AJUSTE DE MODELOS REOLÓGICOS MECÂNICOS NO CREEP DE POLIPROPILENO, POLIESTIRENO E POLICARBONATO: COMPARAÇÃO COM O MEF

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AJUSTE DE MODELOS REOLÓGICOS MECÂNICOS NO CREEP DE POLIPROPILENO, POLIESTIRENO E POLICARBONATO: COMPARAÇÃO COM O MEF"

Transcrição

1 AJUSTE DE MODELOS REOLÓGICOS MECÂNICOS NO CREEP DE POLIPROPILENO, POLIESTIRENO E POLICARBONATO: COMPARAÇÃO COM O MEF Herbert M. Gomes* e Tiago Marchese Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Departamento de Engenharia Mecânica, Av. Sarmento Leite, 425, sala 202, 2º. Andar, Porto Alegre, Brazil. Correo electrónico: Recibido: Noviembre 2012; Aceptado: Enero 2013 RESUMO O comportamento mecânico de polímeros tem recebido bastante destaque devido à importância que estes materiais vêm merecendo ultimamente, sendo utilizado em condições e em funções onde materiais metálicos historicamente eram utilizados. Em função disto, estes materiais poliméricos em certas circunstâncias apresentam problemas decorrentes na maior parte das vezes pela falta de conhecimento prévio do seu comportamento ou pelo seu incorreto emprego ou especificação. Dentre os comportamento de interesse destes materiais, o de longa duração é o que é aqui focado. Este trabalho traz um estudo sobre o ajuste de modelos reológicos para representar a fluência aplicada a hélices injetadas em poliestireno (PS), policarbonato (PC) e polipropileno (PP). O objetivo é avaliar esta fluência através de ensaios experimentais seguindo se recomendações e procedimentos de Normas ASTM D 2990, os quais servem de parâmetros para alimentar e calibrar um modelo constitutivo de Kelvin Voigt de 3 parâmetros (também chamado de modelo Zener). Este modelo fornece uma maneira de tratar e simular comportamentos de fluência e relaxação. Os ensaios experimentais em relaxação são utilizados para calibrar o modelo reológico, já os ensaios de fluência são utilizados para posteriormente comparar os resultados numéricos com valores obidos experimentalmente. Com os resultados obtidos do modelo reológico calibrado obtém se valores para módulos de Young ao longo do tempo e assim poder avaliar com estes materiais, outras condições de carregamento e vinculação ao longo do tempo, com auxílio do Método dos Elementos Finitos (MEF). Palavras chave: Fluência, Creep, Relaxação, Hélices, Polímeros. ABSTRACT The mechanical behaviour of polymeres have received an special attention due to the importance of such materials which are used on conditions and functions where metalic ones were historically used. Thus, these polymeric materials, on certain occasions, may present fail, sometimes due to the lack in knowledge on its mecahnical behaviour and properties or due to wrong use and specification. Among several behaviours, in this paper, the long term behaviour, generically called Creep, is focused. This work brings a study on rheological model fit in injected indoor propellers fans with polystyrene (PS), polycarbonate (PC) and polypropylene (PP). The goal is to evaluate creep through experimental tests following recommendations and procedures indicated by Standards (ASTM D 2990). The experimental results are used to feed and calibrate a Kelvin Voigt 3 parameter model. This model provides the mechanical behaviour for creep and relaxation evaluation. The experimental results for relaxation tests are used to calibrate the simple rehological model, as the creep tests are used to further examine whether the result would be closer to numerical ones. Together with the obtained experimental results and the aid of the calibrated reohlogical model, the long term behaviour of the Young Modulus may be used with a Finite Element Method (FEM) framework to predict long term behaviour in other boundary conditon and loads. Keywords: Creep, Long Term Deformation, Relaxation, Propeller, Polymers. 1. INTRODUÇÃO Tem sido relatado que materiais poliméricos usados como peças mecânicas podem apresentar após um longo período de utilização, dentre outros problemas relacionados á degradação dos mesmos, problemas relacionados à deformação permanente. Isto, por exmeplo, tem sido observado 65 Rev. Iberoam. Polim., 14(2), 65-82(2013)

2 sistematicamente em das pás de hélices de ventiladores que causam, por consequência, a perda de rendimento ou, neste caso geram o contato das pás com as grades de proteção, inutilizando o equipamento. Este problema tem sido detectado em hélices feitas em polímeros com projetos geométricos baseados em hélices de aço. Em certo projeto industrial, hélices que apresentam este problema geralmente são sempre as injetadas em polipropileno (PP), no entanto, as injetadas em policarbonato (PC) que é um material mais rígido e com maior tensão de escoamento não apresentam o problema. Acredita se que este fenômeno trata se de fluência em virtude de ambos saírem de fábrica em perfeito funcionamento vindo a apresentar o problemas sempre após um longo período de uso constante. Em virtude do PP ser um material não recomendável neste tipo de projeto, devido às suas características mecânicas, terse ia que utilizar o PC que é um material de desempenho mecânico superior, entretanto comercialmente mais caro. Neste caso, a indústria buscou um terceiro material intermediário, cujo custo fosse próximo ao do PP e com rigidez próxima ao do PC para se análises de fluência. Com base nisto optou se por utilizar como terceiro material o poliestireno (PS). Outro objetivo deste trabalho também é o de encontrar uma maneira de dimensionar esta deformação no material a priori para que seja considerado na injeção destas hélices num ensaio prático de fluência. Neste trabalho, fez se o ajuste do modelo de Kelvin-Voigt de três parâmetros para os ensaios de Relaxação experimentais e utilizou se o mesmo modelo, calibrado, para fazerem se estimativas de comportamento em ensaios de Creep das hélices de ventiladores. Portanto, a utilização de um módulo de elasticidade reduzido é aplicável neste caso sem problemas teóricos de utilização com esta abordagem Breve revisão bibliográfica. Os materiais poliméricos exibem um comportamento dependente do tempo. As tensões e deformações induzidas quando a carga é aplicada são funções do tempo. De uma forma genérica, este comportamento pode ser explicado como uma superfície tridimensional. As relações de tensões deformações tempo, ou seja, as leis constitutivas, podem ser determinadas através de ensaios de longa duração em corpos de prova sob (a) tensão constante (medindo se as deformações lentas Creep) ou (b) sob deformação constante (medindo se a perda de tensões ao longo do tempo Relaxação). Pode se também construir curvas isócronas (intervalos de tempo constantes) através do corte desta superfície tridimensional a intervalos de tempos constantes como mostrados na Figura 1. Quando um material plástico/polimérico é sujeito a uma carga constante, ele deforma se continuamente (Figura 2). As deformações iniciais podem ser aproximadamente pelo módulo de Elasticidade do material. O material continuará a deformar se vagarosamente com o tempo até que haja ruptura brusca ou que o escoamento do material cause a falha. O estágio primário é 66 Rev. Iberoam. Polim., 14(2), 65-83(2013)

3 Tnesão Deformação Revista Iberoamericana de Polímero Volumen 14(2), Marzo de 2013 caracterizado pela região do gráfico onde a taxa de deformação lenta decai rapidamente com o tempo. Então ela atinge um regime estacionário no qual é chamado de estágio secundário que é seguido por um rápido aumento (estágio terciário) e em seguida a ruptura do corpo de prova. Seção com tempo constante Seção isócrona Seção com deformação constante Seção isométrica Seção com tensão constante Curva de deformação lenta Creep Tensão Deformação Log(tempo) Figura 1. Gráfico de Tensão x deformação x tempo constantes. Este fenômeno de deformação sob carga com o tempo é chamado de deformação lenta. Obviamente, esta é uma curva idealizada. Alguns materiais mão apresentam o estágio secundário, enquanto o estágio terciário apenas ocorre a altas tensões e para materiais dúcteis. Toda a deformação lenta em plásticos ocorre até certo limite. O nível de deformação lenta depende de diversos fatores, tais como o tipo de plástico, magnitude da carga, temperatura e tempo. O método de teste padrão para a caracterização de deformações lentas é o ASTM D Neste procedimento de teste, as mudanças dimensionais que ocorrem durante o tempo sob carga estática constante são medidas. Primário Secundário Terciário Fratura Deformação inicial Constante T=Constante Tempo t Tempo, t Figura 2. Curva de Deformação Lenta para plásticos sob carga constante aplicada. 67 Rev. Iberoam. Polim., 14(2), 65-83(2013)

4 Se a carga aplicada é liberada antes que a ruptura por deformação lenta acorra, uma imediata recuperarão elástica igual a deformação elástica, seguido por um período de lenta recuperação é observado (Figura 3). O material na maioria dos casos não recupera a sua forma original e deformações permanentes restam. A magnitude das deformações permanentes depende da extensão do tempo, magnitude da tensão aplicada e da temperatura. A ruptura por deformação lenta é basicamente similar a um teste de deformação lenta com a exceção de que o teste é continuado até que o material falhe. Uma vez que cargas mais altas são usadas, as taxas de deformação lenta são maiores e o material falha num tempo menor (usualmente terminado em h). Deformação permanente t 0 t 1 t 0 t 1 Figura 3. Curva de Deformação Lenta com recuperação. Uma tensão constante é aplicada em t 0 e removida em t 1. Este teste é útil em estabelecer limites seguros dentro dos quais, o teste de deformação lenta pode ser conduzido. A informação básica obtida de um teste de ruptura por deformação lenta é o tempo requerido para a falha sob aquela tensão. Baseado neste dado, uma tensão segura pode ser determinada abaixo da qual é seguro operar, dado o tempo requerido até o final da aplicação. A construção das curvas de envelope de ruptura por deformação lenta são mostradas na Figura 4. O teste é conduzido sob tensão constante e os pontos que definem o início do estágio terciário são conectados para formar os envelopes da curva de ruptura por deformação lenta. Figura 4. Envelope de ruptura por deformação lenta. A relaxação das tensões é definida como uma gradual diminuição nas tensões com o tempo 68 Rev. Iberoam. Polim., 14(2), 65-83(2013)

5 sob deformação constante. Este comportamento de polímeros é estudado aplicando uma deformação constante e medindo as tensões necessárias para manter aquela deformação como uma função do tempo. Este comportamento pode ser melhor visualizado na Figura 5. Figura 5. Relaxação de tensões em polímeros O projeto com polímeros. O projeto com plástico pode ser dividido em duas categorias, o projeto para resistência e o projeto para rigidez. A resistência de um componente é limitada por uma tensão de escoamento e uma tensão de ruptura do material dos quais o material é feito. Como mostrado na Figura 6, uma curva envelope de ruptura por deformação lenta pode ser obtido de um teste de ruptura por deformação lenta. Para um tempo de vida esperado, a máxima tensão permitida ( 4 ) pode ser adotada de uma curva de envelope de ruptura por deformação lenta. O projeto para rigidez com as curvas de deformação lenta segue estabelecendo a máxima deformação aceitável max, portanto estabelecendo uma linha horizontal no diagrama de deformação lenta correspondentemente. O tempo de vida esperado t L da parte é também determinada na máxima tensão permitida e é encontrada na curva de deformação lenta na intersecção destas duas curvas. Figura 6. Critério de projeto pelas curvas de deformação lenta (Adaptado de Gravelle [4]). 69 Rev. Iberoam. Polim., 14(2), 65-83(2013)

