REGULAMENTO DE TRANSIÇÃO CURRICULAR E PLANO DE CREDITAÇÕES. Curso de 1º Ciclo de Estudos em Educação Física e Desporto do ISMAI.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REGULAMENTO DE TRANSIÇÃO CURRICULAR E PLANO DE CREDITAÇÕES. Curso de 1º Ciclo de Estudos em Educação Física e Desporto do ISMAI."

Transcrição

1 REGULAMENTO DE TRANSIÇÃO CURRICULAR E PLANO DE CREDITAÇÕES Curso de 1º Ciclo de Estudos em Educação Física e do ISMAI Preâmbulo O Curso do 1º Ciclo de Estudos em Educação Física e do Instituto Superior da Maia, doravante designado por ISMAI, estrutura-se num Plano de Estudos de seis semestres curriculares num total de 180 ECTS e confere o grau de Licenciado, conforme consta no Aviso nº 2561/2011, publicado no Diário da República 2ª série, nº 16, de 2 de janeiro de O presente Regulamento de Transição Curricular e Plano de Creditações aplica-se à reformulação do Plano de Estudos do Curso, cujo propósito foi consolidar uma estrutura formativa com base na experiência e atividades que lhe estão associadas desde a sua implementação, acrescido das recomendações/condições emanadas da Agência de Avaliação e Acreditação do Ensino Superior (AES). A reformulação do Plano de Estudos do Curso respeita os objetivos do Ciclo de Estudos cumprindo o previsto nos Artigos nº 75 e nº 76 do Decreto-Lei nº 7/2006, de 2 de março, alterado pelo Decreto-Lei nº 107/2008 de 25 de junho 1. As normas de transição, entre a anterior e a nova organização curricular, decorrente da reformulação, são fixadas pelos órgãos competentes do ISMAI, Comissão Científico Pedagógica do Curso, Conselho Pedagógico e Conselho Científico, após consulta dos docentes do Curso e representantes dos alunos, cumprindo o previsto no Artigo nº 66 do Decreto-Lei nº 7/2006, de 2 de março, alterado pelo Decreto-Lei nº 107/2008, de 25 de junho 2. 1 Artigo 75.º Regime aplicável às alterações A alteração de planos de estudos e de outros elementos caracterizadores de um ciclo de estudos que não modifiquem os seus objectivos fica sujeita ao regime fixado pelo presente título. Artigo 76.º Regime aplicável às alterações A aprovação das alterações a que se refere o artigo anterior cabe aos órgãos legal e estatutariamente competentes dos estabelecimentos de ensino superior. 2 Artigo 66.º Transição curricular 1 As regras de transição entre a anterior organização de estudos e a nova organização decorrente do processo de adequação são fixadas pelos órgãos legal e estatutariamente competentes, após audição de docentes e alunos através dos órgãos científico e pedagógico do estabelecimento de ensino e ou da unidade orgânica, conforme for o caso. 2 As regras de transição devem assegurar: a) O respeito pelas legítimas expectativas dos alunos; b) Os necessários regimes de creditação na nova organização de estudos da formação obtida na anterior organização; c) Que da sua aplicação não resulte um aumento da carga lectiva prevista na anterior organização. A coexistência entre a nova organização de estudos e a anterior, se prevista nas regras de transição, não deve exceder um ano lectivo, podendo, excepcional e justificadamente, prolongar-se por mais um. 1

2 O processo de creditações, envolvendo os dois planos curriculares, considera o regime adotado na Declaração de Bolonha relativamente ao sistema de créditos académicos, que define sob a forma de um valor numérico atribuído a cada unidade curricular, o volume de trabalho a efetuar pelo aluno. Consideram-se creditações diretas quando há correspondência entre unidades curriculares que pertencem à mesma área científica e creditações indiretas as que são relativas à transição entre unidades curriculares que não pertencem à mesma área científica. Este processo de creditações assenta no princípio essencial da formação académica global do aluno, sem prejuízo da obtenção do seu grau de licenciado. Trata-se simplesmente de, face à obrigação da transição entre dois planos de estudos, optar por uma unidade curricular em detrimento de outra, sejam ou não da mesma área científica e considerando que ambas são importantes para as formações académica e profissional do aluno. Sustentado no respeito pelos objetivos do ciclo de estudos, o plano de creditações a conceder no âmbito da nova organização curricular teve igualmente em consideração, sempre que possível, a analogia de conteúdos programáticos entre as unidades curriculares. Artigo 1º Disposições gerais 1. A nova organização do Plano de Estudos do ISMAI e o Plano de Creditações iniciam-se no ano letivo 201/ O Plano de Transição Curricular aplica-se exclusivamente durante esse ano letivo.. Os planos mencionados regem-se pelas seguintes disposições: a. Relativamente aos alunos do 1º ano, inscrevem-se na nova organização do Plano de Estudos: i. Os alunos que vão frequentar, pela primeira vez, o 1º ano do Curso; e ii. Os alunos que permanecem no 1º ano, por não terem cumprido com sucesso as unidades curriculares suficientes para transitarem de ano, conforme o Regulamento de Avaliação em vigor no ISMAI, no ano letivo de 2012/201. b. Relativamente aos alunos do 2º ano, inscrevem-se na nova organização do Plano de Estudos: i. Os alunos que transitam do 1º ano para o 2º ano, de acordo com a aplicação do Regulamento de Avaliação em vigor no ISMAI no ano letivo de 2012/201; 2

3 ii. Os alunos do 2º ano que não cumpriram com sucesso as unidades curriculares necessárias para transitarem de ano, conforme determina o Regulamento referido no ponto anterior. c. Relativamente aos alunos do º ano, inscrevem-se na nova organização do Plano de Estudos: i. Os alunos que transitam do 2º ano para o º ano, de acordo com a aplicação do Regulamento de Avaliação em vigor no ISMAI no ano letivo de 2012/201; ii. Os alunos que frequentaram o º ano no ano letivo 2012/201 e que não concluíram a Licenciatura por não terem efetuado inscrição a uma ou mais unidades curriculares da antiga organização curricular, ou por não terem tido aprovação a todas as unidades curriculares, em iguais circunstâncias dos alunos previstos no ponto anterior; iii. Em alternativa, no caso do ponto anterior e apenas se o número de unidades curriculares em falta for igual ou inferior a quatro, o aluno pode requerer não transitar para o novo plano de estudos tendo apenas a possibilidade de realizar as unidades curriculares do anterior plano por exame final, nos termos do número seis do presente artigo. Esta norma aplica-se ainda, a outros alunos que para conclusão da licenciatura tenham um número de unidades curriculares em falta igual ou inferior a quatro.. Os alunos que ingressarem através dos contingentes de Reingresso, Mudança de Curso, Transferência, Concursos Especiais e Regimes Especiais serão colocados nos respetivos anos curriculares do novo plano de estudos em função das normas definidas neste Regulamento, após as creditações que lhes forem concedidas e/ou o definido pela Comissão - Pedagógica do Curso, mediante proposta da Coordenação do Curso e pronuncia do Diretor do Departamento de Ciências de Educação Física e, aplicando-se-lhes as regras do número anterior, com exceção da alínea c, iii. 5. Os alunos aprovados em unidades curriculares da antiga organização curricular têm a possibilidade de efetuar inscrição para melhoria de classificação a todas as unidades curriculares, sem prejuízo do definido no ponto 5.2 do Artigo º do Regulamento de Avaliação do ISMAI. 6. Para os efeitos do n.º, c, iii., do presente artigo, os alunos em causa dispõem da Avaliação Final épocas normal, recurso e especial do ano letivo 201/201 para conclusão das unidades curriculares em falta na antiga organização curricular a que estiveram inscritos. 7. Até ao máximo de 75 ECTS por ano curricular, os alunos têm a possibilidade de efetuar inscrição em uma ou mais unidades curriculares da nova organização curricular já creditada(s),

