Presença indesejável no Brasil

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Presença indesejável no Brasil"

Transcrição

1 Presença indesejável no Brasil Lucas Tadeu Ferreira e Maria Fernanda Diniz Avidos mosca-branca (Bemisia argentifolii) é uma velha conhecida da comunidade científica. Os problemas que causa à agricultura como praga e vetor de vírus já vêm sendo descritos há mais de cem anos. Mas não representava uma ameaça, já que até recentemente seus danos eram limitados a poucas plantas hospedeiras, em algumas regiões geográficas, com a transmissão de viroses. Na última década, a situação da mosca-branca mudou dramaticamente no cenário mundial e ela passou a ser considerada, pela imprensa internacional, como uma das principais pragas do século XX. A disseminação da mosca-branca, em nível mundial, vem ocorrendo de forma assustadora. Estima-se que hoje já são conhecidas mais de 700 plantas hospedeiras desta praga e os prejuízos somam alguns bilhões de dólares. Somente nos Estados Unidos, os danos causados por este inseto já chegam a US$ 500 milhões por ano, e em algumas regiões agrícolas daquele país, os ataques constantes da mosca-branca têm gerado índices de desemprego superiores a 30% no campo. Na Nicarágua e na Costa Rica, essa praga tem causado colapso na produção agrícola de várias culturas e ela já foi detectada também na maior parte dos países da África, Ásia, Austrália, Nova Zelândia e América Central. A mosca-branca atua como praga nas culturas agrícolas, por se alimentar da seiva das plantas, podendo levá-las à morte ou à diminuição da produção, especialmente quando há alta densidade populacional do inseto. Além disso, elimina uma excreção açucarada que induz o aparecimento de fungos, provocando o apodrecimento de ramos, folhas, flores e frutos. Esses danos comprometem a aparência, prejudicando a comercialização dos produtos, principalmente de frutas para exportação e de plantas ornamentais. A mosca-branca é também vetor de vírus bastante prejudiciais, como o geminivírus e, por isso, as perdas ocasionadas por essa praga chegam a 100% em diversas culturas de frutas e hortaliças. É importante ressaltar ainda que a mosca-branca adquire facilmente resistência aos produtos químicos utilizados no seu controle. A moscabranca no Brasil No Brasil, embora os primeiros relatos da mosca-branca datem do ano de 1928, o primeiro registro oficial ocorreu em 1968 com algodão, soja e feijão, no Estado do Paraná, e em 1972 e 1973, no Estado de São Paulo. No início da década de 90, a moscabranca ressurgiu em diversas regiões do país, causando prejuízos em uma série de culturas de importância socioeconômica como melão, melancia, 22 Biotecnologia Ciência & Desenvolvimento

2 Ninfa de 3º ínstar. A transparência da ninfa dificulta a inspeção vegetal nos pontos de entrada no país e facilita a dispersão da mosca-branca através de plantas ao redor do mundo abóbora, uva, jiló, entre outras. Em 1991, foi registrado o primeiro impacto realmente expressivo dessa praga em culturas de tomate, brócolis, berinjela, abóbora e também em plantas ornamentais, como a poinsétia, também conhecida como bico-de-papagaio, e o crisântemo. Hoje, a mosca-branca já pode ser encontrada em quase todos os estados brasileiros, causando perdas que variam de 30 a 100%, principalmente em cultivos de frutas e de hortaliças. Estima-se que os prejuízos causados por essa praga à agricultura brasileira, somados aos gastos com produtos químicos utilizados no seu controle, já estão próximos de meio bilhão de dólares, sem levar em conta os impactos sociais como o desemprego no campo e o conseqüente êxodo rural que ela provoca. Os maiores impactos causados pela mosca-branca no sistema agrícola têm sido observados na Região Nordeste do Brasil, onde se encontra a maior área plantada de fruticultura do país. No Vale do Rio São Francisco, observou-se, a partir de 1995, a ocorrência dessa praga em níveis bastante elevados nas culturas de melão, abóbora, feijão, pimentão, tomate e videira, principalmente nos projetos de irrigação de Petrolina, em Pernambuco, e em Sobradinho, Casa Nova, Juazeiro e Guanambi, na Bahia. Contudo, a mosca-branca vem causando danos também às culturas agrícolas das regiões Sul, Sudeste e Centro- Oeste. Na Região Centro-Oeste, no Estado do Mato Grosso do Sul, perdas de até 100% vêm ocorrendo nas culturas de pimentão, tomate, pepino e repolho. Em Goiás, os prejuízos têm sido grandes no cultivo da soja, algodão, melancia, feijão, abóbora e jiló. No entorno do Distrito Federal, e em Brasília, os danos ocorridos na produção de tomate também foram expressivos, principalmente pela disseminação do geminivírus. Alguns estados das regiões Sul e Sudeste do Brasil também vêm sendo vítimas dos ataques. Até o momento, as áreas que sofreram os maiores impactos da mosca-branca foram: Triângulo Mineiro, onde houve perdas de até 100% nas culturas de jiló, e onde atualmente o tomate é a cultura que vem sendo atacada; no norte do Paraná houve sérios danos, principalmente à cultura de soja; no Estado de São Paulo, este inseto vem se dispersando com muita rapidez, atacando um número cada vez maior de culturas, principalmente soja, algodão e milho, além do tomate, abóbora, brócolis, crisântemo, poinsétia e até mesmo plantas invasoras. Além disso, tem disseminado de forma agressiva o geminivírus, especialmente em plantas de tomate. Programa Nacional de Controle Os prejuízos crescentes que a mosca-branca vem causando à agricultura brasileira levaram o Ministério da Agricultura e do Abastecimento a criar, no dia 16 de dezembro, o Programa Nacional de Controle da Mosca-Branca, que será coordenado pelo ministério, através da Secretaria de Defesa Agropecuária - SDA, ficando a parte de pesquisa sob a responsabilidade da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária - Embrapa, através do Centro Nacional de Pesquisa de Recursos Genéticos e Biotecnologia - Cenargen. As medidas de combate à mosca-branca e de controle fitossanitário, nos estados, serão implementadas pelos seus respectivos governos, através das secretarias de agricultura. Para a efetiva implementação do programa, os governos federal e estaduais vão formar parcerias com a iniciativa privada, através dos seus respectivos órgãos de atuação. O programa prevê a adoção de Biotecnologia Ciência & Desenvolvimento 23

