AS TENTATIVAS DE SUICÍDIO ENTRE PORTADORES DE HIV/AIDS NA REGIÃO DA AMREC.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AS TENTATIVAS DE SUICÍDIO ENTRE PORTADORES DE HIV/AIDS NA REGIÃO DA AMREC."

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE MENTAL GISELE LUIZIANE DA SILVA FAGUNDES AS TENTATIVAS DE SUICÍDIO ENTRE PORTADORES DE HIV/AIDS NA REGIÃO DA AMREC. CRICIÚMA, DEZEMBRO DE 2010.

2 GISELE LUIZIANE DA SILVA FAGUNDES AS TENTATIVAS DE SUICÍDIO ENTRE PORTADORES DE HIV/AIDS NA REGIÃO DA AMREC. Monografia apresentada à Diretoria de Pósgraduação da Universidade do Extremo Sul Catarinense- UNESC, para a obtenção do título de especialista em Saúde Mental. Orientador: Enfª Msc. Rafaela Reis da Silva CRICIÚMA, DEZEMBRO DE 2010.

3 DEDICATÓRIA Mais um trabalho concluído e eu dedico este trabalho mais uma vez ao meu pai, uma pessoa maravilhosa que está sempre ao meu lado me dando apoio em tudo na vida e que me incentiva sempre ao aprimoramento profissional. Obrigada pai, mais uma conquista. Te amo.

4 AGRADECIMENTOS Agradeço aos meus pais Leila e Luiz Carlos, pessoas tão especiais, que nunca mediram esforços para que eu tivesse sempre as melhores oportunidades, que me proporcionaram a chance de receber uma educação de qualidade e que, mesmo de longe, estiveram presentes e participaram de todos os momentos importantes da minha vida.amo vocês.... a minha irmã Gabriele que uma pessoa incrível que faz com que minha vida seja mais feliz sabendo que ela está do meu lado, dividindo momentos de alegria, muita risada e de tristeza quando aparecem, pois a vida não é feita só de alegrias, mas com certeza você é uma das maiores alegrias da minha vida. Muito obrigada por ser tão especial e por tornar cada momento de nossas vidas inesquecíveis. Te amo... ao meu marido Ederson, agradeço por estar sempre ao meu lado, nos momentos alegres, mas principalmente nos momentos difíceis em que você está sempre pacientemente me amparando, me dando força para levantar e seguir em frente. Obrigada pela sua companhia, sua alegria, seu sorriso e seu amor que são essenciais em minha vida. Te amo muito.... aos meus familiares que apesar da distância estão sempre me apoiando e incentivando. Muito obrigado pelo carinho e pelos momentos felizes e únicos que passamos juntos.... e novamente a minha orientadora preferida, Rafaela, obrigada por dedicar o seu tempo a mim novamente, agradeço pela ajuda e por compartilhar mais uma vez os seus conhecimentos comigo e me aguarde porque pretendo fazer outra pós. E um beijo na Nicole, espero que ela venha com muita saúde e tenho certeza que será uma criança muito feliz e amada. Obrigada!

5 RESUMO Trata-se de um estudo descritivo de abordagem qualitativa, realizado no Programa Municipal de DST/HIV/AIDS do município de Criciúma, no período de agosto a dezembro de 2010 cujo objetivo foi identificar e caracterizar a presença de tentativas de suicídio entre portadores de HIV/AIDS na região da AMREC. A entrevista se deu por meio de um questionário semi-estruturado. Os sujeitos do estudo foram pacientes cadastrados no Programa Municipal de DST/HIV/AIDS no município de Criciúma. Foram entrevistados 43 pacientes, 37% eram do sexo masculino e 63% do sexo feminino, a maioria dos pacientes com idades entre 40 e 49 anos, tendo como grau de escolaridade o primeiro grau completo e na maioria casados. Constatou-se ainda que 30% dos pacientes em alguns momentos depois do diagnóstico de HIV/AIDS pensaram em suicídio e 9% tentaram o suicídio, na questão de hereditariedade 16% dos pacientes tiveram algum parente próximo que tentou suicídio. Foi observado também o tipo de assistência que esses pacientes recebem na unidade de saúde e podemos observar que 18% têm consultas com psicólogo, 5% participa de grupos de apoio e 28% já foi encaminhado para o médico psiquiatra. Com isso, podemos constatar que esses pacientes necessitam de uma boa assistência em saúde mental para enfrentar os problemas que vem junto com o diagnóstico. Palavras chaves: HIV, AIDS, suicídio, tentativas de suicídio.

6 ABSTRACT It is concerned with a descriptive study of the qualitative approach that took place in the Municipal Program of DST/HIV/AIDS of Criciúma, from August to December of 2010, which had the objective of identifying and pointing out the attempts of suicide among the carriers of AIDS under AMREC view. The interview was made through a semi-structured questionnaire. The registered patients in the Municipal Program of DST/HIV/AIDS of Criciúma were the subjects of the study. The interviewees were 43 patients, 37% were males and 63% were females, the majority of patients is between 40 and 49 years old, with the primary grade complete and married. It was found that 30% of patients, in some time after the diagnostic of HIV/AIDS, thought of suicide and 9% tried it. Talking about heredity, 16% of patients had a close relative who tried the suicide. It was also considered the kind of assistance that these patients received in the health unit and we could see that 18% has appointments with psychologist, 5% attends support groups and 28% has been sent to psychologist doctor. After that, we could verify that these patients need a good mental health assistance to face the problems that come together the diagnostic. Key words: HIV, AIDS, suicide, attempts of suicide.

7 LISTA DE GRÁFICO Gráfico I Perfil dos entrevistados segundo idade...36 Gráfico II Perfil dos entrevistados segundo grau de escolaridade...36 Gráfico III Perfil dos entrevistados segundo estado civil...38 Gráfico IV Tipo de assistência em saúde mental recebida...41 Gráfico V Sobre as tentativas de suicídio...44 Gráfico VI Alguém da família já tentou suicídio...46

8 LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS AIDS Síndrome da Imunodeficiência Adquirida HIV Vírus da Imunodeficiência Humana AMREC Associação de Municípios da Região Carbonífera SINAN Sistema de Informações de Agravos de Notificação DST Doença Sexualmente Transmissível UNESC Universidade do Extremo Sul Catarinense TCLE Termo de Consentimento Livre Esclarecido CEP Comitê de Ética em Pesquisa RNA Ácido Ribonucléico SUS Sistema Único de Saúde CTA Centro de Testagem e Aconselhamento ANVISA Agência de Vigilância Sanitária CAPS Centro de Atendimento Psicossocial

9 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO OBJETIVOS Objetivo geral Objetivos específicos METODOLOGIA Abordagem metodológica Tipo de pesquisa Local de estudo Sujeitos Coleta de dados Análise de dados ASPECTOS ÉTICOS REVISÃO DE LITERATURA Síndrome da Imunodeficiência Adquirida Fisiopatologia Janela Imunológica Transmissão Diagnóstico Tratamento Prevenção Suicídio Epidemiologia Avaliação do paciente com comportamento suicida Manejo Prevenção do suicídio DISCUSSÃO E ANÁLISE DE RESULTADOS Aproximando-se dos sujeitos do estudo A integralidade na atenção a saúde de pacientes portadores de HIV/AIDS Tentativas de suicídio Fatores relacionados CONSIDERAÇÕES FINAIS...50

10 REFERÊNCIAS...53 ANEXOS...56

11 11 1 INTRODUÇÃO Esse estudo teve como objetivo geral identificar e caracterizar as tentativas de suicídio presente em pacientes portadores de HIV/AIDS na região da AMREC. A motivação para realizar essa pesquisa em torno das tentativas de suicídio entre portadores de HIV/AIDS na região da AMREC surgiu pelo fato de ter trabalhado com estes pacientes e ver o sofrimento deles diante de uma doença crônica com tamanha gravidade. Eles têm que superar o preconceito, aderir a um tratamento que exige muito do paciente e conviver com outras questões que a doença implica. A combinação de doença crônica grave com tantos problemas e transtorno emocional podem acabar com a vida de uma pessoa. Desde a descoberta da AIDS nos anos 80, essa doença vem se disseminando de um modo muito rápido deixando de ser apenas uma doença para se tornar uma questão social. No Brasil, segundo o Ministério da saúde, de 1980 a junho de 2009 foram notificados casos de AIDS no SINAN (Sistema de Informações de Agravos de Notificação). Diante de toda a problemática que a epidemia da AIDS envolve, o presente projeto tem por objetivo desenvolver uma pesquisa em torno da questão de tentativas de suicídio entre portadores de HIV/AIDS, esse tema surgiu devido a uma reflexão sobre a dificuldade de adaptação que esses pacientes têm frente ao diagnóstico positivo de HIV.

12 12 A infecção pelo HIV, com muita frequência, envolve o sistema nervoso central e 40% a 70% dos infectados desenvolverão algum sintoma neuropsiquiátrico no decorrer da doença. Em 10% dos casos, estes sintomas podem ser as primeiras manifestações de Aids. Os transtornos psiquiátricos mais comuns associados ao HIV são reação aguda ao estresse, transtorno de ajustamento e depressão. Eles podem se instalar no momento do descobrimento da soropositivaidade, no início do tratamento anti-retroviral, pelo aparecimento de sintomas físicos ou ainda pelo avanço da doença (FARIA, 2007, p.60). Uma vez confirmado esse diagnóstico, começa o enfrentamento dessa nova condição médica e algumas inquietações e questionamentos perturbam muitos pacientes, o que resulta em importantes mudanças físicas e de comportamento que podem refletir diretamente na sua saúde mental. A ideação e tentativas de suicídio podem aumentar em pacientes com infecção pelo HIV e com AIDS. Os fatores de risco compreendem ter amigos que morreram de AIDS, notificação recente de soropositividade, recaídas, questões sociais difíceis relacionadas a homossexualidade, apoio social e financeiro inadequado e presença de demência ou delirium (SADOCK, p. 408, 2007). É importante que esses pacientes tenham uma assistência em saúde mental para enfrentar a sua situação atual, pois poderão ter conflitos ao perceber que seu corpo já não é tão saudável como ele gostaria e com isso vem aquelas inquietações e questionamentos referentes ao medo de morrer, ao preconceito, adaptações a sexualidade que são alguns dos problemas enfrentados por esses pacientes. Após enfrentar todos os questionamentos e aceitar a sua condição, o paciente continua a sua vida mesmo após a descoberta e acredita que é possível elaborar projetos, a médio e longo prazo para a sua vida. Porém, quando se depara com a AIDS, os seus fantasmas reaparecem e novamente vem a constatação de que sua condição médica é grave já que a partir desse momento ele terá que tomar medicamentos para o resto da sua vida, tudo isso é assustador e diante dessa

13 13 situação como não pensar na saúde mental desses pacientes tão emocionalmente perturbados? Em vista do exposto, julga-se relevante a reflexão proposta neste estudo em torno da descoberta do diagnóstico gerar forte impacto psicológico e, eventualmente, desencadear recidivas ou mesmo surgimento de transtornos mentais, conforme propensão do paciente, podendo chegar ao risco iminente de suicídio. Estas alterações na esfera mental podem ter repercussões significativas na vida do paciente e na evolução da doença de modos diversos. Segundo Souza (p. 78, 2004) um aspecto sinistro da infecção por HIV é a evidência de que algumas células do cérebro são também diretamente infectadas, causando encefalopatia ou demência.

