PERIÓDICOS E HIV/AIDS: REDISCUSSÃO NO TEMPO PRESENTE Cláudio José Piotrovski Dias (Professor Secretaria de Estado da Educação - Paraná)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PERIÓDICOS E HIV/AIDS: REDISCUSSÃO NO TEMPO PRESENTE Cláudio José Piotrovski Dias (Professor Secretaria de Estado da Educação - Paraná)"

Transcrição

1 PERIÓDICOS E HIV/AIDS: REDISCUSSÃO NO TEMPO PRESENTE Cláudio José Piotrovski Dias (Professor Secretaria de Estado da Educação - Paraná) Palavras-chave: AIDS; periódicos; História do Tempo Presente Introdução, questões e hipóteses Este artigo versa sobre a temática HIV/ AIDS, imprensa escrita e história. Nele, analisamos algumas reportagens publicadas entre 1983 e a atualidade pelas revistas semanais brasileiras Veja e Isto É, sobre dois aspectos cruciais daquela doença, a saber: a configuração de seu perfil epidemiológico e de seu caráter letal. As seguintes perguntas nos norteiam: como aqueles veículos da imprensa escrita nacional caracterizaram os diversos tipos de indivíduos que se tornavam soropositivos? Como e o que aqueles periódicos discursaram sobre a altíssima letalidade apresentada pela doença ao longo do tempo? Para responder às questões arroladas acima, tomaremos como ponto de partida as considerações de William Vicente da Silva Darde (2006), Antônio Fausto Neto (2000) e Claudine Herzlich e Janine Pierret (2005) para quem os jornalistas engendraram suas narrativas sobre AIDS a partir do diálogo com discursos de outros campos sociais. O primeiro deles foi o científico. Sobre isso, demonstraram Herzlich e Pierret (2005, p. 72), que a AIDS talvez tenha sido a única doença na história construída simultaneamente por médicos, cientistas e jornalistas. Contudo, este saber não esteve isento de contradições, e na pesquisa sobre a AIDS os próprios cientistas agiram sem certeza, sofreram com hipóteses não confirmadas, se desgastaram em discussões com inúmeros pontos de vista, que criavam mais dúvidas do que propriamente significaram respostas para a doença, como demonstrou pioneiramente Kenneth Camargo Júnior (1994). De fato, estas incertezas científicas são comuns, e um caso exemplar refere-se à Doença de Chagas (KROPF, 2005). As celeumas sobre a AIDS foram dimensionadas porque sobre ela existiram afirmações, teorias e indagações atreladas a outros campos sociais. Assim, atravessaram

2 o discurso jornalístico acerca da doença enunciados religiosos, governamentais, dos próprios soropositivos, todos trazendo em seu bojo posicionamentos peculiares. Desta forma, para citar novamente Herzlich e Pierret (2005, p. 80), foi entre 1983 e 1984 que se construiu o fenômeno social da AIDS. Se antes, entre 1981 e 1983 o que tinha-se em mãos era somente um mistério médico (HERZLICH; PIERRET, 2005, p ), nos dois anos subseqüentes o número de indivíduos, de diferentes campos sociais dispostos a falar sobre AIDS se multiplicou. Foi o momento em que assistimos (...) à 'construção do fenômeno social da AIDS', que se elabora em vários planos: científico, econômicos, e, enfim, moral e cultural ( HERZLICH; PIERRET, 2005, p. 80). Sendo assim, acreditamos que a cobertura jornalística sobre perfil epidemiológico e letalidade da AIDS foi apresentada nos dois periódicos apontados de maneira contraditória e conflitante, porque esteve estruturada no diálogo com diversas vozes que quando confrontadas apresentaram também discordâncias, dúvidas. Além disso, se forem percebidos diacronicamente os textos selecionados, será possível perceber uma não linearidade na narrativa. Queremos dizer com isso que informações apresentadas como irrefutáveis poderiam se tornar obsoletas em edições ulteriores ou depois retomadas e re-significadas, num movimento quase infinito. Por fim, estas diversas versões podem ser percebidas também sincronicamente, em uma mesma edição. Mas estas questões e hipóteses assim colocadas, parecem destituídas de sentido. Tornam-se compreensíveis somente quando ligados aos argumentos de autores que já pesquisaram sobre a temática AIDS e imprensa escrita, dos quais, aliás, discordamos. Em uma linha argumentativa, se situam autores como França (2002), Carvalho (2009), Fausto Neto (1999), Moraes e Carrara (1985a; 1985b), Costa Marques (2002), Vitiello (2009), Nascimento (2005), Jane Galvão (1992, 2000), Bessa (2002), Simões (2005), Lima Soares (2001). Estes pesquisadores incorrem, a nosso ver, no julgamento dos profissionais da imprensa escrita que trabalharam sobre HIV/ AIDS e, implicitamente, os condenam. Isto porque teriam, supostamente, delineado um discurso com estrutura maniqueísta, aonde se apresentam histórias com vítimas (mormente crianças, mulheres, receptores de sangue) vilões (gays, usuários de drogas, prostitutas) e

3 heróis (médicos e cientistas). Não bastasse isso, teriam também os profissionais da imprensa escrita disseminado o pânico e a discriminação do soropositivo, pois teriam sido o baluarte do discurso sobre morte certa/ morte social, ao veicular soropositivos afirmando a própria morte em leitos de hospitais, definhando. Alguns outros poucos pesquisadores como Biancarelli (1997) e Simões (1997), sustentaram que a imprensa escrita desenvolveu uma história linear da AIDS e de seus pacientes. De concepções discriminatórias e que suscitavam o medo, construída na década de oitenta, passou-se, assim que chegou a década seguinte, a narrativas despojadas de qualquer tipo de negação ou pânico. Teria a imprensa, numa expressão sintomática desenvolvida por Aureliano Biancarelli, aprendido a escrever sobre a doença. Aqui existe também uma espécie de maniqueísmo, mas deste feita horizontal: em uma época foi-se mal; em outra tornou-se bom. Análise a partir de alguns exemplos Exploremos então, algumas reportagens de Veja e Isto É. Quando surgiu, em 1981, a AIDS era vista como uma Peste gay, isto é, uma doença própria e muito comum entre homossexuais masculinos (NASCIMENTO, 2005, p ). Mediante o aparecimento dos primeiros casos brasileiros de AIDS, Veja publicou reportagem em que afirmava, a partir de estatísticas norte-americanas, que Essa preferência em relação às vítimas levou inicialmente à suposição de que se tratava de uma doença exclusiva de homossexuais (VEJA, 1983, p. 74). Contudo, no encerramento do texto é evidenciado em diálogo com Darcy Penteado, classificado como um dos porta vozes da comunidade gay no Brasil, que qualquer tipo de culpabilização direcionada aos gays era injusta, pois qualquer tipo tipo de estigma pode também correr o risco de errar o alvo: afinal, já se mostrou que a doença ataca também os heterossexuais (VEJA, 1983, p. 79). Essa reportagem não vêm assinada, dando a entender, preliminarmente, que é um posicionamento conflitante da própria revista. Mas em 1990, o conhecido jornalista Élio Gaspari assinou reportagem intitulada A falsa epidemia. Numa rigorosa investigação o americano Fumento destrói o mito da AIDS entre heterossexuais (VEJA, 1990, p. 52). Para o cientista americano, o que existia nos Estados Unidos era

4 uma tentativa, por parte do governo, de amedrontar a população. As estatísticas, ao contrário, mostravam que o HIV retrovírus causador da AIDS estava restrito aos chamados grupos de risco, grupos em que a possibilidade de contrair a síndrome era maior do que o restante da população (NASCIMENTO, 2005, p. 83). No caso da AIDS eram os homossexuais, os usuários de drogas injetáveis, os receptores de sangue e os haitianos (VEJA, 1990, p. 52). Este tom volta a mudar, relativamente, Vale lembrar que desde finais da década de oitenta a percepção de que a síndrome atingia também heterossexuais estava na pauta do dia (TRONCA, 2000, p. 147). Assim, em O ídolo marcado (VEJA, 13 de nov. 1991, p. 36), a revista apresentou a entrevistada concedida por Magic Johnson, jogador norte-americano de basquete. Johnson seria a primeira pessoa famosa fora dos grupos de risco a afirmar ser portador de HIV. Mais do que isso, Jonhson sustentou na reportagem Soco no estômago categoricamente que contraiu o retrovírus em uma relação heterossexual (VEJA, 13 de nov. 1991, p. 39). Mas em Dias de aflição, os repórteres de Veja fazem questão de discordar do Médico Michael Merson, à época Diretor do Programa de AIDS da OMS. Merson afirmava que 75% dos portadores de HIV eram heterossexuais (VEJA, 27 de nov. 1991, p. 62). Para Veja, isso era argumento falacioso, pois contabilizava também casos da doença entre africanos, aonde as cifras eram muito maiores, senão exclusivas, de casos entre heterossexuais (VEJA, 27 de nov. 1991, p. 62). No Brasil ao contrário, diziam, boa parte dos indivíduos ceifados pela doença são ainda os homossexuais e os viciados em drogas injetáveis (VEJA, 27 de nov. 1991, p. 62). Interessante perceber que a revista Isto É, em publicações do mesmo período e sobre os mesmos temas, parece acatar com maior facilidade a argumentação de que a AIDS é também uma doença que pode atingir qualquer pessoa, independente de qualquer aspecto. Desta feita, em O sexo inseguro, a revista não adota o tom de defesa que pode ser percebido em Veja : através de gráfico, mostra a diminuição de casos de AIDS entre bissexuais e homossexuais, e o aumento célere entre heterossexuais (ISTO É, 20 nov p. 51). As frases também são contundentes: Previsível, anunciada, mas deixada de lado até que o mundo se comovesse com o drama de Johnson, a queda desse mito agora

