ESTE SUPLEMENTO FAZ PARTE INTEGRANTE DO DIÁRIO ECONÓMICO Nº 6199 DE 24 DE JUNHO DE 2015 E NÃO PODE SER VENDIDO SEPARADAMENTE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESTE SUPLEMENTO FAZ PARTE INTEGRANTE DO DIÁRIO ECONÓMICO Nº 6199 DE 24 DE JUNHO DE 2015 E NÃO PODE SER VENDIDO SEPARADAMENTE"

Transcrição

1 ESTE SUPLEMENTO FAZ PARTE INTEGRANTE DO DIÁRIO ECONÓMICO Nº 6199 DE 24 DE JUNHO DE 2015 E NÃO PODE SER VENDIDO SEPARADAMENTE Quem é Quem nos SEGUROS Simon Potter / Corbis / VMI Sector marcado por compra e venda de seguradoras PUB

2 II Diário Económico Terça-feira 23 Junho 2015 QUEM É QUEM NOS SEGUROS EDITORIAL Mais concorrência é igual a melhor serviço? Preço é o factor mais importante para se mudar de seguro. Seguradoras acompanham tendências PÁGINA 6 Concorrência é muito intensa no sector segurador, diz Pedro Seixas Vale, presidente da APS PÁGINA 3 As novas estratégias das empresas PÁGINA 6 Queixas de clientes mantiveram-se em 2014 PÁGINA 14 Quem é Quem nos Seguros PÁGINA 24 Director: Raul Vaz Subdirectores: Bruno Faria Lopes, Francisco Ferreira da Silva etiago Freire Editora: Irina Marcelino Redacção: Raquel Carvalho e Irina Marcelino Produção: Ana Marques (chefia), Artur Camarão, Carlos Martins e João Santos Departamento Gráfico: Dário Rodrigues (editor) e Ana Maria Almeida Tratamento de Imagem: Samuel Rainho (coordenação), Paulo Garcia e Tiago Maia Paulo Alexandre Coelho Espera-se que sim. A abertura do mercado deve significar mais concorrência e, por isso, preços melhores para quem compra seguros. Uma razão que é, por si só, razão para mudar de seguradora. Ao Diário Económico, Pedro Seixas Vale, presidente da Associação Portuguesa de Seguradores, explica mesmo que dos 20 milhões de contratos geridos pelo sector, três a quatro milhões mudam de companhia todos os anos, tendo como principal justificação o preço. A procura por serviços de qualidade é outra das razões por que se muda. E como se pode medir essa qualidade? Para os clientes, são seguradoras que cumpram o seu papel. Que paguem o que têm a pagar, que ajudem emsituaçõesdeemergência,equenãotentem enganar o cliente que neles confiou. E que informem e forma clara - algo a que, aliás, são obrigados. Algumas das queixas recebidas pelo CIMPAS dizem respeito a questões relacionadas com falta de informação ou de compreensão sobre a informação. O que levanta outra dúvida: como podem as pessoas assinar um contrato se não entendem o que lá diz? A concorrência pode, por outro lado, ter um efeito preverso. E a própria Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões (ex-instituto de Seguros de Portugal) tem alertado para o excesso de concorrência e o efeito que este pode ter nos preços dos seguros e nas contas das seguradoras. Numa altura marcada pelas aquisições e pelas vendas de seguradoras em Portugal, a palavra concorrência volta ao léxico do mundo dos seguros em Portugal. Mas será que não havia concorrência antes? Claro que sim, e no mundo dos seguros houve uma grande evolução nos últimos anos neste campo. O grande desafio para as seguradoras é saber adequar as necessidades dos clientes portugueses à necessidades de óptimos resultados de quem investe milhões. IRINA MARCELINO Seguradoras que cumpram o seu papel são seguradoras que vendem produtos e serviços de qualidade. ADMINISTRAÇÃO: Nuno Vasconcellos (Presidente) Gonçalo Faria de Carvalho (Administração) Director Geral Comercial: Bruno Vasconcelos Redacção: Rua Vieira da Silva, nº Lisboa Tel.: / Fax:

3 PUB

4 IV Diário Económico Terça-feira 23 Junho 2015 QUEM É QUEM NOS SEGUROS Os desafios de um sector marcado por novos players Entrada de capitais estrangeiros em seguradoras nacionais ou no negócio em Portugal está a marcar actividade do sector segurador. RAQUEL CARVALHO O sector segurador está a viver tempos de mudança e de forte dinamismo. O negócio da Axa em Portugal está à venda. Também a Açoreana, do Grupo Banif, está disponível, apesar do processo estar dependente da venda do Banif, banco intervencionado pelo Estado. Uma das potenciais interessadasnaseguradoraéacaravelaseguros, que protagonizou um dos grandes negócios mais recentes do sector, ao comprar a antiga Macif. Para a Caravela Seguros, o balanço do último ano é muito positivo. A nova marca, conta Paulo Trigo, administrador delegado, foi muito bem acolhida junto do mercado e em particular na distribuição profissional onde reforçámos o universo de mediadores da Caravela com 120 novos parceiros profissionais, selecionados por nós de forma criteriosa, explica. A comprovar toda esta aceitação, a seguradora diz ter crescido 25%, dez vezes mais do que mercado e com rácios de sinistralidades contidos. A estratégia desta seguradora passa por estar mais próxima dos clientes e distribuidores, por agilizar processos e por tornar a informação mais transparente. A médio prazo, afirma ainda o admministrador, a Caravela não está fechada a nenhum segmento. No arranque temos um direcionamento comercial mais focado no segmento particular, nos negócios das micro, pequenas e médias empresas. Estamos também presentes no mercado de grandes empresas de uma forma casuística, apoiados por resseguradores internacionais com um mínimo de Rating A, informa o responsável. Antes destas seguradoras, duas gigantes foram vendidas. A Fidelidade é hoje da chinesa Fosun, que pagou à Caixa Seguros mil milhões de euros por 85% da Fidelidade e da Multicare. Juntas, representam 30% do mercado segurador português. Liang Xinjun, presidente do grupo Fosun, veio esta semana esclarecer que a Fidelidade registou um cresimento de volume de prémios de 15% em 2013 para 2014 e que a Fosun tem permitido à Fidelidade através da diversificação de investimentos em activos do grupo uma boa rentabilidade. E a Tranquilidade foi comprada pelo fundo norte americano Apollo Global Management. Contactada pelo Diário Económico, a seguradora não quis responder a perguntas, mas os novos donos já vieram dizer que a seguradora será muito rentável. Efeito preverso da concorrência Para a associação de defesa do consumidor Deco, os negócios de compra e venda de seguradoras e de maior concorrêncoa podem ter um efeito preverso para o consumidor, que terá assim, menos opções de escolha, diminuindo a concorrência, disse fonte da Deco contactada pelo Diário Económico. Antes destas, a Ocidental Seguros, tinha passado para as mãos da belga Ageas em As seguradras contactadas pelo Diário Económico acreditam que o sector é marcado hoje por forte concorrência e que esta está a condicionar as margens do sector e a colocar pressão sobre os níveis de solvabilidade. Para o presidente da Associação Portuguesa de Seguradores, Pedro Seixas Vale, os grandes desafios do sector segurador passam naturalmente pelo tema das aqisições e fusões, mas também pela introdução do regime de solvência que, diz, é muito mais exigente no domínio dos capitais próprios das seguradoras, da governance e dos sistemas de informação. Solvência e resultados Sobre este tema, as seguradoras garantem estar preparadas para os novos desafios, sendo que os níveis de solvência se têm mantido em níveis muito elevados e semelhantes ao do ano anterior. No que respeita aos resultados das seguradoras, Seixas Vale destaca os resultados positivos da grande maioria das companhias no último ano. Mas realça o efeito negativo no sector da crise no GES, e que levou a a resultados bastante inferiores aos de 2013, com os capitais a terem uma muito ligeira redução. E se nos Ramos Não Vida os resultados foram bastante abaixo das expectativas, em especial nos Ramos Acidentes de Trabalho, Auto e Multirriscos Comercial, Seixas Vale fala de resultados bastante positivos nos Ramos Vida. Os resultados financeiros correntes mantiveram-se a níveis bastante positivos. Uma das explicações deve-se ao facto dos portugueses terem confiando a gestão das seguradoras mais 2,2 milhões de euros em O sector segurador gere actualmente quase 53 mil milhões de euros de poupanças dos portugueses, dos quais cerca de 44 mil milhões de produtos de poupança, informa. No futuro, Seixas Vale defende que se devem melhorar dos resultados nos Ramos Não Vida (em especial Acidentes de Trabalho e Auto), e apostar na inovação como elemento básico do crescimento e da eficiência e a atracção de talentos para o sector via uma programação clara, ampla e de longo prazo. Bobby Yip / Reuters A Fosun comprou a Fidelidade e diz querer fazer da companhia uma das seguradoras mais rentáveis da Europa em dois ou três anos.

5 Terça-feira 23 Junho 2015 Diário Económico V 2 PERGUNTAS A PEDRO SEIXAS VALE PRESIDENTE DA ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE SEGURADORES Concorrência é muito intensa no sector segurador Um quinto dos contratos geridos mudam de companhia todos os anos. Preço e qualidade do serviço são justificação. Compras e vendas de seguradoras que estãoa ser preparadas vão levar a uma mudança muito significativa, acredita o presidente da Associação Portuguesa de Seguradores. Estão na forja fusões, compras e vendas no sector. Como vê o futuro? Acredito que se vão concretizar mais alterações nas companhias através de operações de venda e compra, algumas já do domínio público, que a concretizarem-se levarão a uma mudança muito significativa, possivelmente bastante acima de 50% do mercado se todas se concretizarem num curto período de três anos. Se dessas operações resultarão fusões, vai depender do comprador. O sector segurador está hoje aberto à concorrência? Como se tem isto demonstrado? O sector segurador sempre foi um sector onde a concorrência é muito intensa e onde o factor preço é importante. Actualmente dos 20 milhões de contratos geridos pelo sector, três a quatro milhões mudam de companhia anualmente. Se o preço é a razão principal, também a qualidade de serviço prestado em especial no momento dos sinistros, o modelo de distribuição - no Vida, predominância da venda através dos bancos e em Não Vida através dos agentes e corretores -, o tipo de produto e a sua abrangência, o modelo de comunicação qualitativa e quantitativa e o acesso à informação, a confiança eareputação da seguradora, são outros factores que isolados ou conjuntamente influenciam e motivam a decisão dos clientes na escolha das seguradoras. R.C. PUB