3 medidas fitossanitárias preventivas para conter a disseminação da mosca-branca e também o desenvolvimento de atividades de pesquisa com o objetivo de estabelecer os métodos mais eficientes para o manejo integrado dessa praga, o que inclui a realização de pesquisas de controle biológico e estudos de caracterização molecular de populações do inseto. Serão realizados também estudos para avaliar o impacto socioeconômico nas culturas agrícolas em todo o país. Esse programa prevê uma grande concentração de esforços e ações de combate à mosca-branca também nas pequenas e médias propriedades rurais, sem o quê não será possível obter o êxito desejado. O que é a mosca-branca A mosca-branca (Bemisia argentifolii) é um inseto da Ordem Hemíptera, muito pequeno e bastante parecido com uma mariposa em miniatura. O tamanho aproximado das fêmeas é de 0,9mm e dos machos de 0,8mm. Em sua fase adulta, possui dois pares de asas membranosas, podendo voar a curtas e longas distâncias. Sob condições climáticas favoráveis, principalmente com temperaturas em torno de 25 C, o ciclo de vida da mosca-branca varia de três a quatro semanas. Esses insetos permanecem na parte inferior das folhas, onde depositam seus ovos. Dependendo da planta hospedeira, uma fêmea pode colocar de 30 a 400 ovos, durante seu tempo de vida, com uma média de 150 a 160 ovos. Os ovos medem aproximadamente 0,2mm e levam, em média, de cinco a sete dias para eclodirem, dependendo da planta hospedeira e da temperatura. Depois, a fase de ninfa dura aproximadamente duas semanas. Nos seus primeiros momentos de vida, a ninfa é transparente, mede cerca de 0,3mm de comprimento, chegando a 0,6mm no final dessa fase. Desloca-se na folha por algumas horas, escolhendo o local mais adequado para fixar-se. A ninfa se transforma em inseto adulto, através de uma abertura em formato de T invertido, deixando para trás uma espécie de invólucro translúcido, que continua preso à folha. Em altas densidades populacionais, verdadeiras nuvens desses insetos são formadas quando as plantas hospedeiras são tocadas. Os adultos podem ser encontrados numa distância de até 7km da planta hospedeira e a, no máximo, 300 metros de altura. Voam geralmente no período mais fresco do dia e à noite, na busca de plantas hospedeiras. A mosca-branca pode causar danos às culturas agrícolas tanto na fase adulta como na de ninfa. A observação visual de adultos nas plantas é indispensável para constatar a presença da praga e decidir o método de controle mais adequado a ser aplicado, antes que ocorram perdas na cultura, principalmente no período mais quente e seco do ano. Controle fitossanitário Em geral, o vento é um dos principais fatores na disseminação da moscabranca, mas o homem é o maior disseminador desse inseto, ao transportar plantas infestadas de um local para outro, de forma inadvertida, sem respeitar os procedimentos e as normas fitossanitárias do Ministério da Agricultura. Em função dos prejuízos que a introdução de novas pragas pode causar à agricultura brasileira, todas as pessoas interessadas em importar ou transportar material vegetal (sementes, mudas, plantas etc.) de uma região para outra dentro do Brasil devem primeiramente procurar orientações nas secretarias de agricultura de seus estados para evitar a disseminação da mosca-branca e de outras pragas. Existem algumas medidas de controle preventivo que podem conter a disseminação da mosca-branca e que são facilmente assimiláveis pelos produtores rurais. Entre elas, destacam-se: Destruir os restos culturais imediatamente após a colheita; Utilizar plantas invasoras como armadilhas para atrair os insetos. Depois de utilizadas, devem ser imediatamente eliminadas. Não abandonar o cultivo, mesmo que haja alta concentração da moscabranca, já que o abandono pode ocasionar a infestação de cultivos próximos, aumentando os danos. Evitar plantios próximos a culturas já infestadas, a menos que a espécie cultivada não seja suscetível à moscabranca. Observar a direção mais comum dos ventos e evitar plantar em áreas sujeitas à infestação pelo vento. Não transitar com veículos, materiais, equipamentos e vestuário provenientes de áreas infestadas. Manter vigilância constante de suas culturas, se a mosca-branca já tiver sido constatada na sua região. Consultar imediatamente o Serviço de Extensão Rural, caso detectar a presença da mosca-branca em sua propriedade. Utilizar variedades de plantas mais resistentes, caso já estejam disponíveis no mercado Utilizar armadilhas adesivas amarelas para monitorar as populações de moscas-brancas, evitando usar óleo, graxa ou vaselina para colar os insetos, já que eles derretem facilmente com o calor. Utilizar detergentes neutros ou óleos na proporção de 1%, durante as pulverizações, para diminuir o número de ninfas nas folhas. Controle químico Existem vários grupos químicos, com diferentes princípios ativos, que podem 24 Biotecnologia Ciência & Desenvolvimento

4 Biotecnologia Ciência & Desenvolvimento 25

5 ser utilizados no controle da moscabranca. A escolha do inseticida adequado varia de acordo com a fase em que se encontra o inseto. Os reguladores de crescimento atingem apenas a fase de ninfa e não controlam adultos; enquanto que os de contato podem controlar os adultos e não causar efeitos nos ovos e na maioria das ninfas. É importante ainda alternar o uso de inseticidas com modos de ação diferentes, já que esse procedimento é fundamental para prevenir e evitar a formação de resistência e tolerância nos insetos. A pulverização nos períodos quentes do dia e nos momentos de vento forte deve ser evitada. Além disso, é importante certificar-se de que a folhagem tenha uma boa cobertura, já que a moscabranca, tanto na fase adulta como na de ninfa, permanece na região inferior da folha e em locais sombreados. Existem algumas regras básicas para a aplicação de produtos químicos no combate a pragas e que devem ser rigorosamente seguidas como, por exemplo, ler o rótulo e a bula do produto antes de utilizá-lo, verificando a toxicidade e o modo de usar. É importante ainda observar as recomendações para a aplicação, e não fumar, beber ou comer até que a vestimenta de proteção seja retirada e um banho de água fria tomado. Os produtos químicos nunca podem ser deixados próximos de alimentos ou vasilhames esquecidos no campo e também, na maioria dos casos, não devem ser pulverizados em períodos de grande incidência de abelhas, pois estas são importantes agentes polinizadores. Nunca é demais lembrar que os produtos químicos só devem ser aplicados com a utilização de equipamentos de proteção individual adequados e com o receituário agronômico. Além disso, só devem ser utilizados produtos devidamente registrados no Ministério da Agricultura e do Abastecimento para controle da mosca-branca. Controle biológico O controle biológico vem se mostrando, cada vez mais, uma alternativa eficaz e viável no controle de pragas e doenças da agricultura, sem agredir o meio ambiente. Esse método potencializa o efeito letal dos inimigos naturais sobre as pragas e doenças. O Baculovírus anticarsia, por exemplo, desenvolvido pelo Centro Nacional de Pesquisa de Soja, da Embrapa, para o controle da lagarta da soja já vem sendo usado no Brasil há mais de dez anos, com muito sucesso em quase todo o país. Um outro exemplo de um bioinseticida bem-sucedido é o que foi desenvolvido pelo Centro Nacional de Pesquisa de Recursos Genéticos e 26 Biotecnologia Ciência & Desenvolvimento Biotecnologia - Cenargen, também da Embrapa, para controlar o mosquito urbano, à base da bactéria Bacillus sphaericus. Existem no Brasil e no mundo inúmeros outros exemplos de bioinseticidas que vêm sendo utilizados com êxito para controlar pragas e doenças da agricultura. No caso da mosca-branca, as pesquisas de controle biológico ainda estão na fase inicial em todo o mundo. No Brasil, o Cenargen está desenvolvendo, desde 1997, um projeto liderado pela pesquisadora Maria Regina Vilarinho de Oliveira, para controle biológico da mosca-branca, que consiste principalmente em identificar e avaliar os seus principais inimigos naturais. Esses estudos estão sendo realizados em parceria com instituições públicas e privadas e têm ainda como objetivo desenvolver análises epidemiológicas da mosca-branca como inseto-vetor e da dinâmica de populações desse inseto. É importante frisar que o controle biológico isoladamente não apresentará uma solução definitiva para o controle da mosca-branca. À semelhança de outras pragas, o desenvolvimento de métodos biológicos desempenha um papel importante no manejo integrado de pragas da agricultura. Além dos estudos que vem desenvolvendo no Cenargen, a pesquisadora Maria Regina Vilarinho tem realizado palestras, conferências e cursos sobre a mosca-branca em todo o país, com o objetivo de treinar técnicos da extensão rural e pesquisadores na identificação da praga e no seu controle. No momento, já são conhecidas algumas técnicas de controle biológico bastante simples e que podem ser facilmente seguidas pelos produtores rurais: Deixar uma planta infestada longe da cultura, sem pulverização de produtos químicos, para observação e coleta de inimigos naturais; Observar a coloração das ninfas e a existência de aberturas arredondadas em vez de T invertido nas pupas da moscabranca. Esse sinal indica a presença de inimigos naturais, que são muito importantes na diminuição da densidade populacional da praga. Portas abertas A ciência está bastante empenhada em controlar a mosca-branca. Mas isso só não basta. De acordo com a pesquisadora Maria Regina Vilarinho, essa praga é um exemplo marcante da necessidade de rever o sistema de defesa fitossanitária no Brasil. Ela enfatiza que as "portas" do país estão abertas para a entrada de outras pragas tão nocivas quanto esta, como a cochonilha rosada, o bicudo do caroço da manga, entre outras, que podem causar sérios prejuízos à agricultura brasileira. Regina destaca ainda a necessidade de se implementar, no Brasil, para um controle efetivo desta praga, os seguintes tipos de manejo: Manejo Integrado de Praga (MIP); Manejo Integrado de Culturas (MIC); Manejo Integrado de Áreas de Cultivo (MIAC) e Manejo de Resistência de Inseticidas (MRI). Este ano, o Brasil deve gastar mais de US$ 2 bilhões com defensivos agrícolas, que poderiam ser parcialmente economizados se o país investisse maciçamente em medidas de prevenção e quarentena para impedir a entrada de pragas. Maria Regina Vilarinho finaliza lembrando que somente a combinação de práticas culturais com o uso de barreiras fitossanitárias e a utilização racional de defensivos agrícolas é que tornará possível a diminuição da incidência da mosca-branca e de outras pragas no Brasil.

