Ter sucesso é possível e desejável no aparecimento da nova época industrial e capitalista onde Melville situa o seu Bartleby the Scriveneur.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Ter sucesso é possível e desejável no aparecimento da nova época industrial e capitalista onde Melville situa o seu Bartleby the Scriveneur."

Transcrição

1 É Bartleby um Anarquista? Já desde as conferências dadas por Russel H. Conwell em que este advogava ser dever do homem americano enriquecer ou, nas suas palavras: Money is power, and you ought to be reasonably ambitious to have it. You ought because you can do more good with it than you could with out it. 1, que é considerado justo e moralmente necessário para o Americano enriquecer e ter poder, em suma, ter sucesso. Essa ideia de mundo novo é, a um tempo, expiação e possibilidade, oportunidade de enriquecer e concretizar num mundo que o permite, aquilo que está conforme à natureza do homem (americano): ser bem sucedido, ter sucesso. O homem Americano já não segue a doutrina da oportunidade de Benjamin Franklin segundo a qual, todas as oportunidades estão à espera de serem concretizadas; ele agora, também identifica o dinheiro com o Bem e, assim, ter sucesso não é apenas o acto de concretizar no mundo o que por ele é permitido e pelo homem desejado mas, também, enriquecer, ter poder; pois assim se eleva a natureza do homem, quer seja porque desse modo pode fazer melhor o bem, de acordo com Russel H. Conwell, quer seja porque a natureza predispôs o carácter de alguns homens a essa missão, segundo Carnegie; e eles, a ela devem responder. Ter sucesso é possível e desejável no aparecimento da nova época industrial e capitalista onde Melville situa o seu Bartleby the Scriveneur. Neste sentido, é-nos possível considerar a figura do advogado no conto de Melville como uma representação desse 1 Conferência: Acres of Diamonds dada por Russel H. Conwell, 1870 in A Nineteenth-century American Reader; United States Information Agency, 1989 pg.472 1

2 ideal de sucesso, ideia essa dissociada da busca moralmente cega do dinheiro e do poder por ser, o advogado, um homem respeitável e justo mas que não deixa, ainda assim, de estabelecer a sua ligação e admiração por John Jacob Astor, expoente máximo e imagem comummente utilizada como primeiro exemplo do capitalismo selvagem nos Estados Unidos e dos males sociais que essa busca pode provocar no homem americano. Se podemos, então, atribuir a este advogado a figura de sucesso, gostaríamos, do mesmo modo, de propor a imagem de Bartleby, não como um falhado, ou seja o seu oposto, mas também como um paradigma de sucesso. Se se pode enriquecer e desejar fazê-lo na América porque ela o permite, também se pode desejar não o fazer, pois também isso é permitido. No entanto, a fatalidade inerente à ligação entre o dinheiro e o bem é a de considerar mau ou errado, ou mesmo deslocado, aquele que não possui dinheiro ou que não o deseja possuir. Quando, no seguimento de Russel H. Conwell, é mais possível fazer o bem quanto mais dinheiro se tenha, o inverso também se dá e, assim, aquele que é pobre e não deseja enriquecer não pode fazer o bem, nem deseja fazê-lo. Quando, de acordo com Carnegie, alguns homens nascem com o direito e o dever de enriquecer, podendo assim melhorar a sociedade, a outros tal não é permitido, nem nunca será. 2

3 Essa América das possibilidades infinitas vê, afinal, reduzido o seu espectro da realização pessoal e humana entre aqueles que podem e desejam enriquecer e aqueles a quem tal está vedado ou que, pela sua natureza, não o desejam. Uma vez que o bem está do lado dos que detêm o poder, por lhes ser permitido praticá-lo devido à sua condição de homens de sucesso e por lhes ser exigido que tenham sucesso para que sejam moralmente correctos; os não poderosos não partilham de uma vida moralmente correcta, não praticam o bem, não o podem fazer, não o desejam fazer: são os excluídos, os errados, os outros que justificam os que estão certos. Nessa América das possibilidades infinitas existem afinal duas esferas de realização pessoal: ou o homem americano se cumpre de acordo com o que é moralmente correcto e enriquece, ou se cumpre na figura do excluído. Este outro, o outro que justifica a correcta acção é o excluído, é o falhado, o macilento, lívido e apático Bartleby que os olhos do advogado nos mostram. Se é permitido atribuir ao advogado a figura de sucesso, é igualmente viável identificar outro paradigma de sucesso em Bartleby ao invés de o considerar um falhado, uma figura antinómica daquele. Observamos um Bartleby bem sucedido na sua auto exclusão, por escolha própria, em oposição ao Bartleby falhado, o Bartleby moralmente errado, forçado a isso pelo poder, sem escolha, sem possibilidades, aceitando, ou não, o seu fracasso. 3

4 Bartleby terá também sucesso porque retoma a ideia das infinitas possibilidades da América mítica, onde um homem pode ser o que deseja, porque isso lhe é permitido. Aqui se funda a atitude anarquista de Bartleby. Um primeiro momento decisivo para o anarquista é o reconhecimento da soberania do eu. Ele coloca o eu acima de todas as coisas que a ele são exteriores, até mesmo à ideia social de eu como o proclamou Stirner; nega, inevitavelmente, a propriedade e leva à recusa do poder sobre tudo o que esteja fora do indivíduo e à recusa da posse ou do exercício do mesmo. Ainda assim, a face social do anarquismo, que ganha expressão sobre a forma das teorias políticas e da associação de indivíduos apostados em alterar a sociedade para anular as formas do exercício de poder sobre os indivíduos, procura agir no mundo, mudar-lhe a face, adequá-la ao seu objectivo da liberdade máxima do indivíduo; grupos esses que também têm expressão e significado na América de Melville; quer seja a partir da ideia da soberania do indivíduo defendida por Emmerson e pelos transcendentalistas; quer seja pela abolição do Estado defendida por Thoreau; quer seja na Comunidade de New Harmony fundada em 1824 por Robert Owen, ou na Colónia of Modern Times fundada em 1850 por Josiah Warren em Long Island. 2 Melville não seria, certamente, indiferente a estes movimentos sociais e políticos e podemos ver no seu conto uma condenação dessa justiça, desse poder e riqueza, tão 2 In Madison, Charles A. Anarchism in the United States; Journal of the History of Ideas, Vol. 6, No. 1. (Jan., 1945), pp

5 oposto a essas experiências anarquistas e ao pensamento de Emmerson e Thoreau. No entanto, estas não deixam apenas de ser a face exterior do movimento anarquista; o princípio de soberania máxima do eu implica a exclusão do mundo exterior. O momento anarquista por excelência é aquele em que o indivíduo transfere para si tudo aquilo que lhe foi roubado e que transitou para a esfera do estado e da sociedade: a possibilidade de matar, a possibilidade de ser ele próprio o seu juiz. Assim, entendemos aqui o anarquismo como uma posição íntima, pessoal e única, à qual poderão não ser estranhas as formas de associação política ou filosófica mas que vêm apenas por acaso ou consequência não desejável. O anarquista de Junger, tal como este o apresenta na sua obra Eumeswill e em O Passo da Floresta, é aquele que dá esse primeiro passo da soberania do eu, aquele que se instaura como o juiz de si próprio mas que, ao fazê-lo, inicia um processo que o levará mesmo a perguntar-se até que ponto é a liberdade desejável e se não existe um mérito particular ( ) no saber renunciar 3 a ela; o que irá culminar na figura do Desterrado, aquele que dá o Passo da Floresta. A floresta representa o lugar mítico de exclusão, o lugar para onde são empurrados os desterrados como Esther Pryne em The Scarlett Letter de Hawthorne. 3 - Junger, Ernst Der Waldgang, O Passo da Floresta, Trad. Molder, Maria Filomena, Ed. Cotovia 1995 Lisboa; pp

