PARTE III - TEORIA DO CONSUMIDOR

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PARTE III - TEORIA DO CONSUMIDOR"

Transcrição

1 PARTE III - TEORIA DO CONSUMIDOR Questão 14. Preferências dos Consumidores (a.) Preferências de consumidores são "bem-comportadas" se as quatro premissas da teoria do comportamento do consumidor são válidas. Leia as constatações abaixo e avalie qual ou quais destas representam premissas desta teoria. Assinale todas as respostas certas. i. Mais sempre é melhor de que menos. ii. Há um ponto de saturação. iii. O consumidor pode comparar e ordenar todas as cestas de mercado. iv. O consumidor prefere cestas balanceadas a cestas não balanceadas. (b.) Leia as afirmações abaixo e assinale as verdadeiras. (a.) O princípio da utilidade marginal decrescente diz que, à medida que se consome mais de determinada mercadoria, quantidades adicionais consumidas geram incrementos menores na utilidade. (b.) O princípio da utilidade marginal decrescente sempre é válido. (c.) O princípio da igualdade marginal diz que no ponto da escolha ótima do consumidor a utilidade marginal de cada bem por real (R$) gasto com ele é a mesma para todos os bens. (d.) O princípio da igualdade marginal sempre é válido. (c.) i. Você é indiferente entre Coca-cola e Pepsi. Desenhe seu mapa de indiferença. Coca Pepsi ii. iii. Se a Coca custar 10% a mais do que a Pepsi, qual sua escolha ótima? Resposta: Como a Pepsi é mais barata, e você é indiferente entre ambas, você optaria por consumir apenas Pepsi. Qual sua taxa marginal de substituição? Explique em palavras o que ela significa. Resposta: Como a taxa marginal de substituição indica a quantidade máxima de um bem que um consumidor estaria disposto a deixar de consumir para obter uma unidade adicional do outro bem, neste exercício, a taxa marginal de substituição será

2 de 1, ou seja, ele abre mão de 1 unidade de Coca para consumir 1 unidade a mais de Pepsi. iv. Você só toma Coca-cola com gelo. Para cada copo de Coca você usa 5 pedras de gelo. Desenhe seu mapa de indiferença (entre Coca e gelo). Coca Gelo v. Se você tem R$6,00 para gastar hoje com refrigerante, a Coca custa R$1,00 e cada pedra de gelo R$0,20, quantas Cocas e quantas pedras de gelo você deve comprar para maximizar sua utilidade? Resposta: Sendo Coca = x 1 e Gelo = x 2 U(x 1 ; x 2 ) = min {x 1, x 2} RO: x 1 + 0,2 x 2 = 6 Coca Gelo Gasto 1 5 $ $ $ $8 Logo, você pod erá comprar, para respeitar sua restrição orçamentária, 3 refrigerantes e 15 pedras de gelo (cesta ótima).

3 (d.) Suponha que os três patetas Larry, Moe e Curly, tenham as seguintes preferências por tortas (bem X) e sorvetes (bem Y). Com base nas informações abaixo, escreva as funções de utilidade que melhor representam as preferências de cada uma dos patetas, e esboce cada uma delas em um gráfico: i. Tortas e sorvetes são bens não-relacionados para Larry. Ele sempre gasta parcelas fixas da sua renda dedicada à alimentação com cada bem: 40% com tortas (bem X) e 60% com sorvetes (bem Y). Resposta: U(x,y) = x 0,4 y 0,6 ii. Tortas e sorvetes são substitutos perfeitos para Moe, e a taxa marginal de substituição é 2/3. Resposta: U(x,y) = ax + by TMS UMG UMG U(x,y) = 2x + 3y 2 3 iii. Os bens são complementos perfeitos para Curly: ele sempre come 3 fatias de torta junto com 2 bolas de sorvete. Resposta: U(x,y) = min {2x ; 3y} y x

4 Questão 15. Churrasco Observe a tabela abaixo, obtida a partir dos dados da rodada da Pesquisa de Orçamento Familiar (POF), do IBGE. Ela apresenta a aquisição alimentar per capita anual, por classe de rendimento mensal familiar, de vários tipos de carne bovina. Responda: (a.) Defina bens normais e bens inferiores, e represente graficamente curvas de Engel para ambos os bens. Bens normais são aqueles que apresentam elasticidade renda da demanda positiva. Nos bens inferiores, a elasticidade renda da demanda é negativa.

5 Renda Bem inferior Bem normal Quantidade demandada (b.) De acordo com os dados do IBGE, e considerando apenas a aquisição alimentar das duas classes de rendimento mais elevadas, podemos dizer que, no Brasil, todos os tipos de carne de segunda são bens inferiores? Da mesma forma, podemos dizer que, no Brasil, todos os tipos de carne de primeira são bens normais? Justifique. De acordo com os dados da Tabela, carne de segunda no Brasil é bem normal do primeiro até o quinto sextil de renda. Ela só é bem inferior do quinto para o sexto sextil de renda. Isto é, para 90% ou mais da população brasileira, carne de segunda é bem normal, ao contrário do que afirmam alguns livros de microeconomia. As carnes de primeira são todas bens normais. Já a tabela a seguir, também construída a partir dos dados da POF 2002/2003 do IBGE, apresenta a despesa (ou gasto) em reais com alguns itens do orçamento familiar, classificados pela média da despesa total de 10 faixas de despesa. Despesa Média por Faixa ,70 658,18 920, , , , , , , ,91 Alimentação 148,59 195,85 234,26 282,12 312,33 359,76 397,94 474,54 523,77 788,70 Habitação 168,92 242,00 330,33 417,23 485,10 599,76 714,56 881, , ,85 Manutenção do lar 18,99 21,52 26,92 37,24 40,75 63,16 75,10 102,27 168,15 348,09 Vestuário 24,06 37,53 53,44 71,57 83,78 104,77 121,82 154,01 179,26 279,76 Transporte 37,08 56,52 100,57 143,25 207,25 277,37 418,81 620,59 802, ,24 Aquisição de veículos 7,54 12,39 26,87 40,60 62,78 91,16 167,79 260,65 343,40 715,53 Educação 3,63 6,83 12,15 21,63 29,54 51,55 85,86 143,31 230,80 426,45 Periódicos, livros... 0,38 0,69 1,49 2,91 3,28 5,99 8,46 13,89 21,56 37,23

6 Suponha, por simplicidade, que a despesa total média por faixa corresponda à renda familiar média mensal de cada faixa 1. Considere também que elasticidade renda das despesas é a variação percentual das despesas (ou gastos) com um determinado item, face à variação % despesas percentual da renda. Ou seja, que η =. % renda Para as questões abaixo, você pode ignorar os algarismos decimais da tabela. (c.) Estime a elasticidade renda das despesas com alimentação e com aquisição de veículos para famílias cuja renda média está entre as faixas 7 e 8. Utilize para tanto o conceito de elasticidade no arco (ou interpolada). A elasticidade renda da despesa com alimentação é aproximadamente 0,504 e a da aquisição de veículos, 1,42 (d.) Bens de luxo são aqueles cuja elasticidade renda da despesa supera a unidade. Alimentos e aquisição de veículos são bens de luxo para as faixas de renda 7 e 8? Por que? 2 Aquisição de veículos é bem de luxo para as faixas de renda 7 e 8, pois a elasticidade renda da despesa supera a unidade. Alimentação, não. (e.) Considerando um crescimento de 5,2% da economia brasileira no ano anterior, e pressupondo que esse aumento da renda se deu de forma homogênea entre as faixas de renda 3, qual foi o aumento esperado nas despesas com alimentação e com aquisição de veículos para famílias cuja renda média está entre as faixas 7 e 8? Alimentação: aumento da despesa foi de 2,6% (5,2%*0,504). Aquisição de veículos: 7,4% (5,2%*1,42). 1 Essa suposição não é muito realista, pois é razoável supor que as faixas de renda superiores despendem menos relativamente à renda (isto é, poupam relativamente mais) em comparação com as faixas de renda inferiores. Mas pense nas despesas mensais totais de sua família para saber em que faixa ela se enquadraria. 2 Em casa, divirta-se em descobrir se educação e despesa com livros e periódicos são bens de luxo para todas as faixas de renda. 3 Será que essa suposição é realista? A resposta depende de estudos empíricos mais trabalhosos.

7 Questão 16. Vamos ao Shopping? Você foi chamado para descrever o comportamento dos consumidores em Shopping Centers. Após criteriosa observação, você conseguiu separar três tipos de consumidores com as seguintes características: (a.) O primeiro grupo de consumidores se mostra indiferente entre consumir vinhos nacionais (bem Y) ou importados (bem X), trocando sempre duas garrafas de vinho nacional por uma de vinho importado. i. Escreva a equação que descreve as preferências desse consumidor por vinho nacional (Y) e vinho importado (bem X). U(X,Y) = 2X + Y ii. Esboce o gráfico que representa estas preferências. Y Ponto ótimo (8 ; 0) ótimo (8, 16) 1 8 X iii. Calcule e indique no gráfico a restrição orçamentária e a escolha ótima desse grupo de consumidores, assumindo que o consumidor dispõe de R$ 480 para gastar com vinhos, P X = R$ 60/garrafa e P I = R$ 40/garrafa. Restrição orçamentária: 60X + 40Y = 480 (veja em vermelho no gráfico)

8 (b.) O segundo grupo de consumidores vai ao Shopping para ir ao cinema e sempre come dois salgados. i. Escreva a equação que descreve as preferências desse grupo de consumidores por cinema (C) e salgados (S). U(S,C) = Min { C, S/2 } ii. Esboce o gráfico que representa estas preferências. C 3 Ponto ótimo (2, 4) S iii. Calcule e indique no gráfico a restrição orçamentária e a escolha ótima desse grupo de consumidores, assumindo que ele disponha de R$ 60 para gastar com o programa, sendo que o ingresso de cinema custa R$20 (P C = 20) e cada salgado sai por R$5 (P S = 5). Restrição orçamentária: 20C + 5S = 60 (veja em vermelho no gráfico) (c.) O terceiro grupo de consumidores vai ao Shopping para gastar na praça de alimentação (A) e comprar peças de vestuário (V) e seu comportamento deste consumidor pode ser descrito pela seguinte função Cobb-Douglas: U = A 0,4 V 0,6 i. Encontre as funções de demanda por vestuário e alimentação, assumindo que o consumidor maximiza sua utilidade (Obs: você pode utilizar ou não o método de Lagrange, mas deve mostrar como chegou ao resultado! Não vale decorar!).

