ASPECTOS JURÍDICOS DA TRANSMISSÃO DOLOSA DO VÍRUS HIV E SUA APLICABILIDADE NO DIREITO BRASILEIRO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ASPECTOS JURÍDICOS DA TRANSMISSÃO DOLOSA DO VÍRUS HIV E SUA APLICABILIDADE NO DIREITO BRASILEIRO"

Transcrição

1 ASPECTOS JURÍDICOS DA TRANSMISSÃO DOLOSA DO VÍRUS HIV E SUA APLICABILIDADE NO DIREITO BRASILEIRO SUMÁRIO Camila Cardoso 1 Luiz Eduardo Cleto Righetto 2 Introdução; 1 Do direito à vida; 2 Conceitos e sintomas do vírus HIV (vírus da imunodeficiência humana); 3 Aspectos jurídicos da transmissão dolosa do vírus HIV; 3.1 Aplicabilidade do direito brasileiro; Considerações finais; Referências das fontes citadas. RESUMO Este artigo científico tem por finalidade adentrar na discussão do tema polêmico que é a transmissão do vírus HIV por pessoa soropositiva à outra de forma dolosa. Assim, objetiva discutir sobre o valor da vida e as condições inerentes à pessoa humana. Bem como sobre a contraditória definição e aplicabilidade deste delito no ordenamento jurídico brasileiro. No primeiro momento embasa-se sobre o direito fundamental regente tutelado pela Constituição da República Federativa do Brasil de 1988, que é o direito à vida. No segundo momento abordam-se sobre as características, sintomas e formas de transmissão do vírus HIV (Vírus da Imunodeficiência Humana) é o agente causador da Síndrome da Imunodeficiência Adquirida (AIDS), doença que ataca o sistema imunológico, responsável por defender o organismo de doenças. Em um terceiro momento tenta-se esclarecer qual o crime será imputado ao agente ativo, que transmite ou não o vírus, mas que tem relação sexual com vítima sem que a mesma saiba de seu estado soropositivo. Destarte, diante do estudo realizado serão traçadas considerações finais, as quais constatam que a imputação do crime ao agente se constatará após a análise de dois requisitos, quis sejam: a intenção do mesmo e o fato real se a vítima foi contagiada ou não com o vírus. Quanto à Metodologia, foi utilizada a base lógica Indutiva, além das Técnicas do Referente, da Categoria, do Conceito Operacional e da Pesquisa Bibliográfica. Palavras-chave: Vida. Direitos Humanos. Vírus HIV. Transmissão dolosa. Crime grave. INTRODUÇÃO O objeto de estudo deste artigo cientifico é os aspectos jurídicos e o crime que será imputado ao agente transmissor do vírus HIV de forma dolosa segundo o 1 Acadêmica do 9º período noturno da Universidade do Vale do Itajaí UNIVALI. 2 Advogado Criminalista; Mestre em Ciência Jurídica pela UNIVALI; Professor da UNIVALI (Campus Bal. Camboriú); 297

2 ordenamento jurídico brasileiro. Seus objetivos são: a) Institucional: produção de Artigo Científico para obtenção de título de Bacharel em Direito, pela Universidade do Vale do Itajaí UNIVALI; b) geral: analisar a legislação penal, a doutrina e o entendimento do STJ e STF acerca da imputação de crime ao agente ativo que tem relação sexual com outrem e transmite ou não o vírus de HIV. Os Objetivos Específicos são: a) compreender e abordar o direito fundamental da vida tutelado pelo ordenamento pátrio; b) entender os aspectos gerais da aplicabilidade no direito penal brasileiro e o entendimento de julgar e condenar o agente ativo transmissor da moléstia grave denominada AIDS; c) analisar as correntes doutrinárias favoráveis e desfavoráveis acerca de cada caso concreto. O artigo está dividido em três momentos conforme acima citado: no primeiro se fez uma análise sobre o direito fundamental tutelado pela Constituição da República Federativa do Brasil de 1988, que é o direito à vida. No segundo momento ressaltam-se sobre as características, sintomas e formas de transmissão do vírus HIV (Vírus da Imunodeficiência Humana) é o agente causador da Síndrome da Imunodeficiência Adquirida (AIDS), doença que ataca o sistema imunológico, responsável por defender o organismo de doenças. Posteriormente se faz um breve estudo que objetiva esclarecer em qual o crime está incurso o agente ativo, que transmite ou não o vírus, mas que tem relação sexual com vítima sem que a mesma saiba de seu estado soropositivo. O problema trazido para orientar a elaboração do presente é: Existe tipificação penal para àquele que transmite o vírus do HIV a outrem, dolosamente: Já a hipótese a ser confirmada por este trabalho seria: O Código Penal Brasileiro prevê em seus artigos alguma conduta típica, antijurídica e culpável para àqueles que transmitem dolosamente o vírus do HIV. Quanto à Metodologia, o relato dos resultados será composto na base lógica Indutiva. Nas diversas fases da Pesquisa, serão utilizadas as Técnicas do Referente, da Categoria, do Conceito Operacional e da Pesquisa Bibliográfica. 1 DO DIREITO À VIDA 298

3 Desde os primórdios, a Constituição Federal garante que todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade. Sendo assim, o direito à vida o mais fundamental de todos os direitos, já que este se constitui em pré-requisito à existência e exercício de todos os demais direitos. Senão vejamos, do texto extraído da CRFB/88 3 : Artigo 5º - Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade, nos termos seguintes [...]. Vale mencionar que a CRFB/88 proclama o direito à vida, cabendo então ao Estado assegurá-lo em sua dupla acepção, sendo a primeira relacionada ao direito de continuar vivo e a segunda de se ter vida digna quanto à subsistência 4 Assim, a CRFB/88, ao reconhecer a vida como um direito fundamental, não faz a respeito a qualquer distinção. No seu capitulo I, do Título II (dos direitos e garantias fundamentais), estabelece a inviolabilidade do direito à vida. Bem como leciona o STF 5 a seguir: [...] E, quando se reporta a direitos da pessoa humana e até a direitos e garantias individuais como cláusula pétrea, está falando de direitos e garantias do indivíduo-pessoa, que se faz destinatário dos direitos fundamentais à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade, entre outros direitos e garantias igualmente distinguidos com o timbre da fundamentalidade (como direito à saúde e ao planejamento familiar). Mutismo constitucional hermeneuticamente significante de transpasse de poder normativo para a legislação ordinária. A potencialidade de algo para se tornar pessoa humana já é meritória o bastante para acobertá-la, infraconstitucionalmente, contra tentativas levianas ou frívolas de 3 BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil Disponível em: <http://www.planal to.gov.br/ccivil_03/constituicao/constitui%c3%a7ao.htm>. Acesso em: 11 de out. de OBS: A partir de agora intitulada por CRFB/88. 4 MORAES, Alexandre de. Direito constitucional. 8 ed. - São Paulo: Editora Atlas S. A., p BRASIL. Supremo Tribunal Federal. A Constituição e o Supremo [recurso eletrônico]. 4º ed. Brasília: Secretaria de documentação Disponível em: <http://www.stf.jus.br/arquivo/cms/ publicacaolegislacaoanotada/anexo/completo.pdf>. Acesso em 11 de out. de

4 obstar sua natural continuidade [...] (ADI 3.510, Rel. Min. Ayres Britto, julgamento em , Plenário, DJE de ). Assim, como esboça o STF, o direito à existência consiste no direito de estar vivo, de poder lutar para viver, de permanecer vivo; que só deve ser interrompido senão pela morte espontânea e inevitável. Ainda neste sentido Afonso 6 fundamenta que existir é o movimento espontâneo contrário ao estado morte; porque assegura o direito a vida, mas a legislação penal pune todas as formas de interrupção violenta do processo vital. E este é o caso da pessoa que é contaminada pelo vírus HIV, este vírus é um sinônimo de morte, haja vista que a pessoa contaminada nunca mais vai conseguir retirá-lo, mas sim, apenas tratar com medicamentos e manter a doença controlada. 2 CONCEITOS E SINTOMAS DO VÍRUS HIV (VÍRUS DA IMUNODEFICIÊNCIA HUMANA) O Vírus da Imunodeficiência Humana (HIV sigla em inglês) é o agente causador da Síndrome da Imunodeficiência Adquirida (AIDS), doença que ataca o sistema imunológico, responsável por defender o organismo de doenças. As células mais atingidas são os linfócitos (glóbulos brancos defensores do organismo), o HIV se torna parasita delas e é alterando o DNA dessa célula que o HIV faz cópias de si mesmo. Assim, depois de se multiplicar, rompe os linfócitos em busca de outros para continuar a infecção. O indivíduo portador do vírus HIV, que não desenvolveu a doença, nem apresenta os sintomas: são conhecidos pela medicina como soropositivos ou portadores assintomáticos. Vale lembrar que o vírus HIV possui um longo período de incubação, e apesar de estar contaminado o portador do vírus não apresenta nenhum sintoma, nada que indique a sua situação, podendo permanecer assim por um longo tempo, ou por toda a vida do indivíduo. Conforme segue: 6 SILVA, José de Afonso. Curso de direito constitucional positivo. 23 ed. São Paulo: Malheiros Editora LTDA, p