6 Em primeira instância, é o local sombrio, suficientemente cerrado para que não se veja a partir da aldeia o desterrado mas que, ainda assim, se intua a sua presença. Mas este lugar de desterro ganha uma nova dimensão com Junger, uma dimensão mental, ou de categoria já deslocalizada; não é uma floresta real aquela para onde o desterrado vai e na verdade o mesmo já não é expulso pela aldeia. Inaugura-se aqui, antes uma transferência ontológica; não é tanto que o desterro se concretize ali; mas mais que o desterrado se torna nisso. Esta transferência anula a ordem exterior de expulsão. Na verdade, não foi a sociedade que expulsou Bartleby para a floresta; Bartleby transferiu o seu ser para a floresta. Ele não foi expulso, ele desterrou-se. Ele redireccionou o seu campo de ser, ele escolheu dar o passo da floresta, escolheu, então, realizar-se nessa região mítica e sombria, porque pessoal e única, desligada dos pressupostos normais que regulam as relações e que é expressa naquilo a que Gilles Deleuze apelidou de fórmula; o seu I prefer not to que, segundo Deleuze faz de Bartleby um puro excluído ao qual já nenhuma situação social pode ser atribuída 4 O passo da floresta não pode deixar de perturbar os que rodeiam o Desterrado, pois aquele ainda vive entre eles mas deslocou o seu centro ontológico para a floresta, para a região onde só pode estar de acordo consigo próprio, com a sua total soberania. 4 -Deleuze, Gilles Critique et Clinique, Crítica e Clínica, Trad. Duarte, Pedro Eloy, Ed. Séc XXI 2000; pp

7 Esta figura adquire, desta forma, um carácter mitológico; será um regresso às potencialidades totais do ser humano; essa ideia tão cara ao pensamento Norte-Americano, onde, ainda segundo Deleuze a América é o potencial do homem sem particularidades, o Homem original ( ) 5. Homem esse que, embora não o procurando, pode tornarse, ao cumprir o seu papel mítico, segundo Deleuze não ( ) o doente, mas o médico de uma América doente, o Medecineman, o novo Cristo. 6 É possível observar no conto de Melville a influência do deslocamento de Bartleby e o seu possível carácter paliativo a operarem começando por, numa primeira instância, perturbar o seu patrão e os seus colegas, essa ordem paternal, indulgente e prepotente, para, a partir dessa perturbação, e em particular na figura do advogado, instaurar o movimento anímico que poderá levar à redenção. O advogado que deseja expulsar Bartleby, deseja também estar próximo dele e essa grande perturbação é a exaltação das potencialidades do Desterrado. Esse homem que transferiu para si aquilo em que só ele pode ser juiz é um homem cumprindo-se, homem esse mais forte que o Estado e as colectividades; homem que triunfou sobre a grande figura orientadora da acção dos homens, que é, segundo Junger, o medo da morte. Foi porque superou esse medo, ou os diversos medos consoante se exprimam de acordo com as épocas à época de Melville, o capitalismo na época actual já não o nuclear mas o terrorismo, a violência arbitrária; foi por ter superado o medo da morte e a expressão temporal desse medo 5 -Deleuze, Gilles Critique et Clinique, Crítica e Clínica, Trad. Duarte, Pedro Eloy, Ed. Séc XXI 2000; pp Deleuze, Gilles Critique et Clinique, Crítica e Clínica, Trad. Duarte, Pedro Eloy, Ed. Séc XXI 2000; pp

8 que o Desterrado atraiu a si aqueles que nele intuem a força irreprimível da escolha. Citando Junger: essa liberdade far-se-á valer em qualquer outro campo regido por ele. Então hão-de cair os gigantes, cujo armamento é o terror. 7 A tarefa do Desterrado consiste em que ele fixa, para opor ao Leviatã, a medida da liberdade 8 O Desterrado é, então, aquele por onde se concretiza uma realidade do mundo, no caso ideal, a sua liberdade pessoal harmonizar-se-á com a do seu país 9. Junger apresenta mesmo a figura de Guilherme Tell através do qual o povo percebeu que estava a ser enganado. Também desta forma, o advogado intui que existe um outro mundo e não pode deixar de se sentir atraído por essa força de carácter que é possível reconhecer na escolha de Bartleby. Da mesma forma que o Desterrado sabe que a pena de morte não é abolida 10 ; tal como John Brown aceita a sua morte e está preparado para ela, também Bartleby caminha para a sua morte sem cedências. Numa atitude em que, poderíamos dizer, o passo da floresta se desloca para uma quase ascese mística; Bartleby concretiza o Passo da Floresta e ultrapassa-o. Ele já não é o combatente em que o desterrado se pode tornar, algo mais próximo de John Brown devido à sua acção militar, ao seu gesto de luta armada; um gesto caro ao Desterrado que é também um guerrilheiro; Bartleby está, agora, mais próximo de um asceta. 7 - Junger, Ernst Der Waldgang, O Passo da Floresta, Trad. Molder, Maria Filomena, Ed. Cotovia 1995 Lisboa; pp Junger, Ernst Der Waldgang, O Passo da Floresta, Trad. Molder, Maria Filomena, Ed. Cotovia 1995 Lisboa; pp Junger, Ernst Der Waldgang, O Passo da Floresta, Trad. Molder, Maria Filomena, Ed. Cotovia 1995 Lisboa; pp Junger, Ernst Der Waldgang, O Passo da Floresta, Trad. Molder, Maria Filomena, Ed. Cotovia 1995 Lisboa; pp

9 Podemos afirmar então que Bartleby teve sucesso ao realizar em si as potencialidades do Anarquista, assumindose como um Desterrado, dando o Passo da Floresta, aceitando a sua morte. Deixa de ser um falhado face ao advogado. Bartleby é um homem de sucesso, ele atingiu essa liberdade suprema de valer mais que o Estado, a família, o patrão; de valer apenas aquilo que ele entendeu ter valor. O seu sucesso não se verifica na sua morte mas na forma como ele a encarou, aceitando-a, mais do que a procurando. Abre-se uma brecha na relação de justiça moral do dinheiro: reinstalam-se de novo as infinitas possibilidades da América, onde volta a ser possível tornar-se indivíduo, ser solitário, ser figura mítica: ser O Anarquista. 9

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE GABINETE DO PRIMEIRO-MINISTRO

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE GABINETE DO PRIMEIRO-MINISTRO REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE GABINETE DO PRIMEIRO-MINISTRO ALOCUÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O PRIMEIRO-MINISTRO, MINISTRO DA DEFESA E SEGURANÇA KAY RALA XANANA GUSMÃO POR OCASIÃO DA VISITA À ACADEMIA

Leia mais

I Comunicação, Conflito e Poder

I Comunicação, Conflito e Poder Sessão Semi-Plenária Mundos Sociais: Saberes e Práticas I Comunicação, Conflito e Poder RODRIGUES, Adriano Duarte Resumo A temática desta mesa levanta uma das questões fundamentais com que se confrontam

Leia mais

THOMAS HOBBES LEVIATÃ MATÉRIA, FORMA E PODER DE UM ESTADO ECLESIÁSTICO E CIVIL

THOMAS HOBBES LEVIATÃ MATÉRIA, FORMA E PODER DE UM ESTADO ECLESIÁSTICO E CIVIL THOMAS HOBBES LEVIATÃ ou MATÉRIA, FORMA E PODER DE UM ESTADO ECLESIÁSTICO E CIVIL Thomas Hobbes é um contratualista teoria do contrato social; O homem natural / em estado de natureza para Hobbes não é

Leia mais

Bernardino Duarte e Associados SOCIEDADE DE ADVOGADOS, RL

Bernardino Duarte e Associados SOCIEDADE DE ADVOGADOS, RL Exmos Senhores Juizes do Tribunal Administrativo e Fiscal de Proc. Nº 747/13.1BELLE LOULÉ Associação dos Investidores do Hotel Apartamento Neptuno, pessoa colectiva nº 507788648, com sede no Centro de

Leia mais

Congresso da Cidadania. Ruptura e Utopia para a Próxima Revolução Democrática

Congresso da Cidadania. Ruptura e Utopia para a Próxima Revolução Democrática Congresso da Cidadania. Ruptura e Utopia para a Próxima Revolução Democrática Celebramos os 40 anos do 25 de Abril. Durante um ano celebrámos os valores de Abril de Liberdade, de Justiça, de Solidariedade.

