EM TEMPOS DE HIV/AIDS: O SILÊNCIO DE ADOLESCENTES SOROPOSITIVOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "EM TEMPOS DE HIV/AIDS: O SILÊNCIO DE ADOLESCENTES SOROPOSITIVOS"

Transcrição

1 EM TEMPOS DE HIV/AIDS: O SILÊNCIO DE ADOLESCENTES SOROPOSITIVOS PALAZUELOS, Sâmara¹, ROSO, Adriane 4, BERNI, Vanessa Limana³, SANTOS, Ana Paula dos¹, TOLENTINO, Daiane², ¹ Bolsistas de Iniciação Científica pelos Programas da Universidade Federal de Santa Maria (PROIC/HUSM) ² Acadêmicas do Curso de Psicologia. ³ Mestranda do PPGP da Universidade Federal de Santa Maria/UFSM, bolsista CAPES/DS. 4 Dr.º Prof. Adjunta do curso de Psicologia e Coordenadora do Grupo de Pesquisa SMIC na Universidade Federal de Santa Maria/UFSM 1. INTRODUÇÃO A presença do HIV/Aids na vida de crianças e adolescentes por transmissão vertical, constitui uma condição em que é permeada por estigmas e segredos. Diante da temática, suscitada pelo projeto Corpos positivos: um estudo sobre identidade e representações de préadolescentes em tempos de aids, percebeu-se a importância do estudo frente ao silêncio de adolescentes que convivem com HIV/Aids. 2. OJETIVOS Através da análise das entrevistas realizadas durante a execução do projeto, constatouse que o silêncio se fazia presente na maioria do discurso dos portadores. Para tanto, este trabalho teve por finalidade discutir o silêncio no discurso dos adolescentes que convivem com HIV/Aids. 3. METODOLOGIA O estudo se deu a partir do projeto Corpos positivos: um estudo sobre identidade e representações de pré-adolescentes em tempos de aids (aprovado pelo Comitê de Ética CAEE nº ). Tal projeto de pesquisa faz uso de uma metodologia quantiqualitativa, utilizando três instrumentos para coleta de dados: Escala Modos de Enfrentamento de Problemas (EMEP), Estudo de Caso, realização do Desenho da Figura Humana (DFH), com enfoque nas entrevistas a partir do DFH. Até o momento, foram entrevistados 20 adolescentes. Aqui utilizaremos 2 entrevistas de adolescentes do sexo feminino. Os adolescentes buscam o serviço especializado de um hospital público localizado no interior do estado do Rio Grande do Sul.

2 A interpretação do conjunto de informações obtido se deu a partir do corpo teórico de autores que enfocam a identidade enquanto uma construção social; e, considerando também que a pesquisa no campo das representações sociais pode oferecer uma contribuição relevante quanto a conhecer as representações sobre o corpo e a sexualidade de pré-adolescentes (MOKWA et al., 2005). 4. RESULTADOS E DISCUSSÕES Adolescer é marcado por inúmeras mudanças, tanto psíquicas quanto físicas. Nesse sentido, entendemos a adolescência como um processo de desconstrução e reconstrução da identidade, no qual o jovem terá que desmontar o mundo infantil e reconstruí-lo a seu modo (BRASIL, 2006, p.14). Os adolescentes são uma parte cada vez mais crescente na pandemia do Vírus da Imunodeficiência Humana (HIV/Aids). O diagnóstico positivo para o HIV pode impactar de modo significativo nesse processo de adolescer, particularmente por que, de acordo com Spinardi et al (2008), a presença do HIV/Aids acarreta alguns medos e estigmas no que se refere às descobertas e transformações da adolescência, na medida que o adolescente tem de se deparar com seu diagnóstico e conviver com essa doença que, além de crônica, é permeada por preconceito, medo e incertezas quanto ao futuro (SPINARDI et al., 2008). Sendo assim, o adolescente que adquire o HIV através da Transmissão Perinatal da Aids (TPA) tem que lidar com as possíveis dificuldades geradas pela adesão ao tratamento, com as crises de confiança devido ao atraso na revelação do diagnóstico, com a culpa dos pais e com a super-proteção deles, assim como com o estigma (SPIEGEL e FUTTERMAN, 2009; GUERRA e SEIDL, 2009). O que se percebe é que a questão da aids tanto no cenário mundial, quanto no Brasil, ainda está longe de ser tratada com domínio pela sociedade. Isso ocorre, provavelmente, devido ao fato de ainda existir muitos mitos e preconceitos por parte da população que, ao não serem esclarecidos, podem acarretar às pessoas que vivem com o HIV muito desconforto, medo e vergonha de revelar seu diagnóstico. Umas das causas desses tantos preconceitos é o fato da síndrome estar associada à culpa sexual, ao medo de um possível contágio fácil e fantasias absurdas sobre a transmissão por meios não venéreos em meios públicos. A aids deu origem a fobias e temores de

3 contaminação semelhantes, como uma doença que é concebida como um mal que afeta um grupo perigoso de pessoas diferentes e que por elas é transmitido, criando um estigma em grande proporção (SONTAG, 1989). A partir desse estigma, muitos dos portadores do HIV/Aids preferem ocultar seu diagnóstico, optando pelo silêncio. De acordo com o Dicionário Aurélio (FERREIRA, 1988), o silêncio é o estado de quem se cala, porém quem é esse ser que cala? Quais os motivos, sentimentos e preocupações que fazem calar? Primeiramente, é necessária uma base de conhecimento prévio sobre o que se tem dito acerca do silêncio. Entendemos que o não dito também é uma forma, tão ou mais importante que a fala literal, de transmitir ideias e sentimentos, posicionamentos, transformando o calar em uma ferramenta de significantes. Padrão (2009) traz a definição de que o silêncio é disseminado através de atos sociais ditos comunicativos, sendo este tão importante quanto qualquer outro código de comunicação. Na análise das entrevistas dos adolescentes, percebeu-se a presença do silêncio através da fala dos mesmos no que se refere aos amigos, principalmente na escola. Quando questionados a respeito da revelação do diagnóstico, em sua maioria, a recusa da revelação está presente, chegando ao ponto de, às vezes, haver a própria negação do vírus. As causas para esse silêncio vêm atreladas ao medo da exclusão, do preconceito: Não, eu não conto porque [...] eu tenho muitos amigos que eu adoro, sabe? Então, eu acho que se eles ficarem sabendo eles vão meio que se reserva, sabe, não que me exclui totalmente, mas eu não queria que eles se afastassem de mim, por causa disso. Eu acho que ficaria meio chato, depois de tanto tempo. (Adolescente Carol) A pesquisa de Valle (2002) constatou que, a partir da epidemia, vários vínculos de relacionamentos acabam por se estabelecer e novas interações são geradas. Pessoas de diferentes regiões, classes sociais e idades passam a se relacionar em função de uma causa comum, viver ou estar com AIDS. No entanto, o que se nota a partir do silenciamento dos adolescentes entrevistados, é que a mudança positiva nas relações entre portadores e não portadores não foi alterada, muito pelo contrário, as relações continuam regadas por preconceito. Outro aspecto revelado nas entrevistas é a maneira com que o segredo em torno da medicação passa a ser compartilhado entre mães e filhos. A hora do remédio, a maneira de escondê-lo dos outros, da família, dos colegas de escola, as trocas de olhares, o pacto

4 silencioso, a falta das palavras, o engolir apressado para este momento não ser visto pelo outro, todo um ritual com o objetivo de esconder de alguma forma a medicação e que a criança passa a internalizar, muitas vezes, sem compreender o motivo. O segredo guardado por essas adolescentes salienta o medo que o estigma do HIV/Aids traz sobre seus portadores, exigindo que estes reconfigurem sua visão de mundo e a forma como se relacionam com o mesmo. Suas falas serão pautadas de acordo com aquilo que se espera de um adolescente normal, pois alimentam a crença de que a partir da revelação da soropositividade à sociedade sofreriam uma série de retaliações, chegando muitas vezes a sentimentos de repulsa: Eu acho porque tem gente que mesmo tu falando, explicando, morre de nojo, mesmo, de preconceito, sabe? E, eu acho que isso faz mal, faz mais mal pra pessoa que guarda isso, assim, esse ódio. Tem gente que tem ódio de quem tem, porque acha que quem tem, pegô por que não tá se prevenindo. Porque tem três modos, né, que é sexo, na amamentação, que foi como eu peguei [...], por drogas injetáveis, ou alguma coisa injetável. [...] Eu acho que é isso que as pessoas, eles não raciocinam, porque não procuram, não procuram sabe. (Adolescente Carol) Notamos que os sentimentos se misturam, as reações se entrelaçam, o preconceito impõe o silêncio e com isso os adolescente se perdem em um emaranhado de sensações que mesclam angústia, medo, culpa, tristeza, dor, enfim, sentimentos que só nos faz reafirmar a importância da escuta dos adolescentes, para ajudá-los em sua angustia. A dificuldade em dialogar com o adolescete sobre o HIV aparece, mesmo indiretamente em todos os relatos. Sobre a revelação do diagnóstico, encontramos uma situação semelhante ao que Seidl e cols. (2005, p. 287) perceberam em seu estudo: Em muitas famílias parece ter sido instituído um pacto do silêncio, quando a comunicação sobre HIV/Aids estaria impossibilitada de ocorrer, mesmo diante de indícios de que a criança/adolescente desconfia da verdadeira enfermidade que o acomete.almeida e Labronici (2007), em referência a identidade deteriorada proposta por Goffman, explicam que: (...) a pessoa estigmatizada padece de diversas consequências nefastas em função deste fato. Sua diferença atrai a atenção das pessoas,

