=)5.KA:.+5MLN&OHJ5F&4E)2*EOHJ&)(IHJ/)G.- D - ;./);.& A FORMAÇÃO DOS ENGENHEIROS E ADMINISTRADORES DA" name="description"> =)5.KA:.+5MLN&OHJ5F&4E)2*EOHJ&)(IHJ/)G.- D - ;./);.& A FORMAÇÃO DOS ENGENHEIROS E ADMINISTRADORES DA">

A FORMAÇÃO DOS ENGENHEIROS E ADMINISTRADORES DA GRANDE FLORIANÓPOLIS DIRIGIDA A PRÁTICA DA GESTÃO PARTICIPATIVA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A FORMAÇÃO DOS ENGENHEIROS E ADMINISTRADORES DA GRANDE FLORIANÓPOLIS DIRIGIDA A PRÁTICA DA GESTÃO PARTICIPATIVA"

Transcrição

1 ! "#$ " %'&)(*&)+,.- C)D 5.,.5FE)5.G.+ &4- (IHJ&?,.+ /?<>=)5.KA:.+5MLN&OHJ5F&4E)2*EOHJ&)(IHJ/)G.- D - ;./);.& A FORMAÇÃO DOS ENGENHEIROS E ADMINISTRADORES DA GRANDE FLORIANÓPOLIS DIRIGIDA A PRÁTICA DA GESTÃO PARTICIPATIVA José Luiz Fonseca da Silva Filho (UDESC) Rarietty Marques Vieira (UDESC) O presente artigo tem como objetivos, conhecer e analisar a base de formação dos engenheiros e dos administradores, formados pelas Universidades e IES públicas e privadas da Grande Florianópolis, com relação a sua capacitação quanto ao deseenvolvimento de suas atividades profissionais, no gerenciamento de processos decisórios envolvendo a participação dos trabalhadores, visando a discussão do tema gestão participativa nas Universidades. Sendo assim seu desenvolvimento deu-se com base numa pesquisa feita junto aos coordenadores dos cursos de administração e engenharia, onde foi procurado conhecer e avaliar o ensino da gestão participativa nestes cursos, bem como a efetiva utilização dos conceitos da gestão participativa na administração da universidade. Foram observadas diferenças entre os cursos analisados, e ainda entre a condição públicas ou privadas. Como regra gera, frente ao que pesquisado, pode ser afirmado, que foi percebido uma grande despreocupação com a gestão participativa, no presente e para o futuro, do ensino deste tema, quer como disciplina específica ou ainda como conteúdo de alguma outra disciplina. Palavras-chaves: Formação, gestão, participativa

2 1. INTRODUÇÃO O grande movimento do mercado e a globalização têm levado as empresas a buscarem saídas eficientes e efetivas para o aumento da sua competitividade. Em paralelo a isto observa - se o crescente aumento de gestores sendo formados em um grande número de cursos de administração e engenharia, que estão em operação na região da grande Florianópolis. Os processos participativos têm sido indicados como um caminho bastante promissor a ser seguido para a gestão das organizações que desejam manter-se e ganhar mercado. Estão ocorrendo muitos estudos importantes que reforçam esta teoria. Para McLagan e Nel (2000, p.235) é difícil ficar contra a participação. É um exercício de autoridade socialmente aceitável. Ele é moral, encaixa-se na tendência democrática dominante hoje em dia, e as pesquisas mostram que ele pode dar certo. Mas apesar de essa prática fazer sentido, poucas organizações operam de forma participativa. Com isto surge então uma preocupação quanto à formação dos acadêmicos de administração e engenharia, afinal estes serão, no futuro, em grande parte, gestores de empresas e por isso devem atender as necessidades e expectativas da sociedade. Por isto é esperado que tenham uma formação acadêmica que possibilite a construção de sistemas que lhes ajudem a obter as melhores decisões. Esta pesquisa objetivou, através de analise curricular e entrevistas com coordenadores dos cursos de engenharia e administração da Grande Florianópolis, conhecer como estes futuros profissionais da área de gestão estão sendo preparados na ótica da gestão participativa. Foi desenvolvida em seis etapas: 1 - levantamento bibliográfico para conhecimento do estado da arte na área da participação; 2 - estudo da gestão participativa com base na bibliografia identificada; 3 - levantamento dos cursos de graduação em Engenharia e Administração da Grande Florianópolis; 4 - análise das grades curriculares; 5 - entrevistas com os coordenadores de curso; 6 - a análise dos dados levantados. Na execução da pesquisa objetivou-se também fomentar a discussão sobre o tema gestão participativa nas universidades pesquisadas. 2. METODOLOGIA Foi utilizado o método estudo de caso. De acordo com Fachin (1993, p.48) este método é caracterizado por ser um estudo intensivo. É levada em consideração, principalmente, a compreensão, como um todo, do assunto investigado (...) Sua principal função é a explicação sistemática das coisas (fatos) que ocorrem no contexto social, que geralmente se relacionam com uma multiplicidade de varáveis. Andrade (1994, p.97) afirma que a pesquisa cientifica pode ser classificada de acordo com vários fatores como: à natureza, aos objetivos, aos procedimentos e ao objeto. Dessa forma esta pesquisa pode ser classificada quanto aos seus objetivos como exploratória descritiva sendo que pretende analisar os dados encontrados a partir de um estudo bibliográfico do assunto. Quanto aos procedimentos e ao objeto esta pode ser classificada como bibliográfica e de campo. Sendo que primeiramente realizou-se uma pesquisa bibliográfica sobre a gestão 2

3 participativa, para Fachin (1993, p.102) a pesquisa bibliográfica é a base para as demais pesquisas e determina que a pesquisa bibliográfica compreende a consulta a livros e periódicos. Os periódicos servem como meio de atualização uma vez que são publicados mais rapidamente que os livros. Num segundo momento realizou então uma pesquisa de campo que, segundo Andrade (1994, p.99) baseia-se na observação dos fatos tal como ocorrem na realidade. O pesquisador efetua a coleta de dados em campo, isto é, diretamente no local da ocorrência dos fenômenos. Para a coleta de dados são utilizadas técnicas especificas, como a observação direta, os formulários e as entrevistas, visto que os dados para analise foram coletados diretamente com os coordenadores de curso através de entrevistas presenciais que foram gravadas, utilizando-se de um roteiro pré-avaliado pelo coordenador da pesquisa. Esta pesquisa, inicialmente, iria ser realizada com o universo dos coordenadores dos cursos de Engenharia e Administração da Grande Florianópolis. Para Andrade (1994, p.116) o universo de pesquisa é constituído por todos os elementos de uma classe, ou toda a população. População é o conjunto total. A população desta pesquisa totaliza trinta coordenadores. Problemas de contingências fizeram com que o acesso, no momento da realização da pesquisa, ficasse reduzido a vinte e cinco coordenadores, ou seja, 83,33% do conjunto total. 3. GESTÃO PARTICIPATIVA E DECISÃO A gestão participativa pode ser considerada uma opção ou ferramenta de trabalho para o processo de tomada de decisão, onde o gestor valoriza e incentiva a participação dos envolvidos nas decisões administrativas. O site do SEBRAE apresenta que a gestão participativa é um dos campos mais complexos da moderna teoria geral da administração, envolvendo diversos conceitos, técnicas, experiências práticas e um profundo conteúdo filosófico-doutrinário. Para Lerner (1991, P.56), a administração participativa deve ser entendida como o modelo de gestão humanizada que emprega participativamente o trabalho e os talentos humanos e se baseia na eqüitativa convergência de interesses com fornecedores / empregados / clientes. Chiavenato (1994, p.59) afirma que existem algumas bases para a administração participativa, dentre elas esta a visão do negócio que deve ser claramente definida e comunicada, assim como as metas a serem perseguidas de forma a ficar claro os objetivos da organização para todas as pessoas envolvidas, de forma igualitária. O autor afirma que é imprescindível que todas as pessoas tenham exatamente a mesma idéia do que a empresa pretende e de qual a sua missão. Para Chiavenato (1994, p.60) se as pessoas se comportam como donas do negócio ou como parceiras no negócio elas passam a ter também a oportunidade de participar dos ganhos que a nova forma de negócios irá proporcionar. Arellano e Albuquerque no artigo Gestão participativa um estudo de caso, que assinam, a condição básica para ocasionar a internalização dos objetivos do sistema é a auto-realização do indivíduo ao participar na consecução de tais objetivos, pois o indivíduo vê a organização como sua própria criação, participando de suas decisões, de suas recompensas, de modo que a organização se torna parte dele e ele parte dela. Mc Lagan e Nel (2000, p.39) afirmam que: 3

