A AIDS E A ESCOLA nem indiferença nem discriminação ABIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A AIDS E A ESCOLA nem indiferença nem discriminação ABIA"

Transcrição

1 A AIDS E A ESCOLA nem indiferença nem discriminação Se você acha que ainda não conhece as informações básicas sobre Aids o que é, como se transmite, como não se transmite, etc. - consulte o anexo 1 antes de iniciar a leitura deste livro. ABIA

2 A Aids e a escola: nem indiferença nem discriminação 1993 ABIA - Associação Brasileira Interdisciplinar de AIDS Rua Sete de Setembro, 48, 12º andar Rio de Janeiro-RJ tel.: (021) Texto e seleção de materiais: Jacques Schwarzstein, Teresinha Cristina Reis Pinto, Cristina Alvim Castello Branco Pesquisa jornalística e relatos de casos: Wanda Nestlehner Assessoria: Christina Vallinoto, Jane Galvão, José Stalin Pedrosa, Veriano Terto Junior. Projeto gráfico: Cláudio Mesquita (A 4 Mãos) Editoração eletrônica: Kraft Produções Gráficas As idéias veiculadas por este caderno sintetizam as experiências feitas entre 1990 e 1992 pelo PROJETO AIDS da Secretaria Municipal de Educação de São Paulo. Estabelecem, portanto, um vínculo direto entre a teoria e a prática da prevenção da Aids nas escolas. Para garantir às pessoas que vivem com HIV / Aids o sigilo a que têm direito por lei, modificamos os nomes de todos os personagens reais - mesmo dos que não têm o HIV - mencionados nos relatos de casos verídicos que o leitor encontrará nas páginas seguintes. À exceção da servente Josefa Carvalho Baron, que preferiu ser identificada, e da menina Sheila, cujo caso foi amplamente divulgado pela imprensa, todos os nomes são fictícios. Este caderno é dedicado a estes personagens e a todos aqueles que - tenham sido eles mencionados ou hão - com dignidade, coragem e criatividade estão nos ajudando a inventar e a assumir as atitudes esclarecidas e os comportamentos solidários que nos permitirão controlar - esperamos em breve - as epidemias da Aids e do HIV em nosso país e no mundo. Na escola ensinamos e, antes de mais nada, aprendemos! Viver é possível! Controlar a Aids também é! Financiador: Public Welfare Foundation Apoio: Deve1oppement et Paix A equipe de redação Rio de janeiro, 1 de dezembro de 1992/Dia Mundial da Aids A reprodução integral ou parcial deste caderno mediante citação da fonte é permitida e desejável. Ele foi impresso em preto e branco e formato A4 para facilitar sua reprodução em xerox. Se você precisa reproduzir uma tiragem pequena para sua escola, este pode ser o melhor caminho. ABIA 2

3 Sumário Encontro com a vida Introdução - Crises desnecessárias Capítulo 1 - A Aids nas escolas brasileiras Capítulo 2 - A prevenção da Aids nas escolas É importante falar de Aids nas escolas Programas de prevenção devem se apoiar numa base jurídica sólida: vontade política é fundamental! Os programas de prevenção devem ser discutidos com toda a comunidade Um bom programa depende do treinamento da equipe de coordenação Organização do apoio institucional aos professores envolvidos no programa Para alcançar o impacto desejável, os programas de prevenção da Aids podem exigir vários anos de trabalho A prevenção da Aids passa, necessariamente, por um debate democrático sobre assuntos delicados A Aids nos obriga a um confronto com nossos preconceitos e medos. A luta contra a discriminação da pessoa que está com HIV e do doente de Aids é de fundamental importância para a prevenção Capítulo 3 - Quando alguém na escola está com HIV / Aids - algumas perguntas e respostas Os pais de crianças com Aids são obrigados a informar a escola sobre a situação de seus filhos? Há pais que ao solicitarem a matrícula de seu filho/a informam a escola de que a criança está com vírus da Aids. Como proceder nestes casos? Além de encaminhar normalmente o pedido de matrícula, o que deve fazer a direção de uma escola quando for informada pelos pais de um aluno de que esteja aluno/a está com HIV/Aids? 31 Professores e funcionários da escola devem ser informados de que um ou mais alunos estão com HIV/Aids? O que devem fazer professores e funcionários que receberem dos pais de uma criança com HIV / Aids informações sobre a condição desta criança? Devem informar a direção da escola? 32 Devemos informar todos os alunos de que a escola tem pessoas com HIV/Aids? Capítulo 4 - Cuidados especiais com crianças que estão com HIV/Aids As crianças que estão com HIV/Aids nem sempre ficam sabendo do problema que têm. Porque? As crianças com HIV / Aids precisam de cuidados especiais? O que fazer se os pais de uma criança com Aids solicitarem à direção da escola cuidados especiais que não façam parte dos procedimentos normais da escola em caso de doenças dos alunos? Pais e funcionários devem assumir sozinhos a responsabilidade por crianças com HIV/Aids?.. 38 Como deve se dar a colaboração com a Secretaria de Saúde Capítulo 5 - A Aids não representa um perigo maior para o meio escolar A Aids é uma doença infecto-contagiosa? Qual a diferença entre uma doença infecto-contagiosa e uma doença infecto-transmissível? Um aluno com HIV/Aids pode transmitir a doença para outros alunos, para professores ou funcionários? E se uma criança que está com o HIV morder uma outra criança? Pode transmitir o vírus? E se uma criança que está com o HIV / Aids se machucar e tiver um sangramento forte? Pode contaminar outras crianças ou contaminar um professor que venha socorrê-la? Os professores devem usar luvas quando socorrem crianças que se machucaram?

4 Dividir o lanche, mascar o mesmo chiclete ou o mesmo lápis, transmite o HIV? Beijo na boca transmite o HIV/Aids? Capítulo 6 - Boatos: o que fazer? Como surgem e o que são os boatos? Como neutralizar um boato? Capítulo 7 - Professores também podem estar com HIV / Aids Professores e funcionários que estão com HIV / Aids podem continuar a trabalhar nas escolas? 50 Capítulo 8 - A questão dos testes Por que não testar todas as crianças, professores e funcionários para saber quais são as que estão com o vírus da Aids? Por que não organizar classes especiais ou escolas especiais para as crianças com HIV/Aids?. 55 Capítulo 9 - Sexo e drogas na escola Por que falar de sexo e drogas nas escolas? Que tipo de apoio a escola pode oferecer a seus alunos na área da sexualidade? O que deve fazer a direção da escola se souber que um aluno/a que está com HIV/Aids está namorando um outro aluno/a? O que deve fazer a direção de uma escola com relação aos alunos que sabe serem consumidores de drogas intravenosas? Anexo 1 - HIV e Aids: botando os pingos nos is Anexo 2 - Legislação do Projeto Aids/SP Anexo 3 - Anexo da Portaria Interministerial 796/ Anexo 4 - Endereços de ONG s/ Aids Referências Bibliografia

5 ENCONTRO COM A VIDA No primeiro dia, todos choraram. Como qualquer criança, Reinaldo, de sete anos, Júnior e Ana, de cinco, e Simone, de quatro, não gostaram nada da idéia de abandonar o aconchego do lar para se aventurar no desconhecido da escola. A conquista desse território, repleto de novidades, não foi simples, mas a resistência durou pouco e hoje os quatro não querem nem ouvir falar na hipótese de deixar as aulas. Solidariedade, tolerância, respeito e, acima de tudo, muita informação tiveram importância fundamental para garantir o direito dessas crianças ao estudo. Reinaldo, Júnior, Ana e Simone são alguns dos 21 moradores da Casa Vida, uma instituição criada pela Igreja, em São Paulo, para abrigar menores que estão com o vírus HIV No início de 1992, os responsáveis pela Casa Vida se deram conta de que os quatro tinham idade suficiente para ir à escola e resolveram batalhar por isso junto à prefeitura. "É um direito deles", diz o padre Júlio, idealizador do projeto. Mesmo assim, até que as coisas se ajeitassem, ocorreu de tudo entre os adultos envolvidos na história: pressão, chantagem, derramamento de lágrimas, raiva, histeria, medo e até algumas demonstrações de grandeza e serenidade. Você aceitaria um aluno portador do vírus da Aids? A proposta chegou pelo telefone, de sopetão, aos ouvidos de Clara, diretora de uma escola municipal de educação infantil que recebe alunos de até seis anos. Mesmo assim, a resposta saiu rápida de seus lábios. Sem dúvida, ela disse, sem saber que ainda choraria muito, escondida no banheiro, por causa daquela decisão. Na hora, nem pensei, mas se pensasse daria a mesma resposta.a escola dirigida por Clara fica num bairro de classe média, bem próxima da Casa Vida, e mistura em sua clientela filhos de médicos, advogados e de empregadas domésticas. No mesmo dia, tocou o telefone de Wilma, diretora de uma escola de primeiro grau da prefeitura, localizada num bairro mais afastado e de população mais carente. A resposta foi idêntica. Nos dias seguintes, as diretoras se reuniram com o padre Júlio. Eu parecia um pai de primeira viagem, apavorado com o que eles comeriam, com machucados, com preconceitos, mas sabia que os meninos não poderiam viver isolados. Clara foi à Casa Vida, para conhecer as três crianças que receberia. Admito que naquele dia não tive coragem de beijá-los. Professores e funcionários de ambas as unidades participaram do curso ministrado pelos representantes do Projeto Aids, da Secretaria Municipal de Educação. Ao final, Wilma informou a todos que a escola tinha um aluno portador do HIV e que não diria quem era. Não houve qualquer reação negativa. Depois daquele curso, a escola não seria mais a mesma, garante a diretora. "Ela cresceu, ficou mais unida. Os pais não foram avisados. Quando tornou-se público o caso da menina Sheila, rejeitada por uma escola particular, a imprensa descobriu Wilma e ela acabou dando uma entrevista para a TV. Ao vê-la, muitos pais se apavoraram e foram até a escola. Não perdi nenhum aluno e ainda ganhei alguns elogios, orgulha-se a diretora. 5

6 Para Clara, as coisas não foram tão simples. A notícia da presença das crianças - ela ficou com os três mais novos - vazou logo no início das aulas e uma das mães, Lúcia, apareceu com uma espécie de panfleto, que pretendia distribuir caso não fosse convocada uma reunião de pais. A questão implica risco de vida para nossos filhos e nossas famílias, dizia o texto. Sem alternativa, com o apoio do Projeto Aids e a presença da diretora de infectologia da Secretaria Estadual de Saúde, Clara chamou os pais. Lúcia se recusou a aceitar as explicações da médica e saiu da sala aos gritos. Foi sozinha. Dias depois, ela tirou o filho da escola. Foi uma semana desgastante, conta a diretora. Segundo ela, muitos pais quiseram saber quem eram as crianças, mas a informação foi negada. Eu dizia que nós éramos privilegiados por saber que convivíamos com portadores e lembrei que muitas crianças podem ter o vírus sem que nem os pais tenham conhecimento disso. Deu certo. Ninguém mais tocou no assunto. Quando soube que teríamos alunos portadores do HIV, meu marido me aconselhou a sair da escola. Depois do curso, eu sentei com ele e com minha filha de 10 anos e conversamos. Acabou o medo. Hoje eles se preocupam, pedem notícias das crianças e é só. Karina, 40 anos coordenadora pedagógica No segundo semestre de 1992, a escola de Clara recebeu de braços abertos e sem traumas mais uma pequena moradora da Casa Vida. Angélica, de quatro anos, chegou muito tímida, mas, como os demais colegas, logo se abriu para o mundo novo ao qual foi apresentada. É incrível como eles já mudaram, revela o padre Júlio. A primeira coisa que aprenderam foi a falar palavrão, mas com certeza tiveram seu horizonte ampliado. Às vezes eu me pergunto se não é responsabilidade demais aceitar essas crianças, mas com a retaguarda da Secretaria e com a honestidade com que estamos tratando o assunto, porque não haveria de dar certo?, indaga Clara. Relato de caso / Projeto Aids - SP 6

