RELATÓRIO DA LISTEX N.º 5. Integração dos Aplicativos de Banco de Dados MEC, JRN e IDN no Banco de Dados Setorial MNCH e sua Implementação.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RELATÓRIO DA LISTEX N.º 5. Integração dos Aplicativos de Banco de Dados MEC, JRN e IDN no Banco de Dados Setorial MNCH e sua Implementação."

Transcrição

1 ITA - Instituto Tecnológico de Aeronáutica Divisão de Ciência da Computação CE Curso de Projeto de Sistemas de Bancos de Dados Prof. Dr. Adílson Marques da Cunha RELATÓRIO DA LISTEX N.º 5 Integração dos Aplicativos de Banco de Dados MEC, JRN e IDN no Banco de Dados Setorial MNCH e sua Implementação. Aluno Ricardo Luís da Rocha Carmona Primeiro Semestre de 2008

2 ÍNDICE 1 Objetivo do Lab Conteúdo Composição e Distribuição de Funções do Grupo Tarefa do Grupo Integração Normalização Dicionarização Sistema de Dicionário de Dados do MNCH Tarefa Individual Verificação das Consultas dos Colegas do Grupo Consultas Adicionais ao BDS MNCH Conclusão... 6 Aluno Ricardo Luís da Rocha Carmona 2/11

3 1 Objetivo do Lab Este trabalho atende aos requisitos da Lista de Exercícios N o 5 da disciplina de Projeto de Sistemas de Bancos de Dados, do Departamento de Ciência da Computação do Instituto Tecnológico de Aeronáutica. O exercício constituiu da integração de três aplicativos de BD (MEC, JRN e IDN) em um aplicativo setorial de BD de MONITORAMENTO DE NÚCLEOS DE CONTROLE HIDROLÓGICOS OU HIDROMETEOROLÓGICOS (MNCH). Os objetivos desta ListEx são: 1) Integrar Aplicativos de BD nos Bancos de Dados Setoriais BDS ou Subject Databases das Empresas SIG-GH (Sistema de Informações Georreferenciadaspara a Gestão Hidrológica) e SIG-MH (Sistema de Informações Georreferenciadas para o Monitoramento Hidrológico) escolhidas como Estudo de Caso, visando a melhorar as suas eficiências setoriais e a reduzir os seus desperdícios de recursos; e 2) Implementar a integração de Aplicativos de BD nos Bancos de Dados Setoriais - BDS ou Subject Databases das Empresas SIG-GH e SIG-MH, visando testar as funcionalidades de suas integrações setoriais debaixo do SGBD previamente escolhido (ORACLE 10g ou 11g Spatial), e verificar a melhoria das suas eficiências setoriais e a redução dos desperdícios de seus recursos. 2 Conteúdo Os principais passos seguidos para a realização da ListEx 5 foram os seguintes: 2.1 Composição e Distribuição de Funções do Grupo O grupo é composto de três alunos, cada um com seu aplicativo de banco de dados. A Tabela 1 identifica os membros e respectivos protótipos de aplicativo e funções distribuídas. Tabela 1 Grupo Monitoramento de Núcleos de Hidrológicos ou Hidrometeorológicos (MNCH) Membro Protótipo de Aplicativo Função no Grupo Aloísio S. M. Pires Identificação dos Núcleos (IDN) NORMALIZADOR César A. M. H. Filho Monitoramento de Eventos Críticos (MEC) INTEGRADOR Ricardo L. R. Carmona Jurisdição dos Núcleos (JRN) DICIONARIZADOR 2.2 Tarefa do Grupo A tarefa de grupo foi integrar o desenvolvimento dos protótipos de aplicativos de BD JRN, IDN e MEC em um só protótipo de Banco de Dados Setorial (BDS), no caso, o MNCH, consistindo a forma e o conteúdo de todas as entidades, atributos e tuplas e documentando as anomalias eliminadas e as experiências nos processos até a obtenção da 3ªFN aceitável Integração A Integração do Banco de Dados Setorial MNCH se encontra na Página de Índices do César Augusto Melo Haenisch Filho ( ). Aluno Ricardo Luís da Rocha Carmona 3/11

4 2.2.2 Normalização A normalização do BDS MNCH está apresentada na Página de Índices do Aloisio Silva Margarido Pires ( ) Dicionarização No papel ou macro-função de Dicionarizador, coube ao autor organizar, padronizar, documentar e manter atualizados os 04 (quatro) componentes do Sistema de Dicionário de Dados do BDS, evitando inconsistências, duplicidades, homônimos ou quaisquer outras anomalias e discrepâncias, utilizando a Técnica de Trigramação. A seguir são apresentados os componentes do Sistema de Dicionário de Dados do MNCH - o BDS integrado pelo grupo Sistema de Dicionário de Dados do MNCH Os quatro componentes do Sistema são os seguintes: 1) Dicionário de Dados: Corresponde à Descrição de Atributos, Entidades, Relacionamentos e Objetos Associados, e deve conter as descrições de pelo menos cinco (5) características de suas Entidades e Atributos, a saber: Nome, Conteúdo, Estrutura, Integridade, Segurança. O dicionário de dados é mostrado no Anexo 1. Usuários: - Procedimentos (Acesso às entidades) - Programas (Acesso às entidades por meio de procedimentos) - Peopleware (Usuários dos programas) Tipos de entidades que devem relacionar dados ou informações com usuários: - Formulários, documentos ou fontes de entrada (captar dados ou informações) - Transações ou documentos de processamento (associa a ocorrência de um único dado a um ou mais eventos, normalmente são associadas a processamento) - Relatórios, documentos de saída e/ou informações na tela de computador (agregar dados ou informações). 2) Diretório de Dados: Descreve as entidades e seus processos, dando mais detalhes sobre o dicionário de dados, como mostra a TABELA 2 a seguir: Tabela 2 Diretório de Dados do Aplicativo de BDS MNCH. Entidade Atributo Relacionamento Entidade- Relacionamento EVENTO_CRITICO (PK) eve_codigo PCD (PK) pcd_codigo MEDIDA (PK) (FK) eve_codigo; (FK) med_codigo pcd_codigo EVENTO_CRITICO; PCD CLASSIFICACAO (PK) cls_codigo GESTAO (PK) ges_codigo (FK) ncl_codigo NUCLEO COLABORADOR (PK) clb_cpf (FK) ncl_codigo NUCLEO NUCLEO (PK) ncl_codigo (FK) cls_codigo CLASSIFICACAO Aluno Ricardo Luís da Rocha Carmona 4/11