4 Em sistemas autoritários, as pessoas do topo são mais importantes. (...) Nas instituições participativas, (...) aprender e compartilhar conhecimentos são dois valores chaves. As pessoas ensinam umas as outras, e todos são aprendizes. (...) Na organização participativa, o desempenho concentra-se no cliente, na agregação de valor, nos benefícios e na capacidade de satisfazer. (...) As pessoas em todo o sistema são igualmente responsáveis pela sua criação. A gestão participativa, se aplicada corretamente, traz como vantagens para as organizações um maior comprometimento dos seus colaboradores gerando melhoria nos resultados. As pessoas envolvidas percebem melhor a organização, e se vêm dentro da organização como uma parte ativa desta organização e importantes para o processo de decisão. Nestas organizações tem sido percebido um aumento da competitividade no mercado, meta muito buscada atualmente. Pode-se destacar a melhoria nos processos de tomadas de decisão e uma grande diminuição dos erros ocasionando, um aumento na qualidade das decisões e, sobretudo, um aumento da eficiência da empresa, conseqüência também de uma maior motivação e satisfação dos trabalhadores, melhoria no clima organizacional, e distribuição mais justa das responsabilidades e resultados. Desde o inicio do século XX foi consagrado o sistema de gestão que separa, desagrega a pessoas envolvidas com o objetivo de uma organização empresarial. O sistema consagrado mantém dois grupos, um preocupado com o planejamento e coordenação dos trabalhos e um outro grupo devendo apenas executar o estabelecido pelo primeiro. Este sistema de gestão, dominante, chega aos nossos dias ainda com força, possivelmente pela formação autoritária que grande parte das gerências recebem. Assim um grupo participa do trabalho integralmente, decide, manifesta sua inteligência, o outro participa apenas com sua estrutura muscular. Hermanus Meijerink em seu artigo: Sociocracia O Desafio da Participação nas Decisões, destacam a possibilidade do sentimento da perda de poder associado aos processos participativos. A maior parte dos processos de Administração Participativa se limitava ao que pode ser chamada de participação concedida: se abria espaço para opinar, discutir, sugerir e até participar na tomada de decisões, porém não há participação no poder de decisão. É justamente quando buscamos aior comprometimento, co-responsabilidade por resultados por parte de colegas e colaboradores, que a participação na tomada de decisões deve ser para valer, ou seja, deve haver partilha no poder de decisão. Talvez seja esta a razão porque a Gestão Participativa não conseguiu avançar muito no meio empresarial: o receio de ter que entregar o poder de decisão e perder o domínio. Quando os indivíduos despertam para a participação ativa, despertam também para a criatividade e eficiência, pois se sentem mais livres para pensar e tomar decisões. Silva Filho (1995) afirma que os processos participativos se caracterizam como excelentes formas para as práticas administrativas e políticas no estabelecimento de sociedades que tenham preocupações não só baseadas no crescimento material da produção, mas prioritariamente considerando os índices humanos. A tomada de decisão é o cerne da administração e deve ser feita com racionalidade e consciência para o melhor resultado.ao gestor dos dias atuais está sendo exigido que suas decisões contemplem o maior número de variáveis do ambiente em que o caso em decisão está envolvido. Isto está promovendo um crescimento exponencial a este conjunto de variáveis, fazendo com que os gestores tenham que promover ambientes de decisão onde fluam informações construídas pela reunião das pessoas que tenham envolvimento no processo. Está sendo exigido dos gestores que organizem ambientes de gerência onde seja possível a participação dos envolvidos nos processo de decisão, através da manifestação de suas inteligências. São ambientes, onde a construção, a reflexão, a troca e a manifestação devem estar presentes. Para Shimizu (2001, p.21), Uma pessoa física poderia analisar o problema e escolher a melhor alternativa de decisão de modo inteiramente informal. Em uma organização, os problemas são muito mais amplos e complexos, envolvendo riscos e incertezas. Necessitam da opinião e participação de muitas pessoas, em diversos níveis funcionais. O processo de decisão em uma empresa ou 4

5 organização deve ser estruturado de modo formal, detalhado, consistente e transparente. Maximiano (1995, p.90) ressalta que o poder de decisão refere-se à autonomia que o ocupante do cargo tem para programar e definir os procedimentos de seu trabalho e resolver problemas antes de consultar os superiores, ou mesmo independentemente deles. Percebendo a decisão como o foco do trabalho dos gestores e como cada uma delas sempre tem suas características particulares, é fundamental que estes gestores, que sobrevivem dentro do seu ambiente profissional, da qualidade de suas decisões, tenham condições, as mais diversas de prepararem ambientes que construam boas decisões. 4. RESULTADOS Os resultados encontrados nas entrevistas realizadas com vinte e cinco coordenadores de curso de Engenharia (56%) e Administração (44%) da Grande Florianópolis, apresentam diferenças de padrões comportamentais principalmente entre universidade publicas e particulares, cursos de administração e engenharia e ainda de característica pessoal. Como principal resultado obtido, pode se destacar o fato de nenhuma universidade pesquisada apresentar uma disciplina especifica que trate do tema gestão participativa. Outro consenso foi que todos os coordenadores concordam que não há a necessidade de ser criada uma disciplina focada no tema gestão participativa. Muitos dos entrevistados (pouco mais de 50%) acreditam que mesmo com a prática de disciplinas sobre gestão participativa o resultado final, de sua aplicação, dependerá do perfil e das características pessoais dos estudantes. Questionam, em sua maioria, se seria interessante o aprendizado desta forma de gestão, afinal vêem no seu dia a dia que mesmo quando há abertura para processos participativos na tomada de decisão a sua efetividade depende dos envolvidos. A maioria dos coordenadores remeteu para a disciplina sobre empreendedorismo, quando questionados sobre o ensino da gestão participativa nos cursos que coordenam, acreditando que nesta disciplina o conteúdo do tema gestão participativa estaria sendo contemplado. Em cinco destes cursos os coordenadores afirmaram não ter nenhuma disciplina sobre gestão participativa em sua grade e dois, dentre estes coordenadores, afirmaram não haver preocupação quanto a esta questão. Para o ensino da gestão participativa foram citadas ainda outras disciplinas como: gestão de projetos, gestão da produção, teoria geral da administração, tópicos especiais, psicologia organizacional, recursos humanos, etc. Porém o grande enfoque dado por quase todos os coordenadores foi que a gestão participativa tem sido passada para os acadêmicos muito mais no seu dia-a-dia, de acordo com experiências vivenciadas dentro da faculdade e/ou estágios, exemplos dados pelos professores ou ainda observando o trabalho realizado dentro das universidades, ou seja, acreditam, os coordenadores, que o aluno observando o trabalho feito na instituição consegue notar o efeito de um processo participativo de forma mais eficiente do que se esta questão fosse aplicada como conteúdo programático. Nos cursos de engenharia foi observado, provavelmente, devido aos objetivos do curso e a sua extensão curricular, que existem poucas disciplinas ligadas a gestão de pessoas. Quando questionados sobre a existência de uma preocupação na formação de um gestor que pratique os processos participativos nas organizações, os coordenadores em geral afirmaram que este não é um ponto que foi levantado como objetivo dos cursos. Afirmando 5

6 novamente que o método de trabalho de cada gestor vai depender de seu perfil e não especificamente do ensino que este recebeu. Nas entrevistas foi apresentada a possibilidade da participação efetiva dos alunos nas decisões do curso. Transpareceu que os alunos dos cursos das entidades particulares são alunos menos participativos, mas não fica claro que os alunos das públicas sejam efetivamente participativos. O principal motivo apontado para esta falta de envolvimento dos alunos das instituições particulares foi a questão do tempo, pois segundo as coordenadores, estes alunos geralmente já estão inseridos no mercado de trabalho e dessa forma não conseguem se dedicar as questões acadêmicas da melhor forma. Este fato também foi observado em alguns cursos de engenharia, onde os coordenadores entrevistados afirmaram que os alunos não têm um perfil muito participativo, em parte por causa da grande carga horária do curso e principalmente por características pessoais. Já os acadêmicos dos cursos de administração, mesmo alguns de universidades particulares, demonstram maiores interesse em participar do processo de tomada de decisão. Foi perguntado sobre a participação dos professores na tomada de decisão, e foi constatado que os professores têm possibilidades para participar nos processos de tomada de decisão de várias formas, dependendo da universidade, porém a efetivação desta participação varia de acordo com o perfil dos professores podendo se dar de forma mais ou menos intensa. Outro ponto que deve ser destacado é que apesar de, em sua maioria, os coordenadores afirmarem estarem inseridos em um processo participativo muitos deles auferiram este fato ao perfil da direção instalada no momento nos cursos, observou-se ainda que em certas organizações o processo participativo acontece até esbarrar na hierarquia. Os coordenadores foram perguntados sobre a existência de discussões sobre gestão participativa nas universidades pesquisadas e a resposta mostra, claramente, que este tema não tem sido entre os professores e coordenadores. Não houve nenhum registro sobre discussões sobre gestão participativa nas reuniões formais ou fora delas. Mesmo quando relatavam processos de mudança de currículo os coordenadores afirmaram não ter abordado a gestão participativa como preocupação para o desenvolvimento do novo currículo. Quanto ao estimulo a participação os coordenadores procuram, muitas vezes, envolver os alunos e professores, uns de forma mais efetiva como é o caso dos cursos de Engenharia da UFSC. A grande maioria dos coordenadores deixa transparecer que a gestão participativa é uma forma de maximização do potencial das organizações, mas observaram que esta questão ainda é pouco desenvolvida e utilizada na sociedade brasileira e que esta deveria sofrer diversas mudanças para que a participação fosse um processo natural aos indivíduos. Afirmaram ainda que a questão da gestão participativa deve ser mais explorada dentro das universidades, e transparece menos intensa entre os cursos de engenharia, onde dois coordenadores afirmam que esta questão não deve ser uma preocupação dos seus cursos. Houve um coordenador que afirmou não acreditar na gestão participativa como forma de aprimoramento dentro das organizações, observando que esta não consegue se sobrepor a hierarquia impostas pelos cargos. 6

