PALESTRANTE: MIRIAM FEUERHARMEL SILVA Secretaria Municipal de Finanças Prefeitura de Curitiba 2013

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PALESTRANTE: MIRIAM FEUERHARMEL SILVA Secretaria Municipal de Finanças Prefeitura de Curitiba 2013"

Transcrição

1 PALESTRANTE: MIRIAM FEUERHARMEL SILVA Secretaria Municipal de Finanças Prefeitura de Curitiba 2013

2 1. Auto de Infração e Notificação Fiscal 2. Descrição dos Fatos e enquadramento Legal 3. Demonstrativo de Percentuais Aplicáveis sobre as Receitas do Simples Nacional 4. Demonstrativo de Valores Apurados por Insuficiência de Recolhimento 5. Demonstrativo de Valores de Impostos / Contribuições sobre Diferenças Apuradas 6. Demonstrativo de Multas e Juros e seu Enquadramento Legal 7. Demonstrativo de Valores Devidos 8. Termo de Encerramento

3 CENÁRIO: ABRIL/2009 Receita Declarada Receita Apurada R$ ,31 R$ ,31 Prestação de Serviço Sujeito ao Anexo V R$ ,31 Receita Declarada Mantida (RDM) Prestação de Serviço Sujeito ao Anexo V R$ ,00 Omissão de Receita (OMR)

4 CENÁRIO: MAIO/2009 Receita Declarada Receita Apurada R$ ,50 R$ ,50 Prestação de Serviço Sujeito ao Anexo V Venda Merc. Ind. Anexo II R$ 0,00 R$ ,50 Segregação Incorreta (SIR)

5 CENÁRIO: JUNHO/2009 Receita Declarada Receita Apurada R$ 4.821,50 R$ ,50 Prestação de Serviço Sujeito ao Anexo V R$ 0, ,50 (SIR) Revenda/ Comércio Anexo I 5.000,00 (OMR) Venda Merc. Ind. Anexo II 5.000,00 (# BC) Venda Merc. Ind. Anexo II

6 1

7 1/22

8 1/22

9 Obrigatório anexar pelo menos um arquivo no AINF 1/22

10 1/22

11 1/22

12 1/22

13 1/22

14 1/22

15 1/22

16 2 DESCRIÇÃO DOS FATOS E ENQUADRAMENTO LEGAL (IS) Em procedimento de verificação do cumprimento das obrigações tributárias pelo sujeito passivo supracitado, efetuamos o presente Lançamento de Ofício, nos termos do art. 33, 1º-B, 1º-C e 3º, da LC 123/2006 e alterações, e art. 77, 1º, incisos I e II, art. 79, 1º, 3º e 4º art. 80, parágrafo único e art. 81, da Resolução CGSN nº 94/2011, tendo em vista que foi(ram) apuradas(s) a(s) Infração(ões), abaixo descritas(s), aos dispositivos legais mencionados.

17 DESCRIÇÃO DOS FATOS e ENQUADRAMENTO LEGAL ABRIL/ ,00 Omissão de Receita (OMR) JUNHO/ ,00 Omissão de Receita (OMR) Falta de emissão do Documento Fiscal

18 Código da Infração Enquadramen to Legal 3/22

19 Descrição Do Fato 3/22

20 3/22

21 DESCRIÇÃO DOS FATOS e ENQUADRAMENTO LEGAL JUNHO/ ,00 Diferença de Base de Cálculo Escriturou mas não declarou a receita

22

23 DESCRIÇÃO DOS FATOS e ENQUADRAMENTO LEGAL MAIO/ ,50 Segregação Incorreta (SIR) JUNHO/ ,50 Segregação Incorreta (SIR) Informou Anexo e Receita Incorretos

24

25

26 Omissão de Receita RECEITAS NÃO ESCRITURADAS DEVOLUÇÃO NÃO COMPROVADA DE MERCADORIA VENDIDA CANCELAMENTO FICTÍCIO DE DOCUMENTO FISCAL SALDO CREDOR DE CAIXA SUPRIMENTO DE CAIXA DIFERENÇA DE ESTOQUE DEPÓSITOS OU INVESTIMENTOS EM INSTITUIÇÃO FINANCEIRA COM ORIGEM NÃO COMPROVADA FALTA DE ESCRITURAÇÃO DE PAGAMENTOS EFETUADOS FALTA DE EMISSÃO DE DOCUMENTO FISCAL PASSIVO FICTÍCIO Diferença de Base de Cálculo DIFERENÇA DE BASE DE CÁLCULO DIFERENÇA DE BASE DE CÁLCULO Insuficiência de Recolhimento DIFERENÇA DE ALÍQUOTA DIFERENÇA DE ALÍQUOTA SEGREGAÇÃO INCORRETA DE RECEITAS SEGREGAÇÃO INCORRETA DE RECEITAS

27 3

28

29 ABRIL/2009 Receita Declarada Receita Apurada R$ ,31 R$ ,31 Prestação de Serviço Sujeito ao Anexo V R$ ,31 Receita Declarada Mantida (RDM) Prestação de Serviço Sujeito ao Anexo V R$ ,00 Omissão de Receita (OMR)

30

31 5/22

32

33 Anexo (I, II, III, IV e V) Tipo de Receita (temos 27 tipos de receitas) Fator r (9 índices) Tributo (IR, CSSL, COFINS, PIS, CPP, ICMS, IPI, ISS) Alíquota (Normal, Máxima, Majorada,... )

34 Estrutura do código de enquadramento das alíquotas: (xx.yy.kk.zz.vv) xx Anexo 01 Anexo I 02 Anexo II 03 Anexo III 04 Anexo IV 05 Anexo V

35 Estrutura do código de enquadramento das alíquotas: (xx.yy.kk.zz.vv) yy Tipo de Receita Receitas de Revenda de mercadorias, exceto para o exterior, sem substituição tributária. Receitas de Revenda de mercadorias, exceto para o exterior, com substituição tributária 03 Receitas de Revenda de mercadorias para o exterior 04 Receitas de Venda de mercadorias industrializadas pelo contribuinte, exceto para o exterior, sem substituição tributária 05 Receitas de Venda de mercadorias industrializadas pelo contribuinte, exceto para o exterior, com substituição tributária 06 Receitas de Venda de mercadorias industrializadas pelo contribuinte para o exterior 07 Receitas de Locação de Bens Móveis 08 Receitas de Escritórios de Serviços Contábeis

36 Estrutura do código de enquadramento das alíquotas: (xx.yy.kk.zz.vv) yy Tipo de Receita Receitas de prestação de serviços sujeitas ao Anexo III, sem retenção/substituição tributária de ISS, com ISS devido a outro(s) Município(s) Receitas de prestação de serviços sujeitos ao Anexo III, sem retenção/substituição tributária de ISS, com ISS devido ao próprio Município do estabelecimento. Receitas de prestação de serviços sujeitas ao Anexo III com retenção/substituição tributária de ISS Receitas de prestação de serviços sujeitas ao Anexo IV, sem retenção/substituição tributária de ISS, com ISS devido a outro(s) Município(s) Receitas de prestação de serviços sujeitas ao Anexo IV, sem retenção/substituição tributária de ISS, com ISS devido ao próprio Município do estabelecimento

37 Estrutura do código de enquadramento das alíquotas: (xx.yy.kk.zz.vv) yy Tipo de Receita Receitas de prestação de serviços sujeitas ao Anexo IV, com retenção/substituição tributária de ISS Receitas de prestação de serviços sujeitas ao Anexo V, sem retenção/substituição tributária de ISS, com ISS devido a outro(s) Município(s) Receitas de prestação de serviços sujeitas ao Anexo V, sem retenção/substituição tributária de ISS, com ISS devido ao próprio Município do estabelecimento Receitas de prestação de serviços sujeitas ao Anexo V, com retenção/substituição tributária de ISS Receitas de Prestação de Serviço de Transporte Intermunicipal e Interestadual de Carga, sem Substituição Tributária de ICMS

38 Estrutura do código de enquadramento das alíquotas: (xx.yy.kk.zz.vv) yy Tipo de Receita Receitas de Prestação de Serviço de Transporte Intermunicipal e Interestadual de Carga, c/ ST de ICMS Atividades com Incidência Simultânea de IPI e de ISS: - Sem ST do IPI e sem retenção/st de ISS, com ISS devido a outro(s) Município(s). Atividades com incidência simultânea de IPI e de ISS: - Sem ST do IPI e sem retenção/st de ISS, com ISS devido ao próprio Município do estabelecimento. Atividades com incidência simultânea de IPI e de ISS: - Sem ST do IPI e Com retenção/st de ISS Atividades com incidência simultânea de IPI e de ISS: - Com ST do IPI e sem retenção/st de ISS, com ISS devido a outro(s) Município(s).

39 Estrutura do código de enquadramento das alíquotas: (xx.yy.kk.zz.vv) yy Tipo de Receita Atividades com incidência simultânea de IPI e de ISS: - Com ST do IPI e sem retenção/st de ISS, com ISS devido ao próprio Município do estabelecimento. Atividades com incidência simultânea de IPI e de ISS: - Com STributária do IPI e Com retenção/st de ISS Receitas de Prestação de Serviço de Comunicação, Sem Substituição Tributária de ICMS Receitas de Prestação de Serviço de Comunicação, Com Substituição Tributária de ICMS

40 Estrutura do código de enquadramento das alíquotas: (xx.yy.kk.zz.vv) kk Fator 'r' 01 r < 0, ,10 "r" < 0, ,15 "r" < 0, ,20 "r" < 0, ,25 "r" < 0, ,30 "r" < 0, ,35 "r" < 0,40 08 "r" 0,40 09 r < 0,30 00 sem fator r

41 Estrutura do código de enquadramento das alíquotas: (xx.yy.kk.zz.vv) zz Imposto/Contribuição 01 IRPJ 02 CSLL 03 COFINS 04 PIS/PASEP 05 CPP 06 ICMS 07 IPI 08 ISS

42 Estrutura do código de enquadramento das alíquotas: (xx.yy.kk.zz.vv) vv Tipo de Alíquota 01 ALÍQUOTA NORMAL 02 ALÍQUOTA MÁXIMA MAJORADA LIMITE NACIONAL (Excesso do Limite Nacional, Sem Sublimites, Sem Filiais E com um Tipo de Receita) MAJORADA LIMITE NACIONAL (Excesso do Limite Nacional, Sem Sublimites, Sem Filiais e com mais de um Tipo de Receita) MAJORADA - LIMITE NACIONAL (Excesso do Limite Nacional, Sem Sublimites e Com Filiais, com um ou mais tipo de receita)

