CONTROLE E RASTREABILIDADE DE SELOS DISTRIBUÍDOS E UTILIZADOS EM MEDIDORES Tema 1.2: Perdas Não Técnicas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CONTROLE E RASTREABILIDADE DE SELOS DISTRIBUÍDOS E UTILIZADOS EM MEDIDORES Tema 1.2: Perdas Não Técnicas"

Transcrição

1 COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL COMITÊ NACIONAL BRASILEIRO V CIERTEC - SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE GESTÃO DE PERDAS, EFICIENTIZAÇÃO ENERGÉTICA E PROTEÇÃO DA RECEITA NO SETOR ELÉTRICO Área de Distribuição e Comercialização Identificação do Trabalho: BR-32 Maceió, Brasil, Agosto de 2005 CONTROLE E RASTREABILIDADE DE SELOS DISTRIBUÍDOS E UTILIZADOS EM MEDIDORES Tema 1.2: Perdas Não Técnicas Autor/es: ADELINO LEANDRO HENRIQUES Empresa ou Entidade: CEMIG DISTRIBUIÇÃO S.A. PALAVRAS-CHAVE: Controle de selos/lacres, rastreabilidade de selos/lacres, fraude na medição de energia, selos/lacres, selos/lacres para medidores, sistema para controle de selos/lacres DADOS DO AUTOR RESPONSÁVEL Nome: Adelino Leandro Henriques Cargo: Engenheiro de Operação Endereço: Rua Osório de Morais, 281, Contagem, MG, Brasil, CEP Telefone: Fax: +( RESUMO Este trabalho tem o objetivo de apresentar a alternativa desenvolvida pela Cemig Distribuição para prover adequada rastreabilidade dos selos adquiridos e distribuídos entre os empregados da Empresa e de suas contratadas bem como daqueles utilizados para lacrar a tampa dos medidores. Considerando o crescimento das perdas comerciais advindas de irregularidades na medição de energia nos últimos anos e reconhecendo que a deficiência no controle de selos é uma grande ameaça neste sentido, a Cemig Distribuição decidiu pelo desenvolvimento e implantação de um sistema corporativo, que provesse total rastreabilidade dos selos utilizados. Levando em conta ainda a disseminação da fraude direta nos medidores, muitas vezes lacrados com selos não padronizados, foi desenvolvido um módulo específico para receber os dados de todos os medidores disponibilizados para instalação em campo (novos, recuperados ou triados). Destes são armazenados o código de identificação, os dados dos selos neles instalados, a data e os resultados da calibração realizada. Tais informações podem ser usadas pelas equipes de inspeção, de laboratórios e de relacionamento comercial, especialmente nos casos que envolvem fraude, reclamação ou pedido de aferição/calibração do medidor. Com este sistema, a Cemig passou a dispor de informações confiáveis sobre toda a movimentação de selos, inclusive daqueles instalados nos medidores. 1

2 Introdução As distribuidoras brasileiras sempre conviveram com as perdas comerciais advindas de irregularidades: fraudes na medição, desvios antes dela e ligações clandestinas. Nos últimos anos, contudo, especialmente após o programa de racionamento adotado em 2001, as fraudes aumentaram significativamente, motivadas por vários fatores e impulsionadas por tantos outros. Dentre eles, destaca-se a ausência ou deficiência do controle de selos utilizados para lacrar equipamentos de medição e componentes da entrada de energia das unidades consumidoras. Tal deficiência torna as concessionárias vulneráveis à ação de pessoas de má-fé, que podem agir no desvio de selos para fraudadores e/ou mesmo para uso próprio na execução de fraudes quase perfeitas. Isto é ainda mais crítico nas empresas que dispõem de vários almoxarifados, equipes próprias e terceirizadas intervindo nas medições. Convivendo com estas características e, ainda, com a atuação de várias empreiteiras em sua área de concessão, a Cemig Distribuição sentiu a necessidade de evolução. Utilizando-se apenas das ferramentas convencionais, que são os softwares fornecidos pelos fabricantes de selos, não foi possível estabelecer e manter adequado controle dos selos adquiridos e distribuídos entre os empregados da Empresa e de suas contratadas. Decidiu-se, então, pelo desenvolvimento e implantação de um sistema corporativo, que provesse total rastreabilidade dos selos utilizados na empresa e daqueles fornecidos e aplicados nos medidores de energia. Tal sistema foi denominado Medidores e Selos Disponibilizados (MSD). artigo desejado por fraudadores, definiu-se o escopo do trabalho. Assim, o sistema foi especificado e desenvolvido para propiciar o acesso dos diversos envolvidos na aquisição (geração de identificação que os selos deverão receber), movimentação de estoque, utilização de selos e consultas diversas. Para tanto, o sistema foi desenvolvido em ASP, com banco de dados MS SQL Server 2000, de forma a propiciar o acesso de usuários de qualquer ponto da área de concessão, através da intranet. Também, para viabilizar o acesso de empreiteiros para recebimento de selos e para registro da distribuição a seus empregados, foi desenvolvido site externo, em ambiente Web, o qual se conecta a base do sistema via componentes (DLLs), garantindo a integridade e confiabilidade dos dados registrados. O sistema foi provido de várias funcionalidades e o acesso a elas é limitado e restrito, controlado através de chave e senha, conforme o cadastro prévio de cada usuário, o qual define a autonomia para consultar, inserir ou alterar informações no banco de dados. Este cadastro somente pode ser feito por usuários previamente cadastrados como administradores do sistema. A Figura 1 apresenta a tela de acesso ao sistema e a Figura 2 mostra a página principal e o menu de opções, sendo que este contém apenas as funções a que o usuário conectado tem permissão para operar. Desenvolvimento Após análise detalhada da necessidade da Empresa, consideradas as vulnerabilidades do sistema de controle até então adotado e que selos tornaram-se Figura 1 Acesso ao sistema MSD 2

3 Nesta parte estão contidas essencialmente todas as entradas de informações acerca da criação de identificação para selos em processo de aquisição pela Cemig Distribuição ou por seus fornecedores de medidores, registro de recebimento de selos entregues à Empresa e transferências internas e/ou para empreiteiras. As Figuras de 4 a 6 apresentam tais funcionalidades. Figura 2 Página principal Através do item Cadastro de Usuários do menu acessa-se as diversas possibilidades de cadastro e configuração de perfis de usuários, conforme apresentado na Figura 3. Figura 4 Autorização para fabricação e fornecimentos Figura 3 Cadastro e definição de perfil de usuário Várias tabelas auxiliares foram implementadas para: - Cadastro de itens de selos padronizados, fabricantes e modelos aprovados; - Cadastro de depósitos e empreiteiras; - Configuração de arquivos e formulário para entrada de dados on line. Pode-se dizer que o sistema é composto de duas macro partes: Controle de Selos e Dados de Medidores. Entretanto, o sistema foi provido de várias consistências, de forma a garantir a qualidade e confiabilidade dos dados registrados. Controle de Selos: Tendo em vista a dificuldade de impedir a contratação de pessoas indesejadas pelas empreiteiras, expurgadas de alguma outra em função de ações incorretas contra a Cemig Distribuição, criou-se nesse sistema um banco de dados de indesejados. Não é possível a qualquer empreiteira cadastrar qualquer pessoa incluída nesta lista, como empregado recebedor e/ou usuário de selos. Figura 5 Tela de recebimento de selos de fabricantes 3