7 Quando abordados sobre o profissional que desejam formar os coordenadores em sua grande maioria demonstraram que as universidades estão procurando formar principalmente profissionais empreendedores, que gerem empregos, mas de certa forma observam que este profissional apesar de sofrer influência em sua vida acadêmica, só agirá desta forma se esta for a sua natureza. E afirmam ainda, que a maioria dos acadêmicos deixam a graduação para o mercado como empregado e não empregador. De acordo com os resultados apresentados é possível perceber que existe uma nuance de preocupação, por parte dos coordenadores de cursos de administração e engenharia da grande Florianópolis, quanto ao ensino da gestão participação. Porém, é possível perceber que esta preocupação acontece informalmente, sem discussão e reflexão. É percebido pela analise das entrevistas que a possibilidade para o desenvolvimento de uma gestão participativa se faz presente, de uma forma ou de outra, em todos os cursos pesquisados. Surge, então, a questão: até que ponto os profissionais e acadêmicos estão esclarecidos quanto às mudanças em uma organização quando busca o caminho da gestão participativa e a importância da sua contribuição em um processo decisório? Alguns coordenadores consideraram a gestão participativa como mais um modismo passageiro da administração, desconsiderando seu histórico e sua importância na gestão das organizações empresariais, ainda que acreditem na sua eficiência. O tópico empreendedorismo, por outro lado, se mostrou como um espaço novo, nas grades curriculares e na articulação dos coordenadores. Este fato pode ser considerado como uma esperança quanto a preocupação com a formação de profissionais geradores de empregos, com perfil criativo, mas fica mais a pergunta: qual a formação gerencial que está sendo dada à estes futuros profissionais no sentido de suas preocupações com a sociedade? Há um ponto preocupante, muito importante e que não se pode deixar de ser observado. Tendo a maioria dos coordenadores entrevistados afirmado que os acadêmicos têm aprendido a gestão participativa na prática, deve-se destacar que esta forma de ensino, sem uma base teórica, foge dos propósitos da Universidade. Deve ser destacado o comentário realizado por um coordenador de curso de engenharia. Segundo este coordenador a gestão participativa, muitas vezes, é utilizada de forma a dificultar os processos, sendo que por demasiadas vezes, decisões corriqueiras, são lançadas para discussão, encontrando um tempo muito longo para o seu fechamento. Geralmente são muitas reuniões, afirma o professor, dispendiosas, maçantes e desmotivantes. É observado também que muitas vezes a gestão participativa é entendida como um simples processo de votação que não agrega valor a tomada de decisão. Talvez o destaque, dentre os resultados obtidos, deva ser dado, em se tratando de coordenadores de cursos de graduação em administração e engenharia, ao fato de, em quase 100% dos participantes, ser mencionado que a introdução de uma disciplina desta natureza não se pode fazer devido a restrição do número total de horas do curso não permitir que questões tão específicas sejam abordadas. 6. CONCLUSÕES 7

8 No que tange ao ensino da gestão participativa aos acadêmicos dos cursos de Administração e Engenharia da Grande Florianópolis pode ser afirmado que este não está ocorrendo e que não é uma preocupação dos coordenadores dos cursos. O que tem acontecido fica restrito a experiências informais no dia a dia dos acadêmicos ou a experiências isoladas de um ou outro professor. A pergunta necessária de ser formalizada frente a este quadro é: será que desta forma os futuros profissionais alcançarão as exigências da sociedade? Uma das grandes barreiras ao ensino da gestão participativa percebida, através dos comentários realizados pelos coordenadores, prende-se ao fato dos cursos terem que ser desenvolvidos dentro de um número máximo de horas. Assim não existe espaço para ser desenvolvida está disciplina. Outra pergunta e que ocorre frente a esta afirmação é: como as instituições de ensino podem realizar mudanças curriculares, a inserção ou não de uma disciplina contemplando o tema gestão participativa, não seria uma questão de análise do perfil profissional que será exigido pela sociedade? Quanto a preocupação demonstrada pelos coordenadores para com a gestão participativa, como disciplina em suas instituições de ensino, podemos afirmar, com o olhar voltado ao material obtido desta pesquisa, que esta se dá informalmente, pois os entrevistados nunca demonstraram ter parado para pensar sobre o assunto em algum outro momento. Apesar do tema ter ganhado espaço nas organizações empresariais, nas dissertações de mestrado e teses de doutorado e na literatura, ainda não se tornou corrente nas instituições analisadas. Três coordenadores demonstraram receio na perda de poder. Falam sobre desprendimento do poder, mas não registram a possibilidade do aumento da qualidade dos processos decisórios. Lembram, em grande número, que os processos poderiam se tornar mais demorados e que poderia também ocorrer a perda do controle da situação, que poderia se tornar, segundo alguns coordenadores, uma bagunça. A sociedade, de uma maneira geral, sempre teve sua base de decisões mais participativa que a sua parcela organizações empresariais. Estas organizações empresariais têm, ao longo dos tempos, muitas vezes, procurado soluções que qualifiquem suas decisões e estas sempre passam por movimentos de administração, que envolvem o aumento do grupo de decisão, embora nem sempre fiquem constituídos os conceitos participativos. O que é esperado é que as instituições de ensino superior, especialmente as de administração e de engenharia, ofereçam a sociedade, profissionais preparados para trabalharem em seu tempo. Durante as entrevistas diversos coordenadores destacaram que somente o fato do desenvolvimento desta pesquisa fizeram o olhar para esta questão de uma forma que não haviam pensando antes. BIBLIOGRAFIA ANDRADE, Maria Margarida de. Introdução a metodologia do trabalho científico: elaboração de trabalhos na graduação. São Paulo: Atlas, p. 8

9 ARELLANO, E. B. ALBUQUERQUE, L. G. Gestão participativa um estudo de caso. Disponível em: e Albuquerque.pdf Acessado em: 12/01/2006. CHIAVENATO, Idalberto. Gerenciando pessoas: o passo decisivo para a administração participativa. 2.ed. São Paulo: Makron Books, c p. FACHIN, Odília. Fundamentos de metodologia. São Paulo: Atlas, p. LERNER, Walter. Organização participativa: como a empresa brasileira pode enfrentar esse desafio. São Paulo: Nobel, p. MACLAGAN, P. NEL, C. A nova era da participação. Rio de Janeiro: Campus, p. MAXIMIANO, Antonio César Amaru. Alem da hierarquia: como implantar estrategias participativas para administrar a empresa enxuta. São Paulo: Atlas, p. MEIJERINK, H. Sociocracia O Desafio da Participação nas Decisões. Disponível em: gos_006.doc Acessado em: 12/06/2006 SHIMIZU, Tamio. Decisão nas organizações: introdução aos problemas de decisão encontrados nas organizações e nos sistemas de apoio a decisão. São Paulo: Atlas, p. SILVA FILHO., J. L. F. Gestão participativa e produtividade: uma abordagem da ergonomia. Florianópolis, Tese (Doutorado em Engenharia de Produção) Universidade Federal de Santa Catarina. 9

5 Considerações finais

5 Considerações finais 5 Considerações finais 5.1. Conclusões A presente dissertação teve o objetivo principal de investigar a visão dos alunos que se formam em Administração sobre RSC e o seu ensino. Para alcançar esse objetivo,

Leia mais

TÍTULO: UTILIZAÇÃO DA INTELIGÊNCIA COMPETITIVA NA GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS

TÍTULO: UTILIZAÇÃO DA INTELIGÊNCIA COMPETITIVA NA GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS TÍTULO: UTILIZAÇÃO DA INTELIGÊNCIA COMPETITIVA NA GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE CENECISTA DE SETE LAGOAS

Leia mais

5 Conclusão. FIGURA 3 Dimensões relativas aos aspectos que inibem ou facilitam a manifestação do intraempreendedorismo. Fonte: Elaborada pelo autor.

5 Conclusão. FIGURA 3 Dimensões relativas aos aspectos que inibem ou facilitam a manifestação do intraempreendedorismo. Fonte: Elaborada pelo autor. 5 Conclusão Este estudo teve como objetivo a análise dos diversos fatores que influenciam tanto de maneira positiva quanto negativa no exercício do papel dos gerentes e também dos elementos que facilitam

Leia mais

OS SABERES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA. Cleber Luiz da Cunha 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2

OS SABERES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA. Cleber Luiz da Cunha 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2 Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 1029 OS SABERES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA Cleber Luiz da Cunha 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2

Leia mais

8. AS EQUIPES VIRTUAIS PROMOVENDO VANTAGENS COMPETITIVAS NA BUNGE FERTILIZANTES S/A

8. AS EQUIPES VIRTUAIS PROMOVENDO VANTAGENS COMPETITIVAS NA BUNGE FERTILIZANTES S/A 8. AS EQUIPES VIRTUAIS PROMOVENDO VANTAGENS COMPETITIVAS NA BUNGE FERTILIZANTES S/A Adriane Hartman Fábio Gomes da Silva Dálcio Roberto dos Reis Luciano Scandelari 1 INTRODUÇÃO Este artigo pretende mostrar

Leia mais

Gestão da qualidade em serviços: um estudo de caso em microempresas do ramo de oficinas mecânicas

Gestão da qualidade em serviços: um estudo de caso em microempresas do ramo de oficinas mecânicas Gestão da qualidade em serviços: um estudo de caso em microempresas do ramo de oficinas mecânicas Eunice Zucchi (CESCAGE) eunicezucchi@gmail.com Balduir Carletto (CESCAGE) bcarletto@uol.com.br Camila Lopes

Leia mais

Gestão em Sistemas de Saúde

Gestão em Sistemas de Saúde INSTITUTO NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES Inatel Competence Center Business School Gestão em Sistemas de Saúde Projeto Pedagógico de Curso de Extensão Curricular Aprovado no dia XX/XX/2013 Pró diretoria de

Leia mais

A Sustentabilidade e a Inovação na formação dos Engenheiros Brasileiros. Prof.Dr. Marco Antônio Dias CEETEPS

A Sustentabilidade e a Inovação na formação dos Engenheiros Brasileiros. Prof.Dr. Marco Antônio Dias CEETEPS A Sustentabilidade e a Inovação na formação dos Engenheiros Brasileiros Prof.Dr. Marco Antônio Dias CEETEPS O PAPEL DA FORMAÇÃO ACADÊMICA Segundo diversos autores que dominam e escrevem a respeito do tema,

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos carlos@oficinadapesquisa.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Organizações Nenhuma organização existe

Leia mais

Remuneração e Avaliação de Desempenho

Remuneração e Avaliação de Desempenho Remuneração e Avaliação de Desempenho Objetivo Apresentar estratégias e etapas para implantação de um Modelo de Avaliação de Desempenho e sua correlação com os programas de remuneração fixa. Programação

Leia mais

O CONHECIMENTO PEDAGÓGICO NA ORGANIZAÇÃO: ESPAÇO DE QUEM?