7 INTRODUÇÃO Crises desnecessárias É uma doença, não é um melodrama.herbert Daniel Continua a aumentar rapidamente, no Brasil e no mundo, o número de crianças e adolescentes contaminados com o vírus da Aids. Em todo o planeta, de um total de aproximadamente 12,9 milhões de pessoas contaminadas, 7 milhões são homens, 4,7 milhões são mulheres e 1,1 milhões são crianças 1. No Brasil, foram diagnosticados, entre 1980 e fins de 1992, casos de Aids entre menores de 19 anos de idade, cifra que representa 7,4% do total de casos notificados em nosso país 2. Além disto, sempre que falamos de Aids e Juventude, é importante lembrar que, entre as pessoas que desenvolvem a doença em idade adulta, é grande o número daquelas que se contaminaram antes de completar 18 anos de idade. Entre as crianças que têm HIV / Aids - sobretudo entre aquelas que têm menos de 10 anos de idade - a grande maioria foi contaminada por suas mães, portadoras do vírus, durante a gestação ou o parto. Outras foram contaminadas por transfusões de sangue infectado. Os adolescentes, por sua vez, estão expostos à contaminação através de relações sexuais sem proteção do preservativo, de abuso sexual, de transfusões de sangue e da utilização coletiva de seringas e agulhas infectadas para a injeção de drogas. Independentemente da maneira pela qual se contaminaram o certo é que muitos destes jovens e crianças já freqüentam nossas escolas, e que outros mais chegarão às salas de aula de todo o país ao longo dos próximos meses e anos. A título de ilustração, vale lembrar que em maio de 1992, a Secretaria de Saúde do Estado de São Paulo calculava que crianças com HIV/Aids, entre cinco e 14 anos de idade, estavam freqüentando regularmente as escolas públicas e privadas daquele Estado 3. Contudo, apesar desses números assustadores, qualquer reflexão científica e serena sobre a epidemia da Aids levará à conclusão de que estamos, na verdade, lidando com uma doença como as outras. Uma doença grave, sem dúvida, mas que deve ser vista como uma doença comum. Uma doença transmissível, mas não contagiosa, pois não se propaga através do convívio social, na rua, nos meios de transporte, no cinema, no esporte, na piscina, na praia, no trabalho ou na escola. Uma doença virótica, que assusta porque pode ser fatal e nos deixa vulneráveis a todo um conjunto de doenças - também comuns -, mas que pode ser evitada, pois já sabemos de que forma se transmite. Uma doença que a medicina está aprendendo a tratar com novas drogas antivirais como o AZT, DDI e DDC e com terapias adequadas para as infecções oportunistas. Enfim, uma doença que poderá, dentro de algum tempo - só nos é lamentavelmente impossível dizer ao certo quando-ser tratada como uma doença crônica, como a diabete, por exemplo, que também não tem cura e também pode ser fatal. 1 The Global Aids Policy Coalition, News/ Ministério da Saúde - Programa Nacional de DST/AIDS - Boletim Epidemiológico- Ano V/ nº 8 3 Revista Nova Escola - Entrevista com Dr. Caio Rosenthal - agosto/1992 7

8 No entanto, marcada pelo estigma do medo e do preconceito, a Aids parece ter o poder de substituir nossa inteligência pelo pânico, e nosso conhecimento pelo obscurantismo, o que faz com que muitos de nossos educadores se recusem até mesmo a pensar na hipótese de conviver nas escolas com pessoas que têm HIV ou que já tenham a saúde abalada pela multiplicação do vírus no organismo. Conseqüentemente, a presença de crianças com HIV nas escolas tem provocado crises compreensíveis, porém desnecessárias e perigosas. Desnecessárias, porque a integração de crianças e adultos que têm HIV / Aids nas salas de aula e ruas atividades recreativas ou esportivas, assim como o convívio e as brincadeiras destas crianças com outras, não representam uma ameaça para a saúde no meio escolar, nem implicam em transtornos para a rotina educacional. Perigosas, porque o convívio sereno e esclarecido tom estas pessoas é de fundamental importância para a prevenção e o controle da epidemia na comunidade e no mundo. No Brasil, o caso de Sheila - uma menina de seis anos que vivia com HIV / Aids e teve sua matrícula recusada por uma escola paulista provocou, recentemente, um debate de proporções nacionais. O caso de Sheila foi, como veremos neste caderno, apenas um entre muitos exemplos destas crises desnecessárias. Sua história serviu, todavia, para confrontar definitivamente os responsáveis pelas diferentes redes escolares do país com uma situação que não pode mais ser ignorada: A Aids já chegou às escolas brasileiras! Temos que aprender a lidar com ela! Nas páginas seguintes, os educadores interessados encontrarão materiais informativos e uma seqüência de perguntas e respostas baseadas no conhecimento científico que se tem hoje sobre as vias de transmissão do HIV e sobre a Aids, e nas experiências feitas pelo Projeto Aids da Secretaria Municipal de Educação de São Paulo. Esperamos que este conjunto de informações venha a ser útil ao processo que leva à superação do medo e à adoção de atitudes e medidas adequadas à solução dos problemas que se manifestam quando são notificados nas comunidades escolares os primeiros casos de HIV / Aids entre alunos, professores e funcionários. 8

9 CAPÍTULO 1 A Aids nas escolas brasileiras Menina com Aids luta para ir ao colégio Peja primeira vez, pais vão à Justiça contra essa discriminação Folha da Tarde/SP-1/5/92 Pais vão a juiz para matricular filha com Aids Folha de SP. 1/5/92 Escolas decidem rejeitar portadores de HIV Em São Paulo, sindicato orienta colégios particulares a recusarem matriculas de crianças com vírus da Aids O Globo 8/5/92 OAB critica escola que veta criança com vírus da Aids Assembléia da CNBB critica veto à menina Folha da Tarde-SP-8/5/92 Justiça garante volta de Sheila à Ursa Maior Folha da Tarde-SP-15/5/92 Sheila, feliz na escola nova. Folha da Tarde-SP-19/5/92 JUNTO COM OS PAIS, ELA FOI CONHECER O SÃO LUIZ E DISSE QUE ADOROU O COLÉGIO Ao contrário do que muitos pensam, não foi com o Caso Sheila que a Aids chegou às escolas brasileiras. Quando a Escola Ursa Maior recusou-se a receber Sheila entre seus alunos, as escolas da rede pública paulista já haviam integrado 20 ou mais casos (conhecidos) de pessoas com HIV / Aids. Os casos, de rejeição a estas pessoas haviam sido superados e todas elas, professores, funcionários e alunos, continuavam a participar normalmente da rotina escolar. Àquela altura dos acontecimentos, o Projeto Aids da Secretaria Municipal de Educação de São Paulo que será citado com freqüência neste caderno por ser um projeto modelo para o país - já existia há mais de dois anos e já havia treinado mais de 700 professores da rede, que atuam hoje como multiplica dores e ajudam alunos e professores a resolver os problemas que a questão da Aids e da prevenção da epidemia trazem para dentro das escolas. Quando pensamos nos problemas decorrentes da presença no meio escolar de crianças/pessoas com HIV ou Aids, é importante lembrar que muitas pessoas que têm o HIV não sabem que estão contaminadas. Estas pessoas não apresentam nenhum tipo de sintoma de infecção 01 doença e vivem em perfeita saúde durante muitos anos, antes de sofre as primeiras infecções decorrentes da imunodeficiência (enfraquecimento do sistema imunológico) provocada pelo HIV. Por outro lado devemos lembrar também que as pessoas que sabem que têm o HIV (ou sabem que seus filhos estão com o vírus) não têm obrigação de comunicar este fato a quem quer que seja. No Brasil, até hoje, da toda a discriminação que uma declaração desta natureza pode provo car, a maioria destas pessoas prefere manter o sigilo sobre sua condição. Ou seja, nenhum diretor de escola pode afirmar hoje, com segurança, que na sua escola ninguém está com o vírus. 9

10 EM DEFESA DA ESCOLA PUBLICA DE QUALIDADE A AIDS E A ESCOLA: NEM INDIFERENÇA NEM DISCRIMINAÇÃO A CRIANÇA E O ADOLESCENTE TÊM DIREITO À EDUCAÇÃO. (...) ASSEGURANDO-SE-LHES IGUALDADE DE CONDIÇÕES PARA o ACESSO E PERMANÊNCIA NA ESCOLA (...). No momento em que a sociedade brasileira se mostra apreensiva com a propagação da AIDS e suas conseqüências, a Secretaria Municipal de Educação de São Paulo não se limita a desenvolver campanhas de esclarecimento sobre os riscos de transmissão da doença, mas acompanha aqueles que, dentro da Rede Municipal de ensino, já se encontram atingidos por ela. Este trabalho não começou agora. Teve início no primeiro dia de 1989, tomou forma como Grupo de Trabalho e se desenvolveu em Projeto de Valorização da Vida. Veio e está aí, com força e vontade políticas, determinado a garantir o enfrentamento da doença através de informação combinada com a sensibilização, para erradicar qualquer tipo de preconceito e desenvolver a solidariedade que respeita o direito à cidadania e à participação na vida, Um Projeto que se coloca contra a segregação e que quer vivenciar, na prática, os pressupostos de uma educação democrática e libertadora. Quando nós vamos aos clubes, ao cinema, a um restaurante, ou a um bar, certamente vocês podem apostar que pelo menos nas últimas 48 horas alguém passou ali e era portador do vírus HIV 1, diz a Dr a - Marinella Della Negra, médica infectologista do Hospital das Clínicas de São Paulo responsável pelo tratamento de crianças com Aids. Ou seja, dadas as características e a evolução da epidemia, somos obrigados a fazer nossa a idéia de que já estamos, ou em breve estaremos, convivendo nas escolas, assim como em outros espaços públicos, com pessoas contaminadas pelo HIV. Infelizmente, estas considerações são válidas para todo o país e não apenas para São Paulo. Antes do caso Sheila, inúmeros casos de soropositividade em escolas já haviam sido registrados em outros estados, como no Rio de Janeiro, Paraná e certamente outros dos quais não temos conhecimento. Apesar de não ser o primeiro caso de crianças com Aids nas escolas brasileiras, o Caso Sheila teve enormes repercussões em todo o país: suscitou uma grande polêmica, permitiu que a questão fosse discutida publicamente e resultou, pela primeira vez, numa resposta formal dos Ministérios da Saúde e da Educação que emitiram a Portaria Interministerial 796 de Caderno SINPRO Ano I nº1 julho/92 10