Leia mais

A Filosofia A origem da Filosofia 1

A Filosofia A origem da Filosofia 1 A Filosofia A origem da Filosofia 1 A PALAVRA FILOSOFIA A palavra filosofia é grega. É composta por duas outras: philo e sophia. Philo deriva-se de philia, que significa amizade, amor fraterno, respeito

Leia mais

1. Motivação para o sucesso (Ânsia de trabalhar bem ou de se avaliar por uma norma de excelência)

1. Motivação para o sucesso (Ânsia de trabalhar bem ou de se avaliar por uma norma de excelência) SEREI UM EMPREENDEDOR? Este questionário pretende estimular a sua reflexão sobre a sua chama empreendedora. A seguir encontrará algumas questões que poderão servir de parâmetro para a sua auto avaliação

Leia mais

A ESCOLA CATÓLICA, UMA INSTITUIÇAO DE ENSINO COM MÍSTICA EVANGELIZADORA

A ESCOLA CATÓLICA, UMA INSTITUIÇAO DE ENSINO COM MÍSTICA EVANGELIZADORA A ESCOLA CATÓLICA, UMA INSTITUIÇAO DE ENSINO COM MÍSTICA EVANGELIZADORA A escola católica será uma instituiçao com mística evangelizadora UMA ESCOLA A SERVIÇO DA PESSOA E ABERTA A TODOS UMA ESCOLA COM

Leia mais

A função do RH. O que faz um RH. (*) Jan Wiegerinck

A função do RH. O que faz um RH. (*) Jan Wiegerinck A função do RH (*) Jan Wiegerinck A empresa é, entre outras coisas, uma comunidade de pessoas. Mas, comunidade com características próprias. Não é, como outras comunidades, uma família, uma nação ou uma

Leia mais

CEAP Curso de Direito Disciplina Introdução ao Direito. Aula 03. Prof. Milton Correa Filho

CEAP Curso de Direito Disciplina Introdução ao Direito. Aula 03. Prof. Milton Correa Filho CEAP Curso de Direito Disciplina Introdução ao Direito Aula 03 E Prof. Milton Correa Filho 1.Motivação: O que é o que é (Gonzaguinha) -Dialógo de Antigona 2.Apresentação dos slides 3.Tira duvidas 4.Avisos

Leia mais

- Pai, temos estado a falar em Cidadania, mas ainda me disseste pouco sobre a origem da palavra e do conceito. Acho que me falaste só na «polis»

- Pai, temos estado a falar em Cidadania, mas ainda me disseste pouco sobre a origem da palavra e do conceito. Acho que me falaste só na «polis» - Pai, temos estado a falar em Cidadania, mas ainda me disseste pouco sobre a origem da palavra e do conceito. Acho que me falaste só na «polis» grega, não foi? - Sim, de facto, a origem mais longínqua

Leia mais

Henry Thoreau: Crítica e percepção de seu tempo uma análise de Desobediência Civil Carlos Guilherme Rocha

Henry Thoreau: Crítica e percepção de seu tempo uma análise de Desobediência Civil Carlos Guilherme Rocha Henry Thoreau: Crítica e percepção de seu tempo uma análise de Desobediência Civil Carlos Guilherme Rocha...é preciso estender a autoridade da União até as pessoas dos cidadãos, que são os verdadeiros

Leia mais

O Estado como Ordem Jurídica: análise da Teoria Pura do Direito de Kelsen à Luz do Pensamento de Gramsci

O Estado como Ordem Jurídica: análise da Teoria Pura do Direito de Kelsen à Luz do Pensamento de Gramsci Artigos O Estado como Ordem Jurídica: análise da Teoria Pura do Direito de Kelsen à Luz do Pensamento de Gramsci Rommel Madeiro de Macedo Carneiro Advogado da União, Coordenador de Assuntos Administrativos

Leia mais

A GENEROSIDADE: REFLEXÃO EM TORNO DO CONCEITO

A GENEROSIDADE: REFLEXÃO EM TORNO DO CONCEITO A GENEROSIDADE: REFLEXÃO EM TORNO DO CONCEITO Ramiro Marques A generosidade é um vocábulo que vem do latim generositate, que significa bondade da raça, boa qualidade. O adjectivo generoso vem do latim

Leia mais

Redenção Acontecimento e linguagem

Redenção Acontecimento e linguagem Redenção Acontecimento e linguagem Pediram-me que fizesse uma introdução a este debate acerca da «Redenção Acontecimento e liguagem» do ponto de vista da teologia sistemática. Limitar-me-ei, portanto,

Leia mais

Filosofia, Arte e Ciência : modos de pensar o acontecimento e o virtual segundo Gilles Deleuze

Filosofia, Arte e Ciência : modos de pensar o acontecimento e o virtual segundo Gilles Deleuze Filosofia, Arte e Ciência : modos de pensar o acontecimento e o virtual segundo Gilles Deleuze Catarina Pombo Nabais No seu último livro, intitulado O que é a Filosofia?, Deleuze e Guattari desenham uma

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO MINISTÉRIO Organismo/Serviço NIF Avaliador Cargo NIF FICHA DE AVALIAÇÃO PARA O PESSOAL DOS GRUPOS PROFISSIONAIS TÉCNICO SUPERIOR E TÉCNICO A preencher pelo avaliador Avaliado Unidade orgânica Carreira

Leia mais

Conhecer a FCH, Conferências Multidisciplinares. VOLUME 5 Filosofia. Filosofia e Direitos dos Animais. Questões de Filosofia Aplicada

Conhecer a FCH, Conferências Multidisciplinares. VOLUME 5 Filosofia. Filosofia e Direitos dos Animais. Questões de Filosofia Aplicada Conhecer a FCH, Conferências Multidisciplinares VOLUME 5 Filosofia Filosofia e Direitos dos Animais. Questões de Filosofia Aplicada Lisboa Universidade Católica Editora 2011 Índice Apresentação................................

