ESTATÍSTICA NA FORMAÇÃO PROFISSIONAL: UMA ABORDAGEM USANDO FACTURAS DE ÁGUA. Resumo

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESTATÍSTICA NA FORMAÇÃO PROFISSIONAL: UMA ABORDAGEM USANDO FACTURAS DE ÁGUA. Resumo"

Transcrição

1 ESTATÍSTICA NA FORMAÇÃO PROFISSIONAL: UMA ABORDAGEM USANDO FACTURAS DE ÁGUA Sandra Patrícia Silva Coelho Formação Profissional Maria Manuel da Silva Nascimento Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD, Departamento de Matemática e Centro de Matemática da UTAD) Resumo O trabalho que apresentamos surge na sequência da dissertação de Mestrado em Ensino da Matemática, concluído em 2007 pela primeira autora. Por ser um trabalho no âmbito de investigação com alunos da Formação Profissional, pareceu-nos importante divulgá-lo. O objectivo geral do estudo implementado foi o de descrever e analisar o desempenho de uma turma de formandos (alunos) de um curso de Formação Profissional, em tarefas elaboradas com esse propósito, tendo em vista a abordagem do tema de Estatística. Em particular, pretendeu-se analisar a forma como os formandos utilizam os seus conhecimentos matemáticos na resolução de problemas ligadas à Estatística; identificar e descrever as principais dificuldades reveladas pelos formandos durante a resolução das tarefas; analisar o uso de recursos tecnológicos (computador); e, por último, investigar a forma como os formandos trabalham cooperativamente e, analisar o trabalho de projecto por eles desenvolvido. No contexto preconizado pelos programas de Matemática da Formação e Educação de Jovens, o tema de Estatística aparece ligado à modelação de situações reais e à resolução de problemas. A proposta didáctica implementada baseou-se no estudo das facturas da água, seguindo as orientações metodológicas sugeridas por Cazorla e Santana (2006). Sendo um resumo de um trabalho de investigação (Coelho, 2007) serão destacados os aspectos mais pertinentes relativos à revisão bibliográfica, à metodologia adoptada, relativamente à apresentação e análise dos resultados, bem como às conclusões do estudo. 1. Introdução Este trabalho de investigação baseou-se numa proposta de intervenção didáctica que visa abordar os aspectos introdutórios da Estatística, na disciplina de Matemática, num curso de Formação Profissional. O objectivo geral do estudo foi o de descrever e analisar o desempenho dos formandos na exploração de tarefas elaboradas com o propósito de explorar os tópicos elementares da Estatística. Em particular, pretendeu-se: Analisar a forma como os formandos usam os seus conhecimentos matemáticos na resolução de tarefas de Estatística; Identificar e descrever as dificuldades reveladas pelos formandos, durante a exploração das tarefas; Analisar a forma como os formandos usam um recurso tecnológico - o computador; Analisar como os formandos trabalham em grupo; Promover a troca de ideias e de experiências através da apresentação dos trabalhos e respectiva discussão na turma. Desta forma, considerámos as seguintes questões como centrais desta investigação: Qual será a 1

2 receptividade dos formandos no que se refere ao tema da Estatística, incluindo a apresentação e discussão dos trabalhos na turma e à abordagem através de uma situação do dia-a-dia? Instituto de Emprego, Formação Profissional e os Cursos de Educação e Formação de Jovens O Instituto de Emprego e Formação Profissional (IEFP), criado em 1979 (Decreto-Lei N.º A2/79), é um organismo público, sob a tutela do Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social, ao qual compete a execução das politicas de emprego e Formação Profissional definidas e aprovadas pelo governo. Desde 1980 que se desenvolvem acções piloto de formação de jovens. Mas só em 1984 com, a publicação do Decreto-Lei N.º 102/84 de 29 de Março, se criou o sistema de aprendizagem em Portugal relativamente à formação profissional. A publicação do Decreto-Lei N.º 401/91 veio reformar a aprendizagem, tendo em conta que nos últimos anos se assistiu a uma grande mudança no sistema de educação e Formação Profissional. A formação no âmbito da aprendizagem organiza-se para que a qualificação profissional esteja associada à aquisição de competências que implicam uma progressão escolar, reforçando-se a articulação entre a educação e a formação. (adaptado do Decreto-Lei N.º 401/91 de 16 Outubro). A Formação Profissional tem duas vertentes: a formação profissional inserida no sistema educativo e a inserida no mercado de trabalho. Os cursos ministrados pelo IEFP têm diferentes vertentes, nas quais destacamos os Cursos de Educação e Formação de Adultos (Cursos EFA), o Sistema de Reconhecimento, Validação e Certificação de Competências (RVCC) e os Cursos de Educação e Formação de Jovens. O estudo que se apresenta envolveu os formandos de um curso deste último tipo. Acção de Formação: Instalação e Operação de Sistemas Informáticos Os cursos de formação profissional ministrados pelo IEFP são muito diversificados. De entre eles salientamos o de Instalação e Operação de Sistemas Informáticos (IOSI), pois o estudo foi desenvolvido com os seus formandos. Este curso, de acordo o Despacho Conjunto N.º 1083/2000 de 20 de Novembro, permite a obtenção do 9.º ano de escolaridade e fornece uma qualificação profissional no âmbito do perfil de Operador de Informática, cujas competências lhe permitem instalar, configurar e operar software de escritório, redes locais, Internet e outras aplicações informáticas, bem como efectuar a manutenção de microcomputadores, periféricos e redes locais. A Matemática e a estatística nos Cursos de Educação e Formação de Jovens Os grandes objectivos da educação para todos, na formação profissional, podem ser enumerados da seguinte forma: Preparação para o emprego; Preparação para assumir os deveres e direitos da cidadania; Preparação para o desenvolvimento e realização pessoal. A integração da Matemática no currículo da educação para todos contribui para a realização destes objectivos, isto porque a Matemática tem um valor inquestionável na resolução de todos os problemas do quotidiano, desde os mais simples aos mais complexos. Além do que muitas actividades profissionais recorrem frequentemente ao uso de ferramentas matemáticas na resolução de problemas (Anefa, 2001, p. 71). A compreensão da realidade que nos rodeia, em todos os seus aspectos, apela à compreensão de vários conceitos matemáticos. Exercer a cidadania de forma reflectida e esclarecida pressupõe o entendimento de fenómenos e factos apoiados em ideias matemáticas. Finalmente, a inclusão da Matemática no currículo da educação para todos, pretende dar autonomia perante uma situação que envolva algum conhecimento numérico. A Matemática é uma das componentes de formação científico-tecnológica. O domínio da matemática contribui em dois níveis para a formação integral dos jovens (Portaria N.º 433/2002 de 19 de Abril): a sua formação geral, como cidadãos capazes de pensar criticamente e de intervir na sociedade; 2

3 a sua formação específica, como profissionais, uma vez que lhes fornece as ferramentas necessárias que lhe permitem responder adequadamente a problemas práticos. A Matemática, como componente sócio-cultural da Formação Profissional do IEFP, deve contribuir para a formação geral do formando como cidadão capaz de pensar criticamente e intervir no quotidiano, assim como fornecer ferramentas que lhes permitam responder, de forma adequada, aos problemas colocados pela e na sua pratica profissional. Nos Cursos de Educação e Formação de Jovens, também se fala em competência na área de Matemática. Como, paralelamente, num currículo para a escolaridade obrigatória existem pontes do ensino formal. Estas pontes permitem a transição de um ensino para o outro a quem assim o desejar. Nos cursos de Formação Profissional, as competências a desenvolver além de envolverem um conjunto de noções matemáticas que se relaciona com temas como Estatística e Probabilidades, Números e Cálculo, Geometria, Álgebra e Funções, devem também incluir capacidades e atitudes transversais aos temas referidos. Apesar desta divisão de temas, é importante realçar as conexões possíveis de estabelecer entre eles que contribuem para uma melhor compreensão dos diferentes conceitos matemáticos, bem como com outras áreas de formação. A inclusão da Estatística nos currículos da Matemática nos cursos de Formação Profissional justifica-se. Ela deve-se a razões de natureza prática - utilidade e aplicabilidade em diversos domínios profissionais - e de natureza curricular - oportunidade para trabalhar com modelos relacionados com situações reais. A pesquisa, a selecção e o uso eficaz da informação retirada de diferentes meios, constituem para os formandos uma mais valia para o desenvolvimento da sua autonomia, remetendo para cada pessoa a gestão da sua aprendizagem (IEFP, 2001, p. 2). O módulo apresenta como meta envolver os formandos em actividades, de forma a formularem questões, a recolherem dados, a organizá-los, interpretá-los e tirar conclusões com o objectivo de desenvolver nos formandos: Predisposição para organizar dados relativos a uma situação ou fenómeno e para representá- -los de forma adequada, nomeadamente recorrendo a tabelas e gráficos; Aptidão para ler e interpretar tabelas e gráficos à luz das situações a que dizem respeito e para comunicar os resultados das interpretações feitas; Compreensão das noções de moda, média aritmética e mediana, bem como a aptidão para determiná-las e interpretá-las em situações concretas; Sensibilidade para decidir qual das medidas de tendência central é mais adequada para caracterizar uma situação; Sentido crítico face à apresentação tendenciosa de informação sob a forma de gráficos enganadores ou afirmações baseadas em amostras não representativas; Sensibilidade para distinguir fenómenos aleatórios e fenómenos deterministas e para interpretar situações concretas de acordo com cada um desses fenómenos; Dar resposta a problemas com base na análise de dados recolhidos e de experiências planeadas para o efeito. (IEFP, 2001, p. 60) Ou seja, também nestes Cursos já se reconhece a importância da literacia estatística. 2. Metodologia Opção metodológica Neste trabalho de investigação adoptou-se uma pesquisa qualitativa assumindo a perspectiva do paradigma interpretativo. Os elementos do tipo quantitativo considerados foram apenas os provenientes de um questionário respondido pelos formandos. A opção da abordagem qualitativa justifica-se pelos métodos usados na recolha e análise de dados e pelos objectivos do estudo. Esses objectivos passam por analisar o desempenho dos formandos enquanto resolvem tarefas problemáticas representativas do dia- 3

