MANUAL DO FACILITADOR

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MANUAL DO FACILITADOR"

Transcrição

1 MANUAL DO FACILITADOR PARA A PRODUÇÃO DE MATERIAL DE INFORMAÇÃO, EDUCAÇÃO E COMUNICAÇÃO IEC JUNTO DE GRUPOS MAIS VULNERÁVEIS ÀS IST/VIH/SIDA MARIA TERESA SILVA SANTOS

2

3 MANUAL DO FACILITADOR PARA A PRODUÇÃO DE MATERIAL DE INFORMAÇÃO, EDUCAÇÃO E COMUNICAÇÃO IEC JUNTO DE GRUPOS MAIS VULNERÁVEIS ÀS IST/VIH/SIDA MARIA TERESA SILVA SANTOS

4 Título Manual do Facilitador Para a Produção de Material de Informação, Educação e Comunicação IEC Junto de Grupos mais Vulneráveis às IST/VIH/Sida Autor Maria Teresa Silva Santos Projecto gráfico original e paginação Ana Moreira Ilustrações Rui Fazenda 2011 Maria Teresa Silva Santos

5 Este Manual foi elaborado por Maria Teresa Santos no âmbito do Projecto Centro de Recursos Integrados de Atenção à Saúde CRIAS, da Cidadãos do Mundo. O Manual contou com o apoio da equipa do projecto: Ana Filgueiras, Ethel Feldman, e Renata Cortizo, que ao longo da testagem, que veio a realizar-se com o trabalho de campo, foram promovendo discussões e comentários que viriam a ser abraçados pelo Manual. A fotografia que acompanha o Manual foi gentilmente cedida por Ricardo Alves Júnior.

6

7 Índice Abreviaturas 7 Introdução 9 1. Metodologia 11 Princípios norteadores 13 Etapas a seguir pela equipa de facilitação Trabalho De Campo Preparatório 21 Encontro de trabalho com as ONGs, instituições e organismos que trabalham com a comunidade com quem se vai trabalhar 23 Sessão preparatória com Associações, ONGs ou organismos com quem a sua equipa espera trabalhar no terreno Trabalho de campo com os grupos focais 39 1ª Sessão Apresentação do projecto ao grupo focal 41 2ª Sessão Identificação das necessidades de informação dos grupos mais vulneráveis 45 3ª Sessão Identificação de necessidades de adopção de comportamentos seguros 49 4ª Sessão que conteúdos? 53 5ª Sessão que conteúdos? Ilustrar ou não? 57 6 ª sessão que meio IEC? 61 7ª Sessão Revisão das ilustrações 65

8 Produção de um exemplar do material IEC a ser produzido 69 8ª sessão Testagem de um exemplar do material junto dos grupos em referência 71 9ª sessão Testagem do material junto de actores chaves da comunidade Ilustrações de apoio às sessões 79 Referências bibliográficas 87

9 Abreviaturas CRIAS IEC ISTs ONGs PALOP SIDA VIH Centro de Recursos Integrados de Atenção à Sida Informação, Educação e Comunicação Infecções Sexualmente Transmissíveis Organizações Não Governamentais Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa Síndrome de Imunodeficiência Adquirida Vírus de Imunodeficiência humana

10

11 Introdução Este manual surgiu como uma forma de apoiar a equipa do projecto CRIAS na produção de material de Informação, Educação e Comunicação IEC, na área das IST/VIH/Sida, adequado e eficaz para a população imigrante, com origem nos PALOP. Com a publicação deste manual pretende-se partilhar um instrumento que demonstrou ser uma ferramenta de apoio útil e que poderá ser relevante na produção de material de IEC adequado e eficaz, junto de outros grupos mais vulneráveis às IST/VIH/Sida. Este manual não deve ser entendido como um instrumento rígido, mas flexível, e acima de tudo adaptável às necessidades e circunstâncias que encontrar no seu trabalho. Assim, quando em vez de uma sessão a equipa sentir necessidade de realizar duas, ou quando a dinâmica de grupo correr o risco de se mostrar inadequada procure em conjunto com as pessoas desse grupo específico e com a equipa com quem trabalha soluções mais adequadas. Bom trabalho!

12

13 1. Metodologia

14

15 Princípios norteadores O processo de produção de material IEC apresentado por este manual é norteado pelos seguintes princípios: Abordagem participativa: Assegurando que os grupos populacionais aos quais se destinam os instrumentos de IEC são de facto envolvidos, desde o início, no processo de produção do material. Para o efeito o uso de metodologias participativas é uma prioridade. A participação garante que as dúvidas reais e os constrangimentos das pessoas sejam ouvidos, debatidos e trabalhados em conjunto 1. Por exemplo, se numa sessão de informação sobre VIH/sida, se limitar a falar na importância do uso do preservativo sem ouvir as pessoas, ficará sem saber que as pessoas podem já saber que é importante usar preservativo, mas que existem outros constrangimentos que bloqueiam o seu uso. De facto, sem a participação das pessoas, sem as ouvir, ficará sem saber quais os constrangimentos, como solucioná-los e o problema do uso não consistente do preservativo perdurará. Uma forma possível de garantir a participação das pessoas passa pela criação de grupos focais, ou grupos de pares, com integrantes dos grupos específicos, para quem o material de IEC é concebido. 2 Tomada de consciência Procure, tanto quanto possível, que o percurso de tomada de consciência seja realizado pelo próprio participante do grupo focal. Isto é, não assuma quais devem ser os aspectos importantes que deverão ser tomados em conta pelo grupo. Em vez disso, procure que através de uma caminhada conjunta, o grupo vá tomando consciência

16 16 manual do facilitador da importância de determinado aspecto. Por exemplo, no caso da experiência do CRIAS, na primeira sessão com o grupo focal, o facilitador poderia simplesmente informar o grupo que o processo de produção de material de IEC era importante, porque os imigrantes com origem nos PALOP residentes em Portugal, estavam mal informados, já que havia pouco material de IEC adequado. Em vez disso, foi o próprio grupo quem tomou consciência da importância de produzir material de IEC através do uso adequado de técnicas da facilitação. Um aspecto fundamental deste processo, é que o próprio grupo tome consciência das proporções da pandemia e da importância da produção de material IEC adequado, que reconheça as vulnerabilidades e características próprias do seu contexto económico, social, cultural, linguístico e de género. 3 Constituição de grupos focais ou grupos de pares Os grupos focais, deverão ser constituídos por pessoas com condições individuais, de género, idade, sociais, culturais e económicas semelhantes. 4 Como levar uma mulher a falar da sua sexualidade diante de homens, ou como levar os mais jovens a falar da sua sexualidade diante de pessoas mais velhas da sua comunidade? Como falar da importância do uso do preservativo, se algumas pessoas do grupo têm condições económicas para comprar preservativos e outras não? A constituição dos grupos focais com características semelhantes é essencial para promover a participação das pessoas e envolvê-las no processo de produção do material. Desta forma, é assegurado que o material produzido é adequado às condições económicas, de género, de idade, sociais e culturais. Sem esta adequabilidade o material não é eficaz, ou seja, não produz os efeitos desejados ao nível da alteração de comportamentos. Equipa de facilitação A equipa de facilitação deve ser constituída por um facilitador e por um anotador. 5 Ao anotador compete tirar notas, ao longo da sessão de facilitação, que permitam: a. à equipa reflectir sobre os resultados obtidos na sessão; b. melhorar o trabalho futuro do facilitador; c. contribuir para a sistematização das experiências; d. contribuir para a identificação de boas práticas, ao nível do trabalho desenvolvido.

17 maria teresa silva santos 17 Ao facilitador compete dinamizar e facilitar o trabalho do grupo focal. Os facilitadores deverão possuir já um conhecimento prévio dos factores e condições de vulnerabilidade, que cercam essas populações específicas com quem vai trabalhar. No entanto, este conhecimento deve ser assumido com cautela, porque a participação das pessoas contribuirá de forma definitiva para compreender os reais factores de vulnerabilidade: a sua extensão e relevância na problemática discutida e na vida das pessoas. 6 Outro aspecto que importa sublinhar está relacionado com a importância da estabilidade da equipa de facilitação. Deverá, tanto quanto possível, ser sempre a mesma equipa a acompanhar as sessões com os grupos focais: ao longo do processo de produção de material IEC (ex: identificação das necessidades de informação, das estratégias capazes de promover a adopção de comportamentos seguros, conteúdo das mensagens, ilustrações, etc.); mas também durante o processo de testagem. A estabilidade ao nível da equipa de facilitadores que trabalha com o grupo focal está ligada à importância da confiança, que é um factor indispensável numa área tão sensível, como a que envolve a sexualidade das pessoas. A partilha de experiências pessoais, e até mesmo o conhecimento que as pessoas têm sobre o VIH/Sida, os seus medos e constrangimentos, implicam um clima de confiança e de confidencialidade. 7 Indispensável, a confiança é, no entanto, um elemento que leva o seu tempo a conquistar. A estabilidade da equipa contribui para optimizar este tempo. Importância do trabalho em equipa A coordenação é um elemento indispensável, para analisar resultados, sistematizar progressos, ultrapassar dificuldades e encontrar soluções óptimas, não só entre diferentes equipas de facilitação, mas também na própria equipa de facilitação. Na equipa de facilitação, a coordenação passa pela preparação conjunta da sessão. Facilitador e anotador devem discutir de antemão a metodologia da sessão, analisar e debater os resultados alcançados, discutir a reacção do grupo à facilitação e encontrar estratégias que sejam do consenso de ambos para trabalhar com o grupo focal. 8