5 3) Dicionário de Recursos de Dados: Descreve fisicamente as entidades e seus ambientes associados, agregando ao diretório de dados as descrições físicas da estrutura do Aplicativo de Banco de Dados e as descrições do ambiente de processamento. SGBD: Oracle 10g Spatial Localização do Banco: seti.fcmf.ita.br Alias: oracl Sistema Operacional: Windows 2000 Pro Memória RAM: 1 GB Freqüência de Utilização: 24 horas 4) Dicionário de Metadados: Descreve conceitualmente as entidades em um nível alto de abstração. O Modelo Entidade-Relacionamento do Aplicativo de BDS MNCH é mostrado na FIG. 1 do Anexo Tarefa Individual Foram verificadas as implementações realizadas pelos demais integrantes do grupo MNCH na Lista de Exercícios 4, conforme mostrado a seguir Verificação das Consultas dos Colegas do Grupo Foram verificadas e checadas as consultas, em nível de decisão operacional, realizadas pelos outros colegas membros do grupo MNCH. Os resultados são mostrados nas TABELAS 3 e 4 a seguir. Tabela 3 Resultado da verificação das consultas de Aloísio S. M. Pires. Consulta Resultado Justificativa 1 ACEITÁVEL Envolveu uma relação, um comando Select e um Project (ou equivalentes). 2 ACEITÁVEL Envolveu duas relações e comandos equivalentes a um comando Select, um comando Project e um comando Join (ou equivalentes). 3 ACEITÁVEL Envolveu três relações e comandos equivalentes a um comando Select, um comando Project e um comando Join (ou equivalentes). 4 NÃO Não utilizou a heurística de consultas lecionada em sala de aula para emprego em ACEITÁVEL coordenadas georreferenciadas. Tabela 4 Resultado da verificação das consultas de César A. M. H. Filho. Consulta Resultado Justificativa 1 ACEITÁVEL Envolveu uma relação, um comando Select e um Project (ou equivalentes). 2 ACEITÁVEL Envolveu duas relações e comandos equivalentes a um comando Select, um comando Project e um comando Join (ou equivalentes). 3 ACEITÁVEL Envolveu três relações e comandos equivalentes a um comando Select, um comando Project e um comando Join (ou equivalentes). 4 ACEITÁVEL Utilizou a heurística de consultas lecionada em sala de aula para emprego em coordenadas georreferenciadas Consultas Adicionais ao BDS MNCH Foram implementadas quatro consultas (queries) adicionais, em nível de decisão tático, como parte do aplicativo de Banco de Dados MEC, devidamente integrado no BDS MNCH, mostradas a seguir. Aluno Ricardo Luís da Rocha Carmona 5/11

6 5º CONSULTA envolvendo pelo menos uma relação do aplicativo MEC e uma relação de outro aplicativo de BD do BDS MNCH. Enunciado em linguagem natural: Listar o código das PCD e dos colaboradores que são gerentes. Heurística: SELECT COLABORADOR.clb_funcao, PCD.pcd_codigo FROM COLABORADOR, PCD WHERE COLABORADOR.clb_funcao='Gerente' and COLABORADOR.ncl_codigo=PCD.ncl_codigo; Verificação: ver FIG. 2, Anexo 2. 6º CONSULTA envolvendo uma relação do aplicativo MEC e uma relação de dois outros aplicativos de BD diferentes, do mesmo BDS MNCH. Enunciado em linguagem natural: Listar nome de colaborador e código de PCD relacionados ao Núcleo Gerido de código 1. Heurística: SELECT GESTAO.ges_nucleosgeridos, COLABORADOR.clb_nome, PCD.pcd_codigo FROM GESTAO, COLABORADOR, PCD WHERE GESTAO.ges_nucleosgeridos=1 and GESTAO.ncl_codigo=PCD.ncl_codigo and GESTAO.ncl_codigo=COLABORADOR.ncl_codigo; Verificação: ver FIG. 3, do Anexo 2. 7º CONSULTA envolvendo uma relação do aplicativo MEC e duas relações de dois outros aplicativos de BD diferentes, do mesmo BDS MNCH. Enunciado em linguagem natural: Listar instituição de colaborador, classificação de missâo e núcleos geridos relacionados ao PCD de código 1. Heurística: SELECT PCD.pcd_codigo, COLABORADOR.clb_instituicao, CLASSIFICACAO.cls_missao, GESTAO.ges_nucleosgeridos FROM GESTAO, NUCLEO, COLABORADOR, PCD, CLASSIFICACAO WHERE PCD.pcd_codigo=1 and PCD.ncl_codigo=NUCLEO.ncl_codigo and GESTAO.ncl_codigo=NUCLEO.ncl_codigo and NUCLEO.cls_codigo=CLASSIFICACAO.cls_codigo; Verificação: ver FIG. 4, do Anexo 2. 8º CONSULTA envolvendo uma relação georreferenciada do aplicativo MEC e pelo menos um aplicativo de BD georreferenciado diferente, do mesmo BDS MNCH. Enunciado em linguagem natural: Listar o país do núcleo que contenha PCD na região [-45.3,-23.4, -45.7, -23.8]. Heurística: SELECT DISTINCT(NUCLEO.ncl_pais) FROM PCD, NUCLEO WHERE SDO_RELATE(PCD.pcd_geo,(MDSYS.SDO_GEOMETRY(2003, NULL, NULL, MDSYS.SDO_ELEM_INFO_ARRAY(1,1003,3),MDSYS.SDO_ORDINATE_ARRAY(-45.3,- 23.4,-45.7,-23.8))),'MASK=(INSIDE) QUERYTYPE=WINDOW')='TRUE' AND PCD.ncl_codigo=NUCLEO.ncl_codigo; Verificação: ver FIG. 4, no Anexo 2. 3 Conclusão Apesar de extenso, este LAB permitiu a criação do Protótipo do Aplicativo de Banco de Dados Setorial MNCH e sua verificação pelo uso do Oracle isql*plus, além da revisão das consultas da ListEx4 devida a integração, com mais facilidade pela experiência adquirida com as ListEx anteriores. Aluno Ricardo Luís da Rocha Carmona 6/11

7 Dicionário de Dados do Aplicativo de BDS MNCH. Nome Conteúdo Estrutura Integridade CLASSIFICACAO cls_codigo cls_tipo cls_missao COLABORADOR Tabela de descrição dos tipos de Núcleos de do Projeto Monitorama 2 Código do tipo do Núcleo de Nome do tipo do Núcleo de (Regional, Central ou Internacional) Descrição dos objetivos de cada tipo de Núcleo de Tabela de identificação pessoal e funcional dos colaboradores do Projeto Monitorama 2 3 Atributos - Integer Chave primária. ANEXO 1 Segurança / Privacidade Varchar(15) Not Nul Varchar(60) Not Nul 6 Atributos - clb_cpf CPF do colaborador Integer Chave Primária. Chave ncl_codigo estrangeira da Código do Núcleo de Integer Entidade NUCLEO. Not Null clb_nome Nome completo do colaborador Varchar(40) clb_funcao Função exercida pelo colaborador no Núcleo de Varchar(20) clb_instituicao Nome da instituição à que o colaborador está vinculado Varchar(20) clb_ individual para contato com o colaborador Varchar(20) NUCLEO Tabela de identificação dos Núcleos de do 7 Atributos - Projeto Monitorama ncl_codigo código do Núcleo de Integer Chave primária. Chave cls_codigo estrangeira da código do tipo do Núcleo de Integer Entidade Classificacao. ncl_nome Nome do Núcleo de Varchar(20) ncl_endereco Endereço onde se localiza o Núcleo de Varchar(50) ncl_pais País onde se localiza o Núcleo de Varchar(20) Aluno Ricardo Luís da Rocha Carmona 7/11

8 ANEXO 1 cont. Nome Conteúdo Estrutura Integridade Segurança / Privacidade GESTAO Tabela dos Núcleos geridos e seus gestores 3 Atributos - ges_codigo Código do registro Integer Chave primária. Chave ncl_codigo estrangeira da Código do Núcleo de Integer Entidade NUCLEO. Not Null ges_nucleosgeridos Código do Núcleo Gerido Integer Null MEDIDA Tabela de medidas dos PCD do Projeto Monitorama 7 Atributos - 2 med_codigo Código da medida coletada Integer Chave primária. eve_codigo Código do evento crítico Integer Chave estrangeira da Entidade EVENTO_CRITI CO. pcd_codigo Nome do Núcleo de Varchar(18) Chave estrangeira da Entidade PCD. med_data Data da coleta da medida Date med_tipo Tipo de medida coletada Varchar(30) med_valor Valor da medida coletada Varchar(30) med_intervalocoleta Intervalo da coleta da medida coletada Integer EVENTO_CRITICO Tabela de Eventos Críticos do Projeto Monitorama 2 4 Atributos - eve_codigo Código do Evento Crítico Integer Chave Primária. eve_nome Nome evento crítico Varchar(30) eve_descricao Descrição do evento crítico Varchar(50) eve_referencia Valor de referência para aquele tipo de evento ser Integer considerado crítico. PCD Tabela das Plataformas de Coleta de Dados 3 Atributos - pcd_codigo Código da Plataforma de Chave Primária. Varchar(18) Coleta de Dados (PCD). pcd_georreferenciado Atributo georreferenciado da MSDS.SDO PCD. _Geometry ncl_codigo Código do Núcleo de Integer NOTA: A segurança do aplicativo de banco de dados com relação à invasão é elevada. Com relação à privacidade, à inclusão, exclusão e alteração de dados só, estas só poderão ser realizadas pelo administrador do sistema, entretanto a consulta poderá ser feita por os todos colaboradores. Aluno Ricardo Luís da Rocha Carmona 8/11

