FACULDADE DE DIREITO CURSO DE CIENCIAS JURIDICAS E SOCIAIS FERNANDO DELAGNESI MASSAÚ DA SILVEIRA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FACULDADE DE DIREITO CURSO DE CIENCIAS JURIDICAS E SOCIAIS FERNANDO DELAGNESI MASSAÚ DA SILVEIRA"

Transcrição

1 FACULDADE DE DIREITO CURSO DE CIENCIAS JURIDICAS E SOCIAIS FERNANDO DELAGNESI MASSAÚ DA SILVEIRA O CONTRATO DE TRABALHO DOS ATLETAS PROFISSIONAIS DO FUTEBOL Porto Alegre 2012

2 FERNANDO DELAGNESI MASSAÚ DA SILVEIRA O CONTRATO DE TRABALHO DOS ATLETAS PROFISSIONAIS DO FUTEBOL Trabalho apresentado à banca examinadora como requisito à obtenção do grau de Bacharel em Ciências Jurídicas e Sociais na Faculdade de Direito da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. Professor Orientador: João Danil Gomes de Moraes Porto Alegre 2012

3 FERNANDO DELAGNESI MASSAÚ DA SILVEIRA O CONTRATO DE TRABALHO DOS ATLETAS PROFISSIONAIS DO FUTEBOL Trabalho apresentado à banca examinadora como requisito à obtenção do grau de Bacharel em Ciências Jurídicas e Sociais na Faculdade de Direito da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. Aprovado em _18_ de Junho de BANCA EXAMINADORA: Prof. João Danil Gomes de Moraes Orientador: Porto Alegre 2012

4 Dedico essa monografia de final de curso para toda a minha família em especial a minha mãe, a minha filha, a minha namorada e as minhas avós Luci e Marli.

5 AGRADECIMENTOS Os meus agradecimentos só podem ser feitos as pessoas, que desde o inicio dessa jornada, me apoiaram e me ajudaram muito, que são a minha tia Claudia, a minha madrinha Deli e a minha avó Marli.

6 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO DA ORIGEM DO FUTEBOL NO BRASIL FUTEBOL NO BRASIL ORIGEM O AMADORISMO DO BRASIL PARA O EXTERIOR A PROFISSIONALIZAÇÃO A ERA DA LEGISLAÇÃO A REGULAMENTAÇÃO DA ATIVIDADE DO ATLETA CONTRATO DE TRABALHO DO ATLETA PROFISSONAL DE FUTEBOL SUJEITOS DO CONTRATO FORMA DE CONTRATO PRAZO DO CONTRATO REGISTRO DO CONTRATO CONTRATO DOS ATLETAS ESTRANGEIROS TERMINAÇÃO DO CONTRATO DA DURAÇÃO DA JORNADA DE TRABALHO, DO TRABALHO NOTURNO, DA CONCENTRAÇÃO E DAS FÉRIAS JORNADA DE TRABALHO DO TRABALHO NOTURNO DA CONCENTRAÇÃO DAS FÉRIAS DO DIREITO DE IMAGEM E DIREITO DE ARENA DO ATLETA PROFISSONAL CONCEITO DIREITO DE IMAGEM O USO CONSENTIDO DA IMAGEM IMAGEM PESSOAL E IMAGEM PROFISSIONAL A LICENÇA LÍCITA DO USO DE IMAGEM... 30

7 6 DIREITO DE ARENA CONCEITO HISTÓRICO NATUREZA JURIDICA DIREITO DE ARENA FINALIDADE DOS BICHOS, DAS LUVAS E DA CLÁUSULA DE RESCISÃO CONTRATUAL DOS BICHOS DAS LUVAS DA CLÁUSULA DE RESCISÃO CONTRATUAL DA CESSAÇÃO DO CONTRATO DE TRABALHO FALECIMENTO DO ATLETA JUSTA CAUSA FUNDAMENTAÇÃO LEGAL ASPECTOS HISTÓRICOS, SOCIAIS E ECONÔMICOS FINALIDADES Bichos Luvas Passe CONCLUSÃO REFERÊNCIAS... 50

8 8 1 INTRODUÇÃO O tema foi escolhido de acordo com a importância que existe hoje em dia em regulamentar os direitos dos jogadores de futebol e seus respectivos clubes, visto que, antigamente, o esporte era somente esporte, e não um negócio esportivo e um comércio de jogadores. O esporte, principalmente o futebol, sempre esteve muito presente no meu dia-a-dia. Quando criança sonhava em ser um jogador profissional. creio que este sonho faz parte da cultura e costumes do nosso país. Cresci acompanhando o meu time do coração ao lado do meu pai. Nesse tempo o que mais me interessava era saber se jogou bem ou não tal partida, se a partida era importante ou não, se estávamos sendo prejudicados pela arbitragem e, também, porque determinado jogador foi embora uma semana depois de tê-lo visto jogar ao vivo no estádio. Perguntas que fazem parte da falta de informações do que corre nos bastidores, ou seja, tudo que acontece dentro de um clube de futebol que não é exportado para os torcedores. O tempo passou e eu continuo interessado, cada vez mais apaixonado por essa atividade esportiva. Hoje, é lógico, que o questionamento da minha infância não existe mais, pois, através dos meios de comunicação, fui entendendo o que realmente envolve os interesses dos clubes e jogadores. Vem dai o meu interesse de pesquisar e me aprofundar no que envolve o esporte que faz parte do DNA da maioria brasileiros.

9 9 2 DA ORIGEM DO FUTEBOL NO BRASIL 2.1 FUTEBOL NO BRASIL ORIGEM A origem do futebol no Brasil tem uma historia lendária, repetida à exaustão por comentaristas, jornalistas e torcedores em geral. No final do século XIX, em 1894, Charles Willian Muller, um jovem anglo-brasileiro, trouxe o futebol junto com suas bagagens depois de uma temporada na Inglaterra. O esporte nasceu e teve seu desenvolvimento inicial no país como uma expressão da elite dominante dos grandes centros do Centro-Sul. Os jovens das elites urbanas, ao voltarem de seus estudos na Europa, transportaram para o Brasil o novo jogo que começava a virar febre no velho continente. No final do século XIX, nos colégios e nas universidades da Inglaterra, o jogo havia se tornado uma mania nacional, uma disciplina específica, ensinado como parte da formação dos jovens elegantes e nobres. Os brasileiros que foram estudar lá incorporaram essa aura de virtude do esporte e se apaixonaram. O caso de Muller, ao trazer uma bola em sua bagagem, foi emblemático e simbólico, mas não foi o único. Como ele, diversos outros jovens da elite brasileira também tinham em suas malas a paixão pelo futebol. Aqui encontraram altos funcionários das empresas inglesas, que aportavam no país acompanhado e representando os maciços investimentos do capitalismo britânico em terras brasileiras. Eram engenheiros, contadores, técnicos também formados pelas mesmas escolas inglesas que, também seduzidos, se reuniam em clubes particulares, onde praticavam o novo esporte. Na Inglaterra o futebol levou quase um século para se consolidar. No Brasil sua expansão foi muito mais rápida. Nos colégios da elite formaram-se bons jogadores, que passaram a integrar os clubes da época, como o Payssandu, no Rio de Janeiro e em São Paulo o Germânia e o São Paulo Athletic Club. O nascimento e os primeiros anos do futebol no Brasil ficaram marcados por esse caráter elitista. Os ingleses e estudantes que voltaram da Grã-Bretanha foram

10 10 seus precursores, estes faziam parte da elite social e econômica paulista e carioca. Era um esporte de ricos para ricos, visto que uniformes, bolas, redes e os apitos eram muito caros e importados da Europa. Sua prática, inicialmente, exigia um grande campo, muito bem gramado e tratado. Essas características deram a conotação social do esporte em seus primeiros anos, mas essa fase iria mudar rapidamente. Em 19 de julho de 1900 foi fundado o primeiro clube de futebol profissional no Brasil, na cidade de Rio Grande no Estado do Rio Grande do Sul chamado Rio Grande Esporte Clube. No inicio dos anos de 1910 começou-se a perceber que o esporte não iria ficar restrito às elites que o criaram. Empresas inglesas, com seus engenheiros e técnicos, formavam times de futebol que se apresentavam nos dias de folga e nos intervalos do trabalho. O mais significativo desses clubes foi o Bangu, criado no subúrbio do Rio de Janeiro, pelos ingleses da empresa têxtil Companhia Industrial do Brasil. As apresentações do time passaram a ser assistidas com entusiasmo pelos operários, não só pelo amor à camisa da empresa, mas pelo fascínio que o esporte despertava. Não demorou muito para que esses mesmos operários passassem a praticar esse esporte nas ruas de terra e nos terrenos próximos de suas casas. Não demorou muito também para que surgissem bons jogadores entre esses operários. 2.2 O AMADORISMO Os primeiros atletas do futebol, jovens oriundos das elites e técnicos e profissionais estrangeiros, não trabalhavam em funções pesadas e extenuantes. Suas tarefas diárias eram, quase sempre, intelectuais e de mando, não exigindo grande esforço ou desgaste físico. Assim, tinham disposição suficiente para treinos e as partidas, quase sempre disputadas nos finais de semana. O mesmo não acontecia com os operários. As prolongadas jornadas de trabalho, a exposição e condições precárias e insalubres os esgotavam e debilitavam. As poucas horas fora do local de trabalho eram reservadas para a recomposição das forças e preparação para a jornada do dia seguinte. Os dias de folga, normalmente aos domingos, eram

