MODELO PARA ESTIMATIVA DA FORÇA E TORQUE MUSCULAR DURANTE ABDUÇÃO DO OMBRO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MODELO PARA ESTIMATIVA DA FORÇA E TORQUE MUSCULAR DURANTE ABDUÇÃO DO OMBRO"

Transcrição

1 MODELO PARA ESTIMATIVA DA FORÇA E TORQUE MUSCULAR DURANTE ABDUÇÃO DO OMBRO Dael Cury Rbero, Marcelo Gregs Estvalet, Jefferso Fagudes Loss Escola de Educação Físca Uversdade Federal do Ro Grade do Sul UFRGS Porto Alegre. Resumo: O objetvo deste estudo fo aplcar um modelo matemátco para estmar a força e torque de cada músculo durate o movmeto de abdução máxma o plao coroal. Um dvíduo do sexo masculo, 28 aos de dade,,78 metros de altura e 80 kg partcpou deste estudo. O modelo de otmzação fo estruturado o software Matlab 7.0 (Mathworks, Ic.) e cosderou os segutes músculos: deltóde ateror, deltóde médo, deltóde posteror, supraespal, fraespal e subscapular. A comparação etre torque e força muscular estmado fo feta através do teste de Kruskal-Walls. O teste post-hoc de Fredma fo utlzado para detfcar dfereças sgfcatvas (p<0,05). O músculo deltóde médo apresetou o maor pco de torque estmado (6,7 Nm), quado comparado com os outros músculos (p<0,05). O pco de torque e força muscular estmado para o supraespal (6,6Nm e 37N, respectvamete) fo meor que àqueles assocados às três porções do deltóde (ateror, médo e posteror). Palavras Chave: músculo, ombro, reabltação. Abstract: The am of the preset study was to apply a model to estmate the muscle force ad torque, by mea of a bomechacal model, durg shoulder maxmal abducto o the coroal plae. Oe male, 28 years,.78 meters ad 85 kg partcpated of the preset study. The optmzato model was structured at software Matlab 7.0 (MathWorks, Ic.). The model cosdered as abductor muscles the followg: ateror deltodeus, medum deltodeus, posteror deltodeus, supraspatus, fraspatus ad subscapulars muscles. The comparso betwee muscle estmated force ad momet was performed by Kruskal-Walls test, wth Fredma post hoc test (p<0.05). The medum deltodeus preseted the largest estmated torque (6.7 Nm), whe compared wth the other muscles. The peak torque ad force of supraspatus (6,6Nm e 37N, respectvely) was smaller whe compared to the three portos of the deltodeus muscle. Keywords: muscle, shoulder, rehabltato. INTRODUÇÃO Ao logo da reabltação de dferetes dsfuções da artculação ombro exercícos de reforço muscular para o maguto rotador são comumete recomedadas []. Os programas de reabltação de atletas evolvem ada reforço dos músculos do maguto rotador com o ombro abduzdo em 90, devdo a grade sobrecarga que esta artculação sofre esta posção em esportes de arremesso [, 2]. Idetfcar a força produzda pelos músculos do ombro durate gestos desta artculação é essecal para melhor compreeder seus mecasmos de lesão [3]. Determados estudos apotam o supraespal como um mportate abdutor ao logo de toda ampltude de movmeto, ao cotráro de outros que sugerem que este músculo tem maor fução abdutora apeas o íco do movmeto [4]. Além dsso, os resultados do estudo de Hughes e A [3] sugerem que gestos de abdução de ombro parecem ão provocar grades sobrecargas a estrutura músculo-tedíea do supraespal. O presete estudo teve como objetvo aplcar um modelo matemátco para estmar a força e torque de cada músculo durate o movmeto de abdução máxma o plao coroal. MATERIAIS E MÉTODOS Amostra A amostra fo costtuída de um sujeto, do sexo masculo, 28 aos de dade,,78 metro de altura e 85 kg. Ates de qualquer evolvmeto com este trabalho, o dvíduo assou o Termo de Cosetmeto Iformado, cosetdo formalmete a partcpação desta pesqusa. 9

2 Modelo de Otmzação O modelo de otmzação fo estruturado o software Matlab 7.0 (Mathworks, Ic.). Os músculos cosderados como abdutores foram: deltóde ateror (DA), deltóde médo (DM), deltóde posteror (DP), supraespal (SE), fraespal (IE) e subscapular (SUBS), coforme estudo de Kuechle et al [5]. As varáves depedetes do modelo são: torque (meddo pelo damômetro socétco), âgulo de abdução (mesurado através de um eletrogoômetro), dstâca perpedcular de cada músculo abdutor, área de secção trasversa fsológca (ASTF) e valor de tesão específca (σ) dos músculos do ombro; equato que as varáves depedetes do modelo são força e torque estmados dos músculos abdutores do ombro. Os dados de dstâca perpedcular [5], ASTF [6] e σ [7] foram obtdos da lteratura. A σ é uma costate de proporcoaldade etre a ASTF e força máxma [8]. O valor de σ adotado fo de 70 N/cm 2 [7]. De forma geral, o modelo busca ecotrar o ível de força que cada músculo ecessta produzr para equvaler o torque mesurado o damômetro socétco. Para sso, o modelo opera com as varáves, coforme descrto a segur. O produto etre ASTF e σ permte uma estmatva da força máxma que o músculo pode produzr (Equação ), é a deomada força potecal (Fp) [9]. O músculo com maor ASTF é cosderado como o músculo referêca (u), coseqüetemete: Fu = ASTFu σ (2) Da mesma forma que a Fp, o torque potecal (Tp) pode ser estmado como sedo o produto da dstâca perpedcular e da Fp (Equação 3) [0]. Tp = dst perp Fp (3) Tp = torque potecal de Fp = força potecal de dst perp = dstâca perpedcular de A partr do Tp, o modelo classfca os músculos motores prmáros e secudáros. Músculos com Tp maor que a magtude do produto da méda de Tp de todos músculos e um fator lmar são cosderados prmáros. Músculos com meor Tp que este produto são cosderados como motores secudáros. O fator lmar tem uma fução fudametal o algortmo do modelo, a medda em que ele determa quas músculos serão motores prmáros e quas serão secudáros. O valor de 0.9 fo adotado para o fator lmar. Fo assumdo que o torque abdutor meddo o damômetro socétco é gual à soma dos esforços de todos músculos abdutores do ombro (Equação 4) []. Fp ASTF σ () = =,2,3, ésmo músculo abdutor Fp = força potecal do ASTF = área de secção trasversa fsológca de σ = tesão específca TM = = Tmusc Tm = torque meddo Tmusc = torque muscular de (4) 20

3 A ASTF de cada músculo fo ormalzada pela maor ASTF (ASTFu) [7]. A ormalzação das ASTF resulta em um quocete (Q) (Equação 5). ASTF Q = (5) ASTFu A equação (4) pode ser re-escrta da segute maera: Tm = d Fp (6) = Substtudo Fp (Equação 6) pela equação () resulta em: Tm = d ASTF σ (7) = Normalzado a ASTF, coforme ctado aterormete: Tm = Fu d Q = = 0; 0,05; 0,; 0,5; ; (8) O cremeto ( ) permte modular a Fu com a faldade de ajustar a força que os músculos abdutores devem produzr. O modelo assume que o torque extero é eutralzado, prcpalmete, pelos motores prmáros. Assm, a equação (8) é aplcada para os motores prmáros (Equação 9). Tmp = Fu d Q (9) = =,2,3, ésmo músculo abdutor motor prmáro Tmp = torque músculos motores prmáros A magtude de força muscular eleta pelo modelo é aquela que promove o meor torque remaescete postvo etre o Tm e Tmusc (Equação 0). Tr = Tmp Tm (0) Tr = torque remaescete Após, as equações 9 e 0 são aplcadas para os músculos motores secudáros, o etato, a soma dos torques dos motores secudáros deve equvaler-se ao Tr. Tr = Tms = Fu d Q = () Em = Tms Tr (2) =,2,3, ésmo músculo abdutor motor secudáro Tms = torque músculos motores secudáros Em = erro mímo O valor de que promova meor dfereça postva etre o Tms e Tr é eleta como a mas adequada e, determará assm, a magtude da força dos motores secudáros. Coleta de dados A coleta cosstu a mesuração do torque máxmo de abdução e adução do ombro a 60º/seg o plao coroal. Para tal, fo utlzado um damômetro socétco, marca Cybex, modelo Norm (Dataq Istrumets, Ic. Oho EUA). Para regstro com maor precsão da posção artcular, fo utlzado um eletrogoômetro da marca Bomectrcs Ltd (Cwmfelfach, Reo Udo), modelo XM 80, adaptado juto ao damômetro socétco. O damômetro socétco e o eletrogoômetro estavam coectados a um mcrocomputador Petum III 650 MHz através de um coversor aalógco-dgtal de 6 caas (Computer Boards, CIO-DAS 6). Prevamete ao teste, o dvíduo realzou aquecmeto e famlarzação ao teste, a qual cossta de cco cotrações máxmas de abdução 2

