Inquérito aos Alunos que frequentaram o AEGE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Inquérito aos Alunos que frequentaram o AEGE"

Transcrição

1 Inquérito aos Alunos que frequentaram o AEGE Inquérito em outubro de 2015

2 Índice I- INTRODUÇÃO... 3 II- OUTROS ESTUDOS EFETUADOS ANTERIORMENTE... 3 III- OBJETIVOS... 4 IV- METODOLOGIA... 4 V- ANÁLISE DOS RESULTADOS... 5 VI- COMENTÁRIOS EFETUADOS PELOS ALUNOS NO INQUÉRITO... 8 VII- AVALIAÇÃO DOS OBJETIVOS PROPOSTOS NO ESTUDO... 8 VIII- COMPARAÇÃO COM OS ANTERIORES INQUÉRITOS... 9 IX- CONCLUSÃO Página 2

3 I- Introdução O Agrupamento presta um serviço essencialmente educativo aos alunos durante um determinado período de tempo. Portanto, urge saber até que ponto a qualidade desse serviço é validada pela continuidade da formação desses alunos e, na mesma linha e igualmente importante, qual o grau ou o nível de satisfação que o aluno tem sobre a escola que frequentou, agora que tem outros termos de comparação. No plano de melhorias elaborado pelo Agrupamento ficou assente a realização de atividades de autoavaliação que incidissem sobre a qualidade do serviço prestado pela Escola, recolhendo esses dados para aferir essa mesma qualidade. Este relatório diz respeito ao estudo efetuado, em outubro e novembro de 2015, junto dos alunos que frequentaram e concluíram a sua frequência no Agrupamento no ano letivo de A Equipa de Autoavaliação do Agrupamento de Escolas da Gafanha da Encarnação tem realizado estes estudos sobre a qualidade do serviço prestado e sobre o grau de satisfação junto dos ex-alunos, com regularidade. A Equipa de Autoavaliação do Agrupamento tem utilizado o método do inquérito junto dos ex-alunos e, sempre que possível, recorre também às entrevistas diretas com alguns desses mesmos alunos. Já foi considerada a possibilidade de solicitar a devolução dos resultados escolares a outras escolas para onde os alunos prosseguiram estudos. Este método é, contudo, quase materialmente impossível, e torna-se declaradamente complexo por ser um reduzido número avulso de alunos e por estes mudarem frequentemente de escola e curso. Assim, para obstar a esse conjunto de constrangimentos, a Equipa de Autoavaliação teve o cuidado de construir um inquérito que procurasse recolher o máximo de informação útil possível, procurando saber a opinião dos exalunos em relação ao estabelecimento que frequentaram, indo ao encontro dos objetivos pretendidos. II- Outros estudos efetuados anteriormente A Equipa de Autoavaliação do Agrupamento de Escolas da Gafanha da Encarnação realizou o primeiro estudo deste género em 2010, reportando-se a alunos que frequentaram e concluíram os estudos no AEGE nos anos letivos de , , e , num total de quatro anos letivos e num universo de alunos muito próximo das três centenas. Foram recolhidas 81 respostas (corresponde a 27,2% do universo respondente). O segundo estudo efetuado foi em 2013, abrangendo os alunos que frequentaram e concluíram os seus estudos no AEGE nos anos letivos de , e , num total de três anos letivos e num universo de alunos que perfez a centena e meia. Foram recolhidas somente 25 respostas (corresponde a 16,9% do universo respondente). O estudo seguinte foi realizado em 2014, incidindo sobre os alunos que frequentaram e concluíram os seus estudos no AEGE no ano letivo , correspondendo a um ano letivo e a um universo de alunos de cerca de 60. Foram recebidas cerca de 13 respostas (corresponde a 21%). Página 3

4 III- Objetivos Pretende-se com este estudo o seguinte: Agrupamento de Escolas da Gafanha da Encarnação - conhecer o grau de satisfação dos alunos que frequentaram o AEGE, nos últimos anos letivos, em relação ao funcionamento da Escola e dos vários serviços prestados, essencialmente a qualidade do ensino - recolher dados sobre os aspetos negativos e positivos que marcaram mais sensivelmente esses alunos na sua passagem pelo Agrupamento - conhecer o percurso escolar / profissional desses alunos depois de terem frequentado o AEGE - aferir da qualidade do serviço educativo prestado pelo AEGE. IV- Metodologia Foi construído um inquérito online, com um conjunto de perguntas encadeadas, com vista a recolher os dados pretendidos. Equacionou-se claramente a hipótese de pedir às escolas secundárias e profissionais os resultados escolares dos alunos que frequentaram o 9.º ano no AEGE, mas torna-se quase impraticável, em termos de tempo e de logística, como já foi referido. Assim, optou-se por redigir e enviar uma carta, em correio normal, a cada um desses alunos que frequentaram e terminaram a frequência escolar no ano letivo referido anteriormente. Essa carta continha o pedido de colaboração para este inquérito, bem como o endereço URL onde os alunos deveriam aceder para responder. O inquérito foi elaborado com recurso à plataforma Google Form. Foram enviadas 42 cartas e foi dado um mês para as respostas serem submetidas pelos alunos. Foi devolvida uma carta pela morada já não corresponder ao aluno. Em anexo a este relatório, segue a carta modelo e o questionário. Página 4

5 V- Análise dos resultados Agrupamento de Escolas da Gafanha da Encarnação A taxa de resposta efetiva ao inquérito foi de 31%. 40 Taxa de resposta aos inquéritos Os respondendes corresponderam a 54% do sexo feminino. (Nos anteriores inquéritos as alunas responderam mais do que os alunos porque também são em maior número) No que diz respeito a idade, 92% dos alunos que responderam têm 16, o que demonstra que foram alunos que concluíram o 9.º ano sem retenções ao longo do seu percurso. Mais de metade (62%) dos respondentes afirmaram que frequentaram todo o ensino básico no AEGE. Questionados os alunos sobre os resultados escolares que obtiveram no final do 9.º ano nas disciplinas de Português, Matemática e Inglês as respostas foram as seguintes: Português Inglês Matemática Nível 1 Nível 2 Nível 3 Nível 4 Nível 5 Questionados os alunos sobre os resultados escolares que obtiveram no final do ano do ensino secundário nas disciplinas de Português, Matemática e Inglês as respostas foram as seguintes: Português Inglês Matemática 1 a 4 val 5 a 9 val 10 a 14 val 15 a 17 val 18 a 20 val Página 5

6 Em comparação, podemos ver a taxa média de sucesso dos alunos que conseguiram no 9.º ano e no 10.º ano, em relação às mesmas disciplinas: 3,5 3 2,5 2 1,5 1 0,5 0 Português Inglês Matemática Avaliação Ensino Básico Avalição 10.º ano Em relação aos apoios educativos tidos pelos alunos, quase metade afirmou que não usufruiu de qualquer apoio; 38% frequentou a sala de estudo; 23% recorreu ao apoio psicológico; não houve nenhum aluno com ensino especial a responder. Depois de terem frequentado o AEGE, todos os alunos respondentes afirmaram que prosseguiram os seus estudos, grande parte para a Escola Secundária da Gafanha da Nazaré, e outra grande parte para a Escola Secundária Homem Cristo; do grupo dos alunos respondentes, houve um aluno que seguiu para a Escola Secundária Mário Sacramento. Os cursos que os alunos frequentam são variáveis: Línguas e Humanidades 6 alunos; Ciências e Tecnologias 6 alunos; Automação 1 aluno, Os alunos foram questionados sobre se sofreram algum tipo de discriminação ou comentários depreciativos pelo facto de terem frequentado este Agrupamento. Apenas um aluno, dos que responderam, afirmou que sim e que essa discriminação se verificou em termos de comentários de colegas e de funcionários da nova escola, comentários esses ocorridos quer em sala de aula, quer nos intervalos. Em relação às profissões que os alunos pretendem a desempenhar no futuro as respostas foram as seguintes: fisioterapeuta, advogado, criminologista, psicólogo, nutricionista, fitness, médico, eletricista, enfermeiro, polícia, apresentador de televisão. Interrogados sobre se o ensino dado no AEGE preparou convenientemente os alunos para o futuro, estes responderam: Muito 77% ; Pouco 15%. É de realçar o aumento da taxa dos alunos que consideram o grau de muito no que diz respeito a esta matéria. No que diz respeito ao grau de satisfação sobre vários aspetos, os alunos apontaram (M Sat = Muito Satisfeito; Sat = Satisfeito; NSNI = Nem satisfeito nem insatisfeito; Insat = Insatisfeito; M Insat = Muito Insatisfeito): o Sobre a qualidade do ensino M Sat 53%; Sat 39%; Insat 8%; M Insat o Ambiente da Escola - M Sat 62%; Sat 38%; Insat ; M Insat - o Profissionalismo dos professores - M Sat 62%; Sat 38%; Insat ; M Insat Página 6