11 Além disto, o Caso Sheila teve o impacto de um brado de alerta para todos os educadores. Ficou claro, depois da história de Sheila, que é urgente prepararmos e capacitarmos as escolas para um confronto esclarecido com a epidemia da Aids em nossas comunidades. O advento da Aids exige a implantação, nas redes escolares, de Programas de Prevenção dirigidos aos alunos e a toda a comunidade escolar. Só através destes programas será possível evitar que casos como o de Sheila se repitam. Moradores de prédio em Santos movem ação para impedir instalação de abrigo para crianças portadoras do HIV Folha de SP. 18/5/92 Criança é recusada em colégio de São Carlos por estar com Aids Folha da Tarde/SP 19/5/92 Suspeita de Aids afasta menina de creche no Paraná CURITIBA - A menina Deisiane doa Santos, de 2 anos, cujo pai cumpre pena de prisão. viveu por quase uma semana o preconceito enfrentado pelos doentes de ra, interferiram no caso e Aids. Filha de uma cabeleireira de 21 anos, que há duas semanas morreu dessa doença, ela foi proibida de freqüentar a creche Lilian Vargas, em Maringá, Paraná, até que sua família apresentasse o resultado negativo do teste de HIV. Ontem, o prefeito Ricardo Barros e o secretário estadual de Saúde, Nizan Pereira, interferiram no caso e Deisiane poderá continuar indo normalmente à creche. A diretora da creche, Elizabeth Peixoto Nonoze, foi quem levou a menina a um posto de saúde, para que ela fizesse o exame. Estado de São Paulo 26/5/92 Duas crianças e muita dedicação Uma pequena casa no Morro do Adão, em Bonsucesso, Zona Norte do Rio, está sendo palco de uma batalha que transcende o cotidiano da luta pela sobrevivência de uma família pobre e favelada. Marcos Martins dos Santos, 26 anos, largou o emprego para entregar-se totalmente aos dois sobrinhos Silas, uma não e dez meses, e Artur, tre anos abandonados há um ano pela mãe aidética, Berenice Gomes, 22 anos. O pai, irmão de Marcos, morreu de Aids há dois anos. Por sorte, Marcos conseguiu uma creche que aceitasse receber Silas e Artur. Rodei a cidade procurando creches, explicava o problema e nenhuma aceitava os meninos, conta o rapaz. Sem contar com a ajuda da avó, mãe de Marcos, que é idosa e alcoólatra, os garotos estão com uma lista de material escolar no bolso, mas o tio não tem dinheiro. Acabei todas as minhas economias. Às vezes, o pessoal da igreja doa feijão e arroz e todos do morro conhecem o problema e ajudam como podem, conta Marcos. Jornal do Brasil/RJ 4/4/92 Criança com Aids volta para escola O menino Leandro de Melo Santos, 7 anos, portador do vírus da Aids, venceu ontem a primeira batalha contra a discriminação: agastado desde a semana passada do curso de alfabetização da Escola Muncipal São Leandro Paulo, em Brás de Pina, a pedido de alguns pais de alunos que descobriram a sua doença, Leandro retorna às aulas hoje. O Dia/RJ 15/5/91 11

12 Ministério da Educação Gabinete do Ministro Portaria Interministerial nº 796, de 29 de maio de 1992 Os Ministros de Estado da Educação e da Saúde, no uso das atribuições que lhes confere o art. 87, parágrafo único, inciso IV da Constituição Federal, e Considerando o dever de proteger a dignidade e os direitos humanos das pessoas infectadas pelo vírus da imunodeficiência humana (HIV); Considerando que têm ocorrido injustificadas restrições a esses direitos no País; Considerando que não foi documentado nenhum caso de transmissão mediante contatos casuais entre pessoas em ambiente familiar, social, de trabalho, escolar ou qualquer outro; Considerando que a educação é direito constitucionalmente definido e que o ensino fundamental é obrigatório na forma do Título VIII, Capítulo III, Seção I da Constituição Federal; Considerando que a limitação ou violação de direitos constitucionais à saúde, à educação e ao trabalho de pessoas infectadas pelo HIV não se justificam; resolvem: Art. 1º - Recomendar a observância das seguintes normas e procedimentos: I- A realização de teste sorológico compulsório, prévio à admissão ou matrícula de aluno, e a exigência de testes para manutenção da matrícula e de sua freqüência nas redes pública e privada de ensino de todos os níveis, são injustificadas e não devem ser exigidas. II - Da mesma forma não devem ser exigidos testes sorológicos prévios à contratação e manutenção do emprego de professores e funcionários por parte de estabelecimentos de ensino. III - Os indivíduos sorologicamente positivos, sejam alunos, professores ou funcionários, não estão obrigados a informar sobre sua condição à direção, a funcionários ou a qualquer outro membro da comunidade escolar. IV - A divulgação de diagnóstico de infecção pelo HIV ou de Aids de que tenha conhecimento qualquer pessoa da comunidade escolar, entre alunos, professores ou funcionários, não deve ser feita. V - Não deve ser permitida e existência de classes especiais ou de escolas específicas para infectados pelo HIV. Art. 2º - Recomendar a implantação, onde não exista, e a manutenção e ampliação, onde já se executa, de projeto educativo, enfatizando os aspectos de transmissão e prevenção da infecção pelo HIV e Aids, dirigido a professores, pais, alunos, funcionários e dirigentes das redes oficial e privada de ensino de todos os níveis, na forma do anexo. 1º - O projeto educativo de que trata o caput deste artigo deverá ser desenvolvido em todos os Estabelecimentos de ensino do País, em todos os níveis, com participação e apoio dos serviços que compõem o Sistema Único de Saúde. 2º - Os conteúdos programáticos do projeto educativo deverão estar em consonância com as diretrizes do Programa Nacional de Controle das Doenças Sexualmente Transmissíveis e Aids do Ministério da Saúde. 3º - Os resultados do projeto educativo serão avaliados pela Coordenação do Programa Nacional de Controle de Doenças Sexualmente Transmissíveis e Aids e seus relatórios encaminhados periodicamente aos Ministros da Educação e da Saúde. Art. 3º Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação. José Goldemberg - Ministro da Educação Adib Jatene - Ministro da Saúde 12

13 No primeiro dia de aula, depois que soube que tinha um aluno portador de HIV, em fui até o armário, pequei um litro de álcool e o coloquei em cima da mesa. No final do período, eu já tinha me dado conta do absurdo. Que besteira, o que eu ia fazer com aquilo? Silvana, 44 anos, professor Opção solidária O dia era 6 de maio de 1992 e eu nunca vou esquecer. A festa estava animada, os assuntos eram os mais variados, mas quando alguém comentou o fato de uma escola particular ter rejeitado a matrícula de uma garotinha portadora do vírus da Aids, o tempo fechou para o meu lado. Achei que ia ser linchada, pois era a única que discordava da posição da escola, que considerava aquilo discriminação, que achava que já era tempo de a gente aprender a conviver com portadores do HIV Eu tinha os meus motivos para pensar daquela forma. Já tinha visto pelo menos uma pessoa daquele mesmo círculo de amigos morrer em conseqüência da Aids, embora tudo tenha sido sempre escamoteado, encoberto. Além disso já podia notar os sintomas da doença em um outro integrante do grupo. Esses fatos me levaram a ler muito, me informar sobre o assunto e saber, entre outras coisas, que a Aids não se transmite no contato social. Não sei se os outros também tinham se dado conta daquela realidade, ou se agiam com hipocrisia. O que sei é que senti que era hora de tomar uma posição. E tomei. Critiquei a atitude daquela escola com a liberdade que a distância me permitia. Dois dias depois, pela televisão, veio a notícia que me tiraria da confortável posição de observadora para me jogar no meio do fogo. A escola onde estudam meu filho de 17 anos e minhas duas filhas, de 14 e oito anos, se oferecia para receber a menina. Apesar do baque, minha posição não se modificou. Mas ainda havia dentro de mim uma ponta de dúvida. Eu precisava de mais informações. A decisão do reitor gerou um verdadeiro caos na escola. No primeiro dia minha filha menor chegou das aulas chorando. O que ela sentia era pavor, pânico de ficar doente, de morrer. Naquela noite ela não dormiu. Eu fiz o que pude no meu papel de mãe. Contei uma historinha pra ela. Disse que aquela menina tinha um bichinho no sangue mas que era como uma gripe e que não passava assim tão fácil para os outros. Ela se acalmou. Os dois mais velhos agiram como eu, com calma e naturalidade. Naquela altura eu me preocupava com os reflexos da convivência com uma criança aidética na rotina da vida escolar. Pensava em como o colégio iria administrar a estrutura, os funcionários, a higiene. Também pensava muito na morte. Muito mais do que na doença. A primeira reunião convocada pelo reitor para tratar da questão atraiu mais de 600 pais. Aí é que eu pude sentir a reação da sociedade. Eram pessoas intelectualizadas, de boa posição sócio-econômica e totalmente desinformadas, despreparadas. Pelo menos a metade delas 13

14 sequer queria ouvir as explicações científicas sobre a doença. Naquele dia, várias pessoas falaram: o reitor, representantes da Casa Vida, que cuida de crianças portadoras, uma médica e a coordenadora do Projeto Aids da Secretaria Municipal de Educação, Teresinha Cristina Reis Pinto. Todas as participações foram importantes, mas a Teresinha falou curto e grosso. Ela contou que, na época, a rede pública já tinha 20 casos conhecidos de Aids, afirmou que o HIV não se transmite no contato social e alertou para o fato de que as pessoas precisam aprender a conviver com portadores, o que, segundo ela, só seria possível através da educação. Está aí, eu pensei. Educação é a palavra-chave. É preciso abrir as cabeças a machadadas para conscientizar a população. Voltei para casa pensando naquilo. Constatava duas coisas graves: a proximidade da doença e o despreparo das pessoas. Via o sofrimento chegando antes da hora por causa do preconceito, da posição de avestruz que todo mundo vinha tendo diante do problema. "O curso revelou uma tremenda desinformação sobre Aids e mesmo sobre sexualidade. Um aluno adulto disse que passava limão no pênis, antes do ato sexual, para se prevenir contra a Aids. Uma servente se recusou a pôr a mão em uma camisinha". Cleide, 41 anos, diretora de escola de 1º grau O tumulto ainda durou mais uns dias na escola. Houve até ameaça de bomba. O Projeto Aids organizou um curso para as mães da pré-escola, onde a garota iria ingressar. Uma dessas mães, minha amiga, ficou muito bem impressionada com as informações passadas. Ela e uma outra mãe pensavam como eu e, juntas, resolvemos procurar o Projeto Aids. Entramos em contato com 15 colégios particulares convidando-os para mandarem representantes interessados em fazer o curso. Apenas dois o fizeram. Eu me tornei multiplicadora voluntária. Ainda estou no começo do meu trabalho. Encaro tudo isso como uma espécie de missão. Eu estava mesmo procurando, buscando algo importante para me dedicar. Encontrei. Já fiz três palestras em escolas e tenho aproveitado muito todo esse aprendizado em casa e no meu círculo de amigos. Falei até com meu marido. Perguntei: devemos usar camisinha sempre, ou só nos meus dias férteis? Ele riu. Eu sabia que podia confiar nele, mas queria provocar. Também chamei o namorado da minha filha e a namorada do meu filho. Conversei seriamente com eles e fui bem recebida. Uma amiga minha quer reunir filhos de amigos e sobrinhos para que eu faça palestras para eles. Hoje é assim: deu chance, eu multiplico. E me sinto gratificada. Meu projeto prioritário no momento é levar essa experiência tão importante a que as escolas públicas têm acesso para os colégios particulares. Espero que eles estejam abertos para receber as informações. Relato de caso / Dulce, 42 anos, curso superior, mãe de três alunos do Colégio São Luís, onde também estuda uma menina portadora do vírus da Aids 14

