Economia Conceitos e Exercícios

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Economia Conceitos e Exercícios"

Transcrição

1 Economia Conceitos e Exercícios Noções gerais. Economia é a Ciência que estuda como os Agentes Econômicos (Empresas, Famílias, Governo) decidem utilizar recursos produtivos escassos para atender as necessidades humanas (ilimitadas). O estudo e análise da Economia dividemse em Macroeconomia e Microeconomia. A Macroeconomia estuda os fenômenos que afetam a economia como um todo: os níveis de consumo das famílias, os investimentos das empresas, as políticas fiscais e monetárias do governo, a inflação e a moeda, os níveis de desenvolvimento econômico e o comportamento do mercado de trabalho. A Microeconomia analisa o comportamento das unidades de consumo (indivíduos, famílias e empresas) e os mecanismos de formação de preços dos bens oferecidos ao mercado, serviços em geral e fatores produtivos. A Microeconomia estuda principalmente como as empresas e os consumidores agem e interagem no mercado: As famílias procurando maximizar seus níveis de satisfação e utilidade; As empresas buscando maximizar seus lucros. O estudo da microeconomia abrange: Teoria do Consumidor: Estuda as preferências dos consumidores, suas escolhas e as restrições quanto a valores e a demanda de mercado. Teoria de Empresa: Estuda a integração do capital e do trabalho de uma empresa visando disponibilizar produtos para atender a demanda do mercado e a oferta dos consumidores dispostos a consumi-los.

2 O estudo da microeconomia abrange: Teoria da Produção: Estuda o processo de transformação da matéria-prima em produtos específicos para a venda no mercado. A teoria da produção envolve serviços como transportes, atividades financeiras, comércio e outros. Fatores de produção: Capital; Trabalho; Recursos naturais; Tecnologia. Problemas econômicos: O que e quanto produzir? Como produzir? Para quem produzir? A que preço oferecer? Custo de oportunidade: São as perdas econômicas resultantes de nossas escolhas. A cada escolha abrimos mão de outras opções. A mensuração econômica das perdas determina o custo de oportunidade. Movimento circular da economia MERCADO DE BENS E SERVIÇOS Demanda Oferta Famílias EMPRESAS Oferta Demanda MERCADO DE FATORES DE PRODUÇÃO 1. A Ação do Governo na Economia 1.1 Funções econômicas do governo Para ser eficaz o governo executa quatro funções econômicas: Função Alocativa, Função Distributiva e Função Estabilizadora. Função Reguladora

3 Função alocativa: Refere-se à alocação de recursos visando a oferta de bens públicos (transportes, estrutura de segurança), bem estar social (educação, cultura, saúde, combate à fome), e infraestrutura (saneamento, habitação popular, energia elétrica); Função distributiva: É a redistribuição da renda e da riqueza nacional realizada através das transferências de recursos as parcelas carentes da população (reforma agrária, bolsa família, energia elétrica subsidiada, previdência social, saúde pública, habitação popular, quotas estudantis, bolsas de estudos, etc.) Função estabilizadora: É a aplicação de políticas públicas visando a geração de empregos, o desenvolvimento social e a convivência pacífica entre os cidadãos. Função reguladora: O governo regula a atividade econômica utilizando-se de leis e dispositivos administrativos (controle de preços, leis de proteção ao consumidor, etc.) visando otimizar o uso de recursos em favor do bem comum. 1.2 Ações da atividade econômica desempenhadas pelo Setor Público. Incentivos e investimentos em atividades que geram grande número de empregos: construção civil, rodovias e geração de energia; áreas da saúde, saneamento e educação, entre outras. 1.2 Ações da atividade econômica desempenhadas pelo Setor Público. Ações de transferências de recursos para a população de baixa renda visando, o atendimento imediato de necessidades e a busca de uma melhor distribuição da riqueza e da renda.

4 1.2 Ações da atividade econômica desempenhadas pelo Setor Público. O combate à formação de monopólios, e ao abuso do poder econômico, estimulando a existência da livre concorrência. 1.2 Ações da atividade econômica desempenhadas pelo Setor Público. A preocupação com o impacto social dos investimentos realizados, e não apenas com a maximização do lucro como ocorre na maioria das empresas privadas. 1.2 Ações da atividade econômica desempenhadas pelo Setor Público. A fixação e fiscalização do cumprimento de regras claras e amplas nos contratos firmados entre consumidores e fornecedores, nacionais ou internacionais. 1.2 Ações da atividade econômica desempenhadas pelo Setor Público. A aplicação de políticas econômicas, fiscais e tributárias visando o combate à inflação e à concentração de renda e riqueza. 1.2 Ações da atividade econômica desempenhadas pelo Setor Público. A disponibilização de recursos a fundo perdido ou com taxas de juros mais favoráveis para a população enfrentar e superar desastres de origem climáticas ou causados por guerras ou distúrbios sociais. 1.3 Política Fiscal O governo atua na economia: - Arrecadando impostos e - Efetuando gastos públicos.

5 1.3 Política Fiscal O governo arrecada dinheiro para cobrir seus gastos, efetuar investimentos na economia em estradas, pontes, escolas, hospitais, pagamentos dos servidores públicos e para alterar o processo de distribuição de renda..3 Política Fiscal O foco da Política Fiscal é atuar com eficiência sobre a administração da arrecadação e dos gastos visando: Promover o bem-estar da população através de investimentos de necessidade coletiva e Manter um orçamento público equilibrado..3 Política fiscal A maneira como o governo efetua seus gastos pode determinar o crescimento da economia, através de investimentos em infra-estrutura por exemplo, ou sua estabilização, através de ajustes fiscais restritivos.3 Política Fiscal Os gastos públicos dividem-se em quatro grupos: - O consumo do próprio governo em custos para o seu funcionamento. - Transferências. - Juros da dívida pública e - Subsídios ao setor privado 1.3 Política Fiscal A arrecadação é efetuada a partir de impostos diretos, como o IR, IPVA, IPTU, e de impostos indiretos como IPI, ICMS, ISS. A princípio, à medida que a alíquota de impostos aumenta, a arrecadação tende a elevar. Entretanto, há um limite. 1.3 Política Fiscal Quando há um aumento na alíquota de imposto, a arrecadação se eleva, mas existe um patamar máximo. Após esse patamar a arrecadação tende a decrescer, pois um expressivo aumento na alíquota irá provocar a sonegação, bem como o desestímulo à atividade produtiva.

6 1.3.1 Conceitos de Déficit e Superávit. Déficit é uma situação em que o governo gasta mais do que arrecada, Isso significa que parte de seus gastos não foi financiada pela arrecadação. Superávit ocorre quando a arrecadação do governo é maior que os seus gastos Déficit e Superávit. Quando os gastos são maiores que a arrecadação déficit público - o governo pode elevar a carga tributária e reduzir seus gastos. Se o déficit persistir o governo costuma emitir moeda e fazer empréstimos emitindo mais títulos da dívida pública Déficit e Superávit. No primeiro caso, - emissão de moeda - O governo efetua empréstimos junto ao Banco Central. No segundo caso, - emissão de títulos - O governo vende títulos da dívida pública através do open market (compra e venda de títulos da dívida pública efetuadas pelo BACEN) Política Fiscal Expansiva Com um Aumento dos gastos públicos e redução da carga tributária, ocorre: - Aumento nos investimentos - Aumento no nível de emprego - Aumento na renda - Aumento no consumo - Crescimento Econômico Política Fiscal Restritiva Com a redução dos gastos públicos e aumento da carga tributária, ocorre: - Redução nos investimentos - Queda no nível de emprego - Queda na renda - Queda no consumo. - Recessão 1.4 Política Monetária O governo detém o monopólio da emissão de moeda através do BACEN. Então, a Política Monetária pode ser definida como a forma que as autoridades monetárias controlam a oferta de moeda, controlando assim a liquidez no sistema econômico e, consequentemente, as taxas de juros.

7 1.4 Política Monetária A Política Monetária possui três instrumentos para oferecer moeda: a) Depósito Compulsório; b) Open Market; c) Operação de Redesconto. 1.4 Política Monetária Através desses instrumentos as autoridades monetárias (BACEN), controlam o volume de moeda em circulação, logo controlam a taxa de juro. Qual a relação entre moeda em circulação e taxa de juro? Todas as mercadorias possuem um preço, como o dinheiro também é uma mercadoria ele tem preço: seu preço é a taxa de juro..4 Política Monetária Quanto maior for o volume de moeda disponibilizada no mercado, maior a liquidez do sistema econômico, e menor será o preço da moeda menor será a taxa de juro. Logo, quanto menor for a liquidez maior será a taxa de juro. 1.5 Tributação Fiscalidade e extrafiscalidade Um tributo é fiscal (fiscalidade) quando a sua cobrança visa apenas a arrecadação de recursos financeiros, com o objetivo de sustentar os encargos que são próprios dos órgãos da Administração Fiscalidade e extrafiscalidade A extrafiscalidade caracteriza-se pelo exercício da cobrança para atender a outros interesses que não os de mera arrecadação de recursos financeiros. O interesse geralmente é a correção de situações sociais ou econômicas específicas Cumulatividade e não cumulatividade Tributo cumulativo É o tributo que incide em todas as etapas intermediárias dos processos produtivo e/ou de comercialização de um bem, inclusive sobre o próprio tributo já pago, da origem até o consumidor final, influindo na composição de seu custo e, em conseqüência, na fixação de seu preço de venda.