5 ganha destaque, passando a ser um tema de interesse geral ( ) (ISTO É, 20 de nov. 1991, p. 51). Para o Brasil, a reportagem de Isto É afirma que existe um número acentuado de casos de AIDS entre heterossexuais, mas computa isso a insistência de campanhas de prevenção somente destinadas aos grupos de risco (ISTO É, 20 de nov. p. 52). Ainda sobre o perfil epidemiológico e sua construção contraditória pelas revistas que venho acompanhado, importante destacar as discussões sobre a transmissão feminina do vírus HIV. No final de 1994 Isto É publicou a impactante matéria de capa: Mulher e AIDS. Eu Valéria Lewis, 29 anos, soropositiva, contaminei meu namorado (ISTO É, 07 de dez. 1994, capa). Como a própria chamada indica, aqui a mulher é entendida como potencial contaminante. Os jornalistas dialogaram nesta reportagem com o cancerologista Dráuzio Varella, que afirmou: Estamos entrando na terceira onda da Aids. A primeira se caracterizou pela incidência entre os grupos de risco. Na segunda, homens infectaram mulheres. Agora, essas portadoras que já são milhares passarão o vírus novamente adiante (...) A doença se tornará cada vez mais heterossexual (ISTO É, 07 de dez. 1994, p. 40) Veja, quatro anos após também publicou uma matéria de capa, e também impactante: Peguei Aids do meu marido. Histórias dramáticas de mulheres que foram contaminadas pelos homens em que confiavam cegamente.a reportagem, que começava com o título Dormindo com o inimigo, já indica implicitamente que aqui a mulher será tratada como aquela que somente contrai o vírus. De fato, o texto reitera diversas afirmações científicas, como o fato da mulher ter muito mais chance de contrair o HIV de um homem infectado, do que o reverso, isto é, um homem a partir de um relacionamento com uma soropositiva; o fato da vagina esconder possíveis ferimentos, que facilitam a entrada do vírus no corpo, diferente do que ocorre no órgão sexual masculino, quando um ferimento é facilmente identificado e portanto, a prevenção pode ser mais efetiva; afirma também que o esperma possui uma concentração maior do que as secreções vaginais; além disso, é reiterada a idéia de que homens bissexuais escondem suas aventuras sexuais das parceiras, se contaminando a partir do contato com indivíduos dos grupos de risco embora em 1998 já não se falasse mais nestes

6 termos, já que existia a percepção de que a AIDS poderia atingir a população indiscriminadamente e repassando a doença para suas esposas. Quanto à letalidade da AIDS, podemos evidenciar um processo semelhante a este referente à construção do perfil epidemiológico. Se indicarmos um tempo próximo ao que vivemos atualmente, veremos um grande otimismo com relação ao controle e até mesmo a cura dos pacientes da síndrome. Em 20 de julho de 2012, Isto É publicou reportagem com um sugestivo título: Golpe certeiro contra a AIDS. A liberação da venda do primeiro remédio para prevenir a infecção pelo HIV abre uma nova fronteira para frear a expansão da epidemia (ISTO É, 20 de jul. 2012). O Truvada nome comercial da droga protegia contra a infecção por HIV, segundo pesquisas, entre 43 e 73% (ISTO É, 20 de jul. 2012). Este mesmo otimismo havia sido demonstrado com relação ao AZT, medicamento antes utilizado como terapia para portadores de tipos de câncer. Em 24 de setembro de 1986 Veja anunciava os satisfatórios testes feitos com 240 pessoas, nos Estados Unidos. Dois grupos foram formados. Um deles recebeu o AZT, o outro, placebo. Os indivíduos que tomaram realmente a droga exibiram significativa melhora, ganhando peso além de ter seu sistema imunológico parcialmente recomposto. Mesmo assim, questionava-se o tempo que a droga faria efeito, além de saber que não eliminava o vírus e seu uso poderia desembocar em sérios efeitos colaterais (VEJA, 24 set p. 115). De fato, quatro meses depois, a mesma Revista já se mostrava mais rigorosa em relação à Azitudimidina, afirmando que ela somente era eficaz para tratar a pneumonia causada por Pneumocistys Carinii, ou seja, era profícua apenas contra uma infecção oportunista, ao invés de agir na destruição do HIV (VEJA, 28 de jan. 1987, p. 58). Além disso, em março, anunciava que em estágios avançados da AIDS, o AZT não surtia efeito algum (VEJA, 25 mar. 1987, p ). Neste momento, bom que se diga, já existiam outros inúmeros medicamentos sendo testados no tratamento de portadores do HIV. Das drogas apresentadas na IV Conferência Internacional de AIDS, a que teve maior longevidade foi a DDC, que tinha semelhança química com o AZT, e reforçava o sistema imunológico, mas somente em estágios iniciais da síndrome. (VEJA, 10 de jun p ).

7 Mas é interessante perceber a retomada do otimismo. Em 1991 Veja celebrou que o Governo Federal dava sua maior contribuição para o tratamento da Aids no país, pois iniciou a distribuição gratuita de frascos do AZT única droga disponível no mercado nacional que atenua os sintomas da AIDS (VEJA, 13 de nov. 1991, p. 41). A história da AIDS, tal como relatada pelas revistas, já não era mais a mesma. Desde o começo da década de noventa, Isto é e Veja insistiam em afirmar que a doença estava em vias de se tornar tratável. André Lomar, Diretor Científico do Hospital Emílio Ribas na década de 90, disse que ela [A AIDS] poderá ser encarada como a diabetes, que não tem cura, mas tem controle. O doente toma sistematicamente a insulina e vive bem (ISTO É, 22 de mar. 1995, p. 71). O desfecho final para tornar a AIDS controlável ocorreu nos anos de 1995 e 1996, com a utilização de remédios chamados inibidores de protease, sendo o primeiro chamado Indinavir, ou MK Estes remédios eram uma grande novidade, pois, assim como AZT, DDC e DDI, não permitia a replicação do vírus; mas desta feita, agia em outro estágio, quando este já estava maduro. Isto É explicou duas fases de ação do agente etiológico da AIDS quando dentro das células. Trata-se de um ciclo: primeiro o HIV se duplica com a ajuda da enzima transcriptase reversa, mas neste processo perde uma membrana que o envolve. Outra enzima, a protease é a responsável por recobrir o vírus, que, assim, continua sua multiplicação. Os remédios mais antigos, como os primeiros destacados acima, agiam no primeiro estágio. Como o vírus é mutante, cedo ou tarde ele conseguia passar para a fase seguinte, o que trazia sérios problemas. Pode se dizer que quando o vírus conseguia isto, as esperanças se tornavam nulas, e o paciente faleceria rapidamente. Mas é justamente aqui que o Indinavir age, inibindo a ação da protease, e por extensão, a replicação do agente causador da AIDS (ISTO É, 13 de set. 1995, p. 54). As pesquisas divulgadas deixavam cientistas e soropositivas eufóricos. Experimentada em 380 soropositivos brasileiros, percebeu-se que alguns eliminavam cerca de 99% do montante viral que continham no sangue. Ademais, elevava o número de células defensoras, as CD-4, em até 50, o que significava uma melhora substancial (ISTO É, 13 de set. 1995, p. 54). Mesmo assim, Veja alertava que ainda é cedo para dizer que o MK-639 é uma droga eficaz ao longo do tempo. O remédio pode estar

8 passando pelo que os infectologistas chamam de lua-de-mel : um período em que o HIV ainda não criou resistência aos seus efeitos (VEJA, 13 de set. 1995, p. 53). Enfim, no começo de 1996 surgiu a chamada terapia tríplice, a combinação de três medicamentos que barravam o avanço do vírus HIV no corpo do paciente. Anunciava Isto É a existência de 14 drogas e 56 combinações possíveis para barrar o avanço do HIV. Dentre os inibidores de transcriptase reversa, mostrava o AZT, DDI, DDC e os novos DT-4 e 3-TC. Já os inibidores de protease contavam com Invirase, Indinavir, Ritonavir e Viracept. Com tantas drogas a disposição, primeiro escolhiam-se três, duas do primeiro grupo e uma do outro. Geralmente a combinação era Indinavir, AZT e 3-TC (VITÓRIA, 14 de fev. 1996, p ). E com as inúmeras combinações que poderiam ser feitas, pela primeira vez conseguiu-se vencer o HIV em sua face mais nefasta, a mutação e resistência. Mas o cenário se tornou cinzento, como sugere uma reportagem de Veja, datada de Os jornalistas reproduziram falas de David Ho, cientista que anunciou ao mundo a terapia tríplice em O cientista norte-americano afirmava que, a despeito das benesses da terapia, não sabia quanto tempo seus efeitos podiam durar, principalmente por conta da toxidade dos medicamentos e também da resistência que o sistema imunológico dos pacientes adquiriam (VEJA, 22 de out. 1997, p. 100). Na verdade, meses após o anúncio da terapia tríplice, Veja publicava Os limites práticos da esperança (IMANISHI-ROGGE; PEREIRA, 6 de nov. 1996, p ). O grande problema destacado no texto eram, de fato, os efeitos colaterais fortíssimos causados pelos comprimidos, que levavam a não adesão ao tratamento. Na reportagem, diversos portadores de HIV relatam que abandonaram o uso dos remédios ( IMANISHI- ROGGE; PEREIRA, 6 de nov. 1996, p ). Também Isto É, por meio do jornalista Francisco Alves Filho, publicou a reportagem O perigo ainda existe. No texto, afirma-se que mesmo diminuindo a quase 0% o nível de HIV no sangue, os pacientes de AIDS não poderiam dispensar cuidados em relações sexuais, visto que continuariam transmitindo o HIV pelo sêmen que apresentava quantidades mínimas do agente causador da síndrome (ISTO É, 12 de jul. 2000). Considerações Finais

