CAPITULO VI : OS FILTROS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CAPITULO VI : OS FILTROS"

Transcrição

1 OS FILTROS Thomaz. W.M. Harrell CAPITULO VI : OS FILTROS Fig

2 CAPITULO VI Thomaz. W.M. Harrell Os filtros exercem multiplas e importantes funções nos processos fotográficos. São aplicados não somente na fotografia mas na re-fotografia e nos laboratórios. A função mais evidente dos filtros é de modificar ou alterar a qualidade ou qantidade de luz que passa pela objetiva para fo filme. De forma geral existem três classes de filtros que podemos classificar da forma seguinte: 1. FILTROS PARA FOTOGRAFIA EM PRETO E BRANCO, (também conhecidos como filtros de contraste por ser este o seu maior efeito). 2. FILTROS PARA FOTOGRAFIA COLORIDA 3. FILTORS PARA USOS GERAIS 1). FILTROS PARA FOTOGRAFIA EM PRETO E BRANCO Os filtros para a fotografia em preto e branco tem a principal função de controlar o contraste da cena. Muitos fotógrafos mesmo alguns experientes, tem a noção de que o uso de filtros para fotografia em preto e branco constitui algum tipo de trucagem para conseguir efeitos especiais. A verdade é que os filtros são absolutamente necessários para a fotografia em preto e branco na grande maioria de aplicações pois o filme busca representar as diferentes cores como tons de cinza e a sua escala de sensibilidade a essas cores não corresponde à da nossa visão. Normalmente o filme preto e branco é mais sensível ao azul, menos ao verde e bastante ao vermelho. Por outro lado a visão humana é muito mais sensível ao verde o que talvez seja mais uma prova dos nossos antepassados herviboros. O fotógrafo deve reocorrer ao uso de filtos justamente para conseguir um equilibro de valores de acordo com a sua visão e com a intenção da fotografia. Os principais filtros para a fotografia em preto e branco são o Vermelho, o Laraja, o Amarelo, o Verde e o Azul. FIG 6.2. FILTROS PARA FOTOGRAFIA EM PRETO E BRANCO Ao lado temos uma página do catálogo de filtros da Hoya, um dos maiores fabricantes de filtros do mundo que mostra os três filtros mais utilizados na fotografia preto e branco e os seus efeitos. De forma geral podemos aplicar uma regra simples para o uso de filtros na fotografia em preto e branco que é que a cor semelhante será registrada mais clara e a cor complementar mais escura. Assim se usarmos um filtro vermelho, o ceu (azul) será mais escuro na foto. Um filtro verde, fará a mata ficar mais clara. Para maiores informações sore filtros para fotografia em preto e branco veja a tabela de filtros no final deste capitulo. 61

3 2) FILTROS PARA FOTOGRAFIA EM CORES OS FILTROS Os filtros para a fotografia em cores constituem hoje um universo muito grande. Existem centenas de fil tros para diferentes finalidades. As aplicações mais evidentes são de atenuar ou intensificar determinadas cores. Basicamente podemos dividir os filtros para fotografia colorida em três categorias: a) Filtros de correção de cor. (Filtros C.C.) b) Filtros para conversão de luz. (Filtros L. B.) c) Filtros coloridos para aplicações gerais e efeitos. Na primeira classe temos os Filtros de Correção de Cor conhecidos como filtros C.C. Os filtros da segunda classe os Filtros de Conversão de Luz ou L.B. (Light Balancing)., são utilizados para balancear fontes de luz para filmes de uma determinada sensibilidade espectral. Esses filtros possuem diversas tonalidades e intensidades seu propósito principal sendo modificar a qualidade da luz. Existem filtros azuis para intensificar a cor do ceu, filtros amarelados e laranja para aumentar essas cores num fim de tarde. Podem ser usados tanto na fotografia colorida ou em preto e branco. Na classe de filtros de efeitos ha também uma grande gama para ecolha. É nesta classe que encontramos os filtros graduados, os filtros de foco suave ou neblina, os filtros estrela e prismáticos e até filtros mais comuns como os polarizadores e filtros de densidade neutra assim como os filtros U.V. (Ultravioleta). A seguir veremos em detalhe alguns desses filtros mais importantes e os seus usos e aplicações. Thomaz. W.M. Harrell a) Filtros de correção de cor Abaixo vemos uma tabela com os filtros de Correção de Cor Kodak Os filtros C.C. são normalmente colocados diante da objetiva de forma a corrigir pequenos desvios de cor. São fabricados tanto nas cores complementares como nas primárias e em pequenos incrementos de densidade para oferecer um completo controle da cor. A tabela abaixo, mostra os principais filtros C.C. da Kodak nas tres cores primarias e suas complementares assim como nas principais densidades em incrementos de 0,25 a. 50. Um filtro 0,25 (zero virgula vinte e cinco) por exemplo, tornaria a cor levemente mais azul. Jà um filtro 40B é de um azul intenso. CC-0,25C CC-05C CC-10C CC-20C CC-30C CC-40C TABELA DE FILTROS DE CORREÇÃO DE COR DA KODAK CIANO MAGENTA AMARELO (ABSORVE VERMELHO) (ABSORVE VERDE) CC-0,25M CC-05M CC-10M CC-20M CC-30M CC-40M (ABSORVE AZUL) CC-0,25Y CC-05Y CC-10Y CC-20Y CC-30Y CC-40Y VERMELHO VERDE AZUL (ABSORVE AZUL E VERDE) CC-0,25R CC-05R CC-10R CC-20R CC-30R CC-40R (ABSORVE AZUL E VERMELHO) (ABSORVE VERMELHO E CC-0,25G CC-05G CC-10G CC-20G CC-30G CC-40G CC-0,25B CC-05B CC-10B CC-20B CC-30B CC-40B 62

4 CAPITULO VI Thomaz. W.M. Harrell b) Filtros para Conversão de Luz Os filtros para conversão de luz são geral mente utilizados na objetiva mas podem ser utilizados diante das luzes. Estes filtros servem para alterar a temperatura da luz em graus kelvin de forma que ela se ajuste ao filme que está sendo utilizando. São chamados de filtros deconversão porque convertem a temperatura de luz de uma fonte para outra (tungsten para daylight por exemplo). Áo lado temos alguns exemplos de como os filtros azulados da série 80, convertem as luzes de estúdio tirando o exesso de amarelo e laranja que estas luzes possuem. Estas luzes normalmente produzem luz com uma temperatura em graus Kelvin de 3.600K. O filtro 80A modifica essa temperatura para 5.500K o equivalente de luz dia. Fig. 6.3 Quado se está fotografando com filme para luz artificial e desejamos utilizar uma fonte de luz natural é necessário abaixar a temperatura para 3.600K. Para tanto um filtro alaranjado da série 85 será indicado para corrigir a temperatura da luz como vemos a direita. c) Filtros coloridos para aplicações gerais Nesta terceira categoria de filtros temos uma série de filtros que podem ser utilizados tanto na fotografia em preto e branco como a colorida. Nesta categoria se encontram os: (1.) Filtros de efeito (neblina, estrela, fog, haze, gradiente etc.), (2.) Filtros de densidade neutra (N.D.) cuja função é de reduzir a quantidade de luz sem afetar a cor, e (3.) Filtros polarziadores (P.L.) que são utilizados para reduzir reflexos e para dar mais saturação as cores (4.) Filtros U.V. e Skylight. estes filtros são verdadeiros "para tudo" pois podem (e devem) ser utilizados sempre diante da objetiva. O seu propósito principal é de absorver a luz Ultravioleta que afeta o filme de forma adversa. Uma segunda mas importante função é de proteger o elemento dianteiro da objetiva. Dos filtros acima mencionados os que merecem maior discussão são os filtros de densidade neutra e os polarizadores. 63