6 Deformação o Tensão Revista Iberoamericana de Polímero Volumen 14(2), Marzo de 2013 Como mostrado na Figura 6, muitas combinações de e tempo levarão a esta máxima deformação. Para um tempo de vida desejado de t L, entretanto, há um nível máximo L o qual satisfaz a máxima deformação. A seleção do tipo de projeto depende da aplicação em específico. Usualmente, deformações ou dimensões requeridas são mais críticas e o projeto pela rigidez é favorecida neste caso. Se a precisão em dimensão do componente sob discussão não é tão importante comparada à resistência, o projeto para resistência é então usado. Para estruturas complicadas, ambos os casos podem ser utilizados como critério de projeto para assegurar o comportamento de material adequado durante a vida de serviço do mesmo Princípio da superposição. Há dois princípios de superposição, os quais são importantes em predizer o comportamento de creep de materiais plásticos sob várias condições de teste. O primeiro destes é o Principio da Superposição de Boltzmann, o qual descreve a resposta do material a diferentes histórias de carregamento. O segundo deles é o Princípio da Superposição do Tempo Temperatura ou a equação de WLF, a qual descreve as equivalências de tempo e temperatura. O princípio da superposição de Boltzmann afirma que a resposta do material a um dado carregamento é independente da resposta do material à qualquer outra carga que já esteja atuando no material. A deformação de um corpo de prova é diretamente proporcional às tensões aplicadas, quando todas as deformações são comparadas a tempos equivalentes. Isto é somente válido na região viscoelástica linear. Para o caso de creep, a deformação total pode ser expressa como: ou t) D( t ) D( t )( ) D( t )( ) (1) ( i i i1 t ( t) D( t ) d ( t) (2) onde D(t)=1/E(t) é a função de compliância, a qual é uma característica do polímero a uma dada temperatura e tensão inicial. A Figura 7 mostra a curva de creep para o Princípio de Superposição de Boltzmann Tempo Tempo Figura 7. Princípio da Superposição de Boltzmann. 70 Rev. Iberoam. Polim., 14(2), 65-83(2013)

7 No tempo 1, a tensão 1 é aplicada e a deformação induzida pode ser dada por: t) D( ) (3) 1( 1 t De acordo com a viscoelasticidade linear, a compliância D(t) é independente da tensão, isto é, D(t) é o mesmo para todas as tensões para um tempo em particular. Se um incremento de tensões 2 1 é aplicado no tempo 2 então o incremento de deformação devido ao incremento de tensão 2 1 é: t ) D( t )( ) (4) 2( Da mesma forma, o incremento de deformação devido à 3 2 pode ser dado por: t ) D( t )( ) (5) 3( Deformações adicionais induzidas por incrementos de tensões, os quais podem ser positivos ou negativos, são adicionados para resultarem na equação (4) ou (5). O princípio da Superposição do tempo Temperatura WLF descreve a equivalência de tempo e temperatura. Esta superposição é usada para descrever o comportamento dependente da temperatura na relaxação da tensão Modelos reológicos. De acordo com Lubline r [6] e Creus [1] nos modelos reológicos, molas e amortecedores são usados para simular as componentes elásticas e viscoelásticas para a resposta a tensões e deformações. As molas obedecem a uma relação de tensão deformação do tipo linear tanto para tensões quanto para tensões normais quanto para tensões de corte, conforme podemos ver na Equação (6), onde é a tensão; E é o módulo de elasticidade; é a deformação; é a tensão de cisalhamento; G é o módulo de elasticidade à torção e é a distorção gular. E e G (6) Os amortecedores (componentes responsáveis pela resposta visco elástica) obedecem a uma relação para tensões normais e de corte que estão apresentadas nas Equação (7), onde e são os coeficientes de amortecimento longitudinal e angular. e (7) Modelos simples utilizando uma combinação de mola e de amortecedores não correspondem diretamente a estruturas cristalinas ou moleculares de materiais, mas eles ajudam a entender como os materiais irão responder diretamente a variações de tensão e deformação. Em geral quanto mais complexos os modelos, maior o número de constantes experimentais a serem determinadas é necessário, entretanto melhores são as aproximações do ajuste para o experimento. Abaixo está 71 Rev. Iberoam. Polim., 14(2), 65-83(2013)

8 descrito o modelo utilizado nas análises, que é o de Kelvin Voigt de 3 parâmetros. O modelo de Kelvin Voigt de 3 parâmetros é composto por uma mola em paralelo com um modelo de Maxwell, como ilustrado na Figura 8. 2, 2 E 2 E 1 1( 1, 1 Figura 8. Modelo de Kelvin Voigt de 3 Parâmetros. Ele pode simular bem o comportamento de polímeros tanto em relaxação quando em deformação lenta (Creep). Avaliando as equações de compatibilidade e de equilíbrio chega se à equação diferencial para o modelo de Kelvin Voigt de 3 parâmetros como indicado na equação (8). d d E1 E1E 2 ( E1 E2) (8) dt dt Para a aplicação de uma deformação constante de 0 aplicada repentinamente, resolvendo a equação do modelo para o tempo, o histórico de deformações para este caso será o descrito na Equação (9): E1 t ( t) ( E E e ) (9) Um modelo mais genérico pode ser feito utilizando se de uma série de elementos Maxwell, que é uma mola e um amortecedor em série, com uma única mola em paralelo a todo o sistema, sendo este sistema robusto o suficiente para capturar comportamentos bastante complexos. Sendo E 0 o módulo da mola em paralelo e E 1, E 2,..., E n os módulos das n molas dos elementos Maxwell em série e 1, 2,..., Equação (10): n as viscosidades deste elementos, tem se de uma forma genérica descrita na n i ( t) ( E E e ) (10) i1 i Ei t Módulo de elasticidade reduzido. Uma solução para problemas de viscoelasticidade pode ser obtida através de uma análise elástica com um Módulo de elasticidade reduzido ou efetivo. 72 Rev. Iberoam. Polim., 14(2), 65-83(2013)

9 Este módulo, em geral, é uma função do tempo e idade do carregamento, com um valor relativamente menor que o módulo de elasticidade real instantâneo de modo a poder permitir um aumento na deformação que leva em conta os efeitos de Creep. Para o caso de um ensaio de Creep, ou seja, à tensão constante, o Módulo de Elasticidade reduzido será exatamente o valor da relação entre a tensão aplicada (constante) dividido pela deformação no tempo dada pelo modelo reológico utilizado. Este resultado é exato por se tratar de uma tensão constate ao longo do tempo. Entretanto o inverso não é verdadeiro. No caso de um ensaio de Relaxação, aplicação de deformação constante, os valores iniciais dos Módulos de Elasticidade em t = 0 e em t = coincidirão com os valores correspondentes às tensões dadas pelo modelo reológico dividido pela deformação imposta (Módulo de Elasticidade Instantâneo e Módulo de Elasticidade Assintótico respectivamente). Para tempos intermediários, isto não será verdadeiro, uma vez que o módulo reduzido será dado por uma inversão de uma equação integral (Creus, 1986). Felizmente este erro não é tão grande e a aproximação pode ser útil para cálculos preliminares [sic] Dados retirados de relatos do fabricante. A deformação plástica é muito pequena, praticamente desprezível, pois com o passar do tempo a hélice volta a posição inicial e as tensões de trabalho são bem inferiores as do escoamento dos materiais. Por isso concluímos que há um retorno praticamente viscoelástico, comprovado posteriormente nos testes. Analisando as hélices que apresentaram reclamações do usuário, se chega à conclusão que todos eram ventiladores que ficavam muitas horas ligado sem interrupções. As hélices foram injetadas em diferentes materiais (PP, PC e PS), mas com a mesma matriz de injeção, por isso elas devem apresentar as geometrias minimamente diferentes em virtude da diferença de contração dos materiais na cura. 2. PARTE EXPERIMENTAL 2.2. Dimensões dos corpos de prova utilizados. Para os ensaios realizados as dimensões dos corpos de prova utilizados são as indicadas abaixo, para corpo de prova de seção retangular seguindo se recomendações da NBR 6152 [2]. Foram os seguinte os valores destas dimensões: e = 1,2 mm, b = 12,5mm, S0 = 14,4 mm 2, Lo = 22 mm, Lc = 60 mm, R = 20 mm, Ln = 20 mm, Lt = Lc + 2R + 2, Ln = 100 mm. Com três hélices, cada uma injetada em um material diferente, foram realizados os testes. Os dados mecânicos dos materiais que foram utilizados foram obtidos com o fabricante dos mesmos através de seus sites na internet. O fabricante do poliestireno 870/E é a empresa Innova [5], já o PC Durolon é de fabricação da empresa Policarbonatos do Brasil [8] e o polipropileno H 105 é produzido pela Braskem [3]. As hélices foram fixadas em uma bancada e na ponta da pá fora colocado uma carga de 7, 6; 73 Rev. Iberoam. Polim., 14(2), 65-83(2013)

10 Flecha (mm) Revista Iberoamericana de Polímero Volumen 14(2), Marzo de ; 3N. Todos os ensaios foram realizados com a carga sempre aplicada no mesmo ponto e da mesma forma, na extremidade de uma das hélices. As hélices foram furadas na ponta de cada pá e neste furo era preso um gancho com a carga de teste que iria fazer com que as pás fluíssem (Figura 18). As hélices foram prensadas no seu centro com um uma chapa de forma que foi mantida fixa na mesa com o uso de sargentos, pelo seu anel central como engastada. Na mesa se criaram pontos de referência para as medidas durante o período de dias de testes. 2. RESULTADOS 3.1. Ensaio de fluência(ensaios sob tensão mecânica constante). Nas Figuras 9, 10 e 11 temos graficados os dados do ensaio de fluência (ensaios sob tensão mecânica constante). Neste ensaio, as hélices foram submetidas a um carregamento de 5 N, a uma temperatura de 24,5 C durante 6 dias. As medidas do deslocamento das três hélices durante este primeiro ensaio estão representadas na Figura 9 na qual pode se notar que o PP flui muito mais que o PS e o PC. 70,00 60,00 Poliestireno Policarbonato Polipropileno 50,00 40,00 30,00 20,00 10,00 0, Tempo (horas) Figura 9. Deslocamentos durante o ensaio de 5N. No segundo ensaio, agora com uma temperatura de 22 C e uma carga de 3N obtivemos resultados parecidos como indicado pela Figura 10. E um terceiro ensaio, com carga de 7,6 N e com temperatura de 20 C obteve se os deslocamentos da Figura 11 na qual notamos o comportamento semelhante ao dos outros ensaios anteriores. Com base nos ensaios acima pode se notar que o comportamento quanto a fluência do PS é muito parecido com o do PC e isso pode sugerir inicialmente substituir o PP por este material. Em um ensaio experimental realizado por umfabricante durantes os testes aqui apresentados pôde se confirmar o fato acima comentado. 74 Rev. Iberoam. Polim., 14(2), 65-83(2013)

