Pedro Santo Rossi. Aids e adesão à vida: seguindo uma rede de pessoas vivendo com HIV. São Paulo 2012

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Pedro Santo Rossi. Aids e adesão à vida: seguindo uma rede de pessoas vivendo com HIV. São Paulo 2012"

Transcrição

1 i Pedro Santo Rossi Aids e adesão à vida: seguindo uma rede de pessoas vivendo com HIV Tese apresentada à Universidade Federal de São Paulo para obtenção do título de doutor em ciências. Orientador: Prof. Dr. Pedro Paulo Gomes Pereira São Paulo 2012

2 ii Ficha catalográfica Rossi, Pedro Santo Aids e adesão à vida: seguindo uma rede de pessoas vivendo com HIV. /Pedro Santo Rossi. São Paulo, 2012 xxvi, 284 Tese (doutorado) Universidade Federal de São Paulo Departamento de Medicina Preventiva Programa de pós-graduação em Saúde Coletiva. AIDS and adherence to life: following a network of people living with HIV. 1. aids; 2.adesão ao tratamento; 3.rede; 4. Saúde Coletiva; 5. ONG

3 iii Universidade Federal de São Paulo Departamento de Medicina Preventiva Pós-graduação em Saúde Coletiva Chefe do Departamento: Prof a. Dr a. Rebeca Souza e Silva Coordenador do curso de Pós-graduação: Prof a. Dr a. Suely Godoy Agostinho Gimeno

4 iv.

5 v.. Pedro Santo Rossi Aids e adesão à vida: seguindo uma rede de pessoas vivendo com HIV Presidente da banca: Prof. Dr. Pedro Paulo Gomes Pereira Banca examinadora Prof a. Dr a. Berenice Alves de Melo Bento Prof. Dr. Marcos Claudio Signorelli Prof. Dr. Stelio Alessandro Marras Prof a. Dr a. Sylvia Duarte Dantas Aprovada em 14/12/2012

6 vi.

7 vii Dedicatória Só posso dedicar este trabalho a quem dele participou desde o seu início e em cada momento de alegria e de sofrimento, minha companheira Fátima Ali Zahra.

8 viii.

9 ix Agradecimentos À Mônica Isabel Sobreiro, diretora da Vigilância Epidemiológica da região de Franco da Rocha que permitiu a flexibilidade dos meus horários no serviço público, para frequentar as aulas e visitar o campo de pesquisa; À Luciene da Silva e toda sua equipe do CTA de Francisco Morato que a todo tempo facilitaram os encontros de trabalho; Ao Péricles Formigoni, que prontamente atendeu as minhas solicitações e colaborou com sua vivência e conhecimento do seu ramo de atuação; Às PVHIV que pacientemente passaram horas conversando comigo assuntos nem sempre agradáveis para cada um deles; Ao Johnny, que apesar da ausência temporária ainda é um brado de vontade em prol do mais desassistidos; a atenção e a disponibilidade da Almerinda que quase se tornou a figura central nesta pesquisa. à Moara Zahra Iak, pela paciente correção dos originais.

10 x.

11 xi Epígrafe... el ardiente deseo de lograr que se detecten las nuevas entidades, que se les dé la bienvenida y se las proteja no solo es legítimo, probablemente sea la única causa científica y política por la que valga la pena vivir. Bruno Latour

12 xii.

13 xiii Lista de Abreviaturas e Siglas ABONG AIDS aids ANT ARV BVS CD4+ CEDESS CHJ COAS CPI CRT CTA DNA DRS HAART HIV IDH INT IPD NAF OSCIP ONG OPAS PSF PVHIV RHA RNP+ Associação Brasileira de Organizações Não Governamentais Acquired Immune Deficiency Syndrome - Síndrome da imunodeficiência adquirida Substantivo feminino que se refere à Síndrome da imunodeficiência adquirida Actor-net-teory = teoria-ator-rede (TAR) Antirretroviral as drogas utilizadas no tratamento da aids Biblioteca Virtual de Saúde Células de defesa Linfócitos T Centro de Desenvolvimento do Ensino Superior em Saúde Complexo Hospitalar Juquery em Franco da Rocha - SP Centro de orientação e aconselhamento sorológico Comissão parlamentar de inquérito Centro de Referência e Treinamento em Doenças Sexualmente Transmissíveis e aids em São Paulo Centro de testagem e aconselhamento do inglês: deoxyribonucleic acid - em português: ácido desoxirribonucleico Departamento Regional de Saúde Highly Active Antiretroviral Therapy (Terapia antiretroviral de alta potência Human Immuno Deficiency Virus - Vírus da imunodeficiência humana. Índice de desenvolvimento humano Instituto Novo Tempo Instituto Pró-Diversidade Núcleo de assistência farmacêutica Organização civil de interesse público Organização não governamental Organização Pan-americana de Saúde Programa de saúde da família Pessoas vivendo com HIV Reprodução humana assistida Rede de Nacional de Pessoas Positivas S+ Soropositivo designação usual de PVHIV

14 xiv SAE SICLOM SIM SINAN SINASC SISCEL SUS TAR TARV UBS UNAIDS UNGASS Serviço Ambulatorial Especializado Sistema de controle logístico de medicamentos Sistema de Informação de Mortalidade Sistema de Informação de Agravos de Notificação Sistema de Informação de crianças nascidas vivas Sistema de Controle de Exames Laboratoriais Sistema único de saúde Teoria-ator-rede Tratamento com drogas antirretrovirais Unidade básica de saúde Órgão das Nações Unidas para as questões de aids no mundo Sessão Especial da Assembleia-Geral das Nações Unidas

15 xv Índice de tabelas Tabela 1 - Gastos com medicamentos no Brasil... 7 Tabela 2 - Estudos sobre riscos de contaminação por via sexual conforme tipo e participação Tabela 3 - Casos de aids notificados no Brasil e no Estado de São Paulo (até 2010) Tabela 4 - Casos de aids notificados na Região do GVE-IX Franco da Rocha... 16

16 xvi.

17 xvii Índice de figuras Figura 1 - Mapa para localização de Francisco Morato Figura 2 - Estação da Luz o embarque para Francisco Morato Figura 3 - Tumulto na estação de Francisco Morato Figura 4 - O centro de Francisco Morato Figura 5 - CTA de Francisco Morato Figura 6 - Novo hospital regional Figura 7 - Péricles Formigoni Figura 8 - Johnny Robson Pereira Figura 9 - Chá Posithivo e Curso de sabonete artesanal Figura 10 - Festa do Natal de Figura 11 - Casa da Almerinda Figura 12 - Almerinda na primeira gravação Figura 13 - a piscina Figura 14 - O local da ONG Figura 15 - O trabalho do motorista Figura 16 - Almerinda com herpes Figura 17 - Almerinda arrumada para a gravação Figura 18 - Julia Spinelli Figura 19 - Casa da Simone Figura 20 - Simone Figura 21 - O texto da filha da Simone Figura 22 - Mara Figura 23 - Novo escritório da Almerinda Figura 24 - O local da ONG

18 xviii.

19 xix Resumo Com o objetivo de pesquisar como vivem as pessoas com HIV e em tratamento com drogas antirretrovirais, elegi para o estudo um segmento de pessoas envolvidas na fundação de uma ONG na região de Franco da Rocha-SP. Tinha em mente acompanhar a rede de relações que se estabeleceriam ao longo do desenvolvimento da ONG e a proposta era acompanhar cada participante registrando os movimentos, os problemas e as realizações. O trabalho consistiria na produção de um texto que pudesse transmitir as narrativas dos próprios pacientes e dos profissionais do serviço, nas questões que rodeiam a adesão ao tratamento com drogas antirretrovirais. Porém, como não houve o desenvolvimento desejável da instituição reorientei a investigação no sentido de seguir os rastros dos atores que permaneceram envolvidos com o movimento que fora iniciado. Isso resultou em seguir os rastros (entrevistar e conviver) com, além dos funcionários do serviço, alguns pacientes envolvidos com a ideia da ONG. Seguindo os atores nas atividades relacionadas ao movimento, conforme a Teoria Ator-Rede de Bruno Latour, passei dois anos em campo, registrando os eventos, filmando, fotografando, vivenciando os acontecimentos, entrevistando pessoas, tanto do lado do serviço, os funcionários, quanto do lado da ONG, os pacientes em tratamento. Disso resultou este trabalho onde abordo: a aids da epidemia à adesão ao tratamento - partindo de uma breve revisão da história e dos conceitos da aids, características e desenvolvimento da epidemia no Brasil, no Estado de São Paulo e no município de Francisco Morato; a terapia antirretroviral e as dificuldades para a adesão ao tratamento; o local da pesquisa, Francisco Morato, mostrando o contexto de vida dos participantes da pesquisa; a metodologia de pesquisa antropológica segundo Bruno Latour, em que a etnografia procura descrever a rede de relações; a questão da organização não governamental procurando aclarar os interesses do Departamento Nacional de DST/Aids e Hepatites Virais, na figura dessas entidades; a descrição dos eventos realizados e o registro das narrativas das pessoas. Destacam-se as condições de penúria geral e alguns lances de solidariedade apesar das dificuldades dessa vida de restrições que não se restringe só aos aspectos do tratamento da saúde. Enfim, o remédio é o menor dos problemas para essa população na questão da aids e adesão à vida. Palavras-chave: aids, adesão ao tratamento, redes, etnografia, ONG.

20 xx.

