Índice de Estigma de Pessoas Vivendo com HIV/SIDA MOÇAMBIQUE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Índice de Estigma de Pessoas Vivendo com HIV/SIDA MOÇAMBIQUE"

Transcrição

1 Índice de Estigma de Pessoas Vivendo com HIV/SIDA MOÇAMBIQUE Relatório Final - Metodologia e Resultados Julho 2013

2

3 - 3 - ÍNDICE GLOSSÁRIO DE ACRÓNIMOS AGRADECIMENTOS SUMÁRIO EXECUTIVO CONTEXTO HIV EM MOÇAMBIQUE O ESTIGMA E A DISCRIMINAÇÃO ASSOCIADOS AO HIV EM MOÇAMBIQUE O QUADRO INSTITUCIONAL DE COMBATE AO HIV/SIDA EM MOÇAMBIQUE ESTUDO DO ÍNDICE DE ESTIGMA DE PESSOAS VIVENDO COM HIV/SIDA OBJECTIVOS METODOLOGIA CONSIDERAÇÕES ÉTICAS DEFINIÇÃO DA AMOSTRA SELECÇÃO DOS ENTREVISTADORES FORMAÇÃO DOS ENTREVISTADORES PRÉ-TESTAGEM DOS QUESTIONÁRIOS RECOLHA DE DADOS CARREGAMENTO E VERIFIÇÃO DA QUALIDADE DOS DADOS LIMITAÇÕES DO ESTUDO RESULTADOS E ANÁLISE DOS DADOS CARACTERIZAÇÃO DEMOGRÁFICA E SOCIO-ECONÓMICA DOS ENTREVISTADOS (E AGREGADOS) EXPERIÊNCIA DE ESTIGMA E DISCRIMINAÇÃO ACESSO AO TRABALHO E SERVIÇOS DE SAÚDE E EDUCAÇÃO ESTIGMA INTERNO DIREITOS, LEIS E POLÍTICAS REALIZANDO MUDANÇAS TESTE/DIAGNÓSTICO REVELAÇÃO DA SEROPOSITIVIDADE E CONFIDENCIALIDADE TRATAMENTO TER FILHOS CONCLUSÕES RECOMENDAÇÕES REFERÊNCIAS

4 - 4 - GLOSSÁRIO DE ACRÓNIMOS ARV CD CD4 CNBS CNCS COVs DPS GATV GNP+ HIV ICW IPPF MISAU ONUSIDA PARPA PEN PVHS RENSIDA TARV SIDA SWANNEPHA UEM Medicamentos antiretrovirais Comité Director Contador de CD4 (Diferencial Celular) Comité Nacional para a Bioética da Saúde Conselho Nacional de Combate ao HIV/SIDA Crianças Órfãs e Vulneráveis Direcção Provincial de Saúde Gabinete de Aconselhamento e Testagem Voluntária Rede Global de Pessoas Vivendo com HIV/SIDA Vírus da Imunodeficiência Humana [Human Immunodeficiency Virus] Comunidade Internacional de Mulheres Vivendo com HIV/SIDA Federação Internacional de Planeamento Familiar Ministério da Saúde da República de Moçambique Programa Conjunto das Nações Unidas sobre o VIH/SIDA Plano de Acção para a Redução da Pobreza Absoluta Plano Estratégico Nacional de Resposta ao HIV/SIDA Pessoas Vivendo com HIV/SIDA Rede Nacional de Associações de Pessoas Vivendo com HIV/SIDA Tratamento antiretroviral Síndroma de Imunodeficiência Adquirida Rede Nacional de Pessoas Vivendo com HIV/SIDA na Suazilândia [Swaziland National Network for People Living With HIV/AIDS] Universidade Eduardo Mondlane

5 - 5 - AGRADECIMENTOS Este estudo foi possível graças à dedicação do Comité Director (CD) instituído para acompanhar o processo de coordenação e implementação do estudo em Moçambique, constituído por representantes da ONUSIDA em Moçambique, UEM, RENSIDA e grupo CESO CI. A nossa gratidão vai também para o Secretariado Executivo da RENSIDA e suas associações-membro nas Províncias de Maputo, Gaza, Manica, Sofala e Nampula, por todo o apoio durante o processo de inquirição, e para os entrevistadores, pela flexibilidade mostrada para que se pudessem cumprir as metas definidas, e consultor principal, Dr. Santos Alfredo Nassivila, pela condução do estudo. Não gostaríamos de deixar de referir o apoio financeiro conferido pela Comic Relief, sem o qual este projecto não teria avançado, e a orientação e disponibilidade permanente da Federação Internacional para o Planeamento Familiar (IPPF). Finalmente, mas não menos importante, a equipa de estudo agradece também a todas as Pessoas Vivendo com HIV/SIDA (PVHS) que aceitaram ser inquiridas, proporcionando importantes contribuições sobre as suas experiências, conhecimentos, ansiedades e compromissos na luta contra o estigma e a discriminação em Moçambique. A todos que, de alguma forma, contribuíram para o sucesso do estudo, o nosso muito obrigado.

6 - 6 - SUMÁRIO EXECUTIVO O Índice de Estigma de Pessoas Vivendo com HIV/SIDA é uma iniciativa conjunta de várias organizações internacionais IPPF, ONUSIDA, GNP+ e ICW, que desenvolveram uma metodologia e um questionário padrão a ser aplicado à escala global, procurando documentar o grau e as formas de estigma e discriminação vividos pelas Pessoas Vivendo com HIV/SIDA (PVHS) em diferentes países. A intenção das organizações participantes é de tornar o Índice amplamente disponível, de modo a que possa ser utilizado como um instrumento local, nacional e global de advocacia para lutar pela melhoria dos direitos das PVHS. A implementação do estudo em Moçambique esteve a cargo da Rede Nacional de Associações de Pessoas que Vivem com HIV/SIDA (RENSIDA), com o apoio técnico do grupo CESO CI e supervisão directa do Comité Director, constituído para o efeito e representado por membros da ONUSIDA em Moçambique e da Universidade Eduardo Mondlane. Uma particularidade desta metodologia prende-se com o facto de os entrevistadores serem também PVHS, colocando-as no centro do processo e fomentando um espírito verdadeiramente participativo e empoderador. Os dados foram recolhidos através de entrevistas realizadas em cinco províncias moçambicanas: Maputo, Gaza, Manica, Sofala e Nampula. Os entrevistados foram seleccionados de forma aleatória entre um universo de PVHS associadas ou com ligações à RENSIDA e às suas associações membro. No total foram validados e contemplados no presente estudo 741 questionários, tendo-se procurado uma representação equitativa de mulheres e homens e de residentes em zonas rurais e urbanas. Os resultados revelaram que o estigma e a discriminação associados ao HIV estão bem presentes em Moçambique e constituem um desafio actual. Nos 12 meses que precederam o inquérito, mais de metade do total dos entrevistados vivenciaram alguma forma de estigma e discriminação motivados pela sua situação de HIV. Parte dos inquiridos ouviram falar mal de si (36,3%), outros foram vítimas de pressão psicológica ou manipulação pelo cônjuge (36%), foram verbalmente ameaçados ou insultados (24,4%), ou excluídos de actividades em família (12,8%), excluídos de actividades sociais (7,2%) ou mesmo fisicamente atacados (5,1%). Também nos últimos 12 meses que precederam o inquérito, quase quatro em cada dez inquiridos declararam que o seu estado de HIV (sozinho ou em parte) restringiu o acesso ao trabalho, alojamento ou algum serviço social. Cerca de 14,5% dos entrevistados considera que perdeu o emprego ou fonte de rendimento (sobretudo devido à deterioração do seu estado de saúde); cerca de 6% confirmaram terem sido forçados a mudar o seu local de residência, ou não puderam arrendar um local para acomodação; 5,4% reportaram ter sido, eles próprios ou os filhos, despedidos, expulsos ou suspensos, de uma instituição de ensino devido à sua condição de PVHS; e a cerca de 3% dos respondentes foram negados serviços de planeamento familiar e serviços de saúde sexual e reprodutiva, por causa da sua situação de HIV. Sobre a opção de ter filhos, 15,9% do total dos inquiridos disseram ter sido aconselhados por um profissional da saúde a não ter (mais) filhos por causa da sua condição de PVHS, 3,1% (78,3% mulheres) afirmaram mesmo ter sido coagidos por um profissional de saúde a serem esterilizados depois do diagnóstico e 6,8% das mulheres inquiridas alegaram ter sido coagidas a interromper uma gravidez.

7 - 7 - Noutra perspectiva, cerca de 60% dos inquiridos manifestaram sentimentos negativos em relação a si próprios (estigma interno) por serem portadores de HIV: 35,5% tinham pouca auto-estigma, 34,8% sentiam-se envergonhados, 32,8% sentiam-se culpados, 10% sentiam vontade de se suicidar e 6,1% achavam que deveriam ser punidos. Em função desta auto-estigmatização, em particular no ano que precedeu o inquérito, 27,9% dos inquiridos inibiramse de participar em encontros sociais, 26% isolaram-se inclusive da família e amigos, entre 13% a 16% decidiram parar de trabalhar ou de procurar trabalho, não casar ou não ter relações sexuais e cerca de 10% evitou ainda ir a uma clínica ou hospital quando precisava. O estudo revelou igualmente algum desconhecimento, por parte das PVHS, dos direitos, leis e políticas nacionais que as protegem, bem como dos mecanismos de reparação legal. De entre os inquiridos que afirmaram que os seus direitos haviam sido violados (8,4%) e os que não tinham a certeza (31,7%), apenas cerca de um oitavo procurou mover uma acção legal. Sobre o conhecimento de alguma organização a que possam recorrer perante experiências de estigma ou discriminação, 26,6% dos respondentes (n=197) alegou não ter qualquer referência, enquanto 72,2% (n=535) disseram conhecer algum ponto de apoio, de entre os quais se destacaram os grupos locais de apoio às PVHS (51,5%) ou redes de PVHS (23,1%), seguidos das organizações religiosas (15,2%) e do Conselho Nacional de Combate ao HIV/SIDA (CNCS) (13,8%). Verificou-se, por outro lado, uma significante base de apoio entre PVHS tendo cerca de 70% dos respondentes alegadamente encetado algum tipo de acção de forma a ajudar alguém na mesma situação, sobretudo através de apoio emocional. As situações mais citadas contemplavam casos de despejo e isolamento da família, de afastamento dos vizinhos e outras pessoas próximas, de falta de apoio quando doentes, situações de insultos verbais recorrentes, associações a bruxaria, casos de negação do atestado de pobreza e situações de desprezo e discriminação por causa da aparência e do preconceito. Na opinião dos próprios inquiridos, a intervenção das organizações/redes de PVHS, como a RENSIDA, deverá dar prioridade à assistência a PVHS em termos de apoio emocional (p. ex., aconselhamento e apoio psicológico), físico (p. ex., preparar uma refeição, fazer trabalho doméstico, adquirir medicamentos ou preservativos) e de referência (p. ex., orientar alguém para um tratamento clínico ou para serviços adequados aos seus problemas), seguida da aposta na educação dirigida às PVHS sobre como viver de forma positiva (29,1%) e do desafio de despertar a consciência e o conhecimento público sobre o HIV (12,8%). Em relação à testagem, cerca de dois em cada dez entrevistados só fizeram o teste e souberam do seu estado serológico quando foram referenciados por apresentarem já sintomas de infecções oportunistas e 23% das mulheres por altura de uma gravidez. Em termos de confidencialidade, um pequeno número de inquiridos manifestou receio que o sigilo médico não seja respeitado e que por conseguinte outras pessoas saibam do seu estado serológico sem o seu consentimento. Da amostra considerada, a maioria das PVHS entrevistadas apenas revelou o seu estado de HIV ao núcleo familiar, a trabalhadores de acção social/conselheiros e pontualmente a outras PVHS e profissionais de saúde.