18

19 Etapas a seguir pela equipa de facilitação As etapas a seguir pela equipa de facilitação, para a produção de material de IEC podem compreender um ou dois momentos diferentes: 1. trabalho de campo preparatório; 2. trabalho de campo com os grupos focais. 1. O trabalho de campo preparatório Neste momento, a preocupação da equipa consiste em identificar associações, ONGs, e organismos que já trabalham com a comunidade com quem a sua organização espera vir a trabalhar, na produção de material IEC de atenção às IST/VIH/sida. Este momento vai permitir identificar relações de complementaridade e evitar duplicações. 9 Depois de realizado este levantamento, a sua organização estará melhor informada sobre que áreas geográficas e que grupos já têm apoio por parte de outras instituições e que áreas ou grupos estão menos apoiados. Este trabalho permite também aprender a partir das experiências de outras instituições, no trabalho que realizam com os grupos com quem a sua organização vai trabalhar, na área das IST/VIH/sida. Por último, e caso a sua organização não tenha ainda estabelecidas relações prévias com a comunidade com quem vai trabalhar, este momento tem ainda a vantagem de criar condições para o estabelecimento de parcerias com associações, organismos ou ONGs que já estejam no terreno, facilitando o trabalho de aproximação entre a sua organização e a comunidade. Por exemplo, certa associação já tem um longo trabalho desenvolvido com

20 20 manual do facilitador determinada comunidade, é aliás frequente reunir-se com membros dessa comunidade uma vez por semana. Neste caso, a sua associação pode beneficiar do facto de já estar constituído um grupo, cuja rotina está também estabelecida. A parceria com a associação permitirá optimizar tempo e recursos. No entanto, se já tiver uma comunidade específica com quem costuma desenvolver o seu trabalho, e estiver informado sobre as actividades realizadas por outros parceiros, então estará em condições de passar directamente para o trabalho de campo com o grupo focal. 2. Trabalho de campo com o grupo focal É possível que tenha realizado primeiro o trabalho preparatório com outras ONGs, associações, ou organismos ou que tenha optado por ir directamente para o trabalho de campo com o grupo focal. Em qualquer dos casos, o importante, chegado a este momento, é que esteja seguro relativamente aos temas e assuntos que vai tratar, pois, quando se opta por seguir metodologias de facilitação e participação, as dúvidas são, em princípio, mais facilmente colocadas pelos participantes. No entanto, se não souber responder à questão colocada, assuma que precisa de procurar a informação necessária. Outro aspecto importante que deve ter em conta ao longo de todo o processo, está relacionado com o trabalho de reflexão e partilha que deve ser constante com o anotador que acompanha a sessão e com outras equipas de facilitação, se for o caso. Prepare e discuta a sessão previamente: as etapas, a linguagem, as expectativas, problemas, soluções encontradas, entre outros aspectos possíveis. Lembre-se também que depois de realizada a sessão, é importante discutir e reflectir sobre os resultados alcançados. 10 Por último, vai provavelmente notar, que em alguns casos, será difícil manter um grupo focal durante o tempo necessário para a conclusão de todo o processo de produção de material de IEC. As pessoas têm outros compromissos, que podem ser familiares ou profissionais, e já que falamos em grupos mais vulneráveis, é importante não esquecermos que um dos factores de maior vulnerabilidade está relacionado com a pobreza. O tempo que passam na sessão, é o mesmo tempo que poderiam ocupar realizando outras actividades, 11 algumas até, possivelmente, geradoras de rendimentos. Trate o tempo como um bem precioso para estas pessoas. Vistas como um todo, as etapas a seguir pela equipa de facilitação, na produção de material de IEC, compreendem:

21 maria teresa silva santos 21 Trabalho de campo preparatório Realização de um encontro com o objectivo de proceder a um primeiro diagnóstico das necessidades da comunidade com quem vai trabalhar, em termos de material de IEC. Aproveite também, para fazer um levantamento das sinergias a criar e das duplicações a evitar, com outras instituições que já estejam no terreno a trabalhar com essa comunidade; Sessão Preparatória com o objectivo de confirmar o interesse por parte da ONG ou Associação parceira, e de estabelecer um Protocolo de Parceria. Trabalho de campo com os grupos focais Sessão 1/ Apresentação do projecto ao grupo focal; Sessão 2/ Identificação das necessidades de informação; Sessão 3/ Identificação das necessidades de adopção de comportamentos seguros; Sessão 4/ Identificação dos conteúdos da(s) mensagem(ns); Sessão 5/ Definição das ilustrações de suporte à(s) mensagem(ns); Sessão 6/ Selecção do suporte da(s) mensagem(ns); Produção de um exemplar do material IEC (mensagem + meio IEC); Sessão 7/ Revisão das ilustrações; Sessão 8/ Testagem do material junto de um grupo de controlo; Sessão 9/ Testagem do material junto de actores chaves da comunidade.

22

23 2. Trabalho De Campo Preparatório

24

25 Encontro de trabalho com as ONGs, instituições e organismos que trabalham com a comunidade com quem vai trabalhar Este encontro está organizado para decorrer ao longo de um dia. As sessões de plenário só têm sentido, se o número de participantes justificar a constituição de dois grupos de trabalho.!"#$%&'()*+&+)'$,&(-./0()1)(23'$+ Objectivos: sublinhar a importância da oficina para a produção de material de IEC eficaz e adequado; apresentar a metodologia a seguir; apresentar os facilitadores e convidar os participantes a apresentarem-se. Material necessário: flip chart. Tempo: 30 minutos. Tarefas para o facilitador coordenador: 1. Sente-se em círculo com os participantes. 2. Recorrendo a uma caixa de fósforos, convide cada participante a apresentar-se, durante o tempo em que um fósforo leva a arder. 3. Faça uma breve introdução ao projecto que consiste na produção de material de IEC.

26 26 manual do facilitador 4. Dê um exemplo de material eficaz e outro exemplo de material não eficaz, com o objectivo de realçar a importância da produção de material IEC adequado. 5. Clarifique o grupo acerca dos objectivos que determinarão a realização da oficina: realização de um diagnóstico exploratório das necessidades de material IEC de determinada comunidade, contando para o efeito com a experiência e conhecimento das ONGs, associações e organismos presentes; identificação de sinergias; evitação de duplicações. 6. Apresente a metodologia que irá nortear a condução da sessão: abordagem participativa, valorizando a importância de todos falarem; através da constituição de grupos de trabalho. 7. Informe sobre as diferentes fases da oficina, recorrendo a uma folha de flip chart previamente preparada. Da folha, devem constar as seguintes etapas: plenário para introdução à oficina; identificação dos grupos mais vulneráveis, por zona geográfica; identificação dos meios mais eficazes para alterar comportamentos por parte dos grupos vulneráveis identificados; plenário para discussão das conclusões saídas dos diferentes grupos de trabalho; identificação de duplicações (trabalho desenvolvido por outras instituições, na mesma área, com o mesmo fim); projecção de formas futuras de colaboração e calendarização; plenário para resumo das conclusões e para recolha da reacção dos participantes, relativamente à oficina. 8. Esclareça que a próxima etapa será trabalhada a partir de grupos de trabalho mais pequenos, convidando por isso os grupos a formarem-se.

27 maria teresa silva santos 27 4-#$,'23+/0()-(5)6&.*(5)7+'5)8."$#&%8#'5 Este exercício é realizado em cada grupo de trabalho, constituído no final da sessão anterior. Objectivo: identificar os grupos mais vulneráveis por comunidade (género, idade, actividade profissional, outros). Materiais necessários: flip chart; tarjetas; bostik; canetas de feltro de bico grosso. Tempo: 60 minutos. Tarefas para o facilitador: 1. Sente-se, formando um círculo com os restantes participantes. 2. Convide os participantes a formarem-se em grupos de dois, com o objectivo de se apresentarem mutuamente (por exemplo: nome, organização em que trabalham, tarefas que desempenham, outros). 3. Findos cinco minutos, solicite a cada par, que partilhe a informação recolhida sobre o colega, ao restante grupo. 4. Esclareça que o primeiro momento do trabalho de grupo vai consistir na identificação dos grupos mais vulneráveis na zona geográfica onde residem ou trabalham, os técnicos, ou activistas que participam neste grupo de trabalho. 5. Divida o grupo em grupos mais pequenos de três ou quatro pessoas. Peça a cada um destes pequenos grupos de trabalho, que identifique os grupos que considera mais vulneráveis na zona geográfica onde residem ou trabalham (podendo ser um ou mais). Atribua quinze minutos à discussão de grupo. O grupo deve registar os resultados em tarjetas. 6. Os grupos são convidados a colocar as respectivas tarjetas no flip chart e a explicar aos restantes participantes, porque razão identificaram aqueles grupos como sendo mais vulneráveis. 7. De seguida, convide os grupos a reflectirem sobre todas as tarjetas colocadas. 8. Depois de cada grupo ter manifestado a sua opinião, coloque questões com o objectivo de clarificar os resultados. 9. Por último, isole numa folha à parte, os grupos mais vulneráveis que saíram da discussão conjunta e que receberam o consenso do grupo.