21 xxi Abstract With the purpose of investigating how the people infected with HIV and being treated with antiretroviral drugs live, I have chosen for this study a group of people involved in the foundation of a NGO in a region called Franco da Rocha in São Paulo. I intended to monitor the net of relations that would be created throughout the NGO development and the proposition was to come after each participant, to record their activities, their problems and their accomplishments. This task would consist of the presentation of a text which could transmit the narration of the patients themselves and the professionals of the service, concerning the questions that enclose the addiction to the treatment with antiretroviral drugs. However, as the institution didn t present the expected development, I redirected the investigation in order to follow the actor s traces who kept involved with the initial program. That fact implied on following the traces (interviewing and cohabitating) of the professionals as well as of some patients linked to the NGO proposition. Accompanying the actor s activities connected to the program and according to the Actor-Net Theory of Bruno Latour, I spent two years in the field, recording the events, shooting, photographing, experiencing the occurrences, interviewing people from both sides: the service side (the professionals) and the NGO side (the patients in treatment). The result was this essay where I approach the subject: AIDS from the epidemic to the treatment addiction, based on a brief review of the AIDS history and concepts, characteristics and development of the epidemic in Brazil, in São Paulo and in Francisco Morato county; the antiretroviral therapy and the difficulties for the addiction to the treatment; the research location, Francisco Morato, displaying the life context of the study participants; the methodology of the anthropological research according to Bruno Latour, where the ethnography tries to describe the net of relations; the issue of the Non-Governmental Organization seeking to clear up (elucidate) the National Department of DST/AIDS and Viral Hepatitis interests represented by those institutions; the description of the achieved events and the records of people s narrations. We must make clear the general scarcity conditions and some moments of solidarity, despite the difficulties of a life full of restrictions that is not just linked to the health treatment aspects. Eventually, we have to say that the medicine is the least problem for this community concerning the AIDS and the addiction to life. Key words: AIDS, addiction to the treatment, nets, ethnography, NGO

22 xxii.

23 xxiii Resumen Con el objetivo de investigar cómo sobreviven las personas con VIH positivo y en fase de tratamiento con las drogas antirretrovirales, elegí para este estudio un segmento de personas responsables por la creación de una ONG en el municipio de Franco da Rocha SP. Tenía la idea de acompañar la red de relaciones que se establecerían a lo largo del desarrollo de la ONG y la propuesta era seguir y observar cada participante y anotar sus actividades, sus problemas y sus realizaciones. El trabajo consistiría en la producción de un texto que pudiera transmitir las narrativas de los propios pacientes y de los profesionales del área sobre las cuestiones que se presentan en el momento de la adhesión al tratamiento con drogas antirretrovirales. Sin embargo, como no hubo el desarrollo esperado por parte de la institución, reorienté la investigación con el propósito de seguir las huellas de los actores que permanecieron fieles al programa inicial. Para eso fue necesario seguir los pasos (entrevistar y convivir) de, además de los funcionarios del servicio, algunos pacientes participantes de la idea de la ONG. Acompañando los actores en las actividades relacionadas al programa, según la Teoría Actor-Red de Bruno Latour, pasé dos años en campo, registrando los acontecimientos, filmando, fotografiando, conviviendo con las situaciones cuotidianas, entrevistando varias personas, tanto las ejecutoras de servicios (los funcionarios) como las que los recibían (los pacientes en tratamiento de la ONG ), lo que resultó en este trabajo en el que abordo el tema: el SIDA de la epidemia a la adhesión al tratamiento a partir de una breve revisión de la historia y de los conceptos del SIDA, sus características y la propagación de la epidemia en Brasil, en el estado de São Paulo y en el municipio de Francisco Morato; la terapia antirretroviral y las dificultades de adhesión al tratamiento; el lugar de la pesquisa, Francisco Morato, donde muestro el contexto de vida de los participantes, la metodología de pesquisa antropológica según Bruno Latour, en la cual la etnografía intenta describir la red de relaciones; la cuestión de la Organización no Gubernamental que trata de aclarar los intereses del Departamento Nacional de DST/AIDS y Hepatitis Virales representados por esas entidades; la descripción de los hechos realizados y el registro de la narración de diversas personas. Hay que destacar las condiciones de penuria general y algunos casos de solidaridad, pese a los problemas de esa vida plena de restricciones que no se limitan solamente a los aspectos del tratamiento de la salud. Finalmente, debemos decir que el remedio es el menor de los problemas para esa comunidad en lo que se refiere al SIDA y a la adhesión a la vida. Palabras clave: SIDA, adhesión al tratamiento, redes, etnografía, ONG

24 xxiv.

25 xxv Sumário 1. Introdução A aids, da epidemia à adesão ao tratamento A aids Alguns tópicos da história da aids O contexto atual A epidemia da aids no Brasil A epidemiologia da aids no Estado de São Paulo A epidemia em Francisco Morato Terapia antirretroviral Adesão ao tratamento Atualização O local da pesquisa: Francisco Morato O ambiente Recortes da história Perfil socioeconômico-populacional de Francisco Morato Centro de Testagem e Aconselhamento (CTA) O serviço de farmácia municipal A política Morato segundo os pacientes Os caminhos da pesquisa A dificuldade do estranhamento Método Etnografia - O acompanhamento da rede de PVHIV Organização não governamental (ONG) Participando nos eventos da rede Chá posithivo Curso de sabonete artesanal Natal de Natal de Seguindo as narrativas das pessoas Almerinda A primeira gravação... 80

26 xxvi A história da piscina (23/02/2011) Falando da ONG (23/02/2011) Falando da mobilidade (23/02/2011) O poder do motorista (23/02/2011) Almerinda com herpes (02/07/2011) Almerinda (18/01/2012) Sua história com os medicamentos. (18/01/2012) A saída do CTA de Morato (18/01/2012) A convulsão Joana (18/05/2011) Simone (20/05/2011) Mara (02/07/2011) Péricles (02/06/2011) Os funcionários do CTA Mercedes (08/02/2011) Luciene (23/09/2011) Socorro (23/09/2010) Swami (23/09/2011) Cristiane e Sandra (23/09/2011) A volta do Johnny A história do Johnny A briga entre Johnny e Almerinda Detalhando alguns nós dessa trama A sustentabilidade econômica da organização A relação das pessoas com o serviço público disponível A atuação das pessoas em rede O enfrentamento da penúria As ações do serviço público Tomar o remédio é o menor dos problemas Considerações Finais Referências bibliográficas Bibliografia consultada Anexo Parecer do Comitê de Ética da Unifesp Termo de Consentimento Livre e Esclarecido

27 1 1. Introdução Esta tese é um estudo sobre a vida de pessoas vivendo com a infecção pelo vírus da imunodeficiência humana o HIV; assim creio necessária uma breve incursão ao campo da Síndrome da Imunodeficiência Adquirida - a aids, para a contextualização desta minha inserção neste campo de pesquisa. No início da epidemia, na década de oitenta, o diagnóstico da infecção era um vaticínio de morte breve e a palavra da época era sobrevida, um tempo de vida que beirava a seis meses. A situação do doente era tal que se legislou sobre uma aposentadoria da pessoa em tratamento que não teria mais condições de fazer outras coisas nesta breve vida. Com a introdução dos antirretrovirais a década de noventa terminou com a palavra sobrevida significando uma expectativa de vida por volta de cinco anos. Começava aí a preocupação dos serviços de saúde com a adesão ao medicamento que se por um lado prolongava a expectativa de vida, por outro criava uma série de inconvenientes, desde a necessidade de uma rigorosa fiscalização das quantidades e dos horários da administração dos medicamentos até os efeitos colaterais indesejados. Estudos epidemiológicos demonstravam a queda da contaminação e o aumento da sobrevida a partir de uma competente adesão ao tratamento, que entre outras tecnologias adotadas para o enfrentamento da epidemia, fazia surgir a figura de um procedimento específico o aconselhamento. Não se falava mais de adesão ao medicamento, mas ao tratamento que envolvia não só a administração da medicação, mas também a alteração dos hábitos de vida e até da expectativa de vida. Uma das estratégias do programa nacional foi a criação dos Centros de Testagem e Aconselhamento Sorológicos os COAS, um espaços com filosofia própria de atendimento porta aberta, superando a burocracia dos encaminhamentos médicos para atendimento especializado. A palavra adotada foi aconselhamento, mas o procedimento correto deveria ter sido alcunhado de acolhimento. As pessoas eram encorajadas à testagem sorológica para verificação da possibilidade de estarem ou não contaminadas com o HIV e o serviço aproveitava para oferecer uma série de informações sobre a prevenção e sobre os tratamentos. Era um serviço diferenciado em que não havia crítica ou julgamento moral sobre os procedimentos que levaram à contaminação, mas as informações sobre a epidemia e suas consequências. De um lado procurava-se evitar a propagação do vírus e, de outro, conseguir a adesão das pessoas infectadas para um tratamento rigoroso.