4 e adução de ombro até 90 de abdução. Durate o teste, o dvíduo permaeceu setado o aparelho socétco, coforme sugestão do fabrcate. Processameto dos dados Para tratameto dos dados foram utlzados o software SAD32 (Sstema de Aqusção de Dados, desevolvdo pelo Laboratóro de Medções Mecâcas da Uversdade Federal do Ro Grade do Sul) e rotas desevolvdas em ambete Matlab 7.0 (MathWorks Ic, Massachusetts EUA). Aálse Estatístca A comparação etre torque e força muscular estmado fo feta através do teste de Kruskal- Walls. O teste post-hoc de Fredma fo utlzado para detfcar dfereças sgfcatvas, cosderado p<0,05. Para sso, fo utlzado o programa Matlab 7.0 (MathWorks Ic, Massachusetts EUA). de p<0,05. O músculo com maor pco de torque estmado fo o DM (pco de 6,7 Nm). Os músculos DA e DP apresetaram torques estmados muto smlares: pco de 0,3 e 2,4 Nm, respectvamete, ão havedo dfereças sgfcatvas etre os torques estmados destes músculos. Tabela : ASTF a, Dst.Perp. b, torque e força dos músculos aalsados, bem como, do torque mesurado (Tm). Tm DA DM DP Supra Ifra Subs ASTF (cm 2 ) 7,38 9,08 9,45 5,2 9,5 3,5 Dst. Perp. (m) Pco - 0,0237 0,0294 0,0300 0,0345 0,022 0,0089 (9 ) (9 ) (9 ) (9 ) (2 ) (78 ) Torque (Nm) Pco 4 0,3 6,7 2,4 6,6 0,07 0,4 (62 ) (64 ) (56 ) (80 ) (33 ) (29 ) (68 ) Força (N) Pco (43 ) (43 ) (43 ) (43 ) (43 ) (43 ) a ASTF: área de secção trasversa fsológca [6]. b Dst. Perp.: dstaca perpedcular[2]. RESULTADOS O valor do pco de Tm, dstâca perpedcular, torque e força de cada músculo aalsado estão apresetados a Tabela. Os músculos cosderados como motores prmáros da abdução foram DA, DM, DP, Supra; sedo os músculos Ifra e Subs os motores secudáros detre os músculos aalsados. O erro mímo médo fo de 0,7 ± 0,7 Nm. O comportameto do torque estmado dos músculos varou coforme o músculo aalsado (Fgura ). Foram detfcadas dfereças sgfcatvas etre os torques estmados de todos músculos abdutores do ombro, com exceção dos músculos DA e DP para um ível de sgfcâca Fgura - Torque dos músculos motores prmáros. DA: deltóde ateror; DM: deltóde médo; DP: deltóde posteror; Supra: supraespal; Subs: subscapular; Ifra: fraespal. Os músculos DA, DM, DP e Supra apresetam comportameto de força muto smlar, dvergdo apeas a magtude de força 22

5 produzda. A comparação etre a magtude de força muscular estmada evdecou dfereças sgfcatvas para força muscular estmada etre todos músculos (p<0,05), com exceção dos músculos DM e DP, os quas apresetaram íves de força muto smlares (Tabela ). Os músculos DM e DP apresetam as maores magtudes de força durate a abdução, com pco de força 673 N e 647 N, respectvamete. Todos músculos atgram o pco de força a mesma ampltude de movmeto (Tabela ). um úco dvíduo, este trabalho provê mportates formações referetes à produção de força dos músculos do ombro durate o movmeto de abdução desta artculação, em especal, em relação aos músculos do maguto rotador. A aplcação do modelo com formações de torque proveetes de uma amostra mas ampla permtrá a obteção de resultados ada mas coclusvos. AGRADECIMENTOS DISCUSSÃO Com base o comportameto do torque muscular do Supra, parece que este músculo tem maor capacdade de abdução durate o íco do movmeto e, posterormete, se tora um establzador da artculação gleo-umeral. Nossos resultados corroboram com os achados de outros autores [5, 3] que afrmam que o Supra é um mportate abdutor o íco do movmeto e que, em seguda, sua fução volta-se para a establzação da cabeça do úmero cotra a gleóde. A mauteção da magtude de força deste músculo, ao logo do movmeto, cofrma estas afrmações. No etato, outros autores [4, 5] afrmam que o Supra é um mportate abdutor ao logo de toda ampltude de movmeto. Estes dferetes resultados são coseqüêcas das dfereças metodológcas utlzada em cada estudo [5]. CONCLUSÃO Podemos afrmar que o modelo apreseta resultados coeretes com os dados ecotrados a lteratura e, apesar de ser baseado em valores de Este estudo recebeu apoo facero da Coordeação de Aperfeçoameto de Pessoal de Nível Superor (CAPES) - Brasl. REFERÊNCIAS [] Wlk KE, Mester K, Adrews JR. Curret cocepts the rehabltato of the overhead throwg athlete. Am J Sports Med Ja- Feb;30():36-5. [2] Kbler WB, McMulle J, Uhl T. Shoulder Rehabltato Strateges, Gudeles, ad Practce. Orthop Cl North Am. 200;32(3): [3] Hughes RE, A KN. Force aalyss of rotator cuff muscles. Cl Orthop Relat Res. 996 Sep(330): [4] Wlk KE, Harrelso GL, Arrgo C, Chmelewsk T. Reabltação do Ombro. I: Adrews JR, Harrelso GL, Wlk KE, eds. Reabltação físca das lesões esportvas. 2ª ed. Ro de Jaero: Guaabara Kooga 2000: [5] Kuechle DK, Newma SR, Ito E, Morrey BF, A KN. Shoulder muscle momet arms durg horzotal flexo ad elevato. J Shoulder Elbow Surg. 997 Sep-Oct;6(5): [6] Veeger HE, Va der Helm FC, Va der Woude LH, Prok GM, Rozedal RH. Ierta ad muscle cotracto parameters for 23

6 musculoskeletal modellg of the shoulder mechasm. J Bomech. 99;24(7): [7] Favre P, Shekh R, Fucetese SF, Jacob HA. A algorthm for estmato of shoulder muscle forces for clcal use. Cl Bomech (Brstol, Avo) Oct;20(8): [8] Chag YW, Hughes RE, Su FC, Ito E, A KN. Predcto of muscle force volved shoulder teral rotato. J Shoulder Elbow Surg May-Ju;9(3): [9] Lu J, Hughes RE, Smutz WP, Nebur G, Na- A K. Roles of deltod ad rotator cuff muscles shoulder elevato. Cl Bomech (Brstol, Avo). 997 Ja;2():32-8. [0] Bassett RW, Browe AO, Morrey BF, A KN. Gleohumeral muscle force ad momet mechacs a posto of shoulder stablty. J Bomech. 990;23(5): [] Lagederfer JE, Carpeter JE, Johso ME, A KN, Hughes RE. A probablstc model of gleohumeral exteral rotato stregth for healthy ormals ad rotator cuff tear cases. A Bomed Eg Mar;34(3): [2] Kuechle DK, Newma SR, Ito E, Nebur GL, Morrey BF, A KN. The relevace of the momet arm of shoulder muscles wth respect to axal rotato of the gleohumeral jot four postos. Cl Bomech (Brstol, Avo) Ju;5(5): [3] Ots JC, Jag CC, Wckewcz TL, Peterso MG, Warre RF, Sater TJ. Chages the momet arms of the rotator cuff ad deltod muscles wth abducto ad rotato. J Boe Jot Surg Am. 994 May;76(5): [4] Grache H, Eglmeer KH, Reser M, Eckste F. A vvo techque for determg 3D muscular momet arms dfferet jot postos ad durg muscular actvato - applcato to the supraspatus. Cl Bomech (Brstol, Avo). 200 Ju;6(5): [5] Hughes RE, Nebur G, Lu J, A KN. Comparso of two methods for computg abducto momet arms of the rotator cuff. J Bomech. 998 Feb;3(2): e-mal: 24

Estudo das relações entre peso e altura de estudantes de estatística através da análise de regressão simples.