43 Estrutura do código de enquadramento das alíquotas: (xx.yy.kk.zz.vv) vv Tipo de Alíquota MAJORADA - SUBLIMITE ESTADUAL (Excesso do Sublimite Estadual, mas não o Limite Nacional, Sem Filiais, com um tipo de receita) MAJORADA SUBLIMITE ESTADUAL E NACIONAL (Excesso do Sublimite Estadual e o Limite Nacional, Sem Filiais, com um tipo de receita.) MAJORADA SUBLIMITE ESTADUAL E/OU NACIONAL (Excesso do Sublimite Estadual e/ou Limite Nacional e possuir mais de um tipo de receita (Sem Filiais) MAJORADA SUBLIMITE ESTADUAL DE ,00 (Excesso do Sublimite Estadual de R$ ,00, mas não o Limite Nacional, Com Filiais, e um tipo de receita) MAJORADA SUBLIMITE ESTADUAL DE ,00 (Excesso do Sublimite Estadual de R$ ,00, mas não o Limite Nacional, Com Filiais, e um tipo de receita)

44 Estrutura do código de enquadramento das alíquotas: (xx.yy.kk.zz.vv) vv Tipo de Alíquota MAJORADA LIMITE NACIONAL (Excesso do Sublimite Estadual e Limite Nacional, com Filiais, com um tipo de receita) MAJORADA LIMITE PROPORCIONAL NACIONAL Excesso do Limite Proporcional Nacional - RBA acima do Limite Nacional em até 20% - Início de Atividade Igual ao Ano do PA, com ou sem Sublimites, com ou Sem filiais, com um ou mais tipo de Receita. MAJORADA SUBLIMITE PROPORCIONAL DE R$ ,00 (início de atividade - excesso do sublimite proporcional estadual de R$ ,00 - RBA acima do sublimite estadual de R$ ,00 em até 20% - início de atividade igual ao ano do PA - com filiais e não excede o limite nacional)

45 Estrutura do código de enquadramento das alíquotas: (xx.yy.kk.zz.vv) vv Tipo de Alíquota MAJORADA SUBLIMITE PROPORCIONAL DE R$ ,00 (início de atividade - excesso do sublimite proporcional estadual de R$ ,00 - RBA acima do sublimite estadual de R$ ,00 em até 20% - início de atividade igual ao ano do PA - com filiais e não excede o limite nacional) MAJORADA SUBLIMITE ESTADUAL OU NACIONAL (Excesso do Sublimite Estadual e/ou Limite Nacional, Com Filiais, e com um ou mais tipo de receita) MAJORADA LIMITE PROPORCIONAL NACIONAL (Excesso do Limite Proporcional Nacional - RBA acima do Limite Nacional em até 20% - Início de Atividade Igual ao Ano do PA (Com Sublimites, Sem filiais, e com um ou mais tipo de Receita)

46 Estrutura do código de enquadramento das alíquotas: (xx.yy.kk.zz.vv) vv Tipo de Alíquota MAJORADA LIMITE PROPORCIONAL NACIONAL (Excesso do Limite Proporcional Nacional - RBA acima do Limite Nacional em até 20% - Início de Atividade Igual ao Ano do PA (Com Sublimites, Sem filiais, e com um ou mais tipo de Receita) MAJORADA SUBLIMITE PROPORCIONAL DE ,00 (Excesso do Sublimite Proporcional Estadual - RBA acima do Sublimite Estadual em até 20% - Início de Atividade Igual ao Ano do PA (Sem filiais e Não Excede o limite Nacional) MAJORADA SUBLIMITE PROPORCIONAL DE ,00 Excesso do Sublimite Proporcional Estadual - RBA acima do Sublimite Estadual em até 20% - Início de Atividade Igual ao Ano do PA (Sem filiais e Não Excede o limite Nacional)

47 3 % aplicáveis Anexo V Anexo II

48

49 MAIO/2009 Receita Declarada Receita Apurada R$ ,50 R$ ,50 Cenário 05/2009 Prestação de Serviço Sujeito ao Anexo V Venda Merc. Ind. Anexo II R$ 0,00 R$ ,50 Segregação Incorreta (SIR)

50

51

52

53 Anexo V Anexo I

54

55 JUNHO/2009 Receita Declarada Receita Apurada R$ 4.821,50 R$ ,50 Cenário do mês 06 Prestação de Serviço Sujeito ao Anexo V R$ 0, ,50 (SIR) Revenda/ Comércio Anexo I 5.000,00 (OMR) Venda Merc. Ind. Anexo II 5.000,00 (# BC) Venda Merc. Ind. Anexo II

56

57

58

59

60 8-9/22

61 4

62

63

64

65

66 5

67

68

69

70

71

72 6

73

74

75

76

77

78

79 7

80

81

82

83

84

85

86

87

88

89

90

91

92

93

94

95

96

97 PARTES DO AINF Conteúdo Identificação do Sujeito Ativo (Ente/Unidade responsável pelo AINF) AUTO DE INFRAÇÃO E NOTIFICAÇÃO FISCAL DESCRIÇÃO DOS FATOS E ENQUADRAMENTO LEGAL(IS) DEMONSTRATIVO DE PERCENTUAIS APLICÁVEIS SOBRE AS RECEITAS DO SIMPLES NACIONAL Identificação do Sujeito Passivo (Matriz) Demonstrativo Consolidado do Crédito Tributário Intimação do Sujeito Passivo (prazo, dispositivo legal, local de impugnação) Autoridades autuantes Ciência do Sujeito Passivo e eventuais Responsáveis Demonstrativo Consolidado por Tipo de Infração (código do SIEF) por PA Enquadramento Legal das Infrações Demonstrativo dos percentuais de alíquota aplicáveis sobre as receitas apuradas por:pa, Estabelecimento, Tipo de Receita, Enquadramento Legal das Alíquotas (texto extraído da Tabela de Domínio do SEFISC conforme codificação pré-definida) DEMONSTRATIVO DE VALORES APURADOS POR INSUFICIÊNCIA DE RECOLHIMENTO Demonstrativo dos Valores apurados por insuficiência de recolhimento por: PA, Estabelecimento, Tipo de Receita, Tipo de Infração (Diferença de Alíquota e/ou Segregação Incorreta de Receitas) DEMONSTRATIVO DE VALORES DE IMPOSTOS / CONTRIBUIÇÕES SOBRE DIFERENÇAS APURADAS (*) Demonstrativo dos Valores apurados por diferenças apuradas (Omissão de Receita e Diferença de Base de Cálculo) por: PA, Estabelecimento, Tipo de Receita, Tipo de Infração (Diferença de Base de Cálculo e Omissão de Receitas)

98 PARTES DO AINF Conteúdo Demonstrativo dos Percentuais e Valores de Multas e Juros incidentes por: PA, Estabelecimento, Tipo de Receita, Tipo de Infração DEMONSTRATIVO DE MULTA E JUROS E SEU ENQUADRAMENTO LEGAL Enquadramento Legal das Multas Passíveis de Redução e Juros SELIC, informando data de validade dos valores dos juros SELIC DEMONSTRATIVO DE VALORES DEVIDOS (*) Demonstrativo dos valores do Principal, Multas e Juros devidos por: PA, Tipo de Receita, Tipo de Infração. Identificação do Sujeito Passivo (Matriz) Demonstrativo Consolidado do Crédito Tributário TERMO DE ENCERRAMENTO Intimação do Sujeito Passivo (prazo, dispositivo legal, local de impugnação) Ciência do Sujeito Passivo e eventuais Responsáveis

99

100 XXXX Posições 1 e 2 - Tipo do Ato: 01 - Ação Fiscal 02 Exclusão de Ofício em Lote 03 Exclusão de Oficio Individual 04 AINF 05 Processo Apartado Posição 3 Identificação do Ente: 7 RFB 8 UF/Estados 9 Município Posição 4 a 10 Código da UF, ou Município ou Unidade Administrativa Município (Curitiba)

101 XXXX Posições 11 a 15 Código Unidades do Ente Sec. Municipal de Finanças IXX / Curitiba - PR Posições 16 a 23 Número Sequencial do Documento 0000XXXX Posições 24 a 27 Ano de Abertura do Procedimento 2013 Posições 28 e 29 Dígito Verificador 00

102

103 CÓDIGO ANEXO DESCRIÇÃO 01 Receitas de Revenda de mercadorias, exceto para o exterior, sem substituição tributária. 02 I Receitas de Revenda de mercadorias, exceto para o exterior, com substituição tributária 03 Receitas de Revenda de mercadorias para o exterior 04 Receitas de Venda de mercadorias industrializadas pelo contribuinte, exceto para o exterior, sem substituição tributária 05 II Receitas de Venda de mercadorias industrializadas pelo contribuinte, exceto para o exterior, com substituição tributária 06 Receitas de Venda de mercadorias industrializadas pelo contribuinte para o exterior

104 07 Receitas de Locação de Bens Móveis 08 Receitas de Escritórios de Serviços Contábeis 09 Receitas de prestação de serviços sujeitas ao Anexo III, sem retenção/substituição tributária de ISS, com ISS devido a outro(s) Município(s) III 10 Receitas de prestação de serviços sujeitos ao Anexo III, sem retenção/substituição tributária de ISS, com ISS devido ao próprio Município do estabelecimento.receitas de prestação de serviços sujeitas ao Anexo III com retenção/substituição tributária de ISS 11 Receitas de prestação de serviços sujeitas ao Anexo III com retenção/substituição tributária de ISS

105 12 Receitas de prestação de serviços sujeitas ao Anexo IV, sem retenção/substituição tributária de ISS, com ISS devido a outro(s) Município(s) 13 IV Receitas de prestação de serviços sujeitas ao Anexo IV, sem retenção/substituição tributária de ISS, com ISS devido ao próprio Município do estabelecimento 14 Receitas de prestação de serviços sujeitas ao Anexo IV, com retenção/substituição tributária de ISS 15 Receitas de prestação de serviços sujeitas ao Anexo V, sem retenção/substituição tributária de ISS, com ISS devido a outro(s) Município(s) 16 V Receitas de prestação de serviços sujeitas ao Anexo V, sem retenção/substituição tributária de ISS, com ISS devido ao próprio Município do estabelecimento 17 Receitas de prestação de serviços sujeitas ao Anexo V, com retenção/substituição tributária de ISS

106 18 Receitas de Prestação de Serviço de Transporte Intermunicipal e Interestadual de Carga, sem Substituição Tributária de ICMS I 19 Receitas de Prestação de Serviço de Transporte Intermunicipal e Interestadual de Carga, com Substituição Tributária de ICMS 26 Receitas de Prestação de Serviço de Comunicação, Sem Substituição Tributária de ICMS I 27 Receitas de Prestação de Serviço de Comunicação, Com Substituição Tributária de ICMS

107 20 Atividades com Incidência Simultânea de IPI e de ISS: - Sem Substituição Tributária do IPI e sem retenção/substituição tributária de ISS, com ISS devido a outro(s) Município(s). 21 Atividades com incidência simultânea de IPI e de ISS: - Sem Substituição Tributária do IPI e sem retenção/substituição tributária de ISS, com ISS devido ao próprio Município do estabelecimento NÃO CONTEMPLADO NO AINF VERSÃO 1.0 Atividades com incidência simultânea de IPI e de ISS: - Sem Substituição Tributária do IPI e Com retenção/substituição tributária de ISS Atividades com incidência simultânea de IPI e de ISS: - Com Substituição Tributária do IPI e sem retenção/substituição tributária de ISS, com ISS devido a outro(s) Município(s). 24 Atividades com incidência simultânea de IPI e de ISS: - Com Substituição Tributária do IPI e sem retenção/substituição tributária de ISS, com ISS devido ao próprio Município do estabelecimento. 25 Atividades com incidência simultânea de IPI e de ISS: - Com Substituição Tributária do IPI e Com retenção/substituição tributária de ISS.

