UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES INSTITUTO A VEZ DO MESTRE MONOGRAFIA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU LOGÍSTICA EMPRESARIAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES INSTITUTO A VEZ DO MESTRE MONOGRAFIA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU LOGÍSTICA EMPRESARIAL"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES INSTITUTO A VEZ DO MESTRE MONOGRAFIA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU LOGÍSTICA EMPRESARIAL A LOGÍSTICA NO E-COMMERCE: DESAFIOS E OPORTUNIDADES NO BRASIL MARCUS VINÍCIUS PERES PAZELLO RIO DE JANEIRO 2011

2 UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES INSTITUTO A VEZ DO MESTRE MONOGRAFIA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU LOGÍSTICA EMPRESARIAL A LOGÍSTICA NO E-COMMERCE: DESAFIOS E OPORTUNIDADES NO BRASIL MARCUS VINÍCIUS PERES PAZELLO Matrícula: T / Turma: T074 Monografia apresentada ao Instituto a Vez do Mestre da Universidade Candido Mendes, campus Tijuca, como parte dos requisitos necessários para a conclusão do curso de Pós- Graduação lato sensu em Logística Empresarial. Área de Concentração: Administração Economia / Engenharia de Produção / Logística Empresarial Orientador: Prof. Jorge Tadeu Vieira Lourenço RIO DE JANEIRO 2011

3 AGRADECIMENTO A todo o Departamento do corpo docente do Instituto A Vez do Mestre UCAM Campus Tijuca, por proporcionar um curso de excelente qualidade na pós-graduação, essencial para a minha formação acadêmica. Aos meus colegas de pós-graduação do AVM UCAM Campus Tijuca, que ofereceram comentários tão valiosos e críticos para melhorar a qualidade final deste trabalho. A todos (as) os (as) meus amigos (as) pela motivação e entusiasmo que de maneira direta e indireta contribuíram para a conclusão desta monografia.

4 LISTA DE ABREVIATURAS ANTT B2B B2C C2B C2C CNT CRM CTRC EDI ERP JIT MRP SAC SGE TEF TMS WMS Agência Nacional de Transportes Terrestres Business-to-Business Business-to-Consumer Consumer-to-Business Consumer-to-Consumer Confederação Nacional do Transporte Customer Relationship Management Conhecimento de Transporte Rodoviário de Carga Electronic Data Interchange Enterprise Resource PLanning Just in Time Material Requirements Plannig Serviço de Atendimento ao Cliente Sistema de Gestão Empresarial Transferência Eletrônica de Fundos Transportation Management System Warehouse Management System

5 RESUMO A aceleração do comércio eletrônico está gerando diversas oportunidades substantivas de crescimento e prosperidade, mudando não só a maneira de comercialização como também a forma que se entrega o produto e/ou serviço. Entretanto, as empresas demandam maior eficiência nas suas cadeias de suprimentos sendo necessário identificar quais as características estratégicas, áreas de expansões e gargalos operacionais que podem a partir de uma cadeia de suprimento ineficiente em sua logística integrada limitar o desenvolvimento do e-commerce no Brasil. A eficiência logística será o elemento principal para alcançar a liderança, apoiado no aprimoramento da arte de combinar competência operacional e comprometimento, em relação às expectativas dos clientes. Esse comprometimento com o mercado, em uma estrutura de baixo custo, constitui os desafios e as oportunidades de novos negócios para uma proposta de geração de valor agregado. Embora consolidado no mercado nacional, o e-commerce ainda possui diversos gargalos operacionais que precisam ser vencidos. Entre estes, destaca-se a logística integrada em transportes como um dos fatores críticos de seu sucesso. Na realização das análises bibliográficas, foi constatado que a integração logística na cadeia de suprimentos viabiliza o desenvolvimento do e- commerce no mercado brasileiro. Pois, onde os custos são muito elevados, a logística pode não garantir o avanço do comércio eletrônico. No âmbito geral, a logística não se altera, o que muda é a sua dinâmica e estrutura para atender as novas demandas. As exigências estão voltadas para uma logística integrada cada vez mais intensiva em tecnologia, informação em tempo real e equipamentos de alto desempenho.

6 SUMÁRIO INTRODUÇÃO 06 CAPÍTULO I A EVOLUÇÃO DA LOGÍSTICA INTEGRADA NA CADEIA DE SUPRIMENTOS 09 CAPÍTULO II A LOGÍSTICA INTEGRADA E O E-COMMERCE NO BRASIL 19 CAPÍTULO III ENTRAVES E BOAS PRÁTICAS DO E-COMMERCE NO BRASIL 29 CONCLUSÃO 34 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 36 ÍNDICE 38 ÍNDICE DE FIGURAS 39 ÍNDICE DE TABELAS 40

7 6 INTRODUÇÃO O fim da Segunda Guerra Mundial é o ponto de partida para as análises e estudos estratégicos em logística. Nesta guerra, a movimentação de material bélico é considerada a maior operação logística sem precedentes de nossa história. Essa eficiência logística contribuiu de maneira decisiva para o desenvolvimento das melhores práticas nas grandes empresas no pós Segunda Guerra Mundial. Deste momento em diante, a atividade logística inicia seu processo de evolução, e somente nos anos de 1990, são consolidados os procedimentos logísticos do momento atual. Assim um novo horizonte de oportunidades torna-se visível para as atividades logísticas no mercado mundial. Nessa busca em desenvolver as melhores práticas comerciais os avanços tecnológicos possuem papel fundamental nessa evolução, onde a logística integrada encontra sua tendência natural para aperfeiçoar resultados. As empresas deste setor buscam a eficiência logística, em toda sua cadeia de suprimentos, como o principal elemento. A fim de aumentar sua lucratividade, apoiado no aprimoramento da arte de combinar competência operacional e comprometimento, em relação às expectativas e necessidades dos clientes. Para desta forma, atender as necessidades e preferências dos consumidores finais. Portanto, para conseguir maximização de resultados é necessário que as empresas brasileiras desenvolvam competência logística em suas vantagens comparativas, para ofertarem serviços superiores a uma parcela maior de clientes neste mercado tão competitivo. O e-commerce trouxe relevante dinamismo e impactou, de maneira decisiva, a cadeia de suprimentos. A evolução do comércio eletrônico possui um potencial de revolucionar a maneira de executar as operações nas empresas. Diversos setores da economia estão atuando neste tipo de comércio e os mais eficientes e eficazes competem com menos restrições e melhores condições. Neste panorama, o desenvolvimento na gestão da cadeia de

8 7 suprimentos e a sua integração logística proporcionam ganhos significativos de produtividade, re-engenharia de processos, redução de custos operacionais e a eliminação de funções que não agregam valor. As empresas que atuam com logística integrada na cadeia de suprimentos têm percebido a necessidade de rápidas adaptações frente a esses novos mercados. As cadeias de suprimentos eficientes darão suporte a níveis mais profundos de satisfação do cliente. Para isto, as empresas serão forçadas a inovar constantemente e a se transformar regularmente para acompanhar o alto grau de concorrência. Portanto, a busca pela integração, visando agregar valor aos produtos e/ou serviços conforme a demanda do cliente é extremamente necessária, para manter a competitividade. Desta maneira, para os próximos capítulos, o estudo apresenta a seguinte estrutura. No primeiro capítulo, é sintetizada a importância estratégica da logística integrada, sua evolução histórica do momento inicial ao atual e quais as evoluções tecnológicas foram fundamentais para uma melhor integração dentro da cadeia de suprimentos. A logística integrada possui papel estratégico dentro de uma proposta de gestão e serve para relacionar e sincronizar a cadeia de suprimentos de maneira geral enquanto fluxo contínuo, sendo essencial para a sua completa integração. No segundo capítulo, é apresentada a importância da sincronização logística na integração da cadeia de suprimentos e quais as classificações dentro do comércio eletrônico. Posteriormente, são mencionados os aspectos entre logística tradicional e a logística na era digital ; e como a logística em transportes, principalmente o modal rodoviário, é relevante no Brasil. No terceiro capítulo, são apresentados os entraves e as boas práticas do e-commerce no Brasil. Para isto, a estratégia principal é saber como alavancar o nível de serviço logístico num mercado onde existem grandes desafios e oportunidades de negócios.