4 -a-dia e descrever as suas perspectivas e de compreender a forma como os formandos pensam e agem. Por outro lado, também é objectivo do estudo a aprendizagem dos formandos sob a influência de determinados ambientes e ainda analisar a forma como o uso do computador se reflecte nas estratégias de resolução de problemas e na aprendizagem dos alunos. Segundo Ludke e André (1982), a pesquisa qualitativa tem como pressuposto o contacto directo do investigador com o fenómeno em estudo e com o ambiente em que este acontece. O material obtido deste contacto é rico em descrições de pessoas e de acontecimentos, com o objectivo de captar a perspectiva de cada participante no estudo. Por outro lado, o paradigma interpretativo tem como objectivo desenvolver e aprofundar um dado fenómeno inserido num contexto específico e tem como finalidade a compreensão e interpretação dos fenómenos estudados, onde o investigador tem uma postura de observador participante, uma vez que trabalha em colaboração directa com todos os envolvidos no estudo (Santos, 2000). Participantes A Turma O estudo apresentado neste trabalho envolveu a turma de IOSI, num dos pólos de um Centro de Formação Profissional, e deveu-se ao facto de ser a que estava mais adiantada nos conteúdos programáticos e mais próxima de abordar o tema específico deste trabalho a Estatística. Inicialmente, a turma era constituída por 16 formandos. No 1.º módulo foram excluídos três por falta de aproveitamento na disciplina base do curso, Informática, e dois por abandono da formação. No 2.º módulo foi excluído um formando por abandono da formação e no 3.º módulo foram excluídos dois formandos por falta de aproveitamento na disciplina base do curso. Por este motivo, este estudo iniciou-se com dez formandos e terminou com oito. Destes, com idades compreendidas entre os 17 e os 26 anos, seis eram rapazes. Estes formandos abandonaram muito cedo a escola, sendo o nível de escolaridade mais elevado, o de um formando com o 7.º ano do 3.º ciclo do Ensino Básico. Os restantes têm o 6.º ano completo. Quando questionados (na ficha de recolha de dados pessoais, Anexo IV, Coelho, 2007) sobre se acham a Matemática importante para este curso de Formação Profissional, todos foram peremptórios em responder afirmativamente. Justificaram com o facto de no dia-a-dia usarmos a Matemática nas mais pequenas coisas, até para vermos o troco que recebemos nas lojas e porque em Informática também se usam alguns conceitos matemáticos. Nesta ficha de recolha de dados pessoais, foi-lhes dado a escolher um tema de Matemática. Seis formandos escolheram Estatística, porque nos incentivou a todos, um deles escolheu a leitura de números por ser fácil e outro escolheu todas as matérias porque são todas necessárias. Os Grupos Para o trabalho de grupo, a formadora optou por deixar os formandos escolherem com quem queriam trabalhar. Como já estavam habituados a trabalhar em grupo, estes já estavam formados e mantiveram-se para as tarefas propostas. Estes grupos tinham dois formandos cada e sofreram algumas alterações devido a formandos excluídos da formação no início da realização deste estudo. O Grupo 1 era constituído por um rapaz e uma rapariga que mantinham uma relação de forte amizade. Ambos tinham nível 4 a Matemática e eram ambos dos formandos mais entusiasmados e empenhados na aula de Matemática. O Grupo 2 era constituído por dois rapazes. Um deles tinha nível 4 e outro nível 2. Trabalharam com empenho, apesar das dificuldades reveladas, e revelaram bom funcionamento cooperativo. O Grupo 3 era constituído por duas raparigas que mantinham fortes laços de amizade. Uma delas tinha nível 4 e outra tinha nível 3. Nem sempre trabalharam com a eficiência pretendida, uma vez que 4

5 eram facilmente desviadas por assuntos exteriores à formação. Na tarefa 1, uma das formandas foi excluída por não ter atingido os objectivos requeridos na formação. O Grupo 4 era constituído por dois rapazes. Um deles tinha nível 4 e era o melhor aluno da turma, o outro tinha nível 1 e era o que menos trabalhava. Este último foi excluído do curso durante a realização da tarefa 1. Para que não houvesse alunos a trabalhar sozinhos, formou-se um novo grupo que era constituído pelos dois formandos que ficaram sem par. Este grupo funcionou muito bem e trabalharam com entusiasmo nas restantes tarefas. O Grupo 5 era formado por dois rapazes. Um deles tinha nível 3 e o outro nível 2. Foi o grupo mais barulhento e desestabilizado porque, apesar de demonstrarem dificuldades, mostraram pouca vontade em trabalhar mas trabalharam e apresentaram resultados. As professoras intervenientes A equipa de trabalho desta investigação é constituída pela formadora que é a responsável pela formação de Matemática da turma e pela orientadora deste estudo observadora externa. A investigação foi conduzida pela formadora. A orientadora apenas esteve presente na última sessão. A formadora, licenciada em Matemáticas Aplicadas desde 2004 é formadora há dois anos num Centro de Formação Profissional, onde dá formação de Matemática em turmas de jovens e de adultos e onde desempenha funções de coordenadora de turma. A orientadora, licenciada em Silvicultura (opção de Produção Florestal), no início da sua actividade profissional, leccionou, um ano lectivo, a disciplina de Matemática ao 11.º ano de escolaridade. A partir de 1985 tem assegurado a docência de várias disciplinas na UTAD, principalmente nas áreas de Investigação Operacional e Estatística. Materiais Tarefas Foram elaboradas quatro tarefas que integraram a unidade didáctica de Estatística. Estas tarefas estão publicadas na tese de Mestrado no seu Anexo I (Coelho, 2007). Além disso, dado o seu interesse, foram divulgadas no âmbito do Projecto Internacional de Literacia Estatística e estão disponibilizadas no endereço português da 1.ª Competição Internacional de Literacia Estatística (http://www.stat.auckland.ac.nz/ ~iase/islp/treino2). A proposta didáctica adoptada nesta investigação baseou-se no estudo das facturas da água, seguindo as orientações metodológicas sugeridas por Cazorla e Santana (2006): A Tarefa 1 destinava-se à recolha de dados, por parte dos formandos, do consumo de água no último ano, assim como à pesquisa na Internet de informações acerca da importância da água. A Tarefa 2 visava o estudo das facturas da água. Nela também existiam problemas da vida real, com o objectivo de consciencializar os formandos para eventuais consumos excessivos de água. A Tarefa 3 destinava-se ao estudo estatístico das facturas da água e à elaboração de um pequeno relatório acerca das conclusões obtidas. A Tarefa 4 propunha-se a elaboração de um produto final em PowerPoint, que abordasse a importância da água e onde os formandos relatassem as conclusões tiradas na elaboração de todas as tarefas. Computador Todas as quatro tarefas foram resolvidas no computador e as sessões onde se realizaram as actividades decorreram na Sala de Informática, onde os formandos dispunham de um computador para cada um. Recorreu-se ao Word, ao Excel e ao PowerPoint. Os formandos estavam perfeitamente ambientados no uso de todos estes recursos, uma vez que o curso deles era o de Informática. Para a realização do produto final o PowerPoint do trabalho de projecto, os formandos efectuaram pesquisas na Internet com os motores de busca que seleccionaram. 5

6 Plano de acção O estudo decorreu no princípio do 4.º módulo no ano lectivo de 2006/2007. A proposta das facturas da água de abordagem deste tema foi desenvolvida ao longo de quatro sessões, de quatro horas cada, para a realização das tarefas que decorreram entre 10 de Maio de 2007 e 31 de Maio de Foram realizadas quatro tarefas e, na última sessão, foram apresentados e discutidos os trabalhos realizados pelos grupos de alunos. Recolha de dados A recolha de dados descritivos é fundamental para se obter uma caracterização da situação em estudo, a mais completa possível. Foram usados vários métodos de recolha de dados: a observação, as gravações áudio e documentos. Observação Este trabalho de investigação foi explicado aos formandos e foi solicitada a sua autorização para o registo áudio das aulas (Anexo II, Coelho, 2007). Também foi solicitada autorização ao Sr. Director do Centro de Formação Profissional em que se implementou este estudo, que deferiu o pedido (Anexo II, Coelho, 2007). Neste estudo, o papel de observador foi desempenhado pela formadora e pela orientadora que apenas esteve presente na última sessão. Os registos escritos de notas complementaram as gravações áudio. O papel das observadoras traduziu-se numa observação participante, uma vez que colocaram questões do tipo: Como? Porquê? Para quê? Como é que sabes, podes explicar melhor a tua ideia? Porque fizeste assim? Gravações áudio As gravações áudio foram uma forma de se conseguir captar, o mais pormenorizadamente possível, o trabalho desenvolvido pelos formandos, pela formadora e pela orientadora. Com estas gravações recolheram-se informações fidedignas do que se passou nas sessões onde foram resolvidas as tarefas propostas neste estudo. Documentos Foram utilizados seguintes documentos: Registos de natureza biográfica (Anexo IV, Coelho, 2007); Documentos produzidos pelos formandos (Anexo III, Coelho, 2007); Questionário individual dos formandos no final das tarefas (Anexo IV, Coelho, 2007); Grelha de observação de observação das tarefas (Anexo V, Coelho, 2007); Grelha de avaliação do trabalho de grupo (Anexo VI, Coelho, 2007); e Grelha de apresentação oral (Anexo VII, Coelho, 2007). Conteúdos programáticos da unidade didáctica e objectivos elaboração das tarefas A concepção das tarefas teve em conta os conteúdos/conceitos a explorar e também procuramos que despertassem interesse e entusiasmo nos formandos. Os conteúdos/conceitos explorados nas tarefas estão apresentados, de modo resumido, no Quadro N.º 1. N.º da tarefa Tarefa 1 Tarefa 2 Tarefa 3 Conteúdos/conceitos Pesquisa na Internet de informações sobre a água Recolha de dados Redução de metros cúbicos para litros Interpretação das facturas da água Resolução de problemas da vida real Média aritmética Consumo anual Consumo anual per capita 6