14 14 2 OBJETIVOS 2.1 Objetivo geral Identificar e caracterizar a presença de tentativas de suicídio entre portadores de HIV/AIDS na região da AMREC. 2.2 Objetivos específicos 1 Descrever o perfil sócio-demográfico dos sujeitos portadores de HIV/AIDS. 2 Caracterizar as tentativas de suicídio vivenciadas pelos sujeitos portadores de HIV/AIDS e os fatores relacionados a este evento. 3 Conhecer a dimensão da assistência em saúde mental oferecida a esses pacientes.

15 15 3 METODOLOGIA 3.1 Abordagem Metodológica A abordagem metodológica desse estudo foi qualitativa, pois tem como objetivo caracterizar as tentativas de suicídio realizadas entre portadores de HIV/AIDS na região da AMREC. Para Richardson (1999, p.90): A pesquisa qualitativa pode ser caracterizada como a tentativa de uma compreensão detalhada dos significados e características situacionais apresentadas pelos entrevistados, em lugar de produção de medidas quantitativas de características ou comportamentos. 3.2 Tipo de pesquisa Trata-se de um estudo descritivo e exploratório, pois a pesquisa teve como objetivo identificar a presença de tentativas de suicídios entre portadores de HIV/AIDS na região da AMREC e descrever as características das tentativas de suicídio. Segundo Gil (2002, p.41) as pesquisas exploratórias têm como objetivo proporcionar maior familiaridade com o problema, com vistas a torná-lo mais explícito ou a construir hipóteses. "As descritivas têm como objetivo primordial a descrição das características de determinada população ou fenômeno ou, então o estabelecimento de relações entre variáveis".

16 Local de Estudo A pesquisa foi realizada no Programa Municipal DST/HIV/AIDS de Criciúma que é vinculado a Prefeitura Municipal de Criciúma. Esse programa é composto por uma equipe multiprofissional, entre estes profissionais estão médico infectologista, médico clínico geral, enfermeiro, psicólogo, assistente social, nutricionista, farmacêutica, técnicos de enfermagem, recepcionistas e higienizadoras. Dentre as principais atividades desenvolvidas estão a testagem para o HIV e sífilis, o trabalho de prevenção as DST, a assistência multiprofissional aos portadores de DST, HIV e AIDS. O programa atende pacientes que residem em toda a região da AMREC. A AMREC foi fundada em 25 de abril de 1983 com 07 municípios, integrada por Criciúma (sede), Içara, Lauro Muller, Morro da Fumaça, Nova Veneza, Siderópolis e Urussanga. Posteriormente veio Forquilhinha, Cocal do Sul e Treviso. No dia 18 de maio de 2004 a AMREC oficializou a sua 11ª cidade integrante, com a entrada de Orleans. Hoje a AMREC conta com 9 municípios. 3.4 Sujeitos A amostra foi composta por 43 pacientes portadores de HIV/AIDS. O critério de inclusão no estudo foi que os pacientes entrevistados estivessem cadastrados no Programa Municipal DST/HIV/AIDS e que fossem maiores de 18 anos. Os pacientes foram selecionados aleatoriamente de acordo com a demanda da instituição e com os critérios de inclusão estabelecidos no estudo.

17 Coleta de dados A coleta de dados se deu por meio de uma entrevista semi-estruturada (anexo A) contendo perguntas fechadas e abertas. A coleta de dados foi desenvolvida nos seguintes momentos: Foi solicitado autorização por meio de um ofício para a secretaria de saúde do município para o desenvolvimento do projeto. O projeto foi submetido ao Comitê de Ética em Pesquisa da Universidade do Extremo Sul Catarinense Unesc, o qual deu parecer favorável em relação ao projeto com protocolo de número 244/ O projeto foi apresentado para coordenadora do Programa Municipal de DST/HIV/AIDS de Criciúma e para sua equipe que foi muito receptiva e se disponibilizaram a ajudar caso fosse necessário. Foi orientado o horário e dias em que poderia ser realizada a coleta de dados. Os pacientes foram abordados na unidade de saúde primeiramente por um membro da equipe, caso tivessem de acordo com a entrevista era encaminhado para a entrevista. Todos os pacientes foram muito receptivos ao serem entrevistados, foi esclarecido os objetivos do estudo e a autorização para realizar as entrevistas. Todos os entrevistados receberam o Termo de Consentimento Livre Esclarecido (anexo B), sendo que, uma via foi destinada aos entrevistados assinada pelos mesmos e arquivada.

18 Análise dos dados A análise de dados compreende em responder os objetivos propostos no estudo, para tanto optou-se por utilizar a técnica proposta por Minayo de análise de conteúdo. A análise de conteúdos será desenvolvida com as seguintes etapas: préanálise, exploração do material, tratamento dos resultados obtidos e interpretação conforme proposto por Minayo. Para Minayo (1996, p.74), a aplicação dessa técnica possui duas funções: uma se refere à verificação de hipóteses e/ou questões, ou seja, através da análise de conteúdo, podemos encontrar respostas para as questões formuladas e também podemos confirmar ou não as afirmações estabelecidas antes do trabalho de investigação (hipóteses). A outra função diz respeito à descoberta do que está por traz dos conteúdos manifestos, indo além das aparências do que está sendo comunicado. As duas funções podem, na prática, se complementar [...].

19 19 4 ASPECTOS ÉTICOS O projeto foi desenvolvido após o resultado da avaliação do Comitê de Ética em Pesquisa da Universidade do Extremo Sul Catarinense UNESC. O mesmo deu parecer favorável ao projeto e consta neste comitê com o protocolo de número 244/ O desenvolvimento de atividades de pesquisa foi condicionado a assinatura do TCLE - Termo de Consentimento Livre Esclarecido (anexo B) adotando como modelo a proposta do CEP UNESC. Os sujeitos do estudo receberam informações sobre os objetivos da pesquisa, conforme resolução 196/CNS/96 que estabelece normas e diretrizes básicas para pesquisa envolvendo seres humanos. Tiveram o direito de recusa à participação e desistência a qualquer momento, tendo assegurados o sigilo das informações e o anonimato, conforme o termo de consentimento livre e esclarecido (anexo B).

20 20 5 REVISÃO DE LITERATURA 5.1 Síndrome da Imunodeficiência Adquirida - AIDS A Síndrome da Imunodeficiência Adquirida (AIDS) é uma doença crônica causada pelo vírus da imunodeficiência humana (HIV). É uma das doenças sexualmente transmissíveis mais graves existente. Até o momento não apresenta cura, mas possui tratamento a fim de amenizar os sintomas e melhorar a resposta do paciente frente à doença. Apesar dos avanços ocorridos nos últimos tempos em torno da AIDS, a epidemia ainda é um problema sério de saúde pública. A prevenção, o diagnóstico precoce e o tratamento contínuo são os fatores mais importantes no cuidado de pessoas com AIDS Fisiopatologia O HIV é um vírus pertencente à classe dos retrovírus. Esse vírus carrega em seu material genético o ácido ribonucléico (RNA). Ao entrar no organismo humano, esse vírus pode ficar silencioso e incubado por muitos anos. Esta fase denomina-se assintomática e relaciona-se ao quadro em que uma pessoa infectada não apresenta nenhum sintoma ou sinal da doença (Focaccia, 2007). Brunner e Suddarth (2002) o HIV age no interior das células do sistema imunológico, responsável pela defesa do corpo. Ao entrar na célula, o HIV passa a fazer parte de seu código genético. As células do sistema imunológico mais

21 21 atingidas pelo vírus são os linfócitos CD4+, usados pelo HIV para fazer cópias de si mesmo. Em decorrência dessa constante batalha entre vírus e sistema imune, os linfonodos e o timo se esgotam, havendo uma dificuldade para reposição de células CD4 na circulação sanguínea. Esse comprometimento imune vai caracterizar o surgimento da Aids, com risco de aparecerem infecções e tumores oportunistas (SALOMÃO, p.126, 2204) As células do sistema imunológico de uma pessoa infectada pelo vírus começam a funcionar com menos eficiência e, com o tempo, a habilidade do organismo em combater doenças comuns diminui, deixando a pessoa sujeita ao aparecimento de vários tipos de doenças e infecções. Para o Ministério da Saúde (2008) a AIDS proporciona ao organismo uma inabilidade no sistema de defesa do corpo humano, o que prejudica a sua capacidade de se proteger contra microorganismos invasores, tais como: vírus, bactérias, protozoários, etc. A doença não é congênita como no caso de outras imunodeficiências. A AIDS não é causada espontaneamente, mas por um fator externo, a infecção pelo HIV. O HIV destrói os linfócitos - células responsáveis pela defesa do nosso organismo, tornando a pessoa vulnerável a outras infecções e doenças oportunistas, chamadas assim por surgirem nos momentos em que o sistema imunológico do indivíduo está enfraquecido. Segundo Brunner e Suddarth (2002) ao ser infectado com o HIV, a pessoa passa a ser portadora do vírus, portanto ter o HIV não é a mesma coisa que ter a AIDS. Ser portador de HIV significa que, no sangue, foram detectados anticorpos contra o vírus. Há muitas pessoas soropositivas que vivem durante anos sem desenvolver a doença. No entanto, podem transmitir aos outros o vírus que trazem consigo.

22 22 Há alguns anos, receber o diagnóstico de Aids era quase uma sentença de morte. Atualmente, porém, a Aids já pode ser considerada uma doença crônica. Isto significa que uma pessoa infectada pelo HIV pode viver com o vírus, por um longo período, sem apresentar nenhum sintoma ou sinal. Isso tem sido possível graças aos avanços tecnológicos e às pesquisas, que propiciam o desenvolvimento de medicamentos cada vez mais eficazes. Deve-se, também, à experiência obtida ao longo dos anos por profissionais de saúde. Todos estes fatores possibilitam aos portadores do vírus ter uma sobrevida cada vez maior e de melhor qualidade (BRASIL, 2008) Janela Imunológica Para o Ministério da Saúde (2008) a janela imunológica é o termo utilizado para designar o intervalo entre a infecção pelo vírus da AIDS e a detecção de anticorpos anti-hiv no sangue através de exames laboratoriais específicos. Estes anticorpos são produzidos pelo sistema de defesa do organismo em resposta ao HIV, o que indica nos exames a confirmação da infecção pelo vírus. Para o HIV, o período da janela imunológica é normalmente de duas a doze semanas, mas em alguns casos pode ser mais prolongado. Se um teste de detecção de HIV é feito durante o período da janela imunológica, há possibilidade de um resultado falso-negativo, caso a pessoa esteja infectada pelo vírus. Portanto, se o teste for feito no período da janela imunológica e o resultado for negativo, é necessário realizar um novo teste, dentro de três meses. Neste período ocorre a soroconversão, se a pessoa estiver realmente infectada, que é o reconhecimento do HIV pelo organismo. É importante nesse período que a pessoa não passe por nenhuma situação de risco, pois se estiver realmente infectada, já poderá transmitir o vírus para outras pessoas.

