Mulheres HIV/AIDS: silenciamento, dor moral e saúde coletiva

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Mulheres HIV/AIDS: silenciamento, dor moral e saúde coletiva"

Transcrição

1 ARTIGO ORIGINAL / RESEARCH REPORT / ARTÍCULO Mulheres HIV/AIDS: silenciamento, dor moral e saúde coletiva Women and hiv/aids: silencing, moral pain and collective health Hiv/sida y las mujeres: silenciamiento, dolor moral y salud colectiva Lucilda Selli * Petronila Libana Chechin ** RESUMO: O objetivo deste estudo foi conhecer os motivos que levam as mulheres infectadas pelo HIV/AIDS ao silenciamento da doença, além de identificar até que ponto estabelecem relações de significado entre o silêncio e a saúde da coletividade.para tanto, o método utilizado foi um estudo exploratório, descritivo, de natureza qualitativa. Focalizou-se mulheres que buscaram o serviço de atendimento especializado para diagnóstico e tratamento do HIV/AIDS da Secretaria de Saúde do Município de São Leopoldo, no Rio Grande do Sul. A amostra foi intencional e atingiu o total de dezoito mulheres entre 20 e 40 anos, portadoras da infecção pelo HIV ou com AIDS. Os dados foram obtidos por meio de entrevista semi-estruturada e foram agrupados em temas para posterior análise. A investigação considerou como resultados que a contaminação se deu quase exclusivamente por meio da relação heterossexual. A crença na fidelidade do parceiro e o desvelamento da infidelidade influenciam sobremaneira a atitude silenciosa das mulheres. O medo, e seus diferentes significados, reforça, nas mulheres, a atitude silenciosa. A força para se sobrepor ao medo, enfrentar os preconceitos, qualificar a vida e dar evasão a ela, para além da dor moral vivenciada no silêncio, provém dos filhos, principalmente nos casos de transmissão vertical.concluiu-se que para as mulheres é difícil enfrentar a doença e, ao mesmo tempo, o problema de serem portadoras do HIV/AIDS. A epidemia precisa ser encarada como um fenômeno social, com seus mitos e estereótipos para garantir maior adesão das ações e o alcance das metas propostas pelo Ministério da Saúde e pelos profissionais da saúde. DESCRITORES: Síndrome de imuno deficiência adquirida aspectos sociais, Saúde coletiva, Mulher ABSTRACT: The aim of this study was identifying the reasons that make women infected by HIV/AIDS to avoid talking about the illness and to verify in what degree this establishes relations of meaning between the silence and the health of the collective. For doing this, the used Method was an exploratory Study, a descriptive qualitative one. One focused women who had asked help the service of assistance specialized for diagnosis and treatment of the HIV/AIDS of Secretaria de Saúde [the county Health agency] of the City of São Leopoldo, RS Brazil. The sample was intentional and reached the total of 18 women between 20 and 40 years, e infection by the HIV or affected by AIDS. Data were collected by means of half-structured interviews and were grouped in subjects for posterior analysis. This inquiry considered as results that infections occurred exclusively in heterosexual intercourses. The belief in the fidelity of the partner and the unearthing of infidelity excessively influence the self-silencing attitude of the women. Fear and its different meanings increase in the women the self-silencing attitude. The strength for conquering fear, to face prejudices, to qualifying life and to let it go, beyond moral pain, lived deeply in silence, stems from the children, mainly in cases of vertical transmission. It was concluded that for the women it is difficult to face the illness and, at the same time, the problem of their being HIV/AIDS carriers. This epidemic has to be faced as a social phenomenon, with its myths and stereotypes to guarantee a greater adhesion to the actions and the reach of the goals proposed by the Ministry of Health and the health professionals. KEYWORDS: Syndrome of acquired immunodeficiency social aspects, Colletive health, Woman RESUMEN: El objetivo de este estudio es saber las razones del silenciamiento de la enfermedad mujeres infectadas por el HIV/SIDA al e identificar hasta que punto establecen relaciones de significado entre el silencio y la salud colectiva. El Método usado para alcanzar esa meta fue un Estudio exploratorio, descripción de naturaleza cualitativa. Fueron sujetos mujeres que habían acorrido al servicio de atención especializada para la diagnosis y el tratamiento del HlV/ SIDA de la Secretaria de Saúde do Município de São Leopoldo Rio Grande do Sul. La muestra fue intencional y alcanzó el total de 18 mujeres con edades entre 20 y 40 años, portadoras de la infección por el HIV o la SIDA. Los datos han sido colectados por intermedio de entrevistas medio-estructuradas y han sido agrupados en temas para el análisis posterior. Esta investigación considera como resultados el facto de que la contaminación si dio casi por medio de la relación heterosexual. La creencia en la fidelidad del marido y la revelación de la infidelidad influencia intensamente la actitud reservada de las mujeres. El miedo y sus diversos significados consolidan en las mujeres la actitud de silenciamiento. La fuerza para superponerse al miedo, para hacer frente a las preconcepciones, para caracterizar la vida y hacerla transcurrir, para más allá del dolor moral, vivido profundamente en silencio, provén de los niños, principalmente en los casos de transmisión vertical. La conclusión es que a las mujeres les resulta difícil hacer frente al enfermedad y, al mismo tiempo, al problema de ser portadoras del HIV/SIDA. La epidemia carece de ser considerada como fenómeno social, con sus mitos y estereotipos para garantizar la mayor adhesión a las acciones y el mayor alcance de las metas establecidas por el Ministerio de la Salud y los profesionales de la salud. PALABRAS-LLAVE: Síndrome de inmunodeficiencia adquirido aspectos sociales, Salud colectiva, Mujer * Doutora em Ciências da Saúde pela Universidade de Brasília. Mestre em Assistência de Enfermagem pela Universidade Federal de Santa Catarina. Especialista em Teologia pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. Professora da disciplina Ética Profissional do Curso de Graduação em Enfermagem e Professora da disciplina de Ética e Bioética para vários Cursos de graduação. Professora e pesquisadora do Curso de Pós-Graduação Mestrado em Saúde Coletiva. ** Mestre em Assistência de Enfermagem pela Universidade Federal de Santa Catarina. Especialista em Saúde da Mulher pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Coordenadora do Curso de Graduação em Enfermagem e Coordenadora do Curso de Especialização em Enfermagem Obstétrica. Professora da disciplina teórico-prática da Saúde da mulher. Pesquisadora O MUNDO DA SAÚDE São Paulo, ano 29 v. 29 n. 3 jul./set Mulheres_HIV.p65 353

2 Introdução A Síndrome de Imunodeficiência Adquirida [AIDS] está cada vez mais se constituindo em um sério problema no contexto da Saúde Pública em todo o mundo (Bastos, Malta, 2002). Os primeiros casos da epidemia foram notificados na década de 1980, e passados 25 anos, já entrados no século XXI, continua sendo um grande desafio para a comunidade científica, profissionais da saúde e população em geral (Mann, Tarantola, Netter, 1993; Bastos, Barcello, 1995; Bastos, Szwarcwald, 2000). A síndrome desafia a comunidade científica, os profissionais da saúde e a sociedade em geral a reverem os conceitos de saúde e buscarem estratégias para o controle das taxas de incidência, melhoria da qualidade de vida dos portadores do vírus HIV e doentes de AIDS, seja individualmente, seja coletivamente. Os dados epidemiológicos mundiais mostram que ocorre a infecção diária de 14 mil pessoas, sua grande maioria em países em desenvolvimento ou subdesenvolvidos, com 50% dos casos sendo de mulheres e crianças (Lamptey et al, 2002). Conforme dados do Boletim Epidemiológico AIDS Brasil foram diagnosticados e notificados, no Brasil, casos, no período de 1980 a dezembro A epidemia atinge principalmente pessoas na fase reprodutiva, com baixa escolaridade, e um número crescente de mulheres heterossexuais, e tem como principal forma de transmissão a exposição sexual ou o uso de drogas injetáveis. Esse aspecto está diretamente relacionado ao diagnóstico e notificação dos casos perinatais (Brasil, 2003a). Estima-se que existam 17 mil gestantes HIV positivo ao ano no Brasil. Cerca de 30%, ou seja, 6 mil gestantes HIV positivo recebem tratamento ao ano. No Brasil, a AIDS tem-se caracterizado pela interiorização, a heterossexualização, a pauperização e a feminização (Brasil, 2003a; Bastos, Szwarcwald, 2000). A feminização da epidemia do HIV/AIDS está relacionada à vulnerabilidade da mulher, pelas suas características biológicas, sociais e culturais favoráveis para sua contaminação (Bastos, Szwarcwald, 2000). Isso tem como conseqüência o número significativo de crianças contaminadas pela transmissão vertical (Brasil, 2003a). A epidemia precisa ser encarada como um fenômeno social, com informação e esclarecimento sobre seus mitos e estereótipos, a fim de garantir maior adesão às ações e ao alcance das propostas para seu enfrentamento feitas pelo Ministério da Saúde e pelos profissionais da saúde. Essa premissa auxilia a quebra do silêncio e o dos medos que assolam as mulheres, atualmente mais vulneráveis ao vírus HIV/AIDS do que os outros segmentos populacionais. O problema do HIV/AIDS e dos conflitos vivenciados por pessoas que se sabem portadoras do vírus deve constituir uma das preocupações centrais dos profissionais da saúde. A pesquisa buscou conhecer as razões alegadas pelas mulheres HIV/ AIDS para o silêncio diante da doença, embora tal silêncio implique em repercussões negativas não só para a sua saúde como para a da coletividade. O interesse pelo estudo foi suscitado a partir dos resultados de uma pesquisa realizada anteriormente por Cechin com mulheres gestantes, residentes no município de São Leopoldo, Rio Grande do Sul, com risco de HIV positivo. Os resultados da pesquisa mostraram que o fator medo influenciou as mulheres a retardarem a confirmação do diagnóstico e a esconderem a doença. O interesse de realizar a pesquisa e descobrir os motivos do silêncio das mulheres soropositivas sobre suas vivências nasceu do diálogo entre as pesquisadoras sobre a importância de conhecê-los e, dessa forma, elaborar uma estratégia de ação e intervenção que auxilie as mulheres a enfrentarem seus medos e quebrarem o silêncio em prol da saúde individual e coletiva. Método A pesquisa foi realizada na Unidade Sanitária do Município de São Leopoldo, que presta atendimento à população HIV/AIDS do referido município e arredores. Os dados foram coletados ao longo dos meses de outubro de 2002 a fevereiro de Trata-se de pesquisa com abordagem qualitativa (Minayo, 2000). O problema investigado focalizou mulheres com HIV/AIDS que buscaram a Unidade Sanitária para diagnóstico e tratamento. Teve como objetivos conhecer fatores que levam as mulheres HIV/ AIDS ao silenciamento sobre a doença, e identificar até que ponto estabelecem relações entre o silenciamento e a saúde coletiva. A seleção das mulheres seguiu os seguintes critérios: apresentarem idade entre vinte a quarenta anos, terem confirmação da infecção pelo HIV, estarem em acompanhamento ambulatorial e aceitarem participar da pesquisa. As mulheres que se enquadraram nos critérios estabelecidos foram esclarecidas sobre a temática do estudo, seus objetivos e justificativas, depois do que procederam à leitura e assinatura do Termo de Consentimento Livre e Esclarecido, documentando sua participação livre na pesquisa, conforme preconiza a Resolução 196/96 do Ministério da Saúde do Brasil (Brasil, 1996). Foram entrevistadas dezoito mulheres, número determinado ao longo da pesquisa pelo ponto de saturação. A técnica para a coleta de dados foi a entrevista semi-estruturada. Foi feito o registro dos dados por escrito. Para o roteiro da entrevista, foram utilizadas questões norteadoras (fatores que influenciam o silêncio e a relação com a saúde individual e coletiva). A interação pesquisador/pesquisada serviu também como referência para a coleta dos 354 O MUNDO DA SAÚDE São Paulo, ano 29 v. 29 n. 3 jul./set Mulheres_HIV.p65 354