8 - 8 - No geral, a falta de conhecimento e compreensão da doença, nomeadamente sobre as formas de contágio, prevenção e tratamento, fazem suscitar mitos e ideias erradas em torno do HIV, detetados em algumas entrevistas, como a ideia de que o TARV mata, ou que é possível curar a doença através de rituais de purificação ou ainda que se pode ficar infectado por um contacto casual, o que gera medos e desconfianças irracionais que constituem uma barreira à prevenção de mais infecções e ao fornecimento de cuidados, apoio e tratamento adequado. Espera-se todavia que a presente pesquisa, enquadrada num processo participativo, tenha gerado um aumento da sensibilização para as questões de estigma e discriminação, entre os entrevistados e entrevistadores, e que terá repercussões. Recomenda-se, com base nos números observados, procurar aumentar a divulgação e visibilidade das associações, grupos, redes ou organizações que trabalham nesta temática, procurar promover mais campanhas de sensibilização, sublinhando o conceito da vida positiva saudável e com dignidade, incentivar e criar estratégias para que as pessoas façam o teste mais precocemente e procurar assegurar o anonimato, o sigilo e a confidencialidade, essenciais ao bem-estar da PVHS enquanto o estigma e a discriminação associados ao HIV forem uma realidade.

9 CONTEXTO 1.1. HIV EM MOÇAMBIQUE O HIV/SIDA é uma doença com prevalência vincada a nível mundial. Em 2011, o número de Pessoas Vivendo com HIV/SIDA (PVHS) no mundo era de aproximadamente 34 milhões e a região com maior prevalência da doença é a África Subsariana, onde vivem cerca de 23,5 milhões de PVHS (ONUSIDA, 2012), mais de dois terços (69%) dos portadores de HIV em todo o mundo. Desde 1999, ano em que se pensa ter sido atingido o pico de pessoas infectadas pela doença, o número de novas pessoas infectadas com HIV/SIDA decresceu cerca de 19% (ONUSIDA, 2010). Ainda assim, a doença continua a ser uma preocupação de elevada importância a nível da saúde mundial, sendo que, globalmente, o número absoluto de PVHS continua a aumentar (ONUSIDA & OMS, 2009). No caso de Moçambique, estimativas para o ano de 2011 apontam para 1,4 milhões de PVHS no país (ONUSIDA, 2012), dado que o coloca em quinto lugar no ranking mundial de países com maior número de pessoas portadoras da doença. Estima-se que cerca de 11,3% da população moçambicana, com idade compreendida entre os 15 e os 49 anos, vive com HIV/SIDA uma em cada dez pessoas adultas, destacando-se ainda o sexo feminino como grupo mais afetado. Em termos de distribuição espacial, de acordo com os registos de HIV/SIDA reportados pelo exercício de Vigilância Epidemiológica de 2007, vale a pena salientar a manutenção das taxas de prevalência nas regiões norte e centro de Moçambique, com 9% e 18%, respectivamente, sendo que no sul registou-se uma taxa ligeiramente mais elevada, 21%, com tendência crescente. Já em termos da dicotomia zona rural/urbana, a incidência é maior nos centros urbanos. Enquanto na zona rural, em média, cerca de 9,2% da população entre os 15 e os 49 anos de idade vivem com HIV/SIDA, na zona urbana a taxa de prevalência é de 15,9% (CNCS, 2011) O ESTIGMA E A DISCRIMINAÇÃO ASSOCIADOS AO HIV EM MOÇAMBIQUE Em Moçambique, estudos de pequena escala realizados anteriormente indicam que o estigma e a discriminação associados ao HIV são uma realidade no país, e, considerando que em Moçambique o HIV é uma doença que afeta mais de um décimo da população adulta e que se reflete em mais de 356 novas infecções diárias, este torna-se um assunto de prioridade nacional. Enquanto a pessoa doente recebe normalmente uma atenção privilegiada, no caso dos doentes de HIV/SIDA, as pessoas tendem a rejeitá-los, evitá-los e tratá-los, a eles e aos seus parentes, incorrectamente. O facto de, em Moçambique, a principal forma de transmissão do HIV ser a relação sexual reforça a crença errada de que o HIV/SIDA está relacionado com um comportamento sexual reprovável e que o doente é de algum modo responsável pelo seu estado de saúde.

10 Estigma Fenómeno social caracterizado pela reprovação, descrédito, desconsideração e/ou sub-valorização de um indivíduo ou grupo de indivíduos com determinadas características, comportamentos ou crenças, não alinhados com as normas sociais ou culturais. Frequentemente leva à marginalização e à discriminação. Estigma interno Auto-estigmatização ou sentimento de desvalor ou vergonha sentido pelas pessoas estigmatizadas. Na questão do HIV/SIDA o estigma interno refere-se à forma como as pessoas vivendo com HIV se sentem em relação a si próprias em função do seu estado serológico. O estigma interno pode resultar no distanciamento da pessoa vivendo com HIV dos contactos sociais e íntimos, e na auto-exclusão do acesso a serviços e oportunidades por medo de ver o seu estado revelado ou ser discriminada. Todo este tipo de conceito ou concepção negativa em redor do tema do HIV/SIDA, tais como os mitos, preconceitos, desconfianças e o medo, refletidos no estigma e discriminação, têm contribuído para o agravamento da expansão da doença, pois inibe o acesso das pessoas à testagem, aos cuidados de tratamento e prevenção, ao apoio psicossocial e aos cuidados domiciliários. Desta forma, o estigma não só afeta o conhecimento quanto à realidade do fenómeno, como reprime as PVHS de procurarem viver de forma positiva. No âmbito do Inquérito Nacional de Prevalências, Riscos Comportamentais e Informação sobre o HIV/SIDA em Moçambique (INSIDA), realizado pelo Instituto Nacional de Saúde e o Instituto Nacional de Estatística, em 2009, foi desenvolvido um indicador sintético para analisar a atitude de aceitação de inquiridos em relação às PVHS, que conjugava quatro atitudes para com os infectados por HIV/SIDA. A análise global deste indicador permitiu concluir que, em 2009, somente 18% das mulheres e 18% dos homens expressavam uma atitude positiva nas quatro componentes do indicador. Apesar de relativamente baixas, as taxas de aceitação registaram uma melhoria em relação ao inquérito demográfico e de saúde de 2003, nomeadamente nas mulheres em que a proporção aumentou de 8% para 18%. Verificou-se, também, que os adultos residentes nas áreas rurais tinham menor tendência a expressar atitudes positivas. Uma análise por província permitiu concluir que as menores atitudes de aceitação ocorriam entre as mulheres de Inhambane, Sofala Tete, Nampula e Gaza e entre os homens de Nampula, Tete e Manica. Apesar de fornecer alguma informação sobre o estigma e discriminação de PVHS, o INSIDA baseia-se na inquirição de agregados familiares, em questionários individuais e na recolha de amostras de sangue para testagem para HIV/SIDA, pelo que o estigma e a discriminação são analisados mais sob a perspectiva de terceiros do que, necessariamente, sob a perspectiva das próprias PVHS. Discriminação Tratamento diferenciado (injusto e prejudicial) de um indivíduo por pertencer ou se achar que pertence a um grupo particular. É o resultado da activação do estigma O QUADRO INSTITUCIONAL DE COMBATE AO HIV/SIDA EM MOÇAMBIQUE O combate ao HIV/SIDA em Moçambique está a ganhar uma nova dimensão, abrangendo presentemente várias vertentes relacionadas com a doença, incluindo prevenção, tratamento e combate à discriminação e estigmatização. A nível institucional, para além do Ministério da Saúde (MISAU), nas suas diferentes vertentes, a nível nacional, e das Direcções Provinciais de Saúde (DPS) nos Governos Provinciais, o Conselho Nacional de Combate ao HIV/SIDA (CNCS), instituição do Estado criada em 2000, representou um importante passo na luta contra o HIV/SIDA em Moçambique, na medida em que consagra o princípio de abordagem multissectorial no combate a esta doença com o propósito de coordenar, facilitar, monitorar e avaliar a resposta multissectorial de combate ao HIV/SIDA em Moçambique, abarcando actuações a nível local, através de Núcleos Provinciais de Combate ao HIV/SIDA (NPCS).

11 Neste contexto, o Plano de Acção para a Redução da Pobreza Absoluta (PARPA) nas suas três edições (PARPA I ; PARPA II ; PARPA III ) e o Plano Quinquenal do Governo ( e ) estabelecem, desde logo, prioridades no combate ao HIV/SIDA. Para além disso, o país conta, desde 2000, com um plano nacional de actuação, o Plano Estratégico Nacional de Resposta ao HIV/SIDA, estando em curso o PEN III ( ), documento do Governo de Moçambique que orienta todas as suas acções e de outros actores na resposta nacional ao HIV/SIDA. No entanto, este quadro institucional conta também com um vasto conjunto de interlocutores, designadamente parceiros de apoio ao desenvolvimento, organizações da sociedade civil moçambicana e organizações nãogovernamentais internacionais, que procuram reforçar a actuação do Estado na prevenção, combate à doença e à discriminação e estigma de que as PVHS são vítimas. A RENSIDA Ao nível das organizações da sociedade civil que actuam no combate ao HIV/SIDA em Moçambique, destaca-se a Rede Nacional de Associações de Pessoas que Vivem com HIV/SIDA (RENSIDA) criada em 2002, com o objetivo de melhorar a coordenação de acções que visam a melhoria da qualidade de vida de PVHS, de modo a fortalecer as capacidades das associações de PVHS, colaborando com outros intervenientes e tendo um papel activo nos programas de mitigação e prevenção, tratamento e cuidados, no âmbito de HIV/SIDA em Moçambique, em articulação com fóruns internacionais. A RENSIDA conta com 39 membros, estando representada em todas as províncias. Entre os objetivos estratégicos da RENSIDA, incluem-se: o desenvolvimento da sua capacidade institucional; a angariação e direção de fundos e recursos para a RENSIDA e Associações Membros; a facilitação da troca de informação e experiências entre as Associações Membros e outros actores fora da rede; bem como o fortalecimento das acções de advocacia quanto aos temas principais definidos. No âmbito deste último objectivo estratégico, incluem-se acções de advocacia sobre o acesso ao tratamento e cuidados de saúde para as PVHS, acções de combate ao estigma e à discriminação, acções de defesa dos direitos das PVHS e envolvimento das pessoas portadoras de deficiência e acções nas prisões no combate ao HIV/SIDA ESTUDO DO ÍNDICE DE ESTIGMA DE PESSOAS VIVENDO COM HIV/SIDA O Índice de Estigma de Pessoas Vivendo com HIV/SIDA é uma iniciativa conjunta de várias organizações internacionais 1, que desenvolveram uma metodologia e um questionário padrão a ser aplicado à escala global, procurando documentar o grau e as formas de estigma e discriminação vividos pelas PVHS em cada país. A intenção das organizações participantes é de tornar o Índice amplamente disponível, de modo a que possa ser utilizado como um instrumento local, nacional e global de advocacia para lutar pela melhoria dos direitos das pessoas vivendo com HIV/SIDA. O Índice parte de um conceito de abrangência faseada, estando a ser desenvolvido progressivamente por uma variedade de grupos nas diferentes comunidades, países e continentes. 1 A Federação Internacional para o Planeamento Familiar (IPPF), em parceria com o Programa Conjunto das Nações Unidas sobre o VIH/SIDA (ONUSIDA), a Rede Global de Pessoas Vivendo com HIV (GNP +) e a Comunidade Internacional de Mulheres vivendo com HIV (ICW).

