UNIVERSIDADE VEIGA DE ALMEIDA ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE VEIGA DE ALMEIDA ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE VEIGA DE ALMEIDA ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS A tecnologia da informação como ferramenta de apoio ao processo de decisão de automação dos transportes de carga no Brasil Priscila Bravo Cordeiro Monografia apresentada para fornecer informações sobre a obtenção de vantagem competitiva através da automação do transporte de cargas brasileiro. Orientador: Aluisio Monteiro, M.sc. Coordenadora: Flávia Martinez Rio de Janeiro, i

2 AGRADECIMENTOS Primeiramente a Deus, por tornar possível a minha existência. A meus pais, cujo apoio e incentivo foram fundamentais não só para minha formação acadêmica, mas também para meu crescimento pessoal. A minha irmã e namorado pelo apoio logístico na localização, obtenção e transporte de todo material necessário para a elaboração deste e de outros trabalhos. E, finalmente, ao meu sempre disposto orientador, cujos conhecimentos, esforço e paciência tornaram possível a realização deste trabalho. ii

3 RESUMO Os custos de transporte influenciam consideravelmente no custo logístico de uma empresa. No Brasil, estes custos são ainda mais altos devido à excessiva limitação ao modal rodoviário, em detrimento dos outros modais, e à falta de infra-estrutura de apoio ao setor de transporte por parte dos órgãos governamentais. Neste contexto, a tecnologia da informação se apresenta como uma importante ferramenta na decisão sobre a automação dos transportes de carga no país. Para tanto, as empresas necessitam de sistemas integrados de gestão (ERP - sistemas corporativos), sendo o TMS (Transportation Management System) um sistema específico voltado para os controles inerentes ao processo de transporte. O sistema TMS, por sua vez, traz inúmeros benefícios às organizações, conferindo às mesmas, importante vantagem competitiva de mercado devido a automação do processo decisório logístico de transporte. iii

4 ABSTRACT The corporation logistics costs are deeply influenced by the transportation costs. In Brazil this costs are incresed because in our country we use basecaly the highway to transport our products. Another fact that contribute to maintain the height costs is the lower investiments in transportation sector by the governament. In such case, the information tecnolgy are presented as an important instrument for the decision about automat or not the load transportation on the country. For that the corporation needs enterprice resouce planning (ERP). The transportation management system (TMS) is also an instrument that provides more control about the transport. The TMS provides lots of benefits including the establishment of market competitive advantage. iv

5 SUMÁRIO Resumo iii Estrutura de apresentação do trabalho viii Capítulo I - Referencial Teórico O transporte como fator logístico O transporte como componente do sistema logístico A importância do setor de transportes para o desenvolvimento econômico O investimento em transporte por parte das organizações As organizações e o processo de tomada de decisões em transporte Responsabilidades do departamento de transportes A Gestão logística do transporte de cargas no Brasil A utilização dos principais modais O modal rodoviário O modal ferroviário O modal hidroviário Os modais aeroviário e dutoviário Oferta de transporte Avaliação do desempenho dos transportes de carga O custo ABC no transporte de cargas A infra-estrutura de apoio ao transporte de cargas Oportunidades para o transporte de carga brasileiro A utilização da tecnologia da informação (TI) A tecnologia da informação aplicada à logística O ERP (Enterprice Resource Planning) Os módulos de logística e produção O TMS (Transportation Management System) Os principais módulos do TMS e suas funcionalidades O módulo de gestão de frotas O módulo de gestão de fretes Os roteirizadores O Gegraphic Information System O módulo de controle de cargas Rastreamento e Radio Frequency Identification Função e aplicação do TMS Benefícios alcançados pela utilização do TMS 76 Capítulo II Vantagem competitiva de mercado baseada em TI 78 Capítulo III - Considerações finais 84 Capitulo IV Referências Bibliográficas 85 v

6 LISTA DE FIGURAS Figura 1 Distribuição dos custos logísticos 10 Figura 2 Representatividade do setor de transportes no PIB 11 Figura 3 Círculo Vicioso do Transporte 15 Figura 4 Produtividade 16 Figura 5 Investimentos governamentais na Rede Ferroviária Federal 16 Figura 6 Densidade de Ferrovia Km/1000km² 17 Figura 7 Indicadores 18 Figura 8 Número médio de saídas por semana 19 Figura 9 Participação dos modais no Brasil 20 Figura 10 - Resultado financeiro do transporte aéreo de cargas no Brasil a Figura 11 Indicadores genéricos do Balanced Scored sugeridos por Kaplan e Norton 27 Figura 12 Funções produtivas geradoras de valor 28 Figura 13 Tetraedo do desempenho 31 Figura 14 - Principais elementos para análise de desempenho de serviços de transportes 35 Figura 15 Itens representativos de uma estrutura de custos logísticos 36 Figura 16 Elementos para estimativas de capacidade de serviços de transportes 37 Figura 17 Medidas relacionadas ao tempo nos serviços de transportes 38 Figura 18 Medidas típicas de um nível de serviço em logística 40 Figura 19 Serviço de lotação completa 45 Figura 20 Serviço de carga fracionada local 45 Figura 21 Serviço de carga fracionada de longa distância 46 Figura 22 Serviço de carga fracionada de longa distância com terminais intermediários de trânsito 47 Figura 23 Comparação entre custeio tradicional e custeio ABC 50 Figura 24 Estrutura típica de funcionamento de um ERP 56 Figura 25 Exemplo de rede das principais rodovias, com tempos de viagem 61 Figura 26 Solução diagramada para o problema do exemplo 62 Figura 27 Tela de dados típica 62 Figura 28 Veículo partindo de um depósito central 63 Figura 29 Exposição gráfica de um plano de rotas 69 Figura 30 Trecho de relatório de solução 70 Figura 31 Mapa digital 71 vi

7 Figura 32 Resultado de um estudo de localização 72 Figura 33 Spatial Decision Suport 73 Figura 34 Processo de funcionamento da solução TMS da TMWSUITE 76 vii

8 Estrutura de apresentação do trabalho O trabalho a seguir apresenta a seguinte estrutura: O capítulo I (Referencial Teórico) aborda, a partir da literatura hoje existente, questões acerca do panorama do transporte de cargas no Brasil e como a tecnologia da informação pode ser considerada uma importante ferramenta para a resolução dos problemas encontrados no setor. Este capítulo é subdivido em cinco sessões teóricas, das quais serão integrantes os seguintes temas: 1. O transporte como fator logístico aborda o transporte como componente do sistema logístico, sua importância para o desenvolvimento de um país, os investimentos no setor por parte das organizações e as questões que referentes ao processo de tomada de decisão em transportes e às responsabilidades do departamento de transportes nas organizações. 2. A gestão logística do transporte de cargas no Brasil traça um panorama deste setor da economia brasileira, abordando a utilização dos principais modais no país, a oferta de transportes, a avaliação de desempenho dos transportes de carga, a relevância do método de custeio ABC e a precariedade de infra-estrutura de apoio ao setor. 3. Oportunidades para o transporte de cargas brasileiro faz uma correlação entre o panorama do setor de transporte brasileiro e o desenvolvimento da infra-estrutura de apoio ao transporte de cargas, mais especificamente da utilização da tecnologia da informação, para a obtenção de vantagem competitiva. 4. A tecnologia da informação aplicada a logística apresenta a definição de tecnologia da informação, bem como seus benefícios principais, apresentando o Transportation Management System (TMS), seus módulos principais, suas funções e aplicações, procurando ressaltar os benefícios alcançados pela utilização desta ferramenta. O capítulo II (Vantagem competitiva de mercado baseada em TI) demonstra como as ferramentas da tecnologia da informação conferem benefícios, que podem se traduzir em vantagem competitiva para as organizações. O capítulo III (Considerações Finais) apresenta as principais conclusões obtidas através da elaboração do trabalho. O capítulo IV (Referências Bibliográficas) relaciona a bibliografia utilizada para a pesquisa. viii