11 Flecha (mm) Flecha (mm) Revista Iberoamericana de Polímero Volumen 14(2), Marzo de Poliestireno Policarbonato Polipropileno Tempo (horas) Figura 10. Deslocamentos durante o ensaio de 3N. 90,00 80,00 70,00 Poliestireno Policarbonato Polipropileno 60,00 50,00 40,00 30,00 20,00 10, Tempo (horas) Figura 11. Deslocamentos durante o ensaio de 7,6 N Ensaio de relaxação (ensaio sob deformação mecânica constante). Para calibrar o modelo de Kelvin Voigt foram feitos ensaios de relaxação (ensaios sob deformação constante). Para realizar este ensaio foram utilizados corpos de prova conforme descrito no item anterior. Estes corpos foram colocados em uma máquina de tração com cargas de N para o PC, 410 N para o PS e 600 N para o PP, a fim de levar os três materiais a terem uma deformação incial igual e cosntante ao longo do tempo e depois relaxarem (diminuirem a tensão mecânica ao longo do tempo). Pode se visualizar melhor o aparator do ensaio na Figura Rev. Iberoam. Polim., 14(2), 65-83(2013)

12 Termômetro Corpo de Prova padrão Regiões brancas próximo à deformação de colapso Figura 12. Descrição do ensaio de relaxação. Os ensaios de tração fora realizados em uma máquina do tipo ZMGI 250 da TIW Hauestein, o termômetro utilizado foi um ARBA com resolução de 0,5 C e limites de de 10 a 100 C. Nas Tabelas 1 a 2, temos os dados do corpo de prova utilizado no PC e o decaimento da tensão ao longo do tempo. Tabela 1. Dados do corpo de prova do policarbonato (PC). Policarbonato (PC) T 24,5 o C L0 95,1 mm L 98,4 mm DL 3,3 mm E 0,03 mm/mm Área 25,00 mm 2 B 12,5 mm t 2 mm Tabela 2. Decaimento da tensão ao longo do tempo para policarbonato (PC). Intervalo/hora Medida/N Tensão/MPa 0,00 13,00 50,96 0,02 12,50 49,00 0,05 12,30 48,22 1,00 11,60 45,47 3,00 11,35 44,49 7,33 11,10 43,51 31,00 10,70 41,94 46,67 10,65 41,75 56,00 10,50 41,16 76 Rev. Iberoam. Polim., 14(2), 65-83(2013)

13 Nas Tabelas 3 e 4 temos os dados do corpo de prova para o ensaio do PP assim como decaimento das tensões ao longo do tempo. Tabela 3. Dados do corpo de prova de polipropileno (PP). Polipropileno (PP) T 24,5 o C L0 101,55 mm L 108 mm DL 6,45 mm E 0,0635 mm/mm Área 25,42 mm 2 B 12,4 mm T 2,05 mm Tabela 4. Decréscimo de tensões do polipropileno (PP). Intervalo (hora) Medida (N) Tensão (MPa) 0,00 6,00 23,13 0,80 5,00 19,28 2,17 4,80 18,51 3,00 4,75 18,31 7,58 4,45 17,16 24,25 4,20 16,19 32,25 4,00 15,69 96,78 3,85 14,84 104,25 3,80 14,65 Nas Tabela 5 e 6 temos os dados do corpo de prova do PS assim como o decaimento das tensões mecânicas ao longo do tempo: Tabela 5. Dados do corpo de prova de poliestireno (PS). Poliestireno T 22,50 o C L0 100,4 mm L 107,95 mm DL 7,55 mm e 0,075 mm/mm Área 25,00 mm 2 b 12,50 mm t 2,00 mm 77 Rev. Iberoam. Polim., 14(2), 65-83(2013)

14 Tabela 6. Histórico tensões experimentais das medições no poliestireno (PS). Intervalo/hora Medida/N Tensão/MPa 0,00 4,00 16,07 1,00 3,20 12,94 2,58 2,90 12,15 4,08 2,30 11,76 7,75 2,20 11,56 26,42 2,15 10,98 33,42 2,00 10,78 101,25 1,95 10,39 105,42 1,90 10,29 Com estes dados acima é possível ajustar o modelo de Kelwin Voigt para simular o deslocamento ao longo do tempo em fluência Modelo Kelvin Voigt de 3 parâmetros. O tempo t em horas das medições e o histórico de tensões (σe) experimentais para poliestireno (PS) nos respectivos tempos, por exmeplo, podem ser vistos na Tabela 6. A Deformação Constante inicial fica definida como ε 0 = 0, O tempo inicial fica definido como t(i) = t i. A tensão ao longo do tempo experimental fica definida por σ e (i) = σ ei. A solução geral das tensões para deformação inicial constante aplicada em ε 0 está definida na Equação (11) onde E 1 e E 2 são os módulos de elasticidade das molas: ( E1 (,,,, ) [. / ). t t E E E E e ] (11) A definição da Função de Erro para ajuste dos parâmetros do Modelo está definida na Equação (12): 8 2 erro( E1, E2, ) ( ( t( i), E1, E2,, 0) e( i)) (12) i10 Para minimização do erro para ajuste dos parâmetros do modelo proposto utilizou se o método dos mínimos quadrados, o qual nos forneceu como resultado os parâmetros do modelo simples de Kelvin Voigt que melhor se ajusta aos resultados experimetais: E 1 = 660,44 N/m 2, E 2 = 1, N/m 2 e = 1, N/m 2 s. Com isso o erro quadrático final (somatório das diferenças ao quadrado das tensões em cada ponto medido experimental e o respectivo valor numérico) do modelo ajustado com os parâmetros encontrados anteriormente ficou em 1,747 N/m 2. A Figura 13 mostra as comparações entre as curvas experimentais e as preditas pelo modelo ajustado: 78 Rev. Iberoam. Polim., 14(2), 65-83(2013)

15 Modulo de Elasticidade [MPa] Tensões (MPa) Revista Iberoamericana de Polímero Volumen 14(2), Marzo de PoliEstireno (PE) Tempo (h) Tensão Experimental Tensão Modelo Ajsutado Figura 13. Comparações entre as curvas experimentais e as preditas pelo modelo ajustado (PE). Com os dados acima podemos avaliar qual o módulo de Elasticidade Equivalente no tempo incial t = 0 h, resultando em E eq (t = 0) = E 1 + E 2 = 1, N/m 2 valor este bem próximo daquele encontrado na literatura para este tipo de polímero e à esta temperatura [7]. Com a Equação (13) pode se calcular a deformação no tempo: ( t) 1/ E E /( E.( E E )). e E1. E2 /(.( E2 E1 )) (13) Na Figura 14 indica o gráfico da variação do módulo de elasticidade ao longo do tempo. t 2500 Módulo de Elasticidade Variando no Tempo Módulo de Elasticidade Variando no Tempo Tempo [horas] Figura 14. Variação do Módulo de Elasticidade no Tempo (PE) Comparativo dos deslocamentos experimentais e teórico no ensaio de relaxação (Creep). Uma vez obtidos os parâmetros do modelo de Kelvin Voigt, por ajuste das curvas do modelo reológico com os dados experimentais das curvas de Relaxação, passou se para a validação 79 Rev. Iberoam. Polim., 14(2), 65-83(2013)

16 dos mesmos através da comparação coms os ensaios anteriormente feitos de Fluência (sob tensão cosntante). Para isto, usa se um modelo de elementos finitos das peças das hélices juntamente com um módulo de elasticidade variável no tempo dado pelo modelo de Kelvin Voigt. Para isto, utilizou se o software Cosmos [9] e a geometria 3D da hélice em questão. Os deslocamentos na ponta da hélice, nos mesmo ponto onde forma medidos experimentalmente e agora gerados por esta análise estão na Tabela 7. Tabela 7. Deslocamento ao longo do tempo. Tempo [h] 7,6 N 5 N 3 N Deslocamentos [ mm ] 0,00 37,28 24,39 14,60 1,00 42,92 28,01 16,81 2,58 48,29 31,52 18,91 4,08 51,06 33,33 20,00 7,75 53,6 34,99 20,99 26,41 54,39 35,42 21,25 33,41 54,39 35,42 21,25 105,41 54,39 35,42 21,25 Os resultados das análises experimentais seguem abaixo, na Tabela 8: Tabela 8. Resultado das análises experimentais. Carga 7,6 N Carga 5 N Carga 3 N Tempo/ h Deslocamento/mm Tempo/h Deslocamento/mm Tempo/h Deslocamento/mm 0, ,00 31,98 0,00 15,38 1, ,25 33,34 1,08 15,68 2,5 47,32 3,25 33,64 1,63 15,94 3,5 47,38 7,25 33,84 3,58 16, ,12 22,11 34,48 6,58 16,04 18,25 48,34 26,83 34,54 20,83 16,36 30,1 49,3 31,31 35,16 54,58 16,76 73,08 50,18 55,33 35,46 72,41 16,94 164,11 51,02 145,33 36,26 122,41 16,96 126,58 17,03 Nos gráficos das Figuras 15, 16 e 17 pode se ver a comparação da curva de ensaio numérico com a curva real obtida no ensaio experimental de Deformação Lenta. 80 Rev. Iberoam. Polim., 14(2), 65-83(2013)

