CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PAULA SOUZA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PAULA SOUZA"

Transcrição

1 CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PAULA SOUZA FACULDADE DE TECNOLOGIA DE LINS PROF. ANTONIO SEABRA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM LOGÍSTICA ANDERSON APARECIDO CAVALHEIRO ELISIARIO JULIANA VICENTE LEAL UM ESTUDO SOBRE SOFTWARE DE GESTÃO DE TRANSPORTES: UMA ANÁLISE COMPARATIVA COM O ERP-SAP-SD LINS/SP 1 SEMESTRE/2013

2 CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PAULA SOUZA FACULDADE DE TECNOLOGIA DE LINS PROF. ANTONIO SEABRA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM LOGÍSTICA ANDERSON APARECIDO CAVALHEIRO ELISIARIO JULIANA VICENTE LEAL UM ESTUDO SOBRE SOFTWARE DE GESTÃO DE TRANSPORTES: UMA ANÁLISE COMPARATIVA COM O ERP-SAP-SD Trabalho Conclusão de Curso Apresentado à Faculdade de Tecnologia de Lins para obtenção do Título de Tecnólogo em Logística. Orientador: Profº. Dr. André Ricardo Ponce dos Santos LINS/SP 1 SEMESTRE/2013

3 ANDERSON APARECIDO CAVALHEIRO ELISIARIO JULIANA VICENTE LEAL UM ESTUDO SOBRE SOFTWARE DE GESTÃO DE TRANSPORTES: UMA ANÁLISE COMPARATIVA COM O ERP-SAP-SD Trabalho de Conclusão de Curso apresentado à Faculdade de Tecnologia de Lins, como parte dos requisitos necessários para a obtenção do título de Tecnólogo (a) em Logística sob orientação do Profº.Dr. André Ricardo Ponce dos Santos. Data de aprovação: 19/06/2013 Orientador Profº. Dr. André Ricardo Ponce dos Santos Profº. Me. Sandro da Silva Pinto Profº. Me. Sílvio Ribeiro

4 Em especial a minha mãe Marinete Cavalheiro, a quem devo a vida e minha formação. Meu reconhecimento e gratidão pelo amor, compreensão e apoio constante nesta jornada da vida. Anderson Aparecido Cavalheiro

5 Em especial a minha mãe Maria Vicente, a quem devo a vida e minha formação. Meu reconhecimento e gratidão pelo amor, compreensão e apoio constante nesta jornada da vida. Juliana Vicente Leal

6 AGRADECIMENTOS Agradeço A Deus, pelo dom da vida e demonstração de amor gratuito e infinito. Pai digno de honra e glória. À minha esposa Larissa, maior incentivadora deste projeto, pela paciência, dedicação e compreensão em minhas ausências e pelo exemplo de otimismo e confiança depositados em mim. Ao meu filho Bruno que é motivo de inspiração para eu almejar novos obstáculos. Aos meus pais Adilson e Marinete, que me conduziram a uma formação pautada pela humildade, de respeito, princípios morais e honestidade. Muito obrigado por serem meus pais e tenham a certeza de que esta etapa que se conclui seria impossível sem a participação de vocês. Anderson Aparecido Cavalheiro

7 AGRADECIMENTOS A Deus "Deus costuma usar a solidão para nos ensinar sobre a convivência. Às vezes, usa a raiva, para que possamos compreender o infinito valor da paz. Outras vezes usa o tédio, quando quer nos mostrar a importância da aventura e do abandono. Deus costuma usar o silêncio para nos ensinar sobre a responsabilidade do que dizemos. Às vezes usa o cansaço, para que possamos compreender o valor do despertar. Outras vezes usa doença, quando quer nos mostrar a importância da saúde. Deus costuma usar o fogo, para nos ensinar sobre água. Às vezes, usa a terra, para que possamos compreender o valor do ar. Outras vezes usa a morte, quando quer nos mostrar a importância da vida" (Fernando Pessoa). Agradeço a Deus por ter colocado pessoas maravilhosas em meu caminho, grandes amigos, grandes companheiros que sempre me ajudaram com todo o carinho. Minha Mãe Que me ensinou a caminhar com firmeza e dedicação nos comprimentos das tarefas da vida. Não medindo esforços para me conceder este mérito. Espero poder retribuir e recompensá-la por todo o seu esforço e dedicação. Minha Irmã (Gerente - Transportes Carinhoso LTDA) Janayna que está presente em minha vida, passando otimismo e garra sendo a luz da minha caminhada, e ao lindo sobrinho (Lucas Vicente). Ao meu Esposo Marco Leal que teve muita paciência para suportar a minha ausência em alguns momentos, a minha falta de tempo e os meus momentos de mau humor, que veio na minha vida nos momentos mais difíceis dessa minha jornada. TE AMO MUITO!!

8 Meu Orientador Dr. André Ricardo Ponce dos Santos pela orientação, amizade, apoio e incentivo em todos os momentos da realização desse trabalho. Agradeço a oportunidade que me foi dada. A Bibliotecária Rosicler que nos momentos que precisei de assistência em consultas de livros e artigos me ajudou. Ao Dono da Empresa (Transportes Carinhoso LTDA) Ivan Sergio Bertolli, que me deu a oportunidade de estar fazendo parte da sua empresa e aprendendo cada dia mais como é a logística na prática na área de Transporte. Ao Auditor da Empresa (Transportes Carinhoso LTDA) Fred Brandão, que me ajudou a estar trabalhando na empresa, acreditando na minha capacidade. A todos que de certa forma colaboraram para a realização deste estudo. Juliana Vicente Leal

9 RESUMO Nos dias atuais o transporte para a maioria das empresas, é a atividade logística mais importante pelo fato que absorve, em média, de um a dois terços dos custos logísticos. Assim, o transporte consiste na distribuição efetiva, ou seja, refere-se a vários métodos utilizados para movimentar a entrega de materiais. Hoje o Brasil é um dos maiores países do mundo em extensão territorial e possui uma das maiores malhas rodoviárias do planeta. Sabe-se que na escolha do modal de transporte a empresa pode criar uma vantagem competitiva no mercado. Diante disso, este trabalho tem como objetivo realizar um estudo teórico sobre a utilização de softwares específicos para empresas de transporte rodoviário de cargas, realizando uma análise comparativa entre o SAP-SD e o software utilizado pela empresa estudada. Com vistas a atingir o objetivo, foi realizado um estudo teórico sobre os principais conceitos que envolvem a logística, o modal rodoviário e as características dos softwares de gestão logística. Além disso, foi realizado um estudo de caso na empresa Transportes Carinhoso LTDA, situada na cidade de Guaiçara-SP caso este que buscou explorar o software de gestão de transporte utilizado pela empresa frente ao sistema ERP-SAP R-3, mais precisamente o módulo de SD módulo este que é voltado para as áreas de vendas e distribuição. Com a realização da pesquisa, foi possível compreender que para uma boa gestão de frota a empresa precisa ter um software voltado à área de transporte. Para a realização desta pesquisa foram feitas consultas em livros, pesquisas em artigos, dissertações sobre o transporte rodoviário e o software utilizado para uma gestão de frota, a metodologia utilizada foi de caráter qualitativo. E para uma melhor gestão da empresa estudada sugerimos a incorporação do TCL-padrão junto ao SAP-SD para maior utilização dos recursos e mais agilidade nos processos. Palavras-Chave: Logística. Transporte. Software. Brasil.

10 ABSTRACT Nowadays, for most companies shipping, is the most important logistics activity because it absorbs, on average, one to two-thirds of logistics costs. Thus, the transport is an effective distribution, it in the other words refers to various methods used to move the delivery of materials. Today Brazil is one of the largest countries in the world in area and has one of the largest road networks in the world. It is known that the choice of transport mode the company can create a competitive advantage in the market. Thus, this research aims to conduct a study theoretical on the use of specific software for trucking companies loads, performing a comparative analysis between SAP-SD and software used by the company studied. In order to achieve the goal, we performed a theoretical study on the main concepts involving logistics, road transportation and characteristics of logistics management software. In addition, we performed a case study on the company Affectionate Transport LTD, located Guaiçara city-sp. This case sought to explore the transportation management software used by the company in the ERP system SAP R-3, more precisely the module SD wich is geared to the areas of sales and distribution. With the research, it was possible to understand that a good fleet management company needs to have a specific software for in the transport area. For this research, consultations were done in books, research articles, dissertations about road transportation and the software used for a fleet management, the methodology used was qualitative. And for better management of the company studied. We suggest the incorporation of TCL standard with the SAP-SD for increased resource utilization and faster processes. Keywords: Logistics. Transportation. Software. Brazil

