Questionário do Professor

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Questionário do Professor"

Transcrição

1

2 Código da escola: P - Nome da escola: Pode preencher este qestionário on-line em: Caros professores, Com este qestionário pretendemos conhecer a tilidade e o scesso da aplicação da Agenda Eropa: a escolha é vossa na vossa escola e sala de ala, e em qe aspectos pode ser melhorada no próximo ano. Antecipadamente agradecemos a vossa colaboração! Sobre o professor: k Qe disciplina(s) lecciona? (assinale todas as opções aplicáveis) q Portgês/Literatra q Língas Estrangeiras q Ciências Natrais q História q Geografia q Física e Qímica q Biologia/Saúde q Religião/Filosofia q Matemática q Economia/Gestão q Otra k Utilizo a Agenda com estdantes de qe idade? q 13 q 14 q 15 q 16 q 17 q 18 q Otra k Discti a tilização da Agenda com os ses colegas? q Sim, coordenámos a nossa tilização da Agenda q Sim, falámos na Agenda q Não, não falámos na Agenda k Utiliza otros recrsos edcativos pblicados pela Comissão Eropeia? q Sim q Não Também pode preencher este formlário em papel e enviá-lo para: Centro de Informação Eropeia Jacqes Delors Palácio do Relógio Av. da Ribeira das Nas Cais do Sodré Lisboa o DECO Associação Portgesa para a Defesa do Consmidor Ra Artilharia Um, n.º 79, 4.º Lisboa Sobre o Manal do Professor: k Qantas das actividades sgeridas neste Manal do Professor pretende desenvolver ao longo do ano lectivo? q Nenhma q 1-2 q 3-5 q mais de 6 k Na sa opinião, qais são as três melhores actividades propostas neste Manal (assinale-as com os números 1,2 e 3)? União Eropeia A Carta dos Direitos Fndamentais Alargamento Reclamar com scesso Orçamentos e dívidas Literacia financeira Cibercrime Embalagens Segrança pessoal e responsabilidade Redzir, retilizar, reciclar Consmo inteligente Comércio e ajda internacional Qestionário do Professor

3 Sobre a Agenda: k Indiqe os recrsos tilizados por si e pelos ses alnos Professor Alnos Páginas de calendário da Agenda q q Textos da Agenda q q Sites mencionados na Agenda q q Manal do Professor q q k Qal é a sa opinião sobre cada secção da Agenda? Mito útil Razoável Inútil A Eropa na ta vida q q q Sobre a União Eropeia q q q Os tes direitos, as tas escolhas q q q O te ambiente q q q A ta saúde, a ta segrança q q q Para além das nossas fronteiras q q q k Na sa opinião qais são/seriam os temas mais úteis (1) para os ses alnos; (2) para si enqanto recrso edcativo? Tema Para os alnos Enqanto recrso edcativo União Eropeia q q Ambiente q q Assntos do consmidor q q Viajar na Eropa q q Formação complementar q q Empreendedorismo q q Orientação profissional q q A Eropa e o resto do mndo q q Cltra e língas q q k Gostaria de receber a Agenda Eropa no próximo ano lectivo? q Sim q Não k Comentários adicionais: Introdção As actividades, fichas de trabalho e planos de alas do presente Manal constitem m complemento importante dos conteúdos da Agenda Eropa: a escolha é vossa. Este ano, a Agenda abrange m leqe mais vasto de temas. Para além de assntos relativos à União Eropeia, ao consmo e ao ambiente, a Agenda aborda ainda o papel da Eropa e da União Eropeia no contexto global, inclindo temas como o comércio, as relações externas, a ajda ao desenvolvimento e o alargamento, bem como os direitos hmanos fndamentais. Este leqe mais alargado de temas reflecte-se no presente Manal do Professor, com a introdção de novas sgestões para actividades. Para além de analisarem os assntos abordados na Agenda, as actividades fazem referência a otras áreas, como cidadania, tecnologias da informação e comnicação, economia, gestão e marketing. Incentivam, ainda, o desenvolvimento de competências, tais como pensamento crítico, capacidade de comnicação e de debate, resolção de problemas e capacidade de trabalhar em grpo. Os professores qe desejem aprofndar os ses conhecimentos sobre os assntos em qestão podem consltar os sites da Internet referidos na Agenda. As fichas de trabalho podem ser fotocopiadas e distribídas aos alnos. Cada capítlo deste Manal menciona a leitra relevante qe deve ser feita a partir da Agenda recomenda-se aos professores qe incentivem os alnos a fazer ma leitra crítica desses textos e, se necessário, a consltar fontes de informação adicionais, nomeadamente os sites propostos. É importante qe os estdantes, enqanto consmidores e ftros decisores, desenvolvam o pensamento crítico. Esperamos qe este Manal do Professor seja mito útil para si e gostaríamos qe nos desse a sa opinião sobre o mesmo e sobre a Agenda por isso não se esqeça de preencher e de enviar o qestionário da página 1! Índice Qestionário...1 Introdção...3 União Eropeia...4 A Carta dos Direitos Fndamentais...7 Alargamento...8 Reclamar com scesso...11 Orçamentos e dívidas...13 Literacia financeira...16 Cibercrime...19 Embalagens...21 Segrança pessoal e responsabilidade...23 Ferramentas para o ensino on-line de consmidores adltos...25 Redzir, retilizar, reciclar...26 Consmo inteligente...29 Comércio e ajda internacional...31 Prodzido pela Generation Erope Fondation em cooperação com: DECO Associação Portgesa para a Defesa do Consmidor e Centro de Informação Eropeia Jacqes Delors. Financiado pela Comissão Eropeia.

4 o União Eropeia Actividades sgeridas Leitra Os estdantes deverão ler os textos Um olhar sobre a UE, Tornar os telemóveis verdadeiramente móveis, Cronologia da UE e Perfis dos 27 Estados-Membros da UE. Ficha de trabalho A ficha de trabalho é m qestionário concebido para testar os conhecimentos dos alnos e a compreensão dos textos. Na página seginte pode encontrar as respostas, jntamente com ma breve explicação sobre as pergntas. Os professores podem orientar m debate sobre os segintes temas: A Comissão Eropeia tem a competência exclsiva de apresentar novas propostas legislativas, mas as decisões finais são tomadas pelo Parlamento Erope e pelo Conselho da União Eropeia. Qais serão os motivos para isto? Os alnos acham qe este processo faz sentido? Em qe medida é o processo legislativo erope semelhante o diferente do processo legislativo portgês? Qais as semelhanças e as diferenças entre as institições eropeias e as institições nacionais? Actividade de pesqisa Os professores podem pedir aos alnos qe façam ma pesqisa mais aprofndada sobre a União Eropeia. Por exemplo, com o recrso aos sites e ainda e podem ser abordados os segintes temas: Ala: Ligações crriclares: Geografia. Testar a compreensão dos alnos sobre a União Eropeia (UE), e incentivá-los a analisarem a relação entre o se país e a UE, bem como a forma como a UE afecta as sas vidas qotidianas. Processo legislativo, União Eropeia, participação política. Leitra, ficha de trabalho, pesqisa e debate. Conhecimento, compreensão e interpretação. As origens e a história da União Eropeia. As áreas de actividade da União Eropeia (no site encontra-se ma lista destas áreas, o professor pode atribir ma área a cada alno o grpo de dois alnos, para ser apresentada a toda a trma). A UE na imprensa: De qe forma é descrita? Qais as qestões mais freqentemente levantadas? Conclsão Para terminar, o professor pode orientar m debate sobre o papel da União Eropeia na nossa vida qotidiana: A União Eropeia teve a sa origem após a Segnda Gerra Mndial, com o objectivo de evitar novos conflitos entre países eropes. Os alnos acham qe este motivo ainda jstifica a existência da União Eropeia? Qe otros motivos fortes podem jstificar a existência da União. Actalmente, a União Eropeia acta em mitas áreas inclindo a defesa dos direitos dos consmidores, o ambiente, a investigação, o comércio mndial, as relações internacionais, a ajda ao desenvolvimento e a jstiça. Os alnos consideram qe esta é ma contribição importante para a sociedade e/o para as sas vidas qotidianas? Respostas à ficha de trabalho 1. Qando é qe foi criada a União Eropeia? a) Em 1951, com a assinatra do Tratado de Paris e a institição da Comnidade Eropeia do Carvão e do Aço. Segi-se a constitição da Comnidade Económica Eropeia em 1957, qe em 1992 se torno na União Eropeia. 2. Qal é a poplação da União Eropeia? c) 490 milhões de habitantes. A União Eropeia é a terceira potência económica mais poplosa do mndo, e também a terceira mais rica em termos de paridade do poder de compra. 3. Qantos países constitem a União Eropeia? c) 27: Alemanha, Ástria, Bélgica, Blgária, Chipre, Dinamarca, Eslováqia, Eslovénia, Espanha, Estónia, Finlândia, França, Grécia, Hngria, Irlanda, Itália, Letónia, Litânia, Lxembrgo, Malta, Países Baixos, Polónia, Portgal, Reino Unido, República Checa, Roménia e Sécia. 4. Qal é o Estado-Membro mais poploso da UE? c) Alemanha (poplação: habitantes em 2006). 5. Qal é o maior Estado-Membro da UE? d) França ( km 2 ). 6. Faz corresponder cada institição ao se papel: A-c; B-a; C-b 7. Qal é a institição eropeia responsável pela elaboração de novas propostas legislativas? a) A Comissão Eropeia. Esta institição representa o interesse comm da UE. Nenhma otra institição pode propor ma nova lei. 8. Qais as institições eropeias qe podem tomar decisões sobre o conteúdo das novas leis? b) O Parlamento Erope e c) o Conselho da União Eropeia. Trabalham em conjnto no processo de co-decisão para chegar a m consenso sobre o texto final. O Parlamento Erope representa os interesses dos cidadãos eropes; o Conselho da União Eropeia representa os interesses dos governos nacionais. 9. O qe é a votação por maioria qalificada? c) Um sistema de votação em qe os países têm m número de votos diferente de acordo com a sa dimensão poplacional. Estes votos devem representar, pelo menos, 62% da poplação total da União Eropeia. Para mais informações, conslte: Em caso de conflito entre o direito nacional e o direito comnitário, qal se aplica? b) O direito comnitário. Isto assegra qe as leis adoptadas a nível erope sejam aplicadas de forma niforme nos 27 Estados-Membros.