9 CAPÍTULO I REFERENCIAL TEÓRICO 1.1. O Transporte como fator logístico O transporte como componente do sistema logístico Para um melhor julgamento acerca do processo de transporte, é necessário que compreendamos, primeiramente, o conceito de logística. Segundo o Council of Logistics Management (1986), a atividade logística compreende o processo de planejamento, implementação e controle do fluxo e armazenamento eficiente e econômico de matérias-primas, produtos acabados, bem como as informações a eles relativos, desde o ponto de origem até o ponto de consumo, com o propósito de atender as exigências dos clientes. Conforme Ballou (2001), o sistema logístico é, portanto, composto por três decisões maiores, que abrangem: estocagem, localização das instalações e transporte. A estocagem é importante, pois, na maioria das vezes, não é possível providenciar a entrega instantânea aos clientes e, para que seja atingido um grau razoável de disponibilidade de produto, é necessário que se mantenha estoques, que agirão como amortecedores entre a oferta e a demanda. Ela contribui para reduzir os custos com transportes, coordenar oferta e demanda e auxiliar no processo de produção e de marketing. Esta última característica torna-se possível, pois a medida em que se armazena um produto próximo aos clientes, o tempo de entrega é reduzido consideravelmente e o produto pode ser disponibilizado quase que instantaneamente, facilitando o trabalho do setor de marketing. A estocagem envolve a tomada de decisões importantes acerca das instalações (consolidação, fracionamento, manutenção ou combinação das mesmas), do manuseio de materiais (carregamento e descarregamento, movimentação de e para o estoque e preenchimento do pedido), das alternativas de estocagem (possuir, arrendar, estocar em trânsito ou alugar espaço para a atividade em questão), dos tipos de armazéns (públicos ou privados), do tipo de layout a ser utilizado (para a estocagem propriamente dita ou para a separação de pedidos), da escolha do equipamento a ser adotado (manual, mecanizado ou automático), dentre outras. 9

10 A localização das instalações, por sua vez, apesar de ser, dos três componentes, o que possui menor custo logístico, também é importante por ser um elemento crítico em termos do tempo necessário para se levar bens e serviços aos clientes. É o fator logístico que visa à tomada de decisão, a partir dos métodos disponíveis, entre manter várias ou uma única instalação. Para a tomada de tal decisão, os custos de transporte devem ser a consideração primária. A manutenção de uma instalação única evita a necessidade de considerar forças competitivas de demanda entre instalações, efeitos de consolidação de estoques e os custos de instalações, enquanto, a instalação múltipla, torna-se um problema mais complexo, pois além de analisar todos os aspectos dispostos anteriormente, deve considerar cada instalação como independente e, assim, o número possível de instalações se torna enorme. Apesar da importância dos demais componentes, é o transporte o fator primordial do sistema logístico merecendo, portanto, um estudo diferenciado. Fleury (2002) comenta que o transporte é vital em qualquer sistema econômico já que é o encarregado de movimentar materiais entre os elos das cadeias produtivas e distribuir os produtos acabados para os consumidores. Segundo Ballou (2001), o transporte consiste em um conjunto de características de desempenho adquiridas a um determinado preço. Preço este, que varia em função dos custos inerentes ao próprio transporte. Os custos de transporte, por sua vez, podem ser classificados em duas categorias distintas: fixos e variáveis. Os custos fixos compreendem a manutenção das rodovias, instalações em terminais, equipamentos de transporte e a administração do transportador. Já, os variáveis englobam as decisões sobre o preço (custo) do transporte, o tempo de entrega e a variabilidade desta entrega, as possíveis perdas e danos e as escolhas dos modais. Os custos variáveis possuem esta denominação, pois dependem intrinsecamente do produto a ser transportado. Este, por sua vez, deve ser considerado de acordo com suas características principais, que são: a substituibilidade e os riscos de perecibilidade, inflamabilidade, valor, tendência à explosão e facilidade da carga roubada. 10

11 Bowersox (2001), comenta que o principal objetivo do transporte é movimentar produtos de um local de origem até um determinado destino, minimizando ao mesmo tempo os custos financeiros, temporais e ambientais, não se esquecendo, contudo, das despesas de perdas e danos que também devem ser minimizadas. Ao mesmo tempo, a movimentação deve atender às expectativas de clientes em relação ao desempenho das entregas e à disponibilidade de informações relativas às cargas transportadoras. O autor afirma, ainda, que dois princípios básicos norteiam as operações e o gerenciamento de transportes. O primeiro princípio é a economia de escala, que pode ser definida como a economia obtida com a diminuição do custo de transporte por unidade de peso com cargas maiores, como é o caso, por exemplo, das cargas fechadas (CF). Geralmente, os veículos de transporte de maior capacidade como os veículos aquaviários e ferroviários, possuem um custo menor por unidade de peso do que aqueles com menor capacidade, como é o caso do modal rodoviário. Assim, as economias de escala são importantes, pois permitem que as despesas fixas, oriundas da movimentação, sejam diluídas por um maior peso da carga. O outro princípio é a economia de distância. Neste sentido o autor destaca a importância da diminuição do custo de transporte por unidade de distância à medida que a distância aumenta. Isto torna-se possível a partir da diminuição da despesa fixa incorrida com a carga e descarga do veículo, pois, distâncias mais longas permitem que a despesa fixa seja distribuída por mais quilômetros, resultando em taxas menores por quilômetros. Para que possamos analisar melhor o panorama do transporte no Brasil, é necessário que exploremos cada um dos modais de transporte isoladamente, sendo os cinco principais modais disponíveis o aeroviário, o ferroviário, o rodoviário, o hidroviário e o dutoviário. O primeiro modal a ser descrito é o aeroviário que, segundo Ballou (2001), apresenta preços bastante elevados, compensados por pela alta velocidade e tempo de entrega imbatível, principalmente para grandes distâncias. Bowersox (2001), complementa que, apesar da quilometragem quase que ilimitada, a capacidade de alçar vôo (que impões restrições de tamanho e de peso da carga) e a disponibilidade de aeronaves são fatores que limitam a capacidade deste tipo de transporte. 11

12 O modal aeroviário apresenta custo fixo relativamente baixo, se comparado aos modais aquaviário, dutoviário e ferroviário, visto que os aeroportos, a exemplo das rodovias, são mantidos com recursos públicos. Assim, tais custos englobam somente a compra de aeronaves e a necessidade de manutenção especializada. Contudo, salienta o autor, trata-se de um modal com custos variáveis bastante altos, decorrentes da necessidade de constante reabastecimento e manutenção, bem como da utilização de intensa mão de obra, representada pelo pessoal de terra e de bordo. Outra característica do modal em questão é a falta de integração com outros modais, com exceção, talvez, do modal rodoviário. Por necessitar de amplo espaço, os aeroportos, geralmente, possuem grande dificuldade para este tipo de integração. A última consideração a ser feita sobre o modal aeroviário diz respeito à utilização deste modal, que tende a ocorrer em maior quantidade para o transporte emergencial. As empresas que optam por este tipo de transporte, somente o fazem quando a situação justifica o alto custo. O segundo modal a ser descrito é o ferroviário, que, de acordo com Ballou (2001) tem como característica ser um transportador lento de longas distâncias, cujo preço é relativamente barato se comparado a outros modais, sendo, normalmente, utilizado para o transporte de matérias-primas e minérios. Bowersox (2001), coloca que o modal ferroviário a maneira eficiente de transportar uma grande tonelagem por longas distâncias é a principal razão para que as ferrovias continuem ocupando posição de destaque na receita bruta e na tonelagem intermunicipal. Uma das características deste modal, segundo o autor é a alta incidência de custos fixos em virtude da utilização de um equipamento caro, da necessidade de acessos e de pátios de manobra, bem como dos terminais. Em contrapartida, os custo variáveis são desprezíveis. Outra característica apontada por Bowersox (2001), diz respeito ao fato de nos Estados Unidos, as empresas ferroviárias terem se tornado mais sensíveis as necessidades dos consumidores, através de investimentos no processo de intermodalidade a partir do estabelecimento de parcerias ou até mesmo da aquisição de empresas rodoviários. O terceiro modal a ser descrito é o rodoviário. 12

13 Bowersox (2001), comenta que o transporte rodoviário expandiu-se rapidamente após a Segunda Guerra Mundial e que, o rápido crescimento do setor resultou principalmente da flexibilidade operacional alcançada com o serviço porta a porta e a velocidade de movimentação intermunicipal. No que diz respeito aos investimentos, o autor salienta que comparado ao sistema ferroviário, as transportadoras rodoviárias necessitam de investimentos fixos relativamente pequenos em terminais e operam em rodovias com manutenção pública. Embora o custo com taxas de licença, impostos ao usuário e pedágios seja grande, estas despesas estão diretamente relacionadas com a quantidade de quilômetros e veículos operados. No entanto, o custo variável por quilômetro é alto, pois é necessário um cavalo mecânico e um motorista para cada carreta ou composição de carretas atreladas. A necessidade de mão-deobra também é grande em virtude das restrições de segurança, referentes ao motorista e à necessidade de uma força de trabalho substancial de manutenção. O autor conclui, que em comparação com o sistema ferroviário, as transportadoras rodoviárias são mais adequadas para movimentar pequenas cargas à curta distância. Ballou (2001), complementa que o modal rodoviário contrasta com o ferroviário a medida em que transporta, principalmente, produtos semi-acabados e acabados, a uma distância variável de aproximadamente Km 1 para carga completa e, Km 2 para a incompleta. O autor conclui, que o modal rodoviário apresenta uma entrega razoavelmente rápida e confiável, tendo a vantagem de comportar carregamentos pequenos e de poder prestar serviço porta-a-porta. Ele afirma ainda, que o preço deste modal encontra-se compreendido entre o do modal aeroviário e o ferroviário, sendo mais acessível que o primeiro e relativamente mais caro que o segundo. O modal hidroviário é, segundo Bowersox (2001), o meio de transporte mais antigo. De acordo com Ballou (2001), é o mais barato dentre todos os modais e pode ser utilizado para transporte doméstico ou internacional através de vias fluviais ou marítimas. A navegação fluvial é considerada bastante limitada na medida em que depende da navegabilidade das vias fluviais e do clima, sendo suscetível à secas e enchentes. É, na média, um modal mais vagaroso que o ferroviário tendo como agravante o fato de depender milhas, sendo 1 milha = 1852 Km milhas 13

