CENTRO UNIVERSITÁRIO FRANCISCANO PLANO DE CARREIRA DOCENTE PCD

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CENTRO UNIVERSITÁRIO FRANCISCANO PLANO DE CARREIRA DOCENTE PCD"

Transcrição

1 CENTRO UNIVERSITÁRIO FRANCISCANO PLANO DE CARREIRA DOCENTE PCD DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art.1º O Centro Universitário Franciscano Unifra, instituição de educação superior, entidade civil de ensino, sem fins lucrativos, com sede à Rua dos Andradas, 1614, na cidade de Santa Maria/RS, inscrita no CNPJ sob nº / , mantida pela Sociedade Caritativa e Literária São Francisco de Assis, Zona Norte Scalifra-ZN, inscrita no CNPJ nº / , institui este Plano de Carreira Docente, o qual disciplina a admissão, a progressão e a promoção dos docentes de nível superior. CAPÍTULO I DA FINALIDADE Art.2º Este Plano de Carreira Docente tem por finalidade disciplinar as formas de ingresso, as funções, os benefícios e a progressão no quadro de carreira docente do Centro Universitário Franciscano nos termos das normas gerais, estatutárias e regimentais. CAPÍTULO II DAS FUNÇÕES DO MAGISTÉRIO SUPERIOR Art.3º Os membros do magistério superior do Centro Universitário Franciscano são parte integrante da comunidade universitária, devendo exercer suas funções em acordo com a missão institucional e conforme determinam o Estatuto, o Regimento Geral e o Projeto Pedagógico Institucional PPI de modo que possam contribuir para o alcance dos objetivos e metas institucionais contidas no Plano de Desenvolvimento Institucional PDI. Art.4º Entende-se por funções do magistério superior as atividades de ensino, pesquisa, extensão e gestão acadêmica em nível de graduação e de pós-graduação: I. O ensino se dá por meio de aulas, palestras, seminários, avaliações, atendimento extraclasse, orientação e supervisão de estágios, orientação de pesquisa em nível de iniciação cientifica e de trabalho final de graduação, orientação de monografia, dissertação e tese. II. A extensão ocorre por meio do desenvolvimento de projetos, consultorias, assessorias, prestação de serviços, cursos, eventos e em diferentes atividades de ação comunitária. III. A pesquisa se desenvolve por meio de projetos destinados à investigação, à produção do conhecimento e à socialização dos resultados.

2 IV. A gestão universitária se realiza por meio do desempenho de cargos ou funções acadêmicas na administração superior, diretorias, coordenação de curso, assessorias e participação em órgãos colegiados. CAPÍTULO III DA CONSTITUIÇÃO DO QUADRO DOCENTE Art.5º Constituem o corpo docente do Centro Universitário Franciscano: I. Professores integrantes do quadro efetivo; II. Professores integrantes do quadro suplementar. Parágrafo único: Integram o quadro suplementar professores substitutos e visitantes. Art.6º Docente do quadro efetivo é o contratado por tempo indeterminado, que realiza atividades de ensino, pesquisa, extensão e/ou gestão acadêmica, sendo enquadrado em uma das classes descritas neste Plano de Carreira Docente. Art.7º Docente substituto é o contratado por período determinado para substituir professor afastado temporariamente de suas atividades ou para suprir necessidades emergenciais, observado o que dispõe a Convenção Coletiva de Trabalho. Art.8º Professor visitante é o docente contratado em caráter eventual, por prazo determinado para executar atividades acadêmicas específicas com remuneração estipulada para cada caso. 1 A inclusão desse docente no plano de carreira dar-se-á de acordo com os requisitos de titulação e produção acadêmica exigidos na respectiva classe. 2 Os docentes a serem contratados para atender a estes casos, ficarão lotados no quadro suplementar do corpo docente. DAS CLASSES Art. 9º O Plano de Carreira Docente compreende as seguintes classes: I Professor Auxiliar com os níveis: Auxiliar I e Auxiliar II; II Professor Assistente com os níveis: Assistente I, Assistente II e Assistente III; III Professor Adjunto com os níveis: Adjunto I, Adjunto II, Adjunto III, Adjunto IV; IV Professor Titular. 1º Por classe entende-se a unidade vertical de classificação da organização do quadro de carreira efetivo, onde a evolução dar-se-á por promoção, tendo por base: titulação acadêmica, experiência docente, tempo de serviço nesta Instituição, produção técnico-científica, acadêmica e profissional.

3 2º Por nível entende-se a unidade horizontal de classificação da organização do quadro de carreira efetivo, onde a evolução dar-se-á por progressão, tendo por base: titulação acadêmica, experiência docente, tempo de serviço nesta Instituição, produção técnico-científica, acadêmica e profissional. DA ADMISSÃO Art.10 A admissão de docentes para o quadro efetivo se dá por meio de processo seletivo, observadas as regras legais e normativas. 1º Para admissão na classe de Professor Auxiliar I: graduado e/ou especialização. 2º Para admissão na classe de Professor Assistente I: titulação mínima de graduado e título de mestre. 3º Para admissão na classe de professor Adjunto I: titulação mínima de graduado e doutor. Art.11 São requisitos para ingresso, promoção e progressão no Plano de Carreira Docente: a) titulação acadêmica; b) experiência no magistério superior; c) tempo de docência na Instituição; d) mérito acadêmico. DA ASCENSÃO FUNCIONAL Art. 12 A ascensão funcional dar-se-á por critérios alternados de merecimento e antiguidade na forma dos artigos que se seguem. DA PROGRESSÃO Art.13 Progressão é a mudança horizontal de um nível para outro dentro da mesma classe e ocorre por interstício de tempo e por desempenho acadêmico. Art.14 A progressão de docente da classe de Professor Auxiliar I para a classe de Professor Auxiliar II dar-se-á pelos critérios de: especialização na área específica ou afim; 4 (quatro) anos de experiência docente no cargo de Professor Auxiliar I na Instituição e comprovação de 150 pontos, atendendo aos critérios descritos no Anexo I deste Plano de Carreira Docente ou pelo decurso de 8 (oito) anos neste nível. Art.15 A progressão de docente na classe de Professor Assistente obedece aos seguintes critérios:

4 a) da classe de Professor Assistente I para a classe de Professor Assistente II: título de mestre, com 4 (quatro) anos de experiência docente na função de Professor Assistente I nesta Instituição e comprovação de 250 pontos, atendendo aos critérios descritos no Anexo I deste Plano de Carreira Docente ou pelo decurso de 8 (oito) anos neste nível; b) da classe de Assistente II para a Classe de Assistente III: título de mestre, com 4 (quatro) anos de experiência docente na função de Professor Assistente II nesta Instituição e comprovação de 300 pontos, atendendo aos critérios descritos no Anexo I deste Plano de Carreira Docente ou pelo decurso de 8 (oito) anos neste nível; c) da classe de Assistente III para a Classe de Assistente IV: título de mestre, com 4 (quatro) anos de experiência docente na função de Professor Assistente III nesta Instituição e comprovação de 300 pontos, atendendo aos critérios descritos no Anexo I deste Plano de Carreira Docente ou pelo decurso de 8 (oito) anos neste nível. Art.16 A progressão de docente na classe de Professor Adjunto obedece aos seguintes critérios: a) da classe de Professor Adjunto I para a classe de Professor Adjunto II: título de doutor, com 4 (quatro) anos de experiência na função de Professor Adjunto I nesta Instituição e comprovação de 4 (quatro) anos de experiência como Professor Adjunto I e comprovação de 350 pontos, atendendo aos critérios descritos no Anexo I deste Plano de Carreira Docente ou pelo decurso de 8 (oito) anos neste nível; b) da classe de Professor Adjunto II para a classe de Professor Adjunto III: título de doutor, com 4 (quatro) anos de experiência na função de Professor Adjunto II nesta Instituição e comprovação de 400 pontos, atendendo aos critérios descritos no anexo I deste Plano de Carreira Docente ou pelo decurso de 8 (oito) anos neste nível; c) da classe de Professor Adjunto III para a classe de Professor Adjunto IV: titulo de doutor, com 4 (quatro) anos de experiência na função de Professor Adjunto III nesta Instituição e comprovação de 450 pontos, atendendo aos critérios descritos no Anexo I deste Plano de Carreira Docente ou pelo decurso de 8 (oito) anos neste nível. Art.17 A progressão de pessoal docente obedece às seguintes disposições gerais: I O processo de progressão será instaurado pelo reitor, anualmente, até o dia 31 de agosto. II No edital constarão os procedimentos e prazos a serem observados pelos candidatos, os critérios de análise, divulgação dos resultados, garantia do contraditório e homologação final das progressões deferidas;