9 O consumidor irá maximizar sua utilidade, sujeito à restrição orçamentária. O lagrangeano fica: L = A 0,4 V 0,6 λ [p A A + p V V R] L A 0,4 A -0,6 V 0,6 λp A = 0 => λ = (0,4 A -0,6 V 0,6 ) / p A (Eq.1) L V 0,6 A 0,4 V -0,4 λp V = 0 => λ = (0,6 A 0,4 V -0,4 ) / p V (Eq.2) L p AA + p V V R = 0 (Eq.3) Igualando as equações (1) e (2): (0,4 A -0,6 V 0,6 ) / p A = (0,6 A 0,4 V -0,4 ) / p V V = 1,5 p A A / p V (Eq. 4) Substituindo na equação (3): p A A + p V [1,5 p A A / p V ] R = 0 A = 0,4R/p A Voltando na equação (4): V = 1,5 p A A / p V = 0,6R/P V Portanto, as curvas de demanda são: Demanda por alimento: Demanda por vestuário: A = 0,4R/p A V = 0,6R/p V ii. Para esses consumidores Alimentos e Vestuários são bens independentes, complementares ou substitutos. Explique. Os bens são independentes pois a elasticidade-preço cruzada das demandas é zero (ou seja, a demanda por A não depende do preço de V e a demanda de V não depende do preço de A).

10 iii. Mostre que o consumidor gasta sempre uma parte fixa do dinheiro que leva ao Shopping (R) em Alimentação (A) e outra, em Vestuário (V). Quantos por cento de R ele gasta com cada bem? O gasto do consumidor com A é igual a: p A x A Do item (i.) temos que: A = 0,4R/p A. Multiplicando a demanda por p A: p A x A = 0,4R Ou seja, o gasto do consumidor com alimentação é fixo e equivale a 40% de sua renda. Analogamente, usando a curva de demanda por vestuário temos que p V x V = 0,6R, ou o gasto do consumidor com vestuário é fixo em 60% de sua renda. iv. Esboce o gráfico que representa as preferências deste tipo de consumidor por vestuário (V) e alimentação (A), bem como sua restrição orçamentária, e assinale o ponto que maximiza sua utilidade, assumindo que P A = R$40, P V = R$60 e R= $600 V 10 Ponto ótimo (6, 6) 15 A

11 Questão 17. A tábua ( tablet ) mais famosa desde os 10 Mandamentos 2010 foi o ano do ipad, disse Steve Jobs, fundador da Apple, no evento em março último em que apresentou uma nova versão do produto. Em apenas 9 meses, a Apple vendeu 15 milhões de unidades do produto, mais do que todos os tablets juntos venderam na história. O fato é que o sucesso dos tablets vem mudando hábitos de consumo para diversos tipos de conteúdo, tais como músicas, livros, filmes, revistas e jornais. (a.) O efeito mais óbvio da disseminação dos tablets é a substituição de conteúdos em meio físico por conteúdos digitais. Suponha que, para você e-books (bem X) e livros impressos (bem Y) são substitutos perfeitos. Como usar seu ipad novo é particularmente prazeroso para você, ler um e-book te dá uma utilidade marginal 20% maior do que ler um livro tradicional. i. Escreva uma equação que descreva suas preferências por e-books (bem X) e livros impressos (bem Y). U(X,Y) =1, 2X + Y ii. Desenhe em um mesmo gráfico suas preferências e sua restrição orçamentária, assumindo que você dispõe de R$ 300 para gastar com livros (digitais e impressos) no ano, e que um e-book custa P X = R$ 15/livro e um livro impresso custa P Y = R$30/livro. RO: p X X + p Y Y = R 15X + 30Y = 300 (ou X + 2Y = 20) Y ,2 Ponto ótimo (20 ; 0) ótimo (8, 16) 1 20 X

12 iii. Quantos e-books e quantos livros impressos você deve comprar no ano, se quiser maximizar sua utilidade? Indique no gráfico do item (ii.). Como ebooks (bem X) oferecem uma maior utilidade por real gasto, já que: UMg X / p X = 1,2 / 15 = 0,08 UMg Y / p Y = 1 / 30 = 0,03 a escolha ótima do consumidor é comprar apenas ebooks. Com R$ 300, ele consegue comprar 300/15 = 20 ebooks, portanto, a escolha ótima é X = 20 e Y = 0, uma solução de canto. iv. Qual teria que ser o preço do livro impresso para que você se tornasse indiferente entre ele e um e-book? Para o consumidor ser indiferente entre os dois, é preciso que: UMg X / p X = UMg Y / p Y ou, reescrevendo: UMg X / UMg Y = p X / p Y 1,2 = p X / p Y ou seja, o preço do ebook teria que ser 20% maior do que o do livro impresso. Reescrevendo: P Y = p X / 1,2 Se p X = R$15, então: P Y = 15 / 1,2 = 12,50 Portanto, o livro impresso teria que custar R$12,50 para que eu fosse indiferente entre ele e um ebook. (b.) Em outras situações, bens reais e virtuais são complementares. Imagine que você compre sempre 20 músicas através do itunes (bem X) para cada show de algum grupo que assiste no estádio (bem Y). i. Escreva a equação que descreve suas preferências por músicas (X) e shows (Y). U(X,Y) = Min { X, 20Y } ou U(X,Y) = Min { (1/20) X, Y }

13 ii. Desenhe em um mesmo gráfico suas preferências e sua restrição orçamentária, assumindo que você disponha de R$ 360 para gastar com os dois bens no ano, sendo que cada música custa P X = R$ 1 e cada show, P Y = R$100. RO: X + 100Y = 360 Y 3,6 Ponto ótimo (60, 3) X iii. Qual sua escolha ótima? Calcule e indique no gráfico do item (ii.). No ponto ótimo, temos que X = 20Y para que não haja desperdício. Jogando na restrição orçamentária: (20Y) + 100Y = 360 Y = 3 X = 20 (3) = 60 Portanto, o consumidor deve comprara 60 músicas e ir a 3 shows. (c.) Suponha agora que e-books (bem X) e música digital (bem Y) sejam bens independentes entre si para você, e que você gasta sempre 30% da renda que dedica à compra de conteúdos digitais (R) com e-books e 70% com músicas. i. Escreva a equação que descreve suas preferências por e-books (bem X) e música digital (bem Y). Como os bens são independentes, a função é uma Cobb Douglas, sendo que os expoentes representam quantos % da renda ele gasta com cada bem: U (X,Y) = X 0,3 Y 0,7

14 ii. Encontre suas funções de demanda por e-books e música digital, assumindo que você maximiza sua utilidade, utilizando o método da TMS OU o método de Lagrange. Pela TMS, temos que, no ponto ótimo: UMg X / p X = UMg Y / p Y (0,3 X -0,7 Y 0,7 )/ p X = (0,7 X 0,3 Y -0,3 )/ p Y p Y Y = 2,33 p X X Equação (1) Jogando na restrição orçamentária: p X X + p Y Y = R p X X + 2,33 p X X = R X = 0,3R/p X (Função de demanda por X) Voltando na Equação (1): p Y Y = 2,33 p X X p Y Y = 2,33 p X (0,3R/p X ) Y = 0,7R/p Y (Função de demanda por Y) iii. Qual sua escolha ótima, assumindo que um e-book custa R$15, uma música digital custa R$1 e que sua renda dedicada a este fim é R= R$100 por mês? Basta substituir os dados acima nas funções de demanda: X = 0,3R/p X = 0,3 (100)/ 15 = 2 Y = 0,7R/p Y = 0,7 (100)/1) = 70 A escolha ótima é comprar 2 ebooks e 70 músicas por mês.

15 Questão 18. Escolha entre álcool e gasolina O objetivo desse exercício é derivar a curva de demanda por um bem que é substituto perfeito de outro. No caso, de etanol em automóveis do tipo flex-fuel, fuel, que é substituto perfeito da gasolina. (a.) Defina bens substitutos perfeitos. A definição rigorosa de bens substitutos perfeitos é a de que a TMS entre eles é constante. Isto é, de que eles podem ser trocados em uma proporção constante (e não necessariamente 1:1), independentemente da combinação inicial dos bens, sem que haja alteração não nível de utilidade. Um vereador recebe, e, além de seus proventos e outros benefícios, verba fixa, exclusiva para combustível, que ele utiliza em seu carro oficial nos deslocamentos pela cidade. Suponha que o valor desta verba seja de R$ 700,00 por mês, mais ou menos o equivalente a um tanque cheio de gasolina por semana. (b.) Suponha que o preço do litro da gasolina seja de R$ 2,80 e do litro de etanol seja de R$ 2,0. Desenhe a Restrição Orçamentária do vereador, colocando no eixo horizontal quantidade consumida de litros de etanol (E) e no eixo vertical, gasolina (G). G E Sabemos que o rendimento do etanol é equivalente a 0,7 vezes o rendimento da gasolina, e que os combustíveis são, em tese, substitutos perfeitos. Para simplificar, suponha que o carro do vereador faça 7 km com um litro de álcool e 10 km com um litro de gasolina.

