Factos e Números sobre o VIH-SIDA. Associação Europeia de Fabricantes de Meios de Diagnóstico. Meios de Diagnóstico in Vitro

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Factos e Números sobre o VIH-SIDA. Associação Europeia de Fabricantes de Meios de Diagnóstico. Meios de Diagnóstico in Vitro"

Transcrição

1 Factos e Números sobre o VIH-SIDA Associação Europeia de Fabricantes de Meios de Diagnóstico Meios de Diagnóstico in Vitro Fazer verdadeiramente a diferença na saúde e na qualidade de vida Novembro de 2007

2 Factos sobre o VIH I. Actualização sobre a epidemia de SIDA Actualização sobre a Epidemia de SIDA da UNAIDS, Novembro de pessoas a viver com VIH na Europa Ocidental e Central em novas infecções com VIH em 2007 na Europa Ocidental e Central mortes de adultos e crianças devido a doenças relacionadas com a SIDA durante As infecções com VIH contraídas por via heterossexual, a maioria das quais se verificou entre imigrantes e migrantes, foram responsáveis pela maior fatia (42%) de diagnósticos novos de VIH na Europa Ocidental em Um pouco menos de um terço (29%) dos diagnósticos novos de infecção com VIH foram atribuíveis a relações sexuais não protegidas entre homens e só 6% ao uso de drogas injectáveis. 2 - Cerca de três quartos das infecções com VIH contraídas por via heterossexual verificaram-se entre imigrantes e migrantes, reforçando a necessidade de adaptar os serviços de prevenção, tratamento e cuidados de forma que possam chegar a estas populações. - As epidemias de VIH em Espanha, na Itália, em França e no Reino Unido continuam a ser as maiores da Europa Ocidental e Central. - Na Europa Ocidental (com exclusão do Reino Unido), o número de novos casos de VIH comunicado anualmente quase triplicou entre 1999 e 2005, de para , embora tenha registado uma queda significativa em 2006, para um valor de casos. O maior número de diagnósticos foi comunicado em França (em que foram diagnosticadas novas infecções com VIH em 2006), na Alemanha (2.718) e em Portugal (2.162). 2 - O número anual de diagnósticos novos de infecção com VIH mais do que duplicou no Reino Unido, de em 2001 para em Este aumento reportado deve-se principalmente aos níveis sustentados de novas infecções entre homens homossexuais, a um aumento dos diagnósticos entre homens e mulheres heterossexuais que foram infectados durante visitas a países com uma prevalência elevada da doença (principalmente na África sub Sahariana e nas Caraíbas) e a uma melhoria das comunicações devido ao alargamento dos serviços de análises de VIH. 2 - No Reino Unido, cerca de um terço das pessoas com VIH não sabem que estão infectadas 3. Em consequência, não recebem o tratamento e os cuidados de que necessitariam e estão em risco de transmitir o vírus a outras pessoas. Num

3 inquérito de 2005, só 79% dos inquiridos a nível nacional (e só 70% em Londres, a área com a maior prevalência de VIH do país) sabiam que o VIH pode ser transmitido através de relações sexuais não protegidas, comparado com 91% em 2000.

4 Vigilância do VIH/SIDA na Europa 4 - O número total (7,76 milhões na União Europeia / 32,48 milhões no total da região europeia da OMS) das análises de VIH feitas anualmente para efeitos de diagnóstico (ou seja, com exclusão das análises anónimas não individualizadas e análises a sangue de doadores) dá uma medida grosseira das análises de VIH, mas não fornece informações sobre as pessoas analisadas, nem sobre em que medida é que as análises estão direccionadas para as populações de risco elevado. - Os dados sobre análises de VIH são derivados de diferentes fontes em diferentes países e podem não ser exaustivos em todos os países, podendo assim nem sempre serem comparáveis. Em contraste com o que se verifica na Europa de Leste e na Europa Central, muitos países da Europa Ocidental não recolhem sistematicamente estes dados e, em alguns casos, só existem estimativas. - A face em mudança da epidemia de VIH na Europa Ocidental: Quais são as implicações para as políticas de saúde pública? 5 - Os estudos de incidência baseados em ensaios que podem identificar infecções recentes devem ser promovidos na Europa e, sempre que possível, integrados nos sistemas de vigilância. À medida os tratamentos se alargam, a transmissão de estirpes de VIH resistentes a medicamentos anti-retrovirais pode aumentar. - Mais do que nunca, numa era de tratamento anti-retroviral altamente eficiente, o diagnóstico e o tratamento precoce dos indivíduos infectados é essencial para prevenir, tratar e controlar o VIH. Uma grande parte das pessoas infectadas com VIH continua a desconhecer a sua infecção 31% é o número estimado para o Reino Unido. Estas pessoas não vão beneficiar de um tratamento eficaz e podem continuar a transmitir o VIH a outras pessoas, sem o saber. Além disso, as pessoas infectadas recentemente têm elevadas cargas virais, o que aumenta o risco de transmissão.

5 Análises clínicas relacionadas DESCRIÇÃO DAS ANÁLISES CLÍNICAS UTILIZADAS PARA DIAGNOSTICAR 6, 7, 8 E MONITORIZAR OS DOENTES COM VIH Diagnóstico Análise utilizada Fim Cronograma de análises Marcadores serológicos: Imunoensaios enzimáticos (IEE), ensaios de imunofluorescência, aglutinação de partículas, análises rápidas e análises de confirmação (por exemplo Western Blot) Análise do ADN Proviral do VIH Análise de resistência do genótipo Detecção, diagnóstico e confirmação dum doente infectado com VIH Diagnóstico de bebés (<18 meses) Diagnóstico precoce de crianças nascidas de mães seropositivas Decisão sobre tratamento e amamentação ver prescrição Diagnóstico aos 28 dias de vida Persistência dos anticorpos de VIH maternos durante 12 a 18 meses Monitorização dos doentes com VIH (prognóstico equilibrado) 9 e em tratatamento Análise utilizada Fim Cronograma de análises Carga viral de VIH Contagem de células CD4 Serológicas Monitorizar os doentes com VIH em tratamento: gestão do aderência ao tratamento e da resistência Monitorizar os doentes com VIH em tratamento: gestão do aderência ao tratamento e da resistência Monitorizar os doentes com VIH em tratamento: gestão do aderência ao tratamento e da resistência Novo caso: controlar a carga viral Doentes não tratados: 2 a 4 vezes por ano Doentes tratados: 4 vezes por ano Novo caso Doentes não tratados: 2 a 4 vezes por ano Doentes tratados: 4 vezes por ano (*) Nos EUA, o cronograma de análises virológicas é diferente, recomendando que a contagem de células CD4+ T seja medida no momento do diagnóstico e de 3 em 3 ou de 4 em 4 meses seguidamente para doentes não tratados 10. Novos casos e doentes tratados e não tratados: anualmente

6 DESCRIÇÃO DAS ANÁLISES CLÍNICAS UTILIZADAS PARA MINIMIZAR O VIH TRANSMITIDO ATRAVÉS DE TRANSFUSÕES SANGUÍNEAS Segurança das transfusões sanguíneas Análise utilizada Fim Cronograma de análises Marcadores serológicos: IEE de VIH 1 / VIH 2 Marcadores moleculares: Análise do ácido nucleico para detectar VIH, VHC e VHB Segurança das transfusões sanguíneas através da redução do tempo de janela Segurança acrescida das transfusões sanguíneas Detecção de casos de janela de VIH antes da seroconversão Todo o sangue doado Todo o sangue doado

7 Utilidade dos meios de diagnóstico in vitro: os meios de diagnóstico são indispensáveis II. Utilidade dos meios de diagnóstico in vitro: os meios de diagnóstico são indispensáveis Recomendações revistas para análises de VIH em adultos, adolescentes e grávidas em ambiente de prestação de cuidados de saúde 11 - Os objectivos destas recomendações são aumentar a despistagem do VIH entre os doentes, incluindo as grávidas, em ambiente de prestação de cuidados de saúde; promover a detecção precoce de infecções com VIH; identificar e aconselhar as pessoas com uma infecção com VIH não reconhecida - Fundamentação dos testes de rotina de despistagem do VIH Estas recomendações do CDC 1 revistas advogam análises voluntárias de rotina de despistagem do VIH como parte integrante da prática clínica corrente, semelhante à despistagem doutras doenças tratáveis. A despistagem é uma ferramenta básica de saúde pública usada para identificar doenças não reconhecidas, de forma a que possa ser facultado um tratamento antes dos sintomas se desenvolverem e, para as doenças contagiosas, para que possam ser postas em prática medidas para reduzir a probabilidade de continuação da transmissão - A infecção com VIH preenche todos os critérios geralmente aceites para justificar a despistagem: 1. A infecção com VIH é uma doença grave que pode ser diagnosticada antes dos sintomas se desenvolverem. 2. O VIH pode ser detectado através de análises fiáveis, baratas e não invasivas; na Europa, o preço das análises ao VIH varia entre 0,9 e 1,5 euros por análise em média, dependendo das quantidades, dos reagentes, dos contratos, etc. 3. Os doentes infectados podem ganhar anos de vida se o tratamento tiver início num estádio precoce, antes dos sintomas se desenvolverem. 4. Os custos da despistagem são razoáveis face aos benefícios previstos. Nas mulheres grávidas, a despistagem provou ser muito mais eficaz que 1 N. da T.:?

