ROMANTISMO PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS LITERÁRIAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ROMANTISMO PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS LITERÁRIAS"

Transcrição

1 ROMANTISMO O Romantismo foi uma estética artística surgida no início do século XVIII, que provocou uma verdadeira revolução na produção literária da época. Retratando a força dos sentimentos, ela propôs o rompimento da postura racional da estética árcade, passando a interpretar a realidade pelo filtro da emoção, combinada à originalidade e ao racionalismo. A estética romântica substitui a exaltação da nobreza pela valorização do indivíduo e de seu caráter. Em lugar de louvar a beleza clássica, que exige a perfeição, o artista romântico elogia o esforço individual, a sinceridade e o trabalho. Pouco a pouco, os valores burgueses vão sendo apresentados como modelos de comportamento social nas obras de arte que começam a ser produzidas. PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS LITERÁRIAS O Romantismo pode ser definido como uma arte da burguesia, tentando criar uma identidade estética para o burguês. O primeiro passo para alcançar esse objetivo é valorizar, na obra literária, o indivíduo e toda a sua complexidade emocional, abolindo o controle racional. Os textos literários traçarão o perfil de heróis que precisam agir, sofrer, superar obstáculos de toda natureza para se qualificarem como exemplares. O Romantismo considera a imaginação superior à razão e à beleza, porque ela não conhece limites. Assim, os artistas românticos encontram, na própria individualidade, as referências para a originalidade e para a interpretação própria da realidade, traduzida pelas emoções que sentem. O público que lê os textos românticos tem um perfil bem mais heterogêneo do que o restrito público dos séculos anteriores, já que a linguagem utilizada nos romances românticos era passional, direta, não seguindo, necessariamente, os padrões estéticos da herança literária. Para conquistar o público, a

2 leitura também tinha de ser um momento de diversão e entretenimento. Como a sociedade herdou os processos racionais e iluministas dos séculos anteriores, os românticos desejavam mudar essa mentalidade. De certa forma, seu sentimento de desajustamento social é verdadeiro e nasce do confronto entre os valores que defende, centrados no subjetivismo e na emoção, e os que organizam a sociedade em que vive. A fuga da realidade, o medievalismo e a linguagem romântica O embate entre esses dois sistemas de valores ganha forma na fuga da realidade, um dos temas mais explorados pela literatura romântica. A morte passa a ser vista como possibilidade de fuga do real e, por isso, é idealizada. Ela se manifesta como opção e alívio para os males do mundo ou para o encontro definitivo dos amantes, separados pelos obstáculos da realidade. Além da morte, o mundo dos sonhos torna-se um espaço de fuga para o romântico, onde o escritor projeta suas utopias pessoas e sociais. O passado, apresentado de modo completamente idealizado, também acolhe o olhar subjetivo do autor que se sente deslocado na sociedade. Os temas medievais, cheios de harmonia, sentimentos nobres e feitos heroicos, foram resgatados. Recuperar o passado histórico significava reconstruir os passos de um povo e reconhecer os símbolos de sua identidade; portanto, o nacionalismo foi retomado, somando um forte sentimento de orgulho de sua pátria. A linguagem dos textos românticos é marcada pela liberdade formal: para expressar o arrebatamento romântico, os autores recorrem à adjetivação constante e abandonam as fórmulas literárias, com rigorosos esquemas métricos e rimas. A

3 preocupação em demonstrar a subjetividade foi enorme; nos textos literários, ela era traduzida por meio da pontuação, enchendo de pontos de exclamações, interrogações e reticências. Os autores românticos, apesar de deixarem a estética formal de lado, se preocupavam em livrar do racionalismo e centrar no subjetivismo e nas emoções. O principal autor português foi Almeida Garrett ( ), que comandou a missão de resgatar o passado glorioso de seu povo, encontrando figuras históricas que pudessem representar o caráter dos portugueses que, aos poucos, recuperavam sua soberania. Seus romances românticos traduziam a ideia de um país em transformação, dividido nos embates entre o antigo e o novo. ROMANTISMO NO BRASIL O contexto histórico no Brasil, no início do século XIX, era muito dinâmico. A chegada do imperador D. Pedro I, em 1808, trouxe mudanças significativas tanto na economia e na política, quanto no social: a europeização cresceu demasiadamente. A proclamação da independência, em 1822, trouxe uma inspiração para os jovens idealistas, que começaram a buscar símbolos verdadeiramente brasileiros, inclusive na literatura. No Brasil, o romantismo assume três gerações, de acordo com as características que cada uma possui. A PRIMEIRA GERAÇÃO ROMÂNTICA: nacionalista ou indianista A emancipação política, em 1822, trouxe a urgência de criar referencias concretas que consolidassem a ideia de uma nação brasileira, separada de Portugal. Muitos jovens intelectuais abraçaram a missão de escrever os textos que apresentariam, para brasileiros e estrangeiros, a face do novo país

4 independente como uma nação, longe da importação de temas, formas e valores portugueses. O modo de construir a consciência nacionalista era valorizar a cultura local. Assim, a intenção dos poetas da primeira geração era divulgar uma identidade nacional que, além de promover o sentimento de amor à pátria, também nos libertasse das influências literárias portuguesas. Os textos literários eram escritos para divulgar a imagem do índio e da natureza americana como elementos definidores da natureza, sendo conhecidos como nativistas ou indianistas. Os românticos projetarão o espírito do homem livre e incorruptível nos índios numa imagem bastante idealizada, tentando encontrar um veículo ideal para os valores e princípios que desejavam apresentar ao público leitor. A idealização, inclusive, era extensamente utilizada: muitas vezes, a representação literária dos elementos nacionais ganhava o tom exagerado da saudade dos exilados. Estimulados pela criação da Imprensa Régia, o público recebeu abertamente a poesia romântica, que logo fez um sucesso imediato. Apesar do Romantismo em si ter uma liberdade formal, os textos da primeira geração que encantavam o povo brasileiro eram marcados pelo controle da métrica e pela escolha das rimas. Havia uma delicada caracterização da natureza brasileira, promovendo uma identificação entre ela e os índios. O escritor Gonçalves Dias ( ) foi o grande nome da primeira geração romântica. Em sua poesia, ele abordou os grandes temas românticas: natureza, pátria e religião. O casamento entre a expressão dos sentimentos individuais, a idealização, a religião e a natureza mostra a força da vinculação de Gonçalves ao arrebatamento romântico. Seus poemas indianistas e líricos são consagrados até hoje; no campo do lirismo, o autor explorava o clássico amor romântico, relatando os sofrimentos da vida, da solidão e da morte.

5 A SEGUNDA GERAÇÃO ROMÂNTICA: ultrarromantismo A segunda geração romântica foi marcada pelo ultrarromantismo, que era caracterizado pela adoção de uma postura exagerada, associada ao arrebatamento sentimental. Os ultrarromânticos levaram a extremos a expressão de sentimentos contraditórios, vividos pela maioria deles de modo atormentado. Assim, eles se mostraram mais voltados para o próprio coração do que para os grandes temas que definiram a primeira geração. A idealização absoluta e o interesse por duas ideias essencialmente românticas, amor e morte, definem o projeto literário da segunda geração. Havia uma expressão exacerbada de um subjetivismo pessimista, sendo marcado pelo desejo da evasão da realidade, pela atração pelo mistério, e ainda pela consciência da inadaptação do artista à sociedade em que vive. Os temas dos ultrarromânticos permaneceram essencialmente os mesmos. A idealização da mulher virginal também era uma forma poética encontrada para traduzir, em imagens, os sentimentos arrebatados que vivenciavam os poetas ultrarromânticos. A morte era, de certa maneira, uma forma de sedução para os autores, uma vez que ela garante o término da agonia de viver; é no contexto das desilusões e da maneira pessimista de encarar a própria existência que a morte surge como uma solução. Os ultrarromânticos conviviam num estreito espaço acadêmico, que estimulava a troca de textos e fazia com que os autores fossem leitores uns dos outros, realimentando o interesse por temas associados à expressão de sentimentos individuais. A vida boêmia facilitava a aceitação, sem juízo moral, dos textos dos membros das sociedades. A leitura e a discussão dessa produção literária fornecia aos poetas um público de perfil intelectualmente respeitável. Eram todos leitores dos versos arrebatados de Byron e Alfred de Musset, ultrarromânticos europeus.