4 Figura 6 Tela de transferência de responsabilidade Dados de Medidores: Este módulo foi desenvolvido para receber os dados de todos os medidores disponibilizados para instalação em campo, sejam novos, recuperados e/ou triados em laboratórios de medição da Empresa. Destes são armazenados o código de identificação, os dados dos selos neles instalados, a data e os resultados da calibração a que foram submetidos. Os dados podem ser introduzidos em grande quantidade, por meio de arquivo.txt com formato padrão, ou individualmente através de formulário on line. Em ambos casos há alguma flexibilidade configurável através de tabelas auxiliares. No caso de medidores já cadastrados no sistema e que passam pelo processo de recuperação e/ou triagem os dados históricos são mantidos e visualizados quando de alguma consulta. Ou seja, os últimos registros não substituem os anteriores. Isto somente pode ser feito através da função própria para alteração de registros, a qual guarda os dados de quem fez, quando e por qual motivo foi feita a alteração. As Figuras 7 e 8 mostram as telas de entrada de dados por meio de arquivo e individualmente, respectivamente. Figura 7 Tela de entrada de dados por meio de arquivo Figura 8 Tela de entrada de dados on line Todas estas informações estão disponíveis aos usuários cadastrados e podem ser usadas pelas equipes de inspeção, de laboratórios e de relacionamento comercial, especialmente nos casos que envolvem irregularidades (fraudes), reclamação ou pedido de aferição/calibração do medidor. Também, vários relatórios são disponibilizados, permitindo aos interessados o acompanhamento da utilização e/ou perda de selos pelos fabricantes de medidores, Gerências e empregados da Empresa, Empreiteiras e seus empregados. 4

5 Conclusões É notório que a deficiência no controle de selos impacta diretamente nas perdas comerciais de uma concessionária, e até de outras, já que o portador de selo transmite confiança ao contratante da fraude, ainda que o selo usado não seja padronizado para aquela aplicação. Com este sistema a Cemig Distribuição passou a dispor de informações confiáveis sobre toda a movimentação de selos, inclusive daqueles instalados nos medidores, inibindo a fraude na medição. É possível saber exatamente com qual selo cada medidor foi disponibilizado e instalado em campo e/ou a quem foi destinado determinado selo, uma vez que eles contêm a assinatura de seus usuários ou responsáveis. Tem-se, assim, um excelente instrumento de apoio na identificação de fraudes, rastreamento de destinatários e/ou uso indevido de selos bem como punição de (ir)responsáveis. Bibliografia [1] Cemig Distribuição, RC/MP-036A (2003), Sistemas de lacração (selos) para medidores, dispositivos em instalações consumidoras de baixa, média e alta tensão e equipamentos de distribuição. [2] Cemig Distribuição, ND-5.9 (2003), Inspeção em instalações consumidoras. [3] Cemig Distribuição, ND-5.20 (2001), Irregularidades em instalações consumidoras. 5

Manual XML Center DESENVOLVENDO SOLUÇÕES. Autora: Laila Maria Doc. Vrs. 01 Revisão: Aprovado em: Outubro de 2015.

Manual XML Center DESENVOLVENDO SOLUÇÕES. Autora: Laila Maria Doc. Vrs. 01 Revisão: Aprovado em: Outubro de 2015. Manual XML Center DESENVOLVENDO SOLUÇÕES Autora: Laila Maria Doc. Vrs. 01 Revisão: Aprovado em: Outubro de 2015. Nota de copyright Copyright 2015 Teorema Informática, Guarapuava. Todos os direitos reservados.

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO/UTILIZAÇÃO DO PEDIDO ELETRÔNICO

MANUAL DE INSTALAÇÃO/UTILIZAÇÃO DO PEDIDO ELETRÔNICO MANUAL DE INSTALAÇÃO/UTILIZAÇÃO DO PEDIDO ELETRÔNICO 1. INSTALAÇÃO: Antes de iniciar a instalação do pedido eletrônico, entre em contato com o suporte da distribuidora e solicite a criação do código de

Leia mais

Válvulas de Controle-"Case"- Copesul. Nelzo Luiz Neto da Silva 1 Jader Weber Brum 2

Válvulas de Controle-Case- Copesul. Nelzo Luiz Neto da Silva 1 Jader Weber Brum 2 Válvulas de Controle-"Case"- Copesul Nelzo Luiz Neto da Silva 1 Jader Weber Brum 2 RESUMO Visando rever conceitos, procedimentos, estratégias e tecnologias voltadas para a manutenção de válvulas, partimos

Leia mais

PROCEDIMENTO DA QUALIDADE

PROCEDIMENTO DA QUALIDADE Pág.: 1 de 5 1. OBJETIVO Este procedimento tem por objetivo definir os critérios aplicáveis para calibração / verificação de equipamentos de medição utilizados na empresa, cujas medições impactam na qualidade

Leia mais

COMUNICADO SIAD - PORTAL DE COMPRAS 13/2011

COMUNICADO SIAD - PORTAL DE COMPRAS 13/2011 SECRETARIA DE ESTADO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO Rodovia Prefeito Américo Gianetti, s/n Edifício Gerais - Bairro Serra Verde CEP: 31630-901 - Belo Horizonte - MG COMUNICADO SIAD - PORTAL DE COMPRAS 13/2011

Leia mais

Versão: 3 Início de Vigência: 01.10.2008 Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº 3.042, de 14 de agosto de 2008

Versão: 3 Início de Vigência: 01.10.2008 Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº 3.042, de 14 de agosto de 2008 Procedimento de Comercialização Versão: 3 Início de Vigência: Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº 3.042, de 14 de agosto de 2008 ÍNDICE 1. APROVAÇÃO... 3 2. HISTÓRICO DE REVISÕES... 3 3. PROCESSO

Leia mais

Segurança na Internet. Disciplina: Informática Prof. Higor Morais

Segurança na Internet. Disciplina: Informática Prof. Higor Morais Segurança na Internet Disciplina: Informática Prof. Higor Morais 1 Agenda Segurança de Computadores Senhas Engenharia Social Vulnerabilidade Códigos Maliciosos Negação de Serviço 2 Segurança de Computadores