Leia mais

INFLUÊNCIA DOS ESPÍRITOS EM NOSSOS PENSAMENTOS E ATOS

INFLUÊNCIA DOS ESPÍRITOS EM NOSSOS PENSAMENTOS E ATOS INFLUÊNCIA DOS ESPÍRITOS EM NOSSOS PENSAMENTOS E ATOS SINTONIA VIBRATÓRIA E AFINIDADE MORAL Vimos antes que matéria e energia são aspectos de uma mesma realidade. Podem parecer muito diferentes aos nossos

Leia mais

LEI DE JUSTIÇA, AMOR E CARIDADE

LEI DE JUSTIÇA, AMOR E CARIDADE CAPÍTULO 11 LEI DE JUSTIÇA, AMOR E CARIDADE Justiça e direitos naturais Direito de propriedade. Roubo Caridade e amor ao próximo Amor maternal e filial JUSTIÇA E DIREITOS NATURAIS 873 O sentimento de justiça

Leia mais

EUNEDS INTRODUÇÃO FINALIDADE E OBJECTIVOS

EUNEDS INTRODUÇÃO FINALIDADE E OBJECTIVOS EUNEDS INTRODUÇÃO O mandato para desenvolver uma Estratégia para a Educação para o Desenvolvimento Sustentável (EDS) decorre da declaração apresentada pelos ministros do ambiente da CEE/ONU na 5ª Conferência

Leia mais

Princípios Elementares de Filosofia

Princípios Elementares de Filosofia Pelo Socialismo Questões político-ideológicas com atualidade http://www.pelosocialismo.net Obra editada pela Prelo Editora, SARL, em janeiro de 1975 (4.ª Edição) Colocado em linha em: 2012/01/23 Princípios

Leia mais

A INVESTIGAÇÃO CRIMINAL EM PORTUGAL NO SÉCULO XXI

A INVESTIGAÇÃO CRIMINAL EM PORTUGAL NO SÉCULO XXI A INVESTIGAÇÃO CRIMINAL EM PORTUGAL NO SÉCULO XXI REFLEXÃO (DIVAGAÇÕES?) SOBRE O MODELO IDEAL PARA PORTUGAL: CORPO DE POLÍCIA CRIMINAL, CORPO SUPERIOR DE POLÍCIA CRIMINAL OU CORPO SUPERIOR DE POLÍCIA?

Leia mais

Programa de Filosofia nos 6 e 7 anos

Programa de Filosofia nos 6 e 7 anos Escolas Europeias Bureau du Secrétaire général du Conseil Supérieur Unité pédagogique Referência: 1998-D-12-2 Orig.: FR Versão: PT Programa de Filosofia nos 6 e 7 anos Aprovado pelo Conselho Superior de

Leia mais

Francisco José Carvalho

Francisco José Carvalho 1 Olá caro leitor, apresento a seguir algumas considerações sobre a Teoria da Função Social do Direito, ao qual considero uma teoria de direito, não apenas uma teoria nova, mas uma teoria que sempre esteve

Leia mais

Pluralidade dos Mundos Habitados. Paulo Roberto de Mattos Pereira Centro Espírita Casa do Caminho - DF

Pluralidade dos Mundos Habitados. Paulo Roberto de Mattos Pereira Centro Espírita Casa do Caminho - DF Habitados Paulo Roberto de Mattos Pereira Centro Espírita Casa do Caminho - DF Jesus referiu-se em algum momento de suas pregações à existência de outros mundos habitados? Qualquer pessoa que pensa, ao

Leia mais

TV Ciência: Que modelos de ajuda para a eliminação da pobreza em Moçambique propõe?

TV Ciência: Que modelos de ajuda para a eliminação da pobreza em Moçambique propõe? TV Ciência: É considerado que as forças da globalização e marginalização são responsáveis por criarem dificuldades ao desenvolvimento. Pode concretizar esta ideia? Jessica Schafer: A globalização como

Leia mais

2º Aquele que não pratica (não pratica a Lei), mas crê naquele que justifica o ímpio, a sua fé lhe é

2º Aquele que não pratica (não pratica a Lei), mas crê naquele que justifica o ímpio, a sua fé lhe é Muitos, ao ouvirem que o cristão não precisa praticar as obras da Lei, como: guarda do sábado, sacrifício de jejum, uso do véu, devolução de dízimo, etc., logo fazem a seguinte pergunta: A Lei de Deus

Leia mais

HOMOFOBIA E VIOLÊNCIA: O DESAFIO EDUCACIONAL NA PERSPECTIVAS DE HANNAH ARENET

HOMOFOBIA E VIOLÊNCIA: O DESAFIO EDUCACIONAL NA PERSPECTIVAS DE HANNAH ARENET 1 HOMOFOBIA E VIOLÊNCIA: O DESAFIO EDUCACIONAL NA PERSPECTIVAS DE HANNAH ARENET Marlesson Castelo Branco do Rêgo IFPE Doutorando em Ciências Humanas pela UFSC Introdução Em 2004, o governo federal lançou

Leia mais

DIVÓRCIO. Portugal EUA Alguns países europeus Alterações legislativas em Espanha e França Proposta BE

DIVÓRCIO. Portugal EUA Alguns países europeus Alterações legislativas em Espanha e França Proposta BE DIVÓRCIO Portugal EUA Alguns países europeus Alterações legislativas em Espanha e França Proposta BE Portugal Modalidades possíveis: Divórcio litigioso: Violação dos deveres conjugais Ruptura da vida em

Leia mais

ÉTICA AMBIENTAL: A ÉTICA DO FUTURO. Manuel João Pires

ÉTICA AMBIENTAL: A ÉTICA DO FUTURO. Manuel João Pires SOCIALISMO2007 ÉTICA AMBIENTAL: A ÉTICA DO FUTURO Manuel João Pires ÉTICA AMBIENTAL Reflexão sobre os princípios que devem orientar a nossa acção nas relações que estabelecemos com o mundo natural. ÉTICA

Leia mais

O Cliente. E falando de afecto, as mulheres prostitutas, elas também tentam amar e ser amadas.

O Cliente. E falando de afecto, as mulheres prostitutas, elas também tentam amar e ser amadas. O cliente é proveniente de todas as classes sociais. O local onde procura a mulher é diferenciado. Varia consoante o seu poder de compra. Por exemplo numa zona pobre de prostituição, a clientela é constituída

Leia mais

Senhor Ministro-adjunto e do Desenvolvimento Regional, Senhor Ministro do Ambiente, Ordenamento do Território e Energia,

Senhor Ministro-adjunto e do Desenvolvimento Regional, Senhor Ministro do Ambiente, Ordenamento do Território e Energia, ATO DE POSSE, 9 DE AGOSTO 2013 Emídio Gomes Presidente da CCDR-N Senhor Ministro-adjunto e do Desenvolvimento Regional, Senhor Ministro do Ambiente, Ordenamento do Território e Energia, Senhor Secretário

Leia mais

2- Demonstração da irregularidade processual e da inconsistência científica da avaliação do CFUL

2- Demonstração da irregularidade processual e da inconsistência científica da avaliação do CFUL 1.10 Centro de Filosofia da Universidade de Lisboa (7 de Julho de 2014) Carta da Direcção do Centro de Filosofia da Universidade de Lisboa (CFUL) à FCT, De Rerum Natura, 2014 [http://dererummundi.blogspot.pt/2014/07/carta-da-direccao-do-centro-de_7.html]

Leia mais

PROJETO DA CRÍTICA DA RAZÃO PURA E A IMPOSSIBILIDADE DA ONTOLOGIA ENQUANTO CIÊNCIA

PROJETO DA CRÍTICA DA RAZÃO PURA E A IMPOSSIBILIDADE DA ONTOLOGIA ENQUANTO CIÊNCIA O PROJETO DA CRÍTICA DA RAZÃO PURA E A IMPOSSIBILIDADE DA ONTOLOGIA ENQUANTO CIÊNCIA Regenaldo da Costa * RESUMO Conforme a Crítica da Razão Pura de Kant, o conhecimento humano é mediado pela subjetividade

Leia mais

CATHIANI MARA BELLÉ EM KANT, É POSSÍVEL O HOMEM RACIONAL SER FELIZ?