6 VI Diário Económico Terça-feira 23 Junho 2015 QUEM É QUEM NOS SEGUROS As novas estratégias das seguradoras Nova imagem, novos produtos ou baterias apontadas para outros mercados e segmentos de negócios. Paulo Figueiredo «AS LÍDERES DE MERCADO A produção gobal de seguro directo em Portugal verificou, no primeiro trimestre de 2015, um aumento de 5,9% face a período homólogo de 2014, situando-se em cerca de 3,7 mil milhões de euros, no total dos segmentos vida e não vida. A Fidelidade é líder incontestado misto (vida e não vida), representando 1,2 mil milhões nesse período. A seguir vem a Allianz com uma produção de 176,9 milhões eaaçoreana Seguros que atingiu os 109 milhões. O Top 5 fica completo com a Liberty, com 67,6 milhões e a Real Vida com 16,6 milhões. Mudanças de imagens ou novas estratégias estão a marcar o ano de algumas seguradoras. A destacar o rebranding do Grupo Ocidental que diz Jan de Pooter, CEO, reforça a nossa identidade enquanto grupo, juntando marcas líderes no sector segurador em Portugal. O objectivo é claro: passar a unir as marcas a Ocidental Seguros (ramos Vida e Não Vida), a Ocidental Pensões, e a Medis, numa marca agregadora. No segmento Vida, o grupo cresceu 20% e no Não Vida 7,5%, sendo aqui de destacar a performance da Médis, que registou um crescimento no volume de prémios superior a 9% nos primeiros cinco meses de 2015, face a igual período do ano anterior. Quanto à Generali, transformou-se numa companhia de direito português no início de 2015, investindo 40 milhões de euros em Portugal, informa Santi Cianti, CEO. A aposta no país levou mesmo à abertura de uma nova delegação em Chaves, para servir a região de Trás-os-Montes e Alto Douro. A seguradora, que cresceu 10% na facturação, superando os 200 milhões de euros em 2014, tem apostado na diferenciação de produtos e serviços, Já a Zurich reforçou a posição em sectores que diz terem um claro dinamismo e potencial de crescimento, conta António Bico, CEO. São eles o turismo, as indústrias exportadoras, o agro-alimentar e os serviços de saúde. A estratégia da Lusitânia passou por um crescimento orgânico ao desenvolver o projecto de lojas de mediadores, explica Susana Pascoal, directora de Marketing e Inovação. A ideia, revela, é aumentar o conceito de proximidade, abrindo lojas locais, nas quais convidamos mediadores de referência para representarem a companhia. No que respeita à CA Seguros, que pertence ao Grupo Crédito Agrícola, o ano foi de transformação. A companhia, que comercializa a sua oferta de seguros exclusivamente nas agências do Grupo, em parceria com as Caixas Agrícolas, tem actualmente o objectivo de promover uma maior proactividade comercial, contou o presidente João Pedro Borges. Já a Liberty Seguros está apostada em abrandar o crescimento, para tratar de ser disciplinados na manutenção da rentabilidade, diz José de Sousa, CEO. A seguradora tem uma vasta oferta para particulares, famílias e PME e José de Sousa diz estar empre atento às oportunidades de consolidação de mercado. E não descarta crescer via aquisições, caso haja uma oportunidade interessante, revelando que a companhia fechou 2014 com 9,1 milhões de euros de lucro e 269 milhões de volume de negócios Vida e Não Vida. De referir que a Mútua dos Pescadores, a única cooperativa de seguros portuguesa, está a diversificar os seus sectores de actuação. Especialista em pescas, Jerónimo Teixeira, director geral, revela estarem actualmente a apostar na náutica de recreio e marítimo- -turística, no cluster do mar e comunicações ribeirinhas, e no sectr cooperativo e social, representando já 30% do volume de prémios. A Genworth, que é uma seguradora e resseguradora, renovou todas as parcerias existentes, lançou mais três e alguns novos produtos. Corretoras e mediadoras A MDS Portugal que fechou 2014 com 22,6 milhões de euros, e um crescimento a dois dígitos, reforçou a actividade em Angola e entrou no mercado moçambicano. Assumimos igualmente a nossa vocação ibérica, passando a ter presença directa no mercado espanhol, assume Ricardo Pinto dos Santos, Country Manager. Em paralelo, a companhia quer consolidar a presença em Portugal e no Brasil, diz, e investiu numa nova área de negócio, a corretagem de resseguros, criando a MDS RE em Um corretor de seguros independente no mercado português e em África, disponibilizando um serviço especializado de consultoria e de soluções optimizadas de resseguro, explica. Importante ainda referir o facto de ter adquirido uma participação de 70% no capital da Accive, responsável por uma carteira de cerca de cinco milhões de euros em prémios. Desta forma, passou a gerir uma carteira de prémios de cerca de 17 milhões de euros, alargando a cobertura geográfica. A corretora Costa Duarte está cada vez mais focada nos mercados internacionais, tendo, nesse âmbito, decidodo fazer o rebranding da identidade corporativa. O novo logotipo inspirado destaca as ligações internacionais que permitem servir os clientes em qualquer parte do mundo e representa o dinamismo e capacidade da Costa Duarte para encontrar soluções inovadoras, explica João Costa Duarte, Administrador Executivo. Já a corretora Sabseg afirma que Portugal voltou a ser o principal país de investimento. Luis Cervantes, administrador, diz que muderaram o pendor da expansão internacional, principalmente no Brasil, revela Luis Cervantes, administrador. R.C.

7 PUB

8 VIII Diário Económico Terça-feira 23 Junho 2015 QUEM É QUEM NOS SEGUROS Seguradoras acompanham tendências da sociedade Seguros para ciclistas, para séniores com mais de 65 anos, para desempregados ou contra riscos cibernéticos. As seguradoras acompanham o que se passa à sua volta e adaptam-se às novas necessidades. RAQUEL CARVALHO Há cada vez mais pessoas a fazer desporto ao ar livre. Correr está na moda e são também cada vez mais as pessoas que andam de bicicleta ou que se deslocam de mota. E se correr ou andar de bicicleta é saudável, também pode implicar riscos acrescidos, pelo que são cada vez mais as seguradoras que pensam nestes nichos de mercado. Mas se há produtos a pensar em quem pratica um desporto específico, há também os que são desenhados para segmentos na área da saúde, como a diabetes, o Alzheimer ou a doença de Parkinson. São alguns destes exemplos que damos agora a conhecer e que mostram novas tendências e a adaptação das seguradoras a novos estilos de vida e a necessidades do mercado. Desportistas mais seguros Os ciclistas devem ter cuidados adicionais ao andar na estrada. Uma distracção pode ter consequências graves. Os preços elevados da gasolina têm levado muitas pessoas a optarem por se deslocar para o local de trabalho de biclicleta. Além de pouparem e de ser mais saudável, contribuem para o meio ambiente. As seguradoras estão atentas a este fenómeno e já oferecem produtos a pensar nos amantes do ciclismo. A Caixa Agrícola Seguros lançou recentemente o novo produto CA Ciclista que veio dar resposta a uma necessidade sentida pelos clientes. Antes já a Liberty Seguros tinha na sua carteira de produtos o Liberty Bike, uma solução de protecção para a bicicleta e seu utilizador composta por duas vertentes: Acidentes pessoais e responsabilidade civil que poderão ser complementadas pela cobertura de transporte. O prémio é único e anual e no valor de 46,10 euros. Mas a Liberty pensou também em quem gosta de correr. E agora a percentagem de pessoas que o faz é cada vez maior. O Liberty Running, que tem um prémio anual de 47,22 euros ou de 58,27 euros, consoante as coberturas que escolher, garante a protecção enquanto se corre. Cobre morte ou invalidez permante até dez mil ou 20 mil euros, despesas de tratamento até mil ou dois mil euros, e despesas com funeral, também com estas duas opções de valor. A assistência e check-up médico é gratuito para quem optar pela cobertura que tem o valor anual de 58,27 euros, e implica um co-pagamento de 20 euros, para a outra. A Sabseg, especialista em mediação e corretagem de seguros, também tem produtos na área do desporto, especialmente no futebol profissional e amador. KarolyArvai / Reuters Ajudar as famílias a sobreviver à crise São muitas as famílias que vivem dificuldades económicas e que não estão a conseguir fazer face às despesas diárias. É a pensar nessas fa-

9 Terça-feira 23 Junho 2015 Diário Económico IX mílias que a Metlife lançou o MetLife Bill Protector. Um produto que cobre os encargos fixos mensais em caso de desemprego involuntário, incapacidade temporária ou hospitalização. Estão assim garantidos os pagamentos das facturas do gás, água, luz, telecomunicações, educação, etc.. A Metlife oferece este produto, através de parcerias estratégicas com companhias prestadoras destes serviços. Segurar quem sofre de diabetes ou demências várias Sofrer de doenças crónicas requer gastos extras com a saúde. Tendo em conta o aumento destas doenças em Portugal, a Zurich decidiu ampliar as coberturas da solução Vida Total, incluindo mais duas patalogias: diabetes e demências como Alzheimer e Parkinson. A Zurich é pioneira a incuir a diabetes numa cobertura complementar ao seguro de vida, sendo que esta pode ser subscrita até aos 66 anos de idade. Proteger profissões que acarretam riscos Quem exerce um cargo de administração, 544 mil desempregados Em Maio, os centros de emprego contavam com cerca de 554 mil desempregados, mas o número real, que inclui as pessoas que já deixaram de receber qualquer prestação social, deve ser superior. Os seguros sabem que este é um problema grave, e por isso lançaram algumas soluções que visam prevenir este tipo de situações. Samantha Sais / Reuters Riscos cibernéticos preocupam as empresas. gestão ou direcção numa empresa assume responsabilidades significativas. Os cargos são de efectiva responsabilidade e, por isso, não são raras as vezes que acontecem pedidos de indemnização contra eles, por alegada e efectiva violação do dever, negligência, falsas declarações, erros e omissões, pois os seus actos podem ter consequências financeiras e pessoais nos outros. Assim, há produtos específicos a pensar nestes casos. A resseguradora AIG tem uma solução que cobre responsabilidade civil para administradores, gerentes e directores e que inclui a representação e assistência jurídica de elevado valor. Os membros de órgãos autárquicos podem também ser protegidos por um seguro de acidentes pessoais. Guardar os guardas Há também o seguro de responsabilidade civil para os guardas-nocturnos, uma profissão quase em vias de extinção, mas que, pela sua natureza, tem riscos acrescidos. O mesmo se pode dizer dos guardas dos recursos florestais» PUB

