TMS 2014 Gestão do ISS CCR SSR - SGE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TMS 2014 Gestão do ISS CCR SSR - SGE"

Transcrição

1 CCR SSR - SGE

2 TMS de 2014 Objetivo Verificar as condições de organização e funcionamento do controle do ISS

3 TMS de 2014 Razões da escolha 74% dos municípios não realizaram ações fiscais em 2012 (Del. 247/08) ISS - principal fonte de recursos próprios R$2,5 bilhões (2013) Risco e relevância do controle

4 Critérios básicos - CF Art. 156, III Compete aos Municípios instituir imposto sobre serviços de qualquer natureza (ISS) definidos em lei complementar (LCF116/03) Art. 37 A administração pública da U, E, DF e M obedecerá aos princípios de legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade e eficiência e, também, ao seguinte: (Redação da EC 19/98) XVIII - a administração fazendária e seus servidores fiscais terão, dentro de suas áreas de competência e jurisdição, precedência sobre os demais setores administrativos, na forma da lei XXII - as administrações tributárias da U, E, DF e M, atividades essenciais ao funcionamento do Estado, exercidas por servidores de carreiras específicas, terão recursos prioritários para a realização de suas atividades e atuarão de forma integrada, inclusive com o compartilhamento de cadastros e de informações fiscais, na forma da lei ou convênio. (Incluído pela EC 42/03)

5 Critérios básicos - LRF LRF, art. 11 Constituem requisitos essenciais da responsabilidade na gestão fiscal, a instituição, previsão e efetiva arrecadação de todos os tributos da competência constitucional do ente da Federação; LRF, art. 1º, 1º A gestão fiscal responsável pressupõe ação planejada e transparente (...). LRF, art. 48, único e art. 48A, caput e inciso II A transparência será assegurada também mediante: liberação ao pleno conhecimento e acompanhamento da sociedade, em tempo real, de informações pormenorizadas quanto ao lançamento e o recebimento de toda a receita das unidades gestoras, em meios eletrônicos de acesso público; adoção de sistema integrado de administração financeira e controle, que atenda a padrão mínimo de qualidade estabelecido pelo Poder Executivo da União e ao disposto no art. 48-A.

6 Resumindo... Os municípios devem priorizar recursos para a essencial atividade da administração tributária, que, de forma integrada, planejada e transparente, deve realizar a efetiva arrecadação de seus tributos, com impessoalidade e eficiência.

7 TMS de 2014 Benefícios Como o povo enxerga os impostos...

8 Enfoque do controle da receita municipal adotado pela CCR Eficiência Arrecadatória: Quanto Mais Não É Melhor Investir na modernização das administrações tributárias municipais é um caminho para que não apenas seja aumentada a receita fiscal nacional e a capacidade de autofinanciamento dessa esfera, como também para se melhorar a qualidade do sistema tributário brasileiro. Ao mesmo tempo, é importante destacar como é complexo e difícil para as prefeituras melhorarem a exploração de suas competências tributárias Investimentos na Gestão Tributária: A Outra Margem do Rio A priorização que começa a ocorrer na direção do aproveitamento da base fiscal existente e inexplorada, obtida através do aumento do nível de eficiência fiscal do aparelho arrecadador público municipal: arrecadar com eficiência o máximo de tributos que a legislação e a base econômica possibilitam, em prazos adequados e com maior justiça fiscal maximização da arrecadação. Controle Social: Aumenta Junto com os Tributos À parte os aspectos estritamente tributários, a melhoria da administração fazendária também importa para uma mudança na responsabilidade e controle social de um governo. Em outras palavras, cobrar impostos da comunidade local, por menor que seja o seu peso relativo no orçamento da prefeitura, estimula maior atenção e fiscalização dos contribuintes sobre o orçamento local, o que implica o chamado controle social. Fonte: AFONSO, J. R. R. Municípios, arrecadação e administração tributária: quebrando tabus. 2002

9 TMS de 2014 Pontos de controle Normatização Compatibilidade da normatização municipal com a LCF 116/03 Alíquota mínima constitucional (2%) Transparência da Legislação tributária Carreira específica de fiscal de tributos Alteração de alíquota ou base de cálculo % de problemas 28% 33% 81% 43% 1%

10 TMS de 2014 Pontos de controle Infraestrutura Priorização de recursos para Adm. Tributária % de problemas 94% Fiscalização Lançamento Registro das despesas da Adm. Tributária Planejamento da fiscalização Fiscalização para maximização da arrecadação Cadastro fictício de contribuintes - Paraíso fiscal Lançamento e retenção 76% 100% 100% 11% 74%

11 ACHADOS normatização da alíquota mínima Alíquota efetiva inferior ao limite constitucional de 2% Vários contribuintes cadastrados no mesmo endereço (instalação fictícia). 33% 11% 67% 89% GUERRA FISCAL!!! 34 municípios praticam captação agressiva de contribuintes. Ciência ao MPRJ.

12 ACHADOS normatização da carreira específica Inexistência de cargos de fiscal de tributos na lei municipal 9 Inexistência de carreira específica para fiscalização Cargos de fiscal instituídos em lei, porém sem atribuições Cargos de fiscal instituídos em lei com atribuições diversas % 43% Inexistência de fiscal de tributos 12 Não priorização de recursos humanos Fiscalização exercida por agente incompetente 40 22% Desvio de função dos fiscais de tributos 46 78%

13 ACHADOS priorização de recursos Recursos humanos Pelo menos 1: 70 78% Pelo menos 2: 28 31% As 3 situações: 0 0% Recursos de TI Pelo menos 1: 68 76% Pelo menos 2: 19 21% As 3 situações: 0 0% Inexistência de fiscal de tributos Fiscalização exercida por agente incompetente Desvio de função dos fiscais de tributos Inexistência de sistema informatizado Ausência de implantação da NFS-e Insuficiência de computadores Inexistência de viaturas exclusivas

14 ACHADOS priorização de recursos Recursos humanos Pelo menos 1: 70 78% Pelo menos 2: 28 31% As 3 situações: 0 0% CAUSA CONSTATADA EM 45 MUNICÍPIOS: Remuneração dos fiscais não competitiva frente à estrutura de funções gratificadas ou cargos comissionados do Poder Executivo. Recursos de TI Pelo menos 1: 68 76% Pelo menos 2: 19 21% As 3 situações: 0 0% Inexistência de fiscal de tributos Fiscalização exercida por agente incompetente Desvio de função dos fiscais de tributos Inexistência de sistema informatizado Ausência de implantação da NFS-e Insuficiência de computadores Inexistência de viaturas exclusivas

15 ACHADOS registro de despesas de custeio da administração tributária Apenas 22 municípios (24% do total) registraram alguma despesa na subfunção própria de administração de receitas em % 76% Como avaliar a priorização de recursos?

