MULHER E AIDS: ESCRITOS DO JORNAL FOLHA DE S.PAULO 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MULHER E AIDS: ESCRITOS DO JORNAL FOLHA DE S.PAULO 1"

Transcrição

1 MULHER E AIDS: ESCRITOS DO JORNAL FOLHA DE S.PAULO 1 Rosana de Lima Soares 2... é uma doença em que a morte e a vida se acham tão estranhamente fundidas que a morte toma o brilho e a cor da vida, e a vida toma a forma sombria e terrível da morte... Émile Dickens AIDS: MAL MORTAL E MORAL Início dos anos 80. Uma doença misteriosa e desconhecida começa a assustar a comunidade médica americana. Os primeiros casos aparecem, até que, em 1983, chegase à descoberta de seu vírus causador, um novo tipo de retrovírus: o HIV, ou Human Immunodeficiency Virus. A doença a ele associada passou a ser chamada de Aids Síndrome de Imunodeficiência Adquirida. Inicialmente misteriosa e desconhecida, aos poucos foi sendo construído um corpo de conhecimentos e teorias a seu respeito. Seu nome já diz muito sobre si mesma. Primeiramente, a Aids é uma síndrome: Do grego syndromé, expressa o significado de concurso, ou seja, a circunstância de se encontrarem juntas duas ou mais coisas. Assim, o paciente de Aids está numa circunstância em que vários fatores concorrem para levá-lo ao óbito 3. A imunodeficiência refere-se à incapacidade do sistema imunológico cumprir suas funções. O termo adquirida refere-se à forma pela qual se instala essa imunodeficiência através de um retrovírus. Primeiramente, o advento social da doença se deu em torno da categoria grupo de risco. A imprensa assumiu o discurso da peste gay, câncer cor-de-rosa etc., e a ciência, num primeiro momento, foi responsável pela formação dessa imagem, por meio de um discurso médico caracterizado por um saber que se impõe como verdadeiro e em nome desta verdade impõe os mais severos controles de comportamento. A partir dessa identidade do grupo de risco é que foram se estabelecendo a maior parte dos preconceitos que se tornaram elementos fundamentais para a transformação da Aids em epidemia. Esqueceu-se que doenças não escolhem sexo, raça, 1 Trabalho apresentado no GT Mulher e Comunicação do XIX Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação (Intercom), realizado na Universidade Estadual de Londrina (PR), de 04 a 08 de setembro de Mestranda da Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (ECA/USP). 3 Marcio Mariguela, A representação social da Aids: grupo de risco, p.3.

2 cor, orientação religiosa, preferência sexual, idade. Mas a Aids já estava marcada como uma doença moral, pois adjetivava a morte do portador do HIV através de códigos socialmente constituídos. A ciência foi capaz de identificar anticorpos do vírus HIV no organismo de pessoas que foram delimitadas dentro de um grupo que tem determinados comportamentos. Estava firmado o preconceito, o terror e o isolamento. Final da década de 80. A Aids já fazia parte do cenário nacional, ainda que tardiamente. A imprensa não parava de noticiar os novos avanços da ciência e os acontecimentos sociais a ela ligados: Fiocruz estuda relação com mal de Chagas ; Juiz aceita pedido de indenização de médica que contraiu Aids em NY ; França investe US$ 113 milhões em educação e pesquisa sobre Aids ; Igreja Católica acredita que aidéticos são satanizados na América Latina ; Aids ainda é considerada doença capitalista na União Soviética ; OMS calcula em 10 milhões os contaminados no mundo 4. Eu, da minha parte, comecei a questionar o tal grupo de risco : se somos homens, mulheres e crianças, não estaremos todos arriscados? Não esperei muito pela resposta. De estrangeiros distantes, a imprensa passou a falar de pessoas famosas do Brasil mesmo: artistas, cantores, escritores. Vieram os Cazuzas, Lauros, Claudias. Mais alguns meses e já se ouvia: Meu primo tem um amigo que tem um tio que tem um vizinho que está com Aids. Ou: Minha tia tem uma amiga que tem uma sobrinha... O cerco foi se fechando: minha tia tem uma vizinha, minha vizinha tem um filho, minha tia, minha amiga, meu irmão, minha filha. Eu? Início dos anos 90. Difícil não conhecer alguém que não conhecesse alguém com Aids. A doença foi se aproximando, as pessoas começaram a se dar conta de que podia ser com elas. Para uma doença que se propaga em progressão geométrica, já era tarde. A essa altura, a Aids, além de uma síndrome clínica, havia se tornado uma síndrome sexual: Na desordem afetiva dos corpos criou-se um representante da morte para ordenar as práticas sexuais (...) Com o advento da Aids, saber as formas de contágio tornou-se condição primeira para a ascese ao saber sobre o sexo. Pensamos a sexualidade pela morte e assim somos iniciados ao saber sobre os desejos 5. 4 Manchetes extraídas do jornal Folha de S. Paulo, dos dias 1/12/88, 5/11/80, 5/11/80, 6/10/87, 1/12/88, 1/12/88, respectivamente. 5 Marcio Mariguela, A representação social da Aids: grupo de risco, p.7. 2

3 A imprensa contribuiu, e muito, para a formação dessa imagem que associa Aids e morte: A mídia como veículo de difusão do conhecimento científico e a negligência dos governantes na definição de políticas de saúde pública precisam ser apontados como responsáveis pela representação social da Aids 6 e pelas diversas formas de hipocrisia e camuflagem que foram sendo construídas ao longo dos anos sobre este assunto. Durante dez anos, idéias distorcidas sobre a doença foram alicerçadas, principalmente pela grande imprensa. Falava-se muito mais do doente do que da doença. A curiosidade se deslocava para os aidéticos, identificados como parte de um grupo de seres humanos diferentes, anormais, que fogem dos códigos coletivos, que estabelecem padrões próprios de busca do prazer ou vivem formas de relacionamento diferentes das consagradas pela maioria moral. Por que nunca se pergunta ao hepatético onde e como ele pegou hepatite 7? A Aids surgiu, assim, envolta em julgamentos, preconceitos, juízos de valor, questões morais e de comportamento: quer-se sempre saber como a pessoa passou a ser portadora, o que ela fez de errado. Diferencia-se, dessa forma, de muitas outras das doenças atuais. Algumas dessas doenças já foram consideradas estigmas em outros tempos: a tuberculose, por exemplo, era associada, no final do século passado, a comportamentos boêmios e desregrados, a artistas, escritores, poetas. Tratar do tema da Aids, em qualquer um de seus múltiplos aspectos, é tratar, antes de tudo, de um doença que se caracteriza como moral antes mesmo de ser mortal. Como bem indicou Susan Sontag, de tempos em tempos surgem doenças que se caracterizam como metáforas. Tal concepção é exemplar para tratar dos problemas relativos à Aids. As fantasias inspiradas pela tuberculose no século passado, e pelo câncer agora, constituem reflexos de uma concepção segundo a qual a doença é intratável e caprichosa ou seja, um mal não compreendido, numa era em que a premissa básica da medicina é a de que todas as doenças podem ser curadas. Tal tipo de enfermidade é misterioso por definição. Pois enquanto não se compreendeu a sua causa, e as prescrições do médicos mostraram-se ineficazes, a tuberculose foi considerada uma insidiosa e implacável ladra de vidas. Agora é a vez do câncer (...) 8. 6 Idem, ibidem. 7 Vera Paiva (org.), Em tempos de Aids, p.8. 8 Susan Sontag, A doença como metáfora, p.7. 3

4 Na década de 80, a Aids veio preencher esse espaço e, com isso, ameaçar nossa sociedade científica e tecnológica em um momento que não se acreditava mais que a ciência pudesse ser derrotada, apesar de ainda não ter sido encontrada a cura do câncer. Como expressado por Betinho, em palestra proferida em 1987, na Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo: Meu tema é direitos humanos e doenças epidêmicas, e eu vou tratar da questão da Aids. Estou convencido de que a Aids é uma doença revolucionária. Ela recoloca de forma radical para a nossa sociedade, tanto brasileira quanto internacional, uma série de problemas vitais que durante muito tempo tentamos ignorar. Nossa cultura foi se afastando do real e tenta ignorá-lo, ao invés de desafiá-lo. A medicina moderna foi criando uma idéia de onipotência e nos dizia, de forma indireta, que todas as doenças eram curáveis e que finalmente a morte não podia existir. Estávamos já tratando o câncer como a última doença mortal (...) E eis que surge um vírus, o HIV, que se esconde no sistema imunitário e está produzido o pânico do século XX 9. Betinho explica por que a considera assim: Este vírus, sob todos os aspectos, apareceu de forma espetacular, mortal, com manifestação rápida, fulminante, sem cura. E, até o presente momento, sem nenhum meio de ataque direto que possa destruí-lo. Ele se transmite através da relação sexual. A relação sexual, queiramos ou não, é vital para a humanidade e é universal, e na nossa cultura está marcada por todo tipo de preconceito, culpabilidade, pecado, danação, inferno. Ele veio relacionado também ao sangue, que é outro elemento universal na cultura da humanidade; o sangue está na nossa cultura sob mil formas, há pessoas que entram em pânico quando o vêem, embora seja parte constituinte da nossa realidade. E o vírus se transmite, fundamentalmente, pelo sangue, mata-nos através do sangue 10. E continua: Mas a Aids vem também marcada por várias outras questões: o racismo, por exemplo. Quando o vírus foi descoberto, logo se buscou o culpado, e o culpado era o negro africano (...) Racismo, sexo, sangue. Mas esse vírus também vinha associado a uma coisa já lembrada, e muito brutal para a 9 Herbert de Souza, A cura da Aids, p Idem, p.13. 4