5 afastando-as e impedindo-as de perceber suas outras características, passa a não ser vista e tratada como humana e tem suas chances de vida limitadas. A ela se agrega a idéia de periculosidade e inferioridade, e qualquer coisa que faça para se defender será explicada pela presença do atributo estigmatizante. O autor complementa que, frequentemente, a pessoa estigmatizada passa a interiorizar as mesmas crenças daqueles que a estigmatizam e, assim, não se sente normal e digna de direitos e oportunidades legítimos. Passa a sentir vergonha por portar tal atributo, bem como almeja não tê-lo (ALMEIDA e LABRONICI, 2007, p.268). Como outras doenças que provocam sentimento de vergonha, a presença do HIV ou da aids é, muitas vezes, ocultada. O seu existir é permeado por um acordo de silêncio, pois desde a revelação do diagnóstico para o próprio adolescente, já foi estabelecido com os familiares, devido ao temor ao preconceito (PAULA, CABRAL & SOUZA, 2011). Lima Filho (2007) completa esta afirmação definindo que mesmo quando a pessoa se encontra em um solo bom e se sente segura, a experiência de estar excluída do contato faz surgir uma dúvida em relação à validade e à estabilidade dos valores aos quais a pessoa se formou e se sustentou. Bucher (2001) traz uma perspectiva sobre alguns aspectos que fazem com que o silencio impere numa relação: A perspectiva de uma degradação do corpo, a angústia de uma possível morte prematura, de abandono, a segregação e o isolamento relacional podem ser igualmente insuportáveis e, muitas vezes, são excluídos da mente, reinando o silêncio e a negação (BUCHER, 2001, p. 142). Assim, o silêncio em torno da doença dificulta a compreensão do adolescente em relação à sua interação com o ambiente e o próprio tratamento, e a maneira com que compactua com este mesmo silêncio, mesmo sem saber os motivos. Como vimos, há uma grande dificuldade no diálogo com o adolescente sobre questões relativas ao HIV, mesmo quando o diagnóstico é conhecido. Concluímos então que há a necessidade de uma assistência (ou equipe) que contemple as questões subjetivas no tratamento de HIV/Aids, porém que não se detenha apenas em questões físicas e biológicas, delimitadas dentro de um tratamento

6 médico. É necessário quebrar a barreira de silencio que muitas vezes os mantêm presos em si mesmos. Nesse âmbito, se faz necessária uma equipe que inclua pais ou responsáveis, e que se reúna em torno de um saber compartilhado, o qual poderá ajudar o adolescente paralisado pelo silêncio que o preconceito em torno da Aids ainda impõe às famílias. Inclusive é necessário que se alerte aos cuidadores o quanto prejudicial pode ser o estigma que o HIV carrega. Ajudá-los a entender que o que se transmite a um adolescente é muito mais que um vírus, que seus cuidados com o tratamento podem se transformar em uma vida a ser construída no ambito da saúde e do afeto, e é um dever ético de todos nós. A partir de Lacan, percebe-se que a escuta constitui-se a principal ferramenta na análise, pois é por meio desta é possível dizer algo da estrutura do sujeito. A escuta se estabelece como instrumento primordial na discriminação diagnóstica, cuja prioridade está nas explicações causalistas assim como sobre o saber nosológico (BATISTA 2004) Sabe-se que o silêncio, instaura-se com importante componente na análise, mas para além, o mesmo pode ser observado a partir de muitas leituras, mudando de significação. O sujeito ao falar de sua vida, experimenta sentimentos de ambíguos, pois mesmo sem ter tido uma experiência analítica, vivencia com apreensão o fato de não controlar seu discurso, sobre o que revela sua fala e o seu silêncio, mas também alívio por conseguir extravasar algo que lhe causava dor, culpa, ou lhe era penoso. Assim algo que o sujeito não entendia, passa a ter outro significado ao escutar suas próprias palavras (ALMEIDA, 2007) O ideal seria que esse dever ético se transformasse em desejo por um trabalho interdisciplinar, pois traria uma nova perspectiva de tratamento que possibilite o surgimento das angústias do paciente e seu reposicionamento frente à doença. Batista (2004), discorre sobre as correlações estabelecidas entre o diagnóstico e os sintomas,onde os sucessos terapêuticos dependem, em grande parte, da existência dessas correlações. Assim, a habilidade de auscultar, ou seja, no sentido de sondar e inquirir, torna-se fundamental na clínica médica. Como estudantes de psicologia, cremos ser de grande importância que haja um diálogo, ou a possibilidade do mesmo, para que o adolescente sinta-se seguro em falar e transmitir seus anseios, medos e preocupações com os demais, sem o estigma que até então conhecia. Cremos ser importante também auxiliar os cuidadores a elaborarem um diálogo natural com o adolescente sobre sua condição de soropositividade. Discutir atitudes preconceituosas em relação à Aids em todos os segmentos da sociedade revela-se, nesse

7 âmbito, absolutamente necessário, assim como maior esclarecimento da população em relação ao HIV no universo adolescente 5. CONCLUSÕES O HIV/Aids têm nutrido temores que cultivados há muitas gerações, alimentando fantasias alarmantes sobre o vírus, demarcando vulnerabilidades individuais e sociais, fomentadas pela ideia de castigo e ameaça a todos (SONTAG, 1989). De acordo com Guimarães e Ferraz (2002), o estigma é uma construção social, eminentemente de natureza relacional, legitimada pelo olhar do outro (p.78). Assim, se esse olhar do outro for permeado de desqualificação, o sujeito, ao tomá-lo como referência e internalizá-lo, acaba mudando a forma de ver a si mesmo e, assim, influenciando em sua identidade A presença do HIV na vida do pré-adolescente, diante dessas representações acerca da aids, requer do sujeito novas estratégias de ser e fazer, exigindo também novas configurações de vida e um permanente processo de construção de identidade. Nesse processo, a ação conjunta entre profissionais/pesquisadores e usuários/participantes, mostra-se necessária, uma vez que ao tomarem consciência do processo, podem construir propostas e definir os passos a serem dados para viabilizar a metamorfose (KAHHALE et.al., 2010).Torna-se necessário então, entender melhor por que os adolescentes vivendo com HIV/Aids se calam; ouvir o que eles têm a dizer sobre isso. Nossa hipótese é de que o jovem tem necessidade de falar sobre sua situação, que tem potencial para refletir e compreender o problema e que, finalmente, há sofrimento importante por trás deste comportamento. O conflito entre adolescente/família/sociedade e os profissionais que assistem a criança em relação à revelação do diagnóstico é outro ponto a ser focado. Entende-se, portanto, que os portadores, assim como familiares e/ou cuidadores que fazem parte do cotidiano do adolescente que vive com o HIV/AIDS, necessitam de assistência, de um espaço de escuta e discussão frente os sentimentos suscitados pela soropositividade. Diante disso,sugere-se que a noção de silêncio frente ao diagnóstico positivo para o HIV possa ser trabalhada com o adolescente, estimulando que o mesmo fale sobre o que provoca nele manter o silêncio, isto sem que o profissional julgue o silêncio como uma negatividade.