15 CAPÍTULO 2 A prevenção da Aids nas escolas A escola é, por definição, um espaço de socialização do saber, sendo freqüentemente, no Brasil, o único espaço em que a criança pode receber e trocar informações. Algumas vezes, porém, a escola está mal preparada e divulga informações mal elaboradas, distorcidas e carregadas de preconceitos e isto acontece, também, quando se fala de Aids. A Aids é uma doença nova e é muito natural que muitos professores não se sintam preparados para abordar as questões com as quais a epidemia os confronta. Por outro lado, infelizmente, a ação preventiva não tem sido alvo das atenções e do empenho que deveria merecer em um país como o nosso. No caso da Aids, este fato pode vir a ter conseqüências graves. A exemplo do que acontece em muitos países do mundo, todas as escolas brasileiras já deveriam estar, há muito, integradas num Programa de Prevenção da Aids, dirigido a funcionários, professores, pais e alunos. Infelizmente, são poucas as redes escolares brasileiras que já dispõem de um programa deste tipo. Neste cenário de descuido, o Projeto Aids, da Secretaria Municipal de Educação de São Paulo, se apresenta, apesar de todas suas dificuldades, como louvável exceção. Salário de sorrisos É engraçado como a vida da gente dá voltas. Veja o meu caso: comecei o meu trabalho no Projeto Aids meio de brincadeira e hoje estou envolvida até o pescoço. Fiz disso a razão da minha existência. Em outubro de 1991, quando li no Diário Oficial um convite para fazer o curso da Secretaria de Educação sobre Aids, não dei a menor importância. Nem eu, nem ninguém mais da escola em que eu trabalho. No fim, acabei me inscrevendo só para ficar cinco dias afastada da escola. Achei as palestras interessantes, recebi muitas informações e, principalmente, lembrei muito de meu filho mais novo, que morreu em janeiro de 1986, aos três anos de idade, em conseqüência de um tipo de leucemia. Um pouco antes de morrer, o meu menino fez um pedido: Mãe, cuida das criancinhas pra mim? Como ele já estava internado há vários meses, achei que se referia aos amiguinhos do hospital. Não era. Hoje eu sei que ele me pedia para cuidar das criancinhas do mundo. Foi ele quem me fez ficar mais solidária. Depois do curso, eu não parei mais de pensar nessas coisas e, meio sem saber porque, continuei participando de seminários, encontros. Comprava livros, recortava jornais e logo comecei a fazer palestras nas escolas. Já perdi a conta do número de escolas que visitei. Foram mais de 30, com certeza. A primeira turma que peguei foi dureza. Eram 58 alunos das suplências 1 e 2, com idades entre 14 e 50 anos. Quando entrei, estavam na maior algazarra. Disse boa noite e eles começaram com piadas. Aí, resolvi entrar na deles, falei com simplicidade sobre Aids, homossexualismo e drogas. No final, não queriam me deixar ir embora. Mas nem sempre é simples assim. Houve uma escola em que desligaram a energia durante a palestra. Noutra, um rapaz quis me chocar. A senhora sabe que quando não tem seringa a gente usa um arame para furar a veia e uma caneta para injetar a droga?, ele perguntou. Eu embarquei na conversa. Ele contou que era viciado há cinco anos e que para comprar cocaína já tinha feito de 15

16 tudo, menos matar. Eu falei que estava disposta a ajudá-lo. Ele agradeceu por eu falar com ele como gente. Tudo isso aconteceu na frente dos colegas. Emocionado, ele pediu para sair. No dia seguinte, compareceu à palestra que eu estava dando em outra sala. Aquilo me balançou. Esse trabalho me faz feliz. Sinto que estou ajudando a humanidade. A Aids é uma doença terrível e eu quero evitar que as pessoas se contaminem. Enfrento dificuldades com 'meus chefes, por causa do horário de trabalho, mas vou levando. Às vezes preciso faltar no serviço para ir a reuniões na Secretaria e eles não entendem. Fazer o quê? Nos fins de semana, aproveito para dar palestras nas favelas lá do meu bairro, na Zona Norte da cidade. Vou sempre com uma colega que também é multiplicadora do Projeto. A gente combina com os moradores e fala em qualquer lugar: na rua, numa casa. Quando a situação aperta e falta dinheiro para o ônibus, vamos a pé mesmo. Às vezes andamos um bocado. Mas sempre somos bem recebidas. Nosso pagamento é feito de palavras, sorrisos e da certeza de que estamos evitando a contaminação de muita gente. Relato de caso / Josefa Carvalho Baron (nome real), 38 anos, separada, dois filhos (14 e 22 anos) e um neto. Tem curso ginasial completo e trabalha como servente em uma escola municipal de educação infantil, que atende a população carente da Zona Norte da cidade É importante falar de Aids nas escolas A Aids não é, e nunca foi, uma doença que atinge apenas homossexuais e pessoas que usam drogas. A Aids é uma doença que pode atingir qualquer indivíduo, seja ele homem, mulher, ou criança. Hoje em dia, a sociedade como um todo deve aprender a conviver com Aids. Aproximadamente 34% da população mundial tem menos de 17 anos de idade. No Brasil, este grupo representa cerca de 41% da população total 1. Assim como os adultos, as crianças correm riscos de contaminação absolutamente alheios a suas atitudes e vontades. Podem ser contaminadas pela mãe portadora, durante a gestação ou durante o parto, podem receber transfusões de sangue e homo-derivados contaminados e podem, também, ser vítimas de abuso sexual. Já os pré-adolescentes e adolescentes tendem a iniciar precocemente suas vidas sexuais. No Brasil, a idade média na primeira relação sexual é de 16,9 anos para as mulheres e de 15 anos de idade para os homens 2. Além disto, os jovens estão expostos ao processo de massificação do uso de drogas em nossa sociedade, o que faz com que a escola não possa mais ignorar estes fatos e, pelo contrário, se veja levada a atuar como centro de difusão do saber sobre a Aids. 1 IBGE Crianças e Adolescentes Indicadores Sociais Centro Materno Infantil Planejamento Famílias Pesquisa feita entre 1987 e 1989 em São Paulo, Rio de Janeiro, Curitiba, Salvador, e recife abrangendo 9066 jovens entre 15 e 24 anos. Assessoria Técnica do Centro para o Controle de Doenças de Atlanta (CDC/EUA) 16

17 Projeto prepara professores O projeto Aids da Secretaria de Educação do município foi montado em 1989 para preparar as escolas antes que a Aids atingisse alunos, professores e funcionários. Não deu tempo. Já no ano seguinte, funcionários de uma escola se reuniram para expulsar um colega que estaria com o vírus e que ameaçava se matar. O grupo do projeto Aids foi chamado às pressas. É uma das nossas funções de bombeiro, diz a professora Teresinha Cristina Reis Pinto, 34, coordenadora do projeto. Em 1991 surgiram os primeiros casos de alunos com Aids na rede municipal. O grupo organizou em oito meses 579 encontros para professores, alunos e pais. O telefone , colocado à disposição das escolas, passou a receber denúncias e pedidos de discriminação. Folha da Tarde 18/4/92 Programas de prevenção devem se apoiar numa base jurídica sólida: vontade política é fundamental! A Aids não é apenas um problema dos educadores. É também um problema dos políticos e da sociedade como um todo. Pouco a pouco, as Câmaras e Assembléias Legislativas de nossos estados e municípios têm se dado conta disto e algumas já deliberam sobre a implantação urgente de Programas de Prevenção nas redes escolares. Cabe aos responsáveis pelas redes, e também aos pais, levar esta discussão aos partidos e ao legislativo, acompanhar os debates e cobrar resultados. Ao propor este debate, é importante saber que o trabalho de prevenção da Aids não pode se resumir à organização de palestras, à projeção esporádica de vídeos e à distribuição de panfletos e preservativos. O trabalho de prevenção da Aids é complexo e deve ser contínuo, pois só dá resultado após vários anos. de atividades regulares. Um bom Programa de Prevenção deve ser institucionalizado por Decreto-lei, publicado no Diário Oficial e anunciado pelos meios de comunicação, pois trata-se de um programa de fundamental importância para a manutenção da saúde pública e para o equilíbrio sócio-econômico do país. Só uma mobilização legislativa decidida poderá garantir a continuidade destes programas através das diferentes administrações estaduais e municipais que irão se suceder. História do Projeto Aids, segundo o Diário Oficial do Município de São Paulo Portaria nº 120 (Prefeita institui Grupo de Trabalho Intersecretarial para abordagem da questão da Aids) L. E. de Sousa, Prefeita do Município de São Paulo, usando das atribuições que lhe são conferidas por lei, Resolve: Constituir Grupo de Trabalho, integrado por P.C.S.B., representante da Secretaria de Higiene e Saúde, S.M.C.Z., da Secretaria Municipal de Educação, M.C.C., da Secretaria 17

18 Municipal de Cultura, S.R.S.C., da Secretaria Municipal de Transportes, ES.E, da Secretaria Municipal da Administração e A.A.S., da Secretaria Municipal do Bem-Estar Social, para, sob a coordenação do primeiro nomeado, elaborar programa de prevenção Aids/DST, cujo alvo será o servidor público municipal e a população junto à qual vêm as referidas Secretarias atuando. Prefeitura do Município de São Paulo/L.E.S, Prefeita Comunicado 6/91 (Secretário de Educação informa a rede sobre a existência do Projeto Aids) Aos Educadores da Rede Municipal A Aids é, provavelmente, o fenômeno de Saúde de maior impacto surgido nos últimos tempos. O sensacionalismo com que muitas vezes esse fenômeno é tratado pelos meios de comunicação impede, entretanto, que ele seja percebido com mais objetividade e menos preconceitos. A poluição, a fome, abastecimento de água, moradia, enchentes, etc. são problemas sociais que têm sido analisados em suas relações com a saúde e permanecem como questões ainda não resolvidas. A Aids é, também, um problema coletivo de saúde. Para ser combatido com eficácia, deve ter suas causas estudadas, o que está sendo feito de forma exaustiva pelos setores competentes. Apesar disso, as perspectivas de solução ainda estão distantes. Durante muito tempo, o único remédio contra a Aids continuará sendo a prevenção. A Educação torna-se, desta forma, o meio mais eficaz de diminuir o número de vítimas da epidemia, sensibilizando, informando e combatendo atitudes preconceituosas para com os portadores do vírus HIV. A Secretaria Municipal de Educação não poderia omitir-se diante desta grave situação. Num trabalho conjunto com a Secretaria Municipal de Saúde, educadores da Rede, com apoio de técnicos de saúde, formaram um grupo que procura expandir o horizonte de professores e alunos nas escolas, através de discussões, dinâmicas de grupo, palestras e vídeos referentes à Aids e/ou Doenças Sexualmente Transmissíveis. Ao oferecer a adultos e jovens um espaço para informar-se e discutir abertamente suas dúvidas, será possível ajudar a construir atitudes mais responsáveis e menos arriscadas em relação ao sexo. A Aids não é uma questão pessoal enfrentá-la é uma responsabilidade social. Diante do temor, angústia _ medo que ela inspira não é possível caminhar sozinho. E indispensável solidariedade. Escolas interessadas em receber apoio do Grupo de Educadores contra a Aids podem entrar em contato através dos telefones abaixo relacionados Comunicado 10/91 (Projeto Aids da S.M.E. oferece às escolas a possibilidade de esclarecimento) Conscientização da Comunidade Escolar sobre a problemática do HIV (Aids) A Secretaria Municipal de Educação, num trabalho conjunto com a Secretaria Municipal de Saúde, considerando que, 18