9 Esperamos ter mostrado que as narrativas jornalísticas de Veja e Isto É sobre a letalidade da AIDS e seu perfil epidemiológico, foram construídos a partir de incertezas, dúvidas, e que isso marcou um movimento de idas e vindas na construção de suas reportagens acerca daqueles dois quesitos da síndrome. De fato, cremos ter demonstrado que este aspecto conflituoso se deu por conta das inúmeras vozes que atravessaram as reportagens. No caso em questão foram cientistas, médicos, soropositivos, lideranças de movimentos gay, políticos, etc. É importante também destacar outro aspecto. Este movimento de fluxo e refluxo temporal que evidenciamos ainda ocorre. Isso é perceptível em um novo retorno do otimismo em reportagens publicadas recentemente, em 2015, que afirmam a possibilidade de cura para milhões de pessoas portadoras de HIV, como foi o caso de Novo tratamento avança no caminho rumo à cura da AIDS (VEJA SAÚDE, 09 de abr. 2015), ou então da impactante matéria de capa A cura da AIDS, publicada pela revista mensal Superinteressante (ago. 2013), que não analisamos neste artigo. Cumpre então sempre lembrar dos importantes pressupostos que devem ser observados pelo historiador do tempo presente. Como sugere Jean-Pierre Rioux (1999, p ), é o historiador (do presente ou não) que cria mecanismos que o mantém longe de análises apaixonadas, que congela o objeto de pesquisa para poder testar suas hipóteses, questionando-o. Além do mais, analisar o tempo que se vive tem suas vantagens: pode tornar mais clara a análise, pelo compartilhamento de categorias intelectuais entre historiador e sujeitos da análise (MORAES FERREIRA, 2000, p. 121) e sempre colocar o presente em suspenso, questionando o que parece cristalizado (REMOND, 2006, p. 209). Referência Bibliográfica BESSA, Marcelo Secron. Os perigosos. Autobiografia e AIDS. Rio de Janeiro: Aeroplano, p. BIANCARELLI, Aureliano. Doença em foco: as reportagens sobre AIDS publicadas pela Folha de São Paulo. Revista USP, São Paulo, s.v, n. 33, p , mar-maio CAMARGO JÚNIOR, Keneth Rochel: As ciências da AIDS e a AIDS das ciências. O discurso médico e a construção da AIDS. Rio de Janeiro: Relume-Dumará/ ABIA/ IMS

10 UERJ, p. CARVALHO, Carlos Alberto de. Visibilidades mediadas nas narrativas jornalísticas. A cobertura da Aids pela Folha de São Paulo de 1983 a São Paulo: Annablume, p. COSTA MARQUES, Maria Cristina da. A história de uma epidemia moderna. A emergência da AIDS/ HIV no Brasil. Maringá: EDUEM, p. FAUSTO NETO, Antônio. Comunicação e Mídia impressa. Estudos sobre a AIDS. São Paulo: Hackers Editores, p.. AIDS recepção: a contaminação da AIDS pelos discursos sociais. Famecos, Porto Alegre, s.v, n. 13, p , dez FRANÇA, Martha San Juan. Repensando o modelo para a divulgação científica: o caso da AIDS na imprensa brasileira ( ). São Paulo, 2002, 188 f. Dissertação (Mestrado em História das Ciências) Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, GALVÃO, Jane. AIDS e imprensa. Um estudo de antropologia social. Rio de Janeiro, 1992, 151 f. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social) Museu Nacional/ Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, AIDS no Brasil. Agenda de construção de uma epidemia. Rio de Janeiro: ABIA; São Paulo: 34, p. HERZLICH, Claudine; PIERRET, Janine. Uma doença no espaço público. A Aids em seis jornais franceses. Physis: Revista de Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 15, p , KROPF, Simone Petraglia. Doença de Chagas, doença do Brasil: ciência, saúde e nação ( ). 536 f. Tese (Doutorado em História Social) Programa de Pós-Graduação em História, Universidade Federal Fluminense, Rio de Janeiro, LIMA SOARES, Rosana de. Imagens veladas. AIDS, imprensa e linguagem. São Paulo: Annablume, MORAES FERREIRA, Marieta de. História do tempo presente: desafios. Cultura Vozes, Petrópolis, v. 94, n. 3, p , maio/jun MORAES, Cláudia; CARRARA, Sérgio. Um vírus só não faz doença. Comunicações do ISER, Rio de Janeiro, v. 4, n. 17, p. 5-19, dez. 1985a.. Um mal de folhetim. Comunicações do ISER, Rio de Janeiro, v. 4, n. 17, p , dez. 1985b. NASCIMENTO, Dilene Raimundo do. As pestes do século XX. Tuberculose e AIDS, uma história comparada. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, RÉMOND, Rene. Algumas questões de alcance geral á guisa de introdução. In: AMADO, Janaina; MORAES FERREIRA, Marieta de. Usos & abusos da História Oral. 8 ed. Rio de Janeiro: Editora FGV, p

11 RIOUX, Jean-Pierre. Pode-se fazer uma história do presente? In: CHAUVEAU, Ágnes; TÉTARD, Philippe (Orgs). Questões para a história do presente. Tradução de Ilka Stern Cohen. Bauru: EDUSC, p SILVA DARDE, William Vicente da. As vozes da AIDS na imprensa: um estudo das fontes de informação dos jornais Folha de São Paulo e O Globo. Porto Alegre, 2006, 186 f. Dissertação (Mestrado em Comunicação e Informação) Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, SIMÕES, Adriana Machado. A representação social da AIDS construída a partir das informações veiculadas nos jornais diários: análise da cobertura sobre AIDS no jornal Estado e Minas. Belo Horizonte, 1997, 195 f. Dissertação (Mestrado em Ciência da Informação) Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, A representação social da AIDS construída através das metáforas presentes na imprensa escrita. IX Simpósio Internacional de Comunicacion Social. Santiago de Cuba, Cuba, 2005, p TRONCA, Ítalo. As máscaras do medo, Lepra e Aids. Campinas: Unicamp, VITTIELO, Gabriel Natal Botelho. A AIDS em cena: os primeiros protagonistas da maior epidemia no final do século XX. Rio de Janeiro, 2009, 108 f. Dissertação (Mestrado em História das Ciências e Saúde) - Casa de Oswaldo Cruz/, Fundação Instituto Oswaldo Cruz, Rio de Janeiro, Fontes consultadas A CURA DA AIDS. A ciência já sabe como dar o golpe final no vírus HIV: expulsá-lo do corpo humano. Conheça os bastidores da descoberta médica mais importante dos últimos 25 anos e as histórias de pessoas que já foram curadas da doença. Superinteressante [on line], São Paulo, Editora Abril, Ago Disponível em <http://super.abril.com.br/ciencia/a-cura-da-aids> Acesso em 01 de jun A EXPERIÊNCIA MINEIRA. Seis voluntários testarão a vacina em Belo Horizonte. Rosa Lins já recebeu a dose e se queixa de enjôo. Isto É, São Paulo, s.v, n. 1329, p , 22 mar A PÍLULA DO OTIMISMO. Nova droga contra a doença se mostra mais eficaz do que o AZT e empolga pesquisadores. Isto É, São Paulo, Editora Três, s.v, n. 1354, p. 54, 13 set ALCÂNTARA, Eurípedes. Cenário Cinzento. Congresso em Hamburgo pinta retrato de otimismo e descrença na luta contra a Aids. Veja, São Paulo, Editora Abril, s.v, n. 1518, p de out ALVES FILHO, Francisco. O perigo ainda existe. Estudo mostra que infectados pelo HIV podem transmitir o vírus mesmo após tratamento. Isto É, São Paulo, s.v, n Disponível em <http//:www.istoe.com.br/reportagens/32209_o+perigo+ainda+existe> Acesso em 16 de jul

12 ATRÁS DO VÍRUS. Droga contra a Aids tem resultado inicial animador. Veja, São Paulo, Editora Abril,s.v, n.1409, p. 53,13 set AZT DE GRAÇA PARA OS AIDÉTICOS. O governo começa a distribuir a droga contra a doença. Veja, São Paulo, 13 nov p. 44. COBAIA DA PESQUISA. Primeiro a fazer experiências em seres humanos, cientista francês testa em si mesmo vacina contra a AIDS. Veja, São Paulo, Editora Abril, s.v, n. 968, p , 25, mar DIAS DE AFLIÇÃO. A Aids espalha medo depois do caso Magic Johnson, mas o contágio entre heterossexuais ainda está restrito aos parceiros de bissexuais e drogados. Veja, São Paulo, Editora Abril, s.v, n. 1210, p , 27 de nov GASPARI, Elio. A falsa epidemia. Numa rigorosa investigação, o americano Fumento destrói o mito da Aids entre heterossexuais. Veja, Editora Abril, s.v., n. 1113, p de jan IMANISHI-ROGGE, Ana; PEREIRA, Raimundo Rodrigues. Os limites práticos da esperança. O drama de obter e de usar corretamente as novas drogas contra a Aids. Veja, São Paulo, Editora Abril, s.v, n. 1469, p de nov MOBILIZAÇÃO GLOBAL. A AIDS entra na agenda da reunião de cúpula de Veneza movida pelo seu poder de contaminação: 100 milhões de pessoas até o ano Veja, São Paulo, Editora Abril, s.v, n. 979, p , 10 jun MONTEIRO, Karla; TRAUMANN, Thomas. Dormindo com o inimigo. Veja, São Paulo, Editora Abril, s.v, n. 1570, p , 28 de out MULHER E AIDS. Eu, Valéria Lewis, 29 anos, soropositiva, contaminei meu namorado. Isto é, São Paulo, Editora Três, Capa, 7 dez NA FRONTEIRA DO MEDO. Os governos dos países atingidos pela AIDS tentam, com campanhas públicas, impedir que a moléstia avance sobre os heterossexuais. Veja, São Paulo, Editora Abril, s.v, n. 960, p , 28 jan OLIVEIRA, Malu; PEREIRA, Cilene. Eu passo AIDS. De vítima da contaminação masculina, a mulher se torna agora a principal transmissora do vírus HIV. Isto É, São Paulo, Editora Três, s.v, n. 1314, p , 7 dez O ENIGMA QUE MATA. A terrível 'síndrome de deficiência imunológica adquirida' (AIDS) avança nos Estados Unidos e faz sua primeira vítima no Brasil. Veja, São Paulo, Editora Abril, s.v, n. 771, p , 15 de jun O ÍDOLO MARCADO. Contaminado pelo vírus da Aids, o superatleta Magic Johnson comove os americanos e levanta a discussão sobre o contágio fora dos grupos de risco. Veja, São Paulo, Editora Abril, s.v, n. 1208, p , 13 de nov O SEXO INSEGURO. Depois de Magic Johnson, o mundo discute a transmissão da Aids entre os heterossexuais. Isto É, São Paulo, Editora Três, s.v, n. 1156, p de nov