17 Deslocamento [ mm ] Deslocamento [ mm ] Deslocamento [ mm ] Revista Iberoamericana de Polímero Volumen 14(2), Marzo de Deslocamento X Tempo [ 7,6N ] Deslocamento X Tempo [ 7,6N ] Real Tempo [h] Figura 15. Comparação dos resultados do ensaio experimental e numérico para 7,6 N Tempo [ h ] Deslocamento X Tempo [ 5N ] Deslocamento X Tempo [ 5N ] Real Figura 16. Comparação dos resultados do ensaio experimental e numérico para 5 N Deslocamento X tempo [ 3N ] Deslocamento X Tempo [ 3N ] Real Tempo [ h ] Figura 17. Comparação dos resultados do ensaio experimental e numérico para 3N. Aplicando o módulo de elasticidade estabilizado para o PS de 1441 MPa na hélice e fazendo a análise com elementos finitos encontramos um deslocamento de aproximadamente 10mm, conforme Figura 18, sabendo que é necessário aproximadamente 18 mm para que haja colisão com a grade traseira, o modelo com PS ficou bem distante de atingir a grade de proteção do ventilador. 81 Rev. Iberoam. Polim., 14(2), 65-83(2013)

18 z y x Região engastada F z Ponto de aplicação da carga e de medição das flechas Figura 18. Deslocamentos com PS com E = 1441 Mpa. 5. CONCLUSÕES Com base nos dados acima obtidos, pode se concluir que o material PS apresenta um comportamento satisfatório para esta utilização, visto que o material já apresentou um comportamento parecido com o PC nos ensaios experimentais e como o PC já era considerado apto para a aplicação nas hélices já era um bom indicativo de que o PS também seria. Nos ensaios numéricos também chega se à conclusão de que o material atende aos requisitos de funcionamento, já que o deslocamento do mesmo com o módulo de elasticidade variando no tempo praticamente estabilizado em 105 horas, mais de quatro dias, ficou em aproximadamente 10 mm que é o necessário para alcançar uma condição sem problemas em enconstar na grade de proteção das hélices (que é de cerca de 18 mm). Isso mostra que é necessário um deslocamento ainda 1,8 vezes maior para que atinja o deslocamento crítico de funcionamento. Vale ressaltar que o modelo empregado para fazerem se estas aproximações foi o de visco elasticidade linear de forma que se alguma deformação plástica está ocorrendo nas hélices (deformação não recuperável mesmo após cessado o carregamento pelo mesmo período a que foi submetido), esta não estará sendo levada em conta. Talvez um modelo com dano (fadiga para levar em conta os ciclos de carga e descarga) ou mesmo um modelo com envelhecimento poderia justificar qualquer deformação residual observada na prática. 82 Rev. Iberoam. Polim., 14(2), 65-83(2013)

19 Agradecimentos. Os autores desejam agradecer ao Departamento de Engenharia Mecânca da UFRGS e ao CNPq e CAPES pelos auxílios presentes nesta pesquisa. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS [1] Creus GJ Lectures Notes in Engineering: Viscoelasticity Basic Theory and Applications to Concrete Structures, Ed. Springer Verlag, [2] ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉNICAS, ABNT, NBR 6152 Materiais metálicos Ensaio de tração à temperatura ambiente, [3] BRASKEM Empresa Brasileira de Químicos, <http://www.braskem.com.br> (acessado em 20/10/2012). [4] Gravelle SR Creep Analysis of a Thermoplastic Using Stress Relaxation Data, TMS, The Minerals, Metals & Materials Society Journal, p , [5] INNOVA S.A. N2380.pdf, Ficha Tecnica_Estireno.pdf, N1921.pdf, <http://www.innova.ind.br /portal/site/pb einnova>, (acessado em 17/08/2012). [6] Lubliner J Plasticity Theory, Ed. Maxwell Macmillan International Editions, [7] MATWEB, Searcheable Database of Materials Properties, Searched Keywords: Polycarbonate, Molded; Polypropylene, Molded; Polystyrene, <http://www.matweb.com/>, (acessado em 10/09/2012). [8] POLICARBONATOS DO BRASIL S.A, <http://www.policarbonatos.com.br> (acessado em 04/09/2012). [9] SOLIWORKS/COSMOSWORKS SolidWorks Corporation, Solidworks Office Premium, Concord, Massachusetts, USA, Reference Manual, Rev. Iberoam. Polim., 14(2), 65-83(2013)

Propriedades dos Materiais CAP 3

Propriedades dos Materiais CAP 3 Universidade Federal do Ceará Resistência dos Materiais I Propriedades dos Materiais CAP 3 Profa. Tereza Denyse de Araújo Março/2010 Roteiro de aula Ensaio de Cisalhamento Ensaio de Torção Falhas de Materiais

Leia mais

Capítulo 3 Propriedades Mecânicas dos Materiais

Capítulo 3 Propriedades Mecânicas dos Materiais Capítulo 3 Propriedades Mecânicas dos Materiais 3.1 O ensaio de tração e compressão A resistência de um material depende de sua capacidade de suportar uma carga sem deformação excessiva ou ruptura. Essa

Leia mais

ENSAIO DE MATERIAIS. Profº Diógenes Bitencourt

ENSAIO DE MATERIAIS. Profº Diógenes Bitencourt ENSAIO DE MATERIAIS Profº Diógenes Bitencourt BASES TECNOLÓGICAS Diagrama Tensão-Deformação; Ensaio de Tração; Ensaio de Compressão; Ensaio de Cisalhamento; Ensaio de dureza Brinell; Ensaio de dureza Rockwell;

Leia mais

Relações entre tensões e deformações

Relações entre tensões e deformações 3 de dezembro de 0 As relações entre tensões e deformações são estabelecidas a partir de ensaios experimentais simples que envolvem apenas uma componente do tensor de tensões. Ensaios complexos com tensões

Leia mais

Determinação dos Módulos de Armazenagem e de Perda de Materiais Viscoelásticos - Padrão ASTM

Determinação dos Módulos de Armazenagem e de Perda de Materiais Viscoelásticos - Padrão ASTM Universidade Federal de São João Del-Rei MG 6 a 8 de maio de 010 Associação Brasileira de Métodos Computacionais em Engenharia Determinação dos Módulos de Armazenagem e de Perda de Materiais Viscoelásticos

Leia mais

1.1 Conceitos fundamentais... 19 1.2 Vantagens e desvantagens do concreto armado... 21. 1.6.1 Concreto fresco...30

1.1 Conceitos fundamentais... 19 1.2 Vantagens e desvantagens do concreto armado... 21. 1.6.1 Concreto fresco...30 Sumário Prefácio à quarta edição... 13 Prefácio à segunda edição... 15 Prefácio à primeira edição... 17 Capítulo 1 Introdução ao estudo das estruturas de concreto armado... 19 1.1 Conceitos fundamentais...

Leia mais

AVALIAÇÃO TEÓRICA-EXPERIMENTAL DO DESEMPENHO ESTRUTURAL DE PERFIS DE AÇO FORMADOS A FRIO

AVALIAÇÃO TEÓRICA-EXPERIMENTAL DO DESEMPENHO ESTRUTURAL DE PERFIS DE AÇO FORMADOS A FRIO AVALIAÇÃO TEÓRICA-EXPERIMENTAL DO DESEMPENHO ESTRUTURAL DE PERFIS DE AÇO FORMADOS A FRIO Eduardo M. Batista (1) ; Elaine G. Vazquez (2) ; Elaine Souza dos Santos (3) (1) Programa de Engenharia Civil, COPPE,

Leia mais

ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA DOBRA NA RESISTÊNCIA À FLEXÃO DE UM PERFIL DE AÇO FORMADO A FRIO APLICADO NO SETOR DE ESTRUTURAS METÁLICAS

ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA DOBRA NA RESISTÊNCIA À FLEXÃO DE UM PERFIL DE AÇO FORMADO A FRIO APLICADO NO SETOR DE ESTRUTURAS METÁLICAS ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA DOBRA NA RESISTÊNCIA À FLEXÃO DE UM PERFIL DE AÇO FORMADO A FRIO APLICADO NO SETOR DE ESTRUTURAS METÁLICAS Fábio Sumara Custódio (1), Marcio Vito (2) UNESC Universidade do Extremo

Leia mais

PROPRIEDADES MECÂNICAS DOS METAIS

PROPRIEDADES MECÂNICAS DOS METAIS UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA PROPRIEDADES MECÂNICAS DOS METAIS CMA CIÊNCIA DOS MATERIAIS 2º Semestre de 2014 Prof. Júlio

Leia mais

Análise experimental do efeito da fluência e retração em pilares de concreto armado

Análise experimental do efeito da fluência e retração em pilares de concreto armado Encontro Nacional BETÃO ESTRUTURAL - BE01 FEUP, 4-6 de outubro de 01 Análise experimental do efeito da fluência e retração em pilares de concreto armado Luciana T. Kataoka 1 Túlio N. Bittencourt RESUMO

Leia mais

Módulo de Elasticidade do Concreto Como Analisar e Especificar. Enga. Inês Laranjeira da Silva Battagin Superintendente do ABNT/CB-18

Módulo de Elasticidade do Concreto Como Analisar e Especificar. Enga. Inês Laranjeira da Silva Battagin Superintendente do ABNT/CB-18 Módulo de Elasticidade do Concreto Como Analisar e Especificar Enga. Inês Laranjeira da Silva Battagin Superintendente do ABNT/CB-18 Módulo de Elasticidade Conceituação Matemático inglês Robert Hooke (1635-1703):

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT CURSO DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT CURSO DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT CURSO DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO COMPUTER AIDED ENGINEERING - CAE FABIANO RAMOS DOS SANTOS SERGIO DA COSTA FERREIRA

Leia mais

CEMEF ENGENHARIA S/C LTDA. RELATÓRIO RT2142-15 ANALISE ESTRUTURAL DE JANELA DE INSPEÇÃO. Cliente: INFRARED

CEMEF ENGENHARIA S/C LTDA. RELATÓRIO RT2142-15 ANALISE ESTRUTURAL DE JANELA DE INSPEÇÃO. Cliente: INFRARED CEMEF ENGENHARIA S/C LTDA. RELATÓRIO RT2142-15 ANALISE ESTRUTURAL DE JANELA DE INSPEÇÃO Cliente: INFRARED Data: 06 de maio de 2015 REVISÃO: 00 DATA: 06 de maio de 2015 Identificação DESCRIÇÃO: Esta análise

Leia mais

Ensaios Mecânicos de Materiais. Aula 10 Ensaio de Torção. Prof. MSc. Luiz Eduardo Miranda J. Rodrigues

Ensaios Mecânicos de Materiais. Aula 10 Ensaio de Torção. Prof. MSc. Luiz Eduardo Miranda J. Rodrigues Ensaios Mecânicos de Materiais Aula 10 Ensaio de Torção Tópicos Abordados Nesta Aula Ensaio de Torção. Propriedades Avaliadas do Ensaio. Exemplos de Cálculo. Definições O ensaio de torção consiste em aplicação

Leia mais

2 Revisão Bibliográfica

2 Revisão Bibliográfica 2 Revisão Bibliográfica Neste capítulo são apresentados trabalhos relacionados ao comprimento de ancoragem e a resistência de aderência do CFC-substrato de concreto. São mostradas de forma resumida as

