ESTADO NUTRICIONAL E DESENVOLVIMENTO NEUROPSICOMOTOR DE CRIANÇAS MATRICULADAS EM UMA CRECHE FILANTRÓPICA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESTADO NUTRICIONAL E DESENVOLVIMENTO NEUROPSICOMOTOR DE CRIANÇAS MATRICULADAS EM UMA CRECHE FILANTRÓPICA"

Transcrição

1 ESTADO NUTRICIONAL E DESENVOLVIMENTO NEUROPSICOMOTOR DE CRIANÇAS MATRICULADAS EM UMA CRECHE FILANTRÓPICA NUTRITIONAL STATUS AND NEUROPSYCHOMOTOR DEVELOPMENT OF CHILDREN ATTENDING A PHILANTHROPIC DAY NURSERY Andiara Nunes Araújo Especialista em Saúde Pública. Nutricionista do Hospital Municipal Eliane Martins, Ipatinga/MG. Nilcemar Rodrigues Carvalho Cruz Mestre em Ciência da Nutrição. Docente do Curso de Nutrição da Universidade Federal de Viçosa/campus de Rio Paranaíba. RESUMO Este estudo teve como objetivo avaliar o perfil nutricional e neuropsicomotor em crianças matriculadas em uma creche filantrópica no município de Timóteo, Minas Gerais. Foram analisados o peso e a estatura através dos índices antropométricos Peso/Idade (P/I), Estatura/Idade (E/I) e Peso/Estatura (P/E) que foram expressos pelo escore Z e avaliados segundo o padrão da OMS (2006). Foi realizada a dosagem dos níveis de hemoglobina para investigar a prevalência de anemia. Realizou-se também a avaliação neuropsicomotora utilizando o teste de Denver II. A amostra foi constituída por 22 crianças na faixa etária de 6 a 48 meses. Foi observado 4,54% e 22,72% de crianças com sobrepeso de acordo com os índices P/I e P/E, respectivamente. Quanto ao índice E/I, encontrou-se 13,63% de crianças com baixa estatura. A prevalência de anemia foi de 31,82% e de suspeita de atraso no desenvolvimento neuropsicomotor foi de 77,27%. Através do presente estudo observou-se alta prevalência de crianças com baixa estatura, anêmicos, excesso de peso e com déficit neuropsicomotor. Palavras-chave: baixa estatura; anemia; desnutrição; sobrepeso; Teste de Denver. 999

2 ABSTRACT This study aimed to evaluate the nutritional status and neuro-psychomotor children attending a philantropic nursery in the city of Timóteo, Minas Gerais. The weight and height were analysed by anthropometric index weight/age (W/A), height/age (H/A) and weight/height (P/H) that were expressed by Z scores and evaluated according to WHO standard (2006). Was performed the dosage of hemoglobin levels to investigate the prevalence of anemia. The evaluation neuropsychomotor was carried using the Denver II test. The sample consisted of 22 children aged 6 to 48 months. Overweight prevalence was 4.54% (n = 1) and 22.72% (n = 5) according to the index W/A and P/H, respectively. The H/A, was found 13.63% (n = 3) of children with short stature. The prevalence of anemia was 31.82% (n = 7) and suspected developmental delay was 77.27% (n = 17). Through this study we observed a high prevalence of children with short stature, anemia, excess weight and neuro-psychomotor deficits. Key words: under height, anemia, malnutrition, overweight, Denver II Test. INTRODUÇÃO A desnutrição energético-protéica atinge 32% das crianças menores de cinco anos no Brasil, sendo que 5% delas apresentam grau moderado ou grave. Os grupos etários mais atingidos são os lactentes e pré-escolares, apresentando geralmente retardo no desenvolvimento neuropsicomotor. Algumas áreas parecem ser mais afetadas como a memória, a coordenação viso motora e a linguagem, podendo acarretar prejuízo no rendimento em idade escolar (MANSUR; NETO, 2006). Por outro lado, em alguns países da América Latina observou-se tendência temporal de diminuição da desnutrição infantil associado ao aumento da prevalência da obesidade. No Brasil, esta transição nutricional ainda não é muito evidente, porém existem relatos de que a prevalência de obesidade supera a de desnutrição infantil (BUENO; FISBERG, 2006; LEAL et al., 2012). Apesar de o baixo peso apresentar índices cada vez menores entre as crianças, a deficiência de micronutrientes, principalmente relacionada ao ferro é bastante preocupante, sendo esta a principal etiologia da anemia em países em desenvolvimento. A Organização Mundial de Saúde (OMS) estima que o número de pessoas anêmicas no mundo seja de aproximadamente 2 bilhões (ASSUNÇÃO; 1000

3 SANTOS, 2007). A anemia é a carência nutricional mais comum no mundo, sendo mais freqüente em crianças por elas possuírem maior necessidade de ferro (ASSUNÇÃO et al., 2007). A anemia pode ser definida como um estado no qual ocorre uma redução na concentração de hemoglobina do sangue, ficando abaixo do esperado, podendo ser evidenciada pela diminuição da qualidade ou quantidade de células vermelhas no sangue (HEIJBLOM; SANTOS, 2007). Entre as conseqüências desta deficiência estão: o retardo no crescimento e desenvolvimento motor, a diminuição da atividade física, a desatenção, alterações cognitivas e de aquisição de conceitos, bem como baixa pontuação nos testes de rendimento mental (PEREIRA et al., 2007). Tendo em vista a importância da nutrição no desenvolvimento infantil, este estudo tem por escopo avaliar o perfil nutricional e neuropsicomotor em crianças na faixa etária de 6 a 48 meses, matriculadas em uma creche filantrópica no município de Timóteo, Minas Gerais. MATERIAIS E MÉTODOS Participaram da pesquisa todas as crianças matriculadas em uma creche filantrópica, situada no município de Timóteo, MG, sendo amostra constituída por 22 crianças com idade de 6 a 48 meses, de ambos os sexos. Foi realizada avaliação antropométrica, bioquímica e do desenvolvimento neuropsicomotor. Na avaliação antropométrica foram aferidos o peso e a estatura de acordo com as técnicas propostas OMS (WHO, 1995). As crianças menores de 2 anos foram pesadas em balança pediátrica mecânica marca Filizola com capacidade de 16 Kg e precisão de 10g. As crianças acima de dois anos foram pesadas na balança plataforma, marca Filizola com capacidade se 150 Kg e precisão de 100g. O comprimento das crianças menores de dois anos foi aferido com antropômetro horizontal, com a criança deitada em decúbito dorsal apoiados pela base de madeira da régua. A estatura das crianças maiores de dois anos foi aferida pelo próprio estadiomêtro da balança Filizola. Os índices antropométricos utilizados foram: peso para idade (P/I), estatura para idade (E/I) e peso para estatura (P/E) que foram expressos pelo escore Z, e analisado nas Novas Curvas de 1001

4 Crescimento da OMS (WHO, 2006). Foram consideradas desnutridas todas as crianças cujas relações P/E, P/I, E/I estiveram abaixo de 2 desvios padrão (DP) e obesas quando P/E e P/I foram maiores que +2 desvios padrão (DP). O risco nutricional foi considerado para escore Z igual ou maior -2 até -1 para os três indicadores. Valores de escores Z maior ou igual a 1 até 2 foi considerado risco de sobrepeso para os índices P/E e P/I. Na avaliação bioquímica foi utilizada para diagnóstico de anemia a concentração de hemoglobina do sangue informada no hemograma completo. Esta avaliação foi realizada por um laboratório de análises clínicas da rede privada localizado no mesmo município, sendo a responsabilidade técnica do farmacêutico do local. Foi considerado anêmico quando a criança apresentou hemoglobina menor que 11g/dl, ponto de corte proposto pela OMS (WHO, 1978). Para a avaliação do desenvolvimento neuropsicomotor foi aplicado o Teste de Denver II (FRANKENBURG et al., 1990), utilizando o formulário próprio, com o auxílio de uma terapeuta ocupacional. Para a realização do teste foi utilizado um kit com brinquedos e utensílios e os itens foram registrados no formulário através da observação direta. Foram considerados casos indicativos de suspeita de atraso no desenvolvimento neuropsicomotor a criança que não realizou o item quando 90% ou mais das crianças da faixa etária o realiza, independente da área em que ocorreu (PILZ; SCHERMANN, 2007). Para a realização da pesquisa foi elaborado o Termo de Consentimento Livre e Esclarecido, no qual os pais das crianças assinaram. Foram respeitados todos os cuidados éticos considerando a Resolução nº. 196/96 CNS Conselho Nacional de Saúde (Diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos) e respeitando todos os direitos dos participantes da amostra como cidadãos (BRASIL, 1996). O critério de exclusão foi a não participação em todas as avaliações realizadas. RESULTADOS E DISCUSSÃO A amostra foi constituída por 22 crianças na faixa etária de 6 a 48 meses, sendo 54,54% (n=12) do sexo masculino e 45,45% (n=10) do sexo feminino. 1002

5 Foram observados 4,54% (n=1) e 22,72% (n=5) de crianças com sobrepeso e 36,36% (n=8) e 31,82% (n=7) de crianças com risco de sobrepeso de acordo com os índices P/I e P/E, respectivamente (Tabela 1). No presente estudo não foi observado baixo peso, mas 13,63% (n=3) estavam com risco para baixo em ambos os sexos (Tabela 1). Tabela 1 Estado nutricional segundo os índices P/I e P/E das crianças atendidas em uma creche filantrópica do município de Timóteo-MG Risco de baixo peso Eutrófico Risco de sobrepeso Sobrepeso Classificação P/I 13,63 (n= 3) 45,45 (n= 10) 36,36 (n= 8) 4,54 (n= 1) P/E 13,63 (n= 3) 31,82 (n= 7) 31,82 (n= 7) 22,72 (n= 5) Fonte: dados da pesquisa Um estudo realizado no município de Matão-SP com 47 crianças na fase pré-escolar, atendidas em uma creche municipal, verificou uma prevalência de 6,38% de obesidade como também de baixo peso. O risco de desnutrição foi de 25,53%, sendo maior quando comparado ao risco de obesidade (8,51%) (GUANDALINI; DUTRA-DE-OLIVEIRA, 2005). No entanto, vários estudos realizados em diversas localidades do Brasil, como em São Paulo/SP (VENÂNCIO et al., 2007 e PINTO; OLIVEIRA, 2009), Recife/PE (GRANVILLE-GARCIA et al., 2009), Antônio Prado/RS (MENEGUZZO, et al., 2010) vem demonstrando o aumento de sobrepeso e obesidade infantil entre as crianças da fase pré-escolar, superando os índices de baixo peso. Estes resultados são preocupantes e indicam a necessidade de políticas públicas voltadas para o controle desta situação, visto que, crianças com sobrepeso já podem apresentar fator de risco cardiovascular como distribuição central da gordura corporal e pressão arterial elevada (NOVAES et al., 2009). 1003

