ANÁLISE DO PERFIL IMUNOLÓGICO E VIRAL DOS PACIENTES HIV/AIDS ATENDIDOS NA UNIDADE DE SAÙDE JUNDIAÍ EM ANÁPOLIS GOIAS ENTRE OS ANOS 2002 E 2006.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANÁLISE DO PERFIL IMUNOLÓGICO E VIRAL DOS PACIENTES HIV/AIDS ATENDIDOS NA UNIDADE DE SAÙDE JUNDIAÍ EM ANÁPOLIS GOIAS ENTRE OS ANOS 2002 E 2006."

Transcrição

1 1 ANÁLISE DO PERFIL IMUNOLÓGICO E VIRAL DOS PACIENTES HIV/AIDS ATENDIDOS NA UNIDADE DE SAÙDE JUNDIAÍ EM ANÁPOLIS GOIAS ENTRE OS ANOS 2002 E Adriana Paim da Silva 1,2 ; Andrea Brígida de Souza 1,2 ; Keila Correia de Alcântara 2,3. 1. Voluntária Iniciação Científica PVIC/ UEG 2. Curso de Farmácia, Unidade Universitária de Ciências Exatas e Tecnológicas, UEG. 3. Profª. Orientadora. RESUMO - A aids destaca-se entre as enfermidades infecciosas emergentes pelos danos causados às populações, pois o HIV compromete o sistema imunológico. O objetivo deste estudo foi avaliar a condição clínica e os perfis imunológico e viral dos pacientes HIV/aids atendidos na Unidade de Saúde Jundiaí, em Anápolis Goiás entre os anos 2002 e Realizou-se análise retrospectiva dos prontuários médicos. Dos 246 prontuários observados, 97 foram analisados estatisticamente e constatado que 45% dos pacientes eram do sexo feminino, sendo a maioria solteira (35%). A via sexual foi a categoria de exposição predominante (84,5%). Na data do diagnóstico, a maioria dos pacientes era sintomática (n=73) e dos 19 pacientes assintomáticos, 18 evoluíram para aids. A mediana da carga viral era de cópias/ml e as medianas dos níveis de CD4 e CD8 foram de 221 células/mm 3 e 808,5 células/mm 3, respectivamente. Com o tratamento, a mediana dos níveis de CD4 aumentou (328 células/mm 3 ) e a mediana da carga viral diminuiu (50 cópias/ml). A terapia anti-retroviral mais utilizada foi a associação ITRN + IP, contudo, a associação ITRN + ITRNN foi a mais eficaz. A maioria dos pacientes em Anápolis tem feito o diagnóstico já apresentando sintomas da doença o que representa a disseminação do vírus inconscientemente e a adesão ao tratamento parece ser satisfatória, pois tem atingido a redução da viremia e preservação do sistema imune do paciente. Palavras-chave: HIV, CD4 +, Carga Viral. Introdução A Síndrome da Imunodeficiência Adquirida ou Acquired Immuno Deficiency Syndrome (AIDS) é uma doença infecciosa causada pelo vírus da imunodeficiência humana, conhecido como HIV (Human Immunodeficiency Virus), um vírus pertencente à classe dos

2 2 retrovírus (SOUZA; ALMEIDA, 2003). O HIV tem uma forma esférica, é envolvido por uma bicamada lipídica e na parte mais interna encontra-se dois filamentos simples de RNA (genoma viral) e três enzimas essenciais: p51 (transcriptase reversa), p11 (protease) e p31 (integrase) (MELO; BRUNI; FERREIRA, 2006). No Brasil, desde a identificação do primeiro caso de aids até junho de 2006, cerca de 433 mil casos de aids foram notificados ao Ministério da Saúde. A região Centro-Oeste contribui com casos de aids notificados, destes no estado de Goiás, sendo que o município de Anápolis ocupa a terceira colocação no estado de Goiás em relação ao número de casos de aids acumulados até 2006 (BRASIL, 2007). Assim, tendo em vista o número de pessoas infectadas pelo HIV no Brasil e na região Centro-Oeste, há uma necessidade de se conhecer a realidade de assistência aos pacientes HIV/aids em nível local, bem como a importância de se analisar os níveis de Linfócitos T CD4 +, T CD8 + e a carga viral destes pacientes. Este estudo se justifica em conhecer mais detalhadamente o tema infecção pelo HIV em pacientes que não são atendidos em grandes centros urbanos, e contribuir para o estabelecimento de tratamento adequado garantindo maior qualidade de vida e diminuindo a morbimortalidade por HIV nesta região. Baseado neste dado, este estudo tem como objetivo geral avaliar o perfil imunológico e viral dos pacientes HIV/aids atendidos na Unidade de Saúde Jundiaí, em Anápolis Goiás entre os anos 2002 e Além disso, o estudo apresenta como objetivos específicos: analisar a condição clínica, imunológica e viral dos pacientes atendidos na Unidade de Saúde Jundiaí, em Anápolis Goiás entre os anos de 2002 e 2006; identificar se os pacientes eram sintomáticos ou assintomáticos na data do diagnóstico da infecção pelo HIV e nas repetições periódicas dos exames de carga viral e contagem de Linfócitos T CD4 + e T CD8 +, identificar a categoria de exposição e verificar a eficácia do tratamento anti-retroviral nestes pacientes. Material e Métodos O presente estudo foi aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa Médica Humana da Sociedade Goiana de Cultura/Universidade Católica de Goiás (CEPMH-SGC/UCG). Após a aprovação do projeto de pesquisa pelo CEPMH-SGC/UCG (CAAE ), os 246 prontuários médicos necessários para o desenvolvimento deste estudo puderam ser acessados. Todos os pacientes com diagnóstico de infecção por HIV conclusivo por técnicas sorológicas convencionais e que estavam em tratamento na Unidade de Saúde Jundiaí, em Anápolis Goiás desde de 2002 a 2006, independente de sexo e idade foram inclusos no estudo. Pacientes que deram entrada no Programa DST/aids na Unidade de Saúde Jundiaí,

3 3 em Anápolis Goiás devido à transferência de endereço, também tiveram seus prontuários analisados para a identificação das variáveis propostas neste estudo. Estes dados foram coletados após o consentimento livre e informado da direção técnica da Unidade de Saúde Jundiaí, em Anápolis Goiás. Foi realizada uma análise retrospectiva mediante estudo sistemático dos prontuários médicos dos pacientes atendidos nesta Unidade de Saúde. Estes prontuários foram analisados por ordem alfabética, de maneira que nenhum prontuário deixou de ser analisado. Foram obtidas informações sobre resultados laboratoriais referentes à quantificação de Carga Viral e de linfócitos T CD4 + e CD8 +, a terapia anti-retroviral administrada, situação clínica (se os pacientes eram HIV positivo ou aids na época do diagnóstico e nas repetições periódicas dos exames de carga viral e contagem de subpopulações linfocitárias CD4 e CD8 - realizados no último ano de acompanhamento do paciente), além de dados sócio-epidemiológicos. Resultados e Discussão Foram analisados 246 prontuários médicos dos pacientes HIV/aids, porém pela falta de informações presentes, somente 97 prontuários puderam ser analisados estatisticamente. Destes prontuários, 45% (n=44) dos pacientes eram do sexo feminino, confirmando o processo de feminização da aids nos últimos anos (SENISE; FILHO, 2006). A categoria de exposição predominante foi a relação sexual com 84,5%, sendo que deste, 13,2% de casos ocorreu entre indivíduos masculinos homossexuais e 7,6% entre indivíduos masculinos bissexuais. Índice semelhante a esse foi coletado em estudo realizado no estado de Goiás, no período de 1990 a 2001, em que a taxa de transmissão através da prática sexual foi de 82,7% e as taxas de casos notificados entre indivíduos masculinos homossexuais e bissexuais foram de 13,5% e 8,3%, respectivamente (PEREIRA, 2005). A faixa etária dos pacientes variou de 19 a 74 anos, com uma mediana de 39 anos, confirmando o envelhecimento da faixa etária verificado na última década (MELO; BRUNI; FERREIRA, 2006). A maioria (n=34) dos pacientes era solteira e 31% dos pacientes (n=30) eram casados. Destes casados, 15,5% (n=15) eram mulheres e destas 13,4% relataram apenas contato sexual (n=13). Apesar de não se poder afirmar qual o tipo de comportamento dos casais, estudos relataram que nos relacionamentos sexuais, as mulheres em sua maioria tendem a manter relações exclusivas com seus parceiros e por acreditarem na exclusividade como parceiras sexuais, estas não vêem nos seus parceiros um risco para infecção pelo HIV (PRAÇA; LATORRE, 2003).