7 o Profissioalismo dos funcionários - M Sat 77%; Sat 23%; Insat ; M Insat o Salas de aula e recursos da escola - M Sat 62%; Sat 38%; Insat ; M Insat o Funcionamento geral da escola - M Sat 77%; Sat 23%; Insat ; M Insat Aspetos que mais marcaram os alunos na sua passagem pelo AEGE, por ordem de importância decrescente: o Amizade dos colegas 77% o Facilidade de contacto com os professores 77% o Professor que marcou positivamente 54% o Simpatia dos funcionários 54% o Equipamento das salas 39% o Funcionamento geral da escola 39% o Limpeza dos espaços 31% o Segurança e o bem-estar proporcionado 23% o Apoios educativos 23% o Biblioteca 23% o Atividades realizadas 15% o Exigência dos professores 15% Perguntando aos alunos sobre atividades em que tenham participado e das quais se recordam, as respostas apresentadas foram as seguintes: o Desporto escolar 77% o Clube de Rádio de Escola 46% o Sala de estudo 39% o Clube de Teatro 31% o Clube de escrita 15% o Clube de ciência 7% o Educação para a Saúde 7% Dando a palavra aos alunos, e solicitando a indicação de aspetos positivos, as respostas registadas foram, basicamente, as seguintes: o Bons professores e a existência de um bom relacionamento entre professores-alunos o Espaços de convivio para os alunos e qualidade do equipamento das salas de aula o A facilidade que os alunos têm em comunicar com qualquer professor e o ambiente escolar muito bom o O investimento na recuperação de espaços da escola: o bar, a cantina, o espaço internet... o O ambiente escolar é ótimo e a relação professores-alunos funciona perfeitamente de modo a obter o sucesso escolar o As salas de estudo e as relação aluno-professor o Muito bom ambiente escolar e muito bons professores o A disponibilidade da direção e as atividades realizadas o Os professores serem tão acessíveis, preocupados, exigentes, dando assim algum conforto aos próprios alunos. Ter várias actividades fora das aulas, mas dentro da Página 7

8 escola. Tentando mostrar que a escola não são só aulas, nem estudos, mas também tem alguma diversão. Sobre os aspetos que foram colocados pelos alunos como pontos negativos, sobressaem os seguintes: o A comida da cantina, por vezes, não era boa. Os balneários precisavam de algumas remodelações. (ex: com mais conforto; água mais quente.) o A comida na cantina. o Ter de passar o cartão sempre que tinha de sair às 5:30 o A biblioteca encontrava-se muitas vezes fechada à hora de almoço, que era, muitas vezes, a altura que os alunos tinham tempo para poderem usufruir dos computadores, por exemplo, para fazer trabalhos... O espaço internet não estava sempre disponível... o Qualidade da comida e não ter espaços cobertos para as bicicletas e passagem para a entrada o A inexistência de ensino secundário. o Por vezes a escola encontra-se um bocado suja; -As refeições da cantina podiam ser melhoradas; o O espaço exterior da escola esta um pouco degradado por culpa dos próprios alunos. VI- Comentários efetuados pelos alunos no inquérito Acho que devia facilitar a entrada dos ex-alunos na escola, pois gostamos de fazer visitas aos professores e algumas das vezes que tentamos entrar na escola impediram-nos. Continuem com o bom trabalho que estão a fazer na escola. Marcou-me muito pela positiva e fará sempre parte da minha vida. Ajudou-me a crescer, aprender e evoluir para ser melhor pessoa e fazer mais e melhor pela sociedade. VII- Avaliação dos objetivos propostos no estudo No início deste estudo foram apresentados os objetivos essenciais para a sua realização. Faremos, então, a respetiva análise da consecução desses mesmos objetivos. Objetivo 1 - conhecer o grau de satisfação dos alunos que frequentaram o AEGE, nos últimos anos letivos, em relação ao funcionamento da Escola e dos vários serviços prestados, essencialmente a qualidade do ensino Verificamos que a esmagadora maioria dos alunos está com um nível de satisfação muito positiva em relação ao serviço prestado e ao funcionamento do AEGE. Há alguns aspetos a melhorar, como a correção de Página 8

9 alguns elementos (cantina, balneários, espaços), e isto advém do facto dos alunos compararem com outras escolas. No que diz respeito à qualidade do ensino, a perceção dos alunos é positiva pois estes sentem que o AEGE os preparou convenientemente para o prosseguimento de estudos. Objetivo 2 - recolher dados sobre os aspetos negativos e positivos que marcaram mais sensivelmente esses alunos na sua passagem pelo Agrupamento Os alunos apontam, como aspetos mais positivos, a simpatia dos funcionários e dos docentes no trato e a disponibilidade para comunicar, tornando o ambiente escolar como muito bom. Como aspetos não tão positivos verifica-se, por parte dos alunos, alguma falta de exigência e rigor uniformizado entre os docentes. Os alunos consideram também importante haver melhoria dos espaços exteriores da Escola ao nível do conforto e do arranjo estético, mas sobretudo ao nível da proteção. Alguns alunos sugerem que o AEGE permitisse a sua entrada para visitar a escola e a comunidade escolar. O serviço da cantina foi o aspeto realçado como o mais negativo. Objetivo 3 - conhecer o percurso escolar / profissional desses alunos depois de terem frequentado o AEGE Todos os alunos prosseguiram em cursos variados e em várias escolas secundárias. O AEGE tem conhecimento de alguns dos seus ex-alunos estarem a frequentar atualmente cursos de medicina e outros alunos terem enveredado pelo mercado de negócios, sendo empresários em nome individual. Objetivo 4 - aferir da qualidade do serviço educativo prestado pelo AEGE. O serviço educativo prestado pelo AEGE apresenta, perante os resultados do inquérito efetuado, um nível considerado positivo. As avaliações dos alunos no ensino secundário não diferem substancialmente das avaliações conseguidas no ensino básico, validando, portanto, a prestação desse serviço educativo. Os objetivos neste estudo foram atingidos. VIII- Comparação com os anteriores inquéritos Comparando o estudo realizado neste ano, e avaliando a opinião e o grau de satisfação dos alunos do ano letivo (objeto da análise), com os outros estudos realizados anteriormente com outros alunos de outros anos letivos, podemos concluir o seguinte: - não há grandes variações no que diz respeito ao grau de satisfação dos alunos em relação à qualidade do serviço prestado pelo AEGE; - em matéria de resultados escolares, verifica-se que os alunos que prosseguem os seus estudos continuam a revelar avaliações idênticas às que obtiveram no ensino básico, aqui no AEGE; neste campo, não se vislumbram grandes desfasamentos negativos ou discrepâncias acentuadas nos valores da avaliação sumativa; - os alunos conseguem fazer uma avaliação livre e honesta em relação à escola que frequentaram, apesar de ter passado mais de um ano desde a sua saída do AEGE; a avaliação que fazem decorre do que viveram no AEGE e da comparação que agora são capazes de realizar por frequentarem outro estabelecimento educativo; nesta ótica, os alunos são idóneos na informação que prestam neste estudo. Página 9

