A Estatística, um ramo da Matemática, é aplicada em diferentes áreas, como Administração, Engenharia, Medicina, Psicologia, Ciências Sociais etc.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A Estatística, um ramo da Matemática, é aplicada em diferentes áreas, como Administração, Engenharia, Medicina, Psicologia, Ciências Sociais etc."

Transcrição

1 ESTATÍSTICA DESCRITIVA MÓDULO 1 - INTRODUÇÃO À ESTATÍSTICA DESCRITIVA A Estatística, um ramo da Matemática, é aplicada em diferentes áreas, como Administração, Engenharia, Medicina, Psicologia, Ciências Sociais etc. Mas, para que serve a Estatística? Antes de reportagens chegarem aos nossos lares, são elaboradas pesquisas em que se utilizam amplamente os conceitos de Estatística, comprovando que essa disciplina, que será estudada a partir de agora, é freqüentemente presente em nosso cotidiano. Veja os exemplos a seguir. Mais da metade da população brasileira (51%) está acima de seu peso ideal. Uma pesquisa da Sociedade Brasileira de Cirurgia Bariátrica e Metabólica (SBCBM) - realizada em todas as regiões do País com pessoas - revela um dado ainda mais preocupante: entre as pessoas de 18 a 25 anos, esse índice é de 66%. Emilio Sant Anna (estadão.com.br 05/01/2008). Um balanço feito para avaliar o desempenho orçamentário do governo federal mostra que, dos 337 programas inscritos que tinham verba prevista em orçamento para ser gasta em 2007, mais de 200 aplicaram menos de 80% dos recursos autorizados. Isto é, cerca de 62% do total dos programas tiveram gastos insatisfatórios. Apenas 37% deles, ou seja, 126, apresentaram execução acima de 80%, índice considerado razoável, já que também foram incluídas as despesas de anos anteriores, os chamados restos a pagar, quitados em No entanto, em valores absolutos, os gastos em 2007 foram os maiores dos últimos seis anos. Cecília Melo e Leandro Kleber ( folhas abertas em 04/01/2008). Levantamento mostra que, apesar de mais alunos entrarem nas universidades públicas, quantidade de formandos caiu 9,5% em 2 anos. Resultado revela perda de eficiência das instituições, que são financiadas com verba pública; evasão é tida como uma das causas. Fábio Takahashi (Folha de São Paulo, Cotidiano em 30/12/2007) 1.1 Estatística Estatística é uma ciência que tem como finalidade coletar, organizar, descrever, analisar e interpretar dados experimentais. A Estatística pode ser classificada em: 1

2 Estatística Descritiva: Coleta, organização e descrição dos dados experimentais. Estatística Indutiva: Análise e interpretação dos dados experimentais. 1.2 População e amostra População é um conjunto de elementos que possuem, em comum, determinada característica. As populações podem ser finitas, como o conjunto constituído pelo número de peças produzidas por uma máquina em um determinado dia, ou infinitas, como o número de vezes que podemos lançar um dado. Muitas vezes se torna difícil, ou até mesmo impossível, observar todo um grupo, especialmente se esse for muito grande. Nesses casos, podemos utilizar apenas uma parte desse, denominado amostra. A amostra deve ser representativa da população, retratando com fidelidade suas características, ja que por meio dessa amostra serão tiradas as conclusões para toda a população. Após ser definida a população, precisamos estabelecer uma técnica de amostragem, ou seja, um procedimento para a escolha da amostra, entre as quais destacamos: amostragem casual simples, amostragem sistemática, amostragem estratificada, amostragem de conveniência. 1.3 Técnicas de amostragem Amostragem casual simples É um procedimento em que os elementos para as amostras são retirados ao acaso. Assim, todo elemento da população tem igual probabilidade de pertencer à amostra. A amostragem casual simples é equivalente a um sorteio numérico Amostragem sistemática Neste procedimento os elementos que compõem a amostra, não são escolhidos por acaso; pelo contrário, estes elementos devem ser ordenados e a retirada deve ser feita através de um sistema. Exemplo: Na produção de parafusos de uma máquina podemos retirar um a cada dez parafusos produzidos Amostragem estratificada É um procedimento por meio do qual retiramos elementos para amostra de diversos estratos da população. 2

3 Para obtermos uma boa amostra, o processo deve ser tal que o número de elementos retirados seja proporcional ao número de elementos de cada estrato. Exemplo: Para obtermos uma amostra estratificada da cidade de São Paulo, devemos obter uma amostra de cada um dos bairros da cidade Amostragem por conveniência A amostra de conveniência é formada por elementos que estão disponíveis para o pesquisador. Por exemplo, um médico que quer realizar uma pesquisa sobre determinado medicamento, para sua conveniência, realiza a pesquisa com pacientes do hospital em que trabalha. 3

4 MÓDULO II - DADOS Os dados são as informações obtidas através de observações, medidas, respostas de pesquisas ou contagens em geral. 2.1 Classificação dos dados Os dados podem ser classificados em: Dados qualitativos: classificação por tipos ou atributos. Exemplos: A cor dos olhos (azuis, castanhos, verdes etc.) das modelos de uma determinada agência. Qualidade (defeituosa ou não defeituosa) de peças produzidas por uma máquina. Grupo sanguíneo (A, B, AB ou O) dos alunos doadores de sangue da Universidade. Dados quantitativos: quando seus valores são expressos em números. Exemplos: O peso líquido de cada um dos sabonetes produzidos por uma empresa. A altura dos alunos do 1º ano do Ensino Médio. O diâmetro de parafusos produzidos por uma máquina. 2.2 Representação de dados em tabelas Os dados podem ser apresentados através de uma tabela. Dados isolados No caso de dados qualitativos, a descrição através de uma tabela é muito simples. 4

5 A tabela acima mostra o número de pessoas matriculadas em cada modalidade de ensino; este número é denominado freqüência (fi). Podemos também encontrar a freqüência relativa para cada modalidade; para isso basta dividir a freqüência de cada modalidade pelo total de freqüências (n). Veja o exemplo: * arredondamento de duas casas decimais. 2.3 Distribuições de freqüências 5

6 Uma distribuição de freqüência é uma tabela de intervalos de classes com o número total de entradas de dados em cada classe. A freqüência (fi) de uma classe é o número de entrada de dados na classe. Veja o exemplo. A seguir, estão listados os salários, em reais, de cinqüenta funcionários de um determinado setor de uma empresa automobilística: Para organizar a tabela de salários, em reais, devemos construir uma tabela de freqüências. Podemos observar que o menor salário é o de 520 e o maior é de 3900; definimos então intervalos de classes iguais de 500 reais, ou seja, de 500 a 1000, 1000 a 1500 e assim por diante. Observação: Uma fórmula utilizada para o cálculo do número de classes é: K=1+3,222. log n, onde k é o número de classes, n é o número de elementos do conjunto. No exemplo acima temos: K=1+3,222. log 50 6,47. Embora exista uma fórmula para o número de intervalos de classe, muitos pesquisadores determinam o número de intervalos dependendo da situação. Um número de classes pequeno não é aconselhável, pois há perda de informação. Um número de classes grande é desnecessário na maioria dos casos. A freqüência (fi) neste caso é o número de funcionários que estão incluídos na classe de salários. Temos que fi n, onde n é o número total de elementos da amostra. 6

7 Usamos a notação , onde o intervalo é fechado à esquerda (pertencem à classe os valores iguais ao extremo inferior) e aberto à direita (não pertencem à classe os valores iguais ao extremo superior). Amplitude do intervalo de uma classe é a diferença entre o limite superior e o inferior. Temos no exemplo =500; logo, a amplitude do intervalo de classe é de 500 reais. O Ponto médio de um intervalo de classe é a metade da soma do limite inferior e o limite superior. Veja o exemplo: A freqüência relativa (fr) de uma classe é a freqüência (fi) desta classe dividida pelo total de elementos da amostra(n). 7

8 A Freqüência Acumulada (fa) de uma classe é a soma da freqüência daquela classe com a de todas as classes anteriores. Veja o exemplo: 8

9 MÓDULO III - REPRESENTAÇÃO DE DADOS EM GRÁFICOS A representação dos dados através de gráficos possibilita uma rápida visualização. Gráfico de barras Para construção do gráfico de barras utilizamos o sistema de eixos cartesianos. No eixo das abscissas (x) ou ordenadas (y) representamos as variáveis em estudo; no outro eixo (abscissas ou ordenadas) ainda não utilizado, representamos as freqüências. Podemos representar a tabela 1 através de um gráfico de barras. Gráfico 1. Número de matrículas de Educação Básica no Brasil. Diagrama de Pareto Um gráfico de barras em que as categorias estão dispostas em ordem decrescente em relação as freqüências relativas é denominado diagrama de Pareto. A tabela, a seguir, mostra as reclamações mais freqüentes em relação aos Bancos. 9