7 Tarefa 4 Consumo médio mensal Consumo médio diário Consumo médio diário per capita Gráficos de barras Amplitude dos valores de consumo Consumo uniforme Consumo variável Trabalho de projecto Quadro N.º 1 - Conteúdos/conceitos das tarefas As tarefas foram apresentadas aos formandos em formato de papel e digital, uma vez que o objectivo era que as tarefas fossem resolvidas com a ajuda do computador, aproveitando também o facto da turma em questão ser de Informática. Os objectivos de cada tarefa foram os que se resumem no Quadro N.º 2. Objectivos Tarefa 1 Tarefa 2 Tarefa 3 Tarefa 4 Definir o problema a estudar Realizar recolhas de dados Organizar e tratar os dados através do cálculo das medidas estatísticas, sua interpretação e representação gráfica Seleccionar as formas de representação gráfica mais adequadas à Estatística a trabalhar e interpretá-las criticamente Desenvolver o sentido crítico face ao modo como a informação é apresentada Comunicar raciocínios e/ou argumentos matemáticos na forma oral e/ou escrita Realizar um trabalho de projecto Quadro N.º 2 - Objectivos de cada tarefa 3. Apresentação e Análise dos Resultados Neste trabalho, resumimos os tópicos mais importantes do trabalho realizado pelos formandos do curso de IOSI durante a realização das tarefas. Tarefa 1 Os formandos reuniram as informações recolhidas das facturas da água do ano de 2006: data de emissão das facturas, o consumo em metros cúbicos e o total da factura em Euros. As principais dificuldades surgiram na interpretação das facturas, uma vez que a maioria dos formandos nunca tinha olhado com atenção para elas. Essas dificuldades foram colmatadas com a ajuda dos próprios colegas de grupo, em alguns casos, mas na maioria das vezes solicitavam ajuda directamente à formadora. Relativamente à pesquisa na Internet, os formandos perderam-se um pouco nos momentos iniciais, isto apesar de serem uma turma de Informática e de estarem habituados a trabalhar nos computadores. Passados os momentos iniciais, os grupos começaram a pesquisar sobre os itens pedidos: a importância da água para a vida dos seres vivos e das populações; a distribuição da água no mundo; o consumo de água no mundo e o consumo de água em Portugal e no concelho de residência dos formandos. 7

8 O grupo 1, constituído por dois dos melhores alunos na aula de Matemática, funcionou na perfeição. Apoiaram-se mutuamente e colocaram poucas dúvidas à formadora e estas iam no sentido de validar as suas recolhas de informação da Internet. O grupo 2 trabalhou bem, apesar de um dos seus elementos solicitar vezes demais a presença da formadora. Apesar disso, foi apoiado pelo colega de grupo (aluno mediano, mas muito empenhado) e trabalharam com afinco, mostrando resultados. O grupo 3 foi o que mostrou menos rendimento. Era o único constituído por duas raparigas (uma delas excluída no decorrer deste estudo) e conversavam muito acerca de assuntos pouco importantes para a formação. Apesar disso iam trabalhando esporadicamente e mostrando o que iam fazendo, solicitando a aprovação da formadora. O grupo 4 era o grupo menos homogéneo, porque era formado pelo melhor aluno da turma e pelo mais fraco (que também foi excluído no decorrer deste estudo). Verificou-se que o melhor aluno assumiu o comando do grupo e do trabalho, enquanto que o outro se limitava a aceitar todas as decisões do colega, sem quase nunca participar. Revelouse um grupo empenhado e entusiasmado, solicitando poucas vezes ajuda. Foi o grupo que trabalhou de forma mais independente. O grupo 5 era o mais barulhento e desestabilizante, procurando despertar a atenção dos colegas. Colocaram muitas dificuldades na interpretação dos enunciados e das informações que iam recolhendo, até porque não eram muito trabalhadores. No entanto, recolheram informações importantes para o trabalho. Tarefa 2 Na Tarefa 2 a organização dos grupos teve de ser forçosamente diferente, porque dois formandos foram excluídos da formação, precisamente no início da sua resolução. Os dois formandos excluídos constituíam o grupo 3 e 4. Deste modo, os formandos que ficaram sem colega formaram um novo grupo o grupo 6. Na Tarefa 2 pedia-se aos formandos que calculassem quantos litros de água gastaram no último mês, tendo por base os metros cúbicos do consumo. Para resolver este problema, os formandos tiveram algumas dificuldades, sobretudo por não se lembrarem de como se faziam as conversão de litros a métricos cúbicos. Este problema foi debatido em grande grupo uma vez que a dificuldade se estendia a todos os grupos. Nesta tarefa as dificuldades de interpretação dos enunciados mantiveram-se e só após uma breve explicação da formadora é que alguns grupos conseguiam começar a responder. Quanto ao desempenho do grupo 1, os seus elementos apoiaram-se mutuamente e tentaram sempre chegar às conclusões dentro do grupo. Trabalharam de forma independente e com empenho. O grupo 2 trabalhou bem depois de superadas as muitas dificuldades na interpretação dos enunciados. Pediram várias vezes ajuda à formadora, mas foram o grupo mais entusiasmado de todos, trabalhando com vontade. O grupo 5 continuou a ser o mais perturbador, porque falavam muito tentando desviar a atenção dos colegas. Apesar destes formandos serem distraídos e menos trabalhadores, solicitaram algumas vezes ajuda à formadora e conseguiram chegar a todas as conclusões pedidas. O grupo 6 funcionou bastante bem. Os dois formandos entenderam-se a trabalhar e o seu trabalho foi uma mais valia, querendo mostrar à turma que não tinham ficado prejudicados pela saída dos colegas. Trabalharam com muita motivação e chegaram a ajudar os colegas a concluir esta tarefa. Tarefa 3 O objectivo desta tarefa era o de trabalhar com os formandos os conceitos que aparecem nas estatísticas dos consumos da água. Além das dúvidas na interpretação de alguns enunciados, todos os grupos trabalharam sem grandes dificuldades. Alguns formandos tiveram dificuldades na construção dos gráficos no Excel e como não conseguiam fazê-los sem a ajuda dos colegas ou da formadora, decidiram construí-los no papel. 8

9 Resumidamente, o grupo 1 continuou a trabalhar muito bem, pedindo ajuda à formadora esporadicamente quando não conseguiam interpretar algum enunciado. Responderam a todas as questões e tiraram todas as conclusões. O grupo 2 continuou a ser pouco independente, mas foi o mais entusiasmado de todos e só solicitaram confirmações. Notou-se uma grande evolução do grupo. O grupo 5 foi pouco empenhado, preferindo navegar na Internet enquanto a formadora ajudava os outros grupos, sendo necessário chama-los à atenção várias vezes. Por causa disso, foram os mais atrasados e toda a turma esperou por eles quando foi necessário debater, em conjunto, os resultados a que chegaram. Apesar de serem pouco empenhados, responderam a tudo. O grupo 6 trabalhou muito bem, poucas vezes solicitou a ajuda da formadora e, muitas vezes, eram os primeiros a interpretar os enunciados e a dizer aos colegas o que era preciso fazer. Foram dos poucos grupos que resolveram tudo no computador, assim como o grupo 5 e um dos formandos do grupo 2. Tarefa 4 Na Tarefa 4, os formandos apresentaram e discutiram os trabalhos. Os trabalhos incidiram todos sobre o mesmo tema a importância da água os formandos realizaram o trabalho individualmente. Nesta apresentação esteve presente a orientadora deste estudo. Relativamente aos trabalhos, este estavam bem feitos, com muitas imagens apesar de alguns deles conterem texto a mais. Contudo, apresentação dos trabalhos apenas foi suficiente. Isto na medida em que a exposição dos formandos aos colegas, à formadora e à orientadora os inibiu bastante. Todos os formandos, com excepção dos formandos do grupo 5, se limitaram a deixar correr os slides, falando esporadicamente. Os formandos do grupo 5 foram os mais intervenientes e expansivos, explicando todas as imagens que tinham e lendo todos os textos apresentados. Desempenho dos grupos Embora estas tarefas não tenham sido elaboradas com o único objectivo de avaliar os conteúdos desta unidade didáctica, adoptou-se uma escala com cinco níveis em função dos objectivos definidos: Nível 1: Nenhum dos objectivos foi atingido; Nível 2: Foram atingidos poucos objectivos; Nível 3: Foram atingidos os objectivos mínimos; Nível 4: Os objectivos foram, em grande parte, atingidos; Nível 5: Os objectivos foram plenamente atingidos. Relembremos os objectivos a atingir no final desta unidade didáctica (Coelho, 2007, p. 35, Quadro N.º 3): O1: Definir o problema a estudar; O2: Realizar recolhas de dados; O3: Organizar e tratar os dados através do cálculo das medidas estatísticas, sua interpretação e representação gráfica; O4: Seleccionar as formas de resolução de problemas relacionadas com Estatística e interpretá-las criticamente O5: Desenvolver o sentido crítico face ao modo como a informação é apresentada; O6: Comunicar raciocínios e/ou argumentos matemáticos na forma oral e/ou escrita; O7: Realizar um trabalho de projecto, partindo de uma situação problemática da vida real relacionada com percursos profissionais, com necessidades industriais ou comerciais, com a rentabilização de recursos naturais, garanta a concretização dos objectivos que se pretendem, por isso, recomenda-se que se desenvolva a aprendizagem usando metodologias de trabalho de projecto. Apresentamos a análise do desempenho dos grupos relativamente aos objectivos definidos (Gráfico N.º 1). 9