4 prescindindo da creditação, sendo a(s) unidade(s) curricular(s) em causa, da antiga organização curricular, registada(s), a pedido do aluno, no Suplemento ao Diploma. Artigo 2º Plano de Estudos 1. s científicas e créditos que devem ser reunidos para a obtenção do grau de licenciado. Sigla Ciências da Educação Física e do 150 Ciências da Educação CE 1 Ciências Médicas CMd 12 Ciências Sociais CS 2. Apresentação do Plano de Estudos do Curso do 1º Ciclo em Educação Física e do ISMAI. 1º Ano 1º Semestre Total Contacto Atletismo I Semestral 75 PL:28 Ginástica I Semestral 75 PL:28 Futebol Semestral 75 PL:28 s de Combate Semestral 75 PL:28 Anatomofisiologia I CMd Semestral 100 T:2 Introdução à Educação Física e Semestral 100 T:2 Desenvolvimento e Aprendizagem Motora Semestral 150 TP:60 6 Princípios da Investigação CE Semestral 100 T:2 Total

5 1º Ano 2º Semestre Total Contacto Atletismo II Semestral 75 PL:28 Ginástica II Semestral 75 PL:28 Futsal Semestral 75 PL:28 Jogos de Raquete Semestral 75 PL:28 Anatomofisiologia II CMd Semestral 100 T:2 História da Educação Física e Semestral 100 T:2 Psicologia da Atividade Física e do Semestral 100 T:2 Métodos de Investigação CE Semestral 150 TP:60 6 Total º Ano 1º Semestre Total Contacto Andebol Semestral 75 PL:28 Natação I Semestral 75 PL:28 Atividades de Ginásio Semestral 100 PL:2 Fisiologia do Exercício I Semestral 100 T:2 Correntes Educativas Contemporâneas CE Semestral 100 T:2 Sociologia da Atividade Física e do Semestral 100 T:2 Biomecânica do Semestral 125 TP:8 5 Metodologia da Recreação Física Semestral 75 T:28 Total

6 2º Ano 2º Semestre Total Contacto Natação II Semestral 75 PL:28 Rugby Semestral 75 PL:28 Atividades Rítmicas Semestral 100 PL:2 Fisiologia do Exercício II Semestral 100 T:2 Ética e Deontologia CS Semestral 100 T:2 Pedagogia da Atividade Física e do Semestral 100 T:2 Bases do Treino Desportivo Semestral 100 T:2 Bases da Atividade Física Adaptada Semestral 100 T:2 Total º Ano 1º Semestre Total Contacto Voleibol Semestral 75 PL:28 Basquetebol Semestral 75 PL:28 Atividades Aquáticas Semestral 100 PL:2 Musculação Semestral 100 PL:2 Metodologia do Ensino da Educação Física Semestral 100 TP:2 Metodologia do Treino Desportivo Semestral 100 TP:2 Metodologia do Exercício Físico e Saúde Semestral 100 TP:2 Metodologia da Atividade Física Adaptada Semestral 100 TP:2 Total

7 º Ano 2º Semestre Total Contacto Atividades de Ar Livre e Exploração da Natureza Semestral 125 TP:8 5 Nutrição e Exercício Físico Semestral 100 T:2 Traumatologia e Primeiros Socorros CMd Semestral 100 T:2 Introdução à Gestão do Semestral 100 T:2 Opção 1 Ensino da Educação Física Metodologia Avançada do Ensino da Educação Física Semestral 100 T:2 Atividades Supervisionadas em Ensino da Educação Física Semestral 225 TP:80 9 Opção 2 Treino Desportivo Metodologia Avançada do Treino Desportivo Semestral 100 T:2 Atividades Supervisionadas em Treino Desportivo Semestral 225 TP:80 9 Opção Exercício Físico e Saúde Metodologia Avançada do Exercício Físico e Saúde Semestral 100 T:2 Atividades Supervisionadas em Exercício Físico e Saúde Semestral 225 TP:80 9 Opção Atividade Física Adaptada Metodologia Avançada da Atividade Física Adaptada Semestral 100 T:2 Atividades Supervisionadas em Atividade Física Adaptada Semestral 225 TP:80 9 Total Legenda - T: Aulas Teóricas; TP: Aulas Teórico-Práticas; PL: Aulas Práticas e Laboratoriais Artigo º Plano de Creditações a conceder no âmbito da nova organização curricular O processo de creditações envolvendo os dois planos curriculares emerge do fundamento basilar de que o Plano de Estudos reformulado concorre para a consolidação da formação individual, e em concomitância, para a consecução dos objetivos do ciclo de estudos definidos. 7

8 As creditações omissas neste Plano ficam sujeitas à análise e decisão da Comissão -Pedagógica do Curso, mediante proposta da Coordenação do Curso e pronúncia do Diretor do Departamento de Ciências de Educação Física e. Antiga Organização do Plano de Estudos Nova Organização do Plano de Estudos AC Ano S. ECTS AC Ano S. ECTS Introdução à Educação Física e Introdução à Educação Física e 1 1 Anatomofisiologia I CMd 1 1 Anatomofisiologia I CMd 1 1 Antropologia CS 1 1 s de Combate 1 1 Psicologia da Educação e do Desenvolvimento CE Atletismo II 1 2 Correntes Pedagógicas Correntes Educativas CE 1 1 Contemporâneas Contemporâneas CE 2 1 Aprendizagem Motora Desenvolvimento e Aprendizagem Motora História da Educação Física e História da Educação Física e 1 2 Anatomofisiologia II CMd 1 2 Anatomofisiologia II CMd 1 2 Sociologia da Educação CE 1 2 Ginástica II 1 2 Ética e Deontologia CS 1 2 Ética e Deontologia CS 2 2 Pedagogia do Pedagogia da Atividade Física e do 2 2 Princípios e Práticas das Atividades Físicas I Ténis Jogos de Raquete 1 2 Natação Natação I 2 1 Futebol Futebol 1 1 Andebol Andebol 2 1 Teoria do Desenvolvimento Desportivo Introdução à Gestão do 2 Fisiologia do Movimento CMd 2 1 Fisiologia do Exercício I 2 1 Psicologia da Atividade Física Psicologia da Atividade Física e do 1 2 Sociologia do Lazer CS 2 1 Sociologia da Atividade Física e do 2 1 Estatística Aplicada CMt 2 1 Métodos de Investigação Princípios e Práticas das Atividades Físicas II Atletismo Atletismo I 1 1 Ginástica Ginástica I 1 1 Atividades Aquáticas Atividades Aquáticas 1 Basquetebol Basquetebol 1 Fisiologia do Esforço CMd 2 2 Fisiologia do Exercício II 2 2 Biomecânica CBf 2 2 Biomecânica do Princípios da Investigação CS 2 2 Princípios da Investigação CE 1 1 Bases da Educação Física Adaptada Bases da Atividade Física Adaptada 2 2 Bases do Treino Desportivo Bases do Treino Desportivo 2 2 Princípios e Práticas das Atividades Físicas III A. Rítmicas de Grupo Atividades de Ginásio 2 1 Voleibol Voleibol 1 Futsal Futsal 1 2 8

9 Rugby Rugby 2 2 Condição Física, Saúde e Primeiros CMd 1 Traumatologia e Primeiros Socorros CMd 2 Socorros Estudos Comparados em Educação 1 6 Nutrição e Exercício Físico 2 Física e Metodologia da Educação Física 1 5 Adaptada I Metodologia da Atividade Física 1 Metodologia da Educação Física Adaptada* 2 5 Adaptada II Metodologia do Treino Desportivo I 1 5 Metodologia do Treino Desportivo 1 Metodologia da Recreação Física I Metodologia das Atividades Rítmicas I Planeamento e Avaliação em Educação Física Avaliação e Prescrição do Exercício Físico Metodologia das Atividades Rítmicas II Metodologia do Treino Desportivo II 1 5 Metodologia da Recreação Física Atividades Rítmicas Metodologia do Ensino da Educação Física Metodologia do Exercício Físico e Saúde Natação II Musculação 1 Metodologia da Recreação Física II 2 5 Atividades de Ar Livre e Exploração da Natureza Metodologias Avançadas Opções (1; 2; ; ) Atividades Supervisionadas Opções (1; 2; ; ) TOTAL 180 TOTAL 180 * A creditação corresponde à melhor classificação obtida entre as duas unidades curriculares da antiga organização. Artigo º Creditações e contabilização de ECTS 1. A creditação da totalidade das unidades curriculares referentes ao plano de estudos da antiga organização curricular é assegurada na nova estrutura curricular. 2. Se, de acordo com o plano de creditações a conceder no âmbito da nova organização curricular resultar perda de créditos, é permitida excecionalmente, a inscrição no ano letivo seguinte até um total de 75 ECTS, mais a diferença verificada na perda de créditos, permitindo este procedimento o cumprimento da licenciatura na sua duração normal. 9

