Evolução das Práticas Logísticas. do Comércio Eletrônico B2C Brasileiro: Um Estudo de Casos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Evolução das Práticas Logísticas. do Comércio Eletrônico B2C Brasileiro: Um Estudo de Casos"

Transcrição

1 Evolução das Práticas Logísticas do Comércio Eletrônico B2C Brasileiro: Um Estudo de Casos Angelo Giuseppe Povoleri Fuchs Instituto COPPEAD de Administração Mestrado em Administração Orientador: Prof. Paulo Fernando Fleury da Silva e Souza Ph.D. Rio de Janeiro, RJ 2002

2 ii Evolução das Práticas Logísticas do Comércio Eletrônico B2C Brasileiro: Um Estudo de Casos Angelo Giuseppe Povoleri Fuchs Dissertação submetida ao corpo docente do Instituto COPPEAD de Administração da Universidade Federal do Rio de Janeiro, COPPEAD/UFRJ, como parte dos requisitos necessários à obtenção do grau de Mestre. Aprovada por: Prof. Paulo Fernando Fleury da Silva e Souza, Ph.D. - Orientador COPPEAD / UFRJ Prof. Kleber Fossati Figueiredo, Ph.D. COPPEAD / UFRJ Prof. Carlos Alberto Nunes Cosenza, D.Sc. COPPE / UFRJ Rio de Janeiro, RJ 2002

3 iii FICHA CATALOGRÁFICA Fuchs, Angelo Giuseppe Povoleri. Evolução das praticas logísticas do comércio eletrônico B2C brasileiro: um estudo de casos / Angelo Giuseppe Povoleri Fuchs Rio de Janeiro, 2002 xiv, 179 f.: il. Dissertação (Mestrado em Administração) Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ, Instituto COPPEAD de Administração, Orientador: Paulo Fernando Fleury da Silva e Souza 1. Logística no B2C. 2. Evolução de Práticas Logísticas. 3. Administração Dissertação. I. Souza, Paulo Fernando Fleury da Silva e (Orient.). II. Universidade Federal do Rio de Janeiro. Instituto COPPEAD de Administração. III. Título.

4 iv AGRADECIMENTOS À minha mulher, Márcia, pela dedicação e apoio constantes; Ao meu amigo Haroldo, influenciador na troca do paradigma negócio academia; Ao meu orientador Prof. Fleury, amigo e dedicado mestre; Aos Profs. Kleber e Cosenza; Ao Sr. Murillo Tavares da submarino.com Aos Srs.Frederico Trajano e Marcus Dutra da magazineluiza.com Ao Sr. Timótheo de Barros da americanas.com Aos Srs Luiz Meiga e José Resende da shoptime.com À minha tia Silvana; Ao meu irmão Roberto; À Profª Úrsula; A todos os Professores, Funcionários e Amigos do COPPEAD; Aos amigos da Turma 2000; Aos amigos do CEL; À Ana Rita e aos amigos da Biblioteca do COPPEAD; Aos amigos da FINEP; e Aos amigos do BNDES.

5 v DEDICATÓRIA À minha mãe Yolanda e ao meu pai Américo, meus mais profundos agradecimentos por todo o incansável esforço na educação e nos incontáveis exemplos de vida. Essa conquista é fruto de tudo que aprendi com vocês. É fruto de muita luta e da incomensurável dedicação aos filhos. Reflete os ensinamentos, o exemplo, a ética, o caráter, a retidão, os sonhos, o positivismo, a amizade, a bondade, a determinação, o amor, o desejo, a música, a poesia, o coração puro, o pensamento de vanguarda, as brincadeiras, o companheirismo, a força e a eterna alegria e vontade de viver. Amo muito vocês!

6 vi RESUMO FUCHS, Angelo Giuseppe Povoleri. Evolução das práticas logísticas do comércio eletrônico B2C brasileiro: um estudo de casos. Orientador: Paulo Fernando Fleury da Silva e Souza. Rio de Janeiro: UFRJ/COPPEAD: Dissertação (Mestrado em Administração). O presente trabalho tem por objetivo analisar a evolução das práticas logísticas das principais empresas brasileiras de comércio eletrônico B2C que atuam como lojas de departamentos. A pergunta que queremos responder é: Como evoluíram algumas das mais expressivas empresas brasileiras que atuam como lojas de departamento no comércio eletrônico B2C com relação às suas práticas logísticas iniciais? Para isso realizamos uma revisão bibliográfica sobre logística no e-commerce e um estudo de caso composto por entrevistas com os principais executivos e profissionais de logística das empresas submarino.com, magazineluiza.com, americanas.com, e shoptime.com. Através desse estudo foi possível observar o processo de evolução e aprendizado de todos os atores envolvidos nessa cadeia de suprimentos ocorridos desde a introdução do B2C até a atualidade, e as correlações desse processo amplo de evolução e aprendizado com a reformulação de diversos conceitos e práticas logísticas.

7 vii ABSTRACT FUCHS, Angelo Giuseppe Povoleri. Evolução das práticas logísticas do comércio eletrônico B2C brasileiro: um estudo de casos. Orientador: Paulo Fernando Fleury da Silva e Souza. Rio de Janeiro: UFRJ/COPPEAD: Dissertação (Mestrado em Administração). This thesis aims to analyse the evolution of the logistics practices of the main brazilian B2C e-commerce companies which act as department stores. The question we want to answer is: How evolve some of the most expressive brazilian companies which act as department stores on the B2C e-commerce regarding its inicial logistics practices. To reach our goal we made a bibliography review about logistics on the e-commerce and a case study compounded of interviews with the main executives and logistics staff of submarino.com, magazineluiza.com, americanas.com and shoptime.com. Through this thesis it was possible to observe the learning and evolution process of all players involved in this supply chain from the introduction of the B2C until nowadays and the correlations of this wide learning and evolution process with the reformulation of several concepts and logistics pratices.

8 viii LISTA DE GRÁFICOS, FIGURAS E QUADROS GRÁFICOS Gráfico 1: As duas formas de desintermediação Gráfico 2: Evolução do Faturamento do Magazine Luíza Ltda Gráfico 3: Evolução de Vendas da americanas.com Gráfico 4: Evolução de Taxas de Crescimento de Vendas da americanas.com Gráfico 5: Evolução de Lucro Bruto da americanas.com Gráfico 6: Evolução de EBTDA da americanas.com p. FIGURAS Figura 1: Vantagens Comparativas entre Estratégias de Separação X Integração Figura 2: Escolha entre Estratégias de Separação e Integração Figura 3: O Grupo Luíza p. QUADROS Quadro 1: Comparação de características entre algumas formas de comércio 20 Quadro 2: Principais indicadores do DRE da americanas.com Quadro 3: Comparativo Genérico entre as Empresas Quadro 4: Evolução de Atributos e da Logística Quadro 5: Expectativas e Influência de Oportunidades do B2C Quadro 6: Alcance X Riqueza Quadro 7: Integração e Separação da Pontocom com as outras Operações Quadro 8: Recomendações da Literatura sob a Ótica de Geração de Valor Quadro 9: Recomendações da Literatura sob a Ótica de Receios de Conflito p.