6 % de crianças Segundo Simon, Souza e Souza (2009) a prática do aleitamento materno confere uma proteção contra o sobrepeso e a obesidade durante toda a infância, indicando, neste caso, uma importante estratégia de ação. Foi observado que, 13,63% (n=3) das crianças apresentaram baixa estatura e 18,18% (n=4) estavam com risco de baixa estatura (Figura 1). Os distúrbios encontrados podem ser, pelo menos parcialmente, explicados pela alimentação em creches filantrópicas e públicas que geralmente é caracterizada por grande quantidade do consumo de produtos de alta densidade energética, pela monotonia dos cardápios servidos e pela falta de programas de educação alimentar que incentivem a introdução de novos alimentos (TUMA; COSTA; SCHMITZ, 2005). Figura 1 Estado nutricional segundo o índice E/I, das crianças atendidas em uma creche filantrópica do município de Timóteo-MG , ,63 18,18 0 Baixa estatura Risco de baixa estatura Eutrófico O déficit de estatura encontrado neste estudo foi superior ao observado por Fisberg, Marchioni e Cardoso (2004) em crianças assistidas por creches públicas no município de São Paulo e por Castro et al. (2005) em crianças de 24 a 72 meses de idade atendidas em creches municipais de Viçosa, Minas Gerais que encontraram 7% e 3,5% de baixa estatura, respectivamente. A criança deve consumir a quantidade de alimento necessária para alcançar seu potencial genético de crescimento. O tamanho corporal a ser alcançado na vida adulta não é de primordial 1004

7 % de crianças importância, entretanto, o atraso no crescimento, devido às circunstâncias nutricionais e ambientais, está associado com maiores taxas de morbidade e mortalidade, com deficiências no aprendizado e com menor capacidade física e intelectual na vida adulta (PHILLIPPI; CRUZ; COLUCCI, 2003). Em estudo realizado por Menezes e Osório (2007), no estado de Pernambuco em crianças menores de cinco anos, foi observado que a média de escore-z para o índice E/I foi maior nas crianças que apresentaram consumo energético e protéico adequado para idade, de acordo com o requerimento energético estimado (EER) e requerimento médio estimado (EAR) respectivamente. A Figura 2 mostra a prevalência de anemia de acordo com o sexo. Observa-se que 31,81% (n=7) das crianças estavam anêmicas, sendo 18,18% (n=4) do sexo masculino e 13,63% (n=3) do sexo feminino. A maior prevalência de anemia entre os meninos desta faixa etária pode ser explicada pela maior velocidade de crescimento o que acarreta maior necessidade de ferro pelo organismo (OSÓRIO, 2002). Figura 2 Prevalência de anemia entre as crianças, segundo o sexo, atendidas em uma creche filantrópica no município de Timóteo-MG ,36 31, ,18 13,63 Masculino Feminino 0 Anêmicos Não Anêmicos Os resultados de alguns estudos epidemiológicos realizados em crianças no Brasil verificaram uma prevalência de aproximadamente 30% de crianças anêmicas com idade variando entre zero a sete 1005

8 % de crianças anos (ALMEIDA et al., 2004; ASSUNÇÃO et al. 2007; PINHEIRO et al., 2008; LEAL, 2011) estando de acordo com a prevalência de anemia encontrada no presente estudo. No entanto, na Zona da Mata (LIMA et al., 2004) e no município de Viçosa (MIRANDA et al., 2003) foram observados 73,2% e 63,2% de crianças anêmicas, respectivamente. No primeiro caso as crianças tinham 12 meses e no segundo compreendiam a faixa etária de 12 a 60 meses. Em relação à faixa etária, 27,27% (n=6) das crianças que apresentaram anemia estavam entre 6 a 23 meses e apenas 4,54% (n=1) estavam entre 24 a 48 meses (Figura 3). Essa maior prevalência de anemia em crianças menores de dois anos de idade foi significativa (p=0,02). Este achado foi confirmado pelo estudo de Pinheiro et al., (2008), realizado em crianças de Campina Grande, o qual encontrou os menores valores médios de hemoglobina para as faixas etárias de 6 a 24 meses. Figura 3 Prevalência de anemia, de acordo com a faixa etária, das crianças atendidas em uma creche filantrópica no município de Timóteo-MG ,27 18, meses meses ,54 Anêmicos Não Anêmicos As crianças do grupo de menor faixa etária avaliadas são mais susceptíveis à ocorrência de anemia devido ao intenso crescimento desta fase e pela pouca oferta de alimentos ricos em ferro (ALMEIDA et al., 2004). Sabe-se que as crianças com dietas à base de leite de vaca têm maior risco de desenvolver anemia ferropriva, pois neste alimento a quantidade de ferro é pequena e tem baixa 1006

9 biodisponibilidade. O ferro do leite humano, mesmo sendo de baixa concentração, apresenta elevada biodisponibilidade, atendendo as necessidades fisiológicas do lactente até os seis meses, quando permanece em amamentação exclusiva (KONSTANTYNER; TADDEI; PALMA, 2007). Foi observado, de acordo com o teste de Denver II, que 77,27% (n=17) das crianças apresentaram suspeita de atraso no desenvolvimento neuropsicomotor, sendo 40,91% (n=9) do sexo masculino e 36,36% (n=8) do sexo feminino. Em relação a faixa etária, 36,36% (n= 8) das crianças que apresentaram suspeita de atraso estavam entre 6-23 meses, e 40, 91% (n= 9) entre meses (Tabela 2). Tabela 2 - Distribuição das crianças atendidas em uma creche filantrópica no município de Timóteo- MG, segundo o sexo, a faixa etária e a classificação neuropsicomotora Teste de Denver II Masculino Feminino 6-23 meses meses Total 13,63 9,09 9,09 13,63 22,72% Normal (n= 3) (n= 2) (n= 2) (n= 3) (n= 5) 40,91 36,36 36,36 40,91 77,27 Suspeita de Atraso (n= 9) (n= 8) (n= 8) (n= 9) (n= 17) 54,54 45,45 45,45 54, Total (n= 12) (n= 10) (n= 10) (n= 12) (n= 22) A Figura 4 mostra a relação entre a anemia e o desenvolvimento neuropsicomotor das crianças estudadas. Apesar de muitos anêmicos apresentarem suspeita de atraso no desenvolvimento, os não anêmicos apresentaram maior índice. Existem evidências de que a ocorrência de anemia ferropriva em uma fase precoce da vida, considerado um período crítico para formação de novas conexões cerebrais 1007

10 % de crianças poderia causar efeitos deletérios que persistiriam em idades posteriores (BRAGA; VITALLE, 2010). Este fato poderia explicar, pelo menos em parte, o alto percentual de crianças com suspeita de atraso no desenvolvimento neuropsicomotor na faixa etária de 24 a 48 meses (40,9%), onde se encontrou menor prevalência de anemia (4,54%). Figura 4 - Relação entre anemia e desenvolvimento neuropsicomotor de crianças atendidas em uma creche filantrópica no município de Timóteo-MG ,27 18,18 Suspeita de atraso Desenvolvimento normal ,54 Anêmicos Não Anêmicos A identificação da anemia como um dos fatores causais de inadequado desenvolvimento cognitivo, social, motor, e redução da capacidade de aprendizagem entre as crianças, colocou-as, como um dos grupos prioritários dos programas de intervenção nutricional de controle da deficiência de ferro (SZARFARC, 2010). Não foi determinado o tipo de anemia no presente estudo. No entanto, o ferro, o folato e a vitamina B12 são os elementos essenciais mais significativos para a manutenção da eritropoiese normal (TIMM, 2005), sendo a deficiência de ferro a causa mais freqüente do ponto de vista epidemiológico. Estima-se que 50 a 90% de todos os tipos de anemia ocorram por deficiência de ferro (VIEIRA; FERREIRA, 2010). Segundo os relatórios de 2004 do Fundo das Nações Unidas para a 1008

11 Infância (Unicef), 45% a 50% das crianças brasileiras apresentaram anemia por deficiência de ferro (COELHO, 2007 citado por PINHEIRO et al., 2008). Apesar do desenvolvimento neuromotor ser extremamente sensível às condições de nutrição da criança, o meio social possui grande influencia no desenvolvimento infantil e, assim, a educação materna, as condições socioeconômicas e a prática de estímulos também são preditores importantes. Certamente a ausência de um sinal de desenvolvimento neuromotor esperado para uma determinada idade e/ou a precocidade com que esse aparece, depende, e muito, do estímulo que é oferecido à criança (ANDRADE; SOUZA; SZARFARC, 2007). Além da privação de estímulo físico e social, a pobreza, o estresse e a exposição pré-natal a drogas, podem comprometer a função do cérebro quando existem condições predisponentes (HALPERNS; FIGUEIRAS, 2004). Desta forma, uma avaliação mais criteriosa do desenvolvimento neuropsicomotor deve considerar, além do estado nutricional, o perfil sócio-ambiental da criança. CONCLUSÃO Através do presente estudo observou-se prevalência preocupante de crianças com baixa estatura, anêmicas e com déficit neuropsicomotor. O excesso de peso corporal também se mostrou preocupante. REFERÊNCIAS ALMEIDA, C. A. N.; RICCO, R. G.; CIAMPO, L. A. D.; SOUZA, A. M.; PINHO, A. P.; OLIVEIRA, J. E. D. Fatores associados à anemia por deficiência de ferro em crianças pré-escolares brasileiras. Jornal de Pediatria, Rio de Janeiro, v. 80, n. 3, p , mar ANDRADE, K. C. D.; SOUZA, S. B. D.; SZARFARC, S. C. Desenvolvimento neuromotor e dentição de crianças atendidas em serviços públicos de saúde do Brasil, no primeiro ano de vida. Revista Brasileira de Crescimento Desenvolvimento Humano, São Paulo, v. 17, n. 2, p , fev