11 11 poucos para permitir que o trabalhador tivesse ânimo e energia para disputar partidas de futebol. Os times ligados às empresas resolveram seu problema retirando os operários-atletas da produção, dando-lhes condições para treinar e se preparar para as partidas. Protegidos, aqueles que eram escolhidos para se tornarem apenas atletas. O mesmo não acontecia nos clubes. As agremiações esportivas, que apenas reuniam a elite, não tinham como cooptar jogadores fora de seus quadros de associados. Não tinham como introduzir jogadores de camadas populares sem darlhes condições para serem atletas em tempo integral. Os primeiros clubes de futebol a surgirem no Brasil, depois do Rio Grande Esporte Clube foram: Ponte Preta de Campinas em 1900, fundada 23 dias depois do Rio Grande; Fluminense em 1902; Grêmio Porto Alegrense em 1903; São Paulo de Rio Grande em 1908; Internacional de Porto Alegre em 1909; Corinthians em 1910; Flamengo em 1911, Santos em 1912 e Palmeiras em Desde 1917 o futebol começava a ser um esporte de massa, com torcidas que pagavam ingresso para ver seus times em campo. Novos estádios eram construídos com capacidade para receber o grande público. A pressão dessas torcidas mudou o objetivo das partidas, a vitória não era mais uma decorrência de um esporte bem jogado, a vitória passou a ser obrigatória pelas equipes de elite. As elites dominantes e as classes bem nascidas já não forneciam tantos jovens para compor equipes. Os bons jogadores começavam a surgir nas ruas, nos subúrbios, nos terrenos baldios, nas várzeas, nas periferias e nas camadas mais baixas da sociedade. Desaparecera a vantagem de ser de classe alta, de ser estudante e de ser branco. O rapaz da elite, estudante e branco, tinha que competir em igualdade de condições com o pé-rapado, analfabeto, mulato ou negro, para ver quem jogava melhor. Os novos atletas recebiam uma remuneração para jogar e dedicavam-se 1 MARTINS, Sergio Pinto. Direito trabalhista do atleta profissional de futebol. São Paulo: Atlas, 2011.

12 12 integralmente ao esporte, isso lhes dava uma grande vantagem sobre os adversários, que se dividiam entre seus afazeres e a bola. Embora nos anos seguintes, a imprensa, a opinião pública e as assembléias das agremiações mostrassem a existência de uma forte oposição ao profissionalismo, havia um consenso silencioso entre os dirigentes dos clubes, convencidos de que a remuneração dos jogadores era um mal necessário, que vinha para ficar. Nos anos 1920 desapareceram os escrúpulos dos dirigentes em visitar os campos de várzeas à procura de novos sujeitos, que antes nem passariam pelas portas de suas sedes sociais. O futebol começava a se tornar um jogo majoritariamente praticado por pobres. 2.3 DO BRASIL PARA O EXTERIOR Em setembro de 1915 foi criada, em São Paulo, a Federação Brasileira de Futebol. Menos de dois meses depois, em novembro, fundou-se no Rio de Janeiro a Federação Brasileira de Esportes, inaugurando uma disputa pela hegemonia e pelo controle do futebol no país. Essa disputa tinha como objetivo definir quem iria dirigir e, mais importante, representar o futebol brasileiro no cenário internacional. As duas entidades rivais não se entendiam. Ambas buscavam registro junto à FIFA, criando no exterior a imagem de desorganização e desentendimento. A disputa assumiu contornos oficiais e o Itamaraty foi chamado para intervir designando, como mediador, o diplomata Lauro Muller. Sob seus auspícios, em junho de 1916, foi fundada a Confederação Brasileira de Desporto (CBD) representando as entidades paulistas, cariocas e algumas associações do Sul e Nordeste. A sede da CBD foi instalada no Rio de Janeiro, apesar dos protestos e contrariedade dos paulistas. Assim nascia uma entidade que tinha respaldo e autorização para representar o esporte do Brasil no plano internacional, especialmente na FIFA. Dessa forma o futebol brasileiro abria-se para o exterior. A década seguinte foi marcada pela intensificação das viagens de clubes brasileiros para se apresentar no exterior, e pela descoberta internacional do talento de muitos jogadores nacionais. O Brasil passou a ser o foco das atenções dos

13 13 dirigentes de clubes da Europa, Argentina e Uruguai que, com facilidade, passam a levar os jogadores para suas equipes. 2.4 A PROFISSIONALIZAÇÃO Era impossível tentar impedir o êxodo de jogadores para o exterior. Todos os grandes clubes do eixo Rio-São Paulo perderam seus melhores jogadores, levados por clubes do exterior, perderam qualidade técnica deixando insatisfeitos os dirigentes e descontentes a torcida. O público pagava ingresso e lotava os estádios. Assim, começou a exigir melhor nível técnico das equipes. Alguns dirigentes de clubes, antes resistentes à profissionalização, passaram a ver com bons olhos novas formas de vincular os atletas aos clubes e ganhar com isso. Mas as vantagens econômicas do profissionalismo não se resumiam apenas às rendas dos jogos. Além do retorno dos torcedores aos estádios e da volta de boas bilheterias, os dirigentes mais visionários já anteviam grandes lucros com a venda de um jogador para outro clube, principalmente se este atleta fosse formado no próprio clube. Uma das primeiras medidas concretas de profissionalização dos jogadores ocorreu em 1932, quando Antonio Gomes de Avelar, presidente do América Futebol Clube, passou a assinar contratos regulares com atletas tornando mais transparentes e legais as relações. O valor da remuneração era expresso assim como as vontades das partes. Desta forma, em janeiro de 1933, o Estado do Rio de Janeiro adotou o profissionalismo como forma de organização de seu futebol. O exemplo foi rapidamente seguido por outros estados, especialmente São Paulo. 2.5 A ERA DA LEGISLAÇÃO Ate o final dos anos 1930, o futebol assim como todos os outros esportes, eram regidos pelas entidades dirigentes dos diversos ramos. Havia alguma obediência às regras internacionais, sem a menor interferência do Estado, que apenas cuidava das questões que envolvessem a ordem pública. O desporto era atividade dos particulares e, como tal, cabia a eles sua organização. Os constantes

14 14 conflitos entre as entidades dirigentes de um mesmo esporte, as divergências entre os dirigentes dos diversos estados, os atritos internacionais, nada disso estava no rol das preocupações oficiais. Contudo, Getúlio Vargas e a estrutura política e a ideologia do Estado Novo mudaram essa relação. Agora, o que se buscava era a construção de uma Nação e de um homem novo, e o desporto era uma ferramenta poderosa para isso. A legislação sobre desporto foi criada no período em que Getulio Vargas esteve no poder. O Decreto Lei n 1.059/39, criou a Comissão Nacional de Desportos. Já o Decreto Lei n 5.342/43 criou a Carteira Desportiva para atletas. O Decreto Lei n 7.674/45 determinou a obrigatoriedade de toda a entidade ou associação desportiva ter órgão fiscalizador de gestão financeira. O Decreto n /45 aprovou o Regimento do Conselho Nacional de Desportos. A Deliberação CND n 48/45 editou o primeiro Código Brasileiro de Futebol. Previa o Decreto lei n 7.967/45 concedia o visto temporário para atletas estrangeiros, restringindo para dois atletas de outros paises por equipe. O Decreto lei n 8.458/45, regulamentou o registro dos estatutos das entidades e associações desportivas. O Decreto n /61, regulamentou a profissão de atleta de futebol e estabeleceu as condições para a realização das competições esportivas. Já o Decreto n /64 regrou o passe do jogador que também era chamado de vínculo desportivo. A Deliberação n 09/67 do Conselho Nacional de Desportos editou o que se chama Lei do Passe, pois estabelecia valores, forma de fixação do passe e o passe livre. A Lei n 5.939/73, incluiu o atleta de futebol como beneficiário da previdência social. A Lei n 5.988/73, versava sobre os direitos autorais e tratava do instituto do direito de arena. A Lei n 6.251/75 revogou o Decreto Lei n 3.199/41 e instituiu a Justiça Desportiva. Estabeleceu a Lei n 6.269/75 o sistema de assistência complementar aos jogadores. A Lei n 6.354/76, dispõe sobre as relações de trabalho do atleta profissional de futebol. A Resolução n 10/86 previa a transferência de um atleta para outro clube, permitindo que ele pudesse participar da negociação. A Lei n 8.672/93 (Lei Zico)

