A EXPERIÊNCIA DA CONSTRUTORA TARJAB NA ADOÇÃO DA NORMA DE DESEMPENHO OUTUBRO 2014

Save this PDF as:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A EXPERIÊNCIA DA CONSTRUTORA TARJAB NA ADOÇÃO DA NORMA DE DESEMPENHO OUTUBRO 2014"

Transcrição

1 A EXPERIÊNCIA DA CONSTRUTORA TARJAB NA ADOÇÃO DA NORMA DE DESEMPENHO OUTUBRO

2 Apresentação dos trabalhos Porque devemos atender à Norma de Desempenho? O Contexto da normalização no Brasil A experiência da Tarjab no atendimento à Norma de Desempenho É viável atender à Norma de Desempenho no curto prazo? O papel do Governo no atendimento à Norma de Desempenho Considerações

3 Todas as normas referenciadas na Norma de Desempenho (Incluindo Normas estrangeiras) TOTAL: 232 Normas Referenciadas (182 ABNT)!!! Na maioria dos casos, cumprir estas normas significa cumprir a Norma de Desempenho

4 Normas ABNT referenciadas por ano de publicação 182 Normas ABNT Média de idade das normas ABNT = 2002 Mais de 10 anos!!! 60 normas com publicação anterior a 2000

5 A REVISÃO DA NORMA O atendimento integral da Norma de Desempenho é factível e não houve exageros nos níveis de exigência dos requisitos em função da realidade social, econômica e técnica brasileira.

6 Como atender e evidenciar o cumprimento da Norma na prática?

7 Abordagem REQUISITOS: 112 Critérios: 165 Premissas: 116 Itens para atender: 281

8 Como fazer?

9 Abordagem Listar TODOS OS ITENS!!!!! Quantidade de itens exigidos pela Norma: 281 Diagnosticar = Analisar a situação do item na Tarjab Resolver = Propor ações para atender o item (quando não atendido) + Gerar evidências (quando estas faltarem)

10 CHECK-LIST DE ATENDIMENTO LISTAGEM DOS ITENS Planilha de trabalho Trabalho cansativo, mas alguém tem de fazer SUGESTÃO: planilha Excel para poder analisar item a item (linha por linha) e permitir fazer análises gráficas depois

11 CHECK-LIST DE ATENDIMENTO Diagnóstico Planilha de trabalho Analisar item a item, verificando se a empresa atende, ou não, cada critério e em qual nível de desempenho Verificar através de ensaios ou análise de documentação Ex: ensaios acústicos in loco; verificação das adequadas informações nos projetos; verificação do atendimento às normas referenciadas na Norma de Desempenho; cálculos ou simulações para análise de desempenho térmico e lumínico; etc.

12 Definir claramente os responsáveis por cada ação 1) Eleger um responsável por realizar o diagnóstico e controlar a evolução da análise 2) Deixar clara a importância do assunto e a necessidade de suporte de outros departamentos:» Projetos: dar suporte nas análises de projetos e reuniões com projetistas» Obras: dar suporte aos ensaios de campo, emprestar mão-de-obra e equipamentos para realização dos ensaios» Suprimentos: dar suporte nos contatos com fornecedores e ajudar nas negociações para exigência de informações deles quanto à adequação dos produtos 3) Fornecer recursos (humanos e financeiros) detalhes mais adiante

13 EXEMPLO Caracterização de desempenho de piso cerâmico Critério a analisar (da planilha): Desgaste por abrasão Recorte da Norma de Desempenho Parte 3 - Pisos

14 Caracterização de desempenho de piso cerâmico FUNCIONA DA SEGUINTE FORMA: - O cliente tem um requisito (qualitativo) - A Norma converte em critério (quantitativo) - E estabelece um método de ensaio para avaliação e valores de referência definidos No exemplo - PISO CERÂMICO: - Requisito: Resistência ao desgaste em uso - Critério: Desgaste por abrasão - Método de avaliação: Piso cerâmico: obedecer norma específica (NBR que tem os valores de referência = Tabela de classificação PEI)

15 Caracterização de desempenho de piso cerâmico PARA GARANTIR O ATENDIMENTO À NORMA (OBEDIÊNCIA AO VALOR ESTIPULADO PARA O CRITÉRIO): Classificar o revestimento de piso segundo Classe PEI: Valores de referência estipulados pela norma específica para pisos cerâmicos (NBR 13818)

16 Caracterização de desempenho de piso cerâmico PARA GARANTIR O ATENDIMENTO À NORMA (OBEDIÊNCIA AO VALOR ESTIPULADO PARA O CRITÉRIO): Comprovar o atendimento através de resultados comprobatórios:

17 Caracterização de desempenho de piso cerâmico PARA GARANTIR O ATENDIMENTO À NORMA (OBEDIÊNCIA AO VALOR ESTIPULADO PARA O CRITÉRIO): Verificar o nível de desempenho atingido:

18 EXEMPLO Caracterização de desempenho de piso cerâmico Critério a analisar (da planilha): Desgaste por abrasão Assim, comprovamos o atendimento a este critério no nível mínimo (M) de desempenho Recorte da planilha de check-list

19 Formas de evidenciar o atendimento RESULTADOS COMPROBATÓRIOS DO DESEMPENHO Relatórios internos do fornecedor Relatórios de laboratórios especializados (Falcão Bauer, Concremat, Testin, IPT, etc.) Projeto atestando cumprimento de normas específicas Projeto comprovando o atendimento aos critérios Relatórios de inspeção em protótipo DOCUMENTAÇÃO = EVIDÊNCIAS!!!

20 Todos são responsáveis pelo desempenho INCORPORADOR PROJETISTAS PROJETISTAS CONSTRUTOR USUÁRIO CARACTERIZAÇÃO DO DESEMPENHO CONCEPÇÃO PARA O DESEMPENHO CONSTRUÇÃO USO E OPERAÇÃO VUP ENTORNO (Avaliação de RISCOS) + REQUISITOS ESPECIFICAÇÃO de sistemas, elementos e componentes Seguir rigorosamente os projetos + ENSAIOS COMISSIONAMENTO Seguir manuais de uso, operação e manutenção + MANUTENÇÃO CORRETIVA E PREVENTIVA briefing do produto Documentos memoriais Relatórios de ensaios Registros de manutenção

21 Definir claramente as responsabilidades de cada um PROJETISTAS: Projetar o empreendimento especificando os sistemas do edifício pelo seu desempenho (projetar pensando no uso e na vida útil de projeto) FORNECEDORES: Fornecer documentação comprobatória do desempenho de seus produtos, realizando ensaios em laboratório e entregando catálogos técnicos de seus materiais CONSTRUTOR: Seguir rigorosamente os projetos e comprar os produtos especificados neles segundo o desempenho (exigir o comprovado desempenho dos produtos de seus fornecedores) INCORPORADOR: Fornecer aos projetistas informações suficientes sobre o entorno e o ambiente do empreendimento (sondagens, avaliações de ruído de entorno, avaliação de contaminações no solo, etc.) e fornecer ao usuário um completo e adequado Manual de Uso, Operação e Manutenção do Edifício USUÁRIO: Usar a edificação da forma como ela foi projetada, realizar as devidas manutenções preventivas e corretivas conforme consta no manual do proprietário

22 O QUE PRECISA SER DOCUMENTADO Atender aos critérios exigidos na norma com documentos comprobatórios desse atendimento (EVIDÊNCIAS): Documentação dos projetistas: - Projeto atestando cumprimento de normas específicas - Projeto especificando sistemas e componentes por desempenho: - Desempenho acústico (atenuação em db) - Desempenho contra incêndio (TRF) - Desempenho térmico (cálculo de U e CT) - Estanqueidade (onde impermeabilizar e como) - Manutenibilidade (como fazer manutenção e quando)

23 PROJETO ATESTANDO CUMPRIMENTO DE NORMAS ESPECÍFICAS

24 DESEMPENHO ACÚSTICO DE PAREDES CASOS ESPECIAIS SOLUÇÕES ESPECIAIS Parede Academia X Unidade privativa FONTE: GUIA CBIC DESEMPENHO DE EDIFICAÇÕES HABITACIONAIS

25 DESEMPENHO TÉRMICO DE FACHADA E COBERTURA FAZER OS CÁLCULOS E MOSTRAR QUE OS SISTEMAS PROJETADOS ATENDEM AOS CRITÉRIOS DE DESEMPENHO TÉRMICO FONTE: GUIA CBIC DESEMPENHO DE EDIFICAÇÕES HABITACIONAIS