12 ASSUNÇÃO, M. C. F.; SANTOS, I. S. Efeito da fortificação de alimentos com ferro sobre anemia em crianças: um estudo de revisão. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 23, n. 2, p , fev ASSUNÇÃO, M. C. F.; SANTOS, I. S.; BARROS, A. J. D.; GIGANTE, D. P.; VICTORA, C. G. Efeito da fortificação de farinhas com ferro sobre anemia em pré-escolares, Pelotas, RS. Revista Saúde Pública, São Paulo, v. 41, n. 4, p , ago BRAGA, J. A. P.; VITALLE, M. S. S.; Deficiência de ferro na criança. Revista Brasileira de Hematologia e Hemoterapia, Rio de Janeiro, v. 32, Supl.2, p , maio BRASIL. Ministério da Saúde. Conselho Nacional de Saúde. Resolução n. 196/96: Diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisa envolvendo seres humanos. Brasília, DF, 1996, 19p. BUENO, M. B.; FISBERG, R. M. Comparação de três critérios de classificação de sobrepeso e obesidade entre pré-escolares. Revista Brasileira Saúde Materno Infantil, Recife, v. 6, n. 4, p , out./dez CASTRO, T. G.; NOVAES, J. F.; SILVA, M. R.; COSTA, N. M. B.; FRANCESCHINI, S. C. C; TINÔCO, A. L. A.; LEAL, P. F. G. Caracterização do consumo alimentar, ambiente socioeconômico e estado nutricional de pré-escolares de creches municipais. Revista Nutrição, Campinas, v. 18, n. 3, p , maio/jun FISBERG, R. M.; MARCHIONI, D. M. L.; CARDOSO, R. M. A. Estado nutricional e fatores associados ao déficit de crescimento de crianças freqüentadoras de creches públicas do Município de São Paulo, Brasil. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 20, n. 3, p , maio/jun FRANKENBURG, W. K.; DODDS, J.; ARCHER, P.; BRESNICK, B.; MASCHKA, P.; EDELMAN, N.; SHAPIRO, H. Denver II: Technical Manual and Training Manual. Denver: Denver Developmental Materials,

13 GUANDALINI, V. R.; DUTRA-DE-OLIVEIRA, J. E. Caracterização do estado nutricional e presença de anemia em pré-escolares de Matão- SP. Alimentos e Nutrição, Araraquara, v. 16, n. 4, p , GRANVILLE-GARCIA, A. F.; MENEZES, V. A.; LIRA, P. I. C.; SERQUEIRA, L. A.; FERREIRA, J. M. S.; CAVALCANTI, A. L. Prevalência de sobrepeso e obesidade em pré-escolares de escolas públicas e privadas em Recife, Pernambuco, Brasil. Cadernos de Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 17, n. 4, p , out./dez HALPERNS, R. E.; FIGUEIRAS, A. C. M. Influências ambientais na saúde mental da criança. Jornal de Pediatria, Rio de Janeiro, v. 80, n. 2, p , abr HEIJBLOM, G. S.; SANTOS, L. M. P. Anemia ferropriva em escolares da primeira série do ensino fundamental da rede pública de educação de uma região de Brasília, DF. Revista Brasileira Epidemiologia, São Paulo, v. 10, n. 2, p , jun KONSTANTYNER, T.; TADDEI, J. A. A. C., PALMA, D. Fatores de risco de anemia em lactentes matriculados em creches públicas ou filantrópicas de São Paulo. Revista Nutrição, Campinas, v. 20, n. 4, p , jul./ago LEAL, L. P.; FILHO, M. B.; LIRA, P. I. C.; FIGUEIROA, J. M.; OSÓRIO, M. M. Prevalência da anemia e fatores associados em crianças de seis a 59 meses de Pernambuco. Revista de Saúde Pública, São Paulo, v. 45, n. 3, p , jun LEAL, V. S.; LIRA, P. I. C.; OLIVEIRA, J. S.; MENEZES, R. C. E.; SEQUEIRA, L. A. S.; NETO, M. A. A.; ANDRADE, S. L. L. S.; FILHO, M. B. Excesso de peso em crianças e adolescentes no Estado de Pernambuco, Brasil: prevalência e determinantes. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v.28, n. 6, p , jun

14 LIMA, A. C. V. M. S.; LIRA, P. I. C.; ROMANI, S. A. M.; EICKMANN, S. H.; PISCOYA, M. D.; LIMA, M. C. Fatores determinantes dos níveis de hemoglobina em crianças aos 12 meses de vida na Zona da Mata Meridional do Pernambuco. Revista Brasileira Saúde Materno Infantil, Recife, v. 4, n. 1, p , jan./mar MANSUR, S. S.; NETO, F. R. Desenvolvimento neuropsicomotor de lactentes desnutridos. Revista Brasileira de Fisioterapia, São Paulo, v. 10, n. 2, p , nov MENEGUZZO, C.; RICALDE, S. R.; SANTOS, J. S.; MENDES, K. G. Prevalência de sobrepeso e obesidade em crianças atendidas em uma unidade básica de saúde no município de Antônio Prado (RS). Cadernos de Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 18, n. 2, p , abr./jun MENEZES, R. C. E; OSÓRIO, M. M. Consumo energético-protéico e estado nutricional de crianças menores de cinco anos, no estado de Pernambuco, Brasil. Revista Nutrição, Campinas, v. 20, n. 4, p , jul/ago MIRANDA, A. S.; FRANCESHINI, S. C. C.; PRIORE, S. E.; EUCLYDES, M. P.; ARAÚJO, R. M. A.; NETTO, M. P.; FONSECA, M. M.; ROCHA, D. S.; SILVA, D. G.; LIMA, N. M. M.; MAFFIA, U. C. C. Anemia Ferropriva e estado nutricional de crianças com idade de 12 a 60 meses do município de Viçosa, MG. Revista Nutrição, Campinas, v. 16, n. 2, p , abr./jun NOVAES, J. F.; LAMOUNIER, J. A.; FRANCESCHINI, S. C. C.; PRIORE, S. E. Fatores ambientais associados ao sobrepeso infantil. Revista Nutrição, Campinas, v. 22, n. 5, p , set./out OSÓRIO, M. M. Fatores determinantes da anemia em crianças. Jornal de Pediatria, Rio de Janeiro, v. 78, n. 4, p , PEREIRA, R. C.; FERREIRA, L. O. C.; DINIZ, A. S.; BATISTA FILHO, M.; FIGUEIRÔA, J. N. Eficácia da suplementação de ferro associado ou não à vitamina A no controle da anemia em escolares. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 23, n. 6, p , jun

15 PHILLIPPI, S. T.; CRUZ, A. T. R.; COLUCCI, A. C. A. Pirâmide alimentar para crianças de 2 a 3 anos. Revista Nutrição, Campinas, v. 16, n. 1, p. 5-19, jan./mar PILZ, E. M. L.; SCHERMANN, L. B. Determinantes biológicos e ambientais no desenvolvimento neuropsicomotor em uma amostra de crianças de Canoas/RS. Revista Ciência & Saúde Coletiva, v. 12, n. 1, p , jan./mar PINHEIRO, F. G. M. B.; SANTOS, S. L. D. X.; CAGLIARI, M. P. P.; PAIVA, A. A.; QUEIROZ, M. S. R.; CUNHA, M. A. L.; JANEBRO, D. I. Avaliação da anemia em crianças da cidade de Campina Grande, Paraíba, Brasil. Revista Brasileira de Hematologia e Hemoterapia, Rio de Janeiro, v. 30, n. 6, p , nov./dez PINTO, M. C. M.; OLIVEIRA, A. C. Ocorrência da Obesidade infantil em pré-escolares de uma creche de São Paulo. Einstein, Santos, v. 7, n. 2, p , SIMON, V. G. N.; SOUZA, J. M. P.; SOUZA, S. B. Aleitamento materno, alimentação complementar, sobrepeso e obesidade em pré-escolares. Revista de Saúde Pública, São Paulo, v. 43, n. 1, p , fev SZARFARC, S. C.; Políticas públicas para o controle da anemia ferropriva. Revista Brasileira de Hematologia e Hemoterapia, Rio de Janeiro, v. 32, Supl. 2, p. 207, jun TIMM, G. Anemias: causas e implicações das alterações eritrocíticas p. Monografia (graduação em Ciências Biológicas) Instituto de Biologia, Universidade Federal de Pelotas, Pelotas, TUMA, R. C. F. B.; COSTA, T. H. M.; SCHMITZ, B. A. S. Avaliação antropométrica e dietética de pré-escolares em três creches de Brasília, Distrito Federal. Revista Brasileira Saúde Materno Infantil, Recife, v. 5, n. 4, p , out./dez

16 VENÂNCIO, S. I.; LEVY, R. B.; SALDIVA, S. R. D. M.; MONDINI, L.; STEFANINI, L. R. Sistema de vigilância alimentar e nutricional no Estado de São Paulo, Brasil: experiência da implementação e avaliação do estado nutricional de crianças. Revista Brasileira Saúde Materno Infantil, Recife, v. 7, n. 2, p , abr./jun VIEIRA, R. C. S.; FERREIRA, H. S. Prevalência de anemia em crianças brasileiras, segundo diferentes cenários epidemiológicos. Revista Nutrição, Campinas, v. 23, n. 3, p , maio/jun WORLD HEALTH ORGANIZATION. Nutritional anaemia: a major controllable public health problem. Bull. WHO, v. 56, n. 5, p , Physical status: the use and interpretation of antropometry. Geneva, p. (Technical Report Series, 854).. WHO Child growth standards Disponível em: <http://www.who.int/childgrowth> 1014

EVOLUÇÃO DO NÍVEL DE DESENVOLVIMENTO NEUROPSICOMOTOR DE CRIANÇAS PRÉ ESCOLARES

EVOLUÇÃO DO NÍVEL DE DESENVOLVIMENTO NEUROPSICOMOTOR DE CRIANÇAS PRÉ ESCOLARES EVOLUÇÃO DO NÍVEL DE DESENVOLVIMENTO NEUROPSICOMOTOR DE CRIANÇAS PRÉ ESCOLARES Ana Karolina Paiva Braga 1 ; Juliana Campos Rodovalho 1 ; Lílian Fernanda Pacheco 2 ; Cibelle Kayenne Martins Roberto Formiga

Leia mais

PERFIL NUTRICIONAL DE PRÉ - ESCOLARES E ESCOLARES DE UMA INSTITUIÇÃO FILANTRÓPICA DA CIDADE DE MARINGÁ, PR

PERFIL NUTRICIONAL DE PRÉ - ESCOLARES E ESCOLARES DE UMA INSTITUIÇÃO FILANTRÓPICA DA CIDADE DE MARINGÁ, PR ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 PERFIL NUTRICIONAL DE PRÉ - ESCOLARES E ESCOLARES DE UMA INSTITUIÇÃO FILANTRÓPICA DA CIDADE DE MARINGÁ,

Leia mais

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE CRIANÇAS DE 2 A 5 ANOS NO NORTE DE MINAS

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE CRIANÇAS DE 2 A 5 ANOS NO NORTE DE MINAS AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE CRIANÇAS DE 2 A 5 ANOS NO NORTE DE MINAS CHILD NUTRITION ASSESSMENT 2 TO 5 YEARS IN THE REGION NORTH OF MINAS GERAIS STATE GONÇALVES, ILANA CARLA MENDES, SOUZA, NÚBIA FERRAZ DE.,

Leia mais

Assessment of nutritional status in children attending of CREI Dra. Rita Gadelha de Sá, located in the city of João Pessoa/PB.