5 Ficha de trabalho A União Eropeia o A Carta dos Direitos Fndamentais 1. Qando é qe foi criada a União Eropeia? a) 1951 b) 1957 c) 1986 d) Qal é a poplação da União Eropeia? a) 150 milhões b) 260 milhões c) 490 milhões d) 740 milhões Ala: Fomentar ma reflexão entre os alnos sobre o nível de respeito qe têm pelos otros e sobre o papel da Carta dos Direitos Fndamentais na garantia de salvagarda dos direitos de todos. Direitos fndamentais, direitos hmanos, discriminação., trabalho de casa. 3. Qantos países constitem a União Eropeia? a) 15 b) 25 c) 27 d) 30 Ligações crriclares: Filosofia e otras, análise, compreensão. 4. Qal é o Estado-Membro mais poploso da UE? a) Polónia b) Reino Unido c) Alemanha d) França 5. Qal é o maior Estado-Membro da UE? a) Polónia b) Reino Unido c) Alemanha d) França 6. Faz corresponder cada institição ao se papel: Institição Representa a) Comissão Eropeia a) os cidadãos b) Parlamento Erope b) os Estados-Membros c) Conselho da União Eropeia c) o interesse comm 7. Qal é a institição eropeia responsável pela elaboração de novas propostas legislativas? a) A Comissão Eropeia b) O Parlamento Erope c) O Conselho da União Eropeia 8. Qais as institições eropeias qe podem tomar decisões sobre o conteúdo das novas leis? a) A Comissão Eropeia b) O Parlamento Erope c) O Conselho da União Eropeia 9. O qe é a votação por maioria qalificada? a) O mesmo qe a votação por maioria absolta b) Um sistema de votação em qe as pessoas podem mdar de opinião c) Um sistema de votação em qe os países têm m número de votos diferente de acordo com a sa dimensão poplacional 10. Em caso de conflito entre o direito nacional e o direito comnitário, qal se aplica? a) O direito nacional b) O direito comnitário c) O Tribnal de Jstiça das Comnidades Eropeias decide caso a caso Actividades sgeridas O professor poderá começar a ala lançando m debate sobre as reacções qe os alnos têm qando confrontados com pessoas qe são diferentes : qe se vestem de forma diferente, qe falam de forma diferente, qe têm ma cor de pele diferente, ma nacionalidade diferente, ma origem étnica diferente, ma religião diferente, ma deficiência física, etc. O professor poderá fazer ma lista, no qadro, das diferenças e respectivas reacções. Depois, o professor poderá analisar com os alnos estas reacções: qais são as diferenças qe provocam as reacções mais negativas, e qais as diferenças qe provocam as reacções mais positivas? Qal o motivo a qe podem ser atribídas estas diferentes reacções? (Diferentes níveis de familiaridade com cada diferença? Medo do desconhecido?) Por último, o professor poderá abordar a seginte qestão: serão necessárias leis para assegrar qe todas as pessoas independentemente das sas diferenças são tratadas da mesma forma, não apenas pela poplação em geral mas também pelos governos e empregadores? Trabalho de casa Os Direitos Fndamentais podem ser divididos em seis temas principais: (1) Dignidade, (2) Liberdades, (3) Igaldade, (4) Solidariedade, (5) Direitos dos cidadãos, e (6) Jstiça. O professor poderá sgerir aos alnos individalmente o em grpos qe preparem m texto sobre m destes temas, prestando particlar atenção aos segintes aspectos: Direitos e deveres abrangidos pelo tema escolhido. Conseqências destes direitos e deveres na vida qotidiana. Os alnos acham qe estes direitos devem ser protegidos? Porqê? Os alnos acham qe estes direitos devem ser reconhecidos de igal forma em todos os países da União Eropeia? Porqê? Como introdção para este trabalho, os alnos poderão ler o texto Os tes direitos fndamentais. Este texto oferece links para informações mais aprofndadas sobre os direitos fndamentais. Dá-nos a ta opinião sobre o te ftro! 7

6 o Alargamento Actividades sgeridas Leitra Os alnos deverão ler os textos Perfis dos 27 Estados-Membros da UE e Como é qe chegámos aqi? Ficha de trabalho A ficha de trabalho pode ser tilizada como trabalho de casa. Pede aos alnos qe identifiqem o ano de adesão à UE, bem como a capital de cada Estado-Membro. Contém m mapa, colorido de acordo com as datas dos scessivos alargamentos, para os ajdar. O professor pode lançar m debate entre os alnos sobre o crescimento da União Eropeia nos últimos cinqenta anos. As qestões a colocar podem inclir: O alargamento foi positivo (o não) para a Eropa no se todo? Para os novos Estados-Membros? Para os Estados-Membros qe já pertenciam à UE? Os alnos acham qe a União Eropeia lhes pode oferecer maiores oportnidades de desenvolvimento pessoal e profissional do qe aqelas qe o se país lhes oferece? Porqê? Depois disto, o professor poderá alargar o debate aos países dos Balcãs (Albânia, Bósnia-Herzegovina, Croácia, Antiga República Jgoslava da Macedónia, Montenegro, Sérvia, Kosovo*) e à Trqia, países qe pretendem aderir à UE. O qe é qe os alnos sabem sobre estes países? Depois, os alnos poderão ler o texto Olhar para o mapa. Trabalho de pesqisa Por último, o professor pode dividir os alnos em grpos, pedindo a cada grpo qe faça ma pesqisa sobre m dos potenciais países candidatos, e qe apresente a sa pesqisa à trma. Esta pesqisa deve inclir: Ala: Ligações crriclares: Geografia. O objectivo desta ala consiste em familiarizar os alnos com o alargamento da União Eropeia (UE) para 27 Estados-Membros e incentivá-los a analisarem os alargamentos passados e ftros da UE. União Eropeia, alargamento. Ficha de trabalho, debate e trabalho de pesqisa. Análise, pesqisa, compreensão e interpretação. A localização geográfica, poplação e capital do país. O se contexto histórico (da Idade Média ao séclo XX). O contexto económico e político actal. Aspectos cltrais e da vida qotidiana. Respostas à ficha de trabalho País Alemanha Ástria Bélgica Blgária Chipre Dinamarca Eslováqia Eslovénia Espanha Estónia Finlândia França Grécia Hngria Irlanda Itália Letónia Litânia Lxembrgo Malta Países Baixos Polónia Portgal Reino Unido República Checa Roménia Sécia Capital Berlim Viena Brxelas Sófia Nicósia Copenhaga Bratislava Libliana Madrid Tallin Helsínqia Paris Atenas Bdapeste Dblin Roma Riga Vilnis Lxembrgo La Valeta Amesterdão* Varsóvia Lisboa Londres Praga Bcareste Estocolmo Ano de adesão * Haia também é ma resposta aceitável, ma vez qe é a sede do governo. A Comissão Eropeia crio m site para permitir aos cidadãos eropes participar no debate sobre o ftro da Eropa: * À data da redacção, o estatto do Kosovo ainda não tinha sido esclarecido.

7 Ficha de trabalho Alargamento o Reclamar com scesso Desde 1951, a União Eropeia passo de seis para 27 Estados-Membros. Testa os tes conhecimentos sobre a geografia da União Eropeia e a cronologia do alargamento, completando a seginte tabela: Ala: Incentivar os alnos a reconhecerem os ses direitos enqanto consmidores. Ajdar os alnos a desenvolverem as sas competências no âmbito do exercício dos ses direitos de consmidores e da apresentação de reclamações. Reclamar, direitos do consmidor. Leitra, debate, ficha de trabalho, redacção de ma carta. Ligações crriclares: Economia, Portgês, Introdção ao Marketing, Língas Estrangeiras. Redacção de cartas formais, comnicação e debate. Actividades sgeridas Legenda: Leitra País Bélgica Dinamarca Eslováqia Espanha Finlândia França Hngria Letónia Lxembrgo Países Baixos Polónia Reino Unido República Checa Capital Berlim Viena Sófia Nicósia Libliana Tallin Bdapeste Dblin Roma Vilnis La Valeta Lisboa Bcareste Estocolmo Ano de adesão Qal será o próximo passo? Participa no debate sobre o ftro da Eropa em Os alnos deverão ler o texto Sê m consmidor informado conhece os tes direitos. Os alnos deverão debater o conteúdo do texto em grpos de dois. As segintes qestões poderão orientar o debate: 1) Os alnos compreendem os ses direitos enqanto consmidores? 2) Sabem o qe fazer se tiverem ma qestão sobre os ses direitos? Actividade A ficha de trabalho deve ser tilizada como m exercício prático de formlação de reclamações. Ajda os alnos a: renirem factos e docmentos; analisarem as sas reclamações e a solção qe pretendem qe seja adoptada pelo vendedor. Após o preenchimento da ficha de trabalho, o professor deve pedir aos alnos qe redijam ma carta formal de reclamação. Sgere-se qe os alnos troqem as cartas entre si e analisem as cartas ns dos otros (ver abaixo). Actividade de continação As cartas deverão ser analisadas e debatidas em grpos de dois o por toda a trma. As segintes qestões podem orientar este debate: 1) Qais eram os pontos fortes e fracos da carta? 2) Existiam diferenças significativas entre aqilo qe o redactor pretendia comnicar e o qe o leitor compreende? Porqê? 3) Se estiveres particlarmente irritado com o assnto, qal será a atitde mais sensata a tomar? 4) De qe otras formas pode ser feita ma reclamação, e qal é o método mais apropriado? Caso aconteça qe algm alno tenha ma sitação de conflito qe deseje resolver pode ser interessante enviar ma carta de reclamação e a trma acompanhar a evolção do processo. Dá-nos a ta opinião sobre o te ftro!

8 Ficha de trabalho Reclamar com scesso Pensa nma reclamação qe tenhas, o tenhas tido, relativamente a m prodto o serviço. Utiliza esta ficha de trabalho para formlar a ta reclamação jnto do vendedor e defender os tes direitos! 1. Qal o prodto o serviço sobre o qal estás insatisfeito? Qal é o prodto/serviço (nome do artigo/prodtor)?... Qal é o número do modelo, se aplicável?... Qal é o número de série, se aplicável?... Qando e onde foi adqirido? Qal é o problema?.. 3. Qe medidas tomaste até à data para resolver o problema? (incli o nome e fnção da pessoa com qem falaste).. 4. De qe forma gostarias qe o problema fosse resolvido? (por ex.: reparação, sbstitição, reembolso, pedido de desclpas).. 5. Qe docmentos tens? Nem todos estes docmentos são necessários, mas qantos mais tiveres, melhor. Reúne o máximo possível de informação e cria m dossier sobre a reclamação. Anúncio Embalagem original Manal do tilizador Nota de entrega Recibo o factra da loja Garantia o Orçamentos e dívidas Ala: Actividades sgeridas Leitra Incentivar os alnos a analisarem assntos relacionados com o endividamento e a elaboração de orçamentos. Orçamento, planeamento financeiro. Leitra, ficha de trabalho/actividade e sgestões para debates. Ligações crriclares: Economia e Contabilidade. Análise, resolção de problemas, aplicações nméricas. Os alnos deverão ler o texto Vamos falar do te dinheiro! Após esta leitra, sgere-se a colocação das segintes pergntas: a) O qe é ma taxa de jro? b) Qais são as implicações de ma dívida? c) Como achas qe geres o te dinheiro? Já algma vez estiveste endividado? Já algma vez fi zeste o te próprio orçamento? Fichas de trabalho Ficha de trabalho 1 Os alnos são convidados a analisar atentamente o exemplo do orçamento de ma estdante niversitária. Nesta fase o professor deverá promover m debate. Sgerem-se as segintes qestões: Qe opções fez esta estdante? Qais são as sas despesas fixas? Acham qe esta alna está a fazer pagamentos desnecessários? As pessoas devem ser aconselhadas sobre a forma de gastar o se dinheiro? 6. A qem deves dirigir ta reclamação? Nome e/o fnção da pessoa:... Empresa/loja:... Morada:... Telefone/ Prepara a ta reclamação Nma folha A4, redige a ta carta de reclamação, tilizando a informação recolhida nos pontos 1, 2 e 3. Escreve de ma forma concisa, directa e nm tom calmo e edcado. Não te esqeças de inclir o te nome, morada, número de telefone e número de cliente qe tenhas com a empresa. Envia cópias dos docmentos qe reniste, e garda os originais. 8. Testa a ta reclamação Agora troca a ta carta com a do te colega do lado. Compreendes qal é o problema do te colega, e o qe pretende qe seja feito para o resolver? As sas exigências são razoáveis? Se trabalhasses na empresa o loja em qestão, tentarias resolver o problema? Porqê? Ficha de trabalho 2 A Ficha de trabalho 2 contém m qadro para os estdantes elaborarem o se próprio orçamento, qe pode ser: O orçamento familiar. A parte do orçamento familiar qe lhes corresponde (material escolar, alimentação, vestário, alojamento, mesada...). O se orçamento pessoal. O orçamento para ma actividade o evento escolar qe estejam a organizar. O qadro é constitído por três colnas: na primeira colna os alnos devem indicar as fontes de rendimentos e as rbricas das despesas, na segnda colna devem colocar o valor estimado dos rendimentos e das despesas. Os professores podem pedir aos alnos para manterem m registo dos ses rendimentos e despesas reais drante m mês (o decrso da actividade o evento escolar). Os alnos podem então completar a terceira colna com os valores reais e comparar esses valores com as sas estimativas. Conclsão Para terminar, o professor pode orientar m debate sobre: De qe forma poderá a estdante niversitária redzir a sa dívida? Dá-nos a ta opinião sobre o te ftro! É difícil cmprir m orçamento? Porqê?