10 Fonte: Banco Central do Brasil ( ranking/idxrc.do) Gráfico 2. Diagrama de Pareto. A linha que aparece no gráfico 2 representa as freqüências relativas 5 elativas acumuladas. Gráfico de setores O gráfico de setores é construído da seguinte maneira: construímos uma circunferência (360º) e fazemos a divisão dos setores utilizando as freqüências relativas. Usamos a regra de três para saber o valor de cada ângulo do setor. O gráfico de setores a seguir refere-se à tabela 1. 10

11 Gráfico 3. Setores. Também podemos construir os gráficos utilizando as freqüências relativas. Fonte: Revista Quatro Rodas Veja o gráfico de barras que representa os dados da tabela 8. Gráfico 4. Diagrama de Barras. 11

12 Veja o gráfico de setores que representa a tabela 8. Gráfico 5. Setores. Histograma O histograma é um gráfico composto por retângulos justapostos em que a base de cada um deles corresponde ao intervalo de classe, e a sua altura, à respectiva freqüência. No exemplo abaixo, usamos o ponto médio de cada classe para construir o histograma. O gráfico a seguir representa os dados da tabela 3. Gráfico 6. Histograma. 12

13 Polígono de freqüências Os dados apresentados em tabelas de distribuição de freqüências, também podem ser representados em um polígono de freqüências. A construção de um polígono de freqüências é bastante simples: a partir do histograma, basta ligarmos os pontos médios de cada classe. Para fechar o polígono, unimos os extremos da figura com o eixo horizontal, no ponto médio da classe anterior à primeira e no ponto médio da posterior à última classe. Veja o exemplo a seguir referente à tabela 3. Gráfico 7. Histograma e Polígono de freqüências. Ou ainda, Gráfico 8. Polígono de Freqüências. 13

14 Podemos também transportar os dados de um gráfico para uma tabela de distribuição de freqüências. Uma amostra de peças produzidas por certa máquina forneceu a distribuição de comprimentos das peças dada através do histograma abaixo. Gráfico 9. Histograma. 14

15 MÓDULO IV - Exercícios resolvidos 1. A videolocadora ALUGUE JÁ anotou as locações do dia 24/12/2007, obtendo os dados da tabela a seguir: Para a tabela, pedem-se: a) as freqüências relativas. b) construir um gráfico de barras. 15

16 c) construir o gráfico de setores. Usamos a regra de três para calcularmos o valor do ângulo de cada um dos setores. Drama Comédia Ficção 16

17 Suspense Outros 3. A seguir, estão listados os rendimentos mensais de 30 famílias. 17

18 Para a tabela acima, pedem-se: a) Agrupar os dados em uma tabela de distribuição de freqüências. (Use intervalos iguais de 500 reais, iniciando com o intervalo ). Para agruparmos os dados entre , contamos os valores entre 500(incluir) e 1000(não incluir). Esses valores estão pintados na tabela de azul piscina. Para agruparmos os dados entre , contamos os valores entre 1000(incluir) e 1500(não incluir). Esses valores estão pintados na tabela de amarelo. Para agruparmos os dados entre , contamos os valores entre 1500(incluir) e 2000(não incluir). Esses valores estão pintados na tabela de cinza. Para agruparmos os dados entre , contamos os valores entre 2000(incluir) e 2500(não incluir). Esses valores estão pintados na tabela de verde. Para agruparmos os dados entre , contamos os valores entre 2500(incluir) e 3000(não incluir). Esses valores estão pintados na tabela de rosa. Para agruparmos os dados entre , contamos os valores entre 3000(incluir) e 3500(não incluir). Esses valores estão pintados na tabela de Laranja. Veja como ficou o resultado: 18

19 b) Encontre os pontos médios dos intervalos de classe. c) Encontre as freqüências relativas. Devemos lembrar que a soma de todas as freqüências relativas deve ser igual a 1 ou 100%. 19

20 d) Encontre as freqüências acumuladas. A freqüência acumulada da última classe deverá ser igual à freqüência total. e) Desenhe um histograma e o polígono de freqüências para a tabela. 20

21 MÓDULO V - Outros Exercícios resolvidos 1. Analise o gráfico e responda às questões abaixo. Gráfico 14. Gráfico de Barras. a) Qual é a freqüência relativa do intervalo de classe de ponto médio igual a 4? Neste caso, qual é o significado desta freqüência? Freqüência total= =24 pessoas. A freqüência relativa é igual 6 0, 25 ou 25%. 24 Podemos dizer que no dia 02/01/2008, 25% dos clientes demoraram 4 minutos no caixa. b) Qual dos intervalos possui maior freqüência? A maior freqüência é de 8 pessoas, elas demoraram 12 minutos no caixa. c) Qual dos intervalos possui menor freqüência? A menor freqüência é de 2 pessoas, elas demoraram 16 minutos no caixa. 2. Observe o histograma abaixo, onde as notas foram dadas através dos pontos médios das classes e complete a tabela. Gráfico 15. Histograma. 21

22 O intervalo de cada classe é de 2. Podemos calcular os extremos inferiores e superiores de cada classe através do ponto médio e do intervalo de classe, lembrando que: Para o primeiro intervalo de classe temos: Extremo inferior: x Extremo superior: x+2 Ponto médio: 1 e As freqüências são facilmente visíveis no gráfico abaixo: As freqüências relativas e acumuladas são calculadas abaixo: 22

23 3. Uma empresa de aviação recebeu em determinado período algumas reclamações de passageiros, que estão relacionadas na tabela a seguir. Para tal situação, construir um diagrama de pareto. Primeiramente, vamos calcular as freqüências relativas e freqüências relativas acumuladas. 23

24 O gráfico acima é composto da seguinte maneira: o gráfico de barras refere-se às reclamações x freqüências relativas e o gráfico de linha refere-se às reclamações x freqüências relativas acumuladas. 24

25 MÓDULO VI - MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL 6.1 Média aritmética Uma das mais importantes medidas estatísticas utilizadas é a média. Ela é, por exemplo, utilizada no cálculo de nossa média escolar. A média caracteriza o centro da distribuição de freqüências; ela é considerada o ponto de equilíbrio de uma distribuição. Cálculo da média aritmética para dados isolados A média aritmética representada por x, é dada pela soma x 1 x 2... x n, dividida por n (número total da amostra), ou seja: Veja o exemplo a seguir: Um administrador deseja calcular o tempo médio de espera do lanche X TUDO em sua lanchonete. Para isso, analisa uma amostra de 10 pedidos, cujo tempo de espera está listado a seguir: Tabela 1. A média é calculada da seguinte maneira: Cálculo da média aritmética para o caso de distribuição de freqüências. Exemplo: Em uma amostra de 40 parafusos produzidos por uma metalúrgica, foram medidos os diâmetros, em milímetros, conforme a tabela abaixo. Qual é a medida média do diâmetro? Tabela 2. Freqüências. 25

26 Neste caso utilizamos a fórmula:,pois a tabela mostra que existem 5 parafusos com diâmetro igual a 1,1mm, 10 parafusos com diâmetro 1,2 mm e assim por diante. Tabela 3. Veja o outro exemplo a seguir: onde xi é representado pelo ponto médio da classe. 26

27 Tabela 4. Classes de salários. 6.2 Mediana (Me) A mediana é uma medida de tendência central. Ela divide um conjunto ordenado de dados em duas partes com igual número de elementos. No caso de dados isolados temos: Se a amostra é constituída por um número ímpar de elementos, a mediana é o valor que fica no centro dos dados ordenados. Exemplo: 20, 20, 24, 25, 30. A mediana é 24. Se a amostra é constituída por um número par de elementos, a mediana é a média aritmética dos dois valores centrais dos dados ordenados. Exemplo: 20, 20, 24, 26, 30 e 36 A mediana é 27

28 Curiosidade: Para os dados agrupados, a mediana é calculada através da fórmula: onde: Li: limite inferior da classe que contém a mediana. n: freqüência total. fai: soma de todas as freqüências das classes anteriores à mediana. fme: freqüência da classe que contém a mediana. c: amplitude do intervalo da classe da mediana. Qual é a diferença entre média e mediana? Embora sejam duas medidas de tendência central, a média e a mediana possuem conceitos diferentes. Observe o conjunto de dados abaixo: 2, 3, 4, 5, 9, 15, 35, 98. Calculando a média obtemos: Calculando a mediana obtemos: O que podemos perceber nesse caso é que o cálculo da média levou em consideração todos os valores do conjunto de dados numéricos, sendo assim infl uenciada pelos maiores valores. A mediana levou apenas em consideração os seus dois valores centrais. Embora a média aritmética seja bastante utilizada, há casos em que a mediana descreve melhor a situação. Cabe ao pesquisador procurar a medida mais conveniente. 6.3 Moda 28