3 dados. O local da Unidade Sanitária onde foram coletados os dados previu a privacidade das mulheres entrevistadas, permitindo-lhes um ambiente favorável à interlocução. Na interpretação e análise dos dados utilizou-se a abordagem qualitativa com base em Minayo (2000), observando-se as etapas de ordenamento do material, unitarização e análise dos dados. Resultados e discussão Por que as mulheres calam se o silêncio dói tanto? Da análise preliminar dos depoimentos das participantes do estudo, emergiram quatro categorias, nomeadas conforme suas próprias falas: Eu não queria desconfiar dele... Ele não é pulador de cerca, mas no dia que pulou pegou. Ninguém sabe e nem vai saber. Olho para meus filhos e dá vontade de viver, de vencer de novo. Uma leitura interpretativa das falas das mulheres pesquisadas mostra que os motivos de silêncio produzem grande sofrimento, principalmente até um determinado momento do diagnóstico. Esse silêncio está relacionado aos significados de imoralidade, atribuídos ao HIV/AIDS pela sociedade desde o surgimento da doença. O silêncio das mulheres é forçado e reforçado pelos estereótipos construídos em torno da AIDS, tida, ainda nos dias de hoje, como uma doença imoral, que, por sua vez, produz a dor moral, compreendida na presente pesquisa, pelos relatos das mulheres, como um sentimento que qualifica o sofrimento subjetivo de caráter existencial e que as afeta em suas diferentes dimensões pessoais, como se pode evidenciar na frase:... aquilo foi uma facada por dentro. A doença imoral é sigilosa e, portanto, na medida do possível, mantida escondida pelas mulheres, para além da dor moral, com seus múltiplos significados e suas conseqüências, tanto individuais quanto coletivas:... tem que calar pra si, tem que agüentar firme, sabe, porque tem muito preconceito. Desde os primeiros sintomas ao diagnóstico, se interpõe uma questão crucial para as mulheres HIV/AIDS. Esta interposição é cunhada pela construção do signo HIV/AIDS, para a qual o tratamento medicamentoso não dá conta da totalidade de seus significados e da necessidade de fazerem frente ao problema:... o que vão pensar de mim, eu sempre fui muito certinha, sei que não tive culpa de pegar, é uma dor que dói lá dentro, não sei o que vai ser de mim... O diagnóstico e o tratamento compreendem uma parcela do processo, porém, a dor moral suscitada pela doença do HIV/AIDS, com suas múltiplas faces e significados, forçados e reforçados pelo estigma da imoralidade, pertence ao campo existencial, imbuído, também, de significados individuais e coletivos (Belino, 1997), ou seja, atingindo a mulher em sua integralidade, e não apenas como a doente portadora do HIV/ AIDS. O tratamento da imunodeficiência adquirida implica avançar no cuidado, tendo presentes às questões suscitadas na subjetividade, influenciada pelas representações, valores e desvalores, e pelas crenças construídas e reconstruídas sobre o problema assimilados pelas pessoas e pela sociedade (Moscovici, 2003). O silêncio solitário, em torno da AIDS, auto e hetero imposto, subjuga as mulheres: Sinto vontade de ficar quieta, calar, porque são todos muito de julgar as pessoas, tá contaminado, tem que morrer para os outros. A dor silenciada exerce sobre as mulheres uma força maior, que transcende, por vezes, sua vontade de enfrentamento, de coragem, de fala e defesa de si mesmas com suas próprias razões: Fiquei sabendo quando fizeram os exames, eu imaginava [...] tinha muito medo que fosse ter uma doença [...] fui levando [...] sabe como é, né!. A assimilação feita pelas mulheres sobre a AIDS como sendo a doença da imoralidade ofusca suas noções de conhecimento e responsabilidade sobre a doença, bem como quanto às implicações acerca do nãotratamento para a sua saúde e a saúde da coletividade. A apropriação da saúde e da doença, a partir de construções de sentido, implica um processo de subjetivação. Essa construção tem a ver com as representações culturais presentes no contexto social. Os seres humanos interpretam suas experiências pelas referências simbólicas presentes nos significados socialmente aceitos (Minayo, 2000). Daí a importância de conjugar mulher HIV/AIDS e sociedade no processo saúde/doença/enfrentamento. Eu não queria desconfiar dele, ele não é pulador de cerca, mas no dia que pulou pegou É evidente a necessidade de despertar nas mulheres uma postura menos ingênua com relação a seus parceiros e suas promessas de fidelidade. Aceitar silenciosamente a contaminação significa aceitar valores e padrões morais e culturais que perpetuam as desigualdades sociais nas mais diferentes esferas das experiências cotidianas (Guilhem, 2001). A aquisição de poder e de enfrentamento das mulheres deriva de sua capacidade de duvidar e de manifestar sua indignação. Esse processo lento e dinâmico, que deve ser assumido pelas mulheres, possibilita a construção de si mesmas como sujeitos autônomos capazes de enfrentar os medos, com todos os significados, implicados nas construções, descontruções e reconstruções (Moscovici, 2003), que permeiam o processo de subjetivação ao se saberem enganadas e infectadas. O problema do contágio/transmissão enganoso aponta a necessidade de uma reflexão radical sobre o respeito ao direito do outro de ter sua saúde preservada e a importân- O MUNDO DA SAÚDE São Paulo, ano 29 v. 29 n. 3 jul./set Mulheres_HIV.p65 355

4 cia de desenvolver nas pessoas o senso de responsabilidade pela preservação e manutenção da saúde da coletividade. As orientações, ações e intervenções profissionais implicam tal abrangência: Peguei na relação com meu ex-marido, ele me enganou, não me deixou escolher. Se eu soubesse poderia decidir se eu queria pegar a doença ou não. Seria uma escolha minha e ele não deixou isto acontecer. Pensar é uma atitude da individualidade humana em que ela, a pessoa, recua da vida social e política para refletir, no cerne de sua solidão, aquém da cognição intelectual ou racional (Bellino, 1997). Esse núcleo confrontativo mobiliza o interior do humano para além de uma sucessão de racionalizações morais e científicas e avança para uma ética do sujeito responsabilizado com o indivíduo e a coletividade saudável. A atual realidade sanitária, divulgada pelo Ministério da Saúde, que evidencia a progressiva diminuição da razão de novos casos masculinos e femininos, hoje em torno de 2:1 em todo o País, e de 1:1, em algumas regiões requer a realização de pesquisas e ações de intervenção que trateam dos vários aspectos relacionados à feminização do HIV/ AIDS. O rápido crescimento da incidência do HIV/AIDS no segmento feminino, a partir dos anos 1990, tem desencadeado novas questões no complexo cenário dessa epidemia, exigindo outras abordagens que incluam, como categorias de análise, as relações de gênero e a sexualidade. A disseminação da infecção entre as mulheres acontece basicamente pela via sexual, por seus parceiros, usuários, ou não de drogas: Eu sei que não tive culpa de pegar, foi meu marido que me passou. A despeito das campanhas informativas e dos programas de educação e métodos de prevenção disponibilizados, além da significativa expressão de liberdade sexual da sociedade atual, o HIV/AIDS continua mitificado pelo véu da imoralidade. A ironia é que o vírus da morte se transmite, também, por um ato de vida e amor, o que pode resultar na transformação da vivência amorosa em uma desoladora experiência da existência humana: Minha maior dor foi confiar no meu companheiro, eu sempre só tive ele. Estudos qualitativos têm demonstrado que mulheres monogâmicas com HIV/ AIDS contraíram o vírus de seus parceiros (Guimarães, 1998; Martin, 1995). O medo do desvelamento da doença transmitida pelo parceiro exerce influência nas mulheres, mantendo-as no silêncio sobre suas dúvidas, aprisionadas em sua dor moral e desinformadas sobre a possibilidade de tornarem-se multiplicadoras do problema pela transmissão a outras pessoas: Eu soube só agora na minha última gravidez, não queria acreditar que ele pulava cerca. Prevalece, entre as mulheres, a ilusão da certeza sobre o compromisso de fidelidade conjugal estabelecido entre ela e seu parceiro. Diferente de outras doenças que acometeram a humanidade, a AIDS apresenta-se como uma epidemia diretamente relacionada a comportamentos individuais e coletivos, dando-lhe características de ter extrema mobilidade, de ser sem fronteiras geográficas e sociais, disseminando-se e levando consigo a falsa idéia de ser restrita a determinados grupos de pessoas, caracterizadas como grupos de risco (Mann, Tarantola, Netter, 1993; Parker et al, 1994). O silêncio diante da suspeita da doença e a demora na busca da investigação dos sintomas, em parte, são influenciados pelo medo, pelo processo de negação, da possibilidade de se ter um parceiro infiel, e pela necessidade da coragem reativa imposta à mulher ao se tornar sabedora de seu diagnóstico: Não posso crer, eu tentei apostar em um casamento que não dava [...] eu estava em casa e ele me trouxe a doença [...] abala toda a estrutura. Essas mulheres têm as suas razões para resistir a determinados tipos de informação que possam interferir no espaço mais íntimo de suas vidas, tornando essa resistência sua medida de força (Guimarães, 1998). Motivos como o medo do abandono a sua própria sorte, o medo do outro, o medo da própria imagem, levam a esconder, a silenciar sobre a doença. As falas revelam uma realidade bem diferente da tematizada por Guimarães (1998), para quem a mulher família, de comportamento sexual e social exemplar, correria menos risco de ser contaminada pelo vírus do HIV. O aparecimento dos primeiros casos relacionados às mulheres donas de casa, parceiras fiéis, esposas de maridos trabalhadores, influenciou no desmascaramento da perspectiva de grupos de risco, e fez vislumbrar a vulnerabilidade do feminino. As desvantagens sociais que contribuem para a vulnerabilidade feminina estão relacionadas à dependência econômica das mulheres em relação aos parceiros, além da dependência social e emocional que se reflete na sua falta de poder para demandar proteção e estabelecer limites e parâmetros na relação com o parceiro (Heise, Elias, 1995). Ninguém sabe e nem ninguém vai saber A construção social da imoralidade do HIV/AIDS tem significados para as suas vítimas, e repercussões tanto individuais quanto coletivas: Eles perguntam para mim se eu tenho e eu digo que não tenho. [...] Tenho preconceito contra mim, me discrimino. [...] Só me sinto mal de não poder falar dos meus medos. Em torno da AIDS, continua ganhando terreno a síndrome do medo de si mesmo e do outro. O medo, quando reconhecido, obriga a defrontar-se com os porquês, processo que mobiliza o desmascaramento de certos estereótipos. Para Czeresnia (1995), romper com o silêncio e quebrar o 356 O MUNDO DA SAÚDE São Paulo, ano 29 v. 29 n. 3 jul./set Mulheres_HIV.p65 356