26 Definir claramente as responsabilidades de cada um PROJETISTAS: Projetar o empreendimento especificando os sistemas do edifício pelo seu desempenho (projetar pensando no uso e na vida útil de projeto) FORNECEDORES: Fornecer documentação comprobatória do desempenho de seus produtos, realizando ensaios em laboratório e entregando catálogos técnicos de seus materiais CONSTRUTOR: Seguir rigorosamente os projetos e comprar os produtos especificados neles segundo o desempenho (exigir o comprovado desempenho dos produtos de seus fornecedores) INCORPORADOR: Fornecer aos projetistas informações suficientes sobre o entorno e o ambiente do empreendimento (sondagens, avaliações de ruído de entorno, avaliação de contaminações no solo, etc.) e fornecer ao usuário um completo e adequado Manual de Uso, Operação e Manutenção do Edifício USUÁRIO: Usar a edificação da forma como ela foi projetada, realizar as devidas manutenções preventivas e corretivas conforme consta no manual do proprietário

27 FORNECEDORES Caracterizar o desempenho de seus produtos - Com base na NBR ou outras Normas específicas - Fornecer em seus catálogos de produtos especificações técnicas de desempenho Relatórios de Ensaios

28 Definir claramente as responsabilidades de cada um PROJETISTAS: Projetar o empreendimento especificando os sistemas do edifício pelo seu desempenho (projetar pensando no uso e na vida útil de projeto) FORNECEDORES: Fornecer documentação comprobatória do desempenho de seus produtos, realizando ensaios em laboratório e entregando catálogos técnicos de seus materiais CONSTRUTOR: Seguir rigorosamente os projetos e comprar os produtos especificados neles segundo o desempenho (exigir o comprovado desempenho dos produtos de seus fornecedores) INCORPORADOR: Fornecer aos projetistas informações suficientes sobre o entorno e o ambiente do empreendimento (sondagens, avaliações de ruído de entorno, avaliação de contaminações no solo, etc.) e fornecer ao usuário um completo e adequado Manual de Uso, Operação e Manutenção do Edifício USUÁRIO: Usar a edificação da forma como ela foi projetada, realizar as devidas manutenções preventivas e corretivas conforme consta no manual do proprietário

29 Construtor Ensaio de arrancamento Cobrar os fornecedores para caracterizarem o desempenho de seus produtos Obedecer os projetos Questionar detalhes com dúvidas Testar o desempenho de alguns sistemas (avaliar por amostragem, ou quando sentir necessidade: mudança de fornecedor, tecnologia, etc.)

30 RESPONSABILIDADES Atenuação acústica de fachadas (janelas): Ensaios por amostragem para avaliar o desempenho Laudos de fornecedores

31 Seguir as normas técnicas prescritivas de execução e verificação de desempenho: - Teste de carga de água

32 Resistência às solicitações de peças suspenças: - Capacidade das vedações suportarem cargas suspensas - Mão-francesa padrão, ou dispositivo preconizado pelo fornecedor

33 Definir claramente as responsabilidades de cada um PROJETISTAS: Projetar o empreendimento especificando os sistemas do edifício pelo seu desempenho (projetar pensando no uso e na vida útil de projeto) FORNECEDORES: Fornecer documentação comprobatória do desempenho de seus produtos, realizando ensaios em laboratório e entregando catálogos técnicos de seus materiais CONSTRUTOR: Seguir rigorosamente os projetos e comprar os produtos especificados neles segundo o desempenho (exigir o comprovado desempenho dos produtos de seus fornecedores) INCORPORADOR: Fornecer aos projetistas informações suficientes sobre o entorno e o ambiente do empreendimento (sondagens, avaliações de ruído de entorno, avaliação de contaminações no solo, etc.) e fornecer ao usuário um completo e adequado Manual de Uso, Operação e Manutenção do Edifício USUÁRIO: Usar a edificação da forma como ela foi projetada, realizar as devidas manutenções preventivas e corretivas conforme consta no manual do proprietário

34 Incorporador - Documentação que o incorporador deve prover aos projetistas: - Sondagem e topografia - Estudos das concessionárias

35 Incorporador - Documentação que o incorporador deve prover aos projetistas: - Levantamento acústico do terreno (Ruído de entorno)

36 Definir claramente as responsabilidades de cada um PROJETISTAS: Projetar o empreendimento especificando os sistemas do edifício pelo seu desempenho (projetar pensando no uso e na vida útil de projeto) FORNECEDORES: Fornecer documentação comprobatória do desempenho de seus produtos, realizando ensaios em laboratório e entregando catálogos técnicos de seus materiais CONSTRUTOR: Seguir rigorosamente os projetos e comprar os produtos especificados neles segundo o desempenho (exigir o comprovado desempenho dos produtos de seus fornecedores) INCORPORADOR: Fornecer aos projetistas informações suficientes sobre o entorno e o ambiente do empreendimento (sondagens, avaliações de ruído de entorno, avaliação de contaminações no solo, etc.) e fornecer ao usuário um completo e adequado Manual de Uso, Operação e Manutenção do Edifício USUÁRIO: Usar a edificação da forma como ela foi projetada, realizar as devidas manutenções preventivas e corretivas conforme consta no manual do proprietário

37 Usuário Promover a adequada manutenção dos sistemas do edifício e dos apartamentos Os contratos e as notas fiscais dos serviços prestados para manutenção do edifício servem de comprovação dos cuidados

38 Usuário Evitar que pequenos probleminhas Se tornem enormes problemões

39 Como fazer??? Analisar se os projetos e as soluções comumente utilizadas pela empresa atendem aos critérios da norma Definir um start point data ou obra a partir da qual todos os critérios deverão estar atendidos Adequar aqueles projetos e soluções construtivas que não atendem à Norma Usar essas informações para orientar os projetos e a execução das obras a partir do start point para garantir o atendimento

40 Riscos associados A Norma de Desempenho já está valendo:» Para projetos protocolados a partir de 19/Jul/2013 Não atender às normas técnicas quem é responsável? Não ter evidências comprovando o atendimento às normas

41 Riscos associados Risco de ser cobrado pelo não atendimento à norma:» OPÇÃO 1: Não saber se atende, vender dizendo que atende tudo, e ser amplamente cobrado depois» OPÇÃO 2: Não saber se atende, vender sem dizer nada sobre o assunto, e torcer para não ser cobrado depois

42 Como fazer??? Alguns critérios surgem como uma linha de corte Para garantir adequada qualidade dos empreendimentos Mas acabam impactando em mudanças tecnológicas, custos, etc. ALGUNS CRITÉRIOS SÃO DIFÍCEIS DE ATENDER MAS DEVEM SER ATENDIDOS

43 Riscos associados Risco de ser cobrado pelo não atendimento à norma:» SITUAÇÃO 1: Atender e inviabilizar o negócio em função do custo» SITUAÇÃO 2: Não atender, mas montar uma argumentação tecnicamente embasada: Com justificativas pelo não atendimento, demonstrando com dados históricos que não há problemas em usar as tecnologias existentes e que o desempenho adequado será atingido

44 EXEMPLO Critério Estanqueidade de vedações verticais internas externas com incidência direta de água Áreas molhadas A quantidade de água que penetra não pode ser superior a 3 cm³, por um período de 24 h, em uma área exposta com Dimensões de 34 cm X 16 cm. 1 cm³ = 1 ml

45 EXEMPLO Ensaio em protótipo

46 EXEMPLO Valores medidos: MEDIÇÃO VALOR OBTIDO DIFERENÇA UNIDADE 1ª medição 0,6 - ml 2ª medição 30min 7,4 6,8 ml LIMITE DA NORMA: 3ml em 24h 3ª medição 1 hora 12,6 12 ml 4ª medição 2 horas 21,4 20,8 ml 5ª medição 4 horas 0 25 ml 6ª medição 6 horas 11,8 36,8 ml 7ª medição 24 horas 0 61,8 ml O resultado obtido foi de 62ml... Com revestimento cerâmico!!! Uma solução amplamente utilizada e que, historicamente, não apresenta problemas de absorção de água e manchamento do lado oposto

47 EXEMPLO OPÇÕES:» Não atender e torcer para ninguém reclamar» Atender a todo e qualquer custo» Não atender, mas com forte embasamento para se posicionar a respeito Documentação de justificativa técnica

