ROMANTISMO PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS LITERÁRIAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ROMANTISMO PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS LITERÁRIAS"

Transcrição

1 ROMANTISMO O Romantismo foi uma estética artística surgida no início do século XVIII, que provocou uma verdadeira revolução na produção literária da época. Retratando a força dos sentimentos, ela propôs o rompimento da postura racional da estética árcade, passando a interpretar a realidade pelo filtro da emoção, combinada à originalidade e ao racionalismo. A estética romântica substitui a exaltação da nobreza pela valorização do indivíduo e de seu caráter. Em lugar de louvar a beleza clássica, que exige a perfeição, o artista romântico elogia o esforço individual, a sinceridade e o trabalho. Pouco a pouco, os valores burgueses vão sendo apresentados como modelos de comportamento social nas obras de arte que começam a ser produzidas. PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS LITERÁRIAS O Romantismo pode ser definido como uma arte da burguesia, tentando criar uma identidade estética para o burguês. O primeiro passo para alcançar esse objetivo é valorizar, na obra literária, o indivíduo e toda a sua complexidade emocional, abolindo o controle racional. Os textos literários traçarão o perfil de heróis que precisam agir, sofrer, superar obstáculos de toda natureza para se qualificarem como exemplares. O Romantismo considera a imaginação superior à razão e à beleza, porque ela não conhece limites. Assim, os artistas românticos encontram, na própria individualidade, as referências para a originalidade e para a interpretação própria da realidade, traduzida pelas emoções que sentem. O público que lê os textos românticos tem um perfil bem mais heterogêneo do que o restrito público dos séculos anteriores, já que a linguagem utilizada nos romances românticos era passional, direta, não seguindo, necessariamente, os padrões estéticos da herança literária. Para conquistar o público, a

2 leitura também tinha de ser um momento de diversão e entretenimento. Como a sociedade herdou os processos racionais e iluministas dos séculos anteriores, os românticos desejavam mudar essa mentalidade. De certa forma, seu sentimento de desajustamento social é verdadeiro e nasce do confronto entre os valores que defende, centrados no subjetivismo e na emoção, e os que organizam a sociedade em que vive. A fuga da realidade, o medievalismo e a linguagem romântica O embate entre esses dois sistemas de valores ganha forma na fuga da realidade, um dos temas mais explorados pela literatura romântica. A morte passa a ser vista como possibilidade de fuga do real e, por isso, é idealizada. Ela se manifesta como opção e alívio para os males do mundo ou para o encontro definitivo dos amantes, separados pelos obstáculos da realidade. Além da morte, o mundo dos sonhos torna-se um espaço de fuga para o romântico, onde o escritor projeta suas utopias pessoas e sociais. O passado, apresentado de modo completamente idealizado, também acolhe o olhar subjetivo do autor que se sente deslocado na sociedade. Os temas medievais, cheios de harmonia, sentimentos nobres e feitos heroicos, foram resgatados. Recuperar o passado histórico significava reconstruir os passos de um povo e reconhecer os símbolos de sua identidade; portanto, o nacionalismo foi retomado, somando um forte sentimento de orgulho de sua pátria. A linguagem dos textos românticos é marcada pela liberdade formal: para expressar o arrebatamento romântico, os autores recorrem à adjetivação constante e abandonam as fórmulas literárias, com rigorosos esquemas métricos e rimas. A

3 preocupação em demonstrar a subjetividade foi enorme; nos textos literários, ela era traduzida por meio da pontuação, enchendo de pontos de exclamações, interrogações e reticências. Os autores românticos, apesar de deixarem a estética formal de lado, se preocupavam em livrar do racionalismo e centrar no subjetivismo e nas emoções. O principal autor português foi Almeida Garrett ( ), que comandou a missão de resgatar o passado glorioso de seu povo, encontrando figuras históricas que pudessem representar o caráter dos portugueses que, aos poucos, recuperavam sua soberania. Seus romances românticos traduziam a ideia de um país em transformação, dividido nos embates entre o antigo e o novo. ROMANTISMO NO BRASIL O contexto histórico no Brasil, no início do século XIX, era muito dinâmico. A chegada do imperador D. Pedro I, em 1808, trouxe mudanças significativas tanto na economia e na política, quanto no social: a europeização cresceu demasiadamente. A proclamação da independência, em 1822, trouxe uma inspiração para os jovens idealistas, que começaram a buscar símbolos verdadeiramente brasileiros, inclusive na literatura. No Brasil, o romantismo assume três gerações, de acordo com as características que cada uma possui. A PRIMEIRA GERAÇÃO ROMÂNTICA: nacionalista ou indianista A emancipação política, em 1822, trouxe a urgência de criar referencias concretas que consolidassem a ideia de uma nação brasileira, separada de Portugal. Muitos jovens intelectuais abraçaram a missão de escrever os textos que apresentariam, para brasileiros e estrangeiros, a face do novo país

4 independente como uma nação, longe da importação de temas, formas e valores portugueses. O modo de construir a consciência nacionalista era valorizar a cultura local. Assim, a intenção dos poetas da primeira geração era divulgar uma identidade nacional que, além de promover o sentimento de amor à pátria, também nos libertasse das influências literárias portuguesas. Os textos literários eram escritos para divulgar a imagem do índio e da natureza americana como elementos definidores da natureza, sendo conhecidos como nativistas ou indianistas. Os românticos projetarão o espírito do homem livre e incorruptível nos índios numa imagem bastante idealizada, tentando encontrar um veículo ideal para os valores e princípios que desejavam apresentar ao público leitor. A idealização, inclusive, era extensamente utilizada: muitas vezes, a representação literária dos elementos nacionais ganhava o tom exagerado da saudade dos exilados. Estimulados pela criação da Imprensa Régia, o público recebeu abertamente a poesia romântica, que logo fez um sucesso imediato. Apesar do Romantismo em si ter uma liberdade formal, os textos da primeira geração que encantavam o povo brasileiro eram marcados pelo controle da métrica e pela escolha das rimas. Havia uma delicada caracterização da natureza brasileira, promovendo uma identificação entre ela e os índios. O escritor Gonçalves Dias ( ) foi o grande nome da primeira geração romântica. Em sua poesia, ele abordou os grandes temas românticas: natureza, pátria e religião. O casamento entre a expressão dos sentimentos individuais, a idealização, a religião e a natureza mostra a força da vinculação de Gonçalves ao arrebatamento romântico. Seus poemas indianistas e líricos são consagrados até hoje; no campo do lirismo, o autor explorava o clássico amor romântico, relatando os sofrimentos da vida, da solidão e da morte.