23 Transmissão Segundo a Diretoria de Vigilância Epidemiológica do estado de Santa Catarina (2006) a pessoa pode estar sujeita ao contágio do HIV através de várias maneiras como: contato com sangue contaminado que pode ocorrer por meio de transfusão de sangue contaminado, uso de seringas e agulhas contaminadas (uso de drogas injetáveis ou acidentes perfuro cortantes); em relações sexuais feitas sem o uso de camisinha e transmissão vertical em que a mãe HIV positiva para o seu bebê durante a gravidez, no parto ou na amamentação. Porém, a criança filha de uma mãe HIV positivo pode não ser infectada pelo vírus, pois atualmente há várias medidas muito eficazes para evitar essa transmissão como: o diagnóstico precoce da gestante infectada, o uso de drogas anti-retrovirais, o parto cesariano programado, a suspensão do aleitamento materno, substituindo-o por leite artificial (fórmula infantil) (BRASIL, 2008). Durante o pré-natal, toda gestante tem o direito e deve realizar o teste HIV. Quanto mais precoce o diagnóstico da infecção pelo HIV na gestante, maiores são as chances de evitar a transmissão para o bebê. O tratamento é gratuito e está disponível no SUS Sistema Único de Saúde Diagnóstico Quando uma pessoa é infectada pelo vírus do HIV o sistema imune responde com a produção de anticorpos contra o vírus. Os anticorpos geralmente levam em torno de três a 12 semanas para se desenvolver no organismo o que

24 24 explica o fato da pessoa estar infectada e apresentar teste negativo (FOCACCIA, 2007). Três testes são utilizados para confirmar a presença de anticorpos HIV e ajudar no diagnóstico da infecção. O Enzyme-linked-immunosorbent assay (ELISA) é um teste que identifica anticorpos específicos anti-hiv. O teste ELISA não estabelece um diagnóstico de AIDS, mas indica que a pessoa foi exposta ao HIV ou está infectada por esse vírus. O Western blot assay é outro teste que pode identificar anticorpos HIV e é usado para confirmar soropositividade quando identificado pelo procedimento ELISA. Outro teste, ensaio de radioimunoprecipitação que detecta proteína HIV mais do que anticorpos (BRUNNER E SUDDARTH, p.1193, 2002). Para o Ministério da Saúde (2008) o diagnóstico da infecção pelo HIV é feito por meio de exames realizados a partir da coleta de uma amostra de sangue. Esses testes podem ser realizados em unidades básicas de saúde, em Centros de Testagem e Aconselhamento (CTA) e em laboratórios particulares. Nos CTA, o teste anti-hiv pode ser feito de forma anônima e gratuita. Nesses CTA, além da coleta e da realização do teste, há um processo de aconselhamento, antes e depois do teste, feito de forma cuidadosa a fim de facilitar a correta interpretação do resultado, tanto pelo profissional de saúde como pelo paciente. Todos os testes devem ser realizados de acordo com a norma definida pelo Ministério da Saúde e com produtos registrados na Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA/MS) e por ela controlados Tratamento O tratamento da AIDS tem como objetivo específico combater o HIV, e prevenir e controlar as inúmeras infecções oportunistas. Essas infecções iram surgir

25 25 a partir do momento em que o indivíduo apresentar uma imunodeficiência grave. A avaliação da imunidade deve ser realizada periodicamente a fim de prevenir essas infecções (SALOMÃO, 2004). Segundo Brunner e Suddarth (2002) com o aparecimento dos sintomas, é necessário um tratamento com várias combinações de medicamentos, chamados coquetéis (medicamentos anti-retrovirais). Esses medicamentos não curam, mas ajudam a diminuir a quantidade de vírus dentro do organismo, dando a chance para que ele consiga aumentar o número de células de defesa no corpo. Com esse tratamento, pode-se melhorar a qualidade de vida das pessoas com AIDS. Os medicamentos anti-retrovirais são complexos, apresentando efeitos colaterais importantes, colocando os pacientes em dificuldades para adesão ao tratamento o que resulta na resistência do vírus (Brunner e Suddarth, 2005). É possível viver com o HIV e com AIDS, no entanto, é importante tratar e prevenir para não adquirir outras infecções oportunistas, bem como não transmitir o HIV para outras pessoas. Para isso é imprescindível a prevenção Prevenção A melhor forma de controle dessa epidemia é por meio de campanhas de prevenção que visem à orientação da população quanto aos fatores de risco da transmissão. A prevenção na transmissão do HIV é essencial e isso pode ser feito através da eliminação ou redução do comportamento de risco o que é possível através de programas educacionais eficazes.

26 26 O diagnóstico da AIDS gera o medo da morte e muitas vezes no desejo de controlar esse processo de morrer, o indivíduo infectado pelo vírus pode cometer o suicídio ou adotar atitudes que o levem a morte, o qual é denominado comportamento de risco. As pessoas vivendo com AIDS estão mais propensas a sentir-se desesperançadas e vulneráveis em relação a sua doença e consequentemente a sua vida, a situação torna-se ainda mais crítica pelos problemas sociais e emocionais que vem junto com o diagnóstico. Todas essas condições unidas em um indivíduo podem ser responsáveis por crises de suicídio. 5.2 Suicídio O suicídio é um problema sério de saúde pública. É um ato complexo que atinge todas as culturas, classes sociais e idades e possui uma etiologia muito complexa que resulta de interações entre fatores ambientais, sociais, culturais, psicológicos, genéticos e biológicos. Para Sadock (2007) o suicídio não é visto nem como um ato aleatório e nem como algo sem sentido, pelo contrário é uma saída de um problema ou uma crise que está causando um intenso sofrimento psíquico. O suicídio está diretamente relacionado a sentimentos de frustração, insatisfação, desesperança e desamparo, o paciente vive um conflito entre a sobrevivência e a necessidade incontrolável de fugir. Segundo Quevedo (2008) os termos relacionados ao suicídio têm inúmeras conceituações, as principais são: Suicídio: morte autoprovocada com evidências que a pessoa tinha a intenção de morrer.

27 27 Tentativa de suicídio: comportamento autolesivo, porém sem fatalidade com evidências que a pessoa tinha a intenção de morrer. Ideação suicida: é constituída de pensamentos recorrentes sobre ser o agente da sua própria morte. Pode variar em gravidade e grau de intenção. Intenção suicida: desejo ou expectativa de uma morte autoprovocada. O risco de suicídio é definido como a probabilidade de que uma ideação suicida torne-se realidade. A presença de uma ideação suicida requer uma minuciosa avaliação, considerando: presença de um plano, tipo de plano, comorbidades, tentativas prévias e tentativa atual. É importante que o profissional de saúde esteja preparado para reconhecer, avaliar e prestar o atendimento adequado e de sua competência nesses casos (QUEVEDO, 2008). Alguns fatores de risco são associados pelos especialistas ao ato suicida. Fatores como isolamento social, ausência de vínculos sociais, desemprego, eventos estressantes, presença de doença crônica e/ou incapacitante, presença de distúrbios psiquiátricos como transtorno depressivo, esquizofrenia, dependência alcoólica e de outras substâncias e transtornos de personalidade estão associados a altos índices de suicídio. O comportamento suicida anterior também é um fator de alerta e deve ser sempre considerado relevante na história do paciente (GELDER, 2002). É difícil explicar porque algumas pessoas decidem cometer suicídio, enquanto outras na mesma situação acham que isso não é o melhor a fazer.

28 Epidemiologia Segundo Botega (2007) o suicídio encontra-se entre as 10 principais causas de morte no mundo e entre duas ou três mais frequentes entre adolescentes e jovens. Estudos apontam que a tentativa de suicídio na população em geral é seis vezes maior entre indivíduos que tiveram uma ideação suicida em algum momento. A tentativa de suicídio é o principal fator de risco para o ato suicida. O Brasil possui dados questionáveis sobre suicídio, no entanto deve-se destacar que o Brasil está entre os dez países com maiores índices de suicídio em números absolutos. Para Brasil (p.11, 2006a) os registros oficiais sobre tentativa de suicídio são mais escassos e menos confiáveis do que os de suicídio. Estima-se que o número de tentativas de suicídio supera o número de suicídios em pelo menos dez vezes. Estudos comprovam que homens cometem mais suicídios que mulheres, entretanto as mulheres têm mais ideação suicida. Entre os métodos mais utilizados destacam-se o enforcamento, arma de fogo e o envenenamento. Entre os homens os mais utilizados são o enforcamento e o uso de arma de fogo, já entre as mulheres o método mais utilizado é o envenenamento (QUEVEDO, 2008). A análise das características demográficas deve ser cautelosa e inserida no contexto geral de avaliação do paciente, porém não deve ser determinante ao estimar o risco de suicídio de um paciente. Segundo uma pesquisa realizada por Corrêa (2008) o suicídio é a segunda causa de mortes mais frequente nos registros do Instituto Médico Legal de Criciúma, no período de janeiro de 1999 a junho de 2008, somando 243 casos num total de 1750 mortes.

29 29 Foi contatado neste mesmo estudo que a maior prevalência é em pessoas do sexo masculino, com 82,3% dos casos e com faixa etária de 31 a 50 anos, com prevalência de 44,85%. O método mais utilizado foi enforcamento, com 67,44% dos casos no sexo feminino e 68,5% no masculino Avaliação do paciente com comportamento suicida A avaliação deve conter informações da história psiquiátrica e médica, assim como o seu estado mental atual. Em uma emergência, a entrevista do paciente deve ser simples e objetiva sem perder a empatia com o paciente. Essa entrevista pode ser realizada com familiares ou pessoas próximas. Segundo Botega (2006) os principais objetivos da entrevista são identificar características e fatores específicos relacionados ao risco de suicídio, garantir a segurança do paciente e desenvolver um diagnóstico que oriente um plano terapêutico. É importante identificar o grau e a gravidade desses fatores e não apenas a ausência ou presença deles. A avaliação do risco suicida muitas vezes é mais importante do que buscar de imediato a causa da tentativa de suicídio. Para Quevedo (2008) no caso de uma avaliação mais precisa alguns pontos são fundamentais como: Sinais e sintomas psiquiátricos específicos: é importante identificar a presença de causas orgânicas e/ou transtornos psiquiátricos para um adequado tratamento. Avaliar a história de tentativas prévias, assim como exposições deliberadas a situações de risco, as quais são definidas como comportamento suicida mascarado.

30 30 Revisar a história de outros tratamentos. Identificar a história familiar do suicida, doença mental e disfunção. É importante avaliar a qualidade dos vínculos familiares atuais e passados. Identificar a situação psicossocial e a natureza da crise: relacionamentos sociais e ocorrência de eventos traumáticos e/ou socioeconômicos são fatores favoráveis ao risco de suicídio, porém não únicos. Avaliar a vulnerabilidade e os pontos psicológicos fortes do paciente. Aspectos da personalidade e avaliação minuciosa da ideação suicida. O paciente deve ser questionado direta e francamente sobre a sua vontade de morrer. Algumas pessoas temem que perguntas a respeito da intenção suicida irão fazer com que o suicídio seja mais provável. Isso não acontecerá se as perguntas forem feitas de maneira sólida. Na realidade, se a pessoa tem pensado sobre o suicídio ela se sentirá mais bem entendida quando o médico levanta o assunto, e esse sentimento pode reduzir o risco (GELDER, p. 158, 2002). A ideia de que quem quer realmente cometer suicídio não conta isso para ninguém ou quem conta quer apenas chamar atenção, são idéias equivocadas. Estudos comprovam que as pessoas avisam da sua intenção e muitas vezes elas procuram cuidados médicos. Essa ação deve ser interpretada como um pedido de ajuda, pois a prevenção ainda é o melhor tratamento para estes casos. Não há nenhuma veracidade na ideia de que as pessoas que falam de suicídio não o executem; ao contrário, dois terços das pessoas que morrem de suicídio contaram a alguém sobre suas intenções. Algumas pessoas falam repetidamente de suicídio, de forma que não são mais levadas a sério; mas muitas dessas pessoas, no final das contas, acabam se matando (GELDER, p.159, 2002).