4 4 Apenas 10,3% afirmaram ser usuários de drogas injetáveis e 21,6% afirmaram já terem realizado transfusão sanguínea, entretanto não se pode afirmar que tais pacientes tenham contaminado por estas vias (AIDSBRASIL, 2004). Avaliando o perfil imunológico dos pacientes HIV/aids na data do diagnóstico, observou-se que a mediana dos níveis de CD4 (n=91) foi 221 células/mm 3, com desvio padrão de 245,32. Já a mediana dos níveis de CD8 (n=86) foi 808,5 células/mm 3, com um desvio padrão de 537,21. Após o início do tratamento a mediana dos níveis de CD4 elevou-se para 328,5 células/mm 3 (n=94), o desvio padrão foi de 207,72. A mediana dos níveis de CD8 (n=94) permaneceu estável (828,5 células/mm 3 ), com desvio padrão de 529,06. Um fator que pode estar envolvido no aumento do número de linfócitos T CD + 4 pode ser a utilização correta dos medicamentos anti-retrovirais (GOLDSBY; KINDT; OSBORNE, 2002). Quanto ao perfil viral destes pacientes foi possível notar que em relação à primeira quantificação de carga viral (n= cópias/ml) a mediana diminuiu significativamente (n=50 cópias/ml) após a introdução do esquema anti-retroviral, o que leva a crer que houve uma adesão adequada. Indivíduos com carga viral abaixo de 350 cópias/ml foram considerados sintomáticos. Baseado neste critério constatou-se que a maioria (n=73) dos pacientes infectados pelo HIV era sintomática na data do diagnóstico. O esquema anti-retroviral inicial mais utilizado foi a associação de Inibidores da transcriptase reversa análogos de nucleosídeos (ITRN) e Inibidores de protease (IP). Os esquemas incluindo dois ITRN e um ou dois IP possuem eficácia demonstrada, porém, a maioria desses regimes possui muitos efeitos colaterais, o que torna mais difícil a adesão ao tratamento. Talvez por estes motivos e a capacidade do HIV adquirir resistência à classe de inibidores de protease (RACHID & SCHECHTER, 2005; BRASIL, 2007), é que foi observado neste estudo, que a terapia combinada do ITRN + IP foi a menos eficaz, uma vez que a diferença entre a média da carga viral antes e após o tratamento foi menor (572,32 cópias/ml) quando comparada com os pacientes que fizeram monoterapia com ITRN (612,35 cópias/ml) e aqueles que fizeram o uso associado de ITRN e dos não análogos (ITRNN) (906,86 cópias/ml). Portanto, o melhor esquema antiretroviral entre os pacientes analisados foi a associação entre ITRN e ITRNN o que pode ser justificado por Rachid & Schechter (2005), que afirmam que a associação de ITRN + ITRNN é um regime relativamente simples e potente, além de ser geralmente bem mais tolerado que a maioria dos esquemas que incluem inibidores de protease.

5 5 Conclusão A análise dos 97 prontuários médicos dos pacientes HIV/aids atendidos pelo Programa DST/aids na Unidade de Saúde Jundiaí em Anápolis - Goiás, no período entre 2002 a 2006, demonstrou que a proporção homem/mulher está muito próxima a 1:1, caracterizando o processo de feminização da doença. A idade mediana encontrada foi de 39 anos, tendo a exposição sexual como a principal forma de contágio pelo HIV. Apesar da prevalência da heterossexualização, ainda existe neste município uma pequena concentração da categoria de exposição homossexual/bissexual, o que contribui para o aumento da incidência dos casos de aids. Percebeu-se que na época do diagnóstico, a maioria dos pacientes (75,2%) era sintomática. Diante desta constatação, verifica-se a importância da descoberta rápida da doença, pois a pessoa infectada além de transmitir o vírus, enfraquece seu sistema imunológico, ficando vulnerável a doenças oportunistas. Neste estudo, também se pôde verificar que o esquema ITRN + ITRNN foi o mais eficaz, pois foi capaz de controlar a doença, evitar o comprometimento do sistema imunitário e impedir o desenvolvimento/agravamento de doenças oportunistas, diminuindo assim as internações hospitalares e os óbitos secundários à aids. A adesão é um fator essencial ao tratamento e é muito importante para que a carga viral permaneça indetectável e obtenham-se aumentos na contagem de linfócitos T CD4 +, proporcionando aos pacientes infectados pelo HIV uma maior sobrevida e melhor qualidade de vida. Portanto, a aids constitui-se um importante problema de saúde pública. O crescente número de indivíduos infectados pelo HIV contribui diretamente para o aumento de casos de doenças oportunistas, o que acarreta na necessidade de um maior investimento do governo no nível de saúde pública não somente nos grandes centros urbanos, mas também nas cidades do interior, para que os pacientes possam ser assistidos na sua cidade de origem. Referências Bibliográficas 1. AIDSBRASIL Disponível em: <http//www.aidsbrasil.com>. Acesso em: 3 de mar BRASIL. Ministério da Saúde. Área Técnica. Brasília, DF, Disponível em: <www.aids.gov.br>. Acesso em: 10 ago GOLDSBY, R. A.; KINDT, T. J.; OSBORNE, B.A. Kuby imunologia. 4. ed. Rio de Janeiro: Revinter, 2002.

6 4. MELO, E. B.; BRUNI, A. T.; FERREIRA, M. M. C. Inibidores da HIV-integrase: potencial abordagem farmacológica para tratamento da aids. Química Nova, São Paulo, v.29, n.3, p , maio/jun PEREIRA, F. G. Tendências da epidemia de aids no estado de Goiás, 1990 a f. Dissertação (Mestrado em Enfermagem) Escola de Enfermagem, Universidade Federal de Minas Gerais, Minas Gerais PRAÇA, N. S.; LATORRE, M. R. D. O. Saúde sexual e reprodutiva com enfoque na transmissão do HIV: práticas de puérperas atendidas em maternidades filantrópicas do município de São Paulo. Revista Brasileira Saúde Materno Infantil, Recife, v.3, n.1, p.61-74, jan./mar RACHID, M.; SCHECHTER, M. Manual de HIV/AIDS. 8. ed. Rio de Janeiro: Revinter, SENISE, J.; FILHO, A. C. Infecção pelo HIV e gestação. Tendências em HIV - AIDS, São Paulo, v.1, n.1, p.12-16, mar SOUZA, M. V. N.; ALMEIDA, M. V. Drogas anti-vhi: passado, presente e perspectivas futuras. Revista Química Nova, São Paulo, v.26, n.3, p , maio/jun

IV Seminário de Iniciação Científica

IV Seminário de Iniciação Científica ANÁLISE DO PERFIL IMUNOLÓGICO E VIRAL DAS GESTANTES HIV/AIDS ATENDIDAS NO HOSPITAL MATERNO INFANTIL E NO HOSPITAL ANUAR AUAD EM GOIÂNIA-GOIÁS, ENTRE OS ANOS DE 2003 E 2005. Raffaella Silva Pinheiro 1,4

Leia mais

Seleção de Temas. Questionário - Proficiência Clínica. Área: Imunologia Rodada: Julho/2008. Prezado Participante,

Seleção de Temas. Questionário - Proficiência Clínica. Área: Imunologia Rodada: Julho/2008. Prezado Participante, Seleção de Temas Prezado Participante, Gostaríamos de contar com a sua contribuição para a elaboração dos próximos materiais educativos. Cada questionário desenvolve um assunto (temas) específico dentro

Leia mais

HIV. O vírus da imunodeficiência humana HIV-1 e HIV-2 são membros da família Retroviridae, na subfamília Lentividae.

