ASPECTOS JURÍDICOS DA TRANSMISSÃO DOLOSA DO VÍRUS HIV E SUA APLICABILIDADE NO DIREITO BRASILEIRO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ASPECTOS JURÍDICOS DA TRANSMISSÃO DOLOSA DO VÍRUS HIV E SUA APLICABILIDADE NO DIREITO BRASILEIRO"

Transcrição

1 ASPECTOS JURÍDICOS DA TRANSMISSÃO DOLOSA DO VÍRUS HIV E SUA APLICABILIDADE NO DIREITO BRASILEIRO SUMÁRIO Camila Cardoso 1 Luiz Eduardo Cleto Righetto 2 Introdução; 1 Do direito à vida; 2 Conceitos e sintomas do vírus HIV (vírus da imunodeficiência humana); 3 Aspectos jurídicos da transmissão dolosa do vírus HIV; 3.1 Aplicabilidade do direito brasileiro; Considerações finais; Referências das fontes citadas. RESUMO Este artigo científico tem por finalidade adentrar na discussão do tema polêmico que é a transmissão do vírus HIV por pessoa soropositiva à outra de forma dolosa. Assim, objetiva discutir sobre o valor da vida e as condições inerentes à pessoa humana. Bem como sobre a contraditória definição e aplicabilidade deste delito no ordenamento jurídico brasileiro. No primeiro momento embasa-se sobre o direito fundamental regente tutelado pela Constituição da República Federativa do Brasil de 1988, que é o direito à vida. No segundo momento abordam-se sobre as características, sintomas e formas de transmissão do vírus HIV (Vírus da Imunodeficiência Humana) é o agente causador da Síndrome da Imunodeficiência Adquirida (AIDS), doença que ataca o sistema imunológico, responsável por defender o organismo de doenças. Em um terceiro momento tenta-se esclarecer qual o crime será imputado ao agente ativo, que transmite ou não o vírus, mas que tem relação sexual com vítima sem que a mesma saiba de seu estado soropositivo. Destarte, diante do estudo realizado serão traçadas considerações finais, as quais constatam que a imputação do crime ao agente se constatará após a análise de dois requisitos, quis sejam: a intenção do mesmo e o fato real se a vítima foi contagiada ou não com o vírus. Quanto à Metodologia, foi utilizada a base lógica Indutiva, além das Técnicas do Referente, da Categoria, do Conceito Operacional e da Pesquisa Bibliográfica. Palavras-chave: Vida. Direitos Humanos. Vírus HIV. Transmissão dolosa. Crime grave. INTRODUÇÃO O objeto de estudo deste artigo cientifico é os aspectos jurídicos e o crime que será imputado ao agente transmissor do vírus HIV de forma dolosa segundo o 1 Acadêmica do 9º período noturno da Universidade do Vale do Itajaí UNIVALI. 2 Advogado Criminalista; Mestre em Ciência Jurídica pela UNIVALI; Professor da UNIVALI (Campus Bal. Camboriú); 297

2 ordenamento jurídico brasileiro. Seus objetivos são: a) Institucional: produção de Artigo Científico para obtenção de título de Bacharel em Direito, pela Universidade do Vale do Itajaí UNIVALI; b) geral: analisar a legislação penal, a doutrina e o entendimento do STJ e STF acerca da imputação de crime ao agente ativo que tem relação sexual com outrem e transmite ou não o vírus de HIV. Os Objetivos Específicos são: a) compreender e abordar o direito fundamental da vida tutelado pelo ordenamento pátrio; b) entender os aspectos gerais da aplicabilidade no direito penal brasileiro e o entendimento de julgar e condenar o agente ativo transmissor da moléstia grave denominada AIDS; c) analisar as correntes doutrinárias favoráveis e desfavoráveis acerca de cada caso concreto. O artigo está dividido em três momentos conforme acima citado: no primeiro se fez uma análise sobre o direito fundamental tutelado pela Constituição da República Federativa do Brasil de 1988, que é o direito à vida. No segundo momento ressaltam-se sobre as características, sintomas e formas de transmissão do vírus HIV (Vírus da Imunodeficiência Humana) é o agente causador da Síndrome da Imunodeficiência Adquirida (AIDS), doença que ataca o sistema imunológico, responsável por defender o organismo de doenças. Posteriormente se faz um breve estudo que objetiva esclarecer em qual o crime está incurso o agente ativo, que transmite ou não o vírus, mas que tem relação sexual com vítima sem que a mesma saiba de seu estado soropositivo. O problema trazido para orientar a elaboração do presente é: Existe tipificação penal para àquele que transmite o vírus do HIV a outrem, dolosamente: Já a hipótese a ser confirmada por este trabalho seria: O Código Penal Brasileiro prevê em seus artigos alguma conduta típica, antijurídica e culpável para àqueles que transmitem dolosamente o vírus do HIV. Quanto à Metodologia, o relato dos resultados será composto na base lógica Indutiva. Nas diversas fases da Pesquisa, serão utilizadas as Técnicas do Referente, da Categoria, do Conceito Operacional e da Pesquisa Bibliográfica. 1 DO DIREITO À VIDA 298

3 Desde os primórdios, a Constituição Federal garante que todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade. Sendo assim, o direito à vida o mais fundamental de todos os direitos, já que este se constitui em pré-requisito à existência e exercício de todos os demais direitos. Senão vejamos, do texto extraído da CRFB/88 3 : Artigo 5º - Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade, nos termos seguintes [...]. Vale mencionar que a CRFB/88 proclama o direito à vida, cabendo então ao Estado assegurá-lo em sua dupla acepção, sendo a primeira relacionada ao direito de continuar vivo e a segunda de se ter vida digna quanto à subsistência 4 Assim, a CRFB/88, ao reconhecer a vida como um direito fundamental, não faz a respeito a qualquer distinção. No seu capitulo I, do Título II (dos direitos e garantias fundamentais), estabelece a inviolabilidade do direito à vida. Bem como leciona o STF 5 a seguir: [...] E, quando se reporta a direitos da pessoa humana e até a direitos e garantias individuais como cláusula pétrea, está falando de direitos e garantias do indivíduo-pessoa, que se faz destinatário dos direitos fundamentais à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade, entre outros direitos e garantias igualmente distinguidos com o timbre da fundamentalidade (como direito à saúde e ao planejamento familiar). Mutismo constitucional hermeneuticamente significante de transpasse de poder normativo para a legislação ordinária. A potencialidade de algo para se tornar pessoa humana já é meritória o bastante para acobertá-la, infraconstitucionalmente, contra tentativas levianas ou frívolas de 3 BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil Disponível em: <http://www.planal to.gov.br/ccivil_03/constituicao/constitui%c3%a7ao.htm>. Acesso em: 11 de out. de OBS: A partir de agora intitulada por CRFB/88. 4 MORAES, Alexandre de. Direito constitucional. 8 ed. - São Paulo: Editora Atlas S. A., p BRASIL. Supremo Tribunal Federal. A Constituição e o Supremo [recurso eletrônico]. 4º ed. Brasília: Secretaria de documentação Disponível em: <http://www.stf.jus.br/arquivo/cms/ publicacaolegislacaoanotada/anexo/completo.pdf>. Acesso em 11 de out. de

4 obstar sua natural continuidade [...] (ADI 3.510, Rel. Min. Ayres Britto, julgamento em , Plenário, DJE de ). Assim, como esboça o STF, o direito à existência consiste no direito de estar vivo, de poder lutar para viver, de permanecer vivo; que só deve ser interrompido senão pela morte espontânea e inevitável. Ainda neste sentido Afonso 6 fundamenta que existir é o movimento espontâneo contrário ao estado morte; porque assegura o direito a vida, mas a legislação penal pune todas as formas de interrupção violenta do processo vital. E este é o caso da pessoa que é contaminada pelo vírus HIV, este vírus é um sinônimo de morte, haja vista que a pessoa contaminada nunca mais vai conseguir retirá-lo, mas sim, apenas tratar com medicamentos e manter a doença controlada. 2 CONCEITOS E SINTOMAS DO VÍRUS HIV (VÍRUS DA IMUNODEFICIÊNCIA HUMANA) O Vírus da Imunodeficiência Humana (HIV sigla em inglês) é o agente causador da Síndrome da Imunodeficiência Adquirida (AIDS), doença que ataca o sistema imunológico, responsável por defender o organismo de doenças. As células mais atingidas são os linfócitos (glóbulos brancos defensores do organismo), o HIV se torna parasita delas e é alterando o DNA dessa célula que o HIV faz cópias de si mesmo. Assim, depois de se multiplicar, rompe os linfócitos em busca de outros para continuar a infecção. O indivíduo portador do vírus HIV, que não desenvolveu a doença, nem apresenta os sintomas: são conhecidos pela medicina como soropositivos ou portadores assintomáticos. Vale lembrar que o vírus HIV possui um longo período de incubação, e apesar de estar contaminado o portador do vírus não apresenta nenhum sintoma, nada que indique a sua situação, podendo permanecer assim por um longo tempo, ou por toda a vida do indivíduo. Conforme segue: 6 SILVA, José de Afonso. Curso de direito constitucional positivo. 23 ed. São Paulo: Malheiros Editora LTDA, p