12 Coube à RENSIDA a responsabilidade por implementar o estudo do Índice de Estigma de PVHS em Moçambique, projecto desenvolvido com o apoio próximo de coordenação e supervisão do CD (ONUSIDA e UEM) e apoio técnico do grupo CESO CI OBJECTIVOS Espera-se que os resultados deste estudo permitam obter um maior conhecimento sobre o grau e as formas que assume o estigma e a discriminação enfrentados por PVHS em Moçambique, de tal forma que seja possível medir a sua evolução no tempo e a comparação entre comunidades e com outros países, fornecendo, ainda, uma base sólida para a tomada de decisão e proposta de políticas específicas.

13 METODOLOGIA O estudo do Índice de Estigma de Pessoas Vivendo com HIV/SIDA foi implementado em Moçambique seguindo o Questionário e as indicações do Manual do Utilizador disponível no site da iniciativa (www.stigmaindex.org), que oferece um quadro claro de informações e orientações às equipas locais para a implementação das diferentes fases da pesquisa CONSIDERAÇÕES ÉTICAS Antes do arranque da implementação do estudo realizaram-se várias reuniões entre os membros do Comité Director (CD) para confirmar os detalhes da metodologia, assim como analisar o processo de apresentação dos pedidos de autorização do Comité Nacional para a Bioética da Saúde (CNBS/MISAU) e Direcções Provinciais de Saúde (DPS) para a realização dos inquéritos, garantindo a validação da conformidade com certos padrões em relação a questões éticas e de protecção de dados. Dois assuntos eram de particular importância: o consentimento informado e a confidencialidade. Preparou-se um dossier com todos os documentos necessários para a submissão ao CNBS, incluindo, entre outros, o protocolo de investigação detalhando os objetivos, métodos e resultados esperados, bem como cópia da folha de informação ao participante, do modelo de Consentimento Informado, carta de aceitação das normas e procedimentos da bioética e declaração de possíveis conflitos de interesse por parte do investigador principal. O Protocolo foi aprovado pelo CNBS a 8 de agosto de No terreno, em conformidade com o protocolo aprovado, antes de cada questionário, os entrevistadores explicaram a cada um dos inquiridos os objetivos do inquérito, mencionando os princípios de confidencialidade e tranquilizando-os sobre eventuais apreensões sobre a divulgação das suas respostas. Foi frisado, sobretudo, a cada entrevistado, que a sua identidade não seria relacionada com a informação fornecida e que a informação seria utilizada apenas para os fins do estudo e ainda relembrado que poderiam desistir de responder ao questionário a qualquer momento sem represálias pela atitude que tomassem. Somente após estes esclarecimentos e mediante a aceitação através do consentimento informado assinado (ficando uma cópia assinada com o entrevistador e a outra com o próprio inquirido) se avançou para o preenchimento dos questionários. Consentimento Informado Consentimento dado pelo próprio entrevistado para a recolha e processamento dos dados pessoais, depois de estar plenamente informado acerca da natureza do estudo, dos intervenientes, forma de processamento, arquivo e uso dos dados. Confidencialidade Garantia do resguardo da identidade e das informações dadas pessoalmente em confiança, protegendo contra a sua revelação não autorizada.

14 DEFINIÇÃO DA AMOSTRA Tem havido muito debate acerca da amostragem para este Índice a nível internacional. Está em causa o facto de não ser possível considerar uma amostra representativa de toda a população de pessoas vivendo com HIV. É muito difícil considerar uma amostra representativa de PVHS, uma vez que não há uma lista completa de todos aqueles que vivem com a doença (isto é, toda a população de interesse), tendo em conta, por exemplo, os casos dos indivíduos que não têm consciência do seu estado, ou que, mesmo sabendo do seu estado serológico, não o revelam. Para Moçambique, embora haja estimativas, não é possível também obter uma amostra que se diga representativa de toda a população de PVHS, dada a inexistência de uma lista completa. A solução, conforme sugerido no Guia do Utilizador, passou por se considerar uma população mais estritamente definida, como é o caso das PVHS que são membros de uma determinada rede. Para tais grupos, caso possuam listas dos membros, é possível extrair uma amostra baseada na probabilidade dentro dessa população mais restrita. Impõe-se, contudo, reconhecer que os membros desta rede provavelmente estão mais conscientes dos problemas relacionados com o estigma e estão mais bem informados do que a pessoa normal que vive com HIV, pelo que as suas experiências e opiniões são valiosas, mas não são necessariamente representativas da generalidade das PVHS. Em Moçambique, procurando incluir uma mais vasta gama de experiências do que as abrangidas pela rede, e mais fiel ao retrato de todas as PVHS no país, definiu-se a amostra com base em listas confidenciais dos membros das organizações associadas da RENSIDA, acrescidas de outros contactos conhecidos por ou com ligações à rede. Os entrevistados foram assim seleccionados de forma aleatória entre um universo de PVHS membros, conhecidas ou com ligações à RENSIDA e/ou às suas associações membro. A dimensão da amostra para Moçambique foi definida pela ONUSIDA tendo em conta a evolução demográfica da epidemia e os custos associados à realização do processo de inquirição. Como tal, o tamanho da amostra estabelecido foi de 750 questionários, 150 entre cinco províncias. Com os mesmos critérios, as províncias alvo definidas foram Maputo, Gaza, Manica, Sofala e Nampula, duas províncias da região sul, duas da região centro e uma da região norte. Segundo o Inquérito Nacional de Prevalência, Riscos Comportamentais e Informação sobre o HIV e SIDA em Moçambique 2009 (INSIDA 2009), Maputo, Gaza, Manica e Sofala constituem as províncias com maiores taxas de prevalência de HIV, 16,8%, 25,1%, 15,3% e 15,5%, respectivamente. Pelo contrário, a Província de Nampula, apenas precedida por Niassa, revelou uma das menores taxas de prevalência da doença, fixando-se nos 4,6%. Por província, a partir das listas fornecidas pelas associações membro da RENSIDA, separaram-se os elementos do sexo feminino e masculino, e de entre estes, os residentes na capital da província ou em zona rural/urbe menor. Destes quatro grupos combinados (homem residente em zona rural, homem residente em zona urbana, mulher residente em zona rural e mulher residente em zona urbana) foram seleccionados aleatoriamente 37/38 potenciais entrevistados.

15 SELECÇÃO DOS ENTREVISTADORES Uma particularidade distintiva da metodologia aplicada prende-se com o facto de os entrevistadores serem também pessoas vivendo com HIV/SIDA, membros de uma rede de pessoas vivendo com HIV no país onde o Índice está a ser implementado, fomentando um espírito verdadeiramente participativo, empoderador das PVHS, colocando-as no centro do processo. Esta particularidade não só coloca os entrevistados mais à vontade durante o processo de entrevista, podendo encorajá-los a falar mais, como permite um fortalecimento e uma aprendizagem dos próprios entrevistadores sobre a forma como estes encaram as atitudes discriminatórias e potencia um maior envolvimento destes com as redes e o surgimento de novas acções de combate à discriminação e ao estigma. Em Moçambique, com apoio da RENSIDA, seleccionou-se um conjunto de PVHS associados da sua rede para conduzirem as entrevistas. No total, foram seleccionados dez entrevistadores, um homem e uma mulher por cada uma das cinco províncias-alvo. A seleção dos dez inquiridores foi criteriosa e não aleatória, pois a qualidade da pesquisa depende, em grande parte, da qualidade do pessoal envolvido na recolha dos dados. Os critérios de selecção dos candidatos a entrevistadores compreendiam terem concluído a 12.ª classe, gozarem de boa saúde, não estarem empregados ou terem responsabilidades domésticas e que estivessem disponíveis e capazes de permanecer algumas semanas fora de casa. Além disso, um dos pressupostos do estudo era assegurar que os inquiridores soubessem falar as línguas locais dos distritos onde o estudo teria lugar para que pudessem traduzir os questionários para os inquiridos que não falassem Português, sem no entanto alterar o sentido e o conteúdo da pergunta FORMAÇÃO DOS ENTREVISTADORES Antes de iniciar o processo de inquirição nas províncias, foi organizado um programa de formação de três dias dirigido aos entrevistadores seleccionados, que teve lugar entre os dias 30 de Julho e 1 de Agosto de 2012, na cidade de Maputo. A formação dos entrevistadores baseou-se na estrutura disponível no Manual do Utilizador do Índice de Estigma, adaptando-a à realidade moçambicana. Durante a formação, distribuiu-se o dossier pedagógico, composto pelo programa de formação, o Questionário do Índice de Estigma, um Manual do Entrevistador, uma cópia da Declaração de Compromisso sobre o HIV/SIDA (2001), uma cópia da legislação nacional que protege os direitos de PVHS, uma lista bibliográfica aplicável e um questionário de avaliação da formação. Além da transmissão de informações, exemplos e boas práticas aos entrevistadores, de modo a prepará-los para executar as suas tarefas no terreno de acordo com as regras de qualidade e sigilo previstas na metodologia internacional (componente teórica), realizaram-se exercícios práticos e jogos de simulação na condução de entrevistas. Esta componente prática foi muito valorizada. Participaram também na formação membros do CD, assim como outros membros da RENSIDA e ainda dois elementos da SWANNEPHA, organização que implementou o índice de estigma na Suazilândia. A presença das colegas da SWANNEPHA foi uma mais-valia proporcionando espaço para trocar ideias e colher ensinamentos, relativamente à implementação do estudo no país vizinho.