10 Artigo 5º Plano de Transição Curricular ALUNOS QUE SE INSCREVEM NO 1º ANO ALUNOS QUE SE INSCREVEM NO 2º ANO ALUNOS QUE SE INSCREVEM NO º ANO UNIDADES CURRICULARES ECTS UNIDADES CURRICULARES ECTS UNIDADES CURRICULARES ECTS 1º Semestre Atletismo I Ginástica I Futebol s de Combate Anatomofisiologia I Fisiologia do Exercício I Biomecânica do Futsal (1º ano) Princípios da Investigação (1º ano) Atividades de Ginásio Metodologia do Ensino em Educação Física 5 Metodologia do Treino Desportivo Metodologia da Atividade Física Adaptada Metodologia do Exercício Físico e Saúde Musculação Introdução à Educação Física e Desenvolvimento e Aprendizagem Motora Princípios da Investigação Sociologia da Atividade Física e 6 Psicologia da Atividade Física e (1º ano) Rugby Natação II (2º ano) Metodologia da Recreação Física (2º ano) Atletismo II Ginástica II Fisiologia do Exercício II Bases do Treino Desportivo Traumatologia e Primeiros Socorros Atividades Rítmicas (2º ano) Futsal Atividades Rítmicas Nutrição e Exercício Físico 2º Semestre Jogos de Raquete Anatomofisiologia II História da Educação Física e Psicologia da Atividade Física e do Métodos de Investigação Início - 1º Ano - 201/201 Metodologia da Recreação Física Métodos de Investigação (1º ano) Atletismo I (1º ano) 6 60 Ginástica I (1º ano) Natação II Bases da Atividade Física Adaptada Atividades de Ar Livre e Exploração da Natureza 6 Metodologia Avançada (1; 2; ; ) Atividades Supervisionadas (1; 2; ; ) 5 9 Total 1º Ano /201 (Creditados) 1º Ano /2012 (Creditados) 55 Transição - 2º Ano - 201/201 (Creditados) 55 2º Ano /201 (Creditados) 65 º Ano - 201/ Transição - º Ano - 201/201 (Creditados)

11 Artigo 6.º Unidades curriculares ou modalidades desportivas que não se encontrarão em funcionamento 1. No caso das unidades curriculares ou modalidades desportivas que pela creditação obtida entre o antigo e o novo plano de estudos, não se encontrarão em funcionamento durante o plano de transição curricular, os alunos que já tenham efetuado uma inscrição a essas unidades curriculares ou modalidades desportivas podem propor-se a exame das mesmas (épocas normal e de recurso), às quais depois de aprovados terão a creditação respetiva na nova organização curricular; 2. Os alunos que nunca tenham efetuado inscrição a essas unidades curriculares ou modalidades desportivas terão que o fazer quando as mesmas, correspondentes na nova organização curricular, estiverem em funcionamento. Artigo 7.º Casos Omissos Os casos omissos no presente Regulamento de Transição Curricular serão analisados e resolvidos pela Comissão -Pedagógica do Curso, mediante proposta da Coordenação do Curso e pronúncia do Diretor do Departamento de Ciências de Educação Física e, de acordo com a legislação aplicável. Artigo 8.º Entrada em vigor O presente Regulamento de Transição e Plano de Creditações entram em vigor depois de aprovados em Conselho Científico e Conselho Pedagógico, homologados pelo Presidente do ISMAI. 11

MESTRADO INTEGRADO EM ARQUITETURA NORMAS REGULAMENTARES ARTIGO 1.º. Grau

MESTRADO INTEGRADO EM ARQUITETURA NORMAS REGULAMENTARES ARTIGO 1.º. Grau MESTRADO INTEGRADO EM ARQUITETURA NORMAS REGULAMENTARES ARTIGO 1.º Grau 1. A ESAP confere o grau de Mestre em Arquitetura, através de Mestrado Integrado, na especialidade de Arquitetura e comprova um nível

Leia mais

REGULAMENTO DE FREQUÊNCIA E AVALIAÇÃO DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO

REGULAMENTO DE FREQUÊNCIA E AVALIAÇÃO DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO Campus Académico de Vila Nova de Gaia Escola Superior de Educação Jean Piaget/Arcozelo REGULAMENTO DE FREQUÊNCIA E AVALIAÇÃO DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO ANO LETIVO DE 2011-2012 WWWW.IPIAGET.ORG

Leia mais

Universidade Portucalense Departamento de Direito

Universidade Portucalense Departamento de Direito Universidade Portucalense Departamento de Direito Normas Regulamentares do 1º Ciclo do Curso de Direito DD, Departamento de Direito Aprovado em Conselho Científico de 2006-07-26 Com as alterações aprovadas

Leia mais

Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Viseu. Instituto Politécnico de Viseu REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM FINANÇAS EMPRESARIAIS

Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Viseu. Instituto Politécnico de Viseu REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM FINANÇAS EMPRESARIAIS Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Viseu Instituto Politécnico de Viseu REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM FINANÇAS EMPRESARIAIS Nos termos do artigo 26.º do Decreto-Lei n.º 74/2006 de 24 de Março,

Leia mais

DESPACHO/SP/42/2014. Artigo 17.º. Enquadramento jurídico

DESPACHO/SP/42/2014. Artigo 17.º. Enquadramento jurídico DESPACHO/SP/42/2014 Aprovo a seguinte alteração ao Regulamento do Mestrado em Fisioterapia na área de especialização de movimento humano, ministrado na Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Coimbra

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Psicologia e Educação

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Psicologia e Educação UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Psicologia e Educação REGULAMENTO DO MESTRADO EM SUPERVISÃO PEDAGÓGICA (2º CICLO) Artigo 1.º Criação A Universidade da Beira Interior, através do Departamento

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE ARTES E DESIGN REGULAMENTO DE ESTUDOS DA LICENCIATURA

ESCOLA SUPERIOR DE ARTES E DESIGN REGULAMENTO DE ESTUDOS DA LICENCIATURA ESCOLA SUPERIOR DE ARTES E DESIGN REGULAMENTO DE ESTUDOS DA LICENCIATURA Preâmbulo O processo de Bolonha implementado em 2006/2007 na ESAD, a reforma feita posteriormente aos cursos de Artes e de Design,

Leia mais

REGULAMENTO DO PRIMEIRO CICLO DE ESTUDOS EM COMUNICAÇÃO SOCIAL

REGULAMENTO DO PRIMEIRO CICLO DE ESTUDOS EM COMUNICAÇÃO SOCIAL REGULAMENTO DO PRIMEIRO CICLO DE ESTUDOS EM COMUNICAÇÃO SOCIAL REGULAMENTO DO PRIMEIRO CICLO DE ESTUDOS EM COMUNICAÇÃO SOCIAL O presente regulamento foi homologado pelo Presidente da ESEV, a 18 de maio

Leia mais

Artigo 1.º Criação. Artigo 2.º Âmbito de aplicação. Artigo 3.º Objetivos do curso. Artigo 4º Regras sobre a admissão no ciclo de estudos

Artigo 1.º Criação. Artigo 2.º Âmbito de aplicação. Artigo 3.º Objetivos do curso. Artigo 4º Regras sobre a admissão no ciclo de estudos UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Ciências do Desporto REGULAMENTO DO MESTRADO EM CIÊNCIAS DO DESPORTO (2º CICLO) Artigo 1.º Criação A Universidade da Beira Interior, através do Departamento

Leia mais

Regulamento de Transição Curricular e Plano de Creditações para o Ano Letivo 2015/2016