Leia mais

Projeto, construção e teste de um Torcímetro. Design, fabrication and testing of a Torsiometer

Projeto, construção e teste de um Torcímetro. Design, fabrication and testing of a Torsiometer ISSN 1517-7076 Revista Matéria, v. 16, n. 2, pp. 703 713, 2011 http://www.materia.coppe.ufrj.br/sarra/artigos/artigo11427 Projeto, construção e teste de um Torcímetro SANTOS, D.C.; BARBIERI, R. Programa

Leia mais

Universidade Federal de Minas Gerais Departamento de Engenharia Mecânica

Universidade Federal de Minas Gerais Departamento de Engenharia Mecânica Universidade Federal de Minas Gerais Departamento de Engenharia Mecânica Analise de Tensões em Perfil Soldado Comparação de Resultados em Elementos Finitos Aluno: Rafael Salgado Telles Vorcaro Registro:

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro PUC-Rio. CIV 1111 Sistemas Estruturais na Arquitetura I

Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro PUC-Rio. CIV 1111 Sistemas Estruturais na Arquitetura I Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro PUC-Rio CIV 1111 Sistemas Estruturais na Arquitetura I Profa. Elisa Sotelino Prof. Luiz Fernando Martha Propriedades de Materiais sob Tração Objetivos

Leia mais

Mesa Redonda Módulo de Elasticidade, influências diretas sobre a estrutura pré-moldada

Mesa Redonda Módulo de Elasticidade, influências diretas sobre a estrutura pré-moldada Mesa Redonda Módulo de Elasticidade, influências diretas sobre a estrutura pré-moldada Módulo de Elasticidade do Concreto Normalização, fatores de influência e interface com o pré-moldado Enga. Inês Laranjeira

Leia mais

Propriedades Mecânicas dos Aços DEMEC TM175 Prof Adriano Scheid

Propriedades Mecânicas dos Aços DEMEC TM175 Prof Adriano Scheid Propriedades Mecânicas dos Aços DEMEC TM175 Prof Adriano Scheid Tensão Propriedades Mecânicas: Tensão e Deformação Deformação Elástica Comportamento tensão-deformação O grau com o qual a estrutura cristalina

Leia mais

A INFLUÊNCIA DO PROCESSO DE FABRICAÇÃO NA PERFORMANCE ESTRUTURAL DE COMPONENTES FUNDIDOS OTIMIZADOS. Valmir Fleischmann valmir@virtualcae.com.

A INFLUÊNCIA DO PROCESSO DE FABRICAÇÃO NA PERFORMANCE ESTRUTURAL DE COMPONENTES FUNDIDOS OTIMIZADOS. Valmir Fleischmann valmir@virtualcae.com. A INFLUÊNCIA DO PROCESSO DE FABRICAÇÃO NA PERFORMANCE ESTRUTURAL DE COMPONENTES FUNDIDOS OTIMIZADOS Valmir Fleischmann valmir@virtualcae.com.br 2 Sumário 1. Introdução 2. Metodologia 3. Configuração da

Leia mais

Análise não-linear com elementos de interface de alvenaria de blocos de concreto à compressão

Análise não-linear com elementos de interface de alvenaria de blocos de concreto à compressão BE Encontro Nacional Betão Estrutural Guimarães 5,, 7 de Novembro de Análise não-linear com elementos de interface de alvenaria de blocos de concreto à compressão Gihad Mohamad 1 Paulo Brandão Lourenço

Leia mais

CAPÍTULO 2: TENSÃO E DEFORMAÇÃO: Carregamento Axial

CAPÍTULO 2: TENSÃO E DEFORMAÇÃO: Carregamento Axial Curso de ngenharia Civil Universidade stadual de Maringá Centro de Tecnologia Departamento de ngenharia Civil CÍTUO 2: TNSÃO DFOMÇÃO: Carregamento ial 2.1 Deformação specífica O diagrama carga deformação

Leia mais

ESTUDO DO COMPORTAMENTO REOLÓGICO DE POLIETILENO DE ALTA MASSA MOLAR PROCESSADO COM PERÓXIDO DE DICUMILA

ESTUDO DO COMPORTAMENTO REOLÓGICO DE POLIETILENO DE ALTA MASSA MOLAR PROCESSADO COM PERÓXIDO DE DICUMILA ESTUDO DO COMPORTAMENTO REOLÓGICO DE POLIETILENO DE ALTA MASSA MOLAR PROCESSADO COM PERÓXIDO DE DICUMILA Marisa C G Rocha 1*, Lorena R C Moraes 1 (M), Jorge M Futigami 1, Nancy I A Acevedo 1 1 - Instituto

Leia mais

RESISTÊNCIA DE PERFIS DE AÇO FORMADOS A FRIO: A NORMA BRASILEIRA NBR 14762 E O MÉTODO DA RESISTÊNCIA DIRETA

RESISTÊNCIA DE PERFIS DE AÇO FORMADOS A FRIO: A NORMA BRASILEIRA NBR 14762 E O MÉTODO DA RESISTÊNCIA DIRETA CONSTRUMETAL CONGRESSO LATINO-AMERICANO DA CONSTRUÇÃO METÁLICA São Paulo Brasil 31 de agosto a 02 de setembro 2010 RESISTÊNCIA DE PERFIS DE AÇO FORMADOS A FRIO: A NORMA BRASILEIRA NBR 14762 E O MÉTODO

Leia mais

RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS AMB 28 AULA 7. Professor Alberto Dresch Webler

RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS AMB 28 AULA 7. Professor Alberto Dresch Webler Resistências dos Materiais dos Materiais - Aula 5 - Aula 7 RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS AMB 28 AULA 7 Professor Alberto Dresch Webler 1 Aula 7 Tensão e deformação de cisalhamento; Tensões e cargas admissíveis;

Leia mais

Físico-Química Experimental I Bacharelado em Química Engenharia Química

Físico-Química Experimental I Bacharelado em Química Engenharia Química Físico-Química Experimental I Bachaado em Química Engenharia Química Prof. Dr. Sergio Pilling Prática 4 Determinação da Viscosidade de Líquidos. Tipos de viscosímetros. Viscosidade ativa, viscosidade intrínseca

Leia mais

4 Análise experimental

4 Análise experimental 4 Análise experimental No estudo do comportamento de membranas de materiais hiperelásticos há a necessidade de se escolher leis constitutivas que descrevam da melhor forma possível as propriedades do material.

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE FRP PARA REFORÇO DE VIGAS DE MADEIRA

UTILIZAÇÃO DE FRP PARA REFORÇO DE VIGAS DE MADEIRA UTILIZAÇÃO DE FRP PARA REFORÇO DE VIGAS DE MADEIRA Juliano Fiorelli (1); Antonio Alves Dias (2) (1) Aluno de mestrado Escola de Engenharia de São Carlos EESC USP, e-mail: fiorelli@sc.usp.br (2) Professor

Leia mais

AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE DE PARAFUSOS ÓSSEOS METÁLICOS UTILIZADOS EM OSTEOSSÍNTESE

AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE DE PARAFUSOS ÓSSEOS METÁLICOS UTILIZADOS EM OSTEOSSÍNTESE AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE DE PARAFUSOS ÓSSEOS METÁLICOS UTILIZADOS EM OSTEOSSÍNTESE Iêda Caminha¹, Hugo Keide², Walter Ferreira3, Ibrahim Abud4, Renato Machado5, Rafael Oliveira6 ¹ Instituto Nacional de

Leia mais

Ensaio de torção. Diz o ditado popular: É de pequenino que

Ensaio de torção. Diz o ditado popular: É de pequenino que A UU L AL A Ensaio de torção Diz o ditado popular: É de pequenino que se torce o pepino! E quanto aos metais e outros materiais tão usados no nosso dia-a-dia: o que dizer sobre seu comportamento quando

Leia mais

Propriedades Mecânicas. Prof. Hamilton M. Viana

Propriedades Mecânicas. Prof. Hamilton M. Viana Propriedades Mecânicas Prof. Hamilton M. Viana Propriedades Mecânicas Propriedades Mecânicas Definem a resposta do material à aplicação de forças (solicitação mecânica). Força (tensão) Deformação Principais

Leia mais

Disciplina: Materiais para produção industrial Prof.: Sidney Melo

Disciplina: Materiais para produção industrial Prof.: Sidney Melo Disciplina: Materiais para produção industrial Prof.: Sidney Melo 1 Introdução Aço é uma liga metálica formada essencialmente por ferro e carbono, com percentagens deste último variáveis entre 0,008 e

Leia mais

Ensaios Mecânicos de Materiais. Aula 11 Ensaio de Fadiga. Prof. MSc. Luiz Eduardo Miranda J. Rodrigues

Ensaios Mecânicos de Materiais. Aula 11 Ensaio de Fadiga. Prof. MSc. Luiz Eduardo Miranda J. Rodrigues Ensaios Mecânicos de Materiais Aula 11 Ensaio de Fadiga Tópicos Abordados Nesta Aula Ensaio de Fadiga. Propriedades Avaliadas do Ensaio. Tipos de Corpos de Prova. Introdução Quando são aplicados esforços

Leia mais

MATERIAIS METÁLICOS AULA 5

MATERIAIS METÁLICOS AULA 5 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DEPARTAMENTO DE TECNOLOGIA MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO I E (TEC 156) MATERIAIS METÁLICOS AULA 5 Profª. Cintia Maria Ariani Fontes 1 Ensaio

Leia mais

TM703 Ciência dos Materiais PIPE Pós - Graduação em Engenharia e Ciências de Materiais

TM703 Ciência dos Materiais PIPE Pós - Graduação em Engenharia e Ciências de Materiais TM703 Ciência dos Materiais PIPE Pós - Graduação em Engenharia e Ciências de Materiais Carlos Mauricio Lepienski Laboratório de Propriedades Nanomecânicas Universidade Federal do Paraná Aula 5 1º sem.