48 EXEMPLO Busca bibliográfica sobre o assunto

49 Outras dificuldades Falta de conhecimento técnico aprofundado» SOLUÇÃO: Treinamentos e participação em grupos de discussão

50 Outras dificuldades Falta de detalhamento técnico de produtos» ESTRATÉGIA: Cobrar os fornecedores e projetistas para entregar o que é exigido por norma» SOLUÇÃO: Desenvolvimento de parcerias tipo GANHA-GANHA: Abrimos nossas soluções para os projetistas e fabricantes parceiros (Que acabarão usando as informações com outros clientes) Garantimos a disponibilidade da documentação necessária e as evidências do atendimento às normas técnicas

51 Necessidade de alguns investimentos Cursos, consultorias, ensaios de campo, etc.

52 Necessidade de alguns investimentos INVESTIMENTOS EM PESSOAL = CAPACITAÇÃO PARA ANALISAR DESEMPENHO DE SEUS PRODUTOS E SISTEMAS

53 Necessidade de alguns investimentos INVESTIMENTOS EM EQUIPAMENTOS PARA USO FREQUENTE Aquisição de um decibelímetro em 2010 (na época, por uns R$ 5.000,00

54 Necessidade de alguns investimentos INVESTIMENTOS EM EQUIPAMENTOS PARA USO FREQUENTE Mais de 100 avaliações acústicas em obras em execução e prontas Cada ensaio com empresas especializadas custa entre R$ e R$

55 Necessidade de alguns investimentos INVESTIMENTO EM ENSAIOS

56 Necessidade de alguns investimentos INVESTIMENTO EM ENSAIOS VÍDEO

57 CHECK-LIST DE ATENDIMENTO Tarjab Setembro Atendidas 18% Não evidenciado o atendimento Atendimento às normas já existentes + Algumas adaptações nos projetos e procedimentos construtivos 82%

58 OBRIGADO! OUTUBRO

ABNT NBR 15.575 NORMA DE DESEMPENHO

ABNT NBR 15.575 NORMA DE DESEMPENHO ABNT NBR 15.575 NORMA DE DESEMPENHO O que é uma Norma Técnica? O que é uma Norma Técnica? Documento estabelecido por consenso e aprovado por um organismo reconhecido, que fornece, para uso repetitivo,

Leia mais

VIDA ÚTIL DE PROJETO COMO PREMISSA PARA O DESEMPENHO DE EDIFICAÇÕES HABITACIONAIS ABNT NBR 15575/2013 EDIFICAÇÕES HABITACIONAIS - DESEMPENHO

VIDA ÚTIL DE PROJETO COMO PREMISSA PARA O DESEMPENHO DE EDIFICAÇÕES HABITACIONAIS ABNT NBR 15575/2013 EDIFICAÇÕES HABITACIONAIS - DESEMPENHO VIDA ÚTIL DE PROJETO COMO PREMISSA PARA O DESEMPENHO DE EDIFICAÇÕES HABITACIONAIS ABNT NBR 15575/2013 EDIFICAÇÕES HABITACIONAIS - DESEMPENHO VIDA ÚTIL DE PROJETO COMO PREMISSA PARA O DESEMPENHO DE EDIFICAÇÕES

Leia mais

FOCO NO PROCESSO QUALIDADE. Cliente. Desenvolvimento do produto e projeto. Uso e operação. Gerenciamento e Execução de. Lançamento e vendas.

FOCO NO PROCESSO QUALIDADE. Cliente. Desenvolvimento do produto e projeto. Uso e operação. Gerenciamento e Execução de. Lançamento e vendas. QUALIDADE Cliente Uso e operação Desenvolvimento do produto e projeto FOCO NO Gerenciamento e Execução de obras PROCESSO Lançamento e vendas Suprimentos Planejamento e orçamento de obras Padronização dos

Leia mais

NBR 15575. Requisitos. a) Segurança 1. Desempenho estrutural 2. Segurança contra incêndio 3. Segurança no uso e operação

NBR 15575. Requisitos. a) Segurança 1. Desempenho estrutural 2. Segurança contra incêndio 3. Segurança no uso e operação NBR 15575 Requisitos b) Habitabilidade 1. Estanqueidade 2. Desempenho térmico 3. Desempenho acústico 4. Desempenho lumínico 5. Saúde, higiene e qualidade do ar 6. Funcionalidade e acessibilidade 7. Conforto

Leia mais

Importância e cuidados na reforma e manutenção de edifícios / Norma de Manutenção RSO

Importância e cuidados na reforma e manutenção de edifícios / Norma de Manutenção RSO Importância e cuidados na reforma e manutenção de edifícios / Norma de Manutenção RSO Principais novidades Nos últimos anos, com a introdução dos conceitos de desempenho dos sistemas e sua definição clara

Leia mais

Top Guia In.Fra: Perguntas para fazer ao seu fornecedor de CFTV

Top Guia In.Fra: Perguntas para fazer ao seu fornecedor de CFTV Top Guia In.Fra: Perguntas para fazer ao seu fornecedor de CFTV 1ª Edição (v1.4) 1 Um projeto de segurança bem feito Até pouco tempo atrás o mercado de CFTV era dividido entre fabricantes de alto custo

Leia mais

MONITORAMENTO DE NORMALIZAÇÃO FEVEREIRO

MONITORAMENTO DE NORMALIZAÇÃO FEVEREIRO 1) ABNT/CB-02 - COMITÊ BRASILEIRO DA CONSTRUÇÃO CIVIL ABNT NBR 5476 - Requisitos para o sistema de gestão de manutenção. Reunião 17 de fevereiro Houve uma mudança no escopo onde se define a necessidade

Leia mais

Todos nossos cursos são preparados por mestres e profissionais reconhecidos no mercado, com larga e comprovada experiência em suas áreas de atuação.

Todos nossos cursos são preparados por mestres e profissionais reconhecidos no mercado, com larga e comprovada experiência em suas áreas de atuação. Curso Formação Efetiva de Analístas de Processos Curso Gerenciamento da Qualidade Curso Como implantar um sistema de Gestão de Qualidade ISO 9001 Formação Profissional em Auditoria de Qualidade 24 horas

Leia mais

PROC IBR EDIF 048/2015 Análise de projeto de Instalações Prediais de Água Quente

PROC IBR EDIF 048/2015 Análise de projeto de Instalações Prediais de Água Quente INSTITUTO BRASILEIRO DE AUDITORIA DE OBRAS PÚBLICAS IBRAOP INSTITUTO RUI BARBOSA IRB / COMITÊ OBRAS PÚBLICAS PROC IBR EDIF 048/2015 Análise de projeto de Instalações Prediais de Água Quente Primeira edição

Leia mais

II Workshop de Desempenho

II Workshop de Desempenho II Workshop de Desempenho Alterações no Sistema de Avaliação da Conformidade de Empresas de Serviços e Obras SiAC para Inclusão das Exigências da Norma de Desempenho ABNT NBR 15575 Marcos Galindo 26.06.2015

Leia mais

DIRETRIZES TÉCNICAS AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO EM EDIFICAÇÕES 05/2015 DT 007/15 DTPC

DIRETRIZES TÉCNICAS AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO EM EDIFICAÇÕES 05/2015 DT 007/15 DTPC DIRETRIZES TÉCNICAS DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO EM EDIFICAÇÕES 05/2015 DT 007/15 DTPC 1 DIRETRIZES TÉCNICAS DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO EM EDIFICAÇÕES Presidente: Camil Eid. Vice Presidente Técnica: Miriana

Leia mais

Introdução. Gerência de Projetos de Software. Sumário. Sistemas de Informação para Processos Produtivos

Introdução. Gerência de Projetos de Software. Sumário. Sistemas de Informação para Processos Produtivos Sumário Sistemas de Informação para Processos Produtivos 1. Gerência de 2. Agentes principais e seus papéis 3. Ciclo de vida do gerenciamento de projetos M. Sc. Luiz Alberto lasf.bel@gmail.com Módulo 6

Leia mais

ANEXO DO CONTRATO. Anexo 2 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PARA A AQUISIÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE IMAGEM, EQUIPAMENTOS MÉDICOS E MOBILIÁRIO