HIV. O vírus da imunodeficiência humana HIV-1 e HIV-2 são membros da família Retroviridae, na subfamília Lentividae. A Equipe Multiprofissional de Saúde Ocupacional da UDESC lembra: Dia 01 de dezembro é dia mundial de prevenção à Aids! Este material foi desenvolvido por alunos do Departamento de Enfermagem da Universidade

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 Notas importantes: O Banco de dados (BD) do Sistema de Informação Nacional de Agravos de Notificação (SINAN) vem sofrendo nos últimos

Leia mais

Atraso na introdução da terapia anti-retroviral em pacientes infectados pelo HIV. Brasil, 2003-2006

Atraso na introdução da terapia anti-retroviral em pacientes infectados pelo HIV. Brasil, 2003-2006 Atraso na introdução da terapia anti-retroviral em pacientes infectados pelo HIV. Brasil, 2003-2006 Paulo Roberto Borges de Souza-Jr Célia Landmann Szwarcwald Euclides Ayres de Castilho A Terapia ARV no

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 Notas importantes: O Banco de dados (BD) do Sistema de Informação Nacional de Agravos de Notificação (SINAN) vem sofrendo nos últimos

Leia mais

CARACTERISTICAS DA FEMINIZAÇÃO DA AIDS EM TRÊS LAGOAS 1 ANDRESSA MARQUES FERREIRA 2 MARIA ANGELINA DA SILVA ZUQUE

CARACTERISTICAS DA FEMINIZAÇÃO DA AIDS EM TRÊS LAGOAS 1 ANDRESSA MARQUES FERREIRA 2 MARIA ANGELINA DA SILVA ZUQUE CARACTERISTICAS DA FEMINIZAÇÃO DA AIDS EM TRÊS LAGOAS 1 ANDRESSA MARQUES FERREIRA 2 MARIA ANGELINA DA SILVA ZUQUE 1 Discente de graduação do curso de Biomedicina 2 Doutoranda Docente das Faculdades Integradas

Leia mais

A POLÍTICA DE DST/AIDS NA VISÃO DE UM TRABALHADOR DO SUS. SORAIA REDA GILBER Farmacêutica Bioquímica LACEN PR

A POLÍTICA DE DST/AIDS NA VISÃO DE UM TRABALHADOR DO SUS. SORAIA REDA GILBER Farmacêutica Bioquímica LACEN PR A POLÍTICA DE DST/AIDS NA VISÃO DE UM TRABALHADOR DO SUS SORAIA REDA GILBER Farmacêutica Bioquímica LACEN PR BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO DA AIDS NO BRASIL Desde o início de 1980 até junho de 2012 foram registrados

Leia mais

UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ LUIZ SASSO FILHO PERFIL DOS PORTADORES DO VÍRUS HIV ATENDIDOS NO HOSPITAL DIA AIDS EM BRASÍLIA D.F.

UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ LUIZ SASSO FILHO PERFIL DOS PORTADORES DO VÍRUS HIV ATENDIDOS NO HOSPITAL DIA AIDS EM BRASÍLIA D.F. UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ LUIZ SASSO FILHO PERFIL DOS PORTADORES DO VÍRUS HIV ATENDIDOS NO HOSPITAL DIA AIDS EM BRASÍLIA D.F. BRASÍLIA DF 2009 PERFIL DOS PORTADORES DO VÍRUS HIV ATENDIDOS NO HOSPITAL

Leia mais

Hélio Vasconcellos Lopes

Hélio Vasconcellos Lopes HIV/AIDS no Município de Santos e dados brasileiros Hélio Vasconcellos Lopes Coordenador do Programa Municipal DST/AIDS/Hepatites da Secretaria Municipal de Saúde Professor titular da Faculdade de Medicina

Leia mais

Diminui a mortalidade por Aids no Estado de São Paulo

Diminui a mortalidade por Aids no Estado de São Paulo Diminui a mortalidade por Aids no Estado de São Paulo Em 2012, ocorreram 2.767 óbitos por Aids no Estado de São Paulo, o que representa importante queda em relação ao pico observado em 1995 (7.739). A

Leia mais

HIV/AIDS Pediatria Sessão Clínica do Internato Revisão Teórica. Orientadora: Dra Lícia Moreira Acadêmico: Pedro Castro (6 Ano)

HIV/AIDS Pediatria Sessão Clínica do Internato Revisão Teórica. Orientadora: Dra Lícia Moreira Acadêmico: Pedro Castro (6 Ano) HIV/AIDS Pediatria Sessão Clínica do Internato Revisão Teórica Orientadora: Dra Lícia Moreira Acadêmico: Pedro Castro (6 Ano) AIDS Conceito Doença que manifesta-se por infecções comuns de repetição, infecções

Leia mais

PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DO HIV/AIDS E COINFECÇÕES NO ESTADO DE GOIÁS

PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DO HIV/AIDS E COINFECÇÕES NO ESTADO DE GOIÁS SUPERINTENDÊNCIA DE POLÍTICAS DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE GERÊNCIA DE PROGRAMAS ESPECIAIS COORDENAÇÃO ESTADUAL DE DST/AIDS PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DO HIV/AIDS E COINFECÇÕES NO ESTADO DE GOIÁS Goiânia, 2012

Leia mais

BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO HIV/ AIDS ESTADO DE GOIÁS

BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO HIV/ AIDS ESTADO DE GOIÁS BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO HIV/ AIDS ESTADO DE GOIÁS GOIÁS 2015 Situação Epidemiológica da AIDS no Estado de Goiás Secretaria de Estado da Saúde de Goiás Superintendência de Políticas de Atenção Integral à

Leia mais

Resumo do Perfil epidemiológico por regiões. HIV e Aids no Município de São Paulo 2014 SAÚDE 1

Resumo do Perfil epidemiológico por regiões. HIV e Aids no Município de São Paulo 2014 SAÚDE 1 Resumo do Perfil epidemiológico por regiões HIV e Aids no Município de São Paulo 2014 Resumo do perfil epidemiológico por regiões SAÚDE 1 HIV e Aids no Município de São Paulo 2014 APRESENTAçÃO Hoje, no

Leia mais

Briefing. Boletim Epidemiológico 2010

Briefing. Boletim Epidemiológico 2010 Briefing Boletim Epidemiológico 2010 1. HIV Estimativa de infectados pelo HIV (2006): 630.000 Prevalência da infecção (15 a 49 anos): 0,61 % Fem. 0,41% Masc. 0,82% 2. Números gerais da aids * Casos acumulados

Leia mais

PROJETO: MATEMÁTICA NA SAÚDE GRUPO C

PROJETO: MATEMÁTICA NA SAÚDE GRUPO C EE JUVENTINO NOGUEIRA RAMOS PROJETO: MATEMÁTICA NA SAÚDE TEMA : AIDS GRUPO C ADRIANO OSVALDO DA S. PORTO Nº 01 ANDERSON LUIZ DA S.PORTO Nº 05 CÍNTIA DIAS AVELINO Nº 11 CLAUDINEI MOREIRA L. JUNIOR Nº 12

Leia mais

VIROLOGIA RETROVÍRUS 1. HIV

VIROLOGIA RETROVÍRUS 1. HIV Instituto Federal de Santa Catarina Curso Técnico em Biotecnologia Unidade Curricular: Microbiologia VIROLOGIA RETROVÍRUS 1. Prof. Leandro Parussolo O que é um retrovírus? É qualquer vírus que possui o