16 (c.) (i.) Escreva a função utilidade do vereador, isto é, U = f(e, G), onde E é o consumo de etanol e G, de gasolina. (ii.) Calcule a taxa marginal e substituição (-dg/de). U = 10G + 7E. Obviamente, também são válidas respostas como U = G + 0,7E. Observe que esta função utilidade pode ser analisada pela abordagem cardinal, e não apenas ordinal. A TMS (-dg/de) = 0,7. Isto é, para cada redução (aumento) de 1 litro de etanol, o consumidor vai precisar de um aumento (redução) de 0,7 litro de gasolina para ficar no mesmo nível de utilidade. (d.) Escolha ótima: (i) Desenhe no gráfico do item (b) o mapa de indiferença da função utilidade que você encontrou em (c). Qual é o ponto de escolha ótima, isto é, a combinação de gasolina e etanol que maximiza a utilidade do vereador? Qual é a utilidade neste ponto? O ponto de escolha ótima nesta situação é o consumo exclusivo de gasolina, como mostra a figura abaixo. Neste ponto, a utilidade será de (ou 250, dependendo de como o aluno definiu a função utilidade). G 250 Pt de escolha ótima ,4 E Algebricamente, o aluno pode também comparar utilidade marginal com o preço dos dois combustíveis. No caso da gasolina, a razão seria 10/2,8 = 3,57; no caso do etanol, 7/2 = 3,5. Como a relação benefício/custo é maior na gasolina, e os bens são substitutos perfeitos, a escolha ótima será o consumo exclusivo de gasolina. (e.) O preço do etanol varia bastante ao longo do ano, especialmente por causa da safra de cana de açúcar, que ocorre entre abril e setembro, quando o preço cai. (ii) Suponha que em abril, em virtude da safra de cana, o preço do litro do etanol caia para R$ 1,96/litro. Desenhe em um novo gráfico a nova Restrição Orçamentária e as curvas da função utilidade. Qual é a escolha agora entre gasolina e etanol? Qual é a utilidade?

17 Neste caso, o máximo de etanol que o vereador pode comprar com sua verba exclusiva aumenta para 357,4 e a RO coincide exatamente com a curva de indiferença. Qualquer combinação possível de gasolina e etanol estará maximizando sua utilidade, que permanece no nível de (ou 250). G ,4 E (iii) E se o preço do litro do álcool cair para abaixo de R$ 1,96/litro, qual será a escolha entre gasolina e etanol? (Desenho optativo, faça apenas se quiser, mas não deixe de escrever a resposta). Este caso é a situação inversa do item d.(i). O vereador consumirá apenas etanol, auferindo a mesma utilidade.

18 (f.) A partir dos resultados obtidos nos itens anteriores, esboce graficamente a curva de demanda de etanol por parte do vereador ,4 357,4

19 19. Os alcoólatras (para fazer com o auxilio do excel) Três amigos foram a um bar, cada qual com R$ 25 para gastar em pinga. Suponha que o preço da dose de pinga seja R$ 1. (a.) Desenhe a restrição orçamentária dos três amigos, representando doses de pinga no eixo horizontal e mercadoria composta (cujo preço, por definição, também é R$1) no eixo vertical (b.) Os três amigos tem tendência ao alcoolismo. Suponha que a função utilidade do primeiro possa ser representada por: 2 + (i) Lembre-se de suas aulas de geometria analítica no colegial e desenhe a curva de indiferença desse primeiro consumidor para U = 25 e para U = 35, (ii) A curva de indiferença desse consumidor é côncava ou convexa? Que premissa da teoria do consumidor essa função utilidade não respeita? Ela é concava, não obedecendo a premissa da TMS decrescente, o que significa que para esse consumidor, a utilidade marginal da pinga é crescente.

20 (iii) Qual é a combinação de pinga e mercadoria composta que este consumidor deve escolher, de forma a maximizar sua utlidade nesta noite? O que isso significa, no médio prazo, para a saúde deste consumidor? Esse consumidor vai gastar tudo em pinga, e no médio prazo vai morrer de cirrose hepática, a não ser que seja impedido de entrar no bar. (c.) O segundo consumidor apresenta função utilidade um pouco diferente, que pode ser representada por: + 2 (i) Assim como no caso anterior, desenhe a curva de indiferença desse segundo consumidor para U = 25 e U = 35, (ii) Qual é a combinação de pinga e mercadoria composta que este consumidor deve escolher, de forma a maximizar sua utilidade nesta noite? O que isso significa, no médio prazo, para a saúde deste consumidor? Esse consumidor, mesmo tendo tendência ao alcoolismo, prefere gastar todo o seu dinheiro em mercadoria composta. Mesmo tendo a tendência (genética), não deve desenvolver a doença. (d.) Finalmente, o último consumidor apresenta a seguinte função utilidade: +

21 (i) Desenhe a curva de indiferença desse terceiro consumidor para U = (ii) Qual ou quais combinações de pinga e mercadoria composta este consumidor deve escolher, de forma a maximizar sua utlidade nesta noite? Esse consumidor apresenta dois equilíbrios: ou gasta tudo em mercadoria composta, ou gasta tudo em pinga. (iii) O terceiro consumidor entra no bar com seus R$ 25. O que acontece com as escolhas deste consumidor se ele adquirir a primeira dose de pinga? Com base neste resultado, que conselho você daria a este consumidor? Se ele beber o primeiro gole, ele só voltará ao estado inicial de satisfação se gastar todo o dinheiro em pinga. Meu conselho é evitar o primeiro gole. E frequentar os Alcoólatras Anônimos.

22 Questão 20. Uma Viagem a Nova Iorque Márcia, Luana e Bianca resolveram viajar juntas a Nova Iorque. Cada uma reservou a mesma quantia em dinheiro (M) para gastar semanalmente em bons restaurantes (bem X) e alguns espetáculos, como shows, peças de teatro, óperas, musicais etc. (bem Y). Chegar a um consenso do que fazer foi difícil, uma vez que suas preferências são bastante distintas. A solução foi decidir que a cada semana uma delas escolheria os programas, levando em conta apenas suas próprias preferências. Na primeira semana Márcia é quem escolheria os programas. Ela possui a seguinte função utilidade: U ( X, Y ) Márcia = X Y 4 onde X é o número vezes que iriam a espetáculos e Y é o número de vezes que iriam a bons restaurantes. (a.) Com base na função utilidade de Márcia: i. Encontre as funções demanda por X e Y, como função dos preços P X, P Y e da quantia semanal (M) destinada aos gastos com X e Y. (Você pode usar Lagrange ou não, mas a resposta só será válida se você mostrar como chegou ao resultado.) Resolveremos pela fórmula da TMS: Sabemos que no ponto ótimo: (1) Substituindo na restrição orçamentária, temos: Voltando em (1): 4 4

23 ii. Mostre que a proporção de M que Márcia dedica a cada programa (X e Y) é sempre fixa. Usando as curvas de demanda calculadas em (i), temos: Parcela da renda gasta com X => Parcela da renda gasta com Y => Portanto, Márcia gasta sempre 20% da sua renda com X e 80% com Y. Suponha que cada amiga disponha de 600 dólares semanais para gastar em espetáculos e restaurantes, que cada espetáculo custe 80 dólares e que o gasto em um bom restaurante esteja 120 dólares por pessoa, ou seja, P X = 120, P Y = 80 e M = 600. (b.) Com base nas funções de demanda calculadas do item (a), e os dados acima, responda: i. Na semana em que Márcia escolherá os programas, a quantos espetáculos e bons restaurantes elas iriam? Usando as curvas de demanda calculadas em (a), temos: Resposta: Elas irão apenas 1 vez ao teatro e 6 vezes a restaurantes. ii. Para Márcia, X e Y são substitutos, complementares ou independentes? Justifique sua resposta. Resposta: Os bens são independentes, pois a elasticidade-cruzada da demanda dos dois bens é nula. Isso quer dizer que a demanda de X não depende do preço de Y e a demanda de Y não depende do preço de X., 0 0

24 , 0 0 iii. Desenhe a curva preço-consumo considerando variações no preço de X, mantendo constante o preço de Y (Py = 80) e a quantia em dinheiro para gastar semanalmente (M = 600). Explique o formato da curva preço-consumo de Márcia. Curv a Preço-Consum o: Be ns Ind ependen tes Y Px? X? Yconstante 6 E1 E2 1 X 1 Nas outras duas semanas, como combinado, Bianca e Luana decidiriam os programas. Suponha que os preços de uma semana para outra permaneçam os mesmos e que cada uma disponha da mesma quantia para gastar a cada semana P X = 120, P Y = 80 e M = 600. (c.) As preferências de Bianca poderiam ser representadas por: U ( X, Y ) Bianca =min { X Y} i. Desenhe o mapa das curvas de indiferença de Bianca. O que você pode afirmar sobre suas preferências? Resposta: Os bens são complementares perfeitos. Complementares Perfeitos Y Curvas de Indiferença { X Y} U ( X, Y ) = mín, X 5

