POLÍTICA DE HIV/SIDA NO LOCAL DE TRABALHO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "POLÍTICA DE HIV/SIDA NO LOCAL DE TRABALHO"

Transcrição

1 POLÍTICA DE HIV/SIDA NO LOCAL DE TRABALHO Documento Final Submetido ao FORCOM Maputo, Agosto de 2011

2 Lista de Acrónimos FORCOM HIV IEC IST OIT OMS PARP PEN PNCS PVHS RH SIDA TB Forum Nacional das Rádios Comunitárias Vírus de Imunodeficiência Humana Informação Educação e Comunicação Infecções Sexualmente Transmissíveis Organização Internacional do Trabalho Organização Mundial da Saúde Programa Alargado de Redução da Pobreza Plano Nacional Estratégico de Combate ao HIV e SIDA Plano Nacional de Combate ao HIV e SIDA Pessoas que Vivem com HIV/SIDA Recursos Humanos Síndroma de Imunodeficiência Adquirida Tuberculose

3 Lista de Conteúdos 1. INTRODUÇÃO 2. PREÂMBULO 3. OBJECTIVOS 4. PRINCÍPIOS ORIENTADORES 4.1 Princípio do Emprego 4.2 Princípio de Educação 4.3 Princípio da Confidencialidade 4.4 Redução do Estigma e Princípio de Não Discriminação 4.5 Princípio do Tratamento 4.6 Princípio da Igualdade de Género 5. COMPONENTES DA POLÍTICA 5.1 Prevenção e Protecção Informação e Educação sobre HIV e SIDA 5.2 Informação sobre Infecções Sexualmente Transmissíveis (ISTs) 5.3 Serviços de Primeiros Socorros 5.4 Testagem e Confidencialidade no Local de Trabalho 5.5 Declaração 5.6 Confidencialidade 5.7 Estigma e Discriminação 5.8 Tratamento e Alimentação 5.9 Serviços de Apoio 6. PRINCÍPIOS DOS RECURSOS HUMANOS 6.1 Recrutamento de Pessoal 6.2 Desenvolvimento e Formação de Pessoal 6.3 Licença por Doença 6.4 Procedimento Disciplinar 7. IMPLEMENTAÇÃO E REVISÃO

4 1. INTRODUÇÃO O Forum Nacional das Rádios Comunitárias FORCOM, reconhece que o HIV/SIDA representa um perigo para a sociedade, em particular para os seus colaboradores. Com vista a cumprir as suas obrigações no que concerne a materialização dos direitos dos trabalhadores universalmente consagrados e reconhecidos pelo Governo de Moçambique, através da Constituição da República e da Lei que protege o trabalhador moçambicano infectado pelo HIV e SIDA, o FORCOM desenvolveu a presente política com vista a apoiar todos os colaboradores que, de alguma forma, podem se encontrar e ser afectados pelo HIV e SIDA. O FORCOM reconhece que sem cuidados de saúde adequados, as pessoas não podem optimizar o seu potencial físico e intelectual no seu local de trabalho e podem ver reduzida a sua capacidade de participar integralmente no processo de desenvolvimento sócio económico da sociedade onde vivem. O FORCOM está empenhado na provisão de um ambiente favorável no local de trabalho para os seus colaboradores, independentemente da sua situação em relação ao HIV e SIDA. Para alcançar estes objectivos, o FORCOM irá proporcionar um ambiente de trabalho aberto, de compaixão e entendimento, não discriminação e livre de medo ou qualquer tipo de receio que pode conduzir a auto ou a exclusão provocada por outrém no local de trabalho. O HIV e SIDA constitui um dos maiores desafios contemporâneos para as organizações e com efeitos multifacetados sobre os empregadores e empregados. Moçambique vive um ambiente de epidemia do HIV severa. Actualmente, 15% de mulheres grávidas entre os 15 e 49 anos de idade vivem com o vírus causador da SIDA. A epidemia tem um carácter heterogéneo em termos geográficos, sócio demográficos e socioeconómicos: mulheres, residentes urbanos, pessoas residindo nas regiões sul e centro do país são as mais afectadas pelo HIV e SIDA. A principal via de transmissão continua a ser heterossexual, em cerca de 90% dos

5 casos em adultos. Isto constitui uma séria ameaça ao processo de desenvolvimento das organizações e do país como um todo. Como qualquer outra organização, o FORCOM enfrenta o desafio de abordar o impacto do HIV e SIDA no seu local de trabalho ao mesmo tempo que faz um esforço no sentido de prevenir e controlar a propagação da doença entre os seus colaboradores. Esta política tem por base os valores e os princípios do FORCOM e será aplicada em harmonia com a demais legislação vigente em Moçambique, incluindos tratados e convenções internacionais. 2. PREÂMBULO O FORCOM, a) Reconhecendo que o País enfrenta actualmente uma devastadora pandemia do HIV e SIDA; b) Cumprindo o seu compromisso social, como uma instituição de produção e divulgação de informação; c) Reconhecendo as leis, decretos e planos relevantes da República de Moçambique, especialmente o Plano Estratégico Nacional de Combate ao HIV/SIDA (PEN), o Plano Nacional de Combate ao HIV e SIDA (PNCS), o Plano de Acção para Redução da Pobreza (PARP), a Lei 5/2002 acerca da protecção de pessoas vivendo com HIV e SIDA no local de trabalho, e a Lei 12/2009 que protege as pessoas vivendo com HIV e SIDA; d) Aceita a importância de enfrentar o estigma ligado ao HIV e SIDA e a necessidade de promover uma política do HIV e SIDA baseada nos direitos humanos; e) Portanto, o FORCOM está comprometido a exercer o seu papel na prevenção e mitigação do impacto do HIV e SIDA, quer dentro da instituição com

6 estudantes e funcionários, quer na sociedade Moçambicana, junto com outros parceiros a nível local, regional e internacional; f) O FORCOM providencia um ambiente de trabalho seguro e saudável, livre de qualquer forma de estigma e discriminação; g) O FORCOM contribui para o combate do HIV e SIDA através da produção e divulgação de informação relevante que possa sensibilizar as comunidades para adoptar práticas positivas de prevenção e combate ao HIV e SIDA; h) Assim, o FORCOM quer cumprir, no contexto do HIV e SIDA, a sua missão, contribuindo para a construção duma comunidade solidária e socialmente engajada, baseada na integridade e respeito pelo Homem, baseada nos princípios da verdade e do respeito pela pessoa, através da difusão informação, ideias e valores que respeitem os direitos humanos, a fim de promover uma cultura de solidariedade, de justiça e respeito pelo próximo. 3. OBJECTIVOS A presente Política de HIV e SIDA no Local de Trabalho foi elaborada com os seguintes objectivos: i. Definir o âmbito da política do FORCOM em relação ao HIV e SIDA no local de trabalho. ii. Garantir que todos os colaboradores, quando afectados pelo HIV e SIDA, tenham acesso aos cuidados médicos acessíveis e adequados. iii. Reduzir o estigma e a discriminação associados ao HIV e SIDA entre os seus colaboradores. iv. Criar um ambiente favorável de compaixão e entendimento para os colaboradores com HIV e SIDA ou doenças relacionadas com o SIDA. v. Garantir que todos os colaboradores, independentemente do seu estado de saúde, sejam tratados em igualdade de circunstâncias.