5 nossa cultura enfrentar: a morte. Uma nova doença passou a revelar para o século XX que a morte é absolutamente inevitável. Bastavam esses quatro elementos para definir a Aids como extremamente revolucionária e explosiva (...) Mas eu queria ainda fazer referência a algo que a Aids desvelou no mundo contemporâneo: a questão dos preconceitos que essa sociedade guarda em relação às pessoas 11. Alguns fatos retratados pelos jornais não deixam dúvidas com relação às palavras de Betinho e introduzem, ainda, a questão de gênero, somada aos quatro elementos acima apontados (sangue, sexo, racismo, morte). Assim, para se falar de Aids, é indispensável falar de sexualidade; e falar de mulher, sexualidade e Aids é fazê-lo a partir de uma perspectiva de gênero. Para que isso aconteça, é fundamental proporcionar a criação de espaços, onde sentimentos, vivências e tabus relacionados ao exercício da sexualidade possam ser discutidos e compartilhados 12. Em 1995, assistimos, atônitos, à prisão de uma portadora do vírus HIV no interior do Estado de São Paulo, veiculada pela imprensa em abril de 1995, onde lemos: O juiz Emílio Gimenez Filho, de Paraguaçu Paulista (510 km a oeste de São Paulo), condenou anteontem a um ano de prisão Selma Regina de Jesus, 36, acusada de contagiar seus parceiros com vírus HIV, do qual é portadora 13. Pergunto-me se a prisão de Selma não efetiva, do ponto de vista jurídico, a exclusão social do portador do HIV. Quais seus efeitos sociais e suas dimensões morais sobre a representação social da Aids? A mídia, arena deste debate, assume o discurso médico como critério de verdade e em seu trabalho de vertiginosa busca do novo procura manter-se na linha da neutralidade da notícia. Creio que pode atribuir-se à mídia uma grande parcela de responsabilidade pela representação que se tem hoje da Aids. Mais do que saber as últimas pesquisas, os últimos conhecimentos produzidos, faz-se necessária uma análise das notícias publicadas nos jornais sobre a Aids. Nesse texto, privilegiamos as notícias que fazem referência a mulheres soropositivas ou afetadas pelo HIV/Aids. Primeiramente, será realizada uma descrição das notícias encontradas, classificando-as em subgrupos temáticos. Num segundo momento, procuraremos avaliar as implicações das relações estabelecidas entre mulheres e Aids nos artigos selecionados. 11 Idem, p Alma Aldana, Mulher, sexualidade e sexo seguro, in Vera Paiva (org.), Em tempos de Aids, p

6 IMAGENS DE MULHERES As notícias que constituem o corpus desse trabalho foram selecionadas do jornal Folha de S.Paulo, nos anos de 1994 e Na primeira fase de coleta, selecionamos todos os artigos sobre Aids encontrados que faziam qualquer tipo de referência a mulheres. Encontramos, assim, um total de 52 artigos de jornal. As referências eram as mais variadas: desde a viúva de um portador de HIV que entrou na justiça contra o hospital em que o marido havia falecido alegando tratamento inadequado por parte do hospital até a morte da atriz Cláudia Magno. Dado o espaço possível nesse texto, percebemos que não poderíamos analisar os artigos selecionados em sua totalidade. Optamos, portanto, em privilegiar os artigos que tratassem diretamente de mulheres soropositivas, portadoras do HIV, sintomáticas ou assintomáticas, estabelecendo, assim, um novo critério que possibilitou uma segunda seleção do material. Depois dessa segunda seleção, contamos com um total de 9 artigos, dos quais trataremos, num primeiro momento, descrevendo-os e organizando-os em subgrupos temáticos, para, em seguida, apresentar algumas considerações finais. Uma das perguntas colocadas pela temática desse texto é: Por que mulheres?. Entre outras razões, entendemos que a problemática da Aids interessa particularmente a esse grupo porque: 1) nos últimos anos, verifica-se um aumento acentuado dos contágios pelo HIV entre esse grupo 14 ; 2) a questão da sexualidade a que a Aids vem associada possui especificidades se pensamos nesse grupo social, ainda mais se 13 Folha de S. Paulo, Mulher é condenada por ter Aids, 12/04/ Artigo publicado no jornal Folha de S.Paulo ( Doença cresce entre mulheres, Aureliano Biancarelli, 01/12/95, p.3-7) aponta que desde 92 a Aids é a principal causa de morte entre as mulheres jovens: As mulheres entre 20 e 34 anos vítimas da Aids já representam 16,37% de tpdas as mortes de mulheres no Estado de São Paulo. Das mulheres nessa idade que morreram em 1994, no Estado, 830 foram vítimas da Aids, de acordo com os dados divulgados pela Seade (Fundação Sistema Estadual de Análise de Dados). Outro artigo ( Mulheres igualam homens em casos de Aids, Aureliano Biancarelli, 09/10/95, p.3-4) afirma que, segundo dados do Hospital das Clínicas de São Paulo, em 1984 havia uma mulher doente para cada 84 homens doentes; hoje, essa relação já é de uma doente para cada homem doente. 6

7 considerarmos a carga de preconceitos e tabus existentes mesmo entre mulheres nãosoropositivas; 3) a questão da Aids veio questionar as relações de poder e prazer implicadas nas relações entre homens e mulheres, principalmente no âmbito sexual. Ao ler os artigos constituintes do corpus desse trabalho, pudemos identificar alguns traços que indicavam para a existência dos elementos acima identificados quando se trata da cobertura da Aids pela imprensa. Os 9 artigos selecionados apresentam em comum o fato de se referirem a mulheres portadoras do vírus HIV. Dentro dessa temática geral, foram identificados os seguintes subtemas: a) atendimento em saúde (2); b) prostituição feminina (3); c) discriminação (2); d) maternidade (1); e) personalidade pública (1). Em 1994, foram selecionadas 7 artigos e, em 1995, foram selecionadas 2 artigos. Nos quadros abaixo, apresentamos um resumo de cada artigo (título, data, página, ilustração, fonte), para, em seguida, comentar cada uma delas Título Data Caderno/ Página Aids pode ter matado Cláudia 13/01/94 Cotidiano 3-1 Cozinheira diz que foi demitida por 03/05/94 Cotidiano/ ter Aids Discriminaçã o Ex-secretária de Xuxa vai voltar ao trabalho Para a maioria dos meus clientes, eu passo Aids (entrevista) Doente fica dez dias em fila de casa de apoio Filhos mantêm vivas as portadoras do vírus Garota de Santos vai responder a inquérito Ilustração 2 fotos; tabela foto; box Fonte Sucursal do Rio Reportagem Local 07/05/94 Cotidiano foto Marcelo Migliaccio (Sucursal do Rio) 24/07/94 3 fotos; (domingo) quadro Cotidiano/ Meninas da Noite /08/94 Cotidiano/ Saúde 25/09/94 Brasil/ Mães da Aids 18/12/94 Cotidiano (domingo) 3-1 Marcus Fernandes (Agência Folha, em Santos) foto; box; Frre-lance para a 2 quadros Folha 4 fotos Aureliano Biancarelli (Reportagem Local) foto; box Sônia Mossri (Buenos Aires); Marcus Fernandes (Agência Folha, em Santos) 1995 Título Data Caderno/ Página Mulher é condenada por ter Aids / Clientes não querem camisinha, dizem prostitutas 12/04/95 Cotidiano 3-1 Ilustração foto; figura Fonte Ulisses de Souza (Agência Folha, em Presidente Prudente) 7

8 Portadora do HIV reclama de convênio 09/10/95 Cotidiano quadro Da Redação A partir desses quadros esquemáticos, pode-se observar que: o ano de 1994 apresentou um volume muito maior de artigos relacionando mulher e Aids do que o ano de 1995; o subtema que mais se repete é a questão da prostituição feminina, em abordagens distintas; a quase totalidade dos artigos (excetuando-se apenas uma) foi publicada no caderno Cotidiano, de notícias locais ou regionais; a maioria dos artigos traz o nome do jornalista responsável pelo texto, traço que não é muito comum na grande imprensa brasileira em geral; todas os artigos possuem algum tipo de ilustração; todos os títulos podem ser chamados de auto-explicativos, ou seja: mesmo sem ler os artigos, já se pode ter uma idéia de seu conteúdo. Quanto ao conteúdo dos artigos, gostaríamos de destacar alguns elementos: Em sua maioria, os textos partem de um quadro geral da doença para, em seguida, descrever o aumento dos casos de Aids entre mulheres (apresentando estatísticas comprobatórias dessa afirmação) e, finalmente, tratar do tema específico do artigo. Pode-se dizer que, muitas vezes, o tema tratado no texto serve apenas como um pretexto, uma espécie de moldura envolvendo a questão mulher x Aids. Como exemplo, lê-se, no artigo Aids pode ter matado Cláudia, a seguinte frase: O crescimento da Aids entre as mulheres no mundo todo está preocupando a Organização Mundial de Saúde. A entidade estima que existam no mundo 3 milhões de mulheres infectadas 15. Os dois artigos colocados no subtema saúde tratam de abordagens distintas: no primeiro ( Doente fica dez dias em fila de casa de apoio ), retrata a precariedade de atendimento médico quando se trata de doenças relacionadas à Aids, com a especificidade do paciente não-atendido ser do sexo feminino (mas, no artigo, se o paciente fosse um homem, sua estrutura básica não seria alterada). O segundo ( Portadora de HIV reclama de convênio ) traz um tema que tem se 15 Aids pode ter matado Cláudia, Folha de S.Paulo, 13/01/94, p

