Ciclo de Discussão: Qualidade de Vida e Ambiente

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Ciclo de Discussão: Qualidade de Vida e Ambiente"

Transcrição

1 INFLUÊNCIA DO TRÁFEGO AUTOMÓVEL NA PRESENÇA DE SUBSTÂNCIAS CANCERÍGENAS NAS PARTÍCULAS INALÁVEIS Ciclo de Discussão: Qualidade de Vida e Ambiente Campo Aberto, Associação de Defesa do Ambiente MARIA DA CONCEIÇÃO MACHADO ALVIM FERRAZ Porto, 28 de Outubro de 2009 O trânsito automóvel e o têm uma influência determinante no aumento da concentração de substâncias cancerígenas nas partículas inaláveis de menores dimensões; estudos desenvolvidos na FEUP justificam um forte risco relacionado com a respectiva exposição, tendo sido fundamentada a necessidade de estabelecer limites para as concentrações de compostos tóxicos nas partículas inaláveis de menores dimensões, presentes no ar exterior e interior; esses limites não estão ainda estabelecidos para nenhum país de forma adequadamente detalhada. A concentração de compostos cancerígenos é em valor absoluto mais elevada nos locais influenciados pelo fumo do tabaco do que nos locais influenciados pelo, tendo o uma influência determinante na toxicidade das partículas inaláveis. Verificou-se que o automóvel tem também uma influência determinante na toxicidade das partículas inaláveis, tendo sido identificada a presença de compostos com forte potencial cancerígeno originados pelo, em locais de referência e em residências de não fumadores, devido ao seu transporte por ventos regionais. Assim, é particularmente relevante a redução das emissões de para proteger a Saúde Humana, tanto mais que ao contrário do que acontece com o não é possível reduzir voluntariamente a exposição às emissões de, tendo em conta a sua presença ubíqua.

2 INFLUÊNCIA DO TRÁFEGO AUTOMÓVEL NA PRESENÇA A DE SUBSTÂNCIAS CANCERÍGENAS NAS PARTÍCULAS INALÁVEIS Ciclo de Discussão: Qualidade de Vida e Ambiente Maria da Conceição M. Alvim Ferraz Departamento de Engenharia Química Campo Aberto, Associação de Defesa do Ambiente Porto, 28 de Outubro de 2009

3 SUMÁRIO Substâncias cancerígenas nas partículas inaláveis Influência das emissões de Comparação das influências do e do Maria da Conceição M. Alvim Ferraz

4 e do OBJECTIVOS ESPECÍFICOS Quantificar poluentes cancerígenos em diferentes fracções das partículas inaláveis Indicadores de emissões de Indicadores do Para proteger a Saúde Pública justificar necessidade de Implementar obediência aos limites para as concentrações de partículas inaláveis de pequenas dimensões Definir limites para poluentes cancerígenos ainda não incluídos na legislação

5 e do Exposição a poluentes atmosféricos Concentrações elevadas Efeitos agudos na saúde Concentrações relativamente baixas Conhecimento ainda muito escasso Matéria particulada inalável tem vindo a adquirir importância PM: Fontes emissoras mais relevantes Atmosferas urbanas: veículos automóveis Ar interior:

6 e do Impacte na Saúde Humana Aumento das taxas de mortalidade e morbilidade Doenças pulmonares e cardiovasculares Parâmetros que determinam impacte das partículas Tamanho e composição química das diferentes fracções granulométricas Partículas inferiores a 10 µm: PM 10 fracção inalável Partículas inferiores a 2,5 µm: PM 2,5 fracção fina Efeitos mais acentuados para menor tamanho Tracto inferior do aparelho respiratório (PM 2,5 )

7 e do Padrões para proteger a Saúde Humana PM 10 Valor-limitemédia anual: 40 µgm -3 Valor-limitemédia diária: 50 µgm -3 a não exceder em mais do que 35 dias por ano PM 2,5 Valor-limitemédia anual: µgm -3

8 Sem dados Dados insuficientes 36 a mais elevada média diária das concentrações de PM 10 em 2005

9 e do Para proteger a Saúde Pública Necessário caracterizar diferentes fracções granulométricas das PM 10 com especial atenção para as PM 2,5 Componentes cancerígenos

10 e do INFLUÊNCIA DAS EMISSÕES DO TRÁFEGO Aumento das concentrações nomeadamente das que têm menores dimensões PM 10 : 380% PM 2,5 : 390% PM 2,5 /PM 10 elevada PM ( µ g m -3 ) PM10 Bc1 PM2.5 Bc1 PM10 Bc2 PM2.5 Bc2 PM10 Tr1 PM2.5 Tr1 PM10 Tr2 PM2.5 Tr2

11 e do INFLUÊNCIA DAS EMISSÕES DO TRÁFEGO Aumentaram significativamente as concentrações dos HAP cancerígenos Naftaleno, criseno, benzo(a)antraceno, benzo(b)fluoranteno, benzo(k)fluoranteno, benzo(a)pireno, dibenzo(a,h)antraceno, indeno(1,2,3- cd)pireno e dibenzo(a,l)pireno PM 10 : 2400% (68% to total dos HAP) PM 2,5 : 3000% (74% to total dos HAP) Mais de 95% dos que estão presentes nas PM 10 estão nas fracção PM 2,5

12 INFLUÊNCIA DO TRÁFEGO AUTOMÓVEL NA PRESENÇA A DE SUBSTÂNCIAS CANCERÍGENAS NAS PARTÍCULAS INALÁVEIS e do INFLUÊNCIA DAS EMISSÕES DO TRÁFEGO 5X HAP cancerígenos PM10 Background site Traffic site 4.5 PM Background site Traffic site Benzo(a)anthracene Chrysene Benzo(b)fluoranthene Benzo(k)fluoranthene Benzo(a)pyrene Dibenzo(a,h)anthracene Indeno(1,2,3-cd)pyrene Dibenzo(a,l)pyrene Naphthalene Benzo(a)anthracene Chrysene Benzo(b)fluoranthene Benzo(k)fluoranthene Benzo(a)pyrene Dibenzo(a,h)anthracene Indeno(1,2,3-cd)pyrene Dibenzo(a,l)pyrene Naphthalene C(ng m -3 ) C(ng m -3 ) 100X

13 e do INFLUÊNCIA DAS EMISSÕES DO TRÁFEGO HAP cancerígenos % Referência Composição percentual semelhante ( 25 e referência) Dibenz[a,h]antraceno Indeno[1,2,3-cd]pireno Benzo[b]fluoranteno Benzo[ghi]perileno Benzo[a]pireno Criseno Benzo[k]fluorateno Benz[a]antraceno Dibenzo[a,l]pireno HAP detectados no local de referência emitidos pelo e transportados por ventos regionais

14 e do INFLUÊNCIA DO FUMO DO TABACO Aumento das concentrações nomeadamente das que têm menores dimensões PM 10 : % PM 2,5 : % PM 1 : % PM (µg m -3 ) PM10 Rf1 PM2.5 Rf1 PM1 Rf1 PM10 Rf2 PM2.5 Rf2 PM1 Rf2 PM10 Ts1 PM2.5 Ts1 PM1 Ts1 PM10 Ts2 PM2.5 Ts2 PM1 Ts2

