O DISCURSO DA AIDS NOS LIVROS DIDÁTICOS DE CIÊNCIAS: PREVENÇÃO OU PRESCRIÇÃO? UNISINOS.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O DISCURSO DA AIDS NOS LIVROS DIDÁTICOS DE CIÊNCIAS: PREVENÇÃO OU PRESCRIÇÃO? - - - UNISINOS."

Transcrição

1 1 O DISCURSO DA AIDS NOS LIVROS DIDÁTICOS DE CIÊNCIAS: PREVENÇÃO OU PRESCRIÇÃO? Paula Regina Costa Ribeiro - Doutoranda Fundação Universidade Federal do Rio Grande e Mirian Dolores Baldo Dazzi Mestranda - Universidade do Vale do Rio dos - UNISINOS. Resumo: Desde o surgimento da AIDS, na década de 80, vários foram os discursos produzidos a respeito da AIDS. Esses discursos, presentes em representações, estabeleceram associações entre doença, homossexualidade, prostituição e drogas. Ao longo da última década constituem-se outros discursos, em função das alterações do perfil epidemiológico e das pesquisas e estudos que acabaram por promover uma remodelagem no imaginário social sobre a AIDS. Nesse estudo, analisou-se como os livros didáticos de ciências das séries iniciais e finais do Ensino Fundamental recomendados pelo Programa Nacional do Livro Didático PNLD, produzem os discursos da AIDS. Foram analisados livros didáticos editados no período de 1991 a As discussões e análises apresentadas situam-se no campo teórico dos Estudos Culturais. As informações contidas nos livros didáticos de ciências estão concentradas no locus da saúde e seguem o modo prescritivo quando: ordenam de maneira clara, explícita, precisa, determinada e fixa o que se pode ou deve fazer em relação aos portadores do vírus; quais os procedimentos recomendáveis para nos aproximarmos dos portadores; quando marcam, limitam, fixam os sintomas, os prazos do tempo de vida, as ações de "solidariedade" mais pertinentes. * Palavras chaves: educação, estudos culturais, AIDS Introdução Desde o surgimento da AIDS, no início da década de 80, vários foram os discursos produzidos a respeito da AIDS, pelos médicos, pela mídia, pela igreja, pelas organizações governamentais e não governamentais, etc. Esses discursos estabeleceram associações entre doença, homossexualidade, prostituição, drogas, produzindo representações a respeito da Síndrome da Imunodeficiência Adquirida (AIDS). Segundo Hall (1997) nos últimos anos houve algumas mudanças significativas em nosso conhecimento como o uso da linguagem e do discurso como modelos de como funciona a cultura, o significado e a representação. Para o autor

2 2 Discursos são formas de se referir ou construir conhecimento acerca de um tópico particular da prática: o agrupamento (ou formação) de idéias, imagens e práticas, que propiciam formas de se falar, formas de conhecimento e conduta associadas a um tópico particular, a atividade social ou a localização social na sociedade. ( p.5) Desta forma, entendemos que os discursos da AIDS, construíram um corpo de conhecimento a sexualidade, a morte, a discriminação, a vulnerabilidade - que instituíram um regime de verdades sobre essa síndrome. No início da epidemia, os grupos visados gays, usuários/as de drogas injetáveis, os/as trabalhadores/as do sexo, hemofílicos/as associados aos comportamentos e práticas comportamentais desviantes, foram denominados Grupos de Risco. Mais tarde, uma nova noção, a de Comportamento de Risco passou a associar a doença e sua manifestação, não a pessoas de determinados grupos, mas as condutas adotadas por eles/as, como a prática de sexo com vários parceiros/as, prática do sexo anal, uso de drogas, etc. Em 1994, foi elaborada uma nova designação, a Situação de Risco, que procurava abranger todas as pessoas, independentemente de seus padrões comportamentais, isto é, sem considerar preferência sexual, número de parceiros, práticas sexuais ou uso de drogas injetáveis. Nos últimos anos, o conceito de vulnerabilidade vem sendo utilizado internacionalmente criando uma categoria conceitual que retira a prevenção do nível apenas individual e a remete à complexibilidade cultural, social e política onde a pessoa se encontra. Os comportamentos associados a maior vulnerabilidade não estão restritos a vontade dos indivíduos mas, emergem do grau de consciência deste indivíduos, do decorrente poder de transformação destes comportamentos, a partir da consciência e da idéia de vulnerabilidade (SEFFNER, 1998,FIGUEIREDO, 1998, RIBEIRO e DAZZI, 2000). Algumas dessas representações construídas, ao longo da última década, foram se modificando devido as alterações do perfil epidemiológico e da decorrência de pesquisas e estudos, o que pode ter promovido uma remodelagem do imaginário social sobre a AIDS. O perfil epidemiológico mudou de uma fase inicial caracterizada pela hegemonia da transmissão sexual (principalmente em homens com comportamento homo e bissexual), para um grande aumento, da transmissão heterossexual, atingindo

3 3 um número crescente de mulheres e crianças (transmissão perinatal).outros aspectos evidenciados são a juvenização, pauperização e interiorização (SEXUALIDADE, PREVENÇÃO DE DST/AIDS E USO INDEVIDO DE DROGAS, 1999). Hoje, a fase da adolescência está marcada pela vulnerabilidade ao HIVespecialmente pela exposição dos jovens à transmissão via sexual - por ser uma fase de descobrimentos e de iniciação de novos comportamentos e relacionamentos. Dos 30 milhões de pessoas que hoje vivem com a infecção do HIV/AIDS, pelo menos um terço são jovens entre 10 e 14 anos de idade. (UNAIDS, 1999) Desta forma, os adolescentes, deveriam ter acesso a informações sobre temas relacionados a epidemia de AIDS e a desconstrução de mitos e distorções referentes a origem, transmissão e prevenção contra o vírus HIV e não receptáculos de informações médicas e biomédicas. [...]os educadores terão que considerar tanto a informação específica que trazem para seus alunos, como os mitos que estes últimos trazem para a relação pedagógica. Basicamente, se a informação técnica não ajudar ninguém a desaprender os mitos e os estigmas que podem emergir da sexualidade, então ela não será usada e apropriada, não se colocará a serviço do cuidado do eu, não orientará as práticas sexuais ( BRITZMAN,1998, p ). Sabemos que professores/as tem tido dificuldades em tratar dessa temática que envolve muitas questões políticas, culturais e sociais e quando o fazem é através do discurso científico, isto é, falam sobre o que é AIDS, como se transmite o HIV, como não se transmite o HIV, como é o tratamento e a prevenção, quais são os sintomas, entre outros aspectos. Na pesquisa realizada por Silva, sobre as representações de AIDS que circulavam nas escolas eram:...da doença como algo fora do universo de preocupações das instituições educacionais;...algumas manifestações homofóbicas (repulsa a homossexualidade) na escola;...falta de interesse da comunidade como um todo apresentava em relação à problemática;... de colocar as crianças frente a uma situação que não fazia parte se suas vidas (1999, p.34). Ribeiro e Dazzi em pesquisa realizada, sobre as representações de AIDS nos livros didáticos de ciências, editados no período 1989 a 1998, indicam que as

4 4 representações de AIDS que mais se destacam nos livros didáticos de ciências das séries finais (5ª a 8ª série) do ensino fundamental, foram a de morte, aidetico, contágio/transmissão e que essas representações produzem uma visão hegemônica da doença ou doente ou portador do HIV/AIDS, isto, é a AIDS como uma síndrome mortal, sem cura, do aidético magro esquelético, com manchas na pele, etc (2000 a, p. 537). As autoras destacam que essas representações nos livros didáticos de ciências do ensino fundamental, por elas analisadas, não mudaram ao longo desta década. Nesse estudo, propomo-nos a analisar como os livros didáticos de ciências do ensino fundamental recomendados pelo Programa Nacional do Livros Didático PNDL produzem os discursos da AIDS. As discussões e análises que serão apresentadas situam-se no campo teórico dos Estudos Culturais. Contextualizando a pesquisa Para realizarmos essa pesquisa analisamos os livros didáticos de ciências das séries iniciais do Ensino Fundamental recomendados pelo Programa Nacional do Livro Didático -PNLD /2001 (BRASIL, 2000) e livros didáticos de ciências das séries finais do Ensino Fundamental também recomendados pelo PNLD - 98/99 (BRASIL, 1998 a). Nessa pesquisa foram analisados 53 livros de ciências das séries iniciais (1ª a 4ª série) e 28 livros de ciências das séries finais ( 5ª a 8ª série), editados no período de 1991 a 1999, por várias editoras como: FTD, Ática, Lê, Scipione, Módulo, Dimensão, Saraiva, Formato, Editora do Brasil, Moderna, Quinteto, IBEP, Nacional. 1 A análise, de alguns livros de ciências do ensino fundamental, visou mostrar como os discursos presentes nestes livros produzem as representações de AIDS, para tanto, buscamos identificar a rede de enunciados que constitui estes discursos. Num primeiro momento, foi necessário identificar o locus onde o tema da AIDS estava inserido, nas diferentes séries do ensino fundamental. Nas séries iniciais a temática da AIDS foi encontrada em pouquíssimos livros. Na 1ª e 2ª série não encontramos nenhum livro de ciências que tratasse dessa temática. Apenas, na coleção Ciência para a nova geração (1ª a 4ª série), o manual do professor sugeria que o tema das doenças infecto-contagiosas ou doenças transmissíveis fosse 1 O guia de livros didáticos PNDL, recomendava 76 livros de ciências para as séries iniciais e 30 livros de ciências para as séries finais do Ensino Fundamental. Não foi possível fazer a análise de todos os livros indicados, pois muitas editoras não possuem representantes no Rio Grande do Sul, como Access, Ciência e Paz, Bloch, Vigília e Expressão.