7 vi. Facultar a todos os colaboradores informação necessária para elevar o seu nível de consciência em relação a assuntos relacionados com a infecção por HIV e SIDA. vii. Garantir que o FORCOM providencie serviços de prevenção, cuidados e apoio para os seus colaboradores. viii. Reduzir o impacto do HIV/SIDA no indivíduo, na família e na organização. ix. Promover a troca de confidências entre os colaboradores incluindo os membros do Conselho de Direcção do FORCOM. x. Cumprir com os regulamentos, tratados internacionais, programas e Códigos de Prática sobre o HIV e SIDA em vigor no país. 4. PRINCÍPIOS ORIENTADORES A presente política é regida pelos seguintes princípios fundamentais: 4.1 Princípio do Emprego O FORCOM não irá discriminar qualquer indivíduo em relação a candidatura à emprego, contratação, demissão, compensação, formação ou outros termos, condições ou privilégios de emprego em função do seu estado de saúde (seropositivo). O FORCOM reconhece o facto de que a discriminação e a estigmatização das pessoas que vivem com HIV e SIDA, quer seja real ou aparente, enfraquecem os esforços que visam a promoção da prevenção do HIV e SIDA. As práticas de emprego do FORCOM irão observar a legislação vigente no país e as disposições internacionais. O FORCOM não irá solicitar testes de HIV e SIDA como requisito de candidatura a emprego, ou exames físicos gerais no local de trabalho. O FORCOM reconhece que um trabalhador com HIV e SIDA ou qualquer outra doença pode desejar continuar a desempenhar as suas atribuições normais enquanto tiver capacidade física, emocional e psicológica para o efeito. O FORCOM irá apoiar e

8 acomodar de forma desejável o colaborador afectado que tiver condições de saúde para realizar o seu trabalho, incluindo aquele que por força do seu estado, não poderá realizar nenhuma tarefa na organização. 4.2 Princípio de Educação O FORCOM irá facultar informação sobre prevenção e redução do risco aos colaboradores bem como o acesso a métodos de prevenção apropriados. O objectivo é tornar o local de trabalho mais seguro e saudável para todos os colaboradores de forma a prevenirem a contaminação pelo HIV e SIDA. 4.3 Princípio da Confidencialidade O FORCOM considera que a confidencialidade não promove e não encoraja a não discriminação, ou seja, esta pode ser uma consequência da confidencialidade e leva os colaboradores afectados a auto exclusão. O FORCOM entende contudo que a confidencialidade deve respeitar as normas de convivência social dentro da organização e encoraja a troca de confidências entre os colaboradores, dentro do respeito pela privacidade de outrém. 4.4 Redução do Estigma e Princípio de Não Discriminação O FORCOM procurará activamente abordar e reduzir o estigma associado ao HIV e SIDA abordando o conhecimento e a atitude dos seus colaboradores. Isto vai incluir a provisão de formação no local de trabalho com vista a abordar a prevenção, cuidados e apoio e formação sobre precauções universais conforme as recomendações da Organização Mundial da Saúde (OMS). 4.5 Princípio do Tratamento O FORCOM apoia os seus colaboradores no acesso ao tratamento prescrito e serviços relacionados através de estabelecimento de parcerias com instituições provedoras destes serviços.

9 4.6 Princípio da Igualdade de Género Considerando que as mulheres constituem o grupo de maior risco de infecção em relação aos homens do ponto de vista socio-cultural, os serviços de prevenção e mitigação do impacto do HIV e SIDA devem priorizar de igual forma as mulheres, salvaguardando contudo o princípio da igualdade que significa privilégios iguais para o homem e para a mulher. 5. COMPONENTES DA POLÍTICA 5.1 Prevenção e Protecção Informação e Educação sobre HIV e SIDA a) Todos os colaboradores do FORCOM tem direito a informação clara, precisa e simples, educação e comunicação sobre HIV e SIDA. b) O FORCOM providenciará informação adequada e relevante sobre o HIV e SIDA, incluindo materiais de Informação, Educação e Comunicação (IEC) que serão acessíveis a todos os colaboradores. c) Os materiais anteriormente referenciados devem abordar assuntos como: prevenção, cuidados, apoio, estigma e discriminação e precauções universais conforme estabelecido pela OMS. d) O FORCOM providenciará formação em forma de workshops, palestras e debates internos envolvendo os colaboradores e os membros do Conselho de Direcção. e) Os colaboradores serão encorajados a recolher e consultar os materiais disponibilizados pelos serviços administrativos do FORCOM. f) Será dada formação sobre primeiros socorros para os colaboradores com vista a minimizar os acidentes que possam levar a contaminação involuntária pelo HIV e SIDA. Serão colocados kits de primeiros socorros nos escritórios do FORCOM.

10 5.2 Informação sobre Infecções Sexualmente Transmissíveis (ISTs) a) O FORCOM promoverá acções com vista a assegurar que todos os colaboradores tenham conhecimento sobre as ISTs porque aumentam o risco de transmissão por via sexual do HIV. O seu controlo eficaz reduz a transmissão do HIV e SIDA. As ISTs podem também ser transmitidas ao filho em gestação causando infecções pré-natais ou mesmo a morte. O FORCOM vai, por isso, tomar medidas no sentido de informar aos trabalhadores sobre as ISTs e as formas de prevenir a sua propagação. b) O FORCOM vai também facultar uma lista de instituições parceiras e provedoras de serviços relacionados com o HIV e SIDA, de modo que os colaboradores e seu agregado familiar possam ser assistidos. 5.3 Serviços de Primeiros Socorros a) Nos casos em que existe risco de infecção por acidentes ou em consequência de ferimentos no local de trabalho, o FORCOM vai garantir a existência de serviços de primeiros socorros. b) Os programas e projectos do FORCOM em cada Rádio Comunitária, devem contemplar a abordagem transversal sobre HIV e SIDA e sessões de divulgação de informação sobre primeiros socorros para os seus colaboradores. c) O FORCOM equipará os seus escritórios com Kits contendo instrumentos de primeiros socorros. O conteúdo do kit de primeiros socorros vai incluir: luvas plásticas ou de látex; rolo de algodão; ligaduras e anti-sépticos (savlon, sabão protex, e outros detergentes que evitem a propagação de bactérias). 5.4 Testagem e Confidencialidade no Local de Trabalho a) Os colaboradores não serão forçados a fazer o teste de HIV ou a revelar o seu estado de seropositividade por qualquer motivo relacionado com o trabalho.

11 Contudo, o FORCOM irá encorajar aos seus colaboradores a fazer o teste de HIV e SIDA de forma periódica, como forma de monitorarem o seu estado de saúde. b) Não será exigido o teste de HIV para efeitos de recrutamento como um prérequisito para a formação e desenvolvimento, promoção ou para ter direito aos benefícios proporcionados pelo FORCOM ou para os procedimentos relacionados com a cessação da relação laboral. c) O FORCOM vai providenciar aos seus colaboradores um ficheiro contendo os nomes de organizações ou instituições que prestam serviços de testes de HIV e serviços de pré e pós aconselhamento. d) O FORCOM organizará sessões de formação sobre o HIV/SIDA e apoiará os colaboradores que tenham contraído o HIV com vista a encorajar aos outros a fazerem o teste. 5.5 Declaração a) Como forma de desmistificar o HIV e SIDA, encoraja-se aos colaboradores portadores do vírus do HIV e SIDA a abrirem-se e a declararem o seu estado de seropositividade. Este aspecto não apenas reduz a tensão e o estigma mas também ajuda aos outros a serem realistas em relação às suas expectativas em relação ao HIV. b) O colaborador tem o direito de decidir se mantém em segredo o seu estado de seropositividade ou a declara a terceiros. c) Qualquer colaborador que pretenda declarar o seu estado de seropositividade tem a possibilidade de o fazer através de um colaborador da sua confiança escolhido por si.

12 d) Caso o colaborador informe a outro sobre o seu estado de seropositividade, esta informação não será divulgada a terceiros, incluindo os gestores de Recursos Humanos e o pessoal médico sem o consentimento do colaborador visado. 5.6 Confidencialidade a) Os colaboradores devem ter o direito de decidir se pretendem ou não divulgar o seu estado de seropositividade. b) Nos casos em que o colaborador opta por divulgar o seu estado de seropositividade a outrem, esta informação não deverá ser divulgada a terceiros sem o seu consentimento expresso. c) O FORCOM encorajará a partilha de confidencialidade no seio dos colaboradores de forma que os infectados possam ter assistência médica. d) O FORCOM promoverá a confiança mútua entre os órgãos de direcção e os colaboradores com vista a promover um ambiente aberto para a divulgação de informação. e) Exige-se aos agentes responsáveis pelo aconselhamento, aos colaboradores ou a qualquer pessoa que tenha acesso ou saiba do estado de seropositividade de um colaborador, que mantenham de forma rigorosa, a confidencialidade. 5.7 Estigma e Discriminação a) O FORCOM compromete-se a criar um ambiente de apoio para os seus colaboradores com base na compaixão e na compreensão, e não na discriminação e no medo. b) Os programas internos de HIV e SIDA do FORCOM deverão promover os esforços no sentido da mudança de atitudes e de comportamento de risco, para além de transmitir habilidades e conhecimentos sobre o HIV e SIDA.

