RESTRIÇÕES A INVESTIMENTOS ESTRANGEIROS EM EMPRESAS JORNALÍSTICAS E DE RADIODIFUSÃO EM OUTROS PAÍSES

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RESTRIÇÕES A INVESTIMENTOS ESTRANGEIROS EM EMPRESAS JORNALÍSTICAS E DE RADIODIFUSÃO EM OUTROS PAÍSES"

Transcrição

1 RESTRIÇÕES A INVESTIMENTOS ESTRANGEIROS EM EMPRESAS JORNALÍSTICAS E DE RADIODIFUSÃO EM OUTROS PAÍSES Walkyria Menezes Leitão Tavares Consultora Legislativa da ÁreaXIV Comunicação Social, Informática, Telecomunicações, Sistema Postal, Ciência e Tecnologia ESTUDO MAIO/1999 Câmara dos Deputados Praça dos 3 Poderes Consultoria Legislativa Anexo III - Térreo Brasília - DF

2 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO PROPRIEDADE CRUZADA ENTRE JORNAIS E RADIODIFUSÃO: CONCLUSÃO Câmara dos Deputados. Todos os direitos reservados. Este trabalho poderá ser reproduzido ou transmitido na íntegra, desde que citados o(s) autor(es) e a Consultoria Legislativa da Câmara dos Deputados. São vedadas a venda, a reprodução parcial e a tradução, sem autorização prévia por escrito da Câmara dos Deputados. 2

3 1 INTRODUÇÃO Opresente trabalho pretende levantar as restrições a investimentos estrangeiros na área de jornalismo e de radiodifusão existentes em diversos países. Aproveitando a oportunidade, incluímos também dados que consideramos relevantes sobre as restrições à formação de oligopólios e à propriedade cruzada de meios de comunicação e sobre as obrigações de conteúdo local na programação das emissoras de radiodifusão em alguns destes países. 2 Limitações à participação no mercado de jornalismo e de radiodifusão 2.1 Alemanha 1 Para operar rádio e TV na Alemanha é necessário obter uma licença. Essa licença é outorgada somente se o conteúdo dos programas expressar a variedade de opiniões existentes no país, sendo dada prioridade a programas domésticos ou europeus. Em termos práticos, é muito difícil para empresas estrangeiras de radiodifusão, de fora da Comunidade Européia, preencherem os critérios para receberem uma licença ou serem selecionadas para operar serviço de televisão a cabo. As emissoras de televisão são obrigadas a reservar a maioria de seu tempo disponível de programação para veicular filmes, shows, seriados e documentários realizados por europeus, com ênfase para produções locais ou realizadas em conjunto com países de língua alemã ou localizados na Europa. Uma emissora pode explorar um número ilimitado de canais de televisão, desde que não tenha domínio sobre a formação de opinião, que se define da seguinte forma: se os programas que ela transmite atingem uma parcela da audiência maior que 30% ela é considerada dominante. Mesmo que não 3

4 atinja este percentual, mas se aproxime dele, a empresa será considerada dominante se detiver posição dominante em outro mercado de mídia. Existem limites de participação acionária de empresas jornalísticas no capital de empresas de radiodifusão quando elas ocupam posição dominante em um mercado de imprensa regional. 2.2 Espanha 2 As restrições à participação de capital estrangeiro nas empresas de radiodifusão são diferentes para cada segmento de mercado. No caso de emissoras de televisão de âmbito nacional e local, o limite é de 25% de capital de origem estrangeira, sendo que capital oriundo da União Européia não é considerado capital estrangeiro. Para os serviços de televisão por cabo existe a possibilidade do governo autorizar, sob determinadas condições, uma participação maior que 25% de capital estrangeiro, mantida a observação sobre o capital originário da União Européia. Quanto à questão de conteúdo, cabe observar que as obrigações das emissoras são aquelas estabelecidas pela diretiva da União Européia denominada televisão sem fronteiras. Um nível mínimo de programas produzidos em língua espanhola é também exigido das emissoras de televisão aberta, das operadoras de televisão por cabo e das prestadoras de serviço de televisão por satélite. Não existem na Espanha limitações à propriedade cruzada de meios de comunicação, mas há sérias restrições à formação de oligopólios. As empresas que detém outorgas para explorar televisão aberta, em âmbito nacional, estão proibidas de possuírem mais de uma licença. São obrigadas a registrar as participações acionárias e solicitar autorização do governo para transacioná-las. Além disso, um único acionista não pode deter, direta ou indiretamente, mais do que 25% do capital, limitação que se aplica também às prestadoras de serviço de televisão por satélite. As emissoras de televisão de âmbito local não podem operar como parte de uma rede, mas a elas não se aplica o limite de 25% do capital nas mãos de um único acionista. Às operadoras de televisão por cabo, é imposto limite quanto ao número de assinantes que não pode ultrapassar França 3 As participações estrangeiras nas empresas que exploram serviços de televisão aberta e de rádio veiculados em língua francesa são limitadas a 20% do capital. O dispositivo não se aplica a capitais oriundos da União Européia nem aos Estados que possuem acordos bilaterais firmados com a França sobre este assunto. Quanto à participação em empresas jornalísticas, a Lei nº , de 1º de agosto de 1986, estabelece que nenhum estrangeiro (não se aplica a nacionais da União Européia) pode proceder a uma aquisição que lhe assegure participação, direta ou indireta, em mais de 20% do capital social ou dos direitos de voto de empresa editora de qualquer publicação ou periódico em língua francesa. Também proíbe que qualquer empresa editora, ou qualquer um de seus colaboradores, receba, direta ou indiretamente recursos ou vantagens de qualquer governo estrangeiro, incluindo recursos oriundos de publicidade, assinaturas, etc. As restrições à formação de oligopólios foram recentemente alteradas, passando de 25% para 49% o limite máximo de participação de uma pessoa física ou jurídica no capital social ou nos direitos de voto de uma sociedade detentora de autorização relativa a uma rede nacional de televisão aberta. Outra limitação imposta pela legislação refere-se à detenção por uma mesma pessoa física ou jurídica de participações em várias sociedades que exploram serviço de televisão aberta de âmbito nacional. Isto resulta que se uma pessoa detém mais de 15% de participação numa dessas sociedades não pode deter mais de 15% em outra. No caso em que esta pessoa detenha participação em mais de uma sociedade dentro dos limites preestabelecidos, não poderá deter mais de 5% em uma terceira. 4

5 No caso de jornais diários de informação política e geral, a lei de 27 de novembro de 1986 limita a tiragem a 30% da difusão total em território nacional francês. São também estabelecidas restrições à propriedade cruzada de jornais e emissoras de televisão. Se um jornal atingir mais de 20% do mercado, a empresa responsável por sua publicação não poderá explorar serviço de televisão aberta que alcance mais de 4 milhões de espectadores e de radiodifusão sonora que atinja mais de 30 milhões de ouvintes, nem operar televisão por cabo que atenda mais de 6 milhões de assinantes. Em nível regional, qualquer um que edite ou controle jornal diário não poderá controlar, na mesma região, estações de televisão aberta, serviço de televisão por cabo ou rádios que atinjam mais de 10% dos espectadores daquela região. Quanto à imposição de conteúdo local, são diferenciadas de acordo com o tipo de serviço. Para a televisão aberta, é obrigatória a veiculação de no mínimo 60% de produções cinematográficas e audiovisuais européias e 40% de produção de expressão original francesa. As empresas são obrigadas ainda a investir 15% de seu faturamento na produção de programas de expressão original francesa e 3% na produção cinematográfica européia, sendo 2,5% em obras de expressão francesa. No caso da televisão por cabo se aplicam as mesmas obrigações quanto ao conteúdo veiculado, não havendo, no entanto, obrigação de investimentos. 2.4 Canadá 4 Investimento estrangeiro em emissoras de rádio, televisão aberta e serviços de televisão por cabo ou por satélite é limitado a 20% dos direitos de voto no nível da empresa licenciada e a 33% dos direitos de voto no nível da empresa controladora (holding). Não existem limites estabelecidos para a participação estrangeira no capital sem direito a voto em qualquer nível. A política de restrições à propriedade de emissoras de radiodifusão foi recentemente modificada. No momento, uma única entidade pode possuir até três estações de rádio que operem na mesma língua (por exemplo, inglês ou francês) no mesmo mercado, mas não mais que duas AM ou FM. Em mercado com mais de oito estações, cada entidade pode possuir até quatro estações, porém não mais que duas AM ou FM. Com relação à televisão aberta, não é normalmente permitido a uma entidade possuir mais do que uma estação de televisão atuando na mesma língua no mesmo mercado. Não são definidos limites ao número de licenças para televisão por cabo, MMDS ou por satélite operadas por uma mesma entidade. Quanto à propriedade cruzada de meios de comunicação, não são feitas restrições no âmbito legal com respeito a emissoras de radiodifusão e jornais, cabendo a CRTC Canadian Radio- Television Commission, analisar caso a caso os pedidos de licenciamento. A obrigatoriedade de veiculação de conteúdo local mínimo estende-se a todos os serviços, embora seja mais extensa para a televisão aberta e para as rádios comerciais. A televisão aberta é obrigada a preencher anualmente 60% de sua programação com conteúdo canadense, enquanto as rádios AM e FM são obrigadas a veicular, no mínimo, 35% de conteúdo local no horário compreendido entre 6 horas da manhã às 6 horas da noite, de segunda a sexta-feira. Critérios bastante detalhados são utilizados para definir conteúdo local nos dois casos. Já as empresas de televisão por assinatura devem garantir que a maioria da programação recebida por um dado assinante é dedicada a programas canadenses. Estas operadoras também estão proibidas de oferecer ao assinante acesso a um conjunto de canais contendo apenas programas estrangeiros. Este conjunto de canais deverá ser tratado como um serviço opcional mediante pagamento de taxa adicional ao preço do serviço básico. 5