5 5 trabalhado com a ajuda de reportagens em jornais e revistas, indicando um texto da revista Ciência hoje das crianças (48:2-5,maio-jun.1995), que trata da AIDS: O que a AIDS tem a ver comigo? Na 3ª série, apenas um livro apresentava a temática no capítulo: Dia de Vacinação, na seguinte citação Os alunos poderão mencionar um número muito grande de doenças : Doenças causadas por vírus: dengue, gripe, AIDS (TRIVELATO et al, 1999,p. 88) Nos livros de ciências de 4ª série, a temática da AIDS, é encontrada ligada a assuntos relacionados a saúde ou com a questão do corpo em desenvolvimento. Com relação a AIDS e saúde os livros citam: [...] Mas há doenças cuja transmissão é mais difícil. No caso da AIDS, não se pega a doença só ficando ao lado do aidético. É preciso, por exemplo, ter contato com o sangue da pessoa doente.... (SAMPAIO E CARVALHO, [199 d, p. 270) Para muitas doenças já existe um tratamento, e o mal se torna passageiro. Mas, para outras, a Medicina ainda não encontrou o caminho da cura. É o caso da AIDS, causada por um micróbio conhecido pelas letras HIV. O HIV causa danos nos sistemas de defesa do organismo. As pessoas que têm AIDS morrem porque o organismo não consegue combater infecções. (GOWDAK e VASSOLER, 1994d, p. 35) Como os livros de 4ª série são destinados a crianças que estão entrando na fase da adolescência, é autorizado aos educadores/as falarem sobre a questão das transformações do corpo e do cuidado com esse corpo. Os livros de ciências tratam a AIDS nos itens: MUITA GENTE DESCUIDADA. Algumas doenças passam de uma pessoa para outra, através da relação sexual. Elas são chamadas doenças sexualmente transmissíveis.... Muitas são as doenças sexualmente transmissíveis e algumas têm graves conseqüências para a saúde: sífilis, gonorréia, herpes genital, verrugas genitais, candidíase e AIDS. AIDS A PIOR DELAS (SANTOS, 1996, p.101). Assuntos importantes. Com as modificações que transformam a criança em adolescente, surgem também os riscos de alguns problemas que devemos prestar atenção.... Gravidez... AIDS (SANTOS et al, 1998 d, p.61).

6 6 Os livros didáticos de ciências das séries finais abordam a AIDS de acordo com a série. Nos livros de 5ª série, onde estes abordam o tema ar, água e solo, a AIDS é tratada no locus da saúde, isto é, associada a doenças causadas por vírus ou doenças sexualmente transmissíveis. Nos capítulos onde a AIDS estava associada a doenças causadas por vírus, o que nos chamou a atenção foi dois livros onde esse tema era abordado nas doenças transmissíveis pelo ar e em um livro nas doenças transmitidas pela água. Este fato revela o perigo dos livros didáticos transmitirem informações errôneas e aumentarem o medo junto aos adolescentes da transmissão da AIDS pelo ar e pela água. Nos dois livros onde o tema era abordado nas doenças transmissíveis pelo ar, um mostrava a foto do vírus da AIDS atacando um linfócito (GOWDAK e, p. 124) sem qualquer comentário sobre a AIDS. E o outro trazia a seguinte citação: [...] Uma das doenças mais terríveis contraídas por vírus é a AIDS, ainda sem cura e sem vacina (sua transmissão não se dá pelo ar).... (CRUZ, 1999, p.65) No livro onde o tema era as doenças transmissíveis pela água a AIDS está associada a hepatite. [...] A hepatite pode ter várias causas. Uma delas é o ataque de um vírus semelhante ao da AIDS, também transmitido por agulhas contaminadas e relações sexuais.... ( MARCONDES, 1996, p. 62) Os livros didáticos de ciências de 6ª série tratam do tema, os seres vivos, sendo a AIDS abordada no capítulo dos vírus. [...] O homem está sujeito a várias viroses como a gripe, a paralisia infantil, a caxumba, o sarampo e a AIDS.... (GOWDAK e MATTOS, 1991 a, p. 165) AIDS: uma síndrome mortal provocada por vírus. (CRUZ, 1999 b, p. 242) Na 7ª série, como os livros versam sobre o corpo humano, praticamente todos os exemplares analisados tratavam a temática da AIDS vinculada as doenças sexualmente transmissíveis, apenas um livro no capítulo das viroses. Embora, a AIDS

7 7 não seja considerada uma doença sexualmente transmissível, pois existem outras formas de contágio do vírus, sabe-se que a principal forma de transmissão é a via sexual. Doenças sexualmente transmissíveis, são as doenças que uma pessoa transmite a outra através da relação sexual. As mais comuns são a gonorréia, a sífilis e a AIDS. (BARROS c, 1998, p.54) Algumas doenças transmitidas por contato sexual. Vamos falar aqui de quatro doenças: a gonorréia e a sífilis, causadas por bactérias; a Aids e o herpes, causados por vírus. (JUNIOR et al, 1999 a, p. 200) Nos livros de 8ª série, apenas um livro de ciências abordava o assunto no capítulo Doenças sexualmente transmissíveis. Profilaxia, contágio e implicações biopsicossociais (SILVA e FONTINHA, [199 a, p.147), pois estes livros tratam de química e física. Ao analisarmos, os livros didáticos de Ciências recomendados pelo PNDL, verificamos que esses também apresentavam as representações de morte, aidético, contágio, transmissão e solidariedade, presentes nos livros didáticos de ciências, analisados Ribeiro e Dazzi (2000, no prelo), editados no período de 1985 a Nessa pesquisa utilizamo-nos do campo teórico dos Estudos Culturais, no qual a representação não é vista como algo real, mas entendida como constituídora das verdades que se diz existirem no mundo. * Morte Séries Iniciais [...]As pessoas que tem AIDS morrem porque o organismo não consegue mais combater infecções. (GOWDAK e VASSOLER, 1994, p. 35) Séries Finais A AIDS é uma virose mortal. (GOWDAK e MATTOS, 1991, p.161) A Aids é uma doença recente e mortal, causada pelo vírus HIV. (MARCONDES, 1996, p. 34) SF A Aids não é propriamente uma doença, e sim uma síndrome, isto é, um conjunto de sintomas produzidos por causas diferentes. Ela não tem cura. Mata! (CRUZ, 1999, p. 242)

8 8 Aidético Séries Iniciais Os aidéticos geralmente morrem porque estão com as defesas debilitadas e acabam adquirindo várias infecções. (SANTOS et al. 1998, p.62) Séries Finais [...] O vírus destrói todo o sistema de defesa do organismo. Os aidéticos ficam, então sujeitos a doenças e infecções de todo o tipo. (GOWDAK e SANTOS, 1991, p. 166) [...] Com sua capacidade de defesa reduzida, o aidético fica sujeito a inúmeras formas de infecção, denominadas oportunistas: pneumonia, tuberculose, herpes, infecções intestinais, certos tipos de câncer etc. (GOWDAK E MATTOS, 1991, p. 161) Contágio/Transmissão Séries Iniciais [...] No caso da AIDS, não se pega a doença só ficando ao lado do aidético. È preciso por exemplo ter contato com o sangue da pessoa.... (SAMPAIO e CARVALHO, [199, p.270) Como se pega: tendo relação sexual, sem camisinha, com pessoa portadora do vírus; na transfusão de sangue; pelo uso de seringas contaminadas; de mãe contaminada para o filho (através da placenta ou do leite materno). (SANTOS e SILVA, 1996, p. 101) Séries Finais Sabe-se hoje que se pega Aids, com certeza por três líquidos do corpo: o sangue, o esperma e as secreções vaginais. No entanto, o vírus já foi encontrado em outras substâncias líquidas do corpo, como o leite materno, as lágrimas e a saliva. ((CRUZ, 1999, p. 243) A transmissão se dá principalmente por meio da relação sexual, das transfusões de sangue e do uso de seringas e agulhas por doentes e não doentes em seguida. (GOWDAK e MARTINS, 1996, p.42) Solidariedade Séries Iniciais Portador do vírus deve ter o nosso carinho e atenção para que não se sinta marginalizado pela sociedade. (SANTOS et al, 1998, p. 62) Séries Finais O aidético precisa de carinho e amizade para aliviar seu sofrimento. É uma desumanidade abandonar uma pessoa porque ficou doente. E é uma grande bobagem