9 tornado cada vez mais presente em relação à Aids: a falta de cobertura contratual da maioria dos planos de saúde, seguros-saúde e convênios médicos, que, entre outras doenças, recusam-se a cobrir os gastos de consultas, exames e internações de infecções relacionadas à Aids. Os dois artigos que tratam de relações trabalhistas ( Cozinheira diz que foi demitida por ter Aids e Ex-secretária de Xuxa vai voltar ao trabalho ) trazem um tema polêmico e atual do ponto de vista jurídico: as demissões efetuadas ao se descobrir que um paciente é soropositivo. Em um deles, lê-se: A cozinheira Sônia Aparecida Oliveira Rodrigues Moia, 29, está processando a Craisa (Companhia Regional de Abastecimento de Santo André) contra sua demissão. Sônia diz que foi demitida porque é portadora do vírus HIV 16. O outro artigo, envolve uma ex-funcionária da Fundação Xuxa, no Rio de Janeiro, uma entidade voltada para crianças carentes, da apresentadora de TV Xuxa Meneghel. O subtema maternidade traz um único artigo, de página inteira, que retrata o cotidiano de várias mães soropositivas que afirmam não ter ainda morrido devido à preocupação com seus filhos. Há vários depoimentos ilustrando o tema, de mães soropositivas ou de pessoas que conviveram com mães já falecidas, destacando, também, o caso de crianças que se tornaram órfãs devido à morte de sua mãe (ou pai) pela Aids. Como vemos nesse depoimento: Os anos passaram, minha doença já está aparecendo. Mas tenho a sensação de que vou viver para cuidar das duas, deixar elas crescidas. Vejo gente que sobrevive até 15 anos com o vírus. Vou viver muito mais 17. Há poucos casos de mulheres famosas contaminadas pelo HIV (sintomáticas ou assintomáticas, casos de mortes de mulheres) divulgados pelo jornal. A maioria das mulheres retratadas é desconhecida, colocando-se como pessoas comuns em situações do cotidiano. Esse dado aponta para um questionamento: se, conforme acusam as estatísticas, o número de mulheres infectadas tem aumentado, esse aumento ocorre mais entre mulheres comuns (não-famosas) do que entre personalidades públicas. Ou, ainda, que as mulheres famosas contaminadas não entraram ainda na pauta de notícias da imprensa, ao contrário dos artigos jornalísticos sobre homens que, em sua maioria, retratam atores, 16 Cozinheira diz que foi demitida por ter Aids, Folha de S.Paulo, 03/05/ Filhos mantêm vivas as portadoras do vírus, Folha de S.Paulo, 25/09/94. 9

10 cantores, políticos, esportistas, nacionais ou internacionais. A única mulher famosa destacada na amostra selecionada foi a atriz Cláudia Magno, e, ainda assim, de forma dúbia: Na quarta-feira retrasada, dia 5, morreu a atriz Cláudia Magno, 34, em consequência de uma pneumonia. Os médicos trabalhavam com a hipótese de a atriz ter o vírus da Aids 18. O subtema mais frequente é o que relaciona as portadoras do vírus HIV à prostituição. Há três artigos assim classificados. O primeiro deles ( Para a maioria dos meus clientes, eu passo Aids ), traz o depoimento de uma mulher de 18 anos, Jessica, portadora do HIV desde os 13, identificada como sendo prostituta, que afirma aceitar relações sem camisinha se o homem pagar mais, destacando que não conta para os clientes o fato de ser portadora. O segundo artigo, Garota de Santos vai responder a inquérito, traz um artigo sobre a mesma mulher do artigo anterior, que, após declarar que contaminava os seus parceiros propositadamente, teria que responder a inquérito judicial. Nessa matéria, Jessica afirma que são os próprios homens, em sua maioria casados, que querem pagar mais para não terem que usar camisinha. O terceiro artigo trata de uma condenação já efetivada: o caso de Selma, já mencionado anteriormente, a primeira portadora do HIV, acusada de ser prostituta e contaminar seus parceiros, a ser condenada pela justiça penal. Essa imagem, transmitida reiteradamente, alimenta o mito de que a Aids só afetaria os chamados grupos de risco (conceito aqui ampliado para incluir grupos que apresentam comportamentos estranhos às convenções sociais tidas como aceitáveis; além dos homossexuais, drogados, doentes, as prostitutas, julgadas em relação às mães de família ou donas-de-casa, essas, sim, colocadas como isentas ao contágio pelo HIV/Aids). Como vemos: No Brasil, nestes últimos anos, houve um importante deslocamento no perfil da Aids - caracterizado pelo homossexual e bissexual masculino para incluir a mulher no rol de casos notificados. A metáfora explicativa para sua inclusão tardia é a ponte bissexual, tida como a via de acesso do HIV para o universo heterossexual. Essa construção simbólica produzida pelas políticas de saúde para dar conta da nova etapa da epidemia reduz uma questão muito mais complexa: a imagem simbólica 18 Aids pode ter matado Claudia, op. cit. 10

11 da Aids e da sexualidade, pautada no modelo masculino, reforça o padrão de exclusão e inclusão de mulheres estabelecido pela ordem dominante 19. Determinadas mulheres seriam, assim, excluídas dos chamados grupos de risco, enquanto outras seriam incluídas. CONSIDERAÇÕES FINAIS No espaço breve e reduzido desse trabalho, corremos o risco de sermos superficiais e desconsiderar outros aspectos da relação mulher x Aids que deveriam ser também abordados. Entretanto, gostaríamos de tecer algumas considerações finais com os elementos apresentados. O fato que mais nos chamou a atenção foi a imagem de mulheres construída a partir dos escritos selecionados do jornal Folha de S.Paulo. Trazendo histórias dramáticas, cruéis ou depreciativas ao apresentar as mulheres como prostitutas vingativas ou mães que apenas se tornaram devotadas depois da doença, tem-se um quadro negativo dessas portadoras, que poderia ser até mesmo descrito como perverso. As mulheres retratadas são colocadas como mulheres comuns se pensadas em relação a mulheres famosas ou personalidades públicas, mas não são tão comuns assim se pensadas em termos de esteriótipos e expectativas construídas em relação às mulheres. Mais uma vez, repete-se o mesmo erro ao identificar a Aids como a doença de um Outro que não eu, um Outro distorcido e de comportamento anômalo, imoral, incorreto, duvidoso, esquecendo-se que os casos de Aids entre mulheres aumentam, principalmente, entre aquelas casadas: Por sua vez, os registros hospitalares a que tive acesso no Rio de Janeiro indicam que a grande maioria de mulheres infectadas pelo HIV ou com Aids são justamente as casadas ou as que vivem uma união estável, muitas com filhos, e não as classificadas como prostitutas ou promíscuas. A despeito do tom unissex das campanhas, as possibilidades e dificuldades que as mulheres apresentam para adotar qualquer das medidas de prevenção indicadas são nitidamente distintas daquelas dos homens - ou porque as medidas nem sempre ou quase nunca são 19 Carmen Dora Guimarães, Mulheres, homens e Aids: o visível e o invisível, in Richard Parker (org.), Aids no Brasil, p

12 reconhecidas como necessárias, ou porque, quando são, dependem da vontade do parceiro para que sejam adotadas. A ênfase dada ao uso da camisinha para prevenir a infecção pelo HIV é muito ilustrativa desta diferença e desigualdade entre os gêneros (...) 20. Assim, O campo da sexualidade é o Outro que dialoga com o universo sanitário, psíquico, social e político da Aids. O que está em pauta é a assunção de uma outra norma sexual, que possa rasgar as fronteiras instituídas pelas maledicências e pelas hipocrisias mortíferas, de maneira que se possam reconhecer as múltiplas formas de existência da subjetividade. A manutenção dos obstáculos implica o recuo em face do que foi compartilhado nas últimas décadas da nossa história, pela interdição do que alguns de nós acreditava ter sido incorporado na nossa ética. Por isso mesmo, poder discutir à exaustão as linhas de força que estão em prática no campo da Aids e da sexualidade é a possibilidade de construirmos o nosso futuro, pela barragem dos obstáculos colocados no nosso presente 21. Pode-se, sobretudo, concluir que Doença e doente são fatos sociais codificados culturalmente. Dessa forma, as doenças podem sofrer interpretações ou explorações moralistas, que, no caso da Aids, se dão sob forma de condenações individuais e de certos grupos, favorecendo a crença de que só os outros podem contrair a doença. Outros são aqueles que não se enquadram nos padrões de normalidade aceitos socialmente, ou também as pessoas que não compartilham de uma dada identidade cultural 22. A imprensa, em sua infinita busca pela informação e pela verdade, coloca-se, uma vez mais (assim como no começo da epidemia da Aids) como responsável pela construção de imagens simbólicas distorcidas ou, no mínimo, nebulosas, transformando em fatos sociais acontecimentos que não são nada ingênuos se olhados de perto. Questiona-se, assim, mais uma vez, a suposta neutralidade e objetividade da imprensa, já que, na própria seleção dos fatos a serem transmitidos como notícias já se vê uma escolha e construção nada aleatórias, desconsiderando que são as mulheres, enquanto grupo social genérico independente de sua raça, credo, cor, profissão que estão cada vez 20 Idem, ibidem, p Maria Andréa Loyola (org.), Aids e sexualidade: o ponto de vista das ciências humanas, p Denise Martin, Regina Maria Barbosa e Wilza Vieira Villela, As mulheres e a prevenção da Aids, in Vera Paiva (org.), Em tempos de Aids, p

13 mais expostas ao contágio pelo HIV, por razões as mais diversas. Afinal, mortais somos todos nós. 13

14 BIBLIOGRAFIA ALDANA, Alma - Mulher, sexualidade e sexo seguro, in PAIVA, Vera (org.), Em tempos de Aids, São Paulo, Summus, 1992 BASTOS, Francisco Inácio - Ruína e reconstrução: Aids e drogas injetáveis na cena contemporânea, Rio de Janeiro, Abia/IMS-UERJ/ Relume Dumará, col. História Social da Aids 6, 1996 BIANCARELLI, Aureliano - Doença cresce entre mulheres, Folha de S.Paulo, 01/12/95, p.3-7 Mulheres igualam homens em casos de Aids, Folha de S.Paulo, 09/10/95, p.3-4 CHAUÍ, Marilena - Repressão sexual: essa nossa (des)conhecida, São Paulo, Brasiliense, 1984 GUIMARÃES, Carmen Dora - Mulheres, homens e Aids: o visível e o invisível, in PARKER, Richard (org.), A Aids no Brasil, Rio de Janeiro, Abia/IMS-UERJ/ Relume Dumará, col. História Social da Aids 2, 1994 LOYOLA, Maria Andréa (org.) - Aids e sexualidade, Rio de Janeiro, Relume Dumará/UERJ, 1994 MARIGUELA, Marcio - A representação social da Aids: grupo de risco, apresentado em mesa redonda sobre Aids e sexualidade, HC-Unicamp, 1995 MARTIN, Denise; BARBOSA, Regina Maria; VILLELA, Wilza Vieira - As mulheres e a prevenção da Aids, in PAIVA, Vera, Em tempos de Aids, São Paulo, Summus,

