2 PASSO: Depois de acessados um dos endereços acima, clique em Serviços Eletrônicos.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "2 PASSO: Depois de acessados um dos endereços acima, clique em Serviços Eletrônicos."

Transcrição

1 GUIA DE PREENCHIMENTO DA DECLARAÇÃO DE ARROLAMENTO 1 PASSO: Acesse o sistema ITCMD: 1) Clique no link ITCMD existente no Posto Fiscal Eletrônico, cujo endereço eletrônico é ou 2) Clique em: https://www60.fazenda.sp.gov.br/wps/portal. 2 PASSO: Depois de acessados um dos endereços acima, clique em Serviços Eletrônicos. Nota: Os campos Categoria, Usuário e Senha não precisam ser preenchidos. 3 PASSO: Seguir o menu: ITCMD > Transmissão Causa Mortis > Arrolamento, clicando em Arrolamento. Com esse procedimento, o sistema exibirá inicialmente algumas informações relativas à documentação que o usuário deve ter em mãos para o preenchimento dos dados da declaração. Clique no botão Continuar.

2 4 PASSO: Preenchimento da senha e data do óbito Senha: senha de quatro caracteres, criada pelo usuário, que será usada sempre que for necessário acessar a declaração (a senha não é do usuário, mas está vinculada ao número da declaração); Data do Óbito: Data da abertura da sucessão, ou seja, data da morte do falecido. opcional; poderá ser usado no futuro para recuperação de senha, em caso de esquecimento. Depois de clicar em Continuar, o sistema fornecerá o número da declaração, também chamado de Número do Protocolo. Caso o usuário não conclua o preenchimento dos formulários, o sistema armazena os dados já informados, podendo o usuário acessar a declaração já iniciada em outra ocasião, mediante o fornecimento do Número do Protocolo e da senha. O mesmo ocorre se o usuário já confirmou a declaração e necessite acessá-la novamente. Veja maiores detalhes no título OUTRAS FUNCIONALIDADES DO SISTEMA ITCMD, no final desse guia. Anote o número da declaração (protocolo) e clique em Continuar.

3 5 PASSO: Preenchimento dos dados do Inventariante Para abrir este formulário, clique na aba Inventariante. Neste formulário, os dados a serem preenchidos são: Nome: nome completo do inventariante; CPF: preencha com CPF válido (11 dígitos). CPFs genéricos, tais como: , , ,..., não são permitidos; RG: número da identidade do inventariante; Endereço: no preenchimento do endereço, note que os campos Cidade e Estado não estão ativos para a digitação. Deve-se, então, preencher o campo CEP e clicar em Buscar. Desse modo, os campos Logradouro, Bairro Cidade e Estado serão preenchidos automaticamente. Os campos Número e Complemento devem ser digitados. Telefone: de preenchimento opcional. Nota 1: Caso o sistema não localize o CEP digitado, todos os campos do endereço serão liberados para digitação. Nota 2: Se o inventariante residir no exterior, clique na opção exterior, liberando, assim, todos os campos para preenchimento. Nota 3: Esta tela não possui o botão Salvar. Os dados informados neste formulário serão salvos automaticamente ao passar para a próxima aba. 6 PASSO: Preenchimento dos dados do Procurador Para abrir este formulário, clique na aba Procurador. Nota: Nas declarações de Causa Mortis, o preenchimento deste formulário é opcional na hipótese de a Declaração ser assinada pelo inventariante.

4 Neste formulário, os dados a serem preenchidos são: Nome: nome completo do procurador; CPF: preencha com CPF válido (11 dígitos). CPFs genéricos, tais como: , , ,..., não são permitidos; RG/N OAB: número do RG ou da OAB do procurador; Endereço: no preenchimento do endereço, note que os campos Cidade e Estado não estão ativos para a digitação. Deve-se, então, preencher o campo CEP e clicar em Buscar. Desse modo, os campos Logradouro, Bairro Cidade e Estado serão preenchidos automaticamente. Os campos Número e Complemento devem ser digitados. Telefone: de preenchimento opcional. Nota 1: Caso o sistema não localize o CEP digitado, todos os campos do endereço serão liberados para digitação. Nota 2: Se o inventariante residir no exterior, clique na opção exterior, liberando, assim, todos os campos para preenchimento. Nota 3: Esta tela não possui o botão Salvar. Os dados informados neste formulário serão salvos automaticamente ao passar para a próxima aba. 7 PASSO: Preenchimento dos dados do Processo Para abrir este formulário, clique na aba Processo.

5 Neste formulário, os dados a serem preenchidos são: Número: número do processo que tramita da Justiça; Vara: vara do processo (civil, da família); N da Vara: deve ser preenchido com numeração cardinal; Foro: Foro da Comarca onde corre o processo; Estado: unidade federativa onde tramita o processo; Comarca: município onde se encontra o processo; do inventariante ou procurador (opcional); Data do óbito: já digitada no início da declaração; Protocolização da Petição Inicial: data de entrada do processo na Justiça; Intimação do Despacho Judicial para Pagamento (se conhecida): Caso o juiz tenha dado despacho intimando o pagamento, o usuário deve cadastrar a data do despacho neste campo. Nota 1: Há um prazo para protocolização da petição inicial, conforme tabela abaixo: DATA DA PROTOCOLIZAÇÃO Menor ou igual a 60 dias entre a data do óbito e a da protocolização Maior que 60 dias e menor ou igual a 180 dias entre a data do óbito e a da protocolização Maior que 180 dias entre a data do óbito e a da protocolização MULTA Não há 10% do valor do imposto 20% do valor do imposto Nota 2: Caso haja despacho judicial, autorizando o deferimento do prazo de pagamento, o contribuinte terá 30 dias da data do despacho para recolher o imposto sem juros e multa, salvo se o prazo exceder 180 dias da abertura da sucessão não tendo o juiz dilatado o prazo para recolhimento do imposto sem multa e juros. Nota 3: Esta tela não possui o botão Salvar. Os dados informados neste formulário serão salvos automaticamente ao passar para a próxima aba. 8 PASSO Preenchimento dos dados do (a) falecido (a) Para abrir este formulário, clique na aba De Cujus.

6 Neste formulário, os dados a serem preenchidos são: Nome: nome completo do autor da herança ( de cujus ); CPF: preencha com CPF válido (11 dígitos). CPFs genéricos, tais como: , , ,..., não são permitidos; RG: número da identidade do falecido (a); Endereço: no preenchimento do endereço, note que os campos Cidade e Estado não estão ativos para a digitação. Deve-se, então, preencher o campo CEP e clicar em Buscar. Desse modo, os campos Logradouro, Bairro Cidade e Estado serão preenchidos automaticamente. Os campos Número e Complemento devem ser digitados. Telefone: de preenchimento opcional. Sexo: masculino ou feminino; Data de nascimento: do de cujus, no formato dd/mm/aaaa; Estado civil: estado civil do de cujus ; Nota 1: Caso o sistema não localize o CEP digitado, todos os campos do endereço serão liberados para digitação. Nota 2: Se o inventariante residir no exterior, clique na opção exterior, liberando, assim, todos os campos para preenchimento. Nota 3: Esta tela não possui o botão Salvar. Os dados informados neste formulário serão salvos automaticamente ao passar para a próxima aba. 9 PASSO : Preenchimento dos dados dos bens isentos Clicando na aba B. Isentos, abre-se a tela abaixo, na qual o usuário deve clicar em Selecione... para o sistema mostrar as opções de isenção previstas na legislação. Em seguida, o usuário seleciona a justificativa de isenção mais adequada, clicando sobre a isenção escolhida.

7 Clicando sobre a justificativa de isenção mais adequada ao caso, o sistema vai exibir a tela abaixo para selecionar o tipo de bem objeto da isenção. Nota: Para cada modalidade de isenção selecionada, somente alguns tipos de bens ficam disponíveis para escolha. Depois de clicar no bem selecionado (tela anterior), o sistema exibirá o formulário para preenchimento dos dados do bem a ser informado como isento. Neste formulário, os dados a serem preenchidos são: Instituição financeira: n do banco, nome do banco, n da agência, n da conta corrente; Valor: valor total do bem, em reais; Percentual transmitido: neste campo deve ser digitado o percentual do bem a ser transmitido aos herdeiros. Seguem alguns exemplos de percentual transmitido: Se houver meação: 50%; Se não houver meação (ver quadro de regime de bens, abaixo): 100%; Se não houver meação, mas o bem pertencia ao falecido junto com 3 irmãos: 25%; Se houver meação, mas o bem pertencia ao falecido junto com 3 irmãos: 12,5%; O falecido era viúvo e o bem já fora inventariado no falecimento do outro cônjuge: 50%. Nota 1: O valor desse campo deve ser expresso com três casas decimais. Exemplo: 50% deve ser preenchido com 50,000.