15 15 determinava regras gerais sobre desportos. A Lei n 9.615/98 (Lei Pelé) estabeleceu, também, regras gerais de desportos e revogou a Lei Zico e trouxe, também, algumas regras que se aplicavam ao jogador de futebol. O Decreto n 2.574/98, regulamenta a Lei n 9.615/98. O Estatuto de Defesa do Torcedor foi instituído pela Lei n /03. A Lei n /11 revogou a Lei n 6.354/76 e fez várias alterações no texto da Lei Pelé. 2 O primeiro instrumento significativo dessa intervenção do Estado nas questões desportivas foi o Decreto-Lei n 3.199/41 que estabeleceu as bases de organização dos desportos no país. Por ele foi criado o Conselho Nacional de Desporto (CND), subordinado ao Ministério da Educação e Saúde, cuja finalidade seria orientar, fiscalizar e incentivar a prática de todos os esportes no Brasil. Sua estrutura era composta por nove membros, todos nomeados pelo presidente da República. No campo legislativo as atenções do governo limitaram-se apenas à estrutura e funcionalismo do desporto e ao controle de suas estruturas pelo Estado. A relação entre os atletas e os clubes, na prática, passou ao largo dessas preocupações. Na relação direta entre os atletas e os clubes o governo de Getúlio produziu apenas uma intervenção, com a publicação do Decreto-Lei n 5.342/43, poucos meses antes da publicação da CLT. Esse texto criou um documento especifico para os atletas, a Carteira Desportiva, que determinou que os contratos assinados entre jogadores e clubes fossem registrados no CND. A entidade também ficou responsável por estabelecer as normas para as transferências dos jogadores de um clube para outro, determinando, se fosse o caso, as indenizações ou restituições. A legislação trabalhista, tão abundante, especifica e regulamentadora para os trabalhadores em geral e para algumas categorias em particular, foi completamente omissa quanto aos jogadores de futebol. Poucas foram as normas criadas para regular condições especificas, para definir as características e a forma de 2 MARTINS, 2011.

16 16 cumprimento do contrato de atleta, e mesmo estas sempre publicadas sob a forma de deliberações da Confederação Nacional dos Desportos (CND). Para todos os efeitos jurídicos os contratos existentes entre os clubes e os jogadores eram de locação de serviços e não de emprego, conforme dispunha a CLT. O Estado agora intervinha no esporte, organizava, disciplinava, subvencionava e dava incentivos fiscais, mas não intervinha na relação das agremiações com os atletas, que continuava sendo eminentemente particular e livre de qualquer intervenção. 2.6 A REGULAMENTAÇÃO DA ATIVIDADE DO ATLETA A situação permaneceu inalterada durante as duas décadas seguintes. O Estado manteve-se distante da relação direta entre atletas e clubes. A CBD, criada em 1916 e oficializada pelo Decreto-Lei n 3.199/41, determinava as regras do funcionalismo do futebol e, mais importante, fixava as características do contrato do atleta profissional. A entidade, que desde a sua origem consagrava apenas os interesses dos dirigentes e dos clubes, manteve sua natureza mesmo depois de sua oficialização, deixando os jogadores do lado de fora, sem qualquer espaço de atuação, onde eram tratados quase como um mal necessário do esporte. Os jogadores eram apresentados apenas pelos ainda débeis sindicatos que começavam a surgir nos anos 1950, que não tinham voz nem eram reconhecidos pela CBD. A primeira norma pública específica para o atleta profissional foi assinada pelo presidente Jânio Quadros, o Decreto-Lei n /61, que estabelecia as condições para a realização das competições desportivas, disciplinando a participação dos atletas nas partidas de futebol. Esse decreto falava somente na argumentação climática e fisiológica do atleta, visando evitar a sobrecarga e seu desgaste físico excessivo. Diferentemente do anterior, que se limitava às atividades físicas dos jogadores, o Decreto-Lei n /64, foi o primeiro diploma legal a tratar diretamente da questão do contrato assinado entre atletas e clubes. O ato converteu

17 17 em lei as práticas que já eram usuais no futebol, inclusive instituindo oficialmente o passe 3 do jogador. A medida tentava agradar aos dois lados envolvidos, os clubes e os atletas. De um lado legalizava o passe, atendendo os pedidos dos dirigentes que há anos pleiteavam a medida e, por outro, determinava que os jogadores teriam uma participação financeira em seus passes 4. 3 Passe ou atestado liberatório era a importância devida por um empregador a outro, pela cessão do atleta durante a vigência do contrato ou depois de seu término (art. 11 da Lei n 6.354/76). Representava o pagamento feito por um clube a outro pela desvinculação do atleta da associação desportiva para quem prestava serviços. MARTINS, Sergio Pinto. Direito Trabalhista do Atleta Profissional de Futebol. Atlas S/A. São Paulo, 2011, p SOARES, Jorge Miguel Acosta. Direito de imagem e direito de arena no contrato de trabalho do atleta profissional. São Paulo: LTr, 2008.

18 18 3 CONTRATO DE TRABALHO DO ATLETA PROFISSONAL DE FUTEBOL O contrato de trabalho é o instrumento pelo qual uma pessoa física se obriga a prestar serviços de forma não eventual e subordinada a uma pessoa jurídica ou a outra pessoa física. O contrato de trabalho dos jogadores de futebol deverá ser sempre celebrado por escrito e por prazo determinado, não podendo ser inferior a 3 meses ou superior a 36 meses, ou seja, 3 anos, por determinação imposta pela Lei Zico. A Lei n 6.354/76, em seu art. 3, trata do contrato de trabalho do atleta: Art. 3 O contrato de trabalho do atleta, celebrado por escrito deverá conter: I os nomes das partes contratantes, devidamente individualizadas e caracterizadas; II o prazo de vigência que, em nenhuma hipótese, poderá ser inferior a 3 meses e superior a 2 anos; III o modo e a forma de remuneração, especificados o salário, os prêmios, as gratificações e, quando houver, as bonificações, bem como o valor das luvas, se previamente convencionadas; IV a menção de conhecerem os contratantes os códigos, os regulamentos e os estatutos técnicos, o estatuto e as normas disciplinares da entidade a que estiverem vinculados e filiados; V os direitos e as obrigações das contratantes, os critérios para a fixação do preço do passe e as condições para dissolução do contrato; VI o número da Carteira de Trabalho e Previdência Social de Atleta Profissional de Futebol; 1 - Os contratos de trabalho serão registrados no Conselho Regional de Desportos e inscritos nas entidades desportivas de direção regional e na respectiva Confederação; 2 - Os contratos de trabalho serão numerados pelas associações empregadoras, em ordem sucessiva e cronológica, datados e assinados, de próprio punho, pelo atleta ou pelos responsáveis legais, sob pena de nulidade; 3 - os contratos do atleta profissional de futebol serão fornecidos pela Confederação respectiva, e obedecerão ao modelo por ela elaborado e aprovado pelo Conselho Nacional de Desportos. E a Resolução n 1 de 17 de outubro de 1996 do Instituto Nacional de Desenvolvimento do Desporto INDESP, acrescenta, ainda, ao artigo supra conforme redação de seu art. 4, o seguinte:

19 19 art. 4 - Além daqueles previstos nas Leis ns /76 e 8.672/93 (Lei Zico), são requisitos do contrato de trabalho do atleta profissional de futebol: I o prazo de vigência, que não poderá ser inferior a 3 meses ou superior a 36 meses; II o valor e a forma de remuneração, compreendendo: a) luvas e condições de pagamento; b) salários mensais; c) prêmios, periodicidade ou forma de percepção; d) índice e condições de reajustes salariais, se o contrato tiver mais de 1 ano de duração; e) critérios, condições e valores para a rescisão unilateral do contrato de trabalho; f) percentual igual ou superior a 15% do valor total da transação, como participação do atleta na venda do restante do contrato de trabalho para outra entidade desportiva do mesmo gênero. III apólice de seguro de vida e de acidentes, nos termos da alínea b do 7 do art. 2, às expensas da entidade de prática desportiva, como a indicação dos beneficiários pelo atleta, pelo valor mínimo de 30 vezes o salário mensal por ele percebido, na data da assinatura do contrato. único O atleta semi-profissional, vinculado a uma entidade de prática desportiva há mais de 24 meses, poderá assinar, com a mesma entidade, o seu contrato como profissional, que terá vigência máxima de 4 anos. Outra peculiaridade interessante do contrato de trabalho do atleta profissional de futebol é o fato de que o jogador deverá apresentar, no ato da celebração, comprovante de ser alfabetizado. 3.1 SUJEITOS DO CONTRATO São sujeitos do contrato o empregado (jogador) e o empregador (clube). Conforme a Lei n 6.354/76, no seu art. 1, entende-se como empregador a associação desportiva que, mediante qualquer modalidade de remuneração, se utilize dos serviços de atletas profissionais de futebol, na forma definida nesta lei. Vê-se, pois que o empregador só poderá ser uma pessoa jurídica, ou seja, uma associação. Esta, como entidade de prática esportiva, deverá revestir-se das formalidades exigidas na legislação especifica, como por exemplo, seu registro da Federação Estadual e na Confederação Brasileira de Futebol (CBF).