11 LISTA DE QUADROS Quadro 2.1 Custos Variáveis e Custos Fixos Quadro 4.1 Funções do Software TCL Padrão Quadro 5.1 Análise Comparativa entre Softwares... 47

12 LISTAS DE ABREVIATURAS E SIGLAS CNH Carteira Nacional de Habilitação CRT Conhecimento Rodoviário de Transporte CTRC Conhecimento do Transporte Rodoviário de Carga EDI Eletronic Data Interchange ERP Enterprise Resource Planning (Gerenciamento Empresarial) OCC Ordem de Coleta de Carga RE Romaneio de Carga TCL Transportes Carinhoso Ltda. TMS Transportation Management System WMS Armazenagem

13 % - Porcentagem LISTA DE SÍMBOLOS

14 SUMÁRIO INTRODUÇÃO CAPÍTULO 1 REVISÃO TEÓRICA SOBRE A LOGÍSTICA HISTÓRIA DA LOGÍSTICA CONCEITOS DA LOGÍSTICA O TRANSPORTE E A LOGÍSTICA CAPÍTULO 2 REVISÃO TEÓRICA SOBRE O TRANSPORTE RODOVIÁRIO ESPECIFICAÇÕES DOS VEÍCULOS UTILIZADOS NO TRANSPORTE RODOVIÁRIO Caminhões Carretas Chassis Bi trens Treminhões Rodotrens DOCUMENTOS E TARIFAS CUSTOS RELACIONADOS AO TRANSPORTE RODOVIÁRIO Custos Logísticos Custos Diretos e Indiretos Custos Fixos e Variáveis CAPÍTULO 3 REVISÃO TEÓRICA SOBRE O SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE TRANSPORTE - TMS (TRANSPORTATION MANAGEMENT SYSTEM) SOFTWARES EXISTENTES NO MERCADO... 35

15 CAPÍTULO 4 ESTUDO DE CASO TRANSPORTES CARINHOSO LTDA ERP (ENTERPRISE RESOURCE PLANNING)- SAP-R SAP-SD (VENDAS E DISTRIBUIÇÃO) CAPÍTULO 5 ANÁLISE DOS RESULTADOS DA PESQUISA CONCLUSÃO REFERÊNCIAS BIBLIOGRAFICAS ANEXO A- AUTORIZAÇÃO DA DIVULGAÇÃO DO NOME DA EMPRESA PARA PESQUISA... 54

16 15 INTRODUÇÃO O transporte representa o elemento mais importante do custo logístico na maioria das empresas e tem papel fundamental na prestação do serviço ao Cliente. O transporte representa em média, 60% das despesas logísticas. O Brasil é um dos maiores países do mundo em extensão territorial, assim como possui uma das maiores malhas rodoviárias do planeta. Neste contexto, Ballou (2001) destaca que a seleção de um modal de transporte pode ser usada para criar uma vantagem competitiva do serviço. Para tanto, destaca-se os vários tipos de modais como: ferroviário, hidroviário, aeroviário, dutos e rodoviário. Diante desses modais, este trabalho enfatizará o modal rodoviário, que é caracterizado pelo transporte em estradas de rodagem, com utilização de veículos como caminhões, carretas, entre outros. O transporte rodoviário pode ser em território nacional ou internacional, inclusive utilizando estradas de vários países na mesma viagem (FREITAS, 2004). As vantagens deste modal estão na possibilidade de transporte integrado porta a porta e de adequação aos tempos pedidos, assim como freqüência e disponibilidade dos serviços. Apresenta como desvantagem a possibilidade de transportar somente pequenas cargas (RIBEIRO, FERREIRA, 2002). Por tanto a realização deste trabalho justifica-se pela importância do transporte de cargas que passa a ser considerado como o principal componente dos sistemas logísticos das empresas. Este setor utiliza o TMS (Transportation Management System) que segundo Marques (2002) é um software que pode funcionar incorporado ao ERP para a administração do transporte, que permite ao usuário visualizar e controlar toda sua operação logística. O presente trabalho tem como objetivo realizar um estudo teórico sobre a utilização de softwares específicos para empresas de transporte rodoviário de cargas, realizando uma análise comparativa entre o SAP-SD e o software utilizado pela empresa estudada. Para atingir o objetivo será realizado um estudo de caso na Empresa Transportes Carinhoso LTDA, situada na cidade de Guaiçara-SP, caso este que

17 16 buscou explorar o software de gestão de transporte utilizado pela empresa frente ao sistema ERP-SAP R-3, mais precisamente o módulo de SD módulo este que é voltado para as áreas de vendas e distribuição. Como objetivo específico analisou-se os pontos positivos e negativos do software utilizado pela empresa estudada em comparação ao sistema ERP-SAP R- 3, mais precisamente o módulo de SD. A estrutura do presente trabalho contempla cinco capítulos, sendo que o capitulo 1 será apresentada a revisão teórica sobre a logística, contando sua historia, seu conceito e sua relação com transporte. Já no capitulo 2 enfatizou-se modal objeto deste estudo (rodoviário) visando uma relação do modal, os tipos de transporte e os documentos e tarifas necessários. No capitulo 3 foi realizada uma revisão teórica sobre o TMS (Transportation Management System), visando enfatizar a empresa estudada, e sobre o ERP (Enterprise resource planning)- SAP enfatizando o SAP-SD. O capitulo 4, encontram-se dados da empresa estudada e dados do software de sua utilização. Por fim, o capitulo 5 apresenta a análise e a conclusão da pesquisa, que na qual foi elaborada uma análise comparativa entre as funcionalidades dos sistemas abordados neste trabalho.

18 17 CAPÍTULO 1 REVISÃO TEÓRICA SOBRE A LOGÍSTICA 1.1 HISTÓRIA DA LOGÍSTICA Desde os anos 90, com o descaminho das fronteiras geográficas, as empresas enfrentam um período marcado por um amplo desenvolvimento de estratégias e soluções para a atuação em um mercado global. É diante deste contexto que se moldura a logística que busca integrar todo o processo da cadeia de suprimento. De acordo com Dias (2005) desde os tempos bíblicos os líderes militares já se utilizavam da logística em suas operações. As guerras eram longas e geralmente distantes, sendo necessários grandes e constantes deslocamentos de recursos. Para transportar as tropas, armamentos e carros de guerra pesados aos locais de combate eram necessários um planejamento, organização e execução de tarefas logísticas, que envolviam a definição de uma rota, nem sempre a mais curta, pois era necessário ter uma fonte de água potável próxima, transporte, armazenagem e distribuição de equipamentos e suprimentos. Segundo Brasil (2003), em 1888, o Tenente Rogers introduziu a Logística, como matéria, na Escola de Guerra Naval dos Estados Unidos da América. Entretanto, demorou algum tempo para que estes conceitos se desenvolvessem na literatura militar. A realidade é que, até a 1ª Guerra Mundial, raramente aparecia a palavra Logística, empregando-se normalmente termos tais como Administração, Organização e Economia de Guerra. Ainda, segundo Brasil (2003), o Almirante Henry Eccles, em 1945, ao encontrar a obra de Thorpe empoeirada nas estantes da biblioteca da Escola de Guerra Naval, em Newport, comentou que, se os EUA seguissem seus ensinamentos teriam economizado milhões de dólares na condução da 2ª Guerra Mundial. Eccles, Chefe da Divisão de Logística do Almirante Chester Nimitz, na Campanha do Pacífico, foi um dos primeiros estudiosos da Logistica Militar, sendo considerado como o pai da logística moderna.

19 18 Até o fim da Segunda Guerra Mundial a Logística esteve associada apenas às atividades militares. Após este período, com o avanço tecnológico e a necessidade de suprir os locais destruídos pela guerra, a logística passou também a ser adotada pelas organizações e empresas civis. Ballou (2010) explica que todo o desenvolvimento histórico da logística empresarial desmembra-se em três eras: antes de 1950, , e após Colaborando com esta explicação, Rocha (2007) ressalta que durante os anos 1950 até o inicio dos anos 1960, havia um intenso conflito entre as atividades logísticas, pois eram tratadas de forma segmentada. Esse período representava a época da decolagem para a teoria e a prática da logística. As atividades de transporte, produção, estoques, marketing, finanças, processamento e pedidos eram encontradas em diferentes divisões organizacionais. Com as necessidades surgidas durante a 2º Guerra Mundial, a logística militar desponta como um ponto inicial para utilização dos conceitos de logística nas empresas. Somente no ano de 1945, algumas empresas juntaram suas atividades logísticas de forma sistêmica. Este período ficou conhecido como era de funções segmentadas. Segundo Carvalho (2002) a logística empresarial entrou na década de 70 no campo da administração de empresas e ficou conhecido com um período de semimaturidade. Este período ficou marcado pelo estabelecimento de seus princípios básicos e algumas empresas estavam começando a colher os benefícios de seu uso. Retrospectivamente, a aceitação do campo transcorria vagarosamente, pois as empresas pareciam estar mais preocupadas com a geração de lucros do que com o controle de custos. Ballou (1993) ressalta que a expansão do mercado muitas vezes mascaravam ineficiências tanto na produção como na distribuição. Entretanto, forças de mudança se acumulavam pouco antes dessa década. A competição mundial nos bens manufaturados começou a crescer, ao mesmo tempo que falta matérias-primas de boa qualidade. Ainda, segundo Ballou (1993), durante a década de 70 a competição mundial dos bens manufaturados começou a crescer e no mesmo tempo as matérias primas de boa qualidade começam a ficar escassas.