8 Nota 2: Dependendo do tipo de bem, outros campos de preenchimento podem aparecer. Por exemplo, se for imóvel, o sistema abrirá campos para digitar o endereço, número do IPTU etc. Nota 3: A determinação da meação depende do regime de bens adotado no casamento, a saber: Quadro do regime bens entre os cônjuges a) Regime de Comunhão Universal: a meação corresponde à metade de todos os bens móveis e imóveis, adquiridos antes e depois do casamento. Excluem-se da comunhão, os bens arrolados no art do Código Civil. b) Regime de Comunhão Parcial: a meação corresponde à metade de todos os bens adquiridos durante a constância do casamento a título oneroso, ou decorrente de fato eventual (loteria, apostas etc.). Os bens que compõem e os que são excluídos da meação estão enumerados nos artigos e do Código Civil, respectivamente. c) Regime de Participação Final nos Aquestos: a meação é determinada levando-se em consideração os bens adquiridos pelo casal, a título oneroso, na constância do casamento. Na apuração do montante dos aquestos, excluir-se- á da soma dos patrimônios próprios: (i) os bens adquiridos antes do casamento e os sub-rogados em seu lugar; (ii) os bens recebidos por herança, legado ou doação. Presume-se, até prova em contrário, que os bens móveis foram adquiridos durante a vigência do casamento. d) Regime de Separação de Bens: não existe meação. Cada cônjuge conserva, com exclusividade, o domínio, a posse e a administração de seus bens presentes e futuros. e) Regime de Separação Obrigatória de Bens: a meação é determinada levando-se em consideração os bens adquiridos pelo casal, a título oneroso, na constância do casamento (Súmula 377); f) União Estável: a meação é determinada aplicando-se a regra do regime parcial de bens. Note-se que, nesse caso, é necessária a homologação judicial ou extrajudicial da união estável. Para cadastrar o bem isento, cujos dados foram digitados, clique no botão Incluir. Repita os passos anteriores para inserir na declaração os demais bens isentos. Observe na parte inferior da tela que o bem incluído passa a fazer parte da lista de bens cadastrados como isentos. Ao contrário dos formulários vistos até aqui, ao tentar mudar de aba sem que o bem tenha sido incluído, o sistema não salva automaticamente os dados digitados. Neste caso, a pergunta abaixo é mostrada:

9 Clicando em: Salvar, o sistema salva os dados digitados e muda de aba. Equivale, portanto, ao clique no botão Incluir ; Sair sem salvar, o sistema muda de aba, não salvando os dados digitados; Cancelar, o sistema não muda de aba, permanecendo na mesma tela. Hipóteses de isenção previstas no Art. 6 da Lei n /2000, alterada pela Lei n /2001. I Transmissão causa mortis : a) Patrimônio total do espólio, cujo valor não ultrapassar UFESPs. Esta isenção aplica-se somente aos óbitos ocorridos entre 01/01/2001 a 31/12/2001; b) Imóvel cujo valor não ultrapassar UFESPs, desde que seja o único transmitido. Enquadra-se nesta isenção terreno que possuir duas edificações devidamente averbadas em matrícula única, sendo o valor total inferior a UFESPs. Exemplo: casa geminada com uma matrícula. c) Imóvel de residência do beneficiário (herdeiro), urbano ou rural, cujo valor não ultrapassar UFESPs e desde que atendidas cumulativamente três condições, a saber: o valor do imóvel não ultrapasse UFESPs. Este limite refere-se ao valor integral do imóvel na data da sucessão, e não à parte transmitida; os familiares beneficiados residam no imóvel na data da sucessão. Na hipótese de nem todos os herdeiros residirem, os beneficiários da isenção serão somente aqueles que residiam no imóvel na data do óbito; os familiares beneficiados não tenham outro imóvel ou detenham a parte ideal anteriormente à abertura da sucessão. Juntar declaração de cada beneficiário de que atende às condições legais de isenção, ou seja, de que reside no imóvel objeto da isenção e de que não possui outro imóvel; Obs. 1: A isenção não deixa de ser aplicada pelo fato de estarem sendo transmitidos no inventário ou arrolamento outros imóveis que não satisfaçam essas condições. Obs. 2: Na hipótese de existir mais de um imóvel que atenda essas três condições, a isenção aplicar-se- á somente a um imóvel de escolha do inventariante. d) Ferramenta e equipamento agrícola de uso manual, roupas, aparelho de uso doméstico e demais bens móveis de pequeno valor que guarneçam os imóveis referidos anteriormente, cujo valor total não ultrapassar UFESPs;

10 e) Depósitos bancários e aplicações financeiras, cujo valor total não ultrapassar UFESPs. Este limite abrange o conjunto dos saldos bancários, da poupança e das demais aplicações financeiras deixadas pelo falecido, apurado na data do óbito; f) Quantia devida pelo empregador ao empregado, por Institutos de Seguro Social e Previdência, oficiais ou privados, verbas e prestações de caráter alimentar decorrentes de decisão judicial em processo próprio e o montante de contas individuais do FGTS e do Fundo de Participações PIS-PASEP, não recebido em vida pelo respectivo titular; g) Extinção do usufruto, quando o nu-proprietário tiver sido o instituidor. Se o imposto não foi recolhido integralmente na ocasião da doação com reserva de usufruto, será exigido o recolhimento da parcela restante (1/3) quando do doador original e usufrutuário ou da renúncia ao usufruto. II Transmissão por doação: a) Valor da doação não deve ultrapassar UFESPs. Se o valor da doação for superior a esse limite, o recolhimento do imposto deverá ser sobre o valor total, e não apenas sobre a parcela excedente. Ocorrendo sucessivas doações entre o mesmo doador e donatário, dentro do mesmo ano civil, sendo a soma de todas as doações superior ao valor do limite da isenção, o imposto será exigido pelo total. Veja na questão 11 cálculo exemplificativo de doações sucessivas; b) Bem imóvel para construção de moradia vinculada a programa de habitação popular; c) Bem imóvel doado por particular para o Poder Público; d) Transmissões causa mortis e doações a entidades sem fins lucrativos, cujos objetivos sociais sejam vinculados à promoção dos direitos humanos, da cultura ou à preservação do meio ambiente, observado o seguinte: o reconhecimento dessa condição deverá ser feito, de forma cumulativa, pela Secretaria da Fazenda e, conforme a natureza da entidade, pela Secretaria da Justiça e da Defesa da Cidadania, pela Secretaria da Cultura ou pela Secretaria do Meio ambiente, de acordo com disciplina a ser estabelecida pelo Poder Executivo; deverão ser observados os requisitos do artigo 14 do Código Tributário Nacional e os demais previstos na legislação tributária. 10 PASSO: Preenchimento dos dados dos bens tributados Neste formulário devem ser cadastrados todos os bens que NÃO se enquadram nas hipóteses de isenção do art. 6 da Lei n /2000. Para abrir este formulário, clique na aba B. Tributados.

11 Clicando, a seguir, no botão Selecione..., o sistema exibirá uma relação de bens disponíveis para escolha. Clicando no bem selecionado, o sistema disponibilizará a tela seguinte para preenchimento dos dados do bem escolhido. Neste formulário, os dados a serem preenchidos são: Descrição: informar as principais características do bem selecionado; Nº IPTU: campo de livre digitação para informar o número do IPTU; Valor Bem Imóvel: valor total do bem, em reais, independentemente se o falecido era proprietário do bem todo ou de parte dele; Percentual transmitido: neste campo deve ser digitado o percentual do bem a ser transmitido aos herdeiros. Seguem alguns exemplos de percentual transmitido: Se houver meação: 50%; Se não houver meação (o bem pertencia somente ao falecido): 100%; Se não houver meação, mas o bem pertencia ao falecido junto com 3 irmãos: 25%; Se houver meação, mas o bem pertencia ao falecido junto com 3 irmãos: 12,5%; O falecido era viúvo e o bem já fora inventariado no falecimento do outro cônjuge: 50%.

12 Nota 1: O valor desse campo deve ser expresso com três casas decimais. Exemplo: o percentual 50% deve ser preenchido com 50,000. Nota 2: Dependendo do tipo de bem, outros campos de preenchimento podem aparecer. Por exemplo, se for veículo, o sistema abrirá campos para digitar o RENAVAM, PLACA etc. Nota 3: Este formulário, ao contrário dos que já foram preenchidos anteriormente, não dispõe da funcionalidade Buscar para localizar o endereço do bem pelo CEP. Nota 4: A determinação da meação depende do regime de bens adotado no casamento. Vide nota 3 do Passo 9. Para cadastrar o bem tributado, cujos dados foram digitados, clique no botão Incluir. Repita os passos anteriores para inserir na declaração os demais bens tributados. Observe na parte inferior da tela que o bem incluído passa a fazer parte da lista de bens cadastrados como tributados. Note que ao tentar mudar de aba sem que o bem tenha sido incluído, o sistema não salva automaticamente os dados digitados. Neste caso, a pergunta abaixo é exibida: Clicando em: Salvar, o sistema salva os dados digitados e muda de aba. Equivale, portanto, ao clique no botão Incluir ; Sair sem salvar, o sistema muda de aba, não salvando os dados digitados; Cancelar, o sistema não muda de aba, permanecendo na mesma tela.