31 31 O principal objetivo na avaliação de um paciente com comportamento suicida é identificar os fatores que são determinantes para este comportamento. Esta identificação auxilia na elaboração de um plano terapêutico e interfere no curso do comportamento suicida. Embora os métodos de avaliação da tentativa de suicídio tenham avançado, o processo de avaliação ainda depende muito da percepção e sensibilidade de quem avalia a situação. É importante que a estimativa do risco de suicídio seja avaliado por um profissional capacitado, à vista disso alguns profissionais se sentem desconfortáveis diante de um risco de suicídio e não sabem como proceder e muitas vezes nem querem se envolver, mas nesse momento é muito importante que eles procurem auxílio com profissionais capacitados para esse tipo de atendimento, pois o essencial nestes casos é não ignorar o risco. Para Serrano (p.18, 2008) a avaliação do risco de suicídio e a intervenção do profissional bem formado é o que pode evitar o desfecho letal Manejo O manejo de pacientes com comportamento suicida vai desde uma internação até um tratamento ambulatorial, todavia é importante evitar a restrição quando for possível e manter o paciente em segurança. Um encaminhamento é usualmente apropriado quando as intenções de suicídio são fortes, a doença psiquiátrica associada é grave, e a pessoa não possui suporte social. Se o risco, aparentemente, não exigir internação hospitalar, o manejo depende da existência de uma boa estrutura de apoio, informando ao paciente como obter ajuda rapidamente se necessário, e assegurando que todos aqueles que precisarem saber serão informados (GELDER, p. 156, 2002).

32 32 Em uma emergência, o manejo ideal consiste em tranquilizar o paciente, utilizar fármacos se necessário, realizar uma boa entrevista e depois dessa avaliação decidir pela internação ou não. Manter vigilância durante as 24 horas do dia e ter cuidado com os comportamentos não verbais. No Brasil estes pacientes podem ser encaminhados para a internação, para o CAPS (Centro de Atendimento Psicossocial) e para um ambulatório comum. Em uma situação ideal o CAPS seria a melhor opção devido a sua equipe multiprofissional especializada, contudo em alguns lugares esse tipo de atendimento ainda não funciona de maneira adequada. Para Quevedo (2008) a internação é uma intervenção que deve ser considerada quando o paciente necessite de segurança. A hospitalização não deve ser vista como um tratamento e sim como um modo facilitador da avaliação no qual deve-se considerar a ameaça de danos a si mesmo, gravidade dos sintomas, intensidade necessária de atendimento e suporte social. A ausência de um sistema de apoio social forte, uma história de comportamento impulsivo e um plano de ação suicida são indicações para hospitalização. (KAPLAN, p.979, 2007). No tratamento extra-hospitalar é importante que haja uma boa relação entre médico, paciente e familiares e que todos tenham um comprometimento com as orientações médicas com a finalidade de que ocorra a adesão adequada ao tratamento. Estabelecer um pacto de não suicídio com o paciente e seus familiares pode ser útil na prevenção do suicídio, pois o paciente sentirá que tem um compromisso com o médico. Para decidir se o tratamento ambulatorial é praticável, os médicos devem usar uma abordagem clínica, ou seja, pedir aos pacientes considerados suicidas para telefonar quando se sentirem inseguros de suas capacidades de controlar seus impulsos suicidas. Aqueles que podem firmar esse tipo de compromisso com um médico com o qual tenham um relacionamento

33 33 reafirmam a crença de que possuem força suficiente para controlar tais impulsos e procurar ajuda (KAPLAN, p.979, 2007). O suicídio ainda é um tabu para a sociedade o que evita que ele seja discutido abertamente por parte de alguns familiares, por isso uma boa relação entre a equipe, família e paciente é essencial para o tratamento Prevenção do suicídio O impacto de um suicídio é algo imensurável e muitas vezes esse ato não afeta apenas uma família, mas sim a sociedade como um todo. O suicídio é um problema sério de saúde pública e requer nossa atenção, no entanto sua prevenção e controle ainda é uma tarefa difícil. Segundo Botega (p.7, 2007) para cada óbito por suicídio, há no mínimo cinco ou seis pessoas próximas ao falecido cujas vidas são profundamente afetadas emocional, social e economicamente. A prevenção do suicídio deve ter como objetivo reduzir as taxas de suicídio e os danos associados e esse comportamento que está relacionado ao impacto dramático que causa a seus familiares, amigos, ao ambiente escolar e de trabalho do paciente, pois o suicídio tem um impacto social muito grande. O sofrimento do suicida é privado e inexprimível, deixando membros da família, amigos e colegas para lidar com um tipo de perda quase insondável, assim como com a culpa. O suicídio traz como consequência um nível de confusão e devastação que está, na maioria dos casos, além da descrição (KAPLAN, p.972, 2007). O suicídio é um tipo de morte evitável e é por isso que é importante a implementação de medidas de prevenção eficazes. Com certeza a prevenção não é

34 34 uma tarefa fácil, mas a detecção precoce da intenção suicida e o tratamento apropriado são importantes para a prevenção.

35 35 6 DISCUSSÃO E ANALISE DE RESULTADOS Mediante a realização deste estudo que teve como objetivo maior identificar e caracterizar as tentativas de suicídio entre portadores de HIV/AIDS na região da AMREC foram entrevistados pacientes cadastrados no Programa Municipal de DST/HIV/AIDS de Criciúma que estivessem dentro dos critérios de inclusão do estudo. A coleta de dados foi realizada por meio de uma entrevista semiestruturada, que abordou questões referentes a idade, escolaridade, profissão, estado civil, há quanto tempo são cadastrados no programa, ideação suicida, tentativa de suicídio, entre outras. 6.1 Aproximando-se dos sujeitos do estudo Foram entrevistadas 43 pacientes que obedeciam aos critérios de inclusão do estudo, maior de 18 anos e estar cadastrado no Programa de DST/HIV/AIDS de Criciúma. A coleta de dados foi realizada a partir do contato com a coordenadora do programa que estabeleceu como os pacientes deveriam ser abordados. Entre os 43 entrevistados identificaram-se que 37% eram do sexo masculino e 63% do sexo feminino, as idades dos entrevistados são variáveis como descritos no gráfico abaixo:

36 36 Gráfico I - Perfil dos entrevistados segundo a idade 21% 7% 33% anos anos 39% anos anos Fonte: Dados da pesquisa Com relação a escolaridade, gráfico 2, contatou-se que 58% dos entrevistados têm apenas o 1º grau incompleto seguido de 12% que possui o 1º grau completo. 9% 12% 14% Gráfico II - Perfil dos entrevistados segundo grau de escolaridade 2% 2% 3% 58% Analfabeto 1º grau incompleto 1º grau completo 2º grau incompleto 2º grau completo Superior completo Especialização Fonte: Dados da pesquisa O perfil epidemiológico dos pacientes com HIV/AIDS abordados nesse estudo acompanha a evolução da epidemia que é caracterizada no nosso país. A

37 37 escolaridade continua sendo um marcador importante na epidemia, sendo um indicador de baixa situação socioeconômica como também o baixo nível de informação acerca das doenças sexualmente transmissíveis. A prática assistencial do pesquisador no Ambulatório da Disciplina de Doenças Infecto-contagiosas Adulto (Unidade Ambulatorial) está de acordo com a afirmação de que a vulnerabilidade de um grupo à infecção pelo HIV e ao adoecimento é resultado de um conjunto de características dos contextos político, econômico e socioculturais que ampliam ou diluem o risco individual (GRABRIEL, p.512, 2005). Segundo a profissão observou-se que 11 dos entrevistados são do lar, 8 aposentados, 2 costureiras, 2 serviços gerais e 20 pertencem a outras profissões como professora, diarista, guarda noturno, balconista, cabeleleiro, entre outras. Percebe-se, ainda, que 84% dos entrevistados têm filhos o que pode ser um fator determinante na vida dessas pessoas, pois algumas pessoas relataram nunca terem pensado em morrer devido aos seus filhos e sua família. Muitas vezes eu pensei em morrer, mas eu tenho filhos e marido, e eu não podia pensar apenas no meu sofrimento. (E1) Juntamente com o fato de ter filhos o estado civil também pode ser considerado um fator de proteção importante nesses casos pelo mesmo princípio do apoio familiar.

38 38 13 Gráfico III - Perfil dos entrevistados segundo estado civil Solteiro(a) Casado(a) Divorciado(a) Separado(a) Viúvo(a) Fonte: Dados da pesquisa Com o gráfico III é possível constatar que a maioria dos entrevistados são casados(as), seguido dos que são solteiros(as). O fato de ser casado(a) e ter uma família pode ser um fator protetor na questão do suicídio ao mesmo tempo que ser viúvo(a) pode ser um fator de risco para o suicídio. Se eu não tivesse minha família do meu lado, seria bem mais difícil. (E2) Depois que meu marido morreu e eu descobri que tinha HIV, eu cai na depressão e muitas vezes pensei em morrer. Foi muito difícil. (E3) Segundo Almeida (1996) o suicídio pode ser menos frequente entre as pessoas casadas e podem aumentar entre os que nunca casaram, viúvos e divorciados, isso devido ao isolamento social ser um dos fatores de risco para o suicídio.

Assunto: Realização de teste rápido de HIV,Sífilis e outros agravos.

Assunto: Realização de teste rápido de HIV,Sífilis e outros agravos. PARECER Nº121/2015 PAD: Nº 43/2015 Autora: Conselheira Renata Ramalho Da Cunha Dantas Solicitante: Dr. Ronaldo Miguel Beserra Assunto: Realização de teste rápido de HIV,Sífilis e outros agravos. DO FATO

Leia mais

ACONSELHAMENTO PARA DST/AIDS NO SUS

ACONSELHAMENTO PARA DST/AIDS NO SUS ACONSELHAMENTO PARA DST/AIDS NO SUS A prática do aconselhamento desempenha um papel importante no diagnóstico da infecção pelo HIV/ outras DST e na qualidade da atenção à saúde. Contribui para a promoção

Leia mais

Aids e Ética Médica. Dr. Eugênio França do Rêgo

Aids e Ética Médica. Dr. Eugênio França do Rêgo Dr. Eugênio França do Rêgo Aids e discriminação: 1. Deve o médico ter presente a natureza de sua profissão e, principalmente, sua finalidade. (CEM: 1 o ; 2 o e 6 o ) 2. Deve o médico buscar a mais ampla

Leia mais

DROGAS E FAMÍLIA: SOBRECARGA. Silvana C. Maciel UFPB

DROGAS E FAMÍLIA: SOBRECARGA. Silvana C. Maciel UFPB DROGAS E FAMÍLIA: SOBRECARGA Silvana C. Maciel UFPB CONCEITO DE DROGA Droga é qualquer substância que, não sendo produzida pelo organismo, tem a propriedade de atuar sobre um ou mais de seus sistemas,

Leia mais

VAMOS FALAR SOBRE. AIDS + DSTs

VAMOS FALAR SOBRE. AIDS + DSTs VAMOS FALAR SOBRE AIDS + DSTs AIDS A AIDS (Síndrome da Imunodeficiência Adquirida) atinge indiscriminadamente homens e mulheres e tem assumido proporções assustadoras desde a notificação dos primeiros

Leia mais

DSTS - Doenças Sexualmente Transmissíveis. Alunas : Manuella Barros / Anna Morel /Elaine Viduani.