ANEXO DO CONTRATO. Anexo 2 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PARA A AQUISIÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE IMAGEM, EQUIPAMENTOS MÉDICOS E MOBILIÁRIO ANEXO DO CONTRATO Anexo 2 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PARA A AQUISIÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE IMAGEM, EQUIPAMENTOS MÉDICOS E MOBILIÁRIO Dezembro - 2013 1. INTRODUÇÃO O presente Anexo tem a finalidade de apresentar

Leia mais

Na hora de reduzir os custos da sua reforma, não adianta só subtrair. É preciso também somar experiência. ampla. Construções & Reformas

Na hora de reduzir os custos da sua reforma, não adianta só subtrair. É preciso também somar experiência. ampla. Construções & Reformas Na hora de reduzir os custos da sua reforma, não adianta só subtrair. É preciso também somar experiência. Quem Somos Ampla é uma empresa focada em execução de obras com estrutura própria e qualidade. Oferecemos

Leia mais

O impacto da ABNT NBR 15575 Edificações habitacionais Desempenho sobre Esquadrias. Aspectos técnicos e jurídicos

O impacto da ABNT NBR 15575 Edificações habitacionais Desempenho sobre Esquadrias. Aspectos técnicos e jurídicos O impacto da ABNT NBR 15575 Edificações habitacionais Desempenho sobre Esquadrias Aspectos técnicos e jurídicos Enga. Fabiola Rago Beltrame AFEAL - Associação Nacional de Fabricantes de Esquadrias de Alumínio

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade MQ Manual da Qualidade SUMÁRIO... 1 1. APRESENTAÇÃO... 2

Sistema de Gestão da Qualidade MQ Manual da Qualidade SUMÁRIO... 1 1. APRESENTAÇÃO... 2 Revisão:14 Folha:1 de17 SUMÁRIO SUMÁRIO... 1 1. APRESENTAÇÃO... 2 2. RESPONSABILIDADE DA DIREÇÃO... 3 2.1 POLÍTICA DA QUALIDADE... 3 2.2 OBJETIVOS DA QUALIDADE... 4 2.3 ORGANIZAÇÃO DA EMPRESA PARA A QUALIDADE...

Leia mais

Outras concentram-se em mercados específicos, tais como de produtos agrícolas, médicos e farmacêuticos ou automotivos;

Outras concentram-se em mercados específicos, tais como de produtos agrícolas, médicos e farmacêuticos ou automotivos; Diferentes empresas de pesquisa oferecem diferentes habilidades, experiências e instalações. Por essa razão, não existe uma única empresa que seja a mais apropriada para todos os tipos de problemas de

Leia mais

Impacto da Norma de Desempenho na Contratação de Projeto de Arquitetura

Impacto da Norma de Desempenho na Contratação de Projeto de Arquitetura Impacto da Norma de Desempenho na Contratação de Projeto de Arquitetura Ricardo Reis Meira Arquiteto e urbanista, formado pela FAU/UnB Conselheiro suplente do CAU/DF Professor do curso de Arquitetura e

Leia mais

Ambientes acessíveis

Ambientes acessíveis Fotos: Sônia Belizário Ambientes acessíveis É FUNDAMENTAL A ATENÇÃO AO DESENHO E A CONCEPÇÃO DOS PROJETOS, PRINCIPALMENTE NOS ESPAÇOS PÚBLICOS,PARA ATENDER ÀS NECESSIDADES E LIMITAÇÕES DO MAIOR NÚMERO

Leia mais

de Desempenho e as Inovações Tecnológicas

de Desempenho e as Inovações Tecnológicas Seminário: Painel II Sistemas Industrializados à Base de Cimento para A Norma Habitação de Desempenho e as Inovações Tecnológicas Inovações Tecnológicas na CAIXA São Paulo, 31 de agosto 2011 VIGOV Vice-Presidência

Leia mais

Aula 17 Projetos de Melhorias

Aula 17 Projetos de Melhorias Projetos de Melhorias de Equipamentos e Instalações: A competitividade crescente dos últimos anos do desenvolvimento industrial foi marcada pela grande evolução dos processos produtivos das indústrias.

Leia mais

FAZEMOS MONOGRAFIA PARA TODO BRASIL, QUALQUER TEMA! ENTRE EM CONTATO CONOSCO!

FAZEMOS MONOGRAFIA PARA TODO BRASIL, QUALQUER TEMA! ENTRE EM CONTATO CONOSCO! FAZEMOS MONOGRAFIA PARA TODO BRASIL, QUALQUER TEMA! ENTRE EM CONTATO CONOSCO! DEFINIÇÃO A pesquisa experimental é composta por um conjunto de atividades e técnicas metódicas realizados para recolher as

Leia mais

PROGRAMAS DE SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO

PROGRAMAS DE SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO 1 PROGRAMAS DE SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO 2 PPRA Desde 1994, por exigência legal, as empresas são obrigadas a montar o PPRA (Programa de Prevenção de Riscos Ambientais). Esse programa foi definido pela

Leia mais

Exploração de Energia Solar em Lagos de Usinas Hidrelétricas

Exploração de Energia Solar em Lagos de Usinas Hidrelétricas 1ª Compilaça o de perguntas e respostas a du vidas referentes ao EDITAL 003/2015 CAPTAÇA O DE PROJETO DE P&D PARA O DESENVOLVIMENTO DE INOVAÇA O TECNOLO GICA A SER PROPOSTA PELA ELETRONORTE EM COOPERAÇA

Leia mais

Realização. Conselho Brasileiro de Manejo Florestal FSC Brasil. www.fsc.org.br

Realização. Conselho Brasileiro de Manejo Florestal FSC Brasil. www.fsc.org.br C e rtificação gr u p o em Realização Apoio Conselho Brasileiro de Manejo Florestal FSC Brasil www.fsc.org.br 28 01 C er t ifi ca çã o emgrupo em Realização Apoio Conselho Brasileiro de Manejo Florestal

Leia mais

08/05/2009. Cursos Superiores de. Prof.: Fernando Hadad Zaidan. Disciplina: PIP - Projeto Integrador de Pesquisa. Objetivos gerais e específicos

08/05/2009. Cursos Superiores de. Prof.: Fernando Hadad Zaidan. Disciplina: PIP - Projeto Integrador de Pesquisa. Objetivos gerais e específicos Faculdade INED Cursos Superiores de Tecnologia Disciplina: PIP - Projeto Integrador de Pesquisa Objetivos gerais e específicos Objetivo resultado a alcançar; Geral dá resposta ao problema; Específicos

Leia mais

Instituto Brasileiro de Auditoria de Obras Públicas www.ibraop.com.br

Instituto Brasileiro de Auditoria de Obras Públicas www.ibraop.com.br Instituto Brasileiro de Auditoria de Obras Públicas www.ibraop.com.br ORIENTAÇÃO TÉCNICA OT - IBR 001/2006 PROJETO BÁSICO Primeira edição: válida a partir de 07/11/2006 Palavras Chave: Projeto Básico,

Leia mais

AS LEIS ESTÃO PARA OS ADVOGADOS ASSIM COMO AS NORMAS TÉCNICAS ESTÃO PARA ENGENHEIROS E ARQUITETOS

AS LEIS ESTÃO PARA OS ADVOGADOS ASSIM COMO AS NORMAS TÉCNICAS ESTÃO PARA ENGENHEIROS E ARQUITETOS PAINEL 2 As perícias Judiciais em edificações e a ABNT NBR15575:2010 Edifícios Habitacionais de até 5 pavimentos - Desempenho Apresentação PAULO GRANDISKI Eng. Civil IBAPE/SP 1 AS LEIS ESTÃO PARA OS ADVOGADOS

Leia mais

REGULAMENTO PROGRAMA RECUPERAÇÃO DE HABITAÇÕES NA ZONA HISTÓRICA DA CIDADE E DEVESA

REGULAMENTO PROGRAMA RECUPERAÇÃO DE HABITAÇÕES NA ZONA HISTÓRICA DA CIDADE E DEVESA REGULAMENTO DO PROGRAMA RECUPERAÇÃO DE HABITAÇÕES NA ZONA HISTÓRICA DA CIDADE E DEVESA INTRODUÇÃO O levantamento socioeconómico da população residente nas zonas antigas evidencia um significativo número

Leia mais

O FUTURO NÓS CONSTRUÍMOS

O FUTURO NÓS CONSTRUÍMOS O FUTURO NÓS CONSTRUÍMOS Assistência técnica Responsabilidades Carlos Pinto Del Mar Entrega das chaves/manuais Construção Vida útil Garantia Assistência técnica A NBR 15575 ESTABELECE: Os requisitos mínimos

Leia mais

COMUNICAÇÃO TÉCNICA Nº 173110. ABNT NBR 15575:2013: edificações habitacionais, desempenho.