108

109 Omissão de Receita Receitas Não Escrituradas e Não Declaradas na DASN RECEITAS NÃO ESCRITURADAS Arts. 3º 1º, 13, 18, 25, 26 inciso II e 2º, e 34, da Lei Complementar nº 123/2006 e atualizações. Arts. 13, 14, inciso I, da Resolução CGSN nº 30/ /07/ /12/2011 Omissão no registro da receita operacional, caracterizada pela falta ou insuficiência de escrituração no livro caixa ou escrituração contábil (livro diário e razão), ressalvada a prova em contrário, que permite o arbitramento da receita omitida com base no valor das receitas auferidas/recebidas e não escrituradas DEVOLUÇÃO NÃO COMPROVADA DE MERCADORIA VENDIDA Arts. 3º 1º, 13, 18, 25, 26 inciso II e 2º, e 34, da Lei Complementar nº 123/2006 e atualizações. Art.1º e 2º da Resolução CGSN nº 10/2007 e alterações. Arts. 13, 14, inciso I, da Resolução CGSN nº 30/ /07/ /12/2011 Presunção de omissão no registro da receita operacional, ressalvada a prova em contrário, que permite o arbitramento da receita omitida caracterizada pela não comprovação de devolução de mercadorias vendidas, mas cuja operação ocorreu de fato CANCELAMENTO FICTÍCIO DE DOCUMENTO FISCAL Arts. 3º 1º, 13, 18, 25, 26 inciso II e 2º, e 34, da Lei Complementar nº 123/2006 e atualizações. Art.1º e 2º da Resolução CGSN nº 10/2007 e alterações. Arts. 13, 14, inciso I, da Resolução CGSN nº 30/ /07/ /12/2011 Presunção de omissão no registro da receita, ressalvada a prova em contrário, que permite o arbitramento da receita omitida com base no valor de documentos fiscais cancelados, mas cuja operação ocorreu de fato

110 Omissão de Receita Receitas Não Escrituradas e Não Declaradas na DASN SALDO CREDOR DE CAIXA Arts. 3º 1º, 13, 18, 25, 26 inciso II e 2º, e 34, da Lei Complementar nº 123/2006 e atualizações. Arts. 9º, 13, 14, inciso I, da Resolução CGSN nº 30/2008. Art. 12, 2º do Decreto-Lei nº 1.598/77 e art. 40 da Lei nº 9.430/96. 01/07/ /12/2011 Presunção de omissão no registro da receita, ressalvada a prova em contrário, que permite o arbitramento da receita omitida com base no valor do saldo credor de caixa SUPRIMENTO DE CAIXA Arts. 3º 1º, 13, 18, 25, 26 inciso II e 2º, e 34, da LC nº 123/2006 e atualizações. Arts. 9º, 13, 14, inciso I, da Resolução CGSN nº 30/2008. Art. 12, 3º do DeC-Lei nº 1.598/77 e art. 1º, inciso II do Dec-Lei nº 1.648/78. 01/07/ /12/2011 Presunção de omissão de receita operacional que permite o arbitramento da receita omitida com base no valor dos recursos de caixa fornecidos à empresa por administradores, sócios da sociedade não anônima, titular da empresa individual, ou pelo acionista controlador da companhia, caracterizada pela não comprovação da origem e/ou da efetividade da entrega do numerário DIFERENÇA DE ESTOQUE Arts. 3º 1º, 13, 18, 25, 26 inciso II, e 34, da LC nº 123/2006 e atualizações. Arts. 9º, 13, 14, inciso I, da Resolução CGSN nº 30/2008. Art. 41 da Lei nº 9.430/96. Art. 286 do RIR/99. 01/07/ /12/2011 Presunção de omissão no registro da receita operacional, que permite o arbitramento da receita omitida com base no valor obtido por levantamento por espécie de quantidades de matérias-primas e produtos intermediários utilizados no processo produtivo da pessoa jurídica.

111 Omissão de Receita Receitas Não Escrituradas e Não Declaradas na DASN Arts. 3º 1º, 13, 18, 25, DEPÓSITOS OU 26 inciso II e 2º, e 34, da INVESTIMENTOS Lei Complementar nº EM INSTITUIÇÃO 123/2006 e atualizações. FINANCEIRA Arts. 9º, 13, 14, inciso I, da COM ORIGEM Resolução CGSN nº 30/2008. NÃO Art.42 da Lei nº 9.430/96. COMPROVADA Art. 287 do RIR/99. 01/07/ /12/ 2011 Presunção de omissão no registro da receita, que permite o arbitramento da receita omitida com base nos valores creditados em conta de depósito ou de investimento mantida junto à instituição financeira, sem que tenham sido registrados na escrituração do sujeito passivo titular dos valores ativos. em relação aos quais o titular pessoa jurídica, regularmente intimado, não comprove, mediante documentação hábil e idônea, a origem dos recursos Arts. 3º 1º, 13, 18, 25, 26 inciso II e 2º, e 34, da FALTA DE Lei Complementar nº ESCRITURAÇÃO 123/2006 e atualizações. DE PAGAMENTOS Arts. 9º, 13, 14, inciso I, da EFETUADOS Resolução CGSN nº 30/2008. Art.40 da Lei nº 9.430/96. Art.281, inciso II, do RIR/99. 01/07/ /12/ 2011 Presunção de omissão no registro da receita operacional, ressalvada a prova em contrário, que permite o arbitramento da receita omitida com base no valor de pagamentos de despesas operacionais efetuados sem a correspondente escrituração. Simultaneamente, não encontra a origem contábil dos recursos empregados naquele pagamento, coincidente em data e valor.

112 Omissão de Receita Receitas Não Escrituradas e Não Declaradas na DASN FALTA DE EMISSÃO DE DOCUMENTO FISCAL Arts. 3º 1º, 13, 18, 25, 26 inciso I, e 34, da Lei Complementar nº 123/2006 e atualizações. Arts. 9º, 13, 14, inciso I, da Resolução CGSN nº 30/2008. Art.2º da Lei nº 8.846/94. Art.283 do RIR/99. 01/07/ /12/ 2011 Presunção de omissão no registro da receita caracterizada pela falta de emissão de nota fiscal, recibo ou documento equivalente, no momento da efetivação das operações de venda de mercadorias, prestação de serviços, operações de alienação de bens móveis, locação de bens móveis e imóveis ou quaisquer outras transações realizadas com bens ou serviços, bem como a sua emissão com valor inferior ao da operação PASSIVO FICTÍCIO Arts. 3º 1º, 13, 18, 25, 26, inciso II, e 34, da LC nº 123/2006 e atualizações. Arts. 9º, 13, 14, inciso I, da Resolução CGSN nº 30/2008. Art. 12, 2º do Decreto-Lei nº 1.598/77 e art. 40 da Lei nº 9.430/96. Art.281, inciso III, do RIR/99. 01/07/ /12/ 2011 Presunção de omissão no registro da receita, ressalvada a prova em contrário, que permite o arbitramento da receita omitida com base no valor das obrigações mantidas no passivo e que se encontram pagas ou cuja exigibilidade não seja comprovada.

113 Diferença de Base de Cálculo Receitas Escrituradas e Não Declaradas na DASN DIFERENÇA DE BASE DE CÁLCULO Arts. 3º 1º, 13, 18, 25, 26 inciso II e 2º, da Lei Complementar nº 123/2006 e alterações. Arts. 1º, 2º, 3º, 4º, 5º 1º, 6º e 16 da Resolução CGSN nº 05/2007 e alterações. Arts. 13, 14, inciso II, da Resolução CGSN nº 30/ /07/ /12/2008 Diferença Apurada entre o valor escriturado e o declarado, ou seja, não inclusão na base de cálculo do SN os valores escriturados no livro caixa ou escrituração contábil (livro diário e razão), resultando no não recolhimento dos impostos/contribuições incidentes sobre esses valores. Obs.: Nos Entes que outorgaram à Nfe caráter declaratório, os valores informados nesses documentos e não declarados na DASN, são infrações enquadradas neste tipo DIFERENÇA DE BASE DE CÁLCULO Arts. 3º 1º, 13, 18, 25, 26 inciso II e 2º, da Lei Complementar nº 123/2006 e alterações. Arts. 1º, 2º, 3º, 4º, 5º 1º, 6º e 18 da Resolução CGSN nº 51/2008 e alterações. Arts. 13, 14, inciso II da Resolução CGSN nº 30/ /01/ /12/2011 Diferença Apurada entre o valor escriturado e o declarado, ou seja, não inclusão na base de cálculo do SN os valores escriturados no livro caixa ou escrituração contábil (livro diário e razão), resultando no não recolhimento dos impostos/contribuições incidentes sobre esses valores. Obs.: Nos Entes que outorgaram à Nfe caráter declaratório, os valores informados nesses documentos e não declarados na DASN, são infrações enquadradas neste tipo.

114 Insuficiência de Recolhimento Recolhimento a menor por alteração na alíquota aplicável ou por segregação incorreta da receita tributável DIFERENÇA DE ALÍQUOTA DIFERENÇA DE ALÍQUOTA Arts. 3º 1º, 13, 18, e 25, da Lei Complementar nº 123/2006 e alterações. Arts. 1º, 2º, 3º, 4º, 5º e 16 da Resolução CGSN nº 05/2007 e alterações. Arts. 13 e 14, inciso III, da Resolução CGSN nº 30/2008. Arts. 3º 1º, 13, 18, e 25, da Lei Complementar nº 123/2006 e alterações. Arts. 1º, 2º, 3º, 4º, 5º, e 18 da Resolução CGSN nº 51/2008 e alterações. Arts. 13 e 14, inciso III, da Resolução CGSN nº 30/ /07/ /01/ /12/ /12/20 11 Recolhimento a menor dos impostos/contribuições por diferença de alíquota em decorrência da mudança do RBT12 ou Fator r ou majoração de alíquota por excesso de receita bruta (RBA)-limite nacional ou sublimite, cuja base de cálculo foi oferecida à tributação na DASN (receita declarada). Falta de recolhimento dos impostos/contribuições por diferença de alíquota em decorrência da mudança do RBT12 ou Fator r ou majoração de alíquota por excesso de receita bruta (RBA)-limite nacional ou subimite, cuja base de cálculo foi oferecida à tributação na DASN (receita declarada) SEGREGAÇÃO INCORRETA DE RECEITAS Arts. 3º 1º, 13, 18, e 25, da Lei Complementar nº 123/2006 e alterações. Arts. 1º, 2º, 3º, 4º, 5º 1º, 6º e 16 da Resolução CGSN nº 05/2007 e alterações. Arts. 13 e 14, inciso III, da Resolução CGSN nº 30/ /07/ /12/20 08 Falta de recolhimento ou recolhimento a menor dos impostos/contribuições por Segregação Incorreta de Receita conforme Tabela 01, cuja base de cálculo foi oferecida integralmente à tributação na DASN (receita declarada), porém segregada incorretamente SEGREGAÇÃO INCORRETA DE RECEITAS Arts. 3º 1º, 13, 18, e 25, da Lei Complementar nº 123/2006 e alterações. Arts. 1º, 2º, 3º, 4º, 5º 1º, 6º e 18 da Resolução CGSN nº 51/2008 e alterações. Arts. 13 e 14, inciso III, da Resolução CGSN nº 30/ /01/ /12/20 11 Falta de recolhimento ou recolhimento a menor dos impostos/contribuições por Segregação Incorreta de Receita conforme Tabela 01, cuja base de cálculo foi oferecida integralmente à tributação na DASN (receita declarada), porém segregada incorretamente.