10 X Diário Económico Terça-feira 23 Junho 2015 QUEM É QUEM NOS SEGUROS» ou mesmo dos forcados que têm sempre a vida em perigo. Há, por isso, um seguro de acidentes pessoais especialmente a pensar nestes profissionais. Automóvel ou transporte A inovação na oferta seguradora passa ainda por seguros para modelos específicos de carros. O seguro automóvel ITO da Generali foi criado exclusivamente para os automóveis citadinos até 1000cc. Cobre tudo o que é necessário aos automóveis mais pequenos, com condições à medida desses automóveis. E já há seguros disponíveis para automóveis eléctricos. Além disso, há ainda seguros apenas para motociclistas, como disponibilizam a Lusitânia ou a Zurich. 180 pessoas diagnosticadas O número é diário. Em Portugal, 180 pessoas são diagnosticadas com diabetes tipo 1 ou 2 todos os dias. A doença atinge também pessoas cada vez mais jovens. As seguradoras sabem desta tendência e algumas já lançaram novidades neste campo. Empresas de gás, electricidade e água As empresas que trabalham no sector do gás e electricidade também precisam de uma carteira eficaz de seguros, tal como as empresas de distribuição e transportes que muitas vezes transportam matéria-prima perigosa e as de exploração e gestão dos sistemas multimunicipais de captação, tratamento e abastecimento de água para consumo público. KacperPempel / Reuters Existem cada vez mais seguros direccionados a séniores. Os 80 são os novos 70. Parque de diversões e piscinas públicas Há um seguro de responsabilidade civil só para parques de diversões aquáticas e piscinas públicas ou para entidades responsáveis pela propriedade e/ou exploração de recintos de espetáculos de divertimentos públicos. Também as entidades responsáveis pela organização de montarias, batidas e largadas ou pela inspecção de veículos precisam de uma solução à sua medida. E há seguros de responsabilidade civil a pensar neles. Unidades privadas de saúde, clínicas e consultórios médicos ou unidades de cirurgia e ambulatório são igualmente abrangidas por seguros de responsabilidade civil adequados às suas necessidades. Expatriados precisam de maior protecção A internacionalização é cada vez mais uma opção para as empresas. Trabalhar noutro país implica estar sujeito a outras leis e por isso, ter uma boa carteira de seguros que proteja os colaboradores expatriados é fundametal. Há por isso programas internacionais de seguros que protegem os activos contra a instabilidade política do país de destino, os actos de terrorismo, a expropriação, o incumprimento contratual por parte dos parceiros de negócio ou os riscos legais. Desenvolver um projecto empresarial implica riscos. Assim, além de empresas que transferem para si os riscos associados a uma transação comercial, há produtos que apoiam a gestão como o caso da solução da Cosec Negócio Seguro PME. Já a Cesce tem o Master Ouro, uma solução flexível que permite gerir os riscos de crédito a clientes e optimizar o orçamento. Segurança na internet Vivemos na era digital e são cada vez mais as transacções que as empresas fazem via Internet. Sãopor isso muitos os riscos cibernéticos que correm. É a pensar nestes riscos que seguradoras oferecem pacotes destinados a proteger toda a informação empresaria relevante e que pode ser alvo de ataques de hackers. Mar e pescas Especialista no sector das pescas, a Mútua de Pescadores desenvolve o projecto de formação Salva Vidas, apoiado pelo programa Promar, que permitiu a certificação na área a 101 pescadores, com impacto na prevenção e segurança a bordo. Além disso, oferece produtos específicos que visam prevenir os riscos e minimizar o impacto humano e social dos sinistros que muitas vezes acontecem no mar. Já o seguro GenMar da Generali, tem como objectivo a protecção de embarcações de recreio. Além do pacote base de responsabilidade civil obrigatória e a cobertura de assistência náutica, é possível reforçar a protecção da embarcação ou dos seus tripulantes subscrevendo as diversas coberturas opcionais, sendo de realçar gastos de reboque, envio de peças de substituição, gastos com salvamento, remoção de destroços, etc. Também a Lusitânia tem o produto Lusitania- Mar a pensar neste sector. Há ainda o seguro de responsabilidade civil para a actividade de aquacultura em mar, sendo igualmente alvo de atenção especial os sectores do turismo, das indústrias exportadoras ou o agro-alimentar. Crianças mais seguras Os filhos são o bem mais precioso que temos, e por isso é importante garantir que estão seguros, quando se aleijam no meio de uma brincadeira. O MetLife Protecção Júnior garante isso mesmo. Este produto pretende não só proteger as crianças e jovens de determinadas situações desagradáveis, como também evitar que elas aconteçam. O MetLife Protecção Júnior é um seguro bastante abrangente e cobre diversas situações como hospitalização, apoio à cirúrgia em caso de acidente ou doença, cobertura de diversas doenças graves, e uma renda anual em caso de morte ou invalidez do pai ou da mãe a pensar num apoio para a sua educaçao. Adicionalmente a estas coberturas principais, são também disponibilizadas coberturas de assistência como médico ou enfermagem ao domicílio, serviço pediátrico de urgência, linha de apoio 24 H, entre vários outros. Além das criaças, também os mais velhos têm pacotes de seguros desenhados para responder às suas necessidades. De referir é o facto de existirem cada vez mais soluções para séniores em seguros de saúde, por exemplo.

11 PUB

12 XII Diário Económico Terça-feira 23 Junho 2015 QUEM É QUEM NOS SEGUROS Novasregrasou leis são principal risco apontado em Portugal Empresas enfrentam também o risco de incumprimento nos pagamentos. RAQUEL CARVALHO O Global Risk Management Survey realizado pela resseguradora AON junto de empresas em todo o mundo, dá conta de que o risco cibernético entrou para o top dez dos riscos mais relevantes com que se confrontam as empresas. Uma realidade que acaba por ser a consequência da evolução tecnológica, da globalização dos mercados e da era digital. Uma das conclusões do survey é que, independentemente da dimensão, geografia ou sector de actividade existe uma consistência nos riscos que podem causa um maior impacto na actividade das empresas, esclarece Pedro Penalva, CEO da AON. Dos dez primeiros riscos, cinco são sempre repetentes em todos os países. São eles a reputação e dano à marca, a retracção económica, as mudanças legislativas e regulatórias, o aumento da concorrência e a capacidade de atracção de talento. Em Portugal, o risco principal identificado pelas empresas é a mudança regulatória ou legislativa. Posto isto, Pedro Penalva frisa a necessidade de identificar riscos e efectuar uma análise robusta dos seus impactos, de forma a mitigá- -los, e empresas como a AON fazem isso mesmo, oferecendo produtos que permitem proteger os activos das empresas. Também a Sabseg, corretora de seguros, coloca na lista de novos riscos emergentes todos os relacionados com o ciberespaço e com a responsabilidade perante a sociedade. Na opinião de Luis Cervantes, CEO, as questões da segurança dos sistemas de informação e da protecção de dados, e o potencial impacto negativo que o desenvolvimento da actividade das empresas pode fazer incidir sobre as pessoas ou sobre o ambiente, são áreas de grande preocupação e onde importa actuar. Uma forma de minimizar os riscos passa por certificar os negócios e definir planos de contingência e de continuidade. A pensar nisso, a Sabseg disponibiliza produtos que cobram riscos cibernéticos, mas também ao nível da responsabilidade civil ambiental. Mário Vinhas, deputy country manager da corretora MDS Portugal, destaca também os Seguros de crédito Os tempos continuam de crise e para as empresas que olham para os mercados internacionais é importante assegurar que vão receber a horas. Ganham por isso grande importância os seguros de crédito. Um produto que ajuda a gerir o risco nas relações comerciais. Thierry Etheve, presidente da Cosec, que tem como principal actividade os seguros de crédito, responsáveis por 33,1 milhões de euros, dos 35,4 milhões de volume de prémios concedidos em 2014, garante que este mercado está a crescer em Portugal. Diz que a empresa presta garantias no valor de 10,8 mil euros milhões de euros, dos quais 4,6 mil milhões relativos a exportações, o que representa mais 16% do que no ano passado. E frisa que o mercado é competitivo. Rita Lacerda confirma a crescente procura por este produto informando que as empresas privilegiam o facto de poderem passar a vender de acordo com os limites de crédito que a seguradora atribui aos clientes. riscos decorrentes de ciberataques, admitindo que podem ter um enorme e crescente impacto nas organizações. Mas coloca na lista outros: protecção de bens, pessoas, equipamentos, imobilizado, lucro e riscos relacionados com responsabilidade por danos ambientais, funcionamento de cadeias de abastecimento e de continuidade dos negócios. A pensar nisso, a MDS disponibiliza soluções de protecção nas áreas de cibersegurança, business continuity, cadeia de abastecimento, terrorismo e responsabilidade ambiental. Além disso, tem seguros para expatriados na área da saúde, vida e acidentes, a pensar nas empresas que se internacionalizam, e que, garante, correm sempre mais riscos, sobretudo envolvendo pessoas e investimentos, pelo que Mário Vinhas aconselha as empresas a estudarem bem o mercado, a fazerem uma correcta política de gestão do risco e a sua eventual mitigação através de programas de seguros. No campo da internacionalização, João Costa Duarte, da corretora Costa Duarte, destaca o facto desta expor as empresas de uma forma diferente, o que implica maior cuidado na contratação e gestão da carteira de seguros. A principal preocupação é garantir uma adequada protecção aos expatriados. Por outro lado, lembra que cada país tem as suas leis e que os seguros no estrangeiro estão sujeitos a apertadas regras de compliance por parte das autoridades. Tais desafios exigem por isso um profundo conhecimento por parte das corretoras dos mercado locais. Thierry Etheve, Presidente da Cosec,especialista em seguros de crédito (ver caixa ao lado), diz que, actualmente, e sobretudo as empresas exportadoras, os principais riscos são o de incumprimento no pagamento de facturas a crédito. Os seguros de crédito servem para mitigar esse risco, informa. Rita Lacerda, directora geral da Cesce, fala em morosidade e falta de liquidez como os principais riscos quando se fala em gestão do crédito comercial. Lembra que as empresas devem procurar novos mercados para potenciar o seu crescimento e que isso implica namais riscos. Mas sobretudo se não conhecerem os mercados, os potenciais clientes, as politicas e filosofias, sendo importante o apoiodeempresascomoacoseceacesceque passam a gerir as vendas ao exterior e tratam das cobranças e recuperação de dívidas. Paulo Alexandre Coelho

13 PUB

14 XIV Diário Económico Terça-feira 23 Junho 2015 QUEM É QUEM NOS SEGUROS Juntar seguros auto, casa e saúde num só O CIMPAS (na imagem, a sua equipa) é provedor mas também tem serviços de arbitragem para a resolução de conflitos. Diversificação é a aposta dos seguros directos. Se há uns anos, havia seguradoras que trabalhavam em exclusivo o ramo automóvel, actualmente, as necessidades do mercado levam a uma diversificação da oferta. A Logo, por exemplo, continua a ter no ramo automóvel a sua actividade core, onde detém uma quota superior a 20%, mas é, hoje em dia, e de acordo com José Pedro Inácio, administrador, uma empresa multi-oferta, onde se destaca o mais recente produto, o Triple Play, que permite agregar os seguros saúde, casa e automóvel num só, explica. O objectivo é ajudar os clientes a poupar. E os resultados já são muito positivos. Na vertente saúde, a Logo tem uma quota superior a 50% e na vertente casa, já supera os 30%. Quem também já diversificou a oferta foi a N Seguros, que registou um crescimento de 16% na captação de apólices novas em 2014 (mais de 30 mil), o que perfaz um total de 65 mil apólices e 63 mil clientes. O ramo automóvel é ainda o mais significativo, mas crescem os clientes nos ramos N Saúde e e N Protecção (acidentes pessoais) que, frisa Nuno Serrano, director executivo, oferecem garantias abrangentes com condições vantajosas para cada cliente. A diversificação da oferta não vai parar, com Nuno Serrano a informar estar previsto o lançamento de novos produtos e serviços ainda em A Direct mantêm-se apenas no ramo automóvel, mas Sandra Móias, directora coordenadora, diz que ainda este ano a seguradora vai apostar na diversificação de coberturas, algumas delas totalmente inovadoras no mercado, e nos serviços que disponibilizados. R.C. OCIMPASrepresenta a provedoria de 55 seguradoras. Rute Santos, ao centro, é directora geral. Queixas de clientes mantiveram-se CIMPAS recebeu reclamações em Paulo Alexandre Coelho Forte aposta em canais digitais Seguradoras apostam em canais digitais e telemóveis. As seguradoras estão atentas às potencialidades dos dispositivos móveis, estando a lançar novos serviços a pensar nessa realidade. Santi Cianti, CEO da Generali, fala de um crescimento de canais online, e informa que a seguradora adoptou uma estratégia multiaccess. Estas soluções respondem às ambições dos clientes que querem aceder de forma mais simples e rápida aos produtos. E, de preferência, através de smartphones e sem ser necessário papel. Na Logo, por exemplo, há ausênciadeassinaturaeapossibilidade de se pagar por Pay Pal. Tudo através da aplicação gratuita mylogo, disponível para IOS e Android, e que permite aos clientes gerir os seus seguros. O Ocidental Grupo tem como uma das suas estratégias para 2015, a aposta no digital, através do desenvolvimento do canal digital. E é esta mesmo a tendência: novas formas de atendimento online. Atenta a isso, a Seguradoras adaptam-se à procura através do computador, do telemóvel ou do tablet. Genworth tem investido seriamente na componente digital e vai desenvolver soluções integradas de comercialização e gestão, diz Nuno Rosa, presidente. Também a Lusitânia aposta na componente tecnológica, ao investir numa plataforma de negócios (portal para mediadores), e na app Agilidade Comercial, para ser aplicada na rede comercial. Está ainda actualmente a investir num novo sistema informático. R.C. Kevin Van Paassen / Bloomberg 80% de quem recorre ao CIMPAS (Centro de Informação, Mediação, Provedoria e Arbitragem de Seguros) são particulares. São pessoas em busca de um esclarecimento, ou de ajuda na interpretação de uma cláusula, as que recorrem aos serviços de provedoria, em que o CIMPAS representa 55 seguradoras. Também são, na sua maioria, particulares os que recorrem aos serviços de resolução de conflitos e arbitragem. Em 2014 foram recebidas reclamações. Ao serviço de provedoria, onde o reclamante não fica com uma decisão vinculativa, chegaram 830 queixas, um pouco mais que nos anos anteriores. O aumento é pequeno, em cerca de cinco casos, afirma Rute Santos, directora geral da entidade. Na fase de arbitragem, que inclui julgamento, houve cerca de processos. Quem vem à mediação e arbitragem são pessoas mais esclarecidas e que têm testemunhas e provas, conta a responsável, que explica que os processos recebidos se foram resolvendo em várias fases. Sobre o perfil das queixas recebidas, os ramos dos quais resultam maior número de reclamações são o automóvel e o multirriscos de habitação. E são também estes que representam a maioria das queixas que seguem para afasedearbitragem. Tendência sentida é o maior número de queixas de seguros inovadores, que alegadamente protegem situações de desemprego ou que cobrem créditos. A falta de informação ou compreensão dos contratos são também razão para queixas. Muitas das reclamações que aqui chegam vêm reencaminhadas pela Deco, que é o primeiro passo que os clientes são neste tipo de queixa, afirma Rute Santos, que considera no entanto que neste tipo de casos as seguradoras têm de informar bem e explicar o significado. E que as pessoas têm de dar assentimento por escrito, ainda que na prática as pessoas não lêem ou não percebem o que lêem. Apenas nos casos em que comprovadamente não foram informados - o que pode tem de ser provado - é que há hipótese di segurado vencer este tipo de processos. I.M.