6 Para reforçarem a ideia dos temas associados ao amor e à morte, os autores do período fazem uso recorrente de algumas palavras que os auxiliam a construir as imagens de saudade, solidão, morte e pessimismo. A adjetivação pálida e o uso de expressões depressivas registravam um olhar mais pessimista para a vida. A série de vocábulos melancólicos também será utilizada para caracterizar a beleza feminina etérea idolatrada pelos autores. O poeta mais lido do ultrarromantismo brasileiro foi Casimiro de Abreu ( ), utilizando uma musicalidade em seus versos, que acentuava a suavidade e facilitava a memorização dos poemas. O escritor valorizava o tratamento sensível de temas como a saudade, a natureza e o desejo, sem a carga de pessimismo e culpa que aparece em outros autores da época. Outro autor bastante popular foi Álvares de Azevedo ( ), que explorou o tema dos desesperos passionais, tratados a partir de duas perspectivas: a série a irônica. Em sua obra Lira dos Vinte Anos, o autor divide a primeira parte pelo sentimentalismo e pelo egocentrismo típicos dos ultrarromânticos, e a segunda parte com pitadas de humor, ironia e sarcasmo. A TERCEIRA GERAÇÃO ROMÂNTICA: o Condoreirismo A partir da terceira geração, os poetas trataram mais de temas relacionados a questões sociais, sendo participantes da vertente social do Condoreirismo. Os condoreiros eram estimulados pelas condições brasileiras da época, que eram marcadas pela escravidão e pela pressão constante para o abolicionismo; portanto, o lema da liberdade era constante em seus poemas. A poesia, até então expressão subjetiva de um sentimentalismo exacerbado, torna-se um instrumento de uma causa social, priorizando, principalmente, a libertação dos escravos e a denúncia das injustiças sociais por meio da poesia. Os

7 condoreiros participavam apaixonadamente dos debates sociais, influenciando uma literatura mais engajada e mais consciente do contexto brasileiro do momento. Para divulgarem suas ideias abolicionistas e deflagrarem a precariedade da situação brasileira, os condoreiros procuravam atingir um público mais numeroso. Assim, os poetas vão aos teatros, às sacadas dos jornais e às praças públicas declamar seus versos, sendo poetas-oradores. Composta para ser declamada, a poesia condoreira faz uso intenso de vocativos e exclamações, uma vez que procuram dar aos textos um tom característico da oratória. O poeta Castro Alves ( ) foi o mais conhecido dos condoreiros. Sua produção literária revela um importante deslocamento em relação aos outros autores românticos: o sentimento da natureza é substituído pelo da humanidade, e a ordem do coração é trocada pela do pensamento. Os textos mais conhecidos sobre a escravidão aparecem no livro Os Escravos, em que a maior parte dos poemas é dedicada ao tema. OS TIPOS DE ROMANCES ROMÂNTICOS Além dos poemas, o estilo literário do Romantismo também era divulgado em romances, gêneros literários em prosa centrados num enredo, na análise dos personagens e no exame das situações descritas. Graças à vasta diversidade dos romances românticos, estes são divididos em romances: urbano, indianista e regionalista. Na grande maioria das vezes, a circulação dos romances românticos, no Brasil, era feita por meio de folhetins. O ROMANCE URBANO: o retrato de vida da corte A década de 1830 trouxe para os moradores da capital do Império uma nova forma de entretenimento: a leitura de

8 romances estrangeiros, principalmente franceses, traduzidos e publicados em jornais brasileiros na forma de folhetins. Os romances, marcados por lances melodramáticos e finais felizes, faziam o gosto dos jovens da corte portuguesa. Gradativamente, escritores brasileiros, entusiasmados pelo sucesso dos folhetins franceses, começaram a se aventurarem na criação de romances. Os romances urbanos têm, como característica, a preocupação em ilustrar as paixões, os interesses e o comportamento de uma classe social específica em uma determinada época. A estrutura típica desse romance apresenta um herói e uma heroína, que se apaixonam um pelo outro e precisam superar obstáculos para viverem felizes para sempre. No Brasil, o pano de fundo será o Rio de Janeiro, capital do Império. Os leitores dos folhetins românticos eram membros da elite, profissionais liberais da corte ou das províncias, e pessoas que desejavam seguir o exemplo das cortes europeias. Geralmente excluídas da sociedade, as mulheres ganharam importância significativa nos romances românticos: é geralmente a elas que o narrador se dirige, com quem dialoga e a quem pretende comover as histórias que são contadas. O romance urbano, por meio da divulgação de perfis, espaços e comportamentos reconhecidos, também investe na construção de uma identidade nacional. A consolidação dessa nacionalidade é componente fundamental do projeto literário dos romances urbanos, uma vez que os comportamentos das personagens são familiares aos leitores brasileiros. Assim, há uma democratização da literatura, ampliando seu alcance. Assim, a linguagem utilizada nos romances urbanos era bastante acessível. Nos textos, o diálogo do autor com um leitor específico marcava um aspecto de confidência trocada entre duas pessoas íntimas. O cearense José de Alencar ( ) foi quem deu ao romance urbano uma forma mais bem acabada. O escritor priorizava, em seus textos, as relações humanas, estudadas em

9 função do ambiente em que se encontram as personagens. Embora a idealização romântica continue sendo uma marca característica das suas narrativas, ele examina a sociedade de modo mais detalhado, criticando valores condenáveis, como o casamento por interesse, o que dá um caráter mais realista às histórias de amor. Em seus textos, os heróis e heroínas apresentam alguns aspectos bastante humanizados, sendo vítimas das pressões econômicas e sociais e praticando, na narrativa, comportamentos muitas vezes condenáveis. A história, porém, sempre dá aos protagonistas a oportunidade da redenção final, que será alcançada quando se entregarem a sentimentos nobres, como o amor e a compaixão. O ROMANCE INDIANISTA: a idealização dos índios A primeira geração romântica brasileira já tinha a missão de construir uma consciência de identidade nacional nos leitores, trazendo personagens brasileiros como, por exemplo, os índios. Nos romances indianistas, a escolha dos índios como heróis foi extensamente utilizada, principalmente por José de Alencar, que os idealizava enormemente. Os índios passaram a ser indivíduos cujas ações inspiravam admiração e espanto. O romance indianista cumpriu um claro projeto literário: fornecer obras aos leitores brasileiros em que o passado histórico do país fosse reconstituído, quando possível, ou inventado, quando necessário. O índio é elevado à condição de herói para atuar como um personagem que representa o povo americano, ao mesmo tempo que se comporta de acordo com os mais nobres princípios da sociedade burguesa (como honestidade, bravura, paixão e humildade), tão valorizados pelo Romantismo. A apreciação dos protagonistas era feita com base nas características da natureza exuberante. Assim, os traços nacionais ficam ainda mais reforçados, porque essas