Leia mais

COMPORTAMENTO DOS MATERIAIS SOB TENSÃO. Prof. Rubens Caram

COMPORTAMENTO DOS MATERIAIS SOB TENSÃO. Prof. Rubens Caram COMPORTAMENTO DOS MATERIAIS SOB TENSÃO Prof. Rubens Caram 1 TENSÃO X DEFORMAÇÃO O EFEITO DE TENSÕES NA ESTRUTURA DE METAIS PODE SER OBSERVADO NA FORMA DE DEFORMAÇÕES: EM ESTRUTURAS DE ENGENHARIA, ONDE

Leia mais

TECNOLOGIA MECÂNICA. Aula 04. Carregamento Axial Tensão Normal

TECNOLOGIA MECÂNICA. Aula 04. Carregamento Axial Tensão Normal FACULDADE DE TECNOLOGIA SHUNJI NISHIMURA POMPÉIA TECNOLOGIA MECÂNICA Aula 04 Carregamento Axial Tensão Normal Prof. Me. Dario de Almeida Jané Mecânica dos Sólidos - Revisão do conceito de Tensão - Carregamento

Leia mais

Curso de Engenharia Civil. Universidade Estadual de Maringá Centro de Tecnologia Departamento de Engenharia Civil CAPÍTULO 6: TORÇÃO

Curso de Engenharia Civil. Universidade Estadual de Maringá Centro de Tecnologia Departamento de Engenharia Civil CAPÍTULO 6: TORÇÃO Curso de Engenharia Civil Universidade Estadual de Maringá Centro de ecnologia Departamento de Engenharia Civil CPÍULO 6: ORÇÃO Revisão de Momento orçor Convenção de Sinais: : Revisão de Momento orçor

Leia mais

PROPRIEDADES MECÂNICAS

PROPRIEDADES MECÂNICAS Elementos de Máquinas Elementos de Fixação Revisão sobre esforços mecânicos Prof. Geraldo Sales dos Reis Curso Técnico em Mecânica Módulo VI PROPRIEDADES MECÂNICAS POR QUÊ ESTUDAR? A determinação e/ou

Leia mais

Elementos de Máquinas

Elementos de Máquinas Professor: Leonardo Leódido Aula 2 Revisão: Análise de alhas Aula 2 Análise de alhas Instituto ederal de Brasília Sumário Sistemas de orças Resistência dos Materiais lambagem alhas Estáticas alhas Dinâmicas

Leia mais

TM229 - Introdução aos Materiais

TM229 - Introdução aos Materiais TM229 - Introdução aos Materiais Propriedades mecânicas 2009.1 Ana Sofia C. M. D Oliveira Propriedades mecânicas Resistência - Tração - Escoamento - Compressão - Flexão - Cisalhamento - Fluência - Tensão

Leia mais

Ensaio de fadiga. Em condições normais de uso, os produtos. Nossa aula. Quando começa a fadiga

Ensaio de fadiga. Em condições normais de uso, os produtos. Nossa aula. Quando começa a fadiga A U A UL LA Ensaio de fadiga Introdução Nossa aula Em condições normais de uso, os produtos devem sofrer esforços abaixo do limite de proporcionalidade, ou limite elástico, que corresponde à tensão máxima

Leia mais

RT 2.003 Página 1 de 15 TÍTULO: DIMENSIONAMENTO DE POSTE DE CONCRETO COM SEÇÃO CIRCULAR, UTILIZADO EM REDE DE DISTRIBUIÇÃO

RT 2.003 Página 1 de 15 TÍTULO: DIMENSIONAMENTO DE POSTE DE CONCRETO COM SEÇÃO CIRCULAR, UTILIZADO EM REDE DE DISTRIBUIÇÃO RT 2.003 Página 1 de 15 1. OBJETIVO Estabelecer parâmetros técnicos para subsidiar a padronização dos critérios para dimensionamento de postes de concreto com seção circular padronizados para uso em Redes

Leia mais

Em aços trabalhados mecanicamente, é usual a presença de uma

Em aços trabalhados mecanicamente, é usual a presença de uma Figura 2.13: Amostra do aço SAF 2205 envelhecida a 850ºC por 30 minutos. Ferrita (escura), austenita (cinza) e sigma (sem ataque). Nota-se morfologia lamelar de sigma e austenita, no centro da micrografia.

Leia mais

CAPÍTULO 10 PROPRIEDADES MECÂNICAS DE MATERIAIS

CAPÍTULO 10 PROPRIEDADES MECÂNICAS DE MATERIAIS 231 CAPÍTULO 10 PROPRIEDADES MECÂNICAS DE MATERIAIS Sumário Objetivos deste capítulo...232 10.1 Introdução...232 10.2 Conceitos de tensão e deformação...233 10.3 Discordâncias e sistemas de escorregamento...233

Leia mais

MÓDULO 4 4.8.2 - PROCEDIMENTOS DE TESTES DE ESTANQUEIDADE PARA LINHAS DE POLIETILENO PARAGASES E AR COMPRIMIDO

MÓDULO 4 4.8.2 - PROCEDIMENTOS DE TESTES DE ESTANQUEIDADE PARA LINHAS DE POLIETILENO PARAGASES E AR COMPRIMIDO MÓDULO 4 4.8.2 - PROCEDIMENTOS DE TESTES DE ESTANQUEIDADE PARA LINHAS DE POLIETILENO PARAGASES E AR COMPRIMIDO Normas Aplicáveis - NBR 14.462 Sistemas para Distribuição de Gás Combustível para Redes Enterradas

Leia mais

Practical formulas for calculation of deflections of reinforced concrete beams

Practical formulas for calculation of deflections of reinforced concrete beams Teoria e Prática na Engenharia Civil, n.18, p.6-70 Novembro, 011 Fórmulas práticas para cálculo de flechas de vigas de concreto armado Practical formulas for calculation of deflections of reinforced concrete

Leia mais

O ESTUDO DA CONSERVAÇÃO DA ENERGIA MECÂNICA ATRAVÉS DE ATIVIDADES EXPERIMENTAIS COM MATERIAIS DE BAIXO CUSTO

O ESTUDO DA CONSERVAÇÃO DA ENERGIA MECÂNICA ATRAVÉS DE ATIVIDADES EXPERIMENTAIS COM MATERIAIS DE BAIXO CUSTO O ESTUDO DA CONSERVAÇÃO DA ENERGIA MECÂNICA ATRAVÉS DE ATIVIDADES EXPERIMENTAIS COM MATERIAIS DE BAIXO CUSTO Jorge Alberto Lenz lenz@utfpr.edu.br Marcos Antonio Florczak florczak@utfpr.edu.br Universidade

Leia mais

CÁLCULO DE INCERTEZA EM ENSAIO DE TRAÇÃO COM OS MÉTODOS DE GUM CLÁSSICO E DE MONTE CARLO

CÁLCULO DE INCERTEZA EM ENSAIO DE TRAÇÃO COM OS MÉTODOS DE GUM CLÁSSICO E DE MONTE CARLO ENQUALAB-28 Congresso da Qualidade em Metrologia Rede Metrológica do Estado de São Paulo - REMESP 9 a 2 de junho de 28, São Paulo, Brasil CÁLCULO DE INCERTEZA EM ENSAIO DE TRAÇÃO COM OS MÉTODOS DE GUM

Leia mais

UNIVERSIDADE SALGADO DE OLIVEIRA Campus RECIFE. Curso: Engenharia de Produção Disciplina: Materiais para Produção Industrial

UNIVERSIDADE SALGADO DE OLIVEIRA Campus RECIFE. Curso: Engenharia de Produção Disciplina: Materiais para Produção Industrial UNIVERSIDADE SALGADO DE OLIVEIRA Campus RECIFE Curso: Disciplina: Aula 1 PROPRIEDADES MECÂNICAS DOS METAIS POR QUÊ ESTUDAR? A determinação e/ou conhecimento das propriedades mecânicas é muito importante

Leia mais

COMPARAÇÃO DE CÁLCULOS ANALÍTICOS COM ELEMENTOS FINITOS DE VIGAS COMPOSTAS

COMPARAÇÃO DE CÁLCULOS ANALÍTICOS COM ELEMENTOS FINITOS DE VIGAS COMPOSTAS COMPARAÇÃO DE CÁLCULOS ANALÍTICOS COM ELEMENTOS FINITOS DE VIGAS COMPOSTAS Benedito Rabelo de Moura Junior 1, Denis da Silva Ponzo 2, Júlio César Moraes 3, Leandro Aparecido dos Santos 4, Vagner Luiz Silva

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DO EFEITO DA CONCENTRAÇÃO DE TENSÕES EMPREGANDO O MÉTODO DOS ELEMENTOS FINITOS NO PROCESSO DE ENSINO NA ENGENHARIA MECÂNICA

DEMONSTRAÇÃO DO EFEITO DA CONCENTRAÇÃO DE TENSÕES EMPREGANDO O MÉTODO DOS ELEMENTOS FINITOS NO PROCESSO DE ENSINO NA ENGENHARIA MECÂNICA DEMONSTRAÇÃO DO EFEITO DA CONCENTRAÇÃO DE TENSÕES EMPREGANDO O MÉTODO DOS ELEMENTOS FINITOS NO PROCESSO DE ENSINO NA ENGENHARIA MECÂNICA Daniel Benítez Barrios danielbb@mackenzie.com.br Universidade Presbiteriana

Leia mais

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II TECNOLOGIA DA ARGAMASSA E DO CONCRETO

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II TECNOLOGIA DA ARGAMASSA E DO CONCRETO SEÇÃO DE ENSINO DE ENGENHARIA DE FORTIFICAÇÃO E CONSTRUÇÃO MAJ MONIZ DE ARAGÃO MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II TECNOLOGIA DA ARGAMASSA E DO CONCRETO Ensaio de Compressão de Corpos de Prova Resistência do Concreto

Leia mais

Método Comparativo de Calibração de Sistema por Interferometria a laser para medição Linear Wellington Santos Barros 1,Gregório Salcedo Munõz 2,

Método Comparativo de Calibração de Sistema por Interferometria a laser para medição Linear Wellington Santos Barros 1,Gregório Salcedo Munõz 2, METROLOGIA-003 Metrologia para a Vida Sociedade Brasileira de Metrologia (SBM) Setembro 0 05, 003, Recife, Pernambuco - BRASIL Método Comparativo de Calibração de Sistema por Interferometria a laser para

Leia mais

ANÁLISE TRIDIMENSIONAL DA VELOCIDADE E PRESSÃO ESTATÍSCA DO AR EM SILO DE AERAÇÃO USANDO ELEMENTOS FINITOS RESUMO ABSTRACT 1.

ANÁLISE TRIDIMENSIONAL DA VELOCIDADE E PRESSÃO ESTATÍSCA DO AR EM SILO DE AERAÇÃO USANDO ELEMENTOS FINITOS RESUMO ABSTRACT 1. ANÁLISE TRIDIMENSIONAL DA VELOCIDADE E PRESSÃO ESTATÍSCA DO AR EM SILO DE AERAÇÃO USANDO ELEMENTOS FINITOS RESUMO EDUARDO VICENTE DO PRADO 1 DANIEL MARÇAL DE QUEIROZ O método de análise por elementos finitos

Leia mais

ESTRUTURAS METÁLICAS - UFPR CAPÍTULO 1 AÇOS ESTRUTURAIS

ESTRUTURAS METÁLICAS - UFPR CAPÍTULO 1 AÇOS ESTRUTURAIS ESTRUTURAS METÁLICAS - UFPR CAPÍTULO 1 AÇOS ESTRUTURAIS 1 INDICE CAPÍTULO 1 - AÇOS ESTRUTURAIS...1 1 INTRODUÇÃO - HISTÓRICO... 1 2 CARACTERÍSTICAS PRINCIPAIS DAS ESTRUTURAS DE AÇO... 2 3 REFERÊNCIAS NORMATIVAS...