15 PUB

16 XVI Diário Económico Terça-feira 23 Junho 2015 QUEM É QUEM NOS SEGUROS Nova associação vai ter associados. OPINIÃO CARLA PEREIRA Manager da EY Paulo Alexandre Coelho Associações de mediadores juntas Assembleias da APROSE e da ANACS vão acontecer amanhã em Coimbra. IRINA MARCELINO É já amanhã que duas associações de mediadores e corretores de seguros vão passar a funcionar como uma. Isto se forem aprovados por três quartos dos associados de cada uma nas respectivas assembleias que decorrerão de forma paralela no mesmo hotel (Tivoli) em Coimbra. A proposta em cima das mesas é a junção entre APROSE (Associação Portuguesa de Mediação Profissional de Seguros) e ANACS (Associação Nacional de Agentes e Corretores) através da incorporação da ANACS na APROSE. O nome escolhido para a nova associação que pretende por a falar mediadores e corretores a uma só voz é APROSE - Associação Nacional de Agentes e Corretores. Fundidas as duas Associações, por incorporação da ANACS na APROSE, passando a representar a associação incorporante (APROSE) cerca de mediadores de seguros, unidos em torno de uma voz comum. A ANACS tem actualmente 69 associados, subdivididos em 17 agentes de seguros pessoas singulares, 43 agentes de seguros pessoas coletivas e nove corretores de seguros. A APROSE tem em filiados mediadores de seguros, subdivididos em 666 agentes de seguros pessoas singulares, 437 agentes de seguros pessoas colectivas, um corretor de seguros pessoa singular e 51 corretores de seguros pessoas colectivas. APROSE faz queixa à Comissão Nacional de Protecção de Dados A APROSE considera irregular a conduta dos bancos na utilização dos dados dos clientes que têm pagamentos domiciliados para efeito de liquidação dos prémios de seguros de que são tomadores, para promover vendas próprias de produtos concorrentese enviou uma queixa à Comissão Nacional de Proteção de Dados (CNPD) há cerca de dois meses a propósito. A APROSE considera que, a não existir consentimento expresso por parte dos titulares, a sua utilização para fins não relacionados com a execução do contrato bancário constitui uma prática ilícita. A CNPD ainda não respondeu. Antes das assembleias, APROSE e ANACS encontram-se numa convenção a partir das 11h00, que abrirá com David Pereira, actual presidente da ANACS, e encerrará às 12h45 com o actual líder da APROSE, Luis Cervantes. No meio, decorrerá uma conferência sobre O segurodaéticaeaéticadosseguros,que terá como orador principal Bagão Félix, presidente do Conselho Executivo do Centro de Informação, Mediação, Provedoria e Arbitragem de Seguros (CEFIM). O evento decorrerá no Auditório do Centro de Eventos Bissaya Barreto, em Coimbra. Solvência II A entrada em vigor do regime irá levar a um esfoço acrescidodosectordurante ospróximosseismeseseem anos futuros. Faltam pouco mais de seis meses para a entrada em vigor do regime de solvência II. A 1 de Janeiro de 2016 os novos requisitos de capital da União Europeia (UE) serão uma realidade. Paratodasasseguradoras portuguesas aquele requisito será fixado, à data de entrada em vigor do regime, através da fórmula padrão. A passagem de um regime onde a margem de solvência era calculada com base numa fórmula fechada, para um regime sensível ao risco, mais dependente de modelos, de estimativas, de parâmetros subjectivos, de escolhas de especialistas, da selecção de fornecedores de dados e onde a amplitude de resultados possíveis e razoáveis é significativa, traz desafios às administrações, aossupervisoreseaospróprios auditores. Vai ser essencial ter assurance nos processos, nos modelos e nos dados que estão a ser utilizados, compreendendo os riscos chave e os pressupostos com impacto nos números utilizados para gerir o negócio e para reportar ao supervisor. Não menos importante e desafiante é o processo de Own Risk and Solvency Assessment (ORSA) onde a transição de um mero exercício regulamentar para um processo que acrescente valor ao negócio e à gestão dos riscos tem ainda de acontecer na grande maioria das organizações. Os desvios do perfil de risco específico de cada seguradora face aos subjacentes à construção da fórmula padrão são inevitáveis, e uma clara identificação desses desvios irá permitir fazer uma gestão mais adequada dos riscos. A adaptação dos sistemas de reporte aosrequisitosdafasedepreparação, com os ficheiros de reporte finais ainda não completamente fechados e sem serem ainda conhecidos quais os actuais ficheiros de reporte ao regulador que terão de se manter também em solvência II, é outro dos desafios do sector. Continuar a gerir o negócio na conjuntura de mercado actual, ao mesmo tempo que se garante que todasasalteraçõesnecessáriaspara oplenocumprimentodonovoregime são realizadas e se procura gerir o negócio de forma mais efectiva e eficiente, irá levar a um esforço acrescido do sector durante os próximos seis meses e em anos futuros. A entrada em vigor do regime é apenas o princípio. Vai ser essencial ter assurance nos processos, nos modelos e nos dados que estão a ser utilizados, compreendendo os riscos chave eospressupostos com impacto nos números utilizados para gerir o negócio e para reportar ao supervisor.

17 PUB Nuno Rocha Key Account Manager Nuno Leite Project Manager Luís Roque Project Manager Jorge Francisco Project Manager João Natálio Project Manager

18 XVIII Diário Económico Terça-feira 23 Junho 2015 QUEM É QUEM NOS SEGUROS Fórum 1 Os portugueses estão a procurar mais seguros? De que tipo e com que objectivo? 2 O sector segurador nacional está hoje mais aberto à concorrência? Como se tem isto demonstrado? SEGURADORAS Generali Santi Cianci, CEO 1. Iremos investir nos ramos Vida e Saúde para satisfazer as necessidades de protecção da população em momentos em que será cada vez menor o suporte da segurança social. A procura por seguros de saúde tem vindo a crescer de forma significativa, dado que os portugueses sentem a necessidade de garantias adicionais no acesso a cuidados de saúde de qualidade. 2. O sector segurador português é altamente competitivo e a maior prova disso é o facto de os seguros obrigatórios automóvel e acidentes de trabalho apresentarem níveis de rentabilidade extremamente baixos ou até inexistentes, o que inclusive levou o regulador a adoptar medidas que visem uma volta à sustentabilidade nestes ramos. Zurich António Bico, CEO Paulo Figueiredo 1. Frutodoclima económico que se vive em Portugal e na Europa em geral, e da restruturação do Serviço Nacional de Saúde (SNS), continua a verificar-se um aumento da procura dos Seguros de Saúde Privados, ramo que mantém uma dinâmica apreciável. Verificou-se também um aumento da procura dos seguros de vida como forma de canalização das poupanças dos portugueses, decorrente sobretudo da instabilidade dos mercados financeiros e de uma maior consciencialização dos portugueses para a necessidade de cada vez mais cedo se preocuparem com planos privados de reforma. Mantemos a recomendação para que os portugueses comecem a poupar o mais cedo possível, mesmo com valores reduzidos, assegurando a sua estabilidade no futuro. 2. Estamos num mercado global e prova disso é o comportamento do mercado nacional, onde é visível a entrada de Grupos estrangeiros, alguns oriundos de regiões fora da Europa, a partir de onde desenvolvem inclusivamente uma polí-