10 IX- Conclusão Tal como nos estudos efetuados anteriormente, há conclusões interessantes que podem ser tiradas: - a qualidade do ensino prestado no AEGE, de uma maneira geral, recebe a validação nos resultados alcançados pelos alunos no ensino secundário (confirma-se a consolidação dos resultados escolares); - os alunos têm uma muito boa avaliação do AEGE no que diz respeito ao seu funcionamento, ao profissionalismo dos professores, ao profissionalismo dos funcionários e aos espaços escolares; - o grau de satisfação dos alunos no que diz respeito à sua passagem pelo AEGE é muito positivo. Os alunos indicam igualmente algumas perspetivas de melhoria para o AEGE como sejam: a melhoria dos espaços exteriores, sobretudo das bicicletas e dos acessos ao bloco principal; um maior rigor e exigência uniforme dos professores, em termos pedagógicos, em contexto de sala de aula; melhoria ao nível da qualidade das refeições servidas na cantina. Sendo este o quarto estudo realizado sobre o mesmo assunto, em grupos de alunos e universos diferentes, conseguimos reunir respostas que afirmam uma tendência objetiva e um padrão de opiniões: o serviço educativo prestado pelo AEGE é de qualidade. Este tipo de estudos é importante, tal como já foi dito, para que a organização escolar e todos os seus agentes consigam aperceber-se do que os outros pensam sobre o AEGE e, com a sua avaliação mais ou menos distanciada, nos ajudem a proceder à nossa própria autoavaliação. Data - novembro de 2015 A Equipa de Autoavaliação, Graça Ramalheira, Luís Simões, Marisela Simões, Nuno Machado Página 10

INTRODUÇÃO... 3 II- OUTROS ESTUDOS EFETUADOS ANTERIORMENTE... 3 III- OBJETIVOS... 4 IV- METODOLOGIA...

INTRODUÇÃO... 3 II- OUTROS ESTUDOS EFETUADOS ANTERIORMENTE... 3 III- OBJETIVOS... 4 IV- METODOLOGIA... Inquérito em outubro de 2014 Agrupamento de Escolas da Gafanha da Encarnação Índice I- INTRODUÇÃO... 3 II- OUTROS ESTUDOS EFETUADOS ANTERIORMENTE... 3 III- OBJETIVOS... 4 IV- METODOLOGIA... 4 V- ANÁLISE

Leia mais

Relatório de Monitorização Pedagógica

Relatório de Monitorização Pedagógica Relatório de Monitorização Pedagógica Inquérito aos Alunos do 1º Ciclo 2011/2012 1º Semestre Janeiro 2012 Ficha Técnica ISCTE Instituto Universitário de Lisboa Edição Gabinete de Estudos, Avaliação, Planeamento

Leia mais

OBSERVATÓRIO DE TRAJETOS DOS ESTUDANTES DO ENSINO SECUNDÁRIO (OTES) QUESTIONÁRIO À SAÍDA DO ENSINO SECUNDÁRIO

OBSERVATÓRIO DE TRAJETOS DOS ESTUDANTES DO ENSINO SECUNDÁRIO (OTES) QUESTIONÁRIO À SAÍDA DO ENSINO SECUNDÁRIO OBSERVATÓRIO DE TRAJETOS DOS ESTUDANTES DO ENSINO SECUNDÁRIO (OTES) QUESTIONÁRIO À SAÍDA DO ENSINO SECUNDÁRIO Olá, Agradecemos a tua colaboração na resposta a este questionário. O questionário é confidencial,

Leia mais

AVALIAÇÃO INTERNA EQUIPA DE AVALIAÇÃO INTERNA

AVALIAÇÃO INTERNA EQUIPA DE AVALIAÇÃO INTERNA AVALIAÇÃO INTERNA EQUIPA DE AVALIAÇÃO INTERNA JULHO 2015 1 Abreviaturas AEAG Agrupamento de Escolas Dr. António Granjo CAF Common Assessment Framework (Estrutura Comum de Avaliação) AM - Ação de Melhoria

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE REDONDO PROJETO EDUCATIVO. Indicações para Operacionalização 2012-2015

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE REDONDO PROJETO EDUCATIVO. Indicações para Operacionalização 2012-2015 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE REDONDO PROJETO EDUCATIVO Indicações para Operacionalização 2012-2015 O Plano Anual de Atividades do Agrupamento é relevante para toda a Comunidade Educativa. Por ele se operacionalizam

Leia mais

PROJETO DO DESPORTO ESCOLAR

PROJETO DO DESPORTO ESCOLAR COORDENADOR: Vanda Teixeira 1. FUNDAMENTAÇÃO/ CONTEXTUALIZAÇÃO/ JUSTIFICAÇÃO a) O Desporto Escolar constitui uma das vertentes de atuação do Ministério da Educação e Ciência com maior transversalidade

Leia mais

Agrupamento de Escolas da Trofa. Plano de Melhoria e Desenvolvimento

Agrupamento de Escolas da Trofa. Plano de Melhoria e Desenvolvimento Agrupamento de Escolas da Trofa Plano de Melhoria e Desenvolvimento Biénio 2015/2017 INTRODUÇÃO A autoavaliação e a avaliação externa são procedimentos obrigatórios e enquadrados na Lei n.º 31/2002, de

Leia mais

Survey de Satisfação de Clientes 2009

Survey de Satisfação de Clientes 2009 Survey de Satisfação de Clientes Fevereiro de 2010 Índice 1. Sumário Executivo 4 2. Metodologia 6 3. Estratificação da Amostra 7 4. Classificação das pontuações 8 5. Apresentação de Resultados das Urgências

Leia mais

AULA. Natércia do Céu Andrade Pesqueira Menezes UNIVERSIDADE PORTUCALENSE. npmeneses@gmail.com. Doutora Sónia Rolland Sobral

AULA. Natércia do Céu Andrade Pesqueira Menezes UNIVERSIDADE PORTUCALENSE. npmeneses@gmail.com. Doutora Sónia Rolland Sobral MOTIVAÇÃO DE ALUNOS COM E SEM UTILIZAÇÃO DAS TIC EM SALA DE AULA Natércia do Céu Andrade Pesqueira Menezes UNIVERSIDADE PORTUCALENSE npmeneses@gmail.com Doutora Sónia Rolland Sobral UNIVERSIDADE PORTUCALENSE

Leia mais

AVALIAÇÃO INTERNA DO AGRUPAMENTO. Agrupamento de Escolas nº2 de Beja - Mário Beirão

AVALIAÇÃO INTERNA DO AGRUPAMENTO. Agrupamento de Escolas nº2 de Beja - Mário Beirão AVALIAÇÃO INTERNA DO AGRUPAMENTO Agrupamento de Escolas nº2 de Beja - Mário Beirão Índice Introdução Objectivos Metodologia de Trabalho Áreas de Trabalho/ Conclusões Estruturas Formais Estruturas FísicasF

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNÃO DE MAGALHÃES CHAVES. CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO PARA OS 1.º, 2.º e 3.º CICLOS DO ENSINO BÁSICO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNÃO DE MAGALHÃES CHAVES. CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO PARA OS 1.º, 2.º e 3.º CICLOS DO ENSINO BÁSICO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNÃO DE MAGALHÃES CHAVES CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO PARA OS 1.º, 2.º e 3.º CICLOS DO ENSINO BÁSICO ANO LETIVO 2015/2016 ÍNDICE I INTRODUÇÃO... 3 II ENQUADRAMENTO DA AVALIAÇÃO...