9 ix Quadro 10: Recomendações da Literatura sob a Ótica de Similaridade de Produtos. 123 Quadro 11: Recomendações da Literatura sob a Ótica do Impacto no Grupo Quadro 12: Recomendações da Literatura sob a Ótica da Velocidade de Acesso Quadro 13: Recomendações da Literatura sob a Ótica de Adequação Cultural Quadro 14: Recomendações da Literatura sob a Ótica Adequação de Incentivos Quadro 15: Grau de Conhecimento das Necessidades Logísticas no Início do Site..129 Quadro 16: Grau de Conhecimento das Necessidades Logísticas na Atualidade Quadro 17: Diferenças entre Necessidades Logísticas do Início e da Atualidade Quadro 18: Diferenças entre Necessidades Logísticas do Site e das Lojas Físicas Quadro 19: Fatores de Maior Impacto na Logística Quadro 20: Distribuição Física: Centro de Distribuição Quadro 21: Distribuição Física: Atividades de E-fulfillment Quadro 22: Trocas e Devoluções e Logística Reversa Quadro 23: Terceirização de Atividades Logísticas Quadro 24: Formas de Realização de Atividades de Fulfillment

10 x LISTA DE SITES Amazon.com Amélia.com Americanas.com.br ATKEARNEY Autobytel.com Barnes & Noble Booz-Allen & Hamilton Boston Consulting Group BrainPlay.com Camara-net.org CLM (Council of Logistics Management) Consolidated Stores Corporation s KB Toys Drugstore.com e-schwab Grainger KB Toys KBkids.com Magazineluiza.com.br McKinsey Office Depot PCS Health Peapod Popai primewine.com Rite Aid Shoptime.com Submarino.com.br

11 xi LISTA DE SIGLAS E DEFINIÇÃO DE TERMOS B2C: Business to Consumer. Comércio eletrônico realizado pela internet no qual os vendedores são empresas e os consumidores são pessoas físicas. Bricks & Clicks : Empresas que atuam tanto no varejo tradicional, quanto no varejo virtual. Bricks & Mortar : Empresas que atuam apenas no varejo tradicional, também chamadas de lojas de cimento e argamassa, ou cimento e tijolo. Clicks & Mortar : Empresas que atuam tanto no varejo tradicional, quanto no varejo virtual. Idem a Bricks & Clicks Commodities : Usado para caracterizar mercadorias que não tem distinção entre marcas, sob a ótica do consumidor. Termo advindo do mercado de produtos agrícolas. core business : Negócio principal da empresa. Courrier : Serviço ou empresas de carga expressa. Delivery : Entrega Displays : Equipamento ou peça para exibição de produto ou de material publicitário. Download : Ato de carregar arquivo, software, ou informação disponível na rede para a memória do computador Drivers : Motivadores, direcionadores. e-commerce : Comércio eletrônico, compra virtual pela internet. EDI (Eletronic Data Interchange) : Sistema que realiza a troca eletrônica de dados entre empresas, especialmente entre empresas situadas em posições diferentes na cadeia de valor de uma indústria, como por exemplo entre fabricantes e distribuidores / varejistas. e-logistics : Logistica ligada ao comércio eletrônico. ERP (Enterprise Resource Planning) : Sistema de gestão empresarial usado para coordenar e inter-relacionar todas as atividades de uma empresa, desde a compra de matérias primas, produção, vendas, RH, até o Marketing, Finanças e Estratégias. e-sedex : Serviço de entrega expressa dos correios para atender ao comércio eletrônico. e-tayling : Termo usado para caracterizar o varejo virtual.

12 xii Expertise : Conhecimento profundo. GPS (Global Positioning System) : Sistema de localização por satélite usado para determinar coordenadas geográficas com precisão menores que um metro. Muito usado para rastreamento de frotas. Groceries : Lojas de alimentos ou supermercados em geral. Just in time : Sistema japonês usado na filosofia de produção enxuta, reduzindo a zero ou quase zero os níveis de estoque, e fazendo com que as entregas de insumos sejam realizadas nos momentos reais de suas necessidades de montagem ou produção. no disclosure : Termo usado para confidencialidade, política de não divulgação de informações. Packing : Embalagem. Picking : Separação. Premium : Termo usado para referenciar superior, maior, mais elevado. Em preços significa preços mais elevados. Em serviços significa níveis mais elevados. Pure player : Empresa totalmente virtual, que não tem operação de lojas físicas. Start-up : Início de uma operação ou de um negócio novo. stock-out : Falta de estoque. TMS (Transportation Management System) : Software gerenciador de transportes e de frotas. trade off : Dicotomia, escolha. Web : Rede mundial onde transitam informações eletrônicas. WMS (Warehouse Management System) : Software usado para administração de armazéns, depósitos, Centros de Distribuição, e equipamentos e operações afins de armazenagem. World wide web : Idem web.

13 xiii SUMÁRIO 1. O PROBLEMA Introdução Objetivo e Questão a ser Respondida Relevância do Estudo Dificuldades do Estudo e Suas Barreiras p. 2. REVISÃO BIBLIOGRÁFICA Introdução A Internet, o Comércio Eletrônico e a Nova Economia O Trade Off entre Alcance e Riqueza Comparações entre Varejo Tradicional e Virtual O Papel da Logística no B2C Fulfillment Diferenças no e-fulfillment Entrega Devoluções e Logística Reversa Modelos de Distribuição Física do Comércio Eletrônico B2C Utilização de Prestadores de Serviços Logísticos Bricks & Clicks: Integração X Separação METODOLOGIA Tipo de Pesquisa Coleta de Dados Tratamento dos Dados Limitações do Método APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS Apresentação dos Resultados do Submarino.com Apresentação dos Resultados do Magazineluiza.com Apresentação dos Resultados da Americanas.com Apresentação dos Resultados do ShopTime.com

14 xiv 5. ANÁLISE DOS RESULTADOS Histórico e Visão Geral das empresas Fundamentos Básicos e Necessários a um Negócio de Internet As Oportunidades do B2C e suas Influências na Estratégia Logística Trade Off entre Alcance e Riqueza Integração X Separação com o Varejo Tradicional Estudo de Fatores Estruturais e Motivacionais para Escolha do Melhor Mix de Separação X Integração com as Operações Anteriores Necessidades Logísticas do Site Grau de Conhecimento das Necessidades Logísticas do Site no Início das Operações Grau de Conhecimento das Necessidades Logísticas do Site na Atualidade Principais Diferenças entre as Necessidades Logísticas do B2C entre a Fase Inicial da Operação e o Momento Atual Comparação de Necessidades Logísticas entre site e Lojas Físicas Benefícios e Fatores Intrínsecos ao B2C que Exerceram Maior Impacto na Logística Distribuição Física Entrega ao Consumidor Trocas, Devoluções e Logística Reversa Utilização de Prestadores de Serviços Logísticos Execução de Atividades de Fulfillment em Tempo Real Questões Relevantes Não Cobertas pela Literatura Nem pelo Roteiro de Entrevistas, Mas que Surgiram Durante a Entrevista ) CONCLUSÕES ) SUGESTÕES E RECOMENDAÇÕES PARA NOVOS ESTUDOS ) REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ) ANEXO: ROTEIRO DA ENTREVISTA

15 1) O PROBLEMA 1.1 Introdução São ainda grandes os questionamentos sobre a melhor maneira de operacionalizar a logística no B2C, desde o processamento do pedido até a entrega ao consumidor final. Algumas empresas da chamada economia tradicional iniciaram suas operações de comércio eletrônico tendo estrutura logística totalmente integrada com suas operações tradicionais. Outras adotaram o caminho inverso, separando totalmente as operações. Em ambos os casos, encontram-se empresas que mudaram completamente suas práticas logísticas iniciais. O cerne do presente trabalho é observar nas empresas analisadas a evolução de suas práticas logísticas. Como passo inicial realizamos uma revisão bibliográfica da literatura especializada no tocante ao comércio eletrônico B2C e às suas questões logísticas. A partir daí elaboramos um roteiro de entrevista que começava por questões mais abrangentes e culminava em questões logísticas específicas, sempre à luz da literatura existente e contemplando todas as possibilidades de evoluções nas praticas logísticas das empresas de B2C. A partir do referido roteiro realizamos uma pesquisa composta de entrevistas presenciais com o principal executivo de logística de quatro das maiores empresas brasileiras de comércio eletrônico B2C que atuam como lojas de departamentos virtuais. Para abranger diferentes tipos de empresa e diferentes evoluções de práticas logísticas selecionamos para o presente estudo de caso uma pure player, uma empresa que já tinha experiência em comércio virtual através de outros canais diferentes da internet, e duas empresas que anteriormente já operavam no varejo tradicional, sendo que destas uma adotou estratégia logística inicial de integração e a outra o oposto, fatos que enriqueceram este estudo.