9 Ficha de trabalho 1 Orçamentos e dívidas Ficha de trabalho 2 O te orçamento O qadro seginte mostra o orçamento mensal da Ana, ma estdante niversitária. Nesta ficha de trabalho, deves elaborar o te próprio orçamento. Rendimentos Pais Bolsa Fonte Na colna da esqerda, indica todas as principais fontes de rendimentos e rbricas de despesas. Na colna do meio, indica a ta estimativa para o valor de cada fonte de rendimentos e rbrica de despesas. Na colna da direita, podes anotar os valores reais depois de os teres verificado. Rendimentos Fonte A ta estimativa Valor real Trabalho em part-time 600 Rendimento total Despesas Rbricas Rendimento total Alojamento 450 Despesas Segros Compra de alimentos Rbricas A ta estimativa Valor real Almoço na cantina niversitária 150 Passe de atocarro 30 Deslocações gerais 30 Clbe desportivo 50 Jantar fora 200 Saídas (cinemas/discotecas) 100 Livros/papelaria 50 Tabaco 50 Ropas/CDs, etc. 70 Imprevistos Despesa total Como poderá a Ana eqilibrar o se orçamento? Com este regime de despesas, a Ana acmlará ma dívida de 250 eros por mês, todos os meses. Qe despesas poderá diminir? Está a fazer despesas desnecessárias? Como poderá amentar os ses rendimentos? Os valores reais correspondem às tas estimativas? Esqeceste-te de algma rbrica importante? A despesa não ltrapassa o rendimento? Existem rbricas de despesas qe gostarias de mdar? Como o farias? Até a Ana consegir eqilibrar o se orçamento, a qem deverá pedir dinheiro emprestado para sportar a diferença entre rendimentos e despesas? Aos amigos? Deverá tilizar o cartão de crédito? Solicitar m crédito a descoberto ao se banco? Dá-nos a ta opinião sobre o te ftro! Despesa total

10 o Literacia financeira c Cartões didácticos Literacia financeira Testar os conhecimentos dos alnos sobre empréstimos e dívidas. Dívida, empréstimo. Ala: Leitra, cartões didácticos, debate. Ligações crriclares: Economia e Contabilidade. Jro Credor Vocablário, análise. Actividades sgeridas Os cartões didácticos fornecidos nas próximas das páginas devem ser fotocopiados o colados (frente e verso) em cartão. Leitra Os alnos deverão ler o texto Vamos falar do te dinheiro! Cartões didácticos Os cartões podem ser sados para testar a compreensão dos alnos sobre conceitos-chave relacionados com o crédito. A actividade pode ser desenvolvida em peqenos grpos o por toda a trma: m alno mostra m lado do cartão (o termo o a sa definição) aos otros, qe têm de adivinhar o conteúdo do otro lado do cartão. Os professores poderão criar cartões adicionais. Depois, os professores poderão fazer ma revisão sobre as diferentes formas de obter crédito: créditos a descoberto (atorizados e não atorizados), cartões de crédito e de loja, empréstimos bancários, bem como empréstimos a familiares o amigos. O professor poderá orientar m debate sobre: a) Qais os tipos de crédito com cstos mais elevados? b) Qais os tipos de crédito mais indicados para diferentes sitações? c) É melhor pedir dinheiro emprestado a amigos o a ma institição financeira? Porqê? TAEG Cartão de crédito Historial de crédito Crédito a descoberto Cartão de débito Limite de crédito Incmprimento 16 17

11 o Cibercrime Entidade a qem se deve dinheiro. Csto de pedir dinheiro emprestado. Ala: Testar os conhecimentos dos alnos sobre o cibercrime e as diferentes formas de se protegerem do mesmo. Incentivar os alnos a reflectirem sobre as diferenças entre o cibercrime e o crime de ra. Cibercrime, Internet segra, navegar na Internet com segrança. Leitra, ficha de trabalho, debate, trabalho de casa. Levantar m valor sperior ao qe tens na conta. Cartão tilizado para fazer pagamentos, o valor é debitado directamente na ta conta bancária. Número de telefone a tilizar para cancelar os tes cartões de débito e crédito em caso de perda o robo. Não pagar a dívida conforme acordado. Taxa Anal Efectiva Global: Csto de m contrato de crédito, tendo em consideração a taxa de jro e as restantes despesas. Cartão tilizado para fazer pagamentos, o valor é reembolsado mensalmente. Informação sobre os créditos qe foram concedidos no passado. Valor máximo qe podes pedir emprestado ao abrigo de m contrato de crédito. Ligações crriclares: TIC, Geografia, Economia, Comércio e Distribição, Língas Estrangeiras, Introdção ao Marketing, Práticas de Acção Social, entre otras. Actividades sgeridas Leitra e ficha de trabalho Os alnos deverão começar por ler o texto Protege-te do cibercrime. Depois, devem preencher a ficha de trabalho da próxima página. A ficha de trabalho procra ajdar os alnos a analisarem a segrança da tilização qe fazem da Internet, e avaliar a sa compreensão dos conselhos de segrança oferecidos no texto. Depois de os alnos preencherem a ficha de trabalho, o professor poderá pergntar qal foi a pontação qe obtiveram: os estdantes aplicam todas as medidas de segrança o há algmas qe não tilizam? Porqê? O professor poderá também pergntar aos alnos se têm dúvidas sobre algm dos conselhos de segrança. Por exemplo, compreendem: O qe acontece à informação qe fornecem nos formlários electrónicos? O objectivo de terem m endereço de netro, baseado na web? O qe são cookies e pop-ps, e como fncionam? Como configrar e tilizar software anti-vírs e ma firewall? Se efectarem compras on-line, por qe motivo devem consltar reglarmente o se extracto bancário? Como criar ma palavra-passe difícil de decifrar? Por qe motivo é qe os amigos virtais não devem passar para a vida real? Trabalho de casa Depois, o professor poderá pedir aos alnos qe realizem ma pesqisa sobre as medidas de segrança qe lhes sscitaram mais dúvidas, tendo especial atenção aos segintes aspectos: A principal ameaça de segrança a qe se refere a medida; As potenciais conseqências dessa ameaça; Os aspectos técnicos da medida de segrança; Exemplos do qe se deve e não deve fazer nessa sitação. Conclsão Ato-avaliação, análise, pesqisa. Para terminar, o professor poderá promover m debate sobre as diferenças entre o cibercrime e o crime de ra. Algmas sgestões para o debate: Os criminosos são facilmente identificáveis? O cibercrime tem a mesma visibilidade qe o crime de ra? O cibercrime casa tantos danos como o crime de ra? Os alnos já foram vítimas de cibercriminosos, o conhecem algém qe tenha sido? Leram o viram algmas notícias sobre cibercriminosos o sobre as sas vítimas? 18 19

12 Ficha de trabalho Cibercrime Identifica dois tipos de cibercrime e define-os: 1. é 2. é o Embalagens Ala: Incentivar os alnos a analisarem de forma crítica a literatra, significado e importância das embalagens dos prodtos, especialmente daqeles qe tilizam habitalmente. Embalagem, prodto, prodção, rotlagem, alergias. Leitra, debate, ficha de trabalho, actividade complementar. Ligações crriclares: Economia, Filosofia, Comércio e Distribição, Física e Qímica, Introdção ao Marketing, Saúde e Socorrismo. Abaixo encontram-se dez medidas qe podes tomar para te protegeres do cibercrime. Assinala a caixa à esqerda de cada medida qe já tomaste; por baixo, explica de qe forma cada medida te poderá proteger. Pensamento crítico, localização, recolha e interpretação de informação relevante, avaliação. o Ter cidado ao fornecer dados pessoais o Utilizar m endereço de netro, baseado na Internet o Ter cidado ao aceitar cookies o Bloqear os pop-ps no te navegador de Internet o Rasgar todos os docmentos qe contenham dados pessoais antes de os colocares no lixo o Utilizar software anti-vírs e ma firewall o Utilizar palavras-passe diferentes e difíceis de decifrar o Não divlgar informações pessoais na Internet o Não deixar qe os tes amigos virtais passem para a ta vida real A ta pontação Qantas caixas assinalaste? /10 Actividades sgeridas Leitra Os alnos deverão ler os textos Símbolos de segrança, O qe está no rótlo? e Redzir, retilizar, reciclar. Após esta leitra, o professor pode debater com os alnos as possíveis respostas à pergnta Qais são os elementos mais importantes a ter em conta ao criar ma embalagem?, escrevendo palavras-chave no qadro. Sgestões: A própria embalagem: a imagem qe irá conferir ao prodto, a mensagem qe irá transmitir sobre o prodto, bem como as exigências do prodto se é frágil, se tem m prazo de validade, se é sensível à lz, etc. O qe deve constar na embalagem: origem, conteúdo, ingredientes, informações sobre alergias/de segrança, prazo de validade, morada e contactos do prodtor, modo de tilização e/o conservação, etc. Otros aspectos: qal(is) a(s) línga(s) qe deve(m) ser tilizada(s) e por qe motivo? Podem ser tilizadas algmas palavras, notras língas, para fins pblicitários? Ficha de trabalho Nesta ficha de trabalho, os alnos devem basear-se no debate para analisarem a embalagem de m prodto à sa escolha. Ser-lhes-á pedido qe: forneçam informações básicas sobre o prodto; descrevam a forma como o prodto é embalado e a informação fornecida na embalagem; avaliem a embalagem. Conclsão O professor poderá pergntar aos alnos se compreendem melhor o qe leva m prodtor a escolher determinada embalagem para o se prodto, e se consideram qe todas as embalagens, bem como as informações qe estas contêm, são necessárias. Qantas medidas de segrança compreendes? /10 Actividade complementar Os alnos também podem tilizar esta ficha de trabalho para os orientar drante o processo de criação da sa própria embalagem, para m prodto real o imaginário à sa escolha. Depois de conclídas todas as embalagens, os alnos devem formar peqenos grpos de trabalho para analisar e avaliar as embalagens prodzidas pelos membros do grpo: a embalagem transmite as mensagens e a informação qe os ses Dá-nos a ta opinião sobre o te ftro! criadores pretendiam transmitir?

13 Ficha de Trabalho Embalagens 1. Informação sobre o prodto O qe é o prodto?... Qais são os potenciais compradores? Homens/Mlheres/Ambos:... Grpo etário:... Grpo social:... Grpo geográfico: Como está embalado o prodto? Qais são os materiais tilizados?... Como é o design gráfico? Qais as informações fornecidas na embalagem? Origem?... Conteúdo/ingredientes?... Informações sobre alergias?... Informações de segrança?... Prazo de validade?... Modo de tilização e/o conservação?... Dados de contacto do prodtor?... Otras informações? A ta avaliação da embalagem Por qe motivo achas qe esta embalagem foi escolhida para este prodto? O prodto tem excesso de embalagem?... Porqê?... A informação fornecida na embalagem é rigorosa e sficiente? Se pdesses, mdavas a embalagem?... De qe forma, o porqe não? o Segrança pessoal e responsabilidade Actividades sgeridas Leitra Os alnos deverão ler a secção cor-de-laranja da Agenda Eropa, anotando as principais mensagens de segrança qe srgem nos textos. Actividade de trma Depois, o professor poderá sgerir aos alnos qe pensem nas diferentes medidas tilizadas pelas organizações públicas e privadas para tentar garantir a segrança pessoal. Algmas sgestões: mecanismos de segrança, eqipamento de segrança, avisos nos meios de comnicação social, sinais (em vedações, portas, estradas...), símbolos de segrança, rótlos, folhetos, livros, sites da Internet. O professor poderá fazer ma lista destas medidas no qadro. O professor poderá lançar m debate sobre o amento do número de mensagens e mecanismos de segrança a qe se assiste actalmente, em comparação com o qe se verificava há 100 anos atrás. Sgerem-se as segintes qestões: A vida torno-se mais o menos perigosa? As preocpações de segrança amentaram? A capacidade das organizações públicas e privadas comnicarem com a poplação amento? A capacidade técnica das organizações públicas e privadas amento, no campo da segrança? Ficha de trabalho Os alnos poderão tilizar a ficha de trabalho para dividir por categorias as diferentes medidas de segrança mencionadas drante a actividade de trma; também devem reflectir sobre as sas reacções a estas medidas e sobre a forma como agiriam se as mesmas não existissem. Trabalho de casa Para terminar, o professor poderá sgerir aos alnos qe reflictam sobre as sas próprias atitdes relativamente à segrança pessoal e redijam m texto sobre o assnto, dando especial atenção às segintes qestões: Ala: Incentivar os alnos a reflectirem sobre o eqilíbrio entre responsabilidade pública e privada, no qe diz respeito à segrança pessoal. Segrança, símbolos de segrança, instrções., ficha de trabalho, trabalho de casa. Ligações crriclares: Saúde e socorrismo e otras. Recolha de informação, ato-avaliação, pensamento crítico. Até qe ponto consideram qe as medidas de segrança são úteis nas sas vidas? Acham qe há faixas da poplação para qem as medidas de segrança possam ser mais o menos importantes? De ma forma geral, até qe ponto é qe as pessoas devem ser avisadas de potenciais riscos e perigos, e até qe ponto é qe as pessoas devem ter cidado consigo próprias? O eqilíbrio entre responsabilidade pessoal e pública é semelhante para todos os tipos de riscos? Porqê? Dá-nos a ta opinião sobre o te ftro!