115

116 SIGLA DESCRIÇÃO Escrituração Contábil/Fiscal Declaradas DASN DESCRIÇÃO OMR Omissão de Receitas Não Não Receitas não escrituradas em livros/arquivos/documentos contábil/fiscal e não declaradas na DASN DBC Diferença de Base de Cálculo Sim Não Receitas escrituradas (escrituração contábil/fiscal) e não declaradas na DASN SIR Segregação Incorreta de Receita Sim Sim Receitas escrituradas (escrituração contábil/fiscal) e declaradas na DASN, mas segregadas (*) incorretamente RDM Receita Declarada Mantida Sim Sim Receitas escrituradas (escrituração contábil/fiscal) e declaradas corretamente na DASN

117

118 UF Sublimite até a 2011 AC , ,00 AL , ,00 AM ,00 n AP , ,00 BA n n CE , ,00 DF , ,00 ES , ,00 GO , ,00 MA , ,00 MG n n MS , ,00 MT , ,00 PA , ,00 PB , ,00 PE , ,00 PI , ,00 PR n n RJ n n RN ,00 RO , ,00 RR , ,00 RS n n SC n n SE , ,00 SP n n TO , ,00

119

120 % MULTA 0% ENQUADRAMENTO LEGAL Art. 63 da Lei nº 9.430, de 27 de dezembro de 1996, com a Redação dada pela Media Provisória nº , de 2001, conforme art. 21, 3º e art. 35 da Lei Complementar nº 123/2006. TABELA DE MULTAS DE OFÍCIO Vigência Dt. Dt. Início Fim DESCRIÇÃO/APLICAÇÃO Penalidade aplicável às infrações apuradas em AINFs lavrados com exigibilidade suspensa 75% Art. 44, inciso I, da Lei nº 9.430, de 27 de dezembro de 1996, com a Redação dada pelo art.14 da Lei nº , de 15 de junho de 2007, c/c o art.35 da Lei Complementar nº 123/2006 e o art.15 e art.16, inciso I da Resolução CGSN nº 30/ Penalidade aplicável em processo regular de fiscalização Art. 44, inciso I e 2º, da Lei nº 9.430, de 27 de dezembro de 1996, com a Redação dada pelo art.14 da Lei nº , de 15 de 112,50% junho de 2007, c/c o art.35 da Lei Complementar nº 123/2006 e o art.15 e art.16, inciso III da Resolução CGSN nº 30/ Penalidade aplicável nos casos de não atendimento pelo sujeito passivo, no prazo marcado, de intimação para prestar esclarecimentos ou para apresentar arquivos ou documentação técnica referentes aos sistemas eletrônicos de processamento de dados utilizados para registrar negócios e atividades econômicas ou financeiras, escriturar livros ou elaborar documentos de natureza contábil ou fiscal. 150% Art. 44, inciso I e 1º, da Lei nº 9.430, de 27 de dezembro de 1996, com a Redação dada pelo art.14 da Lei nº , de 15 de junho de 2007 c/c o art.35 da Lei Complementar nº 123/2006 e o art.15 e art.16, inciso II da Resolução CGSN nº 30/ Penalidade aplicável às infrações cometidas com a prática constatada de sonegação, fraude ou conluio, regularmente constatada pelo Fisco 225% Art. 44, inciso I e 1º e 2º, da Lei nº 9.430, de 27 de dezembro de 1996, com a Redação dada pelo art.14 da Lei nº , de 15 de junho de 2007 c/c o art.35 da Lei Complementar nº 123/2006 e o art.15, 2º e art.16, inciso IV da Resolução CGSN nº 30/ Penalidade aplicável às infrações cometidas com a prática constatada de sonegação, fraude ou conluio e caso se trate ainda de não atendimento pelo sujeito passivo, no prazo marcado, de intimação para prestar esclarecimentos ou para apresentar arquivos ou documentação técnica referentes aos sistemas eletrônicos de processamento de dados utilizados para registrar negócios e atividades econômicas ou financeiras, escriturar livros ou elaborar documentos de natureza contábil ou fiscal

121

122 PERFIS DE ACESSO FUNCIONALIDADES GESTOR FISCAL JULGADOR PREPARADOR UF / MUNICÍPIO RFB UF / MUNICÍPIO TODOS TODOS Registrar ação fiscal X X 2 Registrar ação fiscal realizada no período de transição X X 2 X 1 Prorrogar prazo de ação fiscal X 1 Alterar dados de ação fiscal X 1 X 2 Informar data de ciência da ação Fiscal Informar o resultado da ação fiscal (sem AINF) Informar encerramento da ação fiscal (sem AINF) X 1 X 2 X 1 X 2 X 1 X 2

123 PERFIS DE ACESSO FUNCIONALIDADES GESTOR FISCAL JULGADOR PREPARADOR UF / MUNICÍPIO RFB UF / MUNICÍPIO TODOS TODOS Integrar a ação fiscal iniciada por outro ente (Consulta Optar por Integração) X 5 Cancelar ação fiscal X 1 Emitir TFI de ação fiscal X 1 X 3 Efetuar recálculo do AINF X 1 Informar data de ciência do início da ação fiscal Emitir termo de exclusão vinculado à ação fiscal X 2 X 1 X 2 X 2 Emitir AINF X 2 X 2

124 PERFIS DE ACESSO FUNCIONALIDADES GESTOR FISCAL JULGADOR PREPARADOR UF / MUNICÍPIO RFB UF / MUNICÍPIO TODOS TODOS Manter Tabela de Ente Federativo (prazos) Manter Tabela de Unidade de Fiscalização X 1 X 1 Efetuar consulta Ação Fiscal Encerrada X X X X X Efetuar consulta Ação Fiscal Aberta X X X Efetuar consulta AINF gerado X X X X Efetuar consulta Ação Fiscal Integrada X 5 X 3 Efetuar consulta Quantitativos X X

125 PERFIS DE ACESSO FUNCIONALIDADES GESTOR FISCAL JULGADOR PREPARADOR UF / MUNICÍPIO RFB UF / MUNICÍPIO TODOS TODOS Efetuar consulta Com Parâmetros X X Efetuar consulta ISS-ICMS X 4 X 4 Ciência de Lançamento X X X X Consulta processo X X X X X Questionamento X X Desfazer Evento X X

126 X 1 - somente ações do Ente Federado X 2 - somente ações em que o Fiscal é ou será o responsável X 3 - somente ações em que o Fiscal é integrante X 4 - somente ações da jurisdição do Ente Federado X 5 - somente ações em que o Ente Federado for integrante

127 Obrigada! Miriam Feuerharmel Silva Secretaria Municipal de Finanças Prefeitura de Curitiba

Carga Tributária dos Combustíveis por Estado. Referência: Junho/2015

Carga Tributária dos Combustíveis por Estado. Referência: Junho/2015 Carga Tributária dos Combustíveis por Estado Referência: Junho/2015 Pontos importantes da Lei 12.741/2012 para a revenda de combustíveis Art. 1º Emitidos por ocasião da venda ao consumidor de mercadorias

Leia mais

Simples Nacional. Seminário de Direito Tributário. Assunto: PGDAS. Palestrante: Adalgisa G. M. Sabino

Simples Nacional. Seminário de Direito Tributário. Assunto: PGDAS. Palestrante: Adalgisa G. M. Sabino Simples Nacional Seminário de Direito Tributário Assunto: PGDAS Palestrante: Adalgisa G. M. Sabino 1 CÁLCULO E PGDAS Conceitos Básicos para Cálculo Regime de Tributação: Competência e Caixa Segregação

Leia mais

O que muda com a Lei Geral (para maiores informações acessar WWW.LEIGERAL.COM.BR)

O que muda com a Lei Geral (para maiores informações acessar WWW.LEIGERAL.COM.BR) O que muda com a Lei Geral (para maiores informações acessar WWW.LEIGERAL.COM.BR) Pontos Lei Geral Como é hoje 1 Alcance da Lei A lei do Simples está voltada para os tributos federais. Os sistemas de tributação

Leia mais

Segregação de Receitas: Substituição Tributária, Tributação Monofásica

Segregação de Receitas: Substituição Tributária, Tributação Monofásica Anexo I Comércio A partir de 01.01.2015 TABELAS DO SIMPLES NACIONAL VIGENTES A PARTIR DE 01.01.2015 RESOLUÇÃO CGSN 94 DE 29.11.2011 (Art. 25 A e Anexo I) Art. 25 A. O valor devido mensalmente pela ME ou

Leia mais

SIMPLES NACIONAL. Regime Especial Unificado de Arrecadação de Tributos e Contribuições devidos pelas Microempresas e Empresas de Pequeno Porte.