Estudo das relações entre peso e altura de estudantes de estatística através da análise de regressão simples. Estudo das relações etre peso e altura de estudates de estatístca através da aálse de regressão smples. Waessa Luaa de Brto COSTA 1, Adraa de Souza COSTA 1. Tago Almeda de OLIVEIRA 1 1 Departameto de Estatístca,

Leia mais

Monitoramento ou Inventário Florestal Contínuo

Monitoramento ou Inventário Florestal Contínuo C:\Documets ad Settgs\DISCO_F\MEUS-DOCS\LIVRO_EF_44\ef44_PDF\CAP XIV_IFCOTIUO.doc 6 Motorameto ou Ivetáro Florestal Cotíuo Agosto Lopes de Souza. ITRODUÇÃO Parcelas permaetes de vetáro florestal cotíuo

Leia mais

Perguntas Freqüentes - Bandeiras

Perguntas Freqüentes - Bandeiras Pergutas Freqüetes - Baderas Como devo proceder para prestar as formações de quatdade e valor das trasações com cartões de pagameto, os casos em que o portador opte por lqudar a obrgação de forma parcelada

Leia mais

A REGRESSÃO LINEAR EM EVENTOS HIDROLÓGICOS EXTREMOS: enchentes

A REGRESSÃO LINEAR EM EVENTOS HIDROLÓGICOS EXTREMOS: enchentes Mostra Nacoal de Icação Cetífca e Tecológca Iterdscplar VI MICTI Isttuto Federal Catarese Câmpus Camború 30 a 3 de outubro de 03 A REGRESSÃO LINEAR EM EVENTOS HIDROLÓGICOS EXTREMOS: echetes Ester Hasse

Leia mais

CAPÍTULO 9 - Regressão linear e correlação

CAPÍTULO 9 - Regressão linear e correlação INF 6 Prof. Luz Alexadre Peterell CAPÍTULO 9 - Regressão lear e correlação Veremos esse capítulo os segutes assutos essa ordem: Correlação amostral Regressão Lear Smples Regressão Lear Múltpla Correlação

Leia mais

Algoritmos de Interseções de Curvas de Bézier com Uma Aplicação à Localização de Raízes de Equações

Algoritmos de Interseções de Curvas de Bézier com Uma Aplicação à Localização de Raízes de Equações Algortmos de Iterseções de Curvas de Bézer com Uma Aplcação à Localzação de Raízes de Equações Rodrgo L.R. Madurera Programa de Pós-Graduação em Iformátca, PPGI, UFRJ 21941-59, Cdade Uverstára, Ilha do

Leia mais

Análise de Regressão

Análise de Regressão Aálse de Regressão Prof. Paulo Rcardo B. Gumarães. Itrodução Os modelos de regressão são largamete utlzados em dversas áreas do cohecmeto, tas como: computação, admstração, egeharas, bologa, agrooma, saúde,

Leia mais

Requisitos metrológicos de instrumentos de pesagem de funcionamento não automático

Requisitos metrológicos de instrumentos de pesagem de funcionamento não automático Requstos metrológcos de strumetos de pesagem de fucoameto ão automátco 1. Geeraldades As balaças estão assocadas de uma forma drecta à produção do betão e ao cotrolo da qualdade do mesmo. Se são as balaças

Leia mais

SUMÁRIO GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ. Cid Ferreira Gomes Governador. 1. Introdução... 2. Domingos Gomes de Aguiar Filho Vice Governador

SUMÁRIO GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ. Cid Ferreira Gomes Governador. 1. Introdução... 2. Domingos Gomes de Aguiar Filho Vice Governador INSTITUTO DE PESQUISA E ESTRATÉGIA ECONÔMICA DO CEARÁ - IPECE GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Cd Ferrera Gomes Goverador Domgos Gomes de Aguar Flho Vce Goverador SECRETARIA DO PLANEJAMENTO E GES- TÃO (SEPLAG)

Leia mais

MAE116 Noções de Estatística

MAE116 Noções de Estatística Grupo C - º semestre de 004 Exercíco 0 (3,5 potos) Uma pesqusa com usuáros de trasporte coletvo a cdade de São Paulo dagou sobre os dferetes tpos usados as suas locomoções dáras. Detre ôbus, metrô e trem,

Leia mais

EVAPOTRANSPIRAÇÃO DE REFERÊNCIA UTILIZANDO MÉTODOS DE TANQUE CLASSE A PROPOSTOS PELA FAO, NA REGIÃO DE MOSSORÓ, RN

EVAPOTRANSPIRAÇÃO DE REFERÊNCIA UTILIZANDO MÉTODOS DE TANQUE CLASSE A PROPOSTOS PELA FAO, NA REGIÃO DE MOSSORÓ, RN EVAPOTRANSPIRAÇÃO DE REFERÊNCIA UTILIZANDO MÉTODOS DE TANQUE CLASSE A PROPOSTOS PELA FAO, NA REGIÃO DE MOSSORÓ, RN Tayd Dayvso Custódo Pexoto ; Sérgo Luz Agular Leve ; Adre Herma Frere Bezerra 3 ; José

Leia mais

INTRODUÇÃO ÀS PROBABILIDADES E ESTATÍSTICA

INTRODUÇÃO ÀS PROBABILIDADES E ESTATÍSTICA INTRODUÇÃO ÀS PROBABILIDADES E ESTATÍSTICA 003 Iformações: relembra-se os aluos teressados que a realzação de acções presecas só é possível medate solctação vossa, por escrto, à assstete da cadera. A realzação

Leia mais

Uma Calculadora Financeira usando métodos numéricos e software livre

Uma Calculadora Financeira usando métodos numéricos e software livre Uma Calculadora Facera usado métos umércos e software lvre Jorge edraza Arpas, Julao Sott, Depto de Cêcas e Egeharas, Uversdade Regoal ItegradaI, URI 98400-000-, Frederco Westphale, RS Resumo.- Neste trabalho

Leia mais

Econometria: 4 - Regressão Múltipla em Notação Matricial

Econometria: 4 - Regressão Múltipla em Notação Matricial Ecoometra: 4 - Regressão últpla em Notação atrcal Prof. arcelo C. ederos mcm@eco.puc-ro.br Prof. arco A.F.H. Cavalcat cavalcat@pea.gov.br Potfíca Uversdade Católca do Ro de Jaero PUC-Ro Sumáro O modelo

Leia mais

Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto

Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto Faculdade de Ecooma, Admstração e Cotabldade de Rberão Preto Ecooma Moetára Curso de Ecooma / º. Semestre de 014 Profa. Dra. Rosel da Slva Nota de aula CAPM Itrodução Há dos modelos bastate utlzados para

Leia mais

Ana Clara P. Campos 1 Denise Nunes Viola 1 Moacyr Cunha Filho 2 Guilherme Vilar 2 Vanessa Van Der Linden 3

Ana Clara P. Campos 1 Denise Nunes Viola 1 Moacyr Cunha Filho 2 Guilherme Vilar 2 Vanessa Van Der Linden 3 Idetfcação da exstêca de padrão espacal aleatóro a dstrbução dos pacetes portadores de doeça geétca rara com defcêca físca da Assocação de Assstêca à Craça Defcete (AACD) de Perambuco Aa Clara P. Campos

Leia mais

Perguntas freqüentes Credenciadores

Perguntas freqüentes Credenciadores Pergutas freqüetes Credecadores Como devo proceder para prestar as formações de quatdade e valor das trasações com cartões de pagameto, os casos em que o portador opte pelo facameto da compra pelo emssor?