Leia mais

HIV/aids no Brasil - 2012

HIV/aids no Brasil - 2012 HIV/aids no Brasil - 2012 Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Novembro de 2012 HIV Dados gerais Prevalência do HIV maior entre homens (15

Leia mais

PlanetaBio Artigos Especiais www.planetabio.com AIDS- SÍNDROME DA IMUNODEFICIÊNCIA ADQUIRIDA

PlanetaBio Artigos Especiais www.planetabio.com AIDS- SÍNDROME DA IMUNODEFICIÊNCIA ADQUIRIDA AIDS- SÍNDROME DA IMUNODEFICIÊNCIA ADQUIRIDA (texto de Marcelo Okuma) 1. Histórico e origem do vírus HIV Há fortes indícios para se acreditar que o vírus da imunodeficiência humana (HIV) tenha evoluído

Leia mais

SITUAÇÃO DO HIV/AIDS NO BRASIL E OS FATORES QUE INFLUENCIAM A INFECÇÃO

SITUAÇÃO DO HIV/AIDS NO BRASIL E OS FATORES QUE INFLUENCIAM A INFECÇÃO SITUAÇÃO DO HIV/AIDS NO BRASIL E OS FATORES QUE INFLUENCIAM A INFECÇÃO Jader Dornelas Neto 1 ; Daniel Antonio Carvalho dos Santos 2 ; Guilherme Elcio Zonta 3 ; Simone Martins Bonafé 4 RESUMO: O objetivo

Leia mais

ACOMPANHAMENTO DA PUÉRPERA HIV* Recomendações do Ministério da Saúde Transcrito por Marília da Glória Martins

ACOMPANHAMENTO DA PUÉRPERA HIV* Recomendações do Ministério da Saúde Transcrito por Marília da Glória Martins ACOMPANHAMENTO DA PUÉRPERA HIV* Puerpério Imediato Acompanhamento da puérpera HIV* 1. Inibir a lactação através do enfaixamento das mamas com ataduras ou comprimindo-as com um top e evitando, com isso,

Leia mais

BOLETIM INFORMATIVO nº 04 HIV/AIDS 2015

BOLETIM INFORMATIVO nº 04 HIV/AIDS 2015 BOLETIM INFORMATIVO nº 04 HIV/AIDS 2015 AIDS O Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais do Ministério da Saúde estima que aproximadamente 734 mil pessoas vivam com HIV/aids no país, o que corresponde

Leia mais

O Protagonismo Feminino: Momentos de Prevenção á Saúde. segunda-feira, 19 de março de 12

O Protagonismo Feminino: Momentos de Prevenção á Saúde. segunda-feira, 19 de março de 12 O Protagonismo Feminino: Momentos de Prevenção á Saúde CENTRO DE APOIO SOLIDARIED AIDS É organização da sociedade civil, sem fins lucrativos fundada em 1996. Objetivo: Apoiar, atender, prevenir e promover

Leia mais

Alexandre O. Chieppe

Alexandre O. Chieppe Transmissão Vertical da Sífilis S e do HIV Alexandre O. Chieppe Coordenação Estadual de DST/AIDS-CVE Secretaria de Estado de Saúde do Rio de Janeiro Câmara Técnica de AIDS do CREMERJ Do Início da Epidemia

Leia mais

EXPOSIÇÃO DE RISCO DOS PARTICIPANTES DO PROJETO UEPG-ENFERMAGEM NA BUSCA E PREVENÇÃO DO HIV/AIDS

EXPOSIÇÃO DE RISCO DOS PARTICIPANTES DO PROJETO UEPG-ENFERMAGEM NA BUSCA E PREVENÇÃO DO HIV/AIDS 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA EXPOSIÇÃO DE RISCO DOS PARTICIPANTES DO PROJETO UEPG-ENFERMAGEM

Leia mais

HIV e Estigma: como estamos hoje

HIV e Estigma: como estamos hoje HIV e Estigma: como estamos hoje PROF. DR. CLAUDIO GARCIA CAPITÃO Advento da AIDS 1º Caso: Hospital Emílio Ribas, 1982 Circulação Silenciosa do Vírus em meados de 70 Isolamento do vírus: Luc montagner:

Leia mais

FEMINIZAÇÃO DO HIV/AIDS: UMA ANÁLISE (PERFIL) JUNTO A REDE NACIONAL DE PESSOAS VIVENDO E CONVIVENDO COM HIV/AIDS NÚCLEO CAMPINA GRANDE PB

FEMINIZAÇÃO DO HIV/AIDS: UMA ANÁLISE (PERFIL) JUNTO A REDE NACIONAL DE PESSOAS VIVENDO E CONVIVENDO COM HIV/AIDS NÚCLEO CAMPINA GRANDE PB FEMINIZAÇÃO DO HIV/AIDS: UMA ANÁLISE (PERFIL) JUNTO A REDE NACIONAL DE PESSOAS VIVENDO E CONVIVENDO COM HIV/AIDS NÚCLEO CAMPINA GRANDE PB Elizângela Samara da Silva 1 Adália de Sá Costa 2 Anna Marly Barbosa

Leia mais

HIV como modelo de estudo de retrovírus e patogênese

HIV como modelo de estudo de retrovírus e patogênese HIV como modelo de estudo de retrovírus e patogênese Retrovírus e oncogênese. Um pouco de história: 1904: Ellerman and Bang, procurando por bactérias como agentes infecciosos para leucemia em galinhas,

Leia mais

SAúDE e PReVENÇãO NaS ESCoLAS Atitude pra curtir a vida

SAúDE e PReVENÇãO NaS ESCoLAS Atitude pra curtir a vida SAúDE e PReVENÇãO NaS ESCoLAS Atitude pra curtir a vida UNAIDS/ONUSIDA Relatório para o Dia Mundial de Luta contra AIDS/SIDA 2011 Principais Dados Epidemiológicos Pedro Chequer, Diretor do UNAIDS no Brasil

Leia mais

POLÍTICA BRASILEIRA DE ENFRENTAMENTO DA AIDS

POLÍTICA BRASILEIRA DE ENFRENTAMENTO DA AIDS Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais POLÍTICA BRASILEIRA DE ENFRENTAMENTO DA AIDS RESULTADOS, AVANÇOS E PERSPECTIVAS A Epidemia Prevenção Diagnóstico Assistência e Tratamento Sustentabilidade e

Leia mais

Os caminhos e descaminhos de uma epidemia global

Os caminhos e descaminhos de uma epidemia global Os caminhos e descaminhos de uma epidemia global Por Rodrigo Cunha 5 de junho de 1981. O Relatório Semanal de Morbidez e Mortalidade do Centro para Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos Estados Unidos

Leia mais

BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO HIV/ AIDS ESTADO DE GOIÁS

BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO HIV/ AIDS ESTADO DE GOIÁS BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO HIV/ AIDS ESTADO DE GOIÁS GOIÁS 2014 Situação Epidemiológica da AIDS no Estado de Goiás Secretaria de Estado da Saúde de Goiás Superintendência de Políticas de Atenção Integral à

Leia mais

Diagnóstico Tardio do HIV em Crianças e Adolescentes Nascidas de mães Portadoras do HIV" Programa Estadual de DST/AIDS-SP www.crt.saude.sp.gov.