15 e do INFLUÊNCIA DO FUMO DO TABACO Aumentaram significativamente as concentrações dos HAP cancerígenos Naftaleno, criseno, benzo(a)antraceno, benzo(b)fluoranteno, benzo(k)fluoranteno, benzo(a)pireno, dibenzo(a,h)antraceno, indeno(1,2,3-cd)pireno e dibenzo(a,l)pireno PM 10 : 780% (56% to total dos HAP) PM 2,5 : 760% (55% to total dos HAP) Mais de 88% dos que estão presentes nas PM 10 estão nas fracção PM 2,5

16 PM10 INFLUÊNCIA DO TRÁFEGO AUTOMÓVEL NA PRESENÇA A DE SUBSTÂNCIAS CANCERÍGENAS NAS PARTÍCULAS INALÁVEIS e do INFLUÊNCIA DO FUMO DO TABACO Non-smoking site Smoking site 20 PM Non-smoking site Smoking site Chrysene Benzo(b)fluoranthene Benzo(k)fluoranthene Benzo(a)pyrene Dibenzo(a,h)anthracene Indeno(1,2,3-cd)pyrene Dibenzo(a,l)pyrene Naphthalene Benzo(a)anthracene Chrysene Benzo(b)fluoranthene Benzo(k)fluoranthene Benzo(a)pyrene Dibenzo(a,h)anthracene Indeno(1,2,3-cd)pyrene Dibenzo(a,l)pyrene HAP cancerígenos Benzo(a)anthracene Naphthalene C(ng m -3 ) C(ng m -3 )

17 e do 160 INFLUÊNCIA DO TRÁFEGO E DO FUMO DO TABACO c(µg m -3 ) PM10 PM2,5 Nos locais influenciados pelo fumo do tabaco as concentrações de PM 10 e PM 2.5 foram mais elevadas do que nos locais influenciados pelo, respectivamente, % e %

18 e do INFLUÊNCIA DO TRÁFEGO E DO FUMO DO TABACO c(ng m -3 ) PM 10 Concentrações totais de elementos cancerígenos nos locais influenciados pelo mais elevadas do que nos locais influenciados pelo : PM 10 : % PM 2.5 : % Percentagem de elementos cancerígenos nas PM 2.5 (relativamente às PM 10 ): : 73-83% : 54-69% Cr Ni As Cd Pb

19 e do INFLUÊNCIA DO TRÁFEGO E DO FUMO DO TABACO C(ng m -3 ) 20,0 18,0 16,0 14,0 12,0 10,0 8,0 6,0 4,0 2,0 0,0 Naftaleno PM 2.5 Benz[a]antraceno Criseno Benzo[b]fluoranteno Benzo[k]fluoranteno Benzo[a]pireno Dibenz[a,h]antraceno Dibenzo[a,l]pireno Indeno[1,2,3-cd]pireno Concentração de HAP cancerígenos no local influenciado pelo também muito mais elevada do que no local influenciado pelo : PM 10 : % PM 2.5 : % Percentagem de HAP cancerígenos nas PM 2,5 (relativamente às PM 10 ) : 95% : 88%

20 e do INFLUÊNCIA DO TRÁFEGO E DO FUMO DO TABACO Na residência de não fumadores todos os HAP tiveram concentrações cerca de 50% inferiores às observadas em locais influenciados pelo, com excepção para o naftaleno que está directamente associado a várias fontes específicas interiores C(ng m -3 ) 4,5 4,0 3,5 3,0 2,5 2,0 1,5 1,0 0,5 Residência de não fumadores PM 2.5 0,0 Naftaleno Benz[a]antraceno Criseno Benzo[b]fluoranteno Benzo[k]fluoranteno Benzo[a]pireno Dibenz[a,h]antraceno Dibenzo[a,l]pireno Indeno[1,2,3-cd]pireno

21 e do INFLUÊNCIA DO TRÁFEGO E DO FUMO DO TABACO Composição percentual dos HAP indicadores do automóvel semelhante nas partículas influenciadas pelo e nas existentes na residência de não fumadores Tráfego automóvel tem influência determinante na toxicidade das partículas inaláveis presentes no interior das habitações MESMO DE NÃO FUMADORES % Dibenz[a,h]antraceno Indeno[1,2,3-cd]pireno Benzo[b]fluoranteno Benzo[ghi]perileno Benzo[a]pireno Residência de não fumadores Criseno Benzo[k]fluoranteno Benz[a]antraceno Dibenzo[a,l]pireno PM 10

22 Concentração de compostos cancerígenos mais elevada nos locais influenciados pelo do que nos locais influenciados pelo O tem influência determinante na toxicidade das partículas inaláveis O automóvel tem também uma influência determinante na toxicidade das partículas inaláveis O aumento percentual da concentração de compostos cancerígenos relativamente aos locais de referência é ainda maior por efeito do automóvel do que por efeito do fumo do tabaco A percentagem de HAP cancerígenos na fracção PM 2,5 é também maior por efeito do automóvel (95%) do que por efeito do (88%)

23 Identificada a presença de compostos com forte potencial cancerígeno originados pelo em locais de referência e em residências de não fumadores Relevante a redução das emissões de para proteger a Saúde Humana Não é possível reduzir voluntariamente a exposição Fundamentada a necessidade de definir limites para as concentrações de poluentes cancerígenos nas partículas inaláveis Não estabelecidos para nenhum país de forma adequadamente detalhada

PARTÍCULAS SUSPENSAS NO AR EXTERIOR E INTERIOR

PARTÍCULAS SUSPENSAS NO AR EXTERIOR E INTERIOR Caracterização para Suporte de Estudos Epidemiológicos LEPAE, Departamento de Engenharia Química, Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto Maria da Conceição M. Alvim Ferraz, aferraz@fe.up.pt AMBIENTE

Leia mais

Implementação da Directiva Quadro da Água (DQA)

Implementação da Directiva Quadro da Água (DQA) WORKSHOP Análise e Monitorização Química do Estado da Água Perspectivas para os Laboratórios Implementação da Directiva Quadro da Água (DQA) Directiva das Águas Subterrâneas Decreto Lei nº 208/2008 Implementação

Leia mais

OCEANOGRAFIA QUÍMICA SEDIMENTO - METADADOS NOME ARQUIVO MDB NOME DESCRIÇÃO FORMATO / UNIDADE DE MEDIDA

OCEANOGRAFIA QUÍMICA SEDIMENTO - METADADOS NOME ARQUIVO MDB NOME DESCRIÇÃO FORMATO / UNIDADE DE MEDIDA VL_LATITUDE OCEANOGRAFIA QUÍMICA SEDIMENTO - METADADOS NOME ARQUIVO MDB NOME DESCRIÇÃO FORMATO / UNIDADE DE MEDIDA Latitude Medida angular entre o ponto e o Equador tomada sobre o meridiano local. Varia

Leia mais

Diagnóstico e Metodologia para o estudo dos efeitos das partículas finas na cidade de Lisboa

Diagnóstico e Metodologia para o estudo dos efeitos das partículas finas na cidade de Lisboa Diagnóstico e Metodologia para o estudo dos efeitos das partículas finas na cidade de Lisboa Equipa Departamento de Ciências e Engenharia do Ambiente Faculdade de Ciências e Tecnologia Universidade Nova

Leia mais

SEMINÁRIO DE SMS 2015 SEGMENTO DA PAVIMENTAÇÃO ASFÁLTICA

SEMINÁRIO DE SMS 2015 SEGMENTO DA PAVIMENTAÇÃO ASFÁLTICA SEMINÁRIO DE SMS 2015 SEGMENTO DA PAVIMENTAÇÃO ASFÁLTICA CLASSIFICAÇÃO TOXICOLÓGICA E LEGISLAÇÃO BRASILEIRA O controle de substâncias perigosas é indiscutivelmente relevante. No caso dos agentes de risco

Leia mais

das Doenças Cérebro Cardiovasculares

das Doenças Cérebro Cardiovasculares Programa Regional de Prevenção e Controlo das Doenças Cérebro Cardiovasculares Índice Siglas e Acrónimos... 2 1. Contextualização... 3 2. População Alvo... 3 3. Objectivos... 4 4. Indicadores para Avaliação

Leia mais

Portugal Prevenção e Controlo do Tabagismo em números 2013

Portugal Prevenção e Controlo do Tabagismo em números 2013 ISSN: 2183-0762 Portugal Prevenção e Controlo do Tabagismo em números 2013 Programa Nacional para a Prevenção e Controlo do Tabagismo www.dgs.pt Portugal. Direção-Geral da Saúde. Direção de Serviços de

Leia mais

1 Resumo...3. 2 Introdução...4. 3 Descarga do clinquer no Porto de Sines...6. 4 Acompanhamento do ISQ no Processo de Descarga do Clinquer...