8 1.5.2 Cumulatividade e não cumulatividade Tributo não-cumulativo É o tributo que, na etapa subseqüente dos processos produtivos e/ou de comercialização, não incide sobre o mesmo tributo pago/recolhido na etapa anterior. Exemplo: ICMS. 2. Lei da Oferta e da Demanda O preço de um produto ou serviço é determinado pela oscilação contínua entre as quantidades ofertadas e demandadas, e é fixado a partir da relação entre a intensidade da procura e o grau de necessidade do comprador. 2. Lei da Oferta e da Demanda Oferta é a quantidade do produto disponibilizado ao mercado. Demanda é o grau ou volume de interesse de compra verificado no mercado 2. Lei da Oferta e da Demanda A oferta de um produto ou serviço é função da perspectiva de lucro de quem oferece. A procura é influenciada pela preferência do consumidor final, a compatibilidade entre preço e qualidade, a facilidade de compra do produto e o poder de compra do consumidor. 2. Lei da Oferta e da Demanda O resultado desse processo são os preços de equilíbrio; é o patamar no qual consumidor e produtor realizam seus interesses. 2.1 Lei da Demanda A Lei da Demanda estabelece que considerando constantes os demais fatores (ceteris paribus), a quantidade demandada de um bem ou serviço varia no sentido inverso do seu preço; Então: a quantidade demandada é tanto maior quanto menor for o seu preço e vice-versa.

9 Representação gráfica da Curva de Demanda. 2.2 Lei da Oferta. A Oferta de um produto refere-se às quantidades que os produtores estão dispostos a produzir e ofertar a um determinado preço e por um determinado tempo. 2.2 Lei da Oferta. A Lei Geral da Oferta estabelece que quanto maior o preço maior será a quantidade produzida e ofertada pelos produtores, e vice-versa: quanto menor o preço de mercado, menor a quantidade ofertada. Então a oferta é diretamente proporcional ao preço. Representação gráfica da curva da Oferta. 2.3 O preço de equilíbrio. O preço de equilíbrio entre oferta e procura ocorre no ponto do gráfico em que acontece a plena satisfação da oferta e da procura a um determinado preço. Em qualquer outro ponto haverá excesso de oferta ou excesso de procura. Representação gráfica do equilíbrio entre Oferta e Procura (Demanda).

10 2.4 A lógica dos mercados Os preços no mercado são a expressão monetária do valor das mercadorias e dos serviços e refletem o equilíbrio entre os interesses dos vendedores e as expectativas dos compradores. A concorrência é importante para a existência de um mercado saudável. 2.4 A lógica dos mercados Os mercados caracterizam-se pela seguinte estrutura: concorrência perfeita; monopólio e oligopólio Concorrência perfeita Existe concorrência perfeita quando: O número de compradores e vendedores é tão grande que nenhum deles, individualmente, tem condições para influir nos preços praticados. Os produtos são homogêneos podendo ser fabricados por muitos produtores Concorrência perfeita. Os produtores e consumidores têm mobilidade e não há acordo de preço entre os participantes do mercado. O preço é definido de maneira impessoal, ninguém individualmente o estabelece. Há transparência no mercado. Não há informações privilegiadas para qualquer agente econômico Monopólio A situação de monopólio ocorre quando: Há no mercado apenas um vendedor. O produto do vendedor não tem substituto próximo. Não há alternativas para os consumidores. A entrada de concorrentes no mercado é muito difícil. O único vendedor tem poder total sobre a formação dos preços Oligopólios É o atual modelo dominante: Há um pequeno grupo de grandes vendedores que dominam um ou vários ramos de produção e dividem entre si o mercado. Há grandes obstáculos para a entrada de concorrentes Há acordo de preços entre os fornecedores.

11 3 Inflação Inflação é um fenômeno macroeconômico, se caracteriza pelo aumento contínuo e generalizado dos preços. Os movimentos inflacionários não devem ser confundidos com aumentos esporádicos de preços, devido a flutuações sazonais. 3.1 Tipos de Inflação a) Inflação de Demanda: Ocorre quando a demanda agregada supera a oferta agregada. Para combater a inflação de demanda as autoridades monetárias utilizam: Redução nos gastos do governo, aumento da carga tributária, arrocho salarial, aumento na taxa de juros. 3.1 Tipos de Inflação b) Inflação de Custo: Está associada a uma inflação de oferta, a partir de aumentos nos custos dos fatores de produção, gerando retração da produção. As causas podem ser: Causas da Inflação de Custo: Salários - Aumentos nos salários que superem os aumentos na produtividade eleva o custo unitário de produção. Matériasprimas - Ocasionado por fatores exógenos (externos) como problemas no fornecimento de matérias-primas: transporte, energia, inundações, secas. Estrutura de Mercado - Poder de oligopólios e monopólios sobre os preços do mercado. 3.1 Tipos de inflação. c) Inflação Inercial: Ocorre quando os agentes econômicos adaptam suas expectativas a uma determinada taxa de inflação. Esta taxa esperada é denominada de Inflação Inercial Tipos de inflação. c) Inflação Inercial: Incorpora-se, a contratos e acordos informais. A tendência é ela se elevar no decorrer do tempo pelo aumento nos preços superiores às expectativas, devido à falta de credibilidade na moeda corrente. Provoca distorção nos preços e uma caminhada para a hiperinflação.

12 3.2 Efeitos da Inflação a) Distribuição de Renda: Provoca a redução do poder aquisitivo das classes que dependem de rendimento fixo (classe assalariada). Na população com baixos rendimentos, a inflação funciona como um imposto (imposto inflacionário), pois suga parte do rendimento mensal. 3.2 Efeitos da Inflação b) Balança Comercial: encarece os produtos nacionais, estimulando a importação, o que poderá aumentar o déficit na Balança (o volume em US$ das importações é maior que das exportações) Efeitos da Inflação c) Corrosão da receita do governo: O governo busca alternativas (indexação) para corrigir o valor dos tributos. d) Expectativa de Agentes Econômicos: O setor empresarial é sensível às distorções de preços causadas pela inflação, comprometendo assim as suas decisões de novos investimentos. 3.3 Medição da Inflação O índice utilizado para medir a inflação é o IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo) publicado pelo IBGE. O IPCA é um instrumento de medição da inflação cujo universo da pesquisa abrange pessoas com rendimento entre 1 a 40 salários mínimos, a partir de 7 cestas de consumo: Alimentação, Artigos de Residência, Habitação, Transporte e Comunicação, Vestuário, Saúde e Despesas Pessoais. 4. Crescimento Econômico Crescimento Econômico é o aumento contínuo do Produto Interno Bruto (PIB) e per capita ao longo do tempo. 4.1 PIB PER CAPITA O PIB per capita é o principal indicador de crescimento econômico de uma nação. A fórmula do PIB per capita é: PIB per capita = PIB/População

13 4.1 PIB PER CAPITA O produto (PIB) gerado em uma economia é igual à renda. Logo, PIB per capita é igual a Renda per capita. À medida que o produto cresce, cresce também a renda média da população. Logo, a expansão do mercado interno ocorre a partir do crescimento do produto. 4.2 Crescimento Sustentado Para que uma economia tenha crescimento econômico sustentado é necessário: a) Acumulação de Capital, acontece com o aumento de máquinas, equipamentos e indústrias; obras em infra-estrutura: estradas, usinas; investimentos em pessoas com melhor produtividade da mão-de-obra. 4.2 Crescimento Sustentado b) Crescimento da População O aumento na população gera um contingente de mão-de-obra e, conseqüentemente, consumidores para uma nação, ou seja, conduz para a formação de um mercado interno. 4.2 Crescimento Sustentado c) Progresso Tecnológico O crescimento econômico deve trazer consigo significativas mudanças no padrão de tecnologia de uma nação. 4.2 Crescimento Sustentado O Crescimento Econômico depende de consumo por parte das famílias por bens e serviços; por parte das empresas por investimento; por parte do governo em gastos, e por exportações. 5 - Investimento Enquanto a estrutura de gastos das famílias não sofre alterações ao longo do tempo, o investimento das empresas é volátil e sujeito a oscilações, inclusive no curto prazo. São fatores determinantes da decisão de investir:

14 5 Investimento a) Capacidade Ociosa a capacidade ociosa refere-se a não utilização plena do potencial de uma empresa. Se a capacidade ociosa for muito elevada, o investimento empresarial não ocorre rápido caso ocorra uma retomada no consumo. 5 Investimento b) Ambiente de Negócios Projeções sobre o crescimento da economia taxa de crescimento do PIB são fundamentais para estimular novos investimentos. 5 Investimento c) Retorno Quanto mais atrativas forem as margens de lucro em uma economia, maior será o retorno esperado por um empreendimento e maior a propensão para investir. 5 Investimento d) Gastos do Governo - Os gastos do governo e a carga tributária, são importantes para determinar o Crescimento Econômico. O governo pode estimular a economia a partir de seus gastos em obras de interesse coletivo e reduzir a carga tributária, estimular a economia. 5 Investimento e) Exportações - As exportações também fazem parte do conjunto dos determinantes do crescimento econômico. Questões de concursos