SIMPLES NACIONAL. Regime Especial Unificado de Arrecadação de Tributos e Contribuições devidos pelas Microempresas e Empresas de Pequeno Porte. Regime Especial Unificado de Arrecadação de Tributos e Contribuições devidos pelas Microempresas e Empresas de Pequeno Porte. SIMPLES NACIONAL Estatuto Nacional da Microempresa e da Empresa de Pequeno

Leia mais

SINDCONT-SP PALESTRA ICMS NO COMÉRCIO ELETRONICO DIFERENCIAL DE ALÍQUOTAS OPERAÇÕES INTERESTADUAIS

SINDCONT-SP PALESTRA ICMS NO COMÉRCIO ELETRONICO DIFERENCIAL DE ALÍQUOTAS OPERAÇÕES INTERESTADUAIS SINDCONT-SP PALESTRA ICMS NO COMÉRCIO ELETRONICO DIFERENCIAL DE ALÍQUOTAS OPERAÇÕES INTERESTADUAIS TRÊS TIPOS DE DIFERENCIAIS (não confunda!!!) 1 Diferencial clássico 2 Diferencial S.T. 3 Diferencial nas

Leia mais

MATERIAL EXTRAIDO DA REVISTA SEMANA COAD Nº 19 PG. 285 / 2009

MATERIAL EXTRAIDO DA REVISTA SEMANA COAD Nº 19 PG. 285 / 2009 MATERIAL EXTRAIDO DA REVISTA SEMANA COAD Nº 19 PG. 285 / 2009 Informativo 19 - Página 285 - Ano 2009 ORIENTAÇÃO MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL Opção pelo SIMEI Conheça as condições para recolhimento

Leia mais

CARGA TRIBUTÁRIA SOBRE AS Micro e pequenas empresas RANKING DOS ESTADOS 2012

CARGA TRIBUTÁRIA SOBRE AS Micro e pequenas empresas RANKING DOS ESTADOS 2012 CARGA TRIBUTÁRIA SOBRE AS Micro e pequenas empresas RANKING DOS ESTADOS 2012 Tributos incluídos no Simples Nacional Brasília 19 de setembro de 2013 ROTEIRO 1 2 3 4 O PROJETO RESULTADOS DIFERENÇA NAS ALÍQUOTAS

Leia mais

ANEXO I BICICLETA ESCOLAR. Modelo de ofício para adesão à ata de registro de preços (GRUPO 1)

ANEXO I BICICLETA ESCOLAR. Modelo de ofício para adesão à ata de registro de preços (GRUPO 1) ANEXO I BICICLETA ESCOLAR Modelo de ofício para adesão à ata de registro de preços (GRUPO 1) Assunto: Adesão à ata de registro de preços nº 70/2010 do pregão eletrônico nº 40/2010. 1 2 BICICLETA 20 - AC,

Leia mais

SISTEMA DE MONITORAMENTO DE CONTRIBUINTES OPTANTES PELO SIMPLES NACIONAL SAULO ROBERTO DA ROCHA E SILVA E FRANCISCO HERMENELUCE VASCO FERNANDES

SISTEMA DE MONITORAMENTO DE CONTRIBUINTES OPTANTES PELO SIMPLES NACIONAL SAULO ROBERTO DA ROCHA E SILVA E FRANCISCO HERMENELUCE VASCO FERNANDES SISTEMA DE MONITORAMENTO DE CONTRIBUINTES OPTANTES PELO SIMPLES NACIONAL SAULO ROBERTO DA ROCHA E SILVA E FRANCISCO HERMENELUCE VASCO FERNANDES 1. O Monitoramento Fundamentação possibilita: legal O acompanhamento

Leia mais

ESTADO DE ALAGOAS GABINETE DO GOVERNADOR CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES CAPÍTULO II DA DEFINIÇÃO DE MICROEMPRESA SOCIAL

ESTADO DE ALAGOAS GABINETE DO GOVERNADOR CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES CAPÍTULO II DA DEFINIÇÃO DE MICROEMPRESA SOCIAL ESTADO DE ALAGOAS GABINETE DO GOVERNADOR LEI Nº 6.559, DE 30 DE DEZEMBRO DE 2004 Publicada no DOE em 31 de dezembro de 2004 DISPÕE SOBRE A MICROEMPRESA SOCIAL, ESTABELECENDO TRATAMENTO TRIBUTÁRIO DIFERENCIADO,

Leia mais

Manual. Declaração Anual do Simples Nacional DASN 2011

Manual. Declaração Anual do Simples Nacional DASN 2011 Manual da Declaração Anual do Simples Nacional DASN 2011 1 Sumário 1. APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA... 2 1.1. ACESSO... 2 1.2. APRESENTAÇÃO... 3 1.2.1. A quem se destina... 4 1.3. O QUE HÁ NO PROGRAMA... 5

Leia mais

DECLARAÇÕES Lucro Presumido, Isentas e Simples

DECLARAÇÕES Lucro Presumido, Isentas e Simples DECLARAÇÕES Lucro Presumido, Isentas e Simples Wagner Mendes Contador, Pós-Graduado em Controladoria, Auditoria e Tributos, Consultor Tributário, Especialista em Tributos Federais, Contabilidade e Legislação

Leia mais

DECRETO-LEI Nº 7.841 DE 8 DE AGOSTO DE 1945 CÓDIGO DE ÁGUAS MINERAIS

DECRETO-LEI Nº 7.841 DE 8 DE AGOSTO DE 1945 CÓDIGO DE ÁGUAS MINERAIS DECRETO-LEI Nº 7.841 DE 8 DE AGOSTO DE 1945 CÓDIGO DE ÁGUAS MINERAIS CAPÍTULO I Disposições Preliminares Art. 1º - Águas minerais são aquelas provenientes de fontes naturais ou de fontes artificialmente

Leia mais

Guerra Fiscal e Desenvolvimento Regional. Audiência Pública Senado Federal 18 de outubro de 2011

Guerra Fiscal e Desenvolvimento Regional. Audiência Pública Senado Federal 18 de outubro de 2011 Guerra Fiscal e Desenvolvimento Regional Audiência Pública Senado Federal 18 de outubro de 2011 Quem ganha com a Guerra Fiscal? O país perde Porque grande parte dos incentivos é concedido a importações

Leia mais

Perfil da dívidad. O que devem os Municípios: Não pagamento de contribuições previdenciárias. Autuação de débitos com interpretações equivocadas

Perfil da dívidad. O que devem os Municípios: Não pagamento de contribuições previdenciárias. Autuação de débitos com interpretações equivocadas Perfil da dívidad O que devem os Municípios: Não pagamento de contribuições previdenciárias Autuação de débitos com interpretações equivocadas Período de autuação de 10 anos Quanto é esta dívida? d R$

Leia mais

MANUAL DO PGDAS. O Simples Nacional implica o recolhimento mensal mediante DAS dos seguintes impostos e contribuições:

MANUAL DO PGDAS. O Simples Nacional implica o recolhimento mensal mediante DAS dos seguintes impostos e contribuições: Versão 7 MANUAL DO PGDAS 1 Introdução 1.1 Apresentação do Programa O Programa Gerador do Documento de Arrecadação do Simples Nacional (PGDAS) é um sistema eletrônico para a realização do cálculo do Simples

Leia mais

INFORME SARGSUS. Situação da Alimentação do Relatório de Gestão Ano 2013-2014 Informações sobre Plano e Programação Anual de Saúde

INFORME SARGSUS. Situação da Alimentação do Relatório de Gestão Ano 2013-2014 Informações sobre Plano e Programação Anual de Saúde INFORME SARGSUS Situação da Alimentação do Relatório de Gestão Ano 2013-2014 Informações sobre Plano e Programação Anual de Saúde 1 ESFERA MUNICIPAL 1.1 Relatório de Gestão Ano 2013 Até a presente data,

Leia mais

SIMPLES NACIONAL - PROCEDIMENTOS PÓS-EXCLUSÃO. atualizado em 27/05/2016 alterados os itens 1.1, 2.2.2, 3.1 e 3.2, 3.3

SIMPLES NACIONAL - PROCEDIMENTOS PÓS-EXCLUSÃO. atualizado em 27/05/2016 alterados os itens 1.1, 2.2.2, 3.1 e 3.2, 3.3 SIMPLES NACIONAL - PROCEDIMENTOS PÓS-EXCLUSÃO atualizado em 27/05/2016 alterados os itens 1.1, 2.2.2, 3.1 e 3.2, 3.3 HISTÓRICO DE ATUALIZAÇÕES DATA ATUALIZAÇÃO ITENS ALTERADOS 01/04/2016 alterado: 3.1

Leia mais

Serviço Auxiliar CAUC. Hiromi Cristina Santos Doi Agosto/2015

Serviço Auxiliar CAUC. Hiromi Cristina Santos Doi Agosto/2015 Serviço Auxiliar CAUC Hiromi Cristina Santos Doi Agosto/2015 Apresentação CAUC Serviço Auxiliar - CAUC O Serviço Auxiliar de Informações para Transferências Voluntárias (CAUC) foi CAUC instituído pela

Leia mais

ESTADO DA PARAÍBA SECRETARIA DE ESTADO DA RECEITA 28576_ LEI GERAL DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS LEI COMPLEMENTAR Nº 123, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2006

ESTADO DA PARAÍBA SECRETARIA DE ESTADO DA RECEITA 28576_ LEI GERAL DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS LEI COMPLEMENTAR Nº 123, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2006 ESTADO DA PARAÍBA SECRETARIA DE ESTADO DA RECEITA 28576_ LEI GERAL DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS LEI COMPLEMENTAR Nº 123, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2006 PERGUNTAS E RESPOSTAS Este documento é de caráter meramente

Leia mais

Dispõe sobre a Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais (DCTF).

Dispõe sobre a Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais (DCTF). INSTRUÇÃO NORMATIVA SRF Nº 974, DE 27 DE NOVEMBRO DE 2009 Dispõe sobre a Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais (DCTF). O SECRETÁRIO DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL, no uso das atribuições

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Venda entrega futura para optantes pelo regime Simples Nacional

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Venda entrega futura para optantes pelo regime Simples Nacional Venda 20/08/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas Apresentadas pelo Cliente... 3 2.1. Consulta Receita Federal... 3 2.2. PN CST 73/1973... 4 2.3. RIR/99... 4 3. Análise da Consultoria...

Leia mais

IMPACTOS DAS DISTORÇÕES DO ICMS NOS ESTADOS E DISTRITO FEDERAL

IMPACTOS DAS DISTORÇÕES DO ICMS NOS ESTADOS E DISTRITO FEDERAL IMPACTOS DAS DISTORÇÕES DO ICMS NOS ESTADOS E DISTRITO FEDERAL Brasília, Novembro/ 2013 Unidade de Políticas Públicas NOTA TÉCNICA IMPACTOS DAS DISTORÇOES DO ICMS NOS ESTADOS E DISTRITO FEDERAL Este estudo

Leia mais

Domingo Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Sábado. Clique e veja o compromisso do dia. 6 7 8. Clique e veja o compromisso do dia.