5 medo significa explicitar as desigualdades estruturais entre homens e mulheres que são, na verdade, responsáveis pela vulnerabilidade feminina à contaminação pelo vírus HIV. Um dilema relativo ao medo diz respeito aos conflitos que surgem entre saúde pública versus direitos e liberdades individuais e democráticas. O conflito entre saúde pública e liberdades pessoais põe em discussão o direito à autonomia individual em relação à saúde da coletividade (Fernandéz, 2000). Nesse sentido, há uma série de questionamentos éticos relativos à saúde da sociedade, que se encontra ameaçada, versus direitos e liberdades individuais: Nunca contei pra ninguém, não! Só cabe a mim e a ninguém mais. [...] Tem que agüentar firme. [...] Achar alguém para contar e confiar é difícil. [...] As pessoas não se sentem bem ao teu lado. O enfrentamento do problema supõe permear as escolhas pessoais pela ética da responsabilidade pessoal e social e, no dizer de Pessini e Barchifontaine (1991), de uma pedagogia de luta por um mundo mais sadio. Olho para meus filhos e dá vontade de viver, de vencer de novo O medo que influencia o silêncio das mulheres, para além da dor moral, constitui o principal fator de disseminação consciente da doença para os filhos, quando em situação de gravidez. No entanto, a confirmação da transmissão vertical agiliza a quebra do silêncio. Falar da AIDS é falar de uma dor que transcende os sintomas da dor moral das mulheres e, portanto, dos resultados que o silêncio pode vir a produzir: Eu fiquei sabendo pela menina (exames), que tinha um ano e estava apenas com cinco quilos, e aí não deu mais, desmoronei mesmo. A transmissão vertical constitui fator de conflito para as mulheres pesquisadas. Este dado ficou evidente nas suas falas carregadas de sofrimento, trazido pela AIDS, tida como uma ferida sangrante em suas vidas, e, ao mesmo tempo, pela preocupação com a quebra do silêncio e desvelamento de si mesmas para seus filhos contaminados: Como vou explicar a doença para ele? [...] O que dizer sobre como foi a contaminação? [...] Como cuidar para evitar complicações?. Para estas perguntas não há uma resposta única e simples. O melhor é dar informações honestas, que a criança entenda, em vez de negativas e meias-verdades que podem ser desmentidas mais adiante (Berer, Ray, 1997). A dúvida de como falar quando há a transmissão vertical é acompanhada por uma força motivacional alegada como justificativa para o enfrentamento da doença: Tenho que me cuidar. [...] Meu filho precisa de mim, ele tem o problema e não tem culpa. O medo que as pessoas têm faz com que seja ainda mais difícil para as mulheres com HIV dizer que são soropositivas e que seus filhos também podem ser. Muitas guardam essa informação consigo, apesar de saberem da situação de seus filhos e do que está ocorrendo (Berer, Ray, 1997). Continuar existindo, para essas mulheres, tem um duplo sentido: viver a própria vida e, vivendo-a, exercer a função materna na vida dos filhos, assumindo o compromisso de mãe, principalmente quando a AIDS resulta da transmissão vertical. Considerações finais Penso em não desistir, não deixar mais ninguém pisar em mim por que tenho este problema. Agora chega, já fui muito humilhada. Em um curto período de tempo, foram realizados muitos estudos, simpósios, congressos nacionais e internacionais, perpassados pelo debate na busca de explicações científicas e tratamentos adequados para o enfrentamento da doença. A AIDS não só significou uma revolução no campo da saúde, mas também mobilizou reflexões éticas e propiciou releituras sobre crenças, valores e comportamentos individuais e relacionais. Pela análise dos dados, observa-se que o silenciamento das mulheres diante do diagnóstico do HIV/ AIDS é forçado e reforçado pelo medo gerado com as idéias disseminadas sobre a doença desde o seu início, e que perduram nos dias de hoje. O ponto chave evidenciado pela pesquisa, nesse sentido, está relacionado aos estereótipos construídos em relação à doença, que ainda exercem muita influência sobre as pessoas contaminadas e sobre a sociedade. São muitos os medos referidos, todos eles com suas faces, seus significados e seu poder sobre as mulheres. O medo do outro, o medo da própria imagem, o medo do abandono à sua própria sorte levam a esconder, a silenciar sobre a doença, e, portanto, a disseminála conscientemente, em especial na transmissão vertical. Desvela-se nos relatos a questão relativa aos filhos contaminados pelas mães soropositivas, no sentido de como falar, como explicar, o que dizer, como dizer para eles sobre a doença. As vivências relatadas sobre o problema dos filhos HIV/ AIDS refletem sentimentos de culpabilidade, responsabilização pela transmissão e desejo de enfrentamento pessoal para poder marcar presença na vida dos filhos. A força da mãe, para afrontar a situação vivenciada de seu filho ser soropositivo, está centrada, sobretudo, no desejo de continuidade da vida própria, em função do papel materno na vida dos filhos e seu papel de suporte para eles, na continuidade e enfrentamento da problemática adveniente da AIDS. As falas veladas, e desveladas, das mulheres permitiram uma aproximação de suas subjetividades em torno do problema pesquisado bem como de suas inquietações e angústias implícitas ou explícitas. As mulheres, além de sentirem-se amedrontadas pelo olhar O MUNDO DA SAÚDE São Paulo, ano 29 v. 29 n. 3 jul./set Mulheres_HIV.p65 357

6 do outro família, companheiro, amigos, sociedade, carregam uma outra dor, que vem do olhar de si para si. A atuação dos profissionais da saúde junto às mulheres, desde o diagnóstico ao tratamento do HIV/AIDS, implica estar atentos ao não verbalizado, que remete à subjetividade da mulher soropositiva. O profissional da saúde pode não ter medicamento ou terapêutica para curar o HIV/AIDS, mas dispõe, além da tecnologia e medicações, de habilidades pessoais para auxiliar as mulheres no enfrentamento das dores existenciais silenciadas por uma miríade de razões estigmatizantes que forçam ou reforçam a clandestinidade para além do sofrimento que a doença impõe. A infidelidade masculina, visivelmente mascarada pelas mulheres, está presente nas suas falas, constituindo uma das principais causas do silêncio. Admitir que o parceiro é infiel implica fazer frente à situação e assumir as desvantagens socialmente construídas nas relações de gênero. Com o avanço da epidemia na população feminina, urge encontrar respostas que, do ponto de vista pragmático, possam viabilizar a prevenção entre mulheres com maior vulnerabilidade. A prevenção do HIV nos programas de saúde para mulheres constitui um aspecto fundamental tanto para ampliar o acesso e proteção das mesmas, quanto para a maior responsabilidade masculina em relação à sua sexualidade. REFERÊNCIAS Bastos FI, Szwarcwald CL. AIDS e pauperização: principais conceitos e evidências empíricas. Cad Saúde Pública 2000; 16(01): Bastos FI, Barcellos C. Geografia social da Aids no Brasil. Rev Saúde Pública 1995; 29(1). Bastos FI, Malta M. As pesquisas sobre HIV/AIDS no Brasil hoje: uma análise do triênio In: Parker R, Terto Jr V, organizadores Aprimorando os debates: respostas sociais frente à Aids. Rio de Janeiro: ABIA; p Bellino F. Fundamentos da Bioética. São Paulo: EDUSC; Berer M, Ray S. Mulheres e HIV/AIDS. São Paulo: Brasiliense; Brasil. Ministério da Saúde. Programa nacional de DST/AIDS. Boletim Epidemiológico 2003; 2(XII). Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Políticas de Saúde. Coordenação Nacional de DST e Aids. Boletim Epidemiológico da AIDS 2003;1(12). Disponível em: URL : [16 jun 2004]. Brasil. Conselho Nacional de Saúde. Resolução CNS 196/96. Normas de pesquisa envolvendo seres humanos. [Brasília]: [Ministério da Saúde]; Cechin PL. AIDS em gestantes: possibilidade de reduzir a infecção [Projeto de pesquisa]. São Leopoldo; UNISINOS; Czeresnia D, organizador. AIDS pesquisa social e educação. São Paulo: [s.n.]; Fernandéz GJ. 10 palavras clave em Bioética. 3a. ed. Navarra: Verbo Divino; Guilhem D. Escravas do risco: bioética, mulheres e Aids. [tese]. Brasília: Universidade de Brasília;2001. Guimarães CD. Descobrindo as mulheres: uma antropologia da AIDS nas camadas populares [tese]. Rio de Janeiro: Universidade Federal do Rio de Janeiro; Heise LL, Elias C. Transforming AIDS prevention to meet women s need: a focus on developing countries. Social Science and Medicine 1995; 40(7): Lamptey P et al. De frente a la pandemia del VIH/SIDA. Bulletin Population 2002; 57(3). Mann J, Tarantola DJM, Netter TW (Org.). A Aids no mundo. Rio de Janeiro; Relume-Dumará, ABIA, IMS, UERJ; 1993.(Coleção História Social da Aids, 1) Martin D. Mulheres e AIDS: uma abordagem antropológica [dissertação]. São Paulo: Universidade de São Paulo; Minayo MC. O Desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 7 a ed. São Paulo; HUCITEC; Moscovici S. Representações sociais: investigações em sociologia social. Petrópolis: Vozes; Parker R et al. Introdução. In: Parker R, organizador. Aids no Brasil ( ). Rio de Janeiro; Relume-Dumará: ABIA: IMS, UERJ; p (Coleção História Social da Aids, ).. Parker RP. Na contramão da AIDS: sexualidade, intervenção e política. Rio de Janeiro; ABIA; p Pessini L, Barchifontaine PC. Problemas atuais de bioética. 4 a ed. São Paulo: Centro Universitário São Camilo, Loyola; [s.d.] Recebido em 11 de maio de 2005 Aprovado em 14 de junho de O MUNDO DA SAÚDE São Paulo, ano 29 v. 29 n. 3 jul./set Mulheres_HIV.p65 358