29 A moda de um conjunto de dados é o valor que ocorre com maior freqüência. Exemplo. Para o conjunto de dados: 10, 12, 12, 23, 12, 25, 20, a moda é 12. Curiosidade: Para os dados agrupados, a moda é calculada através da fórmula:, onde: Li: limite inferior da classe modal. d1: diferença entre a freqüência classe modal e a classe imediatamente anterior. d2: diferença entre a freqüência classe modal e a classe imediatamente seguinte. c: amplitude do intervalo da classe modal. Um conjunto de dados pode ser: Amodal: quando nenhum dado se repete. Exemplo. 2, 3, 5, 9, 10 e 12. Modal: quando um valor se repete. Exemplo: 3, 4, 4, 4, 5, 6, 7 e 9. Moda: 4. Bimodal: quando dois valores se repetem. Exemplo. 3, 4, 4, 5, 6, 6, 7 e 10. Moda: 4 e 6. Trimodal: quando três valores se repetem. Exemplo. 1, 2, 2, 3, 4, 4, 5, 6, 6 e 8. Moda: 2, 4 e 6. Polimodal: mais do que três valores se repetem. Exemplo. 1, 1, 1, 2, 3, 3, 3, 4, 5, 5, 5, 6, 7, 7, 7, 8, 9, 10. Moda: 1, 3, 5 e Medidas de posição (quartis, decis e percentis) Para o conjunto de dados ordenados temos que os valores que dividem o conjunto em quatro partes iguais são denominados quartis. Esses valores que podem ser 29

30 representados por Q1, Q2 e Q3 denominam-se primeiro, segundo e terceiros quartis, respectivamente. Os valores que dividem o conjunto ordenado em dez partes iguais denominam-se decis e os valores que dividem os dados em cem partes iguais percentis. 30

31 MÓDULO VII - EXERCÍCIOS RESOLVIDOS 1. Uma amostra com dez preços de álcool foi extraída em diversos postos no dia 02/01/2007. Os preços em reais são: 1,00 1,25 1,35 1,09 1,19 1,25 1,12 1,45 1,39 1,19 Para a tabela acima determine: a) a mediana. Para o calculo da mediana devemos necessariamente colocar os dados em ordem. (Rol) 1,00 1,09 1,12 1,19 1,19 1,25 1,25 1,35 1,39 1,45 Temos aqui um conjunto com uma quantidade par de elementos (10 elementos). Devemos então fazer a média aritmética dos dois elementos centrais: b) a moda. Para o cálculo da moda não há necessidade de colocar os dados em ordem, porém a visualização dos valores que se repetem fica mais clara. O conjunto de dados é bimodal, pois há no conjunto dois valores que se repetem: 1,19 e 1,25. c) a média. O preço médio do álcool é de R$1,23 (arredondamento de duas casas decimais). 2. O peso em quilogramas de 50 alunos de uma academia está listado na tabela abaixo. 31

32 Tabela 5. Freqüências. Determine a média. Devemos lembrar que essa tabela mostra que existem 2 alunos com peso igual a 54 kg, 4 alunos com 58 kg e assim por diante. O número total de alunos é igual a 50. Neste caso, para o cálculo da média utilizamos a fórmula: Vamos fazer este cálculo utilizando a tabela. Tabela 5. Cálculo da Média. 32

33 O peso médio dos alunos da academia é de 68 kg. b) Moda. A moda é 74 (16 alunos pesam 74 kg). 3. A seguir estão listadas as mensalidades, em reais, do curso de línguas (2 horas semanais) em diversas escolas de um bairro Determine: a) Mediana. Para o calculo da mediana devemos necessariamente colocar os dados em ordem. (Rol) Temos aqui um conjunto com uma quantidade ímpar de elementos (9 elementos). A mediana é o termo central. Me=300. Podemos dizer que 50% dos preços são maiores ou iguais a R$ 300,00 e 50% dos preços são menores ou iguais a R$ 300,00. b) Moda. O conjunto de dados é amodal (nenhum valor se repete). c) Média. 33

34 O valor médio é de R$332, Um nutricionista indicou dietas diferentes para três grupos de pacientes. A tabela indica a perda de peso (em kg) por paciente. Tabela 7. Perda de Peso. Calcule a média, a mediana e a moda para cada um dos grupos. Grupo 1. A moda é igual a 4 kg. Grupo 2. A moda é igual a 2 kg. Grupo 3. 34

35 Bimodal: 4kg e 6 kg. Os resultados estão na tabela a seguir: Tabela 8. Resumo. Levando em consideração a média, podemos dizer que a dieta do grupo 1 foi a que teve mais efeito. A mediana para os grupos 1 e 3 foi a mesma, significando que 50% do peso perdido é maior ou igual a 4,5 kg e 50% menor ou igual a 4,5 kg. 5. Considere o histograma abaixo, para calcular a idade média dos alunos em um curso de Inglês. Gráfico 1. Histograma. 35

36 Para calcular a média, primeiramente vamos transportar os dados do gráfico para uma tabela. Tabela 9. Freqüências. Agora vamos calcular a média: Tabela 10. Cálculo da Média. 36

37 A idade média é 14,10 anos. 37

38 MÓDULO VIII - MEDIDAS DE DISPERSÃO Quando descrevemos nossos dados através das medidas de tendência central, necessitamos muitas vezes de complementos, denominados medidas de dispersão. As medidas de dispersão utilizadas são a amplitude, a variância, o desvio-padrão e o coeficiente de variação. As medidas de dispersão indicam o quanto os dados variam em torno da região central. 8.1 Amplitude A amplitude é a diferença entre o maior e o menor dado observado. Por utilizar apenas os extremos, a amplitude não é uma boa medida de dispersão. No exemplo 2 (capítulo 1) a amplitude é: Variância (s2) A variância é definida como a soma dos quadrados dos desvios dividida pelo tamanho da amostra menos 1. O desvio em relação à média é a diferença entre cada dado (xi) e a média do conjunto. Exemplo: Calcular a variância para o caso abaixo. Tabela 1. Tempo, em minutos. 38

39 No caso de uma distribuição de freqüências usamos a fórmula: onde xi é o ponto médio do intervalo de classe e fié a freqüência de cada classe. Tabela 2. Classes de salários. 8.3 Desvio-padrão (s) O desvio-padrão é a raiz quadrada positiva da variância. Para dados isolados: 39

40 Para dados agrupados: O desvio-padrão é uma das medidas de dispersão de maior interesse nas pesquisas em geral, pois ela é expressa na mesma unidade da variável em estudo. Verifique o exemplo abaixo: Vamos considerar as alturas, em centímetros, de 2 grupos de alunos de uma universidade. Tabela 3. Alturas. Devemos observar que, quanto maior o desvio-padrão, maior será a variação entre os dados analisados, e, quanto menor for o desvio-padrão, menor é a variação entre os dados analisados. No grupo 2, a variação entre as alturas é maior (desviopadrão 18,98 cm), e no grupo 1 (desvio-padrão 1,08 cm), a variação é menor. 8.4 Coeficiente de Variação (CV) O coeficiente de variação é o quociente entre o desvio-padrão e a média. 40

41 Podemos expressar o coeficiente de variação na forma de porcentagem. No exemplo acima temos: Grupo 1, com CV=0,71%, e Grupo 2, com CV=11,08%. 41

42 MÓDULO IX - Exercícios resolvidos 1. A variação do preço, em reais, da lata de óleo de soja em diversos mercados. Preços referentes a 03/01/ ,50 2,70 2,30 2,45 2,60 2,10 2,65 2,15 2,35 2,70 Para os dados acima encontre: a) a média. O preço médio é de R$2,45. b) desvio-padrão. Para facilitar os cálculos, vamos construir uma tabela; veja a seguir: * arredondamento para duas casas decimais. 42

43 2. Para a tabela a seguir, determine: Tabela 4. Produção de Biodiesel. Determine: a) a média e o desvio-padrão da produção de Biodiesel de junho a dezembro de

44 b) a média e o desvio-padrão da produção de Biodiesel de janeiro a outubro de Desvio-Padrão: 44

45 O valor médio da produção de biodiesel, em 2006, foi de 3021,57 m³ e, em 2007, foi de 3112,4 m³. A variação da produção foi maior em A tabela a seguir mostra os preços de venda no mercado atacadista de 3 produtos. 45