15 MURARO, Rose Marie - A mulher no terceiro milênio, Rio de Janeiro, Rosa dos Tempos, 1992 PAIVA, Vera (org.) - Em tempos de Aids, São Paulo, Summus, 1992 PARKER, Richard (org.) - A construção da solidariedade, Rio de Janeiro, Abia/IMS- UERJ/ Relume Dumará, col. História Social da Aids 3, 1994 A Aids no Brasil, Rio de Janeiro, Abia/IMS-UERJ/ Relume Dumará, col. História Social da Aids 2, 1994 REVISTA DA BIBLIOTECA MÁRIO DE ANDRADE, São Paulo, volume 53, julho/dezembro de 1995 SONTAG, Susan - Aids e suas metáforas, São Paulo, Companhia das Letras, 1989 A doença como metáfora, São Paulo, Graal, 1984 SOUZA, Herbert de - A cura da Aids, Rio de Janeiro, Relume Dumará, 1994 TRAQUINA, Nelson - Aids e o jornalismo português: o drama do leitor assíduo, São Paulo, VI Compós, ECA/USP, junho de 1996, mimeo A mediatização jornalística da problemática VIH/Sida: análise comparativa luso-brasileira, mimeo, s/d 15

Os caminhos e descaminhos de uma epidemia global

Os caminhos e descaminhos de uma epidemia global Os caminhos e descaminhos de uma epidemia global Por Rodrigo Cunha 5 de junho de 1981. O Relatório Semanal de Morbidez e Mortalidade do Centro para Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos Estados Unidos

Leia mais

Aids e mídias: narrativas jornalísticas

Aids e mídias: narrativas jornalísticas 1 Aids e mídias: narrativas jornalísticas Rosana de Lima Soares 1 Resumo : O tema proposto para este artigo busca abrir novas perspectivas sobre um tema que não é, propriamente, novo: após 25 anos de história,

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 Notas importantes: O Banco de dados (BD) do Sistema de Informação Nacional de Agravos de Notificação (SINAN) vem sofrendo nos últimos

Leia mais

Nessa hora você não vai parar para pensar se sabe tudo sobre Aids

Nessa hora você não vai parar para pensar se sabe tudo sobre Aids Nessa hora você não vai parar para pensar se sabe tudo sobre Aids 1 a Aids reduz a imunidade A Síndrome da Imunodeficiência Adquirida (Aids ou SIDA) não é a doença. Ela reduz a imunidade devido à ação

Leia mais

Gtp+ PROGRAMAS E PROJETOS Grupo de Trabalhos em Prevenção Posithivo (GTP+) Fundação em 2000, Recife-PE O Grupo de Trabalhos em Prevenção Posithivo é a única ONG da Região Nordeste do Brasil coordenada

Leia mais

TRAJETÓRIAS DE MULHERES SOROPOSITIVAS NO ATIVISMO POLÍTICO DE HIV- AIDS NO ESTADO DO PARANÁ

TRAJETÓRIAS DE MULHERES SOROPOSITIVAS NO ATIVISMO POLÍTICO DE HIV- AIDS NO ESTADO DO PARANÁ TRAJETÓRIAS DE MULHERES SOROPOSITIVAS NO ATIVISMO POLÍTICO DE HIV- AIDS NO ESTADO DO PARANÁ Carolina Branco de Castro Ferreira 1 - PPG-UEL A Aids se apresenta como uma epidemia dinâmica, complexa e multifatorial,

Leia mais

Menino brinca de boneca? Livro e guia do professor Autor: Marcos Ribeiro

Menino brinca de boneca? Livro e guia do professor Autor: Marcos Ribeiro Menino brinca de boneca? Livro e guia do professor Autor: Marcos Ribeiro Trabalha a questão do masculino feminino de forma muito didática. Trata, basicamente, dos estereótipos sexuais e preconceitos existentes

Leia mais

PROJETO: MATEMÁTICA NA SAÚDE GRUPO C

PROJETO: MATEMÁTICA NA SAÚDE GRUPO C EE JUVENTINO NOGUEIRA RAMOS PROJETO: MATEMÁTICA NA SAÚDE TEMA : AIDS GRUPO C ADRIANO OSVALDO DA S. PORTO Nº 01 ANDERSON LUIZ DA S.PORTO Nº 05 CÍNTIA DIAS AVELINO Nº 11 CLAUDINEI MOREIRA L. JUNIOR Nº 12

Leia mais

A face visível da Aids. The visible face of Aids

A face visível da Aids. The visible face of Aids A face visível da Aids The visible face of Aids 1 Mirko D. Grmek, Histoire du Sida: debut et origine d'une pandémie actuelle Paris, Payot, 1989 e David, Black. The plague years: a chronicle of Aids, the

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 Notas importantes: O Banco de dados (BD) do Sistema de Informação Nacional de Agravos de Notificação (SINAN) vem sofrendo nos últimos

Leia mais

ACOLHIMENTO DE PARTICIPANTES EM UM PROJETO: PERFIL DOS POSSÍVEIS PORTADORES DE HIV/AIDS

ACOLHIMENTO DE PARTICIPANTES EM UM PROJETO: PERFIL DOS POSSÍVEIS PORTADORES DE HIV/AIDS 110. ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA ACOLHIMENTO DE PARTICIPANTES

Leia mais

A ATUAÇÃO DA PASTORAL DA AIDS EM DUQUE DE CAXIAS E SÃO JOÃO DE MERITI E O DIÁLOGO DA SEXUALIDADE

A ATUAÇÃO DA PASTORAL DA AIDS EM DUQUE DE CAXIAS E SÃO JOÃO DE MERITI E O DIÁLOGO DA SEXUALIDADE A ATUAÇÃO DA PASTORAL DA AIDS EM DUQUE DE CAXIAS E SÃO JOÃO DE MERITI E O DIÁLOGO DA SEXUALIDADE Aluna: Sandra Regina de Souza Marcelino Orientador: Luís Corrêa Lima Introdução Este relatório tem por finalidade

Leia mais

COMPORTAMENTO DE PARTICIPANTES DE UM PROJETO FRENTE AOS PORTADORES DE HIV/AIDS

COMPORTAMENTO DE PARTICIPANTES DE UM PROJETO FRENTE AOS PORTADORES DE HIV/AIDS 110. ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA COMPORTAMENTO DE PARTICIPANTES

Leia mais

BUSCA ATIVA DE POSSÍVEIS PORTADORES DE HIV/AIDS EM PROJETO EXTENSIONISTA E SEU PERFIL

BUSCA ATIVA DE POSSÍVEIS PORTADORES DE HIV/AIDS EM PROJETO EXTENSIONISTA E SEU PERFIL 9. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO (

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE OS GÊNEROS E O NÍVEL DE INFORMAÇÃO DE ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS EM RELAÇÃO AO HIV/AIDS

RELAÇÃO ENTRE OS GÊNEROS E O NÍVEL DE INFORMAÇÃO DE ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS EM RELAÇÃO AO HIV/AIDS RELAÇÃO ENTRE OS GÊNEROS E O NÍVEL DE INFORMAÇÃO DE ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS EM RELAÇÃO AO HIV/AIDS Maria Thereza Ávila Dantas Coelho 1 Vanessa Prado Santos 2 Márcio Pereira Pontes 3 Resumo O controle

Leia mais

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social ASSOCIAÇÃO REVIVER DE ASSISTÊNCIA AO PORTADOR DO VÍRUS HIV

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social ASSOCIAÇÃO REVIVER DE ASSISTÊNCIA AO PORTADOR DO VÍRUS HIV VIII Jornada de Estágio de Serviço Social ASSOCIAÇÃO REVIVER DE ASSISTÊNCIA AO PORTADOR DO VÍRUS HIV HEY, Claudia Maria 1 BONOMETO, Tatiane Caroline 2 TRENTINI, Fabiana Vosgerau 3 Apresentador (es): Claudia

Leia mais

coleção Conversas #2 Respostas que podem estar passando para algumas perguntas pela sua cabeça.

coleção Conversas #2 Respostas que podem estar passando para algumas perguntas pela sua cabeça. coleção Conversas #2 Positivo, o que e u faç o Deu Respostas para algumas perguntas que podem estar passando pela sua cabeça. A coleção CONVERSAS da Editora AfroReggae nasceu com o desejo de facilitar

Leia mais

Projeto Verão Sem AIDS Valorizando a Vida

Projeto Verão Sem AIDS Valorizando a Vida 1 Projeto Verão Sem AIDS Valorizando a Vida O PROJETO VERÃO SEM AIDS VALORIZANDO A VIDA foi idealizado por João Donizeti Scaboli, Diretor do da FEQUIMFAR. Iniciamos de forma pioneira em 1994, quando o

Leia mais

UMA EXPERIÊNCIA DE OFICINAS DE SEXUALIDADE QUE CONFIRMA QUE A AIDS É A DOENÇA SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEL MAIS CONHECIDA ENTRE OS ALUNOS

UMA EXPERIÊNCIA DE OFICINAS DE SEXUALIDADE QUE CONFIRMA QUE A AIDS É A DOENÇA SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEL MAIS CONHECIDA ENTRE OS ALUNOS UMA EXPERIÊNCIA DE OFICINAS DE SEXUALIDADE QUE CONFIRMA QUE A AIDS É A DOENÇA SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEL MAIS CONHECIDA ENTRE OS ALUNOS Thaís de Sousa Lemos 1 ; Priscila Caroza Frasson Costa 1 ; Franciely

Leia mais

Palavras-chave: HIV/AIDS; Maturidade; Velhice; Cotidiano; Discurso.