5 OS FILTROS Thomaz. W.M. Harrell 2) OS FILTROS DE DENSIDADE NEUTRA. Estes filtros são utilizados para reduzir a intensidade da luz sem afetar a rendição das cores no filme. Existem diversas razões para a utilização desses filtros. Um caso muito comum é quando deseja-se manter um diafragma mais aberto para reduzir a profundidade de campo e manter o assunto de interesse separado do fundo. Outro exemplo é quando a luz é simplesmente muito forte para a sensibilidade do filme e precisamos reduzi-la. Os filtros de densidade neutra tambem conhecidos como filtros N.D., são graduados de acordo com a sua Densidade o que constitui um fator de absorção. Esse fator de absorção é comum a quase todos os filtros e deve ser considerado ao se calcular a exposição. Também é importante mencionar que os filtros Densidede Neutra. podem ser adquiridos em combinações sendo possível obter um filto N.D. que também incorpore um filtro de conversão de luz. Sendo assim, podemos adquirir e utilizar um filtro 85N6 por exemplo. Isto significa que esse filtro é um filtro de conversão 85 com um fator de densidade neutra de 6. Na ilustração ao lado vemos os filtros ND X2, X4 e X8 da Hoya. Um dos maiores problemas enfrentados por pessoas inexperientes em relação ao uso de filtos e saber quanto deve ser compensada a exposição para tomar em conta a absorção de um determinado filtro. Normalmente o filtro é fornceido com uma bula dando todas as suas caracteristicas mas com o filtro colocado na lnete e na ausencia dessa iformação, a seguinte técnica é útil para qualquer tipo de filtro. Basta medir a luz pelo fotômetro sem o filtro e com o filtro. A diferença em exposição acusada representa o fator de absorção do filtro. No caso de câmaras modernas o fotometro interno da câmera irá compensar a perda de luz acarretada pelo filtro no momento em que este e colocado diante da objetiva. Fig.6.4 Aqui vemos alguns dos usos para os quais podem ser submetidos os filtros ND. A foto da cachoeira requer um tempo longo de exposição para que a agua registre com movimento. A melhor maneira de fazer isto é utilizando um filtro ND. Para diminuir a profundidade de campo e deixar o fundo desfocado (foto da modelo) um filtro ND pode abaixar o nível de luz em até tres diafragmas. O texto do catálogo da Hoya nos lembra que os filtros de densidade neutra são frequentemente ignorados por fotógrafos. 64

6 CAPITULO VI Thomaz. W.M. Harrell 3) OS FILTROS POLARIZADORES Os filtros polarizadores ou polarizantes também conhecidos pelo nome errado de filtros "polaroide' são utilizados para minimizar reflexos indesejáveis em vitrines, janelas de vidro, superficies de agua, superficies metálicas e outras superficies polidas que refletem luz. Como diz o nome, estes filtros tem o efeito de polarizar a luz proveniente destas supefícies e tem maior eficácia quando esta é refeletida num ângulo de 35 0 a 40 0 graus do eixo otico da câmara. Quando o ângulo de incidência é maior ou menor o efeito do filtro diminui rapidamente. Estes filtros são muito uteis quando desejamos filmar ou fotografar atravez de vitrines ou janelas e outras situações onde é necessário reduzir o efeito de reflexos.(ver exemplos a direita ) É necessário mencionarmos que estes filtros se tornam virtualmente impraticaveis em duas situações: em dias encobertos ou nublados e em filmegens quando se pretende efetuar movimentos de câmara como panorâmicas pois o efetio do filtro muda de acordo com o ângulo de incidencia da luz. Por estar polarizando a luz o filtro absorve ou bloqueis de 1,5 a 2 diafragmas de luz obrigando o fotógrafo a compensar essa perda abrindo a iris da objetiva. Apesar disto estes filtros são de grande utilidade e s ão utilizados por profissionais sempre que possível. Fig 6.6 TWMH Ilustrações: Acima: Cena de ceu com nuvens fotografada com filtro polarizador. Pode se ver que o filtro polarizador exerce forte influência sobre o resultado final da fotografia aumentando e realçando a intensidade e saturação das cores. Estes filtros são muito uteis quando utilizados para eliminar reflexos de agua, vidro, superficies metálicas e pintura de alto brilho. O polarizador também é muito útil quando fotografando panoramas e vegetação pois absorve grande parte da luz ultra violeta dando maior saturação ao verde e um ceu de azul mais profundo. Ao Lado: Duas fotografis de vitrine de cabelereiro. Uma sem filtro polarizador e outra com filtro. Note-se que a influência é marcante. Fig 6.7 c TWMH 65

7 TABELAS OS FILTROS Thomaz. W.M. Harrell TABELA DE FILTROS PARA FOTOGRAFIA PRETO E BRANCO TABELA DE FILTROS DE DENSIDADE NEUTRA ASSUNTO EFEITO DESEJADO FILTRO NUVENS EM CEU AZUL V I S T A S PANORAMICAS QUE INCLUEM BASTANTE CEU E AGUA EN DIAS CLAROS MESMO EFEITO EM CE- NAS DE MAR. NATURAL COM LIGEI- RO DESTAQUE DAS NU- VENS CEU ESCURO/NUVENS MAIS CONTRASTADAS EFEITO MARCADO/CEU MAIS ESCURO AMARELO AMARELO ESCURO VERMELHO CEU QUASE PRETO. VERMELHO EFEITO ESPETACULAR ESCURO EM GRANDES PANORA- MAS DENOMINAÇÃO WRATTEN K2 G 25A 29F NASCER DO SOL EFEITO NATURAL AMARELO K2 OU FIM DE TARDE EFEITO MARCADO VERMELHO 25a ND No. 0,1 0,2 0,3 0,4 0,5 0,6 0,7 0,8 0,9 1.0 REDUÇÃO DA LUZ EM PONTOS DE DIAFRAGAMA 1/2 PONTO 3/4 DE PONTO 1 PONTO 11/4PONTO 11/2 PONTO 2 PONTOS 21/2 PONTOS 3 PONTOS 4 PONTOS 5 PONTOS MATA OU VERDES MAIS CLAROS FOLIAGEM VERDE FLORES E FOLIAGEM CENAS URBANAS MAIOR DESTAQUE AM. OU VERM. K2; 25A PANORAMAS OBJETOS AZUIS OU VIOLETAS EFEITO ENTRE G E 25A VERDE AMARELO 58B 25a LARANJA 21 MAIS CLARAS AZUL 47 MAIS ESCURAS AM. OU VERM. K2; 25A Filtos e a fotografia digital. É comum a pergunta se a teoria dos filtros se aplica também à fotografia digital. A resposta é simples. em quanto se tratar de fotografia feita pela ação de fotons (energia luminosa) sobre alguma superficie fotossensível toda a teoria da luz e dos filtros será igualmente aplicavel a essa pratica também. 66