O CONHECIMENTO PEDAGÓGICO NA ORGANIZAÇÃO: ESPAÇO DE QUEM? O CONHECIMENTO PEDAGÓGICO NA ORGANIZAÇÃO: ESPAÇO DE QUEM? Marlene Fernandes Universidade Luterana do Brasil RESUMO O mundo está em constante transformação, com segmentos funcionais altamente globalizados,

Leia mais

ANÁLISE DAS MELHORIAS OCORRIDAS COM A IMPLANTAÇÃO DO SETOR DE GESTÃO DE PESSOAS NA NOVA ONDA EM ARACATI CE

ANÁLISE DAS MELHORIAS OCORRIDAS COM A IMPLANTAÇÃO DO SETOR DE GESTÃO DE PESSOAS NA NOVA ONDA EM ARACATI CE ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 ANÁLISE DAS MELHORIAS OCORRIDAS COM A IMPLANTAÇÃO DO SETOR DE GESTÃO DE PESSOAS NA NOVA ONDA EM ARACATI

Leia mais

O IMPACTO DO ENSINO DE EMPREENDEDORISMO NA GRADUAÇÃO DE ENGENHARIA : RESULTADOS E PERSPECTIVAS.

O IMPACTO DO ENSINO DE EMPREENDEDORISMO NA GRADUAÇÃO DE ENGENHARIA : RESULTADOS E PERSPECTIVAS. O IMPACTO DO ENSINO DE EMPREENDEDORISMO NA GRADUAÇÃO DE ENGENHARIA : RESULTADOS E PERSPECTIVAS. Fernando Toledo Ferraz - ferraz@cybernet.com.br Departamento de Engenharia de Produção Myriam Eugênia R.

Leia mais

RECONHECIMENTO, OPORTUNIDADES E AUTONOMIA COMO FATOR MOTIVACIONAL. UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA MARF.

RECONHECIMENTO, OPORTUNIDADES E AUTONOMIA COMO FATOR MOTIVACIONAL. UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA MARF. RECONHECIMENTO, OPORTUNIDADES E AUTONOMIA COMO FATOR MOTIVACIONAL. UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA MARF. Danilo Domingos Gonzales Simão 1 Fábio Augusto Martins Pereira 2 Gisele Maciel de Lima 3 Jaqueline

Leia mais

Ainda na visão dos entrevistados, as razões para profissionalização envolvem benefícios esperados, como a otimização da utilização de recursos, e

Ainda na visão dos entrevistados, as razões para profissionalização envolvem benefícios esperados, como a otimização da utilização de recursos, e 7 Conclusão No mundo de negócios, as organizações constantemente buscam melhorias e aperfeiçoamento de suas gestões para sobreviver e crescer em face de um mercado competitivo. Nesse movimento, percebe-se

Leia mais

DESCRIÇÃO DAS PRÁTICAS DE GESTÃO DA INICIATIVA

DESCRIÇÃO DAS PRÁTICAS DE GESTÃO DA INICIATIVA DESCRIÇÃO DAS PRÁTICAS DE GESTÃO DA INICIATIVA Como é sabido existe um consenso de que é necessário imprimir qualidade nas ações realizadas pela administração pública. Para alcançar esse objetivo, pressupõe-se

Leia mais

Responda as questões que orientam o sucesso na disciplina via web. Gestão de Pessoas. Qual o objetivo da disciplina?

Responda as questões que orientam o sucesso na disciplina via web. Gestão de Pessoas. Qual o objetivo da disciplina? Responda as questões que orientam o sucesso na disciplina via web Quem é a professora responsável? Qual o objetivo da disciplina? Como estudar e obter nota para aprovação? Qual é a bibliografia básica?

Leia mais

MOTIVAÇÃO SOB A ÓTICA DA TEORIA DA EXPECTATIVA: UM ESTUDO DE CASO EM UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR PÚBLICA.

MOTIVAÇÃO SOB A ÓTICA DA TEORIA DA EXPECTATIVA: UM ESTUDO DE CASO EM UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR PÚBLICA. MOTIVAÇÃO SOB A ÓTICA DA TEORIA DA EXPECTATIVA: UM ESTUDO DE CASO EM UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR PÚBLICA. M. LAZZAROTTO 1 ; C.L. GRIZON 2 ; C.SOAVE 3 RESUMO: O estudo originou-se do intuito de possibilitar

Leia mais

FACULDADE FAMA ALEXSANDRA SOARES DA SILVA

FACULDADE FAMA ALEXSANDRA SOARES DA SILVA FACULDADE FAMA ALEXSANDRA SOARES DA SILVA A NECESSIDADE DE CONSULTORIA NAS EMPRESAS RECIFE DEZ/2014 ALEXSANDRA SOARES DA SILVA A NECESSIDADE DE CONSULTORIA NAS EMPRESAS Artigo científico apresentado em

Leia mais

O ENSINO DO PRINCÍPIO DE BERNOULLI ATRAVÉS DA WEB: UM ESTUDO DE CASO

O ENSINO DO PRINCÍPIO DE BERNOULLI ATRAVÉS DA WEB: UM ESTUDO DE CASO O ENSINO DO PRINCÍPIO DE BERNOULLI ATRAVÉS DA WEB: UM ESTUDO DE CASO Rivanildo Ferreira de MOURA 1, Marcos Antônio BARROS 2 1 Aluno de Graduação em Licenciatura em Física, Universidade Estadual da Paraíba-UEPB,

Leia mais

PLANO DE CARGOS E SALÁRIOS METODOLOGIA E ANÁLISE DOS BENEFÍCIOS PARA A ORGANIZAÇÃO

PLANO DE CARGOS E SALÁRIOS METODOLOGIA E ANÁLISE DOS BENEFÍCIOS PARA A ORGANIZAÇÃO PLANO DE CARGOS E SALÁRIOS METODOLOGIA E ANÁLISE DOS BENEFÍCIOS PARA A ORGANIZAÇÃO Cecília, Pereira¹ Rosalina, Batista¹ Cruz, Paulo Emílio² RESUMO Através deste artigo iremos abordar de forma objetiva,

Leia mais

GESTÃO DE QUALIDADE EM SERVIÇOS NAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DO RAMO DE SOFTWARE: GARANTIA DE QUALIDADE MPS.BR

GESTÃO DE QUALIDADE EM SERVIÇOS NAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DO RAMO DE SOFTWARE: GARANTIA DE QUALIDADE MPS.BR GESTÃO DE QUALIDADE EM SERVIÇOS NAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DO RAMO DE SOFTWARE: GARANTIA DE QUALIDADE MPS.BR Andressa Silva Silvino 1 Jadson do Prado Rafalski 2 RESUMO O objetivo deste artigo é analisar

Leia mais

Questões de Concurso Público para estudar e se preparar... Prefeitura Olinda - Administrador. 1. Leia as afirmativas a seguir.