COMUNICAÇÃO TÉCNICA Nº 173110. ABNT NBR 15575:2013: edificações habitacionais, desempenho. COMUNICAÇÃO TÉCNICA Nº 173110 ABNT NBR 15575:2013: edificações habitacionais, desempenho. André Azevedo Palestra apresentado na 10.Convenção Nordeste de Cerâmica Vermelha, Teresina, PI, 2015.. A série

Leia mais

INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR - IS IS Nº 43.13-005 Revisão A

INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR - IS IS Nº 43.13-005 Revisão A INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR - IS IS Nº 43.13-005 Aprovação: Portaria nº 2166, de 26 de agosto de 2013, publicada no Diário Oficial da União de 27 de agosto de 2013, Seção 1, página 9. Assunto: Ferramentas Especiais

Leia mais

Projeto Impressoras Térmicas Modelo de Negócios

Projeto Impressoras Térmicas Modelo de Negócios 07.05.2010 - Departamento de marketing de produtos Projeto Impressoras Térmicas Modelo de Negócios Introdução Cenário de mercado em que vamos atuar Parceiro de negócio e composto de oferta Simpress Modelo

Leia mais

P4-MPS.BR - Prova de Conhecimento do Processo de Aquisição do MPS.BR

P4-MPS.BR - Prova de Conhecimento do Processo de Aquisição do MPS.BR Data: 6 de Dezembro de 2011 Horário: 13:00 às 17:00 horas (hora de Brasília) Nome: e-mail: Nota: INSTRUÇÕES Você deve responder a todas as questões. O total máximo de pontos da prova é de 100 pontos (100%),

Leia mais

Maio 2011 Recife Fabio Villas Bôas

Maio 2011 Recife Fabio Villas Bôas Maio 2011 Recife Fabio Villas Bôas 1 FULL SERVICE - INCORPORAÇÃO / CONSTRUÇÃO / VENDAS 34 ANOS DE MERCADO; 1851 COLABORADORES PRÓPRIOS; 6415 COLABORADORES TERCEIROS; MAIS DE 2,7 MILHÃO DE M 2 LANÇADOS

Leia mais

PROJETO DE INSTALAÇÕES PREDIAIS DE ÁGUA FRIA REGISTRO DE INSPEÇÃO DE PROJETOS

PROJETO DE INSTALAÇÕES PREDIAIS DE ÁGUA FRIA REGISTRO DE INSPEÇÃO DE PROJETOS Página 1 GRUPO RESPONSÁVEL PELA ELA- BORAÇÃO DO PROJETO: REGISTRO DE INSPEÇÃO DE PROJETOS PROJETO INSPECIONADO: DATA DA INSPEÇÃO: AUTOR DESTE CHECKLIST MARCOS LUÍS ALVES DA SILVA Sistema de instalações

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL REI

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL REI UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL REI MODELO PARA REDAÇÃO DO PROJETO DE PESQUISA DISCIPLINA: MÉTODO DE PESQUISA QUANTITATIVA PROFA. Dra. MARINA BANDEIRA, Ph.D. MARÇO 2014 1 MODELO PARA REDAÇÃO DOS TRABALHOS

Leia mais

1 Desempenho térmico

1 Desempenho térmico Desempenho térmico 1 2 Desempenho térmico A norma NBR 15575 não trata de condicionamento artificial. Todos os critérios de desempenho foram estabelecidos com base em condições naturais de insolação, ventilação

Leia mais

Art. 1º Aprovar o Regulamento para Designação de Organismos de Avaliação da Conformidade, em anexo.

Art. 1º Aprovar o Regulamento para Designação de Organismos de Avaliação da Conformidade, em anexo. MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR-MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria nº 087, de 03 de maio de 2002. O PRESIDENTE DO INSTITUTO

Leia mais

Para que o trabalho no canteiro de obras flua, a conexão com a área de suprimentos é fundamental. Veja como é possível fazer gestão de suprimentos

Para que o trabalho no canteiro de obras flua, a conexão com a área de suprimentos é fundamental. Veja como é possível fazer gestão de suprimentos Para que o trabalho no canteiro de obras flua, a conexão com a área de suprimentos é fundamental. Veja como é possível fazer gestão de suprimentos estratégica e conectada ao canteiro na construção civil.

Leia mais

B. Braun Avitum. Fornecedora de Sistemas em Terapia de Substituição Renal. Avitum

B. Braun Avitum. Fornecedora de Sistemas em Terapia de Substituição Renal. Avitum B. Braun Avitum Fornecedora de Sistemas em Terapia de Substituição Renal Avitum B. Braun Avitum. Sempre com Paixão. Paixão pela Vida Pois fazer a vida ficar melhor é o melhor de tudo Pois não há nada melhor

Leia mais

VENCENDO OS DESAFIOS DAS ARGAMASSAS PRODUZIDAS EM CENTRAIS DOSADORAS argamassa estabilizada e contrapiso autoadensável

VENCENDO OS DESAFIOS DAS ARGAMASSAS PRODUZIDAS EM CENTRAIS DOSADORAS argamassa estabilizada e contrapiso autoadensável VENCENDO OS DESAFIOS DAS ARGAMASSAS PRODUZIDAS EM CENTRAIS DOSADORAS argamassa estabilizada e contrapiso autoadensável Juliano Moresco Silva Especialista em Tecnologia do Concreto juliano.silva@azulconcretos.com.br

Leia mais

PROJETO COM FERRAMENTA DE COMUNICAÇÃO. Erick Nogueira dos Santos Firmino Siqueira Consultores Associados Ltda.

PROJETO COM FERRAMENTA DE COMUNICAÇÃO. Erick Nogueira dos Santos Firmino Siqueira Consultores Associados Ltda. PROJETO COM FERRAMENTA DE COMUNICAÇÃO Erick Nogueira dos Santos Firmino Siqueira Consultores Associados Ltda. Firmino Soares de Siqueira Filho Firmino Siqueira Consultores Associados Ltda. Tatiane Lara

Leia mais

LISTA DE VERIFICAÇAO DO SISTEMA DE GESTAO DA QUALIDADE

LISTA DE VERIFICAÇAO DO SISTEMA DE GESTAO DA QUALIDADE Questionamento a alta direção: 1. Quais os objetivos e metas da organização? 2. quais os principais Produtos e/ou serviços da organização? 3. Qual o escopo da certificação? 4. qual é a Visão e Missão?

Leia mais

EIA - Unidades de Produção de Pó e Pastilhas de UO 2, INB/CIR - Resende - RJ

EIA - Unidades de Produção de Pó e Pastilhas de UO 2, INB/CIR - Resende - RJ 6. DESCOMISSIONAMENTO 6.1. A LÓGICA DOS PLANOS DE DESCOMISSIONAMENTO O descomissionamento é considerado como a última das seis fases do processo de licenciamento de uma instalação nuclear, que envolve

Leia mais

TUDO SOBRE ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA

TUDO SOBRE ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA TUDO SOBRE ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA O QUE É, COMO FUNCIONA, SISTEMA DE CRÉDITOS, RESPONSABILIDADE E DEVERES, INVESTIMENTO MÉDIO, MANUTENÇÃO E TEMPO DE RETORNO 1. INTRODUÇÃO Por Mário Camacho (Diretor

Leia mais

COMO CONVERTER DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS BRASILEIRAS PARA A MOEDA AMERICANA (FAS 52)

COMO CONVERTER DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS BRASILEIRAS PARA A MOEDA AMERICANA (FAS 52) COMO CONVERTER DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS BRASILEIRAS PARA A MOEDA AMERICANA (FAS 52)! As principais diferenças entre as normas contábeis brasileiras e americanas (US GAAP)! As taxas de conversão a serem

Leia mais

Proposta de metodologia para avaliação técnica de sistemas de sprinklers

Proposta de metodologia para avaliação técnica de sistemas de sprinklers Proposta de metodologia para avaliação técnica de sistemas de sprinklers Deives Junior de Paula Pesquisador do Lab. de Segurança ao Fogo e a Explosões LSFEx IPT (11) 3767-4557 / dpaula@ipt.br Estatísticas