8 CAPITULO VI Thomaz. W.M. Harrell Existem exelentes fabricantes de filtros como os americanos Tiffen, os japoneses Hoya e os alemães Heliopan mas um sistema que se tornou referência para profissionais e amadores no mundo todo é aquele inventado pelo francês Jean Coquin (pronuncia-se kokã). Trata-se do mais completo sistema de filtros para uso na fotografia que permite o uso multiplo de filtos de correção de cor, efeitos especiais, trucagem e distorção. A sua aplicação é práticamente ilimitada. A direita ve-se uma tabela ilustrativa dos filtros CoKin que ilustra a grande variedade de filtros existenes. Acima os dispositivos de suporte para a colocação dos filtros na câmara. Filtros são acessórios caros pois a sua precisão optica deve ser absolutamente garantida. De nada adianta ter otimas objetivas e utilizar filtros que distorcem ou dagradam a imagem. Todo fotógrafo deve possuir ao menos um kit minimo de filtros. 67

CAPITULO VI : OS FILTROS

CAPITULO VI : OS FILTROS OS FILTROS Thomaz. W.M. Harrell CAPITULO VI : OS FILTROS Fig 6.1 54 CAPITULO VI Thomaz. W.M. Harrell Os filtros exercem multiplas e importantes funções nos pro cessos fotográficos. São aplicados não somente

Leia mais

Estes filtros devem estar na lista de prioridade de suas compras pois eles protegem sua lente contra poeira, umidade e arranhões.

Estes filtros devem estar na lista de prioridade de suas compras pois eles protegem sua lente contra poeira, umidade e arranhões. Venda Locação! """ Os filtro podem ser divididos em famílias e sub famílias: Proteção Correção Filmes Coloridos Filmes P & B Efeito: Difusores Contraste Efeitos ópticos Polarizador Cor Cor/Graduados PROTEÇÃO:

Leia mais

Oficina de fotografia e tratamento de imagem. Facilitadora: Camila Silva Aula: 05

Oficina de fotografia e tratamento de imagem. Facilitadora: Camila Silva Aula: 05 Oficina de fotografia e tratamento de imagem Facilitadora: Camila Silva Aula: 05 Objetivas É uma lente óptica ou conjunto de lentes usada em conjunto com um corpo de câmera e um mecanismo para reproduzir

Leia mais

A Temperatura de cor - Texto extraído de:

A Temperatura de cor - Texto extraído de: 77 A Temperatura de cor - Texto extraído de: BALAN, W.C. A iluminação em programas de TV: arte e técnica em harmonia. Bauru, 1997. 137f. Dissertação (Mestrado em Comunicação e Poéticas Visuais) Faculdade

Leia mais

Iluminação Fotográfica

Iluminação Fotográfica 1 Iluminação Fotográfica Primeiramente, deveríamos lembrar da necessidade da luz para a realização de uma fotografia. Sem a luz, não há fotografia, expressão que significa gravar com a luz. Logo, a principal

Leia mais

DIREÇÃO DE FOTOGRAFIA - 1

DIREÇÃO DE FOTOGRAFIA - 1 DIREÇÃO DE FOTOGRAFIA - 1 Mauricio Baggio ÍRIS / DIAFRAGMA Dispositivo que permite o controle da quantidade de luz que atinge o filme ou o sensor no interior da câmera. Este controle é realizado definindo-se

Leia mais

FOTO = luz GRAFIA = escrever

FOTO = luz GRAFIA = escrever Iluminação FOTO = luz GRAFIA = escrever Joseph Nicéphore Niépce - 1826 Por definição, fotografia é, essencialmente, a técnica de criação de imagens por meio de exposição luminosa, fixando esta em uma superfície

Leia mais

Conteúdo 2 - Conceitos básicos de produção gráfica. professor Rafael Hoffmann

Conteúdo 2 - Conceitos básicos de produção gráfica. professor Rafael Hoffmann Conteúdo 2 - Conceitos básicos de produção gráfica professor Rafael Hoffmann Cor Modelos cromáticos - Síntese aditiva/cor-luz Isaac Newton foi o responsável pelo desenvolvimento da teoria das cores. Em

Leia mais

2.0 A Técnica: A luz e a formação da imagem na TV

2.0 A Técnica: A luz e a formação da imagem na TV 63 Texto extraído de BALAN, W.C. A iluminação em programas de TV: arte e técnica em harmonia. Bauru, 1997. 137f. Dissertação (Mestrado em Comunicação e Poéticas Visuais) Faculdade de Arquitetura, Artes

Leia mais

Ondas Eletromagnéticas

Ondas Eletromagnéticas Luz e Cor Ondas Eletromagnéticas Uma fonte de radiação emite ondas eletromagnéticas. Possuem diferentes comprimentos de onda. O olho humano é sensível a somente alguns: Distinção das cores Ao falarmos

Leia mais

O que é LUZ? SENAI - Laranjeiras. Espectro Eletromagnético. Fontes de luz 14/01/2013. Luminotécnica 40h

O que é LUZ? SENAI - Laranjeiras. Espectro Eletromagnético. Fontes de luz 14/01/2013. Luminotécnica 40h SENAI - Laranjeiras Luminotécnica 40h O que é LUZ? A luz, como conhecemos, faz parte de um comprimento de onda sensível ao olho humano, de uma radiação eletromagnética pulsante ou num sentido mais geral,

Leia mais

MÓDULO 9. A luz branca, que é a luz emitida pelo Sol, pode ser decomposta em sete cores principais:

MÓDULO 9. A luz branca, que é a luz emitida pelo Sol, pode ser decomposta em sete cores principais: A COR DE UM CORPO MÓDULO 9 A luz branca, que é a luz emitida pelo Sol, pode ser decomposta em sete cores principais: luz branca vermelho alaranjado amarelo verde azul anil violeta A cor que um corpo iluminado

Leia mais

3. CARACTERÍSTICAS DO FILME

3. CARACTERÍSTICAS DO FILME 3. CARACTERÍSTICAS DO FILME 3.1 INTRODUÇÃO Para que possamos analisar a forma como o filme radiográfico responde aos diferentes fatores determinados pela exposição à radiação, precisamos definir alguns

Leia mais

Muitas são as áreas que podem ser exploradas no campo da fotografia de produtos:

Muitas são as áreas que podem ser exploradas no campo da fotografia de produtos: Iluminação Profissional por Mário Espinosa Introdução Originando-se no seu próprio nome (PHOTON = luz - GRAPHOS = escrita), a luz e base fundamental da fotografia e devemos conhecê-la para dominá-la completamente.