Questões de Concurso Público para estudar e se preparar... Prefeitura Olinda - Administrador. 1. Leia as afirmativas a seguir. Questões de Concurso Público para estudar e se preparar... Prefeitura Olinda - Administrador 1. Leia as afirmativas a seguir. I. O comportamento organizacional refere-se ao estudo de indivíduos e grupos

Leia mais

TÍTULO: CAPITAL INTELECTUAL E GESTÃO DO CONHECIMENTO: OS DESAFIOS DOS GESTORES DE RECURSOS HUMANOS DIANTE DOS NOVOS CONTEXTOS DE GERENCIAMENTO

TÍTULO: CAPITAL INTELECTUAL E GESTÃO DO CONHECIMENTO: OS DESAFIOS DOS GESTORES DE RECURSOS HUMANOS DIANTE DOS NOVOS CONTEXTOS DE GERENCIAMENTO Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: CAPITAL INTELECTUAL E GESTÃO DO CONHECIMENTO: OS DESAFIOS DOS GESTORES DE RECURSOS HUMANOS DIANTE

Leia mais

Universidade de Cruz Alta UNICRUZ Centro de Ciências Agrárias, Exatas e da Terra Curso de Ciência da Computação PLANO DE ENSINO

Universidade de Cruz Alta UNICRUZ Centro de Ciências Agrárias, Exatas e da Terra Curso de Ciência da Computação PLANO DE ENSINO Universidade de Cruz Alta UNICRUZ Centro de Ciências Agrárias, Exatas e da Terra Curso de Ciência da Computação PLANO DE ENSINO Curso/Habilitação: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Disciplina: Empreendimentos em Informática

Leia mais

SEÇÃO ENTREVISTA A INICIAÇÃO CIENTÍFICA E A PUBLICAÇÃO NA GRADUAÇÃO COMO MEIOS DE QUALIDADE NA FORMAÇÃO DE ENSINO SUPERIOR JOSÉ ROBERTO RUS PEREZ

SEÇÃO ENTREVISTA A INICIAÇÃO CIENTÍFICA E A PUBLICAÇÃO NA GRADUAÇÃO COMO MEIOS DE QUALIDADE NA FORMAÇÃO DE ENSINO SUPERIOR JOSÉ ROBERTO RUS PEREZ Revista Eventos Pedagógicos v.5, n.4 (13. ed.), número regular, p. 115-121, nov./dez. 2014 SEÇÃO ENTREVISTA A INICIAÇÃO CIENTÍFICA E A PUBLICAÇÃO NA GRADUAÇÃO COMO MEIOS DE QUALIDADE NA FORMAÇÃO DE ENSINO

Leia mais

TÍTULO: TREINAMENTO PROFISSIONAL: FERRAMENTA EMPRESARIAL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO

TÍTULO: TREINAMENTO PROFISSIONAL: FERRAMENTA EMPRESARIAL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: TREINAMENTO PROFISSIONAL: FERRAMENTA EMPRESARIAL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS

Leia mais

Unidade III ORIENTAÇÃO E PRÁTICA DE GESTÃO DA EDUCAÇÃO EM AMBIENTES ESCOLARES E NÃO ESCOLARES. Prof. Tarciso Oliveira

Unidade III ORIENTAÇÃO E PRÁTICA DE GESTÃO DA EDUCAÇÃO EM AMBIENTES ESCOLARES E NÃO ESCOLARES. Prof. Tarciso Oliveira Unidade III ORIENTAÇÃO E PRÁTICA DE GESTÃO DA EDUCAÇÃO EM AMBIENTES ESCOLARES E NÃO ESCOLARES Prof. Tarciso Oliveira 7. A gestão da educação em ambientes não escolares A pedagogia como ciência da educação

Leia mais

DISCUSSÕES SOBRE JOVENS EMPREENDEDORES: um panorama teórico da situação atual no Brasil RESUMO

DISCUSSÕES SOBRE JOVENS EMPREENDEDORES: um panorama teórico da situação atual no Brasil RESUMO 1 DISCUSSÕES SOBRE JOVENS EMPREENDEDORES: um panorama teórico da situação atual no Brasil Willian Dela Rosa Canha FAFIJAN Jaiane Aparecida Pereira FAFIJAN/UEM RESUMO O presente estudo tem por objetivo

Leia mais

O JOGO CONTRIBUINDO DE FORMA LÚDICA NO ENSINO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA

O JOGO CONTRIBUINDO DE FORMA LÚDICA NO ENSINO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA O JOGO CONTRIBUINDO DE FORMA LÚDICA NO ENSINO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA Denise Ritter Instituto Federal Farroupilha Campus Júlio de Castilhos deniseritter10@gmail.com Renata da Silva Dessbesel Instituto

Leia mais

Gestão de pessoas: revisão de conceitos

Gestão de pessoas: revisão de conceitos Glaucia Falcone Fonseca Chegamos ao final de nosso curso e vale a pena fazer uma retrospectiva sobre os principais aspectos da gestão de pessoas, algo tão importante no atual mundo do trabalho, caracterizado

Leia mais

METODOLOGIA PARA DESENVOLVIMENTO DE ESTUDOS DE CASOS

METODOLOGIA PARA DESENVOLVIMENTO DE ESTUDOS DE CASOS METODOLOGIA PARA DESENVOLVIMENTO DE ESTUDOS DE CASOS 1 O Método do Caso e o Ensino em Administração O uso do Método do Caso nas escolas de administração no Brasil é relativamente recente, embora não haja

Leia mais

TRAProhe TRATR MANUAL TRABALHO INTERDISCIPLINAR. Curso Superior Tecnológico de Gestão em Finanças. Currículo 2009-2

TRAProhe TRATR MANUAL TRABALHO INTERDISCIPLINAR. Curso Superior Tecnológico de Gestão em Finanças. Currículo 2009-2 TRATR TRAProhe MANUAL TRABALHO INTERDISCIPLINAR Curso Superior Tecnológico de Gestão em Finanças Currículo 2009-2 Coordenador Geral: Coordenador do Curso: Centro de Excelência no Ensino: Alexandre Miserani

Leia mais

Mensuração de Resultados

Mensuração de Resultados Mensuração de Resultados A Educação Corporativa mais Próxima da Estratégia do Negócio coleção 3 02 olá! A Affero Lab, maior empresa de Educação Corporativa do Brasil, tem se envolvido com todos os aspectos

Leia mais

Gestão Estratégica de Pessoas

Gestão Estratégica de Pessoas Gestão Estratégica de Pessoas MBA FGV 1 Grandes Decisões sobre Pessoas Fatores que Garantem o Resultado As Tendências e Perspectivas de Gestão de Pessoas em Saúde Gestão de Pessoas e o Balanced Score Card

Leia mais

OS DESAFIOS DA GESTÃO DE PESSOAS NO SETOR PÚBLICO(*)

OS DESAFIOS DA GESTÃO DE PESSOAS NO SETOR PÚBLICO(*) OS DESAFIOS DA GESTÃO DE PESSOAS NO SETOR PÚBLICO(*) Joilson Oliveira Malta Administrador público e Assistente técnico da Diretoria Legislativa da Câmara Municipal de Salvador Mat.2031 Este artigo tem

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES. Inatel Competence Center. Business School. Gestão de TIC. Projeto Pedagógico de Curso de Extensão Curricular

INSTITUTO NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES. Inatel Competence Center. Business School. Gestão de TIC. Projeto Pedagógico de Curso de Extensão Curricular INSTITUTO NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES Inatel Competence Center Business School Gestão de TIC Projeto Pedagógico de Curso de Extensão Curricular Pró diretoria de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação;

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS VOLTADA PARA RECRUTAMENTO E SELEÇÃO E CARGOS E SALÁRIOS.

GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS VOLTADA PARA RECRUTAMENTO E SELEÇÃO E CARGOS E SALÁRIOS. GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS VOLTADA PARA RECRUTAMENTO E SELEÇÃO E CARGOS E SALÁRIOS. BARBOSA, Roger Eduardo 1 Resumo Neste artigo analisaremos como o planejamento estratégico na gestão de pessoas nas

Leia mais

A COMUNICAÇÃO PARA A GESTÃO DA QUALIDADE

A COMUNICAÇÃO PARA A GESTÃO DA QUALIDADE A COMUNICAÇÃO PARA A GESTÃO DA QUALIDADE Narjara Bárbara Xavier Silva 1 Patrícia Morais da Silva 2 RESUMO Este artigo é resultado parcial do Projeto de Extensão da Universidade Federal da Paraíba (UFPB)

Leia mais

GESTÃO ORGANIZACIONAL NA EMPRESA: A OLIVEIRA S INFORMÁTICA

GESTÃO ORGANIZACIONAL NA EMPRESA: A OLIVEIRA S INFORMÁTICA GESTÃO ORGANIZACIONAL NA EMPRESA: A OLIVEIRA S INFORMÁTICA Braulio Oliveira dos Santos Fo Adriana Guimarães de Oliveira Leuzenir Barth de Oliveira Resumo: Este artigo retrata a maneira pela qual foi desenvolvido

Leia mais

Estratégias adotadas pelas empresas para motivar seus funcionários e suas conseqüências no ambiente produtivo

Estratégias adotadas pelas empresas para motivar seus funcionários e suas conseqüências no ambiente produtivo Estratégias adotadas pelas empresas para motivar seus funcionários e suas conseqüências no ambiente produtivo Camila Lopes Ferreir a (UTFPR) camila@pg.cefetpr.br Dr. Luiz Alberto Pilatti (UTFPR) lapilatti@pg.cefetpr.br

Leia mais

Micro-Química Produtos para Laboratórios Ltda.