Domingo Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Sábado. Clique e veja o compromisso do dia. 6 7 8. Clique e veja o compromisso do dia. Atenção 01 Aqueles contribuintes obrigados ao envio mensal do arquivo SINTEGRA à SEFAZ, devem observar a data de entrega, conforme definido pelo fisco. Atenção 02 Essas informações não substituem aquelas

Leia mais

INDUSTRIALIZAÇÃO POR ENCOMENDA: EFICIÊNCIA EM PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO. Desenvolvido por:

INDUSTRIALIZAÇÃO POR ENCOMENDA: EFICIÊNCIA EM PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO. Desenvolvido por: INDUSTRIALIZAÇÃO POR ENCOMENDA: EFICIÊNCIA EM PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO. Desenvolvido por: 2014 PRIMEIRA PARTE: DEFINIÇÃO E VANTAGENS O que é a industrialização por encomenda? É uma forma de ganhar eficiência

Leia mais

Manual de Orientação do Leiaute dos dados da DASN2009/2010

Manual de Orientação do Leiaute dos dados da DASN2009/2010 GT-TI/CGSN/SIMPLES NACIONAL LEIAUTE DE PROCESSAMENTO DE DADOS Manual de Orientação do Leiaute dos dados da DASN2009/2010 Grupo de Trabalho de Tecnologia da Informação CGSN/Simples Nacional ELABORAÇÃO:

Leia mais

PGDAS CÁLCULO DO VALOR DEVIDO. Maio/2008

PGDAS CÁLCULO DO VALOR DEVIDO. Maio/2008 PGDAS CÁLCULO DO VALOR DEVIDO Maio/2008 1 CÁLCULO DO VALOR DEVIDO Será disponibilizado sistema eletrônico para realização do cálculo simplificado do valor mensal devido referente ao Simples Nacional. (LC123/2006,

Leia mais

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO SECRETARIA DE POLÍTICA DE INFORMÁTICA

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO SECRETARIA DE POLÍTICA DE INFORMÁTICA MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO SECRETARIA DE POLÍTICA DE INFORMÁTICA Relatório Estatístico Preliminar de Resultados da Lei de Informática 8.248/91 e suas Alterações Dados dos Relatórios Demonstrativos

Leia mais

TRIBUTAÇÃO SOBRE AS MPEs RANKING DOS ESTADOS 2012

TRIBUTAÇÃO SOBRE AS MPEs RANKING DOS ESTADOS 2012 TRIBUTAÇÃO SOBRE AS MPEs RANKING DOS ESTADOS 2012 ROTEIRO 1 2 3 4 O PROJETO RESULTADOS DIFERENÇA NAS ALÍQUOTAS LIÇÕES: BONS E MAUS EXEMPLOS 1 O PROJETO 1 2 3 4 O PROJETO RESULTADOS DIFERENÇA NAS ALÍQUOTAS

Leia mais

ANEXO 7 MODELOS DE LIVROS E DOCUMENTOS FISCAIS TERMO DE APRESENTAÇÃO ESTADO DE PERNAMBUCO SECRETARIA DA FAZENDA TERMO DE APRESENTAÇÃO

ANEXO 7 MODELOS DE LIVROS E DOCUMENTOS FISCAIS TERMO DE APRESENTAÇÃO ESTADO DE PERNAMBUCO SECRETARIA DA FAZENDA TERMO DE APRESENTAÇÃO ANEXO 7 MODELOS DE LIVROS E DOCUMENTOS FISCAIS TERMO DE APRESENTAÇÃO ESTADO DE PERNAMBUCO SECRETARIA DA FAZENDA TERMO DE APRESENTAÇÃO ESCRITURAÇÃO FISCAL DO A ESCRITURAÇÃO FISCAL A SEGUIR REGISTRADA, REGIDA

Leia mais

Coordenação Geral de Tributação

Coordenação Geral de Tributação Fls. 2 1 Coordenação Geral de Tributação Solução de Consulta nº 95 Data 3 de abril de 2014 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: SIMPLES NACIONAL IMUNIDADE. ISENÇÃO. ALÍQUOTA ZERO. SIMPLES NACIONAL. A

Leia mais

CONTABILIZAÇÃO DAS CONTRIBUIÇÕES NÃO-CUMULATIVAS AO PIS E COFINS

CONTABILIZAÇÃO DAS CONTRIBUIÇÕES NÃO-CUMULATIVAS AO PIS E COFINS 513 CONTABILIZAÇÃO DAS CONTRIBUIÇÕES NÃO-CUMULATIVAS AO PIS E COFINS (*) por Silvério das Neves 1 - INTRODUÇÃO - DISCUSSÃO TRIBUTÁRIA: 1.1 - CRÉDITOS DAS CONTRIBUIÇÕES NÃO-CUMULATIVAS AO PIS E A COFINS

Leia mais

SEBRAE O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO. Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio de forma estratégica e inovadora.

SEBRAE O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO. Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio de forma estratégica e inovadora. SEBRAE O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio de forma estratégica e inovadora. PALESTRA: Os Novos Benefícios da Lei Geral da Micro e Pequena Empresa

Leia mais

III VIDEOCONFERÊNCIA SIMPLES NACIONAL ALGUNS DOS PRINCIPAIS ASPECTOS RELACIONADOS AOS MUNICÍPIOS E AO ISS

III VIDEOCONFERÊNCIA SIMPLES NACIONAL ALGUNS DOS PRINCIPAIS ASPECTOS RELACIONADOS AOS MUNICÍPIOS E AO ISS III VIDEOCONFERÊNCIA ALGUNS DOS PRINCIPAIS ASPECTOS RELACIONADOS AOS MUNICÍPIOS E AO ISS Salvador, 07.10.2011 FUNDAMENTAÇÃO LEGAL: LC 123/06 e alterações Resoluções do CGSN VIGÊNCIA: A partir de 01.07.2007

Leia mais

20/09/2012 SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA ICMS -VINHO

20/09/2012 SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA ICMS -VINHO Treinamento atualizado com base na legislação vigente em: 20/09/2012 SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA ICMS -VINHO JP CONTÁBIL S/S LTDA AGOSTO/2012 Conceituação Consiste na alteração do momento do fato gerador,

Leia mais

BOLETIM INFORMATIVO DE JULHO DE 2012

BOLETIM INFORMATIVO DE JULHO DE 2012 BOLETIM INFORMATIVO DE JULHO DE 2012 S U M Á R I O 1 - MATÉRIAS FEDERAIS 1 2 - MATÉRIAS ESTADUAIS 3 3 - MATÉRIAS MUNICIPAIS 3 4 - MATÉRIAS TRABALHISTAS 5 5 - MATÉRIAS DIVERSAS 5 1 - MATÉRIAS FEDERAIS EFD-CONTRIBUIÇÕES:

Leia mais

Receita.fazenda.gov.br (05/01/2009)

Receita.fazenda.gov.br (05/01/2009) Instrução Normativa RFB nº 903, de 30 de dezembro de 2008 Dispõe sobre a Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais (DCTF). O SECRETÁRIO DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL SUBSTITUTO, no uso da atribuição

Leia mais

LEVANTAMENTO FISCAL SITE KADOX

LEVANTAMENTO FISCAL SITE KADOX LEVANTAMENTO FISCAL SITE KADOX SUMÁRIO 1 ICMS 1.1 CONTRIBUINTE 1.2 FATO GERADOR DO IMPOSTO 1.3 BASE DE CÁLCULO DO IMPOSTO 1.4 REDUÇÃO DA BASE DE CÁLCULO 1.5 CARTA DE CORREÇÃO 1.6 CÓDIGO DA SITUAÇÃO TRIBUTÁRIA

Leia mais

1. Fluxo de documentação

1. Fluxo de documentação 1. Fluxo de documentação É de fundamental importância o envio de toda documentação financeira para atender as exigências impostas pelo fisco e evitar problemas futuros à empresa. Prazo de envio: É ideal

Leia mais

Emissão de Nota Fiscal Eletrônica

Emissão de Nota Fiscal Eletrônica Emissão de Nota Fiscal Eletrônica DANFE - Documento Auxiliar da Nota Fiscal Eletrônica. É um documento que serve para acobertar a circulação da mercadoria. Impresso em via única; Validade em meio digital

Leia mais

EVOLUÇÃO & PROGNÓSTICOS

EVOLUÇÃO & PROGNÓSTICOS APRESENTAÇÃO POPULAÇÃO CARCERÁRIA BRASILEIRA O objetivo deste trabalho, elaborado pela Comissão de Monitoramento e Avaliação do DEPEN, é realizar um levantamento, de forma sucinta, sobre o quadro evolutivo

Leia mais

LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA FEDERAL DISTRIBUIÇÃO DE LUCROS OU DIVIDENDOS - TRATAMENTO FISCAL

LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA FEDERAL DISTRIBUIÇÃO DE LUCROS OU DIVIDENDOS - TRATAMENTO FISCAL LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA FEDERAL Nº 03/2007 15/10/2007 DISTRIBUIÇÃO DE LUCROS OU DIVIDENDOS TRATAMENTO FISCAL Colaboração do AFRFB Nilo Carvalho Supervisor do Plantão Fiscal da Receita Federal do Brasil,

Leia mais

RECEITA FEDERAL Coordenação-Geral de Estudos Econômico- Tributários, Previsão e Análise da Arrecadação

RECEITA FEDERAL Coordenação-Geral de Estudos Econômico- Tributários, Previsão e Análise da Arrecadação RECEITA FEDERAL Coordenação-Geral de Estudos Econômico- Tributários, Previsão e Análise da Arrecadação ESTATÍSTICAS TRIBUTÁRIAS Consolida DIPJ 2006 Consolidação da Declaração do Imposto de Renda das Pessoas

Leia mais

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 29/11/2011

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 29/11/2011 ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 29/11/2011 Recolhimento Espontâneo 001 Quais os acréscimos legais que incidirão no caso de pagamento espontâneo de imposto ou contribuição administrado pela Secretaria da Receita

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos SCP e as obrigações das EFDs ICMS/IPI e Contribuições 14/07/15

Parecer Consultoria Tributária Segmentos SCP e as obrigações das EFDs ICMS/IPI e Contribuições 14/07/15 SCP e as obrigações das EFDs ICMS/IPI e Contribuições 14/07/15 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 3 3.1 Definição:... 4 3.2

Leia mais

IV ENCONTRO DO SIMPLES NACIONAL FISCALIZAÇÃO

IV ENCONTRO DO SIMPLES NACIONAL FISCALIZAÇÃO IV ENCONTRO DO SIMPLES NACIONAL FISCALIZAÇÃO PALESTRANTE: MIRIAM FEUERHARMEL SILVA Agosto/2011 Fiscalização - Legislação Resoluções CGSN 30,15,10,6, 5 e 51 LC 123/2006 e Alterações Fiscalização Fiscalização

Leia mais

OS POSSÍVEIS EFEITOS DA MEDIDA PROVISÓRIA Nº 683/2015

OS POSSÍVEIS EFEITOS DA MEDIDA PROVISÓRIA Nº 683/2015 OS POSSÍVEIS EFEITOS DA MEDIDA PROVISÓRIA Nº 683/2015 SÓCRATES ARANTES TEIXEIRA FILHO Consultor Legislativo da Área IV Finanças Públicas AGOSTO/2015 Sócrates Arantes Teixeira Filho 2 SUMÁRIO 1. Introdução...