Leia mais

Luz e fotografia considerações iniciais

Luz e fotografia considerações iniciais Introdução às técnicas de iluminação luz e óptica 67 Luz e fotografia considerações iniciais Tudo o que a câmera registra se deve à luz, natural ou artificial. A própria palavra "fotografia" significa

Leia mais

Gama do monitor. Michael v.ostheim Tradução: Marcus Gama Tradução: André Marcelo Alvarenga

Gama do monitor. Michael v.ostheim Tradução: Marcus Gama Tradução: André Marcelo Alvarenga Michael v.ostheim Tradução: Marcus Gama Tradução: André Marcelo Alvarenga 2 Conteúdo 1 Introdução 4 2 Usando as imagens de teste 4 2.1 Imagem de teste da escala de cinza............................ 4 2.2

Leia mais

PHOTOSHOP. Menus. Caixa de Ferramentas:

PHOTOSHOP. Menus. Caixa de Ferramentas: PHOTOSHOP Universidade de Caxias do Sul O Photoshop 5.0 é um programa grande e complexo, é o mais usado e preferido pelos especialistas em editoração e computação gráfica para linha PC. Outros programas

Leia mais

Cooperação para criar valor

Cooperação para criar valor Cooperação para criar valor & 0 Cooperação para criar valor & 1 PALESTRANTE Dr. Bernhard Fritz Gerente de Productos Marketing SunChemical 2 Dr. Bernhard Fritz Gerente de Produtos & Marketing, Sun Chemical

Leia mais

Oficina de fotografia e tratamento de imagem. Facilitadora: Camila Silva Aula: 01

Oficina de fotografia e tratamento de imagem. Facilitadora: Camila Silva Aula: 01 Oficina de fotografia e tratamento de imagem Facilitadora: Camila Silva Aula: 01 Histórico da Fotografia A fotografia surgiu do desejo do homem retratar o mundo a sua volta. Desde os primórdios, com a

Leia mais

V - Correcção de perspectiva

V - Correcção de perspectiva V - Correcção de perspectiva E se o afastamento do ponto de tomada de vista e a utilização de uma altura média em relação ao elemento a fotografar reduzem a necessidade de movimentos de correcção da perspectiva,

Leia mais

Câmera Digital. Autor: Darllene Negri Nicioli

Câmera Digital. Autor: Darllene Negri Nicioli Câmera Digital Autor: Darllene Negri Nicioli 2 OBJETIVO Têm como objetivo este trabalho mostrar o princípio de funcionamento geral de uma câmera digital até as vantagens e desvantagens do produto final,

Leia mais

As cores são ações e paixões da luz.

As cores são ações e paixões da luz. As cores são ações e paixões da luz. Goethe Robert Delunay, Drama políltico, óleo e colagem sobre cartão, 88,7 x 67,3, 1914 Cada olhar envolve uma observação, cada observação uma reflexão, cada reflexão

Leia mais

COR. Prof. Wanderlei Paré

COR. Prof. Wanderlei Paré DEFINIÇÃO Cada fonte, ou centro luminoso, emana ondas ou vibrações que, impressionando a vista, dão precisamente a sensação de luz. A luz se compõe de uma mistura de radiações de diferentes longitudes

Leia mais

Índice Geral Índice Geral Pág.Pág.

Índice Geral Índice Geral Pág.Pág. VELFAC - Vidros Índice Geral Pág. Pág. Vidros VELFAC VELFAC ENERGY VELFAC SUN VELFAC VELFAC DÉCOR VELFAC SOUND VELFAC SAFETY VELFAC SECURE VELFAC Fachada VELFAC FIRE Termos Técnicos p/ Protecção Térmica

Leia mais

Documento técnico. No melhor da iluminação Os desafios da iluminação mínima

Documento técnico. No melhor da iluminação Os desafios da iluminação mínima Documento técnico No melhor da iluminação Os desafios da iluminação mínima Índice 1. Introdução 3 2. O quebra-cabeça da sensibilidade de luz 3 3. Não seja enganado! 5 4. Como fazer a escolha mais inteligente

Leia mais

Cores em Computação Gráfica

Cores em Computação Gráfica Cores em Computação Gráfica Uso de cores permite melhorar a legibilidade da informação, possibilita gerar imagens realistas, focar atenção do observador, passar emoções e muito mais. Colorimetria Conjunto

Leia mais

Neste capítulo iremos ver as diferentes partes da

Neste capítulo iremos ver as diferentes partes da A ANATOMIA DA CÂMARA Thomaz. W.M. Harrell CAPITULO II A ANATOMIA DA CAMARA FOTOGRÁFICA (A Câmara Fotográfica e Suas Partes) Neste capítulo iremos ver as diferentes partes da câmara fotográfica de forma

Leia mais

Ciências E Programa de Saúde

Ciências E Programa de Saúde Governo do Estado de São Paulo Secretaria de Estado da Educação Ciências E Programa de Saúde 19 CEEJA MAX DADÁ GALLIZZI PRAIA GRANDE SP Comece fazendo o que é necessário, depois o que é possível, e de

Leia mais

Fotografia digital. Aspectos técnicos

Fotografia digital. Aspectos técnicos Fotografia digital Aspectos técnicos Captura CCD (Charge Coupled Device) CMOS (Complementary Metal OxideSemiconductor) Conversão de luz em cargas elétricas Equilíbrio entre abertura do diafragma e velocidade

Leia mais

Estrelas Variáveis Cefeidas Como Indicadores de Distâncias

Estrelas Variáveis Cefeidas Como Indicadores de Distâncias 1 Estrelas Variáveis Cefeidas Como Indicadores de Distâncias Eduardo Brescansin de Amôres, Raquel Yumi Shida (IAG-USP) 1. INTRODUÇÃO O que aprenderei nesta atividade? Você aprenderá como os astrônomos

Leia mais

3.2. Experimentações: o processo de produção Iluminação de três pontos

3.2. Experimentações: o processo de produção Iluminação de três pontos Página 1 de 5 3 - estética e a técnica na ambientação 3.2. Experimentações: o processo de produção Iluminação de três pontos iluminação de três pontos é composta por três refletores, cada qual com função

Leia mais

Fenômeno Físico Como a cor acontece

Fenômeno Físico Como a cor acontece Fenômeno Físico Como a cor acontece Teoria das Cores Definição Expressa uma sensação visual que nos oferece a natureza através dos raios de luz irradiados em nosso planeta. A cor não existe, materialmente

Leia mais

Nascemos a ver ou aprendemos a ver?