16 2 1.2 Objetivo e Questão a ser Respondida O objetivo do presente trabalho é analisar a evolução das estratégias logísticas de empresas brasileiras de comércio eletrônico B2C, que atuam como lojas de departamentos, através da análise de quatro casos, com características diversas: Caso 1: Pure Player, ou seja, empresa que já nasceu no comércio eletrônico através da internet, sem nenhuma operação anterior em outros canais de venda. A empresa representante desse segmento foi a submarino.com. Caso 2: Empresa sem experiência anterior no varejo tradicional de lojas físicas, mas com experiência anterior em varejo virtual por outros canais diferentes da internet, como por exemplo vendas pela TV ou por catálogo. A representante foi a shoptime.com. Caso 3: Empresa que já operava no varejo tradicional antes de iniciar o site e que optou inicialmente pela Logística Integrada entre suas operações comerciais reais e virtuais. A representante foi a magazineluiza.com. Caso 4: Empresa que já operava no varejo tradicional e que optou inicialmente por uma estratégia Logística Independente entre suas operações comerciais reais e virtuais. A representante foi a americanas.com. A pergunta que queremos responder é: Como evoluíram algumas das mais expressivas empresas brasileiras que atuam como lojas de departamento no comércio eletrônico B2C com relação às suas práticas logísticas iniciais? Para responder a essa pergunta formulamos um roteiro, que aplicamos durante as entrevistas, sempre distinguindo e realçando dois momentos: o início das operações de B2C e o momento atual dessas operações nas empresas entrevistadas. Esse roteiro foi composto por uma série de questões correlatas à pergunta principal, começando de forma mais genérica e culminando de forma mais específica e focada na questão logística, à luz da literatura especializada existente, conforme abaixo:

17 3 Histórico e visão geral da empresa e do site; Fundamentos básicos e necessários a um negócio de internet; As oportunidades do B2C e suas influências na estratégia logística; Trade off entre Alcance e Riqueza; Integração X Separação com varejo tradicional; Fatores estruturais e motivacionais na escolha do mix de Integração X Separação; Necessidades Logísticas do site; Benefícios e fatores intrínsecos ao B2C que exerceram maior impacto na logística; Distribuição Física; Entrega ao consumidor; Trocas, devoluções e logística reversa; Utilização de prestadores de serviços logísticos; Execução de atividades de fulfillment em tempo real; Para contemplar o embasamento didático da questão a ser respondida realizamos algumas considerações básicas sobre o comércio eletrônico, a importância da logística, e os diferentes modelos de negócio que as empresas estão adotando para atuar no B2C. Avançando para um nível intermediário de informações, iremos detalhar as diferentes estruturas básicas que uma empresa pode ter, com relação à sua presença anterior na economia tradicional e respectiva interação com seu modelo de negócio na nova economia. Passaremos, então, a apresentar os principais resultados das entrevistas realizadas e comparar suas práticas iniciais com suas práticas atuais. Finalmente iremos discutir as conclusões e recomendações para novos estudos. As metodologias de cada uma das etapas brevemente descritas acima serão objeto de capítulo específico, que explorará principalmente a concepção, a realização e a forma de análise das entrevistas.

18 4 1.3 Relevância do Estudo Segundo HERSZKOWICZ (2000, p.a2), os problemas relacionados à logística afetam negativamente a lucratividade, porém são bem mais numerosos os fatores que influenciam positivamente os resultados e que garantirão a viabilidade econômica da atividade empresarial. A Logística é muitas vezes o principal calcanhar de Aquiles e fator determinante de sucesso de operações de comércio eletrônico que não possam prescindir da entrega física de produtos ao consumidor, ou seja, a grande maioria dos casos. Segundo HESSEL e GOLDENBERG (2000, p.c8) a espinha dorsal para o desenvolvimento do comércio eletrônico é a logística. Sem ela, o produto não chega a parte alguma. E não adianta apenas contratar empresas que realizem entregas rápidas. O segredo é administrar os estoques e saber se o produto está ou não disponível. Segundo SHAPIRO e VARIAN (1999, p.3) a informação tem alto custo de produção mas atualmente seu custo de reprodução é muito pequeno. A produção da informação associada a uma mercadoria envolve altos custos fixos se comparados aos baixos custos variáveis. Sob a ótica do produto físico propriamente dito, o crescimento do comércio eletrônico e suas respectivas necessidades de preparação, transmissão e processamento de pedidos, controle e gestão de estoques, armazenagem, planejamento e controle de produção, separação e embalagem de mercadorias, transporte e distribuição, entrega do produto, logística reversa, monitoramento de resultados, e elaboração, implantação e operação de projetos logísticos interferem diretamente no desempenho financeiro das empresas. Manter a competitividade no mercado pontocom tornou-se uma tarefa crítica, e para isso, é preciso um cuidado extremo com o cliente. As empresas estão se movendo de forma rápida, estabelecendo estratégias de marketing que acreditam poder fornecer-lhes vantagens competitivas dentro desse novo modelo de negócios (ATKEARNEY, 2001). Segundo GULATI e GARINO (2000 p.107) como conseqüência do aumento do

19 5 comércio eletrônico, um número cada vez maior de empresas estará enfrentando o dilema de realizar de maneira eficaz e econômica suas operações logísticas, escolhendo, por exemplo, entre a integração total com as operações reais e a completa separação. Entretanto, essa escolha pode não ser apenas binária entre os dois extremos, podendo haver um amplo mix de opções entre eles. A escolha desse ponto ideal para cada empresa tem sido objeto de estudos freqüentes, a partir do ano 2000, tendo merecido grande atenção das empresas, dos administradores, dos pesquisadores e acadêmicos, e das consultorias. No Brasil não existe nenhum estudo similar realizado, o que torna o presente trabalho relevante para as empresas brasileiras que já operam ou pretendem operar no comércio eletrônico, seus executivos e administradores, e para o meio acadêmico.

20 6 1.4 Dificuldades do Estudo e suas Barreiras Como barreiras à execução do presente estudo, vale ressaltar que o reposicionamento logístico é especialmente difícil para as empresas bem estabelecidas e bem sucedidas na economia real. Seus riscos são enormes. Elas sabem que precisam realizar a transição para atuar no comércio eletrônico, mas não sabem qual deve ser o nível de integração logística ideal. Não há uma regra que detalhe isso. Cada caso tem suas peculiaridades que irão ser decisivas para essa escolha. O mais certo na economia virtual é a incerteza. O Comércio eletrônico vem sendo na verdade um grande laboratório de experiências, algumas muito bem sucedidas, mas a maioria ainda apresenta futuro incerto. Além disso, normalmente é muito mais fácil a obtenção de dados dos casos de sucesso do que dos casos de mudanças estratégicas, sobretudo dos que ainda não provaram ser corretos. A falta de literatura ampla sobre práticas logísticas no B2C e a novidade do e- commerce também foram grandes barreiras encontradas. Além disso podemos citar as limitações de um estudo de casos, método escolhido para a pesquisa. Segundo VERGARA (1997) todo método tem possibilidades e limitações. O estudo de casos aqui realizado apresenta suas principais limitações em dois fatos inerentes ao próprio modelo: a) GIL (1989) descreve que o método do estudo de casos não permite generalizar os resultados obtidos. b) Segundo YIN (1994) o estudo de casos fica impregnado pela percepção do entrevistado, que pode macular às respostas um viés pessoal.