14 Ficha de trabalho Segrança pessoal e responsabilidade o Ferramentas para ensino on-line de consmidores adltos Right sentence: Faz ma lista com o máximo de medidas de segrança pública qe te lembras. Estas medidas inclem mecanismos de segrança, eqipamento de segrança, avisos nos meios de comnicação social, sinais (em vedações, portas, estradas...), símbolos de segrança, rótlos, etc. Organiza-as na primeira colna, por baixo de cada categoria podes acrescentar mais categorias, se necessário. Sitações de emergência Medida de segrança Qal é a ta reacção? Como agirias se a medida não existisse? Prevenção de lesões Medida de segrança Qal é a ta reacção? Como agirias se a medida não existisse? Potencial perigo específico Medida de segrança Qal é a ta reacção? Como agirias se a medida não existisse? Promoção da saúde Medida de segrança Qal é a ta reacção? Como agirias se a medida não existisse? Otras Medida de segrança Qal é a ta reacção? Como agirias se a medida não existisse? O projecto DOLCETA encontra-se disponível em 22 língas e em 27 versões. Trata-se de ma ferramenta útil para professores, concebida pela Rede Eropeia de Formação Contína Universitária (EUCEN). Contém dois módlos interactivos de edcação do consmidor e pode ser tilizada facilmente na ala, tanto on-line como off-line. Existe ainda m Gia do Formador disponível na Internet. O projecto DOLCETA é constitído por: Um módlo genérico sobre direitos dos consmidores, as vantagens do mercado único e informações sobre resolção de litígios de consmo. Um módlo especializado em serviços financeiros (comparação de preços, aplicações financeiras, prodtos e serviços financeiros, informações para consmidores). Depois de teres organizado as várias medidas de segrança por categorias, pensa de qe forma reages a cada tipo de medida de segrança: Reparas nelas? Dás ma vista de olhos? Prestas atenção? Ficas irritado, o ficas agradecido pela informação? Preenche a segnda colna. Por último, pensa de qe forma terias agido se a medida de segrança não existisse: preenche a terceira colna. Conslte o seginte endereço: A partir de Jlho de 2009, o site também irá oferecer m módlo especial de formação qe contém planos de alas prontos a tilizar, métodos pedagógicos e conselhos, bem como material de apoio para professores sobre temas de consmo. Financiado pela Comissão Eropeia. Dá-nos a ta opinião sobre o te ftro!

15 o Redzir, retilizar, reciclar Ala: Actividades sgeridas Incentivar os alnos a reflectirem de forma crítica sobre a forma como lidam com os resídos. Informar os alnos sobre formas alternativas de eliminação de resídos. Eliminação e redção de resídos, reciclagem. Recolha e análise de resídos, debate, qestionário. Ligações crriclares: Economia, Biologia e Geologia, Filosofia, Física e Qímica, Matemática. Raciocínio nmérico, resolção de problemas. Ficha de trabalho A ficha de trabalho pretende incentivar os alnos a pensarem sobre as estratégias qe podem adoptar para redzir a qantidade de resídos qe são depositados em aterros sanitários o incinerados. Possíveis respostas: O qe significa redzir? Redzir a qantidade de prodtos qe compramos, pergntando-nos primeiro se vamos realmente tilizar o prodto. Dar preferência a prodtos com menos embalagem; retilizar os sacos de plástico, em vez de deitá-los fora. Qe retilização poderias dar aos segintes prodtos: Comptador antigo mas a fncionar Pode ser oferecido a institições de caridade o vendido Calças de ganga gastas Podem ser transformadas em calções Sapatos novos mas demasiado peqenos Podem ser oferecidos a institições de caridade, a m amigo o vendidos Toalhas de mesa com nódoas o rasgadas Podem ser convertidas em panos de limpeza Televisão avariada Pode ser reparada o vendida a ma pessoa qe a possa reparar e vender Actividade O professor deverá pedir aos alnos qe tragam para a sala de ala o lixo reciclável prodzido pelo se agregado familiar drante m dia: papel, cartão, pacotes de bebidas depois de limpos, embalagens de plástico, latas de bebidas e de conservas, garrafas de vidro. Deverá renir estes resídos à frente da trma e calclar o valor total em peso e volme. Em comparação com a energia necessária para prodzir novos materiais, reciclar... Estanho popa cerca de qilowattshora por tonelada. Aço popa cerca de qilowatts-hora por tonelada. Vidro popa cerca de 860 qilowatts-hora por tonelada. De qe forma eliminarias os segintes resídos: Os segintes resídos devem ser separados para reciclagem: Latas de bebidas e de conservas, pacotes de bebidas, embalagens de plástico Cartão, papel Os segintes resídos devem ser colocados em pontos de recolha especiais: Pilhas Eqipamentos electrónicos Óleos Medicamentos Tintas No qadro, ajde os alnos a calclar a qantidade de resídos qe serão prodzidos drante ma semana, m mês e m ano por cada agregado familiar dos alnos. Depois, tilizando a informação fornecida na caixa, deverão calclar a qantidade de energia qe seria popada reciclando os resídos de estanho, aço e vidro prodzidos drante m ano, em vez de prodzir novos materiais. Leitra Após esta actividade, os alnos deverão ler os textos Redzir, retilizar, reciclar e A Terra: m lgar único a preservar. O professor poderá realizar m debate sobre qestões como: Os alnos estão srpreendidos pelos volmes em casa? Qantas das sas famílias separam o lixo para reciclar? Qais são os obstáclos à reciclagem? Como, qando e onde é qe os alnos tomaram conhecimento da reciclagem (escola/casa/ grpos de jovens locais)? Como é qe a reciclagem pode ser divlgada a mais pessoas? Os alimentos podem ser compostados. Os sacos de plástico devem ser retilizados, ma vez qe demoram 200 anos a decompor-se! Se os alnos implementassem todas as medidas descritas acima, em qanto estimam qe o se volme semanal de resídos domésticos iria diminir? Actividade complementar Os professores poderão incentivar os alnos a ir ainda mais longe. Os alnos podem: fazer m cartaz qe expliqe onde, como e qando é qe cada ma das categorias de resídos descritas acima pode ser eliminada; promover ma campanha para implementar a reciclagem na sa escola, centro desportivo o clbe de jovens. c Para recrsos adicionais sobre reciclagem, conslte:

16 Qestionário Redzir, retilizar, reciclar o Consmo inteligente O qe significa redzir? 27 garrafas de plástico PET = 1 camisola nova 670 latas de almínio = 1 bicicleta latas de estanho = 1 atomóvel 100 toneladas de vidro reciclado = 100 toneladas de garrafas de vidro Ala: Incentivar os alnos a analisarem e debaterem os vários factores envolvidos nas decisões de compra do dia-a-dia. Ambiente, compras, orçamento. Leitra, debate, ficha de trabalho, actividade, actividade complementar (opcional).... Qe retilização poderias dar aos segintes prodtos: Ligações crriclares: Economia, Ecologia, Biologia e Geologia. Pesqisa, trabalho de grpo, análise, apresentação oral. Actividades sgeridas Comptador antigo mas a fncionar... Calças de ganga gastas... Sapatos novos mas demasiado peqenos... Toalhas de mesa com nódoas o rasgadas... Televisão avariada... De qe forma eliminarias os segintes resídos: Latas de bebidas e de conservas... Pilhas... Cartão, papel... Pacotes de bebidas... Eqipamentos electrónicos... Alimentos... Medicamentos... Óleos... Tintas... Embalagens de plástico... Sacos de plástico... Se a ta família redzisse, retilizasse e reciclasse, qal achas qe seria a redção semanal no volme de lixo? Dá-nos a ta opinião sobre o te ftro! Leitra Os estdantes deverão ler os textos A Terra: m lgar único a preservar e Redzir, retilizar, reciclar. O professor poderá escrever as segintes palavras no qadro: Os cstos ambientais de PRODUÇÃO EMBALAGEM TRANSPORTE CONSUMO ELIMINAÇÃO e pedir aos alnos para trocarem ideias sobre o assnto e identificarem os vários cstos ambientais qe podem srgir em cada ma destas fases do ciclo de vida do prodto. Ficha de trabalho A ficha de trabalho pode ser tilizada como trabalho de casa, e preenchida individalmente o em grpos. Actividade Depois do preenchimento da ficha de trabalho, o professor poderá pedir aos alnos qe preparem ma apresentação oral sobre os ses pares de prodtos, qe incla: Uma análise comparativa dos dois prodtos. Uma apresentação do prodto preferido. Uma explicação dos motivos qe levaram os alnos a escolher o prodto preferido. Actividade complementar No segimento desta actividade, o professor poderá organizar ma visita a ma fábrica local para qe os alnos tenham a oportnidade de ver qais os materiais qe entram na fábrica (matérias-primas e materiais de embalagem), bem como a forma como os resídos de prodção são tratados. Prodção Há mitos factores em jogo, entre eles: Qal o número de etapas da prodção? Os artigos são fabricados com materiais reciclados? Qal a qantidade de resídos indstriais prodzidos? Estes resídos são reciclados? Qais as medidas tomadas pelo prodtor para minimizar o impacto ambiental da prodção? Embalagem O prodto tem excesso de embalagem? A embalagem pode ser reciclada? Transporte O prodto é proveniente de m país distante? Foi transportado por via aérea, marítima, rodoviária o ferroviária? Consmo O prodto precisa de mita energia para fncionar? Tem fncionalidades qe permitam economizar energia? Existem alternativas no mercado qe consmam menos energia? Eliminação O prodto destina-se a ma tilização de longo prazo o é ma moda passageira, m artigo descartável o qe se estraga facilmente? Existem alternativas qe permitam ma tilização mais prolongada? O prodto pode ser reciclado, retilizado o compostado?