28 28 manual do facilitador 4-#$,'23+/0() -(5) 7#'(5) -#) 49:) 7+'5) #23+;#5) *+&+) +) *&(7(- ção de comportamentos seguros, junto dos grupos vulneráveis '-#$,'23+-(5 Este exercício é realizado em cada grupo de trabalho. Objectivo: identificar quais os meios de IEC mais eficazes, para os grupos vulneráveis considerados no trabalho anterior. Material necessário: flip chart; caneta de feltro; material de IEC já existente; bostick. Tempo: 60 minutos. Tarefas para o facilitador: 1. Tome como ponto de partida, a folha de flip chart em que ficou registado o consenso do grupo relativamente aos grupos mais vulneráveis à infecção por VIH/sida, da zona geográfica em referência. 2. Faça um breve resumo da importância do material de IEC para a adopção de comportamentos seguros. 3. Mostre um conjunto de material IEC existente, faça-o circular e peça ao grupo que analise se o material é adequado aos grupos vulneráveis já identificados, ou não. Se considerado adequado, o participante deve retirá-lo do dossier onde todos os materiais estão reunidos. São atribuídos quinze minutos a esta tarefa. 4. Convide cada um dos participantes a apresentar ao restante grupo, os motivos porque seleccionou o material. 5. Explore e procure o consenso do grupo sobre a adequabilidade do material que foi sendo escolhido. 6. Depois de concluída esta discussão, coloque numa folha de flip chart os materiais de IEC que foram do consenso do grupo. 7. De seguida, solicite que sejam identificados outros meios de IEC que possam ser ainda mais eficazes, tendo em consideração os grupos vulneráveis identificados. Solicite que seja identificado apenas um meio de IEC por tarjeta. Atribua quize minutos a esta tarefa.

29 maria teresa silva santos Convide os participantes a colocarem as tarjetas no flip chart e a explicarem ao grupo, as razões que os levaram a escolher os meios IEC identificados. 9. Depois de afixadas, problematize os resultados das tarjetas, colocando questões que levem o grupo a atingir um consenso. 10. Coloque as tarjetas com o registo dos meios IEC que receberam o consenso do grupo, numa folha de flip chart.

30 30 manual do facilitador Plenário Todos os participantes são reunidos num mesmo espaço, sob a coordenação do facilitador coordenador. Objectivo: Apresentar em plenário, as conclusões saídas de cada grupo de trabalho. Material necessário: folha do flip chart com conclusões relativas aos grupos vulneráveis; folha de flip chart com a identificação de meios IEC considerados eficazes, mas que ainda não foram produzidos; folha de flip chart com a identificação do material IEC já produzido que mereceu nota positiva por parte de cada grupo. Tempo: 30 minutos. Tarefas para o facilitador coordenador: 1. Convide cada grupo a apresentar as conclusões relativamente aos: grupos mais vulneráveis; material IEC já produzido que se revela eficaz; meios IEC eficazes a explorar no futuro. 2. Faça um breve resumo das conclusões saídas dos grupos de trabalho.

31 maria teresa silva santos 31 Evitar duplicações e promover sinergias Este exercício é realizado em cada grupo de trabalho. Objectivos: identificar instituições governamentais ou não governamentais que já se encontrem no terreno a produzir material IEC eficaz, para os grupos vulneráveis; orientar o trabalho da sua Associação para zonas geográficas com menos acções de prevenção e controlo do VIH/Sida. Material necessário: flip chart; canetas de feltro de duas cores diferentes, por exemplo vermelha e azul; bostick. Tempo: 60 minutos. Tarefas para o facilitador: 1. Convide todos os participantes a escreverem numa folha de flip chart, o nome de todas as organizações governamentais ou não governamentais, que desenvolvem acções de apoio aos grupos mais vulneráveis às IST/VIH/sida identificados. 2. Convide os participantes a identificarem as instituições que desenvolvem actividades idênticas às que serão realizadas pela sua organização. 3. Sempre que uma instituição reunir o consenso do grupo, um dos participantes desenha um círculo vermelho à volta dessa instituição (o vermelho assinala uma eventual duplicação com o seu projecto). 4. De seguida, é escrito por baixo da tarjeta com o nome da instituição e o nome do bairro/localidade onde a instituição trabalha. 5. Convide os participantes a identificarem as organizações, com quem a sua organização é vista como tendo uma acção complementar (ex: uma instituição apoia em tratamento, enquanto que a sua organização actua na área da promoção da saúde, ou uma instituição actua na área da promoção, mas não dispõe de material IEC próprio e considera que o que possui não é eficaz). 6. Sempre que uma instituição reunir o consenso do grupo, um dos participantes desenha um círculo azul em torno do nome da instituição e escreve a região geográfica de actuação da instituição (o azul assinala uma eventual relação de complementaridade). 7. O facilitador convida um dos participantes a escrever numa nova folha de flip chart as instituições com quem a sua organização está em condições de estabelecer relações de complementaridade e as respectivas áreas geográficas de intervenção.

32 32 manual do facilitador :+"#$-+&';+/0()-#)+3,'8'-+-#5 Este exercício é realizado em cada grupo de trabalho. Objectivo: elaborar uma agenda de trabalho com as instituições presentes na oficina, que foram identificadas como complementares e que trabalham directamente com os grupos vulneráveis identificados; Material necessário: nada a assinalar. Tempo: 60 minutos. Tarefas para o facilitador: 1. Tendo como ponto de partida as instituições com quem a sua organização pode desenvolver relações de complementaridade, procure agendar uma reunião preparatória com o representante dessa instituição na oficina. 2. Tome também nota dos contactos dos indivíduos que não fazendo parte de nenhuma organização, actuam como líderes comunitários e mostram-se disponíveis para colaborar no trabalho de terreno. 3. Relativamente às instituições identificadas como sendo potenciais parceiras privilegiadas no trabalho de terreno, mas que não se encontrem presentes na oficina, o facilitador deverá obter o máximo possível de informações sobre esta instituição. 4. Anotar numa folha de flip chart, as propostas de datas para o início do trabalho de terreno conjunto.

33 maria teresa silva santos 33 Plenário Todos os participantes são reunidos num mesmo espaço, sob a coordenação do facilitador coordenador. Objectivo: partilhar os resultados saídos do exercício sobre eventuais relações de duplicação e complementaridade. levar à responsabilização dos compromissos assumidos na sessão anterior para a calendarização de acções futuras. Material necessário: folha do flip chart com as instituições com quem a sua organização pode desenvolver relações de complementaridade; folha do flip chart com as datas do início do trabalho de campo. Tempo: 40 minutos. Tarefas para o facilitador coordenador: 1. Convide cada um dos grupos a apresentar as suas conclusões, nomeadamente: instituições com quem a sua Associação pode estabelecer relações de complementaridade; datas relativas ao início do trabalho de terreno. 2. Depois de cada grupo ter apresentado as suas conclusões, o facilitador coordenador convida os participantes a apresentarem as suas opiniões sobre as conclusões saídas da oficina. A Experiência do Projecto CRIAS O objectivo do CRIAS Centro de Recursos Integrados de Atenção à saúde, consistiu em produzir material de IEC para a comunidade imigrante e trabalhadores de sexo, ambos com origem nos PALOP, mas residentes em Portugal. A 23 de Junho de 2007, a equipa do Projecto CRIAS dinamizou, no Instituto de Higiene e Medicina Tropical, um encontro em que participaram ONGs, Associações de Imigrantes e activistas com trabalho na área da imigração ou das IST/VIH/sida. Na mesma data, foi decidido organizar-se posteriormente e de modo autónomo, o encontro de Trabalho

34 34 manual do facilitador com ONGs que trabalhassem com trabalhadores do sexo. No encontro, foram organizados dois grupos de trabalho que discutiram entre si, com o apoio de um facilitador por grupo, as sucessivas tarefas colocadas ao longo da oficina. Na sessão de plenário que juntou as conclusões dos dois grupos, chegaram-se às seguintes recomendações: 1. Identificação dos Grupos mais Vulneráveis entre a população imigrante com origem nos PALOP, residentes em Portugal: Foram identificados como grupos mais vulneráveis: mulheres; homens chefes de família; jovens raparigas, jovens rapazes; homens que fazem sexo com homens. Entre estes grupos específicos, consideraram-se ainda como prioritários: os indocumentados; os que não falam português como língua materna; os que vivem em bairros periféricos, em condições de pobreza. 2. Análise do material existente Analisado um conjunto de material de IEC produzido nos PALOP e em Portugal (para a comunidade imigrante dos PALOP), o grupo considerou-o como deficiente e discriminativo da condição de seropositividade. Os grupos de trabalho consideraram que para o material ser adequado e eficaz, deveria seguir as seguintes recomendações: ser escrito em português e na língua nacional O material deve ser escrito em português e na língua nacional de origem da população com quem se trabalha. O uso da língua de origem facilita a apreensão