Assessment of nutritional status in children attending of CREI Dra. Rita Gadelha de Sá, located in the city of João Pessoa/PB. Avaliação do estado nutricional em crianças frequentadoras do CREI Dra. Rita Gadelha de Sá, localizada no município de João Pessoa/PB. Assessment of nutritional status in children attending of CREI Dra.

Leia mais

ESTADO NUTRICIONAL DE CRIANÇAS DE 0 A 10 ANOS COM CÂNCER ASSISTIDAS EM UM HOSPITAL FILANTRÓPICO

ESTADO NUTRICIONAL DE CRIANÇAS DE 0 A 10 ANOS COM CÂNCER ASSISTIDAS EM UM HOSPITAL FILANTRÓPICO 1 -Acadêmica do 8º semestre do Curso de Enfermagem da Universidade Federal do Piauí/CSHNB UFPI/Picos/PI. Bolsista ICV/UFPI. Membro do Grupo de Pesquisa em Saúde Coletiva/CSHNB/CNPq. ESTADO NUTRICIONAL

Leia mais

Projeto Ação Social. Relatório equipe de Nutrição Responsável pelos resultados: Vanessa de Almeida Pereira, Graduanda em Nutrição.

Projeto Ação Social. Relatório equipe de Nutrição Responsável pelos resultados: Vanessa de Almeida Pereira, Graduanda em Nutrição. Projeto Ação Social Relatório equipe de Nutrição Responsável pelos resultados: Vanessa de Almeida Pereira, Graduanda em Nutrição. Objetivo Geral: A equipe de Nutrição teve por objetivo atender aos pacientes

Leia mais

RELAÇÃO DA CONDIÇÃO SOCIOECONÔMICA DE GESTANTES E SEUS HÁBITOS ALIMENTARES E POSSÍVEL INFLUÊNCIA NO PESO AO NASCER

RELAÇÃO DA CONDIÇÃO SOCIOECONÔMICA DE GESTANTES E SEUS HÁBITOS ALIMENTARES E POSSÍVEL INFLUÊNCIA NO PESO AO NASCER ISBN 978-85-61091-05-7 EPCC VI EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 RELAÇÃO DA CONDIÇÃO SOCIOECONÔMICA DE GESTANTES E SEUS HÁBITOS ALIMENTARES E POSSÍVEL

Leia mais

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE MENINOS DA CIDADE DE AMPARO - SÃO PAULO

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE MENINOS DA CIDADE DE AMPARO - SÃO PAULO AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE MENINOS DA CIDADE DE AMPARO - SÃO PAULO Mari Uyeda* Pedro Henrique Martins de Lima** RESUMO: As mudanças nas práticas alimentares e no padrão de atividades físicas culminaram em

Leia mais

Avaliação do Estado Nutricional e de Saúde de Crianças e Adolescentes do Município de Belmiro Braga (MG) Resumo. 1 Introdução

Avaliação do Estado Nutricional e de Saúde de Crianças e Adolescentes do Município de Belmiro Braga (MG) Resumo. 1 Introdução Avaliação do Estado Nutricional e de Saúde de Crianças e Adolescentes do Município de Belmiro Braga (MG) Nara Juste da Silva * Renata Maria Souza Oliveira e Silva * Ana Paula Carlos Cândido Mendes * Ana

Leia mais

TÍTULO: PREVALÊNCIA DE SOBREPESO E OBESIDADE EM CRIANÇAS DE 4 A 6 ANOS DE ESCOLAS PÚBLICAS DAS REGIÕES LESTE E SUL DE SÃO PAULO.

TÍTULO: PREVALÊNCIA DE SOBREPESO E OBESIDADE EM CRIANÇAS DE 4 A 6 ANOS DE ESCOLAS PÚBLICAS DAS REGIÕES LESTE E SUL DE SÃO PAULO. TÍTULO: PREVALÊNCIA DE SOBREPESO E OBESIDADE EM CRIANÇAS DE 4 A 6 ANOS DE ESCOLAS PÚBLICAS DAS REGIÕES LESTE E SUL DE SÃO PAULO. CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: NUTRIÇÃO

Leia mais

Novas curvas de avaliação de crescimento infantil adotadas pelo MS

Novas curvas de avaliação de crescimento infantil adotadas pelo MS Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Novas curvas de avaliação de crescimento infantil adotadas pelo MS Em 2006 foi lançada pela Organização

Leia mais

HÁBITOS ALIMENTARES E ESTADO NUTRICIONAL DE ADOLESCENTES

HÁBITOS ALIMENTARES E ESTADO NUTRICIONAL DE ADOLESCENTES 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 HÁBITOS ALIMENTARES E ESTADO NUTRICIONAL DE ADOLESCENTES Larissa Paula da Silva de Souza 1, Sara Leal de Lima 2, Angela Andréia França Gravena 3 RESUMO:

Leia mais

EDUCAÇÃO NUTRICIONAL NA INFÂNCIA: INTRODUÇÃO DOS VEGETAIS NA REFEIÇÃO DAS CRIANÇAS

EDUCAÇÃO NUTRICIONAL NA INFÂNCIA: INTRODUÇÃO DOS VEGETAIS NA REFEIÇÃO DAS CRIANÇAS EDUCAÇÃO NUTRICIONAL NA INFÂNCIA: INTRODUÇÃO DOS VEGETAIS NA REFEIÇÃO DAS CRIANÇAS Vanessa dos Santos Ortega Jéssica de Paula Francisco Laudicéia Soares Urbano INTRODUÇÃO As crianças estão entre as populações

Leia mais

AVALIAÇÃO ANTROPOMÉTRICA E CONHECIMENTO ALIMENTAR DE PRÉ-ESCOLARES DE UMA E.M.E.I. NA CIDADE DE SERRA NEGRA SP.

AVALIAÇÃO ANTROPOMÉTRICA E CONHECIMENTO ALIMENTAR DE PRÉ-ESCOLARES DE UMA E.M.E.I. NA CIDADE DE SERRA NEGRA SP. AVALIAÇÃO ANTROPOMÉTRICA E CONHECIMENTO ALIMENTAR DE PRÉ-ESCOLARES DE UMA E.M.E.I. NA CIDADE DE SERRA NEGRA SP. ANTHROPOMETRIC EVALUATION AND FOOD KNOWLEDGE OF A PRE- SCHOOL EMEI MOUNTAIN CITY SERRA NEGRA

Leia mais

Sobrepeso, obesidade e importância da prática de atividade física em um grupo de crianças

Sobrepeso, obesidade e importância da prática de atividade física em um grupo de crianças Sobrepeso, obesidade e importância da prática de atividade física em um grupo de crianças Overweight, obesity and the importance of physical activity in a group of children Soraia Dias Alves Aluna do curso

Leia mais

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE ESCOLARES E A INFLUÊNCIA DA MÍDIA NO CONSUMO DE ALIMENTOS

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE ESCOLARES E A INFLUÊNCIA DA MÍDIA NO CONSUMO DE ALIMENTOS AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE ESCOLARES E A INFLUÊNCIA DA MÍDIA NO CONSUMO DE ALIMENTOS CARNEIRO, Alessandra Rosa de Araújo ARAÚJO, Ana Cristina Tomaz (UNITRI) anacrisnutricao@yahoo.com.br RESUMO: Introdução:

Leia mais

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE ÍNDIVIDUOS IDOSOS

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE ÍNDIVIDUOS IDOSOS V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE ÍNDIVIDUOS IDOSOS Flávia Regina Moleiro 1, Rose Mari Bennemann² RESUMO: O aumento da expectativa

Leia mais

A NUTRIÇÃO COMO FATOR FUNDAMENTAL NO DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA.

A NUTRIÇÃO COMO FATOR FUNDAMENTAL NO DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA. A NUTRIÇÃO COMO FATOR FUNDAMENTAL NO DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA. Mesa de Trabajo 3. Extensión, docencia e investigación Malheiros, Rafael Tamborena 1 ; Cardoso, Camila Krüger 2 ; Bueno, Elaine Alegre 1

Leia mais

A AMAMENTAÇÃO PODE PREVENIR A OBESIDADE INFANTIL?

A AMAMENTAÇÃO PODE PREVENIR A OBESIDADE INFANTIL? ISBN 78-8-6101-0-7 V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 7 a 30 de outubro de 00 A AMAMENTAÇÃO PODE PREVENIR A OBESIDADE INFANTIL? Crislayne Teodoro Vasques 1 ; Rita de Cassia Felix

Leia mais

Suplementação de Micronutrientes: Vitamina A Ferro. Paula Regina Lemos de Almeida Campos Nutrição e Saúde Publica

Suplementação de Micronutrientes: Vitamina A Ferro. Paula Regina Lemos de Almeida Campos Nutrição e Saúde Publica Suplementação de Micronutrientes: Vitamina A Ferro Paula Regina Lemos de Almeida Campos Nutrição e Saúde Publica A anemia ferropriva representa, provavelmente, o problema nutricional mais importante da

Leia mais

Campus de Botucatu PLANO DE ENSINO. CURSO: Nutrição ( X ) OBRIGATÓRIA ( ) OPTATIVA. DOCENTE RESPONSÁVEL : Maria Antonieta de Barros Leite Carvalhaes

Campus de Botucatu PLANO DE ENSINO. CURSO: Nutrição ( X ) OBRIGATÓRIA ( ) OPTATIVA. DOCENTE RESPONSÁVEL : Maria Antonieta de Barros Leite Carvalhaes PLANO DE ENSINO I IDENTIFICAÇÃO CURSO: Nutrição MODALIDADE: DISCIPLINA: Nutrição Materno-Infantil ( X ) OBRIGATÓRIA ( ) OPTATIVA DEPARTAMENTO:Enfermagem DOCENTE RESPONSÁVEL : Maria Antonieta de Barros

Leia mais

Perfil nutricional de crianças de 6 a 10 anos de idade das escolas municipais na cidade de Picos/PI.