Revista Bioética ISSN: 1943-8042 bioetica@portalmedico.org.br Conselho Federal de Medicina Brasil

Revista Bioética ISSN: 1943-8042 bioetica@portalmedico.org.br Conselho Federal de Medicina Brasil Revista Bioética ISSN: 1943-8042 bioetica@portalmedico.org.br Conselho Federal de Medicina Brasil Selli, Lucilda; Libana Cechim, Petronila Mulheres HIV/Aids: silenciamento, dor moral e saúde coletiva Revista

Leia mais

EXPOSIÇÃO DE RISCO DOS PARTICIPANTES DO PROJETO UEPG-ENFERMAGEM NA BUSCA E PREVENÇÃO DO HIV/AIDS

EXPOSIÇÃO DE RISCO DOS PARTICIPANTES DO PROJETO UEPG-ENFERMAGEM NA BUSCA E PREVENÇÃO DO HIV/AIDS 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA EXPOSIÇÃO DE RISCO DOS PARTICIPANTES DO PROJETO UEPG-ENFERMAGEM

Leia mais

MULHERES IDOSAS E AIDS: UM ESTUDO ACERCA DE SEUS CONHECIMENTOS E SITUAÇÕES DE VULNERABILIDADE

MULHERES IDOSAS E AIDS: UM ESTUDO ACERCA DE SEUS CONHECIMENTOS E SITUAÇÕES DE VULNERABILIDADE MULHERES IDOSAS E AIDS: UM ESTUDO ACERCA DE SEUS CONHECIMENTOS E SITUAÇÕES DE VULNERABILIDADE Karolayne Germana Leal e Silva e-mail: karolaynegermana@hotmail.com Magna Adriana de Carvalho e-mail: magnacreas@hotmail.com

Leia mais

Adolescentes e jovens preparados para tomar suas próprias decisões reprodutivas

Adolescentes e jovens preparados para tomar suas próprias decisões reprodutivas Adolescentes e jovens preparados para tomar suas próprias decisões reprodutivas Andrea da Silveira Rossi Brasília, 15 a 18 out 2013 Relato de adolescentes e jovens vivendo com HIV Todo adolescente pensa

Leia mais

BUSCA ATIVA DE POSSÍVEIS PORTADORES DE HIV/AIDS EM PROJETO EXTENSIONISTA E SEU PERFIL

BUSCA ATIVA DE POSSÍVEIS PORTADORES DE HIV/AIDS EM PROJETO EXTENSIONISTA E SEU PERFIL 9. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO (

Leia mais

CARACTERISTICAS DA FEMINIZAÇÃO DA AIDS EM TRÊS LAGOAS 1 ANDRESSA MARQUES FERREIRA 2 MARIA ANGELINA DA SILVA ZUQUE

CARACTERISTICAS DA FEMINIZAÇÃO DA AIDS EM TRÊS LAGOAS 1 ANDRESSA MARQUES FERREIRA 2 MARIA ANGELINA DA SILVA ZUQUE CARACTERISTICAS DA FEMINIZAÇÃO DA AIDS EM TRÊS LAGOAS 1 ANDRESSA MARQUES FERREIRA 2 MARIA ANGELINA DA SILVA ZUQUE 1 Discente de graduação do curso de Biomedicina 2 Doutoranda Docente das Faculdades Integradas

Leia mais

Palavras-chave: HIV/AIDS; Maturidade; Velhice; Cotidiano; Discurso.

Palavras-chave: HIV/AIDS; Maturidade; Velhice; Cotidiano; Discurso. ASPECTOS BIOPSICOSSOCIAIS DO COTIDIANDO DE PESSOAS SOROPOSITIVAS AO HIV/AIDS NA MATURIDADE E NA VELHICE Josevânia da Silva; Ana Alayde Werba Saldanha Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa PB, Brasil.

Leia mais

O ACONSELHAMENTO NO HIV EM UMA COMUNIDADE COMO MEDIDA PREVENTIVA

O ACONSELHAMENTO NO HIV EM UMA COMUNIDADE COMO MEDIDA PREVENTIVA O ACONSELHAMENTO NO HIV EM UMA COMUNIDADE COMO MEDIDA PREVENTIVA Zardo L*¹ Silva CL*² Zarpellon LD*³ Cabral LPA* 4 Resumo O Vírus da Imunodeficiência humana (HIV) é um retrovírus que ataca o sistema imunológico.através

Leia mais

ACONSELHAMENTO PARA DST/AIDS NO SUS

ACONSELHAMENTO PARA DST/AIDS NO SUS ACONSELHAMENTO PARA DST/AIDS NO SUS A prática do aconselhamento desempenha um papel importante no diagnóstico da infecção pelo HIV/ outras DST e na qualidade da atenção à saúde. Contribui para a promoção

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE ENFRENTAMENTO DOS FAMILIARES DE IDOSOS PORTADORES DO VÍRUS HIV

ESTRATÉGIAS DE ENFRENTAMENTO DOS FAMILIARES DE IDOSOS PORTADORES DO VÍRUS HIV ESTRATÉGIAS DE ENFRENTAMENTO DOS FAMILIARES DE IDOSOS PORTADORES DO VÍRUS HIV Jamira Martins dos Santos (1); Camila Mendes da Silva (2); Gerlane Ângela da C. Moreira Vieira (3); Ana Claudia Torres de Medeiros

Leia mais

Universidade do Estado do Rio de Janeiro Vice-Reitoria Curso de Abordagem da Violência na Atenção Domiciliar Unidade 2 Violência de gênero

Universidade do Estado do Rio de Janeiro Vice-Reitoria Curso de Abordagem da Violência na Atenção Domiciliar Unidade 2 Violência de gênero Universidade do Estado do Rio de Janeiro Vice-Reitoria Curso de Abordagem da Violência na Atenção Domiciliar Unidade 2 Violência de gênero Nesta unidade, analisaremos os aspectos específicos referentes

Leia mais

Terceira Idade: não leve um baile do HIV! Alexandre Ramos Lazzarotto alazzar@terra.com.br 9808-5714

Terceira Idade: não leve um baile do HIV! Alexandre Ramos Lazzarotto alazzar@terra.com.br 9808-5714 Terceira Idade: não leve um baile do HIV! Alexandre Ramos Lazzarotto alazzar@terra.com.br 9808-5714 Número de casos de AIDS no Brasil 77.639 433.067 37.968 13.200 572 Região Sul RS POA NH Localidades BRASIL.

Leia mais

Os Sentidos da Prevenção à Aids na Contemporaneidade

Os Sentidos da Prevenção à Aids na Contemporaneidade Os Sentidos da Prevenção à Aids na Contemporaneidade Congresso de Prevenção à Aids e de Saúde Sexual e Reprodutiva (Gapa-Bahia) Salvador, 19.03.07 Cristina Câmara Contexto social da aids no Brasil Democratização

Leia mais

O Protagonismo Feminino: Momentos de Prevenção á Saúde. segunda-feira, 19 de março de 12

O Protagonismo Feminino: Momentos de Prevenção á Saúde. segunda-feira, 19 de março de 12 O Protagonismo Feminino: Momentos de Prevenção á Saúde CENTRO DE APOIO SOLIDARIED AIDS É organização da sociedade civil, sem fins lucrativos fundada em 1996. Objetivo: Apoiar, atender, prevenir e promover

Leia mais

SITUAÇÃO DO HIV/AIDS NO BRASIL E OS FATORES QUE INFLUENCIAM A INFECÇÃO

SITUAÇÃO DO HIV/AIDS NO BRASIL E OS FATORES QUE INFLUENCIAM A INFECÇÃO SITUAÇÃO DO HIV/AIDS NO BRASIL E OS FATORES QUE INFLUENCIAM A INFECÇÃO Jader Dornelas Neto 1 ; Daniel Antonio Carvalho dos Santos 2 ; Guilherme Elcio Zonta 3 ; Simone Martins Bonafé 4 RESUMO: O objetivo

Leia mais

PREVENÇÃO DE DST/AIDS APÓS VIOLÊNCIA SEXUAL AVALIAÇÃO DOS CASOS NOTIFICADOS À SES/RS.