13 c) Os programas de HIV e SIDA do FORCOM devem dar visibilidade e voz aos seus colaboradores com vista a melhorar a compreensão sobre a forma como estamos todos afectados pelo HIV ajudando, deste modo, a reduzir o estigma e a discriminação. d) O princípio da não-discriminação com base no HIV e SIDA deverá ser aplicado na implementação de todas as práticas e políticas de Recursos Humanos. e) O FORCOM deve salvaguardar os direitos dos colaboradores que se venham a tornar bastante doentes em consequência do HIV e SIDA. 5.8 Tratamento e Alimentação a) O FORCOM deve contribuir para o tratamento dos colaboradores através de parcerias com organizações ou instituições nacionais e internacionais provedoras de serviços relactivos ao HIV e SIDA para garantir o tratamento acessível, viável e sustentável dos colaboradores. O FORCOM assume apenas 30% dos custos relativos ao tratamento. b) É responsabilidade do FORCOM informar aos seus colaboradores sobre os locais de tratamento disponíveis, de preferência próximos dos locais de residência dos colaboradores afectados. c) O FORCOM deve garantir assistência alimentar aos colaboradores afectados pelo HIV e SIDA através da providência de uma cesta básica contendo alimentos selecionados e úteis para fortalecer o sistema imunitário do doente. Esta assistência deverá ser alargada para os parentes directos 1 dos colaboradores que estejam infectados pelo HIV e SIDA, desde que estes não estejam ligados a nenhuma instituição ou entidade patronal. 1 Por parente directo entende-se como Pai, Mãe, Esposo, Esposa e Filhos.

14 d) Sem prejuízo do plano de saúde interno, o FORCOM irá promover o acesso ao tratamento de infecções relacionadas com o HIV e SIDA através das instituições parceiras provedoras dos serviços de saúde. 5.9 Serviços de Apoio a) O FORCOM deve assegurar que os colaboradores infectados tenham acesso aos serviços de apoio psicossocial, incluindo os seus parentes directos que estejam infectados pelo HIV e SIDA. b) O FORCOM deve assegurar que os colaboradores tenham acesso a capacitação sobre a importância de uma boa nutrição bem como serviços de aconselhamento. c) Sempre que possível, os colaboradores poderão mediante um acordo comum, apoiar os colaboradores com HIV e SIDA fazendo parte do seu trabalho quando estes se encontrarem doentes. d) Caso seja possível, serão atribuídas tarefas razoáveis e alternativas aos colaboradores que se encontram incapacitados por doença, de realizaresm na plenitude as suas tarefas. 6. PRINCÍPIOS DOS RECURSOS HUMANOS 6.1 Recrutamento de Pessoal a) Durante o processo de recrutamento e selecção de pessoal, o FORCOM não deve descriminar os candidatos na base da exigência de comprovativos de testes de HIV e SIDA. b) O teste de HIV e SIDA não constitui requisito em nenhuma fase do processo recrutamento e selecção de pessoal. c) O FORCOM não fará referência ao teste de HIV e SIDA nos materiais ou anúncios de recrutamento e selecção de pessoal.

15 6.2 Desenvolvimento e Formação de Pessoal a) A seropositividade não impede que um colaborador tenha acesso a oportunidades de formação e desenvolvimento profissional promovidas pela organização. b) Sempre que possível, o FORCOM redefinirá as tarefas para atender os colaboradores infectados e isto pode ser através de partilha de multi-habilidades, de multitarefas, de tarefas e abordagens baseadas no trabalho de equipa. c) Os custos de administração da presente política serão revistos anualmente. 6.3 Licença por Doença A licença por doença é um direito e os colaboradores irão gozar este direito quando aconselhados pelo médico conforme o estabelecido na Lei 05/2002 sobre Protecção das Pessoas Vivendo com HIV e SIDA no Local de Trabalho. 6.4 Procedimento Disciplinar a) A ocorrência de qualquer comportamento discriminatório em relação ao estado de seropositividade do colaborador ou outra prática que coloque em causa a integridade moral do colaborador infectado, o FORCOM irá considerar infracção disciplinar grave e aplicará penas previstas no regulamento interno e demais legislação vigente. b) Toda a informação relacionada com a questão do HIV e SIDA dos colaboradores do FORCOM constarão de um ficheiro próprio organizado e sob controle dos Recursos Humanos e serão conservados de forma confidencial. Esta informação não deverá constar do seu processo individual. c) O colaborador que se sentir ofendido em virtude do comportamento incorrecto de outrem em relação ao seu estado de seropositividade, poderá protestar junto dos

16 Recursos Humanos que tem legitimidade institucional para tomar as devidas medidas. 7. IMPLEMENTAÇÃO E REVISÃO a) A presente Política é exclusivamente aplicada para os Colaboradores do FORCOM e para os Membros do Conselho Nacional, salvaguardando porém o previsto na alínea b) do ponto 5.8 descrito acima. a) A presente Política será revista e alterada caso se considere necessário em virtude dos factores conjunturais e estruturais da organização e da sociedade. b) O poder para interpretar ou alterar qualquer uma das disposições estabelecidas na presente política será da responsabilidade do Conselho de Direcção do FORCOM. c) O Sector de Administração e Finanças do FORCOM será o sector responsável por fazer aplicar e implementar a Politica de HIV e SIDA do FORCOM.

POLÍTICA DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MOÇAMBIQUE SOBRE HIV/SIDA

POLÍTICA DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MOÇAMBIQUE SOBRE HIV/SIDA POLÍTICA DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MOÇAMBIQUE SOBRE HIV/SIDA PREÂMBULO A Universidade Católica de Moçambique, reconhecendo que o País enfrenta actualmente uma devastadora pandemia do HIV/SIDA; cumprindo

Leia mais

Centro de Estudos de Democracia e Desenvolvimento CEDE

Centro de Estudos de Democracia e Desenvolvimento CEDE Centro de Estudos de Democracia e Desenvolvimento CEDE Política de Género e HIV-SIDA do Centro de Estudos de Democracia e Desenvolvimento (PG e HIV/SIDA-CEDE) Page 1 of 11 Índice Visão, Missão, Valores

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO. PORTARIA Nº 1.927, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2014 (DOU de 11/12/2014 Seção I Pág. 82)

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO. PORTARIA Nº 1.927, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2014 (DOU de 11/12/2014 Seção I Pág. 82) MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO PORTARIA Nº 1.927, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2014 (DOU de 11/12/2014 Seção I Pág. 82) Estabelece orientações sobre o combate à discriminação relacionada ao HIV e a Aids nos

Leia mais

DIÁLOGO SOCIAL EUROPEU: PROJECTO DE ORIENTAÇÕES MULTISSECTORIAIS PARA O COMBATE DA VIOLÊNCIA E ASSÉDIO DE TERCEIROS RELACIONADOS COM O TRABALHO

DIÁLOGO SOCIAL EUROPEU: PROJECTO DE ORIENTAÇÕES MULTISSECTORIAIS PARA O COMBATE DA VIOLÊNCIA E ASSÉDIO DE TERCEIROS RELACIONADOS COM O TRABALHO DIÁLOGO SOCIAL EUROPEU: PROJECTO DE ORIENTAÇÕES MULTISSECTORIAIS PARA O COMBATE DA VIOLÊNCIA E ASSÉDIO DE TERCEIROS RELACIONADOS COM O TRABALHO EPSU, UNI Europa, ETUCE, HOSPEEM, CEMR, EFEE, EuroCommerce,

Leia mais

POLÍTICA DE HIV/SIDA DA HELVETAS MOÇAMBIQUE

POLÍTICA DE HIV/SIDA DA HELVETAS MOÇAMBIQUE Helvetas Swiss Association for International Cooperation / Schweizer Gesellschaft für internationale Zusammenarbeit / Association suisse pour la coopération internationale Associação suíça para a cooperação

Leia mais

Texto da Recomendação sobre HIV/Aids e o Mundo do Trabalho

Texto da Recomendação sobre HIV/Aids e o Mundo do Trabalho Texto da Recomendação sobre HIV/Aids e o Mundo do Trabalho A Conferência Geral da Organização Internacional do Trabalho, Convocada em Genebra pelo Conselho de Administração da Organização Internacional

Leia mais

VERSÃO RESUMIDA (PILARES E OBJECTIVOS ESTRATÉGICOS)