Nascemos a ver ou aprendemos a ver? Nascemos a ver ou aprendemos a ver? A visão é uma função essencialmente aprendida pelos organismos superiores. Podemos dizer que o processo de visão compreende a sensação e a percepção. A sensação consiste

Leia mais

Conectores de Vídeo Radiofreqüência (RF)

Conectores de Vídeo Radiofreqüência (RF) 15 Conectores de Vídeo Existem vários tipos de conexões de vídeo que você pode encontrar no PC e em aparelhos eletrônicos como TVs, aparelhos de DVD e videoprojetores. Apesar de a finalidade geral desses

Leia mais

No manual da webcam, ele descobriu que seu sensor de imagem tem dimensão total útil de 2

No manual da webcam, ele descobriu que seu sensor de imagem tem dimensão total útil de 2 1. (Ufsc 2015) Fotografar é uma arte que se popularizou com os celulares e se intensificou com as redes sociais, pois todos querem postar, publicar os seus registros, suas selfies. Talvez alguns celulares

Leia mais

COMPUTAÇÃO GRÁFICA CORES. Curso: Tecnológico em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Disciplina: COMPUTAÇÃO GRÁFICA 4º Semestre Prof.

COMPUTAÇÃO GRÁFICA CORES. Curso: Tecnológico em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Disciplina: COMPUTAÇÃO GRÁFICA 4º Semestre Prof. COMPUTAÇÃO GRÁFICA CORES Curso: Tecnológico em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Disciplina: COMPUTAÇÃO GRÁFICA 4º Semestre Prof. AFONSO MADEIRA CORES EM COMPUTAÇÃO GRÁFICA O uso de cores permite melhorar

Leia mais

TUTORIAL FOTOGRAFIA BÁSICA

TUTORIAL FOTOGRAFIA BÁSICA TUTORIAL FOTOGRAFIA BÁSICA História da Fotografia 1727 - Na Alemanha - John Heinrich. Inventou a fotossensibilidade em sais de prata. 1826 Na França Joseph Nicéphore Nièpce. Inventa a Héliohraphia. Morreu

Leia mais

FOTOGRAMETRIA I Prof Felipe: Aulas 1 e 2. 2- Câmaras Fotogramétricas

FOTOGRAMETRIA I Prof Felipe: Aulas 1 e 2. 2- Câmaras Fotogramétricas FOTOGRAMETRIA I Prof Felipe: Aulas 1 e 2 2- Câmaras Fotogramétricas Generalidades (fotografia) Elementos Fotografia aérea Espectro Eletromagnético 1 Fotogrametria é a arte, ciência, e tecnologia de obtenção

Leia mais

Nosso objetivo será mostrar como obter informações qualitativas sobre a refração da luz em um sistema óptico cilíndrico.

Nosso objetivo será mostrar como obter informações qualitativas sobre a refração da luz em um sistema óptico cilíndrico. Introdução Nosso objetivo será mostrar como obter informações qualitativas sobre a refração da luz em um sistema óptico cilíndrico. A confecção do experimento permitirá também a observação da dispersão

Leia mais

Forma de Captura de Imagens Digitais:

Forma de Captura de Imagens Digitais: Forma de Captura de Imagens Digitais: - Câmaras Digitais. -Videografia. - Scanner Normal. - Scanner plano B/P (tons de cinza). - Scanner plano Colorido. - Scanner plano profissional. - Scanner de tambor.

Leia mais

6.7. NegaFix. Negativo. NegaFix Digitalização de negativos. 1. Otimização de negativos (filme) através de perfis integrados

6.7. NegaFix. Negativo. NegaFix Digitalização de negativos. 1. Otimização de negativos (filme) através de perfis integrados NegaFix NegaFix Digitalização de negativos 1 Otimização de negativos (filme) através de perfis integrados A transformação de negativos expostos e revelados normalmente em positivos pode ser realizada em

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO PROJETO

A IMPORTÂNCIA DO PROJETO Iluminação de Lojas Destacar uma vitrine, a arquitetura da fachada, os produtos e a decoração dos espaços internos tornando as lojas atraentes aos olhos do público, já não é possível sem a elaboração de

Leia mais

VCA Treinamento em Algoritmo

VCA Treinamento em Algoritmo Conteúdo VCA Treinamento em Algoritmo VCA Treinamento em Algoritmo Conteúdo Algoritmos Rastreador (tracker) Monitoramento Objeto Abandonado/Removido Pessoas Calibração Classificação Linha de contagem Auto

Leia mais

1- Fonte Primária 2- Fonte Secundária. 3- Fonte Puntiforme 4- Fonte Extensa

1- Fonte Primária 2- Fonte Secundária. 3- Fonte Puntiforme 4- Fonte Extensa Setor 3210 ÓPTICA GEOMÉTRICA Prof. Calil A Óptica estuda a energia denominada luz. 1- Quando nos preocupamos em estudar os defeitos da visão e como curá-los, estamos estudando a Óptica Fisiológica. Estudar

Leia mais

Iluminação e equipamentos fotográficos

Iluminação e equipamentos fotográficos Iluminação e equipamentos fotográficos Iluminação: A luz natural é proporcionada pelo sol, que pode incidir diretamente ou indiretamente sobre o assunto. O aspecto da luz solar pode variar de acordo o

Leia mais

Iluminaçao. Os modelos de Iluminação são técnicas usadas para calcular a intensidade da cor de um ponto a ser exibido.

Iluminaçao. Os modelos de Iluminação são técnicas usadas para calcular a intensidade da cor de um ponto a ser exibido. Iluminaçao Os modelos de Iluminação são técnicas usadas para calcular a intensidade da cor de um ponto a ser exibido. Também chamados modelos de reflexão, utilizam: a cor do objeto a cor da luz a posição

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ PRÓ REITORIA DE ADMINISTRAÇÃO E PLANEJAMENTO DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA. Manual do Moodle- Sala virtual

UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ PRÓ REITORIA DE ADMINISTRAÇÃO E PLANEJAMENTO DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA. Manual do Moodle- Sala virtual UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ PRÓ REITORIA DE ADMINISTRAÇÃO E PLANEJAMENTO DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA Manual do Moodle- Sala virtual UNIFAP MACAPÁ-AP 2012 S U M Á R I O 1 Tela de Login...3 2 Tela Meus

Leia mais

FORTALECENDO SABERES CONTEÚDO E HABILIDADES APRENDER A APRENDER DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CIÊNCIAS. Conteúdo: - Ótica

FORTALECENDO SABERES CONTEÚDO E HABILIDADES APRENDER A APRENDER DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CIÊNCIAS. Conteúdo: - Ótica Conteúdo: - Ótica Habilidades: - Entender a propagação da luz e suas aplicações Dispersão da luz A dispersão da luz consiste em um fenômeno onde a luz branca VERMELHO ALARANJADO AMARELO VERDE AZUL ANIL

Leia mais

A LINGUAGEM DA LUZ Fotografia

A LINGUAGEM DA LUZ Fotografia ILUMINAÇÃO A LINGUAGEM DA LUZ Fotografia a luz vem de várias fontes; tem muitas qualidades; características que afetam todo o processo. A LINGUAGEM DA LUZ Fotografia Medíocre X Fotografia Grandiosa Depende