Leia mais

3 Precificação de resseguro

3 Precificação de resseguro Precfcação de Resseguro 35 3 Precfcação de resseguro Este capítulo traz prmeramete uma oção ampla das aplcações das metodologas de precfcação de resseguro para melhor compreesão do mesmo Da seção 3 até

Leia mais

Projeção Populacional 2013-2020 para a Cidade do Rio de Janeiro: uma aplicação do método AiBi

Projeção Populacional 2013-2020 para a Cidade do Rio de Janeiro: uma aplicação do método AiBi ISSN 1984-7203 Projeção Populacoal 2013-2020 para a Cdade do Ro de Jaero: uma aplcação do método AB Nº 20130102 Jaero - 2013 Iva Braga Ls 1, Marcelo Pessoa da Slva, Atoo Carlos Carero da Slva, Sérgo Gumarães

Leia mais

IND 1115 Inferência Estatística Aula 9

IND 1115 Inferência Estatística Aula 9 Coteúdo IND 5 Iferêca Estatístca Aula 9 Outubro 2004 Môca Barros Dfereça etre Probabldade e Estatístca Amostra Aleatóra Objetvos da Estatístca Dstrbução Amostral Estmação Potual Estmação Bayesaa Clássca

Leia mais

Nota Técnica n o 037/2013-SRG/ANEEL. Em 17 de maio de 2013. Processo: 48500.002907/2010-89

Nota Técnica n o 037/2013-SRG/ANEEL. Em 17 de maio de 2013. Processo: 48500.002907/2010-89 Nota Técca o 037/2013-SRG/ANEEL Em 17 de mao de 2013. Processo: 48500.002907/2010-89 Assuto: Cosoldação de todas as regulametações referetes à apuração de dspobldades de empreedmetos de geração de eerga

Leia mais

1 SISTEMA FRANCÊS DE AMORTIZAÇÃO

1 SISTEMA FRANCÊS DE AMORTIZAÇÃO scpla de Matemátca Facera 212/1 Curso de Admstração em Gestão Públca Professora Ms. Valéra Espídola Lessa EMPRÉSTIMOS Um empréstmo ou facameto pode ser feto a curto, médo ou logo prazo. zemos que um empréstmo

Leia mais

E-mails: damasceno1204@yahoo.com.br damasceno@interjato.com.br damasceno12@hotmail.com http://www. damasceno.info www. damasceno.info damasceno.

E-mails: damasceno1204@yahoo.com.br damasceno@interjato.com.br damasceno12@hotmail.com http://www. damasceno.info www. damasceno.info damasceno. Matemátca Facera 2007.1 Prof.: Luz Gozaga Damasceo 1 E-mals: damasceo1204@yahoo.com.br damasceo@terjato.com.br damasceo12@hotmal.com http://www. damasceo.fo www. damasceo.fo damasceo.fo Obs.: (1 Quado

Leia mais

Educação e Pesquisa ISSN: 1517-9702 revedu@usp.br Universidade de São Paulo Brasil

Educação e Pesquisa ISSN: 1517-9702 revedu@usp.br Universidade de São Paulo Brasil Educação e Pesqusa ISS: 1517-972 revedu@usp.br Uversdade de São Paulo Brasl Helee, Otavao Evolução da escolardade esperada o Brasl ao logo do século XX Educação e Pesqusa, vol. 38, úm. 1, marzo, 212, pp.

Leia mais

2 Avaliação da segurança dinâmica de sistemas de energia elétrica: Teoria

2 Avaliação da segurança dinâmica de sistemas de energia elétrica: Teoria Avalação da seguraça dâmca de sstemas de eerga elétrca: Teora. Itrodução A avalação da seguraça dâmca é realzada através de estudos de establdade trastóra. Nesses estudos, aalsa-se o comportameto dos geradores

Leia mais

2 Estrutura a Termo de Taxa de Juros

2 Estrutura a Termo de Taxa de Juros Estrutura a Termo de Taxa de Juros 20 2 Estrutura a Termo de Taxa de Juros A Estrutura a termo de taxa de juros (também cohecda como Yeld Curve ou Curva de Retabldade) é a relação, em dado mometo, etre

Leia mais

UERJ CTC IME Departamento de Informática e Ciência da Computação 2 Cálculo Numérico Professora Mariluci Ferreira Portes

UERJ CTC IME Departamento de Informática e Ciência da Computação 2 Cálculo Numérico Professora Mariluci Ferreira Portes UERJ CTC IE Departameto de Iormátca e Cêca da Computação Udade I - Erros as apromações umércas. I. - Cosderações geras. Há váras stuações em dversos campos da cêca em que operações umércas são utlzadas

Leia mais

MÉTODO COMPUTACIONAL AUTOMÁTICO TICO PARA PRÉ-PROCESSAMENTO PROCESSAMENTO DE IMAGENS RADIOGRÁFICAS. M. Z. Nascimento, A. F. Frère e L. A.

MÉTODO COMPUTACIONAL AUTOMÁTICO TICO PARA PRÉ-PROCESSAMENTO PROCESSAMENTO DE IMAGENS RADIOGRÁFICAS. M. Z. Nascimento, A. F. Frère e L. A. MÉTODO COMPUTACIONAL AUTOMÁTICO TICO PARA PRÉ-PROCESSAMENTO PROCESSAMENTO DE IMAGENS RADIOGRÁFICAS M. Z. Nascmeto, A. F. Frère e L. A. Neves INTRODUÇÃO O cotraste as radografas vara ao logo do campo de

Leia mais

Em atendimento à solicitação de V.Sa., apresentamos, na seqüência, os resultados do estudo referenciado.

Em atendimento à solicitação de V.Sa., apresentamos, na seqüência, os resultados do estudo referenciado. 1 Belo Horzote, 14 de abrl de 2007. À UNAFISCO SAÚDE AT.: Glso Bezerra REF: AVALIAÇÃO ATUARIAL Prezado Sehor, Em atedmeto à solctação de V.Sa., apresetamos, a seqüêca, os resultados do estudo referecado.

Leia mais

A Medição e o Erro de Medição

A Medição e o Erro de Medição A Medção e o Erro de Medção Sumáro 1.1 Itrodução 1.2 Defções 1.3 Caracterzação da qualdade de medção 1.4 O erro da medção 1.4.1 Os erros aleatóros 1.4.2 Os erros sstemátcos 1.5 O verdadero valor, o erro

Leia mais

FINANCIAMENTOS UTILIZANDO O EXCEL

FINANCIAMENTOS UTILIZANDO O EXCEL rofessores Ealdo Vergasta, Glóra Márca e Jodála Arlego ENCONTRO RM 0 FINANCIAMENTOS UTILIZANDO O EXCEL INTRODUÇÃO Numa operação de empréstmo, é comum o pagameto ser efetuado em parcelas peródcas, as quas

Leia mais

Variância estatística associada a métodos semi-empíricos para estimativa da capacidade de carga de estacas

Variância estatística associada a métodos semi-empíricos para estimativa da capacidade de carga de estacas Teora e Prátca a Egehara vl,.0, p.6-67, ovemro, 0 arâca estatístca assocada a métodos sem-empírcos para estmatva da capacdade de carga de estacas Statstcal varace assocated wth sem-emprcal methods for

Leia mais

FERRAMENTA AVALIATIVA DINÂMICA A PARTIR DA TEORIA DE RESPOSTA AO ITEM

FERRAMENTA AVALIATIVA DINÂMICA A PARTIR DA TEORIA DE RESPOSTA AO ITEM FERRAMENTA AVALIATIVA DINÂMICA A PARTIR DA TEORIA DE RESPOSTA AO ITEM Fabríca D. Satos, Lucla G. Rbero, Leoardo G. de R. Guedes, Weber Marts Uversdade Católca de Goás, Departameto de Computação Uversdade

Leia mais

Matemática Financeira

Matemática Financeira Cocetos Báscos de Matemátca Facera Uversdade do Porto Faculdade de Egehara Mestrado Itegrado em Egehara Electrotécca e de Computadores Ecooma e Gestão Na prátca As decsões faceras evolvem frequetemete

Leia mais

Projeto de rede na cadeia de suprimentos

Projeto de rede na cadeia de suprimentos Projeto de rede a cadea de suprmetos Prof. Ph.D. Cláudo F. Rosso Egehara Logístca II Esboço O papel do projeto de rede a cadea de suprmetos Fatores que fluecam decsões de projeto de rede Modelo para decsões

Leia mais

Cálculo de média a posteriori através de métodos de integração numérica e simulação monte carlo: estudo comparativo

Cálculo de média a posteriori através de métodos de integração numérica e simulação monte carlo: estudo comparativo INGEPRO Iovação, Gestão e Produção Jaero de 010, vol. 0, o. 01 www.gepro.com.br Cálculo de méda a posteror através de métodos de tegração umérca e smulação mote carlo: estudo comparatvo Helto Adre Lopes