13 CONSULTA, ALTERAÇÃO E EXCLUSÃO DE BENS Depois de incluído o bem, é possível abrir o formulário correspondente para simples consulta, para promover alteração de dados ou mesmo excluir o bem já cadastrado. Observe que no rodapé da tela há uma lista dos bens já cadastrados. 1) Consulta dos dados de um bem da lista: Clique sobre o número do item correspondente ao bem a ser consultado. O sistema exibirá o formulário com todos os campos preenchidos para aquele bem. Observe que esses campos não estão ativos para fazer qualquer alteração. Para voltar à tela de cadastro dos bens, clique no botão Retornar. 2) Alteração dos dados de um bem da lista: Clique sobre o ícone de um lápis na coluna Ação da lista. Caso a alteração seja de bem cadastrado como bem isento, a coluna que contém o ícone lápis chama-se Opções. Lista de bens tributados Lista de bens isentos

14 O sistema exibirá o formulário com todos os campos preenchidos, mas agora esses campos estão disponíveis para as alterações necessárias. Para alterar os dados do bem, digite as informações no campo próprio e clique em Alterar. Caso deseje sair sem alterar os dados do bem, clique em Cancelar. 3) Exclusão de um bem da lista: Clique sobre o ícone de um X vermelho na coluna Ação da lista. Caso a exclusão seja de um bem isento, a coluna será Opções. O sistema mostrará uma tela com todos os campos já preenchidos para aquele bem, porém eles não estarão ativos para alteração. Lista de bens tributados Lista de bens isentos Para excluir o bem, clique em Excluir. Para desistir da exclusão do bem, clique em Cancelar.

15 IMPORTANTE: Depois de confirmada a declaração não será mais possível alterar ou excluir qualquer informação cadastrada na declaração. Para corrigir qualquer dado da declaração será necessário fazer a Retificação da Declaração, cujo procedimento será detalhado no tópico OUTRAS FUNCIONALIDADES DO SISTEMA ITCMD. 11 PASSO: Preenchimento dos dados dos herdeiros Neste formulário devem ser cadastrados todos os herdeiros (necessários e por testamento). Os herdeiros são pessoas físicas ou jurídicas que receberão os bens e direitos transmitidos pelo falecido e serão os contribuintes do ITCMD. Para abrir este formulário, clique na aba Herdeiros. Neste formulário, os dados a serem preenchidos são: Nome: nome completo do(a) herdeiro(a);

16 CPF: preencha com CPF válido (11 dígitos). CPFs genéricos, tais como: , , ,..., não são permitidos; RG: número da identidade do(a) herdeiro(a); Endereço: no preenchimento do endereço, note que os campos Cidade e Estado não estão ativos para a digitação. Deve-se, então, preencher o campo CEP e clicar em Buscar. Desse modo, os campos Logradouro, Bairro Cidade e Estado serão preenchidos automaticamente. Os campos Número e Complemento devem ser digitados. Percentual Atribuído por Lei: Deve ser informado o percentual dos bens transmitidos que caberá a cada herdeiro, segundo o que determina o Código Civil, e não o estabelecido no plano de partilha, sob pena de o excesso configurar-se doação. Este percentual deve ser cadastrado com 3 casas decimais (exemplo: 33,333), de tal forma que a soma deste campo para todos os herdeiros seja exatamente 100,000%. Em caso de dízima periódica, fazer o arredondamento na terceira casa decimal (exemplo: 33,333; 33,333; 33,334). Telefone: opcional. Nota 1: Caso o sistema não localize o CEP digitado, todos os campos do endereço serão liberados para digitação. Nota 2: Se o inventariante residir no exterior, clicar na opção exterior, liberando, assim, todos os campos para preenchimento. Nota 3: Cabe lembrar que na existência de legatários devendo estes serem cadastrados antes dos herdeiros, o sistema calcula automaticamente esse percentual, de tal forma que os percentuais dos herdeiros e legatários devem totalizar 100,000%. Nota 4: Observe que à medida que os percentuais vão sendo atribuídos aos herdeiros, o sistema calcula automaticamente, no campo Percentual Atribuído por Lei, o percentual máximo restante a ser distribuído entre herdeiros ainda não cadastrados. Exemplo: Vamos supor que haja 8 herdeiros; portanto, caberia a cada um deles o percentual de 12,5%. Se o referido campo indicasse (máximo: 25%), significa que 6 herdeiros já foram cadastrados, sendo distribuído 75% dos bens (6 x 12,5% = 75%), restando, portanto, 25% para distribuir, ou seja, 12,5% para cada um dos 2 herdeiros ainda não cadastrados. Nota 5: O sistema ITCMD somente confirmará a declaração quando o valor deste campo for igual a 0,000%, isto é, a soma dos percentuais cadastrados for exatamente igual a 100,000%. Caso o percentual do próximo herdeiro a ser cadastrado, na soma, ultrapasse 100%, o sistema emitirá a seguinte mensagem: Percentual informado maior que o máximo permitido.

17 Preenchidos todos os dados do formulário, clique em Incluir. A cada herdeiro que for incluído, ele aparece numa lista na parte inferior da tela. A tela seguinte indica que todos os herdeiros foram cadastrados. CONSULTA, ALTERAÇÃO E EXCLUSÃO DE HERDEIROS Semelhantemente ao que ocorre com os bens, é possível acessar os dados dos herdeiros para simples consulta, para promover alteração de dados ou mesmo excluir o herdeiro já cadastrado. Observe que no rodapé da tela há uma lista dos herdeiros já cadastrados. 1) Consulta dos dados de um herdeiro da lista: Clique sobre o nome do herdeiro a ser consultado. O sistema exibirá o formulário com todos os campos preenchidos daquele herdeiro. Observe que esses campos não estão ativos para fazer qualquer alteração. Para voltar à tela de cadastro dos herdeiros, clique no botão Retornar. 2) Alteração dos dados de um herdeiro da lista: Clique sobre o ícone de um lápis na coluna Ação da lista. O sistema exibirá o formulário com todos os campos preenchidos daquele herdeiro, mas agora esses campos estão disponíveis para as alterações necessárias. Para alterar os dados do herdeiro, digite as informações no campo próprio e clique em Alterar. Para sair sem alterar os dados do herdeiro, clique em Cancelar. 3) Exclusão de um herdeiro da lista: Clique sobre o ícone de um X vermelho na coluna Ação da lista. Na tela apresentada, os campos já estão preenchidos, porém não estão ativos para alteração.

18 Para excluir o herdeiro, clique em Excluir. Para desistir da exclusão do herdeiro, clique em Cancelar. 12 PASSO: Preenchimento dos dados dos legatários Legatários são pessoas ou instituições que, por disposição testamentária, receberão objetos individualizados ou certa quantia em dinheiro e serão contribuintes do ITCMD em relação ao legado. Além dos dados cadastrais, deve-se informar o valor dos bens transmitidos que cada legatário receberá. Note que, diferentemente do formulário dos herdeiros em que é informado o percentual transmitido, no formulário do legatário é informado o valor do bem ou direito em reais a ser transmitido. Nota: Na hipótese da existência de legatários, é conveniente preencher o formulário Legatários antes do formulário Herdeiros, pois, conforme explicação mais adiante, o sistema ITCMD calcula automaticamente o percentual transmitido de cada herdeiro, com base no valor informado para o legatário. Neste formulário, os dados a serem preenchidos são: Nome: nome completo do(a) legatário(a); CPF: preencha com CPF válido (11 dígitos). CPFs genéricos, tais como: , , ,..., não são permitidos; RG: número da identidade do(a) legatário(a); Endereço: no preenchimento do endereço, note que os campos Cidade e Estado não estão ativos para a digitação. Deve-se, então, preencher o campo CEP e clicar em Buscar. Desse modo, os campos Logradouro, Bairro Cidade e Estado serão preenchidos automaticamente. Os campos Número e Complemento devem ser digitados; Nota 1: Caso o sistema não localize o CEP digitado, todos os campos do endereço serão liberados para digitação. Nota 2: Se o inventariante residir no exterior, clique na opção exterior, liberando, assim, todos os campos para preenchimento. Valor do Bem ou Direito a ser Transmitido: Devem ser informados os valores dos bens em reais que serão recebidos pelo legatário; Telefone: opcional.