35 maria teresa silva santos 35 da mensagem, enquanto que o uso do português contribui para a integração sociocultural e económica destas comunidades. utilizar mais imagens e menos texto nas mensagens Considerando que muitos dos integrantes destes grupos não têm hábitos de leitura e que, segundo os dados do Recenseamento Geral da População de 2001, o nível médio de qualificação académica dos imigrantes com origem em África a residir em Portugal se situa em 58,8%, defendeu-se o uso de imagens facilitando a compreensão das mensagens/conteúdos. usar mensagens claras e curtas Pelos motivos já apontados mas, também, porque mensagens claras e curtas provam ser mais eficazes. São mais fáceis de memorizar, mais facilmente compreendidas e por isso mais facilmente apropriadas. 12 objectividade Foi sublinhada a importância da mensagem ser directa e clara, reduzindo-se o risco de dúvidas e de interpretações várias. não recorrer a imagens negativas O uso de imagens e textos com carga negativa tem contribuído para o estigma das pessoas que vivem e que são afectadas com VIH/Sida. No Uganda, nos anos 80, por exemplo, a SIDA era associada à morte e a todos aqueles que estavam infectados ou afectados pelo VIH/Sida. O slogan então era você apanha SIDA e você é a morte 13 o que, para além de eventualmente promover a prevenção, promoveu o estigma de pessoas a viverem com VIH/sida. usar mensagens positivas A experiência tem provado que o uso de mensagens positivas motiva as pessoas para comportamentos mais seguros. Por exemplo, se um indivíduo for informado que a Sida mata, provavelmente não terá motivação para fazer o teste do VIH/Sida. Se pelo contrário o mesmo indivíduo for informado que há tratamento que melhora as suas condições de saúde e prolonga a sua vida, terá motivações para fazer o teste. 14 material desenhado por pessoas do grupo a que se destina 15 Quando o material é, desde o inicio, pensado e produzido com a participação activa das pessoas às quais se destina: a. terá uma maior aceitação, por permitir que as pessoas o sintam também como obra sua;

Mapeando uma Estratégia de Advocacia

Mapeando uma Estratégia de Advocacia Mapeando uma Estratégia de Advocacia Tomando em consideração os limites de tempo e recursos dos implementadores, as ferramentas da série Straight to the Point (Directo ao Ponto), da Pathfinder International,

Leia mais

DIA DA LUTA CONTRA A SIDA 01 DE DEZEMBRO

DIA DA LUTA CONTRA A SIDA 01 DE DEZEMBRO DIA DA LUTA CONTRA A SIDA 01 DE DEZEMBRO Presentemente, a infeçãovih/sida não tem cura e a prevenção é a única medida eficaz. A infeçãovih/sida tem uma história relativamente recente, mas já dramática

Leia mais

Instituto de Higiene e Medicina Tropical/IHMT. Fundação Luso Americana para o Desenvolvimento/FLAD. Fundação Portugal - África

Instituto de Higiene e Medicina Tropical/IHMT. Fundação Luso Americana para o Desenvolvimento/FLAD. Fundação Portugal - África Instituto de Higiene e Medicina Tropical/IHMT APOIO: Fundação Luso Americana para o Desenvolvimento/FLAD Casa de Cultura da Beira/CCB CERjovem ATENÇAÕ MULHER MENINA! Fundação Portugal - África RESPOSTAS

Leia mais

ENSINO CURRICULUM NACIONAL. Vírus do Herpes

ENSINO CURRICULUM NACIONAL. Vírus do Herpes Este módulo tem por objectivo ensinar aos alunos o modo como a actividade sexual pode levar à transmissão de micróbios e doenças. O Capítulo 2.3, Infecções Sexualmente Transmissíveis, ensina aos alunos

Leia mais

REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017

REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017 REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017 Adão Augusto, Consultor 12-02-2015 1. Contextualização. Os projectos sociais fazem parte de um sistema complexo de relações que envolvem

Leia mais

GUIA DO VOLUNTÁRIO. Sociedade Central de Cervejas

GUIA DO VOLUNTÁRIO. Sociedade Central de Cervejas GUIA DO VOLUNTÁRIO Sociedade Central de Cervejas ÍNDICE 1. A RESPONSABILIDADE SOCIAL NA SCC: O NOSSO COMPROMISSO... 3 2. O NOSSO COMPROMISSO COM O VOLUNTARIADO... 4 2.1 A ESTRUTURAÇÃO DO VOLUNTARIADO EMPRESARIAL...

Leia mais

Projeto de Educação Sexual 2013/2014

Projeto de Educação Sexual 2013/2014 Projeto de Educação Sexual 2013/2014 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ARCOZELO Equipa de Educação para a Saúde 1. INTRODUÇÃO O presente projecto, surge para dar cumprimento à lei nº 60/2010 de 6 de Agosto, regulamentada

Leia mais

Oficina de Formação Educação Sexual e Violência (Data de início: 28/011/2015 - Data de fim: 15/04/2015)

Oficina de Formação Educação Sexual e Violência (Data de início: 28/011/2015 - Data de fim: 15/04/2015) Oficina de Formação Educação Sexual e Violência (Data de início: 28/011/2015 - Data de fim: 15/04/2015) I - Autoavaliação (formandos) A- Motivação para a Frequência da Ação 1- Identifique, de 1 (mais importante)

Leia mais

EMPREENDEDORISMO JOVEM METODOLOGIA DESCRITIVA E ORIENTADORA DE ACÇÕES PARA ENQUADRAMENTO DE INICIATIVAS DE EMPREGO LOCAL PARA JOVENS DESEMPREGADOS/AS

EMPREENDEDORISMO JOVEM METODOLOGIA DESCRITIVA E ORIENTADORA DE ACÇÕES PARA ENQUADRAMENTO DE INICIATIVAS DE EMPREGO LOCAL PARA JOVENS DESEMPREGADOS/AS 1 2 EMPREENDEDORISMO JOVEM METODOLOGIA DESCRITIVA E ORIENTADORA DE ACÇÕES PARA ENQUADRAMENTO DE INICIATIVAS DE EMPREGO LOCAL PARA JOVENS DESEMPREGADOS/AS 3 4 TÍTULO: Empreendedorismo jovem - metodologia

Leia mais

DIÁLOGO SOCIAL EUROPEU: PROJECTO DE ORIENTAÇÕES MULTISSECTORIAIS PARA O COMBATE DA VIOLÊNCIA E ASSÉDIO DE TERCEIROS RELACIONADOS COM O TRABALHO

DIÁLOGO SOCIAL EUROPEU: PROJECTO DE ORIENTAÇÕES MULTISSECTORIAIS PARA O COMBATE DA VIOLÊNCIA E ASSÉDIO DE TERCEIROS RELACIONADOS COM O TRABALHO DIÁLOGO SOCIAL EUROPEU: PROJECTO DE ORIENTAÇÕES MULTISSECTORIAIS PARA O COMBATE DA VIOLÊNCIA E ASSÉDIO DE TERCEIROS RELACIONADOS COM O TRABALHO EPSU, UNI Europa, ETUCE, HOSPEEM, CEMR, EFEE, EuroCommerce,

Leia mais

SESSÃO 1: Descobrindo Seus Sonhos

SESSÃO 1: Descobrindo Seus Sonhos CURRÍCULO DO PROGRAMA SESSÃO 1: Descobrindo Seus Sonhos Iniciando o currículo do Sonhe, Realize, o objetivo desta sessão é começar estabelecer um espaço seguro e acolhedor para as participantes, começar

Leia mais

Comissão Social Inter Freguesias da Zona Central

Comissão Social Inter Freguesias da Zona Central Comissão Social Inter Freguesias da Zona Central Regulamento Interno Preâmbulo O Regulamento Interno estabelece a constituição, organização e funcionamento da Comissão Social Inter Freguesia da Zona Central,

Leia mais

Regulamento Interno PREÂMBULO

Regulamento Interno PREÂMBULO Regulamento Interno PREÂMBULO O Município de Beja enquanto promotor local de políticas de protecção social, desempenha um papel preponderante na elaboração de estratégias de desenvolvimento social e na

Leia mais

Zero novas infecções, zero óbitos por VIH/Sida, zero discriminações, continua a ser este o

Zero novas infecções, zero óbitos por VIH/Sida, zero discriminações, continua a ser este o PROGRAMA BEM-ESTAR FAMILIAR RADIOFÓNICO Edição de 01 de Dezembro de 2014 Olá, está no ar mais uma edição do programa bem-estar familiar. Gostamos de estar convosco e esperamos não vos descepcionar. Façam-nos