25 ii. Desenhe a restrição orçamentária no gráfico no item (d)-(i) e indique a escolha ótima. Nessa semana, em que a programação é decidida por Bianca, a quantos espetáculos e bons restaurantes elas iriam? Explique sua resposta. Resposta: Quando dois bens são complementares, a escolha ótima ocorre sempre na quina da função utilidade, de forma que não haja desperdício comprando unidades adicionais de X ou Y que não aumentarão a utilidade do consumidor. Neste caso, a maior curva de indiferença que se consegue atingir com a restrição orçamentária dada é U = 3, ou seja, X = Y = 3. Y 7,5 Cesta Ótima Cesta Ótima : ( X, Y ) = (3,3) X 6 (d.) Considerando que Luana possui a seguinte função utilidade: U ( X, Y ) Luana =5X + Y i. Desenhe o mapa das curvas de indiferença de Luana. O que você pode afirmar sobre suas preferências? Resposta: Os bens são substitutos perfeitos. Y 5 Substitutos Perfeitos Curvas de Indiferença U ( X, Y ) = 5X + Y TMS = dy dx = UMgX UMgY = X 2

26 ii. Desenhe a restrição orçamentária no gráfico no item (e)-(i) e indique a escolha ótima. Nessa semana, em que a programação é decidida por Luana, a quantos espetáculos e bons restaurantes elas iriam? Explique sua resposta. Resposta: Se dois bens são substitutos teremos uma solução de canto. O consumidor optará por adquirir apenas o bem que lhe proporciona maior utilidade por real gasto. Assim, a programação da semana escolhida apenas por Luana consistirá em 5 concertos e nenhum restaurante. Y 7,5 5 Curvas de Indiferença U ( X, Y ) = 5X + Y TMS = dy dx = UMgX UMgY = 5 Cesta Ótima Cesta Ótima : ( X, Y ) = (5,0) X 3

27 Questão 21. Aumento nos preços de transporte público Até maio deste ano, um trabalhador recebia salário mínimo de R$ 260,00, e gastava, hipoteticamente, em duas mercadorias: transporte público (representado por Y ) e a mercadoria composta (isto é, uma mercadoria que simboliza todas as demais mercadorias, representada por X ). Até março, o preço do transporte público era P =1, 70, enquanto o da mercadoria composta é, por construção, P =1, 00. Y Todo mês, o trabalhador gasta o equivalente a 40 viagens de transporte público (ida e volta do trabalho, 20 dias por mês), e o resto em mercadoria composta. Suponha que suas preferências sejam regulares e bem comportadas, isto é, atendam às quatro premissas básicas da teoria do consumidor 4. (a.) Recentemente, o prefeito de São Paulo aumentou a preço da passagem para R$ 2,00 e o salário mínimo subiu para R$ 300,00. O trabalhador está em melhor situação agora? Mostre graficamente. Na situação inicial, a escolha ótima do trabalhador é (X*; Y*) = (40; 192), onde 192 = 260 1,7*40. A situação está representada na figura abaixo pela linha do orçamento preta e pela curva de indiferença em azul. A figura está fora de escala, o que não muda em nada o raciocínio. Com o aumento do salário mínimo e da tarifa de ônibus, a nova linha do orçamento é a que está em vermelho na figura. Com o novo salário mínimo, o trabalhador pode comprar a cesta (X*, Y*) original, que custa agora R$ 272 = 40* , e ainda sobra algum dinheiro. O trabalhador está inequivocamente em melhor situação, como mostra a curva de indiferença tracejada em vermelho. X ,9 4 Elas devem ser também monotônicas, mas isso é assunto para estudos mais avançados.

28 (b.) Se o prefeito tivesse aumentado o preço da passagem para R$ 2,70, o trabalhador estaria em melhor situação do que na situação inicial? Mostre graficamente? Nesta nova situação, o trabalhador consegue comprar a cesta inicial (X*, Y*), mas não sobra nenhum dinheiro. A antiga cesta custa agora exatamente os mesmos R$ 300 do novo salário mínimo. A análise da figura mostra que neste o caso, o trabalhador continua inequivocamente em melhor situação, desde que as suas preferências sejam bem comportadas ,9 (c.) Se o salário mínimo tivesse subido para R$ 270,00 e o preço da passagem para R$ 2,00, o trabalhador estaria em melhor situação do que na situação inicial? Mostre graficamente? Nessa situação, o trabalhador não pode comprar a sua cesta inicial (X*, Y*). A nova cesta custa R$ 272, enquanto seu salário é de apenas R$ 270. Neste caso, a situação final do trabalhador é inconclusiva, dependendo de quão importante é para ele o transporte em relação às demais mercadorias. Ele pode ficar melhor (fig. A), pior (fig. B) ou até igual (fig. C) ,9 Fig. A: transporte é relativamente menos importante; situação do trabalhador é melhor

Lista 03 Entrega 26/04 Fazer os ímpares, exceto os que envolverem índices de preços (em vermelho) QUESTÕES PARA REVISÃO

Lista 03 Entrega 26/04 Fazer os ímpares, exceto os que envolverem índices de preços (em vermelho) QUESTÕES PARA REVISÃO Lista 03 Entrega 26/04 Fazer os ímpares, exceto os que envolverem índices de preços (em vermelho) QUESTÕES PARA REVISÃO 1. Quais são as quatro premissas básicas sobre as preferências individuais? Explique

Leia mais

Capítulo 3: Comportamento do consumidor

Capítulo 3: Comportamento do consumidor Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 3, Consumidor :: EXERCÍCIOS 1. Neste capítulo, não foram consideradas mudanças nas preferências do consumidor por diversas mercadorias. Todavia, em determinadas situações,

Leia mais

Para chips de computador: RT cc = P 2 Q 2 - P 1 Q 1 RT cc = (1,1P 1 )(0,8Q 1 ) - P 1 Q 1 = -0,12P 1 Q 1, ou uma diminuição de 12 %.

Para chips de computador: RT cc = P 2 Q 2 - P 1 Q 1 RT cc = (1,1P 1 )(0,8Q 1 ) - P 1 Q 1 = -0,12P 1 Q 1, ou uma diminuição de 12 %. Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 4, Demanda :: EXERCÍCIOS 1. A empresa ACME fez uma estimativa segundo a qual, nos níveis atuais de preços, a demanda por seus chips para computadores tem uma elasticidade

Leia mais

5-1 Introdução à Microeconomia Bibliografia: Lipsey & Chrystal cap.6, 7 Samuelson cap. 5

5-1 Introdução à Microeconomia Bibliografia: Lipsey & Chrystal cap.6, 7 Samuelson cap. 5 5-1 Introdução à Microeconomia 1º ano da licenciatura de Gestão ISEG 2004 / 5 1º semestre Bibliografia: Lipsey & Chrystal cap.6, 7 Samuelson cap. 5 5-2 Principais questões A utilidade marginal é um conceito

Leia mais

Agenda. Preferências do Consumidor. Preferências do Consumidor. comportamento do consumidor: Comportamento do Consumidor. Comportamento do Consumidor

Agenda. Preferências do Consumidor. Preferências do Consumidor. comportamento do consumidor: Comportamento do Consumidor. Comportamento do Consumidor genda Comportamento do Consumidor Econ. Edilson guiais Material isponível em: www.puc.aguiais.com.br Restrições Orçamentárias Escolha do Consumidor Preferências Reveladas Utilidade Marginal e Escolhas

Leia mais

EXERCÍCIOS SOBRE: III A ORGANIZAÇÃO E O FUNCIONAMENTO DOS MERCADOS. Grupo I - Teoria do Consumidor ou da Procura

EXERCÍCIOS SOBRE: III A ORGANIZAÇÃO E O FUNCIONAMENTO DOS MERCADOS. Grupo I - Teoria do Consumidor ou da Procura EXERCÍCIOS SOBRE: III A ORGANIZAÇÃO E O FUNCIONAMENTO DOS MERCADOS Grupo I - Teoria do Consumidor ou da Procura Questão 1 A lei da utilidade marginal decrescente diz-nos que, quanto maior for a quantidade

Leia mais

Microeconomia. Demanda

Microeconomia. Demanda Demanda www.unb.br/face/eco/ceema Macroanálise Teoria Econômica Microanálise Teoria do consumidor Teoria da produção/firma Análise estrutura de mercado Teoria do bem estar Regulação de preços de produtos,

Leia mais

A demanda é Inelástica se a elasticidade preço está entre 1 e 0; Se a elasticidade da demanda é exatamente -1, a demanda tem Elasticidade Unitária.

A demanda é Inelástica se a elasticidade preço está entre 1 e 0; Se a elasticidade da demanda é exatamente -1, a demanda tem Elasticidade Unitária. A Sensibilidade da Demanda a Preços Um preço P mais baixo tende a aumentar a quantidade demandada Q0 A elasticidade Preço da demanda mede a sensibilidade da quantidade em relação ao preço, ou seja: Elasticidade

Leia mais

Teoria Básica de Oferta e Demanda

Teoria Básica de Oferta e Demanda Teoria Básica de Oferta e Demanda Este texto propõe que você tenha tido um curso introdutório de economia. Mas se você não teve, ou se sua teoria básica de economia está um pouco enferrujada, então este

Leia mais

Noções de Economia. As sociedades humanas, de modo geral, se defrontam com três problemas econômicos fundamentais:

Noções de Economia. As sociedades humanas, de modo geral, se defrontam com três problemas econômicos fundamentais: 1 Noções de Economia 1. Microeconomia A Ciência Econômica, conhecida como ciência da escassez, parte do princípio que as necessidades humanas são ilimitadas, enquanto que os recursos necessários para que

Leia mais

Também chamada Teoria de Preços, estuda o comportamento dos consumidores, produtores e o mercado onde estes interagem.

