As crianças do amanhã. As crianças de 0 a 8 anos e o HIV. Notas temáticas na África vasta. Fortalecendo a família e o apoio comunitário

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "As crianças do amanhã. As crianças de 0 a 8 anos e o HIV. Notas temáticas na África vasta. Fortalecendo a família e o apoio comunitário"

Transcrição

1 Apoio à acção comunitária contra o SIDA em países em vias de desenvolvimento As crianças do amanhã Notas temáticas na África vasta As crianças de 0 a 8 anos e o HIV Fortalecendo a família e o apoio comunitário

2 AS CRIANÇAS DE 0 A 8 ANOS E O HIV Agradecimentos O que é a International HIV/AIDS Alliance? Fundada em 1993, a International HIV/AIDS Alliance (a Aliança) é uma parceria global de organizações de base comunitária que trabalha para apoiar a acção comunitária contra o SIDA. A nossa missão é reduzir a propagação do HIV e minimizar o impacto do SIDA. Até hoje, a Aliança já canalizou cerca de $140 milhões para mais de 40 países em vias de desenvolvimento e apoiou mais de 3000 projectos, chegando a algumas das comunidades mais pobres e vulneráveis com programas de prevenção do HIV, prestação de cuidados e apoio e proporcionando um melhor acesso a tratamento. Para mais informação acerca do trabalho da Alliance visite o nosso site em Copyright texto: International HIV/AIDS Alliance, 2006 Copyright ilustrações: Dandi Palmer, 2006 As informações e ilustrações desta publicação podem ser reproduzidas livremente, publicadas ou usadas de qualquer outra maneira sem permissão da International HIV/AIDS Alliance. Contudo, a International HIV/AIDS Alliance pede para ser citada como sendo a fonte da informação. Esta publicação foi possível graças às contribuições financeiras de Bernard van Leer Foundation e UNICEF. Contudo, as opiniões expressadas nesta publicação não reflectem necessariamente as suas políticas e visões. A Aliança gostaria de agradecer a todos aqueles que contribuiram para esta publicação, incluindo: Christoforos Mallouris, UNESCO, França; Cynthia Curtis, Alliance Nationale contre le SIDA en Côte d Ivoire (ANS-CI), Costa do Marfim; Faith Mmola, REPSSI, África do Sul; Geoff Foster, Zimbabué; Grace Njeru, Kenya AIDS NGOs Consortium (KANCO), Quénia; Jonathan Morgan, REPSSI, África do Sul; Mark Rabudi, KANCO, Quénia; Dr Ngagne Mbaye, Synergie pour l enfance, Senegal; Paul Roux, África do Sul; Robert Gass, UNICEF, Estados Unidos; Siobhan Crowley, WHO, Suíça; Stefan Germann, World Vision, África do Sul; Tapfuma Murove, World Vision, Quénia; Timothy Ahimbisibwe, Save the Children UK, Uganda; Tom Ellman, MSF, Reino Unido; Achiro Joyce Stella, Health Alert Ouganda (HAU), Uganda, Obutu Francis (HAU), Uganda, Ochora Michael (HAU), Uganda, Dr. George Openytho (HAU/Gulu Regional Referral Hospital), Uganda, Kertho Edmound, Save the Children in Uganda, Uganda; Clotaire Ouedraogo, AXIOS, Burkina Faso, Alimata Konaté, Initiative Privée et Communautaire (IPC), Burkina Faso, Konan Amenan Lucile, L Alliance Nationale contre le SIDA (ANS-CI), Costa do Marfim, Alioune Fall, Hope for the African Child Initiative (HACI), Senegal, Marie Cissé Thioye, Association d'assistance aux Enfants en Situation Difficile (AASED), Senegal, Léopold Gaston Boissy, Centre Hospitalier National Psychiatrique, (CHN), Senegal, Maty Diouf Sakho, Synergie pour l'enfance, Senegal, Charles Becker, Centre National de Recherche au Sénégal (CNRS), Senegal, Amadou Seck, UNICEF, Senegal, Ndeye Astou Diop Coulibaly, And Bokk Yakaar (ABOYA), Senegal, Doroteia J Balane, Associação Reencontro, Moçambique, Felismina Chiziane, Reencontro, Moçambique, Elvira de Jesus, Reencontro, Moçambique, Sonia Romão, UNICEF, Moçambique, Adriano Afonso Pelembe, Associação Tinhena, Moçambique, Filomena João, Alliance Moçambique, Clara Chinaca, Kubatsirana, Moçambique, Elisa Mazivila, MMAS, Moçambique, Conceição Valls, ASIDH, Centro de Saúde Polana Caniço, Moçambique, Ana Paula Ferreira, MMAS - DANS, Moçambique, Nelia Vera Taimo, consultora local, Moçambique, Ernest Maswera, HACI, Moçambique, Celso Mabunda, HACI, Moçambique, e ainda funcionários e consultores da Aliança Internacional contra o HIV/SIDA.

3 AS CRIANÇAS DE 0 A 8 ANOS E O HIV Índice Agradecimentos Introdução 02 SECÇÃO 1: Como atender às necessidades do desenvolvimento das crianças 03 infectadas e afectadas pelo HIV Questões 1 Porque é que as crianças pequenas precisam de atenção especial? 03 2 Porque é preciso ir de encontro às necessidades do 03 desenvolvimento das crianças? 3 Como é que o HIV afecta o desenvolvimento das crianças? 03 1 Promover a acção familiar e comunitária 05 2 Ajudar as crianças a aprender 08 3 Satisfazer as necessidades emocionais e sociais das crianças 09 4 Comunicar com as crianças e ajudá-las a enfrentar as 11 suas circunstâncias 5 Desenvolver resiliência 16 6 Promover a participação das crianças 17 SECÇÃO 2: Cuidados e tratamentos para as crianças 21 pequenas com HIV Questões 1 Como é que as crianças são infectadas pelo HIV? 21 2 Como se faz o diagnóstico do HIV nas crianças pequenas? 22 3 Como é que a infecção pelo HIV afecta a saúde das crianças? 22 4 O que se pode fazer para ajudar as crianças infectadas pelo HIV? 23 1 Promover o teste do HIV para todas as mulheres grávidas 24 2 Aconselhar as mães grávidas sobre a prevenção da 24 transmissão do HIV da mãe para a criança 3 Detectar a infecção do HIV o mais cedo possível 25 4 Promover o acesso ao tratamento e ajudar as crianças a 27 tomarem os medicamentos antiretrovirais 5 Ajudar as crianças a manterem-se saudáveis 32 6 Providenciar boa nutrição 36 7 Cuidar das doenças comuns 40 8 Providenciar cuidados e apoio para crianças que 42 estejam gravemente doentes ou próximo da morte 9 Ajudar os provedores de cuidados a enfrentar o medo 45 e as preocupações com a morte Conclusão 46 Referéncias 47 Fontes Bibliográficas 48 01

4 AS CRIANÇAS DE 0 A 8 ANOS E O HIV Introdução Esta brochura fornece conselhos práticos para ir ao encontro das necessidades do desenvolvimento das crianças afectadas pelo HIV, e para organizar os cuidados e tratamentos necessários para as crianças infectadas pelo HIV, com particular incidência nas crianças menores de 8 anos de idade. O objectivo da brochura é assistir as organizações locais e os provedores de serviços a reforçar o seu apoio às famílias e às comunidades que cuidam dessas crianças. A brochura é organizada da seguinte maneira: A Secção 1 descreve o impacto do HIV no desenvolvimento intelectual, emocional, psicológico e social das crianças e fornece sugestões sobre o que as organizações podem fazer para ajudar as famílias e comunidades a responder às necessidades de desenvolvimento dessas crianças. A Secção 2 descreve o impacto da infecção do HIV na saúde física das crianças e fornece sugestões às organizações para apoiarem as famílias e comunidades a providenciar bons cuidados e tratamentos às crianças infectadas pelo HIV. A preparação desta brochura foi liderada por um comité consultivo internacional e inclui comentários e estudos de casos fornecidos por organizações que trabalham com crianças vulneráveis em vários países africanos, assim como estudos de casos apresentados em encontros consultivos realizados no Quénia, Uganda, Senegal e Moçambique. Informações sobre os estudos de casos encontram-se na secção das referências. Estas e mais referências estão disponíveis no CD-Rom Orphans and Vulnerable Children Toolkit, e na internet, na página Esta brochura faz parte duma série de recursos práticos desenvolvidos pela International HIV/AIDS Alliance (Aliança Internacional contra o HIV/SIDA) sobre as crianças afectadas pelo HIV. Faz parte da colecção As crianças do Amanhã: Notas Temáticas na África Vasta, que abrange os seguintes sete tópicos: Educação Saúde e nutrição Apoio psicossocial Inclusão social, Reforço económico Apoio aos idosos provedores de cuidados Crianças pequenas e HIV 02

5 SECÇÃO 1 Como atender às necessidades do desenvolvimento das crianças infectadas e afectadas pelo HIV Questões Impacto do HIV no desenvolvimento das crianças Falta de atenção e estímulos. Pais doentes, avós idosos e irmãos mais velhos podem não ter tempo e energia suficiente para dar às crianças a atenção e os estímulos de que elas precisam. Falta de consistência dos provedores de cuidados e no ambiente familiar. Mudanças repentinas ou frequentes de provedores de cuidados e no ambiente doméstico podem afectar o desenvolvimento emocional e social das crianças. As crianças que são enviadas para viver com outros familiares perdem a sua casa e às vezes o contacto com seus irmãos, o que pode ser causa de grande perturbação. Falta de cuidados de boa qualidade. As crianças negligenciadas ou abusadas sofrem danos psicológicos e emocionais e não se desenvolvem bem do ponto de vista físico. Mesmo quando alimentadas adequadamente, crianças infelizes não se desenvolvem tão bem quanto as outras crianças. Falta de tempo e energia para as actividades normais da infância. Crianças que cuidam de pais doentes ou de irmãos mais novos, ou que têm HIV elas próprias, podem não ter o tempo ou a energia para actividades como brincar com seus amigos. O estigma e a discriminação limitam as oportunidades para actividades sociais e para a criança fazer e manter boas amizades. O sentirse só e isolado afecta a confiança, a auto-estima e as habilidades sociais das crianças. 1 PORQUE É QUE AS CRIANÇAS PEQUENAS PRECISAM DE ATENÇÃO ESPECIAL? As crianças desenvolvem-se mais rapidamente nos primeiros anos de vida. Esta fase é a mais importante para o seu desenvolvimento intelectual, emocional e social. Experiências negativas e positivas na primeira infância têm efeitos a longo prazo. Desenvolvimento intelectual Estímulos atenção na primeira infância são essenciais para ajudar as crianças a aprender sobre o mundo à sua volta, entender e usar as palavras e desenvolver a capacidade de tomar decisões e resolver problemas. Desenvolvimento emocional Amor, carinho e atenção constante por parte de um ou dois provedores de cuidados na primeira infância são essenciais para as crianças se sentirem seguras e felizes e para que elas se tornem capazes de desenvolver boas relações com outras pessoas durante seu crescimento. Desenvolvimento social Bons cuidados e oportunidades de brincar e tomar parte em actividades sociais na primeira infância são essenciais para ajudar as crianças mais novas a desenvolver habilidades sociais e habilidades de viver e trabalhar com outros membros da comunidade. 2 3 PORQUE É PRECISO IR DE ENCONTRO ÀS NECESSIDADES DO DESENVOLVIMENTO DAS CRIANÇAS? As necessidades intelectuais, emocionais e sociais das crianças são tão importantes quanto suas necessidades físicas. As crianças de idades diferentes enfrentam etapas de crescimento diferentes e têm necessidades de desenvolvimento diferentes. COMO É QUE O HIV AFECTA O DESENVOLVIMENTO DAS CRIANÇAS? O impacto do HIV nas famílias tem efeitos negativos no desenvolvimento intelectual, emocional e social das crianças. 03