9 9 também: ninguém pega AIDS porque visitou um aidético e foi carinhoso com ele. (BARROS, 1998, p.55) A cultura brasileira da AIDS - o discurso da educação... Falar sobre AIDS considerando-a somente como objeto de discurso talvez não nos autorize a perceber de que forma esta problemática pode envolver, apropriar-se, penetrar e até destruir aqueles que são na realidade o centro do discurso educacional. O trabalho cultural dos professores/as que não aceitam comprometer-se com uma ideologia de consenso mas que tentam aproximar-se de uma linguagem e através dela problematizar as representações presentes nos discursos pedagógicos do corpo, do sexo, dos gêneros, favorece o surgimento de espaços para discutir os processos políticos-culturais presentes nas práticas pedagógicas das nossas escolas. Quando nos propusemos a pesquisar como os livros didáticos de ciências do Ensino Fundamental produzem os discursos da AIDS consideramos a possibilidade de buscar as imbricações existentes também com os textos legais, contando como indicativo do legal a proposta construída e explicitada nos PCN do Ensino Fundamental 2, a partir desta proposta confrontar com os textos dos livros de ciências. Os PCN são apresentados aos professores/as do país como um texto decorrente da política educacional instauram um "corpo" próprio, agregando-lhe um conjunto de "falas" que estabelecem matrizes do certo e do errado, não favorecendo aos mesmos a análise do que está ou não em questão. Gostaríamos de destacar que o presente estudo se vincula aos propósitos da vertente dos Estudos Culturais e que toma como um dos fios de sustentação da rede que o envolve o que esta posto na análise da Faculdade de Educação da Universidade do Rio Grande do Sul...é importante dizer que num mundo e num país tão cheio de divisões, quaisquer tentativas de definição de uma identidade cultural nacional seriam, no mínimo, extremamente problemática e sujeitas a múltiplas interpretações. 3 Convém destacar o que Silva registra no texto já referido sobre a análise feita pela FACED da UFRGS... o texto introdutório dos PCN se divide entre, de um lado, 2 Muitos dos livros analisados recomendados pelo PNDL indicavam que suas propostas estavam de acordo com esse documento. 3 O texto em questão foi escrito para representar a posição da Faculdade de Educação da UFRGS sobre o documento Parâmetros Curriculares Nacionais, do Ministério da Educação. Encontra-se publicado em vários livros, revistas e outros documentos, datados de 1996.

10 10 uma autoproclamação retórica do seu caráter de possibilidade e, de outro, uma clara e forte inclinação prescritiva,... (1999, p. 115). É provável que, a rapidez com que os PCN foram construídos não favoreceu a discussão de questões fundamentais quanto a busca de uma "identidade cultural nacional" o que já demandaria maior tempo para nos aproximarmos das diversidades e conflitos que envolvem o nosso país. A partir dessa perspectiva, a análise dos dispositivos pedagógicos, presentes nos PCN implica estabelecer relações com o processo de obtenção de hegemonia disciplinar ditando teorias, práticas, metodologias com o intuito de diminuir as diferenças dos níveis de conhecimento ou de desempenho educacional. Tomamos aqui emprestado o que Richard Johnson nos apresenta no livro, O que é, afinal, Estudos Culturais? O autor vê e analisa o "texto" de forma descentrada. O texto não é mais estudado por ele próprio, nem pelos efeitos sociais que se pensa que ele produz, mas,em vez disso, pelas formas subjetivas ou culturais que ele efetiva e torna disponíveis. O texto é apenas um "meio" no Estudo Cultural; estritamente,talvez, trata-se de um material bruto a partir do qual certas formas (por exemplo, da narrativa, da problemática ideológica, do modo de endereçamento, da posição do sujeito etc.) podem ser abstraídas. Ele também pode fazer parte de um campo discursivo mais amplo ou ser uma combinação de formas que ocorrem em outros espaços sociais com alguma regularidade. Mas o objeto último dos Estudos Culturais não é, em minha opinião, o texto, mas "a vida subjetiva das formas sociais" em cada momento de sua circulação, incluindo suas corporificações textuais. (1999, p. 75) Os PCN se tornaram um texto sem considerar o que os Estudos Culturais colocam como objeto último, que é a vida subjetiva das formas sociais em cada momento de sua circulação (ibid) o que é desconsiderado pelos PCN quando fazem uma proposta unificadora e hegemônica para todo o país. Ao formular uma proposta sem a participação dos profissionais a que se destina corre-se o risco de se propor um currículo que reforce as desigualdades com o propósito de superar as diferenças, propondo uma matriz comum e unitária, que somente servirá

11 11 para apagar as diversidades de vozes do diferentes grupos que constituem os alunos/as do nosso país. A temática AIDS, que nos parece, deveria estar diretamente identificada no caderno de Ciências Naturais dos PCN (1998, p.20) na citação conteúdos relevantes e processos de discussão coletiva de temas e problemas de significado e importância reais não é apresentada de maneira distinta e nem tão pouco explicitada quando sugere metodologias para planejar e trabalhar as Ciências Naturais. Uma notícia de jornal, um filme, uma situação de sua realidade cultural ou social, por exemplo, podem-se converter em problemas com interesse didático (BRASIL, 1998, p. 28 ) Considerando a pertinência das considerações feitas por Ávila e Moll percebemos que do que se ensina e como se ensina, do que se aprende e como se aprende em sociedade complexas como a nossa não pode ser desarticulada da intrincada rede de relações políticas, econômicas e sociais que definem a legitimidade dos saberes que são produzidos no cotidiano (1996, p. 243), não recebe o diferencial imaginado pela "heterogeneidade cultural a "desigualdade social", a "pluralidade e a "equidade" apontados nos PCN. A idéia de, no campo das Ciências Naturais, o ensino de atitudes e valores, explicitamente ou não, o processo educacional, as práticas escolares e a postura do professor estarão sempre sinalizando, coibindo e legitimando atitudes e valores (Brasil, 1998, p.30) nos pareceria deslocada quando nas análise dos livros didáticos recomendados pelo MEC é possível contextualizar no interior das propostas, situações que prescrevem comportamentos comprometidos com o ideário do "correto", "certo",. "verdadeiro", "permitido", "autorizado". Uma questão nos parece de necessária inclusão quando nos defrontamos com livros "recomendados", temos que considerar quais as realidades destes professores/as, quem são estes aluno/as que serão "ensinados" por estes livros, que qualidade de vida os espera, qual o projeto de discussão, análise e estudo acompanha a "seleção" deste livro. As discussões que se avizinham nos levam para além da qualidade das ilustrações, da diagramação, da qualidade técnica da informação, mas devemos nos aproximar das (re)apresentações das mesmas ideologias, estereótipos, estigmas, preconceitos e desinformações que permeiam as falas restritas sobre corpo, sexualidade e AIDS.

12 12 Tomando os PCN como um texto de políticas públicas educacionais, encontramos neste enfoque um silencioso pronunciamento, que desvincula a política curricular da política social e educacional numa perspectiva mais ampla, pois não destaca, em nenhum momento do texto legal, a responsabilidade da Ciência com o agir, para mudar as coisas que pensam devam ser mudadas, de uma forma mais eficiente do que se não tivéssemos esta área de conhecimentos para ampliar as informações disponíveis. No caderno de Ciências Naturais do PCN, para as séries iniciais do Ensino Fundamental, nos defrontamos com o seguinte texto...com atenção especial, estudam-se as condições essenciais à manutenção da saúde da criança, medidas de prevenção às doenças infecto-contagiosas, particularmente a Aids, aspectos também tratados nos documentos de Orientação Sexual e de Saúde (BRASIL, 1997, p. 71), sem no entanto encontramos em nenhum livro de Ciências, por nós examinados, dentre os recomendados pelo PNLD, qualquer citação sobre AIDS, nas duas primeiras séries do Ensino Fundamental. Encontramos o assunto AIDS tanto nos PCN do 3º como do 4º ciclo vinculada ao eixo temático Ser Humano e Saúde e de maneira bem explícita colada aos assuntos : sexualidade, gravidez de risco, e a disseminação do virus da AIDS, evidenciando o destaque dado aos assuntos ligados à reprodução humana, como que desconhecendo ou omitindo as várias circunstâncias de contágio ( transmissão perinatal, uso de drogas injetáveis pelo compartilhamento de seringas, sangue contaminados no caso de transfusões, entre outros) No terceiro ciclo (5ª e 6ª série) alunos e alunas estão preocupados com as transformações do seu corpo. A tendência real que se verifica em relação à gravidez de risco é a disseminação do vírus da Aids torna absolutamente o tratamento desses tópicos no terceiro ciclo, ao contrário do que se avaliava no passado (BRASIL, 1998, p. 76}. O mesmo acontece na análise do material destinado ao 4º ciclo. No quarto ciclo, alunos e alunas já têm conhecimento sobre o processo de gravidez...associada a essa discussão, é necessário investigar os modos de

13 13 transmissão, a prevenção e principais sintomas das doenças sexualmente transmissíveis, enfatizando-se as formas de contágio, a disseminação alarmante e a prevenção da Aids, relacionadas aos processos do sistema imunológico e as políticas de informação das populações (BRASIL, 1998, p. 106) Todo o discurso sobre o ensino da Ciência parece ter sido constituído num espaço neutro, uniforme, consensual...onde a AIDS é apresentada como o resultado de mais um vírus, mais um espaço para a descoberta científica... AIDS: discurso prescritivo ou preventivo? Os textos encontrados nos livros didáticos de ciências analisados nos levam a perceber que os debates sobre AIDS que se estabelecem em nível internacional e nacional são desconsiderados, não só no que concerne a atualização dos conceitos vinculados com a "doença", mas também relativo a situação de crianças e adolescentes portadores do HIV que freqüentam nossas escolas. As informações contidas nos livros didáticos estão concentradas, no locus da saúde, e seguem o modo prescritivo quando; ordenam de maneira clara, explícita, precisa, determinada, fixa, o que se pode ou deve fazer em relação aos portadores do vírus, quais os procedimento recomendável para nos aproximarmos dos portadores; quando marcam, limitam, fixam, os sintomas, os prazos de tempo de vidas, as ações de "solidariedade", mais pertinentes. A ordem expressa e formal de que "AIDS é doença mortal, que não tem cura, que não é exclusiva do homossexuais, que antes era exclusiva deles mas que agora se espalhou para outros grupos da população " nos apresentam como "verdades" presentes nos textos "oficiais" e encontradas em quase todos os "livros recomendados pelo MEC", indicado quais são as "regras", as "normas", os "preceitos" não deixando espaço para a formulação de discussões, análises, pesquisas, descobertas...caracterizando ao função prescritiva dos discursos. Prescrição esta que insere o discurso complexo da concepção de saúde e sua articulação com o cotidiano das escolas. Para que fique mais clara a nossa argumentação, consideramos particularmente adequada a relação estabelecida entre educação e saúde apresentada por Meyer:

14 14 A saúde "entra" na escola brasileira, como parte de suas preocupações e atribuições, no final do século passado, considerando-se aí tanto a dimensão assistencial, quanto o desenvolvimento de hábitos, atitudes e valores compatíveis com uma determinada concepção de "indivíduo saudável". De lá pára cá têm sido registradas muitas leis, decretos e discussões de cunho acadêmico e político em torno dessa área que se consolidará como Saúde Escolar, mas o seu "lugar", no currículo e na vida escolar, segue sendo um lugar de disciplinamento, controle, conflitos e ambiguidades amplamente silenciadas nas grandes discussões que cercam, no contexto reformista atual, tanto a formação de professores quanto o currículo da escola básica (1998, p.5). Gostaríamos de chamar atenção para o que a autora classifica como um fato do século passado o desenvolvimento de hábitos, atitudes e valores compatíveis com uma determinada concepção de " indivíduo saudável ", mas que ainda estão presentes nos textos dos livros didáticos recomendados para 2000/2001. Não questionamos a premissa que o espaço da escola é adequado e importante para que se "ensine" as bases da saúde, pois é através do conhecimento, da aquisição de conceitos, de procedimentos e do próprio convívio social que as crianças e os adolescentes se aproximam do direito universal a saúde. O que queremos destacar é que a fala prescritiva deveria ceder espaço para a PREVENÇÃO numa perspectiva de afastarem-se do que Wortmann nos indica [...] discurso apropriado, aceito e naturalizado sobre o ensino de ciências, embora os professores e professoras tenham processado, na prática, demarcações para a sua adoção. Estas expressam na escolha de locais, pessoas,ou momentos diferenciados do quotidiano da sala de aula, para desenvolvê-las.( 1999, p. 152)

15 15 O texto prescritivo encontrado nos livros didáticos de ciências examinados afasta o professor do cotidiano da sala de aula, das falas dos seus alunos, das suas curiosidades, dos seus sentimentos, dos seus medos, das suas preocupações... As práticas pedagógicas escolares construídas por temáticas como AIDS, constituídas do que está presente nas falas produzidas pelos alunos/as, ampliam as discussões para um procedimento articulado e mediatizados pelas diferentes visões da ciência, do mundo, dos avanços da medicina, do que é tido como "verdadeiro", e permite aproximação com outras identidades, com outras disciplinas, com outros saberes escolares, com outro currículo... Concordamos com COSTA quando ela diz que; [...] o currículo escolar é um lugar de circulação de narrativas, mas sobretudo, é um lugar privilegiado dos processos de subjetivação, da socialização dirigida, controlada. É em grande parte à escola que tem sido atribuída a competência para concretizar um projeto de indivíduo para um projeto de sociedade. (1998, p. 51 ) Conhecer os discursos da AIDS nos livros didáticos de ciências do ensino fundamental nos oferece, a oportunidade de entendermos as limitações das linguagens que estão nos textos sobre AIDS; os modos de subjetividade; o papel do imaginário e dos valores culturais presentes num determinado contexto sócio-histórico, que constituíram as representações de AIDS e que necessitarão ser discutidas e trabalhadas por professores/as e demais pessoas envolvidas na escola e na comunidade, como forma de rompimento do estigma da AIDS e pela busca de ações educativas voltadas para a prevenção da AIDS.

16 16 Livros Didáticos Analisados do PNDL BARROS, Carlos e PAULINO, Wilson Roberto. O meio ambiente. São Paulo: Ática, 1998 a.. Os seres vivos. São Paulo: Ática, 1998 b.. O corpo humano. São Paulo: Ática, 1998 c. AIDS p Física e Química. São Paulo: Ática, 1998 d. COSTA, Antônio e COSTA, Silvia. Ciências Terra Vida. São Paulo: Moderna, CRUZ, Daniel. Ciências e educação ambiental: o corpo humano. São Paulo Ática, 1999 a. AIDS p.190. Ciências e educação ambiental: os seres vivos. São Paulo Ática, 1999 b. AIDS p Ciências e educação ambiental: o meio ambiente. São Paulo Ática, 1999 c. AIDS p. 65. Ciências e educação ambiental: química e física. São Paulo Ática, 1999 d. FRATESCHI, Silvia et al. Na trilha da Ciência, 1ª série. São Paulo: Dimensão, 1999 a.. Na trilha da Ciência, 2ª série. São Paulo: Dimensão, 1999 b.. Na trilha da Ciência, 3ª série. São Paulo: Dimensão, 1999 c. AIDS p. 88. Na trilha da Ciência, 4ª série. São Paulo: Dimensão, 1999 d. GONÇALVES et al. Ciências e interação: 7ª série do Ensino Fundamental. Curitiba: Módulo, 1999 a. AIDS p

17 17. Ciências e interação: 6ª série do Ensino Fundamental. Curitiba: Módulo, 1999 b. AIDS p GONÇALVES, Jane T. Santos. Ciência e Interação, 1ª série. São Paulo: Módulo, Ciência e Interação, 2ª série. São Paulo: Módulo, Ciência e Interação, 3ª série. São Paulo: Módulo, 1998 b. GOWDAK, Demétrio e MATTOS, Neide S. de. Aprendendo ciências, 6: seres vivos saúde, ecologia. São Paulo: FTD, 1991a. AIDS p Aprendendo ciências, 7: corpo humano, higiene e saúde, homem e ambiente. São Paulo: FTD, 1991 b. AIDS p.161 GOWDAK, Demétrio e MARTINS, Eduardo. Ciências natureza e vida, 5. São Paulo: FTD, 1996 a. AIDS p Ciências natureza e vida, 6. São Paulo: FTD, 1996 b. AIDS p Ciências natureza e vida,7. São Paulo: FTD, 1996 c. AIDS p Ciências natureza e vida, 8. São Paulo: FTD, 1996 d. GOWDAK, Demétrio e VASSOLER, Pitty. Viva vida: ciências 1, v. 1. São Paulo: FTD, 1994 a. (Coleção Viva Vida). Viva vida: ciências 2, v. 2. São Paulo: FTD, 1994 b. (Coleção Viva Vida). Viva vida: ciências 3, v. 3. São Paulo: FTD, 1994 c. (Coleção Viva Vida)

18 18. Viva vida: ciências 4, v. 4. São Paulo: FTD, 1994 d. (Coleção Viva Vida) AIDS p. 35 JÚNIOR, César da Silva et al. Ciências. Entendendo a natureza o homem no ambiente. São Paulo: Saraiva, 1999 a. AIDS p.200. Ciências. Entendendo a natureza os seres vivos no ambiente. São Paulo: Saraiva, 1999 b.. Ciências. Entendendo a natureza o mundo em que vivemos. São Paulo: Saraiva, 1999 c.. Ciências. Entendendo a natureza a matéria e a energia. São Paulo: Saraiva, 1999 d. KUCERA, Lia et al. Ciências: uma produção humana. São Paulo: Módulo, LOPES, Sônia e MACHADO, Ana. A vida. São Paulo: Atual, 1996 a. AIDS p A matéria e a vida. São Paulo: Atual, 1996 b. MACHADO, Lucinéia. Ciências para a nova geração, 1ª série. São Paulo: Nova Geração, 1996 a. AIDS p. 16 (manual do professor). Ciências para a nova geração, 2ª série. São Paulo: Nova Geração, 1996 b. AIDS p. 16 (manual do professor). Ciências para a nova geração, 3ª série. São Paulo: Nova Geração, 1996 c. AIDS p. 16 (manual do professor). Ciências para a nova geração, 4ª série. São Paulo: Nova Geração, 1996 d. AIDS p. 16 (manual do professor)

19 19 MARCONDES, Ayrton Cesar e SARRIGO, José Carlos. Ciências, 1º grau, ar água e solo. São Paulo: Scipione, 1996 a. AIDS p. 62. Ciências, 1º grau, corpo humano. São Paulo: Scipione, 1996 b. AIDS p Ciências, 1º grau, química e física. São Paulo: Scipione, 1996 c. NETO, Aníbal Fonseca de Figueiredo, SONCINI, Maria Isabel Inório, MARTINS, Simone Pignarati. Novo Tempo. Ciências Naturais 1ª série. São Paulo: Scipione, 1999 a.. Novo Tempo. Ciências Naturais 2ª série. São Paulo: Scipione, 1999 b.. Novo Tempo. Ciências Naturais 4ª série. São Paulo: Scipione, 1999 c. OLIVEIRA, Nyelda Rocha de e WYTEROTA, Jordelina Martins. Descobrindo o ambiente, 1. São Paulo: Formato, 1990 a.. Descobrindo o ambiente, 2. São Paulo: Formato, 1990 b.. Descobrindo o ambiente, 3. São Paulo: Formato, 1990 c.. Descobrindo o ambiente, 4. São Paulo: Formato, 1990 d OLIVEIRA, Emmanuel e GONÇALVES, Maria Penha. Ciências Naturais,1. São Paulo Moderna, 2000 a.. Ciências Naturais, 2. São Paulo Moderna, 2000 b.. Ciências Naturais, 3. São Paulo Moderna, 2000 c. PASSOS, Marinez Meneghello. De olho no Futuro, 1. São Paulo: Quinteto, [199