9 ANEXO 2 Figura 1 Modelo Entidade-Relacionamento do Aplicativo de BDS MNCH (Physical view). Figura 2 Verificação da Consulta 5 no ORACLE isql*plus. Aluno Ricardo Luís da Rocha Carmona 9/11

10 ANEXO 2 cont. Figura 3 Verificação da Consulta 6 no ORACLE isql*plus. Figura 4 Verificação da Consulta 7 no ORACLE isql*plus. Aluno Ricardo Luís da Rocha Carmona 10/11

11 ANEXO 2 cont. Figura 4 Verificação da Consulta 8 no ORACLE isql*plus. Aluno Ricardo Luís da Rocha Carmona 11/11

Versão 1.0. 1º. Semestre de 2006 Marcelo Nogueira São José dos Campos - SP

Versão 1.0. 1º. Semestre de 2006 Marcelo Nogueira São José dos Campos - SP Versão 1.0 1. Introdução 1.1 Título ITA Instituto Tecnológico de Aeronáutica Integração de Aplicativos de BD num Banco de Dados Setorial (BDS) e sua Implementação. 1.2 Motivação Aproveitar o ambiente acadêmico

Leia mais

INSTITUTO TECNOLÓGICO DE AERONÁUTICA CE-240 PROJETO DE SISTEMAS DE BANCO DE DADOS. Prof. Dr. Adilson Marques da Cunha. Lista de Exercícios 5

INSTITUTO TECNOLÓGICO DE AERONÁUTICA CE-240 PROJETO DE SISTEMAS DE BANCO DE DADOS. Prof. Dr. Adilson Marques da Cunha. Lista de Exercícios 5 INSTITUTO TECNOLÓGICO DE AERONÁUTICA CE-240 PROJETO DE SISTEMAS DE BANCO DE DADOS Prof. Dr. Adilson Marques da Cunha Lista de Exercícios 5 Integração de Aplicativos de Banco de Dados (BD) num Banco de

Leia mais

Conceitos Básicos de Banco de Dados

Conceitos Básicos de Banco de Dados Conceitos Básicos de Banco de Dados Laboratório de Bases de Dados Sistema de Banco de Dados (SBD) Sistema de armazenamento de dados Objetivos: manter informações torná-las disponível quando necessário

Leia mais

Lista de Exercícios 04 (ListEx4).

Lista de Exercícios 04 (ListEx4). ITA - Instituto Tecnológico de Aeronáutica CTA - Centro Técnico Aeroespacial Lista de Exercícios 04 (ListEx4). INTRODUÇÃO Modelos de dados para as aplicações geográficas têm necessidades adicionais, tanto

Leia mais

CEFET.PHB - PI. Plano de Ensino. Banco de Dados. Plano de Ensino. Plano de Ensino. Plano de Ensino - Conteúdo. Plano de Ensino - Conteúdo

CEFET.PHB - PI. Plano de Ensino. Banco de Dados. Plano de Ensino. Plano de Ensino. Plano de Ensino - Conteúdo. Plano de Ensino - Conteúdo CEFET.PHB - PI Plano de Ensino Banco de Dados Prof. Jefferson Silva Sistema de Banco de Dados Objetivos Vantagens e Desvantagens Conceitos básicos de BD e de SGBD Abstração de Dados Linguagem de Definição

Leia mais

Extensão do Dicionário de Dados para os elementos incorporados ao seu Protótipo

Extensão do Dicionário de Dados para os elementos incorporados ao seu Protótipo Extensão do Dicionário de Dados para os elementos incorporados ao seu Protótipo 1) Dicionário de dados (gerado pela ferramenta ErWIN) Entities Entity Definition Logical Only AGENDA CONTRATO DEPENDENTE

Leia mais

Modelagem de Dados UNIDADE DE REVISÃO E RECUPERAÇÃO

Modelagem de Dados UNIDADE DE REVISÃO E RECUPERAÇÃO Modelagem de Dados UNIDADE DE REVISÃO E RECUPERAÇÃO Organizamos esta unidade para orientá-lo na revisão dos conteúdos trabalhados ao longo da disciplina. Siga as orientações desta apresentação, reveja

Leia mais

Banco de Dados I. Aula 12 - Prof. Bruno Moreno 04/10/2011

Banco de Dados I. Aula 12 - Prof. Bruno Moreno 04/10/2011 Banco de Dados I Aula 12 - Prof. Bruno Moreno 04/10/2011 Plano de Aula SQL Definição Histórico SQL e sublinguagens Definição de dados (DDL) CREATE Restrições básicas em SQL ALTER DROP 08:20 Definição de

Leia mais

SQL Linguagem de Definição de Dados. Banco de Dados Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri

SQL Linguagem de Definição de Dados. Banco de Dados Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri SQL Linguagem de Definição de Dados Banco de Dados SQL Structured Query Language Uma das mais importantes linguagens relacionais (se não a mais importante) Exemplos de SGBD que utilizam SQL Oracle Informix

Leia mais

Modelo Entidade-Relacionamento DCC011. Modelo Entidade-Relacionamento. Processo de Projeto de Bancos de Dados

Modelo Entidade-Relacionamento DCC011. Modelo Entidade-Relacionamento. Processo de Projeto de Bancos de Dados DCC011 Introdução a Banco de Dados -06 Modelo Entidade-Relacionamento Mirella M. Moro Departamento de Ciência da Computação Universidade Federal de Minas Gerais mirella@dcc.ufmg.br Processo de Projeto

Leia mais

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras Núcleo de Pós Graduação Pitágoras Professor: Fernando Zaidan Disciplina: Modelagem e Projeto de Banco de Dados Especialização em Tecnologia da Informação - Ênfases Março- 2009 1 Material usado na montagem

Leia mais

AULA 2 INTERAÇÃO COM O BANCO DE DADOS

AULA 2 INTERAÇÃO COM O BANCO DE DADOS AULA 2 INTERAÇÃO COM O BANCO DE DADOS BANCO DE DADOS POSTGRESQL O PostgreSQL é um sistema gerenciador de banco de dados dos mais robustos e avançados do mundo. Seu código é aberto e é totalmente gratuito,

Leia mais

Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br

Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Programação com acesso a BD Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br 1 Agenda Introdução Conceitos do Modelo Relacional Restrições de Integridade Básicas Esquema do BD Relacional Restrições

Leia mais

MODELAGEM DE DADOS - NORMALIZAÇÃO. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc.