Leia mais

ANÁLISE E MODELAGEM ESPACIAL PARA A INCIDÊNCIA DE AIDS NOS MUNICÍPIOS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, 2009-2011

ANÁLISE E MODELAGEM ESPACIAL PARA A INCIDÊNCIA DE AIDS NOS MUNICÍPIOS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, 2009-2011 ANÁLISE E MODELAGEM ESPACIAL PARA A INCIDÊNCIA DE AIDS NOS MUNICÍPIOS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, 2009-2011 A. T. J. Alves* e F. F. Nobre* *Programa de Egehara Bomédca COPPE/UFRJ, Ro de Jaero, Brasl e-mal:

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE CÁLCULO DE INCERTEZA DE MEDIÇÃO EM MEDIÇÕES DIRETAS E INDIRETAS

PROCEDIMENTOS DE CÁLCULO DE INCERTEZA DE MEDIÇÃO EM MEDIÇÕES DIRETAS E INDIRETAS PROCEDIMENTOS DE CÁLCULO DE INCERTEZA DE MEDIÇÃO EM MEDIÇÕES DIRETAS E INDIRETAS Prof José Leoardo Noroha M Eg Departameto de Egehara de Prodção Escola Federal de Egehara de Itabá EFEI RESUMO: Neste trabalho

Leia mais

ELECTROTECNIA TEÓRICA MEEC IST

ELECTROTECNIA TEÓRICA MEEC IST ELECTROTECNIA TEÓRICA MEEC IST º Semestre 05/6 3º TRABALHO LABORATORIAL CIRCUITO RLC SÉRIE em Regme Forçado Alterado Susodal Prof. V. Maló Machado Prof. M. Guerrero das Neves Prof.ª Mª Eduarda Pedro Eg.

Leia mais

Capítulo 6 - Centro de Gravidade de Superfícies Planas

Capítulo 6 - Centro de Gravidade de Superfícies Planas Capítulo 6 - Cetro de ravdade de Superfíces Plaas 6. Itrodução O Cetro de ravdade (C) de um sóldo é um poto localzado o própro sóldo, ou fora dele, pelo qual passa a resultate das forças de gravdade que

Leia mais

Capítulo 1: Erros em cálculo numérico

Capítulo 1: Erros em cálculo numérico Capítulo : Erros em cálculo umérco. Itrodução Um método umérco é um método ão aalítco, que tem como objectvo determar um ou mas valores umércos, que são soluções de um certo problema. Ao cotráro das metodologas

Leia mais

ÍNDICE DE TERMOS: MOTOR DEDICADO, PADRONIZAÇÃO;

ÍNDICE DE TERMOS: MOTOR DEDICADO, PADRONIZAÇÃO; Aplcação de Motores de Méda esão dedcados acoados por versor de frequêca e utlzação de um úco projeto em dferetes solctações de carga. Gleuber Helder Perera Rodrgues Esp. Eg. WEG Brasl gleuber@weg.et Alex

Leia mais

MODELOS DE RESPOSTA ALEATORIZADA PARA VARIÁVEIS QUANTITATIVAS: MODELO DE GREENBERG

MODELOS DE RESPOSTA ALEATORIZADA PARA VARIÁVEIS QUANTITATIVAS: MODELO DE GREENBERG MODELOS DE RESPOSTA ALEATORIADA PARA VARIÁVEIS QUANTITATIVAS: MODELO DE GREENBERG Olga Lda Solao DÁVILA RESUMO: Neste trabalho estudamos algus modelos de resposta aleatorzada (MRA), comumete usados em

Leia mais

Orientadora: Profª Drª Maria Adélia Oliveira M. da Cruz Co-Orientadores: Prof Dr. Paulo de Paula Mendes Prof Dr. Manoel da Cunha Costa

Orientadora: Profª Drª Maria Adélia Oliveira M. da Cruz Co-Orientadores: Prof Dr. Paulo de Paula Mendes Prof Dr. Manoel da Cunha Costa UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO - UFRPE PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO - PRPPG PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOMETRIA (NÍVEL: MESTRADO) Dssertação apresetada ao Programa de Pós-Graduação

Leia mais

LEASING UMA OBSERVAÇÃO Economista Antonio Pereira da Silva

LEASING UMA OBSERVAÇÃO Economista Antonio Pereira da Silva LEASING UMA OBSERVAÇÃO Ecoomsta Atoo Perera da Slva AMOR POR DINHEIRO TITÃS Composção: Sérgo Brtto e To Bellotto Acma dos homes, a le E acma da le dos homes A le de Deus Acma dos homes, o céu E acma do

Leia mais

Olá, amigos concursandos de todo o Brasil!

Olá, amigos concursandos de todo o Brasil! Matemátca Facera ICMS-RJ/008, com gabarto cometado Prof. Wager Carvalho Olá, amgos cocursados de todo o Brasl! Veremos, hoje, a prova do ICMS-RJ/008, com o gabarto cometado. - O artgo º da Le.948 de 8

Leia mais

Palavras-Chave: Teoria das Restrições, Decisões a Longo Prazo, Simulação de Monte Carlo.

Palavras-Chave: Teoria das Restrições, Decisões a Longo Prazo, Simulação de Monte Carlo. Teora das Restrções e Decsões de Logo Prazo: Camho para a Covergêca Autores PABLO ROGERS Uversdade Federal de Uberlâda ERNANDO ANTONIO REIS Uversdade Federal de Uberlâda Resumo Advogam os crítcos da Teora

Leia mais

Prof. Dr. Marco Antonio Leonel Caetano Projeção de Cenários Aplicados ao Orçamento Empresarial Com revisão das Ferramentas de Estatística

Prof. Dr. Marco Antonio Leonel Caetano Projeção de Cenários Aplicados ao Orçamento Empresarial Com revisão das Ferramentas de Estatística Projeção de Ceáros Aplcados ao Orçameto Empresaral Com revsão das Ferrametas de Estatístca Prof. Dr. Marco Atoo Leoel Caetao TÓPICO Tratameto, Quatfcação e Vsualzação de Dados Faceros. Itrodução Na dvulgação

Leia mais

Prof. Lorí Viali, Dr. PUCRS FAMAT: Departamento de Estatística Prof. Lorí Viali, Dr. PUCRS FAMAT: Departamento de Estatística

Prof. Lorí Viali, Dr. PUCRS FAMAT: Departamento de Estatística Prof. Lorí Viali, Dr. PUCRS FAMAT: Departamento de Estatística Prof. Lorí Val, Dr. http://www.pucrs.br/famat/val/ val@pucrs.br Prof. Lorí Val, Dr. PUCRS FAMAT: Departameto de Estatístca Prof. Lorí Val, Dr. PUCRS FAMAT: Departameto de Estatístca Obetvos A Aálse de

Leia mais

RESUMO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA. Juro Bom Investimento C valor aplicado M saldo ao fim da aplicação J rendimento (= M C)

RESUMO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA. Juro Bom Investimento C valor aplicado M saldo ao fim da aplicação J rendimento (= M C) RESUMO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA I. JUROS SIMPLES ) Elemetos de uma operação de Juros Smples: Captal (C); Motate (M); Juros (J); Taxa (); Tempo (). ) Relação etre Juros, Motate e Captal: J = M C ) Defção

Leia mais

Risco Moral na Utilização de Serviços de Saúde no Brasil

Risco Moral na Utilização de Serviços de Saúde no Brasil Rsco Moral a Utlzação de Servços de Saúde o Brasl Resumo Autora: Lus Gabrel Marques Regato, Luís duardo Afoso Neste trabalho fo vestgada a preseça de rsco moral o sstema de plaos de saúde do Brasl, por

Leia mais

Elaborado: 2002 Ultima atualização: 23/12/2004

Elaborado: 2002 Ultima atualização: 23/12/2004 Elaborado: 2002 Ultma atualzação: 23/12/2004 Cadero de Fórmulas Apresetação Sstema Nacoal de Atvos E ste Cadero de Fórmulas tem por objetvo esclarecer aos usuáros a metodologa de cálculo e os crtéros de

Leia mais

Lealdade à Marca e Sensibilidade ao Preço: Um Estudo da Escolha da Marca pelo Consumidor. Autoria: Delane Botelho, André Torrres Urdan.