VERSÃO RESUMIDA (PILARES E OBJECTIVOS ESTRATÉGICOS) VERSÃO RESUMIDA (PILARES E OBJECTIVOS ESTRATÉGICOS) 1 Plano Estratégico do CCM 2013 a 2017 Versão Resumida 1. ANÁLISE DO CONTEXTO 1. 1. Justiça Económica e Social A abundância dos recursos naturais constitui

Leia mais

ACORDO DE COOPERAÇÃO ENTRE OS ESTADOS MEMBROS DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA SOBRE O COMBATE AO HIV/SIDA

ACORDO DE COOPERAÇÃO ENTRE OS ESTADOS MEMBROS DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA SOBRE O COMBATE AO HIV/SIDA Decreto n.º 36/2003 Acordo de Cooperação entre os Estados Membros da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa sobre o Combate ao HIV/SIDA, assinado em Brasília em 30 de Julho de 2002 Considerando a declaração

Leia mais

Protecção Social em Moçambique

Protecção Social em Moçambique Republica de Moçambique Missão de Estudo Brasil - África de Cooperação e Promoção da Protecção Social Protecção Social em Moçambique Brasília, 25 de Agosto de 2008 Protecção Social em Moçambique Protecção

Leia mais

Recolha de directivas práticas do BIT sobre o HIV/SIDA e o mundo do trabalho

Recolha de directivas práticas do BIT sobre o HIV/SIDA e o mundo do trabalho ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO Recolha de directivas práticas do BIT sobre o HIV/SIDA e o mundo do trabalho Reunião tripartida de peritos sobre o HIV/SIDA e o mundo do trabalho Genebra, 2001 BUREAU

Leia mais

DELIBERAÇÃO Nº 41 /2006 Aplicável aos tratamentos de dados no âmbito da Gestão da Informação dos Serviços de Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho

DELIBERAÇÃO Nº 41 /2006 Aplicável aos tratamentos de dados no âmbito da Gestão da Informação dos Serviços de Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho DELIBERAÇÃO Nº 41 /2006 Aplicável aos tratamentos de dados no âmbito da Gestão da Informação dos Serviços de Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho Por força do Código do Trabalho, aprovado pela Lei n.º

Leia mais

Saúde Escolar. Secretaria Regional da Educação e Formação

Saúde Escolar. Secretaria Regional da Educação e Formação Saúde Escolar Secretaria Regional da Educação e Formação «Um programa de saúde escolar efectivo é o investimento de custo-benefício mais eficaz que um País pode fazer para melhorar, simultaneamente, a

Leia mais

Bureau Internacional do Trabalho 1 sobre o

Bureau Internacional do Trabalho 1 sobre o Colectânea das Directivas Práticas, do Bureau Internacional do Trabalho 1 sobre o VIH/SIDA e o mundo do trabalho 1 Colectânea das Directivas Práticas do Bureau Internacional do Trabalho 1 VIH/SIDA e o

Leia mais

Os objectivos primários deste encontro preparatório podem ser especificados conforme se indica abaixo:

Os objectivos primários deste encontro preparatório podem ser especificados conforme se indica abaixo: Envolvimento e Participação da Sociedade Civil nos Processos em direcção ao Acesso Universal na África Austral Uma Posição Comum Nairobi, 26 de Maio de 2008 Região em Crise A África Austral é o epicentro

Leia mais

CRIANÇAS ÓRFÃS E VULNERÁVEIS NO CONTEXTO DO HIV/SIDA EM MOÇAMBIQUE

CRIANÇAS ÓRFÃS E VULNERÁVEIS NO CONTEXTO DO HIV/SIDA EM MOÇAMBIQUE CRIANÇAS ÓRFÃS E VULNERÁVEIS NO CONTEXTO DO HIV/SIDA EM MOÇAMBIQUE CRIANÇAS ÓRFÃS E VULNERÁVEIS NO CONTEXTO DO HIV/SIDA EM MOÇAMBIQUE HIV/SIDA em Moçambique O HIV/SIDA é a ameaça mais séria que Moçambique

Leia mais

O Voluntariado e a Protecção Civil. 1. O que é a Protecção Civil

O Voluntariado e a Protecção Civil. 1. O que é a Protecção Civil O Voluntariado e a Protecção Civil 1. O que é a Protecção Civil A 03 de Julho de 2006, a Assembleia da Republica publica a Lei de Bases da Protecção Civil, que no seu artigo 1º dá uma definição de Protecção

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 660/X ESTABELECE O REGIME DE APLICAÇÃO DA EDUCAÇÃO SEXUAL EM MEIO ESCOLAR

PROJECTO DE LEI N.º 660/X ESTABELECE O REGIME DE APLICAÇÃO DA EDUCAÇÃO SEXUAL EM MEIO ESCOLAR PROJECTO DE LEI N.º 660/X ESTABELECE O REGIME DE APLICAÇÃO DA EDUCAÇÃO SEXUAL EM MEIO ESCOLAR Exposição de Motivos A garantia da saúde sexual e reprodutiva na sociedade contemporânea é condição necessária

Leia mais

TERMOS DE REFERÊNCIA DE UM ASSISTENTE TÉCNICO PARA O TARV PEDIÁTRICO NA REGIÃO DE NAMPULA MOÇAMBIQUE

TERMOS DE REFERÊNCIA DE UM ASSISTENTE TÉCNICO PARA O TARV PEDIÁTRICO NA REGIÃO DE NAMPULA MOÇAMBIQUE TERMOS DE REFERÊNCIA DE UM ASSISTENTE TÉCNICO PARA O TARV PEDIÁTRICO NA REGIÃO DE NAMPULA MOÇAMBIQUE Moçambique é um dos dez países no mundo mais atingido pelo HIV/SIDA com uma prevalência de 16.2%. Devido

Leia mais

Lei Nº 134/99, De 28 De Agosto Proíbe As Discriminações No Exercício De Direitos Por Motivos Baseados Na Raça, Cor, Nacionalidade Ou Origem Étnica

Lei Nº 134/99, De 28 De Agosto Proíbe As Discriminações No Exercício De Direitos Por Motivos Baseados Na Raça, Cor, Nacionalidade Ou Origem Étnica Lei Nº 134/99, De 28 De Agosto Proíbe As Discriminações No Exercício De Direitos Por Motivos Baseados Na Raça, Cor, Nacionalidade Ou Origem Étnica Lei n.º 134/99, de 28 de Agosto Proíbe as discriminações

Leia mais

- ESCOLA SUPERIOR GALLAECIA -

- ESCOLA SUPERIOR GALLAECIA - - ESCOLA SUPERIOR GALLAECIA - Plano de Contingência Gripe A Ano lectivo 2009/2010 Acções a organizar na preparação de um Plano de Contingência para uma eventual pandemia de gripe. Inquérito aos Estudantes

Leia mais

(Fonte e adaptado do Concelho Executivo das Nações Unidas de 15 de Setembro de 2012)

(Fonte e adaptado do Concelho Executivo das Nações Unidas de 15 de Setembro de 2012) Plano de Protecção à Criança do CENTRO DE EDUCAÇÃO DELTA CULTURA (CEDC) (Fonte e adaptado do Concelho Executivo das Nações Unidas de 15 de Setembro de 2012) INTRODUÇÃO: Este documento é o Plano de Protecção

Leia mais

POLÍTICA E CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA

POLÍTICA E CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA POLÍTICA E CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA POLÍTICA DE ÉTICA A Política de Ética do CPCBeja está reflectida no Código de Conduta e Ética e integra os seguintes Princípios e Orientações: - Direitos e Dignidade

Leia mais

Propriedade Intelectual nos Países de língua Portuguesa

Propriedade Intelectual nos Países de língua Portuguesa Propriedade Intelectual nos Países de língua Portuguesa Politicas de Saúde e AIDS Moçambique Eusébio Chaquisse, MD, MIH Universidade Lúrio - Nampula Introdução: Moçambique possui uma população 20 milhões

Leia mais

Estratégia de parceria global da IBIS 2012. Estratégia de parceria global da IBIS

Estratégia de parceria global da IBIS 2012. Estratégia de parceria global da IBIS Estratégia de parceria global da IBIS Aprovada pelo conselho da IBIS, Agosto de 2008 1 Introdução A Visão da IBIS 2012 realça a importância de estabelecer parcerias com diferentes tipos de organizações