MODELAGEM DE DADOS - NORMALIZAÇÃO. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. MODELAGEM DE DADOS - NORMALIZAÇÃO Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. MOTIVAÇÃO Tipos de chave Chave candidata: Todas as opções de identificação única de um registro; Chave primária: Chave escolhida como

Leia mais

Aula 02 Modelagem de Dados. Banco de Dados. Aula 02 Modelagem de Dados. Superior /2011 Redes Computadores - Disciplina: Banco de Dados -

Aula 02 Modelagem de Dados. Banco de Dados. Aula 02 Modelagem de Dados. Superior /2011 Redes Computadores - Disciplina: Banco de Dados - Banco de Dados Aula 02 Modelagem de Dados Roteiro Definição Evolução Projeto de BD Abstração Esquema e Instância Definição É uma representação, normalmente gráfica, de estruturas de dados reais. Auxilia

Leia mais

Versão 1.0. 1º. Semestre de 2006 Marcelo Nogueira São José dos Campos - SP

Versão 1.0. 1º. Semestre de 2006 Marcelo Nogueira São José dos Campos - SP Versão 1.0 1. Introdução 1.1 Título ITA Instituto Tecnológico de Aeronáutica Integração de Bancos de Dados Setoriais (BDS) num Banco de Dados Corporativo (BDC), sua Implementação e Implantação. 1.2 Motivação

Leia mais

Capítulo 1 INTRODUÇÃO A BANCO DE DADOS

Capítulo 1 INTRODUÇÃO A BANCO DE DADOS Capítulo 1 INTRODUÇÃO A BANCO DE DADOS 1.1 - BANCO DE DADOS - INTRODUÇÃO...2 1.1.1- Dados...2 1.1.2- Hardware...3 1.1.3- Software...3 1.1.4- Usuários...4 1.2 - SISTEMAS DE ARQUIVOS CONVENCIONAIS...5 1.3

Leia mais

Aula 3 SBD Modelo Entidade Relacionamento Parte 1. Profa. Elaine Faria UFU - 2015

Aula 3 SBD Modelo Entidade Relacionamento Parte 1. Profa. Elaine Faria UFU - 2015 Aula 3 SBD Modelo Entidade Relacionamento Parte 1 Profa. Elaine Faria UFU - 2015 Processo do Projeto de um Banco de Dados A criação de uma aplicação de banco de dados envolve várias tarefas Projeto do

Leia mais

INSTITUTO TECNOLÓGICO DE AERONÁUTICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELETRÔNICA E COMPUTAÇÃO NA ÁREA DE INFORMÁTICA (PG/EEC-I)

INSTITUTO TECNOLÓGICO DE AERONÁUTICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELETRÔNICA E COMPUTAÇÃO NA ÁREA DE INFORMÁTICA (PG/EEC-I) INSTITUTO TECNOLÓGICO DE AERONÁUTICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELETRÔNICA E COMPUTAÇÃO NA ÁREA DE INFORMÁTICA (PG/EEC-I) CE-240 PROJETO DE SISTEMAS DE BANCO DE DADOS Prof. Dr. Adilson Marques

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - UFSM COLÉGIO AGRÍCOLA DE FREDERICO WESTPHALEN BANCO DE DADOS II

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - UFSM COLÉGIO AGRÍCOLA DE FREDERICO WESTPHALEN BANCO DE DADOS II UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - UFSM COLÉGIO AGRÍCOLA DE FREDERICO WESTPHALEN BANCO DE DADOS II BANCO DE DADOS II AULA 1 Linguagem SQL Linguagem de definição de dados (DDL) DISCIPLINA: Banco de Dados

Leia mais

Banco de Dados. Marcio de Carvalho Victorino www.dominandoti.eng.br. Exercícios SQL

Banco de Dados. Marcio de Carvalho Victorino www.dominandoti.eng.br. Exercícios SQL Banco de Dados Exercícios SQL 1 TRF (ESAF 2006) 32. Analise as seguintes afirmações relacionadas a Bancos de Dados e à linguagem SQL: I. A cláusula GROUP BY do comando SELECT é utilizada para dividir colunas

Leia mais

Structured Query Language (SQL) Aula Prática

Structured Query Language (SQL) Aula Prática Structured Query Language (SQL) Aula Prática Linguagens de SGBD Durante o desenvolvimento do sistema R, pesquisadores da IBM desenvolveram a linguagem SEQUEL, primeira linguagem de acesso para Sistemas

Leia mais

Controle de Comunicações - TCM Visão Versão 1.0

Controle de Comunicações - TCM Visão Versão 1.0 Controle de Comunicações - TCM Visão Versão 1.0 Confidencial , 2008 Página 1 Histórico da Revisão Data Versão Descrição Autor 28/08/2008 1.0 Versão Inicial Roberta Kelly, Elton, João 06/07/2008

Leia mais

Departamento de Engenharia Civil e Arquitectura ESPAÇO DE ENSINO DE PÓS-GRADUAÇÃO REGRAS PARA UTILIZAÇÃO E GESTÃO DO ESPAÇO

Departamento de Engenharia Civil e Arquitectura ESPAÇO DE ENSINO DE PÓS-GRADUAÇÃO REGRAS PARA UTILIZAÇÃO E GESTÃO DO ESPAÇO Departamento de Engenharia Civil e Arquitectura ESPAÇO DE ENSINO DE PÓS-GRADUAÇÃO REGRAS PARA UTILIZAÇÃO E GESTÃO DO ESPAÇO 1. ÂMBITO O Departamento de Engenharia Civil e Arquitectura (DECivil) dispõe

Leia mais

Banco de Dados Oracle 10g: Introdução à Linguagem SQL

Banco de Dados Oracle 10g: Introdução à Linguagem SQL Oracle University Entre em contato: 0800 891 6502 Banco de Dados Oracle 10g: Introdução à Linguagem SQL Duração: 5 Dias Objetivos do Curso Esta classe se aplica aos usuários do Banco de Dados Oracle8i,

Leia mais

Lista de Exercício 3 (ListEx 3)

Lista de Exercício 3 (ListEx 3) Lista de Exercício 3 (ListEx 3) CE-240 Projeto de Sistema de BD Prof. Dr. Adilson Marques da Cunha Aluna Simone Cunha Léo 1. Introdução 1.1 Título APLICATIVO DE BANCO DE DADOS DE FOLHA DE PAGAMENTO - ABADAFP.

Leia mais

Banco de Dados. Um momento crucial na organização dos dados é a forma com que cadastramos estes dados, a estrutura de armazenamento que criamos.

Banco de Dados. Um momento crucial na organização dos dados é a forma com que cadastramos estes dados, a estrutura de armazenamento que criamos. Banco de Dados O que é um Banco de Dados? Este assunto é muito vasto, tentaremos resumi-lo para atender as questões encontradas em concursos públicos. Já conhecemos o conceito de dado, ou seja, uma informação

Leia mais

Introdução ao SQL. Aécio Costa

Introdução ao SQL. Aécio Costa Aécio Costa A linguagem SQL é um padrão de linguagem de consulta comercial e possui as seguintes partes: Linguagem de definição de dados (DDL) Linguagem interativa de manipulação de dados (DML) Definição

Leia mais

Banco de Dados. Prof. Dr. Rogério Galante Negri

Banco de Dados. Prof. Dr. Rogério Galante Negri Banco de Dados Prof Dr Rogério Galante Negri Tradicionalmente O armazenamento dos dados utilizava arquivos individuais, sem nenhum relacionamento Cada programa utilizava seu próprio sistema de arquivo

Leia mais

DO BÁSICO AO AVANÇADO PARA MANIPULAÇÃO E OTIMIZAÇÃO DE DADOS. Fábio Roberto Octaviano

DO BÁSICO AO AVANÇADO PARA MANIPULAÇÃO E OTIMIZAÇÃO DE DADOS. Fábio Roberto Octaviano DO BÁSICO AO AVANÇADO PARA MANIPULAÇÃO E OTIMIZAÇÃO DE DADOS Fábio Roberto Octaviano Conceitos da arquitetura Oracle e da Linguagem SQL Recuperar dados por meio de SELECT Criar relatórios de dados classificados

