL DE RESIDUOS SÓLIDOS E A LOGÍSTICA REVERSA Zilda Maria Faria Veloso 1 1 INTRODUÇÃO A Política Nacional de Resíduos Sólidos articula-se com a Política Nacional de Meio Ambiente e com a

Leia mais

Tratamento de materiais explantáveis: polêmica do descarte de resíduos. Luiz Carlos da Fonseca e Silva

Tratamento de materiais explantáveis: polêmica do descarte de resíduos. Luiz Carlos da Fonseca e Silva Tratamento de materiais explantáveis: polêmica do descarte de resíduos Luiz Carlos da Fonseca e Silva RDC ANVISA 306/04 8 - GRUPO A4 8.1 - Kits de linhas arteriais... recipientes e materiais resultantes

Leia mais

1. CLASSIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS

1. CLASSIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS Página1 1. CLASSIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS Diversos autores vêm utilizando metodologias próprias de classificação de resíduos sólidos, tendo como referência a fonte de geração, o local de produção, os aspectos

Leia mais

A atuação do poder público de Santa Catarina na implantação de políticas de atendimento ao tratamento de resíduos sólidos pelo setor privado.

A atuação do poder público de Santa Catarina na implantação de políticas de atendimento ao tratamento de resíduos sólidos pelo setor privado. A atuação do poder público de Santa Catarina na implantação de políticas de atendimento ao tratamento de resíduos sólidos pelo setor privado. Tratamento de resíduos no mundo Média diária de resíduo 1,00

Leia mais

A LOGÍSTICA REVERSA DENTRO DA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Cristiane Tomaz

A LOGÍSTICA REVERSA DENTRO DA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Cristiane Tomaz A LOGÍSTICA REVERSA DENTRO DA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Cristiane Tomaz A logística reversa é importante instrumento de desenvolvimento econômico e social previsto na Política Nacional de Resíduos

Leia mais

LOGÍSTICA REVERSA DAS EMBALAGENS VAZIAS DE AGROTÓXICO

LOGÍSTICA REVERSA DAS EMBALAGENS VAZIAS DE AGROTÓXICO LOGÍSTICA REVERSA DAS EMBALAGENS VAZIAS DE AGROTÓXICO O INPEV INSTITUTO NACIONAL DE PROCESSAMENTO DE EMBALAGENS VAZIAS ENTIDADE SEM FINS LUCRATIVOS CRIADA EM 2001 DESTINAÇÃO FINAL ADEQUADA DAS EMBALAGENS

Leia mais

REGULAMENTO DA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS DECRETO 7.404, DE 23.12.2010

REGULAMENTO DA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS DECRETO 7.404, DE 23.12.2010 REGULAMENTO DA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS DECRETO 7.404, DE 23.12.2010 I - Dos objetivos do Decreto Quase cinco meses após a publicação da lei 12.305/10, que instituiu a chamada Política Nacional

Leia mais

Alternativas tecnológicas disponíveis. Variações de custo e de segurança das operações.

Alternativas tecnológicas disponíveis. Variações de custo e de segurança das operações. DESTINAÇÃO E DISPOSIÇÃO FINAL AMBIENTALMENTE ADEQUADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS Alternativas tecnológicas disponíveis. Variações de custo e de segurança das operações. INTRODUÇÃO SUSTENTABILIDADE,

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PGRSI

TERMO DE REFERÊNCIA PGRSI TERMO DE REFERÊNCIA PGRSI Termo de Referência para apresentação do Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos para Empreendimentos Industriais PGRSI. 1. OBJETIVO Em atendimento à Política Estadual de Resíduos

Leia mais

RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL: CLASSIFICAÇÃO, NORMAS E RECICLAGEM

RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL: CLASSIFICAÇÃO, NORMAS E RECICLAGEM RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL: CLASSIFICAÇÃO, NORMAS E RECICLAGEM 1 Régis Budke, 1 Jackson Rainério Cardoso & 2 Silvio Bispo do Vale 1 Graduandos em Engenharia de Minas e Meio Ambiente - UFPA. 2 Prof. da