Leia mais

Introdução à Reologia

Introdução à Reologia Introdução à Reologia O que é Reologia? η Faixa do Comportamento Reológico dos Materiais Reologia: O estudo das deformações e fluxo da matéria. Faixa de comportamento dos materiais Sólido ---------Líquido

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DO PONTAL FÍSICA EXPERIMENTAL III CAPACITORES E CIRCUITOS RC COM ONDA QUADRADA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DO PONTAL FÍSICA EXPERIMENTAL III CAPACITORES E CIRCUITOS RC COM ONDA QUADRADA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DO PONTAL FÍSICA EXPERIMENTAL III CAPACITORES E CIRCUITOS RC COM ONDA QUADRADA 1. OBJETIVO O objetivo desta aula é estudar o comportamento

Leia mais

Estudo numérico experimental para avaliação de uma ligação parafusada viga-coluna com chapa de topo

Estudo numérico experimental para avaliação de uma ligação parafusada viga-coluna com chapa de topo Teoria e Prática na Engenharia Civil, n.22, p.25-32, Outubro, 2013 Estudo numérico experimental para avaliação de uma ligação parafusada viga-coluna com chapa de topo Numerical and experimental evaluation

Leia mais

MECÂNICA DOS FLUIDOS 2 ME262

MECÂNICA DOS FLUIDOS 2 ME262 UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE TECNOLOGIA E GEOCIÊNCIAS (CTG) DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA (DEMEC) MECÂNICA DOS FLUIDOS ME6 Prof. ALEX MAURÍCIO ARAÚJO (Capítulo 5) Recife - PE Capítulo

Leia mais

PROPAGAÇÃO DE PRESSÃO DURANTE O REINICIO DA CIRCULAÇÃO DE FLUIDOS DE PERFURAÇÃO EM AMBIENTES DE ÁGUAS PROFUNDAS

PROPAGAÇÃO DE PRESSÃO DURANTE O REINICIO DA CIRCULAÇÃO DE FLUIDOS DE PERFURAÇÃO EM AMBIENTES DE ÁGUAS PROFUNDAS PROPAGAÇÃO DE PRESSÃO DURANTE O REINICIO DA CIRCULAÇÃO DE FLUIDOS DE PERFURAÇÃO EM AMBIENTES DE ÁGUAS PROFUNDAS PRESSURE PROPAGATION DURING THE RESTART OF DRILLING FLUIDS CIRCULATION IN DEEP WATER ENVIRONMENTS

Leia mais

b) Calcule as temperaturas em Kelvin equivalentes às temperaturas de 5,0 ºC e 17,0 ºC.

b) Calcule as temperaturas em Kelvin equivalentes às temperaturas de 5,0 ºC e 17,0 ºC. Questão 1 A pressão P no interior de um fluido em equilíbrio varia com a profundidade h como P = P 0 + ρgh. A equação dos gases ideais relaciona a pressão, o volume e a temperatura do gás como PV = nrt,

Leia mais

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II TECNOLOGIA DA ARGAMASSA E DO CONCRETO

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II TECNOLOGIA DA ARGAMASSA E DO CONCRETO SEÇÃO DE ENSINO DE ENGENHARIA DE FORTIFICAÇÃO E CONSTRUÇÃO MAJ MONIZ DE ARAGÃO MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II TECNOLOGIA DA ARGAMASSA E DO CONCRETO Idade do concreto. Verificação da resistência. Módulo de

Leia mais

Fundamentos do Método dos Elementos Finitos

Fundamentos do Método dos Elementos Finitos Orgãos de Máquinas Fundamentos do Método dos Elementos Finitos Conceitos básicos para a utilização do M.E.F. no âmbito de um sistema de CAD/CAE Licenciatura em Engenharia de Máquinas Marítimas ENIDH -

Leia mais

Física Experimental - Mecânica - EQ005H.

Física Experimental - Mecânica - EQ005H. Índice Remissivo... 4 Abertura... 6 Guarantee / Garantia... 7 Certificado de Garantia Internacional... 7 As instruções identificadas no canto superior direito da página pelos números que se iniciam pelos

Leia mais

5º CONGRESSO BRASILEIRO DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO EM PETRÓLEO E GÁS

5º CONGRESSO BRASILEIRO DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO EM PETRÓLEO E GÁS 5º CONGRESSO BRASILEIRO DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO EM PETRÓLEO E GÁS TÍTULO DO TRABALHO: Ensaio Experimental de um Duto Flexível Submetido a Cargas Axissimétricas. AUTORES: Héctor Edison Merino Muñoz

Leia mais

Física Experimental - Mecânica - Conjunto Arete - EQ005.

Física Experimental - Mecânica - Conjunto Arete - EQ005. Índice Remissivo... 4 Abertura... 6 Guarantee / Garantia... 7 Certificado de Garantia Internacional... 7 As instruções identificadas no canto superior direito da página pelos números que se iniciam pelos

Leia mais

IV Seminário de Iniciação Científica

IV Seminário de Iniciação Científica ANÁLISE TEÓRICA-COMPUTACIONAL DE LAJES LISAS DE CONCRETO ARMADO COM PILARES RETANGULARES Liana de Lucca Jardim Borges,1,2 1 Pesquisadora 2 Curso de Engenharia Civil, Unidade Universitária de Ciências Exatas

Leia mais

Estruturas Mistas de Aço e Concreto

Estruturas Mistas de Aço e Concreto Universidade Federal do Espírito Santo Estruturas Mistas de Aço e Concreto Prof. Fernanda Calenzani Programa Detalhado Estruturas Mistas Aço e Concreto 1. Informações Básicas 1.1 Materiais 1.2 Propriedades

Leia mais

DISPOSITIVO PARA MEDIR O DIFERENCIAL DE TEMPERATURA EM COLETORES SOLARES PARA AQUECIMENTO DE ÁGUA

DISPOSITIVO PARA MEDIR O DIFERENCIAL DE TEMPERATURA EM COLETORES SOLARES PARA AQUECIMENTO DE ÁGUA ASADES Avances en Energías Renovables y Medio Ambiente Vol. 15, 2011. Impreso en la Argentina. ISSN 0329-5184 DISPOSITIVO PARA MEDIR O DIFERENCIAL DE TEMPERATURA EM COLETORES SOLARES PARA AQUECIMENTO DE

Leia mais

Introdução ao Projeto de Aeronaves. Aula 39 Relatório de Projeto Técnicas de Estruturação

Introdução ao Projeto de Aeronaves. Aula 39 Relatório de Projeto Técnicas de Estruturação Introdução ao Projeto de Aeronaves Aula 39 Relatório de Projeto Técnicas de Estruturação Tópicos Abordados Relatório de Projeto. Técnicas de Estruturação para uma boa Avaliação. Elaboração do Relatório

Leia mais

Critérios de falha. - determinam a segurança do componente; - coeficientes de segurança arbitrários não garantem um projeto seguro;

Critérios de falha. - determinam a segurança do componente; - coeficientes de segurança arbitrários não garantem um projeto seguro; Critérios de falha - determinam a segurança do componente; - coeficientes de segurança arbitrários não garantem um projeto seguro; - compreensão clara do(s) mecanismo(s) de falha (modos de falha); -aspectos

Leia mais

EXPRESSÃO DA INCERTEZA NA MEDIÇÃO DA DUREZA BRINELL

EXPRESSÃO DA INCERTEZA NA MEDIÇÃO DA DUREZA BRINELL EXPRESSÃO A INCERTEZA NA MEIÇÃO A UREZA BRINELL Sueli Fischer Beckert Instituto Superior de Tecnologia IST, Centro de Mecânica de Precisão de Joinville CMPJ sueli@sociesc.com.br Joinville, SC, Brasil Luciana

Leia mais

2 Processo de Laminação

2 Processo de Laminação 2 Processo de Laminação O processo de laminação atua na forma do material, modificando-lhe a sua geometria. Para isso, há necessidade da influência de agentes mecânicos externos; que são os meios de se

Leia mais

LISTA 3 EXERCÍCIOS SOBRE ENSAIOS DE COMPRESSÃO, CISALHAMENTO, DOBRAMENTO, FLEXÃO E TORÇÃO

LISTA 3 EXERCÍCIOS SOBRE ENSAIOS DE COMPRESSÃO, CISALHAMENTO, DOBRAMENTO, FLEXÃO E TORÇÃO LISTA 3 EXERCÍCIOS SOBRE ENSAIOS DE COMPRESSÃO, CISALHAMENTO, DOBRAMENTO, FLEXÃO E TORÇÃO 1. Uma mola, com comprimento de repouso (inicial) igual a 30 mm, foi submetida a um ensaio de compressão. Sabe-se

Leia mais

ASSISTÊNCIA TÉCNICA. Caderno 02

ASSISTÊNCIA TÉCNICA. Caderno 02 ASSISTÊNCIA TÉCNICA Caderno 02 Julho/2004 CONFORMAÇÃO DOS AÇOS INOXIDÁVEIS Comportamento dos Aços Inoxidáveis em Processos de Estampagem por Embutimento e Estiramento 1 Estampagem Roberto Bamenga Guida

Leia mais

Modelos para Análise Não-Linear de Estruturas em Concreto Armado usando o Método dos Elementos Finitos

Modelos para Análise Não-Linear de Estruturas em Concreto Armado usando o Método dos Elementos Finitos Universidade Federal de São João Del-Rei MG 26 a 28 de maio de 2010 Associação Brasileira de Métodos Computacionais em Engenharia Modelos para Análise Não-Linear de Estruturas em Concreto Armado usando

Leia mais

ENSAIOS DE APLICAÇÃO RESISTÊNCIA À TRAÇÃO

ENSAIOS DE APLICAÇÃO RESISTÊNCIA À TRAÇÃO ENSAIOS DE APLICAÇÃO RESISTÊNCIA À TRAÇÃO 1. OBJETIVO Determinar as propriedades de tração de plásticos reforçados e não reforçados, em forma de corpos de prova normalizados e ensaiados, sob condições