46 a) calcule o preço médio de cada produto nos meses de janeiro a outubro de b) calcule o desvio-padrão e o coeficiente de variação de cada produto nos meses de janeiro a outubro de c) analise os resultados do item b. Feijão Carioquinha Tipo 1 46

47 Feijão Carioquinha Tipo 2 47

48 Feijão Preto Tipo 1. Resumindo os nossos dados temos: Após a análise, podemos concluir que o feijão preto tipo 1 possui menor preço médio e também a menor variação de preço. 48

49 Entre o feijão carioquinha tipos 1 e 2, o menor preço médio é o do tipo 2; a variação do tipo 1 é de aproximadamente 3% e a do tipo 2 é de 2,8%. 4. A tabela de freqüências abaixo mostra o número de professores agrupados por classes; de idade de uma Universidade. Calcule a média, a variância e o coeficiente de variação. Para o cálculo da média devemos primeiramente encontrar os pontos médios dos intervalos de classe; veja a seguir: Para o cálculo da média, fazemos: 49

50 *aproximação de duas casas decimais. Para o cálculo da variância temos: 50

51 Para o cálculo do coeficiente de variação temos: 5. Considere a tabela abaixo. Calcule a média, o desvio-padrão e o coeficiente de variação. Para o cálculo da média, temos: Para o desvio-padrão temos: 51

52 Para o coeficiente de variação temos: A média dos salários é de R$1156,67 com um coeficiente de variação de 17,6%. 6. Considere o histograma abaixo e calcule a variância e o coeficiente de variação. A idade média dos alunos já foi calculada no capítulo anterior, basta agora calcularmos o desvio-padrão e o coeficiente de variação. 52

53 A variação das idades dos alunos do curso de Inglês é de 18,87%. 53

54 Referências Bibliográficas LARSON e FARBER. Estatística Aplicada. São Paulo: Prentice Hall, LEVIN, J. e FOX, J.A. Estatística para ciências humanas. São Paulo: Prentice Hall, MOORE, D. A Estatística Básica e sua prática. Rio d Janeiro: LTC, NEUFELD, J. L. Estatística aplicada à Administração usando excel. São Paulo: Pearson Prentice Hall, PEREIRA, P. H. Noções de Estatística. São Paulo: Papirus, SPIEGEL, M. R. Estatística. São Paulo: Makron Books, VIEIRA, S. Introdução a Bioestatística. Rio de Janeiro: Campus,

Medidas de Tendência Central

Medidas de Tendência Central ESTATÍSTICA DESCRITIVA Medidas de Tendência Central 3 MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL 3.1 Média Aritmética Uma das mais importantes medidas estatísticas utilizadas é a média. Ela é, por exemplo, utilizada

Leia mais

O comportamento conjunto de duas variáveis quantitativas pode ser observado por meio de um gráfico, denominado diagrama de dispersão.

O comportamento conjunto de duas variáveis quantitativas pode ser observado por meio de um gráfico, denominado diagrama de dispersão. ESTATÍSTICA INDUTIVA 1. CORRELAÇÃO LINEAR 1.1 Diagrama de dispersão O comportamento conjunto de duas variáveis quantitativas pode ser observado por meio de um gráfico, denominado diagrama de dispersão.

Leia mais

ESTATÍSTICA. Prof. Ari Antonio, Me. Ciências Econômicas. Unemat Sinop 2012

ESTATÍSTICA. Prof. Ari Antonio, Me. Ciências Econômicas. Unemat Sinop 2012 ESTATÍSTICA Prof. Ari Antonio, Me Ciências Econômicas Unemat Sinop 2012 1. Introdução Concepções de Estatística: 1. Estatísticas qualquer coleção consistente de dados numéricos reunidos a fim de fornecer

Leia mais

MÓDULO 1. I - Estatística Básica

MÓDULO 1. I - Estatística Básica MÓDULO 1 I - 1 - Conceito de Estatística Estatística Técnicas destinadas ao estudo quantitativo de fenômenos coletivos e empíricamente observáveis. Unidade Estatística nome dado a cada observação de um

Leia mais

Apresentação de Dados em Tabelas e Gráficos

Apresentação de Dados em Tabelas e Gráficos Apresentação de Dados em Tabelas e Gráficos Os dados devem ser apresentados em tabelas construídas de acordo com as normas técnicas ditadas pela Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística

Leia mais

UNIDADE 3 MEDIDAS DE POSIÇÃO E DISPERSÃO OBJETIVOS ESPECÍFICOS DE APRENDIZAGEM

UNIDADE 3 MEDIDAS DE POSIÇÃO E DISPERSÃO OBJETIVOS ESPECÍFICOS DE APRENDIZAGEM Unidade 2 Distribuições de Frequências e Representação Gráfica UNIDADE 3 MEDIDAS DE POSIÇÃO E DISPERSÃO OBJETIVOS ESPECÍFICOS DE APRENDIZAGEM Ao finalizar esta Unidade, você deverá ser capaz de: Calcular

Leia mais

MATEMÁTICA. Recenseamento/Sondagem ESTATÍSTICA

MATEMÁTICA. Recenseamento/Sondagem ESTATÍSTICA MATEMÁTICA NOME: ANO: TURMA: N.º FICHA INFORMATIVA ESTATÍSTICA A estatística é uma área da Matemática que trata da recolha, organização, resumo e interpretação de dados, e está presente em todos os ramos

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DE FREQÜÊNCIAS

DISTRIBUIÇÃO DE FREQÜÊNCIAS DISTRIBUIÇÃO DE FREQÜÊNCIAS 1 Dados Brutos: são os dados tomados como eles são, de forma desorganizada. Indica-se por x i Rol: são os dados organizados em ordem crescente ou decrescente. Tamanho da amostra:

Leia mais

Faculdade Tecnológica de Carapicuíba Tecnologia em Logística Ênfase em Transportes Notas da Disciplina de Estatística (versão 3.

Faculdade Tecnológica de Carapicuíba Tecnologia em Logística Ênfase em Transportes Notas da Disciplina de Estatística (versão 3. Faculdade Tecnológica de Carapicuíba Tecnologia em Logística Ênfase em Transportes Notas da Disciplina de Estatística (versão 3.1) Estatística Séries Estatística Uma série estatística define-se como toda

Leia mais

4Distribuição de. freqüência

4Distribuição de. freqüência 4Distribuição de freqüência O objetivo desta Unidade é partir dos dados brutos, isto é, desorganizados, para uma apresentação formal. Nesse percurso, seção 1, destacaremos a diferença entre tabela primitiva

Leia mais

Estatística e Probabilidade

Estatística e Probabilidade Estatística e Probabilidade Aula 2 Cap 02 Estatística Descritiva Neste capítulo... estudaremos formas de organizar e descrever conjuntos de dados. O objetivo é tornar os dados mais compreensíveis de modo

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS MATEMÁTICA 7.º ANO PLANIFICAÇÃO GLOBAL Planificação 7º ano 2012/2013 Página 1 DOMÍNIO TEMÁTICO: NÚMEROS

Leia mais

Aulas de Estatística / Prof. Jones Garcia da Mata / www.professorjones.hpg.com.br. Sumário

Aulas de Estatística / Prof. Jones Garcia da Mata / www.professorjones.hpg.com.br. Sumário Capítulo 1: Introdução à Estatística Definição de estatística Sumário É uma ciência que envolve um corpo de técnicas e uma metodologia desenvolvida para a coleta, a tabulação, a classificação e simplificação

Leia mais

Escola Secundária Gabriel Pereira Évora Matemática A 10º ano. Planificação da Unidade Geometria

Escola Secundária Gabriel Pereira Évora Matemática A 10º ano. Planificação da Unidade Geometria Escola Secundária Gabriel Pereira Évora Matemática A 10º ano Planificação da Unidade Geometria 1. Generalidades Objecto da estatística e breve nota histórica sobre a evolução desta ciência; utilidade na

Leia mais

Estatística Básica ESTATÍSTICA BÁSICA

Estatística Básica ESTATÍSTICA BÁSICA RESUMO ESTATÍSTICA BÁSICA Conteúdo 1 Introdução pag 02 2 Organização de Dados Estatísticos pag 03 3 Medidas de Posição pag 14 4 Medidas de Dispersão pag 27 5 Medidas de Assimetria e Curtose pag 32 Alexandre

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MATO GROSSO CAMPUS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MATO GROSSO CAMPUS BIOESTATÍSTICA Aula 0 TÓPICOS ABORDADOS: Introdução a estatística; Coleta de dados; Estatística descritiva; Distribuição de frequências; Notação de somatório Medidas de posição. ESTATÍSTICA É um ramo da