6 2.5 Estados Unidos 5 Pela seção 310 da Lei de Comunicações de 1934, uma licença para operar estação de rádio ou televisão não pode ser outorgada a pessoas que não sejam cidadãos norte-americanos (noncitizen), a governo estrangeiro, a uma empresa estrangeira, ou a qualquer empresa que possua algum diretor ou gerente estrangeiro ou que tenha mais de 20% de suas ações com direito a voto nas mãos de estrangeiros. Até a aprovação da Lei de Telecomunicações de 1996, as limitações ao oligopólio e a propriedade cruzada de meios de comunicação distintos eram de competência da Federal Communication Commission (FCC). As regulamentações da agência proibiam que uma entidade possuísse mais de uma estação de radiodifusão na mesma comunidade executando o mesmo serviço. Curiosamente, pelas regras da FCC, estações AM e FM não executam o mesmo serviço, mas AM e TV e FM e TV são considerados mesmo serviços para a aplicação das limitações. Em nível nacional, uma entidade não poderia deter mais de 12 estações AM, 12 de FM e 12 de televisão e nenhum grupo poderia controlar estações de televisão que atingissem mais de 25% da audiência total do país. Quanto às limitações à propriedade cruzada, a empresa responsável pela publicação de um jornal diário não pode possuir estações de rádio e televisão cuja cobertura alcance as mesmas comunidades atingidas pelo jornal. A Lei de Telecomunicações, em sua seção 202, alterou significativamente este conjunto de restrições. Eliminou qualquer limitação ao número de estações controladas por uma mesma entidade em nível nacional. O limite máximo de audiência atingida por uma entidade detentora de emissoras de televisão foi aumentado para 35%. Já em nível local, alterou os números máximos de estações de rádio e televisão que podem ser controladas por uma mesma empresa. 2.6 Inglaterra 6 Somente cidadãos ingleses ou oriundos de países da União Européia ou corporações registradas nestes países, podem deter licenças para prestar serviços de televisão comercial, de âmbito nacional ou regional e de rádio, local ou nacional. As mesmas limitações são válidas para a obtenção do direito de exploração de satélite doméstico. Não existem limitações de nacionalidade para a outorga de licenças para operar serviços de cabodifusão, de direito de exploração de satélites estrangeiros, de serviço de transporte de sinais de radiodifusão e de serviços de televisão e rádio digitais. As restrições à propriedade cruzada são divididas em duas categorias: 1. propriedade cruzada entre rádio e televisão: A entidade detentora de uma licença para explorar serviço de rádio de âmbito nacional não pode explorar serviço de televisão aberta de âmbito nacional ou regional; entidade que detenha licença para explorar televisão aberta regional não pode operar serviços de rádio local na mesma área geográfica. 2. PROPRIEDADE CRUZADA ENTRE JORNAIS E RADIODIFUSÃO: Nenhuma empresa jornalística que atinja mais de 20% da circulação nacional pode deter licença para explorar serviço de rádio, local ou nacional, e televisão, de âmbito nacional ou regional, ou mesmo controlar mais do que 20% de uma empresa que seja detentora de tal licença. Solicitações de jornais que não atingem tal limite são sujeitas à avaliação do interesse público; não há restrições 6

7 quanto aos jornais deterem licença para explorar serviço de rádio local em áreas totalmente fora de sua área de circulação. Dentro da mesma área, existem controles quanto ao número de licenças. Também não são impostas restrições à propriedade cruzada de jornais e de licenças para operar serviços de transporte de sinais de radiodifusão e serviços de rádio e televisão digitais. 2.7 Portugal 7 A recente Lei de Radiodifusão, aprovada pelo parlamento português, em julho de 1998, não estabelece qualquer restrição aos investimentos estrangeiros no setor. A mesma lei também não estabelece percentual máximo do capital de empresas de radiodifusão que pode ser controlado por uma mesma pessoa jurídica ou física. No entanto, a lei estabelece que a Lei de Competição é aplicável ao segmento de televisão, ao restringir práticas abusivas, em particular quando regula o abuso de posição dominante e a concentração de licenças. Assim sendo, a concentração horizontal de operadoras de televisão deve ser notificada previamente ao Conselho de Competição. Quando tais práticas implicarem o domínio de 30% do mercado nacional de televisão ou faturamento global anual superior a 30 bilhões de escudos, a autoridade para a Comunicação Social deverá ser comunicada, podendo tomar medidas no sentido de evitar danos à liberdade de expressão ou à divulgação de diversas correntes de opinião. Limitações à propriedade cruzada de meios de comunicação diversos não estão presentes na legislação portuguesa. Quanto às imposições de conteúdo local, a lei de Radiodifusão estabelece que os operadores de redes nacionais devem reservar, no mínimo, 50% de seu tempo de transmissão para programas originalmente falados em português. Emissoras de televisão devem também reservar 15% do seu tempo para a veiculação de programas falados em português. Além destas obrigações impostas pela legislação portuguesa, as emissoras são obrigadas a atender a diretiva da União Européia que determina aos países membros que imponham às operadoras de televisão aberta a obrigatoriedade de veicularem, na maioria de seu tempo de transmissão, programas de origem européia. No caso de operadoras de redes nacionais, estão ainda obrigadas a reservar 10% de sua programação para programas de produtoras independentes européias produzidos nos últimos cinco anos. 2.8 Japão 8 As restrições à participação de capital estrangeiro no Japão podem ser resumidas da seguinte forma: 1 Licenças para a exploração de serviços de radiodifusão e autorização para fornecimento de programas de radiodifusão não podem ser outorgadas: a) a pessoa que não possua nacionalidade japonesa, a um governo estrangeiro ou a seu representante, ou a uma pessoa jurídica ou associação estrangeira; b) a uma pessoa jurídica ou associação cujas atividades são executadas por um agente ou organismo incluído no item a); c) a uma pessoa jurídica ou associação, na qual 20% ou mais dos direitos de voto são de propriedade de pessoas ou organismos citados em a). 2 Licenças para prestação de serviços de retransmissão de programas de radiodifusão e para operação de serviços de cabodifusão não podem ser outorgadas: a) a pessoa que não possua nacionalidade japonesa, a um governo estrangeiro ou a seu representante, ou a uma pessoa jurídica ou associação estrangeira; 7