CATHIANI MARA BELLÉ EM KANT, É POSSÍVEL O HOMEM RACIONAL SER FELIZ? CATHIANI MARA BELLÉ EM KANT, É POSSÍVEL O HOMEM RACIONAL SER FELIZ? CURITIBA 2011 CATHIANI MARA BELLÉ EM KANT, É POSSÍVEL O HOMEM RACIONAL SER FELIZ? Projeto de pesquisa apresentado à Universidade Federal

Leia mais

Conferência REGIME PROCESSUAL EXPERIMENTAL: SIMPLIFICAÇÃO E GESTÃO PROCESSUAL. Direcção-Geral da Política Legislativa. Porto, 16 de Outubro de 2007

Conferência REGIME PROCESSUAL EXPERIMENTAL: SIMPLIFICAÇÃO E GESTÃO PROCESSUAL. Direcção-Geral da Política Legislativa. Porto, 16 de Outubro de 2007 Conferência REGIME PROCESSUAL EXPERIMENTAL: SIMPLIFICAÇÃO E GESTÃO PROCESSUAL Direcção-Geral da Política Legislativa Porto, 16 de Outubro de 2007 A IMPORTÂNCIA DA COLABORAÇÃO DAS PARTES I INTRODUÇÃO: Falar

Leia mais

«Anti-Cristo» Pedro Filipe Adão Universidade Nova de Lisboa

«Anti-Cristo» Pedro Filipe Adão Universidade Nova de Lisboa «Anti-Cristo» Pedro Filipe Adão Universidade Nova de Lisboa Nietzsche é uma das mais controversas personagens do seu tempo. O seu estilo, a forma radical como pôs os valores vigentes em causa e a maneira

Leia mais

A partir das palavras do psiquiatra suíço Carl Gustav Jung, quais sejam:

A partir das palavras do psiquiatra suíço Carl Gustav Jung, quais sejam: Neiruaitt Norberto de Sousa A partir das palavras do psiquiatra suíço Carl Gustav Jung, quais sejam: O inconsciente é a história não escrita do homem a partir de épocas imemoriais, podemos dizer que: O

Leia mais

MEU REINO NÃO É DESTE MUNDO

MEU REINO NÃO É DESTE MUNDO CAPÍTULO 2 MEU REINO NÃO É DESTE MUNDO A vida futura A realeza de Jesus O ponto de vista Instruções dos Espíritos: Uma realeza terrena 1. Tornou a entrar Pilatos no palácio, e chamou a Jesus, e disse:

Leia mais

ÁREAS DE DESENVOLVIMENTO:

ÁREAS DE DESENVOLVIMENTO: Rede7 Mestrado em Ensino do Inglês e Francês no Ensino Básico ÁREAS DE DESENVOLVIMENTO: DESENVOLVIMENTO MORAL Aspectos gerais Definição de moralidade Perspectiva psicológica da moralidade Desenvolvimento

Leia mais

Educação e Desenvolvimento Social

Educação e Desenvolvimento Social Educação e Desenvolvimento Social Luiz Antonio Cunha Os Princípios Gerais do Liberalismo O liberalismo é um sistema de crenças e convicções, isto é, uma ideologia. Todo sistema de convicções tem como base

Leia mais

Forma do processo na acção de despejo; efeitos da revelia do réu em processo sumário.

Forma do processo na acção de despejo; efeitos da revelia do réu em processo sumário. Processo nº 11/03 Acção de despejo Forma do processo na acção de despejo; efeitos da revelia do réu em processo sumário. Sumário: 1. A acção de despejo, como meio para fazer cessar imediatamente o contrato

Leia mais

OBSERVATÓRIO DOS DIREITOS HUMANOS. Relatório. agosto de 2015

OBSERVATÓRIO DOS DIREITOS HUMANOS. Relatório. agosto de 2015 OBSERVATÓRIO DOS DIREITOS HUMANOS Relatório agosto de 2015 Das garantias do Cidadão estrangeiro em caso de afastamento coercivo do território Português I. Apresentação do caso O Observatório dos Direitos

Leia mais

ASSEMBLEIA NACIONAL. Lei n.º 14/91 de 11 de Maio

ASSEMBLEIA NACIONAL. Lei n.º 14/91 de 11 de Maio ASSEMBLEIA NACIONAL Lei n.º 14/91 de 11 de Maio A criação das condições materiais e técnicas para a edificação em Angola de um Estado democrático de direito é um dos objectivos a atingir, na actual fase

Leia mais

Trechos do voto do Ministro CELSO DE MELLO proferido na sessão plenária de 22 de outubro de 2012 (AP 470/MG).

Trechos do voto do Ministro CELSO DE MELLO proferido na sessão plenária de 22 de outubro de 2012 (AP 470/MG). Trechos do voto do Ministro CELSO DE MELLO proferido na sessão plenária de 22 de outubro de 2012 (AP 470/MG). Em mais de 44 anos de atuação na área jurídica, primeiramente como membro do Ministério Público

Leia mais

Enquanto há vida, há sexualidade! Perspectivas dos profissionais de saúde quanto à comunicação sobre sexualidade em cuidados paliativos

Enquanto há vida, há sexualidade! Perspectivas dos profissionais de saúde quanto à comunicação sobre sexualidade em cuidados paliativos Enquanto há vida, há sexualidade! Perspectivas dos profissionais de saúde quanto à comunicação sobre sexualidade em cuidados paliativos Entrevista de Estudo E06 Sexo Masculino Profissão - Médico Data 6

Leia mais

NOS@EUROPE. O Desafio da Recuperação Económica e Financeira. Prova de Texto. 2+2 Colégio Liceal de Santa Maria de Lamas

NOS@EUROPE. O Desafio da Recuperação Económica e Financeira. Prova de Texto. 2+2 Colégio Liceal de Santa Maria de Lamas NOS@EUROPE O Desafio da Recuperação Económica e Financeira Prova de Texto 2+2 Colégio Liceal de Santa Maria de Lamas Anita Santos Diogo Gautier Helena Santos Eurico Alves Dezembro de 2011 1 A Crise Atual:

Leia mais

CNBB Doc. 47: Educação, Igreja e Sociedade parágrafos 54 a 98 1 (índice remissivo e chave de leitura)

CNBB Doc. 47: Educação, Igreja e Sociedade parágrafos 54 a 98 1 (índice remissivo e chave de leitura) PBCM COLÉGIO SÃO VICENTE DE PAULO RIO DE JANEIRO RJ CNBB Doc. 47: Educação, Igreja e Sociedade parágrafos 54 a 98 1 (índice remissivo e chave de leitura) II PARTE: VISÃO CRISTÃ DA EDUCAÇÃO NA PERSPECTIVA

Leia mais

V de Viagem (do Abecedário Deleuze) 77

V de Viagem (do Abecedário Deleuze) 77 LUGAR COMUM Nº23-24, pp.129-134 V de Viagem (do Abecedário Deleuze) 77 Gerardo Silva Havia uma terrível sintonia entre o sonho e a realidade, os dois mundos misturando-se numa tigela de luz, e nós, os

Leia mais

A) o dualismo ontológico é uma impossibilidade, enquanto o mundo sensível traz em si a causa da sua própria existência.

A) o dualismo ontológico é uma impossibilidade, enquanto o mundo sensível traz em si a causa da sua própria existência. QUESTÃO 01 Em Platão, as questões metafísicas mais importantes e a possibilidade de serem solucionadas estão vinculadas aos grandes problemas da geração, da corrupção e do ser das coisas. Para Platão,

Leia mais

Os Recursos Humanos na Distribuição

Os Recursos Humanos na Distribuição Os Recursos Humanos na Distribuição Tudo assenta nas pessoas. Também o sangue vital da Distribuição assenta nas pessoas, empregados ou consumidores, na medida em que uns vendem os produtos e os outros

Leia mais

PROLEGÓMENOS Uma corrente literária não passa de uma metafísica.