Leia mais

MODELO DE ANÁLISE DE RISCOS APLICADA NA GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS

MODELO DE ANÁLISE DE RISCOS APLICADA NA GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS ISSN 1984-9354 MODELO DE ANÁLISE DE RISCOS APLICADA NA GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS Leonardo Dias Pinto (Latec/UFF) Osvaldo Luiz Gonçalves Quelhas (Latec/UFF) Resumo Os resíduos sólidos provenientes

Leia mais

Assunto: Mortandade de Peixes no Rio do Sinos Solicitante: PROMOTORIA REGIONAL DE MEIO AMBIENTE (Sinos e Gravataí) IC nº 01393.00001/2010 IMPACTOS

Assunto: Mortandade de Peixes no Rio do Sinos Solicitante: PROMOTORIA REGIONAL DE MEIO AMBIENTE (Sinos e Gravataí) IC nº 01393.00001/2010 IMPACTOS 1 Assunto: Mortandade de Peixes no Rio do Sinos Solicitante: PROMOTORIA REGIONAL DE MEIO AMBIENTE (Sinos e Gravataí) IC nº 01393.00001/2010 IMPACTOS AMBIENTAIS CAUSADOS PELO LANÇAMENTOS DE ESGOTOS E

Leia mais

Lei 12.305/10 Decreto 7.404/10

Lei 12.305/10 Decreto 7.404/10 A EXPERIÊNCIA BRASILEIRA EM LOGÍSTICA REVERSA A INICIATIVA DO SETOR DE HIGIENE PESSOAL, PERFUMARIA E COSMÉTICOS POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Lei 12.305/10

Leia mais

Considerando a necessidade de minimizar os impactos negativos causados ao meio ambiente pelo descarte inadequado de pilhas e baterias;

Considerando a necessidade de minimizar os impactos negativos causados ao meio ambiente pelo descarte inadequado de pilhas e baterias; NOVA RESOLUÇÃO DE PILHAS E BATERIAS Estabelece os limites máximos de chumbo, cádmio e mercúrio para pilhas e baterias comercializadas em território nacional e os critérios e padrões para o seu gerenciamento

Leia mais

CHAMAMENTO PARA A ELABORAÇÃO DE ACORDO SETORIAL PARA A IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE LOGÍSTICA REVERSA DE MEDICAMENTOS EDITAL Nº 02/2013

CHAMAMENTO PARA A ELABORAÇÃO DE ACORDO SETORIAL PARA A IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE LOGÍSTICA REVERSA DE MEDICAMENTOS EDITAL Nº 02/2013 CHAMAMENTO PARA A ELABORAÇÃO DE ACORDO SETORIAL PARA A IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE LOGÍSTICA REVERSA DE MEDICAMENTOS EDITAL Nº 02/2013 O MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE, tendo em vista o disposto na Lei nº

Leia mais

ASPECTOS JURÍDICOS E TÉCNICOS DA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS

ASPECTOS JURÍDICOS E TÉCNICOS DA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Conselho Regional de Química - IV Região COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE ASPECTOS JURÍDICOS E TÉCNICOS DA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Conselho Regional de Química - IV Região COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE

Leia mais

Zilda M F Veloso. Diretora de Ambiente Urbano

Zilda M F Veloso. Diretora de Ambiente Urbano Zilda M F Veloso Diretora de Ambiente Urbano Porto Alegre, 21 de Agosto de 2015 Objetivos (art. 9º Lei 12.305/10) POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Frentes de Implementação da Política Planos de Resíduos

Leia mais

Logística Reversa de Embalagens Plásticas de Lubrificantes

Logística Reversa de Embalagens Plásticas de Lubrificantes Logística Reversa de Embalagens Plásticas de Lubrificantes Programa Jogue Limpo 4 Congresso Nacional Simepetro São Paulo Eduardo Freitas Gerente Comercial de Lubrificantes Ipiranga setembro 2011 Política