5 A SEGUNDA GERAÇÃO ROMÂNTICA: ultrarromantismo A segunda geração romântica foi marcada pelo ultrarromantismo, que era caracterizado pela adoção de uma postura exagerada, associada ao arrebatamento sentimental. Os ultrarromânticos levaram a extremos a expressão de sentimentos contraditórios, vividos pela maioria deles de modo atormentado. Assim, eles se mostraram mais voltados para o próprio coração do que para os grandes temas que definiram a primeira geração. A idealização absoluta e o interesse por duas ideias essencialmente românticas, amor e morte, definem o projeto literário da segunda geração. Havia uma expressão exacerbada de um subjetivismo pessimista, sendo marcado pelo desejo da evasão da realidade, pela atração pelo mistério, e ainda pela consciência da inadaptação do artista à sociedade em que vive. Os temas dos ultrarromânticos permaneceram essencialmente os mesmos. A idealização da mulher virginal também era uma forma poética encontrada para traduzir, em imagens, os sentimentos arrebatados que vivenciavam os poetas ultrarromânticos. A morte era, de certa maneira, uma forma de sedução para os autores, uma vez que ela garante o término da agonia de viver; é no contexto das desilusões e da maneira pessimista de encarar a própria existência que a morte surge como uma solução. Os ultrarromânticos conviviam num estreito espaço acadêmico, que estimulava a troca de textos e fazia com que os autores fossem leitores uns dos outros, realimentando o interesse por temas associados à expressão de sentimentos individuais. A vida boêmia facilitava a aceitação, sem juízo moral, dos textos dos membros das sociedades. A leitura e a discussão dessa produção literária fornecia aos poetas um público de perfil intelectualmente respeitável. Eram todos leitores dos versos arrebatados de Byron e Alfred de Musset, ultrarromânticos europeus.

6 Para reforçarem a ideia dos temas associados ao amor e à morte, os autores do período fazem uso recorrente de algumas palavras que os auxiliam a construir as imagens de saudade, solidão, morte e pessimismo. A adjetivação pálida e o uso de expressões depressivas registravam um olhar mais pessimista para a vida. A série de vocábulos melancólicos também será utilizada para caracterizar a beleza feminina etérea idolatrada pelos autores. O poeta mais lido do ultrarromantismo brasileiro foi Casimiro de Abreu ( ), utilizando uma musicalidade em seus versos, que acentuava a suavidade e facilitava a memorização dos poemas. O escritor valorizava o tratamento sensível de temas como a saudade, a natureza e o desejo, sem a carga de pessimismo e culpa que aparece em outros autores da época. Outro autor bastante popular foi Álvares de Azevedo ( ), que explorou o tema dos desesperos passionais, tratados a partir de duas perspectivas: a série a irônica. Em sua obra Lira dos Vinte Anos, o autor divide a primeira parte pelo sentimentalismo e pelo egocentrismo típicos dos ultrarromânticos, e a segunda parte com pitadas de humor, ironia e sarcasmo. A TERCEIRA GERAÇÃO ROMÂNTICA: o Condoreirismo A partir da terceira geração, os poetas trataram mais de temas relacionados a questões sociais, sendo participantes da vertente social do Condoreirismo. Os condoreiros eram estimulados pelas condições brasileiras da época, que eram marcadas pela escravidão e pela pressão constante para o abolicionismo; portanto, o lema da liberdade era constante em seus poemas. A poesia, até então expressão subjetiva de um sentimentalismo exacerbado, torna-se um instrumento de uma causa social, priorizando, principalmente, a libertação dos escravos e a denúncia das injustiças sociais por meio da poesia. Os

7 condoreiros participavam apaixonadamente dos debates sociais, influenciando uma literatura mais engajada e mais consciente do contexto brasileiro do momento. Para divulgarem suas ideias abolicionistas e deflagrarem a precariedade da situação brasileira, os condoreiros procuravam atingir um público mais numeroso. Assim, os poetas vão aos teatros, às sacadas dos jornais e às praças públicas declamar seus versos, sendo poetas-oradores. Composta para ser declamada, a poesia condoreira faz uso intenso de vocativos e exclamações, uma vez que procuram dar aos textos um tom característico da oratória. O poeta Castro Alves ( ) foi o mais conhecido dos condoreiros. Sua produção literária revela um importante deslocamento em relação aos outros autores românticos: o sentimento da natureza é substituído pelo da humanidade, e a ordem do coração é trocada pela do pensamento. Os textos mais conhecidos sobre a escravidão aparecem no livro Os Escravos, em que a maior parte dos poemas é dedicada ao tema. OS TIPOS DE ROMANCES ROMÂNTICOS Além dos poemas, o estilo literário do Romantismo também era divulgado em romances, gêneros literários em prosa centrados num enredo, na análise dos personagens e no exame das situações descritas. Graças à vasta diversidade dos romances românticos, estes são divididos em romances: urbano, indianista e regionalista. Na grande maioria das vezes, a circulação dos romances românticos, no Brasil, era feita por meio de folhetins. O ROMANCE URBANO: o retrato de vida da corte A década de 1830 trouxe para os moradores da capital do Império uma nova forma de entretenimento: a leitura de

8 romances estrangeiros, principalmente franceses, traduzidos e publicados em jornais brasileiros na forma de folhetins. Os romances, marcados por lances melodramáticos e finais felizes, faziam o gosto dos jovens da corte portuguesa. Gradativamente, escritores brasileiros, entusiasmados pelo sucesso dos folhetins franceses, começaram a se aventurarem na criação de romances. Os romances urbanos têm, como característica, a preocupação em ilustrar as paixões, os interesses e o comportamento de uma classe social específica em uma determinada época. A estrutura típica desse romance apresenta um herói e uma heroína, que se apaixonam um pelo outro e precisam superar obstáculos para viverem felizes para sempre. No Brasil, o pano de fundo será o Rio de Janeiro, capital do Império. Os leitores dos folhetins românticos eram membros da elite, profissionais liberais da corte ou das províncias, e pessoas que desejavam seguir o exemplo das cortes europeias. Geralmente excluídas da sociedade, as mulheres ganharam importância significativa nos romances românticos: é geralmente a elas que o narrador se dirige, com quem dialoga e a quem pretende comover as histórias que são contadas. O romance urbano, por meio da divulgação de perfis, espaços e comportamentos reconhecidos, também investe na construção de uma identidade nacional. A consolidação dessa nacionalidade é componente fundamental do projeto literário dos romances urbanos, uma vez que os comportamentos das personagens são familiares aos leitores brasileiros. Assim, há uma democratização da literatura, ampliando seu alcance. Assim, a linguagem utilizada nos romances urbanos era bastante acessível. Nos textos, o diálogo do autor com um leitor específico marcava um aspecto de confidência trocada entre duas pessoas íntimas. O cearense José de Alencar ( ) foi quem deu ao romance urbano uma forma mais bem acabada. O escritor priorizava, em seus textos, as relações humanas, estudadas em

9 função do ambiente em que se encontram as personagens. Embora a idealização romântica continue sendo uma marca característica das suas narrativas, ele examina a sociedade de modo mais detalhado, criticando valores condenáveis, como o casamento por interesse, o que dá um caráter mais realista às histórias de amor. Em seus textos, os heróis e heroínas apresentam alguns aspectos bastante humanizados, sendo vítimas das pressões econômicas e sociais e praticando, na narrativa, comportamentos muitas vezes condenáveis. A história, porém, sempre dá aos protagonistas a oportunidade da redenção final, que será alcançada quando se entregarem a sentimentos nobres, como o amor e a compaixão. O ROMANCE INDIANISTA: a idealização dos índios A primeira geração romântica brasileira já tinha a missão de construir uma consciência de identidade nacional nos leitores, trazendo personagens brasileiros como, por exemplo, os índios. Nos romances indianistas, a escolha dos índios como heróis foi extensamente utilizada, principalmente por José de Alencar, que os idealizava enormemente. Os índios passaram a ser indivíduos cujas ações inspiravam admiração e espanto. O romance indianista cumpriu um claro projeto literário: fornecer obras aos leitores brasileiros em que o passado histórico do país fosse reconstituído, quando possível, ou inventado, quando necessário. O índio é elevado à condição de herói para atuar como um personagem que representa o povo americano, ao mesmo tempo que se comporta de acordo com os mais nobres princípios da sociedade burguesa (como honestidade, bravura, paixão e humildade), tão valorizados pelo Romantismo. A apreciação dos protagonistas era feita com base nas características da natureza exuberante. Assim, os traços nacionais ficam ainda mais reforçados, porque essas