16 PRÉ-TESTAGEM DOS QUESTIONÁRIOS Como parte do processo de formação, o Consultor-chefe e a RENSIDA organizaram uma pré-testagem dos questionários, procurando validar a adequabilidade das questões e do dossier de entrevista preparado. A prétestagem foi feita na cidade de Matola e arredores da mesma, na Província de Maputo, no último dia de formação. Após a pré-testagem, fez-se uma avaliação rápida para aferir a qualidade e facilidade do exercício, dialogando sobre desafios encontrados durante o trabalho de campo, que serviu de reflexão conjunta. Como os próprios entrevistadores expressaram, este foi um exercício útil como oportunidade de praticar e consolidar o que haviam aprendido durante a formação. Os questionários respondidos durante a fase de pré-testagem não foram utilizados na contagem final do estudo RECOLHA DE DADOS Durante o trabalho de campo, os entrevistadores contaram com o apoio das associações locais membros da RENSIDA. Foram realizadas entrevistas em Maputo Cidade e Matola (Província de Maputo), Xai-Xai e Manjacaze (Gaza), Beira e Nhamatanda (Sofala), Chimoio e Gondola (Manica) e Nampula cidade e Meconta (Nampula). A planificação definida permitiu a realização de uma média de 75 entrevistas por inquiridor, realizadas em cerca de três semanas por província, o que correspondeu a uma média de 6 entrevistas diárias, salvaguardando o tempo necessário para as deslocações. O consultor-chefe esteve presente nos primeiros dois dias iniciais em cada província, bem como o responsável técnico da RENSIDA. A presença do consultor-chefe, nos primeiros dias do inquérito, garantiu um maior apoio à equipa de entrevistadores de cada província e a supervisão da recolha dos dados, confirmando ou ajustando a abordagem nas entrevistas. Posteriormente, o consultor-chefe esteve em contacto permanente por telefone assim como através do responsável do projecto por parte da RENSIDA para esclarecer dúvidas pontuais ou prestar qualquer tipo de assistência requerida pelos entrevistadores CARREGAMENTO E VERIFIÇÃO DA QUALIDADE DOS DADOS Após a recolha dos dados nas províncias objecto do estudo, os questionários foram enviados à CESO CI Moçambique, em Maputo, para inserção dos elementos na base de dados preparada para o efeito. Os dados de cada questionário foram introduzidos no programa Epi-Info por dois digitadores diferentes visando validar os dados ao controlar possíveis erros de digitação e estimar as frequências relativas dos eventos estudados. Para salvaguardar a confidencialidade dos inquiridos, os questionários foram identificados através de um código denominado "código único de identificação", ao invés do nome do entrevistado, ao qual apenas a equipa diretamente implicada na recolha e digitação de dados teve acesso. Dos 751 questionários recolhidos (uma média de 75 questionários por entrevistador, 150 por província), foram validados 741 questionários (98,67%). Os restantes (1,33%) foram rejeitados por se apresentarem preenchidos de forma errada ou incompleta.

17 LIMITAÇÕES DO ESTUDO Em primeiro lugar, conforme referido na secção sobre a selecção da amostra, o estudo deixa de fora as pessoas que vivem com HIV mas não conhecem o seu estado, ou que, mesmo sabendo do seu estado serológico, não vivem abertamente com o HIV (isto é, que não se sentem à vontade para revelar o seu estado aos outros) e aqueles a que não se conseguiu chegar porque não estão filiados ou contactáveis pela RENSIDA e associações membro. Neste sentido, com a base da amostra considerada composta por PVHS membros, conhecidas ou com ligações à RENSIDA e às suas associações membro os resultados podem revelar um maior grau de abertura para encarar e superar as dificuldades inerentes à doença, do que reflectiriam os resultados se fosse possível inquirir efectivamente todas as PVHS no país. Em segundo lugar, é preciso também manter em atenção que estamos a tratar de fenómenos sociais, com comportamentos decorrentes de causas e influências múltiplas, em que não há causas únicas ou motivações exclusivas. Os números apresentados neste relatório pretendem ser uma base de informação para reflexão, sem a pretensão de fazer declarações totalizadoras. Além do mais, a situação geográfica e a história de Moçambique, marcada por vários processos migratórios, resultou num grupo populacional heterogéneo com características multiculturais e multiétnicas, adverso a generalizações. Finalmente deve ser considerado que em muitas entrevistas foi necessário o recurso à tradução, pelo que a correcta interpretação das questões dependia da capacidade dos entrevistadores em traduzirem fielmente o questionário. Procurou-se porém mitigar este possível obstáculo através de um trabalho junto de cada dupla de entrevistadores, durante a formação, de traduzir para as línguas locais dos respectivos distritos os conceitos que pudessem suscitar dificuldades de tradução ou más interpretações.

18 RESULTADOS E ANÁLISE DOS DADOS 3.1. CARACTERIZAÇÃO DEMOGRÁFICA E SOCIO-ECONÓMICA DOS ENTREVISTADOS (E AGREGADOS) Foram preenchidos 751 questionários, dos quais foram validados 741, 385 referentes a entrevistados do sexo feminino (52%) e 356 do sexo masculino (48%), 212 provenientes de uma área rural (29%) e 529 de uma zona urbana cidade ou vila (71%). Gráfico 1 e 2: Percentagem de questionários validados por sexo e zona habitacional 48% 52% Feminino Masculino 38% 33% 29% Numa área rural Numa grande cidade Numa pequena cidade ou vila Através do método de definição da amostra exposto anteriormente, procurou-se obter uma representação equitativa entre sexos e população rural-urbana. Em certas regiões, nomeadamente na Província de Maputo, houve dificuldade em mobilizar participantes do sexo masculino e para colmatar este facto foram entrevistadas mais mulheres que homens como forma de se cumprir o número de entrevistas previstas. Em relação à área de residência, consideraram-se residentes em zona rural os que disseram viver numa área rural e residentes em zona urbana os entrevistados que disseram viver numa grande cidade ou numa pequena cidade ou vila. A tabela 1, abaixo, apresenta o número final de questionários preenchidos e validados em cada uma das cinco províncias-alvo e a distribuição por sexo e zona habitacional. Tabela 1: Número de questionários validados por província, sexo e zona habitacional Províncias \ Pop. Zona Rural Zona Urbana H M H M Totais P1 Maputo P2 Gaza P3 Manica P4 Sofala P5 Nampula Totais De forma a obter uma amostra com variedade em termos de zona habitacional (dicotomia campo/cidade), em cada província realizaram-se os inquéritos nas respetivas capitais e em áreas de menor densidade populacional. O facto de Nampula não ter questionários representativos de PVHS residentes em zona rural, prende-se com o local onde os questionários foram preenchidos. Além de Nampula cidade, foram recolhidos dados em Namialo, vila do distrito de Meconta, que para os efeitos da presente investigação é englobada na categoria de zona urbana.

19 Organizando a informação em função das idades dos entrevistados (tabela 2), observa-se que a média de idades destes se situa no intervalo dos 30 a 39 anos, grupo etário em que se enquadram 37,4% (n=277) do total dos inquiridos. Tabela 2: Distribuição dos entrevistados por faixa etária, zona habitacional e sexo (%) Idade Zona Rural Zona Urbana Totais H M H M H M ,0 1,7 0,0 2,3 0,0 2, ,2 5,0 1,5 11,3 1,7 9, ,8 15,1 8,4 15,4 9,0 15, ,3 36,1 38,8 38,3 37,1 37, ,0 30,3 34,2 25,9 32,6 27, ,9 11,8 17,1 6,8 19,7 8,3 Totais (%) Totais (n) Relativamente ao tempo desde quando vivem com a doença, mais de metade dos entrevistados (53,7%) foi diagnosticado há menos de quatro anos. De entre estes, 8,2% (n=61) tomou consciência do seu estado de HIV há menos de um ano e 45,5% (n=337) vive com HIV desde há um a quatro anos. Os restantes 45,5% respondentes vivem ou foi-lhe diagnosticado o vírus do HIV há mais de cinco anos, de entre os quais 9,5% (n=70) há mais de 10 anos. À data de realização da entrevista, cerca de 64% dos entrevistados eram casados ou mantinham algum tipo de relação e 36% eram solteiros, viúvos ou divorciados/separados (gráfico 3). Gráfico 3: Situação actual de relacionamento 13% Casado(a) ou a coabitar e presentemente o marido/mulher/parceiro(a) vive com a família 16% 7% 41% Casado(a) ou a coabitar e neste momento o marido/mulher/parceiro(a) vive/trabalha temporariamente longe da família Num relacionamento mas não vivem juntos Divorciado/Separado 17% 6% Solteiro(a) Uma larga percentagem de ambos os sexos reportou ser sexualmente activo (87% dos respondentes). De entre os 356 inquiridos do sexo masculino, 92,4% (n=329) são sexualmente activos e de entre as 385 inquiridas do sexo feminino, 81,6% (n=314) são sexualmente activas.

20 Sobre a pertença a algum grupo considerado de risco (tabela 3), apenas uma minoria, menos de 14% dos entrevistados se identificaram como membros de alguma das categorias pré-identificadas, das quais se destacam os que se apresentaram como «Pessoas deslocadas internamente», «Trabalhadores migrantes» e «Trabalhadores do sexo». Tabela 3: Pertença a grupos de risco Categorias N.º % Homens que mantêm sexo com homens 0 0% Homossexuais ou lésbicas 0 0% Transgéneros 0 0% Trabalhador(a) do sexo 18 2,4% Injeta-se com drogas 2 0,3% Refugiado ou à procura de asilo 8 1,1% Pessoas deslocadas internamente 44 5,9% Trabalhador migrante 27 3,6% Prisioneiro 4 0,5% Nenhum dos anteriores ,1% Totais % Neste âmbito, note-se a possibilidade de ter havido algum constrangimento em responder à pergunta de forma honesta devido à conotação negativa e estigma associado a estes grupos de risco. Em concreto, nenhum dos inquiridos disse pertencer às primeiras três categorias pré-identificados no questionário, «Homens que mantêm sexo com homens», «Homossexuais ou Lésbicas» e «Transgéneros», grupos que por si só vivenciam um elevado grau de estigma e discriminação. A metodologia, colocando as PVHS no centro do processo, visava criar um clima de intimidade e abertura na entrevista, mas há aspectos que continuam tabu na sociedade moçambicana. NÍVEL DE ESCOLARIDADE Ao nível da escolaridade das PVHS entrevistadas, quase metade concluiu apenas o ensino primário (47,9%, n=355), 30% concluiu o ensino secundário (n=222), uma larga percentagem ainda (17,7%, n=131) teve uma educação não formal e apenas 20 entrevistados (2,7%) prosseguiu e concluiu o ensino técnico/universitário - dos quais 16 são homens residentes em área urbana. Gráfico 4: Grau de escolaridade dos entrevistados 30% 3% 17% Educação não formal Ensino primário Ensino secundário 48% Ensino técnico/universitário Não respondeu

MOÇAMBIQUE. Principais Resultados

MOÇAMBIQUE. Principais Resultados MOÇAMBIQUE Inquérito Nacional de Prevalência, Riscos Comportamentais e Informação sobre o HIV e SIDA em Moçambique (INSIDA 2009) Principais Resultados O Inquérito Nacional de Prevalência, Riscos Comportamentais

Leia mais

Propriedade Intelectual nos Países de língua Portuguesa

Propriedade Intelectual nos Países de língua Portuguesa Propriedade Intelectual nos Países de língua Portuguesa Politicas de Saúde e AIDS Moçambique Eusébio Chaquisse, MD, MIH Universidade Lúrio - Nampula Introdução: Moçambique possui uma população 20 milhões