19 - a informação segura, esclarecida, direta e atualizada diminui o risco de contaminação, medo e preconceito sobre a doença: - um trabalho específico junto à comunidade escolar (pais, funcionários e alunos) se faz necessário, Informa: 1) Que através do Projeto Aids (publicação no DOM estará dando apoio às Unidades Escolares com palestras, vídeos, discussões sobre o tema e debates. 2) As escolas interessadas em receber o Grupo de Educadores contra a Aids devem entrar em contato através do telefone xxx xx xx com a Prof. T.C.R.P. em SME/G Portaria nº 1714 (Secretário de Educação cria condições para que os multiplicadores treinados pelo Projeto Aids possam desenvolver projetos de esclarecimento nas escolas) O Secretário Municipal de Educação, no uso de suas atribuições legais e Considerando que - a educação tem um papel significativo no sentido de transformar o impacto da Aids numa oportunidade de resgatar o sentido da vida e o exercício pleno da cidadania; - o Projeto Aids é um projeto especial porque a situação é especial e de responsabilidade política daqueles que defendem uma nova sociedade onde a solidariedade seja o alicerce através do qual as relações humanas possam ser construídas; - a informação, a discussão aprofundada e o enfrentamento do medo e preconceito podem fazer com que os soropositivos (funcionários, alunos e professores) tenham seu espaço garantido na escola e vivam em clima de razoável tranqüilidade; Resolve: I - Os educadores que participaram dos cursos de multiplicadores do Projeto Aids apresentarão planos de atuação no âmbito das Unidades Escolares que deverão ser discutidos com a Comunidade Escolar e Conselhos de Escola. II- Compete somente à Coordenação do Projeto Aids, exercida junto ao Gabinete desta Pasta, a aprovação, acompanhamento e avaliação dos planos de atuação. III- Aplicam-se ao Projeto Aids o disposto nas Portarias nº s 367, de ,3.398 de e de , obedecendo o contido no item II desta Portaria. (Ver no anexo 1 deste caderno os textos das três portarias mencionadas no item III. Estas portarias definem o que são "projetos especiais., regulamentam questões relacionadas à implantação de projetos específicos nas escolas, ao horário de trabalho, ao trabalho e dispensa de ponto, à remuneração de trabalho excedente, etc., e podem ser úteis às secretarias de educação de outros municípios e estados que desejem implantar projetos semelhantes ao Projeto Aids, da S.M.E de São Paulo.) 19

20 Os programas de prevenção devem ser discutidos com toda a comunidade A Aids está saindo da televisão para ir bater na porta das pessoas. Chegou a nossa vez. Celeste, 44 anos, assistente de diretor de escola Ninguém - pessoa ou instituição - vai resolver o problema da Aids sozinho. O trabalho dirigido para o controle e a prevenção da epidemia ultrapassa os limites da escola, e abrange necessariamente a família e a comunidade. A família muitas vezes desconhece o assunto ou prefere evitá-lo por vergonha, medo, desconfiança, falta de abertura com os filhos. O mesmo ocorre, aliás, com professores e funcionários das escolas. De pouco servirá um programa de informação e esclarecimento dirigido aos alunos, se os próprios professores, funcionários e pais de alunos não estiverem minimamente esclarecidos ou, ao menos, garantirem apoio ao programa. Uma criança que recebe na escola uma informação correta sobre a Aids, mas é confrontada em casa, ou até mesmo em sala de aula, com pais e professores mal informados, e com as informações contraditórias freqüentemente divulgadas pela televisão e pela imprensa, permanecerá confusa e continuará vulnerável aos perigos de infecção. Por outro lado - se bem informada e segura de si a criança pode ser um ótimo multiplicador da informação no espaço familiar. Para isto necessita contudo de uma atmosfera doméstica que lhe permita abordar a questão. Os Programas de Prevenção precisam da comunidade e a comunidade precisa dos Programas de Prevenção. Por isto, antes de organizar um Programa de Prevenção nas escolas, é importante reunir a comunidade escolar e discutir abertamente o assunto. Cada escola conhece a comunidade à qual presta serviços e a sua problemática específica. Cada Conselho de Escola-Comunidade e/ou as APMs têm características próprias que devem ser levadas em conta na discussão sobre a Aids. Cada escola saberá como fazer, da melhor maneira possível, a apresentação da questão. Aprendendo a Aids Trabalho na Prefeitura de São Paulo há 10 anos. Primeiro fui vigia de escola e de 1986 para cá passei a ser motorista. Comecei a atender a turma do Projeto Aids em maio de Levo o pessoal para dar palestras e cursos nas escolas e também para visitas a casas que atendem portadores do vírus HIv. Tenho aprendido muita coisa e posso dizer mesmo que mudei bastante depois que conheci aquela mulherada. [O grupo de trabalho e de voluntários do Projeto Aids é formado, em sua maioria, por mulheres]. Antes eu sabia que Aids existia, ouvia falar na televisão, mas não passava disso. Não me preocupava muito com esse assunto. Agora é diferente. Sabe como é, né, não existe homem 20

coleção Conversas #2 Respostas que podem estar passando para algumas perguntas pela sua cabeça.

coleção Conversas #2 Respostas que podem estar passando para algumas perguntas pela sua cabeça. coleção Conversas #2 Positivo, o que e u faç o Deu Respostas para algumas perguntas que podem estar passando pela sua cabeça. A coleção CONVERSAS da Editora AfroReggae nasceu com o desejo de facilitar

Leia mais

coleção Conversas #10 - junho 2014 - Respostas que podem estar sendo feitas para algumas perguntas Garoto de Programa por um.

coleção Conversas #10 - junho 2014 - Respostas que podem estar sendo feitas para algumas perguntas Garoto de Programa por um. coleção Conversas #10 - junho 2014 - Eu sou Estou garoto num de programa. caminho errado? Respostas para algumas perguntas que podem estar sendo feitas Garoto de Programa por um. A Coleção CONVERSAS da

Leia mais

Gtp+ PROGRAMAS E PROJETOS Grupo de Trabalhos em Prevenção Posithivo (GTP+) Fundação em 2000, Recife-PE O Grupo de Trabalhos em Prevenção Posithivo é a única ONG da Região Nordeste do Brasil coordenada

Leia mais

All You Zombies. Baseado no conto original de Robert A. Heinlein, All You Zombies, 1959. Versão Portuguesa, Brasil. Wendel Coelho Mendes

All You Zombies. Baseado no conto original de Robert A. Heinlein, All You Zombies, 1959. Versão Portuguesa, Brasil. Wendel Coelho Mendes All You Zombies Wendel Coelho Mendes Versão Portuguesa, Brasil Baseado no conto original de Robert A. Heinlein, All You Zombies, 1959 Esse conto é minha versão sobre a verdadeira história de All You Zombies,

Leia mais

MEU TIO MATOU UM CARA

MEU TIO MATOU UM CARA MEU TIO MATOU UM CARA M eu tio matou um cara. Pelo menos foi isso que ele disse. Eu estava assistindo televisão, um programa idiota em que umas garotas muito gostosas ficavam dançando. O interfone tocou.

Leia mais

coleção Conversas #7 - ABRIL 2014 - f o? Respostas que podem estar passando para algumas perguntas pela sua cabeça.

coleção Conversas #7 - ABRIL 2014 - f o? Respostas que podem estar passando para algumas perguntas pela sua cabeça. Eu quero não parar coleção Conversas #7 - ABRIL 2014 - de consigo.o usar que eu drogas f o? aç e Respostas para algumas perguntas que podem estar passando pela sua cabeça. A Coleção CONVERSAS da Editora

Leia mais

017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997.

017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997. 017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997. Acordei hoje como sempre, antes do despertador tocar, já era rotina. Ao levantar pude sentir o peso de meu corpo, parecia uma pedra. Fui andando devagar até o banheiro.

Leia mais

Projeto Verão Sem AIDS Valorizando a Vida

Projeto Verão Sem AIDS Valorizando a Vida 1 Projeto Verão Sem AIDS Valorizando a Vida O PROJETO VERÃO SEM AIDS VALORIZANDO A VIDA foi idealizado por João Donizeti Scaboli, Diretor do da FEQUIMFAR. Iniciamos de forma pioneira em 1994, quando o

Leia mais

coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - u s a r Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça.

coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - u s a r Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - Sou so profes r a, Posso m a s n ão parar d aguento m e ai ensinar s? d a r a u la s Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. A

Leia mais

Educação Sexual e Metodologia

Educação Sexual e Metodologia Educação Sexual Marcos Ribeiro Educação Sexual e Metodologia...Não saco nada de Física Literatura ou Gramática Só gosto de Educação Sexual E eu odeio Química... Legião Urbana Essa discussão não é recente.

Leia mais

HISTÓRIA DE SÃO PAULO. Alunos: Tatiana Santos Ferreira, Joyce Cruvello Barroso, Jennifer Cristine Silva Torres dos Santos, Sabrina Cruz. 8ª série.

HISTÓRIA DE SÃO PAULO. Alunos: Tatiana Santos Ferreira, Joyce Cruvello Barroso, Jennifer Cristine Silva Torres dos Santos, Sabrina Cruz. 8ª série. EE Bento Pereira da Rocha HISTÓRIA DE SÃO PAULO Alunos: Tatiana Santos Ferreira, Joyce Cruvello Barroso, Jennifer Cristine Silva Torres dos Santos, Sabrina Cruz. 8ª série. História 1 CENA1 Mônica chega

Leia mais

Geração Graças Peça: A ressurreição da filha de Jairo

Geração Graças Peça: A ressurreição da filha de Jairo Geração Graças Peça: A ressurreição da filha de Jairo Autora: Tell Aragão Personagens: Carol (faz só uma participação rápida no começo e no final da peça) Mãe - (só uma voz ela não aparece) Gigi personagem

Leia mais

E X P E D I E N T E. GIV Grupo de Incentivo à Vida Rua Capitão Cavalcanti, 145 Vila Mariana São Paulo Fone: 5084-0255 giv@giv.org.br www.giv.org.

E X P E D I E N T E. GIV Grupo de Incentivo à Vida Rua Capitão Cavalcanti, 145 Vila Mariana São Paulo Fone: 5084-0255 giv@giv.org.br www.giv.org. 1 2 E X P E D I E N T E GIV Grupo de Incentivo à Vida Rua Capitão Cavalcanti, 145 Vila Mariana São Paulo Fone: 5084-0255 giv@giv.org.br www.giv.org.br Diretoria: Gilvane Casimiro Edson Arata Luiz Donizete

Leia mais

O Renal é um ser humano como todos e tem seu direito de ser respeitado e não ter vergonha de ser renal. Jaderson

O Renal é um ser humano como todos e tem seu direito de ser respeitado e não ter vergonha de ser renal. Jaderson Jaderson é um garoto de 11 anos, portador de insuficiência renal crônica, paciente do Serviço de Hemodiálise Pediátrica do Hospital Roberto Santos em Salvador-BA. É uma criança muito inteligente e talentosa,

Leia mais

Respire aliviado! Tuberculose tem cura

Respire aliviado! Tuberculose tem cura Respire aliviado! Tuberculose tem cura O que é tuberculose? A tuberculose é uma doença infecciosa causada por um micróbio visível apenas ao microscópio, chamado Bacilo de Koch (Mycobacterium tuberculosis).