Micro-Química Produtos para Laboratórios Ltda. Micro-Química Produtos para Laboratórios Ltda. Resumo Com a globalização e os avanços tecnológicos, as empresas estão operando num ambiente altamente competitivo e dinâmico. As organizações que quiserem

Leia mais

METODOLOGIAS PARA O ENSINO DE CIÊNCIAS EXATAS

METODOLOGIAS PARA O ENSINO DE CIÊNCIAS EXATAS METODOLOGIAS PARA O ENSINO DE CIÊNCIAS EXATAS GT 06 Formação de professores de matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional Maria Madalena Dullius, Univates, madalena@univates.br Angélica

Leia mais

Apresentação da FAMA

Apresentação da FAMA Pós-Graduação Lato Sensu CURSO DE ESPECIIALIIZAÇÃO 432 horras/aulla 1 Apresentação da FAMA A FAMA nasceu como conseqüência do espírito inovador e criador que há mais de 5 anos aflorou numa família de empreendedores

Leia mais

3 Metodologia da pesquisa

3 Metodologia da pesquisa 3 Metodologia da pesquisa Neste capítulo será abordada a caracterização da pesquisa abrangendo o tipo de pesquisa escolhido, critérios para seleção dos entrevistados, os procedimentos adotados para a coleta

Leia mais

Os cinco subsistemas de Gestão de Pessoas

Os cinco subsistemas de Gestão de Pessoas Faculdade de Tecnologia Senac Goiás Os cinco subsistemas de Gestão de Pessoas Trabalho de Gestão de Pessoas Alunos: Nilce Faleiro Machado Goiânia,4 de dezembro de 2015 1 Sumário Capa...1 Sumário...2 Introdução...3

Leia mais

UM ESTUDO SOBRE O INTERESSE DOS COLABORADORES EM SEGUIR CARREIRA PROFISSIONAL NAS LOJAS AMERICANAS EM MARINGÁ/PR

UM ESTUDO SOBRE O INTERESSE DOS COLABORADORES EM SEGUIR CARREIRA PROFISSIONAL NAS LOJAS AMERICANAS EM MARINGÁ/PR 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 UM ESTUDO SOBRE O INTERESSE DOS COLABORADORES EM SEGUIR CARREIRA PROFISSIONAL NAS LOJAS AMERICANAS EM MARINGÁ/PR Marcelo Cristian Vieira 1, Carolina Zavadzki

Leia mais

PERCEPÇÕES SOBRE A INCLUSÃO DOS EGRESSOS DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA UNIJUÍ NO MERCADO DE TRABALHO 1

PERCEPÇÕES SOBRE A INCLUSÃO DOS EGRESSOS DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA UNIJUÍ NO MERCADO DE TRABALHO 1 PERCEPÇÕES SOBRE A INCLUSÃO DOS EGRESSOS DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA UNIJUÍ NO MERCADO DE TRABALHO 1 Ana Cláudia Bueno Grando 2, Eliana Ribas Maciel 3. 1 Trabalho de Conclusão de curso apresentado a banca

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Este material resulta da reunião de fragmentos do módulo I do Curso Gestão Estratégica com uso do Balanced Scorecard (BSC) realizado pelo CNJ. 1. Conceitos de Planejamento Estratégico

Leia mais

INTEGRAÇÃO UNIVERSIDADE X ENSINO MÉDIO: INTERVENÇÃO MULTIDISCIPLINAR EM ADMINITRAÇÃO, INFORMÁTICA E EDUCAÇÃO.

INTEGRAÇÃO UNIVERSIDADE X ENSINO MÉDIO: INTERVENÇÃO MULTIDISCIPLINAR EM ADMINITRAÇÃO, INFORMÁTICA E EDUCAÇÃO. INTEGRAÇÃO UNIVERSIDADE X ENSINO MÉDIO: INTERVENÇÃO MULTIDISCIPLINAR EM ADMINITRAÇÃO, INFORMÁTICA E EDUCAÇÃO. Grupo PET Administração Universidade Federal de Lavras UFLA Resumo Os jovens formam o conjunto

Leia mais

PLANO DE CURSO CURSO: CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS. CARGA HORÁRIA: 60 PERÍODO: 4º TURNO: Noturno ANO LETIVO: 2011/1

PLANO DE CURSO CURSO: CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS. CARGA HORÁRIA: 60 PERÍODO: 4º TURNO: Noturno ANO LETIVO: 2011/1 PLANO DE CURSO CURSO: CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DISCIPLINA: ÉTICA E RESPONSABILIDADE SOCIAL CARGA HORÁRIA: 60 PERÍODO: 4º TURNO: Noturno ANO LETIVO: 2011/1 PROFESSOR (A):

Leia mais

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 RECURSOS HUMANOS EM UMA ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR COM PERSPECTIVA DE DESENVOLVIVENTO DO CLIMA ORGANIZACONAL: O CASO DO HOSPITAL WILSON ROSADO EM MOSSORÓ RN

Leia mais

G1 Formação de Professores. Julia de Cassia Pereira do Nascimento (DO)/ juliacpn@interacaosp.com.br Edda Curi/ edda.curi@cruzeirodosul.edu.

G1 Formação de Professores. Julia de Cassia Pereira do Nascimento (DO)/ juliacpn@interacaosp.com.br Edda Curi/ edda.curi@cruzeirodosul.edu. CONTRIBUIÇÕES DO ESTÁGIO PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: INDICATIVOS DA LEGISLAÇÃO VIGENTE E DA ORGANIZAÇÃO DO ESTÁGIO NUM CURSO DE PEDAGOGIA G1 Formação de Professores

Leia mais

Ao assumir um papel integrado à sua própria equipe, o líder assume uma postura privilegiada, de crítico e participante ao mesmo tempo.

Ao assumir um papel integrado à sua própria equipe, o líder assume uma postura privilegiada, de crítico e participante ao mesmo tempo. FRANCISCO BITTENCOURT Consultor do MVC LÍDERES TAMBÉM INTEGRAM SUAS EQUIPES Introdução Quando se aborda o tema liderança e trabalho em equipe, em geral, observa-se o papel do líder como condutor de sua

Leia mais

O gerenciamento de pessoas e processos para cursos de engenharia: uma experiência de ensino em sala de aula

O gerenciamento de pessoas e processos para cursos de engenharia: uma experiência de ensino em sala de aula O gerenciamento de pessoas e processos para cursos de engenharia: uma experiência de ensino em sala de aula Edimar Alves Barbosa (UFCG) - eab@cct.ufcg.edu.br Luciano Gomes de Azevedo (UFCG) - azevedo@dec.ufcg.edu.br

Leia mais

REMUNERAÇÃO ESTRATÉGICA SETEMBRO 2.011

REMUNERAÇÃO ESTRATÉGICA SETEMBRO 2.011 REMUNERAÇÃO ESTRATÉGICA SETEMBRO 2.011 AS EMPRESAS Mapa Estratégico Menos níveis hierárquicos Foco no Cliente Novas Lideranças Gestão por processos O RH parceiro da estratégia Terceirizações Foco no core

Leia mais

FLUXO DE CAIXA: IMPORTANTE FERRAMENTA PARA AS DECISÕES EMPRESARIAIS Cristiane Aparecida MOTA 1 Hiroshi Wilson YONEMOTO 2 Marcela de Souza CABRAL 3

FLUXO DE CAIXA: IMPORTANTE FERRAMENTA PARA AS DECISÕES EMPRESARIAIS Cristiane Aparecida MOTA 1 Hiroshi Wilson YONEMOTO 2 Marcela de Souza CABRAL 3 1 FLUXO DE CAIXA: IMPORTANTE FERRAMENTA PARA AS DECISÕES EMPRESARIAIS Cristiane Aparecida MOTA 1 Hiroshi Wilson YONEMOTO 2 Marcela de Souza CABRAL 3 RESUMO: Este trabalho tem a intenção de demonstrar a

Leia mais

Rita/João Abril -2014

Rita/João Abril -2014 Rita/João Abril -2014 Conteúdo Programático (Qui)10/04 Estratégia de gerenciamento de pessoas com foco em resultado e gestão por competências Rita (Qui)17/04 - Conceitos de liderança, equipes eficazes,

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROGRAMA: MBA EM DESENVLVIMENTO DE PESSOAS COM ÊNFASE EM COMPETÊNCIAS

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROGRAMA: MBA EM DESENVLVIMENTO DE PESSOAS COM ÊNFASE EM COMPETÊNCIAS PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROGRAMA: MBA EM DESENVLVIMENTO DE PESSOAS COM ÊNFASE EM COMPETÊNCIAS Disciplina TURMA 2015/2 Segunda e Quarta - Unidade BUENO COORDENADOR: Profa. Camen Rizzotto da Trindade CH

Leia mais

APRENDIZAGEM ORGANIZACIONAL NA INDÚSTRIA MOVELEIRA NAS REGIÕES FRONTEIRA NOROESTE E CELEIRO RS, NO ÂMBITO DO PROJETO EXTENSÃO PRODUTIVA E INOVAÇÃO.

APRENDIZAGEM ORGANIZACIONAL NA INDÚSTRIA MOVELEIRA NAS REGIÕES FRONTEIRA NOROESTE E CELEIRO RS, NO ÂMBITO DO PROJETO EXTENSÃO PRODUTIVA E INOVAÇÃO. APRENDIZAGEM ORGANIZACIONAL NA INDÚSTRIA MOVELEIRA NAS REGIÕES FRONTEIRA NOROESTE E CELEIRO RS, NO ÂMBITO DO PROJETO EXTENSÃO PRODUTIVA E INOVAÇÃO. 1 Maria Aparecida Da Silva Buss 2, Pedro Luís Büttenbender

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 0 2014 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL FUNDAÇÃO EDUCACIONAL CLAUDINO FRANCIO FACULDADE CENTRO MATO-GROSSENSE SORRISO/MT Portaria Nº 004/2015 Dispõe sobre Relatório Apresentado pela Comissão Própria

Leia mais

ESTUDO DA INFLUÊNCIA DO TREINAMENTO NA MOTIVAÇÃO DE SERVIDORES PÚBLICOS FEDERAIS

ESTUDO DA INFLUÊNCIA DO TREINAMENTO NA MOTIVAÇÃO DE SERVIDORES PÚBLICOS FEDERAIS ESTUDO DA INFLUÊNCIA DO TREINAMENTO NA MOTIVAÇÃO DE SERVIDORES PÚBLICOS FEDERAIS YARA DE MATOS MENDES 1, WEMERTON LUÍS EVANGELISTA 2, MYRIAM ANGÉLICA DORNELAS 3, RITA DE CÁSSIA DA SILVA COSTA 4 RESUMO