Também chamada Teoria de Preços, estuda o comportamento dos consumidores, produtores e o mercado onde estes interagem. Microeconomia Também chamada Teoria de Preços, estuda o comportamento dos consumidores, produtores e o mercado onde estes interagem. A macroeconomia, por sua vez, estuda os fenômenos da economia em geral,

Leia mais

Guia do uso consciente do crédito. O crédito está aí para melhorar sua vida, é só se planejar que ele não vai faltar.

Guia do uso consciente do crédito. O crédito está aí para melhorar sua vida, é só se planejar que ele não vai faltar. Guia do uso consciente do crédito O crédito está aí para melhorar sua vida, é só se planejar que ele não vai faltar. Afinal, o que é crédito? O crédito é o meio que permite a compra de mercadorias, serviços

Leia mais

TEORIA DO CONSUMIDOR EXERCÍCIOS

TEORIA DO CONSUMIDOR EXERCÍCIOS Teoria do Consumidor Questões ráticas (Versão rovisória) TEOIA DO CONSUMIDO EECÍCIOS Exercício. estrição orçamental e efeitos da variação dos preços e do rendimento Suponha que um consumidor gasta a totalidade

Leia mais

PROCON MICROECONOMIA - Prof. Rodrigo Pereira

PROCON MICROECONOMIA - Prof. Rodrigo Pereira PROCON MICROECONOMIA - Prof. I Introdução A teoria econômica é um instrumental extremamente útil para o entendimento de uma série questões do mundo moderno. Neste curso estudaremos o comportamento de consumidores,

Leia mais

Teoria pertence ao grupo das teorias objetivas, conduzindo a análise do valor para o terreno da oferta e dos custos de produção.

Teoria pertence ao grupo das teorias objetivas, conduzindo a análise do valor para o terreno da oferta e dos custos de produção. VALOR Questões : 1. O que é que determina o valor de um bem? 2. De que elementos dependem os valores atribuídos aos bens e serviços normalmente transacionados? VALOR TRABALHO David Ricardo: O valor de

Leia mais

COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR

COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR 1. O que significa o termo transitividade de preferências? A transitividade de preferências significa que, se alguém prefere A em relação a B, e B em relação a C, então essa

Leia mais

8. Mercado de Trabalho, Emprego e Desemprego

8. Mercado de Trabalho, Emprego e Desemprego 8. Mercado de Trabalho, Emprego e Desemprego 8.1. Introdução 8.3. Interpretação Estática do Desemprego 8.4. Interpretação Dinâmica do Desemprego Burda & Wyplosz, 5ª Edição, Capítulo 5 1 8.1. Introdução

Leia mais

ECONOMIA E FINANÇAS PÚBLICAS ICMS/RJ 2011 PROFESSOR HEBER CARVALHO

ECONOMIA E FINANÇAS PÚBLICAS ICMS/RJ 2011 PROFESSOR HEBER CARVALHO Olá pessoal, No Ponto 27 (www.pontodosconcursos.com.br/artigos3.asp?prof=238), eu comentei as 10 (questões 41 a 50) primeiras questões de Economia e Finanças Públicas do ICMS/RJ 2011. Agora, comento as

Leia mais

CURSO de CIÊNCIAS ECONÔMICAS - Gabarito

CURSO de CIÊNCIAS ECONÔMICAS - Gabarito PROAC / COSEAC UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE TRANSFERÊNCIA 2 o semestre letivo de 2008 e 1 o semestre letivo de 2009 CURSO de CIÊNCIAS ECONÔMICAS - Gabarito INSTRUÇÕES AO CANDIDATO Verifique se este

Leia mais

Matemática. Resolução das atividades complementares. M9 Noções de Matemática Financeira

Matemática. Resolução das atividades complementares. M9 Noções de Matemática Financeira Resolução das atividades complementares Matemática M9 Noções de Matemática Financeira p. 9 1 (Cesesp-PE) Suponha que uma classe constituída de rapazes e moças tenha 0 alunos, dos quais 6 são moças. Assinale

Leia mais

VAMOS PLANEJAR... As três palavras mágicas para um bom planejamento financeiro...

VAMOS PLANEJAR... As três palavras mágicas para um bom planejamento financeiro... FASCÍCULO IV VAMOS PLANEJAR... Se você ainda não iniciou seu planejamento financeiro, é importante fazê-lo agora, definindo muito bem seus objetivos, pois, independentemente da sua idade, nunca é cedo

Leia mais

5º TEXTO: MATERIAL DE APOIO Professor: Me Célio dos Santos Vieira

5º TEXTO: MATERIAL DE APOIO Professor: Me Célio dos Santos Vieira 1 5º TEXTO: MATERIAL DE APOIO Professor: Me Célio dos Santos Vieira CONCEITO DE ELASTICIDADE E ELASTICIDADE DA DEMANDA. Elasticidade é a alteração percentual em uma variável, dada uma variação percentual

Leia mais

APLICAÇÕES DA DERIVADA

APLICAÇÕES DA DERIVADA Notas de Aula: Aplicações das Derivadas APLICAÇÕES DA DERIVADA Vimos, na seção anterior, que a derivada de uma função pode ser interpretada como o coeficiente angular da reta tangente ao seu gráfico. Nesta,

Leia mais

Modelo de Solow: Efeitos de Transição Dinâmica

Modelo de Solow: Efeitos de Transição Dinâmica Capítulo 4 Modelo de Solow: Efeitos de Transição Dinâmica No capítulo anterior vimos que, quando a economia atinge o seu equilíbrio de longo prazo, todas as variáveis endógenas passam a crescer a uma taxa

Leia mais

Microeconomia Teoria do Consumidor Oferta - Equilíbrio

Microeconomia Teoria do Consumidor Oferta - Equilíbrio Aula 6 Abordagens da Teoria do Consumidor Microeconomia Teoria do Consumidor Oferta - Equilíbrio Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves UNESP Sorocaba -SP Historicamente, ao observar-se o desenvolvimento da

Leia mais

MESTRADO EM ECONOMIA APLICADA

MESTRADO EM ECONOMIA APLICADA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO Coordenadoria de Pós-Graduação Prova de Conhecimentos Específicos do Processo Seletivo Stricto Sensu UFAL 2012.1 CADERNO DE PROVA

Leia mais

UNIDADE 3 ANÁLISE DOS MERCADOS MÓDULO 1 ANÁLISE DA FUNÇÃO DEMANDA

UNIDADE 3 ANÁLISE DOS MERCADOS MÓDULO 1 ANÁLISE DA FUNÇÃO DEMANDA UNIDADE 3 ANÁLISE DOS MERCADOS MÓDULO 1 ANÁLISE DA FUNÇÃO DEMANDA 01 1 - INTRODUÇÃO COETERIS PARIBUS Para analisar determinado mercado isoladamente, supõe-se que todos os demais são constantes; ou seja,

Leia mais

Aulas on line MATERIAL 01 MICROECONOMIA PROFº CARLOS RAMOS. www.cursoparaconcursos.com.br

Aulas on line MATERIAL 01 MICROECONOMIA PROFº CARLOS RAMOS. www.cursoparaconcursos.com.br Curso para Concursos Módulo de Microeconomia Sumário 1. Introdução 2 2. Demanda e Oferta 8 3. Teoria do Consumidor 36 4. Teoria da Firma 52 5. Estruturas de Mercado 70 6. Questões de Concursos 85 7. Gabarito

Leia mais

QUESTÕES DE MICROECONOMIA E FINANÇAS PÚBLICAS DA FGV PROFESSOR HEBER CARVALHO

QUESTÕES DE MICROECONOMIA E FINANÇAS PÚBLICAS DA FGV PROFESSOR HEBER CARVALHO Olá caros(as) amigos(as), Hoje, venho comentar as questões de Microeconomia e Finanças Públicas do último concurso aplicado pela FGV, onde essas disciplinas foram cobradas. É o concurso para Assessor Técnico

Leia mais

IMPORTÂNCIA DE TER UM CONTROLE FINANCEIRO PESSOAL

IMPORTÂNCIA DE TER UM CONTROLE FINANCEIRO PESSOAL A IMPO RTÂNC IA DE TE R UM CONT ROLE FINAN CEIRO PESSO AL F U N D O Introdução É normal encontrar pessoas que imaginam não precisarem ter um controle financeiro pessoal, pois não ganham o suficiente para

Leia mais

PLANEJAMENTO FINANCEIRO PESSOAL O GUIA PARA COMEÇAR A TER SUCESSO NAS FINANÇAS

PLANEJAMENTO FINANCEIRO PESSOAL O GUIA PARA COMEÇAR A TER SUCESSO NAS FINANÇAS PLANEJAMENTO FINANCEIRO PESSOAL O GUIA PARA COMEÇAR A TER SUCESSO NAS FINANÇAS SUMÁRIO INTRODUÇÃO 03 CONTROLE DE CONTAS 04 ENTENDER E CONTROLAR AS DESPESAS FIXAS E VARIÁVEIS 05 DEFINIR PRIORIDADES 07 IDENTIFICAR

Leia mais

MICROECONOMIA MATERIAL DE ACOMPANHAMENTO DAS AULAS, REFERENTE À 2 A. AVALIAÇÃO.