Palavras-chave: HIV/AIDS; Maturidade; Velhice; Cotidiano; Discurso. ASPECTOS BIOPSICOSSOCIAIS DO COTIDIANDO DE PESSOAS SOROPOSITIVAS AO HIV/AIDS NA MATURIDADE E NA VELHICE Josevânia da Silva; Ana Alayde Werba Saldanha Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa PB, Brasil.

Leia mais

HIV e Estigma: como estamos hoje

HIV e Estigma: como estamos hoje HIV e Estigma: como estamos hoje PROF. DR. CLAUDIO GARCIA CAPITÃO Advento da AIDS 1º Caso: Hospital Emílio Ribas, 1982 Circulação Silenciosa do Vírus em meados de 70 Isolamento do vírus: Luc montagner:

Leia mais

EXPOSIÇÃO DE RISCO DOS PARTICIPANTES DO PROJETO UEPG-ENFERMAGEM NA BUSCA E PREVENÇÃO DO HIV/AIDS

EXPOSIÇÃO DE RISCO DOS PARTICIPANTES DO PROJETO UEPG-ENFERMAGEM NA BUSCA E PREVENÇÃO DO HIV/AIDS 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA EXPOSIÇÃO DE RISCO DOS PARTICIPANTES DO PROJETO UEPG-ENFERMAGEM

Leia mais

ESSA CAMPANHA VAI COLAR!

ESSA CAMPANHA VAI COLAR! ESSA CAMPANHA VAI COLAR! O selo postal é um importante veículo de comunicação dos valores de uma sociedade. Com a emissão dos 8 (oito) selos apresentados nesta Cartilha, os Correios, por meio da Filatelia,

Leia mais

Truvada: o medicamento que pode revolucionar a história da AIDS e está causando processos contra o SUS

Truvada: o medicamento que pode revolucionar a história da AIDS e está causando processos contra o SUS Truvada: o medicamento que pode revolucionar a história da AIDS e está causando processos contra o SUS Você já deve ter ouvido falar que mulheres grávidas portadoras do HIV, ao fazerem o tratamento antirretroviral

Leia mais

O CONHECIMENTO BÁSICO DA COMUNIDADE ESCOLAR SOBRE HIV/AIDS

O CONHECIMENTO BÁSICO DA COMUNIDADE ESCOLAR SOBRE HIV/AIDS Revista Eletrônica Novo Enfoque, ano 2010, v. 11, n. 11, p. 10 20 O CONHECIMENTO BÁSICO DA COMUNIDADE ESCOLAR SOBRE HIV/AIDS GONÇALVES, B.F.da S.¹; DE BRITO, D.M.¹; PEDRO, E. M. ¹; CALVO, F.L.M.¹; SPERLICH,

Leia mais

INSTITUTO PATRÍCIA GALVÃO

INSTITUTO PATRÍCIA GALVÃO INSTITUTO PATRÍCIA GALVÃO Comunicação e Mídia Pesquisa Instituto Patrícia Galvão IBOPE, em parceria com o UNIFEM ATITUDES FRENTE AO CRESCIMENTO DA AIDS NO BRASIL Aumento da AIDS em mulheres está entre

Leia mais

SAúDE e PReVENÇãO NaS ESCoLAS Atitude pra curtir a vida

SAúDE e PReVENÇãO NaS ESCoLAS Atitude pra curtir a vida SAúDE e PReVENÇãO NaS ESCoLAS Atitude pra curtir a vida UNAIDS/ONUSIDA Relatório para o Dia Mundial de Luta contra AIDS/SIDA 2011 Principais Dados Epidemiológicos Pedro Chequer, Diretor do UNAIDS no Brasil

Leia mais

¹Assistente Social da Associação Reviver do Portador do Vírus HIV, graduada pela Universidade Estadual de Ponta Grossa.

¹Assistente Social da Associação Reviver do Portador do Vírus HIV, graduada pela Universidade Estadual de Ponta Grossa. IX Jornada de Estágio de Serviço Social ASSOCIAÇÃO REVIVER DE ASSISTÊNCIA AO PORTADOR DO VÍRUS HIV HEY, Claudia Maria¹ BONOMETO, Tatiane Caroline² PREUSS, Lislei Teresinha³ Apresentador (a): Tatiane Caroline

Leia mais

CONHECIMENTOS, ATITUDES E PERCEPÇÃO DE RISCO: A VISÃO DOS ALUNOS DO CURSO DE PSICOLOGIA SOBRE A AIDS

CONHECIMENTOS, ATITUDES E PERCEPÇÃO DE RISCO: A VISÃO DOS ALUNOS DO CURSO DE PSICOLOGIA SOBRE A AIDS CONHECIMENTOS, ATITUDES E PERCEPÇÃO DE RISCO: A VISÃO DOS ALUNOS DO CURSO DE PSICOLOGIA SOBRE A AIDS DALILA CASTELLIANO DE VASCONCELOS YANA THAMIRES MENDES FELIX Universidade Federal da Paraíba (UFPB),

Leia mais

Pesquisada Perseu Abramo mostra preconceito contra comunidade LGTB

Pesquisada Perseu Abramo mostra preconceito contra comunidade LGTB Pesquisada Perseu Abramo mostra preconceito contra comunidade LGTB Acaba de sair do forno a mais recente pesquisa social do Núcleo de Opinião Pública (NOP), intitulada Diversidade Sexual e Homofobia no

Leia mais

PREVENÇÃO DAS DOENÇAS MODERNAS NA MULHER MODERNA. Albertina Duarte Takiuti

PREVENÇÃO DAS DOENÇAS MODERNAS NA MULHER MODERNA. Albertina Duarte Takiuti PREVENÇÃO DAS DOENÇAS MODERNAS NA MULHER MODERNA Albertina Duarte Takiuti Metas para o Milênio: Erradicar a extrema pobreza e a fome Atingir o ensino básico universal Promover a igualdade entre os sexos

Leia mais

HIV. O vírus da imunodeficiência humana HIV-1 e HIV-2 são membros da família Retroviridae, na subfamília Lentividae.

HIV. O vírus da imunodeficiência humana HIV-1 e HIV-2 são membros da família Retroviridae, na subfamília Lentividae. A Equipe Multiprofissional de Saúde Ocupacional da UDESC lembra: Dia 01 de dezembro é dia mundial de prevenção à Aids! Este material foi desenvolvido por alunos do Departamento de Enfermagem da Universidade

Leia mais

Diminui a mortalidade por Aids no Estado de São Paulo

Diminui a mortalidade por Aids no Estado de São Paulo Diminui a mortalidade por Aids no Estado de São Paulo Em 2012, ocorreram 2.767 óbitos por Aids no Estado de São Paulo, o que representa importante queda em relação ao pico observado em 1995 (7.739). A

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS CONFERÊNCIA SOBRE OS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS CONFERÊNCIA SOBRE OS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS CONFERÊNCIA SOBRE OS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO Grupo de Trabalho 4: Fortalecendo a educação e o envolvimento da sociedade civil com relação ao vírus HIV, malária

Leia mais

COMUNICAÇÃO COORDENADA UM OLHAR SOBRE O CONHECIMENTO E A DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA NO EIXO RIO/SÃO PAULO: O CASO CÂNCER

COMUNICAÇÃO COORDENADA UM OLHAR SOBRE O CONHECIMENTO E A DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA NO EIXO RIO/SÃO PAULO: O CASO CÂNCER II ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISADORES EM JORNALISMO SOCIEDADE BRASILEIRA DE PESQUISADORES EM JORNALISMO SBPJor FACULDADE DE COMUNICAÇÃO - UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA 26 E 27 DE NOVEMBRO DE 2004 SALVADOR

Leia mais

Hélio Vasconcellos Lopes

Hélio Vasconcellos Lopes HIV/AIDS no Município de Santos e dados brasileiros Hélio Vasconcellos Lopes Coordenador do Programa Municipal DST/AIDS/Hepatites da Secretaria Municipal de Saúde Professor titular da Faculdade de Medicina

Leia mais

A homossexualidade nas representações sociais das pessoas vivendo com Aids 1

A homossexualidade nas representações sociais das pessoas vivendo com Aids 1 A homossexualidade nas representações sociais das pessoas vivendo com Aids 1 Marília de Almeida e Almeida 2 Claudomilson Fernandes Braga 3 Universidade Federal de Goiás (UFG) Resumo O presente estudo buscará

Leia mais

Motivações para a mulher HIV positivo gestar

Motivações para a mulher HIV positivo gestar Motivações para a mulher HIV positivo gestar Maria Regina Limeira Ortiz* Tania Mara Andreoli Gomes** Resumo Trabalhar com mulheres portadoras do vírus da Imuno Deficiência adquirida(hiv) é algo extremamente

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO. PORTARIA Nº 1.927, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2014 (DOU de 11/12/2014 Seção I Pág. 82)

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO. PORTARIA Nº 1.927, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2014 (DOU de 11/12/2014 Seção I Pág. 82) MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO PORTARIA Nº 1.927, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2014 (DOU de 11/12/2014 Seção I Pág. 82) Estabelece orientações sobre o combate à discriminação relacionada ao HIV e a Aids nos

Leia mais

AIDS Preocupa Terceira Idade 1. Giovanna Menezes FARIA 2 Hendryo ANDRÉ 3 Centro Universitário Autônomo do Brasil - UniBrasil, Curitiba, PR

AIDS Preocupa Terceira Idade 1. Giovanna Menezes FARIA 2 Hendryo ANDRÉ 3 Centro Universitário Autônomo do Brasil - UniBrasil, Curitiba, PR AIDS Preocupa Terceira Idade 1 Giovanna Menezes FARIA 2 Hendryo ANDRÉ 3 Centro Universitário Autônomo do Brasil - UniBrasil, Curitiba, PR RESUMO Os primeiros casos de HIV, vírus da síndrome da imunodeficiência

Leia mais

6. Considerações Finais

6. Considerações Finais 6. Considerações Finais O estudo desenvolvido não permite nenhuma afirmação conclusiva sobre o significado da família para o enfrentamento da doença, a partir da fala das pessoas que têm HIV, pois nenhum

Leia mais

Clipping Eletrônico - Terça-feira dia 30/12/2014

Clipping Eletrônico - Terça-feira dia 30/12/2014 Clipping Eletrônico - Terça-feira dia 30/12/2014 Jornal Diário do Amazonas - Brasil Pág. 15-30 de dezembro de 2014 Jornal Diário do Amazonas Radar de Notícias Pág. 32-30.12. 2014 Portal D24AM - Saúde 29

Leia mais

E X P E D I E N T E. GIV Grupo de Incentivo à Vida Rua Capitão Cavalcanti, 145 Vila Mariana São Paulo Fone: 5084-0255 giv@giv.org.br www.giv.org.