PROLEGÓMENOS Uma corrente literária não passa de uma metafísica. António Mora PROLEGÓMENOS Uma corrente literária não passa de uma metafísica. PROLEGÓMENOS Uma corrente literária não passa de uma metafísica. Uma metafísica é um modo de sentir as coisas esse modo de

Leia mais

De resto, para Marx, 3 SOUSA, Maria Carmelita Homem de, "Os Manuscritos de 1844 de Karl Marx", Revista Portuguesa de

De resto, para Marx, 3 SOUSA, Maria Carmelita Homem de, Os Manuscritos de 1844 de Karl Marx, Revista Portuguesa de Karl Heinrich Marx (1818 1883) e Friedrich Engels (1820 1895), foram filósofos, historiadores, economistas e políticos alemães, criadores de uma importante corrente de pensamento que visava a transformação

Leia mais

A causa fundamental na mudança da personalidade

A causa fundamental na mudança da personalidade Psicólogo : Chang Kin Man Há dias atrás, fui ao casamento de um velho amigo meu. Durante o jantar, para além de termos podido apreciar as iguarias, ainda pudemos compartilhar a felicidade dos noivos, de

Leia mais

CARTA DE. Identificação. públicos. imparcialidade. Pública. 1 Estado de Direito. Democrático. 7 Justiça. 3 Isenção. Fonte: PLACOR

CARTA DE. Identificação. públicos. imparcialidade. Pública. 1 Estado de Direito. Democrático. 7 Justiça. 3 Isenção. Fonte: PLACOR REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE CARTA DE SERVIÇO DO TRIBUNAL ADMINISTRATIVO I. Identificação da Instituição Tribunal Administrativo II. Missão Garantir a justiça administrativa, fiscal e aduaneira ao cidadão,

Leia mais

A DISCIPLINA NA PEDAGOGIA DE KANT

A DISCIPLINA NA PEDAGOGIA DE KANT A DISCIPLINA NA PEDAGOGIA DE KANT Celso de Moraes Pinheiro* Resumo: Através de uma análise das principais idéias de Kant sobre o conceito de disciplina, sobretudo os apresentados em seu texto, intitulado

Leia mais

DIREITO PROCESSUAL PENAL PORTUGUÊS

DIREITO PROCESSUAL PENAL PORTUGUÊS Germano Marques da Silva Professor da Faculdade de Direito Universidade Católica Portuguesa DIREITO PROCESSUAL PENAL PORTUGUÊS VOL. I Universidade Católica Editora Lisboa, 2013 PREFÁCIO Este livro deveria

Leia mais

Excelentíssimo Senhor Presidente da Assembleia Legislativa; Excelentíssimos Senhores Deputados; Excelentíssimos Senhores Membros do Governo;

Excelentíssimo Senhor Presidente da Assembleia Legislativa; Excelentíssimos Senhores Deputados; Excelentíssimos Senhores Membros do Governo; PAULO GUSMÃO Deputado Independente Sim à Vida! Excelentíssimo Senhor Presidente da Assembleia Legislativa; Excelentíssimos Senhores Deputados; Excelentíssimos Senhores Membros do Governo; Partamos do princípio.

Leia mais

O PRAZER SOMÁTICO COMO FIM (TÉLOS) DA AÇÃO E COMO FONTE DE PERTURBAÇÃO SEGUNDO EPICURO Rogério Lopes dos Santos 1

O PRAZER SOMÁTICO COMO FIM (TÉLOS) DA AÇÃO E COMO FONTE DE PERTURBAÇÃO SEGUNDO EPICURO Rogério Lopes dos Santos 1 O PRAZER SOMÁTICO COMO FIM (TÉLOS) DA AÇÃO E COMO FONTE DE PERTURBAÇÃO SEGUNDO EPICURO Rogério Lopes dos Santos 1 Epicuro afirma, em sua Carta a Meneceu, que o início [arché ἀρχή] e o fim (télos τέλος)

Leia mais

EDUCAÇÃO E MEIO AMBIENTE

EDUCAÇÃO E MEIO AMBIENTE 1 EDUCAÇÃO E MEIO AMBIENTE Ivo Tonet Introdução É lugar-comum afirmar que a humanidade está vivenciando, atualmente, uma crise de gravíssimas proporções. Crise que não afeta apenas algumas, mas todas as

Leia mais

ESPIRITISMO, CIÊNCIA E AMOR

ESPIRITISMO, CIÊNCIA E AMOR Claudio C. Conti www.ccconti.com Congresso Espiritismo 150 de O Evangelho Segundo o Espiritismo ESPIRITISMO, CIÊNCIA E AMOR Como funcionamos A mente é a ferramenta para compreender questões que transcendem

Leia mais

Mensagem do. 1º de Dezembro de 2003. Por S.A.R. O Duque de Bragança

Mensagem do. 1º de Dezembro de 2003. Por S.A.R. O Duque de Bragança Mensagem do 1º de Dezembro de 2003 Por S.A.R. O Duque de Bragança 1 Neste mosteiro de Santa Cruz de Coimbra, finalmente elevado a Panteão Nacional, é para mim uma responsabilidade e uma honra falar junto

Leia mais

LEI N.º 10/91 ESTATUTO DOS MAGISTRADOS CAPÍTULO I ESTATUTO. Artigo l.º

LEI N.º 10/91 ESTATUTO DOS MAGISTRADOS CAPÍTULO I ESTATUTO. Artigo l.º LEI N.º 10/91 A Assembleia Nacional no uso das atribuições que lhe são conferidas ao abrigo da alínea d) do artigo 87º. Da Constituição, aprova a seguinte Lei: ESTATUTO DOS MAGISTRADOS CAPÍTULO I ESTATUTO

Leia mais

Senhor Presidente Senhoras e Senhores Deputados Senhora e Senhores Membros do Governo

Senhor Presidente Senhoras e Senhores Deputados Senhora e Senhores Membros do Governo Senhor Presidente Senhoras e Senhores Deputados Senhora e Senhores Membros do Governo Evocar hoje, dia 8 de Março de 2007, o Tratado que instituiu a Comunidade Económica Europeia, assinado em Roma há 50

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br A multa e a penhora on line como formas de efetivar a antecipação de soma em dinheiro Luiz Guilherme Marinoni* 1. O uso da multa Como é óbvio, a tutela antecipatória de soma supõe

Leia mais

Universidade Tecnológica Federal do Paraná, rua Cristo Rei, 19, Vila Becker, Toledo, Paraná, 85902-490. E-mail: faspanhol@utfpr.edu.

Universidade Tecnológica Federal do Paraná, rua Cristo Rei, 19, Vila Becker, Toledo, Paraná, 85902-490. E-mail: faspanhol@utfpr.edu. MOVIMENTO DO SOFTWARE LIVRE NO ENSINO TÉCNICO DE INFORMÁTICA PARA PROMOVER A CONSCIENTIZAÇÃO E EMANCIPAÇÃO SOCIAL Fabio Alexandre Spanhol; Raquel Ribeiro Moreira, rua Cristo Rei, 19, Vila Becker, Toledo,

Leia mais

Proposta de reformulação da Pós-Graduação em Teatro e Comunidade ESMAE-IPP (aumento para 60 créditos)

Proposta de reformulação da Pós-Graduação em Teatro e Comunidade ESMAE-IPP (aumento para 60 créditos) Proposta de reformulação da Pós-Graduação em Teatro e Comunidade ESMAE-IPP (aumento para 60 créditos) Claire Binyon, Hugo Cruz e Sónia Passos 1. Evolução da Pós-Graduação em Teatro e Comunidade na ESMAE

Leia mais

CONSELHO INTERACÇÃO. Declaração Universal dos Deveres do Homem. Setembro de 1997. Criado em 1983. InterAction Council

CONSELHO INTERACÇÃO. Declaração Universal dos Deveres do Homem. Setembro de 1997. Criado em 1983. InterAction Council CONSELHO INTERACÇÃO Criado em 1983 Declaração Universal dos Deveres do Homem Setembro de 1997 InterAction Council Declaração Universal dos Deveres do Homem Preâmbulo Considerando que o reconhecimento da

Leia mais

O QUE É A METAFÍSICA?