10 personagens não apenas nasceram no Brasil, como também são exemplos vivos das belezas inigualáveis do país. A verossimilhança linguística também era assegurada. No momento em que foram publicados, os romances indianistas fizeram grande sucesso junto aos leitores, porque respondiam de modo direto ao gosto da época: apresentavam um herói associado a um passado histórico e pintado com as cores fortes dos valores burgueses. Nos romances indianistas de José de Alencar, o índio representava o casamento perfeito entre o elemento nativo e os valores burgueses. Em suas obras, a natureza exuberante ganha a dimensão do espaço paradisíaco original. A ficção romântica redescobre um Brasil intocado pela civilização, pleno de promessas e possibilidades, com um futuro a ser conquistado. Seus principais romances indianistas foram O Guarani e Iracema. O ROMANCE REGIONALISTA: a revelação do Brasil O regionalismo traz, para o centro do romance brasileiro, as paisagens e os tipos de um Brasil desconhecido, como os vaqueiros dos pampas e os sertanejos nordestinos. Nessas obras, é apresentada uma sociedade rural de comportamentos e valores bem diferentes daqueles da corte. O país que emerge dos romances regionalistas configura-se como gigantesco na extensão e arcaico nos costumes. O projeto literário dos romances regionalistas era revelar o Brasil para os brasileiros. Indo contrariamente à conduta das pessoas influenciadas por modelos europeus, os românticos regionalistas usaram suas narrativas para divulgarem os aspectos locais ignorados por seus contemporâneos. Para o público dos romances românticos, essencialmente urbano, descortinava-se um Brasil completamente desconhecido, desafiador e heroico.

11 A imagem grandiosa que os românticos desejavam fazer dos espaços brasileiros se formava através dos cenários que aparecem nas narrativas regionalistas. O olhar romântico recorre à adjetivação idealizada para pintar o cenário brasileiro, que era retratado principalmente por áreas não muito conhecidas pela sociedade brasileira, como o nordeste. O olhar do público era deslocado da capital do império, e passava a se concentrar nas características regionais. José de Alencar e Visconde de Taunay ( ) foram os principais autores regionalistas.

AULA 12.1 Conteúdo: O Romantismo brasileiro: prosa de ficção. INTERATIVIDADE FINAL LÍNGUA PORTUGUESA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CONTEÚDO E HABILIDADES

AULA 12.1 Conteúdo: O Romantismo brasileiro: prosa de ficção. INTERATIVIDADE FINAL LÍNGUA PORTUGUESA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CONTEÚDO E HABILIDADES 12.1 Conteúdo: O Romantismo brasileiro: prosa de ficção. 12.1 Habilidades: Caracterizar o projeto literário dos romances urbanos e regionalistas e justificar a importância de compor um panorama literário

Leia mais

ROMANTISMO EM PORTUGAL E NO BRASIL

ROMANTISMO EM PORTUGAL E NO BRASIL AULA 10 LITERATURA PROFª Edna Prado ROMANTISMO EM PORTUGAL E NO BRASIL I - CONTEXTO HISTÓRICO Na aula passada nós estudamos as principais características do Romantismo e vimos que a liberdade era a mola

Leia mais

ROMANTISMO NO BRASIL - PROSA

ROMANTISMO NO BRASIL - PROSA AULA 12 LITERATURA PROFª Edna Prado ROMANTISMO NO BRASIL - PROSA Na aula passada nós estudamos as principais características da poesia romântica no Brasil.Vimos o fenômeno das três gerações românticas:

Leia mais

A arte do século XIX

A arte do século XIX A arte do século XIX Índice Introdução ; Impressionismo ; Romantismo ; Realismo ; Conclusão ; Bibliografia. Introdução Durante este trabalho irei falar e explicar o que é a arte no século XIX, especificando

Leia mais

Português 3 Módulo 5 COMENTÁRIOS ATIVIDADES PROPOSTAS COMENTÁRIOS ATIVIDADES PARA SALA O ROMANTISMO NO BRASIL

Português 3 Módulo 5 COMENTÁRIOS ATIVIDADES PROPOSTAS COMENTÁRIOS ATIVIDADES PARA SALA O ROMANTISMO NO BRASIL Português 3 Módulo 5 O ROMANTISMO NO BRASIL 1. a) O poeta defende o menosprezo pelas regras de metrificação enquanto mera convenção. O poeta a- firma usar todas as metrificações, baseado apenas em sua

Leia mais

Apresentação. Práticas Pedagógicas Língua Portuguesa. Situação 5 Lendo e vivendo poemas. Recomendada para EF II ou EM. Tempo previsto: 4 aulas

Apresentação. Práticas Pedagógicas Língua Portuguesa. Situação 5 Lendo e vivendo poemas. Recomendada para EF II ou EM. Tempo previsto: 4 aulas Práticas Pedagógicas Língua Portuguesa Situação 5 Lendo e vivendo poemas Recomendada para EF II ou EM Tempo previsto: 4 aulas Elaboração: Equipe Técnica da CENP Apresentação Ler é um ato de recriação praticado

Leia mais

REALISMO NATURALISMO EM PORTUGAL

REALISMO NATURALISMO EM PORTUGAL AULA 13 LITERATURA PROFª Edna Prado REALISMO NATURALISMO EM PORTUGAL Na aula de hoje falaremos sobre o Realismo português. Mas para começarmos é importante que você saiba o que é realismo. Veja: REAL+ISMO

Leia mais

A PROSA ROMÂNTICA BRASILEIRA

A PROSA ROMÂNTICA BRASILEIRA A PROSA ROMÂNTICA BRASILEIRA Introdução A ficção no Brasil: romances, contos e novelas aparecem na literatura brasileira no período romântico. Folhetins (romances publicados semanalmente em jornais ou

Leia mais

LITERATURA E AUTORIA FEMININA: REFLEXÕES SOBRE O CÂNONE LITERÁRIO E MARTHA MEDEIROS

LITERATURA E AUTORIA FEMININA: REFLEXÕES SOBRE O CÂNONE LITERÁRIO E MARTHA MEDEIROS LITERATURA E AUTORIA FEMININA: REFLEXÕES SOBRE O CÂNONE LITERÁRIO E MARTHA MEDEIROS Mestranda Kézia Dantas Félix 1, UEPB 1 Resumo: Neste artigo estudo o debate estabelecido em torno do cânone literário,

Leia mais

Prof. Paulo Alexandre

Prof. Paulo Alexandre Prof. Paulo Alexandre As indicações mostradas nesta apresentação funcionam como guia de estudos do Realismo e do Naturalismo. Todas as informações devem ser complementadas pelo aluno, com a utilização

Leia mais

PERSONAGENS: CLEMÊNCIA

PERSONAGENS: CLEMÊNCIA PERSONAGENS: CLEMÊNCIA (a viúva de Alberto, mãe de Mariquinha e Júlia) MARIQUINHA (a filha que ama Felício, mas tem dois outros pretendentes interessados em seu dote) JÚLIA (a irmã de Mariquinha de 10