Leia mais

Exercícios CETEC. Assistente de Administração UFRGS. Prof. Ricardo Conzatti

Exercícios CETEC. Assistente de Administração UFRGS. Prof. Ricardo Conzatti Exercícios CETEC Assistente de Administração UFRGS 2013 Prof. Ricardo Conzatti FCC - TRF 2ª REGIÃO. Analista Judiciário 2012 Numa visão estratégica de recursos humanos, a soma dos conhecimentos, informações

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DOS PILARES DA MPT NO DESEMPENHO OPERACIONAL EM UM CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO DE COSMÉTICOS. XV INIC / XI EPG - UNIVAP 2011

IMPLANTAÇÃO DOS PILARES DA MPT NO DESEMPENHO OPERACIONAL EM UM CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO DE COSMÉTICOS. XV INIC / XI EPG - UNIVAP 2011 IMPLANTAÇÃO DOS PILARES DA MPT NO DESEMPENHO OPERACIONAL EM UM CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO DE COSMÉTICOS. XV INIC / XI EPG - UNIVAP 2011 Rogério Carlos Tavares 1, José Luis Gomes da Silva² 1 Universidade de

Leia mais

Modelos de Remuneração Atrelados às Estratégias da Organização. Ricardo Ruzzarin

Modelos de Remuneração Atrelados às Estratégias da Organização. Ricardo Ruzzarin Modelos de Remuneração Atrelados às Estratégias da Organização Ricardo Ruzzarin Salário e Motivação A partir do momento em que temos uma necessidade satisfeita, a necessidade seguinte passa a ser o fator

Leia mais

Anais da Jornada Científica Integração: Educação, Sociedade e Tecnologia

Anais da Jornada Científica Integração: Educação, Sociedade e Tecnologia MARKETING DE RELACIONAMENTO UTILIZADO COMO FERRAMENTA PARA APRIMORAR A RELAÇÃO ENTRE O PÚBLICO INTERNO: ESTUDO DE CASO REALIZADO NA EMPRESA DALCAR NA CIDADE DE BACABAL MA MOURA, Íthalo Bruno Grigório de

Leia mais

ANÁLISE E MELHORIA DE PROCESSOS APLICADA AO ESTÁGIO CURRICULAR

ANÁLISE E MELHORIA DE PROCESSOS APLICADA AO ESTÁGIO CURRICULAR ANÁLISE E MELHORIA DE PROCESSOS APLICADA AO ESTÁGIO CURRICULAR Júlio Miranda Pureza, Dr. Luiz Veriano O. Dalla Valentina, Dr. Gabriela Kunde Edel, Adm. Centro de Ciências Tecnológicas FEJ, Universidade

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos carlos@oficinadapesquisa.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Objetivos desta unidade: Ao final desta

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROGRAMA: MBA EM DESEMVOLVIMENTO DE PESSOAS POR COMPÊTENCIAS. TURMA 2015/1 (Segunda e Quarta - Unidade CENTRO)

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROGRAMA: MBA EM DESEMVOLVIMENTO DE PESSOAS POR COMPÊTENCIAS. TURMA 2015/1 (Segunda e Quarta - Unidade CENTRO) PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROGRAMA: MBA EM DESEMVOLVIMENTO DE PESSOAS POR COMPÊTENCIAS TURMA 15/1 (Segunda e Quarta - Unidade CENTRO) COORDENADOR: Prof. Carmen Rizzotto Disciplina CH EMENTA Data Professor

Leia mais

Treinamento. Roteiro da Teleaula. Roteiro da Teleaula. Gestão de RH. Prof: Roberto Huck

Treinamento. Roteiro da Teleaula. Roteiro da Teleaula. Gestão de RH. Prof: Roberto Huck Gestão de RH Prof: Roberto Huck Treinamento Roteiro da Teleaula 1. Cenário atual; 2. Conceito de Treinamento e Desenvolvimento; 3. Desenvolvimento de Pessoas e Desenvolvimento Organizacional; 4. Mútuo

Leia mais

A PRÁTICA INVESTIGATIVA NO CURSO DE PEDAGOGIA: AVANÇOS E DESAFIOS A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO NO CONTEXTO ATUAL

A PRÁTICA INVESTIGATIVA NO CURSO DE PEDAGOGIA: AVANÇOS E DESAFIOS A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO NO CONTEXTO ATUAL A PRÁTICA INVESTIGATIVA NO CURSO DE PEDAGOGIA: AVANÇOS E DESAFIOS Ana Lúcia Cunha Duarte UCB duart_ana@hotmail.com Resumo: A prática investigativa desenvolvida no curso de Pedagogia do Centro de Educação,

Leia mais

Ana Claudia M. dos SANTOS 1 Edson Leite Lopes GIMENEZ 2

Ana Claudia M. dos SANTOS 1 Edson Leite Lopes GIMENEZ 2 O desempenho do processo de recrutamento e seleção e o papel da empresa neste acompanhamento: Um estudo de caso na Empresa Ober S/A Indústria E Comercio Ana Claudia M. dos SANTOS 1 Edson Leite Lopes GIMENEZ

Leia mais

GESTÃO ESCOLAR: Motivação para melhorar

GESTÃO ESCOLAR: Motivação para melhorar GESTÃO ESCOLAR: Motivação para melhorar Betina Waihrich Teixeira 1 Sandra Maria do Nascimento de Oliveira 2 Resumo: O gestor escolar deve ter uma boa liderança de comunicação, sabendo interagir com sua

Leia mais

Gestão de custos um fator de sobrevivência para as empresas

Gestão de custos um fator de sobrevivência para as empresas Gestão de custos um fator de sobrevivência para as empresas Paula Michelle Purcidonio (UTFPR) ppurcidonio@ig.com.br Kazuo Hatakeyama (UTFPR) hatakeyama@pg.cefetpr.br Resumo Com a atual competitividade

Leia mais

MANUAL DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO ADMINISTRAÇÃO

MANUAL DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO ADMINISTRAÇÃO MANUAL DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO ADMINISTRAÇÃO 1 SUMÁRIO Lista de Anexos... 3 1. APRESENTAÇÃO... 4 2. FUNDAMENTAÇÃO LEGAL... 5 3. DEFINIÇÕES... 5 4. OBJETIVOS... 6 5. PLANEJAMENTO E COMPETÊNCIAS...

Leia mais

MBA em Design Estratégico

MBA em Design Estratégico Design Estratégico MBA em Design Estratégico Aula Inaugural - 29 de abril de 2015 Aulas as terças e quintas, das 7h às 9h30 Valor do curso: R$ 21.600,00 À vista com desconto: R$ 20.520,00 Consultar planos

Leia mais

INFORMAÇÃO ORGÂNICA COMO INSUMO DO PROCESSO DE TOMADA DE DECISÃO EMPRESARIAL

INFORMAÇÃO ORGÂNICA COMO INSUMO DO PROCESSO DE TOMADA DE DECISÃO EMPRESARIAL INFORMAÇÃO ORGÂNICA COMO INSUMO DO PROCESSO DE TOMADA DE DECISÃO EMPRESARIAL 1 LOUSADA, Mariana marianalousada@hotmail.com 2 VALENTIM, Marta Lígia Pomim valentim@marilia.unesp.br Resumo: O foco desta pesquisa

Leia mais

OS NOVOS PARADIGMAS DA FORMAÇÃO CONTINUADA: DA EDUCAÇÃO BÁSICA À PÓSGRADUAÇÃO

OS NOVOS PARADIGMAS DA FORMAÇÃO CONTINUADA: DA EDUCAÇÃO BÁSICA À PÓSGRADUAÇÃO OS NOVOS PARADIGMAS DA FORMAÇÃO CONTINUADA: DA EDUCAÇÃO BÁSICA À PÓSGRADUAÇÃO Profa. Drª. Ana Maria Maranhão 1 Resumo: A tecnologia da Informação e de modo específico o computador, oferece as diferentes

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES. Inatel Competence Center. Business School. Gestão de Projetos

INSTITUTO NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES. Inatel Competence Center. Business School. Gestão de Projetos INSTITUTO NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES Inatel Competence Center Business School Gestão de Projetos Projeto Pedagógico de Curso de Extensão Curricular Aprovado no dia 15/05/2013 Pró diretoria de Desenvolvimento

Leia mais

PERFIL DA INICIAÇÃO CIENTÍFICA JÚNIOR (ICJ) NAS INSTITUIÇÕES PARTICULARES DE ENSINO DE CAMBORIÚ

PERFIL DA INICIAÇÃO CIENTÍFICA JÚNIOR (ICJ) NAS INSTITUIÇÕES PARTICULARES DE ENSINO DE CAMBORIÚ PERFIL DA INICIAÇÃO CIENTÍFICA JÚNIOR (ICJ) NAS INSTITUIÇÕES PARTICULARES DE ENSINO DE CAMBORIÚ Bruna Ketryn Borinelli 1 ; Thayna Andrea dos Santos 2 ; Sirlei de Fátima Albino 3 1.Aluna da Turma TA10,

Leia mais

TECNOLOGIA EM GESTÃO EMPRESARIAL

TECNOLOGIA EM GESTÃO EMPRESARIAL TECNOLOGIA EM GESTÃO EMPRESARIAL PROJETO INTERDISCIPLINAR - 1º SEMESTRE AAP (Atividade Autônoma de Projeto) Jales 2016 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 2 2 FINALIDADE DO P.I. (PROJETO INTERDISCIPLINAR)... 3 3 PRESENÇA