Leia mais

da Uniiversiidade de Évora

da Uniiversiidade de Évora Universidade de Évora Rellatóriio sobre o Inquériito aos Liicenciiados da Uniiversiidade de Évora Pró-Reitoria para a Avaliação e Política da Qualidade Jacinto Vidigal da Silva Luís Raposo Julho de 2010

Leia mais

Gabinete de Apoio ao Estudante e Inserção na Vida Ativa (GAEIVA)

Gabinete de Apoio ao Estudante e Inserção na Vida Ativa (GAEIVA) e Inserção na Vida Ativa (GAEIVA) O e Inserção na Vida Ativa (GAEIVA) visa especialmente a integração dos estudantes, dá resposta às necessidades de aprendizagem no sentido de incrementar o sucesso escolar,

Leia mais

RELATÓRIO GLOBAL DE ESCOLA DO QUESTIONÁRIO ESTUDANTES À SAÍDA DO SECUNDÁRIO 2012/13 I - CARACTERIZAÇÃO DOS ESTUDANTES À SAÍDA DO SECUNDÁRIO

RELATÓRIO GLOBAL DE ESCOLA DO QUESTIONÁRIO ESTUDANTES À SAÍDA DO SECUNDÁRIO 2012/13 I - CARACTERIZAÇÃO DOS ESTUDANTES À SAÍDA DO SECUNDÁRIO Estudantes à Saída do Secundário 12/13 RELATÓRIO GLOBAL DE ESCOLA DO QUESTIONÁRIO ESTUDANTES À SAÍDA DO SECUNDÁRIO 12/13 Código da Escola OTES1213 N.º de respostas 41658 I - CARACTERIZAÇÃO DOS ESTUDANTES

Leia mais

Lógicas de Supervisão Pedagógica em Contexto de Avaliação de Desempenho Docente. ENTREVISTA - Professor Avaliado - E 5

Lógicas de Supervisão Pedagógica em Contexto de Avaliação de Desempenho Docente. ENTREVISTA - Professor Avaliado - E 5 Sexo Idade Grupo de Anos de Escola docência serviço Feminino 46 Filosofia 22 Distrito do Porto A professora, da disciplina de Filosofia, disponibilizou-se para conversar comigo sobre o processo de avaliação

Leia mais

Balanço da 5ª Unidade de Ensino

Balanço da 5ª Unidade de Ensino Mestrado em Ensino da Educação Física nos Ensinos Básico e Secundário Estágio Pedagógico de Educação Física e Desporto 2012/2013 Balanço da 5ª Unidade de Ensino Orientador de Estágio: Profª Ana Severo

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DE ESCOLAS Plano de Ações de Melhoria

AVALIAÇÃO EXTERNA DE ESCOLAS Plano de Ações de Melhoria AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ARRONCHES AVALIAÇÃO EXTERNA DE ESCOLAS Plano de Ações de Melhoria JANEIRO 2014 1. INTRODUÇÃO... 1 2. ANÁLISE QUALITATIVA... 1 3.... 5 3.1. Áreas de Melhoria... 5 3.2. Identificação

Leia mais

TV AEGE Info. Plano de Intervenção do Projeto

TV AEGE Info. Plano de Intervenção do Projeto AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA GAFANHA DA ENCARNAÇÃO TV AEGE Info Plano de Intervenção do Projeto 2014-2015 Agrupamento de Escolas da Gafanha da Encarnação AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA GAFANHA DA ENCARNAÇÃO RUA

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CURSO DE EDUCAÇÃO BÁSICA

AVALIAÇÃO DO CURSO DE EDUCAÇÃO BÁSICA AVALIAÇÃO DO CURSO DE EDUCAÇÃO BÁSICA Outubro 2009 ÍNDICE 1. Introdução 3 2. População e Amostra 3 3. Apresentação de Resultados 4 3.1. Opinião dos alunos de Educação Básica sobre a ESEC 4 3.2. Opinião

Leia mais

Maio de 2012. Relatório de Avaliação da Aula Comunicação Oral de Escrita da Unidade Curricular Competências Transversais II. Ano Letivo 2011/2012

Maio de 2012. Relatório de Avaliação da Aula Comunicação Oral de Escrita da Unidade Curricular Competências Transversais II. Ano Letivo 2011/2012 Maio de 2012 Relatório de Avaliação da Aula Comunicação Oral de Escrita da Unidade Curricular Competências Transversais II Ano Letivo 2011/2012 Gabinete de Apoio ao Tutorado ÍNDICE 1. Introdução... 3 2.

Leia mais

Análise da proposta de deliberação das alterações do Preçário da Universidade Aberta

Análise da proposta de deliberação das alterações do Preçário da Universidade Aberta Análise da proposta de deliberação das alterações do Preçário da Universidade Aberta A Associação Académica da Universidade Aberta analisou com atenção a proposta de deliberação da alteração ao Preçário

Leia mais

Avaliação de impacto e medidas prospetivas para a oferta do Português Língua Não Materna (PLNM) no Sistema Educativo Português

Avaliação de impacto e medidas prospetivas para a oferta do Português Língua Não Materna (PLNM) no Sistema Educativo Português Avaliação de impacto e medidas prospetivas para a oferta do Português Língua Não Materna (PLNM) no Sistema Educativo Português Ana Madeira Joana Teixeira Fernanda Botelho João Costa Sofia Deus Alexandra

Leia mais

CENTRO DE ESTUDO E DESPORTO

CENTRO DE ESTUDO E DESPORTO NOTA INTRODUTÓRIA Desde há muito que entendemos, no Clube de Ténis de Sassoeiros, que à formação académica dos nossos jovens deverá corresponder uma formação desportiva que contribua para o seu crescimento

Leia mais

10% Gráfico nº 1 Taxa de resposta ao inquérito

10% Gráfico nº 1 Taxa de resposta ao inquérito 1. Taxa de resposta RESULTADOS DO INQUÉRITO AOS DOCENTES ANO LETIVO 2014/2015 10% 90% Responderam Não responderam Gráfico nº 1 Taxa de resposta ao inquérito Num total de 31 docentes convidados a participar

Leia mais

Avaliação Externa do Programa das Atividades de Enriquecimento Curricular no 1.º Ciclo do Ensino Básico. Sumário Executivo e Recomendações

Avaliação Externa do Programa das Atividades de Enriquecimento Curricular no 1.º Ciclo do Ensino Básico. Sumário Executivo e Recomendações Avaliação Externa do Programa das Atividades de Enriquecimento Curricular no 1.º Ciclo do Ensino Básico Sumário Executivo e Recomendações Entidade responsável pelo Estudo: Centro de Investigação em Educação

Leia mais

PROCESSO DE AUDITORIA DE SISTEMAS INTERNOS DE GARANTIA DA QUALIDADE

PROCESSO DE AUDITORIA DE SISTEMAS INTERNOS DE GARANTIA DA QUALIDADE PROCESSO DE AUDITORIA DE SISTEMAS INTERNOS DE GARANTIA DA QUALIDADE Exercício Experimental ASIGQ 2012 Análise Crítica do Processo e Medidas de Melhoria Março 2013 2 1. Introdução A Agência de Avaliação

Leia mais

Estudo de Avaliação da Satisfação dos Agentes do Sector da Construção e do Imobiliário

Estudo de Avaliação da Satisfação dos Agentes do Sector da Construção e do Imobiliário Estudo de Avaliação da Satisfação dos Agentes do Sector da Construção e do Imobiliário 2015 Objetivo: O Inquérito de Satisfação realizado junto dos Agentes do Sector da Construção e do Imobiliário teve

Leia mais

ANO LETIVO 2013/2014 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO

ANO LETIVO 2013/2014 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO ANO LETIVO 2013/2014 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO Ensino Básico Os conhecimentos e capacidades a adquirir e a desenvolver pelos alunos de cada nível e de cada ciclo de ensino têm como referência os programas