14 de outro modal que a ele se integre. Normalmente transporta produtos de baixo valor agregado, sendo o custo de perdas e danos ao produto desprezível. Já o transporte hidroviário quando realizado através de via marítima, possui poucas limitações e, a exemplo do ferroviário, é um transportador lento, entretanto, de produtos de alto valor. Quanto à navegação doméstica, o modal hidroviário divide-se em duas categorias principais que são: a cabotagem e a navegação de interior. A cabotagem consiste em uma navegação mercante entre portos de um mesmo país, enquanto a navegação de interior compreende a navegação através de vias fluviais. Bowersox (2001), comenta que, o transporte hidroviário está situado entre as transportadoras rodoviárias e ferroviárias no tange a incidência de custos fixos. Embora seja de responsabilidade da própria transportadora a manutenção de seus terminais, o direito de acesso é mantido pelo governo o que resulta em custos fixos moderados quando comparados com os custos das rodovias e ferrovias. As principais desvantagens do modal em questão são a rapidez e o alcance de operação limitados. A menos que a via navegável seja próxima do destino da carga, há a necessidade da utilização de um transporte suplementar utilizando via férrea ou caminhões. Assim, conclui o autor, que a capacidade que as vias marítimas ou fluviais tem de transportar grandes volumes/tonelagens a um custo variável baixo faz com que esse modal de transporte seja requisitado quando se deseja obter baixas taxas de frete e quando a questão rapidez é secundária. O quinto e último modal a ser abordado é o dutoviário que, de acordo com Ballou (2001), se caracteriza por oferecer uma faixa muito limitada de serviços, sendo os principais produtos transportados o petróleo, gazes e material sólido, como o diamante (cujo transporte exige a colocação em cilindros e a utilização de uma pasta fluída ). Os produtos transportados por este modal tem uma movimentação vagarosa, compensada pelo fato de locomoverem-se 24h por dia, 7 dias por semana e de sofrerem perdas e danos insignificantes. Neste sentido, Bowersox (2001) salienta que a natureza da dutovia é singular, se comparada a todos os outros tipos de modais, visto tratar-se de um modal que opera ininterruptamente. 14

15 Outra característica dos dutos é o fato de apresentam maior custo fixo e menor custo variável dentre todos os modais, sendo o alto custo fixo oriundo do direto de acesso, da necessidade de construção e da necessidade de controle das estações, além da capacidade de bombeamento. Como não necessitam de mão-de-obra intensiva, o custo operacional variável é extremamente baixo. O autor conclui que as desvantagens óbvias do modal dutoviário residem no fato da inflexibilidade e das limitações quanto aos produtos que podem ser transportados A importância do setor de transportes para o desenvolvimento econômico Segundo Martins e Caixeta-Filho (2001), a infra-estrutura possui papel preponderante sobre os níveis gerais de eficiência da economia, pois uma infra-estrutura adequada disponível confere ganhos de eficiência ao sistema produtivo, e não só as organizações, isoladamente. Isto ocorre porque, o aumento do produto final incrementa a produtividade e reduz consideravelmente o custo por unidade de insumo. A alta produtividade alcançada, por sua vez, ocasiona a elevação da remuneração dos fatores, o que estimula o investimento e o emprego. Além disso, um nível adequado de infra-estrutura permite condições atrativas aos investimentos privados. A relação infra-estrutura e desenvolvimento econômico pode ser comprovada através do modelo proposto por Martin e Rogers (1995), cuja conclusão, por Martins e Caixeta- Filho (2001), aponta para o fato de empresas com retorno crescente tenderem a se instalar em países com melhor infra-estrutura doméstica e com comércio integrado. Neste contexto, a questão logística torna-se essencial. Para Martins e Caixeta-Filho (2001) a questão logística é fundamental para a economia visto que a orientação dos processos produtivos, buscando atender aos requisitos dos mercados consumidores quanto à qualidade dos produtos e insumos, prazos de entrega, assistência técnica e inovações, tem feito com que a eficiência do sistema logístico torne-se uma condição básica para a competitividade de todos os setores da economia. Assim, se os sistemas de infra-estrutura não funcionam adequadamente, há um comprometimento das atividades econômicas, com adicional elevação nos custos. O resultado traduz-se em redução de competitividade dos produtos de exportação no mercado internacional e em preços mais altos no mercado doméstico. 15

16 Dentre as questões logísticas, a infra-estrutura de transporte é a que causa maior impacto nas atividades econômicas. Para Ballou (2001), um sistema de transporte eficiente e barato contribui para aumentar a concorrência do mercado, elevar as economias de escala de produção e reduzir os preços das mercadorias, sendo um importante diferencial econômico. Martins e Caixeta-Filho (2001) colocam que o transporte desempenha um papel de destaque no desenvolvimento econômico. Isso é explicado pelo fator de ser, o transporte, o meio de suprimento e abastecimento de bens e insumos de que as regiões carecem, como também ser o meio que permite que estas exportem seus produtos. Entre os fatores que agem no sentido de limitar os fluxos de comércio estão os custo de transporte. Primeiro, os custos de transporte são imputados aos custos dos insumos, influenciando o custo de produção e o preço final. Segundo, eles determinam quais mercados cada região está apta a atender e, conseqüentemente, concorrer com outras mercadorias produzidas por outras regiões ou países. Neste sentido, os custos de transporte afetam a renda gerada em cada região (via exportação) e seus preços (via importação tanto de insumos, quanto de produtos finais). Assim, uma redução nos custos de transporte, pela via da redução de preços, em virtude da concorrência de produtos importados e pela própria redução de custos dos produtos produzidos regionalmente, propicia um aumento no bem-estar da população. Há também ganhos de escala: com a expansão da cobertura geográfica de regiões cujas demandas podem ser atendidas, as firmas da região exportadora podem produzir mais, diluindo seus custos fixos e aumentado seu poder de compra junto aos fornecedores, que por sua vez, também terão margem para aumentar o volume de suas produções; esse impacto estende-se por toda cadeia produtiva. Em relação às funções atribuídas aos sistemas de transporte Martins e Caixeta-Filho (2001), abordam que, os transportes, primeiramente, têm a função básica de proporcionar elevação na disponibilidade de bens ao permitirem o acesso a produtos que de outra maneira não estariam disponíveis para uma sociedade ou, então, possuiriam preço elevado. Assim, o transporte passa a ser o responsável por promover a integração entre sociedades que produzem bens diferentes entre si. 16

17 Outra função econômica atribuída ao sistema de transportes é a possibilidade de expandir mercados através da produção em escala e do atendimento de um maior número de pessoas. Permitindo o acesso a produtos produzidos fora de seus ambientes, o sistema de transporte contribui para o rompimento de monopólios, a medida em que estreita o isolamento geográfico na produção e comercialização de mercadorias. O transporte também é o responsável por possibilitar a especialização regional da produção mediante a redução dos custos de produção. A região tem que produzir e distribuir a um custo compativelmente baixo para alcançar a especialização produtiva. O setor de transporte influencia, ainda, no processo de globalização. Isto porque, após ter ultrapassado os estágios de imobilidade e isolamento, de mecanização e comércio regional, depois de motorização e aviação, a humanidade vive a era do transporte internacional e da economia global. Os transportes cumprem, além de tudo, importante função social porque permitem a mobilidade das pessoas estimulando a disseminação de informações e idéias. Além do mais, juntamente com a distribuição dos recursos, topografia e desenvolvimento é um dos fatores considerados na distribuição da população. Ao influenciar na distribuição populacional, o desenvolvimento de novas modalidades de transporte pode mudar também a importância relativa das cidades, ou seja, o padrão e tamanho de uma cidade são largamente moldados pela natureza das disponibilidades de transporte. Isso ocorreu com Atlanta (EUA) que se tornou o maior centro comercial dos Estados do Atlântico Sul, como resultado de ter sido privilegiada pelo eficiente sistema ferroviário. Segundo Ballou (1993), na economia mundial, sistemas logísticos eficientes são as bases para o comércio e a manutenção de um alto padrão de vida nos países desenvolvidos, pois na medida em que serviços de transporte mais baratos vão sendo disponibilizados, a estrutura econômica começa a assemelhar-se à de uma economia desenvolvida, com a formação de grandes cidades, resultantes da migração para os centros urbanos, e regiões geográficas produtoras de um leque menor de itens, elevando o nível de vida médio. Ainda segundo o autor, quando comparamos as economias de uma chamada nação em desenvolvimento e outra desenvolvida, verificamos que cabe ao transporte conferir um alto nível a atividade econômica de um país. 17