13 PEGUEI AIDS DO MEU MARIDO. Histórias dramáticas de mulheres que foram contaminadas pelos homens em que confiavam cegamente. Veja, São Paulo, Editora Abril, s.v, n. 1570, Capa, 28 de out SINAL DE ALÍVIO. AZT: um novo sucesso na rota da AIDS. Veja, São Paulo, Editora Abril, s.v, n. 942, 24 set p SOCO NO ESTÔMAGO. Portador do vírus da Aids, a estrela do basquete Magic Johnson enfrenta a situação com coragem e vira um símbolo da luta contra a doença. Veja, São Paulo, Editora Abril, s.v, n. 1208, p , 13 de nov VIDALE, Giulia. Novo tratamento avança no caminho rumo à cura da Aids. Pesquisa liderada por por cientistas brasileiros é uma das promessas de tratamento, prevenção e cura contra o HIV. Veja Saúde [on line], São Paulo, Editora Abril, 09 de abr Disponível em <http://veja.abril.com.br/noticia/saude/novo-tratamento-avanca-nocaminho-rumo-a-cura-da-aids/> Acesso em 01 de jun VITÓRIA, Gisele. Coragem de um campeão. Magic Johnson prova que, com a medicação adequada, a vida com HIV pode ser intensa. Isto É, São Paulo, Editora Três,

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 Notas importantes: O Banco de dados (BD) do Sistema de Informação Nacional de Agravos de Notificação (SINAN) vem sofrendo nos últimos

Leia mais

HIV. O vírus da imunodeficiência humana HIV-1 e HIV-2 são membros da família Retroviridae, na subfamília Lentividae.

HIV. O vírus da imunodeficiência humana HIV-1 e HIV-2 são membros da família Retroviridae, na subfamília Lentividae. A Equipe Multiprofissional de Saúde Ocupacional da UDESC lembra: Dia 01 de dezembro é dia mundial de prevenção à Aids! Este material foi desenvolvido por alunos do Departamento de Enfermagem da Universidade

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 Notas importantes: O Banco de dados (BD) do Sistema de Informação Nacional de Agravos de Notificação (SINAN) vem sofrendo nos últimos

Leia mais

Revista Cordis: Revista Eletrônica de História Social da Cidade www.pucsp.br/revistacordis

Revista Cordis: Revista Eletrônica de História Social da Cidade www.pucsp.br/revistacordis Mulher transmite ou não? Celeumas acerca da transmissão feminina do HIV/AIDS (1986-1998) Cláudio José Piotrovski Dias * Resumo: neste artigo mostro algumas discussões entre médicos e cientistas acerca

Leia mais

Nova vacina frente à cura para a AIDS

Nova vacina frente à cura para a AIDS N o 18 Setembro/2013 Centro de Farmacovigilância da UNIFAL-MG Site: www2.unifal-mg.edu.br/cefal Email: cefal@unifal-mg.edu.br Tel: (35) 3299-1273 Equipe editorial: prof. Dr. Ricardo Rascado; profa. MsC.

Leia mais

Síndrome da Imunodeficiência Adquirida

Síndrome da Imunodeficiência Adquirida Síndrome da Imunodeficiência Adquirida Síndrome : Conjunto de sinais e sintomas que se desenvolvem conjuntamente e que indicam a existência de uma doença. A AIDS é definida como síndrome porque não tem

Leia mais

Os caminhos e descaminhos de uma epidemia global

Os caminhos e descaminhos de uma epidemia global Os caminhos e descaminhos de uma epidemia global Por Rodrigo Cunha 5 de junho de 1981. O Relatório Semanal de Morbidez e Mortalidade do Centro para Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos Estados Unidos

Leia mais

AIDS Preocupa Terceira Idade 1. Giovanna Menezes FARIA 2 Hendryo ANDRÉ 3 Centro Universitário Autônomo do Brasil - UniBrasil, Curitiba, PR

AIDS Preocupa Terceira Idade 1. Giovanna Menezes FARIA 2 Hendryo ANDRÉ 3 Centro Universitário Autônomo do Brasil - UniBrasil, Curitiba, PR AIDS Preocupa Terceira Idade 1 Giovanna Menezes FARIA 2 Hendryo ANDRÉ 3 Centro Universitário Autônomo do Brasil - UniBrasil, Curitiba, PR RESUMO Os primeiros casos de HIV, vírus da síndrome da imunodeficiência

Leia mais

Novas e velhas epidemias: os vírus

Novas e velhas epidemias: os vírus Acesse: http://fuvestibular.com.br/ Novas e velhas epidemias: os vírus A UU L AL A - Maria, veja só o que eu descobri nesta revista velha que eu estava quase jogando fora! - Aí vem coisa. O que é, Alberto?

Leia mais

SITUAÇÃO DO HIV/AIDS NO BRASIL E OS FATORES QUE INFLUENCIAM A INFECÇÃO

SITUAÇÃO DO HIV/AIDS NO BRASIL E OS FATORES QUE INFLUENCIAM A INFECÇÃO SITUAÇÃO DO HIV/AIDS NO BRASIL E OS FATORES QUE INFLUENCIAM A INFECÇÃO Jader Dornelas Neto 1 ; Daniel Antonio Carvalho dos Santos 2 ; Guilherme Elcio Zonta 3 ; Simone Martins Bonafé 4 RESUMO: O objetivo

Leia mais

MS divulga retrato do comportamento sexual do brasileiro

MS divulga retrato do comportamento sexual do brasileiro MS divulga retrato do comportamento sexual do brasileiro Notícias - 18/06/2009, às 13h08 Foram realizadas 8 mil entrevistas com homens e mulheres entre 15 e 64 anos. A análise das informações auxiliará

Leia mais

Jornalismo Cidadão: o voluntariado no aprendizado com a AIDS 1

Jornalismo Cidadão: o voluntariado no aprendizado com a AIDS 1 Jornalismo Cidadão: o voluntariado no aprendizado com a AIDS 1 Juliana Paul MOSTARDEIRO 2 Rondon Martim Souza de CASTRO 3 Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, RS. RESUMO O Projeto Jornalismo

Leia mais

ANÁLISE DO PERFIL IMUNOLÓGICO E VIRAL DOS PACIENTES HIV/AIDS ATENDIDOS NA UNIDADE DE SAÙDE JUNDIAÍ EM ANÁPOLIS GOIAS ENTRE OS ANOS 2002 E 2006.

ANÁLISE DO PERFIL IMUNOLÓGICO E VIRAL DOS PACIENTES HIV/AIDS ATENDIDOS NA UNIDADE DE SAÙDE JUNDIAÍ EM ANÁPOLIS GOIAS ENTRE OS ANOS 2002 E 2006. 1 ANÁLISE DO PERFIL IMUNOLÓGICO E VIRAL DOS PACIENTES HIV/AIDS ATENDIDOS NA UNIDADE DE SAÙDE JUNDIAÍ EM ANÁPOLIS GOIAS ENTRE OS ANOS 2002 E 2006. Adriana Paim da Silva 1,2 ; Andrea Brígida de Souza 1,2

Leia mais

Nessa hora você não vai parar para pensar se sabe tudo sobre Aids

Nessa hora você não vai parar para pensar se sabe tudo sobre Aids Nessa hora você não vai parar para pensar se sabe tudo sobre Aids 1 a Aids reduz a imunidade A Síndrome da Imunodeficiência Adquirida (Aids ou SIDA) não é a doença. Ela reduz a imunidade devido à ação

Leia mais

Aids ou Sida? www.interaulaclube.com.br

Aids ou Sida? www.interaulaclube.com.br A UU L AL A Aids ou Sida? A Aids é uma das doenças mais comentadas e pesquisadas dos últimos anos. Mesmo com os avanços que os especialistas vêm obtendo, ainda falta explicar muitos de seus aspectos. A

Leia mais

Diminui a mortalidade por Aids no Estado de São Paulo

Diminui a mortalidade por Aids no Estado de São Paulo Diminui a mortalidade por Aids no Estado de São Paulo Em 2012, ocorreram 2.767 óbitos por Aids no Estado de São Paulo, o que representa importante queda em relação ao pico observado em 1995 (7.739). A

Leia mais

Pandemia no ar: a cobertura da gripe AH1N1 no Jornal Nacional

Pandemia no ar: a cobertura da gripe AH1N1 no Jornal Nacional Pandemia no ar: a cobertura da gripe AH1N1 no Jornal Nacional Flavia Natércia da Silva Medeiros & Luisa Massarani Núcleo de Estudos da Divulgação Científica, Museu da Vida/Casa de Oswaldo Cruz/Fundação

Leia mais

AIDS E ENVELHECIMENTO: UMA REFLEXÃO ACERCA DOS CASOS DE AIDS NA TERCEIRA IDADE.