Leia mais

GUIA DA VISITA DO CAMPO

GUIA DA VISITA DO CAMPO Workshop de Avaliação, Manejo Ambiental e Reg. 216 Janeiro 15-19, 2007 Luanda, ANGOLA GUIA DA VISITA DO CAMPO Índices A. Descrição da Visita do Campo B. Matriz do Impacto C. Mapa D. Descrição do Projeto

Leia mais

NORMAS DE FUNCIONAMENTO PROGRAMA VIVER SOLIDÁRIO. Programa Viver Solidário/ Normas Página 1

NORMAS DE FUNCIONAMENTO PROGRAMA VIVER SOLIDÁRIO. Programa Viver Solidário/ Normas Página 1 NORMAS DE FUNCIONAMENTO PROGRAMA VIVER SOLIDÁRIO Programa Viver Solidário/ Normas Página 1 PROGRAMA VIVER SOLIDÁRIO NORMAS DE FUNCIONAMENTO 1.INTRODUÇÃO A prática de actividades de animação regular e sistemática,

Leia mais

Ano Lectivo 2006-2007

Ano Lectivo 2006-2007 Ano Lectivo 2006-2007 CLUBE EUROPEU da Escola Secundária de Viriato RELATÓRIO FINAL DAS ACTIVIDADES No âmbito dos Objectivos do Clube Europeu, foram desenvolvidas as seguintes actividades: 1. Comemoração

Leia mais

Plano de Prevenção de Riscos de Gestão. Incluindo os de Corrupção e Infracções Conexas

Plano de Prevenção de Riscos de Gestão. Incluindo os de Corrupção e Infracções Conexas Plano de Prevenção de Riscos de Gestão Incluindo os de Corrupção e Infracções Conexas Introdução No âmbito da sua actividade, o Conselho de Prevenção da Corrupção (CPC), aprovou a Recomendação n.º 1/2009,

Leia mais

Recursos Humanos. Hotelaria: gestores portugueses vs. estrangeiros

Recursos Humanos. Hotelaria: gestores portugueses vs. estrangeiros Esta é uma versão post print de Cândido, Carlos J. F. (2004) Hotelaria: Gestores Portugueses vs. Estrangeiros, Gestão Pura, Ano II, N.º 7, Abril/Maio, 80-83. Recursos Humanos Hotelaria: gestores portugueses

Leia mais

O PARLAMENTO EUROPEU E O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA, Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia, nomeadamente o artigo 179.

O PARLAMENTO EUROPEU E O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA, Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia, nomeadamente o artigo 179. REGULAMENTO (CE) N.º 806/2004 DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 21 de Abril de 2004 relativo à promoção da igualdade entre homens e mulheres na cooperação para o desenvolvimento O PARLAMENTO EUROPEU

Leia mais

ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003. Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008

ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003. Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008 ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003 Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008 1 SISTEMÁTICA DE AUDITORIA - 1 1 - Início da 4 - Execução da 2 - Condução da revisão dos documentos

Leia mais

Plano Municipal de Cascais contra a Violência Doméstica 2008-2011

Plano Municipal de Cascais contra a Violência Doméstica 2008-2011 Plano Municipal de Cascais contra a Violência Doméstica 2008-2011 A violência doméstica é um fenómeno complexo que requer uma intervenção concertada e multidisciplinar. 1 PLANO MUNICIPAL CONTRA A VIOLÊNCIA

Leia mais

ESTATUTO DA ASSEMBLEIA PARLAMENTAR DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA

ESTATUTO DA ASSEMBLEIA PARLAMENTAR DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA ESTATUTO DA ASSEMBLEIA PARLAMENTAR DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA Nós, representantes democraticamente eleitos dos Parlamentos de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné- Bissau, Moçambique, Portugal,

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DO MUNICÍPIO DA MURTOSA

REGULAMENTO INTERNO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DO MUNICÍPIO DA MURTOSA REGULAMENTO INTERNO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DO MUNICÍPIO DA MURTOSA PREÂMBULO Designa-se por rede social o conjunto das diferentes formas de entreajuda, praticadas por entidades particulares sem

Leia mais

AGENDA 21 LOCAL CONDEIXA-A-NOVA

AGENDA 21 LOCAL CONDEIXA-A-NOVA AGENDA 21 LOCAL CONDEIXA-A-NOVA PLANO DE COMUNICAÇÃO E DIVULGAÇÃO Deliverable 4 Fase 2 Novembro 2008 1 P á g i n a Índice 1. Objectivos... 3 2. Públicos-alvo... 4 3. Estratégia de Comunicação... 5 3.1

Leia mais

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000 ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário Gestão da Qualidade 2005 1 As Normas da família ISO 9000 ISO 9000 descreve os fundamentos de sistemas de gestão da qualidade e especifica

Leia mais

MÓDULO III HELP DESK PARA FORMAÇÃO ONLINE

MÓDULO III HELP DESK PARA FORMAÇÃO ONLINE MÓDULO III HELP DESK PARA FORMAÇÃO ONLINE Objectivos gerais do módulo No final do módulo, deverá estar apto a: Definir o conceito de Help Desk; Identificar os diferentes tipos de Help Desk; Diagnosticar

Leia mais

Módulo 5 Representatividade

Módulo 5 Representatividade Módulo 5 Representatividade No Módulo 5... Quem tem mais e menos voz? Para profissionais de PGI: como assegurar a representatividade? Para participantes de PGI: como ter mais voz? Quem tem mais e menos

Leia mais

Género e Actividades com as TIC

Género e Actividades com as TIC Género, Cidadania e Intervenção Educativa: Sugestões Práticas q Actividade Género e Actividades com as TIC Objectivos Sugestões Reconhecer que a interpretação da realidade é influenciada por expectativas

Leia mais

Programa da Rede Social CLAS Mesão Frio. Plano de Acção. O Plano de Acção do CLAS de Mesão Frio é a componente do Plano de

Programa da Rede Social CLAS Mesão Frio. Plano de Acção. O Plano de Acção do CLAS de Mesão Frio é a componente do Plano de O do CLAS de Mesão Frio é a componente do Plano de Desenvolvimento Social, onde estão definidos alguns Projectos (com o desejo de uma projecção num futuro próximo), a serem desenvolvidos para se concretizarem

Leia mais

Partilha de informação com as comunidades

Partilha de informação com as comunidades Briefing da CAFOD sobre : Nível 1 (Básico) com as comunidades Este Briefing apresenta um guia básico passo-a-passo para os parceiros da CAFOD sobre a partilha de informação com as comunidades que apoiam

Leia mais

CARTA DAS ONGD EUROPEIAS

CARTA DAS ONGD EUROPEIAS CARTA DAS ONGD EUROPEIAS Princípios Básicos do Desenvolvimento e da Ajuda Humanitária das ONGD da União Europeia O Comité de Liaison das ONG de Desenvolvimento da UE O Comité de Liaison ONGD-UE representa,

Leia mais

Método PHAST TABELA DE CONTEUDOS METODOLOGIA PHAST... 2

Método PHAST TABELA DE CONTEUDOS METODOLOGIA PHAST... 2 Método PHAST TABELA DE CONTEUDOS METODOLOGIA PHAST... 2 Fases do método PHAST... 3 1. Técnica: Historias Comunitárias... 4 2. Técnica: Enfermeira Felicidade... 5 3. Técnica: Mapeamento comunitário... 6

Leia mais

O Voluntariado e a Protecção Civil. 1. O que é a Protecção Civil

O Voluntariado e a Protecção Civil. 1. O que é a Protecção Civil O Voluntariado e a Protecção Civil 1. O que é a Protecção Civil A 03 de Julho de 2006, a Assembleia da Republica publica a Lei de Bases da Protecção Civil, que no seu artigo 1º dá uma definição de Protecção

Leia mais

Direcção-Geral da Solidariedade e Segurança Social

Direcção-Geral da Solidariedade e Segurança Social Direcção-Geral da Solidariedade e Segurança Social Janeiro/2004 INTRODUÇÃO A experiência da acção social no âmbito da intervenção e acompanhamento das famílias em situação de grande vulnerabilidade social,

Leia mais

LISTA DE COMPETÊNCIAS TÉCNICO SUPERIOR E TÉCNICO

LISTA DE COMPETÊNCIAS TÉCNICO SUPERIOR E TÉCNICO LISTA DE COMPETÊNCIAS TÉCNICO SUPERIOR E TÉCNICO N.º ORIENTAÇÃO PARA RESULTADOS: Capacidade para concretizar eficiência os objectivos do serviço e as tarefas e que lhe são solicitadas. com eficácia e 1

Leia mais

Como elaborar um plano de divulgação para a expansão das abordagens de MIFS

Como elaborar um plano de divulgação para a expansão das abordagens de MIFS Como elaborar um plano de divulgação para a expansão das abordagens de MIFS Um bom plano de divulgação deverá assegurar que todos os envolvidos estão a par do que está a ser proposto e do que irá acontecer

Leia mais

Evaluación del Plan de Comunicación del Programa Operativo de Cooperación Territorial del Sudoeste Europeo (SUDOE) 2007 2013