Leia mais

Histórico de Revisão. Controle de Distribuição

Histórico de Revisão. Controle de Distribuição Manual Versão 3.1 Histórico de Revisão Data Versão Descrição Autor 05/09/2013 1.0 Criação do documento. Controle de Distribuição Meio Distribuição Localização Eletrônico Disponível para download http://www.crmjustica.com.br/manual_geral.pdf

Leia mais

COMUNICADO SIAD - PORTAL DE COMPRAS 08/2012

COMUNICADO SIAD - PORTAL DE COMPRAS 08/2012 SECRETARIA DE ESTADO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO Rodovia Prefeito Américo Gianetti, s/n Edifício Gerais - Bairro Serra Verde CEP: 31630-901 - Belo Horizonte - MG COMUNICADO SIAD - PORTAL DE COMPRAS 08/2012

Leia mais

SENDI 2004 XVI SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA. Sistema de Controle e Gerenciamento de Medidores SIMEC

SENDI 2004 XVI SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA. Sistema de Controle e Gerenciamento de Medidores SIMEC 61 SENDI 2004 XVI SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Sistema de Controle e Gerenciamento de Medidores L.C.S.Siqueira;A.R.Rosa. COMPANHIA FORÇA E LUZ CATAGUAZES-LEOPOLDINA Palavras-Chave

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA ON LINE DE CONTROLE ACADÊMICO

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA ON LINE DE CONTROLE ACADÊMICO MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA ON LINE DE CONTROLE ACADÊMICO 009 SUMÁRIO ACESSANDO O SISTEMA ON LINE... ACESSANDO SEUS RECADOS... 4. Lendo um Recado Recebido... 5. Excluindo um Recado Recebido... 6. Recuperando

Leia mais

MANUAL SICCL SQL SRTVS 701 Bloco O Ed. MultiEmpresarial Sala 804 Brasília/DF CEP 70340-000 Fone/Fax: (061) 3212-6700 E-mail: implanta@conselhos.com.

MANUAL SICCL SQL SRTVS 701 Bloco O Ed. MultiEmpresarial Sala 804 Brasília/DF CEP 70340-000 Fone/Fax: (061) 3212-6700 E-mail: implanta@conselhos.com. MANUAL SICCL SQL ÍNDICE ACESSANDO O SISTEMA SG - COMPRAS E CONTRATOS... 3 ATENDENDO SOLICITAÇÕES DE ITENS E SERVIÇOS... 5 VERIFICANDO A DISPONIBILIDADE DE RECURSOS... 7 ATENDER SOLICITAÇÕES COM PROCESSO

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade MQ Manual da Qualidade SUMÁRIO... 1 1. APRESENTAÇÃO... 2

Sistema de Gestão da Qualidade MQ Manual da Qualidade SUMÁRIO... 1 1. APRESENTAÇÃO... 2 Revisão:14 Folha:1 de17 SUMÁRIO SUMÁRIO... 1 1. APRESENTAÇÃO... 2 2. RESPONSABILIDADE DA DIREÇÃO... 3 2.1 POLÍTICA DA QUALIDADE... 3 2.2 OBJETIVOS DA QUALIDADE... 4 2.3 ORGANIZAÇÃO DA EMPRESA PARA A QUALIDADE...

Leia mais

Indústria de Cartões de Pagamento (PCI) Padrão de Segurança de Dados

Indústria de Cartões de Pagamento (PCI) Padrão de Segurança de Dados Indústria de Cartões de Pagamento (PCI) Padrão de Segurança de Dados Atestado de Conformidade para Questionário de Autoavaliação C Versão 3.0 Fevereiro de 2014 Seção 1: Informações de Avaliação Instruções

Leia mais

Processos Administrativos de Compras

Processos Administrativos de Compras Processos Administrativos de Compras INTRODUÇÃO A função compras é um segmento essencial do Departamento de Materiais e Suprimentos, que tem pôr finalidade suprir as necessidades de materiais ou serviços

Leia mais

MADIS RODBEL SOLUÇÕES DE PONTO E ACESSO LTDA

MADIS RODBEL SOLUÇÕES DE PONTO E ACESSO LTDA MADIS RODBEL SOLUÇÕES DE PONTO E ACESSO LTDA Manual de operação Relógio MD 5705 Revisão 1.02 Maio de 2010 1 Índice Apresentação... 3 Display de LCD... 3 Leitor de crachás... 3 Leitor biométrico... 3 Teclado...

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 XXX.YY 22 a 25 Novembro de 2009 Recife - PE GRUPO V GRUPO DE ESTUDO DE PROTEÇÃO, MEDIÇÃO, CONTROLE E AUTOMAÇÃO EM SISTEMAS

Leia mais

Sistema de Gerenciamento de Projetos V 1.01 MANUAL DO COORDENADOR

Sistema de Gerenciamento de Projetos V 1.01 MANUAL DO COORDENADOR Roteiro para utilização do GEP Versão de referência: GEP V1.00 Índice analítico I Apresentação... 2 I.1 Controles básicos do sistema;... 2 I.2 Primeiro acesso... 2 I.3 Para trocar a senha:... 3 I.4 Áreas

Leia mais

2015 GVDASA Sistemas Suprimentos 1

2015 GVDASA Sistemas Suprimentos 1 2015 GVDASA Sistemas Suprimentos 1 2015 GVDASA Sistemas Suprimentos 2 AVISO O conteúdo deste documento é de propriedade intelectual exclusiva da GVDASA Sistemas e está sujeito a alterações sem aviso prévio.

Leia mais

Manual. Manifestação Destinatário

Manual. Manifestação Destinatário Manual Manifestação Destinatário Sr.Farmacista Evite fraudes em seu CNPJ 1 Você dono de um estabelecimento sabe que hoje o governo disponibiliza gratuitamente para você um programa onde é possível visualizar

Leia mais

Plano de Segurança da Informação

Plano de Segurança da Informação Faculdade de Tecnologia Plano de Segurança da Informação Alunos: Anderson Mota, André Luiz Misael Bezerra Rodrigo Damasceno. GTI 5 Noturno Governança de tecnologia da informação Prof. Marcelo Faustino

Leia mais

Portaria n.º 65, de 28 de janeiro de 2015.