17 Ficha de trabalho Consmo inteligente o Comércio e ajda internacional Escolhe m prodto. Qalqer prodto prodtos alimentares, vestário, loções, eqipamentos, veíclos... Depois de teres escolhido o prodto, visita ma loja o mercado o vários, se necessário de forma a encontrar m exemplo típico deste prodto, e também m prodto alternativo qe seja amigo do ambiente, proveniente do comércio jsto, o prodzido localmente. Agora compara os dois prodtos. Prodto A Prodto B Características Descreve cada prodto e as sas características especiais, se aplicável. Qal dos prodtos tem melhores características? Preço Anota o preço de cada prodto. Qal dos prodtos é mais barato? Qalidade Como avaliarias a qalidade deste prodto, tendo em conta a sa drabilidade, o se sabor, o a sa imagem? Qal dos prodtos tem melhor qalidade? Csto ambiental - Prodção Tenta descobrir de qe forma foi prodzido cada prodto, e anota os aspectos principais. Qal dos prodtos tem o csto ambiental de prodção mais redzido? - Embalagem Descreve a embalagem de cada prodto. Qal dos prodtos tem menos embalagem? - Transporte Anota o país de origem de cada prodto. Qal dos prodtos foi transportado através da distância mais crta? - Consmo Se aplicável, anota as necessidades energéticas de cada prodto. Qal dos prodtos tem necessidades energéticas mais baixas? - Eliminação De qe forma eliminarias cada prodto e/o a sa embalagem? Qal dos prodtos pode ser eliminado de ma forma mais amiga do ambiente? Otros Há otros aspectos destes dois prodtos qe devem ser comparados? Qais? Qal dos prodtos tem aspectos mais positivos? Globalmente Qe prodto comprarias? Actividades sgeridas Ficha de trabalho Como trabalho de casa, os alnos deverão ler o texto O comércio faz girar o mndo e preencher a ficha de trabalho. A ficha de trabalho ajda os alnos a reflectirem sobre a importância do comércio internacional na sa vida qotidiana, e testa a compreensão de algns conceitos-chave mencionados no texto da Agenda. Na última pergnta da ficha de trabalho Seria possível o te país proibir nilateralmente as importações de algm dos países acima indicados? a resposta é não. Os Estados-Membros da UE fazem parte de m mercado comm; a proibição nilateral de importações de m determinado país constiti ma violação da legislação comnitária. Além disso, seria impraticável, já qe os bens poderiam ser enviados para m Estado- Membro vizinho e depois transportados através da fronteira. Qal dos prodtos é melhor para o ambiente? Pode consltar ma base de dados de direitos adaneiros comnitários em Dá-nos a ta opinião sobre o te ftro! Esta última qestão pode servir de ponto de partida para m debate sobre comércio internacional. Algmas sgestões para o debate: O qe é a política comercial comm? Qais são as vantagens e desvantagens para os diferentes Estados-Membros? (Por exemplo, m país pode não consegir celebrar acordos de comércio bilaterais com países terceiros, individalmente, mas através da UE tem mais peso na cena internacional e pode obter melhores acordos com países terceiros). Qais são as vantagens e desvantagens para os parceiros comerciais da União Eropeia? (Por exemplo, os parceiros comerciais poderiam não consegir negociar melhores taxas alfandegárias com m Estado- Membro em particlar, mas cada acordo celebrado com a UE será aplicado ao mercado comm erope, de cerca de qinhentos milhões de pessoas). Há aspectos ambientais qe devem ser tidos em conta ao comprar prodtos do estrangeiro? Aspectos sociais? Aspectos relativos à segrança dos prodtos? Actividade de continação Após este debate, os professores poderão pergntar aos alnos qantos dos prodtos qe indicaram na ficha de trabalho são provenientes de África. Depois, os alnos poderão ler os textos Trabalhar para m mndo melhor, e A Eropa na linha da frente da lta contra a pobreza, fazer ma pesqisa e preparar ma apresentação oral sobre m dos segintes tópicos: Ala: As exportações africanas para a União Eropeia. O desenvolvimento em África. A relação entre comércio e desenvolvimento. Incentivar os alnos a reflectirem sobre a importância do comércio internacional na vida qotidiana. Explorar algns conceitos básicos de comércio internacional. Comércio internacional, OMC, mercado comm o mercado interno. Leitra, ficha de trabalho, debate, actividade de continação. Ligações crriclares: Economia, Comércio e Distribição e Geografia. Análise, pensamento crítico, pesqisa e apresentação oral.

18 Ficha de trabalho Comércio internacional Identifica cinco prodtos qe sas no dia-a-dia qe tenham sido fabricados notro país. Podes procrá-los na ta mala o nos tes bolsos, na ta ropa, na ta secretária, na ta cozinha o na sala de estar. Ao lado de cada prodto, anota o se país de origem. Prodto País de origem Estes prodtos poderiam ter sido comprados a m prodtor nacional? q Sim q Não Em caso afirmativo, por qe motivo compraste prodtos do estrangeiro?... Tens algma preocpação sobre a segrança destes prodtos? Porqê?... Define os segintes termos: Défice e excedente comercial... Organização Mndial do Comércio... Acordos de comércio bilaterais... Obstáclos ao comércio... Taxas alfandegárias... Achas qe seria possível ao te país proibir nilateralmente as importações de algm dos países acima indicados? Porqê? 32 Dá-nos a ta opinião sobre o te ftro!

Access Professional Edition 2.1

Access Professional Edition 2.1 Engineered Soltions Access Professional Edition 2.1 Access Professional Edition 2.1 www.boschsecrity.com/pt Controle de acesso compacto baseado na inovadora família de controladores AMC da Bosch Verificação

Leia mais

Qualidade ao melhor preço!

Qualidade ao melhor preço! Bosch Car Service Qalidade ao melhor preço! Dos serviços rápidos aos mais complexos Criada para satisfazer as sas necessidades a rede Bosch Car Service está vocacionada para os novos desafios do sector

Leia mais

As vantagens da solução empresarial chave da itrak incluem:

As vantagens da solução empresarial chave da itrak incluem: TM Enterprise Soltion Eliminar tarifas de rastreio por GPS Desfrtar dos benefícios adicionais de ma solção personalizada verss solção com anfitrião Amentar a segrança da informação da sa empresa Redzir

Leia mais

Inglaterra FOTOGRAFIA. Programa de Férias. efigieeducacional.com.br T: 19 4141.1515. contato@efigieeducacional.com.br

Inglaterra FOTOGRAFIA. Programa de Férias. efigieeducacional.com.br T: 19 4141.1515. contato@efigieeducacional.com.br Inglaterra Programa de Férias efigieedcacional.com.br contato@efigieedcacional.com.br O Programa Destinado a adolescentes de 16 a 19 anos, o pacote oferece grande oportnidade de aprendizagem com mais espaço

Leia mais

BIS Access Engine (ACE) 4.1

BIS Access Engine (ACE) 4.1 Engineered Soltions Access Engine (ACE) 4.1 Access Engine (ACE) 4.1 www.la.boschsecrity.com Controle de acesso sofisticado com gerenciamento direto de alarmes Integração e interação perfeitas com sistemas

Leia mais

GESTÃO, FINANÇAS E CONTABILIDADE

GESTÃO, FINANÇAS E CONTABILIDADE Síça França Alemanha Seminário Internacional Saída BRA Chegada UK 03/09 04/09 Saída UK Chegada BRA 11/09 12/09 2016 Público alvo Alnos dos crsos de pós-gradação e gradação da Unifor, especificamente dos

Leia mais

BIS - Access Engine (ACE)

BIS - Access Engine (ACE) Engineered Soltions BIS - Access Engine (ACE) BIS - Access Engine (ACE) www.boschsecrity.com/pt Controle de acesso sofisticado com gerenciamento direto de alarmes Integração e interação perfeitas com sistemas

Leia mais

Programa de Desenvolvimento de Carreira

Programa de Desenvolvimento de Carreira Londres Inglaterra Programa de 2015 MELHORE AS PERSPECTIVAS DE CARREIRA INTERNACIONAL COM EXPERIÊNCIA DE TRABALHO EM UMA EMPRESA EM efigieedcacional.com.br contato@efigieedcacional.com.br O qe é o Programa

Leia mais

SUSTENTABILIDADE. Seminário Internacional. efigieeducacional.com.br T: 19 4141.1515. contato@efigieeducacional.com.br. Chegada BRA 16/07 17/07

SUSTENTABILIDADE. Seminário Internacional. efigieeducacional.com.br T: 19 4141.1515. contato@efigieeducacional.com.br. Chegada BRA 16/07 17/07 Palma de Mallorca Espanha Seminário Internacional Saída BRA Chegada ESP 08/07 09/07 Saída ESP Chegada BRA 16/07 17/07 2016 efigieedcacional.com.br contato@efigieedcacional.com.br Seminário Internacional

Leia mais

[65, 187, 188, 189, 190]

[65, 187, 188, 189, 190] Anexo 12 Estimativa de Incertezas [65, 187, 188, 189, 190] 1. Introdção A estimativa da incerteza associada ao resltado de ma medição envolve vários passos: a especificação da grandeza em casa, a identificação

Leia mais

França. Programa de Férias + CULINÁRIA. efigieeducacional.com.br T: 19 4141.1515. contato@efigieeducacional.com.br

França. Programa de Férias + CULINÁRIA. efigieeducacional.com.br T: 19 4141.1515. contato@efigieeducacional.com.br França Programa de Férias efigieedcacional.com.br contato@efigieedcacional.com.br O Programa Destinado a adolescentes mais de 16 a 19 anos, o pacote oferece grande oportnidade de aprendizagem com mais

Leia mais

Telefones analógicos. Guia do Usuário. Plataforma de Comunicação BusinessPhone

Telefones analógicos. Guia do Usuário. Plataforma de Comunicação BusinessPhone Telefones analógicos Plataforma de Comnicação BsinessPhone Gia do Usário Cover Page Graphic Place the graphic directly on the page, do not care abot ptting it in the text flow. Select Graphics > Properties

Leia mais

COMUNICAÇÃO E MÍDIAS SOCIAIS

COMUNICAÇÃO E MÍDIAS SOCIAIS Riverside Califórnia EUA Seminário Internacional 2015 Saída BRA Chegada US 03/10 04/10 Saída US UNIVERSITY OF CALIFORNIA - RIVERSIDE efigieedcacional.com.br contato@efigieedcacional.com.br Chegada BRA

Leia mais

Orientações para o setor dos transportes

Orientações para o setor dos transportes ILOAIDS International Labor Office 4, rote des Morillons CH-1211 Geneva 22 Switzerland. E-mail: iloaids@ilo.org Sitio: www.ilo.org/aids VIH/SIDA / + TRABALHO Usar a Recomendação (Nº200) da OIT sobre a

Leia mais

CALIFORNIA CURSO DE FÉRIAS PROGRAMA DE INGLÊS PARA ADOLESCENTES. efigieeducacional.com.br T: 19 4141.1515. Conversação e Cultura Americana

CALIFORNIA CURSO DE FÉRIAS PROGRAMA DE INGLÊS PARA ADOLESCENTES. efigieeducacional.com.br T: 19 4141.1515. Conversação e Cultura Americana Conversação e Cltra Americana CURSO DE FÉRIAS 2015 Saída BRA 11/07 Chegada US 12/07 Saída US 01/08 Chegada BRA 02/08 efigieedcacional.com.br contato@efigieedcacional.com.br Conversação e Cltra Americana

Leia mais

PROGRAMA DE BOLSAS DE ESTUDO Faculdades e Universidades Americanas

PROGRAMA DE BOLSAS DE ESTUDO Faculdades e Universidades Americanas Facldades e efigieedcacional.com.br contato@efigieedcacional.com.br Facldades e O Programa de Bolsas de Estdo para estdantes internacionais A Efígie Edcacional, empresa especializada em edcação internacional,

Leia mais

ACORDO QUE INSTITUI O LABORATÓRIO EUROPEU DE BIOLOGIA MOLECULARA

ACORDO QUE INSTITUI O LABORATÓRIO EUROPEU DE BIOLOGIA MOLECULARA Resolução da Assembleia da República n.º 31/98 Acordo Que Institui o Laboratório Europeu de Biologia Molecular, concluído em Genebra em 10 de Maio de 1973, no âmbito do Acordo Relativo à Criação da Conferência

Leia mais

VIVA, APRENDA E CRESÇA HIGH SCHOOL. Escolas de Ensino Médio no Canadá. efigieeducacional.com.br T: 19 4141.1515. contato@efigieeducacional.com.