10 4. Conclusões Gráfico N.º 1 - Desempenho dos grupos em relação aos objectivos definidos. Utilização de conhecimentos matemáticos na resolução de tarefas de Estatística A maioria dos formandos revelou conhecer os conteúdos programáticos apresentados nas questões. Os formandos souberam, regra geral, aplicar os conhecimentos necessários, apesar de apresentaram dificuldades em exprimirem oralmente e por escrito as suas ideias. Dificuldades reveladas durante a exploração das tarefas A principal dificuldade detectada prendeu-se com a interpretação dos enunciados das perguntas e dos textos informativos. Regra geral, quando algum dos formandos não conseguia interpretar os enunciados ou as questões, solicitava ajuda directamente à formadora. Alguns formandos procuravam ajuda no colega de grupo, mas a presença da formadora era sempre pedida para certificarem os seus resultados ou as suas conclusões. Quando os formandos apresentaram o trabalho feito em PowerPoint, a comunicação oral não resultou, com excepção do grupo 5. Utilização do computador O recurso ao computador foi feito por todos os grupos. Foi usado para fazer pesquisas na Internet, para escrever as respostas às questões de cada tarefa, para as representações gráficas e para a apresentação do trabalho final. Todos os formandos sabiam usar, com bastante desenvoltura, o computador. Nas representações gráficas três formandos optaram por fazê-las manualmente. Também não foram sentidas dificuldades na elaboração do trabalho em PowerPoint. Trabalho de grupo Analisando o funcionamento de cada grupo, verificou-se a tendência inicial para os melhores alunos assumirem a iniciativa da resolução das questões. Os restantes limitavam-se a aceitar as conclusões dos colegas, mostrando pouca iniciativa, participando apenas após a solicitação directa da formadora. Paulatinamente os formandos mudaram de atitude e todos eles começaram a trabalhar com empenho e visível entusiasmo. O diálogo entre os elementos dos grupos era frequente, assim como o diálogo entre grupos. No entanto, a presença e aprovação da formadora era sempre solicitada. O espírito cooperativo esteve presente desde o início da exploração das tarefas, pois já estavam habituados a trabalhar em grupo. Houve grupos que se destacaram na resolução das tarefas. Verificou-se uma competição saudável entre eles. Na Tarefa 4, os formandos trabalharam individualmente. A ideia inicial não era essa, mas os formandos pediram para cada um deles fazer um trabalho em PowerPoint. A 10

11 formadora acedeu ao pedido, apesar de subverter um dos princípios do trabalho de projecto. Esta cedência justificou-se pelo empenho demonstrado pelos formandos e, também porque, seriam realizados apenas oito trabalhos. Desempenho dos grupos A avaliação do trabalho efectuado pelos grupos foi francamente positiva. O Grupo 1 trabalhou de forma exemplar em todas as tarefas, solicitando poucas vezes a ajuda da formadora. O Grupo 2 foi o que mostrou mais dificuldades. O Grupo 5 era o mais distraído e perdiam-se na Internet, Contudo, foi o grupo mais dinâmico na apresentação oral do trabalho de projecto. O Grupo 6 foi o mais independente, apenas solicitando, esporadicamente, ajuda à formadora. Foi este grupo o que mais ajudou os colegas. Tiveram uma excelente prestação. Trabalho de projecto e outras opiniões dos formandos sobre o estudo realizado Após a realização do trabalho, fora das aulas de Matemática resolveram entregar, por sua iniciativa, três cartazes sobre o tema (Anexo VIII, Coelho, 2007). Esta iniciativa teve também a curiosidade de reunir grupos e, no terceiro cartaz, toda a turma. Todos os formandos concordaram com a importância do tema abordado para o dia-adia, bem como com a resolução de problemas de Estatística no quotidiano. As respostas dos formandos incidiram na actualidade do tema e sobre a forma como ficaram mais consciencializados acerca do consumo da água. A terminar No início deste estudo colocámos duas questões, consideradas como centrais: qual seria a receptividade dos formandos ao tema de Estatística, incluindo a apresentações e discussão dos resultados à turma e, qual seria a sua receptividade à abordagem de uma situação do dia- -a-dia. Após a análise dos registos de avaliação de cada tarefa e das respostas obtidas através do questionário aplicado no final da unidade didáctica, bem como pela postura e diálogos dos formandos nas sessões onde decorreu este estudo, podemos dizer a concluir que todos os formandos gostaram da abordagem feita à Estatística, com facturas da água. Limitações Este estudo revelou algumas limitações: a pouca experiência da formadora em investigações deste tipo, a interpretação pessoal colocada na proposta de abordagem do tema da unidade didáctica, bem como na análise dos resultados; o facto dos materiais usados não terem sido testados previamente; o facto deste estudo ter sido feito para uma única turma de Formação Profissional, pelo que terá que ser reflectido e repensado à luz de outro tipo de turmas (por exemplo, maiores, outros ensinos, etc.). Contudo, achamos que o interesse e entusiasmo manifestados pelos formandos nos obriga a lançar o desafio também a outros colegas. Recomendações O estudo da Estatística, usando uma abordagem ligada a situações da vida real e ao uso de tecnologias, apontam para uma visão optimista que esta poderá vir a ter na aprendizagem dos formandos dos cursos de Formação Profissional. Este tema também oferece uma oportunidade para se testarem hipóteses exploratórias de variadas situações do quotidiano dos formandos. A abordagem de situações relacionadas com o dia-a-dia motivou os formandos para as múltiplas aplicações da Matemática e da Estatística e estimulou a aprendizagem dos que tinham maior dificuldade na disciplina, mostrando-lhes as possíveis situações práticas de aplicação dos conceitos matemáticos. Além disso, poderão estabelecer-se conexões com 11

12 outros temas matemáticos a partir destes mesmos problemas. Por exemplo, o uso das facturas da água para introduzir a abordagem do tema Funções. 5. Bibliografia Agência Nacional de Educação e Formação de Adultos (2001). Educação e Formação de Adultos. Referencial de Competências - Chave. Lisboa: Anefa. Cazorla, I. & Santana, E. (2006). Tratamento da Informação para o Ensino Fundamental e Médio. Série Alfabetização Matemática, Estatística e Cientifica. Baía: Via Litteraum Editora. Coelho, S. (2007). Estatística na Formação Profissional: Uma abordagem usando facturas de água. (Tese de Mestrado, UTAD). Lisboa: APM. Instituto de Emprego e Formação Profissional (2001). Revisão Curricular, Matemática e Realidade. Setúbal: Escola Superior de Educação de Setúbal. Ludke, M. & André, M. (1986). Pesquisa em Educação: Abordagens Qualitativas. São Paulo: Editora Pedagógica e Universitária. Santos, L. (2000). A prática Lectiva como Actividade de Resolução de Problemas. Um estudo com três professoras do Ensino Secundário. (Tese de Doutoramento, FCUL). Lisboa: APM. Legislação Decreto-Lei N.º A2/79 D.R. Série I N.º 299 ( ) Decreto-Lei N.º 102/84, D.R. Série I A N.º 166 ( ) Decreto-Lei N.º 401/91, D.R. Série I A N.º 238 ( ) Despacho-Conjunto N.º 1083/2000 D.R. Série II N.º 268 ( ) Despacho-Conjunto N.º 453/2004 D.R. Série II N.º 175 ( ) 12

Critérios Gerais de Avaliação

Critérios Gerais de Avaliação Agrupamento de Escolas Serra da Gardunha - Fundão Ano Lectivo 2010/2011 Ensino Básico A avaliação escolar tem como finalidade essencial informar o aluno, o encarregado de educação e o próprio professor,

Leia mais

Aprender com o scratch. E.B. 2,3 José Afonso, Alhos Vedros Filomena Benavente e Ricardo Costa 5.º ano matemática

Aprender com o scratch. E.B. 2,3 José Afonso, Alhos Vedros Filomena Benavente e Ricardo Costa 5.º ano matemática Aprender com o scratch Filomena Benavente e Ricardo Costa 5.º ano matemática 2012 Aprender com o scratch Filomena Benavente e Ricardo Costa 2012 Designação: Aprender com o scratch Enquadramento curricular

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO DOS ALUNOS

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO DOS ALUNOS Cód. 161007 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA MEALHADA DIRECÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DO CENTRO Ano lectivo 2010-2011 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO DOS ALUNOS A avaliação das crianças e dos alunos (de diagnóstico,

Leia mais

KIT CICLO PEDAGÓGICO ESTUDO DO MEIO. Propostas para planeamento, exploração e avaliação de visitas a museus e centros de ciência.

KIT CICLO PEDAGÓGICO ESTUDO DO MEIO. Propostas para planeamento, exploração e avaliação de visitas a museus e centros de ciência. KIT_PEDA_EST_MEIO_5:FERIAS_5_6 09/12/28 15:07 Page 1 1. o CICLO KIT PEDAGÓGICO Pedro Reis ESTUDO DO MEIO 5 Propostas para planeamento, exploração e avaliação de visitas a museus e centros de ciência ISBN

Leia mais

ANO LETIVO 2013/2014 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO

ANO LETIVO 2013/2014 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO ANO LETIVO 2013/2014 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO Ensino Básico Os conhecimentos e capacidades a adquirir e a desenvolver pelos alunos de cada nível e de cada ciclo de ensino têm como referência os programas

Leia mais

C406. Ensino e aprendizagem com TIC na educação pré-escolar e no 1º ciclo do Ensino Básico

C406. Ensino e aprendizagem com TIC na educação pré-escolar e no 1º ciclo do Ensino Básico C406. Ensino e aprendizagem com TIC na educação pré-escolar e no 1º ciclo do Ensino Básico Formadores: Eunice Macedo e Carlos Moedas Formando: Irene do Rosário Beirão Marques Entidade formadora: Centro

Leia mais

C406. Ensino e Aprendizagem com TIC na Educação Pré-Escolar e no 1.º Ciclo do Ensino Básico

C406. Ensino e Aprendizagem com TIC na Educação Pré-Escolar e no 1.º Ciclo do Ensino Básico Plano de Formação para a Certificação de Competências TIC Nível 2-2010 C406. Ensino e Aprendizagem com TIC na Educação Pré-Escolar e no 1.º Ciclo do Ensino Básico - TURMA C - Formadores: Eunice Macedo

Leia mais

Trabalhos prioritários do ensino não superior e dos assuntos juvenis do ano lectivo de 2015/2016

Trabalhos prioritários do ensino não superior e dos assuntos juvenis do ano lectivo de 2015/2016 Trabalhos prioritários do ensino não superior e dos assuntos juvenis do ano lectivo de 2015/2016 Para que o início das aulas do novo ano lectivo se realize com facilidade, a Direcção dos Serviços de Educação