19 Para cadastrar o legatário, cujos dados foram digitados, clique no botão Incluir. Repita os passos anteriores para inserir na declaração os demais legatários, se houver. Nota 3: À medida que um legatário é incluído no cadastro, ele é relacionado numa lista no rodapé da tela; Nota 4: Um legatário pode também ser herdeiro na mesma declaração. É o caso, por exemplo, em que o pai faleceu, deixando um testamento no qual um de seus filhos legítimos receberia como legado um relógio de ouro pertencente ao falecido. Nessa hipótese, esse aquinhoado filho deverá ser relacionado no formulário dos Herdeiros, com uma percentagem de bens e, ainda, no formulário Legados, com o valor em reais correspondente ao relógio; Nota 5: Embora no formulário Legados o valor do bem a ser transferido ao legatário seja informado em reais, o sistema ITCMD transforma automaticamente esse valor em percentagem do total de bens transmitidos na declaração, somando esse percentual às percentagens atribuídas aos herdeiros. Dessa forma, a soma dos percentuais atribuídos por lei aos herdeiros e dos percentuais dos legatários calculados pelo sistema deve totalizar exatamente 100,000%. Exemplo: O total de bens deixados pelo falecido totaliza R$ ,00. Vamos supor que o de cujus deixou viúva-meeira e quatro filhos. Deixou também testamento, legando a um sobrinho um veículo no valor de R$ ,00. Temos, então, a meação no valor de R$ ,00 e a herança a ser transmitida no valor de R$ ,00. O sistema, então, transforma o valor do legado em percentagem do total dos bens transmitidos que, nesse exemplo, corresponde a 10% (10% de R$ ,00 = R$ ,00), restando, assim, 90% do total a ser repartido com quatro herdeiros. Portanto, no formulário Legatários, o valor do bem é R$ ,00 e no formulário Herdeiros, deve ser informado, para cada filho, no campo Percentual Atribuído por lei, o percentual de 22,5%. CONSULTA, ALTERAÇÃO E EXCLUSÃO DE LEGATÁRIOS O procedimento é semelhante ao dos herdeiros visto anteriormente.

20 13 PASSO: Verificação de pendências da declaração Após o preenchimento de todos os formulários da declaração, o usuário deverá clicar na aba Confirmação para verificar possíveis pendências existentes e que estão impedindo que a declaração seja confirmada. O sistema ITCMD analisa as informações contidas nos formulários e, havendo algum dado obrigatório não preenchido, ou se houver dados errados ou inconsistentes, o sistema exibirá todas as pendências. Além de exibir as pendências, o sistema disponibilizará as abas de todos os formulários, devendo o usuário clicar nas abas que contém os campos que apresentaram problemas, preenchendo a informação faltante ou, se for o caso, corrigi-la. Saneadas todas as pendências, o usuário deverá clicar novamente no botão Confirmar. Desse modo, o sistema exibirá um resumo com todos os dados da declaração, parcialmente mostrados na tela abaixo. Nesse momento, o usuário tem mais uma oportunidade para conferir a exatidão dos dados digitados na declaração e, considerando que as informações estão corretas, poderá clicar no botão Confirmar esta Declaração, localizado no rodapé desta página, como mostrado abaixo.

21 Após a confirmação da Declaração de Arrolamento, o sistema exibirá a tela de emissão de documentos. 14 PASSO: Emissão dos documentos pelo sistema ITCMD Clicando nos links Imprimir Declaração, Imprimir Demonstrativo e Imprimir Gare, o sistema emite os seguintes documentos: Declaração de Arrolamento Esse documento contém, entre outras, as informações relativas ao de cujus, inventariante, procurador, herdeiros e bens. Demonstrativo de Cálculos Esse documento contém a base de cálculo, a alíquota, juros, multa e os descontos para cada um dos herdeiros informados na declaração, com valores em Reais. GARE-ITCMD É a guia para recolhimento do imposto na rede bancária. O sistema emite uma GARE-ITCMD por herdeiro, salvo se a declaração somente contiver bens isentos. Nota 1: A Declaração de Arrolamento, datada e assinada pelo inventariante ou procurador, juntamente com o Demonstrativo de Cálculos, a GARE-ITCMD recolhida e a documentação devem ser entregue em um dos locais indicados na legislação. Nota 2: As GAREs-ITCMD somente serão válidas quando emitidas pelo sistema, não sendo aceitas as GAREs adquiridas em papelaria e nem as preenchidas utilizando sistema automatizado.

2 PASSO: Depois de acessados um dos endereços acima, clique em Serviços Eletrônicos.

2 PASSO: Depois de acessados um dos endereços acima, clique em Serviços Eletrônicos. GUIA PARA PREENCHIMENTO DA DECLARAÇÃO DE INVENTÁRIO 1 PASSO: Acesse o sistema ITCMD: 1) Clique no link ITCMD existente no Posto Fiscal Eletrônico, cujo endereço eletrônico é http://pfe.fazenda.sp.gov.br/

Leia mais

2 PASSO: Depois de acessados um dos endereços acima, clique em Serviços Eletrônicos.

2 PASSO: Depois de acessados um dos endereços acima, clique em Serviços Eletrônicos. PREENCHIMENTO DA DECLARAÇÃO TRANSMISSÃO POR ESCRITURA PÚBLICA 1 PASSO: Acesse o sistema ITCMD: 1) Clique no link ITCMD existente no Posto Fiscal Eletrônico, cujo endereço eletrônico é http://pfe.fazenda.sp.gov.br/

Leia mais

MANUAL ITCMD - INVENTÁRIO

MANUAL ITCMD - INVENTÁRIO MANUAL ITCMD - INVENTÁRIO ACESSO AO SISTEMA ITCMD 2 CRIAÇÃO E PREENCHIMENTO DA DECLARAÇÃO 2 1º PASSO: ESCOLHA DO TIPO DE DECLARAÇÃO 2 2º PASSO: AJUDA INICIAL 2 3º PASSO: CADASTRAMENTO DE SENHA 3 4º PASSO:

Leia mais

MANUAL ITCMD - DOAÇÃO

MANUAL ITCMD - DOAÇÃO MANUAL ITCMD - DOAÇÃO ACESSO AO SISTEMA ITCMD 2 CRIAÇÃO E PREENCHIMENTO DA DECLARAÇÃO 2 1º PASSO: ESCOLHA DO TIPO DE DECLARAÇÃO 2 2º PASSO: AJUDA INICIAL 3 3º PASSO: CADASTRAMENTO DE SENHA 3 4º PASSO:

Leia mais

2 PASSO: Depois de acessado um dos endereços acima, clicar em Serviços Eletrônicos.

2 PASSO: Depois de acessado um dos endereços acima, clicar em Serviços Eletrônicos. GUIA PARA PREENCHIMENTO DA DECLARAÇÃO TRANSMISSÃO POR DOAÇÃO 1 PASSO: Acesse o sistema ITCMD: 1) Clique no link ITCMD existente no Posto Fiscal Eletrônico, cujo endereço eletrônico é http://pfe.fazenda.sp.gov.br/

Leia mais

ITCMD para AFR/SP PARTE 2

ITCMD para AFR/SP PARTE 2 "Aprendi que as oportunidades nunca são perdidas; alguém vai aproveitar as que você perdeu. William Shakespeare ITCMD para AFR/SP PARTE 2 D) Das Isenções As isenções estão previstas no art. 6º da Lei 10705/2000

Leia mais

ESTADO DO PIAUÍ SECRETARIA DA FAZENDA

ESTADO DO PIAUÍ SECRETARIA DA FAZENDA ESTADO DO PIAUÍ SECRETARIA DA FAZENDA ITCMD Imposto sobre Transmissão Causa Mortis e Doação de quaisquer Bens ou Direitos MANUAL DO USUÁRIO 2012 O ITCMD tem como fato gerador a transmissão de bens e direitos

Leia mais

Sistema ITCMD Web. Manual de Orientações Gerais

Sistema ITCMD Web. Manual de Orientações Gerais Sistema Versão 1.2 Outubro/2012 1-21 Apresentação Seja bem vindo ao Sistema : uma ferramenta desenvolvida com o objetivo de tornar o processo do Imposto de Transmissão Causa Mortis e Doações ITCMD mais

Leia mais

ITCMD. Perguntas mais frequentes:

ITCMD. Perguntas mais frequentes: ITCMD Perguntas mais frequentes: 1. Quando nasce a obrigação de pagar o ITCMD? O ITCMD é o imposto estadual incidente sobre a transmissão de quaisquer bens ou direitos a título gratuito (ato não oneroso).

Leia mais

MANUAL DO CONTRIBUINTE. Imposto sobre a Transmissão Causa Mortis e Doação SEFAZ - ITCD FEV / 2013 VERSÃO 02

MANUAL DO CONTRIBUINTE. Imposto sobre a Transmissão Causa Mortis e Doação SEFAZ - ITCD FEV / 2013 VERSÃO 02 MANUAL DO CONTRIBUINTE SEFAZ - ITCD Imposto sobre a Transmissão Causa Mortis e Doação FEV / 2013 VERSÃO 02 Sumário ACESSO AO ITCD... 3 CADASTRO DE NOVA GUIA... 5 PREENCHIMENTO DA GUIA... 12 DADOS GERAIS...