Lealdade à Marca e Sensibilidade ao Preço: Um Estudo da Escolha da Marca pelo Consumidor. Autoria: Delane Botelho, André Torrres Urdan. Lealdade à Marca e Sesbldade ao Preço: Um Estudo da Escolha da Marca pelo Cosumdor Autora: Delae Botelho, Adré Torrres Urda Resumo Este artgo usa dados em pael do tpo escaeados, desagregados ao ível de

Leia mais

Estatística Notas de Aulas ESTATÍSTICA. Notas de Aulas. Professor Inácio Andruski Guimarães, DSc. Professor Inácio Andruski Guimarães, DSc.

Estatística Notas de Aulas ESTATÍSTICA. Notas de Aulas. Professor Inácio Andruski Guimarães, DSc. Professor Inácio Andruski Guimarães, DSc. Estatístca Notas de Aulas ESTATÍSTICA Notas de Aulas Professor Iáco Adrus Gumarães, DSc. Professor Iáco Adrus Gumarães, DSc. Estatístca Notas de Aulas SUMÁRIO CONCEITOS BÁSICOS 5. Estatístca. Estatístca

Leia mais

UMA ANÁLISE ESPACIAL DA INSUFICIÊNCIA E DA DESIGUALDADE DE RENDA NOS MUNICÍPIOS SERGIPANOS, 1991-2000

UMA ANÁLISE ESPACIAL DA INSUFICIÊNCIA E DA DESIGUALDADE DE RENDA NOS MUNICÍPIOS SERGIPANOS, 1991-2000 Aas III Smpóso Regoal de Geoprocessameto e Sesorameto Remoto Aracaju/SE, 25 a 27 de outubro de 2006 UMA ANÁLISE ESPACIAL DA INSUFICIÊNCIA E DA DESIGUALDADE DE RENDA NOS MUNICÍPIOS SERGIPANOS, 99-2000 OLIVEIRA,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CENTRO DE ESTUDOS GERAIS INSTITUTO DE MATEMÁTICA DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA NÚMEROS ÍNDICES

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CENTRO DE ESTUDOS GERAIS INSTITUTO DE MATEMÁTICA DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA NÚMEROS ÍNDICES UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CENTRO DE ESTUDOS GERAIS INSTITUTO DE MATEMÁTICA DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA NÚMEROS ÍNDICES Aa Mara Lma de Faras Luz da Costa Laurecel Com a colaboração dos motores Maracajaro

Leia mais

ANÁLISE DA MOBILIDADE URBANA SUSTENTÁVEL UTILIZANDO ESTATÍSTICA ESPACIAL

ANÁLISE DA MOBILIDADE URBANA SUSTENTÁVEL UTILIZANDO ESTATÍSTICA ESPACIAL ANÁLISE DA MOBILIDADE URBANA SUSTENTÁVEL UTILIZANDO ESTATÍSTICA ESPACIAL Dese de Mrada e Slva Correa Vâa Barcellos Gouvêa Campos Isttuto Mltar de Egehara Resumo Neste trabalho apreseta-se uma aálse espacal

Leia mais

JUROS SIMPLES. i 100 i 100. TAXA PROPORCIONAL: É aquela que aplicada ao mesmo capital, no mesmo prazo, produze o mesmo juros.

JUROS SIMPLES. i 100 i 100. TAXA PROPORCIONAL: É aquela que aplicada ao mesmo capital, no mesmo prazo, produze o mesmo juros. JUROS MONTANTE JUROS SIMPLES J = C 0 * * t 00 M = C * + * t 00 TAXA PROPORCIONAL: É aquela que aplcada ao mesmo captal, o mesmo prazo, produze o mesmo juros. * = * JUROS COMPOSTOS MONTANTE M = C * + 00

Leia mais

APLICAÇÕES DE MÉTODOS DE ENERGIA A PROBLEMAS DE INSTABILIDADE DE ESTRUTURAS

APLICAÇÕES DE MÉTODOS DE ENERGIA A PROBLEMAS DE INSTABILIDADE DE ESTRUTURAS PONTIFÍCI UNIVERSIDDE CTÓLIC DO RIO DE JNEIRO DEPRTMENTO DE ENGENHRI CIVIL PLICÇÕES DE MÉTODOS DE ENERGI PROBLEMS DE INSTBILIDDE DE ESTRUTURS Julaa Bragh Ramalho Raul Rosas e Slva lua de graduação do curso

Leia mais

Unidade II ESTATÍSTICA

Unidade II ESTATÍSTICA ESTATÍSTICA Udade II 3 MEDIDAS OU PARÂMETROS ESTATÍSTICOS 1 O estudo que fzemos aterormete dz respeto ao agrupameto de dados coletados e à represetação gráfca de algus deles. Cumpre agora estudarmos as

Leia mais

12.2.2 CVT: Coeficiente de Variação de Thorndike...45 12.2.3 CVQ: Coeficiente Quartílico de Variação...45 13 MEDIDAS DE ASSIMETRIA...46 13.

12.2.2 CVT: Coeficiente de Variação de Thorndike...45 12.2.3 CVQ: Coeficiente Quartílico de Variação...45 13 MEDIDAS DE ASSIMETRIA...46 13. SUMARIO 2 MÉTODO ESTATÍSTICO...3 2. A ESTATÍSTICA...3 2.2 FASES DO MÉTODO ESTATÍSTICO...4 3 FERRAMENTAS DE CÁLCULO PARA O ESTUDO DA ESTATÍSTICA...5 3. FRAÇÃO...5 3.. Adção e subtração...5 3..2 Multplcação

Leia mais

Capitulo 8 Resolução de Exercícios

Capitulo 8 Resolução de Exercícios FORMULÁRIO Audades Peródcas, Crescetes e Postecpadas, com Termos em P. A. G 1 1 1 1 G SPAC R R s s 1 1 1 1 1 G G C R a R a 1 1 PAC Audades Gradetes Postecpadas S GP G 1 1 ; C GP G 1 1 1 Audades Gradetes

Leia mais

A metodologia ROC na avaliação de um modelo fuzzy de predição do estádio patológico do tumor de próstata

A metodologia ROC na avaliação de um modelo fuzzy de predição do estádio patológico do tumor de próstata Revsta Braslera de Egehara Bomédca, v. 26,. 1, p. 3-9, abrl 2010 SBEB - Socedade Braslera de Egehara Bomédca ISSN 1517-3151 http://dx.do.org/10.4322/rbeb.2012.076 Artgo Orgal Recebdo em 21/05/2009, aceto

Leia mais

ASPECTOS TÉCNICOS E GERENCIAIS DE MANUTENÇÃO EM INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

ASPECTOS TÉCNICOS E GERENCIAIS DE MANUTENÇÃO EM INSTALAÇÕES ELÉTRICAS GMI/001 21 a 26 de Outubro de 2001 Campas - São Paulo - Brasl GRUPO XII ASPECTOS TÉCNICOS E GERENCIAIS DE MANUTENÇÃO EM INSTALAÇÕES ELÉTRICAS INDICADORES DE DESEMPENHO DA TRANSMISSÃO: METODOLOGIA DE CÁLCULO

Leia mais

Modelo Computacional Unidimensional do Transporte de solutos na Zona Não-saturada do Solo

Modelo Computacional Unidimensional do Transporte de solutos na Zona Não-saturada do Solo ISSN 984-828 Modelo Computacoal Udmesoal do Trasporte de solutos a Zoa Não-saturada do Solo Mara de ourdes Pmetel Pzarro Academa da Força Aérea 64-, Prassuuga, SP E-mal: malu@vgaova.com.br Edso Wedlad,

Leia mais

Avaliação da Localização de Base de Atendimento para Equipamentos de Movimentação de uma Empresa Siderúrgica

Avaliação da Localização de Base de Atendimento para Equipamentos de Movimentação de uma Empresa Siderúrgica Avalação da Localzação de Base de Atedmeto para Equpametos de Movmetação de uma Empresa Sderúrgca Leadro Ferades da Slva Leadro.Ferades@cs.com.br UFF Ilto Curty Leal Juor ltocurty@gmal.com UFRJ Paul Adrao

Leia mais

CAPÍTULO 2 - Estatística Descritiva

CAPÍTULO 2 - Estatística Descritiva INF 6 Prof. Luz Alexadre Peterell CAPÍTULO - Estatístca Descrtva Podemos dvdr a Estatístca em duas áreas: estatístca dutva (ferêca estatístca) e estatístca descrtva. Estatístca Idutva: (Iferêca Estatístca)

Leia mais

Curso de An lise de Fluxo de Caixa

Curso de An lise de Fluxo de Caixa Curso de A lse de Fluxo de Caxa SUMÁRIO PROGRESSÕES... 0. FÓRMULAS BÁSICAS... 0.. Progressões artmétcas... 0..2 Progressões geométrcas... 02.2 EXERCÍCIOS SUGERIDOS... 02 2 CONCEITOS DE MATEMÁTICA FINANCEIRA...