Leia mais

Plano de Acção para o combate ao Estigma e HIV/SIDA* em África

Plano de Acção para o combate ao Estigma e HIV/SIDA* em África Plano de Acção para o combate ao Estigma e HIV/SIDA* em África Consulta Regional sobre o Estigma e HIV/SIDA em África 4-6 de Junho de 2001, Dar-es-Salaam Teve lugar em Dar-es-Salaam, Tanzânia, de 4-6 de

Leia mais

Violência do Género e Acesso à Justiça em Moçambique

Violência do Género e Acesso à Justiça em Moçambique Violência do Género e Acesso à Justiça em Moçambique (Síntese a partir dos slides) Por Berta Chilundo (Presidente da MULEIDE) Publicado em Outras Vozes, nº 41-42, Maio 2013 Quadro legal para defesa dos

Leia mais

Plano de Prevenção de Riscos de Gestão. Incluindo os de Corrupção e Infracções Conexas

Plano de Prevenção de Riscos de Gestão. Incluindo os de Corrupção e Infracções Conexas Plano de Prevenção de Riscos de Gestão Incluindo os de Corrupção e Infracções Conexas Introdução No âmbito da sua actividade, o Conselho de Prevenção da Corrupção (CPC), aprovou a Recomendação n.º 1/2009,

Leia mais

Ética A GUARDIAN disponibiliza o presente Código de Conduta a todos os colaboradores, Clientes, Fornecedores e Parceiros.

Ética A GUARDIAN disponibiliza o presente Código de Conduta a todos os colaboradores, Clientes, Fornecedores e Parceiros. Âmbito de aplicação O presente Código de Conduta aplica-se a toda a estrutura GUARDIAN Sociedade de Mediação de Seguros, Lda., seguidamente designada por GUARDIAN, sem prejuízo das disposições legais ou

Leia mais

Carta dos Direitos do Cliente

Carta dos Direitos do Cliente A pessoa com deficiência ou incapacidade, deve ser educada e viver na comunidade, mas com programas e apoios especiais. Cercisiago Carta dos Direitos do Cliente Março de 2010 Carta dos Direitos do Cliente

Leia mais

ANEXO. s) União associação de sindicatos de base provincial.

ANEXO. s) União associação de sindicatos de base provincial. 1460 I SÉRIE NÚMERO 69 CAPÍTULO VII Disposições Finais ARTIGO 57 Todos os funcionários e agentes do Estado, à excepção dos referidos nas alíneas d) e e) do artigo 4 da presente Lei, podem, ARTIGO 58 A

Leia mais

YOUR LOGO. Investir na mulher pode ser uma etapa importante na prevenção e combate ao HIV/SIDA. Nome do participante: Boaventura Mandlhate

YOUR LOGO. Investir na mulher pode ser uma etapa importante na prevenção e combate ao HIV/SIDA. Nome do participante: Boaventura Mandlhate YOUR LOGO PLEASE FEEL FREE TO ADD YOUR OWN BACKGROUND Investir na mulher pode ser uma etapa importante na prevenção e combate ao HIV/SIDA. Nome do participante: Boaventura Mandlhate Categoria: MEDIA, saúde

Leia mais

Projeto de Educação Sexual 2013/2014

Projeto de Educação Sexual 2013/2014 Projeto de Educação Sexual 2013/2014 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ARCOZELO Equipa de Educação para a Saúde 1. INTRODUÇÃO O presente projecto, surge para dar cumprimento à lei nº 60/2010 de 6 de Agosto, regulamentada

Leia mais

1.1 Informações Básicas para os Treinadores

1.1 Informações Básicas para os Treinadores 1. INTRODUÇÃO Foi estimado, até o final de 2003, que mais de 38 milhões de homens, mulheres e crianças estão vivendo com HIV. Quase 25 milhões dessas pessoas vivem na África do subsaara, de acordo com

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA GALP ENERGIA

CÓDIGO DE ÉTICA GALP ENERGIA CÓDIGO DE ÉTICA GALP ENERGIA 1. Introdução A materialização da Missão, Visão e Valores de uma Empresa traduz-se na actuação quotidiana dos seus colaboradores, de acordo com práticas éticas consensuais

Leia mais

O COMPROMISSO DE BRAZZAVILLE NO AVANÇO EM DIRECÇÃO AO ACESSO UNIVERSAL AO TRATAMENTO, CUIDADOS, APOIO E PREVENÇÃO DO VIH E SIDA EM ÁFRICA ATÉ 2010

O COMPROMISSO DE BRAZZAVILLE NO AVANÇO EM DIRECÇÃO AO ACESSO UNIVERSAL AO TRATAMENTO, CUIDADOS, APOIO E PREVENÇÃO DO VIH E SIDA EM ÁFRICA ATÉ 2010 O COMPROMISSO DE BRAZZAVILLE NO AVANÇO EM DIRECÇÃO AO ACESSO UNIVERSAL AO TRATAMENTO, CUIDADOS, APOIO E PREVENÇÃO DO VIH E SIDA EM ÁFRICA ATÉ 2010 Brazzaville, República do Congo 8 de Março de 2006 1.

Leia mais

ARGUMENTOS PARA UMA LEI DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA A MULHER. (Documento Publicado no dia 20 de Julho de 2009)

ARGUMENTOS PARA UMA LEI DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA A MULHER. (Documento Publicado no dia 20 de Julho de 2009) COORDENAÇÃO PARA MULHER NO DESENVOLVIMENTO ARGUMENTOS PARA UMA LEI DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA A MULHER (Documento Publicado no dia 20 de Julho de 2009) Na última década, a questão da violência contra

Leia mais

FRÁGEIS E EM SITUAÇÕES DE FRAGILIDADE

FRÁGEIS E EM SITUAÇÕES DE FRAGILIDADE PRINCÍPIOS PARA UMA INTERVENÇÃO INTERNACIONAL EFICAZ EM ESTADOS PRINCÍPIOS - Março 2008 Preâmbulo Uma saída sustentável da pobreza e da insegurança nos Estados mais frágeis do mundo terá de ser conduzida

Leia mais

Foi consultora do projecto numa base voluntária, Ana Maria Joaquina Abubacar.

Foi consultora do projecto numa base voluntária, Ana Maria Joaquina Abubacar. Objectivos da lei: - Promover o voluntariado e o espírito de solidariedade em Moçambique; - Promover um quadro legal de apoio e reconhecimento às pessoas que trabalham em bases voluntárias, em áreas tais

Leia mais

A Kudumba Investments Lda. considera e respeita a todos os níveis, os DH proclamados internacionalmente.

A Kudumba Investments Lda. considera e respeita a todos os níveis, os DH proclamados internacionalmente. AREA DO PACTO GLOBAL PRINCIPIOS DO PACTO GLOBAL ACÇOES REALIZADAS IMPACTO ALCANÇADO ACÇOES PLANEADAS DIREITOS HUMANOS 1. Respeitar e proteger os direitos humanos; A Kudumba Investments Lda. considera e

Leia mais

Empreender acções para apoiar o envolvimento activo e significativo do sector comunitário

Empreender acções para apoiar o envolvimento activo e significativo do sector comunitário Empreender acções para apoiar o envolvimento activo e significativo do sector comunitário 1.1. Como pode ser descrito o envolvimento activo e significativo do sector comunitário? O envolvimento do sector

Leia mais

DIRECTIVA 2010/32/UE DO CONSELHO

DIRECTIVA 2010/32/UE DO CONSELHO L 134/66 Jornal Oficial da União Europeia 1.6.2010 DIRECTIVAS DIRECTIVA 2010/32/UE DO CONSELHO de 10 de Maio de 2010 que executa o Acordo-Quadro relativo à prevenção de ferimentos provocados por objectos

Leia mais

CARTA INTERNACIONAL DO TURISMO CULTURAL

CARTA INTERNACIONAL DO TURISMO CULTURAL Pág. 1 de9 CARTA INTERNACIONAL DO TURISMO CULTURAL Gestão do Turismo nos Sítios com Significado Patrimonial 1999 Adoptada pelo ICOMOS na 12.ª Assembleia Geral no México, em Outubro de 1999 Tradução por

Leia mais

RECOMENDAÇÃO GERAL N.º 19 (VIOLÊNCIA CONTRA AS MULHERES)