Diagnóstico Tardio do HIV em Crianças e Adolescentes Nascidas de mães Portadoras do HIV Programa Estadual de DST/AIDS-SP www.crt.saude.sp.gov. Diagnóstico Tardio do HIV em Crianças e Adolescentes Nascidas de mães Portadoras do HIV" Programa Estadual de DST/AIDS-SP www.crt.saude.sp.gov.br Casos notificados de AIDS, Brasil e São Paulo - 1980 a

Leia mais

Acesso Público a Informação de Saúde

Acesso Público a Informação de Saúde Acesso Público a Informação de Saúde Módulo HIV/AIDS O que é HIV/AIDS? HIV (Human Immunodeficiency Virus Vírus da Imuno Deficiência Humana) AIDS (Acquired Immune Deficiency Syndrome Síndrome da Imuno Deficiência

Leia mais

11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas

11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas PERFIL CLÍNICO EPIDEMIOLÓGICO DE PACIENTES PORTADORES DO VÍRUS DA IMUNODEFICIÊNCIA ADQUIRIDA HUMANA NO NÚCLEO DE ASSISTÊNCIA HENFIL EM PALMAS, TOCANTINS Natália Vianna Rodrigues 1 ; Flávio Augusto de Pádua

Leia mais

VIGILÂNCIA DE HIV EM SANGUE DOADO: TENDÊNCIA DE SOROPREVALÊNCIA

VIGILÂNCIA DE HIV EM SANGUE DOADO: TENDÊNCIA DE SOROPREVALÊNCIA 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 VIGILÂNCIA DE HIV EM SANGUE DOADO: TENDÊNCIA DE SOROPREVALÊNCIA Janete Lane Amadei 1 ; Deborah Cristiny Dantas Moreti 2 ; Diego Montanhei 2 ; Dennis Armando

Leia mais

BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO HIV/ AIDS ESTADO DE GOIÁS

BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO HIV/ AIDS ESTADO DE GOIÁS BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO HIV/ AIDS ESTADO DE GOIÁS GOIÁS 2014 Situação Epidemiológica da AIDS no Estado de Goiás Secretaria de Estado da Saúde de Goiás Superintendência de Políticas de Atenção Integral à

Leia mais

GESTANTE HIV* ACOMPANHAMENTO PRÉ-NATAL. Profª.Marília da Glória Martins Recomendações do Ministério da Saúde

GESTANTE HIV* ACOMPANHAMENTO PRÉ-NATAL. Profª.Marília da Glória Martins Recomendações do Ministério da Saúde GESTANTE HIV* ACOMPANHAMENTO PRÉ-NATAL Profª.Marília da Glória Martins Recomendações do Ministério da Saúde Abordagem inicial a Os serviços que hoje são considerados porta de entrada para o diagnóstico

Leia mais

HIV-AIDS. Infecções Peri-natais

HIV-AIDS. Infecções Peri-natais Transmissão Relação sexual Transfusão de sangue Transmissão vertical Acidente de trabalho Retrato da epidemia de aids Nacionalmente estável e concentrada em populações-chave Casos acumulados de aids (até

Leia mais

BENTO GONÇALVES RELATÓRIO EPIDEMIOLÓGICO SÍNDROME DA IMUNODEFICIÊNCIA ADQUIRIDA - SIDA SISTEMA DE INFORMAÇÕES SOBRE AGRAVOS DE NOTIFICAÇÃO SINAN

BENTO GONÇALVES RELATÓRIO EPIDEMIOLÓGICO SÍNDROME DA IMUNODEFICIÊNCIA ADQUIRIDA - SIDA SISTEMA DE INFORMAÇÕES SOBRE AGRAVOS DE NOTIFICAÇÃO SINAN Bento Gonçalves SIDA 1986 a 2013 SMS Serviço de Vigilância Epidemiológica 1 2 Bento Gonçalves SIDA 1986 a 2013 SMS Serviço de Vigilância Epidemiológica BENTO GONÇALVES RELATÓRIO EPIDEMIOLÓGICO SÍNDROME

Leia mais

ALTERAÇÕES METABÓLICAS NO PERFIL LIPÍDICO E GLICÊMICO DE PACIENTES HIV POSITIVOS QUE FAZEM USO DE ANTIRETROVIRAIS

ALTERAÇÕES METABÓLICAS NO PERFIL LIPÍDICO E GLICÊMICO DE PACIENTES HIV POSITIVOS QUE FAZEM USO DE ANTIRETROVIRAIS ALTERAÇÕES METABÓLICAS NO PERFIL LIPÍDICO E GLICÊMICO DE PACIENTES HIV POSITIVOS QUE FAZEM USO DE ANTIRETROVIRAIS Greice Rodrigues Bittencourt Introdução A terapia antiretroviral contemporânea (TARV) baseado

Leia mais

TÍTULO: PERFIL SÓCIO DEMOGRÁFICO E PROVÁVEL FONTE DE INFECÇÃO DE MULHERES COM HIV/AIDS NO MUNICÍPIO DE CARAGUATATUBA-SP

TÍTULO: PERFIL SÓCIO DEMOGRÁFICO E PROVÁVEL FONTE DE INFECÇÃO DE MULHERES COM HIV/AIDS NO MUNICÍPIO DE CARAGUATATUBA-SP TÍTULO: PERFIL SÓCIO DEMOGRÁFICO E PROVÁVEL FONTE DE INFECÇÃO DE MULHERES COM HIV/AIDS NO MUNICÍPIO DE CARAGUATATUBA-SP CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: ENFERMAGEM INSTITUIÇÃO:

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE OS GÊNEROS E O NÍVEL DE INFORMAÇÃO DE ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS EM RELAÇÃO AO HIV/AIDS

RELAÇÃO ENTRE OS GÊNEROS E O NÍVEL DE INFORMAÇÃO DE ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS EM RELAÇÃO AO HIV/AIDS RELAÇÃO ENTRE OS GÊNEROS E O NÍVEL DE INFORMAÇÃO DE ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS EM RELAÇÃO AO HIV/AIDS Maria Thereza Ávila Dantas Coelho 1 Vanessa Prado Santos 2 Márcio Pereira Pontes 3 Resumo O controle

Leia mais

O ACONSELHAMENTO NO HIV EM UMA COMUNIDADE COMO MEDIDA PREVENTIVA

O ACONSELHAMENTO NO HIV EM UMA COMUNIDADE COMO MEDIDA PREVENTIVA O ACONSELHAMENTO NO HIV EM UMA COMUNIDADE COMO MEDIDA PREVENTIVA Zardo L*¹ Silva CL*² Zarpellon LD*³ Cabral LPA* 4 Resumo O Vírus da Imunodeficiência humana (HIV) é um retrovírus que ataca o sistema imunológico.através

Leia mais

ASSISTÊNCIA AMBULATORIAL E FARMACÊUTICA DE SERVIÇO ESPECIALIZADO EM HIV/AIDS EM MUNICÍPIO DO SUL DO BRASIL

ASSISTÊNCIA AMBULATORIAL E FARMACÊUTICA DE SERVIÇO ESPECIALIZADO EM HIV/AIDS EM MUNICÍPIO DO SUL DO BRASIL 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA SAÚDE UAB Silvana Velho Pereira ASSISTÊNCIA AMBULATORIAL E FARMACÊUTICA DE SERVIÇO ESPECIALIZADO

Leia mais

B O L E T I M EPIDEMIOLÓGICO ISSN 1517 1159 AIDS DST. ano VIII nº 01

B O L E T I M EPIDEMIOLÓGICO ISSN 1517 1159 AIDS DST. ano VIII nº 01 B O L E T I M EPIDEMIOLÓGICO ISSN 1517 1159 AIDS DST ano VIII nº 01 27ª a 52ª semanas epidemiológicas - julho a dezembro de 2010 01ª a 26ª semanas epidemiológicas - janeiro a junho de 2011 2012. Ministério

Leia mais

Construção de um sistema de monitoramento da epidemia de aids: Desafios e Lições Aprendidas

Construção de um sistema de monitoramento da epidemia de aids: Desafios e Lições Aprendidas Construção de um sistema de monitoramento da epidemia de aids: Desafios e Lições Aprendidas XVIII Congresso Mundial de Epidemiologia Porto Alegre, 21-24 de outubro 2008 Célia Landmann Szwarcwald celials@cict.fiocruz.br

Leia mais

RELATÓRIO PARA A. SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS

RELATÓRIO PARA A. SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS RELATÓRIO PARA A SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS RELATÓRIO PARA A SOCIEDADE Este relatório é uma versão resumida do relatório técnico

Leia mais

Teste de vacina contra Aids reduz risco de infecção 4

Teste de vacina contra Aids reduz risco de infecção 4 Publicação Científica do Curso de Bacharelado em Enfermagem do CEUT. Ano 2009. Edição 14 Joelma Castro Sousa 1 Neyane de Moraes Francelino 1 Selonia Patrícia Oliveira Sousa 2 Otacílio Batista de Sousa

Leia mais

PREVENÇÃO DE DST/AIDS APÓS VIOLÊNCIA SEXUAL AVALIAÇÃO DOS CASOS NOTIFICADOS À SES/RS.