Leia mais

é lei Agora Política Nacional de Resíduos Sólidos poder público, empresas, catadores e população Novos desafios para

é lei Agora Política Nacional de Resíduos Sólidos poder público, empresas, catadores e população Novos desafios para Política Nacional de Resíduos Sólidos Agora é lei Novos desafios para poder público, empresas, catadores e população Marco histórico da gestão ambiental no Brasil, a lei que estabelece a Política Nacional

Leia mais

DECRETO Nº 728, DE 14 DE MARÇO DE 2016

DECRETO Nº 728, DE 14 DE MARÇO DE 2016 1 Gabinete do Prefeito DECRETO Nº 728, DE 14 DE MARÇO DE 2016 Regulamenta a Lei nº 9.498, de 19 de novembro de 2014, que dispõe sobre a cobrança de preço público decorrente da prestação de serviços de

Leia mais

SERVIÇOS DE SAÚDE MOSSORÓ

SERVIÇOS DE SAÚDE MOSSORÓ SERVIÇOS DE SAÚDE MOSSORÓ - 2011 CURSO DE GERENCIAMENTO DE RSS LEI 12.305 DE 02 DE AGOSTO DE 2010 Institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos; altera a Lei no 9.605, de 12 de fevereiro de 1998; e

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE DO RIO DE JANEIRO ATO DO PRESIDENTE

SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE DO RIO DE JANEIRO ATO DO PRESIDENTE SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE DO RIO DE JANEIRO ATO DO PRESIDENTE RESOLUÇÃO CONEMA Nº 56 DE 13 DE DEZEMBRO DE 2013. ESTABELECE CRITÉRIOS PARA A INEXIGIBILIDADE DE

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS Diretoria de Licenciamento Ambiental Coordenação Geral de Transporte, Mineração

Leia mais

2 Encontro de Lideranças para Sustentabilidade Territorial de Influência de ITAIPU Binacional e Yacyretá. Política Nacional de Resíduos Sólidos

2 Encontro de Lideranças para Sustentabilidade Territorial de Influência de ITAIPU Binacional e Yacyretá. Política Nacional de Resíduos Sólidos 2 Encontro de Lideranças para Sustentabilidade Territorial de Influência de ITAIPU Binacional e Yacyretá. Política Nacional de Resíduos Sólidos Foz do Iguaçu, 17 de novembro de 2010 Desafios: A produção

Leia mais

A Política Nacional de Resíduos Sólidos e a questão dos Resíduos Sólidos Urbanos no Estado do Rio de Janeiro. Quanto à origem Sujeitos à lei

A Política Nacional de Resíduos Sólidos e a questão dos Resíduos Sólidos Urbanos no Estado do Rio de Janeiro. Quanto à origem Sujeitos à lei A Política Nacional de Resíduos Sólidos e a questão dos Resíduos Sólidos Urbanos no Estado do Rio de Janeiro. A política Nacional de resíduos sólidos é muito importante na história do gerenciamento de

Leia mais

III Simpósio sobre Gestão Empresarial e Sustentabilidade (SimpGES) Produtos eco-inovadores: produção e consumo"

III Simpósio sobre Gestão Empresarial e Sustentabilidade (SimpGES) Produtos eco-inovadores: produção e consumo 24 e 25 de outubro de 2013 Campo Grande-MS Universidade Federal do Mato Grosso do Sul RESUMO EXPANDIDO O CAMPO NACIONAL DE PESQUISAS SOBRE GERENCIAMENTO SUSTENTÁVEL DE RESÍDUO DA CONSTRUÇÃO CIVIL (RCD)

Leia mais

PLANO DE GERENCIAMENTO INTEGRADO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS PGIRS Diretrizes para Implementação