5 III A progressão deferida terá vigência sempre a partir do 1º dia do mês de março subsequente à homologação; IV Para a análise e julgamento dos candidatos habilitados, serão computados os requisitos e critérios atendidos ou completados até a data final do prazo estabelecido no edital. Art.18 Para a progressão na respectiva classe deste Plano de Carreira Docente, a produção científica, acadêmica e profissional será considerada uma única vez, pelo período retroativo de 5 (cinco) anos. Parágrafo único. Comprovada através do devido processo legal qualquer irregularidade da documentação apresentada o candidato terá cancelada sua progressão, independente de outras sanções legais. Art. 19 A Progressão Docente será definida por deliberação da Comissão de Progressão de Pessoal Docente Coped, formada por três docentes, nomeados pelo reitor, entre os quais um é escolhido pelos seus pares. DA PROMOÇÃO Art. 20 Promoção é a elevação de uma classe para outra decorrente de titulação acadêmica e ocorre: a) da classe de Professor Auxiliar para a classe de Professor Assistente I, pelo título de mestre; b) da classe de Professor Assistente para a classe de Professor Adjunto I, pelo título de doutor; c) da classe de Professor Adjunto para a classe de Professor Titular por concurso, de acordo com os artigos 21 e 22 deste Plano de Carreira Docente. Art.21 A promoção para a classe de Professor Titular dar-se-á, exclusivamente por concurso interno, condicionado à disponibilidade de vaga, obedecendo aos seguintes critérios: título de doutor, com 5 anos de experiência docente no ensino superior na classe de Professor Adjunto nesta Instituição e comprovação de 600 pontos, atendendo aos critérios descritos no Anexo I deste Plano de Carreira Docente. 1º O número de vagas para a classe de Professor Titular é de até 8% do número total de professores adjuntos do quadro efetivo da instituição. 2º O processo de concurso interno para a classe de Professor Titular será instaurado pelo reitor, mediante edital específico, somente se existirem vagas. Art. 22 Atendidos os requisitos e os critérios previstos no artigo anterior, sempre que o número de candidatos à promoção exceder o número de vagas disponíveis na classe de Professor Titular, adotar-se-ão os seguintes critérios

6 de precedência, a serem aplicados sucessivamente para o preenchimento das vagas: I Maior número de pontuação conferida na análise; II Maior valor de fomento externo captado por projetos de ensino, pesquisa e extensão; III Maior tempo de permanência na classe anterior; IV Maior tempo de serviço no Centro Universitário Franciscano. Parágrafo único: Será utilizado como critério de desempate sucessivamente: maior tempo de serviço na classe; maior tempo de serviço na UNIFRA e, por fim, maior tempo de docência no ensino superior. DA AVALIAÇÃO Art.23 O docente tem seu desempenho avaliado conforme diretrizes e instrumentos aprovados pelo Conselho Universitário, considerando promoção acadêmica, desempenho na docência e participação no programa de formação pedagógica continuada. CAPITULO IV DO REGIME DE TRABALHO Art.24 Os docentes do ensino superior do Centro Universitário Franciscano exercem suas funções nos seguintes regimes de trabalho: I Tempo integral O regime de trabalho docente em tempo integral compreende quarenta horas semanais de trabalho na Instituição, reservado o tempo de, pelo menos, vinte horas semanais para estudos, pesquisa, extensão, planejamento, avaliação e orientação; II Tempo Parcial O regime de trabalho docente em tempo parcial compreende quinze a trinta e oito horas semanais de trabalho na Instituição, reservado pelo menos 20% do tempo para estudos, planejamento, avaliação e orientação; III Horista Contratado pela Instituição para ministrar aulas, independente da carga horária atribuída ou que não se enquadre nos regimes de trabalho acima referidos, reservado pelo menos 20% do tempo para estudos, planejamento, avaliação e orientação. Art.25 A ocupação das vagas do regime de trabalho em tempo integral e parcial dar-se-á por ato autorizativo da Pró-reitoria de Administração. Art.26 Os membros do magistério superior da Instituição têm sua remuneração definida pela política salarial da Pró-reitoria de Administração, obedecida a legislação trabalhista e os reajustes convencionais.

7 Art.27 Poderá ser concedida gratificação ou comissionamento por atividade específica e por tempo determinado. 1º A proposição de gratificação ou de comissionamento é de iniciativa da Instituição e, sua concessão depende da concordância formal e expressa do professor. 2º A cessação da gratificação ou do comissionamento ocorrerá antes do início do semestre letivo e implicará o perecimento das vantagens salariais decorrentes, salvo extinção contratual ou termo final das razões da gratificação ou comissionamento, desde que previamente estabelecido. CAPITULO V DAS DISPOSIÇÕES TRANSITÓRIAS Art.28 Este Plano de Carreira Docente, com os requisitos de admissão, promoção e progressão às classes e níveis nele previstos, aplica-se a todos os docentes. Parágrafo único: Não poderá ocorrer progressão ou promoção com efeito retroativo. Art.29 Os docentes admitidos anteriormente como Auxiliares, Assistentes e Adjuntos são enquadrados neste novo Plano de Carreira Docente na classe e nível correspondente à sua atual remuneração. Parágrafo único: Para efeito da primeira progressão nos termos deste plano serão considerados a pontuação e o tempo de serviço nesta instituição nos dois anos que antecederam sua implementação, independentemente da nomenclatura da classe e nível em que estava enquadrado o professor. Art.30 Os atuais docentes da Instituição terão o seu regime de trabalho e a sua remuneração respeitada, quando da migração para o atual Plano de Carreira Docente. Art.31 Não serão exigidos, para fins de migração neste Plano de Carreira Docente, os requisitos de produção científica, acadêmica e profissional. Art.32 O enquadramento dos docentes para o atual Plano de Carreira, nas respectivas classes e níveis, será realizado pela Pró-Reitoria de Administração. CAPITULO VI DISPOSIÇÕES FINAIS Art.33 Integram este Plano de Carreira Docente: Anexo I Requisitos e critérios de produção científica, acadêmica e profissional com as respectivas pontuações; Anexo II Tabela de Salários.

8 Art.34 Os atos de admissão, progressão e demissão de pessoal docente são de competência do reitor do Centro Universitário Franciscano. Art.35 Este Plano de Carreira Docente com os requisitos e critérios de admissão, progressão, promoção e remuneração referentes a classes e níveis nele previstos, após sua aprovação pelo Conselho Universitário, será submetido à homologação do Ministério do Trabalho e Emprego. Art.36 Compete ao Conselho Universitário a decisão sobre os casos não previstos neste Plano de Carreira Docente. Art.37 Revogam-se as disposições anteriores e em contrário. Santa Maria, dezembro de ANEXO I Requisitos e critérios de produção científica, acadêmica e profissional com as respectivas pontuações. Atividade Acadêmica Pontuação Periódicos (A1 e A2) 12 Periódicos (B1, B2 e B3) 9 Demais periódicos 5 Livro - Texto integral (único autor) - abrangência internacional 14 Livro - Texto integral (único autor) - abrangência nacional 10 Livro - Texto integral (único autor) - abrangência regional 9 Livro - Coletânea (mais de um autor) - abrangência internacional 8 Livro - Coletânea (mais de um autor) - abrangência nacional 7 Livro - Coletânea (mais de um autor) - abrangência regional 5 Livro - Capítulo - abrangência internacional 8 Livro - Capítulo - abrangência nacional 7 Livro - Capítulo - abrangência regional 4 Livro - Organização da obra abrangência internacional 7 Livro - Organização da obra abrangência nacional 5 Livro - Organização da obra abrangência regional 3 Tradução de livro 4 Trab. Anais completos em eventos com abrangência internacional 6 Trab. Anais completos em eventos com abrangência nacional 5 Trab. Anais completos em eventos com abrangência regional 3 Trab. Resumo em eventos com abrangência internacional 3 Trab. Resumo em eventos com abrangência nacional 2 Trab. Resumo em eventos com abrangência regional 1 Minicurso em evento internacional 6