21 7 2) REVISÃO BIBLIOGRÁFICA 2.1 Introdução O objetivo dessa introdução é fornecer ao leitor um panorama das informações relativas às práticas logísticas no comércio eletrônico B2C, oferecendo dessa forma o embasamento necessário para a sustentação da pesquisa da evolução de tais práticas nas principais empresas brasileiras de comércio eletrônico B2C que atuam sob a forma de lojas de departamento. O capítulo divide-se em 12 temas principais. O primeiro é a presente introdução. O segundo conceitua e discorre sobre comércio eletrônico, internet e a chamada nova economia, e o terceiro trata da quebra do paradigma Alcance X Riqueza, de modo a fornecer subsídios básicos sobre a nova economia antes de nos aprofundarmos na logística no B2C propriamente dita. Seguindo essa seqüência lógica e gradual, agora já começando a discutir as interferências da logística, o capítulo quatro trata das Comparações entre Varejo Tradicional e Virtual. A partir do quinto capítulo focamos na logística no B2C, com o objetivo de determinar as práticas logísticas realizadas pelas empresas, à luz da literatura existente. Dessa forma temos os sexto e sétimo capítulos tratando de fulfillment e de diferenças no e- fulfillment trazendo os conceitos e as práticas logísticas de realizar o fulfillment no B2C. A partir do oitavo capítulo o foco passa a ser ainda mais específico no tocante às práticas logísticas realizadas pelas empresas, segundo a literatura existente. Assim os capítulos oito, nove, dez e onze tratam, respectivamente, de entrega, devoluções e logística reversa, modelos de distribuição física no B2C, e da utilização de prestadores de serviços logísticos.

22 8 Concluímos a revisão da literatura com o detalhamento de práticas logísticas sob a ótica de integração X separação do B2C com relação às operações tradicionais das empresas.

23 9 2.2 A Internet, o Comércio Eletrônico e a Nova Economia Segundo BENTO (2000, p.1) a Internet está cada vez mais se tornando um importante canal para divulgação e obtenção de informações, e para a realização de transações comerciais. O autor cita que: Existem quatro tipos principais de uso da World Wide Web para negócios. As empresas estão usando a Web para Marketing, Divulgação de Informações, Aquisição de Informações, e Controle de Sistemas. No Marketing encontram-se funções como presença na Web, vendas, e serviços ao consumidor. Na divulgação de Informações encontramos treinamento, distribuição e publicação eletrônica. Na Aquisição de Informações podemos citar as informações sobre a indústria, econômicas e sociais, e as técnicas e científicas. Com relação ao Controle de Sistemas podemos citar a utilização de recursos, a coordenação, e a obtenção de dados para a tomada de decisões. Segundo Cameron (1997) o comércio eletrônico é todo negócio realizado eletronicamente, onde a transação ocorre entre dois parceiros de negócios ou entre um negociante e seu consumidor. FLORES (2002), citando relatório da ECR BRASIL (1998) afirma que existem duas categorias de comércio eletrônico: a) Business to Business (B2B): Explora as relações entre empresas. O vendedor e o comprador são empresas. b) Business to Consumer (B2C): Explora as relações entre empresas e indivíduos. O vendedor é uma empresa e o comprador é uma pessoa física. Segundo LEVI e WEITZ (1998) apud SILVA (2001) o comércio eletrônico B2C é um formato de varejo no qual varejista e consumidor se comunicam através de sistema eletrônico interativo. Durante essa interação o consumidor pode comprar produtos através desse sistema e a mercadoria será entregue no destino escolhido pelo consumidor. Com relação ao comércio eletrônico, as empresas estão se conscientizando para as suas potencialidades, mas ninguém ainda consegue avaliar com boa precisão o real

24 10 impacto que esse novo canal de comercialização trará para cada segmento da economia, nem com relação às operações das empresas. HUPPERTZ (1999, p.70) cita que: Os fabricantes e os varejistas estão ávidos para abraçar o alcance global potencial da Web, mas a maioria não está ciente das necessidades logísticas que o B2C irá trazer. O atendimento direto do pedido ao consumidor necessita de um Centro de Distribuição configurado para a separação de itens de um pedido, uma operação de logística reversa eficiente, e sistemas para gerir de maneira eficaz uma grande quantidade de pequenos pedidos. Segundo DAVIS e MEYER (1998) o uso da Internet para a difusão das informações faz com que se rompam as barreiras materiais, temporais, e geográficas. O uso do meio físico, representado pelo livro, pelo folheto, ou por qualquer outro material, formado em sua parte mais elementar pelos átomos, passa a não ser mais necessário para a difusão da informação. Ele pode ser substituído pelos bytes, um conjunto de pulsos elétricos, que podem trafegar por linhas de telefones, cabos de fibra ótica, e via satélite. A quantidade e a velocidade de envio dessas informações é cada vez maior, e o consumidor pode acessá-las com enorme comodidade, 24 horas por dia, sete dias por semana, sem sequer precisar sair de sua casa. Informações de todas as partes do planeta podem ser, quase que instantaneamente, transferidas para outras tantas localidades, abrangendo os mais longínquos pontos do globo. Além disso, a ubiqüidade se torna possível, pois muitos podem obter informações de uma mesma fonte, ao mesmo tempo; e ainda conectarem-se pluralmente entre si. Ainda segundo DAVIS e MEYER (1998) as abrangências passam a ser continentais. Um consumidor japonês, por exemplo, pode usar a Internet para acessar um site da world wide web (www) que permita obter informações sobre vinhos de pequenas vinícolas da Califórnia e comprar algumas garrafas das safras e procedências que considerar como as melhores para suas exigências, tudo com alguns cliques em seu mouse. Essa passa a ser uma nova forma de compra para milhares de consumidores a cada dia, e esse crescimento é tão veloz, e com tão poucos parâmetros perfeitamente

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico.

Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico. Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico. TENDÊNCIAS NO COMÉRCIO ELETRÔNICO Atualmente, muitos negócios são realizados de forma eletrônica não sendo necessário sair de casa para fazer compras

Leia mais

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 141 A LOGÍSTICA COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Douglas Fernandes 1, Josélia Galiciano Pedro 1 Docente do Curso Superior

Leia mais

Varejo virtual ERA DIGITAL. por Tânia M. Vidigal Limeira FGV-EAESP

Varejo virtual ERA DIGITAL. por Tânia M. Vidigal Limeira FGV-EAESP ERA DIGITAL Varejo virtual Ovolume de operações registrado recentemente no âmbito do comércio eletrônico atesta que a Internet ainda não chegou às suas últimas fronteiras. Vencidas as barreiras tecnológicas

Leia mais

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos Prof. Paulo Medeiros Introdução nos EUA surgiram 100 novos operadores logísticos entre 1990 e 1995. O mercado para estas empresas que

Leia mais

NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES

NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES 1. Conectando a Empresa à Rede As empresas estão se tornando empresas conectadas em redes. A Internet e as redes de tipo Internet dentro da empresa (intranets), entre uma

Leia mais

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial Prof. Pedro Luiz de O. Costa Bisneto 14/09/2003 Sumário Introdução... 2 Enterprise Resourse Planning... 2 Business Inteligence... 3 Vantagens

Leia mais

Objetivo. Utilidade Lugar. Utilidade Momento. Satisfação do Cliente. Utilidade Posse

Objetivo. Utilidade Lugar. Utilidade Momento. Satisfação do Cliente. Utilidade Posse Supply chain- cadeia de suprimentos ou de abastecimentos Professor: Nei Muchuelo Objetivo Utilidade Lugar Utilidade Momento Satisfação do Cliente Utilidade Posse Satisfação do Cliente Satisfação do Cliente

Leia mais

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida Unidade IV MERCADOLOGIA Profº. Roberto Almeida Conteúdo Aula 4: Marketing de Relacionamento A Evolução do Marketing E-marketing A Internet como ferramenta As novas regras de Mercado A Nova Era da Economia

Leia mais

Autoria: Angelo Giuseppe Povoleri Fuchs, Paulo Fernando Fleury da Silva e Souza

Autoria: Angelo Giuseppe Povoleri Fuchs, Paulo Fernando Fleury da Silva e Souza Evolução das Práticas Logísticas do B2C Brasileiro: Um Estudo de Casos Autoria: Angelo Giuseppe Povoleri Fuchs, Paulo Fernando Fleury da Silva e Souza RESUMO O presente trabalho tem por objetivo analisar