20 20 PEIXOTO, Marlize; ZATTAR, Stella Maria; KAMEYAMA, Vera L. Ciências Naturais14. 3 ed. São Paulo: Moderna, SANTANA, Margarida C. de. Aprendendo ciências para melhor conhecer o mundo, 1. São Paulo Editora do Brasil, 1998 a.. Aprendendo ciências para melhor conhecer o mundo, 2. São Paulo Editora do Brasil, 1998 b.. Aprendendo ciências para melhor conhecer o mundo, 4. São Paulo Editora do Brasil, 1998 c. SANTOS, Inara Gonçalves G. dos. Espaço ciências, 4 v. Belo Horizonte: Dimensão, AIDS p SANTOS, Maria de Lourdes dos et al. Desvendando o mundo: ciências 1ª série. São Paulo: Editora do Brasil, 1998 a.. Desvendando o mundo: ciências 2ª série. São Paulo: Editora do Brasil, 1998 b.. Desvendando o mundo: ciências 3ª série. São Paulo: Editora do Brasil, 1998 c.. Desvendando o mundo: ciências 4ª série. São Paulo: Editora do Brasil, 1998 d. AIDS p. 61 SAMPAIO, Francisco Azevedo de Arruda e CARVALHO, Aloma Fernandes de. Caminhos da Ciência: uma abordagem socioconstrutivista, v. 1. São Paulo: IBEP, [199a. Caminhos da Ciência: uma abordagem socioconstrutivista, v. 2. São Paulo: IBEP, [199 b. Caminhos da Ciência: uma abordagem socioconstrutivista, v. 3. São Paulo: IBEP, [199 c

HISTÓRIAS DA EDUCAÇÃO DA TEMÁTICA SIDA/AIDS NAS ESCOLAS PÚBLICAS DE PARNAÍBA/PI

HISTÓRIAS DA EDUCAÇÃO DA TEMÁTICA SIDA/AIDS NAS ESCOLAS PÚBLICAS DE PARNAÍBA/PI 1 HISTÓRIAS DA EDUCAÇÃO DA TEMÁTICA SIDA/AIDS NAS ESCOLAS PÚBLICAS DE PARNAÍBA/PI Roberto Kennedy Gomes Franco, Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira - UNILAB, e-mail: robertokennedy@unilab.edu.br

Leia mais

Novas e velhas epidemias: os vírus

Novas e velhas epidemias: os vírus Acesse: http://fuvestibular.com.br/ Novas e velhas epidemias: os vírus A UU L AL A - Maria, veja só o que eu descobri nesta revista velha que eu estava quase jogando fora! - Aí vem coisa. O que é, Alberto?

Leia mais

HIV. O vírus da imunodeficiência humana HIV-1 e HIV-2 são membros da família Retroviridae, na subfamília Lentividae.

HIV. O vírus da imunodeficiência humana HIV-1 e HIV-2 são membros da família Retroviridae, na subfamília Lentividae. A Equipe Multiprofissional de Saúde Ocupacional da UDESC lembra: Dia 01 de dezembro é dia mundial de prevenção à Aids! Este material foi desenvolvido por alunos do Departamento de Enfermagem da Universidade

Leia mais

PLANEJANDO A GRAVIDEZ

PLANEJANDO A GRAVIDEZ dicas POSITHIVAS PLANEJANDO A GRAVIDEZ Uma pessoa que vive com HIV/aids pode ter filhos biológicos? Pode. As pessoas que vivem com HIV/aids não devem abandonar seus sonhos, incluindo o desejo de construir

Leia mais

VAMOS FALAR SOBRE. AIDS + DSTs

VAMOS FALAR SOBRE. AIDS + DSTs VAMOS FALAR SOBRE AIDS + DSTs AIDS A AIDS (Síndrome da Imunodeficiência Adquirida) atinge indiscriminadamente homens e mulheres e tem assumido proporções assustadoras desde a notificação dos primeiros

Leia mais

Gtp+ PROGRAMAS E PROJETOS Grupo de Trabalhos em Prevenção Posithivo (GTP+) Fundação em 2000, Recife-PE O Grupo de Trabalhos em Prevenção Posithivo é a única ONG da Região Nordeste do Brasil coordenada

Leia mais

Diretrizes Consolidadas sobre Prevenção, Diagnóstico, Tratamento e Cuidados em HIV para as Populações-Chave

Diretrizes Consolidadas sobre Prevenção, Diagnóstico, Tratamento e Cuidados em HIV para as Populações-Chave Diretrizes Consolidadas sobre Prevenção, Diagnóstico, Tratamento e Cuidados em HIV para as Populações-Chave Gabriela Calazans FCMSCSP, FMUSP II Seminário Nacional sobre Vacinas e novas Tecnologias de Prevenção

Leia mais

VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE

VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE Um modelo de assistência descentralizado que busca a integralidade, com a participação da sociedade, e que pretende dar conta da prevenção, promoção e atenção à saúde da população

Leia mais

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento;

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Objetivo geral Promover a igualdade no mundo do trabalho e a autonomia

Leia mais

A POLÍTICA DE DST/AIDS NA VISÃO DE UM TRABALHADOR DO SUS. SORAIA REDA GILBER Farmacêutica Bioquímica LACEN PR

A POLÍTICA DE DST/AIDS NA VISÃO DE UM TRABALHADOR DO SUS. SORAIA REDA GILBER Farmacêutica Bioquímica LACEN PR A POLÍTICA DE DST/AIDS NA VISÃO DE UM TRABALHADOR DO SUS SORAIA REDA GILBER Farmacêutica Bioquímica LACEN PR BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO DA AIDS NO BRASIL Desde o início de 1980 até junho de 2012 foram registrados

Leia mais

SITUAÇÃO DO HIV/AIDS NO BRASIL E OS FATORES QUE INFLUENCIAM A INFECÇÃO

SITUAÇÃO DO HIV/AIDS NO BRASIL E OS FATORES QUE INFLUENCIAM A INFECÇÃO SITUAÇÃO DO HIV/AIDS NO BRASIL E OS FATORES QUE INFLUENCIAM A INFECÇÃO Jader Dornelas Neto 1 ; Daniel Antonio Carvalho dos Santos 2 ; Guilherme Elcio Zonta 3 ; Simone Martins Bonafé 4 RESUMO: O objetivo

Leia mais

FORMAÇÃO MATEMÁTICA EM CURSOS DE PEDAGOGIA EM DOIS TEMPOS: UM ESTUDO

FORMAÇÃO MATEMÁTICA EM CURSOS DE PEDAGOGIA EM DOIS TEMPOS: UM ESTUDO FORMAÇÃO MATEMÁTICA EM CURSOS DE PEDAGOGIA EM DOIS TEMPOS: UM ESTUDO Thiago Tavares Borchardt Universidade Federal de Pelotas thiago tb@hotmail.com Márcia Souza da Fonseca Universidade Federal de Pelotas

Leia mais

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO ESTRUTURA GERAL DOS ROTEIROS DE ESTUDOS QUINZENAL Os roteiros de estudos, cujo foco está destacado nas palavras chaves, estão organizados em três momentos distintos: 1º MOMENTO - FUNDAMENTOS TEÓRICOS -

Leia mais

INFECÇÕES SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS E HIV/AIDS: CONHECIMENTOS E PERCEPÇÃO DE RISCO DE IDOSOS DE UMA COMUNIDADE EM JOÃO PESSOA-PB

INFECÇÕES SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS E HIV/AIDS: CONHECIMENTOS E PERCEPÇÃO DE RISCO DE IDOSOS DE UMA COMUNIDADE EM JOÃO PESSOA-PB INFECÇÕES SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS E HIV/AIDS: CONHECIMENTOS E PERCEPÇÃO DE RISCO DE IDOSOS DE UMA COMUNIDADE EM JOÃO PESSOA-PB Nívea Maria Izidro de Brito (UFPB). E-mail: niveabrito@hotmail.com Simone

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE

PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE POLÍTICAS PÚBLICAS EDUCACIONAIS: FORTALECIMENTO DA LÍNGUA ESTRANGEIRA Assunção, Paraguay Abril 2015 POLÍTICAS PÚBLICAS

Leia mais

Aids ou Sida? www.interaulaclube.com.br

Aids ou Sida? www.interaulaclube.com.br A UU L AL A Aids ou Sida? A Aids é uma das doenças mais comentadas e pesquisadas dos últimos anos. Mesmo com os avanços que os especialistas vêm obtendo, ainda falta explicar muitos de seus aspectos. A

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 Notas importantes: O Banco de dados (BD) do Sistema de Informação Nacional de Agravos de Notificação (SINAN) vem sofrendo nos últimos

Leia mais

Gênero: Temas Transversais e o Ensino de História

Gênero: Temas Transversais e o Ensino de História Gênero: Temas Transversais e o Ensino de História Thayane Lopes Oliveira 1 Resumo: O tema Relações de gênero compõe o bloco de Orientação Sexual dos temas transversais apresentados nos parâmetros curriculares

Leia mais

AIDS E ENVELHECIMENTO: UMA REFLEXÃO ACERCA DOS CASOS DE AIDS NA TERCEIRA IDADE.