1 Resumo...3. 2 Introdução...4. 3 Descarga do clinquer no Porto de Sines...6. 4 Acompanhamento do ISQ no Processo de Descarga do Clinquer... Parecer relativo às emissões atmosféricas resultantes da operação de descarga de clinquer no Porto de Sines Novembro 2006 1 Índice 1 Resumo...3 2 Introdução...4 3 Descarga do clinquer no Porto de Sines...6

Leia mais

Relatório de Ensaios Nr: 8357 Versão: 1.0 Pag 1 de 5 Boletim Definitivo

Relatório de Ensaios Nr: 8357 Versão: 1.0 Pag 1 de 5 Boletim Definitivo Relatório de s Nr: 8357 Versão: 1.0 Pag 1 de 5 Escherichia coli 0 Número/0mL 0 Método Interno (PTM 4) (14-01-2011) Bactérias coliformes (coliformes totais) 0 Número/0mL 0 Método Interno (PTM 4) (14-01-2011)

Leia mais

Controle da Poluição Atmosférica Parte 1

Controle da Poluição Atmosférica Parte 1 CEFET-MG Departamento de Engenharia Ambiental Gestão da Qualidade do Ar Controle da Poluição Atmosférica Parte 1 Prof. Marcos Vinicius Ribeiro Departamento de Engenharia Ambiental CEFET-MG Belo Horizonte,

Leia mais

Aspectos Sócio-Profissionais da Informática

Aspectos Sócio-Profissionais da Informática ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA I N S T I T U T O P O L I T É C N I C O D E C A S T E L O B R A N C O ENGENHARIA INFORMÁTICA Aspectos Sócio-Profissionais da Informática Jovens Empresários de Sucesso e Tendências

Leia mais

MAPAS DO CAMPUS USP LESTE

MAPAS DO CAMPUS USP LESTE MAPAS DO CAMPUS USP LESTE Elementos e Compostos Químicos Identificados acima dos Valores de Intervenção (Relatórios de Avaliação 2005 2014) USP - 2014 Figura 1. Fotografia do campus USP Leste, localizado

Leia mais

3 Os hidrocarbonetos e a importância de seu estudo no ambiente

3 Os hidrocarbonetos e a importância de seu estudo no ambiente 3 Os hidrocarbonetos e a importância de seu estudo no ambiente Os hidrocarbonetos são compostos químicos formados unicamente por átomos de carbono e hidrogênio, estando presentes na natureza como constituintes

Leia mais

Sistema respiratório

Sistema respiratório Texto de apoio ao professor T6 Sistema respiratório Trocas gasosas (classificação e processo) Doenças respiratórias (causas e exemplos) Durante as trocas gasosas os gases deslocam-se dos locais onde a

Leia mais

FEUP - 2010 RELATÓRIO DE CONTAS BALANÇO

FEUP - 2010 RELATÓRIO DE CONTAS BALANÇO relatório de contas 2 FEUP - 2010 RELATÓRIO DE CONTAS BALANÇO FEUP - 2010 RELATÓRIO DE CONTAS 3 4 FEUP - 2010 RELATÓRIO DE CONTAS DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS POR NATUREZAS DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA

Leia mais

Pesquisador em Saúde Pública Prova Discursiva INSTRUÇÕES

Pesquisador em Saúde Pública Prova Discursiva INSTRUÇÕES Vigilância em Saúde Ambiental Pesquisador em Saúde Pública Prova Discursiva 1. Você recebeu do fiscal o seguinte material: INSTRUÇÕES a) Este Caderno de Questões contendo o enunciado das 2 (duas) questões

Leia mais

AVALIAÇÃO DO IMPACTE DE FOGOS FLORESTAIS NOS RECURSOS HÍDRICOS SUBTERRÂNEOS

AVALIAÇÃO DO IMPACTE DE FOGOS FLORESTAIS NOS RECURSOS HÍDRICOS SUBTERRÂNEOS DEPARTAMENTO DE HIDRÁULICA E AMBIENTE Núcleo de Águas Subterrâneas Proc. 0607/14/15798 AVALIAÇÃO DO IMPACTE DE FOGOS FLORESTAIS NOS RECURSOS HÍDRICOS SUBTERRÂNEOS Análise do impacte dos fogos florestais

Leia mais

Metais Pesados Tóxicos. -Classe de elementos químicos muitos dos quais venenosos para os seres humanos; p. ex: As, Pb, Cd, Hg.

Metais Pesados Tóxicos. -Classe de elementos químicos muitos dos quais venenosos para os seres humanos; p. ex: As, Pb, Cd, Hg. Metais Pesados Tóxicos -Classe de elementos químicos muitos dos quais venenosos para os seres humanos; p. ex: As, Pb, Cd, Hg. -Locais de fixação final desses metais pesados: Solos e Sedimentos; Características

Leia mais

Qualidade do Ar de Fortaleza e do Distrito Industrial de Maracanaú Ceará

Qualidade do Ar de Fortaleza e do Distrito Industrial de Maracanaú Ceará Qualidade do Ar de Fortaleza e do Distrito Industrial de Maracanaú Ceará Lúcia de Fátima Pereira Araújo * Magda Kokay Farias ** * Engenheira Química pelo Centro de Tecnologia da Universidade Federal do

Leia mais

Os Jovens nas Nações Unidas www.un.org/youth. Relatório Mundial sobre a Juventude: Os Jovens Hoje e em 2015

Os Jovens nas Nações Unidas www.un.org/youth. Relatório Mundial sobre a Juventude: Os Jovens Hoje e em 2015 Os Jovens nas Nações Unidas www.un.org/youth Relatório Mundial sobre a Juventude: Os Jovens Hoje e em 2015 Síntese No dia 4 de Outubro de 2005, o Programa das Nações Unidas para a Juventude, do Departamento

Leia mais

Jornadas de Climatização da OE. Lei do Tabaco Algumas Implicações na QAI

Jornadas de Climatização da OE. Lei do Tabaco Algumas Implicações na QAI Jornadas de Climatização da OE Lei do Tabaco Algumas Implicações na QAI Manuel Gameiro da Silva ADAI, Dep. Engª Mecânica Universidade de Coimbra 15 de Outubro de 2008 Hotel Sana - Lisboa Enquadramento

Leia mais

Relatório de informações mensais de abastecimento sobre a qualidade da água para consumo humano em Campo Grande RE_7.5_16-088