Leia mais

GESTÃO CURRICULAR LOCAL: FUNDAMENTO PARA A PROMOÇÃO DA LITERACIA CIENTÍFICA. José Luís L. d`orey 1 José Carlos Bravo Nico 2 RESUMO

GESTÃO CURRICULAR LOCAL: FUNDAMENTO PARA A PROMOÇÃO DA LITERACIA CIENTÍFICA. José Luís L. d`orey 1 José Carlos Bravo Nico 2 RESUMO GESTÃO CURRICULAR LOCAL: FUNDAMENTO PARA A PROMOÇÃO DA LITERACIA CIENTÍFICA José Luís L. d`orey 1 José Carlos Bravo Nico 2 RESUMO Resumo A Reorganização Curricular formalmente estabelecida pelo Decreto-lei

Leia mais

RELATÓRIO. Oficina de Formação

RELATÓRIO. Oficina de Formação RELATÓRIO Oficina de Formação Exploração e construção de situações de aprendizagem da matemática com programação em Scratch no pré escolar e no 1º ciclo do ensino básico Formadores: Miguel Figueiredo e

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 120 23 de Junho de 2010 2237

Diário da República, 1.ª série N.º 120 23 de Junho de 2010 2237 Diário da República, 1.ª série N.º 120 23 de Junho de 2010 2237 o previsto para os docentes da educação pré -escolar e do 1.º ciclo do ensino básico, continua aplicar -se o disposto no seu artigo 18.º

Leia mais

Ficha de Reflexão Individual :: Ano Letivo: 2011/2012

Ficha de Reflexão Individual :: Ano Letivo: 2011/2012 Disciplina: Educação Visual Unidade de trabalho: Apresentação Ano: 7º Turma: A Aula Nº: 3 e 4 Data: 22 de Setembro 2011 ANÁLISE CRÍTICA (1ª aula assitida) A aula decorreu com normalidade, houve um controle

Leia mais

PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE MATEMÁTICA 11ª Classe

PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE MATEMÁTICA 11ª Classe PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE MATEMÁTICA 11ª Classe Formação de Professores do 1º Ciclo do Ensino Secundário Formação Profissional Ficha Técnica Título Programa de Metodologia do Ensino de Matemática

Leia mais

Manual de Avaliação dos alunos do pré-escolar ao 9º ano de escolaridade

Manual de Avaliação dos alunos do pré-escolar ao 9º ano de escolaridade Manual de Avaliação dos alunos do pré-escolar ao 9º ano de escolaridade Índice Nota Introdutória Legislação Conceitos/Glossário de termos Princípios Orientadores e finalidades Documentos Nota Introdutória:

Leia mais

REFLEXÃO SOBRE A AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE. (De acordo com o Decreto Regulamentar nº2/2008, de 10 de Janeiro)

REFLEXÃO SOBRE A AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE. (De acordo com o Decreto Regulamentar nº2/2008, de 10 de Janeiro) REFLEXÃO SOBRE A AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE (De acordo com o Decreto Regulamentar nº2/2008, de 10 de Janeiro) Ao iniciar esta reflexão convém referir, caso subsista ainda alguma dúvida,

Leia mais

ASPECTOS DIDÁCTICOS DA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS

ASPECTOS DIDÁCTICOS DA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS ASPECTOS DIDÁCTICOS DA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS Paulo Carvalho, IEC Universidade do Minho, paulojfrcarvalho@net.sapo.pt Dores Ferreira, IEC Universidade do Minho, doresferreira@iec.uminho.pt Ema Mamede,

Leia mais

Geografia A. * Análise de Notícias. Escola ES/3 de Carvalhos Março 2007

Geografia A. * Análise de Notícias. Escola ES/3 de Carvalhos Março 2007 Escola ES/3 de Carvalhos Março 2007 Geografia A * Análise de Notícias Natureza das notícias: socio-económica Localização temporal: actualidade Localização espacial: Europa Jornal: Expresso Data de edição:

Leia mais

Observação das aulas Algumas indicações para observar as aulas

Observação das aulas Algumas indicações para observar as aulas Observação das aulas Algumas indicações para observar as aulas OBJECTVOS: Avaliar a capacidade do/a professor(a) de integrar esta abordagem nas actividades quotidianas. sso implicará igualmente uma descrição

Leia mais

Regulamento do Prémio de Mérito 2011/2012. Enquadramento

Regulamento do Prémio de Mérito 2011/2012. Enquadramento Enquadramento Lei nº 39/2010, de 2 de Setembro «CAPÍTULO VI Mérito escolar Artigo 51.º -A Prémios de mérito 1 Para efeitos do disposto na alínea h) do artigo 13.º, o regulamento interno pode prever prémios

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO D. MANUEL I, BEJA

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO D. MANUEL I, BEJA ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO D. MANUEL I, BEJA Plano Estratégico de Melhoria 2011-2012 Uma escola de valores, que educa para os valores Sustentabilidade, uma educação de, e para o Futuro 1. Plano Estratégico

Leia mais

ANEXO III REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO

ANEXO III REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO ANEXO III REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO Artigo 1.º Âmbito 1 - O presente regulamento de avaliação de desempenho aplica-se a todos os docentes que se encontrem integrados na carreira. 2 - A avaliação

Leia mais

Avaliação do Desempenho do. Pessoal Docente. Manual de Utilizador

Avaliação do Desempenho do. Pessoal Docente. Manual de Utilizador Avaliação do Desempenho do Pessoal Docente Manual de Utilizador Junho de 2011 V6 Índice 1 ENQUADRAMENTO... 4 1.1 Aspectos gerais... 4 1.2 Normas importantes de acesso e utilização da aplicação... 4 1.3

Leia mais

A AUTO-AVALIAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR EM PORTUGAL Cláudia Valadas Urbano 1

A AUTO-AVALIAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR EM PORTUGAL Cláudia Valadas Urbano 1 A AUTO-AVALIAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR EM PORTUGAL Cláudia Valadas Urbano 1 A presente comunicação resulta de um trabalho desenvolvido pelo CEOS Investigações Sociológicas da Faculdade de Ciências Sociais

Leia mais

GESTÃO CURRICULAR Educação Pré-Escolar e 1.º Ciclo do Ensino Básico

GESTÃO CURRICULAR Educação Pré-Escolar e 1.º Ciclo do Ensino Básico INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO GESTÃO CURRICULAR Educação Pré-Escolar e 1.º Ciclo do Ensino Básico Relatório 008-009 Colecção Relatórios FICHA TÉCNICA Título Gestão Curricular na Educação Pré-Escolar e no

Leia mais

Proposta para a construção de um Projecto Curricular de Turma*

Proposta para a construção de um Projecto Curricular de Turma* Proposta para a construção de um Projecto Curricular de Turma* Glória Macedo, PQND do 4º Grupo do 2º Ciclo do EB e Formadora do CFAE Calvet de Magalhães, Lisboa A Reorganização Curricular do Ensino Básico

Leia mais

Formação contínua de formadores com recurso ao e-learning

Formação contínua de formadores com recurso ao e-learning Revista Formar n.º 43 Formação contínua de formadores com recurso ao e-learning Os dados estão lançados. O IEFP lançou-se na formação a distância. O balanço inicial do curso a distância de Gestão da Formação

Leia mais

Departamento de Formação

Departamento de Formação FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE BADMINTON Departamento de Formação Documento Orientador de Formação de Treinadores Nível I, II e III Com apoio de: ÍNDICE INTRODUÇÃO 3 OBJECTIVOS 4 FUNÇÃO DO TREINADOR 4 SISTEMA

Leia mais

Universidade Aberta. Mestrado em Supervisão Pedagógica 2007/2009. Projecto de Dissertação de Mestrado

Universidade Aberta. Mestrado em Supervisão Pedagógica 2007/2009. Projecto de Dissertação de Mestrado Universidade Aberta Mestrado em Supervisão Pedagógica 2007/2009 Projecto de Dissertação de Mestrado Aprender a «viver juntos»: Que significado curricular no 1º. Ano? 30 de Setembro de 2008 Projecto de

Leia mais

Grupo Parlamentar ANTE-PROJECTO DE LEI N.º /X

Grupo Parlamentar ANTE-PROJECTO DE LEI N.º /X Grupo Parlamentar ANTE-PROJECTO DE LEI N.º /X ESTABELECE UM MODELO INTEGRADO DE AVALIAÇÃO DAS ESCOLAS E DO DESEMPENHO DE EDUCADORES E DOCENTES DO ENSINO BÁSICO E SECUNDÁRIO Exposição de motivos A avaliação

Leia mais

Centro de Formação de Associação de Escolas de. Paços de Ferreira, Paredes e Penafiel. Acção de Formação

Centro de Formação de Associação de Escolas de. Paços de Ferreira, Paredes e Penafiel. Acção de Formação Centro de Formação de Associação de Escolas de Paços de Ferreira, Paredes e Penafiel Acção de Formação Geogebra - Uma visita aos programas de Matemática dos 2º e 3º Ciclos Relatório final Pedro José Marques

Leia mais

A NATUREZA DA TAREFA E OS DESAFIOS DA GESTÃO CURRICULAR

A NATUREZA DA TAREFA E OS DESAFIOS DA GESTÃO CURRICULAR A NATUREZA DA TAREFA E OS DESAFIOS DA GESTÃO CURRICULAR Resumo Cecília Felício e Margarida Rodrigues EB 2,3 de Luísa Todi e ESE de Lisboa cecilia.felicio@sapo.pt, margaridar@eselx.ipl.pt Propomo-nos reflectir

Leia mais

Plano de Actividades 2009

Plano de Actividades 2009 Plano de Actividades 2009 Introdução No prosseguimento da sua missão consultiva, instituída no quadro da Lei de Bases do Sistema Educativo de 1986, e tendo por referência a Lei Orgânica (Decreto-lei nº