Leia mais

R E L A T Ó R I O D E E N G E N H A R I A D E S O F T W A R E ( 2 0 0 5 / 2 0 0 6 )

R E L A T Ó R I O D E E N G E N H A R I A D E S O F T W A R E ( 2 0 0 5 / 2 0 0 6 ) R E L A T Ó R I O D E E N G E N H A R I A D E S O F T W A R E ( 2 0 0 5 / 2 0 0 6 ) Tendo iniciado no presente ano lectivo 2005/2006 o funcionamento da plataforma Moodle na Universidade Aberta, considerou-se

Leia mais

Escola Secundária da Ramada. Plano Plurianual de Atividades. Pro Qualitate (Pela Qualidade)

Escola Secundária da Ramada. Plano Plurianual de Atividades. Pro Qualitate (Pela Qualidade) Escola Secundária da Ramada Plano Plurianual de Atividades Pro Qualitate (Pela Qualidade) 2014 A Escola está ao serviço de um Projeto de aprendizagem (Nóvoa, 2006). ii ÍNDICE GERAL Pág. Introdução 1 Dimensões

Leia mais

Entrevista ao Professor

Entrevista ao Professor Entrevista ao Professor Prof. Luís Carvalho - Matemática Colégio Valsassina - Lisboa Professor Luís Carvalho, agradecemos o tempo que nos concedeu para esta entrevista e a abertura que demonstrou ao aceitar

Leia mais

Promotores da Iniciativa. Marca Registada

Promotores da Iniciativa. Marca Registada Promotores da Iniciativa Marca Registada 2 Índice Introdução 4 Metodologia 6 Resultados da Empresa 10 Benchmarking 19 Caracterização do Entrevistado Comentários dos Entrevistados Anexos 23 25 27 3 Introdução

Leia mais

Os equipamentos audiovisuais existentes nas salas de aulas funcionam bem

Os equipamentos audiovisuais existentes nas salas de aulas funcionam bem 106 As salas específicas estão adequadamente apetrechadas para as finalidades de ensino e aprendizagem Muito 29% Pouco Muito Na segunda pergunta, quando questionados sobre se as salas específicas (laboratórios,

Leia mais

INDAGAR E REFLECTIR PARA MELHORAR. Elisabete Paula Coelho Cardoso Escola de Engenharia - Universidade do Minho elisabete@dsi.uminho.

INDAGAR E REFLECTIR PARA MELHORAR. Elisabete Paula Coelho Cardoso Escola de Engenharia - Universidade do Minho elisabete@dsi.uminho. INDAGAR E REFLECTIR PARA MELHORAR Elisabete Paula Coelho Cardoso Escola de Engenharia - Universidade do Minho elisabete@dsi.uminho.pt Este trabalho tem como objectivo descrever uma experiência pedagógica

Leia mais

Instituto Superior de Saúde do Alto Ave RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO LICENCIATURA EM FISIOTERAPIA

Instituto Superior de Saúde do Alto Ave RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO LICENCIATURA EM FISIOTERAPIA RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO LICENCIATURA EM FISIOTERAPIA Período de Referência: Ano letivo 2012/2013 Novembro de 2013 Índice Geral INTRODUÇÃO...1 Capítulo I. Elaboração do Relatório de Autoavaliação...2

Leia mais

A Necessidade de Realizar a Avaliação de Desempenho dos Recursos Humanos: O Ponto de Concórdia

A Necessidade de Realizar a Avaliação de Desempenho dos Recursos Humanos: O Ponto de Concórdia A Necessidade de Realizar a Avaliação de Desempenho dos Recursos Humanos: O Ponto de Concórdia Alexandre Pires DREAlentejo "Aprender sem pensar é tempo perdido." Confúcio A avaliação é-nos familiar a todos.

Leia mais

RELATÓRIO MateMática - 3º ciclo

RELATÓRIO MateMática - 3º ciclo RELATÓRIO MateMática - 3º ciclo 1 1. IDENTIFICAÇÃO DA ACTIVIDADE Este documento é o relatório final da Actividade designada (+) Conhecimento, que se insere na Acção nº 4, designada Competência (+), do

Leia mais

CURSO DE PROFISSIONALIZAÇÃO EM SERVIÇO

CURSO DE PROFISSIONALIZAÇÃO EM SERVIÇO Universidade Aberta Departamento de Educação e Ensino a Distância Informações e Secretariado do Curso Dra. Nira Nunes E-mail: cps@uab.pt Os contactos e informações sobre este Curso são apenas efetuados

Leia mais

RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO

RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO FEVEREIRO DE 15 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE JOSEFA DE ÓBIDOS RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO FEVEREIRO DE 15 P á g i n a 2 34 Índice 1. Introdução. 4 2. Sucesso Escolar...6 2.1-1.º

Leia mais

PRÁTICAS DE AVALIAÇÃO COMO UM MEIO DE MOTIVAÇÃO. Celina Pinto Leão Universidade do Minho cpl@dps.uminho.pt

PRÁTICAS DE AVALIAÇÃO COMO UM MEIO DE MOTIVAÇÃO. Celina Pinto Leão Universidade do Minho cpl@dps.uminho.pt PRÁTICAS DE AVALIAÇÃO COMO UM MEIO DE MOTIVAÇÃO Celina Pinto Leão Universidade do Minho cpl@dps.uminho.pt O evidente decréscimo de conhecimento básico de matemática por parte dos alunos nos cursos de engenharia,

Leia mais

CURSO DE INTRODUÇÃO À ACESSIBILIDADE EM AMBIENTES VIRTUAIS

CURSO DE INTRODUÇÃO À ACESSIBILIDADE EM AMBIENTES VIRTUAIS CURSO DE INTRODUÇÃO À ACESSIBILIDADE EM AMBIENTES VIRTUAIS (IAAV) Coordenador: Professor Doutor António Quintas Mendes Formadora: Mestre Manuela Francisco Índice 1. ENQUADRAMENTO... 1 2. CARACTERIZAÇÃO

Leia mais

Desde 1995, tem sido desenvolvido no Centro Municipal de Juventude, um espaço no âmbito da dança contemporânea, através da ESCOLA DE DANÇA.

Desde 1995, tem sido desenvolvido no Centro Municipal de Juventude, um espaço no âmbito da dança contemporânea, através da ESCOLA DE DANÇA. Desde 1995, tem sido desenvolvido no Centro Municipal de Juventude, um espaço no âmbito da dança contemporânea, através da ESCOLA DE DANÇA. Destinando a formação a alunos de todas as idades, o ensino da

Leia mais

Sistema Interno de Garantia da Qualidade

Sistema Interno de Garantia da Qualidade ISEL Sistema Interno de Garantia da Qualidade RELATÓRIO Inquérito Novos Alunos Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Gabinete de Avaliação e Qualidade Janeiro 2014 ÍNDICE 1. ENQUADRAMENTO... 4 1.1

Leia mais

RVCC ESCOLAR BÁSICO GUIA DE APOIO

RVCC ESCOLAR BÁSICO GUIA DE APOIO RVCC ESCOLAR BÁSICO GUIA DE APOIO Este documento respeita as regras do Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa. Privado da escolaridade, o ser humano não abdica da sua condição de produtor de conhecimentos.

Leia mais

RELATÓRIO. Avaliação da satisfação dos utilizadores do BAV. Relatório. Resultados do inquérito de satisfação do Balcão de Atendimento Virtual

RELATÓRIO. Avaliação da satisfação dos utilizadores do BAV. Relatório. Resultados do inquérito de satisfação do Balcão de Atendimento Virtual Relatório Resultados do inquérito de satisfação do Balcão de Atendimento Virtual Direcção Municipal da Presidência Gabinete do Munícipe Divisão Municipal de Gestão da Qualidade Porto, 29 de Junho de 2011

Leia mais

INQUÉRITO POR QUESTIONÁRIO. Agradece-se, desde já, o seu contributo!