10 personagens não apenas nasceram no Brasil, como também são exemplos vivos das belezas inigualáveis do país. A verossimilhança linguística também era assegurada. No momento em que foram publicados, os romances indianistas fizeram grande sucesso junto aos leitores, porque respondiam de modo direto ao gosto da época: apresentavam um herói associado a um passado histórico e pintado com as cores fortes dos valores burgueses. Nos romances indianistas de José de Alencar, o índio representava o casamento perfeito entre o elemento nativo e os valores burgueses. Em suas obras, a natureza exuberante ganha a dimensão do espaço paradisíaco original. A ficção romântica redescobre um Brasil intocado pela civilização, pleno de promessas e possibilidades, com um futuro a ser conquistado. Seus principais romances indianistas foram O Guarani e Iracema. O ROMANCE REGIONALISTA: a revelação do Brasil O regionalismo traz, para o centro do romance brasileiro, as paisagens e os tipos de um Brasil desconhecido, como os vaqueiros dos pampas e os sertanejos nordestinos. Nessas obras, é apresentada uma sociedade rural de comportamentos e valores bem diferentes daqueles da corte. O país que emerge dos romances regionalistas configura-se como gigantesco na extensão e arcaico nos costumes. O projeto literário dos romances regionalistas era revelar o Brasil para os brasileiros. Indo contrariamente à conduta das pessoas influenciadas por modelos europeus, os românticos regionalistas usaram suas narrativas para divulgarem os aspectos locais ignorados por seus contemporâneos. Para o público dos romances românticos, essencialmente urbano, descortinava-se um Brasil completamente desconhecido, desafiador e heroico.

11 A imagem grandiosa que os românticos desejavam fazer dos espaços brasileiros se formava através dos cenários que aparecem nas narrativas regionalistas. O olhar romântico recorre à adjetivação idealizada para pintar o cenário brasileiro, que era retratado principalmente por áreas não muito conhecidas pela sociedade brasileira, como o nordeste. O olhar do público era deslocado da capital do império, e passava a se concentrar nas características regionais. José de Alencar e Visconde de Taunay ( ) foram os principais autores regionalistas.

Introdução ao Realismo

Introdução ao Realismo Lista de Exercícios Pré Universitário Uni-Anhanguera Aluno(a): Nº. Professor: Daniel Série: 2 Disciplina: Literatura Data da prova: 15/02/2014. Introdução ao Realismo P1-1 BIMESTRE Os textos seguintes

Leia mais

A arte do século XIX

A arte do século XIX A arte do século XIX Índice Introdução ; Impressionismo ; Romantismo ; Realismo ; Conclusão ; Bibliografia. Introdução Durante este trabalho irei falar e explicar o que é a arte no século XIX, especificando

Leia mais

O Romantismo - 1. Gonçalves de Magalhães: Suspiros Poéticos e Saudades (1836)

O Romantismo - 1. Gonçalves de Magalhães: Suspiros Poéticos e Saudades (1836) O Romantismo - 1 Gonçalves de Magalhães: Suspiros Poéticos e Saudades (1836) O sentimento dos descontentes com as novas estruturas: a nobreza, que já caiu, e a pequena burguesia, que ainda não subiu. As

Leia mais

Século XIX na Europa as inovações na arte. Predomínio do neoclassicismo ou academicismo

Século XIX na Europa as inovações na arte. Predomínio do neoclassicismo ou academicismo Século XIX na Europa as inovações na arte { Predomínio do neoclassicismo ou academicismo ANTIGUIDADE CLÁSSICA IDADE MÉDIA NEOCLASSICISMO OU ACADEMICISMO ROMANTISMO RENASCIMENTO BARROCO ROCOCÓ NEOCLÁSSICO

Leia mais

2. 1 A poesia trovadoresca - Leitura de cantigas de amor e de amigo semântico, sintático, lexical e sonoro;

2. 1 A poesia trovadoresca - Leitura de cantigas de amor e de amigo semântico, sintático, lexical e sonoro; EIXO TEMÁTICO: 1 TEXTO LITERÁRIO E NÃO LITERÁRIO 1) Analisar o texto em todas as suas dimensões: semântica, sintática, lexical e sonora. 1. Diferenciar o texto literário do não-literário. 2. Diferenciar

Leia mais

COMENTÁRIO GERAL DOS PROFESSORES DO CURSO POSITIVO VESTIBULAR PUCPR 2010/2011 PROVA DE LITERATURA

COMENTÁRIO GERAL DOS PROFESSORES DO CURSO POSITIVO VESTIBULAR PUCPR 2010/2011 PROVA DE LITERATURA COMENTÁRIO GERAL DOS PROFESSORES DO CURSO POSITIVO VESTIBULAR PUCPR 2010/2011 PROVA DE LITERATURA A PUCPR elaborou uma prova, no geral, de bom nível, embora tenha apresentado algumas falhas de revisão

Leia mais

Edição: Rodrigo Amorim DESENHOS: Lavínya Vieira CORDEL: 1º ANO A 02

Edição: Rodrigo Amorim DESENHOS: Lavínya Vieira CORDEL: 1º ANO A 02 O Cordel, Paixão e Poesia: Castro Alves o poeta da Bahia foi feito pelos alunos do 1º ano A (IF Baiano campus Itapetinga). O cordel é uma grande homenagem ao grande poeta baiano Castro Alves, conhecido

Leia mais

A MEMÓRIA NA LITERATURA

A MEMÓRIA NA LITERATURA A MEMÓRIA NA LITERATURA O MEMORIALISMO OCASIONAL Uma confissão indireta, uma revelação camuflada, às s vezes inconsciente, do que sepassa na cabeça a do escritor, das suas experiências e das recordações

Leia mais

Governo da Paraíba Secretaria de educação do estado Prêmio mestres da educação Escola Estadual de Ensino Fundamental e Médio José Luiz Neto

Governo da Paraíba Secretaria de educação do estado Prêmio mestres da educação Escola Estadual de Ensino Fundamental e Médio José Luiz Neto Governo da Paraíba Secretaria de educação do estado Prêmio mestres da educação Escola Estadual de Ensino Fundamental e Médio José Luiz Neto Maria José Almeida Silva Projeto: A literatura de cordel como

Leia mais

Anna Catharinna 1 Ao contrário da palavra romântico, o termo realista vai nos lembrar alguém de espírito prático, voltado para a realidade, bem distante da fantasia da vida. Anna Catharinna 2 A arte parece

Leia mais

Universidade Federal de Uberlândia

Universidade Federal de Uberlândia PRIMEIRA QUESTÃO A) É importante que o candidato ressalte o fato de que, na ilha, a princípio, tudo é eletivo : cabe aos indivíduos escolher os seus papéis. Esta liberdade da constituição do sujeito deve

Leia mais

A DINÂMICA DO GRUPO E SUAS LEIS 1 Heloisa Junqueira Fleury

A DINÂMICA DO GRUPO E SUAS LEIS 1 Heloisa Junqueira Fleury A DINÂMICA DO GRUPO E SUAS LEIS 1 Heloisa Junqueira Fleury O Psicodrama está intimamente ligado ao trabalho com grupos. MORENO, (1993, 1994) a partir de estudos sociométricos, apresentou princípios que

Leia mais

Entrevistada por Maria Augusta Silva [EM 1999, NA OCASIÃO DO LANÇAMENTO DO LIVRO ROSAS DA CHINA ]

Entrevistada por Maria Augusta Silva [EM 1999, NA OCASIÃO DO LANÇAMENTO DO LIVRO ROSAS DA CHINA ] ANA MAFALDA LEITE Entrevistada por Maria Augusta Silva [EM 1999, NA OCASIÃO DO LANÇAMENTO DO LIVRO ROSAS DA CHINA ] Um dizer poético pleno. Professora e poeta luso-moçambicana encantada por Florbela Espanca,

Leia mais

PILARES DA VIDA LIVRO DE POESIAS. Pensar, Refletir, Amar e ter Amigos é a Maneira do Ser Humano Viver.