Portaria n.º 65, de 28 de janeiro de 2015. MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA - INMETRO Portaria n.º 65, de 28 de janeiro de 2015. O PRESIDENTE DO INSTITUTO NACIONAL

Leia mais

XV SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA - SENDI 2002. Logística empregada na execução do Programa Luz no Campo na Bahia

XV SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA - SENDI 2002. Logística empregada na execução do Programa Luz no Campo na Bahia XV SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA - SENDI 2002 Logística empregada na execução do Programa Luz no Campo na Bahia Hugo Machado S. Filho COELBA E-mail: hmachado@coelba.com.br Palavras-chave

Leia mais

*EMPRESA ENERGÉTICA DO MATO GROSSO DO SUL S/A CAMPO GRANDE, MS AV.GURY MARQUES N* 8000 CEP70072-900

*EMPRESA ENERGÉTICA DO MATO GROSSO DO SUL S/A CAMPO GRANDE, MS AV.GURY MARQUES N* 8000 CEP70072-900 SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GMI - 29 16 a 21 Outubro de 2005 Curitiba - Paraná GRUPO XII GRUPO DE ESTUDOS DE ASPECTOS TÉCNICOS E GERENCIAIS DE MANUTENÇÃO EM

Leia mais

PROCEDIMENTO DA QUALIDADE

PROCEDIMENTO DA QUALIDADE Pág.: 1 de 11 1. OBJETIVO Estabelecer critérios para suprimento de materiais e serviços que impactam nos processos relacionados com o Sistema de Gestão da Qualidade, assim como para qualificação e avaliação

Leia mais

paradigma WBC Public - compra direta Guia do Fornecedor paradigma WBC Public v6.0 g1.0

paradigma WBC Public - compra direta Guia do Fornecedor paradigma WBC Public v6.0 g1.0 paradigma WBC Public - compra direta Guia do Fornecedor paradigma WBC Public v6.0 g1.0 agosto de 2007 As informações contidas neste documento, incluíndo quaisquer URLs e outras possíveis referências a

Leia mais

Itens relativos à Regulamentação de Utilização de Máquinas de Franquear por Terceiros.

Itens relativos à Regulamentação de Utilização de Máquinas de Franquear por Terceiros. Itens relativos à Regulamentação de Utilização de Máquinas de Franquear por Terceiros. 1. Apresentação 2. Objetivos do Documento a) Regulamentação da utilização de MFD - Máquina de Franquear Digital e

Leia mais

Diretor Técnico 01/10/2009 Dr. Jose Carlos dos Santos. Diretor Executivo 01/10/2009

Diretor Técnico 01/10/2009 Dr. Jose Carlos dos Santos. Diretor Executivo 01/10/2009 Versão: 2 Pg: 1/5 ELABORADO POR DE ACORDO APROVADO POR NOME FUNÇÃO ASSINATURA DATA Dr. Ivo Gerente da Fernandes Qualidade 01/10/2009 Dr. Renato de Lacerda Diretor Técnico 01/10/2009 Dr. Jose Carlos dos

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO. Órgão/Setor. Brasil

SECRETARIA DE ESTADO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO. Órgão/Setor. Brasil SECRETARIA DE ESTADO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO Rua Bernardo Guimarães, 2731. Tel.: (31) 3290-4600 CEP: 30.180-140 Belo Horizonte Minas Gerais Brasil CGC: 18.715.607 / 0001-13 Inscrição Estadual: Isento

Leia mais

Sistema Normativo Corporativo

Sistema Normativo Corporativo Sistema Normativo Corporativo PROCEDIMENTO VERSÃO Nº ATA Nº APROVAÇÃO DATA DATA DA VIGÊNCIA 08 20/06/2013 28/06/2013 LOGÍSTICA FSL DANIEL DE SOUZA SANTIAGO FSL SUMÁRIO 1. RESUMO... 3 2. HISTÓRICO DAS REVISÕES...

Leia mais

Coletor de Dados de Medição em Média e Alta Tensão Através de Hand Helds

Coletor de Dados de Medição em Média e Alta Tensão Através de Hand Helds XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2008-06 a 10 de outubro Olinda - Pernambuco - Brasil Coletor de Dados de Medição em Média e Alta Tensão Através de Hand Helds C. E. Affonso

Leia mais

Desenvolvimento de Software para Avaliação Técnica-Econômica das Alternativas de Investimento propostas em Projetos de Diagnóstico Energético

Desenvolvimento de Software para Avaliação Técnica-Econômica das Alternativas de Investimento propostas em Projetos de Diagnóstico Energético Desenvolvimento de Software para Avaliação Técnica-Econômica das Alternativas de Investimento propostas em Projetos de Diagnóstico Energético C. Penna, A. P. C. Paraguassu, C. M. Matos ENERSUL; I. S. Escobar

Leia mais

POLÍTICA DE PRIVACIDADE

POLÍTICA DE PRIVACIDADE POLÍTICA DE PRIVACIDADE Veja como protegemos suas informações. 1. DA ABRANGÊNCIA DESTA POLÍTICA DE PRIVACIDADE a. Como a Advisenet usa informações pessoais? Este documento explicita a forma pela qual a

Leia mais

COMUNICADO SIAD 019 /2007 ASSUNTO: Frota Abastecimento no Posto Orgânico Coletivo de Combustível - POC

COMUNICADO SIAD 019 /2007 ASSUNTO: Frota Abastecimento no Posto Orgânico Coletivo de Combustível - POC Órgão/Setor SECRETARIA DE ESTADO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO Rua Bernardo Guimarães, 2731. Tel.: (31) 3290-4600 CEP: 30.180-140 Belo Horizonte Minas Gerais Brasil CGC: 18.715.607 / 0001-13 Inscrição Estadual:

Leia mais

pdc_me_05 Página 1 de 28 Versão: 1 Início de Vigência: 11.03.2008 Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº 934, de 07 de março de 2008.

pdc_me_05 Página 1 de 28 Versão: 1 Início de Vigência: 11.03.2008 Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº 934, de 07 de março de 2008. pdc_me_05 Página 1 de 28 Procedimento de Comercialização Versão: 1 Início de Vigência: Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº 934, de 07 de março de 2008. CÂMARA DE COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

Leia mais

Manual do Sistema de Almoxarifado P á g i n a 2. Manual do Sistema de Almoxarifado Geral. Núcleo de Tecnologia da Informação

Manual do Sistema de Almoxarifado P á g i n a 2. Manual do Sistema de Almoxarifado Geral. Núcleo de Tecnologia da Informação Divisão de Almoxarifado DIAX/CGM/PRAD Manual do Sistema de Almoxarifado Geral Versão On-Line Núcleo de Tecnologia da Informação Universidade Federal de Mato Grosso do Sul Manual do Sistema de Almoxarifado

Leia mais

COMUNICADO TÉCNICO Nº 54 NOVA CAIXA DE MEDIÇÃO FABRICADA EM POLICARBONATO PARA LIGAÇÕES INDIVIDUAIS E COLETIVAS

COMUNICADO TÉCNICO Nº 54 NOVA CAIXA DE MEDIÇÃO FABRICADA EM POLICARBONATO PARA LIGAÇÕES INDIVIDUAIS E COLETIVAS COMUNICADO TÉCNICO Nº 54 NOVA CAIXA DE MEDIÇÃO FABRICADA EM POLICARBONATO PARA LIGAÇÕES INDIVIDUAIS E COLETIVAS Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia da Distribuição 1. OBJETIVO

Leia mais

Guia do Fornecedor. WBC Public Pregão eletrônico

Guia do Fornecedor. WBC Public Pregão eletrônico Guia do Fornecedor WBC Public Pregão eletrônico As informações contidas neste documento, incluindo quaisquer URLs e outras possíveis referências a web sites, estão sujeitas a mudança sem aviso prévio.