15 1. Na maioria dos países, o aumento histórico da participação do gasto público no PIB explica-se, em parte, pelo aumento expressivo das demandas sociais gerado pela intensificação do processo de urbanização. 1. Na maioria dos países, o aumento histórico da participação do gasto público no PIB explica-se, em parte, pelo aumento expressivo das demandas sociais gerado pela intensificação do processo de urbanização. Correta. 2. Uma das funções da moeda é servir como instrumento ou meio de troca. A disseminação de cartões de crédito, ao permitir que as pessoas façam seus pagamentos de uma só vez, contribui para reduzir a demanda de moeda por motivos transacionais. 2. Uma das funções da moeda é servir como instrumento ou meio de troca. A disseminação de cartões de crédito, ao permitir que as pessoas façam seus pagamentos de uma só vez, contribui para reduzir a demanda de moeda por motivos transacionais. Gabarito: Correta. 3. O financiamento dos gastos do governo pela criação de base monetária provoca, no longo prazo, aumento do(a): a) Inflação b) Nível de reservas internacionais c) Endividamento externo d) Endividamento público e) Endividamento privado 3. O financiamento dos gastos do governo pela criação de base monetária provoca, no longo prazo, aumento do(a): a) Inflação b) Nível de reservas internacionais c) Endividamento externo d) Endividamento público e) Endividamento privado

16 4. A expansão dos gastos públicos eleva o déficit público, cuja monetização aumenta a base monetária, levando, assim, à frouxidão das políticas monetárias. 4. A expansão dos gastos públicos eleva o déficit público, cuja monetização aumenta a base monetária, levando, assim, à frouxidão das políticas monetárias. Gabarito: Correta. 5. Políticas de orçamento equilibrado que implicam aumento simultâneo e da mesma ordem de magnitude, das despesas públicas e da arrecadação eliminam déficits ou superávits fiscais e são, por conseguinte, incompatíveis com a gestão dos ciclos econômicos. 5. Políticas de orçamento equilibrado que implicam aumento simultâneo e da mesma ordem de magnitude, das despesas públicas e da arrecadação eliminam déficits ou superávits fiscais e são, por conseguinte, incompatíveis com a gestão dos ciclos econômicos. Gabarito: Errada. 6. A noção de custo de oportunidade relaciona-se estreitamente com o conceito de escassez. 6. A noção de custo de oportunidade relaciona-se estreitamente com o conceito de escassez. Gabarito: Correta. Custo de oportunidade: São as perdas econômicas resultantes de nossas escolhas. A cada escolha abrimos mão de outras opções. A mensuração econômica das perdas determina o custo de oportunidade.

17 7. Políticas efetivas de fixação do salário nominal mínimo exigem que ele seja fixado acima do salário de equilíbrio do mercado de trabalho, porém essa política salarial poderá causar desemprego, especialmente no segmento não qualificado do mercado de trabalho. 7. Políticas efetivas de fixação do salário nominal mínimo exigem que ele seja fixado acima do salário de equilíbrio do mercado de trabalho, porém essa política salarial poderá causar desemprego, especialmente no segmento não qualificado do mercado de trabalho. Gabarito: Correta 8. Políticas de controle de preços, aplicadas a um determinado mercado, procuram determinar o preço de transação desse mercado, porém não alteram a quantidade transacionada no equilíbrio competitivo. 8. Políticas de controle de preços, aplicadas a um determinado mercado, procuram determinar o preço de transação desse mercado, porém não alteram a quantidade transacionada no equilíbrio competitivo. Gabarito: Errada. 9. Caso um setor estratégico da economia que produz um bem comercializável encontre-se dominado por um produtor monopolista, a abertura internacional desse mercado poderá trazer grandes ganhos de produtividade e, consequentemente, maior eficiência alocativa para o conjunto da economia. 9. Caso um setor estratégico da economia que produz um bem comercializável encontre-se dominado por um produtor monopolista, a abertura internacional desse mercado poderá trazer grandes ganhos de produtividade e, consequentemente, maior eficiência alocativa para o conjunto da economia. Gabarito: Correta.

18 10. A tarifação pelo custo do serviço, também conhecida como regulação da taxa interna de retorno utilizada para a regulação tarifária dos setores de monopólio natural, requer que os preços remunerem os custos totais e contenham uma margem que proporcione uma taxa interna de retorno atrativa ao investidor. 10. A tarifação pelo custo do serviço, também conhecida como regulação da taxa interna de retorno utilizada para a regulação tarifária dos setores de monopólio natural, requer que os preços remunerem os custos totais e contenham uma margem que proporcione uma taxa interna de retorno atrativa ao investidor. Gabarito: Correta. 11. Em economia a escassez é considerada um fenômeno que: A) Não pode ser eliminado; b) existe nas economias pobres; c) existe nas economias ricas; d) As três afirmações estão corretas; e) as três afirmações estão incorretas Em economia a escassez é considerada um fenômeno que: A) Não pode ser eliminado; b) existe nas economias pobres; c) existe nas economias ricas; d) As três afirmações estão corretas; e) as três afirmações estão incorretas O conceito de custo da oportunidade em economia: A) É o valor da próxima melhor alternativa que é sacrificada quando se faz uma escolha. B) É o custo da pior alternativa a ser utilizada em uma ação econômica. C) É o maior investimento na implementação de uma alternativa. D) É o prejuízo gerado por uma oportunidade mal aproveitada O conceito de custo da oportunidade em economia: A) É o valor da próxima melhor alternativa que é sacrificada quando se faz uma escolha. B) É o custo da pior alternativa a ser utilizada em uma ação econômica. C) É o maior investimento na implementação de uma alternativa. D) É o prejuízo gerado por uma oportunidade mal aproveitada..

19 13. A Lei da Demanda estabelece: A) Os produtores aumentam a quantidade ofertada de um bem quando o seu preço aumenta, coeteris paribus. B) Existe uma relação inversa entre o preço de um bem e a quantidade demandada desse bem, coeteris paribus. C) Preço e quantidade demandada são diretamente relacionados, coeteris paribus. D) Nenhuma das alternativas está correta. 13. A Lei da Demanda estabelece: A) Os produtores aumentam a quantidade ofertada de um bem quando o seu preço aumenta, coeteris paribus. B) Existe uma relação inversa entre o preço de um bem e a quantidade demandada desse bem, coeteris paribus. C) Preço e quantidade demandada são diretamente relacionados, coeteris paribus. D) Nenhuma das alternativas está correta. 14. A Lei da Oferta estabelece: A) Preço e quantidade ofertada não são diretamente relacionados. B) Preço e quantidade são inversamente relacionados. C) Preço e quantidade ofertada são inversamente relacionados, coeteris paribus. D) Preço e quantidade ofertada são diretamente relacionados, coeteris paribus A Lei da Oferta estabelece: A) Preço e quantidade ofertada não são diretamente relacionados. B) Preço e quantidade são inversamente relacionados. C) Preço e quantidade ofertada são inversamente relacionados, coeteris paribus. D) Preço e quantidade ofertada são diretamente relacionados, coeteris paribus O equilíbrio de mercado é: A) A situação de mercado em que não há nem excesso de oferta, nem excesso de demanda. B) A situação de mercado em que o preço e a quantidade de equílibrio atendem simultaneamente às expectativas dos consumidores e dos produtores. C) representado graficamente pela intersecção entre as curvas de oferta e demanda. D) todas as alternativas anteriores estão corretas. 15. O equilíbrio de mercado é: A) A situação de mercado em que não há nem excesso de oferta, nem excesso de demanda. B) A situação de mercado em que o preço e a quantidade de equílibrio atendem simultaneamente às expectativas dos consumidores e dos produtores. C) representado graficamente pela intersecção entre as curvas de oferta e demanda. D) todas as alternativas anteriores estão corretas.

20 16. Se o preço de um bem está acima do preço de equilíbrio: A) A quantidade ofertada é maior que a quantidade demandada; b) a quantidade demandada é maior que a quantidade ofertada; c) a quantidade demandada é igual à quantidade ofertada; d) está ocorrendo excesso de demanda; e) nenhuma das alternativas anteriores. 16. Se o preço de um bem está acima do preço de equilíbrio: A) A quantidade ofertada é maior que a quantidade demandada; b) a quantidade demandada é maior que a quantidade ofertada; c) a quantidade demandada é igual à quantidade ofertada; d) está ocorrendo excesso de demanda; e) nenhuma das alternativas anteriores. 17. Uma inovação tecnológica que provoca um decréscimo no custo de produção de um produto resulta em: A) Decréscimo na quantidade ofertada; B) Aumento na demanda; c) aumento na oferta; D) aumento na quantidade ofertada; E) nenhuma das alternativas anteriores. 17. Uma inovação tecnológica que provoca um decréscimo no custo de produção de um produto resulta em: A) Decréscimo na quantidade ofertada; B) Aumento na demanda; c) aumento na oferta; D) aumento na quantidade ofertada; E) nenhuma das alternativas anteriores. 18. Um decréscimo na demanda por um bem inferior pode ser causado por: A) Um aumento no preço; B) Uma diminuição no preço; C) Um decréscimo na renda dos consumidores; D) Um aumento na renda dos consumidores; E) Um aumento nos custos de produção. 18. Um decréscimo na demanda por um bem inferior pode ser causado por: A) Um aumento no preço; B) Uma diminuição no preço; C) Um decréscimo na renda dos consumidores; D) Um aumento na renda dos consumidores; E) Um aumento nos custos de produção.