PILARES DA VIDA LIVRO DE POESIAS. Pensar, Refletir, Amar e ter Amigos é a Maneira do Ser Humano Viver. PILARES DA VIDA LIVRO DE POESIAS Pensar, Refletir, Amar e ter Amigos é a Maneira do Ser Humano Viver. ELDER DE SOUZA PINTO CAPITULO I: REFLEXÕES E PENSAMENTOS A ARTE DE SER Ser é a arte de se inventar

Leia mais

CONCURSO DE ADMISSÃO 2013/2014 PROVA DE LÍNGUA PORTUGUESA (Prova 1) 6º Ano / Ensino Fundamental

CONCURSO DE ADMISSÃO 2013/2014 PROVA DE LÍNGUA PORTUGUESA (Prova 1) 6º Ano / Ensino Fundamental Leia atentamente o texto 1 e responda às questões de 01 a 12 assinalando a única alternativa correta. Texto 1 Uma história de Dom Quixote Moacyr Scliar 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20

Leia mais

Cara Professora, Caro Professor,

Cara Professora, Caro Professor, A olhinhos menina de rasgados Cara Professora, Caro Professor, Estamos oferecendo a você e a seus alunos um belo livro de narrativa A menina de olhinhos rasgados, do premiado autor mineiro Vanderlei Timóteo.

Leia mais

Imagens e viagens: a América Latina antropófaga de Hans Staden

Imagens e viagens: a América Latina antropófaga de Hans Staden Imagens e viagens: a América Latina antropófaga de Hans Staden Melissa Gonçalves Boëchat (UFMG) Nenhum processo de explicação poderia ser mais excitante (e desconcertante) do que nossa crescente constatação

Leia mais

Século XII Idade Média TROVADORISMO. Cristianismo. - Temas profanos. - Predomínio da emoção. - Influência das tradições populares

Século XII Idade Média TROVADORISMO. Cristianismo. - Temas profanos. - Predomínio da emoção. - Influência das tradições populares Século XII Idade Média TROVADORISMO Cristianismo - Temas profanos - Predomínio da emoção - Influência das tradições populares - Ambiente cortês, rural ou marítimo - Exaltação do ideal cavaleiresco - Emprego

Leia mais

TECNOLOGIAS, EDUCAÇÃO E A CRITICIDADE DIANTE DOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO

TECNOLOGIAS, EDUCAÇÃO E A CRITICIDADE DIANTE DOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO Tecnologia, Educação e Inclusão TECNOLOGIAS, EDUCAÇÃO E A CRITICIDADE DIANTE DOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO Ângela Maria Oliveira da Cruz Silva Antonilma S. de Almeida Castro (orientadora, Mestre em Educação

Leia mais

Comunicação A INFLUÊNCIA DA CONTAÇÃO DA HISTÓRIAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

Comunicação A INFLUÊNCIA DA CONTAÇÃO DA HISTÓRIAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Comunicação A INFLUÊNCIA DA CONTAÇÃO DA HISTÓRIAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL MENDONÇA, Magda Letícia Bezerra 1 Palavras-chave: Histórias, Educação infantil A presente apresentação refere-se a parte do trabalho

Leia mais

Sugestão de Atividade / História / 6ª Série (7º Ano)

Sugestão de Atividade / História / 6ª Série (7º Ano) Sugestão de Atividade / História / 6ª Série (7º Ano) COMPONENTE CURRICULAR: História SÉRIE/ANO: 6ª SÉRIE (7º Ano) INTERDISCIPLINARIDADE: Artes CONTEÚDO: Renascimento Cultural Eixo Temático I de Artes:

Leia mais

Matéria: literatura Assunto: contexto histórico do romantismo Prof. IBIRÁ

Matéria: literatura Assunto: contexto histórico do romantismo Prof. IBIRÁ Matéria: literatura Assunto: contexto histórico do romantismo Prof. IBIRÁ Literatura CONTEXTO HISTÓRICO Precedentes: Período de Transição (1808-1836) Simultaneamente ao final das últimas produções do movimento

Leia mais

SUPLEMENTO DE ATIVIDADES

SUPLEMENTO DE ATIVIDADES SUPLEMENTO DE ATIVIDADES NOME: N O : ESCOLA: SÉRIE: 1 Considerado um dos mais importantes escritores de todos os tempos, Edgar Allan Poe se inscreveu na história da literatura mundial com seu estilo inconfundível.

Leia mais

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda www.especifico.com.br DISCIPLINA : Sociologia PROF: Waldenir do Prado DATA:06/02/2012 O que é Sociologia? Estudo objetivo das relações que surgem e se reproduzem, especificamente,

Leia mais

Marisa Gomes da Silva e Amilton José Araújo Graduandos do 7º semestre do curso de Letras Vernáculas da UNEB, Campus XXIII, Seabra.

Marisa Gomes da Silva e Amilton José Araújo Graduandos do 7º semestre do curso de Letras Vernáculas da UNEB, Campus XXIII, Seabra. O MODERNISMO HERÓICO DOS ANOS 20 E O REGIONALISMO DOS ANOS 30. Marisa Gomes da Silva e Amilton José Araújo Graduandos do 7º semestre do curso de Letras Vernáculas da UNEB, Campus XXIII, Seabra. RESUMO

Leia mais

ISSN 1678-2054 - http://www.uel.br/pos/letras/terraroxa. Traços do componente romântico na literatura contemporânea. Volume 27

ISSN 1678-2054 - http://www.uel.br/pos/letras/terraroxa. Traços do componente romântico na literatura contemporânea. Volume 27 ISSN 1678-2054 - Traços do componente romântico na literatura contemporânea Volume 27 dezembro de 2014 ISSN 1678-2054 - Expediente A Terra Roxa e Outras Terras: Revista de Estudos Literários, com QUALIS

Leia mais

ABORDAGEM AO PENSAMENTO DE GONÇALVES CORREIA

ABORDAGEM AO PENSAMENTO DE GONÇALVES CORREIA ABORDAGEM AO PENSAMENTO DE GONÇALVES CORREIA Gonçalves Correia nasceu em 1886, portanto, na vigência do regime monárquico em Portugal. Quando teve idade para pensar, Gonçalves Correia aderiu, como muitos

Leia mais

LITERATURA BRASILEIRA

LITERATURA BRASILEIRA LITERATURA BRASILEIRA 01 Leia o poema Pintura admirável de uma beleza, de Gregório de Matos. Vês esse sol de luzes coroado? Em pérolas a aurora convertida? Vês a lua de estrelas guarnecida? Vês o céu de

Leia mais

3ª FASE Prof.a Carolina Oliveira

3ª FASE Prof.a Carolina Oliveira 3ª FASE Prof.a Carolina Oliveira CONTEÚDOS E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA 4º Bimestre Atividade Avaliativa de Ens. Religioso Aula 172 Conteúdo Contar histórias

Leia mais

Xixi na Cama. Cara Professora, Caro Professor,

Xixi na Cama. Cara Professora, Caro Professor, Xixi na Cama Cara Professora, Caro Professor, Estamos oferecendo a você e a seus alunos mais um livro da coleção Revoluções: Xixi na Cama, do autor mineiro Drummond Amorim. Junto com a obra, estamos também

Leia mais

Palavras-chave: Cordéis; Reciclagem; Educação

Palavras-chave: Cordéis; Reciclagem; Educação JORNADA PEDAGÓGICA: uma experiência realizada na turma do PROJOVEM CAMPO, com alunos do sítio Campinote no interior da Paraíba Luana Patrícia Costa Silva 1, Albertina Maria Ribeiro Brito de Araujo 2, Germana

Leia mais

Fator emocional. Fertilidade Natural: Fator emocional CAPÍTULO 8

Fator emocional. Fertilidade Natural: Fator emocional CAPÍTULO 8 CAPÍTULO 8 Fator emocional O projeto comum de ter filhos, construir a própria família, constitui um momento existencial muito importante, tanto para o homem como para a mulher. A maternidade e a paternidade

Leia mais

Cabra macho e cidadão do mundo

Cabra macho e cidadão do mundo Cabra macho e cidadão do mundo Uma poesia antilírica, dirigida ao intelecto, mais presa à realidade objetiva do poema enquanto criação; Cronologicamente pertence à geração de 45, mas dela se afasta pela

Leia mais

VÁRIAS MENINAS: DA EXEMPLARIDADE AO DIÁLOGO CAMILA FLESSATI RESUMO:

VÁRIAS MENINAS: DA EXEMPLARIDADE AO DIÁLOGO CAMILA FLESSATI RESUMO: VÁRIAS MENINAS: DA EXEMPLARIDADE AO DIÁLOGO RESUMO: CAMILA FLESSATI O presente artigo é fruto do trabalho realizado no grupo de estudos Literatura Infantil/Juvenil e Sociedade da Universidade de São Paulo.