20 20 A mesma lei define empregado no art. 2 como atleta que pratica de forma continuada o futebol, sob subordinação ao empregador (clube), mediante remuneração e contrato. 3.2 FORMA DE CONTRATO O contrato de trabalho do jogador de futebol deverá ser celebrado obrigatoriamente por escrito, sendo, pois, vedado o verbal. Deverá conter os nomes das partes contratantes devidamente individualizadas e caracterizadas, o modo e a forma de remuneração, especificados os salários, os prêmios, as gratificações e, quando houver, as bonificações, o valor das luvas, a menção de conhecerem os contratantes os códigos, os regulamentos e os estatutos técnicos, os estatutos e as normas disciplinares da entidade a que estiverem vinculados e filiados, os direitos e obrigações dos contratantes, os critérios para a fixação do preço do passe e as condições para a dissolução do contrato. Por se tratar de contrato sui generis, é obrigatório que o atleta seja alfabetizado, já que o referido pacto será sempre por escrito. O art.4 da referida lei é que determina que o jogador deverá comprovar sua alfabetização. Dita comprovação poderá ser feita pela apresentação de atestado de escola de primeiro grau, ou certidão de matrícula em curso de segundo grau, ou, ainda, com declaração de próprio punho do atleta atestando tal situação, além de cópia de um pequeno texto. De qualquer modo, há que se apresentar alguma forma pela qual se comprove a alfabetização do jogador, sob pena de nulidade. 3.3 PRAZO DO CONTRATO O inciso II do art. 3 da Lei n 6.354/76 estabelece que o prazo de vigência do contrato de trabalho dos jogadores de futebol não poderá ser inferior a 3 meses ou superior a 3 anos. A Lei n 8.672/93 alterou o prazo máximo, permitindo que o contrato de trabalho de qualquer jogador profissional tenha um período máximo de 3 anos.

21 21 Inovou ainda, esta lei, no que se refere ao contrato do atleta em formação, nãoprofissional, que venha exercendo a mesma atividade para o mesmo clube empregador durante pelo menos 2 anos quando, por ocasião de seu primeiro contrato, este poderá ter duração de 4 anos. O tempo mínimo de 3 meses prende-se à garantia dada ao atleta para que ele possa demonstrar sua técnica, seja em partidas ou nos treinos. O prazo máximo de 2 anos prendia-se à previsão da CLT, pois é este o prazo máximo permitido pela norma consolidada para contratos a prazo. Com a Lei Zico, o prazo foi ampliado para 3 anos, desprezando-se a previsão e a influência da norma trabalhista. Todavia, diferentemente do que prevê a CLT, o contrato do atleta não passa a viger por prazo indeterminado quando ele termina. É comum, na prática, que, não sendo renovado, o contrato é encerrado não passando a vigorar por prazo indeterminado. 3.4 REGISTRO DO CONTRATO Prevê a Lei n 6.354/76 que os contratos serão registrados no Conselho Regional de Desport, e inscritos nas entidades desportivas de direção regional e na respectiva Confederação e, ainda, que os mesmos serão numerados pelas associações empregadoras, em ordem sucessiva e cronológica, datados e assinados de próprio punho pelo jogador ou pelo representante legal, sob pena de nulidade. A obrigatoriedade do registro do contrato no Conselho Regional de Desporto e a de inscrição nas entidades regionais e na CBF representa procedimentos de ampla garantia para ambas as partes, tendo em vista o caráter público da medida. 3.5 CONTRATO DOS ATLETAS ESTRANGEIROS A presença de atleta de nacionalidade estrangeira na equipe de competição da entidade desportiva caracteriza a prática esportiva profissional. O atleta estrangeiro necessita de visto temporário de trabalho para poder desempenhar atividade futebolística. O prazo do visto não será excedente a cinco

22 22 anos e correspondente à duração fixada no contrato, permitida uma única renovação. É vedada a participação de atleta estrangeiro em campeonatos nacionais oficiais quando o visto de trabalho temporário tiver prazo de 90 dias. O visto temporário de trabalho terá prazo de validade pelo mesmo período que durar o contrato do jogador estrangeiro com o clube que o contratou. Sendo renovado o contrato do atleta estrangeiro, será necessário renovar o visto pelo igual período da renovação contido no contrato. A entidade de administração do desporto será obrigada a exigir do clube o comprovante do visto de trabalho do jogador estrangeiro fornecido pelo Ministério do Trabalho e Emprego, sob pena de cancelamento da inscrição desportiva. Se o atleta não tiver visto temporário, a entidade de administração irá cancelar o registro do contrato de trabalho do jogador. Se a entidade desportiva utilizar o atleta na competição oficial, perderá os pontos obtidos no respectivo jogo TERMINAÇÃO DO CONTRATO O contrato dos jogadores só pode ser terminado pelo seu fim, já que é contrato por prazo determinado ou pela venda do jogador a um outro clube antes do término do contrato, para que ele possa celebrar outro contrato de trabalho com esse novo clube que o contratou. No término normal, ou seja, sem a venda, aplicam-se as previsões da Resolução n 1/96 do INDESP, a qual trata, fundamentalmente, do passe do jogador. Durante os últimos 30 dias de vigência do contrato, o clube deverá oferecer, caso tenha interesse na renovação, proposta escrita, mediante protocolo, dirigida ao atleta. Este deverá manifestar-se, também por escrito, até o quinto dia útil subseqüente ao término, se aceita ou não a proposta. Não havendo resposta por parte do jogador, o clube deverá fixar o valor do passe, registrando-se na federação regional e comunicando o sindicato profissional 6. 5 MARTINS, ZAINAGHI, Domingos Sávia. Os atletas profissionais de futebol no direito do trabalho. São Paulo: LTr, 1998.

FACULDADE DE DIREITO CURSO DE CIENCIAS JURIDICAS E SOCIAIS FERNANDO DELAGNESI MASSAÚ DA SILVEIRA

FACULDADE DE DIREITO CURSO DE CIENCIAS JURIDICAS E SOCIAIS FERNANDO DELAGNESI MASSAÚ DA SILVEIRA FACULDADE DE DIREITO CURSO DE CIENCIAS JURIDICAS E SOCIAIS FERNANDO DELAGNESI MASSAÚ DA SILVEIRA O CONTRATO DE TRABALHO DOS ATLETAS PROFISSIONAIS DO FUTEBOL Porto Alegre 2012 FERNANDO DELAGNESI MASSAÚ

Leia mais

Contratos de trabalho por tempo determinado, previstos na CLT

Contratos de trabalho por tempo determinado, previstos na CLT Contratos de trabalho por tempo determinado, previstos na CLT O contrato de trabalho por prazo determinado é aquele cuja duração dependa de termo prefixado ou da execução de serviços específicos ou ainda

Leia mais

Atleta Profissional de Futebol

Atleta Profissional de Futebol 1 Atleta Profissional de Futebol Rafael Billar de Almeida 1 Maria Bernadete Miranda 2 Resumo O futebol é o esporte de maior interesse nacional e movimenta grande circulação de riquezas. A relação empregatícia

Leia mais

Tal fato decorre do princípio da continuidade da relação do emprego, que é um princípio basilar do Direito do Trabalho.

Tal fato decorre do princípio da continuidade da relação do emprego, que é um princípio basilar do Direito do Trabalho. 1. CONTRATO POR PRAZO INDETERMINADO O Contrato por prazo indeterminado é firmado quando o empregado for contratado para trabalhar em atividades normais da empresa, sem tempo de duração (Princípio da Continuidade

Leia mais

PAUTA DE REVINDICAÇÃO - 2014/2015 ELENCO DE REIVINDICAÇÃO DOS TRABALHADORES DO SERVICO SOCIAL DO DISTRITO FEDERAL

PAUTA DE REVINDICAÇÃO - 2014/2015 ELENCO DE REIVINDICAÇÃO DOS TRABALHADORES DO SERVICO SOCIAL DO DISTRITO FEDERAL PAUTA DE REVINDICAÇÃO - 2014/2015 ELENCO DE REIVINDICAÇÃO DOS TRABALHADORES DO SERVICO SOCIAL DO DISTRITO FEDERAL O SINDICATO DOS EMPREGADOS EM ENTIDADES DE ASSISTÊNCIA SOCIAL E DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL

Leia mais

AS RETRIBUIÇÕES ECONÔMICAS DO ATLETA PROFISSIONAL DE FUTEBOL NO BRASIL: TIPOS E REFLEXOS TRIBUTÁRIOS.

AS RETRIBUIÇÕES ECONÔMICAS DO ATLETA PROFISSIONAL DE FUTEBOL NO BRASIL: TIPOS E REFLEXOS TRIBUTÁRIOS. 1 AS RETRIBUIÇÕES ECONÔMICAS DO ATLETA PROFISSIONAL DE FUTEBOL NO BRASIL: TIPOS E REFLEXOS TRIBUTÁRIOS. Autor Rodrigo Martinelli Ferreira, diretor executivo da RM2 Sports, gerente de marketing da Artdata

Leia mais

O trabalhador pode começar a trabalhar sem dispor de CTPS? Não. O empregado não poderá ser admitido se não dispuser de CTPS.