19 PUB

20 XX Diário Económico Terça-feira 23 Junho 2015 QUEM É QUEM NOS SEGUROS Fórum tica de expansão para outras zonas geográficas. Estas alterações proporcionam novos desafios e novas oportunidades para o mercado segurador. Lusitânia Seguros Susana Pascoal, Directora de Marketing e Inovação 1. A crise económica dos últimos anos, que também se fez sentir em Portugal, resultou numa diminuição da procura de seguros, tal como de todos os bens de consumo e produto financeiros associados a crédito. Também a redução das massas das empresas, conduziu a uma diminuição visível da massa segurável de um dos mais importantes ramos, o ramo de acidentes de trabalho. A retoma sentida é ainda tímida mas acreditamos que, aos poucos, a maior produtividade levará a uma maior capacidade de compra e, portanto, a uma maior procura de seguros. No entanto, é essencial que o sector melhore no seu todo a gestão técnica de forma a obter uma exploração equilibrada, que não passe por oferecer preços abaixo do custo dos sinistros. 2. A concorrência é sempre saudável e, no caso do mercado segurador, é muito forte. A parte positiva é que nos faz elevar a fasquia da qualidade e da inovação. O outro verso da medalha é quando a concorrência se reduz ao preço. Em alguns ramos, os preços praticados nos últimos anos dentro do sector segurador trouxeram um fenómeno de subtarifação, que levou à degradação do negócio do ramo Não Vida e dos seus resultados. É importante caminhar em direcção ao equilíbrio, sempre atento à qualidade e competitividade da oferta global. Caravela Seguros Paulo Trigo, Administrador Delegado 1. Os Seguros de Acidentes de Trabalho e Automóvel, pela sua obrigatoriedade constituem ainda uma grande fatia do Mercado. De qualquer forma, são notórias as preocupações crescentes ao nível dos Seguros de Saúde assim como no tecido empresarial, pelos Seguros de Responsabilidade Civil Produtos Profissional e Ambiental. 2. Sim, é um mercado totalmente aberto à concorrência. E não exclusivamente assente no factor preço. Hoje em dia, factores como níveis de serviço e comodidade prestados ao cliente (especialmente no tratamento dos sinistros) e plataformas de integração de sistemas com parceiros e entidades externas são variáveis críticas e diferenciadoras. A transacção de seguradoras e a entrada de outras no mercado, como é o caso da Caravela, representam bem a dinâmica deste mercado. Ocidental Grupo Jan de Pooter, CEO 1. A procura por parte dos consumidores existe e é maior, principalmente na procura de soluções personalizadas. Aqui é de salientar a importância do meio digital, onde cada vez mais clientes subscrevem produtos e procuram soluções. 2. O mercado segurador português é um mercado maduro. Existe espaço para consolidação dado o número elevado de players. Por outro lado existem interessados em comprar, o que também demostra a vitalidade do mercado. Conforme já referi anteriormente, este é um dos principais desafios que vai marcar a agenda do sector segurador nos próximos tempos e que terá um grande impacto a todos os níveis (financeiro, concorrencial, oferta, etc.). Liberty Seguros José de Sousa, Presidente eceo 1. Em ambientes de crise as pessoas procuram mais protecção, mas de forma selectiva. Com todas as discussões que tem havido à volta do tema das pensões de reforma, ou das dificuldades no Serviço Nacional de Saúde, tem-se vindo a assistir a um crescimento grande na procura por produtos de poupança para a reforma, e de seguros de saúde também. Tem, havido também maior procura por produtos que respondam às necessidades inerentes às mudanças de hábitos na forma das pessoas viverem a vida e usarem os seus tempos livres. 2. O sector segurador esteve sempre aberto à concorrência. Aliás é a concorrência, nem sempre feita em termos muito racionais, que levou à degradação séria nas margens operativas das seguradoras Não-Vida. CA Seguros João Pedro Borges, Presidente 1. É necessário aumentar a sensibilidade dos portugueses no sentido de assegurarem uma melhor protecção da sua vida pessoal e profissional. A maior parte dos seguros continuam a ser os que os particulares e as empresas fazem por serem obrigatórios (responsabilidade civil automóvel e acidentes de trabalho). Mas a mudança desta atitude é um tema cultural, que levará sempre muitos anos a corrigir. E num contexto de crise económica, esse objectivo é ainda mais difícil de atingir. Apenas no ramo saúde se nota um aumento claro da procura, que decorre de uma crescente preocupação dos portugueses com a incapacidade do Sistema Nacional de Saúde continuar a dar uma resposta positiva à sociedade, e da boa qualidade de serviço prestado pelas seguradoras e pelas redes clínicas protocoladas. 2. O sector segurador português sempre foi muito concorrencial. É preciso não esquecer que, independentemente de uma eventual concentração do sector, decorrente da entrada de accionistas estrangeiros nas maiores seguradoras e de eventuais fusões, o contacto comercial com os clientes é assegurado Alessia Pierdomenico/Bloomberg

Salário de E-commerce Director pode chegar aos 75.000

Salário de E-commerce Director pode chegar aos 75.000 Salário de E-commerce Director pode chegar aos 75.000 Outras conclusões: Recrutamento na área de Marketing Digital registou crescimento de 15%. Área de E- commerce cresceu 6% Remuneração dos profissionais

Leia mais

Instituto de Seguros de Portugal Relatório de Regulação e Supervisão da Conduta de Mercado 2013

Instituto de Seguros de Portugal Relatório de Regulação e Supervisão da Conduta de Mercado 2013 Instituto de Seguros de Portugal Relatório de Regulação e Supervisão da Conduta de Mercado 2013 19 de novembro de 2014 Índice Relatório de Regulação e Supervisão da Conduta de Mercado 1 Atividade regulatória

Leia mais

OS MAIORES RISCOS DA INTERNACIONALIZAÇÃO

OS MAIORES RISCOS DA INTERNACIONALIZAÇÃO OS RISCOS DA INTERNACIONALIZAÇÃO CRESCIMENTO GLOBAL DO NEGÓCIO Com a crescente globalização e o crescimento acelerado das economias emergentes, as empresas, independentemente da sua dimensão, estão em

Leia mais

Seguros e Pensões em Portugal: Situação atual e perspetivas futuras

Seguros e Pensões em Portugal: Situação atual e perspetivas futuras Seguros e Pensões em Portugal: Situação atual e perspetivas futuras José Figueiredo Almaça Instituto de Seguros de Portugal 21 de fevereiro de 2014 ÍNDICE 1. Principais indicadores do mercado segurador

Leia mais

6º Congresso Nacional da Administração Pública

6º Congresso Nacional da Administração Pública 6º Congresso Nacional da Administração Pública João Proença 30/10/08 Desenvolvimento e Competitividade: O Papel da Administração Pública A competitividade é um factor-chave para a melhoria das condições

Leia mais

SEGUROS. Aposta nos mercados externos aumenta risco das empresas. 1 Crédito 2 Responsabilidades. 3 Imagem & Reputação 4 Falha na cadeia.

SEGUROS. Aposta nos mercados externos aumenta risco das empresas. 1 Crédito 2 Responsabilidades. 3 Imagem & Reputação 4 Falha na cadeia. ESTE SUPLEMENTO FAZ PARTE INTEGRANTE DO DIÁRIO ECONÓMICO Nº 5804 DE 19 DE NOVEMBRO DE 2013 E NÃO PODE SER VENDIDO SEPARADAMENTE Processos de internacionalização de empresas acrescentam maior complexidade

Leia mais

no Sistema Financeiro Carlos David Duarte de Almeida Vice-Presidente do Conselho de Administração

no Sistema Financeiro Carlos David Duarte de Almeida Vice-Presidente do Conselho de Administração As consequências do Orçamento Estado 2010 no Sistema Financeiro Carlos David Duarte de Almeida Vice-Presidente do Conselho de Administração As consequências do OE 2010 no Sistema Financeiro Indice 1. O

Leia mais

traçam 'plano de ataque'

traçam 'plano de ataque' Seguradoras contra a crise traçam 'plano de ataque' Com os rendimentos das famílias cada vez mais reduzidos, as seguradoras têm-se empenhado em oferecer pacotes mais atractivos aos clientes, que vão desde

Leia mais

7º CONGRESSO NACIONAL DOS CORRETORES E AGENTES DE SEGUROS. Feira Internacional de Lisboa Parque das Nações. 15 de Outubro de 2010

7º CONGRESSO NACIONAL DOS CORRETORES E AGENTES DE SEGUROS. Feira Internacional de Lisboa Parque das Nações. 15 de Outubro de 2010 7º CONGRESSO NACIONAL DOS CORRETORES E AGENTES DE SEGUROS Feira Internacional de Lisboa Parque das Nações 15 de Outubro de 2010 Sessão Solene de Abertura Gostaria de começar por felicitar a APROSE pela

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL

RESPONSABILIDADE SOCIAL RESPONSABILIDADE SOCIAL Instituto Português de Corporate Governance Auditório Victoria 27 de novembro 2013 Ana de Sá Leal economista Abordagem 1. Responsabilidade Social 2. Dimensão 3. Criar Valor 4. Outro

Leia mais

adaptados às características e expectativas dos nossos Clientes, de modo a oferecer soluções adequadas às suas necessidades.

adaptados às características e expectativas dos nossos Clientes, de modo a oferecer soluções adequadas às suas necessidades. A Protteja Seguros surge da vontade de contribuir para o crescimento do mercado segurador nacional, através da inovação, da melhoria da qualidade de serviço e de uma política de crescimento sustentável.

Leia mais

SUMÁRIO. 3º Trimestre 2009 RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA. Produção de seguro directo. Custos com sinistros

SUMÁRIO. 3º Trimestre 2009 RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA. Produção de seguro directo. Custos com sinistros SUMÁRIO Produção de seguro directo No terceiro trimestre de, seguindo a tendência evidenciada ao longo do ano, assistiu-se a uma contracção na produção de seguro directo das empresas de seguros sob a supervisão

Leia mais

RESULTADOS DO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2015: A COFACE APRESENTA LUCRO DE 66 MILHÕES DE EUROS, APESAR DE UM AUMENTO DE SINISTROS EM PAÍSES EMERGENTES

RESULTADOS DO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2015: A COFACE APRESENTA LUCRO DE 66 MILHÕES DE EUROS, APESAR DE UM AUMENTO DE SINISTROS EM PAÍSES EMERGENTES RESULTADOS DO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2015: A COFACE APRESENTA LUCRO DE 66 MILHÕES DE EUROS, APESAR DE UM AUMENTO DE SINISTROS EM PAÍSES EMERGENTES Crescimento de volume de negócios: + 5.1% a valores e taxas

Leia mais

3.2 Companhias de seguros

3.2 Companhias de seguros Desenvolvimento de produtos e serviços Tendo em conta o elevado grau de concorrência dos serviços bancários, os bancos têm vindo a prestar uma vasta gama de produtos e serviços financeiros, por um lado

Leia mais

APRESENTAÇÃO DA NOVA POLÍTICA DE INCENTIVOS 2014-2020 SISTEMA DE INCENTIVOS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL COMPETIR +

APRESENTAÇÃO DA NOVA POLÍTICA DE INCENTIVOS 2014-2020 SISTEMA DE INCENTIVOS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL COMPETIR + APRESENTAÇÃO DA NOVA POLÍTICA DE INCENTIVOS 2014-2020 SISTEMA DE INCENTIVOS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL COMPETIR + Ponta Delgada, 28 de Abril de 2014 Intervenção do Presidente do Governo Regional

Leia mais

Assim, torna-se crucial a utilização de metodologias de avaliação do risco de crédito cada vez mais precisas.

Assim, torna-se crucial a utilização de metodologias de avaliação do risco de crédito cada vez mais precisas. OBJECTIVO O risco de crédito está presente no quotidiano de qualquer empresa, sendo hoje reconhecido, por uma grande parte das organizações, como uma das suas principais preocupações. Também nas empresas

Leia mais

DESTAQUE. Novembro 2014 I. INTRODUÇÃO

DESTAQUE. Novembro 2014 I. INTRODUÇÃO DESTAQUE Novembro 2014 MERCADO DE CAPITAIS PRINCIPAIS NOVIDADES REGULATÓRIAS EM MATÉRIA DE MERCADO DE INSTRUMENTOS FINANCEIROS, LIQUIDAÇÃO DE TRANSACÇÕES E CENTRAIS DE VALORES MOBILIÁRIOS I. INTRODUÇÃO

Leia mais

capítulo 7 Relacionamento com o consumidor de seguros e de fundos de pensões

capítulo 7 Relacionamento com o consumidor de seguros e de fundos de pensões capítulo 7 Relacionamento com o consumidor de seguros e de fundos de pensões 147 Relacionamento com o consumidor de seguros e de fundos de pensões 7.1 Considerações gerais Com vista a fomentar e facilitar

Leia mais

Serviços. Conquistar. quando identificou a oportunidade de negócio que constituía a Internet enquanto meio para agilizar

Serviços. Conquistar. quando identificou a oportunidade de negócio que constituía a Internet enquanto meio para agilizar Serviços Conquistar um lugar à mesa nas reservas on-line Até há bem pouco tempo Portugal não contava com um serviço especializado para reservar mesas em restaurantes através da Internet. Este ano ganhou

Leia mais

II Fórum do sector segurador e de fundos de pensões. Lisboa, 7 de Março de 2007. Novas regras de solvência Implementação e gestão de risco