5 Pesquisas revelam que os sintomas da AIDS demoram, em média, de 8 a 10 anos para aparecer. Como eles são semelhantes aos de outras doenças, é preciso uma investigação mais aprofundada para confirmar de fato se a pessoa está infectada pelo vírus HIV. Para isto, em caso de suspeita, basta fazer o exame específico identificar o HIV positivo. Há também quem classifique os sintomas da AIDS em estágio: - Estágio 1: de semanas a 6 meses (a pessoa está sadia e normalmente o resultado do teste de HIV dá negativo. Nesse período, conhecimento como Janela Imunológica, o portador do vírus HIV já transmite o vírus para outras pessoas). - Estágio 2: Entre um ano e 5 anos (o portador do vírus HIV tem aparência saudável, mas os exames já dão positivo). - Estágio 3: Pode aparecer em meses ou anos ( os sintomas característicos da AIDS já começam a aparecer). - Estágio 4: Pode ocorrer no período de meses ou anos ( com o sistema imunológico baixo, a pessoa soropositiva se torna um alvo fácil para as doenças oportunistas, como câncer, diversos tipos de infecções e problemas no cérebro, que podem levar à morte. É neste estágio que se costuma a dizer que a pessoa tem AIDS). 7 Desta forma, ter o vírus HIV não é a mesma coisa que ter a AIDS. Existem muitos soropositivos que vivem durante anos sem apresentar sintomas e sem desenvolver a doença. Mas, podem transmitir o vírus a outros pelas relações sexuais desprotegidas, pelo compartilhamento de seringas contaminadas ou de mãe para filho durante a gravidez e a amamentação 8. Por fim, vale salientar que qualquer pessoa contaminada pode passar o vírus para outrem, independentemente de estar ou não desenvolvendo sintomas ou mesmo a AIDS, ou ainda, de estar ou não consciente da condição de portador do vírus HIV. Curiosamente a transmissão sexual é considerada, pela Organização Mundial de Saúde (OMS), como sendo a mais frequente em todo mundo. Outro meio de grande proliferação da doença é por compartilhamento de seringas e agulhas 7 Disponível em: Conheça os sintomas do HIV e entenda como acontece a transmissão da AIDS. Aprenda o que é a AIDS e como se prevenir. Tire suas principais dúvidas sobre a doença. <http://www.aidshiv.com.br/#ixzz29ql0uuwc>. Acesso em 12 de out. de Disponível em: Portal sobre aids, doenças sexualmente transmissíveis e hepatites virais. <http://www. AIDS.gov.br/pagina/o-que-e-hiv>. Acesso em 12 de out. de

6 pelos usuários de drogas injetáveis. No Brasil, houve uma redução considerável e significativa em relação a essa forma de transmissão 9. Ainda, deve-se dizer que a AIDS é de cura improvável, já que até agora não foi produzida nenhuma droga ou vacina que cure a doença. Desta forma, a pessoa que contrai esta doença, em face da incurabilidade desta, tem o seu direito fundamental principal, o direito à vida, lesado. E a CRFB/88 trata desta lesão de maneira superficial onde podemos citar o seu artigo 5, inciso XLI 10, o qual afirma que a lei punirá qualquer discrimição atentatória dos direitos e liberdades fundamentais, ou seja, cabendo responsabilização penal aquele que lesar. 3 ASPECTOS JURÍDICOS DA TRANSMISSÃO DOLOSA DO VÍRUS HIV Algumas legislações consideram ser uma responsabilidade pessoal de quem vive (é portador de) com HIV a revelação da sorologia positiva aos parceiros. Ainda sob este paradigma, traz-se que doutrinadores do Direito Penal consideram a pessoa portadora do vírus tanto como agente responsável, quanto como possível vítima, ou seja, sujeito ativo e passivo. Como se pode observar: Mesmo com tais indagações o Direito Penal considera a pessoa portadora do vírus HIV tanto como agente responsável, quanto como possível vítima, ou seja, sujeito ativo e passivo, haja vista a existência de diversos crimes que podem ser praticados, quando não por terceiros. Alguns doutrinadores trataram à pessoa portadora do referido vírus, como aquela que está sujeita ao maior número de infrações civis e penais, qual seja, se quando ciente de que é portadora do vírus, passa a manter relações sexuais desordenadamente, com o propósito de transmitir a doença a terceiros, comete o crime. Este crime bem como os outros decorrentes ou correlatos e ligados à transmissão do HIV, são considerados subsidiários e podem ser tanto dolosos como culposos (por imprudência, negligência e imperícia). Tendo como agente, o próprio 9 Disponível em: Cadernos - Pela vida. <http://www.aids.org.br/media/file/cadernos/cpv_n47.pdf>. Acesso em 12. de out. de p NETO, Francisco Carlos de Aguiar. Direito penal e AIDS. Biblioteca virtual: Editora KOMEDI, Site: <http://www.escrita.com.br/escrita/leitura.asp?texto_id=12920>. Acesso em 12 de out. de

7 portador do vírus HIV, mas também enfermeiros e outros funcionários hospitalares, bem como terceiros. 3.1 Aplicabilidade do direito brasileiro Neste paradigma sabe-se que o Código Penal em seu título I que versa sobre os crimes contra a pessoa, bem como no capítulo III que aborda os crimes de periclitação da vida e da saúde, elencam o artigo 131 que traz a seguinte imputação em seu texto legal: Praticar, com o fim de transmitir a outrem moléstia grave de que está contaminado, ato capaz de produzir o contágio Pena: reclusão, de 1 (um) a 4 (quatro) anos, e multa. Praticar refere-se a qualquer ato que possa transmitir à vítima (qualquer pessoa sujeito passivo) a moléstia. Abrangendo-se a Aids, tuberculose, difteria, entre outros; cabendo a regulamentação à Saúde Pública 11. Perante o ordenamento jurídico brasileiro o vírus HIV pode ser considerado moléstia grave e contagiosa. Objetivando provar a veracidade desta afirmação, é importante analisar a legislação especial, bem como não se poderia olvidar mencionarmos as normas técnicas utilizadas pela medicina, onde podemos encontrar a solução para tal resposta. Senão vejamos: Lei nº 8.112/90: Artigo 186, 1º - Consideram-se doenças graves, contagiosas ou incuráveis, a que se refere o inciso I deste artigo, tuberculose ativa, alienação mental, esclerose múltipla, neoplasia maligna, cegueira posterior ao ingresso no serviço público, hanseníase, cardiopatia grave, doença de Parkinson, paralisia irreversível e incapacitante, espondiloartrose anquilosante, nefropatia grave, estados avançados do mal de Paget (osteíte deformante), Síndrome de Imunodeficiência Adquirida - AIDS, e outras que a lei indicar, com base na medicina especializada 12. Lei 8.213/91 em seu artigo 151: "Art Até que seja elaborada a lista de doenças mencionadas no inciso II do artigo 26, independe de carência a concessão de auxílio doença e aposentadoria por invalidez, ao segurado que, após filiar-se ao Regime Geral de Previdência Social, for acometido das seguintes doenças: tuberculose ativa; hanseníase; alienação mental; neoplasia maligna; 11 ISHIDA, Valter Kenji. Curso de direito penal. São Paulo: Atlas, p BRASIL. Lei n. 8112/90. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8112cons.htm>. Acesso em 12 de out. de

8 cegueira; paralisia irreversível e incapacitante; cardiopatia grave; doença de Parkinson; espondiloartrose anquilosante; nefropatia grave; estado avançado da doença de Paget (osteíte deformante);síndrome da deficiência imunológica adquirida (AIDS); e contaminação por radiação, com base em conclusão da medicina especializada. 13 " Vislumbra-se que a AIDS está descrita na categoria de doenças infecciosas e parasitárias, como sendo uma doença ocasionada pelo vírus da imunodeficiência humana [HIV], cujo código internacional da doença é B20-B Por este motivo e outros requisitos que sua transmissão é punida pelo que está tipificado no artigo 131 do Código Penal e ao contrário do artigo 130 que corresponde à doença venérea (transmitida somente pelo ato sexual). Ainda, vale mencionar que não se pode tipificar como um crime próprio, pois, podem existir situações de prática dolosa praticada por profissionais de laboratórios que, por exemplo, introduzam em uma vacina algum vírus ativo da Aids, objetivando contagiar uma grande quantidade de pessoas. Por outro lado, como citado no item 2 a forma de transmissão mais frequente é a sexual e principalmente a realizada entre parceiros. Bem como, mencionado no item 3 que aquele que, sabendo-se portador do vírus HIV, mantém relações sexuais com outrem, sem o uso de preservativo, comete o delito previsto no artigo 131 do Código Penal, em detrimento de possível tentativa de homicídio. Neste sentido afirma o STF: MOLÉSTIA GRAVE TRANSMISSÃO - HIV - CRIME DOLOSO CONTRA A VIDA VERSUS O DE TRANSMITIR DOENÇA GRAVE. Descabe, ante previsão expressa quanto ao tipo penal, partir-se para o enquadramento de ato relativo à transmissão de doença grave como a configurar crime doloso contra a vida. Considerações. 15 Tal julgamento foi proferido em razão de o denunciado ter sido acusado de homicídio tentado (artigo 121 c/c 14 ambos do CP), pois mantido relações sexuais 13 BRASIL. Lei n /91. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8213cons.htm>. Acesso em 12 de out. de Disponível em: Conheça os sintomas do HIV e entenda como acontece a transmissão da AIDS. Aprenda o que é a AIDS e como se prevenir. 15 BRASIL. HC 98712/SP. Relator Ministro Marco Aurélio. Julgado em Primeira Turma. DJe