Regulamento de Transição Curricular e Plano de Creditações para o Ano Letivo 2015/2016 Regulamento de Transição Curricular e Plano de Creditações para o Ano Letivo 201/201 Os cursos de 1º ciclo da ESCS, estruturam- se num Plano de Estudos de seis semestres curriculares num total de 180 ECTS

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Ciências do Desporto

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Ciências do Desporto UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Ciências do Desporto REGULAMENTO DO MESTRADO EM ENSINO DE EDUCAÇÃO FÍSICA NOS ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO (2º CICLO) Artigo 1.º Criação A Universidade da

Leia mais

Regulamento do curso de mestrado em Ciências da Educação Inovação Pedagógica da Universidade da Madeira

Regulamento do curso de mestrado em Ciências da Educação Inovação Pedagógica da Universidade da Madeira 1 Regulamento do curso de mestrado em Ciências da Educação Inovação Pedagógica da Universidade da Madeira Artigo 1.º Enquadramento jurídico O presente articulado baseia-se no regime jurídico instituído

Leia mais

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E DO COMPORTAMENTO

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E DO COMPORTAMENTO REGULAMENTO ESPECÍFICO DO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE EM ATIVIDADE FÍSICA E SAÚDE 1 Artigo 1º Âmbito de aplicação O presente Regulamento aplica-se ao ciclo de estudo conducente ao grau

Leia mais

Programas de Pós-Graduação em Filosofia Mestrado, Doutoramento e Pós-Doutoramento

Programas de Pós-Graduação em Filosofia Mestrado, Doutoramento e Pós-Doutoramento Programas de Pós-Graduação em Filosofia Mestrado, Doutoramento e Pós-Doutoramento A experiência de duas décadas de funcionamento de programas de pós-graduação em Filosofia revelou a necessidade de conceber

Leia mais

47586 Diário da República, 2.ª série N.º 232 5 de Dezembro de 2011

47586 Diário da República, 2.ª série N.º 232 5 de Dezembro de 2011 47586 Diário da República, 2.ª série N.º 232 5 de Dezembro de 2011 2) Cartas de curso identificação do Reitor da Universidade Nova de Lisboa, identificação do titular do grau, n.º do documento de identificação

Leia mais

Matriz 2008... 02. Matriz 2010... 05. Matriz 2013... 08

Matriz 2008... 02. Matriz 2010... 05. Matriz 2013... 08 Página 1 Matriz Curricular Sumário Matriz 2008... 02 Matriz 2010... 05 Matriz 2013... 08 Página 2 MATRIZ CURRICULAR 2008 1º Período 2º Período 3 º Período 4º Período Anatomia do Aparelho Locomotor 72 Biologia

Leia mais

Regulamento do curso de Mestrado em Engenharia Industrial

Regulamento do curso de Mestrado em Engenharia Industrial Regulamento do curso de Mestrado em Engenharia Industrial REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM ENGENHARIA INDUSTRIAL Artigo 1º (Natureza e âmbito de aplicação) 1. O presente Regulamento dá cumprimento ao

Leia mais

REGULAMENTO DOS REGIMES DE MUDANÇA DE CURSO, TRANSFERÊNCIA E REINGRESSO NO ENSINO SUPERIOR

REGULAMENTO DOS REGIMES DE MUDANÇA DE CURSO, TRANSFERÊNCIA E REINGRESSO NO ENSINO SUPERIOR Campus Académico de Santo André Escola Superior de Tecnologia e Gestão Jean Piaget do Litoral Alentejano REGULAMENTO DOS REGIMES DE MUDANÇA DE CURSO, TRANSFERÊNCIA E REINGRESSO ANO LETIVO DE 2013-2014

Leia mais

Normas regulamentares. Artigo 1º. Objecto

Normas regulamentares. Artigo 1º. Objecto UNIVERSIDADE ABERTA Nos termos da deliberação nº 13/07 do Senado Universitário, aprovada em sessão de 31 de Maio, de 2007, e ao abrigo do disposto no artigo 43º do Decreto-Lei nº 42/2005, de 22 de Fevereiro,

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM ENFERMAGEM

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM ENFERMAGEM 01 APROVADO POR: CONSELHO TÉCNICO-CIENTÍFICO 16 03 2012 Data: 16/03/2012 REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM ENFERMAGEM REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM ENFERMAGEM Artigo 1º (Natureza e âmbito de aplicação)

Leia mais

Regulamento do Curso de Pós-Graduação em Higiene Oral para Pessoas com Necessidades Especiais

Regulamento do Curso de Pós-Graduação em Higiene Oral para Pessoas com Necessidades Especiais Regulamento do Curso de Pós-Graduação em Higiene Oral para Pessoas com Necessidades Especiais Artigo 1.º Âmbito de aplicação O presente regulamento aplica-se ao Curso de Pós-Graduação em Higiene Oral para

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM DESPORTO DA ESCOLA SUPERIOR DE DESPORTO DE RIO MAIOR DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM DESPORTO DA ESCOLA SUPERIOR DE DESPORTO DE RIO MAIOR DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM DESPORTO DA ESCOLA SUPERIOR DE DESPORTO DE RIO MAIOR DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM Artigo 1.º Natureza e âmbito de aplicação 1. O curso pretende atingir os objectivos

Leia mais

Regulamento Geral de Avaliação da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa

Regulamento Geral de Avaliação da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa Regulamento Geral de Avaliação da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa PREÂMBULO O actual Regulamento Geral de Avaliação (RGA) foi formulado, no essencial, em 2009 e reformulado em 2010. Teve

Leia mais

Processo de Bolonha. Regime de transição na FCTUC

Processo de Bolonha. Regime de transição na FCTUC Processo de Bolonha Regime de transição na FCTUC Aprovado na Comissão Coordenadora do Conselho Pedagógico a 20 de Setembro de 2006, na Comissão Coordenadora do Conselho Científico a 22 de Setembro de 2006,

Leia mais

Ciclo de Estudos Conducente ao Grau de Mestre em Tecnologia e Segurança Alimentar. Normas regulamentares

Ciclo de Estudos Conducente ao Grau de Mestre em Tecnologia e Segurança Alimentar. Normas regulamentares Ciclo de Estudos Conducente ao Grau de Mestre em Tecnologia e Segurança Alimentar Normas regulamentares Preâmbulo O regulamento do Ciclo de Estudos Conducente ao Grau de Mestre em Tecnologia e Segurança

Leia mais

Critérios de Avaliação Educação Física

Critérios de Avaliação Educação Física M. E. - GEPE Critérios de Avaliação Educação Física Grupo Disciplinar de Educação Física 2015/2016 1. Introdução Na procura da qualidade, torna-se evidente o papel essencial desempenhado pelas estruturas

Leia mais

REGULAMENTO ESPECÍFICO DO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE EM NEUROPSICOLOGIA CLÍNICA 1

REGULAMENTO ESPECÍFICO DO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE EM NEUROPSICOLOGIA CLÍNICA 1 REGULAMENTO ESPECÍFICO DO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE EM NEUROPSICOLOGIA CLÍNICA 1 Artigo 1º Âmbito de aplicação O presente Regulamento aplica-se ao ciclo de estudo conducente ao grau

Leia mais

LICENCIATURA EM DESIGN E COMUNICAÇÃO MULTIMÉDIA

LICENCIATURA EM DESIGN E COMUNICAÇÃO MULTIMÉDIA LICENCIATURA EM DESIGN E COMUNICAÇÃO MULTIMÉDIA NORMAS REGULAMENTARES Curso do 1º ciclo de estudos do ensino superior, de cariz universitário, conferente do grau de licenciado, adequado ao Processo de

Leia mais

Normas Regulamentares do Mestrado em Ciências da Educação: área de especialização em Educação Especial

Normas Regulamentares do Mestrado em Ciências da Educação: área de especialização em Educação Especial Normas Regulamentares do Mestrado em Ciências da Educação: área de especialização em Educação Especial Artigo 1.º Da admissão ao ciclo de estudos 1. À matrícula no mestrado em Ciências da Educação: área