MANEJO INTEGRADO DA MOSCA-BRANCA BEMISIA ARGENTIFOLII. Zuleide A. Ramiro

MANEJO INTEGRADO DA MOSCA-BRANCA BEMISIA ARGENTIFOLII. Zuleide A. Ramiro MANEJO INTEGRADO DA MOSCA-BRANCA BEMISIA ARGENTIFOLII Zuleide A. Ramiro Instituto Biológico, Centro Experimental Central do Instituto Biológico, CP 70, CEP 13001-970, Campinas, SP, Brasil. E-mail: zramiro@uol.com.br

Leia mais

Relatório semanal de 13 a 20 de maio de 2013.

Relatório semanal de 13 a 20 de maio de 2013. Ano II 20 de maio de 2013. Relatório semanal de 13 a 20 de maio de 2013. A Ampasul participou do 11º Encontro dos cotonicultores da região de Paranapanema/SP e pode ver que naquela região os produtores

Leia mais

PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DE MATO GROSSO DO SUL RELATÓRIO SEMANAL DE 27 DE JANEIRO A 03 DE FEVEREIRO DE 2014

PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DE MATO GROSSO DO SUL RELATÓRIO SEMANAL DE 27 DE JANEIRO A 03 DE FEVEREIRO DE 2014 ANO III / Nº 73 PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DE MATO GROSSO DO SUL RELATÓRIO SEMANAL DE 27 DE JANEIRO A 03 DE FEVEREIRO DE 2014 Núcleo 1 Chapadão do Sul Eng. Agr. Danilo Suniga de Moraes O plantio de algodão

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE SEGURO, PROAGRO E RENEGOCIAÇÃO DE DÍVIDAS

ORIENTAÇÕES SOBRE SEGURO, PROAGRO E RENEGOCIAÇÃO DE DÍVIDAS ORIENTAÇÕES SOBRE SEGURO, PROAGRO E RENEGOCIAÇÃO DE DÍVIDAS Por: Maria Silvia C. Digiovani, engenheira agrônoma do DTE/FAEP,Tânia Moreira, economista do DTR/FAEP e Pedro Loyola, economista e Coordenador

Leia mais

Utilização de jato de água e ar no controle de cochonilhas farinhentas em videira

Utilização de jato de água e ar no controle de cochonilhas farinhentas em videira 243 Utilização de jato de água e ar no controle de cochonilhas farinhentas em videira Utilização de jato de água e ar no controle de cochonilhas farinhentas em videira Use of water and air to control mealybugs

Leia mais

Principais pragas das hortaliças e perspectivas de controle biológico. Terezinha Monteiro dos Santos Cividanes Pesquisador Científico APTA/SAA - SP

Principais pragas das hortaliças e perspectivas de controle biológico. Terezinha Monteiro dos Santos Cividanes Pesquisador Científico APTA/SAA - SP Principais pragas das hortaliças e perspectivas de controle biológico Terezinha Monteiro dos Santos Cividanes Pesquisador Científico APTA/SAA - SP Plantas cultivadas em sistema de aquaponia Alface Cebolinha

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA VOLUNTÁRIO PARA HORTICULTURA ORNAMENTAL SUSTENTÁVEL

CÓDIGO DE CONDUTA VOLUNTÁRIO PARA HORTICULTURA ORNAMENTAL SUSTENTÁVEL CÓDIGO DE CONDUTA VOLUNTÁRIO PARA HORTICULTURA ORNAMENTAL SUSTENTÁVEL SUMÁRIO 1. COMPONENTES... 1 2. PRINCÍPIOS... 1 3. ESBOÇOS DE CÓDIGOS DE CONDUTA VOLUNTÁRIOS... 2 3.1 Para Órgãos e Setores do Governo...

Leia mais

300 a 500 Cana-deaçúcar Diatraea saccharalis Broca-da-cana 100 a 150-300. - 50 Maçã. da-folha

300 a 500 Cana-deaçúcar Diatraea saccharalis Broca-da-cana 100 a 150-300. - 50 Maçã. da-folha COMPOSIÇÃO: Novalurom 100 g/l CLASSE: Inseticida GRUPO QUÍMICO: Benzoilureia TIPO DE FORMULAÇÃO: Concentrado Emulsionável (EC) CLASSIFICAÇÃO TOXICOLÓGICA I - EXTREMAMENTE TÓXICO INSTRUÇÕES DE USO: O RIMON

Leia mais

SISTEMA DE ALERTA PARA A MOSCA-BRANCA

SISTEMA DE ALERTA PARA A MOSCA-BRANCA SISTEMA DE ALERTA PARA A MOSCA-BRANCA Narciso, M.G. (1) ; Quintela, E.D. (1) ; Barbosa, F.R. (1) ; Del Peloso, M.J. (1) marcelo.narciso@embrapa.br (1) Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária - Embrapa,

Leia mais

da Embrapa no campo da pesquisa e transferência de tecnologias alternativas ao uso de agrotóxicos

da Embrapa no campo da pesquisa e transferência de tecnologias alternativas ao uso de agrotóxicos Atuação da Embrapa no campo da pesquisa e transferência de tecnologias alternativas ao uso de agrotóxicos Rose Monnerat Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia Núcleo de Controle Biológico Autores Dra.

Leia mais

BICUDO DA CANA (SPHENOPHORUS LEVIS)

BICUDO DA CANA (SPHENOPHORUS LEVIS) BICUDO DA CANA (SPHENOPHORUS LEVIS) 1. INTRODUÇÃO Uma outra praga que vem assumindo um certo grau de importância é conhecida como o bicudo da cana-de-açúcar de ocorrência restrita no Estado de São Paulo,

Leia mais

Pesquisa e Desenvolvimento em Agricultura Familiar na Embrapa Arroz e Feijão

Pesquisa e Desenvolvimento em Agricultura Familiar na Embrapa Arroz e Feijão Pesquisa e Desenvolvimento em Agricultura Familiar na Embrapa Arroz e Feijão ISSN 1678-9644 Dezembro, 2004 Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Centro Nacional de Pesquisa de Arroz e Feijão Ministério

Leia mais

MIGDOLUS EM CANA DE AÇÚCAR

MIGDOLUS EM CANA DE AÇÚCAR MIGDOLUS EM CANA DE AÇÚCAR 1. INTRODUÇÃO O migdolus é um besouro da família Cerambycidae cuja fase larval causa danos ao sistema radicular da cana-de-açúcar, passando a exibir sintomas de seca em toda

Leia mais

LEI Nº 7.043, DE 8 DE OUTUBRO DE 2007

LEI Nº 7.043, DE 8 DE OUTUBRO DE 2007 LEI Nº 7.043, DE 8 DE OUTUBRO DE 2007 Publicada no DOE(Pa) de 09.10.07. Dispõe sobre Política Estadual para a Promoção do Uso de Sistemas Orgânicos de Produção Agropecuária e Agroindustrial. Lei: A ASSEMBLÉIA

Leia mais

AQUECIMENTO GLOBAL. Ações que o setor hortifrutícola deve realizar para se proteger das mudanças climáticas CAPA

AQUECIMENTO GLOBAL. Ações que o setor hortifrutícola deve realizar para se proteger das mudanças climáticas CAPA CAPA AQUECIMENTO GLOBAL Ações que o setor hortifrutícola deve realizar para se proteger das mudanças climáticas Por Mônica Georgino Um dos maiores desafios da humanidade no século 21 é aprender a lidar

Leia mais

ÁREAS LIVRES DE PRAGAS

ÁREAS LIVRES DE PRAGAS ÁREAS LIVRES DE PRAGAS A movimentação de crescentes quantidades de produtos em um ritmo cada vez mais acelerado tem ocasionado o agravamento de problemas fitossanitários e tem levado os países a impor

Leia mais

Secretaria do Meio Ambiente

Secretaria do Meio Ambiente Secretaria do Meio Ambiente PORTARIA SEMA n 79 de 31 de outubro de 2013. Reconhece a Lista de Espécies Exóticas Invasoras do Estado do Rio Grande do Sul e demais classificações, estabelece normas de controle

Leia mais

CLIPPING De 20 de fevereiro de 2015

CLIPPING De 20 de fevereiro de 2015 CLIPPING De 20 de fevereiro de 2015 19/02/2015 IPA está distribuindo Orelha de Elefante Mexicano para os agricultores da área de sequeiro Os agricultores que fazem parte da jurisdição do IPA Petrolina

Leia mais

PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DE MATO GROSSO DO SUL INFORMATIVO Nº 113. Este informativo não representa o endosso da AMPASUL para nenhum produto ou marca.

PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DE MATO GROSSO DO SUL INFORMATIVO Nº 113. Este informativo não representa o endosso da AMPASUL para nenhum produto ou marca. PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DE MATO GROSSO DO SUL RELATÓRIO DE 18 A 31 DE MAIO DE 2015 INFORMATIVO Nº 113 1 A utilização de tecnologias de aplicação como gotas oleosas, como UBV (Ultra Baixo Volume) e BVO

Leia mais

IRRIGAÇÃO DO ALGODOEIRO NO CERRADO BAIANO. (ALGODÃO IRRIGADO NO CERRADO BAIANO) (ALGODÃO COM IRRIGAÇÃO COMPLEMENTAR NO CERRADO BAIANO) Pedro Brugnera*

IRRIGAÇÃO DO ALGODOEIRO NO CERRADO BAIANO. (ALGODÃO IRRIGADO NO CERRADO BAIANO) (ALGODÃO COM IRRIGAÇÃO COMPLEMENTAR NO CERRADO BAIANO) Pedro Brugnera* IRRIGAÇÃO DO ALGODOEIRO NO CERRADO BAIANO (ALGODÃO IRRIGADO NO CERRADO BAIANO) (ALGODÃO COM IRRIGAÇÃO COMPLEMENTAR NO CERRADO BAIANO) Pedro Brugnera* A história do algodão tecnificado no oeste da Bahia,

Leia mais

III Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG campus Bambuí III Jornada Científica 19 a 23 de Outubro de 2010

III Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG campus Bambuí III Jornada Científica 19 a 23 de Outubro de 2010 Efeito da iluminação noturna na prevenção de injúrias causadas por Neoleucinodes elegantalis (Broca-pequena-do-tomateiro) Francisco Vagner Pereira de SOUZA¹; Silvério Augusto de PAULA²; Paulino da Cunha

Leia mais

PLANTIO DE MILHO COM BRAQUIÁRIA. INTEGRAÇÃO LAVOURA PECUÁRIA - ILP

PLANTIO DE MILHO COM BRAQUIÁRIA. INTEGRAÇÃO LAVOURA PECUÁRIA - ILP PLANTIO DE MILHO COM BRAQUIÁRIA. INTEGRAÇÃO LAVOURA PECUÁRIA - ILP Autores: Eng.º Agr.º José Alberto Ávila Pires Eng.º Agr.º Wilson José Rosa Departamento Técnico da EMATER-MG Trabalho baseado em: Técnicas

Leia mais

Universidade Federal de Minas Gerais Instituto de Ciências Agrárias Insetário G.W.G. de Moraes

Universidade Federal de Minas Gerais Instituto de Ciências Agrárias Insetário G.W.G. de Moraes Universidade Federal de Minas Gerais Instituto de Ciências Agrárias Insetário G.W.G. de Moraes PRAGAS DO ALGODOEIRO Germano Leão Demolin Leite Vinicius Matheus Cerqueira Bom dia pessoal! Hoje vamos falar

Leia mais

Clipping de notícias. Recife, 29 de outubro de 2015.

Clipping de notícias. Recife, 29 de outubro de 2015. Clipping de notícias Recife, 29 de outubro de 2015. Recife,29 de outubro de 2015. Recife,29 de outubro de 2015. Recife,29 de outubro de 2015. Estratégia comum diante da escassez de água para o abastecimento

Leia mais

PRODUÇÃO E ÁREA COLHIDA DE SOJA NO NORDESTE

PRODUÇÃO E ÁREA COLHIDA DE SOJA NO NORDESTE Ano V Agosto de 2011 Nº 13 INFORME RURAL ETENE Escritório Técnico de Estudos Econômicos do Nordeste - ETENE Ambiente de Estudos, Pesquisas e Avaliação - AEPA PRODUÇÃO E ÁREA COLHIDA DE SOJA NO NORDESTE

Leia mais

ATRATIVIDADE DE CULTIVARES DE FEIJÃO-CAUPI PARA ALIMENTAÇÃO DE MOSCA-BRANCA

ATRATIVIDADE DE CULTIVARES DE FEIJÃO-CAUPI PARA ALIMENTAÇÃO DE MOSCA-BRANCA Área: Fitossanidade ATRATIVIDADE DE CULTIVARES DE FEIJÃO-CAUPI PARA ALIMENTAÇÃO DE MOSCA-BRANCA Márcia Patrícia Paula Nascimento 1 ; Laysa Luna de Moura Carvalho 2 ; Paulo Henrique Soares da Silva 3. 1

Leia mais

Alternativas Biológicas para o Combate de Pragas Agrícolas

Alternativas Biológicas para o Combate de Pragas Agrícolas Geramos valor para a Natureza Alternativas Biológicas para o Combate de Pragas Agrícolas Simone Aguiar & Henrique Joaquim Agosto, 2014 MUSAMI Operações Municipais do Ambiente, EIM, SA Índice Agricultura

Leia mais

Código de Boas Práticas. para a Prevenção e Redução. de Micotoxinas em Cereais

Código de Boas Práticas. para a Prevenção e Redução. de Micotoxinas em Cereais Código de Boas Práticas para a Prevenção e Redução de Micotoxinas em Cereais Índice: Introdução... 3 I. Práticas recomendadas com base nas Boas Práticas Agrícolas (BPA) e nas Boas Práticas de Fabrico (BPF)...

Leia mais

COMISSÃO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA, ABASTECIMENTO E DESENVOLVIMENTO RURAL

COMISSÃO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA, ABASTECIMENTO E DESENVOLVIMENTO RURAL COMISSÃO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA, ABASTECIMENTO E DESENVOLVIMENTO RURAL PROJETO DE LEI N o 1.548, DE 2015 Dispõe sobre a criação, gestão e manejo de Reserva Particular do Patrimônio Natural RPPN, e dá

Leia mais

Os impactos ambientais de maior incidência no país

Os impactos ambientais de maior incidência no país Os impactos ambientais de maior incidência no país Segundo a Pesquisa de Informações Básicas Municipais Perfil dos Municípios Brasileiros/MUNIC 2008, realizada regularmente pelo Instituto Brasileiro de

Leia mais

USO DE REDE SOCIAL NA ASSISTÊNCIA TÉCNICA RURAL

USO DE REDE SOCIAL NA ASSISTÊNCIA TÉCNICA RURAL USO DE REDE SOCIAL NA ASSISTÊNCIA TÉCNICA RURAL Londrina, Outubro de 2.015. Instituto Paranaense de Assistência Técnica e Extensão Rural - Paraná Agente de ATER - PAULO ROBERTO MRTVI INSCRIÇÃO DADOS DA

Leia mais

Manejo Integrado de Pragas

Manejo Integrado de Pragas Universidade Federal de Viçosa Departamento de Biologia Animal BAN 160 Entomologia Geral Manejo Integrado de Pragas Prof. Eliseu José G. Pereira eliseu.pereira@ufv.br O que é? Exemplos Organismo Praga

Leia mais

Deterioração dos Grãos Armazenados "Os Ganhos da Exaustão"

Deterioração dos Grãos Armazenados Os Ganhos da Exaustão Deterioração dos Grãos Armazenados "Os Ganhos da Exaustão" Reduzir as perdas qualitativas e quantitativas é um desafio constante dos Armazenadores e, para isso, investem continuamente em tecnologias que

Leia mais

INSETOS CAUSADORES DA PEGAJOSIDADE NO ALGODOEIRO. Carlos Alberto Domingues da Silva 2011

INSETOS CAUSADORES DA PEGAJOSIDADE NO ALGODOEIRO. Carlos Alberto Domingues da Silva 2011 INSETOS CAUSADORES DA PEGAJOSIDADE NO ALGODOEIRO Carlos Alberto Domingues da Silva 2011 INSETOS CAUSADORES DA PEGAJOSIDADE NO ALGODOEIRO PRODUÇÃO DE HONEYDEW POR INSETOS E SUAS RELAÇÕES COM A PEGAJOSIDADE

Leia mais

Docente do Curso de Agronomia da Universidade Estadual de Goiás, Rua S7, s/n, Setor Sul, Palmeiras de Goiás GO. E-mail.: nilton.cezar@ueg.br.