16 ACHADOS Planejamento da fiscalização Irregularidades do TIAF (CTN, art. 196) municípios não têm 16 têm, mas sem prazo Inexistência de instrumento de autorização de fiscalização 49 Inexistência de planejamento das fiscalizações Inexistência de publicação das medidas de combate a evasão fiscal (LRF, art. 13) 87 86

17 ACHADOS fiscalização para maximização da arrecadação Sim 55 Existe fiscalização no município? Não 35

18 ACHADOS fiscalização para maximização da arrecadação INEXISTÊNCIA DE: QTD. % fiscalização do Simples Nacional (PGDAS da RFB) % fiscalização construção civil (visto fiscal) 49 54% monitoramento da arrecadação 42 47% fiscalização nas instituições bancárias 41 46% homologação periódica (NFS-e, AIDF, Declarações, etc.) 20 22%

19 ACHADOS fiscalização para maximização da BENEFÍCIO arrecadação Elevação de receita em 20% da arrecadação do Simples Nacional, (R$ 32,5 milhões anuais), com base na arrecadação do exercício de 2013 INEXISTÊNCIA DE: QTD. % fiscalização do Simples Nacional (PGDAS da RFB) 50 56% fiscalização construção civil (visto fiscal) 49 54% monitoramento da arrecadação 42 47% fiscalização nas instituições bancárias 41 46% homologação periódica (NFS-e, AIDF, Declarações, etc.) 20 22%

20 ACHADOS fiscalização para maximização da arrecadação INEXISTÊNCIA DE: QTD. % fiscalização do Simples Nacional (PGDAS da RFB) % fiscalização construção civil (visto fiscal) 49 54% monitoramento da arrecadação 42 47% fiscalização nas instituições bancárias 41 46% homologação periódica (NFS-e, AIDF, Declarações, etc.) 20 22%

21 ACHADOS fiscalização para maximização da arrecadação Os municípios possuem procedimentos que garantam a homologação periódica do ISS antes do prazo decadencial (NFS-e, AIDF, declaração, etc)? Não 20 Os municípios realizam fiscalização nos empreendimentos de construção civil (visto viscal)? Não 49 Sim 21 Sim 45 Sim, mas com restrição abusiva 25 Sim, mas com restrição abusiva 52 Sanção política abusiva: ambiente propício à corrupção!!!

22 Algumas CAUSAS relacionadas às deficiências da fiscalização Ausência de capacitação dos fiscais para atividades específicas 67 Carreira de fiscal não exige nível superior 62 Inexistência de software de inteligência fiscal para instituições bancárias Inexistência de convênios com outras Fazendas e órgãos públicos Estrutura remuneratória incompatível com a carreira fiscal (produtividade)

23 ACHADOS lançamento Retenção do ISS nos serviços tomados pelo Município 58 CAUSAS Processos de pagamento de serviços não passam pela fiscalização 27 Inexistência de procedimentos formalizados para registro da retenção nos processos de pagamento 6 Inexistência de conciliação periódica entre os sistemas de arrecadação e contábil Inexistência Enquadramento ou alíquota irregular Divergência no registro Apropriação do ISS retido não é realizada mediante guia de recolhimento com código de barras

24 TMS de 2014 BENEFÍCIOS Melhorias - Impactos econômicos positivos Implementação de medidas contínuas e mais eficientes de combate à evasão fiscal Redução dos custos e desperdícios na administração do ISS Melhoria do ambiente de negócios do município pela redução da concorrência desleal Efeito demonstração positivo pela atuação da fiscalização do ISS Melhorias - Melhoria da forma de atuação Justiça tributária pela proteção do princípio da livre concorrência Redução da guerra fiscal entre os municípios fluminenses Proteção da atividade de fiscalização contra descontinuidade e ingerência política Redução do risco de erros e fraudes na fiscalização do ISS

25 OBRIGADO! A tributação não deve mais ser encarada nem como mero poder para o estado, nem como mero sacrifício para os cidadãos, constituindo antes o contributo indispensável a uma vida em comunidade organizada em um estado fiscal. (Casalta Nabais apud Weiss) O tributo é o preço da liberdade (Ricardo Lobo Torres). Quem mais arrecada não é necessariamente o que melhor arrecada. (Bird e Jantscher apud J. R. Afonso) O cidadão, consciente da função social do tributo como forma de redistribuição da Renda Nacional e elemento de justiça social, é capaz de participar do processo de arrecadação, aplicação e fiscalização do dinheiro público (RFB).

Diretrizes e Procedimentos de Auditoria do TCE-RS RESOLUÇÃO N. 987/2013

Diretrizes e Procedimentos de Auditoria do TCE-RS RESOLUÇÃO N. 987/2013 Diretrizes e Procedimentos de Auditoria do TCE-RS RESOLUÇÃO N. 987/2013 Dispõe sobre as diretrizes e os procedimentos de auditoria a serem adotados pelo Tribunal de Contas do Estado do Rio Grande do Sul,

Leia mais

AS CARREIRAS DE ESTADO

AS CARREIRAS DE ESTADO AS CARREIRAS DE ESTADO Ultimamente, muito se tem falado sobre as Carreiras Típicas de Estado. Mas o que vem a ser exatamente uma Carreira Típica de Estado? Imaginemos um modelo mínimo de administração

Leia mais

DIAGNÓSTICO SOBRE A ESTRUTURA E A LOGÍSTICA DA ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA MUNICIPAL

DIAGNÓSTICO SOBRE A ESTRUTURA E A LOGÍSTICA DA ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA MUNICIPAL DIAGNÓSTICO SOBRE A ESTRUTURA E A LOGÍSTICA DA ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA MUNICIPAL APE Ivan Carlos Almeida dos Santos Tribunal de Contas do Estado do RS Distribuição dos Municípios Gaúchos por Faixas Habitacionais

Leia mais

Experiências Nacionais Bem Sucedidas com Gestão de Tributos Municipais Ênfase no IPTU

Experiências Nacionais Bem Sucedidas com Gestão de Tributos Municipais Ênfase no IPTU Experiências Nacionais Bem Sucedidas com Gestão de Tributos Municipais Ênfase no IPTU O Papel dos Tributos Imobiliários para o Fortalecimento dos Municípios Eduardo de Lima Caldas Instituto Pólis Marco

Leia mais

Planejamento Fiscal 2015 DM/SMF

Planejamento Fiscal 2015 DM/SMF Planejamento Fiscal 2015 DM/SMF PLANEJAMENTO FISCAL 2015 CAPITULO I APRESENTAÇÃO O Planejamento Fiscal do DM/SMF - Departamento de Impostos Mobiliários da Secretaria Municipal de Fazenda materializa-se

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS DIRETORIA LEGISLATIVA

CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS DIRETORIA LEGISLATIVA LEI Nº 2.054, DE 29 DE OUTUBRO DE 2015 (D.O.M. 29.10.2015 N. 3.763 Ano XVI) DISPÕE sobre a estrutura organizacional da Secretaria Municipal de Finanças, Tecnologia da Informação e Controle Interno Semef,

Leia mais

implantado nas áreas administrativa, contábil, financeira, pessoal e tributária. Meta: Programa integrado de gestão municipal

implantado nas áreas administrativa, contábil, financeira, pessoal e tributária. Meta: Programa integrado de gestão municipal PROGRAMA: 003 - ADIMINISTRAR PARA CRESCER OBJETIVO: Modernizar a administração municipal; Valorizar o servidor público; Adequar o quadro funcional; Elevar a arrecadação da receita própria; e Promover a