9 8 Na conclusão desta monografia, são apresentados os comentários finais, sobre os aspectos logísticos estratégicos, a partir das pesquisas bibliográficas utilizadas. Desta forma, desenvolver expertise específica em logística aplicada às áreas de administração, economia, engenharia de produção e logística gerencial.

10 9 CAPÍTULO I A Evolução da Logística Integrada na Cadeia de Suprimentos. O objetivo deste capítulo é apresentar a evolução histórica da logística integrada e a sua pertinência para esta análise, assim, não será apresentada uma revisão exaustiva da literatura sobre este tema. A importância da evolução da logística integrada até sua atuação no momento atual é o elemento mais importante. Portanto, é relevante verificar quais as evoluções tecnológicas foram fundamentais para uma melhor integração da logística dentro da cadeia de suprimentos. Neste momento, serão apresentados os elementos necessários para compreensão mais adiante da análise proposta e como as boas práticas empresariais e a eficiência logística serão os elementos principais para garantir maior competitividade e competência operacional. 1.1 Da Arte da Guerra à Logística Integrada A Herança Militar Com o final da Segunda Guerra Mundial, as operações de movimentação de material bélico tropas, armamentos, munições, medicamentos, alimentos e material de comunicação foram analisadas e identificadas como fatores decisivos para o sucesso das batalhas realizadas no front. O desembarque das Tropas Aliadas na Normandia 1 é considerado a maior operação logística 2, sem precedentes de nossa história. Essa eficiência logística de suprimento e re-suprimento contribuiu de maneira decisiva para o 1 O desembarque, realizado no dia 06 de Junho de 1944, no sul da França, na Normandia, é conhecido O D D 2 Num esforço de apenas um dia, as Tropas Aliadas desembarcaram cerca de soldados, movimentando aproximadamente veículos dos tipos terrestres, marítimos e aéreos. Sendo que cada soldado possuía, em média, carga de 30kg, totalizando Toneladas de material.

11 10 desenvolvimento das práticas logísticas nas empresas no pós Segunda Guerra Mundial. As práticas logísticas sempre tiveram associadas às atividades militares, mas em razão do novo modelo de produção e de consumo em massa surgidos após o final da guerra, em 1945, a eficiência militar conseguiu influenciar as atividades logísticas para serem adotadas, também, pelas grandes companhias e empresas comerciais. Após este momento, um novo horizonte de oportunidades torna-se visível para as atividades logísticas no mercado mundial. É com o surgimento de oportunidades para agregar valor redução de custos, redução de prazos de entrega, maior disponibilidade de produtos, melhora no processamento dos pedidos que a logística encontra sua vocação para otimizar resultados. Porém, mesmo proporcionando aumentos significativos tanto na eficiência quanto na eficácia, até os anos de 1940 a literatura sobre o tema não contemplava muitos estudos e/ou publicações. Somente a partir dos anos de 1950, que as empresas na busca por parcelas mais significativas do mercado, focam suas atenções para a satisfação dos seus clientes. Nos anos de 1960, a indústria atuando nos processos produtivos, dá início a utilização dos conceitos logísticos para também racionalizar e aproveitar os espaços físicos e desta forma, melhorar seus ganhos e sua eficiência operacional. Em 1970, os estudos avançam no sentido de melhorar o desempenho da armazenagem e da distribuição física, consolidando-se, os avanços nas análises e composições para o custo de lote econômico. A logística, durante os anos de 1980, atinge nova condição de importância nas grandes empresas, passando do nível operacional para o nível mais estratégico na gestão empresarial. Esta mudança de condição foi ocasionada por alterações na dinâmica da economia mundial maior demanda em novos mercados com o início da globalização. Deve-se destacar, neste momento, que ocorre um melhor aproveitamento dos avanços tecnológicos, promovidos pelas mudanças de paradigmas, ocorridos na revolução

12 11 tecnológica dá década anterior. Além disso, diversas ferramentas MRP 3, ERP 4, JIT 5, Kanban 6 são desenvolvidas e utilizadas, dentro de uma nova perspectiva, para fazer a integração logística entre os setores (produção, financeiro, armazenamento, marketing, vendas) da cadeia de suprimentos. Nos anos de 1990 são consolidadas as definições do padrão do momento atual. As transformações comerciais em todo o mundo sofrem o impacto irrevogável dos avanços da informática, da Internet e de uma série de possibilidades tecnológicas inovadoras (BOWERSOX; CLOSS; COOPER, 2006). Esta alavancagem na transmissão da informação, para criar uma integração mais próxima das cadeias de suprimento e das redes operacionais, favorece o acesso global tanto a mercados quanto a fornecedores. Desta forma, o avanço tecnológico permitiu que as empresas atendessem seus clientes em todo o mundo. Nessa nova dinâmica logística o processamento do pedido até a sua entrega para o cliente (sendo produto e/ou serviço) pode ser executado em questão de horas. A repetição sistemática de falhas de serviço que caracterizava os processos logísticos do passado foi trocada pela busca crescente de taxas de eficiência próximas a zero. A noção do pedido perfeito ou a entrega do tipo certo, na quantidade desejada, no local e prazo corretos, sem avarias e com ausência de falhas no seu processamento antes considerado exceção, está no momento atendendo as novas demandas comercias. Além disso, é importante ressaltar que a manutenção do alto nível operacional tem seu desempenho garantindo com uma estrutura de custo total baixo e comprometimento de recursos financeiros menores que os caracterizados anteriormente. 3 MRP Material Requirements Planning, com o apoio de sistemas de informação computadorizados, permite que as empresas gerenciem os insumos necessários nos seus processos produtivos, na quantidade certa e em qual momento serão necessários. 4 ERP Enterprise Resource Planning, plataforma de software desenvolvida para integrar os diversos departamentos de uma empresa possibilitando a automação e armazenamento de todas as informações numa base de dados única. 5 JIT Just in Time, Planejamento de produção de bens e/ou serviços exatamente no momento que são demandados. 6 Kanban Cartão de sinalização que controla os fluxos e/ou transporte numa linha de produção.