PREVENÇÃO DE DST/AIDS APÓS VIOLÊNCIA SEXUAL AVALIAÇÃO DOS CASOS NOTIFICADOS À SES/RS. PREVENÇÃO DE DST/AIDS APÓS VIOLÊNCIA SEXUAL AVALIAÇÃO DOS CASOS NOTIFICADOS À SES/RS. Introdução e método: A violência física em especial a violência sexual é, sem dúvida, um problema de saúde pública.

Leia mais

ACOLHIMENTO DE PARTICIPANTES EM UM PROJETO: PERFIL DOS POSSÍVEIS PORTADORES DE HIV/AIDS

ACOLHIMENTO DE PARTICIPANTES EM UM PROJETO: PERFIL DOS POSSÍVEIS PORTADORES DE HIV/AIDS 110. ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA ACOLHIMENTO DE PARTICIPANTES

Leia mais

A evolução e distribuição social da doença no Brasil

A evolução e distribuição social da doença no Brasil A evolução e distribuição social da doença no Brasil Por Ana Maria de Brito Qualquer epidemia é o resultado de uma construção social, conseqüência do aparecimento de uma doença com características biomédicas,

Leia mais

RESUMO. Palavras-chave: Saúde do adolescente; Síndrome de Imunodeficiência Adquirida; HIV.

RESUMO. Palavras-chave: Saúde do adolescente; Síndrome de Imunodeficiência Adquirida; HIV. SISTEMA DE INFORMAÇÃO EM SAÚDE: A EPIDEMIA DA AIDS EM ADOLESCENTES NO BRASIL, 2001-2010. KOGLIN, Ilivelton Martins 1 ; TASSINARI, Tais Tasqueto 2 ; ZUGE, Samuel Spiegelberg 3 ; BRUM, Crhis Netto de 3 ;

Leia mais

AUTOAVALIAÇÃO DE SAÚDE E DOENÇA E ASPECTOS CLÍNICOS DE PESSOAS COM HIV/AIDS ABAIXO E ACIMA DE 50 ANOS

AUTOAVALIAÇÃO DE SAÚDE E DOENÇA E ASPECTOS CLÍNICOS DE PESSOAS COM HIV/AIDS ABAIXO E ACIMA DE 50 ANOS AUTOAVALIAÇÃO DE SAÚDE E DOENÇA E ASPECTOS CLÍNICOS DE PESSOAS COM HIV/AIDS ABAIXO E ACIMA DE 50 ANOS Regina Lígia Wanderlei de Azevedo FIP regina.azevedo@gmail.com Josevânia da Silva UNIPÊ josevaniasco@gmail.com

Leia mais

PERFIL DAS NOTIFICAÇÕES DE AIDS NO BRASIL DA PERSPECTIVA DE GÊNERO: UM ESTUDO DOCUMENTAL RESUMO

PERFIL DAS NOTIFICAÇÕES DE AIDS NO BRASIL DA PERSPECTIVA DE GÊNERO: UM ESTUDO DOCUMENTAL RESUMO PERFIL DAS NOTIFICAÇÕES DE AIDS NO BRASIL DA PERSPECTIVA DE GÊNERO: UM ESTUDO DOCUMENTAL Mikael Lima Brasil 1 Laís Vasconcelos Santos 2 Sheila Milena Pessoa dos Santos 3 Allan Batista Silva 2 Raila Natasha

Leia mais

I n f o r m e E p i d e m i o l ó g i c o D S T - A I D S 1

I n f o r m e E p i d e m i o l ó g i c o D S T - A I D S 1 1 2 GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE DO RIO DE JANEIRO SECRETÁRIO DE ESTADO DE SAÚDE José Leôncio de Andrade Feitosa SUPERINTENDENTE DE SAÚDE Angela Cristina Aranda SUPERINTENDENTE

Leia mais

Nova vacina frente à cura para a AIDS

Nova vacina frente à cura para a AIDS N o 18 Setembro/2013 Centro de Farmacovigilância da UNIFAL-MG Site: www2.unifal-mg.edu.br/cefal Email: cefal@unifal-mg.edu.br Tel: (35) 3299-1273 Equipe editorial: prof. Dr. Ricardo Rascado; profa. MsC.

Leia mais

O Perfil Dos Usuários Do Grupo De Apoio Às DST s E AIDS, Viçosa - MG 1

O Perfil Dos Usuários Do Grupo De Apoio Às DST s E AIDS, Viçosa - MG 1 O Perfil Dos Usuários Do Grupo De Apoio Às DST s E AIDS, Viçosa - MG 1 Talita da Conceição de Oliveira Fonseca. Economista Doméstica. Endereço: Rua João Valadares Gomes nº 210, bairro JK, Viçosa-MG. E-mail:

Leia mais

HIV no período neonatal prevenção e conduta

HIV no período neonatal prevenção e conduta HIV no período neonatal prevenção e conduta O HIV, agente causador da AIDS, ataca as células do sistema imune, especialmente as marcadas com receptor de superfície CD4 resultando na redução do número e

Leia mais

Caracterização dos casos de HIV/Aids no município Irati PR no período de 1994 a 2012.

Caracterização dos casos de HIV/Aids no município Irati PR no período de 1994 a 2012. Caracterização dos casos de HIV/Aids no município Irati PR no período de 1994 a 2012. Emalline Angélica de Paula Santos* Acadêmica do 4º ano do curso de Psicologia da Universidade Estadual do Centro-Oeste

Leia mais

Terceira Idade: não leve um baile do HIV! Alexandre Ramos Lazzarotto alazzar@terra.com.br 9808-5714

Terceira Idade: não leve um baile do HIV! Alexandre Ramos Lazzarotto alazzar@terra.com.br 9808-5714 Terceira Idade: não leve um baile do HIV! Alexandre Ramos Lazzarotto alazzar@terra.com.br 9808-5714 Número de casos de AIDS no Brasil 77.639 433.067 37.968 13.200 572 Região Sul RS POA NH Localidades BRASIL.

Leia mais

BUSCA ATIVA DE POSSÍVEIS PORTADORES DE HIV/AIDS EM PROJETO EXTENSIONISTA E SEU PERFIL

BUSCA ATIVA DE POSSÍVEIS PORTADORES DE HIV/AIDS EM PROJETO EXTENSIONISTA E SEU PERFIL 9. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO (

Leia mais

Mulher, 35 anos, terceira gestação, chega em início de trabalho de parto acompanhada do marido que tossia muito e comentou com a enfermeira que

Mulher, 35 anos, terceira gestação, chega em início de trabalho de parto acompanhada do marido que tossia muito e comentou com a enfermeira que Mulher, 35 anos, terceira gestação, chega em início de trabalho de parto acompanhada do marido que tossia muito e comentou com a enfermeira que estava em tratamento para tuberculose. A mulher informa que

Leia mais

HIV em. Especiais: O idoso. Keli Cardoso de Melo Outubro/2005

HIV em. Especiais: O idoso. Keli Cardoso de Melo Outubro/2005 HIV em Populações Especiais: O idoso Keli Cardoso de Melo Outubro/2005 HIV/AIDS x Idosos! 40 milhões de pessoas com HIV/AIDS! 10% dos casos de AIDS > 50 anos! ¼ em indivíduos > 60 anos! Mulheres " incidência

Leia mais

O Carnaval está aí é hora de se prevenir!