Evaluación del Plan de Comunicación del Programa Operativo de Cooperación Territorial del Sudoeste Europeo (SUDOE) 2007 2013 Evaluación del Plan de Comunicación del Programa Operativo de Cooperación Territorial del Sudoeste Europeo (SUDOE) 2007 2013 UNIÓN EUROPEA 1 de junio de 2011 3. SUMÁRIO EXECUTIVO A avaliação do Plano de

Leia mais

Construir uma sociedade para todas as idades

Construir uma sociedade para todas as idades Construir uma sociedade para todas as idades O VIH/SIDA e as Pessoas Idosas O VIH/SIDA é um problema mundial de proporções catastróficas. O desafio é enorme, mas não estamos impotentes perante ele. Foi

Leia mais

cartões de bolso serié 4 VIH/ SIDA

cartões de bolso serié 4 VIH/ SIDA cartões de bolso serié 4 VIH/ SIDA 1 O que é VIH? É o vírus que causa a SIDA. Vírus é um microbio muito pequeno, que não se consegue ver a olho nu, ou seja, é preciso ajuda de um microscópio. VIH significa:

Leia mais

FRÁGEIS E EM SITUAÇÕES DE FRAGILIDADE

FRÁGEIS E EM SITUAÇÕES DE FRAGILIDADE PRINCÍPIOS PARA UMA INTERVENÇÃO INTERNACIONAL EFICAZ EM ESTADOS PRINCÍPIOS - Março 2008 Preâmbulo Uma saída sustentável da pobreza e da insegurança nos Estados mais frágeis do mundo terá de ser conduzida

Leia mais

O VALOR DAS VERDADEIRAS PARCERIAS PARA O REFORÇO DAS CAPACIDADAES LOCAIS: A EXPERIÊNCIA DO FOJASSIDA. Pretoria Africa du Sul

O VALOR DAS VERDADEIRAS PARCERIAS PARA O REFORÇO DAS CAPACIDADAES LOCAIS: A EXPERIÊNCIA DO FOJASSIDA. Pretoria Africa du Sul O VALOR DAS VERDADEIRAS PARCERIAS PARA O REFORÇO DAS CAPACIDADAES LOCAIS: A EXPERIÊNCIA DO FOJASSIDA Pretoria Africa du Sul Conteúdo 1. Apresentação da FOJASSIDA 2. Introdução 3. Diferentes formas de parcerias

Leia mais

Avaliando o Cenário Político para Advocacia

Avaliando o Cenário Político para Advocacia Avaliando o Cenário Político para Advocacia Tomando em consideração os limites de tempo e recursos dos implementadores, as ferramentas da série Straight to the Point (Directo ao Ponto), da Pathfinder International,

Leia mais

Como...fazer o pré-teste de materiais de extensão rural com pequenos agricultores

Como...fazer o pré-teste de materiais de extensão rural com pequenos agricultores Como...fazer o pré-teste de materiais de extensão rural com pequenos agricultores A realização de pré-testes antes da distribuição dos materiais de extensão rural é um processo importante no desenvolvimento

Leia mais

O Fórum Económico de Marvila

O Fórum Económico de Marvila Agenda O Fórum Económico de Marvila A iniciativa Cidadania e voluntariado: um desafio para Marvila A Sair da Casca O voluntariado empresarial e as políticas de envolvimento com a comunidade Tipos de voluntariado

Leia mais

- ESCOLA SUPERIOR GALLAECIA -

- ESCOLA SUPERIOR GALLAECIA - - ESCOLA SUPERIOR GALLAECIA - Plano de Contingência Gripe A Ano lectivo 2009/2010 Acções a organizar na preparação de um Plano de Contingência para uma eventual pandemia de gripe. Inquérito aos Estudantes

Leia mais

Normas do CAD para a Qualidade da Avaliação

Normas do CAD para a Qualidade da Avaliação Rede de Avaliação do CAD Normas do CAD para a Qualidade da Avaliação (para aplicação em fase experimental) As normas em anexo são provisórias e foram aprovadas pelos membros da Rede de Avaliação do CAD,

Leia mais

Plano Municipal de Promoção das Acessibilidades (PMPA)

Plano Municipal de Promoção das Acessibilidades (PMPA) Plano Municipal de Promoção das Acessibilidades (PMPA) Definições O Plano Municipal de Promoção das Acessibilidades irá conter um programa das intenções necessárias para assegurar a acessibilidade física

Leia mais

CRITÉRIO 3: SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO E GESTÃO DO DESEMPENHO

CRITÉRIO 3: SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO E GESTÃO DO DESEMPENHO CRITÉRIO 3: SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO E GESTÃO DO DESEMPENHO Este capítulo inclui: Visão geral O Ciclo de Gestão do Desempenho: Propósito e Objectivos Provas requeridas para a acreditação Outros aspectos

Leia mais

QUADRO COMUNITÁRIO DE APOIO

QUADRO COMUNITÁRIO DE APOIO QUADRO COMUNITÁRIO DE APOIO 2000-2006 PLANO DE ACÇÃO DE COMUNICAÇÃO DO QCA AGOSTO 2001 1 ÍNDICE 1 - Objectivos... 4 2 - Públicos-alvo... 4 3 - Estratégia... 4 4 Conteúdo e Estratégia das Acções... 5 5

Leia mais

Preparação de um Plano de Trabalho

Preparação de um Plano de Trabalho Preparação de um Plano de Trabalho Tomando em consideração os limites de tempo e recursos dos implementadores, as ferramentas da série Straight to the Point (Directo ao Ponto), da Pathfinder International,

Leia mais

O que é a campanha. Continuamos à Espera pretende INFORMAR, INSPIRAR, MOBILIZAR e AGIR em torno da Agenda de Desenvolvimento. Continuamos à Espera 1/5

O que é a campanha. Continuamos à Espera pretende INFORMAR, INSPIRAR, MOBILIZAR e AGIR em torno da Agenda de Desenvolvimento. Continuamos à Espera 1/5 O que é a campanha Continuamos à Espera é uma campanha de Educação para o Desenvolvimento e para a Cidadania Global, centrada nas temáticas da Saúde Sexual e Reprodutiva, Justiça Social, Igualdade de Género

Leia mais

9º ANO Compreender a morfo-fisiologia do sistema reprodutor humano. Objectivos Gerais Objectivos específicos Actividades sugeridas Tempo previsto

9º ANO Compreender a morfo-fisiologia do sistema reprodutor humano. Objectivos Gerais Objectivos específicos Actividades sugeridas Tempo previsto 9º ANO Compreender a morfo-fisiologia do sistema reprodutor humano (Os conteúdos relativos à morfologia e fisiologia do sistema reprodutor humano serão leccionados na disciplina de Ciências Naturais de

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO. Preâmbulo

REGULAMENTO INTERNO. Preâmbulo REGULAMENTO INTERNO Preâmbulo O (adiante designado de Pacto Territorial), é uma plataforma de intervenção integrada, criada no âmbito do Projecto EQUAL Migrações e Desenvolvimento com vista à dinamização

Leia mais

Regulamento Interno. Preâmbulo

Regulamento Interno. Preâmbulo Regulamento Interno Preâmbulo A Resolução de Conselho de Ministros 197/97 de 18 de Novembro define a Rede Social como um fórum de articulação e congregação de esforços baseado na adesão livre das autarquias

Leia mais

POLÍTICA DE HIV/SIDA NO LOCAL DE TRABALHO

POLÍTICA DE HIV/SIDA NO LOCAL DE TRABALHO POLÍTICA DE HIV/SIDA NO LOCAL DE TRABALHO Documento Final Submetido ao FORCOM Maputo, Agosto de 2011 Lista de Acrónimos FORCOM HIV IEC IST OIT OMS PARP PEN PNCS PVHS RH SIDA TB Forum Nacional das Rádios

Leia mais

PROGRAMA DE ACÇÃO COMUNITÁRIO RELATIVO À VIGILÂNCIA DA SAÚDE PROJECTO DE PROGRAMA DE TRABALHO 1998-1999 (Art. 5.2.b da Decisão Nº 1400/97/CE)

PROGRAMA DE ACÇÃO COMUNITÁRIO RELATIVO À VIGILÂNCIA DA SAÚDE PROJECTO DE PROGRAMA DE TRABALHO 1998-1999 (Art. 5.2.b da Decisão Nº 1400/97/CE) PROGRAMA DE ACÇÃO COMUNITÁRIO RELATIVO À VIGILÂNCIA DA SAÚDE PROJECTO DE PROGRAMA DE TRABALHO 1998-1999 (Art. 5.2.b da Decisão Nº 1400/97/CE) 1. INTRODUÇÃO As actividades da União Europeia no domínio da

Leia mais

Gestão Eficaz de Queixas e Reclamações

Gestão Eficaz de Queixas e Reclamações Gestão Eficaz de Queixas e Reclamações Bem vindos Ana Santos Martins 1 A Imagem da Empresa e a Qualidade do Serviço (1/3) A Qualidade do Serviço ao Cliente é sem dúvida, a melhor Imagem que as empresas

Leia mais

Conselho Local de Acção Social De Vila Nova de Cerveira

Conselho Local de Acção Social De Vila Nova de Cerveira Conselho Local de Acção Social De Vila Nova de Cerveira REGULAMENTO INTERNO INTRODUÇÃO A rede social é uma plataforma de articulação de diferentes parceiros públicos e privados que tem por objectivos combater

Leia mais

Regulamento. Sorriso Solidário

Regulamento. Sorriso Solidário Regulamento Sorriso Solidário 0 Introdução A Santa Casa da Misericórdia de Mirandela, tem desenvolvido ao longo dos tempos, diversas iniciativas no sentido de criar condições que favoreçam o bem-estar

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO CENTRO COMUNITÁRIO

REGULAMENTO INTERNO CENTRO COMUNITÁRIO REGULAMENTO INTERNO CENTRO COMUNITÁRIO INTRODUÇÃO A cultura Comunitária é a expressão concreta de tentar proporcionar aqueles que mais precisam a ajuda necessária para começar de novo a viver. O Centro

Leia mais

SENTE FAZ PARTILHA IMAGINA. Kit do Professor

SENTE FAZ PARTILHA IMAGINA. Kit do Professor Kit do Professor A Associação High Play pretende proporcionar a crianças e jovens um Projecto Educativo preenchido de experiências positivas que permitam o desenvolvimento de competências transversais

Leia mais

QUERO SABER... FIZ O TESTE E DEU ( POSITIVO ) Como é que uma pessoa se pode proteger do VIH/sida?