Perfil nutricional de crianças de 6 a 10 anos de idade das escolas municipais na cidade de Picos/PI. Perfil nutricional de crianças de 6 a 10 anos de idade das escolas municipais na cidade de Picos/PI. Professor Assistente da Universidade Federal do Piauí Gilvo de Farias Júnior Nutricionistas: Francilany

Leia mais

PROJETO DE EXTENSÃO. Curso de Nutrição PROGRAMA DE VIGILÂNCIA ALIMENTAR E NUTRICIONAL INFANTIL (PVANI)

PROJETO DE EXTENSÃO. Curso de Nutrição PROGRAMA DE VIGILÂNCIA ALIMENTAR E NUTRICIONAL INFANTIL (PVANI) PROJETO DE EXTENSÃO Curso de Nutrição PROGRAMA DE VIGILÂNCIA ALIMENTAR E NUTRICIONAL INFANTIL (PVANI) Dezembro, 6 Belo Horizonte 1 Sumário I-Identificação do Projeto 3 Professores Responsáveis 3 Disponibilidade

Leia mais

ESTADO NUTRICIONAL DE CRIANÇAS MATRICULADAS EM DUAS ESCOLAS MUNICIPAIS DA CIDADE DE MARIALVA PR

ESTADO NUTRICIONAL DE CRIANÇAS MATRICULADAS EM DUAS ESCOLAS MUNICIPAIS DA CIDADE DE MARIALVA PR 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 ESTADO NUTRICIONAL DE CRIANÇAS MATRICULADAS EM DUAS ESCOLAS MUNICIPAIS DA CIDADE DE MARIALVA PR Sabrina Dalmazo Vieira 1 ; Rose Mari Bennemann 2 RESUMO:

Leia mais

PREVALÊNCIA DE SOBREPESO E DE OBESIDADE EM ESCOLARES DO ENSINO FUNDAMENTAL I DA ESCOLA ESTADUAL ANTONIA DE FARIAS RANGEL

PREVALÊNCIA DE SOBREPESO E DE OBESIDADE EM ESCOLARES DO ENSINO FUNDAMENTAL I DA ESCOLA ESTADUAL ANTONIA DE FARIAS RANGEL ARTIGO PREVALÊNCIA DE SOBREPESO E DE OBESIDADE EM ESCOLARES DO ENSINO FUNDAMENTAL I DA ESCOLA ESTADUAL ANTONIA DE FARIAS RANGEL Flávio Petrônio Cabral de Castro Docente da Escola Estadual Antonia Rangel

Leia mais

EXCESSO DE PESO E SUA ASSOCIAÇÃO COM A ALIMENTAÇÃO ESCOLAR ENTRE CRIANÇAS DE UMA ESCOLA MUNICIPAL DE MINAS GERAIS 1

EXCESSO DE PESO E SUA ASSOCIAÇÃO COM A ALIMENTAÇÃO ESCOLAR ENTRE CRIANÇAS DE UMA ESCOLA MUNICIPAL DE MINAS GERAIS 1 393 EXCESSO DE PESO E SUA ASSOCIAÇÃO COM A ALIMENTAÇÃO ESCOLAR ENTRE CRIANÇAS DE UMA ESCOLA MUNICIPAL DE MINAS GERAIS 1 Marceli Almeida Mendonça 1, Mônica de Paula Jorge 1, Simone Angélica Meneses Torres

Leia mais

O PAPEL DO FERRO SOBRE A NUTRIÇÃO E A SAÚDE

O PAPEL DO FERRO SOBRE A NUTRIÇÃO E A SAÚDE O PAPEL DO FERRO SOBRE A NUTRIÇÃO E A SAÚDE Introdução O ferro é um nutriente mineral encontrado em alimentos de origem vegetal e animal, e de grande importância para a saúde por seu papel como constituinte

Leia mais

ESTUDO TÉCNICO N.º 05/2015

ESTUDO TÉCNICO N.º 05/2015 ESTUDO TÉCNICO N.º 05/2015 Resenha do Relatório Estado da Insegurança Alimentar no Mundo 2015 (SOFI) MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME SECRETARIA DE AVALIAÇÃO E GESTÃO DA INFORMAÇÃO

Leia mais

PERFIL NUTRICIONAL E CONSUMO ALIMENTAR DE CRIANÇAS ATENDIDAS EM CRECHE FILANTRÓPICA DA CIDADE DE LONDRINA PR

PERFIL NUTRICIONAL E CONSUMO ALIMENTAR DE CRIANÇAS ATENDIDAS EM CRECHE FILANTRÓPICA DA CIDADE DE LONDRINA PR TERRA E CULTURA, ANO XIX, Nº 37 94 PERFIL NUTRICIONAL E CONSUMO ALIMENTAR DE CRIANÇAS ATENDIDAS EM CRECHE FILANTRÓPICA DA CIDADE DE LONDRINA PR RESUMO 1 *Marisa Batista Brighenti *Flávia Hernandez Fernandez

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: avaliação antropométrica; oficina de culinária; Síndrome de Down.

PALAVRAS-CHAVE: avaliação antropométrica; oficina de culinária; Síndrome de Down. AVALIAÇÃO NUTRICIONAL E ANTROPOMÉTRICA DE CRIANÇAS DE 06 E 36 MESES, COM SÍNDROME DE DOWN, E OFERTA DE OFICINAS DE CULINÁRIA À SUAS FAMÍLIAS FUNDAÇÃO DOM BOSCO B.H. Luciana Ramos Costa SIMÕES Centro Universitário

Leia mais

MONITORAMENTO DO ESTADO NUTRICIONAL DE PRÉ-ESCOLARES DE UM CENTRO DE EDUCAÇÃO INFANTIL

MONITORAMENTO DO ESTADO NUTRICIONAL DE PRÉ-ESCOLARES DE UM CENTRO DE EDUCAÇÃO INFANTIL MONITORAMENTO DO ESTADO NUTRICIONAL DE PRÉ-ESCOLARES DE UM CENTRO DE EDUCAÇÃO INFANTIL Carla Cristina de MORAI 1 ; Danielly Souza PIRES¹; Raquel Machado SCHINCAGLIA¹; Maria Irene de Castro BARBOSA¹; Polianna

Leia mais

INGESTÃO DIETÉTICA E COMPOSIÇÃO CORPORAL DE DANÇARINAS DA UFPA (BELÉM PA).

INGESTÃO DIETÉTICA E COMPOSIÇÃO CORPORAL DE DANÇARINAS DA UFPA (BELÉM PA). INGESTÃO DIETÉTICA E COMPOSIÇÃO CORPORAL DE DANÇARINAS DA UFPA (BELÉM PA). GLEICIANE MARTINS GOMES ADRIANA MOURA DOS SANTOS JOSEANA MOREIRA ASSIS RIBEIRO FERNANDO VINÍCIUS FARO REIS JÚLIO ALVES PIRES FILHO

Leia mais

1. Tabela de peso e estatura (percentil 50) utilizando como referencial o NCHS 77/8 - gênero masculino

1. Tabela de peso e estatura (percentil 50) utilizando como referencial o NCHS 77/8 - gênero masculino 1 1. Tabela de peso e estatura (percentil 50) utilizando como referencial o NCHS 77/8 - gênero masculino Anos Mês Estatura Peso Anos Mês Estatura Peso Anos Mês Estatura Peso Anos Mês Estatura Peso 0,0

Leia mais

PROMOVENDO A REEDUCAÇÃO ALIMENTAR EM ESCOLAS NOS MUNICÍPIOS DE UBÁ E TOCANTINS-MG RESUMO

PROMOVENDO A REEDUCAÇÃO ALIMENTAR EM ESCOLAS NOS MUNICÍPIOS DE UBÁ E TOCANTINS-MG RESUMO 1 PROMOVENDO A REEDUCAÇÃO ALIMENTAR EM ESCOLAS NOS MUNICÍPIOS DE UBÁ E TOCANTINS-MG RESUMO Iara de Souza Assunção 1 Josiane Kênia de Freitas 2 Viviane Modesto Arruda 3 Silvana Rodrigues Pires Moreira 4

Leia mais

BENEFÍCIOS DO ALEITAMENTO MATERNO EXLUSIVO ATÉ O SEXTO MÊS DE VIDA, E AS PRINCIPAIS CAUSAS DO DESMAME PRECOCE

BENEFÍCIOS DO ALEITAMENTO MATERNO EXLUSIVO ATÉ O SEXTO MÊS DE VIDA, E AS PRINCIPAIS CAUSAS DO DESMAME PRECOCE BENEFÍCIOS DO ALEITAMENTO MATERNO EXLUSIVO ATÉ O SEXTO MÊS DE VIDA, E AS PRINCIPAIS CAUSAS DO DESMAME PRECOCE MARIN, T; MORAES, A.C.S. Resumo:O aleitamento materno consiste na prática alimentar ideal para

Leia mais

A Organização da Atenção Nutricional: enfrentando a obesidade

A Organização da Atenção Nutricional: enfrentando a obesidade A Organização da Atenção Nutricional: enfrentando a obesidade Introdução Há cerca de 20 anos, a Secretaria de Saúde de um grande município começou a desenvolver e implantar iniciativas relacionadas à Alimentação

Leia mais

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE CRIANÇAS DE TRÊS A NOVE ANOS DE IDADE DE INSTITUIÇÕES FILANTRÓPICAS DE CAMPO GRANDE / MATO GROSSO DO SUL RESUMO

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE CRIANÇAS DE TRÊS A NOVE ANOS DE IDADE DE INSTITUIÇÕES FILANTRÓPICAS DE CAMPO GRANDE / MATO GROSSO DO SUL RESUMO AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE CRIANÇAS DE TRÊS A NOVE ANOS DE IDADE DE INSTITUIÇÕES FILANTRÓPICAS DE CAMPO GRANDE / MATO GROSSO DO SUL GISLAINE DOMINGUES CRN-3 12.129 SUELLEN CRISTINA MENDES MAGRO CRN-3 22.132

Leia mais

AVALIAÇÃO DO ESTADO NUTRICIONAL E DO CONSUMO ALIMENTAR DE PRÉ-ESCOLARES ATENDIDOS NOS CENTROS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO INFANTIL DE GUARAPUAVA PR

AVALIAÇÃO DO ESTADO NUTRICIONAL E DO CONSUMO ALIMENTAR DE PRÉ-ESCOLARES ATENDIDOS NOS CENTROS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO INFANTIL DE GUARAPUAVA PR Alim. Nutr., Araraquara v. 23, n. 1, p. 121-129, jan./mar. 2012 ISSN 0103-4235 ISSN 2179-4448 on line AVALIAÇÃO DO ESTADO NUTRICIONAL E DO CONSUMO ALIMENTAR DE PRÉ-ESCOLARES ATENDIDOS NOS CENTROS MUNICIPAIS

Leia mais

AVALIAÇÃO DO ESTADO NUTRICIONAL DE CRIANÇAS FREQUENTADORAS DE CRECHES DA ZONA LESTE DA CIDADE DE SÃO PAULO

AVALIAÇÃO DO ESTADO NUTRICIONAL DE CRIANÇAS FREQUENTADORAS DE CRECHES DA ZONA LESTE DA CIDADE DE SÃO PAULO AVALIAÇÃO DO ESTADO NUTRICIONAL DE CRIANÇAS FREQUENTADORAS DE CRECHES DA ZONA LESTE DA CIDADE DE SÃO PAULO Tatiane Souza dos Santos (IC) e Juliana Masami Morimoto (Orientadora) Apoio: PIVIC Mackenzie Resumo

Leia mais

Mostra de Projetos 2011 RISCO DE QUEDAS EM IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS NO MUNICÍPIO DE LONDRINA/PR 2011

Mostra de Projetos 2011 RISCO DE QUEDAS EM IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS NO MUNICÍPIO DE LONDRINA/PR 2011 Mostra de Projetos 2011 RISCO DE QUEDAS EM IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS NO MUNICÍPIO DE LONDRINA/PR 2011 Mostra Local de: Londrina. Categoria do projeto Projetos em implantação, com resultados parciais.