O Carnaval está aí é hora de se prevenir! O Carnaval está aí é hora de se prevenir! O Carnaval está aí! Uma das festas populares mais animadas e representativas do mundo. A festa que chegou ao Brasil tem sua origem no entrudo português, em que,

Leia mais

Doenças sexualmente transmissíveis

Doenças sexualmente transmissíveis Doenças sexualmente transmissíveis Lília Maria de Azevedo Moreira SciELO Books / SciELO Livros / SciELO Libros MOREIRA, LMA. Doenças sexualmente transmissíveis. In: Algumas abordagens da educação sexual

Leia mais

CARACTERÍSTCAS DOS ATENDIMENTOS AOS PACIENTES COM GRIPE H1N1 EM UM SERVIÇO DE REFERÊNCIA

CARACTERÍSTCAS DOS ATENDIMENTOS AOS PACIENTES COM GRIPE H1N1 EM UM SERVIÇO DE REFERÊNCIA 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 CARACTERÍSTCAS DOS ATENDIMENTOS AOS PACIENTES COM GRIPE H1N1 EM UM SERVIÇO DE REFERÊNCIA Regina Lúcia Dalla Torre Silva 1 ; Marcia helena Freire Orlandi

Leia mais

A i d s n a I n f â n c i a. Prof. Orlando A. Pereira FCM - UNIFENAS

A i d s n a I n f â n c i a. Prof. Orlando A. Pereira FCM - UNIFENAS A i d s n a I n f â n c i a Prof. Orlando A. Pereira FCM - UNIFENAS HISTÓRICO 1978- Em Nova York e San Francisco uma doença misteriosa e mortífera ataca homossexuais. 1981- A doença misteriosa ganha o

Leia mais

NOVAS TECNOLOGIAS DE PREVENÇÃO CIRCUNCISÃO MÉDICA MASCULINA

NOVAS TECNOLOGIAS DE PREVENÇÃO CIRCUNCISÃO MÉDICA MASCULINA NOVAS TECNOLOGIAS DE PREVENÇÃO CIRCUNCISÃO MÉDICA MASCULINA Dr. Robinson Fernandes de Camargo Interlocução de DST/Aids da Coordenadoria Regional de Saúde - Sudeste CIRCUNCISÃO MÉDICA MASCULINA No início

Leia mais

Chapecó. 1. Secretaria de Estado da Saúde Secretaria de Estado do Desenvolvimento Regional de

Chapecó. 1. Secretaria de Estado da Saúde Secretaria de Estado do Desenvolvimento Regional de Perfil epidemiológico dos clientes com AIDS cadastrados no Sistema de Controle Logístico de Medicamentos no Hospital Dia Aids no município de Chapecó-SC no ano de 2007. Otilia Cristina Coelho Rodrigues

Leia mais

AIDS E ENVELHECIMENTO: UMA REFLEXÃO ACERCA DOS CASOS DE AIDS NA TERCEIRA IDADE.

AIDS E ENVELHECIMENTO: UMA REFLEXÃO ACERCA DOS CASOS DE AIDS NA TERCEIRA IDADE. AIDS E ENVELHECIMENTO: UMA REFLEXÃO ACERCA DOS CASOS DE AIDS NA TERCEIRA IDADE. Milca Oliveira Clementino Graduanda em Serviço social pela Universidade Estadual da Paraíba - UEPB milcaclementino@gmail.com

Leia mais

REDUÇÃO DE DANOS EM SERVIÇOS DE SAÚDE

REDUÇÃO DE DANOS EM SERVIÇOS DE SAÚDE REDUÇÃO DE DANOS EM SERVIÇOS DE SAÚDE Prevalência do HIV nas Populações mais Vulneráveis População em geral 0,65% Profissionais do sexo 6,6% Presidiários - 20% Usuários de drogas injetáveis 36,5% REDUÇÃO

Leia mais

INCIDÊNCIA DE AIDS NA POPULAÇÃO IDOSA DO BRASIL

INCIDÊNCIA DE AIDS NA POPULAÇÃO IDOSA DO BRASIL INCIDÊNCIA DE AIDS NA POPULAÇÃO IDOSA DO BRASIL Tacilla Maria Rodrigues Pereira¹(tacilla90@hotmail.com) Milene Evaristo Pereira¹(Milene.trab@gmail.com) Nicole Cristine Diniz de Medeiros Dutra¹ (nicole_dutra@hotmail.com)

Leia mais

Introdução. Infecção pelo HIV. Uma das mais devastadoras pandemias da história da humanidade. Profundas repercussões sociais

Introdução. Infecção pelo HIV. Uma das mais devastadoras pandemias da história da humanidade. Profundas repercussões sociais Introdução Uma das mais devastadoras pandemias da história da humanidade Profundas repercussões sociais Possibilitou um enorme avanço no campo da virologia Prof. Marco Antonio Passou de doença letal a

Leia mais

AIDS Preocupa Terceira Idade 1. Giovanna Menezes FARIA 2 Hendryo ANDRÉ 3 Centro Universitário Autônomo do Brasil - UniBrasil, Curitiba, PR

AIDS Preocupa Terceira Idade 1. Giovanna Menezes FARIA 2 Hendryo ANDRÉ 3 Centro Universitário Autônomo do Brasil - UniBrasil, Curitiba, PR AIDS Preocupa Terceira Idade 1 Giovanna Menezes FARIA 2 Hendryo ANDRÉ 3 Centro Universitário Autônomo do Brasil - UniBrasil, Curitiba, PR RESUMO Os primeiros casos de HIV, vírus da síndrome da imunodeficiência

Leia mais

Autor(es) TAINAH BARBOSA ALVES DE MORAES. Orientador(es) MIRIAM RIBEIRO CAMPOS. Apoio Financeiro FAPIC/UNIMEP. 1. Introdução

Autor(es) TAINAH BARBOSA ALVES DE MORAES. Orientador(es) MIRIAM RIBEIRO CAMPOS. Apoio Financeiro FAPIC/UNIMEP. 1. Introdução 18º Congresso de Iniciação Científica AIDS AVALIANDO COMPORTAMENTOS E VULNERABILIDADE EM ESTUDANTES DO ENSINO MÉDIO: IDENTIFICAÇÃO CONHECIMENTO SOBRE O CONTROLE, DISSEMINAÇÃO, RISCOS E PREVENÇÃO DO HIV/AIDS

Leia mais

MS divulga retrato do comportamento sexual do brasileiro

MS divulga retrato do comportamento sexual do brasileiro MS divulga retrato do comportamento sexual do brasileiro Notícias - 18/06/2009, às 13h08 Foram realizadas 8 mil entrevistas com homens e mulheres entre 15 e 64 anos. A análise das informações auxiliará

Leia mais

ACERTE OS PONTEIROS DA SUA SAÚDE

ACERTE OS PONTEIROS DA SUA SAÚDE ACERTE OS PONTEIROS DA SUA SAÚDE Informações sobre tratamento com Antirretrovirais TRATAMENTO ANTIRRETROVIAL Fundamental na luta contra o HIV. O tratamento da infecção pelo HIV com antirretrovirais é fundamental

Leia mais

TÍTULO: AUTORES: E-Mail INSTITUIÇÃO ÁREA TEMÁTICA: INTRODUÇÃO OBJETIVOS: Objetivo geral Objetivos específicos