8 REFERÊNCIAS ALMEIDA, Marizabel. O silêncio em psicanálise. BATISTA, Luciane. Escutar não é auscultar. BUCHER, J.S.N.F. A Aids na encruzilhada das subjetividades: reflexões em torno de uma pesquisa. Revista Mal-Estar e Subjetividade, Fortaleza, v. 1, n. 1, p , set GUIMARÃES, R.; FERRAZ, A. F. A interface Aids, Estigma e Identidade: algumas considerações. REME: Rev. Min. Enf., v. 6, n. 1/2, p.77-85, jan./dez., KAHHALE, E. P. et al. HIV/Aids: enfrentando o sofrimento psíquico São Paulo: Cortez, LIMA FILHO, A. P. Quando o Silêncio Aprisiona. Boletim de Psicologia, vol. LVII, Nº126: PADRÃO, C. B. Considerações sobre o silêncio na clínica psicanalítica. SEIDL, E. M. F. et al. Crianças e adolescentes vivendo com HIV/Aids e suas famílias: Aspectos psicossociais e enfrentamento. In: Psicologia: Teoria e Pesquisa, v. 21, n. 3, p Set./Dez SONTAG, S. Aids e suas metáforas. São Paulo: Companhia das Letras, SPIEGEL, H. M.L.; FUTTERMAN, D. C. Adolescents and HIV: Prevention and clinical care. In: Current HIV/AIDS Report, v. 6, n. 2, p , may VALLE, C.G. Identidades, doença e organização social: um estudo das pessoas vivendo com HIV e Aids. Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, ano 8, n. 17, p , jun

IDENTIDADE E CUIDADO DE SI: UM ESTUDO COM PRÉ-ADOLESCENTES QUE CONVIVEM COM HIV/AIDS 1

IDENTIDADE E CUIDADO DE SI: UM ESTUDO COM PRÉ-ADOLESCENTES QUE CONVIVEM COM HIV/AIDS 1 IDENTIDADE E CUIDADO DE SI: UM ESTUDO COM PRÉ-ADOLESCENTES QUE CONVIVEM COM HIV/AIDS 1 BERNI, V. 2 ; ROSO, A. 3 1 Trabalho de Conclusão de Curso_UFSM 2 Acadêmica do Curso de Psicologia da Universidade

Leia mais

ROSO, Adriane Rubio¹; SANTOS, Claudia Soder²; BERNI, Vanessa Limana³; ALMEIDA, Nathiele Berger 4.

ROSO, Adriane Rubio¹; SANTOS, Claudia Soder²; BERNI, Vanessa Limana³; ALMEIDA, Nathiele Berger 4. ESPAÇO DE COMPARTILHAMENTOS SOBRE O ADOLESCER COM HIV/AIDS ROSO, Adriane Rubio¹; SANTOS, Claudia Soder²; BERNI, Vanessa Limana³; ALMEIDA, Nathiele Berger 4. ¹ Docente do Programa de Pós-Graduação em Psicologia

Leia mais

O Protagonismo Feminino: Momentos de Prevenção á Saúde. segunda-feira, 19 de março de 12

O Protagonismo Feminino: Momentos de Prevenção á Saúde. segunda-feira, 19 de março de 12 O Protagonismo Feminino: Momentos de Prevenção á Saúde CENTRO DE APOIO SOLIDARIED AIDS É organização da sociedade civil, sem fins lucrativos fundada em 1996. Objetivo: Apoiar, atender, prevenir e promover

Leia mais

REVELAÇÃO DIAGNÓSTICA. Eliana Galano Psicóloga Ambulatório de Pediatria CEADIPE - CRT-DST/AIDS - SP

REVELAÇÃO DIAGNÓSTICA. Eliana Galano Psicóloga Ambulatório de Pediatria CEADIPE - CRT-DST/AIDS - SP REVELAÇÃO DIAGNÓSTICA Eliana Galano Psicóloga Ambulatório de Pediatria CEADIPE - CRT-DST/AIDS - SP Cenário Eficácia dos esquemas terapêuticos Aumento do número de crianças que atingem a idade escolar e

Leia mais

6. Considerações Finais

6. Considerações Finais 6. Considerações Finais O estudo desenvolvido não permite nenhuma afirmação conclusiva sobre o significado da família para o enfrentamento da doença, a partir da fala das pessoas que têm HIV, pois nenhum

Leia mais

COMPORTAMENTO DE PARTICIPANTES DE UM PROJETO FRENTE AOS PORTADORES DE HIV/AIDS

COMPORTAMENTO DE PARTICIPANTES DE UM PROJETO FRENTE AOS PORTADORES DE HIV/AIDS 110. ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA COMPORTAMENTO DE PARTICIPANTES

Leia mais

- VÍDEO DEBATE - aconselhamento. DST/HIV/aids

- VÍDEO DEBATE - aconselhamento. DST/HIV/aids GUIA - VÍDEO DEBATE - aconselhamento DST/HIV/aids Ministério da Saúde Secretaria de Políticas de Saúde Coordenação Nacional de DST e Aids Paulo R. Teixeira Coordenador Rosemeire Munhoz Assessora Técnica

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Secretaria de Vigilância em Saúde. Programa Nacional de DST e Aids. Prevenção PositHIVa. junho 2007. Ministério da Saúde

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Secretaria de Vigilância em Saúde. Programa Nacional de DST e Aids. Prevenção PositHIVa. junho 2007. Ministério da Saúde MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Programa Nacional de DST e Aids Prevenção PositHIVa junho 2007 Contexto 25 anos de epidemia; 10 anos de acesso universal à terapia anti-retroviral; Exames e insumos de

Leia mais

Palavras-chave: HIV/AIDS; Maturidade; Velhice; Cotidiano; Discurso.

Palavras-chave: HIV/AIDS; Maturidade; Velhice; Cotidiano; Discurso. ASPECTOS BIOPSICOSSOCIAIS DO COTIDIANDO DE PESSOAS SOROPOSITIVAS AO HIV/AIDS NA MATURIDADE E NA VELHICE Josevânia da Silva; Ana Alayde Werba Saldanha Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa PB, Brasil.

Leia mais

Revelação Diagnóstica do HIV A arte de comunicar más notícias Tânia Regina C. de Souza, Karina Wolffenbuttel, Márcia T. F.

Revelação Diagnóstica do HIV A arte de comunicar más notícias Tânia Regina C. de Souza, Karina Wolffenbuttel, Márcia T. F. Revelação Diagnóstica do HIV A arte de comunicar más notícias Tânia Regina C. de Souza, Karina Wolffenbuttel, Márcia T. F. dos Santos A aids é ainda uma doença ameaçadora. Apesar de todos os avanços no

Leia mais

A BOCA CALA, O CORPO FALA: VIOLÊNCIA SEXUAL, SEGREDO E PSICANÁLISE.

A BOCA CALA, O CORPO FALA: VIOLÊNCIA SEXUAL, SEGREDO E PSICANÁLISE. A BOCA CALA, O CORPO FALA: VIOLÊNCIA SEXUAL, SEGREDO E PSICANÁLISE. Desde os primeiros passos de Freud em suas investigações sobre o obscuro a respeito do funcionamento da mente humana, a palavra era considerada

Leia mais

Adolescentes e jovens preparados para tomar suas próprias decisões reprodutivas

Adolescentes e jovens preparados para tomar suas próprias decisões reprodutivas Adolescentes e jovens preparados para tomar suas próprias decisões reprodutivas Andrea da Silveira Rossi Brasília, 15 a 18 out 2013 Relato de adolescentes e jovens vivendo com HIV Todo adolescente pensa

Leia mais

A ESPIRITUALIDADE DA FAMÍLIA AO TER UM FAMILIAR INTERNADO POR DOENÇA CRÔNICA: RELATO DE VIVÊNCIA 1

A ESPIRITUALIDADE DA FAMÍLIA AO TER UM FAMILIAR INTERNADO POR DOENÇA CRÔNICA: RELATO DE VIVÊNCIA 1 A ESPIRITUALIDADE DA FAMÍLIA AO TER UM FAMILIAR INTERNADO POR DOENÇA CRÔNICA: RELATO DE VIVÊNCIA 1 ROSSATO, Karine 2 ; GIRARDON-PERLINI, Nara Marilene Oliveira 3, MISTURA, Claudelí 4, CHEROBINI, Márcia

Leia mais

SITUAÇÃO DO HIV/AIDS NO BRASIL E OS FATORES QUE INFLUENCIAM A INFECÇÃO

SITUAÇÃO DO HIV/AIDS NO BRASIL E OS FATORES QUE INFLUENCIAM A INFECÇÃO SITUAÇÃO DO HIV/AIDS NO BRASIL E OS FATORES QUE INFLUENCIAM A INFECÇÃO Jader Dornelas Neto 1 ; Daniel Antonio Carvalho dos Santos 2 ; Guilherme Elcio Zonta 3 ; Simone Martins Bonafé 4 RESUMO: O objetivo

Leia mais

O BRINCAR NO AMBIENTE HOSPITALAR

O BRINCAR NO AMBIENTE HOSPITALAR O BRINCAR NO AMBIENTE HOSPITALAR INTRODUÇÃO O presente estudo busca refletir a respeito da importância do brincar no ambiente hospitalar. A construção desse material foi feita a partir do contato de três

Leia mais

AS TRANSFORMAÇÕES DO SIGNIFICADO DA AIDS PARA AS MULHERES PORTADORAS DO VÍRUS E O OLHAR DA PSICOLOGIA SOBRE ESTE PROCESSO.