21 19. Suponha que um aumento de 10% no preço do bem X tenha provocado uma diminuição de 5% na quantidade adquirida do bem Y. Assumindo que os demais fatores permaneceram constantes, então os bens X e Y são: a) complementares; b) substitutos; c) inferiores; d) independentes; e) nenhuma das alternativas anteriores. 19. Suponha que um aumento de 10% no preço do bem X tenha provocado uma diminuição de 5% na quantidade adquirida do bem Y. Assumindo que os demais fatores permaneceram constantes, então os bens X e Y são: a) complementares; b) substitutos; c) inferiores; d) independentes; e) nenhuma das alternativas anteriores. 20. O desenvolvimento de inseticidas mais eficazes para combater gafanhotos que ataquem as lavouras de milho desloca a curva de oferta desse produto, para baixo e para a direita, aumentando assim, a oferta desse produto. 20. O desenvolvimento de inseticidas mais eficazes para combater gafanhotos que ataquem as lavouras de milho desloca a curva de oferta desse produto, para baixo e para a direita, aumentando assim, a oferta desse produto. Gabarito: Correta. É um caso de aumento de produtividade: há uma redução de custos de produção e um aumento da oferta. 21. O binômio escassez/escolha, que permeia o problema econômico correlato, ocorre somente quando, dentro do processo produtivo, não existe possibilidade de substituição entre insumos. 21. O binômio escassez/escolha, que permeia o problema econômico correlato, ocorre somente quando, dentro do processo produtivo, não existe possibilidade de substituição entre insumos. Gabarito: Errada. Binômio escassez escolha ocorre quando há possibilidade de substituição entre insumos; ex. alumínio por plástico.

22 22. A função estabilizadora do governo se justifica pela crença de que o mercado tem capacidade de se auto-ajustar ao nível de pleno emprego da economia. 22 A função estabilizadora do governo se justifica pela crença de que o mercado tem capacidade de se autoajustar ao nível de pleno emprego da economia. Gabarito: Errada. É o contrário. A função estabilizadora se justifica pela crença de que o mercado não tem capacidade de se auto-ajustar. Exemplo: Crises bancárias E a lei da oferta e da procura? 23. Quando o preço da gasolina cai, a demanda de óleo de motor aumenta e isso provoca, ceteris paribus, uma alta de preço do óleo do motor, se esse produto for um bem normal. Gabarito: Correta. Se o preço da gasolina cai, aumenta o seu consumo, roda-se mais e aumenta a demanda de óleo de motor (bens complementares) isso gera aumento do preço do óleo, porque não vai aumentar a oferta 24. Supondo-se que a expansão do efetivo policial conduza a um aumento da necessidade de melhor equipá-los com armamentos e viaturas, então as exigências em termos de pessoal e equipamentos são bens substitutos no que diz respeito à provisão de serviços de segurança pública. 24. Supondo-se que a expansão do efetivo policial conduza a um aumento da necessidade de melhor equipá-los com armamentos e viaturas, então as exigências em termos de pessoal e equipamentos são bens substitutos no que diz respeito à provisão de serviços de segurança pública. Gabarito Errada. São bens complementares. Exemplo de bens substitutos: Segurança pública ou segurança privada.

23 25. A expansão da renda dos consumidores brasileiros tende a reduzir a demanda pelo consumo de feijão. Então esse alimento é um bem inferior. 25. A expansão da renda dos consumidores brasileiros tende a reduzir a demanda pelo consumo de feijão. Então esse alimento é um bem inferior. Gabarito: Correta. 26 Setores econômicos monopolizados não justificam por si só a necessidade de intervenção do Estado na economia. 26. Setores econômicos monopolizados não justificam por si só a necessidade de intervenção do Estado na economia. Gabarito: Errada. 27. O livre funcionamento dos mercados pode ocasionar problemas como inflação e desemprego, o que justifica a necessidade de intervenção do Estado na economia. 27 O livre funcionamento dos mercados pode ocasionar problemas como inflação e desemprego, o que justifica a necessidade de intervenção do Estado na economia. Gabarito: Correta. Uma das funções do Estado (função estabilizadora) o leva a intervir nessas situações.

24 28. No que se refere à racionalidade econômica do governo, assinale o que é falso e o que é verdadeiro: 28.1 A função alocativa do governo obriga-o a fornecer bens públicos à sociedade, e o financiamento da produção desses bens ocorre pela obtenção voluntária de recursos A função alocativa do governo obriga-o a fornecer bens públicos à sociedade, e o financiamento da produção desses bens ocorre pela obtenção voluntária de recursos. Gabarito: Errada. A obtenção de recursos é compulsória A função distributiva do governo leva-o impor tributos, subsídios ou transferências na consecução de tal função A função distributiva do governo leva-o a impor tributos, subsídios ou transferências na consecução de tal função. Gabarito: correta. Exemplo: Tributa quem ganha mais. Isenta de IR quem ganha menos. Distribui subsídios como Bolsa Família. Etc Com base na função alocativa, o governo pode impor alíquotas de impostos mais altas para indivíduos de alta renda Com base na função alocativa, o governo pode impor alíquotas de impostos mais altas para indivíduos de alta renda. Gabarito: Errada. Este texto caracteriza a função distributiva do Estado.

25 29. O efeito das despesas públicas sobre a atividade econômica varia com as modificações na estrutura funcional de gastos. 29. O efeito das despesas públicas sobre a atividade econômica varia com as modificações na estrutura funcional de gastos. Gabarito: Correta. Exemplo de despesas públicas: Pagamento de juros; investimentos em obras públicas; gastos de custeio com pagamento de pessoal. 30. A função redistributiva do governo está associada à provisão de bens e serviços que, em virtude da existência de falhas de mercado, não são ofertados adequadamente pelos mercados privados. 30. A função redistributiva (distributiva) do governo está associada à provisão de bens e serviços que, em virtude da existência de falhas de mercado, não são ofertados adequadamente pelos mercados privados. Gabarito: Errada. Prover é função alocativa: cobrir falhas do mercado. Exemplo: CAIXA. BNDES. 31. Quando o governo vende títulos ao setor privado para financiar déficits orçamentários, ocorre um processo de monetização da dívida pública. 31. Quando o governo vende títulos ao setor privado para financiar déficits orçamentários, ocorre um processo de monetização da dívida pública. Gabarito: Errada. Ao vender títulos ao setor privado o governo enxuga o mercado; reduz o volume de moeda circulante, então há uma desmonetização do mercado.

26 32 A inflação incentiva a poupança doméstica porque aumenta a taxa liquida de retorno das aplicações financeiras. 32. A inflação incentiva a poupança doméstica (das famílias) porque aumenta a taxa liquida de retorno das aplicações financeiras. Gabarito: Errada. A inflação inibe a poupança doméstica. O juro real é a diferença entre o juro nominal (Caeteris Paribus) e a taxa da inflação. Exemplo: 8% - 5% = 3%. 33. Uma política de crédito expansionista aumenta as taxas de juros. 33. Uma política de crédito expansionista aumenta as taxas de juros. Gabarito: Errada. Uma política de crédito expansionista diminui as taxas de juros. ECONOMIA: Microeconomia e Macroeconomia. Recursos escassos e necessidades ilimitadas; agentes econômicos; o papel do governo; fluxos real e nominal. Oferta e demanda; preço e quantidade de equilíbrio; efeitos dos tributos indiretos sobre o sistema de preços. Concorrência perfeita, monopólio, concorrência monopolista. Teoria quantitativa da moeda; inflação efeito da inflação; medição da inflação. ECONOMIA: Investimento e poupança; renda de equilíbrio; crescimento econômico; o papel do governo: políticas fiscal e monetária; financiamento do setor público e privatização; tributação como instrumento de política econômica (fiscalidade, extrafiscalidade, cumulatividade, não-cumulatividade).

ECONOMIA Prof. Maurício Felippe Manzalli

ECONOMIA Prof. Maurício Felippe Manzalli ECONOMIA Prof. Maurício Felippe Manzalli Objetivos da atividade Destacar assuntos relacionados ao estudo da economia notadamente no ambiente empresarial e de comércio externo. Rever conceitos e definições.

Leia mais

Unidade I. Mercado Financeiro e. Prof. Maurício Felippe Manzalli

Unidade I. Mercado Financeiro e. Prof. Maurício Felippe Manzalli Unidade I Mercado Financeiro e de Capitais Prof. Maurício Felippe Manzalli Mercado Financeiro O mercado financeiro forma o conjunto de instituições que promovem o fluxo de recursos entre os agentes financeiros.

Leia mais

UNOCHAPECÓ Programação Econômica e Financeira

UNOCHAPECÓ Programação Econômica e Financeira Estruturas de mercado UNOCHAPECÓ Programação Econômica e Financeira Texto para Discussão 1 De acordo com a natureza do mercado em que estão inseridas, as empresas deparam-se com decisões políticas diferentes,

Leia mais

LISTA 5A. Conceitos importantes: 1) Determinantes da produção e da produtividade de um país 2) Financiamento do investimento: poupança

LISTA 5A. Conceitos importantes: 1) Determinantes da produção e da produtividade de um país 2) Financiamento do investimento: poupança LISTA 5A Conceitos importantes: 1) Determinantes da produção e da produtividade de um país 2) Financiamento do investimento: poupança 3) Poupança, crescimento econômico e sistema financeiro 4) Mercado

Leia mais

2. São grupos, respectivamente, de crédito na Conta 1 (PIB) e débito na Conta 2 (RNDB) das Contas Nacionais:

2. São grupos, respectivamente, de crédito na Conta 1 (PIB) e débito na Conta 2 (RNDB) das Contas Nacionais: UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa Núcleo de Pós-Graduação e Pesquisa em Economia Mestrado Profissional em Desenvolvimento Regional e Gestão de Empreendimentos Locais

Leia mais

Aula 7 Inflação. Prof. Vladimir Maciel

Aula 7 Inflação. Prof. Vladimir Maciel Aula 7 Inflação Prof. Vladimir Maciel Estrutura Ferramenta de análise: OA e DA. Inflação Conceitos básicos. Causas. Trade-off com desemprego. Fator sancionador: expansão de moeda. Instrumentos de Política

Leia mais

FUNDAMENTOS DE TEORIA E POLÍTICA MACROECONÔMICA

FUNDAMENTOS DE TEORIA E POLÍTICA MACROECONÔMICA FUNDAMENTOS DE TEORIA E POLÍTICA MACROECONÔMICA O que a macroeconomia analisa? Analisa a determinação e o comportamento dos grandes agregados como: renda, produto nacional, nível geral de preços, nível

Leia mais

Mecanismo de Transmissão Monetário:

Mecanismo de Transmissão Monetário: Mecanismo de Transmissão Monetário: Interação e Iteração Canais de transmissão Idéia-chave heterodoxa Decisões fundamentais http://fernandonogueiracosta.wordpress.com/ 1. Metodologia: interação e iteração.