Leia mais

Os caminhos e descaminhos de uma epidemia global

Os caminhos e descaminhos de uma epidemia global Os caminhos e descaminhos de uma epidemia global Por Rodrigo Cunha 5 de junho de 1981. O Relatório Semanal de Morbidez e Mortalidade do Centro para Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos Estados Unidos

Leia mais

FUGA de Beatriz Berbert

FUGA de Beatriz Berbert FUGA de Beatriz Berbert Copyright Beatriz Berbert Todos os direitos reservados juventudecabofrio@gmail.com Os 13 Filmes 1 FUGA FADE IN: CENA 1 PISCINA DO CONDOMÍNIO ENTARDECER Menina caminha sobre a borda

Leia mais

5 ADOLESCÊNCIA. 5.1. Passagem da Infância Para a Adolescência

5 ADOLESCÊNCIA. 5.1. Passagem da Infância Para a Adolescência 43 5 ADOLESCÊNCIA O termo adolescência, tão utilizado pelas classes médias e altas, não costumam fazer parte do vocabulário das mulheres entrevistadas. Seu emprego ocorre mais entre aquelas que por trabalhar

Leia mais

Prefeito de São Bernardo do Campo: Hoje tem um show no Cedesc, às 18 horas (incompreensível).

Prefeito de São Bernardo do Campo: Hoje tem um show no Cedesc, às 18 horas (incompreensível). , Luiz Inácio Lula da Silva, durante a inauguração da República Terapêutica e do Consultório de Rua para Dependentes Químicos e outras ações relacionadas ao Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack São

Leia mais

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia em comemoração ao Dia Internacional da Mulher

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia em comemoração ao Dia Internacional da Mulher , Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia em comemoração ao Dia Internacional da Mulher Palácio do Planalto, 12 de março de 2003 Minha cara ministra Emília Fernandes, Minha cara companheira Benedita da

Leia mais

www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak

www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak Entrevista com Ezequiel Quem é você? Meu nome é Ezequiel, sou natural do Rio de Janeiro, tenho 38 anos, fui

Leia mais

Seis mulheres e o único desejo: um futuro diferente Entrevistadas denunciam desigualdade velada

Seis mulheres e o único desejo: um futuro diferente Entrevistadas denunciam desigualdade velada Terça-feira, 11 de março de 2014 Seis mulheres e o único desejo: um futuro diferente Entrevistadas denunciam desigualdade velada Nádia Junqueira Goiânia - Dalila tem 15 anos, estuda o 2º ano no Colégio

Leia mais

Vamos mudar o mundo? Mais esta mudança deve começar por você!

Vamos mudar o mundo? Mais esta mudança deve começar por você! Vamos mudar o mundo? Mais esta mudança deve começar por você! Este Livro Digital (Ebook) é fruto de uma observação que eu faço no mínimo há dez anos nas Redes Sociais, e até pessoalmente na convivência

Leia mais

Associação Lar do Neném

Associação Lar do Neném Criança Esperança 80 Associação Lar do Neném Recife-PE Marília Lordsleem de Mendonça Abraço solidário Todas as crianças são de todos : esse é o lema do Lar do Neném, uma instituição criada há 26 anos em

Leia mais

O começo na Educação Infantil

O começo na Educação Infantil O começo na Educação Infantil Ao entrar na pré-escola, a criança vive um momento delicado, pois tem que aprender, de uma só vez, a afastar-se do convívio familiar e a criar novas relações afetivas. A emoção

Leia mais

Sexo Seguro, Teste de HIV, Sifilis, DST e PEP Informações nesta lingua (Portugues) para homens que fazem Sexo com homens SABER

Sexo Seguro, Teste de HIV, Sifilis, DST e PEP Informações nesta lingua (Portugues) para homens que fazem Sexo com homens SABER X8@ www.gay health network.ie Sexo Seguro, Teste de HIV, Sifilis, DST e PEP Informações nesta lingua (Portugues) para homens que fazem Sexo com homens SABER Informação para teste de HIV para homens gay

Leia mais

Instituto de Higiene e Medicina Tropical/IHMT. Fundação Luso Americana para o Desenvolvimento/FLAD. Fundação Portugal - África

Instituto de Higiene e Medicina Tropical/IHMT. Fundação Luso Americana para o Desenvolvimento/FLAD. Fundação Portugal - África Instituto de Higiene e Medicina Tropical/IHMT APOIO: Fundação Luso Americana para o Desenvolvimento/FLAD Casa de Cultura da Beira/CCB CERjovem ATENÇAÕ MULHER MENINA! Fundação Portugal - África RESPOSTAS

Leia mais

Conversando com os pais

Conversando com os pais Conversando com os pais Motivos para falar sobre esse assunto, em casa, com os filhos 1. A criança mais informada, e de forma correta, terá mais chances de saber lidar com sua sexualidade e, no futuro,

Leia mais

Nessa hora você não vai parar para pensar se sabe tudo sobre Aids

Nessa hora você não vai parar para pensar se sabe tudo sobre Aids Nessa hora você não vai parar para pensar se sabe tudo sobre Aids 1 a Aids reduz a imunidade A Síndrome da Imunodeficiência Adquirida (Aids ou SIDA) não é a doença. Ela reduz a imunidade devido à ação

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 37 Discurso na cerimónia de retomada

Leia mais

coleção Conversas #26 Respostas para algumas perguntas que podem estar passando pela sua cabeça.

coleção Conversas #26 Respostas para algumas perguntas que podem estar passando pela sua cabeça. Saí da prisão volto coleção Conversas #26 - setembro 2015 - e estou ou não desempregado, para o crime? Respostas para algumas perguntas que podem estar passando pela sua cabeça. A Coleção CONVERSAS, da

Leia mais

O Sr. CELSO RUSSOMANNO (PP-SP) pronuncia o. seguinte discurso: Senhor Presidente, Senhoras e Senhores

O Sr. CELSO RUSSOMANNO (PP-SP) pronuncia o. seguinte discurso: Senhor Presidente, Senhoras e Senhores O Sr. CELSO RUSSOMANNO (PP-SP) pronuncia o seguinte discurso: Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, transcorreram já mais de duas décadas desde que a Síndrome da Imunodeficiência Adquirida

Leia mais

www.rockstarsocial.com.br

www.rockstarsocial.com.br 1 1 Todos os Direitos Reservados 2013 Todas As Fotos Usadas Aqui São Apenas Para Descrição. A Cópia Ou Distribuição Do Contéudo Deste Livro É Totalmente Proibida Sem Autorização Prévia Do Autor. AUTOR

Leia mais

EDUCAÇÃO ESPECIAL E INCLUSÃO Eugênia Augusta Gonzaga Fávero

EDUCAÇÃO ESPECIAL E INCLUSÃO Eugênia Augusta Gonzaga Fávero EDUCAÇÃO ESPECIAL E INCLUSÃO Eugênia Augusta Gonzaga Fávero (A autora deste artigo é procuradora da República. Como mãe de duas crianças que freqüentam a educação infantil, e como profissional na área

Leia mais

Patrocínio Institucional Parceria Apoio

Patrocínio Institucional Parceria Apoio Patrocínio Institucional Parceria Apoio InfoReggae - Edição 80 Memória Oral 24 de abril de 2015 O Grupo AfroReggae é uma organização que luta pela transformação social e, através da cultura e da arte,

Leia mais

cartilha direitos humanos layout:layout 1 2008-09-05 13:42 Página 1 CAPA

cartilha direitos humanos layout:layout 1 2008-09-05 13:42 Página 1 CAPA cartilha direitos humanos layout:layout 1 2008-09-05 13:42 Página 1 CAPA cartilha direitos humanos layout:layout 1 2008-09-05 13:42 Página 2 TODOS SÃO IGUAIS PERANTE A LEI* *Artigo 5º da Constituição Brasileira

Leia mais

Novas e velhas epidemias: os vírus

Novas e velhas epidemias: os vírus Acesse: http://fuvestibular.com.br/ Novas e velhas epidemias: os vírus A UU L AL A - Maria, veja só o que eu descobri nesta revista velha que eu estava quase jogando fora! - Aí vem coisa. O que é, Alberto?

Leia mais

Histórias de. Comunidade de Aprendizagem. Histórias de Comunidade de Aprendizagem 1

Histórias de. Comunidade de Aprendizagem. Histórias de Comunidade de Aprendizagem 1 Histórias de Comunidade de Aprendizagem Histórias de Comunidade de Aprendizagem 1 Introdução O projeto Comunidade de Aprendizagem é baseado em um conjunto de atuações de êxito voltadas para a transformação

Leia mais

HIV / Aids Orientações para pacientes e familiares

HIV / Aids Orientações para pacientes e familiares HIV / Aids Orientações para pacientes e familiares Serviço de Enfermagem Cirúrgica Este manual contou com a colaboração de: professora enfermeira Isabel Cristina Echer; enfermeiras Beatriz Guaragna, Ana

Leia mais

Considerando que têm ocorrido injustificadas restrições a esses direitos no País;

Considerando que têm ocorrido injustificadas restrições a esses direitos no País; Direito à Educação - PORTARIA INTERMINISTERIAL N o 796, de 29/05/1992, dos Ministros da Educação e da Saúde - Normas e procedimentos educativos referente à transmissão e prevenção da infecção pelo HIV

Leia mais

Entendendo o que é Gênero

Entendendo o que é Gênero Entendendo o que é Gênero Sandra Unbehaum 1 Vila de Nossa Senhora da Piedade, 03 de outubro de 2002 2. Cara Professora, Hoje acordei decidida a escrever-lhe esta carta, para pedir-lhe ajuda e trocar umas

Leia mais

Projeto Gráfico e Editoração Coordenadoria de Comunicação Social. Revisão gramatical Lucia Anilda Miguel

Projeto Gráfico e Editoração Coordenadoria de Comunicação Social. Revisão gramatical Lucia Anilda Miguel Elaboração Centro de Apoio Operacional da Infância e Juventude e Coordenadoria de Comunicação Social do Ministério Público do Estado de Santa Catarina. Contato Rua Bocaiúva, 1.750, 4º andar - Centro -

Leia mais

A DIVERSIDADE NA ESCOLA

A DIVERSIDADE NA ESCOLA Tema: A ESCOLA APRENDENDO COM AS DIFERENÇAS. A DIVERSIDADE NA ESCOLA Quando entrei numa escola, na 1ª série, aos 6 anos, tinha uma alegria verdadeira com a visão perfeita, não sabia ler nem escrever, mas

Leia mais

Eu, Você, Todos Pela Educação

Eu, Você, Todos Pela Educação Eu, Você, Todos Pela Educação Um domingo de outono típico em casa: eu, meu marido, nosso filho e meus pais nos visitando para almoçar. Já no final da manhã estava na sala lendo um livro para tentar relaxar

Leia mais

Glossário M DIA NO CAMPO DE FUTE-

Glossário M DIA NO CAMPO DE FUTE- O HIV (VÍRUS DA IMUNODEFICIÊNCIA HUMANA) É UM VÍRUS QUE DANIFICA O SISTEMA DE DEFESA DO CORPO HUMANO. O HIV INFECTA AS CÉLULAS DO SISTEMA IMU- NOLÓGICO E DESTRÓI O SEU FUNCIONA- MENTO, LEVANDO À "IMUNODEFICIÊNCIA".