DSTS - Doenças Sexualmente Transmissíveis. Alunas : Manuella Barros / Anna Morel /Elaine Viduani. DSTS - Doenças Sexualmente Transmissíveis Alunas : Manuella Barros / Anna Morel /Elaine Viduani. O que são DSTS? São as doenças sexualmente transmissíveis (DST), são transmitidas, principalmente, por contato

Leia mais

Projeto Verão Sem AIDS Valorizando a Vida

Projeto Verão Sem AIDS Valorizando a Vida 1 Projeto Verão Sem AIDS Valorizando a Vida O PROJETO VERÃO SEM AIDS VALORIZANDO A VIDA foi idealizado por João Donizeti Scaboli, Diretor do da FEQUIMFAR. Iniciamos de forma pioneira em 1994, quando o

Leia mais

O ACONSELHAMENTO NO HIV EM UMA COMUNIDADE COMO MEDIDA PREVENTIVA

O ACONSELHAMENTO NO HIV EM UMA COMUNIDADE COMO MEDIDA PREVENTIVA O ACONSELHAMENTO NO HIV EM UMA COMUNIDADE COMO MEDIDA PREVENTIVA Zardo L*¹ Silva CL*² Zarpellon LD*³ Cabral LPA* 4 Resumo O Vírus da Imunodeficiência humana (HIV) é um retrovírus que ataca o sistema imunológico.através

Leia mais

O Carnaval está aí é hora de se prevenir!

O Carnaval está aí é hora de se prevenir! O Carnaval está aí é hora de se prevenir! O Carnaval está aí! Uma das festas populares mais animadas e representativas do mundo. A festa que chegou ao Brasil tem sua origem no entrudo português, em que,

Leia mais

Nessa hora você não vai parar para pensar se sabe tudo sobre Aids

Nessa hora você não vai parar para pensar se sabe tudo sobre Aids Nessa hora você não vai parar para pensar se sabe tudo sobre Aids 1 a Aids reduz a imunidade A Síndrome da Imunodeficiência Adquirida (Aids ou SIDA) não é a doença. Ela reduz a imunidade devido à ação

Leia mais

HIV. O vírus da imunodeficiência humana HIV-1 e HIV-2 são membros da família Retroviridae, na subfamília Lentividae.

HIV. O vírus da imunodeficiência humana HIV-1 e HIV-2 são membros da família Retroviridae, na subfamília Lentividae. A Equipe Multiprofissional de Saúde Ocupacional da UDESC lembra: Dia 01 de dezembro é dia mundial de prevenção à Aids! Este material foi desenvolvido por alunos do Departamento de Enfermagem da Universidade

Leia mais

UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ LUIZ SASSO FILHO PERFIL DOS PORTADORES DO VÍRUS HIV ATENDIDOS NO HOSPITAL DIA AIDS EM BRASÍLIA D.F.

UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ LUIZ SASSO FILHO PERFIL DOS PORTADORES DO VÍRUS HIV ATENDIDOS NO HOSPITAL DIA AIDS EM BRASÍLIA D.F. UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ LUIZ SASSO FILHO PERFIL DOS PORTADORES DO VÍRUS HIV ATENDIDOS NO HOSPITAL DIA AIDS EM BRASÍLIA D.F. BRASÍLIA DF 2009 PERFIL DOS PORTADORES DO VÍRUS HIV ATENDIDOS NO HOSPITAL

Leia mais

TÍTULO: PERFIL SÓCIO DEMOGRÁFICO E PROVÁVEL FONTE DE INFECÇÃO DE MULHERES COM HIV/AIDS NO MUNICÍPIO DE CARAGUATATUBA-SP

TÍTULO: PERFIL SÓCIO DEMOGRÁFICO E PROVÁVEL FONTE DE INFECÇÃO DE MULHERES COM HIV/AIDS NO MUNICÍPIO DE CARAGUATATUBA-SP TÍTULO: PERFIL SÓCIO DEMOGRÁFICO E PROVÁVEL FONTE DE INFECÇÃO DE MULHERES COM HIV/AIDS NO MUNICÍPIO DE CARAGUATATUBA-SP CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: ENFERMAGEM INSTITUIÇÃO:

Leia mais

CÂNCER DE MAMA:PERSPECTIVAS SOBRE AS RELAÇÕES FAMILIARES

CÂNCER DE MAMA:PERSPECTIVAS SOBRE AS RELAÇÕES FAMILIARES V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 CÂNCER DE MAMA:PERSPECTIVAS SOBRE AS RELAÇÕES FAMILIARES Simone Lemos 1 ; Suzei Helena Tardivo Barbosa 2 ; Giseli

Leia mais

Como saber que meu filho é dependente químico e o que fazer. A importância de todos os familiares no processo de recuperação.

Como saber que meu filho é dependente químico e o que fazer. A importância de todos os familiares no processo de recuperação. Como saber que meu filho é dependente químico e o que fazer A importância de todos os familiares no processo de recuperação. Introdução Criar um filho é uma tarefa extremamente complexa. Além de amor,

Leia mais

Caderno de Informações Epidemiológicas das DST/HIV/Aids do Município de Uberaba-MG

Caderno de Informações Epidemiológicas das DST/HIV/Aids do Município de Uberaba-MG SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE PROGRAMA MUNICIPAL DE DST/AIDS DE UBERABA Caderno de Informações Epidemiológicas das DST/HIV/Aids do Município de Uberaba-MG Gerente: Maria Clara de Vasconcelos Afonso Elaboração:

Leia mais

BUSCA ATIVA DE POSSÍVEIS PORTADORES DE HIV/AIDS EM PROJETO EXTENSIONISTA E SEU PERFIL

BUSCA ATIVA DE POSSÍVEIS PORTADORES DE HIV/AIDS EM PROJETO EXTENSIONISTA E SEU PERFIL 9. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO (

Leia mais

Cuidando da Minha Criança com Aids

Cuidando da Minha Criança com Aids Cuidando da Minha Criança com Aids O que é aids/hiv? A aids atinge também as crianças? Como a criança se infecta com o vírus da aids? Que tipo de alimentação devo dar ao meu bebê? Devo amamentar meu bebê

Leia mais

Positivo Negativo. Um guia sobre o teste do HIV. Rua Frei Vicente, 24 - Pelourinho - Fones (71) 3321-1848 / 3322-2552. Apoio:

Positivo Negativo. Um guia sobre o teste do HIV. Rua Frei Vicente, 24 - Pelourinho - Fones (71) 3321-1848 / 3322-2552. Apoio: Positivo Negativo Rua Frei Vicente, 24 - Pelourinho - Fones (71) 3321-1848 / 3322-2552 Um guia sobre o teste do HIV Apoio: SECRETARIA ESTADUAL DE SAÚDE Coordenação Estadual de DST/AIDS Onde fazer exames

Leia mais

ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL

ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL Das Atribuições dos Profissionais dos Recursos Humanos Atribuições comuns a todos os profissionais que integram a equipe: Conhecer a realidade das famílias pelas

Leia mais

EXPOSIÇÃO DE RISCO DOS PARTICIPANTES DO PROJETO UEPG-ENFERMAGEM NA BUSCA E PREVENÇÃO DO HIV/AIDS

EXPOSIÇÃO DE RISCO DOS PARTICIPANTES DO PROJETO UEPG-ENFERMAGEM NA BUSCA E PREVENÇÃO DO HIV/AIDS 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA EXPOSIÇÃO DE RISCO DOS PARTICIPANTES DO PROJETO UEPG-ENFERMAGEM

Leia mais

Aconselhamento não é dar conselhos! Como fazer o aconselhamento? A importância do teste anti-hiv e do aconselhamento nas Unidades Básicas de Saúde

Aconselhamento não é dar conselhos! Como fazer o aconselhamento? A importância do teste anti-hiv e do aconselhamento nas Unidades Básicas de Saúde Sumário 05 07 07 07 09 10 12 12 12 14 17 17 17 18 19 19 21 21 Apresentação O que é aconselhamento? Aconselhamento não é dar conselhos! Como fazer o aconselhamento? A importância do teste anti-hiv e do

Leia mais

SITUAÇÃO DO HIV/AIDS NO BRASIL E OS FATORES QUE INFLUENCIAM A INFECÇÃO

SITUAÇÃO DO HIV/AIDS NO BRASIL E OS FATORES QUE INFLUENCIAM A INFECÇÃO SITUAÇÃO DO HIV/AIDS NO BRASIL E OS FATORES QUE INFLUENCIAM A INFECÇÃO Jader Dornelas Neto 1 ; Daniel Antonio Carvalho dos Santos 2 ; Guilherme Elcio Zonta 3 ; Simone Martins Bonafé 4 RESUMO: O objetivo

Leia mais

Os caminhos e descaminhos de uma epidemia global

Os caminhos e descaminhos de uma epidemia global Os caminhos e descaminhos de uma epidemia global Por Rodrigo Cunha 5 de junho de 1981. O Relatório Semanal de Morbidez e Mortalidade do Centro para Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos Estados Unidos

Leia mais

PREVENÇÃO DE VIOLÊNCIAS E PROMOÇÃO DA CULTURA DE PAZ

PREVENÇÃO DE VIOLÊNCIAS E PROMOÇÃO DA CULTURA DE PAZ MINISTÉRIO DA SAÚDE IMPACTO DA VIOLÊNCIA NA SAÚDE DAS CRIANÇAS E ADOLESCENTES PREVENÇÃO DE VIOLÊNCIAS E PROMOÇÃO DA CULTURA DE PAZ VOCÊ É A PEÇA PRINCIPAL PARA ENFRENTAR ESTE PROBLEMA Brasília - DF 2008

Leia mais

PROJETO: MATEMÁTICA NA SAÚDE GRUPO C

PROJETO: MATEMÁTICA NA SAÚDE GRUPO C EE JUVENTINO NOGUEIRA RAMOS PROJETO: MATEMÁTICA NA SAÚDE TEMA : AIDS GRUPO C ADRIANO OSVALDO DA S. PORTO Nº 01 ANDERSON LUIZ DA S.PORTO Nº 05 CÍNTIA DIAS AVELINO Nº 11 CLAUDINEI MOREIRA L. JUNIOR Nº 12

Leia mais

Sexo Seguro, Teste de HIV, Sifilis, DST e PEP Informações nesta lingua (Portugues) para homens que fazem Sexo com homens SABER

Sexo Seguro, Teste de HIV, Sifilis, DST e PEP Informações nesta lingua (Portugues) para homens que fazem Sexo com homens SABER X8@ www.gay health network.ie Sexo Seguro, Teste de HIV, Sifilis, DST e PEP Informações nesta lingua (Portugues) para homens que fazem Sexo com homens SABER Informação para teste de HIV para homens gay

Leia mais

O PERFIL DO PACIENTE CONTAMINADO PELO VÍRUS HIV/AIDS

O PERFIL DO PACIENTE CONTAMINADO PELO VÍRUS HIV/AIDS ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 O PERFIL DO PACIENTE CONTAMINADO PELO VÍRUS HIV/AIDS Cláudia Pelegrini Tozzo¹; Débora Bianca Santin

Leia mais

Mulher, 35 anos, terceira gestação, chega em início de trabalho de parto acompanhada do marido que tossia muito e comentou com a enfermeira que

Mulher, 35 anos, terceira gestação, chega em início de trabalho de parto acompanhada do marido que tossia muito e comentou com a enfermeira que Mulher, 35 anos, terceira gestação, chega em início de trabalho de parto acompanhada do marido que tossia muito e comentou com a enfermeira que estava em tratamento para tuberculose. A mulher informa que

Leia mais

DIA DA LUTA CONTRA A SIDA 01 DE DEZEMBRO

DIA DA LUTA CONTRA A SIDA 01 DE DEZEMBRO DIA DA LUTA CONTRA A SIDA 01 DE DEZEMBRO Presentemente, a infeçãovih/sida não tem cura e a prevenção é a única medida eficaz. A infeçãovih/sida tem uma história relativamente recente, mas já dramática

Leia mais

GESTANTE HIV* ACOMPANHAMENTO PRÉ-NATAL. Profª.Marília da Glória Martins Recomendações do Ministério da Saúde

GESTANTE HIV* ACOMPANHAMENTO PRÉ-NATAL. Profª.Marília da Glória Martins Recomendações do Ministério da Saúde GESTANTE HIV* ACOMPANHAMENTO PRÉ-NATAL Profª.Marília da Glória Martins Recomendações do Ministério da Saúde Abordagem inicial a Os serviços que hoje são considerados porta de entrada para o diagnóstico

Leia mais

PREVENÇÃO DE DST/AIDS APÓS VIOLÊNCIA SEXUAL AVALIAÇÃO DOS CASOS NOTIFICADOS À SES/RS.