8 b) a uma pessoa jurídica ou associação representada por uma pessoa referida no item a) ou na qual atuem um terço ou mais de pessoas incluídas naquelas condições; c) a uma pessoa jurídica ou associação, na qual um terço ou mais dos direitos de voto são de propriedade de pessoas ou organismos citados em a). As restrições à propriedade cruzada de meios de comunicação limitam-se à proibição de uma mesma entidade prestar, simultaneamente, serviço de rádio, de televisão e ser proprietária de jornal. A única exceção a essa regra é a possibilidade de a entidade ser proprietária de uma emissora de televisão, uma de rádio e de um jornal, desde que isso não implique monopólio em determinada área geográfica. As limitações à formação de oligopólios são dirigidas aos serviços de televisão aberta e por satélite, não se aplicando aos serviços de rádio e de cabodifusão. Como regra, somente é permitido a uma pessoa física ou jurídica controlar uma emissora de televisão. 2.9 Argentina 9 Os investidores estrangeiros na Argentina têm os mesmos direitos e obrigações definidos pela constituição e pela legislação local para os investidores argentinos. No momento, o investimento estrangeiro não depende de aprovação formal e seu registro é opcional, exceto quando é estabelecido de forma diferente por legislação específica como no caso de instituições financeiras e de comunicação de massa. Embora somente estejam explicitamente definidas restrições a investimentos estrangeiros na mineração de urânio e na geração de energia nuclear, continuam existindo algumas limitações na área de radiodifusão. Licenças de radiodifusão têm sido negadas a estrangeiros, embora sua participação não esteja oficialmente proibida nem por lei nem por nenhuma política governamental. 3 - CONCLUSÃO Com exceção de Alemanha, Portugal e Argentina, os outros seis países estudados fazem restrições explícitas à participação de pessoas e empresas estrangeiras em veículos de comunicação social. Mesmo Alemanha e Argentina dificultam, de forma implícita, o acesso de capital estrangeiro a seus mercados de mídia. Na Europa, as restrições não se aplicam a investimentos oriundos de países membros da União Européia. Outra característica destas políticas governamentais é o forte direcionamento das limitações ao mercado de rádio e de televisão aberta e um tratamento menos rígido para os sistemas de televisão difundidos por cabo ou por satélite. Cabe também destacar, a preocupação presente na maioria dos países com a formação de oligopólios nos diversos segmentos do mercado e com a propriedade cruzada de meios de comunicação diversos, tais como rádio, televisão e jornais. Tais medidas tendem a se contrapor à tendência de uniformização de conteúdos e ao controle de um pequeno número de corporações sobre a formação da opinião pública, movimento cada vez mais presente com a crescente consolidação de grandes grupos mundiais de mídia, que dificultam sobremaneira a entrada de novos concorrentes no mercado. 8

9 A identidade cultural é outro fator que estes países buscam preservar, estabelecendo obrigações de veiculação de conteúdo local, que vão desde a definição de percentual mínimo de programação veiculada em sua língua oficial até a determinação de transmissão de programas produzidos localmente, medida que também viabiliza a manutenção de mercado de trabalho para seus profissionais. Em resumo, pode-se afirmar que, apesar da flexibilização das políticas e de alterações na legislação, recentemente havidas na maioria dos países estudados, o tratamento dispensado ao setor continua sendo bastante cauteloso. NOTAS DE REFERÊNCIA 1 Communications Outlook 1999, Broadcasting: Regulatory Issues, OCDE, 6/10/98 (texto disponível na Internet, site 2 Communications Outlook 1999, Broadcasting: Regulatory Issues, OCDE, 24/7/98 (texto disponível na Internet, site 3 idem e Lins, Bernardo, O monopólio nos meios de comunicação e o controle social sobre a mídia, Consultoria Legislativa da Câmara dos Deputados, 12/03/99. 4 Communications Outlook 1999, Broadcasting: Regulatory Issues, OCDE, 29/5/98 (texto disponível na Internet, site 5 Lins, Bernardo, O monopólio nos meios de comunicação e o controle social sobre a mídia, Consultoria Legislativa da Câmara dos Deputados, 12/03/99. 6 Communications Outlook 1999, Broadcasting: Regulatory Issues, OCDE, 4/6/98 (texto disponível na Internet, site 7 Communications Outlook 1999, Broadcasting: Regulatory Issues, OCDE, 17/7/98 (texto disponível na Internet, site 8 Communications Outlook 1999, Broadcasting: Regulatory Issues, OCDE, 29/5/98 (texto disponível na Internet, site e Kaifu, Kazuo, Internationalization, Market Deregulation and Digitization Reestructuring Japan s Broadcasting Industry (texto disponível na Internet, site 9 America Latina Finance and Investment Foreign Investment (texto disponível na Internet, site

Encontro NEOTV 2012. Regulamento e Processo de Outorgas do SeAC

Encontro NEOTV 2012. Regulamento e Processo de Outorgas do SeAC Encontro NEOTV 2012 Regulamento e Processo de Outorgas do SeAC José Mares Guia Junior Gerente-Geral de Regulamentação, Outorga e Licenciamento de Serviços por Assinatura Ângela Beatriz Cardoso de Oliveira

Leia mais

COMERCIAL CABO TV SÃO PAULO LTDA

COMERCIAL CABO TV SÃO PAULO LTDA São Paulo, 16 de outubro de 1998 À Agência Nacional de Telecomunicações Superintendência de Serviços de Comunicação de Massa SAS - Quadra 06 - Bloco H - 2º andar - Biblioteca 70313-900 - Brasília - DF

Leia mais

Nova Lei da TV Paga estimula concorrência e liberdade de escolha Preços de pacotes devem cair e assinantes terão acesso a programação mais

Nova Lei da TV Paga estimula concorrência e liberdade de escolha Preços de pacotes devem cair e assinantes terão acesso a programação mais Nova Lei da TV Paga estimula concorrência e liberdade de escolha Preços de pacotes devem cair e assinantes terão acesso a programação mais diversificada A Lei 12.485/2011 destrava a concorrência no setor,

Leia mais

8º CONGRESSO BRASILEIRO DE JORNAIS ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE JORNAIS (ANJ) PAINEL: LIBERDADE DE EXPRESSÃO NA ERA DIGITAL.

8º CONGRESSO BRASILEIRO DE JORNAIS ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE JORNAIS (ANJ) PAINEL: LIBERDADE DE EXPRESSÃO NA ERA DIGITAL. 8º CONGRESSO BRASILEIRO DE JORNAIS ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE JORNAIS (ANJ) São Paulo, 19 de agosto de 2010 PAINEL: LIBERDADE DE EXPRESSÃO NA ERA DIGITAL Apresentação: A Anatel, a ampliação dos acessos de

Leia mais

Contrato de Confidencialidade e Autorização para Divulgação de Informações dos Usuários BIVA SERVIÇOS FINANCEIROS S.A.

Contrato de Confidencialidade e Autorização para Divulgação de Informações dos Usuários BIVA SERVIÇOS FINANCEIROS S.A. Contrato de Confidencialidade e Autorização para Divulgação de Informações dos Usuários BIVA SERVIÇOS FINANCEIROS S.A. 1. Quem somos Biva Serviços Financeiros S.A. ( BIVA ) é uma plataforma online de prestação

Leia mais

Mantém, com modificações, o Decreto n.º 24.643, de 10 de julho de 1934 e dá outras providências.

Mantém, com modificações, o Decreto n.º 24.643, de 10 de julho de 1934 e dá outras providências. DECRETO-LEI Nº 852, DE 11 DE NOVEMBRO DE 1938. Mantém, com modificações, o Decreto n.º 24.643, de 10 de julho de 1934 e dá outras providências. O Presidente da República, usando das atribuições que lhe

Leia mais

Subcomissão Temporária da Regulamentação dos Marcos Regulatórios

Subcomissão Temporária da Regulamentação dos Marcos Regulatórios Subcomissão Temporária da Regulamentação dos Marcos Regulatórios Audiência Pública Alexandre Annenberg 21/maio/2007 Os marcos regulatórios vigentes para a oferta de serviços de TV por Assinatura são baseados

Leia mais

Política de Divulgação de Informações Relevantes e Preservação de Sigilo

Política de Divulgação de Informações Relevantes e Preservação de Sigilo Índice 1. Definições... 2 2. Objetivos e Princípios... 3 3. Definição de Ato ou Fato Relevante... 4 4. Deveres e Responsabilidade... 5 5. Exceção à Imediata Divulgação... 7 6. Dever de Guardar Sigilo...

Leia mais

TÍTULO III DOS DIREITOS E DEVERES Das (EGETS) Empresas Geradoras, Emissoras, Transmissoras de Sinais

TÍTULO III DOS DIREITOS E DEVERES Das (EGETS) Empresas Geradoras, Emissoras, Transmissoras de Sinais IV- Entidades Geradoras, Emissoras e Transmissoras de Sinais (*EGETS): Empresas legalmente constituídas em conformidade com a Anatel que atuem como geradoras, emissoras, transmissoras, retransmissoras

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 7.004, DE 2013 (Do Sr. Vicente Candido)

PROJETO DE LEI N.º 7.004, DE 2013 (Do Sr. Vicente Candido) CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI Nº 7004, DE 2013 (Do Sr Vicente Candido) Altera a Lei nº 8977, de 6 de janeiro de 1995, que "dispõe sobre o serviço de TV a Cabo e dá outras providências" DESPACHO:

Leia mais

PREFEITURA DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DA CULTURA. I DEMOCRACINE Festival Internacional de Cinema de Porto Alegre REGULAMENTO GERAL

PREFEITURA DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DA CULTURA. I DEMOCRACINE Festival Internacional de Cinema de Porto Alegre REGULAMENTO GERAL PREFEITURA DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DA CULTURA I DEMOCRACINE Festival Internacional de Cinema de Porto Alegre REGULAMENTO GERAL CAPÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO Art. 1º: O I Democracine Festival Internacional

Leia mais

DECRETO Nº 1.211, DE 3 DE AGOSTO DE 1994.