II Fórum do sector segurador e de fundos de pensões. Lisboa, 7 de Março de 2007. Novas regras de solvência Implementação e gestão de risco II Fórum do sector segurador e de fundos de pensões Lisboa, 7 de Março de 2007 Novas regras de solvência Implementação e gestão de risco Foi com todo o gosto, e também com enorme interesse, que aceitei

Leia mais

Aluguer Operacional e Gestão de Frotas

Aluguer Operacional e Gestão de Frotas the world leading fleet and vehicle management company LeasePlan Portugal Lagoas Park - Edifício 6-2740-244 Porto Salvo Ed. Cristal Douro - R. do Campo Alegre, nº 830 - sala 35-4150-171 Porto Tel.: 707

Leia mais

BES AS APOIO FINANCEIRO BES AS FINANCEIR ÕES ÀS EMPRESAS FINANCEIR ÕES UÇ SOL

BES AS APOIO FINANCEIRO BES AS FINANCEIR ÕES ÀS EMPRESAS FINANCEIR ÕES UÇ SOL 38 PME Líder SOLUÇÕES FINANCEIRAS BES Helen King/CORBIS APOIO FINANCEIRO ÀS EMPRESAS O BES disponibiliza uma vasta oferta de produtos financeiros e serviços, posicionando-se como o verdadeiro parceiro

Leia mais

Banco Popular, Espanha

Banco Popular, Espanha Banco Popular, Espanha Tecnologia avançada de automação do posto de caixa para melhorar a eficiência e beneficiar a saúde e segurança dos funcionários O recirculador de notas Vertera contribuiu para impulsionar

Leia mais

PROPOSTAS DE ALGUMAS MEDIDAS CONCRETAS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL

PROPOSTAS DE ALGUMAS MEDIDAS CONCRETAS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL PROPOSTAS DE ALGUMAS MEDIDAS CONCRETAS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL 1 São muitas e variadas as soluções e medidas de apoio à competitividade empresarial. Na intervenção de abertura o Presidente da

Leia mais

ACE BUSINESS CLASS PLUS SEGURO DE VIAGEM CORPORATE INTERNACIONAL

ACE BUSINESS CLASS PLUS SEGURO DE VIAGEM CORPORATE INTERNACIONAL ACE BUSINESS CLASS PLUS SEGURO DE VIAGEM CORPORATE INTERNACIONAL Apesar das sequelas da crise financeira global e da ressaca de uma recessão em vários países, os analistas esperam que a procura de viagens

Leia mais

Centro de Informação, Mediação, Provedoria e Arbitragem de Seguros. Relatório de Actividades do Serviço de Provedoria. Ano de 2014

Centro de Informação, Mediação, Provedoria e Arbitragem de Seguros. Relatório de Actividades do Serviço de Provedoria. Ano de 2014 Relatório de Actividades do Serviço de Provedoria Ano de 2014 1. Actividade desenvolvida pelo Serviço de Provedoria O Serviço de Provedoria do Cliente de Seguros visa a disponibilização de uma solução

Leia mais

A Portugal Ventures está á procura de projetos com as seguintes características:

A Portugal Ventures está á procura de projetos com as seguintes características: 1. O que é o Candidatura ao FIAEA? Este programa de apoio ao empreendedorismo, é uma iniciativa liderada pela SDEA e pela Portugal Ventures, que visa fortalecer o ecossistema de empreendedorismo nas áreas

Leia mais

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010 Técnicas de Secretariado Departamento Comercial e Marketing Módulo 23- Departamento Comercial e Marketing Trabalho realizado por: Tânia Leão Departamento

Leia mais

Atividade Seguradora - Prémios de Seguro Direto 2011

Atividade Seguradora - Prémios de Seguro Direto 2011 Atividade Seguradora - Prémios de Seguro Direto 2011 16 janeiro 2012 No ano de 2011 o volume da produção de seguro direto em Portugal atingiu os 11,6 mil milhões de euros, dos quais cerca de 92,3% diz

Leia mais

LIBERTY ENFERMEIROS MANUAL PRÁTICO

LIBERTY ENFERMEIROS MANUAL PRÁTICO LIBERTY ENFERMEIROS MANUAL PRÁTICO NA LIBERTY SER ENFERMEIRO É UMA VANTAGEM! DESENVOLVIMENTO DE NEGÓCIOS Fazemos nossas as suas exigências de Inovação! Planos da Solução Liberty Protecção Total Protecção

Leia mais

GROUPAMA SEGUROS, SA RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO

GROUPAMA SEGUROS, SA RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO GROUPAMA SEGUROS, SA RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EXERCÍCIO DE 2007 ECONOMIA PORTUGUESA A economia portuguesa tem observado fracos crescimentos do Produto Interno Bruto, embora em 2007 tenha

Leia mais

Diagnóstico de Competências para a Exportação

Diagnóstico de Competências para a Exportação Diagnóstico de Competências para a Exportação em Pequenas e Médias Empresas (PME) Guia de Utilização DIRECÇÃO DE ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL Departamento de Promoção de Competências Empresariais Índice ENQUADRAMENTO...

Leia mais

Na minha opinião como estão as empresas a atravessar a crise?

Na minha opinião como estão as empresas a atravessar a crise? Na minha opinião como estão as empresas a atravessar a crise? O sector empresarial sente a crise como está a sentir a restante sociedade. A elevada taxa de desemprego de 12,3% traduz bem o drama social

Leia mais

POLÍTICAS DE COMPETITIVIDADE PARA O SECTOR AGRO-ALIMENTAR

POLÍTICAS DE COMPETITIVIDADE PARA O SECTOR AGRO-ALIMENTAR POLÍTICAS DE COMPETITIVIDADE PARA O SECTOR AGRO-ALIMENTAR Prioridades Estratégicas Indústria Portuguesa Agro-Alimentar Federação das Indústrias Portuguesas Agro-Alimentares XI LEGISLATURA 2009-2013 XVIII

Leia mais

A ALD Automotive no mundo

A ALD Automotive no mundo DOSSIER DE IMPRENSA A ALD Automotive no mundo A ALD Automotive é uma empresa de Aluguer Operacional e Gestão de Frotas que integra o Grupo Société Générale, um dos grupos líderes em serviços financeiros

Leia mais

A Exchange é uma marca da empresa Changebiz Rede de Consultores Financeiros, SA.

A Exchange é uma marca da empresa Changebiz Rede de Consultores Financeiros, SA. Exchange A EXCHANGE Quem somos A Exchange é uma marca da empresa Changebiz Rede de Consultores Financeiros, SA. Resulta de uma Parceria de Sucesso entre o Grupo Onebiz, referência no desenvolvimento de

Leia mais

Soluções de seguro de créditos no apoio à exportação. COSEC - Estamos onde estiver o seu negócio. www.cosec.pt

Soluções de seguro de créditos no apoio à exportação. COSEC - Estamos onde estiver o seu negócio. www.cosec.pt Soluções de seguro de créditos no apoio à exportação. COSEC - Estamos onde estiver o seu negócio. www.cosec.pt COSEC Companhia de Seguro de Créditos 2012 1 2 Sobre a COSEC O que é o Seguro de Créditos

Leia mais

10º Fórum da Indústria Têxtil. Que Private Label na Era das Marcas?

10º Fórum da Indústria Têxtil. Que Private Label na Era das Marcas? Que Private Label na Era das Marcas? Vila Nova de Famalicão, 26 de Novembro de 2008 Manuel Sousa Lopes Teixeira 1 2 INTELIGÊNCIA TÊXTIL O Sector Têxtil e Vestuário Português e o seu enquadramento na Economia

Leia mais

Criamos. valor à sua empresa

Criamos. valor à sua empresa Criamos valor à sua empresa ORGANIZAÇÃO Somos o que fazemos repetidamente. Então, a excelência não é um acto isolado, mas sim um hábito. Aristóteles Compromisso A FISCOSEGUR é uma organização que presta

Leia mais

VISABEIRA GLOBAL > Telecomunicações Energia Tecnologia Construção. VISABEIRA INDÚSTRIA > Cerâmica e Cristal Cozinhas Recursos Naturais

VISABEIRA GLOBAL > Telecomunicações Energia Tecnologia Construção. VISABEIRA INDÚSTRIA > Cerâmica e Cristal Cozinhas Recursos Naturais 1 VISABEIRA GLOBAL > Telecomunicações Energia Tecnologia Construção VISABEIRA INDÚSTRIA > Cerâmica e Cristal Cozinhas Recursos Naturais VISABEIRA TURISMO > Hotelaria Entretenimento & Lazer Restauração

Leia mais

Neves & Freitas Consultores, Lda.

Neves & Freitas Consultores, Lda. A gerência: Cristian Paiva Índice 1. Introdução... 3 2. Apresentação... 4 2.2 Missão:... 4 2.3 Segmento Alvo... 4 2.4 Objectivos... 5 2.5 Parceiros... 5 2.6 Organização... 5 3. Organigrama da empresa...

Leia mais

COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO

COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO 1 Sumário: Conceito e Objectivos Estrutura do PN o Apresentação da Empresa o Análise do Produto / Serviço o Análise de Mercado o Estratégia de Marketing o

Leia mais

O ESCONDIDO VALOR ECONÓMICO DOS SEGUROS

O ESCONDIDO VALOR ECONÓMICO DOS SEGUROS O ESCONDIDO VALOR ECONÓMICO DOS SEGUROS A economia mundial, em 2011, ficou marcada pela crise da dívida soberana de países da zona euro, pela desalavancagem do setor bancário devido a maiores exigências

Leia mais

Advisory(Assessoria de Gestão)

Advisory(Assessoria de Gestão) Advisory(Assessoria de Gestão) Explorar a floresta aproveitando a incerteza, sem se perder entre as árvores As empresas que estão claramente focadas na criação de valor demonstram que sabem o que fazem,

Leia mais

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE VOLEIBOL Avª de França, 549 4050-279 PORTO Tel: 22 834 95 70 Fax: 22 832 54 94

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE VOLEIBOL Avª de França, 549 4050-279 PORTO Tel: 22 834 95 70 Fax: 22 832 54 94 FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE VOLEIBOL Avª de França, 549 4050-279 PORTO Tel: 22 834 95 70 Fax: 22 832 54 94 CIRCULAR Nº 01 2010 2011 Para conhecimento das Associações, Clubes seus filiados, Rádio, Televisão,

Leia mais

Versão Pública. DECISÃO DE NÃO-OPOSIÇÃO Processo Ccent. Nº 48/ 2005 AXA/SEGURO DIRECTO GERE 1 I. INTRODUÇÃO

Versão Pública. DECISÃO DE NÃO-OPOSIÇÃO Processo Ccent. Nº 48/ 2005 AXA/SEGURO DIRECTO GERE 1 I. INTRODUÇÃO DECISÃO DE NÃO-OPOSIÇÃO Processo Ccent. Nº 48/ 2005 AXA/SEGURO DIRECTO GERE 1 I. INTRODUÇÃO 1. Em 8 de Agosto de 2005, foi notificada à Autoridade da Concorrência, nos termos dos artigos 9.º e 31.º da

Leia mais

Executive Revolution Programs Competitive intelligence e inovação

Executive Revolution Programs Competitive intelligence e inovação Executive Revolution Programs Competitive intelligence e inovação Neste curso serão abordadas as melhores práticas que permitem gerir estrategicamente a informação, tendo em vista a criação de valor para