AS TRANSFORMAÇÕES DO SIGNIFICADO DA AIDS PARA AS MULHERES PORTADORAS DO VÍRUS E O OLHAR DA PSICOLOGIA SOBRE ESTE PROCESSO. AS TRANSFORMAÇÕES DO SIGNIFICADO DA AIDS PARA AS MULHERES PORTADORAS DO VÍRUS E O OLHAR DA PSICOLOGIA SOBRE ESTE PROCESSO. Kadidja Suelen de Lucena Santos 1 Julianne Dantas de Oliveira Pimentel 2 Michele

Leia mais

Projeto Verão Sem AIDS Valorizando a Vida

Projeto Verão Sem AIDS Valorizando a Vida 1 Projeto Verão Sem AIDS Valorizando a Vida O PROJETO VERÃO SEM AIDS VALORIZANDO A VIDA foi idealizado por João Donizeti Scaboli, Diretor do da FEQUIMFAR. Iniciamos de forma pioneira em 1994, quando o

Leia mais

O GÊNERO FEMININO E AS FORMAS DE PREVENÇÃO DO HIV/AIDS

O GÊNERO FEMININO E AS FORMAS DE PREVENÇÃO DO HIV/AIDS O GÊNERO FEMININO E AS FORMAS DE PREVENÇÃO DO HIV/AIDS MARIA THEREZA ÁVILA DANTAS COELHO 1 VANESSA PRADO DOS SANTOS 2 GLEICE KELLY SANTOS ALMEIDA 3 RESUMO O objetivo deste trabalho é discutir as mudanças

Leia mais

Reflexões sobre Impasses e Possibilidades da Psicanálise no Hospital Público

Reflexões sobre Impasses e Possibilidades da Psicanálise no Hospital Público Reflexões sobre Impasses e Possibilidades da Psicanálise no Hospital Público Ludmila Stalleikem Sebba 1 e Ademir Pacelli Ferreira 2 Resumo A partir do referencial da psicanálise procura-se apontar elementos

Leia mais

Motivações para a mulher HIV positivo gestar

Motivações para a mulher HIV positivo gestar Motivações para a mulher HIV positivo gestar Maria Regina Limeira Ortiz* Tania Mara Andreoli Gomes** Resumo Trabalhar com mulheres portadoras do vírus da Imuno Deficiência adquirida(hiv) é algo extremamente

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE OS GÊNEROS E O NÍVEL DE INFORMAÇÃO DE ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS EM RELAÇÃO AO HIV/AIDS

RELAÇÃO ENTRE OS GÊNEROS E O NÍVEL DE INFORMAÇÃO DE ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS EM RELAÇÃO AO HIV/AIDS RELAÇÃO ENTRE OS GÊNEROS E O NÍVEL DE INFORMAÇÃO DE ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS EM RELAÇÃO AO HIV/AIDS Maria Thereza Ávila Dantas Coelho 1 Vanessa Prado Santos 2 Márcio Pereira Pontes 3 Resumo O controle

Leia mais

Autor(es) MIRIAM RIBEIRO CAMPOS. Co-Autor(es) JOSÉ EDUARDO DA FONSECA MARIA IMACULADA DE LIMA MONTEBELLO. 1. Introdução

Autor(es) MIRIAM RIBEIRO CAMPOS. Co-Autor(es) JOSÉ EDUARDO DA FONSECA MARIA IMACULADA DE LIMA MONTEBELLO. 1. Introdução 9º Congresso de Pesquisa AIDS: AVALIANDO COMPORTAMENTOS E VULNERABILIDADE EM ESTUDANTES DO ENSINO MÉDIO DAS ESCOLAS DO MUNICÍPIO DE PIRACICABA: IDENTIFICAÇÃO DO CONHECIMENTO SOBRE O CONTROLE, DISSEMINAÇÃO,

Leia mais

MULHERES IDOSAS E AIDS: UM ESTUDO ACERCA DE SEUS CONHECIMENTOS E SITUAÇÕES DE VULNERABILIDADE

MULHERES IDOSAS E AIDS: UM ESTUDO ACERCA DE SEUS CONHECIMENTOS E SITUAÇÕES DE VULNERABILIDADE MULHERES IDOSAS E AIDS: UM ESTUDO ACERCA DE SEUS CONHECIMENTOS E SITUAÇÕES DE VULNERABILIDADE Karolayne Germana Leal e Silva e-mail: karolaynegermana@hotmail.com Magna Adriana de Carvalho e-mail: magnacreas@hotmail.com

Leia mais

Aspectos externos: contexto social, cultura, rede social, instituições (família, escola, igreja)

Aspectos externos: contexto social, cultura, rede social, instituições (família, escola, igreja) Lembretes e sugestões para orientar a prática da clínica ampliada e compartilhada Ampliar a clínica significa desviar o foco de intervenção da doença, para recolocá-lo no sujeito, portador de doenças,

Leia mais

I n f o r m e E p i d e m i o l ó g i c o D S T - A I D S 1

I n f o r m e E p i d e m i o l ó g i c o D S T - A I D S 1 1 2 GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE DO RIO DE JANEIRO SECRETÁRIO DE ESTADO DE SAÚDE José Leôncio de Andrade Feitosa SUPERINTENDENTE DE SAÚDE Angela Cristina Aranda SUPERINTENDENTE

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE ENFRENTAMENTO DE PORTADORES DE HANSENÍASE DIANTE DA DOENÇA

ESTRATÉGIAS DE ENFRENTAMENTO DE PORTADORES DE HANSENÍASE DIANTE DA DOENÇA 1 ESTRATÉGIAS DE ENFRENTAMENTO DE PORTADORES DE HANSENÍASE DIANTE DA DOENÇA Rozane Pereira de Sousa. Estudante da Especialização em Direitos Humanos da Universidade Federal Campina Grande - UFCG, Cajazeiras

Leia mais

AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE VIDA NO ACOMPANHAMENTO DO TRATAMENTO DAS PESSOAS COM AIDS

AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE VIDA NO ACOMPANHAMENTO DO TRATAMENTO DAS PESSOAS COM AIDS AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE VIDA NO ACOMPANHAMENTO DO TRATAMENTO DAS PESSOAS COM AIDS Leidyanny Barbosa de Medeiros 1 Moema Brandão de Albuquerque 2 Oriana Deyze Correia Paiva Leadebal 3 Jordana de Almeida

Leia mais

PERFIL SOCIOECONÔMICO DOS USUÁRIOS DA REDE NACIONAL DE PESSOAS VIVENDO E CONVIVENDO COM HIV/AIDS NÚCLEO DE CAMPINA GRANDE- PB

PERFIL SOCIOECONÔMICO DOS USUÁRIOS DA REDE NACIONAL DE PESSOAS VIVENDO E CONVIVENDO COM HIV/AIDS NÚCLEO DE CAMPINA GRANDE- PB PERFIL SOCIOECONÔMICO DOS USUÁRIOS DA REDE NACIONAL DE PESSOAS VIVENDO E CONVIVENDO COM HIV/AIDS NÚCLEO DE CAMPINA GRANDE- PB Elizângela Samara da Silva 1, Anna Marly Barbosa de Paiva 2, Adália de Sá Costa

Leia mais

TERAPIA DA ALEGRIA: TRABALHO VOLUNTÁRIO NO HOSPITAL MUNICIPAL DE MARINGÁ-PR

TERAPIA DA ALEGRIA: TRABALHO VOLUNTÁRIO NO HOSPITAL MUNICIPAL DE MARINGÁ-PR 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 TERAPIA DA ALEGRIA: TRABALHO VOLUNTÁRIO NO HOSPITAL MUNICIPAL DE MARINGÁ-PR Jaqueline de Carvalho Gasparotto 1 ; Jeferson Dias Costa 1, João Ricardo Vissoci

Leia mais

A (DES)CONSTRUÇÃO DA MATERNIDADE PINTO, Maria das Graças C. da S. M. G. Uniplac/Unifra profgra@terra.com.br GT:Gênero, Sexualidade e Educação / n.