AIDS E ENVELHECIMENTO: UMA REFLEXÃO ACERCA DOS CASOS DE AIDS NA TERCEIRA IDADE. AIDS E ENVELHECIMENTO: UMA REFLEXÃO ACERCA DOS CASOS DE AIDS NA TERCEIRA IDADE. Milca Oliveira Clementino Graduanda em Serviço social pela Universidade Estadual da Paraíba - UEPB milcaclementino@gmail.com

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES PARA UMA ALFABETIZAÇÃO CIENTÍFICA: ANALISANDO ABORDAGENS DA PRIMEIRA LEI DE NEWTON EM LIVROS DIDÁTICOS DE FÍSICA

CONTRIBUIÇÕES PARA UMA ALFABETIZAÇÃO CIENTÍFICA: ANALISANDO ABORDAGENS DA PRIMEIRA LEI DE NEWTON EM LIVROS DIDÁTICOS DE FÍSICA CONTRIBUIÇÕES PARA UMA ALFABETIZAÇÃO CIENTÍFICA: ANALISANDO ABORDAGENS DA PRIMEIRA LEI DE NEWTON EM LIVROS DIDÁTICOS DE FÍSICA Andrew Stanley Raposo 1, Tayse Raquel dos Santos 2, Katemari Rosa 3 Unidade

Leia mais

AÇÕES DE COMBATE A HOMOFOBIA NAS ESCOLAS DO PÓLO DO CEFAPRO (CENTRO DE FORMAÇÃO E ATUALIZAÇÃO DE PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO) DE TANGARÁ DA SERRA-MT

AÇÕES DE COMBATE A HOMOFOBIA NAS ESCOLAS DO PÓLO DO CEFAPRO (CENTRO DE FORMAÇÃO E ATUALIZAÇÃO DE PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO) DE TANGARÁ DA SERRA-MT AÇÕES DE COMBATE A HOMOFOBIA NAS ESCOLAS DO PÓLO DO CEFAPRO (CENTRO DE FORMAÇÃO E ATUALIZAÇÃO DE PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO) DE TANGARÁ DA SERRA-MT RELATO DE EXPERIÊNCIA Introdução Marcos Serafim Duarte

Leia mais

Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação Câmpus de Bauru PLANO DE DISCIPLINA

Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação Câmpus de Bauru PLANO DE DISCIPLINA PLANO DE DISCIPLINA 1. UNIDADE: Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação 2. PROGRAMA: Pós-graduação em Televisão Digital: Informação e Conhecimento 3. NÍVEL: Mestrado Profissional 4. ÁREA DE CONCENTRAÇÃO:

Leia mais

Adolescentes e jovens preparados para tomar suas próprias decisões reprodutivas

Adolescentes e jovens preparados para tomar suas próprias decisões reprodutivas Adolescentes e jovens preparados para tomar suas próprias decisões reprodutivas Andrea da Silveira Rossi Brasília, 15 a 18 out 2013 Relato de adolescentes e jovens vivendo com HIV Todo adolescente pensa

Leia mais

EDUCAÇÃO ESCOLAR E SEXUALIDADE

EDUCAÇÃO ESCOLAR E SEXUALIDADE EDUCAÇÃO ESCOLAR E SEXUALIDADE FIGUEIREDO,Lilia Márcia de Souza 1 ZANZARINI, Maria Pinheiro FERRO, Sônia Maria Pinheiro A educação sexual, teoricamente, é iniciada nas famílias. As crianças são educadas

Leia mais

Acesso Público a Informação de Saúde

Acesso Público a Informação de Saúde Acesso Público a Informação de Saúde Módulo HIV/AIDS O que é HIV/AIDS? HIV (Human Immunodeficiency Virus Vírus da Imuno Deficiência Humana) AIDS (Acquired Immune Deficiency Syndrome Síndrome da Imuno Deficiência

Leia mais

CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X

CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X DA INVISIBILIDADE AFROBRASILEIRA À VALORIZAÇÃO DA DIVERSIDADE

Leia mais

INTERVENÇÃO JOGO SEXUALIDADE PLANO DA INTERVENÇÃO

INTERVENÇÃO JOGO SEXUALIDADE PLANO DA INTERVENÇÃO INTERVENÇÃO JOGO SEXUALIDADE Suelen Mattoso PLANO DA INTERVENÇÃO CONTEXTUALIZAÇÃO Como educadores, muito temos a trabalhar para que nossos jovens aprendam a se proteger da infecção pelo HIV e outras doenças

Leia mais

I n f o r m e E p i d e m i o l ó g i c o D S T - A I D S 1

I n f o r m e E p i d e m i o l ó g i c o D S T - A I D S 1 1 2 GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE DO RIO DE JANEIRO SECRETÁRIO DE ESTADO DE SAÚDE José Leôncio de Andrade Feitosa SUPERINTENDENTE DE SAÚDE Angela Cristina Aranda SUPERINTENDENTE

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Secretaria de Vigilância em Saúde. Programa Nacional de DST e Aids. Prevenção PositHIVa. junho 2007. Ministério da Saúde

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Secretaria de Vigilância em Saúde. Programa Nacional de DST e Aids. Prevenção PositHIVa. junho 2007. Ministério da Saúde MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Programa Nacional de DST e Aids Prevenção PositHIVa junho 2007 Contexto 25 anos de epidemia; 10 anos de acesso universal à terapia anti-retroviral; Exames e insumos de

Leia mais

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL 1988 CONSTITUIÇÃO FEDERAL ANTECEDENTES Art. 210. Serão fixados conteúdos mínimos para o ensino fundamental, de maneira a assegurar formação básica comum

Leia mais

Sumário. I. Apresentação do Manual. II. A Prevenção de Acidentes com Crianças. III. Programa CRIANÇA SEGURA Pedestre

Sumário. I. Apresentação do Manual. II. A Prevenção de Acidentes com Crianças. III. Programa CRIANÇA SEGURA Pedestre Sumário I. Apresentação do Manual II. A Prevenção de Acidentes com Crianças III. Programa CRIANÇA SEGURA Pedestre IV. Como a Educação pode contribuir para a Prevenção de Acidentes no Trânsito V. Dados

Leia mais

HOMOAFETIVIDADE FEMININA NO BRASIL: REFLEXÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE O DIREITO E A LITERATURA

HOMOAFETIVIDADE FEMININA NO BRASIL: REFLEXÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE O DIREITO E A LITERATURA HOMOAFETIVIDADE FEMININA NO BRASIL: REFLEXÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE O DIREITO E A LITERATURA Juliana Fabbron Marin Marin 1 Ana Maria Dietrich 2 Resumo: As transformações no cenário social que ocorreram

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 Notas importantes: O Banco de dados (BD) do Sistema de Informação Nacional de Agravos de Notificação (SINAN) vem sofrendo nos últimos

Leia mais

LURDINALVA PEDROSA MONTEIRO E DRª. KÁTIA APARECIDA DA SILVA AQUINO. Propor uma abordagem transversal para o ensino de Ciências requer um

LURDINALVA PEDROSA MONTEIRO E DRª. KÁTIA APARECIDA DA SILVA AQUINO. Propor uma abordagem transversal para o ensino de Ciências requer um 1 TURISMO E OS IMPACTOS AMBIENTAIS DERIVADOS DA I FESTA DA BANAUVA DE SÃO VICENTE FÉRRER COMO TEMA TRANSVERSAL PARA AS AULAS DE CIÊNCIAS NO PROJETO TRAVESSIA DA ESCOLA CREUSA DE FREITAS CAVALCANTI LURDINALVA

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO. PORTARIA Nº 1.927, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2014 (DOU de 11/12/2014 Seção I Pág. 82)

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO. PORTARIA Nº 1.927, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2014 (DOU de 11/12/2014 Seção I Pág. 82) MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO PORTARIA Nº 1.927, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2014 (DOU de 11/12/2014 Seção I Pág. 82) Estabelece orientações sobre o combate à discriminação relacionada ao HIV e a Aids nos

Leia mais

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES Inês Barbosa de Oliveira O desafio de discutir os estudos e as práticas curriculares, sejam elas ligadas à educação de jovens e adultos ou ao

Leia mais

Educação para a Cidadania linhas orientadoras

Educação para a Cidadania linhas orientadoras Educação para a Cidadania linhas orientadoras A prática da cidadania constitui um processo participado, individual e coletivo, que apela à reflexão e à ação sobre os problemas sentidos por cada um e pela

Leia mais

PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO: CONSTRUÇÃO COLETIVA DO RUMO DA ESCOLA

PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO: CONSTRUÇÃO COLETIVA DO RUMO DA ESCOLA PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO: CONSTRUÇÃO COLETIVA DO RUMO DA ESCOLA Luís Armando Gandin Neste breve artigo, trato de defender a importância da construção coletiva de um projeto político-pedagógico nos espaços