DECRETO Nº 1.211, DE 3 DE AGOSTO DE 1994. DECRETO Nº 1.211, DE 3 DE AGOSTO DE 1994. Promulga o Tratado Geral de Cooperação e Amizade e o Acordo Econômico Integrante do Tratado Geral de Cooperação e Amizade, entre a República Federativa do Brasil

Leia mais

COMISSÃO DE DEFESA DO CONSUMIDOR PROJETO DE LEI Nº 6.590, DE 2006.

COMISSÃO DE DEFESA DO CONSUMIDOR PROJETO DE LEI Nº 6.590, DE 2006. COMISSÃO DE DEFESA DO CONSUMIDOR PROJETO DE LEI Nº 6.590, DE 2006. (Apensos: Projetos nºs 7.160, de 2006; 631, de 2007; 2.175, de 2007; 2.342, de 2007; 6.950, de 2010; 3.131, de 2012; e 3.313, de 2012,

Leia mais

I PRÊMIO DE FOTOJORNALIMO RACCIELE OLIVAS

I PRÊMIO DE FOTOJORNALIMO RACCIELE OLIVAS PRÊMIO DE JORNALISMO OTHELINO NOVA ALVES I PRÊMIO DE FOTOJORNALIMO RACCIELE OLIVAS REGULAMENTO A Assembleia Legislativa do Estado do Maranhão abre inscrições para o Prêmio de Jornalismo JORNALISTA OTHELINO

Leia mais

Ministério da Justiça Conselho Administrativo de Defesa Econômica CADE

Ministério da Justiça Conselho Administrativo de Defesa Econômica CADE Ministério da Justiça Conselho Administrativo de Defesa Econômica CADE ATO DE CONCENTRAÇÃO Nº 08012.008456/2004-22 Requerentes: Sony Corporation of América, Providence Equity Partners IV, L.P., TGP Partners

Leia mais

CONSELHOS DE FISCALIZAÇÃO PROFISSIONAL E RESPECTIVAS ANUIDADES

CONSELHOS DE FISCALIZAÇÃO PROFISSIONAL E RESPECTIVAS ANUIDADES CONSELHOS DE FISCALIZAÇÃO PROFISSIONAL E RESPECTIVAS ANUIDADES ROBERTO BOCACCIO PISCITELLI Consultor Legislativo da Área IV Finanças Públicas DEZ/2008 Roberto Bocaccio Piscitelli 2 SUMÁRIO Os Conselhos

Leia mais

Mercados. informação regulamentar. República Checa Condições Legais de Acesso ao Mercado

Mercados. informação regulamentar. República Checa Condições Legais de Acesso ao Mercado Mercados informação regulamentar República Checa Condições Legais de Acesso ao Mercado Março 2010 Índice 1. Regime Geral de Importação 3 2. Regime de Investimento Estrangeiro 4 3. Quadro Legal 6 2 1. Regime

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 24, DE 25 DE JUNHO DE 2009.

AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 24, DE 25 DE JUNHO DE 2009. AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 24, DE 25 DE JUNHO DE 2009. Dispõe sobre o Processo de Concessão de Bolsas de Estudo em Idiomas como parte integrante do Programa Permanente de

Leia mais

Nível 2. Governança Corporativa

Nível 2. Governança Corporativa Nível 2 Governança Corporativa Apresentação Implantados em dezembro de 2000 pela antiga Bolsa de Valores de São Paulo (BOVESPA), o Novo Mercado e os Níveis Diferenciados de Governança Corporativa Nível

Leia mais

ACORDO PARA A PROMOÇÃO E A PROTEÇÃO RECÍPROCA DE INVESTIMENTOS ENTRE O GOVERNO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E O GOVERNO DA REPÚBLICA DA CORÉIA

ACORDO PARA A PROMOÇÃO E A PROTEÇÃO RECÍPROCA DE INVESTIMENTOS ENTRE O GOVERNO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E O GOVERNO DA REPÚBLICA DA CORÉIA ACORDO PARA A PROMOÇÃO E A PROTEÇÃO RECÍPROCA DE INVESTIMENTOS ENTRE O GOVERNO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E O GOVERNO DA REPÚBLICA DA CORÉIA O Governo da República Federativa do Brasil e o Governo

Leia mais

.1 Comportamentos esperados

.1 Comportamentos esperados Normas de Conduta Normas de Conduta Este documento contém normas de conduta que devem ser respeitadas pelos diretores, auditores, líderes e todos os empregados do Grupo Pirelli, e também por todos que

Leia mais

Apresentação da Superintendência de Registro - SRE

Apresentação da Superintendência de Registro - SRE Apresentação da Superintendência de Registro - SRE Seminário SIAESP Agosto de 2013 andre.marques@ancine.gov.br Principais Atribuições Promover o registro e a classificação de agentes econômicos e obras

Leia mais

Lei Complementar LEI COMPLEMENTAR Nº 1049, DE 19 DE JUNHO DE 2008

Lei Complementar LEI COMPLEMENTAR Nº 1049, DE 19 DE JUNHO DE 2008 DOE 20/06/2008, Seção I, Pág. 1/3 Lei Complementar LEI COMPLEMENTAR Nº 1049, DE 19 DE JUNHO DE 2008 Dispõe sobre medidas de incentivo à inovação tecnológica, à pesquisa científica e tecnológica, ao desenvolvimento

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA N o 76, DE 28 DE DEZEMBRO DE 1998.

INSTRUÇÃO NORMATIVA N o 76, DE 28 DE DEZEMBRO DE 1998. INSTRUÇÃO NORMATIVA N o 76, DE 28 DE DEZEMBRO DE 1998. Dispõe sobre o arquivamento de atos de empresas mercantis ou de cooperativas em que participem estrangeiros residentes e domiciliados no Brasil, pessoas

Leia mais

Como identificar, vender e comercializar com os prospectos de pequenas empresas Parte 3/3

Como identificar, vender e comercializar com os prospectos de pequenas empresas Parte 3/3 Como identificar, vender e comercializar com os prospectos de pequenas empresas Parte 3/3 A pequena empresa é um mercado massivo em importante crescimento, que alcançou uma maturidade em termos de oportunidade

Leia mais

PUBLIC BROADCASTERS INTERNATIONAL CONFERENCE

PUBLIC BROADCASTERS INTERNATIONAL CONFERENCE PUBLIC BROADCASTERS INTERNATIONAL CONFERENCE Sintra, Portugal October 28th, 2010 PUBLIC SERVICES IN EMERGING COUNTRIES Brasil and Latin America EBC: sociedade anônima; Estado brasileiro como único acionista.

Leia mais

LIMITAÇÕES AO CAPITAL ESTRANGEIRO EM PORTAIS DA INTERNET CRISTIANO AGUIAR LOPES

LIMITAÇÕES AO CAPITAL ESTRANGEIRO EM PORTAIS DA INTERNET CRISTIANO AGUIAR LOPES LIMITAÇÕES AO CAPITAL ESTRANGEIRO EM PORTAIS DA INTERNET CRISTIANO AGUIAR LOPES Consultor Legislativo da Área XIV Comunicação Social, Informática, Telecomunicações, Sistema Postal, Ciência e Tecnologia

Leia mais

Orientações para manutenção da Emissora dentro dos padrões legais de operação.