8 as análises baseadas no risco para detectar infecções maternas não suspeitadas e prevenir a transmissão pré-natal. Estudos recentes demonstraram que a despistagem voluntária do VIH é eficiente em termos de custos, mesmo em ambiente de prestação de cuidados de saúde, em que a prevalência do VIH é baixa 12, 13, 14. Nas populações em que a prevalência de infecções com VIH não diagnosticada é >0,1%, a despistagem do VIH é tão eficiente em termos de custos como outros programas de despistagem estabelecidos para doenças crónicas (por exemplo, hipertensão, cancro do cólon e cancro da mama) 13, 14. Devido à substancial vantagem de sobrevivência resultante do diagnóstico precoce da infecção com VIH, em que a terapia pode ser iniciada antes de se verificar um compromisso imunológico grave, a despistagem atinge patamares convencionais em termos de eficiência dos custos, mesmo ainda antes de incluir o importante benefício para a saúde pública decorrente da redução da transmissão entre parceiros sexuais. Dado que a carga viral é o principal factor de previsão biológico da transmissão do VIH 15, uma redução da carga viral através do início atempado da terapia anti-retroviral altamente activa (TARAA) pode reduzir a transmissão, mesmo nos doentes infectados com VIH que não alteram o seu comportamento de risco 14. A transmissão estimada é 3,5 vezes mais elevada entre as pessoas que não sabem que estão infectadas e contribui desproporcionadamente para o número de novas infecções com VIH todos os anos nos Estados Unidos 16. Em teoria, as novas infecções com VIH por via sexual poderiam ser reduzidas >30% ao ano, se todas as pessoas infectadas pudessem saber qual é a sua situação em termos de VIH e adoptassem alterações de comportamento semelhantes às adoptadas pelas pessoas que sabem estar infectadas 16.

9 Directrizes para uso de agentes retro-virais em adultos e adolescentes infectados com VIH 17 QUANDO TRATAR: indicações para terapia anti-retroviral Recomendações do Painel (Quadro 5): A terapia anti-retroviral é recomendada para todos os doentes com um historial de doença característica da SIDA ou sintomas graves de infecção com VIH, independentemente da contagem das células CD4 + T (AI). A terapia anti-retroviral também é recomendada para doentes assintomáticos com uma contagem de células CD4 + T/mm 3 <200 (AI). Deve ser proposto tratamento aos doentes assintomáticos com uma contagem de células CD4 + T/ mm 3 entre 201 e 350 (BII). Para doentes assintomáticos com uma contagem de células CD4 + T/ mm 3 >350 e contagens de VIH ARN > cópias/ml, os clínicos mais experientes diferem a terapia, mas alguns clínicos podem ponderar iniciar o tratamento (CII). A terapia deve ser diferida para doentes com contagens de células CD4 + T/ mm 3 >350/ mm 3 e VIH ARN < cópias/ml (DII). Meios de Diagnóstico in vitro

10 UTILIZAÇÃO DE ANÁLISES DE RESISTÊNCIA AOS MEDICAMENTOS NA PRÁTICA CLÍNICA Meios de Diagnóstico in vitro Recomendações do Painel: As análises de resistência do VIH aos medicamentos são recomendadas para pessoas com infecção aguda com VIH, se for tomada uma decisão de iniciar a terapia nessa altura (BIII). Mesmo se a terapia for diferida, deve ser ponderado fazer análises de resistência nesta altura (CIII). As análises de resistência aos medicamentos também são recomendadas para pessoas com infecções crónicas com VIH antes de iniciar a terapia (BIII). Pode ser ponderado fazer análises em momento anterior (CIII). Um ensaio do genótipo é normalmente preferível para as pessoas que nunca tomaram anti-retrovirais (BIII). Devem ser feitas análises de resistência do VIH aos medicamentos para ajudar a escolher os medicamentos activos, quando se muda de regime anti-retroviral em casos de falência virológica (BII). Também deve ser ponderado fazer análises de resistência aos medicamentos quando se está a gerir uma redução da carga viral sub-óptima (BIII). Devem ser feitas análises de resistência aos medicamentos num contexto de falência virológica enquanto o doente está a tomar os seus medicamentos anti-retrovirais ou imediatamente a seguir (ou seja, num prazo de 4 semanas) a seguir a interromper a terapia (BII). As análises de resistência aos medicamentos não são aconselhadas para pessoas com cargas virais <1.000 cópia/ml porque a amplificação do vírus não é fiável (DIII).

11 GESTÃO DO DOENTE EXPERIENTE NO TRATAMENTO Recomendações do Painel A falência virológica no tratamento pode ser definida como um nível confirmado de VIH ARN >400 cópias/ml depois de 24 semanas; >50 cópias/ml depois de 48 semanas ou um nível repetido de VIH ARN >400 cópias/ml depois da supressão anterior da virémia para <400 cópias/ml. A avaliação da falência do tratamento anti-retroviral deve incluir uma avaliação da gravidade da infecção com VIH no doente, do historial do tratamento antiretroviral, incluindo a duração, os medicamentos usados, a potência anti-retroviral, o historial de aderência ao tratamento e a intolerância aos medicamentos ou a sua toxicidade, bem como os resultados de análises anteriores de resistência aos medicamentos. Devem ser feitas análises de resistência aos medicamentos enquanto o doente está a seguir o regime anti-retroviral ineficaz (ou nas 4 semanas seguintes à interrupção do tratamento). Na gestão da falência virológica, o prestador de cuidados de saúde deve distinguir entre a exposição e a resistência limitadas, intermédias e alargadas a tratamentos anteriores. O objectivo do tratamento para doentes com exposição anterior a medicamentos e resistência a medicamentos é repor a supressão virológica máxima. Para alguns doentes com exposição anterior e alargada a medicamentos e resistência aos medicamentos, em que a supressão viral é difícil ou impossível com os medicamentos existentes actualmente, o objectivo do tratamento é a preservação da função imune e a prevenção da progressão clínica. A avaliação e gestão de um doente com uma experiência alargada anterior com anti-retrovirais e resistência a medicamentos em que se verifica uma ineficácia do tratamento são tarefas complexas e o aconselhamento por especialistas é crítico. Meios de Diagnóstico in vitro

12 4, 5, 10 Disponibilidade de análises clínicas Na União Europeia, estima-se que a proporção de infecções com VIH não diagnosticadas pode atingir os 30%. Um grande número de pessoas continua sem saber que está infectado e, em consequência, não pode beneficiar de tratamento anti-retroviral, nem reduzir o risco de transmitir a infecção a outras pessoas. Entre pessoas a quem foi diagnosticada SIDA na Europa Ocidental em 2002, 55% só descobriram que eram seropositivas 6 meses ou menos antes de desenvolverem SIDA, não tendo portanto podido beneficiar de cuidados clínicos para reduzir a morbilidade e a mortalidade, nem adoptar comportamentos para reduzir a transmissão do VIH. É muito importante permitir identificar a infecção com VIH antes que os sintomas se desenvolvam e aplicar medidas para reduzir a probabilidade de continuação da transmissão. O acesso ao sistema de prestação de cuidados de saúde é universal na Europa Ocidental e a maior parte das pessoas que sabem que são seropositivas podem teoricamente ter acesso a tratamento gratuito, embora o acesso a tratamento possa diferir de acordo com as características demográficas e sociais. A estratégia de prevenção baseada em análises universais do VIH foi muitíssimo eficaz. Por exemplo, a despistagem sistemática do sangue doado desde 1985 reduziu drasticamente o risco de transmissão do VIH através de transfusões sanguíneas. Para além disso, a incidência de VIH/SIDA pediátrica caiu de forma significativa com a introdução da recomendação específica da análise do VIH nas mulheres grávidas. A modalidade de análises de VIH relacionadas com a gravidez pode variar de país para país, mas o resultado foi uma redução do número de recém-nascidos infectados com VIH. Da mesma forma, as análises direccionadas a subpopulações específicas (tais como os utilizadores de drogas injectáveis) relativamente ao risco de desenvolver VIH reduziu o número de novos casos de VIH entre 1997 e Estes sucessos contrastam com a relativa falta de progressos na prevenção da transmissão sexual do VIH através de relações heterossexuais, em grande medida devido a um aumento do número de casos diagnosticados em pessoas oriundas de países com epidemias generalizadas de VIH. Os programas de prevenção e análise têm de ser adaptados para chegar a estas populações. O Centro para o Controlo de Prevenção de Doenças dos EUA (Centre for Disease Control and Prevention - CDC) (Atlanta, GA) emitiu recentemente uma recomendação formal no sentido de que virtualmente todas as pessoas entre os 13 e os 64 anos deveriam fazer análises de VIH como parte dos check-ups regulares, à imagem do que sucede para as análises do nível de glicose no sangue e do colesterol.