Leia mais

A CITOLOGIA NAS PROVAS DO ENEM: DADOS PRELIMINARES

A CITOLOGIA NAS PROVAS DO ENEM: DADOS PRELIMINARES A CITOLOGIA NAS PROVAS DO ENEM: DADOS PRELIMINARES Tailene Kommling Behling(Acadêmica de Licenciatura em Ciências Biológicas Universidade Católica de Pelotas/UCPEL Bolsista PRONECIM) Viviane Barneche Fonseca

Leia mais

BOLETIM DO LEGISLATIVO Nº 11, DE 2012

BOLETIM DO LEGISLATIVO Nº 11, DE 2012 BOLETIM DO LEGISLATIVO Nº 11, DE 2012 Educação e Sustentabilidade Tatiana Feitosa de Britto A Conferência das Nações Unidas sobre o Desenvolvimento Sustentável (Rio+20) tem como tema o futuro que queremos,

Leia mais

TRANSVERSALIDADE. 1 Educação Ambiental

TRANSVERSALIDADE. 1 Educação Ambiental TRANSVERSALIDADE Os temas transversais contribuem para formação humanística, compreensão das relações sociais, através de situações de aprendizagens que envolvem a experiência do/a estudante, temas da

Leia mais

EXPOSIÇÃO DE RISCO DOS PARTICIPANTES DO PROJETO UEPG-ENFERMAGEM NA BUSCA E PREVENÇÃO DO HIV/AIDS

EXPOSIÇÃO DE RISCO DOS PARTICIPANTES DO PROJETO UEPG-ENFERMAGEM NA BUSCA E PREVENÇÃO DO HIV/AIDS 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA EXPOSIÇÃO DE RISCO DOS PARTICIPANTES DO PROJETO UEPG-ENFERMAGEM

Leia mais

MOTRICIDADE DIALÓGICA: COMPARTILHANDO A CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO NA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR

MOTRICIDADE DIALÓGICA: COMPARTILHANDO A CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO NA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR 1 MOTRICIDADE DIALÓGICA: COMPARTILHANDO A CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO NA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR Clayton da Silva Carmo Luiz Gonçalves Junior (O) Mestrado Práticas Sociais e Processos Educativos Resumo

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio. Etec. Etec: Professor Massuyuki Kawano

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio. Etec. Etec: Professor Massuyuki Kawano Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Ensino Médio Etec Etec: Professor Massuyuki Kawano Código: 136 Município: Tupã Área de conhecimento: Ciências Humanas e Suas Tecnologias Componente Curricular:

Leia mais

JOGO DE PALAVRAS OU RELAÇÕES DE SENTIDOS? DISCURSOS DE LICENCIANDOS SOBRE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA PRODUÇÃO DE TEXTOS EM UMA AVALIAÇÃO

JOGO DE PALAVRAS OU RELAÇÕES DE SENTIDOS? DISCURSOS DE LICENCIANDOS SOBRE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA PRODUÇÃO DE TEXTOS EM UMA AVALIAÇÃO JOGO DE PALAVRAS OU RELAÇÕES DE SENTIDOS? DISCURSOS DE LICENCIANDOS SOBRE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA PRODUÇÃO DE TEXTOS EM UMA AVALIAÇÃO Tatiana Galieta (Universidade do Estado do Rio de Janeiro) Introdução

Leia mais

EDUCAÇÃO PERMANENTE DESAFIOS NO CONTEXTO ATUAL

EDUCAÇÃO PERMANENTE DESAFIOS NO CONTEXTO ATUAL EDUCAÇÃO PERMANENTE DESAFIOS NO CONTEXTO ATUAL JOSÉ INÁCIO JARDIM MOTTA ESCOLA NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICA Fundação Oswaldo Cruz Curitiba 2008 EDUCAÇÃO PERMANENTE UM DESAFIO EPISTÊMICO Quando o desejável

Leia mais

NUPE NÚCLEO DE PESQUISA E EXTENSÃO PROJETO DE EXTENÇÃO UNIVERSITÁRIA FEUC SOLIDÁRIA 2008 COMBATE À AIDS: UM DEVER DE TODOS

NUPE NÚCLEO DE PESQUISA E EXTENSÃO PROJETO DE EXTENÇÃO UNIVERSITÁRIA FEUC SOLIDÁRIA 2008 COMBATE À AIDS: UM DEVER DE TODOS NUPE NÚCLEO DE PESQUISA E EXTENSÃO PROJETO DE EXTENÇÃO UNIVERSITÁRIA FEUC SOLIDÁRIA 2008 COMBATE À AIDS: UM DEVER DE TODOS Professores responsáveis: Luiz Arcúrio Júnior Leiri Valentin Isabela Custódio

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

A INSERÇÃO DA SAÚDE NO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA ESCOLA

A INSERÇÃO DA SAÚDE NO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA ESCOLA A INSERÇÃO DA SAÚDE NO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA ESCOLA Carlos Silva 1 Objetivo: Favorecer o desenvolvimento de ações pedagógicas em saúde a partir da inserção das questões de saúde no Projeto Político

Leia mais

Edital XVIII CONCURSO DE PROJETOS ELAS Fundo de Investimento Social

Edital XVIII CONCURSO DE PROJETOS ELAS Fundo de Investimento Social Edital XVIII CONCURSO DE PROJETOS ELAS Fundo de Investimento Social O XVIII Concurso do ELAS Fundo de Investimento Social, em parceria com a MAC AIDS Fund, visa fortalecer, por meio de apoio técnico e

Leia mais

Desigualdade e desempenho: uma introdução à sociologia da escola brasileira

Desigualdade e desempenho: uma introdução à sociologia da escola brasileira Desigualdade e desempenho: uma introdução à sociologia da escola brasileira Maria Lígia de Oliveira Barbosa Belo Horizonte, MG: Argvmentvm, 2009, 272 p. Maria Lígia de Oliveira Barbosa, que há algum tempo

Leia mais

Carvalho Goretti Moreira Leal de, Themis; Ribas Almeida, Milene. Brasil RESUMO

Carvalho Goretti Moreira Leal de, Themis; Ribas Almeida, Milene. Brasil RESUMO ID:862 PROJETO DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA AMPLIANDO AS AÇÕES DE PREVENÇÃO EM DST/AIDS E HEPATITES VIRAIS JUNTO À POPULAÇÃO ESCOLAR: UM ESPAÇO PARA FORMAÇÃO PROFISSIONAL E PROMOÇÃO DA SAÚDE Carvalho Goretti

Leia mais

PLURALIDADE CULTURAL E INCLUSÃO NA ESCOLA Uma pesquisa no IFC - Camboriú

PLURALIDADE CULTURAL E INCLUSÃO NA ESCOLA Uma pesquisa no IFC - Camboriú PLURALIDADE CULTURAL E INCLUSÃO NA ESCOLA Uma pesquisa no IFC - Camboriú Fernando Deodato Crispim Junior 1 ; Matheus dos Santos Modesti 2 ; Nadia Rocha Veriguine 3 RESUMO O trabalho aborda a temática da

Leia mais

José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE

José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE Cabe a denominação de novas diretrizes? Qual o significado das DCNGEB nunca terem sido escritas? Educação como direito Fazer com que as

Leia mais

DOCUMENTOS OFICIAIS DO GOVERNO - SUBSÍDIOS PARA A PRÁTICA DOCENTE DO PROFESSOR DE LÍNGUA ESTRANGEIRA

DOCUMENTOS OFICIAIS DO GOVERNO - SUBSÍDIOS PARA A PRÁTICA DOCENTE DO PROFESSOR DE LÍNGUA ESTRANGEIRA DOCUMENTOS OFICIAIS DO GOVERNO - SUBSÍDIOS PARA A PRÁTICA DOCENTE DO PROFESSOR DE LÍNGUA ESTRANGEIRA Alciene Ribeiro Feitoza da SILVA 1 Módulo Centro Universitário Ao atuar na formação de professores de

Leia mais

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional)

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) Universidade Federal de Roraima UFRR Brasil Especialista em Alfabetização (Prática Reflexiva

Leia mais

Roteiro de Áudio. SOM: abertura (Vinheta de abertura do programa Hora do Debate )

Roteiro de Áudio. SOM: abertura (Vinheta de abertura do programa Hora do Debate ) 1 Roteiro de Áudio Episódio 1 A língua, a ciência e a produção de efeitos de verdade Programa Hora de Debate. Campanhas de prevenção contra DST: Linguagem em alerta SOM: abertura (Vinheta de abertura do

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA Shirlei de Souza Correa - UNIVALI 1 Resumo: No contexto educacional pode-se considerar a gestão escolar como recente, advinda das necessidades

Leia mais

Metodologia e Prática de Ensino de Ciências Sociais

Metodologia e Prática de Ensino de Ciências Sociais Metodologia e Prática de Ensino de Ciências Sociais Metodologia I nvestigativa Escolha de uma situação inicial: Adequado ao plano de trabalho geral; Caráter produtivo (questionamentos); Recursos (materiais/

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

Instituto de Higiene e Medicina Tropical/IHMT. Fundação Luso Americana para o Desenvolvimento/FLAD. Fundação Portugal - África

Instituto de Higiene e Medicina Tropical/IHMT. Fundação Luso Americana para o Desenvolvimento/FLAD. Fundação Portugal - África Instituto de Higiene e Medicina Tropical/IHMT APOIO: Fundação Luso Americana para o Desenvolvimento/FLAD Casa de Cultura da Beira/CCB CERjovem ATENÇAÕ MULHER MENINA! Fundação Portugal - África RESPOSTAS