Orientações para manutenção da Emissora dentro dos padrões legais de operação. Orientações para manutenção da Emissora dentro dos padrões legais de operação. Informações sobre a Portaria MC nº 112/2013 de 23 de abril de 2013, que trata das Sanções. Prezado Radiodifusor, As informações

Leia mais

COMISSÃO DE DEFESA DO CONSUMIDOR

COMISSÃO DE DEFESA DO CONSUMIDOR COMISSÃO DE DEFESA DO CONSUMIDOR SUBSTITUTIVO AO PROJETO DE LEI Nº 29, DE 2007 (APENSOS OS PROJETOS DE LEI Nº 70, DE 2007, Nº 332, DE 2007 E Nº 1908, DE 2007) Dispõe sobre a comunicação audiovisual eletrônica

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 2.689. I - constituir um ou mais representantes no País; II - preencher formulário, cujo modelo constitui o Anexo a esta Resolução;

RESOLUÇÃO Nº 2.689. I - constituir um ou mais representantes no País; II - preencher formulário, cujo modelo constitui o Anexo a esta Resolução; RESOLUÇÃO Nº 2.689 Documento normativo revogado, a partir de 30/3/2015, pela Resolução nº 4.373, de 29/9/2014. Dispõe sobre aplicações de investidor não residente nos mercados financeiro e de capitais.

Leia mais

POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES PARA O MERCADO DE CAPITAIS

POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES PARA O MERCADO DE CAPITAIS POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES PARA O MERCADO DE CAPITAIS 1. OBJETIVO A presente Política de Divulgação de Informações tem como objetivo geral estabelecer o dever da Companhia em divulgar, de forma

Leia mais

PROJETO DE LEI N., DE DE FEVEREIRO DE 2007. (Do Senhor Dep. Paulo Bornhausen) CAPÍTULO I DOS PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS

PROJETO DE LEI N., DE DE FEVEREIRO DE 2007. (Do Senhor Dep. Paulo Bornhausen) CAPÍTULO I DOS PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS PROJETO DE LEI N., DE DE FEVEREIRO DE 2007. (Do Senhor Dep. Paulo Bornhausen) Dispõe sobre a organização e exploração das atividades de comunicação social eletrônica e dá outras providências. CAPÍTULO

Leia mais

A CÂMARA MUNICIPAL DE CAMPOS DOS GOYTACAZES DECRETA E EU SANCIONO A SEGUINTE LEI:

A CÂMARA MUNICIPAL DE CAMPOS DOS GOYTACAZES DECRETA E EU SANCIONO A SEGUINTE LEI: Lei nº 7.084, de 02 de julho de 2001. Cria o Fundo de Desenvolvimento de Campos dos Goytacazes - FUNDECAM e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE CAMPOS DOS GOYTACAZES DECRETA E EU SANCIONO A SEGUINTE

Leia mais

VIX LOGÍSTICA S.A. CNPJ/MF nº 32.681.371/0001-72 NIRE: 32.300.029.612 (Companhia Aberta de Capital Autorizado)

VIX LOGÍSTICA S.A. CNPJ/MF nº 32.681.371/0001-72 NIRE: 32.300.029.612 (Companhia Aberta de Capital Autorizado) POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DA VIX LOGÍSTICA S.A. 1. OBJETIVOS E ABRANGÊNCIA 1.1. O objetivo da presente Política de Negociação é esclarecer as regras que deverão ser observadas pelos

Leia mais

Disciplina: Geografia 9º ano Turma: Professora: Renata Sampaio Ficha: 02 Bimestre: 3º

Disciplina: Geografia 9º ano Turma: Professora: Renata Sampaio Ficha: 02 Bimestre: 3º Disciplina: Geografia 9º ano Turma: Professora: Renata Sampaio Ficha: 02 Bimestre: 3º Apresentação: Esta ficha atende a dois objetivos principais: 1. Oferecer os conteúdos básicos a respeito dos objetivos

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 468/XI/2ª CRIA A REDE NACIONAL DE BIBLIOTECAS PÚBLICAS

PROJECTO DE LEI N.º 468/XI/2ª CRIA A REDE NACIONAL DE BIBLIOTECAS PÚBLICAS Grupo Parlamentar PROJECTO DE LEI N.º 468/XI/2ª CRIA A REDE NACIONAL DE BIBLIOTECAS PÚBLICAS Exposição de motivos A importância das Bibliotecas Públicas As Bibliotecas Públicas são um serviço público essencial

Leia mais

Relatório Final da Subcomissão Especial de Rádio Digital destinada a estudar e avaliar o modelo de rádio digital a ser adotado no Brasil.

Relatório Final da Subcomissão Especial de Rádio Digital destinada a estudar e avaliar o modelo de rádio digital a ser adotado no Brasil. COMISSÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA Relatório Final da Subcomissão Especial de Rádio Digital destinada a estudar e avaliar o modelo de rádio digital a ser adotado no Brasil. Presidente:

Leia mais

Manual de Estágio Supervisionado

Manual de Estágio Supervisionado NEP Manual de Estágio Supervisionado Sumário Apresentação.................................................................... 3 Considerações Iniciais............................................................

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 2.095, DE 2015 (Do Sr. Luciano Ducci)

PROJETO DE LEI N.º 2.095, DE 2015 (Do Sr. Luciano Ducci) *C0054470A* C0054470A CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 2.095, DE 2015 (Do Sr. Luciano Ducci) Altera a Lei nº 12.485, de 12 de setembro de 2011, para estabelecer regras sobre portabilidade e fidelização

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS. RESOLUÇÃO CNSP N o 118, DE 2004.

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS. RESOLUÇÃO CNSP N o 118, DE 2004. MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS RESOLUÇÃO CNSP N o 118, DE 2004. Dispõe sobre a prestação de serviços de auditoria independente para as sociedades seguradoras, de capitalização

Leia mais

POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE ATO OU FATO RELEVANTE DA TARPON INVESTIMENTOS S.A.

POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE ATO OU FATO RELEVANTE DA TARPON INVESTIMENTOS S.A. POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE ATO OU FATO RELEVANTE DA TARPON INVESTIMENTOS S.A. I - DEFINIÇÕES E ADESÃO 1. As definições utilizadas na presente Política de Divulgação têm os significados que lhes são atribuídos

Leia mais

Apresentação. Após a leitura, o colaborador deve atestar que se compromete a respeitar os padrões estabelecidos nesse documento.

Apresentação. Após a leitura, o colaborador deve atestar que se compromete a respeitar os padrões estabelecidos nesse documento. CÓDIGO DE ÉTICA 1 2 3 Apresentação Apresentamos a todos o Código de Ética do Banco A.J Renner S.A. Este código contém as orientações que devem ser seguidas individual e coletivamente na busca pela excelência

Leia mais

PROJETO DE RESOLUÇÃO Nº.../2010

PROJETO DE RESOLUÇÃO Nº.../2010 PROJETO DE RESOLUÇÃO Nº.../2010 Revoga a Resolução Legislativa 02/2001 e disciplina a administração o e o funcionamento da TV Câmara Santa Maria. Art. 1º - Esta resolução disciplina os objetivos, os princípios,

Leia mais

Lei 12.485/2011. SeAC Serviço de Acesso condicionado. Lei da TV Paga

Lei 12.485/2011. SeAC Serviço de Acesso condicionado. Lei da TV Paga Lei 12.485/2011 SeAC Serviço de Acesso condicionado Lei da TV Paga Segundo a Anatel, o serviço de TV por assinatura atende aproximadamente 54,2 milhões de lares brasileiros e 27,9% das residências do país.

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DA TELEVISÃO DIGITAL NO BRASIL

IMPLANTAÇÃO DA TELEVISÃO DIGITAL NO BRASIL IMPLANTAÇÃO DA TELEVISÃO DIGITAL NO BRASIL Walkyria M. Leitão Tavares Consultora Legislativa da Área XIV Comunicação Social, Telecomunicações, Sistema Postal, Ciência e Tecnologia ESTUDO SETEMBRO/2001

Leia mais

REGULAMENTO 1º PRÊMIO CORREIOS DE JORNALISMO

REGULAMENTO 1º PRÊMIO CORREIOS DE JORNALISMO REGULAMENTO 1º PRÊMIO CORREIOS DE JORNALISMO 1. OBJETIVO O 1º Prêmio Correios de Jornalismo visa reconhecer e estimular a publicação, pela imprensa brasileira, de reportagens que contribuam para a informação

Leia mais

Ações do Ministério das Comunicações

Ações do Ministério das Comunicações Ações do Ministério das Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática Brasília, março de 2012. Crescimento do setor alguns destaques Serviço Número de Acessos Taxa de Crescimento

Leia mais

Regulamento: Mostra Competitiva e Não Competitiva de Curtas-Metragens

Regulamento: Mostra Competitiva e Não Competitiva de Curtas-Metragens Regulamento: Mostra Competitiva e Não Competitiva de Curtas-Metragens 1. Promoção: O 3º Festival de Cinema de Três Passos / 2016 Semeando Cultura - é promovido pelo Movimento Pró-Arte de Três Passos. 2.