MICROECONOMIA MATERIAL DE ACOMPANHAMENTO DAS AULAS, REFERENTE À 2 A. AVALIAÇÃO. MICROECONOMIA 4 o. ANO DE ADMINISTRAÇÃO MATERIAL DE ACOMPANHAMENTO DAS AULAS, REFERENTE À 2 A. AVALIAÇÃO. PROFESSOR FIGUEIREDO SÃO PAULO 2007 2 TEORIA DA PRODUÇÃO Função de Produção: é a relação que indica

Leia mais

MATERIAL DIDÁTICO A REALIDADE DOS SISTEMAS DE EQUAÇÕES

MATERIAL DIDÁTICO A REALIDADE DOS SISTEMAS DE EQUAÇÕES MATERIAL DIDÁTICO A REALIDADE DOS SISTEMAS DE EQUAÇÕES Prof. ANTONIO ROBERTO GONÇALVES Aprendizagem de Conceitos Se você precisa encontrar o volume de um silo de milho, a distância percorrida por um carro

Leia mais

CURSO DE MICROECONOMIA 2

CURSO DE MICROECONOMIA 2 CURSO DE MICROECONOMIA 2 TEORIA DOS CONTRATOS - Seleção Adversa PROF Mônica Viegas e Flavia Chein Cedeplar/UFMG 2/2009 Cedeplar/UFMG (Institute) MICRO 2 2/2009 1 / 30 Seleção Adversa Seleção adversa: se

Leia mais

Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 2, Oferta e Demanda :: EXERCÍCIOS

Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 2, Oferta e Demanda :: EXERCÍCIOS Capítulo 2: O Básico sobre a Oferta e a Demanda Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 2, Oferta e Demanda :: EXERCÍCIOS 1. Considere um mercado competitivo no qual as quantidades anuais demandadas e ofertadas

Leia mais

L S L D L. 30 40 50 Figura 9.1.a. L = 80-10 w.

L S L D L. 30 40 50 Figura 9.1.a. L = 80-10 w. Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 9, Mercados Competitivos :: EXERCÍCIO 1. Em 1996, o Congresso dos EUA discutiu se o salário mínimo deveria subir de $4,25 para $5,15 por hora. Algumas pessoas sugeriram que

Leia mais

Curso DSc Bacen - Básico Provas 2001-2010 - Macroeconomia. Prof.: Antonio Carlos Assumpção

Curso DSc Bacen - Básico Provas 2001-2010 - Macroeconomia. Prof.: Antonio Carlos Assumpção Curso DSc Bacen - Básico Provas 2001-2010 - Macroeconomia Prof.: Antonio Carlos Assumpção Contabilidade Nacional Balanço de Pagamentos Sistema Monetário 26- Considere a seguinte equação: Y = C + I + G

Leia mais

FUNÇÃO DE 1º GRAU. = mx + n, sendo m e n números reais. Questão 01 Dadas as funções f de IR em IR, identifique com um X, aquelas que são do 1º grau.

FUNÇÃO DE 1º GRAU. = mx + n, sendo m e n números reais. Questão 01 Dadas as funções f de IR em IR, identifique com um X, aquelas que são do 1º grau. FUNÇÃO DE 1º GRAU Veremos, a partir daqui algumas funções elementares, a primeira delas é a função de 1º grau, que estabelece uma relação de proporcionalidade. Podemos então, definir a função de 1º grau

Leia mais

Aula 2 Contextualização

Aula 2 Contextualização Economia e Mercado Aula 2 Contextualização Prof. Me. Ciro Burgos Importância de se conhecer o funcionamento dos mercados Diferenciação de mercado Comportamento dos consumidores e firmas; formação de preços;

Leia mais

Prova de Microeconomia

Prova de Microeconomia UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CURSO DE MESTRADO EM ECONOMIA PROCESSO SELETIVO 2010 Prova de Microeconomia INSTRUÇÕES PARA A PROVA Leia atentamente as questões. A interpretação das questões faz parte da

Leia mais

AV1 - MA 12-2012. (b) Se o comprador preferir efetuar o pagamento à vista, qual deverá ser o valor desse pagamento único? 1 1, 02 1 1 0, 788 1 0, 980

AV1 - MA 12-2012. (b) Se o comprador preferir efetuar o pagamento à vista, qual deverá ser o valor desse pagamento único? 1 1, 02 1 1 0, 788 1 0, 980 Questão 1. Uma venda imobiliária envolve o pagamento de 12 prestações mensais iguais a R$ 10.000,00, a primeira no ato da venda, acrescidas de uma parcela final de R$ 100.000,00, 12 meses após a venda.

Leia mais

Financiando meus sonhos

Financiando meus sonhos Financiando meus sonhos O futuro pertence a quem crê na beleza de seus sonhos. Eleanor Roosevelt, Ex-Primeira Dama Q uando você sonha acordado com o futuro, que tipo de trabalho pensa que pode ter? Os

Leia mais

Pesquisa. Intenção de

Pesquisa. Intenção de Pesquisa SPC BRASIL: Intenção de Compras para o Natal Novembro/2013 Pesquisa do SPC Brasil revela que brasileiros pretendem gastar mais e comprar mais presentes neste Natal Se depender dos consumidores

Leia mais

Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 11, Determinação de Preços :: REVISÃO 1. Suponha que uma empresa possa praticar uma perfeita discriminação de preços de

Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 11, Determinação de Preços :: REVISÃO 1. Suponha que uma empresa possa praticar uma perfeita discriminação de preços de Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 11, Determinação de Preços :: REVISÃO 1. Suponha que uma empresa possa praticar uma perfeita discriminação de preços de primeiro grau. Qual será o menor preço que ela cobrará,

Leia mais

Parte II MICROECONOMIA

Parte II MICROECONOMIA Parte II MICROECONOMIA D em an d a, O ferta e E quilíbrio de M ercado 1 FUNDAMENTOS DE MICROECONOMIA A Microeconomia, ou Teoria de Preços, é a parte da teoria econômica que estuda o comportamento das famílias

Leia mais

Equipe de Matemática MATEMÁTICA

Equipe de Matemática MATEMÁTICA Aluno (a): Série: 3ª Turma: TUTORIAL 10B Ensino Médio Equipe de Matemática Data: MATEMÁTICA Função Afim Um vendedor recebe, mensalmente, um salário que é composto por uma parte fixa de R$ 3.000,00 e uma

Leia mais

2. São grupos, respectivamente, de crédito na Conta 1 (PIB) e débito na Conta 2 (RNDB) das Contas Nacionais:

2. São grupos, respectivamente, de crédito na Conta 1 (PIB) e débito na Conta 2 (RNDB) das Contas Nacionais: UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa Núcleo de Pós-Graduação e Pesquisa em Economia Mestrado Profissional em Desenvolvimento Regional e Gestão de Empreendimentos Locais

Leia mais

Receita infalível para uma boa viagem

Receita infalível para uma boa viagem Receita infalível para uma boa viagem Para que a tão sonhada viagem de férias não se transforme em um pesadelo, alguns cuidados básicos devem ser tomados. Pensando no seu conforto e na sua segurança nesse

Leia mais

Q custo total médio é dado pela soma do custo variável médio e do custo fixo médio: CTMe = $ 1.000 +.

Q custo total médio é dado pela soma do custo variável médio e do custo fixo médio: CTMe = $ 1.000 +. Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 7, Custos :: EXERCÍCIOS 1. Suponha que uma empresa fabricante de computadores tenha os custos marginais de produção constantes a $1.000 por computador produzido. Entretanto,

Leia mais

Economia Geral e Regional. Professora: Julianna Carvalho

Economia Geral e Regional. Professora: Julianna Carvalho Economia Geral e Regional Professora: Julianna Carvalho 1 Introdução à Economia Conceito Segundo VASCONCELOS, 2011, p. 2) é: a ciência social que estuda de que maneira a sociedade decide (escolhe) empregar

Leia mais

Gestão de Finanças Pessoais Nome do Palestrante

Gestão de Finanças Pessoais Nome do Palestrante Gestão de Finanças Pessoais Nome do Palestrante Como nos relacionamos com o dinheiro? O que é dinheiro? Como nos relacionamos com o dinheiro? O que o dinheiro significa para você? Sonhos Sonhos não se

Leia mais

VE = (0.1)($100) + (0.2)($50) + (0.7)($10) = $27.

VE = (0.1)($100) + (0.2)($50) + (0.7)($10) = $27. Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 5, Incerteza :: EXERCÍCIOS 1. Considere uma loteria com três possíveis resultados: uma probabilidade de 0,1 para o recebimento de $100, uma probabilidade de 0,2 para o recebimento

Leia mais

ELASTICIDADE DE DEMANDA E ASPECTOS RELEVANTES DE GESTÃO DE VENDAS

ELASTICIDADE DE DEMANDA E ASPECTOS RELEVANTES DE GESTÃO DE VENDAS ELASTICIDADE DE DEMANDA E ASPECTOS RELEVANTES DE GESTÃO DE VENDAS Cássia Naomi Obara Edson Lazdenas Luciana Harumi Mizobuchi RESUMO Através das Leis da Oferta e da Procura é possível apontar a direção

Leia mais

Microeconomia I. Bibliografia. Elasticidade. Arilton Teixeira arilton@fucape.br 2012. Mankiw, cap. 5. Pindyck and Rubenfeld, caps. 2 e 4.

Microeconomia I. Bibliografia. Elasticidade. Arilton Teixeira arilton@fucape.br 2012. Mankiw, cap. 5. Pindyck and Rubenfeld, caps. 2 e 4. Microeconomia I Arilton Teixeira arilton@fucape.br 2012 1 Mankiw, cap. 5. Bibliografia Pindyck and Rubenfeld, caps. 2 e 4. 2 Elasticidade Será que as empresas conhecem as funções demanda por seus produtos?