INQUÉRITO POR QUESTIONÁRIO. Agradece-se, desde já, o seu contributo! ESTUDO DE CASO - Cultura Organizacional de Manutenção e Conservação dos Bens Escolares Este inquérito tem como objetivo, recolher informação para a realização de um trabalho de Mestrado, no domínio das

Leia mais

Entrevista A2. 2. Que idade tinhas quando começaste a pertencer a esta associação? R.: 13, 14 anos.

Entrevista A2. 2. Que idade tinhas quando começaste a pertencer a esta associação? R.: 13, 14 anos. Entrevista A2 1. Onde iniciaste o teu percurso na vida associativa? R.: Em Viana, convidaram-me para fazer parte do grupo de teatro, faltava uma pessoa para integrar o elenco. Mas em que associação? Na

Leia mais

CONTRATEMPOS E QUESTIONAMENTOS QUE INTERFEREM NO PLANEJAMENTO DA AULA: EXPERIÊNCIAS DOS ALUNOS DO PIBID MATEMÁTICA

CONTRATEMPOS E QUESTIONAMENTOS QUE INTERFEREM NO PLANEJAMENTO DA AULA: EXPERIÊNCIAS DOS ALUNOS DO PIBID MATEMÁTICA CONTRATEMPOS E QUESTIONAMENTOS QUE INTERFEREM NO PLANEJAMENTO DA AULA: EXPERIÊNCIAS DOS ALUNOS DO PIBID MATEMÁTICA Amanda Aparecida Rocha Machado Universidade Federal do Triângulo Mineiro E-mail: amandamachado_56@hotmail.com

Leia mais

Reflexão Final do Módulo Técnicas de negociação e venda

Reflexão Final do Módulo Técnicas de negociação e venda Reflexão Final do Módulo Técnicas de negociação e venda R u i J o r g e d a E i r a P e r e i r a N º 1 6 Página 1 Índice Remissivo Capa de apresentação... 1 Índice remissivo... 2 Dados biográficos...

Leia mais

Relatório de Intercâmbio

Relatório de Intercâmbio Relatório de Intercâmbio 1. Dados de identificação: Informações pessoais e acadêmicas: Aline Vieira de Lima +55 83 9986 1705 aline.vieira@gmail.com Programa: PIANI Universidade anfitriã: Instituto Superior

Leia mais

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOCENTE

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOCENTE CONSERVATÓRIO REGIONAL DE GAIA Ano Letivo 2013 2014 AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOCENTE Regulamento Artigo 1.º Âmbito 1. O presente Regulamento de Avaliação de Desempenho aplica-se a todos os docentes com

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA A APLICAÇÃO DAS NOVAS MEDIDAS EDUCATIVAS DO REGIME EDUCATIVO ESPECIAL

ORIENTAÇÕES PARA A APLICAÇÃO DAS NOVAS MEDIDAS EDUCATIVAS DO REGIME EDUCATIVO ESPECIAL ORIENTAÇÕES PARA A APLICAÇÃO DAS NOVAS MEDIDAS EDUCATIVAS DO REGIME EDUCATIVO ESPECIAL REGULAMENTO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA E PEDAGÓGICA DE ALUNOS (PORTARIA 60/2012, de 29 de maio) Direção Regional da

Leia mais

RELATÓRIO FINAL. Plano de Ação da EB1/JI do Bairro do Areias. Relatório Final de Autoavaliação do Plano de Ação de Estabelecimento da EB1 do Areias

RELATÓRIO FINAL. Plano de Ação da EB1/JI do Bairro do Areias. Relatório Final de Autoavaliação do Plano de Ação de Estabelecimento da EB1 do Areias RELATÓRIO FINAL Plano de Ação da EB1/JI do Bairro do Areias Relatório Final de Autoavaliação do Plano de Ação de Estabelecimento da EB1 do Areias Introdução Pontos Conteúdos Explicação dos objetivos do

Leia mais

CAPÍTULO 6 INTENÇÕES REPRODUTIVAS E PLANEAMENTO DA FECUNDIDADE

CAPÍTULO 6 INTENÇÕES REPRODUTIVAS E PLANEAMENTO DA FECUNDIDADE CAPÍTULO 6 INTENÇÕES REPRODUTIVAS E PLANEAMENTO DA FECUNDIDADE O questionário do IDS de 1997 conteve várias questões para investigar as preferências reprodutivas da população entrevistada. Foi recolhida

Leia mais

Prova de Avaliação de Conhecimentos e Capacidades - Inscrição

Prova de Avaliação de Conhecimentos e Capacidades - Inscrição MANUAL DE INSTRUÇÕES Prova de Avaliação de Conhecimentos e Capacidades - Inscrição 24 de novembro 2014 Versão 01 Índice 1 ENQUADRAMENTO... 5 1.1 Aspetos gerais... 5 1.2 Normas importantes de acesso e utilização

Leia mais

CURSO DE PROFISSIONALIZAÇÃO EM SERVIÇO

CURSO DE PROFISSIONALIZAÇÃO EM SERVIÇO Universidade Aberta Departamento de Educação e Ensino a Distância Informações e Secretariado do Curso Nira Nunes E-mail: cps@uab.pt Os contactos e informações sobre este Curso são apenas efetuados através

Leia mais

INDICE ANEXOS. Anexo I Guião de entrevista --------------------------------------------------------------- 2

INDICE ANEXOS. Anexo I Guião de entrevista --------------------------------------------------------------- 2 INDICE ANEXOS Anexo I Guião de entrevista --------------------------------------------------------------- 2 Anexo II Grelhas de análise de entrevista ---------------------------------------------- 7 Anexo

Leia mais

AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES DO CANAL INTERNET AT 2014

AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES DO CANAL INTERNET AT 2014 AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES DO CANAL INTERNET AT Março 2015 AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES CANAL INERNET AT AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES DO CANAL INTERNET AT Autoridade

Leia mais

Construir o futuro de novas gerações em Alenquer

Construir o futuro de novas gerações em Alenquer Construir o futuro de novas gerações em Alenquer Projeto para a construção de Jardim de Infância, sala multiusos e passagem coberta para refeitório. Vamos apresentar-vos A comissão de pais. Os motivos

Leia mais

Barómetro Regional da Qualidade Avaliação da Satisfação dos Utentes dos Serviços de Saúde

Barómetro Regional da Qualidade Avaliação da Satisfação dos Utentes dos Serviços de Saúde Avaliação da Satisfação dos Utentes dos Serviços de Saúde Entidade Promotora Concepção e Realização Enquadramento Avaliação da Satisfação dos Utentes dos Serviços de Saúde Índice RESUMO EXECUTIVO...

Leia mais

Procedimento para requisição de pedidos de materiais - kits e contentores. 1. Registo da entidade (sem o qual não é possível realizar pedidos)

Procedimento para requisição de pedidos de materiais - kits e contentores. 1. Registo da entidade (sem o qual não é possível realizar pedidos) Procedimento para requisição de pedidos de materiais - kits e contentores 1. Registo da entidade (sem o qual não é possível realizar pedidos) Resumo A requisição de materiais implica, em primeiro lugar,

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS Relatório Escola Secundária Fernando Namora AMADORA 12 e 13 jan. 2012 Área Territorial de Inspeção de Lisboa e Vale do Tejo 1 INTRODUÇÃO A Lei n.º 31/2002, de 20 de dezembro,

Leia mais

Pesquisas quantitativas construção de instrumentos de coleta

Pesquisas quantitativas construção de instrumentos de coleta 8 Pesquisas quantitativas construção de instrumentos A U L A objetivo 1 Ao final desta aula, o aluno deverá ser capaz de: montar um instrumento de dados, tomando os cuidados necessários para que seja válido,

Leia mais

O PEDIDO DE TPTD E A FORMAÇÃO ACADÉMICA

O PEDIDO DE TPTD E A FORMAÇÃO ACADÉMICA Versão 1.00 Regulamento O PEDIDO DE TPTD E A FORMAÇÃO ACADÉMICA Versão 1.00 Regulamento O PEDIDO DE TPTD E A FORMAÇÃO ACADÉMICA Edição: Coordenação: Data: Instituto Português do Desporto e Juventude, I.P.