Leia mais

Linguagem de Consulta - SQL

Linguagem de Consulta - SQL SQL Structured Query Language Linguagem de Consulta Estruturada; Originou-se da linguagem SEQUEL (1974); Revisada e chamada de SQL em 1976/77; Em 1986, padronizada pelo ANSI/ISO - chamada SQL-86; Em 1987

Leia mais

Banco de dados. Linguagens de Banco de Dados II. Wedson Quintanilha da Silva - www.assembla.com/spaces/objetivobd/documents

Banco de dados. Linguagens de Banco de Dados II. Wedson Quintanilha da Silva - www.assembla.com/spaces/objetivobd/documents Banco de dados Linguagens de Banco de Dados II 1 Linguagem de Definição de Dados - DDL Comandos utilizados para criação do esquema de dados; Um DDL permite ao utilizador definir tabelas novas e elementos

Leia mais

Modelo Relacional. 2. Modelo Relacional (Lógico)

Modelo Relacional. 2. Modelo Relacional (Lógico) Modelo Relacional 2. Modelo Relacional (Lógico) Derivado do modelo conceitual; Depende do SGBD escolhido; Independe dos dispositivos de armazenamento; Primitivas: tabelas, linhas e colunas; Transformação

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2012. Componente Curricular: Desenho Auxiliado por Computador II

Plano de Trabalho Docente 2012. Componente Curricular: Desenho Auxiliado por Computador II Plano de Trabalho Docente 2012 ETEC Monsenhor Antônio Magliano Ensino Técnico Código: 088 Município:Garça Eixo Tecnológico: Controle e Processos Industriais Habilitação Profissional: Técnico de Nível Médio

Leia mais

Versão 1.0. 1º. Semestre de 2006 Marcelo Nogueira São José dos Campos SP

Versão 1.0. 1º. Semestre de 2006 Marcelo Nogueira São José dos Campos SP Versão 1.0 I - Introdução 1.1 Motivação Aproveitar o ambiente acadêmico para praticarmos a integração de aplicativos de banco de dados, simulando o que é feito no mercado de trabalho. 1.2 Contexto Em janeiro

Leia mais

GBD PROF. ANDREZA S. AREÃO

GBD PROF. ANDREZA S. AREÃO GBD PROF. ANDREZA S. AREÃO Dado, Informação e Conhecimento DADO: Estímulos captados pelos sentidos humanos; Símbolos gráficos ou sonoros; Ocorrências registradas (em memória, papel, etc.); Indica uma situação

Leia mais

AULA 2 INTERAÇÃO COM O BANCO DE DADOS

AULA 2 INTERAÇÃO COM O BANCO DE DADOS AULA 2 INTERAÇÃO COM O BANCO DE DADOS BANCO DE DADOS POSTGRESQL O PostgreSQL é um sistema gerenciador de banco de dados dos mais robustos e avançados do mundo. Seu código é aberto e é totalmente gratuito,

Leia mais

Modelagem de dados usando o modelo BANCO DE DADOS 1º TRIMESTRE PROF. PATRÍCIA LUCAS

Modelagem de dados usando o modelo BANCO DE DADOS 1º TRIMESTRE PROF. PATRÍCIA LUCAS Modelagem de dados usando o modelo Entidade-Relacionamento BANCO DE DADOS 1º TRIMESTRE PROF. PATRÍCIA LUCAS Introdução Modelagem conceitual fase de planejamento/projeto de um BD; Modelo Entidade/Relacionamento

Leia mais

O que são Bancos de Dados?

O que são Bancos de Dados? SQL Básico Liojes de Oliveira Carneiro professor.liojes@gmail.com www.professor-liojes.blogspot.com O que são Bancos de Dados? É o software que armazena, organiza, controla, trata e distribui os dados

Leia mais

Structured Query Language (SQL) Ambiente Simplificado de um SGBD

Structured Query Language (SQL) Ambiente Simplificado de um SGBD Structured Query Language (SQL) Ambiente Simplificado de um SGBD 2 1 Características dos SGBDs Natureza auto-contida de um sistema de banco de dados: metadados armazenados num catálogo ou dicionário de

Leia mais

PROGRAMA. Aquisição dos conceitos teóricos mais importantes sobre bases de dados contextualizados à luz de exemplos da sua aplicação no mundo real.

PROGRAMA. Aquisição dos conceitos teóricos mais importantes sobre bases de dados contextualizados à luz de exemplos da sua aplicação no mundo real. PROGRAMA ANO LECTIVO: 2005/2006 CURSO: LICENCIATURA BI-ETÁPICA EM INFORMÁTICA ANO: 2.º DISCIPLINA: BASE DE DADOS DOCENTE RESPONSÁVEL PELA REGÊNCIA: Licenciado Lino Oliveira Objectivos Gerais: Aquisição

Leia mais

Comandos DDL. id_modulo = id_m odulo

Comandos DDL. id_modulo = id_m odulo Comandos DDL Estudo de Caso Controle Acadêmico Simplificado Uma escola contém vários cursos, onde cada aluno possui uma matricula num determinado curso. Estes cursos, por sua vez, possuem módulos, aos

Leia mais

Versão 2.0. 1º. Semestre de 2006 Marcelo Nogueira São José dos Campos - SP

Versão 2.0. 1º. Semestre de 2006 Marcelo Nogueira São José dos Campos - SP Versão 2.0 1. Introdução 1.1 Título ITA Instituto Tecnológico de Aeronáutica Implementação de um BD Modelo de Dados Relacional e sua Conversão para os Modelos de Dados Hierárquico, Rede e Orientado a Objetos.

Leia mais

SQL BANCO DE DADOS. Linguagem de consulta SQL. Linguagem de consulta SQL. Linguagem de Consulta Estruturada

SQL BANCO DE DADOS. Linguagem de consulta SQL. Linguagem de consulta SQL. Linguagem de Consulta Estruturada Revisão de tpicos anteriores BANCO DE DADOS Linguagem de consulta SQL Roberto Duarte Fontes Brasília - DF roberto@fontes.pro.br Projeto de banco de dados Modelagem Conceitual (independe da implementação)

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EIXO TECNOLÓGICO: Informação e Comunicação CURSO: Técnico em Informática FORMA/GRAU: (X) Integrado ( ) Subsequente ( ) Concomitante ( ) Bacharelado ( ) Licenciatura ( ) Tecnólogo

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Etec: Monsenhor Antônio Magliano Código: 088 Município: Garça Eixo Tecnológico: Controle e Processos Industriais Habilitação Profissional: Técnico de

Leia mais

Grupo 4Work. Qualidade Reconhecida pela ATRIBUIÇÃO DA norma ISO 9001:2008

Grupo 4Work. Qualidade Reconhecida pela ATRIBUIÇÃO DA norma ISO 9001:2008 Grupo 4Work Qualidade Reconhecida pela ATRIBUIÇÃO DA norma ISO 9001:2008 Desde o final do passado mês de Junho que o Grupo 4Work vê a qualidade dos seus serviços certificada pela Norma ISO 9001:2008, alcançando

Leia mais

Roteiro. Modelo de Dados Relacional. Processo de Projeto de Banco de Dados. BCC321 - Banco de Dados I. Ementa. Posicionamento.