Leia mais

Regulamento do 3º Ciclo de Estudos em Fisioterapia da Faculdade de Desporto da Universidade do Porto

Regulamento do 3º Ciclo de Estudos em Fisioterapia da Faculdade de Desporto da Universidade do Porto Regulamento do 3º Ciclo de Estudos em Fisioterapia da Faculdade de Desporto da Universidade do Porto Artigo 1º Criação e objectivos 1. A Universidade do Porto, através da sua Faculdade de Desporto (FADEUP)

Leia mais

REGULAMENTO DA FORMAÇÃO NÃO GRADUADA SECÇÃO I COORDENADOR DE CURSO. Artigo 1.º Coordenador de Curso

REGULAMENTO DA FORMAÇÃO NÃO GRADUADA SECÇÃO I COORDENADOR DE CURSO. Artigo 1.º Coordenador de Curso REGULAMENTO DA FORMAÇÃO NÃO GRADUADA SECÇÃO I COORDENADOR DE CURSO Artigo 1.º Coordenador de Curso 1. A coordenação pedagógica e científica de um curso de formação não graduada cabe, em regra, a um docente

Leia mais

REGULAMENTO DE FREQUÊNCIA E AVALIAÇÃO DO MESTRADO EM EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR E ENSINO DO 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO

REGULAMENTO DE FREQUÊNCIA E AVALIAÇÃO DO MESTRADO EM EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR E ENSINO DO 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO Escola Superior de Educação Jean Piaget / Almada REGULAMENTO DE FREQUÊNCIA E AVALIAÇÃO DO MESTRADO EM EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR E ENSINO DO 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO BIÉNIO 2012-2014 Índice ÂMBITO, ESTRUTURA

Leia mais

Normas Regulamentares dos Mestrados Versão: 03 Data: 13/03/2013

Normas Regulamentares dos Mestrados Versão: 03 Data: 13/03/2013 Normas Regulamentares dos Mestrados Versão: 03 Data: 13/03/2013 RG PR12 04 Elaborado: Verificado: Aprovado: Conselho Técnico Científico do IPB GPGQ Conselho Técnico Científico do IPB Pág. 1 de 16 Instituto

Leia mais

REGULAMENTO FINANCEIRO 2015/2016. Cursos de Especialização Tecnológica Cursos de 1º e 2º Ciclo

REGULAMENTO FINANCEIRO 2015/2016. Cursos de Especialização Tecnológica Cursos de 1º e 2º Ciclo REGULAMENTO FINANCEIRO 2015/2016 Cursos de Especialização Tecnológica Cursos de 1º e 2º Ciclo CANDIDATURAS 1. O pagamento da taxa de candidatura (quando aplicável) só se efetua uma única vez, desde que

Leia mais

formativa e das atividades de ensino e de aprendizagem nela desenvolvidas;

formativa e das atividades de ensino e de aprendizagem nela desenvolvidas; Índice 1- ENQUADRAMENTO... 2 2- METODOLOGIA... 3 3- INSTRUMENTOS... 4 3.1. Ficha da unidade curricular... 4 3.2. Inquéritos de apreciação ensino/aprendizagem... 4 3.3. Formulários... 4 3.4. Dossiers...

Leia mais

MESTRADOS. Artigo 1.º Criação A Escola Superior de Comunicação Social confere o grau de Mestre em Jornalismo.

MESTRADOS. Artigo 1.º Criação A Escola Superior de Comunicação Social confere o grau de Mestre em Jornalismo. MESTRADOS REGIME DE FREQUÊNCIA E AVALIAÇÃO JORNALISMO Artigo 1.º Criação A Escola Superior de Comunicação Social confere o grau de Mestre em Jornalismo. Artigo 2.º Destinatários O Mestrado em Jornalismo

Leia mais

REGULAMENTO DOS REGIMES DE MUDANÇA DE CURSO, TRANSFERÊNCIA E REINGRESSO

REGULAMENTO DOS REGIMES DE MUDANÇA DE CURSO, TRANSFERÊNCIA E REINGRESSO Regulamento dos Regimes de Mudança de Curso, Transferência e Reingresso Página 1 de 10 REGULAMENTO DOS REGIMES DE MUDANÇA DE CURSO, TRANSFERÊNCIA E REINGRESSO Preâmbulo A Portaria n.º 401/2007, de 5 de

Leia mais

REGULAMENTO SOBRE INSCRIÇÕES, AVALIAÇÃO E PASSAGEM DE ANO (RIAPA)

REGULAMENTO SOBRE INSCRIÇÕES, AVALIAÇÃO E PASSAGEM DE ANO (RIAPA) REGULAMENTO SOBRE INSCRIÇÕES, AVALIAÇÃO E PASSAGEM DE ANO (RIAPA) CAPÍTULO I REGIME DE FUNCIONAMENTO Artigo 1º - Âmbito O disposto no presente Regulamento aplica-se apenas aos cursos de graduação da Universidade

Leia mais

Mestrado em Arte e Ciência do Vidro versão 19 10 2007. Normas regulamentares

Mestrado em Arte e Ciência do Vidro versão 19 10 2007. Normas regulamentares Mestrado em Arte e Ciência do Vidro versão 19 10 2007 Normas regulamentares Artigo 1.º - Criação A Universidade Nova de Lisboa, através da Faculdade de Ciências e Tecnologia, confere o grau de mestre em

Leia mais

I - CRITÉRIOS E INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO

I - CRITÉRIOS E INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO I - CRITÉRIOS E INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO Componentes a Avaliar 1. Domínio Psicomotor 2. Domínio Cognitivo 3. Domínio Sócio-Afetivo 1- REGIME GERAL DE FREQUÊNCIA Alíneas % % % Execução e aplicação dos

Leia mais

JORNAL OFICIAL. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Segunda-feira, 21 de julho de 2014. Série. Número 132

JORNAL OFICIAL. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Segunda-feira, 21 de julho de 2014. Série. Número 132 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA JORNAL OFICIAL Segunda-feira, 21 de julho de 2014 Série Sumário SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E RECURSOS HUMANOS Despacho n.º 196/2014 Aprova o Calendário Escolar dos estabelecimentos

Leia mais

LICENCIATURA EM ECOLOGIA E PAISAGISMO. Normas Regulamentares

LICENCIATURA EM ECOLOGIA E PAISAGISMO. Normas Regulamentares LICENCIATURA EM ECOLOGIA E PAISAGISMO Normas Regulamentares As presentes normas visam dar cumprimento ao artigo 14º do Decreto-Lei nº 74/2006, de 24 de Março. Diversa informação relativa a matérias aqui

Leia mais

2.º SUPLEMENTO II SÉRIE ÍNDICE. Ministério da Educação e Ciência PARTE C. Quinta-feira, 12 de abril de 2012 Número 73

2.º SUPLEMENTO II SÉRIE ÍNDICE. Ministério da Educação e Ciência PARTE C. Quinta-feira, 12 de abril de 2012 Número 73 II SÉRIE Quinta-feira, 12 de abril de 2012 Número 73 ÍNDICE 2.º SUPLEMENTO PARTE C Ministério da Educação e Ciência Gabinetes do Secretário de Estado do Ensino e da Administração Escolar e da Secretária

Leia mais

DESPACHO RT.52/2011. Reitoria da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro, 1 de Setembro de 2011. O Reitor, Carlos Alberto Sequeira

DESPACHO RT.52/2011. Reitoria da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro, 1 de Setembro de 2011. O Reitor, Carlos Alberto Sequeira DESPACHO RT.52/2011 Por deliberação do Conselho de Gestão, em reunião de 1 de Setembro de 2011, foi aprovada a Tabela de Emolumentos a praticar nos Serviços Académicos da Universidade de Trás-os-Montes

Leia mais

Regulamento dos cursos de segundo ciclo integrado na FCTUC

Regulamento dos cursos de segundo ciclo integrado na FCTUC Regulamento dos cursos de segundo ciclo integrado na FCTUC Autorizado na reunião da Comissão Coordenadora do Conselho Científico de 2006-10-09, na reunião do Conselho Directivo de 2006-10-13 e na reunião