6 SECÇÃO 1 Questões IDADES E FASES DE DESENVOLVIMENTO 0-1 ano consistência e continuidade Nesta fase as crianças aprendem sobre o mundo mediante os seus sentidos. Elas respondem às expressões dos rostos, às vozes e às cores vivas, descobrem suas próprias mãos e seus pés, sorriem, começam a entender e pronunciar algumas palavras, sentam-se, gatinham, ficam de pé e começam a explorar e brincar com objectos. Elas precisam de: Provedores de cuidados que cuidem delas de uma maneira sensível e que estejam atentos às suas necessidades físicas e psicológicas. Afeição física, como serem abraçadas e acarinhadas, para se sentirem seguras Conversas e contos Coisas para observar, tocar, ouvir e brincar Protecção física e ambientes que possam explorar com segurança. 1-3 anos encorajamento, entusiasmo e independência Nesta fase as crianças aprendem a andar e correr, a entender e falar algumas palavras, a comunicar suas ideias e a alimentarem-se. Elas tornam-se mais independentes, mas preferem ter à sua volta rostos familiares. Gostam de ajudar, conseguem resolver alguns problemas simples, gostam de desenvolver novas habilidades e orgulham-se de seus sucessos, mas ficam frustradas quando não conseguem fazer algo. Desenvolvem amizades e começam a simular, imitando o que acontece ao seu redor. As crianças podem sentir-se envergonhadas e duvidar de si próprias se forem criticadas pelos provedores de cuidados. Elas precisam de: Oportunidades de brincar com outras crianças e desenvolver sua independência Encorajamento e elogios 3-5 anos iniciativa e inspiração Nesta fase as crianças falam bastante, fazem perguntas, gostam de brincar com amigos, aprendem a compartilhar, zangam-se ou sentem-se culpadas se acreditam ter fracassado e tornam-se competitivas, especialmente com seus irmãos e amiguinhos. Elas tornam-se também mais aventureiras e começam a imitar os adultos. Estas crianças precisam de: Oportunidades de participar em actividades, explorar e escolher Ajuda para aprenderem a usar bem a linguagem, através de leituras, conversas e canções Ajuda para aprenderem a cuidarem de si próprias e controlarem seu comportamento Alguém que as escute e converse com elas. 6-8 anos curiosidade e aprendizagem Nesta fase as crianças demonstram um aumento de interesse pelo mundo, por pessoas, letras e números, tornam-se mais confiantes do ponto de vista físico, começam a assumir responsabilidades, brincam em grupo, desenvolvem relações de confiança com amigos e utilizam palavras para expressar seus sentimentos. Estas crianças precisam de: Apoio para desenvolverem habilidades adicionais nas áreas da linguagem, do pensamento e na área física Encorajamento com os trabalhos escolares Elogios quando conseguem fazer algo de novo e quando fazem algo bem. Oportunidades para aprenderem a colaborar com outros e praticarem auto controle, tomarem responsabilidades e cumprirem tarefas. 04

7 SECÇÃO 1 Quais os sinais que indicam que uma criança precisa de ajuda? Não brincar com outras crianças, não demonstrar interesse no que acontece ao seu redor Tristeza, medo, introversão, não falar Falar excessivamente, agressividade, hiperactividade, repetição constante da mesma actividade Chorar, irritar-se e zangar-se facilmente Sono agitado, alterações da micção (como fazer xixi na cama) Media in Education Trust. Esta secção descreve os princípios e as estratégias com eles relacionadas, que as organizações podem utilizar para apoiarem as comunidades e as famílias (nestas brochuras por família entende-se os pais e outros provedores de cuidados) a irem ao encontro das necessidades do desenvolvimento das crianças pequenas com HIV e das crianças pequenas afectadas pelo HIV. Princípios Promover a acção familiar e comunitária Ajudar as crianças a aprender Satisfazer as necessidades emocionais e sociais das crianças Comunicar com as crianças e ajudá-las a enfrentar as suas circunstâncias Desenvolver resiliência Promover a participação das crianças 1 PROMOVER A ACÇÃO FAMILIAR E COMUNITÁRIA Consciencializar as comunidades e as famílias As famílias e as comunidades precisam ter conhecimentos sobre o desenvolvimento das crianças e as necessidades especiais das crianças mais novas. Para isso é preciso: Promover o diálogo na comunidade e educar as famílias sobre as necessidades de desenvolvimento das crianças pequenas, e sobre o impacto do HIV no desenvolvimento das crianças. Trabalhar com as comunidades na identificação das crianças que precisam de ajuda, e de maneiras de ir ao encontro das suas necessidades de desenvolvimento, incluindo abordagens baseadas em métodos tradicionais de transmissão de conhecimentos e habilidades duma geração para outra. Encorajar os comités para Crianças Órfãs e Vulneráveis (COV) a considerar tanto as necessidades materiais como as necessidades de desenvolvimento intelectual, social e emocional das crianças infectadas e afectadas pelo HIV e a identificar as que precisam de ajuda. Encorajar as organizações comunitárias e religiosas a procurar satisfazer as necessidades das crianças mais novas através das suas actividades. 05

8 SECÇÃO 1 No Quénia, o projecto Speak for the Child (Fale pela Criança) pesquisou as crenças locais sobre os efeitos nas crianças de ter pais com HIV, sobre as razões dos problemas comportamentais das crianças e sobre os efeitos do luto e do pesar nas crianças. Os resultados foram utilizados para desenvolver intervenções comunitárias adequadas para apoiar as crianças afectadas. Training and Resources in Early Education (Formação e Recursos em Educação Infantil - TREE), uma ONG sul-africana, treina mulheres na avaliação das necessidades das crianças pequenas, no aconselhamento e na identificação de recursos para ajuda a nível da comunidade. TREE também encoraja as famílias a brincar com as crianças utilizando brinquedos e jogos tradicionais. Apoiar os provedores de cuidados As famílias (incluindo os avós e/ou irmãos mais velhos) são os principais provedores de cuidados para as crianças infectadas e afectadas pelo HIV. Apoiar esses provedores a cuidar devidamente das crianças é essencial. Seria recomendável: Identificar voluntários nas comunidades que ajudem as famílias a cuidar das crianças, especialmente para as famílias que enfrentam problemas de pobreza e doença. Encorajar os membros da comunidade a visitar as famílias afectadas para lhes oferecer apoio emocional e reduzir seu isolamento social. Estabelecer grupos de apoio para os que cuidam das crianças. Promover a organização de cuidados colectivos, como centros comunitários ou creches. Providenciar aconselhamento e formação sobre desenvolvimento infantil e maneiras correctas de cuidar das crianças. Em Moçambique, activistas da organização Reencontro utilizam desenhos e brincadeiras para identificar as necessidades psicossociais das crianças. A maneira como as crianças se expressam através dos desenhos e brincadeiras demonstra os problemas que elas têm e ajuda os activistas a encontrarem formas de ajudar a criança a superar as suas dificuldades. Em Moçambique, a ONG Dores Sem Fronteiras apoia o Centro de Reabilitação Infantil de Chokwe, situado na Cidade de Chokwe (CRIC), onde são oferecidas oportunidades de recreio e lazer, e de atendimento e reabilitação às crianças com diferentes tipos de dificuldades. As crianças são referidas ao CRIC pelo Centro de Saúde, pela escola ou pelos próprios pais. O centro conta com cinco educadores que receberam um treino básico para observar e fazer uma breve avaliação do desenvolvimento geral dessas crianças. 06 Figura 1: Encorajar os membros da comunidade a visitar as famílias afectadas

9 SECÇÃO 1 Os casos que precisam de atenção especial são encaminhados aos psicólogos clínicos, que fazem a supervisão regular dos educadores e treinam os pais. A mesma ONG oferece diversos cursos aos líderes comunitários, às OCBs, aos professores, e a voluntários e familiares no sentido de encorajar um melhor atendimento e cuidados às crianças em situação de maior vulnerabilidade no seio da família e de prevenir que mais crianças fiquem doentes (em particular com as doenças mais comuns naquela província: malária cerebral, epilepsia e HIV/SIDA). Compreendendo e Desafiando o Estigma do HIV é um kit prático, que inclui uma actividade que leva os adultos a considerar como suas atitudes e comportamento afectam a vida das crianças. A cada participante é entregue um papel com uma frase, e ele deve dizer se a afirmação é verdadeira ou falsa (exemplos incluem: as crianças podem tomar conta de si próprias, as crianças deveriam sempre fazer o que os adultos dizem, as crianças deveriam ser encorajadas a serem o mais independentes possível ), e justificar porque pensa assim. Isso gera uma discussão sobre a dependência das crianças em relação aos adultos e como algumas percepções sobre as crianças influenciam a maneira como os adultos as tratam, e por consequência influenciam o desenvolvimento das crianças. Kidd and Clay, Neste documento Aconselhamento significa o processo de ajudar a pessoa a processar as suas dificuldades, ouvindo-a e reflectindo juntos sobre a situação e as opções disponíveis e apoiando a pessoa a tomar as suas próprias decisões ( sem dar conselhos nem fazer julgamentos). Conselheiro é a pessoa que ajuda neste processo. Na Suazilândia, grupos de mulheres da organização Valley Charity fazem visitas semanais a famílias afectadas dando apoio espiritual e emocional principalmente, mas também contribuindo com alimentos e propinas escolares no caso de famílias mais necessitadas. O projecto Likhaya Lemphilo Lensha (Lares para crianças órfãs) tem sessões semanais de formação para as suas mães; estas sessões provaram tão úteis que outros provedores de cuidados pediram para serem incluídos periodicamente; este projecto realiza agora, duas vezes por ano, workshops abertos a outros provedores de cuidados, não só para formação em assuntos específicos e muito práticos, mas também para troca de experiências e encorajamento. Em Moçambique o Ministério da Mulher e Acção Social tem assistentes sociais que visitam as famílias afectadas e tentam, na medida possível, encaminhá-las para os serviços públicos apropriados. O facto de a família receber a visita de alguém que representa um organismo do Estado tem um impacto positivo, e fá-la sentir que alguém se interessa por ela. No Uganda, o programa domiciliário Mildmay s Jajja Home Children s Programme administra programas rurais de cuidados de dia e clubes de actividades para as crianças. Estes oferecem apoio psicossocial para crianças infectadas pelo HIV e seus provedores de cuidados, e trabalham com as comunidades locais para que sejam capazes de apoiar famílias chefiadas por crianças. (www.mildmay.org). A Speak for the Child organiza visitas domiciliárias de conselheiros treinados, forma grupos de apoio a provedores de cuidados e cria ligações entre as famílias e os grupos comunitários de apoio. Os encontros de apoio têm ajudado os provedores de cuidados a resolver problemas e a melhorar a maneira como cuidam das crianças. No Uganda, Action for Children (Acção pelas Crianças) organiza Grandmothers Action Support (Acção de Apoio às Avós), que desenvolve a capacidade das avós de cuidarem de crianças infectadas ou afectadas pelo HIV. Prolongar a vida dos pais e dos provedores de cuidados Prolongando a vida dos pais e provedores de cuidados prolongamos também o relacionamento entre criança e pais, um elemento importante no desenvolvimento da personalidade e maturidade da criança. A morte de um dos pais ou de uma pessoa próxima é a experiência mais traumática que pode ocorrer na vida de uma criança. Mesmo as crianças mais novas experimentam grande angústia durante a doença e a separação ou a morte de um dos pais 07