20 19 Dando sequencia ao desenvolvimento temporal da logística, Rocha (2007) acredita que nos anos 80, a logística passou a ter realmente um desenvolvimento revolucionário, marcado pelas demandas ocasionadas pela globalização, pela alteração da economia mundial e pelo grande uso de computadores na administração. Nesse novo contexto da economia globalizada, as empresas passaram a competir em nível mundial, mesmo dentro de seu território local, sendo obrigadas a passar de moldes multinacionais de operações para moldes mundiais de operação. Já na década de 1990, surge o conceito de supply chain management (gerenciamento das cadeias logísticas de suprimento), que inclui na sua logística integrada, seus fornecedores e consumidores. De acordo com Rocha (2007) nos dias atuais, o conceito de logística se amplia com a agregação de serviços, inclusive os relacionados à pós-venda, passando assim a compor-se de um leque muito mais amplo de atividades, desde a extração da matéria- prima até as atividades relacionadas com os produtos, e que são executadas após sua entrega aos consumidores finais. 1.2 CONCEITOS DA LOGÍSTICA Com vistas a cumprir um dos objetivos deste trabalho, é importante e necessária a realização de um estudo bibliográfico sobre os conceitos da logística. Neste sentido, buscou-se resgatar os conceitos dos principais autores sobre o assunto em questão. O termo logística, de acordo com o Dicionário Aurélio, Ferreira (1986), vem do francês Logistique e tem como uma de suas definições "a parte da arte da guerra que trata do planejamento e da realização de:projeto e desenvolvimento, obtenção, armazenamento, transporte, distribuição, reparação, manutenção e evacuação de material para fins operativos ou administrativos. Logística também pode ser definido como, satisfazer o cliente ao menor custo total. Na percepção de Ballou (1993) a logística tem como objetivo prover o cliente com os níveis de serviços desejados, ao menor custo possível. A meta de nível de serviço logístico é providenciar bens ou serviços corretos, no lugar certo, no tempo correto.

21 20 Logística é o processo de planejar, implementar e controlar eficientemente, ao custo correto, o fluxo e armazenagem de matérias-primas, estoques durante a produção e produtos acabados. Além das informações relativas a estas atividades, desde o ponto de origem até o ponto de consumo, com o propósito de atender aos requisitos do cliente. (CARVALHO, 2002, p. 31). Segundo Carvalho (2002), a logística é dividida em dois tipos de atividades, as principais e as secundárias: Principais: Transportes, Manutenção de Estoques, Processamento de Pedidos. Secundárias: Armazenagem, Manuseio de materiais, Embalagem, Suprimentos, Planejamento e Sistema de informação. 1.3 O TRANSPORTE E A LOGÍSTICA Para a maioria das empresas, o transporte é a atividade logística mais importante simplesmente porque absorve, em média, de um a dois terços dos custos logísticos (BALLOU, 2010). Rocha (2007) salienta que o transporte consiste na distribuição efetiva do produto, ou seja, refere-se aos vários métodos utilizados para movimentar os produtos. De modo a complementar o assunto, Alvarenga & Novaes (2000) explicam que para se organizar um sistema de transporte é preciso ter uma visão sistêmica, que envolve planejamento, mas para isso é preciso que se conheça: os fluxos nas diversas ligações da rede; o nível de serviço atual; o nível de serviço desejado; as características ou parâmetros sobre a carga; os tipos de equipamentos disponíveis e suas características (capacidade, fabricante, entre outros); e os sete princípios ou conhecimentos, referentes à aplicação do enfoque sistêmico. Quanto aos parâmetros de carga, os principais elementos são: peso e volume, densidade média; dimensão da carga; dimensão do veículo; grau de fragilidade da carga; grau de perecibilidade; estado físico; assimetria; e compatibilidade entre cargas diversas. Sendo assim, observa-se que no transporte de produtos, vários parâmetros precisam ser examinados para que se tenha um nível de serviço desejável pelo

22 21 cliente. Dependendo das características do serviço, deve ser realizada uma seleção de um modal de transporte ou do serviço oferecido dentro de um modal. Freitas (2004) afirma que o Brasil é um dos maiores países do mundo em extensão territorial e que possui uma das maiores malhas rodoviárias do planeta. Neste sentido, o transporte de cargas passa a ser considerado como o principal componente dos sistemas logísticos das empresas. Sua importância pode ser medida por meio de pelo menos, três indicadores financeiros: custo, faturamento e lucro. O transporte representa, em média, 64% dos custos logísticos, 4,3% do faturamento, e em alguns casos, mais que o dobro do lucro (FLEURY; WANKE; FIGUEIREDO, 2000). São cinco os modais de transporte de cargas: rodoviário, ferroviário, aquaviário, duto viário e aéreo. Cada um possui características operacionais específicas e, consequentemente, estruturas de custos específicas que os tornam mais adequados para determinados tipos de produtos e de operações. Segundo Fleury, Wanke e Figueiredo (2000), no Brasil os preços relativos dos diferentes modais de transporte possuem a mesma ordenação encontrada nos EUA: aéreo (maior), rodoviário, ferroviário, dutoviário e aquaviário (menor). De acordo com Bowersox e Closs (1996), esses preços relativos refletem de certa forma, a estrutura de custos de cada modal que, por sua vez, torna-se reflexo das suas características operacionais. Segundo Nazário (apud FLEURY; WANKE; FIGUEIREDO, 2000), um dos principais pilares da logística moderna é o conceito de logística integrada, fazendo com que as atividades e funções logísticas deixem de ser isoladas e passem a ser percebidas como um componente operacional da estratégia de marketing. Na relação Transporte e Serviço ao Cliente, o primeiro é extremamente influente no desempenho do segundo, devido às exigências de pontualidade do serviço, tempo de viagem, capacidade de prover um serviço porta a porta, à flexibilidade para o manuseio de vários tipos de cargas, gerenciamento dos riscos quanto a roubos, danos e avarias e à capacidade de o transportador oferecer mais que um serviço básico de transporte, tornando-se capaz de executar outras funções logísticas.

23 22 CAPÍTULO 2 REVISÃO TEÓRICA SOBRE O TRANSPORTE RODOVIÁRIO Sabe-se que para se organizar um sistema de transporte é preciso ter uma visão sistêmica, principalmente o estabelecimento de parâmetros sobre a carga a ser transportada. Quanto aos parâmetros de carga, os principais elementos são: peso e volume, densidade média; dimensão da carga; dimensão do veículo; grau de fragilidade da carga; grau de perecibilidade; estado físico; assimetria; e compatibilidade entre cargas diversas. Segundo Ballou (2001), a seleção de um modal de transporte pode ser usada para criar uma vantagem competitiva do serviço. Sabe-se que é o modal mais expressivo no transporte de cargas no Brasil, atingindo praticamente todos os pontos do território nacional, pois desde a década de 50, com a implantação da indústria automobilística e a pavimentação das rodovias, esse modal se expandiu de tal forma que hoje é o mais procurado. Difere do ferroviário, pois se destina principalmente ao transporte de curtas distâncias de produtos acabados e semi-acabados. Por via de regra, apresenta preços de frete mais elevados do que os modais ferroviário e hidroviário, portanto sendo recomendado para mercadorias de alto valor ou perecíveis. Não é recomendado para produtos agrícolas a granel, cujo custo é muito baixo para este modal. Dados publicados na Revista As Maiores e Melhores do Transporte (2001) relatam que o transporte brasileiro apresenta uma exagerada dependência do modal rodoviário, o segundo mais caro, ficando atrás apenas do aéreo. Com a expressiva participação de 65 % a 75% na matriz dos transportes brasileiros, seguido por cerca de 20% da ferrovia, o transporte rodoviário é o grande eixo de movimentação de cargas no transporte brasileiro. (apud RIBEIRO; FERREIRA, p. 6, 2002). Segundo Fleury (2001), em países como Austrália, EUA e China, os números são de 30%, 28% e 19% respectivamente. Ainda, segundo o autor, grande parte destas distorções na matriz dos transportes brasileiros e as ineficiências observadas, são explicadas pelos longos anos de estatização dos portos, ferrovias e