Leia mais

Prêmio ESET de Jornalismo em Segurança da Informação 2015. - Regulamento Bases e Condições -

Prêmio ESET de Jornalismo em Segurança da Informação 2015. - Regulamento Bases e Condições - Prêmio ESET de Jornalismo em Segurança da Informação 2015 - Regulamento Bases e Condições - O Prêmio ESET de Jornalismo em Segurança da Informação 2015 (daqui em diante: CJSI) é uma iniciativa única, desenvolvida

Leia mais

Jornal oficial no. L 024 de 30/01/1998 P. 0001-0008

Jornal oficial no. L 024 de 30/01/1998 P. 0001-0008 Jornal oficial no. L 024 de 30/01/1998 P. 0001-0008 DIRECTIVA 97/66/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 15 de Dezembro de 1997 relativa ao tratamento de dados pessoais e à protecção da privacidade

Leia mais

Termos de Uso. 1. Escopo

Termos de Uso. 1. Escopo Termos de Uso 1. Escopo 1.1 A utilização da página de Internet disponibilizada pela Siemens Aktiengesellschaft e / ou suas subsidiárias ("Siemens"), " Web Site da Siemens ", está sujeita a estas Condições

Leia mais

CARTA ABERTA SOBRE O RÁDIO DIGITAL

CARTA ABERTA SOBRE O RÁDIO DIGITAL CARTA ABERTA SOBRE O RÁDIO DIGITAL No último dia 30 de março o Ministério das Comunicações publicou a Portaria n. 290, instituindo o Sistema Brasileiro de Rádio Digital (SBRD), estabelecendo os objetivos

Leia mais

TERMOS DO PROGRAMA DE LICENÇA DE ENTIDADE GOVERNAMENTAL ("GOVERMENT ENTITIY LICENSCE PROGRAM")

TERMOS DO PROGRAMA DE LICENÇA DE ENTIDADE GOVERNAMENTAL (GOVERMENT ENTITIY LICENSCE PROGRAM) TERMOS DO PROGRAMA DE LICENÇA DE ENTIDADE GOVERNAMENTAL (última revisão em 25 de agosto de 2014) TERMOS DO PROGRAMA DE LICENÇA DE ENTIDADE GOVERNAMENTAL ("GOVERMENT ENTITIY LICENSCE PROGRAM") Acesso simples

Leia mais

C Â M A R A D O S D E P U T A D O S

C Â M A R A D O S D E P U T A D O S REDAÇÃO FINAL MEDIDA PROVISÓRIA Nº 518-A DE 2010 PROJETO DE LEI DE CONVERSÃO Nº 12 DE 2011 Disciplina a formação e consulta a bancos de dados com informações de adimplemento, de pessoas naturais ou de

Leia mais

Mídia e Comunicação Cenário e desafios para a democracia e a liberdade de expressão. Veridiana Alimonti, advogada do Idec e integrante do Intervozes

Mídia e Comunicação Cenário e desafios para a democracia e a liberdade de expressão. Veridiana Alimonti, advogada do Idec e integrante do Intervozes Mídia e Comunicação Cenário e desafios para a democracia e a liberdade de expressão Veridiana Alimonti, advogada do Idec e integrante do Intervozes Marco internacional (I) DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS

Leia mais

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE EMISSORAS DE RÁDIO E TELEVISÃO ABERT

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE EMISSORAS DE RÁDIO E TELEVISÃO ABERT Brasília - DF, 31 de julho de 2013. Ofício/Nº 31/2013 Excelentíssimo Senhor PAULO BERNARDO D.D. Ministro de Estado das Comunicações Esplanada dos Ministérios, Bloco R Excelentíssimo Senhor Ministro, A

Leia mais

PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO N.º 1.420, DE 2013 (Do Sr. Valtenir Pereira)

PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO N.º 1.420, DE 2013 (Do Sr. Valtenir Pereira) CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO N.º 1.420, DE 2013 (Do Sr. Valtenir Pereira) Susta a aplicação do art. 8º e seu parágrafo único da Resolução Normativa nº 581, da Agência Nacional de

Leia mais

Ass.: Programa BNDES para o Desenvolvimento da Indústria Nacional de Software e Serviços de Tecnologia da Informação BNDES Prosoft - Comercialização

Ass.: Programa BNDES para o Desenvolvimento da Indústria Nacional de Software e Serviços de Tecnologia da Informação BNDES Prosoft - Comercialização Classificação: Documento Ostensivo Unidade Gestora: AOI CIRCULAR Nº 40/2013-BNDES Rio de Janeiro, 06 de dezembro de 2013. Ref.: Produto BNDES Automático Ass.: Programa BNDES para o Desenvolvimento da Indústria

Leia mais

COMISSÃO DE FINANÇAS E TRIBUTAÇÃO

COMISSÃO DE FINANÇAS E TRIBUTAÇÃO COMISSÃO DE FINANÇAS E TRIBUTAÇÃO PROJETO DE LEI nº 4.804-B, de 2001 (Apensos Projetos de Lei nºs 7.277, de 2002; 1.156, de 2003; 1.784, de 2003; 4.347, de 2004; 3.632, de 2008; e 6.249, de 2009) Dispõe

Leia mais

EDITAL Nº 001, 10 de abril de 2013.

EDITAL Nº 001, 10 de abril de 2013. EDITAL Nº 001, 10 de abril de 2013. PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO PARA CONTRATAÇÃO DE PROFESSORES DOCENTES I E PROFESSORES DOCENTES II QUE IRÃO DESENVOLVER ATIVIDADES JUNTO A REDE DE ENSINO DESTA DO MUNICÍPIO

Leia mais

DURATEX S.A. CNPJ. 97.837.181/0001-47 Companhia Aberta NIRE 35300154410

DURATEX S.A. CNPJ. 97.837.181/0001-47 Companhia Aberta NIRE 35300154410 DURATEX S.A. CNPJ. 97.837.181/0001-47 Companhia Aberta NIRE 35300154410 POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS (aprovada na RCA de 12.08.2009 e alterada nas RCA s de 14.06.2010, 04.11.2011 e 22.04.2014)

Leia mais

CNPJ/MF 92.692.979/0001-24. por conta e ordem do BANCO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL S/A - BANRISUL CNPJ/MF 92.702.067.0001/96

CNPJ/MF 92.692.979/0001-24. por conta e ordem do BANCO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL S/A - BANRISUL CNPJ/MF 92.702.067.0001/96 Edital de Oferta Pública para aquisição de ações ordinárias para cancelamento de registro de Companhia Aberta de BANRISUL S/A ADMINISTRADORA DE CONSÓRCIOS CNPJ/MF 92.692.979/0001-24 por conta e ordem do

Leia mais

Manual de Conduta INTRADER DTVM LTDA. MANUAL DE CONDUTA E MELHORES PRÁTICAS

Manual de Conduta INTRADER DTVM LTDA. MANUAL DE CONDUTA E MELHORES PRÁTICAS INTRADER DTVM LTDA. MANUAL DE CONDUTA E MELHORES PRÁTICAS VERSÃO 2012 ÍNDICE 1. Introdução 2. Das Obrigações dos Agentes Autônomos 3. Das Vedações 4. Do Termo de Recebimento, Ciência e Aceitação 1. Introdução

Leia mais

ESPAÇO CULTURAL BRDE SANTA CATARINA Espaço Cultural Governador Celso Ramos REGULAMENTO PARA REALIZAÇÃO DE EXPOSIÇÕES DE ARTES VISUAIS.