10 SECÇÃO 1 A Speak for the Child observou que as habilidades sociais das crianças melhoram quando estas começam a frequentar a pré-escola. As famílias explicaram que as crianças aprenderam a brincar e cooperar com outras crianças e a cumprimentar as visitas. A nutrição das crianças também melhorou porque as famílias tinham mais tempo para ir trabalhar nos campos e preparar as refeições. Em Moçambique, na Província de Gaza, com o apoio da Save the Children USA, os membros da comunidade organizaram uma escolinha para crianças pequenas. A escolinha oferece condições para as crianças brincarem e assegura que as crianças tenham pelo menos uma boa refeição por dia. Para isso, a comunidade contribui com produtos da machamba, como milho e amendoim. Na Zâmbia, um dos parceiros da Christian Aid, o Centro de Cuidados de Dia de Kondwa, oferece cuidados para crianças afectadas pelo HIV até aos sete anos de idade. Os serviços oferecidos incluem aconselhamento e apoio emocional para ajudar as crianças a fazer face à doença e à morte de seus pais, e a prepararem-se para a escola primária. 2 Conselhos práticos para as famílias incluem: Assegurar que as crianças tenham descanso suficiente e comida de boa qualidade (ver página 36 Providenciar boa nutrição), pois isso ajuda o seu cérebro a crescer e a desenvolver. Permitir que as crianças brinquem, pois isso favorece sua aprendizagem e o desenvolvimento das habilidades necessárias para resolver problemas. ou pessoa querida, seja qual for a doença. Portanto o acesso ao tratamento, particularmente para pais vivendo com HIV, não é somente a melhor maneira de reduzir o número de órfãos, mas também de assegurar uma vida familiar estável e de qualidade. AJUDAR AS CRIANÇAS A APRENDER Manter as crianças em boa saúde As crianças bem alimentadas e descansadas são mais saudáveis e aprendem melhor que crianças com fome, cansadas ou doentes. Providenciar bons cuidados no lar para as crianças doentes ou levá-las ao posto de saúde quando estiverem muito doentes (ver página 40 Cuidar das doenças comuns). Oferecer estímulos e atenção As crianças precisam de atenção e dum ambiente estimulante que as ajude a aprender. Sugestões práticas para as famílias incluem: Dedicar tempo à conversa, às histórias, às canções e às danças com as crianças. Apoiar artistas/artesãos locais na criação de brinquedos simples para as crianças ou organizar uma área para brincar na creche local ou na sede do centro aberto para as crianças. Promover o acesso aos cuidados pré-escolares A pré-escola e os centros abertos, ou de dia, podem beneficiar o desenvolvimento intelectual e social das crianças. Seria recomendável: Apoiar as famílias a matricular e enviar as crianças para a escolinha, se houver uma na comunidade. Ajudar a comunidade a estabelecer escolinhas ou centros abertos para as crianças e a recrutar professores ou voluntários comunitários. Encorajar as escolas primárias a oferecer serviços pré-escolares para as crianças pequenas. 08

11 SECÇÃO 1 A Speak for the Child notou que o apoio dos conselheiros comunitários ajuda os provedores de cuidados a mudarem a forma como cuidam das crianças. Visitas regulares ajudaram os provedores de cuidados a sentirem-se menos stressados, isolados e deprimidos. Uma abordagem virada para a solução conjunta de problemas ajuda os provedores de cuidados a sentirem-se mais confiantes e respeitados e tem impacto positivo na qualidade dos cuidados. Os provedores de cuidados explicaram que, com a ajuda dos conselheiros, eles pararam de bater nas crianças para as disciplinarem e passam agora mais tempo falando com os pequenos e respondendo às suas perguntas. Eles também passaram a dedicar mais tempo a escutar as crianças, e falam com elas com gentileza em vez de gritarem. No Uganda, a Health Alert notou que crianças infectadas pelo HIV que recebem amor e carinho dos adultos que cuidam delas são mais saudáveis e respondem melhor ao tratamento do HIV do que as que não têm amor e carinho. 3 SATISFAZER AS NECESSIDADES EMOCIONAIS E SOCIAIS DAS CRIANÇAS Dar amor e carinho às crianças Receber amor e carinho é muitas vezes mais importante para as crianças infectadas pelo HIV do que o conforto material. Seria recomendável: Explicar às famílias que amor e carinho ajudam as crianças a crescer e a recuperar-se quando doentes, assim como a desenvolver-se intelectual, emocional e socialmente. Tomar o género em consideração Em certos contextos culturais, o género de uma criança pode expô-la a riscos particulares, por exemplo, os meninos são frequentemente alvos de tráfico para trabalho na agricultura, ou podem acabar a pedir esmolas ou viver nas ruas. As meninas podem ser exploradas em trabalhos domésticos pesados, desistir da escola ou ficar expostas ao abuso sexual. Envolver as crianças nas actividades sociais As crianças infectadas ou afectadas pelo HIV precisam sentir que fazem parte de suas famílias e suas comunidades, fazem as mesmas coisas que as outras crianças de sua idade, e têm amigos. Tomar parte nas actividades sociais é essencial para o desenvolvimento emocional e social das crianças, pois isso ajuda a aprender mais sobre si próprias e a estabelecer relações com os outros. Brincar com outras crianças da mesma idade ajuda-as a aprender sobre cooperação, ter confiança e compartilhar, assim como a desenvolver habilidades sociais. Por isso, seria recomendável: Organizar actividades recreativas e desportivas para todas as crianças da comunidade. Aconselhar as famílias sobre maneiras de envolver crianças doentes nas actividades diárias para que se sintam incluídas na vida da família em vez de as deixarem sozinhas num quarto escuro. Encorajar outras crianças a envolver as crianças doentes, identificando jogos a que as crianças doentes possam assistir ou em que possam tomar parte. Oferecer oportunidades para que as crianças infectadas ou afectadas pelo HIV possam expressar seus sentimentos e trocar ideias com outras crianças na mesma situação. 09

12 SECÇÃO 1 Para promover atitudes de compaixão e carinho a nível da comunidade, uma ONG da Namíbia chamada CAFO encoraja os líderes religiosos a integrar em seus sermões histórias de crianças afectadas pelo HIV. A CAFO ajuda os líderes religiosos a seleccionar um assunto mensalmente, com leituras da Bíblia e exemplos tirados da vida real das crianças, e fornecidos pelos comités de apoio às crianças. Building Blocks Development Group. No manual Prático HIV positive: A book for caregivers (HIV Positivo: um livro para provedores de cuidados) encontra-se uma história que pode ser utilizada para estimular as crianças a pensar sobre assuntos como as atitudes da comunidade para com as pessoas com HIV, os sentimentos das outras pessoas e a possibilidade de escolher entre um comportamento caridoso ou um comportamento cruel. Nandi e seus amigos estavam brincando no parque. Buhle estava sentada sozinha. Nandi disse às suas amigas: Vamos convidar a Buhle para brincar connosco. Mas as suas amigas não queriam brincar com a Buhle. Uma delas respondeu: Não, ela é HIV positiva e vai nos dar SIDA. Tenho medo de brincar com ela. Assim, a Buhle foi deixada sozinha. No caminho da escola para casa a Nandi caiu e magoou-se no braço. A Buhle ia a passar perto e viu o que aconteceu. Ela perguntou: O que se passa? Posso te ajudar?. Ela ajudou a Nandi a chegar a casa e a mãe da Nandi ficou-lhe muito agradecida. A seguir, a mãe levou a Nandi para o posto de saúde, para verificar se havia lesões graves no braço. Durante a consulta a Nandi perguntou ao Médico sobre o HIV. No dia seguinte a Nandi e a Buhle andaram juntas a caminho da escola. As amigas da Nandi estavam chocadas. Elas Figura 2: Crianças alegres que brincam juntas No Zimbabué, os Clubes das Crianças organizam actividades desportivas e artísticas para ajudar as crianças a desenvolver relações com outras crianças nas mesmas faixas etárias. Além disso, os clubes envolvem a comunidade, para despertar a atenção para o papel da recreação no desenvolvimento emocional e social das crianças. Em Moçambique, a organização Kubatsirana promove retiros e passeios com as crianças para que possam estar em contacto com a natureza e brincar com outras crianças em situações semelhantes. Os activistas verificam que esta actividade tem um impacto positivo pois crianças que antes eram tristes tornam-se mais alegres e passam a expressar seus sentimentos com mais facilidade. Enfrentar o estigma e a discriminação As crianças infectadas pelo HIV e as crianças cujas famílias são afectadas pelo HIV muitas vezes são estigmatizadas e discriminadas. Isto limita as suas oportunidades de fazerem amizades e torna-as solitárias e tristes. Para enfrentar o estigma e a discriminação é recomendável: Discutir com os membros da comunidade por que razão e de que forma as crianças são estigmatizadas, e os efeitos que isso tem sobre as crianças. Treinar os trabalhadores comunitários para identificarem sinais de estigmatização no núcleo familiar e discutir o assunto com a família ou enviá-la para os serviços de aconselhamento e apoio. Encorajar os líderes comunitários e religiosos, professores e outros adultos a dar o bom exemplo e envolver as crianças infectadas e afectadas pelo HIV nos eventos comunitários, como cerimónias, festivais e actividades recreativas, como jogos e desportos. 10

13 SECÇÃO 1 disseram: O que estás a fazer na companhia dessa menina? Como podes ser amiga dela? Ela vai te fazer adoecer. A Nandi respondeu: A Buhle é uma boa amiga. Ela ajudou-me quando magoei o meu braço. Ser amigas não transmite SIDA. O médico já me explicou. Ele disse que não é possível transmitir SIDA comendo juntos, abraçando ou brincando juntos. Depois de contar a história, o facilitador pode perguntar às crianças como elas acham que a Buhle se sentia quando ninguém falava com ela e como as próprias crianças se sentiriam no lugar da Buhle. Poderá também perguntar o que será que o médico disse sobre ser amigos de alguém com HIV. No Zimbabué, como parte de seus serviços ao domicílio, o Island Hospice fornece aconselhamento e explora com a família as opções existentes para as crianças após a morte dos pais. As crianças participam em sessões de aconselhamento antes e depois da morte dos pais, e o serviço organiza também sessões regulares para grupos de crianças enlutadas. UNAIDS, No Quénia um projecto da World Vision treina os voluntários nas comunidades a facilitar grupos de terapia interpessoal, ou conversas comunitárias, com crianças afectadas pelo HIV. A abordagem leva em conta as práticas culturais locais e as crenças sobre o HIV, e promove a busca de soluções locais. Estas conversas comunitárias têm ajudado as crianças a se apoiarem mutuamente e melhorado a comunicação entre provedores de cuidados e crianças necessitadas. Building Blocks Development Group. Trabalhar com pais e professores para enfrentar a estigmatização e a discriminação pelas outras crianças, pois elas muitas vezes adquirem as atitudes negativas dos adultos. Envolver crianças na identificação de crianças excluídas e procurar em conjunto as razões da exclusão. Para o efeito, podem utilizar-se métodos criativos, como marionetas e teatro, que ajudem as crianças a entender as razões do estigma e da discriminação e a trabalharem conjuntamente para identificar formas de incluir as crianças doentes e afectadas. 4 COMUNICAR COM AS CRIANÇAS E AJUDÁ-LAS A ENFRENTAR AS SUAS CIRCUNSTÂNCIAS Providenciar aconselhamento para as crianças O aconselhamento pode ser extremamente útil para as crianças infectadas e afectadas pelo HIV. O aconselhamento de boa qualidade ajuda a criança a contar as suas histórias, a fazer escolhas, a identificar as suas habilidades, a desenvolver uma atitude positiva sobre a vida e a enfrentar os seus problemas. Pode também ajudá-la a lidar com medo e ansiedade sobre a sua doença ou doença e morte no âmbito familiar. Seria recomendável: Advogar a favor da criação de serviços de aconselhamento para crianças, incluindo o aconselhamento de crianças antes e depois da morte dos pais. Desenvolver a capacidade para o aconselhamento das crianças a nível local, através do treinamento de professores, líderes das igrejas e voluntários da comunidade Encorajar os programas para crianças órfãs e vulneráveis e os programas de cuidados domiciliários a treinarem voluntários no aconselhamento das crianças e a envolvê-las nas sessões de aconselhamento familiar. Reforçar as formas tradicionais de aconselhamento que já existem na comunidade e que não precisam de intervenção de profissionais e agentes externos. Promover abordagens como as de educação de pares e clubes que vão ao encontro das necessidades de todas as crianças nas comunidades afectadas pelo HIV. 11