Leia mais

Oblíqüo superior. Gira o globo para baixo e para longe do nariz. Reto superior Gira o globo para cima. e para perto do nariz

Oblíqüo superior. Gira o globo para baixo e para longe do nariz. Reto superior Gira o globo para cima. e para perto do nariz Reto superior Gira o globo para cima e para perto do nariz Oblíqüo superior. Gira o globo para baixo e para longe do nariz Reto inferior Gira o globo para baixo e para perto do nariz Reto medial Gira o

Leia mais

O Princípio da Complementaridade e o papel do observador na Mecânica Quântica

O Princípio da Complementaridade e o papel do observador na Mecânica Quântica O Princípio da Complementaridade e o papel do observador na Mecânica Quântica A U L A 3 Metas da aula Descrever a experiência de interferência por uma fenda dupla com elétrons, na qual a trajetória destes

Leia mais

Sensoriamento Remoto

Sensoriamento Remoto Sensoriamento Remoto É a utilização conjunta de modernos sensores, equipamentos para processamento de dados, equipamentos de transmissão de dados, aeronaves, espaçonaves etc, com o objetivo de estudar

Leia mais

Elementos de linguagem: A cor

Elementos de linguagem: A cor Profa Ana Rezende Ago /set 2006 A todo o momento recebemos informações através dos sentidos, da visão, do olfacto,... em cada cem informações que recebemos oitenta são visuais dessas, quarenta são cromáticas,

Leia mais

Luz, Câmera e Paixão

Luz, Câmera e Paixão Luz, Câmera e Paixão Fotografia, linguagem e arte Registro da realidade através da luz. Luz é cor, forma, movimento, intensidade, brilho, etc linguagem e arte. Se a luz é linguagem nós sabemos interpretar

Leia mais

Fotografia: conceitos e técnicas

Fotografia: conceitos e técnicas ca leo Carlos Leonardo S Mendes wwwcaleocombr caleo Carlos Leonardo dos S Mendes Fotografia: conceitos e técnicas Exposição Setembro de 2008 Versão 10 Nota: os textos ou fotos contidos neste material não

Leia mais

Remoção da Vinhetagem de Imagens Astronômicas no Adobe Photoshop

Remoção da Vinhetagem de Imagens Astronômicas no Adobe Photoshop Remoção da Vinhetagem de Imagens Astronômicas no Adobe Photoshop Marco Antonio De Bellis - REA/R.Janeiro INTRODUÇÃO. Denomina-se vinhetagem a não uniformidade de iluminação em uma fotografia qualquer,

Leia mais

Porque as. cores mudam?

Porque as. cores mudam? Porque as cores mudam? O que são cores? As cores não existem materialmente. Não possuem corpo, peso e etc. As cores correspondem à interpretação que nosso cérebro dá a certo tipo de radiação eletro-magnética

Leia mais

SOCIEDADE ASTRONÔMICA BRASILEIRA SAB VII Olimpíada Brasileira de Astronomia VII OBA - 2004 Gabarito do nível 2 (para alunos da 3ª à 4ª série)

SOCIEDADE ASTRONÔMICA BRASILEIRA SAB VII Olimpíada Brasileira de Astronomia VII OBA - 2004 Gabarito do nível 2 (para alunos da 3ª à 4ª série) SOCIEDADE ASTRONÔMICA BRASILEIRA SAB VII Olimpíada Brasileira de Astronomia VII OBA - 2004 Gabarito do nível 2 (para alunos da 3ª à 4ª série) Questão 1) (1 ponto) Como você já deve saber o sistema solar

Leia mais

Introdução ao Sensoriamento Remoto

Introdução ao Sensoriamento Remoto Introdução ao Sensoriamento Remoto Cachoeira Paulista, 24 a 28 novembro de 2008 Bernardo Rudorff Pesquisador da Divisão de Sensoriamento Remoto Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais - INPE Sensoriamento

Leia mais

Refração da Luz Prismas

Refração da Luz Prismas Refração da Luz Prismas 1. (Fuvest 014) Um prisma triangular desvia um feixe de luz verde de um ângulo θ A, em relação à direção de incidência, como ilustra a figura A, abaixo. Se uma placa plana, do mesmo

Leia mais

Eletricista Instalador Predial de Baixa Tensão Eletricidade Básica Jones Clécio Otaviano Dias Júnior Curso FIC Aluna:

Eletricista Instalador Predial de Baixa Tensão Eletricidade Básica Jones Clécio Otaviano Dias Júnior Curso FIC Aluna: Ministério da Educação - MEC Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica (SETEC) Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará Eletricista Instalador Predial de Baixa Tensão Eletricidade

Leia mais

Exercício 1: Ajustes rápidos em retrato

Exercício 1: Ajustes rápidos em retrato UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA DA REGIÃO DE CHAPECÓ - UNOCHAPECÓ CURSO SUPERIOR BACHARELADO EM DESIGN DE MODA ILUSTRAÇÃO I PROFESSORA GISELE DOS SANTOS Exercício 1: Ajustes rápidos em retrato Figura 01: Foto

Leia mais

Estrelas: espetros, luminosidades e massas

Estrelas: espetros, luminosidades e massas Estrelas: espetros, luminosidades e massas J. L. G. Sobrinho 1,2 1 Centro de Ciências Exactas e da Engenharia, Universidade da Madeira 2 Grupo de Astronomia da Universidade da Madeira Resumo Praticamente

Leia mais

Cartilha da FIJ Os Jornalistas e o Direito Autoral

Cartilha da FIJ Os Jornalistas e o Direito Autoral Cartilha da FIJ Os Jornalistas e o Direito Autoral Esta é uma publicação que tem como tema o direito autoral dos jornalistas. Um tema intimamente ligado aos direitos dos cidadãos e da cidadania. Mas este

Leia mais

Termopares: calibração por comparação com instrumento padrão

Termopares: calibração por comparação com instrumento padrão Termopares: calibração por comparação com instrumento padrão Os termopares são dispositivos elétricos utilizados na medição de temperatura. Foram descobertos por acaso em 1822, quando o físico Thomas Seebeck

Leia mais

ALUNO: Nº SÉRIE: DATA: / / PROF.: VICTOR GERMINIO EXERCÍCIOS DE REVISÃO II UNIDADE FÍSICA 3º ANO ENSINO MÉDIO

ALUNO: Nº SÉRIE: DATA: / / PROF.: VICTOR GERMINIO EXERCÍCIOS DE REVISÃO II UNIDADE FÍSICA 3º ANO ENSINO MÉDIO ALUNO: Nº SÉRIE: DATA: / / PROF.: VICTOR GERMINIO EXERCÍCIOS DE REVISÃO II UNIDADE FÍSICA 3º ANO ENSINO MÉDIO 1) Em uma atividade de um engenheiro civil, o mesmo precisa determinar a altura de um edifício.