RECOMENDAÇÃO GERAL N.º 19 (VIOLÊNCIA CONTRA AS MULHERES) RECOMENDAÇÃO GERAL N.º 19 (VIOLÊNCIA CONTRA AS MULHERES) Décima primeira sessão, 1992 Antecedentes 1. A violência baseada no género é uma forma de discriminação que inibe a capacidade das mulheres de gozarem

Leia mais

2º Fórum Lusófono de Mulheres em Postos de Tomada de Decisão Luanda, 17-18 de Julho 2002

2º Fórum Lusófono de Mulheres em Postos de Tomada de Decisão Luanda, 17-18 de Julho 2002 2º Fórum Lusófono de Mulheres em Postos de Tomada de Decisão Luanda, 17-18 de Julho 2002 Tema: A Situação Actual da Educação das Jovens e Mulheres Leontina Virgínia Sarmento dos Muchangos Direcção Nacional

Leia mais

Descrição de Tarefas para a Posição de Director de Programas, Políticas e Comunicação da AAMOZ

Descrição de Tarefas para a Posição de Director de Programas, Políticas e Comunicação da AAMOZ Descrição de Tarefas para a Posição de Director de Programas, Políticas e Comunicação da AAMOZ ActionAid é uma federação internacional trabalhando para erradicar a pobreza e a injustiça. A ActionAid foi

Leia mais

Lei da maternidade e da paternidade

Lei da maternidade e da paternidade Federação Nacional dos Professores www.fenprof.pt Lei da maternidade e da paternidade "Os pais e as mães têm direito à protecção da sociedade e do Estado na realização da sua insubstituível acção em relação

Leia mais

1/6. State of the World Population 2005, UNFPA 2. State of the World Population 2005, UNFPA 3

1/6. State of the World Population 2005, UNFPA 2. State of the World Population 2005, UNFPA 3 O porquê dos tem as da Saúde Sexual e Reprodutiva de Jovens? Uma questão de direitos humanos e desenvolvimento sustentável A n a S o f i a F e r n a n d e s R e d e P o r t u g u e s a d e J o v e n s

Leia mais

Código de Ética e de Conduta

Código de Ética e de Conduta visa dar a conhecer de forma inequívoca aos colaboradores, clientes, entidades públicas, fornecedores e, de uma forma geral, a toda a comunidade os valores preconizados, vividos e exigidos pela empresa,

Leia mais

3. A Convenção das Nações Unidas para os direitos das pessoas com deficiências

3. A Convenção das Nações Unidas para os direitos das pessoas com deficiências 3. A Convenção das Nações Unidas para os direitos das pessoas com deficiências Objectivos de aprendizagem Os participantes deverão adquirir um conhecimento básico sobre: - O texto da Convenção sobre os

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO CENTRO SOCIAL E CULTURAL DE S.PEDRO DE BAIRRO REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO RESPOSTA SOCIAL LAR DE INFÂNCIA E JUVENTUDE REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO LAR DE INFÂNCIA E JUVENTUDE CAPÍTULO

Leia mais

LEI QUE PROÍBE E PUNE A DISCRIMINAÇÃO EM RAZÃO DA DEFICIÊNCIA E DA EXISTÊNCIA DE RISCO AGRAVADO DE SAÚDE. Lei n.º 46/2006, de 28 de Agosto

LEI QUE PROÍBE E PUNE A DISCRIMINAÇÃO EM RAZÃO DA DEFICIÊNCIA E DA EXISTÊNCIA DE RISCO AGRAVADO DE SAÚDE. Lei n.º 46/2006, de 28 de Agosto LEI QUE PROÍBE E PUNE A DISCRIMINAÇÃO EM RAZÃO DA DEFICIÊNCIA E DA EXISTÊNCIA DE RISCO AGRAVADO DE SAÚDE Lei n.º 46/2006, de 28 de Agosto A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo

Leia mais

CAPÍTULO I - Visão geral

CAPÍTULO I - Visão geral CÓDIGO DEONTOLÓGICO DO TÉCNICO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO SOCIAL Preâmbulo: O presente Código Deontológico procura estabelecer alguns princípios e algumas regras, no quadro de uma ética profissional, que devem

Leia mais

Código de Conduta. INAPA INVESTIMENTOS, PARTICIPAÇÕES E GESTÃO, S.A. (Sociedade Aberta) Sede: Rua Castilho, n.º 44 3.º andar, 1250-071 Lisboa

Código de Conduta. INAPA INVESTIMENTOS, PARTICIPAÇÕES E GESTÃO, S.A. (Sociedade Aberta) Sede: Rua Castilho, n.º 44 3.º andar, 1250-071 Lisboa Código de Conduta INAPA INVESTIMENTOS, PARTICIPAÇÕES E GESTÃO, S.A. (Sociedade Aberta) Sede: Rua Castilho, n.º 44 3.º andar, 1250-071 Lisboa Capital social: 150 000 000 Número único de pessoa colectiva

Leia mais

FORMULÁRIO DE INSCRIÇÃO. Organização Paramédicos de Catástrofe Internacional. Morada Rua Pedro Álvares Cabral 1675 106 Pontinha, Odivelas

FORMULÁRIO DE INSCRIÇÃO. Organização Paramédicos de Catástrofe Internacional. Morada Rua Pedro Álvares Cabral 1675 106 Pontinha, Odivelas FORMULÁRIO DE INSCRIÇÃO Organização Paramédicos de Catástrofe Internacional Diretor(a) Bruno Ferreira Setor de Atividade Voluntariado Social Número de Efetivos 100 NIF 509 557 597 Morada Rua Pedro Álvares

Leia mais

Direcção-Geral da Acção Social

Direcção-Geral da Acção Social Direcção-Geral da Acção Social Núcleo de Documentação Técnica e Divulgação Maria Joaquina Ruas Madeira A Dimensão Social da SIDA: A Família e a Comunidade (Comunicação apresentada nas 1as Jornadas Regionais

Leia mais

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A satisfação e o desempenho dos recursos humanos em qualquer organização estão directamente relacionados entre

Leia mais

Câmara Municipal de Estarreja PREÂMBULO

Câmara Municipal de Estarreja PREÂMBULO PREÂMBULO O projecto Estarreja COMpartilha surge da necessidade que se tem verificado, na sociedade actual, da falta de actividades e práticas de cidadania. Traduz-se numa relação solidária para com o

Leia mais

Decreto-Lei n.º 111/2000 de 4 de Julho

Decreto-Lei n.º 111/2000 de 4 de Julho Decreto-Lei n.º 111/2000 de 4 de Julho Regulamenta a lei que proíbe as discriminações no exercício de direitos por motivos baseados na raça, cor, nacionalidade ou origem étnica A Lei n.º 134/99, de 28

Leia mais

Lista de verificação de medidas e procedimentos para serviços e empresas*

Lista de verificação de medidas e procedimentos para serviços e empresas* Doença pelo novo vírus da gripe A(H1N1) Fase Pandémica 6 - OMS Lista de verificação de medidas e procedimentos para serviços e empresas* A propósito da nova estirpe de vírus da gripe A(H1N1) recentemente

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL MONCHIQUE. Preâmbulo

CÂMARA MUNICIPAL MONCHIQUE. Preâmbulo CÂMARA MUNICIPAL MONCHIQUE REGULAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE MONCHIQUE Preâmbulo Considerando que a participação solidária em acções de voluntariado, definido como conjunto de acções de interesse

Leia mais

1. Âmbito de Aplicação 2. Valores Gerais

1. Âmbito de Aplicação 2. Valores Gerais CÓDIGO DE ÉTICA 1. Âmbito de Aplicação 1.1. O presente Código de Ética aplica-se a todos os colaboradores da COMPANHIA DAS LEZÍRIAS, S.A., adiante designada como CL, qualquer que seja o seu vínculo laboral

Leia mais

TERMOS DE REFERÊNCIA REALIZAÇÃO DE UMA FORMAÇÃO SOBRE DIREITOS HUMANOS E GÉNERO NO KUITO, PROVINCIA DO BIÉ, ANGOLA

TERMOS DE REFERÊNCIA REALIZAÇÃO DE UMA FORMAÇÃO SOBRE DIREITOS HUMANOS E GÉNERO NO KUITO, PROVINCIA DO BIÉ, ANGOLA TERMOS DE REFERÊNCIA REALIZAÇÃO DE UMA FORMAÇÃO SOBRE DIREITOS HUMANOS E GÉNERO NO KUITO, PROVINCIA DO BIÉ, ANGOLA Convénio 10-CO1-005: Fortalecimento dos serviços públicos de saúde nas zonas de intervenção