Relatório de informações mensais de abastecimento sobre a qualidade da água para consumo humano em Campo Grande RE_7.5_16-088 Relatório de informações mensais de abastecimento sobre a qualidade da água para consumo humano em Campo Grande RE_7.5_16-088 Portaria MS 2914 DE 12/12/2011Parcial(Saída de tratamento) Parâmetros Mínimo

Leia mais

CONTROLO DA QUALIDADE DA ÁGUA PARA CONSUMO HUMANO - ZONA DE ABASTECIMENTO PINHEL DO CONCELHO DE PINHEL

CONTROLO DA QUALIDADE DA ÁGUA PARA CONSUMO HUMANO - ZONA DE ABASTECIMENTO PINHEL DO CONCELHO DE PINHEL - ZONA DE ABASTECIMENTO PINHEL DO CONCELHO DE PINHEL % N.º de Cumprimento superiores ao VP Valor mínimo Valor máximo do VP Agendadas Realizadas Escherichia coli - UFC/100 ml 0 0 0 0 100 6 6 100 Coliformes

Leia mais

ESAPL IPVC. Licenciatura em Engenharia do Ambiente e dos Recursos Rurais. Economia Ambiental

ESAPL IPVC. Licenciatura em Engenharia do Ambiente e dos Recursos Rurais. Economia Ambiental ESAPL IPVC Licenciatura em Engenharia do Ambiente e dos Recursos Rurais Economia Ambiental Tema 6 IMPOSTOS E CONTAMINAÇÃO ÓPTIMA Para quê a Regulamentação? No tema anterior vimos que as soluções de mercado

Leia mais

Respostas para artigo de Saúde Ambiental Jornal Água & Ambiente

Respostas para artigo de Saúde Ambiental Jornal Água & Ambiente Respostas para artigo de Saúde Ambiental Jornal Água & Ambiente 1. É notório um significativo impacto na saúde humana decorrente de factores de risco ambientais tanto ao nível da morbilidade como da mortalidade

Leia mais

Avaliação das Emissões dos Transportes Rodoviários na Cidade de Maputo

Avaliação das Emissões dos Transportes Rodoviários na Cidade de Maputo UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE FACULDADE DE ENGENHARIA Departamento de Engenharia Quimica Avaliação das Emissões dos Transportes Rodoviários na Cidade de Maputo AUTORA : Magaia, Natália Isabel SUPERVISOR:

Leia mais

Recursos Atmosfericos

Recursos Atmosfericos Recursos Atmosfericos Professor: Neyval Costa Reis Jr. Departamento de Engenharia Ambiental Centro Tecnológico UFES Programa Detalhado Atmosfera Camadas Constituintes Balanço de energia Ventos na atmosfera

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU. Comissão do Ambiente, da Saúde Pública e da Segurança Alimentar ***I PROJECTO DE RELATÓRIO

PARLAMENTO EUROPEU. Comissão do Ambiente, da Saúde Pública e da Segurança Alimentar ***I PROJECTO DE RELATÓRIO PARLAMENTO EUROPEU 2004 ««««««««««««2009 Comissão do Ambiente, da Saúde Pública e da Segurança Alimentar PROVISÓRIO 2004/0036(COD) 11.1.2005 ***I PROJECTO DE RELATÓRIO sobre a proposta de directiva do

Leia mais

ISSN: 2183-0673. Portugal. em números 2013. Programa Nacional para as. Doenças Respiratórias. www.dgs.pt

ISSN: 2183-0673. Portugal. em números 2013. Programa Nacional para as. Doenças Respiratórias. www.dgs.pt ISSN: 2183-0673 Portugal em números 2013 Programa Nacional para as www.dgs.pt Portugal. Direcção-Geral da Saúde. Direção de Serviços de Informação e Análise Portugal em números 2013 ISSN: 2183-0673 Periodicidade:

Leia mais

POLUIÇÃO DO AR E EFEITOS SOBRE A SAÚDE

POLUIÇÃO DO AR E EFEITOS SOBRE A SAÚDE POLUIÇÃO DO AR E EFEITOS SOBRE A SAÚDE Cláudia Ramos Rhoden crhoden@ufcspa.edu.br Saneamento em Foco - ABES - Federasul Porto Alegre novembro 2010 Londres 1952 POLUIÇÃO DO AR 2 milhões de mortes prematuras

Leia mais

Lista de Ensaios Acreditados - Âmbito Flexivel. Anexo Técnico de Acreditação, L0297-1

Lista de Ensaios Acreditados - Âmbito Flexivel. Anexo Técnico de Acreditação, L0297-1 1.1.1 Determinação de Ferro 1.1.2 Determinação de Cobre 1.1.3 Determinação de Cádmio 1.1.4 Determinação de Chumbo 1.1.5 Determinação de Crómio 1.1.6 Determinação de Manganês 1.1.7 Determinação de Níquel

Leia mais

DIAGNÓSTICO DAS EMISSÕES ATMOSFÉRICAS DE ORIGEM VEICULAR NA ÁREA URBANA DE CAMPO MOURÃO PR.

DIAGNÓSTICO DAS EMISSÕES ATMOSFÉRICAS DE ORIGEM VEICULAR NA ÁREA URBANA DE CAMPO MOURÃO PR. DIAGNÓSTICO DAS EMISSÕES ATMOSFÉRICAS DE ORIGEM VEICULAR NA ÁREA URBANA DE CAMPO MOURÃO PR. R.F. SILVA¹, J. H. B. ARAÚJO², G. G. TEIXEIRA 3, G. R. N. MEIRA 4 1 Universidade Tecnológica Federal do Paraná

Leia mais

1. RESUMO DOS RESULTADOS OBTIDOS NAS ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ÁGUA E SISTEMAS INDEPENDENTES DE ÁGUA DO CONCELHO DE VIMIOSO

1. RESUMO DOS RESULTADOS OBTIDOS NAS ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ÁGUA E SISTEMAS INDEPENDENTES DE ÁGUA DO CONCELHO DE VIMIOSO 1. RESUMO DOS RESULTADOS OBTIDOS NAS ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ÁGUA E SISTEMAS INDEPENDENTES DE ÁGUA DO CONCELHO DE VIMIOSO Nos quadros seguintes apresenta-se um resumo global dos resultados s para a água

Leia mais

Concentração Máxima Aceitável

Concentração Máxima Aceitável CENÁRIOS / PLAs BENZENO 71432 C6H6 UNIDA RISCO (CMAPOE) 0 a 10 FUNÇÃO DA DISTANCIA DO PONTO (CMAHS) (RESINCIAL) INGESTÃO ÁGUA (PLA PORTARIA 518 MS2004) (PLA COMA 3572005) Água Doce Classes I e II (PLA

Leia mais

Ventilação de Cozinhas Profissionais

Ventilação de Cozinhas Profissionais Ventilação de Cozinhas Profissionais (Ambiente Térmico e Qualidade do Ar) Filipe Maia Baptista Dissertação para a obtenção do Grau de Mestre em Engenharia Mecânica Júri Presidente: Orientador: Vogais:

Leia mais

1. Introdução. António Barreto Archer * e João Rui Machado **

1. Introdução. António Barreto Archer * e João Rui Machado ** A Resolução dos Problemas de Poluição Atmosférica Gerados pela Indústria Têxtil através de uma Nova Tecnologia: Precipitação Electrostática a Húmido (Condensing WESP TM ) A precipitação electrostática

Leia mais

Proposta de DECISÃO DO CONSELHO

Proposta de DECISÃO DO CONSELHO "A - "A - COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 4.8.2004 COM(2004) 537 final Proposta de DECISÃO DO CONSELHO relativa às propostas de emendas apresentadas em nome da Comunidade Europeia e dos Estados-Membros