Leia mais

Anna Catharinna 1 Ao contrário da palavra romântico, o termo realista vai nos lembrar alguém de espírito prático, voltado para a realidade, bem distante da fantasia da vida. Anna Catharinna 2 A arte parece

Leia mais

PROPOSTA PEDAGÓGICA. Elaborada por Ana Carolina Carvalho

PROPOSTA PEDAGÓGICA. Elaborada por Ana Carolina Carvalho PROPOSTA PEDAGÓGICA Elaborada por Ana Carolina Carvalho PROPOSTA PEDAGÓGICA Crianças do Brasil Suas histórias, seus brinquedos, seus sonhos elaborada por ANA CAROLINA CARVALHO livro de JOSÉ SANTOS ilustrações

Leia mais

POESIA: CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO DE CIDADÃOS CRÍTICOS E REFLEXIVOS

POESIA: CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO DE CIDADÃOS CRÍTICOS E REFLEXIVOS POESIA: CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO DE CIDADÃOS CRÍTICOS E REFLEXIVOS Larícia Pinheiro Silva Ramos Autor (1); Artur Alan Melo Carneiro de Oliveira Coautor (1); Isadora Sousa Alexandro Co-autor (2); Leandro

Leia mais

O CHÃO DA PALAVRA: CINEMA E LITERATURA NO BRASIL: A CULTURA CINEMATOGRÁFICA E LITERÁRIA BRASILEIRAS SOB O OLHAR DE JOSÉ CARLOS AVELLAR

O CHÃO DA PALAVRA: CINEMA E LITERATURA NO BRASIL: A CULTURA CINEMATOGRÁFICA E LITERÁRIA BRASILEIRAS SOB O OLHAR DE JOSÉ CARLOS AVELLAR O CHÃO DA PALAVRA: CINEMA E LITERATURA NO BRASIL: A CULTURA CINEMATOGRÁFICA E LITERÁRIA BRASILEIRAS SOB O OLHAR DE JOSÉ CARLOS AVELLAR Matheus Oliveira Knychala Biasi* Universidade Federal de Uberlândia

Leia mais

JONAS RIBEIRO. ilustrações de Suppa

JONAS RIBEIRO. ilustrações de Suppa JONAS RIBEIRO ilustrações de Suppa Suplemento do professor Elaborado por Camila Tardelli da Silva Deu a louca no guarda-roupa Supl_prof_ Deu a louca no guarda roupa.indd 1 02/12/2015 12:19 Deu a louca

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA Departamento de Letras e Artes Especialização em Estudos Literários

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA Departamento de Letras e Artes Especialização em Estudos Literários UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA Departamento de Letras e Artes Especialização em Estudos Literários IDENTIDADE BRASILEIRA NO ROMANTISMO DE CASIMIRO DE ABREU E SOUSÂNDRADE JOÃO BOSCO DA SILVA

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS TEXTO DE APOIO

GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS TEXTO DE APOIO AULA 2.2 - A SIGNIFICAÇÃO NA ARTE TEXTO DE APOIO 1. A especificidade da informação estética Teixeira Coelho Netto, ao discutir a informação estética, comparando-a à semântica, levanta aspectos muito interessantes.

Leia mais

Emília Amaral. Ricardo Silva Leite

Emília Amaral. Ricardo Silva Leite coleção Nov s P l vr s N O V A E D I Ç Ã O Nov s P l vr s Nov e ıç o 2 Ricardo Silva Leite Emília Amaral Mestre em Teoria Literária e doutora em Educação pela Unicamp, professora do Ensino Médio e Superior

Leia mais

Uma História que cheira a Café. Não Desprezes os Provérbios. Autor Isabel Vilarinho e Vanda Novais. Autor Abel de Carvalho

Uma História que cheira a Café. Não Desprezes os Provérbios. Autor Isabel Vilarinho e Vanda Novais. Autor Abel de Carvalho Catálogo 2013 Uma História que cheira a Café Isabel Vilarinho e Vanda Novais Não Desprezes os Provérbios Abel de Carvalho Género: Romance N.º Páginas: 112 ISBN: 978-989-20-3065-4 Género: Prosa / Literatura

Leia mais

COLÉGIO ESTADUAL CRISTO REI ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

COLÉGIO ESTADUAL CRISTO REI ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO COLÉGIO ESTADUAL CRISTO REI ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO Rua das Ameixeiras, 119 Núcleo Cristo Rei Fone/Fax: 0xx42 3624 3095 CEP 85060-160 Guarapuava Paraná grpcristorei@seed.pr.gov.br PLANO DE TRABALHO

Leia mais

PLANEJAMENTO ANUAL 2014

PLANEJAMENTO ANUAL 2014 PLANEJAMENTO ANUAL 2014 Disciplina: LITERATURA Período: Anual Professor: ISABEL FERNANDES Série e segmento: 2º ENSINO MÉDIO 1º TRIMESTRE 2º TRIMESTRE 3º TRIMESTRE Objetivos gerais 1. Formação do leitor

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca VISITA A PORTUGAL Jantar no Palácio

Leia mais

PORTUGUÊS LITERATURA. 1) Realismo

PORTUGUÊS LITERATURA. 1) Realismo PORTUGUÊS LITERATURA 1) Realismo 1.1) Introdução: É a denominação genérica da reação aos ideais românticos existentes na segunda metade do século XIX. As profundas transformações ocorridas na sociedade

Leia mais

"Todas as artes contribuem para a maior de todas as artes, a arte de viver." (Bertold Brecht)

Todas as artes contribuem para a maior de todas as artes, a arte de viver. (Bertold Brecht) Estagio Meu estagio também foi realizado nesta escola, acompanhei as aulas de arte ministrada pelo professor Jocymar na 8ºC vespertino. Ela cedeu duas aula para eu aplicar o meu projeto na mesmo turma.

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca INAUGURAÇÃO DA «CASA DE CULTURA JORGE

Leia mais

CIÊNCIAS DA NATUREZA FILOSOFIA. Objetos do Conhecimento (conteúdos)

CIÊNCIAS DA NATUREZA FILOSOFIA. Objetos do Conhecimento (conteúdos) CENTRO DE EDUCAÇÃO INTEGRADA MAIS ROTEIRO DE AVALIAÇÕES 1º TRIMESTRE ATIVIDADE AVALIATIVA AV1 2ªs Séries - EM CIÊNCIAS HUMANAS HISTÓRIA O absolutismo e a formação do Estado Moderno O Império colonial português

Leia mais

LEITURAS E LEITORES DA COLEÇÃO BIBLIOTECA DAS MOÇAS. PONTOS PARA UMA PESQUISA A PARTIR DAS MARCAS DE LEITURA FEITAS POR NORMALISTAS i

LEITURAS E LEITORES DA COLEÇÃO BIBLIOTECA DAS MOÇAS. PONTOS PARA UMA PESQUISA A PARTIR DAS MARCAS DE LEITURA FEITAS POR NORMALISTAS i LEITURAS E LEITORES DA COLEÇÃO BIBLIOTECA DAS MOÇAS. PONTOS PARA UMA PESQUISA A PARTIR DAS MARCAS DE LEITURA FEITAS POR NORMALISTAS i Cássia Aparecida Sales M Kirchner ii Faculdade de Educação Unicamp