Leia mais

CAPÍTULO 6 INTENÇÕES REPRODUTIVAS E PLANEAMENTO DA FECUNDIDADE

CAPÍTULO 6 INTENÇÕES REPRODUTIVAS E PLANEAMENTO DA FECUNDIDADE CAPÍTULO 6 INTENÇÕES REPRODUTIVAS E PLANEAMENTO DA FECUNDIDADE O questionário do IDS de 1997 conteve várias questões para investigar as preferências reprodutivas da população entrevistada. Foi recolhida

Leia mais

Os objectivos primários deste encontro preparatório podem ser especificados conforme se indica abaixo:

Os objectivos primários deste encontro preparatório podem ser especificados conforme se indica abaixo: Envolvimento e Participação da Sociedade Civil nos Processos em direcção ao Acesso Universal na África Austral Uma Posição Comum Nairobi, 26 de Maio de 2008 Região em Crise A África Austral é o epicentro

Leia mais

Projeto de Educação Sexual 2013/2014

Projeto de Educação Sexual 2013/2014 Projeto de Educação Sexual 2013/2014 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ARCOZELO Equipa de Educação para a Saúde 1. INTRODUÇÃO O presente projecto, surge para dar cumprimento à lei nº 60/2010 de 6 de Agosto, regulamentada

Leia mais

1.1 Informações Básicas para os Treinadores

1.1 Informações Básicas para os Treinadores 1. INTRODUÇÃO Foi estimado, até o final de 2003, que mais de 38 milhões de homens, mulheres e crianças estão vivendo com HIV. Quase 25 milhões dessas pessoas vivem na África do subsaara, de acordo com

Leia mais

POLÍTICA DE HIV/SIDA NO LOCAL DE TRABALHO

POLÍTICA DE HIV/SIDA NO LOCAL DE TRABALHO POLÍTICA DE HIV/SIDA NO LOCAL DE TRABALHO Documento Final Submetido ao FORCOM Maputo, Agosto de 2011 Lista de Acrónimos FORCOM HIV IEC IST OIT OMS PARP PEN PNCS PVHS RH SIDA TB Forum Nacional das Rádios

Leia mais

Centro de Estudos de Democracia e Desenvolvimento CEDE

Centro de Estudos de Democracia e Desenvolvimento CEDE Centro de Estudos de Democracia e Desenvolvimento CEDE Política de Género e HIV-SIDA do Centro de Estudos de Democracia e Desenvolvimento (PG e HIV/SIDA-CEDE) Page 1 of 11 Índice Visão, Missão, Valores

Leia mais

1. SUMÁRIO EXECUTIVO 2. GERAÇÃO BIZ

1. SUMÁRIO EXECUTIVO 2. GERAÇÃO BIZ 1. SUMÁRIO EXECUTIVO O Programa Geração Biz (PGB) é um programa de promoção de Saúde Sexual e Reprodutiva e prevenção do HIV que teve o seu inicio em 1999, como um projectopiloto na Cidade de Maputo e

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 660/X ESTABELECE O REGIME DE APLICAÇÃO DA EDUCAÇÃO SEXUAL EM MEIO ESCOLAR

PROJECTO DE LEI N.º 660/X ESTABELECE O REGIME DE APLICAÇÃO DA EDUCAÇÃO SEXUAL EM MEIO ESCOLAR PROJECTO DE LEI N.º 660/X ESTABELECE O REGIME DE APLICAÇÃO DA EDUCAÇÃO SEXUAL EM MEIO ESCOLAR Exposição de Motivos A garantia da saúde sexual e reprodutiva na sociedade contemporânea é condição necessária

Leia mais

Orientação Técnica para Propostas do Fundo Mundial para a Série 8. Prevenção

Orientação Técnica para Propostas do Fundo Mundial para a Série 8. Prevenção Orientação Técnica para Propostas do Fundo Mundial para a Série 8 Prevenção BCC (Comunicação para Alteração de Comportamento) cobertura comunitária e escolas Fundamentação lógica para incluir as SDA (Área

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE, MOÇAMBIQUE PROGRAMA NACIONAL DE CONTROLE DAS DTS/SIDA

MINISTÉRIO DA SAÚDE, MOÇAMBIQUE PROGRAMA NACIONAL DE CONTROLE DAS DTS/SIDA i MINISTÉRIO DA SAÚDE, MOÇAMBIQUE PROGRAMA NACIONAL DE CONTROLE DAS DTS/SIDA IMPACTO DEMOGRÁFICO DA EPIDEMIA DO HIV/SIDA NOS RECURSOS HUMANOS DO SISTEMA NACIONAL DA SAÚDE EM MOÇAMBIQUE DRAFT FINAL FEVEREIRO

Leia mais

OBSERVATÓRIO DO PERCURSO PROFISSIONAL DOS DIPLOMADOS DA UTAD

OBSERVATÓRIO DO PERCURSO PROFISSIONAL DOS DIPLOMADOS DA UTAD OBSERVATÓRIO DO PERCURSO PROFISSIONAL DOS DIPLOMADOS DA UTAD UTAD 2011 OBSERVATÓRIO DO PERCURSO PROFISSIONAL DOS DIPLOMADOS DA UTAD (2003-2007) O. Enquadramento As políticas públicas de ensino superior

Leia mais

VERSÃO RESUMIDA (PILARES E OBJECTIVOS ESTRATÉGICOS)

VERSÃO RESUMIDA (PILARES E OBJECTIVOS ESTRATÉGICOS) VERSÃO RESUMIDA (PILARES E OBJECTIVOS ESTRATÉGICOS) 1 Plano Estratégico do CCM 2013 a 2017 Versão Resumida 1. ANÁLISE DO CONTEXTO 1. 1. Justiça Económica e Social A abundância dos recursos naturais constitui

Leia mais

ESTRATÉGIA DE ACELERAÇÃO DA PREVENÇÃO DA INFECÇÃO PELO HIV

ESTRATÉGIA DE ACELERAÇÃO DA PREVENÇÃO DA INFECÇÃO PELO HIV ESTRATÉGIA DE ACELERAÇÃO DA PREVENÇÃO DA INFECÇÃO PELO HIV I. Introdução Desde que, em 1986, foi registado o primeiro caso de SIDA em Moçambique, o número de casos tem vindo a crescer rapidamente. Até

Leia mais

Diagnóstico Precoce Infantil do HIV em Moçambique

Diagnóstico Precoce Infantil do HIV em Moçambique Diagnóstico Precoce Infantil do HIV em Moçambique Relatório Janeiro, 2009 Dezembro, 2011 República de Moçambique Ministério da Saúde 1. Sumário Executivo O presente Relatório do Progresso do Programa de

Leia mais

TERMOS DE REFERÊNCIA DE UM ASSISTENTE TÉCNICO PARA O TARV PEDIÁTRICO NA REGIÃO DE NAMPULA MOÇAMBIQUE

TERMOS DE REFERÊNCIA DE UM ASSISTENTE TÉCNICO PARA O TARV PEDIÁTRICO NA REGIÃO DE NAMPULA MOÇAMBIQUE TERMOS DE REFERÊNCIA DE UM ASSISTENTE TÉCNICO PARA O TARV PEDIÁTRICO NA REGIÃO DE NAMPULA MOÇAMBIQUE Moçambique é um dos dez países no mundo mais atingido pelo HIV/SIDA com uma prevalência de 16.2%. Devido

Leia mais

SITUAÇÃO DA TUBERCULOSE NAS FAA

SITUAÇÃO DA TUBERCULOSE NAS FAA Forças Armadas Angolanas Estado Maior General Direcção dos Serviços de Saúde SITUAÇÃO DA TUBERCULOSE NAS FAA Capitão de M. Guerra/ Médico Isaac Francisco Outubro/2014 Caracterização de Angola Capital:

Leia mais

POSIÇÃO COMUM AFRICANO SOBRE ACABAR COM O CASAMENTO INFANTIL

POSIÇÃO COMUM AFRICANO SOBRE ACABAR COM O CASAMENTO INFANTIL AFRICAN UNION UNION AFRICAINE UNIÃO AFRICANA Addis Ababa, ETHIOPIAP. O. Box 3243Telephone +251 11 5517 700 Fax : 00251 11 5517844 www.au.int POSIÇÃO COMUM AFRICANO SOBRE ACABAR COM O CASAMENTO INFANTIL

Leia mais

SISTEMA DE PROTECÇÃO SOCIAL EM ANGOLA

SISTEMA DE PROTECÇÃO SOCIAL EM ANGOLA SISTEMA DE PROTECÇÃO SOCIAL EM ANGOLA I- CONTEXTO 1- A assistência social é uma abordagem que visa proteger os grupos mais vulneráveis tendo em conta critérios rigorosos para uma pessoa se habilitar a

Leia mais

YOUR LOGO. Investir na mulher pode ser uma etapa importante na prevenção e combate ao HIV/SIDA. Nome do participante: Boaventura Mandlhate

YOUR LOGO. Investir na mulher pode ser uma etapa importante na prevenção e combate ao HIV/SIDA. Nome do participante: Boaventura Mandlhate YOUR LOGO PLEASE FEEL FREE TO ADD YOUR OWN BACKGROUND Investir na mulher pode ser uma etapa importante na prevenção e combate ao HIV/SIDA. Nome do participante: Boaventura Mandlhate Categoria: MEDIA, saúde

Leia mais

POLÍTICA DE HIV/SIDA DA HELVETAS MOÇAMBIQUE

POLÍTICA DE HIV/SIDA DA HELVETAS MOÇAMBIQUE Helvetas Swiss Association for International Cooperation / Schweizer Gesellschaft für internationale Zusammenarbeit / Association suisse pour la coopération internationale Associação suíça para a cooperação

Leia mais

IMPACTO DEMOGRÁFICO DO HIV/SIDA EM MOÇAMBIQUE

IMPACTO DEMOGRÁFICO DO HIV/SIDA EM MOÇAMBIQUE IMPACTO DEMOGRÁFICO DO HIV/SIDA EM MOÇAMBIQUE Instituto Nacional de Estatística (INE), Ministério da Saúde (MISAU), Ministério de Planificação e Desenvolvimento (MPD), Centro de Estudos Africanos da Universidade

Leia mais

DIÁLOGO SOCIAL EUROPEU: PROJECTO DE ORIENTAÇÕES MULTISSECTORIAIS PARA O COMBATE DA VIOLÊNCIA E ASSÉDIO DE TERCEIROS RELACIONADOS COM O TRABALHO

DIÁLOGO SOCIAL EUROPEU: PROJECTO DE ORIENTAÇÕES MULTISSECTORIAIS PARA O COMBATE DA VIOLÊNCIA E ASSÉDIO DE TERCEIROS RELACIONADOS COM O TRABALHO DIÁLOGO SOCIAL EUROPEU: PROJECTO DE ORIENTAÇÕES MULTISSECTORIAIS PARA O COMBATE DA VIOLÊNCIA E ASSÉDIO DE TERCEIROS RELACIONADOS COM O TRABALHO EPSU, UNI Europa, ETUCE, HOSPEEM, CEMR, EFEE, EuroCommerce,