Leia mais

1. Evolução da atmosfera

1. Evolução da atmosfera 1. Evolução da atmosfera Breve história O nosso planeta está envolvido por uma camada gasosa atmosfera cuja espessura é de aproximadamente 1110 km (+- 1/5 do raio terrestre). Esta camada gasosa tem várias

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-013 Folha: 1 / 141 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO INSTITUTO DE PESQUISAS TECNOLÓGICAS / CENTRO DE METROLOGIA EM QUÍMICA PETRÓLEO, DERIVADOS, GÁS NATURAL, ÁLCOOL, COMBUSTÍVEIS

Leia mais

PLANILHA - CPEA MS. Parâmetros. Resultado da Amostra 60422/2012. Resultado da duplicata 60424/2012 DPR (%)

PLANILHA - CPEA MS. Parâmetros. Resultado da Amostra 60422/2012. Resultado da duplicata 60424/2012 DPR (%) PLANILHA - CPEA MS Parâmetros Amostra 60422/2012 duplicata 60424/2012 DPR (%) 1,1-Dicloroeteno < 0,001 < 0,001 0 Spike adicionado (VOC) 1,2,3-Triclorobenzeno < 1 < 1 0 Spike adicionado (SVOC) 1,2,4-Triclorobenzeno

Leia mais

MINISTÉRIO DO AMBIENTE E DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO

MINISTÉRIO DO AMBIENTE E DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO Diário da República, 1.ª série N.º 187 24 de Setembro de 2010 4289 MINISTÉRIO DO AMBIENTE E DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO Decreto-Lei n.º 103/2010 de 24 de Setembro O Programa do XVIII Governo Constitucional

Leia mais

ASPECTOS AMBIENTAIS DA PRODUÇÃO DE ENERGIA

ASPECTOS AMBIENTAIS DA PRODUÇÃO DE ENERGIA ASPECTOS AMBIENTAIS DA PRODUÇÃO DE ENERGIA Notas das aulas da disciplina de Instalações e Serviços Industriais Sumário Poluentes mais comuns Efeitos dos poluentes Equipamentos para retenção dos poluentes

Leia mais

NOTA RESEARCH NOTE. Cristina L. S. Sisinno 1 Annibal D. Pereira Netto 2 Eliane Cristina P. do Rego 3 Guilherme dos Santos V.

NOTA RESEARCH NOTE. Cristina L. S. Sisinno 1 Annibal D. Pereira Netto 2 Eliane Cristina P. do Rego 3 Guilherme dos Santos V. NOTA RESEARCH NOTE 671 Hidrocarbonetos policíclicos aromáticos em resíduos sólidos industriais: uma avaliação preliminar do risco potencial de contaminação ambiental e humana em áreas de disposição de

Leia mais

Impacte da Poluição Atmosférica por Partículas (PM 10 ) na Mortalidade dos Residentes no Concelho de Lisboa

Impacte da Poluição Atmosférica por Partículas (PM 10 ) na Mortalidade dos Residentes no Concelho de Lisboa Impacte da Poluição Atmosférica por Partículas (PM 10 ) na Mortalidade dos Residentes no Concelho de Lisboa Mafalda Lira Rita Nicolau Ausenda Machado Departamento de Epidemiologia do INSA Luísa Nogueira

Leia mais

Avaliação da Satisfação das Empresas Associadas Ano 2008

Avaliação da Satisfação das Empresas Associadas Ano 2008 Relatório Resumo Avaliação da Satisfação das Empresas Associadas Ano 2008 Fevereiro de 2009 Departamento de Qualidade e Comunicação sofia.viegas@apemeta.pt Índice: 2 1. Enquadramento 3 2. Avaliação da

Leia mais

SubProjecto. Educação para a Saúde Escola ConVida

SubProjecto. Educação para a Saúde Escola ConVida SubProjecto Educação para a Saúde Escola ConVida Ano lectivo 2008/2009 Preâmbulo Nos últimos anos, a escola EB 2, 3 da Maia tem vindo a realizar um trabalho interventivo no âmbito da Educação para Saúde,

Leia mais

Promoção da Saúde e Prevenção da Doença

Promoção da Saúde e Prevenção da Doença Faculdade de Medicina de Lisboa Instituto de Medicina Preventiva Disciplina de Medicina Geral e Familiar (5º Ano) Promoção da Saúde e Prevenção da Doença Medicina Curativa e Medicina Preventiva Saúde versus

Leia mais

PHC Factoring. A solução para a gestão dos contratos de Factoring, respectivas cessões, adiantamentos e recibos das entidades aderentes.

PHC Factoring. A solução para a gestão dos contratos de Factoring, respectivas cessões, adiantamentos e recibos das entidades aderentes. PHCFactoring DESCRITIVO Este módulo permite aos aderentes fazer a gestão integrada dos vários Contratos de Factoring, nomeadamente das respectivas cessões, adiantamentos e recibos, bem como o controlo

Leia mais

PROTOCOLO ENERGIA POSITIVA CONTRA A OBESIDADE

PROTOCOLO ENERGIA POSITIVA CONTRA A OBESIDADE PROTOCOLO ENERGIA POSITIVA CONTRA A OBESIDADE A incidência e a prevalência quer da pré-obesidade quer da obesidade têm vindo a aumentar na União Europeia e, também, em Portugal, constituindo um importante

Leia mais

ESAPL IPVC. Licenciatura em Engenharia do Ambiente e dos Recursos Rurais. Economia Ambiental

ESAPL IPVC. Licenciatura em Engenharia do Ambiente e dos Recursos Rurais. Economia Ambiental ESAPL IPVC Licenciatura em Engenharia do Ambiente e dos Recursos Rurais Economia Ambiental Tema 2 O MERCADO O Mercado Os Economistas estudam e analisam o funcionamento de uma série de instituições, no

Leia mais

EVOLUÇÃO DO SEGURO DE SAÚDE EM PORTUGAL

EVOLUÇÃO DO SEGURO DE SAÚDE EM PORTUGAL EVOLUÇÃO DO SEGURO DE SAÚDE EM PORTUGAL Ana Rita Ramos 1 Cristina Silva 2 1 Departamento de Análise de Riscos e Solvência do ISP 2 Departamento de Estatística e Controlo de Informação do ISP As opiniões

Leia mais

RELATÓRIO MateMática - 3º ciclo

RELATÓRIO MateMática - 3º ciclo RELATÓRIO MateMática - 3º ciclo 1 1. IDENTIFICAÇÃO DA ACTIVIDADE Este documento é o relatório final da Actividade designada (+) Conhecimento, que se insere na Acção nº 4, designada Competência (+), do

Leia mais

5.7 Murtosa. 5.6.4.4 Tarifário de água O Quadro 5.66 apresenta o tarifário da água da rede de abastecimento público no concelho de Mira.

5.7 Murtosa. 5.6.4.4 Tarifário de água O Quadro 5.66 apresenta o tarifário da água da rede de abastecimento público no concelho de Mira. 5.6.4.3 Tratamento de água para consumo humano A água captada pela Câmara (captação da Lagoa) é sujeita a tratamento de filtragem e cloragem. 5.6.4.4 Tarifário de água O Quadro 5.66 apresenta o tarifário

Leia mais

Higiene do Trabalho. José Carlos Marques Centro de Química da Madeira Departamento de Química Universidade da Madeira. marques@uma.