VIVA, APRENDA E CRESÇA HIGH SCHOOL. Escolas de Ensino Médio no Canadá. efigieeducacional.com.br T: 19 4141.1515. contato@efigieeducacional.com. VIVA, APRENDA E CRESÇA 2015 HIGH SCHOOL Escolas de Ensino Médio no Canadá HIGH SCHOOL Escolas de Ensino Médio no Canadá Bem vindo A Efígie Edcacional, empresa especializada em edcação internacional, e

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU. Comissão do Meio Ambiente, da Saúde Pública e da Política do Consumidor

PARLAMENTO EUROPEU. Comissão do Meio Ambiente, da Saúde Pública e da Política do Consumidor PARLAMENTO EUROPEU 1999 2004 Comissão do Meio Ambiente, da Saúde Pública e da Política do Consumidor 31 de Março de 2004 PE 340.787/1-10 ALTERAÇÕES 1-10 Projecto de relatório (PE 340.787) Hans Blokland

Leia mais

CALIFÓRNIA Pocket Exchange for Teenagers

CALIFÓRNIA Pocket Exchange for Teenagers Riverside Califórnia EUA CALIFÓRNIA Pocket Exchange A partir de 15 anos 2015 efigieedcacional.com.br contato@efigieedcacional.com.br Sobre o Programa Este programa foi desenhado para adolescentes a partir

Leia mais

Access Professional Edition

Access Professional Edition Engineered Soltions Access Professional Edition Access Professional Edition www.la.boschsecrity.com Software para controle de acesso e gerenciamento de segrança qe tiliza a inovadora linha de Controladores

Leia mais

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO / PÓS GRADUAÇÃO (LATO - SENSU) RELAÇÕES INTERPESSOAIS NA ESCOLA E A CONSTRUÇÃO DA AUTONOMIA MORAL. Modalidade Presencial

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO / PÓS GRADUAÇÃO (LATO - SENSU) RELAÇÕES INTERPESSOAIS NA ESCOLA E A CONSTRUÇÃO DA AUTONOMIA MORAL. Modalidade Presencial NOVAS TURMAS INÍCIO EM 2015 CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO / PÓS GRADUAÇÃO Modalidade Presencial Coordenação Adriana Ramos Início do crso São Palo: 25/02/2015 Campinas: 04/03/2015 Dração / Carga Horária 18 meses

Leia mais

PROGRAMA DE EMPREENDEDORISMO 10ª e 11ª Classes

PROGRAMA DE EMPREENDEDORISMO 10ª e 11ª Classes república de angola ministério da educação PROGRAMA DE EMPREENDEDORISMO 10ª e 11ª Classes Formação de Professores do 1º Ciclo do Ensino Secundário FASE DE EXPERIMENTAÇÃO Ficha Técnica Título Programa de

Leia mais

Tratado de Lisboa 13 Dezembro 2007. Conteúdo e desafios

Tratado de Lisboa 13 Dezembro 2007. Conteúdo e desafios Tratado de Lisboa 13 Dezembro 2007 Conteúdo e desafios Os Tratados Tratado de Paris (CECA) 18 de Abril de 1951 Tratados de Roma (CEE e CEEA) 25 de Março de 1957 Acto Único Europeu 17 de Fevereiro 1986

Leia mais

Access Professional Edition

Access Professional Edition Engineered Soltions Access Professional Edition Access Professional Edition www.la.boschsecrity.com Software para controle de acesso e gerenciamento de segrança qe tiliza a inovadora linha de Controladores

Leia mais

LÁ NOS CONFINS. No Terreno

LÁ NOS CONFINS. No Terreno 30 31 Dossier Fazer, gerir e poupar No Terreno LÁ NOS CONFINS A actual crise financeira demonstrou a importância da literacia financeira e de consumo e as intrincadas ligações entre os mercados e o comportamento

Leia mais

Empresas Responsáveis Questionário de Sensibilização

Empresas Responsáveis Questionário de Sensibilização Empresas Responsáveis Questionário de Sensibilização 1. Introdução O presente questionário ajudá-lo-á a reflectir sobre os esforços desenvolvidos pela sua empresa no domínio da responsabilidade empresarial,

Leia mais

E- Marketing - Estratégia e Plano

E- Marketing - Estratégia e Plano E- Marketing - Estratégia e Plano dossier 2 http://negocios.maiadigital.pt Indíce 1 E-MARKETING ESTRATÉGIA E PLANO 2 VANTAGENS DE UM PLANO DE MARKETING 3 FASES DO PLANO DE E-MARKETING 4 ESTRATÉGIAS DE

Leia mais

Access Professional Edition 3.0

Access Professional Edition 3.0 Engineered Soltions Access Professional Edition 3.0 Access Professional Edition 3.0 www.boschsecrity.com/pt Software para controle de acesso e gerenciamento de segrança qe tiliza a inovadora linha de Controladores

Leia mais

CALIFÓRNIA PROGRAMA INTENSIVO DE INGLÊS. Intensive English Program (IEP) UNIVERSITY OF CALIFORNIA - RIVERSIDE. Riverside

CALIFÓRNIA PROGRAMA INTENSIVO DE INGLÊS. Intensive English Program (IEP) UNIVERSITY OF CALIFORNIA - RIVERSIDE. Riverside Riverside Califórnia EUA CALIFÓRNIA PROGRAMA INTENSIVO DE INGLÊS Intensive English Program (IEP) UNIVERSITY OF CALIFORNIA - RIVERSIDE Riverside E vo pra Califórnia o me destino é ser star Riverside Riverside

Leia mais

PRÉMIOS EUROPEUS DE PROMOÇÃO EMPRESARIAL MANUAL OPERACIONAL

PRÉMIOS EUROPEUS DE PROMOÇÃO EMPRESARIAL MANUAL OPERACIONAL 2015 PRÉMIOS EUROPEUS DE PROMOÇÃO EMPRESARIAL 2015 MANUAL OPERACIONAL Prémios Europeus de Promoção Empresarial 2015 2/13 ÍNDICE 1. DEFINIÇÃO E JUSTIFICAÇÃO... 3 1.1. Um prémio que reconhece a excelência

Leia mais

EQUINA NA IRLANDA A INDÚSTRIA. Seminário Internacional. efigieeducacional.com.br T: 19 4141.1515. contato@efigieeducacional.com.br

EQUINA NA IRLANDA A INDÚSTRIA. Seminário Internacional. efigieeducacional.com.br T: 19 4141.1515. contato@efigieeducacional.com.br Irlanda A INDÚSTRIA EQUINA Saída BRA Chegada IRE 11/07 12/07 Saída IRE Chegada BRA 19/07 20/07 efigieedcacional.com.br contato@efigieedcacional.com.br 2015 A Institição A CEPA Eropa possi vários campi

Leia mais

EMPRESAS DE CONTAS SEGREGADAS RECURSOS DA ACE: UMA VISÃO GERAL

EMPRESAS DE CONTAS SEGREGADAS RECURSOS DA ACE: UMA VISÃO GERAL EMPRESAS DE CONTAS SEGREGADAS RECURSOS DA : UMA VISÃO GERAL a simplicidade originária da complexidade Recrsos de contas segregadas da Gerenciar ses próprios riscos agora fico mais fácil. Nos últimos anos,

Leia mais

6 INTERMEDIÁRIOS FINANCEIROS

6 INTERMEDIÁRIOS FINANCEIROS 6. INTERMEDIÁRIOS FINANCEIROS 6. Intermediários Financeiros O QUE SÃO INTERMEDIÁRIOS FINANCEIROS? Intermediários financeiros são as empresas prestadoras dos serviços que permitem aos investidores actuar

Leia mais

HIGH SCHOOL. Calgary Canadá. um lugar maravilhoso para estudar & morar. efigieeducacional.com.br T: 19 4141.1515. Escolas de Ensino Médio no Canadá

HIGH SCHOOL. Calgary Canadá. um lugar maravilhoso para estudar & morar. efigieeducacional.com.br T: 19 4141.1515. Escolas de Ensino Médio no Canadá m lgar maravilhoso para estdar & morar 2015 HIGH SCHOOL Escolas de Ensino Médio no HIGH SCHOOL Escolas de Ensino Médio no Bem vindo A Efígie Edcacional e o Board of Edcation dão boas vindas ao mndo. Dedicamo-nos

Leia mais

Estudo PARTNER. Foi convidado a participar neste estudo porque tem uma relação em que é o parceiro VIH positivo.

Estudo PARTNER. Foi convidado a participar neste estudo porque tem uma relação em que é o parceiro VIH positivo. Informação ao participante e consentimento informado para o parceiro VIH positivo Estudo PARTNER O estudo PARTNER é um estudo levado a cabo com casais em que: (i) um parceiro é VIH positivo e o outro é

Leia mais

NEGÓCIOS NA EUROPA. Seminário Internacional. International Business Economics Marketing International Relations

NEGÓCIOS NA EUROPA. Seminário Internacional. International Business Economics Marketing International Relations França Alemanha Seminário Internacional International Bsiness Economics Saída BRA Chegada ALE 09/10 11/10 Saída FRA Chegada BRA 17/10 18/10 efigieedcacional.com.br contato@efigieedcacional.com.br International

Leia mais

Como...fazer o pré-teste de materiais de extensão rural com pequenos agricultores

Como...fazer o pré-teste de materiais de extensão rural com pequenos agricultores Como...fazer o pré-teste de materiais de extensão rural com pequenos agricultores A realização de pré-testes antes da distribuição dos materiais de extensão rural é um processo importante no desenvolvimento

Leia mais

UnP. cursos se destacam no guia do estudante 2014. Congresso Científico abordará a integração dos saberes para um mundo melhor

UnP. cursos se destacam no guia do estudante 2014. Congresso Científico abordará a integração dos saberes para um mundo melhor UnP 14 a 28 de setembro de 2014 Ano ix Nº 307 natal-mossoró/rn reconhecimento Página 5 Alex Fernandes crsos se destacam no gia do estdante 2014 Pesqisa e Extensão Congresso Científico abordará a integração

Leia mais

10 medidas vantajosas para 500 milhões. de consumidores. Consumidores

10 medidas vantajosas para 500 milhões. de consumidores. Consumidores 10 medidas vantajosas para 500 milhões de consumidores Consumidores «Fiz uma compra na Internet e estou com um problema.» 1 A partir de janeiro de 2016, estará disponível em toda a Europa um serviço destinado

Leia mais

Jornal oficial no. L 024 de 30/01/1998 P. 0001-0008

Jornal oficial no. L 024 de 30/01/1998 P. 0001-0008 Jornal oficial no. L 024 de 30/01/1998 P. 0001-0008 DIRECTIVA 97/66/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 15 de Dezembro de 1997 relativa ao tratamento de dados pessoais e à protecção da privacidade

Leia mais

Reunião Transfonteiriça Espanha Portugal SUMÁRIO. Boletim Informativo n.º 25. Balanço do 25.º Aniversário da Adesão à UE e Desafios para 2012

Reunião Transfonteiriça Espanha Portugal SUMÁRIO. Boletim Informativo n.º 25. Balanço do 25.º Aniversário da Adesão à UE e Desafios para 2012 Boletim Informativo n.º 25 SUMÁRIO REUNIÃO TRANSFONTEIRIÇA ESPANHA- PORTUGAL Pág. 1 MECANISMO INTERLIGAR EUROPA GALILEO SATELITE EUROPEU Pág. 2 FRONTEIRAS INTELIGENTES Pág. 3 LUTA CONTRA AS NOVAS DROGAS

Leia mais

A COMUNIDADE EUROPEIA (a seguir designada por "a Comunidade"), O REINO DA BÉLGICA, A REPÚBLICA CHECA, O REINO DA DINAMARCA,

A COMUNIDADE EUROPEIA (a seguir designada por a Comunidade), O REINO DA BÉLGICA, A REPÚBLICA CHECA, O REINO DA DINAMARCA, ACORDO DE COOPERAÇÃO RELATIVO A UM SISTEMA MUNDIAL DE NAVEGAÇÃO POR SATÉLITE (GNSS) PARA UTILIZAÇÃO CIVIL ENTRE A COMUNIDADE EUROPEIA E OS SEUS ESTADOS-MEMBROS, POR UM LADO, E O REINO DE MARROCOS, POR

Leia mais

letra A... o jornal do alfabetizador Belo Horizonte, junho/julho de 2005 - Ano 1 - nº 2

letra A... o jornal do alfabetizador Belo Horizonte, junho/julho de 2005 - Ano 1 - nº 2 ... o jornal do alfabetizador Belo Horizonte, jnho/jlho de 2005 - no 1 - nº 2 Editorial Dificldades de aprendizagem? O tema é Crianças de seis anos devem ser alfabetizadas? NTÔNIO UGUSTO BSTIST - diretor

Leia mais

Fundo de Garantia Automóvel

Fundo de Garantia Automóvel Mestrado em Engenharia Automóvel / Pós-Laboral Legislação e Conflito Fundo de Garantia Automóvel Docente: Maria João Escudeiro Mauro Sousa 2140842 Tiago Fialho 2140843 15 de Junho 2015 Índice I Introdução...3

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS ORGANIZAÇÃO

CONDIÇÕES GERAIS ORGANIZAÇÃO CONDIÇÕES GERAIS O presente programa/ catálogo é o documento informativo no qual se inserem as presentes condições gerais, dele fazendo parte integrante e que constituem, na ausência de documento autónomo

Leia mais

... Jogos e brincadeiras. Estruturas silábicas. Poesia na alfabetização. Wanderley Geraldi