Leia mais

PROJETO SOCIAL CITY PETRÓPOLIS: NOVOS HORIZONTES NA APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA

PROJETO SOCIAL CITY PETRÓPOLIS: NOVOS HORIZONTES NA APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA 369 PROJETO SOCIAL CITY PETRÓPOLIS: NOVOS HORIZONTES NA APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA Jorge Leonardo Garcia (Uni-FACEF) Sílvia Regina Viel Rodrigues (Uni-FACEF) O Ensino da Matemática Hoje As aulas típicas

Leia mais

Curso de Especialização Tecnológica em Aplicações Informáticas de Gestão (CET-AIG)

Curso de Especialização Tecnológica em Aplicações Informáticas de Gestão (CET-AIG) Curso de Especialização Tecnológica em Aplicações Informáticas de Gestão (CET-AIG) 1. Plano Curricular do curso O curso de especialização tecnológica em Aplicações Informáticas de Gestão integra as componentes

Leia mais

Pobreza e Exclusão Social

Pobreza e Exclusão Social Pobreza e Exclusão Social Fontes de Informação Sociológica Carlos Ramos Coimbra, 2010 Ficha Técnica Titulo: Pobreza, Exclusão Social e Integração Este trabalho foi elaborado por Carlos Miguel Pereira Ramos,

Leia mais

FORMULÁRIO E RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE

FORMULÁRIO E RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO FORMULÁRIO E RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE IDENTIFICAÇÃO Unidade Orgânica: Docente avaliado: Departamento

Leia mais

PRÁTICAS DE AVALIAÇÃO COMO UM MEIO DE MOTIVAÇÃO. Celina Pinto Leão Universidade do Minho cpl@dps.uminho.pt

PRÁTICAS DE AVALIAÇÃO COMO UM MEIO DE MOTIVAÇÃO. Celina Pinto Leão Universidade do Minho cpl@dps.uminho.pt PRÁTICAS DE AVALIAÇÃO COMO UM MEIO DE MOTIVAÇÃO Celina Pinto Leão Universidade do Minho cpl@dps.uminho.pt O evidente decréscimo de conhecimento básico de matemática por parte dos alunos nos cursos de engenharia,

Leia mais

MODELAGEM MATEMÁTICA EM UM CURSO DE LICENCIATURA AÇÕES NA BUSCA DE UMA ABORDAGEM PEDAGÓGICA RESUMO

MODELAGEM MATEMÁTICA EM UM CURSO DE LICENCIATURA AÇÕES NA BUSCA DE UMA ABORDAGEM PEDAGÓGICA RESUMO MODELAGEM MATEMÁTICA EM UM CURSO DE LICENCIATURA AÇÕES NA BUSCA DE UMA ABORDAGEM PEDAGÓGICA Denise Knorst da Silva 1 denisek@unijui.tche.br RESUMO Neste trabalho é apresentada uma discussão sobre atividades

Leia mais

INDAGAR E REFLECTIR PARA MELHORAR. Elisabete Paula Coelho Cardoso Escola de Engenharia - Universidade do Minho elisabete@dsi.uminho.

INDAGAR E REFLECTIR PARA MELHORAR. Elisabete Paula Coelho Cardoso Escola de Engenharia - Universidade do Minho elisabete@dsi.uminho. INDAGAR E REFLECTIR PARA MELHORAR Elisabete Paula Coelho Cardoso Escola de Engenharia - Universidade do Minho elisabete@dsi.uminho.pt Este trabalho tem como objectivo descrever uma experiência pedagógica

Leia mais

ACORDO DE PRINCÍPIOS PARA A REVISÃO DO ESTATUTO DA CARREIRA DOCENTE E DO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS PROFESSORES DOS ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO

ACORDO DE PRINCÍPIOS PARA A REVISÃO DO ESTATUTO DA CARREIRA DOCENTE E DO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS PROFESSORES DOS ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO ACORDO DE PRINCÍPIOS PARA A REVISÃO DO ESTATUTO DA CARREIRA DOCENTE E DO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS PROFESSORES DOS ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO E DOS EDUCADORES DE INFÂNCIA Considerando a vontade comum do

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO HAPINEZ CENTRO DE EXCELÊNCIA PARA A PSICOLOGIA. Pág.1/19

REGULAMENTO INTERNO DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO HAPINEZ CENTRO DE EXCELÊNCIA PARA A PSICOLOGIA. Pág.1/19 REGULAMENTO INTERNO DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO HAPINEZ CENTRO DE EXCELÊNCIA PARA A PSICOLOGIA Pág.1/19 Índice DISPOSIÇÕES GERAIS 3 1. Localização 3 2. Âmbito 3 3. Política e Estratégia de Actuação 3 4. Inscrições

Leia mais

AVALIAÇÃO INTERNA DO AGRUPAMENTO. Agrupamento de Escolas nº2 de Beja - Mário Beirão

AVALIAÇÃO INTERNA DO AGRUPAMENTO. Agrupamento de Escolas nº2 de Beja - Mário Beirão AVALIAÇÃO INTERNA DO AGRUPAMENTO Agrupamento de Escolas nº2 de Beja - Mário Beirão Índice Introdução Objectivos Metodologia de Trabalho Áreas de Trabalho/ Conclusões Estruturas Formais Estruturas FísicasF

Leia mais

TRABALHO PRÁTICO E TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NUMA PERSPECTIVA CTS. AS PLANTAS NA MANUTENÇÃO DA VIDA

TRABALHO PRÁTICO E TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NUMA PERSPECTIVA CTS. AS PLANTAS NA MANUTENÇÃO DA VIDA TRABALHO PRÁTICO E TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NUMA PERSPECTIVA CTS. AS PLANTAS NA MANUTENÇÃO DA VIDA Sónia Balau Escola Superior de Educação, Instituto Politécnico de Castelo Branco sonia_balau@mail.ese.ipcb.pt

Leia mais

Projeto Educativo de Escola

Projeto Educativo de Escola Projeto Educativo de Escola Professor 2012-2016 Índice 1. Identificação 02 2. Introdução 03 3. Princípios... 04 4. Valores.. 06 5. Objetivos Metas Estratégias... 07 6. Avaliação 11 7. Bibliografia 12 8.

Leia mais

INGLÊS PROVA DE EXAME FINAL DE ÂMBITO NACIONAL DE. Nível de Iniciação. Data: 18.01.05 Número do Processo: SE.03.11/2005. 12.º Ano de Escolaridade

INGLÊS PROVA DE EXAME FINAL DE ÂMBITO NACIONAL DE. Nível de Iniciação. Data: 18.01.05 Número do Processo: SE.03.11/2005. 12.º Ano de Escolaridade gabinete de avaliação educacional INFORMAÇÃO N.º 11/05 Data: 18.01.05 Número do Processo: SE.03.11/2005 Para: Direcção-Geral de Inovação e de Desenvolvimento Curricular Inspecção Geral de Educação Direcções

Leia mais

RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA

RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA 2007/2008 DEPARTAMENTO Secção Autónoma de Ciências da Saúde 1. INTRODUÇÃO Em 2003 foi criado o Mestrado em Geriatria e Gerontologia, que se iniciou no

Leia mais

TRABALHO LABORATORIAL NO ENSINO DAS CIÊNCIAS: UM ESTUDO SOBRE AS PRÁTICAS DE FUTUROS PROFESSORES DE BIOLOGIA E GEOLOGIA

TRABALHO LABORATORIAL NO ENSINO DAS CIÊNCIAS: UM ESTUDO SOBRE AS PRÁTICAS DE FUTUROS PROFESSORES DE BIOLOGIA E GEOLOGIA TRABALHO LABORATORIAL NO ENSINO DAS CIÊNCIAS: UM ESTUDO SOBRE AS PRÁTICAS DE FUTUROS PROFESSORES DE BIOLOGIA E GEOLOGIA DOURADO, LUÍS Instituto de Educação e Psicologia, Universidade do Minho. Palavras

Leia mais

RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA

RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA ANO LECTIVO 2009/2010 [DEPARTAMENTO de EDUCAÇÃO] [Anabela Sousa Pereira] [Mestrado em Psicologia na especialização de Psicologia Clínica e da Saúde] 1.

Leia mais

Utilizar a Estatística com recurso ao Excel. 3.1.2 Escola(s) a que pertence(m): 3.1.3 Ciclos/Grupos de docência a que pertencem os proponentes:

Utilizar a Estatística com recurso ao Excel. 3.1.2 Escola(s) a que pertence(m): 3.1.3 Ciclos/Grupos de docência a que pertencem os proponentes: CONSELHO CIENTÍFICO-PEDAGÓGICO DA FORMAÇÃO CONTÍNUA b APRESENTAÇÃO DE ACÇÃO DE FORMAÇÃO NAS MODALIDADES DE ESTÁGIO, PROJECTO, OFICINA DE FORMAÇÃO E CÍRCULO DE ESTUDOS Formulário de preenchimento obrigatório,

Leia mais

1 Introdução. definido como aquele que conhece um conjunto de factos linguísticos.

1 Introdução. definido como aquele que conhece um conjunto de factos linguísticos. Capítulo I 19 20 21 1 Introdução 1.1. Motivos que conduziram ao estudo Ser um matemático já não se define como aquele que conhece um conjunto de factos matemáticos, da mesma forma que ser poeta não é definido

Leia mais

Instituto Politécnico de Lisboa. Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (ESTeSL) Gestão da Qualidade

Instituto Politécnico de Lisboa. Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (ESTeSL) Gestão da Qualidade Instituto Politécnico de Lisboa Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (ESTeSL) Gestão da Qualidade Relatório da Implementação de Medidas para a melhoria da Qualidade Abril 2011 1 Relatório da

Leia mais

Normas e Critérios Gerais de Avaliação. Cursos Profissionais

Normas e Critérios Gerais de Avaliação. Cursos Profissionais Normas e Critérios Gerais de Avaliação Cursos Profissionais O formador deve orientar toda a sua atividade didática no sentido de promover o sucesso educativo do formando através de planificações contextualizadas,

Leia mais

Tipologia Textual O conto. Competências a trabalhar associadas ao processo CO L CEL