Leia mais

Economia. Prof. Esp. Lucas Cruz

Economia. Prof. Esp. Lucas Cruz Economia Prof. Esp. Lucas Cruz Composição da nota Serão 3 notas. Trabalho apresentado. Prova conteúdo Prova livros e atividades Livro Bitcoin - A Moeda na Era Digital Livro Economia Empresarial Temas para

Leia mais

A seguir demonstraremos os passos a serem seguidos para uma seleção adequada e que atenda as expectativas dos investidores:

A seguir demonstraremos os passos a serem seguidos para uma seleção adequada e que atenda as expectativas dos investidores: Como escolher um Fundo de Investimento (Suitability) Tão importante quanto conhecer os Fundos de Investimento oferecidos é conhecer o seu perfil de investimento. Feito isso, você poderá selecionar corretamente

Leia mais

A função do primeiro grau

A função do primeiro grau Módulo 1 Unidade 9 A função do primeiro grau Para início de conversa... Já abordamos anteriormente o conceito de função. Mas, a fim de facilitar e aprofundar o seu entendimento, vamos estudar algumas funções

Leia mais

Lista de Exercícios - Integrais

Lista de Exercícios - Integrais Lista de Exercícios - Integrais 4) Calcule as integrais indefinidas: 5) Calcule as integrais indefinidas: 1 6) Suponha f(x) uma função conhecida e que queiramos encontrar uma função F(x), tal que y = F(x)

Leia mais

César Frade Finanças Aula 02

César Frade Finanças Aula 02 César Frade Finanças Aula 02 Olá Pessoal. Estamos nós aqui mais uma vez para tentar entender essa matéria. Concordo que a sua compreensão não é das mais fáceis, mas vocês terão que concordar comigo que

Leia mais

Aula 00-360 questões comentadas de economia para o Instituto Rio Branco. - Professores: Fábio Dáquilla e Luís Crisóstomo

Aula 00-360 questões comentadas de economia para o Instituto Rio Branco. - Professores: Fábio Dáquilla e Luís Crisóstomo Aula 00-360 questões comentadas de economia para o - Professores: AULA 00: Demonstrativa Sumário Sumário... 2 1. Apresentação.... 4 1.1. A Banca.... 4 1.2. Metodologia das aulas.... 4 1.3. Observações

Leia mais

1 Onde estou e aonde quero chegar

1 Onde estou e aonde quero chegar Seu futuro é agora O Programa RENDA MAIS da Fundação Atlântico tem como objetivo fomentar o conhecimento sobre educação financeira e previdenciária junto aos seus Participantes. No módulo de Educação Financeira

Leia mais

MICROECONOMIA Exercícios - CEAV

MICROECONOMIA Exercícios - CEAV MICROECONOMIA Exercícios - CEAV Prof. Antonio Carlos Assumpção 1)BNDES Economista 2011-31 O valor monetário do custo total de produção (CT) de uma empresa, em determinado período, é dado pela expressão

Leia mais

5910179 Biofísica I Turma de Biologia FFCLRP USP Prof. Antônio C. Roque Segunda lista de exercícios

5910179 Biofísica I Turma de Biologia FFCLRP USP Prof. Antônio C. Roque Segunda lista de exercícios Lista sobre funções no Excel A ideia desta lista surgiu em sala de aula, para ajudar os alunos a conhecer de modo prático as principais funções matemáticas que aparecem em biologia. Inicialmente, para

Leia mais

INE 7001 - Procedimentos de Análise Bidimensional de variáveis QUANTITATIVAS utilizando o Microsoft Excel. Professor Marcelo Menezes Reis

INE 7001 - Procedimentos de Análise Bidimensional de variáveis QUANTITATIVAS utilizando o Microsoft Excel. Professor Marcelo Menezes Reis INE 7001 - Procedimentos de Análise Bidimensional de variáveis QUANTITATIVAS utilizando o Microsoft Excel. Professor Marcelo Menezes Reis O objetivo deste texto é apresentar os principais procedimentos

Leia mais

Antes de iniciar a sua prova, tenha em atenção os seguintes aspectos:

Antes de iniciar a sua prova, tenha em atenção os seguintes aspectos: Nome Completo: (tal como consta do processo do aluno) Nº de Processo: Turma: Curso: Antes de iniciar a sua prova, tenha em atenção os seguintes aspectos: A duração da prova é de duas horas e trinta minutos

Leia mais

FUNÇÕES. 1. Equação. 2. Gráfico. 3. Tabela.

FUNÇÕES. 1. Equação. 2. Gráfico. 3. Tabela. FUNÇÕES Em matemática, uma função é dada pela relação entre duas ou mais quantidades. A função de uma variável f(x) relaciona duas quantidades, sendo o valor de f dependente do valor de x. Existem várias

Leia mais

GUIA DE PLANEJAMENTO FINANCEIRO

GUIA DE PLANEJAMENTO FINANCEIRO GUIA DE PLANEJAMENTO FINANCEIRO VOCÊ TEM MAIS DINHEIRO DO QUE IMAGINA PLANEJAMENTO FINANCEIRO; COMO ORGANIZAR SEU ORÇAMENTO; A IMPORTÂNCIA DE TER AS CONTAS EM DIA; DESCUBRA COMO FAZER PARA QUE SOBRE UM

Leia mais

Quem deve pagar a conta dos subsídios nos serviços de utilidade pública?

Quem deve pagar a conta dos subsídios nos serviços de utilidade pública? Quem deve pagar a conta dos subsídios nos serviços de utilidade pública? Paulo Springer de Freitas 1 (07/02/2012) Muito mais corriqueiramente do que se imagina, alguns consumidores ajudam a pagar a conta

Leia mais

Simulado OBM Nível 1. Gabarito Comentado

Simulado OBM Nível 1. Gabarito Comentado Simulado OBM Nível 1 Gabarito Comentado Questão 1. Renata digitou um número em sua calculadora, multiplicou-o por 3, somou 12, dividiu o resultado por 7 e obteve o número 15. O número digitado foi: a)

Leia mais

Notas de aula número 1: Otimização *

Notas de aula número 1: Otimização * UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL UFRGS DEPARTAMENTO DE ECONOMIA CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS DISCIPLINA: TEORIA MICROECONÔMICA II Primeiro Semestre/2001 Professor: Sabino da Silva Porto Júnior

Leia mais

EXCEL 2003. Excel 2003 SUMÁRIO

EXCEL 2003. Excel 2003 SUMÁRIO EXCEL 2003 SUMÁRIO INICIANDO O EXCEL... 2 CONHECENDO AS BARRAS DO EXCEL... 4 OS COMPONETES DO EXCEL 2003... 7 ENTENDENDO FUNÇÕES... 8 BOLETIM ESCOLAR... 16 QUADRO DE RENDIMENTO DO ALUNO... 17 CHAMADA ESCOLAR...

Leia mais

A MATEMÁTICA ESTÁ PRESENTE NA COPA DO MUNDO FIFA

A MATEMÁTICA ESTÁ PRESENTE NA COPA DO MUNDO FIFA Em seis anos, gastos com estádios já aumentaram mais de 200% Em Abril de 2013 na reforma do Maracanã foram aplicados R$ 1,2 bilhão, valor que equivale a 57% do que havia sido previsto em investimento para

Leia mais

SAÚDE FINANCEIRA + QUALIDADE DE VIDA

SAÚDE FINANCEIRA + QUALIDADE DE VIDA SAÚDE FINANCEIRA + QUALIDADE DE VIDA 3 Programa Astra de qualidade de vida no trabalho e na família 5 Afinal, qual é o meu orçamento mensal? 7 Planejamento do mês 9 Estou no azul, o que posso fazer? 11

Leia mais

Exercícios Resolvidos sobre: I - Conceitos Elementares

Exercícios Resolvidos sobre: I - Conceitos Elementares Exercícios Resolvidos sobre: I - Conceitos Elementares Grupo II O Problema da Escassez e da Escolha Questão 1 Comecemos por explicitar o que se entende por bem económico: um bem económico é qualquer coisa

Leia mais

Programa de Pós-Graduação em Economia PPE FOLHA DE PROVA DA PCE EDITAL 001/2015 MACROECONOMIA

Programa de Pós-Graduação em Economia PPE FOLHA DE PROVA DA PCE EDITAL 001/2015 MACROECONOMIA MACROECONOMIA QUESTÃO 01 EXAME ANPEC - 2004 Tendo em conta conceitos relativos ao sistema monetário, julgue as proposições: (0) Define-se papel-moeda em poder do público como sendo o saldo do papel-moeda

Leia mais

Fique tranqüilo e. pague menos. Dicas para você saber como usar sua conta corrente e economizar no dia-a-dia.