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Curso de Tecnologia em Redes de Computadores Disciplina: Tópicos Avançados II 5º período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA 3: Políticas e Declaração de

Leia mais

Área de Distribuição e Comercialização Identificação do Trabalho: BR-13 São Paulo, Brasil, Setembro de 2002.

Área de Distribuição e Comercialização Identificação do Trabalho: BR-13 São Paulo, Brasil, Setembro de 2002. COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL IV CIERTEC SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE AUTOMAÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA E CENTROS DE CONTROLE Área de Distribuição e Comercialização Identificação

Leia mais

SOME - VIP Solução de Medição de Energia em Vias Públicas para Blindagem da Receita

SOME - VIP Solução de Medição de Energia em Vias Públicas para Blindagem da Receita 21 a 25 de Agosto de 2006 Belo Horizonte - MG SOME - VIP Solução de Medição de Energia em Vias Públicas para Blindagem da Receita Ricardo Zimmer NANSEN Instrumentos de Precisão S.A. zimmer@nansen.com.br

Leia mais

Sistema de Informação Geográfica para Planejamento de Eletrificação Rural em Grande Escala

Sistema de Informação Geográfica para Planejamento de Eletrificação Rural em Grande Escala 1/6 Título Sistema de Informação Geográfica para Planejamento de Eletrificação Rural em Nº de Registro (Resumen) 8 Empresa o Entidad CEMIG DISTRIBUIÇÃO S/A CEMIG-D Autores del Trabajo Nombre País e-mail

Leia mais

Manual do Usuário - Cliente Externo

Manual do Usuário - Cliente Externo Versão 3.0 SGCL - Sistema de Gestão de Conteúdo Local SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 4 1.1. Referências... 4 2. COMO ESTÁ ORGANIZADO O MANUAL... 4 3. FUNCIONALIDADES GERAIS DO SISTEMA... 5 3.1. Acessar a Central

Leia mais

Especificação técnica do Video Wall do Tipo I (5m²)

Especificação técnica do Video Wall do Tipo I (5m²) Especificação técnica do Video Wall do Tipo I (5m²) 1. Esta Especificação destina-se a orientar as linhas gerais para o fornecimento de equipamentos. Devido às especificidades de cada central e de cada

Leia mais

XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica. Ampliando a Gestão do Estoque para Operações de Campo

XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica. Ampliando a Gestão do Estoque para Operações de Campo XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2008-06 a 10 de outubro Olinda - Pernambuco - Brasil Ampliando a Gestão do Estoque para Operações de Campo Cleverton do Vale Paulo Roberto

Leia mais

Com Pedido de Compra Sem Pedido de Compra ou Entrada Manual Importando XML enviado do Fornecedor

Com Pedido de Compra Sem Pedido de Compra ou Entrada Manual Importando XML enviado do Fornecedor Movimentos - Entrada de Nota Fiscal Para realizar a entrada de nota fiscal no sistema, verifica-se primeiro as opções, existem vários meios para dar entrada em uma Nota Fiscal: Com Pedido de Compra é quando

Leia mais

Apresentaçã. ção o da RDC nº n 11 de 16 de fevereiro de 2012. Gerência Geral de Laboratórios de Saúde Pública abril de 2013 Curitiba - Paraná

Apresentaçã. ção o da RDC nº n 11 de 16 de fevereiro de 2012. Gerência Geral de Laboratórios de Saúde Pública abril de 2013 Curitiba - Paraná Ministério da Saúde/ Diretoria de Coordenação e Articulação do Sistema Nacional - DSNVS Apresentaçã ção o da RDC nº n 11 de 16 de fevereiro de 2012 Gerência Geral de Laboratórios de Saúde Pública abril

Leia mais

Manual Sistema Débito Web Adsis/Disao Criado em 23/04/2012

Manual Sistema Débito Web Adsis/Disao Criado em 23/04/2012 Criado em 23/04/2012 1 Manual Sistema Débito Web Adsis/Disao A objetivo deste manual é orientar os usuários na utilização do novo sistema Débito, versão Web. Este sistema foi concebido para substituir

Leia mais

Política de Segurança. Aldair Chaves, Alan Messias, Fábio Maia, Naiane Reis, Raul Libório

Política de Segurança. Aldair Chaves, Alan Messias, Fábio Maia, Naiane Reis, Raul Libório Política de Segurança Aldair Chaves, Alan Messias, Fábio Maia, Naiane Reis, Raul Libório Salvador, Novembro de 2007 NECESSIDADE DA IMPLEMENTAÇÃO DE SEGURANÇA NA EMPRESA Gerencia de recursos e funcionários,

Leia mais

Emissão e autorização da NF-e 2. Quais são as validações realizadas pela Secretaria de Fazenda na autorização de uma NF-e?

Emissão e autorização da NF-e 2. Quais são as validações realizadas pela Secretaria de Fazenda na autorização de uma NF-e? O QUE MUDA COM A NF-e 1. Como funciona o modelo operacional da NF-e? De maneira simplificada, a empresa emissora de NF-e, previamente credenciada segundo as normas ditadas pela Secretaria de Fazenda de

Leia mais

Balanço Energético Nacional 2012. Manual do Sistema de Coleta de Dados para o BEN 2012

Balanço Energético Nacional 2012. Manual do Sistema de Coleta de Dados para o BEN 2012 Balanço Energético Nacional 2012 Manual do Sistema de Coleta de Dados para o BEN 2012 Fevereiro de 2012 Apresentação O Balanço Energético Nacional BEN é o documento tradicional do setor energético brasileiro,

Leia mais

Soluções para os NEWS! Centros de Usinagem. Soluções e Equipamentos para Controle Térmico. Tecnologia e Qualidade no Centro de Diagnósticos

Soluções para os NEWS! Centros de Usinagem. Soluções e Equipamentos para Controle Térmico. Tecnologia e Qualidade no Centro de Diagnósticos Soluções e Equipamentos para Controle Térmico Soluções para os Centros de Usinagem Os Centros de Usinagem são equipamentos desenvolvidos para usinagem de peças complexas... Tecnologia e Qualidade no Centro

Leia mais

TERMO E CONDIÇÕES GERAIS DE USO DA PLATAFORMA HELLO FARM

TERMO E CONDIÇÕES GERAIS DE USO DA PLATAFORMA HELLO FARM TERMO E CONDIÇÕES GERAIS DE USO DA PLATAFORMA HELLO FARM J HELLO FARM SERVIÇOS DE TECNOLOGIA LTDA., inscrita no CNPJ/MF sob o nº 23.694.884/0001-27, doravante denominada simplesmente como Hello Farm, adota