Leia mais

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX TRIBUTOS RECOM Regulamentação Orientador Empresarial DECRETO nº 7.319/2010 DOU: 29.09.2010 Regulamenta a aplicação do Regime Especial de Tributação

Leia mais

Plano de Contas Referencial da Secretaria da Receita Federal 1 de 32

Plano de Contas Referencial da Secretaria da Receita Federal 1 de 32 Plano de Contas Referencial da Secretaria da Receita Federal 1 de 32 Plano de Contas Referencial da Secretaria da Receita Federal após a Lei 11638/07 Quando informado o registro: as instituições sujeitas

Leia mais

Vantagens do uso do Selo da Agricultura Familiar para os empreendimentos da Bahia

Vantagens do uso do Selo da Agricultura Familiar para os empreendimentos da Bahia Vantagens do uso do Selo da Agricultura Familiar para os empreendimentos da Bahia Guilherme Cerqueira Mateus e Souza 1 Daniel Costa Ferreira 2 Jeandro L. Ribeiro 3 1 Economista (UFBA), Consultor do PNUD/MDA/

Leia mais

MA003. Página 1 de 11. Responsável. Revisão A de 21/01/2015. Cantú & Stange Software. Página

MA003. Página 1 de 11. Responsável. Revisão A de 21/01/2015. Cantú & Stange Software. Página Manual de instalação de NF-e Zada MA003 Responsável Revisão A de 21/01/2015 FL Página 01 de 11 Página 1 de 11 MA003 Revisão A de 21/01/2015 Responsável: FL Manual de instalação de NF-e Zada MANUAL DE INSTALAÇÃO

Leia mais

CÁLCULO E TRIBUTAÇÃO. Restituição; Compensação; GLEYDSON ROBERTH CRISTO

CÁLCULO E TRIBUTAÇÃO. Restituição; Compensação; GLEYDSON ROBERTH CRISTO CÁLCULO E TRIBUTAÇÃO GLEYDSON ROBERTH CRISTO 2010 SUMÁRIO Conceitos iniciais do cálculo; Exemplos de Cálculos; Regime de Reconhecimento das receitas (Caixa/Competência); Retenção de ISS; Programa Gerador

Leia mais

ATUALIZADO EM 01.07.14 DECRETO Nº 35.123/14, DE 27.06.14 PUBLICADO NO DOE DE 28.06.14

ATUALIZADO EM 01.07.14 DECRETO Nº 35.123/14, DE 27.06.14 PUBLICADO NO DOE DE 28.06.14 ESTADO DA PARAÍBA SECRETARIA DE ESTADO DA RECEITA 28576_ ATUALIZADO EM 01.07.14 DECRETO Nº 35.123/14, DE 27.06.14 PUBLICADO NO DOE DE 28.06.14 DECRETO Nº 28.576, DE 14 DE SETEMBRO DE 2007. PUBLICADO NO

Leia mais

RESOLUÇÃO N 4306, DE 8 DE ABRIL DE 2011.

RESOLUÇÃO N 4306, DE 8 DE ABRIL DE 2011. RESOLUÇÃO N 4306, DE 8 DE ABRIL DE 2011. Esta Resolução dispõe sobre a apuração e entrega de documentos relativos ao Valor Adicionado Fiscal, para efeitos de distribuição da parcela do ICMS pertencente

Leia mais

AGENDA DE CONTRIBUIÇÕES, TRIBUTOS E OBRIGAÇÕES

AGENDA DE CONTRIBUIÇÕES, TRIBUTOS E OBRIGAÇÕES Sinduscon Ceará - Agosto / 2014 DIAS OBRIGAÇÕES DESCRIÇÃO FUNDAMENTAÇÃO LEGAL 05 (terça-feira) IRRF RETIDO NA FONTE Recolher até o 3º dia útil após o último decêndio do mês anterior, os fatos gerados a

Leia mais

LEI Nº 12.973, DE 13 DE MAIO DE 2014 - LEI DE CONVERSÃO DA MEDIDA PROVISÓRIA Nº 627, DE 11 DE NOVEMBRO DE 2013 - ALTERAÇÕES NA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA

LEI Nº 12.973, DE 13 DE MAIO DE 2014 - LEI DE CONVERSÃO DA MEDIDA PROVISÓRIA Nº 627, DE 11 DE NOVEMBRO DE 2013 - ALTERAÇÕES NA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA LEI Nº 12.973, DE 13 DE MAIO DE 2014 - LEI DE CONVERSÃO DA MEDIDA PROVISÓRIA Nº 627, DE 11 DE NOVEMBRO DE 2013 - ALTERAÇÕES NA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA A Medida Provisória (MP) nº 627/13, que promoveu diversas

Leia mais

Distribuição de Lucros: Critérios e Benefícios

Distribuição de Lucros: Critérios e Benefícios INFORMATIVO Nº 03 ASSUNTO: DISTRIBUIÇÃO DE LUCROS Distribuição de Lucros: Critérios e Benefícios Com o objetivo de contribuir e esclarecer os critérios e benefícios da DISTRIBUIÇÃO DE LUCROS e DIVIDENDOS

Leia mais

Espaço DIPJ 2013. Declaração de Informações Econômico-Fiscais da Pessoa Jurídica (DIPJ-2013), relativa ao ano-calendário de 2012.

Espaço DIPJ 2013. Declaração de Informações Econômico-Fiscais da Pessoa Jurídica (DIPJ-2013), relativa ao ano-calendário de 2012. Espaço DIPJ 2013 Declaração de Informações Econômico-Fiscais da Pessoa Jurídica (DIPJ-2013), relativa ao ano-calendário de 2012. SUMÁRIO 1. Introdução 2. Quem Está Obrigado à Apresentação da DIPJ 2.1.

Leia mais

AGENDA - Janeiro de 2016

AGENDA - Janeiro de 2016 OBRIGAÇÕES FISCAIS, TRABALHISTAS E PREVIDENCIÁRIAS PARA O MÊS DE JANEIRO.: (ÂMBITO FEDERAL) :. AGENDA - Janeiro de 2016 PRAZO NATUREZA DISCRIMINAÇÃO 04.01 08.01 GPS SALÁRIOS CAGED GFIP FGTS SIMPLES DOMÉSTICO

Leia mais

O ISS e o SIMPLES NACIONAL Questões Relevantes em Silas Santiago Secretário-Executivo Comitê Gestor do Simples Nacional

O ISS e o SIMPLES NACIONAL Questões Relevantes em Silas Santiago Secretário-Executivo Comitê Gestor do Simples Nacional O ISS e o SIMPLES NACIONAL Questões Relevantes em 2013 Silas Santiago Secretário-Executivo Comitê Gestor do Simples Nacional LC n. 123/2006 Unifica toda a legislação relativa às MPE; Define critérios de

Leia mais

Unidade Tipo de Serviço Análise da proposta Análise da proposta (em 15/10/2014, após diligência)

Unidade Tipo de Serviço Análise da proposta Análise da proposta (em 15/10/2014, após diligência) Unidade Tipo de Serviço Análise da proposta Análise da proposta (em 15/10/2014, após diligência) MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO SECRETARIA EXECUTIVA SUBSECRETARIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

Como utilizar o cadastro de Tributos de Mercadorias (NCM) Sumário

Como utilizar o cadastro de Tributos de Mercadorias (NCM) Sumário Como utilizar o cadastro de Tributos de Mercadorias (NCM) Sumário Como utilizar o cadastro de Tributos de Mercadorias (NCM)... 1 O que é o cadastro de Tributos de Mercadorias?... 2 O que é Tributação Padrão?...

Leia mais

Orientação Tributária DOLT/SUTRI Nº 001/2009 Novas regras do Simples Nacional - Implicações no âmbito estadual Vigência: 1º/01/2009

Orientação Tributária DOLT/SUTRI Nº 001/2009 Novas regras do Simples Nacional - Implicações no âmbito estadual Vigência: 1º/01/2009 Orientação Tributária DOLT/SUTRI Nº 001/2009 Novas regras do Simples Nacional - Implicações no âmbito estadual Vigência: 1º/01/2009 A Lei Complementar nº 128, de 19 de dezembro de 2008, modificou a Lei

Leia mais

A agenda que está na mesa: A agenda do ICMS e do PIS-Cofins

A agenda que está na mesa: A agenda do ICMS e do PIS-Cofins A agenda que está na mesa: A agenda do ICMS e do PIS-Cofins Fórum Estadão Brasil Competitivo Bernard Appy outubro de 2012 Relevância da agenda PIS e Cofins ICMS Relevância da agenda PIS e Cofins ICMS Relevância

Leia mais

Assunto: Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais - DCTF

Assunto: Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais - DCTF NOTA TÉCNICA n. 003/2008/GECON Vitória, 20 de abril de 2008. Assunto: Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais - DCTF Prezados (as) Senhores (as), Trata-se de orientação quanto à obrigatoriedade

Leia mais

Departamento de Engenharia de Saúde Pública/CGEAR LICENCIAMENTO AMBIENTAL NAS OBRAS DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO DA FUNASA.

Departamento de Engenharia de Saúde Pública/CGEAR LICENCIAMENTO AMBIENTAL NAS OBRAS DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO DA FUNASA. Departamento de Engenharia de Saúde Pública/CGEAR LICENCIAMENTO AMBIENTAL NAS OBRAS DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO DA FUNASA Brasília 2005 O Licenciamento Ambiental nasceu de uma exigência social, fruto de uma

Leia mais

Normas Sistema Gestão da Informação

Normas Sistema Gestão da Informação Normas Sistema Gestão da Informação Visão Anotada INSTRUÇÃO NORMATIVA RFB Nº 1599, DE 11 DE DEZEMBRO DE 2015 (Publicado(a) no DOU de 14/12/2015, seção 1, pág. 32) Dispõe sobre a Declaração de Débitos e

Leia mais

IMPACTOS DA PARTILHA DO ICMS NO E-COMMERCE

IMPACTOS DA PARTILHA DO ICMS NO E-COMMERCE IMPACTOS DA PARTILHA DO ICMS NO E-COMMERCE SAMUEL GONSALES COPYRIGHT Copyright 2016 Samuel Gonsales Todos os direitos reservados Nenhuma parte dessa publicação pode ser reproduzida ou transmitida, em qualquer

Leia mais

INFORMATIVO MENSAL ABRIL

INFORMATIVO MENSAL ABRIL INFORMATIVO MENSAL ABRIL Apresentamos a seguir as principais alterações ocorridas na legislação tributária no mês de Abril de 2013. I - FEDERAL ICMS - ATO COTEPE ALTERA AS TABELAS QUE DIVULGAM AS MARGENS

Leia mais

TEF / POS. Documento atualizado em 26/03/2015.

TEF / POS. Documento atualizado em 26/03/2015. TEF / POS A AFRAC Associação Brasileira de Automação para o Comércio, através de seu departamento jurídico, no interesse de atualizar seus associados, bem como demais interessados, confeccionou o presente

Leia mais

http://agenda.cenofisco.com.br/agenda/agenda.dll/infobase/5/11/13/170?f=templates&fn=document-fra...

http://agenda.cenofisco.com.br/agenda/agenda.dll/infobase/5/11/13/170?f=templates&fn=document-fra... 0 http://agenda.cenofisco.com.br/agenda/agenda.dll/infobase/5/11/13/170?f=templates&fn=document-fra... Outubro Notas Cenofisco: 1ª) Além das obrigações relacionadas neste Calendário, o assinante poderá,

Leia mais

PUBLICADO NO ÓRGÃO OFICIAL DO MUNICÍPIO Nº 1750 DO DIA 06/08/2012.

PUBLICADO NO ÓRGÃO OFICIAL DO MUNICÍPIO Nº 1750 DO DIA 06/08/2012. PUBLICADO NO ÓRGÃO OFICIAL DO MUNICÍPIO Nº 1750 DO DIA 06/08/2012. DECRETO N 1427/2012 Regulamenta a Lei municipal nº 8748/2010, que institui a Nota Fiscal de Serviços Eletrônica (NFS-e) e dá outras providências.