5 Pesquisas revelam que os sintomas da AIDS demoram, em média, de 8 a 10 anos para aparecer. Como eles são semelhantes aos de outras doenças, é preciso uma investigação mais aprofundada para confirmar de fato se a pessoa está infectada pelo vírus HIV. Para isto, em caso de suspeita, basta fazer o exame específico identificar o HIV positivo. Há também quem classifique os sintomas da AIDS em estágio: - Estágio 1: de semanas a 6 meses (a pessoa está sadia e normalmente o resultado do teste de HIV dá negativo. Nesse período, conhecimento como Janela Imunológica, o portador do vírus HIV já transmite o vírus para outras pessoas). - Estágio 2: Entre um ano e 5 anos (o portador do vírus HIV tem aparência saudável, mas os exames já dão positivo). - Estágio 3: Pode aparecer em meses ou anos ( os sintomas característicos da AIDS já começam a aparecer). - Estágio 4: Pode ocorrer no período de meses ou anos ( com o sistema imunológico baixo, a pessoa soropositiva se torna um alvo fácil para as doenças oportunistas, como câncer, diversos tipos de infecções e problemas no cérebro, que podem levar à morte. É neste estágio que se costuma a dizer que a pessoa tem AIDS). 7 Desta forma, ter o vírus HIV não é a mesma coisa que ter a AIDS. Existem muitos soropositivos que vivem durante anos sem apresentar sintomas e sem desenvolver a doença. Mas, podem transmitir o vírus a outros pelas relações sexuais desprotegidas, pelo compartilhamento de seringas contaminadas ou de mãe para filho durante a gravidez e a amamentação 8. Por fim, vale salientar que qualquer pessoa contaminada pode passar o vírus para outrem, independentemente de estar ou não desenvolvendo sintomas ou mesmo a AIDS, ou ainda, de estar ou não consciente da condição de portador do vírus HIV. Curiosamente a transmissão sexual é considerada, pela Organização Mundial de Saúde (OMS), como sendo a mais frequente em todo mundo. Outro meio de grande proliferação da doença é por compartilhamento de seringas e agulhas 7 Disponível em: Conheça os sintomas do HIV e entenda como acontece a transmissão da AIDS. Aprenda o que é a AIDS e como se prevenir. Tire suas principais dúvidas sobre a doença. <http://www.aidshiv.com.br/#ixzz29ql0uuwc>. Acesso em 12 de out. de Disponível em: Portal sobre aids, doenças sexualmente transmissíveis e hepatites virais. <http://www. AIDS.gov.br/pagina/o-que-e-hiv>. Acesso em 12 de out. de

6 pelos usuários de drogas injetáveis. No Brasil, houve uma redução considerável e significativa em relação a essa forma de transmissão 9. Ainda, deve-se dizer que a AIDS é de cura improvável, já que até agora não foi produzida nenhuma droga ou vacina que cure a doença. Desta forma, a pessoa que contrai esta doença, em face da incurabilidade desta, tem o seu direito fundamental principal, o direito à vida, lesado. E a CRFB/88 trata desta lesão de maneira superficial onde podemos citar o seu artigo 5, inciso XLI 10, o qual afirma que a lei punirá qualquer discrimição atentatória dos direitos e liberdades fundamentais, ou seja, cabendo responsabilização penal aquele que lesar. 3 ASPECTOS JURÍDICOS DA TRANSMISSÃO DOLOSA DO VÍRUS HIV Algumas legislações consideram ser uma responsabilidade pessoal de quem vive (é portador de) com HIV a revelação da sorologia positiva aos parceiros. Ainda sob este paradigma, traz-se que doutrinadores do Direito Penal consideram a pessoa portadora do vírus tanto como agente responsável, quanto como possível vítima, ou seja, sujeito ativo e passivo. Como se pode observar: Mesmo com tais indagações o Direito Penal considera a pessoa portadora do vírus HIV tanto como agente responsável, quanto como possível vítima, ou seja, sujeito ativo e passivo, haja vista a existência de diversos crimes que podem ser praticados, quando não por terceiros. Alguns doutrinadores trataram à pessoa portadora do referido vírus, como aquela que está sujeita ao maior número de infrações civis e penais, qual seja, se quando ciente de que é portadora do vírus, passa a manter relações sexuais desordenadamente, com o propósito de transmitir a doença a terceiros, comete o crime. Este crime bem como os outros decorrentes ou correlatos e ligados à transmissão do HIV, são considerados subsidiários e podem ser tanto dolosos como culposos (por imprudência, negligência e imperícia). Tendo como agente, o próprio 9 Disponível em: Cadernos - Pela vida. <http://www.aids.org.br/media/file/cadernos/cpv_n47.pdf>. Acesso em 12. de out. de p NETO, Francisco Carlos de Aguiar. Direito penal e AIDS. Biblioteca virtual: Editora KOMEDI, Site: <http://www.escrita.com.br/escrita/leitura.asp?texto_id=12920>. Acesso em 12 de out. de

7 portador do vírus HIV, mas também enfermeiros e outros funcionários hospitalares, bem como terceiros. 3.1 Aplicabilidade do direito brasileiro Neste paradigma sabe-se que o Código Penal em seu título I que versa sobre os crimes contra a pessoa, bem como no capítulo III que aborda os crimes de periclitação da vida e da saúde, elencam o artigo 131 que traz a seguinte imputação em seu texto legal: Praticar, com o fim de transmitir a outrem moléstia grave de que está contaminado, ato capaz de produzir o contágio Pena: reclusão, de 1 (um) a 4 (quatro) anos, e multa. Praticar refere-se a qualquer ato que possa transmitir à vítima (qualquer pessoa sujeito passivo) a moléstia. Abrangendo-se a Aids, tuberculose, difteria, entre outros; cabendo a regulamentação à Saúde Pública 11. Perante o ordenamento jurídico brasileiro o vírus HIV pode ser considerado moléstia grave e contagiosa. Objetivando provar a veracidade desta afirmação, é importante analisar a legislação especial, bem como não se poderia olvidar mencionarmos as normas técnicas utilizadas pela medicina, onde podemos encontrar a solução para tal resposta. Senão vejamos: Lei nº 8.112/90: Artigo 186, 1º - Consideram-se doenças graves, contagiosas ou incuráveis, a que se refere o inciso I deste artigo, tuberculose ativa, alienação mental, esclerose múltipla, neoplasia maligna, cegueira posterior ao ingresso no serviço público, hanseníase, cardiopatia grave, doença de Parkinson, paralisia irreversível e incapacitante, espondiloartrose anquilosante, nefropatia grave, estados avançados do mal de Paget (osteíte deformante), Síndrome de Imunodeficiência Adquirida - AIDS, e outras que a lei indicar, com base na medicina especializada 12. Lei 8.213/91 em seu artigo 151: "Art Até que seja elaborada a lista de doenças mencionadas no inciso II do artigo 26, independe de carência a concessão de auxílio doença e aposentadoria por invalidez, ao segurado que, após filiar-se ao Regime Geral de Previdência Social, for acometido das seguintes doenças: tuberculose ativa; hanseníase; alienação mental; neoplasia maligna; 11 ISHIDA, Valter Kenji. Curso de direito penal. São Paulo: Atlas, p BRASIL. Lei n. 8112/90. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8112cons.htm>. Acesso em 12 de out. de

8 cegueira; paralisia irreversível e incapacitante; cardiopatia grave; doença de Parkinson; espondiloartrose anquilosante; nefropatia grave; estado avançado da doença de Paget (osteíte deformante);síndrome da deficiência imunológica adquirida (AIDS); e contaminação por radiação, com base em conclusão da medicina especializada. 13 " Vislumbra-se que a AIDS está descrita na categoria de doenças infecciosas e parasitárias, como sendo uma doença ocasionada pelo vírus da imunodeficiência humana [HIV], cujo código internacional da doença é B20-B Por este motivo e outros requisitos que sua transmissão é punida pelo que está tipificado no artigo 131 do Código Penal e ao contrário do artigo 130 que corresponde à doença venérea (transmitida somente pelo ato sexual). Ainda, vale mencionar que não se pode tipificar como um crime próprio, pois, podem existir situações de prática dolosa praticada por profissionais de laboratórios que, por exemplo, introduzam em uma vacina algum vírus ativo da Aids, objetivando contagiar uma grande quantidade de pessoas. Por outro lado, como citado no item 2 a forma de transmissão mais frequente é a sexual e principalmente a realizada entre parceiros. Bem como, mencionado no item 3 que aquele que, sabendo-se portador do vírus HIV, mantém relações sexuais com outrem, sem o uso de preservativo, comete o delito previsto no artigo 131 do Código Penal, em detrimento de possível tentativa de homicídio. Neste sentido afirma o STF: MOLÉSTIA GRAVE TRANSMISSÃO - HIV - CRIME DOLOSO CONTRA A VIDA VERSUS O DE TRANSMITIR DOENÇA GRAVE. Descabe, ante previsão expressa quanto ao tipo penal, partir-se para o enquadramento de ato relativo à transmissão de doença grave como a configurar crime doloso contra a vida. Considerações. 15 Tal julgamento foi proferido em razão de o denunciado ter sido acusado de homicídio tentado (artigo 121 c/c 14 ambos do CP), pois mantido relações sexuais 13 BRASIL. Lei n /91. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8213cons.htm>. Acesso em 12 de out. de Disponível em: Conheça os sintomas do HIV e entenda como acontece a transmissão da AIDS. Aprenda o que é a AIDS e como se prevenir. 15 BRASIL. HC 98712/SP. Relator Ministro Marco Aurélio. Julgado em Primeira Turma. DJe