PREVENÇÃO DE DST/AIDS APÓS VIOLÊNCIA SEXUAL AVALIAÇÃO DOS CASOS NOTIFICADOS À SES/RS. PREVENÇÃO DE DST/AIDS APÓS VIOLÊNCIA SEXUAL AVALIAÇÃO DOS CASOS NOTIFICADOS À SES/RS. Introdução e método: A violência física em especial a violência sexual é, sem dúvida, um problema de saúde pública.

Leia mais

A ATUAÇÃO DA PASTORAL DA AIDS EM DUQUE DE CAXIAS E SÃO JOÃO DE MERITI E O DIÁLOGO DA SEXUALIDADE

A ATUAÇÃO DA PASTORAL DA AIDS EM DUQUE DE CAXIAS E SÃO JOÃO DE MERITI E O DIÁLOGO DA SEXUALIDADE A ATUAÇÃO DA PASTORAL DA AIDS EM DUQUE DE CAXIAS E SÃO JOÃO DE MERITI E O DIÁLOGO DA SEXUALIDADE Aluna: Sandra Regina de Souza Marcelino Orientador: Luís Corrêa Lima Introdução Este relatório tem por finalidade

Leia mais

PERFIL SOCIOECONÔMICO DOS USUÁRIOS DA REDE NACIONAL DE PESSOAS VIVENDO E CONVIVENDO COM HIV/AIDS NÚCLEO DE CAMPINA GRANDE- PB

PERFIL SOCIOECONÔMICO DOS USUÁRIOS DA REDE NACIONAL DE PESSOAS VIVENDO E CONVIVENDO COM HIV/AIDS NÚCLEO DE CAMPINA GRANDE- PB PERFIL SOCIOECONÔMICO DOS USUÁRIOS DA REDE NACIONAL DE PESSOAS VIVENDO E CONVIVENDO COM HIV/AIDS NÚCLEO DE CAMPINA GRANDE- PB Elizângela Samara da Silva 1, Anna Marly Barbosa de Paiva 2, Adália de Sá Costa

Leia mais

INFECÇÕES SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS E HIV/AIDS: CONHECIMENTOS E PERCEPÇÃO DE RISCO DE IDOSOS DE UMA COMUNIDADE EM JOÃO PESSOA-PB

INFECÇÕES SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS E HIV/AIDS: CONHECIMENTOS E PERCEPÇÃO DE RISCO DE IDOSOS DE UMA COMUNIDADE EM JOÃO PESSOA-PB INFECÇÕES SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS E HIV/AIDS: CONHECIMENTOS E PERCEPÇÃO DE RISCO DE IDOSOS DE UMA COMUNIDADE EM JOÃO PESSOA-PB Nívea Maria Izidro de Brito (UFPB). E-mail: niveabrito@hotmail.com Simone

Leia mais

FEMINIZAÇÃO DO HIV/AIDS: UMA ANÁLISE (PERFIL) JUNTO A REDE NACIONAL DE PESSOAS VIVENDO E CONVIVENDO COM HIV/AIDS NÚCLEO CAMPINA GRANDE PB

FEMINIZAÇÃO DO HIV/AIDS: UMA ANÁLISE (PERFIL) JUNTO A REDE NACIONAL DE PESSOAS VIVENDO E CONVIVENDO COM HIV/AIDS NÚCLEO CAMPINA GRANDE PB FEMINIZAÇÃO DO HIV/AIDS: UMA ANÁLISE (PERFIL) JUNTO A REDE NACIONAL DE PESSOAS VIVENDO E CONVIVENDO COM HIV/AIDS NÚCLEO CAMPINA GRANDE PB Elizângela Samara da Silva 1 Adália de Sá Costa 2 Anna Marly Barbosa

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 Notas importantes: O Banco de dados (BD) do Sistema de Informação Nacional de Agravos de Notificação (SINAN) vem sofrendo nos últimos

Leia mais

O GÊNERO FEMININO E AS FORMAS DE PREVENÇÃO DO HIV/AIDS

O GÊNERO FEMININO E AS FORMAS DE PREVENÇÃO DO HIV/AIDS O GÊNERO FEMININO E AS FORMAS DE PREVENÇÃO DO HIV/AIDS MARIA THEREZA ÁVILA DANTAS COELHO 1 VANESSA PRADO DOS SANTOS 2 GLEICE KELLY SANTOS ALMEIDA 3 RESUMO O objetivo deste trabalho é discutir as mudanças

Leia mais

6. Considerações Finais

6. Considerações Finais 6. Considerações Finais O estudo desenvolvido não permite nenhuma afirmação conclusiva sobre o significado da família para o enfrentamento da doença, a partir da fala das pessoas que têm HIV, pois nenhum

Leia mais

Autor(es) TAINAH BARBOSA ALVES DE MORAES. Orientador(es) MIRIAM RIBEIRO CAMPOS. Apoio Financeiro FAPIC/UNIMEP. 1. Introdução

Autor(es) TAINAH BARBOSA ALVES DE MORAES. Orientador(es) MIRIAM RIBEIRO CAMPOS. Apoio Financeiro FAPIC/UNIMEP. 1. Introdução 18º Congresso de Iniciação Científica AIDS AVALIANDO COMPORTAMENTOS E VULNERABILIDADE EM ESTUDANTES DO ENSINO MÉDIO: IDENTIFICAÇÃO CONHECIMENTO SOBRE O CONTROLE, DISSEMINAÇÃO, RISCOS E PREVENÇÃO DO HIV/AIDS

Leia mais

NOVAS TECNOLOGIAS DE PREVENÇÃO CIRCUNCISÃO MÉDICA MASCULINA

NOVAS TECNOLOGIAS DE PREVENÇÃO CIRCUNCISÃO MÉDICA MASCULINA NOVAS TECNOLOGIAS DE PREVENÇÃO CIRCUNCISÃO MÉDICA MASCULINA Dr. Robinson Fernandes de Camargo Interlocução de DST/Aids da Coordenadoria Regional de Saúde - Sudeste CIRCUNCISÃO MÉDICA MASCULINA No início

Leia mais

I n f o r m e E p i d e m i o l ó g i c o D S T - A I D S 1

I n f o r m e E p i d e m i o l ó g i c o D S T - A I D S 1 1 2 GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE DO RIO DE JANEIRO SECRETÁRIO DE ESTADO DE SAÚDE José Leôncio de Andrade Feitosa SUPERINTENDENTE DE SAÚDE Angela Cristina Aranda SUPERINTENDENTE

Leia mais

Aids e Ética Médica. Dr. Eugênio França do Rêgo

Aids e Ética Médica. Dr. Eugênio França do Rêgo Dr. Eugênio França do Rêgo Aids e discriminação: 1. Deve o médico ter presente a natureza de sua profissão e, principalmente, sua finalidade. (CEM: 1 o ; 2 o e 6 o ) 2. Deve o médico buscar a mais ampla

Leia mais

Gtp+ PROGRAMAS E PROJETOS Grupo de Trabalhos em Prevenção Posithivo (GTP+) Fundação em 2000, Recife-PE O Grupo de Trabalhos em Prevenção Posithivo é a única ONG da Região Nordeste do Brasil coordenada

Leia mais

INCIDÊNCIA DE AIDS POR SEXO NO ESTADO DE MINAS GERAIS, NO PERÍODO DE 2007 A 2010. AIDS INCIDENCE BY SEX IN STATE OF MINAS GERAIS, FROM 2007 TO 2010.

INCIDÊNCIA DE AIDS POR SEXO NO ESTADO DE MINAS GERAIS, NO PERÍODO DE 2007 A 2010. AIDS INCIDENCE BY SEX IN STATE OF MINAS GERAIS, FROM 2007 TO 2010. INCIDÊNCIA DE AIDS POR SEXO NO ESTADO DE MINAS GERAIS, NO PERÍODO DE 2007 A 2010. AIDS INCIDENCE BY SEX IN STATE OF MINAS GERAIS, FROM 2007 TO 2010. Larissa de Oliveira Abrantes 1 ; Amanda Cristina Souza

Leia mais

PARTE A. Instituto da AIDS Consentimento Informado para fazer o exame de HIV

PARTE A. Instituto da AIDS Consentimento Informado para fazer o exame de HIV DEPARTAMENTO DE SAÚDE DO ESTADO DE NOVA YORK Instituto da AIDS Consentimento Informado para fazer o exame de HIV O exame de HIV é voluntário. O consentimento pode ser revogado a qualquer momento, mediante

Leia mais

Feminização traz desafios para prevenção da infecção

Feminização traz desafios para prevenção da infecção Feminização traz desafios para prevenção da infecção Por Carolina Cantarino e Paula Soyama A epidemia de Aids no Brasil, em seu início, na década de 1980, se caracterizava por afetar mais os homens. Acreditava-se

Leia mais

AIDS E ENVELHECIMENTO: UMA REFLEXÃO ACERCA DOS CASOS DE AIDS NA TERCEIRA IDADE.

AIDS E ENVELHECIMENTO: UMA REFLEXÃO ACERCA DOS CASOS DE AIDS NA TERCEIRA IDADE. AIDS E ENVELHECIMENTO: UMA REFLEXÃO ACERCA DOS CASOS DE AIDS NA TERCEIRA IDADE. Milca Oliveira Clementino Graduanda em Serviço social pela Universidade Estadual da Paraíba - UEPB milcaclementino@gmail.com

Leia mais

AS TRANSFORMAÇÕES DO SIGNIFICADO DA AIDS PARA AS MULHERES PORTADORAS DO VÍRUS E O OLHAR DA PSICOLOGIA SOBRE ESTE PROCESSO.