Leia mais

Informe Contfisco IMPORTANTE FECHAMENTO DE BALANÇO ANO BASE 2015

Informe Contfisco IMPORTANTE FECHAMENTO DE BALANÇO ANO BASE 2015 Contfisco Empresa de Contabilidade Ltda Janeiro/2016 Informe Contfisco Se temos que esperar, que seja para colher a semente boa que lançamos hoje no solo da vida. Se for para semear, então que seja para

Leia mais

Coordenação Geral de Tributação

Coordenação Geral de Tributação Fls. 1 Coordenação Geral de Tributação Solução de Consulta nº 4 Data 20 de agosto de 2012 Processo 15504.722162/2011 60 Interessado ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DOS PROVEDORES DE INTERNET E OPERADORES DE COMUNICAÇÃO

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br O ISSQN em valor fixo dos escritórios de contabilidade segundo a LC nº 123/06 Wesley Sícion de Fragas* I. Introdução Em matéria de ISSQN (Imposto sobre Serviços de Qualquer Natureza),

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA GOVERNADORIA

GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA GOVERNADORIA Alterada pelas Leis nºs: 1723, de 21.03.07 DOE Nº 0725, de 29.03.07; 1795, de 31.10.07 DOE Nº 0870, de 31.10.07; 1920, de 11.07.08 DOE Nº 1039, de 17.07.08; 2002, de 15.12.08 DOE Nº 1145, de 16.12.08;

Leia mais

MODIFICAÇÕES DO NACIONAL

MODIFICAÇÕES DO NACIONAL Fecomércio MG Jurídico MODIFICAÇÕES DO NACIONAL Outubro de 2014 www.fecomerciomg.org.br S umário O que é o Simples Nacional... 3 Quem pode optar pelo Simples Nacional... 4 Modificações...5 Principais modificações

Leia mais

VARIAÇÕES DE CALCULOS SIMPLES NACIONAL

VARIAÇÕES DE CALCULOS SIMPLES NACIONAL VARIAÇÕES DE CALCULOS DO SIMPLES NACIONAL 1)Inicio de Atividade-Anexo III Regras para determinação da alíquota: A regra geral é utilizar a receita bruta total acumulada nos 12 (doze) meses anteriores ao

Leia mais

ICMS Substituição Tributária. Outubro 2004

ICMS Substituição Tributária. Outubro 2004 ICMS Substituição Tributária Conceituação Consiste na alteração do momento do fato gerador, gerando uma antecipação do pagamento do imposto incidente nas operações seguintes. Responsabilidade Tributária

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Arbitramento do custo de estoque

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Arbitramento do custo de estoque Parecer Consultoria Tributária Segmentos 05/11/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas Apresentadas pelo Cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 3 3.1. RIR/1999... 4 3.2. PN CST 6/79...

Leia mais

Os Recursos Financeiros Destinados à. Comissão de Educação, Cultura e Esporte do Senado Federal

Os Recursos Financeiros Destinados à. Comissão de Educação, Cultura e Esporte do Senado Federal Os Recursos Financeiros Destinados à Educação nos Anos de 2009 e 2010 Comissão de Educação, Cultura e Esporte do Senado Federal Agosto de 2011 Contas de Governo - Capítulo 4 (Análise Setorial) Execução

Leia mais

SEDIF SN PERGUNTAS E RESPOSTAS

SEDIF SN PERGUNTAS E RESPOSTAS SEDIF SN PERGUNTAS E RESPOSTAS Sumário INTRODUÇÃO... 4 1. SEDIF-SN: QUESTÕES TÉCNICAS... 4 1.1. Como ler o nome identificador da declaração gerada pelo SEDIF_SN? Também como identificar se trata de uma

Leia mais

Contmatic - Escrita Fiscal

Contmatic - Escrita Fiscal Lucro Presumido: É uma forma simplificada de tributação onde os impostos são calculados com base num percentual estabelecido sobre o valor das vendas realizadas, independentemente da apuração do lucro,

Leia mais

http://www.itcnet.com.br/materias/printable.php

http://www.itcnet.com.br/materias/printable.php Página 1 de 5 17 de Maio, 2011 Impresso por ANDERSON JACKSON TOASSI ECF/TEF - Obrigatoriedade do Uso em Santa Catarina Matéria elaborada com base na Legislação vigente em: 12.05.2011. SUMÁRIO: 1 - INTRODUÇÃO

Leia mais

Assunto: Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais - DCTF

Assunto: Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais - DCTF NOTA TÉCNICA n. 003/2008/GECON Vitória, 20 de abril de 2008. Alterado o item 7 em 21 de janeiro de 2010. Alterado o item 6 em 29 de janeiro de 2010. Assunto: Declaração de Débitos e Créditos Tributários

Leia mais

Palestrante: Anderson Aleandro Paviotti

Palestrante: Anderson Aleandro Paviotti Palestrante: Anderson Aleandro Paviotti Perfil do Palestrante: Contador, Consultor e Professor Universitário Colaborador do Escritório Santa Rita desde 1991 Tributação das Médias e Pequenas Empresas Como

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS. RESOLUÇÃO CNSP N o 227, DE 2010.

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS. RESOLUÇÃO CNSP N o 227, DE 2010. MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS RESOLUÇÃO CNSP N o 227, DE 2010. Dispõe sobre o capital mínimo requerido para autorização e funcionamento e sobre planos corretivo e de recuperação

Leia mais

Guia Prático da Escrituração Fiscal DIgital - EFD Infrmações Gerais sobre a EFD

Guia Prático da Escrituração Fiscal DIgital - EFD Infrmações Gerais sobre a EFD Guia Prático da Escrituração Fiscal DIgital - EFD Infrmações Gerais sobre a EFD Sumário: 1. INFORMAÇÕES GERAIS SOBRE A EFD 1. 1 APRESENTAÇÃO 1. 2 LEGISLAÇÃO 1. 3 DA APRESENTAÇÃO DO ARQUIVO DA EFD 1. 4

Leia mais

SIMPLES NACIONAL: DISPOSIÇÕES DO COMITÊ GESTOR APLICÁVEIS A PARTIR DE 1º DE JANEIRO DE 2012

SIMPLES NACIONAL: DISPOSIÇÕES DO COMITÊ GESTOR APLICÁVEIS A PARTIR DE 1º DE JANEIRO DE 2012 IMPOSTO DE RENDA CADERNO nº 1 SIMPLES NACIONAL: DISPOSIÇÕES DO COMITÊ GESTOR APLICÁVEIS A PARTIR DE 1º DE JANEIRO DE 2012 RESOLUÇÃO CGSN Nº 94, DE 29 DE NOVEMBRO DE 2011 O COMITÊ GESTOR DO SIMPLES NACIONAL

Leia mais

O QUE É A LEI DE INCENTIVO AO ESPORTE?

O QUE É A LEI DE INCENTIVO AO ESPORTE? O QUE É A LEI DE INCENTIVO AO ESPORTE? Instrumento que permite o financiamento, por meio de incentivos fiscais, de projetos esportivos aprovados pelo Ministério do Esporte. BASE LEGAL: Lei 11.438/06 -

Leia mais

AVISO DE COMPRA DE MACARRÃO ESPAGUETE COMUM nº 136/10

AVISO DE COMPRA DE MACARRÃO ESPAGUETE COMUM nº 136/10 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO - MAPA COMPANHIA NACIONAL DE ABASTECIMENTO - Conab DIRETORIA DE OPERAÇÕES E ABASTECIMENTO - Dirab SUPERINTENDÊNCIA DE OPERAÇÕES COMERCIAIS - Suope GERÊNCIA

Leia mais

Índice. 1. Resolução Comitê Gestor do Simples Nacional nº 94/2011 - DOU 1º.12.2011 - (Excerto)...2 2. PGDAS-D...8. 2.1. Introdução...

Índice. 1. Resolução Comitê Gestor do Simples Nacional nº 94/2011 - DOU 1º.12.2011 - (Excerto)...2 2. PGDAS-D...8. 2.1. Introdução... Índice 1. Resolução Comitê Gestor do Simples Nacional nº 94/2011 - DOU 1º.12.2011 - (Excerto)...2 2. PGDAS-D...8 2.1. Introdução...8 2.2. Acesso ao PGDAS-D...8 2.3. Aviso de Cobrança...9 2.4. Contribuinte

Leia mais

Reunião Técnica de Estudos Tributários. Legislação tributária: ajuste fiscal e alterações

Reunião Técnica de Estudos Tributários. Legislação tributária: ajuste fiscal e alterações Reunião Técnica de Estudos Tributários Legislação tributária: ajuste fiscal e alterações Agenda 1. PIS e COFINS Majoração de alíquotas Receitas financeiras (Decreto Federal nº 8.426/2015) 2. PIS e COFINS

Leia mais

E-LOCUÇÃO REVISTA CIENTÍFICA DA FAEX Edição 05 Ano 3 2014 PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO DE UMA EMPRESA PRESTADORA DE SERVIÇOS NA ÁREA DE ENSINO

E-LOCUÇÃO REVISTA CIENTÍFICA DA FAEX Edição 05 Ano 3 2014 PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO DE UMA EMPRESA PRESTADORA DE SERVIÇOS NA ÁREA DE ENSINO PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO DE UMA EMPRESA PRESTADORA DE SERVIÇOS NA ÁREA DE ENSINO Rodrigo Rios Faria de Oliveira 45 Joel de Paula Almeida 46 RESUMO A redução de forma legal dos impostos e contribuições é

Leia mais

Doações aos Fundos dos Direitos da Criança e do Adolescente

Doações aos Fundos dos Direitos da Criança e do Adolescente Doações aos Fundos dos Direitos da Criança e do Adolescente Apesar de ter sido sancionada em 13 de junho de 1990, a Lei nº 8.069, que permite às empresas e às pessoas físicas destinar parte do que pagam

Leia mais

Nacional, na internet, no endereço www8.receita. fazenda.gov.br/ SimplesNacional.

Nacional, na internet, no endereço www8.receita. fazenda.gov.br/ SimplesNacional. O conteúdo apresentado nessa cartilha foi elaborado com base na Lei Complementar nº 123, de 14 de dezembro de 2006, alterada pela Lei Complementar nº 127, de 14 de agosto de 2007, bem como nas resoluções

Leia mais

Nota Fiscal Eletrônica

Nota Fiscal Eletrônica Receita Federal do Brasil Ricardo Rezende Barbosa nfe@sefaz.pi.gov.br 06 de dezembro de 2007 Secretaria da Fazenda do Estado do Piauí Nota Fiscal Eletrônica Nota Fiscal Eletrônica Luiz Antonio Baptista

Leia mais

file://c:\internet\orientação_substituição_20_10_08.htm

file://c:\internet\orientação_substituição_20_10_08.htm Page 1 of 20 Esclarecimentos relevantes: 1. o presente informativo: INFORMATIVO SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA (atualizado em 20.10.08) a) foi elaborado com base no Regulamento do ICMS de Santa Catarina, em vigor

Leia mais

Fiscal Configurar Impostos Fiscais

Fiscal Configurar Impostos Fiscais Fiscal Configurar Impostos Fiscais Objetivo Configurar todos os impostos que refletirão na Nota Fiscal de Saída. Pré- Requisitos As Taxas Tributárias dos Produtos devem ser devidamente cadastradas ( Fiscal

Leia mais