13 Em 2003, o CDC introduziu a Iniciativa Promover a prevenção do VIH: novas estratégias para uma epidemia em mutação. As duas principais estratégias desta iniciativa são: 1. fazer com que as análises de VIH se tornem parte dos cuidados médicos de rotina, na mesma base voluntária que outras análises de diagnóstico e despistagem; e 2. reduzir ainda mais a transmissão perinatal do VIH através de análises a todas as mulheres grávidas em termos universais. Estas recomendações revistas da CDC advogam uma despistagem voluntária e de rotina do VIH como parte integrante da prática clínica normal, similar ao que sucede na despistagem doutras doenças tratáveis. Em todos os ambientes de prestação de cuidados de saúde, a despistagem da infecção com VIH deve ser executada rotineiramente em todos os doentes que tenham entre 13 e 64 anos, excepto se a prevalência de infecções com VIH não diagnosticadas nestes doentes tiver sido documentada como situando-se a níveis inferiores a 0,1%. 11 A despistagem é uma ferramenta básica de saúde pública usada par identificar doenças não reconhecidas, de forma que se possa facultar tratamento antes que os sintomas se desenvolvam e possam ser aplicadas medidas para reduzir a continuação da transmissão. Os aspectos destas recomendações que diferem das recomendações anteriores para adultos e adolescentes são os seguintes: A despistagem depois de comunicar ao doente que será feita uma análise do VIH, excepto se o doente recusar (opção de não fazer a despistagem), é recomendada para todos os ambientes de prestação de cuidados de saúde. Não deve ser necessário dar o consentimento específico por escrito para fazer análises de VIH. O consentimento geral informado para prestação de cuidados de saúde deverá ser considerado suficiente para cobrir o consentimento informado para fazer análises de VIH. As pessoas com um risco elevado de contrair o VIH devem fazer análises pelo menos uma vez por ano. Os resultados das análises de VIH devem ser fornecidos da mesma forma que os resultados de outras análises de diagnóstico ou despistagem. Um aconselhamento em termos de prevenção não deve ser exigido como parte dos programas de despistagem do VIH em ambientes de prestação de cuidados de saúde. O aconselhamento em termos de prevenção é fortemente recomendado para pessoas com risco elevado de contrair o VIH, em ambientes em que tais comportamentos de risco são avaliados de forma rotineira (por exemplo, clínicas dedicadas a DSTs), mas não deve ter de ser associado a análises de VIH. As análises de diagnóstico ou despistagem para detectar precocemente a infecção com VIH devem ser consideradas uma questão separada do aconselhamento sobre VIH e as análises devem ser realizadas primariamente como um acto de prevenção para pessoas não infectadas com risco elevado. Estas directrizes também reiteram a recomendação de despistagem universal do VIH num estádio inicial da gravidez, mas aconselham uma simplificação do processo de despistagem para maximizar as oportunidades das mulheres conhecerem a sua situação

14 em termos de VIH durante a gravidez, preservando a sua opção de se recusarem a fazer esta análise. Com base nas observações anteriores, pode ser possível identificar os principais objectivos duma estratégia para potenciar a detecção (precoce) de pessoas infectadas com VIH na Europa: Reiterar a recomendação de análises direccionadas com base em comportamentos de risco, cuidados anteriores à gravidez e utilizadores de drogas injectáveis. Melhorar o acesso a análises de rotina do VIH para migrantes de países com epidemias generalizadas de VIH, dado que foi demonstrado que a maior parte destas infecções com VIH foram contraídas no seu país de origem e só foram diagnosticadas com a manifestação de sintomas ou durante a gravidez. Identificar e introduzir análises de rotina direccionadas a novos subgrupos de indivíduos de alto risco, tais como jovens com múltiplos parceiros sexuais ou pessoas com outras doenças infecto-contagiosas, tais como DSTs, tuberculose e hepatite C. Valor acrescentado para os doentes: A identificação precoce através de despistagem prolongaria por um ano e meio a vida duma pessoa infectada com VIH." 18

15 Referências 1. UNAIDS: AIDS Epidemic Update, Novembro de EuroHIV: HIV / AIDS Surveillance in Europe, British Medical Association, EuroHIV: HIV / AIDS Surveillance in Europe, December The changing face of the HIV epidemic in Western Europe: what are the implications for public health policies? Lancet 2004;364: EUROGUIDELINES (European Guidelines for Clinical Management and Treatment of HIV Infected Adults in Europe 2001); European AIDS Clinical Society (EACS); N.Clumeck 7. Recomendação do Conselho sobre a adequação dos doares de sangue e plasma e a despistagem do sangue doado na Comunidade Europeia (98/463/EC); Jornal Oficial L 203, 21/07/1998, pp Directiva 2002/98/CE do Parlamento Europeu e do Conselho que estabelece normas de qualidade e segurança em relação à colheita, análise, processamento, armazenamento e distribuição de sangue humano e de componentes sanguíneos e que altera a Directiva 2001/83/CE; Jornal Oficial L 33, 8/2/2003, pp Mellors JW, Muñoz A, Giorgi JV, et al., Plasma viral load and CD4+ lymphocytes as prognostic markers of HIV-1 infection. Ann Intern Med 1997;126: MMWR 17 de Maio de 2002, Vol. 51 nº RR CDC: Revised Recommendations for HIV Testing of Adults, Adolescents, and Pregnant Women in Health-Care Settings, MMWR 22 de Setembro de 2006 / 55(RR14); Walensky RP, Weinstein MC, Kimmel AD, et al., Routine human immunodeficiency virus testing: an economic evaluation of current guidelines. Am J Med 2005; 118: Paltiel AD, Weinstein MC, Kimmel AD, et al. Expanded screening for VIH in the United States - an analysis of cost-effectiveness. N Engl J Med 2005; 352: Sanders GD, Bayoumi AM, Sundaram V, et al., Cost-effectiveness of screening for HIV in the era of highly active antiretroviral therapy. N Engl J Med 2005; 352: Walensky RP, Weinstein MC, Smith HE, Freedberg KA, Paltiel AD, Optimal allocation of testing dollars: the example of HIV counseling, testing, and referral. Med Decis Making 2005; 25: Quinn TC, Wawer MJ, Sewankambo N, et al., Viral load and heterosexual transmission of human immunodeficiency virus type 1. Grupo de Estudo do Projecto Rakai. N Engl J Med 2000; 342: Marks G, Crepaz N, Janssen RS, Estimating sexual transmission of HIV from persons aware and unaware that they are infected with the virus in the USA. AIDS 2006; 20: Guidelines for the Use of Antiretroviral Agents in HIV-1-Infected Adults and Adolescents. 10 de Outubro de Desenvolvidas pelo Painel DHHS, um Grupo de Trabalho do Office of AIDS Research Advisory Council (OARAC).

HEPATITE C PCR Qualitativo, Quantitativo e Genotipagem

HEPATITE C PCR Qualitativo, Quantitativo e Genotipagem HEPATITE C PCR Qualitativo, Quantitativo e Genotipagem O Vírus da Hepatite C (HCV) é considerado o principal agente etiológico responsável por 90 a 95% dos casos de hepatite pós-transfusional não A e não

Leia mais

DECLARAÇÃO DE CONSENSO

DECLARAÇÃO DE CONSENSO Consulta Técnica sobre HIV e Alimentação Infantil realizada em nome da IATT Equipe de Trabalho Inter Agencias sobre a Prevenção de infecções pelo HIV em mulheres grávidas, mães e seus bebes Genebra, 25

Leia mais

IMS VIH/SIDA Overview 2011 PORTUGAL 2011

IMS VIH/SIDA Overview 2011 PORTUGAL 2011 IMS VIH/SIDA Overview 2011 PORTUGAL 2011 SOBRE A IMS HEALTH Operando em mais de 100 países, a IMS Health é fornecedora e líder mundial de soluções aplicadas às indústrias farmacêuticas e de saúde. Com

Leia mais

Resumo do Protocolo Partner

Resumo do Protocolo Partner Resumo do Protocolo Partner Estudo em casais serodiscordantes em relação ao VIH para estimativa da taxa de transmissão de VIH e investigação de factores associados à utilização de preservativo. Partners

Leia mais

Seleção de Temas. Questionário - Proficiência Clínica. Área: Imunologia Rodada: Julho/2008. Prezado Participante,

Seleção de Temas. Questionário - Proficiência Clínica. Área: Imunologia Rodada: Julho/2008. Prezado Participante, Seleção de Temas Prezado Participante, Gostaríamos de contar com a sua contribuição para a elaboração dos próximos materiais educativos. Cada questionário desenvolve um assunto (temas) específico dentro

Leia mais

Estudo PARTNER. Foi convidado a participar neste estudo porque é um parceiro VIH positivo numa relação com um homem.