PREVENÇÃO DE DST/AIDS APÓS VIOLÊNCIA SEXUAL AVALIAÇÃO DOS CASOS NOTIFICADOS À SES/RS. PREVENÇÃO DE DST/AIDS APÓS VIOLÊNCIA SEXUAL AVALIAÇÃO DOS CASOS NOTIFICADOS À SES/RS. Introdução e método: A violência física em especial a violência sexual é, sem dúvida, um problema de saúde pública.

Leia mais

A Saúde mental é componente chave de uma vida saudável.

A Saúde mental é componente chave de uma vida saudável. Transtornos mentais: Desafiando os Preconceitos Durante séculos as pessoas com sofrimento mental foram afastadas do resto da sociedade, algumas vezes encarcerados, em condições precárias, sem direito a

Leia mais

Contrata Consultor na modalidade. Contrata Consultor na modalidade

Contrata Consultor na modalidade. Contrata Consultor na modalidade Contrata Consultor na modalidade PROJETO 914/BRZ/1138 EDITAL Nº 19/2014 Publicação de perfil(is) para contratação de profissional(is) na(s) área(s), cuja(s) vaga(s) está(ão) disponível (is) na página da

Leia mais

- VÍDEO DEBATE - aconselhamento. DST/HIV/aids

- VÍDEO DEBATE - aconselhamento. DST/HIV/aids GUIA - VÍDEO DEBATE - aconselhamento DST/HIV/aids Ministério da Saúde Secretaria de Políticas de Saúde Coordenação Nacional de DST e Aids Paulo R. Teixeira Coordenador Rosemeire Munhoz Assessora Técnica

Leia mais

O Perfil Dos Usuários Do Grupo De Apoio Às DST s E AIDS, Viçosa - MG 1

O Perfil Dos Usuários Do Grupo De Apoio Às DST s E AIDS, Viçosa - MG 1 O Perfil Dos Usuários Do Grupo De Apoio Às DST s E AIDS, Viçosa - MG 1 Talita da Conceição de Oliveira Fonseca. Economista Doméstica. Endereço: Rua João Valadares Gomes nº 210, bairro JK, Viçosa-MG. E-mail:

Leia mais

A Saúde Mental dos Trabalhadores da Saúde

A Saúde Mental dos Trabalhadores da Saúde A Saúde Mental dos Trabalhadores da Saúde Tatiana Thiago Mendes Psicóloga Clínica e do Trabalho Pós-Graduação em Saúde e Trabalho pelo HC FM USP Perita Judicial em Saúde Mental Panorama da Saúde dos Trabalhadores

Leia mais

E X P E D I E N T E. GIV Grupo de Incentivo à Vida Rua Capitão Cavalcanti, 145 Vila Mariana São Paulo Fone: 5084-0255 giv@giv.org.br www.giv.org.

E X P E D I E N T E. GIV Grupo de Incentivo à Vida Rua Capitão Cavalcanti, 145 Vila Mariana São Paulo Fone: 5084-0255 giv@giv.org.br www.giv.org. 1 2 E X P E D I E N T E GIV Grupo de Incentivo à Vida Rua Capitão Cavalcanti, 145 Vila Mariana São Paulo Fone: 5084-0255 giv@giv.org.br www.giv.org.br Diretoria: Gilvane Casimiro Edson Arata Luiz Donizete

Leia mais

PORTARIA SVS/MS Nº 151, DE 14 DE OUTUBRO DE 2009 DOU 16.10.2009

PORTARIA SVS/MS Nº 151, DE 14 DE OUTUBRO DE 2009 DOU 16.10.2009 SVS/MS - Portaria nº 151/2009 16/10/2009 PORTARIA SVS/MS Nº 151, DE 14 DE OUTUBRO DE 2009 DOU 16.10.2009 A SECRETÁRIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE SUBSTITUTA, no uso das atribuições que lhe confere o Art. 45,

Leia mais

16/02/2013 ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM ABORDAGEM SINDRÔMICA DAS DST. Prof. Rivaldo lira

16/02/2013 ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM ABORDAGEM SINDRÔMICA DAS DST. Prof. Rivaldo lira ABORDAGEM SINDRÔMICA DAS DST ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM Prof. Rivaldo lira 1 2 Assinale a alternativa que indica todas as afirmativas corretas. a) São corretas apenas as afirmativas 1 e 2. b) São corretas

Leia mais

RELATÓRIO PARA A. SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS

RELATÓRIO PARA A. SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS RELATÓRIO PARA A SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS RELATÓRIO PARA A SOCIEDADE Este relatório é uma versão resumida do relatório técnico

Leia mais

Respostas frente à AIDS no Brasil: Aprimorando o Debate II

Respostas frente à AIDS no Brasil: Aprimorando o Debate II Respostas frente à AIDS no Brasil: Aprimorando o Debate II Estudo parturientes soropositivas para HIV: implicações para políticas de assistência Daniela Riva Knauth Regina Maria Barbosa Kristine Hopkins

Leia mais

Gisane kelly Silva de Miranda 1 Rosimere Pessoa de Souza 2

Gisane kelly Silva de Miranda 1 Rosimere Pessoa de Souza 2 Gisane kelly Silva de Miranda 1 Rosimere Pessoa de Souza 2 Resumo: O presente trabalho tem por intuito analisar os fatores que condicionam o aumento da vulnerabilidade da transmissão do vírus do HIV entre

Leia mais

Fonte: Jornal Carreira & Sucesso - 151ª Edição

Fonte: Jornal Carreira & Sucesso - 151ª Edição IDENTIFICANDO A DEPRESSÃO Querida Internauta, Lendo o que você nos escreveu, mesmo não sendo uma profissional da área de saúde, é possível identificar alguns sintomas de uma doença silenciosa - a Depressão.

Leia mais

ANÁLISE DO PERFIL IMUNOLÓGICO E VIRAL DOS PACIENTES HIV/AIDS ATENDIDOS NA UNIDADE DE SAÙDE JUNDIAÍ EM ANÁPOLIS GOIAS ENTRE OS ANOS 2002 E 2006.

ANÁLISE DO PERFIL IMUNOLÓGICO E VIRAL DOS PACIENTES HIV/AIDS ATENDIDOS NA UNIDADE DE SAÙDE JUNDIAÍ EM ANÁPOLIS GOIAS ENTRE OS ANOS 2002 E 2006. 1 ANÁLISE DO PERFIL IMUNOLÓGICO E VIRAL DOS PACIENTES HIV/AIDS ATENDIDOS NA UNIDADE DE SAÙDE JUNDIAÍ EM ANÁPOLIS GOIAS ENTRE OS ANOS 2002 E 2006. Adriana Paim da Silva 1,2 ; Andrea Brígida de Souza 1,2

Leia mais

HIV / Aids Orientações para pacientes e familiares

HIV / Aids Orientações para pacientes e familiares HIV / Aids Orientações para pacientes e familiares Serviço de Enfermagem Cirúrgica Este manual contou com a colaboração de: professora enfermeira Isabel Cristina Echer; enfermeiras Beatriz Guaragna, Ana

Leia mais

Sim. Principalmente se a mulher estiver no período fértil.

Sim. Principalmente se a mulher estiver no período fértil. É legal saber! Gravidez Transar uma única vez, pode engravidar? Sim. Principalmente se a mulher estiver no período fértil. Minha menstruação na desceu. Estou grávida? Depende. É importante cada mulher

Leia mais

Seleção de Temas. Questionário - Proficiência Clínica. Área: Imunologia Rodada: Julho/2008. Prezado Participante,

Seleção de Temas. Questionário - Proficiência Clínica. Área: Imunologia Rodada: Julho/2008. Prezado Participante, Seleção de Temas Prezado Participante, Gostaríamos de contar com a sua contribuição para a elaboração dos próximos materiais educativos. Cada questionário desenvolve um assunto (temas) específico dentro

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE OS GÊNEROS E O NÍVEL DE INFORMAÇÃO DE ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS EM RELAÇÃO AO HIV/AIDS

RELAÇÃO ENTRE OS GÊNEROS E O NÍVEL DE INFORMAÇÃO DE ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS EM RELAÇÃO AO HIV/AIDS RELAÇÃO ENTRE OS GÊNEROS E O NÍVEL DE INFORMAÇÃO DE ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS EM RELAÇÃO AO HIV/AIDS Maria Thereza Ávila Dantas Coelho 1 Vanessa Prado Santos 2 Márcio Pereira Pontes 3 Resumo O controle

Leia mais

REDUÇÃO DE DANOS EM SERVIÇOS DE SAÚDE

REDUÇÃO DE DANOS EM SERVIÇOS DE SAÚDE REDUÇÃO DE DANOS EM SERVIÇOS DE SAÚDE Prevalência do HIV nas Populações mais Vulneráveis População em geral 0,65% Profissionais do sexo 6,6% Presidiários - 20% Usuários de drogas injetáveis 36,5% REDUÇÃO

Leia mais

QUERO SABER... FIZ O TESTE E DEU ( POSITIVO ) Como é que uma pessoa se pode proteger do VIH/sida?