9 com três pessoas diferentes, sabendo ser portador do vírus HIV, sem usar qualquer preservativo, tampouco comunicando as vítimas. O Ministério Público afirmou que houve dolo eventual do acusado, tendo ele aceitado o risco de provocar a morte das vítimas, tendo em vista a gravidade de sua atitude. Para o STF, o entendimento é de que não existe dolo eventual no caso em tela, já que há previsão expressa. Ocorrendo então o dolo específico de praticar o crime de perigo de contágio de moléstia grave 16. A classificação do crime imputado ao agente portador de HIV que pratica relação sexual constata-se de acordo com o animus do agente, ou seja, da sua intenção ao praticar a conduta que lhe foi imputada 17. Haja vista que o tipo penal descrito no artigo 131 do Código Penal, caracteriza o crime de perigo de contágio de moléstia grave, aonde se encontra explícito o objetivo a ser alcançado pelo sujeito ativo, qual seja, transmitir a moléstia grave. Assim sendo, desde que exista a prerrogativa das vítimas não terem sido contaminadas com o vírus HIV, o entendimento correto é o mesmo do Ministro supracitado em que o paciente com sua atitude, ainda que de maneira a aceitar o seu resultado (elementar do dolo eventual), não pretendia matar as vítimas. Por outro lado, segundo Mirabete 18 : [...] na prática de relações sexuais o portador do vírus da AIDS com o fim de transmitir a moléstia constitui o delito, em não havendo o contágio; ocorrendo este, o crime é mais grave, conforme as circunstâncias (homicídio consumado ou tentado, lesão corporal de natureza grave). Os penalistas, em sua esmagadora maioria, hoje, acreditam que, caso ocorra à contaminação, a conduta de transmissão, de forma dolosa e consciente do vírus HIV, configura o delito descrito no artigo 121 do Código penal - homicídio. 16 GOMES, Luiz Flávio. SOUSA, Áurea Maria Ferraz de. AIDS. Transmissão do vírus HIV. Qual delito?. Disponível em <http://www.lfg.com.br> - 09 de novembro de Acesso em 11 de out. de GOMES, Luiz Flávio. SOUSA, Áurea Maria Ferraz de. AIDS. Transmissão do vírus HIV. Qual delito?. Disponível em <http://www.lfg.com.br> - 09 de novembro de Acesso em 11 de out. de MIRABETE, Julio Fabbrini. Manual de direito penal. Parte Especial. 20 ed. São Paulo: Atlas, v. 2. p

10 Sobre o tema, Bechelani 19 : [...] questão que aqui se argumenta, é a de que a AIDS seria meio insidioso ou cruel. Acredita-se que a transmissão da AIDS é um meio cruel, haja vista que, tal doença é fatal e que trará sofrimento à vítima, onde com a transmissão o agente revela um sadismo fora do comum, contrastando com os sentimentos de dignidade, humanidade e piedade. Ainda, Greco 20 elucida: Torpe é o motivo que contrasta violentamente com o senso ético comum e faz do agente um ser à parte no mundo social-jurídico em que vivemos. Entram nessa categoria, por exemplo, a cobiça, o egoísmo inconsiderado, a depravação dos instintos. [...] O prazer de matar, a libido de sanguine, essa rara e absurda satisfação que o agente encontra na destruição da vida de outrem e que vem muitas vezes associada a fatos de natureza sexual ou constitui expansão do sentimento monstruoso de ódio aos outros homens. Bem como Nucci 21, leciona: [...] síndrome da imunodeficiência adquirida ainda é considerada pela medicina uma doença fatal, embora atualmente, venha sendo controlada com coquetéis cada vez mais fortes de remédios.portanto, caso o agente tenha relação sexual com alguém, sabendo-se contaminado e fazendo-o sem qualquer proteção, tendo a intenção de transmitir a moléstia ou assumindo o risco de assim causar, deve responder por homicídio consumado em caso de morte do contaminado- ou tentativa de homicídio caso a morte não ocorra. O mesmo se dá quando o portador da AIDS atira sangue em outra pessoas com o propósito de contaminá-las. Ante o demonstrado, em divergência a opinião do STF e de demais doutrinadores, o STJ considera que a transmissão consciente do vírus HIV, causador da AIDS, configura lesão corporal grave, delito previsto no artigo 129, parágrafo 2º, do Código Penal. Este entendimento é da Quinta Turma e foi adotado no julgamento de habeas corpus contra decisão do TJDF (Tribunal de Justiça do Distrito Federal). 19 BECHELANI, Adelita aparecida. Aspectos penais e da bioética na transmissão do vírus HIV. 2003, p. 66/ GRECO, Rogério. Curso de direito penal: parte geral. 8 ed. Niterói: Impetus, v. 1. p NUCCI, Guilherme de Souza. Código de processo penal comentado. 5 ed. São Paulo: RT, p

11 A Turma acompanhou integralmente o voto da relatora, ministra Laurita Vaz. Que em sua visão a AIDS, é perfeitamente enquadrada como enfermidade incurável na previsão do artigo 129 do CP, não sendo cabível a desclassificação da conduta para as sanções mais brandas no Capítulo III do mesmo código. Conforme se pode observar seu voto: Em tal capítulo, não há menção a doenças incuráveis. E, na espécie, frise-se: há previsão clara no artigo 129 do mesmo estatuto de que, tratando-se de transmissão de doença incurável, a pena será de reclusão, de dois a oito anos, mais rigorosa 22 Por fim, no caso concreto vislumbra-se que o agente transmissor tendo ou não a intenção de transmitir que tiver relações sexuais com o parceiro e o mesmo não for contaminado pelo vírus, responderá somente pelo crime tipificado no artigo 131 do Código Penal (transmitir moléstia grave). No caso de a vítima contrair o vírus o mesmo poderá ser incurso nas penas de tentativa de homicídio (artigo 121 c/c artigo 13 do Código Penal) ou lesão corporal grave (artigo 129 do Código Penal). Porém nada impede que o agente responda também pelo crime de dano, pois, estamos diante de um crime de perigo com dolo de dano. Onde o tipo exige a finalidade de transmitir a moléstia grave, que, se ocorrer tal transmissão, essa conduta deverá ser considerada uma consequência do resultado lesivo, respondendo pelo crime de dano consubstanciado nos tipos do Código Penal. Os delitos de danos são aqueles em que a consumação ocorre com a lesão ou violação a um bem jurídico tutelado pela CRFB/88, por exemplo, à vida no homicídio. CONSIDERAÇÕES FINAIS Neste diapasão, durante o desenvolvimento do artigo se compreendeu que nem sempre o agente ativo que consumar relação sexual com outrem irá ser incurso nas penas do artigo 131 do Código Penal (o qual caracteriza o crime de transmissão de moléstia grave). O primeiro item demonstrou que a nossa Constituição tutela 22 BRASIL. HC Relatora: Laurita Vaz. Julgado em Disponível em: <www.stj.jus.br/noticias>. Acesso em 11 de out. de

12 direitos os quais se denominam fundamentais para a existência do ser humano, os quais são clausulas pétreas e a pessoa que violar ou lesar este direito responde pelo crime de dano; ainda, o segundo e o terceiro momento demonstraram aspectos que caracterizam os sintomas, forma de transmissão do vírus HIV e suas etapas até se propalar para ser considerado AIDS, bem como o seu não contagio - aplicabilidade legal para cada caso em concreto e distinto. e a Por outro lado, observou-se que a AIDS é sim considerada uma moléstia grave, graças às legislações extravagantes existentes que a definem e igualam como tal. Ainda, vale salientar que o indivíduo não precisa ser portador do vírus HIV para que possa transmiti-lo, considerando-se então o pré-requisito para que o crime não seja considerado próprio. Por fim, chega-se a ponderação de que no caso concreto vislumbra-se que o agente transmissor tendo ou não a intenção de transmitir que tiver relações sexuais com outrem e o mesmo não for contaminado pelo vírus, responderá somente pelo crime tipificado no artigo 131 do Código Penal (transmitir moléstia grave). No caso de a vítima contrair o vírus o mesmo poderá ser incurso nas penas de tentativa de homicídio (artigo 121 c/c artigo 13 do Código Penal) ou lesão corporal grave (artigo 129 do Código Penal). Podendo em todos os casos o agente ser também incurso no crime de dano. REFERÊNCIAS DAS FONTES CITADAS BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil Disponível em: <http://www.planal to.gov.br/ccivil_03/constituicao/constitui%c3%a7ao.htm>. Acesso em: 11 de out. de OBS: A partir de agora intitulada por CRFB/88. BRASIL. HC 98712/SP. Relator Ministro Marco Aurélio. Julgado em Primeira Turma. DJe BRASIL. Lei n /91. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8213cons.htm>. Acesso em 12 de out. de BRASIL. Lei n. 8112/90. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8112cons.htm>. Acesso em 12 de out. de