AS TRANSFORMAÇÕES DO SIGNIFICADO DA AIDS PARA AS MULHERES PORTADORAS DO VÍRUS E O OLHAR DA PSICOLOGIA SOBRE ESTE PROCESSO. AS TRANSFORMAÇÕES DO SIGNIFICADO DA AIDS PARA AS MULHERES PORTADORAS DO VÍRUS E O OLHAR DA PSICOLOGIA SOBRE ESTE PROCESSO. Kadidja Suelen de Lucena Santos 1 Julianne Dantas de Oliveira Pimentel 2 Michele

Leia mais

CONSCIENTIZAÇÃO DA IMPORTÂNCIA DA PREVENÇÃO DAS DST s/aids NO MUNICÍPIO DE PITIMBU/PB

CONSCIENTIZAÇÃO DA IMPORTÂNCIA DA PREVENÇÃO DAS DST s/aids NO MUNICÍPIO DE PITIMBU/PB CONSCIENTIZAÇÃO DA IMPORTÂNCIA DA PREVENÇÃO DAS DST s/aids NO MUNICÍPIO DE PITIMBU/PB Macilene Severina da Silva 1 (merciens@zipmail.com.br); Marcelo R.da Silva 1 (tcheillo@zipmail.com.br); Analice M.

Leia mais

SAúDE e PReVENÇãO NaS ESCoLAS Atitude pra curtir a vida

SAúDE e PReVENÇãO NaS ESCoLAS Atitude pra curtir a vida SAúDE e PReVENÇãO NaS ESCoLAS Atitude pra curtir a vida UNAIDS/ONUSIDA Relatório para o Dia Mundial de Luta contra AIDS/SIDA 2011 Principais Dados Epidemiológicos Pedro Chequer, Diretor do UNAIDS no Brasil

Leia mais

Briefing. Boletim Epidemiológico 2010

Briefing. Boletim Epidemiológico 2010 Briefing Boletim Epidemiológico 2010 1. HIV Estimativa de infectados pelo HIV (2006): 630.000 Prevalência da infecção (15 a 49 anos): 0,61 % Fem. 0,41% Masc. 0,82% 2. Números gerais da aids * Casos acumulados

Leia mais

Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem (PNAISH)

Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem (PNAISH) Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem (PNAISH) 15/07/2011 METALÚRGICO, 26 ANOS Não costumo fazer exame porque sinto meu corpo bom, ótimo. Nunca senti uma dor. Senti uma dor uma vez na

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 Notas importantes: O Banco de dados (BD) do Sistema de Informação Nacional de Agravos de Notificação (SINAN) vem sofrendo nos últimos

Leia mais

SEXUALIDADE E PREVENÇÃO DAS DST/AIDS NA TERCEIRA IDADE SEXUALIDADE E PREVENÇÃO DAS DST/AIDS NA TERCEIRA IDADE

SEXUALIDADE E PREVENÇÃO DAS DST/AIDS NA TERCEIRA IDADE SEXUALIDADE E PREVENÇÃO DAS DST/AIDS NA TERCEIRA IDADE SEXUALIDADE E PREVENÇÃO DAS DST/AIDS NA TERCEIRA IDADE SEXUALIDADE E PREVENÇÃO DAS DST/AIDS NA TERCEIRA IDADE Marília Viana Berzins Secretaria Municipal da Saúde /Cidade de São Paulo mariliaa@prefeitura.sp.gov.br

Leia mais

Por uma pedagogia da juventude

Por uma pedagogia da juventude Por uma pedagogia da juventude Juarez Dayrell * Uma reflexão sobre a questão do projeto de vida no âmbito da juventude e o papel da escola nesse processo, exige primeiramente o esclarecimento do que se

Leia mais

Banco de preservativos: dinâmica e repercussões 1

Banco de preservativos: dinâmica e repercussões 1 1 Banco de preservativos: dinâmica e repercussões 1 Viviane Aparecida Siqueira Lopes Universidade Federal Fluminense Email: vivianelopes@censanet.com.br Apresentação Em março de 2009, foi criado um Banco

Leia mais

Sumário. Aids: a magnitude do problema. A epidemia no Brasil. Característica do Programa brasileiro de aids

Sumário. Aids: a magnitude do problema. A epidemia no Brasil. Característica do Programa brasileiro de aids Sumário Aids: a magnitude do problema A epidemia no Brasil Característica do Programa brasileiro de aids Resultados de 20 anos de luta contra a epidemia no Brasil Tratamento Prevenção Direitos humanos

Leia mais

Palavras-chaves: denuncia, consumo de álcool, consumo de drogas.

Palavras-chaves: denuncia, consumo de álcool, consumo de drogas. VIOLENCIA CONTRA A MULHER E A DEPENDENCIA FINACEIRA. UM ESTUDO DE CASO NO MUNICIPIO DE PITANGA. MARLY APARECIDA MAZUR MACHADO/UNICENTRO E-MAIL: maymazur@outlook.com SIMÃO TERNOSKI (ORIENTADOR)/UNICENTRO

Leia mais

A PROMOÇÃO DA SAÚDE DO ADOLESCENTE NA ATENÇÃO BÁSICA COMO DESAFIO PARA A ENFERMAGEM

A PROMOÇÃO DA SAÚDE DO ADOLESCENTE NA ATENÇÃO BÁSICA COMO DESAFIO PARA A ENFERMAGEM A PROMOÇÃO DA SAÚDE DO ADOLESCENTE NA ATENÇÃO BÁSICA COMO DESAFIO PARA A ENFERMAGEM Górki Pires de Andrade gorkipires@hotmail.com Jessica Rabelo Holanda jeholanda2010@hotmail.com Kelianny Pinheiro Bezerra

Leia mais

E X P E D I E N T E. GIV Grupo de Incentivo à Vida Rua Capitão Cavalcanti, 145 Vila Mariana São Paulo Fone: 5084-0255 giv@giv.org.br www.giv.org.

E X P E D I E N T E. GIV Grupo de Incentivo à Vida Rua Capitão Cavalcanti, 145 Vila Mariana São Paulo Fone: 5084-0255 giv@giv.org.br www.giv.org. 1 2 E X P E D I E N T E GIV Grupo de Incentivo à Vida Rua Capitão Cavalcanti, 145 Vila Mariana São Paulo Fone: 5084-0255 giv@giv.org.br www.giv.org.br Diretoria: Gilvane Casimiro Edson Arata Luiz Donizete

Leia mais

ANAIDS Articulação Nacional de Luta Contra a AIDS

ANAIDS Articulação Nacional de Luta Contra a AIDS Carta ANAIDS 1º de Dezembro - Dia Mundial de Luta contra a AIDS Cada um tem sua cara e a aids também tem... A ANAIDS Articulação Nacional de Luta Contra Aids - colegiado que reúne os Fóruns de ONG Aids

Leia mais

Diminui a mortalidade por Aids no Estado de São Paulo

Diminui a mortalidade por Aids no Estado de São Paulo Diminui a mortalidade por Aids no Estado de São Paulo Em 2012, ocorreram 2.767 óbitos por Aids no Estado de São Paulo, o que representa importante queda em relação ao pico observado em 1995 (7.739). A

Leia mais

UMA REVISÃO SISTEMÁTICA: O PROFISSIONAL DE SAÚDE E SEU OLHAR SOBRE O IDOSO E A AIDS

UMA REVISÃO SISTEMÁTICA: O PROFISSIONAL DE SAÚDE E SEU OLHAR SOBRE O IDOSO E A AIDS UMA REVISÃO SISTEMÁTICA: O PROFISSIONAL DE SAÚDE E SEU OLHAR SOBRE O IDOSO E A AIDS Nayara Ferreira da Costa¹; Maria Luisa de Almeida Nunes ²; Larissa Hosana Paiva de Castro³; Alex Pereira de Almeida 4

Leia mais

HIV. O vírus da imunodeficiência humana HIV-1 e HIV-2 são membros da família Retroviridae, na subfamília Lentividae.

HIV. O vírus da imunodeficiência humana HIV-1 e HIV-2 são membros da família Retroviridae, na subfamília Lentividae. A Equipe Multiprofissional de Saúde Ocupacional da UDESC lembra: Dia 01 de dezembro é dia mundial de prevenção à Aids! Este material foi desenvolvido por alunos do Departamento de Enfermagem da Universidade

Leia mais

VIVENCIANDO ATIVIDADE DE EXTENSÃO NUMA COMUNIDADE CARENTE ATRAVÉS DA CONSULTA DE ENFERMAGEM À MULHERES 1

VIVENCIANDO ATIVIDADE DE EXTENSÃO NUMA COMUNIDADE CARENTE ATRAVÉS DA CONSULTA DE ENFERMAGEM À MULHERES 1 1 VIVENCIANDO ATIVIDADE DE EXTENSÃO NUMA COMUNIDADE CARENTE ATRAVÉS DA CONSULTA DE ENFERMAGEM À MULHERES 1 Anna Maria de Oliveira Salimena 2 Maria Carmen Simões Cardoso de Melo 3 Ívis Emília de Oliveira

Leia mais

AS REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA BIOSSEGURANÇA ELABORADAS POR ACADÊMICOS DE ODONTOLOGIA DA NOVAFAPI

AS REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA BIOSSEGURANÇA ELABORADAS POR ACADÊMICOS DE ODONTOLOGIA DA NOVAFAPI AS REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA BIOSSEGURANÇA ELABORADAS POR ACADÊMICOS DE ODONTOLOGIA DA NOVAFAPI INTRODUÇÃO Luana Kelle Batista Moura NOVAFAPI* Francisca Tereza Coelho Matos NOVAFAPI** A Biossegurança é

Leia mais

EDUCAÇÃO SEXUAL PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL LEVE: MEDO OU FALTA DE INFORMAÇÃO?

EDUCAÇÃO SEXUAL PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL LEVE: MEDO OU FALTA DE INFORMAÇÃO? EDUCAÇÃO SEXUAL PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL LEVE: MEDO OU FALTA DE INFORMAÇÃO? Lilian Patricia de Oliveira Zanca lilianpatyoli@hotmail.com Regina Célia Pinheiro da Silva Orientadora UNITAU

Leia mais

Acesso Público a Informação de Saúde

Acesso Público a Informação de Saúde Acesso Público a Informação de Saúde Módulo HIV/AIDS O que é HIV/AIDS? HIV (Human Immunodeficiency Virus Vírus da Imuno Deficiência Humana) AIDS (Acquired Immune Deficiency Syndrome Síndrome da Imuno Deficiência

Leia mais

ACOLHIMENTO DE PARTICIPANTES EM UM PROJETO: PERFIL DOS POSSÍVEIS PORTADORES DE HIV/AIDS

ACOLHIMENTO DE PARTICIPANTES EM UM PROJETO: PERFIL DOS POSSÍVEIS PORTADORES DE HIV/AIDS 110. ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA ACOLHIMENTO DE PARTICIPANTES

Leia mais

Palavras-chave: HIV/AIDS; Velhice; Crenças; Vulnerabilidade.