13 12 A logística integrada tem papel estratégico dentro da proposta de gestão na cadeia de suprimentos. Segundo Bowersox; Closs e Cooper (2006) para cada empresa envolvida, o relacionamento na cadeia de suprimentos reflete uma escolha estratégica. Já as operações desta cadeia demandam o gerenciamento dos processos em cada empresa, fornecedor e cliente que ultrapassam os limites físicos das áreas funcionais das empresas envolvidas. Nesta mesma sincronia, a logística é a atividade exigida para abastecer e posicionar o inventário nessa cadeia. Assim a logística integrada serve para relacionar e sincronizar a cadeia de suprimentos de maneira geral enquanto um processo de fluxo contínuo, sendo essencial para a sua completa integração. Corrobora para tal análise a observação de Novaes (2003) onde a logística moderna procura coligar todos os elementos do processo prazos, integração de setores da empresa e formação de parcerias comerciais com fornecedores e clientes para desta forma, atender as necessidades e preferências dos consumidores finais. 1.2 Sistemas de Gestão Empresarial (SGE) Os avanços tecnológicos desenvolvidos nas últimas cinco décadas (iniciados em 1960) são extremamente significativos, pois, o Sistema de Gestão Empresarial (SGE) apresenta uma vasta gama de informações que dão suporte a integração logística. Conforme Bowersox; Closs e Cooper (2006) os SGE s da cadeia de suprimentos dão início a atividade e acompanham a informação referente aos processos, facilitando o compartilhamento de informações tanto dentro da empresa quanto entre os parceiros da cadeia de suprimentos, ao mesmo tempo em que auxiliam no processo de tomada de decisões gerenciais. A área mais procurada para utilização dos Sistemas de Gestão Empresariais é a cadeia de suprimentos. A implementação de um sistema deste tipo é importante, pois, permite a integração, coordenação e agilidade

14 13 nas transações da cadeia de suprimentos entre as corporações, visto que este setor apresenta alternativas para redução de custo e diferenciação de produtos e serviços (MAZUTTI; MAÇADA; RIOS, 2005). Portanto, a cooperação entre os participantes da cadeia reduzirá os riscos individuais e poderá, potencialmente, melhorar a eficiência do processo logístico integrado, eliminando perdas e esforços desnecessários Enterprise Resource Planning (ERP) Os ERP s surgiram a partir dos sistemas desenvolvidos na década de 1960, com objetivo de gerenciar a produção, através do controle do estoque, compras e gestão da produção (TURBAN; RAIBER JR.; POTTER, 2003). O ERP, em termos gerais, é utilizado para automatizar processos e integrar informações de áreas que dão suporte ao negócio como Financeiro, RH, Comercial e Compras numa única base de dados, a Figura 1.1 demonstra esta integração na organização empresarial. Figura 1.1 O ERP integra a informação de todos os departamentos. Fonte: (Extraído de DAVENPORT, 1998, p. 1).

15 14 Este sistema de gestão empresarial foi fundamental para solucionar um problema antigo dentro das grandes corporações, que era a falta de integração entre os departamentos. A idéia de sistemas de informações integradas existe desde o início dos anos de Entretanto, devido ao alto custo tecnológico e dificuldades práticas não era possível esta iniciativa na maioria das empresas. Na Tabela 1.1 encontramos a evolução dos Sistemas de Gestão Empresarial. Tabela 1.1 Evolução dos Sistemas de Gestão Empresarial (SGE) Década Processos Sistema Objetivo 1960 Compra + Estoque + Programação da Produção MRP Gestão da Produção 1970 MRP + Finanças e RH MRP II Gestão da Produção Ampliada 1980 MRP II + Departamentos Internos ERP Unificação das Bases de Dados 1990 ERP + Fornecedores e Consumidores Internos Cadeia de Suprimentos ERP e Cadeia de Suprimentos 2000 ERP + Cadeia de Suprimentos Interna + Fornecedores e Consumidores Externos Interna Cadeia de Suprimentos Ampliada Gestão da Cadeia de Suprimentos Fonte: (Adaptado a partir de MAZUTTI; MAÇADA e RIOS, 2005, p. 5). Interna Gestão da Cadeia de Suprimentos Ampliada A observação apresentada por Slack; Chambers e Johnston (2003) o ERP é o último e, provavelmente, o mais significativo desenvolvimento da filosofia básica do MRP, iniciada nos anos de A inteligência do MRP revela o fato de poder explorar as conseqüências de quaisquer mudanças que uma operação fosse solicitada a realizar. Assim, se a demanda mudasse, o sistema MRP poderia calcular todos os efeitos e estabelecer instruções de contenção.

16 15 Os sistemas de ERP permitem que as decisões e a base de dados de todos os departamentos da empresa sejam integradas, de modo que as conseqüências das decisões de uma parte da organização sejam refletidas nos sistemas de planejamento e controle do restante da organização. Adicionalmente aos sistemas de integração, o ERP em geral inclui outras características que o transformam em uma ferramenta poderosa de planejamento e controle: a. É baseado na arquitetura cliente/servidor, quer dizer, o acesso aos sistemas de informação é aberto a qualquer pessoa cujo computador esteja ligado aos computadores centrais (servidores); b. Pode incluir facilidades de apoio à decisão, que permitem aos que participam do processo decisório sobre a produção considerar as informações mais recentes; c. É geralmente ligado aos sistemas extranet 7, como sistemas de intercâmbio de dados, que se ligam aos parceiros da cadeia de suprimento da empresa; d. Adoção de melhores práticas de negócio, suportadas pelas funcionalidades do sistema, que resultam em ganhos de produtividade, maior competitividade e melhor velocidade de resposta da organização; e. Não há necessidades de o ERP ficar limitado à planta da empresa. Existem benefícios ainda maiores quando a empresa amplia seu ERP e utilizá-o como ferramenta de integração mais sólida com vendedores, fornecedores, produtores, distribuidores, varejistas e outros parceiros comerciais; f. Suporte a vários idiomas. Interesse particular para empresas que possuem operações em diferentes regiões do globo. Desta forma, utilizando o mesmo sistema ERP em todas as suas unidades; e g. Em cada módulo, suporte aos relatórios exigidos legalmente nos países para o qual o ERP está homologado. 7 A rede de computadores de uma empresa que faz uso da internet para compartilhar com segurança parte do seu sistema de informação.

17 16 O ERP é possivelmente o desenvolvimento mais significativo derivado do MRP. Atualmente, utilizado por tipos muito diferentes de empresas, integra as atividades de planejamento, vendas e marketing, finanças e recursos humanos. Os ERP s substituem estoques por informações, visto que o tratamento delas pode traduzir giros mais rápidos de estoques, que resultam em maior capacidade de armazenagem. Além disso, uma gestão melhorada da cadeia de suprimentos mantém os recursos da empresa trabalhando em conjunto afinado para satisfazer as exigências dos clientes com o máximo de eficiência Customer Relationship Management 8 (CRM) Projetado para ampliar a funcionalidade do ERP, pois, as empresas estão utilizando a ferramenta CRM para tratar os clientes como fonte de faturamento estratégica. O CRM atualmente analisa informações do setor de vendas, call center, help desk e sites de relacionamento, para que o cliente seja entendido, e a partir daí desenvolver estratégias de mercado. Com essa gestão do relacionamento com o cliente é possível obter informações detalhadas sobre os itens mais consumidos. Desta forma, são feitas campanhas direcionadas a determinado público, local e momento certo para promoção de vendas Transportation Management System 9 (TMS) Desenvolvido para identificar e avaliar proativamente as estratégias e táticas de transportes, para determinar os melhores métodos de movimentação dos pedidos dentro das restrições existentes. Entretanto as principais 8 CRM Customer Relationship Management, ferramenta que automatiza as funções de contato com os clientes. O sistema cruza informações a fim de produzir conhecimentos estratégicos para o negócio. 9 TMS Transportation Management System, software para melhoria da qualidade de todo o processo de distribuição.