Leia mais

ORGANIZAÇÕES VIRTUAIS

ORGANIZAÇÕES VIRTUAIS Universidade do Estado de Santa Catarina UDESC Centro de Ciências Tecnológicas CCT Engenharia de Produção e Sistemas Sistemas de Informação (SIN) ORGANIZAÇÕES VIRTUAIS Profº Adalberto J. Tavares Vieira

Leia mais

Tecnologia aplicada à Logística. Prof. José Rovani Kurz rovani@highpluss.com.br

Tecnologia aplicada à Logística. Prof. José Rovani Kurz rovani@highpluss.com.br Tecnologia aplicada à Logística Prof. José Rovani Kurz rovani@highpluss.com.br Logística Qual a primeira imagem que vem a sua mente quando ouve a palavra LOGÍSTICA? Logística De cada 10 pessoas, pelo menos

Leia mais

Comércio Eletrônico. Comércio Eletrônico. Grau de digitalização. Caracteriza-se Comércio eletrônico pelo grau de digitalização:

Comércio Eletrônico. Comércio Eletrônico. Grau de digitalização. Caracteriza-se Comércio eletrônico pelo grau de digitalização: Comércio Eletrônico FTS Faculdade Taboão da Serra Curso de Administração de Sistemas de Informações Disciplina: Comércio Eletrônico Comércio Eletrônico Caracteriza-se Comércio eletrônico pelo grau de digitalização:

Leia mais

Pesquisa sobre Logística no E-commerce Brasileiro 2013

Pesquisa sobre Logística no E-commerce Brasileiro 2013 Pesquisa sobre Logística no E-commerce Brasileiro 2013 www.brazilpanels.com.br www.abcomm.com.br www.ecommerceschool.com.br Apoio: INTRODUÇÃO A Logística foi escolhida para ser o tema do primeiro estudo

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 1 OBJETIVOS 1. Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? 2. Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

Operadores Logísticos : uma tendência nos sistemas de distribuição das empresas brasileiras?

Operadores Logísticos : uma tendência nos sistemas de distribuição das empresas brasileiras? Operadores Logísticos : uma tendência nos sistemas de distribuição das empresas brasileiras? Introdução O Contexto econômico do mundo globalizado vem sinalizando para as empresas que suas estratégias de

Leia mais

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT Artigo para a Revista Global Fevereiro de 2007 DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT O conceito de Supply Chain Management (SCM), denominado Administração da Cadeia de Abastecimento

Leia mais

Objetivos. Universo. Transformação. Administração 10/10/2012. Entender as definições de e-business e e- commerce;

Objetivos. Universo. Transformação. Administração 10/10/2012. Entender as definições de e-business e e- commerce; Objetivos Administração Profª Natacha Pouget Módulo: Gestão de Inovação e Ativos Intangíveis Tema da Aula: E-Business e Tecnologia da Informação I Entender as definições de e-business e e- commerce; Conhecer

Leia mais

Poucas inovações na história da humanidade reúnem tantos benefícios potenciais quanto o Comércio Eletrônico (também conhecido como e-commerce).

Poucas inovações na história da humanidade reúnem tantos benefícios potenciais quanto o Comércio Eletrônico (também conhecido como e-commerce). Poucas inovações na história da humanidade reúnem tantos benefícios potenciais quanto o Comércio Eletrônico (também conhecido como e-commerce). A natureza global da tecnologia, a oportunidade de atingir

Leia mais

Sistemas de Informação Empresarial. Gerencial

Sistemas de Informação Empresarial. Gerencial Sistemas de Informação Empresarial SIG Sistemas de Informação Gerencial Visão Integrada do Papel dos SI s na Empresa [ Problema Organizacional ] [ Nível Organizacional ] Estratégico SAD Gerência sênior

Leia mais

Canais de marketing. Trade Marketing. Trade Marketing. Trade marketing é uma ferramenta que atua diretamente em três níveis:

Canais de marketing. Trade Marketing. Trade Marketing. Trade marketing é uma ferramenta que atua diretamente em três níveis: Canais de marketing Prof. Ricardo Basílio ricardobmv@gmail.com Trade Marketing Trade Marketing Trade marketing é uma ferramenta que atua diretamente em três níveis: Distribuidores; Clientes; Ponto de venda.

Leia mais

Sistemas web e comércio eletrônico. Aula 02 Arquiteturas de comércio eletrônico

Sistemas web e comércio eletrônico. Aula 02 Arquiteturas de comércio eletrônico Sistemas web e comércio eletrônico Aula 02 Arquiteturas de comércio eletrônico Tópicos abordados Arquitetura do e-commerce Aspectos importantes do e-commerce Modelos de negócios Identificação do modelo

Leia mais

Comércio Eletrônico em Números

Comércio Eletrônico em Números Comércio Eletrônico em Números Evolução do E-commerce no Brasil 23 milhões é um grande número. 78 milhões 23 milhões Enorme potencial de crescimento no Brasil Mas fica pequeno se comprarmos com o número

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos ... lembrando Uma cadeia de suprimentos consiste em todas

Leia mais

Prof. Lucas Santiago

Prof. Lucas Santiago Classificação e Tipos de Sistemas de Informação Administração de Sistemas de Informação Prof. Lucas Santiago Classificação e Tipos de Sistemas de Informação Sistemas de Informação são classificados por

Leia mais

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Esta seção apresenta alguns dos problemas da gestão da cadeia de suprimentos discutidos em mais detalhes nos próximos capítulos. Estes problemas

Leia mais

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA:

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA: Prof. Jean Cavaleiro Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA: PRODUÇÃO E COMÉRCIO Introdução Entender a integração logística. A relação produção e demanda. Distribuição e demanda. Desenvolver visão sistêmica para

Leia mais

E-Business. Parte 2. Prof. Marcílio Oliveira marcilio.oliveira@gmail.com

E-Business. Parte 2. Prof. Marcílio Oliveira marcilio.oliveira@gmail.com Parte 2 Prof. Marcílio Oliveira marcilio.oliveira@gmail.com As dimensões do E-Commerce (Comércio Eletrônico). SCM - Supply Chain Management (Gerenciamento de Cadeia de Fornecimento) ERP - Enterprise Resourse

Leia mais

SISTEMAS PARA INTERNET

SISTEMAS PARA INTERNET Unidade II SISTEMAS PARA INTERNET E SOFTWARE LIVRE Prof. Emanuel Matos Sumário Unidade II Comércio Eletrônico Tecnologia de Comércio Eletrônico Categorias do Comércio Eletrônico M-commerce Comércio eletrônico

Leia mais

24/05/2013. Comércio Eletrônico. Prof. João Artur Izzo

24/05/2013. Comércio Eletrônico. Prof. João Artur Izzo Comércio Eletrônico 1 A evolução do sistema mercadológico tem exigido das organizações grande esforço para a assimilação e utilização das tecnologias de informação referentes a comércio eletrônico, em

Leia mais

Comércio eletrônico 05/05/15. Objetivos de estudo. Qual o papel do e- commerce nos negócios e quais as aplicações mais importantes?