14 SECÇÃO 1 Pontos a considerar ao falar com as crianças pequenas Escolha um lugar para conversar onde a criança se sinta à vontade e segura. Use palavras simples. As crianças pequenas precisam ser informadas que algo não está bem, mas não precisam de detalhes ou de informação específica sobre o HIV. Deixe que a criança absorva a informação aos poucos. Para começar poderia dizer-lhe que o pai ou a mãe não estão bem e deixar que a criança faça as suas perguntas. Depois fale sobre a gravidade da doença do pai ou da mãe num outro momento. Se uma criança não quiser falar, sugira que a conversa possa ocorrer numa outra altura, ou que a criança possa falar com outra pessoa. Deixe claro que ela não tem de conversar se não quiser. Escute e fale à criança quando a oportunidade se apresentar. Às vezes as crianças fazem perguntas quando estão executando uma tarefa com alguém, como por exemplo, buscar água. Preste atenção ao que a criança diz e encoraje-a a expressar-se à sua maneira. Responda às perguntas honestamente. Tente identificar com antecedência uma forma de lidar com perguntas difíceis. Não demonstre tensão ou aborrecimento caso a criança reaja duma forma inesperada, por exemplo, se parecer despreocupada com a notícia ou se demonstrar aborrecimento contra a pessoa doente. Assuntos a serem considerados no aconselhamento e na comunicação com crianças Nalguns casos, para além das sessões individuais com a criança, poderá ser necessário estabelecer contacto com um dos pais ou provedor de cuidados para o aconselhar sobre como melhor satisfazer as necessidades da criança. Ajude a criança a sentir-se segura e à vontade. Procure conhecer a criança, não somente os problemas que ela tem. Faça perguntas sobre suas actividades diárias e sobre o que ela gosta de fazer. Lembre-se que as crianças expressam seus sentimentos através de seu comportamento e não somente com suas palavras. Os conselheiros podem aprender muito através da observação da linguagem corporal, das expressões do rosto e das brincadeiras duma criança; as crianças muitas vezes representam seus sentimentos ou situações vividas quando brincam. Considere a idade da criança, sua forma de entender e seu estado emocional, e tente ver a situação do ponto de vista dela. Tenha consciência de que poderá necessitar de uma abordagem diferente para o aconselhamento e a comunicação com crianças com necessidades especiais, inclusive com as crianças que tenham dificuldades de aprendizagem, de vista e de audição. Aceite os sentimentos das crianças e deixe que elas se expressem como quiserem. Não tente apressar ou interromper. As crianças podem sentir vergonha e levar tempo para desenvolver confiança no conselheiro. Escute o que a criança tem a dizer, leve-a a sério e dê-lhe toda a atenção. Use métodos apropriados para as crianças mais novas. Brincar com bonecas, desenhar, fazer jogos, contar histórias e usar marionetas são maneiras eficazes de ajudar a criança a expressar seus sentimentos, por exemplo: - A criança pode identificar-se nas personagens duma história sem ter que se sentir exposta directamente. - Peça à criança para contar uma história, por exemplo sobre uma criança muito doente ou triste, porque pode ajudar a falar de como a própria criança se sente. - Use brinquedos como as marionetas para ajudar a explorar assuntos difíceis, pois a criança pode utilizar o brinquedo ou a marioneta para contar sua própria história. - Respeite as capacidades das crianças de resolverem os seus problemas. 12

15 SECÇÃO 1 Conversar com as crianças sobre doença e morte na família É importante falar com as crianças sobre as doenças que afectam a família. As crianças podem estar preocupadas que um dos pais esteja para morrer, porque já viram outros adultos na comunidade morrer com a mesma doença. Se um adulto estiver em tratamento antiretroviral, a sua situação deveria melhorar e será importante ajudar as crianças a enfrentarem seus medos e tranquilizá-las que seu pai ou sua mãe irá melhorar. Foi observado na prática que as crianças são capazes de ajudar os pais a lembrarem-se de tomar os seus medicamentos. É importante preparar as crianças e os adultos para a doença e a morte. Os adultos podem pensar que, não contando o que está acontecendo, estão a proteger a criança, mas mesmo crianças muito pequenas têm a capacidade de entender que algo estranho está ocorrendo. A falta de informação pode criar ansiedade e perturbação. Seria recomendável: Explicar aos pais porque é importante preparar as crianças com antecedência e responder às perguntas que elas colocam. Preparar as crianças antes das suas visitas a um pai ou mãe que esteja internado no hospital por doença grave ou perto da morte, pois a experiência pode ser chocante. Não se deve forçar a criança a permanecer no hospital se estiver angustiada. Porque preparar a criança para a morte de um dos pais? Falar com as crianças com antecedência ajuda-as a acostumarem-se à ideia e a enfrentar melhor a morte e o pesar. As crianças dão valor à oportunidade de fazer perguntas sobre como organizar suas vidas futuras e ouvir os últimos conselhos de seus pais. Ter a oportunidade de se despedir é muito importante. Trocar desejos e bênções pode evitar que mais tarde a criança se sinta culpada pela morte do pai ou da mãe. 13

16 SECÇÃO 1 Como é que as crianças reagem à morte dum dos pais? Reacções comuns incluem: Medo, confusão e insegurança (por exemplo, agarrar-se a algo ou alguém, medo de ir dormir, pesadelos, fazer xixi na cama). Tristeza, depressão e isolamento. Zanga, agressão e birras. Sentido de culpa (por exemplo, a criança sente-se culpada pela morte). Negociação e negação (por exemplo, Se eu for bom a mamã vai voltar ). Regressão (por exemplo, falar como um bebé ou esperar ser alimentada em vez de se alimentar sozinha). Sintomas físicos (por exemplo, sentirse doente). As reacções dependem da idade da criança: Até aos 6 meses de idade, os bebés agarram-se, choram, e podem recusar serem confortados por outras pessoas. As crianças de 6 meses a 3 anos apresentam sinais físicos, como problemas alimentares ou distúrbios do sono, regressão (por exemplo, parar de andar quando já o faziam), hábitos de conforto como chupar o dedo, chorar e se agarrar. Podem também ser demasiado tristes ou quietas. As crianças acima dos 3 anos demonstram o seu pesar através de sentimentos (por exemplo, sentido de culpa, medo), comportamentos (por exemplo, sendo agressivos ou malandros) e também fisicamente. Planear o futuro A preparação para a morte deveria incluir um plano para as crianças, pois as crianças muitas vezes preocupam-se sobre o que lhes vai acontecer após a morte de um dos pais. Seria recomendável: Ajudar os pais a preparar um livro ou uma caixa de memórias para as crianças. Encorajar os pais a identificar alguém que possa cuidar das crianças após a sua morte e envolvê-las na escolha de seus futuros tutores. Ajudar os pais a escrever os seus testamentos para que as crianças não percam a sua herança e indicando a quem as crianças vão ser confiadas. Aconselhar os pais a tratar de todos os documentos importantes de que as crianças possam vir a precisar, como as certidões de nascimento, o testamento e outros papéis legais, incluindo declarações das estruturas de bairro. As crianças deverão saber onde se encontram tais documentos e ter acesso aos mesmos. Sugestões práticas para as famílias incluem: 14

17 SECÇÃO 1 A capacidade das crianças de entender a morte também depende de sua idade e capacidade de compreensão: Crianças de idade inferior aos 2 anos não entendem o conceito de morte ou o que aconteceu. Crianças de 3-5 anos podem ter episódios breves, frequentes e intensos de pesar, embora nos intervalos entre estes momentos aparentem não terem sido afectadas. Elas podem não entender que a morte não tem volta e muitas vezes esperam o retorno do pai ou da mãe que faleceu. Elas podem repetir a mesma pergunta milhares de vezes. As crianças acima dos 5 anos de idade podem aceitar a ideia que um dos pais morreu e procurar uma forma de guardar a pessoa querida em sua memória (por exemplo, pensando que o pai ou a mãe estão no céu ou velando de longe pela criança). Caixas ou livros de memórias ajudam os pais a discutir a sua morte com as crianças e a preservar informações sobre a família e lembranças da infância. Os pais podem escrever as suas recordações mais queridas sobre a criança, desenhar a árvore genealógica, dar informações sobre os familiares, as tradições seguidas pela família e os acontecimentos importantes; podem escrever uma carta descrevendo seus desejos especiais e sentimentos pelos filhos e incluir fotografias ou desenhos que a criança fez. Preparar uma caixa ou um livro de recordações com uma criança estimula a criança a perguntar sobre seu passado e sobre os planos para o futuro. Estes instrumentos são especialmente valiosos para as crianças cujos pais morrem quando elas são ainda muito novas, pois fornecem informações sobre os pais de que elas não se poderão lembrar e ajudam-nas a ter um sentido de identidade. Em Moçambique, uma associação chamada Vukoxa, que trabalha no distrito do Chokwe com pessoas idosas, encoraja as famílias a terem um livro de memórias onde ficam registadas as principais tradições da família, como regras de casamento e de falecimento e os bens que a família dispõe e os últimos desejos dos pais. Nesta região é costume os homens irem trabalhar nas minas da África do Sul. Muitas vezes voltam doentes e a viúva e as crianças acabam por ver os seus bens espoliados pela família do marido. Os activistas e paralegais da Vukoxa têm verificado que, com a existência do livro de memórias, reduziram-se os casos de famílias que sofreram abusos por parte dos familiares do marido, e assim os direitos das crianças foram protegidos. Ajudar as crianças na perda dos pais ou outras pessoas queridas As familias precisam de saber que o sofrimento afecta as crianças, e como as ajudar. As crianças são afectadas pela doença e morte e podem sentir ansiedade, angústia e sofrimento. Sem ajuda, a doença e a morte dum dos pais podem causar problemas emocionais e comportamentais durante muito tempo. Falar com as crianças sobre a perda dum membro da família e explicar que os adultos na família também estão tristes, mas que vai ser preciso aceitar a realidade e buscar formas de aguentar a dor. Explicar que a morte ocorreu por causa duma doença e tranquilizar a criança assegurando que ela não tem nenhuma culpa do que aconteceu. Figura 3: Envolver as crianças nos rituais familiares, como plantar uma árvore em memória dum ente querido Manter uma rotina o mais normal possível, pois isso ajuda a criança a sentir-se mais segura. Tentar não transferir as crianças para um novo ambiente. 15

18 SECÇÃO 1 No Zimbabué, o Masiye Camp da Salvation Army (Exército da Salvação) organiza acampamentos para crianças afectadas menores de 5 anos e para seus provedores de cuidados. Usam actividades recreativas e teatro para ajudar as crianças a expressar seus sentimentos e desenvolver habilidades sociais. O aconselhamento, as discussões em grupo e o ensino (por ex., sobre os efeitos do abuso da criança, sobre viver positivamente com HIV, como cuidar de crianças doentes, como reforçar as habilidades de pai/mãe/tutor, e sobre como preparar um livro de memórias) ajudam os provedores de cuidados a entender as necessidades das crianças e fornecer cuidados e apoio apropriado para crianças infectadas pelo HIV (UNAIDS, 2001). Também no Zimbabué, a iniciativa Young People We Care (Somos Jovens Provedores de Cuidados) encoraja os jovens da comunidade a dar apoio prático e emocional às crianças pequenas, inclusive ajuda com os trabalhos escolares e com actividades recreativas. JSI UK Zimbabué. Assegurar que a criança se sinta segura e amada, cuidando dela, dando-lhe atenção e carinho duma forma constante. Envolver as crianças nas cerimónias familiares pois isso ajuda-as a sentir que não estão sozinhas no seu pesar mas não obrigar as crianças a tomar parte nos funerais se não quiserem ou se tiverem medo. As crianças poderiam ser encorajadas a terem sua própria cerimónia para o membro da família que morreu, ou a plantar uma árvore, ou a fazer um jardim em memória da pessoa. Quando tiverem de sair de casa por algum tempo, os adultos devem explicar às crianças aonde vão e o que vão fazer, e deixar as crianças com alguém que elas já conheçam bem. Aceitar as reacções e os comportamentos das crianças. Tentar ser paciente e não se aborrecer se uma criança não obedecer, fizer birras, fizer xixi na cama ou se comportar como um bebé. Confortar a criança quando ela for para a cama ou acordar no meio da noite. Deixar que a criança expresse seus sentimentos. Falar com ela sobre a perda e sobre a pessoa que morreu. Ajudar a criança a guardar recordações dos momentos felizes que passou com os pais. Responder a quaisquer perguntas que ela tenha sobre os pais falecidos. 5 DESENVOLVER RESILIÊNCIA Por resiliência entende-se a capacidade de enfrentar e superar as dificuldades da vida de forma a sair fortalecido pela experiência adquirida. Uma criança resiliente acredita que pode lidar com um O que torna uma criança resiliente? O que a criança tem Eu tenho a criança tem mais probabilidades de ser resiliente se tiver por perto pessoas que a amam e que estabeleçam limites para prevenir que a criança se ponha em perigo ou em situações problemáticas; que lhe dão o exemplo de bom comportamento, que a encorajam a tornar-se independente e a elogiam ao demonstrar iniciativa; e que a apoiam quando precisa de acesso aos serviços públicos e sociais. Quem a criança é Eu sou a criança tem mais probabilidades de ser resiliente se tiver um sentido de quem ela é, se sentir que os outros podem gostar dela e amá-la; se puder fazer algo para os outros; se se sentir orgulhosa de si mesma; se tomar responsabilidade por suas acções e se pensar que no futuro as coisas vão correr bem. O que a criança pode fazer Eu posso uma criança tem mais possibilidade de ser resiliente se puder conversar com os outros sobre suas preocupações e se puder resolver seus problemas; se controlar seus sentimentos, entender como os outros se sentem e estabelecer relações: e se encontrar alguém que a ajude quando ela precisar. 16