18 Nas nações desenvolvidas, com a utilização de serviços de transporte cada vez mais baratos e em vasta quantidade, dinamiza-se a produção e consequentemente, alcançam-se novos mercados consumidores, enquanto nas nações em desenvolvimento, é comum que a produção e o consumo estejam próximos uma vez que a disponibilidade de transporte normalmente é precariamente desenvolvida. Martins e Caixeta-Filho (2001), observam que, um sistema de transporte ineficiente acarreta altos custos de deslocamento e é um enorme entrave ao desenvolvimento. As instalações precárias de transporte restringem as possibilidades de ganhos pelo comércio. Para os exportadores tradicionais de produtos primários, o alto custo e a qualidade inadequada do transporte nacional podem ocasionar a perda dos mercados tradicionais de exportação e os excluir dos mercados potenciais. Tomando-se como exemplo a América do Sul, constamos que se trata de uma região que possui diversos fatores de estímulo à realização de grandes negócios, mas também muitas barreiras, em sua maioria provocadas pela precariedade do setor de transportes atualmente em vigor. As oportunidades tornam-se visíveis à medida que emergem mercados significativos, aumenta o investimento por parte das multinacionais, descobre-se um grande potencial para a exportação e encontra-se um baixo custo de mão-de-obra. Por outro lado, uma infra-estrutura de transporte deficiente e de alto custo, agravada por uma alta carga tributária e pelo excesso de burocracia e corrupção, são os principais entraves ao desenvolvimento desta região. Martins e Caixeta-Filho (2001) salientam que, no caso específico das várias regiões brasileiras, que têm sua base produtiva fortemente assentada em produtos primários o impacto do transporte é ainda mais relevante. A razão principal é que, por causa do valor relativamente mais baixo de seus produtos, em relação aos seus pesos, os fretes oneram relativamente mais os preços finais desses produtos. Ademais, grande parte dos produtos primários tem suas cotações fixadas nos mercados internacionais, sendo impossível à transferência de aumento de custo de transporte aos preços finais. Mais ainda, em países de proporções continentais como o Brasil, espera-se que os fluxos de comércio sejam influenciados, de forma significativa, por esses custos que, em última instância, determinam as relações comerciais entre as firmas, seus fornecedores e consumidores, espacialmente dispersos. 18

19 Newton Gibson, presidente da Associação Brasileira dos Transportes de Carga (ABTN), em depoimento para a pesquisa realizada pelo Centro de Estudos em Logística, COPPEAD UFRJ, afirmou que, no Brasil, só a melhoria do transporte poderá tornar o país mais competitivo no contexto internacional. Se o transporte é fator primordial para o desenvolvimento de um país, que dizer para o desenvolvimento de uma organização? As organizações de hoje já perceberam que, para competir neste mercado globalizado, precisam investir maciçamente no transporte O investimento em transporte por parte das organizações Segundo pesquisas realizadas pelo Council of Logistics Management, as empresas gastam cerca de 10 a 15 por cento de seus orçamentos com atividades logísticas, sendo, 50% destes custos direcionados a atividade de transporte. Figura 1 Distribuição dos custos logísticos Transporte 24% 26% 50% Estocagem e manuseio Localização das instalações Fonte: Responsabilidade da autora Para que tenhamos a dimensão exata de quanto se é gasto por nossas organizações, basta que tracemos um paralelo correlacionando os gastos com o setor de transporte e o PIB (Produto Interno Bruto) do nosso país. Segundo Fleury (2002), somente no ano de 2001, os gastos com transporte no Brasil ultrapassaram os R$ 100 bilhões, o que equivale a 10% do PIB nacional, enquanto nos 19

20 Estados Unidos foram investidos cerca de US$ 600 bilhões, o equivalente a 6% do PIB daquele país. Se compararmos os dados obtidos nos setores dos dois países, podemos verificar que apesar da maior soma total investida pelas organizações norte-americanas, proporcionalmente, se investe mais em transporte no Brasil, o que se torna ainda mais visível no gráfico abaixo. Figura 2 Representatividade do setor de transportes no PIB 4,4% 4,2% 4,0% 3,8% 3,6% 3,4% 3,2% Fonte: Balanço Energético Nacional 2000/MME Contudo, apesar dos vultosos investimentos, as corporações nacionais ainda encontram grande dificuldade na movimentação de seus produtos. Dificuldades estas ocasionadas, em grande parte, pelos problemas abordados no item 1.2. deste capítulo As organizações e o processo de tomada de decisões em transporte Segundo Bowersox (2001), a tomada de decisão em transportes requer disponibilidade de informação e funcionários capacitados e treinados para processá-la a fim de atender às necessidades funcionais e estratégicas do transporte da empresa, sendo a informação disponibilizada através da análise de grande variedade de documentação. Os três principais documentos para a execução de um transporte são o conhecimento de embarque, o conhecimento de frete e o manifesto de carga. 20

SISTEMAS DE TRANSPORTES

SISTEMAS DE TRANSPORTES ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS, PRODUÇÃO E LOGÍSTICA SISTEMAS DE TRANSPORTES TRANSPORTES Transportes, para a maioria das firmas, é a atividade logística mais importante, simplesmente porque ela absorve, em

Leia mais

Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte.

Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte. GERENCIAMENTO DO TRANSPORTE Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte. Trade-off CUSTO x NÍVEL DE SERVIÇO FORMAÇÃO DO PREÇO FINAL Para elaboração de uma estratégia

Leia mais

Custeio do Transporte Rodoviário de Cargas

Custeio do Transporte Rodoviário de Cargas Custeio do Transporte Rodoviário de Cargas SUMÁRIO 1. Link Aula Anterior; 2. Gestão de Custos X Gastos; 3. Custo Direto, Indireto, Fixo e Variável; 4. Custo Marginal, Histórico, Orçado. 5. Etapas do Custeio;

Leia mais

Estoque e Logística. Henrique Montserrat Fernandez www.henriquemf.com

Estoque e Logística. Henrique Montserrat Fernandez www.henriquemf.com Estoque é capital investido, com liquidez duvidosa e altos custos de manutenção. Por isso, quanto menor for o investimento em estoque, melhor. Para as empresas, o ideal seria efetuar as aquisições de estoques

Leia mais

LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza Prova 1 09 de Maio de 2013 Nome: 1ª QUESTÃO (1,0) Segundo os dados divulgados pela ood and Agriculture Organization (AO, 2011) sobre as exportações brasileiras, em

Leia mais

Fundamentos do Transporte

Fundamentos do Transporte Prof.: Deibson Agnel Livro: Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos/Logística Empresarial Autor: Ronald Ballou Cap. 06 1 A importância de um sistema de transporte eficaz A movimentação de cargas absorve

Leia mais

Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos. Profª Caroline Pauletto Spanhol

Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos. Profª Caroline Pauletto Spanhol Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos Profª Caroline Pauletto Spanhol Cadeia de Abastecimento Conceitos e Definições Elementos Principais Entendendo a Cadeia de Abastecimento Integrada Importância

Leia mais

LOGÍSTICA. O Sistema de Transporte

LOGÍSTICA. O Sistema de Transporte LOGÍSTICA O Sistema de Transporte O TRANSPORTE 1. Representa o elemento mais importante do custo logístico; MODALIDADE (UM MEIO DE TRANSPORTE) MULTIMODALIDADE (UTILIZAÇÃO INTEGRADA DE MODAIS) Tipos de

Leia mais

Preços de Frete Rodoviário no Brasil

Preços de Frete Rodoviário no Brasil Preços de Frete Rodoviário no Brasil Maria Fernanda Hijjar O Brasil é um país fortemente voltado para o uso do modal rodoviário, conseqüência das baixas restrições para operação e dos longos anos de priorização

Leia mais

Distribuição e transporte

Distribuição e transporte Distribuição e transporte Gestão da distribuição Prof. Marco Arbex Introdução Toda produção visa a um ponto final, que é entregar os seus produtos ao consumidor; Se o produto não está disponível na prateleira,