9 Minicurso em evento nacional 5 Minicurso em eventos regional 3 Coordenação de evento internacional 6 Coordenação de evento nacional 5 Coordenação de evento regional 2 Participação em comissão organizadora de evento internacional 3 Participação em comissão organizadora de evento nacional 2 Participação em comissão organizadora de evento regional 1 Conferencista em evento de abrangência internacional 7 Conferencista em evento de abrangência nacional 4 Conferencista em evento de abrangência regional 3 Apresentação de trabalho científico em evento internacional 5 Apresentação de trabalho científico em evento nacional 3 Apresentação de trabalho científico em evento regional 1 Orientação de tese defendida e aprovada 8 Orientação de dissertação defendida e aprovada 6 Orientação de monografia - pós-graduação lato sensu defendida e aprovada (máximo de 5 pontos semestrais) 1 Orientação de bolsista de iniciação científica com bolsa de agência de fomento 2 Orientação de bolsista de iniciação científica 1 Orientação de trabalho final de graduação defendido e aprovado na IES (máximo de 10 pontos semestrais) 1 Participação em banca de trabalho final de graduação defendido na IES 1 Participação em banca de monografia pós-graduação lato-sensu defendida na IES 1 Participação em banca de dissertação defendida na IES 2 Participação em banca de tese defendida na IES 2 Projeto de pesquisa com financiamento ou bolsa de agência de fomento 9 01 semestre de atividade de assessoria ou coordenação administrativa 5 01 semestre de coordenação de curso de graduação 5 01 semestre de coordenação de curso de pós-graduação stricto sensu 5 01 semestre de exercício no cargo de reitor ou pró-reitor 6 Disciplina/Turma ministrada em cursos de graduação, mestrado e doutorado por semestre (3 pontos por disciplina) 3 01 semestre de coordenação de estágio 1 01 semestre de coordenação de trabalho final de graduação 1 Participação como titular em conselho/colegiado/nde na IES (por ano) 1 Participação em comitês de ética/científicos e editorial 2 Parecerista ad hoc ou avaliador de livro e/ou artigo científico 2 Participação em comissão de concepção de curso stricto sensu 3 Participação em comissão de concepção de curso de graduação 3 Participação em comissão de concepção de curso lato sensu 2 Participação em comissão de concepção de curso de extensão 1

10 Participação como titular em conselho municipal / estadual /nacional representando a IES 2 Participação em comissão externa representando a IES 1 Participação em atividade comunitária 1 Criação e registro de marca 6 Software criado, desenvolvido e registrado. 5 Criação de material didático - aprovado por banca avaliadora 5 Produto criado, desenvolvido e patenteado. 8 Produção artística relacionada à área de atuação na IES 3 Criação artística ou cultural publicada e/ou registrada 3 Mostra de obra fotográfica ou de artes plásticas 3 Premiação em evento/concurso/competição de caráter acadêmico - internacional 8 Premiação em evento/concurso/competição de caráter acadêmico nacional 6 Premiação em evento/concurso/competição de caráter acadêmico regional 5 Premiação em evento/concurso/competição de caráter acadêmico - local 3 Somatório 326 Tabela de valor/hora salarial CLASSES N Í V E I S I II III IV Professor auxiliar 24,24 25,16 Professor assistente 25,23 26,11 27,02 28,38 Professor adjunto 28,95 31,61 33,19 36,50 Professor titular 37,60

QUADRO DE CARREIRA DOCENTE DA EDUCAÇÃO SUPERIOR FACULDADE TRES DE MAIO SETREM

QUADRO DE CARREIRA DOCENTE DA EDUCAÇÃO SUPERIOR FACULDADE TRES DE MAIO SETREM QUADRO DE CARREIRA DOCENTE DA EDUCAÇÃO SUPERIOR FACULDADE TRES DE MAIO SETREM O presente documento apresenta o Quadro de Carreira Docente (QCD) da Educação Superior da Sociedade Educacional Três de Maio

Leia mais

R E S O L U Ç Ã O. Fica aprovado, conforme anexo, o Plano de Carreira do Corpo Docente do Magistério Superior da Faculdade Franciscana.

R E S O L U Ç Ã O. Fica aprovado, conforme anexo, o Plano de Carreira do Corpo Docente do Magistério Superior da Faculdade Franciscana. RESOLUÇÃO CSA N.º 14/2009 APROVA O PLANO DE CARREIRA DO CORPO DOCENTE DO MAGISTÉRIO SUPERIOR DA. O Presidente do Conselho Superior de Administração CSA, no uso das atribuições que lhe confere o art. 7º,

Leia mais

FACULDADE DE VIÇOSA PLANO DE CARGOS, SALÁRIOS E CARREIRA DOCENTE CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS

FACULDADE DE VIÇOSA PLANO DE CARGOS, SALÁRIOS E CARREIRA DOCENTE CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS FACULDADE DE VIÇOSA PLANO DE CARGOS, SALÁRIOS E CARREIRA DOCENTE CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Art. 1º O presente documento tem por objetivo estabelecer uma política de administração de cargos, salários e carreira

Leia mais

Faculdade Adventista da Bahia. Plano de Cargos e Salários

Faculdade Adventista da Bahia. Plano de Cargos e Salários Plano de Cargos e Salários Abril de 2014 PLANO DE CARREIRA DO MAGISTÉRIO SUPERIORDA FADBA TÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Capítulo I DA NATUREZA E CONSTITUIÇÃO Art.1º. O Plano de Carreira do Magistério

Leia mais

Rita de Cássia Cronemberger Sobral Presidente da AD de Serviço Social

Rita de Cássia Cronemberger Sobral Presidente da AD de Serviço Social MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ UFPI CENTRO DE CIENCIAS HUMANAS E LETRAS DEPARTAMENTO DE SERVIÇO SOCIAL Normatiza o plano departamental, o plano docente, as atividades e a distribuição

Leia mais

DO REGULAMENTO DO QUADRO DE CARREIRA DOCENTE

DO REGULAMENTO DO QUADRO DE CARREIRA DOCENTE DO REGULAMENTO DO QUADRO DE CARREIRA DOCENTE FUNDAÇÃO CULTURAL XINGU FACULDADE DOM BOSCO DE GOIOERÊ REGULAMENTO DO QUADRO DE CARREIRA DOCENTE CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Artigo 1º O presente Regulamento do

Leia mais

O Prefeito Municipal de Macuco, no uso de suas atribuições legais, faz saber que a Câmara Municipal de Macuco aprovou e ele sanciona a seguinte,

O Prefeito Municipal de Macuco, no uso de suas atribuições legais, faz saber que a Câmara Municipal de Macuco aprovou e ele sanciona a seguinte, LEI Nº 302/05 "DISPÕE SOBRE O PLANO DE CARREIRA E REMUNERAÇÃO DO MAGISTÉRIO PÚBLICO MUNICIPAL E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS" O Prefeito Municipal de Macuco, no uso de suas atribuições legais, faz saber que

Leia mais

A CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO JOÃO DA BARRA APROVA E EU SANCIONO A SEGUINTE LEI: CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES E DOS CONCEITOS NORMATIVOS

A CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO JOÃO DA BARRA APROVA E EU SANCIONO A SEGUINTE LEI: CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES E DOS CONCEITOS NORMATIVOS ESTADO DO RIO DE JANEIRO PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO JOÃO DA BARRA LEI Nº. 209/12, DE 04 DE ABRIL DE 2012. INSTITUI O PLANO DE CARGOS, CARREIRAS E VENCIMENTOS DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE SÃO

Leia mais

Capítulo I DOS OBJETIVOS

Capítulo I DOS OBJETIVOS PLANO DE CARGOS E SALÁRIOS Capítulo I DOS OBJETIVOS Art.1º - O presente documento tem por objetivo estabelecer uma política de administração de cargos, salários e carreira para os quadros de pessoal da

Leia mais

PLANO DE CARREIRA, CARGOS E SALÁRIO DO PESSOAL TÉCNICO-ADMINISTRATIVO DA FUNDESTE

PLANO DE CARREIRA, CARGOS E SALÁRIO DO PESSOAL TÉCNICO-ADMINISTRATIVO DA FUNDESTE PLANO DE CARREIRA, CARGOS E SALÁRIO DO PESSOAL TÉCNICO-ADMINISTRATIVO DA FUNDESTE CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS E OPERACIONALIZAÇÃO Art. 1º - O Plano de Carreira do Pessoal Técnico-Administrativo da Fundeste,

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE CACHOEIRINHA SECRETARIA MUNICIPAL DE GOVERNO LEI Nº 2264, DE 29 DE ABRIL DE 2004.