Roteiro. Modelo de Dados Relacional. Processo de Projeto de Banco de Dados. BCC321 - Banco de Dados I. Ementa. Posicionamento. Roteiro Modelo de Dados Relacional Posicionamento Luiz Henrique de Campos Merschmann Departamento de Computação Universidade Federal de Ouro Preto luizhenrique@iceb.ufop.br www.decom.ufop.br/luiz Introdução

Leia mais

Dados. Qualquer elemento (aspecto, fato, medida etc.) representativo, disponível e coletável na realidade. fatos no estado bruto, conforme Platão;

Dados. Qualquer elemento (aspecto, fato, medida etc.) representativo, disponível e coletável na realidade. fatos no estado bruto, conforme Platão; Dados Os Dados são os fatos em sua forma primária, como observamos no mundo. Qualquer elemento (aspecto, fato, medida etc.) representativo, disponível e coletável na realidade. fatos no estado bruto, conforme

Leia mais

Banco de Dados. Arquitetura e Terminologia. Prof. Walteno Martins Parreira Jr www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo.

Banco de Dados. Arquitetura e Terminologia. Prof. Walteno Martins Parreira Jr www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo. Banco de Dados Arquitetura e Terminologia Prof. Walteno Martins Parreira Jr www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo.com 2015 Modelo de Dados e Esquemas O modelo de Banco de Dados é como um detalhamento

Leia mais

Chaves. Chaves. O modelo relacional implementa dois conhecidos conceitos de chaves, como veremos a seguir:

Chaves. Chaves. O modelo relacional implementa dois conhecidos conceitos de chaves, como veremos a seguir: Chaves 1 Chaves CONCEITO DE CHAVE: determina o conceito de item de busca, ou seja, um dado que será empregado nas consultas à base de dados. É um conceito lógico da aplicação (chave primária e chave estrangeira).

Leia mais

CURSO DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS

CURSO DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS CURSO DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS TURMA 2008/1 4º PERÍODO 7º MÓDULO AVALIAÇÃO A3 DATA 15/10/2009 ENGENHARIA DE SOFTWARE 2009/2 GABARITO COMENTADO QUESTÃO 1: Analise as afirmações

Leia mais

BANCO DE DADOS I. Prof. Antonio Miguel Faustini Zarth antonio.zarth@ifms.edu.br

BANCO DE DADOS I. Prof. Antonio Miguel Faustini Zarth antonio.zarth@ifms.edu.br BANCO DE DADOS I Prof. Antonio Miguel Faustini Zarth antonio.zarth@ifms.edu.br Tópicos Conceitos preliminares Definição de um Sistema Gerenciador de Banco de Dados Níveis de Abstração de dados CONCEITOS

Leia mais

ACCESS BÁSICO. Exercício 1 NCE/UFRJ. 1. O que são bancos de dados?...

ACCESS BÁSICO. Exercício 1 NCE/UFRJ. 1. O que são bancos de dados?... Introdução ao Microsoft Access 97 Bancos de dados: o que são e como funcionam Criar e trabalhar com bancos de dados Bancos de dados: o que são e como funcionam 1. O que são bancos de dados? 2. Cite outros

Leia mais

EDITAL DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE MONITORIA EXERCÍCIO 2016.1 PROFESSOR

EDITAL DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE MONITORIA EXERCÍCIO 2016.1 PROFESSOR EDITAL DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE MONITORIA EXERCÍCIO 2016.1 PROFESSOR A Direção Geral da Faculdade de Ciências Humanas ESUDA, abre inscrições para professores desta instituição interessados em participar

Leia mais

Disciplina: Unidade III: Prof.: E-mail: Período:

Disciplina: Unidade III: Prof.: E-mail: Período: Encontro 08 Disciplina: Sistemas de Banco de Dados Unidade III: Modelagem Lógico de Dados Prof.: Mario Filho E-mail: pro@mariofilho.com.br Período: 5º. SIG - ADM Relembrando... Necessidade de Dados Projeto

Leia mais

1. Modelagem de Sistemas 1.1. Os Desenvolvedores de Sistemas podem Escolher entre Quatro Caminhos

1. Modelagem de Sistemas 1.1. Os Desenvolvedores de Sistemas podem Escolher entre Quatro Caminhos Sumário Modelagem de Processos Módulo 4 1. Modelagem de Sistemas 1.1. Os Desenvolvedores de Sistemas podem Escolher entre Quatro Caminhos M. Sc. Luiz Alberto lasf.bel@gmail.com Modelagem de Sistemas MP

Leia mais

Álgebra Relacional. Conjunto de operações que usa uma ou duas relações como entrada e gera uma relação de saída. Operações básicas:

Álgebra Relacional. Conjunto de operações que usa uma ou duas relações como entrada e gera uma relação de saída. Operações básicas: Álgebra Relacional Conjunto de operações que usa uma ou duas relações como entrada e gera uma relação de saída operação (REL 1 ) REL 2 operação (REL 1,REL 2 ) REL 3 Operações básicas: seleção projeção

Leia mais

MODELO RELACIONAL - UFMA

MODELO RELACIONAL - UFMA MODELO RELACIONAL Universidade Federal do Maranhão - UFMA Departamento de Informática Projeto de Banco de Dados Profª.MSc Simara Rocha simararocha@gmail.com/simara@deinf.ufma.br www.deinf.ufma.br/~simara

Leia mais

Bases de Dados 2007/2008 Exame

Bases de Dados 2007/2008 Exame Exame 11 de Janeiro de 2007 Instituto Superior Técnico Departamento de Engenharia Informática Regras O exame tem a duração de 2h30m. A folha de capa deve ser identificada com o nome e número do aluno.

Leia mais

REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS DOCENTES DO ISVOUGA

REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS DOCENTES DO ISVOUGA REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS DOCENTES DO ISVOUGA PG.02.05/A Página 1 de 13 O Estatuto de Carreira do Pessoal Docente do Ensino Superior Politécnico (ECPDP), na redação do Decreto Lei n.º

Leia mais

SQL Linguagem de Definição de Dados. Laboratório de Bases de Dados Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri

SQL Linguagem de Definição de Dados. Laboratório de Bases de Dados Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri SQL Linguagem de Definição de Dados SQL Structured Query Language Uma das mais importantes linguagens relacionais (se não a mais importante) Exemplos de SGBD que utilizam SQL Oracle Informix Ingress SQL

Leia mais

TRABALHO DE BANCO DE DADOS POSTGRES MINI-MUNDO: BD PARA GERENCIAMENTO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO

TRABALHO DE BANCO DE DADOS POSTGRES MINI-MUNDO: BD PARA GERENCIAMENTO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO UERJ Universidade do Estado do Rio de Janeiro Mestrado em Engenharia da Computação Geomática Docente: Oscar Luiz Monteiro de Farias Disciplina: Banco de Dados Alunos: Elisa Santos de Oliveira Teixeira

Leia mais

Introdução a Banco de Dados Aula 03. Prof. Silvestri www.eduardosilvestri.com.br

Introdução a Banco de Dados Aula 03. Prof. Silvestri www.eduardosilvestri.com.br Introdução a Banco de Dados Aula 03 Prof. Silvestri www.eduardosilvestri.com.br Arquiteturas de Banco de Dados Arquiteturas de BD - Introdução Atualmente, devem-se considerar alguns aspectos relevantes

Leia mais

INTRODUÇÃO BANCO DE DADOS. Prof. Msc. Hélio Esperidião

INTRODUÇÃO BANCO DE DADOS. Prof. Msc. Hélio Esperidião INTRODUÇÃO BANCO DE DADOS Prof. Msc. Hélio Esperidião BANCO DE DADOS Podemos entender por banco de dados qualquer sistema que reúna e mantenha organizada uma série de informações relacionadas a um determinado

Leia mais

PLANIFICAÇÃO ANUAL GESTÃO DE TEMPOS. CURSO: Curso Profissional de Secretariado 10º ano. DISCIPLINA: Tecnologias da Informação e Comunicação