19 SECÇÃO 1 Na Tanzânia, a HUMULIZA treina ONGs e professores na identificação dos problemas e na comunicação com as crianças; também organiza o aconselhamento entre pares para permitir que as crianças compartilhem suas experiências e se apoiem mutuamente. Sessões semanais em grupo ajudam as crianças a sentir que não estão sozinhas com seus problemas e a enfrentar melhor seus sentimentos de isolamento. As sessões começam pedindo a cada criança que conte algo importante que lhe aconteceu durante a semana. São usados teatro e marionetas para ajudar as crianças a falarem de seus problemas. Jogos, canções e actividades são utilizados para desenvolver a autoestima. O Mothers Support Group (Grupo de Apoio das Mães) na Nigéria organiza clubes e acampamentos para as crianças. Nestes lugares seguros as crianças podem pensar nos seus problemas e elaborar soluções, com o apoio de adultos carinhosos. No Ruanda, a CARE International apoia a Nkundabana Initiative for Psychosocial Support (Iniciativa da Nkundabana para o Apoio Psicossocial), no treinamento de 600 tutores (Nkundabana) na tarefa de substitutos dos pais para 3000 famílias chefiadas por crianças. O seu objectivo é ir ao encontro das necessidades emocionais e psicossociais dessas crianças. Os tutores seleccionados a nível da comunidade devem ser aprovados pelas crianças. REPSSI. 6 acontecimento difícil porque tem algum poder sobre sua vida. Uma família carinhosa oferece o melhor ambiente para o desenvolvimento de resiliência na criança. O apoio emocional e social da família, das outras crianças e dos vizinhos é de importância vital para que a criança aprenda a lidar com as adversidades. Por isso, as organizações locais precisam trabalhar também com toda a comunidade no desenvolvimento da resiliência das crianças. Fazer um livro do herói, onde a criança escreve e faz desenhos e onde ela própria é a personagem principal, é um processo que tem por objectivo reforçar a resiliência da criança. A criança conta sua história com palavras e desenhos e, no papel de herói, é ajudada a sentir que ela própria tem algum controle dos problemas e dos desafios da sua vida. Porém, resolver problemas não é somente responsabilidade da criança e os livros de heróis salientam a necessidade de sensibilizar a comunidade no apoio às crianças. Morgan, Os projectos da CCATH (Child-Centred Approaches to HIV and AIDS) no Quénia e Uganda desenvolvem a resiliência das crianças através do desenvolvimento de suas capacidades de enfrentar as dificuldades, facilitando a comunicação entre pais e filhos, promovendo a elaboração de livros de memórias, estabelecendo clubes de crianças e apoiando crianças mais crescidas a dar apoio emocional às crianças mais novas. O manual prático HIV positive: A book for caregivers inclui jogos e actividades para desenvolver a autoconfiança das crianças. No Jogo de Roda, o facilitador pede que as crianças se sentem num círculo e a seguir que cada criança diga algo de bom sobre si própria. A seguir, as crianças devem dizer algo de bom sobre a criança ao seu lado. Isto leva a uma discussão sobre o facto de que cada pessoa tem potenciais e qualidades, todas são diferentes, mas todas são igualmente valiosas. Media in Education Trust. PROMOVER A PARTICIPAÇÃO DAS CRIANÇAS Por muito nova que seja a criança, é importante descobrir o que ela pensa e o que é importante para ela, antes de se decidir como a ajudar. Somente a própria criança pode descrever sua situação e dizer como se sente. A participação das crianças poderá não só assegurar que as actividades sejam apropriadas às suas necessidades, mas também melhorar o seu bem-estar psicossocial e desenvolver a sua resiliência. 17

20 SECÇÃO 1 Porque é importante a participação das crianças? A participação envolve as crianças na tomada de decisões sobre assuntos que as afectam. Participação significa trabalhar com as crianças em vez de trabalhar para elas. A participação reconhece os conhecimentos e as habilidades das crianças e constrói a partir dessa base. A participação desenvolve as habilidades e a confiança das crianças. A participação ajuda as crianças a aprenderem sobre cooperação e responsabilidade social. A participação ajuda as crianças a obterem apoio de seus pares. Para trabalhar com crianças é preciso: Aprender a escutar as crianças, dar tempo para as conhecer e ganhar sua confiança. Utilizar actividades divertidas, fazer vários tipos de jogos para as envolver. Descobrir o que é importante para as crianças em vez de impor o plano dos adultos. Assegurar-se que a criança saiba o que o envolvimento dela significa. Ser realístico sobre a quantidade de tempo que a criança tem para participar. Proteger a confidencialidade das crianças infectadas pelo HIV. Estimular as crianças a participarem em grupos de apoio de pares como os clubes. No Malawi, o programa STEPS efectuou uma pesquisa que indica que as crianças pequenas infectadas e as crianças afectadas pelo HIV tinham ideias muito claras sobre quem elas preferiam que cuidasse delas após a morte dum dos pais. As mesmas crianças queriam fazer novas amizades e conviver com outras crianças, mas não tinham oportunidades para o fazer e achavam que os adultos não entendiam a importância da amizade entre crianças. As ferramentas participativas utilizadas pela CCATH para investigar a situação das crianças incluem: Mapas de comunicação as crianças desenham-se a si próprias e desenham as pessoas importantes nas suas vidas. Dependendo do grau de importância de cada pessoa, a criança pode desenhar até três linhas de ligação entre si própria e a pessoa, e explicar quais são os assuntos de conversa com esta pessoa. Este jogo permite identificar as relações significativas das crianças, quem lhes dá apoio e a quem elas apoiam. O rio da vida as crianças desenham um rio e dentro dele suas vidas, desde o nascimento até cinco anos no futuro. O rio corre para cima quando as coisas correm bem e para baixo em tempos de dificuldade. Isto fornece indicações sobre os problemas das crianças. Feliz e triste as crianças desenham o que as torna felizes e o que as entristece. Isso fornece indicações quanto ao ambiente social da criança, inclusive sobre a exclusão das crianças afectadas ou positivas, e sobre os comportamentos dos adultos para com as crianças. Árvore da vida as crianças desenham uma árvore que representa vários aspectos de suas vidas: terra lugar de origem; raízes antepassados, informação sobre antecedentes culturais ou étnicos; tronco pessoas, lugares e acontecimentos que influenciaram suas vidas quando mais novas; ramos pessoas, lugares e acontecimentos que influenciam actualmente as suas vidas; frutas o que torna suas vidas bonitas presentemente; insectos/pragas problemas e desafios; folhas no chão perdas e dificuldades em suas vidas. Isto ajuda as crianças a entenderem-se a si próprias e a entenderem mais especificamente suas forças e fraquezas. 18

2. REDUZINDO A VULNERABILIDADE AO HIV

2. REDUZINDO A VULNERABILIDADE AO HIV 2. REDUZINDO A VULNERABILIDADE AO HIV 2.1 A Avaliação de risco e possibilidades de mudança de comportamento A vulnerabilidade ao HIV depende do estilo de vida, género e das condições socioeconómicas. Isso

Leia mais

CONHECENDO A PSICOTERAPIA

CONHECENDO A PSICOTERAPIA CONHECENDO A PSICOTERAPIA Psicólogo Emilson Lúcio da Silva CRP 12/11028 2015 INTRODUÇÃO Em algum momento da vida você já se sentiu incapaz de lidar com seus problemas? Se a resposta é sim, então você não

Leia mais

O que fazemos em Moçambique

O que fazemos em Moçambique 2008/09 O que fazemos em Moçambique Estamos a ajudar 79.850 crianças afectadas pelas inundações Estamos a proporcionar kits para a escola a 1.000 órfãos e crianças vulneráveis Registámos 1.745 crianças

Leia mais

Como saber que meu filho é dependente químico e o que fazer. A importância de todos os familiares no processo de recuperação.

Como saber que meu filho é dependente químico e o que fazer. A importância de todos os familiares no processo de recuperação. Como saber que meu filho é dependente químico e o que fazer A importância de todos os familiares no processo de recuperação. Introdução Criar um filho é uma tarefa extremamente complexa. Além de amor,

Leia mais

1.1 Informações Básicas para os Treinadores

1.1 Informações Básicas para os Treinadores 1. INTRODUÇÃO Foi estimado, até o final de 2003, que mais de 38 milhões de homens, mulheres e crianças estão vivendo com HIV. Quase 25 milhões dessas pessoas vivem na África do subsaara, de acordo com

Leia mais

O seu bem-estar emocional

O seu bem-estar emocional Your Emotional Wellbeing in pregnancy and beyond- Portuguese O seu bem-estar emocional na gravidez e períodos seguintes Breve guia 1 O seu bem-estar emocional na gravidez e períodos seguintes 2 Gravidez

Leia mais

CENTRO DE TERAPIA INTENSIVA ADULTO

CENTRO DE TERAPIA INTENSIVA ADULTO CENTRO DE TERAPIA INTENSIVA ADULTO O que fazer para ajudar seu familiar quando ele se encontra na UTI Versão eletrônica atualizada em Abril 2010 A unidade de terapia intensiva (UTI) é um ambiente de trabalho

Leia mais

Orientação à Família de um Adulto Afásico

Orientação à Família de um Adulto Afásico 1 Orientação à Família de um Adulto Afásico Fernanda Papaterra Limongi Nunca é demais enfatizar a importância do aconselhamento familiar quando se trabalha com adultos afásicos. Em geral, o início repentino

Leia mais

Introdução à participação infantil

Introdução à participação infantil Seção 1 Introdução à participação 1.1 Uma visão bíblica da criança Em muitas culturas, as crianças são subestimadas. No entanto, Deus valoriza as crianças tanto quanto os adultos. Todos os seres humanos

Leia mais

Sentimentos e emoções Quem vê cara não vê coração

Sentimentos e emoções Quem vê cara não vê coração Material pelo Ético Sistema de Ensino Elaborado para Educação Infantil Publicado em 2011 Projetos temáticos EDUCAÇÃO INFANTIL Data: / / Nível: Escola: Nome: Sentimentos e emoções Quem vê cara não vê coração

Leia mais

Lu Rochael - Psicóloga e Coach - Todos os direitos reservados

Lu Rochael - Psicóloga e Coach - Todos os direitos reservados Desenvolva e amplie sua autoestima Por que falar de autoestima? Trabalho como terapeuta há 10 anos, período em que pude testemunhar e acompanhar muitos clientes. Qualquer que fosse o motivo pelo qual as

Leia mais

Boa Saúde. crianças, como lidam com suas dificuldades e decepções?