PLANO DE GERENCIAMENTO INTEGRADO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS PGIRS Diretrizes para Implementação AUDIÊNCIA PÚBLICA - PGIRS Engenheira Sanitarista Kátia Cristina de Souza Assessoria Técnica da Preifeitura de Cuiabá Cuiabá, 24 de Novembro de 2014 PLANO DE GERENCIAMENTO INTEGRADO DE RESÍDUOS SÓLIDOS

Leia mais

SUMÁRIO. Daniel Bortolin02/02/2015 ÍNDICE: ÁREA. Número 80 Título. Aprovação comunicada para Cintia Kikuchi/BRA/VERITAS; Fernando Cianci/BRA/VERITAS

SUMÁRIO. Daniel Bortolin02/02/2015 ÍNDICE: ÁREA. Número 80 Título. Aprovação comunicada para Cintia Kikuchi/BRA/VERITAS; Fernando Cianci/BRA/VERITAS Aprovado ' Elaborado por Daniel Bortolin/BRA/VERITAS em 02/02/2015 Verificado por Cintia Kikuchi em 02/02/2015 Aprovado por Americo Venturini/BRA/VERITAS em 02/02/2015 ÁREA QHSE Tipo Procedimento Regional

Leia mais

PROJETO DE LEI CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES. I - proteção da saúde pública e da qualidade do meio ambiente;

PROJETO DE LEI CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES. I - proteção da saúde pública e da qualidade do meio ambiente; PROJETO DE LEI Institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos e dá outras providências. O CONGRESSO NACIONAL decreta: CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1 o Esta Lei institui a Política Nacional

Leia mais

PLANO METROPOLITANO DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS COM FOCO EM RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE (RSS) E RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL E VOLUMOSOS (RCCV)

PLANO METROPOLITANO DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS COM FOCO EM RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE (RSS) E RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL E VOLUMOSOS (RCCV) PLANO METROPOLITANO DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS COM FOCO EM RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE (RSS) E RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL E VOLUMOSOS (RCCV) II Workshop Construindo o diagnóstico dos RCCV e RSS

Leia mais

O SEGURO AMBIENTAL COMO REQUISITO PARA O LICENCIAMENTO AMBIENTAL

O SEGURO AMBIENTAL COMO REQUISITO PARA O LICENCIAMENTO AMBIENTAL O SEGURO AMBIENTAL COMO REQUISITO PARA O LICENCIAMENTO AMBIENTAL PNRS POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS LEI N 13.577/2009 PROTEÇÃO DA QUALIDADE DO SOLO E GERENCIAMENTO DE ÁREAS CONTAMINADAS (SP) O

Leia mais

Considerando que o descarte de embalagens plásticas de óleo lubrificante pós-consumo para o solo ou cursos de água gera graves danos ambientais;

Considerando que o descarte de embalagens plásticas de óleo lubrificante pós-consumo para o solo ou cursos de água gera graves danos ambientais; RESOLUÇÃO N 037/2009 - SEMA Dispõe sobre a coleta, armazenamento e destinação de embalagens plásticas de óleo lubrificante pós-consumo no Estado do Paraná. O Secretário de Estado do Meio Ambiente e Recursos

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS

POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS DIRETRIZES E PERSPECTIVAS DE INVESTIMENTOS NO MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental Ministério das Cidades Nov 2012 DIAGNÓSTICO DO DESTINO

Leia mais

NORMA DE FISCALIZAÇÃO CONJUNTA DA CÂMARA DE ENGENHARIA CIVIL E QUÍMICA N 001/09 DE ABRIL DE 2009.

NORMA DE FISCALIZAÇÃO CONJUNTA DA CÂMARA DE ENGENHARIA CIVIL E QUÍMICA N 001/09 DE ABRIL DE 2009. NORMA DE FISCALIZAÇÃO CONJUNTA DA CÂMARA DE ENGENHARIA CIVIL E QUÍMICA N 001/09 DE ABRIL DE 2009. Esclarece a competência dos Engenheiros: Civis, de Fortificações, Sanitaristas e Químicos quanto projetos,

Leia mais