18 17 aplicações do TMS são a economia de custos e a funcionalidade elevada para oferecer dados confiáveis. Este sistema de gerenciamento de transporte é, também, utilizado sobre uma base única de dados (ERP) e com a função de fornecer suporte às operações de planejamento e consolidação de cargas, utilização do melhor custo/modal, roteirização de veículos e otimização de equipamentos de transportes Warehouse Management System 10 (WMS) Este sistema de gerenciamento de armazéns possui a função de otimizar o uso dos espaços do armazém para estocagem e retirada de produtos com o objetivo de minimizar tempos e movimentação. O WMS inicia e controla as atividades de armazenagem, além de possuir as seguintes funcionalidades: a. Agendamento: informa qual o melhor horário e local que a operação deve ser executada; b. Recebimento: atuando em tempo real o sistema informa em casos de existência de divergências (quantidades diferentes do pedido solicitado); c. Endereçamento: indica os melhores locais para o armazenamento, além de emitir automaticamente a etiqueta de código de barras; d. Armazenamento: indica o uso ideal dos equipamentos necessários que devem ser utilizados na armazenagem solicitada; e. Separação: o WMS informa qual item é solicitado, o local e o equipamento ideal para sua movimentação antes de ser levado para a área de expedição; f. Expedição: os itens separados são conferidos uma última vez, e colocados dentro de uma área de confinamento, para embarque ao destino final; e 10 WMS Warehouse Management System, importante software da cadeia de suprimentos e fornece a rotação dirigida de estoques e diretivas inteligentes para maximizar o uso do espaço nos armazéns.

19 18 g. Abastecimento de Linhas de Produção: evita que uma linha de produção deixe de funcionar por falta de um determinado item necessário. O abastecimento automático de linhas de produção evita que haja interrupções não programadas, reduzindo custos e aumentando a produtividade. Os sistemas de execução empresarial, não somente o WMS, e também o CRM e o TMS, estão evoluindo para atender necessidades específicas, pois, os módulos dos ERP s não são completamente capazes de desempenhar algumas das atividades mais importantes (em particular aquelas que agregam valor), exigidas pelas operações da cadeia de suprimentos.

20 19 CAPÍTULO II A Logística Integrada e o e-commerce 11 no Brasil A eficiência da logística será o elemento principal para que as empresas apresentem suas cadeias de suprimento de forma integrada. Assim garantindo o desenvolvimento do e-commerce no Brasil. Portanto, para conseguir maximização de resultados é necessário que as empresas brasileiras desenvolvam competência logística em suas vantagens comparativas, para ofertarem serviços superiores a uma parcela maior de clientes neste mercado tão competitivo. Desta forma, analisamos a importância da sincronização da cadeia de suprimento; e verificamos a inovação e o toque revolucionário utilizado no comércio eletrônico. 2.1 O Comércio Eletrônico e seus Impactos na Cadeia de Suprimento As práticas em negócios eletrônicos iniciaram-se nos anos de 1970, com as inovações de Transferência Eletrônica de Fundos 12 (TEF), para tornar a forma de pagamento mais simples, onde um determinado valor é transferido de uma conta bancária para outra conta. Entretanto, esta operação estava, apenas, disponível para grandes corporações e para valores muito elevados. A consolidação deste recurso eletrônico surgiu com o Electronic Data Interchange 13 (EDI) durante o final dos anos de O EDI é definido como uma troca inter-empresarial, computador a computador, de documentos comerciais padronizados para facilitar um alto volume de transações. 11 Tipo de transação realizada eletronicamente envolvendo a comercialização de produtos e/ou serviços. 12 Transferências de valores monetários de maneira eletrônica ocorrendo na própria instituição ou entre diversas instituições. 13 Troca de fluxo de dados estruturados através de uma rede de telecomunicações entre sistemas computacionais.

21 20 Conforme observado por Bowersox; Closs e Cooper (2006), os benefícios diretos do EDI incluem a melhoria da produtividade a partir da transmissão mais rápida de informações e de uma redução do re-trabalho. O desempenho operacional é alavancado pela redução de entradas e interpretação repetitivas de dados. O EDI impacta diretamente nos custos operacionais logísticos através: a) do custo reduzido de mão-de-obra e do material associado à impressão, correio e manuseio de transações com base no papel; b) do uso reduzido em telecomunicações via voz; e c) dos custos menores com funcionários. O desenvolvimento do comércio eletrônico por intermédio da internet trouxe relevante dinamismo e impactou, de maneira decisiva, a cadeia de suprimentos. As empresas do mercado brasileiro estão inserindo-se no comércio eletrônico em grande escala. Vários setores da economia estão atuando neste tipo de comércio. Além disso, devido a sua onipresença, anonimato e acessibilidade, ele está proporcionando uma nova meritocracia na qual os participantes mais eficientes e eficazes começam a competir com bem menos restrições e em melhores condições do que em qualquer outra época (MEANS; SCHEIDER, 2001). A análise de Bolçone (2003) mostra que o impacto do comércio eletrônico na cadeia de suprimentos é subdividido em três categorias principais, dentro de uma perspectiva de geração de valor agregado: a) o comércio eletrônico melhora o marketing direto; b) transforma as corporações; e c) redefine as empresas. O marketing direto é melhorado devido ao impacto do comércio eletrônico na promoção do produto; na criação de um novo canal de distribuição, o que geraria novas oportunidades; à redução do ciclo de tempo; aos serviços aos clientes e às imagens de empresas e/ou que podem se consolidarem no mercado através da internet. A transformação nas corporações ocorreria na criação de novos modelos de negócios, na redução do quadro de funcionários frente à adoção

22 21 do nível de tecnologia mais elevada, além de uma reestruturação da empresa por completo devido à necessidade de adaptação à nova economia e estratégias de mercado. Para Kalakota e Robinson (2003), o impacto do e-commerce está acontecendo em três etapas. Na primeira, realizada entre os anos de 1994 e 1997, o comércio eletrônico era caracterizado apenas pela presença da empresa na internet. O objetivo era tornar a organização conhecida neste universo digital. A segunda etapa, ocorrida entre os anos de 1997 aos anos 2000, iniciou-se as primeiras transações, sendo elas de compra ou venda, através deste ambiente digital. O foco concentrava-se no fluxo de pedidos e no faturamento. A preocupação maior era executar virtualmente as tarefas antes realizadas tradicionalmente por documentação física (no papel), não havia um modelo de negócios muito desenvolvido e eficiente, o que levou à falência de várias empresas nesta época. A terceira e última etapa, iniciou-se após os anos 2000 e está presente até os dias atuais, caracteriza-se pela preocupação das organizações em utilizar o ambiente virtual (internet) a fim de aumentar sua lucratividade, apoiado no aprimoramento da arte de combinar competência operacional e comprometimento, em relação às expectativas e necessidades dos clientes. Independente da visão utilizada para se analisar o impacto do comércio eletrônico nas empresas, sabe-se que hoje ainda há um grande número de empresas que se encontram no ambiente virtual apenas para disponibilizar informações próprias e de seus produtos, não utilizando as oportunidades substantivas de crescimento e prosperidade ocasionados pela a aceleração do avanço do e-commerce. A tecnologia de rede também cria melhores oportunidades para as empresas em trajetórias de crescimento, através de conexões eletrônicas com empresas, consumidores, governo o comércio eletrônico incrementa