Tipologia Textual O conto. Competências a trabalhar associadas ao processo CO L CEL Ministério da Educação Agrupamento de Escolas da Senhora da Hora nº2 Novo Programa de Português do Ensino Básico Sequência Didáctica 5º ano Ano lectivo de 2010/2011 Tipologia Textual O conto Competências

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM DESPORTO DA ESCOLA SUPERIOR DE DESPORTO DE RIO MAIOR DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM DESPORTO DA ESCOLA SUPERIOR DE DESPORTO DE RIO MAIOR DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM DESPORTO DA ESCOLA SUPERIOR DE DESPORTO DE RIO MAIOR DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM Artigo 1.º Natureza e âmbito de aplicação 1. O curso pretende atingir os objectivos

Leia mais

REGULAMENTO DA FORMAÇÃO

REGULAMENTO DA FORMAÇÃO REGULAMENTO DA FORMAÇÃO ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. OBJECTO E ÂMBITO DE APLICAÇÃO DO REGULAMENTO DA FORMAÇÃO... 3 3. POLÍTICA E ESTRATÉGIA DA ENTIDADE... 3 4. FORMAS E MÉTODOS DE SELECÇÃO... 4 4.1. Selecção

Leia mais

Regimento do Conselho Municipal de Educação

Regimento do Conselho Municipal de Educação Considerando que: 1- No Município do Seixal, a construção de um futuro melhor para os cidadãos tem passado pela promoção de um ensino público de qualidade, através da assunção de um importante conjunto

Leia mais

DIRETIVAS PARA A APLICAÇÃO DA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE DA EBI DA VILA DO TOPO

DIRETIVAS PARA A APLICAÇÃO DA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE DA EBI DA VILA DO TOPO DIRETIVAS PARA A APLICAÇÃO DA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE DA EBI DA VILA DO TOPO Comissão Coordenadora da Avaliação 2012/2013 INTRODUÇÃO 1) A avaliação de desempenho do pessoal docente desenvolve-se

Leia mais

HISTÓRICO DE REVISÕES REVISÃO DATA SÍNTESE DA REVISÃO

HISTÓRICO DE REVISÕES REVISÃO DATA SÍNTESE DA REVISÃO HISTÓRICO DE REVISÕES REVISÃO DATA SÍNTESE DA REVISÃO ELABORAÇÃO ASSINATURA APROVAÇÃO ASSINATURA ÍNDICE CAPÍTULO 1. POLÍTICA E ESTRATÉGIA/ÂMBITO... 3 1.1 POLÍTICA E ESTRATÉGIA DA ENTIDADE... 3 1.2 OBJECTIVO

Leia mais

Autores: Adelaide Campos Adelina Figueira Anabela Almeida Esmeralda Martins Maria José Rodrigues Maria de Lurdes Amaral

Autores: Adelaide Campos Adelina Figueira Anabela Almeida Esmeralda Martins Maria José Rodrigues Maria de Lurdes Amaral «ÁREA DE PROJECTO COMO FAZER?» Autores: Adelaide Campos Adelina Figueira Anabela Almeida Esmeralda Martins Maria José Rodrigues Maria de Lurdes Amaral Centro De Formação Penalva e Azurara Círculo de Estudos

Leia mais

Sistema de formação e certificação de competências

Sistema de formação e certificação de competências Sistema de Formação e Certificação de Competências Portal das Escolas Manual de Utilizador Docente Referência Projecto Manual do Utilizador Docente Sistema de formação e certificação de competências Versão

Leia mais

Centro de Informação Europeia Jacques Delors. Oferta formativa

Centro de Informação Europeia Jacques Delors. Oferta formativa Oferta formativa 2009/2010 Centro de Informação Europeia Jacques Delors DGAE / Ministério dos Negócios Estrangeiros Curso de Formação «A Cidadania Europeia e a Dimensão Europeia na Educação» Formação acreditada,

Leia mais

Regulamento Geral de Avaliação da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa

Regulamento Geral de Avaliação da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa Regulamento Geral de Avaliação da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa PREÂMBULO O actual Regulamento Geral de Avaliação (RGA) foi formulado, no essencial, em 2009 e reformulado em 2010. Teve

Leia mais

INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO PROGRAMA AFERIÇÃO

INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO PROGRAMA AFERIÇÃO INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO PROGRAMA AFERIÇÃO EFECTIVIDADE DA AUTO-AVALIAÇÃO DAS ESCOLAS PROJECTO ESSE Orientações para as visitas às escolas 1 Introdução As visitas às escolas realizadas segundo o modelo

Leia mais

Agrupamento de Escolas Anselmo de Andrade

Agrupamento de Escolas Anselmo de Andrade Índice Preâmbulo... 2 I - Órgãos de Administração e Gestão. 2 Secção I - Legislação aplicável. 2 Secção II - Conselho Geral. 2 Secção III - O Director. 4 Secção IV - Conselho Administrativo 5 Secção V

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Departamento de Línguas Grupos: 220; 300; 320; 330; 350 ESCOLA BÁSICA DO 2º CICLO DE PINHEL Critérios de Avaliação de Língua Portuguesa- 2º Ciclo O R A L I D A D E Componente Cognitiva

Leia mais

8274 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B N. o 282 6 de Dezembro de 2003

8274 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B N. o 282 6 de Dezembro de 2003 8274 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIEB N. o 282 6 de Dezembro de 2003 Portaria n. o 13/2003 de 6 de Dezembro Considerando que o DecretoLei n. o 205/96, de 25 de Outubro, vem alterar a disciplina jurídica da

Leia mais

PLANO DE FORMAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS 2012 FORMAÇÃO DE TREINADORES FEDERAÇÃO PORTUGUESA DO PENTATLO MODERNO

PLANO DE FORMAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS 2012 FORMAÇÃO DE TREINADORES FEDERAÇÃO PORTUGUESA DO PENTATLO MODERNO 1 PLANO DE FORMAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS 2012 FORMAÇÃO DE TREINADORES FEDERAÇÃO PORTUGUESA DO PENTATLO MODERNO 2 1. Introdução O processo de adaptação e ajustamento ao PNFT entra em 2012 na sua fase terminal

Leia mais

Dossiês Didácticos LUÍSA CANTO E CASTRO LOURA MARIA EUGÉNIA GRAÇA MARTINS

Dossiês Didácticos LUÍSA CANTO E CASTRO LOURA MARIA EUGÉNIA GRAÇA MARTINS www.alea.pt Dossiês Didácticos XIII Estatística Descritiva com Excel Complementos. LUÍSA CANTO E CASTRO LOURA MARIA EUGÉNIA GRAÇA MARTINS Departamento de Estatística e Investigação Operacional da Faculdade

Leia mais

Projecto de Avaliação do Desempenho Docente. Preâmbulo. Artigo 1.º. Objecto. Básico e Secundário, adiante abreviadamente designado por ECD. Artigo 2.

Projecto de Avaliação do Desempenho Docente. Preâmbulo. Artigo 1.º. Objecto. Básico e Secundário, adiante abreviadamente designado por ECD. Artigo 2. Projecto de Avaliação do Desempenho Docente Preâmbulo ( ) Artigo 1.º Objecto O presente diploma regulamenta o sistema de avaliação do desempenho do pessoal docente estabelecido no Estatuto da Carreira

Leia mais

47586 Diário da República, 2.ª série N.º 232 5 de Dezembro de 2011

47586 Diário da República, 2.ª série N.º 232 5 de Dezembro de 2011 47586 Diário da República, 2.ª série N.º 232 5 de Dezembro de 2011 2) Cartas de curso identificação do Reitor da Universidade Nova de Lisboa, identificação do titular do grau, n.º do documento de identificação

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 2º E 3º CICLOS DE GIL VICENTE. CURSOS PROFISSIONAIS Regulamento da Formação em Contexto de Trabalho (Proposta de trabalho)

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 2º E 3º CICLOS DE GIL VICENTE. CURSOS PROFISSIONAIS Regulamento da Formação em Contexto de Trabalho (Proposta de trabalho) ESCOLA SECUNDÁRIA COM 2º E 3º CICLOS DE GIL VICENTE CURSOS PROFISSIONAIS Regulamento da Formação em Contexto de Trabalho (Proposta de trabalho) Âmbito e Definição Artigo 1º 1. O presente documento regula

Leia mais

Critérios Gerais de Avaliação

Critérios Gerais de Avaliação Critérios Gerais de Avaliação Agrupamento de Escolas de Sátão 2015-2016 Introdução A avaliação constitui um processo regulador do ensino, orientador do percurso escolar e certificador dos conhecimentos

Leia mais

PROGRAMAÇÃO METODOLÓGICA DO DO CURSO

PROGRAMAÇÃO METODOLÓGICA DO DO CURSO PROGRAMAÇÃO METODOLÓGICA DO DO CURSO DESIGNAÇÃO DO CURSO FORMAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL DE FORMADORES DURAÇÃO DO CURSO 90 HORAS LOCAL E DATAS DE REALIZAÇÃO DA ACÇÃO DE FORMAÇÃO INSTALAÇÕES B-TRAINING, CONSULTING

Leia mais

FICHAS SÍNTESE NACIONAIS SOBRE OS SISTEMAS EDUCATIVOS NA EUROPA E REFORMAS EM CURSO PORTUGAL JUNHO 2009

FICHAS SÍNTESE NACIONAIS SOBRE OS SISTEMAS EDUCATIVOS NA EUROPA E REFORMAS EM CURSO PORTUGAL JUNHO 2009 FICHAS SÍNTESE NACIONAIS SOBRE OS SISTEMAS EDUCATIVOS NA EUROPA E REFORMAS EM CURSO PORTUGAL JUNHO 2009 1. População escolar e língua de instrução Em 2006-2007, o número de jovens entre os 0 e os 29 anos

Leia mais

Posição sobre o Ensino Qualificante

Posição sobre o Ensino Qualificante Posição sobre o Ensino Qualificante Índice Índice... 1 Introdução... 2 Educação e Formação Profissional de Dupla Certificação... 3 Cursos de Educação e Formação de Jovens (CEF)... 3 Cursos Tecnológicos...