9 com três pessoas diferentes, sabendo ser portador do vírus HIV, sem usar qualquer preservativo, tampouco comunicando as vítimas. O Ministério Público afirmou que houve dolo eventual do acusado, tendo ele aceitado o risco de provocar a morte das vítimas, tendo em vista a gravidade de sua atitude. Para o STF, o entendimento é de que não existe dolo eventual no caso em tela, já que há previsão expressa. Ocorrendo então o dolo específico de praticar o crime de perigo de contágio de moléstia grave 16. A classificação do crime imputado ao agente portador de HIV que pratica relação sexual constata-se de acordo com o animus do agente, ou seja, da sua intenção ao praticar a conduta que lhe foi imputada 17. Haja vista que o tipo penal descrito no artigo 131 do Código Penal, caracteriza o crime de perigo de contágio de moléstia grave, aonde se encontra explícito o objetivo a ser alcançado pelo sujeito ativo, qual seja, transmitir a moléstia grave. Assim sendo, desde que exista a prerrogativa das vítimas não terem sido contaminadas com o vírus HIV, o entendimento correto é o mesmo do Ministro supracitado em que o paciente com sua atitude, ainda que de maneira a aceitar o seu resultado (elementar do dolo eventual), não pretendia matar as vítimas. Por outro lado, segundo Mirabete 18 : [...] na prática de relações sexuais o portador do vírus da AIDS com o fim de transmitir a moléstia constitui o delito, em não havendo o contágio; ocorrendo este, o crime é mais grave, conforme as circunstâncias (homicídio consumado ou tentado, lesão corporal de natureza grave). Os penalistas, em sua esmagadora maioria, hoje, acreditam que, caso ocorra à contaminação, a conduta de transmissão, de forma dolosa e consciente do vírus HIV, configura o delito descrito no artigo 121 do Código penal - homicídio. 16 GOMES, Luiz Flávio. SOUSA, Áurea Maria Ferraz de. AIDS. Transmissão do vírus HIV. Qual delito?. Disponível em <http://www.lfg.com.br> - 09 de novembro de Acesso em 11 de out. de GOMES, Luiz Flávio. SOUSA, Áurea Maria Ferraz de. AIDS. Transmissão do vírus HIV. Qual delito?. Disponível em <http://www.lfg.com.br> - 09 de novembro de Acesso em 11 de out. de MIRABETE, Julio Fabbrini. Manual de direito penal. Parte Especial. 20 ed. São Paulo: Atlas, v. 2. p

10 Sobre o tema, Bechelani 19 : [...] questão que aqui se argumenta, é a de que a AIDS seria meio insidioso ou cruel. Acredita-se que a transmissão da AIDS é um meio cruel, haja vista que, tal doença é fatal e que trará sofrimento à vítima, onde com a transmissão o agente revela um sadismo fora do comum, contrastando com os sentimentos de dignidade, humanidade e piedade. Ainda, Greco 20 elucida: Torpe é o motivo que contrasta violentamente com o senso ético comum e faz do agente um ser à parte no mundo social-jurídico em que vivemos. Entram nessa categoria, por exemplo, a cobiça, o egoísmo inconsiderado, a depravação dos instintos. [...] O prazer de matar, a libido de sanguine, essa rara e absurda satisfação que o agente encontra na destruição da vida de outrem e que vem muitas vezes associada a fatos de natureza sexual ou constitui expansão do sentimento monstruoso de ódio aos outros homens. Bem como Nucci 21, leciona: [...] síndrome da imunodeficiência adquirida ainda é considerada pela medicina uma doença fatal, embora atualmente, venha sendo controlada com coquetéis cada vez mais fortes de remédios.portanto, caso o agente tenha relação sexual com alguém, sabendo-se contaminado e fazendo-o sem qualquer proteção, tendo a intenção de transmitir a moléstia ou assumindo o risco de assim causar, deve responder por homicídio consumado em caso de morte do contaminado- ou tentativa de homicídio caso a morte não ocorra. O mesmo se dá quando o portador da AIDS atira sangue em outra pessoas com o propósito de contaminá-las. Ante o demonstrado, em divergência a opinião do STF e de demais doutrinadores, o STJ considera que a transmissão consciente do vírus HIV, causador da AIDS, configura lesão corporal grave, delito previsto no artigo 129, parágrafo 2º, do Código Penal. Este entendimento é da Quinta Turma e foi adotado no julgamento de habeas corpus contra decisão do TJDF (Tribunal de Justiça do Distrito Federal). 19 BECHELANI, Adelita aparecida. Aspectos penais e da bioética na transmissão do vírus HIV. 2003, p. 66/ GRECO, Rogério. Curso de direito penal: parte geral. 8 ed. Niterói: Impetus, v. 1. p NUCCI, Guilherme de Souza. Código de processo penal comentado. 5 ed. São Paulo: RT, p

11 A Turma acompanhou integralmente o voto da relatora, ministra Laurita Vaz. Que em sua visão a AIDS, é perfeitamente enquadrada como enfermidade incurável na previsão do artigo 129 do CP, não sendo cabível a desclassificação da conduta para as sanções mais brandas no Capítulo III do mesmo código. Conforme se pode observar seu voto: Em tal capítulo, não há menção a doenças incuráveis. E, na espécie, frise-se: há previsão clara no artigo 129 do mesmo estatuto de que, tratando-se de transmissão de doença incurável, a pena será de reclusão, de dois a oito anos, mais rigorosa 22 Por fim, no caso concreto vislumbra-se que o agente transmissor tendo ou não a intenção de transmitir que tiver relações sexuais com o parceiro e o mesmo não for contaminado pelo vírus, responderá somente pelo crime tipificado no artigo 131 do Código Penal (transmitir moléstia grave). No caso de a vítima contrair o vírus o mesmo poderá ser incurso nas penas de tentativa de homicídio (artigo 121 c/c artigo 13 do Código Penal) ou lesão corporal grave (artigo 129 do Código Penal). Porém nada impede que o agente responda também pelo crime de dano, pois, estamos diante de um crime de perigo com dolo de dano. Onde o tipo exige a finalidade de transmitir a moléstia grave, que, se ocorrer tal transmissão, essa conduta deverá ser considerada uma consequência do resultado lesivo, respondendo pelo crime de dano consubstanciado nos tipos do Código Penal. Os delitos de danos são aqueles em que a consumação ocorre com a lesão ou violação a um bem jurídico tutelado pela CRFB/88, por exemplo, à vida no homicídio. CONSIDERAÇÕES FINAIS Neste diapasão, durante o desenvolvimento do artigo se compreendeu que nem sempre o agente ativo que consumar relação sexual com outrem irá ser incurso nas penas do artigo 131 do Código Penal (o qual caracteriza o crime de transmissão de moléstia grave). O primeiro item demonstrou que a nossa Constituição tutela 22 BRASIL. HC Relatora: Laurita Vaz. Julgado em Disponível em: <www.stj.jus.br/noticias>. Acesso em 11 de out. de

12 direitos os quais se denominam fundamentais para a existência do ser humano, os quais são clausulas pétreas e a pessoa que violar ou lesar este direito responde pelo crime de dano; ainda, o segundo e o terceiro momento demonstraram aspectos que caracterizam os sintomas, forma de transmissão do vírus HIV e suas etapas até se propalar para ser considerado AIDS, bem como o seu não contagio - aplicabilidade legal para cada caso em concreto e distinto. e a Por outro lado, observou-se que a AIDS é sim considerada uma moléstia grave, graças às legislações extravagantes existentes que a definem e igualam como tal. Ainda, vale salientar que o indivíduo não precisa ser portador do vírus HIV para que possa transmiti-lo, considerando-se então o pré-requisito para que o crime não seja considerado próprio. Por fim, chega-se a ponderação de que no caso concreto vislumbra-se que o agente transmissor tendo ou não a intenção de transmitir que tiver relações sexuais com outrem e o mesmo não for contaminado pelo vírus, responderá somente pelo crime tipificado no artigo 131 do Código Penal (transmitir moléstia grave). No caso de a vítima contrair o vírus o mesmo poderá ser incurso nas penas de tentativa de homicídio (artigo 121 c/c artigo 13 do Código Penal) ou lesão corporal grave (artigo 129 do Código Penal). Podendo em todos os casos o agente ser também incurso no crime de dano. REFERÊNCIAS DAS FONTES CITADAS BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil Disponível em: <http://www.planal to.gov.br/ccivil_03/constituicao/constitui%c3%a7ao.htm>. Acesso em: 11 de out. de OBS: A partir de agora intitulada por CRFB/88. BRASIL. HC 98712/SP. Relator Ministro Marco Aurélio. Julgado em Primeira Turma. DJe BRASIL. Lei n /91. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8213cons.htm>. Acesso em 12 de out. de BRASIL. Lei n. 8112/90. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8112cons.htm>. Acesso em 12 de out. de