24 23 dutos no Brasil, bem como os subsídios implícitos no passado e que ainda perduram com menor ênfase para o modal rodoviário. O Transporte Rodoviário é aquele que se realiza em estradas de rodagem, com utilização de veículos como caminhões e carretas. O transporte rodoviário pode ser em território nacional ou internacional, inclusive utilizando estradas de vários países na mesma viagem. Entre todos os modais de transporte, o rodoviário é considerado o mais adequado para o transporte de mercadorias, quer seja internacionalmente na exportação ou na importação, quer seja no transporte nacional, bem como, nos deslocamentos de curtas e médias distâncias. Este modal de transporte é bastante recomendado para o transporte de mercadorias de alto valor agregado ou perecível. O modal rodoviário, por sua vez, apresenta pequenos custos fixos, uma vez que a construção e a manutenção de rodovias dependem do poder público e seus custos variáveis (por exemplo, combustível, óleo e manutenção) são medianos. Além disso, deve ser ressaltado que na prática, o tempo de entrega do modal rodoviário e do modal ferroviário depende fundamentalmente do estado de conservação das vias e do nível de descongestionamento destas. É importante ressaltar que assim como no caso da velocidade, o desempenho do modal rodoviário e do modal ferroviário na dimensão consistência, depende fortemente do estado de conservação das vias. Em relação à disponibilidade, que representa a quantidade de localidades em que o modal se encontra presente, o modal rodoviário é a melhor opção, pois quase não apresenta limites de onde chegar. Lima (2001) apresenta diversos direcionadores de custos relevantes ao custeio do transporte rodoviário de cargas. Segundo Fleury e Wanke (2003) além dos fatores comuns como distância, volume e peso destacam a capacidade alocada aos clientes, à facilidade de manuseio do produto, a facilidade de acomodação, o risco inerente ao carregamento, à sazonalidade (como por exemplo, a safra de grãos), o tempo em espera para carregamento e descarregamento e a existência de carga de retorno. A utilização de uma metodologia adequada para custeio do frete pode contribuir em muito para formação de preços justos, junto com o transportador. Já do ponto de vista do cliente, esse tipo de ferramenta pode ser utilizado tanto no cálculo

25 24 do preço do frete, como também ajudar nas análises de rentabilidade de clientes e na definição do nível de serviço. Além de tudo, o desenvolvimento de uma simples ferramenta de custeio pode possibilitar uma série de análises e ajudar a identificar oportunidades de redução de custos (LIMA, apud FIGUEIREDO; FLEURY; WANKE, 2003). A falta de infraestrutura para quem trabalha diariamente com o comércio exterior é considerada o maior problema, principalmente no que se refere à infraestrutura de transportes. Faltam linhas aéreas, contêineres, há excessivo gasto no deslocamento da produção, há perdas ocorridas por avarias no transporte, além de existir a distorção da matriz de transportes, havendo um a sobrecarga do modal rodoviário. O uso inadequado dos modais gerou uma enorme dependência do modal rodoviário, que acaba suprindo lacunas dos demais modais, porém apresenta uma frota ultrapassada e as rodovias em condições precárias. Uma das principais causas da ineficiência da matriz de transportes de carga brasileira está baseada no uso inadequado dos modais. Assim como nos demais modais o transporte rodoviário apresenta pontos de elevada consideração e outros que dificultam ou inviabilizam a sua utilização. Para uma melhor visão de sua operacionalidade é crucial que se faça uma análise destes aspectos. No caso de países com dimensões continentais como o Brasil o transporte rodoviário apresenta-se como um dos mais flexíveis e ágeis no acesso às cargas, pois, possibilita interagir diferentes regiões, mesmo as mais remotas, assim como os lugares mais ermos dos países. Cabe mencionar que esta praticidade torna-se mais visível no caso de não haver outros modais a disposição nestes pontos. 2.1 ESPECIFICAÇÕES DOS VEÍCULOS UTILIZADOS NO TRANSPORTE RODOVIÁRIO O transporte rodoviário é formado por uma série de veículos com especificações e aplicações distintas. Nesta sessão, serão apresentados os principais veículos utilizados no transporte rodoviário.

TMS e Roteirizadores. Breno Amorim brenoamorim@hotmail.com

TMS e Roteirizadores. Breno Amorim brenoamorim@hotmail.com TMS e Roteirizadores Breno Amorim brenoamorim@hotmail.com Definição TMS (Transportation Management System) é um produto para melhoria da qualidade e produtividade de todo o processo de distribuição. Este

Leia mais

Universidade São Judas Tadeu

Universidade São Judas Tadeu Universidade São Judas Tadeu Anna Karoline Diniz Fortaleza Camila Moura Favaro Fernando dos Anjos Reinaldo Francisco Carvalho Tiago Souza Tecnologia da Informação no Transporte São Paulo 2013 1 Tecnologia

Leia mais

DEFINIÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE PREÇO DE FRETE DE CARGA FRACIONADA PARA UMA TRANSPORTADORA DA REGIÃO METROPOLITANA DO MUNICÍPIO DE BELÉM.

DEFINIÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE PREÇO DE FRETE DE CARGA FRACIONADA PARA UMA TRANSPORTADORA DA REGIÃO METROPOLITANA DO MUNICÍPIO DE BELÉM. DEFINIÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE PREÇO DE FRETE DE CARGA FRACIONADA PARA UMA TRANSPORTADORA DA REGIÃO METROPOLITANA DO MUNICÍPIO DE BELÉM. Leonardo Silva Figueredo (UNAMA) leonardosfigueredo@hotmail.com

Leia mais

Excelência. Recursos. Faturamento/Financeiro Faturamento Contas a Receber Contas a Pagar Fiscal Contábil

Excelência. Recursos. Faturamento/Financeiro Faturamento Contas a Receber Contas a Pagar Fiscal Contábil Competência Sistemas para Transportadoras e Soluções Você e sua Empresa em perfeita sintonia Excelência Recursos Tms EXPERIÊNCIA O sistema é composto por módulos que controlam e integram os processos operacionais

Leia mais

Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte.

Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte. GERENCIAMENTO DO TRANSPORTE Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte. Trade-off CUSTO x NÍVEL DE SERVIÇO FORMAÇÃO DO PREÇO FINAL Para elaboração de uma estratégia

Leia mais

Professora Danielle Valente Duarte

Professora Danielle Valente Duarte Professora Danielle Valente Duarte TRANSPORTE significa o movimento do produto de um local a outro, partindo do início da cadeia de suprimentos chegando até o cliente Chopra e Meindl, 2006 O Transporte

Leia mais

LOGÍSTICA & BRASIL Artigo

LOGÍSTICA & BRASIL Artigo O artigo aborda relações entre logística, formação profissional e infra-estrutura do país. São debatidas questões sobre a evolução da logística no Brasil, a preparação educacional do profissional de logística

Leia mais

Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo

Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo III.1 GESTÃO DE TRANSPORTES 1.1. O desenvolvimento econômico e o transporte. 1.2. A geografia brasileira, a infraestrutura dos estados, municípios

Leia mais

Custeio do Transporte Rodoviário de Cargas

Custeio do Transporte Rodoviário de Cargas Custeio do Transporte Rodoviário de Cargas SUMÁRIO 1. Link Aula Anterior; 2. Gestão de Custos X Gastos; 3. Custo Direto, Indireto, Fixo e Variável; 4. Custo Marginal, Histórico, Orçado. 5. Etapas do Custeio;

Leia mais

23/08/2013. Tecnologia da Informação. Transportes SEMINÁRIO: MOVIMENTAÇÃO E TI

23/08/2013. Tecnologia da Informação. Transportes SEMINÁRIO: MOVIMENTAÇÃO E TI UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO EM GESTÃO INTEGRADA DA LOGISTICA SEMINÁRIO: MOVIMENTAÇÃO E TI ANNA KAROLINE DINIZ CAMILA MOURA FAVARO FERNANDO DOS ANJOS REINALDO FRANCISCO TIAGO SOUZA

Leia mais

Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos. Profª Caroline Pauletto Spanhol

Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos. Profª Caroline Pauletto Spanhol Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos Profª Caroline Pauletto Spanhol Cadeia de Abastecimento Conceitos e Definições Elementos Principais Entendendo a Cadeia de Abastecimento Integrada Importância

Leia mais

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010 Enterprise Resource Planning - ERP Objetivo da Aula Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 2 1 Sumário Informação & TI Sistemas Legados ERP Classificação Módulos Medidas

Leia mais

Unidade IV GERENCIAMENTO DE. Prof. Altair da Silva

Unidade IV GERENCIAMENTO DE. Prof. Altair da Silva Unidade IV GERENCIAMENTO DE TRANSPORTE Prof. Altair da Silva Transporte em area urbana Perceba o volume de caminhões que circulam nas áreas urbanas em nosso país. Quais são os resultados para as empresas