Leia mais

ITCD Imposto sobre Transmissão Causa Mortis e Doações

ITCD Imposto sobre Transmissão Causa Mortis e Doações SISTEMA INTEGRADO DE ADMINISTRAÇÃO DA RECEITA Imposto sobre Transmissão Causa Mortis e Doações MANUAL INTERNET FASE II CONTRIBUINTE Versão 1.2 Belo Horizonte, 2011 ÍNDICE Sistema Integrado de Administração

Leia mais

INVENTÁRIO E ARROLAMENTO

INVENTÁRIO E ARROLAMENTO MANUAL DA GIA ITCD-e INVENTÁRIO E ARROLAMENTO Contribuintes Gerência de Informações de Outras Receitas GIOR fevereiro/2014 ÍNDICE 1. CASOS EM QUE NÃO SE DEVE UTILIZAR A GIA ITCD INVENTÁRIO... 1 2. LISTA

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 24, DE 17 DE SETEMBRO DE 2007

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 24, DE 17 DE SETEMBRO DE 2007 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 24, DE 17 DE SETEMBRO DE 2007 Publicada no DOE(Pa) de 19.09.07. Retificação no DOE(Pa) de 25.09.07. Institui a Declaração de Bens e Direitos, relativa ao Imposto sobre Transmissão

Leia mais

Declaração via Internet - SIARE

Declaração via Internet - SIARE Falando com a Fazenda ITCD Como Fazer Declaração via Internet - SIARE EVAINE F. S. PAIVA POÇOS DE CALDAS - 2013 LEANDRO VERÍSSIMO AFBH-1-2014 Atualização: LEONARDO MORAIS AFBH-1-2014 Novembro / 2014 Objetivo

Leia mais

Manual do Usuário. Pré-Cadastro de Participantes. 08.11.2004 Versão 1.1

Manual do Usuário. Pré-Cadastro de Participantes. 08.11.2004 Versão 1.1 Manual do Usuário Pré-Cadastro de Participantes 08.11.2004 Versão 1.1 Índice 1. Introdução ao Pré-Cadastro...3 1.1. Pré-Cadastro de pessoa Física...3 1.1.1. Termo...3 1.1.2. Dados de identificação...4

Leia mais

Guia Crédito Imobiliário Itaú

Guia Crédito Imobiliário Itaú Guia Crédito Imobiliário Itaú Preencha todos os formulários necessários para o financiamento de forma legível e na sua totalidade, utilizando como base as orientações abaixo. Todos os detalhes dos documentos

Leia mais

Herança Extrajudicial

Herança Extrajudicial Estado do Rio de Janeiro Secretaria de Estado de Fazenda Herança Extrajudicial 2016 V. 2.0 2 Sumário 1. ITD-HEP... 5 2. ACESSO AO SISTEMA ITD-HEP... 6 3. CADASTRO DE USUÁRIO EXTERNO... 8 4. INCLUIR DECLARAÇÃO...

Leia mais

N e w s l e t t e r AAPS

N e w s l e t t e r AAPS Caros Associados, A AAPS interessada nos temas que possam ser de utilidade aos associados, tem participado em eventos sobre o assunto em questão. No contexto das atividades desenvolvidas pelo GEPS (Grupo

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO DO PARÁ Secretaria de Informática MANUAL. Sistema de Depósito Judicial

PODER JUDICIÁRIO DO PARÁ Secretaria de Informática MANUAL. Sistema de Depósito Judicial PODER JUDICIÁRIO DO PARÁ Secretaria de Informática MANUAL Sistema de Depósito Judicial Sistema desenvolvido pela Secretária de Informática- TJE/PA Belém/PA Agosto de 2012 SUMÁRIO: 1- Apresentação... 3

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS

GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO DA DECLARAÇÃO Art 1 - Antes da lavratura de escritura pública, nas hipóteses previstas nos artigos 982 e 1.124-A do Código de Processo Civil, na redação dada pela Lei federal

Leia mais

ITBI. Manual do Usuário. ITBI - Transmissão de Bens Imóveis

ITBI. Manual do Usuário. ITBI - Transmissão de Bens Imóveis ITBI Transmissão de Bens Imóveis Manual do Usuário 1 DSF - Desenvolvimento de Sistemas Fiscais Todos os direitos reservados. É permitida a reprodução total ou parcial deste documento sem o pagamento de

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE:

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE: LEI COMPLEMENTAR Nº 21, DE 29 DE DEZEMBRO DE 1988 Institui o Imposto sobre a Transmissão causa mortis e Doação de Bens ou Direitos. O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE: seguinte Lei: FAÇO SABER que o Poder

Leia mais

Declaração de Espólio

Declaração de Espólio SUMÁRIO 1. Considerações Iniciais 2. Conceito de Espólio 3. Declarações de Espólio 3.1. Declaração inicial 3.2. Declarações intermediárias 3.3. Declaração final 4. Declaração de Bens 5. Prazo para Apresentação

Leia mais

ÍNDICE. ISS Online. Guia do Usuário ÍNDICE

ÍNDICE. ISS Online. Guia do Usuário ÍNDICE Guia do Usuário ÍNDICE ÍNDICE Setembro /2009 www.4rsistemas.com.br 15 3262 8444 IDENTIFICAÇÃO E SENHA... 3 Sou localizado no município... 4 Não sou localizado no município... 4 ACESSO AO SISTEMA... 5 Tela

Leia mais

Portal dos Convênios - SICONV. Inclusão e Envio de Proposta. Manual do Usuário

Portal dos Convênios - SICONV. Inclusão e Envio de Proposta. Manual do Usuário MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE LOGÍSTICA E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE LOGÍSTICA E SERVIÇOS GERAIS Portal dos Convênios - SICONV Inclusão e Envio de Proposta Manual

Leia mais

Nota Fiscal de Serviços Eletrônica - NFS-e

Nota Fiscal de Serviços Eletrônica - NFS-e Nota Fiscal de Serviços Eletrônica - NFS-e Acesso ao Sistema Pessoa Física Versão: 1.0 Para baixar a versão mais atualizada deste documento, acesse o link: http://nfse.manaus.am.gov.br 1/8/2007 Página

Leia mais

PLANEJAMENTO PATRIMONIAL, FAMILIAR E SUCESSÓRIO

PLANEJAMENTO PATRIMONIAL, FAMILIAR E SUCESSÓRIO PLANEJAMENTO PATRIMONIAL, FAMILIAR E SUCESSÓRIO CLIENT ALERT DEZEMBRO/2015 GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SANCIONA AS NOVAS REGRAS REFERENTES AO IMPOSTO SOBRE A TRANSMISSÃO CAUSA MORTIS E DOAÇÃO

Leia mais

Nota Fiscal Eletrônica do Tomador de Serviços NFTS

Nota Fiscal Eletrônica do Tomador de Serviços NFTS Nota Fiscal Eletrônica do Tomador de Serviços NFTS Versão 1.0 Nota Salvador NFS-e Versão do Manual: 1.0 pág. 2 Manual do Sistema da Nota Fiscal Eletrônica do Tomador de Serviços NFTS ÍNDICE 1. Acessando

Leia mais

NOVO ITCMD - ITCMD F@CIL

NOVO ITCMD - ITCMD F@CIL ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA Gerência de Sistemas de Informações Tributárias NOVO ITCMD - ITCMD F@CIL Manual de Uso do Sistema Rotinas,

Leia mais

Sistema ITCMD Web. Manual de Orientações. Inventário Judicial

Sistema ITCMD Web. Manual de Orientações. Inventário Judicial Sistema ITCMD Web Dezembro/2010 1-14 Apresentação O presente Manual tem por objetivo descrever, passo-a-passo, o cadastramento de uma declaração de ITCMD relativa à transmissão causa mortis formalizada

Leia mais

HERDEIROS, LEGATÁRIOS E CÔNJUGE

HERDEIROS, LEGATÁRIOS E CÔNJUGE HERDEIROS, LEGATÁRIOS E CÔNJUGE Luiz Alberto Rossi (*) SUMÁRIO DISTINÇÃO ENTRE HERDEIROS E LEGATÁRIOS. SAISINE. CÔNJUGE: HERDEIRO NECESSÁRIO. QUINHÃO DO CÔNJUGE. TIPOS DE CONCORRÊNCIA. BENS PARTICULARES.

Leia mais

NeXT ERP Manual do usuário. Resumo das principais funcionalidades. Dezembro/2009. NeXT Software

NeXT ERP Manual do usuário. Resumo das principais funcionalidades. Dezembro/2009. NeXT Software NeXT ERP Manual do usuário Resumo das principais funcionalidades Dezembro/2009 NeXT Software Página 1 de 33 Índice Iniciando NeXT ERP...3 Tela inicial...3 Interface padrão do NeXT ERP...3 Interface - Cadastro

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO WEB TRIBUTOS SAATRI

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO WEB TRIBUTOS SAATRI MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO WEB TRIBUTOS SAATRI 130325 SUMÁRIO SAATRI (Serviço de Auto Atendimento Tributário)... 3 ECONÔMICO... 4 Acesso ao Sistema... 4 Emissão de Certidão Negativa... 5 Verificar Autenticidade

Leia mais

e-nota MDF-e Manifesto de Documento Fiscal eletrônico

e-nota MDF-e Manifesto de Documento Fiscal eletrônico Página1 e-nota MDF-e Manifesto de Documento Fiscal eletrônico Manual do Usuário Produzido por: Informática Educativa Página2 Índice 1. O que é MDF-e?... 03 2. Safeweb e-nota MDF-e... 04 3. Acesso e-nota

Leia mais

Acesso ao sistema. Os cartórios judiciais e seus respectivos diretores serão previamente cadastrados no sistema.