Boa Saúde. crianças, como lidam com suas dificuldades e decepções? Amigos do Zippy Boa Saúde Nós cuidamos muito da saúde física das nossas crianças - cuidamos para que comam bem, estejam agasalhadas no tempo do frio, as motivamos para a prática de esportes e para se

Leia mais

Pequenas, mas com vontades próprias, as. crianças expressam as suas emoções de. formas muito distintas ao longo das várias fases

Pequenas, mas com vontades próprias, as. crianças expressam as suas emoções de. formas muito distintas ao longo das várias fases Newsletter N.º 19 Janeiro/Fevereiro 11 5 Pequenas, mas com vontades próprias, as crianças expressam as suas emoções de formas muito distintas ao longo das várias fases da infância. Mas é entre os 2 e os

Leia mais

Método PHAST TABELA DE CONTEUDOS METODOLOGIA PHAST... 2

Método PHAST TABELA DE CONTEUDOS METODOLOGIA PHAST... 2 Método PHAST TABELA DE CONTEUDOS METODOLOGIA PHAST... 2 Fases do método PHAST... 3 1. Técnica: Historias Comunitárias... 4 2. Técnica: Enfermeira Felicidade... 5 3. Técnica: Mapeamento comunitário... 6

Leia mais

Folheto Informativo, Vol. 4, n.º 21. idos pais. Associação

Folheto Informativo, Vol. 4, n.º 21. idos pais. Associação Folheto Informativo, Vol. 4, n.º 21. idos pais Associação promoção do desenvolvimento, tratamento e prevenção da saúde mental Associação Edição online gratuita i dos pais. Folheto Informativo. Vol. 4,

Leia mais

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a João do Medo Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a mamãe dele. Um dia, esse menino teve um sonho ruim com um monstro bem feio e, quando ele acordou, não encontrou mais

Leia mais

Catequese nº 13 (4º Catecismo) Jesus presente no irmão. Jorge Esteves

Catequese nº 13 (4º Catecismo) Jesus presente no irmão. Jorge Esteves Catequese nº 13 (4º Catecismo) Jesus presente no irmão Jorge Esteves Objectivos 1. Reconhecer que Jesus se identifica com os irmãos, sobretudo com os mais necessitados (interpretação e embora menos no

Leia mais

Prefácio CÂNCER DE MAMA 7

Prefácio CÂNCER DE MAMA 7 Prefácio Quantas vezes você já não ouviu alguém contar uma experiência difícil que viveu em seu ministério? Quantos já não passaram por situações em que não souberam o que dizer ou fazer? Pastores, líderes

Leia mais

Identificar o PHDA. Os sintomas do PHDA integram-se em três subtipos básicos:

Identificar o PHDA. Os sintomas do PHDA integram-se em três subtipos básicos: A primeira coisa que deve saber sobre o PHDA é que esta é uma condição real e tratável que afecta milhões de crianças, adolescentes e adultos. Mais importante, com diagnóstico apropriado e tratamento eficaz,

Leia mais

O que é brincar e como se diferencia das outras actividades?

O que é brincar e como se diferencia das outras actividades? i dos Pais Temas O Brincar Todas as crianças são únicas e diferentes das outras, sendo que as suas diferenças individuais parecem estar diretamente associadas com a sua maneira de brincar e a imaginação

Leia mais

Falar sobre as Notícias

Falar sobre as Notícias Centro de Psicologia Aplicada do Exército Falar sobre as Notícias Guia Prático para a Família Militar Elaborado pelo CNúcleo e n t rde o Apoio d e PPsicológico s i c o l o ge i a Intervenção A p l i c

Leia mais

AMAR SEM ESTRAGAR. A difícil arte de educar

AMAR SEM ESTRAGAR. A difícil arte de educar AMAR SEM ESTRAGAR A difícil arte de educar O que esperam os pais? Terem uma família feliz, com saúde. Terem trabalho e boas condições de vida. Serem bons pais e que os filhos cresçam sem problemas. Realizarem

Leia mais

Teatro com Teias e Histórias

Teatro com Teias e Histórias Teatro com Teias e Histórias 3 em Pipa Associação de Criação Teatral e Animação Cultural Organização de um grupo de voluntários que, integrados num projecto comunitário de vertente artística, actuam junto

Leia mais

BRINCAR É UM DIREITO!!!! Juliana Moraes Almeida Terapeuta Ocupacional Especialista em Reabilitação neurológica

BRINCAR É UM DIREITO!!!! Juliana Moraes Almeida Terapeuta Ocupacional Especialista em Reabilitação neurológica BRINCAR É UM DIREITO!!!! Juliana Moraes Almeida Terapeuta Ocupacional Especialista em Reabilitação neurológica PORQUE AS CRIANÇAS ESTÃO PERDENDO TODOS OS REFERENCIAIS DE ANTIGAMENTE EM RELAÇÃO ÀS BRINCADEIRAS?

Leia mais

Manual 4.indd 1 09/12/2009 09:54:47

Manual 4.indd 1 09/12/2009 09:54:47 Manual 4.indd 1 09/12/2009 09:54:47 PROTEÇÃO À CRIANÇA Orientações para Pais e Filhos Você e sua família prevenidos contra o abuso Levando esperança ao coração da criança Manual 4.indd 2-3 09/12/2009 09:54:47

Leia mais

Exemplos de como praticá-los no Aconselhamento sobre o Tratamento Antiretroviral - TARV

Exemplos de como praticá-los no Aconselhamento sobre o Tratamento Antiretroviral - TARV 6 SABERES BÁSICOS DA COMUNICAÇÃO INTERPESSOAL Exemplos de como praticá-los no Aconselhamento sobre o Tratamento Antiretroviral - TARV Algumas habilidades de comunicação interpessoal foram identificadas

Leia mais

DIÁLOGO SOCIAL EUROPEU: PROJECTO DE ORIENTAÇÕES MULTISSECTORIAIS PARA O COMBATE DA VIOLÊNCIA E ASSÉDIO DE TERCEIROS RELACIONADOS COM O TRABALHO

DIÁLOGO SOCIAL EUROPEU: PROJECTO DE ORIENTAÇÕES MULTISSECTORIAIS PARA O COMBATE DA VIOLÊNCIA E ASSÉDIO DE TERCEIROS RELACIONADOS COM O TRABALHO DIÁLOGO SOCIAL EUROPEU: PROJECTO DE ORIENTAÇÕES MULTISSECTORIAIS PARA O COMBATE DA VIOLÊNCIA E ASSÉDIO DE TERCEIROS RELACIONADOS COM O TRABALHO EPSU, UNI Europa, ETUCE, HOSPEEM, CEMR, EFEE, EuroCommerce,

Leia mais

13. A FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL, AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ATÉ OS 6 ANOS

13. A FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL, AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ATÉ OS 6 ANOS 13. A FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL, AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ATÉ OS 6 ANOS A importância da formação pessoal e social da criança para o seu desenvolvimento integral e para a

Leia mais

Dia Mundial da Saúde Mental - 10 de Outubro

Dia Mundial da Saúde Mental - 10 de Outubro Não Há Saúde Sem Saúde Mental Dia Mundial da Saúde Mental - 10 de Outubro 1 a 17 de Outubro de 2010 Exposição promovida pelo Departamento de Psiquiatria e Saúde Mental O QUE É A SAÚDE MENTAL? É sentir-nos

Leia mais

Exercícios para estabelecer o contato com a nossa criança interior

Exercícios para estabelecer o contato com a nossa criança interior Exercícios para estabelecer o contato com a nossa criança interior C omo este é o mês das crianças, decidi propor para aqueles que estão em busca de autoconhecimento, alguns exercícios que ajudam a entrar

Leia mais

Gtp+ PROGRAMAS E PROJETOS Grupo de Trabalhos em Prevenção Posithivo (GTP+) Fundação em 2000, Recife-PE O Grupo de Trabalhos em Prevenção Posithivo é a única ONG da Região Nordeste do Brasil coordenada

Leia mais

MANUAL DE GESTÃO DE SITUAÇÕES DE NEGLIGÊNCIA, ABUSOS E MAUS TRATOS (PREVENÇÃO E INTERVENÇÃO)

MANUAL DE GESTÃO DE SITUAÇÕES DE NEGLIGÊNCIA, ABUSOS E MAUS TRATOS (PREVENÇÃO E INTERVENÇÃO) DR 22.04 Versão 2 MANUAL DE GESTÃO DE SITUAÇÕES DE NEGLIGÊNCIA, ABUSOS E MAUS TRATOS (PREVENÇÃO E INTERVENÇÃO) Resposta Social: Estrutura Residencial para Idosos Prestamos Serviços de Qualidade Aldeia

Leia mais

COMO AJUDAR QUEM PERDEU PESSOAS QUERIDAS

COMO AJUDAR QUEM PERDEU PESSOAS QUERIDAS COMO AJUDAR QUEM PERDEU PESSOAS QUERIDAS OPÇÕES DE LOGO 1. Psicotraumatologia Clínica 2. PSICOTRAUMATOLOGIA CLÍNICA psicotraumatologia clínica Todos já perdemos ou perderemos pessoas queridas e, geralmente,

Leia mais

Conselho da Europa Plano de Acção para a Deficiência 2006-2015

Conselho da Europa Plano de Acção para a Deficiência 2006-2015 Conselho da Europa Plano de Acção para a Deficiência 2006-2015 Versão Linguagem Fácil Conselho da Europa Plano de Acção para a Deficiência 2006-2015 Versão Linguagem Fácil Página 1 de 60 Plano de Acção

Leia mais

Tempo para tudo. (há tempo para todas as coisas por isso eu preciso ouvir meus pais)

Tempo para tudo. (há tempo para todas as coisas por isso eu preciso ouvir meus pais) Tempo para tudo (há tempo para todas as coisas por isso eu preciso ouvir meus pais) Família é ideia de Deus, geradora de personalidade, melhor lugar para a formação do caráter, da ética, da moral e da

Leia mais

QUANDO TODO MUNDO JOGA JUNTO, TODO MUNDO GANHA!

QUANDO TODO MUNDO JOGA JUNTO, TODO MUNDO GANHA! QUANDO TODO MUNDO JOGA JUNTO, TODO MUNDO GANHA! NOSSA VISÃO Um mundo mais justo, onde todas as crianças e todos os adolescentes brincam, praticam esportes e se divertem de forma segura e inclusiva. NOSSO

Leia mais

Como lidar com a perda...

Como lidar com a perda... Psicóloga, Chou Im Keng Nascer, envelhecer e morrer, são etapas que fazem parte da vida. O nascimento de uma vida traz alegria e esperança, porém, quando perdermos um familiar ou companheiro, a tristeza

Leia mais

Aos 4 anos. Desenvolvimento Psicológico. i dos Pais

Aos 4 anos. Desenvolvimento Psicológico. i dos Pais i dos Pais Aos 4 anos Aos 4 anos de idade várias competencias intelectuais e emocionais surgem mais integradas dando à criança um acréscimo de autonomia e iniciativa no contexto das relações com os adultos

Leia mais

A Saúde mental é componente chave de uma vida saudável.