Sistemas de Informação Empresarial. Gerencial

Sistemas de Informação Empresarial. Gerencial Sistemas de Informação Empresarial SIG Sistemas de Informação Gerencial Visão Integrada do Papel dos SI s na Empresa [ Problema Organizacional ] [ Nível Organizacional ] Estratégico SAD Gerência sênior

Leia mais

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida Unidade IV MERCADOLOGIA Profº. Roberto Almeida Conteúdo Aula 4: Marketing de Relacionamento A Evolução do Marketing E-marketing A Internet como ferramenta As novas regras de Mercado A Nova Era da Economia

Leia mais

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1 2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Fundamentos da Vantagem Estratégica ou competitiva Os sistemas de informação devem ser vistos como algo mais do que um conjunto de tecnologias que apoiam

Leia mais

Professor: Disciplina:

Professor: Disciplina: Professor: Curso: Esp. Marcos Morais de Sousa marcosmoraisdesousa@gmail.com Sistemas de informação Disciplina: Introdução a SI 19/04 Recursos e Tecnologias dos Sistemas de Informação Turma: 01º semestre

Leia mais

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning ERP Enterprise Resources Planning A Era da Informação - TI GRI Information Resource Management -Informação Modo organizado do conhecimento para ser usado na gestão das empresas. - Sistemas de informação

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 141 A LOGÍSTICA COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Douglas Fernandes 1, Josélia Galiciano Pedro 1 Docente do Curso Superior

Leia mais

Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico.

Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico. Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico. TENDÊNCIAS NO COMÉRCIO ELETRÔNICO Atualmente, muitos negócios são realizados de forma eletrônica não sendo necessário sair de casa para fazer compras

Leia mais

Sistemas de Informação. Sistemas Integrados de Gestão ERP

Sistemas de Informação. Sistemas Integrados de Gestão ERP Sistemas de Informação Sistemas Integrados de Gestão ERP Exercício 1 Um arame é cortado em duas partes. Com uma das partes é feito um quadrado. Com a outra parte é feito um círculo. Em que ponto deve ser

Leia mais

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Esta seção apresenta alguns dos problemas da gestão da cadeia de suprimentos discutidos em mais detalhes nos próximos capítulos. Estes problemas

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Suprimentos. WMS Gerenciamento de Armazém

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Suprimentos. WMS Gerenciamento de Armazém Bloco Suprimentos WMS Gerenciamento de Armazém Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo WMS, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas foram

Leia mais

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO @ribeirord FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Rafael D. Ribeiro, M.Sc,PMP. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br Sistemas de Informação Sistemas de Apoio às Operações Sistemas

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1. COLABORAÇÃO NAS EMPRESAS Os sistemas colaborativos nas empresas nos oferecem ferramentas para nos ajudar a colaborar, comunicando idéias, compartilhando

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONCEITOS

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONCEITOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONCEITOS 1. Sabe-se que o conceito de Sistema de Informação envolve uma série de sistemas informatizados com diferentes características e aplicações, os quais, porém, têm em comum

Leia mais

LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza Prova 1 09 de Maio de 2013 Nome: 1ª QUESTÃO (1,0) Segundo os dados divulgados pela ood and Agriculture Organization (AO, 2011) sobre as exportações brasileiras, em

Leia mais

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos Prof. Paulo Medeiros Introdução nos EUA surgiram 100 novos operadores logísticos entre 1990 e 1995. O mercado para estas empresas que

Leia mais

Competindo com Tecnologia da Informação. Objetivos do Capítulo

Competindo com Tecnologia da Informação. Objetivos do Capítulo Objetivos do Capítulo Identificar as diversas estratégias competitivas básicas e explicar como elas podem utilizar a tecnologia da informação para fazer frente às forças competitivas que as empresas enfrentam.

Leia mais

Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo

Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo III.1 GESTÃO DE TRANSPORTES 1.1. O desenvolvimento econômico e o transporte. 1.2. A geografia brasileira, a infraestrutura dos estados, municípios

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL E A ADMINISTRAÇÃO DE PATRIMÔNIO ALUNO: SALOMÃO DOS SANTOS NUNES MATRÍCULA: 19930057

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL E A ADMINISTRAÇÃO DE PATRIMÔNIO ALUNO: SALOMÃO DOS SANTOS NUNES MATRÍCULA: 19930057 INTRODUÇÃO SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL E A ADMINISTRAÇÃO DE PATRIMÔNIO ALUNO: SALOMÃO DOS SANTOS NUNES MATRÍCULA: 19930057 Há algum tempo, podemos observar diversas mudanças nas organizações,

Leia mais

QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE

QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE *Envie o nome de seu grupo, dos integrantes e um telefone de contato junto com as respostas do questionário abaixo para o e-mail COMMUNICATIONS.SLA@SCANIA.COM*

Leia mais

APLICATIVOS CORPORATIVOS

APLICATIVOS CORPORATIVOS Sistema de Informação e Tecnologia FEQ 0411 Prof Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br Capítulo 3 APLICATIVOS CORPORATIVOS PRADO, Edmir P.V.; SOUZA, Cesar A. de. (org). Fundamentos de Sistemas

Leia mais

Tecnologias da Informação e da. e Organizacionais

Tecnologias da Informação e da. e Organizacionais Tecnologias da Informação e da Comunicação nos Cenários Econômicos e Organizacionais A evolução tecnológica acompanhando a mudança organizacional Os negócios na era eletrônica O comércio eletrônico Cadeias

Leia mais

Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado.

Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado. TECNICAS E TECNOLOGIAS DE APOIO CRM Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado. Empresas já não podem confiar em mercados já conquistados. Fusões e aquisições

Leia mais

Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento. Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto

Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento. Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto CURRÍCULO DO PROFESSOR Administradora com mestrado e doutorado em engenharia de produção

Leia mais

Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi. Logística Empresarial e Sistema Integrado. Objetivos do Tema. Logística

Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi. Logística Empresarial e Sistema Integrado. Objetivos do Tema. Logística Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi e Sistema Integrado Objetivos do Tema Apresentar: Uma visão da logística e seu desenvolvimento com o marketing. A participação da logística como elemento agregador

Leia mais

Evolução da Disciplina. Logística Empresarial. Aula 1. O Papel dos Sistemas Logísticos. Contextualização. O Mundo Atual

Evolução da Disciplina. Logística Empresarial. Aula 1. O Papel dos Sistemas Logísticos. Contextualização. O Mundo Atual Logística Empresarial Evolução da Disciplina Aula 1 Aula 1 O papel da Logística empresarial Aula 2 A flexibilidade e a Resposta Rápida (RR) Operadores logísticos: conceitos e funções Aula 3 Prof. Me. John

Leia mais

NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES

NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES 1. Conectando a Empresa à Rede As empresas estão se tornando empresas conectadas em redes. A Internet e as redes de tipo Internet dentro da empresa (intranets), entre uma

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Gerenciamento Logístico Gerenciamento Logístico A missão do gerenciamento logístico é planejar

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS P o r f.. E d E uar a d r o Oli l v i e v i e r i a