13 BRASIL. Supremo Tribunal Federal. A Constituição e o Supremo [recurso eletrônico]. 4º ed. Brasília: Secretaria de documentação Disponível em: <http://www.stf.jus.br/arquivo/cms/ publicacaolegislacaoanotada/anexo/completo.pdf>. Acesso em 11 de out. de Disponível em: Conheça os sintomas do HIV e entenda como acontece a transmissão da AIDS. Aprenda o que é a AIDS e como se prevenir. Tire suas principais dúvidas sobre a doença. <http://www.aidshiv.com.br/#ixzz29ql0uuwc>. Acesso em 12 de out. de Disponível em: Portal sobre aids, doenças sexualmente transmissíveis e hepatites virais. ttp://www. AIDS.gov.br/pagina/o-que-e-hiv>. Acesso em 12 de out. de GOMES, Luiz Flávio. SOUSA, Áurea Maria Ferraz de. AIDS. Transmissão do vírus HIV. Qual delito?. Disponível em <http://www.lfg.com.br> - 09 de novembro de Acesso em 11 de out. de GOMES, Luiz Flávio. SOUSA, Áurea Maria Ferraz de. AIDS. Transmissão do vírus HIV. Qual delito?. Disponível em <http://www.lfg.com.br> - 09 de novembro de Acesso em 11 de out. de GRECO, Rogério. Curso de direito penal: parte geral. 8 ed. Niterói: Impetus, v. 1. ISHIDA, Valter Kenji. Curso de direito penal. São Paulo: Atlas, MIRABETE, Julio Fabbrini. Manual de direito penal. Parte Especial. 20 ed. São Paulo: Atlas, v. 2. MORAES, Alexandre de. Direito constitucional. 8 ed. - São Paulo: Editora Atlas S. A., NETO, Francisco Carlos de Aguiar. Direito penal e AIDS. Biblioteca virtual: Editora KOMEDI, Site: <http://www.escrita.com.br/escrita/leitura.asp?texto_id=12920>. Acesso em 12 de out. de NUCCI, Guilherme de Souza. Código de processo penal comentado. 5 ed. São Paulo: RT, SILVA, José de Afonso. Curso de direito constitucional positivo. 23 ed. São Paulo: Malheiros Editora LTDA, BRASIL. HC Relatora: Laurita Vaz. Julgado em Disponível em: <www.stj.jus.br/noticias>. Acesso em 11 de out. de

- Jurisdição - Competência é o limite dentro do qual juízes e tribunais exercem jurisdição.

- Jurisdição - Competência é o limite dentro do qual juízes e tribunais exercem jurisdição. Turma e Ano: Flex A (2014) Matéria / Aula: Processo Penal / Aula 09 Professor: Elisa Pittaro Conteúdo: Princípios da Jurisdição: Aderência. Competência: Natureza Jurídica; Competência Absoluta x Relativa;

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça HABEAS CORPUS Nº 178.623 - MS (2010/0125200-6) IMPETRANTE ADVOGADO IMPETRADO PACIENTE : DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL : NANCY GOMES DE CARVALHO - DEFENSORA PÚBLICA E OUTRO : TRIBUNAL

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL Nº 25.662/CS HABEAS CORPUS N. 135.921 SANTA CATARINA IMPETRANTE: EUNICE ANISETE DE SOUZA TRAJANO E OUTRO(A/S) PACIENTE: PEDRO FERNANDES GUERREIRO JUNIOR COATOR: SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA RELATORA: MINISTRA

Leia mais

COMISSÃO DE SEGURANÇA PÚBLICA E DE COMBATE AO CRIME ORGANIZADO. Projeto de Lei da Câmara nº 3131/2008 (Projeto de Lei do Senado nº 88/2007)

COMISSÃO DE SEGURANÇA PÚBLICA E DE COMBATE AO CRIME ORGANIZADO. Projeto de Lei da Câmara nº 3131/2008 (Projeto de Lei do Senado nº 88/2007) COMISSÃO DE SEGURANÇA PÚBLICA E DE COMBATE AO CRIME ORGANIZADO Projeto de Lei da Câmara nº 3131/2008 (Projeto de Lei do Senado nº 88/2007) (Apensos os Projetos de Lei nºs. 6132, de 2002; 3716, de 2004;

Leia mais

1 Direito processual constitucional, 7

1 Direito processual constitucional, 7 1 Direito processual constitucional, 7 1.1 Esclarecimentos iniciais, 7 1.2 Direito processual constitucional: objeto de estudo, 8 1.3 Jurisdição, processo, ação e defesa, 10 1.4 Constituição e processo,

Leia mais

DIREITOS HUMANOS E A CONSTITUIÇÃO

DIREITOS HUMANOS E A CONSTITUIÇÃO DIREITOS HUMANOS E A CONSTITUIÇÃO Aula 06 NOS CAPÍTULOS ANTERIORES... Identificamos a evolução histórica dos direitos humanos Direitos Humanos Direitos fundamentais Geração x Dimensões Documentos Históricos

Leia mais

26/08/2012 DIREITO PENAL III. Direito penal IV

26/08/2012 DIREITO PENAL III. Direito penal IV DIREITO PENAL III LEGISLAÇÃO ESPECIAL 8ª - Parte Professor: Rubens Correia Junior 1 Direito penal IV 2 1 INDUZIMENTO, INSTIGAÇÃO OU AUXÍLIO A SUICÍDIO Art. 122 - Induzir ou instigar alguém a suicidar-se

Leia mais

Retirar a letra A na palavra SOBA, ficando somente SOB. Modificar, na primeira linha, o ano de 1955, para 1755

Retirar a letra A na palavra SOBA, ficando somente SOB. Modificar, na primeira linha, o ano de 1955, para 1755 2015-2016 Obra: Curso de Direito Penal Parte Geral 18 a edição Autor: Rogério Greco Página 20 Primeira citação. 14 a linha. Modificar a palavra SURFE, por SURGE Página 21 Na citação ao final da página.

Leia mais

AULA 1: ORGANIZAÇÃO DOS PODERES

AULA 1: ORGANIZAÇÃO DOS PODERES AULA 1: ORGANIZAÇÃO DOS PODERES EMENTÁRIO DE TEMAS: São Poderes da União, independentes e harmônicos entre si, o Legislativo, o Executivo e o Judiciário (Art. 2º, da CRFB/88) Organização dos Poderes: separação

Leia mais

A C Ó R D Ã O

<CABBCBBCCADACABAADBCAADCBAACDBBAACDAA DDADAAAD> A C Ó R D Ã O EMENTA: AGRAVO EM EXECUÇÃO PENAL CONDENAÇÃO SUPERVENIENTE HOMOLOGAÇÃO DO ATESTADO DE PENA REGIME ABERTO INCONFORMISMO MINISTERIAL IMPOSIÇÃO DO REGIME SEMIABERTO

Leia mais

CURSO DE DIREITO 1 PLANO DE ENSINO. Disciplina Carga Horária Semestre Ano Direito Penal I 80 4º 2015

CURSO DE DIREITO 1 PLANO DE ENSINO. Disciplina Carga Horária Semestre Ano Direito Penal I 80 4º 2015 PLANO DE ENSINO CURSO DE DIREITO 1 Disciplina Carga Horária Semestre Ano Direito Penal I 80 4º 2015 Objetivos Específicos da Disciplina Inicialmente, concluir-se-á a matéria da parte geral. Em seguida,

Leia mais

TÍTULO VI CRIMES CONTRA A DIGNIDADE SEXUAL

TÍTULO VI CRIMES CONTRA A DIGNIDADE SEXUAL TÍTULO VI CRIMES CONTRA A DIGNIDADE SEXUAL MORAL PÚBLICA SEXUAL DIREITO PENAL IV Prof. Hélio Ramos Art. 213. Constranger alguém, mediante violência ou grave ameaça, a ter conjunção carnal ou a praticar

Leia mais

26/08/2012 DIREITO PENAL IV. Direito penal IV

26/08/2012 DIREITO PENAL IV. Direito penal IV DIREITO PENAL IV LEGISLAÇÃO ESPECIAL 6ª - Parte Professor: Rubens Correia Junior 1 Direito penal IV 2 1 1 - Roubo impróprio 1º - Na mesma pena incorre quem, logo depois de subtraída a coisa, emprega violência

Leia mais

REFORMA NO CÓDIGO PENAL

REFORMA NO CÓDIGO PENAL REFORMA NO CÓDIGO PENAL Guilherme Frederico Lima Nomura * RESUMO: Por meio deste, deseja mostrar alguns aspectos sobre a nova lei que reformou o código penal no aspecto sobre os crimes sexuais, alguns

Leia mais

EXERCÍCIOS. I - anistia, graça e indulto; II - fiança.

EXERCÍCIOS. I - anistia, graça e indulto; II - fiança. Legislação Especial Wallace França EXERCÍCIOS Lei dos Crimes hediondos Art. 1 o São considerados hediondos os seguintes crimes, todos tipificados no Decreto-Lei n o 2.848, de 7 de dezembro de 1940 - Código

Leia mais

Direito Processual Civil Recursos

Direito Processual Civil Recursos ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS TRIBUNAIS ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS TRIBUNAIS Jurisdição quanto ao grau hierárquico dos seus órgãos é: 1) inferior; 2) superior. Essas espécies de jurisdições pressupõe

Leia mais

Homicídio (art. 121 do cp) Introdução...2 Classificação doutrinária...2 Sujeitos...3 Objeto material...3 Bem juridicamente protegido...