Higiene do Trabalho. José Carlos Marques Centro de Química da Madeira Departamento de Química Universidade da Madeira. marques@uma. Higiene do Trabalho José Carlos Marques Centro de Química da Madeira Departamento de Química Universidade da Madeira Uma 2004 marques@uma.pt http://www.uma.pt/jcmarques Plano Princípios Plano / bibliografia

Leia mais

Posição da SPEA sobre a Energia Eólica em Portugal. Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves

Posição da SPEA sobre a Energia Eólica em Portugal. Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves Posição da SPEA sobre a Energia Eólica em Portugal Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves 1. Introdução A energia eólica é a fonte de energia que regista maior crescimento em todo o mundo. A percentagem

Leia mais

RELATÓRIO INTERCALAR (nº 3, do artigo 23º, da Decisão 2004/904/CE)

RELATÓRIO INTERCALAR (nº 3, do artigo 23º, da Decisão 2004/904/CE) (nº 3, do artigo 23º, da Decisão 2004/904/CE) Comissão Europeia Direcção-Geral da Justiça, da Liberdade e da Segurança Unidade B/4 Fundo Europeu para os Refugiados B-1049 Bruxelas Estado-Membro: PORTUGAL

Leia mais

FORMAÇÃO PROFISSIONAL AS OBRIGAÇÕES PREVISTAS NO CÓDIGO DO TRABALHO E NA SUA REGULAMENTAÇÃO.

FORMAÇÃO PROFISSIONAL AS OBRIGAÇÕES PREVISTAS NO CÓDIGO DO TRABALHO E NA SUA REGULAMENTAÇÃO. FORMAÇÃO PROFISSIONAL AS OBRIGAÇÕES PREVISTAS NO CÓDIGO DO TRABALHO E NA SUA REGULAMENTAÇÃO. PRINCÍPIOS E OBJECTIVOS O Código do Trabalho e posteriormente a Lei n.º 35/2004, de 29 de Julho que o veio regulamentar,

Leia mais

III-123 DIAGNÓSTICO AMBIENTAL EM ATERROS DE RESÍDUOS SÓLIDOS A PARTIR DE ESTUDOS DE REFERÊNCIA

III-123 DIAGNÓSTICO AMBIENTAL EM ATERROS DE RESÍDUOS SÓLIDOS A PARTIR DE ESTUDOS DE REFERÊNCIA III-123 DIAGNÓSTICO AMBIENTAL EM ATERROS DE RESÍDUOS SÓLIDOS A PARTIR DE ESTUDOS DE REFERÊNCIA Vera Lúcia A. de Melo (1) Mestre em Engenharia Civil (Geotecnia) pela UFPE. Aperfeiçoamento em pesquisa no

Leia mais

QUALIDADE DO AR INTERIOR

QUALIDADE DO AR INTERIOR QUALIDADE DO AR INTERIOR POR DIA OS NOSSOS PULMÕES FILTRAM CERCA DE 13. 000 LITROS DE AR! A POLUIÇÃO EM AMBIENTES FECHADOS É UMA DAS PRINCIPAIS CAUSAS DE DOENÇAS RESPIRATÓRIAS A maior parte das nossas

Leia mais

Regulamento do Concurso Ambiente & Saúde 1. APRESENTAÇÃO 2. OBJECTIVOS. O papel dos jovens num mundo em mudança

Regulamento do Concurso Ambiente & Saúde 1. APRESENTAÇÃO 2. OBJECTIVOS. O papel dos jovens num mundo em mudança Regulamento do Concurso Ambiente & Saúde O papel dos jovens num mundo em mudança 1. APRESENTAÇÃO A protecção do ambiente, a prevenção da doença e a promoção da saúde constituem alguns dos maiores desafios

Leia mais

GOVERNANÇA DA ÁGUA: DA TEORIA À PRÁTICA O CASO DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS. Teresa E. Leitão

GOVERNANÇA DA ÁGUA: DA TEORIA À PRÁTICA O CASO DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS. Teresa E. Leitão GOVERNANÇA DA ÁGUA: DA TEORIA À PRÁTICA O CASO DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS Teresa E. Leitão ENQUADRAMENTO Governança da Água: múltiplas vertentes; múltiplos instrumentos de gestão com implicações na água (ordenamento

Leia mais

Avaliação de Hidrocarbonetos Policíclicos. Aromáticos (HPAs) em áreas de proteção. permanente no sudeste brasileiro

Avaliação de Hidrocarbonetos Policíclicos. Aromáticos (HPAs) em áreas de proteção. permanente no sudeste brasileiro Rodrigo Ornellas Meire Avaliação de Hidrocarbonetos Policíclicos Aromáticos (HPAs) em áreas de proteção permanente no sudeste brasileiro Dissertação apresentada à coordenação de pósgraduação do Instituto

Leia mais

Empresas em Portugal 2012

Empresas em Portugal 2012 Empresas em Portugal 2012 21 de março de 2014 Principais indicadores revelaram uma contração da atividade económica em 2012 com exceção das sociedades exportadoras Em 2012 existiam em Portugal 1 086 452

Leia mais

Artigo para a revista Planeta Azul APA, Abril de 2010

Artigo para a revista Planeta Azul APA, Abril de 2010 Artigo para a revista Planeta Azul APA, Abril de 2010 P. Quando entrará em funcionamento o PNAAS? O Plano Nacional de Acção Ambiente e Saúde (PNAAS) foi aprovado pela Resolução de Conselho de Ministros

Leia mais

Adaptação às Alterações Climáticas em Portugal: Estratégias e Perspetivas

Adaptação às Alterações Climáticas em Portugal: Estratégias e Perspetivas Adaptação às Alterações Climáticas em Portugal: Estratégias e Perspetivas Carlos Borrego Myriam Lopes e Sandra Rafael Seminário ADAPTAÇÃO ÀS ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS LIPOR, 28 Setembro 2015 Instituto do Ambiente

Leia mais

MARCADORES ORGÂNICOS GEOQUÍMICOS : TENDÊNCIAS ATUAIS E PERSPECTIVAS EM ESTUDOS OCEANOGRÁFICOS E AMBIENTAIS

MARCADORES ORGÂNICOS GEOQUÍMICOS : TENDÊNCIAS ATUAIS E PERSPECTIVAS EM ESTUDOS OCEANOGRÁFICOS E AMBIENTAIS Simpósio sobre Oceanografia e Defesa Sanitária MARCADORES ORGÂNICOS GEOQUÍMICOS : TENDÊNCIAS ATUAIS E PERSPECTIVAS EM ESTUDOS OCEANOGRÁFICOS E AMBIENTAIS César de Castro Martins 1,2 1 Centro de Estudos

Leia mais

INFORMAÇÃO A COMUNICAR AO PÚBLICO NO ÂMBITO DA DIRETIVA SEVESO

INFORMAÇÃO A COMUNICAR AO PÚBLICO NO ÂMBITO DA DIRETIVA SEVESO NO ÂMBITO DA DIRETIVA SEVESO DESIGNAÇÃO DO ESTABELECIMENTO: Refinaria de Sines A atualização deste documento apenas é garantida através do SIAQS. Salvo indicação em contrário, qualquer cópia em papel é

Leia mais

Poluição Ambiental e Saúde Infantil: a Vulnerabilidade do período Intra-Uterino

Poluição Ambiental e Saúde Infantil: a Vulnerabilidade do período Intra-Uterino Poluição Ambiental e Saúde Infantil: a Vulnerabilidade do período Intra-Uterino Nelson Gouveia Depto. de Medicina Preventiva Faculdade de Medicina Universidade de São Paulo EVIDÊNCIAS DE EFEITOS DA POLUIÇÃO