Estudo PARTNER. Foi convidado a participar neste estudo porque é um parceiro VIH positivo numa relação com um homem. Informação ao participante e consentimento informado para o parceiro VIH positivo Estudo PARTNER O estudo PARTNER é um estudo levado a cabo com casais em que: (i) um parceiro é VIH positivo e o outro é

Leia mais

HIV no período neonatal prevenção e conduta

HIV no período neonatal prevenção e conduta HIV no período neonatal prevenção e conduta O HIV, agente causador da AIDS, ataca as células do sistema imune, especialmente as marcadas com receptor de superfície CD4 resultando na redução do número e

Leia mais

VIH (HIV) Vírus da Imunodeficiência Humana. Síndrome da ImunoDeficiência Adquirida Portador assintomático Infectado, mas sem doença

VIH (HIV) Vírus da Imunodeficiência Humana. Síndrome da ImunoDeficiência Adquirida Portador assintomático Infectado, mas sem doença A infecção pelo HIV e Desporto Basil Ribeiro, médico Especialista e Mestre em Medicina Desportiva VIH (HIV) Definições prévias Vírus da Imunodeficiência Humana SIDA Síndrome da ImunoDeficiência Adquirida

Leia mais

Combater. A SIDA, a Malária e outras doenças TU MERECES! HIV/SIDA. Estes são os sintomas mais dolorosos do vírus da SIDA!

Combater. A SIDA, a Malária e outras doenças TU MERECES! HIV/SIDA. Estes são os sintomas mais dolorosos do vírus da SIDA! Combater A SIDA, a Malária e outras doenças Estes são os sintomas mais dolorosos do vírus da SIDA! Confiei em ti! Metesme nojo! Não estou autorizado a falar contigo. Trouxeste vergonha à tua família! Como

Leia mais

Valor do sector do Diagnóstico in vitro, em Portugal. Principais conclusões APIFARMA CEMD. Outubro 2014

Valor do sector do Diagnóstico in vitro, em Portugal. Principais conclusões APIFARMA CEMD. Outubro 2014 Valor do sector do Diagnóstico in vitro, em Portugal Principais conclusões APIFARMA CEMD Outubro 2014 1 APIFARMA Valor do Sector do Diagnóstico in Vitro, em Portugal Agenda I Objectivos e metodologia II

Leia mais

HIV em. Especiais: O idoso. Keli Cardoso de Melo Outubro/2005

HIV em. Especiais: O idoso. Keli Cardoso de Melo Outubro/2005 HIV em Populações Especiais: O idoso Keli Cardoso de Melo Outubro/2005 HIV/AIDS x Idosos! 40 milhões de pessoas com HIV/AIDS! 10% dos casos de AIDS > 50 anos! ¼ em indivíduos > 60 anos! Mulheres " incidência

Leia mais

UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ LUIZ SASSO FILHO PERFIL DOS PORTADORES DO VÍRUS HIV ATENDIDOS NO HOSPITAL DIA AIDS EM BRASÍLIA D.F.

UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ LUIZ SASSO FILHO PERFIL DOS PORTADORES DO VÍRUS HIV ATENDIDOS NO HOSPITAL DIA AIDS EM BRASÍLIA D.F. UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ LUIZ SASSO FILHO PERFIL DOS PORTADORES DO VÍRUS HIV ATENDIDOS NO HOSPITAL DIA AIDS EM BRASÍLIA D.F. BRASÍLIA DF 2009 PERFIL DOS PORTADORES DO VÍRUS HIV ATENDIDOS NO HOSPITAL

Leia mais

A i d s n a I n f â n c i a. Prof. Orlando A. Pereira FCM - UNIFENAS

A i d s n a I n f â n c i a. Prof. Orlando A. Pereira FCM - UNIFENAS A i d s n a I n f â n c i a Prof. Orlando A. Pereira FCM - UNIFENAS HISTÓRICO 1978- Em Nova York e San Francisco uma doença misteriosa e mortífera ataca homossexuais. 1981- A doença misteriosa ganha o

Leia mais

Estudo PARTNER. Foi convidado a participar neste estudo porque tem uma relação em que é o parceiro VIH positivo.

Estudo PARTNER. Foi convidado a participar neste estudo porque tem uma relação em que é o parceiro VIH positivo. Informação ao participante e consentimento informado para o parceiro VIH positivo Estudo PARTNER O estudo PARTNER é um estudo levado a cabo com casais em que: (i) um parceiro é VIH positivo e o outro é

Leia mais

HIV/AIDS Pediatria Sessão Clínica do Internato Revisão Teórica. Orientadora: Dra Lícia Moreira Acadêmico: Pedro Castro (6 Ano)

HIV/AIDS Pediatria Sessão Clínica do Internato Revisão Teórica. Orientadora: Dra Lícia Moreira Acadêmico: Pedro Castro (6 Ano) HIV/AIDS Pediatria Sessão Clínica do Internato Revisão Teórica Orientadora: Dra Lícia Moreira Acadêmico: Pedro Castro (6 Ano) AIDS Conceito Doença que manifesta-se por infecções comuns de repetição, infecções

Leia mais

39º Congresso Brasileiro de Patologia Clínica / Medicina Laboratorial. Flávia J. Almeida

39º Congresso Brasileiro de Patologia Clínica / Medicina Laboratorial. Flávia J. Almeida 39º Congresso Brasileiro de Patologia Clínica / Medicina Laboratorial orial 39º Congresso Brasileiro de Patologia Clínica / Medicina Laboratorial orial HIV HIV no no Recém-Nascido Recém-Nascido Flávia

Leia mais

HIV, SIDA E EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE ESCOLA SECUNDÁRIA DE VILELA - PAREDES PROGRAMA DE EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE DEZEMBRO 2009

HIV, SIDA E EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE ESCOLA SECUNDÁRIA DE VILELA - PAREDES PROGRAMA DE EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE DEZEMBRO 2009 HIV, SIDA E EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE ESCOLA SECUNDÁRIA DE VILELA - PAREDES PROGRAMA DE EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE DEZEMBRO 2009 Figuras históricas e o HIV/sida A sida no cinema A sida na arte contemporânea A sida

Leia mais

DIA DA LUTA CONTRA A SIDA 01 DE DEZEMBRO

DIA DA LUTA CONTRA A SIDA 01 DE DEZEMBRO DIA DA LUTA CONTRA A SIDA 01 DE DEZEMBRO Presentemente, a infeçãovih/sida não tem cura e a prevenção é a única medida eficaz. A infeçãovih/sida tem uma história relativamente recente, mas já dramática

Leia mais

Reforçar os Programas VIH/SIDA para Mulheres e Raparigas Combatendo as Desigualdades entre os Sexos

Reforçar os Programas VIH/SIDA para Mulheres e Raparigas Combatendo as Desigualdades entre os Sexos Orientação Técnica para a Série 8 Informação Técnica Essencial para Formulação de Propostas Reforçar os Programas VIH/SIDA para Mulheres e Raparigas Combatendo as Desigualdades entre os Sexos Historial:

Leia mais

Conhecendo o vírus v. Vírus da Imunodeficiência Humana VIH

Conhecendo o vírus v. Vírus da Imunodeficiência Humana VIH Conhecendo o vírus v da Sida Vírus da Imunodeficiência Humana VIH Conhecendo o Vírus da Sida O vírus entra na corrente sanguínea; Determina a posição exacta e reconhece os linfócitos T helper, fixando-se

Leia mais

A hepatite aguda causa menos danos ao fígado que a hepatite crônica.