Leia mais

Aula 8. Política Fiscal: déficit e dívida pública

Aula 8. Política Fiscal: déficit e dívida pública Aula 8 Política Fiscal: déficit e dívida pública O Crescimento da Participação do Setor Público na Atividade Econômica Crescimento da renda per capita - gera um aumento da demanda de bens e serviços públicos

Leia mais

Aula 2 Contextualização

Aula 2 Contextualização Economia e Mercado Aula 2 Contextualização Prof. Me. Ciro Burgos Importância de se conhecer o funcionamento dos mercados Diferenciação de mercado Comportamento dos consumidores e firmas; formação de preços;

Leia mais

Tropa de Elite-PF Economia Módulo 4 - Questões Otacílio Araújo

Tropa de Elite-PF Economia Módulo 4 - Questões Otacílio Araújo Tropa de Elite-PF Economia Módulo 4 - Questões Otacílio Araújo 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. 1. (CESPE/UnB/ECB/ 2011) Acerca de déficit e superávit público

Leia mais

Química Economia, Organização e Normas da Qualidade Industrial

Química Economia, Organização e Normas da Qualidade Industrial Química Economia, Organização e Normas da Qualidade Industrial 2010 Günter W. Uhlmann Introdução Plano de Ensino Apresentação da disciplina, conteúdo programático, bibliografia e critérios para avaliação

Leia mais

Prova de Macroeconomia

Prova de Macroeconomia UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CURSO DE MESTRADO EM ECONOMIA PROCESSO SELETIVO 2010 Prova de Macroeconomia INSTRUÇÕES PARA A PROVA Leia atentamente as questões. A interpretação das questões faz parte da

Leia mais

Produto Vendas Custo da matéria-prima

Produto Vendas Custo da matéria-prima Conceitos básicos de economia A economia pode ser subdividida em dois grandes segmentos: - Macroeconomia: trata da evolução da economia como um todo, analisando a determinação, comportamento e relações

Leia mais

Curso DSc. IBGE Exercícios de Macroeconomia Banca FGV. Prof.: Antonio Carlos Assumpção. Site: acjassumpcao77.webnode.com

Curso DSc. IBGE Exercícios de Macroeconomia Banca FGV. Prof.: Antonio Carlos Assumpção. Site: acjassumpcao77.webnode.com Curso DSc IBGE Exercícios de Macroeconomia Banca FGV Prof.: Antonio Carlos Assumpção Site: acjassumpcao77.webnode.com Defensoria Pública do Estado de Mato Grosso Economista - 2015 51 - Considere as seguintes

Leia mais

INFLAÇÃO, A TAXA SELIC E A DÍVIDA PÚBLICA INTERNA

INFLAÇÃO, A TAXA SELIC E A DÍVIDA PÚBLICA INTERNA INFLAÇÃO, A TAXA SELIC E A DÍVIDA PÚBLICA INTERNA José Luiz Miranda 1 Desde o ano de 2014 o cenário de inflação tem se acentuado no país. Esse fato tem se tornado visível no dia a dia das pessoas em função

Leia mais

Finanças Públicas. Aula 1

Finanças Públicas. Aula 1 Finanças Públicas Aula 1 Finanças Públicas Teoria do bem estar social Finanças Públicas Conceito de ponto Ótimo de Pareto Finanças Públicas As Falhas de mercado Falhas de mercado Existência de Bens públicos

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SOROCABA

FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SOROCABA FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SOROCABA CURSO DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Sergio Manoel Tavares, AN091354 Sheila Perez Gimenes, AN091355 GRUPO 4 TEORIA DA DEMANDA E EQUILÍBRIO DE MERCADO

Leia mais

Instrumentalização. Economia e Mercado. Aula 4 Contextualização. Demanda Agregada. Determinantes DA. Prof. Me. Ciro Burgos

Instrumentalização. Economia e Mercado. Aula 4 Contextualização. Demanda Agregada. Determinantes DA. Prof. Me. Ciro Burgos Economia e Mercado Aula 4 Contextualização Prof. Me. Ciro Burgos Oscilações dos níveis de produção e emprego Oferta e demanda agregadas Intervenção do Estado na economia Decisão de investir Impacto da

Leia mais

ANÁLISE FUNDAMENTALISTA COM FOCO PARA A RECOMENDAÇÃO DE COMPRA / VENDA DE AÇÕES

ANÁLISE FUNDAMENTALISTA COM FOCO PARA A RECOMENDAÇÃO DE COMPRA / VENDA DE AÇÕES ANÁLISE FUNDAMENTALISTA COM FOCO PARA A RECOMENDAÇÃO DE COMPRA / VENDA DE AÇÕES! A análise do desempenho histórico! Análise setorial! Análise de múltiplos! Elaboração de projeções de resultados! Determinação

Leia mais

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Fevereiro/2014 A taxa de câmbio é um dos principais preços relativos da economia, com influência direta no desempenho macroeconômico do país e na composição de

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS LISTA DE EXERCÍCIOS

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS LISTA DE EXERCÍCIOS LISTA DE EXERCÍCIOS Capítulo 1 Introdução à Economia 1. Qual é o conceito de economia? Qual sua relação com a questão das escolhas ótimas e da escassez? 2. Por que a escassez se constitui com um dos pilares

Leia mais

ECONOMIA. 1 o. ANO ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS CONTÁBEIS REFERENTE MATERIAL DE ACOMPANHAMENTO DE AULAS PARA OS CURSOS: A 2 A.

ECONOMIA. 1 o. ANO ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS CONTÁBEIS REFERENTE MATERIAL DE ACOMPANHAMENTO DE AULAS PARA OS CURSOS: A 2 A. ECONOMIA 1 o. ANO MATERIAL DE ACOMPANHAMENTO DE AULAS PARA OS CURSOS: ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS CONTÁBEIS REFERENTE A 2 A. AVALIAÇÃO PROFESSOR FIGUEIREDO SÃO PAULO 2006 2 DEMANDA E OFERTA A Teoria Microeconômica

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Junio 2011 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO - PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS- GRADUADOS

Leia mais

Relatório de Pesquisa. Março 2013

Relatório de Pesquisa. Março 2013 Relatório de Pesquisa SONDAGEM CONJUNTURAL DO VAREJO BRASILEIRO Março 2013 SONDAGEM CONJUNTURAL DO VAREJO BRASILEIRO Pesquisa realizada pela CNDL e SPC Brasil. Foram ouvidos em todo o país 615 varejistas.

Leia mais

ELABORAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO DE PROJETOS AULA 01: CONCEITOS BÁSICOS RELACIONADOS A PROJETOS TÓPICO 04: NECESSIDADE DE UMA AVALIAÇÃO ECONÔMICO-FINANCEIRA 1.14 NECESSIDADE DE UMA AVALIAÇÃO ECONÔMICO-FINANCEIRA

Leia mais

Noções de Economia. As sociedades humanas, de modo geral, se defrontam com três problemas econômicos fundamentais:

Noções de Economia. As sociedades humanas, de modo geral, se defrontam com três problemas econômicos fundamentais: 1 Noções de Economia 1. Microeconomia A Ciência Econômica, conhecida como ciência da escassez, parte do princípio que as necessidades humanas são ilimitadas, enquanto que os recursos necessários para que

Leia mais

Economia. Comércio Internacional Taxa de Câmbio, Mercado de Divisas e Balança de Pagamentos,

Economia. Comércio Internacional Taxa de Câmbio, Mercado de Divisas e Balança de Pagamentos, Economia Comércio Internacional Taxa de Câmbio, Mercado de Divisas e Balança de Pagamentos, Comércio Internacional Objetivos Apresentar o papel da taxa de câmbio na alteração da economia. Iniciar nas noções

Leia mais

MESTRADO EM ECONOMIA APLICADA

MESTRADO EM ECONOMIA APLICADA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO Coordenadoria de Pós-Graduação Prova de Conhecimentos Específicos do Processo Seletivo Stricto Sensu UFAL 2012.1 CADERNO DE PROVA

Leia mais

A POSTURA DO GOVERNO DIANTE DA CRISE PRESERVAR O NOVO CICLO DE DESENVOLVIMENTO EM CURSO A ATUAÇÃO CONTRADITÓRIA DO BACEN

A POSTURA DO GOVERNO DIANTE DA CRISE PRESERVAR O NOVO CICLO DE DESENVOLVIMENTO EM CURSO A ATUAÇÃO CONTRADITÓRIA DO BACEN 1 A POSTURA DO GOVERNO DIANTE DA CRISE PRESERVAR O NOVO CICLO DE DESENVOLVIMENTO EM CURSO A ATUAÇÃO CONTRADITÓRIA DO BACEN Cézar Manoel de Medeiros* O Novo Ciclo de desenvolvimento em curso no Brasil é

Leia mais

FEDERAÇÃO DO COMÉRCIO DO PARANÁ PESQUISA CONJUNTURAL DO COMÉRCIO

FEDERAÇÃO DO COMÉRCIO DO PARANÁ PESQUISA CONJUNTURAL DO COMÉRCIO FEDERAÇÃO DO COMÉRCIO DO PARANÁ PESQUISA CONJUNTURAL DO COMÉRCIO ANÁLISE CONJUNTURAL DO MÊS DE DEZEMBRO DE 2013 CURITIBA E R.M Este relatório, referente ao mês de Dezembro de 2013, da Pesquisa Conjuntural

Leia mais

Uma estratégia para sustentabilidade da dívida pública J OSÉ L UÍS O REIRO E L UIZ F ERNANDO DE P AULA

Uma estratégia para sustentabilidade da dívida pública J OSÉ L UÍS O REIRO E L UIZ F ERNANDO DE P AULA Uma estratégia para sustentabilidade da dívida pública J OSÉ L UÍS O REIRO E L UIZ F ERNANDO DE P AULA As escolhas em termos de política econômica se dão em termos de trade-offs, sendo o mais famoso o

Leia mais

DÉFICIT PÚBLICO E TAXA DE JUROS: SEUS PONTOS FORTES E FRACOS NA INFRAESTRUTURA BRASILEIRA.