28 2 Em 1999, eu trabalhava como psicólogo atendendo nas clínicas cirúrgica, ortopédica e UTI, no Hospital do Complexo Juquery, em Franco da Rocha - SP, quando fui convidado a assumir o atendimento psicológico no Centro de Orientação e Aconselhamento Sorológico (COAS). Essa incursão no mundo da aids levou-me a procurar um desenvolvimento pessoal no assunto. Além dos cursos internos da Secretaria de Saúde do Estado e do Ministério da Saúde, fui fazer uma especialização em Sexualidade Humana na Unicamp e outra em Educação Superior em Saúde no CEDESS (Unifesp). Em 2003 assumi uma função administrativa na gestão regional do programa estadual para doenças sexualmente transmissíveis e aids, função de interlocutor. Uma situação que me chamava atenção nas narrativas dos pacientes do COAS era que a adesão ao tratamento tinha uma relação muito direta com a capacidade de comunicação do médico, sem muito considerar o conhecimento especializado ou não; daí surgiu minha pesquisa no mestrado: Como os médicos aprendem comunicação na relação médico-paciente? que resultou na dissertação O ensino da comunicação na graduação em medicina uma abordagem (ROSSI 2004). Na continuação do trabalho na interlocução do programa estadual, comecei a me deparar com situações do serviço que requeriam a parceria com organizações não governamentais ligadas ao atendimento de pessoas vivendo com HIV. A administração nacional do programa entende que alguns serviços específicos fogem das possibilidades da atuação do funcionário público e que deveriam ser executados por pessoas nas mesmas situações dos pacientes, por seus pares, gente que vive o problema. A história do enfrentamento da epidemia é marcada por grande participação dos movimentos de pacientes e isso levou o programa nacional a destinar dez por cento das verbas do programa para uso de organizações não governamentais (ONGs) em atividades extramuros, além de verbas adicionais para projetos específicos. Na região de Franco da Rocha não havia uma ONG que atendesse os requisitos para participação no programa e apareceu um rapaz representante da Rede Nacional de Pessoas Positivas, o Johnny que se apresentava com o interesse de montar uma ONG em Francisco Morato. Resolvi então acompanhar esse movimento, em continuidade aos estudos sobre a adesão ao tratamento da aids, que começara no mestrado estudando a formação do médico, mudando o foco para descrever o outro lado da questão que é a visão de mundo das pessoas vivendo com HIV. Tinha em mente acompanhar a rede de relações que se estabeleceriam ao longo do desenvolvimento da ONG e a proposta era acompanhar cada participante registrando os movimentos, os problemas e as realizações. Mais especificamente: observar a sustentabilidade econômica da organização; identificar pessoas que agem (atores) na organização da rede; ve-

29 3 rificar as condições de vida das pessoas envolvidas com a rede; analisar a relação das pessoas com o serviço público disponível; destacar procedimentos específicos da atuação das pessoas em rede; relatar as considerações das pessoas quanto ao serviço disponível; anotar os procedimentos das pessoas no enfrentamento da penúria; e registrar a organização e as ações do serviço público. O trabalho consistiria então na produção de um texto que pudesse transmitir as narrativas dos próprios pacientes do serviço, envolvidos com a ONG, nas questões que rodeiam o seu tratamento com drogas antirretrovirais. Vi na tentativa de formação do Instituto Novo Tempo, a possibilidade de acompanhar o seu nascimento, crescimento e desenvolvimento, com um recorte do olhar para as ações que focassem a qualidade de vida das pessoas envolvidas, seja como paciente, seja como agentes de saúde a serviço da ONG, que me permitiria seguir os atores nas atividades relacionadas ao movimento. Para tanto programei passar dois anos em campo, tanto do lado do serviço (os funcionários), quanto do lado da ONG (os pacientes em tratamento), mas não houve o desenvolvimento desejável da instituição e tive que seguir os rastros de alguns poucos atores que estavam fazendo algum movimento. Isso se reduziu a seguir os rastros (entrevistar e conviver) com, alguns pacientes envolvidos com a ideia da ONG que permitiram a divulgação de suas histórias, conforme termos de consentimento livre e esclarecido, devidamente datados e assinados, além dos funcionários do serviço. Assim, foi seguindo os atores no campo, participando das atividades, filmando, fotografando, entrevistando, que foram registradas as narrativas que expõem a visão de cada um, sempre com o cuidado de não traduzir nem interpretar sob a ótica do pesquisador, conforme metodologia descrita no capítulo terceiro. O capítulo Aids da epidemia à adesão ao tratamento (p.7), parte de uma breve revisão da literatura da história e dos conceitos da aids, características e desenvolvimento da epidemia no Brasil, no Estado de São Paulo e no município de Francisco Morato, a terapia antirretroviral e as dificuldades para a adesão ao tratamento. O capítulo O local da pesquisa: Francisco Morato (p.25) mostra o contexto de vida das pessoas pesquisadas, a cidade de Francisco Morato, o município mais pobre da região metropolitana de São Paulo, apenas a quarenta quilômetros da Praça da Sé, a cinquenta minutos da Estação da Luz, mais de cento e cinquenta mil pessoas vivendo em menos de 50 quilômetros quadrados.

30 4 O capítulo Os caminhos da pesquisa (p.43) vai apresentar a metodologia de pesquisa antropológica, uma etnografia segundo Bruno Latour, que procura descrever a rede de relações por onde se movimentam as pessoas vivendo com HIV. Descrever é a essência do método, a teoria surge da manifestação e do movimento dos atores. Não se enquadra uma realidade nos limites de uma teoria, mas se lança ao campo para seguir a filosofia de vida dos atores. O trabalho do pesquisador é tentar transformar sua observação em uma descrição que não precise ser explicada. O capítulo Organização não governamental (p.59) procura aclarar o interesse do Departamento Nacional de DST/Aids e Hepatites Virais, na figura das organizações não governamentais. Esta é uma situação nova e merece uma busca de esclarecimentos e posicionamentos, inclusive sobre o que seja uma ONG, além de discutir a diferença entre uma instituição jurídica e um movimento social. O capítulo Participando dos eventos da rede (p.65) faz uma aproximação à questão da pesquisa seguindo os atores no seu campo de ação. Durante dois anos estive acompanhando as tentativas de desenvolvimento da ONG Instituto Novo Tempo, participando das suas ações junto ao CTA de Francisco Morato, visitando as casas das pessoas e registrando atos e narrativas que afetavam o movimento da rede. Assim como as atividades de idas ao campo procurando o Johnny e fazendo visitas com a Almerinda, pessoas que serão apresentadas e descritas ao longo do texto; e, aproveitando as visitas ao campo para fazer sala de espera no serviço de atendimento. No capítulo Seguindo as narrativas das pessoas (p.77) aparece a opção da transcrição do relato, mais do que a descrição dos fatos. Enquanto visitava o campo e convivia com as pessoas, via e ouvia muita coisa de maneira entrecortada, algumas até truncadas ou cifradas dificultando o entendimento, daí a opção por pedir que a pessoa gravasse suas falas e suas opiniões numa narrativa mais linear para melhor registro da pesquisa. Se o método da pesquisa é descritivo, pensei que nada seria melhor que a descrição das próprias pessoas ou as narrativas pessoais sobre os seus trajetos. Se em alguns momentos a leitura do texto ficar cansativa por um excesso de narrativas, considere que isso já é um resumo, uma sistematização do que fora falado antes. Na tentativa de ser o mais fiel possível na descrição do entendimento do ator procurei o relato do ator sobre os seus próprios atos como a melhor descrição. Sei que algumas narrativas desta pesquisa ficaram muito longas e poderão ser cansativas numa primeira leitura, mas foi uma tentativa de minimizar a possibilidade de contaminação no relato com as minhas intervenções, com o meu entendimento, com a minha interpretação. Só no

31 5 conjunto dos relatos é que a unidade se faz visível, que os nós das tramas aparecem ligando várias vidas envolvidas nessa rede. No capítulo Detalhando alguns nós dessa trama (p.250) procurei destacar alguns detalhes mais recorrentes da pesquisa numa integração das contribuições dos mais diversos atores. Não diria que eram hipóteses do projeto, mas algo como objetivos específicos que se pretendia verificar no campo a partir de conhecimentos anteriores sobre as especificidades da vida das pessoas vivendo com HIV e das pessoas que tentam provocar movimentos sociais em torno da patologia. Nas considerações finais (p.264), o que se pode trazer como resultado do trabalho de campo em confronto com a pesquisa bibliográfica sobre a adesão ao tratamento.

32 6.

33 7 2. A aids, da epidemia à adesão ao tratamento Esta pesquisa pretendeu descrever como vivem pessoas que foram contaminadas pelo HIV, tornaram-se caso de aids e começaram o tratamento com drogas antirretrovirais. No início da epidemia não havia a preocupação com a vida das pessoas contaminadas porque o diagnóstico da contaminação era o vaticínio de morte breve. A história mudou em trinta anos, não se fala mais de sobrevida a partir do diagnóstico de aids, mas de qualidade de vida, pois as pessoas estão vivendo cada vez mais. Na década de 80 falava-se de uma sobrevida de seis meses, no fim da década de 90, depois da introdução dos antirretrovirais, passou para a expectativa de seis anos e agora não se prevê mais o tempo de vida com HIV, mas se propalam os cuidados para uma vida normal, apesar ainda dos problemas com a medicação. Agora, mesmo em menor ritmo, a epidemia continua aumentando o número de pessoas vivendo com HIV, pois acompanhando o decréscimo no índice de contaminação, hoje por volta de dezoito casos a cada cem mil habitantes, decai também o índice de mortalidade, agora por volta de seis casos a cada cem mil habitantes (BRASIL 2011). Em matemática simples temos um aumento vegetativo na ordem de doze casos novos, por ano, a cada cem mil habitantes, ou seja, a cada ano temos mais vinte e tantos mil brasileiros vivendo com HIV. Esse contingente, por si só, justifica uma pesquisa para entender como vivem e como pensam essas pessoas, tendo como objetivo maior o desenvolvimento de conhecimentos que possam auxiliar na programação de ações no âmbito da Saúde Coletiva, no momento em que se anuncia a mudança de protocolo, aumentando de 350 para 500 a contagem de células de defesa os linfócito T denominados CD4 para inicio da terapia antirretroviral que aumentaria muito o contingente de pessoas em TARV. Embora a incidência de pessoas em TARV seja pouco representativa em números, cerca de no Brasil todo, o custo com medicamentos supera dois mil reais por ano para cada pessoa, enquanto os brasileiros todos recebem, em média, menos de vinte reais em remédios. Tabela 1 - Gastos com medicamentos no Brasil Programa Assistência Farmacêutica e Insumos Estratégicos: R$ ,42 Ação Atendimento à População com Medicamentos para Tratamento dos Portadores de HIVAIDS e outras Doenças Sexualmente Transmissíveis: R$ ,84 Fonte: (BRASIL 2012c)