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE CACHOEIRINHA SECRETARIA MUNICIPAL DE GOVERNO LEI Nº 2264, DE 29 DE ABRIL DE 2004. LEI Nº 2264, DE 29 DE ABRIL DE 2004. Institui o Plano de Carreira do Magistério Público Municipal e dá outras providências. Grande do Sul. O PREFEITO MUNICIPAL DE CACHOEIRINHA, Estado do Rio FAÇO SABER

Leia mais

ALTERADA PELAS RESOLUÇÕES CS 14/2014 E CS 25/2015 RESOLUÇÃO DO CONSELHO SUPERIOR Nº 38/2013, DE 1º DE OUTUBRO DE 2013

ALTERADA PELAS RESOLUÇÕES CS 14/2014 E CS 25/2015 RESOLUÇÃO DO CONSELHO SUPERIOR Nº 38/2013, DE 1º DE OUTUBRO DE 2013 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CONSELHO SUPERIOR Avenida Rio Branco, 50 Santa Lúcia 29056-255 Vitória ES 27 3227-5564 3235-1741 ramal 2003 ALTERADA PELAS RESOLUÇÕES CS 14/2014

Leia mais

Resolução nº 038, de 28 de abril de 2015.

Resolução nº 038, de 28 de abril de 2015. SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Conselho Superior Resolução nº

Leia mais

Lei n.º 346/2014. Iracema-RR, em 12 de Maio de 2014. Que dispõe sobre:

Lei n.º 346/2014. Iracema-RR, em 12 de Maio de 2014. Que dispõe sobre: Lei n.º 346/2014. Iracema-RR, em 12 de Maio de 2014. Que dispõe sobre: Estabelece o Plano de Cargos, Carreira e Remuneração dos Profissionais da Educação Básica do Município de Iracema e dá outras providências.

Leia mais

LEI Nº 321 DE 31 DE DEZEMBRO DE 2001 CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

LEI Nº 321 DE 31 DE DEZEMBRO DE 2001 CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES LEI Nº 321 DE 31 DE DEZEMBRO DE 2001 Dispõe sobre o Plano de Carreira, Remuneração e Valorização do Magistério Público Estadual e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DE RORAIMA, no uso de suas

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU. TITULO I Da Natureza, dos Fins e da Aprovação dos Cursos

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU. TITULO I Da Natureza, dos Fins e da Aprovação dos Cursos REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU TITULO I Da Natureza, dos Fins e da Aprovação dos Cursos CAPÍTULO I Da Natureza e dos Fins dos Cursos Art. 1º Os cursos de pós-graduação Lato sensu

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE EDUCAÇÃO E HUMANIDADES FACULDADE DE EDUCAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE EDUCAÇÃO E HUMANIDADES FACULDADE DE EDUCAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE EDUCAÇÃO E HUMANIDADES FACULDADE DE EDUCAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO EDITAL PARA CONCESSÃO/RENOVAÇÃO DE BOLSAS 2016 A Faculdade de Educação

Leia mais

CONSIDERANDO a decisão da Câmara de Pessoal Docente; CONSIDERANDO o que consta no Processo n.º 23108.037947/10-0, 98/10 -CONSEPE

CONSIDERANDO a decisão da Câmara de Pessoal Docente; CONSIDERANDO o que consta no Processo n.º 23108.037947/10-0, 98/10 -CONSEPE RESOLUÇÃO CONSEPE N. o 158, DE 29 DE NOVEMBRO DE 2010 Dispõe sobre normas para distribuição de encargos didáticos, segundo o regime de trabalho dos docentes. O CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA DA UNIVERSIDADE

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA SOCIAL E INSTITUCIONAL CAPÍTULO I OBJETIVOS

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA SOCIAL E INSTITUCIONAL CAPÍTULO I OBJETIVOS REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA SOCIAL E INSTITUCIONAL CAPÍTULO I OBJETIVOS Art. 1º - O Programa de Pós-Graduação em Psicologia Social e Institucional, vinculado ao Instituto

Leia mais

R E S O L U Ç Ã O N.º 189/2008 CONSUN APROVA O REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INTERCÂMBIO UNIVERSITÁRIO DA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ.

R E S O L U Ç Ã O N.º 189/2008 CONSUN APROVA O REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INTERCÂMBIO UNIVERSITÁRIO DA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ. R E S O L U Ç Ã O N.º 189/2008 CONSUN APROVA O REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INTERCÂMBIO UNIVERSITÁRIO DA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ. (*) O Presidente do Conselho Universitário no uso de suas

Leia mais

R E S O L V E PORTARIA N 011/2004/FEST INSTITUI O PLANO DE CARREIRA DOCENTE PARA OS PROFESSORES DA FEST

R E S O L V E PORTARIA N 011/2004/FEST INSTITUI O PLANO DE CARREIRA DOCENTE PARA OS PROFESSORES DA FEST INSTITUI O PLANO DE CARREIRA DOCENTE PARA OS PROFESSORES DA FEST A DIRETORA GERAL da Faculdade de Educação Santa Terezinha FEST, com sede em imperatriz, estado do maranhão, no uso das atribuições que lhes

Leia mais

RESOLUÇÃO UNIV N o 21 DE 9 DE DEZEMBRO DE 2013.

RESOLUÇÃO UNIV N o 21 DE 9 DE DEZEMBRO DE 2013. RESOLUÇÃO UNIV N o 21 DE 9 DE DEZEMBRO DE 2013. Aprova novo Regulamento da Política Docente da UEPG, e revoga a Resolução UNIV n o 38, de 8 de dezembro de 2010. O CONSELHO UNIVERSITÁRIO, no uso de suas

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA NÍVEL MESTRADO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS TÍTULO I DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS DO PROGRAMA

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA NÍVEL MESTRADO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS TÍTULO I DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS DO PROGRAMA REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA NÍVEL MESTRADO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS TÍTULO I DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS DO PROGRAMA Art. 1º O Programa de Pós-Graduação em Economia (PPE),

Leia mais

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL MACHADO DE ASSIS FEMA FACULDADES INTEGRADAS MACHADO DE ASSIS

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL MACHADO DE ASSIS FEMA FACULDADES INTEGRADAS MACHADO DE ASSIS FUNDAÇÃO EDUCACIONAL MACHADO DE ASSIS FEMA FACULDADES INTEGRADAS MACHADO DE ASSIS PLANO DE CARREIRA DOCENTE SANTA ROSA MARÇO/2010 PLANO DE CARREIRA DOCENTE CAPÍTULO I DAS FINALIDADES Art. 1º - O presente

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 15/09 CONSUNI

RESOLUÇÃO Nº 15/09 CONSUNI 0 RESOLUÇÃO Nº 15/09 CONSUNI APROVA A ALTERAÇÃO DO ESTATUTO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DE JARAGUÁ DO SUL UNERJ. A Presidente do Conselho Universitário CONSUNI do Centro Universitário de Jaraguá do Sul UNERJ,

Leia mais

PLANO DE CARREIRA DOCENTE

PLANO DE CARREIRA DOCENTE PLANO DE CARREIRA DOCENTE 2013 1 ÍNDICE CAPÍTULO I Do Regulamento 03 CAPÍTULO II Das Atribuições do Magistério no Ensino Superior 03 CAPÍTULO III Do Corpo Docente 04 CAPÍTULO IV Da Organização do Quadro

Leia mais

O PREFEITO MUNICIPAL DE BARRETOS, ESTADO DE SÃO PAULO: Faço saber que a Câmara Municipal aprovou e eu sanciono a seguinte Lei:

O PREFEITO MUNICIPAL DE BARRETOS, ESTADO DE SÃO PAULO: Faço saber que a Câmara Municipal aprovou e eu sanciono a seguinte Lei: LEI N.º 3629, DE 28 DE NOVEMBRO DE 2003. (Com alterações impostas pelas leis n. os 3.636, de 17 de dezembro de 2003; 3.727, de 27 de janeiro de 2005; 3.816, de 27 de dezembro de 2005; 4.048, de 07 de março

Leia mais

EDITAL Nº 002/2014- PARFOR/PREG, DE 24 DE MARÇO DE 2014.