Docente do Curso de Agronomia da Universidade Estadual de Goiás, Rua S7, s/n, Setor Sul, Palmeiras de Goiás GO. E-mail.: nilton.cezar@ueg.br. Avaliação de Pragas em uma Cultura de Milho para Produção de Sementes. BELLIZZI, N. C. 1, WINDER, A. R. S. 2, PEREIRA JUNIOR, R. D. 2 e BARROS, H. A. V. 2. 1 Docente do Curso de Agronomia da Universidade

Leia mais

07/12/2012. Localização das instalações. Localização das instalações. Localização das instalações. Trajeto do sol sobre o barracão

07/12/2012. Localização das instalações. Localização das instalações. Localização das instalações. Trajeto do sol sobre o barracão Universidade Comunitária da Região de Chapecó Área de Ciências Exatas e Ambientais Curso de Agronomia Instalações Planejamento da atividade Considerações: Capacidade de investimento do produtor; Viabilidade

Leia mais

Alta do dólar eleva preços, atrasa aquisições de insumos e reduz poder de compra

Alta do dólar eleva preços, atrasa aquisições de insumos e reduz poder de compra Ano 8 Edição 15 - Setembro de 2015 Alta do dólar eleva preços, atrasa aquisições de insumos e reduz poder de compra A forte valorização do dólar frente ao Real no decorrer deste ano apenas no período de

Leia mais

LEI Nº 7.055, DE 12 DE NOVEMBRO DE 2007

LEI Nº 7.055, DE 12 DE NOVEMBRO DE 2007 LEI Nº 7.055, DE 12 DE NOVEMBRO DE 2007 Publicada no DOE(Pa) de 20.11.07. Dispõe sobre a Política Estadual para o Desenvolvimento e Expansão da Apicultura e dá outras providências. A ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA

Leia mais

Este Informativo é uma publicação mensal, enviado para 21.625 Parceiros Rurais. Edição nº 20 - Setembro de 2015. Nesta Edição. Página 2.

Este Informativo é uma publicação mensal, enviado para 21.625 Parceiros Rurais. Edição nº 20 - Setembro de 2015. Nesta Edição. Página 2. I N F O R M A T I V O Este Informativo é uma publicação mensal, enviado para 21.625 Parceiros Rurais. Edição nº 20 - Setembro de 2015. Nesta Edição Agricultura Página 2 O Dragão está em xeque? Prezados

Leia mais

PATRUS ANANIAS DE SOUZA Ministro de Estado do Desenvolvimento Social e Combate à Fome

PATRUS ANANIAS DE SOUZA Ministro de Estado do Desenvolvimento Social e Combate à Fome apresentação do programa Brasília, maio 2007 PATRUS ANANIAS DE SOUZA Ministro de Estado do Desenvolvimento Social e Combate à Fome ONAUR RUANO Secretário Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional CRISPIM

Leia mais

Tipos de Sistema de Produção

Tipos de Sistema de Produção Tipos de Sistema de Produção Os sistemas de cultura dominantes conjunto de plantas cultivadas, forma como estas se associam e técnicas utilizadas no seu cultivo apresentam grandes contrastes entre o Norte

Leia mais

NOVIDADES NA IRRIGAÇÃO E FERTIRRIGAÇÃO

NOVIDADES NA IRRIGAÇÃO E FERTIRRIGAÇÃO NOVIDADES NA IRRIGAÇÃO E FERTIRRIGAÇÃO Fredy Moreinos Netafim Brasil Sist. Equips. Irrigação Ltda Rua Salvador Scaglione, 135 14066-446 Ribeirão Preto SP 55 16 2111.8000 netafim@netafim.com.br O Brasil

Leia mais

Bases do manejo integrado de pragas em cana-de-açúcar. Leila Luci Dinardo-Miranda

Bases do manejo integrado de pragas em cana-de-açúcar. Leila Luci Dinardo-Miranda Bases do manejo integrado de pragas em cana-de-açúcar Leila Luci Dinardo-Miranda CURSO: Manejo integrado de pragas em cana-de-açúcar Leila Luci Dinardo-Miranda 16 e 17/10/2012 infobibos.com.br Cenários

Leia mais

Compromisso com o Brasil

Compromisso com o Brasil m o Brasil Compromisso com o Brasil O SENAR O Serviço Nacional de Aprendizagem Rural, SENAR, é a maior escola aberta do Brasil. Capacita homens e mulheres, acompanha e evolui no trabalho que desenvolve

Leia mais

ATIVIDADE INTERAÇÕES DA VIDA. CAPÍTULOS 1, 2, 3 e 4

ATIVIDADE INTERAÇÕES DA VIDA. CAPÍTULOS 1, 2, 3 e 4 ATIVIDADE INTERAÇÕES DA VIDA CAPÍTULOS 1, 2, 3 e 4 Questão 1) Abaixo representa uma experiência com crisântemo, em que a planta foi iluminada, conforme mostra o esquema. Com base no esquema e seus conhecimentos,

Leia mais

MANUAL DE VENDAS SEGURO COLHEITA GARANTIDA

MANUAL DE VENDAS SEGURO COLHEITA GARANTIDA MANUAL DE VENDAS SEGURO COLHEITA GARANTIDA 1 Finalidade O setor Agropecuário é, e sempre foi, fundamental para a economia Brasileira, porém está sujeito aos riscos de produção por intempéries da Natureza

Leia mais

COMPORTAMENTO DE GENÓTIPOS DE FEIJOEIRO AO ATAQUE DE Bemisia tabaci (Genn.) BIÓTIPO B (HEMIPTERA: ALEYRODIDAE)

COMPORTAMENTO DE GENÓTIPOS DE FEIJOEIRO AO ATAQUE DE Bemisia tabaci (Genn.) BIÓTIPO B (HEMIPTERA: ALEYRODIDAE) COMPORTAMENTO DE GENÓTIPOS DE FEIJOEIRO AO ATAQUE DE Bemisia tabaci (Genn.) BIÓTIPO B (HEMIPTERA: ALEYRODIDAE) B.C. Martins 1 ; F.S. Rocha 1,4 ; L.A. Ferreira 1,4 ; J.C.M.R. Silva 1,4 ; R.R. Guimarães

Leia mais

AGRICULTURA FAMILIAR NO NORDESTE BRASILEIRO KIT EQUIPAMENTOS PARA O PEQUENO PRODUTOR, ESPECIALMENTE DE ALGODÃO

AGRICULTURA FAMILIAR NO NORDESTE BRASILEIRO KIT EQUIPAMENTOS PARA O PEQUENO PRODUTOR, ESPECIALMENTE DE ALGODÃO AGRICULTURA FAMILIAR NO NORDESTE BRASILEIRO KIT EQUIPAMENTOS PARA O PEQUENO PRODUTOR, ESPECIALMENTE DE ALGODÃO Campina Grande, PB 2000 INTRODUÇÃO No Nordeste brasileiro, no caso específico da cotonicultura,