Leia mais

Regimento Interno do Sistema

Regimento Interno do Sistema Identificação: R.01 Revisão: 05 Folha: 1 / 14 Artigo 1 - Objetivo do documento 1.1. Este documento tem como objetivo regulamentar as atividades para credenciamento de uma planta de produção com o SELO

Leia mais

FACÇÃO TECIDO PLANO. 1 - Introdução. 2- Mercado

FACÇÃO TECIDO PLANO. 1 - Introdução. 2- Mercado FACÇÃO TECIDO PLANO 1 - Introdução Nesta apresentação o empreendedor encontra indicações dos conhecimentos que aumentam e melhoram suas chances de sucesso, desde a identificação da oportunidade, riscos

Leia mais

Atividades da Engenharia de Software ATIVIDADES DE APOIO. Atividades da Engenharia de Software. Atividades da Engenharia de Software

Atividades da Engenharia de Software ATIVIDADES DE APOIO. Atividades da Engenharia de Software. Atividades da Engenharia de Software Módulo 1 SCE186-ENGENHARIA DE SOFTWARE Profª Rosely Sanches rsanches@icmc.usp.br CONSTRUÇÃO Planejamento do Codificação Teste MANUTENÇÃO Modificação 2003 2 Planejamento do Gerenciamento CONSTRUÇÃO de Codificação

Leia mais

IRMANDADE DA SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE VALINHOS MANUAL DE QUALIFICAÇÃO DE FORNECEDORES INSTITUCIONAL

IRMANDADE DA SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE VALINHOS MANUAL DE QUALIFICAÇÃO DE FORNECEDORES INSTITUCIONAL IRMANDADE DA SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE VALINHOS MANUAL DE QUALIFICAÇÃO DE FORNECEDORES INSTITUCIONAL Valinhos 2013 Introdução: A finalidade deste manual é aprimorar a relação entre a Santa Casa de

Leia mais

VIABILIDADE DA IMPLEMENTAÇÃO DA NORMA DE DESEMPENHO NBR15575

VIABILIDADE DA IMPLEMENTAÇÃO DA NORMA DE DESEMPENHO NBR15575 VIABILIDADE DA IMPLEMENTAÇÃO DA NORMA DE DESEMPENHO NBR15575 M. Engº Jorge Batlouni Neto Set/2010 NBR 15575 Edifícios habitacionais até cinco pavimentos Desempenho. Parte 1: Requisitos gerais; Parte 2:

Leia mais

1. INTRODUÇÃO 2. DADOS DO EMPREENDEDOR:

1. INTRODUÇÃO 2. DADOS DO EMPREENDEDOR: TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL E PLANO DE CONTROLE AMBIENTAL PARA PARQUES DE GERAÇÃO DE ENERGIAS ALTERNATIVA (SOLAR, EÓLICA E OUTRAS) 1. INTRODUÇÃO Este Termo de

Leia mais

Gestão do processo de manutenção preventiva em condomínios

Gestão do processo de manutenção preventiva em condomínios 1 Resumo Gestão do processo de manutenção preventiva em condomínios residenciais verticais Morgana Avrella Turra morga_turra@hotmail.com MBA Gestão de Projetos em Engenharias e Arquitetura Instituto de

Leia mais

GARANTIA. Introdução. Prezado Cliente,

GARANTIA. Introdução. Prezado Cliente, GARANTIA Introdução Prezado Cliente, Este Termo tem como objetivo lhe orientar sobre os prazos de garantia dos componentes e s de seu imóvel, e como solicitar a Assistência Técnica Venax Construtora. Os

Leia mais

Liderança Organizacional

Liderança Organizacional Liderança Organizacional Mauricio Lima Competência 07 Desenvolvimento de Recursos, Finanças e Legislação Corporativa Fundamentação Teórica Entre as atividades mais importantes do líder está a responsabilidade

Leia mais

ISOLAMENTO ACÚSTICO DAS VEDAÇÕES VERTICAIS EXTERNAS. Como escolher a esquadria da sua obra e atender a NBR 15.575

ISOLAMENTO ACÚSTICO DAS VEDAÇÕES VERTICAIS EXTERNAS. Como escolher a esquadria da sua obra e atender a NBR 15.575 ISOLAMENTO ACÚSTICO DAS VEDAÇÕES VERTICAIS EXTERNAS Como escolher a esquadria da sua obra e atender a NBR 15.575 Em julho de 2013 entrou definitivamente em vigor a NBR 15.575, a norma de desempenho de

Leia mais

PROJETOS DE ARQUITETURA OU REFORMA NOSSO TRABALHO

PROJETOS DE ARQUITETURA OU REFORMA NOSSO TRABALHO PROJETOS DE ARQUITETURA OU REFORMA Sejamos sinceros, uma construção ou reforma são empreitadas que envolvem muito tempo, recursos e dedicação. Afinal, o produto final é um bem feito para durar anos e anos.

Leia mais

SEGURO DECENAL CARTILHA RESUMIDA

SEGURO DECENAL CARTILHA RESUMIDA SEGURO DECENAL CARTILHA RESUMIDA Construindo em parceria a sua credibilidade O mercado da Construção Civil tem muito a crescer no Brasil e o seu desenvolvimento depende de uma visão estratégica. Esta é

Leia mais

ESTADO DE ALAGOAS SECRETARIA DE ESTADO DA ASSISTÊNCIA E DESENVOLVIMENTO SOCIAL SEADES DIRETORIA DE SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL DSAN

ESTADO DE ALAGOAS SECRETARIA DE ESTADO DA ASSISTÊNCIA E DESENVOLVIMENTO SOCIAL SEADES DIRETORIA DE SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL DSAN 1. APRESENTAÇÃO TERMO DE REFERÊNCIA Este documento se constitui no Termo de Referência que contém as instruções necessárias para a contratação de empresa para a realização de pesquisa e diagnóstico de

Leia mais

Caderno de Encargos Procedimento de Aquisição da PPP do Novo Colégio Militar de Manaus

Caderno de Encargos Procedimento de Aquisição da PPP do Novo Colégio Militar de Manaus Caderno de Encargos Procedimento de Aquisição da PPP do Novo Colégio Militar de Manaus SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 4 2. ORIENTAÇÕES GERAIS... 4 a. ELABORAÇÃO DO CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES... 5 b. HOMOLOGAÇÃO

Leia mais

Quadra 5 Piscina x x x Ver tabela 6 Solidez/ Segurança x Ver tabela da Edificação 3

Quadra 5 Piscina x x x Ver tabela 6 Solidez/ Segurança x Ver tabela da Edificação 3 Sistema 6 meses 1 ano 2 anos 3 anos 5 anos Observações Esquadrias de x x x Ver tabela Alumínio 3 Esquadrias de x Ver tabela Madeira 3 Esquadrias de x Ver tabela Ferro 3 Revestimentos x x x Ver tabela de

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA ORGANIZAÇÕES SEM FINS LUCRATIVOS

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA ORGANIZAÇÕES SEM FINS LUCRATIVOS 2º Congresso de Executivos das Associações Empresariais do Extremo Sul (Conexsul) PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA ORGANIZAÇÕES SEM FINS LUCRATIVOS Garibaldi, 11 de AGOSTO, 2010 Profa. Janaína Carneiro Email:

Leia mais

Um representante é alguém que está onde eu não consigo estar.