A hepatite aguda causa menos danos ao fígado que a hepatite crônica. Hepatites Virais O FÍGADO E SUAS FUNÇÕES. O fígado é o maior órgão do corpo humano, está localizado no lado superior direito do abdômen, protegido pelas costelas (gradio costal). É responsável por aproximadamente

Leia mais

GESTANTE HIV* ACOMPANHAMENTO PRÉ-NATAL. Profª.Marília da Glória Martins Recomendações do Ministério da Saúde

GESTANTE HIV* ACOMPANHAMENTO PRÉ-NATAL. Profª.Marília da Glória Martins Recomendações do Ministério da Saúde GESTANTE HIV* ACOMPANHAMENTO PRÉ-NATAL Profª.Marília da Glória Martins Recomendações do Ministério da Saúde Abordagem inicial a Os serviços que hoje são considerados porta de entrada para o diagnóstico

Leia mais

FACULDADE CATÓLICA SALESIANA GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM DISCIPLINA DE DOENÇAS INFECTO-PARASITÁRIAS HIV/AIDS

FACULDADE CATÓLICA SALESIANA GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM DISCIPLINA DE DOENÇAS INFECTO-PARASITÁRIAS HIV/AIDS FACULDADE CATÓLICA SALESIANA GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM DISCIPLINA DE DOENÇAS INFECTO-PARASITÁRIAS HIV/AIDS Descrição Doença que representa um dos maiores problemas de saúde da atualidade, em função de seu

Leia mais

QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO INICIAL - HOMEM VIH POSITIVO

QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO INICIAL - HOMEM VIH POSITIVO INSTRUÇÕES PARA A EQUIPA DO ESTUDO: Após inscrição no estudo, os participantes devem preencher este questionário de avaliação inicial. Certifique-se de que é distribuído o questionário adequado. Após o

Leia mais

Atraso na introdução da terapia anti-retroviral em pacientes infectados pelo HIV. Brasil, 2003-2006

Atraso na introdução da terapia anti-retroviral em pacientes infectados pelo HIV. Brasil, 2003-2006 Atraso na introdução da terapia anti-retroviral em pacientes infectados pelo HIV. Brasil, 2003-2006 Paulo Roberto Borges de Souza-Jr Célia Landmann Szwarcwald Euclides Ayres de Castilho A Terapia ARV no

Leia mais

OraQuick ADVANCE HIV-1/2 Teste Rápido para a Detecção de Anticorpos HIV-1/2. Plasma. Amostras HIV-1. Amostras HIV-1. Amostras

OraQuick ADVANCE HIV-1/2 Teste Rápido para a Detecção de Anticorpos HIV-1/2. Plasma. Amostras HIV-1. Amostras HIV-1. Amostras Dispositivo Médico para Diagnóstico In vitro Nome Mandatário Fabricante Distribuidor Tipo de Teste Teste rápido. OraQuick ADVANCE /2 Teste Rápido para a Detecção de Anticorpos /2 Aplicação Diagnóstica

Leia mais

VAMOS FALAR SOBRE. AIDS + DSTs

VAMOS FALAR SOBRE. AIDS + DSTs VAMOS FALAR SOBRE AIDS + DSTs AIDS A AIDS (Síndrome da Imunodeficiência Adquirida) atinge indiscriminadamente homens e mulheres e tem assumido proporções assustadoras desde a notificação dos primeiros

Leia mais

IV Seminário de Iniciação Científica

IV Seminário de Iniciação Científica ANÁLISE DO PERFIL IMUNOLÓGICO E VIRAL DAS GESTANTES HIV/AIDS ATENDIDAS NO HOSPITAL MATERNO INFANTIL E NO HOSPITAL ANUAR AUAD EM GOIÂNIA-GOIÁS, ENTRE OS ANOS DE 2003 E 2005. Raffaella Silva Pinheiro 1,4

Leia mais

Alexandre O. Chieppe

Alexandre O. Chieppe Transmissão Vertical da Sífilis S e do HIV Alexandre O. Chieppe Coordenação Estadual de DST/AIDS-CVE Secretaria de Estado de Saúde do Rio de Janeiro Câmara Técnica de AIDS do CREMERJ Do Início da Epidemia

Leia mais

Saiba o que é a sida, como se transmite, como se pode prevenir e como se trata.

Saiba o que é a sida, como se transmite, como se pode prevenir e como se trata. PORTAL DA SAÚDE Síndroma da Imunodeficiência Adquirida (SIDA) Saiba o que é a sida, como se transmite, como se pode prevenir e como se trata. O que é a sida? A sida (Síndrome da Imunodeficiência Adquirida)

Leia mais

HIV. O vírus da imunodeficiência humana HIV-1 e HIV-2 são membros da família Retroviridae, na subfamília Lentividae.

HIV. O vírus da imunodeficiência humana HIV-1 e HIV-2 são membros da família Retroviridae, na subfamília Lentividae. A Equipe Multiprofissional de Saúde Ocupacional da UDESC lembra: Dia 01 de dezembro é dia mundial de prevenção à Aids! Este material foi desenvolvido por alunos do Departamento de Enfermagem da Universidade

Leia mais

Tuberculosis Portuguese Tuberculose A tuberculose a doença, o tratamento e a prevenção

Tuberculosis Portuguese Tuberculose A tuberculose a doença, o tratamento e a prevenção Tuberculosis Portuguese Tuberculose A tuberculose a doença, o tratamento e a prevenção A tuberculose é uma doença infecciosa que normalmente afecta os pulmões, embora também possa afectar qualquer parte

Leia mais

Programa Nacional para a Prevenção e o Controle das Hepatites Virais

Programa Nacional para a Prevenção e o Controle das Hepatites Virais Programa Nacional para a Prevenção e o Controle das Hepatites Virais Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Gerusa Maria Figueiredo gerusa.figueiredo@saude.gov.br I CONGRESSO BRASILEIRO

Leia mais

Orientação Técnica para Propostas do Fundo Mundial para a Série 8. Prevenção

Orientação Técnica para Propostas do Fundo Mundial para a Série 8. Prevenção Orientação Técnica para Propostas do Fundo Mundial para a Série 8 Prevenção BCC (Comunicação para Alteração de Comportamento) cobertura comunitária e escolas Fundamentação lógica para incluir as SDA (Área

Leia mais

DIAGNÓSTICO LABORATORIAL DA INFECÇÃO PELO HIV

DIAGNÓSTICO LABORATORIAL DA INFECÇÃO PELO HIV DIAGNÓSTICO LABORATORIAL DA INFECÇÃO PELO HIV Importante: Páginas retiradas do documento: Recomendações para terapia anti-retroviral em adultos e adolescentes infectados pelo HIV 2007/2008 Documento preliminar

Leia mais

Vigilância do VIH/SIDA. Objectivo: Duração: Objectivos: Conteúdo do curso:

Vigilância do VIH/SIDA. Objectivo: Duração: Objectivos: Conteúdo do curso: Vigilância do VIH/SIDA Objectivo: A vigilância desempenha um papel fundamental na saúde pública. Os sistemas de vigilância do VIH/SIDA monitorizam a magnitude e tendências na prevalência da infecção e

Leia mais

Acesso Público a Informação de Saúde

Acesso Público a Informação de Saúde Acesso Público a Informação de Saúde Módulo HIV/AIDS O que é HIV/AIDS? HIV (Human Immunodeficiency Virus Vírus da Imuno Deficiência Humana) AIDS (Acquired Immune Deficiency Syndrome Síndrome da Imuno Deficiência

Leia mais

ANÁLISE DO PERFIL IMUNOLÓGICO E VIRAL DOS PACIENTES HIV/AIDS ATENDIDOS NA UNIDADE DE SAÙDE JUNDIAÍ EM ANÁPOLIS GOIAS ENTRE OS ANOS 2002 E 2006.

ANÁLISE DO PERFIL IMUNOLÓGICO E VIRAL DOS PACIENTES HIV/AIDS ATENDIDOS NA UNIDADE DE SAÙDE JUNDIAÍ EM ANÁPOLIS GOIAS ENTRE OS ANOS 2002 E 2006. 1 ANÁLISE DO PERFIL IMUNOLÓGICO E VIRAL DOS PACIENTES HIV/AIDS ATENDIDOS NA UNIDADE DE SAÙDE JUNDIAÍ EM ANÁPOLIS GOIAS ENTRE OS ANOS 2002 E 2006. Adriana Paim da Silva 1,2 ; Andrea Brígida de Souza 1,2

Leia mais

Capítulo 18 (ex-capítulo 2) CÓDIGO V

Capítulo 18 (ex-capítulo 2) CÓDIGO V Capítulo 18 (ex-capítulo 2) CÓDIGO V O código V é uma classificação suplementar que se destina a classificar situações e outras circunstâncias que não as de doença ou lesão, que aparecem registadas como

Leia mais

QUERO SABER... FIZ O TESTE E DEU ( POSITIVO ) Como é que uma pessoa se pode proteger do VIH/sida?