Leia mais

Ministério da Agricultura, do Abastecimento e da Reforma Agrária Gabinete do Ministro. Portaria n. 74, de 7 de Março de 1994

Ministério da Agricultura, do Abastecimento e da Reforma Agrária Gabinete do Ministro. Portaria n. 74, de 7 de Março de 1994 Ministério da Agricultura, do Abastecimento e da Reforma Agrária Gabinete do Ministro Portaria n. 74, de 7 de Março de 1994 Aprova as Normas e Procedimentos Quarentenários para o Intercâmbio de Organismos

Leia mais

Sistema Nacional de Pesquisa Agropecuária-SNPA

Sistema Nacional de Pesquisa Agropecuária-SNPA Sistema Nacional de Pesquisa Agropecuária-SNPA Embrapa Sede 08 Centros Nacionais de Temas Básicos 13 Centros Nacionais de Produtos 15 Centros Ecorregionais de Pesquisa Agroflorestal ou Agropecuária 03

Leia mais

DIVISÃO DE VIGILÂNCIA AMBIENTAL EM SAÚDE PROGRAMA ESTADUAL DE CONTROLE DA DENGUE

DIVISÃO DE VIGILÂNCIA AMBIENTAL EM SAÚDE PROGRAMA ESTADUAL DE CONTROLE DA DENGUE DIVISÃO DE VIGILÂNCIA AMBIENTAL EM SAÚDE PROGRAMA ESTADUAL DE CONTROLE DA DENGUE Área de dispersão do vetor Aedes aegypti Originário da África tropical e introduzido nas Américas durante a colonização

Leia mais

Processionária-do-pinheiro

Processionária-do-pinheiro Processionária-do-pinheiro Thaumatopoea pityocampa Schiff. Lepidoptera, Thaumatopoeidae ASPETOS GERAIS Trata-se de um inseto desfolhador dos pinheiros e cedros. Os ataques variam de intensidade de acordo

Leia mais

PRAGAS FLORESTAIS. Gorgulho-do-eucalipto. Formação. 18 de junho e 11 dezembro. Dina Ribeiro. http://www.forestry.gov.uk/forestry/ INFD-672LGH

PRAGAS FLORESTAIS. Gorgulho-do-eucalipto. Formação. 18 de junho e 11 dezembro. Dina Ribeiro. http://www.forestry.gov.uk/forestry/ INFD-672LGH PRAGAS FLORESTAIS Gorgulho-do-eucalipto http://www.forestry.gov.uk/forestry/ INFD-672LGH http://en.wikipedia.org/wiki/fusarium_circinatum Dina Ribeiro Formação 18 de junho e 11 dezembro 2014 1 O Inseto

Leia mais

SISTEMAS DE PRODUÇÃO VEGETAL AGROECOLÓGICA

SISTEMAS DE PRODUÇÃO VEGETAL AGROECOLÓGICA SISTEMAS DE PRODUÇÃO VEGETAL AGROECOLÓGICA III Ciclo de Palestras Produção Animal, Meio Ambiente e Desenvolvimento - UFPR Julio Carlos B.V.Silva Instituto Emater juliosilva@emater.pr.gov.br A produção

Leia mais

Você atingiu o estágio: Recomendações. NOME: MUNICIPIO: Ipiranga Data de preenchimento do guia: 2012-02-14 Data de devolução do relatório:

Você atingiu o estágio: Recomendações. NOME: MUNICIPIO: Ipiranga Data de preenchimento do guia: 2012-02-14 Data de devolução do relatório: Guia de sustentabilidade na produção de soja na Agricultura Familiar Relatório individual NOME: Prezado senhor (a), Em primeiro lugar, no nome dacoopafi, da Gebana e da Fundação Solidaridad,gostaríamos

Leia mais

Manejo Integrado de Pragas de Grandes Culturas

Manejo Integrado de Pragas de Grandes Culturas Manejo Integrado de Pragas de Grandes Culturas Marcelo C. Picanço Prof. de Entomologia Universidade Federal de Viçosa Telefone: (31)38994009 E-mail: picanco@ufv.br Situação do Controle de Pragas de Grandes

Leia mais

PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DE MATO GROSSO DO SUL RELATÓRIO SEMANAL DE 24 A 31 DE MARÇO DE 2014

PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DE MATO GROSSO DO SUL RELATÓRIO SEMANAL DE 24 A 31 DE MARÇO DE 2014 ANO III / Nº 80 PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DE MATO GROSSO DO SUL RELATÓRIO SEMANAL DE 24 A 31 DE MARÇO DE 2014 ALERTA PARA O CONTROLE DO BICUDO DO ALGODOEIRO A presença do bicudo foi relatada e identificada

Leia mais

EIXO TECNOLÓGICO: PRODUÇÃO ALIMENTÍCIA. Disciplinas da Formação Técnica Específica - FTE

EIXO TECNOLÓGICO: PRODUÇÃO ALIMENTÍCIA. Disciplinas da Formação Técnica Específica - FTE SECRETARIA DE EDUCAÇÃO DO E STADO DA BAHIA SUPERINTENDÊNCIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL- SUPROF DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL DIRDEP EIXO TECNOLÓGICO: PRODUÇÃO ALIMENTÍCIA EMENTÁRIO:

Leia mais

Relatório mensal, por Núcleo Regional, referente ao desenvolvimento das lavouras de Goiás safra 2011/2012 levantamento divulgado em Abril/2012

Relatório mensal, por Núcleo Regional, referente ao desenvolvimento das lavouras de Goiás safra 2011/2012 levantamento divulgado em Abril/2012 Relatório mensal, por Núcleo Regional, referente ao desenvolvimento das lavouras de Goiás safra 2011/2012 levantamento divulgado em Abril/2012 Núcleo 1 Matrinchã, Jussara e região. Os trabalhos estão concentrados

Leia mais

Equipe de Geografia GEOGRAFIA

Equipe de Geografia GEOGRAFIA Aluno (a): Série: 3ª Turma: TUTORIAL 7B Ensino Médio Equipe de Geografia Data: GEOGRAFIA 1. Agricultura no Brasil: Breve histórico - Brasil Colônia: monocultura da cana se destacava como produto principal,

Leia mais

CONTROLE BIOLÓGICO NA TEORIA E NA PRÁTICA: A REALIDADE DOS PEQUENOS AGRICULTORES DA REGIÃO DE CASCAVEL-PR

CONTROLE BIOLÓGICO NA TEORIA E NA PRÁTICA: A REALIDADE DOS PEQUENOS AGRICULTORES DA REGIÃO DE CASCAVEL-PR CONTROLE BIOLÓGICO NA TEORIA E NA PRÁTICA: A REALIDADE DOS PEQUENOS AGRICULTORES DA REGIÃO DE CASCAVEL-PR 1 DELAI, Lucas da Silva; 1 ALVES Victor Michelon; 1 GREJIANIN, Gustavo; 1 PIRANHA, Michelle Marques

Leia mais

A RECUPERAÇÃO DA PRODUÇÃO DO ALGODÃO NO BRASIL. Joffre Kouri (Embrapa Algodão / joffre@cnpa.embrapa.br), Robério F. dos Santos (Embrapa Algodão)

A RECUPERAÇÃO DA PRODUÇÃO DO ALGODÃO NO BRASIL. Joffre Kouri (Embrapa Algodão / joffre@cnpa.embrapa.br), Robério F. dos Santos (Embrapa Algodão) A RECUPERAÇÃO DA PRODUÇÃO DO ALGODÃO NO BRASIL Joffre Kouri (Embrapa Algodão / joffre@cnpa.embrapa.br), Robério F. dos Santos (Embrapa Algodão) RESUMO - Graças a incentivos fiscais, ao profissionalismo

Leia mais

O Código Florestal e a contribuição dos trabalhadores de pesquisa e desenvolvimento

O Código Florestal e a contribuição dos trabalhadores de pesquisa e desenvolvimento O Código Florestal e a contribuição dos trabalhadores de pesquisa e desenvolvimento agropecuário Vicente Almeida Presidente do SINPAF O que é o SINPAF? É o Sindicato Nacional que representa os trabalhadores