Leia mais

Transcriça o da Entrevista

Transcriça o da Entrevista Transcriça o da Entrevista Entrevistadora: Valéria de Assumpção Silva Entrevistada: Ex praticante Clarice Local: Núcleo de Arte Grécia Data: 08.10.2013 Horário: 14h Duração da entrevista: 1h COR PRETA

Leia mais

Brasil vive "epidemia descontrolada" de Aids, diz presidente do Grupo Pela Vidda

Brasil vive epidemia descontrolada de Aids, diz presidente do Grupo Pela Vidda http://noticias.uol.com.br/saude/ultimas-noticias/redacao/2012/06/08/brasil-vive-epidemiadescontrolada-de-aids-diz-presidente-do-grupo-pela-vidda.htm 08/06/201207h00 Brasil vive "epidemia descontrolada"

Leia mais

1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar

1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar 1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar nosso amor 4. Porque a gente discute nossos problemas

Leia mais

SEXUALIDADE: DESATANDO OS NÓS NA ADOLESCÊNCIA

SEXUALIDADE: DESATANDO OS NÓS NA ADOLESCÊNCIA SEXUALIDADE: DESATANDO OS NÓS NA ADOLESCÊNCIA Por Marcos Ribeiro* Um pouco dessa história começa por volta dos 10/12 anos, quando meninos e meninas começam a sofrer as primeiras transformações físicas,

Leia mais

Prefácio CÂNCER DE MAMA 7

Prefácio CÂNCER DE MAMA 7 Prefácio Quantas vezes você já não ouviu alguém contar uma experiência difícil que viveu em seu ministério? Quantos já não passaram por situações em que não souberam o que dizer ou fazer? Pastores, líderes

Leia mais

MARATONA para fazer o bem

MARATONA para fazer o bem 1 de 5 21/09/2010 14:19 ASSINE BATE-PAPO BUSCA E-MAIL SAC SHOPPING UOL 19/09/2010 MARATONA para fazer o bem Em busca de voluntários mais preparados, ONGs profissionalizam seleção e treinamento de candidatos

Leia mais

MANUAL DE PESSOAL MÓDULO 40 : PROGRAMA NACIONAL DE PREVENÇÃO E ACOMPANHAMENTO DA AIDS E DST

MANUAL DE PESSOAL MÓDULO 40 : PROGRAMA NACIONAL DE PREVENÇÃO E ACOMPANHAMENTO DA AIDS E DST CAP : 1 1 MÓDULO 40 : PROGRAMA NACIONAL DE PREVENÇÃO E ACOMPANHAMENTO DA AIDS E DST CAPÍTULO 1 : APRESENTAÇÃO 1. FINALIDADE Estabelecer diretrizes gerais para a operacionalização do Programa Nacional de

Leia mais

Escolas comunicadoras

Escolas comunicadoras Comunicação e Cultura Local de atuação: Ceará, Pernambuco, Pará e Bahia Data de fundação: 1996 Escolas comunicadoras No Ceará, quase quinhentas mil crianças da rede pública estudam em escolas que unem

Leia mais

SEXUALIDADE E PREVENÇÃO ÀS DST E HIV/AIDS NA TERCEIRA IDADE

SEXUALIDADE E PREVENÇÃO ÀS DST E HIV/AIDS NA TERCEIRA IDADE SEXUALIDADE E PREVENÇÃO ÀS DST E HIV/AIDS NA TERCEIRA IDADE MARIA BEATRIZ DREYER PACHECO Membro do MOVIMENTO NACIONAL DAS CIDADÃS POSITHIVAS Membro do MOVIMENTO LATINO-AMERICANO E CARIBENHO DE MULHERES

Leia mais

Adolescentes e jovens preparados para tomar suas próprias decisões reprodutivas

Adolescentes e jovens preparados para tomar suas próprias decisões reprodutivas Adolescentes e jovens preparados para tomar suas próprias decisões reprodutivas Andrea da Silveira Rossi Brasília, 15 a 18 out 2013 Relato de adolescentes e jovens vivendo com HIV Todo adolescente pensa

Leia mais

08. Camilo Alfredo Faigle Vicari

08. Camilo Alfredo Faigle Vicari 08. Camilo Alfredo Faigle Vicari Nascido em São Paulo, em 1976, é biólogo e estudante de mestrado na UNIFESP. Em 26 de agosto de 2010 recebi Camilo numa sala de reuniões da UNIFESP. Ele chegou às 18h e

Leia mais

VISITE O BLOG www.homemalpha.com.br

VISITE O BLOG www.homemalpha.com.br VISITE O BLOG www.homemalpha.com.br APRESENTAÇÃO A timidez é um problema que pode acompanhar um homem a vida inteira, tirando dele o prazer da comunicação e de expressar seus sentimentos, vivendo muitas

Leia mais

8 Passos para o Recrutamento Eficaz. Por Tiago Simões

8 Passos para o Recrutamento Eficaz. Por Tiago Simões 8 Passos para o Recrutamento Eficaz Por Tiago Simões Uma das coisas que aprendi na indústria de marketing de rede é que se você não tem um sistema de trabalho que comprovadamente funcione, muito provavelmente

Leia mais

Você sabia que... Alguns fatos sobre o meu país

Você sabia que... Alguns fatos sobre o meu país Brasil Você sabia que... A pobreza e a desigualdade causam a fome e a malnutrição. Os alimentos e outros bens e serviços básicos que afetam a segurança dos alimentos, a saúde e a nutrição água potável,

Leia mais

A importância do tratamento contra a aids

A importância do tratamento contra a aids dicas POSITHIVAS A importância do tratamento contra a aids Por que tomar os medicamentos (o coquetel) contra o HIV? A aids é uma doença que ainda não tem cura, mas tem tratamento. Tomando os remédios corretamente,

Leia mais

coleção Conversas #20 - MARÇO 2015 - t t o y ç r n s s Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça.

coleção Conversas #20 - MARÇO 2015 - t t o y ç r n s s Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. Vocês acham possam a coleção Conversas #20 - MARÇO 2015 - cer d o t t o a r que ga cr ia n y ç a s s? Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. A Coleção CONVERSAS da Editora

Leia mais

ESSA CAMPANHA VAI COLAR!

ESSA CAMPANHA VAI COLAR! ESSA CAMPANHA VAI COLAR! O selo postal é um importante veículo de comunicação dos valores de uma sociedade. Com a emissão dos 8 (oito) selos apresentados nesta Cartilha, os Correios, por meio da Filatelia,

Leia mais

sobre pressão alta Dr. Decio Mion

sobre pressão alta Dr. Decio Mion sobre pressão alta Dr. Decio Mion 1 2 Saiba tudo sobre pressão alta Dr. Decio Mion Chefe da Unidade de Hipertensão do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (HC-FMUSP)

Leia mais

ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: BALANÇO DE UMA DÉCADA

ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: BALANÇO DE UMA DÉCADA ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: BALANÇO DE UMA DÉCADA Área Temática: Direitos Humanos e Justiça Liza Holzmann (Coordenadora da Ação de Extensão) Liza Holzmann 1 Palavras Chave:

Leia mais

Diretrizes para os Estudos de Caso

Diretrizes para os Estudos de Caso Diretrizes para os Estudos de Caso Observação: Esta seção apresenta 5 estudos de caso de questões de saúde reprodutiva com o intuito de estimular discussões sobre o material apresentado no currículo. Além

Leia mais

Avaliação do clima na escola

Avaliação do clima na escola Avaliação do clima na escola INSTRUÇÕES INICIAIS PARA O GESTOR: Avise que a pesquisa para avaliar o clima da escola é anônima. Não será preciso colocar nome, apenas identificar a qual segmento da comunidade

Leia mais

Cartaz Desenvolvido para a Campanha Leuceminas: Você Faz A Diferença Na Cura Do Câncer. 1

Cartaz Desenvolvido para a Campanha Leuceminas: Você Faz A Diferença Na Cura Do Câncer. 1 Cartaz Desenvolvido para a Campanha Leuceminas: Você Faz A Diferença Na Cura Do Câncer. 1 Marleyde Alves dos SANTOS 2 Daniel Cardoso Pinto COELHO 3 Cláudia CONDÉ 4 Raísa moysés GENTA 5 Bruno César de SOUZA

Leia mais

Superando Seus Limites

Superando Seus Limites Superando Seus Limites Como Explorar seu Potencial para ter mais Resultados Minicurso Parte VI A fonte do sucesso ou fracasso: Valores e Crenças (continuação) Página 2 de 16 PARTE 5.2 Crenças e regras!

Leia mais

MENOS ASSISTENCIALISMO, MAIS PEDAGOGIA. Moysés Kuhlmann: carências da educação infantil vão desde instalações à formação dos professores.

MENOS ASSISTENCIALISMO, MAIS PEDAGOGIA. Moysés Kuhlmann: carências da educação infantil vão desde instalações à formação dos professores. MENOS ASSISTENCIALISMO, MAIS PEDAGOGIA Moysés Kuhlmann: carências da educação infantil vão desde instalações à formação dos professores. 2 Ao lado das concepções do trabalho pedagógico para a infância,

Leia mais

MANUAL DO ALUNO - EDUCAÇÃO INFANTIL

MANUAL DO ALUNO - EDUCAÇÃO INFANTIL MANUAL DO ALUNO - EDUCAÇÃO INFANTIL 1. APRESENTAÇÃO Este guia tem por finalidade orientar os alunos e seus responsáveis sobre a estrutura e o funcionamento da 2. MISSÃO DA ESCOLA Para o COC, a missão da

Leia mais

DISCURSO PROFERIDO PELO NOBRE DEPUTADO HELIO DE SOUSA, EM CARÁTER EXCEPCIONAL, NO DIA 08 DE OUTUBRO DE 2015

DISCURSO PROFERIDO PELO NOBRE DEPUTADO HELIO DE SOUSA, EM CARÁTER EXCEPCIONAL, NO DIA 08 DE OUTUBRO DE 2015 DISCURSO PROFERIDO PELO NOBRE DEPUTADO HELIO DE SOUSA, EM CARÁTER EXCEPCIONAL, NO DIA 08 DE OUTUBRO DE 2015 Senhores Deputados, meu pronunciamento é em caráter excepcional. Eu tenho uma história de vida

Leia mais

Como utilizar este caderno

Como utilizar este caderno INTRODUÇÃO O objetivo deste livreto é de ajudar os grupos da Pastoral de Jovens do Meio Popular da cidade e do campo a definir a sua identidade. A consciência de classe, ou seja, a consciência de "quem

Leia mais

A criança preocupada. Claudia Mascarenhas Fernandes

A criança preocupada. Claudia Mascarenhas Fernandes A criança preocupada Claudia Mascarenhas Fernandes Em sua época Freud se perguntou o que queria uma mulher, devido ao enigma que essa posição subjetiva suscitava. Outras perguntas sempre fizeram da psicanálise