Leia mais

Decreto Nº1601 de 19 de Agosto de 2009 DECRETA:

Decreto Nº1601 de 19 de Agosto de 2009 DECRETA: Decreto Nº1601 de 19 de Agosto de 2009 Av. Presidente Vargas, 3.215 Vila Maria INSTITUI O GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DO ISSQN, A ESCRITURAÇÃO ECONÔMICO- FISCAL E A EMISSÃO DE GUIA DE RECOLHIMENTO POR MEIOS

Leia mais

Tributação Imobiliária no Brasil Revendo Desafios

Tributação Imobiliária no Brasil Revendo Desafios SEMINÁRIO INTERNACIONAL TRIBUTAÇÃO IMOBILIÁRIA INICIATIVAS PARA O FORTALECIMENTO DA AÇÃO FISCAL DOS MUNICÍPIOS EM TRIBUTAÇÃO IMOBILIÁRIA Escola de Administração Fazendária _ ESAF Lincoln Institute of Land

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS

CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS O PREFEITO DE MANAUS LEI DELEGADA N 10, DE 31 DE JULHO DE 2013 (D.O.M. 31.07.2013 N. 3221 Ano XIV) DISPÕE sobre a estrutura organizacional da SECRETARIA MUNICIPAL DE FINANÇAS, TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

Leia mais

Comitê de Assuntos Federativos 24 de março de 2014. Tema de Pauta Plano de Trabalho do GT - Repositório Nacional de NFS-e

Comitê de Assuntos Federativos 24 de março de 2014. Tema de Pauta Plano de Trabalho do GT - Repositório Nacional de NFS-e Comitê de Assuntos Federativos 24 de março de 2014 Tema de Pauta Plano de Trabalho do GT - Repositório Nacional de NFS-e O que é? O Repositório Nacional da Nota Fiscal de Serviços Eletrônica (NFS-e) é

Leia mais

DECRETO Nº 659 DE 26 DE MAIO DE 2014. O PREFEITO MUNICIPAL DE TUPANDI, no uso de suas atribuições legais, D E C R E T A

DECRETO Nº 659 DE 26 DE MAIO DE 2014. O PREFEITO MUNICIPAL DE TUPANDI, no uso de suas atribuições legais, D E C R E T A DECRETO Nº 659 DE 26 DE MAIO DE 2014. REGULAMENTA A LEI MUNICIPAL N.º 1.209, DE 02 DE MAIO DE 2014, QUE INSTITUI A NOTA FISCAL ELETRÔNICA DE SERVIÇOS, A DECLARAÇÃO ELETRÔNICA DE SERVIÇOS, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

Leia mais

SUARA/COAEF. Simples Nacional. Maceió, Agosto de 2012

SUARA/COAEF. Simples Nacional. Maceió, Agosto de 2012 SUARA/COAEF Simples Nacional Maceió, Agosto de 2012 Dever Fundamental de Pagar Tributos Principal fonte de financiamento (Estado Fiscal); Teoria dos custos dos direitos; Hipertrofia dos Direitos e Esquecimento

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA NOS MUNICÍPIOS: A CARREIRA DO AUDITOR TRIBUTÁRIO MUNICIPAL E A LEGITIMIDADE DO CRÉDITO TRIBUTÁRIO

ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA NOS MUNICÍPIOS: A CARREIRA DO AUDITOR TRIBUTÁRIO MUNICIPAL E A LEGITIMIDADE DO CRÉDITO TRIBUTÁRIO ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA NOS MUNICÍPIOS: A CARREIRA DO AUDITOR TRIBUTÁRIO MUNICIPAL E A LEGITIMIDADE DO CRÉDITO TRIBUTÁRIO I BREVE INTRODUÇÃO O presente trabalho pretende conscientizar a sociedade e as

Leia mais

DECRETO Nº 092, DE 1º DE DEZEMBRO DE 2009.

DECRETO Nº 092, DE 1º DE DEZEMBRO DE 2009. DECRETO Nº 092, DE 1º DE DEZEMBRO DE 2009. Dispõe sobre a Instituição do Regime Especial de Es-crituração Fiscal Eletrônica - REFE, aos prestadores e tomadores de serviços, sujeitos à tributação do Im-posto

Leia mais

Módulo Contábil e Fiscal

Módulo Contábil e Fiscal Módulo Contábil e Fiscal SPED Contábil e Fiscal Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Contábil e Fiscal SPED. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas no

Leia mais

DECRETO N. 134/2010, DE 28 DE OUTUBRO DE 2010.

DECRETO N. 134/2010, DE 28 DE OUTUBRO DE 2010. DECRETO N. 134/2010, DE 28 DE OUTUBRO DE 2010. Institui o gerenciamento eletrônico do ISS - Imposto Sobre Serviços de Qualquer Natureza - e a emissão de Documento de Arrecadação Municipal - DAM - por meios

Leia mais

ESTADO DE GOIÁS Prefeitura Municipal de Pirenópolis DECRETO N 2.492714. Gabinete DE 31 DE 01 DE 2014.

ESTADO DE GOIÁS Prefeitura Municipal de Pirenópolis DECRETO N 2.492714. Gabinete DE 31 DE 01 DE 2014. DECRETO N 2.492714. DE 31 DE 01 DE 2014. "INSTITUI O GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DO ISSQN, A ESCRITURAÇÃO ECONÔMICO- FISCAL E A EMISSÃO DE GUIA DE RECOLHI MENTO POR MEIOS ELETRÔNICOS, RELATI VÁS AO ISSQN

Leia mais

Estado do Rio Grande do Sul Município de Venâncio Aires

Estado do Rio Grande do Sul Município de Venâncio Aires DECRETO Nº 5.204, DE 30 DE NOVEMBRO DE 2012 Regulamenta a Lei Municipal nº 2533/1998 Código Tributário Municipal e Leis que a complementam, no que diz respeito à escrituração fiscal e ao registro de serviços

Leia mais

PNAFM PROGRAMA NACIONAL DE APOIO À GESTÃO ADMINISTRATIVA E FISCAL DOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS PNAFM

PNAFM PROGRAMA NACIONAL DE APOIO À GESTÃO ADMINISTRATIVA E FISCAL DOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS PNAFM Ministério da Fazenda - MF Secretaria Executiva - SE Subsecretaria de Gestão Estratégica SGE Coordenação-Geral de Programas e Projetos de Cooperação COOPE PROGRAMA NACIONAL DE APOIO À GESTÃO ADMINISTRATIVA

Leia mais

DECRETO Nº 11.551 ----------------------------

DECRETO Nº 11.551 ---------------------------- Volta Redonda Sede do Governo do antigo Povoado de Santo Antônio, inicialmente Distrito de Paz, emancipada aos 17 dias do mês de Julho de 1954, berço da Siderurgia no Brasil. Dispõe sobre a instituição

Leia mais

DECRETO Nº 11.560 D E C R E T A:

DECRETO Nº 11.560 D E C R E T A: DECRETO Nº 11.560 Estabelece normas para o tratamento diferenciado e favorecido às Microempresas, Empresas de Pequeno Porte e Empreendedor Individual nos termos da Lei Complementar nº 123, de 14 de dezembro

Leia mais

DECRETO Nº 4.252 DE 13 DE MARÇO DE 2014

DECRETO Nº 4.252 DE 13 DE MARÇO DE 2014 DECRETO Nº 4.252 DE 13 DE MARÇO DE 2014 (Dispõe sobre a instituição e obrigatoriedade da nota fiscal eletrônica de serviços, da declaração eletrônica de prestadores e tomadores de serviços, com pertinência

Leia mais

DECRETO N.º 3.937, DE 27 DE MARÇO DE 2012.* (JOM DE 30/03 E 04/04/2012)

DECRETO N.º 3.937, DE 27 DE MARÇO DE 2012.* (JOM DE 30/03 E 04/04/2012) DECRETO N.º 3.937, DE 27 DE MARÇO DE 2012.* (JOM DE 30/03 E 04/04/2012) Institui a Nota Fiscal Eletrônica de Serviços, NFS e e o Recibo Provisório de Serviço RPS e dá outras providências. A PREFEITA MUNICIPAL

Leia mais

Programa de Estudos CASP 2012

Programa de Estudos CASP 2012 Programa de Estudos CASP 2012 Procedimentos Patrimoniais Apropriação da Receita por Competência Grupo de Estudos CASP : Sub Grupo Créditos Tributários Justificativa Técnica ( IPSAS, NBCASP, PRINCÍPIOS)

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO SINDICAL RURAL - Considerações - Ano 2013. Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 24/01/2013. Sumário:

CONTRIBUIÇÃO SINDICAL RURAL - Considerações - Ano 2013. Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 24/01/2013. Sumário: CONTRIBUIÇÃO SINDICAL RURAL - Considerações - Ano 2013 Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 24/01/2013. Sumário: 1 - Introdução 2 - Constitucionalidade 3 - Obrigação 3.1 - Estabelecimentos

Leia mais

PROGRAMAS E PROJETOS DE COOPERAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE PROGRAMAS E PROJETOS DE COOPERAÇÃO COOPE. www.ucp.fazenda.gov.br

PROGRAMAS E PROJETOS DE COOPERAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE PROGRAMAS E PROJETOS DE COOPERAÇÃO COOPE. www.ucp.fazenda.gov.br COORDENAÇÃO-GERAL DE PROGRAMAS E PROJETOS DE COOPERAÇÃO COOPE www.ucp.fazenda.gov.br PROGRAMAS EM ANDAMENTO Programa Nacional de Apoio à Gestão Administrativa e Fiscal dos Municípios Brasileiros - PNAFM

Leia mais

*Lei Complementar 374/2009: CAPÍTULO I DA INSCRIÇÃO, LEGALIZAÇÃO E BAIXA

*Lei Complementar 374/2009: CAPÍTULO I DA INSCRIÇÃO, LEGALIZAÇÃO E BAIXA *Lei Complementar 374/2009: LEI COMPLEMENTAR Nº 374, DE 23 DE SETEMBRO DE 2009. REGULAMENTA O TRATAMENTO DIFERENCIADO E FAVORECIDO ÀS MICROEMPRESAS, ÀS EMPRESAS DE PEQUENO PORTE E AOS MICROEMPRESÁRIOS

Leia mais

O futuro da tributação sobre o consumo no Brasil: melhorar o ICMS ou criar um IVA amplo? Perspectivas para uma Reforma Tributária

O futuro da tributação sobre o consumo no Brasil: melhorar o ICMS ou criar um IVA amplo? Perspectivas para uma Reforma Tributária 1 XI CONGRESSO NACIONAL DE ESTUDOS TRIBUTÁRIOS O futuro da tributação sobre o consumo no Brasil: melhorar o ICMS ou criar um IVA amplo? Perspectivas para uma Reforma Tributária Osvaldo Santos de Carvalho

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BAMBUÍ Praça Mozart Torres, 68 Bairro Centro Cep.: 38.900-000 BAMBUÍ - MG CNPJ: 20.920.567/0001-93

PREFEITURA MUNICIPAL DE BAMBUÍ Praça Mozart Torres, 68 Bairro Centro Cep.: 38.900-000 BAMBUÍ - MG CNPJ: 20.920.567/0001-93 . DECRETO Nº 1.763 DE 18 DE MARÇO DE 2014. PREFEITO MUNICIPAL DE BAMBUÍ, em vigor, Estado de Minas Gerais, no uso de suas atribuições legais, DECRETA: CAPÍTULO I DO SISTEMA ELETRÔNICO DE GESTÃO DO ISSQN

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA NOS MUNICÍPIOS: A CARREIRA DO AUDITOR TRIBUTÁRIO MUNICIPAL E A LEGITIMIDADE DO CRÉDITO TRIBUTÁRIO 1

ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA NOS MUNICÍPIOS: A CARREIRA DO AUDITOR TRIBUTÁRIO MUNICIPAL E A LEGITIMIDADE DO CRÉDITO TRIBUTÁRIO 1 ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA NOS MUNICÍPIOS: A CARREIRA DO AUDITOR TRIBUTÁRIO MUNICIPAL E A LEGITIMIDADE DO CRÉDITO TRIBUTÁRIO 1 I BREVE INTRODUÇÃO O presente trabalho pretende conscientizar a sociedade e

Leia mais

PARECER/PGFN/CAT Nº 1851 /2013

PARECER/PGFN/CAT Nº 1851 /2013 PROCURADORIA-GERAL DA FAZENDA NACIONAL Registro nº. 6803/2013 PARECER/PGFN/CAT Nº 1851 /2013 Parecer público. Retenção de tributos federais sobre o montante a ser pago pelo fornecimento de energia elétrica.

Leia mais

Prefeitura Municipal de Cruzeiro

Prefeitura Municipal de Cruzeiro DECRETO Nº. 345, DE 28 DE JUNHO DE 2012. Dispõe sobre a instituição do regime especial de emissão de nota fiscal de Serviço Eletrônica nfs-e, aos contribuintes prestadores de serviços sujeitos à tributação

Leia mais

TRIBUTAÇÃO PELO IPTU: GEOINFORMAÇÃO E ATUALIZAÇÃO CADASTRAL

TRIBUTAÇÃO PELO IPTU: GEOINFORMAÇÃO E ATUALIZAÇÃO CADASTRAL TRIBUTAÇÃO PELO IPTU: GEOINFORMAÇÃO E ATUALIZAÇÃO CADASTRAL Lauro Marino Wollmann Agente Fiscal da Receita Municipal Secretaria da Fazenda - Porto Alegre Porto Alegre, 20 de novembro de 2014. Para exigir

Leia mais

CATÁLOGO DE AÇÕES EDUCACIONAIS DA ESCOEX PREVISTOS - 2013 CURSOS A DISTÂNCIA- EAD PARA SERVIDORES DO TCE E JURISDICIONADOS