... Jogos e brincadeiras. Estruturas silábicas. Poesia na alfabetização. Wanderley Geraldi ... o jornal do alfabetizador Belo Horizonte, abril/maio de 2006 - no 2 - nº 6 PÁGIN 5 PÁGIN 14 Jogos e brincadeiras PÁGIN 4 Estrtras silábicas Poesia na alfabetização PÁGIN 9 PÁGIN 10 Wanderley Geraldi

Leia mais

Arquitectura de Computadores II. Revisão e implementação do datapath do MIPS

Arquitectura de Computadores II. Revisão e implementação do datapath do MIPS Arqitectra de omptadores II LESI - 3º Ano Revisão e implementação do datapath do IPS João Lís Ferreira Sobral epartamento do Informática Universidade do inho Janeiro 22 Revisão do datapath (P) do IPS Visão

Leia mais

CONVENÇAO EUROPEIA SOBRE O EXERCÍCIO DOS DIREITOS DAS CRIANÇAS

CONVENÇAO EUROPEIA SOBRE O EXERCÍCIO DOS DIREITOS DAS CRIANÇAS CONVENÇAO EUROPEIA SOBRE O EXERCÍCIO DOS DIREITOS DAS CRIANÇAS Preâmbulo Os Estados-membros do Conselho da Europa, bem como os outros Estados signatários da presente Convenção, Considerando que o objetivo

Leia mais

Sistema de Detecção de Incêndio Via Rádio LSN RF

Sistema de Detecção de Incêndio Via Rádio LSN RF 17 19 18 34 3 50 49 21 20 36 35 52 51 23 2 38 37 54 53 24 10 26 25 40 39 5 57 56 13 12 28 27 42 41 59 58 15 14 30 29 4 43 61 60 16 32 31 46 45 63 62 48 47 64 Sistemas de Detecção de Incêndio Sistema de

Leia mais

Avaliação do Painel de Consulta das Empresas Europeias (EBTP)

Avaliação do Painel de Consulta das Empresas Europeias (EBTP) Avaliação do Painel de Consulta das Empresas Europeias (EBTP) 23/06/2008-14/08/2008 Existem 457 respostas em 457 que correspondem aos seus critérios A. Participação País DE - Alemanha 84 (18.4%) PL - Polónia

Leia mais

Bem-vindo ao nosso mundo virtual! Guia do Portal de Ensino à Distância da Get Training 1

Bem-vindo ao nosso mundo virtual! Guia do Portal de Ensino à Distância da Get Training 1 Após uma experiência formativa de mais de 20 anos em formação presencial, e tendo sempre como princípios a inovação e a satisfação do cliente, é com grande satisfação que a Get Training implementa este

Leia mais

Fecho de Projectos - Parte 2 P. Quais são os relatórios finais, acções necessárias e outras considerações principais associadas ao fecho do projecto?

Fecho de Projectos - Parte 2 P. Quais são os relatórios finais, acções necessárias e outras considerações principais associadas ao fecho do projecto? Definições Fecho Administrativo - Quando um Oficial de Acordos (AO) aprova um pedido da organização de despesas de fecho durante os 90 dias entre a data final da adjudicação e o envio do relatório final.

Leia mais

Descreve um caso de implantação de um modelo para reduzir custos e melhorar planejamento de transporte e armazenagem de açúcar.

Descreve um caso de implantação de um modelo para reduzir custos e melhorar planejamento de transporte e armazenagem de açúcar. Verax consltoria VX00 090826 Logistica OtimizacaoAccar.docx Fnção: operações Segmento: commodities / logística Tema: otimização de negócios / planeamento de operações Metodologia: análise qantitativa OTIMIZAÇÃO

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 09.03.2001 COM(2001) 128 final 2001/0067 (ACC) VOLUME IV Proposta de DECISÃO DO CONSELHO Relativa à posição da Comunidade no Conselho de Associação sobre a

Leia mais

LONDRES Reunião do GAC: Processos Políticos da ICANN

LONDRES Reunião do GAC: Processos Políticos da ICANN LONDRES Reunião do GAC: Processos Políticos da ICANN e Responsabilidades do interesse público em relação aos Direitos Humanos e Valores Democráticos Terça feira, 24 de junho de 2014 09:00 a 09:30 ICANN

Leia mais

Estude inglês e aperfeiçoe suas habilidades profissionais

Estude inglês e aperfeiçoe suas habilidades profissionais EUA Estde inglês e aperfeiçoe sas habilidades profissionais São Francisco San Diego Chicago 2015 Aprimore o se domínio do inglês e atinja ses objetivos profissionais Nossas Garantias Apenas a Intrax oferece

Leia mais

Como escrever um estudo de caso que é um estudo de caso? Um estudo so é um quebra-cabeça que tem de ser resolvido. A primeira coisa a

Como escrever um estudo de caso que é um estudo de caso? Um estudo so é um quebra-cabeça que tem de ser resolvido. A primeira coisa a Página 1 1 Como escrever um Estudo de Caso O que é um estudo de caso? Um estudo de caso é um quebra-cabeça que tem de ser resolvido. A primeira coisa a lembre-se de escrever um estudo de caso é que o caso

Leia mais

II CONCURSO ESCOLAR JOVENS PELA ÁGUA

II CONCURSO ESCOLAR JOVENS PELA ÁGUA II CONCURSO ESCOLAR JOVENS PELA ÁGUA A Direcção Regional do Ordenamento do Território e Recursos Hídricos, da Secretaria Regional do Ambiente e do Mar, conjuntamente com outros parceiros e colaboradores

Leia mais

NORMAS INTERNACIONAIS DO TRABALHO Convenção (n.º 102) relativa à segurança social (norma mínima), 1952

NORMAS INTERNACIONAIS DO TRABALHO Convenção (n.º 102) relativa à segurança social (norma mínima), 1952 NORMAS INTERNACIONAIS DO TRABALHO Convenção (n.º 102) relativa à segurança social (norma mínima), 1952 Bureau Internacional do Trabalho 1 Ratificação Como são utilizadas as Normas Internacionais do Trabalho?

Leia mais

NATIONAL ENDOWMENT FOR DEMOCRACY (Fundação Nacional para a Democracia) www.ned.org. Guia de preparação de proposta

NATIONAL ENDOWMENT FOR DEMOCRACY (Fundação Nacional para a Democracia) www.ned.org. Guia de preparação de proposta NATIONAL ENDOWMENT FOR DEMOCRACY (Fundação Nacional para a Democracia) www.ned.org Guia de preparação de proposta Este documento proporciona linhas de orientação para a elaboração de uma proposta à National

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO PROGRESSOS NA REALIZAÇÃO DOS OBJECTIVOS DE QUIOTO

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO PROGRESSOS NA REALIZAÇÃO DOS OBJECTIVOS DE QUIOTO COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 27.11.2007 COM(2007) 757 final COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO PROGRESSOS NA REALIZAÇÃO DOS OBJECTIVOS DE QUIOTO (nos termos da Decisão n.º 280/2004/CE do Parlamento

Leia mais

INFORMAÇÕES DOS ESTADOS-MEMBROS

INFORMAÇÕES DOS ESTADOS-MEMBROS C 390/10 PT Jornal Oficial da União Europeia 24.11.2015 INFORMAÇÕES DOS ESTADOS-MEMBROS Primeira atualização das informações referidas no artigo 76. o do Regulamento (UE) n. o 1215/2012 do Parlamento Europeu

Leia mais

Eleições para o Parlamento Europeu 2009 Ficha 2 COMO PARTICIPAR?

Eleições para o Parlamento Europeu 2009 Ficha 2 COMO PARTICIPAR? Como pode a sua organização e os seus membros participar na corrida para as eleições europeias 2009? Nós debatemos e recolhemos ideias para os ajudar a começar. Estas ideias são aqui descritas de uma forma

Leia mais

RELATÓRIO INTERCALAR (nº 3, do artigo 23º, da Decisão 2004/904/CE)

RELATÓRIO INTERCALAR (nº 3, do artigo 23º, da Decisão 2004/904/CE) (nº 3, do artigo 23º, da Decisão 2004/904/CE) Comissão Europeia Direcção-Geral da Justiça, da Liberdade e da Segurança Unidade B/4 Fundo Europeu para os Refugiados B-1049 Bruxelas Estado-Membro: PORTUGAL

Leia mais

DISCURSO PROFERIDO POR VÍTOR CALDEIRA, PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE CONTAS EUROPEU

DISCURSO PROFERIDO POR VÍTOR CALDEIRA, PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE CONTAS EUROPEU TRIBUNAL DE CONTAS EUROPEU ECA/09/69 DISCURSO PROFERIDO POR VÍTOR CALDEIRA, PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE CONTAS EUROPEU ******* APRESENTAÇÃO DO RELATÓRIO ANUAL RELATIVO AO EXERCÍCIO DE 2008 À COMISSÃO DO

Leia mais

CONVENÇÃO COMPLEMENTAR À CONVENÇÃO DE PARIS DE 29 DE JULHO DE 1960 SOBRE A RESPONSABILIDADE CIVIL NO DOMÍNIO DA ENERGIA NUCLEAR.

CONVENÇÃO COMPLEMENTAR À CONVENÇÃO DE PARIS DE 29 DE JULHO DE 1960 SOBRE A RESPONSABILIDADE CIVIL NO DOMÍNIO DA ENERGIA NUCLEAR. Decreto do Governo n.º 24/84 Convenção de 31 de Janeiro de 1963 Complementar da Convenção de Paris de 29 de Julho de 1960 sobre Responsabilidade Civil no Domínio da Energia Nuclear O Governo decreta, nos

Leia mais

1. Introdução 2. 2. As funções da embalagem 2. 3. Classificação das embalagens 5. 4. Principais características dos materiais de embalagem 6

1. Introdução 2. 2. As funções da embalagem 2. 3. Classificação das embalagens 5. 4. Principais características dos materiais de embalagem 6 Capítulo I CONCEITOS GERAIS SOBRE EMBALAGEM 1. Introdução 2 2. As funções da embalagem 2 3. Classificação das embalagens 5 4. Principais características dos materiais de embalagem 6 5. O ambiente e a embalagem

Leia mais

Saúde: pronto para férias? viaje sempre com o seu Cartão Europeu de Seguro de Doença (CESD)

Saúde: pronto para férias? viaje sempre com o seu Cartão Europeu de Seguro de Doença (CESD) MEMO/11/406 Bruxelas, 16 de Junho de 2011 Saúde: pronto para férias? viaje sempre com o seu Cartão Europeu de Seguro de Doença (CESD) Em férias nunca se sabe! Está a pensar viajar na UE ou na Islândia,

Leia mais

Comunicado de imprensa

Comunicado de imprensa Comunicado de imprensa A educação para a cidadania nas escolas da Europa Em toda a Europa, o reforço da coesão social e a participação activa dos cidadãos na vida social estão no centro das preocupações

Leia mais

AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS A INICIATIVAS DE COOPERAÇÃO BILATERAL NO ÂMBITO DO PROGRAMA CIDADANIA ATIVA

AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS A INICIATIVAS DE COOPERAÇÃO BILATERAL NO ÂMBITO DO PROGRAMA CIDADANIA ATIVA AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS A INICIATIVAS DE COOPERAÇÃO BILATERAL NO ÂMBITO DO PROGRAMA CIDADANIA ATIVA Nos termos do Regulamento Geral do Programa Cidadania Ativa (doravante o Regulamento

Leia mais

A Europa em poucas palavras

A Europa em poucas palavras A Europa em poucas palavras O que é a União Europeia? É europeia = está situada na Europa. É uma união = une países e pessoas. Examinemos mais atentamente: O que têm os europeus em comum? De que forma

Leia mais

e) A sustentação das vertentes científica e técnica nas actividades dos seus membros e a promoção do intercâmbio com entidades externas.

e) A sustentação das vertentes científica e técnica nas actividades dos seus membros e a promoção do intercâmbio com entidades externas. ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE DISTRIBUIÇÃO E DRENAGEM DE ÁGUAS Capítulo I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Natureza 1. A Associação Portuguesa de Distribuição e Drenagem de Águas (APDA) é uma associação sem fins

Leia mais

Acesso à informação, participação do público e acesso à justiça em matéria de ambiente a nível comunitário um Guia Prático

Acesso à informação, participação do público e acesso à justiça em matéria de ambiente a nível comunitário um Guia Prático Acesso à informação, participação do público e acesso à justiça em matéria de ambiente a nível comunitário um Guia Prático O acesso à informação, a participação do público no processo de tomada de decisão