Um representante é alguém que está onde eu não consigo estar. DUAS VERDADES IMPORTANTES Um representante é alguém que está onde eu não consigo estar. DUAS VERDADES IMPORTANTES CERCA DE 80% DO PROFISSIONAIS DE VENDAS VEM PARA A ATIVIDADE DE FORMA CIRCUNSTANCIAL E

Leia mais

PRINCIPAIS FALHAS EM AUDITORIAS DO PBQP-H

PRINCIPAIS FALHAS EM AUDITORIAS DO PBQP-H PRINCIPAIS FALHAS EM AUDITORIAS DO PBQP-H PARA COMEÇAR......A VERSÃO 2012 VERSÃO 2012 A versão 2012 do SiAC incluiu alguns requisitos, antes não verificados em obras. São eles: 1. Indicadores de qualidade

Leia mais

Auto de Vistoria do Corpo de Bombeiros - AVCB

Auto de Vistoria do Corpo de Bombeiros - AVCB Auto de Vistoria do Corpo de Bombeiros - AVCB Mesmo caro, documento em dia é uma tranquilidade para o Síndico. Em 2013 a maior tragédia envolvendo fogo no Brasil aconteceu. Na boate Kiss, no Rio Grande

Leia mais

Auditoria de Segurança e Saúde do Trabalho da SAE/APO sobre Obra Principal, Obras Complementares, Obras do reservatório e Programas Ambientais

Auditoria de Segurança e Saúde do Trabalho da SAE/APO sobre Obra Principal, Obras Complementares, Obras do reservatório e Programas Ambientais 1 / 10 1 OBJETIVO: Este procedimento visa sistematizar a realização de auditorias de Saúde e Segurança do Trabalho por parte da SANTO ANTÔNIO ENERGIA SAE / Gerência de Saúde e Segurança do Trabalho GSST,

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DA COMPRA PRÓ-ATIVA NA FUNÇÃO DE COMPRAS DE EMPRESAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL

IMPLANTAÇÃO DA COMPRA PRÓ-ATIVA NA FUNÇÃO DE COMPRAS DE EMPRESAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL IMPLANTAÇÃO DA COMPRA PRÓ-ATIVA NA FUNÇÃO DE COMPRAS DE EMPRESAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL Profa. Dra. Adriana de Paula Lacerda Santos - UFPR Prof. Dr. Antônio Edésio Jungles - UFSC Prof. Dr. Sérgio S Scheer

Leia mais

Etapas para a preparação de um plano de negócios

Etapas para a preparação de um plano de negócios 1 Centro Ensino Superior do Amapá Curso de Administração Disciplina: EMPREENDEDORISMO Turma: 5 ADN Professor: NAZARÉ DA SILVA DIAS FERRÃO Aluno: O PLANO DE NEGÓCIO A necessidade de um plano de negócio

Leia mais

DER/PR ES-OA 06/05 OBRAS DE ARTE ESPECIAIS: ESCORAMENTOS

DER/PR ES-OA 06/05 OBRAS DE ARTE ESPECIAIS: ESCORAMENTOS DER/PR ES-OA 06/05 OBRAS DE ARTE ESPECIAIS: ESCORAMENTOS Departamento de Estradas de Rodagem do Estado do Paraná - DER/PR Avenida Iguaçu 420 CEP 80230 902 Curitiba Paraná Fone (41) 3304 8000 Fax (41) 3304

Leia mais

7 etapas para construir um Projeto Integrado de Negócios Sustentáveis de sucesso

7 etapas para construir um Projeto Integrado de Negócios Sustentáveis de sucesso 7 etapas para construir um Projeto Integrado de Negócios Sustentáveis de sucesso Saiba como colocar o PINS em prática no agronegócio e explore suas melhores opções de atuação em rede. Quando uma empresa

Leia mais

PROJETO PARA IMPLANTAÇÃO DE 01 (UM) GINÁSIO POLIESPORTIVO PROGRAMA ESPORTE E LAZER NA CIDADE

PROJETO PARA IMPLANTAÇÃO DE 01 (UM) GINÁSIO POLIESPORTIVO PROGRAMA ESPORTE E LAZER NA CIDADE PROJETO PARA IMPLANTAÇÃO DE 01 (UM) GINÁSIO POLIESPORTIVO PROGRAMA ESPORTE E LAZER NA CIDADE 1 OBJETIVOS 2 JUSTIFICATIVA 3 METAS 4 CUSTOS 5 MEMORIAL DESCRITIVO 1 OBJETIVOS 1.1 GERAL: Oferecer à comunidade

Leia mais

O QUE É O VALOR DE LIQUIDAÇÃO DE UMA EMPRESA E QUANDO DEVE SER UTILIZADO

O QUE É O VALOR DE LIQUIDAÇÃO DE UMA EMPRESA E QUANDO DEVE SER UTILIZADO O QUE É O VALOR DE LIQUIDAÇÃO DE UMA EMPRESA E QUANDO DEVE SER UTILIZADO! O que é o valor de liquidação?! Quando utilizar o valor de liquidação Francisco Cavalcante (francisco@fcavalcante.com.br) Sócio-Diretor

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA IMPERMEABILIZAÇÃO DE LAJE DO 14º ANDAR DO EDIFÍCIO-SEDE

TERMO DE REFERÊNCIA IMPERMEABILIZAÇÃO DE LAJE DO 14º ANDAR DO EDIFÍCIO-SEDE TERMO DE REFERÊNCIA IMPERMEABILIZAÇÃO DE LAJE DO 14º ANDAR DO EDIFÍCIO-SEDE 1. OBJETO Contratação de empresa especializada em engenharia para execução de impermeabilização da laje de cobertura no 14º andar

Leia mais

Regulamento do Programa de Incentivos à "Recuperação de Habitações na Zona Histórica da Vila"

Regulamento do Programa de Incentivos à Recuperação de Habitações na Zona Histórica da Vila Município de Figueiró dos Vinhos Regulamento do Programa de Incentivos à "Recuperação de Habitações na Zona Histórica da Vila" (regulamento que está em vigor após processo de alteração) Aprovado em reunião

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE HOSPITAL DE PRONTO SOCORRO PROJETO BÁSICO ANEXO XII - ESPECIFICAÇÕES DOS SERVIÇOS

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE HOSPITAL DE PRONTO SOCORRO PROJETO BÁSICO ANEXO XII - ESPECIFICAÇÕES DOS SERVIÇOS PROJETO BÁSICO ANEXO XII - ESPECIFICAÇÕES DOS SERVIÇOS 1 OBJETO O presente projeto básico tem por objeto a contratação da execução do Projeto Acústico (controle de poluição sonora) para os equipamentos

Leia mais

Informação para quem vai comprar, construir ou reformar.

Informação para quem vai comprar, construir ou reformar. Informação para quem vai comprar, construir ou reformar. Última Alteração - Dez/2007 Guia SUA CASA Orientação para quem vai comprar ou construir casas, terrenos e apartamentos. Importante: Este guia oferece

Leia mais

CONCORRÊNCIA PÚBLICA DE TÉCNICA E PREÇONº 003/15 CIRCULAR Nº01

CONCORRÊNCIA PÚBLICA DE TÉCNICA E PREÇONº 003/15 CIRCULAR Nº01 Contratação para os serviços de elaboração de Projetos Executivos de Engenharia para gasodutos, redes internas, incluindo levantamento topográfico semi-cadastral, proteção catódica, o estudo de interferência

Leia mais

QUALIFICAÇÃO E CERTIFICAÇÃO DE PESSOAL EM CORROSÃO E PROTEÇÃO

QUALIFICAÇÃO E CERTIFICAÇÃO DE PESSOAL EM CORROSÃO E PROTEÇÃO ABRACO 00 de 0 OBJETIVO Esta norma estabelece a sistemática adotada pela Associação Brasileira de Corrosão ABRACO para o funcionamento do Sistema Nacional de Qualificação e Certificação em Corrosão e Proteção.

Leia mais

A/C da Câmara Municipal da Estância Turística de Ribeirão Pires. Excelentíssimo Senhor Presidente e Ilustríssimos Senhores Vereadores,

A/C da Câmara Municipal da Estância Turística de Ribeirão Pires. Excelentíssimo Senhor Presidente e Ilustríssimos Senhores Vereadores, Ribeirão Pires, 16 de março de 2009 A/C da Câmara Municipal da Estância Turística de Ribeirão Pires Excelentíssimo Senhor Presidente e Ilustríssimos Senhores Vereadores, Nós, moradores do Centro Novo,

Leia mais

PROCEDIMENTO GERAL. Identificação e Avaliação de Aspectos e Impactos Ambientais

PROCEDIMENTO GERAL. Identificação e Avaliação de Aspectos e Impactos Ambientais PÁG. 1/8 1. OBJETIVO Definir a sistemática para identificação e avaliação contínua dos aspectos ambientais das atividades, produtos, serviços e instalações a fim de determinar quais desses tenham ou possam

Leia mais

Nove Passos para a Obra Sustentável - resumo

Nove Passos para a Obra Sustentável - resumo Nove Passos para a Obra Sustentável - resumo IDHEA Instituto para o Desenvolvimento da Habitação Ecológica www.idhea.com.br idhea@idhea.com.br (disponível na íntegra para clientes) Introdução O conceito