Leia mais

Premissas para implantação do Gerenciamento pelas Diretrizes GPD - em uma instituição de ensino superior: uma análise bibliográfica

Premissas para implantação do Gerenciamento pelas Diretrizes GPD - em uma instituição de ensino superior: uma análise bibliográfica Premissas para implantação do Gerenciamento pelas Diretrizes GPD - em uma instituição de ensino superior: uma análise bibliográfica Marcos Tadeu Moraes de Castro Mestre em Administração de Produção administração@asmec.br

Leia mais

ÍNDICE 3. ABORDAGEM CONCEITUAL DO MODELO DE GESTÃO DO DESEMPENHO

ÍNDICE 3. ABORDAGEM CONCEITUAL DO MODELO DE GESTÃO DO DESEMPENHO ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2. GLOSSÁRIO DE TERMINOLOGIAS ADOTADAS 3. ABORDAGEM CONCEITUAL DO MODELO DE GESTÃO DO DESEMPENHO 4. OBJETIVOS DA GESTÃO DO DESEMPENHO 5. BENEFÍCIOS ESPERADOS DO MODELO 6. DIRETRIZES

Leia mais

Premissas para implantação do Gerenciamento pelas Diretrizes GPD - em uma instituição de ensino superior: uma análise bibliográfica

Premissas para implantação do Gerenciamento pelas Diretrizes GPD - em uma instituição de ensino superior: uma análise bibliográfica Premissas para implantação do Gerenciamento pelas Diretrizes GPD - em uma instituição de ensino superior: uma análise bibliográfica Marcos Tadeu Moraes de Castro Mestre em Administração de Produção administração@asmec.br

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos. Professora Mestranda Elaine Araújo

Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos. Professora Mestranda Elaine Araújo Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos Professora Mestranda Elaine Araújo E o profissional de RH... Como deve mergulhar na abordagem da Gestão do Conhecimento? Qual sua contribuição

Leia mais

Aula 01 Gestão de pessoas e suas definições

Aula 01 Gestão de pessoas e suas definições Aula 01 Gestão de pessoas e suas definições Objetivos da aula: Entender a importância das pessoas nas organizações. Conhecer os objetivos, os processos e a estrutura do órgão Gestão de Pessoas. Ajudar

Leia mais

Esse projeto enfatiza duas questões principais:

Esse projeto enfatiza duas questões principais: 1 Introdução O principal objetivo desta dissertação o é contribuir para o debate sobre a internacionalização de pequenas e médias empresas, destacando um tipo peculiar de empresas desta categoria, as empresas

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL & SAÚDE: ABORDANDO O TEMA RECICLAGEM NO CONTEXTO ESCOLAR

EDUCAÇÃO AMBIENTAL & SAÚDE: ABORDANDO O TEMA RECICLAGEM NO CONTEXTO ESCOLAR EDUCAÇÃO AMBIENTAL & SAÚDE: ABORDANDO O TEMA RECICLAGEM NO CONTEXTO ESCOLAR ARNOR, Asneth Êmilly de Oliveira; DA SILVA, Ana Maria Gomes; DA SILVA, Ana Paula; DA SILVA, Tatiana Graduanda em Pedagogia -UFPB-

Leia mais

A CULTURA ORGANIZACIONAL PODE INFLUENCIAR NO PROCESSO DE AGREGAR PESSOAS

A CULTURA ORGANIZACIONAL PODE INFLUENCIAR NO PROCESSO DE AGREGAR PESSOAS A CULTURA ORGANIZACIONAL PODE INFLUENCIAR NO PROCESSO DE AGREGAR PESSOAS Juliana da Silva, RIBEIRO 1 Roberta Cavalcante, GOMES 2 Resumo: Como a cultura organizacional pode influenciar no processo de agregar

Leia mais

Perfil Caliper Gerencial e Vendas The Inner Leader and Seller Report

Perfil Caliper Gerencial e Vendas The Inner Leader and Seller Report Perfil Caliper Gerencial e Vendas The Inner Leader and Seller Report Avaliação de: Sr. José Exemplo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: 11/06/2014 Perfil Caliper Gerencial e Vendas

Leia mais

(MAPAS VIVOS DA UFCG) PPA-UFCG RELATÓRIO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA UFCG CICLO 2006-2008 ANEXO (PARTE 2) DIAGNÓSTICOS E RECOMENDAÇÕES

(MAPAS VIVOS DA UFCG) PPA-UFCG RELATÓRIO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA UFCG CICLO 2006-2008 ANEXO (PARTE 2) DIAGNÓSTICOS E RECOMENDAÇÕES 1 PPA-UFCG PROGRAMA PERMANENTE DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA UFCG CICLO 2006-2008 ANEXO (PARTE 2) DIAGNÓSTICOS E RECOMENDAÇÕES (MAPAS VIVOS DA UFCG) 2 DIMENSÃO MISSÃO E PDI MAPAS VIVOS DE

Leia mais

ADM. GERAL E PÚBLICA Módulo Único

ADM. GERAL E PÚBLICA Módulo Único Rua Maria Tomásia, 22 Aldeota Fortaleza/CE Fone: (85) 3208.2222 www.masterconcurso.com.br 2 CONCURSO: TJ-Ce ASSUNTO: EXERCÍCIOS 01. O líder autocrático, na divisão de tarefas, determina quem vai executar

Leia mais

Capítulo 2 Objetivos e benefícios de um Sistema de Informação

Capítulo 2 Objetivos e benefícios de um Sistema de Informação Capítulo 2 Objetivos e benefícios de um Sistema de Informação 2.1 OBJETIVO, FOCO E CARACTERÍSTICAS DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Os Sistemas de Informação, independentemente de seu nível ou classificação,

Leia mais

COACHING: ESTUDO DOS BENEFÍCIOS QUE A TÉCNICA PODE OFERECER A UMA REDE DE IMOBILIÁRIAS E A SEUS PARCEIROS

COACHING: ESTUDO DOS BENEFÍCIOS QUE A TÉCNICA PODE OFERECER A UMA REDE DE IMOBILIÁRIAS E A SEUS PARCEIROS COACHING: ESTUDO DOS BENEFÍCIOS QUE A TÉCNICA PODE OFERECER A UMA REDE DE IMOBILIÁRIAS E A SEUS PARCEIROS RESUMO Priscila Alves Moreira Robésio Teixeira Gomes Partindo do pressuposto de que o coaching

Leia mais

Formação Profissional em Psicologia Social: Um estudo sobre os interesses dos estudantes pela área.

Formação Profissional em Psicologia Social: Um estudo sobre os interesses dos estudantes pela área. Formação Profissional em Psicologia Social: Um estudo sobre os interesses dos estudantes pela área. Autores: Ligia Claudia Gomes de Souza Universidade Salgado de Oliveira Faculdades Integradas Maria Thereza.

Leia mais

Disciplina: Técnicas de Racionalização de Processos Líder da Disciplina: Rosely Gaeta NOTA DE AULA 04 O PROJETO DE MELHORIA DOS PROCESSOS

Disciplina: Técnicas de Racionalização de Processos Líder da Disciplina: Rosely Gaeta NOTA DE AULA 04 O PROJETO DE MELHORIA DOS PROCESSOS Disciplina: Técnicas de Racionalização de Processos Líder da Disciplina: Rosely Gaeta NOTA DE AULA 04 O PROJETO DE MELHORIA DOS PROCESSOS 3.4 O PROJETO DE MELHORIA DE PROCESSOS 3.4.1 - CONCEITO DE PROJETO

Leia mais

PLANEJAMENTO COMO PROCESSO ADMINISTRATIVO

PLANEJAMENTO COMO PROCESSO ADMINISTRATIVO 1 PLANEJAMENTO COMO PROCESSO ADMINISTRATIVO Aline Silva SANTOS 1 RGM 088607 Andressa Faustino da SILVA¹ RGM 089712 Diego Dias dos SANTOS¹ RGM 087266 Tatiane Gomes dos SANTOS¹ RGM 089204 Viviane Regina

Leia mais

A METODOLOGIA DA PESQUISA DE MERCADOAPLICADA À PRODUÇÃO E COMERCIALIZAÇÃO DE PRODUTOS ALIMENTÍCIOS

A METODOLOGIA DA PESQUISA DE MERCADOAPLICADA À PRODUÇÃO E COMERCIALIZAÇÃO DE PRODUTOS ALIMENTÍCIOS 1 A METODOLOGIA DA PESQUISA DE MERCADOAPLICADA À PRODUÇÃO E COMERCIALIZAÇÃO DE PRODUTOS ALIMENTÍCIOS Maria Lúcia Ribeiro Da COSTA 1 João Cezario Giglio MARQUES 2 RESUMO: O estudo e a pesquisa de mercado

Leia mais

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO * César Raeder Este artigo é uma revisão de literatura que aborda questões relativas ao papel do administrador frente à tecnologia da informação (TI) e sua

Leia mais

IX Encuentro de Directores y VIII de Docentes de Escuelas de Bibliotecología y. Ciencia de la Información del Mercosur

IX Encuentro de Directores y VIII de Docentes de Escuelas de Bibliotecología y. Ciencia de la Información del Mercosur IX Encuentro de Directores y VIII de Docentes de Escuelas de Bibliotecología y Ciencia de la Información del Mercosur Montevideo, 3,4 y 5 de octubre de 2012 A Disciplina de Gestão do Conhecimento no Currículo

Leia mais