Leia mais

Descubra A NOSSA AMBIÇÃO HÁ MAIS DE 25 ANOS: MUDAR A IMAGEM DOS SEGUROS. A RSE, um compromisso e actuação. Os nossos colaboradores

Descubra A NOSSA AMBIÇÃO HÁ MAIS DE 25 ANOS: MUDAR A IMAGEM DOS SEGUROS. A RSE, um compromisso e actuação. Os nossos colaboradores Descubra A NOSSA AMBIÇÃO HÁ MAIS DE 25 ANOS: MUDAR A IMAGEM DOS SEGUROS APRIL, um grupo sólido Grupo Internacional de Serviços de Seguro Bruno ROUSSET Presidente, CEO e fundador do grupo APRIL 6 Cotada

Leia mais

RELATÓRIO ACTIVIDADE SEGURADORA ANO-2008 ÍNDICE GERAL BANCO CENTRAL DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE

RELATÓRIO ACTIVIDADE SEGURADORA ANO-2008 ÍNDICE GERAL BANCO CENTRAL DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE RELATÓRIO ACTIVIDADE SEGURADORA ANO-2008 BANCO CENTRAL DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE ÍNDICE GERAL BANCO CENTRAL DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE ASSUNTO PÁGINA EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA EM STP 1. ENQUADRAMENTO

Leia mais

Corporate Governance e responsabilidade social das empresas

Corporate Governance e responsabilidade social das empresas Corporate Governance e responsabilidade social das empresas Fernando Teixeira dos Santos Presidente da CMVM 1 - Os recentes escândalos financeiros e falências de importantes empresas cotadas chocaram os

Leia mais

1. (PT) - Turisver, 20/09/2012, Pedro Duarte 1. 3. (PT) - Diário Económico, 25/09/2012, Unicer antecipa crescimento de 15% das vendas em Angola 5

1. (PT) - Turisver, 20/09/2012, Pedro Duarte 1. 3. (PT) - Diário Económico, 25/09/2012, Unicer antecipa crescimento de 15% das vendas em Angola 5 Tema de pesquisa: Internacional 25 de Setembro de 2012 Revista de Imprensa 25-09-2012 1. (PT) - Turisver, 20/09/2012, Pedro Duarte 1 2. (PT) - Jornal de Negócios - Negócios Mais, 25/09/2012, Bluepharma

Leia mais

INTERVENÇÃO Dr. José Vital Morgado Administrador Executivo da AICEP ****

INTERVENÇÃO Dr. José Vital Morgado Administrador Executivo da AICEP **** INTERVENÇÃO Dr. José Vital Morgado Administrador Executivo da AICEP **** Gostaria de começar por agradecer o amável convite da CIP para participarmos nesta conferência sobre um tema determinante para o

Leia mais

SEGURO PLANO DE PROTECÇÃO FINANCEIRA

SEGURO PLANO DE PROTECÇÃO FINANCEIRA SEGURO PLANO DE PROTECÇÃO FINANCEIRA O seguro que paga a conta do seu cartão emitido pela Unicre nos momentos em que mais precisa, com todo o conforto e segurança. Quando se pergunta porquê ter um plano

Leia mais

Decreto-Lei n.º 134/2009, de 2 de Junho

Decreto-Lei n.º 134/2009, de 2 de Junho Decreto-Lei n.º 134/2009, de 2 de Junho Regime jurídico aplicável à prestação de serviços de promoção, informação e apoio aos consumidores e utentes através de centros telefónicos de relacionamento Comentários

Leia mais

No entanto, antes de ser financeira, a crise tem uma natureza económica.

No entanto, antes de ser financeira, a crise tem uma natureza económica. INTERVENÇÃO DO PRESIDENTE DA AEP - ASSOCIAÇÃO EMPRESARIAL DE PORTUGAL, JOSÉ ANTÓNIO BARROS, NA CONFERÊNCIA «O QUE FAZER POR PORTUGAL? MEDIDAS PARA ULTRAPASSAR A CRISE», SOB O TEMA «AS PESSOAS E AS EMPRESAS

Leia mais

Mercado Único Digital Conferência ANACOM "Regulação no novo ecossistema digital. Centro Centro Cultural de Belém (CCB) Lisboa, 22 de Setembro 2015

Mercado Único Digital Conferência ANACOM Regulação no novo ecossistema digital. Centro Centro Cultural de Belém (CCB) Lisboa, 22 de Setembro 2015 Mercado Único Digital Conferência ANACOM "Regulação no novo ecossistema digital. Centro Centro Cultural de Belém (CCB) Lisboa, 22 de Setembro 2015 Mário Campolargo Director, NET Futures European Commission

Leia mais

Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin

Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin A Presidência Portuguesa na área dos Assuntos Económicos e Financeiros irá centrar-se na prossecução de três grandes objectivos, definidos

Leia mais

Decisão do Conselho da Autoridade da Concorrência PROCESSO AC-I-CCENT/33/2003- BAR-BAR-IDADE GLASS/FÁBRICA DE VIDROS BARBOSA E ALMEIDA

Decisão do Conselho da Autoridade da Concorrência PROCESSO AC-I-CCENT/33/2003- BAR-BAR-IDADE GLASS/FÁBRICA DE VIDROS BARBOSA E ALMEIDA Decisão do Conselho da Autoridade da Concorrência PROCESSO AC-I-CCENT/33/2003- BAR-BAR-IDADE GLASS/FÁBRICA DE VIDROS BARBOSA E ALMEIDA A 29 de Julho de 2003 deu entrada na Autoridade da Concorrência, em

Leia mais

Financiamento das PME. Evolução fiscal e regulatória. Carlos Loureiro. 28 de Novembro de 2014. 2014 Deloitte

Financiamento das PME. Evolução fiscal e regulatória. Carlos Loureiro. 28 de Novembro de 2014. 2014 Deloitte Financiamento das PME Evolução fiscal e regulatória Carlos Loureiro 28 de Novembro de 2014 1 Temas a discutir Abordagem da temática Financiamento bancário: Panaceia ou factor de restrição? As alternativas

Leia mais

PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR

PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR Princípios aplicáveis ao desenvolvimento dos Sistemas de Gestão de Riscos e de Controlo Interno das Empresas de Seguros As melhores práticas internacionais na regulamentação

Leia mais

Os Custos de Prevenção e Segurança e a sua Recuperação no Tempo COMUNICAÇÃO DE MANUEL MENDES DA CRUZ

Os Custos de Prevenção e Segurança e a sua Recuperação no Tempo COMUNICAÇÃO DE MANUEL MENDES DA CRUZ Os Custos de Prevenção e Segurança e a sua Recuperação no Tempo COMUNICAÇÃO DE MANUEL MENDES DA CRUZ INTRODUÇÃO O inesperado é o dia a dia das empresas... Pelo que os gestores têm também de prever o inesperado...

Leia mais

A Internet nas nossas vidas

A Internet nas nossas vidas Economia Digital A Internet nas nossas vidas Nos últimos anos a internet revolucionou a forma como trabalhamos, comunicamos e até escolhemos produtos e serviços Economia Digital Consumidores e a Internet

Leia mais

Advocacia e TI estão entre as mais procuradas e melhor pagas

Advocacia e TI estão entre as mais procuradas e melhor pagas Guia das Funções Mais Procuradas Page Personnel 2015 Advocacia e TI estão entre as mais procuradas e melhor pagas Lisboa, 16 de Junho de 2015 - A Page Personnel, empresa de recrutamento de quadros intermédios

Leia mais

Atividade Seguradora - Prémios de Seguro Direto 2014

Atividade Seguradora - Prémios de Seguro Direto 2014 Atividade Seguradora - Prémios de Seguro Direto 2014 (atualizado em 15 de janeiro de 2015) No ano de 2014, o volume da produção de seguro direto em Portugal foi de 14,3 mil milhões de euros, refletindo

Leia mais

Atividade Seguradora Prémios de Seguro Direto 2013

Atividade Seguradora Prémios de Seguro Direto 2013 Atividade Seguradora Prémios de Seguro Direto 2013 (atualizado em 23 de janeiro de 2014) No ano de 2013 o volume da produção de seguro direto em Portugal foi ligeiramente superior a 13 mil milhões de euros,

Leia mais

Seminário de apresentação da Rede Gestus

Seminário de apresentação da Rede Gestus Seminário de apresentação da Rede Gestus Rede Gestus O LOGOTIPO Rede Gestus Internacionalização Zona 4 Gestus Compras Cartão ECOTUR Portal Gestus Cartão Gestus Contact Center CRM Zona 4 O LOGOTIPO Características:

Leia mais

Os Desafios da Fileira da Construção. As Oportunidades nos Mercados Externos

Os Desafios da Fileira da Construção. As Oportunidades nos Mercados Externos Os Desafios da Fileira da Construção As Oportunidades nos Mercados Externos Agradeço o convite que me foi dirigido para participar neste Seminário e felicito a AIP pela iniciativa e pelo tema escolhido.

Leia mais

Projecto de Norma Regulamentar Mediação de Seguros Alteração à Norma Regulamentar n.º 17/2006-R, de 29 de Dezembro

Projecto de Norma Regulamentar Mediação de Seguros Alteração à Norma Regulamentar n.º 17/2006-R, de 29 de Dezembro RESULTADOS DA CONSULTA PÚBLICA N.º 11/2007 Projecto de Norma Regulamentar Mediação de Seguros Alteração à Norma Regulamentar n.º 17/2006-R, de 29 de Dezembro I Enquadramento O Instituto de Seguros de Portugal

Leia mais

intra Perfil do Gestor

intra Perfil do Gestor Perfil do Gestor 35 Entrevista Dinah J. Kamiske, Autoeuropa A internacionalização economia obriga as empresas a tornarem-se mais competitivas. Entrevista de José Branco Dados publicados recentemente prevêem

Leia mais

O SEU PARCEIRO SEGURO

O SEU PARCEIRO SEGURO Seg de Crédito Seg Empresas Seg Particulares O SEU PARCEIRO SEGURO Desde 1997 a procurar as melhores soluções para si! AS NOSSAS SOLUCOES EMPRESAS PARTICULARES Group Group Group QUEM SOMOS A empresa MT

Leia mais

PORTUGAL 2020: EMPREENDEDORISMO E CAPITAL DE RISCO

PORTUGAL 2020: EMPREENDEDORISMO E CAPITAL DE RISCO PORTUGAL 2020: EMPREENDEDORISMO E CAPITAL DE RISCO A noção de Empreendedorismo, como uma competência transversal fundamental para o desenvolvimento humano, social e económico, tem vindo a ser reconhecida

Leia mais

Manual do Revisor Oficial de Contas. Directriz de Revisão/Auditoria 310 ÍNDICE

Manual do Revisor Oficial de Contas. Directriz de Revisão/Auditoria 310 ÍNDICE Directriz de Revisão/Auditoria 310 CONHECIMENTO DO NEGÓCIO Outubro de 1999 ÍNDICE Parágrafos Introdução 1-7 Obtenção do Conhecimento 8-13 Uso do Conhecimento 14-18 Apêndice Matérias a Considerar no Conhecimento

Leia mais

Relatório de Gestão & Contas - Ano 2012 RELATÓRIO DE GESTÃO. Resende e Fernandes, Construção Civil, Lda.