Leia mais

DESMATAMENTO DA MATA CILIAR DO RIO SANTO ESTEVÃO EM WANDERLÂNDIA-TO

DESMATAMENTO DA MATA CILIAR DO RIO SANTO ESTEVÃO EM WANDERLÂNDIA-TO DESMATAMENTO DA MATA CILIAR DO RIO SANTO ESTEVÃO EM WANDERLÂNDIA-TO Trabalho de pesquisa em andamento Sidinei Esteves de Oliveira de Jesus Universidade Federal do Tocantins pissarra1@yahoo.com.br INTRODUÇÃO

Leia mais

CENTRO DE ESTUDOS PSICOPEDAGÓGICOS DE MACEIÓ PROFª. MÔNICA GUIMARÃES GEOGRAFIA - 7º ANO

CENTRO DE ESTUDOS PSICOPEDAGÓGICOS DE MACEIÓ PROFª. MÔNICA GUIMARÃES GEOGRAFIA - 7º ANO CENTRO DE ESTUDOS PSICOPEDAGÓGICOS DE MACEIÓ PROFª. MÔNICA GUIMARÃES GEOGRAFIA - 7º ANO REGIÃO NORDESTE AS SUB-REGIÕES DO NORDESTE ZONA DA MATA AGRESTE SERTÃO MEIO-NORTE MEIO NORTE SERTÃO ZONA DA MATA

Leia mais

ANÁLISE DA REDE METEOROLÓGICA DA BAHIA E SUA IMPORTÂNCIA PARA AS PRÁTICAS AGRÍCOLAS NO SEMIÁRIDO BAIANO

ANÁLISE DA REDE METEOROLÓGICA DA BAHIA E SUA IMPORTÂNCIA PARA AS PRÁTICAS AGRÍCOLAS NO SEMIÁRIDO BAIANO ANÁLISE DA REDE METEOROLÓGICA DA BAHIA E SUA IMPORTÂNCIA PARA AS PRÁTICAS AGRÍCOLAS NO SEMIÁRIDO BAIANO Selma Barbosa Bastos Universidade Estadual de Feira de Santana selmabbastos@gmail.com Manuel Cabalar

Leia mais

ESCRITÓRIO TÉCNICO DE ESTUDOS ECONÔMICOS DO NORDESTE ETENE INFORME RURAL ETENE PRODUÇÃO E ÁREA COLHIDA DE CANA DE AÇÚCAR NO NORDESTE.

ESCRITÓRIO TÉCNICO DE ESTUDOS ECONÔMICOS DO NORDESTE ETENE INFORME RURAL ETENE PRODUÇÃO E ÁREA COLHIDA DE CANA DE AÇÚCAR NO NORDESTE. O nosso negócio é o desenvolvimento ESCRITÓRIO TÉCNICO DE ESTUDOS ECONÔMICOS DO NORDESTE ETENE INFORME RURAL ETENE PRODUÇÃO E ÁREA COLHIDA DE CANA DE AÇÚCAR NO NORDESTE Ano 4 200 Nº 20 O nosso negócio

Leia mais

48º Congresso Brasileiro de Olericultura

48º Congresso Brasileiro de Olericultura Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento 48º Congresso Brasileiro de Olericultura Lei dos agrotóxicos e implicações em minor crops Dr. Débora Maria Rodrigues Cruz Maringá, 29 de julho de 2008

Leia mais

O que são os «OGM s»???

O que são os «OGM s»??? O que são os «OGM s»??? Em Portugal, como em toda a União Europeia, apenas está autorizada a libertação deliberada no ambiente para o cultivo do milho geneticamente modificado, ou como vulgarmente é denominado,

Leia mais

VI Semana de Ciência e Tecnologia IFMG- campus Bambuí VI Jornada Científica 21 a 26 de outubro

VI Semana de Ciência e Tecnologia IFMG- campus Bambuí VI Jornada Científica 21 a 26 de outubro Potencial da Doru luteipes (Scudder, 1876) (Dermaptera: Forficulidae) no controle da Spodoptera frugiperda (J. E. Smith, 1797) (Lepidoptera: Noctuidae). Willian Sabino RODRIGUES¹; Gabriel de Castro JACQUES²;

Leia mais

REGIONAL CENTRO-OESTE

REGIONAL CENTRO-OESTE REGIONAL CENTRO-OESTE SOJA DESPONTA NO CENTRO-OESTE, REDUZINDO ÁREAS DE MILHO VERÃO E ALGODÃO A produção de soja despontou no Centro-Oeste brasileiro nesta safra verão 2012/13, ocupando áreas antes destinadas

Leia mais

Prof. Pedro Brancalion

Prof. Pedro Brancalion Prof. Pedro Brancalion Demandas legais: manter ou recuperar a vegetação nativa em determinadas porções da propriedade rural (Lei Florestal) áreas pré-determinadas espacialmente (onde recuperar?). Demandas

Leia mais

Silêncio. O silêncio do campo

Silêncio. O silêncio do campo Silêncio O silêncio do campo OS DADOS PODEM SER COMPROVADOS PELAS FOTOS QUE MOSTRAM QUE INFELISMENTE ESSA É A OS DADOS PODEM SER COMPROVADOS PELAS FOTOS QUE MOSTRAM QUE INFELISMENTE ESSA É A MOGNO AFRICANO

Leia mais

BOLETIM CUSTOS E PREÇOS Abril de 2014

BOLETIM CUSTOS E PREÇOS Abril de 2014 BOLETIM CUSTOS E PREÇOS Abril de 2014 Milho: Os preços no mercado brasileiro ficaram estáveis e até mesmo um pouco mais baixos em algumas praças. A incerteza dos produtores quanto à produtividade do milho

Leia mais

PAC 07. Controle Integrado de Pragas CIP

PAC 07. Controle Integrado de Pragas CIP Página 1 de 10 Controle Integrado de Pragas CIP Página 2 de 10 1. Objetivo----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------03

Leia mais

Levantamento de pragas na cultura da laranja do pomar do IFMG- campus Bambuí

Levantamento de pragas na cultura da laranja do pomar do IFMG- campus Bambuí Levantamento de pragas na cultura da laranja do pomar do IFMG- campus Bambuí Luan Cruvinel Miranda (1) ; Mateus Murilo Rosa (1) ; Ricardo Monteiro Corrêa (2) (1) Estudante de Agronomia. Instituto Federal

Leia mais

PÓL Ó O L O DE E UVA V DE E ME M S E A E E VI V N I HO NO O ES E T S A T DO DO ES E P S ÍR Í IT I O O SAN A TO T

PÓL Ó O L O DE E UVA V DE E ME M S E A E E VI V N I HO NO O ES E T S A T DO DO ES E P S ÍR Í IT I O O SAN A TO T PÓLO DE UVA DE MESA E VINHO NO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Pólo de Uva de Mesa e Vinho no Estado do Espírito Santo IMPORTÂNCIA ECONÔMICA E SOCIAL IMPORTÂNCIA ECONÔMICA SOCIAL Transformar o Estado do Espírito

Leia mais

Cultura do algodoeiro (Gossypium ssp.)

Cultura do algodoeiro (Gossypium ssp.) Cultura do algodoeiro (Gossypium ssp.) Março de 2013 Originário da Ìndia Origem e histórico O algodoeiro americano teria sua origem no México e no Peru Em 1576, os índio usavam a pluma para fazer cama

Leia mais

9.5 PRINCIPAIS PRAGAS E DOENÇAS DO FEIJOEIRO

9.5 PRINCIPAIS PRAGAS E DOENÇAS DO FEIJOEIRO 9.5 PRINCIPAIS PRAGAS E DOENÇAS DO FEIJOEIRO 9.5.1 Controle de Pragas PRINCIPAIS PRAGAS -Lagarta elasmo -Vaquinhas - Mosca branca -Ácaro branco -Carunchos LAGARTA ELASMO Feijão da seca aumento da população

Leia mais

Novos problemas de pragas

Novos problemas de pragas Novos problemas de pragas Pragas da parte aérea José Ednilson Miranda Embrapa Algodão Núcleo do Cerrado Sistema de Produção Novos problemas de pragas Cochonilha do algodoeiro Phenacoccus solenopsis Fotos:

Leia mais

Água e Semiáridos: Estratégias de Resistência Camponesa

Água e Semiáridos: Estratégias de Resistência Camponesa Água e Semiáridos: Estratégias de Resistência Camponesa Carlos Magno de M. Morais* Temos assistido nos últimos anos uma mudança no perfil das chuvas no Brasil, sobretudo na região semiárida brasileira.