A (DES)CONSTRUÇÃO DA MATERNIDADE PINTO, Maria das Graças C. da S. M. G. Uniplac/Unifra profgra@terra.com.br GT:Gênero, Sexualidade e Educação / n. A (DES)CONSTRUÇÃO DA MATERNIDADE PINTO, Maria das Graças C. da S. M. G. Uniplac/Unifra profgra@terra.com.br GT:Gênero, Sexualidade e Educação / n. 23 Introdução A maternidade tem se constituído cada vez

Leia mais

O QUE É SER MÃE ADOLESCENTE PELA PRIMEIRA VEZ? INTRODUÇÃO

O QUE É SER MÃE ADOLESCENTE PELA PRIMEIRA VEZ? INTRODUÇÃO O QUE É SER MÃE ADOLESCENTE PELA PRIMEIRA VEZ? INTRODUÇÃO Esta investigação tem como enfoque o atendimento às gestantes adolescentes primigestas nas equipes de ESF. Visa conhecer o universo destas gestantes

Leia mais

BUSCA ATIVA DE POSSÍVEIS PORTADORES DE HIV/AIDS EM PROJETO EXTENSIONISTA E SEU PERFIL

BUSCA ATIVA DE POSSÍVEIS PORTADORES DE HIV/AIDS EM PROJETO EXTENSIONISTA E SEU PERFIL 9. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO (

Leia mais

De volta para vida: a inserção social e qualidade de vida de usuários de um Centro de Atenção Psicossocial

De volta para vida: a inserção social e qualidade de vida de usuários de um Centro de Atenção Psicossocial De volta para vida: a inserção social e qualidade de vida de usuários de um Centro de Atenção Psicossocial Eliane Maria Monteiro da Fonte DCS / PPGS UFPE Recife PE - Brasil Pesquisa realizada pelo NUCEM,

Leia mais

A RELAÇÃO HOMEM-TRABALHO DE PORTADORES DE HIV, DOENTES OU NÃO DE AIDS

A RELAÇÃO HOMEM-TRABALHO DE PORTADORES DE HIV, DOENTES OU NÃO DE AIDS A RELAÇÃO HOMEM-TRABALHO DE PORTADORES DE HIV, DOENTES OU NÃO DE AIDS Mariana Tironi de Camargo Mariana Gonçales Gerzeli Francisco Hashimoto Resumo: A presente pesquisa tem por objetivo compreender como

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 Notas importantes: O Banco de dados (BD) do Sistema de Informação Nacional de Agravos de Notificação (SINAN) vem sofrendo nos últimos

Leia mais

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social ASSOCIAÇÃO REVIVER DE ASSISTÊNCIA AO PORTADOR DO VÍRUS HIV

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social ASSOCIAÇÃO REVIVER DE ASSISTÊNCIA AO PORTADOR DO VÍRUS HIV VIII Jornada de Estágio de Serviço Social ASSOCIAÇÃO REVIVER DE ASSISTÊNCIA AO PORTADOR DO VÍRUS HIV HEY, Claudia Maria 1 BONOMETO, Tatiane Caroline 2 TRENTINI, Fabiana Vosgerau 3 Apresentador (es): Claudia

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE ENFRENTAMENTO DOS FAMILIARES DE IDOSOS PORTADORES DO VÍRUS HIV

ESTRATÉGIAS DE ENFRENTAMENTO DOS FAMILIARES DE IDOSOS PORTADORES DO VÍRUS HIV ESTRATÉGIAS DE ENFRENTAMENTO DOS FAMILIARES DE IDOSOS PORTADORES DO VÍRUS HIV Jamira Martins dos Santos (1); Camila Mendes da Silva (2); Gerlane Ângela da C. Moreira Vieira (3); Ana Claudia Torres de Medeiros

Leia mais

OFICINA: SEXUALIDADE

OFICINA: SEXUALIDADE OFICINA: SEXUALIDADE Daniele Costa Tatiane Fontoura Garcez APRESENTAÇÃO A oficina tem como tema a Sexualidade, será realizado no Instituto Estadual de Educação Bernardino Ângelo, no dia 25/08/2014, segunda-feira,

Leia mais

ACOLHIMENTO DE PARTICIPANTES EM UM PROJETO: PERFIL DOS POSSÍVEIS PORTADORES DE HIV/AIDS

ACOLHIMENTO DE PARTICIPANTES EM UM PROJETO: PERFIL DOS POSSÍVEIS PORTADORES DE HIV/AIDS 110. ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA ACOLHIMENTO DE PARTICIPANTES

Leia mais

Tomar a medicação ARV: Droga correta Frequência correta Dose correta. Horário recomendado Obedecer dieta/jejum Tempo indeterminado

Tomar a medicação ARV: Droga correta Frequência correta Dose correta. Horário recomendado Obedecer dieta/jejum Tempo indeterminado Crianças e Adolescentes Vivendo Com HIV/Aids e Adesão Mariliza Henrique da Silva CRT DST/AIDS- SP O que é adesão? Adesão é... O quanto o comportamento de uma pessoa corresponde às recomendações acordadas

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 Notas importantes: O Banco de dados (BD) do Sistema de Informação Nacional de Agravos de Notificação (SINAN) vem sofrendo nos últimos

Leia mais

Feminilidade e Violência

Feminilidade e Violência Feminilidade e Violência Emilse Terezinha Naves O tema sobre a violência e a feminilidade apresenta-se, nas mais diversas áreas do conhecimento, como um tema de grande interesse, quando encontramos uma

Leia mais

A contribuição da Psicologia no Tratamento Clínico e Cirúrgico da Obesidade

A contribuição da Psicologia no Tratamento Clínico e Cirúrgico da Obesidade A contribuição da Psicologia no Tratamento Clínico e Cirúrgico da Obesidade Thaís Cristina Simamoto* Thaís Silva Luiz* A obesidade mórbida é uma doença crônica metabólica que combina grandes chances de

Leia mais

Grupo de Pais de Crianças Autistas na Instituição AMA (Associação dos Amigos do Autismo) Ribeirão Preto, São Paulo. Resumo

Grupo de Pais de Crianças Autistas na Instituição AMA (Associação dos Amigos do Autismo) Ribeirão Preto, São Paulo. Resumo Grupo de Pais de Crianças Autistas na Instituição AMA (Associação dos Amigos do Autismo) Ribeirão Preto, São Paulo Juliana DUARTE Resumo O presente trabalho tem o objetivo de mostrar o trabalho realizado

Leia mais

Contrata Consultor na modalidade. Contrata Consultor na modalidade

Contrata Consultor na modalidade. Contrata Consultor na modalidade Contrata Consultor na modalidade PROJETO 914/BRZ/1138 EDITAL Nº 19/2014 Publicação de perfil(is) para contratação de profissional(is) na(s) área(s), cuja(s) vaga(s) está(ão) disponível (is) na página da

Leia mais

Universidade do Estado do Rio de Janeiro Vice-Reitoria Curso de Abordagem da Violência na Atenção Domiciliar Unidade 2 Violência de gênero

Universidade do Estado do Rio de Janeiro Vice-Reitoria Curso de Abordagem da Violência na Atenção Domiciliar Unidade 2 Violência de gênero Universidade do Estado do Rio de Janeiro Vice-Reitoria Curso de Abordagem da Violência na Atenção Domiciliar Unidade 2 Violência de gênero Nesta unidade, analisaremos os aspectos específicos referentes

Leia mais

MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital 3 Tempo e morte: da urgência ao ato analítico. Revinter: Rio de Janeiro, 2003.

MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital 3 Tempo e morte: da urgência ao ato analítico. Revinter: Rio de Janeiro, 2003. MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital 3 Tempo e morte: da urgência ao ato analítico. Revinter: Rio de Janeiro, 2003. Prefácio Interessante pensar em um tempo de começo. Início do tempo de

Leia mais

O Sr. CELSO RUSSOMANNO (PP-SP) pronuncia o. seguinte discurso: Senhor Presidente, Senhoras e Senhores

O Sr. CELSO RUSSOMANNO (PP-SP) pronuncia o. seguinte discurso: Senhor Presidente, Senhoras e Senhores O Sr. CELSO RUSSOMANNO (PP-SP) pronuncia o seguinte discurso: Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, transcorreram já mais de duas décadas desde que a Síndrome da Imunodeficiência Adquirida

Leia mais

CÂNCER DE MAMA:PERSPECTIVAS SOBRE AS RELAÇÕES FAMILIARES

CÂNCER DE MAMA:PERSPECTIVAS SOBRE AS RELAÇÕES FAMILIARES V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 CÂNCER DE MAMA:PERSPECTIVAS SOBRE AS RELAÇÕES FAMILIARES Simone Lemos 1 ; Suzei Helena Tardivo Barbosa 2 ; Giseli

Leia mais

VIGILÂNCIA DE HIV EM SANGUE DOADO: TENDÊNCIA DE SOROPREVALÊNCIA

VIGILÂNCIA DE HIV EM SANGUE DOADO: TENDÊNCIA DE SOROPREVALÊNCIA 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 VIGILÂNCIA DE HIV EM SANGUE DOADO: TENDÊNCIA DE SOROPREVALÊNCIA Janete Lane Amadei 1 ; Deborah Cristiny Dantas Moreti 2 ; Diego Montanhei 2 ; Dennis Armando