Leia mais

LOGÍSTICA. Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA

LOGÍSTICA. Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi LOGÍSTICA 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA O conceito de Logística sempre envolve um fluxo de materiais de uma origem ou destino e, no outro sentido, um fluxo

Leia mais

ENCONTRO 1 Logística e Transporte

ENCONTRO 1 Logística e Transporte ENCONTRO 1 Logística e Transporte ENCONTRO 1 Logística e Transporte TÓPICO 1: Contextualizando o encontro Olá! Você está iniciando o primeiro encontro do curso Logística Internacional. Neste encontro,

Leia mais

Logística para Supermercados. Elaborado por Rlima Consultoria

Logística para Supermercados. Elaborado por Rlima Consultoria Logística para Supermercados Facilitador Consultor empresarial e palestrante Renato Lima, Administrador de Empresas Habilitado em Marketing e Vendas, Pós Graduado em Gestão Empresarial, Gestão Estratégicas

Leia mais

LOGÍSTICA DE OPERAÇÕES INTERNACIONAIS II. Prof. Alessandro Camargo

LOGÍSTICA DE OPERAÇÕES INTERNACIONAIS II. Prof. Alessandro Camargo LOGÍSTICA DE OPERAÇÕES INTERNACIONAIS II Prof. Alessandro Camargo Logística Internacional As principais características das operações logísticas são: - Complexidade: que podem ser desde o produto até a

Leia mais

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras. Conceitos avançados da Logística com foco na TI 20/08/2011. O Efeito Chicote - (Bullwhip effect)

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras. Conceitos avançados da Logística com foco na TI 20/08/2011. O Efeito Chicote - (Bullwhip effect) Núcleo de Pós Graduação Pitágoras MBA Logística empresarial e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos Conceitos avançados da Logística com foco na TI Disciplina: Tecnologia da Informação (TI) Aplicada à

Leia mais

Gestão de Transporte. Gestão do Transporte: Próprio ou Terceiros? Gestão de Transporte Avaliação das modalidades. Que fatores a serem considerados?

Gestão de Transporte. Gestão do Transporte: Próprio ou Terceiros? Gestão de Transporte Avaliação das modalidades. Que fatores a serem considerados? Gestão de Transporte Que fatores a serem considerados? A Atividade de Transporte: Sua Gestão Barco Trem Caminhão Peso Morto por T transportada 350 kg 800kg 700 kg Força de Tração 4.000 kg 500 kg 150 kg

Leia mais

www.sistemainfo.com.br Há 20 anos desenvolvendo soluções para a gestão de transporte e logística. Processo de transporte e logística Objetivo

www.sistemainfo.com.br Há 20 anos desenvolvendo soluções para a gestão de transporte e logística. Processo de transporte e logística Objetivo Há 20 anos desenvolvendo soluções para a gestão de transporte e logística. Agilidade, segurança e flexibilidade nos processos são os compromissos da Sistema Informática com seus clientes. Sediada em Criciúma,

Leia mais

LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza Prova 1 09 de Maio de 2013 Nome: 1ª QUESTÃO (1,0) Segundo os dados divulgados pela ood and Agriculture Organization (AO, 2011) sobre as exportações brasileiras, em

Leia mais

SOBRE A SOFTLOG. APRESENTAÇÃO - SoftLog LOGuinho

SOBRE A SOFTLOG. APRESENTAÇÃO - SoftLog LOGuinho SOBRE A SOFTLOG A SoftLog Tecnologia é uma empresa especializada no desenvolvimento de soluções tecnológicas para empresas e instituições de diversos modais de transporte. Dentre os diversos tipos de soluções

Leia mais

TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS

TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS SETEMBRO DE 2015 1 2 PRODUTOS PARTICIPAÇÃO NO PIB 2013 Outros Serviços 33,7% Administração, saúde e educação públicas

Leia mais

Fundamentos do Transporte

Fundamentos do Transporte Prof.: Deibson Agnel Livro: Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos/Logística Empresarial Autor: Ronald Ballou Cap. 06 1 A importância de um sistema de transporte eficaz A movimentação de cargas absorve

Leia mais

Distribuição e transporte

Distribuição e transporte Distribuição e transporte Gestão da distribuição Prof. Marco Arbex Introdução Toda produção visa a um ponto final, que é entregar os seus produtos ao consumidor; Se o produto não está disponível na prateleira,

Leia mais

Observação: As caixas em vermelho representam módulos adicionais.

Observação: As caixas em vermelho representam módulos adicionais. Fenícia Gestão ERP Introdução O FENÍCIA GESTÃO ERP é uma solução integrada, personalizável, de gerenciamento corporativo, que se destaca pela sua robustez aliada ao alto grau de tecnologia e conhecimento

Leia mais

Identificação dos direcionadores de custo do transporte rodoviário de cargas

Identificação dos direcionadores de custo do transporte rodoviário de cargas 1 Identificação dos direcionadores de custo do transporte rodoviário de cargas RESUMO Nos últimos anos os diversos problemas de infra-estrutura logística enfrentados pelas empresas de transporte rodoviário

Leia mais

Análise e Avaliação de Desempenho dos Serviços de Transporte de Carga Rodoviário

Análise e Avaliação de Desempenho dos Serviços de Transporte de Carga Rodoviário FACULDADE DE TECNOLOGIA DE INDAIATUBA Curso de Superior de Tecnologia em Logística Aeroportuária Tiago Henrique Vieira Souza, RA 20101162 Análise e Avaliação de Desempenho dos Serviços de Transporte de

Leia mais

2. Logística. 2.1 Definição de Logística

2. Logística. 2.1 Definição de Logística 2. Logística 2.1 Definição de Logística Por muito tempo a Logística foi tratada de forma desagregada. Cada uma das funções logísticas era tratada independentemente e como áreas de apoio ao negócio. Segundo

Leia mais

QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE

QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE *Envie o nome de seu grupo, dos integrantes e um telefone de contato junto com as respostas do questionário abaixo para o e-mail COMMUNICATIONS.SLA@SCANIA.COM*

Leia mais

Engenharia de Sistemas

Engenharia de Sistemas UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Engenharia de Sistemas Prof Luís César da Silva, Dr UFES/CCA Conceitos Necessários! Engenharia! Sistema Agroindustriais! Técnicas de Modelagem! Cadeia Produtiva Supply

Leia mais

Distribuição Física. A distribuição física de produtos é realizada com a participação de alguns componentes, físicos ou informacionais, a saber:

Distribuição Física. A distribuição física de produtos é realizada com a participação de alguns componentes, físicos ou informacionais, a saber: Distribuição Física Objetivo da aula: Apresentar e discutir o conceito e os componentes do sistema de distribuição física, dentro do processo logístico. O objetivo geral da distribuição física, como meta

Leia mais

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht Administração Logística e Administração de. Profª. Patricia Brecht Definição - Logística O termo LOGÍSTICA conforme o dicionário Aurélio vem do francês Logistique e significa parte da arte da guerra que

Leia mais

Características do Sistema:

Características do Sistema: Características do Sistema: - Os Módulos funcionam Integrados ou Individualmente - Totalmente Parametrizado - Integrado qualquer ERP do Mercado - Interface com qualquer Banco de Dados - Todos os Relatórios

Leia mais

Sistemas de Informação. Sistemas Integrados de Gestão ERP

Sistemas de Informação. Sistemas Integrados de Gestão ERP Sistemas de Informação Sistemas Integrados de Gestão ERP Exercício 1 Um arame é cortado em duas partes. Com uma das partes é feito um quadrado. Com a outra parte é feito um círculo. Em que ponto deve ser

Leia mais

FENICIA GESTÃO ERP Enterprise Resource Planning (Planejamento dos Recursos da Empresa)

FENICIA GESTÃO ERP Enterprise Resource Planning (Planejamento dos Recursos da Empresa) FENICIA GESTÃO ERP Enterprise Resource Planning (Planejamento dos Recursos da Empresa) O FENÍCIA GESTÃO ERP é uma solução integrada, personalizável, de gerenciamento corporativo, que se destaca pela sua

Leia mais

Sistema TMS Integrador para Embarcadores

Sistema TMS Integrador para Embarcadores Sistema TMS Integrador para Embarcadores APRESENTAÇÃO DA ACTIVE CORP HISTÓRICO A Active Corp atua a mais de 16 anos fornecendo sistemas completos para o segmento de transporte e logística. Uma das únicas

Leia mais

onda Logistics powered by Quantum

onda Logistics powered by Quantum onda Logistics powered by Quantum Sonda IT Fundada no Chile em 1974, a Sonda é a maior companhia latino-americana de soluções e serviços de TI. Presente em 10 países, tais como Argentina, Brasil, Chile,

Leia mais

2.Baixa de Ordens de Abastecimento com controle de quilometragem e litragem.