O trabalhador pode começar a trabalhar sem dispor de CTPS? Não. O empregado não poderá ser admitido se não dispuser de CTPS. Direitos básicos dos Profissionais de Educação Física PERGUNTAS E RESPOSTAS CTPS Para que serve a Carteira de Trabalho e Previdência Social (CTPS)? A CTPS serve como meio de prova: a ) da relação de emprego;

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO/1996 SENAC SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL SINDAF/DF

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO/1996 SENAC SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL SINDAF/DF ACORDO COLETIVO DE TRABALHO/1996 SENAC SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL SINDAF/DF ACORDO COLETIVO DE TRABALHO QUE entre si fazem o SESC SERVIÇO SOCIAL DO COMÉRCIO, Administração Regional do Distrito

Leia mais

CLÁUSULA TERCEIRA VALE TRANSPORTE

CLÁUSULA TERCEIRA VALE TRANSPORTE CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2005/2006 PELO PRESENTE INSTRUMENTO DE CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO DE UM LADO O SINDICATO DOS TRABALHADORES EM EMPRESAS DE RÁDIODIFUSÃO DO ESTADO DO PARANÁ, A SEGUIR DENOMINADO

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO/2001 IEL/DF - INSTITUTO EUVALDO LODI SINDAF/DF

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO/2001 IEL/DF - INSTITUTO EUVALDO LODI SINDAF/DF ACORDO COLETIVO DE TRABALHO/2001 IEL/DF - INSTITUTO EUVALDO LODI SINDAF/DF ACORDO COLETIVO DE TRABALHO QUE ENTRE SI, CELEBRAM O SINDICATO DOS EMPREGADOS EM ENTIDADES DE ASSISTÊNCIA SOCIAL E DE FORMAÇÃO

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 4.302-C, DE 1998

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 4.302-C, DE 1998 COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 4.302-C, DE 1998 SUBSTITUTIVO DO SENADO FEDERAL AO PROJETO DE LEI Nº 4.302-B, DE 1998, que altera dispositivos da Lei nº 6.019, de 3

Leia mais

15 - BASES DE INCIDÊNCIA E NÃO INCIDÊNCIA

15 - BASES DE INCIDÊNCIA E NÃO INCIDÊNCIA 15 - BASES DE INCIDÊNCIA E NÃO INCIDÊNCIA 15.1 - Integram a remuneração para fins de cálculos dos valores devidos à Previdência Social e a serem recolhidos para o FGTS, dentre outras, as seguintes parcelas:

Leia mais

EMPREGADO DOMÉSTICO INOVAÇÕES LEGISLATIVAS DA LEI COMPLEMENTAR 150 CAPÍTULO I PRINCIPAIS EVOLUÇÕES LEGISLATIVAS A categoria dos empregados domésticos tem como principais regulamentações legislativas, por

Leia mais

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE GESTÃO PÚBLICA ORIENTAÇÃO NORMATIVA Nº 4, DE 4 DE JULHO DE 2014

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE GESTÃO PÚBLICA ORIENTAÇÃO NORMATIVA Nº 4, DE 4 DE JULHO DE 2014 MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE GESTÃO PÚBLICA ORIENTAÇÃO NORMATIVA Nº 4, DE 4 DE JULHO DE 2014 Estabelece orientações sobre a aceitação de estagiários no âmbito da Administração

Leia mais

Lei nº 11.788, de 25 de setembro de 2008

Lei nº 11.788, de 25 de setembro de 2008 UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PERNAMBUCO Curso de Comunicação Social Publicidade e Propaganda Ética e Legislação em Publicidade e Propaganda Profª. Cláudia Holder Nova Lei de Estágio (Lei nº 11.788/08) Lei

Leia mais

INFORMATIVO 14/2015 LEI COMPLEMENTAR REGULAMENTA DIREITO DOS EMPREGADOS DOMÉSTICOS

INFORMATIVO 14/2015 LEI COMPLEMENTAR REGULAMENTA DIREITO DOS EMPREGADOS DOMÉSTICOS Data do boletim informativo Volume 1, Edição 1 Digite o título aqui INFORMATIVO 14/2015 LEI COMPLEMENTAR REGULAMENTA DIREITO DOS EMPREGADOS DOMÉSTICOS Lei Complementar nº 150, de 1º de junho de 2015 -

Leia mais

PL 4330 Reunião realizada no dia

PL 4330 Reunião realizada no dia PL 4330 Reunião realizada no dia PL 4330 Propostas de alteração Observações das Centrais Sindicais Dispõe sobre o contrato de prestação de serviço a terceiros e as relações de trabalho dele decorrentes.

Leia mais

1- CONTRATO DE TRABALHO

1- CONTRATO DE TRABALHO 1- CONTRATO DE TRABALHO 1.1 - ANOTAÇÕES NA CARTEIRA DE TRABALHO Quando o empregado é admitido - mesmo em contrato de experiência -, a empresa tem obrigatoriamente que fazer as anotações na carteira de

Leia mais

SÍNTESE COMENTADA. Regulamento Nacional de Registro e Transferência de Atletas de Futebol Confederação Brasileira de Futebol

SÍNTESE COMENTADA. Regulamento Nacional de Registro e Transferência de Atletas de Futebol Confederação Brasileira de Futebol SÍNTESE COMENTADA Regulamento Nacional de Registro e Transferência de Atletas de Futebol Confederação Brasileira de Futebol A Confederação Brasileira de Futebol editou em 13 de janeiro de 2015, por meio

Leia mais

APRENDIZ E ESTAGIÁRIO

APRENDIZ E ESTAGIÁRIO APRENDIZ E ESTAGIÁRIO Aprendiz é aquele que mediante contrato de aprendizagem ajustado por escrito e por prazo determinado, em que o empregador se compromete a assegurar ao maior de 14 e menor de 24 anos,

Leia mais

ORIENTAÇÃO PROFESSOR - Normas

ORIENTAÇÃO PROFESSOR - Normas ORIENTAÇÃO PROFESSOR - Normas Conheça as regras especiais do contrato de trabalho do professor O professor no exercício do magistério em estabelecimento particular de ensino mereceu tratamento especial

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2015/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: GO000204/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 20/03/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR006500/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46208.002367/2015-27 DATA DO

Leia mais

Seguro Desemprego : art. 7º, II da CRFB

Seguro Desemprego : art. 7º, II da CRFB AULA 10: Seguro Desemprego : art. 7º, II da CRFB Amparo legal: art. 7º, II da CRFB. * urbanos e rurais: Lei nº 7.998/90, Lei nº 8.900/94 e Resolução do CODEFAT 467/05. * domésticos: artigo 6º-A da Lei

Leia mais

Perguntas Frequentes - Trabalhista

Perguntas Frequentes - Trabalhista Perguntas Frequentes - Trabalhista 01) O empregador poderá descontar do empregado as importâncias correspondentes a danos por eles causados? 1º do art. 462 da CLT prevê a possibilidade de que, em caso

Leia mais

ACORDO COLETIVO. Parágrafo 5º - As horas serão remuneradas com base no salário do mês de seu efetivo pagamento.

ACORDO COLETIVO. Parágrafo 5º - As horas serão remuneradas com base no salário do mês de seu efetivo pagamento. ACORDO COLETIVO Sindicato dos Jornalistas Profissionais de Juiz de Fora, registro sindical nº. 10.610, inscrito no CNPJ sob nº. 20.453.643/0001-06, sito a rua Halfeld, 805/603 Juiz de Fora MG 36010-000,

Leia mais

A REMUNERAÇÃO DO ATLETA PROFISSIONAL DE FUTEBOL

A REMUNERAÇÃO DO ATLETA PROFISSIONAL DE FUTEBOL A REMUNERAÇÃO DO ATLETA PROFISSIONAL DE FUTEBOL SUMÁRIO Artur Nitz Neto 1 Wanderley Godoy Junior 2 Introdução; 1 A Remuneração: 1.1 Conceito e elementos da Remuneração; 1.2 Diferença entre salário e remuneração;

Leia mais

DURAÇÃO DO TRABALHO Prof. Maria Cláudia Felten E-mail: maria.claudia.felten@terra.com.br JORNADA DE TRABALHO - Jornada de trabalho. - Benefícios da jornada de trabalho. - Diferença entre jornada de trabalho

Leia mais

1. O que o Auditor-Fiscal do Trabalho deverá entender por trabalho temporário?

1. O que o Auditor-Fiscal do Trabalho deverá entender por trabalho temporário? Trabalho temporário Fonte: Fecomercio Em acréscimo ao Mix Legal Express, nº 168, de 2014, que trata de algumas peculiaridades do trabalho temporário, a que se refere à Lei nº 6.019 de 1974 e Portaria do

Leia mais

Altamente profissionalizados e por dependerem dos recursos oriundos da comunicação de massa - especialmente a TV, os eventos esportivos modernos,

Altamente profissionalizados e por dependerem dos recursos oriundos da comunicação de massa - especialmente a TV, os eventos esportivos modernos, O esporte é um poderoso filão a ser explorado na criação publicitária - e também caminho certo para custosas dores de cabeça se for utilizado sem autorização de quem detém os direitos de uso de marcas

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 522, DE 2013

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 522, DE 2013 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 522, DE 2013 Dispõe sobre as relações de trabalho do técnico ou treinador profissional de modalidade desportiva coletiva e revoga a Lei nº 8.650, de 20 de abril de 1993. O CONGRESSO

Leia mais

Nova Legislação Específica Sobre Estágio LEI N.º 11.788, DE 25 DE SETEMBRO DE 2008.