Leia mais

Breve guia do euro. Assuntos Económicos e Financeiros

Breve guia do euro. Assuntos Económicos e Financeiros Breve guia do euro Assuntos Económicos e Financeiros Sobre o euro O euro nasceu em 1999: surgiu inicialmente em extratos de pagamento, contas e faturas. Em 1 de janeiro de 2002, as notas e moedas em euros

Leia mais

C 188/6 Jornal Oficial da União Europeia 11.8.2009

C 188/6 Jornal Oficial da União Europeia 11.8.2009 C 188/6 Jornal Oficial da União Europeia 11.8.2009 Comunicação da Comissão Critérios para a análise da compatibilidade dos auxílios estatais a favor de trabalhadores desfavorecidos e com deficiência sujeitos

Leia mais

Medicamentos que contêm dextropropoxifeno com Autorização de Introdução no Mercado na União Europeia. Romidon 75mg/2ml Solução injectável

Medicamentos que contêm dextropropoxifeno com Autorização de Introdução no Mercado na União Europeia. Romidon 75mg/2ml Solução injectável ANEXO I LISTA DAS DENOMINAÇÕES FORMAS FARMACÊUTICAS, DOSAGENS, VIA DE ADMINISTRAÇÃO DOS MEDICAMENTOS, DOS TITULARES DAS AUTORIZAÇÕES DE INTRODUÇÃO NO MERCADO NOS ESTADOS-MEMBROS 1 Medicamentos que contêm

Leia mais

Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO

Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO Gostaria de começar por agradecer o amável convite que a FCT me dirigiu para

Leia mais

A Ergonomia e os Sistemas de Informação. Ivo Gomes

A Ergonomia e os Sistemas de Informação. Ivo Gomes A Ergonomia e os Sistemas de Informação Ivo Gomes A Ergonomia e os Sistemas de Informação Para a maior parte das pessoas, a ergonomia serve para fazer cadeiras mais confortáveis, mobiliário de escritório

Leia mais

Programas de Férias CANADÁ

Programas de Férias CANADÁ Programas de Férias CANADÁ TEENAGERS ADVENTURE PROGRAM CHILDREN S ADVENTURE PROGRAM 2015 VANCOUVER A Institição Fndada em 1996, Sol Schools International torno-se ma empresa com base em algns princípios

Leia mais

CIMEIRA DE PARIS DE DEZEMBRO DE 1974: UM MARCO NA HISTÓRIA DAS COMUNIDADES

CIMEIRA DE PARIS DE DEZEMBRO DE 1974: UM MARCO NA HISTÓRIA DAS COMUNIDADES CIMEIRA DE PARIS DE DEZEMBRO DE 1974: UM MARCO NA HISTÓRIA DAS COMUNIDADES Nº 43 Sétima cimeira da Comunidade desde o Tratado de Roma, a Cimeira de Paris produziu algumas das mais importantes decisões

Leia mais

MÍDIAS. na Inglaterra. Seminário Internacional. efigieeducacional.com.br T: 19 4141.1515. Chegada BRA 10/09 11/09. Chegada UK 02/09 03/09.

MÍDIAS. na Inglaterra. Seminário Internacional. efigieeducacional.com.br T: 19 4141.1515. Chegada BRA 10/09 11/09. Chegada UK 02/09 03/09. Londres Inglaterra Seminário CINEMA RADIO VIDEOGAMES TV Saída BRA Chegada UK 02/09 03/09 Saída UK Chegada BRA 10/09 11/09 2016 efigieedcacional.com.br contato@efigieedcacional.com.br Público alvo Alnos

Leia mais

INTERNACIONALIZE SEU CURRÍCULO

INTERNACIONALIZE SEU CURRÍCULO Alemanha Seminário Internacional INTERNACIONALIZE SEU CURRÍCULO Saída BRA Chegada FRA 24/10 25/10 Saída ALE Chegada BRA 31/10 1º/11 efigieedcacional.com.br contato@efigieedcacional.com.br Público alvo

Leia mais

REGULAMENTO DA UNIDADE DE VIGILÂNCIA PEDIÁTRICA da SOCIEDADE PORTUGUESA DE PEDIATRIA PORTUGUESE PAEDIATRIC SURVEILLANCE UNIT (UVP-SPP / PPSU)

REGULAMENTO DA UNIDADE DE VIGILÂNCIA PEDIÁTRICA da SOCIEDADE PORTUGUESA DE PEDIATRIA PORTUGUESE PAEDIATRIC SURVEILLANCE UNIT (UVP-SPP / PPSU) REGULAMENTO DA UNIDADE DE VIGILÂNCIA PEDIÁTRICA da SOCIEDADE PORTUGUESA DE PEDIATRIA PORTUGUESE PAEDIATRIC SURVEILLANCE UNIT (UVP-SPP / PPSU) Para que a Pediatria portuguesa e as nossas crianças portadoras

Leia mais

Novos Vectores de Enquadramento do Transporte Rodoviário O Pacote Rodoviário

Novos Vectores de Enquadramento do Transporte Rodoviário O Pacote Rodoviário Novos Vectores de Enquadramento do Transporte Rodoviário O Pacote Rodoviário Ana Pereira de Miranda Vogal do Conselho Directivo Data arial 10p O Pacote Rodoviário Regulamento do PE e do Conselho que estabelece

Leia mais

Soluções Web Centradas no Utilizador. Ivo Gomes

Soluções Web Centradas no Utilizador. Ivo Gomes Soluções Web Centradas no Utilizador Ivo Gomes 1 Soluções Web Centradas no Utilizador Os interfaces gráficos foram desenvolvidos para dar controlo às pessoas sobre os seus computadores. Colmatar as necessidades

Leia mais

DICAS PRÁTICAS PARA O CONSUMO CONSCIENTE

DICAS PRÁTICAS PARA O CONSUMO CONSCIENTE DICAS PRÁTICAS PARA O CONSUMO CONSCIENTE VOTE COM O SEU DINHEIRO Investigue quais marcas e lojas buscam reduzir as emissões de carbono, tratam dignamente seus fornecedores e são socioambientalmente responsáveis.

Leia mais

Fondo Europeo de Desarrollo Regional

Fondo Europeo de Desarrollo Regional Anúncio da Autoridade de Gestão (Vice-secretaria da Economia e Assuntos Económicos com a União Europeia do Governo das Canárias), pelo qual se dá publicidade à primeira convocatória do Programa Operacional

Leia mais

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA 1. A) ENTIDADE PROMOTORA 1. Identificação Ano a que respeita a candidatura

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA 1. A) ENTIDADE PROMOTORA 1. Identificação Ano a que respeita a candidatura FORMULÁRIO DE CANDIDATURA 1 NORMAS DE APOIO ÀS INSTITUIÇÕES SEM FINS LUCRATIVOS DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL E DE SAÚDE DO CONCELHO DE FARO Exmº Sr. Presidente da Câmara Municipal de Faro Solicito que seja

Leia mais

3 Direito de revogação do utilizador final no que diz respeito a contratos de venda à distância - Política de cancelamento

3 Direito de revogação do utilizador final no que diz respeito a contratos de venda à distância - Política de cancelamento I. Termos e Condições Gerais de Venda da MAGIX Software GmbH Estado: junho 2014 1 Âmbito de aplicação 1. Todas as entregas, serviços e ofertas da MAGIX Software GmbH (de ora avante denominada MAGIX ) são

Leia mais

Guia de Apoio à utilização da Ferramenta Interactiva FREE

Guia de Apoio à utilização da Ferramenta Interactiva FREE Fostering Return to Employment through Entrepreneurship, Innovation and Creativity Guia de Apoio à utilização da Ferramenta Interactiva FREE 2009-1-PT1-LEO05-03245, FREE i Índice I. Introdução... 1 II.

Leia mais

COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO CONSELHO, AO PARLAMENTO EUROPEU, AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU E AO COMITÉ DAS REGIÕES

COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO CONSELHO, AO PARLAMENTO EUROPEU, AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU E AO COMITÉ DAS REGIÕES PT PT PT COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 6.1.2010 COM(2009)708 final COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO CONSELHO, AO PARLAMENTO EUROPEU, AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU E AO COMITÉ DAS REGIÕES sobre a aplicação

Leia mais

Agenda. Fluxos financeiros. Como preencher a declaração anual. Reciclagem de embalagens. Multipacks. Valores Ponto Verde 2013

Agenda. Fluxos financeiros. Como preencher a declaração anual. Reciclagem de embalagens. Multipacks. Valores Ponto Verde 2013 JORNADAS TÉCNICAS Lisboa, 13 Dezembro 2012 Agenda 2 Fluxos financeiros Como preencher a declaração anual Reciclagem de embalagens Multipacks Valores Ponto Verde 2013 Fluxos financeiros 3 Fluxos financeiros

Leia mais

Orientações sobre o tratamento de dados dos documentos de identificação dos titulares de cartão de pagamento por parte das firmas comerciais

Orientações sobre o tratamento de dados dos documentos de identificação dos titulares de cartão de pagamento por parte das firmas comerciais Orientações sobre o tratamento de dados dos documentos de identificação dos titulares de cartão de pagamento por parte das firmas comerciais Muitas firmas comerciais de Macau solicitam o fornecimento de

Leia mais

JUSTIÇA CRIMINAL. na Inglaterra. Seminário Internacional. efigieeducacional.com.br T: 19 4141.1515. contato@efigieeducacional.com.

JUSTIÇA CRIMINAL. na Inglaterra. Seminário Internacional. efigieeducacional.com.br T: 19 4141.1515. contato@efigieeducacional.com. Inglaterra Seminário Internacional Saída BRA Chegada UK 15/04 16/04 Saída UK Chegada BRA 23/04 24/04 2016 efigieedcacional.com.br contato@efigieedcacional.com.br Público alvo Psicólogos, sociólogos, cientistas

Leia mais

PROGRAMA DE EMPREENDEDORISMO 12ª Classe

PROGRAMA DE EMPREENDEDORISMO 12ª Classe república de angola ministério da educação PROGRAMA DE EMPREENDEDORISMO 12ª Classe 2º Ciclo do Ensino Secundário Geral Ensino Técnico-Profissional FASE DE EXPERIMENTAÇÃO Ficha Técnica Título Programa de

Leia mais

ÍNDICE. Anexos: I. Formulário de notificação II. Quadro metodológico com vista a facilitar uma estimativa e avaliação consistentes do risco

ÍNDICE. Anexos: I. Formulário de notificação II. Quadro metodológico com vista a facilitar uma estimativa e avaliação consistentes do risco ANEXO ORIENTAÇÕES GERAIS RELATIVAS À NOTIFICAÇÃO DE PRODUTOS DE CONSUMO PERIGOSOS ÀS AUTORIDADES COMPETENTES DOS ESTADOS-MEMBROS POR PARTE DOS PRODUTORES E DOS DISTRIBUIDORES, EM CONFORMIDADE COM O N.º

Leia mais

L 129/52 Jornal Oficial da União Europeia 28.5.2010

L 129/52 Jornal Oficial da União Europeia 28.5.2010 L 129/52 Jornal Oficial da União Europeia 28.5.2010 REGULAMENTO (UE) N. o 461/2010 DA COMISSÃO de 27 de Maio de 2010 relativo à aplicação do artigo 101. o, n. o 3, do Tratado sobre o Funcionamento da União

Leia mais

Portugal. 2. Quadro institucional e jurídico 2.1 Legislação

Portugal. 2. Quadro institucional e jurídico 2.1 Legislação Portugal 1. Informações gerais Em finais dos anos 90, algumas organizações não-governamentais começaram a detectar mudanças na prostituição de rua no norte de Portugal. Novos projectos tentaram identificar

Leia mais

Aluno nº: Ano: Turma: Data: 28 de maio de 2012

Aluno nº: Ano: Turma: Data: 28 de maio de 2012 E S C O L A S E C U N D Á R I A D. J O Ã O I I - S E T Ú B A L TESTE DE GEOGRAFIA A (2º ANO) Nº6/VERSÃO 02 Nome: Aluno nº: Ano: Turma: Data: 28 de maio de 2012 É obrigatório indicar a versão do teste na

Leia mais