13 BRASIL. Supremo Tribunal Federal. A Constituição e o Supremo [recurso eletrônico]. 4º ed. Brasília: Secretaria de documentação Disponível em: <http://www.stf.jus.br/arquivo/cms/ publicacaolegislacaoanotada/anexo/completo.pdf>. Acesso em 11 de out. de Disponível em: Conheça os sintomas do HIV e entenda como acontece a transmissão da AIDS. Aprenda o que é a AIDS e como se prevenir. Tire suas principais dúvidas sobre a doença. <http://www.aidshiv.com.br/#ixzz29ql0uuwc>. Acesso em 12 de out. de Disponível em: Portal sobre aids, doenças sexualmente transmissíveis e hepatites virais. ttp://www. AIDS.gov.br/pagina/o-que-e-hiv>. Acesso em 12 de out. de GOMES, Luiz Flávio. SOUSA, Áurea Maria Ferraz de. AIDS. Transmissão do vírus HIV. Qual delito?. Disponível em <http://www.lfg.com.br> - 09 de novembro de Acesso em 11 de out. de GOMES, Luiz Flávio. SOUSA, Áurea Maria Ferraz de. AIDS. Transmissão do vírus HIV. Qual delito?. Disponível em <http://www.lfg.com.br> - 09 de novembro de Acesso em 11 de out. de GRECO, Rogério. Curso de direito penal: parte geral. 8 ed. Niterói: Impetus, v. 1. ISHIDA, Valter Kenji. Curso de direito penal. São Paulo: Atlas, MIRABETE, Julio Fabbrini. Manual de direito penal. Parte Especial. 20 ed. São Paulo: Atlas, v. 2. MORAES, Alexandre de. Direito constitucional. 8 ed. - São Paulo: Editora Atlas S. A., NETO, Francisco Carlos de Aguiar. Direito penal e AIDS. Biblioteca virtual: Editora KOMEDI, Site: <http://www.escrita.com.br/escrita/leitura.asp?texto_id=12920>. Acesso em 12 de out. de NUCCI, Guilherme de Souza. Código de processo penal comentado. 5 ed. São Paulo: RT, SILVA, José de Afonso. Curso de direito constitucional positivo. 23 ed. São Paulo: Malheiros Editora LTDA, BRASIL. HC Relatora: Laurita Vaz. Julgado em Disponível em: <www.stj.jus.br/noticias>. Acesso em 11 de out. de

LATROCÍNIO COM PLURALIDADE DE VÍTIMAS

LATROCÍNIO COM PLURALIDADE DE VÍTIMAS LATROCÍNIO COM PLURALIDADE DE VÍTIMAS ALESSANDRO CABRAL E SILVA COELHO - alessandrocoelho@jcbranco.adv.br JOSÉ CARLOS BRANCO JUNIOR - jcbrancoj@jcbranco.adv.br Palavras-chave: crime único Resumo O presente

Leia mais

Projeto de Lei N.º, de 2012 (do Sr. Arnaldo Faria de Sá)

Projeto de Lei N.º, de 2012 (do Sr. Arnaldo Faria de Sá) Projeto de Lei N.º, de 2012 (do Sr. Arnaldo Faria de Sá) Altera o art. 186, da Lei 8.112/90 e o art. 151 da Lei 8.213/91 O Congresso Nacional decreta: Art. 1º - O 1º, do art. 186, da Lei 8.112/90, passa

Leia mais

Aposentadoria por invalidez pressupõe a existência de uma incapacidade total e definitiva para o trabalho

Aposentadoria por invalidez pressupõe a existência de uma incapacidade total e definitiva para o trabalho A. Aposentadoria por invalidez Decreto Federal nº 3.048, de 06 de maio de 1999 (Regulamento da Previdência Social), que regulamentou a Lei Federal nº 8.122, de 24 de julho de 1991 (Lei Orgânica da Seguridade

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br Transmissão voluntária do vírus da AIDS e suas consequências penais Gecivaldo Vasconcelos Ferreira 1. Comentário preambular A contaminação voluntária de terceiros por pessoas infectadas

Leia mais

FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DE LINHARES FACELI COLEGIADO DO CURSO DE DIREITO CÉLIA PANTALEÃO DE PAULA

FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DE LINHARES FACELI COLEGIADO DO CURSO DE DIREITO CÉLIA PANTALEÃO DE PAULA FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DE LINHARES FACELI COLEGIADO DO CURSO DE DIREITO CÉLIA PANTALEÃO DE PAULA DIREITO PREVIDÊNCIÁRIO JURISPRUDÊNCIAS COMENTADAS LINHARES-ES 2011 CÉLIA PANTALEÃO DE PAULA DIREITO

Leia mais

XVII Congresso Brasileiro de Perícia Médica. Isenção de Carência do INSS Temporário x Definitivo

XVII Congresso Brasileiro de Perícia Médica. Isenção de Carência do INSS Temporário x Definitivo INSS - DIRETORIA DE BENEFÍCIOS XVII Congresso Brasileiro de Perícia Médica Isenção de Carência do INSS Temporário x Definitivo Filomena Maria Bastos Gomes Coordenadora Geral de Benefícios por Incapacidade

Leia mais

Assunto: Realização de teste rápido de HIV,Sífilis e outros agravos.

Assunto: Realização de teste rápido de HIV,Sífilis e outros agravos. PARECER Nº121/2015 PAD: Nº 43/2015 Autora: Conselheira Renata Ramalho Da Cunha Dantas Solicitante: Dr. Ronaldo Miguel Beserra Assunto: Realização de teste rápido de HIV,Sífilis e outros agravos. DO FATO

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça HABEAS CORPUS Nº 160.982 - DF (2010/0016927-3) RELATORA IMPETRANTE IMPETRADO PACIENTE : MINISTRA LAURITA VAZ : ANTONIO CARLOS ALVES LINHARES - DEFENSOR PÚBLICO : TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO DISTRITO FEDERAL

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA PEÇA PROFISSIONAL

PADRÃO DE RESPOSTA PEÇA PROFISSIONAL PEÇA PROFISSIONAL Deve-se redigir ação declaratória, cumulada com ação de repetição de indébito, endereçada à justiça federal. Fundamento de mérito: art. 6.º, inciso XIV, da Lei n.º 7.713/1988, com a redação

Leia mais

PARECER SOBRE A EMENDA CONSTITUCIONAL Nº 70 DE 29/03/12

PARECER SOBRE A EMENDA CONSTITUCIONAL Nº 70 DE 29/03/12 PARECER SOBRE A Rio de Janeiro, 26 de setembro de 2012. EMENDA CONSTITUCIONAL Nº 70 DE 29/03/12 ALGUMAS CONSIDERAÇÕES INICIAIS SOBRE AS IMPLICAÇÕES JURÍDICAS PARA OS SERVIDORES PÚBLICOS APOSENTADOS OU

Leia mais

Direito Penal III. Aula 07 21/03/2012 2.3 DA PERICLITAÇÃO DA VIDA E DA SAÚDE. 2.3.1 Introdução

Direito Penal III. Aula 07 21/03/2012 2.3 DA PERICLITAÇÃO DA VIDA E DA SAÚDE. 2.3.1 Introdução Aula 07 21/03/2012 2.3 DA PERICLITAÇÃO DA VIDA E DA SAÚDE 2.3.1 Introdução a) Crime de perigo os da periclitação da vida e da saúde são denominados como crimes de perigo, cuja consumação se dá com a exposição

Leia mais

IX ISENÇÃO DO IMPOSTO DE RENDA NA APOSENTADORIA

IX ISENÇÃO DO IMPOSTO DE RENDA NA APOSENTADORIA IX ISENÇÃO DO IMPOSTO DE RENDA NA APOSENTADORIA Instrução Normativa SRF 15, de 6/2/2001 O que é? Os portadores de câncer (neoplasia maligna) estão isentos do Imposto de Renda relativo aos rendimentos de

Leia mais

NOVOS INSTRUMENTOS PERMITEM CONCRETIZAR DIREITOS HUMANOS NO STF E STJ

NOVOS INSTRUMENTOS PERMITEM CONCRETIZAR DIREITOS HUMANOS NO STF E STJ NOVOS INSTRUMENTOS PERMITEM CONCRETIZAR DIREITOS HUMANOS NO STF E STJ (Conjur, 10/12/2014) Alexandre de Moraes Na luta pela concretização da plena eficácia universal dos direitos humanos o Brasil, mais

Leia mais

Doutrina - Omissão de Notificação da Doença

Doutrina - Omissão de Notificação da Doença Doutrina - Omissão de Notificação da Doença Omissão de Notificação da Doença DIREITO PENAL - Omissão de Notificação de Doença CP. Art. 269. Deixar o médico de denunciar à autoridade pública doença cuja

Leia mais

Informações sobre Aposentadoria

Informações sobre Aposentadoria MINISTÉRIO DAS RELAÇÕES EXTERIORES Subsecretaria-Geral do Serviço Exterior Departamento do Serviço Exterior Informações sobre Aposentadoria Departamento do Serviço Exterior Divisão de Pagamentos Esplanada

Leia mais

EMENTA: ANÁLISE JURÍDICA. ISENÇÃO DE IMPOSTO DE RENDA DE PESSOA FÍSICA POR DOENÇAS GRAVES. ROL

EMENTA: ANÁLISE JURÍDICA. ISENÇÃO DE IMPOSTO DE RENDA DE PESSOA FÍSICA POR DOENÇAS GRAVES. ROL PARECER N. 001/2015-SINDIJUS/MS INTERESSADO: SINDICATO DOS SERVIDORES DO PODER JUDICIÁRIO DE MATO GROSSO DO SUL SINDIJUS/MS EMENTA: ANÁLISE JURÍDICA. ISENÇÃO DE IMPOSTO DE RENDA DE PESSOA FÍSICA POR DOENÇAS

Leia mais

ESCLEROSE LATERAL AMIOTRÓFICA (ELA)

ESCLEROSE LATERAL AMIOTRÓFICA (ELA) ESCLEROSE LATERAL AMIOTRÓFICA (ELA) Recebi o diagnóstico de ELA e agora? Orientações básicas sobre direitos previdenciários Esta cartilha surgiu com a intenção de esclarecer dúvidas frequentes, quando