Leia mais

Inteligência emocional ajuda a conquistar vagas de liderança

Inteligência emocional ajuda a conquistar vagas de liderança Inteligência emocional ajuda a conquistar vagas de liderança Tempo de Mulher Arieta Arruda 14 horas atrás Houve um tempo em que as pessoas queriam mostrar sua face mais racional no mercado de trabalho,

Leia mais

Nomes: Marcelo Lauer, Mariana Matté, Matheus Fernandes, Raissa Reis e Nadine Siqueira

Nomes: Marcelo Lauer, Mariana Matté, Matheus Fernandes, Raissa Reis e Nadine Siqueira Escritor brasileiro Dados de Identificação: Nomes: Marcelo Lauer, Mariana Matté, Matheus Fernandes, Raissa Reis e Nadine Siqueira Turma: 201 Professora: Ivânia Lamb Romancista brasileiro nascido em São

Leia mais

ATIVIDADE CURRICULAR: LITERATURA BRASILEIRA MODERNA PROFESSOR: TÂNIA MARIA PEREIRA SARMENTO-PANTOJA

ATIVIDADE CURRICULAR: LITERATURA BRASILEIRA MODERNA PROFESSOR: TÂNIA MARIA PEREIRA SARMENTO-PANTOJA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE CASTANHAL FACULDADE DE LETRAS CURSO LETRAS- HABILITAÇÃO PORTUGUÊS PLANO DE CURSO ATIVIDADE CURRICULAR: LITERATURA BRASILEIRA MODERNA PROFESSOR: TÂNIA

Leia mais

IX Diálogos em Paulo Freire: Utopia, Esperança e Humanização A RELAÇÃO TRABALHO/EDUCAÇÃO EM UMA TURMA DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS.

IX Diálogos em Paulo Freire: Utopia, Esperança e Humanização A RELAÇÃO TRABALHO/EDUCAÇÃO EM UMA TURMA DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS. IX Diálogos em Paulo Freire: Utopia, Esperança e Humanização A RELAÇÃO TRABALHO/EDUCAÇÃO EM UMA TURMA DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS. Daiane Ferreira Ferreira* Resumo Este trabalho trata de atividades

Leia mais

- ANÁLISE: - A MORENINHA JOAQUIM MANUEL DE MACEDO - LUCÍOLA JOSÉ DE ALENCAR - PROSA ROMÂNTICA:

- ANÁLISE: - A MORENINHA JOAQUIM MANUEL DE MACEDO - LUCÍOLA JOSÉ DE ALENCAR - PROSA ROMÂNTICA: - ANÁLISE: - A MORENINHA JOAQUIM MANUEL DE MACEDO - LUCÍOLA JOSÉ DE ALENCAR - PROSA ROMÂNTICA: O romance romântico: o texto em prosa predominou no Romantismo, sendo a forma de expressão mais significativa

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS ANEXO II DA RESOLUÇÃO CEPEC nº 680 EMENTAS DAS DISCIPLINAS DISCIPLINAS DA ÁREA DE PORTUGUÊS: Introdução aos estudos da Linguagem Panorama geral dos fenômenos da linguagem e suas abordagens científicas.

Leia mais

Reflexão sobre o espírito do público na arquitetura contemporânea.

Reflexão sobre o espírito do público na arquitetura contemporânea. XX Congresso Brasileiro de Arquitetos Fortaleza, 22 04 14 Reflexão sobre o espírito do público na arquitetura contemporânea. Arquiteto Sérgio Magalhães Muito boa noite. Minha saudação cordial a todos.

Leia mais

Alguns Poetas Cearenses

Alguns Poetas Cearenses Alguns Poetas Cearenses ARTUR EDUARDO BENEVIDES Nada menos de nove livros de poemas de autores cearenses me foram remetidos nos últimos meses, o que dá bem a idéia da vigilância e atividade dos nossos

Leia mais

Universidade Federal de Uberlândia

Universidade Federal de Uberlândia PRIMEIRA QUESTÃO A) É importante que o candidato ressalte o fato de que, na ilha, a princípio, tudo é eletivo : cabe aos indivíduos escolher os seus papéis. Esta liberdade da constituição do sujeito deve

Leia mais

CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES

CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES Silvia Eula Muñoz¹ RESUMO Neste artigo pretendo compartilhar os diversos estudos e pesquisas que realizei com orientação do Prof. Me. Erion

Leia mais

CÓPULA CLODOALDO TURCATO

CÓPULA CLODOALDO TURCATO CÓPULA CLODOALDO TURCATO 2 CÓPULA Primeira Edição Editora do Livre Pensador Recife, Pernambuco 2013 Titulo Original Cópula Primeira Edição 3 Copyright @ 2012 by Clodoaldo Turcato Copyright da edição @

Leia mais

QUEM FOI MALBA TAHAN?

QUEM FOI MALBA TAHAN? ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA (X) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA QUEM FOI MALBA TAHAN? Arnoldo Koehler Neto

Leia mais

UM ROCHEDO EM FLOR: REVIVENDO ENOCH SANTIAGO FILHO

UM ROCHEDO EM FLOR: REVIVENDO ENOCH SANTIAGO FILHO UM ROCHEDO EM FLOR: REVIVENDO ENOCH SANTIAGO FILHO [1]Fabiana dos Santos O escritor, professor, pesquisador e historiador baiano radicado em Sergipe, Gilfrancisco nos presenteia com mais um de seus trabalhos

Leia mais

VIDAL, Laurent. De Nova Lisboa a Brasília: a invenção de uma capital (séculos XIX-XX). Trad. Florence Marie Dravet. Brasília: UnB, 2009. 352 p.

VIDAL, Laurent. De Nova Lisboa a Brasília: a invenção de uma capital (séculos XIX-XX). Trad. Florence Marie Dravet. Brasília: UnB, 2009. 352 p. História (São Paulo) VIDAL, Laurent. De Nova Lisboa a Brasília: a invenção de uma capital (séculos XIX-XX). Trad. Florence Marie Dravet. Brasília: UnB, 2009. 352 p. Amilcar Torrão FILHO * O professor Laurent

Leia mais

Desvalorização da cultura nordestina sob o olhar dos estudantes de jornalismo da Fanor 1. Anne Caroline Oliveira Lima²

Desvalorização da cultura nordestina sob o olhar dos estudantes de jornalismo da Fanor 1. Anne Caroline Oliveira Lima² Desvalorização da cultura nordestina sob o olhar dos estudantes de jornalismo da Fanor 1 Anne Caroline Oliveira Lima² Joyce Souza Pereira dos Santos³ Lucas Cavalcante Chaves 4 Viviany Vieira de Melo Malta

Leia mais

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica 0 O que é Filosofia? Essa pergunta permite muitas respostas... Alguns podem apontar que a Filosofia é o estudo de tudo ou o nada que pretende abarcar tudo.