AIDS E ENVELHECIMENTO: UMA REFLEXÃO ACERCA DOS CASOS DE AIDS NA TERCEIRA IDADE. AIDS E ENVELHECIMENTO: UMA REFLEXÃO ACERCA DOS CASOS DE AIDS NA TERCEIRA IDADE. Milca Oliveira Clementino Graduanda em Serviço social pela Universidade Estadual da Paraíba - UEPB milcaclementino@gmail.com

Leia mais

Bareback: um tiro no escuro em nome do prazer

Bareback: um tiro no escuro em nome do prazer Bareback: um tiro no escuro em nome do prazer Amon Monteiro amon_738@yahoo.com.br Instituto de Filosofia e Ciências Sociais 8º Período Orientadores: Mirian Goldenberg, Antonio Pilão Núcleo de Estudos de

Leia mais

Aids e Mídia construção da cidadania. Aids e Mídia construção da cidadania. Marília de Almeida

Aids e Mídia construção da cidadania. Aids e Mídia construção da cidadania. Marília de Almeida Aids e Mídia construção da cidadania Marília de Almeida Este artigo analisa a abordagem feita pelo jornal O Popular sobre a Aids durante a década de 1980, início de 1990 e atualmente. O objetivo é entender

Leia mais

Roteiro de Áudio. SOM: abertura (Vinheta de abertura do programa Hora do Debate )

Roteiro de Áudio. SOM: abertura (Vinheta de abertura do programa Hora do Debate ) 1 Roteiro de Áudio Episódio 1 A língua, a ciência e a produção de efeitos de verdade Programa Hora de Debate. Campanhas de prevenção contra DST: Linguagem em alerta SOM: abertura (Vinheta de abertura do

Leia mais

A cara viva da AIDS pós coquetel: a representação social da doença no século XXI.

A cara viva da AIDS pós coquetel: a representação social da doença no século XXI. A cara viva da AIDS pós coquetel: a representação social da doença no século XXI. Lissandra Queiroga Ramos * Introdução: Devido ao grau de complexidade do debate acerca da AIDS, desde os anos 1980, pensar

Leia mais

HIV como modelo de estudo de retrovírus e patogênese

HIV como modelo de estudo de retrovírus e patogênese HIV como modelo de estudo de retrovírus e patogênese Retrovírus e oncogênese. Um pouco de história: 1904: Ellerman and Bang, procurando por bactérias como agentes infecciosos para leucemia em galinhas,

Leia mais

SEXUALIDADE E PREVENÇÃO ÀS DST E HIV/AIDS NA TERCEIRA IDADE

SEXUALIDADE E PREVENÇÃO ÀS DST E HIV/AIDS NA TERCEIRA IDADE SEXUALIDADE E PREVENÇÃO ÀS DST E HIV/AIDS NA TERCEIRA IDADE MARIA BEATRIZ DREYER PACHECO Membro do MOVIMENTO NACIONAL DAS CIDADÃS POSITHIVAS Membro do MOVIMENTO LATINO-AMERICANO E CARIBENHO DE MULHERES

Leia mais

Barebacking. O pessoal praticante do barebacking que compartilha a valorização do HIV possui uma linguagem própria:

Barebacking. O pessoal praticante do barebacking que compartilha a valorização do HIV possui uma linguagem própria: Barebacking O barebacking é um fenômeno sociocultural que surgiu recentemente entre os homens que fazem sexo com homens (HSH), e se caracteriza pela prática intencional de sexo anal sem proteção com parceiros

Leia mais

HIV e Estigma: como estamos hoje

HIV e Estigma: como estamos hoje HIV e Estigma: como estamos hoje PROF. DR. CLAUDIO GARCIA CAPITÃO Advento da AIDS 1º Caso: Hospital Emílio Ribas, 1982 Circulação Silenciosa do Vírus em meados de 70 Isolamento do vírus: Luc montagner:

Leia mais

I Seminário Nacional de Controle Social A sociedade no acompanhamento da gestão pública Brasília, 25, 26 e 27 de Set/2009

I Seminário Nacional de Controle Social A sociedade no acompanhamento da gestão pública Brasília, 25, 26 e 27 de Set/2009 I Seminário Nacional de Controle Social A sociedade no acompanhamento da gestão pública Brasília, 25, 26 e 27 de Set/2009 Observatório da Educação participação e controle da sociedade civil nas políticas

Leia mais

NOVAS TECNOLOGIAS DE PREVENÇÃO CIRCUNCISÃO MÉDICA MASCULINA

NOVAS TECNOLOGIAS DE PREVENÇÃO CIRCUNCISÃO MÉDICA MASCULINA NOVAS TECNOLOGIAS DE PREVENÇÃO CIRCUNCISÃO MÉDICA MASCULINA Dr. Robinson Fernandes de Camargo Interlocução de DST/Aids da Coordenadoria Regional de Saúde - Sudeste CIRCUNCISÃO MÉDICA MASCULINA No início

Leia mais

HIV/AIDS Pediatria Sessão Clínica do Internato Revisão Teórica. Orientadora: Dra Lícia Moreira Acadêmico: Pedro Castro (6 Ano)

HIV/AIDS Pediatria Sessão Clínica do Internato Revisão Teórica. Orientadora: Dra Lícia Moreira Acadêmico: Pedro Castro (6 Ano) HIV/AIDS Pediatria Sessão Clínica do Internato Revisão Teórica Orientadora: Dra Lícia Moreira Acadêmico: Pedro Castro (6 Ano) AIDS Conceito Doença que manifesta-se por infecções comuns de repetição, infecções

Leia mais

A experiência dos usuários - um depoimento 1

A experiência dos usuários - um depoimento 1 1 A experiência dos usuários - um depoimento 1 Mário César Scheffer Jornalista Apresentação In: Carneiro, F. (Org.). A Moralidade dos Atos Cientificos questões emergentes dos Comitês de Ética em Pesquisa,

Leia mais

Feminização traz desafios para prevenção da infecção

Feminização traz desafios para prevenção da infecção Feminização traz desafios para prevenção da infecção Por Carolina Cantarino e Paula Soyama A epidemia de Aids no Brasil, em seu início, na década de 1980, se caracterizava por afetar mais os homens. Acreditava-se

Leia mais

Instituto de Higiene e Medicina Tropical/IHMT. Fundação Luso Americana para o Desenvolvimento/FLAD. Fundação Portugal - África

Instituto de Higiene e Medicina Tropical/IHMT. Fundação Luso Americana para o Desenvolvimento/FLAD. Fundação Portugal - África Instituto de Higiene e Medicina Tropical/IHMT APOIO: Fundação Luso Americana para o Desenvolvimento/FLAD Casa de Cultura da Beira/CCB CERjovem ATENÇAÕ MULHER MENINA! Fundação Portugal - África RESPOSTAS

Leia mais

I n f o r m e E p i d e m i o l ó g i c o D S T - A I D S 1

I n f o r m e E p i d e m i o l ó g i c o D S T - A I D S 1 1 2 GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE DO RIO DE JANEIRO SECRETÁRIO DE ESTADO DE SAÚDE José Leôncio de Andrade Feitosa SUPERINTENDENTE DE SAÚDE Angela Cristina Aranda SUPERINTENDENTE

Leia mais

O retrato do comportamento sexual do brasileiro

O retrato do comportamento sexual do brasileiro O retrato do comportamento sexual do brasileiro O Ministério da Saúde acaba de concluir a maior pesquisa já realizada sobre comportamento sexual do brasileiro. Entre os meses de setembro e novembro de

Leia mais

MEDICAMENTOS... 3 DOENÇAS OPORTUNISTAS... 5 ADESÃO... 6 DICAS PARA MELHOR ADESÃO AOS MEDICAMENTOS... 7 Inibidores Da Transcriptase Reversa Análogo De

MEDICAMENTOS... 3 DOENÇAS OPORTUNISTAS... 5 ADESÃO... 6 DICAS PARA MELHOR ADESÃO AOS MEDICAMENTOS... 7 Inibidores Da Transcriptase Reversa Análogo De MEDICAMENTOS... 3 DOENÇAS OPORTUNISTAS... 5 ADESÃO... 6 DICAS PARA MELHOR ADESÃO AOS MEDICAMENTOS... 7 Inibidores Da Transcriptase Reversa Análogo De Nucleosídeos... 7 Inibidores Da Protease... 8 Inibidores

Leia mais

Clipping Eletrônico - Terça-feira dia 30/12/2014

Clipping Eletrônico - Terça-feira dia 30/12/2014 Clipping Eletrônico - Terça-feira dia 30/12/2014 Jornal Diário do Amazonas - Brasil Pág. 15-30 de dezembro de 2014 Jornal Diário do Amazonas Radar de Notícias Pág. 32-30.12. 2014 Portal D24AM - Saúde 29

Leia mais

Profissão: Estudantes de Jornalismo

Profissão: Estudantes de Jornalismo Profissão: Estudantes de Jornalismo Gus Vieira O jornalista tem uma função social bem clara: disponibilizar para a sociedade informação ética, de qualidade e democrática, atendendo ao interesse público.