Leia mais

MÁXIME CONSULTORIA E ENGENHARIA LTDA PORTFÓLIO

MÁXIME CONSULTORIA E ENGENHARIA LTDA PORTFÓLIO MÁXIME CONSULTORIA E ENGENHARIA LTDA PORTFÓLIO PORTFÓLIO Prefácio A Máxime Consultoria e Engenharia foi fundada em 2004 pelos engenheiros e mestres em construção civil pela POLI/USP, Maurício Marques Resende

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Secretaria Especial de Desenvolvimento Urbano Secretaria de Política Urbana

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Secretaria Especial de Desenvolvimento Urbano Secretaria de Política Urbana PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Secretaria Especial de Desenvolvimento Urbano Secretaria de Política Urbana Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat - PBQP-H,WHQVH5HTXLVLWRVGR 6LVWHPDGH4XDOLILFDomRGH(PSUHVDVGH

Leia mais

QUALIFICAÇÃO E ATUAÇÃO DE ÓRGÃOS DE SUPERVISÃO TÉCNICA INDEPENDENTE EM USINAS NUCLEOELÉTRICAS E OUTRAS INSTALAÇÕES

QUALIFICAÇÃO E ATUAÇÃO DE ÓRGÃOS DE SUPERVISÃO TÉCNICA INDEPENDENTE EM USINAS NUCLEOELÉTRICAS E OUTRAS INSTALAÇÕES Norma CNEN NE 1.28 Resolução CNEN 15/99 Setembro / 1999 QUALIFICAÇÃO E ATUAÇÃO DE ÓRGÃOS DE SUPERVISÃO TÉCNICA INDEPENDENTE EM USINAS NUCLEOELÉTRICAS E OUTRAS INSTALAÇÕES Resolução CNEN 15/99 Publicação:

Leia mais

Pioneirismo e economia e economia de custos ao mesmo tempo. Luciana Tamaki

Pioneirismo e economia e economia de custos ao mesmo tempo. Luciana Tamaki Artecnica Case Hospital Unimed em Caxias do Sul Pioneirismo e economia e economia de custos ao mesmo tempo Luciana Tamaki Caxias do Sul é uma cidade brasileira no estado do Rio Grande do Sul com aproximadamente

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO AO PROCESSO DE COMPATIBILIZAÇÃO DE PROJETOS SOB A PESPECTIVA DO ATENDIMENTO DAS EXIGÊNCIAS DOS USUÁRIOS PREVISTAS NA NBR 15575

CONTRIBUIÇÃO AO PROCESSO DE COMPATIBILIZAÇÃO DE PROJETOS SOB A PESPECTIVA DO ATENDIMENTO DAS EXIGÊNCIAS DOS USUÁRIOS PREVISTAS NA NBR 15575 CONTRIBUIÇÃO AO PROCESSO DE COMPATIBILIZAÇÃO DE PROJETOS SOB A PESPECTIVA DO ATENDIMENTO DAS EXIGÊNCIAS DOS USUÁRIOS PREVISTAS NA NBR 15575 Marilda Ribeiro de ANDRADE (1); Tatiana Gondim do AMARAL (2)

Leia mais

Associação de Clínicas de Trânsito do Estado do Rio de Janeiro Tel: (21) 3904-0594 Fax- 2577 70 81 E-mail: actran@terra.com.br

Associação de Clínicas de Trânsito do Estado do Rio de Janeiro Tel: (21) 3904-0594 Fax- 2577 70 81 E-mail: actran@terra.com.br Rio de Janeiro, 10 de Março de 2008 Proposta de alterações à Consulta Pública do DETRAN-RJ - processo administrativo E-12/210529/2007 sobre o Regulamento para Seleção e Credenciamento de Clínicas de Medicina

Leia mais

11. NOÇÕES SOBRE CONFIABILIDADE:

11. NOÇÕES SOBRE CONFIABILIDADE: 11. NOÇÕES SOBRE CONFIABILIDADE: 11.1 INTRODUÇÃO A operação prolongada e eficaz dos sistemas produtivos de bens e serviços é uma exigência vital em muitos domínios. Nos serviços, como a Produção, Transporte

Leia mais

Soluções de Retrofit Modernize, aumentando confiabilidade e eficiência do seu equipamento

Soluções de Retrofit Modernize, aumentando confiabilidade e eficiência do seu equipamento Soluções de Retrofit Modernize, aumentando confiabilidade e eficiência do seu equipamento É hora de renovar O mercado de retrofit tem crescido exponencialmente nos últimos anos. Novas regulamentações

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal PREGÃO ELETRÔNICO 153/2009 PROCESSO 336.637 Trata-se de pedidos de esclarecimentos encaminhados pelas empresas AURUS Comercial e Distribuidora Ltda., HUFFIX do Brasil Ambientes Empresariais e TELOS S/A

Leia mais

ISO 9001: SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE

ISO 9001: SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE ISO 9001: SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE Prof. MARCELO COSTELLA FRANCIELI DALCANTON ISO 9001- INTRODUÇÃO Conjunto de normas e diretrizes internacionais para sistemas de gestão da qualidade; Desenvolve

Leia mais

Análise de Projeto Técnico Social APT MUNICÍPIO DE SANTO ANTÔNIO DAS MISSÕES

Análise de Projeto Técnico Social APT MUNICÍPIO DE SANTO ANTÔNIO DAS MISSÕES TE-SER Social Consultoria e Assessoria de Projetos Ltda. Rua Upamaroti, 1129/121 Bairro Cristal Porto Alegre/RS CEP: 90.820-140 CNPJ: 08.798.484/0001-78 Inscrição Municipal: 510.834.26 Análise de Projeto

Leia mais

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 16 AS QUATRO FASES DO PCP

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 16 AS QUATRO FASES DO PCP PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 16 AS QUATRO FASES DO PCP Índice 1. As quatro fases do PCP...3 1.1. Projeto de produção... 3 1.2. Coleta de informações... 5 1.3. Relação despesas/vendas...

Leia mais

TEC OLOGIA JOH DEERE: MAIOR PRODUTIVIDADE COM ME OR CUSTO DE MA UTE ÇÃO. nº 1

TEC OLOGIA JOH DEERE: MAIOR PRODUTIVIDADE COM ME OR CUSTO DE MA UTE ÇÃO. nº 1 TEC OLOGIA JOH DEERE: MAIOR PRODUTIVIDADE COM ME OR CUSTO DE MA UTE ÇÃO nº 1 Treviso x John Deere Uma parceria de futuro Bom Dia! A Treviso, é um grupo composto por 10 concessionárias que representam a

Leia mais

PNV Divulgação de Boas Práticas. Rede de Frio. Ana Paula Abreu

PNV Divulgação de Boas Práticas. Rede de Frio. Ana Paula Abreu PNV Divulgação de Boas Práticas Rede de Frio Dezembro 2011 Ana Paula Abreu S. Farmacêuticos A efectividade e a segurança das vacinas dependem também das suas condições de transporte, de conservação e de

Leia mais

7 SPDM ASSOCIAÇÃO PAULISTA PARA O DESENVOLVIMENTO DA MEDICINA Programa de Atenção Integral à Saúde

7 SPDM ASSOCIAÇÃO PAULISTA PARA O DESENVOLVIMENTO DA MEDICINA Programa de Atenção Integral à Saúde REGULAMENTO DE COMPRAS e CONTRATAÇÃO DE OBRAS E SERVIÇOS DAS UNIDADES SOB GERENCIAMENTO DA O.S.S. SPDM ASSOCIAÇÃO PAULISTA PARA O DESENVOLVIMENTO DA MEDICINA PROGRAMA DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE A SPDM

Leia mais

O QUE FAZEMOS QUEM SOMOS: MARCA DA SOTECNISOL PARA O MERCADO DE OPERAÇÃO, MANUTENÇÃO E ASSISTÊNCIA TÉCNICA:

O QUE FAZEMOS QUEM SOMOS: MARCA DA SOTECNISOL PARA O MERCADO DE OPERAÇÃO, MANUTENÇÃO E ASSISTÊNCIA TÉCNICA: O QUE FAZEMOS QUEM SOMOS: MARCA DA SOTECNISOL PARA O MERCADO DE OPERAÇÃO, MANUTENÇÃO E ASSISTÊNCIA TÉCNICA: 45 anos de mercado, presença activa em 3 continentes Missão comum de ser a mais competente empresa

Leia mais