E X P E D I E N T E. GIV Grupo de Incentivo à Vida Rua Capitão Cavalcanti, 145 Vila Mariana São Paulo Fone: 5084-0255 giv@giv.org.br www.giv.org. 1 2 E X P E D I E N T E GIV Grupo de Incentivo à Vida Rua Capitão Cavalcanti, 145 Vila Mariana São Paulo Fone: 5084-0255 giv@giv.org.br www.giv.org.br Diretoria: Gilvane Casimiro Edson Arata Luiz Donizete

Leia mais

Nova vacina frente à cura para a AIDS

Nova vacina frente à cura para a AIDS N o 18 Setembro/2013 Centro de Farmacovigilância da UNIFAL-MG Site: www2.unifal-mg.edu.br/cefal Email: cefal@unifal-mg.edu.br Tel: (35) 3299-1273 Equipe editorial: prof. Dr. Ricardo Rascado; profa. MsC.

Leia mais

MULHERES IDOSAS E AIDS: UM ESTUDO ACERCA DE SEUS CONHECIMENTOS E SITUAÇÕES DE VULNERABILIDADE

MULHERES IDOSAS E AIDS: UM ESTUDO ACERCA DE SEUS CONHECIMENTOS E SITUAÇÕES DE VULNERABILIDADE MULHERES IDOSAS E AIDS: UM ESTUDO ACERCA DE SEUS CONHECIMENTOS E SITUAÇÕES DE VULNERABILIDADE Karolayne Germana Leal e Silva e-mail: karolaynegermana@hotmail.com Magna Adriana de Carvalho e-mail: magnacreas@hotmail.com

Leia mais

Método cem por cento garantido. Práticas de sexo seguro nas relações homoeróticas entre mulheres de segmentos médios em Porto Alegre

Método cem por cento garantido. Práticas de sexo seguro nas relações homoeróticas entre mulheres de segmentos médios em Porto Alegre Método cem por cento garantido. Práticas de sexo seguro nas relações homoeróticas entre mulheres de segmentos médios em Porto Alegre Por Nádia Elisa Meinerz Resumo: Esse artigo aborda as práticas de sexo

Leia mais

Por que esses números são inaceitáveis?

Por que esses números são inaceitáveis? MANIFESTO DAS ONGS AIDS DE SÃO PAULO - 19/11/2014 AIDS: MAIS DE 12.000 MORTOS POR ANO NO BRASIL! É DESUMANO, É INADMISSÍVEL, É INACEITÁVEL. PRESIDENTE DILMA, NÃO DEIXE O PROGRAMA DE AIDS MORRER! Atualmente,

Leia mais

Apoio. Patrocínio Institucional

Apoio. Patrocínio Institucional Patrocínio Institucional Apoio O Grupo AfroReggae é uma organização que luta pela transformação social e, através da cultura e da arte, desperta potencialidades artísticas que elevam a autoestima de jovens

Leia mais

Relatório Estadual de Acompanhamento - 2008. Relatório Estadual de Acompanhamento 2008 Objetivos de Desenvolvimento do Milênio

Relatório Estadual de Acompanhamento - 2008. Relatório Estadual de Acompanhamento 2008 Objetivos de Desenvolvimento do Milênio Relatório Estadual de Acompanhamento 2008 Objetivos de Desenvolvimento do Milênio 1- Erradicar a extrema pobreza e a fome Meta 1: Reduzir pela metade, entre 1990 e 2015, a proporção da população com renda

Leia mais

Palavras-chave: HIV/AIDS; Velhice; Crenças; Vulnerabilidade.

Palavras-chave: HIV/AIDS; Velhice; Crenças; Vulnerabilidade. AIDS É UMA DOENÇA DE JOVENS : VULNERABILIDADE AO HIV/AIDS EM PESSOAS NA MATURIDADE E VELHICE Josevânia da Silva; Katharine Silva Fontes; Ana Alayde Werba Saldanha Universidade Federal da Paraíba, João

Leia mais

A cara viva da AIDS pós coquetel: a representação social da doença no século XXI.

A cara viva da AIDS pós coquetel: a representação social da doença no século XXI. A cara viva da AIDS pós coquetel: a representação social da doença no século XXI. Lissandra Queiroga Ramos * Introdução: Devido ao grau de complexidade do debate acerca da AIDS, desde os anos 1980, pensar

Leia mais

Sexo Seguro, Teste de HIV, Sifilis, DST e PEP Informações nesta lingua (Portugues) para homens que fazem Sexo com homens SABER

Sexo Seguro, Teste de HIV, Sifilis, DST e PEP Informações nesta lingua (Portugues) para homens que fazem Sexo com homens SABER X8@ www.gay health network.ie Sexo Seguro, Teste de HIV, Sifilis, DST e PEP Informações nesta lingua (Portugues) para homens que fazem Sexo com homens SABER Informação para teste de HIV para homens gay

Leia mais

Feminização traz desafios para prevenção da infecção

Feminização traz desafios para prevenção da infecção Feminização traz desafios para prevenção da infecção Por Carolina Cantarino e Paula Soyama A epidemia de Aids no Brasil, em seu início, na década de 1980, se caracterizava por afetar mais os homens. Acreditava-se

Leia mais

O Protagonismo Feminino: Momentos de Prevenção á Saúde. segunda-feira, 19 de março de 12

O Protagonismo Feminino: Momentos de Prevenção á Saúde. segunda-feira, 19 de março de 12 O Protagonismo Feminino: Momentos de Prevenção á Saúde CENTRO DE APOIO SOLIDARIED AIDS É organização da sociedade civil, sem fins lucrativos fundada em 1996. Objetivo: Apoiar, atender, prevenir e promover

Leia mais

O Sr. CELSO RUSSOMANNO (PP-SP) pronuncia o. seguinte discurso: Senhor Presidente, Senhoras e Senhores

O Sr. CELSO RUSSOMANNO (PP-SP) pronuncia o. seguinte discurso: Senhor Presidente, Senhoras e Senhores O Sr. CELSO RUSSOMANNO (PP-SP) pronuncia o seguinte discurso: Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, transcorreram já mais de duas décadas desde que a Síndrome da Imunodeficiência Adquirida

Leia mais

1948 Lista os direitos e deveres fundamentais de todo ser humano. 1959 Estabelece direitos universais das crianças.

1948 Lista os direitos e deveres fundamentais de todo ser humano. 1959 Estabelece direitos universais das crianças. LEVANTAMENTO DOS MARCOS LÓGICOS E LEGAIS DO PROGRAMA NACIONAL DE DST E AIDS PNDST-AIDS 1. Marcos Lógicos NORMATIVAS INTERNACIONAIS DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS 1948 Lista os direitos e deveres

Leia mais

PERFIL SOCIOECONÔMICO DOS USUÁRIOS DA REDE NACIONAL DE PESSOAS VIVENDO E CONVIVENDO COM HIV/AIDS NÚCLEO DE CAMPINA GRANDE- PB

PERFIL SOCIOECONÔMICO DOS USUÁRIOS DA REDE NACIONAL DE PESSOAS VIVENDO E CONVIVENDO COM HIV/AIDS NÚCLEO DE CAMPINA GRANDE- PB PERFIL SOCIOECONÔMICO DOS USUÁRIOS DA REDE NACIONAL DE PESSOAS VIVENDO E CONVIVENDO COM HIV/AIDS NÚCLEO DE CAMPINA GRANDE- PB Elizângela Samara da Silva 1, Anna Marly Barbosa de Paiva 2, Adália de Sá Costa

Leia mais

Aids e Mídia construção da cidadania. Aids e Mídia construção da cidadania. Marília de Almeida

Aids e Mídia construção da cidadania. Aids e Mídia construção da cidadania. Marília de Almeida Aids e Mídia construção da cidadania Marília de Almeida Este artigo analisa a abordagem feita pelo jornal O Popular sobre a Aids durante a década de 1980, início de 1990 e atualmente. O objetivo é entender

Leia mais

Influências no comportamento sexual dos universitários: o uso do preservativo.

Influências no comportamento sexual dos universitários: o uso do preservativo. Influências no comportamento sexual dos universitários: o uso do preservativo. CUNHA, E. V. & SILVA, L. L. 1 Resumo A influência de campanhas da AIDS sobre o comportamento sexual dos jovens é algo ainda

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br Transmissão voluntária do vírus da AIDS e suas consequências penais Gecivaldo Vasconcelos Ferreira 1. Comentário preambular A contaminação voluntária de terceiros por pessoas infectadas

Leia mais

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 TEMÁTICA: EDUCAÇÃO, QUESTÃO DE GÊNERO E DIVERSIDADE EDUCAÇÃO

Leia mais

Aids e Mídia A Construção da Cidadania 1 Marília de Almeida e Almeida 2 Universidade Federal de Goiás, Goiânia, Goiás

Aids e Mídia A Construção da Cidadania 1 Marília de Almeida e Almeida 2 Universidade Federal de Goiás, Goiânia, Goiás Aids e Mídia A Construção da Cidadania 1 Marília de Almeida e Almeida 2 Universidade Federal de Goiás, Goiânia, Goiás Resumo É dever de todo profissional da comunicação defender os direitos do cidadão,

Leia mais

AUTOR(ES): JESSICA LOPES DE SOUZA, BRUNA KASAKEVICIUS ARCARI, EDPAULA BATISTA DE SOUZA, GRAZIELE SILVA ALESSANDRO

AUTOR(ES): JESSICA LOPES DE SOUZA, BRUNA KASAKEVICIUS ARCARI, EDPAULA BATISTA DE SOUZA, GRAZIELE SILVA ALESSANDRO TÍTULO: AIDS E HIV: INORMAÇÃO, COMPREENSÃO E ATITUDE DOS IDOSOS. CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PSICOLOGIA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU AUTOR(ES): JESSICA LOPES

Leia mais

EM TORNO DA ESPECIALIDADE MÉDICA: DESVIO DE COMPORTAMENTO?