ESPAÇO CULTURAL BRDE SANTA CATARINA Espaço Cultural Governador Celso Ramos REGULAMENTO PARA REALIZAÇÃO DE EXPOSIÇÕES DE ARTES VISUAIS. ESPAÇO CULTURAL BRDE SANTA CATARINA Espaço Cultural Governador Celso Ramos REGULAMENTO PARA REALIZAÇÃO DE EXPOSIÇÕES DE ARTES VISUAIS Calendário 2010 1. OBJETO O presente Regulamento estabelece normas

Leia mais

ATO DE CONFORMIDADE FISCAL DE CONTAS ESTRANGEIRAS (FATCA)

ATO DE CONFORMIDADE FISCAL DE CONTAS ESTRANGEIRAS (FATCA) ATO DE CONFORMIDADE FISCAL DE CONTAS ESTRANGEIRAS (FATCA) ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA Declaração de Entidade Não Financeira Ativa Uso exclusivo do banco Cliente: CNPJ: Endereço do Cliente: Pela presente,

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DOS CURSOS DO CEFET-SP

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DOS CURSOS DO CEFET-SP REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DOS CURSOS DO CEFET-SP Capítulo I DA NATUREZA E SUAS FINALIDADES Art. 1º O estágio baseia-se na Lei nº. 11.788, sancionada em 25 de setembro de 2008. Parágrafo

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO CÂMARA MUNICIPAL DE CUIABÁ

ESTADO DE MATO GROSSO CÂMARA MUNICIPAL DE CUIABÁ INSTRUÇÃO NORMATIVA SC Nº. 001/2011 DISPÕE SOBRE OS PROCEDIMENTOS E EXECUÇÃO DAS ATIVIDADES DE COMUNICAÇÃO DA CÂMARA MUNICIPAL DE CUIABÁ. Versão: 01 Aprovação: 26/09/2011 Ato de aprovação: 26/09/2011 Unidade

Leia mais

DAVI BARRETO E FERNANDO GRAEFF

DAVI BARRETO E FERNANDO GRAEFF OS TRECHOS EM FONTE NA COR VERMELHA SÃO AS NOVIDADES ACRESCENTADAS PELO AUTOR. CAPÍTULO 2 2.1. QUANDO A AUDITORIA INDEPENDENTE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS É NECESSÁRIA? Vimos que a auditoria tornou se

Leia mais

ACORDO DE CO-PRODUÇÃO AUDIOVISUAL ENTRE O GOVERNO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E O GOVERNO DO CANADÁ

ACORDO DE CO-PRODUÇÃO AUDIOVISUAL ENTRE O GOVERNO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E O GOVERNO DO CANADÁ CANADÁ / CANADA Acordo de Co-Produção Brasil - Canadá - 27/01/1995 Decreto Nº 2.976 de 01/03/1999 Audiovisual Co-Production Agreement (English) Accord de Coproduction Audiovisuelle (Français) Arquivos

Leia mais

A nova distribuição do audiovisual no Brasil. Ara Apkar Minassian Superintendente de Serviços de Comunicação de Massa

A nova distribuição do audiovisual no Brasil. Ara Apkar Minassian Superintendente de Serviços de Comunicação de Massa A nova distribuição do audiovisual no Brasil Ara Apkar Minassian Superintendente de Serviços de Comunicação de Massa São Paulo, 8 de novembro de 2011 Dados do Setor Base de Assinantes 2011 2010 2008 22%

Leia mais

CONVENÇÃO COMPLEMENTAR À CONVENÇÃO DE PARIS DE 29 DE JULHO DE 1960 SOBRE A RESPONSABILIDADE CIVIL NO DOMÍNIO DA ENERGIA NUCLEAR.

CONVENÇÃO COMPLEMENTAR À CONVENÇÃO DE PARIS DE 29 DE JULHO DE 1960 SOBRE A RESPONSABILIDADE CIVIL NO DOMÍNIO DA ENERGIA NUCLEAR. Decreto do Governo n.º 24/84 Convenção de 31 de Janeiro de 1963 Complementar da Convenção de Paris de 29 de Julho de 1960 sobre Responsabilidade Civil no Domínio da Energia Nuclear O Governo decreta, nos

Leia mais

A QUESTÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS NA ALEMANHA, NA FRANÇA, NA ESPANHA E NO CANADÁ

A QUESTÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS NA ALEMANHA, NA FRANÇA, NA ESPANHA E NO CANADÁ A QUESTÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS NA ALEMANHA, NA FRANÇA, NA ESPANHA E NO CANADÁ Ilídia da A. G. Martins Juras Consultora Legislativa da Área XI Meio Ambiente e Direito Ambiental, Organização Territorial,

Leia mais

PRÊMIO TUBAL SIQUEIRA 2014 REGULAMENTO AGÊNCIAS

PRÊMIO TUBAL SIQUEIRA 2014 REGULAMENTO AGÊNCIAS PRÊMIO TUBAL SIQUEIRA 2014 REGULAMENTO AGÊNCIAS 1) PARTICIPAÇÃO 1.1. Poderão participar do Prêmio Tubal Siqueira todas as agências de publicidade da área de cobertura da TV Integração. 1.2. As agências

Leia mais

O Processo de Licenciamento junto à Anatel

O Processo de Licenciamento junto à Anatel O Processo de Licenciamento junto à Anatel Bernardo Lopes C. da Costa, M.Sc. Coordenação de Outorga e Recursos à Prestação no Paraná GR03OR Gerência Regional nos Estados do Paraná e Santa Catarina GR03

Leia mais

Artigo 1.º. Âmbito e objeto

Artigo 1.º. Âmbito e objeto PROJETO DE REGULAMENTO DO CONCURSO PÚBLICO PARA A SELEÇÃO DE INFRAESTRUTURAS DE INVESTIGAÇÃO E SUA INTEGRAÇÃO NO ROTEIRO NACIONAL DE INFRAESTRUTURAS DE INVESTIGAÇÃO DE INTERESSE ESTRATÉGICO Artigo 1.º

Leia mais

10º PRÊMIO IMPRENSA DE EDUCAÇÃO AO INVESTIDOR

10º PRÊMIO IMPRENSA DE EDUCAÇÃO AO INVESTIDOR 10º PRÊMIO IMPRENSA DE EDUCAÇÃO AO INVESTIDOR R E G U L A M E N T O 1. O PRÊMIO IMPRENSA DE EDUCAÇÃO AO INVESTIDOR 1.1. O PRÊMIO IMPRENSA DE EDUCAÇÃO AO INVESTIDOR é uma iniciativa do Comitê Consultivo

Leia mais

JUSTIFICATIVAS PARA O PROJETO DE LEI SOBRE O FUNDO NACIONAL DE CULTURA

JUSTIFICATIVAS PARA O PROJETO DE LEI SOBRE O FUNDO NACIONAL DE CULTURA 1 JUSTIFICATIVAS PARA O PROJETO DE LEI SOBRE O FUNDO NACIONAL DE CULTURA É consenso universal: as artes e a cultura são direitos e necessidades fundamentais do ser humano. É através do imaginário e dos

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES. Laboratório de Desenvolvimento, Sustentabilidade e. Clique para editar o cargo do autor

CONTRIBUIÇÕES. Laboratório de Desenvolvimento, Sustentabilidade e. Clique para editar o cargo do autor CONTRIBUIÇÕES Laboratório de Desenvolvimento, Sustentabilidade e Clique para editar Inovação o nome do Setorial autor Clique para editar o cargo do autor Clique Rio de para Janeiro, editar 13/06/2016 local

Leia mais

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA I Prestação de Serviço de Assessoria de Comunicação

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA I Prestação de Serviço de Assessoria de Comunicação ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA I Prestação de Serviço de Assessoria de Comunicação 1. DA JUSTIFICATIVA O Conselho de Arquitetura e Urbanismo de Santa Catarina CAU/SC, por sua criação recente e característica

Leia mais

O que é o FGTS? Quem tem direito ao FGTS? Qual o valor do depósito?

O que é o FGTS? Quem tem direito ao FGTS? Qual o valor do depósito? O que é o FGTS? O FGTS - Fundo de Garantia do Tempo de Serviço - é um fundo composto por depósitos bancários em dinheiro, compulsório, vinculado, realizado pelo empregador em favor do trabalhador, visando

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE INSTITUTO METRÓPOLE DIGITAL INOVA METRÓPOLE EDITAL DE PRÉ-INCUBAÇÃO Nº 02/2015 INOVA METRÓPOLE

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE INSTITUTO METRÓPOLE DIGITAL INOVA METRÓPOLE EDITAL DE PRÉ-INCUBAÇÃO Nº 02/2015 INOVA METRÓPOLE EDITAL DE PRÉ-INCUBAÇÃO Nº 02/2015 A Inova Metrópole, incubadora de empresas do Instituto Metrópole Digital (IMD) da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), torna pública a abertura de processo

Leia mais

Inovação e Empreendedorismo na Economia Criativa

Inovação e Empreendedorismo na Economia Criativa Instituto de Economia - UFRJ Inovação e Empreendedorismo na Economia Criativa Ary V. Barradas Email: ary@ie.ufrj.br Empreendedorismo o empreendedor é aquele que destrói a ordem econômica existente pela

Leia mais

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO A OLIVEIRA FRANCO SOCIEDADE CORRETORA DE VALORES E CÂMBIO LTDA, em atenção ao quanto disposto na Instrução CVM n. 505, de 27/09/2011, define por este documento, suas regras e parâmetros relativos ao recebimento,

Leia mais

JHSF PARTICIPAÇÕES S.A. COMPANHIA ABERTA CNPJ/MF Nº. 08.294.224/0001-65 - NIRE Nº. 35.300.333.578

JHSF PARTICIPAÇÕES S.A. COMPANHIA ABERTA CNPJ/MF Nº. 08.294.224/0001-65 - NIRE Nº. 35.300.333.578 JHSF PARTICIPAÇÕES S.A. COMPANHIA ABERTA CNPJ/MF Nº. 08.294.224/0001-65 - NIRE Nº. 35.300.333.578 CÓDIGO DE ÉTICA Escopo Este Código de Ética ( Código ) reúne as principais normas de conduta que devem

Leia mais

Empreenda! 9ª Edição Roteiro de Apoio ao Plano de Negócios. Preparamos este roteiro para ajudá-lo (a) a desenvolver o seu Plano de Negócios.