Leia mais

Os sintomas como caminho para a transformação e o crescimento

Os sintomas como caminho para a transformação e o crescimento 2 Os sintomas como caminho para a transformação e o crescimento 33 Na relação social é contar com uma presença humana positiva que seja capaz de ver a força e a beleza dessa presença e manifestação do

Leia mais

Sugestão de Atividade / História / 6ª Série (7º Ano)

Sugestão de Atividade / História / 6ª Série (7º Ano) Sugestão de Atividade / História / 6ª Série (7º Ano) COMPONENTE CURRICULAR: História SÉRIE/ANO: 6ª SÉRIE (7º Ano) INTERDISCIPLINARIDADE: Artes CONTEÚDO: Renascimento Cultural Eixo Temático I de Artes:

Leia mais

Leya Leituras Projeto de Leitura

Leya Leituras Projeto de Leitura Leya Leituras Projeto de Leitura Nome do livro: JAPĨĨ E JAKÃMĨ Uma história de amizade Autor: Yaguarê Yamã Nacionalidade do autor: Brasileira Currículo do autor: Escritor, professor e artista plástico

Leia mais

JOSÉ DE ALENCAR: ENTRE O CAMPO E A CIDADE

JOSÉ DE ALENCAR: ENTRE O CAMPO E A CIDADE JOSÉ DE ALENCAR: ENTRE O CAMPO E A CIDADE Thayanne Oliveira Rosa LUCENA¹, Dr. Gustavo Abílio Galeno ARNT² 1. Bolsista PIBIC/IFB - Instituto Federal de Brasília- Campus: São Sebastião- DF thayanne.001@gmail.com

Leia mais

Governo da Paraíba Secretaria de educação do estado Prêmio mestres da educação Escola Estadual de Ensino Fundamental e Médio José Luiz Neto

Governo da Paraíba Secretaria de educação do estado Prêmio mestres da educação Escola Estadual de Ensino Fundamental e Médio José Luiz Neto Governo da Paraíba Secretaria de educação do estado Prêmio mestres da educação Escola Estadual de Ensino Fundamental e Médio José Luiz Neto Maria José Almeida Silva Projeto: A literatura de cordel como

Leia mais

RELEVÂNCIA DA LITERATURA INFANTIL NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA

RELEVÂNCIA DA LITERATURA INFANTIL NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA 1 RELEVÂNCIA DA LITERATURA INFANTIL NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA Catharine Prata Seixas (PIBIC/UFS) Aline Grazielle Santos Soares Pereira (PIBIX/UFS) INTRODUÇÃO Vygotsky (1991), diz que o pensamento e a linguagem

Leia mais

Século XIX na Europa as inovações na arte. Predomínio do neoclassicismo ou academicismo

Século XIX na Europa as inovações na arte. Predomínio do neoclassicismo ou academicismo Século XIX na Europa as inovações na arte { Predomínio do neoclassicismo ou academicismo ANTIGUIDADE CLÁSSICA IDADE MÉDIA NEOCLASSICISMO OU ACADEMICISMO ROMANTISMO RENASCIMENTO BARROCO ROCOCÓ NEOCLÁSSICO

Leia mais

Caracterização da Escola

Caracterização da Escola 28 O CORDEL DOS TIRADENTES Flávia Helena Pontes Carneiro* helena.flavia@gmail.com *Graduada em Pedagogia, Mestre em Educação pela Faculdade de Educação da Universidade Federal de Minas Gerais, Professora

Leia mais

LITERATURA BRASILEIRA

LITERATURA BRASILEIRA LITERATURA BRASILEIRA 13 Em relação à produção literária do Modernismo brasileiro, mais especificamente à de Mário e Oswald de Andrade, assinale a alternativa correta. a) A ficção de Mário de Andrade aborda

Leia mais

Pesquisa Um olhar de viajante: José do Patrocínio e o Nordeste brasileiro.

Pesquisa Um olhar de viajante: José do Patrocínio e o Nordeste brasileiro. FACULDADE DAMAS CADERNO DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS V.2 Nº.2 (2011) ANAIS DA I JORNADA INTERDISCIPLINAR DIREITO E RELAÇÕES INTERNACIONAIS FACULDADE DAMAS I Jornada Interdisciplinar Direito e Relações Internacionais

Leia mais

FUVEST 2003. Língua Portuguesa Segunda Fase 05/01/2003

FUVEST 2003. Língua Portuguesa Segunda Fase 05/01/2003 FUVEST 2003 Língua Portuguesa Segunda Fase 05/01/2003 Q.01 BR. Contribuindo para o cinema brasileiro rodar cada vez melhor. A Petrobras Distribuidora sempre investiu na cultura do País e acreditou no potencial

Leia mais

INTRODUÇÃO A ADMINISTRAÇÃO

INTRODUÇÃO A ADMINISTRAÇÃO ADMINISTRAÇÃO EM SEGURANÇA DO TRABALHO IMPORTÂNCIA INTRODUÇÃO A ADMINISTRAÇÃO Quando do início de um empreendimento, de um negócio ou qualquer atividade; As expectativas e desejos de início são grandes:

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Médio Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Médio Etec Etec: Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Área de conhecimento: Linguagem, Códigos e suas tecnologias Componente Curricular: LPL Série:2ºB,C

Leia mais

Entreletras - Entrevistas com

Entreletras - Entrevistas com Brasil, sábado, 23 de outubro de 2004 http://www.abrali.com/015coluna_direita/sandra_baldessin/antonio_miranda_sandra_baldessin.html www.abrali.com.br Entreletras - Entrevistas com Escritores Entrevistado:

Leia mais

RELENDO A HISTÓRIA AO LER HISTÓRIAS

RELENDO A HISTÓRIA AO LER HISTÓRIAS RELENDO A HISTÓRIA AO LER HISTÓRIAS BRASÍLIA ECHARDT VIEIRA (CENTRO DE ATIVIDADES COMUNITÁRIAS DE SÃO JOÃO DE MERITI - CAC). Resumo Na Baixada Fluminense, uma professora que não está atuando no magistério,

Leia mais

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ACERCA DO DISCURSO SIMBOLISTA NO BRASIL

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ACERCA DO DISCURSO SIMBOLISTA NO BRASIL ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ACERCA DO DISCURSO SIMBOLISTA NO BRASIL Élcio Aloisio Fragoso 1 INTRODUÇÃO Neste texto, faremos algumas considerações acerca do discurso simbolista no Brasil, relativamente à história

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO ABRIL / MAIO / JUNHO

RELATÓRIO TÉCNICO ABRIL / MAIO / JUNHO RELATÓRIO TÉCNICO BANCO DO LIVRO SA - CURVELO / MG ABRIL / MAIO / JUNHO 2005 INTRODUÇÃO O Banco do Livro tem sua marca registrada pela dialogia. Nossos usuários gostam que seus nomes sejam lembrados nas

Leia mais

Neoclassicismo. Segundo a leitura acima analise os itens e marque uma ÚNICA alternativa:

Neoclassicismo. Segundo a leitura acima analise os itens e marque uma ÚNICA alternativa: Neoclassicismo Questão 01 De acordo com a tendência neoclássica, uma obra de arte só seria perfeitamente bela na medida em que imitasse não as formas da natureza, mas as que os artistas clássicos gregos

Leia mais

Lu Rochael - Psicóloga e Coach - Todos os direitos reservados

Lu Rochael - Psicóloga e Coach - Todos os direitos reservados Desenvolva e amplie sua autoestima Por que falar de autoestima? Trabalho como terapeuta há 10 anos, período em que pude testemunhar e acompanhar muitos clientes. Qualquer que fosse o motivo pelo qual as

Leia mais

Literatura na escola: Encantando professores, formando leitores

Literatura na escola: Encantando professores, formando leitores Literatura na escola: Encantando professores, formando leitores Renata Cavalcanti Eichenberg PUCRS De acordo com Bruno Bettelheim (1980), a criança, à medida que se desenvolve, aprende passo a passo a

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DO ENSINO NO BRASIL: PERÍODO COLONIAL

ORGANIZAÇÃO DO ENSINO NO BRASIL: PERÍODO COLONIAL Aula ORGANIZAÇÃO DO ENSINO NO BRASIL: PERÍODO COLONIAL META Apresentar as razões da expansão da pedagogia (ensino) jesuítica no Brasil-colônia e, posteriormente, a sua expulsão motivada pela reforma da

Leia mais

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido 1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido No estudo da Comunicação, a publicidade deve figurar como um dos campos de maior interesse para pesquisadores e críticos das Ciências Sociais e Humanas.