QUERO SABER... FIZ O TESTE E DEU ( POSITIVO ) Como é que uma pessoa se pode proteger do VIH/sida? Como é que uma pessoa se pode proteger do VIH/sida? Para NÃO APANHAR nas relações intimas e sexuais: 1. Não fazer sexo enquanto não se sentir preparado para usar o preservativo (pode experimentar primeiro

Leia mais

O QUE É AIDS?... 2 TESTAGEM... 3 PRINCIPAIS SINTOMAS DA AIDS... 4 SAIBA COMO SE PEGA AIDS... 5 Assim Pega... 5 Assim não pega... 5 Outras formas de

O QUE É AIDS?... 2 TESTAGEM... 3 PRINCIPAIS SINTOMAS DA AIDS... 4 SAIBA COMO SE PEGA AIDS... 5 Assim Pega... 5 Assim não pega... 5 Outras formas de O QUE É AIDS?... 2 TESTAGEM... 3 PRINCIPAIS SINTOMAS DA AIDS... 4 SAIBA COMO SE PEGA AIDS... 5 Assim Pega... 5 Assim não pega... 5 Outras formas de transmissão... 6 Acidentes ocupacionais com materiais

Leia mais

Carrefour Guarujá. O que é DST? Você sabe como se pega uma DST? Você sabe como se pega uma DST? Enfermeira Docente

Carrefour Guarujá. O que é DST? Você sabe como se pega uma DST? Você sabe como se pega uma DST? Enfermeira Docente Carrefour Guarujá Bárbara Pereira Quaresma Enfermeira Docente Enfª Bárbara Pereira Quaresma 2 O que é DST? Toda doença transmitida através de relação sexual. Você sabe como se pega uma DST? SEXO VAGINAL

Leia mais

PREVENÇÃO DO SUICÍDIO E PROMOÇÃO DA VIDA Orientações para Profissionais da Rede Local MANUAL DE BOLSO

PREVENÇÃO DO SUICÍDIO E PROMOÇÃO DA VIDA Orientações para Profissionais da Rede Local MANUAL DE BOLSO PREVENÇÃO DO SUICÍDIO E PROMOÇÃO DA VIDA Orientações para Profissionais da Rede Local MANUAL DE BOLSO Introdução Este manual de bolso se dirige aos profissionais que tem a possibilidade de atuar nas situações

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Secretaria de Vigilância em Saúde. Programa Nacional de DST e Aids. Prevenção PositHIVa. junho 2007. Ministério da Saúde

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Secretaria de Vigilância em Saúde. Programa Nacional de DST e Aids. Prevenção PositHIVa. junho 2007. Ministério da Saúde MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Programa Nacional de DST e Aids Prevenção PositHIVa junho 2007 Contexto 25 anos de epidemia; 10 anos de acesso universal à terapia anti-retroviral; Exames e insumos de

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM - PNAISH

POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM - PNAISH POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM - PNAISH Brasília, outubro de 2015 População Masculina 99 milhões (48.7%) População alvo: 20 a 59 anos População Total do Brasil 202,7 milhões de

Leia mais

ORIENTAÇÃO ÀS CHEFIAS NAS SITUAÇÕES DE FUNCIONÁRIOS COM PROBLEMAS DE ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS. O PAPEL DA CHEFIA

ORIENTAÇÃO ÀS CHEFIAS NAS SITUAÇÕES DE FUNCIONÁRIOS COM PROBLEMAS DE ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS. O PAPEL DA CHEFIA ORIENTAÇÃO ÀS CHEFIAS NAS SITUAÇÕES DE FUNCIONÁRIOS COM PROBLEMAS DE ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS. O PAPEL DA CHEFIA Como chefe de alguém que apresenta problemas relacionados ao uso de álcool e/ou outras drogas,

Leia mais

ANÁLISE DA PESQUISA DE CONHECIMENTOS, ATITUDES E PRÁTICAS NA POPULAÇÃO CAMPOGRANDENSE.

ANÁLISE DA PESQUISA DE CONHECIMENTOS, ATITUDES E PRÁTICAS NA POPULAÇÃO CAMPOGRANDENSE. ANÁLISE DA PESQUISA DE CONHECIMENTOS, ATITUDES E PRÁTICAS NA POPULAÇÃO CAMPOGRANDENSE. GISELE MARIA BRANDÃO DE FREITAS 1 INTRODUÇÃO Campo Grande é um município brasileiro, capital do estado de Mato Grosso

Leia mais

O QUE É SER MÃE ADOLESCENTE PELA PRIMEIRA VEZ? INTRODUÇÃO

O QUE É SER MÃE ADOLESCENTE PELA PRIMEIRA VEZ? INTRODUÇÃO O QUE É SER MÃE ADOLESCENTE PELA PRIMEIRA VEZ? INTRODUÇÃO Esta investigação tem como enfoque o atendimento às gestantes adolescentes primigestas nas equipes de ESF. Visa conhecer o universo destas gestantes

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE ENFRENTAMENTO DOS FAMILIARES DE IDOSOS PORTADORES DO VÍRUS HIV

ESTRATÉGIAS DE ENFRENTAMENTO DOS FAMILIARES DE IDOSOS PORTADORES DO VÍRUS HIV ESTRATÉGIAS DE ENFRENTAMENTO DOS FAMILIARES DE IDOSOS PORTADORES DO VÍRUS HIV Jamira Martins dos Santos (1); Camila Mendes da Silva (2); Gerlane Ângela da C. Moreira Vieira (3); Ana Claudia Torres de Medeiros

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 Notas importantes: O Banco de dados (BD) do Sistema de Informação Nacional de Agravos de Notificação (SINAN) vem sofrendo nos últimos

Leia mais

O CONHECIMENTO BÁSICO DA COMUNIDADE ESCOLAR SOBRE HIV/AIDS

O CONHECIMENTO BÁSICO DA COMUNIDADE ESCOLAR SOBRE HIV/AIDS Revista Eletrônica Novo Enfoque, ano 2010, v. 11, n. 11, p. 10 20 O CONHECIMENTO BÁSICO DA COMUNIDADE ESCOLAR SOBRE HIV/AIDS GONÇALVES, B.F.da S.¹; DE BRITO, D.M.¹; PEDRO, E. M. ¹; CALVO, F.L.M.¹; SPERLICH,

Leia mais

GUARDA NACIONAL REPUBLICANA COMANDO DA ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS INTERNOS DIRECÇÃO DE RECURSOS HUMANOS CENTRO DE PSICOLOGIA E INTERVENÇÃO SOCIAL

GUARDA NACIONAL REPUBLICANA COMANDO DA ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS INTERNOS DIRECÇÃO DE RECURSOS HUMANOS CENTRO DE PSICOLOGIA E INTERVENÇÃO SOCIAL GUARDA NACIONAL REPUBLICANA COMANDO DA ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS INTERNOS DIRECÇÃO DE RECURSOS HUMANOS CENTRO DE PSICOLOGIA E INTERVENÇÃO SOCIAL JUNHO 2013 ÍNDICE ÂMBITO... 3 INTRODUÇÃO... 4 COMO SE MANIFESTA

Leia mais

Atenção à Saúde e Saúde Mental em Situações de Desastres

Atenção à Saúde e Saúde Mental em Situações de Desastres Atenção à Saúde e Saúde Mental em Situações de Desastres Desastre: interrupção grave do funcionamento normal de uma comunidade que supera sua capacidade de resposta e recuperação. Principais causas de

Leia mais

DEPRESSÃO. O que você precisa saber. Fênix Associação Pró-Saúde Mental

DEPRESSÃO. O que você precisa saber. Fênix Associação Pró-Saúde Mental DEPRESSÃO O que você precisa saber Fênix Associação Pró-Saúde Mental Eu admito que preciso de ajuda, pois sozinho não consigo... (Grupo Fênix: Os 6 Passos para a Recuperação) a 1 Edição São Paulo 2010

Leia mais

1948 Lista os direitos e deveres fundamentais de todo ser humano. 1959 Estabelece direitos universais das crianças.

1948 Lista os direitos e deveres fundamentais de todo ser humano. 1959 Estabelece direitos universais das crianças. LEVANTAMENTO DOS MARCOS LÓGICOS E LEGAIS DO PROGRAMA NACIONAL DE DST E AIDS PNDST-AIDS 1. Marcos Lógicos NORMATIVAS INTERNACIONAIS DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS 1948 Lista os direitos e deveres

Leia mais

Autor(es) PATRÍCIA GONÇALVES SILVEIRA. Orientador(es) MIRIAM RIBEIRO CAMPOS. Apoio Financeiro FAPIC/UNIMEP. 1. Introdução

Autor(es) PATRÍCIA GONÇALVES SILVEIRA. Orientador(es) MIRIAM RIBEIRO CAMPOS. Apoio Financeiro FAPIC/UNIMEP. 1. Introdução 19 Congresso de Iniciação Científica AIDS: AVALIANDO COMPORTAMENTOS E VULNERABILIDADE EM ESTUDANTES DO ENSINO MÉDIO DAS ESCOLAS DO MUNICÍPIO DE PIRACICABA: IDENTIFICAÇÃO DO CONHECIMENTO SOBRE O CONTROLE,

Leia mais

O GÊNERO FEMININO E AS FORMAS DE PREVENÇÃO DO HIV/AIDS

O GÊNERO FEMININO E AS FORMAS DE PREVENÇÃO DO HIV/AIDS O GÊNERO FEMININO E AS FORMAS DE PREVENÇÃO DO HIV/AIDS MARIA THEREZA ÁVILA DANTAS COELHO 1 VANESSA PRADO DOS SANTOS 2 GLEICE KELLY SANTOS ALMEIDA 3 RESUMO O objetivo deste trabalho é discutir as mudanças

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM

POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS SENADO FEDERAL BRASÍLIA, 16 DE MAIO DE 2013 Criação de um novo departamento dentro da SAS: DAET- Departamento de Atenção

Leia mais

COMPORTAMENTO DE PARTICIPANTES DE UM PROJETO FRENTE AOS PORTADORES DE HIV/AIDS

COMPORTAMENTO DE PARTICIPANTES DE UM PROJETO FRENTE AOS PORTADORES DE HIV/AIDS 110. ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA COMPORTAMENTO DE PARTICIPANTES

Leia mais

INCIDÊNCIA DE AIDS NA POPULAÇÃO IDOSA DO BRASIL

INCIDÊNCIA DE AIDS NA POPULAÇÃO IDOSA DO BRASIL INCIDÊNCIA DE AIDS NA POPULAÇÃO IDOSA DO BRASIL Tacilla Maria Rodrigues Pereira¹(tacilla90@hotmail.com) Milene Evaristo Pereira¹(Milene.trab@gmail.com) Nicole Cristine Diniz de Medeiros Dutra¹ (nicole_dutra@hotmail.com)

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 Notas importantes: O Banco de dados (BD) do Sistema de Informação Nacional de Agravos de Notificação (SINAN) vem sofrendo nos últimos

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec: PAULINO BOTELHO Código: 091 Município: SÃO CARLOS Eixo Tecnológico: Ambiente e Saúde Habilitação Profissional: Técnico em Enfermagem Qualificação:

Leia mais

Transmissão Vertical do HIV e da Sífilis: Os Avanços no Controle do HIV e. O Descompasso no Controle da. Sífilis Congênita

Transmissão Vertical do HIV e da Sífilis: Os Avanços no Controle do HIV e. O Descompasso no Controle da. Sífilis Congênita Transmissão Vertical do HIV e da Sífilis: Os Avanços no Controle do HIV e O Descompasso no Controle da Sífilis Congênita Porquê é um Desafio para a Saúde Pública? Agente etiológico conhecido História natural

Leia mais

PREVINA O CÂNCER DO COLO DO ÚTERO

PREVINA O CÂNCER DO COLO DO ÚTERO SENADO FEDERAL PREVINA O CÂNCER DO COLO DO ÚTERO SENADOR CLÉSIO ANDRADE 2 Previna o câncer do colo do útero apresentação O câncer do colo do útero continua matando muitas mulheres. Especialmente no Brasil,

Leia mais

VIOLÊNCIA CONTRA A CRIANÇA ou ADOLESCENTE

VIOLÊNCIA CONTRA A CRIANÇA ou ADOLESCENTE VIOLÊNCIA CONTRA A CRIANÇA ou ADOLESCENTE Equipe LENAD: Ronaldo Laranjeira Clarice Sandi Madruga IlanaPinsky Maria Carmen Viana Divulgação: Maio de 2014. 1. Porque esse estudo é relevante? Segundo a Subsecretaria

Leia mais

Autor(es) MICHELLE MARTINS DE MELO. Co-Autor(es) MÁRCIA FUZA. Orientador(es) ÂNGELA MÁRCIA FOSSA / TEREZA HORIBE. 1. Introdução