Empreenda! 9ª Edição Roteiro de Apoio ao Plano de Negócios. Preparamos este roteiro para ajudá-lo (a) a desenvolver o seu Plano de Negócios. Empreenda! 9ª Edição Roteiro de Apoio ao Plano de Negócios Caro (a) aluno (a), Preparamos este roteiro para ajudá-lo (a) a desenvolver o seu Plano de Negócios. O Plano de Negócios deverá ter no máximo

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 1.061, DE 10 DE NOVEMBRO DE 2009

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 1.061, DE 10 DE NOVEMBRO DE 2009 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 1.061, DE 10 DE NOVEMBRO DE 2009 Dispõe sobre a instituição do Prêmio Experiências Educacionais Inclusivas - A escola aprendendo com as diferenças,

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. Local de atuação: Local de residência do candidato selecionado, com disponibilidade para viagens em todo o território nacional.

TERMO DE REFERÊNCIA. Local de atuação: Local de residência do candidato selecionado, com disponibilidade para viagens em todo o território nacional. TERMO DE REFERÊNCIA Denominação: Consultor(a) especializado(a) na área de suporte técnico para levantar e sistematizar as informações sobre os investimentos estrangeiros diretos e suas relações com os

Leia mais

Ccent. 36/2015 Waterventures / Oceanário. Decisão de Não Oposição da Autoridade da Concorrência

Ccent. 36/2015 Waterventures / Oceanário. Decisão de Não Oposição da Autoridade da Concorrência Ccent. 36/2015 Waterventures / Oceanário Decisão de Não Oposição da Autoridade da Concorrência [alínea b) do n.º 1 do artigo 50.º da Lei n.º 19/2012, de 8 de maio] 20/08/2015 DECISÃO DE NÃO OPOSIÇÃO DA

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Porto Alegre Brasil University of New South Wales Sydney Austrália Universidade do Povo Macau - China

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Porto Alegre Brasil University of New South Wales Sydney Austrália Universidade do Povo Macau - China 22. CONVENÇÃO SOBRE A LEI APLICÁVEL A RESPONSABILIDADE SOBRE O FATO DO PRODUTO (celebrada em 2 de outubro de 1973) Os Estados signatários da presente Convenção, Desejando estabelecer previsões comuns sobre

Leia mais

Seminário FSA CHAMADAS 2013/14

Seminário FSA CHAMADAS 2013/14 Seminário FSA CHAMADAS 2013/14 REGULAMENTO GERAL DO PRODAV NOÇÕES SOBRE O REGULAMENTO GERAL DO PRODAV O PRODAV é um programa de ação governamental organizado com base nos recursos do Fundo Setorial do

Leia mais

V Prêmio AMRIGS de Jornalismo

V Prêmio AMRIGS de Jornalismo 1. CONSIDERAÇÕES GERAIS 1.1 Conceitos V Prêmio AMRIGS de Jornalismo REGULAMENTO O Prêmio AMRIGS de Jornalismo, quinta edição, é uma iniciativa da Associação Médica do Rio Grande do Sul, com o apoio do

Leia mais

4 Normas e limites de exposição a campos eletromagnéticos

4 Normas e limites de exposição a campos eletromagnéticos 49 4 Normas e limites de a campos eletromagnéticos As normas de internacionais são elaboradas para proteger os vários segmentos da população contra todos os danos identificados causados pela energia de

Leia mais

3. Quais são as modalidades de estágio? Estágio obrigatório e Estágio não obrigatório (art. 2º da Lei 11.788/2008).

3. Quais são as modalidades de estágio? Estágio obrigatório e Estágio não obrigatório (art. 2º da Lei 11.788/2008). 1. O que é o estágio? Estágio é o ato educativo escolar supervisionado, desenvolvido no ambiente de trabalho, que visa à preparação para o trabalho produtivo de estudantes. O estágio integra o itinerário

Leia mais

A Sustentabilidade e a Inovação na formação dos Engenheiros Brasileiros. Prof.Dr. Marco Antônio Dias CEETEPS

A Sustentabilidade e a Inovação na formação dos Engenheiros Brasileiros. Prof.Dr. Marco Antônio Dias CEETEPS A Sustentabilidade e a Inovação na formação dos Engenheiros Brasileiros Prof.Dr. Marco Antônio Dias CEETEPS O PAPEL DA FORMAÇÃO ACADÊMICA Segundo diversos autores que dominam e escrevem a respeito do tema,

Leia mais

LEIA AS INFORMAÇÕES E O TERMO DE USO ABAIXO COM ATENÇÃO. AO CLICAR NO BOTÃO "CONCORDO" VOCÊ, ESTARÁ ADERINDO INTEGRALMENTE AOS SEUS TERMOS.

LEIA AS INFORMAÇÕES E O TERMO DE USO ABAIXO COM ATENÇÃO. AO CLICAR NO BOTÃO CONCORDO VOCÊ, ESTARÁ ADERINDO INTEGRALMENTE AOS SEUS TERMOS. TERMOS E CONDIÇÕES DE USO APLICATIVO OMNI CARTÕES LEIA AS INFORMAÇÕES E O TERMO DE USO ABAIXO COM ATENÇÃO. AO CLICAR NO BOTÃO "CONCORDO" VOCÊ, ESTARÁ ADERINDO INTEGRALMENTE AOS SEUS TERMOS. A OMNI CARTÕES

Leia mais

Fondo Europeo de Desarrollo Regional

Fondo Europeo de Desarrollo Regional Anúncio da Autoridade de Gestão (Vice-secretaria da Economia e Assuntos Económicos com a União Europeia do Governo das Canárias), pelo qual se dá publicidade à primeira convocatória do Programa Operacional

Leia mais

Colaborador: Myller Kairo Coelho de Mesquita. Data: 28/04/2012. Compartilhamento de infraestrutura de transporte de gás natural

Colaborador: Myller Kairo Coelho de Mesquita. Data: 28/04/2012. Compartilhamento de infraestrutura de transporte de gás natural Colaborador: Myller Kairo Coelho de Mesquita. Data: 28/04/2012 Compartilhamento de infraestrutura de transporte de gás natural Gás natural: todo hidrocarboneto que permaneça em estado gasoso nas condições

Leia mais

EDITAL DE CREDENCIAMENTO 005/2014

EDITAL DE CREDENCIAMENTO 005/2014 EDITAL DE CREDENCIAMENTO 005/2014 AUTARQUIA MUNICIPAL DE TURISMO - GRAMADOTUR, pessoa jurídica de direito público interno, com sede com sede na Av. Borges de Medeiros, nº 4.111, inscrita no CNPJ/MF sob

Leia mais

MANUAL PARA REGISTRO DE CERTIFICADO DE DEPÓSITO DE VALORES MOBILIÁRIOS - BDR NÍVEL I NÃO PATROCINADO

MANUAL PARA REGISTRO DE CERTIFICADO DE DEPÓSITO DE VALORES MOBILIÁRIOS - BDR NÍVEL I NÃO PATROCINADO MANUAL PARA REGISTRO DE CERTIFICADO DE DEPÓSITO DE VALORES MOBILIÁRIOS - BDR NÍVEL I NÃO PATROCINADO Artigo 1º. Para registro do Certificado de Depósito de Valores Mobiliários - BDR Nível I Não Patrocinado

Leia mais

Prefeitura Municipal de Campinas

Prefeitura Municipal de Campinas Prefeitura Municipal de Campinas Criada pelo Decreto Municipal nº 17.301 de 29 de março de 2011 Estrutura: Coordenadoria Setorial Administrativo e de Expediente Departamento de Controle Preventivo Coordenadoria

Leia mais