Leia mais

Política Gestão de Configuração e Mudança

Política Gestão de Configuração e Mudança Política Gestão de Configuração Histórico de Alteração Data Versão Descrição Autor 20/08/2011 1 Versão Inicial Danilo Costa Versão 1 Pág. 2 de 7 Índice 1. POLÍTICA 4 1.1 Aplicabilidade 4 2. CONCEITUAÇÃO

Leia mais

SISTEMA OPERACIONAL - MAC

SISTEMA OPERACIONAL - MAC Manual do Usuário SISTEMA OPERACIONAL - MAC Copyright GVT 2015 Versão 1.0.0 www.gvtcloud.com.br 1 1 Cloud... 3 1.1 Instalação do Cloud... 4 2 Configurações de preferências... 8 2.1 Geral... 10 2.2 Pastas...

Leia mais

CARTILHA DE PREVENÇÃO À FRAUDE

CARTILHA DE PREVENÇÃO À FRAUDE CARTILHA DE PREVENÇÃO À FRAUDE EMPRESA DO GRUPO 1. INTRODUÇÃO Mundialmente as fraudes ameaçam os governos, as corporações, os negócios e a sociedade, independentemente do grau de desenvolvimento de cada

Leia mais

Pergunte à CPA. Nota Fiscal Eletrônica Modalidades de Contingência

Pergunte à CPA. Nota Fiscal Eletrônica Modalidades de Contingência 30/04/2013 Pergunte à CPA Nota Fiscal Eletrônica Modalidades de Contingência Apresentação: Helen Mattenhauer Oliveira 2 Conceito de Contingência para a NF- e A contingência é apenas de comunicação ou de

Leia mais

Projeto SAT-CF-e Guia de Procedimentos para uso do SGR-SAT por Contribuintes

Projeto SAT-CF-e Guia de Procedimentos para uso do SGR-SAT por Contribuintes 1 Projeto SAT-CF-e Guia de Procedimentos para uso do SGR-SAT por Contribuintes (Versão 1.0.1-B Atualizado em 27/05/2014) Índice 1. Introdução... 01 2. Uso do SGR-SAT... 01 3. Menu de Funcionalidades do

Leia mais

PLASAC POLÍTICA PARA UTILIZAÇÃO DA INTERNET Versão 1.0

PLASAC POLÍTICA PARA UTILIZAÇÃO DA INTERNET Versão 1.0 PLASAC - POLÍTICA PARA UTILIZAÇÃO DA INTERNET PLASAC POLÍTICA PARA UTILIZAÇÃO DA INTERNET Versão 1.0 Tecnologia da Informação. Índice: 1. Introdução 2. Objetivos da política 3. Princípios da política 4.

Leia mais

EMPARI SAT CFE MANUAL DO USUÁRIO

EMPARI SAT CFE MANUAL DO USUÁRIO EMPARI SAT CFE MANUAL DO USUÁRIO Índice SAT Fiscal Sobre o equipamento CF e SAT Equipamentos sugeridos pelo suporte Empari Empari SAT CFe Configuração Inicial Tela principal do Empari SAT CFe Configurar

Leia mais

SEGMENTO DE ATACADO E DISTRIBUIÇÃO_

SEGMENTO DE ATACADO E DISTRIBUIÇÃO_ SEGMENTO DE ATACADO E DISTRIBUIÇÃO_ APRESENTAÇÃO DE SOFTWARE Solução exclusiva GESTÃO INTEGRADA_ Gerenciar os aspectos administrativos e operacionais da cadeia de distribuição e armazenamento com o Open

Leia mais

Políticas de segurança e informações

Políticas de segurança e informações Whitepaper Políticas de segurança e informações VISÃO GERAL Este documento fornece uma visão de alto nível das políticas de segurança da New Relic, além de uma descrição geral dos recursos e das funcionalidades

Leia mais

Desenvolvimento de ferramenta computacional para o controle de equipamentos de acordo com a ISO/IEC 17025.

Desenvolvimento de ferramenta computacional para o controle de equipamentos de acordo com a ISO/IEC 17025. Desenvolvimento de ferramenta computacional para o controle de equipamentos de acordo com a ISO/IEC 17025. Computational development tool for equipament control according to ISO/IEC 17025. Heloisa de Campos

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 109, DE 28 DE OUTUBRO DE 2008.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 109, DE 28 DE OUTUBRO DE 2008. MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR SECRETARIA DE COMÉRCIO E SERVIÇOS DEPARTAMENTO NACIONAL DE REGISTRO DO COMÉRCIO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 109, DE 28 DE OUTUBRO DE 2008. Dispõe

Leia mais

Pronto! Todos os instaladores correspondentes do filtro aplicado no passo 4 serão disponibilizados para download.

Pronto! Todos os instaladores correspondentes do filtro aplicado no passo 4 serão disponibilizados para download. Painel de Chamadas Produto : Corpore RM TOTVS Hospitalar Chamado : R_SAU002\REQ024 Data da publicação : 16/07/15 País(es) : Brasil Banco(s) de Dados : POAD0005/SAUDEJOJI (SQL) POAD0005/HPD (Oracle) Melhoria

Leia mais

Hemovida. Agência Transfusional Visão Geral. Versão do produto: 2.0.7. Edição do documento: 1.0 Fevereiro de 2007 MS DATASUS

Hemovida. Agência Transfusional Visão Geral. Versão do produto: 2.0.7. Edição do documento: 1.0 Fevereiro de 2007 MS DATASUS Hemovida Agência Transfusional Visão Geral Versão do produto: 2.0.7 Edição do documento: 1.0 Fevereiro de 2007 MS DATASUS Hemovida Agência Transfusional Visão Geral Versão do produto: 2.0.7 Edição do documento:

Leia mais

Prof. Paulo Barbosa duvidas@paulobarbosa.com.br

Prof. Paulo Barbosa duvidas@paulobarbosa.com.br Prof. Paulo Barbosa duvidas@paulobarbosa.com.br Esse material pode ser denominado Notas de Aulas. Ele não é autodidático, não o utilize como fonte única de consulta para estudos para préconcurso. Use-o

Leia mais

Gerenciamento do ciclo de vida de um documento Simone de Abreu

Gerenciamento do ciclo de vida de um documento Simone de Abreu Gerenciamento do ciclo de vida de um documento Simone de Abreu É o gerenciamento do ciclo de vida de todos os registros, em todos os tipos de mídia, desde a criação até a destruição ou arquivo permanente.