Leia mais

Plano Municipal de Cascais contra a Violência Doméstica 2008-2011

Plano Municipal de Cascais contra a Violência Doméstica 2008-2011 Plano Municipal de Cascais contra a Violência Doméstica 2008-2011 A violência doméstica é um fenómeno complexo que requer uma intervenção concertada e multidisciplinar. 1 PLANO MUNICIPAL CONTRA A VIOLÊNCIA

Leia mais

EXPERIÊNCIA DE MOÇAMBIQUE NA IMPLEMENTAÇÃO DA SEGURANÇA SOCIAL BÁSICA

EXPERIÊNCIA DE MOÇAMBIQUE NA IMPLEMENTAÇÃO DA SEGURANÇA SOCIAL BÁSICA REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA MULHER E DA ACÇÃO SOCIAL EXPERIÊNCIA DE MOÇAMBIQUE NA IMPLEMENTAÇÃO DA SEGURANÇA SOCIAL BÁSICA 16 DE OUTUBRO DE 2013 1 CONTEXTO DE MOÇAMBIQUE Cerca de 23 milhões de

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO. PORTARIA Nº 1.927, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2014 (DOU de 11/12/2014 Seção I Pág. 82)

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO. PORTARIA Nº 1.927, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2014 (DOU de 11/12/2014 Seção I Pág. 82) MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO PORTARIA Nº 1.927, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2014 (DOU de 11/12/2014 Seção I Pág. 82) Estabelece orientações sobre o combate à discriminação relacionada ao HIV e a Aids nos

Leia mais

(Resoluções, recomendações e pareceres) RESOLUÇÕES CONSELHO

(Resoluções, recomendações e pareceres) RESOLUÇÕES CONSELHO 19.12.2007 C 308/1 I (Resoluções, recomendações e pareceres) RESOLUÇÕES CONSELHO RESOLUÇÃO DO CONSELHO de 5 de Dezembro de 2007 sobre o seguimento do Ano Europeu da Igualdade de Oportunidades para Todos

Leia mais

Situação das Crianças em Moçambique 2014

Situação das Crianças em Moçambique 2014 Situação das Crianças em Moçambique 2014 No decurso da última década, a situação das crianças em Moçambique avançou significativamente. Mais crianças estão a sobreviver e a ter acesso ao sistema de protecção

Leia mais

Encontros do Observatório 2014 Pobreza Infantil

Encontros do Observatório 2014 Pobreza Infantil º Uma iniciativa: Com apoio: 1 Encontros do Observatório, 23 Maio 2014 1. Contextualização O Observatório de Luta contra a Pobreza na Cidade de Lisboa definiu como prioridade temática para 2014 a, problema

Leia mais

As mulheres constituem a maioria da população residente em Portugal e vivem até mais tarde do que os homens; adiam a maternidade, têm menos filhos

As mulheres constituem a maioria da população residente em Portugal e vivem até mais tarde do que os homens; adiam a maternidade, têm menos filhos As mulheres constituem a maioria da população residente em Portugal e vivem até mais tarde do que os homens; adiam a maternidade, têm menos filhos Por ocasião do dia em que se comemorou o 32º aniversário

Leia mais

Construir uma sociedade para todas as idades

Construir uma sociedade para todas as idades Construir uma sociedade para todas as idades O VIH/SIDA e as Pessoas Idosas O VIH/SIDA é um problema mundial de proporções catastróficas. O desafio é enorme, mas não estamos impotentes perante ele. Foi

Leia mais

Programa de Apoio ao Autoemprego

Programa de Apoio ao Autoemprego Programa de Apoio ao Autoemprego Relatório do Programa Operacional Agosto 2013 Promotor: Coordenação da Execução: Introdução Objectivo e enquadramento Este relatório foi redigido com base no estudo As

Leia mais

iagnóstico de Situação Secundária com 3º Ciclo do Marco de Canaveses

iagnóstico de Situação Secundária com 3º Ciclo do Marco de Canaveses No Marco Sabemos Mais Sobre @ Doenças Sexualmente Transmissíveis / Métodos Contracetivos (SMS@DST) Dia iagnóstico de Situação na Escola Secundária com 3º Ciclo do Marco de Canaveses Realizado pela: ASSOCIAÇÃO

Leia mais

(Fonte e adaptado do Concelho Executivo das Nações Unidas de 15 de Setembro de 2012)

(Fonte e adaptado do Concelho Executivo das Nações Unidas de 15 de Setembro de 2012) Plano de Protecção à Criança do CENTRO DE EDUCAÇÃO DELTA CULTURA (CEDC) (Fonte e adaptado do Concelho Executivo das Nações Unidas de 15 de Setembro de 2012) INTRODUÇÃO: Este documento é o Plano de Protecção

Leia mais

Sociedade da Informação e do Conhecimento Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação pelas Famílias 2013

Sociedade da Informação e do Conhecimento Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação pelas Famílias 2013 Sociedade da Informação e do Conhecimento Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação pelas Famílias 2013 38% DAS PESSOAS COM IDADE ENTRE 16 E 74 ANOS CONTACTAM COM ORGANISMOS

Leia mais

CONSULTA PÚBLICA CRIAÇÃO DA AGÊNCIA EUROPEIA DE DIREITOS FUNDAMENTAIS. Contributo da Equipa do Centro de Recursos Anti-Discriminação

CONSULTA PÚBLICA CRIAÇÃO DA AGÊNCIA EUROPEIA DE DIREITOS FUNDAMENTAIS. Contributo da Equipa do Centro de Recursos Anti-Discriminação CONSULTA PÚBLICA CRIAÇÃO DA AGÊNCIA EUROPEIA DE DIREITOS FUNDAMENTAIS Contributo da Equipa do Centro de Recursos Anti-Discriminação 17 de Dezembro de 2004 Preâmbulo Sobre o lugar de onde se perspectiva

Leia mais

2º Fórum Lusófono de Mulheres em Postos de Tomada de Decisão Luanda, 17-18 de Julho 2002

2º Fórum Lusófono de Mulheres em Postos de Tomada de Decisão Luanda, 17-18 de Julho 2002 2º Fórum Lusófono de Mulheres em Postos de Tomada de Decisão Luanda, 17-18 de Julho 2002 Tema: A Situação Actual da Educação das Jovens e Mulheres Leontina Virgínia Sarmento dos Muchangos Direcção Nacional

Leia mais

TORs da Avaliação do CCF Julho, 2014

TORs da Avaliação do CCF Julho, 2014 1. CONTEXTO AVALIAÇÃO DO CENTRO CRIANÇA FELIZ Termos de Referência O projecto Centro Criança Feliz é uma iniciativa da IBIS Moçambique, concebida e por si implementada desde 2008. O projecto surgiu no

Leia mais

DOCUMENTO DE POSICIONAMENTO DA IBIS SOBRE A JUVENTUDE

DOCUMENTO DE POSICIONAMENTO DA IBIS SOBRE A JUVENTUDE DOCUMENTO DE POSICIONAMENTO DA IBIS SOBRE A JUVENTUDE A IBIS visa contribuir para o empoderamento dos jovens como cidadãos activos da sociedade, com igual usufruto de direitos, responsabilidades e participação

Leia mais

Resumo do Protocolo Partner

Resumo do Protocolo Partner Resumo do Protocolo Partner Estudo em casais serodiscordantes em relação ao VIH para estimativa da taxa de transmissão de VIH e investigação de factores associados à utilização de preservativo. Partners

Leia mais

DIÁLOGO NACIONAL SOBRE EMPREGO EM MOÇAMBIQUE

DIÁLOGO NACIONAL SOBRE EMPREGO EM MOÇAMBIQUE DIÁLOGO NACIONAL SOBRE EMPREGO EM MOÇAMBIQUE CRIAÇÃO DE EMPREGO NUM NOVO CONTEXTO ECONÓMICO 27-28 demarço de 2014, Maputo, Moçambique A conferência de dois dias dedicada ao tema Diálogo Nacional Sobre

Leia mais

PROTECÇÃO SOCIAL EM MOÇAMBIQUE. Enquadramento, Políticas e Programas em Moçambique

PROTECÇÃO SOCIAL EM MOÇAMBIQUE. Enquadramento, Políticas e Programas em Moçambique REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA MULHER E DA ACÇÃO SOCIAL PROTECÇÃO SOCIAL EM MOÇAMBIQUE Enquadramento, Políticas e Programas em Moçambique MAPUTO, 02 de Setembro de 2014 ESTRUTURA 1. Contexto 2.

Leia mais

25/03/2009. Violência Dirigida aos Enfermeiros no Local de Trabalho

25/03/2009. Violência Dirigida aos Enfermeiros no Local de Trabalho 25/03/2009 Violência Dirigida aos Enfermeiros no Local de Trabalho Violência Dirigida aos Enfermeiros no Local de Trabalho: O Caso de um Hospital Sandrina Nunes Violência no Sector da Saúde Ilustração

Leia mais

BUSCA ATIVA DE POSSÍVEIS PORTADORES DE HIV/AIDS EM PROJETO EXTENSIONISTA E SEU PERFIL

BUSCA ATIVA DE POSSÍVEIS PORTADORES DE HIV/AIDS EM PROJETO EXTENSIONISTA E SEU PERFIL 9. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO (

Leia mais

INSIDA 2009. Inquérito Nacional de Prevalência, Riscos Comportamentais e Informação sobre o HIV e SIDA em Moçambique.

INSIDA 2009. Inquérito Nacional de Prevalência, Riscos Comportamentais e Informação sobre o HIV e SIDA em Moçambique. INSIDA 2009 Inquérito Nacional de Prevalência, Riscos Comportamentais e Informação sobre o HIV e SIDA em Moçambique Relatório Final Inquérito Nacional de Prevalência, Riscos Comportamentais e Informação

Leia mais

Delegação da União Europeia em Moçambique

Delegação da União Europeia em Moçambique REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DOS NEGÓCIOS ESTRANGEIROS E COOPERAÇÃO GABINETE DO ORDENADOR NACIONAL PARA A COOPERAÇÃO MOÇAMBIQUE / UE Delegação da União Europeia em Moçambique REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE

Leia mais

De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões:

De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões: 7.1 Conclusões De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões: 1 - Descrever os instrumentos/modelos de gestão e marketing estratégicos

Leia mais

Gabinetes de Atendimento da Mulher e da Criança: a análise dos casos registados. Margarita Mejia, Conceição Osório, Maria José Arthur

Gabinetes de Atendimento da Mulher e da Criança: a análise dos casos registados. Margarita Mejia, Conceição Osório, Maria José Arthur Gabinetes de Atendimento da Mulher e da Criança: análise dos casos registados Margarita Mejia, Conceição Osório, Maria José Arthur Publicado em Outras Vozes, nº 7, Maio de 2004 A WLSA Moçambique concluiu

Leia mais

Comité da Protecção Social. Relatório sobre indicadores no domínio da pobreza e da exclusão social. Outubro de 2001

Comité da Protecção Social. Relatório sobre indicadores no domínio da pobreza e da exclusão social. Outubro de 2001 Comité da Protecção Social Comité da Protecção Social Relatório sobre indicadores no domínio da pobreza e da exclusão social Outubro de 2001 Relatório sobre indicadores no domínio da pobreza e da exclusão