QUERO SABER... FIZ O TESTE E DEU ( POSITIVO ) Como é que uma pessoa se pode proteger do VIH/sida? Como é que uma pessoa se pode proteger do VIH/sida? Para NÃO APANHAR nas relações intimas e sexuais: 1. Não fazer sexo enquanto não se sentir preparado para usar o preservativo (pode experimentar primeiro

Leia mais

Patologia Geral AIDS

Patologia Geral AIDS Patologia Geral AIDS Carlos Castilho de Barros Augusto Schneider http://wp.ufpel.edu.br/patogeralnutricao/ SÍNDROME DA IMUNODEFICIÊNCIA ADQUIRIDA (AIDS ou SIDA) Doença causada pela infecção com o vírus

Leia mais

Diagnóstico Precoce Infantil do HIV em Moçambique

Diagnóstico Precoce Infantil do HIV em Moçambique Diagnóstico Precoce Infantil do HIV em Moçambique Relatório Janeiro, 2009 Dezembro, 2011 República de Moçambique Ministério da Saúde 1. Sumário Executivo O presente Relatório do Progresso do Programa de

Leia mais

Gisane kelly Silva de Miranda 1 Rosimere Pessoa de Souza 2

Gisane kelly Silva de Miranda 1 Rosimere Pessoa de Souza 2 Gisane kelly Silva de Miranda 1 Rosimere Pessoa de Souza 2 Resumo: O presente trabalho tem por intuito analisar os fatores que condicionam o aumento da vulnerabilidade da transmissão do vírus do HIV entre

Leia mais

Os caminhos e descaminhos de uma epidemia global

Os caminhos e descaminhos de uma epidemia global Os caminhos e descaminhos de uma epidemia global Por Rodrigo Cunha 5 de junho de 1981. O Relatório Semanal de Morbidez e Mortalidade do Centro para Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos Estados Unidos

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS CONFERÊNCIA SOBRE OS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS CONFERÊNCIA SOBRE OS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS CONFERÊNCIA SOBRE OS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO Grupo de Trabalho 4: Fortalecendo a educação e o envolvimento da sociedade civil com relação ao vírus HIV, malária

Leia mais

Diminui a mortalidade por Aids no Estado de São Paulo

Diminui a mortalidade por Aids no Estado de São Paulo Diminui a mortalidade por Aids no Estado de São Paulo Em 2012, ocorreram 2.767 óbitos por Aids no Estado de São Paulo, o que representa importante queda em relação ao pico observado em 1995 (7.739). A

Leia mais

Diagnóstico Tardio do HIV em Crianças e Adolescentes Nascidas de mães Portadoras do HIV" Programa Estadual de DST/AIDS-SP www.crt.saude.sp.gov.

Diagnóstico Tardio do HIV em Crianças e Adolescentes Nascidas de mães Portadoras do HIV Programa Estadual de DST/AIDS-SP www.crt.saude.sp.gov. Diagnóstico Tardio do HIV em Crianças e Adolescentes Nascidas de mães Portadoras do HIV" Programa Estadual de DST/AIDS-SP www.crt.saude.sp.gov.br Casos notificados de AIDS, Brasil e São Paulo - 1980 a

Leia mais

Módulo 3: Diagnóstico do HIV na Criança

Módulo 3: Diagnóstico do HIV na Criança Módulo 3: Diagnóstico do HIV na Criança Módulo 3: Diagnóstico do HIV na Criança O Módulo 3 aborda os seguintes temas: Identificação de crianças com HIV ou em risco de infecção Desafios e vantagens do

Leia mais

Profilaxia Pós-Exposição ao HIV. Alcyone Artioli Machado FMRP-USP - 2006

Profilaxia Pós-Exposição ao HIV. Alcyone Artioli Machado FMRP-USP - 2006 Profilaxia Pós-Exposição ao HIV Alcyone Artioli Machado FMRP-USP - 2006 Fatores de risco para infecção ocupacional pelo HIV O risco de infecção ocupacional pelo HIV era aumentado quando: A exposição ocupacional

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 Notas importantes: O Banco de dados (BD) do Sistema de Informação Nacional de Agravos de Notificação (SINAN) vem sofrendo nos últimos

Leia mais

NÚMERO: 002/2011 DATA: 14/01/2011 ASSUNTO: PALAVRAS CHAVE: PARA: CONTACTO:

NÚMERO: 002/2011 DATA: 14/01/2011 ASSUNTO: PALAVRAS CHAVE: PARA: CONTACTO: NÚMERO: 002/2011 DATA: 14/01/2011 ASSUNTO: PALAVRAS CHAVE: PARA: CONTACTO: Diagnóstico e Classificação da Diabetes Mellitus Diabetes ; Diagnóstico Médicos e Enfermeiros do Serviço Nacional de Saúde Departamento

Leia mais

16/02/2013 ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM ABORDAGEM SINDRÔMICA DAS DST. Prof. Rivaldo lira

16/02/2013 ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM ABORDAGEM SINDRÔMICA DAS DST. Prof. Rivaldo lira ABORDAGEM SINDRÔMICA DAS DST ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM Prof. Rivaldo lira 1 2 Assinale a alternativa que indica todas as afirmativas corretas. a) São corretas apenas as afirmativas 1 e 2. b) São corretas

Leia mais

Assunto: Realização de teste rápido de HIV,Sífilis e outros agravos.

Assunto: Realização de teste rápido de HIV,Sífilis e outros agravos. PARECER Nº121/2015 PAD: Nº 43/2015 Autora: Conselheira Renata Ramalho Da Cunha Dantas Solicitante: Dr. Ronaldo Miguel Beserra Assunto: Realização de teste rápido de HIV,Sífilis e outros agravos. DO FATO

Leia mais

A POLÍTICA DE DST/AIDS NA VISÃO DE UM TRABALHADOR DO SUS. SORAIA REDA GILBER Farmacêutica Bioquímica LACEN PR

A POLÍTICA DE DST/AIDS NA VISÃO DE UM TRABALHADOR DO SUS. SORAIA REDA GILBER Farmacêutica Bioquímica LACEN PR A POLÍTICA DE DST/AIDS NA VISÃO DE UM TRABALHADOR DO SUS SORAIA REDA GILBER Farmacêutica Bioquímica LACEN PR BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO DA AIDS NO BRASIL Desde o início de 1980 até junho de 2012 foram registrados

Leia mais

Tratamento do parceiro. Regulamentação Ética

Tratamento do parceiro. Regulamentação Ética CERVICOLP 2010-XXI CURSO DE PTGI E COLPOSCOPIA ABG-CAPITULO DE SÃO PAULO Tratamento do parceiro Regulamentação Ética Paula Maldonado IG-UFRJ ABG Consulta ao CRM Se um ginecologista detectar uma doença

Leia mais

Consumo de drogas e HIV/SIDA

Consumo de drogas e HIV/SIDA ONUSIDA COLECÇÃO BOAS PRÁTICAS Consumo de drogas e HIV/SIDA Declaração da ONUSIDA apresentada na Sessão Especial da Assembleia Geral das Nações Unidas sobre Drogas Programa Conjunto das Nações Unidas sobre

Leia mais

VIROLOGIA RETROVÍRUS 1. HIV

VIROLOGIA RETROVÍRUS 1. HIV Instituto Federal de Santa Catarina Curso Técnico em Biotecnologia Unidade Curricular: Microbiologia VIROLOGIA RETROVÍRUS 1. Prof. Leandro Parussolo O que é um retrovírus? É qualquer vírus que possui o

Leia mais

PORTARIA SVS/MS Nº 151, DE 14 DE OUTUBRO DE 2009 DOU 16.10.2009

PORTARIA SVS/MS Nº 151, DE 14 DE OUTUBRO DE 2009 DOU 16.10.2009 SVS/MS - Portaria nº 151/2009 16/10/2009 PORTARIA SVS/MS Nº 151, DE 14 DE OUTUBRO DE 2009 DOU 16.10.2009 A SECRETÁRIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE SUBSTITUTA, no uso das atribuições que lhe confere o Art. 45,

Leia mais

www.printo.it/pediatric-rheumatology/br/intro

www.printo.it/pediatric-rheumatology/br/intro www.printo.it/pediatric-rheumatology/br/intro Artrite de lyme Versão de 2016 1. O QUE É ARTRITE DE LYME 1.1 O que é? A artrite de Lyme é uma das doenças causadas pela bactéria Borrelia burgdorferi (borreliose

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DO RIO DE JANEIRO Gabinete do Vereador DR. JAIRINHO DECRETA:

CÂMARA MUNICIPAL DO RIO DE JANEIRO Gabinete do Vereador DR. JAIRINHO DECRETA: PROJETO DE LEI Nº 442/2005 Despacho DISPÕE SOBRE A OBRIGATORIEDADE DE REALIZAÇÃO DE EXAME SOROLÓGICO PRÉ-NATAL EM MULHERES GRÁVIDAS PARA DIAGNÓSTICO PRECOCE DE VÍRUS DA AIDS, DAS HEPATITES B E C E DOS

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS RELATÓRIO DA COMISSÃO AO CONSELHO, AO PARLAMENTO EUROPEU, AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL E AO COMITÉ DAS REGIÕES

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS RELATÓRIO DA COMISSÃO AO CONSELHO, AO PARLAMENTO EUROPEU, AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL E AO COMITÉ DAS REGIÕES COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 22.12.2008 COM(2008) 882 final RELATÓRIO DA COMISSÃO AO CONSELHO, AO PARLAMENTO EUROPEU, AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL E AO COMITÉ DAS REGIÕES Implementação

Leia mais

Hélio Vasconcellos Lopes

Hélio Vasconcellos Lopes HIV/AIDS no Município de Santos e dados brasileiros Hélio Vasconcellos Lopes Coordenador do Programa Municipal DST/AIDS/Hepatites da Secretaria Municipal de Saúde Professor titular da Faculdade de Medicina

Leia mais

Rotina para Prevenção de Transmissão de Tuberculose Nosocomial

Rotina para Prevenção de Transmissão de Tuberculose Nosocomial MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE HOSPITAL FEDERAL DE BONSUCESSO COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR ROTINA A13 elaborada em 09/12/2010 Rotina para Prevenção de Transmissão de Tuberculose

Leia mais

Assunto: PRESTAÇÃO DE CUIDADOS PRÉ-CONCEPCIONAIS Nº: 02/DSMIA DATA: 16/01/06. Divisão de Saúde Materna, Infantil e dos Adolescentes

Assunto: PRESTAÇÃO DE CUIDADOS PRÉ-CONCEPCIONAIS Nº: 02/DSMIA DATA: 16/01/06. Divisão de Saúde Materna, Infantil e dos Adolescentes Ministério da Saúde Direcção-Geral da Saúde Circular Normativa Assunto: PRESTAÇÃO DE CUIDADOS PRÉ-CONCEPCIONAIS Nº: 02/DSMIA DATA: 16/01/06 Para: Contacto na DGS: Todos os médicos e enfermeiros que exerçam

Leia mais

NÚMERO: 007/2011 DATA: 31/01/2011

NÚMERO: 007/2011 DATA: 31/01/2011 NÚMERO: 007/2011 DATA: 31/01/2011 ASSUNTO: PALAVRAS-CHAVE: PARA: CONTACTOS: Diagnóstico e conduta na Diabetes Gestacional Diabetes Gestacional; Diabetes; Gravidez Profissionais de Saúde Divisão de Saúde

Leia mais

QUESTIONÁRIO DE FOLLOW-UP - HOMEM VIH POSITIVO

QUESTIONÁRIO DE FOLLOW-UP - HOMEM VIH POSITIVO INSTRUÇÕES PARA A EQUIPA DO ESTUDO: Os participantes no estudo devem preencher o questionário de follow-up com intervalos regulares de - meses. Certifique-se de que é distribuído o questionário adequado.

Leia mais

Comportamentos de sexo seguro em. indivíduos infectados por VIH

Comportamentos de sexo seguro em. indivíduos infectados por VIH UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA Faculdade de Ciências Médicas Comportamentos de sexo seguro em indivíduos infectados por VIH Ana Patrícia Bandeirinha Meneses Lopes Lisboa, Novembro de 2009 MESTRADO EM SAÚDE

Leia mais

MOÇAMBIQUE. Principais Resultados

MOÇAMBIQUE. Principais Resultados MOÇAMBIQUE Inquérito Nacional de Prevalência, Riscos Comportamentais e Informação sobre o HIV e SIDA em Moçambique (INSIDA 2009) Principais Resultados O Inquérito Nacional de Prevalência, Riscos Comportamentais

Leia mais

PARTE A. Instituto da AIDS Consentimento Informado para fazer o exame de HIV

PARTE A. Instituto da AIDS Consentimento Informado para fazer o exame de HIV DEPARTAMENTO DE SAÚDE DO ESTADO DE NOVA YORK Instituto da AIDS Consentimento Informado para fazer o exame de HIV O exame de HIV é voluntário. O consentimento pode ser revogado a qualquer momento, mediante

Leia mais

BANCO DE LEITE HUMANO DO CHLC - MAC PERGUNTAS FREQUENTES

BANCO DE LEITE HUMANO DO CHLC - MAC PERGUNTAS FREQUENTES BANCO DE LEITE HUMANO DO CHLC - MAC PERGUNTAS FREQUENTES 1. O que é um Banco de Leite Humano? 2. Em que situações é utilizado o Leite Humano Pasteurizado, as suas vantagens e desvantagens? 3. Que critérios

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 Notas importantes: O Banco de dados (BD) do Sistema de Informação Nacional de Agravos de Notificação (SINAN) vem sofrendo nos últimos

Leia mais

Papilomavírus Humano HPV

Papilomavírus Humano HPV Papilomavírus Humano HPV -BIOLOGIA- Alunos: André Aroeira, Antonio Lopes, Carlos Eduardo Rozário, João Marcos Fagundes, João Paulo Sobral e Hélio Gastão Prof.: Fragoso 1º Ano E.M. T. 13 Agente Causador

Leia mais

Tuberculose - Breve Revisão Clínica

Tuberculose - Breve Revisão Clínica Tuberculose - Breve Revisão Clínica - 0 - Apoio cientifico de: Observatório Nacional das Doenças Respiratórias Associação Nacional da Tuberculose e Doenças Respiratórias Índice A Tuberculose --------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Professora do curso de extensão em vacinas da UFRJ. Professor Adjunto de Infectologia Pediátrica da UFRJ,

Professora do curso de extensão em vacinas da UFRJ. Professor Adjunto de Infectologia Pediátrica da UFRJ, VACINAÇÃO DE GESTANTES Isabella Ballalai (MD) Diretora Médica da VACCINI - Clínica de Vacinação Professora do curso de extensão em vacinas da UFRJ Edimilson Migowski (MD, PhD, MSc) Professor Adjunto de

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 26.10.2009 COM(2009)569 final COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU, AO CONSELHO, AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU E AO COMITÉ DAS REGIÕES Luta

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 24.6.2009 COM(2009) 291 final COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO CONSELHO, AO PARLAMENTO EUROPEU, AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU E AO COMITÉ DAS REGIÕES Acção

Leia mais

Condições justificáveis. para complementar ou. substituir o leite materno

Condições justificáveis. para complementar ou. substituir o leite materno Instituto de Saúde, 23 de março de 2009 Condições justificáveis para complementar ou substituir o leite materno Encontro Amamentando às Segundas Iniciativa Hospital Amigo da Criança PASSO 6 Não oferecer

Leia mais

Diretrizes Assistenciais PREVENÇÃO DA DOENÇA ESTREPTOCÓCICA NEONATAL

Diretrizes Assistenciais PREVENÇÃO DA DOENÇA ESTREPTOCÓCICA NEONATAL Diretrizes Assistenciais PREVENÇÃO DA DOENÇA ESTREPTOCÓCICA NEONATAL Versão eletrônica atualizada em fev/2012 O agente etiológico e seu habitat A doença estreptocócica neonatal é causada por uma bactéria,

Leia mais

Estabilização do consumo de cannabis, sinais de diminuição da sua popularidade entre os jovens

Estabilização do consumo de cannabis, sinais de diminuição da sua popularidade entre os jovens RELATÓRIO ANUAL 2007: DESTAQUES Mensagens positivas do Relatório sobre a evolução do fenómeno da droga na UE ensombradas pela elevada taxa de mortalidade relacionada com a droga e pelo consumo crescente

Leia mais

PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DO HIV/AIDS E COINFECÇÕES NO ESTADO DE GOIÁS

PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DO HIV/AIDS E COINFECÇÕES NO ESTADO DE GOIÁS SUPERINTENDÊNCIA DE POLÍTICAS DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE GERÊNCIA DE PROGRAMAS ESPECIAIS COORDENAÇÃO ESTADUAL DE DST/AIDS PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DO HIV/AIDS E COINFECÇÕES NO ESTADO DE GOIÁS Goiânia, 2012