Leia mais

Palestra. SPED - Escrituração Contábil Digital - ECD - Roteiro. Julho 2012. Elaborado por: Antonio Sérgio de Oliveira

Palestra. SPED - Escrituração Contábil Digital - ECD - Roteiro. Julho 2012. Elaborado por: Antonio Sérgio de Oliveira Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

CURSO: Orientações. MÓDULOS: Orientações/Calendário/Links. Curso 3/3 2009. Contato com o suporte: Nome.: Empresa.: Data.: / / E-mail.

CURSO: Orientações. MÓDULOS: Orientações/Calendário/Links. Curso 3/3 2009. Contato com o suporte: Nome.: Empresa.: Data.: / / E-mail. CURSO: Orientações MÓDULOS: Orientações/Calendário/Links Curso 3/3 2009 Contato com o suporte: Tel.:11-3857-9007 ramal 4 Fax.: 11-3857-9007 ramal 211 Cellular: 11-9333-21 E-mail.: suporte@webcontabil.com.br

Leia mais

TERMO DE USO E POLÍTICA DE PRIVACIDADE

TERMO DE USO E POLÍTICA DE PRIVACIDADE TERMO DE USO E POLÍTICA DE PRIVACIDADE A Organex Serviços de Software LTDA ( Organex ) estabelece nestes Termos de Uso e Política de Privacidade as condições para utilização do site www.organex.com.br

Leia mais

Sistema Corporativo de Tele-Medição de Energia Elétrica. Eng. Eduardo Caldas Cardoso ELO Sistemas e Tecnologia eduardo@elotek.com.

Sistema Corporativo de Tele-Medição de Energia Elétrica. Eng. Eduardo Caldas Cardoso ELO Sistemas e Tecnologia eduardo@elotek.com. 21 a 25 de Agosto de 2006 Belo Horizonte - MG Sistema Corporativo de Tele-Medição de Energia Elétrica Eng. Eduardo Caldas Cardoso ELO Sistemas e Tecnologia eduardo@elotek.com.br RESUMO A tele-medição de

Leia mais

REGRA DE CERTIFICAÇÃO TELECOMUNICAÇÕES

REGRA DE CERTIFICAÇÃO TELECOMUNICAÇÕES Página: 1/08 Elaborado por: Claudio Francisco Verificado por: Karen Martins Aprovado por: Arnaldo Barbulio Filho Data Aprovação: 22/07/13 OBJETIVO Esta Regra de Certificação estabelece os critérios utilizados

Leia mais

COORDENAÇÃO DE EAD MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE 2.6 PERFIL ALUNO. Versão 1.0

COORDENAÇÃO DE EAD MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE 2.6 PERFIL ALUNO. Versão 1.0 COORDENAÇÃO DE EAD MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE 2.6 PERFIL ALUNO Versão 1.0 2015 SUMÁRIO 1. O MOODLE 3 2. Acesso à Plataforma 3 2.1. Cadastrar-se em uma disciplina 4 2.2. Página Inicial do Curso 5 3.

Leia mais

Atos normativos pertinentes: Ofício Circular nº 032/2012 Ofício Circular nº 033/2012

Atos normativos pertinentes: Ofício Circular nº 032/2012 Ofício Circular nº 033/2012 Atos normativos pertinentes: Ofício Circular nº 032/2012 Ofício Circular nº 033/2012 O Portal do Extrajudicial é uma iniciativa inovadora da Corregedoria- Geral da Justiça do Estado de Goiás, lançado em

Leia mais

Transmissor PrestContas. Manual do Usuário MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA GERAL DA REPÚBLICA GABINETE DO PROCURADOR-GERAL

Transmissor PrestContas. Manual do Usuário MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA GERAL DA REPÚBLICA GABINETE DO PROCURADOR-GERAL Transmissor PrestContas Manual do Usuário Versão do documento 1.0 1/14 Sumário 1.Introdução...3 2. Requisitos...3 3. Instalação...3 4. Utilização...4 4.1 Iniciar Aplicativo...4 4.2 Informar configurações

Leia mais

Sistemas de Informações Gerenciais Introdução as redes de comunicação e redes de computadores Prof. MSc Hugo Vieira L. Souza

Sistemas de Informações Gerenciais Introdução as redes de comunicação e redes de computadores Prof. MSc Hugo Vieira L. Souza Sistemas de Informações Gerenciais Introdução as redes de comunicação e redes de computadores Prof. MSc Hugo Vieira L. Souza Este documento está sujeito a copyright. Todos os direitos estão reservados

Leia mais

Manual Operacional do Assessor Jurídico

Manual Operacional do Assessor Jurídico Manual Operacional do Assessor Jurídico SISTEMA INTEGRADO DE ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS E SERVIÇOS - MÓDULO COMPRAS - EMISSÃO DE PARECER JURÍDICO PARA PROCESSOS DE COMPRA COM EDITAL OU DE DISPENSA DE LICITAÇÃO

Leia mais

CONTRATO DE LICENÇA DE USO DE SOFTWARE PARA CENTRAL DE RASTREAMENTO

CONTRATO DE LICENÇA DE USO DE SOFTWARE PARA CENTRAL DE RASTREAMENTO CONTRATO DE LICENÇA DE USO DE SOFTWARE PARA CENTRAL DE RASTREAMENTO Por este instrumento particular e melhor forma de direito, de um lado, Mundo 7 Soluções em Informática Ltda ME, estabelecida em AV ADALBERTO

Leia mais

paradigma WBC Public - pregão eletrônico Guia do Fornecedor paradigma WBC Public v6.0 g1.1

paradigma WBC Public - pregão eletrônico Guia do Fornecedor paradigma WBC Public v6.0 g1.1 paradigma WBC Public - pregão eletrônico Guia do Fornecedor paradigma WBC Public v6.0 g1.1 agosto de 2007 As informações contidas neste documento, incluíndo quaisquer URLs e outras possíveis referências

Leia mais

1.1. Prestação dos seguintes serviços nos âmbitos nacional e internacional:

1.1. Prestação dos seguintes serviços nos âmbitos nacional e internacional: CONTRATO Nº 12/2010 - ANEXO Nº 08 TELEGRAMA VIA INTERNET e CARTA VIA INTERNET 1. Definições 1.1. Prestação dos seguintes serviços nos âmbitos nacional e internacional: a) Telegrama canal de acesso: Internet

Leia mais

PROCEDIMENTO DO CLIENTE

PROCEDIMENTO DO CLIENTE PROCEDIMENTO DO CLIENTE Título: Manual da Loja Virtual. Objetivo: Como anunciar produtos e acompanhar as vendas. Onde: Empresa Quem: Cliente Quando: Início Através deste manual, veremos como anunciar e

Leia mais

MODELO: TERMO DE ABERTURA DE PROJETO

MODELO: TERMO DE ABERTURA DE PROJETO MODELO: TERMO DE ABERTURA DE PROJETO Instituição Executora: GTI Soluções inteligentes Título do Projeto: Sistema de controle de questões e avaliações Cliente: FACULDADE SENAC-DF Termo de Abertura do Projeto