O QUE É A METAFÍSICA? Álvaro de Campos O QUE É A METAFÍSICA? O QUE É A METAFÍSICA? Na opinião de Fernando Pessoa, expressa no ensaio «Athena», a filosofia isto é, a metafísica não é uma ciência, mas uma arte. Não creio que

Leia mais

O TIGRE E A DEMOCRACIA: O CONTRATO SOCIAL HISTÓRICO

O TIGRE E A DEMOCRACIA: O CONTRATO SOCIAL HISTÓRICO 5.11.05 O TIGRE E A DEMOCRACIA: O CONTRATO SOCIAL HISTÓRICO Luiz Carlos Bresser-Pereira Primeira versão, 5.11.2005; segunda, 27.2.2008. No século dezessete, Hobbes fundou uma nova teoria do Estado que

Leia mais

AVANCE PARA A PÁGINA SEGUINTE. ESTA FOLHA SERVE PARA VER AS PÁGINAS FACE-A-FACE NA SEQUÊNCIA CORRECTA.

AVANCE PARA A PÁGINA SEGUINTE. ESTA FOLHA SERVE PARA VER AS PÁGINAS FACE-A-FACE NA SEQUÊNCIA CORRECTA. >> AVANCE PARA A PÁGINA SEGUINTE. ESTA FOLHA SERVE PARA VER AS PÁGINAS FACE-A-FACE NA SEQUÊNCIA CORRECTA. ERNEST MANDEL E O ECOSOCIALISMO MICHAEL LÖWY* IMAGEM DE ÂNGELO FERREIRA DE SOUSA #22 A PREOCUPAÇÃO

Leia mais

Obreiros evangélicos, pp. 222-228 ( Ensinar o povo a ser liberal ; O sustento do evangelho ).

Obreiros evangélicos, pp. 222-228 ( Ensinar o povo a ser liberal ; O sustento do evangelho ). Obreiros evangélicos, pp. 222-228 ( Ensinar o povo a ser liberal ; O sustento do evangelho ). Ensinar o povo a ser liberal Nunca deve o obreiro que organiza pequenos grupos aqui e ali, dar aos recém-convertidos

Leia mais

INSTRUÇÃO 1/2006 INSTRUÇÕES RELATIVAS AOS PROCEDIMENTOS A ADOPTAR PARA CUMPRIMENTO DOS DEVERES DE NATUREZA PREVENTIVA DA PRÁTICA DOS CRIMES DE

INSTRUÇÃO 1/2006 INSTRUÇÕES RELATIVAS AOS PROCEDIMENTOS A ADOPTAR PARA CUMPRIMENTO DOS DEVERES DE NATUREZA PREVENTIVA DA PRÁTICA DOS CRIMES DE INSTRUÇÃO 1/2006 INSTRUÇÕES RELATIVAS AOS PROCEDIMENTOS A ADOPTAR PARA CUMPRIMENTO DOS DEVERES DE NATUREZA PREVENTIVA DA PRÁTICA DOS CRIMES DE BRANQUEAMENTO DE CAPITAIS E DE FINANCIAMENTO AO TERRORISMO

Leia mais

PARA VOCÊ: O QUE É O DIREITO?

PARA VOCÊ: O QUE É O DIREITO? PARA VOCÊ: O QUE É O DIREITO? Tayrinne Tíffane Gonçalves Maia tayrinne_dm@yahoo.com.br Universidade Regional do Cariri Urca Mácia Maria Beserra Macedo Universidade Regional do Cariri Urca INTRODUÇÃO Cursando

Leia mais

O ASSÉDIO SEXUAL E MORAL NO LOCAL DE TRABALHO

O ASSÉDIO SEXUAL E MORAL NO LOCAL DE TRABALHO O ASSÉDIO SEXUAL E MORAL NO LOCAL DE TRABALHO SEMINÁRIO INTERNACIONAL ISCSP - INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS SOCIAIS E POLÍTICAS UNIVERSIDADE DE LISBOA 1 LISBOA, 03 DE JUNHO DE 2015 Gostaria de começar

Leia mais

FILOSOFIA. Platão. OpenRose

FILOSOFIA. Platão. OpenRose FILOSOFIA Platão OpenRose 1 PLATÃO Filósofo grego (427 a.c.?-347 a.c.?). Um dos mais importantes filósofos de todos os tempos. Suas teorias, chamadas de platonismo, concentram-se na distinção de dois mundos:

Leia mais

RESENHA GEOPOLÍTICA DA FOME: ECONOMIA E HUMANISMO 1. Max Sorre 2

RESENHA GEOPOLÍTICA DA FOME: ECONOMIA E HUMANISMO 1. Max Sorre 2 RESENHA GEOPOLÍTICA DA FOME: ECONOMIA E HUMANISMO 1 Max Sorre 2 Em seu livro Geopolítica da Fome, o professor Josué de Castro apresenta um dos aspectos mais prementes e, sem dúvida, o mais trágico desta

Leia mais

Os Livros dos Reis relatam acontecimentos da Monarquia iniciada por Saul e Davi e seus descendentes. Os dois reinaram entre o ano 972 a.c. à 561 a.c.

Os Livros dos Reis relatam acontecimentos da Monarquia iniciada por Saul e Davi e seus descendentes. Os dois reinaram entre o ano 972 a.c. à 561 a.c. Os Livros dos Reis relatam acontecimentos da Monarquia iniciada por Saul e Davi e seus descendentes. Os dois reinaram entre o ano 972 a.c. à 561 a.c. Depois de Davi, veio Salomão. O Reino de Davi e Salomão

Leia mais

A MULHER E OS TRATADOS INTERNACIONAIS DE DIREITOS HUMANOS

A MULHER E OS TRATADOS INTERNACIONAIS DE DIREITOS HUMANOS A MULHER E OS TRATADOS INTERNACIONAIS DE DIREITOS HUMANOS Os Direitos Humanos surgiram na Revolução Francesa? Olympe de Gouges (1748-1793) foi uma revolucionária e escritora francesa. Abraçou com destemor

Leia mais

CAPÍTULO 1. A FACULDADE DE PERCEBER, A PERCEPÇÃO E OS OBJETOS DA PERCEPÇÃO

CAPÍTULO 1. A FACULDADE DE PERCEBER, A PERCEPÇÃO E OS OBJETOS DA PERCEPÇÃO CAPÍTULO 1. A FACULDADE DE PERCEBER, A PERCEPÇÃO E OS OBJETOS DA PERCEPÇÃO Muito antigo e pouco alterado no longo transcurso que teve dentro da história da filosofia, o sentido do termo latino facultas

Leia mais

Pena de morte para os traficantes de drogas?