SISTEMA DE INFORMAÇÃO DE AGRAVO DE NOTIFICAÇÃO DICIONÁRIO DE DADOS SINAN NET

SISTEMA DE INFORMAÇÃO DE AGRAVO DE NOTIFICAÇÃO DICIONÁRIO DE DADOS SINAN NET MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA COORDENAÇÃO GERAL DE DOENÇAS TRANSMISSÍVEIS GT SINAN SISTEMA DE INFORMAÇÃO DE AGRAVO DE NOTIFICAÇÃO DICIONÁRIO

Leia mais

VIROLOGIA RETROVÍRUS 1. HIV

VIROLOGIA RETROVÍRUS 1. HIV Instituto Federal de Santa Catarina Curso Técnico em Biotecnologia Unidade Curricular: Microbiologia VIROLOGIA RETROVÍRUS 1. Prof. Leandro Parussolo O que é um retrovírus? É qualquer vírus que possui o

Leia mais

O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, Interino, no uso de suas atribuições, resolve:

O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, Interino, no uso de suas atribuições, resolve: PORTARIA Nº 486, DE 16 DE MAIO DE 2.000 O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, Interino, no uso de suas atribuições, resolve: Art. 1º - Expedir a edição revisada e atualizada das orientações e critérios relativos

Leia mais

UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ LUIZ SASSO FILHO PERFIL DOS PORTADORES DO VÍRUS HIV ATENDIDOS NO HOSPITAL DIA AIDS EM BRASÍLIA D.F.

UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ LUIZ SASSO FILHO PERFIL DOS PORTADORES DO VÍRUS HIV ATENDIDOS NO HOSPITAL DIA AIDS EM BRASÍLIA D.F. UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ LUIZ SASSO FILHO PERFIL DOS PORTADORES DO VÍRUS HIV ATENDIDOS NO HOSPITAL DIA AIDS EM BRASÍLIA D.F. BRASÍLIA DF 2009 PERFIL DOS PORTADORES DO VÍRUS HIV ATENDIDOS NO HOSPITAL

Leia mais

Resumo do Perfil epidemiológico por regiões. HIV e Aids no Município de São Paulo 2014 SAÚDE 1

Resumo do Perfil epidemiológico por regiões. HIV e Aids no Município de São Paulo 2014 SAÚDE 1 Resumo do Perfil epidemiológico por regiões HIV e Aids no Município de São Paulo 2014 Resumo do perfil epidemiológico por regiões SAÚDE 1 HIV e Aids no Município de São Paulo 2014 APRESENTAçÃO Hoje, no

Leia mais

DICIONÁRIO DE DADOS - SINAN NET - Versão 4.0

DICIONÁRIO DE DADOS - SINAN NET - Versão 4.0 MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA CENTRO DE INFORMAÇÕES ESTRATÉGICAS EM VIGILÂNCIA EM SAÚDE GT-SINAN SISTEMA DE INFORMAÇÃO DE AGRAVO DE NOTIFICAÇÃO

Leia mais

ANÁLISE DO PERFIL IMUNOLÓGICO E VIRAL DOS PACIENTES HIV/AIDS ATENDIDOS NA UNIDADE DE SAÙDE JUNDIAÍ EM ANÁPOLIS GOIAS ENTRE OS ANOS 2002 E 2006.

ANÁLISE DO PERFIL IMUNOLÓGICO E VIRAL DOS PACIENTES HIV/AIDS ATENDIDOS NA UNIDADE DE SAÙDE JUNDIAÍ EM ANÁPOLIS GOIAS ENTRE OS ANOS 2002 E 2006. 1 ANÁLISE DO PERFIL IMUNOLÓGICO E VIRAL DOS PACIENTES HIV/AIDS ATENDIDOS NA UNIDADE DE SAÙDE JUNDIAÍ EM ANÁPOLIS GOIAS ENTRE OS ANOS 2002 E 2006. Adriana Paim da Silva 1,2 ; Andrea Brígida de Souza 1,2

Leia mais

Síndrome da Imunodeficiência Adquirida

Síndrome da Imunodeficiência Adquirida Síndrome da Imunodeficiência Adquirida Síndrome : Conjunto de sinais e sintomas que se desenvolvem conjuntamente e que indicam a existência de uma doença. A AIDS é definida como síndrome porque não tem

Leia mais

FACULDADE CATÓLICA SALESIANA GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM DISCIPLINA DE DOENÇAS INFECTO-PARASITÁRIAS HIV/AIDS

FACULDADE CATÓLICA SALESIANA GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM DISCIPLINA DE DOENÇAS INFECTO-PARASITÁRIAS HIV/AIDS FACULDADE CATÓLICA SALESIANA GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM DISCIPLINA DE DOENÇAS INFECTO-PARASITÁRIAS HIV/AIDS Descrição Doença que representa um dos maiores problemas de saúde da atualidade, em função de seu

Leia mais

HIV. O vírus da imunodeficiência humana HIV-1 e HIV-2 são membros da família Retroviridae, na subfamília Lentividae.

HIV. O vírus da imunodeficiência humana HIV-1 e HIV-2 são membros da família Retroviridae, na subfamília Lentividae. A Equipe Multiprofissional de Saúde Ocupacional da UDESC lembra: Dia 01 de dezembro é dia mundial de prevenção à Aids! Este material foi desenvolvido por alunos do Departamento de Enfermagem da Universidade

Leia mais

POLÍTICA BRASILEIRA DE ENFRENTAMENTO DA AIDS

POLÍTICA BRASILEIRA DE ENFRENTAMENTO DA AIDS Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais POLÍTICA BRASILEIRA DE ENFRENTAMENTO DA AIDS RESULTADOS, AVANÇOS E PERSPECTIVAS A Epidemia Prevenção Diagnóstico Assistência e Tratamento Sustentabilidade e

Leia mais

Os caminhos e descaminhos de uma epidemia global

Os caminhos e descaminhos de uma epidemia global Os caminhos e descaminhos de uma epidemia global Por Rodrigo Cunha 5 de junho de 1981. O Relatório Semanal de Morbidez e Mortalidade do Centro para Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos Estados Unidos

Leia mais

Gisane kelly Silva de Miranda 1 Rosimere Pessoa de Souza 2

Gisane kelly Silva de Miranda 1 Rosimere Pessoa de Souza 2 Gisane kelly Silva de Miranda 1 Rosimere Pessoa de Souza 2 Resumo: O presente trabalho tem por intuito analisar os fatores que condicionam o aumento da vulnerabilidade da transmissão do vírus do HIV entre

Leia mais

MEDICAMENTOS... 3 DOENÇAS OPORTUNISTAS... 5 ADESÃO... 6 DICAS PARA MELHOR ADESÃO AOS MEDICAMENTOS... 7 Inibidores Da Transcriptase Reversa Análogo De

MEDICAMENTOS... 3 DOENÇAS OPORTUNISTAS... 5 ADESÃO... 6 DICAS PARA MELHOR ADESÃO AOS MEDICAMENTOS... 7 Inibidores Da Transcriptase Reversa Análogo De MEDICAMENTOS... 3 DOENÇAS OPORTUNISTAS... 5 ADESÃO... 6 DICAS PARA MELHOR ADESÃO AOS MEDICAMENTOS... 7 Inibidores Da Transcriptase Reversa Análogo De Nucleosídeos... 7 Inibidores Da Protease... 8 Inibidores

Leia mais

QUERO SABER... FIZ O TESTE E DEU ( POSITIVO ) Como é que uma pessoa se pode proteger do VIH/sida?

QUERO SABER... FIZ O TESTE E DEU ( POSITIVO ) Como é que uma pessoa se pode proteger do VIH/sida? Como é que uma pessoa se pode proteger do VIH/sida? Para NÃO APANHAR nas relações intimas e sexuais: 1. Não fazer sexo enquanto não se sentir preparado para usar o preservativo (pode experimentar primeiro

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 Notas importantes: O Banco de dados (BD) do Sistema de Informação Nacional de Agravos de Notificação (SINAN) vem sofrendo nos últimos

Leia mais

PlanetaBio Artigos Especiais www.planetabio.com AIDS- SÍNDROME DA IMUNODEFICIÊNCIA ADQUIRIDA

PlanetaBio Artigos Especiais www.planetabio.com AIDS- SÍNDROME DA IMUNODEFICIÊNCIA ADQUIRIDA AIDS- SÍNDROME DA IMUNODEFICIÊNCIA ADQUIRIDA (texto de Marcelo Okuma) 1. Histórico e origem do vírus HIV Há fortes indícios para se acreditar que o vírus da imunodeficiência humana (HIV) tenha evoluído

Leia mais

Introdução. Infecção pelo HIV. Uma das mais devastadoras pandemias da história da humanidade. Profundas repercussões sociais

Introdução. Infecção pelo HIV. Uma das mais devastadoras pandemias da história da humanidade. Profundas repercussões sociais Introdução Uma das mais devastadoras pandemias da história da humanidade Profundas repercussões sociais Possibilitou um enorme avanço no campo da virologia Prof. Marco Antonio Passou de doença letal a

Leia mais

Atraso na introdução da terapia anti-retroviral em pacientes infectados pelo HIV. Brasil, 2003-2006

Atraso na introdução da terapia anti-retroviral em pacientes infectados pelo HIV. Brasil, 2003-2006 Atraso na introdução da terapia anti-retroviral em pacientes infectados pelo HIV. Brasil, 2003-2006 Paulo Roberto Borges de Souza-Jr Célia Landmann Szwarcwald Euclides Ayres de Castilho A Terapia ARV no