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE MATEMÁTICA 1 a LISTA DE EXERCÍCIOS Bioestatística Professor: Ednaldo Carvalho Guimarães

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE MATEMÁTICA 1 a LISTA DE EXERCÍCIOS Bioestatística Professor: Ednaldo Carvalho Guimarães UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE MATEMÁTICA a LISTA DE EXERCÍCIOS Bioestatística Professor: Ednaldo Carvalho Guimarães ) Um pesquisador obteve os seguintes valores de umidade (%) em casa

Leia mais

NOÇÕES BÁSICAS DE ESTATÍSTICA

NOÇÕES BÁSICAS DE ESTATÍSTICA Curso de Capacitação em Epidemiologia Básica e Análise da Situação de Saúde Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde NOÇÕES BÁSICAS DE ESTATÍSTICA Gleice Margarete de Souza Conceição Airlane

Leia mais

MÉDIA ARITMÉTICA MÉDIA PONDERADA MODA MEDIANA

MÉDIA ARITMÉTICA MÉDIA PONDERADA MODA MEDIANA MÉDIA ARITMÉTICA MÉDIA PONDERADA MODA MEDIANA Em um amostra, quando se têm os valores de uma certa característica, é fácil constatar que os dados normalmente não se distribuem uniformemente, havendo uma

Leia mais

UNIDADE II TABELAS E GRÁFICOS

UNIDADE II TABELAS E GRÁFICOS UNIDADE II TABELAS E GRÁFICOS Conteúdo Programático Construção de tabelas de freqüência Classificação dos gráficos Construção de gráficos de: Barras Setores Histograma Agora vamos assistir a uma Apresentação

Leia mais

Estatística Básica. Fabricio Ferrari. fabricio@ferrari.pro.br

Estatística Básica. Fabricio Ferrari. fabricio@ferrari.pro.br Estatística Básica Fabricio Ferrari fabricio@ferrari.pro.br 2004 Parte I 1 Método científico Método: conjunto de meios e rotinas dispostos convenientemente para se chegar a um fim que se deseja. Método

Leia mais

Distribuição de Freqüência

Distribuição de Freqüência Distribuição de Freqüência Representação do conjunto de dados Distribuições de freqüência Freqüência relativa Freqüência acumulada Representação Gráfica Histogramas Organização dos dados Os métodos utilizados

Leia mais

Distribuição de Freqüências

Distribuição de Freqüências Distribuição de Freqüências Por constituir-se o tipo de tabela importante para a Estatística Descritiva, faremos um estudo completo da distribuição de freqüências. Uma distribuição de freqüências condensa

Leia mais

O que é Estatística?

O que é Estatística? Bioestatística Aula 1 Dados, Populações, Amostras, Tabelas e Gráficos Prof. Tiago A. E. Ferreira O que é Estatística? Segundo a Escola Nacional de Estatística O que modernamente se conhece como Ciências

Leia mais

ESTATÍSTICA. Exemplos: 01. Mergulhar a ponta do pé na água para avaliar a temperatura da piscina, 02. Folhear um livro.

ESTATÍSTICA. Exemplos: 01. Mergulhar a ponta do pé na água para avaliar a temperatura da piscina, 02. Folhear um livro. ESTATÍSTICA Estatística é a parte da matemática aplicada que fornece métodos para a coleta, organização, descrição, análise e interpretação de dados e para a utilização dos mesmos na tomada de decisões.

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO EDUCACIONAL

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO EDUCACIONAL SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO EDUCACIONAL PRODUÇÃO DIDÁTICO-PEDAGÓGICA: UNIDADE DIDÁTICA ESTATÍSTICA: TRABALHANDO

Leia mais

Matemática Ficha de Trabalho/Apoio Tratamento de Dados

Matemática Ficha de Trabalho/Apoio Tratamento de Dados Matemática Ficha de Trabalho/Apoio Tratamento de Dados Constrói um gráfico de barras que represente a informação sobre os animais domésticos dos alunos da turma A. 7ºano Organização e análise de dados

Leia mais

APOSTILA 1 Funções e Estatística Básica

APOSTILA 1 Funções e Estatística Básica ' Disciplina de Matemática Aplicada II Curso Técnico em Mecânica Professora Valéria Espíndola Lessa APOSTILA 1 Funções e Estatística Básica 014 FUNÇÕES Noção de Função A ideia de função surgiu de observações

Leia mais

Índice de Exercícios. Exercício 1.

Índice de Exercícios. Exercício 1. Índice de Exercícios Exercício 1...1 Exercício 2...2 Exercício 3...4 Exercício 4...7 Exercício 5. (Ficha de trabalho de Metrologia e Qualidade módulo 4)...8 Exercício 6. (Ficha de trabalho de Metrologia

Leia mais

Nome: Nº- Série/Ano: Turma: Nível: Matrícula Nº: Data: / / ANÁLISE DE DADOS E INDICADORES SOCIAIS TABULAÇÃO

Nome: Nº- Série/Ano: Turma: Nível: Matrícula Nº: Data: / / ANÁLISE DE DADOS E INDICADORES SOCIAIS TABULAÇÃO Nome: Nº- Série/Ano: Turma: Nível: Matrícula Nº: Data: / / Professores: Eliton Mendes Variável ANÁLISE DE DADOS E INDICADORES SOCIAIS TABULAÇÃO É o objeto da pesquisa. É aquilo que estamos investigando.

Leia mais

ANÁLISE ESTATÍSTICA Uanderson Rebula de Oliveira

ANÁLISE ESTATÍSTICA Uanderson Rebula de Oliveira ANÁLISE ESTATÍSTICA de Oliveira uanderson@csn.com.br www.uandersonrebula.blogspot.com CADERNO DE EXERCÍCIOS Tabelas e Gráficos Estatísticos 1) Classifique as Séries abaixo: ) Construção de tabelas: a)

Leia mais

Estatística Aplicada ao Serviço Social

Estatística Aplicada ao Serviço Social Estatística Aplicada ao Serviço Social Prof a. Juliana Freitas Pires Departamento de Estatística Universidade Federal da Paraíba - UFPB juliana@de.ufpb.br Introdução O que é Estatística? Coleção de métodos

Leia mais

Capítulo 5 Representações gráficas para variáveis quantitativas

Capítulo 5 Representações gráficas para variáveis quantitativas Capítulo 5 Representações gráficas para variáveis quantitativas Introdução Até o capítulo passado, você aprendeu a sintetizar dados a partir de um conjunto desordenado de dados, identificando a quantidade

Leia mais

QUALITATIVA VARIÁVEL QUANTITATIVA

QUALITATIVA VARIÁVEL QUANTITATIVA NOMINAL ORDINAL QUALITATIVA VARIÁVEL QUANTITATIVA DISCRETA CONTÍNUA - Variável qualitativa nominal = valores que expressam atributos, sem nenhum tipo de ordem. Ex: cor dos olhos, sexo, estado civil, presença

Leia mais

elementos. Caso teremos: elementos. Também pode ocorrer o seguinte fato:. Falsa. Justificativa: Caso, elementos.

elementos. Caso teremos: elementos. Também pode ocorrer o seguinte fato:. Falsa. Justificativa: Caso, elementos. Soluções dos Exercícios de Vestibular referentes ao Capítulo 1: 1) (UERJ, 2011) Uma máquina contém pequenas bolas de borracha de 10 cores diferentes, sendo 10 bolas de cada cor. Ao inserir uma moeda na

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010. Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 2º

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010. Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 2º PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Estatística Aplicada à Educação Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 2º 1 - Ementa (sumário, resumo) Estatística: história

Leia mais

Resoluções comentadas de Raciocínio Lógico e Estatística - SEPLAG-2010 - APO

Resoluções comentadas de Raciocínio Lógico e Estatística - SEPLAG-2010 - APO Resoluções comentadas de Raciocínio Lógico e Estatística - SEPLAG-010 - APO 11. O Dia do Trabalho, dia 1º de maio, é o 11º dia do ano quando o ano não é bissexto. No ano de 1958, ano em que o Brasil ganhou,

Leia mais

Estatística Descritiva

Estatística Descritiva Estatística Descritiva Como construir uma distribuição de freqüências. Como construir gráficos de freqüências. Como encontrar medidas de tendência central. Como encontrar medidas de variabilidade. Como

Leia mais

CAP5: Amostragem e Distribuição Amostral

CAP5: Amostragem e Distribuição Amostral CAP5: Amostragem e Distribuição Amostral O que é uma amostra? É um subconjunto de um universo (população). Ex: Amostra de sangue; amostra de pessoas, amostra de objetos, etc O que se espera de uma amostra?