Leia mais

Anemia nutricional e variáveis associadas em crianças internadas em um hospital público

Anemia nutricional e variáveis associadas em crianças internadas em um hospital público Artigo Original Anemia nutricional e variáveis associadas em crianças internadas em um hospital público Nutritional anemia and associated variables in children admitted to a public hospital Gisela da Mota

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS CÂMPUS MUZAMBINHO Licenciatura em Educação Física

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS CÂMPUS MUZAMBINHO Licenciatura em Educação Física INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS CÂMPUS MUZAMBINHO Licenciatura em Educação Física JOÃO PAULO MONTEIRO PERFIL ANTROPOMÉTRICO DE CRIANÇAS DE 09 A 11 ANOS DE IDADE

Leia mais

Estudo Longitudinal do Desenvolvimento Neuropsicomotor de Bebês Trigemelares Pré Termo

Estudo Longitudinal do Desenvolvimento Neuropsicomotor de Bebês Trigemelares Pré Termo a de novembro de Estudo Longitudinal do Desenvolvimento Neuropsicomotor de Bebês Trigemelares Pré Termo Thailyne Bizinotto ; Bruna de Oliveira Borges ; Renan Neves Urzêda ; Martina Estevam Brom Vieira

Leia mais

CORRELAÇÕES ENTRE AS CONDIÇÕES DE NASCIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DE BEBÊS NOS DOIS PRIMEIROS MESES DE VIDA RESUMO

CORRELAÇÕES ENTRE AS CONDIÇÕES DE NASCIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DE BEBÊS NOS DOIS PRIMEIROS MESES DE VIDA RESUMO CORRELAÇÕES ENTRE AS CONDIÇÕES DE NASCIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DE BEBÊS NOS DOIS PRIMEIROS MESES DE VIDA Taís Chiodelli¹; Veronica Aparecida Pereira 2 ; Olga Maria Piazentin Rolim Rodrigues 3, Carla

Leia mais

A importância da primeira infância

A importância da primeira infância A importância da primeira infância Cesar Victora Professor Emérito da Universidade Federal de Pelotas Presidente da Associação Epidemiológica Internacional Perito em Nutrição Infantil da Organização Mundial

Leia mais

EDUCAÇÃO NUTRICIONAL PARA PRÉ-ESCOLARES DO CENTRO DE EDUCAÇÃO INFANTIL EM VIÇOSA-MG

EDUCAÇÃO NUTRICIONAL PARA PRÉ-ESCOLARES DO CENTRO DE EDUCAÇÃO INFANTIL EM VIÇOSA-MG 369 EDUCAÇÃO NUTRICIONAL PARA PRÉ-ESCOLARES DO CENTRO DE EDUCAÇÃO INFANTIL EM VIÇOSA-MG Jacira Francisca Matias 2 Jaqueline Miranda Lopes 2, Eliene da Silva Martins Viana 3 Resumo: A formação dos hábitos

Leia mais

PREVALÊNCIA DA SÍNDROME DO COMER NOTURNO EM UNIVERSITÁRIAS

PREVALÊNCIA DA SÍNDROME DO COMER NOTURNO EM UNIVERSITÁRIAS 26 a 29 de outubro de 2010 ISBN 978-85-61091-69-9 PREVALÊNCIA DA SÍNDROME DO COMER NOTURNO EM UNIVERSITÁRIAS Debora Fernanda Ziroldo 1 ; Talma Reis Leal Fernandes 2 ; Gersislei Antonia Salado 3 ; Angela

Leia mais

FACULDADE ASSIS GURGACZ PRISCILA RAMOS VARGAS

FACULDADE ASSIS GURGACZ PRISCILA RAMOS VARGAS 1 FACULDADE ASSIS GURGACZ PRISCILA RAMOS VARGAS CONSUMO ALIMENTAR E ESTADO NUTRICIONAL DE CRIANÇAS ATENDIDAS EM CRECHE FILANTRÓPICA NA REGIÃO OESTE DO PARANÁ CASCAVEL 2007 2 PRISCILA RAMOS VARGAS CONSUMO

Leia mais

CARACTERÍSTICAS SOCIOECONÔMICAS DOS NEONATOS PREMATUROS NASCIDOS NO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO DO OESTE DO PARANÁ H.U.O.P.

CARACTERÍSTICAS SOCIOECONÔMICAS DOS NEONATOS PREMATUROS NASCIDOS NO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO DO OESTE DO PARANÁ H.U.O.P. CARACTERÍSTICAS SOCIOECONÔMICAS DOS NEONATOS PREMATUROS NASCIDOS NO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO DO OESTE DO PARANÁ H.U.O.P. Luana Muriel Casarolli 1 Aneline Maria Ruedell Juliana Montijo Pinto Rosa Déborah

Leia mais

Nathallia Maria Cotta e Oliveira 1, Larissa Marques Bittencourt 1, Vânia Mayumi Nakajima 2

Nathallia Maria Cotta e Oliveira 1, Larissa Marques Bittencourt 1, Vânia Mayumi Nakajima 2 105 CARACTERIZAÇÃO DOS PACIENTES ATENDIDOS NO SETOR DE NUTRIÇÃO DA UNICLÍNICA, DA FACULDADE DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE - UNIVIÇOSA, LOCALIZADA NO MUNICÍPIO DE VIÇOSA, MG Nathallia Maria Cotta e

Leia mais

EDUCAÇÃO NUTRICIONAL ENTRE CRIANÇAS

EDUCAÇÃO NUTRICIONAL ENTRE CRIANÇAS EDUCAÇÃO NUTRICIONAL ENTRE CRIANÇAS Nayara Andrade de Oliveira 1, Vivian Rahmeier Fietz 2, Emmanuela Alves Inácio Carvalho 1 Estudante do Curso de Enfermagem da UEMS, Unidade Universitária de Dourados;

Leia mais

Floripa Saudável 2040: Impacto do monitoramento e da educação em saúde nos indicadores nutricionais de crianças de 2 a 6 anos.

Floripa Saudável 2040: Impacto do monitoramento e da educação em saúde nos indicadores nutricionais de crianças de 2 a 6 anos. TÍTULO DA PRÁTICA: Floripa Saudável 2040: Impacto do monitoramento e da educação em saúde nos indicadores nutricionais de crianças de 2 a 6 anos. CÓDIGO DA PRÁTICA: T80 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14

Leia mais

PIBID EDUCAÇÃO EM SAÚDE: UMA ANÁLISE DO CONCEITO DE SAÚDE DOS ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL DE UMA ESCOLA PÚBLICA DE MONTES CLAROS MG.

PIBID EDUCAÇÃO EM SAÚDE: UMA ANÁLISE DO CONCEITO DE SAÚDE DOS ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL DE UMA ESCOLA PÚBLICA DE MONTES CLAROS MG. PIBID EDUCAÇÃO EM SAÚDE: UMA ANÁLISE DO CONCEITO DE SAÚDE DOS ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL DE UMA ESCOLA PÚBLICA DE MONTES CLAROS MG. 1.0 RESUMO O presente trabalho tem como objetivo analisar o conceito

Leia mais

INDICE ANTROPOMÉTRICO-NUTRICIONAL DE CRIANÇAS DE BAIXA RENDA INCLUSAS EM PROGRAMAS GOVERNAMENTAIS

INDICE ANTROPOMÉTRICO-NUTRICIONAL DE CRIANÇAS DE BAIXA RENDA INCLUSAS EM PROGRAMAS GOVERNAMENTAIS INDICE ANTROPOMÉTRICO-NUTRICIONAL DE CRIANÇAS DE BAIXA RENDA INCLUSAS EM PROGRAMAS GOVERNAMENTAIS Carla Andréa Metzner 1 Ana Paula Falcão 2 RESUMO No presente trabalho coletou-se dados referente ao Indicador

Leia mais

Inquéritos em saúde e nutrição disponíveis no Brasil

Inquéritos em saúde e nutrição disponíveis no Brasil Inquéritos em saúde e nutrição disponíveis no Brasil Amanda de Moura Souza Instituto de Estudos em Saúde Coletiva Universidade Federal do Rio de Janeiro Sumário Inquéritos Tipos de Inquéritos Domiciliar

Leia mais

ANÁLISE DE ASPECTOS NUTRICIONAIS EM IDOSOS ADMITIDOS NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA

ANÁLISE DE ASPECTOS NUTRICIONAIS EM IDOSOS ADMITIDOS NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA ANÁLISE DE ASPECTOS NUTRICIONAIS EM IDOSOS ADMITIDOS NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA Belarmino Santos de Sousa Júnior¹ ; Fernando Hiago da Silva Duarte²; Ana Elza da Silva Mendonça³ ¹ Acadêmico de Enfermagem

Leia mais

Palavras - Chave: Estado Nutricional; Programa Bolsa Família; Crianças; Antropometria. 1. INTRODUÇÃO

Palavras - Chave: Estado Nutricional; Programa Bolsa Família; Crianças; Antropometria. 1. INTRODUÇÃO 344 ANÁLISE DO IMPACTO DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA EM RELAÇÃO AO ESTADO NUTRICIONAL DE CRIANÇAS DE ZERO A SETE ANOS PERTENCENTES ÀS FAMÍLIAS BENEFICIÁRIAS DO PROGRAMA NO MUNICÍPIO DE PARÁ DE MINAS, MINAS

Leia mais

SAÚDE DO ESCOLAR. Profa.Andrea Polo Galante

SAÚDE DO ESCOLAR. Profa.Andrea Polo Galante SAÚDE DO ESCOLAR Profa.Andrea Polo Galante CENTRO UNIVERSITÁRIO SÃO CAMILO Missão Promover o desenvolvimento do ser humano por meio da educação e da saúde, segundo os valores camilianos. Ser uma organização