Homicídio (art. 121 do cp) Introdução...2 Classificação doutrinária...2 Sujeitos...3 Objeto material...3 Bem juridicamente protegido... Sumário Homicídio (art. 121 do cp) Introdução...2 Classificação doutrinária...2 Sujeitos...3 Objeto material...3 Bem juridicamente protegido...3 Exame de corpo de delito...3 Elemento subjetivo...3 Modalidades

Leia mais

L G E ISL S A L ÇÃO O ES E P S EC E IAL 5ª ª-

L G E ISL S A L ÇÃO O ES E P S EC E IAL 5ª ª- DIREITO PENAL III LEGISLAÇÃO ESPECIAL 5ª - Parte Professor: Rubens Correia Junior 1 Direito penal IV 2 CRIMES CONTRA a pessoa HOMICÍDIO QUALIFICADO 2 Se o homicídio é cometido: cometido: I - mediante paga

Leia mais

TEORIA GERAL DO DELITO PROFESSOR: LEONARDO DE MORAES

TEORIA GERAL DO DELITO PROFESSOR: LEONARDO DE MORAES TEORIA GERAL DO DELITO PROFESSOR: LEONARDO DE MORAES 1 Introdução 1.1 - Infração penal no Brasil O Brasil é adepto do sistema dualista ou dicotômico, ou seja, divide a infração penal em duas espécies:

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO. MÓDULO II 1. Regras de competência 2. Procedimento 3. Pedidos 4. Recurso Ordinário Constitucional

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO. MÓDULO II 1. Regras de competência 2. Procedimento 3. Pedidos 4. Recurso Ordinário Constitucional CONTEÚDO PROGRAMÁTICO MÓDULO II 1. Regras de competência 2. Procedimento 3. Pedidos 4. Recurso Ordinário Constitucional 1. REGRAS DE COMPETÊNCIA O habeas corpus deve ser interposto à autoridade judicial

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Da dosimetria da pena Marcelo Augusto Paiva Pereira Como citar este comentário: PEREIRA, Marcelo Augusto Paiva. Da dosimetria da pena. Disponível em http://www.iuspedia.com.br01

Leia mais

PODER EXECUTIVO (art. 76 a 91, CRFB/88)

PODER EXECUTIVO (art. 76 a 91, CRFB/88) PODER EXECUTIVO PODER EXECUTIVO (art. 76 a 91, CRFB/88) Sistema de Governo Presidencialista Junção das funções de Chefe de Estado e Chefe de Governo É exercido, no âmbito federal, desde 1891, pelo Presidente

Leia mais

RESPONSABILIDADE DO EMPREGADOR NOS ACIDENTES E DOENÇAS DO TRABALHO

RESPONSABILIDADE DO EMPREGADOR NOS ACIDENTES E DOENÇAS DO TRABALHO RESPONSABILIDADE DO EMPREGADOR NOS ACIDENTES E DOENÇAS DO TRABALHO INTRODUÇÃO REVOLUÇÃO INDUSTRIAL NOVOS MEIOS DE PRODUÇÃO ACIDENTES DO TRABALHO DOENÇAS RELACIONADAS AO TRABALHO AÇÕES TRABALHISTAS RESPONDABILIDADE

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal Ementa e Acórdão Inteiro Teor do Acórdão - Página 1 de 6 28/10/2016 PRIMEIRA TURMA AG.REG. NO RECURSO EXTRAORDINÁRIO COM AGRAVO 935.145 RIO GRANDE DO NORTE RELATOR AGTE.(S) PROC.(A/S)(ES) AGDO.(A/S) ADV.(A/S)

Leia mais

COMPETÊNCIA EM RAZÃO DA NATUREZA DA INFRAÇÃO

COMPETÊNCIA EM RAZÃO DA NATUREZA DA INFRAÇÃO JURISDIÇÃO E COMPETÊNCIA III COMPETÊNCIA EM RAZÃO DA NATUREZA DA INFRAÇÃO FIXADA A COMARCA COMPETENTE (RATIONE LOCI), QUAL SERÁ A JUSTIÇA COMPETENTE EM RAZÃO DA NATUREZA DA INFRAÇÃO OU FATOS INCRIMINADORES

Leia mais

CONFLITO APARENTE DE NORMAS PENAIS

CONFLITO APARENTE DE NORMAS PENAIS CONFLITO APARENTE DE NORMAS PENAIS Diferença entre: CONFLITO APARENTE DE ILICITOS PENAIS e CONCURSO DE CRIMES: No CONFLITO APARENTE DE ILICITOS PENAIS: temos um crime, e aparentemente DUAS ou mais leis

Leia mais

MODELO DE RAZÕES DE RECURSO - QUESTÃO n CADERNO A - PROVA - Soldado PMMG

MODELO DE RAZÕES DE RECURSO - QUESTÃO n CADERNO A - PROVA - Soldado PMMG MODELO DE RAZÕES DE RECURSO - QUESTÃO n. 16 - CADERNO A - PROVA - Soldado PMMG À DIRETORIA DE RECURSOS HUMANOS CENTRO DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO Recurso relativo a questão n. 16 (caderno A ) da prova de

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal Ementa e Acórdão Inteiro Teor do Acórdão - Página 1 de 5 RELATOR PACTE.(S) IMPTE.(S) COATOR(A/S)(ES) : MIN. MARCO AURÉLIO :MAICON APARECIDO SAIA APOLINARIO :RAFAEL JOSÉ SANCHES :RELATOR DO HABEAS CORPUS

Leia mais

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 475, DE 2009

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 475, DE 2009 SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 475, DE 2009 Altera o Decreto-Lei nº 2.848, de 7 de dezembro de 1940, para indicar hipóteses de ação penal pública incondicionada à representação. O CONGRESSO

Leia mais

DIREITO PENAL IV TÍTULO VI - CAPÍTULO II DOS CRIMES SEXUAIS CONTRA O VULNERÁVEL. Prof. Hélio Ramos

DIREITO PENAL IV TÍTULO VI - CAPÍTULO II DOS CRIMES SEXUAIS CONTRA O VULNERÁVEL. Prof. Hélio Ramos DIREITO PENAL IV TÍTULO VI - CAPÍTULO II DOS CRIMES SEXUAIS CONTRA O VULNERÁVEL Prof. Hélio Ramos DOS CRIMES SEXUAIS CONTRA VULNERÁVEL Sedução - Art. 217: REVOGADO lei 11.106/2005. Estupro de vulnerável

Leia mais

Legislação Penal Especial Lei de Tortura Liana Ximenes

Legislação Penal Especial Lei de Tortura Liana Ximenes Lei de Tortura Liana Ximenes 2014 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Lei de Tortura -A Lei não define o que é Tortura, mas explicita o que constitui tortura. -Equiparação

Leia mais

Objetivos: 1. Definir Infrações Penais, apresentando as diferenças entre o Crime e Contravenção. Distinguir o Crime Doloso do Culposo.

Objetivos: 1. Definir Infrações Penais, apresentando as diferenças entre o Crime e Contravenção. Distinguir o Crime Doloso do Culposo. Assunto: Infrações Penais Objetivos: 1. Definir Infrações Penais, apresentando as diferenças entre o Crime e Contravenção. Distinguir o Crime Doloso do Culposo. Sumário: 1. Introdução 2. Desenvolvimento

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal Ementa e Acórdão Inteiro Teor do Acórdão - Página 1 de 5 RELATOR AGTE.(S) PROC.(A/S)(ES) AGDO.(A/S) ADV.(A/S) : MIN. ROBERTO BARROSO :UNIÃO :ADVOGADO-GERAL DA UNIÃO :INOCENCIO GOMES COELHO :ROUSE CLEIDE

Leia mais

COMPETÊNCIA PARA JULGAMENTO DE CRIME MILITAR DOLOSO CONTRA A VIDA

COMPETÊNCIA PARA JULGAMENTO DE CRIME MILITAR DOLOSO CONTRA A VIDA COMPETÊNCIA PARA JULGAMENTO DE CRIME MILITAR DOLOSO CONTRA A VIDA Damásio de Jesus Os crimes militares dolosos contra a vida estão definidos nos arts. 205, 207 e 208 do Código Penal Militar (CPM), Decreto-Lei

Leia mais

RESPOSTA AOS RECURSOS PROVA: DIREITO

RESPOSTA AOS RECURSOS PROVA: DIREITO PROVA: DIREITO Prova: DIREITO TRIBUTÁRIO Nome do Concurso: TRF 5ª - 2014 Questão contestada: 18 Resposta Publicada: E Número de inscrição: 27100, 28428, 31730, 27305 Na pergunta em comento, observe o enfoque

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça HABEAS CORPUS Nº 293.979 - MG (2014/0104367-7) RELATOR IMPETRANTE ADVOGADO IMPETRADO PACIENTE : MINISTRO GURGEL DE FARIA : MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE MINAS GERAIS : ANDRÉ LUÍS ALVES DE MELO : TRIBUNAL

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL Nº /CS

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL Nº /CS Nº 23.909/CS HABEAS CORPUS Nº 131.160 MATO GROSSO DO SUL IMPETRANTE: DEFENSORIA PÚBLICA DA UNIÃO PACIENTE: MÁRCIO ARAÚJO DE OLIVEIRA COATOR: SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA RELATOR: MINISTRO TEORI ZAVASCKI