EDITAL Nº 002/2014- PARFOR/PREG, DE 24 DE MARÇO DE 2014. EDITAL Nº 002/2014- PARFOR/PREG, DE 24 DE MARÇO DE 2014. RELATIVO AO PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO DE PROFESSOR FORMADOR, PROFESSOR ORIENTADOR E SUPERVISOR DE ESTÁGIO PARA O PARFOR/UESPI 2014.1. A Pró-Reitoria

Leia mais

POLÍTICA INSTITUCIONAL DE FORMAÇÃO E DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DA UNIVERSIDADE SEVERINO SOMBRA

POLÍTICA INSTITUCIONAL DE FORMAÇÃO E DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DA UNIVERSIDADE SEVERINO SOMBRA POLÍTICA INSTITUCIONAL DE FORMAÇÃO E DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DA UNIVERSIDADE SEVERINO SOMBRA Capítulo I Do Regulamento Art. 1º. O presente Regulamento define e regula a Política de Formação e Desenvolvimento

Leia mais

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL ESTADO DO RIO DE JANEIRO Prefeitura Municipal de Porciúncula

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL ESTADO DO RIO DE JANEIRO Prefeitura Municipal de Porciúncula LEI COMPLEMENTAR Nº 055/2007 Dispõe sobre o Plano de Carreira e Remuneração do Magistério Público do Município de Porciúncula/RJ e dá outras providências O PREFEITO MUNICIPAL DE PORCIÚNCULA, no uso das

Leia mais

PORTARIA Nº 554, DE 20 DE JUNHO DE 2013

PORTARIA Nº 554, DE 20 DE JUNHO DE 2013 PORTARIA Nº 554, DE 20 DE JUNHO DE 2013 Estabelece as diretrizes gerais para o processo de avaliação de desempenho para fins de progressão e de promoção dos servidores pertencentes ao Plano de Carreiras

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº. 034, de 13 DE OUTUBRO DE 2014

RESOLUÇÃO Nº. 034, de 13 DE OUTUBRO DE 2014 Parecer N o 070/04 Aprovado em //04 RESOLUÇÃO Nº. 04, de DE OUTUBRO DE 04 ANEXO I - CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE PONTUAÇÃO CAMPO I ATIVIDADES DE ENSINO. Docência em curso de graduação sem remuneração adicional

Leia mais

LEI Nº 2.581/2009. O Prefeito Municipal de Caeté, Minas Gerais, faz saber que a Câmara Municipal aprovou e ele sanciona a seguinte Lei:

LEI Nº 2.581/2009. O Prefeito Municipal de Caeté, Minas Gerais, faz saber que a Câmara Municipal aprovou e ele sanciona a seguinte Lei: LEI Nº 2.581/2009 DISPÕE SOBRE O PLANO DE CARREIRA E REMUNERAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA DO MUNICÍPIO DE CAETÉ. O Prefeito Municipal de Caeté, Minas Gerais, faz saber que a Câmara Municipal

Leia mais

Art. 1º. Aprovar as alterações do Estatuto da Universidade Federal de Juiz de Fora, com sede na cidade de Juiz de Fora, Estado de Minas Gerais.

Art. 1º. Aprovar as alterações do Estatuto da Universidade Federal de Juiz de Fora, com sede na cidade de Juiz de Fora, Estado de Minas Gerais. Portaria 1.105, de 28 de setembro de 1998 O Ministro de Estado da Educação e do Desporto, usando da competência que lhe foi delegada pelo Decreto 1.845, de 28 de março de 1996, e tendo em vista o Parecer

Leia mais

NORMA SOBRE OS REGIMES DE TRABALHO DO DOCENTE DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHÃO UEMA

NORMA SOBRE OS REGIMES DE TRABALHO DO DOCENTE DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHÃO UEMA NORMA SOBRE OS REGIMES DE TRABALHO DO DOCENTE DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHÃO UEMA Aprovada pela Resolução n /20XX CONSUN/UEMA, de XX de xxxx de 20XX CAPÍTULO I DO MAGISTÉRIO SUPERIOR Art. 1 São consideradas

Leia mais

Regimento Interno do Programa de Pós-Graduação em. Engenharia de Minas, Metalúrgica e de Materiais

Regimento Interno do Programa de Pós-Graduação em. Engenharia de Minas, Metalúrgica e de Materiais Regimento Interno do Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Minas, Metalúrgica e de Materiais I DOS OBJETIVOS E ORGANIZAÇÃO GERAL Art. 1 O Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Minas, Metalúrgica

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO REGIMENTO DO CURSO DE MESTRADO PROFISSIONAL EM URBANISMO

PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO REGIMENTO DO CURSO DE MESTRADO PROFISSIONAL EM URBANISMO PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO REGIMENTO DO CURSO DE MESTRADO PROFISSIONAL EM URBANISMO O Mestrado Profissional em Urbanismo, ministrado pelo Curso de Arquitetura e Urbanismo do FIAM-FAAM

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU: ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO DE CURRÍCULO NA FORMAÇÃO DOCENTE CAPÍTULO 1 DA ORGANIZAÇÃO GERAL

REGIMENTO INTERNO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU: ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO DE CURRÍCULO NA FORMAÇÃO DOCENTE CAPÍTULO 1 DA ORGANIZAÇÃO GERAL REGIMENTO INTERNO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU: ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO DE CURRÍCULO NA FORMAÇÃO DOCENTE CAPÍTULO 1 DA ORGANIZAÇÃO GERAL Art. 1 - O curso de Pós-Graduação Lato Sensu Especialização

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DAS PÓS-GRADUAÇÕES

REGULAMENTO GERAL DAS PÓS-GRADUAÇÕES REGULAMENTO GERAL DAS PÓS-GRADUAÇÕES Título I INTRODUÇÃO GERAL Art. 1 O presente Regulamento se constitui, em conjunção com o Estatuto e o Regimento Geral da Universidade Federal do Espírito Santo, bem

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA RESOLUÇÃO/UEPB/CONSUNI/054/2010 ESTABELECE NORMAS PARA ATRIBUIÇÃO DE ENCARGOS DOCENTES NA UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAIBA O CONSELHO UNIVERSITARIO - CONSUNI da UNIVERSIDADE

Leia mais

PROCESSO DE AFASTAMENTO DE DOCENTES PARA REALIZAÇÃO DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU

PROCESSO DE AFASTAMENTO DE DOCENTES PARA REALIZAÇÃO DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS CAMPUS OURO PRETO DIREÇÃO GERAL Rua Pandiá Calógeras, 898 Bairro

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO ACADÊMICO DE VITÓRIA NÚCLEO DE ENFERMAGEM

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO ACADÊMICO DE VITÓRIA NÚCLEO DE ENFERMAGEM SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO ACADÊMICO DE VITÓRIA NÚCLEO DE ENFERMAGEM CONCURSO PÚBLICO PARA DOCENTES DO MAGISTÉRIO SUPERIOR Edital nº 56, de 6 de JUNHO de 06, publicado