Autor(es) MICHELLE MARTINS DE MELO. Co-Autor(es) MÁRCIA FUZA. Orientador(es) ÂNGELA MÁRCIA FOSSA / TEREZA HORIBE. 1. Introdução 7º Simpósio de Ensino de Graduação IMPLEMENTAÇÃO DA SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM À GESTANTES EM UM SERVIÇO ESPECIALIZADO EM DSTS DO INTERIOR DE SÃO PAULO Autor(es) MICHELLE MARTINS DE MELO

Leia mais

CARACTERISTICAS DA FEMINIZAÇÃO DA AIDS EM TRÊS LAGOAS 1 ANDRESSA MARQUES FERREIRA 2 MARIA ANGELINA DA SILVA ZUQUE

CARACTERISTICAS DA FEMINIZAÇÃO DA AIDS EM TRÊS LAGOAS 1 ANDRESSA MARQUES FERREIRA 2 MARIA ANGELINA DA SILVA ZUQUE CARACTERISTICAS DA FEMINIZAÇÃO DA AIDS EM TRÊS LAGOAS 1 ANDRESSA MARQUES FERREIRA 2 MARIA ANGELINA DA SILVA ZUQUE 1 Discente de graduação do curso de Biomedicina 2 Doutoranda Docente das Faculdades Integradas

Leia mais

SUICÍDIO: Identificar, tratar e prevenir

SUICÍDIO: Identificar, tratar e prevenir SUICÍDIO: Identificar, tratar e prevenir Suicídio é a trágica e intempestiva perda de vida humana. O mais devastador e perplexo de tudo é que é representado por um ato da vontade. A palavra suicídio deriva

Leia mais

VIGILÂNCIA DE HIV EM SANGUE DOADO: TENDÊNCIA DE SOROPREVALÊNCIA

VIGILÂNCIA DE HIV EM SANGUE DOADO: TENDÊNCIA DE SOROPREVALÊNCIA 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 VIGILÂNCIA DE HIV EM SANGUE DOADO: TENDÊNCIA DE SOROPREVALÊNCIA Janete Lane Amadei 1 ; Deborah Cristiny Dantas Moreti 2 ; Diego Montanhei 2 ; Dennis Armando

Leia mais

Perguntas e respostas sobre imunodeficiências primárias

Perguntas e respostas sobre imunodeficiências primárias Perguntas e respostas sobre imunodeficiências primárias Texto elaborado pelos Drs Pérsio Roxo Júnior e Tatiana Lawrence 1. O que é imunodeficiência? 2. Estas alterações do sistema imunológico são hereditárias?

Leia mais

Metodologia da Pesquisa

Metodologia da Pesquisa BACHARELADO EM ENFERMAGEM TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO I Prof. Me. Eurípedes Gil de França Metodologia da Pesquisa AULA 5 Refere-se ao como vou fazer a pesquisa. É a parte mecânica da pesquisa. Por meio

Leia mais

Informação pode ser o melhor remédio. Hepatite

Informação pode ser o melhor remédio. Hepatite Informação pode ser o melhor remédio. Hepatite HEPATITE A hepatite é uma inflamação do fígado provocada na maioria das vezes por um vírus. Diferentes tipos de vírus podem provocar hepatite aguda, que se

Leia mais

VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE

VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE Um modelo de assistência descentralizado que busca a integralidade, com a participação da sociedade, e que pretende dar conta da prevenção, promoção e atenção à saúde da população

Leia mais

O Protagonismo Feminino: Momentos de Prevenção á Saúde. segunda-feira, 19 de março de 12

O Protagonismo Feminino: Momentos de Prevenção á Saúde. segunda-feira, 19 de março de 12 O Protagonismo Feminino: Momentos de Prevenção á Saúde CENTRO DE APOIO SOLIDARIED AIDS É organização da sociedade civil, sem fins lucrativos fundada em 1996. Objetivo: Apoiar, atender, prevenir e promover

Leia mais

-Os Papiloma Vírus Humanos (HPV) são vírus da família Papovaviridae.

-Os Papiloma Vírus Humanos (HPV) são vírus da família Papovaviridae. -Os Papiloma Vírus Humanos (HPV) são vírus da família Papovaviridae. -Chamado de HPV, aparece na forma de doenças como condiloma acuminado, verruga genital ou crista de galo. -Há mais de 200 subtipos do

Leia mais

A seguir enumeramos algumas caracteristicas do TBH:

A seguir enumeramos algumas caracteristicas do TBH: OQUEÉOTRANSTORNOBIPOLARDO HUMOR(TBH)? O transtorno bipolar do humor (também conhecido como psicose ou doença maníaco-depressiva) é uma doença psiquiátrica caracterizada por oscilações ou mudanças de humor

Leia mais

coleção Conversas #2 Respostas que podem estar passando para algumas perguntas pela sua cabeça.

coleção Conversas #2 Respostas que podem estar passando para algumas perguntas pela sua cabeça. coleção Conversas #2 Positivo, o que e u faç o Deu Respostas para algumas perguntas que podem estar passando pela sua cabeça. A coleção CONVERSAS da Editora AfroReggae nasceu com o desejo de facilitar

Leia mais

Acesso Público a Informação de Saúde

Acesso Público a Informação de Saúde Acesso Público a Informação de Saúde Módulo HIV/AIDS O que é HIV/AIDS? HIV (Human Immunodeficiency Virus Vírus da Imuno Deficiência Humana) AIDS (Acquired Immune Deficiency Syndrome Síndrome da Imuno Deficiência

Leia mais

NUPE NÚCLEO DE PESQUISA E EXTENSÃO PROJETO DE EXTENÇÃO UNIVERSITÁRIA FEUC SOLIDÁRIA 2008 COMBATE À AIDS: UM DEVER DE TODOS

NUPE NÚCLEO DE PESQUISA E EXTENSÃO PROJETO DE EXTENÇÃO UNIVERSITÁRIA FEUC SOLIDÁRIA 2008 COMBATE À AIDS: UM DEVER DE TODOS NUPE NÚCLEO DE PESQUISA E EXTENSÃO PROJETO DE EXTENÇÃO UNIVERSITÁRIA FEUC SOLIDÁRIA 2008 COMBATE À AIDS: UM DEVER DE TODOS Professores responsáveis: Luiz Arcúrio Júnior Leiri Valentin Isabela Custódio

Leia mais

SEXUALIDADE E PREVENÇÃO ÀS DST E HIV/AIDS NA TERCEIRA IDADE

SEXUALIDADE E PREVENÇÃO ÀS DST E HIV/AIDS NA TERCEIRA IDADE SEXUALIDADE E PREVENÇÃO ÀS DST E HIV/AIDS NA TERCEIRA IDADE MARIA BEATRIZ DREYER PACHECO Membro do MOVIMENTO NACIONAL DAS CIDADÃS POSITHIVAS Membro do MOVIMENTO LATINO-AMERICANO E CARIBENHO DE MULHERES

Leia mais

VIVÊNCIAS DE FAMILIARES DE CRIANÇAS COM NEOPLASIAS E AS IMPLICAÇÕES PARA A ASSISTÊNCIA PSICOLÓGICA

VIVÊNCIAS DE FAMILIARES DE CRIANÇAS COM NEOPLASIAS E AS IMPLICAÇÕES PARA A ASSISTÊNCIA PSICOLÓGICA VIVÊNCIAS DE FAMILIARES DE CRIANÇAS COM NEOPLASIAS E AS IMPLICAÇÕES PARA A ASSISTÊNCIA PSICOLÓGICA INTRODUÇÃO Liana Dantas da Costa e Silva Barbosa - CRAS Elayna Dantas da Costa e Silva UNESC Maria Enoia

Leia mais

Briefing. Boletim Epidemiológico 2010

Briefing. Boletim Epidemiológico 2010 Briefing Boletim Epidemiológico 2010 1. HIV Estimativa de infectados pelo HIV (2006): 630.000 Prevalência da infecção (15 a 49 anos): 0,61 % Fem. 0,41% Masc. 0,82% 2. Números gerais da aids * Casos acumulados

Leia mais

Nome/Código arquivo: 2013_11_12 Mem.Reun.Saúde _ Escola do Evangelho Belo Monte Vitória do Xingu

Nome/Código arquivo: 2013_11_12 Mem.Reun.Saúde _ Escola do Evangelho Belo Monte Vitória do Xingu Assunto: Orientar e esclarecer as dúvidas da população sobre as Ações Preventivas na Área de Saúde Pública em virtude da construção da UHE Belo Monte. Redator: Èrica Silva Data: 12-11-2013 Duração: 14h30min

Leia mais

Promoção da qualidade de vida através de psicoterapia breve de grupo

Promoção da qualidade de vida através de psicoterapia breve de grupo Promoção da qualidade de vida através de psicoterapia breve de grupo PSICOTERAPIA Categoria: GRUPO Categoria: Custos administrativos e operacionais Área: Medicina Preventiva - Programa Viver Bem Responsáveis:

Leia mais

Conversando sobre o suicídio. Promoção da vida e Prevenção ao Suicídio

Conversando sobre o suicídio. Promoção da vida e Prevenção ao Suicídio Conversando sobre o suicídio Promoção da vida e Prevenção ao Suicídio Suicídio Quais são as nossas percepções? Mitos sobre o suicídio Adaptado de BEFRIENDERS INTERNATIONAL Quem vive ameaçando se matar

Leia mais

AUTOR(ES): JESSICA LOPES DE SOUZA, BRUNA KASAKEVICIUS ARCARI, EDPAULA BATISTA DE SOUZA, GRAZIELE SILVA ALESSANDRO

AUTOR(ES): JESSICA LOPES DE SOUZA, BRUNA KASAKEVICIUS ARCARI, EDPAULA BATISTA DE SOUZA, GRAZIELE SILVA ALESSANDRO TÍTULO: AIDS E HIV: INORMAÇÃO, COMPREENSÃO E ATITUDE DOS IDOSOS. CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PSICOLOGIA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU AUTOR(ES): JESSICA LOPES

Leia mais

RELACIONAMENTO TERAPÊUTICO ENTRE ENFERMEIRO E PACIENTE TRANSPLANTADO CARDÍACO: FORÇA VITAL PARA A HUMANIZAÇÃO

RELACIONAMENTO TERAPÊUTICO ENTRE ENFERMEIRO E PACIENTE TRANSPLANTADO CARDÍACO: FORÇA VITAL PARA A HUMANIZAÇÃO RELACIONAMENTO TERAPÊUTICO ENTRE ENFERMEIRO E PACIENTE TRANSPLANTADO CARDÍACO: FORÇA VITAL PARA A HUMANIZAÇÃO O transplante cardíaco é uma forma de tratamento para os pacientes com insuficiência cardíaca

Leia mais

PROVA OBJETIVA. Processo Seletivo para Agente Comunitário de Saúde - Nova Bassano/RS - Edital 04/2015. Nome do(a) candidato(a): ESF de Abrangência:

PROVA OBJETIVA. Processo Seletivo para Agente Comunitário de Saúde - Nova Bassano/RS - Edital 04/2015. Nome do(a) candidato(a): ESF de Abrangência: PROVA OBJETIVA Processo Seletivo para Agente Comunitário de Saúde - Nova Bassano/RS - Edital 04/2015 Nome do(a) candidato(a): ESF de Abrangência: Fique atento para as instruções abaixo: - As questões a

Leia mais