A Saúde mental é componente chave de uma vida saudável. Transtornos mentais: Desafiando os Preconceitos Durante séculos as pessoas com sofrimento mental foram afastadas do resto da sociedade, algumas vezes encarcerados, em condições precárias, sem direito a

Leia mais

CENTRO DE OSTEOPATIA MAÇÃS PLACE

CENTRO DE OSTEOPATIA MAÇÃS PLACE CENTRO DE OSTEOPATIA MAÇÃS PLACE Quem somos A nossa equipa apresenta um atendimento personalizado ao nível da Osteopatia através de uma abordagem multidisciplinar de qualidade, avaliação, diagnóstico e

Leia mais

COMPETÊNCIAS CHAVE PARA O EMPREENDEDORISMO

COMPETÊNCIAS CHAVE PARA O EMPREENDEDORISMO COMPETÊNCIAS CHAVE PARA O EMPREENDEDORISMO DEFINIÇÕES OPERACIONAIS E INDICADORES COMPORTAMENTAIS Pag. 1 Elaborada por Central Business Abril 2006 para o ABRIL/2006 2 COMPETÊNCIAS CHAVE PARA O EMPREENDEDORISMO

Leia mais

PAR. Torne-se um PAR para que sua vida seja ÍMPAR ACELBRA-RJ

PAR. Torne-se um PAR para que sua vida seja ÍMPAR ACELBRA-RJ PAR Torne-se um PAR para que sua vida seja ÍMPAR ACELBRA-RJ PAR Paciente Ativo e Responsável ACELBRA-RJ Ser um PAR celíaco Flávia Anastácio de Paula Adaptação do Texto de Luciana Holtz de Camargo Barros

Leia mais

GUARDA NACIONAL REPUBLICANA COMANDO DA ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS INTERNOS DIRECÇÃO DE RECURSOS HUMANOS CENTRO DE PSICOLOGIA E INTERVENÇÃO SOCIAL

GUARDA NACIONAL REPUBLICANA COMANDO DA ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS INTERNOS DIRECÇÃO DE RECURSOS HUMANOS CENTRO DE PSICOLOGIA E INTERVENÇÃO SOCIAL GUARDA NACIONAL REPUBLICANA COMANDO DA ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS INTERNOS DIRECÇÃO DE RECURSOS HUMANOS CENTRO DE PSICOLOGIA E INTERVENÇÃO SOCIAL JUNHO 2013 ÍNDICE ÂMBITO... 3 INTRODUÇÃO... 4 COMO SE MANIFESTA

Leia mais

Aids e Ética Médica. Dr. Eugênio França do Rêgo

Aids e Ética Médica. Dr. Eugênio França do Rêgo Dr. Eugênio França do Rêgo Aids e discriminação: 1. Deve o médico ter presente a natureza de sua profissão e, principalmente, sua finalidade. (CEM: 1 o ; 2 o e 6 o ) 2. Deve o médico buscar a mais ampla

Leia mais

Aprendendo a vencer a Ansiedade

Aprendendo a vencer a Ansiedade Rua Conde de Bonfim 232/301 Tijuca Rio de Janeiro RJ Tel:2234-2399 Email: eliane@epvpsicologia.com Home Page:www.epvpsicologia.com Aprendendo a vencer a Ansiedade Um guia para os pais sobre a ansiedade

Leia mais

A Companhia dos amigos na floresta das emoções

A Companhia dos amigos na floresta das emoções A Companhia dos amigos na floresta das emoções Promoção de competências sócio-emocionais de crianças pré-escolares Caderno Divulgação 2015 Associação A Companhia dos amigos na floresta das emoções Propomos

Leia mais

(Fonte e adaptado do Concelho Executivo das Nações Unidas de 15 de Setembro de 2012)

(Fonte e adaptado do Concelho Executivo das Nações Unidas de 15 de Setembro de 2012) Plano de Protecção à Criança do CENTRO DE EDUCAÇÃO DELTA CULTURA (CEDC) (Fonte e adaptado do Concelho Executivo das Nações Unidas de 15 de Setembro de 2012) INTRODUÇÃO: Este documento é o Plano de Protecção

Leia mais

Ensine a Regra Aqui ninguém toca aos seus filhos.

Ensine a Regra Aqui ninguém toca aos seus filhos. 1. Ensine a Regra Aqui ninguém toca aos seus filhos. Cerca de uma em cada cinco crianças é vítima de violência ou abuso sexual. Ajude a impedir que a sua criança seja uma vítima. Ensine-lhe a Regra Aqui

Leia mais

Boa Saúde. Brian L. Mishara, Ph.D., Professor do Departamento de Psicologia, Universidade de Quebec Montreal, Canadá

Boa Saúde. Brian L. Mishara, Ph.D., Professor do Departamento de Psicologia, Universidade de Quebec Montreal, Canadá Guia para Pais Boa Saúde Nós cuidamos bastante da saúde física das nossas crianças cuidamos para que comam bem e que estejam agasalhadas quando faz frio e também as motivamos para a prática de esportes

Leia mais

CARTA DA TERRA PARA CRIANÇAS

CARTA DA TERRA PARA CRIANÇAS 1 CARTA DA TERRA A Carta da Terra é uma declaração de princípios fundamentais para a construção de uma sociedade que seja justa, sustentável e pacífica. Ela diz o que devemos fazer para cuidar do mundo:

Leia mais

1. Motivação para o sucesso (Ânsia de trabalhar bem ou de se avaliar por uma norma de excelência)

1. Motivação para o sucesso (Ânsia de trabalhar bem ou de se avaliar por uma norma de excelência) SEREI UM EMPREENDEDOR? Este questionário pretende estimular a sua reflexão sobre a sua chama empreendedora. A seguir encontrará algumas questões que poderão servir de parâmetro para a sua auto avaliação

Leia mais

Receitas para a Escola e Família na. ou provocação? Orlanda Cruz

Receitas para a Escola e Família na. ou provocação? Orlanda Cruz Receitas para a Escola e Família na melhoria do processo educativo: verdade ou provocação? Orlanda Cruz Promovendo a Parentalidade Positiva Cruz Orlanda Parentalidade (positiva) Criar as condições (necessárias,

Leia mais

REAÇÕES E SENTIMENTOS DE FAMILIARES frente ao suicídio

REAÇÕES E SENTIMENTOS DE FAMILIARES frente ao suicídio REAÇÕES E SENTIMENTOS DE FAMILIARES frente ao suicídio TERAPIA DO LUTO Profa. Dra. Angela Maria Alves e Souza Enfermeira-Docente-UFC o suicídio desencadeia o luto mais difícil de ser enfrentado e resolvido

Leia mais

Plano de Acção para o combate ao Estigma e HIV/SIDA* em África

Plano de Acção para o combate ao Estigma e HIV/SIDA* em África Plano de Acção para o combate ao Estigma e HIV/SIDA* em África Consulta Regional sobre o Estigma e HIV/SIDA em África 4-6 de Junho de 2001, Dar-es-Salaam Teve lugar em Dar-es-Salaam, Tanzânia, de 4-6 de

Leia mais

coleção Conversas #10 - junho 2014 - Respostas que podem estar sendo feitas para algumas perguntas Garoto de Programa por um.

coleção Conversas #10 - junho 2014 - Respostas que podem estar sendo feitas para algumas perguntas Garoto de Programa por um. coleção Conversas #10 - junho 2014 - Eu sou Estou garoto num de programa. caminho errado? Respostas para algumas perguntas que podem estar sendo feitas Garoto de Programa por um. A Coleção CONVERSAS da

Leia mais

Concurso Literário. O amor

Concurso Literário. O amor Concurso Literário O Amor foi o tema do Concurso Literário da Escola Nova do segundo semestre. Durante o período do Concurso, o tema foi discutido em sala e trabalhado principalmente nas aulas de Língua

Leia mais

ACONSELHAMENTO EM AMAMENTAÇÃO

ACONSELHAMENTO EM AMAMENTAÇÃO ACONSELHAMENTO EM AMAMENTAÇÃO Dra. Samantha Caesar de Andrade Nutricionista do CRNutri Centro de Referência para a Prevenção e Controle de Doenças Associadas à Nutrição ACONSELHAR x ACONSELHAMENTO Aconselhar

Leia mais

A criança preocupada. Claudia Mascarenhas Fernandes

A criança preocupada. Claudia Mascarenhas Fernandes A criança preocupada Claudia Mascarenhas Fernandes Em sua época Freud se perguntou o que queria uma mulher, devido ao enigma que essa posição subjetiva suscitava. Outras perguntas sempre fizeram da psicanálise

Leia mais

Depressão. A depressão afecta pessoas de formas diferentes e pode causar vários sintomas físicos, psicológicos (mentais) e sociais.

Depressão. A depressão afecta pessoas de formas diferentes e pode causar vários sintomas físicos, psicológicos (mentais) e sociais. Depressão Introdução A depressão é uma doença séria. Se estiver deprimido, pode ter sentimentos de tristeza extrema que duram longos períodos. Esses sentimentos são muitas vezes suficientemente severos

Leia mais

Relação entre as organizações cristãs e as igrejas locais

Relação entre as organizações cristãs e as igrejas locais Seção Relação entre as organizações cristãs e as Conforme discutido na Seção 1, as desempenham um papel na proclamação e na demonstração do evangelho. Entretanto, com muita freqüência, o papel da igreja

Leia mais

Resiliência. Capacidade para superar os desafios da vida

Resiliência. Capacidade para superar os desafios da vida Resiliência Capacidade para superar os desafios da vida O que é resiliência? Resiliência pode ser definida como a capacidade de se renascer da adversidade fortalecido e com mais recursos. (...) Ela engloba

Leia mais

Como é a criança de 4 a 6 anos

Como é a criança de 4 a 6 anos de 4 a 6 anos Como é a criança Brinque: lendo histórias, cantando e desenhando. A criança se comunica usando frases completas para dizer o que deseja e sente, dar opiniões, escolher o que quer. A criança

Leia mais

Promoção de Experiências Positivas Crianças e Jovens PEP-CJ Apresentação geral dos módulos

Promoção de Experiências Positivas Crianças e Jovens PEP-CJ Apresentação geral dos módulos Positivas Crianças e Jovens PEP-CJ Apresentação geral dos módulos Universidade do Minho Escola de Psicologia rgomes@psi.uminho.pt www.psi.uminho.pt/ www.ardh-gi.com Esta apresentação não substitui a leitura

Leia mais

Fundamentação e Contextualização do Programa de Voluntariado

Fundamentação e Contextualização do Programa de Voluntariado Fundamentação e Contextualização do Programa de Voluntariado O Programa de Voluntariado do Centro Solidariedade e Cultura de Peniche pretende ir ao encontro do ideário desta instituição, numa linha da

Leia mais

Adolescentes e jovens preparados para tomar suas próprias decisões reprodutivas

Adolescentes e jovens preparados para tomar suas próprias decisões reprodutivas Adolescentes e jovens preparados para tomar suas próprias decisões reprodutivas Andrea da Silveira Rossi Brasília, 15 a 18 out 2013 Relato de adolescentes e jovens vivendo com HIV Todo adolescente pensa

Leia mais

A ARTE DE BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Estudante de Pedagogia pela FECLESC / UECE Resumo

A ARTE DE BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Estudante de Pedagogia pela FECLESC / UECE Resumo A ARTE DE BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL Maria Elany Nogueira da Silva Estudante de Pedagogia pela FECLESC / UECE Resumo Este presente artigo pretende refletir idéias sobre o brincar na Educação Infantil,

Leia mais

Ter um/a namorado/a pode ser um acontecimento verdadeiramente excitante, mas também um pouco assustador.

Ter um/a namorado/a pode ser um acontecimento verdadeiramente excitante, mas também um pouco assustador. Violência no namoro Ter um/a namorado/a pode ser um acontecimento verdadeiramente excitante, mas também um pouco assustador. Poderão surgir algumas DÚVIDAS e PREOCUPAÇÕES: Será que ele/ela gosta mesmo

Leia mais

Dedico este livro a todas as MMM S* da minha vida. Eu ainda tenho a minha, e é a MMM. Amo-te Mãe!