Palavras-chave: HIV/AIDS; Velhice; Crenças; Vulnerabilidade. AIDS É UMA DOENÇA DE JOVENS : VULNERABILIDADE AO HIV/AIDS EM PESSOAS NA MATURIDADE E VELHICE Josevânia da Silva; Katharine Silva Fontes; Ana Alayde Werba Saldanha Universidade Federal da Paraíba, João

Leia mais

¹Assistente Social da Associação Reviver do Portador do Vírus HIV, graduada pela Universidade Estadual de Ponta Grossa.

¹Assistente Social da Associação Reviver do Portador do Vírus HIV, graduada pela Universidade Estadual de Ponta Grossa. IX Jornada de Estágio de Serviço Social ASSOCIAÇÃO REVIVER DE ASSISTÊNCIA AO PORTADOR DO VÍRUS HIV HEY, Claudia Maria¹ BONOMETO, Tatiane Caroline² PREUSS, Lislei Teresinha³ Apresentador (a): Tatiane Caroline

Leia mais

Autor(es) MIRIAM RIBEIRO CAMPOS. Co-Autor(es) JOSÉ EDUARDO DA FONSECA MARIA IMACULADA DE LIMA MONTEBELLO. 1. Introdução

Autor(es) MIRIAM RIBEIRO CAMPOS. Co-Autor(es) JOSÉ EDUARDO DA FONSECA MARIA IMACULADA DE LIMA MONTEBELLO. 1. Introdução 9º Congresso de Pesquisa AIDS: AVALIANDO COMPORTAMENTOS E VULNERABILIDADE EM ESTUDANTES DO ENSINO MÉDIO DAS ESCOLAS DO MUNICÍPIO DE PIRACICABA: IDENTIFICAÇÃO DO CONHECIMENTO SOBRE O CONTROLE, DISSEMINAÇÃO,

Leia mais

A POLÍTICA DE DST/AIDS NA VISÃO DE UM TRABALHADOR DO SUS. SORAIA REDA GILBER Farmacêutica Bioquímica LACEN PR

A POLÍTICA DE DST/AIDS NA VISÃO DE UM TRABALHADOR DO SUS. SORAIA REDA GILBER Farmacêutica Bioquímica LACEN PR A POLÍTICA DE DST/AIDS NA VISÃO DE UM TRABALHADOR DO SUS SORAIA REDA GILBER Farmacêutica Bioquímica LACEN PR BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO DA AIDS NO BRASIL Desde o início de 1980 até junho de 2012 foram registrados

Leia mais

HIV/AIDS EM IDOSOS: UMA REVISÃO INTEGRATIVA DA LITERATURA

HIV/AIDS EM IDOSOS: UMA REVISÃO INTEGRATIVA DA LITERATURA HIV/AIDS EM IDOSOS: UMA REVISÃO INTEGRATIVA DA LITERATURA Fabiana Medeiros de Brito (NEPB/UFPB). E-mail: fabianabrito_@hotmail.com Eveline de Oliveira Barros (NEPB/UFPB). E-mail: evinhabarros@gmail.com

Leia mais

AÇÃO INTERDISCIPLINAR PARA A EMANCIPAÇÃO SOCIAL DE COMUNIDADES VULNERÁVEIS: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA (2012) 1

AÇÃO INTERDISCIPLINAR PARA A EMANCIPAÇÃO SOCIAL DE COMUNIDADES VULNERÁVEIS: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA (2012) 1 AÇÃO INTERDISCIPLINAR PARA A EMANCIPAÇÃO SOCIAL DE COMUNIDADES VULNERÁVEIS: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA (2012) 1 DALCIN, Camila Biazus 2 ; GUERRA, Leonardo Rigo 3 ; VOGEL, Gustavo Micheli 4 ; BACKES, Dirce

Leia mais

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social ASSOCIAÇÃO REVIVER DE ASSISTÊNCIA AO PORTADOR DO VÍRUS HIV

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social ASSOCIAÇÃO REVIVER DE ASSISTÊNCIA AO PORTADOR DO VÍRUS HIV VIII Jornada de Estágio de Serviço Social ASSOCIAÇÃO REVIVER DE ASSISTÊNCIA AO PORTADOR DO VÍRUS HIV HEY, Claudia Maria 1 BONOMETO, Tatiane Caroline 2 TRENTINI, Fabiana Vosgerau 3 Apresentador (es): Claudia

Leia mais

PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DO HIV/AIDS E COINFECÇÕES NO ESTADO DE GOIÁS

PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DO HIV/AIDS E COINFECÇÕES NO ESTADO DE GOIÁS SUPERINTENDÊNCIA DE POLÍTICAS DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE GERÊNCIA DE PROGRAMAS ESPECIAIS COORDENAÇÃO ESTADUAL DE DST/AIDS PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DO HIV/AIDS E COINFECÇÕES NO ESTADO DE GOIÁS Goiânia, 2012

Leia mais

AIDS e envelhecimento: repercussões na saúde pública

AIDS e envelhecimento: repercussões na saúde pública AIDS e envelhecimento: repercussões na saúde pública Por Guilherme Wendt, Equipe SIS.Saúde INTRODUÇÃO Devido aos avanços técnico-científicos observados no mundo, consequentes transformações foram percebidas,

Leia mais

AUTOAVALIAÇÃO DE SAÚDE E DOENÇA E ASPECTOS CLÍNICOS DE PESSOAS COM HIV/AIDS ABAIXO E ACIMA DE 50 ANOS

AUTOAVALIAÇÃO DE SAÚDE E DOENÇA E ASPECTOS CLÍNICOS DE PESSOAS COM HIV/AIDS ABAIXO E ACIMA DE 50 ANOS AUTOAVALIAÇÃO DE SAÚDE E DOENÇA E ASPECTOS CLÍNICOS DE PESSOAS COM HIV/AIDS ABAIXO E ACIMA DE 50 ANOS Regina Lígia Wanderlei de Azevedo FIP regina.azevedo@gmail.com Josevânia da Silva UNIPÊ josevaniasco@gmail.com

Leia mais

Revelação Diagnóstica do HIV A arte de comunicar más notícias Tânia Regina C. de Souza, Karina Wolffenbuttel, Márcia T. F.

Revelação Diagnóstica do HIV A arte de comunicar más notícias Tânia Regina C. de Souza, Karina Wolffenbuttel, Márcia T. F. Revelação Diagnóstica do HIV A arte de comunicar más notícias Tânia Regina C. de Souza, Karina Wolffenbuttel, Márcia T. F. dos Santos A aids é ainda uma doença ameaçadora. Apesar de todos os avanços no

Leia mais

Os caminhos e descaminhos de uma epidemia global

Os caminhos e descaminhos de uma epidemia global Os caminhos e descaminhos de uma epidemia global Por Rodrigo Cunha 5 de junho de 1981. O Relatório Semanal de Morbidez e Mortalidade do Centro para Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos Estados Unidos

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE OS GÊNEROS E O NÍVEL DE INFORMAÇÃO DE ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS EM RELAÇÃO AO HIV/AIDS

RELAÇÃO ENTRE OS GÊNEROS E O NÍVEL DE INFORMAÇÃO DE ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS EM RELAÇÃO AO HIV/AIDS RELAÇÃO ENTRE OS GÊNEROS E O NÍVEL DE INFORMAÇÃO DE ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS EM RELAÇÃO AO HIV/AIDS Maria Thereza Ávila Dantas Coelho 1 Vanessa Prado Santos 2 Márcio Pereira Pontes 3 Resumo O controle

Leia mais

Prof. Dr. Samuel do Carmo Lima Coordenador do Laboratório de Geografia Médica e Vigilância em Saúde Universidade Federal de Uberlândia - Brasil

Prof. Dr. Samuel do Carmo Lima Coordenador do Laboratório de Geografia Médica e Vigilância em Saúde Universidade Federal de Uberlândia - Brasil DIAGNÓSTICO DA SAÚDE AMBIENTAL PARA A CONSTRUÇÃO DE TERRITÓRIOS SAUDÁVEIS COM ESTRATÉGIAS DE PROMOÇÃO DA SAÚDE NO BAIRRO LAGOINHA, UBERLÂNDIA - BRASIL Prof. Dr. Samuel do Carmo Lima Coordenador do Laboratório

Leia mais

O Perfil Dos Usuários Do Grupo De Apoio Às DST s E AIDS, Viçosa - MG 1

O Perfil Dos Usuários Do Grupo De Apoio Às DST s E AIDS, Viçosa - MG 1 O Perfil Dos Usuários Do Grupo De Apoio Às DST s E AIDS, Viçosa - MG 1 Talita da Conceição de Oliveira Fonseca. Economista Doméstica. Endereço: Rua João Valadares Gomes nº 210, bairro JK, Viçosa-MG. E-mail:

Leia mais

COMPORTAMENTO DE PARTICIPANTES DE UM PROJETO FRENTE AOS PORTADORES DE HIV/AIDS

COMPORTAMENTO DE PARTICIPANTES DE UM PROJETO FRENTE AOS PORTADORES DE HIV/AIDS 110. ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA COMPORTAMENTO DE PARTICIPANTES

Leia mais

SAÚDE MENTAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA:

SAÚDE MENTAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA: SAÚDE MENTAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA: CRENÇAS DOS AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE ACERCA DO CUIDADO DA PESSOA EM SOFRIMENTO MENTAL. Programa de Pós-Graduação em Psicologia Faculdade de Filosofia Ciências

Leia mais

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação 1 1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação O objetivo principal de Introdução Filosofia é despertar no aluno a percepção que a análise, reflexão

Leia mais

INTERVENÇÃO JOGO SEXUALIDADE PLANO DA INTERVENÇÃO

INTERVENÇÃO JOGO SEXUALIDADE PLANO DA INTERVENÇÃO INTERVENÇÃO JOGO SEXUALIDADE Suelen Mattoso PLANO DA INTERVENÇÃO CONTEXTUALIZAÇÃO Como educadores, muito temos a trabalhar para que nossos jovens aprendam a se proteger da infecção pelo HIV e outras doenças

Leia mais

Mulher, 35 anos, terceira gestação, chega em início de trabalho de parto acompanhada do marido que tossia muito e comentou com a enfermeira que

Mulher, 35 anos, terceira gestação, chega em início de trabalho de parto acompanhada do marido que tossia muito e comentou com a enfermeira que Mulher, 35 anos, terceira gestação, chega em início de trabalho de parto acompanhada do marido que tossia muito e comentou com a enfermeira que estava em tratamento para tuberculose. A mulher informa que

Leia mais

PROCESSO DE TRABALHO GERENCIAL: ARTICULAÇÃO DA DIMENSÃO ASSISTENCIAL E GERENCIAL, ATRAVÉS DO INSTRUMENTO PROCESSO DE ENFERMAGEM.