Leia mais

ACONSELHAMENTO PARA DST/AIDS NO SUS

ACONSELHAMENTO PARA DST/AIDS NO SUS ACONSELHAMENTO PARA DST/AIDS NO SUS A prática do aconselhamento desempenha um papel importante no diagnóstico da infecção pelo HIV/ outras DST e na qualidade da atenção à saúde. Contribui para a promoção

Leia mais

RESIDÊNCIA MÉDICA E HUMANIZAÇÃO: Mudanças na ótica e na ética das relações durante a residência médica

RESIDÊNCIA MÉDICA E HUMANIZAÇÃO: Mudanças na ótica e na ética das relações durante a residência médica RESIDÊNCIA MÉDICA E HUMANIZAÇÃO: Mudanças na ótica e na ética das relações durante a residência médica Autores: Glenda Garrafa Mori glendagmori@yahoo.com.br Irene Abramovich iabramo@uol.com.br Paulo Monteiro

Leia mais

UMA REVISÃO SISTEMÁTICA: O PROFISSIONAL DE SAÚDE E SEU OLHAR SOBRE O IDOSO E A AIDS

UMA REVISÃO SISTEMÁTICA: O PROFISSIONAL DE SAÚDE E SEU OLHAR SOBRE O IDOSO E A AIDS UMA REVISÃO SISTEMÁTICA: O PROFISSIONAL DE SAÚDE E SEU OLHAR SOBRE O IDOSO E A AIDS Nayara Ferreira da Costa¹; Maria Luisa de Almeida Nunes ²; Larissa Hosana Paiva de Castro³; Alex Pereira de Almeida 4

Leia mais

REVISITANDO A TEORIA DO SETTING TERAPÊUTICO

REVISITANDO A TEORIA DO SETTING TERAPÊUTICO REVISITANDO A TEORIA DO SETTING TERAPÊUTICO 2012 Letícia Machado Moreira Psicóloga, em formação psicanalítica pelo IEPP leticiamachadomoreira@gmail.com Cristiane Silva Esteves Psicóloga. Especialista em

Leia mais

VISITA PRÉ-OPERATÓRIA DE ENFERMAGEM: humanizando o cuidar feminino na prática assistencial através de atividade de extensão 1

VISITA PRÉ-OPERATÓRIA DE ENFERMAGEM: humanizando o cuidar feminino na prática assistencial através de atividade de extensão 1 VISITA PRÉ-OPERATÓRIA DE ENFERMAGEM: humanizando o cuidar feminino na prática assistencial através de atividade de extensão 1 Anna Maria de Oliveira Salimena 2 Maria Carmen Simões Cardoso de Melo 2 Ívis

Leia mais

ANÁLISE DO PERFIL IMUNOLÓGICO E VIRAL DOS PACIENTES HIV/AIDS ATENDIDOS NA UNIDADE DE SAÙDE JUNDIAÍ EM ANÁPOLIS GOIAS ENTRE OS ANOS 2002 E 2006.

ANÁLISE DO PERFIL IMUNOLÓGICO E VIRAL DOS PACIENTES HIV/AIDS ATENDIDOS NA UNIDADE DE SAÙDE JUNDIAÍ EM ANÁPOLIS GOIAS ENTRE OS ANOS 2002 E 2006. 1 ANÁLISE DO PERFIL IMUNOLÓGICO E VIRAL DOS PACIENTES HIV/AIDS ATENDIDOS NA UNIDADE DE SAÙDE JUNDIAÍ EM ANÁPOLIS GOIAS ENTRE OS ANOS 2002 E 2006. Adriana Paim da Silva 1,2 ; Andrea Brígida de Souza 1,2

Leia mais

CUIDADOS PALIATIVOS:HISTÓRICO.

CUIDADOS PALIATIVOS:HISTÓRICO. CUIDADOS PALIATIVOS:HISTÓRICO. PINOTTI, Elaine Cristina 1 GAZZOLA, Ms.Rangel Antonio 2 RESUMO O objetivo deste estudo é apresentar como os cuidados paliativos podem promover o bem estar e a qualidade de

Leia mais

O DESENHO COMO EXPRESSÃO DA SUBJETIVIDADE EM CRIANÇAS HOSPITALIZADAS: UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA

O DESENHO COMO EXPRESSÃO DA SUBJETIVIDADE EM CRIANÇAS HOSPITALIZADAS: UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA O DESENHO COMO EXPRESSÃO DA SUBJETIVIDADE EM CRIANÇAS HOSPITALIZADAS: UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA Trabalho de curso 2014 Herminia Dias de Freitas Lahana Giacomini de Vasconcellos Luciana Stefano Acadêmica

Leia mais

BIOÉTICA E CUIDADOS PALIATIVOS: UM DESAFIO PARA A ENFERMAGEM.

BIOÉTICA E CUIDADOS PALIATIVOS: UM DESAFIO PARA A ENFERMAGEM. BIOÉTICA E CUIDADOS PALIATIVOS: UM DESAFIO PARA A ENFERMAGEM. RESUMO Karyn Albrecht SIQUEIRA, 1. Aline MASSAROLI, 2. Ana Paula LICHESKI, 2. Maria Denise Mesadri GIORGI, 3. Introdução: Com os diversos avanços

Leia mais

¹Assistente Social da Associação Reviver do Portador do Vírus HIV, graduada pela Universidade Estadual de Ponta Grossa.

¹Assistente Social da Associação Reviver do Portador do Vírus HIV, graduada pela Universidade Estadual de Ponta Grossa. IX Jornada de Estágio de Serviço Social ASSOCIAÇÃO REVIVER DE ASSISTÊNCIA AO PORTADOR DO VÍRUS HIV HEY, Claudia Maria¹ BONOMETO, Tatiane Caroline² PREUSS, Lislei Teresinha³ Apresentador (a): Tatiane Caroline

Leia mais

TÍTULO: A VIVÊNCIA DO PSICÓLOGO HOSPITALAR DIANTE DA HOSPITALIZAÇÃO DA CRIANÇA COM CÂNCER

TÍTULO: A VIVÊNCIA DO PSICÓLOGO HOSPITALAR DIANTE DA HOSPITALIZAÇÃO DA CRIANÇA COM CÂNCER TÍTULO: A VIVÊNCIA DO PSICÓLOGO HOSPITALAR DIANTE DA HOSPITALIZAÇÃO DA CRIANÇA COM CÂNCER CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PSICOLOGIA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE DE RIBEIRÃO

Leia mais

MULHERES E HIV /AIDS: UM RECORTE DA EPIDEMIA. Palavras-chave: Psicologia Social; Saúde; HIV/Aids; Mulheres; Família

MULHERES E HIV /AIDS: UM RECORTE DA EPIDEMIA. Palavras-chave: Psicologia Social; Saúde; HIV/Aids; Mulheres; Família MULHERES E HIV /AIDS: UM RECORTE DA EPIDEMIA GONÇALVES, Camila dos Santos 1 ; WEBER, Beatriz Teixeira 2 ; ROSO, Adriane Rubio 3 1 Mestranda do PPGP da UFSM e professora UNIFRA, Santa Maria, RS, Brasil

Leia mais

A ATUAÇÃO DA PASTORAL DA AIDS EM DUQUE DE CAXIAS E SÃO JOÃO DE MERITI E O DIÁLOGO DA SEXUALIDADE

A ATUAÇÃO DA PASTORAL DA AIDS EM DUQUE DE CAXIAS E SÃO JOÃO DE MERITI E O DIÁLOGO DA SEXUALIDADE A ATUAÇÃO DA PASTORAL DA AIDS EM DUQUE DE CAXIAS E SÃO JOÃO DE MERITI E O DIÁLOGO DA SEXUALIDADE Aluna: Sandra Regina de Souza Marcelino Orientador: Luís Corrêa Lima Introdução Este relatório tem por finalidade

Leia mais

Conversando com os pais

Conversando com os pais Conversando com os pais Motivos para falar sobre esse assunto, em casa, com os filhos 1. A criança mais informada, e de forma correta, terá mais chances de saber lidar com sua sexualidade e, no futuro,

Leia mais

Aids e Ética Médica. Dr. Eugênio França do Rêgo

Aids e Ética Médica. Dr. Eugênio França do Rêgo Dr. Eugênio França do Rêgo Aids e discriminação: 1. Deve o médico ter presente a natureza de sua profissão e, principalmente, sua finalidade. (CEM: 1 o ; 2 o e 6 o ) 2. Deve o médico buscar a mais ampla

Leia mais

FEMINIZAÇÃO DO HIV/AIDS: UMA ANÁLISE (PERFIL) JUNTO A REDE NACIONAL DE PESSOAS VIVENDO E CONVIVENDO COM HIV/AIDS NÚCLEO CAMPINA GRANDE PB