CATÁLOGO DE AÇÕES EDUCACIONAIS DA ESCOEX PREVISTOS - 2013 CURSOS A DISTÂNCIA- EAD PARA SERVIDORES DO TCE E JURISDICIONADOS CATÁLOGO DE AÇÕES EDUCACIONAIS DA ESCOEX PREVISTOS - 2013 CURSOS - EAD PARA SERVIDORES DO TCE E CURSOS OBJETIVO PÚBLICO-ALVO CARGA HORÁRIA N. DE VAGAS MODALIDADE 1. As Novas Normas de Contabilidade Aplicada

Leia mais

República Federativa do Brasil Estado do Ceará Município de Juazeiro do Norte Poder Executivo

República Federativa do Brasil Estado do Ceará Município de Juazeiro do Norte Poder Executivo DECRETO N.º 501, DE 27 DE SETEMBRO DE 2011. Regulamenta a instituição do gerenciamento eletrônico do ISSQN- Imposto Sobre Serviços de Qualquer Natureza, a escrituração econômico-fiscal e a emissão de documento

Leia mais

MANUAL DO CONTRIBUINTE. S I S T E M A E L E T R Ô N I C O ISSQN d e T e r e s ó p o l i s

MANUAL DO CONTRIBUINTE. S I S T E M A E L E T R Ô N I C O ISSQN d e T e r e s ó p o l i s MANUAL DO CONTRIBUINTE S I S T E M A E L E T R Ô N I C O d e T e r e s ó p o l i s S NI OS T VE OM A S IE SL TE T ER MÔ AN I DC O E Prezado Contribuinte, A Secretaria Municipal de Fazenda tem como prioridade

Leia mais

SEMINÁRIO INTERNACIONAL

SEMINÁRIO INTERNACIONAL SEMINÁRIO INTERNACIONAL Performance Budgeting: Orçamento por Resultados Mauro Ricardo Machado Costa Dezembro/2008 1 SEMINÁRIO INTERNACIONAL Performance Budgeting: Orçamento por Resultados PLANEJAMENTO

Leia mais

D E C R E T A CAPÍTULO I DO RESPONSÁVEL E DA ABRANGÊNCIA

D E C R E T A CAPÍTULO I DO RESPONSÁVEL E DA ABRANGÊNCIA Imprimir "Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial do Estado." DECRETO Nº 13.869 DE 02 DE ABRIL DE 2012 Estabelece procedimentos a serem adotados pelos órgãos e entidades da Administração

Leia mais

CAPÍTULO I DA NOTA FISCAL ELETRÔNICA

CAPÍTULO I DA NOTA FISCAL ELETRÔNICA LEI Nº 2.182, DE 24 DE MAIO DE 2011. Institui a Nota Fiscal Eletrônica de Serviços no Município de Louveira, define forma, prazo e declarações de recolhimento do ISSQN pelo Sistema Eletrônico e dá outras

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE DELTA Estado de Minas Gerais

PREFEITURA MUNICIPAL DE DELTA Estado de Minas Gerais DECRETO Nº 1454/2013 Regulamenta a Lei Municipal nº 018, 30 de dezembro de 1997, que instituiu o Código Tributário Municipal que dispõe sobre o Imposto sobre Serviço de Qualquer Natureza e institui a Nota

Leia mais

PUBLICADO NO ÓRGÃO OFICIAL DO MUNICÍPIO Nº 1750 DO DIA 06/08/2012.

PUBLICADO NO ÓRGÃO OFICIAL DO MUNICÍPIO Nº 1750 DO DIA 06/08/2012. PUBLICADO NO ÓRGÃO OFICIAL DO MUNICÍPIO Nº 1750 DO DIA 06/08/2012. DECRETO N 1426/2012 Regulamenta a entrega da Declaração Mensal de Serviços Eletrônica por prestadores e tomadores de serviços e dá outras

Leia mais

O Controle Interno no Âmbito do Poder Executivo

O Controle Interno no Âmbito do Poder Executivo O Controle Interno no Âmbito do Poder Executivo Contextualização Sumário - O Controle na Administração Pública - O Controle Externo - O Controle Interno O Controle Interno do Poder Executivo do Estado

Leia mais

CAPÍTULO I DA CARREIRA Seção I Disposições iniciais. Seção II Do quadro

CAPÍTULO I DA CARREIRA Seção I Disposições iniciais. Seção II Do quadro LEI COMPLEMENTAR Nº 442, de 13 de maio de 2009 Procedência Governamental Natureza PLC/0006.2/2009 DO. 18.604 de 14/05/2009 *Alterada pela LC 534/11 *Ver Lei LC 534/11 (art. 72) *Regulamentada pelo Dec.

Leia mais

Programa Saúde da Família - PSF

Programa Saúde da Família - PSF COORDENAÇÃO-GERAL DE NORMAS DE CONTABILIDADE APLICADAS À FEDERAÇÃO - CCONF GERÊNCIA DE NORMAS E PROCEDIMENTOS DE GESTÃO FISCAL - GENOP Programa Saúde da Família - PSF REUNIÃO DO GRUPOS TÉCNICOS DE PADRONIZAÇÃO

Leia mais

Marcones Libório de Sá Prefeito

Marcones Libório de Sá Prefeito Mensagem n. 010 /2015 Salgueiro, 14 de Setembro de 2015. Senhor Presidente, Senhores (as) Vereadores (as), Considerando os princípios de descentralização e transparência, que tem levado esta administração

Leia mais

I quando o prestador de serviços estabelecido no Município do Rio de Janeiro executar serviço;

I quando o prestador de serviços estabelecido no Município do Rio de Janeiro executar serviço; DECRETO N.º 32.250 DE 11 DE MAIO DE 2010. [Publicado no D.O. Rio de 12.05.2010.] [Alterado pelo Decreto nº 32.549, de 20.07.2010, publicado no D.O. Rio de 21.07.2010.] [Alterado pelo Decreto nº 32.601,

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE RIO NEGRO

PREFEITURA MUNICIPAL DE RIO NEGRO LEI COMPLEMENTAR Nº 008/2009 SÚMULA: "DÁ NOVA REDAÇÃO À LEI 1687/2007, QUE CRIA A DECLARAÇÃO ELETRÔNICA DE SERVIÇOS DES, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. A Câmara Municipal de Rio Negro, Estado do Paraná, aprovou

Leia mais

NOTA TÉCNICA Nº 16/2014

NOTA TÉCNICA Nº 16/2014 NOTA TÉCNICA Nº 16/2014 Brasília, 11 de Julho de 2014. ÁREA: Finanças TÍTULO: Adesão do Imposto Territorial Rural. REFERÊNCIA(S): Portal Receita Federal do Brasil (RFB) Lei nº 11.250, de 27 de dezembro

Leia mais

b) custeio geral da administração e das atividades públicas. Em regra, sem vinculações a órgão, fundo ou despesa

b) custeio geral da administração e das atividades públicas. Em regra, sem vinculações a órgão, fundo ou despesa UNIDADE VII 1. IMPOSTOS a) definição legal (tributo não-vinculado) b) custeio geral da administração e das atividades públicas. Em regra, sem vinculações a órgão, fundo ou despesa c) pessoalidade, em regra