PROCESSO DE TRABALHO GERENCIAL: ARTICULAÇÃO DA DIMENSÃO ASSISTENCIAL E GERENCIAL, ATRAVÉS DO INSTRUMENTO PROCESSO DE ENFERMAGEM. PROCESSO DE TRABALHO GERENCIAL: ARTICULAÇÃO DA DIMENSÃO ASSISTENCIAL E GERENCIAL, ATRAVÉS DO INSTRUMENTO PROCESSO DE ENFERMAGEM. Gabriela Marchiori CARMO AZZOLIN * Marina PEDUZZI** Introdução: O pressuposto

Leia mais

Projeto Verão Sem AIDS Valorizando a Vida

Projeto Verão Sem AIDS Valorizando a Vida 1 Projeto Verão Sem AIDS Valorizando a Vida O PROJETO VERÃO SEM AIDS VALORIZANDO A VIDA foi idealizado por João Donizeti Scaboli, Diretor do da FEQUIMFAR. Iniciamos de forma pioneira em 1994, quando o

Leia mais

Objetivos da SMAM 2013

Objetivos da SMAM 2013 Objetivos da SMAM 2013 1. Conscientizar da importância dos Grupos de Mães (ou do Aconselhamento em Amamentação) no apoio às mães para iniciarem e manterem a amamentação. 2. Informar ao público sobre os

Leia mais

Fator emocional. Fertilidade Natural: Fator emocional CAPÍTULO 8

Fator emocional. Fertilidade Natural: Fator emocional CAPÍTULO 8 CAPÍTULO 8 Fator emocional O projeto comum de ter filhos, construir a própria família, constitui um momento existencial muito importante, tanto para o homem como para a mulher. A maternidade e a paternidade

Leia mais

SEXUALIDADE NA EDUCAÇÃO: PRÁTICAS INTEGRATIVAS SOBRE DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS

SEXUALIDADE NA EDUCAÇÃO: PRÁTICAS INTEGRATIVAS SOBRE DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS SEXUALIDADE NA EDUCAÇÃO: PRÁTICAS INTEGRATIVAS SOBRE DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS Renata de Barros Oliveira (UFPE/CAV) José Phillipe Joanou Santos (UFPE/CAV) Janaina Patrícia Dos Santos (Escola Estadual

Leia mais

BIOÉTICA E CUIDADOS PALIATIVOS: UM DESAFIO PARA A ENFERMAGEM.

BIOÉTICA E CUIDADOS PALIATIVOS: UM DESAFIO PARA A ENFERMAGEM. BIOÉTICA E CUIDADOS PALIATIVOS: UM DESAFIO PARA A ENFERMAGEM. RESUMO Karyn Albrecht SIQUEIRA, 1. Aline MASSAROLI, 2. Ana Paula LICHESKI, 2. Maria Denise Mesadri GIORGI, 3. Introdução: Com os diversos avanços

Leia mais

INCIDÊNCIA DE AIDS NA POPULAÇÃO IDOSA DO BRASIL

INCIDÊNCIA DE AIDS NA POPULAÇÃO IDOSA DO BRASIL INCIDÊNCIA DE AIDS NA POPULAÇÃO IDOSA DO BRASIL Tacilla Maria Rodrigues Pereira¹(tacilla90@hotmail.com) Milene Evaristo Pereira¹(Milene.trab@gmail.com) Nicole Cristine Diniz de Medeiros Dutra¹ (nicole_dutra@hotmail.com)

Leia mais

ROSO, Adriane Rubio¹; SANTOS, Claudia Soder²; BERNI, Vanessa Limana³; ALMEIDA, Nathiele Berger 4.

ROSO, Adriane Rubio¹; SANTOS, Claudia Soder²; BERNI, Vanessa Limana³; ALMEIDA, Nathiele Berger 4. ESPAÇO DE COMPARTILHAMENTOS SOBRE O ADOLESCER COM HIV/AIDS ROSO, Adriane Rubio¹; SANTOS, Claudia Soder²; BERNI, Vanessa Limana³; ALMEIDA, Nathiele Berger 4. ¹ Docente do Programa de Pós-Graduação em Psicologia

Leia mais

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA Jaqueline Oliveira Silva Ribeiro SESI-SP josr2@bol.com.br Dimas Cássio Simão SESI-SP

Leia mais

PROJETO: MATEMÁTICA NA SAÚDE GRUPO C

PROJETO: MATEMÁTICA NA SAÚDE GRUPO C EE JUVENTINO NOGUEIRA RAMOS PROJETO: MATEMÁTICA NA SAÚDE TEMA : AIDS GRUPO C ADRIANO OSVALDO DA S. PORTO Nº 01 ANDERSON LUIZ DA S.PORTO Nº 05 CÍNTIA DIAS AVELINO Nº 11 CLAUDINEI MOREIRA L. JUNIOR Nº 12

Leia mais

Roteiro de Áudio. SOM: abertura (Vinheta de abertura do programa Hora do Debate )

Roteiro de Áudio. SOM: abertura (Vinheta de abertura do programa Hora do Debate ) 1 Roteiro de Áudio Episódio 1 A língua, a ciência e a produção de efeitos de verdade Programa Hora de Debate. Campanhas de prevenção contra DST: Linguagem em alerta SOM: abertura (Vinheta de abertura do

Leia mais

ATIVIDADE INVESTIGATIVA COMO ESTRATÉGIA DE ENSINO SOBRE DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS

ATIVIDADE INVESTIGATIVA COMO ESTRATÉGIA DE ENSINO SOBRE DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS ATIVIDADE INVESTIGATIVA COMO ESTRATÉGIA DE ENSINO SOBRE DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS Kátya Danielle de Freitas¹ Mayron Henrique de Morais¹ Taize Cristina Fonseca¹ Catarina Teixeira² ¹ Alunos do curso

Leia mais

MANUAL DE PESSOAL MÓDULO 40 : PROGRAMA NACIONAL DE PREVENÇÃO E ACOMPANHAMENTO DA AIDS E DST

MANUAL DE PESSOAL MÓDULO 40 : PROGRAMA NACIONAL DE PREVENÇÃO E ACOMPANHAMENTO DA AIDS E DST CAP : 1 1 MÓDULO 40 : PROGRAMA NACIONAL DE PREVENÇÃO E ACOMPANHAMENTO DA AIDS E DST CAPÍTULO 1 : APRESENTAÇÃO 1. FINALIDADE Estabelecer diretrizes gerais para a operacionalização do Programa Nacional de

Leia mais

Gravidez na adolescência: narrativas da paternidade

Gravidez na adolescência: narrativas da paternidade Gravidez na adolescência: narrativas da paternidade ANTÓNIO MANUEL MARQUES IV CONGRESSO INTERNACIONAL DE SAÚDE, CULTURA E SOCIEDADE Portalegre, Julho 2008 Tópicos Gravidez na adolescência e paternidade

Leia mais

Número de casos de aids em pessoas acima de 60 anos é extremamente preocupante

Número de casos de aids em pessoas acima de 60 anos é extremamente preocupante 22 Entrevista Número de casos de aids em pessoas acima de 60 anos é extremamente preocupante Texto: Guilherme Salgado Rocha Fotos: Denise Vida O psicólogo Nilo Martinez Fernandes, pesquisador da Fundação

Leia mais

Instituição: Universidade do Vale do Paraíba Av. Shishima Hifumi, 2911, Urbanova Fone: +55 (12) 39471000

Instituição: Universidade do Vale do Paraíba Av. Shishima Hifumi, 2911, Urbanova Fone: +55 (12) 39471000 PRINCIPAIS TIPOS DE VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER EM UMA INSTITUIÇÃO DE ACOLHIMENTO NO VALE DO PARAÍBA Cruz RASC 1, Galvão RDS 2, Lancia MCF 3 Instituição: Universidade do Vale do Paraíba Av. Shishima Hifumi,

Leia mais

METODOLOGIA RESULTADOS E DISCUSSÃO

METODOLOGIA RESULTADOS E DISCUSSÃO ATENDIMENTO DE ENFERMAGEM A SAÚDE DO HOMEM NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA Ingrid Mikaela Moreira de Oliveira Enfermeira Mestranda em Bioprospecção Molecular da Universidade Regional do Cariri-URCA ingrid_lattes@hotmail.com

Leia mais

Construção de um sistema de monitoramento da epidemia de aids: Desafios e Lições Aprendidas

Construção de um sistema de monitoramento da epidemia de aids: Desafios e Lições Aprendidas Construção de um sistema de monitoramento da epidemia de aids: Desafios e Lições Aprendidas XVIII Congresso Mundial de Epidemiologia Porto Alegre, 21-24 de outubro 2008 Célia Landmann Szwarcwald celials@cict.fiocruz.br

Leia mais

Seminário estratégico de enfrentamento da. Janeiro PACTUAÇÃO COM GESTORES MUNICIPAIS. Maio, 2013

Seminário estratégico de enfrentamento da. Janeiro PACTUAÇÃO COM GESTORES MUNICIPAIS. Maio, 2013 Seminário estratégico de enfrentamento da Tuberculose e Aids no Estado do Rio de Janeiro PACTUAÇÃO COM GESTORES MUNICIPAIS Maio, 2013 1.Detecção de casos e tratamento da tuberculose 1.1. Descentralizar

Leia mais