SISTEMAS INTEGRADOS P o r f.. E d E uar a d r o Oli l v i e v i e r i a SISTEMAS INTEGRADOS Prof. Eduardo Oliveira Bibliografia adotada: COLANGELO FILHO, Lúcio. Implantação de Sistemas ERP. São Paulo: Atlas, 2001. ISBN: 8522429936 LAUDON, Kenneth C.; LAUDON, Jane Price. Sistemas

Leia mais

LOGÍSTICA & BRASIL Artigo

LOGÍSTICA & BRASIL Artigo O artigo aborda relações entre logística, formação profissional e infra-estrutura do país. São debatidas questões sobre a evolução da logística no Brasil, a preparação educacional do profissional de logística

Leia mais

E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação

E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação Capítulo 2 E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação 2.1 2007 by Prentice Hall OBJETIVOS DE ESTUDO Identificar e descrever as principais características das empresas que são importantes

Leia mais

Prof. Lucas Santiago

Prof. Lucas Santiago Classificação e Tipos de Sistemas de Informação Administração de Sistemas de Informação Prof. Lucas Santiago Classificação e Tipos de Sistemas de Informação Sistemas de Informação são classificados por

Leia mais

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que Supply Chain Management SUMÁRIO Gestão da Cadeia de Suprimentos (SCM) SCM X Logística Dinâmica Sugestões Definição Cadeia de Suprimentos É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até

Leia mais

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12)

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) As siglas MRP, MRP II e ERP são bastante difundidas e significam: MRP Materials Requirements Planning Planejamento das Necessidades de Materiais; MRP II Resource

Leia mais

Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos. Profª Caroline Pauletto Spanhol

Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos. Profª Caroline Pauletto Spanhol Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos Profª Caroline Pauletto Spanhol Cadeia de Abastecimento Conceitos e Definições Elementos Principais Entendendo a Cadeia de Abastecimento Integrada Importância

Leia mais

PLANO DE ENSINO 2009

PLANO DE ENSINO 2009 PLANO DE ENSINO 2009 Fundamental I ( ) Fundamental II ( ) Médio ( ) Médio Profissionalizante ( ) Profissionalizante ( ) Graduação (X) Pós-graduação ( ) I. Dados Identificadores Curso Superior de Tecnologia

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CENTRO DE ESTUDOS SOCIAIS APLICADOS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS CONTÁBEIS E TURISMO DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO PLANO DE DISCIPLINA DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

Objetivos. Universo. Transformação. Administração 10/10/2012. Entender as definições de e-business e e- commerce;

Objetivos. Universo. Transformação. Administração 10/10/2012. Entender as definições de e-business e e- commerce; Objetivos Administração Profª Natacha Pouget Módulo: Gestão de Inovação e Ativos Intangíveis Tema da Aula: E-Business e Tecnologia da Informação I Entender as definições de e-business e e- commerce; Conhecer

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

www.fgvsp.br/cia/ned 5 ª EDIÇÃO MARÇO DE 2003 RESUMO *

www.fgvsp.br/cia/ned 5 ª EDIÇÃO MARÇO DE 2003 RESUMO * CENTRO DE INFORMÁTICA APLICADA PROGRAMA DE EXCELÊNCIA DE NEGÓCIOS NA ERA DIGITAL PESQUISA FGV COMÉRCIO ELETRÔNICO NO MERCADO BRASILEIRO www.fgvsp.br/cia/ned 5 ª EDIÇÃO MARÇO DE 2003 RESUMO * COORDENADOR:

Leia mais

TÍTULO: LOGISTICA INTEGRADA COM FOCO EM DISTRIBUIÇÃO: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO

TÍTULO: LOGISTICA INTEGRADA COM FOCO EM DISTRIBUIÇÃO: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO TÍTULO: LOGISTICA INTEGRADA COM FOCO EM DISTRIBUIÇÃO: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR PRESIDENTE

Leia mais

ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO*

ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO* ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO* RESUMO Marilia Costa Machado - UEMG - Unidade Carangola Graciano Leal dos Santos

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO. MBA em LOGÍSTICA E SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO. MBA em LOGÍSTICA E SUPPLY CHAIN MANAGEMENT CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em LOGÍSTICA E SUPPLY CHAIN MANAGEMENT Coordenação Acadêmica: Prof. Jamil Moysés Filho OBJETIVO: Ao final do Curso, o aluno será capaz de: Conhecer

Leia mais

Visão Geral dos Sistemas de Informação

Visão Geral dos Sistemas de Informação Visão Geral dos Sistemas de Informação Existem muitos tipos de sistemas de informação no mundo real. Todos eles utilizam recursos de hardware, software, rede e pessoas para transformar os recursos de dados

Leia mais

IV. Intercâmbio Eletrônico de Dados (EDI)

IV. Intercâmbio Eletrônico de Dados (EDI) IV. Intercâmbio Eletrônico de Dados (EDI) 1. Funcionamento do EDI 2. EDI tradicional X WEB EDI 3. EDI Tradicional 4. WEB EDI Intercâmbio Eletrônico de Dados (EDI) EDI: Electronic Data Interchange Troca

Leia mais

1. Introdução. 1.1 Apresentação

1. Introdução. 1.1 Apresentação 1. Introdução 1.1 Apresentação Empresas que têm o objetivo de melhorar sua posição competitiva diante do mercado e, por consequência tornar-se cada vez mais rentável, necessitam ter uma preocupação contínua

Leia mais

TOTVS COLABORAÇÃO 2.0 FISCAL powered by NeoGrid

TOTVS COLABORAÇÃO 2.0 FISCAL powered by NeoGrid TOTVS COLABORAÇÃO 2.0 FISCAL powered by NeoGrid Recebimento de NF-e e CT-e Emissão de NF-e, CT-e, MDF-e e NFS-e Integração nativa com o seu ERP Exija a solução que é o melhor investimento para a gestão

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web

Estratégias em Tecnologia da Informação. Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 09 Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina

Leia mais

Tecnologia da Informação

Tecnologia da Informação Tecnologia da Informação Gestão Organizacional da Logística Sistemas de Informação Sistemas de informação ERP - CRM O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para

Leia mais

Vamos nos conhecer. Avaliações 23/08/2015. Módulo I Introdução à Logistica Empresarial Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc.

Vamos nos conhecer. Avaliações 23/08/2015. Módulo I Introdução à Logistica Empresarial Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. Módulo I Introdução à Logistica Empresarial Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. Vamos nos conhecer Danillo Tourinho Sancho da Silva, M.Sc Bacharel em Administração, UNEB Especialista em Gestão da Produção

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM

DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM WMS WAREHOUSE MANAGEMENT SYSTEM SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE ARMAZÉM/DEP M/DEPÓSITO WMS Software de gerenciamento de depósito que auxilia as empresas na busca de melhorias nos

Leia mais

Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro

Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro Prof. Adriano Alves Fernandes DCAB - Departamento de Ciências Agrárias e Biológicas CEUNES - Universidade Federal do Espírito Santo 1- Introdução Uma grande

Leia mais

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br PREZADO (A) SENHOR (A) Agradecemos seu interesse em nossos programas de ensino e lhe cumprimentamos pela iniciativa de buscar o seu aperfeiçoamento profissional. Você está recebendo o programa do curso

Leia mais

Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informações gerencias, editora Pearson, 2010. Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informação, editora LTC, 1999

Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informações gerencias, editora Pearson, 2010. Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informação, editora LTC, 1999 FSI capítulo 2 Referências bibliográficas: Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informações gerencias, editora Pearson, 2010 Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informação, editora LTC, 1999 Porter M., Competitive