Leia mais

Itens a serem tratados Fatores de Sucesso Objetivos Premissas Estratégia Atuação Infraestrutura Global Infraestrutura Específica Execução

Itens a serem tratados Fatores de Sucesso Objetivos Premissas Estratégia Atuação Infraestrutura Global Infraestrutura Específica Execução S E M A A T 1º SEMINÁRIO AIAMU DE ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA MUNICIPAL PAINEL Ferramentas Eletrônicas no Aprimoramento da Administração Tributá Municipal Fiscalização Tributá Itens a serem tratados Fatores

Leia mais

EDUCAÇÃO FISCAL PARA A CIDADANIA. Abril / 2014

EDUCAÇÃO FISCAL PARA A CIDADANIA. Abril / 2014 EDUCAÇÃO FISCAL PARA A CIDADANIA Abril / 2014 Reflexão Inicial Se a educação sozinha não transforma a sociedade, sem ela tampouco a sociedade muda. (Paulo Freire) Mundo em Crise 30 mil crianças morrem

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BRUMADO ESTADO DA BAHIA CNPJ/MF Nº 14.105.704/0001-33 Praça Cel. Zeca Leite, nº 415 Centro CEP: 46100-000 Brumado-BA

PREFEITURA MUNICIPAL DE BRUMADO ESTADO DA BAHIA CNPJ/MF Nº 14.105.704/0001-33 Praça Cel. Zeca Leite, nº 415 Centro CEP: 46100-000 Brumado-BA DECRETO Nº 4.496, DE 22 DE JULHO DE 2011 Regulamenta os procedimentos para Escrituração Fiscal e Recolhimento de Tributos Municipais de forma Eletrônica no Município de Brumado, e dá outras providências.

Leia mais

Ministério da Previdência Social

Ministério da Previdência Social Ministério da Previdência Social Secretaria Executiva Assessoria de Cadastros Corporativos CNIS Cadastro Nacional de Informações Sociais Fundamentação Legal Criado pelo Decreto 97.936, de 10 de julho de

Leia mais

FUNDO E ORÇAMENTO NA POLÍTICA DE ATENDIMENTO A CRIANÇA E AO ADOLESCENTE

FUNDO E ORÇAMENTO NA POLÍTICA DE ATENDIMENTO A CRIANÇA E AO ADOLESCENTE FUNDO E ORÇAMENTO NA EFETIVAÇÃO DA POLÍTICA DE ATENDIMENTO À CRIANÇA E AO ADOLESCENTE Eugênia Aparecida Cesconeto 1 Política Social e Serviço Social INTRODUÇÃO O presente artigo tem por objetivo apresentar

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE FAZENDA DIRETORIA DE TRIBUTOS MOBILIÁRIOS ISS-Londrina-DMS - PERGUNTAS E RESPOSTAS

SECRETARIA MUNICIPAL DE FAZENDA DIRETORIA DE TRIBUTOS MOBILIÁRIOS ISS-Londrina-DMS - PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE O PROGRAMA ISS-Londrina-DMS - Perguntas (Seqüencia Atual e Anterior) 001-001 - O que é o ISS-Londrina Declaração Mensal de Serviço? O ISS-Londrina-DMS é um sistema Integrado para gerenciamento do

Leia mais

LEI MUNICIPAL N 4.884 de 13 de dezembro de 2013

LEI MUNICIPAL N 4.884 de 13 de dezembro de 2013 LEI MUNICIPAL N 4.884 de 13 de dezembro de 2013 Institui a Nota Fiscal de Serviços Eletrônica NFS-e no Município de Três Passos. JOSÉ CARLOS ANZILIERO AMARAL, Prefeito em exercício de Três Passos, Estado

Leia mais

Auditoria em Finanças. Rosilene Berton Paschoalin Marcia Cristina Feltes

Auditoria em Finanças. Rosilene Berton Paschoalin Marcia Cristina Feltes Auditoria em Finanças Rosilene Berton Paschoalin Marcia Cristina Feltes Atribuições (Lei Municipal nº 10.130/2000) Art. 8º -Ficam acrescidas às competências da Secretaria Municipal de Finanças, descritas

Leia mais

Sped altera realidade fiscal e contábil das empresas

Sped altera realidade fiscal e contábil das empresas Sped altera realidade fiscal e contábil das empresas O governo brasileiro, por meio da Receita Federal do Brasil (RFB), está implantando mais um avanço na informatização da relação entre o fisco e os contribuintes.

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL (LRF) Atualizado até 13/10/2015 LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL A Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) tem como base alguns princípios,

Leia mais

Projeto EFD Social Programa de Unificação do Crédito (Fazendário e Previdenciário)

Projeto EFD Social Programa de Unificação do Crédito (Fazendário e Previdenciário) Projeto EFD Social Programa de Unificação do Crédito (Fazendário e Previdenciário) Projeto EFD Social Integra o Programa de Unificação do Crédito Previdenciário) PUC 1 (Fazendário e Iniciativa

Leia mais

I sob o enfoque contábil: Modelo de Projeto de Lei de Controle Interno Controladoria e Auditoria

I sob o enfoque contábil: Modelo de Projeto de Lei de Controle Interno Controladoria e Auditoria Modelo de Projeto de Lei de Controle Interno Controladoria e Auditoria Dispõe sobre a organização e a atuação do Sistema de Controle Interno no Município e dá outras providências. CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES

Leia mais

orçamentária se realize na conformidade dos pressupostos da responsabilidade fiscal.

orçamentária se realize na conformidade dos pressupostos da responsabilidade fiscal. PORTARIA Nº O SECRETÁRIO DO TESOURO NACIONAL, no uso das atribuições que lhe confere a Portaria nº 403, de 2 de dezembro de 2005, do Ministério da Fazenda, e Considerando o disposto no 2º do art. 50 da

Leia mais

A Sombra do Imposto. Cartilha III - Corrupção

A Sombra do Imposto. Cartilha III - Corrupção Cartilha III - Corrupção A Sombra do Imposto Boa parte do que pagamos em tributos é desviada pela corrupção. Temos o dever de cobrar a correta aplicação dos recursos. A corrupção e a carga tributária O

Leia mais

RESUMO ESPANDIDO QUALITATIVO NOTA FISCAL ELETRÔNICA: MUDANÇAS E REPERCUSSÕES PARA EMPRESAS E ÓRGÃOS FISCALIZADORES

RESUMO ESPANDIDO QUALITATIVO NOTA FISCAL ELETRÔNICA: MUDANÇAS E REPERCUSSÕES PARA EMPRESAS E ÓRGÃOS FISCALIZADORES RESUMO ESPANDIDO QUALITATIVO NOTA FISCAL ELETRÔNICA: MUDANÇAS E REPERCUSSÕES PARA EMPRESAS E ÓRGÃOS FISCALIZADORES Anilton ROCHA SILVA, Carina VIAL DE CANUTO, Carolina CLIVIAN PEREIRA XAVIER, Débora LORAINE