Leia mais

Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo

Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo III.1 GESTÃO DE TRANSPORTES 1.1. O desenvolvimento econômico e o transporte. 1.2. A geografia brasileira, a infraestrutura dos estados, municípios

Leia mais

As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm

As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm ESTUDO DA CNT APONTA QUE INFRAESTRUTURA RUIM AUMENTA CUSTO DO TRANSPORTE DE SOJA E MILHO As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm impacto significativo na movimentação

Leia mais

PLATAFORMA LOGÍSTICA Instrumento Importante para maior eficiência logística dos Portos Brasileiros O Caso do Porto de Santos

PLATAFORMA LOGÍSTICA Instrumento Importante para maior eficiência logística dos Portos Brasileiros O Caso do Porto de Santos PLATAFORMA LOGÍSTICA Instrumento Importante para maior eficiência logística dos Portos Brasileiros O Caso do Porto de Santos José Newton Barbosa Gama Assessor Especial Dezembro de 2011 SUMÁRIO Problemática

Leia mais

A navegação de cabotagem no Brasil

A navegação de cabotagem no Brasil A navegação de cabotagem no Brasil Um imenso potencial com grandes desafios e barreiras João Guilherme Araujo Diretor de Desenvolvimento de Negócios ILOS - Instituto de Logística e Supply Chain Ultimamente

Leia mais

ENCONTRO 1 Logística e Transporte

ENCONTRO 1 Logística e Transporte ENCONTRO 1 Logística e Transporte ENCONTRO 1 Logística e Transporte TÓPICO 1: Contextualizando o encontro Olá! Você está iniciando o primeiro encontro do curso Logística Internacional. Neste encontro,

Leia mais

A importância estratégica da Logística na Siderurgia Brasileira

A importância estratégica da Logística na Siderurgia Brasileira A importância estratégica da Logística na Siderurgia Brasileira CARLOS JR. GERENTE DE PLANEJAMENTO INTEGRADO Jun/2013 Jorge Carlos Dória Jr. Votorantim Siderurgia Votorantim Siderurgia O Grupo Votorantim

Leia mais

LOGÍSTICA & BRASIL Artigo

LOGÍSTICA & BRASIL Artigo O artigo aborda relações entre logística, formação profissional e infra-estrutura do país. São debatidas questões sobre a evolução da logística no Brasil, a preparação educacional do profissional de logística

Leia mais

Professora Danielle Valente Duarte

Professora Danielle Valente Duarte Professora Danielle Valente Duarte TRANSPORTE significa o movimento do produto de um local a outro, partindo do início da cadeia de suprimentos chegando até o cliente Chopra e Meindl, 2006 O Transporte

Leia mais

TMS e Roteirizadores. Breno Amorim brenoamorim@hotmail.com

TMS e Roteirizadores. Breno Amorim brenoamorim@hotmail.com TMS e Roteirizadores Breno Amorim brenoamorim@hotmail.com Definição TMS (Transportation Management System) é um produto para melhoria da qualidade e produtividade de todo o processo de distribuição. Este

Leia mais

6 A cadeia de suprimentos da soja no Mato Grosso sob o ponto de vista dos atores da cadeia

6 A cadeia de suprimentos da soja no Mato Grosso sob o ponto de vista dos atores da cadeia 6 A cadeia de suprimentos da soja no Mato Grosso sob o ponto de vista dos atores da cadeia Complementando o que foi exposto sobre a gerência da cadeia de suprimentos analisada no Capítulo 3, através de

Leia mais

LOGÍSTICA. Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA

LOGÍSTICA. Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi LOGÍSTICA 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA O conceito de Logística sempre envolve um fluxo de materiais de uma origem ou destino e, no outro sentido, um fluxo

Leia mais

Desafio Logístico 2013

Desafio Logístico 2013 1 Desafio Logístico 2013 Índice Introdução 3 A situação O desafio 5 5 Regras gerais 6 2 Introdução O desenvolvimento econômico do Brasil enfrenta inúmeros desafios sendo que um dos mais complexos está

Leia mais

DEFINIÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS E DOS DESAFIOS DO TRANSPORTE URBANO DE CARGA.

DEFINIÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS E DOS DESAFIOS DO TRANSPORTE URBANO DE CARGA. DEFINIÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS E DOS DESAFIOS DO TRANSPORTE URBANO DE CARGA. Caro participante, Agradecemos a sua presença no III Megacity Logistics Workshop. Você é parte importante para o aprimoramento

Leia mais

Unidade IV GERENCIAMENTO DE. Prof. Altair da Silva

Unidade IV GERENCIAMENTO DE. Prof. Altair da Silva Unidade IV GERENCIAMENTO DE TRANSPORTE Prof. Altair da Silva Transporte em area urbana Perceba o volume de caminhões que circulam nas áreas urbanas em nosso país. Quais são os resultados para as empresas

Leia mais

AUTOMAÇÃO LOGÍSTICA AULA 05 FILIPE S. MARTINS

AUTOMAÇÃO LOGÍSTICA AULA 05 FILIPE S. MARTINS AUTOMAÇÃO LOGÍSTICA AULA 05 FILIPE S. MARTINS AUTOMAÇÃO LOGÍSTICA ROTEIRO TMS GESTÃO DE TRANSPORTES PRA QUE SERVE? NÍVEIS DE DECISÃO QUAL A UTILIDADE? BENEFÍCIOS MODELOS EXERCÍCIO GESTÃO DE TRANSPORTE

Leia mais

Armazenagem, Controle e Distribuição. Aula 6. Contextualização. Modais de Transporte. Instrumentalização. Modais de Transporte

Armazenagem, Controle e Distribuição. Aula 6. Contextualização. Modais de Transporte. Instrumentalização. Modais de Transporte Armazenagem, Controle e Distribuição Aula 6 Contextualização Prof. Walmar Rodrigues da Silva Modais de Transporte Característica Comparações Utilização Instrumentalização Multimodalidade e intermodalidade

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2010. Qualificação: TÉCNICO EM LOGÍSTICA. Professora: FLÁVIA ANDRÉIA CANEDO DE LIMA

Plano de Trabalho Docente 2010. Qualificação: TÉCNICO EM LOGÍSTICA. Professora: FLÁVIA ANDRÉIA CANEDO DE LIMA Plano de Trabalho Docente 2010 ETEC RODRIGUES DE ABREU Ensino Técnico Código: 135 Município: BAURU/SP Eixo Tecnológico: GESTÃO E NEGÓCIOS Habilitação Profissional: TÉCNICO EM LOGÍSTICA Qualificação: TÉCNICO

Leia mais

Navegação de Cabotagem no Brasil. João Guilherme Araujo. Novembro/2013

Navegação de Cabotagem no Brasil. João Guilherme Araujo. Novembro/2013 Navegação de Cabotagem no Brasil João Guilherme Araujo Novembro/2013 Agenda Porque falar de Cabotagem? Cabotagem no Brasil Pontos Favoráveis e Desfavoráveis Números da Cabotagem no Brasil Cabotagem de

Leia mais

QUESTÕES FUNDAMENTAIS DA LOGÍSTICA NO BRASIL. Agosto de 2013

QUESTÕES FUNDAMENTAIS DA LOGÍSTICA NO BRASIL. Agosto de 2013 QUESTÕES FUNDAMENTAIS DA LOGÍSTICA NO BRASIL Agosto de 2013 PRINCIPAIS CADEIAS PRODUTIVAS Soja, milho e bovinos AGROPECUÁRIA AÇÚCAR E ÁLCOOL Soja, milho e bovinos Cana de açúcar MINERAÇÃO E SIDERURGIA

Leia mais

LOGÍSTICA EMPRESARIAL. Rodolfo Cola Santolin 2009

LOGÍSTICA EMPRESARIAL. Rodolfo Cola Santolin 2009 LOGÍSTICA EMPRESARIAL Rodolfo Cola Santolin 2009 Conteúdo Cadeia de suprimentos Custos Logísticos Administração de Compras e Suprimentos Logística Reversa CADEIA DE SUPRIMENTOS Logística Logística Fornecedor

Leia mais

Contribuição do custo logístico na formação de preço de venda dos produtos. Prof. Paulo Medeiros

Contribuição do custo logístico na formação de preço de venda dos produtos. Prof. Paulo Medeiros Contribuição do custo logístico na formação de preço de venda dos produtos Prof. Paulo Medeiros Medindo os custos e desempenho da logística Uma vez que o gerenciamento logístico é um conceito orientado

Leia mais

Prof. Altair da Silva. Unidade III GERENCIAMENTO DE

Prof. Altair da Silva. Unidade III GERENCIAMENTO DE Prof. Altair da Silva Unidade III GERENCIAMENTO DE TRANSPORTE Transporte aéreo O transporte caracterizado por transporte através de aeronaves. Doméstico internamente; Internacional outros países; Início