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA TABELAS E GRÁFICOS Departamento de Estatística Luiz Medeiros Tabela de dados multidimensionais Até agora vimos como organizar, resumir e descrever informações referentes

Leia mais

Pesquisa Estatística. Estatística Descritiva. Gestão Ambiental Prof. Luiz Rogério Mantelli

Pesquisa Estatística. Estatística Descritiva. Gestão Ambiental Prof. Luiz Rogério Mantelli Gestão Ambiental Prof. Luiz Rogério Mantelli Pesquisa Estatística Estatística Descritiva São técnicas utilizadas para descrever um conjunto de dados ou apresentá-lo de forma resumida. 1.Gráficos descritivos:

Leia mais

INTRODUÇÃO À INFERÊNCIA ESTATÍSTICA. Estatística II Prof. Salvatore

INTRODUÇÃO À INFERÊNCIA ESTATÍSTICA. Estatística II Prof. Salvatore INTRODUÇÃO À INFERÊNCIA ESTATÍSTICA Estatística II Prof. Salvatore O que é Estatística? A estatística pode ser considerada a Ciência que se preocupa com a organização, análise e interpretação de dados

Leia mais

Distribuição de freqüência

Distribuição de freqüência Curso: Logística e Transportes Disciplina: Estatística Profa. Eliane Cabariti Distribuição de freqüência Dados brutos e rol Como já estudamos, o conjunto de dados numéricos obtidos após a crítica dos valores

Leia mais

BIOESTATÍSTICA ESTATÍSTICA DESCRITIVA: Representação Gráfica

BIOESTATÍSTICA ESTATÍSTICA DESCRITIVA: Representação Gráfica BIOESTATÍSTICA ESTATÍSTICA DESCRITIVA: Representação Gráfica Guilherme Peña Cespedes Departamento de Estatística Universidade Federal do Amazonas Manaus, AM - Brasil Utilizamos ferramentas gráficas para

Leia mais

ORGANIZAÇÃO E TRATAMENTO DE DADOS Nome: N.º Turma / /201

ORGANIZAÇÃO E TRATAMENTO DE DADOS Nome: N.º Turma / /201 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA BOA ÁGUA 172388 Escola Básica Integrada da Boa Água EB1 n.º2 da Quinta do Conde EB1/JI do Pinhal do General JI do Pinhal do General Departamento

Leia mais

Probabilidade. Renata Souza. Introdução. Tabelas Estatísticas. População, Amostra e Variáveis. Gráficos e Distribuição de Freqüências

Probabilidade. Renata Souza. Introdução. Tabelas Estatísticas. População, Amostra e Variáveis. Gráficos e Distribuição de Freqüências Probabilidade Introdução Tabelas Estatísticas População, Amostra e Variáveis Gráficos e Distribuição de Freqüências Renata Souza Conceitos Antigos de Estatística stica a) Simples contagem aritmética Ex.:

Leia mais

ESTATÍSTICA ORGANIZAÇÃO E REPRESENTAÇÃO DE DADOS. Tabelas. Frequência absoluta. Frequência relativa

ESTATÍSTICA ORGANIZAÇÃO E REPRESENTAÇÃO DE DADOS. Tabelas. Frequência absoluta. Frequência relativa Tabelas. Frequência absoluta. Frequência relativa Com a análise de uma turma, elaborou as seguintes Tabelas: Tabelas. Frequência absoluta. Frequência relativa Perguntou-se a cada aluno a altura e obteve-se

Leia mais

Escola Secundária Manuel Cargaleiro

Escola Secundária Manuel Cargaleiro Escola Secundária Manuel Cargaleiro Curso Científico- Natural Professora: Nota: Observações: Este trabalho foi elaborado por: - Nuno Valverde n.º 12 - Pedro Valverde n.º 14 - Pedro Andrez n.º 15 - Pedro

Leia mais

ESTATÍSTICA. aula 1. Insper Ibmec São Paulo. Prof. Dr. Marco Antonio Leonel Caetano

ESTATÍSTICA. aula 1. Insper Ibmec São Paulo. Prof. Dr. Marco Antonio Leonel Caetano ESTATÍSTICA aula 1 Prof. Dr. Marco Antonio Leonel Caetano Insper Ibmec São Paulo ESTATÍSTICA COISAS DO ESTADO ESTATÍSTICA: - Apresentação e Análise de dados - Tomadas de Decisões baseadas em análises -

Leia mais

FUNÇÃO REAL DE UMA VARIÁVEL REAL

FUNÇÃO REAL DE UMA VARIÁVEL REAL Hewlett-Packard FUNÇÃO REAL DE UMA VARIÁVEL REAL Aulas 01 a 04 Elson Rodrigues, Gabriel Carvalho e Paulo Luís Ano: 2015 Sumário INTRODUÇÃO AO PLANO CARTESIANO... 2 PRODUTO CARTESIANO... 2 Número de elementos

Leia mais

Estatística Aplicada ao Serviço Social Módulo 1:

Estatística Aplicada ao Serviço Social Módulo 1: Estatística Aplicada ao Serviço Social Módulo 1: Introdução à Estatística Importância da Estatística Fases do Método Estatístico Variáveis estatísticas. Formas Iniciais de Tratamento dos Dados Séries Estatísticas.

Leia mais

CAPÍTULO 1- OPERAÇÕES COM NÚMEROS INTEIROS Indicadores de aprendizagem Verifica se sabes: Identificar o conjunto dos números inteiros.

CAPÍTULO 1- OPERAÇÕES COM NÚMEROS INTEIROS Indicadores de aprendizagem Verifica se sabes: Identificar o conjunto dos números inteiros. CAPÍTULO 1- OPERAÇÕES COM NÚMEROS INTEIROS Identificar o conjunto dos números inteiros. Representar na recta numérica os números inteiros. Indicar o valor absoluto e o simétrico de um número. Comparar

Leia mais

André Ito ROTEIRO DE ESTUDOS DE RECUPERAÇÃO E REVISÃO

André Ito ROTEIRO DE ESTUDOS DE RECUPERAÇÃO E REVISÃO Pág. 1 de 7 Aluno (: Disciplina Matemática Curso Professor Ensino Fundamental II André Ito ROTEIRO DE ESTUDOS DE RECUPERAÇÃO E REVISÃO Série 8º ANO Número: 1 - Conteúdo: Equações de 1º grau (Operações,

Leia mais

ActivALEA. active e actualize a sua literacia

ActivALEA. active e actualize a sua literacia ActivALEA active e actualize a sua literacia N.º 25 HIISTOGRAMA Por: Maria Eugénia Graça Martins Departamento de Estatística e Investigação Operacional da FCUL memartins@fc.ul.pt Emília Oliveira Escola

Leia mais

Estatística Aplicada às Ciências Sociais e Ambientais. Organização da Disciplina. Conteúdo da Aula. Contextualização. Farmácia Industrial UFPR

Estatística Aplicada às Ciências Sociais e Ambientais. Organização da Disciplina. Conteúdo da Aula. Contextualização. Farmácia Industrial UFPR Estatística Aplicada às Ciências Sociais e Ambientais Apresentação Aula 1 Prof. Daniel de Christo Farmácia Industrial UFPR Mestrado em Genética UFPR Lecionando no Ensino Superior desde 2003 Organização

Leia mais

1ª Actividade Formativa

1ª Actividade Formativa 1ª Actividade Formativa 1. Foi feito um inquérito a um grupo de 40 compradores de carros novos, de determinada marca, para determinar quantas reparações ou substituições de peças foram feitas durante o

Leia mais

AULA 03 Resumos e Gráficos de Dados

AULA 03 Resumos e Gráficos de Dados 1 AULA 03 Resumos e Gráficos de Dados Ernesto F. L. Amaral 17 de agosto de 2010 Metodologia de Pesquisa (DCP 854B) Fonte: Triola, Mario F. 2008. Introdução à estatística. 10 ª ed. Rio de Janeiro: LTC.

Leia mais

Possibilitar ao candidato condições para que ele possa fazer uma breve revisão dos conteúdos no ensino fundamental.

Possibilitar ao candidato condições para que ele possa fazer uma breve revisão dos conteúdos no ensino fundamental. INTRODUÇÃO Esse trabalho abordará alguns conceitos importantes sobre a Matemática no Ensino Fundamental. Além desse material, indicamos que você leia livros, acesse sites relacionados à Matemática para

Leia mais

Elementos de Estatística

Elementos de Estatística Elementos de Estatística Lupércio F. Bessegato & Marcel T. Vieira UFJF Departamento de Estatística 2013 Apresentação Lupércio França Bessegato lupercio.bessegato@ufjf.edu.br Departamento de Estatística

Leia mais

Aula 00 Curso: Noções de Estatística p/ Auditor TCU Professor: Fábio Amorim

Aula 00 Curso: Noções de Estatística p/ Auditor TCU Professor: Fábio Amorim Aula 00 Curso: Noções de Estatística p/ Auditor TCU Professor: Fábio Amorim Prof. Fábio Amorim 1 de 38 Olá pessoal! Curso: Noções de Estatística p/ Auditor TCU Sejam bem vindos ao Exponencial Concursos!