QUERO SABER... FIZ O TESTE E DEU ( POSITIVO ) Como é que uma pessoa se pode proteger do VIH/sida? Como é que uma pessoa se pode proteger do VIH/sida? Para NÃO APANHAR nas relações intimas e sexuais: 1. Não fazer sexo enquanto não se sentir preparado para usar o preservativo (pode experimentar primeiro

Leia mais

Controlo interno das instituições de auditoria do governo

Controlo interno das instituições de auditoria do governo SEMINÁRIO SOBRE O DESENVOLVIMENTO DE TÉCNICAS DE AUDITORIA 26 27.02.2009 Controlo interno das instituições de auditoria do governo Autor: Lau Tak Kun (Terence) Comissariado da Auditoria de Macau Índice

Leia mais

- Critérios- 1. Introdução. 2. Procedimentos da Prova de Discussão Curricular

- Critérios- 1. Introdução. 2. Procedimentos da Prova de Discussão Curricular Avaliação Final do Internato Médico de Medicina Geral e Familiar - Critérios- 1. Introdução O presente documento tem como finalidade dotar os júris constituídos para a Avaliação Final do Internato Médico

Leia mais

ORIENTAÇÕES GERAIS SOBRE AS PRÓXIMAS ETAPAS DA VIRADA EDUCAÇÃO MINAS GERAIS

ORIENTAÇÕES GERAIS SOBRE AS PRÓXIMAS ETAPAS DA VIRADA EDUCAÇÃO MINAS GERAIS ORIENTAÇÕES GERAIS SOBRE AS PRÓXIMAS ETAPAS DA VIRADA EDUCAÇÃO MINAS GERAIS >>> Rodas de Conversa A SEE, em parceria com o Fundo das Nações Unidas para a Infância (unicef) e com a colaboração de ONGs,

Leia mais

POLÍTICA E CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA

POLÍTICA E CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA POLÍTICA E CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA POLÍTICA DE ÉTICA A Política de Ética do CPCBeja está reflectida no Código de Conduta e Ética e integra os seguintes Princípios e Orientações: - Direitos e Dignidade

Leia mais

Tu e a publicidade. A publicidade está em toda a parte. Exercício. Início. Sabia que?

Tu e a publicidade. A publicidade está em toda a parte. Exercício. Início. Sabia que? 1 Tu e a publicidade Temas abordados A publicidade à nossa volta. Objectivos da aprendizagem Compreender as diferentes utilizações da publicidade, tais como vender, convencer ou expor um ponto de vista.

Leia mais

AUTO-AVALIAÇÃO DAS ESCOLAS E AVALIAÇÃO EXTERNA OS PONTOS DE INTERSECÇÃO

AUTO-AVALIAÇÃO DAS ESCOLAS E AVALIAÇÃO EXTERNA OS PONTOS DE INTERSECÇÃO in Azevedo, et al (2006). Relatório final da actividade do Grupo de Trabalho para Avaliação das Escolas. Lisboa: Ministério da Educação AUTO-AVALIAÇÃO DAS ESCOLAS E AVALIAÇÃO EXTERNA OS PONTOS DE INTERSECÇÃO

Leia mais

Apoio à Preparação de Voluntários de Leitura Um projeto de cidadania Missão Potenciar o desenvolvimento de uma rede nacional de volutariado na área da promoção da leitura. Objectivos centrais Apoiar iniciativas;

Leia mais

CICLO DE CONFERÊNCIAS "25 ANOS DE PORTUGAL NA UE"

CICLO DE CONFERÊNCIAS 25 ANOS DE PORTUGAL NA UE Boletim Informativo n.º 19 Abril 2011 CICLO DE CONFERÊNCIAS "25 ANOS DE PORTUGAL NA UE" A Câmara Municipal de Lamego no âmbito de atuação do Centro de Informação Europe Direct de Lamego está a promover

Leia mais

Anexo VI (A que se refere o artigo 2.º) LISTA DE COMPETÊNCIAS DIRIGENTES INTERMÉDIOS

Anexo VI (A que se refere o artigo 2.º) LISTA DE COMPETÊNCIAS DIRIGENTES INTERMÉDIOS Anexo VI (A que se refere o artigo 2.º) LISTA DE COMPETÊNCIAS DIRIGENTES INTERMÉDIOS N.º ORIENTAÇÃO PARA RESULTADOS: Capacidade para se focalizar na concretização dos objectivos do serviço e garantir que

Leia mais

Carta de Segurança da Informação

Carta de Segurança da Informação Estrutura Nacional de Segurança da Informação (ENSI) Fevereiro 2005 Versão 1.0 Público Confidencial O PRESENTE DOCUMENTO NÃO PRESTA QUALQUER GARANTIA, SEJA QUAL FOR A SUA NATUREZA. Todo e qualquer produto

Leia mais

REGULAMENTO DO PERFIL DE COMPETÊNCIAS DO ENFERMEIRO DE CUIDADOS GERAIS

REGULAMENTO DO PERFIL DE COMPETÊNCIAS DO ENFERMEIRO DE CUIDADOS GERAIS ÍNDICE Regulamento do Perfil de Competências do Enfermeiro de Cuidados Gerais Preâmbulo...05 Artigo 1.º - Objecto...07 Artigo 2.º - Finalidades...07 Artigo 3.º - Conceitos...08 Artigo 4.º - Domínios das

Leia mais

PARECER DA UMAR relativo ao O III PLANO NACIONAL DE PREVENÇÃO E COMBATE AO TRÁFICO DE SERES HUMANOS 2014-2017

PARECER DA UMAR relativo ao O III PLANO NACIONAL DE PREVENÇÃO E COMBATE AO TRÁFICO DE SERES HUMANOS 2014-2017 PARECER DA UMAR relativo ao O III PLANO NACIONAL DE PREVENÇÃO E COMBATE AO TRÁFICO DE SERES HUMANOS 2014-2017 Antes de concretizar a análise do referido Plano cumpre-nos dizer que é necessário que todos

Leia mais

Manual do Utilizador Aluno

Manual do Utilizador Aluno Manual do Utilizador Aluno Escola Virtual Morada: Rua da Restauração, 365 4099-023 Porto PORTUGAL Serviço de Apoio ao Cliente: Telefone: (+351) 707 50 52 02 Fax: (+351) 22 608 83 65 Serviço Comercial:

Leia mais

questionários de avaliação da satisfação CLIENTES, COLABORADORES, PARCEIROS

questionários de avaliação da satisfação CLIENTES, COLABORADORES, PARCEIROS questionários de avaliação da satisfação creche CLIENTES, COLABORADORES, PARCEIROS 2ª edição (revista) UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu Governo da República Portuguesa SEGURANÇA SOCIAL INSTITUTO DA

Leia mais

AGÊNCIA DE AVALIAÇÃO E ACREDITAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR A3ES PARTICIPAÇÃO DOS ESTUDANTES NAS COMISSÕES DE AVALIAÇÃO EXTERNA - EXERCÍCIO EXPERIMENTAL -

AGÊNCIA DE AVALIAÇÃO E ACREDITAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR A3ES PARTICIPAÇÃO DOS ESTUDANTES NAS COMISSÕES DE AVALIAÇÃO EXTERNA - EXERCÍCIO EXPERIMENTAL - AGÊNCIA DE AVALIAÇÃO E ACREDITAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR A3ES PARTICIPAÇÃO DOS ESTUDANTES NAS COMISSÕES DE AVALIAÇÃO EXTERNA - EXERCÍCIO EXPERIMENTAL - Sónia Cardoso e Sérgio Machado dos Santos Gabinete de

Leia mais

III Fórum Rede Portuguesa de Cidades Saudáveis 15 de Outubro de 2010, Ponta Delgada, Açores Saúde em Todas as Políticas Locais