Leia mais

V SEMINÁRIO E WORKSHOP EM ENGENHARIA OCEÂNICA Rio Grande, 07 a 09 de Novembro de 2012

V SEMINÁRIO E WORKSHOP EM ENGENHARIA OCEÂNICA Rio Grande, 07 a 09 de Novembro de 2012 V SEMINÁRIO E WORKSHOP EM ENGENHARIA OCEÂNICA Ro Grade, 07 a 09 de Novembro de 01 ANÁLISE NUMÉRICA DA INTERAÇÃO ENTRE ESCOAMENTOS A BAIXOS NÚMEROS DE REYNOLDS E CILINDROS APOIADOS EM BASE ELÁSTICA R.A.Goçalves

Leia mais

PUCRS FAMAT DEPTº DE ESTATÍSTICA ESTATÍSTICA DESCRITIVA SÉRGIO KATO

PUCRS FAMAT DEPTº DE ESTATÍSTICA ESTATÍSTICA DESCRITIVA SÉRGIO KATO PUCRS FAMAT DEPTº DE ESTATÍSTICA ESTATÍSTICA DESCRITIVA SÉRGIO KATO A expressão dados, será ctada dversas vezes esta dscpla, em lguagem ormal, dados são ormações (úmeros ou ão) sobre um dvíduo (pessoa,

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO LESTE DE MINAS GERAIS - UnilesteMG

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO LESTE DE MINAS GERAIS - UnilesteMG 1 CENTRO UNIVERSITÁRIO DO LESTE DE MINAS GERAIS - UnlesteMG Dscplna: Introdução à Intelgênca Artfcal Professor: Luz Carlos Fgueredo GUIA DE LABORATÓRIO LF. 01 Assunto: Lógca Fuzzy Objetvo: Apresentar o

Leia mais

FERRAMENTAS DE ANÁLISE DE RISCOS EM ESTRATÉGIAS EMPRESARIAIS

FERRAMENTAS DE ANÁLISE DE RISCOS EM ESTRATÉGIAS EMPRESARIAIS FERRAMENTAS DE ANÁLISE DE RISCOS EM ESTRATÉGIAS EMRESARIAIS or: Herbert Kmura RAE-eletrôca, Volume, Número 2, jul-dez/2002. http://www.rae.com.br/eletroca/dex.cfm?fuseacto=artgo&id=825&secao=wc&volume=&numero=2&ao=

Leia mais

Capítulo 1 PORCENTAGEM

Capítulo 1 PORCENTAGEM Professor Joselas Satos da Slva Matemátca Facera Capítulo PORCETAGEM. PORCETAGEM A porcetagem ada mas é do que uma otação ( % ) usada para represetar uma parte de cem partes. Isto é, 20% lê-se 20 por ceto,

Leia mais

É o grau de associação entre duas ou mais variáveis. Pode ser: correlacional ou experimental.

É o grau de associação entre duas ou mais variáveis. Pode ser: correlacional ou experimental. É o grau de assocação etre duas ou mas varáves. Pode ser: Prof. Lorí Val, Dr. val@pucrs.br http://www.pucrs.br/famat/val www.pucrs.br/famat/val/ correlacoal ou expermetal. Numa relação expermetal os valores

Leia mais

Relatório Final da Comparação Interlaboratorial para Análise de. Comparação Interlaboratorial para Análise de Tensões Residuais

Relatório Final da Comparação Interlaboratorial para Análise de. Comparação Interlaboratorial para Análise de Tensões Residuais Relatóro Fal da Comaração Iterlaboratoral ara Aálse de Relatóro Tesões Prelmar Resduas da Comaração Iterlaboratoral ara Aálse de Tesões Resduas COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL PARA ANÁLISE DE TENSÕES RESIDUAIS

Leia mais

de Energia Geração Térmica

de Energia Geração Térmica Sstema Itegrado de Plaeameto e Comercalzação de Eerga Geração Térmca Rafael de Souza Favoreto, CEHPAR LACTEC; Marcelo Rodrgues Bessa, CEHPAR LACTEC; Wlso Tadeu Pzzatto, COPEL; Luz Roberto Morgester Ferrera,

Leia mais

AMOSTRAGEM EM DOIS ESTÁGIOS COM UNIDADES PRIMÁRIAS DE TAMANHOS DIFERENTES SUBSAMPLING TO TWO PROBATION WITH PRIMARY UNITS OF UNEQUAL SIZES

AMOSTRAGEM EM DOIS ESTÁGIOS COM UNIDADES PRIMÁRIAS DE TAMANHOS DIFERENTES SUBSAMPLING TO TWO PROBATION WITH PRIMARY UNITS OF UNEQUAL SIZES Cêca Florestal, v.6,., p.47-55 47 ISS 003-9954 AMOSTRAGEM EM DOIS ESTÁGIOS COM UIDADES PRIMÁRIAS DE TAMAHOS DIFERETES SUBSAMPLIG TO TWO PROBATIO WITH PRIMARY UITS OF UEQUAL SIZES Sylvo Péllco etto RESUMO

Leia mais

Optimização e controlo da poluição atmosférica

Optimização e controlo da poluição atmosférica Optmzação e cotrolo da polução atmosférca A. Ismael F. Vaz e Eugéo C. Ferrera Departameto de Produção e Sstemas, Escola de Egehara, Uversdade do Mho Emal: avaz@dps.umho.pt Cetro de Egehara Bológca, Escola

Leia mais

Exercícios de Cálculo Numérico Interpolação Polinomial e Método dos Mínimos Quadrados

Exercícios de Cálculo Numérico Interpolação Polinomial e Método dos Mínimos Quadrados Eercícos e Cálculo Numérco Iterpolação Polomal e Métoo os Mímos Quaraos Para a ução aa, seja,, 6 e, 9 Costrua polômos e grau, para apromar, 5, e ecotre o valor o erro veraero a cos b c l Use o Teorema

Leia mais

Capítulo 5 EQUAÇÕES DE CONSERVAÇÃO DA MASSA

Capítulo 5 EQUAÇÕES DE CONSERVAÇÃO DA MASSA Capítulo 5 EQUAÇÕES DE CONSERVAÇÃO DA MASSA O objetvo deste capítulo é apresetar formas da equação da coservação da massa em fução de propredades tesvas faclmete mesuráves, como a temperatura, a pressão,

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DA UFRJ EMPREGANDO UMA VARIANTE DESENVOLVIDA DO MÉTODO UTA

AVALIAÇÃO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DA UFRJ EMPREGANDO UMA VARIANTE DESENVOLVIDA DO MÉTODO UTA versão mpressa ISSN 00-7438 / versão ole ISSN 678-542 AVALIAÇÃO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DA UFRJ EMPREGANDO UMA VARIANTE DESENVOLVIDA DO MÉTODO UTA Luís Alberto Duca Ragel UFF-COPPE/PEP/UFRJ

Leia mais

1.1 Apresentação. do capítulo

1.1 Apresentação. do capítulo apítulo Matemátca Facera. Apresetação do capítulo A Matemátca Facera trata da comparação de valores moetáros que estão dspersos ao logoo do tempo. Através de seu estudo, podemos aalsar e comparar alteratvas

Leia mais

MATERIAL DE ESTATÍSTICA II PROF. MÁRIO ROBERTO

MATERIAL DE ESTATÍSTICA II PROF. MÁRIO ROBERTO 1 VARIÁVEIS ALEATÓRIAS O que se etede por varável aleatóra? Até agora ossos estudos estavam pratcamete voltados mas para defrmos osso Espaço Amostral U, sem assocarmos suas respectvas probabldades aos

Leia mais

Uma Unidade Lógica e Aritmética Reversível

Uma Unidade Lógica e Aritmética Reversível WECIQ 2006 - Artgos Uma Udade Lógca e Artmétca Reversível Amada Leoel Nascmeto 1, Lus A. Brasl Kowada 2, Wlso Rosa de Olvera 3 1 Departameto de Sstemas Computacoas, Escola Poltécca de Perambuco Uversdade