Leia mais

Estatística descritiva. Também designada Análise exploratória de dados ou Análise preliminar de dados

Estatística descritiva. Também designada Análise exploratória de dados ou Análise preliminar de dados Estatística descritiva Também designada Análise exploratória de dados ou Análise preliminar de dados 1 Estatística descritiva vs inferencial Estatística Descritiva: conjunto de métodos estatísticos que

Leia mais

Análise descritiva de Dados. a) Média: (ou média aritmética) é representada por x e é dada soma das observações, divida pelo número de observações.

Análise descritiva de Dados. a) Média: (ou média aritmética) é representada por x e é dada soma das observações, divida pelo número de observações. Análise descritiva de Dados 4. Medidas resumos para variáveis quantitativas 4.1. Medidas de Posição: Considere uma amostra com n observações: x 1, x,..., x n. a) Média: (ou média aritmética) é representada

Leia mais

Leia o texto abaixo para resolver as questões sobre população e amostra.

Leia o texto abaixo para resolver as questões sobre população e amostra. Leia o texto abaixo para resolver as questões sobre população e amostra. População e amostra População e amostra referem-se ao conjunto de entes cujas propriedades desejamos averiguar. População estatística

Leia mais

Curso: Logística e Transportes Disciplina: Estatística Profa. Eliane Cabariti

Curso: Logística e Transportes Disciplina: Estatística Profa. Eliane Cabariti Curso: Logística e Transportes Disciplina: Estatística Profa. Eliane Cabariti Medidas de Posição Depois de se fazer a coleta e a representação dos dados de uma pesquisa, é comum analisarmos as tendências

Leia mais

Distribuição de probabilidades

Distribuição de probabilidades Luiz Carlos Terra Para que você possa compreender a parte da estatística que trata de estimação de valores, é necessário que tenha uma boa noção sobre o conceito de distribuição de probabilidades e curva

Leia mais

Distribuição de Frequência

Distribuição de Frequência Distribuição de Frequência Tabela de requências Tabela de classiicação simples Tabela de classiicação cruzada Representação gráica Histograma Polígono de requências Distribuição de requências e gráicos

Leia mais

EXERCÍCIOS EXERCÍCIOS. Definições Básicas. Definições Básicas. Definições Básicas. Introdução à Estatística. Dados: valores de variáveis observadas.

EXERCÍCIOS EXERCÍCIOS. Definições Básicas. Definições Básicas. Definições Básicas. Introdução à Estatística. Dados: valores de variáveis observadas. Definições Básicas Introdução à Estatística ESTATÍSTICA: estudo dos métodos para coletar, organizar, apresentar e analisar dados. População: conjunto constituído por todos os indivíduos que apresentem

Leia mais

Métodos Quantitativos Prof. Ms. Osmar Pastore e Prof. Ms. Francisco Merlo. Funções Exponenciais e Logarítmicas Progressões Matemáticas

Métodos Quantitativos Prof. Ms. Osmar Pastore e Prof. Ms. Francisco Merlo. Funções Exponenciais e Logarítmicas Progressões Matemáticas Métodos Quantitativos Prof. Ms. Osmar Pastore e Prof. Ms. Francisco Merlo Funções Exponenciais e Logarítmicas Progressões Matemáticas Funções Exponenciais e Logarítmicas. Progressões Matemáticas Objetivos

Leia mais

AV1 - MA 12-2012. (b) Se o comprador preferir efetuar o pagamento à vista, qual deverá ser o valor desse pagamento único? 1 1, 02 1 1 0, 788 1 0, 980

AV1 - MA 12-2012. (b) Se o comprador preferir efetuar o pagamento à vista, qual deverá ser o valor desse pagamento único? 1 1, 02 1 1 0, 788 1 0, 980 Questão 1. Uma venda imobiliária envolve o pagamento de 12 prestações mensais iguais a R$ 10.000,00, a primeira no ato da venda, acrescidas de uma parcela final de R$ 100.000,00, 12 meses após a venda.

Leia mais

ESTATÍSTICA 3 ROTEIRO PARA PESQUISAS DESCRITIVA E EXPERIMENTAL

ESTATÍSTICA 3 ROTEIRO PARA PESQUISAS DESCRITIVA E EXPERIMENTAL ESTATÍSTICA 1 INTRODUÇÃO Desde a antiguidade vários povos já registravam o número de habitantes, de nascimentos, de óbitos, faziam estimativas das riquezas individual e social, distribuíam eqüitativamente

Leia mais

Estudo de funções parte 2

Estudo de funções parte 2 Módulo 2 Unidade 3 Estudo de funções parte 2 Para início de conversa... Taxa de desemprego no Brasil cai a 5,8% em maio A taxa de desempregados no Brasil caiu para 5,8% em maio, depois de registrar 6%

Leia mais

9 é MATEMÁTICA. 26. O algarismo das unidades de (A) 0. (B) 1. (C) 3. (D) 6. (E) 9.

9 é MATEMÁTICA. 26. O algarismo das unidades de (A) 0. (B) 1. (C) 3. (D) 6. (E) 9. MATEMÁTICA 6. O algarismo das unidades de (A) 0. (B) 1. (C) 3. (D) 6. (E) 9. 10 9 é 7. A atmosfera terrestre contém 1.900 quilômetros cúbicos de água. Esse valor corresponde, em litros, a (A) (B) (C) (D)

Leia mais

Resoluções comentadas de Raciocínio Lógico e Estatística SEFAZ - Analista em Finanças Públicas Prova realizada em 04/12/2011 pelo CEPERJ

Resoluções comentadas de Raciocínio Lógico e Estatística SEFAZ - Analista em Finanças Públicas Prova realizada em 04/12/2011 pelo CEPERJ Resoluções comentadas de Raciocínio Lógico e Estatística SEFAZ - Analista em Finanças Públicas Prova realizada em 04/1/011 pelo CEPERJ 59. O cartão de crédito que João utiliza cobra 10% de juros ao mês,

Leia mais

Faculdade Sagrada Família

Faculdade Sagrada Família AULA 1 - INTRODUÇÃO DADOS ESTATÍSTICOS Toda informação devidamente coletada e registrada quer seja na forma de contagem ou de medição é um dado estatístico. Ex: indústria, lojas, empresa contábil, secretaria

Leia mais

Lista de Exercícios 1 - Estatística Descritiva

Lista de Exercícios 1 - Estatística Descritiva 1. O arquivo satisfaçãocomuniversidade.xlsx contém informações de uma amostra de 400 alunos de uma universidade. Deseja-se construir um histograma para a variável desempenho acadêmico, com intervalos de

Leia mais

Análise de Arredondamento em Ponto Flutuante

Análise de Arredondamento em Ponto Flutuante Capítulo 2 Análise de Arredondamento em Ponto Flutuante 2.1 Introdução Neste capítulo, chamamos atenção para o fato de que o conjunto dos números representáveis em qualquer máquina é finito, e portanto

Leia mais

Estatística. Javert Guimarães Falco Roberto José Medeiros Junior PARANÁ

Estatística. Javert Guimarães Falco Roberto José Medeiros Junior PARANÁ Estatística Javert Guimarães Falco Roberto José Medeiros Junior PARANÁ Curitiba-PR 2012 Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria de Educação a Distância 2012 INSTITUTO

Leia mais

AULAS 04 E 05 Estatísticas Descritivas

AULAS 04 E 05 Estatísticas Descritivas 1 AULAS 04 E 05 Estatísticas Descritivas Ernesto F. L. Amaral 19 e 28 de agosto de 2010 Metodologia de Pesquisa (DCP 854B) Fonte: Triola, Mario F. 2008. Introdução à estatística. 10 ª ed. Rio de Janeiro:

Leia mais

Capítulo 3 Organização e síntese de dados

Capítulo 3 Organização e síntese de dados Capítulo 3 Organização e síntese de dados L E I T u R A C R í T I C A D E A R T I G O S C I E N T í F I CO S 3 3.. Introdução Neste capítulo, serão abordados alguns aspectos que podem ser utilizados para

Leia mais

6) Estatística Gráfica:

6) Estatística Gráfica: Estatística Descritiva Básica prof. Ilydio Pereira de Sá 36 UNIDADE II: ESTATÍSTICA GRÁFICA E MEDIDAS DE POSIÇÃO OU TENDÊNCIA CENTRAL Gráficos: barras, colunas, histogramas e polígonos de freqüências.