Leia mais

DESENVOLVENDO SOLUÇÕES

DESENVOLVENDO SOLUÇÕES DESENVOLVENDO SOLUÇÕES Autora: Laila M G Gechele Doc. Vrs. 01 Revisores: Aprovado em: setembro de 2013. Nota de copyright Copyright 2013 Teorema Informática, Guarapuava. Todos os direitos reservados. Manual

Leia mais

Blinde seu caminho contra as ameaças digitais. Manual do Produto. Página 1

Blinde seu caminho contra as ameaças digitais. Manual do Produto. Página 1 ] Blinde seu caminho contra as ameaças digitais Manual do Produto Página 1 O Logon Blindado é um produto desenvolvido em conjunto com especialistas em segurança da informação para proteger os clientes

Leia mais

Indústria de Cartões de Pagamento (PCI) Padrão de Segurança de Dados

Indústria de Cartões de Pagamento (PCI) Padrão de Segurança de Dados Indústria de Cartões de Pagamento (PCI) Padrão de Segurança de Dados Atestado de Conformidade para Questionário de Autoavaliação B Versão 3.0 Fevereiro de 2014 Seção 1: Informações de Avaliação Instruções

Leia mais

GESCOMP Sistema de Gestão de Compras, Orçamento, Material e Patrimônio

GESCOMP Sistema de Gestão de Compras, Orçamento, Material e Patrimônio UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ PRÓ-REITORIA DE RECURSOS HUMANOS E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS - PRH DIRETORIA DE RECURSOS HUMANOS - DRH DIVISÃO DE TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO TDE PRÓ-REITORIA DE ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

O Prefeito Constitucional de Picuí/PB, usando de suas atribuições legais,

O Prefeito Constitucional de Picuí/PB, usando de suas atribuições legais, DECRETO Nº 012, de 05 de agosto de 2009. DISPÕE SOBRE O USO DOS SERVIÇOS DE ACESSO À INTERNET AOS ÓRGÃOS E DEPARTAMENTOS QUE INTEGRAM A ADMINISTRAÇÃO MUNICIPAL DE PICUÍ E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O Prefeito

Leia mais

NR.35 TRABALHO EM ALTURA

NR.35 TRABALHO EM ALTURA NR.35 TRABALHO EM ALTURA Objetivo e Campo de Aplicação Esta Norma estabelece os requisitos mínimos e as medidas de proteção para o trabalho em altura, envolvendo o planejamento, a organização e a execução,

Leia mais

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015 SOFTWARE DE CONTROLE DE ARMAMENTO EM QUARTEL MILITAR Kahic Ribeiro de Almeida Rocha 1 ; Montgomery Scofield Ferreira Furletti; Luiz Fernando Ribeiro de Paiva¹ ¹Universidade de Uberaba - UNIUBE, Uberaba

Leia mais

PROCEDIMENTO ESPECÍFICO PARA CERTIFICAÇÃO SELO ECOLÓGICO FALCÃO BAUER

PROCEDIMENTO ESPECÍFICO PARA CERTIFICAÇÃO SELO ECOLÓGICO FALCÃO BAUER 1. Introdução A Certificação do Selo Ecológico Falcão Bauer possui caráter voluntário e visa demonstrar o desempenho ambiental de produtos e serviços através da avaliação do diferencial ecológico apresentado

Leia mais

Indústria de Cartões de Pagamento (PCI) Padrão de Segurança de Dados

Indústria de Cartões de Pagamento (PCI) Padrão de Segurança de Dados Indústria de Cartões de Pagamento (PCI) Padrão de Segurança de Dados Atestado de Conformidade para Questionário de Autoavaliação A Versão 3.0 Fevereiro de 2014 Seção 1: Informações de avaliação Instruções

Leia mais

Metadados. 1. Introdução. 2. O que são Metadados? 3. O Valor dos Metadados

Metadados. 1. Introdução. 2. O que são Metadados? 3. O Valor dos Metadados 1. Introdução O governo é um dos maiores detentores de recursos da informação. Consequentemente, tem sido o responsável por assegurar que tais recursos estejam agregando valor para os cidadãos, as empresas,

Leia mais

Conectar diferentes pesquisas na internet por um menu

Conectar diferentes pesquisas na internet por um menu Conectar diferentes pesquisas na internet por um menu Pré requisitos: Elaboração de questionário Formulário multimídia Publicação na internet Uso de senhas na Web Visualização condicionada ao perfil A

Leia mais

Passo a Passo dos Relatórios de Venda no Sigla Digital

Passo a Passo dos Relatórios de Venda no Sigla Digital Passo a Passo dos Relatórios de Venda no Sigla Digital Relatório de Vendas Página 1 de 7 Este é um dos principais módulos do Sigla Digital. Utilizado para gerar relatórios das vendas realizadas pelo Orçamento

Leia mais

Portaria n.º 47, de 22 de janeiro de 2016.

Portaria n.º 47, de 22 de janeiro de 2016. MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA- INMETRO Portaria n.º 47, de 22 de janeiro de 2016. O PRESIDENTE DO INSTITUTO NACIONAL

Leia mais

4 Desenvolvimento da ferramenta

4 Desenvolvimento da ferramenta direcionados por comportamento 38 4 Desenvolvimento da ferramenta Visando facilitar a tarefa de documentar requisitos funcionais e de gerar testes automáticos em uma única ferramenta para proporcionar

Leia mais

O presente resumo não dispensa a leitura atenta do Parecer anexo.

O presente resumo não dispensa a leitura atenta do Parecer anexo. Recomendações Jurídico-Trabalhistas Interessados: Federação das Associações de Arrozeiros do Estado Rio Grande do Sul Federarroz e Outros Assunto: Resumo Referente Às Obrigações Patronais Trabalhistas

Leia mais

NP-NORMAS E PROCEDIMENTOS EM SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL

NP-NORMAS E PROCEDIMENTOS EM SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL Página 1 de 5 1. OBJETIVO 1.1. Estabelecer procedimentos para controle e uso de EPI - Equipamentos de Proteção Individual 2. CAMPO DE APLICAÇÃO 2.1. Esta NP (Normas e Procedimentos) é aplicável no âmbito

Leia mais

Cartilha do. de TI. - com ênfase na segurança das informações. Assessoria de Segurança da Informação e Governança de TI

Cartilha do. de TI. - com ênfase na segurança das informações. Assessoria de Segurança da Informação e Governança de TI Cartilha do gestor de solução de TI - com ênfase na segurança das informações Assessoria de Segurança da Informação e Governança de TI Apresentação O sucesso da atuação do Tribunal de Contas da União depende

Leia mais