Leia mais

Guia rápido de criação e gestão de um espaço no SAPO Campus

Guia rápido de criação e gestão de um espaço no SAPO Campus Guia rápido de criação e gestão de um espaço no SAPO Campus O SAPO Campus é uma plataforma online, disponível em http://campus.sapo.pt, que permite a comunicação e a colaboração entre membros de uma Instituição

Leia mais

DGEstE Direção de Serviços da Região Centro

DGEstE Direção de Serviços da Região Centro DGEstE Direção de Serviços da Região Centro Bibliotecas Escolares - Plano Anual de Atividades (PAA) Ano letivo 2014/2015 Este PAA encontra-se estruturado em 4 domínios (seguindo as orientações da RBE)

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS N 1 DE MARCO DE CANAVESES (150745) Plano de Ação de Melhoria

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS N 1 DE MARCO DE CANAVESES (150745) Plano de Ação de Melhoria AGRUPAMENTO DE ESCOLAS N 1 DE MARCO DE CANAVESES (150745) Plano de Ação de Melhoria 2015l2017 ÍNDICE ÍNDICE: INTRODUÇÃO... 3 ÁREAS DE AÇÃO DE MELHORIA.... 4 PLANOS DE AÇÃO DE MELHORIA.. 5 CONCLUSÃO...

Leia mais

» Quer saber mais sobre a ação de registar e/ou enviar um documento através do GesDoc?

» Quer saber mais sobre a ação de registar e/ou enviar um documento através do GesDoc? » PERGUNTAS MAIS FREQUENTES FAQ s - https://gesdoc.uevora.pt» Quer saber mais sobre a ação de registar e/ou enviar um documento através do GesDoc?» Aqui encontra algumas respostas às perguntas mais frequentes

Leia mais

RELATÓRIO DA PESQUISA DA QUALIDADE DE VIDA NA CIDADE DE ARACRUZ.

RELATÓRIO DA PESQUISA DA QUALIDADE DE VIDA NA CIDADE DE ARACRUZ. RELATÓRIO DA PESQUISA DA QUALIDADE DE VIDA NA CIDADE DE ARACRUZ. Apresentação Este relatório contém os resultados da 1ª pesquisa de Qualidade de Vida na cidade de Aracruz solicitada pela FACE. O objetivo

Leia mais

APRENDIZAGEM AO LONGO DA VIDA

APRENDIZAGEM AO LONGO DA VIDA 1 de Abril de 2004 População e Sociedade Educação e Formação 2003 (Dados provisórios) APRENDIZAGEM AO LONGO DA VIDA No último ano, mais de um milhão e meio de indivíduos com 15 ou mais anos, ou seja, 18,7,

Leia mais

Agrupamento de Escolas Dr.ª Laura Ayres

Agrupamento de Escolas Dr.ª Laura Ayres Agrupamento de Escolas Dr.ª Laura Ayres - Anexo X Regulamento do Mérito Escolar Artigo 1.º Prémios de valor, mérito e excelência 1. Para efeitos do disposto na alínea h) do ponto 1 do artigo 7.º, conjugado

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE VISEU REGULAMENTO DOS CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA

INSTITUTO POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE VISEU REGULAMENTO DOS CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA INSTITUTO POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE VISEU REGULAMENTO DOS CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Objeto e âmbito O presente regulamento

Leia mais

FICHA TÉCNICA. Título Perfil do Docente 2010/2011 Línguas estrangeiras

FICHA TÉCNICA. Título Perfil do Docente 2010/2011 Línguas estrangeiras FICHA TÉCNICA Título Perfil do Docente 2010/2011 Línguas estrangeiras Autoria Direção-Geral de Estatísticas da Educação e Ciência (DGEEC) Direção de Serviços de Estatísticas da Educação (DSEE) Divisão

Leia mais

ANEXO II REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DO CARTÃO ELETRÓNICO DE IDENTIFICAÇÃO

ANEXO II REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DO CARTÃO ELETRÓNICO DE IDENTIFICAÇÃO ANEXO II REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DO CARTÃO ELETRÓNICO DE IDENTIFICAÇÃO Artigo 1.º Âmbito e função 1. O cartão eletrónico de identificação tem por função identificar todos os utentes (alunos, pessoal

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO D. MANUEL I, BEJA

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO D. MANUEL I, BEJA ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO D. MANUEL I, BEJA Plano Estratégico de Melhoria 2011-2012 Uma escola de valores, que educa para os valores Sustentabilidade, uma educação de, e para o Futuro 1. Plano Estratégico

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS de AVALIAÇÃO na EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR

CRITÉRIOS GERAIS de AVALIAÇÃO na EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR Agrupamento de Escolas José Maria dos Santos Departamento da Educação Pré Escolar CRITÉRIOS GERAIS de AVALIAÇÃO na EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR Introdução A avaliação é um elemento integrante e regulador da prática

Leia mais

5 Considerações finais

5 Considerações finais 5 Considerações finais 5.1. Conclusões A presente dissertação teve o objetivo principal de investigar a visão dos alunos que se formam em Administração sobre RSC e o seu ensino. Para alcançar esse objetivo,

Leia mais

Resultados do Inquérito aos Docentes e Investigadores sobre a. Reorganização da Rede de Ensino Superior e Financiamento

Resultados do Inquérito aos Docentes e Investigadores sobre a. Reorganização da Rede de Ensino Superior e Financiamento Resultados do Inquérito aos Docentes e Investigadores sobre a Reorganização da Rede de Ensino Superior e Financiamento fevereiro de 2014 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 1 2. METODOLOGIA... 2 2.1. O INQUÉRITO...

Leia mais

AEB_AVALIAÇÃO EXTERNA_2012/2013 DOCUMENTO DE APRESENTAÇÃO. Avaliação Externa 2012/2013

AEB_AVALIAÇÃO EXTERNA_2012/2013 DOCUMENTO DE APRESENTAÇÃO. Avaliação Externa 2012/2013 DOCUMENTO DE APRESENTAÇÃO Avaliação Externa 2012/2013 0 ÍNDICE 1. Introdução 2 2. Breve caracterização do AEB 2 3. Resultados 3 3.1. Resultados académicos 3 3.2. Resultados sociais 8 3.3. Reconhecimento

Leia mais

A APRENDIZAGEM DA SUA CRIANҫA ENVOLVA-SE

A APRENDIZAGEM DA SUA CRIANҫA ENVOLVA-SE Warwickshire County Council A APRENDIZAGEM DA SUA CRIANҫA ENVOLVA-SE warwickshire SABIA QUE: Interessar-se pela educação da sua criança é a coisa mais importante que poderá fazer para o ajudar a alcançar

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS 2º CEB. Introdução

PLANO DE ESTUDOS 2º CEB. Introdução Introdução Entre os 10 e 12 anos, as crianças necessitam que lhes seja despertado e estimulado o seu desejo de aprender. No Colégio Pedro Arrupe pretendemos estimular e promover esse desejo, desenvolvendo

Leia mais

DOCENTES AVALIADOS E AVALIADORES EXTERNOS SELECIONADOS 16-11-2015

DOCENTES AVALIADOS E AVALIADORES EXTERNOS SELECIONADOS 16-11-2015 DOCENTES AVALIADOS E AVALIADORES EXTERNOS SELECIONADOS 16-11-2015 1 Ordem de trabalhos: 1 Informações; 2 Uniformização de procedimentos da ADD; 3 - Outros assuntos. 2 Enquadramento legal do processo de