Leia mais

EDITAL ESAF/CEEAD Nº 01/2013 CURSO SOBRE O IMPOSTO TERRITORIAL RURAL PARA MUNICÍPIOS CONVENIADOS

EDITAL ESAF/CEEAD Nº 01/2013 CURSO SOBRE O IMPOSTO TERRITORIAL RURAL PARA MUNICÍPIOS CONVENIADOS EDITAL ESAF/CEEAD Nº 01/2013 CURSO SOBRE O IMPOSTO TERRITORIAL RURAL PARA MUNICÍPIOS CONVENIADOS A Escola de Administração Fazendária - ESAF torna público que estão abertas as inscrições para o Curso sobre

Leia mais

A Conjuntura dos Regimes Próprios de Previdência Social no Brasil

A Conjuntura dos Regimes Próprios de Previdência Social no Brasil Seminário Gestão Municipal e os Fundos de Previdência A Conjuntura dos Regimes Próprios de Previdência Social no Brasil Reflexos na Gestão Municipal Certificado de Regularidade Previdenciária CRP e Certidão

Leia mais

Professor José Sérgio Fernandes de Mattos

Professor José Sérgio Fernandes de Mattos Professor Apresentação: 1. Instituído pelo Decreto nº 6.022, de 22 de janeiro de 2007, o Sistema Público de Escrituração Digital (Sped) faz parte do Programa de Aceleração do Crescimento do Governo Federal

Leia mais

Ordem dos Advogados do Brasil Seção do Paraná

Ordem dos Advogados do Brasil Seção do Paraná Protocolo nº 6378/2013 PARECER JURÍDICO ASSUNTO: Atos judiciais que ordenem e vinculem o pagamento de alvarás judiciais de honorários advocatícios à comprovação de recolhimento de DARF do Imposto de Renda

Leia mais

NOTA FISCAL DE SERVIÇOS ELETRÔNICA CARTILHA E TUTORIAL DE USO DA FERRAMENTA SUMÁRIO

NOTA FISCAL DE SERVIÇOS ELETRÔNICA CARTILHA E TUTORIAL DE USO DA FERRAMENTA SUMÁRIO NFS-e NOTA FISCAL DE SERVIÇOS ELETRÔNICA CARTILHA E TUTORIAL DE USO DA FERRAMENTA SUMÁRIO 1. NFS-e 1.1 Considerações Iniciais 1.2 Definição 1.3 Regras de uso 1.3.1 Quem está obrigado a emitir a NFS-e?

Leia mais

Nota Fiscal Eletrônica de Serviços Manual do Sistema

Nota Fiscal Eletrônica de Serviços Manual do Sistema 1 Índice Apresentação... 3 Entrada no sistema... 4 Manual da NFe de Serviços Módulo Tomador... 5 Consultar RPS Recibo Provisório de Serviços... 6 Verificar a Autenticidade de Nota Fiscal...7 Geração de

Leia mais

Município de Taquari Estado do Rio Grande do Sul

Município de Taquari Estado do Rio Grande do Sul Lei nº. 3.823, de 28 de abril de 2015. Institui a Nota Fiscal de Serviço, a escrituração e a emissão da Guia de arrecadação de ISS, por meio eletrônico. EMANUEL HASSEN DE JESUS, Prefeito Municipal de Taquari,

Leia mais

CONSIDERANDO o disposto no 2º do artigo 10, do Código Tributário do Município de Caucaia,

CONSIDERANDO o disposto no 2º do artigo 10, do Código Tributário do Município de Caucaia, DECRETO Nº 319, DE 04 DE OUTUBRO DE 2011 Institui a Nota Fiscal de Serviços Eletrônica, dispõe sobre a escrituração eletrônica de serviços, e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL DE CAUCAIA, no

Leia mais

(Do Sr. Antonio Carlos Mendes Thame) O Congresso Nacional decreta:

(Do Sr. Antonio Carlos Mendes Thame) O Congresso Nacional decreta: PROJETO DE LEI N o, DE 2005 (Do Sr. Antonio Carlos Mendes Thame) Dispõe sobre a desburocratização dos processos de constituição, funcionamento e baixa das microempresas e empresas de pequeno porte, nos

Leia mais

O controle de renúncia de receitas

O controle de renúncia de receitas Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso do Sul Escola Superior de Controle Externo O controle de renúncia de receitas Apresentação J.R. Caldas Furtado Junho2015 1 O controle externo na Constituição

Leia mais

NOTA FISCAL DE SERVIÇOS ELETRÔNICA

NOTA FISCAL DE SERVIÇOS ELETRÔNICA 1 NOTA FISCAL DE SERVIÇOS ELETRÔNICA TUTORIAL DE USO DA FERRAMENTA ANO 2012 2 Sumário 1 Nota Fiscal de Serviços eletrônica - NFS-e... 3 1.1 Considerações Iniciais... 3 1.2 Legislação... 3 1.3 Definição...

Leia mais

III Seminário de Gestão e. Arrecadação Municipal

III Seminário de Gestão e. Arrecadação Municipal III Seminário de Gestão e iza Arrecadação Municipal Modernização dos Instrumentos de Arrecadação Fontes de Financiamento para Fazendas Públicas Municipais. Temas abordados no evento: 1. Alternativas de

Leia mais

MENSAGEM N 36, DE 2015

MENSAGEM N 36, DE 2015 CÂMARA DOS DEPUTADOS COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DE DEFESA NACIONAL MENSAGEM N 36, DE 2015 Submete à consideração do Congresso Nacional o texto do Acordo entre o Governo da República Federativa do

Leia mais

Assunto: RECOMENDAÇÃO CONJUNTA MPC/MPE/MPF Portais da Transparência.

Assunto: RECOMENDAÇÃO CONJUNTA MPC/MPE/MPF Portais da Transparência. Ofício PG N.º /2014 Maceió, 22 de julho de 2014. Assunto: RECOMENDAÇÃO CONJUNTA MPC/MPE/MPF Portais da Transparência. Senhor Gestor, 1. O Ministério Público de Contas, o Ministério Público Estadual e o

Leia mais

DECRETO Nº. 531 DE 01 DE JULHO DE 2012.

DECRETO Nº. 531 DE 01 DE JULHO DE 2012. DECRETO Nº. 531 DE 01 DE JULHO DE 2012. Regulamenta o uso da Nota Fiscal de Serviços Eletrônica no ISSQN, a forma e o prazo de recolhimento dos tributos municipais e respectivos acréscimos perante o Código

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE COTIA Estado de São Paulo

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE COTIA Estado de São Paulo LEI COMPLEMENTAR Nº 98, DE 23 DE JULHO DE 2008. INSTITUI O GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DO IMPOSTO SOBRE SERVIÇOS DE QUALQUER NATUREZA ISSQN, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. JOAQUIM H. PEDROSO NETO, Prefeito do

Leia mais

ANO XXII - 2011-3ª SEMANA DE ABRIL DE 2011 BOLETIM INFORMARE Nº 16/2011 TRIBUTOS FEDERAIS SIMPLES NACIONAL

ANO XXII - 2011-3ª SEMANA DE ABRIL DE 2011 BOLETIM INFORMARE Nº 16/2011 TRIBUTOS FEDERAIS SIMPLES NACIONAL ANO XXII - 2011-3ª SEMANA DE ABRIL DE 2011 BOLETIM INFORMARE Nº 16/2011 TRIBUTOS FEDERAIS REGIME DE TRIBUTAÇÃO UNIFICADA (RTU) - HABILITAÇÃO E CREDENCIAMENTO DE INTERVENIENTES - NORMAS GERAIS Introdução

Leia mais

Palestra. ICMS/SP Substituição Tributária Regime Especial Distribuidor. Apoio: Elaborado por: Giuliano Kessamiguiemon Gioia

Palestra. ICMS/SP Substituição Tributária Regime Especial Distribuidor. Apoio: Elaborado por: Giuliano Kessamiguiemon Gioia Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº 1191/2015, de 28-04-2015.