EM TORNO DA ESPECIALIDADE MÉDICA: DESVIO DE COMPORTAMENTO? EM TORNO DA ESPECIALIDADE MÉDICA: DESVIO DE COMPORTAMENTO? Sonia Maria Costa Barbosa* Algumas palavras necessitam ser ditas a respeito da postura do profissional da Medicina. Há muitos anos esse profissional

Leia mais

VAMOS FALAR SOBRE. AIDS + DSTs

VAMOS FALAR SOBRE. AIDS + DSTs VAMOS FALAR SOBRE AIDS + DSTs AIDS A AIDS (Síndrome da Imunodeficiência Adquirida) atinge indiscriminadamente homens e mulheres e tem assumido proporções assustadoras desde a notificação dos primeiros

Leia mais

29 DE JANEIRO DIA NACIONAL DA VISIBILIDADE DE TRAVESTIS E TRANSEXUAIS. Jaqueline Gomes de Jesus* 1

29 DE JANEIRO DIA NACIONAL DA VISIBILIDADE DE TRAVESTIS E TRANSEXUAIS. Jaqueline Gomes de Jesus* 1 29 DE JANEIRO DIA NACIONAL DA VISIBILIDADE DE TRAVESTIS E TRANSEXUAIS Jaqueline Gomes de Jesus* 1 Uma história única cria estereótipos, e o problema com os estereótipos não é que eles sejam mentirosos,

Leia mais

O retrato do comportamento sexual do brasileiro

O retrato do comportamento sexual do brasileiro O retrato do comportamento sexual do brasileiro O Ministério da Saúde acaba de concluir a maior pesquisa já realizada sobre comportamento sexual do brasileiro. Entre os meses de setembro e novembro de

Leia mais

ANÁLISE DO PERFIL IMUNOLÓGICO E VIRAL DOS PACIENTES HIV/AIDS ATENDIDOS NA UNIDADE DE SAÙDE JUNDIAÍ EM ANÁPOLIS GOIAS ENTRE OS ANOS 2002 E 2006.

ANÁLISE DO PERFIL IMUNOLÓGICO E VIRAL DOS PACIENTES HIV/AIDS ATENDIDOS NA UNIDADE DE SAÙDE JUNDIAÍ EM ANÁPOLIS GOIAS ENTRE OS ANOS 2002 E 2006. 1 ANÁLISE DO PERFIL IMUNOLÓGICO E VIRAL DOS PACIENTES HIV/AIDS ATENDIDOS NA UNIDADE DE SAÙDE JUNDIAÍ EM ANÁPOLIS GOIAS ENTRE OS ANOS 2002 E 2006. Adriana Paim da Silva 1,2 ; Andrea Brígida de Souza 1,2

Leia mais

SITUAÇÃO DO HIV/AIDS NO BRASIL E OS FATORES QUE INFLUENCIAM A INFECÇÃO

SITUAÇÃO DO HIV/AIDS NO BRASIL E OS FATORES QUE INFLUENCIAM A INFECÇÃO SITUAÇÃO DO HIV/AIDS NO BRASIL E OS FATORES QUE INFLUENCIAM A INFECÇÃO Jader Dornelas Neto 1 ; Daniel Antonio Carvalho dos Santos 2 ; Guilherme Elcio Zonta 3 ; Simone Martins Bonafé 4 RESUMO: O objetivo

Leia mais

Combater o HIV/Aids, a malária e outras doenças

Combater o HIV/Aids, a malária e outras doenças Combater o HIV/Aids, a malária e outras doenças META Até 2015, ter detido a propagação do HIV/Aids e começado a inverter a tendência atual. 6a META Alcançar, até, o acesso universal ao tratamento para

Leia mais

O GÊNERO FEMININO E AS FORMAS DE PREVENÇÃO DO HIV/AIDS

O GÊNERO FEMININO E AS FORMAS DE PREVENÇÃO DO HIV/AIDS O GÊNERO FEMININO E AS FORMAS DE PREVENÇÃO DO HIV/AIDS MARIA THEREZA ÁVILA DANTAS COELHO 1 VANESSA PRADO DOS SANTOS 2 GLEICE KELLY SANTOS ALMEIDA 3 RESUMO O objetivo deste trabalho é discutir as mudanças

Leia mais

AS TRANSFORMAÇÕES DO SIGNIFICADO DA AIDS PARA AS MULHERES PORTADORAS DO VÍRUS E O OLHAR DA PSICOLOGIA SOBRE ESTE PROCESSO.

AS TRANSFORMAÇÕES DO SIGNIFICADO DA AIDS PARA AS MULHERES PORTADORAS DO VÍRUS E O OLHAR DA PSICOLOGIA SOBRE ESTE PROCESSO. AS TRANSFORMAÇÕES DO SIGNIFICADO DA AIDS PARA AS MULHERES PORTADORAS DO VÍRUS E O OLHAR DA PSICOLOGIA SOBRE ESTE PROCESSO. Kadidja Suelen de Lucena Santos 1 Julianne Dantas de Oliveira Pimentel 2 Michele

Leia mais

HELOISA MARIA LESSA MARA REGINA PALANDI COMPREENDENDO A AIDS: DÚVIDAS E CERTEZAS PROVISÓRIAS. Orientadora: Fernanda Bertoldo

HELOISA MARIA LESSA MARA REGINA PALANDI COMPREENDENDO A AIDS: DÚVIDAS E CERTEZAS PROVISÓRIAS. Orientadora: Fernanda Bertoldo HELOISA MARIA LESSA MARA REGINA PALANDI COMPREENDENDO A AIDS: DÚVIDAS E CERTEZAS PROVISÓRIAS Orientadora: Fernanda Bertoldo Caxias do Sul 2008 2 HELOISA MARIA LESSA MARA REGINA PALANDI COMPREENDENDO A

Leia mais

ANÁLISE DA PESQUISA DE CONHECIMENTOS, ATITUDES E PRÁTICAS NA POPULAÇÃO CAMPOGRANDENSE.

ANÁLISE DA PESQUISA DE CONHECIMENTOS, ATITUDES E PRÁTICAS NA POPULAÇÃO CAMPOGRANDENSE. ANÁLISE DA PESQUISA DE CONHECIMENTOS, ATITUDES E PRÁTICAS NA POPULAÇÃO CAMPOGRANDENSE. GISELE MARIA BRANDÃO DE FREITAS 1 INTRODUÇÃO Campo Grande é um município brasileiro, capital do estado de Mato Grosso

Leia mais

Cuidando da Minha Criança com Aids

Cuidando da Minha Criança com Aids Cuidando da Minha Criança com Aids O que é aids/hiv? A aids atinge também as crianças? Como a criança se infecta com o vírus da aids? Que tipo de alimentação devo dar ao meu bebê? Devo amamentar meu bebê

Leia mais

Campanha DST 1. Enzo Maymone COUTO 2 Eduardo Perotto BIAGI 3 Universidade Católica Dom Bosco, Campo Grande, MS

Campanha DST 1. Enzo Maymone COUTO 2 Eduardo Perotto BIAGI 3 Universidade Católica Dom Bosco, Campo Grande, MS Campanha DST 1 Enzo Maymone COUTO 2 Eduardo Perotto BIAGI 3 Universidade Católica Dom Bosco, Campo Grande, MS RESUMO: Este trabalho foi realizado na disciplina de Criação II do curso de Comunicação Social

Leia mais

PRÁTICA DISCURSIVA, PRÁTICA SOCIAL O NÃO DITO EM CARTAZES DE CAMPANHA CONTRA AIDS. 1. Palavras- Chaves: AIDS Análise do Discurso- Heteronormatividade

PRÁTICA DISCURSIVA, PRÁTICA SOCIAL O NÃO DITO EM CARTAZES DE CAMPANHA CONTRA AIDS. 1. Palavras- Chaves: AIDS Análise do Discurso- Heteronormatividade PRÁTICA DISCURSIVA, PRÁTICA SOCIAL O NÃO DITO EM CARTAZES DE CAMPANHA CONTRA AIDS. 1 Camila do Nascimento Carmo 2 Resumo O aparecimento da AIDS provocou um clima de grande pânico coletivo na sociedade.

Leia mais

INCIDÊNCIA DE AIDS NA POPULAÇÃO IDOSA DO BRASIL

INCIDÊNCIA DE AIDS NA POPULAÇÃO IDOSA DO BRASIL INCIDÊNCIA DE AIDS NA POPULAÇÃO IDOSA DO BRASIL Tacilla Maria Rodrigues Pereira¹(tacilla90@hotmail.com) Milene Evaristo Pereira¹(Milene.trab@gmail.com) Nicole Cristine Diniz de Medeiros Dutra¹ (nicole_dutra@hotmail.com)

Leia mais

O que são DSTs? Gonorréia e/ou Uretrites não Gonocócicas, Tricomoníase, Candidíase.