DÉFICIT PÚBLICO E TAXA DE JUROS: SEUS PONTOS FORTES E FRACOS NA INFRAESTRUTURA BRASILEIRA. 229 DÉFICIT PÚBLICO E TAXA DE JUROS: SEUS PONTOS FORTES E FRACOS NA INFRAESTRUTURA BRASILEIRA. Lucas Paduan Folchito Instituto Nacional de Telecomunicações - Inatel lucaspaduan@hotmail.com Resumo Este

Leia mais

Luciano Coutinho Presidente

Luciano Coutinho Presidente Atratividade do Brasil: avanços e desafios Fórum de Atratividade BRAiN Brasil São Paulo, 03 de junho de 2011 Luciano Coutinho Presidente O Brasil ingressa em um novo ciclo de desenvolvimento A economia

Leia mais

Avaliação Distribuída 2º Mini-Teste (30 de Abril de 2007 15h00) Os telemóveis deverão ser desligados e guardados antes do início do teste.

Avaliação Distribuída 2º Mini-Teste (30 de Abril de 2007 15h00) Os telemóveis deverão ser desligados e guardados antes do início do teste. LICENCIATURA EM ECONOMIA MACROECONOMIA II LEC 206 (2006-2007) Avaliação Distribuída 2º Mini-Teste (30 de Abril de 2007 15h00) Duração: 60 minutos Não é permitida qualquer forma de consulta. Os telemóveis

Leia mais

Indicadores de Risco Macroeconômico no Brasil

Indicadores de Risco Macroeconômico no Brasil Indicadores de Risco Macroeconômico no Brasil Julho de 2005 Risco Macroeconômico 2 Introdução: Risco Financeiro e Macroeconômico Um dos conceitos fundamentais na área financeira é o de risco, que normalmente

Leia mais

INFORMATIVO DA DÍVIDA PÚBLICA

INFORMATIVO DA DÍVIDA PÚBLICA INFORMATIVO DA DÍVIDA PÚBLICA Considerações Iniciais O propósito deste informativo é apresentar aspectos introdutórios da dívida pública, a fim de fornecer subsídios que permitam discutir o assunto no

Leia mais

Disciplina: Economia ECN001. Macroeconomia

Disciplina: Economia ECN001. Macroeconomia Disciplina: Economia ECN001 Macroeconomia Orçamento do Setor Público É a previsão de receitas e a estimativa de despesas a serem realizadas por um Governo em um determinado exercício (geralmente um ano).

Leia mais

Economia Geral e Regional. Professora: Julianna Carvalho

Economia Geral e Regional. Professora: Julianna Carvalho Economia Geral e Regional Professora: Julianna Carvalho 1 Introdução à Economia Conceito Segundo VASCONCELOS, 2011, p. 2) é: a ciência social que estuda de que maneira a sociedade decide (escolhe) empregar

Leia mais

CPF DO CANDIDATO (A): DATA: 17/11/2014. NOME DO CANDIDATO (A): PROVA ESCRITA

CPF DO CANDIDATO (A): DATA: 17/11/2014. NOME DO CANDIDATO (A): PROVA ESCRITA CPF DO CANDIDATO (A): DATA: 17/11/2014. NOME DO CANDIDATO (A): PROVA ESCRITA Processo Seletivo para Curso de Especialização em Controladoria e Finanças Edital nº 04/2014 INSTRUÇÕES: A prova é individual,

Leia mais

Economia. Contabilidade Social. Introdução. Prof.Carlos Nemer j20@momentus.com.br 1. Sumário. Contabilidade Social. Capítulo 12:

Economia. Contabilidade Social. Introdução. Prof.Carlos Nemer j20@momentus.com.br 1. Sumário. Contabilidade Social. Capítulo 12: Economia Carlos Nemer 3ª Ed. Contabilidade Social Capítulo 12: Contabilidade Social Poli-UFRJ Copyright 2005. Direitos Autorais reservados ao Prof.Carlos NEMER Parte III-2-Slide 1 de 54/2005.1 Sumário

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DO VALOR ADICIONADO

DEMONSTRAÇÃO DO VALOR ADICIONADO Olá, pessoal! Hoje trago uma aula sobre a Demonstração do Valor Adicionado DVA, que foi recentemente tornada obrigatória para as companhias abertas pela Lei 11.638/07, que incluiu o inciso V ao art. 176

Leia mais

Como as empresas financiam investimentos em meio à crise financeira internacional

Como as empresas financiam investimentos em meio à crise financeira internacional 9 dez 2008 Nº 58 Como as empresas financiam investimentos em meio à crise financeira internacional Por Fernando Pimentel Puga e Marcelo Machado Nascimento Economistas da APE Levantamento do BNDES indica

Leia mais

Curso de Políticas Públicas e Desenvolvimento Econômico Aula 2 Política Macroeconômica

Curso de Políticas Públicas e Desenvolvimento Econômico Aula 2 Política Macroeconômica Escola Nacional de Administração Pública - ENAP Curso: Políticas Públicas e Desenvolvimento Econômico Professor: José Luiz Pagnussat Período: 11 a 13 de novembro de 2013 Curso de Políticas Públicas e Desenvolvimento

Leia mais

Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 1 o, inciso II do 2 o da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000)

Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 1 o, inciso II do 2 o da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 1 o, inciso II do 2 o da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Em cumprimento ao disposto na Lei Complementar n o 101, de

Leia mais

GLOSSÁRIO DE TERMOS CONTÁBEIS

GLOSSÁRIO DE TERMOS CONTÁBEIS GLOSSÁRIO DE TERMOS CONTÁBEIS AMORTIZAÇÃO: Representa a conta que registra a diminuição do valor dos bens intangíveis registrados no ativo permanente, é a perda de valor de capital aplicado na aquisição

Leia mais

B 02-(FCC/EMATER-2009)

B 02-(FCC/EMATER-2009) Ola, pessoal! Seguem aqui mais questões comentadas de Macroeconomia, visando a preparação para o excelente concurso de fiscal de rendas de SP. Todas as questões são da FCC. Bom treinamento! Marlos marlos@pontodosconcursos.com.br

Leia mais

Correção 9)As operações de mercado aberto envolvem variações nos encaixes compulsórios que os bancos. Conceito de Déficit e Dívida Pública

Correção 9)As operações de mercado aberto envolvem variações nos encaixes compulsórios que os bancos. Conceito de Déficit e Dívida Pública Conceito de Déficit e Dívida Pública Correção 9)As operações de mercado aberto envolvem variações nos encaixes compulsórios que os bancos comerciais detêm junto ao Banco Central e, por essa razão, afetam

Leia mais

CAPITAL DE GIRO: ESSÊNCIA DA VIDA EMPRESARIAL

CAPITAL DE GIRO: ESSÊNCIA DA VIDA EMPRESARIAL CAPITAL DE GIRO: ESSÊNCIA DA VIDA EMPRESARIAL Renara Tavares da Silva* RESUMO: Trata-se de maneira ampla da vitalidade da empresa fazer referência ao Capital de Giro, pois é através deste que a mesma pode

Leia mais

CURSO ONLINE: A DEMANDA E A OFERTA

CURSO ONLINE: A DEMANDA E A OFERTA CURSO ONLINE: A DEMANDA E A OFERTA 2 Adam Smith (filósofo e economista) A base histórica da Demanda e a Oferta é iniciada através do pensamento da Escola Clássica (liberalismo econômico). Seu principal

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Setembro 2011 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS GRADUADOS

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DE CUSTOS EM SAÚDE. Os custos das instituições

GESTÃO ESTRATÉGICA DE CUSTOS EM SAÚDE. Os custos das instituições GESTÃO ESTRATÉGICA DE CUSTOS EM SAÚDE Os custos das instituições Dra Janice Donelles de Castro - Professora do Faculdade de Ciências Econômicas da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Programa de

Leia mais

6º TEXTO: MATERIAL DE APOIO Professor: Me Célio dos Santos Vieira

6º TEXTO: MATERIAL DE APOIO Professor: Me Célio dos Santos Vieira 1 6º TEXTO: MATERIAL DE APOIO Professor: Me Célio dos Santos Vieira INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA 1 Quanto maior a ausência de preconceitos, maior a liberdade de pensar, maior a capacidade de aprender. Identifique

Leia mais

GESTÃO. 3. O Ambiente Económico. Mercados: Procura e oferta; Custos; Estruturas de mercado; Papel do Estado. 3. O ambiente económico.