Leia mais

Faculdade de São Paulo. Regimento do ISE

Faculdade de São Paulo. Regimento do ISE Faculdade de São Paulo Regimento do ISE 2 INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO (ISE) Art. 1. O Instituto Superior de Educação ISE é o órgão responsável pela supervisão dos cursos de licenciatura, zelando pela

Leia mais

DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 232/2014

DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 232/2014 DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 232/2014 Altera a Deliberação CONSEP Nº 174/2012, que altera o Currículo do Curso de Educação Física (Licenciatura), para regime seriado semestral. O CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA,

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS DE MESTRADO. (2º Ciclo de Estudos)

REGULAMENTO DOS CURSOS DE MESTRADO. (2º Ciclo de Estudos) REGULAMENTO DOS CURSOS DE MESTRADO (2º Ciclo de Estudos) - não se aplica aos perfis da formação de professores - 1/8 O grau de mestre é conferido aos que demonstrem: a) possuir conhecimentos e capacidade

Leia mais

REGULAMENTO DO DOUTORAMENTO EM MEDICINA DENTÁRIA

REGULAMENTO DO DOUTORAMENTO EM MEDICINA DENTÁRIA REGULAMENTO DO DOUTORAMENTO EM MEDICINA DENTÁRIA a) Regras sobre a admissão no ciclo de estudos 1. Habilitações de acesso São admitidos como candidatos à inscrição: a) os titulares de grau de mestre ou

Leia mais

Regulamento Geral dos Cursos de 1.º Ciclo de Estudos, conducentes ao grau de

Regulamento Geral dos Cursos de 1.º Ciclo de Estudos, conducentes ao grau de 3 APROVADO POR: Conselho Técnico Científico 26 09 2011 Data: / / 26 09 2011 Regulamento Geral dos Cursos de 1.º Ciclo de Estudos, conducentes ao grau de licenciado na ESEP INTRODUÇÃO Os Decretos Lei n.º

Leia mais

PROPOSTA DE REGULAMENTO DE MESTRADO DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA

PROPOSTA DE REGULAMENTO DE MESTRADO DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA PROPOSTA DE REGULAMENTO DE MESTRADO DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA De acordo com o art. 14 da Lei de Bases do Sistema Educativo e ao abrigo do Capítulo III do Decreto-Lei 74/2006, e para aprovação pelo Conselho

Leia mais

Critérios de Avaliação Educação. Grupo Disciplinar de Educação Física 2014/2015

Critérios de Avaliação Educação. Grupo Disciplinar de Educação Física 2014/2015 Critérios de Avaliação Educação Física Cursos Regulares Grupo Disciplinar de Educação Física 2014/2015 1. Introdução Na procura da qualidade, torna-se evidente o papel essencial desempenhado pelas estruturas

Leia mais

Instituto Superior de Contabilidade e Administração de Coimbra

Instituto Superior de Contabilidade e Administração de Coimbra Artigo 1.º Âmbito O presente Regulamento fixa as normas gerais relativas a matrículas e inscrições nos cursos do Instituto Superior de Contabilidade e Administração de Coimbra. Artigo 2.º Definições De

Leia mais

19. INTEGRALIZAÇÃO CURRICULAR: DISCIPLINAS POR SEMESTRE/ANO, CARGA HORÁRIA DAS DISCIPLINAS E PRÉ-

19. INTEGRALIZAÇÃO CURRICULAR: DISCIPLINAS POR SEMESTRE/ANO, CARGA HORÁRIA DAS DISCIPLINAS E PRÉ- 1 19. INTEGRALIZAÇÃO CURRICULAR: POR SEMESTRE/ANO, DAS E PRÉ- REQUISITOS A organização da Matriz Curricular do Curso de Educação Física do Instituto Superior de Teologia Aplicada visa incentivar uma sólida

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DOS CURSOS SUPERIORES

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DOS CURSOS SUPERIORES I Regime de Ingresso 1. Podem concorrer à primeira matrícula nos CURSOS SUPERIORES DO ISTEC os indivíduos habilitados com: 1.1 Curso do ensino secundário, ou legalmente equivalente, com prova de ingresso

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE COIMBRA EDITAL DE ABERTURA DE CONCURSO DE ACESSO MESTRADO EM ENGENHARIA E GESTÃO INDUSTRIAL.

INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE COIMBRA EDITAL DE ABERTURA DE CONCURSO DE ACESSO MESTRADO EM ENGENHARIA E GESTÃO INDUSTRIAL. INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE COIMBRA EDITAL DE ABERTURA DE CONCURSO DE ACESSO MESTRADO EM ENGENHARIA E GESTÃO INDUSTRIAL Edição 2015-2017 Nos termos do Decreto -Lei n.º 42/2005, de pelo 22 de Fevereiro,

Leia mais

Regulamento de Mestrado em Engenharia de Materiais

Regulamento de Mestrado em Engenharia de Materiais Departamento de Ciência dos Materiais Regulamento de 15 de Fevereiro de 2008 Preâmbulo O Regulamento Geral dos ciclos de estudos conducentes ao grau de Mestre da FCT-UNL organiza, estrutura e explicita

Leia mais

RESOLUÇÃO CEPE N 6.291

RESOLUÇÃO CEPE N 6.291 ..4 i. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria dos órgãos Colegiados RESOLUÇÃO CEPE N 6.29 Aprova alteração curricular para o Curso de Licenciatura em Educação Física e para o Curso de Bacharelado em Educação

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DO ENSINO BÁSICO

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DO ENSINO BÁSICO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DO ENSINO BÁSICO Considerando que a Portaria nº 9 /2013, de 11 de fevereiro revogou a Portaria nº 29/2012, de 6 de março referente à avaliação das aprendizagens e competências no

Leia mais

REGULAMENTO DO MESTRADO EM TEATRO, ÁREA DE ESPECIALIZAÇÃO TEATRO E COMUNIDADE

REGULAMENTO DO MESTRADO EM TEATRO, ÁREA DE ESPECIALIZAÇÃO TEATRO E COMUNIDADE REGULAMENTO DO MESTRADO EM TEATRO, ÁREA DE ESPECIALIZAÇÃO TEATRO E COMUNIDADE INTRODUÇÃO O Mestrado em Teatro, área de especialização em Teatro e Comunidade, é um programa de segundo ciclo, constituído

Leia mais

47768 Diário da República, 2.ª série N.º 233 6 de Dezembro de 2011

47768 Diário da República, 2.ª série N.º 233 6 de Dezembro de 2011 47768 Diário da República, 2.ª série N.º 233 6 de Dezembro de 2011 Artigo 17.º Elementos que constam obrigatoriamente dos diplomas e cartas de curso Dos diplomas e cartas de curso constarão os seguintes

Leia mais

Anexo III ENSINO RECORRENTE REGULAMENTO

Anexo III ENSINO RECORRENTE REGULAMENTO REGULAMENTO INTERNO Anexo III ENSINO RECORRENTE REGULAMENTO REGULAMENTO DO ENSINO RECORRENTE Artigo 1º OBJETO E ÂMBITO 1. O presente regulamento estabelece as regras da organização e desenvolvimento dos

Leia mais

Ciclo de estudos conducente ao grau de mestre

Ciclo de estudos conducente ao grau de mestre Ciclo de estudos conducente ao grau de mestre Data: 17-02-2012 Versão: 1 Direcção-Geral do Ensino Superior Av. Duque d Ávila, 137 1069-016 Lisboa Tel. +351 21 3126050 Fax +351 21 3126051 www.dges.mctes.pt

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA EDITAL DE ABERTURA DE ACESSO A CURSOS DE MESTRADOS DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE COIMBRA.

INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA EDITAL DE ABERTURA DE ACESSO A CURSOS DE MESTRADOS DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE COIMBRA. INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA EDITAL DE ABERTURA DE ACESSO A CURSOS DE MESTRADOS DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE COIMBRA Edição 2014-2016 Nos termos do Decreto -Lei n.º 42/2005, de pelo 22 de

Leia mais

Regulamento de Funcionamento e Avaliação dos Mestrados da APNOR

Regulamento de Funcionamento e Avaliação dos Mestrados da APNOR ASSOCIAÇÃO DE POLITÉCNICOS DO NORTE (APNOR) Instituto Politécnico de Bragança Instituto Politécnico do Cávado e do Ave Instituto Politécnico do Porto Instituto Politécnico de Viana do Castelo Regulamento

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO (2º CICLO) EM MATEMÁTICA APLICADA ÀS CIÊNCIAS BIOLÓGICAS

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO (2º CICLO) EM MATEMÁTICA APLICADA ÀS CIÊNCIAS BIOLÓGICAS REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO (2º CICLO) EM MATEMÁTICA APLICADA ÀS CIÊNCIAS BIOLÓGICAS Ao abrigo do Decreto-Lei nº 74/2006 de 24 de Março, e do disposto na Deliberação nº 1487/2006 da Reitoria da Universidade

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS DO CENTRO DE ESTUDOS EM DIREITO DO ORDENAMENTO, DO URBANISMO E DO AMBIENTE

REGULAMENTO DOS CURSOS DO CENTRO DE ESTUDOS EM DIREITO DO ORDENAMENTO, DO URBANISMO E DO AMBIENTE CAPÍTULO I CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM DIREITO DO ORDENAMENTO, DO URBANISMO E DO AMBIENTE Artigo 1.º (Constituição do Curso) 1. O Curso de Especialização em Direito do Ordenamento, do Urbanismo e do Ambiente

Leia mais

CATÁLOGO DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA - Bacharelado

CATÁLOGO DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA - Bacharelado CATÁLOGO DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA - Bacharelado ATOS LEGAIS DO CURSO: Nome do Curso: Educação Física - Área de Saúde e Qualidade de Vida - Bacharelado Nome da Mantida: Centro Universitário de Rio Preto

Leia mais

Regulamento Geral de Estudos Pós-Graduados. do Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa

Regulamento Geral de Estudos Pós-Graduados. do Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa Regulamento Geral de Estudos Pós-Graduados do Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1º Âmbito de aplicação 1 O presente Regulamento Geral (RG) aplica-se

Leia mais

REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DOS CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA

REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DOS CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DOS CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA Artigo 1.º (disposições gerais) 1. O presente Regulamento obedece aos princípios consignados nos diversos normativos que a tutela legislou

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO (2º CICLO) EM ENGENHARIA ZOOTÉCNICA / PRODUÇÃO ANIMAL

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO (2º CICLO) EM ENGENHARIA ZOOTÉCNICA / PRODUÇÃO ANIMAL REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO (2º CICLO) EM ENGENHARIA ZOOTÉCNICA / PRODUÇÃO ANIMAL Ao abrigo do Decreto-Lei nº 74/2006 de 24 de Março, e do disposto na Deliberação nº 1487/2006 de 26 de Outubro, da

Leia mais

REGULAMENTO DO MESTRADO EM PSICOLOGIA DA SAÚDE E NEUROPSICOLOGIA 1

REGULAMENTO DO MESTRADO EM PSICOLOGIA DA SAÚDE E NEUROPSICOLOGIA 1 REGULAMENTO DO MESTRADO EM PSICOLOGIA DA SAÚDE E NEUROPSICOLOGIA 1 Artigo 1º Âmbito de aplicação O presente Regulamento aplica-se ao ciclo de estudos conducente ao grau de mestre em Psicologia da Saúde

Leia mais

Regulamentos REGULAMENTO DE PROPINAS DA UPORTO

Regulamentos REGULAMENTO DE PROPINAS DA UPORTO Regulamentos REGULAMENTO DE PROPINAS DA UPORTO Aprovado pelo Conselho Geral da UPorto em 26 de Fevereiro de 2010 Alterado pelo Conselho Geral da UPorto em 18 de Março de 2011 Ao abrigo da Lei n.º 37/2003,

Leia mais

1. ECTS SISTEMA EUROPEU DE TRANSFERÊNCIA DE CRÉDITOS

1. ECTS SISTEMA EUROPEU DE TRANSFERÊNCIA DE CRÉDITOS CONTÉM: 1. ECTS; 2. LICENCIATURA E MESTRADO; 3. UNIDADES CURRRICULARES; 4. REGIMES DE AVALIAÇÃO; 5. MELHORIAS DE CLASSIFICAÇÃO; 6. CLASSIFICAÇÕES E SUA DIVULGAÇÃO; 7. CONSULTA DE PROVA; 8. PRESCRIÇÃO;

Leia mais

REGULAMENTO DE FREQUÊNCIA E AVALIAÇÃO DO MESTRADO EM EDUCAÇÃO ESPECIAL

REGULAMENTO DE FREQUÊNCIA E AVALIAÇÃO DO MESTRADO EM EDUCAÇÃO ESPECIAL Campus Académico do Nordeste/Macedo de Cavaleiros Escola Superior de Educação Jean Piaget/Nordeste REGULAMENTO DE FREQUÊNCIA E AVALIAÇÃO DO MESTRADO EM EDUCAÇÃO ESPECIAL ANO LETIVO DE 2011-2012 WWWW.IPIAGET.ORG

Leia mais

CONSELHO TÉCNICO-CIENTÍFICO (Deliberação nº 50/2014)

CONSELHO TÉCNICO-CIENTÍFICO (Deliberação nº 50/2014) REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM MEIOS COMPLEMENTARES DE DIAGNÓSTICO EM ENFERMAGEM VETERINÁRIA MINISTRADO PELAS ESCOLAS SUPERIORES AGRÁRIAS DOS INSTITUTOS POLITÉCNICOS DE BRAGANÇA, DE CASTELO BRANCO,

Leia mais

Regimento do Conselho Municipal de Educação

Regimento do Conselho Municipal de Educação Considerando que: 1- No Município do Seixal, a construção de um futuro melhor para os cidadãos tem passado pela promoção de um ensino público de qualidade, através da assunção de um importante conjunto

Leia mais

NCE/14/01786 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/14/01786 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/14/01786 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Universidade De Évora A.1.a. Outra(s)

Leia mais

Mestrado em Ensino da Física e da Química

Mestrado em Ensino da Física e da Química Mestrado em Ensino da Física e da Química Mestrado em Ensino da Física e da Química - Faculdade de Ciências da Universidade do Porto 1 5. Estrutura curricular e plano de estudos FORMULÁRIO 1. Estabelecimento

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE VISEU REGULAMENTO DOS CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA

INSTITUTO POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE VISEU REGULAMENTO DOS CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA INSTITUTO POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE VISEU REGULAMENTO DOS CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Objeto e âmbito O presente regulamento

Leia mais

TÍTULO I TÍTULO II. Regras gerais sobre a oferta educativa da Universidade Aberta (UAb) Ciclos de estudos conducentes ao grau de licenciado

TÍTULO I TÍTULO II. Regras gerais sobre a oferta educativa da Universidade Aberta (UAb) Ciclos de estudos conducentes ao grau de licenciado Diário da República, 2.ª série N.º 59 25 de março de 2013 10441 Consultoria e Registos, o referido na alínea l) quando se trate de questões do âmbito das respetivas atribuições e relativamente às quais

Leia mais

ORDEM DE SERVIÇO Nº 17/2015 Regulamento Relativo ao Pessoal Docente Especialmente Contratado da Universidade de Évora

ORDEM DE SERVIÇO Nº 17/2015 Regulamento Relativo ao Pessoal Docente Especialmente Contratado da Universidade de Évora ORDEM DE SERVIÇO Nº 17/2015 Regulamento Relativo ao Pessoal Docente Especialmente Contratado da Universidade de Évora Considerando que cabe às instituições de ensino superior aprovar a regulamentação necessária

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE FORMAÇÃO CONTÍNUA DA FEUP

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE FORMAÇÃO CONTÍNUA DA FEUP REGULAMENTO DO PROGRAMA DE FORMAÇÃO CONTÍNUA DA FEUP Aprovado em 17 de janeiro de 2012 por Despacho do Diretor ao abrigo da competência consagrada na alínea m) do artigo 17.º dos Estatutos da FEUP 1 ENQUADRAMENTO

Leia mais

Diário da República, 2.ª série N.º 49 11 de Março de 2010 11201

Diário da República, 2.ª série N.º 49 11 de Março de 2010 11201 Diário da República, 2.ª série N.º 49 11 de Março de 2010 11201 vem obedecer às orientações para este efeito emitidas por despacho do Director da FCSH. 2 A tese de doutoramento deverá ter um mínimo de

Leia mais

Curso Semestre Fase Disciplina Nota Frequência Resultado Carga Horária EDF 12008 1 LÍNGUA PORTUGUESA E PRODUÇÃO DE TEXTO 7.20 100.