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL Lei n o 9.795, de 27 de Abril de 1999. Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso

Leia mais

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Ensino Médio Elaborar uma proposta curricular para implica considerar as concepções anteriores que orientaram, em diferentes momentos, os

Leia mais

DIA DA LUTA CONTRA A SIDA 01 DE DEZEMBRO

DIA DA LUTA CONTRA A SIDA 01 DE DEZEMBRO DIA DA LUTA CONTRA A SIDA 01 DE DEZEMBRO Presentemente, a infeçãovih/sida não tem cura e a prevenção é a única medida eficaz. A infeçãovih/sida tem uma história relativamente recente, mas já dramática

Leia mais

48 Os professores optaram por estudar a urbanização, partindo dos espaços conhecidos pelos alunos no entorno da escola. Buscavam, nesse projeto, refletir sobre as características das moradias existentes,

Leia mais

AS INTERFACES ENTRE A PSICOLOGIA E A DIVERSIDADE SEXUAL: UM DESAFIO ATUAL 1

AS INTERFACES ENTRE A PSICOLOGIA E A DIVERSIDADE SEXUAL: UM DESAFIO ATUAL 1 AS INTERFACES ENTRE A PSICOLOGIA E A DIVERSIDADE SEXUAL: UM DESAFIO ATUAL 1 CHRISTO, Aline Estivalet de 2 ; MOTTA, Roberta Fin 3 1 Trabalho de Pesquisa referente ao Projeto de Trabalho Final de Graduação

Leia mais

SAÚDE E EDUCAÇÃO INFANTIL Uma análise sobre as práticas pedagógicas nas escolas.

SAÚDE E EDUCAÇÃO INFANTIL Uma análise sobre as práticas pedagógicas nas escolas. SAÚDE E EDUCAÇÃO INFANTIL Uma análise sobre as práticas pedagógicas nas escolas. SANTOS, Silvana Salviano silvanasalviano@hotmail.com UNEMAT Campus de Juara JESUS, Lori Hack de lorihj@hotmail.com UNEMAT

Leia mais

ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS

ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS 1 ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS INTRODUÇÃO Marilda Coelho da Silva marildagabriela@yahoo.com.br Mestrado Profissional Formação de Professores UEPB As

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Erika Cristina Pereira Guimarães (Pibid-UFT- Tocantinópolis) Anna Thércia José Carvalho de Amorim (UFT- Tocantinópolis) O presente artigo discute a realidade das

Leia mais

Resgate histórico do processo de construção da Educação Profissional integrada ao Ensino Médio na modalidade de Educação de Jovens e Adultos (PROEJA)

Resgate histórico do processo de construção da Educação Profissional integrada ao Ensino Médio na modalidade de Educação de Jovens e Adultos (PROEJA) Resgate histórico do processo de construção da Educação Profissional integrada ao Ensino Médio na modalidade de Educação de Jovens e Adultos (PROEJA) Mário Lopes Amorim 1 Roberto Antonio Deitos 2 O presente

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE A PRÁTICA INTERDISCIPLINAR DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO CONTEXTO ESCOLAR LIMA,

REFLEXÕES SOBRE A PRÁTICA INTERDISCIPLINAR DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO CONTEXTO ESCOLAR LIMA, REFLEXÕES SOBRE A PRÁTICA INTERDISCIPLINAR DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO CONTEXTO ESCOLAR LIMA, Maria Jacqueline Girão Soares. jaclima@centroin.com.br GT: Educação Ambiental / n. 22 Introdução Entre professores

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA Diretoria de Políticas de Formação, Materiais Didáticos e Tecnologias para a Educação Básica Coordenação Geral de Materiais Didáticos PARA NÃO ESQUECER:

Leia mais

CUIDAR, EDUCAR E BRINCAR: REFLETINDO SOBRE A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

CUIDAR, EDUCAR E BRINCAR: REFLETINDO SOBRE A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL CUIDAR, EDUCAR E BRINCAR: REFLETINDO SOBRE A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Gislaine Franco de Moura (UEL) gislaine.franco.moura@gmail.com Gilmara Lupion Moreno (UEL) gilmaralupion@uel.br

Leia mais

PROJETO MEIO AMBIENTE NA SALA DE AULA

PROJETO MEIO AMBIENTE NA SALA DE AULA PROJETO MEIO AMBIENTE NA SALA DE AULA Conceito: PROJETO: -Proposta -Plano; Intento -Empreendimento -Plano Geral de Construção -Redação provisória de lei; Estatuto Referência:Minidicionário - Soares Amora

Leia mais

PROJETO MEIO AMBIENTE NA SALA DE AULA

PROJETO MEIO AMBIENTE NA SALA DE AULA PROJETO MEIO AMBIENTE NA SALA DE AULA Conceito: PROJETO: -Proposta -Plano; Intento -Empreendimento -Plano Geral de Construção -Redação provisória de lei; Estatuto Referência:Minidicionário - Soares Amora

Leia mais

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor Juliana Graciano Parise 1 Eliane de Lourdes Felden 2 Resumo: O trabalho apresenta uma experiência de ensino articulado à pesquisa

Leia mais

Disciplina Corpo Humano e Saúde: Uma Visão Integrada - Módulo 3

Disciplina Corpo Humano e Saúde: Uma Visão Integrada - Módulo 3 3. A transversalidade da saúde Você já ouviu falar em Parâmetros Curriculares Nacionais? Já ouviu? Que bom! Não lembra? Não se preocupe, pois iremos, resumidamente, explicar o que são esses documentos.

Leia mais

A GENÉTICA NAS PROVAS DO ENEM: DADOS PRELIMINARES

A GENÉTICA NAS PROVAS DO ENEM: DADOS PRELIMINARES A GENÉTICA NAS PROVAS DO ENEM: DADOS PRELIMINARES Edson Klug Bartz (Acadêmico de Licenciatura em Ciências Biológicas Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Sul-rio-grandense/IFSul Bolsista

Leia mais

ÁREA TEMÁTICA INTRODUÇÃO

ÁREA TEMÁTICA INTRODUÇÃO TÍTULO: PRÁTICAS E ATITUDES DE ESTUDANTES DE UMA ESCOLA PÚBLICA RELACIONADOS AS DSTS/AIDS AUTORES: Aline Salmito Frota, Luciana Soares Borba, Débora Silva Melo, José Ueides Fechine Júnior, Viviane Chave

Leia mais

AÇÃO INTEGRADA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS A PARTIR DE UM PROJETO DE SAÚDE. Adriana Noviski Manso - PUCPR

AÇÃO INTEGRADA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS A PARTIR DE UM PROJETO DE SAÚDE. Adriana Noviski Manso - PUCPR AÇÃO INTEGRADA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS A PARTIR DE UM PROJETO DE SAÚDE Adriana Noviski Manso - PUCPR Beatriz Ferreira da Rocha - PUCPR Romilda Teodora Ens - PUCSP/PUCPR Resumo O presente relato

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia A CONTRIBUIÇÃO DA DIDÁTICA CRÍTICA NA INTERLIGAÇÃO DE SABERES AMBIENTAIS NO PROCESSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA.

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. Profa. Elizabeth Rodrigues Felix 1 I- INTRODUÇÃO Com dezoito anos de existência, o

Leia mais

PROGRAMA UNIVERSIDADE SEM FRONTEIRAS E A CONTAMINAÇÃO AMBIENTAL POR PILHAS: UMA EXPERIÊNCIA NA EDUCAÇÃO BÁSICA.

PROGRAMA UNIVERSIDADE SEM FRONTEIRAS E A CONTAMINAÇÃO AMBIENTAL POR PILHAS: UMA EXPERIÊNCIA NA EDUCAÇÃO BÁSICA. 7. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: EDUCAÇAO PROGRAMA UNIVERSIDADE SEM FRONTEIRAS E A CONTAMINAÇÃO AMBIENTAL POR PILHAS: UMA EXPERIÊNCIA NA EDUCAÇÃO BÁSICA. SCHWEIGERT, Romacir

Leia mais

ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR?

ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? O que dizem as crianças sobre o brincar e a brincadeira no 1 ano do Ensino Fundamental? Resumo JAIRO GEBIEN - UNIVALI 1 Esta pesquisa visa investigar os momentos

Leia mais

SEMANA 3 A CONTRIBUIÇAO DOS ESTUDOS DE GÊNERO

SEMANA 3 A CONTRIBUIÇAO DOS ESTUDOS DE GÊNERO SEMANA 3 A CONTRIBUIÇAO DOS ESTUDOS DE GÊNERO Autor (unidade 1 e 2): Prof. Dr. Emerson Izidoro dos Santos Colaboração: Paula Teixeira Araujo, Bernardo Gonzalez Cepeda Alvarez, Lívia Sousa Anjos Objetivos:

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA (EDUCAÇÃO) DO CAMPO

PÓS-GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA (EDUCAÇÃO) DO CAMPO PÓS-GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA (EDUCAÇÃO) DO CAMPO Instituição Certificadora: FALC Faculdade da Aldeia de Carapicuíba Amparo Legal: Resolução CNE CES 1 2001/ 2007 Carga Horária: 460h Período de Duração: 12

Leia mais

FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES

FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias dezembro/2006 página 1 FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES Bernardete Gatti: o país enfrenta uma grande crise na formação de seus professores em especial, de alfabetizadores.

Leia mais