GESTÃO. 3. O Ambiente Económico. Mercados: Procura e oferta; Custos; Estruturas de mercado; Papel do Estado. 3. O ambiente económico. GESTÃO 3. O Ambiente Económico. Mercados: Procura e oferta; Custos; Estruturas de mercado; Papel do Estado Mercados 1 Meio envolvente global: o ambiente económico A empresa insere-se num ambiente macroeconómico,

Leia mais

www.estrategiaconcursos.com.br Página 1 de 8

www.estrategiaconcursos.com.br Página 1 de 8 Comentários Macroeconomia (Área 3) Olá Pessoal. O que acharam da prova do BACEN? E especificamente em relação à macro (área 3)? A prova foi complexa? Sim! A complexidade foi acima do esperado? Não! Particularmente,

Leia mais

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO VERSÃO 1

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO VERSÃO 1 EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO 11.º Ano de Escolaridade (Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março) Curso Científico-Humanístico de Ciências Socioeconómicas PROVA 712/12 Págs. Duração da prova: 120

Leia mais

mhtml:file://c:\documents and Settings\6009\Meus documentos\glossário DE T...

mhtml:file://c:\documents and Settings\6009\Meus documentos\glossário DE T... Page 1 of 6 Portal de Obras Legislação Guias e Cursos Downloads GLOSSÁRIO DE TERMOS CONTÁBEIS Compilado pela Equipe do Portal de Contabilidade AMORTIZAÇÃO: Representa a conta que registra a diminuição

Leia mais

Unidade II. Mercado Financeiro e de. Prof. Maurício Felippe Manzalli

Unidade II. Mercado Financeiro e de. Prof. Maurício Felippe Manzalli Unidade II Mercado Financeiro e de Capitais Prof. Maurício Felippe Manzalli Mercados Financeiros Definição do mercado financeiro Representa o Sistema Financeiro Nacional Promove o fluxo de recursos através

Leia mais

QUAIS OS EFEITOS DE UMA TRIBUTAÇÃO MAL PLANEJADA?

QUAIS OS EFEITOS DE UMA TRIBUTAÇÃO MAL PLANEJADA? QUAIS OS EFEITOS DE UMA TRIBUTAÇÃO MAL PLANEJADA? FERNANDO B. MENEGUIN 1 A Análise Econômica do Direito Tributário promove uma união entre o direito tributário e a economia, com o intuito de melhorar a

Leia mais

Contabilidade Social (Cap.09 do Livro/ NemerA12Cont Social)

Contabilidade Social (Cap.09 do Livro/ NemerA12Cont Social) 1 Contabilidade Social (Cap.09 do Livro/ NemerA12Cont Social) 1. Para a ciência econômica, formação de capital significa especificamente: a) A compra de qualquer mercadoria nova. b) Investimento líquido.

Leia mais

O mercado monetário. Mercado Financeiro - Prof. Marco Arbex. Os mercados financeiros são subdivididos em quatro categorias (ASSAF NETO, 2012):

O mercado monetário. Mercado Financeiro - Prof. Marco Arbex. Os mercados financeiros são subdivididos em quatro categorias (ASSAF NETO, 2012): O mercado monetário Prof. Marco A. Arbex marco.arbex@live.estacio.br Blog: www.marcoarbex.wordpress.com Os mercados financeiros são subdivididos em quatro categorias (ASSAF NETO, 2012): Mercado Atuação

Leia mais

INFLAÇÃO: CONCEITOS BÁSICOS E TEORIAS. Profa.: Enimar J. Wendhausen

INFLAÇÃO: CONCEITOS BÁSICOS E TEORIAS. Profa.: Enimar J. Wendhausen INFLAÇÃO: CONCEITOS BÁSICOS E TEORIAS Profa.: Enimar J. Wendhausen CONCEITO DE INFLAÇÃO [...] aumento contínuo e generalizado no nível geral de preços. (VASCONCELLOS, 2001, p.331). [...] elevação persistente

Leia mais

Aula 1 Contextualização

Aula 1 Contextualização Economia e Mercado Aula 1 Contextualização Prof. Me. Ciro Burgos Importância do estudo da Ciência Econômica e da organização dos mercados Impacto na sociedade Instrumentalização Tomada de decisão empresarial

Leia mais

Taxa básica de juros e a poupança

Taxa básica de juros e a poupança UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO, ATUÁRIA, SECRETARIADO E CONTABILIDADE DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO Análise de Investimentos Prof. Isidro LEITURA COMPLEMENTAR # 2 Taxa

Leia mais

1ª GESTÃO DILMA. Menor rigor fiscal. Metas de inflação em prazo mais longo (menor velocidade de ajuste), maior expansão de crédito

1ª GESTÃO DILMA. Menor rigor fiscal. Metas de inflação em prazo mais longo (menor velocidade de ajuste), maior expansão de crédito 1ª GESTÃO DILMA Menor rigor fiscal Metas de inflação em prazo mais longo (menor velocidade de ajuste), maior expansão de crédito Controles diretos de preços (gasolina e energia, por exemplo) e desonerações

Leia mais

ÁREA DE CONHECIMENTOS CONTÁBEIS

ÁREA DE CONHECIMENTOS CONTÁBEIS ÁREA DE CONHECIMENTOS CONTÁBEIS 1. O Patrimônio Líquido divide-se em: a) Investimentos, Reservas de Capital, Reservas de Lucros e Lucros ou Prejuízos Acumulados. b) Capital Social, Reservas de Capital,

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Texto para as questões de 31 a 35 conta saldo despesa de salários 10 COFINS a recolher 20 despesas de manutenção e conservação 20 despesa de depreciação 20 PIS a recolher 30 despesas

Leia mais

Curso: Sistemas de Informação 13/04/2006 Economia e Gestão Financeira 1º Avaliação Prof. Ivaldir Vaz

Curso: Sistemas de Informação 13/04/2006 Economia e Gestão Financeira 1º Avaliação Prof. Ivaldir Vaz 1 1. O problema fundamental com o qual a Economia se preocupa é: a) A pobreza. b) O controle dos bens produzidos. c) A escassez. d) A taxação daqueles que recebem toda e qualquer espécie de renda. e) A

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO SÓCIO ECONÔMICO FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ANA RUTH MESQUITA DOS SANTOS - 05010004901

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO SÓCIO ECONÔMICO FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ANA RUTH MESQUITA DOS SANTOS - 05010004901 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO SÓCIO ECONÔMICO FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ANA RUTH MESQUITA DOS SANTOS - 05010004901 SIDNEY SOARES DE LIMA 05010004401 TURMA: 01030 TURNO: NOITE PLANO DE NEGÓCIOS

Leia mais

A COMPETITIVIDADE DA INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO E DE BENS DE CAPITAL

A COMPETITIVIDADE DA INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO E DE BENS DE CAPITAL A COMPETITIVIDADE DA INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO E DE BENS DE CAPITAL Uma análise do período 2000 2011 Abril de 2012 A competitividade da ind. de transformação e de BK A evolução do período 2000 2011, do:

Leia mais

Carga Tributária e seus Efeitos na Economia

Carga Tributária e seus Efeitos na Economia Carga Tributária e seus Efeitos na Economia Jorge Lins Freire Presidente da Federação das Indústrias do Estado da Bahia Congresso do Conselho de Contribuintes do Ministério da Fazenda Brasília, 14 de setembro

Leia mais

Estimação do Fluxo de Caixa Livre para a Empresa

Estimação do Fluxo de Caixa Livre para a Empresa Estimação do Fluxo de Caixa Livre para a! Principais passos! O efeito da depreciação! Outros fatores que geram obrigações ou direitos para a empresa Francisco Cavalcante (francisco@fcavalcante.com.br)

Leia mais

Módulo 6 A Evolução da Ciência Econômica. 6.1. Os Socialistas

Módulo 6 A Evolução da Ciência Econômica. 6.1. Os Socialistas Módulo 6 A Evolução da Ciência Econômica 6.1. Os Socialistas O pensamento socialista surge em meio à revolução industrial, com suas grandes fábricas. Os trabalhadores possuíam condições precárias de trabalho

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Gestão Financeira, Controladoria e Auditoria

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Gestão Financeira, Controladoria e Auditoria CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Gestão Financeira, Controladoria e Auditoria 1 OBJETIVO: Proporcionar aos participantes uma visão prática do ponto de vista de mercado e correta

Leia mais

Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras

Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras Prof. Onivaldo Izidoro Pereira Finanças Corporativas Ambiente Econômico Em suas atividades uma empresa relacionase com: Clientes

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 07. Subvenção e Assistência Governamentais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 07. Subvenção e Assistência Governamentais COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 07 Subvenção e Assistência Governamentais Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 20 (IASB) Índice Item OBJETIVO E ALCANCE

Leia mais

Curitiba, 25 de agosto de 2010. SUBSÍDIOS À CAMPANHA SALARIAL COPEL 2010 DATA BASE OUTUBRO 2010

Curitiba, 25 de agosto de 2010. SUBSÍDIOS À CAMPANHA SALARIAL COPEL 2010 DATA BASE OUTUBRO 2010 Curitiba, 25 de agosto de 2010. SUBSÍDIOS À CAMPANHA SALARIAL COPEL 2010 DATA BASE OUTUBRO 2010 1) Conjuntura Econômica Em função dos impactos da crise econômica financeira mundial, inciada no setor imobiliário

Leia mais

Globalização Financeira e Fluxos de Capital. Referências Bibliográficas. Referências Bibliográficas. 1) Mundialização Financeira

Globalização Financeira e Fluxos de Capital. Referências Bibliográficas. Referências Bibliográficas. 1) Mundialização Financeira e Fluxos de Capital Wilhelm Eduard Meiners IBQP/UniBrasil/Metápolis Referências Bibliográficas Referências Bibliográficas Chesnais, F. Mundialização Financeira, cap.1 Baumann, Canuto e Gonçalves. Economia

Leia mais

GABARITO LISTAS. 1. Dê 3 exemplos de tradeoffs importantes com que você se depara na vida.