Leia mais

CRIMES HEDIONDOS. Conceito. Sistema Legal (art. 5º, inc. XLIII, CF) Sistema Judicial Sistema Misto

CRIMES HEDIONDOS. Conceito. Sistema Legal (art. 5º, inc. XLIII, CF) Sistema Judicial Sistema Misto Conceito Sistema Legal (art. 5º, inc. XLIII, CF) Sistema Judicial Sistema Misto Sistema legal temperado? Habeas Corpus (HC) 118533 tráfico privilegiado; Crimes militares Art. 5º, XLIII - a lei considerará

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal Ementa e Acórdão Inteiro Teor do Acórdão - Página 1 de 6 20/04/2017 PLENÁRIO AG.REG. NO RECURSO EXTRAORDINÁRIO COM AGRAVO 1.002.739 SÃO PAULO RELATOR AGTE.(S) AGDO.(A/S) PROC.(A/S)(ES) : MINISTRO PRESIDENTE

Leia mais

DESISTÊNCIA ARREPENDIMENTO

DESISTÊNCIA ARREPENDIMENTO DESISTÊNCIA E ARREPENDIMENTO A tentativa é perfeita quando o agente fez tudo o que podia, praticando todos os atos executórios, mas não obteve o resultado por circunstâncias alheias a sua vontade. Aplica-se

Leia mais

SUMÁRIO. Questões de provas anteriores. Questões de provas anteriores. Questões de provas anteriores. Questões de provas anteriores

SUMÁRIO. Questões de provas anteriores. Questões de provas anteriores. Questões de provas anteriores. Questões de provas anteriores DIREITO PENAL SUMÁRIO UNIDADE 1 Aplicação da Lei Penal 1.1 Princípios da legalidade e da anterioridade 1.2 Lei penal no tempo e no espaço 1.3 Tempo e lugar do crime 1.4 Lei penal excepcional, especial

Leia mais

AIDS e HPV Cuide-se e previna-se!

AIDS e HPV Cuide-se e previna-se! AIDS e HPV Cuide-se e previna-se! O que é AIDS? Existem várias doenças que são transmissíveis através das relações sexuais e por isso são chamadas DSTs (doenças sexualmente transmissíveis). As mais conhecidas

Leia mais

18/10/2016 SEGUNDA TURMA : MIN. TEORI ZAVASCKI

18/10/2016 SEGUNDA TURMA : MIN. TEORI ZAVASCKI Ementa e Acórdão Inteiro Teor do Acórdão - Página 1 de 9 18/10/2016 SEGUNDA TURMA HABEAS CORPUS 131.160 MATO GROSSO DO SUL RELATOR PACTE.(S) IMPTE.(S) PROC.(A/S)(ES) COATOR(A/S)(ES) : MIN. TEORI ZAVASCKI

Leia mais

Direito Penal Princípios Emerson Castelo Branco Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor.

Direito Penal Princípios Emerson Castelo Branco Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Direito Penal Princípios Emerson Castelo Branco 2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. PRINCÍPIOS E CARACTERÍSTICAS DO DIREITO PENAL Reserva legal - Art. 1.º do CP

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO. 1. Introdução histórica 2. Natureza jurídica 3. Referências normativas 4. Legitimidade 5. Finalidade 6. Hipóteses de cabimento

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO. 1. Introdução histórica 2. Natureza jurídica 3. Referências normativas 4. Legitimidade 5. Finalidade 6. Hipóteses de cabimento CONTEÚDO PROGRAMÁTICO 1. Introdução histórica 2. Natureza jurídica 3. Referências normativas 4. Legitimidade 5. Finalidade 6. Hipóteses de cabimento Habeas corpus - Tenhas corpo (...) a faculdade concedida

Leia mais

A Reforma do Código Penal Brasileiro ACRIERGS 2012

A Reforma do Código Penal Brasileiro ACRIERGS 2012 A Reforma do Código Penal Brasileiro ACRIERGS 2012 Reforma e Consolidação de Leis Os Ganhos da Consolidação e Atualização das Leis Penais Os riscos do açodamento Omissão de Socorro Art. 394. Deixar de

Leia mais

HABEAS CORPUS SUBSTITUTIVO DE RECURSO ORDINÁRIO. NOVA ORIENTAÇÃO.

HABEAS CORPUS SUBSTITUTIVO DE RECURSO ORDINÁRIO. NOVA ORIENTAÇÃO. HABEAS CORPUS SUBSTITUTIVO DE RECURSO ORDINÁRIO. NOVA ORIENTAÇÃO. A Turma, acompanhando recente orientação do STF, decidiu não ser cabível a impetração de habeas corpus substitutivo de recurso ordinário,

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos 1 de 6 17/11/2010 16:05 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 12.015, DE 7 DE AGOSTO DE 2009. Mensagem de veto Altera o Título VI da Parte Especial do Decreto-Lei

Leia mais

ARTIGO: O controle incidental e o controle abstrato de normas

ARTIGO: O controle incidental e o controle abstrato de normas ARTIGO: O controle incidental e o controle abstrato de normas Luís Fernando de Souza Pastana 1 RESUMO: Nosso ordenamento jurídico estabelece a supremacia da Constituição Federal e, para que esta supremacia

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça HABEAS CORPUS Nº 237.574 - SP (2012/0063770-6) RELATORA IMPETRANTE IMPETRADO PACIENTE : MINISTRA LAURITA VAZ : FLÁVIO CARDOSO DE OLIVEIRA : TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO : CLAUDIA MANSANO

Leia mais

A segurança pública e a incolumidade pública.

A segurança pública e a incolumidade pública. resumos GráFicOs De Leis penais especiais DOs crimes e Das penas posse irregular de arma de fogo de uso permitido art. 12. Possuir ou manter sob sua guarda arma de fogo, acessório ou munição, de uso permitido,

Leia mais

DISCURSIVA DIREITO ADMINISTRATIVO RESPOSTAS - CONCURSOS PÚBLICOS

DISCURSIVA DIREITO ADMINISTRATIVO RESPOSTAS - CONCURSOS PÚBLICOS DISCURSIVA DIREITO ADMINISTRATIVO RESPOSTAS - CONCURSOS PÚBLICOS VP Concursos - Consultoria e Coaching www.vpconcursos.com.br Direito Administrativo - Concurso Público Respostas Considere a seguinte situação

Leia mais

INTERPRETAÇÃO DA LEI PENAL E ANALOGIA PROFESSOR: LEONARDO DE MORAES. É a atividade do intérprete de extrair da lei o seu significado e alcance.

INTERPRETAÇÃO DA LEI PENAL E ANALOGIA PROFESSOR: LEONARDO DE MORAES. É a atividade do intérprete de extrair da lei o seu significado e alcance. INTERPRETAÇÃO DA LEI PENAL E ANALOGIA PROFESSOR: LEONARDO DE MORAES 1 Introdução É a atividade do intérprete de extrair da lei o seu significado e alcance. A natureza jurídica da intepretação é a busca

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça HABEAS CORPUS Nº 152.806 - RS (2009/0218681-9) RELATORA IMPETRANTE IMPETRADO PACIENTE : MINISTRA LAURITA VAZ : ADRIANA HERVÉ CHAVES BARCELLOS - DEFENSORA PÚBLICA : TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal HABEAS CORPUS 137.078 SÃO PAULO RELATORA PACTE.(S) IMPTE.(S) ADV.(A/S) COATOR(A/S)(ES) : MIN. ROSA WEBER :RENAN SILVA DOS SANTOS :DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DE SÃO PAULO :DEFENSOR PÚBLICO-GERAL DO ESTADO

Leia mais

: MIN. CELSO DE MELLO

: MIN. CELSO DE MELLO MEDIDA CAUTELAR NO HABEAS CORPUS 119.920 DISTRITO FEDERAL RELATOR PACTE.(S) IMPTE.(S) COATOR(A/S)(ES) : MIN. CELSO DE MELLO :MICHAEL JOHNATHAN THOMAS : REGINALDO JOSÉ DO PRADO E OUTRO(A/S) :MINISTRO DE

Leia mais

FIXAÇÃO DE REGIME INICIAL

FIXAÇÃO DE REGIME INICIAL FIXAÇÃO DE REGIME INICIAL Regime Inicial de Cumprimento de Pena É estabelecido pelo conjunto do artigo 33, 2º, a, b, c (levam em conta o tempo de pena e a primariedade e a reincidência) e o artigo 59,

Leia mais

DIREITO PROCESSUAL PENAL IV

DIREITO PROCESSUAL PENAL IV AULA DIA 02/03 Docente: TIAGO CLEMENTE SOUZA E-mail: tiago_csouza@hotmail.com DIREITO PROCESSUAL PENAL IV dias. i)- Sentença em audiência ou no prazo de 10 - Prazo para encerramento da Primeira Fase do

Leia mais

OAB 2ª Fase Processo Penal Assunto: Identificando a PEÇA Estefânia Rocha

OAB 2ª Fase Processo Penal Assunto: Identificando a PEÇA Estefânia Rocha OAB 2ª Fase Processo Penal Assunto: Identificando a PEÇA Estefânia Rocha 2013 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. IDENTIFICANDO A PEÇAS Ao entrar na sala da PROVA no

Leia mais

A ISENÇÃO DO IMPOSTO DE RENDA PREVISTA NO ARTIGO 6º XIV, DA LEI 7.713/88 E SUA CONTROVÉRSIA.