Leia mais

Direito Penal Dr. Caio Paiva Aprovado no Concurso para Defensor Público Federal

Direito Penal Dr. Caio Paiva Aprovado no Concurso para Defensor Público Federal Direito Penal Dr. Caio Paiva Aprovado no Concurso para Defensor Público Federal Escola Brasileira de Ensino Jurídico na Internet (EBEJI). Todos os direitos reservados. 1 Direito Penal Parte Especial do

Leia mais

Previdência: Aposentadoria por invalidez e outros direitos. Porto Alegre RS 27 de agosto de 2013

Previdência: Aposentadoria por invalidez e outros direitos. Porto Alegre RS 27 de agosto de 2013 Previdência: Aposentadoria por invalidez e outros direitos. Porto Alegre RS 27 de agosto de 2013 - Seguridade Social; - Regimes Previdenciários; - Regime Próprio de Previdência Social; - Benefícios Previdenciários;

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 942.530 - RS (2007/0084348-0) RELATOR RECORRENTE PROCURADOR RECORRIDO ADVOGADO : MINISTRO JORGE MUSSI : UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA : JOSÉ CARLOS GUIZOLFI ESPIG E OUTRO(S) :

Leia mais

O seu futuro em boas mãos

O seu futuro em boas mãos O seu futuro em boas mãos Previdência Social de Campina Grande do Sul Paraná Previdência Social de Campina Grande do Sul Paraná Março 1994 Aposentadoria por Tempo de Contribuição Os Servidores Públicos

Leia mais

PARECER CREMEC Nº 26/2011 01/10/2011

PARECER CREMEC Nº 26/2011 01/10/2011 PARECER CREMEC Nº 26/2011 01/10/2011 Processo-Consulta Protocolo CREMEC nº 5032/2011 Assunto: DOENÇA DE ALZHEIMER Relatora: DRA. PATRÍCIA MARIA DE CASTRO TEIXEIRA EMENTA: DOENÇA DE ALZHEIMER. PORTADOR.

Leia mais

FATO TÍPICO. Conduta (dolosa ou culposa; comissiva ou omissiva) Nexo de causalidade Tipicidade

FATO TÍPICO. Conduta (dolosa ou culposa; comissiva ou omissiva) Nexo de causalidade Tipicidade TEORIA GERAL DO CRIME FATO TÍPICO Conduta (dolosa ou culposa; comissiva ou omissiva) Resultado Nexo de causalidade Tipicidade RESULTADO Não basta existir uma conduta. Para que se configure o crime é necessário

Leia mais

1 Dados do Servidor MATRÍCULA SIAPE CPF DATA DE NASCIMENTO TELEFONE RESIDÊNCIAL TELEFONE DO TRABALHO CIDADE ESTADO CEP

1 Dados do Servidor MATRÍCULA SIAPE CPF DATA DE NASCIMENTO TELEFONE RESIDÊNCIAL TELEFONE DO TRABALHO CIDADE ESTADO CEP MINISTÉRIO DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA-EXECUTIVA DEPARTAMENTO DE ÓRGÃOS EXTINTOS SAN Quadra 03 Lote A Ed. Núcleo dos Transportes Sala nº 2237 CEP: 70.040-902 BRASÍLIA DF ESPAÇO RESERVADO

Leia mais

PRESTAÇÕES BENEFICIÁRIAS. Benefícios e Serviços

PRESTAÇÕES BENEFICIÁRIAS. Benefícios e Serviços Seguridade Social Profª Mestre Ideli Raimundo Di Tizio p 20 PRESTAÇÕES BENEFICIÁRIAS Benefícios e Serviços As prestações compreendidas pelo Regime Geral de Previdência Social são expressas em benefícios

Leia mais

Questões relevantes Parte Especial CP

Questões relevantes Parte Especial CP Direito Penal 2ª Fase OAB/FGV Aula 07 Professor Sandro Caldeira Questões relevantes Parte Especial CP Crimes contra a vida; ; Homicídio simples Art. 121 CP. Matar alguém: Pena - reclusão, de seis a vinte

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 1 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Divergência nº 10 - Data 14 de agosto de 2014 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: Imposto sobre a Renda de Pessoa Física - IRPF Os valores recebidos

Leia mais

INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE CARIACICA - IPC. Principais procedimentos Perícia Médica e Benefícios Previdenciários

INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE CARIACICA - IPC. Principais procedimentos Perícia Médica e Benefícios Previdenciários INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE CARIACICA - IPC Principais procedimentos Perícia Médica e Benefícios Previdenciários APRESENTAÇÃO DE ATESTADO À CHEFIA IMEDIATA As licenças

Leia mais

Prof. José Nabuco Filho. Aborto

Prof. José Nabuco Filho. Aborto Aborto Apostila 1. Introdução Sob o nomem juris de aborto, o Código Penal tipifica quatro crimes diferentes: 1 duas definidas no art. 124, tendo como sujeito ativo a gestante; outras duas, em que o sujeito

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO 1ª CÂMARA

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO 1ª CÂMARA Objeto: Aposentadoria Relator: Auditor Renato Sérgio Santiago Melo Responsáveis: Vanderlei Medeiros de Oliveira e outra Interessada: Railda Neri Lira EMENTA: PODER EXECUTIVO MUNICIPAL ADMINISTRAÇÃO INDIRETA

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 5.258, DE 2005 (Apenso o Projeto de Lei nº 5.365, de 2005)

PROJETO DE LEI Nº 5.258, DE 2005 (Apenso o Projeto de Lei nº 5.365, de 2005) COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA PROJETO DE LEI Nº 5.258, DE 2005 (Apenso o Projeto de Lei nº 5.365, de 2005) Acrescenta incisos ao 8º do art. 6º da Lei nº 10.999, de 15 de dezembro de 2004, para

Leia mais

É o retorno do servidor posto em disponibilidade. A disponibilidade não é uma forma de punição, é uma garantia do servidor.

É o retorno do servidor posto em disponibilidade. A disponibilidade não é uma forma de punição, é uma garantia do servidor. Turma e Ano: TJ ANALISTA JUDICIÁRIO e EXECUTANTE (2014) Matéria / Aula: Estatuto dos Servidores / Aula 2 Professor: Marcelo Chaves Monitor: Juliana Louzada FORMAS DE PROVIMENTO: Recondução: Segundo a Constituição,

Leia mais

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 663, DE 2011

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 663, DE 2011 SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 663, DE 2011 O CONGRESSO NACIONAL decreta: Altera a Lei nº 8.036, de 11 de maio de 1990, que dispõe sobre o Fundo de Garantia do Tempo de Serviço, e dá outras

Leia mais

DSTS - Doenças Sexualmente Transmissíveis. Alunas : Manuella Barros / Anna Morel /Elaine Viduani.

DSTS - Doenças Sexualmente Transmissíveis. Alunas : Manuella Barros / Anna Morel /Elaine Viduani. DSTS - Doenças Sexualmente Transmissíveis Alunas : Manuella Barros / Anna Morel /Elaine Viduani. O que são DSTS? São as doenças sexualmente transmissíveis (DST), são transmitidas, principalmente, por contato

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br As Medidas de Segurança (Inconstitucionais?) e o dever de amparar do Estado Eduardo Baqueiro Rios* Antes mais nada são necessárias breves considerações acerca de pena e das medidas

Leia mais

A (IN)COMPATIBILIDADE DA TENTATIVA NO DOLO EVENTUAL RESUMO

A (IN)COMPATIBILIDADE DA TENTATIVA NO DOLO EVENTUAL RESUMO 331 A (IN)COMPATIBILIDADE DA TENTATIVA NO DOLO EVENTUAL Cícero Oliveira Leczinieski 1 Ricardo Cesar Cidade 2 Alberto Wunderlich 3 RESUMO Este artigo visa traçar breves comentários acerca da compatibilidade

Leia mais

<CABBCBBCCADACABCCBBABBCCACBABCADBCAAA DDADAAAD> EMENTA: AGRAVO EM EXECUÇÃO PENAL ASSOCIAÇÃO PARA O TRÁFICO DE DROGAS CRIME EQUIPARADO A HEDIONDO RECURSO NÃO PROVIDO. - O crime previsto no art. 35 da Lei

Leia mais

Acesso ao Tribunal Constitucional: Possibilidade de ações movidas por estrangeiros

Acesso ao Tribunal Constitucional: Possibilidade de ações movidas por estrangeiros Acesso ao Tribunal Constitucional: Possibilidade de ações movidas por estrangeiros Os direitos fundamentais previstos na Constituição brasileira de 1988 são igualmente garantidos aos brasileiros e aos

Leia mais

RESPONSABILIDADE CIVIL E PENAL NA ÁREA DA SEGURANÇA DO TRABALHO

RESPONSABILIDADE CIVIL E PENAL NA ÁREA DA SEGURANÇA DO TRABALHO RESPONSABILIDADE CIVIL E PENAL NA ÁREA DA SEGURANÇA DO TRABALHO RESPONSABILIDADE CIVIL E CRIMINAL DECORRENTE DE ACIDENTES DE TRABALHO Constituição Federal/88 Art.1º,III A dignidade da pessoa humana. art.5º,ii

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XIV EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XIV EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL João e José são pessoas com deficiência física, tendo concluído curso de nível superior. Diante da abertura de vagas para preenchimento de cargos vinculados ao Ministério

Leia mais

Digite o título aqui. Informativo 17/2015

Digite o título aqui. Informativo 17/2015 Data do boletim informativo Volume 1, Edição 1 Digite o título aqui Informativo 17/2015 PUBLICADA LEI QUE PROMOVE ALTERAÇÕES NOS BENEFÍCIOS PREVIDENCIÁRIOS Lei nº 13.135, de 17 de junho de 2015 - DOU de

Leia mais

Mais uma falha legislativa na tentativa desesperada de retificar o Código de Processo Penal. Análise feita à luz da Lei nº. 12.403/11.