Leia mais

CUSTOS LOGÍSTICOS NO BRASIL 2014. Logística, Supply Chain e Infraestrutura. Núcleo de Logística, Supply Chain e Infraestrutura

CUSTOS LOGÍSTICOS NO BRASIL 2014. Logística, Supply Chain e Infraestrutura. Núcleo de Logística, Supply Chain e Infraestrutura CUSTOS LOGÍSTICOS NO BRASIL 2014 Logística, Supply Chain e Infraestrutura Núcleo de Logística, Supply Chain e Infraestrutura Paulo Tarso Vilela de Resende Paulo Renato de Sousa Bolsistas Fapemig Gustavo

Leia mais

PLANILHA REFERENCIAL DE CUSTO DE TRANSPORTE DE CONTÊINER

PLANILHA REFERENCIAL DE CUSTO DE TRANSPORTE DE CONTÊINER PLANILHA REFERENCIAL DE CUSTO DE TRANSPORTE DE CONTÊINER PLANILHA REFERENCIAL DE CUSTOS PARA O TRANSPORTE DE CONTÊINER julho-11 Percurso de ida e volta Contêiner até 25 t Contêiner acima de 25 t até 30

Leia mais

QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE

QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE *Envie o nome de seu grupo, dos integrantes e um telefone de contato junto com as respostas do questionário abaixo para o e-mail COMMUNICATIONS.SLA@SCANIA.COM*

Leia mais

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA Marinalva R. Barboza Definição do conceito de logística e evolução Logística tem origem no idioma francês Logistique se define de forma militar sendo uma parte estratégica

Leia mais

ESTUDO DA CRIAÇÃO DE UMA PLATAFORMA MULTIMODAL Prof. Ph.D. Cláudio Farias Rossoni Área delimitada onde em um mesmo local se encontram disponibilizados: DUTOVIAS HIDROVIAS RODOVIAS AEROVIAS FERROVIAS Área

Leia mais

Copersucar completa 50 anos de liderança em açúcar e etanol com planos para aumentar ainda mais sua atuação global

Copersucar completa 50 anos de liderança em açúcar e etanol com planos para aumentar ainda mais sua atuação global Copersucar completa 50 anos de liderança em açúcar e etanol com planos para aumentar ainda mais sua atuação global Exportações de açúcar da empresa devem aumentar 86% na safra 2009/2010 A Copersucar completa

Leia mais

Planilha Referencial de Custo de Transporte Rodoviário com Equipamento Silo ( Granéis Sólidos )

Planilha Referencial de Custo de Transporte Rodoviário com Equipamento Silo ( Granéis Sólidos ) Planilha Referencial de Custo de Transporte Rodoviário com Equipamento Silo ( Granéis Sólidos ) DECOPE/NTC A planilha referencial de granéis sólidos foi elaborada pelo DECOPE/NTC&LOGÍSTICA sob supervisão

Leia mais

Vamos nos conhecer. Avaliações 23/08/2015. Módulo I Introdução à Logistica Empresarial Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc.

Vamos nos conhecer. Avaliações 23/08/2015. Módulo I Introdução à Logistica Empresarial Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. Módulo I Introdução à Logistica Empresarial Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. Vamos nos conhecer Danillo Tourinho Sancho da Silva, M.Sc Bacharel em Administração, UNEB Especialista em Gestão da Produção

Leia mais

A UNION MODAL LOGÍSTICA INTEGRADA LTDA. vem apresentar à sua empresa um programa completo de suporte às operações de logística, que atende aos

A UNION MODAL LOGÍSTICA INTEGRADA LTDA. vem apresentar à sua empresa um programa completo de suporte às operações de logística, que atende aos 2012 Apresentação Luiz José de Souza Neto Union Modal Logística Integrada Rua Teixeira de Freitas, 72, cj. 23 Santos / SP - Tel.: 13 30613387 luiz@unionmodal.com.br A UNION MODAL LOGÍSTICA INTEGRADA LTDA.

Leia mais

CONTROLE DE ESTOQUES Todo erro gerencial acaba gerando estoque.

CONTROLE DE ESTOQUES Todo erro gerencial acaba gerando estoque. CONTROLE DE ESTOQUES Todo erro gerencial acaba gerando estoque. RAZÕES PARA MANTER ESTOQUES A armazenagem de mercadorias prevendo seu uso futuro exige investimento por parte da organização. O ideal seria

Leia mais

. CONSUMO DE ÓLEO DIESEL

. CONSUMO DE ÓLEO DIESEL TRANSPORTES Os transportes têm como finalidade o deslocamento e a circulação de mercadorias e de pessoas de um lugar para outro. Nos países subdesenvolvidos, cuja economia sempre foi dependente dos mercados

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA OS ESTUDOS DE AVALIAÇÃO DA SEGURANÇA DAS INSTALAÇÕES PORTUÁRIAS

TERMO DE REFERÊNCIA PARA OS ESTUDOS DE AVALIAÇÃO DA SEGURANÇA DAS INSTALAÇÕES PORTUÁRIAS TERMO DE REFERÊNCIA PARA OS ESTUDOS DE AVALIAÇÃO DA SEGURANÇA DAS INSTALAÇÕES PORTUÁRIAS SUMÁRIO 1 OBJETIVO 2 IDENTIFICAÇÃO 3- CARACTERIZAÇÃO DA INSTALAÇÃO PORTUÁRIA 4 - PLANO DE TRABALHO 4.1 - CONHECIMENTO

Leia mais

Pesquisa sobre Logística no E-commerce Brasileiro 2013

Pesquisa sobre Logística no E-commerce Brasileiro 2013 Pesquisa sobre Logística no E-commerce Brasileiro 2013 www.brazilpanels.com.br www.abcomm.com.br www.ecommerceschool.com.br Apoio: INTRODUÇÃO A Logística foi escolhida para ser o tema do primeiro estudo

Leia mais

Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 5 a 8 de outubro, 2009 131 RESUMOS EXPANDIDOS...132

Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 5 a 8 de outubro, 2009 131 RESUMOS EXPANDIDOS...132 Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 5 a 8 de outubro, 2009 131 RESUMOS EXPANDIDOS...132 Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 5 a 8 de outubro, 2009 132

Leia mais

Setores químico e petroquímico: as características dos produtos determinam a logística correta -

Setores químico e petroquímico: as características dos produtos determinam a logística correta - Setores químico e petroquímico: as características dos produtos determinam a logística correta - Setores onde um erro pode acarretar sérios danos ao meio ambiente, às pessoas e as próprias instalações

Leia mais

20 de dezembro de 2010. Perguntas e Respostas

20 de dezembro de 2010. Perguntas e Respostas Perguntas e Respostas Índice 1. Qual é a participação de mercado da ALL no mercado de contêineres? Quantos contêineres ela transporta por ano?... 4 2. Transportar por ferrovia não é mais barato do que

Leia mais

Logistica e Distribuição. Manuseio de Materiais. Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993

Logistica e Distribuição. Manuseio de Materiais. Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993 Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993 Logística e Distribuição Manuseio de Materiais / Gestão de Informações Primárias Apoio 1 2 Manuseio de Materiais Refere-se aos deslocamentos de materiais

Leia mais

Logistica e Distribuição

Logistica e Distribuição Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993 Logística e Distribuição Armazenagem e Movimentação Primárias Apoio 1 2 A armazenagem corresponde a atividades de estocagem ordenada e a distribuição

Leia mais

de desenvolvimento de uma região ou país sem um sistema

de desenvolvimento de uma região ou país sem um sistema de desenvolvimento de uma região ou país sem um sistema O sistema de transporte é um elemento importante para o crescimento de cidades e de indústrias, para a geração de renda, de emprego e de estabilidade

Leia mais

Logística Empresarial

Logística Empresarial IETEC INSTITUTO DE EDUCAÇAO TECNOLÓGICA PÓS GRADUAÇAO LATU SENSU 15 a. Turma Gestão da Logística Logística Empresarial Elenilce Lopes Coelis Belo Horizonte MG Julho - 2006 2 SUMÁRIO INTRODUÇÃO À LOGÍSTICA...PÁGINA

Leia mais

ANÁLISE DOS SISTEMAS LOGÍSTICO E DE TRANSPORTE DO CORREDOR CENTRO-OESTE

ANÁLISE DOS SISTEMAS LOGÍSTICO E DE TRANSPORTE DO CORREDOR CENTRO-OESTE ANÁLISE DOS SISTEMAS LOGÍSTICO E DE TRANSPORTE DO CORREDOR CENTRO-OESTE Aluno: Stephan Beyruth Schwartz Orientador: Nélio Domingues Pizzolato 1. INTRODUÇÃO A estabilização da economia e a eliminação do