Leia mais

RELATÓRIO PARA A. SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS

RELATÓRIO PARA A. SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS RELATÓRIO PARA A SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS RELATÓRIO PARA A SOCIEDADE Este relatório é uma versão resumida do relatório técnico

Leia mais

Chapecó. 1. Secretaria de Estado da Saúde Secretaria de Estado do Desenvolvimento Regional de

Chapecó. 1. Secretaria de Estado da Saúde Secretaria de Estado do Desenvolvimento Regional de Perfil epidemiológico dos clientes com AIDS cadastrados no Sistema de Controle Logístico de Medicamentos no Hospital Dia Aids no município de Chapecó-SC no ano de 2007. Otilia Cristina Coelho Rodrigues

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 Notas importantes: O Banco de dados (BD) do Sistema de Informação Nacional de Agravos de Notificação (SINAN) vem sofrendo nos últimos

Leia mais

Seleção de Temas. Questionário - Proficiência Clínica. Área: Imunologia Rodada: Julho/2008. Prezado Participante,

Seleção de Temas. Questionário - Proficiência Clínica. Área: Imunologia Rodada: Julho/2008. Prezado Participante, Seleção de Temas Prezado Participante, Gostaríamos de contar com a sua contribuição para a elaboração dos próximos materiais educativos. Cada questionário desenvolve um assunto (temas) específico dentro

Leia mais

Briefing. Boletim Epidemiológico 2010

Briefing. Boletim Epidemiológico 2010 Briefing Boletim Epidemiológico 2010 1. HIV Estimativa de infectados pelo HIV (2006): 630.000 Prevalência da infecção (15 a 49 anos): 0,61 % Fem. 0,41% Masc. 0,82% 2. Números gerais da aids * Casos acumulados

Leia mais

Carrefour Guarujá. O que é DST? Você sabe como se pega uma DST? Você sabe como se pega uma DST? Enfermeira Docente

Carrefour Guarujá. O que é DST? Você sabe como se pega uma DST? Você sabe como se pega uma DST? Enfermeira Docente Carrefour Guarujá Bárbara Pereira Quaresma Enfermeira Docente Enfª Bárbara Pereira Quaresma 2 O que é DST? Toda doença transmitida através de relação sexual. Você sabe como se pega uma DST? SEXO VAGINAL

Leia mais

BENTO GONÇALVES RELATÓRIO EPIDEMIOLÓGICO SÍNDROME DA IMUNODEFICIÊNCIA ADQUIRIDA - SIDA SISTEMA DE INFORMAÇÕES SOBRE AGRAVOS DE NOTIFICAÇÃO SINAN

BENTO GONÇALVES RELATÓRIO EPIDEMIOLÓGICO SÍNDROME DA IMUNODEFICIÊNCIA ADQUIRIDA - SIDA SISTEMA DE INFORMAÇÕES SOBRE AGRAVOS DE NOTIFICAÇÃO SINAN 1 2 BENTO GONÇALVES RELATÓRIO EPIDEMIOLÓGICO SÍNDROME DA IMUNODEFICIÊNCIA ADQUIRIDA - SIDA SISTEMA DE INFORMAÇÕES SOBRE AGRAVOS DE NOTIFICAÇÃO SINAN 7ª REVISÃO 1986 a 2012 Rio Grande do Sul Bento Gonçalves

Leia mais

Diminui a mortalidade por Aids no Estado de São Paulo

Diminui a mortalidade por Aids no Estado de São Paulo Diminui a mortalidade por Aids no Estado de São Paulo Em 2012, ocorreram 2.767 óbitos por Aids no Estado de São Paulo, o que representa importante queda em relação ao pico observado em 1995 (7.739). A

Leia mais

Nova vacina frente à cura para a AIDS

Nova vacina frente à cura para a AIDS N o 18 Setembro/2013 Centro de Farmacovigilância da UNIFAL-MG Site: www2.unifal-mg.edu.br/cefal Email: cefal@unifal-mg.edu.br Tel: (35) 3299-1273 Equipe editorial: prof. Dr. Ricardo Rascado; profa. MsC.

Leia mais

SITUAÇÃO DO HIV/AIDS NO BRASIL E OS FATORES QUE INFLUENCIAM A INFECÇÃO

SITUAÇÃO DO HIV/AIDS NO BRASIL E OS FATORES QUE INFLUENCIAM A INFECÇÃO SITUAÇÃO DO HIV/AIDS NO BRASIL E OS FATORES QUE INFLUENCIAM A INFECÇÃO Jader Dornelas Neto 1 ; Daniel Antonio Carvalho dos Santos 2 ; Guilherme Elcio Zonta 3 ; Simone Martins Bonafé 4 RESUMO: O objetivo

Leia mais

A POLÍTICA DE DST/AIDS NA VISÃO DE UM TRABALHADOR DO SUS. SORAIA REDA GILBER Farmacêutica Bioquímica LACEN PR

A POLÍTICA DE DST/AIDS NA VISÃO DE UM TRABALHADOR DO SUS. SORAIA REDA GILBER Farmacêutica Bioquímica LACEN PR A POLÍTICA DE DST/AIDS NA VISÃO DE UM TRABALHADOR DO SUS SORAIA REDA GILBER Farmacêutica Bioquímica LACEN PR BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO DA AIDS NO BRASIL Desde o início de 1980 até junho de 2012 foram registrados

Leia mais

Assunto: Realização de teste rápido de HIV,Sífilis e outros agravos.

Assunto: Realização de teste rápido de HIV,Sífilis e outros agravos. PARECER Nº121/2015 PAD: Nº 43/2015 Autora: Conselheira Renata Ramalho Da Cunha Dantas Solicitante: Dr. Ronaldo Miguel Beserra Assunto: Realização de teste rápido de HIV,Sífilis e outros agravos. DO FATO

Leia mais

Contrata Consultor na modalidade. Contrata Consultor na modalidade

Contrata Consultor na modalidade. Contrata Consultor na modalidade Contrata Consultor na modalidade PROJETO 914/BRZ/1138 EDITAL Nº 19/2014 Publicação de perfil(is) para contratação de profissional(is) na(s) área(s), cuja(s) vaga(s) está(ão) disponível (is) na página da

Leia mais

BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO HIV/AIDS

BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO HIV/AIDS BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO HIV/AIDS CURITIBA/PR 2014 BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO HIV/AIDS CURITIBA/PR 2014 Secretaria Municipal da Saúde de Curitiba Centro de Epidemiologia Coordenação de Vigilância Epidemiológica

Leia mais

Caderno de Informações Epidemiológicas das DST/HIV/Aids do Município de Uberaba-MG

Caderno de Informações Epidemiológicas das DST/HIV/Aids do Município de Uberaba-MG SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE PROGRAMA MUNICIPAL DE DST/AIDS DE UBERABA Caderno de Informações Epidemiológicas das DST/HIV/Aids do Município de Uberaba-MG Gerente: Maria Clara de Vasconcelos Afonso Elaboração:

Leia mais

HIV/AIDS Pediatria Sessão Clínica do Internato Revisão Teórica. Orientadora: Dra Lícia Moreira Acadêmico: Pedro Castro (6 Ano)

HIV/AIDS Pediatria Sessão Clínica do Internato Revisão Teórica. Orientadora: Dra Lícia Moreira Acadêmico: Pedro Castro (6 Ano) HIV/AIDS Pediatria Sessão Clínica do Internato Revisão Teórica Orientadora: Dra Lícia Moreira Acadêmico: Pedro Castro (6 Ano) AIDS Conceito Doença que manifesta-se por infecções comuns de repetição, infecções

Leia mais

Sumário. Aids: a magnitude do problema. A epidemia no Brasil. Característica do Programa brasileiro de aids

Sumário. Aids: a magnitude do problema. A epidemia no Brasil. Característica do Programa brasileiro de aids Sumário Aids: a magnitude do problema A epidemia no Brasil Característica do Programa brasileiro de aids Resultados de 20 anos de luta contra a epidemia no Brasil Tratamento Prevenção Direitos humanos

Leia mais

GESTANTE HIV* ACOMPANHAMENTO PRÉ-NATAL. Profª.Marília da Glória Martins Recomendações do Ministério da Saúde

GESTANTE HIV* ACOMPANHAMENTO PRÉ-NATAL. Profª.Marília da Glória Martins Recomendações do Ministério da Saúde GESTANTE HIV* ACOMPANHAMENTO PRÉ-NATAL Profª.Marília da Glória Martins Recomendações do Ministério da Saúde Abordagem inicial a Os serviços que hoje são considerados porta de entrada para o diagnóstico

Leia mais

O que são DSTs? Gonorréia e/ou Uretrites não Gonocócicas, Tricomoníase, Candidíase.

O que são DSTs? Gonorréia e/ou Uretrites não Gonocócicas, Tricomoníase, Candidíase. O que são DSTs? DSTs significa, doenças sexualmente transmissíveis, que são passadas nas relações sexuais com pessoas que estejam com essas doenças. São DSTs, a gonorréia, a sífilis, a clamídia, o herpes

Leia mais

HIV/aids no Brasil - 2012

HIV/aids no Brasil - 2012 HIV/aids no Brasil - 2012 Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Novembro de 2012 HIV Dados gerais Prevalência do HIV maior entre homens (15

Leia mais

PEP SEXUAL Recomendações para abordagem da exposição sexual ao HIV Um guia para profissionais de saúde

PEP SEXUAL Recomendações para abordagem da exposição sexual ao HIV Um guia para profissionais de saúde PEP SEXUAL Recomendações para abordagem da exposição sexual ao HIV Um guia para profissionais de saúde O que é a PEP sexual? O emprego de antirretrovirais vem sendo discutido em todo mundo como estratégia

Leia mais

SECRETARIA DE SAÚDE DO ESTADO DE ALAGOAS. BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO AIDS/DST E HEPATITES VIRAIS Ano III nº 01

SECRETARIA DE SAÚDE DO ESTADO DE ALAGOAS. BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO AIDS/DST E HEPATITES VIRAIS Ano III nº 01 SECRETARIA DE SAÚDE DO ESTADO DE ALAGOAS BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO AIDS/DST E HEPATITES VIRAIS Ano III nº 01 1 2013. Secretária de Saúde do Estado de Alagoas É permitida a reprodução parcial ou total desta

Leia mais

BOLETIM INFORMATIVO nº 04 HIV/AIDS 2015

BOLETIM INFORMATIVO nº 04 HIV/AIDS 2015 BOLETIM INFORMATIVO nº 04 HIV/AIDS 2015 AIDS O Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais do Ministério da Saúde estima que aproximadamente 734 mil pessoas vivam com HIV/aids no país, o que corresponde

Leia mais

O Carnaval está aí é hora de se prevenir!