Leia mais

JOSÉ RICARDO LIMA BISPO

JOSÉ RICARDO LIMA BISPO DETERMINAÇÃO DE HIDROCARBONETOS POLICÍCLICOS AROMÁTICOS EM ÁGUA PRODUZIDA POR EXTRAÇÃO EM FASE SÓLIDA E CROMATOGRAFIA GASOSA COM DETECTOR DE IONIZAÇÃO POR CHAMA JOSÉ RICARDO LIMA BISPO Dissertação apresentada

Leia mais

Bruno Maiolli Razera 1 ; Paulo Giovani Basane 2 ; Renan Vinicius Serbay Rodrigues 3 ; José Hilton Bernardino de Araújo

Bruno Maiolli Razera 1 ; Paulo Giovani Basane 2 ; Renan Vinicius Serbay Rodrigues 3 ; José Hilton Bernardino de Araújo DIAGNÓSTICO DAS EMISSÕES ATMOSFÉRICAS DE ORIGEM VEICULAR POR MEIO DE ANALISADOR PORTÁTIL DE GASES NO MUNICÍPIO DE CAMPO MOURÃO-PR E ANÁLISE DOS SEUS EFEITOS NA SAÚDE DA POPULAÇÃO Bruno Maiolli Razera 1

Leia mais

Enquadramento da rede de monitorização da qualidade do ar na Região Centro e sua monitorização

Enquadramento da rede de monitorização da qualidade do ar na Região Centro e sua monitorização Enquadramento da rede de monitorização da qualidade do ar na Região Centro e sua monitorização Cristina Taliscas Novembro 2011 Poluentes atmosféricos e seus efeitos Legislação da qualidade do ar ambiente

Leia mais

Professor, a aplicação informática dá uma solução diferente da do livro.qual delas está certa? - Práticas no ensino da mecânica estrutural

Professor, a aplicação informática dá uma solução diferente da do livro.qual delas está certa? - Práticas no ensino da mecânica estrutural Professor, a aplicação informática dá uma solução diferente da do livro.qual delas está certa? - Práticas no ensino da mecânica estrutural Miguel Matos Neves (DEM/IST) e Hugo Policarpo (IPFN) Contexto

Leia mais

HIDROCARBONETOS POLICÍCLICOS AROMÁTICOS, A SECAGEM DE GRAOS PRÉ- ARMAZENAGEM

HIDROCARBONETOS POLICÍCLICOS AROMÁTICOS, A SECAGEM DE GRAOS PRÉ- ARMAZENAGEM HIDROCARBONETOS POLICÍCLICOS AROMÁTICOS, A SECAGEM DE GRAOS PRÉ- ARMAZENAGEM SCUSSEL, V. M; GONÇALVES, B.; GARCIA, L. P.; STEIN, S. M., Laboratório de Micotoxicologia e Contaminantes Alimentares, Departamento

Leia mais

Gerenciamento de Riscos Ambientais Aula 5

Gerenciamento de Riscos Ambientais Aula 5 Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão, Auditoria e Perícia Ambiental Gerenciamento de Riscos Ambientais Aula 5 Alexandre Martins Fernandes afernandes@cena.usp.br Sorocaba Agosto 2010 Tipos e

Leia mais

Qualidade do Ar. Emissões Atmosféricas. em todas as estações de monitorização ter algumas vezes sido superior aos valores da norma guia.

Qualidade do Ar. Emissões Atmosféricas. em todas as estações de monitorização ter algumas vezes sido superior aos valores da norma guia. A actividade humana exerce grandes impactes sobre o ambiente atmosférico. Como Macau é uma região pequena, a qualidade do ar local é afectada tanto por factores externos como internos. Com o desenvolvimento

Leia mais

MINUTA DE CONTRATO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS FINANCEIROS A PESSOAS COLECTIVAS PRIVADAS SEM FINS LUCRATIVOS PROGRAMA MODELAR

MINUTA DE CONTRATO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS FINANCEIROS A PESSOAS COLECTIVAS PRIVADAS SEM FINS LUCRATIVOS PROGRAMA MODELAR MINUTA DE CONTRATO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS FINANCEIROS A PESSOAS COLECTIVAS PRIVADAS SEM FINS LUCRATIVOS PROGRAMA MODELAR Entre O Primeiro Outorgante, A Administração Regional de Saúde de. IP, adiante

Leia mais

INTRODUÇÃO EQUIPAMENTOS

INTRODUÇÃO EQUIPAMENTOS INTRODUÇÃO Por iniciativa da Belgo Mineira Participação e da DaimlerChrysler - Juiz de Fora, e sob a interveniência da FEAM-MG, foi assinado termo aditivo com a UFJF, pelo qual as empresas cediam ao Laboratório

Leia mais

Efeitos da poluição do ar sobre as plantas

Efeitos da poluição do ar sobre as plantas Saiba mais Efeitos da poluição do ar sobre as plantas Marcelle Dafré Martinelli A poluição atmosférica é um dos principais problemas ambientais das grandes metrópoles, como a cidade de São Paulo, devido

Leia mais

Composição da atmosfera terrestre. Fruto de processos físico-químicos e biológicos iniciados há milhões de anos Principais gases:

Composição da atmosfera terrestre. Fruto de processos físico-químicos e biológicos iniciados há milhões de anos Principais gases: Poluição do ar Composição da atmosfera terrestre Fruto de processos físico-químicos e biológicos iniciados há milhões de anos Principais gases: Nitrogênio 78% Oxigênio 21% Argônio 0,9% Gás Carbônico 0,03%

Leia mais

Lei nº 7653 DE 24/07/2014

Lei nº 7653 DE 24/07/2014 Lei nº 7653 DE 24/07/2014 Norma Estadual - Alagoas Publicado no DOE em 28 jul 2014 Dispõe sobre as atividades pertinentes ao controle da poluição atmosférica, padrões e gestão da qualidade do ar, conforme

Leia mais

B. Qualidade de Crédito dos Investimentos das Empresas de Seguros e dos Fundos de Pensões. 1. Introdução. 2. Âmbito

B. Qualidade de Crédito dos Investimentos das Empresas de Seguros e dos Fundos de Pensões. 1. Introdução. 2. Âmbito B. Qualidade de Crédito dos Investimentos das Empresas de Seguros e dos Fundos de Pensões 1. Introdução A mensuração, mitigação e controlo do nível de risco assumido pelos investidores institucionais (e

Leia mais

Utilização de imagens de satélite e modelagem numérica para determinação de dias favoráveis a dispersão de poluentes.