Nova Legislação Específica Sobre Estágio LEI N.º 11.788, DE 25 DE SETEMBRO DE 2008. Nova Legislação Específica Sobre Estágio LEI N.º 11.788, DE 25 DE SETEMBRO DE 2008. Dispõe sobre o estágio de estudantes; altera a redação do art. 428 da Consolidação das Leis do Trabalho CLT, aprovada

Leia mais

T E R M O A D I T I V O VIGÊNCIA: 1º/02/2012 A 31/01/2013

T E R M O A D I T I V O VIGÊNCIA: 1º/02/2012 A 31/01/2013 TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO que entre si celebram, de um lado, representando a categoria profissional, o SINDICATO DOS AUXILIARES DE ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR DO ESTADO DE MINAS GERAIS SAAE/MG,

Leia mais

DIREITOS TRABALHISTAS DO ATLETA PROFISSIONAL DE FUTEBOL Sergio Pinto Martins *

DIREITOS TRABALHISTAS DO ATLETA PROFISSIONAL DE FUTEBOL Sergio Pinto Martins * DIREITOS TRABALHISTAS DO ATLETA PROFISSIONAL DE FUTEBOL Sergio Pinto Martins * * Juiz titular da 33ª Vara do Trabalho de São Paulo e professor titular de Direito do Trabalho da Faculdade de Direito da

Leia mais

A expressão contrato individual de trabalho tem o mesmo significado das expressões contrato de trabalho e contrato de emprego.

A expressão contrato individual de trabalho tem o mesmo significado das expressões contrato de trabalho e contrato de emprego. 1 Aula 02 1 Contrato individual de trabalho A expressão contrato individual de trabalho tem o mesmo significado das expressões contrato de trabalho e contrato de emprego. 1.1 Conceito O art. 442, caput,

Leia mais

Os contratos de trabalho no país das chuteiras na era da Copa do Mundo de Futebol

Os contratos de trabalho no país das chuteiras na era da Copa do Mundo de Futebol Os contratos de trabalho no país das chuteiras na era da Copa do Mundo de Futebol Oraides Morello Marcon Marques 1 Com o retorno da Copa Mundial de Futebol ao Brasil crescerá a demanda do comércio por

Leia mais

DÚVIDAS FREQÜENTES SOBRE A NOVA LEI DE ESTÁGIO (LEI 11.788/2008)

DÚVIDAS FREQÜENTES SOBRE A NOVA LEI DE ESTÁGIO (LEI 11.788/2008) DÚVIDAS FREQÜENTES SOBRE A NOVA LEI DE ESTÁGIO (LEI 11.788/2008) 1. O que é o estágio? Resposta: Estágio é ato educativo escolar supervisionado, desenvolvido no ambiente de trabalho, que visa à preparação

Leia mais

EXMO. JUIZ DO TRABALHO DA VARA DO TRABALHO DE

EXMO. JUIZ DO TRABALHO DA VARA DO TRABALHO DE EXMO. JUIZ DO TRABALHO DA VARA DO TRABALHO DE José, nacionalidade, estado civil, profissão, RG, CPF, CTPS, PIS, residente e domiciliado na, vem, respeitosamente, perante V. Exa., por meio de seu advogado,

Leia mais

Parte I - Direito do trabalho - parte geral, 1. 1 Evolução histórica, 3 1 Evolução mundial, 3 2 Evolução no Brasil, 4.

Parte I - Direito do trabalho - parte geral, 1. 1 Evolução histórica, 3 1 Evolução mundial, 3 2 Evolução no Brasil, 4. Parte I - Direito do trabalho - parte geral, 1 1 Evolução histórica, 3 1 Evolução mundial, 3 2 Evolução no Brasil, 4 2 Denominação, 6 3 Conceito e divisão da matéria, 8 4 Posição enciclopédica, 9 5 Fontes,

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO/2004 SESC - SERVIÇO SOCIAL DO COMÉRCIO SINDAF/DF

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO/2004 SESC - SERVIÇO SOCIAL DO COMÉRCIO SINDAF/DF ACORDO COLETIVO DE TRABALHO/2004 SESC - SERVIÇO SOCIAL DO COMÉRCIO SINDAF/DF ACORDO COLETIVO DE TRABALHO que entre si fazem o SERVIÇO SOCIAL DO COMÉRCIO SESC - Administração Regional no Distrito Federal,

Leia mais

LEI Nº 6.354/76, de 02 de setembro de 1976 (*)

LEI Nº 6.354/76, de 02 de setembro de 1976 (*) LEI Nº 6.354/76, de 02 de setembro de 1976 (*) Dispõe sobre as relações de trabalho do atleta profissional de futebol e dá outras providências. (*) Estão: em sublinhado, os dispositivos desta Lei que estarão

Leia mais

FONTES DO DIREITO DO TRABALHO

FONTES DO DIREITO DO TRABALHO FONTES DO DIREITO DO TRABALHO CONCEITO As fontes do direito do trabalho são fundamentais para o conhecimento da própria ciência, vez que nelas são descobertas as reais origens e as bases da matéria do

Leia mais

DIREITO NAS ORGANIZAÇÕES MÓDULO 3 OUTROS TIPOS DE CONTRATOS DE TRABALHO

DIREITO NAS ORGANIZAÇÕES MÓDULO 3 OUTROS TIPOS DE CONTRATOS DE TRABALHO DIREITO NAS ORGANIZAÇÕES MÓDULO 3 OUTROS TIPOS DE CONTRATOS DE TRABALHO Índice 1. Outros Tipos de Contratos de Trabalho...3 1.1. Trabalho Rural... 3 1.2. Estagiário... 4 1.3. Trabalho Temporário... 5 1.4.

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO/2006 SESCOOP SINDAF/DF

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO/2006 SESCOOP SINDAF/DF ACORDO COLETIVO DE TRABALHO/2006 SESCOOP SINDAF/DF ACORDO COLETIVO DE TRABALHO, que celebram de um lado, o Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo SESCOOP NACIONAL - CNPJ N.º 03.087.543/0001-86,

Leia mais

DAS OBRIGAÇÕES DO CONVENENTE

DAS OBRIGAÇÕES DO CONVENENTE ACORDO DE COOPERAÇÃO INSTITUCIONAL QUE ENTRE SI CELEBRAM A SECARGO SOCIEDADE EDUCACIONAL CARVALHO GOMES LTDA, MANTENEDORA DA FACULDADE MAURÍCIO DE NASSAU, E A ASSEJUF/RN - ASSOCIAÇÃO DOS SERVIDORES DA

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PR001621/2011 DATA DE REGISTRO NO MTE: 17/05/2011 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR020706/2011 NÚMERO DO PROCESSO: 46212.008089/2011-29 DATA DO

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL Page 1 of 6 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PR004589/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR057715/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46212.013061/2013-75 DATA DO

Leia mais

A PI JOR. PJ - como forma de precarização do contrato de trabalho

A PI JOR. PJ - como forma de precarização do contrato de trabalho PJ - como forma de precarização do contrato de trabalho Sílvia Neli* Uma das formas de precarização do contrato individual do trabalho é a utilização ilícita da figura da pessoa jurídica para formalizar

Leia mais

LEI Nº 9.601, DE 21 DE JANEIRO DE 1998. Dispõe sobre o contrato de trabalho por prazo determinado e dá outras providências

LEI Nº 9.601, DE 21 DE JANEIRO DE 1998. Dispõe sobre o contrato de trabalho por prazo determinado e dá outras providências LEI Nº 9.601, DE 21 DE JANEIRO DE 1998 Dispõe sobre o contrato de trabalho por prazo determinado e dá outras providências (Alterada pela MP Nº 2.076-35/27.03.2001, MP Nº 2.164-41/24.08.2001 já inserida

Leia mais

LEI DO APRENDIZ. Art. 1 - Nas relações jurídicas pertinentes à contratação de aprendizes, será observado o disposto neste Decreto.

LEI DO APRENDIZ. Art. 1 - Nas relações jurídicas pertinentes à contratação de aprendizes, será observado o disposto neste Decreto. LEI DO APRENDIZ Regulamenta a contratação de aprendizes e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso IV, da Constituição, e tendo em vista

Leia mais

RELAÇÕES DE TRABALHO LATO SENSU

RELAÇÕES DE TRABALHO LATO SENSU RELAÇÕES DE TRABALHO LATO SENSU O trabalhador temporário é pessoa física contratada por empresa de trabalho temporário, para prestar serviços pessoalmente e mediante salário e subordinação, a empresa tomadora

Leia mais

Tabela Prática de Verbas que compõem a Base de Cálculo para incidência de INSS, FGTS e IRRF

Tabela Prática de Verbas que compõem a Base de Cálculo para incidência de INSS, FGTS e IRRF Tabela Prática de Verbas que compõem a Base de Cálculo para incidência de INSS, FGTS e IRRF Discriminação INSS Fundamento legal FGTS Fundamento legal IRRF Fundamento legal Abono de férias - pecuniário

Leia mais

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE FUTEBOL

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE FUTEBOL Confederação Brasileira de Futebol Diretoria de Competições Regulamento Específico da Competição Campeonato Brasileiro da Série A 2015 1 SUMÁRIO DEFINIÇÕES... 3 CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO E PARTICIPAÇÃO...