Leia mais

Vós sois deuses, pois brilhe a vossa a luz! Jesus

Vós sois deuses, pois brilhe a vossa a luz! Jesus CURSO DE DESENVOLVIMENTO HUMANO E ESPIRITUAL DESCUBRA A ASSINATURA DE SUAS FORÇAS ESPIRITUAIS Test Viacharacter AVE CRISTO BIRIGUI-SP Jul 2015 Vós sois deuses, pois brilhe a vossa a luz! Jesus I SABER

Leia mais

Processo Seletivo 2011-2 Filosofia

Processo Seletivo 2011-2 Filosofia Filosofia 1) Gabarito Final sem distribuição de pontos - Questão 1 A) De acordo com o pensamento de Jean-Jacques Rousseau, o poder soberano é essencialmente do povo e o governo não é senão depositário

Leia mais

Veio Gente. Símbolo Veio Gente Detalhamento. - Concepção.

Veio Gente. Símbolo Veio Gente Detalhamento. - Concepção. Símbolo Veio Gente Detalhamento - Concepção. A concepção do símbolo do projeto Veio Gente nasceu das explicações da idéia e do conceito do evento durante conversas que tive com a Cris, principalmente a

Leia mais

Aula 1 - Cordel. professor Rafael Hoffmann

Aula 1 - Cordel. professor Rafael Hoffmann Aula 1 - Cordel professor Rafael Hoffmann Folhetos escritos em verso vendidos pelos próprios autores pendurados em barbantes (ou cordéis) em barracas de feiras no Nordeste. Origem em Portugal no século

Leia mais

AVALIAÇÃO DA UNIDADE III PONTUAÇÃO: 7,5 PONTOS

AVALIAÇÃO DA UNIDADE III PONTUAÇÃO: 7,5 PONTOS DA UNIDADE III PONTUAÇÃO: 7,5 PONTOS QUESTÃO 01 (1,0 ponto) Leia atentamente a proposição. O Romantismo era a apoteose do sentimento; O Realismo é a anatomia do caráter. É a crítica do homem. É a arte

Leia mais

ROCOCÓ. 8ºAno Artes 1º Bimestre 2015 Professor Juventino

ROCOCÓ. 8ºAno Artes 1º Bimestre 2015 Professor Juventino ROCOCÓ 8ºAno Artes 1º Bimestre 2015 Professor Juventino Foi considerado uma arte frívola de atmosfera aristocrática alheia aos problemas sociais. É uma arte Barroca mais suave, mais limpa e colorida. Marcado

Leia mais

Contação de Histórias PEF

Contação de Histórias PEF Contação de Histórias PEF Qual a importância da narração oral? -Exerce influência tanto sobre aspectos intelectuais quanto emocionais da criança. -Tem a capacidade de estimular a imaginação, a criatividade

Leia mais

COMENTÁRIO GERAL DOS PROFESSORES DO CURSO POSITIVO VESTIBULAR PUCPR 2009/2010 PROVA DE LITERATURA

COMENTÁRIO GERAL DOS PROFESSORES DO CURSO POSITIVO VESTIBULAR PUCPR 2009/2010 PROVA DE LITERATURA COMENTÁRIO GERAL DOS PROFESSORES DO CURSO POSITIVO VESTIBULAR PUCPR 2009/2010 PROVA DE LITERATURA Nenhuma questão com problema no gabarito. Nenhuma falha mais clamorosa. Logo, podemos considerar excelente

Leia mais

Resoluções das Atividades

Resoluções das Atividades Resoluções das Atividades Sumário Módulo 1 Quinhentismo, Barroco e Arcadismo...1 Módulo 2 Romantismo no Brasil Poesia: Primeira, segunda e terceira gerações...3 Módulo 3 Romantismo no Brasil Prosa: Romance

Leia mais

SECRETARIA DE EDUCAÇÃO E ESPORTES PROCESSO SELETIVO PARA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL DADOS DE IDENTIFICAÇÃO DO CANDIDATO

SECRETARIA DE EDUCAÇÃO E ESPORTES PROCESSO SELETIVO PARA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL DADOS DE IDENTIFICAÇÃO DO CANDIDATO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO E ESPORTES PROCESSO SELETIVO PARA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL DADOS DE IDENTIFICAÇÃO DO CANDIDATO Não deixe de preencher as informações a seguir: PRÉDIO SALA NOME Nº DE IDENTIDADE ÓRG.

Leia mais

Linguagens, Códigos e suas Tecnologias. Comentário: Comentário:

Linguagens, Códigos e suas Tecnologias. Comentário: Comentário: A primeira frase do emissor do texto denota inicialmente sua intenção de se pôr em uma situação simétrica, e não submissa ou inferior, aos não índios. O código de vocês, adotado como contato e respeitado

Leia mais

SAUDAÇÃO À BANDEIRA NOVEMBRO/2008 A BANDEIRA DO BRASIL

SAUDAÇÃO À BANDEIRA NOVEMBRO/2008 A BANDEIRA DO BRASIL SAUDAÇÃO À BANDEIRA 2008 NOVEMBRO/2008 A BANDEIRA DO BRASIL Quando Dom Pedro I ergueu a espada E independência pediu O povo gritou com força E liberdade conseguiu. Foram feitas outras bandeiras Para o

Leia mais

QUESTÃO 04 QUESTÃO 05

QUESTÃO 04 QUESTÃO 05 QUESTÃO 01 Arte abstrata é uma arte: a) que tem a intenção de representar figuras geométricas. b) que não pretende representar figuras ou objetos como realmente são. c) sequencial, como, por exemplo, a

Leia mais

Análise de Libertinagem.

Análise de Libertinagem. Análise de Libertinagem. Análise da obra Publicado em 1930, Libertinagem constitui o primeiro livro inteiramente modernista de Manuel Bandeira, e é seu quarto livro de poemas. É uma sucessão de poemas

Leia mais

PROJETO ACADEMIA MARIA ESTER DE LEITURA E ESCRITA AME

PROJETO ACADEMIA MARIA ESTER DE LEITURA E ESCRITA AME PROJETO ACADEMIA MARIA ESTER DE LEITURA E ESCRITA AME Ana Cláudia Gouveia de Sousa Ofinartes Centro de vivência, estudo e pesquisa educativa Ana Emília Nogueira Colégio Maria Ester Resumo O projeto Academia

Leia mais

Introdução. De que adianta estudar filosofia se não para melhorar o seu pensamento sobre as questões importantes do dia a dia? Ludwig Wittgenstein

Introdução. De que adianta estudar filosofia se não para melhorar o seu pensamento sobre as questões importantes do dia a dia? Ludwig Wittgenstein Introdução De que adianta estudar filosofia se não para melhorar o seu pensamento sobre as questões importantes do dia a dia? Ludwig Wittgenstein O que a filosofia tem a ver com o dia a dia? Tudo! Na verdade,