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM TRANSPORTES

DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM TRANSPORTES DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM TRANSPORTES Sistema de Tranporte Sob qualquer ponto de vista econômico, político e militar o transporte é,, inquestionavelmente, a indústria mais importante no mundo. Congresso

Leia mais

PROGRAMA PRÓ CABOTAGEM POTENCIAL DA CABOTAGEM PARA O AGRONEGÓCIO

PROGRAMA PRÓ CABOTAGEM POTENCIAL DA CABOTAGEM PARA O AGRONEGÓCIO AGENDA PROGRAMA PRÓ CABOTAGEM POTENCIAL DA CABOTAGEM PARA O AGRONEGÓCIO O PROGRAMA PROGRAMA PARA DESENVOLVIMENTO DA CABOTAGEMNO BRASIL, COM A PARTICIPAÇÃO DOS ORGÃOS INTERVENIENTES, ATRAVÉS DE UM GRUPO

Leia mais

Função: Planejamento e Operação de Transportes

Função: Planejamento e Operação de Transportes MÓDULO III Habilitação Profissional Técnica de Nível Médio de TÉCNICO EM LOGÍSTICA III.1 GESTÃO DE TRANSPORTES Função: Planejamento e Operação de Transportes 1. Avaliar a infraestrutura dos sistemas de

Leia mais

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 141 A LOGÍSTICA COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Douglas Fernandes 1, Josélia Galiciano Pedro 1 Docente do Curso Superior

Leia mais

1º Seminário de Gerenciamento de Riscos. Logistica - Soluções e Aplicações

1º Seminário de Gerenciamento de Riscos. Logistica - Soluções e Aplicações Logistica - Soluções e Aplicações 01 A saída para o transporte rodoviário é a Logistica integrada? Deveria ser, mas infelizmente o Brasil apostou no passado na implementação do transporte de cargas no

Leia mais

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning ERP Enterprise Resources Planning A Era da Informação - TI GRI Information Resource Management -Informação Modo organizado do conhecimento para ser usado na gestão das empresas. - Sistemas de informação

Leia mais

Nos últimos anos, o setor de seguros brasileiro vem sofrendo uma. série de transformações. Algumas delas podem ser visualizadas na

Nos últimos anos, o setor de seguros brasileiro vem sofrendo uma. série de transformações. Algumas delas podem ser visualizadas na Visão das Seguradoras: Uma análise da distribuição de seguros no Brasil Francisco Galiza Mestre em Economia (FGV), membro do Conselho Editorial da FUNENSEG, catedrático pela ANSP e sócio da empresa "Rating

Leia mais

Software de gerenciamento de trabalho

Software de gerenciamento de trabalho Software de gerenciamento de trabalho Software de gerenciamento de trabalho GoalPost O software de gerenciamento de trabalho (LMS) GoalPost da Intelligrated fornece informações sob demanda para medir,

Leia mais

Transporte Rodoviário de Cargas. Panorama do Setor Eficiência Energética e Metodologia de Avaliação de Empresas

Transporte Rodoviário de Cargas. Panorama do Setor Eficiência Energética e Metodologia de Avaliação de Empresas Transporte Rodoviário de Cargas Panorama do Setor Eficiência Energética e Metodologia de Avaliação de Empresas Panorama do Segmento de Transporte Rodoviário de Carga Brasileiro Panorama TRC Infraestrutura

Leia mais

ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS

ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS Data: 10/03/2001 Peter Wanke INTRODUÇÃO Localizar instalações ao longo de uma cadeia de suprimentos consiste numa importante

Leia mais

DEFINIÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE PREÇO DE FRETE DE CARGA FRACIONADA PARA UMA TRANSPORTADORA DA REGIÃO METROPOLITANA DO MUNICÍPIO DE BELÉM.

DEFINIÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE PREÇO DE FRETE DE CARGA FRACIONADA PARA UMA TRANSPORTADORA DA REGIÃO METROPOLITANA DO MUNICÍPIO DE BELÉM. DEFINIÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE PREÇO DE FRETE DE CARGA FRACIONADA PARA UMA TRANSPORTADORA DA REGIÃO METROPOLITANA DO MUNICÍPIO DE BELÉM. Leonardo Silva Figueredo (UNAMA) leonardosfigueredo@hotmail.com

Leia mais

Ensino Técnico. Plano de Trabalho Docente 2015. ETEC Paulino Botelho ( Extensão Esterina Placco ) Código: 091.01. Município: São Carlos

Ensino Técnico. Plano de Trabalho Docente 2015. ETEC Paulino Botelho ( Extensão Esterina Placco ) Código: 091.01. Município: São Carlos Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC Plano de Trabalho Docente 2015 ETEC Paulino Botelho ( Extensão Esterina Placco ) Ensino Técnico Código: 09101 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão de

Leia mais

Conselho Universitário - Consuni

Conselho Universitário - Consuni PRIMEIRA FASE 01 ECONOMIA Definições e conceitos de economia; macroeconomia; microeconomia; a organização econômica; a atividade de produção; a moeda; a formação de preços; economia de mercado: consumo,

Leia mais

Aspectos Fundamentais da Gestão de Estoques na Cadeia de Suprimentos

Aspectos Fundamentais da Gestão de Estoques na Cadeia de Suprimentos Aspectos Fundamentais da Gestão de Estoques na Cadeia de Suprimentos Peter Wanke Introdução Este texto é o primeiro de dois artigos dedicados à análise da gestão de estoques, a partir de uma perspectiva

Leia mais

Evolução da Disciplina. Logística Empresarial. Aula 1. O Papel dos Sistemas Logísticos. Contextualização. O Mundo Atual

Evolução da Disciplina. Logística Empresarial. Aula 1. O Papel dos Sistemas Logísticos. Contextualização. O Mundo Atual Logística Empresarial Evolução da Disciplina Aula 1 Aula 1 O papel da Logística empresarial Aula 2 A flexibilidade e a Resposta Rápida (RR) Operadores logísticos: conceitos e funções Aula 3 Prof. Me. John

Leia mais

MINUTA DE PROPOSTA DE RESOLUÇÃO ABILUX 05/03/2010

MINUTA DE PROPOSTA DE RESOLUÇÃO ABILUX 05/03/2010 MINUTA DE PROPOSTA DE RESOLUÇÃO ABILUX 05/03/2010 Dispõe sobre a destinação de Lâmpadas inservíveis, seus fins e mecanismos de formulação e aplicação, e dá outras providências O CONSELHO NACIONAL DO MEIO

Leia mais

LOGÍSTICA DE OPERAÇÕES INTERNACIONAIS II. Prof. Alessandro Camargo

LOGÍSTICA DE OPERAÇÕES INTERNACIONAIS II. Prof. Alessandro Camargo LOGÍSTICA DE OPERAÇÕES INTERNACIONAIS II Prof. Alessandro Camargo Logística Internacional As principais características das operações logísticas são: - Complexidade: que podem ser desde o produto até a

Leia mais

Curso de Logísticas Integrada

Curso de Logísticas Integrada 1 Introdução a Logística; Capítulo 1 - Conceitos de logística; Breve Histórico da Logística; Historia da logística; SCM; Logística Onde estávamos para onde vamos? Estratégia para o futuro; 2 Conceitos

Leia mais

São Paulo: múltiplas oportunidades que impulsionam seus negócios

São Paulo: múltiplas oportunidades que impulsionam seus negócios São Paulo: múltiplas oportunidades que impulsionam seus negócios A importância da economia paulista transcende as fronteiras brasileiras. O Estado é uma das regiões mais desenvolvidas de toda a América

Leia mais

Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi. Logística Empresarial e Sistema Integrado. Objetivos do Tema. Logística

Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi. Logística Empresarial e Sistema Integrado. Objetivos do Tema. Logística Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi e Sistema Integrado Objetivos do Tema Apresentar: Uma visão da logística e seu desenvolvimento com o marketing. A participação da logística como elemento agregador

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

IMPORTÂNCIA DOS TRANSPORTES

IMPORTÂNCIA DOS TRANSPORTES OS TRANSPORTES IMPORTÂNCIA DOS TRANSPORTES Contribui para a correcção das assimetrias espaciais e ordenamento do território; rio; Permite uma maior equidade territorial no acesso, aos equipamentos não

Leia mais

Gestão de Transporte. Gestão do Transporte: Próprio ou Terceiros? Gestão de Transporte Avaliação das modalidades. Que fatores a serem considerados?