Acesso ao sistema. Os cartórios judiciais e seus respectivos diretores serão previamente cadastrados no sistema. PENHORA ONLINE Acesso ao sistema Diretores de Cartórios Os cartórios judiciais e seus respectivos diretores serão previamente cadastrados no sistema. Os diretores serão os administradores do sistema e

Leia mais

APLICAÇÕES WEB GUIA DO USUÁRIO

APLICAÇÕES WEB GUIA DO USUÁRIO Parte:...................................... Gabarito Assunto:............................ Atualização: Original........................ Página: 1 SIA 7.5 - Sistema Integrado de Arrecadação APLICAÇÕES

Leia mais

RETA FINAL MODULAR PARA O CONCURSO DO ICMS - SP Disciplina: Legislação Tributária Prof.: Vilson Cortez Data: 12/02/2009 Aula: 11 2ª Parte

RETA FINAL MODULAR PARA O CONCURSO DO ICMS - SP Disciplina: Legislação Tributária Prof.: Vilson Cortez Data: 12/02/2009 Aula: 11 2ª Parte MATERIAL DE APOIO - PROFESSOR LEI Nº 10.705 de 28 DE DEZEMBRO DE 2000 (DOE 29 de Dezembro de 2000) Dispõe sobre a instituição do Imposto sobre Transmissão "Causa Mortis" e Doação de Quaisquer Bens ou Direitos

Leia mais

Tutorial contas a pagar

Tutorial contas a pagar Tutorial contas a pagar Conteúdo 1. Cadastro de contas contábeis... 2 2. Cadastro de conta corrente... 4 3. Cadastro de fornecedores... 5 4. Efetuar lançamento de Contas à pagar... 6 5. Pesquisar Lançamento...

Leia mais

Módulo Consulta de Contribuinte Internet

Módulo Consulta de Contribuinte Internet SISTEMA INTEGRADO DE ADMINISTRAÇÃO DA RECEITA Módulo Consulta de Contribuinte Internet ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO GERAL... 3 2 INTRODUÇÃO AO MÓDULO CONSULTA DE CONTRIBUINTE... 3 2.1 SEGURANÇA... 3 2.2 BOTÕES...

Leia mais

VIA FÁCIL - BOMBEIROS

VIA FÁCIL - BOMBEIROS SECRETARIA DO ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO CORPO DE BOMBEIROS VIA FÁCIL - BOMBEIROS MANUAL DO USUÁRIO Versão V1.0 1 Índice A INTRODUÇÃO 4 B USUÁRIO NÃO

Leia mais

Inclusão e Envio de Propostas

Inclusão e Envio de Propostas MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE LOGÍSTICA E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE GESTÃO ESTRATÉGICA DA INFORMAÇÃO Portal dos Convênios - SICONV Abertura Automática de contas

Leia mais

IV - Bens e direitos que devem ser declarados

IV - Bens e direitos que devem ser declarados IV - Bens e direitos que devem ser declarados Regra geral, devem ser relacionados nessa ficha da Declaração a totalidade dos bens e direitos que, no Brasil ou no exterior, constituam, em 31 de dezembro

Leia mais

Projeto Manual utilização Protocolo Online

Projeto Manual utilização Protocolo Online Projeto Manual utilização Protocolo Online Site- CREA-ES Protocolo Online Página 1 Sumário Introdução... 3 Cadastrar Usuário não registrado no CREA-ES (Pessoa Jurídica / Pessoa Física)... 4 Recuperar senha

Leia mais

Módulo Consulta de Contribuinte Internet

Módulo Consulta de Contribuinte Internet SISTEMA INTEGRADO DE ADMINISTRAÇÃO DA RECEITA Módulo Consulta de Contribuinte Internet ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO GERAL... 3 2 INTRODUÇÃO AO MÓDULO CONSULTA DE CONTRIBUINTE... 3 2.1 SEGURANÇA... 3 2.2 BOTÕES...

Leia mais

Portal dos Convênios - Siconv. Execução - Licitação, Contrato, Documento de Liquidação, Pagamento, Ingresso de Recursos e Relatórios

Portal dos Convênios - Siconv. Execução - Licitação, Contrato, Documento de Liquidação, Pagamento, Ingresso de Recursos e Relatórios MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE LOGÍSTICA E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE LOGÍSTICA E SERVIÇOS GERAIS Portal dos Convênios - Siconv Execução - Licitação, Contrato,

Leia mais

http://www.receita.fazenda.gov.br/pessoafisica/irpf/2008/perguntas/espolio.htm

http://www.receita.fazenda.gov.br/pessoafisica/irpf/2008/perguntas/espolio.htm Page 1 of 9 Espólio - Contribuinte Falecido CONCEITO 085 O que é espólio? Espólio é o conjunto de bens, direitos e obrigações da pessoa falecida. É contribuinte distinto do meeiro, herdeiros e legatários.

Leia mais

As vantagens de partilhar seus bens em vida

As vantagens de partilhar seus bens em vida As vantagens de partilhar seus bens em vida Antecipar a herança por meio de doações pode sair mais em conta e protege a família de preocupações Planejar a partilha da herança poupa a família de gastos

Leia mais

Manual de orientação Versão II APRESENTAÇÃO

Manual de orientação Versão II APRESENTAÇÃO Documento de Utilização de Benefício Fiscal APRESENTAÇÃO Prezado Contribuinte, Instituído pela Resolução SEFAZ nº 180 de 05 de dezembro de 2008, o DUB-ICMS (Documento de Utilização de Benefício) é uma

Leia mais

IR/ PESSOAS FÍSICAS GANHO DE CAPITAL NA ALIENAÇÃO DE BENS OU DIRIEITOS

IR/ PESSOAS FÍSICAS GANHO DE CAPITAL NA ALIENAÇÃO DE BENS OU DIRIEITOS IR/ PESSOAS FÍSICAS GANHO DE CAPITAL NA ALIENAÇÃO DE BENS OU DIRIEITOS Nesta edição, a Asscontas traz esclarecimentos acerca do cálculo e da incidência do Imposto de Renda sobre o ganho de capital auferido

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO VIA FÁCIL BOMBEIROS SECRETARIA DO ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO

MANUAL DO USUÁRIO VIA FÁCIL BOMBEIROS SECRETARIA DO ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DO ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO CORPO DE BOMBEIROS Serviço de Segurança contra Incêndio MANUAL DO USUÁRIO versão atualizada em novembro de

Leia mais

Portal dos Convênios - SICONV. Inclusão e Envio de Proposta. Manual do Usuário

Portal dos Convênios - SICONV. Inclusão e Envio de Proposta. Manual do Usuário MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE LOGÍSTICA E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE LOGÍSTICA E SERVIÇOS GERAIS Portal dos Convênios - SICONV Inclusão e Envio de Proposta Manual

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DO NATAL

PREFEITURA MUNICIPAL DO NATAL PREFEITURA MUNICIPAL DO NATAL SECRETARIA MUNICIPAL DE TRIBUTAÇÃO M A N U A L D A NFS-e NOTA FISCAL DE SERVIÇOS ELETRÔNICA NOTA NATALENSE ÍNDICE INFORMAÇÕES GERAIS...4 1. Acesso ao Portal do Sistema...7

Leia mais

Manual de utilização do Relatório de Viagens

Manual de utilização do Relatório de Viagens Manual de utilização do Relatório de Viagens Os Módulos do Sistema de Relatório de Viagens foram criados tendo com base a Regulamentação de Viagem da MGS - Minas Gerais Administração e Serviços S/A (RG/AD/02/10ª).

Leia mais

ATUALIZAÇÃO CADASTRAL DO SERVIDOR MUNICIPAL

ATUALIZAÇÃO CADASTRAL DO SERVIDOR MUNICIPAL ATUALIZAÇÃO CADASTRAL DO SERVIDOR MUNICIPAL ORIENTAÇÕES SOBRE A ATUALIZAÇÃO CADASTRAL DO SERVIDOR MUNICIPAL Apresentação A Prefeitura Municipal de Goiânia realizará a atualização cadastral dos Servidores

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA FAZENDA. Nota Fiscal Paulista. Manual da Entidade Social

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA FAZENDA. Nota Fiscal Paulista. Manual da Entidade Social GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA FAZENDA Nota Fiscal Paulista Manual da Entidade Social V.2 28.07.2009 Índice Analítico 1. Considerações Gerais 3 1.1 Definição 3 1.2

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA DE EMISSÃO DE NOTA FISCAL ELETRÔNICA

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA DE EMISSÃO DE NOTA FISCAL ELETRÔNICA MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA DE EMISSÃO DE NOTA FISCAL ELETRÔNICA Apresentação Este sistema faz parte do Portal NFS Digital e tem o intuito de ser utilizado por emissores de Nota Fiscal de Serviços

Leia mais

Assessoria Técnica de Tecnologia da Informação - ATTI. Projeto de Informatização da. Secretaria Municipal de Saúde do. Município de São Paulo

Assessoria Técnica de Tecnologia da Informação - ATTI. Projeto de Informatização da. Secretaria Municipal de Saúde do. Município de São Paulo Assessoria Técnica de Tecnologia da Informação - ATTI Projeto de Informatização da Secretaria Municipal de Saúde do Município de São Paulo Manual Cartão SUS Manual de Operação Julho/2011 Conteúdo Sumário...