Leia mais

COMO ESCREVER UM LIVRO INFANTIL. Emanuel Carvalho

COMO ESCREVER UM LIVRO INFANTIL. Emanuel Carvalho COMO ESCREVER UM LIVRO INFANTIL Emanuel Carvalho 2 Prefácio * Edivan Silva Recebi o convite para prefaciar uma obra singular, cujo título despertou e muita minha atenção: Como escrever um livro infantil,

Leia mais

Carlos Neves. Antologia. Raízes. Da Poesia

Carlos Neves. Antologia. Raízes. Da Poesia 1 Antologia Raízes Da Poesia 2 Copyrighr 2013 Editra Perse Capa e Projeto gráfico Autor Registrado na Biblioteca Nacional ISBN International Standar Book Number 978-85-8196-234- 4 Literatura Poesias Publicado

Leia mais

LITERATURA BRASILEIRA - ALGUNS ELEMENTOS INFLUENCIADORES

LITERATURA BRASILEIRA - ALGUNS ELEMENTOS INFLUENCIADORES 1 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA DEPARTAMENTO DE LETRAS E ARTES DLA LICENCIATURA EM LETRAS COM A LÍNGUA INGLESA LITERATURA BRASILEIRA I Professor: Manoel Anchieta Nery JOÃO BOSCO DA SILVA (prof.bosco.uefs@gmail.com)

Leia mais

A PERMANÊNCIA DO REGIONALISMO NO ROMANCE BRASILEIRO: O CERRADO DE CARMO BERNARDES. Palavras-chave: Regionalismo Evolução Estética - Permanência

A PERMANÊNCIA DO REGIONALISMO NO ROMANCE BRASILEIRO: O CERRADO DE CARMO BERNARDES. Palavras-chave: Regionalismo Evolução Estética - Permanência A PERMANÊNCIA DO REGIONALISMO NO ROMANCE BRASILEIRO: O CERRADO DE CARMO BERNARDES Vanilde Gonçalves dos Santos LEITE; Rogério SANTANA F L - UFG vanildegsl@hotmail.com Palavras-chave: Regionalismo Evolução

Leia mais

COMO AVALIAR O TEXTO LITERÁRIO CRITÉRIOS DE ANÁLISE

COMO AVALIAR O TEXTO LITERÁRIO CRITÉRIOS DE ANÁLISE COMO AVALIAR O TEXTO LITERÁRIO CRITÉRIOS DE ANÁLISE Literatura Infantil aspectos a serem desenvolvidos A natureza da Literatura Infanto-Juvenil está na Literatura e esta é uma manifestação artística. Assim,

Leia mais

ÍNDICE PRIMEIRA PARTE A ARTE DA COMUNICAÇÃO

ÍNDICE PRIMEIRA PARTE A ARTE DA COMUNICAÇÃO ÍNDICE APRESENTAÇÃO... 13 PRIMEIRA PARTE A ARTE DA COMUNICAÇÃO 1. ESCUTAR OS FILHOS... 17 1.1 Dar tempo... 18 1.2 Prestar atenção... 19 1.3 Interpretar bem a mensagem... 19 1.4 Manifestar compreensão...

Leia mais

E, algumas vezes, a pessoa que mais precisa do seu perdão é você mesmo. Devemos nos lembrar que, ao dormirmos, o corpo astral sai do corpo físico.

E, algumas vezes, a pessoa que mais precisa do seu perdão é você mesmo. Devemos nos lembrar que, ao dormirmos, o corpo astral sai do corpo físico. MEDITAÇÃO DO PERDÃO Jesus ensinou que devemos perdoar a alma de todas as pessoas, pedindo ao Criador que detenha o lado negativo dela. Não importa o grau de negatividade de alguém, precisamos sempre perdoar,

Leia mais

Mudança de percepção no Quattrocento italiano representada por Sandro Botticelli

Mudança de percepção no Quattrocento italiano representada por Sandro Botticelli Mudança de percepção no Quattrocento italiano representada por Sandro Botticelli Débora Barbam Mendonça 1 FAPESP Resumo: Este trabalho tem por objetivo apresentar as transformações de perspectiva ocorridas

Leia mais

Roteiro para ser feliz no amor

Roteiro para ser feliz no amor Flavio Gikovate Roteiro para ser feliz no amor 1.O amor é um sentimento que faz parte da "felicidade democrática", aquela que é acessível a todos nós. É democrática a felicidade que deriva de nos sentirmos

Leia mais

Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX

Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX Jorge Luiz de FRANÇA * Nesta comunicação, pretendemos, por intermédio das publicações

Leia mais

*Não foi propriamente um movimento ou escola literária; * Trata-se de uma fase de transição para o Modernismo, nas duas primeiras décadas do século

*Não foi propriamente um movimento ou escola literária; * Trata-se de uma fase de transição para o Modernismo, nas duas primeiras décadas do século *Não foi propriamente um movimento ou escola literária; * Trata-se de uma fase de transição para o Modernismo, nas duas primeiras décadas do século XX; * É quando surge uma literatura social, através de

Leia mais

PROVA ESCRITA DE EDUCAÇÃO MUSICAL. PRIMEIRA PARTE - QUESTÕES DISCURSIVAS (70 pontos)

PROVA ESCRITA DE EDUCAÇÃO MUSICAL. PRIMEIRA PARTE - QUESTÕES DISCURSIVAS (70 pontos) COLÉGIO PEDRO II DIRETORIA GERAL SECRETARIA DE ENSINO CONCURSO PÚBLICO PARA PROFESSORES DE ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO = 2002 = PRIMEIRA PARTE - QUESTÕES DISCURSIVAS (70 pontos) 1) Escreva uma notação rítmica

Leia mais

UFMG - 2006 2º DIA PORTUGUÊS BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR

UFMG - 2006 2º DIA PORTUGUÊS BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR UFMG - 2006 2º DIA PORTUGUÊS BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR Português/Literatura Questão 01 Leia esta tirinha: A gramática, tradicionalmente, concebe os pronomes pessoais como palavras que indicam,

Leia mais

OFICINA DE POESIA, PROSA E MUSICALIZAÇÃOINFANTIL A MELODIA DA IMAGINAÇÃO

OFICINA DE POESIA, PROSA E MUSICALIZAÇÃOINFANTIL A MELODIA DA IMAGINAÇÃO OFICINA DE POESIA, PROSA E MUSICALIZAÇÃOINFANTIL ( para Secretarias de Educação e Escolas ) A MELODIA DA IMAGINAÇÃO ( CANTANDO E RECONTANDO A LITERATURA INFANTIL) OFICINEIRO: CARLOS HERACLITO MELLO NEVES

Leia mais

Romantismo. Questão 01 Sobre a Arte no Romantismo, julgue os itens a seguir em (C) CERTOS ou (E) ERRADOS:

Romantismo. Questão 01 Sobre a Arte no Romantismo, julgue os itens a seguir em (C) CERTOS ou (E) ERRADOS: Romantismo Questão 01 Sobre a Arte no Romantismo, julgue os itens a seguir em (C) CERTOS ou (E) ERRADOS: 1. ( C ) Foi a primeira e forte reação ao Neoclassicismo. 2. ( E ) O romantismo não valorizava a

Leia mais

Em Maio, no mês das. Mães. presenteie as mamães, com uma das palestras Incríveis, ministradas pela Diva da Autoestima, Nelma Penteado!