Leia mais

Discurso de Abertura do Embaixador INS Cerimónia de Lançamento da Primeira Pedra do Laboratório Nacional de Referência 13 de Novembro de 2014

Discurso de Abertura do Embaixador INS Cerimónia de Lançamento da Primeira Pedra do Laboratório Nacional de Referência 13 de Novembro de 2014 Discurso de Abertura do Embaixador INS Cerimónia de Lançamento da Primeira Pedra do Laboratório Nacional de Referência 13 de Novembro de 2014 S. Excia Ministro da Saúde S. Excia Governadora da Província

Leia mais

Espaço t Associação para o Apoio à Integração Social e Comunitária. Instituição Particular de Solidariedade Social

Espaço t Associação para o Apoio à Integração Social e Comunitária. Instituição Particular de Solidariedade Social Associação para o Apoio à Integração Social e Comunitária Instituição Particular de Solidariedade Social Missão O Espaço t Associação para Apoio à Integração Social e Comunitária, criada em 1994, é uma

Leia mais

PARCERIA E PONTES MARIE CURIE ENTRE EMPRESAS E UNIVERSIDADES

PARCERIA E PONTES MARIE CURIE ENTRE EMPRESAS E UNIVERSIDADES ANEXO III DISPOSIÇÕES ESPECÍFICAS PARCERIA E PONTES MARIE CURIE ENTRE EMPRESAS E UNIVERSIDADES [MULTI-BENEFICIÁRIOS] III. 1 - Definições Para além das previstas no artigo II.1, aplicam-se à presente convenção

Leia mais

Ministério da Administração Pública, Emprego e Segurança Social

Ministério da Administração Pública, Emprego e Segurança Social Ministério da Administração Pública, Emprego e Segurança Social Assembleia Nacional Lei n.º 1/06 de 18 de Janeiro A inserção na vida activa da população desempregada, sobretudo, os jovens à procura do

Leia mais

São igualmente tidas em conta situações de pobreza e de exclusão social que necessitam um tratamento específico no âmbito do PRODESA.

São igualmente tidas em conta situações de pobreza e de exclusão social que necessitam um tratamento específico no âmbito do PRODESA. 1. Medida 3.4: Apoio ao desenvolvimento do Emprego e da Formação Profissional 2. Descrição: A Medida Apoio ao desenvolvimento do Emprego e Formação Profissional do PRODESA visa criar as condições para

Leia mais

AVISO. Admissão de Pessoal. (m/f)

AVISO. Admissão de Pessoal. (m/f) AVISO Admissão de Pessoal (m/f) A AJITER Associação Juvenil da Ilha Terceira pretende admitir jovens recém-licenciados à procura do primeiro emprego, para estágio no seu serviço, ao abrigo do Programa

Leia mais

Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições

Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições 1997L0081 PT 25.05.1998 001.001 1 Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições BDIRECTIVA 97/81/CE DO CONSELHO de 15 de Dezembro de 1997 respeitante ao acordo-quadro

Leia mais

Consumo de drogas e HIV/SIDA

Consumo de drogas e HIV/SIDA ONUSIDA COLECÇÃO BOAS PRÁTICAS Consumo de drogas e HIV/SIDA Declaração da ONUSIDA apresentada na Sessão Especial da Assembleia Geral das Nações Unidas sobre Drogas Programa Conjunto das Nações Unidas sobre

Leia mais

As Politicas Sociais em Moçambique: A Componente de Assistência Social

As Politicas Sociais em Moçambique: A Componente de Assistência Social As Politicas Sociais em Moçambique: A Componente de Assistência Social Por: Miguel A. Maússe Maputo, 19 de Junho de 2009 1 Conceitos Básicos Protecção social: conjunto de medidas visando atenuar, na medida

Leia mais

PROTECÇÃO SOCIAL EM MOÇAMBIQUE. Enquadramento, Políticas e Programas em Moçambique

PROTECÇÃO SOCIAL EM MOÇAMBIQUE. Enquadramento, Políticas e Programas em Moçambique REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA MULHER E DA ACÇÃO SOCIAL PROTECÇÃO SOCIAL EM MOÇAMBIQUE Enquadramento, Políticas e Programas em Moçambique MAPUTO, 02 de Setembro de 2014 ESTRUTURA 1. Contexto 2.

Leia mais

Preâmbulo. Preocupados com o facto de, na ausência desse instrumento, as pessoas vulneráveis ao tráfico não estarem suficientemente protegidas,

Preâmbulo. Preocupados com o facto de, na ausência desse instrumento, as pessoas vulneráveis ao tráfico não estarem suficientemente protegidas, Protocolo Adicional à Convenção das Nações Unidas contra a Criminalidade Organizada Transnacional relativo à Prevenção, à Repressão e à Punição do Tráfico de Pessoas, em especial de Mulheres e Crianças

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DOS COLABORADORES DA FUNDAÇÃO CASA DA MÚSICA

CÓDIGO DE CONDUTA DOS COLABORADORES DA FUNDAÇÃO CASA DA MÚSICA CÓDIGO DE CONDUTA DOS COLABORADORES DA FUNDAÇÃO CASA DA MÚSICA Na defesa dos valores de integridade, da transparência, da auto-regulação e da prestação de contas, entre outros, a Fundação Casa da Música,

Leia mais

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA. Lei nº /2012, de de. Sobre a execução da prestação de trabalho em favor da comunidade

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA. Lei nº /2012, de de. Sobre a execução da prestação de trabalho em favor da comunidade DIRECÇÃO NACIONAL DE ASSESSORIA JURÍDICA E LEGISLAÇÃO MINISTÉRIO DA JUSTIÇA Lei nº /2012, de de Sobre a execução da prestação de trabalho em favor da comunidade A presente lei define as regras aplicáveis

Leia mais

REGULAMENTO DE BOLSAS DO INESC PORTO

REGULAMENTO DE BOLSAS DO INESC PORTO REGULAMENTO DE BOLSAS DO INESC PORTO I - DISPOSIÇÕES GERAIS ARTIGO 1º (Finalidade da atribuição das bolsas) 1. O INESC Porto - Instituto de Engenharia de Sistemas e Computadores do Porto, com o objectivo

Leia mais

Lei n.º 18/2004, de 11 de Maio

Lei n.º 18/2004, de 11 de Maio Lei n.º 18/2004, de 11 de Maio Transpõe para a ordem jurídica nacional a Directiva n.º 2000/43/CE, do Conselho, de 29 de Junho, que aplica o princípio da igualdade de tratamento entre as pessoas, sem distinção

Leia mais

PLANO DE CONTINGÊNCIA PARA A PANDEMIA DE GRIPE A (H1N1)

PLANO DE CONTINGÊNCIA PARA A PANDEMIA DE GRIPE A (H1N1) PLANO DE CONTINGÊNCIA PARA A PANDEMIA DE GRIPE A (H1N1) 1. INTRODUÇÃO Por três vezes no século XX (1918-1919; 1957-1958; 1968-1969) a gripe manifestou-se como uma pandemia, quando um novo subtipo de vírus

Leia mais

Fórum para a Cooperação Económica e Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa (Macau)

Fórum para a Cooperação Económica e Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa (Macau) Fórum para a Cooperação Económica e Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa (Macau) Plano de Acção para a Cooperação Económica e Comercial (2007-2009) 2ª Conferência Ministerial, 2006

Leia mais

DIA DA LUTA CONTRA A SIDA 01 DE DEZEMBRO

DIA DA LUTA CONTRA A SIDA 01 DE DEZEMBRO DIA DA LUTA CONTRA A SIDA 01 DE DEZEMBRO Presentemente, a infeçãovih/sida não tem cura e a prevenção é a única medida eficaz. A infeçãovih/sida tem uma história relativamente recente, mas já dramática

Leia mais

Quando falamos de prevenção no âmbito da Segurança, Higiene e Saúde no. Trabalho, estamos a falar de um conjunto de actividades que têm como objectivo