Leia mais

Introdução ao Realismo

Introdução ao Realismo Lista de Exercícios Pré Universitário Uni-Anhanguera Aluno(a): Nº. Professor: Daniel Série: 2 Disciplina: Literatura Data da prova: 15/02/2014. Introdução ao Realismo P1-1 BIMESTRE Os textos seguintes

Leia mais

Unidade: O que é a Literatura comparada. Unidade I:

Unidade: O que é a Literatura comparada. Unidade I: Unidade: O que é a Literatura comparada Unidade I: 0 Unidade: O que é a Literatura comparada O que é a Literatura Comparada Quando nos deparamos com a expressão literatura comparada, não temos problemas

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE BRASILEIRA EM IRACEMA E MACUNAÍMA

A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE BRASILEIRA EM IRACEMA E MACUNAÍMA 1 A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE BRASILEIRA EM IRACEMA E MACUNAÍMA Isaac Santos Cajé (UNIT) INTRODUÇÃO Os estudos recentes da literatura portuguesa alargaram as fontes, possibilitando um novo olhar para velhos

Leia mais

3ª FASE Prof.a Carolina Oliveira

3ª FASE Prof.a Carolina Oliveira 3ª FASE Prof.a Carolina Oliveira CONTEÚDOS E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA 4º Bimestre Atividade Avaliativa de Ens. Religioso Aula 172 Conteúdo Contar histórias

Leia mais

EDUCAÇÃO, LETRAMENTO E ALFABETIZAÇÃO A PARTIR DO FILME NARRADORES DE JAVÉ

EDUCAÇÃO, LETRAMENTO E ALFABETIZAÇÃO A PARTIR DO FILME NARRADORES DE JAVÉ EDUCAÇÃO, LETRAMENTO E ALFABETIZAÇÃO A PARTIR DO FILME NARRADORES DE JAVÉ Geane Apolinário Oliveira Graduada em Pedagogia pela Universidade Estadual da Paraíba (UEPB) - Geane-cg@hotmail.com RESUMO: Este

Leia mais

A Economia Simbólica da Cultura Popular Sertanejo-Nordestina

A Economia Simbólica da Cultura Popular Sertanejo-Nordestina ALVES, Elder Patrick Maia A Economia Simbólica da Cultura Popular Sertanejo-Nordestina (Maceió: EDUFAL, 2011) Bruno Gontyjo do Couto 1 O livro A economia simbólica da cultura popular sertanejo-nordestina,

Leia mais

Ou Isto ou Aquilo: uma breve análise da literatura infantil de

Ou Isto ou Aquilo: uma breve análise da literatura infantil de Ou Isto ou Aquilo: uma breve análise da literatura infantil de Camila V. Ramos da Silva 1 Cecília Meireles Resumo Cecília Meireles é uma autora muito consagrada no cenário literário brasileiro, sua obra

Leia mais

VI ENCONTRO DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO

VI ENCONTRO DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO REFLEXÕES SOBRE O PENSAMENTO DE PAULO FREIRE ACERCA DA EDUCAÇÃO Cristiane Silva Melo - UEM 1 Rosileide S. M. Florindo - UEM 2 Rosilene de Lima - UEM 3 RESUMO: Esta comunicação apresenta discussões acerca

Leia mais

VARIAÇÕES CULTURAIS DO CONCEITO DE FELICIDADE

VARIAÇÕES CULTURAIS DO CONCEITO DE FELICIDADE VARIAÇÕES CULTURAIS DO CONCEITO DE FELICIDADE Andreza Santos Cruz Maynard* Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho - UNESP andreza@getempo.org O francês Georges Minois dedicou parte de sua

Leia mais

MULHERES QUE AMAM DE MAIS

MULHERES QUE AMAM DE MAIS ROBIN NORWOOD MULHERES QUE AMAM DE MAIS Tradução de Isabel Alves k Índice Agradecimentos........................................ 9 Prefácio............................................... 11 Introdução............................................

Leia mais

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda www.especifico.com.br DISCIPLINA : Sociologia PROF: Waldenir do Prado DATA:06/02/2012 O que é Sociologia? Estudo objetivo das relações que surgem e se reproduzem, especificamente,

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS RECUPERAÇÃO FINAL 3 ano

LISTA DE EXERCÍCIOS RECUPERAÇÃO FINAL 3 ano LISTA DE EXERCÍCIOS RECUPERAÇÃO FINAL 3 ano 1. Apresente as ideias de Tese, antítese e síntese idealizados por Hegel. 2. Uma das faculdades mais importantes do ser humano é pensar. Nenhum homem conseguiria

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO E VALORIZAÇÃO: A MENINA BONITA DO LAÇO DE FITA EM SALA DE AULA

IDENTIFICAÇÃO E VALORIZAÇÃO: A MENINA BONITA DO LAÇO DE FITA EM SALA DE AULA IDENTIFICAÇÃO E VALORIZAÇÃO: A MENINA BONITA DO LAÇO DE FITA EM SALA DE AULA Francielle Suenia da Silva (1); Laysa Cavalcante Costa (1); Universidade Federal de Campina Grande, franciellesu@gmail.com Universidade

Leia mais

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES Introdução ao tema A importância da mitologia grega para a civilização ocidental é tão grande que, mesmo depois de séculos, ela continua presente no nosso imaginário. Muitas

Leia mais

Poesia 2ª fase. Carlos Drummond de Andrade

Poesia 2ª fase. Carlos Drummond de Andrade Poesia 2ª fase Carlos Drummond de Andrade O poeta mais importante da segunda fase da poesia modernista brasileira (1930-1945) é Carlos Drummond de Andrade. Alguns críticos consideram o escritor o maior

Leia mais

Mulheres/Mães em UTI Neonatal Novos Conhecimentos e Melhores Intervenções.

Mulheres/Mães em UTI Neonatal Novos Conhecimentos e Melhores Intervenções. A presença da mulher nos cuidados em saúde ST 27 Denise Streit Morsch Instituto Fernandes Figueira/FIOCRUZ. Palavras-chave: Cuidados intensivo neonatais, maternagem, cuidados humanizados. Mulheres/Mães

Leia mais

Fundamentos do Direito a Educação Profa. Janete Flor de Maio Fonseca

Fundamentos do Direito a Educação Profa. Janete Flor de Maio Fonseca Fundamentos do Direito a Educação Profa. Janete Flor de Maio Fonseca Grupo de Pesquisa TÉCHNE Educação e Mediação Tecnológica Linha: Educação e Mídias o Como a gestão democrática da escola pode contribuir

Leia mais

ANÁLISE LITERÁRIA: OS ESTEREÓTIPOS DE BELEZA EM SHREK 1. O conto narra a estória de Shrek, um ogro que vive sozinho em um pântano, mas que