Leia mais

Help de NFSe. 2011 E&L Produções de Software LTDA. Contador

Help de NFSe. 2011 E&L Produções de Software LTDA. Contador Contador 2 1 Credenciamento Se for prestador do município, substituto ou empresas de outros municípios clique na opção credenciar Para acessar a tela de credenciamento do contador, clique na opção Contador

Leia mais

Ambiente de Pagamentos

Ambiente de Pagamentos GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DA FAZENDA COORDENADORIA DA ADMINISTRAÇÃOTRIBUTÁRIA DIRETORIA DE INFORMAÇÕES Ambiente de Pagamentos Manual do Contribuinte Versão 26/09/2011 Índice Analítico 1.

Leia mais

Arquivo Nacional. Manual de Gerenciamento do Banco de Dados

Arquivo Nacional. Manual de Gerenciamento do Banco de Dados 1 MINISTÉRIO DA JUSTIÇA Arquivo Nacional Cadastro Nacional dos Integrantes do Sistema de Gestão de Documentos de Arquivo SIGA Manual de Gerenciamento do Banco de Dados Dá instruções, campo por campo, sobre

Leia mais

SISAUT/FC Sistema de Controle de Transporte Fretado Contínuo de Passageiros

SISAUT/FC Sistema de Controle de Transporte Fretado Contínuo de Passageiros SISAUT/FC Sistema de Controle de Transporte Fretado Contínuo de Passageiros O que é o SISAUT/FC? MANUAL DO USUÁRIO O SISAUT/FC é o sistema por meio do qual são feitos os requerimentos para as autorizações

Leia mais

Como funciona? SUMÁRIO

Como funciona? SUMÁRIO SUMÁRIO 1. Introdução... 2 2. Benefícios e Vantagens... 2 3. Como utilizar?... 2 3.1. Criar Chave / Senha de Usuário... 2 3.2. Recursos da Barra Superior... 2 3.2.1. Opções... 3 3.2.1.1. Mover Para...

Leia mais

MANUAL DE USO FACGTO AUTORIZADOR ONLINE DE ODONTOLOGIA

MANUAL DE USO FACGTO AUTORIZADOR ONLINE DE ODONTOLOGIA MANUAL DE USO FACGTO AUTORIZADOR ONLINE DE ODONTOLOGIA 1 Acessar o endereço www.unafiscosaude.org.br, no menu Credenciados>Prestadores odontológicos>se deseja acessar o Sistema Facgto clique aqui. 1.2

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO SISTEMA EXTRACRED

UTILIZAÇÃO DO SISTEMA EXTRACRED UTILIZAÇÃO DO SISTEMA EXTRACRED Esta parte do sistema como descrito anteriormente neste manual permite que seus agentes tenham acesso á uma área exclusiva para acessar informações pessoais como: Meu Extrato

Leia mais

CARTILHA DO MEDIADOR

CARTILHA DO MEDIADOR CARTILHA DO MEDIADOR SISTEMA PARA ELABORAÇÃO E SOLICITAÇÃO DE REGISTRO DE INSTRUMENTOS COLETIVOS INSTRUÇÕES INICIAIS - INTERNET a) O Sistema Mediador está disponível na Internet, no endereço eletrônico

Leia mais

MANUAL DO CONTRIBUINTE SISTEMA RICORD

MANUAL DO CONTRIBUINTE SISTEMA RICORD MANUAL DO CONTRIBUINTE SISTEMA RICORD Procedimentos do Importador para Reconhecimento de Recolhimentos - Importações por Conta e Ordem Decreto 56.045/10 Versão 14/10/2010 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

Leia mais

CHECKLIST DETALHADO PARA AQUISIÇÃO DE IMÓVEL PESSOA JURÍDICA 1. DOCUMENTOS DE ANÁLISE DE CRÉDITO

CHECKLIST DETALHADO PARA AQUISIÇÃO DE IMÓVEL PESSOA JURÍDICA 1. DOCUMENTOS DE ANÁLISE DE CRÉDITO Após a aprovação do crédito e a avaliação do imóvel, retorne à sua Agência com a relação completa dos documentos descritos nos itens abaixo, para a efetivação de seu financiamento. 1. DOCUMENTOS DE ANÁLISE

Leia mais

e-nota NFS-e Sistema de Geração e Emissão de Nota Fiscal de Serviço eletrônica

e-nota NFS-e Sistema de Geração e Emissão de Nota Fiscal de Serviço eletrônica Página1 e-nota NFS-e Sistema de Geração e Emissão de Nota Fiscal de Serviço eletrônica Manual do Usuário Produzido por: Informática Educativa Página2 Índice 1. O que é Nota Fiscal de Serviço eletrônica

Leia mais

Assim que o usuário entrar nesta ferramenta do sistema a seguinte tela será exibida:

Assim que o usuário entrar nesta ferramenta do sistema a seguinte tela será exibida: O que é o TDMax Web Commerce? O TDMax Web Commerce é uma ferramenta complementar no sistemas de Bilhetagem Eletrônica, tem como principal objetivo proporcionar maior conforto as empresas compradoras de

Leia mais

SCP - Sistema de Controle de Pagamentos de Precatórios

SCP - Sistema de Controle de Pagamentos de Precatórios SCP - Sistema de Controle de Pagamentos de Precatórios Módulo de Captação de dados das Entidades Devedoras Manual do Usuário Versão 1.6 Fevereiro/2011 0 Manual do Usuário Índice 1. Introdução... 2 2. Acesso

Leia mais

Corregedoria-Geral de Justiça. Serviço Notarial e de Registro. Manual do Sistema SISNOR CARTÓRIO

Corregedoria-Geral de Justiça. Serviço Notarial e de Registro. Manual do Sistema SISNOR CARTÓRIO Corregedoria-Geral de Justiça Serviço Notarial e de Registro Manual do Sistema SISNOR CARTÓRIO Atualizado em 29/04/2015 CONTEÚDO APRESENTAÇÃO... 4 CAPÍTULO 1 DOWNLOAD DO SISNOR CARTÓRIO... 5 CAPÍTULO 2

Leia mais

Prefeitura de Araxá - MG

Prefeitura de Araxá - MG ARAXÁ - MG sexta-feira, 10 de setembro de 2015 Manual NFSe - Prestadores e Tomadores de Serviço ÍNDICE Desbloquear PopUps Legislação Cadastrando A Senha Eletrônica Acessando O Sistema De Nfs- E Pela Primeira

Leia mais

Manual Operacional de Adesão ao FIES Técnico Procedimentos da Mantenedora

Manual Operacional de Adesão ao FIES Técnico Procedimentos da Mantenedora Manual Operacional de Adesão ao FIES Técnico Procedimentos da Mantenedora Brasília, março de 2012 Versão 1.0 SUMÁRIO 1. CONFIGURAÇÕES RECOMENDADAS... 3 2. ACESSO AO SISTEMA... 4 3. ADESÃO AO FIES... 5

Leia mais

PEDIDO DE VIABILIDADE. Pedido de Viabilidade. Página 1 / 42

PEDIDO DE VIABILIDADE. Pedido de Viabilidade. Página 1 / 42 Pedido de Viabilidade Página 1 / 42 ÍNDICE Apresentação... 3 Pedido de Viabilidade para Inscrição de Primeiro Estabelecimento... 4 Solicitante e Pessoa Jurídica... 4 Quadro Societário... 8 Nome Empresarial,

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA GOVERNADORIA

GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA GOVERNADORIA 1 LEI Nº 959, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2000. Publicado no DOE 4646-28/12/2000 Institui o Imposto sobre a Transmissão Causa Mortis e Doação de Quaisquer Bens ou Direitos - ITCD. O GOVERNADOR DO ESTADO DE RONDÔNIA:

Leia mais

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE LOGÍSTICA E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE LOGÍSTICA E SERVIÇOS GERAIS

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE LOGÍSTICA E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE LOGÍSTICA E SERVIÇOS GERAIS MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE LOGÍSTICA E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE LOGÍSTICA E SERVIÇOS GERAIS DIVULGAÇÃO DE COMPRAS COTAÇÃO ELETRÔNICA MANUAL DO USUÁRIO

Leia mais

MAPEAMENTO MANUAL DO USUÁRIO

MAPEAMENTO MANUAL DO USUÁRIO 2013 MAPEAMENTO MANUAL DO USUÁRIO Consultoria SI 20/8/2013 Sumário Apresentação...3 Requisitos para Utilização do Sistema...3 Campos Obrigatórios para Cadastro de Equipamentos/ Espaço Físico...3 Processo

Leia mais

OAB 139º - 1ª Fase Regular Modulo II Disciplina: Direito Civil Professor João Aguirre Data: 24/07/2009