A ISENÇÃO DO IMPOSTO DE RENDA PREVISTA NO ARTIGO 6º XIV, DA LEI 7.713/88 E SUA CONTROVÉRSIA. A ISENÇÃO DO IMPOSTO DE RENDA PREVISTA NO ARTIGO 6º XIV, DA LEI 7.713/88 E SUA CONTROVÉRSIA. Amanda Elise dos SANTOS 1 Vinicius Cauê Del Mora do NASCIMENTO 1 RESUMO: O referido artigo trata sobre o Imposto

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça AGRAVADO ADVOGADO INTERES. : JOSÉ MEIRELLES FILHO E OUTRO(S) - SP086246 : MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE SÃO PAULO EMENTA PROCESSO PENAL. AGRAVO REGIMENTAL NO AGRAVO EM RECURSO ESPECIAL. EXECUÇÃO PROVISÓRIA

Leia mais

DIREITO PENAL IV - CCJ0034

DIREITO PENAL IV - CCJ0034 Plano de Aula: Crimes contra a Administração Pública praticados por Particular. DIREITO PENAL IV - CCJ0034 Título Crimes contra a Administração Pública praticados por Particular. Número de Aulas por Semana

Leia mais

Questão 1. Em relação às situações de exculpação, é incorreto afirmar:

Questão 1. Em relação às situações de exculpação, é incorreto afirmar: PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS DIREITO PENAL P á g i n a 1 Questão 1. Em relação às situações de exculpação, é incorreto afirmar: a) O fato punível praticado sob coação irresistível é capaz de excluir

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal Ementa e Acórdão Inteiro Teor do Acórdão - Página 1 de 6 28/10/2016 PRIMEIRA TURMA AG.REG. NO RECURSO EXTRAORDINÁRIO COM AGRAVO 806.607 PIAUÍ RELATOR AGTE.(S) AGDO.(A/S) : MIN. ROBERTO BARROSO :ESTADO

Leia mais

SUMÁRIO. Questões de provas anteriores. Questões de provas anteriores. Questões de provas anteriores. Questões de provas anteriores

SUMÁRIO. Questões de provas anteriores. Questões de provas anteriores. Questões de provas anteriores. Questões de provas anteriores NOÇÕES DE DIREITO PENAL PARA CONCURSO DA POLÍCIA FEDERAL focada no cespe/unb SUMÁRIO UNIDADE 1 Aplicação da Lei Penal 1.1 Princípios da legalidade e da anterioridade 1.2 Lei penal no tempo e no espaço

Leia mais

Direito Penal. DPC e DPF. Temas Controversos de. Eduardo Fontes Geovane Moraes. Para concursos de. 1ª edição Recife PE

Direito Penal. DPC e DPF. Temas Controversos de. Eduardo Fontes Geovane Moraes. Para concursos de. 1ª edição Recife PE Eduardo Fontes Geovane Moraes Temas Controversos de Direito Penal Para concursos de DPC e DPF 1ª edição Recife PE 2016 Temas Controversos MIOLO.indd 3 11/03/2016 19:01:34 1. NEM TODO DELITO PATRIMONIAL

Leia mais

2) Como localizar o Comprovante de Rendimentos? Para localizar o Comprovante de Rendimentos o servidor deve proceder da seguinte forma:

2) Como localizar o Comprovante de Rendimentos? Para localizar o Comprovante de Rendimentos o servidor deve proceder da seguinte forma: Comprovante de Rendimentos Perguntas Frequentes 1) O que é Comprovante de Rendimentos? Comprovante de Rendimentos é um documento disponibilizado ao servidor pela Secretaria de Estado da Administração contendo

Leia mais

TEMA 4: ORGANIZAÇÃO POLÍTICO-ADMINISTRATIVA DO ESTADO BRASILEIRO

TEMA 4: ORGANIZAÇÃO POLÍTICO-ADMINISTRATIVA DO ESTADO BRASILEIRO TEMA 4: ORGANIZAÇÃO POLÍTICO-ADMINISTRATIVA DO ESTADO BRASILEIRO A União não intervirá nos Estados nem no Distrito Federal, exceto para: (...) O Estado não intervirá em seus Municípios, nem a União nos

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal MEDIDA CAUTELAR NA AÇÃO DIRETA DE INCONSTITUCIONALIDADE 5.341 ACRE RELATOR REQTE.(S) INTDO.(A/S) ADV.(A/S) : MIN. EDSON FACHIN :PROCURADOR-GERAL DA REPÚBLICA :ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO ACRE :SEM

Leia mais

Tribunal de Justiça de Minas Gerais

Tribunal de Justiça de Minas Gerais Número do 1.0000.11.029913-8/000 Númeração 0299138- Relator: Relator do Acordão: Data do Julgamento: Data da Publicação: Des.(a) Domingos Coelho Des.(a) Domingos Coelho 05/10/2011 17/10/2011 EMENTA: CONFLITO

Leia mais

O Artigo 98 do CTN Comentários sobre o dispositivo que nunca deveria ter existido

O Artigo 98 do CTN Comentários sobre o dispositivo que nunca deveria ter existido 13/10/2016 O Artigo 98 do CTN Comentários sobre o dispositivo que nunca deveria ter existido Sergio André Rocha sergio.andre@sarocha.com.br www.sarocha.com.br O Artigo 98 do CTN foi Consequência de um

Leia mais

INFORMATIVO ESTRATÉGICO INFORMATIVO STF 865

INFORMATIVO ESTRATÉGICO INFORMATIVO STF 865 Destaques comentados pelos Professores Estratégia Sumário Sumário... 1 1 Direito Constitucional... 1 2 Direito Processual Civil... 2 3 Direito Penal... 3 4 Direito Processual Penal... 4 1 Direito Constitucional

Leia mais

PARECER CREMEC Nº 09/ /02/2013

PARECER CREMEC Nº 09/ /02/2013 PARECER CREMEC Nº 09/2013 23/02/2013 PROCESSO-CONSULTA PROTOCOLO CREMEC nº 406/2012 Interessado: Laboratório Clementino Fraga Ltda Assunto: Remessa de laudos de exames para operadora Relator: Dr. Antônio

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal AÇÃO DIRETA DE INCONSTITUCIONALIDADE 3.203 DISTRITO FEDERAL RELATOR : MIN. ROBERTO BARROSO REQTE.(S) :CONFEDERAÇÃO NACIONAL DOS TRANSPORTES - CNT : ADMAR GONZAGA E OUTRO(A/S) :JUTAHY MAGALHÃES NETO :UNIÃO

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça HABEAS CORPUS Nº 173.928 - MG (2010/0094429-2) RELATOR : MINISTRO NAPOLEÃO NUNES MAIA FILHO EMENTA HABEAS CORPUS. EXECUÇÃO PENAL. LATROCÍNIO. 20 ANOS DE RECLUSÃO, EM REGIME INICIAL FECHADO. PRISÃO DOMICILIAR.

Leia mais

Tratado nos artigos a a do d o CP C. P

Tratado nos artigos a a do d o CP C. P AÇÃO PENAL Tratado nos artigos 100 a 106 do CP. Conceito: Direito de exigir do Estado a aplicação da norma penal ao infrator. É o ius puniendi do Estado. CLASSIFICAÇÃO Conhecimento Cautelar Execução Art.

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA PROGRAMA DE DISCIPLINA Disciplina: DIREITO PENAL III Código da Disciplina: JUR 219 Curso: Direito Semestre de oferta da disciplina: 5º Faculdade responsável: Direito Programa em vigência a partir de: 2015

Leia mais

TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Jurídica LEI Nº , DE 7 DE AGOSTO DE 2009 MANDADO DE SEGURANÇA INDIVIDUAL E COLETIVO

TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Jurídica LEI Nº , DE 7 DE AGOSTO DE 2009 MANDADO DE SEGURANÇA INDIVIDUAL E COLETIVO TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Jurídica LEI Nº 12.016, DE 7 DE AGOSTO DE 2009 MANDADO DE SEGURANÇA INDIVIDUAL E COLETIVO Francisco Guilherme Braga de Mesquita Advogado Neste estudo, buscaremos comentar a respeito

Leia mais

Olá, amigos! Valeu! 1. Apresentação e estrutura textual (0,40). 2. Endereçamento à Vara Criminal da Comarca de São Paulo (0,20),

Olá, amigos! Valeu! 1. Apresentação e estrutura textual (0,40). 2. Endereçamento à Vara Criminal da Comarca de São Paulo (0,20), Olá, amigos! A peça do simulado é a prova prática do Exame de Ordem 2009.3 (CESPE). Percebam que o gabarito elaborado pela banca é bastante simples em comparação àquele da queixa do ciclo de correções.