Leia mais

FACULDADE ORÍGENES LESSA FACOL ISEOL - INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO ORÍGENES LESSA PORTARIA Nº 004 / 2009

FACULDADE ORÍGENES LESSA FACOL ISEOL - INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO ORÍGENES LESSA PORTARIA Nº 004 / 2009 ASSOCIAÇÃO LENÇOENSE DE EDUCAÇÃO E CULTURA - ALEC FACULDADE ORÍGENES LESSA FACOL ISEOL - INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO ORÍGENES LESSA PORTARIA Nº 004 / 2009 Usando as atribuições que lhe confere o regimento

Leia mais

UNIVERSIDADE VEIGA DE ALMEIDA UVA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA E EXTENSÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM DIREITO

UNIVERSIDADE VEIGA DE ALMEIDA UVA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA E EXTENSÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM DIREITO UNIVERSIDADE VEIGA DE ALMEIDA UVA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA E EXTENSÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM DIREITO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU DA UNIVERSIDADE

Leia mais

INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES, PROGRAMAS E TABELA DE PONTUAÇÃO PARA JULGAMENTO DE TÍTULOS

INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES, PROGRAMAS E TABELA DE PONTUAÇÃO PARA JULGAMENTO DE TÍTULOS DEPARTAMENTO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL CONCURSO PÚBLICO PARA ENTES DO MAGISTÉRIO SUPERIOR Edital nº 05, de 11 de fevereiro de 2014, publicado no Diário Oficial da União nº 30, de 12 de fevereiro de 2014. INFORMAÇÕES

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA Autorizada pelo Decreto Federal nº 77.496 de 27/04/76 Reconhecida pela Portaria Ministerial nº 874/86 de 19/12/86 Recredenciada pelo Decreto Estadual 9.271 de

Leia mais

ORIENTAÇÕES DE PREENCHIMENTO DOS FORMULÁRIOS DO PLANO ACADÊMICO

ORIENTAÇÕES DE PREENCHIMENTO DOS FORMULÁRIOS DO PLANO ACADÊMICO ORIENTAÇÕES DE PREENCHIMENTO DOS FORMULÁRIOS DO PLANO ACADÊMICO PLANO ACADÊMICO Orientações de preenchimento dos Formulários de número 01 à 08 1) Formulário nº. 1 - Ensino de Graduação ou Educação Básica

Leia mais

PROGRAMA DE MESTRADO EM PSICOLOGIA

PROGRAMA DE MESTRADO EM PSICOLOGIA Resolução nº 01/PPGPSI/UFSJ de 16 de dezembro de 2011. Estabelece critérios e procedimentos de credenciamento e de recredenciamento de docentes junto ao Programa de Mestrado em Psicologia PPGPSI/UFSJ A

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS: QUÍMICA DA VIDA E SAÚDE

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS: QUÍMICA DA VIDA E SAÚDE REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS: QUÍMICA DA VIDA E SAÚDE CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Art. 1 - O Programa de Pós Graduação em Educação em Ciências: Química da Vida e Saúde, caracteriza-se

Leia mais

Universidade de Caxias do Sul Programa de Pós-Graduação em Direito Mestrado

Universidade de Caxias do Sul Programa de Pós-Graduação em Direito Mestrado REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM DIREITO Sumário CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS DO PROGRAMA... 1 CAPÍTULO II DA ADMINISTRAÇÃO DO PROGRAMA...2 CAPÍTULO III DO CORPO DOCENTE,

Leia mais

Prefeitura Municipal de Sabará Rua Dom Pedro II, 200 CEP: 34505-000 Sabará MG Fones: (31) 3672-7672 - (31) 3674-2909

Prefeitura Municipal de Sabará Rua Dom Pedro II, 200 CEP: 34505-000 Sabará MG Fones: (31) 3672-7672 - (31) 3674-2909 LEI COMPLEMENTAR NÚMERO 015, de 10 de novembro de 2011. Dispõe sobre o Plano de Cargos, Carreiras e Vencimentos dos Profissionais da Educação Básica do Município de Sabará, estabelece normas de enquadramento,

Leia mais

I - Grupo ocupacional de controle externo, integrado pelas seguintes carreiras:

I - Grupo ocupacional de controle externo, integrado pelas seguintes carreiras: PROPOSTA PROJETO DE LEI Autor: Tribunal de Contas Dispõe sobre a reestruturação organizacional dos cargos e carreiras do quadro permanente, a criação de cargos de provimento em comissão e fixa o subsídio

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ EDITAL Nº 09/2014 CONCURSO PÚBLICO PARA PROFESSOR DO MAGISTÉRIO SUPERIOR CAMPUS DA UFC EM SOBRAL

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ EDITAL Nº 09/2014 CONCURSO PÚBLICO PARA PROFESSOR DO MAGISTÉRIO SUPERIOR CAMPUS DA UFC EM SOBRAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ EDITAL Nº 09/2014 CONCURSO PÚBLICO PARA PROFESSOR DO MAGISTÉRIO SUPERIOR CAMPUS DA UFC EM SOBRAL O Reitor da Universidade Federal do Ceará, tendo em

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU CURSO DE MESTRADO E DOUTORADO EM ADMINISTRAÇÃO DA UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL.

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU CURSO DE MESTRADO E DOUTORADO EM ADMINISTRAÇÃO DA UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL. REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU CURSO DE MESTRADO E DOUTORADO EM ADMINISTRAÇÃO DA UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL Sumário Capítulo I DOS OBJETIVOS DO PROGRAMA...2 Capítulo II DA ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA UNEB CONSELHO UNIVERSITÁRIO CONSU

UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA UNEB CONSELHO UNIVERSITÁRIO CONSU UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA UNEB CONSELHO UNIVERSITÁRIO CONSU RESOLUÇÃO N.º 507/2007 Publicada no D.O.E. de 08/09-12-2007, pág. 24 Altera a Resolução Nº. 634/04 CONSEPE, que aprova o Regulamento de

Leia mais

PROGRAMA DE BOLSAS DE DOUTORADO FORA DO ESTADO EDITAL N 07/2015

PROGRAMA DE BOLSAS DE DOUTORADO FORA DO ESTADO EDITAL N 07/2015 PROGRAMA DE BOLSAS DE DOUTORADO FORA DO ESTADO EDITAL N 07/2015 O Presidente da Fundação Cearense de Apoio ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico FUNCAP, Prof. Francisco César de Sá Barreto, no uso

Leia mais

RESOLUÇÃO 04/2001 CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES. Art. 1º - Fixar normas para o Funcionamento do Programa de Bolsas de Monitoria na UESB.

RESOLUÇÃO 04/2001 CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES. Art. 1º - Fixar normas para o Funcionamento do Programa de Bolsas de Monitoria na UESB. Dispõe sobre o Programa de Bolsa de Monitoria da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia UESB, revogando as disposições em contrário, em especial as Resoluções CONSEPE/UESB 18/94 e 48/97. O Conselho

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA FUNDEPE (Aprovado pelo Conselho Curador em 23 de junho de 2009)

REGIMENTO INTERNO DA FUNDEPE (Aprovado pelo Conselho Curador em 23 de junho de 2009) REGIMENTO INTERNO DA FUNDEPE (Aprovado pelo Conselho Curador em 23 de junho de 2009) Artigo 1º. - FUNDAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DO ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO - FUNDEPE, além das disposições constantes

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS REGULAMENTO GERAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU

UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS REGULAMENTO GERAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS P R Ó - R E I T O R I A D E P Ó S - G R A D U A Ç Ã O COORDENADORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU REGULAMENTO GERAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU CAPÍTULO

Leia mais

EDITAL NUPEL/ILUFBA nº 02, de 01 de abril de 2015, para a seleção de Professores em Formação para o semestre de 2015.2

EDITAL NUPEL/ILUFBA nº 02, de 01 de abril de 2015, para a seleção de Professores em Formação para o semestre de 2015.2 EDITAL NUPEL/ILUFBA nº 02, de 01 de abril de 2015, para a seleção de Professores em Formação para o semestre de 2015.2 O Núcleo Permanente de Extensão de Letras (NUPEL) do da Universidade Federal da Bahia

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSEPE Nº 05/2007 REGULAMENTO GERAL DA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA - UESB

RESOLUÇÃO CONSEPE Nº 05/2007 REGULAMENTO GERAL DA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA - UESB Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia - UESB Credenciada pelo Decreto Estadual nº 7.344 de 27.05.1998 CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO CONSEPE RESOLUÇÃO CONSEPE Nº 05/2007 REGULAMENTO

Leia mais

NORMAS INTERNAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC - UFABC

NORMAS INTERNAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC - UFABC NORMAS INTERNAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC - UFABC O Programa de Pós-Graduação stricto sensu em Ciências Humanas e Sociais, cursos de Mestrado

Leia mais

Resolução nº 082, de 19 de outubro de 2011.