2.Baixa de Ordens de Abastecimento com controle de quilometragem e litragem. Abastecimento. Controle Total de Abastecimento por veículo. 1.Emissão de Ordens de Abastecimento 2.Baixa de Ordens de Abastecimento com controle de quilometragem e litragem. 3.Apuração de Média de Consumo.

Leia mais

Documentação de Controle de Acesso Descrição das opções disponíveis

Documentação de Controle de Acesso Descrição das opções disponíveis Módulo Cadastro SIGLA Digital Relação de Controles de Acesso Página 1 de 22 Documentação de Controle de Acesso Descrição das opções disponíveis Agenda Telefônica Cadastro simplificado de telefones. Tem

Leia mais

Logística Empresarial Integrada

Logística Empresarial Integrada Logística Empresarial Integrada Profº José Carlos de Sousa Lima Amazenagem, Localização Física, Distribuição e Transporte Objetivo Discutir a armazenagem, localização física, gestão da distribuição e transporte

Leia mais

Matriz para avaliação do sistema de Distribuição de produtos do setor de bebidas

Matriz para avaliação do sistema de Distribuição de produtos do setor de bebidas Matriz para avaliação do sistema de Distribuição de produtos do setor de bebidas Isabel Marcia Rodrigues (UTFPR) imarcia.r@hotmail.com João Carlos Colmenero (UTFPR) colmenero@utfpr.edu.br Luiz Alberto

Leia mais

PLATAFORMAS MARÍTIMAS. Aula 13. Logística de transferência de petróleo

PLATAFORMAS MARÍTIMAS. Aula 13. Logística de transferência de petróleo PLATAFORMAS MARÍTIMAS Aula 13 Logística de transferência de petróleo INTRODUÇÃO Logística Colocar-se o produto certo, no local correto, no momento adequado e ao menor preço possível, desde as fontes de

Leia mais

LOGÍSTICA. O Sistema de Transporte

LOGÍSTICA. O Sistema de Transporte LOGÍSTICA O Sistema de Transporte O TRANSPORTE 1. Representa o elemento mais importante do custo logístico; MODALIDADE (UM MEIO DE TRANSPORTE) MULTIMODALIDADE (UTILIZAÇÃO INTEGRADA DE MODAIS) Tipos de

Leia mais

Regras de ouro: Dediquem-se aos estudos! Desligue o celular; Evitem ausentar-se da sala

Regras de ouro: Dediquem-se aos estudos! Desligue o celular; Evitem ausentar-se da sala Regras de ouro: Desligue o celular; Evitem ausentar-se da sala Evitem conversas paralelas (sem propósito com o assunto da aula); Dediquem-se aos estudos! Nossos encontros 2 Nossos encontros AULÃO 3 Materiais

Leia mais

SISTEMAS DE TRANSPORTES

SISTEMAS DE TRANSPORTES ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS, PRODUÇÃO E LOGÍSTICA SISTEMAS DE TRANSPORTES TRANSPORTES Transportes, para a maioria das firmas, é a atividade logística mais importante, simplesmente porque ela absorve, em

Leia mais

AUTOMAÇÃO LOGÍSTICA AULA 05 FILIPE S. MARTINS

AUTOMAÇÃO LOGÍSTICA AULA 05 FILIPE S. MARTINS AUTOMAÇÃO LOGÍSTICA AULA 05 FILIPE S. MARTINS AUTOMAÇÃO LOGÍSTICA ROTEIRO TMS GESTÃO DE TRANSPORTES PRA QUE SERVE? NÍVEIS DE DECISÃO QUAL A UTILIDADE? BENEFÍCIOS MODELOS EXERCÍCIO GESTÃO DE TRANSPORTE

Leia mais

Unidade I GERENCIAMENTO DE. Prof. Altair da Silva

Unidade I GERENCIAMENTO DE. Prof. Altair da Silva Unidade I GERENCIAMENTO DE TRANSPORTES Prof. Altair da Silva Introdução O transporte é a essência das atividades logísticas visto como estratégica para que as empresas possam ser cada vez mais competitivas.

Leia mais

Logística Empresarial

Logística Empresarial IETEC INSTITUTO DE EDUCAÇAO TECNOLÓGICA PÓS GRADUAÇAO LATU SENSU 15 a. Turma Gestão da Logística Logística Empresarial Elenilce Lopes Coelis Belo Horizonte MG Julho - 2006 2 SUMÁRIO INTRODUÇÃO À LOGÍSTICA...PÁGINA

Leia mais

A importância estratégica da Logística na Siderurgia Brasileira

A importância estratégica da Logística na Siderurgia Brasileira A importância estratégica da Logística na Siderurgia Brasileira CARLOS JR. GERENTE DE PLANEJAMENTO INTEGRADO Jun/2013 Jorge Carlos Dória Jr. Votorantim Siderurgia Votorantim Siderurgia O Grupo Votorantim

Leia mais

Custos Logísticos. Não basta somente realizar tarefas, é preciso ser assertivo.

Custos Logísticos. Não basta somente realizar tarefas, é preciso ser assertivo. É todo custo gerado por operações logística em uma empresa, visando atender as necessidades dos clientes de qualidade custo e principalmente prazo. Não basta somente realizar tarefas, é preciso ser assertivo.

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

1. Conceitos básicos: Fornecer um maior Nível de Serviço. Ao menor custo logístico possível. Objetivo da Logística

1. Conceitos básicos: Fornecer um maior Nível de Serviço. Ao menor custo logístico possível. Objetivo da Logística CUSTOS LOGÍSTICOS O objetivo de apuração dos Custos Logísticos é o de estabelecer políticas que possibilitem às empresas, simultaneamente, uma redução nos custos e a melhoria do nível de serviço oferecido

Leia mais

FACILIDADE E SEGURANÇA NA GESTÃO DO AGRONEGÓCIO.

FACILIDADE E SEGURANÇA NA GESTÃO DO AGRONEGÓCIO. FACILIDADE E SEGURANÇA NA GESTÃO DO AGRONEGÓCIO. Um dos principais pilares da economia, o agronegócio é marcado pela competitividade. Com 15 anos de experiência, a SIAGRI é uma das mais completas empresas

Leia mais

LOGÍSTICA EMPRESARIAL. Rodolfo Cola Santolin 2009

LOGÍSTICA EMPRESARIAL. Rodolfo Cola Santolin 2009 LOGÍSTICA EMPRESARIAL Rodolfo Cola Santolin 2009 Conteúdo Cadeia de suprimentos Custos Logísticos Administração de Compras e Suprimentos Logística Reversa CADEIA DE SUPRIMENTOS Logística Logística Fornecedor

Leia mais

Ser referência de excelência nas soluções de consultoria e desenvolvimento de sistemas de informação, superando as expectativas dos clientes.

Ser referência de excelência nas soluções de consultoria e desenvolvimento de sistemas de informação, superando as expectativas dos clientes. DOMPER CONSULTORIA E SISTEMAS LTDA Rua Dr. Flores, 273 Sala 30-1 andar Ed. Frozzi CEP: 95.200-000 - Vacaria RS Fone (54) 3232-6119 / (54) 3232-8484 / (54) 3232-1471 CNPJ: 08.020.035/0001-02 IE: 154/0101158

Leia mais

Sistemas de Informações

Sistemas de Informações Sistemas de Informações Prof. Marco Pozam- mpozam@gmail.com A U L A 0 4 Ementa da disciplina Sistemas de Informações Gerenciais: Conceitos e Operacionalização. Suporte ao processo decisório. ERP Sistemas

Leia mais

30/09/2010. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves. Como surgiu o termo?

30/09/2010. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves. Como surgiu o termo? Engenheiro Agrônomo CCA/UFSCar 1998 Mestre em Desenvolvimento Econômico, Espaço e Meio Ambiente IE/UNICAMP 2001 Doutor em Engenhariade Produção PPGEP/UFSCar 2005 Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves Consultor

Leia mais

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA:

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA: Prof. Jean Cavaleiro Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA: PRODUÇÃO E COMÉRCIO Introdução Entender a integração logística. A relação produção e demanda. Distribuição e demanda. Desenvolver visão sistêmica para

Leia mais

Função: Operação da Cadeia de materiais. 1.1 Identificar princípios da organização da área de materiais.