Em Maio, no mês das. Mães. presenteie as mamães, com uma das palestras Incríveis, ministradas pela Diva da Autoestima, Nelma Penteado! Em Maio, no mês das Mães presenteie as mamães, com uma das palestras Incríveis, ministradas pela Diva da Autoestima, Nelma Penteado! TODAS AS MÃES SÃO: Artistas Nutricionistas Educadoras Cozinheiras Professoras

Leia mais

Blecaute. EU SOU HEATHCLIFF Por Alexandre Laurence

Blecaute. EU SOU HEATHCLIFF Por Alexandre Laurence Ensaio EU SOU HEATHCLIFF Por Alexandre Laurence O desconcertante O Morro dos ventos uivantes, Wuthering heights em inglês original, escrito pela romancista inglesa Emily Brontë, até hoje assusta e comove

Leia mais

PROSA DO MAR: BREVÍSSIMA LEITURA ICONOLÓGICA

PROSA DO MAR: BREVÍSSIMA LEITURA ICONOLÓGICA PROSA DO MAR: BREVÍSSIMA LEITURA ICONOLÓGICA Renato Dias PROSA DO MAR: BREVÍSSIMA LEITURA ICONOLÓGICA Escrever não é olhar para a superfície, mas para dentro. Não me interessa descrever se o personagem

Leia mais

FACESI EM REVISTA Ano 3 Volume 3, N. 2 2011 - - ISSN 2177-6636

FACESI EM REVISTA Ano 3 Volume 3, N. 2 2011 - - ISSN 2177-6636 A IMPORTÂNCIA DO ATO DE LER NO UNIVERSO INFANTIL Ana Maria Martins anna_1280@hotmail.com Karen de Abreu Anchieta karenaanchieta@bol.com.br Resumo A importância do ato de ler no cotidiano infantil é de

Leia mais

DEZ lugares para reviver Os Maias em Lisboa Clique aqui para ver a notícia no site

DEZ lugares para reviver Os Maias em Lisboa Clique aqui para ver a notícia no site Editora Zahar Veículo: Sites Data: 27/06/2014 Tópico: Institucional Página: 00:00:00 Editoria: Saraiva Conteúdo 1 / 1 DEZ lugares para reviver Os Maias em Lisboa Clique aqui para ver a notícia no site

Leia mais

História da arte estilo ENEM

História da arte estilo ENEM História da arte estilo ENEM 01 - Assinale a alternativa que menciona o acontecimento a que Oswald de Andrade se reporta para nomear o Movimento Antropofágico. a) A adesão de Graça Aranha ao movimento

Leia mais

Natureza e Artificialidade nas mulheres das poesias de Victor Hugo e Charles Baudelaire

Natureza e Artificialidade nas mulheres das poesias de Victor Hugo e Charles Baudelaire Natureza e Artificialidade nas mulheres das poesias de Victor Hugo e Charles Baudelaire Grace Alves da Paixão 1 Orientadora: Gloria Carneiro do Amaral Resumo: O objetivo deste resumo é o de expor algumas

Leia mais

Tempo de rosas. Tânia Alexandre Martinelli SINOPSE

Tempo de rosas. Tânia Alexandre Martinelli SINOPSE SINOPSE Tempo de rosas conta a história de Luciano, um adolescente que, após a morte da mãe, passa a morar com o irmão mais novo na casa do avô. De forma realista, mas também com muita poesia e sensibilidade,

Leia mais

AVALIAÇÃO DA UNIDADE I PONTUAÇÃO: 7,5 PONTOS

AVALIAÇÃO DA UNIDADE I PONTUAÇÃO: 7,5 PONTOS DA UNIDADE I PONTUAÇÃO: 7,5 PONTOS QUESTÃO 01: Avalie as afirmativas seguintes em relação ao Romantismo. (1,0) I. As primeiras manifestações literárias do Romantismo ocorreram nos países europeus mais

Leia mais

As Racionalidades no município de Ibiúna (SP): tempos rápidos e tempos lentos.

As Racionalidades no município de Ibiúna (SP): tempos rápidos e tempos lentos. 1 As Racionalidades no município de Ibiúna (SP): tempos rápidos e tempos lentos. Elisângela Couto 1 (Mestranda em Geografia Humana/FFLCH/USP) Júlio César Suzuki 2 (Orientador) Resumo Neste trabalho discutimos

Leia mais

História da Arte - Linha do Tempo

História da Arte - Linha do Tempo História da Arte - Linha do Tempo PRÉ- HISTÓRIA (1000000 A 3600 a.c.) Primeiras manifestações artísticas. Pinturas e gravuras encontradas nas paredes das cavernas. Sangue de animais, saliva, fragmentos

Leia mais

Machado de Assis, colaborador da Semana Ilustrada (1860 1875) Teodoro Koracakis

Machado de Assis, colaborador da Semana Ilustrada (1860 1875) Teodoro Koracakis Machado de Assis, colaborador da Semana Ilustrada (1860 1875) Teodoro Koracakis Resumo: Este trabalho pretende investigar uma atividade específica de Machado de Assis, entre tantas que exerceu: a sua colaboração

Leia mais

Trabalhando com a diversidade de opções

Trabalhando com a diversidade de opções CVDEE - Centro Virtual de Divulgação e Estudo do Espiritismo http://www.cvdee.org.br Trabalhando com a diversidade de opções Para que possamos ter um resultado mais atraente, mais em conformidade com a

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 47 Discurso ao receber o Prémio Príncipe

Leia mais

RELIGIÃO E ESPIRITUALIDADE ENFERMAGEM DA FAMÍLIA

RELIGIÃO E ESPIRITUALIDADE ENFERMAGEM DA FAMÍLIA ENFERMAGEM DA FAMÍLIA A CIÊNCIA É APENAS UM DOS OLHOS POSSÍVEIS NA IMENSA BUSCA DE SIGNIFICADOS INFLUÊNCIAS NAS FAMÍLIAS Valores Tamanho Cuidados de saúde Hábitos sociais EMOÇÕES: MEDO PAZ CULPA ESPERANÇA

Leia mais

ESTUDOS CULTURAIS E ENSINO DA ARTE: RELAÇÕES PEDAGÓGICAS ENTRE UMA PROCISSÃO RELIGIOSA E A FORMAÇÃO DE PROFESSORES NUMA PERSPECTIVA CONTEMPORÂNEA.

ESTUDOS CULTURAIS E ENSINO DA ARTE: RELAÇÕES PEDAGÓGICAS ENTRE UMA PROCISSÃO RELIGIOSA E A FORMAÇÃO DE PROFESSORES NUMA PERSPECTIVA CONTEMPORÂNEA. ESTUDOS CULTURAIS E ENSINO DA ARTE: RELAÇÕES PEDAGÓGICAS ENTRE UMA PROCISSÃO RELIGIOSA E A FORMAÇÃO DE PROFESSORES NUMA PERSPECTIVA CONTEMPORÂNEA. SOUZA 1, Carla Farias UFSM carla_fs111@yahoo.com.br NUNES

Leia mais

AS MAIS DE DUZENTAS MENSAGENS DE UM OTIMISTA

AS MAIS DE DUZENTAS MENSAGENS DE UM OTIMISTA AS MAIS DE DUZENTAS MENSAGENS DE UM OTIMISTA Emanuel Carvalho 1 SUMÁRIO Dedicatória 03 Agradecimentos 04 Prefácio 05 Mensagens de otimismo 08 até 94 2 Dedicatória Dedico este meu e-book a todas as pessoas

Leia mais

Tema 4: Espiritualidade Na densidade do humano emerge a vida de Deus

Tema 4: Espiritualidade Na densidade do humano emerge a vida de Deus Tema 4: Espiritualidade Na densidade do humano emerge a vida de Deus NA DENSIDADE DO HUMANO EMERGE A VIDA DE DEUS, Nossa espiritualidade marista, aberta ao diálogo interreligioso, a quem está em busca

Leia mais

LITERATURA PORTUGUESA II AULA 04: A PROSA REALISTA TÓPICO 02: A PROSA DE EÇA DE QUEIRÓS Fonte [1] Eça de Queirós em 1882. José Maria de Eça de Queirós (Póvoa de Varzim, 1845 Neuilly-sur- Seine, 1900) estudou

Leia mais

UMA REFLEXÃO SOBRE A PRÁTICA DOCENTE ATRAVÉS DAS NARRATIVAS DISCENTES

UMA REFLEXÃO SOBRE A PRÁTICA DOCENTE ATRAVÉS DAS NARRATIVAS DISCENTES UMA REFLEXÃO SOBRE A PRÁTICA DOCENTE ATRAVÉS DAS NARRATIVAS DISCENTES Luciana Bessa Silva (bessaluciana@hotmail.com) RESUMO Como humanos, narramos nossos sentimentos, nossos desejos, nossas emoções, nossas

Leia mais

Texto integrante dos Anais do XVIII Encontro Regional de História O historiador e seu tempo. ANPUH/SP UNESP/Assis, 24 a 28 de julho de 2006. Cd-rom.