Comércio eletrônico 05/05/15. Objetivos de estudo. Qual o papel do e- commerce nos negócios e quais as aplicações mais importantes? Escola Superior de Gestão e Tecnologia Comércio eletrônico Mercados digitais, mercadorias digitais Prof. Marcelo Mar3ns da Silva Objetivos de estudo Qual o papel do e- commerce nos negócios e quais as

Leia mais

Os novos usos da tecnologia da informação na empresa

Os novos usos da tecnologia da informação na empresa Os novos usos da tecnologia da informação na empresa Internet promoveu: Transformação Novos padrões de funcionamento Novas formas de comercialização. O maior exemplo desta transformação é o E- Business

Leia mais

LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza Prova 1 09 de Maio de 2013 Nome: 1ª QUESTÃO (1,0) Segundo os dados divulgados pela ood and Agriculture Organization (AO, 2011) sobre as exportações brasileiras, em

Leia mais

Sistemas de Informação. Sistemas Integrados de Gestão ERP

Sistemas de Informação. Sistemas Integrados de Gestão ERP Sistemas de Informação Sistemas Integrados de Gestão ERP Exercício 1 Um arame é cortado em duas partes. Com uma das partes é feito um quadrado. Com a outra parte é feito um círculo. Em que ponto deve ser

Leia mais

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA Marinalva R. Barboza Definição do conceito de logística e evolução Logística tem origem no idioma francês Logistique se define de forma militar sendo uma parte estratégica

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 2 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA OBJETIVOS Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

Comércio eletrônico: mercados digitais, mercadorias digitais. slide 1

Comércio eletrônico: mercados digitais, mercadorias digitais. slide 1 Comércio eletrônico: mercados digitais, mercadorias digitais slide 1 Nexon Games: o comércio eletrônico torna-se social Problema: concorrência com outras empresas de jogos on-line e off-line; aumentar

Leia mais

COMÉRCIO ELETRÔNICO UM BREVE HISTÓRICO

COMÉRCIO ELETRÔNICO UM BREVE HISTÓRICO UM BREVE HISTÓRICO COMÉRCIO ELETRÔNICO O comércio sempre existiu desde que surgiram as sociedades. Ele é dito como o processo de comprar, vender e trocar produtos e serviços. Inicialmente praticado pelos

Leia mais

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 PROSPERE NA NOVA ECONOMIA A SPEKTRUM SUPORTA A EXECUÇÃO DA SUA ESTRATÉGIA Para as empresas que buscam crescimento

Leia mais

E-BUSINESS AGENDA. Profª. Kelly Hannel

E-BUSINESS AGENDA. Profª. Kelly Hannel E-BUSINESS Profª. Kelly Hannel AGENDA Evolução da internet nos negócios Conceitos de E-BUSINESS e COMÉRCIO ELETRÔNICO Identificando tendências do E-BUSINESS Quadro das interações possíveis no meio eletrônico

Leia mais

ENCONTRO 1 Logística e Transporte

ENCONTRO 1 Logística e Transporte ENCONTRO 1 Logística e Transporte ENCONTRO 1 Logística e Transporte TÓPICO 1: Contextualizando o encontro Olá! Você está iniciando o primeiro encontro do curso Logística Internacional. Neste encontro,

Leia mais

LOGÍSTICA EMPRESARIAL. Rodolfo Cola Santolin 2009

LOGÍSTICA EMPRESARIAL. Rodolfo Cola Santolin 2009 LOGÍSTICA EMPRESARIAL Rodolfo Cola Santolin 2009 Conteúdo Cadeia de suprimentos Custos Logísticos Administração de Compras e Suprimentos Logística Reversa CADEIA DE SUPRIMENTOS Logística Logística Fornecedor

Leia mais

EDI Definição, funcionamento Benefícios Categorias de EDI Pontos chaves (EDI/ XML) XML (Extensible Markup Language) HTML e XML

EDI Definição, funcionamento Benefícios Categorias de EDI Pontos chaves (EDI/ XML) XML (Extensible Markup Language) HTML e XML Tecnologia da Administração O que veremos? EDI Definição, funcionamento Benefícios Categorias de EDI Pontos chaves (EDI/ XML) XML (Extensible Markup Language) HTML e XML Sintaxe Edifact (ONU) EDI For Administration

Leia mais

Estratégia Competitiva 16/08/2015. Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor

Estratégia Competitiva 16/08/2015. Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor Estratégia Competitiva é o conjunto de planos, políticas,

Leia mais

CRM - gestão eficiente do relacionamento com os clientes

CRM - gestão eficiente do relacionamento com os clientes CRM - gestão eficiente do relacionamento com os clientes Mais que implantação, o desafio é mudar a cultura da empresa para documentar todas as interações com o cliente e transformar essas informações em

Leia mais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para integrar os diversos departamentos de uma empresa,

Leia mais

DCC133 Introdução à Sistemas de Informação. E-business global e colaboração

DCC133 Introdução à Sistemas de Informação. E-business global e colaboração Curso de Bacharelado em Sistemas de Informação DCC133 Introdução à Sistemas de Informação TÓPICO 2 E-business global e colaboração Prof. Tarcísio de Souza Lima OBJETIVOS DE ESTUDO Identificar e descrever

Leia mais

10. Defina Sistemas Distribuídos: Um conjunto de computadores independentes que se apresenta a seus usuários como um sistema único e coerente

10. Defina Sistemas Distribuídos: Um conjunto de computadores independentes que se apresenta a seus usuários como um sistema único e coerente 1. Quais os componentes de um sistema cliente-servidor? Clientes e servidores 2. Na visão do hardware, defina o que é cliente e o que é servidor: Clientes. Qualquer computador conectado ao sistema via

Leia mais

OPERADORES LOGÍSTICOS. Realidade, Perspectivas e Expectativas no Brasil!

OPERADORES LOGÍSTICOS. Realidade, Perspectivas e Expectativas no Brasil! OPERADORES LOGÍSTICOS Realidade, Perspectivas e Expectativas no Brasil! OPERADOR LOGÍSTICO PROVEDOR DE SERVIÇOS LOGÍSTICOS TERCEIRIZADOS QUE, COM BASE EM CONTRATO, ATENDE A VÁRIAS OU TODAS AS NECESSIDADES

Leia mais

Sociedade e Tecnologia

Sociedade e Tecnologia Unidade de Aprendizagem 15 Empresas em Rede Ao final desta aula você será capaz de inovações influenciam na competitividade das organizações, assim como compreender o papel da Inteligência Competitiva

Leia mais

Pesquisa FGV-EAESP de Comércio Eletrônico no Mercado Brasileiro 16 a Edição 2014

Pesquisa FGV-EAESP de Comércio Eletrônico no Mercado Brasileiro 16 a Edição 2014 Resumo Introdução O Comércio Eletrônico é um dos aspectos relevantes no ambiente empresarial atual e tem recebido atenção especial das empresas nos últimos anos, primeiro por ser considerado como uma grande

Leia mais

Sistemas de Apoio. Prof.: Luiz Mandelli Neto. Sistemas de Apoio. ERP (Enterprise Resource Planning) PLANEJAMENTO DE RECURSOS EMPRESARIAIS

Sistemas de Apoio. Prof.: Luiz Mandelli Neto. Sistemas de Apoio. ERP (Enterprise Resource Planning) PLANEJAMENTO DE RECURSOS EMPRESARIAIS Sistemas de Apoio Prof.: Luiz Mandelli Neto Sistemas de Apoio ERP (Enterprise Resource Planning) PLANEJAMENTO DE RECURSOS EMPRESARIAIS Mapa de TI da cadeia de suprimentos Estratégia Planejamento Operação

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

Gestão da Tecnologia da Informação

Gestão da Tecnologia da Informação Gestão da Tecnologia da Informação A TCI BPO Com atuação em todo o Brasil, a TCI oferece excelência na prestação dos serviços em BPO - Business Process Outsourcing, levando aos seus clientes as melhores

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1. COLABORAÇÃO NAS EMPRESAS Os sistemas colaborativos nas empresas nos oferecem ferramentas para nos ajudar a colaborar, comunicando idéias, compartilhando

Leia mais

GUIA ATS INFORMÁTICA: GESTÃO DE ESTOQUE

GUIA ATS INFORMÁTICA: GESTÃO DE ESTOQUE GUIA ATS INFORMÁTICA: GESTÃO DE ESTOQUE SUMÁRIO O que é gestão de estoque...3 Primeiros passos para uma gestão de estoque eficiente...7 Como montar um estoque...12 Otimize a gestão do seu estoque...16