Fique tranqüilo e. pague menos. Dicas para você saber como usar sua conta corrente e economizar no dia-a-dia. Fique tranqüilo e pague menos Dicas para você saber como usar sua conta corrente e economizar no dia-a-dia. Controle seu orçamento Evite gastar mais do que você possui na conta corrente, incluindo seu

Leia mais

CADERNO DE EXERCÍCIOS

CADERNO DE EXERCÍCIOS UNIVERSIDADE DA MADEIRA Departamento de Gestão e Economia MICROECONOMIA I 1º Semestre 004/005 CADERNO DE EXERCÍCIOS 0. Modelos Económicos. Optimização 1. Suponha que y = 5000 10Py é a função que traduz

Leia mais

116 Ciências Econômicas

116 Ciências Econômicas UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional Coordenação de Políticas de Acesso e Permanência Unidade de Ocupação de Vagas Remanescentes PROCESSO DE OCUPAÇÃO DE VAGAS

Leia mais

EXAME PARA CONTABILISTA CERTIFICADO DELIBERAÇÃO Nº 001/CTEC/2013 - NOVEMBRO-DEZEMBRO DE 2013 PROVA DE ECONOMIA GERAL

EXAME PARA CONTABILISTA CERTIFICADO DELIBERAÇÃO Nº 001/CTEC/2013 - NOVEMBRO-DEZEMBRO DE 2013 PROVA DE ECONOMIA GERAL DELIBERAÇÃO Nº 001/CTEC/2013 - NOVEMBRO-DEZEMBRO DE 2013 PROVA DE I - Ao receber o Enunciado da Prova escreva seu nome e número do documento de identificação. II - Ao entregar a Prova, depois de resolvida,

Leia mais

As 10 Melhores Dicas de Como Fazer um Planejamento Financeiro Pessoal Poderoso

As 10 Melhores Dicas de Como Fazer um Planejamento Financeiro Pessoal Poderoso As 10 Melhores Dicas de Como Fazer um Planejamento Financeiro Pessoal Poderoso Nesse artigo quero lhe ensinar a fazer um Planejamento Financeiro Pessoal Poderoso. Elaborei 10 dicas para você fazer um excelente

Leia mais

Módulo 2 Custos de Oportunidade e Curva de Possibilidades de Produção

Módulo 2 Custos de Oportunidade e Curva de Possibilidades de Produção Módulo 2 Custos de Oportunidade e Curva de Possibilidades de Produção 2.1. Custo de Oportunidade Conforme vínhamos analisando, os recursos produtivos são escassos e as necessidades humanas ilimitadas,

Leia mais

Retorno e risco de carteiras de investimento

Retorno e risco de carteiras de investimento Retorno e risco de carteiras de investimento 1 OBJETIVOS DA UNIDADE DE ESTUDO Compreender o processo de avaliação do risco de uma carteira. Definir e mensurar a covariancia entre duas variáveis Definir

Leia mais

EXERCÍCIOS SOBRE PROCURA, OFERTA E EQUILÍBRIO DE MERCADO

EXERCÍCIOS SOBRE PROCURA, OFERTA E EQUILÍBRIO DE MERCADO EERCÍCIOS SOBRE PROCURA, OFERTA E EQUILÍBRIO DE MERCADO Exercício 1 1 Antes de proceder ao lançamento no mercado do bem, uma empresa encarregou um consultor de investigar as características da procura

Leia mais

QUESTÃO 1 ALTERNATIVA B

QUESTÃO 1 ALTERNATIVA B 1 QUESTÃO 1 Marcos tem 10 0,25 = 2,50 reais em moedas de 25 centavos. Logo ele tem 4,30 2,50 = 1,80 reais em moedas de 10 centavos, ou seja, ele tem 1,80 0,10 = 18 moedas de 10 centavos. Outra maneira

Leia mais

Prof. Dr. João Muccillo Netto

Prof. Dr. João Muccillo Netto Prof. Dr. João Muccillo Netto INTRODUÇÃO 1. Juros Segundo a Teoria Econômica, o homem combina Terra Trabalho Capital Aluguel Salário Juro para produzir os bens de que necessita. Juro é a remuneração do

Leia mais

Atividade extra. Fascículo 1 Matemática Unidade 1 Coordenadas UNIDADE COORDENADAS

Atividade extra. Fascículo 1 Matemática Unidade 1 Coordenadas UNIDADE COORDENADAS 1 Atividade extra UNIDADE COORDENADAS Fascículo 1 Matemática Unidade 1 Coordenadas Exercı cio 1.1 A receita de uma Clínica Médica está apresentada no gráfico abaixo http://www.hartsystem.com.br/index.html?redirect=pdrelat.html

Leia mais

NOME: NÚMERO: GRUPO I (8 valores)

NOME: NÚMERO: GRUPO I (8 valores) Universidade do Minho Curso de Comunicação Social Disciplina de Economia 8 de Junho de 2004 PROVA DE AVALIAÇÃO NOME: NÚMERO: Observações obrigatórias - antes de começar a responder, siga as seguintes instruções:

Leia mais

01. No dia das mães você dará presente para algum dos familiares abaixo?

01. No dia das mães você dará presente para algum dos familiares abaixo? % PESQUISA: DIA DAS MÃES AMOSTRA: 830 pessoas 1 A 5 DE MAIO DE 2015 Brasil Metodologia: campo de rua e web Mãe é uma só, mas existe mais de uma. Neste Dia das Mães, avós, sogras e irmãs aparecem na lista

Leia mais

Premium até 10 S.M. 180 60 30 20 10 a 20 S.M. 80 40 40 40 20 a 30 S.M. 60 30 60 70 mais de 30 S.M. 40 20 70 160

Premium até 10 S.M. 180 60 30 20 10 a 20 S.M. 80 40 40 40 20 a 30 S.M. 60 30 60 70 mais de 30 S.M. 40 20 70 160 1 MQI 2003 Estatística para Metrologia semestre 2008.01 LISTA DE EXERCÍCIOS # 1 PROBLEMA 1 Uma empresa de TV a cabo toma uma amostra de 1000 clientes, com o objetivo de verificar a relação entre a renda

Leia mais

ECONOMIA. 1 o. ANO ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS CONTÁBEIS REFERENTE MATERIAL DE ACOMPANHAMENTO DE AULAS PARA OS CURSOS: A 2 A.

ECONOMIA. 1 o. ANO ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS CONTÁBEIS REFERENTE MATERIAL DE ACOMPANHAMENTO DE AULAS PARA OS CURSOS: A 2 A. ECONOMIA 1 o. ANO MATERIAL DE ACOMPANHAMENTO DE AULAS PARA OS CURSOS: ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS CONTÁBEIS REFERENTE A 2 A. AVALIAÇÃO PROFESSOR FIGUEIREDO SÃO PAULO 2006 2 DEMANDA E OFERTA A Teoria Microeconômica

Leia mais

Apostila de Matemática Aplicada. Volume 1 Edição 2004. Prof. Dr. Celso Eduardo Tuna

Apostila de Matemática Aplicada. Volume 1 Edição 2004. Prof. Dr. Celso Eduardo Tuna Apostila de Matemática Aplicada Volume Edição 00 Prof. Dr. Celso Eduardo Tuna Capítulo - Revisão Neste capítulo será feita uma revisão através da resolução de alguns eercícios, dos principais tópicos já

Leia mais

Krugman & Obstfeld, Cap. 3; WTP, Cap. 6

Krugman & Obstfeld, Cap. 3; WTP, Cap. 6 O odelo de Fatores Específicos Krugman & Obstfeld, Cap. 3; WTP, Cap. 6 Obs.: Estas notas de aula não foram submetidas a revisão, tendo como única finalidade a orientação da apresentação em classe. Comentários

Leia mais

Aprenda como renegociar suas dívidas e A TER

Aprenda como renegociar suas dívidas e A TER Aprenda como renegociar suas dívidas e VOLTAR A TER CRÉDITO O PROBLEMA FINANCEIRO PODE LEVAR SUA FAMÍLIA À RUÍNA. A dívida entra pela porta da frente e o amor sai pela porta dos fundos. É fácil identificar

Leia mais

GABARITO OTM 09 [ ] [ ] ( ) [ ] O que mostra que e, logo o sistema não possui solução. [ ]

GABARITO OTM 09 [ ] [ ] ( ) [ ] O que mostra que e, logo o sistema não possui solução. [ ] GABARITO OTM 09 Questão 1 a) Observe que o, deste modo o sistema não possui única solução ou não possui solução. Como [ ] [ ] [ ] [ ] O que mostra que e, logo o sistema não possui solução. b) Sim. Basta

Leia mais

Recupere a saúde financeira e. garanta um futuro tranquilo Reitoria da UNESP, 13/05/2015

Recupere a saúde financeira e. garanta um futuro tranquilo Reitoria da UNESP, 13/05/2015 Recupere a saúde financeira e garanta um futuro tranquilo Reitoria da UNESP, 13/05/2015 Objetivo geral Disseminar conhecimento financeiro e previdenciário dentro e fora da SP-PREVCOM buscando contribuir

Leia mais

Dossiê Interior do Brasil: Dimensionamento, características e oportunidades. Abril 2014

Dossiê Interior do Brasil: Dimensionamento, características e oportunidades. Abril 2014 1 Dossiê Interior do Brasil: Dimensionamento, características e oportunidades Abril 2014 OBJETIVO 2 Através do levantamento e interpretação de dados disponíveis sobre o Interior do Brasil, ampliar o conhecimento

Leia mais

Matemática em Toda Parte II

Matemática em Toda Parte II Matemática em Toda Parte II Episódio: Matemática na Alimentação Resumo O episódio Matemática na Alimentação vai combinar os ambientes de restaurantes com ingredientes da Matemática para mostrar como diversos

Leia mais

Metodologia. Entrevistas com amostra de usuárias brasileiras de internet via questionário online.

Metodologia. Entrevistas com amostra de usuárias brasileiras de internet via questionário online. Assunto E-commerce Metodologia Entrevistas com amostra de usuárias brasileiras de internet via questionário online. Quantidade de entrevistas realizadas: 1.652 mulheres Perfil: 18 a 50 anos Mercado: Brasil

Leia mais

MÓDULO 1 - Abrindo o Winplot e construindo gráficos

MÓDULO 1 - Abrindo o Winplot e construindo gráficos 1 MÓDULO 1 - Abrindo o Winplot e construindo gráficos 1 - Abrindo o Winplot Para abrir o Winplot.exe clique duas vezes no ícone. Abrirá a caixa: Clique (uma vez) no botão. Surgirá uma coluna: Clique no

Leia mais