LEI MUNICIPAL Nº 1191/2015, de 28-04-2015. LEI MUNICIPAL Nº 1191/2015, de 28-04-2015. DISPÕE SOBRE O SISTEMA DE CONTROLE INTERNO DO MUNICÍPIO DE MORMAÇO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. LUÍS CARLOS MACHADO PREFEITO MUNICIPAL DE MORMAÇO, Estado do Rio

Leia mais

DECRETO Nº26/2015, DE 13 DE OUTUBRO 2015.

DECRETO Nº26/2015, DE 13 DE OUTUBRO 2015. DECRETO Nº26/2015, DE 13 DE OUTUBRO 2015. Dispõe sobre a instituição do Sistema Eletrônico de Gestão para o cumprimento das obrigações fiscais do IMPOSTO SOBRE SERVIÇOS DE QUALQUER NATUREZA - ISSQN no

Leia mais

Documento de Visão Sistema de Arrecadação de IPTU - SAI

Documento de Visão Sistema de Arrecadação de IPTU - SAI Sistema de Arrecadação de IPTU - SAI Versão 1.1R01 Histórico de Revisão Data Versão Descrição Autor (es) 12/08/2008 1.0 Documento inicial Márcio Roehe 26/08/2008 1.1 Revisão Ajustes e complementação Roberto

Leia mais

Professor Alex Sandro.

Professor Alex Sandro. 1 (OAB 2009-3 CESPE Q. 58) Considere que João e Marcos tenham deliberado pela constituição de sociedade limitada, com atuação no segmento de transporte de cargas e passageiros na América do Sul. Nessa

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br O Simples nacional e o regime de estimativa do ISSQN Francisco José Gomes * Introdução A Lei Complementar nº 123, de 14 de dezembro de 2006, que instituiu o Estatuto Nacional da

Leia mais

e CNPJ Benefícios do e-cnpj

e CNPJ Benefícios do e-cnpj São Paulo, Julho de 2009 e CNPJ O e-cnpj é um documento eletrônico em forma de certificado digital, que garante a autenticidade e a integridade na comunicação entre pessoas jurídicas e a Receita Federal

Leia mais

06) Precisa atender o princípio da noventena: 01) Qual ente é destituído de poder para instituir tributo?

06) Precisa atender o princípio da noventena: 01) Qual ente é destituído de poder para instituir tributo? 01) Qual ente é destituído de poder para instituir tributo? a) União b) Estado c) Território Federal d) Distrito Federal 02) Qual diploma normativo é apto para estabelecer normas gerais em matéria de legislação

Leia mais

PROFISCO. Brasilia, 29 de setembro de 2014

PROFISCO. Brasilia, 29 de setembro de 2014 PROFISCO Avaliação Intermediária II Brasilia, 9 de setembro de 04 Estrutura da Apresentação Visão Geral Avaliação de Desempenho do PROGRAMA Impactos Avaliação de Desempenho dos PROJETOS Contexto Fiscal

Leia mais

A Resolução 13 do Senado Federal

A Resolução 13 do Senado Federal A Resolução 13 do Senado Federal Paulo Ayres Barreto Professor Associado - USP Aspectos gerais Investidores buscam ambiente seguro. Ambiente atual de negócios no Brasil afasta investidores. Custo Brasil

Leia mais

QUEM PODE HABILITAR-SE NO SICONV?

QUEM PODE HABILITAR-SE NO SICONV? O QUE É SICONV? Criado pelo Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, o SICONV Sistema de Convênio, tem como uma das finalidades, facilitar as apresentações de projetos aos programas ofertados pelo

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 297, DE 2006

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 297, DE 2006 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 297, DE 2006 Inclui as doações aos Fundos controlados pelos Conselhos de Assistência Social na permissão para dedução do imposto de renda devido pelas pessoas físicas e jurídicas.

Leia mais

RECOMENDAÇÃO 002/2011

RECOMENDAÇÃO 002/2011 RECOMENDAÇÃO 002/2011 OFÍCIO DO PATRIMÔNIO PÚBLICO E SOCIAL O MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL, por intermédio do Procurador da República signatário, no uso de suas atribuições legais e constitucionais, com

Leia mais

DECRETO Nº. 024, de 11 de Maio de 2010.

DECRETO Nº. 024, de 11 de Maio de 2010. DECRETO Nº. 024, de 11 de Maio de 2010. REGULAMENTA O PARÁGRAFO ÚNICO DO ARTIGO 2º DA LEI Nº 891, DE 11 DE MAIO DE 2010, QUE INSTITUI A NOTA FISCAL ELETRÔNICA DE SERVIÇOS E DISPÕE SOBRE A GERAÇÃO E UTILIZAÇÃO

Leia mais

Gildo Freire de Araújo

Gildo Freire de Araújo A Contabilidade das empresas diante das novas medidas Contador: Gildo Freire de Araújo Cenário atual Os empregadores são obrigados a registrar os eventos trabalhistas de várias maneiras diferentes e a

Leia mais

esocial Sistema de Escrituração Fiscal Digital das Obrigações Fiscais, Copyright 2013 1

esocial Sistema de Escrituração Fiscal Digital das Obrigações Fiscais, Copyright 2013 1 esocial Sistema de Escrituração Fiscal Digital das Obrigações Fiscais, Copyright 2013 1 O que é esocial? É o projeto de escrituração digital da folha de pagamento e das obrigações trabalhistas, previdenciárias

Leia mais

ICMS: SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA NO SIMPLES NACIONAL

ICMS: SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA NO SIMPLES NACIONAL ICMS: SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA NO SIMPLES NACIONAL Cláudio José Trinchão Santos Secretário da Fazenda do Maranhão Coordenador dos Secretários de Fazenda no CONFAZ Tributação no Brasil e no mundo Brasil

Leia mais

MUNICÍPIO DE PIRACICABA - SP

MUNICÍPIO DE PIRACICABA - SP ANEXO III - DESCRIÇÃO DOS ES E METAS DOS S GOVERNAMENTAIS 02-ALTERACAO SUB 121-PLANEJAMENTO E ORCAMENTO AÇÃO 18 0005-ASSISTENCIA FINANCEIRA DE MODERNIZAÇÃO FISCAL PROMOVER O DESENVOLVIMENTO DE PROJETOS

Leia mais