Curso Semestre Fase Disciplina Nota Frequência Resultado Carga Horária EDF 12008 1 LÍNGUA PORTUGUESA E PRODUÇÃO DE TEXTO 7.20 100. 23743 - ADENILSO ISAIAS CAMPESTRINI EDF - EDUCAÇÃO FÍSICA Período de Ingresso: 1º semestre de 2011 - Situação: Concluido Curso Semestre Fase Disciplina Nota Frequência Resultado Carga Horária EDF 12008

Leia mais

REGULAMENTO DE FREQUÊNCIA E AVALIAÇÃO DO MESTRADO EM EDUCAÇÃO ESPECIAL

REGULAMENTO DE FREQUÊNCIA E AVALIAÇÃO DO MESTRADO EM EDUCAÇÃO ESPECIAL Campus Académico de Vila Nova de Gaia Escola Superior de Educação Jean Piaget/Arcozelo REGULAMENTO DE FREQUÊNCIA E AVALIAÇÃO DO MESTRADO EM EDUCAÇÃO ESPECIAL ANO LETIVO DE 2011-2012 WWWW.IPIAGET.ORG Índice

Leia mais

Regulamento do 2º ciclo de estudos da Universidade da Madeira

Regulamento do 2º ciclo de estudos da Universidade da Madeira Regulamento do 2º ciclo de estudos da Universidade da Madeira Artigo 1.º Enquadramento jurídico O presente Regulamento visa desenvolver e complementar o regime jurídico instituído pelo Decreto-Lei n.º

Leia mais

CIRCULAR INFORMATIVA

CIRCULAR INFORMATIVA CIRCULAR INFORMATIVA Nº. 47 Data: 2013/12/04 Para conhecimento de: Pessoal docente, discente e não docente ASSUNTO: - Regulamento de Formação Contínua. Para os devidos efeitos, informa-se a comunidade

Leia mais

Escola Superior de Desporto de Rio Maior Instituto Politécnico de Santarém. Regulamento Específico de Transição Curricular para Bolonha

Escola Superior de Desporto de Rio Maior Instituto Politécnico de Santarém. Regulamento Específico de Transição Curricular para Bolonha Escola Superior de Desporto de Rio Maior Instituto Politécnico de Santarém Regulamento Específico de Transição Curricular para Bolonha Junho 2007 [Versão Aprovada em Conselho Científico] REGULAMENTO DE

Leia mais

Regulamento do Curso Técnico Superior Profissional

Regulamento do Curso Técnico Superior Profissional Regulamento do Curso Técnico Superior Profissional Preâmbulo A criação de oportunidades de formação para públicos diversos, com necessidades específicas, tem sido, desde sempre, uma prioridade para a Escola

Leia mais

REGULAMENTO DE PROPINAS, TAXAS E EMOLUMENTOS

REGULAMENTO DE PROPINAS, TAXAS E EMOLUMENTOS REGULAMENTO DE PROPINAS, TAXAS E EMOLUMENTOS JULHO, 2015 REG.DIR.06.01 página 1 de 6 Artigo 1.º Âmbito de aplicação 1 O presente Regulamento tem por objetivo garantir de forma adequada, coerente e uniforme,

Leia mais

REGULAMENTO DO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE EM ANIMAÇÃO DIGITAL

REGULAMENTO DO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE EM ANIMAÇÃO DIGITAL REGULAMENTO DO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE EM ANIMAÇÃO DIGITAL CAPÍTULO I GRAU DE MESTRE Artigo 1.º Criação A ESAP Guimarães confere o grau de Mestre em Animação Digital. O ciclo de estudos

Leia mais

R E G U L A M E N T O

R E G U L A M E N T O R E G U L A M E N T O REGIMES DE MUDANÇA DE CURSO, TRANSFERÊNCIA E REINGRESSO DO INSTITUTO POLITÉCNICO DO PORTO JUNHO 2013 APROVADO PELO DESPACHO IPP/P-050/2013 [1 11] ÍNDICE Objeto... 3 Âmbito... 3 Conceitos...

Leia mais

Curso : Curso de Especialização Tecnológica em Psicogerontologia Codigo:7205. Ano Lectivo 2014-15. Codigo U.C. Ano Curricular Sem. U.C.

Curso : Curso de Especialização Tecnológica em Psicogerontologia Codigo:7205. Ano Lectivo 2014-15. Codigo U.C. Ano Curricular Sem. U.C. Curso : Curso de Especialização Tecnológica em Psicogerontologia :7205 Ano Curricular Sem.. Nome da. 1 Anual 201244 Psicologia do Desenvolvimento 1 Anual 201245 Psicologia da Saúde e das Relações Interpessoais

Leia mais

REGULAMENTO ACADÉMICO. IV. Disposições específicas para mestrados REG-001/V00

REGULAMENTO ACADÉMICO. IV. Disposições específicas para mestrados REG-001/V00 IV. Disposições específicas para mestrados Artigo 1º Concessão do Grau O grau de mestre é conferido através da aprovação em todas as unidades curriculares que integram o plano de estudos do mestrado e

Leia mais

TRANSIÇÃO DO CURSO DE LICENCIATURA EM CIÊNCIAS SOCIAIS PARA O CURSO DE CIÊNCIAS SOCIAIS (1º CICLO), ADEQUADO A BOLONHA

TRANSIÇÃO DO CURSO DE LICENCIATURA EM CIÊNCIAS SOCIAIS PARA O CURSO DE CIÊNCIAS SOCIAIS (1º CICLO), ADEQUADO A BOLONHA TRANSIÇÃO DO CURSO DE LICENCIATURA EM CIÊNCIAS SOCIAIS PARA O CURSO DE CIÊNCIAS SOCIAIS (1º CICLO), ADEQUADO A BOLONHA O presente de regime de transição entrará em vigor, na Universidade Aberta, no ano

Leia mais

Regulamento do Curso de Mestrado em Desporto

Regulamento do Curso de Mestrado em Desporto Escola Superior de Desporto de Rio Maior (ESDRM) Instituto Politécnico de Santarém (IPS) Regulamento do Curso de Mestrado em Desporto Artigo 1º Natureza e âmbito de aplicação 1. O curso pretende atingir

Leia mais

Reitoria. Universidade do Minho, 16 de fevereiro de 2012

Reitoria. Universidade do Minho, 16 de fevereiro de 2012 Reitoria Despacho RT-12/2012 Por proposta do Conselho Pedagógico do Instituto de Ciências Sociais, é homologado o Regulamento do Ciclo de Estudos Conducente à obtenção do Grau de Mestre em Geografia, anexo

Leia mais

EDITAL MESTRADO EM JOGO E MOTRICIDADE NA INFÂNCIA. (Edição 2012-2014)

EDITAL MESTRADO EM JOGO E MOTRICIDADE NA INFÂNCIA. (Edição 2012-2014) 1/10 EDITAL MESTRADO EM JOGO E MOTRICIDADE NA INFÂNCIA (Edição 2012-2014) Nos termos do Decreto-Lei nº 42/2005, de 22 de fevereiro, do Decreto-Lei nº 74/2006, de 24 de março, com as alterações que lhes

Leia mais

REGULAMENTO DO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE EM DESENHO

REGULAMENTO DO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE EM DESENHO REGULAMENTO DO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE EM DESENHO CAPÍTULO I GRAU DE MESTRE Artigo 1.º Criação A ESAP - Guimarães confere o grau de Mestre em Desenho com Especialização em Prática

Leia mais