OAB 139º - 1ª Fase Regular Modulo II Disciplina: Direito Civil Professor João Aguirre Data: 24/07/2009 TEMAS ABORDADOS EM AULA 9ª Aula: Sucessão SUCESSÃO 1. Tipos 1.1. Sucessão Legítima: surgiu pela lei (legislador deu a lei) 1.2. Sucessão Testamentária: Surgiu o testamento Em regra vale a legítima quando

Leia mais

Passos básicos para utilização de Nota Fiscal Eletrônica (NF-E)

Passos básicos para utilização de Nota Fiscal Eletrônica (NF-E) Conteúdo Solicitação de Autorização...2 Numeração da NF-E...3 Emissão de NF-E...3 Pesquisa de NF-E emitida...5 Cancelamento de NF-E emitida...5 Carta de Correção...6 Envio de Arquivo de RPS...6 Número

Leia mais

Help de NFSe. Credenciamento

Help de NFSe. Credenciamento Prestador 2 1 Help de NFSe Credenciamento Se for prestador do município, substituto ou empresas de outros municípios clique na opção credenciar Para acessar a tela de credenciamento do contador, clique

Leia mais

SUMÁRIO. Capítulo 1 - Recadastramento 3. Capítulo 2 - Tabelas 24

SUMÁRIO. Capítulo 1 - Recadastramento 3. Capítulo 2 - Tabelas 24 1 SUMÁRIO Capítulo 1 - Recadastramento 3 INTRODUÇÃO 3 QUEM DEVE SE RECADASTRAR 3 PRAZO PARA O RECADASTRAMENTO 3 FLUXO 4 EMPRESA/ AUTÔNOMO 4 Orientações para o Recadastramento das EMPRESAS 4 Cadastro de

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO DE FAZENDA

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO DE FAZENDA MANUALDA GIA ITCD-e DOAÇÃO/ OUTROS Contribuintes Gerência de Informações de Outras Receitas GIOR fevereiro/2014 ÍNDICE 1. CASOS EM QUE SE DEVE UTILIZAR A GIA ITCD DOAÇÃO/OUTROS.. 1 2. LISTA DE DOCUMENTOS

Leia mais

PESSOA FÍSICA e PESSOA JURÍDICA

PESSOA FÍSICA e PESSOA JURÍDICA MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE LOGÍSTICA E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE LOGÍSTICA E SERVIÇOS GERAIS SIASGnet - SISTEMA INTEGRADO DE ADMINISTRAÇÃO DE SERVIÇOS GERAIS

Leia mais

Manual de Utilização do Sistema

Manual de Utilização do Sistema Manual de Utilização do Sistema 2015 Nota Control Nota Premiada Índice Parte I Informações Iniciais 1 Sobre o documento Parte II Apresentação 1 Menu Home 2 Menu Cadastro 3 Menu Entrar 4 Menu Sorteio Realizados

Leia mais

Copyright 2004/2014 - VLC

Copyright 2004/2014 - VLC Escrituração Fiscal Manual do Usuário Versão 7.2 Copyright 2004/2014 - VLC As informações contidas neste manual são de propriedade da VLC Soluções Empresariais Ltda., e não poderão ser usadas, reproduzidas

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA DE DIÁRIAS DA MGS. Versão 1.0

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA DE DIÁRIAS DA MGS. Versão 1.0 MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA DE DIÁRIAS DA MGS Versão 1.0 SUMÁRIO 1. Descrição do Local de Acesso... 1 2. Módulo Registrar Diárias... 3 3. Módulo Aprovar Diárias... 11 4. Registrar Prestação de Contas...

Leia mais

NOTA FISCAL DE SERVIÇOS ELETRÔNICA - NFS-e NOTA CARIOCA. Acesso ao Sistema - Pessoa Física

NOTA FISCAL DE SERVIÇOS ELETRÔNICA - NFS-e NOTA CARIOCA. Acesso ao Sistema - Pessoa Física ELETRÔNICA - NFS-e NOTA CARIOCA Acesso ao Sistema - Pessoa Física Página 2 de 48 Índice ÍNDICE... 2 1. CONSIDERAÇÕES GERAIS... 4 1.1. DEFINIÇÃO... 4 2. REGRAS PARA CADASTRAMENTO... 5 3. SENHA WEB... 6

Leia mais

Visão Cliente da Empresa de Contabilidade. Versão 8.1A-13

Visão Cliente da Empresa de Contabilidade. Versão 8.1A-13 Visão Cliente da Empresa de Contabilidade Versão 8.1A-13 Saiba que este documento não poderá ser reproduzido, seja por meio eletrônico ou mecânico, sem a permissão expressa por escrito da Domínio Sistemas

Leia mais

Clique aqui para começar. Cartilha do Empregador Doméstico para emissão da GRF Guia de Recolhimento do FGTS

Clique aqui para começar. Cartilha do Empregador Doméstico para emissão da GRF Guia de Recolhimento do FGTS Clique aqui para começar Cartilha do Empregador Doméstico para emissão da GRF Guia de Recolhimento do FGTS Informações adicionais Você poderá navegar livremente na cartilha utilizando os botões localizados

Leia mais

EMISSOR DE NOTA FISCAL GRATUITO GUIA DE USO. 2014 - VALID Certificadora Digital

EMISSOR DE NOTA FISCAL GRATUITO GUIA DE USO. 2014 - VALID Certificadora Digital EMISSOR DE NOTA FISCAL GRATUITO GUIA DE USO 2014 - VALID Certificadora Digital Controle de Versões Autor Descrição Versão Data Lays Almeida Versão Inicial 1.0 06.11.2014 2014 - VALID Certificadora Digital

Leia mais

O QUE É IRPF? Imposto Sobre a Renda Pessoa Física

O QUE É IRPF? Imposto Sobre a Renda Pessoa Física O QUE É IRPF? Imposto Sobre a Renda Pessoa Física O QUE É DAA? É a Declaração de Imposto de Renda Anual Denominada - Declaração de Ajuste Anual ÓRGÃOS REGULADORES Receita Federal do Brasil Procuradoria

Leia mais

DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA COMPROVAÇÃO DE RENDA BOLSA PERMANÊNCIA DO MEC -

DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA COMPROVAÇÃO DE RENDA BOLSA PERMANÊNCIA DO MEC - DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA COMPROVAÇÃO DE RENDA BOLSA PERMANÊNCIA DO MEC - ORIENTAÇÕES: a) Apresentar cópia simples dos documentos de todos os membros do grupo familiar (pessoas que vivem na mesma casa,

Leia mais

Passo a Passo para utilização do Sistema de Registro Integrado REGIN. Contadores

Passo a Passo para utilização do Sistema de Registro Integrado REGIN. Contadores Passo a Passo para utilização do Sistema de Registro Integrado REGIN Contadores Abril / 2011 ÍNDICE Introdução...3 Pedido de Consulta da Viabilidade...4 Acompanhamento do Pedido de Viabilidade...13 Esqueceu

Leia mais

Sistema de Controle de Bolsas e Auxílios - SCBA

Sistema de Controle de Bolsas e Auxílios - SCBA Sistema de Controle de Bolsas e Auxílios - SCBA Manual de Utilização Perfil Beneficiário 1. 2. Objetivo do Manual... 2 Siglas e Abreviações... 2 3. Perfil do Usuário... 2 4. Descrição Geral do Sistema...

Leia mais

imprimir (http://pje.csjt.jus.br/manual/index.php?title=impressao_oficial_de_justiça&printable=yes)

imprimir (http://pje.csjt.jus.br/manual/index.php?title=impressao_oficial_de_justiça&printable=yes) Page 1 of 30 Impressao Oficial de justiça De PJe - Manual imprimir (http://pje.csjt.jus.br/manual/index.php?title=impressao_oficial_de_justiça&printable=yes) Tabela de conteúdo 1 Manual do Oficial de Justiça

Leia mais

ABA: CLIENTE BOTÃO: CADASTRO

ABA: CLIENTE BOTÃO: CADASTRO ABA: CLIENTE BOTÃO: CADASTRO CADASTRO DE CLIENTES Cadastra clientes (física e jurídica) e veículos, inclusive frotas Cadastra representantes dos clientes Cadastro biométrico (digital do dedo) Localiza

Leia mais

Sistema de Protocolo. Manual do Usuário

Sistema de Protocolo. Manual do Usuário Sistema de Protocolo Manual do Usuário Atualizado em 05/06/2010 2 Apresentação Módulo Protocolo Está disponível de forma integrada com todos os órgãos para registrar e acompanhar, de modo atualizado e

Leia mais

Cadastros. Versão 2.0. Manual destinado à implantadores, técnicos do suporte e usuários finais

Cadastros. Versão 2.0. Manual destinado à implantadores, técnicos do suporte e usuários finais Cadastros Versão 2.0 Manual destinado à implantadores, técnicos do suporte e usuários finais Sumário Cadastro de Grupos de Usuário... 3 Cadastro de Usuários... 4 Cadastro de Clientes... 7 Cadastro de Empresas...

Leia mais