Texto integrante dos Anais do XVIII Encontro Regional de História O historiador e seu tempo. ANPUH/SP UNESP/Assis, 24 a 28 de julho de 2006. Cd-rom. Título do trabalho: Futebol e identidade nacional brasileira: o caso da Copa do Mundo de 1938. Autor: Paulo Henrique do Nascimento. Filiação institucional: Universidade Estadual Paulista Campus de Franca.

Leia mais

COMPRE AQUI E MORE BEM : A LINGUAGEM PUBLICITÁRIA E OS DISCURSOS DA PROPAGANDA IMOBILIÁRIA

COMPRE AQUI E MORE BEM : A LINGUAGEM PUBLICITÁRIA E OS DISCURSOS DA PROPAGANDA IMOBILIÁRIA COMPRE AQUI E MORE BEM : A LINGUAGEM PUBLICITÁRIA E OS DISCURSOS DA PROPAGANDA IMOBILIÁRIA Maria Eliane Gomes Morais (PPGFP-UEPB) Linduarte Pereira Rodrigues (DLA/PPGFP-UEPB) Resumo: Os textos publicitários

Leia mais

POLÍTICAS TERRITORIAIS DE CONSERVAÇAO E HABITANTES DO PARQUE NACIONAL INTRODUÇÃO

POLÍTICAS TERRITORIAIS DE CONSERVAÇAO E HABITANTES DO PARQUE NACIONAL INTRODUÇÃO POLÍTICAS TERRITORIAIS DE CONSERVAÇAO E HABITANTES DO PARQUE NACIONAL DO CATIMBAU-PE INTRODUÇÃO No Brasil, as políticas públicas voltadas para o meio ambiente são defendidas para que atuem com rigor, na

Leia mais

Bicho de sete cabeças e outros seres fantásticos, de Eucanaã Ferraz: poesia para não ter medo do desconhecido. Ana Paula Klauck

Bicho de sete cabeças e outros seres fantásticos, de Eucanaã Ferraz: poesia para não ter medo do desconhecido. Ana Paula Klauck Publicado na revista eletrônica Tigre Albino Volume 3, Número 3. 2010. ISSN: 1982-9434 Disponível em: http://www.tigrealbino.com.br/texto.php?idtitulo=08f1c7471182e83b619f12bfa4 27e1e0&&idvolume=9a2be2ed7998330d41811b14e9f81f2d

Leia mais

A imagem idealizada de uma infância saudável e feliz hoje se

A imagem idealizada de uma infância saudável e feliz hoje se VOZ DO LEITOR ANO 4 EDIÇÃO 30 On/off-line: entreolhares sobre as infâncias X, Y e Z Amanda M. P. Leite A imagem idealizada de uma infância saudável e feliz hoje se prende a uma espécie de saudosismo da

Leia mais

A POESIA E O CINEMA EM TARKOVSKI

A POESIA E O CINEMA EM TARKOVSKI A POESIA E O CINEMA EM TARKOVSKI Roberto Acioli 1 O meu mais fervoroso desejo sempre foi o de conseguir me expressar nos meus filmes, de dizer tudo com absoluta sinceridade, sem impor aos outros os meus

Leia mais

ÍNDICE. Capítulo 1 : O valor da Inovação

ÍNDICE. Capítulo 1 : O valor da Inovação ÍNDICE Capítulo 1 : O valor da Inovação Estamos na era da Inovação A responsabilidade da educação A mudança da cultura Mas o que é inovação? Inovar vale a pena Estudo de caso: TUDO e Itaú: uma parceria

Leia mais

INSTITUTO TECNOLÓGICO DE AERONÁUTICA Orientações para a Redação

INSTITUTO TECNOLÓGICO DE AERONÁUTICA Orientações para a Redação I - Proposta de Redação INSTITUTO TECNOLÓGICO DE AERONÁUTICA Orientações para a Redação A proposta de redação do vestibular do ITA pode ser composta de textos verbais, não verbais (foto ou ilustração,

Leia mais

Edison Mendes. A realidade de uma vida

Edison Mendes. A realidade de uma vida Edison Mendes A realidade de uma vida Rio de Janeiro Barra Livros 2014 Copyright 2014 by Edison Mendes Todos os direitos reservados à Barra Livros Proibida a reprodução desta obra, total ou parcialmente,

Leia mais

Pequena História do meu Estágio de Português orientado pelo Senhor Dr. Virgílio Couto na Escola Comercial de Veiga Beirão

Pequena História do meu Estágio de Português orientado pelo Senhor Dr. Virgílio Couto na Escola Comercial de Veiga Beirão Pequena História do meu Estágio de Português orientado pelo Senhor Dr. Virgílio Couto na Escola Comercial de Veiga Beirão Ano Primeiro (1948-1949) Janeiro, 11 Para começar, falou connosco durante uma hora

Leia mais

EDUCAÇÃO PATRIMONIAL ATRAVÉS DAS OFICINAS DE ARTE. EIXO TEMÁTICO: Relatos de experiências em oficinas e salas de aula

EDUCAÇÃO PATRIMONIAL ATRAVÉS DAS OFICINAS DE ARTE. EIXO TEMÁTICO: Relatos de experiências em oficinas e salas de aula EDUCAÇÃO PATRIMONIAL ATRAVÉS DAS OFICINAS DE ARTE Maria Cristina Pastore 1 EIXO TEMÁTICO: Relatos de experiências em oficinas e salas de aula Palavras chaves: patrimônio, oficinas, arte. PATRIMÔNIO CULTURAL

Leia mais

As doenças tornam-se normalmente metáfora quando as suas causas são desconhecidas.

As doenças tornam-se normalmente metáfora quando as suas causas são desconhecidas. Intervenção do Presidente do Supremo Tribunal Administrativo Conselheiro Manuel Fernando dos Santos Serra Na Sessão de Encerramento do Curso de Especialização no âmbito do Concurso Excepcional de Ingresso

Leia mais

O PROJETO TRANSDISCIPLINAR ESTAMOS POESIA: A LUDOPOIESE NA AUTOFORMAÇÃO DE ALUNOS E PROFESSORES

O PROJETO TRANSDISCIPLINAR ESTAMOS POESIA: A LUDOPOIESE NA AUTOFORMAÇÃO DE ALUNOS E PROFESSORES 1 O PROJETO TRANSDISCIPLINAR ESTAMOS POESIA: A LUDOPOIESE NA AUTOFORMAÇÃO DE ALUNOS E PROFESSORES Maria das Dôres da Silva Timóteo da Câmara BACOR/PPGEd/UFRN Orientadora Profª Drª Katia Brandão Cavalcanti

Leia mais

A vida em grupo é uma exigência da natureza humana. É na presença do outro que a pessoa forma a sua identidade. Lev Vygotsky

A vida em grupo é uma exigência da natureza humana. É na presença do outro que a pessoa forma a sua identidade. Lev Vygotsky A vida em grupo é uma exigência da natureza humana É na presença do outro que a pessoa forma a sua identidade. Lev Vygotsky No processo de socialização a criança aprende as regras básicas, os valores e

Leia mais