O Carnaval está aí é hora de se prevenir! O Carnaval está aí é hora de se prevenir! O Carnaval está aí! Uma das festas populares mais animadas e representativas do mundo. A festa que chegou ao Brasil tem sua origem no entrudo português, em que,

Leia mais

B O L E T I M EPIDEMIOLÓGICO ISSN 1517 1159 AIDS DST. ano VIII nº 01

B O L E T I M EPIDEMIOLÓGICO ISSN 1517 1159 AIDS DST. ano VIII nº 01 B O L E T I M EPIDEMIOLÓGICO ISSN 1517 1159 AIDS DST ano VIII nº 01 27ª a 52ª semanas epidemiológicas - julho a dezembro de 2010 01ª a 26ª semanas epidemiológicas - janeiro a junho de 2011 2012. Ministério

Leia mais

BENTO GONÇALVES RELATÓRIO EPIDEMIOLÓGICO SÍNDROME DA IMUNODEFICIÊNCIA ADQUIRIDA - SIDA SISTEMA DE INFORMAÇÕES SOBRE AGRAVOS DE NOTIFICAÇÃO SINAN

BENTO GONÇALVES RELATÓRIO EPIDEMIOLÓGICO SÍNDROME DA IMUNODEFICIÊNCIA ADQUIRIDA - SIDA SISTEMA DE INFORMAÇÕES SOBRE AGRAVOS DE NOTIFICAÇÃO SINAN Bento Gonçalves SIDA 1986 a 2013 SMS Serviço de Vigilância Epidemiológica 1 2 Bento Gonçalves SIDA 1986 a 2013 SMS Serviço de Vigilância Epidemiológica BENTO GONÇALVES RELATÓRIO EPIDEMIOLÓGICO SÍNDROME

Leia mais

Transmissão Vertical do HIV e da Sífilis: Os Avanços no Controle do HIV e. O Descompasso no Controle da. Sífilis Congênita

Transmissão Vertical do HIV e da Sífilis: Os Avanços no Controle do HIV e. O Descompasso no Controle da. Sífilis Congênita Transmissão Vertical do HIV e da Sífilis: Os Avanços no Controle do HIV e O Descompasso no Controle da Sífilis Congênita Porquê é um Desafio para a Saúde Pública? Agente etiológico conhecido História natural

Leia mais

CARACTERISTICAS DA FEMINIZAÇÃO DA AIDS EM TRÊS LAGOAS 1 ANDRESSA MARQUES FERREIRA 2 MARIA ANGELINA DA SILVA ZUQUE

CARACTERISTICAS DA FEMINIZAÇÃO DA AIDS EM TRÊS LAGOAS 1 ANDRESSA MARQUES FERREIRA 2 MARIA ANGELINA DA SILVA ZUQUE CARACTERISTICAS DA FEMINIZAÇÃO DA AIDS EM TRÊS LAGOAS 1 ANDRESSA MARQUES FERREIRA 2 MARIA ANGELINA DA SILVA ZUQUE 1 Discente de graduação do curso de Biomedicina 2 Doutoranda Docente das Faculdades Integradas

Leia mais

DSTS - Doenças Sexualmente Transmissíveis. Alunas : Manuella Barros / Anna Morel /Elaine Viduani.

DSTS - Doenças Sexualmente Transmissíveis. Alunas : Manuella Barros / Anna Morel /Elaine Viduani. DSTS - Doenças Sexualmente Transmissíveis Alunas : Manuella Barros / Anna Morel /Elaine Viduani. O que são DSTS? São as doenças sexualmente transmissíveis (DST), são transmitidas, principalmente, por contato

Leia mais

Construção de um sistema de monitoramento da epidemia de aids: Desafios e Lições Aprendidas

Construção de um sistema de monitoramento da epidemia de aids: Desafios e Lições Aprendidas Construção de um sistema de monitoramento da epidemia de aids: Desafios e Lições Aprendidas XVIII Congresso Mundial de Epidemiologia Porto Alegre, 21-24 de outubro 2008 Célia Landmann Szwarcwald celials@cict.fiocruz.br

Leia mais

ANAIDS Articulação Nacional de Luta Contra a AIDS

ANAIDS Articulação Nacional de Luta Contra a AIDS Carta ANAIDS 1º de Dezembro - Dia Mundial de Luta contra a AIDS Cada um tem sua cara e a aids também tem... A ANAIDS Articulação Nacional de Luta Contra Aids - colegiado que reúne os Fóruns de ONG Aids

Leia mais

Programa Nacional de Doenças Sexualmente Transmissíveis/Síndrome da imunodeficiência adquirida

Programa Nacional de Doenças Sexualmente Transmissíveis/Síndrome da imunodeficiência adquirida Programa Nacional de Doenças Sexualmente Transmissíveis/Síndrome da imunodeficiência adquirida Autora: Jacilene Geaquinto Leão Adriano Revisão da 2ª Edição: Carolina Rodrigues Gomes e Vera Lúcia Edais

Leia mais

16/02/2013 ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM ABORDAGEM SINDRÔMICA DAS DST. Prof. Rivaldo lira

16/02/2013 ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM ABORDAGEM SINDRÔMICA DAS DST. Prof. Rivaldo lira ABORDAGEM SINDRÔMICA DAS DST ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM Prof. Rivaldo lira 1 2 Assinale a alternativa que indica todas as afirmativas corretas. a) São corretas apenas as afirmativas 1 e 2. b) São corretas

Leia mais

O Perfil Dos Usuários Do Grupo De Apoio Às DST s E AIDS, Viçosa - MG 1

O Perfil Dos Usuários Do Grupo De Apoio Às DST s E AIDS, Viçosa - MG 1 O Perfil Dos Usuários Do Grupo De Apoio Às DST s E AIDS, Viçosa - MG 1 Talita da Conceição de Oliveira Fonseca. Economista Doméstica. Endereço: Rua João Valadares Gomes nº 210, bairro JK, Viçosa-MG. E-mail:

Leia mais

Teste de vacina contra Aids reduz risco de infecção 4

Teste de vacina contra Aids reduz risco de infecção 4 Publicação Científica do Curso de Bacharelado em Enfermagem do CEUT. Ano 2009. Edição 14 Joelma Castro Sousa 1 Neyane de Moraes Francelino 1 Selonia Patrícia Oliveira Sousa 2 Otacílio Batista de Sousa

Leia mais

Hélio Vasconcellos Lopes

Hélio Vasconcellos Lopes HIV/AIDS no Município de Santos e dados brasileiros Hélio Vasconcellos Lopes Coordenador do Programa Municipal DST/AIDS/Hepatites da Secretaria Municipal de Saúde Professor titular da Faculdade de Medicina

Leia mais

Hepatites virais no Brasil: situação, ações e agenda

Hepatites virais no Brasil: situação, ações e agenda Hepatites virais no Brasil: situação, ações e agenda Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde I. Apresentação II. Contexto epidemiológico III.

Leia mais

HIV / Aids Orientações para pacientes e familiares

HIV / Aids Orientações para pacientes e familiares HIV / Aids Orientações para pacientes e familiares Serviço de Enfermagem Cirúrgica Este manual contou com a colaboração de: professora enfermeira Isabel Cristina Echer; enfermeiras Beatriz Guaragna, Ana

Leia mais

HIV no período neonatal prevenção e conduta

HIV no período neonatal prevenção e conduta HIV no período neonatal prevenção e conduta O HIV, agente causador da AIDS, ataca as células do sistema imune, especialmente as marcadas com receptor de superfície CD4 resultando na redução do número e

Leia mais

1948 Lista os direitos e deveres fundamentais de todo ser humano. 1959 Estabelece direitos universais das crianças.

1948 Lista os direitos e deveres fundamentais de todo ser humano. 1959 Estabelece direitos universais das crianças. LEVANTAMENTO DOS MARCOS LÓGICOS E LEGAIS DO PROGRAMA NACIONAL DE DST E AIDS PNDST-AIDS 1. Marcos Lógicos NORMATIVAS INTERNACIONAIS DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS 1948 Lista os direitos e deveres

Leia mais

ACERTE OS PONTEIROS DA SUA SAÚDE

ACERTE OS PONTEIROS DA SUA SAÚDE ACERTE OS PONTEIROS DA SUA SAÚDE Informações sobre tratamento com Antirretrovirais TRATAMENTO ANTIRRETROVIAL Fundamental na luta contra o HIV. O tratamento da infecção pelo HIV com antirretrovirais é fundamental

Leia mais

Vigilância Epidemiológica da aids e mortalidade

Vigilância Epidemiológica da aids e mortalidade Vigilância Epidemiológica da aids e mortalidade Seminário: Estudos e Pesquisas em DST/HIV/Aids determinantes epidemiológicos e sóciocomportamentais Porto Alegre 14-16/12/09 Ângela Tayra Divisão de Vigilância