Leia mais

ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS. 1. Sumário Executivo. Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso. 2. Sumário da Empresa. 2.1 Composição da Sociedade

ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS. 1. Sumário Executivo. Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso. 2. Sumário da Empresa. 2.1 Composição da Sociedade ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS 1. Sumário Executivo Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso 2. Sumário da Empresa 2.1 Composição da Sociedade Perfil Individual dos sócios, experiência, formação, responsabilidades

Leia mais

Logística empresarial

Logística empresarial 1 Logística empresarial 2 Logística é um conceito relativamente novo, apesar de que todas as empresas sempre desenvolveram atividades de suprimento, transporte, estocagem e distribuição de produtos. melhor

Leia mais

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010 Enterprise Resource Planning - ERP Objetivo da Aula Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 2 1 Sumário Informação & TI Sistemas Legados ERP Classificação Módulos Medidas

Leia mais

A empresa digital: comércio e negócios eletrônicos

A empresa digital: comércio e negócios eletrônicos Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Administração Tecnologia e Sistemas de Informação - 06 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação

E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação Capítulo 2 E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação 2.1 2007 by Prentice Hall OBJETIVOS DE ESTUDO Identificar e descrever as principais características das empresas que são importantes

Leia mais

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1 2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Fundamentos da Vantagem Estratégica ou competitiva Os sistemas de informação devem ser vistos como algo mais do que um conjunto de tecnologias que apoiam

Leia mais

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning ERP Enterprise Resources Planning A Era da Informação - TI GRI Information Resource Management -Informação Modo organizado do conhecimento para ser usado na gestão das empresas. - Sistemas de informação

Leia mais

A Logística de Cargas Fracionadas e Novas Configurações do Mercado de Varejo.

A Logística de Cargas Fracionadas e Novas Configurações do Mercado de Varejo. A Logística de Cargas Fracionadas e Novas Configurações do Mercado de Varejo. Cristian Carlos Vicari (UNIOESTE) viccari@certto.com.br Rua Engenharia, 450 Jd. Universitário C.E.P. 85.819-190 Cascavel Paraná

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. CRM e AFV

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. CRM e AFV Bloco Comercial CRM e AFV Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre os Módulos CRM e AFV, que fazem parte do Bloco Comercial. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas

Leia mais

Conquistando excelência operacional e intimidade com o cliente: aplicativos integrados. slide 1

Conquistando excelência operacional e intimidade com o cliente: aplicativos integrados. slide 1 Conquistando excelência operacional e intimidade com o cliente: aplicativos integrados slide 1 Objetivos de estudo Como os sistemas integrados ajudam as empresas a conquistar a excelência operacional?

Leia mais

Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos. Profª Caroline Pauletto Spanhol

Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos. Profª Caroline Pauletto Spanhol Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos Profª Caroline Pauletto Spanhol Cadeia de Abastecimento Conceitos e Definições Elementos Principais Entendendo a Cadeia de Abastecimento Integrada Importância

Leia mais

Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo

Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo III.1 GESTÃO DE TRANSPORTES 1.1. O desenvolvimento econômico e o transporte. 1.2. A geografia brasileira, a infraestrutura dos estados, municípios

Leia mais

Evolução da Disciplina. Logística Empresarial. Aula 1. O Papel dos Sistemas Logísticos. Contextualização. O Mundo Atual

Evolução da Disciplina. Logística Empresarial. Aula 1. O Papel dos Sistemas Logísticos. Contextualização. O Mundo Atual Logística Empresarial Evolução da Disciplina Aula 1 Aula 1 O papel da Logística empresarial Aula 2 A flexibilidade e a Resposta Rápida (RR) Operadores logísticos: conceitos e funções Aula 3 Prof. Me. John

Leia mais

Tecnologia da Informação. Prof Odilon Zappe Jr

Tecnologia da Informação. Prof Odilon Zappe Jr Tecnologia da Informação Prof Odilon Zappe Jr Comércio Eletrônico Um breve histórico Comércio compra, venda, troca de produtos e serviços; Incrementado pelos Fenícios, Árabes, Assírios e Babilônios uso

Leia mais

Gestão em Logística. Fundação de Estudos Sociais do Paraná. Luiz Alexandre Friedrich

Gestão em Logística. Fundação de Estudos Sociais do Paraná. Luiz Alexandre Friedrich Gestão em Logística Fundação de Estudos Sociais do Paraná Luiz Alexandre Friedrich Nosso contrato... Fornecedor : Luizão Cliente : Alunos de Adm. da FESP - Fornecer subsídios de teoria e prática de Gestão

Leia mais

Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 4.1

Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 4.1 Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 4.1 4 OBJETIVOS OBJETIVOS A EMPRESA DIGITAL: COMÉRCIO E NEGÓCIOS ELETRÔNICOS Como a tecnologia de Internet mudou propostas de valor e modelos de negócios

Leia mais

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO 1 BUSINESS GAME UGB Eduardo de Oliveira Ormond Especialista em Gestão Empresarial Flávio Pires Especialista em Gerencia Avançada de Projetos Luís Cláudio Duarte Especialista em Estratégias de Gestão Marcelo

Leia mais

TRANSFORME INFORMAÇÕES EM RESULTADOS

TRANSFORME INFORMAÇÕES EM RESULTADOS TRANSFORME INFORMAÇÕES EM RESULTADOS Hoje, mais do que nunca, o conhecimento é o maior diferencial de uma organização, mas somente quando administrado e integrado com eficácia. Para melhor atender os seus

Leia mais

Anderson L. S. Moreira

Anderson L. S. Moreira Tecnologia da Informação Aula 9 Telecomunicações e Rede Interconectando a Empresa Anderson L. S. Moreira anderson.moreira@ifpe.edu.br Instituto Federal de Pernambuco Recife PE Esta apresentação está sob

Leia mais

EMPREENDEDORISMO Marketing

EMPREENDEDORISMO Marketing Gerenciando o Marketing EMPREENDEDORISMO Marketing De nada adianta fabricar um bom produto ou prestar um bom serviço. É preciso saber colocálo no mercado e conseguir convencer as pessoas a comprá-lo. O

Leia mais

Objectivos de aprendizagem

Objectivos de aprendizagem Capítulo 6 1 Telecomunicações e redes 2 Objectivos de aprendizagem ƒ Identificar as principais tendências e os grandes desenvolvimentos nas empresas, nas tecnologias e nas aplicações de negócio, das telecomunicações

Leia mais

22/02/2009 LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO POR QUE A LOGÍSTICA ESTÁ EM MODA POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA

22/02/2009 LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO POR QUE A LOGÍSTICA ESTÁ EM MODA POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO A melhor formação cientifica, prática e metodológica. 1 POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA Marketing Vendas Logística ANTES: foco no produto - quantidade de produtos sem qualidade

Leia mais

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht Administração Logística e Administração de. Profª. Patricia Brecht Definição - Logística O termo LOGÍSTICA conforme o dicionário Aurélio vem do francês Logistique e significa parte da arte da guerra que

Leia mais

2. Logística. 2.1 Definição de Logística

2. Logística. 2.1 Definição de Logística 2. Logística 2.1 Definição de Logística Por muito tempo a Logística foi tratada de forma desagregada. Cada uma das funções logísticas era tratada independentemente e como áreas de apoio ao negócio. Segundo

Leia mais

Empresas que atuavam fora do Brasil, começam a olhar para o nosso mercado e investem na busca de crescer a sua base de clientes, tais como:

Empresas que atuavam fora do Brasil, começam a olhar para o nosso mercado e investem na busca de crescer a sua base de clientes, tais como: TENDÊNCIAS 1. Globalização Empresas que atuavam fora do Brasil, começam a olhar para o nosso mercado e investem na busca de crescer a sua base de clientes, tais como: Grupo Casino Carrefour Wal-Mart C&A

Leia mais

Estratégia e Regras do Negócio: E-Commerce. O que é e-commerce?