PLANIFICAÇÃO ANUAL GESTÃO DE TEMPOS. CURSO: Curso Profissional de Secretariado 10º ano. DISCIPLINA: Tecnologias da Informação e Comunicação PLANIFICAÇÃO ANUAL CURSO: Curso Profissional de Secretariado 0º ano DISCIPLINA: Tecnologias da Informação e Comunicação ANO LETIVO: 205/206 GESTÃO DE TEMPOS º Período Apresentação Desenvolvimento Programático

Leia mais

CICLO DE VIDA DE UM BD

CICLO DE VIDA DE UM BD BANCO DE DADOS Universidade do Estado de Santa Catarina Centro de Ciências Tecnológicas Departamento de Ciência da Computação Prof. Alexandre Veloso de Matos alexandre.matos@udesc.br CICLO DE VIDA DE UM

Leia mais

Principal: construir uma base de dados para produção de informações sobre internações hospitalares;

Principal: construir uma base de dados para produção de informações sobre internações hospitalares; Principal: construir uma base de dados para produção de informações sobre internações hospitalares; Específicos: - criar um banco de dados para armazenar registros sobre internações hospitalares; - produzir

Leia mais

LINGUAGEM SQL. SQL Server 2008 Comandos iniciais

LINGUAGEM SQL. SQL Server 2008 Comandos iniciais 1 LINGUAGEM SQL SQL Server 2008 Comandos iniciais SQL - STRUCTURED QUERY LANGUAGE Quando os Bancos de Dados Relacionais estavam sendo desenvolvidos, foram criadas linguagens destinadas à sua manipulação.

Leia mais

4.6. SQL - Structured Query Language

4.6. SQL - Structured Query Language 4.6. SQL - Structured Query Language SQL é um conjunto de declarações que é utilizado para acessar os dados utilizando gerenciadores de banco de dados. Nem todos os gerenciadores utilizam SQL. SQL não

Leia mais

BANCO DE DADOS. Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com

BANCO DE DADOS. Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com BANCO DE DADOS Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com Contexto Fazem parte do nosso dia a dia: Operações bancárias Matrícula na universidade Reserva de hotel Controle de biblioteca Comércio

Leia mais

Projeto de Banco de Dados. Disciplina: Banco de Dados I José Antônio da Cunha

Projeto de Banco de Dados. Disciplina: Banco de Dados I José Antônio da Cunha Projeto de Banco de Dados Disciplina: Banco de Dados I José Antônio da Cunha Introdução Banco de Dados Esta aula apresenta os conceitos da área de banco de dados, que são necessários à compreensão do projeto

Leia mais

Sumário 1 0.1 Introdução 1 0.2 Breve História da Linguagem SQL l 0.3 Características da Linguagem SQL 3 0.4 A Composição deste Livro 3

Sumário 1 0.1 Introdução 1 0.2 Breve História da Linguagem SQL l 0.3 Características da Linguagem SQL 3 0.4 A Composição deste Livro 3 ÍNDICE o -INTRODUÇÃO Sumário 1 0.1 Introdução 1 0.2 Breve História da Linguagem SQL l 0.3 Características da Linguagem SQL 3 0.4 A Composição deste Livro 3 0.5 Sistemas Utilizados 6 0.5.1 Access 2003 (Microsoft)

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA FUNDAÇÃO DE APOIO À ESCOLA TÉCNICA

GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA FUNDAÇÃO DE APOIO À ESCOLA TÉCNICA 1. COMPETÊNCIAS GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Modelar corretamente um sistema de dados; Interpretar e analisar o resultado da modelagem de dados; Conhecer técnicas de modelagem de dados; Compreender

Leia mais

ITA - Instituto Tecnológico de Aeronáutica CTA - Centro Técnico Aeroespacial RELATÓRIO FINAL MONITORAMA-CMD-TD AUTOMAÇÃO PARA TOMADA DE DECISÃO

ITA - Instituto Tecnológico de Aeronáutica CTA - Centro Técnico Aeroespacial RELATÓRIO FINAL MONITORAMA-CMD-TD AUTOMAÇÃO PARA TOMADA DE DECISÃO ITA - Instituto Tecnológico de Aeronáutica CTA - Centro Técnico Aeroespacial RELATÓRIO FINAL MONITORAMA-CMD-TD AUTOMAÇÃO PARA TOMADA DE DECISÃO EQUIPE: BRENO, CAMILA E ROBERTA. Prof. Dr. Adilson Marques

Leia mais

GEE051 - Banco de Dados (BD) Plano de Curso. Ilmério Reis da Silva ilmerio@facom.ufu.br www.facom.ufu.br/~ilmerio/bd UFU/FACOM - 2011/2

GEE051 - Banco de Dados (BD) Plano de Curso. Ilmério Reis da Silva ilmerio@facom.ufu.br www.facom.ufu.br/~ilmerio/bd UFU/FACOM - 2011/2 GEE051 - Banco de Dados (BD) Plano de Curso Ilmério Reis da Silva ilmerio@facom.ufu.br www.facom.ufu.br/~ilmerio/bd UFU/FACOM - 2011/2 Motivação Problemas reais encontrados por engenheiros exigem uma visão

Leia mais

Structured Query Language (SQL)

Structured Query Language (SQL) SQL Histórico Structured Query Language (SQL) Foi desenvolvido pela IBM em meados dos anos 70 como uma linguagem de manipulação de dados (DML - Data Manipulation Language) para suas primeiras tentativas

Leia mais

Revisão de Banco de Dados

Revisão de Banco de Dados Revisão de Banco de Dados Fabiano Baldo 1 Sistema de Processamento de Arquivos Antes da concepção dos BDs o registro das informações eram feitos através de arquivos. Desvantagens: Redundância e Inconsistência

Leia mais

REGULAMENTO DO PERFIL DE COMPETÊNCIAS DO ENFERMEIRO GESTOR

REGULAMENTO DO PERFIL DE COMPETÊNCIAS DO ENFERMEIRO GESTOR REGULAMENTO DO PERFIL DE COMPETÊNCIAS DO ENFERMEIRO GESTOR Aprovado, por maioria com alterações, na Assembleia Geral Extraordinária de 12 de dezembro de 2014, após aprovação pelo Conselho Diretivo a 1

Leia mais

BANCO DE DADOS E BUSINESS INTELIGENCE. C/H: 20 horas (20/02, 25/02, 27/02, 04/03, 06/03)

BANCO DE DADOS E BUSINESS INTELIGENCE. C/H: 20 horas (20/02, 25/02, 27/02, 04/03, 06/03) MBA em Gestão de TI MÓDULO: BANCO DE DADOS E BUSINESS INTELIGENCE C/H: 20 horas (20/02, 25/02, 27/02, 04/03, 06/03) PROFESSOR: Edison Andrade Martins Morais prof@edison.eti.br http://www.edison.eti.br

Leia mais

Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br

Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Programação com acesso a BD Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br 1 Modelos de Dados, Esquemas e Instâncias 2 Modelos de Dados, Esquemas e Instâncias Modelo de dados: Conjunto de conceitos

Leia mais

Banco de Dados. StructuredQuery Language- SQL. Prof. Walteno Martins Parreira Jr www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo.