Mais uma falha legislativa na tentativa desesperada de retificar o Código de Processo Penal. Análise feita à luz da Lei nº. 12.403/11. Mais uma falha legislativa na tentativa desesperada de retificar o Código de Processo Penal. Análise feita à luz da Lei nº. 12.403/11. Ricardo Henrique Araújo Pinheiro. A breve crítica que faremos neste

Leia mais

DUPLO GRAU DE JURISDIÇÃO 514426-04.2009.8.09.0006 (200995144265) COMARCA DE ANÁPOLIS AUTOR : IOLANDA CECÍLIO DE MORAIS PEREIRA RÉU : ESTADO DE GOIÁS

DUPLO GRAU DE JURISDIÇÃO 514426-04.2009.8.09.0006 (200995144265) COMARCA DE ANÁPOLIS AUTOR : IOLANDA CECÍLIO DE MORAIS PEREIRA RÉU : ESTADO DE GOIÁS DUPLO GRAU DE JURISDIÇÃO 514426-04.2009.8.09.0006 (200995144265) COMARCA DE ANÁPOLIS AUTOR : IOLANDA CECÍLIO DE MORAIS PEREIRA RÉU : ESTADO DE GOIÁS APELAÇÃO CÍVEL APELANTE : ESTADO DE GOIÁS APELADO :

Leia mais

TIPOS E REGRAS DE APOSENTADORIAS

TIPOS E REGRAS DE APOSENTADORIAS TIPOS E REGRAS DE APOSENTADORIAS O SINTFUB entende que o servidor que está para aposentar tem de ter esclarecimento sobre os tipos e regras para aposentadorias hoje vigentes antes de requerer esse direito.

Leia mais

Faculdade Cathedral Curso de Direito 6º Semestre Direito Penal IV Prof. Vilmar A. Silva AULA 1 A 4 PARTE 2

Faculdade Cathedral Curso de Direito 6º Semestre Direito Penal IV Prof. Vilmar A. Silva AULA 1 A 4 PARTE 2 Faculdade Cathedral Curso de Direito 6º Semestre Direito Penal IV Prof. Vilmar A. Silva AULA 1 A 4 PARTE 2 Crime qualificado pela provocação de lesão grave ou em razão da idade da vítima Art. 213, 1º Se

Leia mais

O artigo 1º da Lei nº 10.048/00 passou a ter nova redação após o advento do Estatuto do Idoso 2, como se vê adiante:

O artigo 1º da Lei nº 10.048/00 passou a ter nova redação após o advento do Estatuto do Idoso 2, como se vê adiante: A Lei nº 10.048/00 conferiu atendimento prioritário a determinado grupo de pessoas, o que foi regulamentado pelo Decreto nº 5.296/04, sendo também estabelecidas prioridades pela Lei nº 12.008/09, e, no

Leia mais

ANÁLISE DA EXPRESSÃO FLORESTA INSERIDA NO ARTIGO 38 DA LEI Nº 9.065/98

ANÁLISE DA EXPRESSÃO FLORESTA INSERIDA NO ARTIGO 38 DA LEI Nº 9.065/98 ANÁLISE DA EXPRESSÃO FLORESTA INSERIDA NO ARTIGO 38 DA LEI Nº 9.065/98 Hassan Souki Advogado Associado do Escritório Homero Costa Advogados. A Lei nº 9.605, de 12 de fevereiro de 1998, tipifica, em seu

Leia mais

ANTIJURIDICIDADE. 1.3 - Conceito segundo a Teoria Constitucionalista do Delito: fato formal e materialmente típico e antijurídico.

ANTIJURIDICIDADE. 1.3 - Conceito segundo a Teoria Constitucionalista do Delito: fato formal e materialmente típico e antijurídico. ANTIJURIDICIDADE 1 - Crime 1.1 - Conceito Clássico: fato típico, antijurídico e culpável. 1.2 - Conceito segundo o Finalismo: fato típico e antijurídico. 1.3 - Conceito segundo a Teoria Constitucionalista

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal RECLAMAÇÃO 15.309 SÃO PAULO RELATORA RECLTE.(S) PROC.(A/S)(ES) RECLDO.(A/S) ADV.(A/S) INTDO.(A/S) ADV.(A/S) : MIN. ROSA WEBER :MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE SÃO PAULO :PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA DO

Leia mais

GUIA DE ATUAÇÃO MINISTERIAL ORIENTAÇÕES SOBRE O DIREITO AO ATENDIMENTO PRIORITÁRIO ÀS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA E AOS IDOSOS

GUIA DE ATUAÇÃO MINISTERIAL ORIENTAÇÕES SOBRE O DIREITO AO ATENDIMENTO PRIORITÁRIO ÀS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA E AOS IDOSOS GUIA DE ATUAÇÃO MINISTERIAL ORIENTAÇÕES SOBRE O DIREITO AO ATENDIMENTO PRIORITÁRIO ÀS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA E AOS IDOSOS A Lei nº 10.048/00 conferiu atendimento prioritário a determinado grupo de pessoas,

Leia mais

Pró-Reitoria de Gestão de Pessoas

Pró-Reitoria de Gestão de Pessoas Pró-Reitoria de Gestão de Pessoas Comissão: Ana Maria Coelho Laurenti Elisângela Rodrigues Carrijo José Francisco Gregoracci Marco Antonio Zanni Maria Helena Pereira Rosalini Prof. Dr Mauro Rocha Côrtes

Leia mais

Auxílio doença: período de carência e as distorções do benefício refletidas no Direito do Trabalho

Auxílio doença: período de carência e as distorções do benefício refletidas no Direito do Trabalho Este texto foi publicado no site Jus Navigandi no endereço http://jus.com.b r/artigos/17634 Para ver outras publicações como esta, acesse http://jus.com.b r Auxílio doença: período de carência e as distorções

Leia mais

Poder Judiciário. Estado do Rio de Janeiro Décima Nona Câmara Cível

Poder Judiciário. Estado do Rio de Janeiro Décima Nona Câmara Cível Agravo Nº: 0016500-54.2014.8.19.0000 Agravante: JAQUELINE MOREIRA DA COSTA Agravado: INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE RESENDE RJ - RESENPREVI Juízo de origem: 1ª Vara Cível

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br O Crime de Aborto e Suas Principais Características Carlos Valfrido Aborto Conceito: Aborto é a interrupção de uma gestação com a conseqüente morte do feto. Do latim ab (privação),

Leia mais

AS NOVAS MUDANÇAS SOBRE O AUXÍLIO-DOENÇA

AS NOVAS MUDANÇAS SOBRE O AUXÍLIO-DOENÇA AS NOVAS MUDANÇAS SOBRE O AUXÍLIO-DOENÇA *Juliana de Oliveira Xavier Ribeiro **Cibeli Espíndola dos Santos 1- Introdução O governo anunciou no final do mês de março um pacote de medidas, cujas principais

Leia mais

TERCEIRA CÂMARA CÍVEL APELAÇÃO Nº 48434/2011 - CLASSE CNJ - 198 - COMARCA CAPITAL

TERCEIRA CÂMARA CÍVEL APELAÇÃO Nº 48434/2011 - CLASSE CNJ - 198 - COMARCA CAPITAL APELAÇÃO Nº 48434/2011 CLASSE CNJ 198 COMARCA CAPITAL Fls. APELANTE: MILTON CAMPOS ARRUDA APELADO: INSTITUTO MUNICIPAL DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DOS SERVIDORES DE CUIABÁ CUIABÁPREV Número do Protocolo: 48434/2011

Leia mais

ISENÇÃO DE IMPOSTOS DEFICIENTES FÍSICOS OU PESSOAS COM DOENÇAS GRAVES

ISENÇÃO DE IMPOSTOS DEFICIENTES FÍSICOS OU PESSOAS COM DOENÇAS GRAVES ISENÇÃODEIMPOSTOSDEFICIENTESFÍSICOSOU PESSOASCOMDOENÇASGRAVES Em nosso país existem muitas garantias de direitos hoje em dia, mas os cidadãosnãoexigemessesdireitos.istoocorre,namaioriadasvezespelagrande

Leia mais

VAMOS FALAR SOBRE. AIDS + DSTs

VAMOS FALAR SOBRE. AIDS + DSTs VAMOS FALAR SOBRE AIDS + DSTs AIDS A AIDS (Síndrome da Imunodeficiência Adquirida) atinge indiscriminadamente homens e mulheres e tem assumido proporções assustadoras desde a notificação dos primeiros

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2003

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2003 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2003 Altera as Leis n o s 8.112, de 11 de dezembro de 1990, (que dispõe sobre o regime jurídico dos servidores públicos civis da União, das autarquias e das fundações públicas

Leia mais

PORTARIA Nº 025/2009. CONSIDERANDO o elevado volume de perícias judiciais realizadas mensalmente no Jef de Santo André,

PORTARIA Nº 025/2009. CONSIDERANDO o elevado volume de perícias judiciais realizadas mensalmente no Jef de Santo André, PODER JUDICIÁRIO JUIZADO ESPECIAL FEDERAL CÍVEL DE SANTO ANDRÉ 26ª Subseção da Seção Judiciária do Estado de São Paulo Av. Pereira Barreto, nº 1.299, Paraíso Santo André SP CEP 09190-610 PORTARIA Nº 025/2009