Leia mais

7/4/2014. Multa Qualificada. Paulo Caliendo. Multa Qualificada. Paulo Caliendo. + Sumário. Multa Qualificada. Responsabilidade dos Sócios

7/4/2014. Multa Qualificada. Paulo Caliendo. Multa Qualificada. Paulo Caliendo. + Sumário. Multa Qualificada. Responsabilidade dos Sócios + Multa Qualificada Paulo Caliendo Multa Qualificada Paulo Caliendo + Sumário Multa Qualificada Responsabilidade dos Sócios 1 + Importância da Definição: mudança de contexto Modelo Anterior Sentido Arrecadatório

Leia mais

Multa Qualificada. Paulo Caliendo. Paulo Caliendo

Multa Qualificada. Paulo Caliendo. Paulo Caliendo + Multa Qualificada Paulo Caliendo Multa Qualificada Paulo Caliendo + Importância da Definição: mudança de contexto Modelo Anterior Sentido Arrecadatório Modelo Atual Sentido repressor e punitivo Última

Leia mais

Este Plano de Curso poderá sofrer alterações a critério do professor e/ou da Coordenação.

Este Plano de Curso poderá sofrer alterações a critério do professor e/ou da Coordenação. Este Plano de Curso poderá sofrer alterações a critério do professor e/ou da Coordenação. PLANO DE CURSO 2014/02 DISCIPLINA: DIREITO PENAL IV PROFESSOR: ISRAEL DOMINGOS JORIO TURMA: 6 AM / BM / DN UNIDADES

Leia mais

Conteúdo: Ação Penal nos Crimes contra a Honra: Pedido de explicações, audiência de conciliação, exceção da verdade. Jurisdição: Conceito, Princípios.

Conteúdo: Ação Penal nos Crimes contra a Honra: Pedido de explicações, audiência de conciliação, exceção da verdade. Jurisdição: Conceito, Princípios. Turma e Ano: Flex A (2014) Matéria / Aula: Processo Penal / Aula 08 Professor: Elisa Pittaro Conteúdo: Ação Penal nos Crimes contra a Honra: Pedido de explicações, audiência de conciliação, exceção da

Leia mais

PONTO 1: Ilicitude PONTO 2: Das Causas Legais de Exclusão da Ilicitude

PONTO 1: Ilicitude PONTO 2: Das Causas Legais de Exclusão da Ilicitude 1 DIREITO PENAL PONTO 1: Ilicitude PONTO 2: Das Causas Legais de Exclusão da Ilicitude OBS: ADPF 130 revogou totalmente a Lei 5.250/67 (Lei de Imprensa). Hoje aplica-se o CC e o CP nesses casos. STF, HC

Leia mais

GUSTAVO SALES LEI 8112/90

GUSTAVO SALES LEI 8112/90 GUSTAVO SALES LEI 8112/90 1. CESPE 2017 - Prefeitura de Fortaleza CE - Procurador do Município Em cada um do item a seguir é apresentada uma situação hipotética seguida de uma assertiva a ser julgada,

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL Nº 1639/13 MJG MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL RECURSO ORDINÁRIO EM HABEAS CORPUS Nº 119930 RECTE: HUGO CANELLAS RODRIGUES FILHO ADV: PEDRO CORRÊA CANELLAS RECDO: MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL RELATOR: EXMO. SR.

Leia mais

RECOMENDAÇÃO Nº 01/2016

RECOMENDAÇÃO Nº 01/2016 Procedimento Investigatório Criminal nº 1.30.002.000194/2015-23 RECOMENDAÇÃO Nº 01/2016 Ao: Ministério da Saúde O MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL, pelo Procurador da República signatário, no exercício de suas

Leia mais

PROF. JOSEVAL MARTINS VIANA O PLANO REDACIONAL DO TEXTO JURÍDICO

PROF. JOSEVAL MARTINS VIANA O PLANO REDACIONAL DO TEXTO JURÍDICO O PLANO REDACIONAL DO TEXTO JURÍDICO Introdução: A introdução significa início ou começo. Declara ao leitor (juiz e réu) o assunto que será tratado no texto jurídico. Fixa as diretrizes do assunto, facilitando

Leia mais

1. TEORIA CONSTITUCIONALISTA DO DELITO FATO TÍPICO

1. TEORIA CONSTITUCIONALISTA DO DELITO FATO TÍPICO 1 DIREITO PENAL PONTO 1: Teoria Constitucionalista do Delito PONTO 2: Legítima Defesa PONTO 3: Exercício Regular de Direito PONTO 4: Estrito Cumprimento do Dever Legal 1. TEORIA CONSTITUCIONALISTA DO DELITO

Leia mais

Gabarito Extraoficial Exame unificado OAB Caderno de Prova 01

Gabarito Extraoficial Exame unificado OAB Caderno de Prova 01 Gabarito Extraoficial Exame unificado OAB 2010.2 Caderno de Prova 01 Versão texto das alternativas corretas ao final do arquivo Direito Constitucional 1- C / ART. 57, 3º CF 2- A / ART. 97, CF 3- B / ART.

Leia mais

05/05/2017 PAULO IGOR DIREITO PENAL

05/05/2017 PAULO IGOR DIREITO PENAL PAULO IGOR DIREITO PENAL (VUNESP/ ASSISTENTE JURÍDICO PREFEITURA DE ANDRADINA SP/ 2017) A conduta de patrocinar indiretamente interesse privado perante a Administração Pública, valendo-se da sua qualidade

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO EM MANDADO DE SEGURANÇA Nº 36.430 - PR (2011/0256103-9) RELATOR RECORRENTE ADVOGADO RECORRIDO : MINISTRO RIBEIRO DANTAS : xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx : RODRIGO JOSÉ MENDES ANTUNES E OUTRO(S) : MINISTÉRIO

Leia mais

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL MONSENHOR MESSIAS - CENTRO UNIVERSITÁRIO DE SETE LAGOAS UNIFEMM

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL MONSENHOR MESSIAS - CENTRO UNIVERSITÁRIO DE SETE LAGOAS UNIFEMM Revisão dia 27 nov. 2014 Crimes de Trânsito, Lavagem de Capitais, JECrim 1. Analise as assertivas relacionadas a crimes previstos na legislação penal especial, e assinale a alternativa incorreta: a) Os

Leia mais

NATUREZA JURÍDICA E A COMPLEXIDADE DO LATROCÍNIO (CP/40, art.157, 3º): A INCLUSÃO DO LATROCÍNIO NOS CRIMES CONTRA A VIDA.

NATUREZA JURÍDICA E A COMPLEXIDADE DO LATROCÍNIO (CP/40, art.157, 3º): A INCLUSÃO DO LATROCÍNIO NOS CRIMES CONTRA A VIDA. NATUREZA JURÍDICA E A COMPLEXIDADE DO LATROCÍNIO (CP/40, art.157, 3º): A INCLUSÃO DO LATROCÍNIO NOS CRIMES CONTRA A VIDA. Juliana de Souza Gonçalves j_jujuli@hotmail.com ANA CELUTA F. TAVEIRA Mestre em

Leia mais

UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE - UNESC CURSO DE DIREITO PATRÍCIA CECHINEL DE ARAÚJO

UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE - UNESC CURSO DE DIREITO PATRÍCIA CECHINEL DE ARAÚJO UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE - UNESC CURSO DE DIREITO PATRÍCIA CECHINEL DE ARAÚJO A POSSIBILIDADE DA APLICAÇÃO DA RETROATIVIDADE DA LEI PENAL NA AÇÃO PENAL PÚBLICA CONDICIONADA PARA OS CRIMES

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RELATORA RECORRENTE ADVOGADO RECORRIDO : MINISTRA MARIA THEREZA DE ASSIS MOURA : ALDAIR DOS SANTOS : DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DE MINAS GERAIS : MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE MINAS GERAIS EMENTA RECURSO

Leia mais

AULA 11. Aproveitando essa questão de exaurimento, vamos estudar algumas peculiaridades:

AULA 11. Aproveitando essa questão de exaurimento, vamos estudar algumas peculiaridades: Turma e Ano: Master A (2015) 01/04/2015 Matéria / Aula: Direito Penal / Aula 11 Professor: Marcelo Uzeda de Farias Monitor: Alexandre Paiol AULA 11 CONTEÚDO DA AULA: - Iter criminis, crime tentado 5) Exaurimento

Leia mais

FACULDADE BAIANA DE DIREITO CURSO DE GRADUAÇÃO EM DIREITO

FACULDADE BAIANA DE DIREITO CURSO DE GRADUAÇÃO EM DIREITO FACULDADE BAIANA DE DIREITO CURSO DE GRADUAÇÃO EM DIREITO BENÍCIO CORREIA DOS SANTOS JÚNIOR A REDUÇÃO DA MAIORIDADE PENAL NO CONTEXTO SOCIAL E NO ORDENAMENTO JURÍDICO PÁTRIO Salvador 2012 BENÍCIO CORREIA

Leia mais

22/09/2015 SEGUNDA TURMA : MIN. DIAS TOFFOLI EMENTA

22/09/2015 SEGUNDA TURMA : MIN. DIAS TOFFOLI EMENTA Ementa e Acórdão Inteiro Teor do Acórdão - Página 1 de 7 22/09/2015 SEGUNDA TURMA AG.REG. NO RECURSO EXTRAORDINÁRIO 567.276 SANTA CATARINA RELATOR AGTE.(S) PROC.(A/S)(ES) AGDO.(A/S) ADV.(A/S) : MIN. DIAS

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo TRIBUNAL DE JUSTIÇA São Paulo fls. 1 Registro: 2013.0000071982 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos de Habeas Corpus nº 0243217-95.2012.8.26.0000, da Comarca de São José dos Campos, em que

Leia mais