Leia mais

Os Sistemas de Informação para as Operações das Empresas e o Comércio Eletrônico Simulado Verdadeiro ou Falso

Os Sistemas de Informação para as Operações das Empresas e o Comércio Eletrônico Simulado Verdadeiro ou Falso Os Sistemas de Informação para as Operações das Empresas e o Comércio Eletrônico Simulado Verdadeiro ou Falso 1. Muitas organizações estão utilizando tecnologia da informação para desenvolver sistemas

Leia mais

Sistemas de Apoio. Prof.: Luiz Mandelli Neto. Sistemas de Apoio. ERP (Enterprise Resource Planning) PLANEJAMENTO DE RECURSOS EMPRESARIAIS

Sistemas de Apoio. Prof.: Luiz Mandelli Neto. Sistemas de Apoio. ERP (Enterprise Resource Planning) PLANEJAMENTO DE RECURSOS EMPRESARIAIS Sistemas de Apoio Prof.: Luiz Mandelli Neto Sistemas de Apoio ERP (Enterprise Resource Planning) PLANEJAMENTO DE RECURSOS EMPRESARIAIS Mapa de TI da cadeia de suprimentos Estratégia Planejamento Operação

Leia mais

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br Corporativo Transformar dados em informações claras e objetivas que possibilitem às empresas tomarem decisões em direção ao sucesso. Com essa filosofia a Star Soft Indústria de Software e Soluções vem

Leia mais

Curso de ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

Curso de ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Curso de ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO ÁREA DO CONHECIMENTO: Engenharia. NOME DO CURSO: Curso de Pós-Graduação Lato Sensu, especialização em Engenharia de Produção. PERFIL PROFISSIONAL: Este

Leia mais

ORGANIZAÇÕES VIRTUAIS

ORGANIZAÇÕES VIRTUAIS Universidade do Estado de Santa Catarina UDESC Centro de Ciências Tecnológicas CCT Engenharia de Produção e Sistemas Sistemas de Informação (SIN) ORGANIZAÇÕES VIRTUAIS Profº Adalberto J. Tavares Vieira

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos Bloco Suprimentos Controle de Produção PCP Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Controle de Produção PCP, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas

Leia mais

Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória

Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória Não há mais dúvidas de que para as funções da administração - planejamento, organização, liderança e controle

Leia mais

WAMAS SOFTWARE DE LOGÍSTICA. Eficiente. Flexível. Confiável.

WAMAS SOFTWARE DE LOGÍSTICA. Eficiente. Flexível. Confiável. WAMAS SOFTWARE DE LOGÍSTICA Eficiente. Flexível. Confiável. Automação SSI Schaefer: Pensamento Global Ação Local Liderança de mercado A SSI SCHAEFER é uma empresa mundialmente conhecida quando se trata

Leia mais

Comparativo entre os meios de comunicação para atingir 50 milhões de usuários

Comparativo entre os meios de comunicação para atingir 50 milhões de usuários Comparativo entre os meios de comunicação para atingir 50 milhões de usuários Fonte: TAKAHASHI, 2000; VEJA ONLINE, 2006 Definições de comércio eletrônico/e-business E - BUSINESS, acrônimo do termo em

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. Vendas, Loja Virtual e Gestão de Comissões

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. Vendas, Loja Virtual e Gestão de Comissões Bloco Comercial Vendas, Loja Virtual e Gestão de Comissões Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre os Módulos Vendas, Loja Virtual e Gestão de Comissões, que se encontram no Bloco

Leia mais

CRM Customer Relationship Management

CRM Customer Relationship Management CRM Customer Relationship Management C R M : DEFINIÇÃO TEÓRICA NO PASSADO CONHECÍAMOS NOSSOS CLIENTES PELO NOME, ONDE VIVIAM, QUE TIPO DE PRODUTOS NECESSITAVAM, COMO SERIAM ENTREGUES, COMO QUERIAM PAGAR

Leia mais

Introdução sobre Implantação de Sistema ERP em Pequenas Empresas. Prof Valderi R. Q. Leithardt

Introdução sobre Implantação de Sistema ERP em Pequenas Empresas. Prof Valderi R. Q. Leithardt Introdução sobre Implantação de Sistema ERP em Pequenas Empresas Prof Valderi R. Q. Leithardt Objetivo Esta apresentação tem por objetivo mostrar tanto os benefícios como as dificuldades da implantação

Leia mais

E-Business. Parte 2. Prof. Marcílio Oliveira marcilio.oliveira@gmail.com

E-Business. Parte 2. Prof. Marcílio Oliveira marcilio.oliveira@gmail.com Parte 2 Prof. Marcílio Oliveira marcilio.oliveira@gmail.com As dimensões do E-Commerce (Comércio Eletrônico). SCM - Supply Chain Management (Gerenciamento de Cadeia de Fornecimento) ERP - Enterprise Resourse

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos ... lembrando Uma cadeia de suprimentos consiste em todas

Leia mais

RHIND Group. Rhind Group. Nossa Equipe. Nosso objetivo

RHIND Group. Rhind Group. Nossa Equipe. Nosso objetivo Rhind Group É uma empresa estruturada para prover soluções em consultoria e assessoria empresarial aos seus clientes e parceiros de negócios. Com larga experiência no mercado, a Rhind Group tem uma trajetória

Leia mais

Tecnologia da Informação e Comunicação. Douglas Farias Cordeiro

Tecnologia da Informação e Comunicação. Douglas Farias Cordeiro Tecnologia da Informação e Comunicação Douglas Farias Cordeiro Algumas coisas que vimos até aqui Qual a diferença entre as funções do analista e do projetista? Como funciona o ciclo de vida de um projeto

Leia mais

Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br

Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Agenda Conceitos de Governança de TI Fatores motivadores das mudanças Evolução da Gestão de TI Ciclo da Governança

Leia mais

A Logística de Cargas Fracionadas e Novas Configurações do Mercado de Varejo.

A Logística de Cargas Fracionadas e Novas Configurações do Mercado de Varejo. A Logística de Cargas Fracionadas e Novas Configurações do Mercado de Varejo. Cristian Carlos Vicari (UNIOESTE) viccari@certto.com.br Rua Engenharia, 450 Jd. Universitário C.E.P. 85.819-190 Cascavel Paraná

Leia mais

CONVITE À APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS INOVAÇÃO EM FINANCIAMENTO

CONVITE À APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS INOVAÇÃO EM FINANCIAMENTO CONVITE À APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS INOVAÇÃO EM FINANCIAMENTO FUNDO COMUM PARA OS PRODUTOS BÁSICOS (FCPB) BUSCA CANDIDATURAS A APOIO PARA ATIVIDADES DE DESENVOLVIMENTO DOS PRODUTOS BÁSICOS Processo de

Leia mais

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT Artigo para a Revista Global Fevereiro de 2007 DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT O conceito de Supply Chain Management (SCM), denominado Administração da Cadeia de Abastecimento

Leia mais

Sistemas Integrados de Gestão Empresarial

Sistemas Integrados de Gestão Empresarial Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Administração Tecnologia e Sistemas de Informação - 05 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO EDUARDO ROCHA BRUNO CATTANY FERNANDO BAPTISTA

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO EDUARDO ROCHA BRUNO CATTANY FERNANDO BAPTISTA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO EDUARDO ROCHA BRUNO CATTANY FERNANDO BAPTISTA Descrição da(s) atividade(s): Indicar qual software integrado de gestão e/ou ferramenta

Leia mais

Sociedade e Tecnologia

Sociedade e Tecnologia Unidade de Aprendizagem 15 Empresas em Rede Ao final desta aula você será capaz de inovações influenciam na competitividade das organizações, assim como compreender o papel da Inteligência Competitiva

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Disciplina: Curso de Tecnologia em Redes de Computadores Auditoria e Análise de Segurança da Informação - 4º período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Introdução A A logística sempre existiu e está presente no dia a dia de todos nós, nas mais diversas

Leia mais

Operadores Logísticos : uma tendência nos sistemas de distribuição das empresas brasileiras?