Leia mais

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DO JUIZADO ESPECIAL CRIMINAL DA COMARCA DE PALMAS-TO REGIÃO

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DO JUIZADO ESPECIAL CRIMINAL DA COMARCA DE PALMAS-TO REGIÃO EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DO JUIZADO ESPECIAL CRIMINAL DA COMARCA DE PALMAS-TO REGIÃO CENTRAL CARLOS ENRIQUE FRANCO AMASTHA, brasileiro, casado, empresário, portador do RG nº 4.437.999-6

Leia mais

SOLICITAÇÃO DE BOLSA SOCIAL. Data de Nascimento: / / Idade: anos Sexo: Masculino Feminino. Responsável Legal: CPF:

SOLICITAÇÃO DE BOLSA SOCIAL. Data de Nascimento: / / Idade: anos Sexo: Masculino Feminino. Responsável Legal: CPF: SOLICITAÇÃO DE BOLSA SOCIAL Protocolo de Solicitação: Beneficiário: Data de Nascimento: / / Idade: anos Sexo: Masculino Feminino Ensino: Infantil Nível: Médio: Ano Fundamental Ano Profissionalizante: Ano

Leia mais

Direito Previdenciário - Prof. Ítalo

Direito Previdenciário - Prof. Ítalo 51 BOAS DICAS DE BENEFÍCIOS Professor Italo Romano DICA 1 São 10 os benefícios previdenciários (REGRA 4 3 2 1). DICA 2 São 6 os segurados da Previdência Social (CADES F). DICA 3 Os beneficiários do sistema

Leia mais

ASSUNTO: PEDIDO DE RESTITUIÇÃO IRRF MOLÉSTIA GRAVE

ASSUNTO: PEDIDO DE RESTITUIÇÃO IRRF MOLÉSTIA GRAVE MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL DELEGACIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL EM MACAPÁ SEÇÃO DE ORIENTAÇÃO E ANÁLISE TRIBUTÁRIA - SAORT PROCESSO Nº PARECER x INTERESSADO CNPJ/CPF

Leia mais

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 11, DE 2011

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 11, DE 2011 SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 11, DE 2011 Altera a Lei no 7.670, de 8 de setembro de 1988, e o art. 186 da Lei nº 8.112, de 11 de dezembro de 1990, para incluir os portadores das formas crônicas

Leia mais

DIA DA LUTA CONTRA A SIDA 01 DE DEZEMBRO

DIA DA LUTA CONTRA A SIDA 01 DE DEZEMBRO DIA DA LUTA CONTRA A SIDA 01 DE DEZEMBRO Presentemente, a infeçãovih/sida não tem cura e a prevenção é a única medida eficaz. A infeçãovih/sida tem uma história relativamente recente, mas já dramática

Leia mais

INVESTIMENTO I - IMPOSTO DE RENDA NA PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR II - SIMULE E FAÇA CONTRIBUIÇÕES ADICIONAL

INVESTIMENTO I - IMPOSTO DE RENDA NA PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR II - SIMULE E FAÇA CONTRIBUIÇÕES ADICIONAL INVESTIMENTO I - IMPOSTO DE RENDA NA PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR II - SIMULE E FAÇA CONTRIBUIÇÕES ADICIONAL I - IMPOSTO DE RENDA NA PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR A Lei n.º 11.053, de 29 de dezembro de 2004, trouxe

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 6.124 DE 2005. (Apensados: PL nº 5.448/01 e PL nº 2.276/07)

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 6.124 DE 2005. (Apensados: PL nº 5.448/01 e PL nº 2.276/07) COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 6.124 DE 2005 (Apensados: PL nº 5.448/01 e PL nº 2.276/07) Define o crime de discriminação dos portadores do vírus da imunodeficiência

Leia mais

Aids ou Sida? www.interaulaclube.com.br

Aids ou Sida? www.interaulaclube.com.br A UU L AL A Aids ou Sida? A Aids é uma das doenças mais comentadas e pesquisadas dos últimos anos. Mesmo com os avanços que os especialistas vêm obtendo, ainda falta explicar muitos de seus aspectos. A

Leia mais

PARECER CFM 46/15 INTERESSADO:

PARECER CFM 46/15 INTERESSADO: PARECER CFM nº 46/15 INTERESSADO: J.C.M.G. Junta Médica Regional do Ministério da Fazenda ASSUNTO: Patologias neoplásicas malignas RELATOR: Cons. José Fernando Maia Vinagre EMENTA: Todo indivíduo portador

Leia mais

Acesso aos Tribunais Superiores. Habeas Corpus. Thiago Bottino. Conferência Nacional dos Advogados

Acesso aos Tribunais Superiores. Habeas Corpus. Thiago Bottino. Conferência Nacional dos Advogados Acesso aos Tribunais Superiores Habeas Corpus Thiago Bottino Conferência Nacional dos Advogados Rio de Janeiro, 21 de outubro de 2014 problema pesquisa propostas 2 problema 3 HC 109.956, 1ª Turma, STF

Leia mais

O acórdão em análise é oriundo do Superior Tribunal de Justiça, no julgamento de um agravo regimental em Recurso Especial e assim dispõe:

O acórdão em análise é oriundo do Superior Tribunal de Justiça, no julgamento de um agravo regimental em Recurso Especial e assim dispõe: 3. COMENTÁRIOS À JURISPRUDÊNCIA 3.1 QUESTÕES PONTUAIS SOBRE EXECUÇÃO PENAL ÉRIKA DE LAET GOULART MATOSINHO Oficial do Ministério Público do Estado de Minas Gerais Bacharel em Direito 1. Escolha do acórdão

Leia mais

O Dano Moral por Uso Indevido da Imagem do Empregado. O direito à imagem é um dos direitos de personalidade alçados a nível constitucional.

O Dano Moral por Uso Indevido da Imagem do Empregado. O direito à imagem é um dos direitos de personalidade alçados a nível constitucional. 1 O Dano Moral por Uso Indevido da Imagem do Empregado. O direito à imagem é um dos direitos de personalidade alçados a nível constitucional. Art. 5. Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer

Leia mais

DECLARAÇÃO DE VENCIMENTOS E VANTAGENS COM FUNDAMENTAÇÃO BASE LEGAL, EMITIDA PELO ÓRGÃO (ORIGINAL);

DECLARAÇÃO DE VENCIMENTOS E VANTAGENS COM FUNDAMENTAÇÃO BASE LEGAL, EMITIDA PELO ÓRGÃO (ORIGINAL); PROTOCOLO GERAL DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA SOLICITAÇÕES: 1. APOSENTADORIA REQUERIMENTO ASSINADO PELO SERVIDOR E COM VISTO DO CHEFE IMEDIATO (ORIGINAL); OBS.: APOSENTADORIA COMPULSÓRIA - NÃO É NECESSÁRIO

Leia mais

1. Questionamento: 2. Fundamentos:

1. Questionamento: 2. Fundamentos: 1. Questionamento: Preciso saber em qual dispositivo legal se encaixa o seguinte caso: Um senhor induziu um menor, com 12 anos de idade, a praticar ato sexual com animal (ovelha), porém não há indícios

Leia mais

L G E ISL S A L ÇÃO O ES E P S EC E IAL 8ª ª-

L G E ISL S A L ÇÃO O ES E P S EC E IAL 8ª ª- DIREITO PENAL IV LEGISLAÇÃO ESPECIAL 8ª - Parte Professor: Rubens Correia Junior 1 Direito penal Iv 2 ROUBO 3 - Roubo Qualificado/Latrocínio 3º Se da violência resulta lesão corporal grave, a pena é de

Leia mais

PROGRAMA APRENDA DIREITO PENAL EM 3 MESES

PROGRAMA APRENDA DIREITO PENAL EM 3 MESES PROGRAMA APRENDA DIREITO PENAL EM 3 MESES Perguntas/Respostas alunos Módulo 2 Seguem abaixo as respostas aos questionamentos elaborados pelos alunos. Bons estudos! PERGUNTA 1 Aluna: Talita Késsia Andrade

Leia mais

DIREITO PROCESSUAL PENAL COMPETÊNCIAS

DIREITO PROCESSUAL PENAL COMPETÊNCIAS DIREITO PROCESSUAL PENAL COMPETÊNCIAS Atualizado em 03/11/2015 4. Competência Material Ratione Materiae: Divide-se em competência da Justiça Estadual, Federal, Eleitoral e Militar (não falamos da Justiça

Leia mais

REGIME PRISIONAL FECHADO NO DELITO DE TRÁFICO DE ENTORPECENTES. Autor: Fábio Soares Valera. Promotor de Justiça. Comarca de Araxá.