Leia mais

COMPORTAMENTO DE PARTICIPANTES DE UM PROJETO FRENTE AOS PORTADORES DE HIV/AIDS

COMPORTAMENTO DE PARTICIPANTES DE UM PROJETO FRENTE AOS PORTADORES DE HIV/AIDS 110. ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA COMPORTAMENTO DE PARTICIPANTES

Leia mais

Gtp+ PROGRAMAS E PROJETOS Grupo de Trabalhos em Prevenção Posithivo (GTP+) Fundação em 2000, Recife-PE O Grupo de Trabalhos em Prevenção Posithivo é a única ONG da Região Nordeste do Brasil coordenada

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE OS GÊNEROS E O NÍVEL DE INFORMAÇÃO DE ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS EM RELAÇÃO AO HIV/AIDS

RELAÇÃO ENTRE OS GÊNEROS E O NÍVEL DE INFORMAÇÃO DE ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS EM RELAÇÃO AO HIV/AIDS RELAÇÃO ENTRE OS GÊNEROS E O NÍVEL DE INFORMAÇÃO DE ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS EM RELAÇÃO AO HIV/AIDS Maria Thereza Ávila Dantas Coelho 1 Vanessa Prado Santos 2 Márcio Pereira Pontes 3 Resumo O controle

Leia mais

SAúDE e PReVENÇãO NaS ESCoLAS Atitude pra curtir a vida

SAúDE e PReVENÇãO NaS ESCoLAS Atitude pra curtir a vida SAúDE e PReVENÇãO NaS ESCoLAS Atitude pra curtir a vida UNAIDS/ONUSIDA Relatório para o Dia Mundial de Luta contra AIDS/SIDA 2011 Principais Dados Epidemiológicos Pedro Chequer, Diretor do UNAIDS no Brasil

Leia mais

Terceira Idade: não leve um baile do HIV! Alexandre Ramos Lazzarotto alazzar@terra.com.br 9808-5714

Terceira Idade: não leve um baile do HIV! Alexandre Ramos Lazzarotto alazzar@terra.com.br 9808-5714 Terceira Idade: não leve um baile do HIV! Alexandre Ramos Lazzarotto alazzar@terra.com.br 9808-5714 Número de casos de AIDS no Brasil 77.639 433.067 37.968 13.200 572 Região Sul RS POA NH Localidades BRASIL.

Leia mais

PERFIL SOCIOECONÔMICO DOS USUÁRIOS DA REDE NACIONAL DE PESSOAS VIVENDO E CONVIVENDO COM HIV/AIDS NÚCLEO DE CAMPINA GRANDE- PB

PERFIL SOCIOECONÔMICO DOS USUÁRIOS DA REDE NACIONAL DE PESSOAS VIVENDO E CONVIVENDO COM HIV/AIDS NÚCLEO DE CAMPINA GRANDE- PB PERFIL SOCIOECONÔMICO DOS USUÁRIOS DA REDE NACIONAL DE PESSOAS VIVENDO E CONVIVENDO COM HIV/AIDS NÚCLEO DE CAMPINA GRANDE- PB Elizângela Samara da Silva 1, Anna Marly Barbosa de Paiva 2, Adália de Sá Costa

Leia mais

Adolescentes e jovens preparados para tomar suas próprias decisões reprodutivas

Adolescentes e jovens preparados para tomar suas próprias decisões reprodutivas Adolescentes e jovens preparados para tomar suas próprias decisões reprodutivas Andrea da Silveira Rossi Brasília, 15 a 18 out 2013 Relato de adolescentes e jovens vivendo com HIV Todo adolescente pensa

Leia mais

ANAIDS Articulação Nacional de Luta Contra a AIDS

ANAIDS Articulação Nacional de Luta Contra a AIDS Carta ANAIDS 1º de Dezembro - Dia Mundial de Luta contra a AIDS Cada um tem sua cara e a aids também tem... A ANAIDS Articulação Nacional de Luta Contra Aids - colegiado que reúne os Fóruns de ONG Aids

Leia mais

-Os Papiloma Vírus Humanos (HPV) são vírus da família Papovaviridae.

-Os Papiloma Vírus Humanos (HPV) são vírus da família Papovaviridae. -Os Papiloma Vírus Humanos (HPV) são vírus da família Papovaviridae. -Chamado de HPV, aparece na forma de doenças como condiloma acuminado, verruga genital ou crista de galo. -Há mais de 200 subtipos do

Leia mais

Cientistas anunciam descoberta de três substâncias candidatas a anti retroviral brasileiro

Cientistas anunciam descoberta de três substâncias candidatas a anti retroviral brasileiro Cientistas anunciam descoberta de três substâncias candidatas a anti retroviral brasileiro Grupo de pesquisadores da Fundação Ataulpho de Paiva, da Universidade Federal Fluminense e do Instituto Oswaldo

Leia mais

Seleção de Temas. Questionário - Proficiência Clínica. Área: Imunologia Rodada: Julho/2008. Prezado Participante,

Seleção de Temas. Questionário - Proficiência Clínica. Área: Imunologia Rodada: Julho/2008. Prezado Participante, Seleção de Temas Prezado Participante, Gostaríamos de contar com a sua contribuição para a elaboração dos próximos materiais educativos. Cada questionário desenvolve um assunto (temas) específico dentro

Leia mais

::: Fonte Do Saber - Mania de Conhecimento :::

::: Fonte Do Saber - Mania de Conhecimento ::: Virus adsense1 Vírus adsense2 Ser vivo microscópico e acelular (não é composto por células) formado por uma molécula de ácido nucléico (DNA ou RNA), envolta por uma cápsula protéica. Apresenta-se sob diferentes

Leia mais

DIA DA LUTA CONTRA A SIDA 01 DE DEZEMBRO

DIA DA LUTA CONTRA A SIDA 01 DE DEZEMBRO DIA DA LUTA CONTRA A SIDA 01 DE DEZEMBRO Presentemente, a infeçãovih/sida não tem cura e a prevenção é a única medida eficaz. A infeçãovih/sida tem uma história relativamente recente, mas já dramática

Leia mais

INFECÇÕES SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS E HIV/AIDS: CONHECIMENTOS E PERCEPÇÃO DE RISCO DE IDOSOS DE UMA COMUNIDADE EM JOÃO PESSOA-PB

INFECÇÕES SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS E HIV/AIDS: CONHECIMENTOS E PERCEPÇÃO DE RISCO DE IDOSOS DE UMA COMUNIDADE EM JOÃO PESSOA-PB INFECÇÕES SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS E HIV/AIDS: CONHECIMENTOS E PERCEPÇÃO DE RISCO DE IDOSOS DE UMA COMUNIDADE EM JOÃO PESSOA-PB Nívea Maria Izidro de Brito (UFPB). E-mail: niveabrito@hotmail.com Simone

Leia mais

TRATAMENTO DAS DOENÇAS DA PRÓSTATA

TRATAMENTO DAS DOENÇAS DA PRÓSTATA TRATAMENTO DAS DOENÇAS DA PRÓSTATA.com.br Dr. Miguel Srougi é médico, professor de Urologia na Universidade Federal de São Paulo e autor do livro Próstata: Isso É Com Você..com.br Drauzio Varella Vamos

Leia mais

Carrefour Guarujá. O que é DST? Você sabe como se pega uma DST? Você sabe como se pega uma DST? Enfermeira Docente

Carrefour Guarujá. O que é DST? Você sabe como se pega uma DST? Você sabe como se pega uma DST? Enfermeira Docente Carrefour Guarujá Bárbara Pereira Quaresma Enfermeira Docente Enfª Bárbara Pereira Quaresma 2 O que é DST? Toda doença transmitida através de relação sexual. Você sabe como se pega uma DST? SEXO VAGINAL

Leia mais

ABIA 25 Anos. 30 anos de AIDS: a história social de uma epidemia e a resposta brasileira. Rio de Janeiro, 8-9 de Agosto de 2012.

ABIA 25 Anos. 30 anos de AIDS: a história social de uma epidemia e a resposta brasileira. Rio de Janeiro, 8-9 de Agosto de 2012. ABIA 25 Anos 30 anos de AIDS: a história social de uma epidemia e a resposta brasileira Rio de Janeiro, 8-9 de Agosto de 2012 Roda de Conversa O Legado do Betinho: Solidariedade, Direitos Humanos e HIV

Leia mais

A POLÍTICA DE DST/AIDS NA VISÃO DE UM TRABALHADOR DO SUS. SORAIA REDA GILBER Farmacêutica Bioquímica LACEN PR

A POLÍTICA DE DST/AIDS NA VISÃO DE UM TRABALHADOR DO SUS. SORAIA REDA GILBER Farmacêutica Bioquímica LACEN PR A POLÍTICA DE DST/AIDS NA VISÃO DE UM TRABALHADOR DO SUS SORAIA REDA GILBER Farmacêutica Bioquímica LACEN PR BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO DA AIDS NO BRASIL Desde o início de 1980 até junho de 2012 foram registrados

Leia mais

CARACTERISTICAS DA FEMINIZAÇÃO DA AIDS EM TRÊS LAGOAS 1 ANDRESSA MARQUES FERREIRA 2 MARIA ANGELINA DA SILVA ZUQUE

CARACTERISTICAS DA FEMINIZAÇÃO DA AIDS EM TRÊS LAGOAS 1 ANDRESSA MARQUES FERREIRA 2 MARIA ANGELINA DA SILVA ZUQUE CARACTERISTICAS DA FEMINIZAÇÃO DA AIDS EM TRÊS LAGOAS 1 ANDRESSA MARQUES FERREIRA 2 MARIA ANGELINA DA SILVA ZUQUE 1 Discente de graduação do curso de Biomedicina 2 Doutoranda Docente das Faculdades Integradas

Leia mais

FEMINIZAÇÃO DO HIV/AIDS: UMA ANÁLISE (PERFIL) JUNTO A REDE NACIONAL DE PESSOAS VIVENDO E CONVIVENDO COM HIV/AIDS NÚCLEO CAMPINA GRANDE PB

FEMINIZAÇÃO DO HIV/AIDS: UMA ANÁLISE (PERFIL) JUNTO A REDE NACIONAL DE PESSOAS VIVENDO E CONVIVENDO COM HIV/AIDS NÚCLEO CAMPINA GRANDE PB FEMINIZAÇÃO DO HIV/AIDS: UMA ANÁLISE (PERFIL) JUNTO A REDE NACIONAL DE PESSOAS VIVENDO E CONVIVENDO COM HIV/AIDS NÚCLEO CAMPINA GRANDE PB Elizângela Samara da Silva 1 Adália de Sá Costa 2 Anna Marly Barbosa

Leia mais

Universidade do Estado do Rio de Janeiro Vice-Reitoria Curso de Abordagem da Violência na Atenção Domiciliar Unidade 2 Violência de gênero

Universidade do Estado do Rio de Janeiro Vice-Reitoria Curso de Abordagem da Violência na Atenção Domiciliar Unidade 2 Violência de gênero Universidade do Estado do Rio de Janeiro Vice-Reitoria Curso de Abordagem da Violência na Atenção Domiciliar Unidade 2 Violência de gênero Nesta unidade, analisaremos os aspectos específicos referentes

Leia mais

VIROLOGIA RETROVÍRUS 1. HIV

VIROLOGIA RETROVÍRUS 1. HIV Instituto Federal de Santa Catarina Curso Técnico em Biotecnologia Unidade Curricular: Microbiologia VIROLOGIA RETROVÍRUS 1. Prof. Leandro Parussolo O que é um retrovírus? É qualquer vírus que possui o

Leia mais

36 mil pessoas já tenham morrido em decorrência da Aids, numa média de 20 mortes diárias (ver Saúde em Brasil).