Estratégia e Regras do Negócio: E-Commerce. O que é e-commerce? E-Commerce O que é e-commerce? Comércio electrónico ou e-commerce é um conceito aplicável a qualquer tipo de negócio ou transação comercial que implique a transferência de informação através da Internet.

Leia mais

Por existir diferentes níveis em uma organização, existem diferentes tipos de sistemas servindo cada nível organizacional

Por existir diferentes níveis em uma organização, existem diferentes tipos de sistemas servindo cada nível organizacional Por existir diferentes níveis em uma organização, existem diferentes tipos de sistemas servindo cada nível organizacional Fonte: Tipos de Sistemas de Informação (Laudon, 2003). Fonte: Tipos de Sistemas

Leia mais

EMC Consulting. Estratégia visionária, resultados práticos. Quando a informação se reúne, seu mundo avança.

EMC Consulting. Estratégia visionária, resultados práticos. Quando a informação se reúne, seu mundo avança. EMC Consulting Estratégia visionária, resultados práticos Quando a informação se reúne, seu mundo avança. Alinhando TI aos objetivos de negócios. As decisões de TI de hoje devem basear-se em critérios

Leia mais

Tecnologias da Informação e da Comunicação Aula 01

Tecnologias da Informação e da Comunicação Aula 01 Tecnologias da Informação e da Comunicação Aula 01 Douglas Farias Cordeiro Universidade Federal de Goiás 31 de julho de 2015 Mini-currículo Professor do curso Gestão da Informação Professor do curso ESAMI

Leia mais

TOTVS COLABORAÇÃO 2.0 FISCAL powered by NeoGrid

TOTVS COLABORAÇÃO 2.0 FISCAL powered by NeoGrid TOTVS COLABORAÇÃO 2.0 FISCAL powered by NeoGrid Recebimento de NF-e e CT-e Emissão de NF-e, CT-e, MDF-e e NFS-e Integração nativa com o seu ERP Exija a solução que é o melhor investimento para a gestão

Leia mais

Supply Chain Management Gerenciamento da cadeia de suprimentos. Prof. Paulo Medeiros

Supply Chain Management Gerenciamento da cadeia de suprimentos. Prof. Paulo Medeiros Supply Chain Management Gerenciamento da cadeia de suprimentos. Prof. Paulo Medeiros Supply Chain Management O período entre 1980 e 2000 foi marcado por grandes transformações nos conceitos gerenciais,

Leia mais

Resultados da Pesquisa

Resultados da Pesquisa Resultados da Pesquisa 1. Estratégia de Mensuração 01 As organizações devem ter uma estratégia de mensuração formal e garantir que a mesma esteja alinhada com os objetivos da empresa. Assim, as iniciativas

Leia mais

O comércio eletrônico (CE) é, basicamente, a realização de transações empresariais vida rede de telecomunicações, especialmente a Internet.

O comércio eletrônico (CE) é, basicamente, a realização de transações empresariais vida rede de telecomunicações, especialmente a Internet. E-commerce Prof Marcus Regenold Disciplina Negócios pela Internet O comércio eletrônico (CE) é, basicamente, a realização de transações empresariais vida rede de telecomunicações, especialmente a Internet.

Leia mais

INTERNACIONALIZAÇÃO DE EMPRESAS - Marketing Internacional

INTERNACIONALIZAÇÃO DE EMPRESAS - Marketing Internacional INTERNACIONALIZAÇÃO DE EMPRESAS - Marketing CURSO: Administração DISCIPLINA: Comércio FONTE: DIAS, Reinaldo. RODRIGUES, Waldemar. Comércio Exterior Teoria e Gestão. Atlas. São Paulo: 2004 2.4d_ização de

Leia mais

Comércio eletrônico. Conceitos:

Comércio eletrônico. Conceitos: Comércio eletrônico Conceitos: O comércio eletrônico é a transação realizada por meio eletrônico de dados, normalmente internet. Situação em que a empresa vendedora cria um site, que funciona como uma

Leia mais

Software de gerenciamento de trabalho

Software de gerenciamento de trabalho Software de gerenciamento de trabalho Software de gerenciamento de trabalho GoalPost O software de gerenciamento de trabalho (LMS) GoalPost da Intelligrated fornece informações sob demanda para medir,

Leia mais

Ivo Camargo Jr. Consultoria e Representação Comercial PROPOSTA COMERCIAL

Ivo Camargo Jr. Consultoria e Representação Comercial PROPOSTA COMERCIAL Ivo Camargo Jr. Consultoria e Representação Comercial PROPOSTA COMERCIAL APRESENTAÇÃO Ivo Camargo Jr. Consultoria e Representação Comercial A Ivo Camargo Jr. Consultoria e Representação Comercial nasceu

Leia mais

Conceitos e tarefas da administração de marketing DESENVOLVIMENTO DE ESTRATEGIAS E PLANOS DE MARKETING

Conceitos e tarefas da administração de marketing DESENVOLVIMENTO DE ESTRATEGIAS E PLANOS DE MARKETING Sumário Parte um Conceitos e tarefas da administração de marketing CAPITULO I MARKETING PARA 0 SÉCULO XXI A importância do marketing O escopo do marketing 0 que é marketing? Troca e transações A que se

Leia mais

30/09/2010. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves. Como surgiu o termo?

30/09/2010. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves. Como surgiu o termo? Engenheiro Agrônomo CCA/UFSCar 1998 Mestre em Desenvolvimento Econômico, Espaço e Meio Ambiente IE/UNICAMP 2001 Doutor em Engenhariade Produção PPGEP/UFSCar 2005 Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves Consultor

Leia mais

Distribuição Física. A distribuição física de produtos é realizada com a participação de alguns componentes, físicos ou informacionais, a saber:

Distribuição Física. A distribuição física de produtos é realizada com a participação de alguns componentes, físicos ou informacionais, a saber: Distribuição Física Objetivo da aula: Apresentar e discutir o conceito e os componentes do sistema de distribuição física, dentro do processo logístico. O objetivo geral da distribuição física, como meta

Leia mais

DESAFIOS NA IMPLEMENTAÇÃO DO COMÉRCIO ELETRÔNICO AULA 2. MBA Gestão de TI. Luciano Roberto Rocha. www.lrocha.com

DESAFIOS NA IMPLEMENTAÇÃO DO COMÉRCIO ELETRÔNICO AULA 2. MBA Gestão de TI. Luciano Roberto Rocha. www.lrocha.com DESAFIOS NA IMPLEMENTAÇÃO DO COMÉRCIO ELETRÔNICO AULA 2 MBA Gestão de TI Luciano Roberto Rocha www.lrocha.com 2 3 Um otimista vê uma oportunidade em cada calamidade; um pessimista vê uma calamidade em

Leia mais

Unidade II RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS

Unidade II RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS Unidade II 2 TENDÊNCIAS DA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS 2.1 Gestão de compras 1 A gestão de compras assume papel estratégico na Era da competição global, devido ao volume de recursos envolvidos no processo,

Leia mais

LOGÍSTICA 1. Nubia Aparecida dos Reis Souza 2 RESUMO

LOGÍSTICA 1. Nubia Aparecida dos Reis Souza 2 RESUMO 1 LOGÍSTICA 1 Nubia Aparecida dos Reis Souza 2 RESUMO Versa o presente artigo sobre logística e suas aplicabilidades no mundo moderno. A logística foi criada para suprir necessidades durante a Segunda

Leia mais

Logistica e Distribuição. Responsabilidades. O Fluxo do Processamento do Pedido. Mas quais são as atividades da Logística?

Logistica e Distribuição. Responsabilidades. O Fluxo do Processamento do Pedido. Mas quais são as atividades da Logística? Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993 Logística e Distribuição A Atividade de Processamento de Pedidos e Aquisição/Programação de Produtos Primárias Apoio 1 2 Responsabilidades O Fluxo

Leia mais