Função: Operação da Cadeia de materiais. 1.1 Identificar princípios da organização da área de materiais. MÓDULO II Qualificação Técnica de Nível Médio ASSISTENTE DE LOGÍSTICA II.1 Gestão de Recursos e Materiais Função: Operação da Cadeia de materiais 1. Contextualizar a importância da Administração de materiais

Leia mais

A CONTRIBUIÇÃO DO TMS (TRANSPORTATION MANAGEMENT SYSTEM) NO DESEMPENHO DO FLUXO LOGÍSTICO NA ROTA SÃO PAULO - MANAUS

A CONTRIBUIÇÃO DO TMS (TRANSPORTATION MANAGEMENT SYSTEM) NO DESEMPENHO DO FLUXO LOGÍSTICO NA ROTA SÃO PAULO - MANAUS XXX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Maturidade e desafios da Engenharia de Produção: competitividade das empresas, condições de trabalho, meio ambiente. São Carlos, SP, Brasil, 12 a15 de outubro

Leia mais

Contribuição do custo logístico na formação de preço de venda dos produtos. Prof. Paulo Medeiros

Contribuição do custo logístico na formação de preço de venda dos produtos. Prof. Paulo Medeiros Contribuição do custo logístico na formação de preço de venda dos produtos Prof. Paulo Medeiros Medindo os custos e desempenho da logística Uma vez que o gerenciamento logístico é um conceito orientado

Leia mais

LINX POSTOS AUTOSYSTEM

LINX POSTOS AUTOSYSTEM LINX POSTOS AUTOSYSTEM Manual Sumário 1 CONCEITO... 4 2 REQUISITOS... 4 3 CONFIGURAÇÕES... 4 3.1 Permissões de Acesso... 4 3.2 Plano de Contas... 5 3.2.1 Parcelado... 6 3.2.2 Parcelamento Notas a Prazo...

Leia mais

Transporte Rodoviário de Cargas. Panorama do Setor Eficiência Energética e Metodologia de Avaliação de Empresas

Transporte Rodoviário de Cargas. Panorama do Setor Eficiência Energética e Metodologia de Avaliação de Empresas Transporte Rodoviário de Cargas Panorama do Setor Eficiência Energética e Metodologia de Avaliação de Empresas Panorama do Segmento de Transporte Rodoviário de Carga Brasileiro Panorama TRC Infraestrutura

Leia mais

COMO A TECNOLOGIA PODE AJUDAR UM ATACADISTA DISTRIBUIDOR A REDUZIR CUSTOS

COMO A TECNOLOGIA PODE AJUDAR UM ATACADISTA DISTRIBUIDOR A REDUZIR CUSTOS COMO A TECNOLOGIA PODE AJUDAR UM ATACADISTA DISTRIBUIDOR A REDUZIR CUSTOS 1 ÍNDICE 1. Introdução... 2. Por que preciso investir em tecnologia?... 3. Cinco passos para usar a tecnologia a meu favor... 4.

Leia mais

MANIFESTO E EXPEDIÇÃO DE CARGAS (PROCESSO DE EMISSÃO DE CT-e)

MANIFESTO E EXPEDIÇÃO DE CARGAS (PROCESSO DE EMISSÃO DE CT-e) 1. OBJETIVO Padronizar a sistemática de emissão do Conhecimento de Transporte Eletrônico (CT-e) e Manifesto de Cargas Intermunicipais e Interestaduais da Irapuru. 2. REGRAS / CONSIDERAÇÕES GERAIS É de

Leia mais

CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO

CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO Universidade Federal de Itajubá (UNIFEI) Instituto de Engenharia de Produção e Gestão www.rslima.unifei.edu.br rslima@unifei.edu.br Conceituacão Sistema de Distribuição um para um

Leia mais

Universidade Cruzeiro do Sul. Campus Virtual Unidade I: Unidade: Processos Mercadológicos

Universidade Cruzeiro do Sul. Campus Virtual Unidade I: Unidade: Processos Mercadológicos Universidade Cruzeiro do Sul Campus Virtual Unidade I: Unidade: Processos Mercadológicos 2010 0 O Processo pode ser entendido como a sequência de atividades que começa na percepção das necessidades explícitas

Leia mais

Logística e Gestão da Cadeia de Suprimentos

Logística e Gestão da Cadeia de Suprimentos Logística e Gestão da Cadeia de Suprimentos 2 SISTEMA DE INFORMAÇÕES EM LOGÍSTICA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EM LOGÍSTICA RODA Sociedade de Sobrevivência (troca de mercadorias) Poder: Monopólio de Mercadorias

Leia mais

GESTÃO DE FROTAS E OPERAÇÃO DO TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS

GESTÃO DE FROTAS E OPERAÇÃO DO TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E TRANSPORTES GESTÃO DE FROTAS E OPERAÇÃO DO TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS Disciplina: Logística

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU AVM FACULDADE INTEGRADA

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU AVM FACULDADE INTEGRADA UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU AVM FACULDADE INTEGRADA A TERCEIRIZAÇÃO DE TRANSPORTE RODOVIÁRIOS DE CARGA E A REDUÇÃO DO CUSTO AGREGADO À LOGÍSTICA Por: Cristiane de Paula Silva Orientador

Leia mais

Processamento de Pedidos na Mira Transportes

Processamento de Pedidos na Mira Transportes Processamento de Pedidos na Mira Transportes Sumário 1 Apresentação da empresa... 3 1.1 Histórico... 3 1.2 Diferenciais... 3 2 Processamento de pedidos: revisão teórica... 4 2.1 Preparação... 4 2.2 Transmissão...

Leia mais

ESTUDO DA VIABILIDADE ECONÔMICA DE IMPLANTAÇÃO DO SOFTWARE MRP I EM UMA MICRO-EMPRESA MOVELEIRA LOCALIZADA NO VALE DO PARAIBA

ESTUDO DA VIABILIDADE ECONÔMICA DE IMPLANTAÇÃO DO SOFTWARE MRP I EM UMA MICRO-EMPRESA MOVELEIRA LOCALIZADA NO VALE DO PARAIBA ESTUDO DA VIABILIDADE ECONÔMICA DE IMPLANTAÇÃO DO SOFTWARE MRP I EM UMA MICRO-EMPRESA MOVELEIRA LOCALIZADA NO VALE DO PARAIBA Tiago Augusto Cesarin 1, Vilma da Silva Santos 2, Edson Aparecida de Araújo

Leia mais

5º Simposio de Ensino de Graduação PROPOSTAS DE MELHORIA PARA A LOGÍSTICA INTERNA DE UMA SIDERURGICA LOCALIZADA NO ESTADO DE SÃO PAULO

5º Simposio de Ensino de Graduação PROPOSTAS DE MELHORIA PARA A LOGÍSTICA INTERNA DE UMA SIDERURGICA LOCALIZADA NO ESTADO DE SÃO PAULO 5º Simposio de Ensino de Graduação PROPOSTAS DE MELHORIA PARA A LOGÍSTICA INTERNA DE UMA SIDERURGICA LOCALIZADA NO ESTADO DE SÃO PAULO Autor(es) CAROLINA PASQUOT Orientador(es) José Roberto Soares Ribeiro

Leia mais

Prof. Altair da Silva. Unidade III GERENCIAMENTO DE

Prof. Altair da Silva. Unidade III GERENCIAMENTO DE Prof. Altair da Silva Unidade III GERENCIAMENTO DE TRANSPORTE Transporte aéreo O transporte caracterizado por transporte através de aeronaves. Doméstico internamente; Internacional outros países; Início

Leia mais

Programa de Ação Profissional: Transporte de um Vaso de Pressão São Paulo SP a Marau RS.

Programa de Ação Profissional: Transporte de um Vaso de Pressão São Paulo SP a Marau RS. Programa de Ação Profissional: Transporte de um Vaso de Pressão São Paulo SP a Marau RS. UNIVERSIDADE METODISTA DE SÃO PAULO FACULDADE DE CIÊNCIAS ADMINISTRATIVAS GRADUAÇÃO TECNOLÓGICA GESTÃO LOGÍSTICA

Leia mais

Scania Serviços. Serviços Scania.