Leia mais

JORNADA BRASIL- ARGENTINA 2011 SOBRE FUTEBOL:

JORNADA BRASIL- ARGENTINA 2011 SOBRE FUTEBOL: JORNADA BRASIL- ARGENTINA 2011 SOBRE FUTEBOL: DIREITO E NEGÓCIOS JORNADA BRASIL- ARGENTINA 2011 FUTEBOL: DIREITO E NEGÓCIOS CLÁUSULAS TRABALHISTAS DESPORTIVAS Por: Leonardo Serafim dos Anjos JORNADA BRASIL-

Leia mais

Manual Prático Trabalhista e Previdenciário

Manual Prático Trabalhista e Previdenciário Manual Prático Trabalhista e Previdenciário Qual é o prazo para pagamento dos salários dos empregados? R: O pagamento deve ser realizado até o 5º dia útil do mês seguinte. Esta deve ser a data em que deve

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Remuneração in natura - Cesta Básica 25/08/15

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Remuneração in natura - Cesta Básica 25/08/15 Parecer Consultoria Tributária Segmentos Remuneração in natura - Cesta Básica 25/08/15 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas Apresentadas pelo Cliente... 3 3. Análise da Consultoria...

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 1/5 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO O SINDICATO DOS EMPREGADOS EM ENTIDADES CULTURAIS, RECREATIVAS, DE ASSISTÊNCIA SOCIAL, DE ORIENTAÇÃO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL, NO ESTADO DO PARANÁ SENALBA/PR, CNPJ 75.992.446/0001-49,

Leia mais

NORMA DE FÉRIAS. RES. nº 1628/09. Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba

NORMA DE FÉRIAS. RES. nº 1628/09. Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba Vinculada ao Ministério da Integração Nacional - M I. nº 1628/09 FOR-101 1/5 S U M Á R I O 1 Objetivo, 2/5 2 Definição, 2/5 3 Competências,

Leia mais

Cartilha. Lei de estágio 11.788/08. Cartilha de estágio 1

Cartilha. Lei de estágio 11.788/08. Cartilha de estágio 1 Cartilha Lei de estágio 11.788/08 Cartilha de estágio 1 Cartilha de estágio 2 Cartilha Nube Lei de Estágio 11.788/08 Olá! Há dez anos no mercado, o Nube, Núcleo Brasileiro de Estágios, é um agente de integração

Leia mais

Projeto de Lei. Art. 1º. A Lei nº 9.615, de 24 de março de 1998, passa a vigorar com as seguintes alterações:

Projeto de Lei. Art. 1º. A Lei nº 9.615, de 24 de março de 1998, passa a vigorar com as seguintes alterações: Projeto de Lei Altera a Lei nº 9.615, de 24 de março de 1998, que institui normas gerais sobre desporto e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA. Faço saber que o Congresso Nacional decreta

Leia mais

MINISTÉRIO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE RECURSOS HUMANOS ORIENTAÇÃO NORMATIVA Nº 7, DE 30 DE OUTUBRO DE 2008.*

MINISTÉRIO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE RECURSOS HUMANOS ORIENTAÇÃO NORMATIVA Nº 7, DE 30 DE OUTUBRO DE 2008.* MINISTÉRIO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE RECURSOS HUMANOS ORIENTAÇÃO NORMATIVA Nº 7, DE 30 DE OUTUBRO DE 2008.* Estabelece orientação sobre a aceitação de estagiários no âmbito da Administração

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA N o 19, DE 16 DE SETEMBRO DE 2011

INSTRUÇÃO NORMATIVA N o 19, DE 16 DE SETEMBRO DE 2011 INSTRUÇÃO NORMATIVA N o 19, DE 16 DE SETEMBRO DE 2011 Regulamenta o uso de imagens de unidades de conservação federais, dos bens ambientais nestas incluídos e do seu patrimônio, bem como a elaboração de

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PROCURADORIA-GERAL DO ESTADO

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PROCURADORIA-GERAL DO ESTADO PARECER Nº 13.895 Servidores do Quadro Especial criado pela Lei n o 10.959/98. Auxílio-rancho e gratificação ordinária incorporada. Inclusão na base de cálculo de outras vantagens pecuniárias. Vem a esta

Leia mais

NOVA LEI DAS DOMESTICAS

NOVA LEI DAS DOMESTICAS NOVA LEI DAS DOMESTICAS DEVERES DAS DOMÉSTICAS Se a doméstica trabalhar menos que o contrato, posso descontar do salário? O desconto é linear? Independentemente de trabalhar menos, ela recebe o mesmo valor

Leia mais

INSS/FGTS/IRRF TABELA DE INCIDÊNCIAS

INSS/FGTS/IRRF TABELA DE INCIDÊNCIAS INSS/FGTS/IRRF TABELA DE INCIDÊNCIAS Abonos de qualquer natureza Evento Descrição INSS FGTS IRRF Acidente de Trabalho - Típico - Trajeto - Doença Laboral Acidente de Trabalho - Típico - Trajeto - Doença

Leia mais

INSS/FGTS/IRRF - TABELA DE INCIDÊNCIAS Tabela de incidências

INSS/FGTS/IRRF - TABELA DE INCIDÊNCIAS Tabela de incidências INSS/FGTS/IRRF - TABELA DE INCIDÊNCIAS Tabela de incidências Evento Descrição INSS FGTS IRRF Abonos de qualquer natureza Acidente de Trabalho - Típico - Trajeto - Doença Laboral Acidente de Trabalho -

Leia mais

Está em vigor a Lei Complementar n. 150, de 1º de junho de 2015, que dispõe sobre o trabalho doméstico.

Está em vigor a Lei Complementar n. 150, de 1º de junho de 2015, que dispõe sobre o trabalho doméstico. RESUMO INFORMATIVO SOBRE TRABALHO DOMÉSTICO Está em vigor a Lei Complementar n. 150, de 1º de junho de 2015, que dispõe sobre o trabalho doméstico. Lei Complementar n. 150/2015 Jul 2015 Este resumo informativo

Leia mais

HORAS EXTRAS E SEUS REFLEXOS TRABALHISTAS

HORAS EXTRAS E SEUS REFLEXOS TRABALHISTAS CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO RIO GRANDE DO SUL MINÁRIO DE ASSUNTOS CONTÁBEIS DE PORTO ALEGRE SEMINÁRIO ASSUNTOS CONTÁBEIS DE PORTO ALEGRE SEMINÁRIO DE ASSUNTOÁBEIS DE PORTO ALEERIO PALESTRA HORAS

Leia mais

Projeto de Lei nº. 4.330/14 Terceirização

Projeto de Lei nº. 4.330/14 Terceirização São Paulo, 28 de Abril de 2015 Projeto de Lei nº. 4.330/14 Terceirização Objetivos da Terceirização Aumentar a produtividade e reduzir custos. Aumento de qualidade em razão da especialização das empresas

Leia mais

Base Legal (Perguntas e Respostas 02.01)

Base Legal (Perguntas e Respostas 02.01) HOMOLOGNET Base Legal (Perguntas e Respostas 02.01) Portaria Nº 1.620, de 14/07/2010: Institui o sistema Homolognet; Portaria Nº 1.621, de 14/07/2010: Aprova modelos de TRCT e Termos de Homologação; Instrução

Leia mais

MÉTODOS DE PREVENÇÃO CONTRA AÇÕES TRABALHISTAS PREVENÇÃO CONTRA AUTUAÇÕES FISCAIS TRABALHISTAS AUDITORIA INTERNA TRABALHISTA

MÉTODOS DE PREVENÇÃO CONTRA AÇÕES TRABALHISTAS PREVENÇÃO CONTRA AUTUAÇÕES FISCAIS TRABALHISTAS AUDITORIA INTERNA TRABALHISTA MÉTODOS DE PREVENÇÃO CONTRA AÇÕES TRABALHISTAS PREVENÇÃO CONTRA AUTUAÇÕES FISCAIS TRABALHISTAS AUDITORIA INTERNA TRABALHISTA Fiscalização do Trabalho Finalidade: tem por finalidade assegurar, em todo o

Leia mais

PARECER Nº, DE 2014. O projeto é composto por 7 (sete) artigos.