Leia mais

Sinopse I. Idosos Institucionalizados

Sinopse I. Idosos Institucionalizados II 1 Indicadores Entrevistados Sinopse I. Idosos Institucionalizados Privação Até agora temos vivido, a partir de agora não sei Inclui médico, enfermeiro, e tudo o que for preciso de higiene somos nós

Leia mais

EDUCAÇÃO POLÍTICA E EDUCAÇÃO DEMOCRÁTICA (IV Parte)

EDUCAÇÃO POLÍTICA E EDUCAÇÃO DEMOCRÁTICA (IV Parte) EDUCAÇÃO POLÍTICA E EDUCAÇÃO DEMOCRÁTICA (IV Parte) Saiba quais são as Recomendações das Conferências Internacionais na emancipação política das mulheres, as quais já foram assinadas pelo governo brasileiro

Leia mais

Quem nunca refletiu sobre o problema da desigualdade social no Brasil? Será que OPORTUNIDADES ENTREVISTA UMA REDE DE. 6 REVISTA girassol

Quem nunca refletiu sobre o problema da desigualdade social no Brasil? Será que OPORTUNIDADES ENTREVISTA UMA REDE DE. 6 REVISTA girassol ENTREVISTA COM EDGAR BORTOLINI UMA REDE DE OPORTUNIDADES Quem nunca refletiu sobre o problema da desigualdade social no Brasil? Será que todas as pessoas têm as mesmas oportunidades? A resposta é muito

Leia mais

HELOISA MARIA LESSA MARA REGINA PALANDI COMPREENDENDO A AIDS: DÚVIDAS E CERTEZAS PROVISÓRIAS. Orientadora: Fernanda Bertoldo

HELOISA MARIA LESSA MARA REGINA PALANDI COMPREENDENDO A AIDS: DÚVIDAS E CERTEZAS PROVISÓRIAS. Orientadora: Fernanda Bertoldo HELOISA MARIA LESSA MARA REGINA PALANDI COMPREENDENDO A AIDS: DÚVIDAS E CERTEZAS PROVISÓRIAS Orientadora: Fernanda Bertoldo Caxias do Sul 2008 2 HELOISA MARIA LESSA MARA REGINA PALANDI COMPREENDENDO A

Leia mais

PESQUISA DIAGNÓSTICA - SISTEMATIZAÇÃO. - Sim, estou gostando dessa organização sim, porque a gente aprende mais com organização das aulas.

PESQUISA DIAGNÓSTICA - SISTEMATIZAÇÃO. - Sim, estou gostando dessa organização sim, porque a gente aprende mais com organização das aulas. ESCOLA MUNICIPAL BUENA VISTA Goiânia, 19 de junho de 2013. - Turma: Mestre de Obras e Operador de computador - 62 alunos 33 responderam ao questionário Orientador-formador: Marilurdes Santos de Oliveira

Leia mais

Trabalhando a convivência a partir da transversalidade

Trabalhando a convivência a partir da transversalidade PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Trabalhando a convivência a partir da transversalidade Cristina Satiê de Oliveira Pátaro 1 Ricardo Fernandes Pátaro 2 Já há alguns

Leia mais

As 12 Vitimas do Medo.

As 12 Vitimas do Medo. As 12 Vitimas do Medo. Em 1980 no interior de São Paulo, em um pequeno sítio nasceu Willyan de Sousa Filho. Filho único de Dionizia de Sousa Millito e Willian de Sousa. Sempre rodeado de toda atenção por

Leia mais

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a João do Medo Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a mamãe dele. Um dia, esse menino teve um sonho ruim com um monstro bem feio e, quando ele acordou, não encontrou mais

Leia mais

EDUCAÇÃO EM SAÚDE: PREVENÇÃO DA HEPATITE B NO MINI PRESÍDIO EM PONTA GROSSA - PR

EDUCAÇÃO EM SAÚDE: PREVENÇÃO DA HEPATITE B NO MINI PRESÍDIO EM PONTA GROSSA - PR Resumo EDUCAÇÃO EM SAÚDE: PREVENÇÃO DA HEPATITE B NO MINI PRESÍDIO EM PONTA GROSSA - PR ZARPELLON, Lídia Dalgallo UEPG ldzarpellon@yahoo.com.br SILVA, Carla Luiza da UEPG clsilva21@hotmail.com ZIMMERMANN,

Leia mais

1948 Lista os direitos e deveres fundamentais de todo ser humano. 1959 Estabelece direitos universais das crianças.

1948 Lista os direitos e deveres fundamentais de todo ser humano. 1959 Estabelece direitos universais das crianças. LEVANTAMENTO DOS MARCOS LÓGICOS E LEGAIS DO PROGRAMA NACIONAL DE DST E AIDS PNDST-AIDS 1. Marcos Lógicos NORMATIVAS INTERNACIONAIS DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS 1948 Lista os direitos e deveres

Leia mais

O início de minha vida...

O início de minha vida... Relato 1 Memórias de minha vida Juliana Pedroso 1 O início de minha vida... Perceber com clareza é o mesmo que ter a visão iluminada pela Luz da Alma. Podemos ficar livres da ignorância e ver corretamente

Leia mais

Graças ao Coaching. eu descobri o que havia de melhor em mim. Bhia Beatriz

Graças ao Coaching. eu descobri o que havia de melhor em mim. Bhia Beatriz Graças ao Coaching eu descobri o que havia de melhor em mim Bhia Beatriz 1 2 Graças ao Coaching eu descobri o que havia de melhor em mim Ilustração da Capa Nádia Krummenauer Artista Plástica Arte Final

Leia mais

Apoio. Patrocínio Institucional

Apoio. Patrocínio Institucional Patrocínio Institucional Parceria Apoio InfoReggae - Edição 83 Papo Reto com José Junior 12 de junho de 2015 O Grupo AfroReggae é uma organização que luta pela transformação social e, através da cultura

Leia mais

Como é ser aprovado no vestibular de uma Universidade Pública, em que sabemos da alta concorrência entre os candidatos que disputam uma vaga?

Como é ser aprovado no vestibular de uma Universidade Pública, em que sabemos da alta concorrência entre os candidatos que disputam uma vaga? Abdias Aires 2º Ano EM Arthur Marques 2º Ano EM Luiz Gabriel 3º Ano EM Como é ser aprovado no vestibular de uma Universidade Pública, em que sabemos da alta concorrência entre os candidatos que disputam

Leia mais

coleção Conversas #25 u s Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça.

coleção Conversas #25 u s Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. coleção Conversas #25 Nã Po o s s o c s on c o ig lo o c á cuidar dos m - l os e m u m a e u cl s ín p ic ais a?. Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. A Coleção CONVERSAS

Leia mais

Meninas Nhe nhe. Eu Aff Chegando lá. Eu Gente estou com um mau pressentimento

Meninas Nhe nhe. Eu Aff Chegando lá. Eu Gente estou com um mau pressentimento Eu e umas amigas íamos viajar. Um dia antes dessa viagem convidei minhas amigas para dormir na minha casa. Nós íamos para uma floresta que aparentava ser a floresta do Slender-Man mas ninguém acreditava

Leia mais

INSTITUTO PATRÍCIA GALVÃO

INSTITUTO PATRÍCIA GALVÃO INSTITUTO PATRÍCIA GALVÃO Comunicação e Mídia Pesquisa Instituto Patrícia Galvão IBOPE, em parceria com o UNIFEM ATITUDES FRENTE AO CRESCIMENTO DA AIDS NO BRASIL Aumento da AIDS em mulheres está entre

Leia mais

Você já teve a experiência de enviar um email e, em pouco tempo, ver pedidos de orçamento e vendas sendo concretizadas?

Você já teve a experiência de enviar um email e, em pouco tempo, ver pedidos de orçamento e vendas sendo concretizadas? 2 Você já teve a experiência de enviar um email e, em pouco tempo, ver pedidos de orçamento e vendas sendo concretizadas? É SOBRE ISSO QUE VOU FALAR NESTE TEXTO. A maioria das empresas e profissionais

Leia mais

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA NÚCLEO DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA 3º PERÍODO A INCLUSÃO SOCIAL NA ESCOLA

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA NÚCLEO DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA 3º PERÍODO A INCLUSÃO SOCIAL NA ESCOLA FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA NÚCLEO DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA 3º PERÍODO A INCLUSÃO SOCIAL NA ESCOLA Adenilton Santos Moreira* RESUMO Este trabalho analisa a Inclusão social como a capacidade

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 20 Discurso na cerimónia "Jovens

Leia mais

- VÍDEO DEBATE - aconselhamento. DST/HIV/aids

- VÍDEO DEBATE - aconselhamento. DST/HIV/aids GUIA - VÍDEO DEBATE - aconselhamento DST/HIV/aids Ministério da Saúde Secretaria de Políticas de Saúde Coordenação Nacional de DST e Aids Paulo R. Teixeira Coordenador Rosemeire Munhoz Assessora Técnica

Leia mais

CONSELHOS TUTELARES FUNÇÕES E ATRIBUIÇÕES

CONSELHOS TUTELARES FUNÇÕES E ATRIBUIÇÕES CONSELHOS TUTELARES FUNÇÕES E ATRIBUIÇÕES Conselho Tutelar Órgão permanente e autônomo, não jurisdicional, encarregado pela sociedade de zelar pelo cumprimento dos direitos da criança e do adolescente,

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 68 Discurso na cerimónia de lançamento

Leia mais

Cuidando da Minha Criança com Aids

Cuidando da Minha Criança com Aids Cuidando da Minha Criança com Aids O que é aids/hiv? A aids atinge também as crianças? Como a criança se infecta com o vírus da aids? Que tipo de alimentação devo dar ao meu bebê? Devo amamentar meu bebê

Leia mais

Roteiro de Áudio. SOM: abertura (Vinheta de abertura do programa Hora do Debate )

Roteiro de Áudio. SOM: abertura (Vinheta de abertura do programa Hora do Debate ) Roteiro de áudio. Programa: Hora de Debate. Campanhas.../ Monica G. Zoppi-Fontana 1 Roteiro de Áudio Episódio 1 Combatendo o preconceito: argumentação e linguagem Programa Hora de Debate. Campanhas de

Leia mais

1. COMPLETE OS QUADROS COM OS VERBOS IRREGULARES NO PRETÉRITO PERFEITO DO INDICATIVO E DEPOIS COMPLETE AS FRASES:

1. COMPLETE OS QUADROS COM OS VERBOS IRREGULARES NO PRETÉRITO PERFEITO DO INDICATIVO E DEPOIS COMPLETE AS FRASES: Atividades gerais: Verbos irregulares no - ver na página 33 as conjugações dos verbos e completar os quadros com os verbos - fazer o exercício 1 Entrega via e-mail: quarta-feira 8 de julho Verbos irregulares

Leia mais

TOBY MENDEL (Consultor Internacional da Unesco): [pronunciamento em outro idioma] INTÉRPRETE: Deixa eu começar agradecendo para os apresentadores.

TOBY MENDEL (Consultor Internacional da Unesco): [pronunciamento em outro idioma] INTÉRPRETE: Deixa eu começar agradecendo para os apresentadores. TOBY MENDEL (Consultor Internacional da Unesco): [pronunciamento em outro idioma] INTÉRPRETE: Deixa eu começar agradecendo para os apresentadores. Aqui, a gente tem uma apresentação muito importante, e

Leia mais