Leia mais

ACONSELHAMENTO PARA DST/AIDS NO SUS

ACONSELHAMENTO PARA DST/AIDS NO SUS ACONSELHAMENTO PARA DST/AIDS NO SUS A prática do aconselhamento desempenha um papel importante no diagnóstico da infecção pelo HIV/ outras DST e na qualidade da atenção à saúde. Contribui para a promoção

Leia mais

AIDS TRANSMISSÃO FISIOPATOGENIA. Conceição Pedrozo

AIDS TRANSMISSÃO FISIOPATOGENIA. Conceição Pedrozo AIDS TRANSMISSÃO FISIOPATOGENIA Conceição Pedrozo 2010 Fisiopatogenia, História Natural da Infecção pelo HIV e Infecção Primária ETIOLOGIA O HIV 1 E 2 são membros da família Retroviridae e pertencem ao

Leia mais

CRT DST/Aids Coordenação Estadual DST/Aids SP

CRT DST/Aids Coordenação Estadual DST/Aids SP CRT DST/Aids Coordenação Estadual DST/Aids SP 2012 6º Objetivo de Desenvolvimento do Milênio COMBATER O HIV/AIDS, A MALÁRIA E OUTRAS DOENÇAS A inclusão do combate ao HIV/Aids nas Metas do Milênio, foi

Leia mais

Nessa hora você não vai parar para pensar se sabe tudo sobre Aids

Nessa hora você não vai parar para pensar se sabe tudo sobre Aids Nessa hora você não vai parar para pensar se sabe tudo sobre Aids 1 a Aids reduz a imunidade A Síndrome da Imunodeficiência Adquirida (Aids ou SIDA) não é a doença. Ela reduz a imunidade devido à ação

Leia mais

A RESPOSTA DA EPIDEMIA DE AIDS EM PARCERIA COM O MUNDO DO TRABALHO

A RESPOSTA DA EPIDEMIA DE AIDS EM PARCERIA COM O MUNDO DO TRABALHO A RESPOSTA DA EPIDEMIA DE AIDS EM PARCERIA COM O MUNDO DO TRABALHO Histórico da Parceria com o Setor Privado Década de 1990 -AIDS SUS Local de Trabalho Necessidade de combinar esforços públicos e privados

Leia mais

PLANEJANDO A GRAVIDEZ

PLANEJANDO A GRAVIDEZ dicas POSITHIVAS PLANEJANDO A GRAVIDEZ Uma pessoa que vive com HIV/aids pode ter filhos biológicos? Pode. As pessoas que vivem com HIV/aids não devem abandonar seus sonhos, incluindo o desejo de construir

Leia mais

BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO DST/AIDS

BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO DST/AIDS BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO DST/AIDS 2013 SMS-RJ/SUBPAV/SAP boletim.indd 1 07/11/2013 12:51:59 boletim.indd 2 07/11/2013 12:51:59 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 5 SITUAÇÃO EPIDEMIOLÓGICA DA AIDS NO MUNICÍPIO DO RIO

Leia mais

Clique para editar o título mestre

Clique para editar o título mestre Fórum HIV e Hepatites Virais NOVAS ABORDAGENS PARA PREVENÇÃO DA INFECÇÃO PELO HIV ESTE É O MELHOR CAMINHO? Profilaxia Pós Exposição Denize Lotufo Estevam Infectologista Coordenação de DST/Aids de SP 1

Leia mais

Infecção pelo HIV e AIDS

Infecção pelo HIV e AIDS Infecção pelo HIV e AIDS Infecção pelo HIV e AIDS 1981: pneumonia por Pneumocystis carinii/jirovecii outros sinais e sintomas: infecção do SNC, infecção disseminada por Candida albicans, perda de peso,

Leia mais

Acesso Público a Informação de Saúde

Acesso Público a Informação de Saúde Acesso Público a Informação de Saúde Módulo HIV/AIDS O que é HIV/AIDS? HIV (Human Immunodeficiency Virus Vírus da Imuno Deficiência Humana) AIDS (Acquired Immune Deficiency Syndrome Síndrome da Imuno Deficiência

Leia mais

POLÍTICA BRASILEIRA DE AIDS PRINCIPAIS RESULTADOS E AVANÇOS 1994 2002

POLÍTICA BRASILEIRA DE AIDS PRINCIPAIS RESULTADOS E AVANÇOS 1994 2002 POLÍTICA BRASILEIRA DE AIDS PRINCIPAIS RESULTADOS E AVANÇOS 1994 2002 PREVENÇÃO ASSISTÊNCIA E TRATAMENTO DIREITOS HUMANOS COOPERAÇÃO INTERNACIONAL DESAFIOS PREVENÇÃO Mais de 30 campanhas de massa para

Leia mais

PREVENÇÃO DE DST/AIDS APÓS VIOLÊNCIA SEXUAL AVALIAÇÃO DOS CASOS NOTIFICADOS À SES/RS.

PREVENÇÃO DE DST/AIDS APÓS VIOLÊNCIA SEXUAL AVALIAÇÃO DOS CASOS NOTIFICADOS À SES/RS. PREVENÇÃO DE DST/AIDS APÓS VIOLÊNCIA SEXUAL AVALIAÇÃO DOS CASOS NOTIFICADOS À SES/RS. Introdução e método: A violência física em especial a violência sexual é, sem dúvida, um problema de saúde pública.

Leia mais

TÍTULO: PERFIL SÓCIO DEMOGRÁFICO E PROVÁVEL FONTE DE INFECÇÃO DE MULHERES COM HIV/AIDS NO MUNICÍPIO DE CARAGUATATUBA-SP

TÍTULO: PERFIL SÓCIO DEMOGRÁFICO E PROVÁVEL FONTE DE INFECÇÃO DE MULHERES COM HIV/AIDS NO MUNICÍPIO DE CARAGUATATUBA-SP TÍTULO: PERFIL SÓCIO DEMOGRÁFICO E PROVÁVEL FONTE DE INFECÇÃO DE MULHERES COM HIV/AIDS NO MUNICÍPIO DE CARAGUATATUBA-SP CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: ENFERMAGEM INSTITUIÇÃO:

Leia mais

Diagnóstico Tardio do HIV em Crianças e Adolescentes Nascidas de mães Portadoras do HIV" Programa Estadual de DST/AIDS-SP www.crt.saude.sp.gov.

Diagnóstico Tardio do HIV em Crianças e Adolescentes Nascidas de mães Portadoras do HIV Programa Estadual de DST/AIDS-SP www.crt.saude.sp.gov. Diagnóstico Tardio do HIV em Crianças e Adolescentes Nascidas de mães Portadoras do HIV" Programa Estadual de DST/AIDS-SP www.crt.saude.sp.gov.br Casos notificados de AIDS, Brasil e São Paulo - 1980 a

Leia mais

AIDS: IMPORTÂNCIA DO ACOMPANHAMENTO NUTRICIONAL NA PREVENÇÃO DE COMORBIDADES RESUMO

AIDS: IMPORTÂNCIA DO ACOMPANHAMENTO NUTRICIONAL NA PREVENÇÃO DE COMORBIDADES RESUMO AIDS: IMPORTÂNCIA DO ACOMPANHAMENTO NUTRICIONAL NA PREVENÇÃO DE COMORBIDADES Natalia Priscila Barros Menezes 1 Robson Ferreira dos Santos 2 Talitha Araújo Faria 3 RESUMO A síndrome de imunodeficiência

Leia mais

PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DO HIV/AIDS E COINFECÇÕES NO ESTADO DE GOIÁS

PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DO HIV/AIDS E COINFECÇÕES NO ESTADO DE GOIÁS SUPERINTENDÊNCIA DE POLÍTICAS DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE GERÊNCIA DE PROGRAMAS ESPECIAIS COORDENAÇÃO ESTADUAL DE DST/AIDS PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DO HIV/AIDS E COINFECÇÕES NO ESTADO DE GOIÁS Goiânia, 2012

Leia mais

VAMOS FALAR SOBRE. AIDS + DSTs

VAMOS FALAR SOBRE. AIDS + DSTs VAMOS FALAR SOBRE AIDS + DSTs AIDS A AIDS (Síndrome da Imunodeficiência Adquirida) atinge indiscriminadamente homens e mulheres e tem assumido proporções assustadoras desde a notificação dos primeiros

Leia mais

Mulher, 35 anos, terceira gestação, chega em início de trabalho de parto acompanhada do marido que tossia muito e comentou com a enfermeira que

Mulher, 35 anos, terceira gestação, chega em início de trabalho de parto acompanhada do marido que tossia muito e comentou com a enfermeira que Mulher, 35 anos, terceira gestação, chega em início de trabalho de parto acompanhada do marido que tossia muito e comentou com a enfermeira que estava em tratamento para tuberculose. A mulher informa que

Leia mais

PROTOCOLO GESTANTE COM SÍFILIS. Carmen Silvia Bruniera Domingues Vigilância Epidemiológica Programa Estadual DST/Aids - SP

PROTOCOLO GESTANTE COM SÍFILIS. Carmen Silvia Bruniera Domingues Vigilância Epidemiológica Programa Estadual DST/Aids - SP PROTOCOLO GESTANTE COM SÍFILIS Carmen Silvia Bruniera Domingues Vigilância Epidemiológica Programa Estadual DST/Aids - SP O que fazer antes do bebê chegar? Os caminhos do pré-natal... (fase I estamos grávidos

Leia mais

AIDS DST. cartilha. Saúde: eu cuido. Sexo: só seguro. Camisinha: EU USO. 1º DE DEZEMBRO DIA MUNDIAL DE COMBATE À AIDS. sistema:

AIDS DST. cartilha. Saúde: eu cuido. Sexo: só seguro. Camisinha: EU USO. 1º DE DEZEMBRO DIA MUNDIAL DE COMBATE À AIDS. sistema: Saúde: eu cuido. Sexo: só seguro. Camisinha: EU USO. 1º DE DEZEMBRO DIA MUNDIAL DE COMBATE À AIDS cartilha AIDS DST e S sistema: FEDERAÇÕES E SINDICATOS VINCULADOS O que são DSTs As doenças sexualmente

Leia mais

B O L E T I M EPIDEMIOLÓGICO ISSN 1517 1159 HIV AIDS. Brasília - 2012

B O L E T I M EPIDEMIOLÓGICO ISSN 1517 1159 HIV AIDS. Brasília - 2012 B O L E T I M EPIDEMIOLÓGICO ISSN 1517 1159 HIV AIDS Brasília - 2012 Ano I - nº 01 até semana epidemiológica 52ª - dezembro de 2012 Sumário Apresentação... 03 Introdução... 05 HIV e Aids no Brasil... 06

Leia mais

Projeto Verão Sem AIDS Valorizando a Vida

Projeto Verão Sem AIDS Valorizando a Vida 1 Projeto Verão Sem AIDS Valorizando a Vida O PROJETO VERÃO SEM AIDS VALORIZANDO A VIDA foi idealizado por João Donizeti Scaboli, Diretor do da FEQUIMFAR. Iniciamos de forma pioneira em 1994, quando o

Leia mais

BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO HIV/ AIDS ESTADO DE GOIÁS

BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO HIV/ AIDS ESTADO DE GOIÁS BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO HIV/ AIDS ESTADO DE GOIÁS GOIÁS 2015 Situação Epidemiológica da AIDS no Estado de Goiás Secretaria de Estado da Saúde de Goiás Superintendência de Políticas de Atenção Integral à

Leia mais

SEXUALIDADE E PREVENÇÃO ÀS DST E HIV/AIDS NA TERCEIRA IDADE

SEXUALIDADE E PREVENÇÃO ÀS DST E HIV/AIDS NA TERCEIRA IDADE SEXUALIDADE E PREVENÇÃO ÀS DST E HIV/AIDS NA TERCEIRA IDADE MARIA BEATRIZ DREYER PACHECO Membro do MOVIMENTO NACIONAL DAS CIDADÃS POSITHIVAS Membro do MOVIMENTO LATINO-AMERICANO E CARIBENHO DE MULHERES

Leia mais

DIA DA LUTA CONTRA A SIDA 01 DE DEZEMBRO

DIA DA LUTA CONTRA A SIDA 01 DE DEZEMBRO DIA DA LUTA CONTRA A SIDA 01 DE DEZEMBRO Presentemente, a infeçãovih/sida não tem cura e a prevenção é a única medida eficaz. A infeçãovih/sida tem uma história relativamente recente, mas já dramática

Leia mais

Estratégias para eliminação da Transmissão Vertical do HIV e da Sífilis

Estratégias para eliminação da Transmissão Vertical do HIV e da Sífilis Estratégias para eliminação da Transmissão Vertical do HIV e da Sífilis 1)Contextualização da Transmissão Vertical de HIV e de Sífilis A transmissão vertical do HIV (TVHIV) acontece pela passagem do vírus

Leia mais

Curso Pré Congresso. Profilaxia Pós Exposição Sexual. V Congresso Norte-Nordeste de Infectologia

Curso Pré Congresso. Profilaxia Pós Exposição Sexual. V Congresso Norte-Nordeste de Infectologia Curso Pré Congresso Profilaxia Pós Exposição Sexual V Congresso Norte-Nordeste de Infectologia Denize Lotufo Estevam / Infectologista Gerente da Assistência do CRT/DST/AIDS Coordenação do Programa Estadual

Leia mais

Terceira Idade: não leve um baile do HIV! Alexandre Ramos Lazzarotto alazzar@terra.com.br 9808-5714

Terceira Idade: não leve um baile do HIV! Alexandre Ramos Lazzarotto alazzar@terra.com.br 9808-5714 Terceira Idade: não leve um baile do HIV! Alexandre Ramos Lazzarotto alazzar@terra.com.br 9808-5714 Número de casos de AIDS no Brasil 77.639 433.067 37.968 13.200 572 Região Sul RS POA NH Localidades BRASIL.

Leia mais

Seminário estratégico de enfrentamento da. Janeiro PACTUAÇÃO COM GESTORES MUNICIPAIS. Maio, 2013

Seminário estratégico de enfrentamento da. Janeiro PACTUAÇÃO COM GESTORES MUNICIPAIS. Maio, 2013 Seminário estratégico de enfrentamento da Tuberculose e Aids no Estado do Rio de Janeiro PACTUAÇÃO COM GESTORES MUNICIPAIS Maio, 2013 1.Detecção de casos e tratamento da tuberculose 1.1. Descentralizar

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM - PNAISH

POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM - PNAISH POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM - PNAISH Brasília, outubro de 2015 População Masculina 99 milhões (48.7%) População alvo: 20 a 59 anos População Total do Brasil 202,7 milhões de

Leia mais

36 mil pessoas já tenham morrido em decorrência da Aids, numa média de 20 mortes diárias (ver Saúde em Brasil).

36 mil pessoas já tenham morrido em decorrência da Aids, numa média de 20 mortes diárias (ver Saúde em Brasil). VÍRUS A raiva é uma doença contagiosa, causada por vírus. Essa doença ataca os mamíferos: cães, gatos, morcegos, macacos etc. O mamífero mais atacado pela raiva é o cão. Um animal com vírus da raiva pode

Leia mais

AIDS e HIV AIDS NÚMERO ESTIMADO DE MORTES PROVOCADAS PELA AIDS NO MUNDO TODO (1980-2000) A AIDS ou Síndrome da Imunodeficiência

AIDS e HIV AIDS NÚMERO ESTIMADO DE MORTES PROVOCADAS PELA AIDS NO MUNDO TODO (1980-2000) A AIDS ou Síndrome da Imunodeficiência AIDS AIDS e A AIDS ou Síndrome da Imunodeficiência Adquirida (do inglês Acquired Immunodeficiency Syndrome) caracteriza-se por uma profunda imunossupressão associada a infecções oportunistas, neoplasias

Leia mais

Estabelecer o fluxo de notificação, aquisição e dispensação dos medicamentos pertencentes aos Programas Estratégicos (Tuberculose, DST/AIDS e SRAG).

Estabelecer o fluxo de notificação, aquisição e dispensação dos medicamentos pertencentes aos Programas Estratégicos (Tuberculose, DST/AIDS e SRAG). FARMPr13 1 de 12 Histórico de Revisão / Versões Data Versão/Revisões Descrição Autor 1.00 Proposta inicial CAMS; CESC; LAS;MBJ;LR; 1 Objetivo Estabelecer o fluxo de notificação, aquisição e dispensação

Leia mais

HIV como modelo de estudo de retrovírus e patogênese

HIV como modelo de estudo de retrovírus e patogênese HIV como modelo de estudo de retrovírus e patogênese Retrovírus e oncogênese. Um pouco de história: 1904: Ellerman and Bang, procurando por bactérias como agentes infecciosos para leucemia em galinhas,

Leia mais

Conhecendo o vírus v. Vírus da Imunodeficiência Humana VIH

Conhecendo o vírus v. Vírus da Imunodeficiência Humana VIH Conhecendo o vírus v da Sida Vírus da Imunodeficiência Humana VIH Conhecendo o Vírus da Sida O vírus entra na corrente sanguínea; Determina a posição exacta e reconhece os linfócitos T helper, fixando-se

Leia mais

LUIZ HENRIQUE DA SILVEIRA Governador do Estado. EDUARDO PINHO MOREIRA Vice-Governador. CARMEM EMÍLIA BONFÁ ZANOTTO Secretária de Estado da Saúde

LUIZ HENRIQUE DA SILVEIRA Governador do Estado. EDUARDO PINHO MOREIRA Vice-Governador. CARMEM EMÍLIA BONFÁ ZANOTTO Secretária de Estado da Saúde LUIZ HENRIQUE DA SILVEIRA Governador do Estado EDUARDO PINHO MOREIRA Vice-Governador CARMEM EMÍLIA BONFÁ ZANOTTO Secretária de Estado da Saúde LESTER PEREIRA Diretor Geral WINSTON LUIZ ZOMKOWSKI Superintendente

Leia mais

TRANSMISSÃO VERTICAL DO HIV E TRANSPLANTE DE FÍGADO

TRANSMISSÃO VERTICAL DO HIV E TRANSPLANTE DE FÍGADO TRANSMISSÃO VERTICAL DO HIV E TRANSPLANTE DE FÍGADO FÁBIO DE BARROS CORREIA GOMES Consultor Legislativo da Área XVI Saúde Pública, Sanitarismo MAIO/2009 Fábio de Barros Correia Gomes 2 SUMÁRIO 1. Introdução...3

Leia mais

REDUÇÃO DE DANOS EM SERVIÇOS DE SAÚDE

REDUÇÃO DE DANOS EM SERVIÇOS DE SAÚDE REDUÇÃO DE DANOS EM SERVIÇOS DE SAÚDE Prevalência do HIV nas Populações mais Vulneráveis População em geral 0,65% Profissionais do sexo 6,6% Presidiários - 20% Usuários de drogas injetáveis 36,5% REDUÇÃO

Leia mais

ANEXO II ATRIBUIÇÕES DOS INTEGRANTES DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA

ANEXO II ATRIBUIÇÕES DOS INTEGRANTES DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA ANEXO II ATRIBUIÇÕES DOS INTEGRANTES DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA ATRIBUIÇÕES DO MÉDICO I- Realizar consultas clínicas aos usuários de sua área adstrita; II- Participar das atividades de grupos de controle

Leia mais