TÍTULO: AUTORES: E-Mail INSTITUIÇÃO ÁREA TEMÁTICA: INTRODUÇÃO OBJETIVOS: Objetivo geral Objetivos específicos TÍTULO:AVALIAÇÃO DA PREVENÇÃO DA TRANSMISSÃO VERTICAL DO HIV NO HULW EM JOÃO PESSSOA - PB AUTORES: Karina Carla de Paula Medeiros, Ana Cecília Bezerra Carvalho, Márcia Regina Piuvezam, Margareth de Fátima

Leia mais

Autor(es) MICHELLE MARTINS DE MELO. Co-Autor(es) MÁRCIA FUZA. Orientador(es) ÂNGELA MÁRCIA FOSSA / TEREZA HORIBE. 1. Introdução

Autor(es) MICHELLE MARTINS DE MELO. Co-Autor(es) MÁRCIA FUZA. Orientador(es) ÂNGELA MÁRCIA FOSSA / TEREZA HORIBE. 1. Introdução 7º Simpósio de Ensino de Graduação IMPLEMENTAÇÃO DA SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM À GESTANTES EM UM SERVIÇO ESPECIALIZADO EM DSTS DO INTERIOR DE SÃO PAULO Autor(es) MICHELLE MARTINS DE MELO

Leia mais

Termos de Referência Projeto BRA5U201

Termos de Referência Projeto BRA5U201 (02 cópias) Data limite para apresentação de candidaturas: 08/08/2013 Endereço eletrônico para envio de candidaturas: selecao@unfpa.org.br Identificação a ser utilizada como título do e-mail de candidatura:

Leia mais

Epidemiologia da Transmissão Vertical do HIV no Brasil

Epidemiologia da Transmissão Vertical do HIV no Brasil Epidemiologia da Transmissão Vertical do HIV no Brasil Letícia Legay Vermelho*, Luíza de Paiva Silva* e Antonio José Leal Costa** Introdução A transmissão vertical, também denominada materno-infantil,

Leia mais

Carrefour Guarujá. O que é DST? Você sabe como se pega uma DST? Você sabe como se pega uma DST? Enfermeira Docente

Carrefour Guarujá. O que é DST? Você sabe como se pega uma DST? Você sabe como se pega uma DST? Enfermeira Docente Carrefour Guarujá Bárbara Pereira Quaresma Enfermeira Docente Enfª Bárbara Pereira Quaresma 2 O que é DST? Toda doença transmitida através de relação sexual. Você sabe como se pega uma DST? SEXO VAGINAL

Leia mais

AIDS EM IDOSOS: PRODUÇÃO CIENTÍFICA EM PERIÓDICOS ONLINE NO ÂMBITO DA SAÚDE

AIDS EM IDOSOS: PRODUÇÃO CIENTÍFICA EM PERIÓDICOS ONLINE NO ÂMBITO DA SAÚDE AIDS EM IDOSOS: PRODUÇÃO CIENTÍFICA EM PERIÓDICOS ONLINE NO ÂMBITO DA SAÚDE Monica Ferreira de Vasconcelos. NEPB/UFPB. vaskoncelos.vaskoncelos@hotmai.com Rebecca Buriti Matias. FACENE. rebecca_buriti_@hotmail.com

Leia mais

Olavo Henrique Munhoz Leite. Hospital das Clínicas Faculdade de Medicina da USP Brasília, julho de 2004

Olavo Henrique Munhoz Leite. Hospital das Clínicas Faculdade de Medicina da USP Brasília, julho de 2004 Recomendações para a Terapia Anti- Retroviral em Adultos e Adolescentes Infectados pelo HIV II Diretrizes Brasileiras para Tuberculose 2004 I Encontro Nacional de TUBERCULOSE Olavo Henrique Munhoz Leite

Leia mais

Marcos Montani Caseiro, MD, PhD Lusíada Foundation, Associate Professor Bolsista CNPq- Produtividade em Pesquisa 2 Molecular Biology Lab

Marcos Montani Caseiro, MD, PhD Lusíada Foundation, Associate Professor Bolsista CNPq- Produtividade em Pesquisa 2 Molecular Biology Lab 13:50 14:20 MINI CONFERÊNCIA: A RESISTÊNCIA TRANSMITIDA (HIV) NO BRASIL Coordenadora/Debatedora: Lucy Cavalcanti Ramos Vasconcelos 13:50 14:00 Conferencista: Marcos Montani Caseiro 14:00 14:10 Apresentação

Leia mais

Vigilância Epidemiológica da aids e mortalidade

Vigilância Epidemiológica da aids e mortalidade Vigilância Epidemiológica da aids e mortalidade Seminário: Estudos e Pesquisas em DST/HIV/Aids determinantes epidemiológicos e sóciocomportamentais Porto Alegre 14-16/12/09 Ângela Tayra Divisão de Vigilância

Leia mais

Estatuto da Criança e do Adolescente:

Estatuto da Criança e do Adolescente: PREVENÇÃO DA TRANSMISSÃO VERTICAL HIV e alimentação infantil Estatuto da Criança e do Adolescente: Livro I Parte Geral Título I Das disposições preliminares Art. 4º - é dever da família, da comunidade,

Leia mais

Papilomavírus Humano HPV

Papilomavírus Humano HPV Papilomavírus Humano HPV -BIOLOGIA- Alunos: André Aroeira, Antonio Lopes, Carlos Eduardo Rozário, João Marcos Fagundes, João Paulo Sobral e Hélio Gastão Prof.: Fragoso 1º Ano E.M. T. 13 Agente Causador

Leia mais

Cientistas anunciam descoberta de três substâncias candidatas a anti retroviral brasileiro

Cientistas anunciam descoberta de três substâncias candidatas a anti retroviral brasileiro Cientistas anunciam descoberta de três substâncias candidatas a anti retroviral brasileiro Grupo de pesquisadores da Fundação Ataulpho de Paiva, da Universidade Federal Fluminense e do Instituto Oswaldo

Leia mais

Infecção pelo HIV e AIDS

Infecção pelo HIV e AIDS Infecção pelo HIV e AIDS Infecção pelo HIV e AIDS 1981: pneumonia por Pneumocystis carinii/jirovecii outros sinais e sintomas: infecção do SNC, infecção disseminada por Candida albicans, perda de peso,

Leia mais

A QUALIDADE DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM PRESTADA AS PUÉRPERAS PORTADORAS DE HIV/AIDS DO ALOJAMENTO CONJUNTO EM UM HOSPITAL DO RECIFE/PE.

A QUALIDADE DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM PRESTADA AS PUÉRPERAS PORTADORAS DE HIV/AIDS DO ALOJAMENTO CONJUNTO EM UM HOSPITAL DO RECIFE/PE. A QUALIDADE DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM PRESTADA AS PUÉRPERAS PORTADORAS DE HIV/AIDS DO ALOJAMENTO CONJUNTO EM UM HOSPITAL DO RECIFE/PE. LETÍCYA PAULA DE LIMA, e-mail: leticya.lima@vivaplanosdesaude.com.br

Leia mais

AUTOR(ES): JESSICA LOPES DE SOUZA, BRUNA KASAKEVICIUS ARCARI, EDPAULA BATISTA DE SOUZA, GRAZIELE SILVA ALESSANDRO

AUTOR(ES): JESSICA LOPES DE SOUZA, BRUNA KASAKEVICIUS ARCARI, EDPAULA BATISTA DE SOUZA, GRAZIELE SILVA ALESSANDRO TÍTULO: AIDS E HIV: INORMAÇÃO, COMPREENSÃO E ATITUDE DOS IDOSOS. CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PSICOLOGIA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU AUTOR(ES): JESSICA LOPES

Leia mais

ACIDENTE COM MATERIAL BIOLÓGICO

ACIDENTE COM MATERIAL BIOLÓGICO ACIDENTE COM MATERIAL BIOLÓGICO EXPOSIÇÃO A MATERIAL BIOLÓGICO Sangue, fluidos orgânicos potencialmente infectantes (sêmen, secreção vaginal, liquor, líquido sinovial, líquido pleural, peritoneal, pericárdico,

Leia mais