Pena de morte para os traficantes de drogas? Pena de morte para os traficantes de drogas? José Luis de la Cuesta Mesmo se o artigo 6º do Pacto Internacional de Direitos civis e políticos estabelece que nos países onde ainda não se aboliu a pena de

Leia mais

RESOLUÇÕES DE QUESTÕES 9º ANO ENSINO FUNDAMENTAL II PROFº DANILO BORGES

RESOLUÇÕES DE QUESTÕES 9º ANO ENSINO FUNDAMENTAL II PROFº DANILO BORGES RESOLUÇÕES DE QUESTÕES 9º ANO ENSINO FUNDAMENTAL II PROFº DANILO BORGES (UFU ) Segundo Jean Paul Sartre, filósofo existencialista contemporâneo, liberdade é I- escolha incondicional que o próprio homem

Leia mais

Breve apreciação critica do actual modelo de intervenção

Breve apreciação critica do actual modelo de intervenção O MINISTÉRIO PÚBLICO NO NOVO CONTENCIOSO ADMINISTRATIVO Breve apreciação critica do actual modelo de intervenção O MINISTÉRIO PÚBLICO NO NOVO CONTENCIOSO ADMINISTRATIVO Breve apreciação critica do actual

Leia mais

O PENSAMENTO HEGELIANO: O SISTEMA E A DIALÉTICA. Resumo

O PENSAMENTO HEGELIANO: O SISTEMA E A DIALÉTICA. Resumo 1 O PENSAMENTO HEGELIANO: O SISTEMA E A DIALÉTICA Cassio Donizete Marques 1 Resumo Hegel é considerado um dos pensadores mais complexos de toda a história da filosofia. Seu pensamento estabelece, senão

Leia mais

CONHECIMENTO DA LEI NATURAL. Livro dos Espíritos Livro Terceiro As Leis Morais Cap. 1 A Lei Divina ou Natural

CONHECIMENTO DA LEI NATURAL. Livro dos Espíritos Livro Terceiro As Leis Morais Cap. 1 A Lei Divina ou Natural CONHECIMENTO DA LEI NATURAL Livro dos Espíritos Livro Terceiro As Leis Morais Cap. 1 A Lei Divina ou Natural O que é a Lei Natural? Conceito de Lei Natural A Lei Natural informa a doutrina espírita é a

Leia mais

A FUNÇÃO DO PAGAMENTO EM ANÁLISE: LIMITES E POSSIBILIDADES NA INSTITUIÇÃO

A FUNÇÃO DO PAGAMENTO EM ANÁLISE: LIMITES E POSSIBILIDADES NA INSTITUIÇÃO A FUNÇÃO DO PAGAMENTO EM ANÁLISE: LIMITES E POSSIBILIDADES NA INSTITUIÇÃO Fernanda de Souza Borges feborges.psi@gmail.com Prof. Ms. Clovis Eduardo Zanetti Na praça Clóvis Minha carteira foi batida, Tinha

Leia mais

História Evolutiva do Tribunal do Júri

História Evolutiva do Tribunal do Júri 1 História Evolutiva do Tribunal do Júri A emancipação social gira em constante evolução, pois oriunda de processos trespassados pela sociedade moderna, pelos quais tanto os fatores positivos, como os

Leia mais

MINISTÉRIO DOS NEGóCIOS ESTRANGEIROS DIRECÇÃO GERAL DOS ASSUNTOS MULTILATERAIS Direcção de Serviços das Organizações Económicas Internacionais

MINISTÉRIO DOS NEGóCIOS ESTRANGEIROS DIRECÇÃO GERAL DOS ASSUNTOS MULTILATERAIS Direcção de Serviços das Organizações Económicas Internacionais MINISTÉRIO DOS NEGóCIOS ESTRANGEIROS DIRECÇÃO GERAL DOS ASSUNTOS MULTILATERAIS Direcção de Serviços das Organizações Económicas Internacionais Intervenção de SEXA o Secretário de Estado Adjunto do Ministro

Leia mais

Latusa digital ano 2 N 19 outubro de 2005

Latusa digital ano 2 N 19 outubro de 2005 Latusa digital ano 2 N 19 outubro de 2005 Angústia: acting-out e passagem ao ato * Manoel Barros da Motta ** Jacques-Alain Miller, ao estabelecer o Seminário X de Lacan, A angústia 1, dividiu-o em quatro

Leia mais

OS TRIBUNAIS E O MINISTÉRIO PÚBLICO

OS TRIBUNAIS E O MINISTÉRIO PÚBLICO OS TRIBUNAIS E O MINISTÉRIO PÚBLICO Art.º 202º da Constituição da República Portuguesa «1. Os tribunais são órgãos de soberania com competência para Administrar a justiça em nome do povo. (...)» A lei

Leia mais

INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO

INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO A partir de meados do século xx a actividade de planeamento passou a estar intimamente relacionada com o modelo racional. Uma das propostas que distinguia este do anterior paradigma era a integração

Leia mais

Regulamento do PASSATEMPO DELTA QOOL

Regulamento do PASSATEMPO DELTA QOOL Regulamento do PASSATEMPO DELTA QOOL 1 Regulamento dos Passatempos Delta Q 1. OBJECTO DO PASSATEMPO 1.1. O Passatempo Delta Q, adiante designados por Passatempo, é promovido pela Total Tim Serviços de

Leia mais

A Alienação (Karl Marx)

A Alienação (Karl Marx) A Alienação (Karl Marx) Joana Roberto FBAUL, 2006 Sumário Introdução... 1 Desenvolvimento... 1 1. A alienação do trabalho... 1 2. O Fenómeno da Materialização / Objectivação... 2 3. Uma terceira deterninação

Leia mais

Antropologia Personalista (texto recortado e re-construído a partir da obra BIOÉTICA de José Roque Junges, Editora Unisinos).

Antropologia Personalista (texto recortado e re-construído a partir da obra BIOÉTICA de José Roque Junges, Editora Unisinos). Antropologia Personalista (texto recortado e re-construído a partir da obra BIOÉTICA de José Roque Junges, Editora Unisinos). A sistematização antropológica que segue corresponde à perspectiva apresentada

Leia mais

1 Noções Gerais sobre o Poder em Michel Foucault

1 Noções Gerais sobre o Poder em Michel Foucault 1 Noções Gerais sobre o Poder em Michel Foucault É como se, enfim, algo de novo surgisse depois de Marx. É como se uma cumplicidade em torno do Estado fosse rompida. Foucault não se contenta em dizer que

Leia mais

NOTAS ACERCA DO VIRTUAL. Celso Candido

NOTAS ACERCA DO VIRTUAL. Celso Candido NOTAS ACERCA DO VIRTUAL Celso Candido A fim de tornar mais claro o conceito de virtual, pressuposto neste trabalho, vai-se abordar este problema a partir de uma leitura de Pierre Lévy e Gilles Deleuze.

Leia mais

Considerações acerca da Fundamentação da Metafísica dos Costumes de I. Kant Liberdade, Dever e Moralidade

Considerações acerca da Fundamentação da Metafísica dos Costumes de I. Kant Liberdade, Dever e Moralidade Notandum 14 http://www.hottopos.com CEMOrOC Feusp / IJI Univ. do Porto 2007 Considerações acerca da Fundamentação da Metafísica dos Costumes de I. Kant Liberdade, Dever e Moralidade Marcos Sidnei Pagotto

Leia mais

CONSELHOS EVANGÉLICOS

CONSELHOS EVANGÉLICOS CONSELHOS EVANGÉLICOS 1- RAZÃO TEOLÓGICA 1.1. Fato de Vida na Igreja A vivência da virgindade-pobreza-obediência de Jesus Cristo é fato de vida que existe na igreja desde suas origens. O estado religioso:

Leia mais

DO PROCESSO DO CONHECIMENTO À HERMENÊUTICA JURÍDICA

DO PROCESSO DO CONHECIMENTO À HERMENÊUTICA JURÍDICA Apontamentos do Prof. Antonio Carlos Machado - 2006.1 - pág. 1 UNIVERSIDADE DE FORTALEZA CCJ CENTRO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS DISCIPLINA: H 544 - HERMENÊUTICA JURÍDICA DO PROCESSO DO CONHECIMENTO À HERMENÊUTICA

Leia mais