Resolução nº 082, de 19 de outubro de 2011. SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Conselho Superior Resolução nº

Leia mais

REGIMENTO DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM LINGÜÍSTICA APLICADA: ENSINO-APRENDIZAGEM DE LÍNGUAS ESTRANGEIRAS CAPÍTULO I DAS FINALIDADES

REGIMENTO DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM LINGÜÍSTICA APLICADA: ENSINO-APRENDIZAGEM DE LÍNGUAS ESTRANGEIRAS CAPÍTULO I DAS FINALIDADES REGIMENTO DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM LINGÜÍSTICA APLICADA: ENSINO-APRENDIZAGEM DE LÍNGUAS ESTRANGEIRAS CAPÍTULO I DAS FINALIDADES Art. 1º- O Curso de Especialização em Lingüística Aplicada, da Universidade

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PRODUÇÃO ANIMAL R E G I M E N T O

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PRODUÇÃO ANIMAL R E G I M E N T O UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PRODUÇÃO ANIMAL R E G I M E N T O CAPÍTULO I - CAPÍTULO II - CAPÍTULO III - CAPÍTULO IV

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC (UFABC) Programa de Pós-Graduação em Políticas Públicas NORMAS INTERNAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC (UFABC) Programa de Pós-Graduação em Políticas Públicas NORMAS INTERNAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC (UFABC) Programa de Pós-Graduação em Políticas Públicas NORMAS INTERNAS O Programa de Pós-Graduação stricto sensu em Políticas Públicas, com cursos em níveis de mestrado acadêmico

Leia mais

A carreira do servidor docente das IFES e peculiaridades da UNILA

A carreira do servidor docente das IFES e peculiaridades da UNILA A carreira do servidor docente das IFES e peculiaridades da UNILA Ambientação de Docentes 2016.1 Comissão Permanente de Pessoal Docente Gladys Amelia Velez Benito (ILA de Ciências da Vida e da Natureza)

Leia mais

RESOLUÇÃO: JOÃO GRANDINO RODAS Reitor. RUBENS BEÇAK Secretário Geral REGIMENTO DA ESCOLA DE ENFERMAGEM DE RIBEIRÃO PRETO TÍTULO I

RESOLUÇÃO: JOÃO GRANDINO RODAS Reitor. RUBENS BEÇAK Secretário Geral REGIMENTO DA ESCOLA DE ENFERMAGEM DE RIBEIRÃO PRETO TÍTULO I Page 1 of 13 RESOLUÇÃO Nº 6311, DE 6 DE JULHO DE 2012. (D.O.E. - 11.07.2012) Baixa o Regimento da Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto. O Reitor da Universidade de São Paulo, usando de suas atribuições

Leia mais

REGULAMENTO DA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

REGULAMENTO DA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Texto Aprovado CONSU Nº 2008-02 - Data:02/04/2008 Texto Revisado e Atualizado CONSU PRÓ-REITORIA ACADÊMICA Nº 2011-05 - Data: 24/03/11 2012-29 de 29/11/2012 REGULAMENTO DA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU CAPÍTULO

Leia mais

EDITAL INSTITUCIONAL DE EXTENSÃO N 21, DE 08 DE OUTUBRO DE 2012

EDITAL INSTITUCIONAL DE EXTENSÃO N 21, DE 08 DE OUTUBRO DE 2012 ATUAÇÃO COMO PROFESSORES NOS CURSOS DO PROGRAMA NACIONAL DE O Diretor do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão Campus Buriticupu, no uso de suas atribuições, torna público que

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE PERNAMBUCO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE PERNAMBUCO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE PERNAMBUCO PLANO INSTITUCIONAL DE CAPACITAÇÃO DOS SERVIDORES DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE PERNAMBUCO PROPOSTA

Leia mais

DOCUMENTOS COMPLEMENTARES

DOCUMENTOS COMPLEMENTARES DOCUMENTOS COMPLEMENTARES REGULAMENTO DO CURSO DE DOUTORADO EM ADMINISTRAÇÃO CDA EM ASSOCIAÇÃO DE IES (PUCRS e UCS) Janeiro de 2009 2 CAPÍTULO I Dos objetivos Art. 1 o - O curso confere o grau de Doutor

Leia mais

ANEXO I RESOLUÇÃO Nº 13, DE 23 DE MAIO DE 2014. REQUERIMENTO. RSC I RSC II RSC III Data de ingresso no Ifes: Nº de documentos de comprovação:

ANEXO I RESOLUÇÃO Nº 13, DE 23 DE MAIO DE 2014. REQUERIMENTO. RSC I RSC II RSC III Data de ingresso no Ifes: Nº de documentos de comprovação: ANEXO I RESOLUÇÃO Nº 13, DE 23 DE MAIO DE 2014. REQUERIMENTO Nome do Servidor: SIAPE: Lotação: Email: Telefone: Graduação: Titulação: Nível de RSC pretendido (marque com x o perfil pretendido) RSC I RSC

Leia mais

2008-2020 BRASÍLIA / DF 2009 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM EDUCAÇÃO FÍSICA

2008-2020 BRASÍLIA / DF 2009 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM EDUCAÇÃO FÍSICA REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM EDUCAÇÃO FÍSICA 2008-2020 BRASÍLIA / DF 2009 MIOLO REGULAMENTO PRPGP Educaçã1 1 08/09/2010 08:08:52 MIOLO REGULAMENTO PRPGP Educaçã2 2 08/09/2010

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA UNEB DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS CAMPUS III EDITAL Nº 04/2016

UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA UNEB DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS CAMPUS III EDITAL Nº 04/2016 UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA UNEB DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS CAMPUS III EDITAL Nº 04/2016 O Reitor da Universidade do Estado da Bahia (UNEB), no uso de suas atribuições legais e regimentais, torna

Leia mais

EDITAL DE CONVOCAÇÃO Nº 51 /2015

EDITAL DE CONVOCAÇÃO Nº 51 /2015 EDITAL DE CONVOCAÇÃO Nº 51 /2015 O Reitor da Universidade do Estado da Bahia (UNEB), no uso de suas atribuições legais, estatutárias e regimentais, RESOLVE tornar público, para conhecimento dos interessados,

Leia mais

EDITAL Nº 047/2013/CAMPUS GURUPI/IFTO, DE 04 DE OUTUBRO DE 2013.