Quando falamos de prevenção no âmbito da Segurança, Higiene e Saúde no. Trabalho, estamos a falar de um conjunto de actividades que têm como objectivo 1 - Em que consiste a prevenção? Quando falamos de prevenção no âmbito da Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho, estamos a falar de um conjunto de actividades que têm como objectivo eliminar ou reduzir

Leia mais

TORs da Avaliação do CCF Julho, 2014

TORs da Avaliação do CCF Julho, 2014 1. CONTEXTO AVALIAÇÃO DO CENTRO CRIANÇA FELIZ Termos de Referência O projecto Centro Criança Feliz é uma iniciativa da IBIS Moçambique, concebida e por si implementada desde 2008. O projecto surgiu no

Leia mais

PARCERIAS E PONTES MARIE CURIE ENTRE EMPRESAS E UNIVERSIDADES

PARCERIAS E PONTES MARIE CURIE ENTRE EMPRESAS E UNIVERSIDADES ANEXO III DISPOSIÇÕES ESPECÍFICAS PARCERIAS E PONTES MARIE CURIE ENTRE EMPRESAS E UNIVERSIDADES [MULTI-BENEFICIÁRIOS] III.1 Definições Para além das previstas no artigo II.1, aplicam-se à presente convenção

Leia mais

CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DO TRABALHO

CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DO TRABALHO CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DO TRABALHO (Tradução não oficial 1 ) Recomendação 202 RECOMENDAÇÃO RELATIVA AOS PISOS NACIONAIS DE PROTEÇÃO SOCIAL A Conferência Geral da Organização Internacional do Trabalho,

Leia mais

O que fazemos em Moçambique

O que fazemos em Moçambique 2008/09 O que fazemos em Moçambique Estamos a ajudar 79.850 crianças afectadas pelas inundações Estamos a proporcionar kits para a escola a 1.000 órfãos e crianças vulneráveis Registámos 1.745 crianças

Leia mais

PLANO DE CONTINGÊNCIA MUNICIPAL PARA A GRIPE A H1N1

PLANO DE CONTINGÊNCIA MUNICIPAL PARA A GRIPE A H1N1 PLANO DE CONTINGÊNCIA MUNICIPAL PARA A GRIPE A H1N1 1 Situação Geral Uma pandemia de gripe ocorre quando um novo vírus do tipo A, para o qual a população tem uma susceptibilidade quase universal, surge

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO VOLUNTARIADO

REGULAMENTO INTERNO VOLUNTARIADO REGULAMENTO INTERNO DO VOLUNTARIADO REGULAMENTO Artigo 1.º Âmbito O presente regulamento visa definir as linhas orientadoras do grupo de voluntariado Marvila Voluntária, o qual tem como entidade promotora

Leia mais

PLANO DE CONTINGÊNCIA GRIPE A (H1N1) ESCOLA PROFISSIONAL NOVOS HORIZONTES

PLANO DE CONTINGÊNCIA GRIPE A (H1N1) ESCOLA PROFISSIONAL NOVOS HORIZONTES PLANO DE CONTINGÊNCIA GRIPE A (H1N1) ESCOLA PROFISSIONAL NOVOS HORIZONTES Setembro de 2009 ÍNDICE I - CONSIDERAÇÕES GERAIS... 2 II - PLANO DE CONTINGÊNCIA... 4 A. OBJECTIVOS... 4 B. IDENTIFICAÇÃO DA COORDENAÇÃO

Leia mais

CARREIRAS NA GLORY GLOBAL SOLUTIONS POLÍTICA DE PRIVACIDADE

CARREIRAS NA GLORY GLOBAL SOLUTIONS POLÍTICA DE PRIVACIDADE SITE DE CARREIRAS NA GLORY GLOBAL SOLUTIONS POLÍTICA DE PRIVACIDADE Bem-vindo à área de Carreiras na Glory Global Solutions, o Web site de recrutamento (o "Site"). Descrevemos a seguir a forma como as

Leia mais

de 24 de Outubro de 2006 que estabelece um Programa Comunitário para o Emprego e a Solidariedade Social Progress

de 24 de Outubro de 2006 que estabelece um Programa Comunitário para o Emprego e a Solidariedade Social Progress 15.11.2006 PT Jornal Oficial da União Europeia L 315/1 I (Actos cuja publicação é uma condição da sua aplicabilidade) DECISÃO N. o 1672/2006/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 24 de Outubro de 2006

Leia mais

República de Moçambique

República de Moçambique República de Moçambique Dia do Médico Moçambicano: Momento de celebração e reflexão sobre desafios da classe e do sector Discurso de Sua Excelência Filipe Jacinto Nyusi, Presidente da República de Moçambique,

Leia mais

Princípios de Responsabilidade Social. Codes of Conduct. Rheinmetall AG

Princípios de Responsabilidade Social. Codes of Conduct. Rheinmetall AG Princípios de Responsabilidade Social Codes of Conduct da Rheinmetall AG Outubro de 2003 - 2 - Princípios de Responsabilidade Social da Rheinmetall AG (Codes of Conduct) Preâmbulo A Rheinmetall AG reconhece

Leia mais

MOÇAMBIQUE. Para cada criança. Para cada criança Saúde, Educação, Igualdade, Protecção FAZENDO A HUMANIDADE AVANÇAR

MOÇAMBIQUE. Para cada criança. Para cada criança Saúde, Educação, Igualdade, Protecção FAZENDO A HUMANIDADE AVANÇAR MOÇAMBIQUE Para cada criança Para cada criança Saúde, Educação, Igualdade, Protecção FAZENDO A HUMANIDADE AVANÇAR Fundo das Nações Unidas para a Infância Janeiro de 2007 UNICEF Moçambique Av. do Zimbabwe,

Leia mais

Projeto Verão Sem AIDS Valorizando a Vida

Projeto Verão Sem AIDS Valorizando a Vida 1 Projeto Verão Sem AIDS Valorizando a Vida O PROJETO VERÃO SEM AIDS VALORIZANDO A VIDA foi idealizado por João Donizeti Scaboli, Diretor do da FEQUIMFAR. Iniciamos de forma pioneira em 1994, quando o

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 8.12.2008 COM(2008) 819 final COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO Plano de acção no domínio da dádiva e transplantação de órgãos (2009-2015): Reforçar a cooperação entre

Leia mais

Plano de Protecção à Criança do CENTRO DE EDUCAÇÃO TARRAFAL (CET) gerido por DELTA CULTURA CABO VERDE (DCCV)

Plano de Protecção à Criança do CENTRO DE EDUCAÇÃO TARRAFAL (CET) gerido por DELTA CULTURA CABO VERDE (DCCV) Plano de Protecção à Criança do CENTRO DE EDUCAÇÃO TARRAFAL (CET) gerido por DELTA CULTURA CABO VERDE (DCCV) Adaptado do Concelho Executivo das Nações Unidas (ONU) de 15 de Setembro de 2012 Este documento

Leia mais

CESA Comitê Advocacia Solidária ISO 26.000 e Manual do Advogado Sustentável

CESA Comitê Advocacia Solidária ISO 26.000 e Manual do Advogado Sustentável CESA Comitê Advocacia Solidária ISO 26.000 e Manual do Advogado Sustentável Julho 2010 O que é ISO 26000? A ISO 26000 é uma norma internacional de Responsabilidade Social, um guia de diretrizes que contribui

Leia mais

As organizações do trabalho

As organizações do trabalho Ano Lectivo 2010/2011 ÁREA DE INTEGRAÇÃO Agrupamento de Escolas de Fronteira Escola Básica Integrada Frei Manuel Cardoso 12º Ano Apresentação nº 9 As organizações do trabalho Pedro Bandeira Simões Professor

Leia mais

Política de Segurança da Informação da Entidade

Política de Segurança da Informação da Entidade Estrutura Nacional de Segurança da Informação (ENSI) Política de Segurança da Informação da Entidade Fevereiro 2005 Versão 1.0 Público Confidencial O PRESENTE DOCUMENTO NÃO PRESTA QUALQUER GARANTIA, SEJA

Leia mais

Delegação da União Europeia em Moçambique

Delegação da União Europeia em Moçambique REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DOS NEGÓCIOS ESTRANGEIROS E COOPERAÇÃO GABINETE DO ORDENADOR NACIONAL PARA A COOPERAÇÃO MOÇAMBIQUE / UE Delegação da União Europeia em Moçambique REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE

Leia mais