Operadores Logísticos : uma tendência nos sistemas de distribuição das empresas brasileiras? Operadores Logísticos : uma tendência nos sistemas de distribuição das empresas brasileiras? Introdução O Contexto econômico do mundo globalizado vem sinalizando para as empresas que suas estratégias de

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. CRM e AFV

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. CRM e AFV Bloco Comercial CRM e AFV Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre os Módulos CRM e AFV, que fazem parte do Bloco Comercial. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 1 OBJETIVOS 1. Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? 2. Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Toda empresa privada deseja gerar lucro e para que chegue com sucesso ao final do mês ela precisa vender, sejam seus serviços

Leia mais

Tecnologia da Informação. Prof. Odilon Zappe Jr

Tecnologia da Informação. Prof. Odilon Zappe Jr Tecnologia da Informação Prof. Odilon Zappe Jr Vantagens e Desvantagens do Comércio Eletrônico Vantagens Aumento do número de contatos da empresa com fornecedores e com outras empresas do mesmo ramo, e

Leia mais

LOGÍSTICA EMPRESARIAL. Rodolfo Cola Santolin 2009

LOGÍSTICA EMPRESARIAL. Rodolfo Cola Santolin 2009 LOGÍSTICA EMPRESARIAL Rodolfo Cola Santolin 2009 Conteúdo Cadeia de suprimentos Custos Logísticos Administração de Compras e Suprimentos Logística Reversa CADEIA DE SUPRIMENTOS Logística Logística Fornecedor

Leia mais

Maximize o desempenho das suas instalações. Gerenciamento Integrado de Facilities - Brasil

Maximize o desempenho das suas instalações. Gerenciamento Integrado de Facilities - Brasil Maximize o desempenho das suas instalações Gerenciamento Integrado de Facilities - Brasil Sua empresa oferece um ambiente de trabalho com instalações eficientes e de qualidade? Como você consegue otimizar

Leia mais

30/09/2010. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves. Como surgiu o termo?

30/09/2010. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves. Como surgiu o termo? Engenheiro Agrônomo CCA/UFSCar 1998 Mestre em Desenvolvimento Econômico, Espaço e Meio Ambiente IE/UNICAMP 2001 Doutor em Engenhariade Produção PPGEP/UFSCar 2005 Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves Consultor

Leia mais

ArcelorMittal Brasil: Preparando o cenário para Transformação de Negócios com uma Força de Vendas Integrada

ArcelorMittal Brasil: Preparando o cenário para Transformação de Negócios com uma Força de Vendas Integrada SAP Business Transformation Study Produtos de Usina ArcelorMittal Brasil ArcelorMittal Brasil: Preparando o cenário para Transformação de Negócios com uma Força de Vendas Integrada A ArcelorMittal Brasil

Leia mais

16/02/2010. Relação empresa-cliente-consumidor. Distribuição física do produto final até ponto de venda final

16/02/2010. Relação empresa-cliente-consumidor. Distribuição física do produto final até ponto de venda final Logística de Distribuição e Reversa MSe. Paulo Cesar C. Rodrigues paulo.rodrigues@usc.br Mestre em Engenharia de Produção Conceito Relação empresa-cliente-consumidor Distribuição física do produto final

Leia mais

OS DESAFIOS LOGISTICOS DO COMÉRCIO ELETRÔNICO

OS DESAFIOS LOGISTICOS DO COMÉRCIO ELETRÔNICO OS DESAFIOS LOGISTICOS DO COMÉRCIO ELETRÔNICO Fabiana Rubim Cintra Murilo Rodrigues da Silva Patrick Beirigo Andrade RESUMO Este artigo tem o objetivo de expor os principais problemas que o comércio eletrônico

Leia mais

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG)

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG) Sistema de Informação Gerencial (SIG) Material de Apoio Os Sistemas de Informação Gerencial (SIG) são sistemas ou processos que fornecem as informações necessárias para gerenciar com eficácia as organizações.

Leia mais

GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro

GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro Matheus de Aguiar Sillos matheus.sillos@pmlog.com.br AGV Logística Rua Edgar Marchiori, 255, Distrito

Leia mais

Prezado(a) Sr.(a.) Atenciosamente, Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas. comercial@trecsson.com.br

Prezado(a) Sr.(a.) Atenciosamente, Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas. comercial@trecsson.com.br Prezado(a) Sr.(a.) Agradecemos seu interesse em nossos programa de ensino e lhe cumprimentamos pela iniciativa de buscar o seu aperfeiçoamento profissional. Você está recebendo o programa do curso de Pós-MBA

Leia mais

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA Marinalva R. Barboza Definição do conceito de logística e evolução Logística tem origem no idioma francês Logistique se define de forma militar sendo uma parte estratégica

Leia mais

Logística Empresarial

Logística Empresarial IETEC INSTITUTO DE EDUCAÇAO TECNOLÓGICA PÓS GRADUAÇAO LATU SENSU 15 a. Turma Gestão da Logística Logística Empresarial Elenilce Lopes Coelis Belo Horizonte MG Julho - 2006 2 SUMÁRIO INTRODUÇÃO À LOGÍSTICA...PÁGINA

Leia mais

CONCEITOS RELACIONADOS ÀS ATIVIDADES A SEREM DESENVOLVIDAS NOS EPISÓDIOS 1, 2 E 3.

CONCEITOS RELACIONADOS ÀS ATIVIDADES A SEREM DESENVOLVIDAS NOS EPISÓDIOS 1, 2 E 3. CONCEITOS RELACIONADOS ÀS ATIVIDADES A SEREM DESENVOLVIDAS NOS EPISÓDIOS 1, 2 E 3. PROBLEMA: É UM OBSTÁCULO QUE ESTÁ ENTRE O LOCAL ONDE SE ESTÁ E O LOCAL EM QUE SE GOSTARIA DE ESTAR. ALÉM DISSO, UM PROBLEMA

Leia mais

Palestra: Entrerprise Resource Planning - ERP

Palestra: Entrerprise Resource Planning - ERP Palestra: Entrerprise Resource Planning - ERP Ricardo Vilarim Formado em Administração de Empresas e MBA em Finanças Corporativas pela UFPE, Especialização em Gestão de Projetos pelo PMI-RJ/FIRJAN. Conceito

Leia mais

O comércio eletrônico (CE) é, basicamente, a realização de transações empresariais vida rede de telecomunicações, especialmente a Internet.

O comércio eletrônico (CE) é, basicamente, a realização de transações empresariais vida rede de telecomunicações, especialmente a Internet. E-commerce Prof Marcus Regenold Disciplina Negócios pela Internet O comércio eletrônico (CE) é, basicamente, a realização de transações empresariais vida rede de telecomunicações, especialmente a Internet.

Leia mais