Relatório de Gestão & Contas - Ano 2012 RELATÓRIO DE GESTÃO. Resende e Fernandes, Construção Civil, Lda. RELATÓRIO DE GESTÃO Resende e Fernandes, Construção Civil, Lda. 2012 ÍNDICE DESTAQUES... 3 MENSAGEM DO GERENTE... 4 ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO... 5 Economia internacional... 5 Economia Nacional... 5

Leia mais

Mercados. informação de negócios. Angola Oportunidades e Dificuldades do Mercado

Mercados. informação de negócios. Angola Oportunidades e Dificuldades do Mercado Mercados informação de negócios Angola Oportunidades e Dificuldades do Mercado Dezembro 2011 Índice 1. Oportunidades 03 1.1 Pontos Fortes 03 1.2 Áreas de Oportunidade 03 2. Dificuldades 04 2.1 Pontos Fracos

Leia mais

Estatísticas de Seguros

Estatísticas de Seguros Estatísticas de Seguros 2009 Autoridade de Supervisão da Actividade Seguradora e de Fundos de Pensões Autorité de Contrôle des Assurances et des Fonds de Pensions du Portugal Portuguese Insurance and Pension

Leia mais

SEGURO DE ACIDENTES PESSOAIS DOS PRATICANTES AMADORES E DOS AGENTES DESPORTIVOS MANUAL DE PROCEDIMENTOS

SEGURO DE ACIDENTES PESSOAIS DOS PRATICANTES AMADORES E DOS AGENTES DESPORTIVOS MANUAL DE PROCEDIMENTOS SEGURO DE ACIDENTES PESSOAIS DOS PRATICANTES AMADORES E DOS AGENTES DESPORTIVOS MANUAL DE PROCEDIMENTOS 1 DEFINIÇÃO De acordo com as Condições Gerais da Apólice de Acidentes Pessoais - Desporto Cultura

Leia mais

Conferência do IPCG 25 de Janeiro de 2011 Boas Práticas Remuneratórias dos Órgãos Societários

Conferência do IPCG 25 de Janeiro de 2011 Boas Práticas Remuneratórias dos Órgãos Societários Conferência do IPCG 25 de Janeiro de 2011 Boas Práticas Remuneratórias dos Órgãos Societários Notas 1. Portugal tem uma estrutura legal e regulatória muito evoluída, apesar da reduzida dimensão do seu

Leia mais

Sindicato Nacional dos Professores Licenciados pelos Politécnicos e Universidades

Sindicato Nacional dos Professores Licenciados pelos Politécnicos e Universidades PROTOCOLO DE COMERCIALIZAÇÃO DE PRODUTOS DE SEGURO Sindicato Nacional dos Professores Licenciados pelos Politécnicos e Universidades Entre a Companhia de Seguros AÇOREANA, S.A. com sede no Largo da Matriz,

Leia mais

Poderão contratar este seguro os colaboradores, incluindo os seus familiares directos.

Poderão contratar este seguro os colaboradores, incluindo os seus familiares directos. Ficha técnica 1. TOMADOR DO SEGURO / SEGURADO Poderão contratar este seguro os colaboradores, incluindo os seus familiares directos. São considerados familiares directos: - o cônjuge, desde que viva em

Leia mais

DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009)

DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009) Conferência de Imprensa em 14 de Abril de 2009 DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009) No contexto da maior crise económica mundial

Leia mais

A. E. / P T Comunicações PROPOSTA DE REVISÃO * 2009

A. E. / P T Comunicações PROPOSTA DE REVISÃO * 2009 STPT Sindicato dos Trabalhadores 1 do Grupo Portugal Telecom Fundamentação Económica A. E. / P T Comunicações PROPOSTA DE REVISÃO * 2009 A proposta de revisão do AE/PT-C que para efeitos de negociação

Leia mais

POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS MEMBROS DOS ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E DE FISCALIZAÇÃO DO BANCO SANTANDER TOTTA, S.A.

POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS MEMBROS DOS ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E DE FISCALIZAÇÃO DO BANCO SANTANDER TOTTA, S.A. POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS MEMBROS DOS ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E DE FISCALIZAÇÃO DO BANCO SANTANDER TOTTA, S.A. Nos termos e para os efeitos do disposto no artigo 2.º, n.º 1, da Lei n.º 28/2009, de 19

Leia mais

BARÓMETRO TRIMESTRAL DO COMÉRCIO ELECTRÓNICO EM PORTUGAL 2º TRIMESTRE DE 2014 RELATÓRIO DE RESULTADOS

BARÓMETRO TRIMESTRAL DO COMÉRCIO ELECTRÓNICO EM PORTUGAL 2º TRIMESTRE DE 2014 RELATÓRIO DE RESULTADOS BARÓMETRO TRIMESTRAL DO COMÉRCIO ELECTRÓNICO EM PORTUGAL 2º TRIMESTRE DE 2014 RELATÓRIO DE RESULTADOS Índice Introdução 03 Ficha Técnica 05 Sumário Executivo 06 Relatório de Resultados 07 Entidades Inquiridas

Leia mais

GROUPAMA SEGUROS, SA RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO

GROUPAMA SEGUROS, SA RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO GROUPAMA SEGUROS, SA RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EXERCÍCIO DE 2008 ECONOMIA PORTUGUESA A economia portuguesa tem observado fracos crescimentos do Produto Interno Bruto, tendo atingido um valor

Leia mais

Ccent.44/2005 MDS/UNIBROKER/BECIM. Decisão de Não Oposição da Autoridade da Concorrência

Ccent.44/2005 MDS/UNIBROKER/BECIM. Decisão de Não Oposição da Autoridade da Concorrência Ccent.44/2005 MDS/UNIBROKER/BECIM Decisão de Não Oposição da Autoridade da Concorrência [alínea b) do n.º 1 do artigo 35.º da Lei n.º 18/2003, de 11 de Junho] 12/09/2005 1 DECISÃO DE NÃO OPOSIÇÃO PROCESSO

Leia mais

SEGUROS. Sector acelera crescimento em 2015. Produção de seguros cresce 11,6% até Setembro.

SEGUROS. Sector acelera crescimento em 2015. Produção de seguros cresce 11,6% até Setembro. ESTE SUPLEMENTO FAZ PARTE INTEGRANTE DO DIÁRIO ECONÓMICO Nº 6054 DE 19 DE NOVEMBRO DE 2014 E NÃO PODE SER VENDIDO SEPARADAMENTE O ramo Vida continua a ser o grande impulsionador do sector de seguros em

Leia mais

Encontro Nacional de Instaladores da APIRAC-Associação Portuguesa da Indústria de Refrigeração e Ar Condicionado. Batalha, 8 Julho de 2010

Encontro Nacional de Instaladores da APIRAC-Associação Portuguesa da Indústria de Refrigeração e Ar Condicionado. Batalha, 8 Julho de 2010 Encontro Nacional de Instaladores da APIRAC-Associação Portuguesa da Indústria de Refrigeração e Ar Condicionado Batalha, 8 Julho de 2010 As vossas necessidades... O apoio aos Empreendedores e às PME s

Leia mais

uma vasta protecção para quem encontra a melhor solução para as avarias motor motor

uma vasta protecção para quem encontra a melhor solução para as avarias motor motor uma vasta protecção para quem encontra a melhor solução para as avarias motor motor segurtrade motor Segurtrade - Motor é uma solução de protecção para a sua empresa, direccionada para pequenas e médias

Leia mais

PROPOSTA DE SEGURO DE RETIRADA DE PRODUTOS

PROPOSTA DE SEGURO DE RETIRADA DE PRODUTOS PROPOSTA DE SEGURO DE RETIRADA DE PRODUTOS INTERNATIONAL COMMERCIAL AND ENGINEERING ICE SEGUROS S.A. 141A Rua José Craveirinha Bairro de Polana Cidade de Maputo Moçambique INSTRUÇÕES PARA PREENCHIMENTO

Leia mais

Regulamento 2015. 1. Objectivo. 2. Elegibilidade

Regulamento 2015. 1. Objectivo. 2. Elegibilidade Regulamento 2015 1. Objectivo Prémio Empreendedorismo e Inovação Crédito Agrícola 2015 é um concurso que resulta da conjugação de esforços e vontades do Crédito Agrícola, aqui representado pela Caixa Central

Leia mais

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Um investimento responsável exige que conheça as suas implicações e que esteja disposto a aceitá-las. Designação: VICTORIA PPR Acções

Leia mais

MASTER EM DIRECÇÃO DE COMÉRCIO INTERNACIONAL E DE MARKETING OBJECTIVOS DO PROGRAMA A Escola de Negócios EUDEM apresenta o seu programa MCIM - Master em Direcção de Comércio Internacional e de Marketing,

Leia mais

Encontre connosco as respostas que procura. Venha conhecer a nossa equipa e o nosso trabalho. P O R T O P O R T U G A L

Encontre connosco as respostas que procura. Venha conhecer a nossa equipa e o nosso trabalho. P O R T O P O R T U G A L Encontre connosco as respostas que procura. Venha conhecer a nossa equipa e o nosso trabalho. P O R T O P O R T U G A L Bem-vindo ao escritório de advogados global, vocacionado para o apoio jurídico a

Leia mais

NEWSLETTER I SISTEMA FINANCEIRO E MERCADO DE CAPITAIS

NEWSLETTER I SISTEMA FINANCEIRO E MERCADO DE CAPITAIS NEWSLETTER I SISTEMA FINANCEIRO E MERCADO DE CAPITAIS NEWSLETTER SISTEMA FINANCEIRO E MERCADO DE CAPITAIS 2.º Trimestre I SISTEMAS DE GARANTIA DE DEPÓSITOS 2 II Legislação A. Direito Bancário Institucional

Leia mais

OFERTA SEGUROS TRANQUILIDADE

OFERTA SEGUROS TRANQUILIDADE OFERTA SEGUROS TRANQUILIDADE AGAP Condições em vigor para a rede Comercial Tranquilidade Agosto 2008 Rectificação dos procedimentos operacionais para os MONITORES DE FITNESS, SÓCIOS E COLABORADORES INTRODUÇÃO

Leia mais

CONFERÊNCIA DISTRIBUIÇÃO DE SEGUROS E PRODUTOS FINANCEIROS FERNANDO FARIA DE OLIVEIRA

CONFERÊNCIA DISTRIBUIÇÃO DE SEGUROS E PRODUTOS FINANCEIROS FERNANDO FARIA DE OLIVEIRA CONFERÊNCIA DISTRIBUIÇÃO DE SEGUROS E PRODUTOS FINANCEIROS FERNANDO FARIA DE OLIVEIRA 28 de Novembro de 2014 AGENDA FUNÇÕES DA BANCA E DOS SEGUROS BANCASSURANCE E ASSURBANK RACIONAL E CONDICIONANTES EVOLUÇÃO

Leia mais

28 DOSSIER MODELO DE NEGÓCIO PERSPECTIVAS DE GESTÃO NO

28 DOSSIER MODELO DE NEGÓCIO PERSPECTIVAS DE GESTÃO NO 28 DOSSIER MODELO DE NEGÓCIO PERSPECTIVAS DE GESTÃO NO APÓS-VENDA DOSSIER 29 JORGE ZÓZIMO DA FONSECA Se fosse um concessionário, o meu negócio era o após-venda Ao longo das duas últimas décadas o mercado

Leia mais

Novas linhas de intervenção do sistema de garantia mútua desenvolvidas desde o segundo semestre de 2008

Novas linhas de intervenção do sistema de garantia mútua desenvolvidas desde o segundo semestre de 2008 1/1 Novas linhas de intervenção do sistema de garantia mútua desenvolvidas desde o segundo semestre de 2008 No cenário da actual conjuntura económica o sistema de garantia mútua é visto quer pelos parceiros

Leia mais