FEMINIZAÇÃO DO HIV/AIDS: UMA ANÁLISE (PERFIL) JUNTO A REDE NACIONAL DE PESSOAS VIVENDO E CONVIVENDO COM HIV/AIDS NÚCLEO CAMPINA GRANDE PB FEMINIZAÇÃO DO HIV/AIDS: UMA ANÁLISE (PERFIL) JUNTO A REDE NACIONAL DE PESSOAS VIVENDO E CONVIVENDO COM HIV/AIDS NÚCLEO CAMPINA GRANDE PB Elizângela Samara da Silva 1 Adália de Sá Costa 2 Anna Marly Barbosa

Leia mais

Gtp+ PROGRAMAS E PROJETOS Grupo de Trabalhos em Prevenção Posithivo (GTP+) Fundação em 2000, Recife-PE O Grupo de Trabalhos em Prevenção Posithivo é a única ONG da Região Nordeste do Brasil coordenada

Leia mais

INCIDÊNCIA DE AIDS NA POPULAÇÃO IDOSA DO BRASIL

INCIDÊNCIA DE AIDS NA POPULAÇÃO IDOSA DO BRASIL INCIDÊNCIA DE AIDS NA POPULAÇÃO IDOSA DO BRASIL Tacilla Maria Rodrigues Pereira¹(tacilla90@hotmail.com) Milene Evaristo Pereira¹(Milene.trab@gmail.com) Nicole Cristine Diniz de Medeiros Dutra¹ (nicole_dutra@hotmail.com)

Leia mais

EVASÃO ESCOLAR: UMA EXPRESSÃO DA QUESTÃO SOCIAL NO CONTEXTO DA ESCOLA 1

EVASÃO ESCOLAR: UMA EXPRESSÃO DA QUESTÃO SOCIAL NO CONTEXTO DA ESCOLA 1 EVASÃO ESCOLAR: UMA EXPRESSÃO DA QUESTÃO SOCIAL NO CONTEXTO DA ESCOLA 1 KAEFER, Carin Otília 2 ; LEAL, Francine Ziegler 3. 1 Resultado de projeto de extensão do Curso de Serviço Social da UNIFRA. 2 Orientadora/

Leia mais

O CONHECIMENTO BÁSICO DA COMUNIDADE ESCOLAR SOBRE HIV/AIDS

O CONHECIMENTO BÁSICO DA COMUNIDADE ESCOLAR SOBRE HIV/AIDS Revista Eletrônica Novo Enfoque, ano 2010, v. 11, n. 11, p. 10 20 O CONHECIMENTO BÁSICO DA COMUNIDADE ESCOLAR SOBRE HIV/AIDS GONÇALVES, B.F.da S.¹; DE BRITO, D.M.¹; PEDRO, E. M. ¹; CALVO, F.L.M.¹; SPERLICH,

Leia mais

RESUMO. Palavras-chave: Saúde do adolescente; Síndrome de Imunodeficiência Adquirida; HIV.

RESUMO. Palavras-chave: Saúde do adolescente; Síndrome de Imunodeficiência Adquirida; HIV. SISTEMA DE INFORMAÇÃO EM SAÚDE: A EPIDEMIA DA AIDS EM ADOLESCENTES NO BRASIL, 2001-2010. KOGLIN, Ilivelton Martins 1 ; TASSINARI, Tais Tasqueto 2 ; ZUGE, Samuel Spiegelberg 3 ; BRUM, Crhis Netto de 3 ;

Leia mais

ANAIDS Articulação Nacional de Luta Contra a AIDS

ANAIDS Articulação Nacional de Luta Contra a AIDS Carta ANAIDS 1º de Dezembro - Dia Mundial de Luta contra a AIDS Cada um tem sua cara e a aids também tem... A ANAIDS Articulação Nacional de Luta Contra Aids - colegiado que reúne os Fóruns de ONG Aids

Leia mais

Informação pode ser o melhor remédio. Hepatite

Informação pode ser o melhor remédio. Hepatite Informação pode ser o melhor remédio. Hepatite HEPATITE A hepatite é uma inflamação do fígado provocada na maioria das vezes por um vírus. Diferentes tipos de vírus podem provocar hepatite aguda, que se

Leia mais

A FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA NO MUNICIPIO DE MOSSORÓ

A FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA NO MUNICIPIO DE MOSSORÓ A FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA NO MUNICIPIO DE MOSSORÓ Selma Andrade de Paula Bedaque 1 - UFRN RESUMO Este artigo relata o desenvolvimento do trabalho de formação de educadores

Leia mais

O CEHMOB-MG. Pesquisa e Extensão. Capacitação de serviços. Formação de acadêmicos. Realização. Financiador

O CEHMOB-MG. Pesquisa e Extensão. Capacitação de serviços. Formação de acadêmicos. Realização. Financiador O TRABALHO DO PSICÓLOGO EM EQUIPE MULTIDISCIPLINAR NO PROJETO ANINHA ORGANIZAÇÃO E CAPACITAÇÃO DOS CUIDADORES DE GESTANTES COM DOENÇA FALCIFORME - DO CEHMOB/MG Mérupe Venâncio Romanini 1, Milza Cintra

Leia mais

Carvalho Goretti Moreira Leal de, Themis; Ribas Almeida, Milene. Brasil RESUMO

Carvalho Goretti Moreira Leal de, Themis; Ribas Almeida, Milene. Brasil RESUMO ID:862 PROJETO DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA AMPLIANDO AS AÇÕES DE PREVENÇÃO EM DST/AIDS E HEPATITES VIRAIS JUNTO À POPULAÇÃO ESCOLAR: UM ESPAÇO PARA FORMAÇÃO PROFISSIONAL E PROMOÇÃO DA SAÚDE Carvalho Goretti

Leia mais

Tratamento da Dependência Química: Um Olhar Institucional.

Tratamento da Dependência Química: Um Olhar Institucional. A dependência química é uma síndrome de números superlativos e desconfortáveis; A OMS (Organização Mundial de Saúde) aponta que mais de 10% de qualquer segmento populacional apresenta predisposição à dependência

Leia mais

AUTOR(ES): JESSICA LOPES DE SOUZA, BRUNA KASAKEVICIUS ARCARI, EDPAULA BATISTA DE SOUZA, GRAZIELE SILVA ALESSANDRO

AUTOR(ES): JESSICA LOPES DE SOUZA, BRUNA KASAKEVICIUS ARCARI, EDPAULA BATISTA DE SOUZA, GRAZIELE SILVA ALESSANDRO TÍTULO: AIDS E HIV: INORMAÇÃO, COMPREENSÃO E ATITUDE DOS IDOSOS. CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PSICOLOGIA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU AUTOR(ES): JESSICA LOPES

Leia mais

Juventude e Prevenção das DST/Aids

Juventude e Prevenção das DST/Aids 1 Juventude e Prevenção das DST/Aids Sandra Unbehaum 1, Sylvia Cavasin 2, Valéria Nanci Silva 3 A pesquisa Jovens do sexo masculino, Sexualidade, Saúde Reprodutiva: um estudo de caso na comunidade de Capuava

Leia mais

Fator emocional. Fertilidade Natural: Fator emocional CAPÍTULO 8

Fator emocional. Fertilidade Natural: Fator emocional CAPÍTULO 8 CAPÍTULO 8 Fator emocional O projeto comum de ter filhos, construir a própria família, constitui um momento existencial muito importante, tanto para o homem como para a mulher. A maternidade e a paternidade

Leia mais

O PERFIL DO PACIENTE CONTAMINADO PELO VÍRUS HIV/AIDS

O PERFIL DO PACIENTE CONTAMINADO PELO VÍRUS HIV/AIDS ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 O PERFIL DO PACIENTE CONTAMINADO PELO VÍRUS HIV/AIDS Cláudia Pelegrini Tozzo¹; Débora Bianca Santin

Leia mais

AS INTERFACES ENTRE A PSICOLOGIA E A DIVERSIDADE SEXUAL: UM DESAFIO ATUAL 1

AS INTERFACES ENTRE A PSICOLOGIA E A DIVERSIDADE SEXUAL: UM DESAFIO ATUAL 1 AS INTERFACES ENTRE A PSICOLOGIA E A DIVERSIDADE SEXUAL: UM DESAFIO ATUAL 1 CHRISTO, Aline Estivalet de 2 ; MOTTA, Roberta Fin 3 1 Trabalho de Pesquisa referente ao Projeto de Trabalho Final de Graduação

Leia mais

Tornar-se adolescente com HIV/aids: possibilidades e limitações

Tornar-se adolescente com HIV/aids: possibilidades e limitações Tornar-se adolescente com HIV/aids: possibilidades e limitações Being an adolescent with HIV/AIDS: possibilities and limitations Convertirse en adolescente con HIV/SIDA: posibilidades y limitaciones *