O que são DSTs? Gonorréia e/ou Uretrites não Gonocócicas, Tricomoníase, Candidíase. O que são DSTs? DSTs significa, doenças sexualmente transmissíveis, que são passadas nas relações sexuais com pessoas que estejam com essas doenças. São DSTs, a gonorréia, a sífilis, a clamídia, o herpes

Leia mais

Edital XVIII CONCURSO DE PROJETOS ELAS Fundo de Investimento Social

Edital XVIII CONCURSO DE PROJETOS ELAS Fundo de Investimento Social Edital XVIII CONCURSO DE PROJETOS ELAS Fundo de Investimento Social O XVIII Concurso do ELAS Fundo de Investimento Social, em parceria com a MAC AIDS Fund, visa fortalecer, por meio de apoio técnico e

Leia mais

Jornalismo Cidadão: o voluntariado no aprendizado com a AIDS 1

Jornalismo Cidadão: o voluntariado no aprendizado com a AIDS 1 Jornalismo Cidadão: o voluntariado no aprendizado com a AIDS 1 Juliana Paul MOSTARDEIRO 2 Rondon Martim Souza de CASTRO 3 Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, RS. RESUMO O Projeto Jornalismo

Leia mais

2- ORIENTE-se com o seu professor(a) sobre a ordem das questões que serão realizadas;

2- ORIENTE-se com o seu professor(a) sobre a ordem das questões que serão realizadas; ATIVIDADE 3 Ensino Fundamental 8º e 9º anos Língua Portuguesa Conteúdo: Atividade do livro Que rock é esse?. Caros alunos, Esta é uma atividade sobre o livro Que rock é esse?. Os procedimentos necessários

Leia mais

Número de casos de aids em pessoas acima de 60 anos é extremamente preocupante

Número de casos de aids em pessoas acima de 60 anos é extremamente preocupante 22 Entrevista Número de casos de aids em pessoas acima de 60 anos é extremamente preocupante Texto: Guilherme Salgado Rocha Fotos: Denise Vida O psicólogo Nilo Martinez Fernandes, pesquisador da Fundação

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº / 2007 (do Deputado Sandes Júnior PP/GO)

PROJETO DE LEI Nº / 2007 (do Deputado Sandes Júnior PP/GO) PROJETO DE LEI Nº / 2007 (do Deputado Sandes Júnior PP/GO) Dispõe sobre a oferta de outras opções no combate as Doenças Sexualmente Transmissíveis DST e AIDS além do uso dos preservativos, como forma de

Leia mais

Novos e velhos medos: a nova peste, SIDA/HIV

Novos e velhos medos: a nova peste, SIDA/HIV Novos e velhos medos: a nova peste, SIDA/HIV VIH é a sigla para Vírus da Imunodeficiência Humana. HIV é a sigla para Human ImmunodeficiencyVirus. SIDA significa Síndrome da Imunodeficiência Humana Adquirida.

Leia mais

ATIVIDADE INVESTIGATIVA COMO ESTRATÉGIA DE ENSINO SOBRE DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS

ATIVIDADE INVESTIGATIVA COMO ESTRATÉGIA DE ENSINO SOBRE DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS ATIVIDADE INVESTIGATIVA COMO ESTRATÉGIA DE ENSINO SOBRE DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS Kátya Danielle de Freitas¹ Mayron Henrique de Morais¹ Taize Cristina Fonseca¹ Catarina Teixeira² ¹ Alunos do curso

Leia mais

SEXUALIDADE ADOLESCENTE E VULNERABILIDADE AO HIV

SEXUALIDADE ADOLESCENTE E VULNERABILIDADE AO HIV SEXUALIDADE ADOLESCENTE E VULNERABILIDADE AO HIV FAHEYNA ARAGÃO RODRIGUES FERREIRA - Graduanda em Psicologia / Departamento de Psicologia - UFPB; e-mail: faheyna@hotmail.com LAUDICÉIA RAMALHO DIONÍSIO

Leia mais

OFICINA: SEXUALIDADE

OFICINA: SEXUALIDADE OFICINA: SEXUALIDADE Daniele Costa Tatiane Fontoura Garcez APRESENTAÇÃO A oficina tem como tema a Sexualidade, será realizado no Instituto Estadual de Educação Bernardino Ângelo, no dia 25/08/2014, segunda-feira,

Leia mais

A PERFORMATIVIDADE DE GÊNERO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: PROBLEMÁTICAS E PROPOSIÇÕES NA CONSTITUIÇÃO DE LIVROS DIDÁTICOS

A PERFORMATIVIDADE DE GÊNERO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: PROBLEMÁTICAS E PROPOSIÇÕES NA CONSTITUIÇÃO DE LIVROS DIDÁTICOS A PERFORMATIVIDADE DE GÊNERO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: PROBLEMÁTICAS E PROPOSIÇÕES NA CONSTITUIÇÃO DE LIVROS DIDÁTICOS OLIVEIRA, Márcio de (UEM) MAIO, Eliane Rose (UEM) INTRODUÇÃO A proposta central desse

Leia mais

coleção Conversas #10 - junho 2014 - Respostas que podem estar sendo feitas para algumas perguntas Garoto de Programa por um.

coleção Conversas #10 - junho 2014 - Respostas que podem estar sendo feitas para algumas perguntas Garoto de Programa por um. coleção Conversas #10 - junho 2014 - Eu sou Estou garoto num de programa. caminho errado? Respostas para algumas perguntas que podem estar sendo feitas Garoto de Programa por um. A Coleção CONVERSAS da

Leia mais

Briefing. Boletim Epidemiológico 2010

Briefing. Boletim Epidemiológico 2010 Briefing Boletim Epidemiológico 2010 1. HIV Estimativa de infectados pelo HIV (2006): 630.000 Prevalência da infecção (15 a 49 anos): 0,61 % Fem. 0,41% Masc. 0,82% 2. Números gerais da aids * Casos acumulados

Leia mais

Os Sentidos da Prevenção à Aids na Contemporaneidade

Os Sentidos da Prevenção à Aids na Contemporaneidade Os Sentidos da Prevenção à Aids na Contemporaneidade Congresso de Prevenção à Aids e de Saúde Sexual e Reprodutiva (Gapa-Bahia) Salvador, 19.03.07 Cristina Câmara Contexto social da aids no Brasil Democratização

Leia mais

Instituto de Higiene e Medicina Tropical/IHMT. Fundação Luso Americana para o Desenvolvimento/FLAD. Fundação Portugal - África

Instituto de Higiene e Medicina Tropical/IHMT. Fundação Luso Americana para o Desenvolvimento/FLAD. Fundação Portugal - África Instituto de Higiene e Medicina Tropical/IHMT APOIO: Fundação Luso Americana para o Desenvolvimento/FLAD Casa de Cultura da Beira/CCB CERjovem ATENÇAÕ MULHER MENINA! Fundação Portugal - África RESPOSTAS

Leia mais

DSTS - Doenças Sexualmente Transmissíveis. Alunas : Manuella Barros / Anna Morel /Elaine Viduani.

DSTS - Doenças Sexualmente Transmissíveis. Alunas : Manuella Barros / Anna Morel /Elaine Viduani. DSTS - Doenças Sexualmente Transmissíveis Alunas : Manuella Barros / Anna Morel /Elaine Viduani. O que são DSTS? São as doenças sexualmente transmissíveis (DST), são transmitidas, principalmente, por contato

Leia mais

Carrefour Guarujá. O que é DST? Você sabe como se pega uma DST? Você sabe como se pega uma DST? Enfermeira Docente

Carrefour Guarujá. O que é DST? Você sabe como se pega uma DST? Você sabe como se pega uma DST? Enfermeira Docente Carrefour Guarujá Bárbara Pereira Quaresma Enfermeira Docente Enfª Bárbara Pereira Quaresma 2 O que é DST? Toda doença transmitida através de relação sexual. Você sabe como se pega uma DST? SEXO VAGINAL

Leia mais

A se acreditar no testemunho de seus contemporâneos, Maria Guilhermina Loureiro

A se acreditar no testemunho de seus contemporâneos, Maria Guilhermina Loureiro CONSIDERAÇÕES FINAIS A se acreditar no testemunho de seus contemporâneos, Maria Guilhermina Loureiro de Andrade foi uma mulher bastante conhecida na sociedade brasileira, pelo menos entre a imprensa e

Leia mais

Acesso Público a Informação de Saúde

Acesso Público a Informação de Saúde Acesso Público a Informação de Saúde Módulo HIV/AIDS O que é HIV/AIDS? HIV (Human Immunodeficiency Virus Vírus da Imuno Deficiência Humana) AIDS (Acquired Immune Deficiency Syndrome Síndrome da Imuno Deficiência

Leia mais

Adolescentes e jovens preparados para tomar suas próprias decisões reprodutivas

Adolescentes e jovens preparados para tomar suas próprias decisões reprodutivas Adolescentes e jovens preparados para tomar suas próprias decisões reprodutivas Andrea da Silveira Rossi Brasília, 15 a 18 out 2013 Relato de adolescentes e jovens vivendo com HIV Todo adolescente pensa

Leia mais

Resumo executivo do Livro "Crianças Invisíveis - O enfoque da imprensa sobre o Trabalho Infantil Doméstico e outras formas de exploração"

Resumo executivo do Livro Crianças Invisíveis - O enfoque da imprensa sobre o Trabalho Infantil Doméstico e outras formas de exploração ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO - OIT PROGRAMA INTERNACIONAL PARA A ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL IPEC Resumo executivo do Livro "Crianças Invisíveis - O enfoque da imprensa sobre o Trabalho Infantil

Leia mais

FEMINIZAÇÃO DO HIV/AIDS: UMA ANÁLISE (PERFIL) JUNTO A REDE NACIONAL DE PESSOAS VIVENDO E CONVIVENDO COM HIV/AIDS NÚCLEO CAMPINA GRANDE PB

FEMINIZAÇÃO DO HIV/AIDS: UMA ANÁLISE (PERFIL) JUNTO A REDE NACIONAL DE PESSOAS VIVENDO E CONVIVENDO COM HIV/AIDS NÚCLEO CAMPINA GRANDE PB FEMINIZAÇÃO DO HIV/AIDS: UMA ANÁLISE (PERFIL) JUNTO A REDE NACIONAL DE PESSOAS VIVENDO E CONVIVENDO COM HIV/AIDS NÚCLEO CAMPINA GRANDE PB Elizângela Samara da Silva 1 Adália de Sá Costa 2 Anna Marly Barbosa

Leia mais