Banco de Dados. StructuredQuery Language- SQL. Prof. Walteno Martins Parreira Jr www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo. Banco de Dados StructuredQuery Language- SQL Prof. Walteno Martins Parreira Jr www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo.com 2015 A Origem Em 1970, Ted Codd (pesquisador da IBM) publicou o primeiro

Leia mais

BANCO DE DADOS I AULA 6. Wlllamys Araújo willamysaraujo7@gmail.com

BANCO DE DADOS I AULA 6. Wlllamys Araújo willamysaraujo7@gmail.com BANCO DE DADOS I AULA 6 Wlllamys Araújo willamysaraujo7@gmail.com Normalização Conjunto de regras que ajudam na definição de bancos de dados que não contenham redundância desnecessária e que permitam o

Leia mais

Manual Tutorial. Disciplinas EAD

Manual Tutorial. Disciplinas EAD Rua das Palmeiras, 184 Santa Cecília Cep 01226-010 São Paulo Manual Tutorial Disciplinas EAD SÃO PAULO 2º Semestre de 2015 Grupo Educacional Hotec 2º Semestre de 2015 1 MANUAL - TUTORIAL EAD 1. Introdução

Leia mais

Disciplina de Banco de Dados Parte V

Disciplina de Banco de Dados Parte V Disciplina de Banco de Dados Parte V Prof. Elisa Maria Pivetta CAFW - UFSM Modelo de Dado Relacional O Modelo Relacional O Modelo ER é independente do SGDB portanto, deve ser o primeiro modelo gerado após

Leia mais

INCUBADORAS DE EMPRESAS EDITAL 01/ 2014 - SEBRAE

INCUBADORAS DE EMPRESAS EDITAL 01/ 2014 - SEBRAE INCUBADORAS DE EMPRESAS EDITAL 01/ 2014 - SEBRAE ROTEIRO PARA APRESENTAÇÃO DO PROJETO Modalidade 1 Implantação do CERNE 1 Brasília, 2014 Código da Proposta: (Uso do Sebrae): 1. DADOS DA ENTIDADE PROPONENTE

Leia mais

ROTEIRO. A Linguagem SQL (I parte) CEFET.PHB - PI Prof. Jefferson Silva. As partes da linguagem SQL. A Linguagem de Definição de Dados (SQL-DDL)

ROTEIRO. A Linguagem SQL (I parte) CEFET.PHB - PI Prof. Jefferson Silva. As partes da linguagem SQL. A Linguagem de Definição de Dados (SQL-DDL) CEFET.PHB - PI Prof. Jefferson Silva SQL (MySql) ROTEIRO I PARTE - INTRODUÇÃO AO SQL COMANDOS E SUAS PARTES DA LINGUAGEM SQL II PARTE ADMINSTRAÇÃO DE BANCO DE DADOS UTILIZANDO MYSQL PRINCIPAIS INSTRUÇÕES

Leia mais

NORMA TÉCNICA PARA IMPLANTAÇÃO DE NOVOS SISTEMAS OU APLICAÇÕES NO BANCO DE DADOS CORPORATIVO

NORMA TÉCNICA PARA IMPLANTAÇÃO DE NOVOS SISTEMAS OU APLICAÇÕES NO BANCO DE DADOS CORPORATIVO NORMA TÉCNICA PARA IMPLANTAÇÃO DE NOVOS SISTEMAS OU APLICAÇÕES NO BANCO DE DADOS CORPORATIVO Referência: NT-AI.04.02.01 http://www.unesp.br/ai/pdf/nt-ai.04.02.01.pdf Data: 27/07/2000 STATUS: EM VIGOR A

Leia mais

Prof. Alexandre Unterstell Banco de Dados I

Prof. Alexandre Unterstell Banco de Dados I Prof. Alexandre Unterstell Banco de Dados I Etapas para o projeto de um BD Análise de requisitos Analista: Entrevista Necessidade do negócio As etapas não consideram ainda nenhuma característica específica

Leia mais

Correlação anatomofisológica e Afasia: útil ou redutora?

Correlação anatomofisológica e Afasia: útil ou redutora? 1 ECTS com Inês Tello Rodrigues Correlação anatomofisológica e Afasia: útil ou redutora? E-learning, 29 de Outubro e 5, 10 e 19 de Novembro Graças ao imenso sucesso do curso PARATFs - "Correlação anatomofisiológica

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL. Plano de Trabalho Docente 2014

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL. Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL Plano de Trabalho Docente 2014 ETEC Monsenhor Antônio Magliano Código: 088 Município: Garça EE: Eixo Tecnológico: Informação e Comunicação Habilitação

Leia mais

Universidade da Beira Interior Cursos: Engenharia Informática, Ensino da Informática, Matemática Aplicada e Matemática /Informática

Universidade da Beira Interior Cursos: Engenharia Informática, Ensino da Informática, Matemática Aplicada e Matemática /Informática Modelos de Dados 1 - Introdução 2 - Modelo Relacional 2.1. Estrutura de Dados Relacional 2.1.1. Modelo Conceptual de Dados Um modelo conceptual de dados é a representação de um conjunto de objectos e das

Leia mais

PESQUISA INSTITUCIONAL CAMPUS RIO DE JANEIRO. Cursos Técnicos Integrado ao Ensino Médio

PESQUISA INSTITUCIONAL CAMPUS RIO DE JANEIRO. Cursos Técnicos Integrado ao Ensino Médio PESQUISA INSTITUCIONAL CAMPUS RIO DE JANEIRO Cursos Técnicos Integrado ao Ensino Médio PESQUISA INSTITUCIONAL IFRJ - CAMPUS RIO DE JANEIRO CURSO TÉCNICO EM BIOTECNOLOGIA INTEGRADO AO ENSINO MÉDIO 1 Capa

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO. TURMA: 3º semestre EMENTA

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO. TURMA: 3º semestre EMENTA Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EIXO TECNOLÓGICO: Informação e Comunicação CURSO: Sistemas de Informação FORMA/GRAU:( ) Integrado ( ) Subsequente ( ) Concomitante ( X ) Bacharelado ( ) Licenciatura ( ) Tecnólogo

Leia mais

Aplicações - SQL. Banco de Dados: Teoria e Prática. André Santanchè e Luiz Celso Gomes Jr Instituto de Computação UNICAMP Agosto de 2013

Aplicações - SQL. Banco de Dados: Teoria e Prática. André Santanchè e Luiz Celso Gomes Jr Instituto de Computação UNICAMP Agosto de 2013 Aplicações - SQL Banco de Dados: Teoria e Prática André Santanchè e Luiz Celso Gomes Jr Instituto de Computação UNICAMP Agosto de 2013 Picture by Steve Kelley 2008 SQL SQL Structured Query Language Originalmente:

Leia mais

Manual de Atividades dos Bolsistas da DEaD/IFPR

Manual de Atividades dos Bolsistas da DEaD/IFPR Manual de Atividades dos Bolsistas da DEaD/IFPR Diretoria de Educação a Distância - IFPR Descrição das atividades desenvolvidas pelos bolsistas vinculados à Diretoria de Educação a Distância do Instituto

Leia mais

EDITAL DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE MONITORIA EXERCÍCIO 2015.2

EDITAL DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE MONITORIA EXERCÍCIO 2015.2 EDITAL DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE MONITORIA EXERCÍCIO 2015.2 A Direção Geral da Faculdade de Ciências Humanas ESUDA abre inscrições para os professores desta instituição de ensino, interessados em participar

Leia mais

Profa. Daniela Barreiro Claro

Profa. Daniela Barreiro Claro Profa. Daniela Barreiro Claro Modelar é criar representações do mundo real A modelagem relacional pode ser representada via MER (Modelo de Entidade Relacionamento) O MER define estruturas e restrições

Leia mais

Metadados. 1. Introdução. 2. O que são Metadados? 3. O Valor dos Metadados

Metadados. 1. Introdução. 2. O que são Metadados? 3. O Valor dos Metadados 1. Introdução O governo é um dos maiores detentores de recursos da informação. Consequentemente, tem sido o responsável por assegurar que tais recursos estejam agregando valor para os cidadãos, as empresas,

Leia mais