Leia mais

TCP/INT/3201 Termos de Referência Consultoria Nacional São Tomé

TCP/INT/3201 Termos de Referência Consultoria Nacional São Tomé TCP/INT/3201 Termos de Referência Consultoria Nacional São Tomé Essa consultoria nacional enquadra-se no âmbito do Projecto de Cooperação Técnica CPLP/FAO TCP/INT/3201 para assessorar o Comité Nacional

Leia mais

Moçambique Plano Estratégico 2012 2015. Moçambique Plano Estratégico

Moçambique Plano Estratégico 2012 2015. Moçambique Plano Estratégico Moçambique Plano Estratégico 2012 2015 Moçambique Plano Estratégico 2012 2015 1 Rainha Juga, beneficiaria de uma campanha de cirurgia do Hospital Central da Beira ao distrito de Gorongosa 2 Moçambique

Leia mais

DIREITOS SEXUAIS E REPRODUTIVOS

DIREITOS SEXUAIS E REPRODUTIVOS DIREITOS SEXUAIS E REPRODUTIVOS Fonte: IPPF Carta sobre os Direitos em Matéria de Sexualidade e de Reprodução Tradução e Compilação: Conceição Fortes (Consultora IEC) PRESSUPOSTOS: 1 - O direito à saúde

Leia mais

PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º /X

PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º /X Grupo Parlamentar PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º /X Recomenda ao governo a adopção, por parte das forças e serviços de segurança, de procedimentos singulares na sua relação com a população LGBT lésbicas, gays,

Leia mais

Modulo 1 1 HIV e SIDA Situação epidemiológica

Modulo 1 1 HIV e SIDA Situação epidemiológica Modulo 1 HIV e SIDA Situação epidemiológica Tópicos do Modulo: Situação epidemiológica Global Factores impulsionadores de epidemia do HIV em África INSIDA, Programas e o PEN III PREVALÊNCIA Indicadores

Leia mais

Plano de Acção para o combate ao Estigma e HIV/SIDA* em África

Plano de Acção para o combate ao Estigma e HIV/SIDA* em África Plano de Acção para o combate ao Estigma e HIV/SIDA* em África Consulta Regional sobre o Estigma e HIV/SIDA em África 4-6 de Junho de 2001, Dar-es-Salaam Teve lugar em Dar-es-Salaam, Tanzânia, de 4-6 de

Leia mais

Casamento Prematuro e Gravidez na Adolescência em Moçambique: Causas e Impacto

Casamento Prematuro e Gravidez na Adolescência em Moçambique: Causas e Impacto Casamento Prematuro e Gravidez na Adolescência em Moçambique: Causas e Impacto Prefácio A reprodução de qualquer parte desta publicação não carece de autorização, a menos que seja para fins comerciais.

Leia mais

MEDICUS MUNDI EM MOÇAMBIQUE A NOSSA PROPOSTA: CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS: VAMOS TORNÁ-LOS REALIDADE

MEDICUS MUNDI EM MOÇAMBIQUE A NOSSA PROPOSTA: CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS: VAMOS TORNÁ-LOS REALIDADE MEDICUS MUNDI EM MOÇAMBIQUE A NOSSA PROPOSTA: CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS: VAMOS TORNÁ-LOS REALIDADE Cuidados de Saúde Primários em Moçambique Já foi há mais de 30 anos que o sonho de Saúde para todos

Leia mais

Um mundo melhor começa aqui

Um mundo melhor começa aqui Um mundo melhor começa aqui h, 12 de junho de 2009 O Dia mundial contra o trabalho infantil vai ser celebrado a 12 de Junho de 2009. Este ano, o Dia mundial marca o décimo aniversário da adopção da importante

Leia mais

Recursos Humanos. Hotelaria: gestores portugueses vs. estrangeiros

Recursos Humanos. Hotelaria: gestores portugueses vs. estrangeiros Esta é uma versão post print de Cândido, Carlos J. F. (2004) Hotelaria: Gestores Portugueses vs. Estrangeiros, Gestão Pura, Ano II, N.º 7, Abril/Maio, 80-83. Recursos Humanos Hotelaria: gestores portugueses

Leia mais

Programa da Rede Social CLAS Mesão Frio. Plano de Acção. O Plano de Acção do CLAS de Mesão Frio é a componente do Plano de

Programa da Rede Social CLAS Mesão Frio. Plano de Acção. O Plano de Acção do CLAS de Mesão Frio é a componente do Plano de O do CLAS de Mesão Frio é a componente do Plano de Desenvolvimento Social, onde estão definidos alguns Projectos (com o desejo de uma projecção num futuro próximo), a serem desenvolvidos para se concretizarem

Leia mais

Normas de Ética e Conduta Empresarial para Terceiros

Normas de Ética e Conduta Empresarial para Terceiros Todas as actividades empresariais na Bristol-Myers Squibb (BMS) apoiam-se no alicerce do nosso compromisso com a integridade e a conformidade com todas as leis, regulamentos, directivas e códigos industriais

Leia mais

POLÍTICA DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MOÇAMBIQUE SOBRE HIV/SIDA

POLÍTICA DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MOÇAMBIQUE SOBRE HIV/SIDA POLÍTICA DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MOÇAMBIQUE SOBRE HIV/SIDA PREÂMBULO A Universidade Católica de Moçambique, reconhecendo que o País enfrenta actualmente uma devastadora pandemia do HIV/SIDA; cumprindo

Leia mais

SITUAÇÃO ACTUAL DA EPIDEMIA DO VIH/SIDA EM ANGOLA

SITUAÇÃO ACTUAL DA EPIDEMIA DO VIH/SIDA EM ANGOLA Embaixada da República de Angola no Reino Unido da Grã-Bretanha e República da Irlanda do Norte SITUAÇÃO ACTUAL DA EPIDEMIA DO VIH/SIDA EM ANGOLA 22 Dorset Street London W1U 6QY United Kingdom embassy@angola.org.uk;

Leia mais

S I A T (SISTEMA DE INQUÉRITOS DA AUTORIDADE TRIBUTÁRIA E ADUANEIRA) AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES 2011 (canal internet)

S I A T (SISTEMA DE INQUÉRITOS DA AUTORIDADE TRIBUTÁRIA E ADUANEIRA) AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES 2011 (canal internet) S I A T (SISTEMA DE INQUÉRITOS DA AUTORIDADE TRIBUTÁRIA E ADUANEIRA) AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES (canal internet) Março 2012 Índice 1 ENQUADRAMENTO...5 2 INTRODUÇÃO... 6 3 IDENTIFICAÇÃO E

Leia mais

NOTAS SOBRE A PROCURA DE EMPREGO DOS DIPLOMADOS EM SOCIOLOGIA EM PORTUGAL

NOTAS SOBRE A PROCURA DE EMPREGO DOS DIPLOMADOS EM SOCIOLOGIA EM PORTUGAL NOTAS SOBRE A PROCURA DE EMPREGO DOS DIPLOMADOS EM SOCIOLOGIA EM PORTUGAL Os dados disponibilizados pelo Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais do Ministério da Ciência,

Leia mais

Comunicado de imprensa sobre a Auscultação Pública à volta da versão inicial do Plano Director do ProSAVANA

Comunicado de imprensa sobre a Auscultação Pública à volta da versão inicial do Plano Director do ProSAVANA Programa de Cooperação Trilateral para o Desenvolvimento Agrário do Corredor de Nacala (ProSAVANA) Comunicado de imprensa sobre a Auscultação Pública à volta da versão inicial do Plano Director do ProSAVANA

Leia mais

GUIA DO VOLUNTÁRIO. Sociedade Central de Cervejas

GUIA DO VOLUNTÁRIO. Sociedade Central de Cervejas GUIA DO VOLUNTÁRIO Sociedade Central de Cervejas ÍNDICE 1. A RESPONSABILIDADE SOCIAL NA SCC: O NOSSO COMPROMISSO... 3 2. O NOSSO COMPROMISSO COM O VOLUNTARIADO... 4 2.1 A ESTRUTURAÇÃO DO VOLUNTARIADO EMPRESARIAL...

Leia mais

A mobilidade do talento e o futuro do trabalho

A mobilidade do talento e o futuro do trabalho Dados: 2011 Estudo global: 30 países Amostra Portugal: 9000 A mobilidade do talento e o futuro do trabalho R E L A T Ó R I O S Í N T E S E P O R T U G A L Dados: 2011 Estudo global: 30 países Amostra Portugal:

Leia mais

Índice. 1. Nota Introdutória... 1. 2. Actividades a desenvolver...2. 3. Notas Finais...5

Índice. 1. Nota Introdutória... 1. 2. Actividades a desenvolver...2. 3. Notas Finais...5 Índice Pág. 1. Nota Introdutória... 1 2. Actividades a desenvolver...2 3. Notas Finais...5 1 1. Nota Introdutória O presente documento consiste no Plano de Acção para o ano de 2011 da Rede Social do concelho

Leia mais

VII. Assuntos Transversais

VII. Assuntos Transversais VII. Assuntos Transversais 187. Estes assuntos são considerados transversais na medida em que não podem ser considerados isoladamente, uma vez que o plano de acção depende duma atitude concertada e integrada

Leia mais

Código de Ética para Psicólogos de acordo com a FEAP

Código de Ética para Psicólogos de acordo com a FEAP Código de Ética para Psicólogos de acordo com a FEAP Federação Europeia de Associações de Psicólogos Código Geral de Ética Aceite pela Assembleia Geral, Atenas, 1 Julho 1995. 1. Preâmbulo. Os Psicólogos

Leia mais

Governação Hospitalar

Governação Hospitalar Aviso: Este projecto encontra-se em fase-piloto e, sem autorização, não pode ser usado para outros fins. Se necessário, contacte o coordenador do DUQuE através de duque@fadq.org Governação Hospitalar em

Leia mais

Manual do facilitador

Manual do facilitador Manual do facilitador Introdução Este manual faz parte do esforço para institucionalizar o sistema de informação de uma maneira coordenada a fim de que as informações possam ser de acesso de todos que

Leia mais

Promoção. Recolha de informação e processo de elaboração de relatórios APLICAÇÃO DOS DIREITOS HUMANOS À SAÚDE REPRODUTIVA E SEXUAL

Promoção. Recolha de informação e processo de elaboração de relatórios APLICAÇÃO DOS DIREITOS HUMANOS À SAÚDE REPRODUTIVA E SEXUAL APLICAÇÃO DOS DIREITOS HUMANOS À SAÚDE REPRODUTIVA E SEXUAL Recomendações adoptadas em 2001 por um Grupo de Peritos em reunião convocada pelo Fundo das Nações Unidas para a População (FNUAP) e pelo Alto

Leia mais

DA REFLEXÃO À ACÇÃO - UMA PROPOSTA DE TRABALHO

DA REFLEXÃO À ACÇÃO - UMA PROPOSTA DE TRABALHO DA REFLEXÃO À ACÇÃO - UMA PROPOSTA DE TRABALHO - Grupo de reflexão na área de psicologia sobre questões relativas à orientação sexual - Artigo apresentado no Colóquio de Estudos G(ay)L(ésbicos)Q(ueer)