Leia mais

404 CAMCORDER CAMCORDER E CÂMARA FOTOGRÁFICA

404 CAMCORDER CAMCORDER E CÂMARA FOTOGRÁFICA POrtuguês Portuguese 404 CAMCORDER CAMCORDER E CÂMARA FOTOGRÁFICA Suplemento do Manual do Utilizador do ARCHOS 404 Versão 1.1 Visite o site www.archos.com/manuals para transferir a versão mais recente

Leia mais

ATENÇÃO: A partir da amostra da aula, terá uma idéia de onde o treinamento de eletroeletrônica poderá lhe levar.

ATENÇÃO: A partir da amostra da aula, terá uma idéia de onde o treinamento de eletroeletrônica poderá lhe levar. ATENÇÃO: O material a seguir é parte de uma das aulas da apostila de MÓDULO 3 que por sua vez, faz parte do CURSO de ELETRO ANALÓGICA -DIGITAL que vai do MÓDULO 1 ao 4. A partir da amostra da aula, terá

Leia mais

Fotografia Digital no Brasil

Fotografia Digital no Brasil 1 Fotografia Digital no Brasil Hoje temos uma grande variedade de câmaras digitais, mas como elas captam a imagem e a transformam em informação digital é o que vamos ver a seguir. Um Pouco de História

Leia mais

Top Guia In.Fra: Perguntas para fazer ao seu fornecedor de CFTV

Top Guia In.Fra: Perguntas para fazer ao seu fornecedor de CFTV Top Guia In.Fra: Perguntas para fazer ao seu fornecedor de CFTV 1ª Edição (v1.4) 1 Um projeto de segurança bem feito Até pouco tempo atrás o mercado de CFTV era dividido entre fabricantes de alto custo

Leia mais

Teste da eficiencia da película protetora (insulfilm) em veículos automotores

Teste da eficiencia da película protetora (insulfilm) em veículos automotores F 609A Tópicos de Ensino de Física Teste da eficiencia da película protetora (insulfilm) em veículos automotores Aluno: Bruno Gomes Ribeiro RA: 059341 onurbrj@hotmail.com Orientador: Professor Doutor Flavio

Leia mais

TRANSFORMADORES. P = enrolamento do primário S = enrolamento do secundário

TRANSFORMADORES. P = enrolamento do primário S = enrolamento do secundário TRANSFORMADORES Podemos definir o transformador como sendo um dispositivo que transfere energia de um circuito para outro, sem alterar a frequência e sem a necessidade de uma conexão física. Quando existe

Leia mais

Sensoriamento Remoto. Características das Imagens Orbitais

Sensoriamento Remoto. Características das Imagens Orbitais Sensoriamento Remoto Características das Imagens Orbitais 1 - RESOLUÇÃO: O termo resolução em sensoriamento remoto pode ser atribuído a quatro diferentes parâmetros: resolução espacial resolução espectral

Leia mais

INFORMAÇÕES TÉCNICAS

INFORMAÇÕES TÉCNICAS INFORMAÇÕES TÉCNICAS Luminotécnica - Conceitos Básicos Iluminância Símbolo E Unidade lux (lx) É o fluxo luminoso que incide sobre uma superfície situada a uma certa distância da fonte, ou seja, é a quantidade

Leia mais

Tipos de cores. Entendendo as cores. Imprimindo. Usando cores. Manuseio de papel. Manutenção. Solucionando problemas. Administração.

Tipos de cores. Entendendo as cores. Imprimindo. Usando cores. Manuseio de papel. Manutenção. Solucionando problemas. Administração. Sua impressora permite que você se comunique em cores. As cores chamam a atenção, indicam respeito e agregam valor ao material ou às informações impressas. O uso de cor aumenta o público leitor e faz com

Leia mais

PRO Destruidoras de Dados Profissionais

PRO Destruidoras de Dados Profissionais PRO Destruidoras de Dados Profissionais DESTRUIDORAS DE DADOS Uma síntese de tecnologia, desempenho e concepção Inflexível A segurança é importante em todas as profissões. E não é menos importante quando

Leia mais

ÓPTICA. Conceito. Divisões da Óptica. Óptica Física: estuda os fenômenos ópticos que exigem uma teoria sobre a natureza das ondas eletromagnéticas.

ÓPTICA. Conceito. Divisões da Óptica. Óptica Física: estuda os fenômenos ópticos que exigem uma teoria sobre a natureza das ondas eletromagnéticas. ÓPTICA Conceito A óptica é um ramo da Física que estuda os fenomenos relacionados a luz ou, mais amplamente, a radiação eletromagnética, visível ou não. A óptica explica os fenômenos de reflexão, refração

Leia mais

Manipulação Digital de Imagens Recursos Básicos de Tratamento

Manipulação Digital de Imagens Recursos Básicos de Tratamento Manipulação Digital de Imagens Recursos Básicos de Tratamento 1 Antes de mais nada, é extremamente necessário lembrar que para tratar uma imagem é necessário que o monitor de seu computador esteja calibrado

Leia mais

Guia de qualidade de cores

Guia de qualidade de cores Página 1 de 5 Guia de qualidade de cores O Guia de qualidade de cores ajuda você a entender como as operações disponíveis na impressora podem ser usadas para ajustar e personalizar a saída colorida. Menu

Leia mais

CÂMERAS DE FILME 35mm BINÓCULOS

CÂMERAS DE FILME 35mm BINÓCULOS LEGENDA *. Às vezes a melhor imagem está muito próxima; outras vezes está muito distante. Você pode capturar ambas rapidamente com a ajuda da versátil função zoom. (*O número no ícone pode mudar para cada

Leia mais

PADRÃO PLÁSTICO TOM.

PADRÃO PLÁSTICO TOM. PADRÃO PLÁSTICO TOM. Os princípios de dinâmica de um padrão tonal são muito parecidos com o que vimos em relação aos da linha. Ao colocarmos algumas pinceladas de preto sobre um campo, eles articulam uma

Leia mais

Quicksuntm Clear Introdução Pigmentação Fototipo

Quicksuntm Clear Introdução Pigmentação Fototipo Quicksun tm Clear Introdução As radiações solares agem no organismo de maneira benéfica a curto prazo (calor, síntese de vitamina D, bem-estar) mas infelizmente elas também têm efeitos nocivos que são

Leia mais

Canon lança nova PIXMA All-in

Canon lança nova PIXMA All-in Canon lança nova PIXMA All-in in-one premium Lisboa, 20 de Agosto de 2007 A Canon enriquece a sua linha de impressoras All-in-One com um novo modelo Premium, a PIXMA MP970. Substituindo a PIXMA MP810,

Leia mais

Rodas Laminadas EXL e Discos Roloc EXL Scotch-Brite Industrial

Rodas Laminadas EXL e Discos Roloc EXL Scotch-Brite Industrial 3 Rodas Laminadas EXL e Discos Roloc EXL Scotch-Brite Industrial Dados Técnicos Fevereiro/2004 Substitui: Janeiro/2002 Página 1 de 8 Introdução: As Rodas Laminadas EXL e EXL Roloc Scotch-Brite para rebarbação

Leia mais

DESENVOLVIMENTO E APLICAÇÕES DE SOFTWARE PARA ANÁLISE DO ESPECTRO SOLAR

DESENVOLVIMENTO E APLICAÇÕES DE SOFTWARE PARA ANÁLISE DO ESPECTRO SOLAR ILHA SOLTEIRA XII Congresso Nacional de Estudantes de Engenharia Mecânica - 22 a 26 de agosto de 2005 - Ilha Solteira - SP Paper CRE05-MN12 DESENVOLVIMENTO E APLICAÇÕES DE SOFTWARE PARA ANÁLISE DO ESPECTRO

Leia mais

Aprender a fotografar não é difícil quando temos um material de apoio e muita vontade de pesquisar e treinar. Este é somente um ponto de partida!