Gestão de Transporte. Gestão do Transporte: Próprio ou Terceiros? Gestão de Transporte Avaliação das modalidades. Que fatores a serem considerados? Gestão de Transporte Que fatores a serem considerados? A Atividade de Transporte: Sua Gestão Barco Trem Caminhão Peso Morto por T transportada 350 kg 800kg 700 kg Força de Tração 4.000 kg 500 kg 150 kg

Leia mais

Aimplementação da estratégia Caminhos da Bahia fundamenta-se no aporte de infraestrutura

Aimplementação da estratégia Caminhos da Bahia fundamenta-se no aporte de infraestrutura PPA 2004-2007 Caminhos da Bahia: Infra-estrutura e Logística Aimplementação da estratégia Caminhos da Bahia fundamenta-se no aporte de infraestrutura nas áreas de transportes e energia, com o objetivo

Leia mais

Logística Empresarial

Logística Empresarial Objetivos da aula: - Explorar as principais motivações para a redução dos níveis de estoque e as armadilhas presentes na visão tradicional, quando é focada apenas uma empresa em vez de toda a cadeia de

Leia mais

Modais de Transporte. Aula 1. Contextualização. Objetivos da Logística. Introdução. Custos Logísticos. Prof. Luciano José Pires.

Modais de Transporte. Aula 1. Contextualização. Objetivos da Logística. Introdução. Custos Logísticos. Prof. Luciano José Pires. Modais de Transporte Aula 1 Contextualização Prof. Luciano José Pires Introdução Objetivos da Logística A tarefa transporte é vital em uma cadeia logística, pois nenhuma empresa pode funcionar sem movimentar

Leia mais

Logística Empresarial Integrada

Logística Empresarial Integrada Logística Empresarial Integrada Profº José Carlos de Sousa Lima Amazenagem, Localização Física, Distribuição e Transporte Objetivo Discutir a armazenagem, localização física, gestão da distribuição e transporte

Leia mais

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO P á g i n a 3 INTRODUÇÃO A Administração de Materiais compreende as decisões e o controle sobre o planejamento, programação, compra, armazenamento e distribuição dos materiais indispensáveis à produção

Leia mais

Navegação de Cabotagem

Navegação de Cabotagem Reunião Conjunta Câmaras Setoriais da Cadeia Produtiva de Milho e Sorgo e da Cadeia Produtiva de Aves e Suínos Identificação das formas de movimentação dos excedentes de milho no Brasil Navegação de Cabotagem

Leia mais

LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO E DISTRIBUIÇÃO - ESTUDO DE CASO PROF.ROBSON SELEME CASO 5: MARMITOU

LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO E DISTRIBUIÇÃO - ESTUDO DE CASO PROF.ROBSON SELEME CASO 5: MARMITOU CASO 5: MARMITOU A Marmitou fabrica e distribui uma gama de produtos de condimento: molhos de tomate, mostarda, condimentos, pimenta, maionese etc. Esses produtos são direcionados a clientes variando de

Leia mais

CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO

CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO Universidade Federal de Itajubá (UNIFEI) Instituto de Engenharia de Produção e Gestão www.rslima.unifei.edu.br rslima@unifei.edu.br Conceituacão Sistema de Distribuição um para um

Leia mais

Eixo de integração Centro-Oeste - Logística ABDE

Eixo de integração Centro-Oeste - Logística ABDE Eixo de integração Centro-Oeste - Logística ABDE AIE/DELOG/GESET Novembro/2011 Agenda Vetores Estratégicos e Metas a Alcançar Centro-Oeste: Desafios e Oportunidades Conclusão Atuação do BNDES 2 Vetores

Leia mais

O Mundo em 2030: Desafios para o Brasil

O Mundo em 2030: Desafios para o Brasil O Mundo em 2030: Desafios para o Brasil Davi Almeida e Rodrigo Ventura Macroplan - Prospectiva, Estratégia & Gestão Artigo Publicado em: Sidney Rezende Notícias - www.srzd.com Junho de 2007 Após duas décadas

Leia mais

Curso Superior de tecnologia em Logística

Curso Superior de tecnologia em Logística Curso Superior de tecnologia em Logística Prof. Rodolpho W. Ruiz Tema: Arranjos Operacionais Logísticos e Tipos de Modais Agenda da tele-aula Instalações Locais ou Centralizadas. Cross-Docking. Sistemas

Leia mais

TÍTULO: SIMULAÇÃO DE SISTEMA LOGÍSTICO DE APOIO PARA EXPORTAÇÃO DE PARA-CHOQUES PARA OS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA

TÍTULO: SIMULAÇÃO DE SISTEMA LOGÍSTICO DE APOIO PARA EXPORTAÇÃO DE PARA-CHOQUES PARA OS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: SIMULAÇÃO DE SISTEMA LOGÍSTICO DE APOIO PARA EXPORTAÇÃO DE PARA-CHOQUES PARA OS ESTADOS UNIDOS

Leia mais

A Infra-estrutura e os Desafios Logísticos das Exportações Brasileiras

A Infra-estrutura e os Desafios Logísticos das Exportações Brasileiras A Infra-estrutura e os Desafios Logísticos das Exportações Brasileiras P. Fernando Fleury Um dos principais efeitos do processo de globalização que vem afetando a grande maioria das nações, é o aumento

Leia mais

- Online Curso sob Regulamentação do Decreto 5.622 de 19/12/2005 - MEC

- Online Curso sob Regulamentação do Decreto 5.622 de 19/12/2005 - MEC FORMAÇÃO Analista de Logística em Comércio Exterior - Online Curso sob Regulamentação do Decreto 5.622 de 19/12/2005 - MEC Objetivo: Habilitar o participante para trabalhar com as rotinas da logística

Leia mais

3 O Cimento no Brasil. 10 Características da Indústria Cimenteira. 12 O Cimento no Custo da Construção. 13 Carga Tributária. 15 Panorama Internacional

3 O Cimento no Brasil. 10 Características da Indústria Cimenteira. 12 O Cimento no Custo da Construção. 13 Carga Tributária. 15 Panorama Internacional 3 O Cimento no Brasil 3 Processo produtivo 4 Histórico 5 Indústria 6 Produção 7 Consumo 8 Produção e consumo aparente regional 9 Vendas internas e exportação 10 Características da Indústria Cimenteira

Leia mais

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT Artigo para a Revista Global Fevereiro de 2007 DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT O conceito de Supply Chain Management (SCM), denominado Administração da Cadeia de Abastecimento

Leia mais

Unidade: Modais de Transporte sob o foco da Logística Internacional e do Comércio Exterior. Revisor Textual: Profa. Esp.

Unidade: Modais de Transporte sob o foco da Logística Internacional e do Comércio Exterior. Revisor Textual: Profa. Esp. Unidade: Modais de Transporte sob o foco da Logística Internacional e do Comércio Exterior Revisor Textual: Profa. Esp. Márcia Ota Papel dos Transportes Modais de Transporte sob o foco da Logística Internacional

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU AVM FACULDADE INTEGRADA

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU AVM FACULDADE INTEGRADA UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU AVM FACULDADE INTEGRADA A TERCEIRIZAÇÃO DE TRANSPORTE RODOVIÁRIOS DE CARGA E A REDUÇÃO DO CUSTO AGREGADO À LOGÍSTICA Por: Cristiane de Paula Silva Orientador

Leia mais

Transferência e distribuição

Transferência e distribuição Transferência e Distribuição Transferência e distribuição O sistema logístico inclui, na maioria dos casos, dois tipos de transporte de produtos: A transferência: envolve deslocamento maciços entre dois

Leia mais

Logística e infraestrutura para o escoamento da produção de grãos no Brasil

Logística e infraestrutura para o escoamento da produção de grãos no Brasil Logística e infraestrutura para o escoamento da produção de grãos no Brasil Denise Deckers do Amaral 1 - Economista - Assessora Técnica - Empresa de Planejamento e Logística - EPL, Vice Presidente da Associação

Leia mais

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos Prof. Paulo Medeiros Introdução nos EUA surgiram 100 novos operadores logísticos entre 1990 e 1995. O mercado para estas empresas que

Leia mais

Como viajar mais, gastando menos. FogStock?Thinkstock. 52 KPMG Business Magazine

Como viajar mais, gastando menos. FogStock?Thinkstock. 52 KPMG Business Magazine Como viajar mais, gastando menos FogStock?Thinkstock 52 KPMG Business Magazine Boa gestão propicia redução de custos com viagens corporativas O controle de custos é tema recorrente nas organizações. O

Leia mais

SIMULADO FPL ENADE 2015. Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES ABAIXO.

SIMULADO FPL ENADE 2015. Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES ABAIXO. SIMULADO FPL ENADE 2015 Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes Outubro/2015 LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES ABAIXO. 1. Verifique se, além deste caderno, você recebeu o Caderno de Respostas, destinado

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos Bloco Suprimentos Controle de Produção PCP Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Controle de Produção PCP, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas

Leia mais