ANÁLISE LITERÁRIA: OS ESTEREÓTIPOS DE BELEZA EM SHREK 1. O conto narra a estória de Shrek, um ogro que vive sozinho em um pântano, mas que 1 ANÁLISE LITERÁRIA: OS ESTEREÓTIPOS DE BELEZA EM SHREK 1 Luciara dos Santos (UFS) I. ENREDO O conto narra a estória de Shrek, um ogro que vive sozinho em um pântano, mas que logo tem sua tranqüilidade

Leia mais

Edição: Rodrigo Amorim DESENHOS: Lavínya Vieira CORDEL: 1º ANO A 02

Edição: Rodrigo Amorim DESENHOS: Lavínya Vieira CORDEL: 1º ANO A 02 O Cordel, Paixão e Poesia: Castro Alves o poeta da Bahia foi feito pelos alunos do 1º ano A (IF Baiano campus Itapetinga). O cordel é uma grande homenagem ao grande poeta baiano Castro Alves, conhecido

Leia mais

cultural e identitária específica que tem sido atribuída à Comunidade Surda. Também é

cultural e identitária específica que tem sido atribuída à Comunidade Surda. Também é OS SURDOS : SUJEITOS DE UMA CULTURA PRÓPRIA NUM ESPAÇO MULTICULTURAL? Valéria Simplício 1 (Faculdade São Luís de França) RESUMO O presente trabalho procura fazer uma reflexão acerca da relação entre a

Leia mais

A CONTRIBUIÇÃO DOS CONTOS DE FADAS NA FORMAÇÃO HUMANA

A CONTRIBUIÇÃO DOS CONTOS DE FADAS NA FORMAÇÃO HUMANA A CONTRIBUIÇÃO DOS CONTOS DE FADAS NA FORMAÇÃO HUMANA Maria Elizabete Nascimento de Oliveira 1 PPGE /IE UFMT m.elizabte@gmail.com RESUMO A pesquisa em foco refere-se à relevância dos contos de fadas na

Leia mais

MisturaBOA. Uma seleção de boas notícias e boas ideias para se viver melhor. Revista SAÚDE BOAS NOTICIAS E BOAS IDEIAS PARA SE VIVER MELHOR

MisturaBOA. Uma seleção de boas notícias e boas ideias para se viver melhor. Revista SAÚDE BOAS NOTICIAS E BOAS IDEIAS PARA SE VIVER MELHOR Revista MisturaBOA BOAS NOTICIAS E BOAS IDEIAS BOAS NOTICIAS PARA SE VIVER MELHOR E BOAS IDEIAS PARA SE VIVER MELHOR Uma seleção de boas notícias e boas ideias para se viver melhor Projeto 2015 conceito

Leia mais

20 Anos de Tradição Carinho, Amor e Educação.

20 Anos de Tradição Carinho, Amor e Educação. Colégio Tutto Amore Colégio Sapience Carinho, Amor e Educação. Trabalhamos com meio-período e integral em todos os níveis de ensino. www.tuttoamore.com.br Nossa História No ano de 1993 deu-se o ponto de

Leia mais

Questões Estruturais do Currículo

Questões Estruturais do Currículo Questões Estruturais do Currículo Embora as questões abaixo sejam divididas em três níveis gerais de ensino, muitas delas podem ser usadas em praticamente qualquer série. Questões Estruturais do Currículo

Leia mais

Processo Seletivo 2011-2 Literatura

Processo Seletivo 2011-2 Literatura Literatura 1) Gabarito oficial definitivo sem distribuição dos pontos - Questão 1 O candidato deverá responder a questão em norma culta, com coesão, coerência e clareza, considerando o caráter metafórico

Leia mais

O BOTICÁRIO - FRANQUIA DE SÃO GONÇALO - RJ

O BOTICÁRIO - FRANQUIA DE SÃO GONÇALO - RJ O BOTICÁRIO - FRANQUIA DE SÃO GONÇALO - RJ RESPEITO AO MEIO AMBIENTE: Programa de Incentivo ao Plantio de Mudas e Manutenção de Vias Públicas e Escolas Municipais Para a franquia O Boticário de São Gonçalo

Leia mais

MODOS DE ESCREVER, JEITOS DE SENTIR, MANEIRAS DE REFLETIR: A "ESCRITA DE HOSPÍCIO" REVELANDO SENSIBILIDADES

MODOS DE ESCREVER, JEITOS DE SENTIR, MANEIRAS DE REFLETIR: A ESCRITA DE HOSPÍCIO REVELANDO SENSIBILIDADES MODOS DE ESCREVER, JEITOS DE SENTIR, MANEIRAS DE REFLETIR: A "ESCRITA DE HOSPÍCIO" REVELANDO SENSIBILIDADES Nádia Maria Weber Santos PPG-UFRGS Professora convidada FEEVALE / RS Pensar o "fenômeno social"

Leia mais

TRABALHO COM MONTEIRO LOBATO NAS SÉRIES INICIAIS

TRABALHO COM MONTEIRO LOBATO NAS SÉRIES INICIAIS TRABALHO COM MONTEIRO LOBATO NAS SÉRIES INICIAIS EVANGELISTA, E.V.; GERALDO, S.A.; MIQUELAO, M.G.F.; SILVA, N.C. VILELA, J.V.; Resumo Este trabalho tem como objetivo demonstrar a contribuição das obras

Leia mais

2. 1 A poesia trovadoresca - Leitura de cantigas de amor e de amigo semântico, sintático, lexical e sonoro;

2. 1 A poesia trovadoresca - Leitura de cantigas de amor e de amigo semântico, sintático, lexical e sonoro; EIXO TEMÁTICO: 1 TEXTO LITERÁRIO E NÃO LITERÁRIO 1) Analisar o texto em todas as suas dimensões: semântica, sintática, lexical e sonora. 1. Diferenciar o texto literário do não-literário. 2. Diferenciar

Leia mais

Navegar pelas letras

Navegar pelas letras Página322 Navegar pelas letras RESENHA Adriana Carrion de Oliveira 1 Resenha do Livro: BUENO, Edna, PARREIRAS, Ninfa, SOARES, Lucília. Navegar pelas letras: as literaturas de língua portuguesa. Rio de

Leia mais

POEMAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL: A LEITURA REALIZADA ATRAVÉS DE BRINCADEIRAS Elaine da Silva Reis UFPB elainereis1406@gmail.

POEMAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL: A LEITURA REALIZADA ATRAVÉS DE BRINCADEIRAS Elaine da Silva Reis UFPB elainereis1406@gmail. POEMAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL: A LEITURA REALIZADA ATRAVÉS DE BRINCADEIRAS Elaine da Silva Reis UFPB elainereis1406@gmail.com 1 INTRODUÇÃO Os estudos mais recentes que tomam a Educação Infantil como objeto

Leia mais

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens Para pensar o livro de imagens ROTEIROS PARA LEITURA LITERÁRIA Ligia Cademartori Para pensar o Livro de imagens 1 1 Texto visual Há livros compostos predominantemente por imagens que, postas em relação,

Leia mais

XVIII) e D. Pedro I (século XIX) defenderam posições políticas opostas e foram protagonistas de ações bastante distintas.

XVIII) e D. Pedro I (século XIX) defenderam posições políticas opostas e foram protagonistas de ações bastante distintas. Atividade extra Fascículo 2 História Unidade 4 Questão 1 Na unidade que você estudou, você pôde observar a foto da Praça Tiradentes no Rio de Janeiro, com a estátua de D. Pedro I ao centro. Tiradentes

Leia mais