Aprender a fotografar não é difícil quando temos um material de apoio e muita vontade de pesquisar e treinar. Este é somente um ponto de partida! Introdução e índice Eu sou a Claudia Regina (www.claudiaregina.com) e resolvi criar este pequeno Manual Básico de Fotografia para ajudar quem procura por bom conteúdo para iniciantes, em português. Aprender

Leia mais

Monitores. Introdução

Monitores. Introdução Monitores Introdução Até os dias de hoje, o principal método para exibição de vídeos em computadores é o tradicional monitor CRT (Catodic Ray Tube - Tubo de Raios Catódicos). Comparando de uma forma grosseira,

Leia mais

TEORIA DA COR NO DESIGN

TEORIA DA COR NO DESIGN FAUPUCRS Design Gráfico TEORIA DA COR NO DESIGN Prof. Arq. Mario Ferreira, Dr.Eng. Outubro, 2011 AXIOMAS NA ÁREA DO DESIGN Projeto cromático tipo e utilização do elemento (objeto ou imagem) tratado; Falta

Leia mais

CÂMERAS. fotográficas

CÂMERAS. fotográficas CÂMERAS fotográficas Quanto ao suporte: Digital Analógico Como classificar e diferenciar os tipos de Câmeras? Quanto a automação: Automáticas Semi-automáticas Auto e manual Quanto ao visor: Visor direto

Leia mais

O OBTURADOR 1. FUNCIONAMENTO:

O OBTURADOR 1. FUNCIONAMENTO: Esse anexo é um complemento do material didático exclusivo do Curso de Fotografia Digital - A fotografia sob uma nova óptica e função, com Célio Ricardo, constituindo uma parte que completa o total de

Leia mais

Ao se falar sobre fotografia cinematográfica estão envolvidos diversos elementos que devem ser levados em consideração:

Ao se falar sobre fotografia cinematográfica estão envolvidos diversos elementos que devem ser levados em consideração: 1 OBJETIVAS E COMPOSIÇÃO Ao se falar sobre fotografia cinematográfica estão envolvidos diversos elementos que devem ser levados em consideração: 1 - AS LENTES: As objetivas são comumente chamadas de lentes,

Leia mais

Cursos TudoVerde CURSO DE FOTOGRAFIA DIGITAL EM CLOSE-UP

Cursos TudoVerde CURSO DE FOTOGRAFIA DIGITAL EM CLOSE-UP Cursos TudoVerde O Modo Close-up Trabalhando o Foco Luz e Iluminação Uso das Cores Temas e Fundos Dicas Álbum On-Line CURSO DE FOTOGRAFIA DIGITAL EM CLOSE-UP SUMÁRIO A FOTOGRAFIA EM CLOSE-UP 3 ENTENDENDO

Leia mais

Adesivos e Fitas Adesivas Industriais 3M 3M VHB. fitas de montagem. permanente. Alternativa comprovada a parafusos, rebites e soldaduras

Adesivos e Fitas Adesivas Industriais 3M 3M VHB. fitas de montagem. permanente. Alternativa comprovada a parafusos, rebites e soldaduras Adesivos e Fitas Adesivas Industriais 3M 3M VHB fitas de montagem permanente Alternativa comprovada a parafusos, rebites e soldaduras Pode uma fita substituir realmente sistemas de fixação mecânica? Sim.

Leia mais

Película Scotchcal MR Série BR 7300

Película Scotchcal MR Série BR 7300 Película Scotchcal MR Série BR 7300 Dados Técnicos Julho/2005 Substitui: Junho/2004 Revisão 09 Barras pretas nas margens indicam as alterações Descrição Descrição e usos As películas Scotchcal MR Série

Leia mais

2 Classificação de Imagens de Sensoriamento Remoto

2 Classificação de Imagens de Sensoriamento Remoto 2 Classificação de Imagens de Sensoriamento Remoto 2.1. Processamento Digital de Imagens Processamento Digital de Imagens entende-se como a manipulação de uma imagem por computador de modo que a entrada

Leia mais

OBJETIVO Verificar as leis da Reflexão Verificar qualitativamente e quantitativamente a lei de Snell. Observar a dispersão da luz em um prisma.

OBJETIVO Verificar as leis da Reflexão Verificar qualitativamente e quantitativamente a lei de Snell. Observar a dispersão da luz em um prisma. UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA CURSO DE FÍSICA LABORATÓRIO ÓPTICA REFLEXÃO E REFRAÇÃO OBJETIVO Verificar as leis da Reflexão Verificar qualitativamente e quantitativamente a lei de Snell. Observar a

Leia mais

PRÁTICA 1: MICROSCOPIA DE LUZ

PRÁTICA 1: MICROSCOPIA DE LUZ PRÁTICA 1: MICROSCOPIA DE LUZ INTRODUÇÃO: O microscópio de luz é um aparelho que destina-se a observação de objetos muito pequenos, difíceis de serem examinados em detalhes a olho nu. O tipo de microscópio

Leia mais

Iluminação artificial: Tipos de lâmpada Sistemas de iluminação Exemplos

Iluminação artificial: Tipos de lâmpada Sistemas de iluminação Exemplos Iluminação artificial: Tipos de lâmpada Sistemas de iluminação Exemplos Lâmpadas são fontes elementares de luz elétrica. Podemos proteger, refletir, refratar,filtrar, dimerizar, ou simplesmente expor as

Leia mais

apostila técnica COLORS www.lolacosmetics.com.br

apostila técnica COLORS www.lolacosmetics.com.br COLORS apresentação Prezado, É com imenso prazer que apresentamos a apostila de coloração da Lola. Nosso objetivo foi desenvolver um material completo que reunisse informações técnicas e alguns bons argumentos

Leia mais

Além do Modelo de Bohr

Além do Modelo de Bohr Além do Modelo de Bor Como conseqüência do princípio de incerteza de Heisenberg, o conceito de órbita não pode ser mantido numa descrição quântica do átomo. O que podemos calcular é apenas a probabilidade

Leia mais