Leia mais

RELACIONAMENTO TERAPÊUTICO ENTRE ENFERMEIRO E PACIENTE TRANSPLANTADO CARDÍACO: FORÇA VITAL PARA A HUMANIZAÇÃO

RELACIONAMENTO TERAPÊUTICO ENTRE ENFERMEIRO E PACIENTE TRANSPLANTADO CARDÍACO: FORÇA VITAL PARA A HUMANIZAÇÃO RELACIONAMENTO TERAPÊUTICO ENTRE ENFERMEIRO E PACIENTE TRANSPLANTADO CARDÍACO: FORÇA VITAL PARA A HUMANIZAÇÃO O transplante cardíaco é uma forma de tratamento para os pacientes com insuficiência cardíaca

Leia mais

MARISLEI ESPÍNDULA BRASILEIRO

MARISLEI ESPÍNDULA BRASILEIRO REPRESENTAÇÕES DO SAGRADO RELACIONADAS À AIDS PARA MULHERES INFECTADAS PELO HIV MARISLEI ESPÍNDULA BRASILEIRO Na ausência de vacinas e de uma cura efetiva para a Aids e, apesar do número de pessoas com

Leia mais

Resolução adotada pela Assembleia Geral em 19 de dezembro de 2011. 66/121. Políticas e programas voltados à juventude

Resolução adotada pela Assembleia Geral em 19 de dezembro de 2011. 66/121. Políticas e programas voltados à juventude Organização das Nações Unidas A/RES/66/121 Assembleia Geral Distribuição: geral 2 de fevereiro de 2012 65 a sessão Item 27 (b) da pauta Resolução adotada pela Assembleia Geral em 19 de dezembro de 2011

Leia mais

PROJETO PLUGADOS NA PREVENÇÃO : UMA PESQUISA COM ADOLESCENTES DE PONTA GROSSA, RELACIONANDO AS TEMÁTICAS FAMÍLIA E SEXUALIDADE

PROJETO PLUGADOS NA PREVENÇÃO : UMA PESQUISA COM ADOLESCENTES DE PONTA GROSSA, RELACIONANDO AS TEMÁTICAS FAMÍLIA E SEXUALIDADE 110. ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA PROJETO PLUGADOS NA PREVENÇÃO : UMA PESQUISA COM ADOLESCENTES

Leia mais

ADOLESCÊNCIA, FAMÍLIA E PROTEÇÃO SOCIAL: INTERVENÇÕES DA PSICOLOGIA NO CONTEXTO FAMILIAR E EDUCACIONAL

ADOLESCÊNCIA, FAMÍLIA E PROTEÇÃO SOCIAL: INTERVENÇÕES DA PSICOLOGIA NO CONTEXTO FAMILIAR E EDUCACIONAL ADOLESCÊNCIA, FAMÍLIA E PROTEÇÃO SOCIAL: INTERVENÇÕES DA PSICOLOGIA NO CONTEXTO FAMILIAR E EDUCACIONAL CEZAR, Pâmela Kurtz; MELLO, Lauren Machado. Revisão Bibliográfica Curso de Pós Graduação: Especialização

Leia mais

ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM DÉFICITI COGNITIVO: RELATO DE EXPERIÊNCIA DO TRABALHO DOCENTE EM EDUCAÇÃO ESPECIAL

ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM DÉFICITI COGNITIVO: RELATO DE EXPERIÊNCIA DO TRABALHO DOCENTE EM EDUCAÇÃO ESPECIAL ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM DÉFICITI COGNITIVO: RELATO DE EXPERIÊNCIA DO TRABALHO DOCENTE EM EDUCAÇÃO ESPECIAL Resumo Cíntia Aline Schlindweis Iop 1 UFSM Denise Ferreira da Rosa 2 UFSM Martiéli de Souza

Leia mais

Serviço de Psicologia do Instituto de Neurologia e Cardiologia de Curitiba:

Serviço de Psicologia do Instituto de Neurologia e Cardiologia de Curitiba: Serviço de Psicologia do Instituto de Neurologia e Cardiologia de Curitiba: Tem por objetivo prestar atendimento aos pacientes internados ou de forma ambulatorial no Hospital, bem como aos seus familiares,

Leia mais

ADOÇÃO. Filhos sem Pais e Pais sem Filhos: ambos precisam ser acolhidos.

ADOÇÃO. Filhos sem Pais e Pais sem Filhos: ambos precisam ser acolhidos. ADOÇÃO Filhos sem Pais e Pais sem Filhos: ambos precisam ser acolhidos. Edna G. Levy Nos dias de hoje, a adoção é exercida com maior naturalidade do que em tempos passados, em que havia a pecha da vergonha

Leia mais

Programa Nacional de Humanização da Assistência Hospitalar - PNHAH

Programa Nacional de Humanização da Assistência Hospitalar - PNHAH Programa Nacional de Humanização da Assistência Hospitalar - PNHAH Relacionamento Inter-Pessoal na Prática Hospitalar End.: www.tenenbaum.com.br Fonte: Centro de Medicina Psicossomática e Psicologia Médica

Leia mais

O motivo que levou a desenvolver a investigação que ora apresentamos

O motivo que levou a desenvolver a investigação que ora apresentamos 1. Introdução O motivo que levou a desenvolver a investigação que ora apresentamos surgiu a partir da nossa vivência na área da saúde enquanto estagiário de Serviço Social durante a graduação 1. Nesse

Leia mais

BRINQUEDOTECA: UM RECURSO À SAÚDE EM MEIO À DOENÇA 1

BRINQUEDOTECA: UM RECURSO À SAÚDE EM MEIO À DOENÇA 1 BRINQUEDOTECA: UM RECURSO À SAÚDE EM MEIO À DOENÇA 1 SALVAGNI, Adelise 2 ; QUINTANA, Alberto Manuel 3 ; CAMARGO, Valéri Pereira 4 ; CAERAN, Juliane 2 ; JUNGES, Nilve 2 ; MARTINS, Bruna Maria Corazza 2

Leia mais

Acadêmica do curso de Psicologia da Faculdade Luciano Feijão (FLF). E-mail: gilsianemarques@gmail.com 2

Acadêmica do curso de Psicologia da Faculdade Luciano Feijão (FLF). E-mail: gilsianemarques@gmail.com 2 PSICOLOGIA E ABUSO SEXUAL INFANTIL: UMA DELICADA E INTRODUÇÃO ESSENCIAL INTERVENÇÃO GILSIANE MARIA VASCONCELOS MARQUES 1 MAYARA SOARES BRITO TELES 2 GEORGIA MARIA MELO FEIJÃO 3 Na atualidade o abuso sexual

Leia mais

Você, sua família e a doença crônica

Você, sua família e a doença crônica HEMORIO INSTITUTO ESTADUAL DE HEMATOLOGIA ARTHUR DE SIQUEIRA CAVALCANTI MANUAL DO PACIENTE - VOCÊ, SUA FAMÍLIA E A DOENÇA CRÔNICA - EDIÇÃO REVISADA 01/2006 Você, sua família e a doença crônica Estamos

Leia mais

Mitos e equívocos sobre sobreviventes de cancro infantil.

Mitos e equívocos sobre sobreviventes de cancro infantil. Mitos e equívocos sobre sobreviventes de cancro infantil. 1 MITO Crianças com cancro e sobreviventes de cancro infantil, representam um risco de saúde para a saúde das outras crianças / adolescentes. Eles

Leia mais

HIV / Aids Orientações para pacientes e familiares

HIV / Aids Orientações para pacientes e familiares HIV / Aids Orientações para pacientes e familiares Serviço de Enfermagem Cirúrgica Este manual contou com a colaboração de: professora enfermeira Isabel Cristina Echer; enfermeiras Beatriz Guaragna, Ana

Leia mais

Mestranda em História pela Universidade Federal de Uberlândia

Mestranda em História pela Universidade Federal de Uberlândia Diversidade, ensino de História e as práticas educativas na Educação Básica: uma abordagem histórica. ROSYANE DE OLIVEIRA ABREU A escola pública brasileira enfrenta hoje grandes desafios. A começar pela

Leia mais

E X P E D I E N T E. GIV Grupo de Incentivo à Vida Rua Capitão Cavalcanti, 145 Vila Mariana São Paulo Fone: 5084-0255 giv@giv.org.br www.giv.org.

E X P E D I E N T E. GIV Grupo de Incentivo à Vida Rua Capitão Cavalcanti, 145 Vila Mariana São Paulo Fone: 5084-0255 giv@giv.org.br www.giv.org. 1 2 E X P E D I E N T E GIV Grupo de Incentivo à Vida Rua Capitão Cavalcanti, 145 Vila Mariana São Paulo Fone: 5084-0255 giv@giv.org.br www.giv.org.br Diretoria: Gilvane Casimiro Edson Arata Luiz Donizete

Leia mais