III Fórum Rede Portuguesa de Cidades Saudáveis 15 de Outubro de 2010, Ponta Delgada, Açores Saúde em Todas as Políticas Locais III Fórum Rede Portuguesa de Cidades Saudáveis 15 de Outubro de 2010, Ponta Delgada, Açores Saúde em Todas as Políticas Locais I Sessão Plenária: Saúde em Todas as Políticas Locais Reduzir as Desigualdades

Leia mais

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO::

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO:: ::ENQUADRAMENTO:: :: ENQUADRAMENTO :: O actual ambiente de negócios caracteriza-se por rápidas mudanças que envolvem a esfera politica, económica, social e cultural das sociedades. A capacidade de se adaptar

Leia mais

Delegação da União Europeia em Moçambique

Delegação da União Europeia em Moçambique REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DOS NEGÓCIOS ESTRANGEIROS E COOPERAÇÃO GABINETE DO ORDENADOR NACIONAL PARA A COOPERAÇÃO MOÇAMBIQUE / UE Delegação da União Europeia em Moçambique REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE

Leia mais

LEARNING MENTOR. Leonardo da Vinci DE/09/LLP-LdV/TOI/147 219. Perfil do Learning Mentor. Módulos da acção de formação

LEARNING MENTOR. Leonardo da Vinci DE/09/LLP-LdV/TOI/147 219. Perfil do Learning Mentor. Módulos da acção de formação LEARNING MENTOR Leonardo da Vinci DE/09/LLP-LdV/TOI/147 219 Perfil do Learning Mentor Módulos da acção de formação 0. Pré-requisitos para um Learning Mentor 1. O papel e a função que um Learning Mentor

Leia mais

Estratégia de parceria global da IBIS 2012. Estratégia de parceria global da IBIS

Estratégia de parceria global da IBIS 2012. Estratégia de parceria global da IBIS Estratégia de parceria global da IBIS Aprovada pelo conselho da IBIS, Agosto de 2008 1 Introdução A Visão da IBIS 2012 realça a importância de estabelecer parcerias com diferentes tipos de organizações

Leia mais

1) Breve apresentação do AEV 2011

1) Breve apresentação do AEV 2011 1) Breve apresentação do AEV 2011 O Ano Europeu do Voluntariado 2011 constitui, ao mesmo tempo, uma celebração e um desafio: É uma celebração do compromisso de 94 milhões de voluntários europeus que, nos

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 660/X ESTABELECE O REGIME DE APLICAÇÃO DA EDUCAÇÃO SEXUAL EM MEIO ESCOLAR

PROJECTO DE LEI N.º 660/X ESTABELECE O REGIME DE APLICAÇÃO DA EDUCAÇÃO SEXUAL EM MEIO ESCOLAR PROJECTO DE LEI N.º 660/X ESTABELECE O REGIME DE APLICAÇÃO DA EDUCAÇÃO SEXUAL EM MEIO ESCOLAR Exposição de Motivos A garantia da saúde sexual e reprodutiva na sociedade contemporânea é condição necessária

Leia mais

EDITAL N.º 42/2010. ANTÓNIO LOPES BOGALHO, Presidente da Câmara Municipal de Sobral de Monte Agraço:

EDITAL N.º 42/2010. ANTÓNIO LOPES BOGALHO, Presidente da Câmara Municipal de Sobral de Monte Agraço: EDITAL N.º 42/2010 ANTÓNIO LOPES BOGALHO, Presidente da Câmara Municipal de Sobral de Monte Agraço: Faz público, nos termos da alínea v), do n.º 1, do art. 68.º da Lei n.º 169/99, de 18 de Setembro, com

Leia mais

GUIA PARA O PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO PROMOÇÃO DA SAÚDE PREVENÇÃO E TRATAMENTO DA DOENÇA REDUÇÃO DE DANOS E REINSERÇÃO

GUIA PARA O PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO PROMOÇÃO DA SAÚDE PREVENÇÃO E TRATAMENTO DA DOENÇA REDUÇÃO DE DANOS E REINSERÇÃO Para efectuar o projecto a que se propõe elaborar deve ler o Regulamento de Programa de Apoio Financeiro ao abrigo da Portaria n.º 1418/2007, de 30 de Outubro, bem como o aviso de abertura do concurso.

Leia mais

Introdução Conselhos para educadores

Introdução Conselhos para educadores Introdução Conselhos para educadores INTRODUÇÃO A utilização da Internet constitui um desafio para a educação dos nossos filhos e dos nossos alunos. Acontece muito frequentemente que os deixamos a navegar

Leia mais

PHC dcrm. Aumente o potencial da força de vendas da sua empresa, ao aceder remotamente à informação comercial necessária à sua actividade

PHC dcrm. Aumente o potencial da força de vendas da sua empresa, ao aceder remotamente à informação comercial necessária à sua actividade O módulo PHC dcrm permite aos comerciais da sua empresa focalizar toda a actividade no cliente, aumentando a capacidade de resposta aos potenciais negócios da empresa. PHC dcrm Aumente o potencial da força

Leia mais

PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS, SA

PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS, SA PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS, SA Introdução Nesta edição do Catálogo de Serviços apresentamos os vários tipos de serviços que compõe a actual oferta da Primavera na área dos serviços de consultoria.

Leia mais

A. Síntese e apresentação do estudo

A. Síntese e apresentação do estudo A. Síntese e apresentação do estudo 1. OBJECTIVOS DO PRESENTE ESTUDO O objectivo do presente estudo é a avaliação ex post da política de promoção publicitária dos produtos agrícolas no período de 1994-2000

Leia mais

APEL Associação Promotora do Ensino Livre REGRAS DE FUNCIONAMENTO DA ATIVIDADE FORMATIVA ANEXO AO REGULAMENTO INTERNO

APEL Associação Promotora do Ensino Livre REGRAS DE FUNCIONAMENTO DA ATIVIDADE FORMATIVA ANEXO AO REGULAMENTO INTERNO APEL Associação Promotora do Ensino Livre REGRAS DE FUNCIONAMENTO DA ATIVIDADE FORMATIVA ANEXO AO REGULAMENTO INTERNO ÍNDICE 1. ENQUADRAMENTO 2. REQUISITOS DE ACESSO E FORMAS DE INSCRIÇÃO 3. CRITÉRIOS

Leia mais

I Seminário Transfronteiriço sobre Estratégias de participação Andaluzia, Algarve, Alentejo Marta Terra Voluntariado e cidadania - A REDE -

I Seminário Transfronteiriço sobre Estratégias de participação Andaluzia, Algarve, Alentejo Marta Terra Voluntariado e cidadania - A REDE - Rede Portuguesa de Jovens para a Igualdade de Oportunidades entre Mulheres e Homens (REDE) I Seminário Transfronteiriço sobre Estratégias de participação Andaluzia, Algarve, Alentejo Marta Terra Voluntariado

Leia mais

Estabelecendo Prioridades para Advocacia

Estabelecendo Prioridades para Advocacia Estabelecendo Prioridades para Advocacia Tomando em consideração os limites de tempo e recursos dos implementadores, as ferramentas da série Straight to the Point (Directo ao Ponto), da Pathfinder International,

Leia mais

Política de Privacidade do SwPt

Política de Privacidade do SwPt Política de Privacidade do SwPt O SwPt é um site de internet único e exclusivo para o estilo de vida Swinger, que lhe permite construir a sua informação e gerir a sua rede de contactos através de ferramentas

Leia mais

Comissão Social de Freguesia de São Julião do Tojal

Comissão Social de Freguesia de São Julião do Tojal Acta Constituinte Comissão Social de Freguesia de São Julião do Tojal ( Resolução do Conselho de Ministros, 197/97 de 17 de Novembro, com as alterações introduzidas pela Declaração de Rectificação nº10-0/98

Leia mais

yuiopasdfghjklçzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklçzxcvbnm qwertyuiopasdfghjklçzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklçzxc

yuiopasdfghjklçzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklçzxcvbnm qwertyuiopasdfghjklçzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklçzxc qwertyuiopasdfghjklçzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklçzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklçzxcvbnmqwe rtyuiopasdfghjklçzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklçzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklçzxcvbnmqwertyui opasdfghjklçzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklçzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklçzxcvbnmqwertyuiopas

Leia mais

Saiba como tirar partido de. Ana Leitão

Saiba como tirar partido de. Ana Leitão Saiba como tirar partido de Ana Leitão O que pode correr mal numa apresentação? Descubra o que mais o assusta, conheça as suas fragilidades para as superar. Prévios Definição de metas/objectivos Selecção

Leia mais

Agenda IGUALAÇORES 2010. Projecto Jovens Açorianos 20 Estratégias pela Igualdade MANIFESTO REGIONAL

Agenda IGUALAÇORES 2010. Projecto Jovens Açorianos 20 Estratégias pela Igualdade MANIFESTO REGIONAL Agenda IGUALAÇORES 2010 Projecto Jovens Açorianos 20 Estratégias pela Igualdade MANIFESTO REGIONAL Numa altura em que a crise económica é tema predominante e em que Portugal surge como o segundo país com

Leia mais