Leia mais

NOVAS TECNOLOGIAS DE PREVENÇÃO CIRCUNCISÃO MÉDICA MASCULINA

NOVAS TECNOLOGIAS DE PREVENÇÃO CIRCUNCISÃO MÉDICA MASCULINA NOVAS TECNOLOGIAS DE PREVENÇÃO CIRCUNCISÃO MÉDICA MASCULINA Dr. Robinson Fernandes de Camargo Interlocução de DST/Aids da Coordenadoria Regional de Saúde - Sudeste CIRCUNCISÃO MÉDICA MASCULINA No início

Leia mais

PROGRAMA DE ACÇÃO COMUNITÁRIO RELATIVO À VIGILÂNCIA DA SAÚDE PROJECTO DE PROGRAMA DE TRABALHO 1998-1999 (Art. 5.2.b da Decisão Nº 1400/97/CE)

PROGRAMA DE ACÇÃO COMUNITÁRIO RELATIVO À VIGILÂNCIA DA SAÚDE PROJECTO DE PROGRAMA DE TRABALHO 1998-1999 (Art. 5.2.b da Decisão Nº 1400/97/CE) PROGRAMA DE ACÇÃO COMUNITÁRIO RELATIVO À VIGILÂNCIA DA SAÚDE PROJECTO DE PROGRAMA DE TRABALHO 1998-1999 (Art. 5.2.b da Decisão Nº 1400/97/CE) 1. INTRODUÇÃO As actividades da União Europeia no domínio da

Leia mais

Perguntas e respostas sobre imunodeficiências primárias

Perguntas e respostas sobre imunodeficiências primárias Perguntas e respostas sobre imunodeficiências primárias Texto elaborado pelos Drs Pérsio Roxo Júnior e Tatiana Lawrence 1. O que é imunodeficiência? 2. Estas alterações do sistema imunológico são hereditárias?

Leia mais

DOENÇAS DE DECLARAÇÃO OBRIGATÓRIA

DOENÇAS DE DECLARAÇÃO OBRIGATÓRIA Universidade do Minho 2007 Vigilância Epidemiológica de Doenças Transmissíveis DOENÇAS DE DECLARAÇÃO OBRIGATÓRIA RIA Fernando Costa Silva UOSP - Braga Definição Monitorizar Sistema dinâmico que permite

Leia mais

Em pelo menos 56 países, as taxas de novas infecções pelo HIV estabilizaram ou diminuíram significativamente

Em pelo menos 56 países, as taxas de novas infecções pelo HIV estabilizaram ou diminuíram significativamente P R E S S R E L E A S E Em pelo menos 56 países, as taxas de novas infecções pelo HIV estabilizaram ou diminuíram significativamente Novo relatório do UNAIDS mostra que a epidemia da aids parou de avançar

Leia mais

APROVEITE AS SUAS CONSULTAS PARA INFORMAR SOBRE O PLANEAMENTO FAMILIAR REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA SAÚDE

APROVEITE AS SUAS CONSULTAS PARA INFORMAR SOBRE O PLANEAMENTO FAMILIAR REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA SAÚDE APROVEITE AS SUAS CONSULTAS PARA INFORMAR SOBRE O PLANEAMENTO FAMILIAR REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA SAÚDE ACONSELHE SOBRE OS BENEFÍCIOS DO PLANEAMENTO FAMILIAR Permite aos casais tomarem decisões

Leia mais

PROGRAMA (Ação cofinanciada pelo Fundo Social Europeu PRO-EMPREGO) Nutrição Pediátrica da Primeira Infância à Adolescência

PROGRAMA (Ação cofinanciada pelo Fundo Social Europeu PRO-EMPREGO) Nutrição Pediátrica da Primeira Infância à Adolescência PROGRAMA (Ação cofinanciada pelo Fundo Social Europeu PRO-EMPREGO) 1. Designação da Ação de Formação: 2. Formador: Nutrição Pediátrica da Primeira Infância à Adolescência Dr.ª Vera Berbereia 3. Razões

Leia mais

HIV e Estigma: como estamos hoje

HIV e Estigma: como estamos hoje HIV e Estigma: como estamos hoje PROF. DR. CLAUDIO GARCIA CAPITÃO Advento da AIDS 1º Caso: Hospital Emílio Ribas, 1982 Circulação Silenciosa do Vírus em meados de 70 Isolamento do vírus: Luc montagner:

Leia mais

VIGILÂNCIA DE HIV EM SANGUE DOADO: TENDÊNCIA DE SOROPREVALÊNCIA

VIGILÂNCIA DE HIV EM SANGUE DOADO: TENDÊNCIA DE SOROPREVALÊNCIA 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 VIGILÂNCIA DE HIV EM SANGUE DOADO: TENDÊNCIA DE SOROPREVALÊNCIA Janete Lane Amadei 1 ; Deborah Cristiny Dantas Moreti 2 ; Diego Montanhei 2 ; Dennis Armando

Leia mais

SITUAÇÃO DA TUBERCULOSE NAS FAA

SITUAÇÃO DA TUBERCULOSE NAS FAA Forças Armadas Angolanas Estado Maior General Direcção dos Serviços de Saúde SITUAÇÃO DA TUBERCULOSE NAS FAA Capitão de M. Guerra/ Médico Isaac Francisco Outubro/2014 Caracterização de Angola Capital:

Leia mais

Curso Pré Congresso. Profilaxia Pós Exposição Sexual. V Congresso Norte-Nordeste de Infectologia

Curso Pré Congresso. Profilaxia Pós Exposição Sexual. V Congresso Norte-Nordeste de Infectologia Curso Pré Congresso Profilaxia Pós Exposição Sexual V Congresso Norte-Nordeste de Infectologia Denize Lotufo Estevam / Infectologista Gerente da Assistência do CRT/DST/AIDS Coordenação do Programa Estadual

Leia mais

PRS 2009-2012 PROGRAMA REGIONAL DE PREVENÇÃO E CONTROLO DA INFECÇÃO VIH/SIDA

PRS 2009-2012 PROGRAMA REGIONAL DE PREVENÇÃO E CONTROLO DA INFECÇÃO VIH/SIDA PROGRAMA REGIONAL DE PREVENÇÃO E CONTROLO DA INFECÇÃO VIH/SIDA Índice Siglas e Acrónimos... 2 1. Introdução... 3 2. Evolução da Epidemia... 4 3. Situação da epidemia na Região Autónoma dos Açores... 5

Leia mais

QUESTIONÁRIO DE FOLLOW-UP - HOMEM VIH NEGATIVO

QUESTIONÁRIO DE FOLLOW-UP - HOMEM VIH NEGATIVO INSTRUÇÕES PARA A EQUIPA DO ESTUDO: Os participantes no estudo devem preencher o questionário de follow-up com intervalos regulares de -6 meses. Certifique-se de que é distribuído o questionário adequado.

Leia mais

INFECÇÃO VIH/SIDA. Francisco Antunes

INFECÇÃO VIH/SIDA. Francisco Antunes INFECÇÃO VIH/SIDA Francisco Antunes Professor Catedrático da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa e Director do Serviço de Doenças Infecciosas do Hospital de Santa Maria Disciplina de Doenças

Leia mais

CONTROLE DE COPIA: PT-LB-IM-021 ANTI HIV 22/10/2015

CONTROLE DE COPIA: PT-LB-IM-021 ANTI HIV 22/10/2015 PT-LB-IM-1 1/6 1. INTRODUÇÃO / FINALIDADE DO MÉTODO O vírus da imunodeficiência humana é o agente causador da síndrome da imunodeficiência adquirida (AIDS). A AIDS foi pela primeira vez descrita nos Estados

Leia mais

VÍRUS DA IMUNODEFICIÊNCIA HUMANA (VIH) PREVENÇÃO DA TRANSMISSÃO VERTICAL

VÍRUS DA IMUNODEFICIÊNCIA HUMANA (VIH) PREVENÇÃO DA TRANSMISSÃO VERTICAL VÍRUS DA IMUNODEFICIÊNCIA HUMANA () PREVENÇÃO DA TRANSMISSÃO VERTICAL Introdução A infecção na criança no nosso país faz-se quase exclusivamente por transmissão vertical pelo que é possível reduzir eficazmente

Leia mais

ACOMPANHAMENTO DA PUÉRPERA HIV* Recomendações do Ministério da Saúde Transcrito por Marília da Glória Martins

ACOMPANHAMENTO DA PUÉRPERA HIV* Recomendações do Ministério da Saúde Transcrito por Marília da Glória Martins ACOMPANHAMENTO DA PUÉRPERA HIV* Puerpério Imediato Acompanhamento da puérpera HIV* 1. Inibir a lactação através do enfaixamento das mamas com ataduras ou comprimindo-as com um top e evitando, com isso,

Leia mais