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS de AVALIAÇÃO na EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR

CRITÉRIOS GERAIS de AVALIAÇÃO na EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR Agrupamento de Escolas José Maria dos Santos Departamento da Educação Pré Escolar CRITÉRIOS GERAIS de AVALIAÇÃO na EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR Introdução A avaliação é um elemento integrante e regulador da prática

Leia mais

REGULAMENTO DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

REGULAMENTO DA PRÁTICA PEDAGÓGICA REGULAMENTO DA PRÁTICA PEDAGÓGICA DOS CURSOS DE MESTRADO QUE CONFEREM HABILITAÇÃO PROFISSIONAL PARA A DOCÊNCIA NA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR E NO ENSINO BÁSICO O presente regulamento estabelece o enquadramento

Leia mais

Regras de enquadramento do POPH. O presente documento técnico integra fichas de síntese das principais Tipologias de Intervenção do POPH.

Regras de enquadramento do POPH. O presente documento técnico integra fichas de síntese das principais Tipologias de Intervenção do POPH. Regras de enquadramento do POPH O presente documento técnico integra fichas de síntese das principais Tipologias de Intervenção do POPH. Este documento é orientativo da regulamentação do Programa, não

Leia mais

ACEF/1112/14972 Relatório preliminar da CAE

ACEF/1112/14972 Relatório preliminar da CAE ACEF/1112/14972 Relatório preliminar da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Instituto Politécnico De Leiria A.1.a. Identificação

Leia mais

Ciências / TIC na Escola Dimensões de Cidadania. Adelina Machado João Carlos Sousa

Ciências / TIC na Escola Dimensões de Cidadania. Adelina Machado João Carlos Sousa Ciências / TIC na Escola Dimensões de Cidadania Adelina Machado João Carlos Sousa Ser cidadão hoje... é algo de complexo... integra na construção da sua identidade duas dimensões: uma referente às pertenças

Leia mais

A Implementação do Processo de Bolonha em Portugal e os Relatórios Institucionais da sua Concretização uma Análise Exploratória

A Implementação do Processo de Bolonha em Portugal e os Relatórios Institucionais da sua Concretização uma Análise Exploratória A Implementação do Processo de Bolonha em Portugal e os Relatórios Institucionais da sua Concretização uma Análise Exploratória António M. Magalhães CIPES/FPCEUP Apresentação: 1. A implementação do Processo

Leia mais

ANEXO II. Regulamentação da Educação Profissional Técnica de Nível Médio Integrado. Capítulo I Da admissão

ANEXO II. Regulamentação da Educação Profissional Técnica de Nível Médio Integrado. Capítulo I Da admissão ANEXO II ORGANIZAÇÃO DIDÁTICA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA SERTÃO PERNANBUCANO Resolução nº 031/2010 De 30 de setembro de 2010 Regulamentação da Educação Profissional Técnica de

Leia mais

Entrevista ao Professor

Entrevista ao Professor Entrevista ao Professor Prof. Luís Carvalho - Matemática Colégio Valsassina - Lisboa Professor Luís Carvalho, agradecemos o tempo que nos concedeu para esta entrevista e a abertura que demonstrou ao aceitar

Leia mais

Perguntas Mais Frequentes Sobre

Perguntas Mais Frequentes Sobre Perguntas Mais Frequentes Sobre Neste documento pretende a Coordenação do Programa Nacional de Desfibrilhação Automática Externa (PNDAE) reunir uma selecção das perguntas mais frequentemente colocadas

Leia mais

Manual de Procedimentos POSI-E3

Manual de Procedimentos POSI-E3 Manual de Procedimentos POSI-E3 13 de Abril de 2012 1 Índice 1. INTRODUÇÃO 3 2. COORDENAÇÃO GERAL 5 3. DOCENTES E DISCIPLINAS 7 3.1 INFORMAÇÃO AOS ALUNOS 7 3.2 RELAÇÕES ALUNOS / DOCENTES 8 4.1 ÁREA PEDAGÓGICA

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 37 21 de fevereiro de 2012 855

Diário da República, 1.ª série N.º 37 21 de fevereiro de 2012 855 Diário da República, 1.ª série N.º 37 21 de fevereiro de 2012 855 Artigo 150.º Docentes do ensino particular e cooperativo (Renumerado pelo Decreto -Lei n.º 1/98, de 1 de Janeiro.) (Revogado.) Artigo 151.º

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS RUY BELO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS RUY BELO PLANO DE FORMAÇÃO 1 PLANO DE FORMAÇÃO Índice Introdução 4 Pressupostos teóricos 5 Enquadramento legal 7 Âmbito da formação (objetivos) 9 Docentes Não docentes Pais e encarregados de educação Levantamento

Leia mais

Escola Profissional do Sindicato do Escritório e Comércio da Região Autónoma dos Açores. Projeto Educativo. Educar para a Cidadania

Escola Profissional do Sindicato do Escritório e Comércio da Região Autónoma dos Açores. Projeto Educativo. Educar para a Cidadania Escola Profissional do Sindicato do Escritório e Comércio da Região Autónoma dos Açores Projeto Educativo Educar para a Cidadania Preâmbulo O Projeto Educativo é o documento que consagra a orientação educativa

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO ANO LECTIVO

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO ANO LECTIVO CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO ANO LECTIVO 2008/2009 A avaliação é um processo regulador das aprendizagens, orientador do percurso escolar e certifica as aquisições realizadas pelos/as alunos/as. Na avaliação

Leia mais

Planificação. Alexandra Baldaque

Planificação. Alexandra Baldaque Planificação Alexandra Baldaque Sumário Modelos de planificação Razões para planificar Fases da planificação Períodos de planificação Instrumentos de planificação Planificação A planificação passa pela

Leia mais

Não sei em que mês nasci!

Não sei em que mês nasci! Não sei em que mês nasci! Cristina Martins, Escola Superior de Educação do Instituto Politécnico de Bragança Paula Maria Barros, Escola Superior do Instituto Politécnico de Educação de Bragança Introdução

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Ensino Básico

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Ensino Básico AGRUPAMENTO de ESCOLAS JOSÉ CARDOSO PIRES CÓDIGO 170719 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Ensino Básico PARÂMETROS GERAIS 1. MODALIDADES DA AVALIAÇÃO 1.1 Avaliação diagnóstica 1.2 Avaliação formativa 1.3 Avaliação

Leia mais

AULA. Natércia do Céu Andrade Pesqueira Menezes UNIVERSIDADE PORTUCALENSE. npmeneses@gmail.com. Doutora Sónia Rolland Sobral

AULA. Natércia do Céu Andrade Pesqueira Menezes UNIVERSIDADE PORTUCALENSE. npmeneses@gmail.com. Doutora Sónia Rolland Sobral MOTIVAÇÃO DE ALUNOS COM E SEM UTILIZAÇÃO DAS TIC EM SALA DE AULA Natércia do Céu Andrade Pesqueira Menezes UNIVERSIDADE PORTUCALENSE npmeneses@gmail.com Doutora Sónia Rolland Sobral UNIVERSIDADE PORTUCALENSE

Leia mais

PROPOSTA DE REVISÃO CURRICULAR APRESENTADA PELO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA POSIÇÃO DA AMNISTIA INTERNACIONAL PORTUGAL

PROPOSTA DE REVISÃO CURRICULAR APRESENTADA PELO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA POSIÇÃO DA AMNISTIA INTERNACIONAL PORTUGAL PROPOSTA DE REVISÃO CURRICULAR APRESENTADA PELO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA POSIÇÃO DA AMNISTIA INTERNACIONAL PORTUGAL A Amnistia Internacional Portugal defende a manutenção Formação Cívica nos 2.º

Leia mais

Bilinguismo, aprendizagem do Português L2 e sucesso educativo na Escola Portuguesa

Bilinguismo, aprendizagem do Português L2 e sucesso educativo na Escola Portuguesa Bilinguismo, aprendizagem do Português L2 e sucesso educativo na Escola Portuguesa Projecto-piloto em desenvolvimento no ILTEC (Instituto de Linguística Teórica e Computacional) com financiamento e apoio

Leia mais

PROGRAMA DE EMPREENDEDORISMO 10ª e 11ª Classes

PROGRAMA DE EMPREENDEDORISMO 10ª e 11ª Classes república de angola ministério da educação PROGRAMA DE EMPREENDEDORISMO 10ª e 11ª Classes Formação de Professores do 1º Ciclo do Ensino Secundário FASE DE EXPERIMENTAÇÃO Ficha Técnica Título Programa de

Leia mais

REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DOS CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA

REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DOS CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DOS CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA Artigo 1.º (disposições gerais) 1. O presente Regulamento obedece aos princípios consignados nos diversos normativos que a tutela legislou

Leia mais

MESTRADO INTEGRADO EM ARQUITETURA NORMAS REGULAMENTARES ARTIGO 1.º. Grau

MESTRADO INTEGRADO EM ARQUITETURA NORMAS REGULAMENTARES ARTIGO 1.º. Grau MESTRADO INTEGRADO EM ARQUITETURA NORMAS REGULAMENTARES ARTIGO 1.º Grau 1. A ESAP confere o grau de Mestre em Arquitetura, através de Mestrado Integrado, na especialidade de Arquitetura e comprova um nível

Leia mais

O papel da prática pedagógica na formação inicial do docente

O papel da prática pedagógica na formação inicial do docente Perspectivas e expectativas em relação à formação inicial e à profissão de educadora de Infância Ana Rita Graciano, Isabel Fialho IPSS Obra de S. José Operário, Évora Universidade de Évora Palavras-chave:

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. 7462 Diário da República, 2.ª série N.º 35 19 de Fevereiro de 2010. Gabinete do Secretário de Estado Adjunto e da Educação

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. 7462 Diário da República, 2.ª série N.º 35 19 de Fevereiro de 2010. Gabinete do Secretário de Estado Adjunto e da Educação 7462 Diário da República, 2.ª série N.º 35 19 de Fevereiro de 2010 8.2 Do requerimento devem constar os seguintes elementos: a) Identificação completa (nome, filiação, naturalidade, data de nascimento,

Leia mais