Scania Serviços. Serviços Scania. Serviços Scania Scania Serviços. Serviços Scania. Tudo o que o você precisa para cuidar Tudo bem do o que seu o Scania, você precisa em um para só lugar. cuidar bem do seu Scania, em um só lugar. SERVIÇOS

Leia mais

Precision. A sua Solução de Gestão Empresarial. Características do Sistema: Principais Recursos:

Precision. A sua Solução de Gestão Empresarial. Características do Sistema: Principais Recursos: A sua Solução de Gestão Empresarial O Precision é a solução de Gestão Empresarial de baixo custo que a Maggiore Sistemas disponibiliza para pequenas e médias empresas. Desenvolvido e comercializado em

Leia mais

Softwares de Cadeia de Suprimentos Capítulo 6. André Jun Nishizawa

Softwares de Cadeia de Suprimentos Capítulo 6. André Jun Nishizawa Softwares de Cadeia de Suprimentos Capítulo 6 Introdução Há 50 anos, as cadeias eram gerenciadas por lápis, papel e calculadora. Hoje existem softwares. Esta parte da aula fará um tour pelos tipos de softwares

Leia mais

LOGÍSTICA INTEGRADA: SATISFAÇÃO DOS CLIENTES E REDUÇÃO DE CUSTOS RESUMO

LOGÍSTICA INTEGRADA: SATISFAÇÃO DOS CLIENTES E REDUÇÃO DE CUSTOS RESUMO LOGÍSTICA INTEGRADA: SATISFAÇÃO DOS CLIENTES E REDUÇÃO DE CUSTOS RESUMO Este trabalho tem por objetivo a discussão do conceito de logística integrada e de roteirização. Tem como objetivo também mostrar

Leia mais

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA Marinalva R. Barboza Definição do conceito de logística e evolução Logística tem origem no idioma francês Logistique se define de forma militar sendo uma parte estratégica

Leia mais

A UNION MODAL LOGÍSTICA INTEGRADA LTDA. vem apresentar à sua empresa um programa completo de suporte às operações de logística, que atende aos

A UNION MODAL LOGÍSTICA INTEGRADA LTDA. vem apresentar à sua empresa um programa completo de suporte às operações de logística, que atende aos 2012 Apresentação Luiz José de Souza Neto Union Modal Logística Integrada Rua Teixeira de Freitas, 72, cj. 23 Santos / SP - Tel.: 13 30613387 luiz@unionmodal.com.br A UNION MODAL LOGÍSTICA INTEGRADA LTDA.

Leia mais

DEFINIÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS E DOS DESAFIOS DO TRANSPORTE URBANO DE CARGA.

DEFINIÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS E DOS DESAFIOS DO TRANSPORTE URBANO DE CARGA. DEFINIÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS E DOS DESAFIOS DO TRANSPORTE URBANO DE CARGA. Caro participante, Agradecemos a sua presença no III Megacity Logistics Workshop. Você é parte importante para o aprimoramento

Leia mais

Concorrência nº 22/2008

Concorrência nº 22/2008 Concorrência nº 22/2008 Brasília, 20 de julho de 2009. A Comissão Permanente de Licitação (CPL) registra a seguir perguntas de empresas interessadas em participar do certame em referência e respostas da

Leia mais

Vamos nos conhecer. Avaliações 23/08/2015. Módulo I Introdução à Logistica Empresarial Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc.

Vamos nos conhecer. Avaliações 23/08/2015. Módulo I Introdução à Logistica Empresarial Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. Módulo I Introdução à Logistica Empresarial Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. Vamos nos conhecer Danillo Tourinho Sancho da Silva, M.Sc Bacharel em Administração, UNEB Especialista em Gestão da Produção

Leia mais

Unidade III LOGÍSTICA INTEGRADA. Profa. Marinalva R. Barboza

Unidade III LOGÍSTICA INTEGRADA. Profa. Marinalva R. Barboza Unidade III LOGÍSTICA INTEGRADA Profa. Marinalva R. Barboza Distribuição física e armazenagem Objetivo: Atender o cliente, dispondo do produto no lugar certo, no tempo certo e na quantidade desejada. Esta

Leia mais

Sistemas de Informação Empresarial. Gerencial

Sistemas de Informação Empresarial. Gerencial Sistemas de Informação Empresarial SIG Sistemas de Informação Gerencial Visão Integrada do Papel dos SI s na Empresa [ Problema Organizacional ] [ Nível Organizacional ] Estratégico SAD Gerência sênior

Leia mais

Categoria: Case: PAMTAX

Categoria: Case: PAMTAX PRÊMIO ANSP 2005 Categoria: Empresas de Prestação de Serviços Case: PAMTAX 2 Í N D I C E SINOPSE Pág. 4 PROBLEMA Pág. 5 A situação das seguradoras Pág. 6 A situação das transportadoras Pág. 8 SOLUÇÃO Pág.

Leia mais

4 O Enfoque da Logística Urbana ou City Logistics no PDTU- RMRJ parte Cargas

4 O Enfoque da Logística Urbana ou City Logistics no PDTU- RMRJ parte Cargas 50 4 O Enfoque da Logística Urbana ou City Logistics no PDTU- RMRJ parte Cargas Neste capítulo é apresentada a definição de transporte urbano de cargas, a Logística Urbana ou City Logistics, seu enfoque,

Leia mais

Gestor Empresarial - Financeiro. Release Versão 1.076

Gestor Empresarial - Financeiro. Release Versão 1.076 Gestor Empresarial - Financeiro Release Versão 1.076 Maio/2013 Produto : AeroSoft Gestor Empresarial - Financeiro Versão : v1.076 Data Liberação : 21/04/2013 A seguir são apresentadas as novas funções

Leia mais

ASPECTOS LOGÍSTICOS DO ESCOAMENTO DO AÇÚCAR PAULISTA: TRECHO USINA PORTO DE SANTOS

ASPECTOS LOGÍSTICOS DO ESCOAMENTO DO AÇÚCAR PAULISTA: TRECHO USINA PORTO DE SANTOS ASPECTOS LOGÍSTICOS DO ESCOAMENTO DO AÇÚCAR PAULISTA: TRECHO USINA PORTO DE SANTOS Maria Rita Pontes Assumpção Mestrado em Gestão de Negócios Universidade Católica de Santos Resenha da Dissertação de Bruno

Leia mais

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que Supply Chain Management SUMÁRIO Gestão da Cadeia de Suprimentos (SCM) SCM X Logística Dinâmica Sugestões Definição Cadeia de Suprimentos É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até

Leia mais

Atualização do Sistema T-Car-Win Versão 1.15.5

Atualização do Sistema T-Car-Win Versão 1.15.5 Atualização do Sistema T-Car-Win Versão 1.15.5 O sistema T-Car-Win está sendo atualizado para a versão 1.15.5. Esta versão tem o objetivo de agregar as seguintes funcionalidades ao sistema: Possibilidade

Leia mais

2. LOGÍSTICA EMPRESARIAL

2. LOGÍSTICA EMPRESARIAL 4 1. INTRODUÇÃO A logística empresarial é um conceito relativamente novo, apesar de que todas as empresas sempre desenvolveram atividades de suprimento, transporte, estocagem e distribuição de produtos.

Leia mais

Crise econômica: oportunidades e desafios para o supply chain management

Crise econômica: oportunidades e desafios para o supply chain management Crise econômica: oportunidades e desafios para o supply chain management Parte 1 Marcos Benzecry e Paulo Nazário Introdução Desde o início de 2008 o mundo vive a mais grave crise dos últimos 80 anos, uma

Leia mais

Emissão: 16/09/2010 Revisão: 23/04/2015 Revisado por: Juliana PEDIDO DE VENDAS SHP. PPV0102 v. 3.2.7.39 Help Desk

Emissão: 16/09/2010 Revisão: 23/04/2015 Revisado por: Juliana PEDIDO DE VENDAS SHP. PPV0102 v. 3.2.7.39 Help Desk Emissão: 16/09/2010 Revisão: 23/04/2015 Revisado por: Juliana PEDIDO DE VENDAS SHP PPV0102 v. 3.2.7.39 Help Desk 1 Conteúdo Introdução:... 3 CAMINHO:... 4 Inclusão e inicio do PEDIDO DE VENDAS... 5 DETALHES

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2010. Qualificação: TÉCNICO EM LOGÍSTICA. Professora: FLÁVIA ANDRÉIA CANEDO DE LIMA

Plano de Trabalho Docente 2010. Qualificação: TÉCNICO EM LOGÍSTICA. Professora: FLÁVIA ANDRÉIA CANEDO DE LIMA Plano de Trabalho Docente 2010 ETEC RODRIGUES DE ABREU Ensino Técnico Código: 135 Município: BAURU/SP Eixo Tecnológico: GESTÃO E NEGÓCIOS Habilitação Profissional: TÉCNICO EM LOGÍSTICA Qualificação: TÉCNICO

Leia mais

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 141 A LOGÍSTICA COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Douglas Fernandes 1, Josélia Galiciano Pedro 1 Docente do Curso Superior

Leia mais

PROPOSTA DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DO SERVIÇO DE TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS - ESTUDO DE CASO NA REGIÃO NORTE DO RIO GRANDE DO SUL.

PROPOSTA DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DO SERVIÇO DE TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS - ESTUDO DE CASO NA REGIÃO NORTE DO RIO GRANDE DO SUL. PROPOSTA DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DO SERVIÇO DE TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS - ESTUDO DE CASO NA REGIÃO NORTE DO RIO GRANDE DO SUL. Vanessa Teresinha Alves (UFSM) vanerotta@gmail.com Julio Cezar Mairesse

Leia mais