Utilização de imagens de satélite e modelagem numérica para determinação de dias favoráveis a dispersão de poluentes. Utilização de imagens de satélite e modelagem numérica para determinação de dias favoráveis a dispersão de poluentes. Claudinéia Brazil Saldanha Rita de Cássia Marques Alves Centro Estadual de Pesquisas

Leia mais

Condições e Padrões de Qualidade de Águas

Condições e Padrões de Qualidade de Águas Condições e Padrões de Qualidade de Águas baseado na resolução CONAMA 357/2005 com alteração da resolução CONAMA 430/2011 ÁGUAS DOCES CLASSE ESPECIAL Não são permitidos lançamentos de qualquer espécie

Leia mais

Relatório do Sistema Integrado de Avaliação de Desempenho na Administração Pública 2012

Relatório do Sistema Integrado de Avaliação de Desempenho na Administração Pública 2012 Relatório do Sistema Integrado de Avaliação de Desempenho na Administração Pública 2012 da Universidade do Minho Abril de 2013 i. Etapas formais Pretende este documento servir como um relatório síntese

Leia mais

COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA. PROJETO DE LEI Nº 934, DE 2003 (Apenso o Projeto de Lei nº 1.802, de 2003)

COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA. PROJETO DE LEI Nº 934, DE 2003 (Apenso o Projeto de Lei nº 1.802, de 2003) COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA PROJETO DE LEI Nº 934, DE 2003 (Apenso o Projeto de Lei nº 1.802, de 2003) Institui Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico destinada a financiar programas

Leia mais

O campus USP Capital/Zona Leste Identificação de compostos químicos no solo e avaliação de risco à saúde humana

O campus USP Capital/Zona Leste Identificação de compostos químicos no solo e avaliação de risco à saúde humana O campus USP Capital/Zona Leste Identificação de compostos químicos no solo e avaliação de risco à saúde humana Prof. Dr. Felipe S. Chambergo, Prof. Dr. Marcio Gurgel e Profa. Dra. Viviane Nunes Agosto/2014

Leia mais

Regulamento para a Certificação dos Sistemas de Gestão da Responsabilidade Social

Regulamento para a Certificação dos Sistemas de Gestão da Responsabilidade Social Regulamento para a Certificação dos Sistemas de Gestão da Em vigor a partir de 01 de abril de 2016 RINA Via Corsica 12 16128 GÊNOVA, Itália tel +39 010 53851 fax +39 010 5351000 website : www.rina.org

Leia mais

Estudo da ilha de calor urbana em cidade de porte médio na Região Equatorial

Estudo da ilha de calor urbana em cidade de porte médio na Região Equatorial Estudo da ilha de calor urbana em cidade de porte médio na Região Equatorial Paulo Wilson de Sousa UCHÔA (1); Antônio Carlos Lola da COSTA (2) Mestrando em Recursos Naturais da Amazônia Universidade Federal

Leia mais

www.observatoriogeogoias.com.br

www.observatoriogeogoias.com.br Publicado originalmente em: Anais do VI Simpósio Brasileiro de Climatologia Geográfica, UFS, Aracaju, 24. ENSAIO AO ENTENDIMENTO DA POLUIÇÃO DO AR EM GOIÂNIA GO MESQUITA, Maria Elisabeth Alves Professora

Leia mais

Panorama da Saúde: Indicadores da OCDE Edição 2005. Sumário Executivo

Panorama da Saúde: Indicadores da OCDE Edição 2005. Sumário Executivo Health at a Glance: OECD Indicators 2005 Edition Summary in Portuguese Panorama da Saúde: Indicadores da OCDE Edição 2005 Sumário em Português Sumário Executivo Os sistemas de saúde nos países da OCDE

Leia mais

Organismo avaliado: INSA. 1. Enquadramento. 2. Parecer com análise crítica. 3. Documentos de referência

Organismo avaliado: INSA. 1. Enquadramento. 2. Parecer com análise crítica. 3. Documentos de referência Parecer emitido pelo Alto Comissariado da Saúde (GPEARI do MS) com Análise Crítica da Auto-Avaliação do INSA (Artigo 17.º da Lei n.º 66-B/2007, de 28 de Dezembro) Organismo avaliado: INSA 1. Enquadramento

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO DOS AMBIENTES MARINHOS

CLASSIFICAÇÃO DOS AMBIENTES MARINHOS CLASSIFICAÇÃO DOS AMBIENTES MARINHOS Introdução Os oceanos ocupam cerca de 71% da superfície da Terra As partes mais profundas atingem quase 11000 metros Profundidade média dos oceanos é 3800 m. Volume

Leia mais

Taxas de serviço aos comerciantes na utilização de cartões de pagamento

Taxas de serviço aos comerciantes na utilização de cartões de pagamento Taxas de serviço aos comerciantes na utilização de cartões de pagamento Caso comparativo Portugal vs. Espanha JULHO 2007 Síntese de conclusões Mais de 14% dos cartões de pagamento na Europa dos 15 são

Leia mais

Regulamento de Estágio do Mestrado em Desporto 2009

Regulamento de Estágio do Mestrado em Desporto 2009 Instituto Politécnico de Santarém ESCOLA SUPERIOR DE DESPORTO DE RIO MAIOR MESTRADO EM DESPORTO REGULAMENTO DE ESTÁGIO Este regulamento enquadra-se no âmbito do artigo 21.º do regulamento específico do

Leia mais

Avaliação de risco toxicológico

Avaliação de risco toxicológico Avaliação de risco toxicológico UFVJM Departamento de Farmácia Bioquímica Disciplina de Toxicologia Prof. Dr. Antonio Sousa Santos A abordagem de manejo de risco é relativamente recente. A avaliação de

Leia mais

O mercado monetário. Mercado Financeiro - Prof. Marco Arbex. Os mercados financeiros são subdivididos em quatro categorias (ASSAF NETO, 2012):

O mercado monetário. Mercado Financeiro - Prof. Marco Arbex. Os mercados financeiros são subdivididos em quatro categorias (ASSAF NETO, 2012): O mercado monetário Prof. Marco A. Arbex marco.arbex@live.estacio.br Blog: www.marcoarbex.wordpress.com Os mercados financeiros são subdivididos em quatro categorias (ASSAF NETO, 2012): Mercado Atuação

Leia mais

VI-010 - AUMENTO DA SOLUBILIDADE DE HIDROCARBONETOS POLICÍCLICOS AROMÁTICOS EM ÁGUAS SUBTERRÂNEAS CONTAMINADAS COM ÓLEO DIESEL

VI-010 - AUMENTO DA SOLUBILIDADE DE HIDROCARBONETOS POLICÍCLICOS AROMÁTICOS EM ÁGUAS SUBTERRÂNEAS CONTAMINADAS COM ÓLEO DIESEL VI-010 - AUMENTO DA SOLUBILIDADE DE HIDROCARBONETOS POLICÍCLICOS AROMÁTICOS EM ÁGUAS SUBTERRÂNEAS CONTAMINADAS COM ÓLEO DIESEL Beatriz I. Almeida Kaipper (1) Bacharel em Química pela Universidade Federal

Leia mais

Associação entre a qualidade do ar e indicador de saúde infantil

Associação entre a qualidade do ar e indicador de saúde infantil Associação entre a qualidade do ar e indicador de saúde infantil Manuel Castro Ribeiro Aluno de doutoramento em Engenharia Ambiental Investigador do (Cerena/IST) 1 Introdução Fact. Ambientais Fact. Geneticos

Leia mais

2 Remediação Ambiental 2.1. Passivo Ambiental

2 Remediação Ambiental 2.1. Passivo Ambiental 17 2 Remediação Ambiental 2.1. Passivo Ambiental O conceito de passivo ambiental vem das ciências contábeis, onde, Galdino et al. (2002) definem como sendo as obrigações adquiridas em decorrência de transações

Leia mais

SEMINÁRIO QUALIDADE DO AR E EFEITOS NA SAÚDE. A Saúde Respiratória da Criança

SEMINÁRIO QUALIDADE DO AR E EFEITOS NA SAÚDE. A Saúde Respiratória da Criança SEMINÁRIO QUALIDADE DO AR E EFEITOS NA SAÚDE A Saúde Respiratória da Criança Hermano Albuquerque de Castro Médico Pneumologista Doutor em Saúde Pública Pesquisador FIOCRUZ castro@ensp.fiocruz.br Segundo

Leia mais