Leia mais

LISTA DE MATEMÁTICA. Aluno(a): Nº. 1. Determinada editora pesquisou o número de páginas das revistas mais vendidas em uma cidade.

LISTA DE MATEMÁTICA. Aluno(a): Nº. 1. Determinada editora pesquisou o número de páginas das revistas mais vendidas em uma cidade. LISTA DE MATEMÁTICA Aluno(a): Nº. Professor: Rosivane Série: 2 ano Disciplina: Matematica Data da prova: Pré Universitário Uni-Anhanguera MEDIDAS DE DISPERSÃO 1. Determinada editora pesquisou o número

Leia mais

Agrupamento de Escolas Eugénio de Castro 1º Ciclo. Critérios de Avaliação. Ano Letivo 2015/16 Disciplina MATEMÁTICA 3.º Ano

Agrupamento de Escolas Eugénio de Castro 1º Ciclo. Critérios de Avaliação. Ano Letivo 2015/16 Disciplina MATEMÁTICA 3.º Ano Agrupamento de Escolas Eugénio de Castro 1º Ciclo Critérios de Avaliação Ano Letivo 2015/16 Disciplina MATEMÁTICA 3.º Ano Números e Operações Números naturais Utilizar corretamente os numerais ordinais

Leia mais

Procedimentos de Análise Exploratória de Dados utilizando o Br.Office Calc Professor Marcelo Menezes Reis

Procedimentos de Análise Exploratória de Dados utilizando o Br.Office Calc Professor Marcelo Menezes Reis Procedimentos de Análise Exploratória de Dados utilizando o Br.Office Calc Professor Marcelo Menezes Reis Análise Exploratória de Dados utilizando o Calc ÍNDICE ANALÍTICO 1) Procedimentos para variáveis

Leia mais

Estudo de funções parte 2

Estudo de funções parte 2 Módulo 2 Unidade 13 Estudo de funções parte 2 Para início de conversa... Taxa de desemprego no Brasil cai a 5,8% em maio A taxa de desempregados no Brasil caiu para 5,8% em maio, depois de registrar 6%

Leia mais

OBS. Essas fórmulas acima, são para determinar os termos da mediana (posição)

OBS. Essas fórmulas acima, são para determinar os termos da mediana (posição) FÓRMULAS 1) Amplitude total da amostra A= Ls Li EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO 2) Amplitude do intervalo de classe c= Ls Li 3) Média aritmética X = Xi n 3.1) Média aritmética para dados dispostos em freqüência

Leia mais

PLANIFICAÇÃO ANUAL MATEMÁTICA 3 DOMÍNIOS OBJETIVOS ATIVIDADES

PLANIFICAÇÃO ANUAL MATEMÁTICA 3 DOMÍNIOS OBJETIVOS ATIVIDADES PLANIFICAÇÃO ANUAL MATEMÁTICA 3 DOMÍNIOS OBJETIVOS ATIVIDADES Números naturais Conhecer os numerais ordinais Utilizar corretamente os numerais ordinais até centésimo. Contar até um milhão Estender as regras

Leia mais

Curso: Logística e Transportes Disciplina: Estatística Profa. Eliane Cabariti. Distribuição Normal

Curso: Logística e Transportes Disciplina: Estatística Profa. Eliane Cabariti. Distribuição Normal Curso: Logística e Transportes Disciplina: Estatística Profa. Eliane Cabariti Distribuição Normal 1. Introdução O mundo é normal! Acredite se quiser! Muitos dos fenômenos aleatórios que encontramos na

Leia mais

36ª Olimpíada Brasileira de Matemática GABARITO Segunda Fase

36ª Olimpíada Brasileira de Matemática GABARITO Segunda Fase 36ª Olimpíada Brasileira de Matemática GABARITO Segunda Fase Soluções Nível 1 Segunda Fase Parte A CRITÉRIO DE CORREÇÃO: PARTE A Na parte A serão atribuídos 5 pontos para cada resposta correta e a pontuação

Leia mais

Ferramentas da Qualidade. Professor: Fabrício Maciel Gomes fmgomes@usp.br

Ferramentas da Qualidade. Professor: Fabrício Maciel Gomes fmgomes@usp.br Ferramentas da Qualidade Professor: Fabrício Maciel Gomes fmgomes@usp.br ABORDAGENS DA QUALIDADE ABORDAGENS DA QUALIDADE Desde que a Qualidade se tornou um atributo do processo produtivo, ela vem sendo

Leia mais

Capítulo 5 Apresentação Estatística - Gráficos e Tabelas.

Capítulo 5 Apresentação Estatística - Gráficos e Tabelas. Capítulo 5 Apresentação Estatística - Gráficos e Tabelas. 5.1 - OBJETIVO DO CAPÍTULO Um dos objetivos da Estatística é sintetizar os valores que uma ou mais variáveis podem assumir, para que tenhamos uma

Leia mais

OFICINA DE JOGOS APOSTILA DO PROFESSOR

OFICINA DE JOGOS APOSTILA DO PROFESSOR OFICINA DE JOGOS APOSTILA DO PROFESSOR APRESENTAÇÃO Olá professor, Essa apostila apresenta jogos matemáticos que foram doados a uma escola de Blumenau como parte de uma ação do Movimento Nós Podemos Blumenau.

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS 3

LISTA DE EXERCÍCIOS 3 DISCIPLINA: CÁLCULO DAS PROBABILIDADES E ESTATÍSTICA I PERÍODO: 2013.2 LISTA DE EXERCÍCIOS 3 1) Uma empresa fabricante de pastilhas para freio efetua um teste para controle de qualidade de seus produtos.

Leia mais

Apostila para o minicurso. Estatística Básica. Usando o

Apostila para o minicurso. Estatística Básica. Usando o Apostila para o minicurso Estatística Básica Usando o Professor José Cardoso Neto Departamento de Estatística ICE/UFAM 1. Sumário 1. Conceitos fundamentais 1.1. A estatística e sua importância 1.2. População

Leia mais

FUNÇÃO DO 1º GRAU. Vamos iniciar o estudo da função do 1º grau, lembrando o que é uma correspondência:

FUNÇÃO DO 1º GRAU. Vamos iniciar o estudo da função do 1º grau, lembrando o que é uma correspondência: FUNÇÃO DO 1º GRAU Vamos iniciar o estudo da função do 1º grau, lembrando o que é uma correspondência: Correspondência: é qualquer conjunto de pares ordenados onde o primeiro elemento pertence ao primeiro

Leia mais

MINICURSO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA NO DIA A DIA

MINICURSO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA NO DIA A DIA PORCENTAGEM MINICURSO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA NO DIA A DIA Quando é dito que 40% das pessoas entrevistadas votaram no candidato A, esta sendo afirmado que, em média, de cada pessoas, 40 votaram no candidato

Leia mais

Qualidade é o grau no qual um conjunto de características inerentes satisfaz a requisitos. ISO 9001:2008

Qualidade é o grau no qual um conjunto de características inerentes satisfaz a requisitos. ISO 9001:2008 1 Sumário 1. 2. 3. 4. 5. 6. 7. Introdução...3 Ferramentas da Qualidade...4 Fluxograma...5 Cartas de Controle...7 Diagrama de Ishikawa...9 Folha de Verificação...11 Histograma...13 8. 9. 10. Gráfico de

Leia mais

Controle de qualidade total. Profa Rejane Tubino

Controle de qualidade total. Profa Rejane Tubino Controle de qualidade total Profa Rejane Tubino FERRAMENTAS BÁSICAS DA QUALIDADE Objetivo Auxiliar no processo de melhoria contínua FERRAMENTAS DA QUALIDADE 1. Diagrama de pareto 2. Diagrama de causa e

Leia mais

Vamos conversar sobre BRUNI

Vamos conversar sobre BRUNI Vamos conversar sobre Capítulo 1 Objetivos dos slides Aviso importante!!! Estes slides apresentam o conteúdo do livro Estatística Aplicada à Gestão Empresarial, de Adriano Leal Bruni, publicado pela Editora

Leia mais

Estatística: Conceitos e Organização de Dados. Introdução Conceitos Método Estatístico Dados Estatísticos Tabulação de Dados Gráficos

Estatística: Conceitos e Organização de Dados. Introdução Conceitos Método Estatístico Dados Estatísticos Tabulação de Dados Gráficos Estatística: Conceitos e Organização de Dados Introdução Conceitos Método Estatístico Dados Estatísticos Tabulação de Dados Gráficos Introdução O que é Estatística? É a parte da matemática aplicada que

Leia mais