Leia mais

do Fundo de Defesa da Citricultura (Fundecitrus), instituição mantida por produtores e indústrias de suco.

do Fundo de Defesa da Citricultura (Fundecitrus), instituição mantida por produtores e indústrias de suco. do Fundo de Defesa da Citricultura (Fundecitrus), instituição mantida por produtores e indústrias de suco. Energia absorvida - Para chegar ao detector de cancro cítrico, os professores Vanderlei Salvador

Leia mais

RELATÓRIO PARA AUXÍLIO DE EVENTO

RELATÓRIO PARA AUXÍLIO DE EVENTO Projeto Agrisus Nº: 1626/15 RELATÓRIO PARA AUXÍLIO DE EVENTO Nome do Evento: 6º Dia de Campo do Portal Ciência do Solo Qual o caminho para altas produtividades de soja? Interessado (Coordenador do Projeto):

Leia mais

DOSSIER SOBRE A PROCESSIONÁRIA. O que é a Processionária? Lagarta do Pinheiro (Lagartas Processionárias)

DOSSIER SOBRE A PROCESSIONÁRIA. O que é a Processionária? Lagarta do Pinheiro (Lagartas Processionárias) DOSSIER SOBRE A PROCESSIONÁRIA O que é a Processionária? Lagarta do Pinheiro (Lagartas Processionárias) A lagarta do pinheiro, vulgarmente apelidada de lagarta Processionária - com o nome científico de

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO DE DESENVOLVIMENTO

PLANO ESTRATÉGICO DE DESENVOLVIMENTO 1 PLANO ESTRATÉGICO DE DESENVOLVIMENTO A Ç Ã O E S T R A T É G I C A Nome da Ação Estratégica Programa PPA 2012-2015 Unidade Gestora SUMÁRIO EXECUTIVO CEASA COMPETITIVA CEASA - GO Gabinete da Presidência

Leia mais

MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL - MI AGÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO DA AMAZÔNIA - ADA

MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL - MI AGÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO DA AMAZÔNIA - ADA MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL - MI AGÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO DA AMAZÔNIA - ADA BIOCOMBUSTÍVEIS: ATRAÇÃO DE INVESIMENTOS PARA O ESTADO DO PARÁ CONTEXTO: A Agência de Desenvolvimento da Amazônia, deseja

Leia mais

Suporte técnico a pequenos e médios apicultores do município de Cassilandia-MS

Suporte técnico a pequenos e médios apicultores do município de Cassilandia-MS Suporte técnico a pequenos e médios apicultores do município de Cassilandia-MS Wagner da Paz Andrade 1 ; Gustavo Haralampidou da Costa Vieira 2 1 Estudante do Curso de Agronomia da UEMS, Unidade Universitária

Leia mais

ECOLOGIA GERAL ECOLOGIA DE POPULAÇÕES (DINÂMICA POPULACIONAL E DISPERSÃO)

ECOLOGIA GERAL ECOLOGIA DE POPULAÇÕES (DINÂMICA POPULACIONAL E DISPERSÃO) Aula de hoje: ECOLOGIA GERAL ECOLOGIA DE POPULAÇÕES (DINÂMICA POPULACIONAL E DISPERSÃO) Aula 07 Antes de iniciarmos os estudos sobre populações e seus componentes precisamos conhecer e conceituar as estruturas

Leia mais

A água nossa de cada dia

A água nossa de cada dia A água nossa de cada dia Marco Antonio Ferreira Gomes* Foto: Eliana Lima Considerações gerais A água é o constituinte mais característico e peculiar do Planeta Terra. Ingrediente essencial à vida, a água

Leia mais

Adaptação à mudança do clima*

Adaptação à mudança do clima* Agropecuária: Vulnerabilidade d e Adaptação à mudança do clima* Magda Lima - Embrapa Meio Ambiente Bruno Alves - Embrapa Agrobiologia OCB Curitiba Março de 2010 * Apresentação baseada em artigo publicado

Leia mais

Na mesma reunião foram realizadas as seguintes considerações que envolvem a Helicoverpa armigera:

Na mesma reunião foram realizadas as seguintes considerações que envolvem a Helicoverpa armigera: NOTA DE ESCLARECIMENTO - DTE/FAEP 19/11/13 A EMBRAPA e a ADAPAR com apoio do Sistema FAEP/SENAR estão realizando o Projeto de Monitoramento e identificação da Helicoverpa armigera Paraná safra 2013/2014.

Leia mais

Olericultura. A Cultura do Morango. Nome Cultura do Morango Produto Informação Tecnológica Data Janeiro -2001 Preço - Linha Olericultura Resenha

Olericultura. A Cultura do Morango. Nome Cultura do Morango Produto Informação Tecnológica Data Janeiro -2001 Preço - Linha Olericultura Resenha 1 de 6 10/16/aaaa 11:54 Olericultura A Cultura do Morango Nome Cultura do Morango Produto Informação Tecnológica Data Janeiro -2001 Preço - Linha Olericultura Resenha Informações gerais sobre a Cultura

Leia mais

Responsáveis Técnicos: SILVIO ISOPO PORTO AROLDO ANTONIO DE OLIVEIRA NETO FRANCISCO OLAVO BATISTA DE SOUSA

Responsáveis Técnicos: SILVIO ISOPO PORTO AROLDO ANTONIO DE OLIVEIRA NETO FRANCISCO OLAVO BATISTA DE SOUSA Safra 2013/2014 Segundo Levantamento Agosto/2013 1 Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Secretaria de Produção e Agroenergia SPAE Departamento de CanadeAçúcar e Agroenergia DCAA Companhia

Leia mais

1. INTRODUÇÃO 2. CONSTITUIÇÃO DA COLÔNIA. A constituição de uma colônia é a seguinte: 60000 a 80000 abelhas operárias; 1 rainha e 0 a 400 zangões.

1. INTRODUÇÃO 2. CONSTITUIÇÃO DA COLÔNIA. A constituição de uma colônia é a seguinte: 60000 a 80000 abelhas operárias; 1 rainha e 0 a 400 zangões. Obtenção do Mel Katiani Silva Venturini 1 (e-mail: katiani_sv@hotmail.com) Miryelle Freire Sarcinelli 1 (e-mail: miryelle@hotmail.com) Luís César da Silva 2 (website: www.agais.com) 1. INTRODUÇÃO Abelhas

Leia mais

A ECOAR E O DESENVOLVIMENTO FLORESTAL JUNTO À PEQUENA E MÉDIA PROPRIEDADE RURAL. Atuação e abordagem dos trabalhos desenvolvidos pela ECOAR

A ECOAR E O DESENVOLVIMENTO FLORESTAL JUNTO À PEQUENA E MÉDIA PROPRIEDADE RURAL. Atuação e abordagem dos trabalhos desenvolvidos pela ECOAR A ECOAR E O DESENVOLVIMENTO FLORESTAL JUNTO À PEQUENA E MÉDIA PROPRIEDADE RURAL Eduardo S. Quartim. João C. S. Nagamura. Roberto Bretzel Martins. Atuação e abordagem dos trabalhos desenvolvidos pela ECOAR

Leia mais

Jornal Brasileiro de Indústrias da Biomassa Biomassa Florestal no Estado de Goiás

Jornal Brasileiro de Indústrias da Biomassa Biomassa Florestal no Estado de Goiás Jornal Brasileiro de Indústrias da Biomassa Biomassa Florestal no Estado de Goiás O Estado de Goiás está situado na Região Centro-Oeste do Brasil e, segundo dados oficiais, ocupa área territorial de 340.111,783

Leia mais