Leia mais

CRIANÇAS ÓRFÃS E VULNERÁVEIS NO CONTEXTO DO HIV/SIDA EM MOÇAMBIQUE

CRIANÇAS ÓRFÃS E VULNERÁVEIS NO CONTEXTO DO HIV/SIDA EM MOÇAMBIQUE CRIANÇAS ÓRFÃS E VULNERÁVEIS NO CONTEXTO DO HIV/SIDA EM MOÇAMBIQUE CRIANÇAS ÓRFÃS E VULNERÁVEIS NO CONTEXTO DO HIV/SIDA EM MOÇAMBIQUE HIV/SIDA em Moçambique O HIV/SIDA é a ameaça mais séria que Moçambique

Leia mais

Código de Ética e de Conduta

Código de Ética e de Conduta visa dar a conhecer de forma inequívoca aos colaboradores, clientes, entidades públicas, fornecedores e, de uma forma geral, a toda a comunidade os valores preconizados, vividos e exigidos pela empresa,

Leia mais

Elaborado por: Dr. Samuel Mucavele CLIENTE: AMCS

Elaborado por: Dr. Samuel Mucavele CLIENTE: AMCS RELATÓRIO DE PESQUISA SOBRE O HIV/SIDA (FORMAS DE TRANSMISSÃO, PREVENÇÃO, ACONSELHAMENTO, TESTE VOLUNTÁRIO, COMBATE AO ESTIGMA E DESCRIMINAÇÃO) NOS CLUBES DE ESCUTA DA CIDADE E PROVÍNCIA DE MAPUTO (AMCS)

Leia mais

Barómetro Regional da Qualidade Avaliação das Atitudes e Conhecimentos dos Residentes sobre a Qualidade. Enquadramento.

Barómetro Regional da Qualidade Avaliação das Atitudes e Conhecimentos dos Residentes sobre a Qualidade. Enquadramento. Avaliação das Atitudes e Conhecimentos dos Residentes sobre a Qualidade 2011 Entidade Promotora Concepção e Realização Enquadramento Vice-Presidência Avaliação das Atitudes e Conhecimentos dos Residentes

Leia mais

Fórum de Boas Práticas

Fórum de Boas Práticas Câmara Municipal de Torres Vedras Sandra Colaço Fórum de Boas Práticas Rede Portuguesa de Cidades Saudáveis 28 de Outubro de 2009 TORRES VEDRAS População -72 259(2001) Área 407 Km2 O concelho no país Na

Leia mais

Saúde Escolar. Secretaria Regional da Educação e Formação

Saúde Escolar. Secretaria Regional da Educação e Formação Saúde Escolar Secretaria Regional da Educação e Formação «Um programa de saúde escolar efectivo é o investimento de custo-benefício mais eficaz que um País pode fazer para melhorar, simultaneamente, a

Leia mais

ACORDO DE COOPERAÇÃO ENTRE OS ESTADOS MEMBROS DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA SOBRE O COMBATE AO HIV/SIDA

ACORDO DE COOPERAÇÃO ENTRE OS ESTADOS MEMBROS DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA SOBRE O COMBATE AO HIV/SIDA Decreto n.º 36/2003 Acordo de Cooperação entre os Estados Membros da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa sobre o Combate ao HIV/SIDA, assinado em Brasília em 30 de Julho de 2002 Considerando a declaração

Leia mais

Estudo sobre os diplomados pelo ISCTE-IUL. Perspectiva das Entidades Empregadoras

Estudo sobre os diplomados pelo ISCTE-IUL. Perspectiva das Entidades Empregadoras Estudo sobre os diplomados pelo ISCTE-IUL Perspectiva das Entidades Empregadoras Julho 2011 Ficha Técnica ISCTE Instituto Universitário de Lisboa Edição Gabinete de Estudos, Avaliação, Planeamento e Qualidade

Leia mais

I Seminário Transfronteiriço sobre Estratégias de participação Andaluzia, Algarve, Alentejo Marta Terra Voluntariado e cidadania - A REDE -

I Seminário Transfronteiriço sobre Estratégias de participação Andaluzia, Algarve, Alentejo Marta Terra Voluntariado e cidadania - A REDE - Rede Portuguesa de Jovens para a Igualdade de Oportunidades entre Mulheres e Homens (REDE) I Seminário Transfronteiriço sobre Estratégias de participação Andaluzia, Algarve, Alentejo Marta Terra Voluntariado

Leia mais

PROGRAMA AVES Inquérito de Opinião, Competências e Valores - Resultados de 2004

PROGRAMA AVES Inquérito de Opinião, Competências e Valores - Resultados de 2004 PROGRAMA AVES Inquérito de Opinião, Competências e Valores - Resultados de 2004 António M. Fonseca Introdução No âmbito dos objectivos do Programa AVES Avaliação de escolas com ensino secundário, a vontade

Leia mais

I n f o r m e E p i d e m i o l ó g i c o D S T - A I D S 1

I n f o r m e E p i d e m i o l ó g i c o D S T - A I D S 1 1 2 GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE DO RIO DE JANEIRO SECRETÁRIO DE ESTADO DE SAÚDE José Leôncio de Andrade Feitosa SUPERINTENDENTE DE SAÚDE Angela Cristina Aranda SUPERINTENDENTE

Leia mais

FORMAÇÃO SOBRE: GÉNERO E DESENVOLVIMENTO

FORMAÇÃO SOBRE: GÉNERO E DESENVOLVIMENTO Projecto PIGEM FORMAÇÃO SOBRE: GÉNERO E DESENVOLVIMENTO LUBANGO 28 DE ABRIL DE 2015 ELABORADO POR: MARIANA SOMA /PRELECTORA 1 GÉNERO E DESENVOLVIMENTO CONCEITO É uma abordagem que se concentra nas relações

Leia mais

TERMOS DE REFERÊNCIA REALIZAÇÃO DE UMA FORMAÇÃO SOBRE DIREITOS HUMANOS E GÉNERO NO KUITO, PROVINCIA DO BIÉ, ANGOLA

TERMOS DE REFERÊNCIA REALIZAÇÃO DE UMA FORMAÇÃO SOBRE DIREITOS HUMANOS E GÉNERO NO KUITO, PROVINCIA DO BIÉ, ANGOLA TERMOS DE REFERÊNCIA REALIZAÇÃO DE UMA FORMAÇÃO SOBRE DIREITOS HUMANOS E GÉNERO NO KUITO, PROVINCIA DO BIÉ, ANGOLA Convénio 10-CO1-005: Fortalecimento dos serviços públicos de saúde nas zonas de intervenção

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DAS FINANÇAS REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DAS FINANÇAS Assunto: Integração das Transferências Sociais directas e indirectas no Orçamento do Estado: O Caso de Moçambique 1. A economia moçambicana registou nos

Leia mais

Termos de Referência

Termos de Referência MAPEAMENTO DE PARTES INTERESSADAS (PARCEIROS E DOADORES) Termos de Referência 1. Contexto O Fundo Mundial para a Natureza (WWF) tem vindo a trabalhar em Moçambique desde os meados dos anos 90 em áreas-chave

Leia mais

Relatório da. Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59.

Relatório da. Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59. Relatório da Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59 Resumo Novembro de 2009 Avaliação intercalar da execução do Plano de

Leia mais

FRÁGEIS E EM SITUAÇÕES DE FRAGILIDADE

FRÁGEIS E EM SITUAÇÕES DE FRAGILIDADE PRINCÍPIOS PARA UMA INTERVENÇÃO INTERNACIONAL EFICAZ EM ESTADOS PRINCÍPIOS - Março 2008 Preâmbulo Uma saída sustentável da pobreza e da insegurança nos Estados mais frágeis do mundo terá de ser conduzida

Leia mais

O COMPROMISSO DE BRAZZAVILLE NO AVANÇO EM DIRECÇÃO AO ACESSO UNIVERSAL AO TRATAMENTO, CUIDADOS, APOIO E PREVENÇÃO DO VIH E SIDA EM ÁFRICA ATÉ 2010

O COMPROMISSO DE BRAZZAVILLE NO AVANÇO EM DIRECÇÃO AO ACESSO UNIVERSAL AO TRATAMENTO, CUIDADOS, APOIO E PREVENÇÃO DO VIH E SIDA EM ÁFRICA ATÉ 2010 O COMPROMISSO DE BRAZZAVILLE NO AVANÇO EM DIRECÇÃO AO ACESSO UNIVERSAL AO TRATAMENTO, CUIDADOS, APOIO E PREVENÇÃO DO VIH E SIDA EM ÁFRICA ATÉ 2010 Brazzaville, República do Congo 8 de Março de 2006 1.

Leia mais

FICHA TÉCNICA. Título Estatísticas da Educação 2008/2009 - Adultos

FICHA TÉCNICA. Título Estatísticas da Educação 2008/2009 - Adultos FICHA TÉCNICA Título Estatísticas da Educação 2008/2009 - Adultos Autoria Gabinete de Estatística e Planeamento da Educação (GEPE) Direcção de Serviços de Estatística Edição Gabinete de Estatística e Planeamento

Leia mais

Ficha Técnica. Título: Educação Pré-Escolar e Avaliação

Ficha Técnica. Título: Educação Pré-Escolar e Avaliação Ficha Técnica Título: Educação Pré-Escolar e Avaliação Edição: Região Autónoma dos Açores Secretaria Regional da Educação e Ciência Direcção Regional da Educação Design e Ilustração: Gonçalo Cabaça Impressão:

Leia mais

Evaluación del Plan de Comunicación del Programa Operativo de Cooperación Territorial del Sudoeste Europeo (SUDOE) 2007 2013

Evaluación del Plan de Comunicación del Programa Operativo de Cooperación Territorial del Sudoeste Europeo (SUDOE) 2007 2013 Evaluación del Plan de Comunicación del Programa Operativo de Cooperación Territorial del Sudoeste Europeo (SUDOE) 2007 2013 UNIÓN EUROPEA 1 de junio de 2011 3. SUMÁRIO EXECUTIVO A avaliação do Plano de

Leia mais

Carta de Princípios de Coimbra

Carta de Princípios de Coimbra Carta de Princípios de Coimbra Ficou concluído em Novembro de 2008, durante o Congresso Nacional de Oncologia, um processo que se iniciou em Abril de 2006, numa reunião promovida em Coimbra sob o impulso

Leia mais

Quarto Estudo de Follow up dos Diplomados

Quarto Estudo de Follow up dos Diplomados Cursos de Formação em Alternância na Banca Quarto Estudo de Follow up dos Diplomados Relatório Cursos terminados entre 2006 e 2009 Projecto realizado em parceria e financiado pelo Instituto de Emprego

Leia mais

Violência do Género e Acesso à Justiça em Moçambique

Violência do Género e Acesso à Justiça em Moçambique Violência do Género e Acesso à Justiça em Moçambique (Síntese a partir dos slides) Por Berta Chilundo (Presidente da MULEIDE) Publicado em Outras Vozes, nº 41-42, Maio 2013 Quadro legal para defesa dos

Leia mais