36 mil pessoas já tenham morrido em decorrência da Aids, numa média de 20 mortes diárias (ver Saúde em Brasil). VÍRUS A raiva é uma doença contagiosa, causada por vírus. Essa doença ataca os mamíferos: cães, gatos, morcegos, macacos etc. O mamífero mais atacado pela raiva é o cão. Um animal com vírus da raiva pode

Leia mais

A face visível da Aids. The visible face of Aids

A face visível da Aids. The visible face of Aids A face visível da Aids The visible face of Aids 1 Mirko D. Grmek, Histoire du Sida: debut et origine d'une pandémie actuelle Paris, Payot, 1989 e David, Black. The plague years: a chronicle of Aids, the

Leia mais

EXPOSIÇÃO DE RISCO DOS PARTICIPANTES DO PROJETO UEPG-ENFERMAGEM NA BUSCA E PREVENÇÃO DO HIV/AIDS

EXPOSIÇÃO DE RISCO DOS PARTICIPANTES DO PROJETO UEPG-ENFERMAGEM NA BUSCA E PREVENÇÃO DO HIV/AIDS 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA EXPOSIÇÃO DE RISCO DOS PARTICIPANTES DO PROJETO UEPG-ENFERMAGEM

Leia mais

AIDS / Uma epidemia em expansão

AIDS / Uma epidemia em expansão A negociação da divisão de trabalho, no cuidado com a casa, com os filhos, com a alimentação e etc.. vem sendo um dos grandes assuntos debatidos entre casais nos tempos modernos. Ainda assim, freqüentemente

Leia mais

PREVINA O CÂNCER DO COLO DO ÚTERO

PREVINA O CÂNCER DO COLO DO ÚTERO SENADO FEDERAL PREVINA O CÂNCER DO COLO DO ÚTERO SENADOR CLÉSIO ANDRADE 2 Previna o câncer do colo do útero apresentação O câncer do colo do útero continua matando muitas mulheres. Especialmente no Brasil,

Leia mais

PlanetaBio Artigos Especiais www.planetabio.com AIDS- SÍNDROME DA IMUNODEFICIÊNCIA ADQUIRIDA

PlanetaBio Artigos Especiais www.planetabio.com AIDS- SÍNDROME DA IMUNODEFICIÊNCIA ADQUIRIDA AIDS- SÍNDROME DA IMUNODEFICIÊNCIA ADQUIRIDA (texto de Marcelo Okuma) 1. Histórico e origem do vírus HIV Há fortes indícios para se acreditar que o vírus da imunodeficiência humana (HIV) tenha evoluído

Leia mais

A importância do tratamento contra a aids

A importância do tratamento contra a aids dicas POSITHIVAS A importância do tratamento contra a aids Por que tomar os medicamentos (o coquetel) contra o HIV? A aids é uma doença que ainda não tem cura, mas tem tratamento. Tomando os remédios corretamente,

Leia mais

INCIDÊNCIA DE AIDS POR SEXO NO ESTADO DE MINAS GERAIS, NO PERÍODO DE 2007 A 2010. AIDS INCIDENCE BY SEX IN STATE OF MINAS GERAIS, FROM 2007 TO 2010.

INCIDÊNCIA DE AIDS POR SEXO NO ESTADO DE MINAS GERAIS, NO PERÍODO DE 2007 A 2010. AIDS INCIDENCE BY SEX IN STATE OF MINAS GERAIS, FROM 2007 TO 2010. INCIDÊNCIA DE AIDS POR SEXO NO ESTADO DE MINAS GERAIS, NO PERÍODO DE 2007 A 2010. AIDS INCIDENCE BY SEX IN STATE OF MINAS GERAIS, FROM 2007 TO 2010. Larissa de Oliveira Abrantes 1 ; Amanda Cristina Souza

Leia mais

O Protagonismo Feminino: Momentos de Prevenção á Saúde. segunda-feira, 19 de março de 12

O Protagonismo Feminino: Momentos de Prevenção á Saúde. segunda-feira, 19 de março de 12 O Protagonismo Feminino: Momentos de Prevenção á Saúde CENTRO DE APOIO SOLIDARIED AIDS É organização da sociedade civil, sem fins lucrativos fundada em 1996. Objetivo: Apoiar, atender, prevenir e promover

Leia mais

CARACTERÍSTCAS DOS ATENDIMENTOS AOS PACIENTES COM GRIPE H1N1 EM UM SERVIÇO DE REFERÊNCIA

CARACTERÍSTCAS DOS ATENDIMENTOS AOS PACIENTES COM GRIPE H1N1 EM UM SERVIÇO DE REFERÊNCIA 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 CARACTERÍSTCAS DOS ATENDIMENTOS AOS PACIENTES COM GRIPE H1N1 EM UM SERVIÇO DE REFERÊNCIA Regina Lúcia Dalla Torre Silva 1 ; Marcia helena Freire Orlandi

Leia mais

Superando o tabu da doença: controle do câncer ganha destaque na mídia com campanhas de prevenção. Ano V - nº 18 - Rio Pesquisa 30

Superando o tabu da doença: controle do câncer ganha destaque na mídia com campanhas de prevenção. Ano V - nº 18 - Rio Pesquisa 30 Superando o tabu da doença: controle do câncer ganha destaque na mídia com campanhas de prevenção Ano V - nº 18 - Rio Pesquisa 30 31 Rio Pesquisa - nº 18 - Ano V SAÚDE Conhecer o passado para cuidar do

Leia mais

Respire aliviado! Tuberculose tem cura

Respire aliviado! Tuberculose tem cura Respire aliviado! Tuberculose tem cura O que é tuberculose? A tuberculose é uma doença infecciosa causada por um micróbio visível apenas ao microscópio, chamado Bacilo de Koch (Mycobacterium tuberculosis).

Leia mais

Diretrizes Consolidadas sobre Prevenção, Diagnóstico, Tratamento e Cuidados em HIV para as Populações-Chave

Diretrizes Consolidadas sobre Prevenção, Diagnóstico, Tratamento e Cuidados em HIV para as Populações-Chave Diretrizes Consolidadas sobre Prevenção, Diagnóstico, Tratamento e Cuidados em HIV para as Populações-Chave Gabriela Calazans FCMSCSP, FMUSP II Seminário Nacional sobre Vacinas e novas Tecnologias de Prevenção

Leia mais

MASCARADOS DA PREVENÇÃO

MASCARADOS DA PREVENÇÃO 8. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: SAÚDE CHERVINSKI, Kellen Francine 1 CZREVATY, Andréia 2 HOLZMANN, Liza 3 NADAL, Isabela Martins 4 MASCARADOS DA PREVENÇÃO O presente trabalho

Leia mais

PREVENÇÃO DE DST/AIDS APÓS VIOLÊNCIA SEXUAL AVALIAÇÃO DOS CASOS NOTIFICADOS À SES/RS.

PREVENÇÃO DE DST/AIDS APÓS VIOLÊNCIA SEXUAL AVALIAÇÃO DOS CASOS NOTIFICADOS À SES/RS. PREVENÇÃO DE DST/AIDS APÓS VIOLÊNCIA SEXUAL AVALIAÇÃO DOS CASOS NOTIFICADOS À SES/RS. Introdução e método: A violência física em especial a violência sexual é, sem dúvida, um problema de saúde pública.

Leia mais

VIGILÂNCIA DE HIV EM SANGUE DOADO: TENDÊNCIA DE SOROPREVALÊNCIA

VIGILÂNCIA DE HIV EM SANGUE DOADO: TENDÊNCIA DE SOROPREVALÊNCIA 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 VIGILÂNCIA DE HIV EM SANGUE DOADO: TENDÊNCIA DE SOROPREVALÊNCIA Janete Lane Amadei 1 ; Deborah Cristiny Dantas Moreti 2 ; Diego Montanhei 2 ; Dennis Armando

Leia mais

PLANEJANDO A GRAVIDEZ

PLANEJANDO A GRAVIDEZ dicas POSITHIVAS PLANEJANDO A GRAVIDEZ Uma pessoa que vive com HIV/aids pode ter filhos biológicos? Pode. As pessoas que vivem com HIV/aids não devem abandonar seus sonhos, incluindo o desejo de construir

Leia mais

Doenças sexualmente transmissíveis

Doenças sexualmente transmissíveis Doenças sexualmente transmissíveis Lília Maria de Azevedo Moreira SciELO Books / SciELO Livros / SciELO Libros MOREIRA, LMA. Doenças sexualmente transmissíveis. In: Algumas abordagens da educação sexual

Leia mais

O CONHECIMENTO BÁSICO DA COMUNIDADE ESCOLAR SOBRE HIV/AIDS

O CONHECIMENTO BÁSICO DA COMUNIDADE ESCOLAR SOBRE HIV/AIDS Revista Eletrônica Novo Enfoque, ano 2010, v. 11, n. 11, p. 10 20 O CONHECIMENTO BÁSICO DA COMUNIDADE ESCOLAR SOBRE HIV/AIDS GONÇALVES, B.F.da S.¹; DE BRITO, D.M.¹; PEDRO, E. M. ¹; CALVO, F.L.M.¹; SPERLICH,