Leia mais

CENTRO: GESTÃO ORGANIZACIONAL MATEMÁTICA FINANCEIRA

CENTRO: GESTÃO ORGANIZACIONAL MATEMÁTICA FINANCEIRA CENTRO: GESTÃO ORGANIZACIONAL CÁLCULOS DE FINANÇAS MATEMÁTICA FINANCEIRA Semestre: A/2008 PROFESSOR: IRANI LASSEN CURSO: ALUNO: SUMÁRIO CÁLCULOS DE FINANÇAS INTRODUÇÃO...3. OBJETIVO:...3.2 FLUXO DE CAIXA...4.3

Leia mais

ALGORITMOS DE OTIMIZAÇÃO BIOINSPIRADOS BASEADOS EM POPULAÇÕES PARA O PROBLEMA DE DESPACHO ECONÔMICO DE CARGA

ALGORITMOS DE OTIMIZAÇÃO BIOINSPIRADOS BASEADOS EM POPULAÇÕES PARA O PROBLEMA DE DESPACHO ECONÔMICO DE CARGA Aas do XIX Cogresso Braslero de Automátca, CBA 2012. ALGORITMOS DE OTIMIZAÇÃO BIOINSPIRADOS BASEADOS EM POPULAÇÕES PARA O PROBLEMA DE DESPACHO ECONÔMICO DE CARGA ADRIANE B. S. SERAPIÃO, RAQUEL K. ROCHA

Leia mais

UMA NOVA METODOLOGIA PARA TREINAMENTO EM REDES NEURAIS MULTI CAMADAS

UMA NOVA METODOLOGIA PARA TREINAMENTO EM REDES NEURAIS MULTI CAMADAS UMA OVA METODOLOGIA PARA TREIAMETO EM REDES EURAIS MULTI CAMADAS Luz Carlos C. Pedroza Pedroza@cefet-rj.br CEFET-RJ Av. Maracaã, 229 Ro de Jaero, CEP 2027-0 Carlos E. Pedrera pedrera@ele.puc-ro.br DEE

Leia mais

Neste capítulo pretende-se introduzir o conceito de centróide, em especial quando aplicado para o caso de superfícies planas.

Neste capítulo pretende-se introduzir o conceito de centróide, em especial quando aplicado para o caso de superfícies planas. Físca plcada à Egehara vl II aulo Medes ENTRÓIDES Neste capítulo pretede-se troduzr o coceto de cetróde, em especal quado aplcado para o caso de superfíces plaas. Este documeto, costtu apeas um strumeto

Leia mais

Gestão de Sistemas de Produção/Operações Profº Túlio de Almeida

Gestão de Sistemas de Produção/Operações Profº Túlio de Almeida Gestão de Sstemas de Produção/Operações Profº Túlo de Almeda 3. AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO E INDICADORES 3.1. INDICADORES DE DESEMPENHO Os dcadores são tes essecas para qualquer tpo de projeto, processo,

Leia mais

CONTROLE DE LOCOMOÇÃO DE UM ROBÔ QUADRÚPEDE UTILIZANDO LINEARIZAÇÃO EXATA ENTRADA-SAÍDA

CONTROLE DE LOCOMOÇÃO DE UM ROBÔ QUADRÚPEDE UTILIZANDO LINEARIZAÇÃO EXATA ENTRADA-SAÍDA CONROLE DE LOCOMOÇÃO DE UM ROBÔ QUADRÚPEDE UILIZANDO LINEARIZAÇÃO EXAA ENRADA-SAÍDA Luz de S Marts-Flho & Rolad Prajoux Laboratóro de Robótca Itelgete - LRI - Isttuto de Iformátca - UFRGS Av Beto Goçalves,

Leia mais

DISSERTAÇÃO DE MESTRADO

DISSERTAÇÃO DE MESTRADO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE CIÊNCIAS EXTAS E DA TERRA-CCET PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MATEMÁTICA APLICADA E ESTATÍSTICA - PPGMAE DISSERTAÇÃO DE MESTRADO CARACTERIZAÇÃO ESTATÍSTICA

Leia mais

MA12 - Unidade 4 Somatórios e Binômio de Newton Semana de 11/04 a 17/04

MA12 - Unidade 4 Somatórios e Binômio de Newton Semana de 11/04 a 17/04 MA1 - Udade 4 Somatóros e Bômo de Newto Semaa de 11/04 a 17/04 Nesta udade troduzremos a otação de somatóro, mostrado como a sua mapulação pode sstematzar e facltar o cálculo de somas Dada a mportâca de

Leia mais

M = C( 1 + i.n ) J = C.i.n. J = C((1+i) n -1) MATEMÁTICA FINANCEIRA. M = C(1 + i) n BANCO DO BRASIL. Prof Pacher

M = C( 1 + i.n ) J = C.i.n. J = C((1+i) n -1) MATEMÁTICA FINANCEIRA. M = C(1 + i) n BANCO DO BRASIL. Prof Pacher MATEMÁTICA 1 JUROS SIMPLES J = C.. M C J J = M - C M = C( 1 +. ) Teste exemplo. ados com valores para facltar a memorzação. Aplcado-se R$ 100,00 a juros smples, à taxa omal de 10% ao ao, o motate em reas

Leia mais

Capítulo 1 Matemática Financeira

Capítulo 1 Matemática Financeira apítulo Matemátca Facera. Apresetação do capítulo A matemátca facera trata da comparação de valores moetáros ao logo do tempo. Através de seu estudo, podemos aalsar e comparar alteratvas de vestmeto e

Leia mais

BUSCA HARMÔNICA DINÂMICA AUTO-AJUSTÁVEL APLICADA À PARAMETRIZAÇÃO MULTIOBJETIVO DE CONTROLADORES

BUSCA HARMÔNICA DINÂMICA AUTO-AJUSTÁVEL APLICADA À PARAMETRIZAÇÃO MULTIOBJETIVO DE CONTROLADORES Aas do XX Cogresso Braslero de Automátca Belo Horzote, MG, 0 a 4 de Setembro de 04 BUSCA HARMÔNICA DINÂMICA AUTO-AJUSTÁVEL APLICADA À PARAMETRIZAÇÃO MULTIOBJETIVO DE CONTROLADORES HELON V. HULTMANN AYALA

Leia mais

MODELAGEM DE DADOS POR REGRESSÃO LINEAR MÚLTIPLA PARA AVALIAÇÃO DE IMÓVEIS RURAIS DO SUBMÉDIO SÃO FRANCISCO

MODELAGEM DE DADOS POR REGRESSÃO LINEAR MÚLTIPLA PARA AVALIAÇÃO DE IMÓVEIS RURAIS DO SUBMÉDIO SÃO FRANCISCO ODEAGE DE DADOS POR REGRESSÃO INEAR ÚTIPA PARA AVAIAÇÃO DE IÓVEIS RURAIS DO SUBÉDIO SÃO FRANCISCO JOSÉ ANTONIO OURA E SIVA Isttuto Nacoal de Colozação e Reforma Agrára - INCRA UIZ RONADO NAI 3 Isttuto

Leia mais

Matemática. Resolução das atividades complementares. M18 Noções de Estatística

Matemática. Resolução das atividades complementares. M18 Noções de Estatística Resolução das atvdades complemetares Matemátca M8 Noções de Estatístca p. 3 (UFRJ) Dos estados do país, um certo ao, produzem os mesmos tpos de grãos. Os grácos de setores lustram a relação etre a produção

Leia mais

Técnicas de Estimação no Âmbito da Pós-estratificação

Técnicas de Estimação no Âmbito da Pós-estratificação Téccas de Estmação o Âmbto da Pós-estratfcação por Aa Crsta Maro da Costa Dssertação apresetada como requsto parcal para a obteção do grau de Mestre em Estatístca e Gestão de Iformação pelo Isttuto Superor

Leia mais

Erosividade da chuva para o bioma Pantanal

Erosividade da chuva para o bioma Pantanal Artgo Técco Erosvdade da chuva para o boma Pataal Rafall erosvty for Pataal bome DOI:.59/S43-452242 Dael Okamoto Machado, Teodorco Alves Sobrho 2, Ale da Slva Rbero 3, Carlos Nobuyosh Ide 4, Paulo Tarso

Leia mais