EDITAL Nº 047/2013/CAMPUS GURUPI/IFTO, DE 04 DE OUTUBRO DE 2013. EDITAL Nº 047/2013//IFTO, DE 04 DE OUTUBRO DE 2013. PROGRAMA DE CONCESSÃO DE BOLSAS, PARA CURSOS DE GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO (LATO E STRICTO SENSU), DESTINADO AOS SERVIDORES DO QUADRO PERMANENTE DO -

Leia mais

SETOR DE ESTUDO REGIME VAGA Genética e Botânica 40 h 01

SETOR DE ESTUDO REGIME VAGA Genética e Botânica 40 h 01 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO CARIRI EDITAL N.º 05 / 2014 SELEÇÃO PARA PROFESSOR SUBSTITUTO A Reitora da Universidade Federal do Cariri - UFCA torna público para conhecimento dos interessados,

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO EDUCACIONAIS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO EDUCACIONAIS SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO EDUCACIONAIS CONCURSO PÚBLICO PARA DOCENTES DO MAGISTÉRIO SUPERIOR Edital nº 03, de

Leia mais

EDITAL PPGE nº 37/2015 Inscrição e Seleção para Bolsas de Mestrado e Doutorado 1. DO DIREITO A PARTICIPAR DA SELEÇÃO E DOS DEVERES DO BOLSISTA

EDITAL PPGE nº 37/2015 Inscrição e Seleção para Bolsas de Mestrado e Doutorado 1. DO DIREITO A PARTICIPAR DA SELEÇÃO E DOS DEVERES DO BOLSISTA EDITAL PPGE nº 37/2015 Inscrição e Seleção para Bolsas de O abre processo de inscrição e seleção de bolsistas - Quotas de Bolsas da CAPES - para implantação entre dezembro de 2015 e abril de 2016, destinadas

Leia mais

Estabelece a estrutura organizacional dos Campus Experimentais da Unesp

Estabelece a estrutura organizacional dos Campus Experimentais da Unesp Resolução Unesp-38, de 10-9-2008 Estabelece a estrutura organizacional dos Campus Experimentais da Unesp O Reitor da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, tendo em vista o deliberado

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO CUNI Nº 008, DE 6 DE MARÇO DE 2012. O CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS, no uso de suas atribuições

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 17/2015

RESOLUÇÃO Nº 17/2015 RESOLUÇÃO Nº 17/2015 O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO, em sessão de 29/04/2015, tendo em vista o constante no processo nº 23078.037190/09-89, nos termos do Parecer nº 09/2015 da Comissão de Diretrizes

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE ENFERMAGEM

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE ENFERMAGEM SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE ENFERMAGEM CONCURSO PÚBLICO PARA DOCENTES DO MAGISTÉRIO SUPERIOR Edital nº 101, de 15 de dezembro

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº XXXX DE XX DE XXXXXX DE 201X ALTERA A LEI Nº 6720, DE 25 DE MARÇO DE 2014, QUE INSTITUI PLANO DE CARGOS, CARREIRAS E REMUNERAÇÃO DA FUNDAÇÃO DE APOIO À ESCOLA TÉCNICA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ. RESOLUÇÃO Nº 16/2013-CONSU De 13 de junho de 2013 CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ. RESOLUÇÃO Nº 16/2013-CONSU De 13 de junho de 2013 CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ RESOLUÇÃO Nº 16/2013-CONSU De 13 de junho de 2013 EMENTA: Revoga a resolução nº 010/2013-CONSU e Fixa normas de afastamento de Técnico-Administrativos

Leia mais

Este texto não substitui o original publicado no Diário Oficial, de 25/01/2012

Este texto não substitui o original publicado no Diário Oficial, de 25/01/2012 Este texto não substitui o original publicado no Diário Oficial, de 25/01/2012 LEI Nº 892 DE 25 DE JANEIRO DE 2013 Dispõe sobre a criação do Plano de Cargos, Carreiras e Remunerações dos Servidores da

Leia mais

EDITAL INSTITUCIONAL DE EXTENSÃO N 19, DE 16 DE JULHO DE 2012

EDITAL INSTITUCIONAL DE EXTENSÃO N 19, DE 16 DE JULHO DE 2012 1 EDITAL INSTITUCIONAL DE EXTENSÃO N 19, DE 16 DE JULHO DE 22 22/FNDE, A SER REALIZADO NO MUNICÍPIO DE SANTA INÊS. A Direção-Geral do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão Campus

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC (UFABC) Programa de Pós-Graduação em Políticas Públicas NORMAS INTERNAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC (UFABC) Programa de Pós-Graduação em Políticas Públicas NORMAS INTERNAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC (UFABC) Programa de Pós-Graduação em Políticas Públicas NORMAS INTERNAS O Programa de Pós-Graduação stricto sensu em Políticas Públicas, com cursos em níveis de mestrado acadêmico

Leia mais

RESOLUÇÃO N 189 CEPEX/2007

RESOLUÇÃO N 189 CEPEX/2007 - UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MONTES CLAROS RESOLUÇÃO N 189 CEPEX/2007 ESTABELECE NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA ATRIBUIÇÃO DE ENCARGOS DOCENTES E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O Reitor e Presidente do CONSELHO DE

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO MATERNO-INFANTIL CONCURSO PÚBLICO PARA DOCENTES DO MAGISTÉRIO SUPERIOR

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO MATERNO-INFANTIL CONCURSO PÚBLICO PARA DOCENTES DO MAGISTÉRIO SUPERIOR SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO MATERNO-INFANTIL CONCURSO PÚBLICO PARA DOCENTES DO MAGISTÉRIO SUPERIOR Edital nº 56, de 16 de junho de 2016, publicado no Diário

Leia mais

O CONGRESSO NACIONAL decreta: CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

O CONGRESSO NACIONAL decreta: CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 6.697-C DE 2009 Dispõe sobre as carreiras dos servidores do Ministério Público da União e as carreiras dos servidores do Conselho Nacional do Ministério Público; fixa valores

Leia mais

Universidade Federal de Pernambuco. Regimento Interno do Centro de Informática

Universidade Federal de Pernambuco. Regimento Interno do Centro de Informática Universidade Federal de Pernambuco Regimento Interno do Centro de Informática TÍTULO I DISPOSIÇÃO PRELIMINAR SUMÁRIO 2 TÍTULO II DA FINALIDADE DO CENTRO TÍTULO III DOS CURSOS DO CENTRO TÍTULO IV DA ESTRUTURA

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PROMOÇÃO DE SAÚDE CAPÍTULO I INTRODUÇÃO

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PROMOÇÃO DE SAÚDE CAPÍTULO I INTRODUÇÃO Texto Aprovado CONSU Resolução CONSU 2015-08 de 25/06/2015 REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PROMOÇÃO DE SAÚDE CAPÍTULO I INTRODUÇÃO Art. 1º Este regimento estabelece as atribuições, responsabilidades

Leia mais

CAPÍTULO II DA COORDENAÇÃO

CAPÍTULO II DA COORDENAÇÃO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM DIREITO, DA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU Art. 1º - O Programa de Pós-graduação

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 002 ANTAQ, DE 14 DE OUTUBRO DE 2008.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 002 ANTAQ, DE 14 DE OUTUBRO DE 2008. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 002 ANTAQ, DE 14 DE OUTUBRO DE 2008. Fixa os critérios e procedimentos para a realização de concursos públicos de provas e títulos, destinados ao provimento dos cargos efetivos do

Leia mais

PALMAS-TO DEZEMBRO 2013

PALMAS-TO DEZEMBRO 2013 REGULAMENTO DOS REGIMES DE TRABALHO, SUAS ALTERAÇÕES E AS ATRIBUIÇÕES DOS PROFESSORES DO ENSINO BÁSICO, TÉCNICO E TECNOLÓGICO DO IFTO Aprovado pela Resolução nº 74/2013/CONSUP/IFTO, DE 16 DE DEZEMBRO DE

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº. 066 CONSUPER/2013

RESOLUÇÃO Nº. 066 CONSUPER/2013 RESOLUÇÃO Nº. 066 CONSUPER/2013 Dispõe sobre o Regulamento sobre Movimentação de servidores no âmbito do Instituto Federal Catarinense. O Presidente do do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSU 026/2013

RESOLUÇÃO CONSU 026/2013 RESOLUÇÃO CONSU 026/2013 Redefine o Programa de Ajuda de Custo para Servidores Docentes e Técnicos - PACDT para PADF Programa de Apoio para o desenvolvimento profissional para Cursos de Pós-Graduação Stricto

Leia mais

REGULAMENTO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO PERFORMANCES CULTURAIS MESTRADO - ÁREA INTERDISCIPLINAR DA CAPES UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS

REGULAMENTO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO PERFORMANCES CULTURAIS MESTRADO - ÁREA INTERDISCIPLINAR DA CAPES UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS REGULAMENTO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO PERFORMANCES CULTURAIS MESTRADO - ÁREA INTERDISCIPLINAR DA CAPES UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS TÍTULO I DO PROGRAMA CAPÍTULO I DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS Art. 1o

Leia mais