Leia mais

TRAJETÓRIAS DE MULHERES SOROPOSITIVAS NO ATIVISMO POLÍTICO DE HIV- AIDS NO ESTADO DO PARANÁ

TRAJETÓRIAS DE MULHERES SOROPOSITIVAS NO ATIVISMO POLÍTICO DE HIV- AIDS NO ESTADO DO PARANÁ TRAJETÓRIAS DE MULHERES SOROPOSITIVAS NO ATIVISMO POLÍTICO DE HIV- AIDS NO ESTADO DO PARANÁ Carolina Branco de Castro Ferreira 1 - PPG-UEL A Aids se apresenta como uma epidemia dinâmica, complexa e multifatorial,

Leia mais

Truvada: o medicamento que pode revolucionar a história da AIDS e está causando processos contra o SUS

Truvada: o medicamento que pode revolucionar a história da AIDS e está causando processos contra o SUS Truvada: o medicamento que pode revolucionar a história da AIDS e está causando processos contra o SUS Você já deve ter ouvido falar que mulheres grávidas portadoras do HIV, ao fazerem o tratamento antirretroviral

Leia mais

Campanha DST 1. Enzo Maymone COUTO 2 Eduardo Perotto BIAGI 3 Universidade Católica Dom Bosco, Campo Grande, MS

Campanha DST 1. Enzo Maymone COUTO 2 Eduardo Perotto BIAGI 3 Universidade Católica Dom Bosco, Campo Grande, MS Campanha DST 1 Enzo Maymone COUTO 2 Eduardo Perotto BIAGI 3 Universidade Católica Dom Bosco, Campo Grande, MS RESUMO: Este trabalho foi realizado na disciplina de Criação II do curso de Comunicação Social

Leia mais

Contrata Consultor na modalidade. Contrata Consultor na modalidade

Contrata Consultor na modalidade. Contrata Consultor na modalidade Contrata Consultor na modalidade PROJETO 914/BRZ/1138 EDITAL Nº 19/2014 Publicação de perfil(is) para contratação de profissional(is) na(s) área(s), cuja(s) vaga(s) está(ão) disponível (is) na página da

Leia mais

Direcção-Geral da Acção Social

Direcção-Geral da Acção Social Direcção-Geral da Acção Social Núcleo de Documentação Técnica e Divulgação Maria Joaquina Ruas Madeira A Dimensão Social da SIDA: A Família e a Comunidade (Comunicação apresentada nas 1as Jornadas Regionais

Leia mais

Conhecendo o vírus v. Vírus da Imunodeficiência Humana VIH

Conhecendo o vírus v. Vírus da Imunodeficiência Humana VIH Conhecendo o vírus v da Sida Vírus da Imunodeficiência Humana VIH Conhecendo o Vírus da Sida O vírus entra na corrente sanguínea; Determina a posição exacta e reconhece os linfócitos T helper, fixando-se

Leia mais

TÍTULO DA PROPOSTA INSTITUIÇÃO CIDADE

TÍTULO DA PROPOSTA INSTITUIÇÃO CIDADE Em cumprimento ao item 8.8. do Edital para seleção de subprojetos de pesquisa em DST, HIV/AIDS e Hepatites Virais - Processo Licitatório N.º 01/2013, o Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais e o

Leia mais

SEXUALIDADE NA EDUCAÇÃO: PRÁTICAS INTEGRATIVAS SOBRE DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS

SEXUALIDADE NA EDUCAÇÃO: PRÁTICAS INTEGRATIVAS SOBRE DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS SEXUALIDADE NA EDUCAÇÃO: PRÁTICAS INTEGRATIVAS SOBRE DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS Renata de Barros Oliveira (UFPE/CAV) José Phillipe Joanou Santos (UFPE/CAV) Janaina Patrícia Dos Santos (Escola Estadual

Leia mais

BUSCA ATIVA DE POSSÍVEIS PORTADORES DE HIV/AIDS EM PROJETO EXTENSIONISTA E SEU PERFIL

BUSCA ATIVA DE POSSÍVEIS PORTADORES DE HIV/AIDS EM PROJETO EXTENSIONISTA E SEU PERFIL 9. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO (

Leia mais

ÍNDICE - 12/06/2005 O Estado de S.Paulo... 2 O Estado de S.Paulo... 2 Vida&...2 Revista IstoÉ...4 MEDICINA & BEM-ESTAR/Epidemia...

ÍNDICE - 12/06/2005 O Estado de S.Paulo... 2 O Estado de S.Paulo... 2 Vida&...2 Revista IstoÉ...4 MEDICINA & BEM-ESTAR/Epidemia... ÍNDICE - 12/06/2005 O Estado de S.Paulo...2 O Estado de S.Paulo...2 Vida&...2 Rede de bancos poderá facilitar transplantes...2 Revista IstoÉ...4 MEDICINA & BEM-ESTAR/Epidemia...4 Nem tão exemplar...4 O

Leia mais

ELIMINE A PÓLIO AGORA: ENTRE PARA A HISTÓRIA HOJE

ELIMINE A PÓLIO AGORA: ENTRE PARA A HISTÓRIA HOJE ELIMINE A PÓLIO AGORA: ENTRE PARA A HISTÓRIA HOJE 23 de outubro de 2015 ELIMINE A PÓLIO AGORA: Quanto falta para vivermos em um mundo livre da pólio? O que precisamos fazer para chegar lá? Como a família

Leia mais

PROJETO: MATEMÁTICA NA SAÚDE GRUPO C

PROJETO: MATEMÁTICA NA SAÚDE GRUPO C EE JUVENTINO NOGUEIRA RAMOS PROJETO: MATEMÁTICA NA SAÚDE TEMA : AIDS GRUPO C ADRIANO OSVALDO DA S. PORTO Nº 01 ANDERSON LUIZ DA S.PORTO Nº 05 CÍNTIA DIAS AVELINO Nº 11 CLAUDINEI MOREIRA L. JUNIOR Nº 12

Leia mais

ESPECIAL 2014. SAÚDE da Mulher

ESPECIAL 2014. SAÚDE da Mulher ESPECIAL 2014 SAÚDE da Mulher ESPECIAL 2014 SAÚDE da MULHER APRESENTAÇÃO A mulher redefiniu seu papel na sociedade e tem hoje grandes desafios e variadas demandas que terminam por impactar no seu estilo

Leia mais

cartões de bolso serié 4 VIH/ SIDA

cartões de bolso serié 4 VIH/ SIDA cartões de bolso serié 4 VIH/ SIDA 1 O que é VIH? É o vírus que causa a SIDA. Vírus é um microbio muito pequeno, que não se consegue ver a olho nu, ou seja, é preciso ajuda de um microscópio. VIH significa:

Leia mais

AIDS e envelhecimento: repercussões na saúde pública

AIDS e envelhecimento: repercussões na saúde pública AIDS e envelhecimento: repercussões na saúde pública Por Guilherme Wendt, Equipe SIS.Saúde INTRODUÇÃO Devido aos avanços técnico-científicos observados no mundo, consequentes transformações foram percebidas,

Leia mais

QUERO SABER... FIZ O TESTE E DEU ( POSITIVO ) Como é que uma pessoa se pode proteger do VIH/sida?

QUERO SABER... FIZ O TESTE E DEU ( POSITIVO ) Como é que uma pessoa se pode proteger do VIH/sida? Como é que uma pessoa se pode proteger do VIH/sida? Para NÃO APANHAR nas relações intimas e sexuais: 1. Não fazer sexo enquanto não se sentir preparado para usar o preservativo (pode experimentar primeiro

Leia mais

MANUAL DE PESSOAL MÓDULO 40 : PROGRAMA NACIONAL DE PREVENÇÃO E ACOMPANHAMENTO DA AIDS E DST

MANUAL DE PESSOAL MÓDULO 40 : PROGRAMA NACIONAL DE PREVENÇÃO E ACOMPANHAMENTO DA AIDS E DST CAP : 1 1 MÓDULO 40 : PROGRAMA NACIONAL DE PREVENÇÃO E ACOMPANHAMENTO DA AIDS E DST CAPÍTULO 1 : APRESENTAÇÃO 1. FINALIDADE Estabelecer diretrizes gerais para a operacionalização do Programa Nacional de

Leia mais

A ATUAÇÃO DA PASTORAL DA AIDS EM DUQUE DE CAXIAS E SÃO JOÃO DE MERITI E O DIÁLOGO DA SEXUALIDADE

A ATUAÇÃO DA PASTORAL DA AIDS EM DUQUE DE CAXIAS E SÃO JOÃO DE MERITI E O DIÁLOGO DA SEXUALIDADE A ATUAÇÃO DA PASTORAL DA AIDS EM DUQUE DE CAXIAS E SÃO JOÃO DE MERITI E O DIÁLOGO DA SEXUALIDADE Aluna: Sandra Regina de Souza Marcelino Orientador: Luís Corrêa Lima Introdução Este relatório tem por finalidade

Leia mais

O TRABALHO DA ENFERMAGEM COM POPULAÇÕES VULNERÁVEIS- INTERFACE ENTRE AIDS, CAMINHONEIROS E PROFISSIONAIS DO SEXO

O TRABALHO DA ENFERMAGEM COM POPULAÇÕES VULNERÁVEIS- INTERFACE ENTRE AIDS, CAMINHONEIROS E PROFISSIONAIS DO SEXO O TRABALHO DA ENFERMAGEM COM POPULAÇÕES VULNERÁVEIS- INTERFACE ENTRE AIDS, CAMINHONEIROS E PROFISSIONAIS DO SEXO KOLLER, Evely Marlene Pereira 1 RAMOS,Flávia Regina Souza 2 O Brasil conta com uma população

Leia mais