GABARITO LISTAS. 1. Dê 3 exemplos de tradeoffs importantes com que você se depara na vida. DEZ PRINCIPIOS DE ECONOMIA - Lista 1 GABARITO LISTAS 1. Dê 3 exemplos de tradeoffs importantes com que você se depara na vida. Exemplos de tradeoffs incluem tradeoffs em relação ao tempo (como estudar

Leia mais

UNIDADE 4 INTRODUÇÃO À TEORIA MONETÁRIA OBJETIVOS ESPECÍFICOS DE APRENDIZAGEM

UNIDADE 4 INTRODUÇÃO À TEORIA MONETÁRIA OBJETIVOS ESPECÍFICOS DE APRENDIZAGEM UNIDADE 4 INTRODUÇÃO À TEORIA MONETÁRIA OBJETIVOS ESPECÍFICOS DE APRENDIZAGEM Ao finalizar esta Unidade você deverá ser capaz de: Conhecer o funcionamento do sistema monetário; Compreender a importância

Leia mais

- Gestão Financeira 1 -

- Gestão Financeira 1 - 1 Cap 2 - Administração do Capital de Giro 2.1 Introdução 2.2 O capital circulante e capital circulante líquido 2.3 Políticas de gerenciamento do capital circulante 2.4 Capital de Giro Próprio 2.5 Capital

Leia mais

Curso Gabarito Macroeconomia

Curso Gabarito Macroeconomia Curso Gabarito Macroeconomia Introdução Prof.: Antonio Carlos Assumpção Prof. Antonio Carlos Assumpção Site: acjassumpcao77.webnode.com Bibliografia Macroeconomia : Blanchard, O. 5ª ed. Macroeconomia :

Leia mais

Também chamada Teoria de Preços, estuda o comportamento dos consumidores, produtores e o mercado onde estes interagem.

Também chamada Teoria de Preços, estuda o comportamento dos consumidores, produtores e o mercado onde estes interagem. Microeconomia Também chamada Teoria de Preços, estuda o comportamento dos consumidores, produtores e o mercado onde estes interagem. A macroeconomia, por sua vez, estuda os fenômenos da economia em geral,

Leia mais

Prova Escrita de Economia A

Prova Escrita de Economia A EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Prova Escrita de Economia A 11.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova 712/Época Especial 14 Páginas Duração da Prova: 120 minutos.

Leia mais

ECONOMIA E FINANAÇAS. Brasília, fevereiro de 2008

ECONOMIA E FINANAÇAS. Brasília, fevereiro de 2008 ECONOMIA E FINANAÇAS Brasília, fevereiro de 2008 Texto produzido pela Fundação Getúlio Vargas, com adaptações da Universidade Corporativa Banco do Brasil Sumário S1. Economia... 9 1.1 Curva de possibilidade

Leia mais

Relatório Mensal - Julho

Relatório Mensal - Julho Relatório Mensal - Julho (Este relatório foi redigido pela Kapitalo Investimentos ) Cenário Global A economia global apresentou uma relevante desaceleração nos primeiros meses do ano. Nosso indicador de

Leia mais

ISONOMIA ENTRE AS RENDAS, UMA QUESTÃO DE JUSTIÇA FISCAL!

ISONOMIA ENTRE AS RENDAS, UMA QUESTÃO DE JUSTIÇA FISCAL! ISONOMIA ENTRE AS RENDAS, UMA QUESTÃO DE JUSTIÇA FISCAL! O PROJETO ISONOMIA tem como objetivo extinguir os privilégios tributários das rendas provenientes do capital, incluindo todos os rendimentos obtidos

Leia mais

CONHECIMENTOS BANCÁRIOS: - - - - - - POLÍTICA ECONÔMICA & MERCADO FINANCEIRO

CONHECIMENTOS BANCÁRIOS: - - - - - - POLÍTICA ECONÔMICA & MERCADO FINANCEIRO CONHECIMENTOS BANCÁRIOS: - - - - - - POLÍTICA ECONÔMICA & MERCADO FINANCEIRO Prof.Nelson Guerra Ano 2012 www.concursocec.com.br INTRODUÇÃO Trata-se da política utilizada pelo Governo para obter desenvolvimento

Leia mais

1 INTRODUÇÃO 1.1 O problema

1 INTRODUÇÃO 1.1 O problema 1 INTRODUÇÃO 1.1 O problema Para se estudar os determinantes do investimento é preciso, em primeiro lugar, definir o investimento. Segundo Galesne (2001) fazer um investimento consiste, para uma empresa,

Leia mais

Unidade IV. Mercado Financeiro e de Capitais. Prof. Maurício Felippe Manzalli

Unidade IV. Mercado Financeiro e de Capitais. Prof. Maurício Felippe Manzalli Unidade IV Mercado Financeiro e de Capitais Prof. Maurício Felippe Manzalli Mercados Financeiros - Resumo encontro anterior Sistema Financeiro Nacional Órgãos, entidades e operadoras Estrutura do Sistema

Leia mais

Electro Aço Altona S/A

Electro Aço Altona S/A Electro Aço Altona S/A Companhia Aberta de Capital Autorizado CNPJ n.º 82.643.537/0001-34 IE n.º 250.043.106 Rua Eng.º Paul Werner, 925 CEP 89030-900 Blumenau SC Data base: 30 de Junho de 2011 1 Destaques

Leia mais

Análise econômica e suporte para as decisões empresariais

Análise econômica e suporte para as decisões empresariais Cenário Moveleiro Análise econômica e suporte para as decisões empresariais Número 01/2008 Cenário Moveleiro Número 01/2008 1 Cenário Moveleiro Análise econômica e suporte para as decisões empresariais

Leia mais

EDUCAÇÃO FISCAL PARA A CIDADANIA. Superintendência da Receita Federal em Minas Gerais

EDUCAÇÃO FISCAL PARA A CIDADANIA. Superintendência da Receita Federal em Minas Gerais EDUCAÇÃO FISCAL PARA A CIDADANIA POR QUE EXISTE TRIBUTO? QUEM TEM O PODER DE COBRAR TRIBUTO? COMO DEVEM SER APLICADOS OS RECURSOS ARRECADADOS? O QUE A POPULAÇÃO PODE FAZER PARA CONTROLAR A APLICAÇÃO DOS

Leia mais

AGÊNCIA ESPECIAL DE FINANCIAMENTO INDUSTRIAL FINAME RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO 31 DE DEZEMBRO DE 2008

AGÊNCIA ESPECIAL DE FINANCIAMENTO INDUSTRIAL FINAME RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO 31 DE DEZEMBRO DE 2008 AGÊNCIA ESPECIAL DE FINANCIAMENTO INDUSTRIAL FINAME RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO 31 DE DEZEMBRO DE 2008 Senhor acionista e demais interessados: Apresentamos o Relatório da Administração e as informações

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS. Causas de Fracasso:

PLANO DE NEGÓCIOS. Causas de Fracasso: PLANO DE NEGÓCIOS Causas de Fracasso: Falta de experiência profissional Falta de competência gerencial Desconhecimento do mercado Falta de qualidade dos produtos/serviços Localização errada Dificuldades

Leia mais

Política monetária e senhoriagem: depósitos compulsórios na economia brasileira recente

Política monetária e senhoriagem: depósitos compulsórios na economia brasileira recente Política monetária e senhoriagem: depósitos compulsórios na economia brasileira recente Roberto Meurer * RESUMO - Neste artigo se analisa a utilização dos depósitos compulsórios sobre depósitos à vista

Leia mais

POSITIVO INFORMÁTICA RESULTADOS 2T15. 17 de agosto de 2015

POSITIVO INFORMÁTICA RESULTADOS 2T15. 17 de agosto de 2015 POSITIVO INFORMÁTICA RESULTADOS 2T15 17 de agosto de 2015 Seção I Destaques & Conjuntura Positivo Informática registra crescimento de 3,1% na receita líquida no varejo no 2T15 Mesmo em um trimestre de

Leia mais

Saúde privada no Brasil

Saúde privada no Brasil Análise 12 Saúde privada no Brasil O futuro chegou e pede reformas Marcio Coriolano Projeções apontam que o Brasil terá 65 milhões de idosos em 2050, o que equivale à população de mais de cinco cidades

Leia mais

4) Considerando-se os pontos A(p1, q 1) = (13,7) e B (p 2, q 2) = (12,5), calcule a elasticidade-preço da demanda no ponto médio.

4) Considerando-se os pontos A(p1, q 1) = (13,7) e B (p 2, q 2) = (12,5), calcule a elasticidade-preço da demanda no ponto médio. 1) O problema fundamental com o qual a Economia se preocupa é o da escassez. Explique porque, citando pelo menos um exemplo. A escassez é o problema fundamental da Economia, porque, dadas as necessidades

Leia mais

MACROECONOMIA ABERTA

MACROECONOMIA ABERTA MACROECONOMIA ABERTA 1- (APO-MP 2005) Considerando E = taxa real de câmbio calculada considerando os índices de preços interno e no estrangeiro e a taxa nominal de câmbio segundo conceito utilizado no

Leia mais