Leia mais

Discentes do curso de psicologia,centro Universitário de Maringá (CESUMAR), Maringá - Pr- Brasil, umbelinajusto@wnet.com.br 2

Discentes do curso de psicologia,centro Universitário de Maringá (CESUMAR), Maringá - Pr- Brasil, umbelinajusto@wnet.com.br 2 V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 SINTOMAS DE TRANSTORNO DE DÉFICIT DE ATENÇÃO E HIPERATIVIDADE: UMA ANÁLISE SOBRE A UTILIZAÇÃO DE METILFENIDATO NA

Leia mais

Imagem Corporal de adolescentes estudantes do IF Sudeste MG Câmpus Barbacena

Imagem Corporal de adolescentes estudantes do IF Sudeste MG Câmpus Barbacena Imagem Corporal de adolescentes estudantes do IF Sudeste MG Câmpus Barbacena Tassiana Aparecida Hudson 1, Ana Carolina Soares Amaral 2 ¹Acadêmica do Curso Superior de Licenciatura em Educação Física, Instituto

Leia mais

Os programas de promoção da qualidade de vida buscam o desenvolvimento

Os programas de promoção da qualidade de vida buscam o desenvolvimento 9 Estilo de Vida Ativo: A Importância do Estímulo por parte dos Adultos Erika da Silva Maciel Mestre em Ciência e Tecnologia de Alimentos - USP Os programas de promoção da qualidade de vida buscam o desenvolvimento

Leia mais

Nutrition education for preschool: a tool for action

Nutrition education for preschool: a tool for action EDUCAÇÃO NUTRICIONAL PARA PRÉ-ESCOLARES: UMA FERRAMENTA DE INTERVENÇÃO Mônica Cristina Lopes do Carmo 1 Luiza Carla Vidigal Castro 2 Juliana Farias de Novaes 3 RESUMO: A faixa etária pré-escolar caracteriza-se

Leia mais

AVALIAR SE O USUÁRIO DO AMBULATÓRIO DE CIRURGIA BARIÁTRICA CONHECE SEUS DIREITOS NO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE - SUS

AVALIAR SE O USUÁRIO DO AMBULATÓRIO DE CIRURGIA BARIÁTRICA CONHECE SEUS DIREITOS NO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE - SUS AVALIAR SE O USUÁRIO DO AMBULATÓRIO DE CIRURGIA BARIÁTRICA CONHECE SEUS DIREITOS NO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE - SUS SOBREIRA, Élida Francisca Silva ¹ BARBOSA, Karina dos Santos ¹ FELICIANO, Suellen Alves

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Amamentação. Educação em Saúde. Enfermagem. Traumas Mamários

PALAVRAS-CHAVE Amamentação. Educação em Saúde. Enfermagem. Traumas Mamários 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA INFLUÊNCIA DA ESCOLARIDADE NOS TRAUMAS

Leia mais

NUTRIÇÃO. TipoTrabalho TRABALHO LinhaPesquisa LOCAL DATA HORARIO SALAS 6,7 OU 8 SE FOR INTERDISCIPLINAR SALA 72 SE FOR CONGRESSO

NUTRIÇÃO. TipoTrabalho TRABALHO LinhaPesquisa LOCAL DATA HORARIO SALAS 6,7 OU 8 SE FOR INTERDISCIPLINAR SALA 72 SE FOR CONGRESSO TipoTrabalho TRABALHO LinhaPesquisa LOCAL DATA HORARIO COMUNICAÇÃO ORAL FATORES QUE INFLUENCIAM NA DESNUTRIÇÃO DO IDOSO SALA 72 SE COMUNICAÇÃO ORAL ALIMENTAÇÃO EQUILIBRADA APLICADA Á ATIVIDADE FISICA PARA

Leia mais

Avaliação antropométrica na infância: uma revisão

Avaliação antropométrica na infância: uma revisão Vol. 1, No. 1, Março, 2012, 37 45 Avaliação antropométrica na infância: uma revisão Marcelle de Miranda 1, Osana Campos Bernardes 1, Tainah Camagos Vaz de Mello 1, Thafnys Alves Silva 1, Ana Elisa Madalena

Leia mais

Keywords: cash transfer, nutritional status, poverty.

Keywords: cash transfer, nutritional status, poverty. UFMA UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM POLÍTICAS PÚBLICAS III JORNADA INTERNACIONAL DE POLÍCAS PÚBLICAS QUESTÃO SOCIAL E DESENVOLVIMENTO NO SÉCULO XXI 1 PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA:

Leia mais

PREVALÊNCIA DE EXCESSO DE PESO EM UNIVERSITÁRIOS DE UMA FACULDADE PARTICULAR DO MUNICÍPIO DE PRAIA GRANDE, SP

PREVALÊNCIA DE EXCESSO DE PESO EM UNIVERSITÁRIOS DE UMA FACULDADE PARTICULAR DO MUNICÍPIO DE PRAIA GRANDE, SP PREVALÊNCIA DE EXCESSO DE PESO EM UNIVERSITÁRIOS DE UMA FACULDADE PARTICULAR DO MUNICÍPIO DE PRAIA GRANDE, SP Rafael Ribeiro Beatriz Vital Aline Souza Perla Silva Vitor Carloti Lucas Moreno Frantisek Oplustil

Leia mais

Palavras-chave: obesidade infantil, alimentação saudável, diabetes.

Palavras-chave: obesidade infantil, alimentação saudável, diabetes. RELATO DE EXPERIÊNCIA: AVALIAÇÃO DO PERFIL DE DESENVOLVIMENTO PONDERO-ESTATURAL E ORIENTAÇÃO SOBRE OBESIDADE INFANTIL REALIZADA PELOS MEMBROS DA LIGA ACADÊMICA DE PEDIATRIA DA UFG NO III ENCONTRO DO DIA

Leia mais

Data: 27/03/2014. NTRR 54/2014 a. Medicamento x Material Procedimento Cobertura

Data: 27/03/2014. NTRR 54/2014 a. Medicamento x Material Procedimento Cobertura NTRR 54/2014 a Solicitante: Secretaria da segunda vara da comarca de Caeté Número do processo: 0004453-75.2014 Data: 27/03/2014 Medicamento x Material Procedimento Cobertura Réu: Comarca de Caeté e Estado

Leia mais

PESQUISA SOBRE HÁBITOS ALIMENTARES NA ESCOLA MUNICIPAL DE ENSINO FUNDAMENTAL ANDRÉ VIDAL DE NEGREIROS EM CUITÉ-PB.

PESQUISA SOBRE HÁBITOS ALIMENTARES NA ESCOLA MUNICIPAL DE ENSINO FUNDAMENTAL ANDRÉ VIDAL DE NEGREIROS EM CUITÉ-PB. 1 PESQUISA SOBRE HÁBITOS ALIMENTARES NA ESCOLA MUNICIPAL DE ENSINO FUNDAMENTAL ANDRÉ VIDAL DE NEGREIROS EM CUITÉ-PB. ¹Thatiany de Sousa Pereira; ¹ Sebastião Ângelo da Silva; ¹Adeilma Fernandes de Sousa

Leia mais

Associação entre tempo de internação e evolução do estado nutricional de crianças internadas em um hospital universitário

Associação entre tempo de internação e evolução do estado nutricional de crianças internadas em um hospital universitário ARTIGOS ORIGINAIS / ORIGINAL ARTICLES Associação entre tempo de internação e evolução do estado nutricional de crianças internadas em um hospital universitário Association between length of hospital stay

Leia mais

ASPECTOS ASSOCIADOS À AMAMENTAÇÃO E DESMAME EM CRIANÇAS ATENDIDAS NO PROGRAMA BEBÊ-CLÍNICA EM BANDEITANTES-PR

ASPECTOS ASSOCIADOS À AMAMENTAÇÃO E DESMAME EM CRIANÇAS ATENDIDAS NO PROGRAMA BEBÊ-CLÍNICA EM BANDEITANTES-PR 1 Odontóloga Professora Mestre da Faculdade Estácio de Sá - FES/Juiz de Fora MG, profesora de Saúde Coletiva e políticas de Saúde no curso de Odontologia e Fisioterapia; 2 Farmacêutico Bioquímico - Pesquisador

Leia mais

PALAVRAS CHAVE: Promoção de saúde, paciente infantil, extensão

PALAVRAS CHAVE: Promoção de saúde, paciente infantil, extensão TÍTULO:PROGRAMA DE ATENÇÃO ODONTOLÓGICA À CRIANÇA NA PRIMEIRA INFÂNCIA AUTORES: Mesquita, M. F, Menezes, V. A*., Maciel, A. E.**, Barros, E.S INSTITUIÇÃO:Faculdade de Odontologia de Pernambuco. FOP/UPE

Leia mais

Estado nutricional de crianças internadas na pediatria de um hospital terciário

Estado nutricional de crianças internadas na pediatria de um hospital terciário ARTIGO ORIGINAL Estado nutricional de crianças internadas na pediatria de um hospital terciário Nutritional status of children in a pediatrics hospitalized in a terciary hospital Elisa Huber 1, Daniele

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE ATIVIDADES PARA CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM EDUCAÇÃO NUTRICONAL: realização de dinâmicas educativas. SIMARA MARIA LOPES DE ARAÚJO

DESENVOLVIMENTO DE ATIVIDADES PARA CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM EDUCAÇÃO NUTRICONAL: realização de dinâmicas educativas. SIMARA MARIA LOPES DE ARAÚJO 1 DESENVOLVIMENTO DE ATIVIDADES PARA CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM EDUCAÇÃO NUTRICONAL: realização de dinâmicas educativas. SIMARA MARIA LOPES DE ARAÚJO Introdução A educação nutricional é um instrumento

Leia mais

PERFIL DO TRABALHADOR DO CENTRO DE CHAPECÓ ASSOCIADO AO TIPO DE REFEIÇÃO CONVÊNIO

PERFIL DO TRABALHADOR DO CENTRO DE CHAPECÓ ASSOCIADO AO TIPO DE REFEIÇÃO CONVÊNIO PERFIL DO TRABALHADOR DO CENTRO DE CHAPECÓ ASSOCIADO AO TIPO DE REFEIÇÃO CONVÊNIO LIMA, Janaína Santos de 1 ; SONALIO, Alexsandra 1 ; COSTACURTA, Fabiane Carla 1 ; OLIVEIRA, Gabriela Tavares de 1 ; BORJES,

Leia mais

ASSISTÊNCIA À SAÚDE ENTRE CRIANÇAS RESIDENTES EM ÁREAS ATENDIDAS E NÃO ATENDIDAS PELA PASTORAL DA CRIANÇA NA REGIÃO DE CAMPINAS, SP