REGIME PRISIONAL FECHADO NO DELITO DE TRÁFICO DE ENTORPECENTES. Autor: Fábio Soares Valera. Promotor de Justiça. Comarca de Araxá. REGIME PRISIONAL FECHADO NO DELITO DE TRÁFICO DE ENTORPECENTES. Autor: Fábio Soares Valera. Promotor de Justiça. Comarca de Araxá. Em sede do julgamento do habeas corpus n. 97.256/RS, o Supremo Tribunal

Leia mais

Responsabilidade penal ambiental. A importância da reparação do dano ambiental

Responsabilidade penal ambiental. A importância da reparação do dano ambiental Responsabilidade penal ambiental A importância da reparação do dano ambiental Ideal: Meio ambiente sadio, preservado e equilibrado ecologicamente Realidade: Busca de solução jurídica diante de uma situação

Leia mais

Dr. Guilherme Augusto Gonçalves Machado advogado mestrando em Direito Empresarial pela Faculdade de Direito Milton Campos

Dr. Guilherme Augusto Gonçalves Machado advogado mestrando em Direito Empresarial pela Faculdade de Direito Milton Campos $ 5(63216$%,/,'$'( &,9,/ '2 3529('25 '( $&(662,17(51(7 Dr. Guilherme Augusto Gonçalves Machado advogado mestrando em Direito Empresarial pela Faculdade de Direito Milton Campos A Internet se caracteriza

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça HABEAS CORPUS Nº 221.913 - SP (2011/0248241-5) RELATOR IMPETRANTE ADVOGADO IMPETRADO PACIENTE : MINISTRO OG FERNANDES : DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DE SÃO PAULO : RICARDO LOBO DA LUZ - DEFENSOR PÚBLICO

Leia mais

A APLICABILIDADE DA LEI Nº 11.340, DE 07 DE AGOSTO DE 2006 NA JUSTIÇA MILITAR

A APLICABILIDADE DA LEI Nº 11.340, DE 07 DE AGOSTO DE 2006 NA JUSTIÇA MILITAR A APLICABILIDADE DA LEI Nº 11.340, DE 07 DE AGOSTO DE 2006 NA JUSTIÇA MILITAR Jonas Guedes 1 Resumo: O tema abordado no presente artigo versará sobre o crime de lesão corporal, sob a égide do Direito Constitucional

Leia mais

Egrégio Tribunal, Colenda Câmara,

Egrégio Tribunal, Colenda Câmara, RAZÕES DE APELAÇÃO Vara do Júri do Foro de Osasco Proc. nº 00XXXXX-76.2000.8.26.0405 Apelante: O.C.B. Apelado: MINISTÉRIO PÚBLICO Egrégio Tribunal, Colenda Câmara, 1. Breve síntese dos autos O.C.B. foi

Leia mais

AIDS DST. cartilha. Saúde: eu cuido. Sexo: só seguro. Camisinha: EU USO. 1º DE DEZEMBRO DIA MUNDIAL DE COMBATE À AIDS. sistema:

AIDS DST. cartilha. Saúde: eu cuido. Sexo: só seguro. Camisinha: EU USO. 1º DE DEZEMBRO DIA MUNDIAL DE COMBATE À AIDS. sistema: Saúde: eu cuido. Sexo: só seguro. Camisinha: EU USO. 1º DE DEZEMBRO DIA MUNDIAL DE COMBATE À AIDS cartilha AIDS DST e S sistema: FEDERAÇÕES E SINDICATOS VINCULADOS O que são DSTs As doenças sexualmente

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça HABEAS CORPUS Nº 197.783 - SP (2011/0034092-9) RELATORA : MINISTRA MARILZA MAYNARD (DESEMBARGADORA CONVOCADA DO TJ/SE) IMPETRANTE : FABIANA JULIA OLIVEIRA RESENDE - DEFENSORA PÚBLICA IMPETRADO : TRIBUNAL

Leia mais

Responsabilidade Criminal Ambiental. Paulo Freitas Ribeiro

Responsabilidade Criminal Ambiental. Paulo Freitas Ribeiro Responsabilidade Criminal Ambiental Paulo Freitas Ribeiro Constituição Federal Artigo 225 - Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade

Leia mais

APOSENTADORIA POR INVALIDEZ - Aspectos Previdenciários e Trabalhistas

APOSENTADORIA POR INVALIDEZ - Aspectos Previdenciários e Trabalhistas APOSENTADORIA POR INVALIDEZ - Aspectos Previdenciários e Trabalhistas Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 13/10/2011. Sumário: 1 - Introdução 2 - Aposentadoria por Invalidez 2.1 - Concessão

Leia mais

IMPOSSIBILIDADE DE RECOLHIMENTO DE PRESO CIVIL EM PRISÃO MILITAR

IMPOSSIBILIDADE DE RECOLHIMENTO DE PRESO CIVIL EM PRISÃO MILITAR ELBERT DA CRUZ HEUSELER Mestre em Direito da Administração Pública Doutorando em Ciências Jurídicas e Sociais Pós Graduado em Estratégia e Relações Internacionais Especialista em Globalização e Brasil

Leia mais

Núcleo de Pesquisa e Extensão do Curso de Direito NUPEDIR VII MOSTRA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (MIC) 25 de novembro de 2014

Núcleo de Pesquisa e Extensão do Curso de Direito NUPEDIR VII MOSTRA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (MIC) 25 de novembro de 2014 DOS CRIMES CONTRA A VIDA HOMICÍDIO Camila Beatriz Herschaft 1 Jenifer Maldaner 2 Marciele Burg 3 Rogério Cézar Soehn 4 SUMÁRIO: 1 INTRODUÇÃO. 2 HOMICÍDIO. 2.1 O PRIMEIRO HOMICÍDIO. 2.2 OBJETO JURÍDICO.

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE MINAS GERAIS JUIZADO ESPECIAL CRIMINAL 8ª PROMOTORIA DE JUSTIÇA DE BELO HORIZONTE APELAÇÃO

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE MINAS GERAIS JUIZADO ESPECIAL CRIMINAL 8ª PROMOTORIA DE JUSTIÇA DE BELO HORIZONTE APELAÇÃO EXMO.SR(a).DR(a). JUIZ(a) DE DIREITO DA 2 ª SECRETARIA CRIMINAL DO JUIZADO ESPECIAL DE BELO HORIZONTE -MG Réu: Autor: Ministério Público Processo n. APELAÇÃO O Ministério Público do Estado de Minas Gerais,

Leia mais

Poder Judiciário do Estado do Rio de Janeiro Primeira Câmara Criminal

Poder Judiciário do Estado do Rio de Janeiro Primeira Câmara Criminal Juízo de origem: 37ª Vara Criminal da Comarca da Capital Embargante: Pither Honorio Gomes Advogado: Defensoria Pública Embargado: Ministério Público Presidente: Marcus Henrique Pinto Basílio Relatora:

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Crimes contra honra Aline Ramalho Alana Ramalho Aretusa Notelo Luceli Cruz Suely Soares * "A honra é um atributo da pessoa, estando de tal modo ligado e vinculado à personalidade

Leia mais

Cuidando da Minha Criança com Aids

Cuidando da Minha Criança com Aids Cuidando da Minha Criança com Aids O que é aids/hiv? A aids atinge também as crianças? Como a criança se infecta com o vírus da aids? Que tipo de alimentação devo dar ao meu bebê? Devo amamentar meu bebê

Leia mais

IMPOSSIBILIDADE JURÍDICA DO TRIBUNAL DO JURI NA JUSTIÇA MILITAR ESTADUAL

IMPOSSIBILIDADE JURÍDICA DO TRIBUNAL DO JURI NA JUSTIÇA MILITAR ESTADUAL IMPOSSIBILIDADE JURÍDICA DO TRIBUNAL DO JURI NA JUSTIÇA MILITAR ESTADUAL Jonas Guedes 1 Resumo: O tema abordado no presente artigo versará sobre a impossibilidade jurídica do Tribunal do Júri na Justiça

Leia mais

Centro Universitário Senac MANUAL PROGRAMA DE BOLSAS DE ESTUDOS INCENTIVO ACADÊMICO 2º SEMESTRE 2013

Centro Universitário Senac MANUAL PROGRAMA DE BOLSAS DE ESTUDOS INCENTIVO ACADÊMICO 2º SEMESTRE 2013 Centro Universitário Senac MANUAL PROGRAMA DE BOLSAS DE ESTUDOS INCENTIVO ACADÊMICO 2º SEMESTRE 2013 1. O QUE É 1.1. O Programa de Bolsas de Estudo do Centro Universitário Senac, na modalidade Bolsa Incentivo

Leia mais

COMISSÃO DE TRABALHO, DE ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇO PÚBLICO

COMISSÃO DE TRABALHO, DE ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇO PÚBLICO COMISSÃO DE TRABALHO, DE ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇO PÚBLICO PROJETO DE LEI N o 3.310, DE 2000 (Apensos os Projetos de Lei nº 3.334/2000, nº 3.361/2000, nº 3.371/ 2000, nº 3.394/2000, nº 4.159/2001, nº 4.938/2001,

Leia mais

A LEI MARIA DA PENHA E A AÇÃO PENAL CABÍVEL À VÍTIMA. Maria Eduarda Lopes Coelho de Vilela 1

A LEI MARIA DA PENHA E A AÇÃO PENAL CABÍVEL À VÍTIMA. Maria Eduarda Lopes Coelho de Vilela 1 Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 1134 A LEI MARIA DA PENHA E A AÇÃO PENAL CABÍVEL À VÍTIMA Maria Eduarda Lopes Coelho de Vilela 1 1 Discente do 6º

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.391.004 - GO (2013/0219024-8) RELATOR RECORRENTE RECORRIDO ADVOGADO : MINISTRO MARCO AURÉLIO BELLIZZE : MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE GOIÁS : ADEMIR NOLASCO GUIMARÃES : ACHILES

Leia mais

DISCIPLINA: DIREITO PENAL

DISCIPLINA: DIREITO PENAL ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PROCURADORIA-GERAL DO ESTADO DISCIPLINA: DIREITO PENAL QUESTÃO Nº 109 Protocolo: 11913003657-0 Não existe qualquer erro material na questão. Nada a ser alterado. O recorrente

Leia mais