Leia mais

ENGENHARIA DE FORTIFICAÇÃO E CONSTRUÇÃO CADERNO DE QUESTÕES

ENGENHARIA DE FORTIFICAÇÃO E CONSTRUÇÃO CADERNO DE QUESTÕES CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO ENGENHARIA DE FORTIFICAÇÃO E CONSTRUÇÃO CADERNO DE QUESTÕES 2014 1 a QUESTÃO Valor: 1,00 O núcleo central de inércia é o lugar geométrico da seção transversal

Leia mais

Polímeros: Ciência e Tecnologia ISSN: 0104-1428 abpol@abpol.org.br Associação Brasileira de Polímeros Brasil

Polímeros: Ciência e Tecnologia ISSN: 0104-1428 abpol@abpol.org.br Associação Brasileira de Polímeros Brasil Polímeros: Ciência e Tecnologia ISSN: 0104-1428 abpol@abpol.org.br Associação Brasileira de Polímeros Brasil Morita, Augusto T.; Toma, Mário S.; De Paoli, Marco-Aurelio Módulo de reometria capilar e Auto-Reforçamento

Leia mais

Estudo do Cisalhamento em Vigas de Concreto Armado

Estudo do Cisalhamento em Vigas de Concreto Armado Estudo do Cisalhamento em Vigas de Concreto Armado Luiz Alves ramos 1, Antonio Alves da Silva 2, luizalvesramos@gmail.com 1 deca_univap@yahoo.com.br 2, guido@univap.br 3, carlos@univap.br 4 Universidade

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO UNIVERSITÁRIO NORTE DO ESPÍRITO SANTO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO UNIVERSITÁRIO NORTE DO ESPÍRITO SANTO 34 4.4 Experimento 4: Capacitância, capacitores e circuitos RC 4.4.1 Objetivos Fundamentar o conceito de capacitância e capacitor; Realizar leituras dos valores de capacitância de capacitores; Associar

Leia mais

ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DAS VARIÁVEIS DO PROCESSO DE INJEÇÃO DE PLÁSTICOS NA TEMPERATURA DO MATERIAL FUNDIDO UTILIZANDO PLANEJAMENTO DE EXPERIMENTOS

ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DAS VARIÁVEIS DO PROCESSO DE INJEÇÃO DE PLÁSTICOS NA TEMPERATURA DO MATERIAL FUNDIDO UTILIZANDO PLANEJAMENTO DE EXPERIMENTOS ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DAS VARIÁVEIS DO PROCESSO DE INJEÇÃO DE PLÁSTICOS NA TEMPERATURA DO MATERIAL FUNDIDO UTILIZANDO PLANEJAMENTO DE EXPERIMENTOS Maurício Bagueira de Vasconcellos Azeredo Laboratórios

Leia mais

MÓDULO 3 3.1 - QUALIFICAÇÃO DE INSTALADOR, INSPETOR, SOLDADOR E SOLDA DE TOPO POR TERMOFUSÃO E DE ELETROFUSÃO

MÓDULO 3 3.1 - QUALIFICAÇÃO DE INSTALADOR, INSPETOR, SOLDADOR E SOLDA DE TOPO POR TERMOFUSÃO E DE ELETROFUSÃO MÓDULO 3 3.1 - QUALIFICAÇÃO DE INSTALADOR, INSPETOR, SOLDADOR E SOLDA DE TOPO POR TERMOFUSÃO E DE ELETROFUSÃO O INSTALADOR, ou empresa instaladora, para ser qualificada como instaladora de tubos poliolefínicos

Leia mais

ESTRUTURAS METÁLICAS UFPR CAPÍTULO 5 FLEXÃO SIMPLES

ESTRUTURAS METÁLICAS UFPR CAPÍTULO 5 FLEXÃO SIMPLES ESTRUTURAS METÁLICAS UFPR CAPÍTULO 5 FLEXÃO SIMPLES 1 INDICE CAPÍTULO 5 DIMENSIONAMENTO BARRAS PRISMÁTICAS À FLEXÃO... 1 1 INTRODUÇÃO... 1 2 CONCEITOS GERAIS... 1 2.1 Comportamento da seção transversal

Leia mais

2 REVISÃO BIBLIOGRÁFICA

2 REVISÃO BIBLIOGRÁFICA 2 REVISÃO BIBLIOGRÁFICA 2.1. Introdução Neste capítulo é apresentado um breve resumo sobre os tópicos envolvidos neste trabalho, com o objetivo de apresentar a metodologia empregada na prática para realizar

Leia mais

Efeito do comportamento reológico do concreto

Efeito do comportamento reológico do concreto Efeito do comportamento reológico do concreto FLECHAS E ELEENTOS DE CONCRETO ARADO 1 - INTRODUÇÃO Todo o cálculo das deformações de barras, devidas à fleão, tem por base a clássica equação diferencial

Leia mais

Universidade Federal de Pelotas Centro de Engenharias. Resistência dos Materiais I Estruturas II. Capítulo 5 Torção

Universidade Federal de Pelotas Centro de Engenharias. Resistência dos Materiais I Estruturas II. Capítulo 5 Torção Capítulo 5 Torção 5.1 Deformação por torção de um eixo circular Torque é um momento que tende a torcer um elemento em torno de seu eixo longitudinal. Se o ângulo de rotação for pequeno, o comprimento e

Leia mais

Gisele S. Novo Possato et al. Análise teórico-experimental de placas de base de colunas metálicas tubulares

Gisele S. Novo Possato et al. Análise teórico-experimental de placas de base de colunas metálicas tubulares Engenharia Civil Gisele S. Novo Possato et al. Análise teórico-experimental de placas de base de colunas metálicas tubulares Gisele S. Novo Possato Engenheira, M.Sc., Doutoranda, Programa de Pós-Graduação

Leia mais

Material para Produção Industrial. Ensaio de Compressão. Prof.: Sidney Melo 8 Período

Material para Produção Industrial. Ensaio de Compressão. Prof.: Sidney Melo 8 Período Material para Produção Industrial Ensaio de Compressão Prof.: Sidney Melo 8 Período 1 Embora em alguns textos se trate o comportamento na compressão pelos parâmetros do ensaio de tração (e.g. na aplicação

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO Departamento de Engenharia Mecânica

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO Departamento de Engenharia Mecânica UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO Departamento de Engenharia Mecânica Elementos de Máquinas II Elementos de Apoio F T O = 0 Óleo e.sen O F h máx e Eixo Mancal L Óleo F d n h min d Q máx F pmáx p O

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE PROGRAMA COMPUTACIONAL PARA CÁLCULO E DIMENSIONAMENTO DE POSTES DE CONCRETO ARMADO COM SEÇÃO TRANSVERSAL DUPLO T

DESENVOLVIMENTO DE PROGRAMA COMPUTACIONAL PARA CÁLCULO E DIMENSIONAMENTO DE POSTES DE CONCRETO ARMADO COM SEÇÃO TRANSVERSAL DUPLO T DESENVOLVIMENTO DE PROGRAMA COMPUTACIONAL PARA CÁLCULO E DIMENSIONAMENTO DE POSTES DE CONCRETO ARMADO COM SEÇÃO TRANSVERSAL DUPLO T Hevânio D. de Almeida a b, Rafael A. Guillou a,, Cleilson F. Bernardino

Leia mais

Análise de procedimentos para medida de rotações e curvaturas em vigas de concreto armado

Análise de procedimentos para medida de rotações e curvaturas em vigas de concreto armado BE8 Encontro Nacional Betão Estrutural 8 Guimarães 5, 6, 7 de Novembro de 8 Análise de procedimentos para medida de rotações e curvaturas em vigas de concreto armado Bruna Catoia 1, Carlos A.T. Justo,

Leia mais

SIMULAÇÃO DAS TENSÕES E DEFORMAÇÕES RESIDUAIS NO PROCESSO DE JATEAMENTO EMPREGANDO O MÉTODO DOS ELEMENTOS FINITOS

SIMULAÇÃO DAS TENSÕES E DEFORMAÇÕES RESIDUAIS NO PROCESSO DE JATEAMENTO EMPREGANDO O MÉTODO DOS ELEMENTOS FINITOS SIMULAÇÃO DAS TENSÕES E DEFORMAÇÕES RESIDUAIS NO PROCESSO DE JATEAMENTO EMPREGANDO O MÉTODO DOS ELEMENTOS FINITOS D. Benítez, Dr. Eng. Universidade Presbiteriana Mackenzie, São Paulo - SP, Brasil. danielbb@usp.br

Leia mais

REFORÇO DE VIGAS DE CONCRETO ARMADO, Á FLEXAO, COM FIBRA DE CARBONO

REFORÇO DE VIGAS DE CONCRETO ARMADO, Á FLEXAO, COM FIBRA DE CARBONO CURSO PRÁTICO DE DIAGNOSTICO, REPARO, PROTEÇÃO E REFORÇO DE ESTRUTURAS DE CONCRETO REFORÇO DE VIGAS DE CONCRETO ARMADO, Á FLEXAO, COM FIBRA DE CARBONO PROF. FERNANDO JOSÉ RELVAS frelvas@exataweb.com.br

Leia mais

Estruturas Metálicas. Módulo I. Normas e Matérias

Estruturas Metálicas. Módulo I. Normas e Matérias Estruturas Metálicas Módulo I Normas e Matérias NORMAS DE ESTRUTURA ABNT NBR 8800/2008 PROJETO E EXECUÇÃO DE ESTRUTURAS DE AÇO EM EDIFICIOS - ABNT NBR 6120/1980 Cargas para o cálculo de estruturas de edificações

Leia mais

MEMORIAL DE CÁLCULO DO ELEVADOR DE CREMALHEIRA (LM 1.5) CAPACIDADE DE 1.500 KGF. CLIENTE:

MEMORIAL DE CÁLCULO DO ELEVADOR DE CREMALHEIRA (LM 1.5) CAPACIDADE DE 1.500 KGF. CLIENTE: MEMORIAL DE CÁLCULO DO ELEVADOR DE CREMALHEIRA (LM 1.5) CAPACIDADE DE 1.500 KGF. CLIENTE: MEMORIAL DE CÁLCULO REFERÊNCIAS: 1 ASTM A193:2003 2 V. Dobrovolsk- Elementos de Máquinas, Ed. MIR, Moscou 7 Joseph

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES

INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES 1 INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES 1.1 - Instrumentação Importância Medições experimentais ou de laboratório. Medições em produtos comerciais com outra finalidade principal. 1.2 - Transdutores

Leia mais

Ensaio de tração: cálculo da tensão

Ensaio de tração: cálculo da tensão Ensaio de tração: cálculo da tensão A UU L AL A Você com certeza já andou de elevador, já observou uma carga sendo elevada por um guindaste ou viu, na sua empresa, uma ponte rolante transportando grandes

Leia mais