Dedico este livro a todas as MMM S* da minha vida. Eu ainda tenho a minha, e é a MMM. Amo-te Mãe! Dedico este livro a todas as MMM S* da minha vida. Eu ainda tenho a minha, e é a MMM. Amo-te Mãe! *MELHOR MÃE DO MUNDO Coaching para Mães Disponíveis, www.emotionalcoaching.pt 1 Nota da Autora Olá, Coaching

Leia mais

Escolher um programa de cuidados infantis

Escolher um programa de cuidados infantis Escolher um programa de cuidados infantis A escolha de um programa de cuidados infantis é uma opção muito pessoal para cada família. O melhor programa é aquele que mais tem a ver com a personalidade, gostos,

Leia mais

BestKIDS&Teens BestKIDS&Teens Espaço e Centro de Estudos e Explicações em Porto Salvo

BestKIDS&Teens BestKIDS&Teens Espaço e Centro de Estudos e Explicações em Porto Salvo A BestKIDS&Teens tem por objetivo desenvolver em cada criança, adolescente ou jovem o melhor de si próprio, contribuindo para o seu enriquecimento pessoal e emocional, através do reforço da sua autoestima,

Leia mais

DEPRESSÃO CONHECENDO SEU INIMIGO

DEPRESSÃO CONHECENDO SEU INIMIGO DEPRESSÃO CONHECENDO SEU INIMIGO E- BOOK GRATUITO Olá amigo (a), A depressão é um tema bem complexo, mas que vêm sendo melhor esclarecido à cada dia sobre seu tratamento e alívio. Quase todos os dias novas

Leia mais

Aspectos externos: contexto social, cultura, rede social, instituições (família, escola, igreja)

Aspectos externos: contexto social, cultura, rede social, instituições (família, escola, igreja) Lembretes e sugestões para orientar a prática da clínica ampliada e compartilhada Ampliar a clínica significa desviar o foco de intervenção da doença, para recolocá-lo no sujeito, portador de doenças,

Leia mais

coleção Conversas #22 - maio 2015 - Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça.

coleção Conversas #22 - maio 2015 - Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. coleção Conversas #22 - maio 2015 - assistente social. agora? Sou E Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. A Coleção CONVERSAS da Editora AfroReggae nasceu com o desejo

Leia mais

150923-BMS15SET05-livreto_v2 APROV.indd 1

150923-BMS15SET05-livreto_v2 APROV.indd 1 150923-BMS15SET05-livreto_v2 APROV.indd 1 23/09/2015 10:29:04 150923-BMS15SET05-livreto_v2 APROV.indd 2 23/09/2015 10:29:04 Talvez você já conheça algumas opções terapêuticas disponíveis contra o câncer,

Leia mais

Igreja Amiga da criança. Para pastores

Igreja Amiga da criança. Para pastores Igreja Amiga da criança Para pastores Teste "Igreja Amiga da Criança" O povo também estava trazendo criancinhas para que Jesus tocasse nelas. Ao verem isso, os discípulos repreendiam aqueles que as tinham

Leia mais

Estudo PARTNER. Foi convidado a participar neste estudo porque tem uma relação em que é o parceiro VIH positivo.

Estudo PARTNER. Foi convidado a participar neste estudo porque tem uma relação em que é o parceiro VIH positivo. Informação ao participante e consentimento informado para o parceiro VIH positivo Estudo PARTNER O estudo PARTNER é um estudo levado a cabo com casais em que: (i) um parceiro é VIH positivo e o outro é

Leia mais

1. INTRODUÇÃO. 2. Preparação para sua discussão com seu médico

1. INTRODUÇÃO. 2. Preparação para sua discussão com seu médico 1. INTRODUÇÃO Artrite reumatoide (AR) é uma doença inflamatória crônica que pode afetar diferentes áreas da vida.1 Como parte do controle de longo prazo da AR, seu médico* irá ajudá-lo a controlar melhor

Leia mais

coleção Conversas #20 - MARÇO 2015 - t t o y ç r n s s Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça.

coleção Conversas #20 - MARÇO 2015 - t t o y ç r n s s Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. Vocês acham possam a coleção Conversas #20 - MARÇO 2015 - cer d o t t o a r que ga cr ia n y ç a s s? Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. A Coleção CONVERSAS da Editora

Leia mais

1. Você escolhe a pessoa errada porque você espera que ela mude após o casamento.

1. Você escolhe a pessoa errada porque você espera que ela mude após o casamento. 10 Maneiras de se Casar com a Pessoa Errada O amor cego não é uma forma de escolher um parceiro. Veja algumas ferramentas práticas para manter os seus olhos bem abertos. por Rabino Dov Heller, Mestre em

Leia mais

Carta dos Direitos e Deveres dos Doentes

Carta dos Direitos e Deveres dos Doentes Carta dos Direitos e Deveres dos Doentes INTRODUÇÃO O direito à protecção da saúde está consagrado na Constituição da República Portuguesa, e assenta num conjunto de valores fundamentais como a dignidade

Leia mais

Assistência na Fase Final da Vida e Luto: Assistência à Família. Ana Paula M. Bragança dos Santos Assistente Social/INCA

Assistência na Fase Final da Vida e Luto: Assistência à Família. Ana Paula M. Bragança dos Santos Assistente Social/INCA Assistência na Fase Final da Vida e Luto: Assistência à Família Ana Paula M. Bragança dos Santos Assistente Social/INCA De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS) "Cuidados Paliativos consistem

Leia mais

UMA VIDA DE PAZ, PACIÊNCIA E AMABILIDADE EM UM MUNDO HOSTIL.

UMA VIDA DE PAZ, PACIÊNCIA E AMABILIDADE EM UM MUNDO HOSTIL. UMA VIDA DE PAZ, PACIÊNCIA E AMABILIDADE EM UM MUNDO HOSTIL. Como sabemos o crescimento espiritual não acontece automaticamente, depende das escolhas certas e na cooperação com Deus no desenvolvimento

Leia mais

FALANDO ABERTAMENTE SOBRE SUICÍDIO

FALANDO ABERTAMENTE SOBRE SUICÍDIO FALANDO ABERTAMENTE SOBRE SUICÍDIO MOMENTO DE DERRUBAR TABUS As razões podem ser bem diferentes, porém muito mais gente do que se imagina já teve uma intenção em comum. Segundo estudo realizado pela Unicamp,

Leia mais

"PENSANDO NA PRÁTICA: IDENTIFICANDO OS SINAIS DE VIOLÊNCIA, AS CONSEQUÊNCIAS E OS MARCOS LEGAIS QUE RESPALDAM AS INTERVENÇÕES E GARANTEM DIREITOS"

PENSANDO NA PRÁTICA: IDENTIFICANDO OS SINAIS DE VIOLÊNCIA, AS CONSEQUÊNCIAS E OS MARCOS LEGAIS QUE RESPALDAM AS INTERVENÇÕES E GARANTEM DIREITOS "PENSANDO NA PRÁTICA: IDENTIFICANDO OS SINAIS DE VIOLÊNCIA, AS CONSEQUÊNCIAS E OS MARCOS LEGAIS QUE RESPALDAM AS INTERVENÇÕES E GARANTEM DIREITOS" SINAIS DE VIOLÊNCIA FÍSICA deve-se suspeitar dos casos

Leia mais

O AUTISMO- NA CRIANÇA

O AUTISMO- NA CRIANÇA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MÉRTOLA Escola E,B 2,3 ES\Escola S. Sebastião de Mértola Curso Profissional de Técnico de Apoio Psicossocial- 3ºano Disciplina de Psicopatologia Geral Ano letivo 2013\14 Docente:

Leia mais

Associação Lar do Neném

Associação Lar do Neném Criança Esperança 80 Associação Lar do Neném Recife-PE Marília Lordsleem de Mendonça Abraço solidário Todas as crianças são de todos : esse é o lema do Lar do Neném, uma instituição criada há 26 anos em

Leia mais

Transição para a parentalidade após um diagnóstico de anomalia congénita no bebé: Resultados do estudo

Transição para a parentalidade após um diagnóstico de anomalia congénita no bebé: Resultados do estudo 2013 Transição para a parentalidade após um diagnóstico de anomalia congénita no bebé: Resultados do estudo Ana Fonseca, Bárbara Nazaré e Maria Cristina Canavarro Pontos de interesse especiais: Porque

Leia mais

AQUISIÇÃO DA LINGUAGEM

AQUISIÇÃO DA LINGUAGEM AQUISIÇÃO DA LINGUAGEM INFORMAÇÃO A PAIS E EDUCADORES SECRETARIADO NACIONAL PARA A REABILITAÇÃO E INTEGRAÇÃO DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA 2001 Editor: Secretariado Nacional para a Reabilitação e Integração

Leia mais

VISITE O BLOG www.homemalpha.com.br

VISITE O BLOG www.homemalpha.com.br VISITE O BLOG www.homemalpha.com.br APRESENTAÇÃO A timidez é um problema que pode acompanhar um homem a vida inteira, tirando dele o prazer da comunicação e de expressar seus sentimentos, vivendo muitas

Leia mais

BIOGRAFIA HUMANA. Terceiro espelho: A Infância e fase da Autoconsciência. Alma da Consciência: 0-7 Infância / 35-42 Maturidade.

BIOGRAFIA HUMANA. Terceiro espelho: A Infância e fase da Autoconsciência. Alma da Consciência: 0-7 Infância / 35-42 Maturidade. BIOGRAFIA HUMANA Terceiro espelho: A Infância e fase da Autoconsciência Alma da Consciência: 0-7 Infância / 35-42 Maturidade Edna Andrade Nascemos totalmente desamparados, totalmente dependentes e indefesos.

Leia mais

Diretrizes para os Estudos de Caso

Diretrizes para os Estudos de Caso Diretrizes para os Estudos de Caso Observação: Esta seção apresenta 5 estudos de caso de questões de saúde reprodutiva com o intuito de estimular discussões sobre o material apresentado no currículo. Além

Leia mais

COMPETÊNCIAS E SABERES EM ENFERMAGEM

COMPETÊNCIAS E SABERES EM ENFERMAGEM COMPETÊNCIAS E SABERES EM ENFERMAGEM Faz aquilo em que acreditas e acredita naquilo que fazes. Tudo o resto é perda de energia e de tempo. Nisargadatta Atualmente um dos desafios mais importantes que se

Leia mais

Os sintomas como caminho para a transformação e o crescimento

Os sintomas como caminho para a transformação e o crescimento 2 Os sintomas como caminho para a transformação e o crescimento 33 Na relação social é contar com uma presença humana positiva que seja capaz de ver a força e a beleza dessa presença e manifestação do

Leia mais

BANCADA FEMININA. UM ESPAçO DE EMPODERAMENTO DA RAPARIGA EM SSR EM MOÇAMBIQUE

BANCADA FEMININA. UM ESPAçO DE EMPODERAMENTO DA RAPARIGA EM SSR EM MOÇAMBIQUE BANCADA FEMININA UM ESPAçO DE EMPODERAMENTO DA RAPARIGA EM SSR EM MOÇAMBIQUE NILZA DOS SANTOS, Brasília, 15 Outúbro 2013 Conteúdo Contexto Conceito de Bancada Feminina Principais Resultados Factores de

Leia mais

TORs da Avaliação do CCF Julho, 2014

TORs da Avaliação do CCF Julho, 2014 1. CONTEXTO AVALIAÇÃO DO CENTRO CRIANÇA FELIZ Termos de Referência O projecto Centro Criança Feliz é uma iniciativa da IBIS Moçambique, concebida e por si implementada desde 2008. O projecto surgiu no

Leia mais

1 em cada 4 pessoas são afetadas por um problema de saúde mental a cada ano. Vamos falar sobre isso?

1 em cada 4 pessoas são afetadas por um problema de saúde mental a cada ano. Vamos falar sobre isso? 1 em cada 4 pessoas são afetadas por um problema de saúde mental a cada ano Vamos falar sobre isso? Algumas estatísticas sobre Saúde Mental Transtornos mentais são frequentes e afetam mais de 25% das pessoas

Leia mais

Instrumentos de Triagem para consumo de Bebidas Alcoólicas e Outras Drogas

Instrumentos de Triagem para consumo de Bebidas Alcoólicas e Outras Drogas Instrumentos de Triagem para consumo de Bebidas Alcoólicas e Outras Drogas DIFERENTES NÍVEIS DE CONSUMO ÁLCOOL ABSTINÊNCIA USO EXPERIMENTAL USO MODERADO ABUSO Leve DEPENDÊNCIA Moderada Grave Cerca de 10

Leia mais