Leia mais

Avaliação do Desempenho do. Pessoal Docente. Manual de Utilizador

Avaliação do Desempenho do. Pessoal Docente. Manual de Utilizador Avaliação do Desempenho do Pessoal Docente Manual de Utilizador Junho de 2011 V6 Índice 1 ENQUADRAMENTO... 4 1.1 Aspectos gerais... 4 1.2 Normas importantes de acesso e utilização da aplicação... 4 1.3

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS LEVANTE DA MAIA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS LEVANTE DA MAIA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS LEVANTE DA MAIA Escola Básica e Secundária do Levante da Maia PLANO DE OCUPAÇÃO PLENA DE TEMPOS ESCOLARES 2013-2017 Crescer, Saber e Ser Página 0 (Anexo I) ÍNDICE I. Nota Introdutória

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GIL VICENTE PLANO DE MELHORIA. Julho de 2012

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GIL VICENTE PLANO DE MELHORIA. Julho de 2012 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GIL VICENTE PLANO DE MELHORIA Julho de 2012 Rua da Verónica, 37, 1170-384 Lisboa Tel: 218860041/2 Fax: 218868880 Email: geral@aegv.pt INDICE I. Introdução. 3 II. Ponto de partida.....

Leia mais

Critérios de Avaliação Educação. Grupo Disciplinar de Educação Física 2014/2015

Critérios de Avaliação Educação. Grupo Disciplinar de Educação Física 2014/2015 Critérios de Avaliação Educação Física Cursos Regulares Grupo Disciplinar de Educação Física 2014/2015 1. Introdução Na procura da qualidade, torna-se evidente o papel essencial desempenhado pelas estruturas

Leia mais

CAMPO DE FÉRIAS REGULAMENTO INTERNO

CAMPO DE FÉRIAS REGULAMENTO INTERNO CAMPO DE FÉRIAS REGULAMENTO INTERNO Última revisão: maio de 2015 ÍNDICE I GENERALIDADES...2 1. LEGISLAÇÃO APLICÁVEL 2 2. ÂMBITO DE APLICAÇÃO 2 3. PRINCÍPIOS GERAIS DA ATIVIDADE DOS CAMPOS DE FÉRIAS 2 II

Leia mais

INQUÉRITO SOBRE EMPREGO, QUALIFICAÇÃO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL RELATÓRIO SÍNTESE

INQUÉRITO SOBRE EMPREGO, QUALIFICAÇÃO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL RELATÓRIO SÍNTESE INQUÉRITO SOBRE EMPREGO, QUALIFICAÇÃO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL RELATÓRIO SÍNTESE MARÇO 2013 Índice 1. RESUMO EXECUTIVO... 3 2. INQUÉRITO AOS AGREGADOS FAMILIARES... 11 2.1. Descrição do trabalho realizado...

Leia mais

Estudo sobre situação profissional dos. jovens enfermeiros em Portugal

Estudo sobre situação profissional dos. jovens enfermeiros em Portugal Ordem dos Enfermeiros Rede de Jovens Enfermeiros Estudo sobre situação profissional dos jovens enfermeiros em Portugal Autores: Raul Fernandes (Coordenador) Beto Martins, Bruno Maurício, Daniela Matos,

Leia mais

Escola Secundária Ferreira de Castro, Oliveira de Azeméis 5 e 6 de abril de 2013 v.diegues70@gmail.com

Escola Secundária Ferreira de Castro, Oliveira de Azeméis 5 e 6 de abril de 2013 v.diegues70@gmail.com Escola Secundária Ferreira de Castro, Oliveira de Azeméis 5 e 6 de abril de 2013 v.diegues70@gmail.com sumário 1- Projeto -Como surgiu o projeto WR -Quais os objetivos do estudo -Principais conclusões

Leia mais

Relatório de Avaliação do Grau de Satisfação dos Clientes da Creche, do Pré-escolar e do CATL da ABLA

Relatório de Avaliação do Grau de Satisfação dos Clientes da Creche, do Pré-escolar e do CATL da ABLA Relatório de Avaliação do Grau de Satisfação dos Clientes da Creche, do Pré-escolar e do CATL da ABLA Junho 2013 Página 1 de 20 Introdução Entre os dias 20 e 31 de Maio de 2013, foi aplicado o Questionário

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE PROENÇA-A-NOVA - 160799. Plano de Melhoria

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE PROENÇA-A-NOVA - 160799. Plano de Melhoria Índice Objetivo... 2 1 Introdução... 2 2... 3 2.1 Identificação do Agrupamento... 3 2.2 Áreas de Melhoria... 3 2.3 Identificação das Ações de Melhoria... 4 2.4 Visão global do Plano de melhoria.... 5 3

Leia mais

O tipo de negócio e a inserção na sociedade Andorrana do empreendedor emigrante português

O tipo de negócio e a inserção na sociedade Andorrana do empreendedor emigrante português O tipo de negócio e a inserção na sociedade Andorrana do empreendedor emigrante português Alice Virgínia Parta (1), Paula Cristina Remoaldo (2), Maria Ortletinda Goncalves (3) 1-Universidade do Minho prata.alice@hotmail.com

Leia mais

09/10. Projecto Plano Nacional de Leitura. Agrupamento de Escolas D. Nuno Álvares Pereira Tomar. Projecto PNL AEDNAP 09/10 1-9

09/10. Projecto Plano Nacional de Leitura. Agrupamento de Escolas D. Nuno Álvares Pereira Tomar. Projecto PNL AEDNAP 09/10 1-9 Projecto Plano Nacional de Leitura 09/10 Agrupamento de Escolas D. Nuno Álvares Pereira Tomar Projecto PNL AEDNAP 09/10 1-9 Índice 1. Introdução 3 2. Avaliação das actividades realizadas / Resultados alcançados

Leia mais

Projeto global de autoavaliação do Agrupamento de Escolas Mosteiro e Cávado

Projeto global de autoavaliação do Agrupamento de Escolas Mosteiro e Cávado Projeto global de autoavaliação do Agrupamento de Escolas Mosteiro e Cávado 1. Introdução O Agrupamento de Escolas Mosteiro e Cávado (AEMC) entende a autoavaliação como um processo ao serviço do seu desenvolvimento

Leia mais

Inquérito de Empregabilidade

Inquérito de Empregabilidade Inquérito de Empregabilidade / Qual a situação face ao emprego dos nossos diplomados do ano letivo 2012/2013? Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias Índice I. O que é o Relatório de Empregabilidade...2

Leia mais

Curso de Formação A Abordagem do Atletismo na Educação Física. (Data de início: 22/05/2015 - Data de fim: 13/06/2015)

Curso de Formação A Abordagem do Atletismo na Educação Física. (Data de início: 22/05/2015 - Data de fim: 13/06/2015) Curso de Formação A Abordagem do Atletismo na Educação Física (Data de início: 22/05/2015 - Data de fim: 13/06/2015) I - Autoavaliação (realizada pelos formandos) A- Motivação para a Frequência da Ação

Leia mais

Plano de contingência da gripe A (H1N1)

Plano de contingência da gripe A (H1N1) 0. Informação introdutória A. O que é a Gripe A (H1N1)? A gripe A é uma doença infecto-contagiosa que afecta o nariz, a garganta e todo o sistema respiratório, provocada por um novo vírus da Gripe: vírus

Leia mais

Mestrado Online respostas

Mestrado Online respostas Mestrado Online respostas Resumo 1. Por que razão escolheu este mestrado em regime online? 1. Escolhi o mestrado online porque é um mestrado que aborda questões relacionadas com a minha área de formação,

Leia mais