ASSISTÊNCIA À SAÚDE ENTRE CRIANÇAS RESIDENTES EM ÁREAS ATENDIDAS E NÃO ATENDIDAS PELA PASTORAL DA CRIANÇA NA REGIÃO DE CAMPINAS, SP ASSISTÊNCIA À SAÚDE ENTRE CRIANÇAS RESIDENTES EM ÁREAS ATENDIDAS E NÃO ATENDIDAS PELA PASTORAL DA CRIANÇA NA REGIÃO DE CAMPINAS, SP Maria Aurora D. Chrestani* Juraci A. Cesar** Nelson A. Neumann*** * Residência

Leia mais

Criança nutrida & criança Vitaminada

Criança nutrida & criança Vitaminada Criança nutrida & criança Vitaminada IMC INFANTIL Muitos pais se preocupam com o peso e a estatura de seu filho. Questionam-se se a massa corporal da criança está de acordo com a idade, se a alimentação

Leia mais

IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO NUTRICIONAL NA INFÂNCIA

IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO NUTRICIONAL NA INFÂNCIA IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO NUTRICIONAL NA INFÂNCIA INTRODUÇÃO Taciane Ávila Lazari Flavia Germinari Rodrigues Santos Solange da Silva Iurak Oliveira Laudicéia Soares Urbano A formação dos hábitos alimentares

Leia mais

Departamento de Ciências Econômicas DCECO. Tel.: +55 32 3379-2537 E-mail: infover@ufsj.edu.br

Departamento de Ciências Econômicas DCECO. Tel.: +55 32 3379-2537 E-mail: infover@ufsj.edu.br 2013 InfoVer São João del-rei, fevereiro de 2013 InFover InfoVer Informativo sobre o Mercado de Leite de Vaca do Campo Uma publicação do DCECO- UFSJ Ano VI Nº 55 Agosto de 2013 Universidade Federal de

Leia mais

FATORES DE RISCO PARA DESNUTRIÇÃO INFANTIL RISK FACTORS FOR MALNUTRITION

FATORES DE RISCO PARA DESNUTRIÇÃO INFANTIL RISK FACTORS FOR MALNUTRITION FATORES DE RISCO PARA DESNUTRIÇÃO INFANTIL RISK FACTORS FOR MALNUTRITION ANDRÉIA ANDRADE OLIVEIRA Graduanda do 7º período de Nutrição do Centro Universitário do Leste de Minas Gerais - Unileste-MG. E-mail:

Leia mais

Mudanças demográficas e saúde no Brasil Dados disponíveis em 2008

Mudanças demográficas e saúde no Brasil Dados disponíveis em 2008 Mudanças demográficas e saúde no Brasil Dados disponíveis em 2008 José Cechin Superintendente Executivo Carina Martins Francine Leite Nos últimos meses, vários relatórios publicados por diferentes instituições

Leia mais

Comparação da força da musculatura respiratória em pacientes acometidos por acidente vascular encefálico (AVE) com os esperados para a idade e sexo

Comparação da força da musculatura respiratória em pacientes acometidos por acidente vascular encefálico (AVE) com os esperados para a idade e sexo Comparação da força da musculatura respiratória em pacientes acometidos por acidente vascular encefálico (AVE) com os esperados para a idade e sexo Camila Viana Benzoni 1, Paulo Eduardo Gomes Ferreira

Leia mais

PREVALÊNCIA DE OBESIDADE INFANTIL NOS CENTROS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO INFANTIL (CMEI) DO MUNICÍPIO DE MARINGÁ-PARANÁ

PREVALÊNCIA DE OBESIDADE INFANTIL NOS CENTROS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO INFANTIL (CMEI) DO MUNICÍPIO DE MARINGÁ-PARANÁ 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 PREVALÊNCIA DE OBESIDADE INFANTIL NOS CENTROS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO INFANTIL (CMEI) DO MUNICÍPIO DE MARINGÁ-PARANÁ Vanusa Pereira da Silva 1, Robsmeire

Leia mais

TÍTULO: AVALIAÇÃO DE UM PROGRAMA ESPECÍFICO DE ATENÇÃO À SAÚDE DO ADOLESCENTE DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA, VIÇOSA MG.

TÍTULO: AVALIAÇÃO DE UM PROGRAMA ESPECÍFICO DE ATENÇÃO À SAÚDE DO ADOLESCENTE DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA, VIÇOSA MG. TÍTULO: AVALIAÇÃO DE UM PROGRAMA ESPECÍFICO DE ATENÇÃO À SAÚDE DO ADOLESCENTE DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA, VIÇOSA MG. AUTORES: Kiriaque Barra Ferreira Barbosa bolsista CNPq (kiribarra@hotmail.com.br),

Leia mais

Perfil comunicativo de crianças de 2 a 24 meses atendidas na atenção primária à saúde

Perfil comunicativo de crianças de 2 a 24 meses atendidas na atenção primária à saúde Perfil comunicativo de crianças de 2 a 24 meses atendidas na atenção primária à saúde Palavras-chave: atenção primária à saúde, comunicação, fonoaudiologia Introdução: A comunicação humana é um importante

Leia mais

RELAÇÃO CINTURA-ESTATURA DE UNIVERSITÁRIOS DE UMA FACULDADE PARTICULAR DO MUNICÍPIO DE PRAIA GRANDE, SP.

RELAÇÃO CINTURA-ESTATURA DE UNIVERSITÁRIOS DE UMA FACULDADE PARTICULAR DO MUNICÍPIO DE PRAIA GRANDE, SP. RELAÇÃO CINTURA-ESTATURA DE UNIVERSITÁRIOS DE UMA FACULDADE PARTICULAR DO MUNICÍPIO DE PRAIA GRANDE, SP. Alessandra Santana Valadares Cleverson Alves dos Santos Cristiano Rovella Alecsandro Rosa da Silva

Leia mais

6. Sobrepeso e obesidade Introdução

6. Sobrepeso e obesidade Introdução 6. Sobrepeso e obesidade Introdução A prevalência de sobrepeso e obesidade vem aumentando rapidamente no mundo, sendo considerada um importante problema de saúde pública tanto para países desenvolvidos

Leia mais

EDUCAÇÃO NUTRICIONAL NA INFÂNCIA: INTERVENÇÃO EM UM CENTRO DE EDUCAÇÃO INFANTIL MUNICIPAL EM DOURADOS MS

EDUCAÇÃO NUTRICIONAL NA INFÂNCIA: INTERVENÇÃO EM UM CENTRO DE EDUCAÇÃO INFANTIL MUNICIPAL EM DOURADOS MS 72 EDUCAÇÃO NUTRICIONAL NA INFÂNCIA: INTERVENÇÃO EM UM CENTRO DE EDUCAÇÃO INFANTIL MUNICIPAL EM DOURADOS MS Karine de Cássia Freitas ¹ Melina Hatsue Sasaki ² RESUMO: Devido ao grande tempo que as crianças

Leia mais

AVALIAÇÃO ANTROPOMÉTRICA DE CRIANÇAS DO ENSINO PRÉ-ESCOLAR DA REDE PÚBLICA DO MUNICÍPIO DA AZAMBUJA

AVALIAÇÃO ANTROPOMÉTRICA DE CRIANÇAS DO ENSINO PRÉ-ESCOLAR DA REDE PÚBLICA DO MUNICÍPIO DA AZAMBUJA AVALIAÇÃO ANTROPOMÉTRICA DE CRIANÇAS DO ENSINO PRÉ-ESCOLAR DA REDE PÚBLICA DO MUNICÍPIO DA AZAMBUJA Clara Monteiro 1, Filipa Franco 2, Ana Santos 2, Sara Neves 2 & Ana Neves 1 1 Departamento de Tecnologia

Leia mais

CONSUMO DE SUPLEMENTO ALIMENTAR POR HOMENS PRATICANTES DE MUSCULAÇÃO, NAS ACADEMIAS CENTRAIS DO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA/PR

CONSUMO DE SUPLEMENTO ALIMENTAR POR HOMENS PRATICANTES DE MUSCULAÇÃO, NAS ACADEMIAS CENTRAIS DO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA/PR Os textos são de responsabilidade de seus autores. CONSUMO DE SUPLEMENTO ALIMENTAR POR HOMENS PRATICANTES DE MUSCULAÇÃO, NAS ACADEMIAS CENTRAIS DO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA/PR Edson Luis Quintiliano 1 Orientador:

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA SEGUNDO A PERCEPÇÃO DE ESTUDANTES DA REDE PÚBLICA INCLUSOS NO PROJOVEM ADOLESCENTE

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA SEGUNDO A PERCEPÇÃO DE ESTUDANTES DA REDE PÚBLICA INCLUSOS NO PROJOVEM ADOLESCENTE AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA SEGUNDO A PERCEPÇÃO DE ESTUDANTES DA REDE PÚBLICA INCLUSOS NO PROJOVEM ADOLESCENTE Angélica da Silva Santos 1, Cicera Rócila Pereira Araújo¹, Lourdes Lanes Ferreira Pereira¹,

Leia mais

Atividade física no ambiente escolar

Atividade física no ambiente escolar Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Atenção BásicaB Coordenação ão-geral da Política de Alimentação e Nutrição Atividade física x alimentação saudável no ambiente escolar

Leia mais

Introdução: a população idosa está aumentando, e com ela existe a necessidade de estudarmos

Introdução: a população idosa está aumentando, e com ela existe a necessidade de estudarmos Fisioterapia TCC em Re-vista 2010 79 BURANELLO, Mariana Colombini 13. Equilíbrio corporal e risco de queda em idosas que praticam atividades físicas e idosas sedentárias. 2010. 19 f. Trabalho de Conclusão

Leia mais

ANALISAR A QUALIDADE ALIMENTAR DE CRIANÇAS DE 3 A 5 ANOS DE IDADE, NO MEIO FAMILIAR, DE UMA INSTITUIÇÃO PRIVADA E DE UMA PÚBLICA DE APUCARANA-PARANÁ

ANALISAR A QUALIDADE ALIMENTAR DE CRIANÇAS DE 3 A 5 ANOS DE IDADE, NO MEIO FAMILIAR, DE UMA INSTITUIÇÃO PRIVADA E DE UMA PÚBLICA DE APUCARANA-PARANÁ ANALISAR A QUALIDADE ALIMENTAR DE CRIANÇAS DE 3 A 5 ANOS DE IDADE, NO MEIO FAMILIAR, DE UMA INSTITUIÇÃO PRIVADA E DE UMA PÚBLICA DE APUCARANA-PARANÁ ALVES,K.L.; MARIN,T. Resumo: Alimentação saudável é

Leia mais