PARECER Nº, DE 2014. O projeto é composto por 7 (sete) artigos. PARECER Nº, DE 2014 Da COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA E CIDADANIA, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 421, de 2013, que estabelece regras para o patrocínio dos clubes participantes do Campeonato Brasileiro

Leia mais

CONVÊNIOS E CONSÓRCIOS

CONVÊNIOS E CONSÓRCIOS CONVÊNIOS E CONSÓRCIOS 1. LEGISLAÇÃO - Fundamentação Constitucional: Art. 241 da CF/88 - Fundamentação Legal: Art. 116 da Lei 8.666/93, 2. CONCEITO - CONVÊNIO - é o acordo firmado por entidades políticas

Leia mais

Anexo 05 CONTRATO DE TRABALHO DE APRENDIZ

Anexo 05 CONTRATO DE TRABALHO DE APRENDIZ Anexo 05 EMPREGADOR: CONTRATO DE TRABALHO DE APRENDIZ MSMT..., pessoa jurídica de direito privado, com endereço na Av./Rua..., nº... Bairro..., cidade..., CEP..., inscrita no C.N.P.J...,, neste ato representada

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2009/2010

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2009/2010 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2009/2010 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SC000812/2009 DATA DE REGISTRO NO MTE: 19/06/2009 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR017988/2009 NÚMERO DO PROCESSO: 46220.002440/2009-54 DATA

Leia mais

CAMPEONATOS PAULISTA DE TODAS AS ESPECIALIDADES E DEMAIS EVENTOS OFICIAIS NO ESTADO DE SÃO PAULO

CAMPEONATOS PAULISTA DE TODAS AS ESPECIALIDADES E DEMAIS EVENTOS OFICIAIS NO ESTADO DE SÃO PAULO CAMPEONATOS PAULISTA DE TODAS AS ESPECIALIDADES E DEMAIS EVENTOS OFICIAIS NO ESTADO DE SÃO PAULO CICLISMO DE ESTRARA CICLISMO DE VELÓDROMO- MOUNTAIN BIKE DOWN HILL BICICROSS CICLOTURISMO Termo de Filiação

Leia mais

LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL DO ESPORTE E PROFUT

LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL DO ESPORTE E PROFUT LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL DO ESPORTE E PROFUT Lei de Responsabilidade Fiscal do Esporte e Programa de Modernização da Gestão e de Responsabilidade Fiscal do Futebol Brasileiro Lei nº 13.155, de 4

Leia mais

Atuação do Gestor. no Departamento de Pessoal. Gestão de Pessoas. Fernando Silva da Paixão

Atuação do Gestor. no Departamento de Pessoal. Gestão de Pessoas. Fernando Silva da Paixão Atuação do Gestor no Departamento de Pessoal Atuação do Gestor Férias E 13º Salário Sistema Integrado de Gestão de Pessoas no Dep. Pessoal PLR Férias Todo empregado adquire o direito às férias após 12

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2013/2015 DA ABRANGÊNCIA:

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2013/2015 DA ABRANGÊNCIA: CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2013/2015 DA ABRANGÊNCIA: Cláusula 1ª - Esta convenção coletiva de trabalho que entre si celebram, de um lado o Sindicato dos Médicos de Anápolis e, do outro lado, o Sindicato

Leia mais

DELIBERAÇÃO N.º 806/2013

DELIBERAÇÃO N.º 806/2013 DELIBERAÇÃO N.º 806/2013 Ementa: Delibera acerca da verba de representação, disciplina o pagamento de diárias, jetons e ressarcimento de despesas pelo CRF-PR e dá outras providências. A Presidente do Conselho

Leia mais

PROJETO BÁSICO AGÊNCIA DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA

PROJETO BÁSICO AGÊNCIA DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA PROJETO BÁSICO AGÊNCIA DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA Projeto Básico da Contratação de Serviços: Constitui objeto do presente Projeto Básico a contratação de empresa especializada em serviços de comunicação

Leia mais

TERMOS E CONDIÇÕES GERAIS PARA O USO DE INGRESSO ( TCGS ) versão completa

TERMOS E CONDIÇÕES GERAIS PARA O USO DE INGRESSO ( TCGS ) versão completa TERMOS E CONDIÇÕES GERAIS PARA O USO DE INGRESSO ( TCGS ) versão completa 1. ACEITAÇÃO DOS TCGS PELO DETENTOR DE INGRESSO 1.1. O uso dos ingressos para sessões de treinamento abertas ao público das seleções

Leia mais

REGULAMENTO DE INSCRIÇÕES E TRANSFERÊNCIAS FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE BASQUETEBOL

REGULAMENTO DE INSCRIÇÕES E TRANSFERÊNCIAS FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE BASQUETEBOL REGULAMENTO DE INSCRIÇÕES E TRANSFERÊNCIAS DA COM AS ALTERAÇÕES APROVADAS NA ASSEMBLEIA GERAL DE 06.DEZEMBRO.2008 E NAS REUNIÕES DE DIRECÇÃO DE 28.JULHO.2011; 06.NOVEMBRO.2012; 26.FEVEREIRO. 2014 1 2 ÍNDICE

Leia mais

MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS DEPARTAMENTO DE PESSOAL

MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS DEPARTAMENTO DE PESSOAL Copia Controlada nº Código: RHP07 V05 Emissão: 30/05/2012 Folha: 1/18 MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS Registro de Ponto Copia Controlada nº Código: RHP07 V05 Emissão: 30/05/2012 Folha: 2/18 1 Conteúdo

Leia mais

O PREFEITO MUNICIPAL DE GUANHÃES, Estado de Minas Gerais, no uso de suas atribuições legais;

O PREFEITO MUNICIPAL DE GUANHÃES, Estado de Minas Gerais, no uso de suas atribuições legais; LEI Nº 2451 DE 24 DE NOVEMBRO DE 2011 Dispõe sobre o estágio de estudantes junto ao poder público Municipal, suas autarquias e fundações e dá outras providencias. O PREFEITO MUNICIPAL DE GUANHÃES, Estado

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO Page 1 of 6 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PR001702/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: 21/05/2013 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR014964/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46212.006002/2013-41

Leia mais

DIREITOS E DEVERES:TRABALHADOR E EMPREGADOR

DIREITOS E DEVERES:TRABALHADOR E EMPREGADOR DIREITOS E DEVERES:TRABALHADOR E EMPREGADOR Por intermédio destas informações, o SITRIVESCH tem por finalidade informar o trabalhador de seus direitos/deveres. Importante destacar que o não cumprimento

Leia mais

Menor Aprendiz Perguntas Frequentes

Menor Aprendiz Perguntas Frequentes Menor Aprendiz Perguntas Frequentes A aprendizagem é regulada pela CLT e passou por um processo de modernização com a promulgação das Leis nºs. 11.180/2005, 10.097/2008 e 11.788/2008. O Estatuto da Criança

Leia mais

CONTRATO DE TRABALHO. Empregado Preso

CONTRATO DE TRABALHO. Empregado Preso CONTRATO DE TRABALHO Empregado Preso Muitas dúvidas surgem quando o empregador toma conhecimento que seu empregado encontra-se preso. As dúvidas mais comuns são no sentido de como ficará o contrato de

Leia mais

SENAC/DF - SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL

SENAC/DF - SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL CAMPANHA SALARIAL - 2014/2015 ELENCO DE REIVINDICAÇÃO DOS TRABALHADORES DO SENAC-SERVICO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COM COMERCIAL-ADMINISTRACAO REGIONAL DO DF O SINDICATO DOS EMPREGADOS EM ENTIDADES DE ASSISTÊNCIA

Leia mais

O Presidente da Liga Araguarina de Futebol, no uso de suas atribuições, por delegação de poderes, que lhes fora conferido, pelo Estatuto da Entidade:

O Presidente da Liga Araguarina de Futebol, no uso de suas atribuições, por delegação de poderes, que lhes fora conferido, pelo Estatuto da Entidade: LIGA ARAGUARINA DE FUTEBOL DEPARTAMENTO TÉCNICO NOTA OFICIAL Nº 004/2013 - DT DISPÕE SOBRE O REGULAMENTO, DO CAMPEONATO DA 1ª DIVISÃO DE NÃO PROFISSIONAIS, DA TEMPORADA DE 2013. O Presidente da Liga Araguarina

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 611, DE 20 DE DEZEMBRO DE 2013

LEI COMPLEMENTAR Nº 611, DE 20 DE DEZEMBRO DE 2013 LEI COMPLEMENTAR Nº 611, DE 20 DE DEZEMBRO DE 2013 Procedência: Governamental Natureza: PLC/0046.0/2013 DO: 19.729, de 31/12/2013 Fonte: ALESC/Coord. Documentação Fixa o subsídio mensal dos integrantes

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2013

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2013 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2013 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MG001633/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: 30/04/2013 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR017942/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46211.001682/2013-16 DATA DO

Leia mais

Decreto-Lei n.º 146/93 de 26 de Abril

Decreto-Lei n.º 146/93 de 26 de Abril Decreto-Lei n.º 146/93 de 26 de Abril (Rectificado, nos termos da Declaração de Rectificação n.º 134/93, publicada no DR, I-A, supl, n.º 178, de 31.07.93) Objecto... 2 Obrigatoriedade do seguro... 2 Seguro

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2014 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: AL000089/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: 07/04/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR002498/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46201.000506/2014-67 DATA

Leia mais